UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
INSTITUTO DE AGRONOMIA
DEPARTAMENTO DE GEOCIENCIAS
CURSO DE GEOGRAFIA

GEOGRAFIA, ISSO SERVE ANTES DE MAIS NADA PARA
FAZER A GUERRA: UMA RELEITURA DE YVES LACOSTE
PARA OS PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO SÉCULO XXI

LUCAS DIAS DE SOUZA

2013

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Instituto de Agronomia
Departamento de Geociências
Curso de Geografia

GEOGRAFIA, ISSO SERVE ANTES DE MAIS NADA PARA
FAZER A GUERRA: UMA RELEITURA DE YVES LACOSTE
PARA OS PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO SÉCULO XXI

LUCAS DIAS DE SOUZA

Monografia apresentada ao Departamento
de Geociências como requisito para a
conclusão do curso de graduação em
Geografia (modalidade: Licenciatura) da
Universidade Federal Rural do Rio de
Janeiro.

Orientador: Prof. Dr. Guilherme da Silva Ribeiro

Seropédica
Maio/ 2013

II

SOUZA, Lucas Dias de.
Geografia, isso serve antes de mais nada para fazer a guerra: uma releitura de
Yves Lacoste para os professores de geografia do século XXI.
Lucas Dias de Souza­ Seropédica: UFRRJ/DEGEO, 2013.
IX, 56 p.

Monografia ­ Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro- UFRRJ/DEGEO ­
Curso de Geografia, 2013. Orientador: Prof. Dr. Guilherme da Silva Ribeiro
(Orientador)- DEGEO/UFRRJ.
1. Ensino de Geografia, 2. História do Pensamento Geográfico.

III

Dedico esse trabalho aos meus pais, José de Fátima de
Souza e Maria Antônia dos Santos Dias e a todos os
meus professores, desde o ensino básico até a graduação.
Em especial a professora Dr. Regina Cohen Barros,
coordenadora do curso de geografia da UFRRJ.

IV

AGRADECIMENTOS
É sempre muito difícil fazer agradecimentos, pois podemos incorrer no
erro de esquecer alguma pessoa importante. Entretanto, existem alguns nomes
que eu não posso deixar de colocar aqui. E eu peço que, aqueles que
porventura não forem citados, por favor, me perdoem, mas é que a minha
memória curta (aqueles que me conhecem, sabem que ela é bem curta
mesmo) não me permitiu lembrá-los.
Pois bem, quero agradecer primeiramente ao meu Deus. Pois tudo o
que conquistei (e também aquilo não conquistei) até aqui, foi graças a Ele.
Toda honra e toda Glória sejam dadas ao Deus de Israel. Agradeço também a
minha família. Meus pais e minha irmã (Luciana Dias de Souza) que sempre
apoiaram meu desejo de estudar e, mesmo com todas as dificuldades que a
vida nos impôs, me incentivavam a "vencer na vida" através da educação. As
noites mal dormidas, os estudos em cima da laje, os "milhares" de empregos
temporários que eu arranjei para conseguir me sustentar, as idas e vindas ao
médico, e todo aquele esforço para vencer as dificuldades financeiras e ajudar
com o dinheiro da Xerox, da passagem e/ou do lanche valeram a pena. Hoje
posso dizer que, todo conhecimento acadêmico que conquistei, embora
tenham sido importantes na minha formação, não seriam nada se eu não
tivesse essa sólida formação familiar. Muito obrigado mesmo.
Agradeço ao meu orientador, professor Dr. Guilherme da Silva Ribeiro,
pela revisão e correção deste trabalho. Suas considerações foram e serão
muito importantes em minha vida acadêmica e profissional. Aos professores do
curso de geografia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Mesmo
com todos os problemas e desafios que esse curso em formação apresentou,
vocês sempre buscaram um ensino de excelência. Neste sentido, não posso
deixar de citar a professora Regina, coordenadora do curso de geografia e uma
verdadeira mãe para os discentes da primeira turma deste curso. Se
V

elencarmos todos os problemas que enfrentamos juntos, dizer muito obrigado
será muito pouco para agradecer todo o esforço despedido para nossa
formação. Mas gostaria de lhe dizer professora, que eu sempre me espelharei
na senhora na minha relação professor aluno daqui para frente.
Não posso deixar de falar também da primeira turma de graduação de
geografia. Os pioneiros, André Fialho Abrantes Pinheiro, Antônio Fernando
Rodrigo de Oliveira, Felipe de Souza Guimarães, Fernanda Duarte Vieira,
Gabriel Barros E. de Vasconcellos, Gabriel Lousada Borges, Lara D. Assunção
dos Santos, Loar dos Santos Coutinho, Luciana Crivelare G. Carvalho, Loar
Maria Fernanda Afonso Penna, Paulo Vitor de O. Figueiredo, Stéphani Monique
Félix, Suenia Alves de Lima, Anderson da Silva Santos, Thiago Sardinha
Santos e Carolina Alves Fantinato. Esses três últimos, junto comigo, formamos
a primeira turma de Licenciatura em Geografia da Universidade Rural. Quanta
honra e quanta responsabilidade. Os trabalhos de campo da Zina, os
fichamentos do Maurílio, as subidas no sol ao Degeo, os encontros no Marcelo,
etc. Esses momentos ficarão para sempre na minha memória e, vez ou outra
me farão cantarolar: "foi uma linda história de Amor, que aconteceu comigo no
Pré-vestibular...".
Não posso deixar de agradecer também aos meus amigos de
alojamento (Quartos M1-131 e M1-134). Vocês se tornaram parte da família
ruralina que eu nunca vou esquecer. As brincadeiras, os churrascos, as festas
e toda aquela sensação de intimidade e familiaridade que só a rural pode nos
proporcionar permanecerão comigo para sempre. De modo que, eu não sei
quais serão os caminhos que a vida irá me levar, mas por onde eu for, terei
sempre o prazer de dizer: Eu estudei na Rural!
A todos os grupos cristãos que conheci em minha trajetória acadêmica
e aos amigos que fiz ali. Galera da ABU, Alfa e Omega, Bola de Neve, Escudo
e Verdade e Capelania, vocês me ajudaram a "manter a fé" mesmo em um
ambiente tão secularizado como é a Universidade pública brasileira. Que Deus
VI

nos abençoe e nos ajude a completar a nossa missão fora dos muros da
Universidade.
E para finalizar, agradeço a todos aqueles amigos, pastores, irmãos de
fé e familiares que me ajudaram e compreenderam os meus "sumiços" em
épocas de provas. "É que eu estou estudando muito" dizia a eles. Alguns até
me criticavam, mas os amigos de verdade, entenderam esse meu momento e
nunca se afastaram de mim. A estes eu digo:

Muitíssimo Obrigado,
Lucas Dias de Souza (Quadash).

VII

RESUMO
"GEOGRAFIA, ISSO SERVE ANTES DE MAIS NADA PARA FAZER A
GUERRA: UMA RELEITURA DE YVES LACOSTE PARA OS
PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO SÉCULO XXI"
Lucas Dias de Souza
Orientador: Pr. Dr. Guilherme da Silva Ribeiro

Neste trabalho buscamos, através de um dialogo com a obra de Yves
Lacoste, analisar as principais deficiências do ensino-aprendizagem geográfico
brasileiro, apontando as causas e possíveis soluções para o mesmo. Para esse
estudo, nos apoiamos no livro Geografia isso serve antes de mais nada para
fazer a guerra, onde procuramos conhecer o contexto vivenciado pelo autor, as
suas principais ideias, as influencias do livro no Brasil e a sua atualidade no
contexto da educação brasileira contemporânea.

VIII

"Ao Deus Pai, Todo-Poderoso criador do céu e da terra. A
Jesus Cristo, seu único Filho, meu Senhor, o qual foi
concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem
Maria;
padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi
crucificado, morto e sepultado; desceu ao Inferno;
ressuscitou ao terceiro dia; subiu ao céu; está assentado à
direita de Deus Pai Todo-Poderoso, de onde há de vir para
julgar os vivos e os mortos." (Credo apostólico)

IX

SUMÁRIO
AGRADECIMENTOS ------------------------------------------------------------------------- V
RESUMO --------------------------------------------------------------------------------------VIII
INTRODUÇÃO --------------------------------------------------------------------------------- 1
A - CONSIDERAÇÕES INICIAIS ----------------------------------------------------------------

1
B - CONHECENDO O AUTOR PARA ENTENDER A SUA OBRA --------------------------- 2
C -O LIVRO E SUAS IMPRESSÕES ---------------------------------------------------------- 4
D - INFLUENCIAS DO LIVRO DE YVES LACOSTE NO BRASIL: O MOVIMENTO DE
RENOVAÇÃO DA GEOGRAFIA ---------------------------------------------------------------- 9
CAPÍTULO I ­ EDUCAÇÃO E GEOGRAFIA SEGUNDO YVES LACOSTE: A
GEOGRAFIA DOS PROFESSORES E A ATUALIDADE DA CRITICA A
EDUCAÇÃO ----------------------------------------------------------------------------------- 14
1.1. O INTERESSE POLÍTICO (NACIONALISTA) NO ENSINO DE GEOGRAFIA ------ 18
1.2. O PCN (PARÂMETRO CURRICULAR NACIONAL), O CURRÍCULO MÍNIMO DO
ESTADO DO RIO DE JANEIRO PARA A ÁREA DE GEOGRAFIA E A ÉTICA DE
TRABALHO BURGUESA---------------------------------------------------------------------- 19
CAPÍTULO II ­ IDÉIAS E RECURSOS PARA O ENSINO APRENDIZAGEM
DE GEOGRAFIA SEGUNDO LACOSTE: A CARTOGRAFIA E A
GEOPOLÍTICA COMO FORMAS DE FACILITAÇÃO DA APRENDIZAGEM - 23
2.1. IMPORTÂNCIA DO LUGAR/REGIÃO NO ENSINO DE GEOGRAFIA: VANTAGENS
E DESAFIOS DO ESTUDO DO "MEIO-LOCAL" COMO PROCEDIMENTO DE ESTÍMULO
PARA AS AULAS DE GEOGRAFIA --------------------------------------------------------- 26
2.2. "NÃO HÁ GEOGRAFIA SEM DRAMA": O ELEMENTO POLÍTICO COMO UM
ELEMENTO FOMENTADOR DO ENSINO DE GEOGRAFIA -------------------------------- 30
2.3. A GEOPOLÍTICA E O AMÉNAGEMENT DO TERRITÓRIO ------------------------- 32
2.4. À HORA E A VEZ DOS GEÓGRAFOS! A ESPACIALIDADE DIFERENCIAL E OS
DIFERENTES NÍVEIS DE ANÁLISE ESPACIAL --------------------------------------------- 36
2.5. YVES LACOSTE E A CARTOGRAFIA COMO EIXO NORTEADOR DO ENSINO DE
GEOGRAFIA ----------------------------------------------------------------------------------- 39
CAPÍTULO III ­ PROPOSTAS, PERSPECTIVAS E DESAFIOS DO ENSINOAPRENDIZAGEM DE GEOGRAFIA ----------------------------------------------------- 41
3.1. O PREPARO DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA: ALGUMAS REFLEXÕES PARA
MELHORAR A CAPACITAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO ------------------------------------ 42
3.2. A T EORIA E A PRÁTICA DO PROFESSOR DE GEOGRAFIA ----------------------- 46
3.2.1 O PROFESSOR DE GEOGRAFIA PRECISA DE UMA TENSÃO DRAMÁTICA - 49

3.2.3 O PROFESSOR DE GEOGRAFIA PRECISA DE UMA PAIXÃO/IDEOLOGIA DE
ENSINO 50
3.2.4 O PROFESSOR DE GEOGRAFIA PRECISA DE UM FEEDBACK ( SE
RELACIONAR) DOS SEUS ALUNOS -------------------------------------------------------- 50
3.2.5 O PROFESSOR DE GEOGRAFIA PRECISA APRENDER COM ERROS E
ACERTOS DOS OUTROS PROFESSORES-------------------------------------------------- 50
3.2.6 O PROFESSOR DE GEOGRAFIA PRECISA SER PROFESSOR ---------------- 51
3.2.7 O PROFESSOR DE GEOGRAFIA PRECISA TER DIDÁTICA -------------------- 51
CONCLUSÃO --------------------------------------------------------------------------------- 52
BIBLIOGRAFIA ------------------------------------------------------------------------------- 54

INTRODUÇÃO
A - Considerações Iniciais
O livro Geografia, isso serve antes de mais nada para fazer a guerra, foi
escrito por Yves Lacoste em 1976 e reeditado em 1988 1. A presente
monografia expõe as ideias centrais da obra deste autor e a sua atualidade nos
dias atuais. O tomo em questão teve uma grande repercussão quando foi
lançado.

O próprio autor relata que sofreu severas críticas, e até perdeu

algumas amizades devido à repercussão negativa deste livro (LACOSTE
1988:15[1976]). Má interpretação, dubiedade de ideias,etc. São inúmeros os
motivos para essa rejeição. Mas o fato é que esse livro influenciou muitos
geógrafos e, junto com algumas outras obras da época2 foi importante para o
movimento de renovação da geografia no Brasil na década de 1970.
Mais por que tanta polêmica em cima da sua obra? Quais seriam as
terríveis coisas escritas nesse livro de capa azul que deixou tantos geógrafos
irritados e foi capaz de contribuir para uma renovação da geografia escolar e
universitária? Será que as críticas de Lacoste propiciaram alguma mudança ou
a geografia continua da mesma maneira? O que mudou? O que não mudou?
Quais os caminhos e reflexões que este livro oferece para a prática docente
nos dias atuais? Será que a geografia só serve para fazer a guerra ou

1

Sua primeira tradução se chamava (Geografia isso serve em primeiro lugar para fazer a guerra). A
segunda edição a chegar no Brasil já tinha um título um pouco diferente (Geografia isso serve antes de
mais nada para fazer a guerra). De fato, a tradução do Frances (La géographie, ça sert, d'abord, à faire
guerre ) admite as duas colocações. Neste trabalho optamos pela segunda tradução.

