I Colóquio Brasileiro de História do Pensamento Geográfico
Eixo Temático: Questões Epistemológicas em Torno da HPG

REFLEXÕES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO DA GEOGRAFIA HISTÓRICA E DA
GEOHISTÓRIA NA RENOVAÇÃO DOS PENSAMENTOS GEOGRÁFICO E HISTÓRICO
NO SÉCULO XX
Hindenburgo Francisco PIRES
Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Instituto de Geografia
Professor Adjunto do Departamento de Geografia Humana
[email protected]

RESUMO
Este trabalho pretende investigar o legado epistemológico da Geografia Histórica e
analisar a perspectiva metodológica interdisciplinar do paradigma geohistórico concebido
pela Escola Francesa dos "Annales" e Fernand Braudel.
A idéia é revelar como ocorreram os movimentos de renovação do pensamento
geográfico no século XX, procurando destacar quais foram os principais argumentos que
fundamentaram a crítica à Geografia Moderna e quando aconteceu a formação das
correntes dos pensamentos geográfico e histórico, que culminaram diferenciadamente
com a emergência da Geografia Histórica e da Geohistória.
1. INTRODUÇÃO
A pergunta básica que devemos formular neste artigo é a seguinte: por que
ocorreram os movimentos de renovação do pensamento geográfico contra a Geografia
Moderna? E como se formaram a Geografia Histórica e a Geohistória?
Antes de responder a esta questão, devemos ter claro que alguns livros da história
do pensamento geográfico, quando trataram sobre o surgimento do movimento de
renovação da Geografia, tenderam a colocar apenas a corrente da Nova Geografia ou
Geografia Quantitativa como único movimento de oposição à Geografia Moderna no
século XX. Isso talvez tenha ocorrido porque o movimento que culminou com a crítica
efetuada pela Nova Geografia tenha merecido mais destaque e seja mais conhecido que o
movimento pela consolidação da Geografia Histórica. Mas, a história do pensamento
geográfico no século XX conheceu três grandes movimentos de renovação: o primeiro,
fundou a Geografia Histórica e Cultural; o segundo, criou a Nova Geografia ou Geografia
Quantitativa; o terceiro, erigiu a Geografia Radical ou Crítica. Estes movimentos
emergiram, em oposição à Geografia Moderna, os dois primeiros, simultaneamente, no
mesmo contexto histórico e o último no início dos anos 70.

O objetivo deste artigo é contribuir para efetuar o resgate desta temática e colocar
algumas reflexões sobre o surgimento das correntes dos pensamentos geográfico e
histórico: a Geografia Histórica e a Geohistória.
2. O SURGIMENTO DA GEOGRAFIA HISTÓRICA: UMA REAÇÃO CONTRA O
AMBIENTALISMO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX
Iremos fazer um breve resumo sobre os condicionantes históricos que
influenciaram o movimento de renovação que deu origem ao surgimento da Geografia
Histórica.
No século XIX, uma correlação de condições político-econômicas, filosóficas e
científicas contribuiu para o surgimento da Geografia Moderna. Mas, durante o início do
século XX, outras tendências filosóficas além do positivismo influíram também à formação
intelectual dos geógrafos que pertenciam à escola da Geografia Histórica, foi o caso do
historicismo.1
A principal oposição da Geografia Histórica à Geografia Tradicional foi a
revalorização da ciência da história no estudo dos processos geográficos e dos aspectos
socioculturais na análise dos processos espaciais.
Entre todas as ciências, a história é a de relação mais íntima com a geografia. A
geografia utiliza-se da história para poder compreender, em tempos passados, a
construção do espaço, pois este, como veremos adiante, é o resultado da construção
mútua dos diferentes períodos históricos. Contudo, estudar o meio geográfico também é
uma condição imprescindível para o conhecimento histórico.
Parece que, ao tratar desse tema, estamos falando do óbvio, que logicamente
qualquer fenômeno ocorre em um determinado tempo e em um determinado lugar, porém
a discussão se faz muitas vezes, mais complexa. De certo modo, vamos, por hora,
concluir que se a geografia tem uma dimensão histórica, a história também tem uma
dimensão geográfica.
Mas qual o objetivo da análise da chamada geo-história? Mais à frente iremos
tratar dessa questão com mais profundidade.
A publicação, nos anos 20, do trabalho "La Terre et l'Evolution Humaine.
Introduction Géographie à l'Histoire", de Lucien Febvre, grande representante da Escola
Francesa dos "Annales"2, causou alvoroço e influi para o fortalecimento da crítica à
ideologia ambientalista que tanto caracterizou a Geografia Moderna no final do século
XIX. Uma vasta gama de temas novos foi introduzida por esta corrente na história do

pensamento geográfico.
No início dos anos vinte do século XX, a Geografia Histórica foi resultante da
produção de intelectuais de origem francesa pertencentes ao Collège de France3. Foram
professores desta eminente instituição os seguintes geógrafos: Auguste Longnon (18441911), Jean Brunhes (1869-1930), Roger Dion (1896-1981), Pierre Gourou (1900-1999),
Maurice Le Lannou (1906-1992) e André Siegfried (1875-1959). Mas foi com Auguste
Longnon e Roger Dion que esta corrente do pensamento geográfico alcançou mais
projeção.
Auguste Longnon é reconhecido como o fundador da Geografia Histórica, geógrafo
e historiador, foi responsável, no Collège de France, pela disciplina Geografia Histórica de
1892 até 1911. Já Roger Dion, além de ter sido professor do Collège de France de 1948 a
1968, foi também professor das Universidades de Lille e Sorbonne por um longo período.
Profundo conhecedor das paisagens rurais da França, escreveu, em 1933, sua tese de
doutoramento sobre o Vale de Loire e adquiriu reconhecimento pela grande contribuição
que deixou sobre a história das videiras e a Geografia dos vinhos. Em seus estudos,
procurou relacionar a influência do clima, do solo e das tradições de cultivo na história da
produção francesa de vinhos e champagnes.
Ainda no início dos anos vinte do século XX, a Geografia Histórica começa a se
disseminar pelos países de cultura anglo-saxônica através de três importantes geógrafos
que aprofundaram os fundamentos filosóficos desta corrente nos EUA: Carl Ortwin Sauer
(1889-1975), Derwent Stainthorpe Whittlesey (1890­1956), John Kirtland Wright (18911969). Estes geógrafos formaram a escola estadunidense da Geografia Histórica, também
chamada de Escola do "Middle West" ou de Berkeley (CLAVAL, 2006, p.95).
Carl Sauer representa a maior expressão da Geografia Histórica do "Middle West"
nos EUA. Nascido em Warrenton, no Missouri, graduou-se e pós-graduou-se na
Universidade de Chicago em 1915. Foi professor de geografia na Universidade da
Califórnia, em Berkeley, de 1923 até torna-se professor emérito em 1957.
A grande contribuição de Sauer no movimento de renovação da Geografia Histórica
foi a crítica que dirigiu à ideologia dominante do determinismo ambiental disseminada pela
Geografia Moderna do final do XIX e início do século XX. Em contraposição a essas
ideologias, ele propôs o desenvolvimento de uma teoria geográfica da "morfologia
paisagem" e da "história cultural". Seus estudos dedicaram-se à análise dos impactos
históricos da ação humana na paisagem. Sauer não conseguiu ser um crítico radical do
positivismo. Em seus artigos e livros, preferiu desenvolver uma interpretação particularista

