CONHECENDO O AMBIENTE EDUCACIONAL DA ESCOLA DE
ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO FÉLIX DE AZEVEDO
FORTALEZA/CE.
Francisco Otávio Landim Neto
Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFC
Universidade Federal do Ceará
[email protected]
Eciane Soares da Silva
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFC
Universidade Federal do Ceará
[email protected]
Introdução
Este relato é fruto das experiências adquiridas no trabalho da disciplina Estágio
Curricular Supervisionado em Geografia I, realizado na Escola de Ensino Fundamental
e Médio Félix de Azevedo, na cidade de Fortaleza ­ CE. Esta disciplina tem por
objetivo propiciar ao estudante da licenciatura em Geografia da Universidade Federal
do Ceará o primeiro contato com o ambiente escolar, na medida em que estudante tem a
oportunidade de conhecer e analisar a organização física, administrativa e pedagógica
da escola e acompanhar a prática do ensino de Geografia nas séries iniciais do Ensino
Fundamental. Para tanto, se efetivou a primeira relação direta com a diretoria da escola
e com a professora a qual se passava a observar. Posteriormente, foi realizado um
reconhecimento da estrutura física da escola e em seguida, se conversou com
funcionários técnicos administrativos, com a professora e alunos da quinta série B do
turno manhã.
As atividades da disciplina no Estágio Curricular Supervisionado em Geografia I
iniciaram-se em março de 2009. No contato com a diretoria, a recepção foi agradável,
pois esta não se mostrou em nenhum momento contrária à realização do estágio. O
diretor, Sérgio Bezerra, gentilmente apresentou a professora (Regina Lúcia Jussara da
Silva) da 5º série B, na qual seria desenvolvido o trabalho. Ela também recebeu de
modo satisfatório os estagiários.
A estruturação deste escrito é constituída por seis etapas, interligadas e
complementares, sendo a primeira o Lugar da Escola: Percepções sobre o Ambiente
Escolar; a segunda diz respeito ao Diálogo com a Professora. A terceira corresponde à

173
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

Aula de Geografia, a quarta versa sobre as Percepções dos Alunos sobre a Escola e, por
fim, são apresentadas as Considerações Finais.

O lugar da escola: percepções sobre o ambiente escolar
A Escola de Ensino Fundamental e Médio Félix de Azevedo está localizada
(figura 1) na rua Monsenhor Furtado, 757, no bairro Rodolfo Teófilo, Fortaleza - Ceará.
A escola iniciou suas atividades em 1954, em uma casa de propriedade de Antônio dos
Santos Teixeira, morador do bairro. A decisão de fundar a escola se constituiu um
anseio da comunidade e assim foi fundada a Escola de Ensino Fundamental e Médio
Félix de Azevedo, tendo sido as atividades educacionais iniciadas em 29 de janeiro de
1954.

Figura 1: Mapa de Localização da Escola Felix de Azevedo Mapa. Fonte: SILVA, 2011

A estrutura física da escola é em parte composta por nove salas de aula em bom
estado de conservação. A figura 2 representa a sala de aula, que possui quadros branco e
negro, sendo possível a substituição do giz pelo pincel, melhorando as condições de
trabalho do professor.

174
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

Figura 2: Sala de Aula da 5º série B. Fonte: Landim Neto 2009.

O Laboratório de Ciências (figura 3) constitui um espaço escolar voltado para
aulas práticas, possuindo equipamentos didáticos que estimulam a curiosidade dos
alunos, como, por exemplo, bonecos anatômicos permitindo aos estudantes adquirir
conhecimentos sobre o corpo humano. Conta, ainda, com equipamentos para as aulas de
Química, uma estufa para esterilização dos materiais utilizados. È perceptível, contudo,
um certo abandono, pois, diferentemente dos outros laboratórios, este estava com a
estrutura deteriorada, necessitando de reforma, haja vista os problemas na rede elétrica e
a ocorrência de infiltrações.

Figura 3: Mosaico de fotografias representativas do laboratório de ciências.
Fonte: Landim Neto, 2009.

175
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

A biblioteca (figura 4) da escola está inserida em espaço amplo, com bom
acervo de livros disponíveis para pesquisa dos alunos, alguns jogos, como, por exemplo,
xadrez e quebra-cabeça, utilizados pelos estudantes no horário do intervalo das aulas. A
funcionária responsável pela biblioteca realiza os encaminhamentos das atividades
inerentes a este espaço educacional.

