Guia Metodológico de Trabalho de Campo em Geografia
Antonia Brito Rodrigues*
Claudia Arcanjo Otaviano**
Resumo

A ciência geográfica estuda o conjunto de fenômenos e formas de organizações num determinado espaço da
superfície terrestre. Espaço onde a natureza e a dinâmica social se integram, marcam e definem paisagens. A
organização deste espaço pressupõe não só um aprofundamento teórico, mas também um contato direto e
investigador - observar, identificar, reconhecer, localizar, perceber, compreender e analisar o espaço geográfico e
a dinâmica de sua organização - por meio do trabalho de campo. Por isso mesmo, pode-se dizer, que o trabalho
de campo é um instrumento didático-pedagógico do ensino da ciência geográfica. Neste estudo destaca-se a
importância desse recurso pedagógico no processo de ensino-aprendizagem e apresenta-se um conjunto de
orientações para o planejamento e desenvolvimento do trabalho de campo.

Palavras-Chave: trabalho de campo, procedimentos metodológicos, ensino de geografia
INTRODUÇÃO e objetivos
A abordagem sobre trabalho de campo
em seu sentido mais amplo, torna-se uma
tarefa difícil, em virtude da escassa bibliografia existente, principalmente, em termos
de literatura mais atualizada. A maioria dos
estudos anteriores refere-se preferencialmente às técnicas utilizadas, sem mencionar
questões relevantes a respeito do trabalho
de campo, enquanto método de ensino.
Normalmente questões como: percepção
do aluno em relação a realidade, o conhecimento prévio dos conteúdos etc, são pouco
debatidas, carecendo de uma discussão mais
ampla, no sentido de valorizar este recurso
nos níveis de ensino fundamental e médio,
onde este método torna mais concreto os
conteúdos aprendidos e apreendidos.
O trabalho de campo pode ser implementado desde as séries iniciais do ensino
fundamental como recurso aos professores
de Geografia, História, Ciências e outras disciplinas, partindo-se da idéia de produção

do conhecimento baseado na realidade e no
cotidiano do aluno. A visão de mundo do
aluno é incorporado ao processo de aprendizagem, que está associado a uma leitura
crítica da realidade e ao estabelecimento da
relação de unidade entre a teoria e prática.
Conforme Tomita,
é importante que se estimule o educando a
indagar o porquê das coisas para o mesmo não
se conformar com a simples situação dos fatos,
mas partir para uma análise criteriosa como
uma visão crítica. (1999).

O contato com a realidade dará ao aluno
uma nova dimensão dos assuntos tratados
nas aulas o que, se bem programado e
orientado, servirá entre as tantas finalidades, estimular o estudo articulado com as
diferentes disciplinas.
Assim, e para melhor compreensão de
certos conteúdos, os professores sentem
muitas vezes que suas aulas poderiam se
prolongar para além do espaço da sala de

Professora Adjunta Visitante do Departamento de Geografia e Coordenadora Adjunta do Grupo de Estudos
Ambientais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). e-mail: [email protected]
**
Professora do Ensino Médio da Rede Pública do Estado do Rio de Janeiro e Geógrafa do Grupo de Estudos
Ambientais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). e-mail: [email protected]
*

Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan./jun. 2001

35

aula. A exemplo da Geografia, o estudo das
paisagens, dos lugares, dos espaços urbanos, da degradação ambiental, tão falado e
que normalmente chegam ao aluno através
de uma imagem, uma gravura no livro didático, ou até mesmo a uma simples referência
ao mesmo, deixando o aluno, construir
mentalmente o significado de algo objetivo,
mas que ele recria conforme a sua visão e
experiências de mundo. É neste momento
que a introdução da prática do trabalho de
campo auxiliaria como um recurso complementar do processo de construção desses
conhecimentos.
Portanto, o trabalho de campo como recurso didático é de primordial importância,
porque oferece potencialidades formativas
que devem ser levadas em conta no processo ensino-aprendizagem como uma
das técnicas pedagógicas mais acessíveis e
eficazes ao professor.
Este artigo tem por objetivo expor uma
reflexão da importância do trabalho de
campo nos segmentos de ensino e também
proporcionar aos professores um conjunto
de procedimentos metodológicos quanto
a organização e realização do trabalho de
campo e avaliação dos resultados nos processos cognitivos.
1. O Trabalho de Campo em sua Essência e Importância
Em um enfoque conceitual-pedagógico,
considera-se que o trabalho de campo em
sua forma e essência é um método relevante
dentro do planejamento do ensino e ou em
sua prática propriamente dita, visto que, há
correspondência com objetivo proposto ­
faz com que o homem se relacione de forma
mais adequada com o mundo da natureza
e com o mundo da cultura.
Segundo Rays,
o método traz dentro de si a idéia de uma
direção com a finalidade de alcançar um propósito, não se tratando, porém, de uma direção
qualquer, mas daquela que leva de forma mais
segura à consecução de um propósito estabelecido. (apud VEIGA, 1995)