e historicista do mundo. Sua posição política, em relação ao capitalismo moderno, era
conservadora, mas não deixou de denunciar a exploração destrutiva da expansão do
sistema colonial moderno.
A geografia cultural ganha notoriedade a partir da obra de Carl Sauer, baseada no
historicismo e dando uma grande importância à diversidade cultural. A obra de Sauer
valoriza o passado, focalizando principalmente as sociedades tradicionais. O principal
conceito utilizado pela geografia cultural é o conceito de paisagem, ela deve ser estudada
enquanto o conjunto das construções humanas sob a natureza. A paisagem é o objeto de
estudo da geografia cultural.
Ou seja, geografia cultural nasce sendo alvo de crítica tanto da geografia tradicional
quanto da geografia crítica. Contudo, o conceito de cultura utilizado por Sauer, definido
simplesmente como "modo de vida", também vai ser alvo de crítica dos próprios
seguidores da geografia cultural.
A partir das últimas décadas do século XX, a geografia cultural passa por um
grande processo de renovação, empurrado principalmente pelas mudanças que o mundo
atravessa, fazendo com que o próprio conceito de cultura seja redefinido.
A geografia cultural é aquela que "dirige sua atenção para aqueles elementos da
cultura material que conferem caráter específico à área."
Os artigos escritos por Sauer

4

sobre a modificação humana da paisagem e das

culturas pré-modernas, praticamente, influenciaram a formação da Escola da Ecologia
Urbana e no desenvolvimento da Geografia Cultural.
2.1. A Geografia Histórica da Escola do "Middle West" nos anos 20
Um dos importantes geógrafos históricos da Escola do "Middle West" foi, sem
sombra de dúvidas, Derwent Whittlesey. Nascido em Connecticut, próximo à Illinois, nos
EUA, ele foi um dos primeiros professores da Universidade de Chicago a trabalhar com o
ensino de História, no período de 1920 a 1928. Na Universidade de Chicago, trabalhou
com Harlan Barrows (1877-1960), John Paul Goode (1862­1932), Wellington Downing
Jones (1886-1957), Charles Carlyle Colby (1884-1965), Robert Swanton Platt (1891-1964)
e Ellen Churchill Semple (1863-1932). Neste período, aderiu de forma entusiástica as
concepções ambientalistas. Posteriormente, de 1928 a 1956, passou a trabalhar como
professor na Universidade de Harvard, onde desenvolveu, no programa de Geografia
Humana, as áreas de Geografia Política e Geografia Histórica.

Seus trabalhos

aprimoraram o legado da Geografia Histórica. Trabalhou com Raoul Blanchard na

Universidade de Grenoble, na França. Sua tese de doutoramento, em 1920, foi sobre "The
Springfield Armory: a study in institutional development" 5.
Outro grande expoente da Escola do "Middle West" foi John Kirtland Wright, ele se
notabilizou pelos seus estudos sobre cartografia, Geosofia e História do Pensamento
Geográfico. Nascido em Cambridge, John K. Wright é considerado um dos mais
importantes geógrafos da história da Geografia nos EUA.

Wright graduou-se como

bacharel em História na Universidade de Harvard em 1913, onde também completou seu
curso de Doutoramento com a tese: "The Geographical Basis of European History". Em
1920, tornou-se bibliotecário da Sociedade dos Geógrafos Americanos e onde,
posteriormente, durante o período de 1938 a 1949, assumiu o cargo de diretor.
Em 1946, Wright propôs o estudo do mundo como os povos concebem e o
6
imaginam, um campo de pesquisa que denominou Geosofia . Wright desenvolveu uma

perspectiva de investigação humanística, que deu base aos fundamentos do que seria o
desenvolvimento dos estudos sobre a Geografia da Percepção e do Comportamento.
A Geosofia se dedicaria ao estudo das mudanças relativas aos conhecimentos
geográficos a partir de suas variadas perspectivas e percepções ao longo do tempo. A
Geosofia Histórica seria o estudo da história do pensamento geográfico no passado e no
presente.
Recriando um mapa do mundo imaginário de sua infância "fantasyland Cravay",
escreveu uma novela "Terrae Incognitae: The place of imagination in geography", baseada
nas regiões montanhosas da Nova Inglaterra que explorou em sua juventude. Nesta,
destaca a interação da imaginação que sua percepção geográfica experimentou e
representou.
Segundo Carles Carreras, a ênfase dada aos temas vinculados à Geografia
Cultural desenvolvida por Carl Sauer (BALLESTEROS,1986, p.362), praticamente freou
temporariamente a expansão da Geografia Histórica da Escola do "Middle West". Esta
corrente do pensamento geográfico só retornaria aos temas tradicionais que havia
desenvolvido nos anos 20, posteriormente nos anos 40, que consideramos como sendo a
segunda fase de desenvolvimento da Geografia Histórica.
2.2. A Geografia Histórica nos anos 40: A segunda fase de desenvolvimento da
Geografia
Histórica
Neste período, importantes contribuições para o aprofundamento do legado da
Geografia Histórica foram realizadas pelos Geógrafos: Jan Otto Marius Broek (1904-