Figura 4: Biblioteca da Escola de Ensino Fundamental e Médio Félix de Azevedo.
Fonte: Landim Neto, 2009.

Com o intuito de verificar a compreensão da escola sobre a educação, faz-se necessário
realizar breve análise de alguns pontos presentes no projeto político-pedagógico da
unidade sob exame, a concepção de sociedade e educação, bem como a referência
teórica que norteia a proposta da escola. Um elemento importante da organização
escolar diz respeito ao projeto político-pedagógico que, conforme Libâneo (2006.p.178),
[...] é proposto com o objetivo de descentralizar e democratizar a
tomada de decisões pedagógicas, jurídicas e organizacionais na escola,
buscando maior participação dos agentes escolares. Previsto pela nova
LDB/96 como proposta pedagógica(art. 12 e 13) ou como projeto
pedagógico (art. 14, inciso I), o PPP pode significar uma forma de
toda a equipe escolar torna-se co-responsável pelo sucesso do aluno e
por sua inserção na cidadania crítica.

O projeto pedagógico visa a planejar ações desenvolvidas na escola. È um
instrumento organizador das atividades escolares e deve ser formulado com a
participação dos agentes envolvidos no processo educacional. Para que isso ocorra de
176
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

fato, a concretização das orientações contidas nesse documento deve ser coerente com a
realidade da escola. A ideia de educação é exposta no projeto politico-pedagógico da
escola:
"Uma educação transformadora que possa levar o homem a sua
plenitude e moral, social e religiosa; Preparação de pessoas capazes de
atuar de forma positiva na sociedade; Educação que leve o homem a
exercer sua cidadania e concidadania; Escola comprometida com a
sociedade, garantindo a estabilidade do ser humano". (CEARÀ, 2005
p.4).

A ação educacional da escola deve ser constituída pelos agentes educativos,
dentre os quais se destaca o papel da comunidade (pais, mães, familiares dos alunos)
que atualmente se encontra distante da escola. Então como a escola pode ser
reconhecida como referência dentro da comunidade? Corrobora a ideia de Cavalcanti
(2002.p.72), para quem a escola é
[...] um espaço de encontro e de confronto de saberes produzidos e
construídos ao longo da história pela humanidade. A escola lida com a
cultura, seja no interior da sala de aula, seja nos demais espaços
escolares. A geografia escolar é uma das mediações através das quais
esse encontro e confronto se dão.

A escola deve abranger um conjunto de agentes com professores e alunos, para
constituir uma Geografia que deve ser trabalhada como ferramenta de apropriação da
vida, considerando o conhecimento como uma forma de autoconhecimento e, portanto,
de possibilidade emancipatória. Nessa perspectiva, Landim Neto e Dias (2011, p.03) são
categóricos em acentuar que
A Geografia constitui-se uma ciência social e, ao ser estudada, deve
considerar o aluno e a sociedade em que vive. Não pode ser
descontextualizada da realidade do aluno, muito menos de difícil
compreensão. Ela não pode ser feita apenas de descrições de lugares
distantes e/ou de fragmentos do espaço.

Os professores de Geografia devem ter possibilidade de pensar o mundo, tarefa
fundamental para o educador, pois este mundo se apresenta e/ou é apresentado de forma
fragmentada e se materializa nos vazios deixados por diversos meios de comunicação.
O professor, então, deve se apropriar dessa comunicação falha, na tentativa de proceder
a leitura articulada e problematizada com a realidade de seus alunos.

