PCN

de 5ª a 8ª série

Parâmetros Curriculares Nacionais

Fáceis de entender




É simples ensinar o conceito de espaço
Aprenda a usar melhor os mapas
Conheça a divisão dos eixos de estudo
Geografia

Essa fase dos alunos é marcada por questionamentos; tire proveito disso em suas aulas

A turma está
fervendo

Paisagens que se transformam do dia para a
noite. Revoluções de costumes que alteram a
vida de toda uma população. Disputas de fronteiras que provocam guerras. Países que ontem
existiam hoje já não constam nos mapas. É assim mesmo, em constante mutação, que vivem
os objetos de estudo da Geografia. Tudo o que
foi aprendido uma década atrás pode não ter
mais validade, pode ter virado, enfim, fato histórico. Ferramentas para a aula de amanhã podem estar nas notícias dos jornais de hoje. Para o professor, tão importante quanto dominar
conceitos relativos à disciplina é estar sempre
atualizado. É papel da Geografia tornar o mundo compreensível para os alunos. Não faz sentido apresentar uma descrição estática de fatos
e acontecimentos. Ao contrário, é necessário
mostrar que o mundo é dinâmico e passível de
transformações. Esse deve ser o norte do professor durante suas aulas.

No terceiro e quarto ciclos, os alunos, adolescentes, começam a conquistar
um espaço maior. Eles já
saem mais de casa, têm
contato com pessoas fora da
família e acesso aos meios
de comunicação, como a
TV, o rádio e os jornais. Em
classe, manifestam-se e expõem seus pontos de vista e
os debates tornam-se um modo de defender
princípios e opiniões. O professor pode tirar proveito dessa efervescência juvenil. Valorizando as
experiências dos alunos, ele os fará perceber que
a Geografia faz parte de seu cotidiano. O espaço
em que o adolescente vive deve ser o ponto de
partida dos estudos. Dessa forma, ele compreenderá como os aspectos pessoais, o locais, o regionais e globais guardam relações entre si.

Tarcísio Mattos

Um mundo que
não pára de mudar

J

á pensou em
ter aulas com
professores que estão
a quilômetros e
quilômetros de distância
de você, navegando
pelos oceanos? É isso o
Egberto Nogueira

que está acontecendo
com estudantes de
mais de trinta escolas
brasileiras. Os
"professores" são os
membros da família
brasileira Schürmann,
famosos depois de
trocar a vida em
Florianópolis (capital

A família Schürmann
em alto-mar: refazendo
a viagem do português
Fernão de Magalhães

de Santa Catarina) e
ficar dez anos ­ entre
1984 e 1994 ­ viajando
por mais de quarenta
países num veleiro.
Desde 1997, os
Schürmann estão numa
nova empreitada: eles
refazem a rota do
navegador português
Fernão de Magalhães,
que, a serviço da
Espanha, em 1519,
comandou a primeira
circunavegação do

planeta. Viajando em
direção a oeste, o
navegador comprovou
que a Terra é redonda.
Desta vez, a aventura
é compartilhada com
alunos do Brasil inteiro,
que acompanharão até
o final da viagem, em
outubro do ano 2000, o
dia-a-dia dos viajantes,
via internet. A partir dos
relatos, os professores
montam atividades de
várias matérias, em
especial a Geografia.
A Escola Dinâmica, de

Suzete Sandin

Aula a bordo de um veleiro

Estudo de mapas:
desafio de
tornar o mundo
compreensível

Escola Dinâmica: o
passado e a internet
na sala de aula
Florianópolis, é uma
delas. Ali, os alunos
estudaram os hábitos
dos povos encontrados
pelos Schürmann e os
vários climas e espécies
animais e vegetais
vistos na viagem.

