Geografia
61 c
Dentre os 50 países mais pobres do mundo, classificados segundo o Índice de Desenvolvimento Humano
(IDH) do Programa das Nações Unidas para o
Desenvolvimento (PNUD), 33 estão situados nessa
região. Desnutrição, pobreza, analfabetismo e condições sanitárias precárias exemplificam o lado perverso
da globalização, que amplia o crescimento das
desigualdades no mundo.
Fonte: Adapt. http://www.mondediplomatique.fr/cartes/pauvreteindimdv51

O texto refere-se
a) ao Sudeste Asiático.
b) à Ásia Meridional.
c) à África Subsaariana.
d) à América Latina.
e) à África do Norte.
Resolução
A África Subsaariana consiste no conjunto de países
situados ao sul do deserto do Saara, tendo sofrido um
intenso processo de exploração neocolonial a partir
dos anos de 1850. Os colonizadores europeus deixaram para trás, ao partirem após 1950, países desorganizados, com violentas lutas tribais, dependentes de
atividades primárias com baixos rendimentos e com
indicadores sociais altamente desfavoráveis. Há
grandes dúvidas quanto à capacidade desses países
de participar do processo da globalização que se
instaura no século XXI.

62 e
Observe a tabela apresentada abaixo.
ORGANIZAÇÕES ECONÔMICAS REGIONAIS
Orga- Data de entrada População (em mi- Porcentagem do
lhões de hab. ­ 1994) PIB mundial (1993)
nismo
em vigor
369
29%
I
1993 (Aprovada em
1991)
377
31%
II
1994 (Iniciada em
1988)
50% da pop.
40%
III
1989 (Oficializada
mundial
em 1993)

Fonte: Adaptado de Paulet, Jean-Pierre. La géographie du
monde. Paris: Nathan, 1997, p. 46.

A partir dos dados apresentados e de seus conhecimentos sobre o assunto, é possível inferir que os
organismos representados na tabela são, respectivamente,
a) OPEP, União Européia e OCDE.
b) Nafta, OCDE e Mercosul.
OBJETIVO

1

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

c) Mercosul, ALCA e Nafta.
d) ALCA, APEC e OPEP.
e) União Européia, Nafta e APEC.
Resolução
O organismo I, União Européia, que se oficializou entre
1991 e 93, vinha sendo articulado desde os anos 40,
com o Benelux e, nos anos 50, com a Ceca
(Comunidade Européia do Carvão e do Aço) e o MCE
(Mercado Comum Europeu); reúne atualmente 15
membros que pregam inicialmente uma união econômica envolvendo, posteriormente, aspectos políticos;
o organismo II, Nafta, abreviação em inglês de Acordo
Norte-Americano de Livre Comércio, promove a livre
circulação de mercadorias entre México, EUA e
Canadá; finalmente, o organismo III, Apec, Associação
de Colaboração Econômica do Pacífico, reúne países
que, banhados pelo Oceano Pacífico, pretendem
incrementar o comércio numa região que, segundo os
economistas, poderá se tornar o maior palco comercial
do mundo.

63 a
Dentre os cenários desenhados para o mundo a partir
da aceleração do processo de globalização, destaca-se
a idéia da superação do Estado-nação como principal
unidade política e econômica de estruturação do
espaço mundial. Como justificativa para a construção
desse cenário, podem-se destacar, entre outras:
a) O crescimento de instituições políticas e
econômicas supranacionais, como a Organização
Mundial de Comércio, e a relativa autonomia dos
circuitos financeiros em escala mundial,
caracterizada pela livre circulação de capitais.
b) O aumento das migrações inter-regionais, facilitada
pela abertura das fronteiras entre os países, e o
crescente intercâmbio cultural entre os povos,
possibilitado pela expansão dos meios de
comunicação em todo o mundo.
c) O aparecimento de organizações baseadas no
princípio do desenvolvimento sustentável, como as
ONGs, e a aceitação de grupos étnicos como entidades políticas e econômicas soberanas, a exemplo
dos Curdos, na Turquia.
d) A diminuição dos conflitos separatistas, como os
ocorridos nos Bálcãs, e o crescente reconhecimento
da ONU como fórum privilegiado para a solução de
conflitos políticos e econômicos locais e regionais.
e) A mundialização dos hábitos de consumo e
comportamento, disseminados pelos meios de
comunicação, e o crescente desinteresse das novas
gerações pelas questões de política interna e
externa de seus países.
Resolução
O final das práticas socialistas, como a queda do Muro
de Berlim e o desaparecimento da URSS, colocaram
em evidência as idéias neoliberais que já vinham sendo
OBJETIVO

2

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

postas em práticas pelo governo britânico de
Margareth Thatcher e americano de Ronald Reagan
nos anos 80. Entre as diversas idéias defendidas pelo
neoliberalismo, está o conceito de que o Estado devese ausentar da economia, deixando essas atividades
para a iniciativa privada. Assim, empresas estatais,
atividades de infra-estrutura e capital devem ser
privatizados, dando espaço para o crescimento de
instituições supranacionais, ou a livre circulação do
capital financeiro.