177
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

Foi realizada uma análise dos agentes do cotidiano escolar, atuando na
administração, setor pedagógico da escola, e nos serviços gerais, sendo que se buscou
entender a trajetória de formação de alguns funcionários, a saber: diretor, coordenadora
pedagógica e a professora com a qual o trabalho foi efetivado.
A direção da escola era exercida (2009) por Carlos Alberto Dias Pinheiro, que
possui formação superior, licenciado em Geografia pela Universidade Estadual do
Ceará (UECE). È especialista (lato sensu) em Gestão Educacional, pela Universidade
Corporativa dos Esportes (UDESPE). Ele trabalha na escola há quatro anos, durante os
quais ministrou as disciplinas Geografia e História no Ensino Fundamental e Médio.
Mostrou-se preocupado quanto ao aspecto disciplinar dos estudantes, sendo que, para
melhorar o quadro de relacionamento, propõe trabalhar o disciplinamento na escola,
como, por exemplo, o cumprimento dos horários.
A coordenação pedagógica é exercida por Francisco de Assis Gomes, professor
com licenciatura plena em Química, pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). È
graduado em Odontologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e possui diploma
de especialização em Metodologia do Ensino, fornecido pela antiga Faculdade de
Filosofia de Fortaleza (FAFIFOR). O coordenador possui 40 anos de experiência na
rede estadual de ensino. Já ministrou aulas de Química, Física, Biologia e Educação
Física.
A professora Luzilene Oliveira, do corpo docente da escola, presidente do
Conselho Escolar, demonstrou preocupação referente à inexpressiva participação dos
pais dos alunos nas decisões tomadas pelo Colegiado que preside. Consoante exprimir,
tal ocorre porque a maioria dos pais tem que trabalhar e eles não dispõem de tempo para
participar das reuniões e atividades da escola. No que concerne a este ponto suscitado
pela professora Luzilene, Tedesco impõe ênfase na noção de que
[...] Os docentes apercebem-se deste fenômeno todos os dias e uma
das queixas mais freqüentes é a de que as crianças chegam a escola
com um núcleo básico de socialização insuficiente para encarar com
êxito a tarefa da aprendizagem. Dito de uma forma esquemática
quando a família socializava, a escola podia dedicar-se a ensinar.
Agora que a família não cumpre, plenamente o seu papel socializador,
a escola só não pode efetuar a sua tarefa especifica com a eficácia do
passado, como também começa a ser objeto de novas exigências para
as quais não está preparada. (2008.p.90).

178
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

Então, um dos problemas mais sérios que enfrenta, atualmente, a formação do
cidadão é o que se pode chamar de "deficit de socialização", que caracteriza a sociedade
atual. Vive-se num período em que as instituições educativas tradicionais, em espacial a
família e a escola, estão perdendo a capacidade de transmitir e constituir eficazmente os
valores e modelos culturais de coesão social.

Diálogo com a professora
Com cristas a conhecer e entender a profissional que se observaria, como
também vislumbrar o mundo da profissão docente, foram realizadas entrevistas com a
professora Regina Lúcia Jussara da Silva. Ela relatou que faz 32 anos que está na área
de ensino, sendo que 29 dedicados à Escola de Ensino Fundamental e Médio Félix de
Azevedo. Sua formação inicial se deu após o término do Ensino Fundamental, sendo
que posteriormente fez o pedagógico. A docente ministrou aulas por 23 anos apenas
com essa formação, sendo que, no ano de 2000, teve oportunidade de fazer um curso
superior em Pedagogia, intitulado Magistério, com habilitação em Educação Física e
Artes, com duração de quatro anos.
Na escola em foco, ela possui carga horária de 200 horas mensais, atuando como
professora polivalente nas disciplinas Português, Matemática, Geografia, Ciências e
Artes. Deixa claro que gosta de trabalhar na escola com boa infraestrutura de ensino.
Dentre as dificuldades apresentadas, ressalta gostar de ministrar aulas, porém está
cansada. Outro fator apontado diz respeito à relação com os alunos. Para ela, é tranquila
apesar de haver momentos nos quais alguns estudantes não se comportam bem,
principalmente aqueles fora da faixa etária para a série. Perguntado se ela consegue
perceber quais os motivos dos problemas desses alunos, ela respondeu: eles possuem
famílias desestruturadas que transferem a reponsabilidade integral de educar para a
escola.
Sobre a prática do ensino em Geografia, relatou não gostar de ensinar a
disciplina de Geografia, porquanto sente dificuldades em entender os conteúdos, como,
por exemplo, a cartografia e outros que ela não soube mencionar, pois não estava com o
livro didático em mãos. Ainda relata o fato de, algumas vezes para suplantar as
dificuldades, ser necessário solicitar ajuda aos colegas formados em Geografia, como,
por exemplo, o atual diretor da escola. Outras questões lançadas à professora versam
sobre a sua participação em algum sindicato, se ela possui tempo para planejar as aulas
179
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

e como utiliza os recursos didáticos. A docente participa da Associação dos Professores
do Ceará ­ APEOC, porém não é uma sindicalista atuante, pois informa: "o sindicato só
serve para descontar três por cento do salário". Já em relação ao tempo para o
planejamento, e a utilização dos recursos didáticos nas aulas, informa possuir dois
sábados ao mês para realizar as atividades de planejamento na escola e se utiliza de
recursos didáticos como lousa, mapas, sala de informática e biblioteca.
Com base no seu relato, constou-se o fato de a professora não possuir a
formação inicial em Geografia, e não gostar de lecionar tal disciplina, pois tem
dificuldades no entendimento dos conteúdos inerentes à disciplina refletindo na forma
deficiente como é constituída e reconstituída a Geografia escolar de cada dia.