2

Os livros Por Uma Geografia Nova: da crítica da Geografia a uma Geografia Crítica de Milton Santos e Marxismo e
Geografia, de Máximo Quaini são exemplos de outros livros importantes e que influenciaram o movimento de
renovação da geografia brasileira. O artigo de Ruy Moreira Assim se passaram dez anos (A Renovação da Geografia
no Brasil no Período 1978-1988), faz uma importante análise das principais obras e autores deste período.

atualmente ela tem outras funções? Estes são alguns dos questionamentos
que buscaremos responder.
B - Conhecendo O Autor Para Entender A Sua Obra
Yves Lacoste é um geógrafo Francês de grande prestígio. Ele escreveu
diversos livros publicados no Brasil3, mas sem dúvida nenhuma, a sua obra
mais conhecida foi "Geografia, isso serve antes de mais nada para fazer a
guerra". Só podemos compreender este livro se conhecermos o contexto
vivenciado pelo seu autor na época. Formado na Universidade de Sorbonne,
Lacoste pertenceu ao partido comunista Francês, foi autor de livros didáticos e
fundador da revista Heródote. As suas ideias foram muito influenciadas pela
visita que fez ao Vietnã no início da década de 1970. (CLAVAL, 2000) Nesta
viagem ele comprovou a estratégia de guerra norte-americana ao bombardear
os diques Vietnamitas que levava água aos arrozais. Quando retornou, ele
escreveu um artigo para o jornal Le Monde denunciando as estratégias
Americanas e atraindo a atenção pública internacional para a causa vietnamita.
Os bombardeios norte-americanos cessaram logo depois.
Os estudos de Lacoste comprovaram as denuncias feitas pelos
próprios vietnamitas de que o Estado Maior americano estava " bombardeado
deliberadamente os diques que protegiam os arrozais do delta do rio Tonkin"
em uma estratégia de prejudicar a agricultura e por fim a alimentação dos
vietnamitas (Idem.). No artigo publicado pelo Le Monde em 15 de agosto de
1972, Lacoste constatou que os EUA estavam utilizando estratégias
geopolíticas para ganhar a guerra. Esse fato, fez aflorar o desejo de Lacoste
por estudar essas questões, o que culminou na escrita do seu livro mais
conhecido: La géographie, ça sert, d'abord, à faire guerre (1976).

3

Geografia do Subdesenvolvimento (1971), Contra os anti-terceiro mundistas e contra terceiro mundistas (1991) e
História da Filosofia: A filosofias das ciências sociais (1973) estão entre suas obras.

2

No entanto, não podemos nos esquecer de que Lacoste já se
interessava por questões políticas desde a década de 1960. O livro Geografia
do Subdesenvolvimento, escrito em 1965 é um exemplo disso. Nas palavras do
próprio Lacoste podemos ver:
"Bem, mas desde os anos 1970 eu já me inquietava com o fato de que
os geógrafos franceses tivessem excluído do campo de suas
preocupações tudo o que tinha relação com o fenômeno político. Então
eu me interessava, como geógrafo, por essas questões políticas, isso
está bem explícito no livro Geografia do Subdesenvolvimento (1965).
Assim, desde 1970, me preocupava com os problemas da relação da
política com a geografia. Após um período de reflexão irá começar em
1976 a revista Hérodote com um pequeno grupo formado por meus exestudantes, a revista começou com o subtítulo, como você já sabe,
Estratégias ­ Geografias ­ Ideologias." (ZANOTELLI 2005:90).

Lacoste aponta que no começo da década de 1970, a geografia não
considerava o critério político em seus estudos. É bem provável que esse fato
seja consequência do mau uso das ideias geopolíticas durante o período da
segunda guerra mundial. Principalmente pelos geógrafos da Alemanha
Ritleriana em seus estudos sobre espaço vital e outros temas geográficos
(LACOSTE 1988:24[1976]). O fato é que, após a segunda guerra mundial, os
geógrafos criaram uma repulsa em tratar de temas geopolíticos. Ele argumenta
que, após 1945, não era mais adequado fazer referências à geopolítica (idem),
essa palavra chegou até a ser era proscrita dos vocabulários (ZANOTELLI
2005:107). Paul Claval comenta sobre o caso:
"os geógrafos franceses mostraram pouco interesse formal pela
geopolítica e pela geografia política devido às associações perniciosas
com a geopolítica alemã e com a Alemanha nazista. Geopolítico
tornou-se um adjetivo pejorativo, e o interesse na geografia política --
que tinha sido bastante forte no período entreguerras, quando os
geógrafos franceses tentaram edificar uma geopolítica da paz e incitar
3

o desenvolvimento de uma Europa unida -- tinha desaparecido por
completo." (CLAVAL, 2000).

Porém, Lacoste sempre suspeitou que "existiam problemas com esse
tipo de geografia", para ele, "a crise da geografia resultou da recusa dos
geógrafos em confrontar os problemas reais do mundo" (Idem.). Seu livro La
géographie Du sous-développement (1965) é um exemplo disso. Muito embora
esse livro não esteja inserido no contexto da geografia crítica, "ele apresentava
uma realidade tão contraditória, que sua simples descrição já adquiria uma
força de considerável denúncia, fazendo da geografia um instrumento de ação
política". (MORAES 2005:124). Mas como já dissemos, foi apenas a partir da
visita ao Vietnã, que Lacoste dedicou-se com mais afinco aos problemas
geopolíticos.
Em janeiro de 1976, Lacoste lança com alguns dos seus alunos a revista
Hérodote. Com o subtítulo de Estratégias ­ Geografias ­ Ideologias, esse
periódico tinha um caráter epistemológico, pois buscava conhecer os objetivos
da geografia e da pesquisa geográfica. Paul Claval indicou que "a emergência
da revista geopolítica Hérodote em janeiro de 1976 foi a culminância de uma
longa jornada intelectual, que buscava responder a uma simples, mas
fundamental, questão: pra que serve a geografia?" (CLAVAL, 2000). Porém, a
partir de 1982, quando a palavra geopolítica passou a ser utilizada com mais
frequência e naturalidade na imprensa, o subtítulo da revista mudou, passando
a se chamar Revista de geografia e geopolítica. Desde a sua primeira edição,
Lacoste afirmou que os objetivos da revista eram cobrir os problemas políticos
e militares da época, em completa oposição a geografia tradicional que focava
os seus estudos no estado e no território nacional. (Idem.)
C - O Livro E Suas Impressões
Alguns meses após o lançamento da revista, Lacoste lançou um livro
resumindo suas ideias: Geografia Isso Serve Antes De Mais Nada Para Fazer
4

A Guerra. Este livro panfleto resumia todo o pensamento de Lacoste acerca do
que é geografia e, segundo ele, quais seriam suas verdadeiras intenções. Esta
obra ficou conhecida por sua crítica ao conhecimento geográfico. Alguns o
chamavam de ensaio panfleto (LACOSTE 1988:24[1976]). Dentre as ideias
levantadas, Lacoste faz uma crítica a educação geográfica, a geografia
acadêmica, ao trabalho do geógrafo em campo, ao trabalho de gabinete, a
dicotomia entre físicos e humanos e aponta falhas na tentativa da superação
dessa divergência. Enfim, não deixa pedra sobre pedra. Seu livro, ele levanta
questões, propõe debates e descortina algumas ideologias que antes estavam
escondidas atrás do pretenso discurso de neutralidade que a geografia fingia
ter.
O título da obra já revelava as intenções do autor a este respeito. Em um
tempo em que o conhecimento geográfico servia as elites na organização do
território e que esta ciência pregava a neutralidade do discurso científico,
Lacoste dizia que a geografia servia para fazer a guerra. Ele acreditava que o
conhecimento produzido pela ciência geográfica era um conhecimento
estratégico que servia as elites e aos gestores do território. Para ele, a
geografia sempre esteve ligada a prática de poder. (MORAES 2005:120). Para
planejar uma guerra e/ou dominar uma população de um dado território, é
necessário conhecê-lo. Ele verificou isso nos bombardeios aos diques
vietnamitas e na Alemanha Nazista. Moraes (2005) ao se referir a Lacoste, cita
como ele relacionou as "ingênuas" teses geográficas francesas no bombardeio
do Vietnã. Ele também afirma que:
"Todo conquistador (Alexandre, César ou Napoleão) sempre teve um
projeto com relação ao espaço, também os Estados e, mais
modernamente, a direção das grandes empresas monopolistas. Essa
Geografia seria feita na prática, ao se estabelecer estratégias de ação
no domínio da superfície terrestre, acontecendo, entretanto, que
dificilmente esta teorização é explicitada. Porém, sempre existe
vinculação a gestão do poder". (ibidem, 121).
5

Ou nas palavras do próprio Lacoste:
"É importante hoje, mais do que nunca, estar atento a essa função
política e militar da geografia que é sua desde o início". (LACOSTE
1988:30[1976])

Ao dizer que a geografia serve para fazer a guerra, não devemos
generalizar e pensar que esta ciência só serve para conduzir operações
militares. Os conhecimentos geográficos são imprescindíveis para a gestão do
território onde a população está inserida. A geografia ajuda os Estados, as
empresas

e/ou

outros

grupos

hegemônicos

em

sua

geopolítica

e

Aménagement4 do território. Elas são imprescindíveis para saber em qual lugar
investir, qual região tem perspectivas de crescimento, quais regiões tem mais
aptidão para esta ou aquela atividade, qual o melhor lugar para indústria e/ou
loteamento de casas, de modo que as mesmas possam facilitar a locomoção
dos trabalhadores. Enfim, não devemos seguir o título do livro ao pé da letra,
pois a geografia serve tanto em tempos de guerra, como em tempos de paz.
Seria mais eficiente entendermos esse título como: A geografia serve para
controlar os homens.
"Colocar como ponto de partida que a geografia serve primeiro para
fazer a guerra, não implica afirmar que ela só serve para conduzir
operações militares; ela serve também para organizar territórios, não
somente como previsão de batalhas que é preciso mover contra este ou
aquele adversário, mais também para controlar os homens sobre os
quais o aparelho de Estado exerce sua autoridade." (LACOSTE
1988:23[1976])

Podemos perceber também que este fato cria um caráter ideológico para
a geografia. Se os conhecimentos geográficos servem para ajudar as elites a
4

Aménegement do território é um termo utilizado por Yves Lacoste ao se referir a um espaço organizado
estrategicamente para propiciar uma maior gestão territorial e controle da população. Esse termo será abordado no
capítulo 1 deste trabalho.

6

gerir o território, a geografia, longe de ser uma ciência neutra, tornar-se-ia mais
um instrumento de dominação do proletariado. Ela ganha um posicionamento
político-ideológico sem nem perceber. Torna-se um mecanismo de auxílio aos
gestores (independente de seu partido político) no controle da população. A
própria região, termo tão comum na geografia tradicional, tem um caráter
explicitamente político. Etimologicamente, região vem de regere, isto é,
dominar, reger o território. E os geógrafos tradicionais sempre buscaram a
regionalização e/ou estudos regionais.

Mais para quê e/ou para quem

serviriam estes estudos? São importantes para auxiliar os professores em sala
de aula sim, e muito mais do que isso, fornecem aos gestores informações
minuciosas e indispensáveis para a administração de cada região.
Essa era a razão do título da obra de Lacoste, abarcar a ideia de que o
conhecimento geográfico tinha uma função geopolítica estratégica, que ele
sempre esteve vinculado a gestão do território, que ele favorecia o projeto de
poder da elite em vigência no momento. Enfim, que a geografia servia para
fazer a guerra.
Mas porque será que nós não conseguimos ver esse caráter geopolítico
e estratégico que a geografia tem? Lacoste respondeu essa questão
diferenciando a geografia das elites da geografia ensinada pelos professores.
Para ele, a geografia ensinada nas escolas (geografia dos professores) era o
principal elemento responsável pela mistificação da geografia como ciência
"neutra".

O conhecimento ensinado nos colégios era considerado inútil e

destituído de significado. A Geografia Tradicional ensinada nas escolas
apresenta conteúdos heteróclitos e sem conexão com a realidade. Por
exemplo, os conteúdos de Biomas, Cratons, Projeções, Climas, População,
eram ensinados de forma descritiva levando-se em conta apensas o que se via.
Esses conteúdos ensinados de forma solta acabam promovendo a ideia da
geografia ser uma ciência chata, sem nenhuma finalidade e que é necessário
apenas decorar.
7

Mas para Lacoste, a geografia dos professores não tinha nada de inútil.
Ela tinha uma função ideológica importante por dois motivos principais:
Primeiro, ela servia para dar suporte a geografia dos Estados através do
estudo e levantamento de dados que eram utilizados pelos governos dos
países no Aménegement do seu território e no controle da população e,
segundo, servia para mascarar o caráter político e estratégico que a geografia
tem de fato (uma vez que nas escolas ela parecia algo inútil). Em seu livro, ele
aborda a contradição entre essas "duas geografias", uma voltada para o Poder
outra voltada para a População. Neste sentido, não há duvidas de que, a
geografia que serve para fazer a guerra, é a primeira em questão.
Podemos perceber a grande repercussão que esse livro causou nos
geógrafos, professores e estudiosos no geral. Seu caráter de denúncia e de
esclarecimento desfez muitas ideologias sólidas acerca da ciência geográfica
praticada até então. E, embora ele não tenha criado uma nova geografia (nem
eram essas as reais intenções do seu autor), ele colocou algumas dúvidas em
pontos antes considerados confiáveis, e apontou novos caminhos a uma
ciência até então positivista. Ele mudou o eixo da discussão geográfica ao
substituir a pergunta: A geografia é mesmo uma ciência? tão comum entre os
geógrafos da época para a questão: Para que serve o conhecimento produzido
pela geografia? Para ele, essa mudança era fundamental, pois muito mais
importante do que pensar se a geografia deve ser ou não considerada um
conhecimento científico é saber quais são os interesses por de trás dos
estudos levantados. (LACOSTE 1988:8[1976]).
Lacoste apresentou uma resposta às questões que ele mesmo levantou.
Para ele, é necessário sabermos pensar o espaço (LACOSTE 1988:52[1976]).
E na análise deste espaço, ele privilegiou o caráter político e cartográfico como
instrumentos de análise. Ele via a geografia como uma ciência que auxiliava os
dominadores a organizar espaço numa perspectiva político-estratégico. Assim
sendo, cabia aos geógrafos utilizar seus conhecimentos como forma de
8

resistência a essa dominação, como uma forma de combate das classes baixas
as formas de opressão. "A razão de ser da geografia seria, então, a de melhor
compreender o mundo para transformá-lo, a de pensar o espaço, para lutar de
forma mais eficaz.". (LACOSTE 1988:9[1976]). Mas o que teria para ser
pensado sobre o espaço? Para Lacoste, a resposta para essa pergunta era a
cartografia. Através do estudo das diferentes escalas e da espacialidade
diferencial5 de uma dada região, poderíamos entendê-la melhor e ter uma visão
mais completa do espaço.
Podemos imaginar quais foram as repercussões de seu livro aqui no
Brasil. Com um caráter tão questionador, o livro Geografia, Isso Serve Antes de
Mais nada Para Fazer a Guerra, teve um espaço importante nas discussões
que estavam ocorrendo no país na década de 1970. E não podemos entender
a trajetória do livro de Lacoste no Brasil sem o estudarmos dentro da corrente
geográfica que se convencionou chamar de Geografia Crítica.
D - Influencias Do Livro De Yves Lacoste No Brasil: O Movimento De
Renovação Da Geografia
Não podemos falar do movimento de renovação da geografia no Brasil
sem falar de autores como Yves Lacoste ou no Encontro Nacional da AGB
(Associação de Geógrafos Brasileiros) de 1978. Pois esses dois fatos
contribuíram muito para a formação e desenvolvimento da geografia crítica no
Brasil. Durante a década de 1970, diversos movimentos de contestação e
crítica, começaram a mudar a cara da geografia brasileira. A geografia
Quantitativa e Pragmática estava perdendo força e número de adeptos.
Aumentava o número de autores que se identificavam com uma análise
geográfica menos positivista e mais militante. Que visse as contradições do

5

Esses conceitos foram desenvolvidos por Lacoste ao longo do seu livro e serão abordados mais profundamente no
capítulo 2 desta obra.