36

Sob este ponto de vista, o trabalho de
campo abarca o significado de método,
porque é um caminho ou procedimento
consciente, organizado racionalmente, com
a finalidade de tornar o trabalho mais fácil
e mais produtivo para o alcance de determinada meta.
Assim sendo, o método implica, pois,
um processo ordenado e uma integração
do pensamento e da ação, como também
da reação (imprevisível), para execução de
tudo aquilo que foi previamente planejado.
A idéia de organização nele contida implica
também o planejamento e o replanejamento (face ao aparecimento da reação) de
procedimentos coerentes e coesos para seu
desenvolvimento integral.
O trabalho de campo não pode ser de
fato, apenas a oportunidade para romper
com a rotina cotidiana da sala de aula. Vai
além da vantagem de experimentar e interagir fora da sala com o meio ambiente, o
trabalho de campo vale por si só ao representar "um dia diferente" fora da escola que
motiva e excita os alunos a tal ponto que a
adesão é total. Será sempre um dia fora do
cotidiano que fica na memória do aluno.
Lembrando Freinet, as crianças aprendem
muito mais através da experimentação (tateio experimental) do que pelas explicações
dos professores (1977).
No entanto, o trabalho de campo, a
pesquisa de campo, a saída de campo, a
excursão didática, outros termos mais, que
designam o mesmo método, o de investigar,
está além da proposta de técnicas variadas,
mas também em conduzir o pesquisador,
o aluno, o professor a descobrir, observar
e entender de melhor maneira as formas e
os processos sociais que ocorrem no espaço
geográfico. Como afirma Sansolo:
Não nos negamos a observar os dados empíricos, ou estabelecer mensurações que nos
indiquem a aproximação da realidade física
ou social, entretanto nos propusemos a desenvolver os trabalhos de campo que ultrapassassem o caráter de confirmação ou negação
de hipóteses. Entendemos que somente em
campo podemos perceber aspectos subjetivos que compõem a complexidade. Através
da intuição, das emoções e das características
Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan./jun. 2001

individuais de cada participante de um trabalho de campo, é que surgirão componentes
inesperados, mas que entretanto, poderão
ser determinantes para a compreensão da
realidade, especialmente quando estamos
tratando de um trabalho de campo de caráter
pedagógico (1996 ).

Numa outra perspectiva complementar,
entende-se que neste caso, a relação pedagógica se reveste de uma nova dinâmica: o
professor poder aproveitar para ser mais observador, mais ouvinte do comportamento
dos seus alunos, um verdadeiro orientador
e companheiro, e dar oportunidades para
que a iniciativa parta deles, acabando então,
com qualquer indício de comando na dinâmica de grupo. O aluno sente-se longe das
quatro paredes da sala de aula, num outro
ambiente, tornando-se mais espontâneo,
mais ele mesmo. Também é a oportunidade
rara para a observação das atitudes dos alunos. Será preciosa para o professor analisar
e formular um melhor juízo de seus alunos
que por vezes o professor pensa já conhecer
muito bem.
2. As orientações pedagógicas relevantes para a ORGANIZAÇÃO DE UM
TRABALHO DE CAMPO
Um trabalho de campo para ser significativo em termos de aprendizagem necessita
ser preparado e realizado seguindo certos
critérios. É certo que não há normas, mas há
princípios de caráter geral que podem nos
auxiliar no caminho de um bom planejamento. Trata-se de sugestões, não devendo
ser entendidas como receita para qualquer
tipo de turma: deve-se levar em conta as
características específicas dos alunos e o
nível escolar.
Por isso propomos este pequeno guia
metodológico sobre trabalho de campo,
tirados das experiências vivenciadas no
cotidiano escolar, somados a algumas informações pesquisadas da bibliografia.
No planejamento de um trabalho de
campo, considera-se três momentos fundamentais e imprescindíveis:
Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan./jun. 2001