A aula de Geografia
Em abril de 2009, efetivou-se o primeiro contato com a turma do 5º ano B, do
turno manhã, na qual se desenvolveriam as atividades do Estágio Curricular
Supervisionado em Geografia I. Ao chegar à sala de aula, a professora não se
encontrava, e estava ocorrendo uma briga entre dois alunos. Posteriormente, ela chegou
e repreendeu os alunos da briga, levando-os, a Coordenação Pedagógica.
Alguns alunos, percebendo a presença dos estagiários em frente à sala de aula,
vieram a perguntar: "O tio vai ensinar a gente?" "O que vocês estão fazendo aqui?".
Nesse momento, a curiosidade dos alunos com relação à presença dos estagiários ficou
perceptível. Verificou-se também um elevado número de alunos, presentes no interior
da sala de aula, bastante ativos, não paravam de se movimentar. Vale ressaltar o fato de,
no primeiro contato, não foi realizado nenhum acompanhamento dentro da sala de aula,
pois, nesse dia, a programação dos estagiários consistia em realizar os primeiros
contatos com a direção da escola e com a professora.
Dentre as propostas do Estágio Supervisionado Curricular em Geografia I, foi
realizado um acompanhamento de caráter observatório referente ao desenvolvimento da
prática docente no ensino de Geografia na 5º serie do Ensino Fundamental, buscando
desenvolver uma análise crítica do processo de ensino-aprendizagem na disciplina
Geografia. Compreende-se a aula como um momento de elaboração coletiva entre o
professor aqui tido como educador, juntamente com os estudantes, propiciando
constituir uma aprendizagem geográfica significativa. Na ideia de Souza Neto (2008, p.
19), as aulas são
180
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

[...] aquele momento e lugar em que devemos dar o melhor de nós e
despertar o que há de melhor nos outros. A aula como celebração da
vida e não da morte, como dialogo criativo, como vir-a-ser e não
como tendo sido sempre, como luta contra tudo aquilo que nos oprime
e não com entrega ao que nos oprime". (SOUZA NETO, 2008. p.19)

As aulas de Geografia, ministradas pela professora polivalente, foram elaboradas
e desenvolvidas com o suporte da leitura coletiva do livro didático pelos alunos e
professor, incentivando, assim, o desinteresse em muitos estudantes que percebem a
aula de Geografia como algo desagradável, cansativo e enfadonho. Percebeu-se ainda,
em uma das aulas acompanhada, a professora indagar aos alunos se eles sabiam qual era
a matéria a ser abordada na aula. Ninguém respondeu. Então, em seguida foi solicitado
aos estudantes abrirem seu livro didático, a saber: Ceará Geografia: Uma Discussão
para a Cidadania.
O capítulo a ser estudado versava sobre As diferentes paisagens naturais e
artificiais. A professora solicitou uma leitura individual que seria realizada em dez
minutos. Não obteve êxito, pois a docente se ausentava constantemente da sala de aula,
enquanto os alunos saíam dos seus lugares e ficavam conversando com os colegas.
De volta à sala de aula a docente propôs que cada aluno realizasse uma leitura
em voz alta. Novamente sem sucesso, pois ela saiu novamente da sala, porém dessa vez,
deixou a responsabilidade da coordenação da leitura a ser efetivada por uma aluna,
tornando a segunda leitura um caos, pois os alunos começaram a conversar. A estudante
encarregada começou a gritar, pedindo silêncio, porém os demais colegas debochavam
da colega "professora".
Este fato de transferir tamanha responsabilidade para uma aluna, de tomar conta
de uma sala de aula com quase 40 crianças, é preocupante, haja vista o fato de a aluna
não ter a responsabilidade de administrar a turma na ausência da professora, e, sim o
papel de estudar. Esse ato da docente demonstra graves falhas didáticas, depreendendose, então, a existência da falta de compromisso em relação ao ensino de Geografia
ministrado para a turma.
Outra incoerência presente na ação pedagógica da professora diz respeito ao
apego exagerado ao livro didático, pois, faz leituras e exercícios com apoio apenas no
livro, não buscando outras fontes de obtenção de informações com vistas a contribuir no
desenvolvimento do ensino de Geografia, como também não procura discutir e
181
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

estabelecer os conceitos referentes à temática da aula; apenas reproduz o exposto no
livro didático. A respeito disso, Sousa Neto (2008 p. 25) é claro ao assinalar: "se a
formação profissional for desqualificada, os professores tenderão a ver nos livros e nos
currículos prescritos a sua tábua de salvação e reproduzirão exatamente aquilo que está
colado nas páginas". Mediante observações realizadas na sala de aula, constatou-se a
existência dessa realidade nas aulas ministradas pela professora.
É necessário que os professores deem significado à utilização do livro didático.
Não adianta apenas os docentes quererem terminar os conteúdos contidos nos livros,
pois, faz necessário tornar os conteúdos geográficos mais inteligíveis e significativos,
acarretando a efetivação de uma prática que supere a simples reprodução dos conteúdos
inseridos nos livros.