9

mundo e buscasse transformá-lo. Buscava também mudanças dentro da
própria geografia: em seus métodos e técnicas ultrapassadas.
Essa nova corrente geográfica questionava a geografia tradicional e a
geografia pragmática ao apontar o conteúdo de classe vinculado em suas
práticas. Para os "marxistas", a geografia tradicional é utilizada como uma arma
de dominação da população, aprofundando assim, as desigualdades sociais.
Eles denunciavam que a geografia não tinha nada de ciência neutra. Muito pelo
contrário, o conhecimento gerado pela geografia tem clara ligação com o
Estado e com as elites. Esses geógrafos marxistas propuseram uma geografia
que desmascarasse todas as formas de dominação e injustiças sociais, e que
utilizasse os conhecimentos geográficos para transformar a realidade social.
Eles "pensam a análise geográfica como um instrumento de libertação do
homem" (MORAES 2005:119)
É nesse contexto que acontece no Brasil o ENG de 1978 em Fortaleza ­
CE. Os ânimos já estavam exaltados do congresso e dos debates acalorados
promovidos pelos DAs e seções da AGB e a emergência de alguns livros e
revistas de contestação fez emergir a corrente geográfica conhecida como
geografia crítica. As principais biografias feitas neste período são os livros Por
Uma Geografia Nova de Milton Santos, Marxismo e Geografia, de Maximo
Quaini e o livro Geografia, isso serve antes de mais nada para fazer a guerra,
de Yves Lacoste.
O livro de Milton Santos analisou as principais correntes geográficas até
então e apresentou uma perspectiva geográfica centrada no estudo do espaço.
Para ele, o Espaço Geográfico era o objeto de estudo da geografia. Ele
analisou o espaço como um fator, como método, estudou as rugosidades
espaciais, etc. Máximo Quaini relaciona a geografia ao marxismo. "Ele vê a
relação homem-meio à luz da desterritorialização do campesinato, realizada
pelo movimento da acumulação primitiva." (MOREIRA 2000:34). Contudo, é o
10

livro de Lacoste que tem maior repercussão na época. Isso porque, em um livro
de fácil compreensão (lido até por muitos não geógrafos) ele revela todos os
pontos incertos e delicados da geografia e descoberta sua função política e
ideológica.
Moreira diz que o livro de Lacoste foi responsável por uma verdadeira
explosão do ambiente carioca (Idem p.30); Para Vesentini este é uma das
"mais importantes análises críticas feitas nas últimas décadas, no bojo da "crise
da geografia" (LACOSTE 1988:10[1976]), e ele ainda completa "um texto de
leitura obrigatória para todos aqueles que se preocupam com a história dos
conhecimentos geográficos, com o ensino da geografia, com o espaço
enquanto dimensão material dos entrelaçados dispositivos de poder e de
dominação". (idem); MORAES afirma que, ao colocar a geografia como
instrumento de dominação da burguesia, Lacoste foi o autor que formulou a
crítica mais radical da Geografia Tradicional (MORAES 2005: 120); RIBEIRO
(2011) acredita que a obra de Lacoste é "uma das principais referências
intelectuais da Geografia Crítica" (RIBEIRO 2011:2) e diz ainda que,
juntamente com a revista Hérodote, o livro Geografia isso serve em primeiro
lugar para fazer a guerra:
"abre caminho para a inserção de temas referentes ao poder e a política
num ambiente intelectual marcadamente conservador como a Geografia
francesa (vide CLAVAL, 2000). Além disso, é impetuoso ao abrir um
front de batalha com dois gigantes, rechaçando a ausência do espaço
em Marx (e os problemas dela resultantes) e a Geografia "modesta" do
historiador Lucien Febvre, que defendia que ela deveria estudar o solo,
e não o Estado." (Idem).

E isso tudo sem ter uma edição original do livro em português. Pois,
durante os primeiros anos, a única edição do livro que chegou no Brasil foi uma
edição pitara. Em 1976 o livro foi traduzido para o português (em Portugal) pela
editora Editoriais, entretanto essa editora só imprimiu 3 mil exemplares e logo
11

faliu. Como essa empresa tinha os direitos autorais sobre a versão em língua
portuguesa do livro, durante cerca de dez anos ele não pode ser mais impresso
e a única forma de se reproduzi-lo era através de Xerox da versão do
português de Portugal. Mas o texto era tão interessante, que essa edição pirata
foi fotocopiada aos milhares e lida por muitos geógrafos e professores de
geografia do Brasil. O livro só foi publicado no Brasil em 1989 pela editora
Papirus. Desse modo, podemos deduzir que, se não fosse o problema com a
editora lusitana, a obra de Lacoste teria uma repercussão ainda maior no
Brasil. (LACOSTE 1989:23[1976]).
Devemos mencionar também que, com o objetivo de consertar alguns
maus entendidos, o autor reelaborou alguns pontos do livro em duas edições
posteriores. Para ele, a região La Blacheana era um "conceito obstáculo" ao
impedir a análise de outros recortes espaciais. Em sua segunda edição, ele
esclareceu que se equivocou fazer essas afirmações. Ele explicou que, em sua
primeira edição em 1976 ele (e muitos geógrafos da época também), não
tomou conhecimento do livro La France de l'Est (Lorraine-Alsace) onde o
aspecto

geopolítico

estaria

presente.

Lacoste

escreveu

um capítulo:

Concepções mais ou menos amplas da geograficidade. Um outro Vidal de La
Blache onde esclareceu essa questão. Entretanto, mesmo depois dessa
retificação do autor, o que prevaleceu durante muito tempo na cabeça dos
geógrafos, foi a visão de uma "região obstáculo" (RIBEIRO, 2011: 232-249)
Mas, a despeito desses problemas, e das inúmeras vicissitudes que a
tradução do livro encontrou, suas críticas a pseudo neutralidade da geografia, o
envolvimento classista, a falência do "projeto unitário", os problemas de escala
e da educação geográfica tiveram muitas repercussões no Brasil. Ao longo dos
próximos capítulos desta monografia buscaremos analisar mais profundamente
alguns aspectos abordados por Lacoste em seu livro e a sua atualidade nos
dias atuais. No capitulo 1 analisaremos a educação geográfica na perspectiva
Lacosteana, suas críticas a educação dos professores (a educação
12

mnemônica, a educação para a formação de cidadãos ordeiros e pacíficos) e
algumas considerações sobre a escola. No segundo capítulo abordaremos as
ideias de Lacoste acerca desta questão: como solucionar alguns problemas na
educação dos professores a partir da geopolítica, da cartografia e das escalas.
E, concluindo o trabalho, discorreremos sobre o ensino aprendizagem
geográfico, a partir de experiências vivenciadas nas escolas do Município de
Seropédica ­ RJ, através dos Estágios supervisionados e do PIBID (Programa
Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência).
Enfim, podemos dizer que o livro de Yves Lacoste não virou uma
referencia por ter apresentado novidades, mas por ter descortinado alguns
elementos e pontos frágeis da geografia. A presente obra tem a humilde
pretensão de, revisando a obra desde importante autor, esclarecer como o
ensino de geografia se manifesta atualmente. Será que a dicotomia da
Educação dos professores e a geografia dos Estados maiores ainda existe? E,
no caso afirmativo, como se dá essa questão? As fragilidades do discurso
geográfico já foram solucionadas? Será que as soluções propostas por Lacoste
fariam sentido no mundo em que vivemos? Quais questões afetam os
geógrafos e professores de geografia do século XXI? Resumimos todas essas
ponderações uma pergunta principal: Qual a atualidade do Livro de Yves
Lacoste Geografia, Isso Serve Antes de Mais Nada Para Fazer a Guerra para
os geógrafos e professores de geografia do século XXI no Brasil? E, a partir
destes questionamentos, norteamos a nossa pesquisa.

13

CAPÍTULO I ­ EDUCAÇÃO E GEOGRAFIA SEGUNDO YVES
LACOSTE: A GEOGRAFIA DOS PROFESSORES E A ATUALIDADE
DA CRITICA A EDUCAÇÃO
Vanguarda em vários aspectos, Yves Lacoste também faz umas das
primeiras críticas ao ensino de geografia resaltando seus métodos, seus
objetivos e apresentando novas formas de ensino-aprendizagem que sejam
mais eficientes e que façam mais sentido para o aluno.
No livro Geografia Isso serve antes de mais nada para fazer a guerra,
Lacoste argumenta que o ensino de geografia servia para mascarar o
verdadeiro sentido do estudo geográfico. Ele chamou de "geografia dos
professores" a prática pedagógica aparentemente neutra e desinteressada,
ensinada nas salas de aulas, mas que tinha várias funções estratégicas, dentre
elas: dissimular a verdadeira importância do estudo do espaço geográfico,
gerar informações sobre as várias regiões e criar um sentimento de
nacionalismo e de pertencimento ao território. (LACOSTE, 1978:51-56[1976])
Mesmo depois de tanto tempo, podemos identificar poucos avanços.
Trinta anos após a obra de Lacoste ser publicada, as suas análises sobre a
importância e a utilidade do ensino de geografia continuam extremamente
atuais. Continuamos tendo aulas conteudísticas, desinteressantes e com
ênfase em memorização. Yves Lacoste iniciou uma reflexão epistemológica
acerca do ensino-aprendizagem de geografia. Mas suas reflexões ultrapassam
a geografia e tornam-se uma crítica acerca da própria escola. Ele aborda que a
geografia está muito longe de ser inútil e desinteressante, como a pratica
pedagógica sugere, mas que, muito pelo contrário, a geografia tem finalidades
bem claras. Ele explicou que os recortes e descrições geológicas,
geomorfológicas, climáticas, etc, da geografia têm um fim bem específico,
descortinando assim a aparente neutralidade do conhecimento geográfico e
trazendo a tona a verdadeira ideologia da geografia.
14

Os primeiros capítulos de seu livro fazem uma descrição geral do que
era a geografia escolar e como ela dissimulava o conhecimento estratégico.
LACOSTE (1976) descreve:
"Todo mundo acredita que a geografia não passa de uma disciplina
escolar e universitária, cuja função seria fornecer elementos de uma
descrição do mundo, numa certa concepção "desinteressada" da cultura
dita geral... Pois, qual pode ser de fato a utilidade dessas obras
heteróclitas das lições que foi necessário aprender no colégio? As
regiões da bacia parisiense, os maciços dos Pré-Alpes do Norte, a
altitude do Monte Branco, a densidade da Bélgica e dos Países Baixos
...Tudo isso serve pra quê?
Uma disciplina maçante, mas antes de tudo, simplória, pois como
qualquer um sabe, "em geografia nada há para entender, mas é preciso
ter memória..." De qualquer forma, após alguns anos, os alunos não
querem mais ouvir falar dessas aulas que enumeram para cada região
ou para cada país, o relevo ­ clima ­ vegetação ­ população ­
agricultura ­ cidades ­ indústrias". (LACOSTE, 1988:21[1976]).

