Cidade: Lugar e Geografia da Existência·

Maria Adélia Aparecida de Souza
Professora Titular

Cidade hoje, sinônimo de medo, de desesperança? As cidades gritam de
dor. A democracia urbana está quase morta.
NIETZSCHE parece nos influenciar:
Oh Zaratrusta, eis a grande cidade: você aí não tem nada que procurar
mas tem tudo a perder.
...
Aqui todos os grandes sentimentos apodrecem: apenas têm o direito de
fazer barulho os pequenos sentimentos ao ruído seco das matracas!
Mas, algo de extremamente grave é sem dúvida nenhuma a insegurança
do conhecimento atual sobre a cidade o que, aliás, pode ser colocado como uma
das causas principais da crise urbana.
Mas, que contribuição a Geografia traz para a compreensão desse
importante fato contemporâneo?
A Geografia urbana precisa se renovar, revisitar seus conceitos, fazer face
ao mundo novo. Basta examinar a liberdade com que se confundem, em muitos
dos textos produzidos dois conceitos essencialmente distintos: o urbano e a
cidade.
Dispensável deixar explicitado aqui a associação conceitual entre cidade e
urbano, mas é fundamental distinguí-los: a cidade é o concreto, o conjunto de
redes, enfim a materialidade visível do urbano enquanto que este é o abstrato,
porém o que dá sentido e natureza a cidade. (SANTOS, 1992: 241).

2

Tenho proposto que, construir cidades é o maior negócio do século. Ousei
mesmo elaborar uma pequena teoria para a explicação da sua produção!
(SOUZA, 1994). Mas, o nosso desafio é a busca permanente da compreensão do
espaço banal de todos os homens, não perder no urbano e na cidade, a idéia de
totalidade.
Como pensar a cidade, em suas múltiplas manifestações e trazer uma
contribuição para este importante Simpósio? Como distinguir a cidade nesta
contemporaneidade? Muitos estão tranqüilos com as propostas "novas " da
cidade global.

Mas ela não é essencialmente geográfica. Certamente os

conceitos e teorias disponíveis na geografia não nos conduziriam a isto, se
assumida a idéia do espaço como totalidade! Não é sem razão que é a economia
quem nos avança esse conceito!
Não citarei aqui, para não omitir nenhum deles, a quantidade de obras,
teses, artigos que a geografia brasileira produziu sobre a cidade, o urbano, a
urbanização, a rede urbana, o sistema urbano. Contribuições marcantes para a
compreensão desses processos e fenômenos em nosso país. Muitos desses
autores, personalidades importantes da nossa comunidade, estão aqui presentes.
Mas qual a dificuldade que encontramos? Exatamente aquela de colocar a
cidade, em qualquer de suas dimensões, no movimento do mundo. Isto é o que o
conceito de cidade global parece responder. Mas ele não se sustenta diante da
totalidade, do espaço banal. A cidade global, a cidade mundial é o Estado ou a
empresa que dirigem de forma livre a circulação, o trabalho e o mercado.
Nesta perspectiva de raciocínio, julgo pertinente que a geografia urbana
reflita sobre a proposta da epistemologia dos confins (TAGLIAGAMBE, 1997),
da nova racionalidade, da noção de limite.
O que isto significa? Inspirando-se no filósofo americano Charles Sanders
Peirce que desde 1868 já estabelecia uma profunda relação e um enorme nexo
entre a idéia de verdade e aquela de comunidade. Isto significa que hoje, mais