64 c
Comparada à russa, cada nacionalidade da Ásia central
parece cada vez mais apegada às suas tradições, à sua
língua; seja porque existe pouca migração; seja
porque, por razões religiosas, os casamentos
interétnicos são raros; seja porque a maioria da
população não fala russo (...) Como a população dessas
repúblicas muçulmanas aumenta rapidamente e não
emigra para outras regiões mais industrializadas, não é
improvável que elas venham a reivindicar mudanças
políticas que tornem possível um desenvolvimento
mais eficaz e a própria direção de seus negócios.
Enfim, coloca-se o problema do Islã nas repúblicas
vizinhas do Irã e do Afeganistão, que estão em plena
efervescência política e religiosa.
Fonte: Traduzido de Carrière, P. in Geographie ­ Classes
Terminales. Paris: Fernand Nathan, 1983, p. 74.

Redigido na década de 1980, o texto já aponta vários
aspectos importantes no atual quadro político interno e
externo das seguintes ex-repúblicas soviéticas:
a) Lituânia, Letônia e Estônia.
b) Ucrânia e Belarus.
c) Turcomenistão, Tadjiquistão e Uzbequistão.
d) Cazaquistão e Mongólia.
e) Geórgia, Armênia e Azerbaijão.
Resolução
O texto, referente à década de 80, permanece atual e
caracteriza as repúblicas da Ásia Central da ex-URSS,
muçulmanas: Turcomenistão, Tadjiquistão, Uzbequistão, além da Quirguízia e Azerbaijão, este último,
islâmico, mas que tem grande parcela de eslavos em
sua composição étnica.

65 c
No que diz respeito às mudanças climáticas, a
importância da cooperação é clara, visto que não há
como se isolar do sistema climático da Terra e,
portanto, dos efeitos decorrentes de alterações de
seus padrões. Além disso, nenhuma nação é capaz de,
sozinha, mudar o curso ou mesmo desacelerar as
prováveis transformações. Por maiores que sejam
seus poderes político e econômico, são insuficientes
para promover as mudanças necessárias na produção
e no consumo mundial.
OBJETIVO

3

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

Fonte: Pereira, André Santos.
http://www.ivig.coppe.ufrj.br/arquivos/anpec.pdf, p. 3.

Assinale a alternativa diretamente relacionada ao
texto:
a) Os esforços dos países ricos, como os EUA, a
Alemanha e o Japão, para controlar os efeitos das
atividades produtivas que causam as mudanças
climáticas.
b) O caráter natural e cíclico das mudanças climáticas
no globo, que não está relacionado às atividades
humanas e suas interferências no meio ambiente.
c) As diferenças entre a escala global de funcionamento dos grandes sistemas naturais e a forma de
organização sociopolítica atual da humanidade.
d) Os limites tecnológicos atuais para a realização das
transformações econômicas e sociais necessárias
ao controle das mudanças climáticas globais.
e) A importância da globalização, como uma nova
etapa de relacionamento entre os países, baseada na
maior interação e cooperação econômica e tecnológica.
Resolução
A heterogênea forma de organização do espaço, em
diferentes ritmos de apropriação dos recursos
naturais, resultam em formas diversas de relação entre
o espaço natural e as atividades humanas.
Essa heterogeneidade na organização econômica dinamizou-se com o advento da globalização e, apesar do
aprimoramento tecnológico e do maior entendimento
de que a ação preservacionista deve ser cumprida,
ainda ocorrem casos como o abandono do protocolo
de Kyoto pelos Estados Unidos e a manutenção de
práticas nocivas ao meio ambiente a favor da
economia.

66 b
Considere o gráfico apresentado abaixo.
Brasil - Vegetação nativa
Desmatamento em relação aos ciclos econômicos

Fonte: Almanaque Abril ­ Edição Brasil 2001, p. 164.