Esta descrição de Yves Lacoste acerca da "geografia dos professores"
foi feita em 1970, mas parece muito com a escola dos dias atuais. Ainda hoje,
os alunos associam a geografia a um conhecimento inútil e chato que não é
preciso entender, apenas decorar. É verdade que na escola, cada disciplina
tem um estereótipo específico. A matemática, por exemplo, é tida como a
disciplina "difícil", a educação artística e a educação física são tidas como as
"disciplinas legais" e a geografia como a "disciplina da memorização". Assim
sendo, o problema não é apenas das aulas de geografia, mas sim na forma
ultrapassada que a escola e as suas disciplinas estão organizadas.
Entretanto, a geografia apresenta um sério agravante, e que a deixa em
uma situação muito pior do que as demais disciplinas: Do jeito em que é
15

ensinada, a geografia poderia ser ministrada até sem professor. Isso mesmo,
os conhecimentos das paisagens, do relevo, do clima, da demografia e da
economia das regiões, são muito mais interessantes, quando explicados pelos
jornais, revistas e documentários, do que quando ministrados por um docente.
Desse modo, poderíamos dizer então que, da forma como é lecionada, a
presença de um professor de geografia para ensinar esses conhecimentos de
mundo é dispensável.
Ora, mas para que serve esses conteúdos acerca do clima, da
vegetação e da geologia, dos vários lugares do mundo? Será que eles não
servem mesmo para nada? Muito pelo contrário, no decorrer da história,
podemos ver que a geografia sempre teve uma função importantíssima na
sociedade. Analisando as correntes geográficas ao longo do tempo, podemos
perceber os diversos "objetivos" (idem p.35) que a geografia tomou durante a
história. Seja a geografia tradicional, a geografia teorético-quantitativa ou a
marxista. Todas as concepções de geografia sempre tiveram uma finalidade. E
com o ensino de geografia não é diferente, ele também tem objetivos claros.
Lacoste (1976) buscou conhecer as reais intenções da geografia de sua
época. Ao fazer uma profunda crítica ao conteúdo geográfico difundido até
então e descortinar o ideal classista e geopolítico da disciplina que ficava
escondido por trás da prática pedagógica e dos livros didáticos de geografia. A
sua obra ficou conhecida como uma importante crítica ao ensino de geografia e
um dos livros precursores da geografia crítica. As principais contestações de
Lacoste para a educação geográfica foram que: A geografia escolar serve para
divulgar um saber mnemônico, ingênuo e ideológico e que ela tinha a função
de formar cidadãos nacionalistas (noção de pátria);
Uma das principais revelações efetuadas por Lacoste foi afirmar que a
geografia ensinada nas escolas "mascara" os objetivos geopolíticos e
estratégicos desta disciplina. Para ele, a ciência geográfica sempre serviu para
16

auxiliar os estados na organização dos territórios e no controle dos homens: as
informações geradas pela geografia sempre foram utilizadas pelos estados
como um saber estratégico sobre o território nacional. O título do seu livro,
Geografia: Isso serve antes de mais nada para fazer a guerra, buscava apontar
esse conteúdo político que a geografia tinha. Ele apregoou que os conteúdos
maçantes e heteróclitos que eram ensinados na escola, eram utilizados pelos
estados maiores em operações militares e como forma de domínio territorial.
Em outras palavras, é como se geografia escolar fosse o combustível
necessário para a geografia dos Estados Maiores acontecer.
"Esse discurso pedagógico que é a geografia dos professores, que
parece tanto mais maçante quanto mais a mass media desvendam seu
espetáculo do mundo, dissimula aos olhos de todos, o temível
instrumento de poderio que é a geografia para aqueles que detêm o
poder." (LACOSTE, 1978:22 [1976]).

Os dados demográficos, físicos, econômicos, sociais, políticos e
cartográficos sempre foram informações extremamente necessárias para a
elaboração de táticas e estratégias, mas tinham estes objetivos mascarados
nas escolas. A utilidade prática da geografia é mascarada pelo caráter neutro,
inocente, inofensivo e até inútil da geografia escolar.
A essa geografia escolar dissimulada, Yves Lacoste chamou de
Geografia dos professores. Contrapondo-se a esta, existe a Geografia dos
Estados-Maiores que é mais antiga que aquela e utiliza seus conhecimentos
como forma de poder estratégico. No entanto, trinta anos depois do seu livro, a
geografia dos estados maiores e dos professores continuam do mesmo jeito.
Esta, conteudistica e sem contexto gerando informações e conhecimentos
necessários para aquela acontecer.

17

Mais será que essa disciplina é mesmo assim? Será que não existe
nenhum interesse político no ensino de geografia? Yves Lacoste acreditava
que não e descortinou os reais objetivos dos discursos pedagógicos.
1.1.

O Interesse Político (Nacionalista) No Ensino De Geografia
Para Lacoste as aulas de geografia não eram apolíticas como se

pretendia pensar. Mas, ao contrário, elas tinham um objetivo muito claro e
definido. A função da geografia era mostrar a pátria e desenvolver um ideal
nacionalista e patriótico nos estudantes. Segundo Lacoste, o ensino de
geografia servia para mostrar aos alunos as diversas paisagens do seu país e
construir uma ideia de nacionalismo nos cidadãos. O ensino de geografia tinha
então uma função moral e cívica no território.
Através do decalque de mapas, da descrição exaustiva do relevo, clima
e vegetação das várias regiões do país e através do discurso político
entranhado nessas aulas, os alunos eram levados a acreditar na noção de
identidade nacional. Acreditam que a cultura, economia, climas e vegetação de
um país são únicos e devem ser preservados. Desse modo, a geografia dos
professores servia para construir cidadãos pacíficos, ordeiros e doutrinados
nas ideias de que sua nação é forte e soberana.
Lacoste aponta o livro Volta da França por duas Crianças como um
exemplo desse ideal nos livros didáticos. Ele destaca a importância política
deste livro na formação do cidadão Francês desde a tenra idade (Idem p. 55).
A introdução das cátedras de geografia na França foi fomentada pelo resultado
da guerra Franco-Prussiana (1870-1871). Depois desse combate, vencido
pelos germânicos, divulgou-se a ideia que "a guerra havia sido ganha pelos
instrutores

alemães"

(MORAES,

2005:77).

Esse

fato

estimulou

o

desenvolvimento do ensino de geografia nas escolas Francesas. Entretanto,
este forte interesse geopolítico na formação escolar não se restringe apenas a
18

França, podemos vê-lo presente no ensino da maioria das nações. Tomemos
por exemplo a situação da educação japonesa no início da sua industrialização:
"A educação elementar, que o regime Meiji pretendeu tornar universal,
incluindo meninos e meninas, representava a generalização das
habilidades de ler e escrever e de lidar com números. Tais condições
passaram a ser consideradas de fato essenciais para a preparação
integral de uma força de trabalho condizente com a industrialização
acelerada do país. Ao mesmo tempo, nas escolas primárias (públicas)
também eram transmitidos valores que a liderança política procurava
incutir nas pessoas desde cedo ­ uma ética e uma conduta
concernentes ao desenvolvimento soberano do Japão." (CURY, 2000:
153).

O

cidadão

japonês

precisava

ser

preparado

tecnicamente

e

ideologicamente para se tornar um trabalhador para as indústrias, e as escolas
tinham uma função primordial neste sentido. A educação geográfica formava
nas crianças os valores de ética e as condutas necessárias ao trabalhador
capitalista. A maioria das redes de ensino público visa preparar os seus alunos
para o mercado de trabalho. Podemos citar no Brasil diversos exemplos de
redes de ensino que tem essa preocupação.
1.2.

O PCN (Parâmetro Curricular Nacional), O Currículo Mínimo Do Estado Do

Rio De Janeiro Para A Área De Geografia E A Ética De Trabalho Burguesa

Uma peculiaridade do regime educacional japonês foi a introdução da
moral confuciana em seus ensinos. A educação servia para criar cidadãos
submissos a suas autoridades.
"Alguns autores destacam ainda que o treinamento moral confuciano,
recebido pelos estudantes através da educação elementar, "teria
exercido poderosa influência nas atitudes políticas do povo, em especial
no cultivo dos mais fortes sentimentos regionais" (Allen, 1983, p.27).
Isso significa que a educação cumpriu também a função de legitimar o
19

governo e o regime político instaurado no país, ao mesmo tempo em
que incutiu nos mais jovens o "espírito nacionalista" e o desejo de
trabalhar para a construção de uma nação grande e forte. As heranças
do passado (tradição) deveriam ser associadas ao projeto do futuro
(modernização)." (CURY, 2000:153).

Mas não é só o Japão que pensa assim. O espírito e a moral
"confuciano" incutido na população (aliás, um dos motivos responsáveis pelo
sucesso econômico japonês), têm sido reproduzidos ao extremo pelos
governos de diversos países. Assim como no exemplo asiático, várias nações
buscam uma educação pública que, além de "legitimar o governo e o regime
político instaurado no país, incutia nos mais jovens o espírito nacionalista e o
desejo de trabalhar para a construção de uma nação grande e forte" (idem).
Neste sentido, a geografia é a melhor opção. Desde o seu inicio, essa
disciplina sempre esteve ligada a formação das noções de cidadania e
identidade nacional nos diversos países em que ela foi implementada. Na
Alemanha a sistematização da geografia ocorre como uma forma de possibilitar
a unificação do país. E isso também se aplica ao Brasil. A geografia daqui
também teve a função de naturalizar fisicamente os fundamentos da ideologia
nacional, ou seja, incutir nos alunos a ideia que o território nacional pertence a
ele assim como os seus braços e suas pernas pertencem ao seu corpo. Criouse ideologia do povo e do espaço nacional formando a nação brasileira.
Podemos constatar isso nos principais livros didáticos de geografia do Ensino
Fundamental e Médio e nos parâmetros curriculares de geografia dos estados
e da federação. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), dentre
os objetivos do Ensino Fundamental brasileiro encontram-se:


Conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões
sociais,

materiais

e

culturais

como

meio

para

construir

progressivamente a noção de identidade nacional e pessoal e o
sentimento de pertinência ao país;
20



Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural
brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e
nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada
em diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de
etnia ou outras características individuais e sociais; (Parâmetros
Curriculares Nacionais ­ GEOGRAFIA. MEC, 1998).

Vemos aí uma clara valorização da cultura e da geografia
vernácula. A busca da "noção de identidade nacional e pessoal e o sentimento
de pertencimento ao país" nos alunos é exatamente aquilo que Lacoste
identificou em seus estudos. E, se considerarmos ainda os livros didáticos de
geografia e os currículos das redes Estaduais e Municipais de ensino utilizados
no país veremos que isso ficará ainda mais evidente. Os aspectos físicos e
humanos da realidade brasileira são estudados de forma a favorecer um
conhecimento acerca do território e criar um patriotismo nos alunos.
O currículo Mínimo do Governo do Estado do Rio de Janeiro para área
de geografia também é um exemplo disso: Nele podemos ver que o espaço
geográfico das regiões brasileiras e as características físicas das mesmas são
bem abordadas nos primeiros anos do segundo segmento do ensino
fundamental em concordância com o que Lacoste afirmava, "o ensino de
geografia é, incontestavelmente a ilustração e à edificação do sentimento
nacional" (LACOSTE, 1978:51-56[1976]). É exatamente isso que aconteceu no
Japão ajudado pelo confucionismo, é o que Lacoste percebeu nos educadores
alemães, é o que vemos no Brasil, e provavelmente, é a maneira de fazer
geografia da maioria dos países.
Essa seria então a única forma de se ensinar geografia? Será que
mostrar pátria é o único objetivo da disciplina? E, em caso negativo, qual será a
21

finalidade desta ciência então? Essa tem sido uma questão crucial e pela qual
são realizados encontros, simpósios, congressos de ensino, artigos científicos,
dentre outros. Diversos autores têm de embrenhado neste assunto em busca
de respostas. Surgiram então algumas correntes pedagógicas e geográficas de
como construir no aluno um conhecimento crítico e como fazer o ensino
geográfico ter significado sentido para o mesmo.

A partir de agora,

apresentaremos um breve relato de algumas experiências neste sentido.

22

CAPÍTULO II ­ IDÉIAS E RECURSOS PARA O ENSINO
APRENDIZAGEM DE GEOGRAFIA SEGUNDO LACOSTE: A
CARTOGRAFIA E A GEOPOLÍTICA COMO FORMAS DE
FACILITAÇÃO DA APRENDIZAGEM
Yves Lacoste não fez apenas uma exposição dos problemas que a
geografia dos estados maiores e a Geografia dos professores apresentavam.
Em seu livro, ele aponta as dificuldades da geografia em sua época, seguidos
de uma sugestão de como esta deveria ser ensinada. Neste capítulo,
apresentaremos

as

principais

ideias

deste

autor

acerca

do

ensino

aprendizagem geográfico.
Existem diversas tendências, conceitos e teorias que buscam melhorar o
ensino básico. Na geografia, existem algumas correntes que trabalham neste
sentido também. Com Yves Lacoste não foi diferente. De acordo com suas
experiências em educação e geografia, ele descobriu que existia uma lógica
invisível por traz da educação geográfica.
Segundo Lacoste, o discurso geográfico escolar e universitário foi
criado no século XIX e destinado principalmente a educação dos jovens
(LACOSTE 1988:26[1976]). Para isso, os geógrafos esqueceram todo o
passado histórico dessa disciplina (e sua relação com os estados e maiores) e
valorizaram apenas o ensino escolar desinteressado politicamente. Desse
modo, o ensino de geografia ficou restrito apenas a uma descrição de lugares e
paisagens do globo. Esses conhecimentos ministrados nas escolas transmitiam
à geografia a característica de ciência chata. Até nas universidades francesas
essa disciplina enfrentava problemas. Os graduandos eram obrigados a fazer
matérias de geografia para obter seu titulo de professor. Pois na época, só
existia uma graduação para ministrar aulas de história e geografia 6. Desse
6

Para Lacoste, o motivo desta junção é que a influencia do ideal Kantiano e de juntar Espaço e Tempo.
(LACOSTE 1988:222[1976]).

23

modo, para se obter a licença ou o título de agrégátion, os graduandos (na
maioria interessados apenas em história) eram obrigados a "fazer geografia."
(idem p. 16).
Não é de se admirar que as aulas de geografia fossem tão
desinteressantes, desde o seu inicio, os conhecimentos geográficos eram
passados aos universitários que, apesar de não ter interesse algum em seu
conhecimento, eram obrigados a estudar e, mais do que isso, "dar aulas de
geografia" ao final de sua graduação. Mas como seriam as aulas desses
futuros profissionais? Como seriam as aulas de professores que não tem
interesse algum nesta disciplina? O destino da geografia parecia obvio. Tornouse uma disciplina chata, onde apenas se reproduzia o que dizia os livros e
currículos educacionais. Os próprios professores registravam que não
gostavam e/ou que tinham muita dificuldade de lecionar aulas de geografia.
(ibidem p. 222).
Lacoste registrou os problemas enfrentados pela geografia dos professores,
seja nas escolas, seja nas universidades. Ele completa:
Na universidade, onde, contudo se ignoram as "dificuldades
pedagógicas" dos professores de história e de geografia do
secundário, os mestres mais avançados constataram que a geografia
conhece "certo mal estar"; um dos reitores da corporação declara,
não sem solenidade, que ela "entrou na era dos quebras". (Ibidem, p.
22).