1974), Henry Clifford Darby (1909-1992), Andrew Hill Clark (1911-1975), David Lowenthal
(1923).
Na segunda fase de desenvolvimento da Geografia Histórica, merece ser
destacada a contribuição de Jan Otto Marius Broek7, geógrafo holandês, nascido em
Utrecht, que estudou a Geografia Social em Utrecht com Louis van Vuuren (1873 - 1951).
Após concluir seus estudos, foi estudar nos Estados Unidos com uma bolsa da Fundação
Rockefeller. Produziu um amplo material a respeito das transformações da paisagem e da
cultura, na Califórnia, que serviu de base para a confecção de sua tese sobre "Santa
Clara Valley California: A Study in Landscape Changes", escrita em 1932. Esta tese
representou um importante estudo histórico sobre a evolução dos usos da terra na região
de Santa Clara Valley. Ele identificou três fases do desenvolvimento da agricultura desta
região a partir de 1850. As idéias desenvolvidas por Jan Broek, em sua tese sobre as
transformações da paisagem em Santa Clara Valley, revelaram a forte influência das
concepções de Carl Sauer na formação intelectual.
Mais tarde, durante o período da guerra da Coréia, no pós-guerra, a região agrícola
de Santa Clara Valley, devido à ação estatal deliberada e programada do Departamento
de Defesa do Governo dos EUA e de alguns empreendedores, foi rebatizada como Silicon
Valley, pelo aumento rápido das indústrias de computador em sua área (PIRES, 1996,
p.62). A tese de doutoramento de Jan Broek continua sendo uma importante fonte para o
estudo das transformações sociais na Califórnia.
Ainda na segunda fase de desenvolvimento da Geografia Histórica, merece ser
destacado o trabalho de Henry Clifford Darby8, geógrafo inglês, nascido em Resolven,
país de Gales, Inglaterra. Darby estudou em Cambridge, onde foi professor assistente no
Departamento de Geografia, de 1931 a 1945. Após o serviço militar, saiu de Cambridge
para assumir uma cadeira de Geografia em Liverpool, de 1945 a 1949 e, mais tarde foi
professor da University College London, de 1949 a 1966. Desse período em diante,
retorna a ensinar em Cambridge até 1976.
Darby passou a ser conhecido pelos estudos que efetuou sobre a Inglaterra no
período medieval no livro intitulado "The Domesday Geography of Eastern England",
escrito entre 1952 e 1977, e fez reconstituição minuciosa em sete volumes da Geografia
de Inglaterra no século XIX. Com seus estudos sobre a Geografia no período Medieval,
passou a ser considerado o grande precursor da Geografia Histórica nos países de cultura
anglo-saxônica.
Outro importante membro da segunda fase de desenvolvimento da Geografia

Histórica foi Andrew Hill Clark9, geógrafo histórico canadense, nascido na província de
Manitoba, que graduou-se, em 1930, pela Universidade de McMaster e, em 1938, realizou
seu mestrado na Universidade de Toronto. Foi aluno de dois ícones da geografia do século
XX, Griffith Taylor (1880-1963), geógrafo australiano, e Carl Sauer (1889-1975), geógrafo
estadunidense. De 1941 a 1942, foi professor assistente da Universidade de Canterbury,
em Christchurch, na Nova Zelândia.
Em 1944, na Universidade de Berkeley, sob orientação de Carl Sauer, escreveu a
sua tese de doutoramento sobre "The Invasion of New Zealand by People, Plants and
Animals: The South Island". Clark desenvolveu também estudos importantes sobre a
migração Européia. Efetuou pesquisas sobre o início da colonização do Canadá, mais
precisamente sobre as expedições marítimas, na terra de seus antepassados. Clark
passou a ser respeitado como editor e crítico mordaz e como criador de uma escola de
investigação de Geografia Histórica que focaliza a dinâmica das mudanças, relacionandoas aos fatores físicos, culturais e econômicos. Ele contribuiu significativamente para o
crescimento da Geografia Histórica na América do Norte.
Nos anos 50, outro importante geógrafo da Geografia Histórica, que merece ser
lembrado é David Lowenthal10, nascido em Nova York, nos EUA, graduou-se em História
pela Universidade de Harvard 1944. Em 1950, aluno e orientando de Carl Sauer,
Lowenthal efetuou seu curso de Mestrado em Geografia pela Universidade da Califónia
em Berkeley e, em 1958, fez seu Doutoramento em História pela Universidade de
Wisconsin.
Lowenthal foi professor de ensino superior nas seguintes instituições: Boston
College, de 1967 a 1974; Wheaton College, de 1958 a 1966; Universidade de Harvard, de
1955 a 1958; North Carolina State College, de 1950 a 1954; University of California
Berkeley, em 1965, 1969, 1977 e de 1986 a 1987. E Professor Emérito do Departmento de
Geografia, da University College London.
Lowenthal escreveu um grande número de artigos e livros, incluindo temas sobre
paisagem, percepção e a relação entre história e herança cultural, envolvendo a América
do Norte, as Índias ocidentais e a Grã Bretanha. Dedicou-se ao estudo das obras de
George Perkins Marsh, considerado o primeiro ambientalista dos Estados Unidos, e de
John Kirtland Wright, para quem escreveu o artigo: "Geographies of the Mind: Essays in
Historical Geography in Honour to John K. Wright".
Segundo Holzer (2005, p.24), David Lowenthal é mais que um precursor da
Geografia Cultural, é um dos principais idealizadores da hoje chamada Geografia Cultural-