Os números I, II e III correspondem às seguintes
formações vegetais:

OBJETIVO

4

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

I
II
III
a)
Caatinga
Mata Atlântica
Floresta Amazônica
b) Floresta Amazônica
Cerrado
Mata Atlântica
c) Mata de Araucárias
Caatinga
Cerrado
d) Floresta Amazônica Mata de Araucárias
Cerrado
e)
Campos
Mata de Araucárias
Mata Atlântica

Resolução
Desde o início da colonização, a Mata Atlântica vem
sofrendo com o desmatamento. Ela ocupava originalmente a porção oriental do território brasileiro, por
onde teve início a colonização, mas, a partir de meados
do século XIX, seu processo de desmatamento se
intensificou sobretudo em São Paulo, com a expansão
do café pelo território paulista, seguido pela
urbanização e industrialização.
Recentemente, após os anos 50, a Floresta Amazônica
e, mais intensamente, o Cerrado tornaram-se alvos
dos desmatamentos, associados às frentes pioneiras
de colonização implantadas nas regiões Centro-Oeste
e Norte.

67 a
Desde a I Conferência Mundial sobre Desertificação
realizada no Quênia, em 1977, vem sendo registrada a
ampliação das áreas de ocorrência desse fenômeno
em diferentes regiões do globo. No que diz respeito ao
Brasil, é válida a seguinte afirmação:
a) No SO do Rio Grande do Sul, os areais têm se
expandido em áreas antes ocupadas por pastagens
e pela cultura da soja. O uso intensivo do solo tem
acentuado o processo de desertificação, existente
nessa paisagem regional.
b) A dinâmica da paisagem, no NE de Minas Gerais,
compreende mudanças constantes em seus
elementos constitutivos. As grandes variações nos
leitos dos rios geralmente criam novos canais de
escoamento que, no período seco, se transformam
em areais.
c) O processo de desertificação no vale do rio São
Francisco acelera-se a cada ano, devido ao domínio
do clima semi-árido e ao represamento do rio a
montante, com a finalidade de desviar água para
projetos, situados no seu curso médio, de agricultura irrigada.
d) O aparecimento de areais no vale amazônico tem
sido associado à expansão das áreas de pecuária
extensiva, ao desmatamento e ao uso indiscriminado das queimadas, que expõem os solos frágeis
às chuvas constantes, impedindo a recomposição
da vegetação.
e) O avanço da cultura da cana-de-açúcar em direção
aos solos arenosos do Noroeste paulista trouxe,
como conseqüência, o avanço da erosão eólica e a
diminuição da cobertura vegetal. Esses dois
processos concomitantes têm feito avançar o
processo de desertificação.
Resolução
OBJETIVO

5

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

O fenômeno da desertificação causado pela ação
antrópica tem se acentuado em várias áreas do mundo
devido a um manejo inadequado do solo, desmatamento, abandono do solo, entre outras razões. No
Estado do Rio Grande do Sul, antigas áreas de pastagens da Campanha Gaúcha perderam sua vegetação
herbácea e foram substituídas por cultura de soja,
levando o solo a um intensivo empobrecimento e
acentuando o processo de desertificação.

68 b
As políticas governamentais de gestão do meio
ambiente no Brasil comportam diferenças importantes
quanto aos graus de limitação às atividades de
transformação do ambiente natural.
Nas formas de organização das unidades de conservação no Brasil, as reservas extrativistas são caracterizadas como:
a) Áreas de grande extensão, destinadas à
preservação ecológica e proteção de espécies raras,
recursos hídricos e estruturas geológicas.
b) Espaços territoriais destinados à exploração autosustentável e à conservação de recursos naturais
renováveis por populações extrativistas.
c) Áreas extensas, públicas ou privadas, que têm
como objetivo disciplinar o processo de ocupação das
terras e promover a proteção dos recursos
biogeofísicos.
d) Áreas de extensão variável, fechadas à visitação
pública e com severa restrição à exploração de
recursos e extrativismo.
e) Áreas de porções significativas de ecossistemas
naturais, com pelo menos 90% do total destinados
à preservação integral, reservando-se o restante à
pesquisa e à educação.
Resolução
As questões relativas ao meio ambiente esbarram em
um grande problema, que é referente à exploração
auto-sustentável dos ambientes e à conservação
de recursos naturais renováveis por populações
extrativistas, sendo que tal proposta foi feita pelo
seringueiro Francisco Mendes (Chico Mendes), do
Acre. Este defendia a idéia da criação das reservas
extrativistas como unidades de conservação. As
políticas governamentais de gestão ambiental tratam
de limitar as atividades de transformação do ambiente
natural, mantendo tais reservas extrativistas.