PCN 5ª a 8ª série -

17

18

- PCN 5ª a 8ª série

Dica

Dominar conceitos de espaço, território, paisagem e lugar é imprescindível para a compreensão da Geografia como forma de desvendar a natureza dos lugares e do mundo como habitat do homem. São muitas as opções para estudar esse tópico. Acompanhe alguns assuntos que
dele fazem parte:
a separação do campo e da cidade e as
mudanças nas relações de trabalho;
diferenças entre as técnicas de produção, os
costumes e as paisagens do campo e da cidade;
a onda de imigrantes, que rompem com o
lugar de origem tanto no campo como na cidade;
a violência nas cidades e a segregação
socioeconômica e cultural como fator de
exclusão social;
os países interagindo entre si nos aspectos
políticos, culturais e econômicos;
Use temas atuais nas atividades: o
aumento da violência em centros
urbanos, por exemplo, pode ser visto
mapeando as ocorrências criminais
da cidade para tentar, depois,
estabelecer relações com as
condições de vida local. Pode-se
tentar identificar as diferenças do
total de crimes entre bairros de
classe alta, média e da periferia.

as diferentes formas de moradia, de acordo
com o ambiente natural, como iglus e tendas;
representações da vida cotidiana: coisas e
lugares que unem e separam as pessoas.

A importância
da natureza
Quando o aluno se familiariza com as leis
que regulam o tempo atmosférico, as estações
do ano e os climas, pode compreender suas relações com as diversas paisagens vegetais, os
tipos de solo, a organização das bacias hidrográficas e o regime dos rios. O professor deve
colocar a turma em situação de descoberta, para que ele possa mostrar a importância dos ciclos de vida na Terra. Ao estudar um ecossistema, não se podem perder de vista as formas
de organização social que se estruturam em
seu interior e outras ações humanas. Ou seja, é
necessário sempre que possível unir a Geografia Física à Humana e seus demais aspectos.
Na Amazônia, por exemplo, vivem povos da
floresta e há um grande número de atividades
comerciais na região, para extração de madeira e prática de pecuária, entre outras. Estabelecer e relacionar todos os fatores envolvidos dará aos alunos uma maior compreensão do tema
estudado.

A Terra escondida sob nossos pés

E

nsinar aos alunos
de 5a série
composição das
camadas da Terra
pode ser um exercício
abstrato. Por não serem
vistas, elas são de difícil
compreensão. Como
explicar que o sólido
chão em que pisamos,

Gustavo Lourenção

Pluralidade
Língua
Cultural
Portuguesa

Geografia
Meio
Ambiente

Ciências
Naturais
Saúde

Orientação
Sexual
Ética

Arte

Educação
Física
História

Você pode fazer
isso com giz e
lousa mesmo.
Só é preciso
passar a encarar
de outra forma o
processo de ensino
e os critérios de
avaliação.
Algumas de suas
aulas expositivas
podem ser
substituídas, por
exemplo, por jogos
com a participação
da classe.
Simpáticos aos
alunos por seu
aspecto lúdico,
esses jogos podem
ser simulações
de competições
esportivas, como
um campeonato
de futebol ou
uma corrida de
automóveis.
Seja como for,
os objetivos serão
os mesmos: o
professor propõe
às equipes questões
geográficas que
envolvam, além
do conhecimento
específico da
disciplina, outras
habilidades
operatórias
que caracterizam
a moderna
didática, como
a análise, a
comparação,
a dedução, a
sintetização e
a classificação.

?

Trabalho e
Língua
Matemática
Consumo Estrangeira

Espaço conquistado

Como fugir da
rotina nas aulas
de Geografia?

a crosta terrestre, é
apenas uma
"casquinha" boiando
sobre uma mistura de
ferro e
outros metais derretidos
a temperaturas
altíssimas? Uma
demonstração simples
inventada pelo professor

de Geografia Tarik
Rezende de Azevedo
vai fazer a garotada
entender melhor como
são ordenadas tais
camadas. Com um
grande lençol de chita,
um tecido barato, Tarik
simula um corte da
Terra com 6 metros de
diâmetro. Usando tinta
látex, ele pinta com
cores diferentes as três
principais camadas:
núcleo (140 centímetros
de raio), manto
(158 centímetros) e

O professor Tarik
e seus alunos:
círculos coloridos
ajudam a entender as
camadas terrestres

crosta (entre 0,5 e
3,3 centímetros).
"O que importa é
manter as proporções
entre as camadas",
alerta o professor. Feito
isso, o pano pode ser
esticado na quadra de
esportes, para os
alunos comprovarem
as proporções entre
as estruturas da Terra.
Daí para despertar a
curiosidade por vulcões,
terremotos e poços de
petróleo é um pulo. Em
sala, a turma monta
uma tabela para
conferir as medidas e
inclui a atmosfera e os
oceanos no desenho.
As crianças adoram.
"Anos depois, elas
ainda se lembram da
atividade", diz Tarik.