Humanista.
Na França, o aprofundamento recente do legado da Geografia Histórica e Cultural
foi realizado pelos Geógrafos Xavier Planhol (1926) e Paul Claval (1931). Xavier Planhol,
nascido em Paris, é professor emérito de Geografia da Universidade de Paris-Sorbonne
(Paris IV). Ensina durante mais de quarenta anos a geografia do mundo Islâmico nas
Universidades de Nancy e de Paris e também no Instituto Nacional das Línguas e das
Civilizações Orientais. Planhol é conhecido como um grande expoente na área da
Geografia Política pela pesquisa que empreendeu sobre o Mundo Turco-Iraniano e sobre
os países árabes.
Os temas principais que marcaram a obra de Planhol são: relações entre o homem
e o meio; o pastoralismo; a Geografia Histórica e Cultural; a Geografia Urbana; Geografia
Política, particularmente do mundo Turco-Iraniano que é seu campo de estudo predileto.
Ensinou a geografia do mundo Islâmico em várias universidades. Planhol possui um
trabalho científico bastante denso e variado.
Paul Claval, nascido em Paris, é professor doutor da Universidade de Paris IV
(Sorbonne) desde 1973. Claval é um dos maiores geógrafos históricos da atualidade. Ao
lado do geógrafo Milton Santos, ganhou o prêmio Vautrin Lud, em 1996, equivalente ao
prêmio Nobel.
Suas obras são referências indispensáveis no estudo da História da Geografia e
contribuem no desenvolvimento de pesquisas sobre a origem da Geografia Cultural. Seu
trabalho científico tem tratado também de temas sobre outras áreas complementares: a
Sociologia e a Economia.
E como analisar o espaço sem o estudo da história?
Estudar o espaço requer obrigatoriamente a reconstituição de seus elementos
históricos, da história de sua produção. Isso requer, inevitavelmente, que o geógrafo
reconheça a noção de tempo como um elemento fundamental para os estudos
geográficos.
3. O ADVENTO DA GEOHISTÓRIA
Como na Geografia, em várias áreas das ciências humanas, houve um movimento
semelhante de renovação, como já falamos anteriormente, uma revalorização da ciência
da história no estudo dos processos geográficos e dos aspectos socioculturais na análise
dos processos espaciais.
Este movimento que culminou com o nascimento da "Nova História", representou a

descoberta e valorização da Geografia pela História. Este movimento de valorização levou
11

Paul Vidal de la Blache (1845-1918), historiador de formação, a se tornar geógrafo.

Como já tratamos no início deste trabalho, o maior expoente do movimento pela
"Nova História" foi Fernand Braudel. 12
A valorização da ciência da história foi um passo extraordinário no processo de
ruptura com a concepção tradicional da história baseada nas narrativas pessoais ou
"história historicizante", repletas de viéses ideológicos13, cuja análise procurava explicar os
contextos históricos como resultantes do jogo de poder de pessoas e países.
O surgimento do campo da Geohistória, no início do século XX, representou uma
ruptura pelo pensamento crítico da historiografia da História Contemporânea com a
tradição das narrativas pessoais factuais, e inaugurou o nascimento do movimento pela
"Nova História", que defendeu a substituição da história baseada no relato episódico, por
outra história baseada na análise científica de problemas, pela história que valoriza a
pesquisa e o diálogo com outras disciplinas, ou que promova o enfoque de natureza
interdisciplinar.
3.1. Geografia Histórica ou Geohistória? Estabelecendo a diferença
Inicialmente, torna-se crucial estabelecer a diferença entre Geografia Histórica e
Geohistória. Nesta parte de nosso estudo, iremos elucidar a diferença de significados
atribuídos a esses dois termos.
O mesmo pressuposto também pode ser colocado para estabelecer a diferença
entre Geografia Política e Geopolítica ou Geografia Econômica e Geoeconomia, ou seja:
·

Geografia Política e Geopolítica, a primeira se ocupa dos vínculos
geográficos da história política e a segunda estuda a política estatal em
conformidade com os vínculos geográficos da Política, com o objetivo de
efetuar a análise geográfica da ação do Estado;

·

Geografia Econômica e Geoeconomia, a primeira é o estudo da localização,
distribuição e organização espacial das atividades econômicas na Terra,
enquanto a Geoeconomia estuda a reorganização das economias nacional e
internacional com vistas a um melhor aproveitamento estratégico dos
recursos naturais de um país.

Mas então, qual é a diferença entre Geografia Histórica e Geohistória?
Explicaremos a origem desses conceitos a seguir.

3.2.1. O Conceito de Geografia Histórica
A Geografia Histórica14 ou Geografia do Passado é o ramo da Geografia Humana
que trata da análise das relações estabelecidas entre o homem e a natureza ao longo do
processo histórico.
Neste sentido, a Geografia fornece subsídios e materiais históricos para a
investigação nas áreas da Geoeconomia, Geopolítica e especialmente da Geohistoria.
Em síntese, pode-se afirmar que a Geografia Histórica estuda as características e
evolução dos espaços históricos, sua morfologia, paisagem e organização territorial assim
como sua formação social.
Para Milton Santos, a Geografia Histórica procurou: "fazer uma geografia no tempo,
reconstruindo as geografias do passado" e "... também se preocupou com as questões
das periodizações ... as periodizações históricas poderia ser o instrumento adequado para
enfrentar o tratamento adequado do espaço em termos do tempo. Sem dúvida, a cada
sistema temporal o espaço muda." A partir desta compreensão Milton Santos desenvolveu
uma proposta de um "tempo espacial",

para o qual não bastava apenas "... uma

periodização à escala do mundo, mas a elaboração de outras periodizações a escalas
menores, agindo, por sua vez, sobre escalas espaciais inferiores." (SANTOS, 1996, p.42)
3.2.2. O Conceito de Geohistória
A Geohistória foi uma nova forma dinâmica de pensar a História introduzida pela
escola francesa dos "Annales", composta pelos eminentes historiadores Henri Berr (18631954), Marc Bloch (1886-1944), Lucien Febvre (1878-1956) e Fernand Braudel (19021985).
15
Peter Burke , prestigioso estudioso da "Escola dos Annales", coloca que a

influência desta escola na historiografia contemporânea foi tanta que representa, segundo
ele, metaforicamente "uma revolução francesa".
Nesta parte de nosso artigo, iremos aprofundar e tratar da "Perspectiva
Interdisciplinar das Ciências Humanas em Fernand Braudel", o grande precursor do
método Geohistórico.
A Geohistória16 é também um ramo da Geografia Humana, resultante da
combinação de métodos de investigação e metodologias das duas ciências: Geografia e
História.
4. O PARADIGMA DA GEOHISTÓRIA

