Construir conceitos em geografia: a sala de
aula e o mundo

Disciplina: Geografia
Selecionador: Dra. Sueli Angelo Furlan1
Categoria: Professor

1

Professora Departamento de Geografia ­ FFLCH - USP

Construir conceitos em geografia: a sala de aula e o mundo
"Encarar o ensino de uma geografia das sociedades supõe-se aceitar que estamos
frente a conceitos e problemas do mundo social, os quais sempre mudam, pois são
dinâmicos. Significa captar as regularidades das lógicas sociais, políticas e econômicas
que configuram os territórios. Não se trata então, de um espaço de encenação, onde as
coisas ocupam um lugar onde os fatos ocorrem, pois é um espaço criado e recriado por
diferentes sociedades em cada momento do desenvolvimento histórico da
humanidade" (GUREVICH, 1998: 164 ­ tradução livre)

Vivemos um mundo da aceleração do tempo. Um tempo que imprime no
espaço transformações constantes. Uma vida cada vez mais das conexões por redes,
da virtualidade das relações, das complexas diferenças sociais, da urbanidade, dos
dilemas da escassez de recursos naturais, da busca por utopias de um mundo da
equidade social.

As transformações na organização das sociedades industrialistas

ocorridas nos últimos dois séculos têm estimulado intensos debates entre cientistas
que analisam a capacidade da ciência para compreender esses processos de mudanças
e suas múltiplas causalidades e consequências. É nesse contexto de construção de
leituras complexas que educadores se debruçam sobre suas escolhas temáticas, suas
formas de trabalhar na instituição escolar, as relações entre os campos disciplinares, as
urgências sociais, as temporalidades da escola.
A Geografia, como saber dos povos e da ciência, busca entender e explicar
essas transformações do mundo atual em sua espacialidade e territorialidade,
portanto o saber geográfico escolar tem a peculiaridade de selecionar o que é
fundamental que os estudantes aprendam para sua vida. Os professores de geografia
assumem o desafio de desenvolver uma prática educativa que desperte nos
estudantes o interesse pelo entendimento do mundo vivido.
A expressão mundo vivido é muito apropriada para se referir ao propósito da
Geografia na educação escolar. O mundo que chega às diferentes localidades se
apresenta em fragmentos multiescalares. Pelas diversas mídias os estudantes estão
expostos à contemporaneidade complexa (MORIN, 2000). O que chega aos estudantes
Prêmio Educador Nota 10 2014

2

não são conceitos formalizados da ciência e sim a dinâmica do mundo plural e
multifacetado.
Por isso trabalhar uma Geografia não segmentada e completa implica num
grande repertório de conhecimentos do mundo, analisado de modo particular pela
ciência geográfica, na busca de uma interpretação crítica. Desta abrangência coloca-se
o desafio para os professores: a escolha dos recortes para aprender sobre o mundo
por meio de conceitos e métodos de modo a influir no pensar e propiciar aos
estudantes tornarem-se sujeitos ativos e capazes de transformar o mundo num bem
viver ("bien vivir"- QUIJANO, 2012).
Neste sentido emergem questões amplas: como aprender sobre o vivido de
modo interessante e relevante? Como trabalhar a partir das lentes conceituais da
Geografia que auxiliam o estudante a aprender com entusiasmo e desvelando de
modo cada vez mais complexo o seu cotidiano? Quais habilidades são necessárias para
ler o mundo por meio das linguagens próprias da Geografia? Como ensinar essas
linguagens, tornando os alunos autônomos nessa capacidade de leituras?
A experiência didática dos professores coloca em jogo outro dilema: construir
conceitos ou construir pelos conceitos o entendimento do mundo vivido?
As transformações do mundo acelerado e virtual estão associadas às tecnológicas que
ampliaram as possibilidades de acessar informações produzidas solidariamente por
inúmeros sujeitos que postam incessantemente nas redes informacionais.

Mas

decifrar e pensar sobre esses conteúdos depende de saberes relativos às
intencionalidades

da

informação

disponibilizada.

Depende,

sobretudo,

das

condicionantes da economia, da política, da cultura, das visões de natureza que muitas
vezes estão ocultas nos milhares de páginas de informação, por exemplo, do Google
(para citar apenas um dos veículos que disponibilizam informações).