Em outro momento, ele declara:
Ensinar geografia no primário e no secundário não é coisa cômoda.
Temos todos, ou quase todos, a lembrança das lições de geografia
particularmente tediosas, tal, por exemplo, "a desigualdade dos dias
e das noites" ou "longitude-latitude, meridianos e paralelos" (aliás,
não é exatamente geografia, mas sobretudo astronomia), que são os
24

deveres aborrecidos pelos quais se inaugura, ritualmente, o
programa de geografia geral. (LACOSTE 1988:223[1976])

Mas o que haveria de tão difícil no ensino de geografia? Porque a
transposição didática é tão difícil? O que faz dessa disciplina algo tão ruim que
os professores ficam desmotivados para ensinar e os alunos tão entediados
para entender? Para muitos, o problema é que não existe nenhum estímulo
para se ensinar geografia. Na história existe um suspense, uma tensão, um
drama que, aliado a um talento do professor, transforma o conteúdo em algo
apaixonante capaz de fazer o aluno "prender a respiração". (Idem p. 224). Mas
na geografia não existe essa dramaticidade. Os conhecimentos geográficos
são estáticos e sem significado.
E ainda tem a concorrência com a "geografia espetáculo" que é
divulgada pelas mídias em geral. Essa geografia, embora também dissimule a
ideia de saber geográfico como uma estratégia de dominação, é muito mais
atraente e interessante que os conhecimentos de sala de aula. A "geografia
espetáculo" é reproduzida em filmes, séries, revistas, etc.7 É muito difícil um
professor de geografia, contando com um quadro, um giz, e um mapa, (e às
vezes nem isso) conseguir concorrer com tantos recursos tecnológicos e
midiáticos oferecidos aos alunos.
Para solucionar tantos problemas, os professores de geografia
recorrem a algumas técnicas, teorias e/ou correntes pedagógicas. Lacoste
chamou de "procedimentos de estímulo" esses métodos utilizados por
professores em sala de aula a fim de auxiliar o ensino-aprendizagem
geográfico (como a dramatização auxilia a história, por exemplo). Mas nem
todas teorias têm êxito. Lacoste aborda falhas em algumas práticas comuns no

7

Como já foi dito, na década de 1970 a revista National Geographic já tinha cerca de 10 milhões de
assinantes nos EUA. (LACOSTE 1988:226[1976]) o que mostra a força da "Geografia Espetáculo".

25

ensino de geografia. O foco no estudo do "meio local" como "procedimento de
estímulo" seria, segundo ele, um desses erros.
2.1.

Importância Do Lugar/Região No Ensino De Geografia: Vantagens E

Desafios Do Estudo Do "Meio-Local" Como Procedimento De Estímulo
Para As Aulas De Geografia
Uma das formas encontradas para solucionar o problema da falta de
sentido da geografia para os alunos e/ou de não precisar concorrer com a
"geografia espetáculo" das mídias em geral, é o estudo da geografia do "meio
local" e ou "espaço vivido" dos alunos.
Lacoste identifica essa postura dos professores em seu livro quando diz:
"Para ir de encontro das enumerações de rubricas e das nomenclaturas,
o estudo do "meio local", aquele onde se encontra a escola, foi
preconizado como "procedimento de estimulo", notadamente no ensino
primário". (Idem p. 224)

De fato, o estudo do "Lugar" e/ou "meio local", tem encontrado bastante
espaço entre os pesquisadores de ensino de geografia. LANA CAVALCANTI
(2008) discorre sobre como esses conceitos geográficos (como o do lugar, por
exemplo) podem ser utilizados na construção de conhecimento e na formação
de um raciocínio geográfico pelo aluno. Ela analisa como o lugar é tratado nos
livros didáticos. Geralmente no 6º ano do ensino fundamental. O que nos faz
concluir que ele é "o primeiro conceito para iniciar a formação do raciocínio
geográfico pelos alunos". (Idem p. 95)
NOGUEIRA (2004) ao estudar os mapas mentais como recurso
didático para o estudo do lugar, destaca que a vivencia e percepção dos alunos
acerca do lugar deve ser aproveitado nas aulas de geografia. Segundo Eric
Dardel (apud Noqueira, 2004) "para o homem, a realidade geográfica é
primeiramente o lugar em que estão, os lugares de sua infância, o ambiente
26

que lhe chama a sua presença", ou seja, o primeiro contato que o indivíduo tem
com a geografia é por meio do lugar.
STRAFORINI (2004) discorre sobre a abordagem "sintética" do ensino
de geografia. Para ele, essa abordagem consistia em "apresentar o estudo da
localidade como ponto de partida para a educação dos alunos, aumentando
gradativamente as dimensões espaciais a serem estudadas" (STRAFORINI,
2004:88). Por sua semelhança com a abordagem construtivista de educação, a
abordagem sintética é a mais utilizada nas escolas atualmente. SOUZA (2011)
defende que o professor, no momento da construção das suas aulas deve levar
em consideração os conhecimentos espontâneos dos alunos. Ou seja, todas as
experiências geográficas que ele vivencia em seu quotidiano.
Entretanto, embora seja inegável que o conhecimento da realidade dos
alunos e a utilização dos conhecimentos que ele já possui sejam um importante
meio facilitador da aprendizagem, não podemos nos prender somente nesta
abordagem, sob pena de termos um ensino superficial e sem maiores
descobertas para o aluno.
Lacoste aborda esse fato ao dizer:
"Mas ali também se afirma que ensinar geografia não é coisa fácil, e
talvez mais inda por esses métodos de estudo ativos. O estudo do
meio local, para ser frutífero, exige a reunião de condições que são,
a bem dizer, bastante excepcionais: tempo, entusiasmo, mestres
solidamente formados que sejam capazes de operar múltiplas
comparações e de serem pesquisadores perspicazes e bons
observadores do terreno. Sem isso, e é bem frequente o caso, não
se trata senão de propósitos descosidos, enumerando alguns
aspectos de um quadro bem familiar aos alunos para que eles
tenham interesse nisso." (LACOSTE 1988:224[1976])

27

Nesse trecho, identifica-se em Lacoste, o estudo do meio local como
forma de facilitar a aprendizagem dos alunos é um grande desafio, pois seria
necessário um grande trabalho de pesquisa do professor sobre a realidade dos
educandos e uma excelente capacidade de comparação deste meio local com
os conhecimentos científicos que os alunos necessitam aprender. Conforme
SANTOS (2009) indica, cada lugar é, ao mesmo tempo, objeto de uma razão
global e de uma razão local, convivendo dialeticamente. Ao falar das cidades
como forma de relacionar o local e o global, SANTOS (2008) afirma que "É
assim que as cidades se constituem, cada vez mais, uma ponte entre o global e
o local, em vista das crescentes necessidades de intermediação e da demanda
também crescente de relações" (SANTOS 2008:281). CALLAI (2012:88) explica
que, embora "as macroestruturas definam em uma escala global a dinâmica da
sociedade, porém, concretamente, as coisas ganham significado no lugar". E
muito antes do atual estágio de globalização, MARX (1948) já abordava, embora
a dinâmica do capital seja global, ela se expressa localmente.
Em outras palavras, mesmo estando próximo da realidade dos alunos,
o lugar é algo extremamente complexo. Ele é formado a partir de processos e
características dos espaços globais, mas com as peculiaridades de cada local.
Desse modo, os espaços locais não podem ser abordados de forma superficial.
Precisamos apresentar a expressão da totalidade que cada local tem e não se
contentar com o conhecimento do aluno apenas no âmbito de seu quotidiano.
Mas como apresentar uma visão aprofundada e completa do lugar se este é
visto apenas nos primeiros anos do ensino fundamental? Para Piaget, as
crianças têm estágios e/ou períodos de desenvolvimento que devem ser
respeitados no momento da educação. Crianças do sexto ano do ensino
fundamental não teriam raciocínio cognitivo para entender uma abordagem
mais aprofundada do lugar. Precisando então, que este seja trabalhado
respeitando o desenvolvimento da mesma.

28

Desse modo, deveríamos ensinar esse conteúdo tão importante em
duas etapas. Uma, no ensino fundamental, para auxiliar os alunos a
compreender os outros conhecimentos de geografia, e outra, no ensino médio,
de forma muito mais aprofundada. E, lembrando-se da recomendação de
Lacoste, com professores com "tempo, entusiasmo, e capacidade de operar
comparações e bons observadores de terreno" (LACOSTE 1988:224[1976]).
Pois, senão, o "tiro pode sair pela culatra" e os alunos, que conhecem seu
"meio local" muito mais do que o professor, podem ficar extremamente
desmotivados.
Sem falar que, a escala maior, em especial os Estados Nacionais8, que
tem sido o objeto de estudo da geografia desde seu início, tem enfrentado
inúmeros desafios. O estudo do país tem deixado ser algo interessante para os
alunos. E isso também deve ser encarado como um sintoma de crise da
geografia. Os professores querem utilizar o país, a região e o lugar em que as
crianças vivem como forma de auxiliar a aprendizagem e despertar interesse,
mas os alunos não se sentem a vontade em estudar o seu "meio local" (idem p.
225)
Logo, para que esse "procedimento de estímulo" possa dar certo, é
necessária a união de diversos fatores e situações favoráveis. Lembrando
também que, uma experiência que tenha obtido êxito em um lugar, pode não
ter o mesmo efeito benéfico em outra região em que seja reproduzida. Desse
modo, segundo Lacoste, o estudo do "Meio Local" não teria condições de ser
um "Procedimento de estímulo" capaz de dar vivacidade às aulas de geografia
(ibidem p. 224).

8

Já que um dos objetivos da geografia dos professores era o de mostrar a pátria. (LACOSTE 1988: 5156[1976]).

29

2.2.

"Não Há Geografia Sem Drama": O Elemento Político Como Um

Elemento Fomentador Do Ensino De Geografia
Para Lacoste, a geografia não necessita de procedimentos de estimulo
para facilitar a aprendizagem. Segundo ele, a falta de vivacidade das aulas de
geografia é ocasionada pela falta de conhecimento dos reais significados da
ciência geográfica. A geografia por si só, é uma ciência carregada de
intensidade e "tensão dramática". "Não há geografia sem drama" (LACOSTE
1988:229[1976]), segundo Lacoste. Mais de onde viria essa dramaticidade e
por que ela foi perdida? Lacoste responde essa pergunta através da sua tese
acerca da geografia dos Estados Maiores e da geografia dos Professores.
A geografia dos Estados Maiores sempre foi muito interessante e
ligada ao poder. Muito antes de ser ensinada nas escolas, ela sempre foi
utilizada por príncipes, chefes de guerra, mestres de grandes empresas,
comissários de estado, navegadores e homens de negócios. E ainda hoje essa
geografia está viva. Utilizando-se de instrumentos mais sofisticados, como o
Global Positioning System (GPS) ou os satélites artificiais a geografia ainda
mantém a mesma lógica: Favorecer ao domínio do território e dos homens.
Para Lacoste, essa é a função inata da geografia. Essa é sua dramaticidade:
entender o espaço para melhor dominar e combater, em outras palavras, A
geografia serve para fazer a guerra.
Mas por que então essa geografia se tornou desinteressante? Porque os
educadores não utilizam essa tensão dramática em suas aulas? Lacoste vai
responsabilizar a Geografia dos professores por essa questão. Segundo ele, os
educadores que esqueceram (ou preferiram esquecer) a utilidade política e
estratégica dos raciocínios geográficos foram os responsáveis pela redução da
geografia escolar e universitária a simples descrição de paisagens. Nas suas
palavras:

30

"De fato, os primeiros geógrafos que foram admitidos para ensinar na
Sorbonne e que se tornaram mestres os pensantes dessa nova
disciplina universitária foram levados a crer que, para construir uma
"ciência", uma verdadeira ciência, eles deviam expurgar seus
discursos de toda alusão aos fenômenos tocando, de perto ou de
longe o político. Abandonando, por exemplo, a análise das formas de
organização territorial dos Estados e a dos problemas de fronteiras."
(Idem p. 227-228)

Desse modo, o político e o drama foram retirados do discurso
universitário. Os professores formados nas universidades foram para as salas
de aula lecionar uma geografia totalmente descaracterizada e sem "tensão
dramática". No discurso, era afirmado que, para ser ciência, a geografia
precisava ter um discurso desinteressado politicamente. E foi exatamente isso
que foi feito. Ao longo dos anos a geografia foi podada e não se interessou
mais por política e estratégia. Perdendo assim, sob o pretexto da
"cientificidade", todo conteúdo "dramático". Qual seria então a solução para
salvar as aulas de geografia? Lacoste responderia essa pergunta dizendo: É
hora de voltar as origens, voltar a verdadeira geografia que a "geografia dos
professores" procurou esconder. Ressuscitar o político, O pensar o espaço e
assumir o caráter que a geografia sempre teve.
"É preciso, ao contrário, que o professores de história e geografia,
como também os geógrafos universitários, retomem consciência das
verdadeiras dimensões da geografia, as da geografia fundamental, e
compreendam que a razão de ser desse saber pensar o espaço é
melhor compreender o mundo para aí poder agir com mais eficácia.
Não há geografia sem drama!" (Ibidem p. 229)

Nesse ínterim, é necessário que os geógrafos e professores de
geografia se interessem por geopolítica.

31

2.3.

A Geopolítica e o Aménagement Do Território
A geografia sempre teve uma relação muito íntima com a política e com

o poder. Entretanto, esse ramo de conhecimento só teve seu apogeu nos anos
de 1920. Cada autor conceitua a geopolítica de forma distinta. Miyamoto (1995)
disserta sobre esse conceito dizendo:
"Teve seu apogeu nas décadas de 1920 e 1930, justamente no
período de entreguerras. Foi a base, pelo menos nos anos iniciais,
sobre a qual repousou a política do Terceiro Reich. Não é sem razão,
portanto, o temor que de muito se apossa a simples menção da
palavra geopolítica: ela é imediatamente associada à conquista do
poder, do espaço vital, desencadeada pela ostensiva política
expansionista do nacional-socialismo. Daí o preconceito e a reserva
com que é vista." (MIYAMOTO: 1995, p.21)

Essa teoria utiliza reflexões e estudos das relações entre política e
espaço para formular teorias e projetos de ação para os grandes atores sociais.
O ideal de geopolítica em Lacoste se refere ao uso das teses e do raciocínio
geográfico pelas elites e pelos detentores de poder. É a Geografia utilizada
para fazer a guerra. Embora hoje, devido aos avanços da cartografia (quase
todo o mundo e todos os países já estão mapeados) a guerra tenha evoluído e
se complexificado, os geógrafos necessitam, mais do que nunca, dos
raciocínios geográficos para elaborar suas estratégias.
A guerra do Vietnã favoreceu numerosas provas de que a geografia
serve para fazer a guerra da maneira mais global, mais total. Um dos
exemplos mais célebres e mais dramáticos foi a execução, em 1965,
1966, 1967 e, sobretudo em 1972 de um plano de destruição
sistemática da rede de diques que protegem as planícies
densamente povoadas do Vietnã do Norte: elas são atravessadas
por rios caudalosos, com terríveis cheias que escoam não por vales
mais, ao contrário, sobre elevações, terraços, que são formados por
32

seus

aluviões.

