SOBRE A GEOGRAFIA CULTURAL
Publicado no site em 16/11/2009

Roberto Lobato Corrêa
Departamento de Geografia ­ UFRJ

O presente texto procura encaminhar alguns pontos relativos à natureza da geografia
cultural, visando clarificar aspectos pouco claros ou mal assimilados por parte de muitos
geógrafos, decorridos mais de 12 anos de existência do periódico Espaço e Cultura e após a
publicação de 13 volumes de livros da série "Geografia Cultural".
A pouca clareza em relação à geografia cultural decorre, em grande parte, do fato dela estar,
em sua trajetória no Brasil, em um terceiro momento. O primeiro momento, que pode ser visto
como estendendose do começo da década de 1990 até o seu final, caracterizouse pela não
aceitação do subcampo que, percebido como novo, foi visto, como qualquer subcampo novo,
como capaz de abalar as estruturas do poder acadêmico. O segundo momento, entre 2001 e
2005 aproximadamente, caracterizouse por uma relativa aceitação do subcampo, incluindo
aqueles que no primeiro momento foram os seus críticos. A geografia cultural passa a ser vista
progressivamente como uma novidade interessante. O terceiro momento é o de sua
vulgarização, no qual a antiga "novidade" é adotada, via de regra apressadamente, sem
reflexões ou críticas consistentes, tendendo a cultura a ser tratada segundo noções do senso
comum e por procedimentos usuais, positivistas em muitos casos. Esta vulgarização é tanto
maior quando estimulada por órgãos de fomento à pesquisa, que cobram produtividade da parte
de professores, doutorandos, mestrandos e mesmo de alunos de graduação. Esta trajetória não
é incomum no âmbito da geografia brasileira e acreditamos estar na hora de refletir sobre ela.
Este texto tenta clarificar sobre a natureza da geografia cultural a partir de seis pontos que
serão a seguir abordados.

1 ­ O Conceito de Cultura
Cultura constituise em termo dotado de diversas acepções, sendo um termo empregado no
senso comum e inteligível no âmbito das idéias em discussão. No âmbito das ciências sociais a
polissemia é ampla e os debates em torno do conceito são numerosos. A este respeito consulte
se, entre outros, as coletâneas organizadas por Bohannan e Glazer (1973) e Moore (1997), nas
quais o conceito de cultural é discutido por cientistas sociais de diversas matizes. Hoefle (1998),
por sua vez, apresenta um quadro no qual a cultura pode ser entendida segundo três eixos. No
primeiro a cultura é vista ou numa perspectiva abrangente ou restrita, abarcando,
respectivamente inúmeros fenômenos (crença, hábitos, conhecimentos, linguagem, arte, etc.)
ou limitada aos significados construídos a respeito das diferentes esferas da vida. A geografia
cultural saueriana ou Escola de Berkeley, está calcada na visão abrangente de cultura, enquanto
na perspectiva da denominada geografia cultural renovada, a visão de cultura é restrita. No
segundo eixo a cultura é vista de acordo com o papel que desempenha na sociedade.
Determinada pela natureza ou pela base econômica, de um lado, ou tendo o papel de
determinação, sendo então considerada como entidade supraorgânica ou, ainda, em terceiro
lugar, como um contexto, isto é, simultaneamente reflexo, meio e condição. Na Escola de
Berkeley o conceito de cultura associase à sua visão como entidade supraorgânica, conforme
discutido por Duncan (2003), enquanto na geografia cultural renovada a cultura é entendida
como um contexto. No terceiro eixo, finalmente, a cultura é considerada em relação ao processo
de mudança. Evolução linear, comum a todos os grupos, evolução própria, específica para cada
grupo ou impossibilidade de se realizar estudos que não sejam sincrônicos. A geografia cultural

saueriana apóiase na perspectiva de uma evolução específica, enquanto a geografia cultural
renovada tende a privilegiar a terceira via.
Por mais simplificado que seja este enquadramento, ele permite encaminhar as diferenças
essenciais, com base no conceito de cultura, entre as duas visões mais importantes a respeito da
geografia cultural. A implicação dessa distinção reside no caminho que será dado pelo
pesquisador. E não há, a priori, um caminho melhor que o outro, mas caminhos a serem
consistentemente seguidos.