Essas

informações abundantes demandam reflexões sobre quais conceitos geográficos são
mais potentes para explicar o mundo que é comunicado pelas redes informacionais
(GUREVICH, 1998:159 apud Nascimento, 2012).
A escola é formada por crianças, jovens, adultos que se transformam na
mediação

escolar

em

sujeitos

responsáveis,

transformadores,

criativos,

empreendedores e seguros do seu papel social. O trabalho dos professores de
Prêmio Educador Nota 10 2014

3

geografia se dá no contexto deste desafio informacional e isto é o mais interessante!
Ser professor de Geografia é fascinante, pois somos sujeitos da cultura e da cidadania
encarregados da formação de uma consciência crítica que estimula a inserção dos
estudantes na sociedade como sujeitos ativos numa realidade brasileira dinâmica e
contraditória.
A seleção de conceitos, portanto não deve ser apenas um modo de aprender a
ciência geográfica, mas aprender através do conhecimento geográfico o mundo que
podemos construir.
Conceitos são lentes que sugerem métodos para interpretar a realidade. Assim
se pretendemos que os estudantes percebam sua ligação simbólica e afetiva com o
mundo vivido, pode-se evocar a dimensão do lugar como pertencimento e propor
métodos de análise de narrativas visuais ou textuais aproximativas, como a construção
do mapa afetivo do espaço vivido pela comunidade. O lugar como pertencimento
suscita o trabalho com as representações simbólicas expressas na oralidade, nos
esquemas, e mapas que podem ser coletivizados em sua produção. Se a leitura do
vivido exige que entendamos as dimensões políticas, o território efetivamente usado,
uma perspectiva interessante pode ser descobrir os agentes do território e seus
campos de forças que determinam a organização e produção do espaço. O território
como potencia da ação do Estado também pode ser entendido por métodos de leitura
dos mapas, como os mapas de planos diretores das cidades. Conhecer como são
produzidos os planos que definem a produção e o ordenamento do território pode
abrir uma frente ampla para compreender-se como cidadão.

No território se

expressam o poder político e econômico da organização social, os conflitos e disputas
territoriais.

Para estudar fenômenos da natureza pode se partir de estudos

geoecológicos, onde o mundo se apresenta integrado e sistêmico. A fragmentação dos
estudos da natureza dificulta o entendimento das inter-relações. Por exemplo, ao
invés de estudar isoladamente o ciclo da água, seria interessante associar este ciclo a
questões que envolvem processos da natureza e da sociedade. Um modo de recortar
sem fragmentar pode ser feito por meio de eixos de problematização, tais como: Qual
a relação entre a água, hidroeletricidade e as bacias hidrográficas? Os impactos da
ação humana nas bacias hidrográficas estão gerando escassez de água? Porque e
Prêmio Educador Nota 10 2014

4

como? Os fenômenos naturais e cíclicos do clima podem nos ajudar a entender porque
as chuvas ora são abundantes, ora faltam? Faltando energia como ficarão as atividades
industriais, rurais e comerciais?
Organizar a construção de métodos para construir conceitos a partir do estudo
da espacialidade é fundamental para uma leitura geográfica mais completa. Para isso o
professor precisa também se sentir provocado a buscar criatividade, responsabilidade
e transformação tal qual seus estudantes.

Sequência didática: organizando um caminho articulado
"Conceitos e problemas são ferramentas chave para solidificar um trabalho profundo e fundamentado
em aulas. Conceitos, para fugir dos dados em si, da informação bruta. Problemas, para pensar
contextualizadamente os fatos, para estabelecer relações causais ou intencionais entre eles e para
reconstruir processos, apelando para interpretações múltiplas e contrastantes." (GUREVICH, 1998: 160,
tradução livre)

Uma das formas de organizar a construção de conceitos na perspectiva
apontada pela autora em epígrafe é a organização de atividades sequenciadas e
articuladas por desafios crescentes. A ideia de sequência didática tem por base a
concepção de que a aprendizagem se dá em processo. Esta organização pode ser
utilizada em projetos, em trabalhos de campo, em aulas expositivas dialogadas. As
sequências didáticas evocam uma multiplicidade de situações organizadas pelo
professor com proposito de aprendizagem dos estudantes. É uma forma de
planejamento de aulas para favorecer esse processo de aprendizagem, planejada e
desenvolvida como situações didáticas encadeadas, formando um percurso de
aprendizagem para que o estudante construa conhecimentos ao realizá-las. Associada
a esse planejamento a avaliação tem um papel fundamental, pois de nada adianta uma
boa sequência didática sem perceber se os estudantes acompanham o passo a passo
proposto, se interagem com os saberes em jogo. Assim, as atividades que constituem
uma sequência didática não são escolhidas aleatoriamente. São organizadas com
intuito de colocar em uma situação os saberes, seja do campo cognitivo, das
habilidades, de sociabilidade.