Nesta parte, iremos tratar do tema: O Paradigma da Geohistória. O termo paradigma
utilizado neste artigo, apesar de possuir inúmeras acepções: "exemplo", "amostra",
"padrão", "modelo", corresponde ao significado de "modelo epistemológico", ou seja, tratase de uma perspectiva metodológica "exemplar" que nos inspira como método de
investigação da realidade.
O paradigma17 não é eterno e pode ser alterado por rupturas metodológicas
radicais, o seu reconhecimento depende de uma ampla aceitação pela comunidade
científica que dele se apropria ou faz uso, enquanto legado e concepção social de mundo.
A idéia é debater a constituição do modelo geohistórico de investigação,
inaugurado pela Escola Francesa dos Annales, uma das mais importantes perspectivas
teórico-metodológicas da historiografia contemporânea.
4.1. Paradigma Geohistórico das Múltiplas Temporalidades: A teoria da longa
duração
Representante da segunda geração da Escola Francesa dos Annales, Fernand
Braudel, conhecido pelo fecundo senso crítico de seu pensamento, criou vários termos
ainda em voga nos estudos históricos contemporâneos das ciências sociais: "longa
duração, história global, civilização material ou economia-mundo", etc. (ROJAS, p.02)
A obra La Méditerranée et le Monde Méditerranéen a l'époque de Philippe II (O
Mediterrâneo e o mundo mediterrânico na época de Felipe II), de Fernand Braudel, escrita
em um campo de concentração alemão, durante a segunda guerra mundial, foi
posteriormente defendida na Sorbonne como tese de doutoramento em 1947
(GURIÊVITCH, 2003, p. 88). Esta obra representa ainda hoje um marco na historiografia
contemporânea, por introduzir uma perspectiva

teórico-metodológica que concebe o

tempo histórico e o processo histórico sob várias ângulos e temporalidades imbricadas.
Em sua Teoria da Longa Duração18, Braudel desenvolveu um esquema tipológico
de análise das temporalidades histórico-sociais, que as classifica em três escalas ou
formas hierárquicas:
a. tempo de curta duração ou dos acontecimentos, geralmente vinculado aos
ritmos consuetudinários (do cotidiano), temporalidade da qual se ocupa o
jornalista, o cronista ou advogado, trata-se do tempo das estruturas do
cotidiano;
b. tempo de média duração ou das estruturas econômicas, constitui a
temporalidade das condições conjunturais a que se submetem as relações

econômicas (os ciclos de Kondratiev. PIRES,1996, p.44-45), sociais (tempo
das gerações humanas), políticas e culturais, também chamada de
condições objetivas;
c. tempo de longa duração ou da geografia (GUARINELLO, 2004), também
chamada de temporalidades lentas, centenárias, as que estruturam a
história das civilizações, ou as que se submetem à escala geológica dos
acontecimentos.
Procurando criticar as narrativas episódicas que sobrevalorizavam o papel dos
indivíduos ou os acontecimentos históricos, Braudel se referiu a estas temporalidades
com metáforas naturalistas (GARCÍA, 2002): tempo de curta duração, "mera espuma de
onda"; tempo de média duração, "ondas do mar animadas pelos movimentos dos
oceanos";

tempo de longa duração, "maremotos ou ondas produzidas por marés

produzidas por movimentos profundos".
A concepção braudeliana das temporalidades representa uma ruptura metodológica
19

com a história tradicional episódica e historicizante.

Quando analisamos a história sob a perspectiva do modelo braudeliano das
temporalidades, passamos a considerar o processo histórico de forma mais dinâmica e
complexa, ou seja, conseguimos entender melhor a "dialética das durações" e
suplantarmos a visão simplista da história linear e fragmentada. Passamos a compreender
a história como uma totalidade de múltiplas temporalidades, como "história total" 20, tal qual
defendera Marc Bloch.

21

Baseado na Teoria da Longa Duração de Braudel, Milton Santos também
22
desenvolveu sua teoria sobre "tempos rápidos e tempos lentos" . Para Milton Santos a

distinção entre um tempo longo e um tempo curto é que, o primeiro, marcaria as
estruturas, os movimentos mais profundos e, o segundo, caracterizaria as situações
conjunturais, incipientemente apreendidas através do tempo curto. Segundo ainda Milton
Santos, essa compreensão da história influenciou "as demais ciências sociais, seduziu as
ciências naturais e exatas e colonizou a geografia". (SANTOS, 1996, p.212)
4.2. A Perspectiva Interdisciplinar braudeliana nas Ciências Sociais
Nesta parte de nosso artigo, iremos analisar como o conhecimento geohistório
pode vir a se constituir a partir de uma perspectiva teórico-metodológica interdisciplinar
braudeliana.
No final dos anos 50, para Braudel e alguns membros da Escola dos Annales, as

ciências do homem passavam por uma forte crise motivada pela acumulação de novos
conhecimentos e crescimento fragmentado de suas especialidades, tornava-se cada vez
mais premente a necessidade de se desenvolver um esforço coletivo interdisciplinar, para
que se possam empreender avanços significativos nas ciências sociais. 23
Segundo Braudel (1992, p.291), para o historiador, o conhecimento interdisciplinar
serve como uma lanterna para compreender os caminhos intermináveis do passado.
Dentro desta perspectiva interdisciplinar, o historiador deve se apropriar dos
conhecimentos

da:

geografia,

demografia,

economia,

politologia,

antropologia,

culturologia, sociologia e até do tradicional conhecimento das relações exteriores.
François Dosse, em seu livro "A História em migalhas: Dos Annales à nova
História", no Capítulo 4, sobre "O Paradigma: A Geo-história", efetuou um amplo estudo
sobre a trajetória teórica interdisciplinar de Fernand Braudel na Escola dos Annales.
Segundo Dosse, Braudel estabeleceu um amplo contato com grandes representantes das
ciências do homem: na geografia, utilizou o modelo de Ernest Labrousse, os
ensinamentos de Paul Vidal de La Blache e de Max Sorre dos quais era fã incondicional;
na economia conhecia os trabalhos de Werner Sombart, Kondratiev e Joseph
Schumpeter; na sociologia analisou as teses de Max Weber e Durkheim; na antropologia,
conhecia profundamente os trabalhos de Claude Lévi-Strauss e Karl Polanyi; e na história
recebeu orientação de Lucien Febvre e de Marc Bloch, de quem se diz herdeiro.
Braudel acreditava que, com o isolamento das ciências sociais, essas correriam o
risco de se fragmentar e perder a perspectiva de totalidade. Segundo Dosse (1992:236),
"a decomposição da unidade temporal da história permitiu o estudo de objetos
heterogêneos, a quebra do tempo e a história em migalhas."
CONCLUSÕES
Neste breve artigo, ficou claro a riqueza e a diversidade das abordagens da
Geografia Histórica. Não dá mais para dizer que a Geografia Histórica é mera continuação
da Geografia Moderna do século XIX.
Os