2 ­ Geografia Cultural: Uma Prática com Um Século
Segundo Claval (1999) a geografia cultural tem suas origens por volta de 1890, no âmbito da
própria formação da geografia, no bojo da qual debatiase, particularmente na Alemanha, os
caminhos a serem seguidos, visando estabelecer a identidade da geografia.
Entre 1890 e 1940 Claval identifica a primeira fase da geografia cultural. Caracterizase ela,
na Alemanha, na França e, após 1925 nos Estados Unidos, por privilegiar a paisagem cultural e
os gêneros de vida, resultantes das relações entre sociedade e natureza. Estes temas
desdobravamse em ouros como as regiões culturais, a ecologia cultural ou o papel do homem
destruindo a natureza, a difusão cultural e outros associados, via de regra, à dimensão material
da cultura. Consultese, além de Claval (1999), o texto de Wagner e Mikesell (2003). Vejase
ainda Corrêa (2001) e Cosgrove (2003), com a crítica à geografia cultural saueriana.
O segundo período estendese de 1940 a 1970, segundo aponta Claval (1999). Tratase de
período de retração da geografia cultural, colocada em segundo plano face à força da geografia
regional hartshorniana, em um primeiro momento, entre 1940 e 1955, e à revolução teorético
quantitativa no segundo, entre 1955 e 1970. A 2a Guerra Mundial e a retomada da expansão
capitalista alterando a organização do espaço e tendendo a eclipsar culturas tradicionais,
regionais, levou à valorização de estudos com perspectivas pragmáticas, voltados para as
transformações em curso e esperadas. A preferência mudou dos estudos sobre paisagens
culturais, habitat rural, sistemas agrícolas e difusão cultural para estudos sobre lógicas
locacionais e estudos urbanos, entre outros. O trabalho de campo foi em grande parte
substituído pelas inferências estatísticas. Mas a geografia cultural prosseguiu. Foi em 1962 que
Philip Wagner e Marvin Mikesell lançaram a coletânea Readings in Cultural Geography.
A partir de 1970 a geografia cultural passa por uma profunda reformulação, como sempre
com base em jovens geógrafos. A década de 1970 foi, em realidade, uma arena de embates
epistemológicos, teóricos e metodológicos, no âmbito dos quais emergem uma geografia crítica e
diferentes subcampos que, nos anos 80 iriam confluir, em parte, para gerar a denominada
geografia cultural renovada. A década de 1980 vê configurarse esta nova versão da geografia
cultural. Na década seguinte surgem periódicos especializados, Géographie et Cultures, na
França, criado por Paul Claval em 1992 e Ecumene, na Inglaterra e nos Estados Unidos, em
1994, posteriormente redenominado de Cultural Geographies. Ambos se juntam ao Journal of
Cultural Geography criado nos Estados Unidos. A criação posterior do Social and Cultural
Geography veio ampliar as possibilidades de publicar textos em geografia cultural. A publicação
de coletâneas ampliou mais ainda essas possibilidades. Vejase, entre outras, ReReading
Cultural Geography, de 1994, organizada por K. Foote, P.J. Hugill e K. Mathewson, Handbook of
Cultural Geography, organizado por K. Anderson, M. Domosh, S. Pyle e N. Thrift, e A Companion
in Cultural Geography, de 2004, organizado por J. Duncan, N. Johnson, e R. Schein.
No Brasil a geografia cultural ganha existência a partir de 1993, com a criação do NEPEC
(Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Espaço e Cultura) do Departamento de Geografia da UERJ,
que edita o periódico Espaço e Cultura, a publicação eletrônica Textos NEPEC e a coleção de livros
Geografia Cultural. Vejase a respeito Corrêa e Rosendahl (2005). Tratase, agora, de um sub
campo plenamente estabelecido no país.

3 ­ Significados: A PalavraChave
A produção e reprodução da vida material é mediada na consciência e sustentada pela
produção simbólica ­ língua, gestos, costumes, rituais, artes, a concepção da paisagem, etc. De
acordo com Cosgrove (2003, p. 103), "toda atividade humana é, ao mesmo tempo, material e
simbólica, produção e comunicação".

