Alfabetização cartográfica no ensino de Geografia:
uma perspectiva socioconstrutivista

Jorge de Castro Mendes
Professor I/SME/RJ ­ 4ª CRE
Coordenador de Núcleo / Reorientação da Aprendizagem em Geografia - FME/Niterói
Pós-Graduado em Ensino de Geografia UERJ/FFP
[email protected]
Resumo
Este trabalho tem como objetivo propor como a realidade da Geografia Escolar é
contextualizada através da Alfabetização Cartográfica, procurando entender como a
função simbólica ocorre na relação ensino-aprendizagem. Foram propostas atividades
buscando tornar os alunos sujeitos de suas práticas na sala de aula e na Sala Ambiente
de Geografia, promovendo o encontro da Geografia do Conteúdo com a Geografia da
Forma. Essas atividades convidam a uma reflexão nas aulas de Geografia, na busca de
uma aprendizagem mais prazerosa.
Palavras chaves: Alfabetização Cartográfica, Geografia Escolar, Socioconstrutivismo

Abstract:
This paper aims to propose as the reality of school geography is contextualized by
Cartographic Literacy, focusing on how the symbolic function occurs in the teachinglearning relationship. Activities have been proposed trying to make students subject to
their practices in the classroom and in the Geography Room environment, promoting
the meeting of Content with Geography Geography of Form. These activities invite
readers to reflect on the lessons of Geography in the pursuit of learning more enjoyable.
Keywords:
Cartographic Literacy, Geography school, social constructivist

Introdução
Este trabalho tem como objetivo propor como a realidade da Geografia Escolar é
contextualizada através da Alfabetização Cartográfica, procurando entender como a
MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

108

função simbólica a codificação e decodificação da representação espacial ocorre na
relação ensino-aprendizagem.
Entende-se que a Geografia e sua possibilidade de estudo, via cartografia escolar
(Alfabetização Cartográfica), possuem textos com códigos próprios, cujas mensagens
devem ser lidas e interpretadas.
Práticas escolares de Alfabetização Cartográfica, construídas sob a inspiração da
perspectiva Socioconstrutivista, são relatadas buscando-se explicitar a relação teoria e
prática. Foram realizadas atividades em Sala Ambiente de Geografia em uma escola da
Rede Municipal do Rio de Janeiro, envolvendo as relações professor/alunos e
alunos/alunos.

Por uma Alfabetização Cartográfica no Ensino da Geografia
A geografia, ao longo de sua trajetória, foi considerada por muitos como uma
ciência de síntese. Em algumas definições mais limitadas, como um recorte e colagem
de diversas áreas de conhecimento. A cartografia é uma dessas disciplinas que
constituíram, e ainda permanecem, no campo da geografia. Em função disso, tornou-se
também um dos conteúdos da geografia que se ensina na escola.
Para (Pissinati e Archela, 2007, p.172), "o ensino de Geografia e o de
Cartografia são indissociáveis e complementares: a primeira é conteúdo e a outra é
forma. Não há possibilidade de se estudar o espaço sem representá-lo, assim como não
podemos representar um espaço vazio de informação".
Entretanto, ao observarmos a trajetória da cartografia na escola, podemos
perceber uma mudança na forma que o conteúdo é abordado, já que as mutações se
devem às mudanças da própria ciência geográfica e podemos dizer que o conhecimento
de geografia melhora a alfabetização cartográfica enquanto método de ensinar e
aprender Geografia.
Atualmente, há uma série de reflexões que resgatam o conhecimento
cartográfico enquanto saber estratégico, porém com outra roupagem. Para tal,
(Pontuschka et al, 2007, p.326) destacam que "a importância de uma iniciação ou
alfabetização cartográfica tem sido retomada em dissertações e teses sobre a

MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

109

cartografia escolar, impulsionadas por eventos em que o Brasil se destaca por sua
iniciativa e participação".
Para isso, torna-se necessária a elaboração de atividades que permita ao aluno
ser também sujeito do processo de Alfabetização Cartográfica, pois assim como afirma
(Almeida, 2002, p.21): "Iniciando o aluno em sua tarefa de mapear, estamos, portanto,
mostrando os caminhos para que se torne um leitor consciente da linguagem
cartográfica".
Assim, é preciso uma Alfabetização Cartográfica, ou seja, o conjunto de
significantes e significados que possam transmitir a realidade de um determinado lugar
sob a forma de representação espacial como os mapas, por exemplo. Criar situações
desafiadoras para que ocorram avanços nos níveis de leitura é objetivo da Alfabetização
Cartográfica.
Portanto, a Alfabetização Cartográfica é um processo de construção de
estruturas e conhecimentos favoráveis a leitura e interpretação dos mapas e demais
produtos cartográficos.
(Passini, 2007, p.147) assim se refere à Alfabetização Cartográfica:

A Alfabetização Cartográfica é uma proposta de transposição didática da
Cartografia Básica e da Cartografia Temática para usuários do ensino fundamental, em que se
aborde o mapa do ponto de vista metodológico e cognitivo. Ela é uma proposta para que alunos
vivenciem as funções do cartógrafo e do geógrafo, transitando do nível elementar para o nível
avançado, tornando-se leitores eficientes de mapas. O aluno-mapeador desenvolve habilidades
necessárias ao geógrafo investigador: observação, levantamento, tratamento, análise e
interpretação de dados. O espaço lido e mapeado é ressignificado.

Assim, entender o espaço geográfico com suas múltiplas realidades é conceber a
cartografia como um instrumento que permita a formação da cidadania dos alunos.
(Simielli, 2006, p.98) coloca que há duas formas de se trabalhar a alfabetização
cartográfica. A primeira consiste em que o aluno tenha contato com os produtos
cartográficos (mapas, globos, imagens de satélite) já acabados. A segunda consiste na
realização, por parte dos alunos, de produtos cartográficos na sala de aula. Ela nos diz:

MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

110

O que importa é desenvolver a capacidade de leitura e comunicação oral e
escrita por fotos, desenhos, plantas, maquetes e mapas e assim permitir ao aluno a percepção e o
domínio do espaço. Nesta etapa, objetivo básico deve ser a alfabetização cartográfica. Essa
alfabetização supõe o desenvolvimento de noções de: Visão oblíqua e visão vertical, imagem
tridimensional, imagem bidimensional, alfabeto cartográfico (ponto, linha e área), construção de
noção de legenda, proporção e escala e lateralidade/referências, orientação.

A Cartografia deve estar presente no cotidiano dos alunos e não somente como
um capítulo a mais nos livros didáticos de Geografia, o que significa fazer com que os
alunos possam ser usuários dos mapas e demais produtos cartográficos e fazê-los, de
alguma forma, incorporados em seu dia-a-dia.
A esse respeito (Oliveira, 2007, p.19) destaca que:

O mapa é definido, em educação, como um recurso visual a que o professor
deve recorrer para ensinar Geografia e que o aluno deve manipular para aprender os fenômenos
geográficos; ele não é concebido como um meio de comunicação, nem como uma linguagem
que permite ao aluno expressar espacialmente um conjunto de fatos; não é apresentado ao aluno
com uma solução alternativa de representação espacial de variáveis que possam ser manipuladas
na tomada de decisões e na resolução de problemas.

Portanto, familiarizar os alunos com a Cartografia é buscar instrumentos que
possam facilitar a construção de alunos codificadores e decodificares da representação
espacial.
(Almeida e Passini, 2002, p.17) demonstram que "Ler mapas é um processo que
começa com decodificação envolvendo algumas etapas metodológicas as quais devem
ser respeitadas para que a leitura seja eficaz".
Dominar a Alfabetização Cartográfica significa decodificar o mapa, ou seja,
entender como a informação sintetizada do espaço geográfico foi realizada.
Portanto, a construção de estruturas de conhecimento, favorecedores da leitura e
interpretação de mapas, caracteriza traços fundamentais na evolução das estruturas de
cognição e no crescimento intelectual das crianças e dos adolescentes. Para que o aluno
possa dar significados aos significantes deve vivenciar o papel de decodificador ou de
aluno-mapeador, acompanhando e executando cada etapa do processo de construção de
MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