grandes

representantes

da

Geografia

Histórica

introduziram

novas

metodologias, estudaram os mais diferenciados campos do saber humano.
A grande contribuição da Geografia História foi procurar estabelecer a relação
concreta e coerente entre o tempo e o espaço na formação do território, no passado e no
presente.
Ela engendra, a partir de modelos, a observação da relação espaço-temporal das

sociedades e analisa a influência ou determinação do espaço como meio e sujeito na
organização e no desenvolvimento das sociedades.
A investigação Geohistórica permite constatar que cada época histórica particular
prefigura um jogo peculiar de possibilidades humanas e de determinações naturais,
transformando, em certa medida, o espaço em sujeito dos processos históricos da
sociedade.
Como vimos anteriormente, Yves Lacoste e Milton Santos também compartilham da
idéia de Braudel sobre as temporalidades do processo histórico e defendem a
necessidade de que a geografia deve também proceder, como na geohistória, à distinção
sistemática de diferentes níveis de análise espaço-temporais.
NOTAS
1. O historicismo, representa a corrente filosófica que se opõe ao racionalismo e que admite que o objeto do
conhecimento, é resultado do estudo genético concreto, ou seja, todo conhecimento é ele mesmo
conhecimento histórico.
2. Disponível em: http://www.klepsidra.net/klepsidra7/annales.html. Acesso em: 07/02/08.
3. Disponível em: http://fr.wikipedia.org/wiki/Coll%C3%A8ge_de_France. Acesso em: 07/02/08.
4. Segundo Sauer (2003, p.22):
Toda geografia é, com propriedade e segundo este ponto de vista, geografia física, não porque o
trabalho humano esteja condicionado pelo meio, mas porque o homem, por si mesmo, é objeto
indireto da investigação geográfica, confere expressão física às áreas com suas moradias, seu lugar
de trabalho, mercados, campos e vias de comunicação. A geografia cultural se interessa, portanto,
pelas obras humanas que se inscrevem na superfície terrestre e imprimem uma expressão
característica.
Recentemente um grande número de trabalhos escritos por Carl Sauer foi disponibilizado na
Internet em: http://www.colorado.edu/geography/giw/sauer-co/sauer-co.html. Acesso em: 07/02/08.
5. Disponível em: http://www.cr.nps.gov/history/online_books/spar/whittlesey_1920.pdf. Acesso em:
07/02/08.
6. Para Wright (1947, p.83) a palavra Geosofia significaria:
o estudo geográfico do conhecimento de algum ou de todos os pontos da vista (...). Trata da expressão da
natureza do conhecimento geográfico ambos passado e presente ­ tal qual Whittlesey tinha chamado de
`percepção humana do espaço [terrestre]'(...). Cobre as idéias geográficas, verdadeiras e falsas (...) não
somente as dos geógrafos, mas também as de todos os tipos de pessoas: fazendeiros, pescadores,
executivos de negócios, poetas, novelistas, pintores.
A obra de Wright: "Terrae Incognitae: The place of imagination in geography", encontra-se disponível
em: http://www.geo.hunter.cuny.edu/courses/geog701/articles/terrae_incognitae.pdf. Acesso em: 07/02/08.
7. Disponível em: http://special.lib.umn.edu/findaid/xml/uarc00690.xml. Acesso em: 07/02/08.
8. Segundo Chris Philo (1996, p.275), Darby procurou demonstrar três formas de relacionar as disciplinas
de História e Geografia:
Em primeiro lugar, ele identificou o estudo de "geografias passadas", em que as paisagens de
artefatos humanos e atividades associadas com determinados períodos de tempo ('cortes
transversais', temporais) tinham de ser reconstruídos (...); e, em segundo lugar, ele identificou a
'história por trás da geografia' em que acontecimentos de longo prazo esculpindo importantes
impactos na paisagem ('os temas verticais') tiveram de ser rastreados por dezenas e até centenas
de anos (...). Ele aparentemente considerou a primeira dessas possibilidades como 'a verdadeira'
geografia histórica, com a segunda possibilidade desempenhando um importante papel de apoio,
mas a terceira dessa tríade ­ à qual ele se referia como a 'geografia por trás da história' ­ foi vista
mais como alheia e como algo que não poderia ser incorporado 'até mesmo dentro da abrangência
mais ampla da geografia (...).
Mais informações sobre Darby conferir em: http:// www.hnet.org/reviews/showpdf.cgi?path=71971056725777. Acesso em: 07/02/08.