Os símbolos constituem traços fundamentais do ser humano. "Todo comportamento
humano é comportamento simbólico, todo comportamento simbólico é comportamento
humano", argumenta White (1973, p. 335). O homem vive em uma floresta de símbolos
socialmente criados, que expressam significados associados às diversas esferas da vida, como
aponta, entre ouros, Salomon (1955).
O reconhecimento da importância dos significados aparece claramente em 1923 com
Cassirer (2001) que argumentava que para a compreensão do ser tornavase necessário
apreendelo não apenas no que se refere à sua organização, constituição e estrutura, mas
também em relação aos significados que dele se faz. Isto implica em interpretalo e, mais do que
isto, em interpretar o que os outros pensam de suas práticas e construções materiais e
intelectuais, como enfatiza Geertz (1989).
Os símbolos, contudo, não expressam um único significado, ainda que haja a intenção, por
parte daqueles que os criaram, de dotalos de um único sentido. Hall (1997) reafirma a
perspectiva construcionista, na qual os símbolos são abertos a diferentes interpretações, calcadas
cada uma na experiência, valores, crenças, mitos e utopias do grupo social que interpreta. Os
significados são, assim, instáveis e essa instabilidade atravessa o tempo. Falase, então, em
polivocalidade, isto é, diversas interpretações a respeito do mesmo símbolo. Esta polivocalidade é
o antídoto a um significado imposto, único, que as elites, em sua hegemonia cultural, pretendem
impor. Sobre essa instabilidade consultese, entre os geógrafos, Duncan e Sharp (1993) e
Mondada e Soderstrom (2004). Adicionalmente, e visando o processo de interpretação, consulte
se Barthes (1977, 1986) e Panofsky (2004).
Tratase, em realidade, de se penetrar nos "mundos de significados" (Cosgrove, 2000) que
reafirmam a diversidade de interpretações atribuídas à existência humana, inclusive à sua
espacialidade. Cosgrove reconhece o papel da imaginação na ação criadora do homem. A
imaginação reelabora metaforicamente tudo aquilo que os sentidos capturam, criando e
recriando significados que enriquecem a compreensão a respeito da existência humana.
Mas os significados não são apenas um produto social. Constituem também uma condição
para a reprodução social, incluindo não apenas valores, crenças, mitos e utopias, mas também
as relações sociais e a espacialidade humana. A este respeito consultese o artigo de Berque
(1998), escrito em 1981, sobre paisagemmarca e paisagemmatriz, no qual os significados
estão atuando por intermédio das formas materiais criadas e criadoras da ação humana.
Os significados constituem o foco da atenção do geógrafo cultural. É nesta perspectiva que
Claval acrescenta ao clássico questionamento formulado no passado sobre as causas da
diferenciação entre lugares a seguinte indagação (Claval, 2001, p. 40).
"Por que os indivíduos e os grupos não vivem os lugares do mesmo modo, não os percebem
da mesma maneira, não recortam o real segundo as mesmas perspectivas e em função dos
mesmos critérios, não descobrem neles as mesmas vantagens e os mesmos riscos, não
associam a eles os mesmos sonhos e as mesmas aspirações, não investem neles os mesmos
sentimentos e a mesma afetividade?"
A natureza espacial da cultura, entendida enquanto significados, levou o grupo de
Birmingham a referirse a ela como "mapas de significados" (Jackson, 1989). Esta conceituação
é importante para o geógrafo, reafirmando a geograficidade da cultura.
A espacialidade da cultura permite que a expressão "mapas de significados" não seja apenas
uma metáfora, sendo possível elaborar mapas de significados que ampliem o escopo da
cartografia geográfica. Os mapas não se limitam às representações com base em dados
estatísticos, mas podem incluir também representações gráficas de tudo aquilo que é "lembrado,
imaginado e contemplado (...) material ou imaterial, real ou desejado, do todo ou da parte (...)
vivenciado ou projetado" (Cosgrove, 1999, p. 2).
A importância desses mapas, ou a cartografia do campo cultural, como se refere
Bonnemaison (2002) é enorme. Pode permitir representações cartográficas da geograficidade de
que nos fala Dardel (1952), possibilitando outros olhares sobre a ação humana. Mais do que uma
rica metáfora, mapas de significados são instrumentos de que grupos oprimidos podem dispor.
Como construções sociais os mapas são veículos a partir dos quais se pode exercer poder, como
afirmam Short (1991) e Crampton (2001), transformandose assim em contracultura,
permitindo descobrir novos significados no espaço geográfico.

Exemplos de estudos sobre as interpretações a respeito da organização espacial encontram
se nas coletâneas organizadas por Stephen Daniels e Denis Cosgrove, The Iconography of
Landscape, publicada em 1988, e por Trevor Barnes e James Duncan, publicada em 1992,
Writing WorldsDiscourse, Text and Metaphor in the Representation of Landscape.