111

sua percepção espacial para que alcance e familiarize-se com a Alfabetização
Cartográfica.
A esse respeito, (Almeida, 2004, p.18) nos diz que "o aluno da escola
fundamental, para chegar à representação do espaço com a finalidade de realizar
estudos geográficos, precisa se dar conta dos problemas que os cartógrafos
encontraram ao elaborar os mapas".
Portanto, na atividade de representação do espaço, a Alfabetização Cartográfica
deve ser trabalhada, pois é de grande importância na análise geográfica por parte dos
alunos e na construção de uma sociedade espacial menos desigual, já que conhecer o
espaço de sua vivência pode possibilitar a modificação de desigualdades espaciais e
sociais estabelecidas pelo capitalismo. Além disso, levar o aluno às mais diversas
formas de representação espacial e também no estudo dos mapas é essencial e
prioritário, ocasionando aos alunos a penetração cada vez mais profunda na estruturação
espacial ao nível de sua concepção e representação.
Assim, a Alfabetização Cartográfica será construída de acordo com as realidades
dos diferentes sujeitos envolvidos no processo e seu domínio facilitará o entendimento
das representações espaciais.
A esse respeito, (Pissinati e Archela, 2007, p.188) destacam que:
Para dar início à alfabetização cartográfica, o professor deve estar ciente das
capacidades que a idade trabalhada possui e a experiência escolar e de vida que os alunos em
questão já trazem (...). A cartografia é algo que desperta a curiosidade e o interesse das crianças,
quando ensinada sob esses prismas, pois a sua teoria pode ser facilmente vista na prática,
quando da "construção" de um mapa. Aliás, aquilo que vemos e ouvimos como algo muito
abstrato ao nosso cotidiano, é facilmente esquecido, mas o que fazemos com nossas próprias
mãos e com nosso próprio raciocínio tem menor probabilidade de cair no esquecimento.

Entretanto,

existem

muitas

dificuldades

no

entendimento

da

Alfabetização Cartográfica por parte dos alunos que merecem uma reflexão especial, já
que muitas vezes são elas as responsáveis pela desistência ou fragilidade do ensino da
cartografia nas séries iniciais. Além do mais, nesta Alfabetização é preciso um certo

MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

112

cuidado, já que o aluno alfabetizado cartograficamente não necessariamente domina
todas as noções ligadas a Alfabetização Cartográfica.
A seguir, destacam-se atividades de Alfabetização Cartográfica onde a mediação
pedagógica realiza-se através da orientação da atividade pelo professor e da construção
do conhecimento em conjunto por parte dos educandos.

Procedimentos e Atividades Cartográficas na Sala Ambiente de Geografia
Na Sala Ambiente de Geografia, da Escola Municipal Odilon Braga (SME/RJ),
no ano letivo de 2007, foram realizadas atividades voltadas para desenvolvimento da
Alfabetização Cartográfica com alunos do 6º ano (turmas: 1601 e 1603), destacando-se
duas atividades: atividade voltada para a Orientação e Localização no Espaço (maquete)
e a atividade voltada para a Construção de Habilidades com o Mapa (quebra-cabeça).
Com o objetivo de alcançar e/ou incentivar que os alunos sejam mapeadores da
realidade geográfica, as atividades foram propostas buscando um caminho que facilite a
Alfabetização Cartográfica, tornando-os sujeitos de suas práticas na sala de aula e na
Sala Ambiente de Geografia, promovendo o encontro da Geografia do Conteúdo com a
Geografia da Forma.
As atividades convidam a uma reflexão da prática docente nas aulas de
Geografia e trazem como consequência, novas tarefas na busca de uma aprendizagem
mais prazerosa.
A utilização dos mapas em sala de aula não é tarefa fácil, tanto por parte dos
alunos que interagem no processo de abstração -- pois representam a realidade através
de símbolos --, como por parte dos professores, que devem ter habilidade e preparação
para trabalhar a Alfabetização Cartográfica.
Com a finalidade de organização, as atividades são descritas indicando os
materiais e procedimentos necessários para sua realização.
A primeira atividade objetiva a construção de uma maquete voltada para a
orientação e localização espacial, onde os alunos terão uma oportunidade de contato
com um conteúdo de difícil entendimento.
A segunda atividade objetiva trabalhar e reconhecer determinados elementos
constitutivos em um mapa, como o seu título, escala, legenda, orientação e projeção
MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