9. Disponível em: http://www.wku.edu/~smithch/chronob/CLAR1911.htm. Acesso em: 07/02/08.
10. Disponível em: http://www.ub.es/geocrit/b3w-289.htm. Acesso em: 07/02/08.
11. Segundo Pierre Daix (1999, p.65):
Esta moda começara com Michelet, anunciando no início de seu Tableau de la France que a
"história é para começar toda geográfica" e retomando a questão mais imperativamente em seu
prefácio de 1869, no qual afirmava que "sem uma base geográfica, o povo, o ator histórico, parece
caminhar no ar. [...] E observe-se que este solo não é apenas teatro da ação. Através do alimento,
do clima etc., nela influi de mil maneiras. Como ninho, como pássaro. Como a pátria, como o
homem."
Lá estava, germinando grandiloquente, aquilo que Taine esquematizaria com sua tão perniciosa e
mágica "influência do meio", tempero para todos os pratos.
12. Disponível em: http://es.wikipedia.org/wiki/Fernand_Braudel. Acesso em: 07/02/08.
13. Karl Marx, no livro "Ideologia Alemã", tinha isso bem claro ao afirmar,
Conhecemos apenas uma única ciência, a ciência da história. A história pode ser considerada de
dois lados, dividida em história da natureza e história dos homens. No entanto, estes dois aspectos
não se podem separar; enquanto existirem homens, a história da natureza e a história dos homens
condicionam-se mutuamente. A história da natureza, a chamada ciência da natureza, não é a que
aqui nos interessa; na história dos homens, porém, teremos de entrar, visto que quase toda a
ideologia se reduz ou a uma concepção deturpada desta história ou a uma completa abstração dela.
A ideologia é, ela mesma, apenas um dos aspectos desta história.
In: http://www.marxists.org/portugues/marx/1845/ideologia-alema-oe/cap4.htm
14. Segundo José Luis Orella Unzué, a Geografia Histórica,
consiste na adoção do método geográfico para descrição de um período histórico passado [...]
utilizando dados obtidos, estudando geneticamente a produção e ocupação do espaço pelos
homens, constatando que os componentes de uma paisagem não se alteram no mesmo ritmo nem
no mesmo tempo. (UNZUÉ, 1995, p.7-20)
Já Yves Lacoste, no seu livro a "A Geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra", ao tratar
sobre as áreas de atuação da Geografia e da História colocou:
A geografia deve ser para o espaço o que a história é para o tempo; uma e outra leva em
consideração uma certa gama de dimensões espaço-temporais, nem as muito grandes (as da
astronomia, por exemplo), nem as muito pequenas, mas aquelas que estão mais ligadas às ações
dos homens e sobretudo às práticas do poder. Não se trata de preconizar a fusão desses dois
saberes científicos numa espécie de `geo-história' (que é um gênero particularmente difícil, mesmo
para historiadores de altíssimo gabarito), mas de mostrar quais são as semelhanças e as diferenças
de seus procedimentos epistemológicos: se o raciocínio histórico é baseado, em grande parte, sobre
a distinção de diferentes tempos, a longa duração e a curta duração, para retomar a fórmula de
Fernand Braudel, o raciocínio geográfico deve distinguir e articular, também, diferentes níveis de
análise espacial que correspondem a levar em consideração conjuntos espaciais de grande ou de
pequena dimensão. (LACOSTE, 2006, p.124)
15. Para Peter Burke na Geohistória:
A verdadeira matéria do estudo é essa história "do homem em relação ao seu meio", uma espécie
de geografia histórica, ou, como Braudel preferia denominar, uma "geo-história". A geo-história é o
objeto da primeira parte do Mediterrâneo, para a qual devota quase trezentas páginas, descrevendo
montanhas e planícies, litorais e ilhas, climas, rotas terrestres e marítimas.
O objetivo é demonstrar que todas as características geográficas têm a sua história, ou melhor, são
parte da história, e que tanto a história dos acontecimentos quanto a história das tendências gerais
não podem ser compreendidas sem elas. (BURKE, 1992, p.35)
16. Para elucidar o conceito de Geohistória, iremos nos apoiar em mais três importantes contribuições: a)
José Luis Orella Unzué; b) Carlos Antonio Aguirre Rojas e; c) David Penna Aarão Reis:
a) Segundo José Luis Orella Unzué, pode-se afirmar que a
Geohistória é a ciência geográfica das sociedades históricas organizadas sobre o espaço natural. E
se diferencia da Geografia Histórica não pelo seu conteúdo, mas pelo seu sujeito e pelo seu método.
(UNZUÉ, 1995, p. 7-20)
b) Para Carlos Antonio Aguirre Rojas,
A proposta Braudeliana da géo-história [...] é afinal a exemplificação desta específica síntese entre
história e geografia. Ela combina o `raciocínio histórico' com o `raciocínio geográfico', visando colocar
em seu centro a dialética espaço/tempo que constitui, sem dúvida alguma, uma das coordenadas
centrais de qualquer teoria social. (ROJAS, 2003, p.66)
c) Já para David Penna Aarão Reis,
Geohistória é nome novo para assunto antigo [...] o criador da expressão é Fernando Braudel, autor
de "O Mediterrâneo e o mundo mediterrâneo à época de Felipe II" (Paris, Ed. Armand Colin, 1966).

Nesta obra, o Autor conjuga as duas ciências: Geografia e História, uma tentando explicar a outra,
numa fase histórica que tem a Bacia do Mediterrâneo como pano de fundo.(...) Geohistória é o
estudo dos fatos históricos quando neles se procura seu fundamento geográfico, segundo Delgado
de Carvalho; ou então, segundo Vicens Vives: "É a ciência geográfica das sociedades humanas
organizadas sobre o espaço natural". (REIS, 1986, p.81-82)
17. Com relação aos estudos sobre a formação de paradigmas que conduzem ao desenvolvimento da
ciência na sociedade contemporânea, o físico estadunidense Thomas Samuel Kuhn e sua obra "A Estrutura
das Revoluções Científicas" são referenciais obrigatórias para quem pretende enveredar no estudo sobre a
história da ciência e da filosofia da ciência. Para maior aprofundamento sobre o conceito de paradigma,
visite na Internet os sítios:
·
http://filosofia.projectos.esffl.pt/T_Khun/Paradigmas_Khun.pdf
·
http://www.h-debate.com/cbarros/spanish/paradigma_comun.htm. Acesso em: 07/02/08.
·
http://pt.wikipedia.org/wiki/Thomas_Kuhn e http://www.sul-sc.com.br/afolha/pag/thomas_Kuhn.htm.
Acesso em: 07/02/08.
·
http://pt.wikipedia.org/wiki/Estrutura_das_Revolu%C3%A7%C3%B5es_Cient%C3%ADficas. Acesso
em: 07/02/08.
18. De forma resumida, Braudel explica assim, o que é história de longa duração:
A história de longa duração é pois uma maneira de observar o passado, suprimindo uma enorme
parte da história vivida. De fato, isto significa eliminar o que é breve, o que é individual, o que é
oscilação simples, o que é episódico... Para recriar uma paisagem histórica segundo perspectivas
intermináveis, multiseculares.... À história que é assim privilegiada chamo estrutural, sob o signo da
duração, da repetição, da insistência.... A história é orquestração, ou, como diz a Escola dos
Annales, globalidade, o difícil é incorporar-lhe a massa inconsciente dessa história oceânica, saída
de um passado inesgotável, difícil de perceber, impossível de dominar. Nesse domínio das
profundidades é irrisório dizer que o homem faz a história, ele está submetido a ela. (BRAUDEL,
1992, p.290-291)
Segundo Rojas, Braudel propõe através da teoria da longa duração:
... a postulação de um determinismo histórico, o determinismo das estruturas da longa história... O
novo determinismo dos fatos de longa duração transcende a todos os determinismos anteriormente
postulados, baseados apenas em fluxos verticais e entre distintas ordens de fenômenos, ao afirmar
um fluxo de determinação horizontal e interior a cada ordem de fenômeno. (ROJAS, 2003, p.25)
Sobre a Teoria da Longa Duração, ler o artigo de Jonas Medeiros, A longa duração e a dialética
entre consciência e inconsciente, disponível em: http://chacombolachas.wordpress.com/2007/09/21/alonga-duracao-e-a-dialetica-entre-consciencia-e-inconsciente/. Acesso em: 07/02/08.
19. Segundo Rojas (2003, p.23):
Tal modelo de decomposição do tempo em três temporalidades diferenciais, não obstante a
aparente facilidade de enunciação, encerra uma enorme transformação em relação ao modo
anterior e tradicional de percepção do fenômeno da temporalidade. Em outros termos: a
consideração radical da proposta metodológica braudeliana das distintas temporalidades históricas
só é possível a partir da desmontagem total do modelo vigente do tempo moderno burguês, o qual,
tal proposta ao mesmo tempo nega e supera.
20. Cf. o artigo Fernand Braudel, História Total, disponível em:
http://www.ambafrance.org.br/abr/label/label23/scienceshumanes/bra.html. Acesso em: 07/02/08.
21. Disponível em: http://www.klepsidra.net/klepsidra16/annales.htm. Acesso em: 07/02/08.
22. Em alusão à teoria de Braudel sobre longa duração, Milton Santos acrescenta em sua teoria sobre
"tempos rápidos e tempos lentos":
De modo a aprimorar o método histórico, Fernand Braudel propôs uma distinção entre um tempo
longo e um tempo curto, este último sendo característico das situações conjunturais, enquanto o
primeiro marcaria as estruturas, os movimentos de fundo, incompletamente apreendidos através do
tempo curto. Esse modo de ver ultrapassou o domínio da história, invadiu as demais ciências
sociais, seduziu as ciências naturais e exatas e colonizou a geografia, mesmo se os geógrafos, com
raras exceções (Torsten Hägerstrand, por exemplo), apenas aplicaram quase mecanicamente essa
idéia. A noção de "sequence occupancy" de Whittlesey (1929) poderia ter sido retomada e
desenvolvida, para dar conta no espaço desse processo no qual sincronias e diacronias se dão
concomitantemente.
Mas, em nossos dias, a proposta de Braudel de um tempo longo e de um tempo curto perderá
eficácia - em geografia e nas outras disciplinas territoriais - se a essa oposição não superpusermos
uma outra idéia que sugerimos seja igualmente expressa em dois termos opostos: a noção de um
tempo rápido ao qual se antepõe um tempo lento. Aqui, estamos falando de quantidades relativas.
De um lado, o que nós chamamos tempo lento somente o é em relação ao tempo rápido; e viceversa, tais denominações não sendo absolutas. E essa contabilidade do tempo vivido pelos homens,