Esses

diques

cuja

importância

é,

de

fato,

absolutamente vital, não poderiam ser objeto de bombardeamentos
maciços, diretos e evidentes, pois a opinião pública internacional ali
teria visto a prova da penetração de um genocídio. Seria preciso,
portanto, atacar essa rede de diques, de forma precisa e direta, em
certos locais essenciais para a proteção de alguns 15 milhões de
homens que vivem nessas pequenas planícies, cercadas por
montanhas. Era necessário que esses diques se rompessem nos
lugares em que a inundação teria as desastrosas consequências.
(LACOSTE 1988:27[1976])

Vemos nesse neste trecho, um relato de utilização da geopolítica. A
partir do estudo do relevo, do clima e da população, o governo americano
decidiu o melhor local do bombardeio. Esse fato nos faz lembrar teoria da
"bomba d'água" do Brasil contra argentina. A usina hidrelétrica de Itaipu foi
construída com suas comportas voltadas para o território da Argentina. No caso
de uma guerra, as comportas podem ser abertas e/ou bombardeadas, o que
gerará um grande saldo de mortos neste país vizinho. Existem diversos outros
exemplos de utilização da geopolítica pelos estados maiores. Para Lacoste,
esses fatos não estão isolados, mas existem raciocínios geográficos por traz
das políticas de guerra dos países. As guerras da Indochina e do Vietnã do Sul
são exemplos de "guerras geográficas" (Idem p. 29). O que dizer então da
situação atual do Iraque. Pois, embora os Estados Unidos da América tenham
ganhado a guerra de forma extremamente rápida, ele tem enfrentado inúmeros
problemas para manter paz e da ordem neste país islâmico. 9
Esses fatos não significam que a geopolítica sirva apenas para
execução de operações militares. Ela também auxilia no "preparo do terreno,
9

Em Yves Lacoste: Entrevistas (2005), Lacoste analisa os fenômenos geopolíticos do mundo atual. Ele
aborda questões como a guerra no Iraque, a OMC e a China.

33

na execução de fronteiras, na localização e organização de praças fortes, na
construção de linhas de defesa e circulação (ibidem p. 29)". Ou seja, ela auxilia
no aménagement do território. Esse termo indica a forma como algumas áreas
(cidades, campo) tem seu espaço econômico, social e político organizado por
técnicos. Esse aparelhamento visa a melhor gestão do território, a
maximização dos lucros e o abafamento de movimentos populares. (LACOSTE
1988:30[1976]) As cidades planejadas (como a de Brasília, Palmas, etc) são
exemplos desse aménagement do território. Não é a toa que Lacoste indica
que "a geografia serve para controlar os homens". (Idem p. 23).
Entretanto, a população nunca teve ciência dessas funções e
estratégias da geografia. Talvez esse seja o motivo da geografia construir para
si um discurso de neutralidade. Era perigoso que esse conhecimento chegasse
a mãos erradas. Em alguns casos, as cartas eram confiscadas e nem a
população do próprio país poderia ter acesso a elas.10 Durante a guerra fria o
departamento de defesa americano, colocou propositalmente, um erro no
Global Positioning System (GPS) para que a população não tivesse acesso a
informações precisas 11.
Para Lacoste, outro motivo que impediria o acesso da população as
informações geopolíticas e a compreensão do aménagement do território seria
uma espécie de miopia e/ou sonambulismo. Isso se deve fato das pessoas não
se interessarem por fenômenos geográficos. Em geral, os sindicalistas, os
militantes políticos e as pessoas comuns não se interessam pelo aspecto
geográfico dos problemas políticos. E isso é preocupante. Pois as mudanças
10

Lacoste resalta que na URSS apenas os responsáveis pelo partido comunista e os altos oficiais do
exercito tinham acesso as cartas e mapas.
11

Esse erro internacional chamado de Selective Availability foi uma degradação intencional dos sinais
GPS (Global Positioning System) implementado pelo governo dos Estados Unidos da América por razões
de segurança nacional. Essa interferência só foi suspensa no ano 2000.
Fonte:
http://www.gps.gov/systems/gps/modernization/sa/ Acesso: 14/02/2012.

34

geográficas tem um impacto muito importante na vida das pessoas que,
quando perceberem esta intervenção, pode já ser tarde demais. Nas palavras
de Lacoste "As pessoas não irão perceber até que ponto foram enganadas,
senão após o término dos trabalhos, quando as modificações se tornarem
irreversíveis, em boa parte". (LACOSTE 1988:39-41[1976]).
Segundo Milton Santos (apud MORAES, 2005:123) "o espaço
geográfico é a morada do homem mais pode ser também sua prisão." E, na
medida em que os cidadãos desconheçam o sentido da produção do espaço,
ele pode se tornar uma prisão mesmo. Os governos e as multinacionais
utilizam-se de conhecimentos geopolíticos o tempo todo. A desconcentração
industrial12 (executada para aumentar os lucros e se diminuir o poder dos
sindicatos) é um grande exemplo disso. Os dirigentes das grandes empresas
investem na região que mais lhe oferecer vantagens, e "migram" para outras
cidades e/ou regiões de acordo com seus interesses. E por que não falar das
estratégias de planejamento urbano que privilegiam um segmento da
sociedade e/ou uma parte do espaço urbano em detrimento do outro.
Em geral, a população só toma conhecimento dos problemas causados
por esse "aménagement" quando já é tarde demais. Podemos constatar isso
em fenômenos urbanos recentes na cidade do Rio de Janeiro: As obras do
porto maravilha diziam ter o objetivo de melhorar a imagem do centro da cidade
(mas o que tem ocorrido é a desapropriação de diversos moradores de baixa
renda que residem no entorno do porto), a "pacificação" das favelas no centro
do Rio de Janeiro tem o discurso de trazer a paz para essas comunidades
(mas na realidade, o que ela fez, foi encarecer os imóveis, favorecer a
especulação imobiliária, o aumento da renda com o turismo e, o que é mais
12

Reorganização das indústrias no mundo. As indústrias têm saído das cidades centrais e indo para
cidades médias e pequenas, próximas a grandes rodovias ou sistemas de transportes. Essa
desconcentração gera muitos lucros para as empresas a medida que as cidades receptoras oferecem
diversos incentivos fiscais.

35

grave, a violência não acabou apenas foi "deslocada": Os traficantes e
milicianos "migraram" das favelas da zona sul para a zona oeste e para
baixada fluminense). Ou seja, nesses casos, o aménagement do território foi
excludente e só contribuiu para aprofundar as desigualdades sociais. Mas a
população no geral, até aquela que foi diretamente afetada por essas
modificações, não tinha menor ideia do que iria acontecer. As pessoas, por
não saberem "ler" ou entender os reais significados das representações
espaciais. Só se dão conta muito depois, quando "sentem na pele" as
consequências que as mudanças espaciais operadas pelas elites e pelo estado
prejudicam sua vida13. (Idem p. 40)
Mais o que teria gerado essa miopia e/ou sonambulismo que tanto
prejudica a população? Lacoste responderia esta pergunta através dos
conceitos de escala e espacialidade diferencial.
2.4.

À Hora E A Vez Dos Geógrafos! A Espacialidade Diferencial E Os

Diferentes Níveis De Análise Espacial
Para Lacoste uma das razões do sonambulismo da população era a
espacialidade diferencial. No início, as populações das aldeias só conheciam o
seu

Terroir14.

Eles

conheciam

muito

pouco

a

cidade

(aonde

iam

esporadicamente ao comércio e/ou na igreja) ou as aldeias vizinhas.
Atualmente as relações sociais ocorrem sobre distancias mais amplas (Ibidem
p. 42-43). Os trabalhadores se deslocam no trajeto casa ­ trabalho ­ casa
muito mais do que um aldeão da Idade Média se deslocaria na vida inteira.
13

Na página: http://www.youtube.com/watch?v=oa_iro4Xgzk (Acesso 28/03/2011) há uma interessante
entrevista de um cidadão que teve sua casa desapropriada para a construção de obras para a copa do
mundo de futebol. Ele relata que, quando "comemorou" a escolha do Brasil para sede da copa, não
imaginou que a sua vida seria tão prejudicada pelas obras dos jogos.
14

"Pequeno pedaço de terra, de exploração agrícola; seria mais o pedaço de terra onde o camponês
vive, onde viveram os seus ancestrais (torrão natal?) e ao qual está umbilicalmente ligado, por razões
sentimentais e de sobrevivência." (LACOSTE 1988:41[1976]).

36

"Antigamente, cada homem, cada mulher percorria a pé o seu próprio
território (aquele no qual se inscreviam todas as atividades do grupo
a qual pertencia)... Hoje, é sobre distâncias bem mais consideráveis
que, a cada dia, as pessoas se deslocam; seria melhor dizer que elas
são deslocadas passivamente, seja por transportes comunitários,
seja por meios individuais de circulação, mais sobre eixos
canalizados, assinalados por flechas, que atravessam espaços
ignorados. Nesses deslocamentos cotidianos de massa, cada qual
vai, mais ou menos solitariamente, em direção ao seu destino
particular. Só se conhecem bem dois lugares, dois bairros (aquele
onde se dorme e aquele onde se trabalha)". (Idem p. 43-44)

Ou seja, antes a população só conhecia o espaço onde morava, pois
não saia dali para quase nada. Hoje vivemos em um mundo onde nos
locomovemos o tempo inteiro mas não temos um conhecimento completo do
espaço. Só conhecemos o espaço onde vivemos e o espaço onde trabalhamos
ou fazemos alguma outra atividade. Os "locais" que passamos no trajeto entre
nossa casa e trabalho continua estranho para nós. Vivemos com isso uma
espacialidade diferencial. Mas devemos lembrar que, o Estado e as
multinacionais tem uma visão bem ampla e completa do espaço. Enquanto a
população está "míope" eles estão com olhos bem abertos.
Por esse motivo, Lacoste acreditava que a função do geógrafo e do
professor de geografia seria alertar a população acerca dos aménagement do
território, descortinar os interesses que estão por tras dos discursos das elites e
nos ensinar a ver o espaço como um todo e não apenas a parte que
conhecemos. Em outras palavras, dar óculos para os míopes do espaço
enxergarem melhor e acordar a população sonâmbula das questões espaciais.
"Eis que agora chega o tempo dos geógrafos" (Ibidem p. 216).
Mas qual seria a melhor forma de analisar o espaço e os fenômenos
espaciais? Para Lacoste, a melhor forma de se entender a realidade e os
37

fenômenos espaciais seriam analisando-os segundo os diferentes níveis de
análise. Deveríamos observar as situações a partir das diferentes escalas.
Observando os fenômenos "ora a partir de um microscópio, ora do alto de um
satélite" (LACOSTE 1988:73[1976]) conheceríamos o fenômeno por inteiro,
pois o compreenderíamos a partir de realidades distintas. Lacoste cita o
exemplo de um problema em uma aldeia africana (Idem p. 74). Poderíamos
analisar a situação da mesma, a partir da realidade em que ela se encontra, a
partir da realidade do seu país, a partir da noção de subdesenvolvimento e
assim por diante. Cada uma dessas escalas nos daria um resultado distinto, e
a reunião desses resultados nos permitiria uma análise melhor da aldeia
africana do nosso exemplo.
Esse raciocínio serviria para análise da maioria dos fenômenos
espaciais. A questão da violência urbana, por exemplo, não pode ser debatida
somente na questão da segurança pública de um bairro ou de uma cidade.
Para entendermos a raiz do problema precisamos analisa-lo a partir da análise
do estado, das diferentes regiões do país, das desigualdades sociais,
corrupção e do subdesenvolvimento. (Podemos exemplificar isso através dos
filmes Tropa de Elite 1 e Tropa de Elite 215). Desse modo estudaríamos o
fenômeno a partir de diferentes níveis de análise espacial. Entretanto, devemos
ter em mente também que, ao mudarmos a escala de análise, mudam-se as
relações e os raciocínios geográficos.

15

No filme Tropa de elite 1 e Tropa de elite 2 podemos observar como a diferença nas escalas de análise
modifica a apreensão da realidade e auxilia em uma visão mais aprofundada dos fenômenos. A temática
dos dois filmes é a da violência urbana na cidade do Rio de Janeiro. No primeiro filme a questão da
violência é tratada a partir da dicotomia polícia x bandido (escala maior) e indica os usuários de drogas
de classe média como uns dos maiores "culpados" da violência urbana. O segundo filme, o mesmo
problema é analisado a partir das políticas de estado (escala menor) e no âmbito da secretaria de
segurança pública do Estado do Rio de Janeiro. Há uma clara diferença nas formas de encarar a mesma
situação. O segundo filme, ao analisar outro nível de análise espacial, conseguiu ser mais profundo que
o primeiro.

38

"O problema das escalas é, portanto, primordial para o raciocínio
geográfico. Contrariamente a certos geógrafos que declararam que
"se pode estudar o mesmo fenômeno em escalas diferentes", é
preciso estar consciente de que são fenômenos diferentes porque
eles são apreendidos em diferentes níveis de análise espacial".
(Ibidem p.76)

Lacoste entendia que a articulação dos diferentes níveis de análise era
uma forma de raciocínio estratégico. Ele desenvolveu uma teoria de sete
ordens de grandeza para a análise dos fenômenos. Para ele, essas análises
seriam bem complexas e difíceis de serem executadas por um não geógrafo
(LACOSTE 1988:85[1976]). O principal questionamento de Lacoste quanto à
geografia dos professores não é que os alunos deveriam aprender ter essa
visão totalmente integrada do espaço e, como um geógrafo, articular os fatores
geológicos, climáticos, políticos, demográficos e econômicos nas análises
espaciais, mas sim, que os alunos não conheciam nem o básico de geopolítica.
Não sabiam ler uma carta. Não sabiam diferenciar uma carta de grande escala
com uma de pequena escala. Não sabiam se orientar e nem perceber que
existem diferentes escalas de análise. E que cada carta representava uma
análise diferente. Deixando o "pensar o espaço" como sendo o apanágio das
classes dominantes.
2.5.