3

do que nunca (e isto é revelado pela cidade), temos necessariamente de nos
confrontar com o problema da construção de uma racionalidade coletiva, um
pacto novo de ampliação de valores, ideais, normas e critérios comuns aos
indivíduos que pertençam a uma determinada comunidade. Para o autor, o
indivíduo racional não passa de uma ficção, afirmação que faz diante de uma
infinidade de evidências empíricas. Uma comunidade pode conseguir bons
resultados ativando um efetivo processo de intercâmbio entre os indivíduos que
a compõem. Esta é uma idéia que se opõe fundamentalmente àquela de sujeito
solitário, que predomina na compreensão do processo urbano e da vida na
cidade. Esse paradoxo entre a solidão individual e a comunidade, revela um
aspecto interessante a ser retomado no estudo da cidade. Esta questão
epistemológica, no limite de uma racionalidade que se esgota, face as
características do mundo novo é revelada no espaço, pelas normas, objetos,
ritmos. Projetos imensos para uma nova geografia urbana que se impõe nesta
idéia de uma epistemologia dos confins. Este período histórico revoluciona a
velha noção de realidade: a ciência sempre vem precisando enfrentar fenômenos
que se encontram em zonas de confins onde forma e estrutura podem se
dissolver. O desafio, nesta epistemologia que se impõe é aquele de pensar forma
e evento, tradicionalmente vistos como separados e contrapostos. Aliás,
SANTOS (1996) já nos introduz neste tipo de reflexão, discutindo a natureza do
espaço. Um evento é o resultado de um feixe de vetores, conduzido por um
processo, levando uma nova função ao meio preexistente. Mas o evento só é
identificável quando ele é percebido, isto é, quando se perfaz e se completa. E o
evento somente se completa quando integrado no meio. Somente aí há o evento.
(idem: 76-77).

O que é a cidade?

4

Tratarei nesta conferência da cidade, uma dimensão importante do
urbano.
A cidade é uma obra humana. Ela é um mundo de objetos, produzidos
segundo procedimentos, determinados por materialidades e regidos por
intencionalidades precisas. A cidade é uma intencionalidade. Isto, portanto, quer
dizer que a cidade é uma negação da natureza, daquilo que é físico.
Isto se dá pela técnica. A técnica é antes de tudo um saber prático, que
advém do trabalho. Aliás, tekné em grego, significa trabalho. A cidade é o lugar
da acumulação técnica.
Aí surge um paradoxo interessante de ser estudado: lugar da coexistência
e da liberdade, a cidade é ao mesmo tempo, pelo fato técnico, o lugar da
vigilância (as máquinas fotográficas do trânsito), da identificação, das redes (a
telemática e as redes de fibras óticas e o controle do território, que estudam
meus alunos Ricardo Castilho e Rubens de Toledo Junior), da exclusão, da
disciplina (os panópticos eletrônicos, que estuda meu aluno Renato Balbin
Nunes e das normas e do direito na cidade, que estuda meu aluno Ricardo
Mendes).
A prevalência da técnica deshistoriciza e desterritorializa a cidade. As
maravilhosas pranchas de Jürg Muller intituladas Urban Changing demonstram
claramente isto.
Mas, entre a técnica que dá ritmo ao tempo e acelera a duração e o fato
cultural se interpõe o sujeito, corpo e alma, imaginação sensível. A obra de
Walter Benjamin nos mostra as diversas possibilidades oferecidas pela cidade: a
possibilidade técnica e a sensibilidade.
De qualquer maneira não há como não considerar a cidade como lugar da
co-presença, lugar da coexistência (SOUZA, 1997), escancaradamente
manifesta pelo espaço geográfico, pelas geografias desiguais da existência
expostas na cidade. Na cidade, o espaço banal é assintosamente aviltado.

5

A cidade é para HEGEL uma etapa histórica, constituindo, depois da
organização da família, o momento da sociedade civil, onde se afrontam os
interesses egoístas, mas onde opera uma racionalidade anunciando a vinda do
Estado como idéia de moralidade.
Não apenas por abrigar a maior população do planeta é que a cidade,
lugar desta geografia da existência faz sentido, mas pelo que ela efetivamente
significa na realização do projeto humano nestes últimos séculos e, muito
especialmente neste século XX.

O conhecimento sobre a cidade.

O conhecimento sobre a cidade está em crise. O balanço desse
conhecimento é decepcionante.
A sociologia contemporânea ainda elabora a partir de construções
conceituais velhas, que não mais se ajustam ao mundo novo. Muito se produz,
porém muito pouco é acrescentado do ponto de vista sociológico, para o
conhecimento de um mundo mutante. Raros são os sociólogos que se aventuram
a uma explicação contemporânea.
A fragilidade do pensamento econômico é também enorme. Seu olhar vê
a cidade apenas como um elemento constituinte de uma rede utilizável,
ignorando completamente as suas formas, sua complexidade, seus habitantes.
Para a economia não existem cidadãos, mas consumidores.
Por outro lado, o pensamento social, negligencia o espaço ou mesmo a
cidade: limita seu campo de intervenção à distribuição da renda, ao trabalho, ao
tempo. Alguns ainda se incomodam com a pobreza pois ela pode ser perigosa
para a ordem urbana.
A ciência política, por seu lado, concentrando-se nos fenômenos regionais
ou nas questões internacionais, negligência a cidade. E isto vem de longe... Para