4 ­ A Natureza Política
A geografia cultura que emerge renovada a partir da década de 1970 tem um nítido sentido
político. A dimensão política das práticas culturais tem sido, já há algum tempo, apontada pelos
cientistas sociais e intelectuais em geral. Williams (2003), por exemplo, no começo dos anos 70,
distingue cultura da classe dominante e culturas alternativas, isto é, residuais e emergentes.
Nesta distinção há um nítido sentido político, no qual a idéia gramsciana de hegemonia cultural
se faz presente e a cultura deixa de ser considerada exclusivamente em termos de etnicidade,
religião e outros atributos. A relação entre cultura e política remete às diferenças entre classes
sociais, às estruturas de poder e às políticas culturais de diferenciação, conforme apontam
Amariglio, Resnick e Wolff (1988). A partir desta relação a cultura passa a ser considerada
simultaneamente como reflexo, meio e condição de existência e reprodução, e não mais como
superestrutura, determinada pela base (Williams, 2003), nem como entidade supraorgânica,
independente e pairando acima da sociedade, conforme discutido por Duncan (2003). Reflexo,
meio e condição conferem à cultura um nítido caráter político.
As relações entre cultura e política foram também explicitadas por Geertz (1989), ao
desfazer a idéia de que ambas constituíam esferas distintas da vida social. Argumenta ele que
esta relação advém do entendimento da cultura como estruturas de significados e da política
como um poderoso meio pelo qual essas estruturas tornamse públicas. Tratase de política de
produção e circulação de significados.
A natureza política da cultura foi também enfatizada por geógrafos, entre eles Taillard
(2003) e Mitchell (2000). O primeiro aponta três funções políticas da cultura, as funções de
integração, que envolve as noções de pertencimento e identificação, de regulação, que controla o
comportamento individual em sociedades tradicionais, e de enquadramento, associadas às
sociedades com escrita, em relação às quais o poder elabora uma constante reinterpretação da
cultura. Mitchell, por sua vez, enfatiza o caráter político da geografia cultural, sugerindo mesmo
que ela intervenha em políticas culturais.
As relações entre cultura e política manifestamse de modo material e imaterial. Códigos,
normas e leis são exemplos dos últimos, enquanto a paisagem cultural constituise na
manifestação mais corrente do primeiro modo. A paisagem cultural está impregnada de sentido
político, constituindose, segundo Rowntree e Conley (1980, p. 465), em "mecanismos
regulatórios que controlam significados". Os exemplos das inúmeras paisagens da cultura
dominante, que exibem, por meio de formas simbólicas, o poder que a classe dominante detém
(Cosgrove, 1998), são notáveis. A paisagem palladiana, concebida pelo arquiteto Andréas
Palladio, da Veneza e arredores dos séculos XV e XVI, é um exemplo (Cosgrove, 1993a), assim
como a paisagem da capital do reino de Kandy, no Sri Lanka do primeiro quartel do século XIX,
como analisado por Duncan (1990). Os altos edifícios construídos em Nova York no último
quartel do século XIX, e daí para frente, exibem o poder e legitimidade das grandes empresas,
conforme aponta Domosh (1994). Nos três exemplos verificamse políticas de significados
estabelecidas pelos grupos dominantes.
A dimensão política da cultura manifestase ainda por meio da polivocalidade, isto é, das
diversas possibilidades de interpretação da mesma paisagem. Esta não emite um único e
inequívoco sentido, nem um sentido a ser descoberto ao se decodificar as intenções daqueles
que produziram as formas materiais que constituem a paisagem cultural. O sentido da paisagem
cultural pode ser construído e reconstruído pelos diversos grupos sociais a partir de suas
experiências. Esta perspectiva construcionista advém das diferenças de classe, étnicas, religiosas
e de acordo com outros atributos, conforme discutido por Hall (1997). A polivocalidade contém
um sentido político que pode opor, em relação a uma mesma paisagem, o sentido de celebração
e de contestação.
Leib (2002), baseado em Jean Gottmann, referese à iconografia política do território
expressa por meio de monumentos que, localizados em espaços públicos, compõem a paisagem
de certas áreas. Estes monumentos emitem mensagens de celebração ou de contestação ou de

ambas. Cabe ao geógrafo descrever e interpretar o sentido político desses monumentos, como
fez Leib em seu estudo sobre os monumentos dedicados ao general Robert Lee, herói sulista da
Guerra de Secessão norteamericana e ao líder negro Arthur Ashe, tenista renomado e defensor
dos direitos cívicos. Ambos os monumentos localizamse à mesma avenida na cidade de
Richmond, Virgínia. O monumento ao líder confederado foi erguido em 1890 e representa ideais
dos confederados. O monumento a Arthur Ashe, por sua vez, foi inaugurado em 1996, após
longos debates, primeiramente sobre a validade do próprio monumento e, após, sobre a sua
localização, denotando o papel do espaço na valorização dos monumentos e da capacidade destes
em transmitir eficientemente mensagens de contestação, de um lado, e de afirmação, de outro,
em uma cidade branca e negra, como Richmond. Os exemplos de estudos dessa natureza são
numerosos e sugerese que seja consultado o estudo de Corrêa (2005), sobre monumentos,
política e espaço.
A toponímia, finalmente, pode ser interpretada em muitos casos como uma articulação entre
linguagem, poder territorial e identidade, denotando um nítido sentido político, sentido capturado
por Azaryahu (1996) e Brunet (2001), entre outros. O primeiro comenta sobre o poder
envolvido no processo de nomear logradouros públicos, enquanto o segundo discute o processo
de desrussificação dos nomes de lugares, rios e montanhas do Cazaquistão após a independência
do país em 1991: a nova toponímia é parte da política de criação da identidade nacional. O
estudo da toponímia constituise em meio pelo qual a natureza política da geografia cultural é
plenamente evidenciada. Mas não se trata de interpretar pura e simplesmente toda a toponímia
de qualquer área ou unidade políticoadministrativa, pois a toponímia deriva de diversas razões.
Consultese, adicionalmente, entre outros, Alderman (2003), Cohen e Kliot (1992), Herman
(1999) e Yeoh (1996).