­ a preparação
­ a realização
­ resultados/avaliação
Antes, porém, de abordarmos a análise de
cada uma dessas etapas, é importante ressaltar que, embora trata-se de trabalho de campo
de uma forma geral, os termos de referência
neste guia são sempre da disciplina geografia, embora possa vir a servir para orientar os
professores de outras disciplinas.
Outro fato, que de forma intencional, não
se fixou num determinado e único grau de
ensino ou num nível etário específico. O
bom senso do professor saberá distinguir o
que, destas considerações teóricas prévias,
pode ser ou não, aplicável aos seus alunos.
Ao se pensar em adequar o trabalho de campo as temáticas do programa das diferentes
disciplinas convém não esquecer que a mesma
deve ser levada à prática antes dos últimos
meses do 2º semestre, para que haja tempo
de preparar a programação com antecedência.
Vale lembrar que o trabalho de campo deve
estar incluído na programação no início do ano
letivo e inserido também de alguma forma ao
tema central do projeto político pedagógico
do estabelecimento de ensino.
A seguir, é relacionado um conjunto de
orientações para serem postas em prática.
O passo inicial é realizar uma ida ao local
ou locais a estudar, antes da realização do
trabalho de campo. Nunca se deve fazer um
trabalho de campo sem que previamente
o professor tenha feito um levantamento
antecipado do lugar a se explorar. Não se
admite que o professor desconheça determinados pormenores ou aspectos do local
a ser estudado, pois poderão se constituir
entraves para o bom desempenho da atividade, como por exemplo, os horários do
local a visitar, no caso de uma indústria,
museus, etc, ou os aspectos e características
próprias de uma área de estudo. Em suma,
o professor não pode ter um conhecimento
incompleto do trabalho que vai coordenar,
sob pena de estar em igualdade com os
alunos e, por isso, não lhes poder dar os
conhecimentos que eles, nestas situações,
sempre solicitam.

37

a) Preparação da Prática de Trabalho de
Campo ­ trata-se do momento essencial
do trabalho de campo e nele pode ficar
definitivamente decidido o sucesso ou
insucesso de uma saída da escola. De
fato, um bom planejamento pode evitar
o fracasso de um trabalho de campo.
Portanto, podemos definir passos que
são fundamentais na organização geral
desse recurso didático segundo as atividades descritas a seguir:
1º) Definir Objetivos

Como já dito, as excursões devem constar
da programação escolar anual. Primeiramente deve-se traçar os objetivos que se
quer alcançar. Analisa-se as temáticas que
serão tratadas e planeja-se o que se espera
obter com o trabalho de campo. Os tipos
de objetivos que podem ser atingidos pelos alunos através do trabalho de campo
depende, naturalmente, de uma série de
fatores, nomeadamente o grau de ensino,
a faixa etária, interesses e possibilidades
dos alunos, o momento do processo de
aprendizagem em que o trabalho de campo
se insere e ainda o caráter da própria visita.

38

No entanto, de uma forma geral e desde que
preparado com um mínimo de cuidado, um
trabalho de campo tem sempre um caráter
formativo importante, sobretudo no caso
da chamada visita de "descoberta". Esta
pode propiciar ao aluno não só a aquisição
ou aprofundamento, de uma forma significativa, de conhecimentos sobre conteúdos
programáticos relacionados com a visita,
como pode levar ainda ao desenvolvimento
de hábitos e métodos de trabalho e ao enriquecimento harmonioso da personalidade
do aluno. Assim, podemos considerar que,
em condições ideais, um trabalho de campo
permitirá ao aluno atingir os seguintes objetivos de caráter geral, conforme descritas
no quadro.
Embora todos os objetivos gerais acima
referidos possam teoricamente ser atingidos
num trabalho de campo em que houve um
planejamento prévio rigoroso, a verdade é
que, em qualquer circunstância, deve o professor começar por definir aqueles que lhe
parecem prioritários. Será em função dessa
escolha que selecionará o local, traçará os
objetivos específicos e preparará trabalho
de campo. Esta será necessariamente diferente se o objetivo principal for, por exem-

Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan./jun. 2001

plo, a aquisição de conhecimentos sobre
um tema determinado do programa ou for
o desenvolvimento de métodos de pesquisa
ou se pretender simplesmente, numa terceira hipótese, a melhoria do relacionamento
aluno-aluno ou aluno-professor. Sendo o
estudo fora de sala de aula tão rico e diversificado, aconselha-se aproveitar para buscar
um ensaio a multidisciplinaridade, mesmo
que na hora da avaliação seja privilegiado
aquele objetivo específico do estudo de um
tema escolhido.
Não é, pois, indiferente que a tônica dos
objetivos incida no domínio dos conhecimentos, das capacidades ou dos valores. No
caso de se privilegiarem os aspectos cognitivos, e antes de se definirem os objetivos
específicos, é fundamental ter em conta o
momento do processo de aprendizagem
em que o estudo se integra e, logicamente,
a função da mesma. De fato, o trabalho de
campo pode destinar-se:
­a motivar o estudo de um tema (função
da motivação)
­a estudá-lo através dos elementos observados durante a visita (função de informação)
­a completar o estudo desse tema (função
de síntese)
2º) Escolha do Local
A escolha do local que será objeto de
estudo do trabalho de campo deve ser cuidadosamente analisada. Não deve seguir o
caminho da facilidade, escolhendo a visita
que dá menos trabalho. Provavelmente
seria completamente inútil. O professor
deverá optar antes por aquela, que possui
mais possibilidades formativas, e preferencialmente, tenha mais a ver com o programa
e os conteúdos que os alunos estão estudando. Analisar a possibilidade de articular conhecimentos de outras disciplinas ­ visando
a interdisciplinaridade. (Fazenda, 1991).
Em seguida, reunir as informações que
puder sobre o assunto, tais como: mapas
rodoviários, mapas hipsométricos, plantas,
gráficos, reportagens etc.
Como mencionado anteriormente, é
muito vantajosa uma visita prévia ao local
Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan./jun. 2001

onde se faz pela primeira vez um trabalho
de campo com os alunos, mesmo que ele já
seja conhecido do professor.
Visto que, ao procurar ver, com os "olhos"
dos alunos, um ecossistema ou um museu,
fazemos por vezes descobertas bastante
surpreendentes.
3º) Calendário
Um trabalho de campo está à princípio,
integrado na planificação a médio ou longo
prazo do trabalho escolar e, normalmente,
pretende-se que coincida com o momento
mais adequado do estudo de um determinado tema. Para que isso aconteça, o professor
deve ter em mente as exigências e condições necessárias para se efetuar o trabalho
de campo. Não deve esquecer que:
­ na maior parte dos casos, necessita de
autorização do departamento responsável da empresa, parque, museu, se
houver visita técnica ou locais que são
administrados pelo poder público, como
por exemplo, uma área de proteção ambiental;
­ essa autorização pode demorar algum
tempo, pois necessita das formalidades
necessárias (solicitação para a visita através de envio de ofícios) e o aguardo de
resposta;
­ para não ter problemas de outros professores marcarem a visita de estudo em datas próximas das suas, procure convidar
alguns professores e todavia trabalhar
um tema transversal, assim conectando
os diferentes conteúdos das disciplinas
que sairão em campo;
­ como o trabalho de campo requer contrato de transporte, e às vezes, verba para
custear diárias e hotéis, a sua obtenção
mesmo sendo da própria escola, pode
ser demorada;
­ além dos tempos de aulas necessários ao
trabalho de campo propriamente dito,
é importante também pelo menos uma
aula para sua preparação e de outra mais
para sua análise e avaliação.