Prêmio Educador Nota 10 2014

5

O professor propõe expectativas de aprendizagem e cria as situações a partir de
hipóteses sobre as necessidades de aprendizagem, de modo que cada atividade
potencialize a outra, permitindo que os estudantes reelaborem conhecimentos,
coloquem em uso e/ou ampliem o que já aprenderam.
O professor cria nesses encadeamentos desafios perante os conteúdos
apresentados, que por sua vez poderão revelar e problematizar a realidade do mundo
vivido pelos estudantes. Busca aprofundamentos no conhecimento socialmente
produzido por meio de uma criteriosa seleção de fontes de pesquisa. Nesta interação a
mediação docente é fundamental, pois é preciso refletir sobre o que já se sabe e o que
ainda não é conhecido.
Em Geografia, as sequências didáticas integram princípios básicos apresentados
nas expectativas de aprendizagem gerais desta área de conhecimento, ou seja:
construção de raciocínios espaciais, flexibilidade na organização dos conteúdos e
interação temática permitindo compreender sociedade e natureza, ensejar o
desenvolvimento de capacidades em cartografia, organizar situações problema, entre
outros.
Neste sentido os conceitos são produtos desta arquitetura da construção de saberes.
No entanto cabe destacar que escolha do trabalho com conceitos como Lugar, a
Paisagem, o Território, o Espaço Geográfico, Redes, Natureza, entre outros, envolve
caminhos múltiplos, pois são lentes diversas que recortam modos distintos de
interpretar os recursos didáticos utilizados. Uma fotografia da Avenida Paulista na
cidade de São Paulo, do Pão de Açúcar no Rio de Janeiro, ou qualquer outra da
realidade visualizada pelo estudante pode ser lida por vários percursos se quisermos
enfocar pertencimento, conflitos territoriais, movimentos sociais, planejamento da
paisagem, herança da paisagem, relevo e riscos ambientais, etc. Portanto, para o
professor os conceitos devem anunciar caminhos ou escolhas metodológicas distintas.
O que não quer dizer que não se possa integrar diferentes caminhos. O tempo didático
para desenvolver as sequências didáticas pode ser organizado por necessidades de
aprendizagem e por uma combinação de diferentes caminhos.

Prêmio Educador Nota 10 2014

6

Necessidade de sentido e significado
Ao organizar uma sequência didática o professor deve considerar os
conhecimentos anteriores dos estudantes. Os saberes propostos devem dialogar com
as informações, conhecimentos, valores, práticas que se quer ensinar. Apesar desta
questão ser um tanto trivial nos dias de hoje ainda encontra-se práticas onde esses
saberes não são efetivamente trabalhados. Não basta conhecer o que os alunos já
sabem. É com estes saberes que os estudantes poderão se aproximar dos novos
conteúdos de modo significativo, portanto numa sequência, devem ser tematizados,
revisitados. Cabe ao professor registrar em sua avaliação esse processo, descrevendo o
que fez para que todos avançassem em suas compreensões.
Neste sentido é preciso que as atividades planejadas favoreçam o
estabelecimento de relações entre o conhecimento novo e o que já é conhecido. Assim
podemos dizer que o desejo e a necessidade devem fazer parte desse planejamento,
uma vez que a aprendizagem, do ponto de vista dos estudantes, tem sentido quando
atende a algo que sentem, percebem e desvelam. Por outro lado, o nível de desafio
deve estar sempre colocado na perspectiva da interação propiciada pelo professor. É
importante que as atividades sejam "acessíveis", permitindo que sejam realizadas
pelos estudantes, para que se sintam capazes, competentes, e desafiadoras a ponto de
desestabilizar o que já conhecem ampliando seu repertório.
O planejamento de sequências didáticas deve considerar aspectos da atuação
dos estudantes nas atividades, assim como a do professor. As sequências devem
conter ações que explicitem o que os estudantes farão para aprender, tais como:
·

Quais tipos de procedimentos utilizarão? Farão leituras? Sínteses? Resumos?

Desenhos, Mapas, Esquemas?
·

Aprenderão alguma prática alternativa àquelas que são prejudiciais ao conjunto

da comunidade? Modificarão hábitos, agirão conforme suas capacidades?
·

Quais capacidades desenvolverão na sequência didática? Quais colocarão em

uso em diferentes momentos? O que cabe à memória? À reflexão? À análise? À ação?
·

Terão algo a decidir? O quê? Ou apenas seguirão as orientações do professor?

Prêmio Educador Nota 10 2014

7

·

Farão análises qualitativas? Refletirão sobre os valores implícitos nas suas

práticas e decisões? Pensarão sobre qual posição gostariam de tomar em relação à
questão em foco? Pensarão sobre o que podem fazer efetivamente a respeito?
Em relação à atuação do professor é fundamental organizar o seu trabalho e sua
prática planejando ações e o tempo didático. Para isso é importante que ao longo da
sequência considere:
·

Que intervenções já prevê que serão necessárias para alcançar a expectativa de

aprendizagem proposta? O que será necessário orientar previamente? O que os
estudantes poderão fazer por conta própria, pois já têm autonomia?
·

Quais momentos demandarão sua maior atenção no desenvolvimento das

atividades? Em que itens os estudantes precisarão de ajuda?