Avanços premiados

Dispor de recursos visuais é indispensável
para o ensino da Geografia. Desenhos, fotos,
maquetes, jogos, mapas e imagens de satélite
são ferramentas básicas para o professor em
sala de aula. Se antes a cartografia era vista como simples técnica de representação, agora a
história é outra. Hoje o aluno é instigado a ser
um mapeador crítico, consciente do trabalho
que está realizando. O objetivo da alfabetização cartográfica é desenvolver a capacidade de
leitura, para que a partir dela o aluno seja capaz
de extrair dados relevantes daquilo que procura e formular hipóteses reais com as informações de que dispõe no mapa. Conheça a seguir
os principais itens para trabalhar esse tema:
conceitos de escala e suas diferenciações
para análises espaciais;
pontos cardeais, coordenadas geográficas, orientação e medição cartográfica;
uso de mapas nos trajetos cotidianos;
localização e representação em mapas,
maquetes e croquis; em outro nível, as posições
na sala de aula, em casa, no bairro e na cidade;
leitura, criação e organização de legendas;
análise de mapas da cidade, dos Estados,
do Brasil e do mundo;
confecção de croquis cartográficos para
analisar informações e fazer correlação de fatos.

O professor deve ter em mente que os critérios de avaliação precisam respeitar e contemplar as conquistas do aluno nesses dois anos.
Seguem-se, de modo amplo, os parâmetros
para elaborar uma avaliação:
reconhecer conceitos e categorias, tais
como espaço geográfico, território, paisagem e
lugar, e saber identificá-los com a área;
caracterizar paisagens urbanas e rurais;
conhecer a importância dos mapas como
leitura de paisagens e suas várias escalas;
saber diferenciar seu lugar dos diversos
locais que constituem o mundo;

Dica

A força das imagens

Não se restrinja a mapas
convencionais, como aqueles que
mostram a divisão políticoadministrativa do Brasil. Procure usar
diversos tipos de representação
cartográfica, como mapas turísticos,
climáticos, de relevo, de vegetação,
ou as guias da cidade para que
seus alunos se acostumem com a
leitura dessas cartas no cotidiano.

perceber como a comunidade se identifica com os lugares e se apropria deles;
desenvolver postura crítica em relação ao
comportamento da sociedade e à apropriação e
interação das pessoas com os lugares.

Monte o próprio material didático
a sala de trabalho
do professor Mário
De Biasi saem curiosos
inventos para ajudar no
ensino da Geografia no
Ensino Fundamental.
Geógrafo da
Universidade de São
Paulo (USP), De Biasi faz
criações de baixo custo
mas grande utilidade

para explicar, por
exemplo, o deslocamento
das massas de ar, que
ele simboliza por espirais
de papelão. No
Hemisfério Sul, as
massas de ar frio (na
foto, representadas em
azul) seguem o caminho
descendente no sentido
anti-horário. Já as
massas de ar quente
(em vermelho) sobem
no sentido horário. A foto
ilustra o encontro das
duas frentes na Região
Sudeste do Brasil. "Por
não estarem ao alcance
das mãos, esses
conceitos da Geografia
Física exigem mais
abstração e raciocínio
espacial", diz o geógrafo.