39

Contudo, deve ser analisada com o máximo de cuidado a data mais oportuna para
uma visita e começar a prepará-la com a
necessária antecedência.
4º) Os Recursos Materiais
Para a realização de um trabalho de
campo será preciso, no mínimo, assegurar
o transporte dos alunos entre a escola e o
local da visita. Se a escola não puder fornecer as verbas necessárias, como no caso, das
escolas públicas, haverá sempre a possibilidade de recorrer aos órgãos públicos locais
como Ministério do Exército, a Polícia Militar
ou a outras entidades públicas ou privadas,
sobretudo quando o trabalho de campo é
realizado fora da área metropolitana.
Ainda entre os recursos materiais, deve
o professor assegurar-se de que poderá
fornecer aos alunos as informações mínimas
necessárias, quer através de cópias xerografadas de textos, quer folhetos impressos,
eventualmente disponíveis, quando se trata
de unidades de preservação ou patrimônio
histórico, e ainda o mais importante, mapas
ou cartas do local a estudar. Verificar se os
alunos possuem máquinas fotográficas ou
câmeras filmadoras e condições de comprarem filmes.
5º) A Busca da Interdisciplinaridade
Uma das características das nossas escolas de ensino fundamental e médio é a da
grande fragmentação dos currículos, com
as várias disciplinas completamente separadas umas das outras, quando não mesmo,
em oposição. Todas as oportunidades são,
por isto, boas para tentar derrubar barreiras entre as disciplinas, para ultrapassar a
compartimentação de conhecimentos que
tão contrária é ao objetivo fundamental de
qualquer sistema de ensino: compreensão
da realidade por meio de uma abordagem
global, transversal e multidisciplinar1.
O trabalho de campo pode ser uma excelente ocasião para tentar a cooperação com
outros professores, com outras disciplinas2.
Pensar que seja possível uma verdadeira interdisciplinaridade será talvez utópico, pois
esta exige uma interação e uma imbricação
40

entre as matérias que não pode ser apenas
pontual. Em compensação será perfeitamente possível uma abordagem multidisciplinar, através da qual, diferentes disciplinas
dêem sua perspectiva própria para o estudo
de um tema concreto, relacionado com o
objeto da excursão.
A colaboração mais óbvia será entre a
disciplina de Geografia associar-se a História, Português, Ciências e Artes Plásticas.
Em certos casos serão possíveis associações
mais inesperadas, como a Matemática,
Educação Física e Artes Cênicas. A cooperação com os trabalhos de oficinas pode ser
muito proveitosa na fase de apresentação
dos resultados dos trabalhos, assim como
também o laboratório de informática para
a montagem de uma excursão geográfica
virtual3 para dar chance às séries que não
participaram do estudo, possam ter acesso
ao conteúdo e imagens da visita. Sempre
que possível, as Línguas Estrangeiras aproveitarem a motivação de um trabalho de
campo para o desenvolvimento da capacidade de expressão oral ou escrita no idioma
respectivo. Em cada um dos itens que se
seguem apresentaremos sugestões mais
concretas de formas de abordagem.
6º) Contemplar Outros Aspectos Práticos
Depois de saber exatamente o que o levou a escolher determinada área de estudo
e de dispor de meios para a sua realização
há ainda uma série de aspectos práticos que
o professor não deve descuidar. Vejamos os
principais:
­ Informar a coordenação e a direção da
escola para enviar comunicado aos pais
sobre dia, hora e objetivo da visita;
­ Contatar por telefone, fax ou e-mail o departamento responsável da empresa, museu ou parque para marcar a data da visita
e acertar se deseja uma visita guiada;
­ Confirmar o transporte, assegurando-se
de preços, itinerários e horários;
­Elaborar e reproduzir o material necessário para a visita é sempre importante e
motivador a distribuição do material aos
alunos com uma certa antecedência, de
Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan./jun. 2001