5 ­ Objeto, Tempo e Escala
A cultura, entendida como significados, direciona a atenção dos geógrafos para a escolha de
seus objetos de investigação. Por ser uma abordagem, um modo de olhar a realidade, uma
interpretação daquilo que os outros grupos pensam e praticam, a geografia cultural não é
definida por um objeto específico, como a própria cultura, concebida segundo o senso comum ou
segundo uma visão abrangente.
A geografia cultural está focalizada na interpretação das representações que os diferentes
grupos sociais construíram a partir de suas próprias experiências e práticas. A noção de
"descrição densa" de Geertz (1989) aplicase bem.
O estudo da religião, por exemplo, que muitos aceitariam como sendo nitidamente de
geografia cultural, não o é assim necessariamente. Assim, o estudo da distribuição espacial dos
templos de uma dada religião inserese em uma perspectiva locacional, ainda que possa ser
extremamente útil para a geografia cultural renovada. Mas pode se inserir também na
perspectiva da geografia cultural saueriana, como, de fato, foi analisada. Na perspectiva da
geografia cultural renovada o estudo da religião deve estar centrado na espacialidade do sagrado,
impondo ao geógrafo o conhecimento dos preceitos da religião em estudo.
O estudo de uma área operária, que se enquadra em uma geografia econômica ou social ou
ainda política, passa a enquadrarse no campo da geografia cultural quando analisada com base
nas representações que os operários fazem do espaço onde vivem e trabalham. Esta perspectiva
complementa as anteriores enriquecendoas.
A natureza e a distância aos lugares e grupos culturais podem ser de interesse para a
geografia cultural. Ao se considerar o espaço vivido, no âmbito do qual estabelecemse práticas,
percepções, afetividades e distanciamento ao que é estranho, o geógrafo deparase com
significados distintos, segundo cada grupo cultural, face à natureza e ao espaço social. Gallais
(2002) ao analisar a diversidade ecológica e cultural do delta interior do Niger, aponta para as
noções de distância estrutural, distância ecológica e distância afetiva entre os habitantes da
área. Evidencia, assim, como a abordagem cultural engloba temas que, aparentemente, não
seriam de interesse da geografia cultural.
A partir do interesse pelo estudo de sociedades agrárias e do peso que a história
desempenhava entre os geógrafos sauerianos, o passado foi muito privilegiado como recorte
temporal. Análises sincrônicas e diacrônicas foram elaboradas, privilegiandose, contudo, o
passado ou estabelecendo a gênese, evolução e difusão espacial de traços culturais. Esta ênfase

no passado constituiuse, mesmo, em marca dos geógrafos culturais sauerianos.
A renovação da geografia cultural não deixou de lado o passado, mas privilegia o presente ou
o passado recente. Mas o que é mais importante ressaltar não é o recorte temporal mas a
análise dos significados que são ou foram atribuídos à espacialidade humana. Pois, repitase, a
abordagem cultural está precisamente centrada nos significados que os diversos grupos sociais
constroem relativos à espacialidade passada, do presente e mesmo do futuro.
Semelhantemente, não há uma escala geográfica que seja, a priori, melhor que outra. A
geografia cultural renovada interessase tanto em estudar os significados construídos em
minúsculas áreas, como uma rua, um vale ou mesmo um prédio, como no estudo de um bairro,
uma cidade, uma região ou mesmo um país. Em realidade não há limites em termos de escala
para a pesquisa em geografia cultural, quer seja a geografia saueriana, quer seja a geografia
cultural renovada.
A escolha da escala geográfica depende dos questionamentos que foram elaborados e para
cada escala adotada o geógrafo, cultural ou não, deve ter em mente que o foco de investigação e
os procedimentos não podem ser os mesmos. Afinal, para um mesmo grupo os significados
variam segundo a escala geográfica, pois derivam de experiências e práticas que variam de
acordo com as escalas com que a vida se desenrola.