Na maquete abaixo,
o sistema Terra-Sol
é reproduzido com
bolinhas de isopor.
O modelo serve para
explicar como ocorrem
as estações do ano e
acaba com a idéia de
que o verão acontece
quando a Terra se
aproxima do Sol. Na
verdade, as estações
variam porque o eixo
de rotação da Terra é
inclinado em relação
ao plano da órbita que
nosso planeta
Fotos Thomas Kremer

D

desenvolve em volta do
Sol. Por esse sistema,
os alunos visualizam o
movimento do planeta e
podem marcar o início
de cada uma das quatro
estações. Mário De
Biasi alerta para o fato
de a Geografia Física
estar "perdendo terreno"
nos últimos anos para
as questões ligadas à
Geografia Humana nos
cursos de formação de
professores. "É preciso
haver equilíbrio entre as
duas áreas", defende.

Gostaria de
relacionar o
construtivismo à
Geografia, mas
estou insegura.
Sua insegurança
é a mesma que todos
nós experimentamos,
já que não
temos manuais
prontos sobre
construtivismo em
geral. Na prática,
o construtivismo é
uma postura do
educador, que age
de acordo com
certos princípios.
O caráter
multidisciplinar da
Geografia ­ com
conteúdos ligados a
Biologia, Química,
Física, História e
outras matérias
­ e um professor
predisposto a
motivar cada aluno
farão dela uma
disciplina-chave
para o trabalho
construtivista.
Por exemplo, como
abordar o tema
Sistema Solar com
estudantes de 5a
série? Um caminho
seria promover uma
ação conjunta com
professores de
Geografia, Ciências
e Matemática, para
que o aluno tenha
um aprendizado
significativo,
relacionando-o
com sua realidade
e não decorando
conceitos.

?
PCN 5ª a 8ª série -

19

?
20

- PCN 5ª a 8ª série

O que os alunos
precisam saber

Chegou o momento de o jovem vivenciar novas experiências, ancoradas em sua visão de
mundo ampliada. No quarto ciclo, os conhecimentos de rua combinam-se com os da família,
da escola, da mídia, das influências culturais e do
grupo social a que o adolescente pertence. A passividade dá lugar à busca de identidade. É a fase
do questionamento, da contestação, do interesse
pelas questões do mundo, da politização dos assuntos. Em classe, é o momento no qual o saber
do professor é posto à prova. Com a gama de interesses que se abre, é possível discutir diversos
temas, como mercado de trabalho, questões ambientais, poder da mídia e modo de vida na sociedade moderna. Evite o discurso puramente
descritivo e pouco argumentativo, que apenas
contribui para afastar os alunos da Geografia.

Confira quais são os principais objetivos do
estudo da Geografia para no quarto ciclo, de
acordo com os parâmetros definidos pelo MEC:
compreender as múltiplas interações entre sociedade e natureza;
avaliar a ação dos homens e suas conseqüências em diferentes espaços e tempos;
saber que melhorias das condições de vida em geral são decorrentes de conflitos e
acordos que seguem ritmo desigual entre os diversos povos do mundo;
fazer a leitura de imagens, dados e documentos de diferentes fontes de informação para
interpretar, analisar e relacionar fatos sobre o
território, os lugares e as diversas paisagens;
utilizar a imagem gráfica (mapas, tabelas
e outros) para obter informações;
perceber que a sociedade e a natureza
possuem leis e princípios próprios e que o espaço resulta das interações entre elas;
valorizar o patrimônio cultural e respeitar
as diferenças de povos e de valores individuais;
desenvolver o espírito de pesquisa para
compreender a natureza e suas paisagens;
criar condições para que o aluno construa
sua idéia de mundo a partir de sua localidade.

Dica

Pluralidade
Língua
Cultural
Portuguesa

Geografia
Meio
Ambiente
Ciências
Naturais
Saúde

Orientação
Sexual
Ética

Arte
Educação
Física
História

O melhor caminho
para ensinar é
ajudar as crianças
a descobrir
sozinhas os
conceitos, e não
apresentá-los
prontos. No caso
das quatro estações,
você pode começar
com questões como:
"Por que quando é
verão aqui, em
dezembro, faz frio e
neva nos Estados
Unidos?" Mostre
no globo onde se
localiza a cidade
em que vivem
(sua latitude e
longitude). Depois
de verificar a
diferença climática
em alguns pontos
da Terra, faça a
turma estudar o
movimento de
translação, no qual
o planeta gira em
torno do Sol, com
o eixo ligeiramente
inclinado em
relação à órbita. A
inclinação do eixo
terrestre é que
produz as estações
do ano. Assim fica
fácil entender como
a latitude influencia
o clima e "divide" a
Terra em zonas,
como tropical,
temperada e polar.