113

cartográfica. Com isso, reconhecem-se os principais elementos de uma Alfabetização
Cartográfica, além de desenvolver algumas habilidades concernentes ao manuseio dos
mapas.
Em relação aos materiais utilizados nas atividades propostas, enumera-se:
Na primeira atividade:
Papel pardo ou cartolina com cores variadas, hidrocor, lápis de cor e giz de cera,
globo de isopor, cola de isopor, Atlas Geográfico escolar, Mapa mudo colegial
Planisfério ou Mapa-Múndi.
Na segunda atividade:
Jogo de quebra-cabeça relacionado à cartografia escolar, Atlas Geográfico
escolar, papel pardo ou cartolina com cores variadas, hidrocor, lápis de cor e giz de
cera, tesoura, cópias das peças do quebra-cabeça,cola comum ou de isopor.

114

Figura 01- Atividade finalizada com a criação da maquete para a Orientação e
localização dos principais Paralelos da Terra e exposição da atividade cartográfica na
Sala Ambiente de Geografia.

Nesta atividade, utiliza-se o mapa mudo colegial, consultando o Atlas
Geográfico para o preenchimento das principais linhas imaginárias, usadas na
localização espacial. Assim, o Atlas Geográfico incorpora-se no cotidiano dos alunos,
como um dos referenciais principais de consulta. Além disso, aproxima-se dos alunos, o
uso dos mapas nas aulas de Geografia, sendo o instrumento necessário para a
compreensão do espaço geográfico. Desta forma, realiza-se o exercício de passagem da

MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

representação bidimensional para o tridimensional por meio da maquete, que permite a
possibilidade por parte dos alunos de observarem a representação visual das linhas
imaginárias, a partir de um modelo próximo da realidade de observação como o globo
terrestre. Observa-se, ainda na maquete, o exercício de organização da legenda, um dos
elementos principais da Alfabetização Cartográfica.

Figura 02- Finalização da montagem do quebra-cabeça do Mapa Político do Brasil.

Os alunos, na montagem do quebra-cabeça, entram em contato com elementos
básicos

da

Alfabetização

Cartográfica:

o

Título,

a

Legenda,

a

Escala

(proporcionalidade) e seus referenciais de Orientação e Localização. Assim, objetiva-se
que os alunos tenham a capacidade de relacionar o espaço próprio com o espaço
geográfico, percebendo e administrando distâncias, pontos de referência e localizandose geograficamente. Busca-se também a compreensão da escala e a capacidade em se
reproduzir em tamanho reduzido o que se observa em seu tamanho natural.

Figura 03- Exposição das Atividades na Sala Ambiente de Geografia
MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

115

Durante a realização das atividades, algumas dificuldades foram encontradas,
deparando-se com salas de aulas cheias, alunos advindos de várias realidades diferentes,
com percursos de vida e vivências diferenciadas, além da falta do domínio da leitura e
escrita necessárias para esse tipo de atividade proposta. Acrescentam-se as condições
econômicas precárias, como a falta de material escolar próprio, o desinteresse, a baixa
autoestima e a não crença do que o estudo possa trazer para suas vidas.
No que concerne a atividades cartográficas propostas, a primeira dificuldade
encontrada foi o manuseio da linguagem usada para com eles, evidenciada pela
necessidade de adequar a explicação de acordo com que eles possam entender o que
digo. A seguir, a dificuldade de entender o mapa como um instrumento não longe de
suas realidades, evidenciada pelas dificuldades encontradas no manuseio do Atlas
Geográfico na sala de aula e da simples orientação do mesmo. Destaca-se, por outro
lado, o interesse na realização da tarefa proposta, demonstrada pelo envolvimento dos
alunos na sala de aula na participação dos grupos, em realizá-las com o interesse de
acertá-las. No manuseio do material, após suas dúvidas sanadas, conseguiram, em certa
medida, entender os conceitos elementares da Alfabetização Cartográfica, visto a
entrega e exposição dos trabalhos na sala ambiente de geografia. A apropriação e o uso
da Alfabetização Cartográfica devem ser compreendidos no contexto da construção dos
conhecimentos geográficos, o que significa afirmar que não pode ser utilizada per se,
mas como instrumento primordial, não único, para a construção de conhecimentos
teóricos acerca dos territórios, regiões, lugares e outros. Além disso, ressalta-se que esta
alfabetização depende das concepções de geografia e do ensino da disciplina que o
professor e os alunos possuem.