6

MACHIAVEL, a cidade são homens a serem governados, arsenais a serem
lotados, muralhas a serem fortificadas e defendidas em relação a não importa
que instrumento do poder.
Eis o que explica a fragilidade das cidades, todas vítimas de agressões
econômicas e financeiras, todas ameaçadas pela evolução das técnicas, todas
feridas pelas práticas arquitetônicas e opções de um urbanismo servil mais ao
lucro do que a cultura. (ANSAY, Pierre e SCHOONBRODT, 1989 :16).
Esta ausência da cidade se descobre, ainda, na ecologia e na filosofia.
Ferindo a ecologia, a cidade ainda é assumida como o lugar e a causa de um
super consumo de energia e do desenvolvimento de uma agricultura abusiva em
agrotóxicos. A cidade é sempre vista como um fracasso ecológico. O agravante
ainda desta percepção está na ideologia do small is beatifull, estando portanto a
grande cidade fatalmente condenada.
A filosofia por seu lado, não desenvolve conceitos diferentes daqueles da
sociologia ou da psicologia. A filosofia da cidade está por ser construída se a
cidade - antes intuitivamente - aparece como necessidade. (idem: 17).
Quem pode fazer crer que a cidade é uma necessidade do homem
enquanto ser individual, autônomo, enquanto ser social? Qual é o sentido da
cidade, além das respostas que ela pode trazer às questões demográficas (como
alojar de maneira mais eficaz uma população crescente) ou econômicas (como
assegurar de uma outra maneira o crescimento da indústria de massa e as
vendas?). (Ibidem: 17).
Aqui reside um paradoxo extremamente interessante de ser examinado: a
liberdade que oferece a cidade, permite a todo instante, criar e recriar laços
sociais, abandonar traços culturais velhos e assumir conteúdos culturais novos.

A Cidade e a Liberdade

7

Para WEBER, a grande cidade moderna é o lugar e o momento do
encontro entre técnica e cultura.
No entanto, a cidade gera um processo, um grau de liberdade
incompatível com o nível de manipulação que a sociedade industrial e
informacional contemporânea precisam para sobreviver. E, é por isso que essa
sociedade destrói a cidade. Mas a cidade não produz apenas a liberdade. Ela
instaura redes de ação e de resistência contra a falta de liberdade, contra a
desigualdade. O espaço na cidade denuncia escancaradamente esses processos.
O espaço é mesmo condição desses processos. E, são exatamente essas redes
que colocam em xeque todos os mecanismos de rigidez das hierarquias sociais,
os processos de manipulação cultural, gerando fantásticos processos de
solidariedade, de igualdade, de fraternidade, de convivialidade. Vá a uma praça
pública a uma rua da periferia das grandes cidades brasileiras e descubra isto !
Aliás, a cidade de Kant é concebida como um equipamento coletivo para
a humanidade livre!
Mas o embate com uma sociedade fundada no consumo, resistente a todo
e qualquer processo de mudança, a toda pressão individual e solitária é o
emblema deste nosso tempo. E este é o trunfo dessa Geografia da existência.
Nesta sociedade apenas a ação coletiva pode ter êxito. Os múltiplos exemplos
dados pelos pobres que habitam as grandes cidades são extremamente
elucidativos. É preciso estudá-los.
No entanto é preciso muita atenção a um outro paradoxo: a cidade, sendo
o lugar por excelência da liberdade individual parece ser incompatível com a
prática da soberania popular: esta, suprimindo a anterior pode tender a um
modelo totalitário. Mas, o modelo totalitário é incompatível com a cidade lugar da diversidade. WITTGENSTEIN (1961) aprofundou este aspecto com
seus estudos, de extrema riqueza, sobre jogos de linguagem. Perguntando a um
urbanista e a um poeta, para que falassem sobre a cidade diz o autor que o

8

primeiro faz um discurso sobre planos urbanísticos e o segundo discorrerá sobre
suas impressões após um belo passeio pelos lugares da cidade. Eis a diversidade
na cidade e é ela quem define a quotidianeidade. Com seus estudos, esse autor
renovou os estudos de filosofia sobre a cidade.