6 ­ A Heterotopia Epistemológica
A geografia cultural não se constitui em um subcampo caracterizado por uma uniformidade
epistemológica, presa a uma ortodóxica. A partir de 1980 tornase nitidamente claro que a
geografia cultural pode ser epistemologicamente definida como uma heterotopia, conforme
aponta Duncan (2000), uma característica que não lhe é exclusiva e que tem correspondência
com o que Geertz (2004) denomina de mistura de gêneros. Nesta heterotopia epistemológica
estão ora justapostas, ora combinadas, matrizes distintas e posições individualizadas.
Segundo Myers, McGeevy, Carney e Kenny (2003) ao avaliarem a geografia cultural norte
americana dos anos 90, esta pode ser dividida em três correntes principais, não se esquecendo
da corrente saueriana, ainda ativa no país. Estas três correntes são, a corrente humanista, a
corrente pósestruturalista e aquela calcada no materialismo histórico. São correntes pós
positivistas, que emergiram a partir dos anos 70. Significados, ressaltase, é a palavrachave
para elas.
A corrente humanista foi fortemente influenciada pela fenomenologia de Husserl e
Heidegger, e tem em YiFu Tuan o seu maior expoente. Absorvida pelo movimento de
valorização da cultura, o "cultural turn", a corrente humanista vinculase a "questões associadas
aos significados e valores humanos relacionados à interpretação das paisagens culturais e
lugares" (Myers, McGeevy, Carney e Kenny, 2003, p. 83). O interesse na criatividade,
consciência e compreensão da condição humana leva essa corrente a estabelecer relações com
as humanidades, história, literatura e filosofia.
A corrente pósestruturalista caracterizase por uma variedade de caminhos a serem
seguidos, em sua crítica ao estruturalismo e ao positivismo. O traço comum a esta corrente é a
recusa a aceitar uma única interpretação a respeito da sociedade e seu espaço. A influência de
Geertz, Foucault e Said é considerável para essa corrente. O estudo de Duncan (1990) sobre a
política de interpretação da paisagem na capital do reino de Kandy, Sri Lanka, no primeiro
quartel do século XIX, constituise em notável exemplo, assim como os estudos focalizando as
controvérsias a respeito das formas simbólicas espaciais: sobre isto consultese Corrêa (2005).
Na constituição da geografia cultural renovada os aportes do marxismo foram consideráveis
e ainda continuam a sêlo. Esta influência advém, de um lado, da geografia social inglesa e, de
outro, deriva dos contatos com membros do Centre for Contemporary Cultural Studies, de
Birmingham, particularmente Stuart Hall, e com Raymond Williams, professor em Cambridge.
Ele e Stuart Hall são os fundadores do periódico New Left Review.
Geógrafos marxistas produziram importantes textos em geografia cultural, como se
exemplifica com Harvey (1979), Peet (1996) e Mitchell (1999a e 2000). Os dois primeiros
discutem formas simbólicas espaciais em uma visão crítica, respectivamente a Basílica de Sacré
Coeur de Montmartre, em Paris, e um monumento em pequena cidade da Nova Inglaterra,

enquanto Mitchell é autor de importantes textos sobre a natureza da cultura e da geografia
cultural. Consultese ainda o livro de Denis Cosgrove, publicado em 1984, Social Formations and
Symbolic Landscape.
A heterotopia suscitou importantes debates internos, isto é, entre geógrafos, nos quais
posições antagônicas eram confrontadas. Debates que serviram para o enriquecimento do sub
campo. Entre eles estão os debates envolvendo Price e Lewis (1993a, 1993b), de um lado, e
Cosgrove (1993b), Duncan (1993) e Jackson (1993), de outro, em defesa, respectivamente, da
geografia saueriana e da nova geografia cultural. Mais acirrado foi o debate entre Mitchell
(1999a, 1999b), de um lado e Cosgrove (1999b), os Duncans (1999) e Jackson (1999), de
outro. Críticas e sugestões foram também feitas, exemplificadas com Philo (1999) e Barnett
(1998). Mais do que enriquecedoras, as discussões evidenciaram o vigor do subcampo, atestado
pela sua própria renovação, realizada, e em realização, numa heterotopia, conforme aponta
Duncan (2000).

À Guisa de Conclusão
Este texto procurou evidenciar as principais características da geografia cultural que
emergiram das mudanças verificadas após 1970 no bojo da geografia. Lacunas certamente
existem. Diversa em propósitos e métodos, a geografia cultural oferece ao geógrafo vários
caminhos para tornar inteligível a ação humana. Não há um único caminho que, a priori, seja
melhor que outro. O pesquisador deve decidir que caminho seguir a partir de suas indagações, a
partir de sua criatividade indagadora.