textos complementares sobre a temática
a ser abordada, de um programa de visita
em que se indique o dia, a hora e o local
da partida, itinerário, duração do trabalho de campo, material que o aluno deve
levar e todos os esclarecimentos considerados necessários; nesse programa pode
reservar-se um espaço para registrar a
autorização dos pais;
­ Informar a coordenação pedagógica da
escola através do referido programa.
7º) Informar e Motivar os alunos
Os alunos devem ser bem informados
dos objetivos do trabalho de campo, de
como e quando decorrerão as atividades de
preparação da visita propriamente dita e as
posteriores atividades de análise e avaliação
dos resultados.
Uma boa motivação será fundamental
para o sucesso do trabalho de campo. Entre
as várias motivações possíveis podemos
citar: mapas e textos, quando possível uma
sessão com projeção de slides ou vídeo sobre
o assunto da visita, pode ser uma das mais
eficazes e estimulantes. Há que fazer, no
entanto, uma advertência, o professor deve
limitar-se a mostrar uma ou duas imagens e
fornecer um texto, procurando não cair na
tentação de dar um volume de informações
que, afinal, irá ser objeto real da visita. Esta
passaria a ter um caráter meramente ilustrativo, necessariamente pouco motivador.
Uma importante ressalva é o da necessidade dos alunos possuírem maturidade
suficiente para compreenderem o assunto
proposto para a realização do trabalho de
campo, portanto, atenção antes de traçar
os objetivos.
b) Realização do Trabalho de Campo ­para
o sucesso na realização de um bom trabalho de campo, como já mencionado, é
corolário de uma boa preparação prévia.
Sem a preparação devida, o resultado
é, quase sempre, o caos; com alunos
excitados pela novidade da situação,
brincadeiras de correrias de um lado por
outro, indisciplina, gracejos inoportunos
de uma realidade que nada percebem.
Enquanto o professor, tentando evitar o
Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan./jun. 2001

irremediável, faz apelos à autoridade ou
põe em cena as suas melhores capacidades de comunicação, a que só correspondem, quando muito, a uns poucos
alunos.
Um trabalho de campo conscientemente
preparado decorre, de uma forma geral, sem
problemas e revela-se um ato pedagógico
com grandes potencialidades. Muitas variáveis (adequação do conteúdo ao nível de
ensino, objetivos definidos, tipo de local,
etc...) condicionam a forma que pode assumir um trabalho de campo, forma essa,
que deverá ser opção do professor. Existem
várias modalidades de trabalho de campo
para o ensino da Geografia, sendo os mais
utilizados: Visita Guiada ou Técnica; Excursão Didática Expositiva, de Observação, de
Reconhecimento e de Descoberta.
Estas várias modalidades são passíveis de
uma discussão, em relação ao seu caráter
pedagógico, porém não cabe este enfoque
no estudo em questão.
c) Análise dos Dados ou Informações
Coletadas e Avaliação/Resultados do
Trabalho de Campo ­ este é o momento
de consolidar os conhecimentos adquiridos e de fazer um balanço dos aspectos
negativos e positivos do trabalho de
campo. É nessa hora que se distingue
uma excursão com fins didáticos a um
passeio com objetivo apenas de lazer.
Para muitos professores um trabalho de
campo termina no momento em que se
desce do ônibus que lhes trouxe de volta
para a escola. Será um desperdício deixar
uma atividade tão rica sem finalização.
Para tanto, as atividades subseqüentes de
análise dos dados coletados e avaliação
da saída são etapas imprescindíveis de
uma ação pedagógica deste tipo. Estas
atividades que podem ocupar um ou dois
tempos de aula, devem ser feitas muito
brevemente, de preferência, logo após a
excursão ter ocorrido, isto é, a data ideal
é o dia seguinte, quando as experiências
vividas estão ainda presentes na memória dos alunos.