A hora da
independência

Sempre estimule seus alunos a trazer
informações novas para o tema a ser
analisado em classe. Eles podem
pesquisar dados na região onde
moram, buscar referências em material
impresso (livros, revistas e jornais) e em
meios eletrônicos (rádio, TV e, internet).
O material deve ser avaliado pelo
professor antes de ser aproveitado.

Fotos Gustavo Lourenção

Trabalho e
Língua
Matemática
Consumo Estrangeira

Como trabalhar as
quatro estações do
ano se em nossa
região existem
apenas duas:
inverno (chuvoso)
e verão (seco)?

Painel feito em classe: logotipos de
multinacionais ilustram trabalho sobre economia

Da linha de montagem
para a sala de aula

Q

uando souberam
do trabalho que
teriam de fazer, os
alunos de 7a série da
Escola Professor José
Liberatti, em Osasco
(SP), viraram a cara.
Eles iriam que estudar
a Revolução Industrial
e a atuação das

multinacionais no Brasil.
Mas o professor de
Geografia Carlos
Roberto Barbosa logo
mudou o ânimo da
turma. E o que poderia
ser desinteressante
transformou-se numa
atividade que mobilizou
todos os 280 estudantes

e a comunidade local.
Barbosa selecionou o
filme Tempos Modernos,
produzido na década de
30 pelo ator e diretor
Charles Chaplin, para
mostrar a relação entre
industrialização e
desemprego e o
antagonismo entre
capital e trabalho.
Também sugeriu o
estudo da letra da
música Fábrica, da
banda Legião Urbana,
cujos versos remetem à
questão ambiental e à
cidadania. Os alunos
saíram a campo para
entrevistar operários
das indústrias locais e
Rock'n'roll: alunos falam
de industrialização
com letras de música

entender as condições
de vida e de trabalho de
cada um deles. No final,
uma exposição
fotográfica foi montada
para exibir o impacto da
industrialização na
comunidade. "Nós
amadurecemos com
esse trabalho",
reconheceu a estudante
Fernanda Sá Barbosa.

Como escolher
temas de estudo
Os PCN estipulam três grandes eixos
temáticos para o quarto ciclo. O MEC lembra, no
entanto, que essa divisão não é estanque nem
uma seqüência de assuntos a ser obedecida. São
sugestões que o professor pode trabalhar,
utilizando um ou mais eixos ao mesmo tempo.
Veja quais são eles e acompanhe seus conteúdos.
Eixo 1 ­ A evolução das tecnologias e as
novas territorialidades em redes:
a integração de mercados, os meios de
transporte e a comunicação global;
a urbanização no período técnicocientífico, a automação, o desemprego e a nova
divisão internacional do trabalho.
Eixo 2 ­ Um só mundo, muitos cenários
geográficos:
a questão das fronteiras e conflitos
internacionais originados por motivos políticos,
econômicos, religiosos, étnicos;
a formação de blocos econômicos
regionais, a atual ordem mundial, a divisão do
mundo em países ricos e pobres;
a composição do Mercosul e suas
implicações políticas, econômicas, sociais,
culturais, ambientais e históricas;
paisagens e diversidade territorial no

Na vida real
A avaliação do aluno deve levar em conta
seu aprendizado para estudos posteriores, no
Ensino Médio, mas sobretudo para a vida prática. Espera-se que, ao final do quarto ciclo, o
jovem seja capaz de relacionar fatos e buscar
informações além das apostilas e dos livros
didáticos. Quanto aos conteúdos, avalia-se se
ele desenvolveu a compreensão de que o mundo é construído a partir de ações humanas, de
que paisagens guardam espacialidade e temporalidade e diferentes graus de humanização.
Em cartografia, verifica-se o estudante sabe extrair informações da linguagem gráfica.