Bibliografia
ALDERMAN, D.M. ­ Street Names and the Scaling of Memory: The Politics of Commemorating
Martin Luther King Jr. within the AfricanAmerican Community. Area, 35(2), p. 163172, 2003.
AMARIGLIO, S., RESNICK, A. e WOLFF, R.D. ­ Class, Power and Culture. In Marxism and
Interpretation of Culture, org. L. Grossberg e G. Nelson, Urbana e Chicago. University of Illinois
Press, 1988.
AZARYAHU, M. The Power of Commemorative Street Names. Environment and Planning D ­
Society and Space, 14, pp. 311330, 1996.
BARNETT, C. ­ The Cultural Turn: Fashion or Progress in Human Geography? Antipode ­ A
Radical Journal of Geography, 30(4), pp. 379394, 1998.
BARTHES, R. ­ Rhetoric of the Image. In Image, Music, Text. New York, Hill and Wang, 1977.
BARTHES, R. ­ Semiology and the Urban. In The City and the Sign, org. M. Gottdiener e A.P.
Lagopoulos. New York, Columbia University Press, 1986.
BERQUE, A. ­ Paisagem­Marca, PaisagemMatriz: Elementos da Problemática para uma
Geografia Cultural. In Paisagem, Tempo e Cultura, org. R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de
Janeiro, EDUERJ, 1998.
BOHANNAN, P. e GLAZER, M. (org.) ­ High Points in Anthropology. New York, Alfred Knopf,
1973.
BONNEMAISON, J. ­ Viagem em Torno do Território. In Geografia Cultural: Um Século (3), org.
R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2002.
BRUNET, R. ­ Hauts Lieux et Mauvais Lieux du Kazakistan. L'Espace Géographique, 30(1), pp.
3752, 2001.
CASSIRER, E. ­ A Filosofia das Formas Simbólicas ­ I A Linguagem. São Paulo, Martins Fontes,
2001 (original de 1923).
CLAVAL, P. ­ Geografia Cultural. Florianópolis, EDUSC, 1999.
CLAVAL, P. ­ O Papel da Nova Geografia Cultural na Compreensão da Ação Humana. In Matrizes
da Geografia Cultural, org. Z. Rosendahl e R.L. Corrêa. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2001.
COHEN, S.B. e KLIOT, N. ­ Place ­ Names in Israel's Ideological Struggle over the Administered
Territories. Annals of the Association of American Geographers, 82(4), pp. 653680, 1992.
CORRÊA, R.L. ­ Carl Sauer e a Escola de Berkeley ­ Uma Apreciação. In Matrizes da Geografia
Cultural, org. Z. Rosendahl e R.L. Corrêa. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2001.
CORRÊA, R.L. ­ Monumentos, Política e Espaço. In Geografia: Temas sobre Cultural e Espaço,
org. Z. Rosendahl e R.L. Corrêa. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2005.
CORRÊA, R.L. e ROSENDAHL, Z. ­ A Geografia Cultural no Brasil. Revista da ANPEGE, 2, 2005.
COSGROVE, D. ­ The Palladian Landscape Geographical Change and Its Representation.
University Park, Pennsylvania State University Press, 1993a.
COSGROVE, D. ­ The "Reinvention of Cultural Geography" by Price and Lewis. Annals of the