41

A forma mais simples de testar os conhecimentos adquiridos pelos alunos na
excursão é aplicar um questionário sobre o
tema estudado e articular com os conteúdos
da disciplina naquele bimestre.
Um outro processo pode ser aquele em que
os alunos distribuídos em grupos recapitulem
os resultados do seu trabalho, reunindo as
anotações que fizeram, as plantas com os registros, o material que tenham eventualmente
recolhido (amostra de rochas, postais, folhetos,
desenhos), as fotografias tiradas ou filmes
gravados, e assim, discutirão as conclusões
que chegaram. Cada grupo apresentará uma
síntese das suas conclusões, que poderá ter a
forma de um pequeno relatório (oral e escrito),
ou de um dossiê, ou de um painel ilustrado
(que poderá vir a fazer parte de uma exposição
da turma) ou mesmo, se houver recursos para
isso, de uma montagem audiovisual.
Nas séries em que as faixas etárias são
menores pode solicitar aos alunos que
através de desenhos, pinturas, colagens,
mapas, maquetes ou modelagens, recriem
e apliquem conhecimentos adquiridos durante o trabalho de campo.
O papel do professor será fundamental
nesta fase, cabe a ele fornecer as informações
complementares necessárias e ajudar os alunos a extrair do seu trabalho conhecimentos
organizados, conceitos e generalizações que
possam ser integrados no programa que está
sendo estudado. Deve ainda estar atento
para analisar se houve ou não progressos na
aquisição de habilidades e técnicas "transferíveis" para outros domínios do estudo.
Ainda deve-se preparar um formulário para
que os alunos façam a avaliação da excursão.
É também aconselhável uma auto-avaliação
do professor e uma reflexão em comum de
professor e alunos para se perguntarem; os
procedimentos utilizados foram os melhores
ou se necessita procurar outros? Os materiais
distribuídos foram suficientes? Quais os aspectos mais positivos e mais negativos?
O professor poderá então ter ciência da
relevância da prática didática que acabou de
realizar e, através desse feedback, garantirá o
êxito de futuras saídas de campo, cuja organização passará a ser progressivamente mais
fácil e cada vez mais compensadora tanto do
ponto de vista profissional como pessoal.
42

Considerações Finais
O trabalho de campo é o prolongamento
das aulas, uma atividade tão importante e,
como tal, assim deve ser considerada no
contexto específico da avaliação contínua.
No processo da construção do conhecimento é fundamental ressaltar o papel do
docente. Ele não permanecerá acomodado
somente na formação de novos conceitos
e percepções antes colocará toda sua potencialidade a serviço da criatividade na
realização do trabalho de campo.
O ensino dinâmico da Geografia com
base na prática do trabalho de campo exigirá uma atualização constante do professor
em relação aos conteúdos, de outro lado
conduzirá os alunos a perceberem que os
estudos em relação a esses conteúdos não
é um conhecimento acabado. Pelo contrário, através deste recurso pedagógico este
conhecimento é constantemente reativado
e renovado.
NOTAS
Uma série de disciplinas que são ensinadas simultaneamente, sem explicitar as possíveis relações
entre elas.

1

Uma visita de caráter multidisciplinar deve, naturalmente, promover a coordenação dos trabalhos
entre os vários professores o que terá logo como
vantagem inicial a possibilidade da divisão de
tarefas indispensáveis.

2

A excursão geográfica virtual pode ser utilizada
como forma de avaliação e veiculada como produto eletrônico no site do estabelecimento de
ensino.

3

Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan./jun. 2001

Referências Bibliográficas
FAZENDA, I. C. Interdisciplinaridade: Um Projeto
em Parceria. São Paulo: Ed.
Loyola, 1991.
FREINET, C. O Método Natural. Lisboa:
Estampa,1977.
SANSOLO, D. G. A Importância do Trabalho de
Campo no Ensino de Geografia e para a Educação Ambiental. 1996. Dissertação (Mestrado)
­ Universidade de São Paulo, São Paulo.
Tomita, L. M. S. Trabalho de Campo como instrumento de Ensino em Geografia. Geografia:
Revista do Departamento de Geociências, Londrina, v.8, nº.1,p.13-15, jan./jun.1999.
VEIGA, I. P (org.). Repensando a Didática. Rio
de Janeiro: Papirus, 1995.

Field Work Methodological Guideline in Geography
Abstract

Geography science studies the fet of phenomena and forms of organizations in a certain space of the terrestrial
surface. Space where the nature and the social dynamics are integrated, they mark and define landscapes. The
organization of this space supposes not only a theoretical deepining, but also a direct contact and investigating
­ to observe, identify, recognize, locate, perceive, to understand and to analyze the geographical space and
the dynamics of its organizations ­ by means of the field work. Because of it one can say, that the field work
is a didactic-pedagogic instrument of the geographical science teaching. In this study, its is outstanding the
important of this pedagogic-resource in the teaching-learning process and its is present a fet of guideline for
the planning and development of the field work.

Key-Words: Field Work, Methodological Procedure, Geography Teaching
Geografia, Londrina, v. 10, n. 1, p. 35-43, jan./jun. 2001

43