Yves Lacoste E A Cartografia Como Eixo Norteador Do Ensino De

Geografia
Para Lacoste, a cartografia deveria nortear todo ensino de geografia
escolar. Ele diz: "Vai-se à escola para aprender a ler, a escrever e a contar. Por
que não aprender a ler uma carta?" (Idem p. 53). Ele indica que, assim como a
disciplina de português tem como meta inicial fazer o aluno aprender a ler, a
matemática, aprender a contar, e assim por diante, a geografia deveria ter
como sua meta principal fazer os alunos aprender a "ler e entender mapas" e
aprender a pensar o espaço. Ele critica o fato dos cidadãos não saberem
39

utilizar uma simples carta rodoviária. Revelando a fragilidade desse tema nas
escolas.
Diversos autores também pesquisam e abordam as questões da
cartografia e dos mapas como ferramenta nas aulas de geografia. KATUTA
(2004) apresenta uma retrospectiva da forma como esse importante tema tem
sido abordado na geografia brasileira ao longo do tempo. Ela também afirma
que a alfabetização cartográfica deve ser abordada de forma ampla. Muito
além da mera decodificação de conversões cartográficas temos que "ensinar
os alunos a ler." Para AZAMBUJA (2012) "a leitura do mapa e/ou hipermapa
não deve ser uma atividade isolada, mais sim, uma atividade de busca de
informações para a construção do conhecimento na escola."
Os conhecimentos dos mapas e dos diferentes níveis de análise
espacial são de fundamental importância para combater o sonambulismo e a
miopia dos cidadãos quanto às questões espaciais. Isso somado a análise
geopolítica, transformaria as aulas de geografia, das descrições chatas e
vazias das regiões do país, em aulas mais dinâmicas e interessantes, para
professores e alunos. Para Lacoste, os professores deveriam deixar o discurso
neutro e objetivo e resgatar essa verdadeira função da geografia para a sala de
aula, esse seria o procedimento de estímulo inato a própria geografia.

40

CAPÍTULO III ­ PROPOSTAS, PERSPECTIVAS E DESAFIOS DO
ENSINO-APRENDIZAGEM DE GEOGRAFIA
"Ensinar Geografia no primário e secundário não é coisa cômoda"
Yves Lacoste (1976)
Nos capítulos anteriores desta monografia observou-se as ideias de
Yves Lacoste acerca de como deveria ser a educação geográfica nas escolas
da educação básica. Ele apresentou estratégias e procedimentos de estímulo a
serem utilizados nas práticas pedagógicas docentes. O livro de Lacoste oferece
uma excelente fonte de reflexão acerca da educação em geografia. Entretanto,
devemos encarar o livro como um fruto de sua época. Logo, algumas das suas
reflexões precisam ser reelaboradas para o contexto da educação geográfica
brasileira no século XXI.
Atualmente, a geografia espetáculo está cada vez mais forte. Existem
jornais, revistas e todo tipo de canais de televisão com "conteúdo geográfico".
Discovery Channel e o National Geographic, National Geographic Magazine
são exemplos disso. O que, somado aos diversos problemas e crises que a
própria escola tem enfrentando no século XXI 16, torna o trabalho dos
professores de geografia cada vez mais desafiador. Ser "um bom professor"
tem sido cada vez mais difícil. E sem falar que, dependendo da tendência
pedagógica e/ou da ideologia educacional do professor, esse conceito cria
formas e práticas totalmente diferentes, e às vezes até antagônicas. Neste
contexto, a monografia apresenta, através de um diálogo com a obra de Yves

16

O documentário Pro dia Nascer Feliz produzido pela Globo filmes, oferece uma ótima descrição dos
problemas da educação básica (pública e particular). Os editores narram o dia-dia de escolas das
diversas regiões e classes sociais do país. A Violência nas escolas, a evasão, o conselho de classe, os
problemas da educação bancária, a má formação docente, etc são alguns dos problemas abordados
neste documentário.

41

Lacoste, reflexões acerca da educação dos professores e sugestões para a
melhoria da prática pedagógica docente.
3.1.

O Preparo Do Professor De Geografia: Algumas Reflexões Para

Melhorar A Capacitação Para O Magistério
Todos concordam que a educação é um desafio. É lugar comum a
necessidade termos uma boa preparação para exercer a importante função do
magistério. A frase de Lacoste que inicia este capítulo é cada vez mais real e
nos convida a reflexão. Como será que estamos preparando nossos
professores de geografia?
Lacoste citou que os primeiros professores universitários de geografia
não se interessavam por geopolítica e como esse fato gerou uma reação em
cadeia (os professores universitários passavam essa ideia para seus alunos
que mais tarde se tornaram profissionais adeptos de uma geografia neutra) que
prejudicou a geografia durante muito tempo (LACOSTE 1988:227-228[1976]).
Isso nos leva a pensar na força que o discurso universitário tem na prática
pedagógica dos futuros professores. Nesse sentido, se quisermos mudar a
educação, deveríamos começar pelas universidades.
Mas o que há nas universidades que deva ser mudado? Não existem
diversas produções acadêmicas acerca da educação, não existem simpósios,
encontros, congressos, Fala professor, etc. E isso sem falar nas diversas
disciplinas

"pedagógicas"

que

temos

na

graduação

e

dos

estágios

supervisionados. O que há então para ser mudado? Esse "excesso" de reflexão
já é um dos principais problemas. Existem muitas pesquisas teóricas acerca
dos mais variados assuntos e poucas práticas docentes que possam ser
implementadas nas salas de aula dos professores. Em outras palavras, as
universidades oferecem boas pesquisas mais não explicam como implementalas. Dizem-nos o que fazer, mais não explicam como.

"A universidade é o

espaço da reflexão" dirão alguns. E isso é uma verdade sim. Entretanto, a
42

maioria dos professores necessita de dicas pragmáticas para sala de aula ou
então toda essa reflexão não terá muito sentido.
Não são poucos os relatos de professores que dizem que o que
aprenderam na universidade não é útil no seu dia-dia ou aqueles que afirmam
que a universidade não ensina a dar aulas, que isso se aprende na prática.
Ora, estamos dizendo que os professores terão que sair da universidade e
"aprender a dar aulas". Estamos dizendo que eles terão que "aprender com os
seus próprios erros". Só que, até eles conseguirem aprender, os "alunos testes"
ficam extremamente prejudicados. Isso sem falar nos professores que, nesse
período de "testes" acabam desistindo da profissão por não aguentar a
pressão.
Diante disso, seria necessário então que repensássemos o currículo
dos cursos de graduação em geografia no país. Os graduandos precisão ter
uma experiência em sala de aula. Não da forma passiva como os Estágios
Supervisionados tem realizado (onde os graduandos ficam sentados apenas
observando outros professores ministrarem suas aulas), mas de uma forma
mais ativa e dinâmica. Os alunos devem trabalhar como qualquer outro
professor. Devem ministrar aulas, preencher diário, elaborar plano de aula e
participar de reuniões pedagógicas. E isso tudo nas mesmas condições que os
professores lecionam. Enfim a experiência em sala de aula deveria se parecer
menos com um "Estágio supervisionado" e mais com uma "residência medica"
(ANTUNES, 2010:8-9). Essa "experiência prática" deveria ser orientada por
outros professores e permitiria aos licenciados um contato verdadeiro com a
profissão. Neste período, as dúvidas e os erros poderiam acontecer e seriam
sanados ainda no período de faculdade.
Mas mesmo naqueles estágios supervisionados tradicionais, os alunos
deveriam ser estimulados a se comportar como pesquisadores de práticas
pedagógicas. Em outras palavras, em vez de ficar sentado de forma apática
43

e/ou conversando com os alunos e professores, o estagiário deveria utilizar o
seu tempo em sala para identificar correntes pedagógicas do professor, o seu
modo de proceder, os seus acertos e erros e quais os pontos que valeriam a
pena ser seguido e/ou modificado. Enfim, buscar, a partir do exemplo do
professor, a forma pela qual ele mesmo se comportará no futuro.
Outra sugestão é que haja uma interação maior da universidade com
as escolas dos seus arredores. Os departamentos de geografia e/ou educação
deveriam chamar os professores da região onde estão inseridos para participar
de eventos e dar palestras sobre suas experiências práticas em sala de aula.
Isso seria benéfico para os dois lados, os graduandos teriam um contato com
professores já formados e com experiência para passar, e os próprios
profissionais seriam beneficiados com o retorno as universidades uma vez que,
depois de formados, dificilmente os professores da rede tem algum contato
com o meio acadêmico. Sendo assim, a universidade deve criar mecanismos
para inserir novamente esses professores nessas instituições educacionais.
Eles têm muito conhecimento prático para passar e tem muita necessidade de
"relembrar" aquele conhecimento teórico adquirido.
E por que não falar no currículo. Isso mesmo, o currículo acadêmico
tem muitos problemas que dificultam a formação dos futuros professores e
precisa ser repensado. As disciplinas da graduação necessitam ser mais
voltadas para a sala de aula. É muito importante conhecermos o geomorfologia
do quaternário, os tipos de climas do país e o meio técnico cientifico
informacional. Mas precisamos saber como isso deve ser abordado na prática.
Precisamos saber como efetuar a transposição didática a fim de que os alunos
compreendam esses assuntos. Enfim, precisamos aprender a ensinar àquilo
que é dito nas universidades. Mas infelizmente a universidade tem formado
muitos geógrafos e pesquisadores em educação mais poucos professores com
essas habilidades. A universidade está mais voltada para gerar conhecimentos
para ela mesma do que para fora. Ainda é comum na geografia acadêmica
44

tratarmos das dicotomias: Geografia Física x Geografia Humana; Regional x
Geral ; Licenciatura x Bacharelado. Precisamos avançar nas discussões e
descobrir como implementar os conhecimentos acadêmicos na prática. Essa é
uma questão primordial para o professor. Se pensarmos bem, as dicotomias
tendem a desaparecer na prática pedagógica. O professor deve dar conta dos
conhecimentos de relevo clima e economia do Brasil em um mesmo ano letivo.
Em outro, ele deve desenvolver os conhecimentos de geografia geral e regional
no mesmo bimestre. Logo, aquelas divisões da universidade tendem a acabar
e serem substituídas apenas por uma questão de preferência e facilidades.
Atualmente existem diversos programas do governo federal que visam
melhorar a formação dos professores da educação básica, dentre eles,
podemos citar o PIBID (Programa Institucional de Bolsas de Incentivo a
Docência), o PET (Programa de Educação Tutorial) e o NOVOS TALENTOS.
Esses programas visam incentivar a docência nos graduandos e, através de
bolsas, estágios e pesquisas, propiciar uma melhor formação aos professores.
Mas até esses programas precisam ser constantemente repensados e
avaliados senão podem cair nos mesmos erros que listamos anteriormente: ser
apenas um programa teórico e pouco prático.
Sabemos que não que existe uma fórmula capaz de fazer a aula de
geografia ser um sucesso como um passo de mágica. Mas a universidade
deveriam mostrar os caminhos para fazê-lo.

Quando não, poderemos ter

(como já acontece) um número cada vez maior de licenciados que, por não
conseguirem ensinar, desistem do magistério nos primeiros anos da profissão.
Ou o que é pior, viram professores frustrados, meros reprodutores dos livros
didáticos e/ou dos seus professores do passado. As graduações de geografia
do Brasil atual, não são como as que Lacoste descreveu onde os alunos são
obrigados a fazer história e geografia junto. Os licenciandos em geografia
escolheram essa graduação por escolha própria. Cabe aos currículos apenas
aperfeiçoarem essas escolhas que os graduandos fizeram para o magistério.
45

3.2.

A Teoria e a Prática do Professor de Geografia
SADER (apud OLIVEIRA, 2010) narra uma história que aconteceu com

um professor de geografia na região do bico do Papagaio - Tocantins e serve
bastante para nortear nossa discussão:
"Eu perguntei se não aprendiam nada de Geografia. Não precisa,
disse um deles, isso a gente aprende é no pé. Os igarapés vão pro
Tocantins. O Tocantins desce pro mar, é só olhá, né? No topo
daquele monte não serve plantá. A terra é ruim. No baixo é boa. É no
pé mesmo, andando e olhando" (Maria Regina C. T. Sader ­ Espaço
e Luta no Bico do Papagaio).

Na narração acima o morador identifica a geografia como sendo tudo
aquilo que ele vê. Entretanto, ele identifica apenas o relevo. Poderíamos
acrescentar também a economia, a política, as fronteiras, e também as coisas
que "não vemos", ou seja, a formação e os processos que estão por trás das
formas espaciais. Tudo isso é a geografia, e é passível de ser observado e
vivenciado por todos os cidadãos. A função do professor seria mostrar a
geografia presente no cotidiano de cada cidadão. Entretanto, não é só
conhecer o que a vista observa, mas perceber as relações que existem na
constituição do espaço geográfico e para poder transformá-lo também.
Em outras palavras, o bom professor de geografia é aquele que
descortina o mundo para os alunos e os auxilia a ver o mundo e a si mesmo
com parte de um espaço que é construído e transformado pela ação humana.
Sabendo que a geografia é feita em todos os lugares por nós (elementos do
espaço geográfico), cabe ao professor dessa disciplina sistematizar esses
conhecimentos e oferecer aos alunos os recursos necessários para "entender"
a formação e as formas de transformação do espaço geográfico que ele
sempre conheceu. A geografia se aprende com o pé, pois ela é uma forma de
entender o mundo que está nos "pés" dos indivíduos, mas ao mesmo tempo ela
46

se aprende no pé, pois se aprende fazendo, com os "pés na massa".
Entendendo as ações e atitudes da nossa vida cotidianas como modificadores
do nosso espaço.
Em sala de aula, o professor deve apresentar aos alunos os
conhecimentos geográficos necessários a cada grau de formação aprender. No
entanto, essas informações não devem ser expostas de forma enciclopédica e
descontextualizadas, mas sim de uma forma ativa, significativa, dramática e
contextualizada a realidade do aluno.