Association of American Geographers, 83(3), pp. 515517, 1993b.
COSGROVE, D. ­ A Geografia Está em Toda Parte: Cultura e Simbolismo nas Paisagens
Humanas. In Paisagem, Tempo e Cultura, org. R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de Janeiro,
EDUERJ, 1998.
COSGROVE, D. (org.) ­ Mappings. London, Reaktion Books, 1999a.
COSGROVE, D. ­ A Idéia de Cultural: Uma Resposta a Don Mitchell. Espaço e Cultura, 8, pp. 59
61, 1993b.
COSGROVE, D. ­ Mundos de Significados: Geografia Cultural e Imaginação. In Geografia
Cultural: Um Século (2), org. R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2000.
COSGROVE, D. ­ Em Direção a uma Geografia Cultural Radical: Problemas da Teoria. In
Introdução à Geografia Cultural, org. R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil,
2003.
CRAMPTON, J.W. ­ Maps as Social Construction: Power, Communication and Visualization.
Progress in Human Geography, 25(2), pp. 235252, 2001.
DARDEL, E. ­ L'Homme sur la Terre. Nature de la Realilté Géographique. Paris, PUF, 1952.
DUNCAN, J. ­ The City as Text. The Politics of Interpretation in the Kandyan Kingdom.
Cambridge, Cambridge University Press, 1990
DUNCAN, J. ­ On "The Reinvention of Cultural Geography" by Price and Lewis. Commentary.
Annals of the Association of American Geographers, 83(3), pp. 517519, 1993.
DUNCAN, J. ­ Após a Guerra Civil ­ Reconstruindo a Geografia Cultural como Heterotopia. In
Geografia Cultural: Um Século (2), org. R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de Janeiro, EDUERJ,
2000.
DUNCAN, J. ­ O Supraorgânico na Geografia Cultural Americana. In Introdução à Geografia
Cultural, org. R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2003.
DUNCAN, J. e DUNCAN, N. ­ Reconceitualizando a Idéia de Cultura em Geografia: Uma Resposta
a Don Mitchell. Espaço e Cultura, 8, pp. 6367, 1999.
DUNCAN, N. e SHARP, J. ­ Confronting Representations. Environment and Planning, D, Society
and Space, 11, pp. 475486, 1986.
GALLAIS, J. ­ Alguns Aspectos do Espaço Vivido nas Civilizações do Mundo Tropical. In Geografia
Cultural: Um Século (3), org. R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de Janeiro, EDUERJ, 200__.
GEERTZ, C. ­ A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro, Ao Livro Técnico, 1989.
GEERTZ, C. ­ O Saber Local. Petrópolis, Vozes, 2004.
HALL, S. Representations. Cultural Representations and Signifying Practices. London, Routledge
Publications, 1997.
HARVEY, D. ­ Monument and Myth. Annals of the Association of American Geographers, 69(3),
pp. 362381, 1979.
HERMAN, R.D.K. ­ The Aloha State: Place Names and the AntiConquest of Hawaii. Annals of the
Association of American Geographers, 89(1), pp. 76102, 1999.
HOEFLE, S.W. ­ Cultura na História do Pensamento Científico. Revista da PósGraduação em
Geografia, UFRJ, no 2, pp. 629, 1998.
JACKSON, P. ­ Maps of Meaning. London, Routledge, 1989.
JACKSON, P. ­ Berkeley and Beyond: Broadening the Horizons of Cultural Geography. Annals of
the Association of American Geographers, 83(3), pp. 519520, 1989.
JACKSON, P. ­ A Idéia de Cultura: Uma Reposta a Don Mitchell. Espaço e Cultura, 8, pp. 5557,
1999.
LEIB, J.I. ­ Separated Times, Shared Spaces: Arthur Ashe, Monument Avenue and the Politics of
Richmond, Virginia's Symbolic Landscape. Cultural Geographies, 9, pp. 286312, 2002.
MITCHELL, D. ­ Não Existe Aquilo que Chamamos de Cultura: Para uma Reconceitualização da
Idéia de Cultura em Geografia. Espaço e Cultura, 8, pp. 3153, 1999a.
MITCHELL, D. ­ Explicação em Geografia Cultural: Uma Reposta a Cosgrove, Jackson e aos
Duncans. Espaço e Cultura, 8, p. 6973, 1999b.
MITCHELL, D. ­ Cultural Geography. A Critical Introduction. Oxford, Blackwell, 2000.
MONDADA, L. e SÖDERSTROM, O. ­ Do Texto à Interação: Percurso Através da Geografia
Cultural. In Paisagem, Textos e Identidade, org. R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de Janeiro,
EDUERJ, 2004.
MOORE, J. ­ Visions of Culture: An Introduction to Anthropological Theory and Theorists. Walnut
Creek, Altamira, 1997.
MYERS, G.A., MCGEEVY, P., CARNEY, G.O. e KENNY, J. ­ Cultural Geography. In Geography in
America at the Dawn of 21st Century, org. G.L. Gaile e C.J. Willmott. Oxford, Oxford University
Press, 2003.
PANOFSKY, E. ­ Iconografia e Iconologia: Uma Introdução ao Estudo da Arte na Renascença. In
Significados das Artes Visuais. São Paulo, Perspectiva, Série Debates, 2004.
PEET, R. ­ A Sign Taken for History. Daniel Shays Memorial in Petersham, Massachusetts.
Annals of the Association of American Geographers, 86(1), pp. 2143, 1996.
PHILO, C. ­ Más Palabras, Más Mundos: Reflexiones en torno al "Giro Cultural" y a la Geografia

Social. Documents e Analisis en Geografia, 34, pp. 8199, 1999.
PRICE, M. e LEWIS, M. ­ The Reinvention of Cultural Geography. Annals of the Association of
American Geographers, 83(1), pp. 117, 1993a.
PRICE, M.E. e LEWIS, M. ­ Reply: On Reading Cultural Geography. Annals of the Association of
American Geographers, 83(3), pp. 520422, 1993b.
ROWNTREE, L.B. e CONLEY, M.W. ­ Symbolism and the Cultural Landscape. Annals of the
Association of American Geographers, 70(4), pp. 459479, 1980.
SALOMON, A. ­ Symbols and Images in the Constitution of Society. In Symbols and Society, org.
L. Bryson et al. New York, Harper and Brothers, 1955.
SHORT, J.R. ­ Imagined Countries. London, Routledge, 1991.
TAILLARD, C. ­ Diversidade de Definições e Diferenciações das Práticas Geográficas: Contribuição
para o Debate. Espaço e Cultura, 14, pp. 2332, 2003.
YEOH, B.S. ­ Streetnaming and Nationbuilding: Toponymic Inscriptions of Nationhood in
Singapore. Area, 28(3), pp. 298307, 1996.
WAGNER, P. e MIKESELL, M. ­ Os Temas da Geografia Cultural. In Introdução à Geografia
Cultural, org. R.L. Corrêa e Z. Rosendahl. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2003 (original de
1962).
WHITE, L. ­ Leslie White. In High Points in Anthropology, org. P. Bohannan e M. Glazer. New
York, Alfred Knopf, 1973.
WILLIAMS, R. ­ Base e Superestrutura na Teoria Cultural Marxista. Espaço e Cultura, 14, pp. 7
21, 2003.