69 c
(...) A cidade não pára, a cidade só cresce/ O de cima
sobe e o debaixo desce/ A cidade se encontra
prostituída/ Por aqueles que ousaram em busca de
saída/ Ilusora de pessoas de outros lugares/ A cidade,
sua fama vai além dos mares (...).
(Chico Sciense e Nação Zumbi ­ "A cidade" em "Da lama
ao caos")

OBJETIVO

6

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

A letra da música acima refere-se de maneira explícita
e implícita a importantes questões que interessam à
Geografia, tais como:
a) O contínuo crescimento demográfico acelerado das
Regiões Metropolitanas, exceto as do Rio de
Janeiro e Fortaleza, que apresentaram, nas duas
últimas décadas, cifras abaixo das registradas nos
respectivos Estados.
b) As desigualdades sociais provocadas pela
concentração de renda, quesito que equipara o
Brasil a outros países também detentores de altas
taxas, a exemplo da França.
c) O crescimento do terceiro setor da economia como
uma forma de atuação da sociedade civil na solução
de problemas sociais, promovendo a cidadania e a
inclusão da população de baixa renda.
d) A falta de fiscalização na aplicação do dinheiro público, apesar de gerar a "prostituição das cidades" e a
conseqüente desestruturação das políticas sociais
do Estado e das iniciativas privadas, o que impediu
a criação de um Estado de Bem-Estar Social no
Brasil.
e) O contínuo crescimento dos fluxos migratórios para
São Paulo, "ilusora" cidade mundial, pelo fato de não
terem surgido novos pólos de atração demográfica,
em outras regiões do Brasil.
Resolução
Embora a letra da música seja pertinente a temas de
fundamentação geográfica, tais como urbanização,
diferenças sociais, visão utópica daqueles que chegam
à cidade, ou os migrantes, hierarquia urbana (a cidade,
sua fama vai além dos mares), esta questão não deixa
clara para o aluno uma resposta conclusiva acerca dos
problemas abordados. A resposta c foi assinalada por
exclusão das demais e não propriamente por dar uma
solução conclusiva aos problemas tratados. Assim,
temos o seguinte raciocínio; quanto ao item a, não
houve crescimento demográfico acentuado de
Fortaleza. Com referência ao item b, em termos de
desigualdades sociais, o Brasil não pode ser comparado à França. Relativamente ao item d, à falta de
fiscalização do dinheiro público, tal fato não ocorre,
mas sim má administração das verbas, que não são as
únicas causas da desestruturação das políticas sociais
do Estado e de iniciativas privadas, pois o Brasil conta
com muitas ONGs e organismos privados de ajuda à
sociedade, só que sozinhos não podem resolver todos
os problemas existentes. E quanto ao item e, surgiram
novos pólos de atração demográfica em outras regiões
do Brasil e não apenas as grandes cidades ou
metrópoles.

70 b
Ações voltadas exclusivamente para o desenvolvimento agrícola lograram invejável modernização da
base tecnoprodutiva no Centro-Sul do país, mas sem
um desenvolvimento rural correspondente. DimenOBJETIVO

7

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

sões tecnológicas e econômicas do processo foram
privilegiadas. A organização sindical dos trabalhadores
sem terra e a dos pequenos produtores -- para citar
apenas dois casos -- foi relegada. O resultado sinaliza
um antagonismo entre o econômico, o social e o
ambiental.
Fonte: Revista Globo Rural, junho de 2001. Tendências: O
poder local na globalização.

O texto trata das transformações no campo brasileiro,
principalmente a partir da década de 1970. As
afirmações do texto exemplificam:
a) A formação de uma "indústria da seca" no sertão
nordestino, baseada na incorporação de tecnologias
modernas pelos agricultores sertanejos, que
viabilizam a produção agrícola em áreas de clima
semi-árido.
b) A expansão da mecanização da produção agrícola,
paralela ao crescimento e pauperização da categoria
dos trabalhadores rurais temporários, como os
bóias-frias na cultura da cana-de-açúcar.
c) A criação de reservas ecológicas nos Estados do
Acre e Amazonas, destinadas à preservação de
árvores nativas, com a conseqüente proibição das
atividades tradicionais de extração por populações
de seringueiros e castanheiros.
d) O aumento da mão-de-obra na atividade agrícola,
como conseqüência da expansão de modernas
empresas rurais de caráter familiar, como no caso da
produção integrada de porcos e aves no interior
paulista.
e) O baixo nível de tecnologia ainda presente nas
culturas de exportação, como a soja, e o modelo de
expansão das áreas de pecuária intensiva para o
interior do país, baseado em pequenas unidades de
criação familiar.
Resolução
A modernização da agricultura significou um emprego
maior de técnicas, como a mecanização e o aumento do
consumo de fertilizantes, mas essa modernização não
promoveu a incorporação de trabalhadores que não
têm acesso à terra, nem a melhoria de suas condições
de trabalho.