empresas e instituições será diferente de lugar para lugar. Não há, pois, tempos absolutos.
(SANTOS, 1996, p.212)
23. Braudel defende a necessidade "urgente" de constituição de um diálogo mais rico entre as ciências
sociais:
... mesmo se, mais tarde, cada ciência tivesse vantagem, por um momento, em retomar uma estrada
mais estreitamente pessoal. Mas, é preciso aproximar-se desde logo, a operação é urgente. ... É
preciso ainda que a reunião das ciências sociais seja completa, que não se negligenciem as mais
antigas em benefício das mais jovens, capazes de prometer tanto, senão de cumprir sempre. Por
exemplo, o lugar dado á Geografia nessas tentativas americanas é praticamente nulo e,
extremamente reduzido o que se concede à História. E além disso de que História se trata?
(BRAUDEL, 1978, p.43)

BIBLIOGRAFIA
BALLESTEROS, Aurora García. (Coord.) Teoría y Prática de la Geografía, Madrid, Editorial
Alhambra, 1986. 372 p.
BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história (Vol.I), São Paulo:Editora Perspectiva, 1978.
BRAUDEL, Fernand. Escritos sobre a história (Vol.II), Lisboa:Editorial Presença, 1992.
BURKE, Peter. A Escola dos Annales 1929 - 1989, A Revolução Francesa da Historiografia, São
Paulo, Editora: UNESP, 1ª Edição 1991;
CLAVAL, Paul. História da Geografia, Coimbra: Edições 70, 2006.
DAIX, Pierre. Fernand Braudel ­ Uma Biografia, Rio de Janeiro: Record, 1999.
DOSSE, François. A História em migalhas: dos Annales à nova História. São Paulo: Unicamp,
1992. Parte 2, capítulo 2: O paradigma: A Geohistória;
GARCÍA, Enrique Moradiellos. Fernando Braudel (1902-1985): la Historia sin sujeto, In:
http://www.nodulo.org/ec/2002/n004p01.htm
GUARINELLO, Norberto Luiz. História científica, história contemporânea e história cotidiana, In:
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-01882004000200002&script=sci_arttext
GURIÊVITCH, Aaron. A Síntese Histórica e a Escola dos Anais, São Paulo: Editora Perspectiva,
2003.
HOLZER, Werther. A Geografia Cultural e a História: Uma Leitura a partir da obra de David
Lowenthal. In: Espaço e Cultura, UERJ, RJ, Nº. 19-20, p.23-33, JAN./DEZ, 2005.
http://www.nepec.com.br/revista_19-20.pdf
LACOSTE, Yves. A Geografia - Isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra, São Paulo:
Papirus, 1988.
PHILO, Chris. História, Geografia e Geografia Histórica. In: GREGORY, D. Geografia humana:
sociedade, espaço e ciência social. 1ª edição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1996. 310 p.
PIRES, Hindenburgo Francisco. Reestruturação Industrial e Alta-tecnologia no Brasil: As Indústrias
de Informática em São Paulo, São Paulo: Universidade de São Paulo, Tese de Doutoramento,
1996.
REIS, David Penna Aarão. Geo-História: Introdução, Vol. I, Rio de Janeiro: Aula Editora, 1986.
Rev. Bras. Hist. vol.24 no.48 São Paulo 2004.
ROJAS, Carlos Antonio Aguirre. Fernand Braudel e as Ciências Humanas, Londrina: Eduel, 2003.
SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço. São Paulo: Editora Hucitec, 1996.
SAUER, Carl. Geografia Cultural. In: CORRÊA, R.L. & ROZENTHAL, Z. Introdução à Geografia,
Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2003.
UNZUÉ, José Luis Orella. Geohistória, Revista Lurralde, Universidad de Deusto (Campus de San
Sebastián), N.18, 1995, p. 7-20.
http://www.ingeba.euskalnet.net/lurralde/lurranet/lur18/orella18/18orella.htm