Considerações Finais
Evidencia-se a ligação entre a Geografia e a Cartografia, tendo a geografia no
entendimento do Conteúdo (espaço geográfico) e cartografia na representação da Forma
(representação espacial).
Como o papel da geografia no ensino fundamental é o de ensinar aos alunos o
entendimento da espacialidade, faz-se necessário que na alfabetização cartográfica o

MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

116

aluno se aproprie de uma série de noções, habilidades, conceitos, valores, atitudes,
conhecimento e informações, para o entendimento da representação espacial.
Neste sentido, entende-se o conceito de Alfabetização Cartográfica como o
conjunto de significantes e significados que possam transmitir a realidade de um
determinado lugar sob a forma de representação espacial, objetivando a leitura e a
interpretação dos mapas e demais produtos cartográficos. Destaca-se também a inserção
da cartografia no cotidiano dos alunos enquanto instrumento para a construção do
conhecimento para o entendimento do espaço de sua vivência.
Na verdade, é de suma importância que seja criada uma cultura voltada para a
Alfabetização Cartográfica escolar, mas que tenha como pressupostos a busca do
conhecimento por parte dos sujeitos que interagem em sala de aula. Juntamente a esses
pressupostos é importante que a construção de atividades, ligadas à geografia, permita
pesquisas e elabore conteúdos adequados para os alunos, respeitando as suas faixas de
entendimento. É desejável que as atividades, ligadas à Alfabetização Cartográfica,
sejam adequadas para que o aluno vivencie a construção de elementos ligados aos
117

mapas.
Desta forma, buscam-se atividades voltadas para a alfabetização cartográfica,
objetivando a construção coletiva do conhecimento, através da construção da Maquete
(orientação e localização do espaço) e Quebra-cabeça (elementos constitutivos da
representação- espacial).
Assim, objetivando incentivar os alunos a serem mapeadores da realidade
geográfica, as atividades realizadas estabelecem um caminho que facilite a
Alfabetização Cartográfica, tornando alunos em sujeitos de suas práticas na sala de aula
e na Sala Ambiente de Geografia, onde temos o encontro de uma Geografia do
Conteúdo com a Geografia da Forma.

Referências Bibliográficas
ALMEIDA, Rosângela Doin de, PASSINI, Elza Yasuko. O espaço Geográfico: ensino e
representação. 12ª ed. São Paulo: Contexto; 2002.

MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.

ALMEIDA, Rosângela Doin de. Do Desenho ao Mapa: iniciação cartográfica na escola.
3ª ed. São Paulo: Contexto; 2004.
FONSECA, Fernanda Padovesi, OLIVA, Jaime Tadeu. A geografia e suas linguagens: o
caso da cartografia. In: Carlos, AFA. A Geografia na sala de aula. 8ªed. São Paulo:
Contexto: 2006. p. 62-78.
OLIVEIRA, Lívia de. Estudo Metodológico e Cognitivo do Mapa. In: Almeida RS.
Cartografia Escolar. São Paulo: Contexto; 2007. p. 15-41.
PASSINI, Elza Yasuko. Alfabetização Cartográfica. In: Passini EY, Passini R, Malysz
ST. Prática de Ensino de Geografia e Estágio Supervisionado. São Paulo: Contexto;
2007. p. 143-55.
PISSINATI, MC, Archela, RS. Fundamentos da Alfabetização Cartográfica no Ensino
de Geografia. Geografia. 2007 Jan/Jun; vol.16 (1): p. 169-95.
PONTUSCHKA Nídia Nacib, PAGANELLI, Tomoko Iyda, CACETA, Núria Hanglei.
Para ensinar e aprender Geografia. (Coleção docência em formação. Série ensino
118

fundamental). 1ª ed. São Paulo: Cortez; 2007.
- SIMIELLI, Maria Elena Ramos. A Cartografia no ensino fundamental e médio. In:
CARLOS, AFA. A Geografia na sala de aula. 8ªed. São Paulo: Contexto; 2006. p. 92108.

MENDES, J. C. Alfabetização cartográfica no ensino de geografia: uma perspectiva socioconstrutivista. In:
COLÓQUIO DE CARTOGRAFIA PARA CRIANÇAS E ESCOLARES, 7, 2011. Vitória. Anais... Vitória, 2011. p. 108-118.