Tempo bom no estudo do clima

S

com a paisagem e a vida
das pessoas. "Junto com
o relevo, o clima
determina as formas de
vegetação e as
atividades humanas em
geral", destaca o
professor José Roberto
Tarifa, da Universidade
de São Paulo (USP). O
trabalho tem três etapas.

Alunos de
7ª e 8ª séries:
anotações
diárias das
condições do
clima e
pluviômetro
montado na
miniestação
meteorológica
da escola

A primeira é uma revisão
de conceitos, como
pressão e temperatura,
aprendidos nas séries
anteriores. Na segunda
etapa, os alunos iniciam,
com o auxílio dos
instrumentos
meteorológicos, um
levantamento diário de
dados sobre o clima. Em

fichas de observação,
eles anotam as
variações de
temperatura, pressão,
umidade, nebulosidade
e direção do vento.
Por fim, analisam as
informações no decorrer
do ano, estabelecendo
relações e comparações
por meio de tabelas e
gráficos, e preparam um
relatório dos resultados.
Fotos Gustavo Lourenção

ol, chuva, seca e
enchentes. A
previsão do tempo para
as turmas de 7ª e 8ª
séries do Instituto de
Educação São Miguel,
em São Paulo, é coisa
séria. Sob a orientação
da professora de
Geografia Irene
Anfimovas, os alunos
ficam de olho no céu. No
pátio da escola foi
montada uma
miniestação
meteorológica, com
termômetro, barômetro,
pluviômetro e outros
instrumentos de
medição. O objetivo é
fazer com que os
estudantes relacionem
esses conhecimentos

Qual o critério para
a regionalização
do Brasil?

Brasil (conflito campo-cidade, desigualdades
sociais, pluralidade cultural e variedade de
paisagens geográficas).
Eixo 3 ­ Modernização, modos de vida e
problemática ambiental:
problemas socioambientais no passado e
no presente;
garantias para o bem-estar da população
mundial (a questão da fome);
o ambiente urbano e seus desdobramentos
(industrialização, impacto ambiental, qualidade
de vida);
o Brasil diante das questões ambientais
(política ambiental, conservação e preservação).

A regionalização,
definida como
adivisão de um
espaço ou território
em áreas com
características
comuns, pode ser
criada com base
em critérios físicos,
socioeconômicos ou
políticos. No Brasil,
a primeira divisão
foi apresentada em
1938. Elaborada
pelo Instituto
Brasileiro de
Geografia e
Estatística (IBGE),
ela priorizava a
localização em
detrimento das
peculiaridades
físicas, humanas e
econômicas. Em
1941, o IBGE
concebeu uma nova
divisão, com cinco
regiões: Norte,
Nordeste, Leste,
Sul e Centro-Oeste,
levando em conta
sobretudo a
uniformidade dos
elementos da
natureza. Quatro
anos depois, ela foi
revista. Em 1969,
o IBGE estabeleceu
uma nova divisão,
que perdura até
hoje, com apenas
uma modificação:
o Estado do
Tocantins, criado
em 1988, foi
incluído na
Região Norte.

?
PCN 5ª a 8ª série -

21

Trabalhar os
continentes é, na
verdade, discutir
o conceito de
regionalização. Os
alunos precisam
compreender que
as regiões são
criadas pelo homem
e há diversas
maneiras de
regionalizar. Uma
das formas
tradicionais é a
divisão em
continentes. Mas
hoje sabemos que
não é a melhor,
pois minimiza as
diferenças
econômicas e
políticas entre os
países. Os Estados
Unidos, por
exemplo, estão no
continente
americano, porém
têm muito mais
pontos em comum
com a Alemanha
do que com seus
vizinhos latinoamericanos. A
moderna Geografia
se inclina por
estudar o espaço
geográfico por meio
da divisão do
mundo em norte
(países ricos) e sul
(países pobres).
Essa tendência se
fortaleceu nos anos
90, após a crise dos
países socialistas.