71 b
Passadas as fases de implantação dos grandes
projetos de mineração e de energia, modelo oposto à
organização do garimpo, o saldo deixado foi o de uma
população considerável de deslocados e re-assentados
que contribuiu deveras para o processo de desterritorialização camponesa. O seu destino mais provável foi
o engrossamento do fluxo rumo às cidades.
Fonte: Menezes, Maria Lúcia Pires. Tendências Atuais das
Migrações Internas no Brasil in Scripta Nova ­ Revista
Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. Universidad de
Barcelona, Nº 69 (45), 1 de agosto de 2000.

OBJETIVO

8

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

O texto faz referência à dinâmica demográfica recente
verificada:
a) no oeste da Bahia e sul do Piauí, como resultado do
avanço das áreas de produção irrigada de soja por
grandes produtores vindos da Região Sul do país.
b) na Amazônia, em especial nos antigos eixos de
ocupação e colonização da década de 1970, como
os das rodovias Transamazônica e Cuiabá-Santarém.
c) no oeste do Mato Grosso do Sul, na faixa fronteiriça
entre o Brasil e Paraguai, onde os "brasiguaios" se
instalaram na década de 1980.
d) na região do norte-paranaense, que sofreu um
intenso processo de recolonização na década de
1970, com a modernização de sua agricultura.
e) no Estado do Espírito Santo, em função do
esgotamento do modelo exportador mineral e da
expansão das áreas destinadas ao reflorestamento.
Resolução
O texto faz menção a antigas áreas garimpeiras, onde
a introdução de um novo modelo de exploração
baseado em projetos de grande dimensão acabou por
alijar uma parcela significativa de trabalhadores que,
sem organização, foram obrigados a se deslocar.

72 c
Observe a tabela apresentada abaixo.
Estados
Goiás
Mato Grosso
Mato Grosso do
Sul

População
urbana (%)
87,88
79,35
84,08

Densidade
demográfica
(hab/km2)
14,69
2,77
5,81

Fonte: IBGE ­ Censo Demográfico 2000

Os dados sobre a realidade demográfica atual da
Região Centro-Oeste brasileira estão diretamente
relacionados:
a) às dificuldades de circulação na maior parte do
território desses Estados, permanecendo a
ocupação econômica restrita às proximidades dos
centros urbanos maiores, o que também mantém a
população concentrada nas cidades.
b) ao modelo de assentamento adotado pelos
governos militares para os colonos que passaram a
se dirigir para a região, na década de 1960, o qual
consistia na construção de agrovilas planejadas e
dotadas de infra-estrutura para abrigar os novos
contingentes populacionais.
c) às políticas de colonização implementadas pelos
governos militares na década de 1970, baseadas na
média e grande propriedade, que utilizavam a
mecanização e a mão-de-obra assalariada e/ou
temporária.
OBJETIVO

9

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

d) à ocorrência, em todos os Estados relacionados, de
grandes áreas inundáveis durante a estação das
chuvas, dificultando a ocupação e a circulação de
pessoas e mercadorias para os locais isolados,
devido à formação de lagoas e rios temporários.
e) ao desenvolvimento industrial iniciado na década de
1980, resultante da instalação de diversas
agroindústrias nacionais e internacionais, que
atraíram a mão-de-obra rural para as cidades, em
busca dos empregos na indústria.
Resolução
A Região Centro-Oeste destaca-se pela sua extensa
superfície, sendo a segunda região mais extensa do
país. A sua população absoluta é escassa ­ a menos
populosa entre as regiões brasileiras ­ e a sua baixa
densidade demográfica é superada apenas pela Região
Norte.
Predomina a população urbana, apesar de sua
economia essencialmente agropecuária. Destacam-se
a pecuária extensiva bovina e a agricultura mecanizada
de produtos diversos (soja, feijão, milho, frutas)
praticada em grandes propriedades e, nas médias,
com uso de mão-de-obra assalariada e temporária.
Além disso, uma parte significativa das cidades, sobretudo Brasília e por extensão o Centro-Sul de Goiás, foi
implantada por iniciativa do Estado e incorporou um
grande contingente de ativos no setor público.