Deve-se recorrer a todos os meios

tecnológicos e modernos de educação. Embora isso nem sempre seja possível,
uma simples aula no pátio da escola e/ou na biblioteca já auxilia muito. Se for
falar de geografia agrária, por que não levar os alunos na cantina da escola e a
partir dali explicar a relação de dependência do campo com a cidade, ou
explicar a globalização utilizando os produtos eletrônicos que os alunos utilizam
em seu dia-dia (celular, smartphone, por exemplo). Existem diversas práticas
pedagógicas que seguem neste sentido.
Não, não é necessário "perder" muito tempo preparando essas
atividades. Pois, embora preparar aula não seja perda de tempo, sabemos este
tem se tornado tão escasso, que os professores quase não preparam mais
suas aulas. Basta enxergarmos a geografia nos lugares mais normais e
cotidianos do nosso dia-dia e mostrar isso aos alunos. Ora professores, se
tivermos um olhar geográfico mais apurado, veremos a "tensão dramática" que
Lacoste falou em nosso dia-dia (LACOSTE 1988:229[1976]).
E aqui chegamos ao ponto alto da questão, a "tensão dramática" pode
ser conquistada oferecendo aos alunos um olhar geográfico acerca dos
conhecimentos que ele sempre conheceu. Partir das observações e da vida
dos alunos e ensinar a geografia a partir daí. Todo geógrafo e/ou professor de
geografia consegue identificar os processos e as estruturas por trás das formas
geográficas. Desse modo, única coisa que precisamos, é, respeitando as
47

devidas limitações cognitivas de cada faixa etária, levar os alunos a ter esse
olhar também, afinal de contas a geografia se aprende no pé.
Isso não significa que devemos lecionar apenas os conhecimentos
comuns e próximos da realidade dos educandos, (sob pena de criarmos aulas
ralas e sem conteúdo) mas sim, que devemos estar sempre alertas a geografia
que se expressa ao nosso redor e sermos capazes de relacionar os
conhecimentos complexos com essa geografia nossa de cada dia e, para
chegar a esse objetivo, empregar todos os métodos ativos de aprendizagem
possíveis. Pois o aluno só aprende de fato aquilo que ele acha necessário e
que lhe foi transmitido com emoção. Nesse sentido, temos que mostrar a
importância do raciocínio geográfico nas questões do dia-dia dos educados da
melhor forma possível.
Isso não é uma tarefa muito fácil de se fazer na prática, principalmente
nos conteúdos de geografia física (na qual muitos professores apresentam
dificuldades). Como contextualizar os conteúdos de geomorfologia e clima ao
ambiente dos alunos? Uma modesta mudança na ordem das matérias do ano
letivo já pode facilitar. Em outras palavras, se modificarmos o currículo para
que as aulas de climas serem realizadas de acordo com as estações mais
chuvosas do ano podemos gerar um grande saldo de qualidade nas aulas. Os
discentes prestarão mais atenção no mecanismo das massas de ar quando
estiver chovendo lá fora. Uma simples mudança, mais que pode representar
um envolvimento muito maior dos alunos com conteúdo da aula.
Essas experiências estão longe de representar a "salvação" das aulas
de geografia, são apenas algumas ideias e tensões dramáticas que podem ser
anexadas nas aulas dos professores. Desse modo, o professor não precisará
mais concorrer com a geografia espetáculo das mídias e revistas no geral. O
conhecimento que o professor apresenta em sala de aula é muito mais
aprofundado e geográfico do que o apresentado no Discovery Channey. O bom
48

professor de geografia é aquele que se utiliza de reportagens, mais sem tornar
uma aula meramente jornalística, se utiliza do conhecimento prévio e cotidiano
dos alunos, mas sem tornar uma aula pobre e sem conteúdo. Ele se utiliza de
todos os métodos e ferramentas, mas sem se esquecer de que são apenas
ferramentas, a finalidade principal é oferecer aos alunos um raciocínio
geográfico e autonomia aos mesmos. O bom professor é aquele que mostra
aos alunos que a geografia está nos seus pés.
Nas

próximas

páginas

discorreremos

sobre

algumas

das

características e qualidades que devem existir não só nos professores de
geografia, mas em todos os docentes que desejem melhorar suas práticas
pedagógicas. Esses apontamentos, não são sentenças infalíveis, mais algumas
sugestões, fruto de observações no Estagio Supervisionado em Geografia e no
PIBD (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a docência).
3.2.1 O Professor De Geografia Precisa De Uma Tensão Dramática
Conforme Lacoste afirmou, o professor de geografia precisa de uma
tensão dramática (Lacoste 1988:223[1976]) em suas aulas. A geografia já tem
por si só uma tendência à geopolítica, e mesmo que o professor não tenha esta
perspectiva, ele necessita de uma tensão dramática que norteará sua prática
docente.
3.2.2 O Professor De Geografia Precisa Gostar De Geografia
Parece ser óbvio, mais não é. Assim como no passado haviam alunos
forçados a "fazer geografia", ainda existem atualmente muitos profissionais
que não gostam da profissão e, por comodismo, preferem não mudar de área
e/ou fazer outra graduação. E ainda existem aqueles que sonhavam em um
emprego como geógrafos e, não conseguindo, acabam caindo no magistério.
Nos dois casos, os mais prejudicados são os alunos.

49

3.2.3 O Professor De Geografia Precisa De Uma Paixão/Ideologia De
Ensino
Embora o professor seja um profissional como qualquer outro, ele
precisa ter uma ideologia para nortear a sua prática docente. Segundo Paulo
Freire "não é parece possível nem aceitável a posição ingênua ou, pior,
astutamente neutra de quem estuda, seja o físico, o biólogo, o sociólogo, o
matemático, ou o pensador da educação" (FREIRE 1996:76). Quanto mais o
professor de geografia. O conhecimento geográfico não é neutro, é
eminentemente político e vinculado ao poder, por isso, o professor de geografia
não pode ser neutro, ele precisa demonstrar seu conhecimento ideológico
também.
3.2.4 O Professor De Geografia Precisa De Um Feedback ( se Relacionar)
Dos Seus Alunos
O professor de geografia precisa estar aberto a críticas e sugestões
sinceras dos seus alunos. Só assim ele poderá saber se sua aula está
alcançando o objetivo. Ele precisa saber ouvir uma crítica e/ou elogio dos seus
alunos para poder melhorar cada vez mais as suas aulas
3.2.5 O Professor De Geografia Precisa Aprender Com Erros E Acertos
Dos Outros Professores
É bom aprender com seus erros, mas é melhor ainda aprender com os
erros dos outros. O professor de geografia precisa aprender com os erros e
acertos dos seus colegas de profissão. Para isso é imprescindível que ele
dialoge com outros professores. As reuniões e conselhos de classes deveriam
ser espaços onde haveria uma troca de experiências neste sentido.

50

3.2.6 O Professor De Geografia Precisa Ser Professor
Este tópico também parece ser meio obvio mais não é. Muitos
professores com anos de profissão não sabem se portar em sala de aula, não
sabem como lidar com os alunos e, as vezes tem medo e/ou repulsa dos
mesmos. O professor precisa saber se portar como docente.
3.2.7 O Professor De Geografia Precisa Ter Didática
Didática não se aprende nas universidades, se aprende na prática (por
isso a necessidade de uma experiência prática mais efetiva). O professor de
geografia precisa desenvolver uma boa didática, prender a atenção dos seus
alunos, e fazer com que o aprendizado seja algo prazeroso. Se a relação
professor-aluno for hostil ficará impossível a aula seguir em frente.

51

CONCLUSÃO
Depois de toda essa exposição, concluiremos apontando algumas
respostas para a indagação que fizemos no começo do nosso trabalho. (Qual a
atualidade do Livro de Yves Lacoste para os professores de geografia hoje?).
Mas antes de responder essa questão, temos que nos indagar se existe
mesmo uma a atualidade neste livro.
Diante das ideias e argumentos que foram apresentados nesta
monografia, cremos que o livro de Lacoste continua extremante atual sim, a
maioria das críticas de Lacoste ainda cabem no mundo de hoje. O ensino de
geografia continua deficitário e os conhecimentos geográficos continuam sendo
utilizados como forma de poder. Entretanto, alguns desses fatores têm ficado
mais complexos. Várias técnicas são colocadas como forma de melhorar o
ensino aprendizagem de geografia e os conhecimentos geográficos tem se
popularizado cada vez mais. Entretanto, essa citação de Lacoste se aplicaria
perfeitamente aos dias atuais,
"De qualquer forma, após alguns anos, os alunos não querem mais
ouvir falar dessas aulas que enumeram para cada região ou para
cada país, o relevo ­ clima ­ vegetação ­ população ­ agricultura ­
cidades ­ indústrias" (LACOSTE, 1988:21[1976]).

A educação pode ter mudado, mas não mudou tanto assim. Ainda não
superarmos as velhas dificuldades e continuamos convivendo com essa triste
situação. As teorias pedagógicas mudaram (mudam a cada dia) mas essa frase
ainda não mudou. As aulas ainda são descontextualizadas, sem significado e
os alunos continuam desinteressados. Mas o que fazer para acabar com essa
situação? Será que as soluções apresentadas por Lacoste também se
aplicariam nos dias atuais? Cremos que não. Para Lacoste, a solução para a
educação geográfica passava pela geopolítica e pela cartografia. Embora na
sua época ele possa ter razão, no mundo de hoje temos outras realidades que
52

requerem uma atualização constante e talvez as ideias de Lacoste sirvam para
uma localidade, mais não representa uma solução geral. Aliais, não existem
respostas simples para perguntas complexas, e a educação é um tema bem
complexo.
A importância de Lacoste vem da sua análise crítica e seu caráter
questionador, desconstruindo ideologias que eram enraizadas como verdades
absolutas para muitos geógrafos. Enfim, precisamos a cada dia analisar nossas
praticas pedagógicas e profissionais e nos perguntar para que e/ou para quem
serve a geografia que estamos produzindo e/ou lecionando.

53

BIBLIOGRAFIA
AZAMBUJA, Leonardo Dirceu de. "Representações (carto)gráficas, linguagens
e novas tecnologias no ensino de Geografia".In: CASTELLAR, Sonia Maria
Vanzella; CAVALCANTI, Lanna de Souza; CALLAI, Helena Copetti (Org).
Didática da Geografia: aportes teóricos e metodológicos. São Paulo, Xamã,
2012, pp. 199-211.
ANTUNES, Celso. Geografia e Didática ­ Coleção Como Bem Ensinar.
Petrópolis: Vozes, 2010.
CLAVAL, Paul. Hérodote and the French Left. In: ATKINSON, David, DODDS,
Klaus (Ed.). Geopolitical Traditions: Critical Histories of a Century of
Geopolitical Thought.London, Routledge, pp. 239-267 (2000).
CURY, Vânia Maria. História da industrialização no século XIX. Rio de Janeiro,
Editora UFRJ ­ Série Didáticos, 2000.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática
educativa.São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996.
KATUTA, Ângela Massumi. "A linguagem cartográfica no ensino superior e
básico". In: PONTUSCHKA, Nídia Nacib; OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de
(Org). Geografia em Perspectiva. São Paulo: Contexto, 2004.
LACOSTE, Yves (1969): Geografia do Subdesenvolvimento. São Paulo: Difel
____________ (1976): A Geografia Serve Antes de Mais Nada Para Fazer a
Guerra (edição brasileira: A Geografia, Isto Serve, Antes de Mais Nada, Para
Fazer a Guerra, São Paulo: Editora Papirus, (1988). Lisboa: Editora Iniciativas
Editoriais.

54

LEMOS. Linovaldo; RODRIGUES, Rejane Cristina de Araujo (Org.). Currículo
Mínimo do Estado do Rio de Janeiro para a área de geografia. Secretaria
Estadual

de

Educação

do

Rio

de

Janeiro.

Disponível

http://www.rj.gov.br/web/seeduc/exibeconteudo?article-id=759820.

em:

Acesso:

08/04/2013
MARX, Karl; FRIEDRICH, Engels. Manifesto do partido comunista. São Paulo:
Global,

1848.

10ª

ED.

Disponível

http://www.pcp.pt/publica/edicoes/25501144/manifes.pdf.

Acesso

em:
em

04/04/2013.
MIYAMOTO, Shiguenoli. Geopolítica e Poder no Brasil. Campinas, SP: Papiros,
1995.
MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia: Pequena História Crítica.

20ª

Edição. São Paulo: Editora Annablume, 2005.
MOREIRA, Ruy. Assim se passaram 10 anos (A Renovação da geografia no
Brasil no período 1978 ­ 1988), revista: GEOgraphia (UFF), ano II, n.3, 2000.
OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de. "Educação e Ensino de Geografia na
realidade Brasileira". In: OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de (org). Para onde
vai o ensino de geografia ? São Paulo, Contexto, 9ª ed. 2010.
QUAINI, Maximo: Marxismo e Geografia. São Paulo: Editora Paz e Terra. 1979
RIBEIRO, Guilherme. Paul Vidal de La Blache e a Formação do campo história
do pensamento geográfico; GeoUERJ- Ano 13, nº.22, 2011 p. 232-249.
SANTOS, Milton (1978): Por Uma Geografia Nova. Da Crítica da Geografia a
uma Geografia Crítica. São Paulo: Editora Hucitec/EDUSP
_____________ (2009): A natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e
Emoção. 4ª Ed. São Paulo: EDUSP.
55

_____________ (2008): SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil Território e sociedade
no século XXI. 11ª Ed. Rio de Janeiro: Editora Record.
SOUZA, Vanilton Camilo de. Construção do pensamento espacial crítico.
Revista Virtual: Geografía, Cultura y Educación, n. 2, p. 19-30 (2011).
STRAFORINI, R. Ensinar Geografia, um desafio da totalidade-mundo nas
séries iniciais. São Paulo, Annablume, 2004.
ZANOTELLI, Cláudio Luiz. Yves Lacoste: Entrevistas. São Paulo: Editora
Annablume.

56