Percepções dos alunos sobre a escola
Visando a verificar como ocorre a relação entre os alunos, escola e com a
disciplina Geografia, foi aplicado um questionário com 36 alunos dos 40 da turma do 5º
ano, cujas perguntas e respostas são analisadas a seguir. Dentre as questões
inventariadas, procurou-se saber se os alunos moravam perto da escola. A maioria (20
alunos) respondeu não, e 16 alunos responderam sim, contudo é perceptível o fato de
eles possuírem dificuldades de localização geográfica, pois muitos estudantes
justificaram suas respostas com comentários do tipo "não, porque é longe a dois
quarteirões", ou "sim, a cinco quarteirões daqui".
Visando a compreender como ocorre a relação de estudo dos alunos em outro
ambiente que não seja o escolar, foi perguntado se eles estudam em casa e se possuem
ambiente para realização de tal atividade. Com base nas respostas (podem ser
visualizadas na figura 5) constatou-se o fato de a maioria estudar em casa, no entanto o
número dos alunos contando com ambiente de estudo favorável é menor; quem
respondeu não possuir um bom ambiente de estudos responsabilizou a vizinhança por
tal fato. Dessa forma, conclui-se que os alunos, mesmo com dificuldades de estudar em
casa por vários motivos, se esforçam para suplantar esses entraves.

182
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

Figura 5: Gráfico representando as respostas dos alunos da 5ª serie B.3. Fonte: Silva, 2009.

Na busca do entendimento sobre a relação dos alunos com a disciplina, a aula, e
o livro didático de Geografia, questionou-se aos estudantes se gostavam das aulas (ver a
figura 6). Vinte e quatro estudantes responderam que gostavam da disciplina, pois a
consideram muito fácil, porém um dos alunos justificou sua resposta positiva, levando
em consideração o fato de ser uma matéria decorativa. Outros alunos responderam não
gostar e atribuíram tal motivo ao fato de ser uma matéria chata. Uma hipótese a ser
levantada é a possibilidade de tal fato estar relacionado com a prática didática
pedagógica da professora, pois o número de alunos que avessos às aulas de Geografia
da professora é de 13 - colado àqueles que não gostam da referida disciplina (12
estudantes).
Com relação ao livro didático, este é aceito pela maioria dos alunos
entrevistados (29 alunos), sendo difícil de apreender os motivos dessa grande aceitação,
porquanto a maioria não justificou os porquês e as justificativas coincidiram com as
respostas do tipo "porque é bom" ou "porque é legal". Já os estudantes contrários ao uso
do livro (oito alunos) não justificaram suas respostas.

183
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

Figura 6: Gráfico representando as respostas dos alunos da 5ª serie B. Fonte: Soares, 2009.

Analisou-se qual é a percepção dos alunos acerca do ambiente escolar. Foi
perguntado se gostam da escola, como também o que eles não gostam, e o que a escola
deveria ter. A maioria dos alunos, correspondente a 34, respondeu gostar de estar na
escolar, pois o referido espaço é onde se "aprendem as coisas". Os que não gostam da
escola tiveram suas respostas relacionadas à aversão ao diretor e às brigas que ocorrem
entre os colegas. Já em relação ao que eles gostariam de haver na escola, a maioria dos
alunos respondeu: "uma piscina para a prática de atividades de lazer".
A aplicação deste questionário com os alunos expõe uma preocupação,
consistente na dificuldade de entendimento das perguntas e principalmente, das
deficiências no desenvolvimento da escrita, fato demonstrativo das falhas no ensino
primário público, persistentes ao longo dos anos.
Em razão dos resultados obtidos com tal atividade realizada com os alunos,
percebeu-se como ocorreu a constituição e o desenvolvimento das relações cotidianas
dos alunos no ambiente escolar, como também algumas dificuldades que,
provavelmente, se enfrentará na prática docente, como, por exemplo, fazer o ensino da
disciplina de Geografia torna-se atrativo e útil, relacionando-se primordialmente, ao
cotidiano dos alunos. A esse respeito Napolitano (2003, p.45) alerta:

[...] ser um pesquisador, no caso do profissional do ensino
fundamental e médio, implica deter autonomia intelectual. Ou seja, o
professor deve ser capaz de organizar o seu curso e planejar novas
experiências e projetos de aprendizagem sem depender de uma fonte
184
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva
exclusiva, como por exemplo, o livro didático. Possuir autonomia não
quer dizer "trabalhar isolado" ou desconsiderar as fontes de
referencias bibliográficas, mas saber se movimentar no universo dos
livros e correntes de pensamento que constituem o patrimônio
intelectual e cientifico das diversas disciplinas e áreas do
conhecimento.

Para obter-se a formação do estudante no plano do Ensino Fundamental e
Médio, na perspectiva crítica, torna-se imprescindível repensar a prática docente,
considerando-se a ideia de o professor se constituir como agente mediador das relações
entre estudantes e conhecimentos. Para isso ocorrer, é necessário na sua formação
inicial, propiciar-lhe a oportunidade de ter uma visão crítica sobre a organização do
espaço geográfico, proporcionando o domínio dos conteúdos ensinados e a capacidade
de refletir sobre o próprio exercício docente.

Considerações Finais
Em virtude do desenvolvimento do trabalho, foi possível vivenciar como se
constitui o ambiente escolar, porquanto se realizou análise acerca das relações entre
alunos, professor e escola, permitindo aos estagiários mergulhar no mundo da escola e
buscar o melhor entendimento da feitura desse espaço, conhecendo melhor os agentes
que o compõem.
Dentre os fatores importantes como parte desse estágio, a convivência com a
professora polivalente, responsável pela disciplina de Geografia, foi marcante
considerando haver sido possível perceber suas falhas ao ministrar a referida disciplina.
Tal deficiência está entrelaçada aos fatos de não possuir formação inicial nessa
especificidade de sentir muitas dificuldades em lecionar tal disciplina. Isso reflete na
maneira como o conteúdo é propagado, marcado pela insegurança e de forma enfadonha
motivada pelas quais os alunos são desmotivados, pois são sempre submetidos às
mesmas aulas. Ainda se exprime o fato de não haver a participação da família no
acompanhamento do aluno, deixando para a escola toda a responsabilidade de educar.
A disciplina Estágio Supervisionado I mostrou-se de grande importância, pois as
atividades de acompanhamento foram realizadas na escola, o que propiciou conhecer e
entender o ambiente escolar antes de começar oficialmente a ministrar aulas como
professores formados. Mediante os relatos de algumas falhas verificadas no ensino de

185
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.

Conhecendo o Ambiente Educacional da Escola de Ensino Fundamental e
Médio Félix de Azevedo Fortaleza/CE
Francisco Otávio Landim Neto; Eciane Soares da Silva

Geografia, é possível refletir acerca da formação inicial em licenciatura, com a seguinte
indagação: como o professor deve formular e reformular sua práxis professoral?

Referências
CAVALCANTI, Lana de Souza. Geografia e práticas de ensino. Goiânia: Alternativa,
2002. 127p.

CEARÁ. Projeto Político-Pedagógico da Escola de Ensino Fundamental e Médio Félix
de Azevedo. Fortaleza, 2005. 163p.
LANDIM NETO, F.O. & DIAS, H.L. "Mapas mentais e a construção de um ensino de
Geografia significativo: algumas reflexões". Geoaraguaia, Barra do Garça. v.1 n.1, p.
01-12, jun 2011.

LIBÂNEO, José Carlos. A construção da escola publica: avanços e impasses. In:
LIBÂNEO J. C; OLIVEIRA, João Ferreira de. & TOSCHI, Mirza Seabra. (orgs).
Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2006. p. 167179.

SOUSA NETO, Manoel Fernandes de. Aula de Geografia. 2.ed. Campina Grande:
Bagagem, 2008.
NAPOLITANO, Marcos. Como usar a televisão na sala de aula. 5.ed. ­ São Paulo:
Contexto, 2003.

TEDESCO, Juan Carlos. O novo pacto educativo: educação, competitividade e
cidadania na sociedade moderna. Tradução José Carlos Eufrásio. Vila Nova de Gaia
(Portugal): Fundação Manuel Leão, 2008.

186
OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.3, n.7, p.173-186, out. 2011.