?
22

- PCN 5ª a 8ª série

Uma questão
de cidadania

Ponto de união dos
temas transversais

Ter conhecimentos básicos de Geografia é
algo importante não apenas para tirar boas notas
na escola, mas para a vida em sociedade. Ao
identificar as características sociais, culturais e
naturais do lugar onde vive, o cidadão é capaz
de conhecer a si mesmo, fazer comparações,
distinguir similaridades e contrariedades, buscar
explicações e compreender as múltiplas relações
que diferentes sociedades em épocas variadas
estabeleceram e estabelecem com a natureza na
construção de seu espaço geográfico. Com essas
noções, é possível adquirir consciência do espaço em que vive e atua, que vai delinear sua ação
individual e coletiva dentro dessa sociedade. Estudar, por exemplo, a composição étnica da população de sua cidade vai fazer o aluno aprender
que, no caso brasileiro, o território nacional é
ocupado por vários povos, culturas e etnias e
que é necessário desenvolver atitudes de respeito às diferenças socioculturais. Na mesma medida, buscar a origem de problemas econômicos e
socioambientais fará com que o jovem tenha
maior compreensão de que ele próprio faz parte
desse ambiente e que está em suas mãos a escolha de agir ativa ou passivamente nessas transformações.

A Geografia abrange um campo extenso de
conhecimento. Tanto que ela é o ponto de encontro de diversos temas transversais estabelecidos
pelo MEC. Veja quais são os temas transversais
e suas relações com a Geografia:
Meio Ambiente ­ O tema envolve questões políticas, históricas, econômicas, ecológicas
e geográficas.
Ética ­ Trata de reafirmar valores democráticos com base na expressão de diferenças e
conflitos. Liga-se à Geografia quando se valoriza o lugar como elemento de construção da
identidade.
Pluralidade Cultural ­ É a caracterização
dos espaços de diferentes segmentos culturais
que marcam a população brasileira.
Orientação Sexual ­ A distinção de sexos que influencia o mercado de trabalho é a
principal diretriz desse eixo temático.
Saúde ­ Saneamento básico, condições de
trabalho, desigualdades sociais são alguns exemplos dos assuntos abordados dentro do tema.
Trabalho e Consumo ­ Desenvolve visão crítica sobre como trabalho e consumo
atuam na sociedade, com seus lados positivos
e negativos.

Volta ao mundo na palma das mãos
de São Paulo (USP),
faz com que os
estudantes ampliem seu
conhecimento do mundo.
"Os selos exibem a

O

s alunos da 7ª
série do Colégio
João e Rafaela
Passalacqua, da
cidade de São Paulo,
descobriram uma forma
diferente de aprender
sobre outros países.
Eles colecionam selos,
sabendo que têm em
mãos um pedaço de
papel precioso,
proveniente de algum
ponto do globo, onde
existe outro povo,
com costumes e
sistema de vida próprios.
É assim, sem sair da
sala de aula, que a
professora Elisabeth
Victória Popp,
geógrafa da
Universidade

Elisabeth. Outra
vantagem é a
aproximação com
disciplinas como
História, Ciências e

Leonardo Carneiro

Pluralidade
Língua
Cultural
Portuguesa

Geografia
Meio
Ambiente
Ciências
Naturais
Saúde

Orientação
Sexual
Ética

Arte
Educação
Física
História
Trabalho e
Língua
Matemática
Consumo Estrangeira

Como trabalhar os
continentes, com a
divisão do mundo
em blocos
econômicos?

Selos de cartas viram material didático:
diversidade geográfica e fim de preconceitos
diversidade geográfica,
cultural e biológica do
planeta e desfazem
preconceitos", ensina

Matemática. Para fazer
bom uso dos
selos em sala de
aula, Elisabeth

enumera algumas dicas:
utilize-os para ensinar
temas abstratos demais
ou que não estejam
apresentados nos livros
didáticos;
promova, no máximo,
uma atividade dessas
a cada bimestre;
use, se possível,
mapas mudos (sem
o nome dos países).
Com um atlas, os alunos
pintam os
países correspondentes;
peça aos alunos que
tragam, sempre que
possível, selos de cartas
recebidas de
parentes e amigos
do exterior.