A Geografia da Existência.

Esta Geografia da Existência que defendo aqui está baseada na crença de
que é a cidade, exclusivamente, quem pode gerar formas significantes da
sociedade civil. A cidade é, portanto, a condição espacial da realização dos
valores de liberdade, de igualdade, de fraternidade, de solidariedade. A cidade
produz o estímulo intelectual. A cidade produz a inteligência.
Esta Geografia é muito inspirada em SARTRE que, muito embora tenha
produzido sua obra centrada no mundo vivido urbano, ele nada fala sobre a
cidade. Pode-se, no entanto, na Crítica a Razão Dialética interpretar a cidade
como a totalização operada em torno da questão da sobrevivência. Para este
autor a existência é sinônimo de liberdade, na sua perspectiva filosófica que
funda o existencialismo.
A cidade é uma relação complexa que ainda precisa ser definida, entre as
formas físicas (seu sítio, seu traçado, o gabarito das construções, seu tamanho) e
as relações das forças que atravessam sua vida interior e que fixam as relações
com o exterior; estas relações é quem definem as relações de dominação e de
sujeição. São elas que definem os limites da existência ou não de urbanidade,
atributo quase perdido da vida citadina contemporânea. É o desequilíbrio dessas
relações que implicam na perda de urbanidade.
Por isso a dimensão mais importante da natureza da cidade é aquela da
coexistência. E isto significa, desde logo, assumir a cidade como o lugar do
debate. É neste sentido que o urbanismo racional-funcionalista que impregnou

9

as cidades deste século, falhou: ao separar as funções da cidade por zona, feriu
este princípio da coexistência que é o debate, destruindo, portanto a urbanidade.
Reconstruir a urbanidade é antes de tudo assumir a complexidade gerada
pela coexistência de grupos, de culturas, de línguas, de religiões, de idades, de
atividades. Esta coexistência é o fundamento da inteligência e, por conseguinte
da liberdade. O espaço é o conteúdo desse choque permanente da diversidade.
A cidade é copresença densa do complexo tecnico-científico, das
instâncias e dos campos da cultura, da política e da produção econômica.
A cidade é o lugar do encontro da diferença, da liberdade, da igualdade.
A cidade é o lugar, a geografia da existência.
Mas, como dizia SARTRE, as cidades da América não são feitas para
envelhecer. Será essa a nossa chance, a nossa possibilidade de mudança ?
Estará nesse mundo mutante o fundamento da nossa utopia ?
Isto é o que nos estimula a prosseguir.
Muito obrigada.

BIBLIOGRAFIA

ANSAY, Pierre e SCHOONBRODT. PENSER LA VILLE. Choix de Textes
Philosophiques. Bruxelas. AAM Editions, 1989.
SANTOS, Milton. A Cidade e o Urbano como Espaço-Tempo. CIDADE &
HISTÓRIA - Modernização das Cidades Brasileiras nos Séculos XIX e
XX. UFBA - FAU/MAU. Salvador, 1992: 241-244.
SANTOS, Milton. A NATUREZA DO ESPAÇO. Técnica e Tempo. Razão e
emoção. São Paulo. HUCITEC, 1996.
SOUZA, Maria Adélia Aparecida de. A IDENTIDADE DA METRÓPOLE. O
Processo de Verticalização em São Paulo. São Paulo. HUCITEC, 1994.

10

SOUZA, Maria Adélia Aparecida. O LUGAR DE TODO O MUNDO - A
Geografia da Solidariedade. Texto apresentado em Seminário na Bahia,
em junho de 1997, organizado pelo Programa de Pós-Graduação e pelo
Departamento de Geografia da UFBA.
TAGLIAGAMBE, Silvano. EPISTEMOLOGIA DEL CONFINE. Col. Teoria.
Milão. Ed. Il Saggiatore, 1997.
WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigations Philosophiques .Ed. Gallimard.
Paris, 1961.