73 d
Especialistas em comércio internacional já analisam as
possíveis conseqüências econômicas da guerra contra
o terrorismo anunciada pelo presidente George W.
Bush. (...) existe a expectativa de que os norteamericanos passem a formar estoques de alimentos,
temendo a eventualidade de uma guerra. Esse
movimento poderá provocar um aumento dos preços
das chamadas commodities , que representam 35%
das exportações totais brasileiras.
Fonte: Folha de São Paulo, 16/09/2001, B1, Dinheiro.

Dentre as commodities que compõem a pauta atual de
exportações brasileiras, podem-se destacar:
a) aviões, derivados de soja, calçados e suco de
laranja.
b) café, automóveis, carne bovina e açúcar.
c) derivados de soja, minério de ferro, arroz e petróleo.
d) açúcar, café, suco de laranja e derivados de soja.
e) madeira, suco de laranja, manganês e carne bovina.
Resolução
Dentre as commodities, ou seja, produtos primários
exportados pelo Brasil para os Estados Unidos, destacam-se açúcar, café, suco de laranja e derivados de
soja.
Como a classificação ­ commodities ­ engloba
matérias-primas, sobretudo agrícolas e minerais e
produtos primários, ou semiprocessados deles
OBJETIVO

10

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

derivados, excluem-se: aviões, calçados, automóveis,
que também são exportados.

74 c
As afirmações abaixo referem-se à Região Norte do
Brasil. Assinale a incorreta.
a) A região tem exercido, nas últimas décadas, o papel
de fronteira demográfica e econômica. Seus
Estados apresentam as maiores taxas médias de
crescimento populacional do país.
b) As profundas transformações ocorridas na região, a
partir da década de 1950, foram promovidas pelo
Governo Federal, com o principal objetivo de integrar essa área ao contexto da economia nacional.
c) Embora a maior parte da população indígena do
Brasil viva nessa região, a intensidade dos conflitos
agrários tem inviabilizado a demarcação das terras
indígenas, o que explica a sua maior concentração
na região Nordeste.
d) Apesar de ser a região brasileira menos urbanizada
na atualidade, a maior parte da população urbana
está concentrada em um número reduzido de
cidades.
e) Os núcleos urbanos que surgiram nas proximidades
das mais importantes jazidas minerais da região,
como Porto Trombetas e Carajás, são planejados e
dotados de uma moderna infra-estrutura de
serviços.
Resolução
Mesmo com as invasões e conflitos, tem sido possível
demarcar as terras indígenas na Amazônia, como já
ocorreu com o Parque Nacional do Xingu, por exemplo.
É na Amazônia que se encontra a maioria das terras
indígenas demarcadas no Brasil. Ela possui 288ha
demarcados (84,1%), contra 144ha da Região CentroOeste, 67ha do Nordeste, 64ha do Sul e 28ha do
Sudeste, segundo a Funai.

75 c
Essa região brasileira apresenta as seguintes
características geoambientais: pluviosidade irregular,
em torno de 750mm/ano, concentrada num período de
3 a 5 meses. Ocorrem períodos agudos de estiagem,
quando a precipitação pluviométrica cai para cerca de
450-500 mm/ano. As temperaturas são altas, com
taxas elevadas de evapotranspiração e balanço hídrico
negativo durante parte do ano. A insolação é muito
forte, 2.800 horas/ano, e está aliada à baixa umidade
relativa.
Fonte:
http://www.cnpma.embrapa.br/projetos/prod_int/regiaosf.html

O tipo climático e a região brasileira correspondentes
ao texto são:
a) Subtropical ­ Região Centro-Sul.
b) Tropical de altitude ­ Região Sudeste.
OBJETIVO

11

FGV (1ª Fase) Outubro/2001

c) Semi-árido ­ Região Nordeste.
d) Tropical ­ Região Sudeste.
e) Desértico ­ Região Nordeste.
Resolução
As características apresentadas no texto referem-se ao
Sertão do Nordeste, onde ocorre o domínio do clima
semi-árido, com pluviosidade irregular.

OBJETIVO

12

FGV (1ª Fase) Outubro/2001