Quais estudantes

precisarão de mais apoio e em quê? Quais estudantes já possuem autonomia nas
etapas propostas? Como será organizada a sala de aula durante o trabalho?

É preciso ainda relembrar que uma sequência não é apenas um conjunto de
atividades isoladas das outras modalidades organizativas. O projeto, o trabalho de
campo, o uso ampliado dos espaços escolares todos podem ser organizados por meio
do planejamento de sequências didáticas.
Em Geografia ainda é comum a organização transmissiva de conceitos
unicamente por meio do discurso do professor. No quadro a seguir veja uma
comparação entre a educação centrada no discurso do professor e a aprendizagem
centrada no estudante.
Educação centrada no professor

Educação centrada no estudante

Professor(a) ensina, os estudantes são

Partilha da informação;

ensinados;

Gera opções de aprendizado criativo e

Professor(a) sabe tudo;

auto-iniciado;

Professor(a) pensa "pelos" estudantes;

Estudantes envolvidos no processo;

Professor(a) é o sujeito do

Ênfase na avaliação holística;

conhecimento e os estudantes são o

Estudantes contribuem para a seleção

objeto.

das experiências de aprendizagem;

Prêmio Educador Nota 10 2014

8

Muitos educadores defendem que os modelos centrados no estudante são
fundamentais para a criação de uma consciência cidadã. Eles oferecem processos
interativos que podem ajudá-los a se sentirem responsáveis por seu aprendizado,
desenvolvendo habilidades necessárias a atuação.

Conclusão
A formação prática e reflexiva do estudante articula-se com o fundamento
conceitual das abordagens geográficas: passar do foco analítico do pensar objetos
isolados para pensar as interações entre os diferentes objetos (CAPRA, 2003). A
construção de conceitos numa abordagem socioconstrutivista exige, portanto, uma
sólida formação de base nos conteúdos dos objetos próprios da Geografia, mas exige
passar desse referencial disciplinar à reflexão sistêmica, ao inter e ao transdisciplinar, à
conexão entre objetos, processos, sujeitos e políticas locais e objetos, processos,
sujeitos e políticas globais. Trata-se, então, de aprofundar o aprender a raciocinar na
espacialidade das diferentes escalas simultaneamente (Porto-Gonçalvez, 2006), de um
ponto de vista crítico e embasado na Geografia - do lugar, da paisagem, do território,
da região, do país, do mundo globalizado (TUAN, 1980; CORNELL, 1996; SANTOS,
1999). As matrizes ou abordagens da Geografia nos permitem visualizar o campo dos
conceitos estruturantes dos métodos (caminhos) e como fundamentar a construção
analítica do mundo vivido. Assim uma Geografia completa é aquela que, a despeito
das lentes que antepomos no olhar, busca a totalidade da interação da sociedade,
historicamente determinada, e os processos da natureza, integrados pelos métodos ou
caminhos escolhidos para interpretar.

Bibliografia
CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimentos.
Campinas: Papirus, 1998.

CARVALHO, José Sérgio Fonseca (Org.). Educação, Cidadania e Direitos Humanos.
Petrópolis - RJ: Editora Vozes, 2004.

Prêmio Educador Nota 10 2014

9

_________________________________. Construtivismo: uma pedagogia esquecida da
escola. 1. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CAPRA, Frijof. "Meio ambiente e educação". In: TRIGUEIRO, André (Coord.). O meio
ambiente no século 21. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

COLL, César (Org.). O construtivismo na sala de aula. São Paulo, Editora Ática, 1996.

CORNELL,

Joseph.

Alegria

de

Aprender

com

a

natureza.

São

Paulo:

Melhoramentos/SENAC, 1997.

GUREVICH, Raquel. Conceptos y problemas em geografia. herramientas básicas para
una propuesta educativa. Em: Aisemberg, B. y S. Alderoqui (comp). Didácticas de las
Ciencias Sociales II. Teorías con prácticas. Buenos Aires: Paidós, 1998.

MORIN, Edgar. O paradigma perdido. Publicações Europa-América, 1991

MORIN, Edgar. Os Sete Saberes necessários à educação do futuro. Cortez, 2000

NASCIMENTO, Lisangela K.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A Globalização da natureza e a natureza da
Globalização. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

PERRENOUD, Philippe. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artes
Médicas Sul, 2000.

___________________. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens. Entre
duas lógicas. São Paulo: Artmed, 1999.

Prêmio Educador Nota 10 2014

10

QUIJANO, Anibal. "Bien vivir": entre el "desarrollo" y la des/colonialidad del poder.
Viento sur (122) Mayo 2012:46-56.

SCHÖN, Donald. Educating the Reflective Practioner. San Francisco: Jossey-Bass, 1990.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da Percepção, Atitudes e Valores do Meio Ambiente.
São Paulo: Difel, 1980.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Prêmio Educador Nota 10 2014

11