DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações a partir da
Geografia Humanista e da Geografia das Representações 1
Clélio Santos 2
UPE ­ Campus Garanhuns

Resumo
Ao discutir as aproximações existentes entre Geografia e Fenomenologia, o presente texto
objetiva contribuir com reflexões que relacionam o objetivo e o subjetivo, a partir de uma
análise intersubjetiva embasada numa perspectiva de um espaço social. Assim, a partir do
entendimento do Espaço, enquanto objeto de estudo da Geografia, apresenta-se uma análise
das contribuições da Geografia Humanista e da Geografia das Representações, que vão além
dos estudos que abarcam apenas a materialidade das relações sociais no espaço.

Palavras-chave: Geografia, Fenomenologia, Geografia Humanista e Geografia das
Representações

A noção de espaço em Geografia desponta como um conceito-chave fundamental na
análise da sociedade, ou seja, no entendimento da ação humana modelando a superfície da
terrestre. Todavia, a expressão espaço geográfico ou simplesmente espaço, possui várias
acepções, associadas tanto a uma simples referência de localização, quanto a uma porção da
superfície da Terra identificada ora pela natureza, ora pelas marcas ali impressas pelo homem.
O seu uso também se encontra associado a diferentes escalas, quais sejam: Global, regional,
da cidade, do bairro, da rua, da casa e até mesmo de um cômodo desta.
O espaço geográfico, segundo Corrêa (1995b, p. 44), constitui-se a morada do homem.
"Absoluto, relativo, concebido como planície isotrópica, representado através de matrizes e
grafos, descrito através de diversas metáforas, reflexo e condição social, experienciado de
diversos modos, rico em simbolismos e campo de lutas".
No âmbito dos debates acerca da natureza e do significado do espaço, as reflexões de
Milton Santos, destacam-se na compreensão do espaço em sua totalidade 3 , ou seja, no "[...]

1 Texto extraído e adaptado da dissertação: "Estudo de Práticas Sócio-espaciais em um Conjunto Habitacional do BNH: reflexões acerca de
práticas cotidianas atuais no Condomínio Residencial Ignêz Andreazza (CRIAZZA) em Recife ­ PE", apresentada ao Programa de Mestrado
em Geografia da UFPE.
2 Professor Assistente da UPE ­ Campus Garanhuns - PE e da UNEAL ­ CAMUZP ­ União dos Palmares ­ AL. ([email protected]).
3 A idéia de totalidade, advinda da filosofia clássica, seria aquela em que todas as coisas presentes no universo formam uma unidade. Cada
coisa nada mais é que parte da unidade, do todo, mas a totalidade não é a simples somas das partes. As partes que formam a totalidade não

Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

72

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

conjunto de todas as coisas e de todos os homens, em sua realidade, isto é, em suas relações, e
em seu movimento". (SANTOS, M., 1997, p. 94)
Avançando nesta linha de raciocínio, M. Santos (1997, p. 51) concebe o espaço "[...]
formado por um conjunto indissociável, solidário e também contraditório, de sistemas de
objetos e sistemas de ações, não considerados isoladamente, mas como o quadro único no
qual a história se dá". Os objetos, enquanto herança da história natural e resultado da ação
humana que se objetivou, representam tudo o que existe na superfície terrestre. Enquanto que,
as ações resultam de necessidades naturais ou criadas (materiais, imateriais, econômicas,
sociais, culturais, morais ou afetivas), que conduzem os homens a criar e utilizar os objetos.
O espaço como qualquer outra realidade social, não é apenas uma entidade objetiva,
tendo em vista que sua objetividade pode ser lida de forma intersubjetiva. A materialidade do
espaço "[...] é dotada de significações específicas para cada indivíduo (subjetividade) mas que
são também, em certa medida, compartilhadas por vários indivíduos (intersubjetividade)".
(SOUZA, 1997, p. 23)
Nesta perspectiva, a Fenomenologia 4 propõe o modo intersubjetivo ou modo
fenomenológico, visando transpor o dualismo entre os modos subjetivo e objetivo de
compreensão da experiência. Neste intuito, esforça-se para desvendar o diálogo entre os
indivíduos e a subjetividade do seu mundo. A diferença essencial em relação aos métodos
convencionais de investigação, centra-se na distinção entre comportamento e experiência, isto
é, na crítica fenomenológica de duas questões: a relação do corpo e da mente e a relação da
pessoa e o mundo. "A pessoa (corpo, mente, emoção, vontade) e mundo estão engajados nos
processos e padrões observáveis no comportamento evidente". (BUTTIMER, 1982, p. 176177)
Assim, como sugeriu Merleau-Ponty citado em Buttimer (1982, p. 175-176), "[...]
poderíamos abordar os dados pré-cognitivos da experiência, definidos não em termos de
nosso conhecimento sobre eles, mas pelo nosso comportamento em relação a eles. Identificou
isto como o estudo da percepção, que tem lugar num mundo já padronizado, ou que está em
processo de tornar-se".

bastam para explicá-la. Ao contrário, é a totalidade que explica as partes. Quando a sociedade muda, o conjunto de suas funções muda em
quantidade e em qualidade. (SANTOS, M., 1997)
4 A Fenomenologia pode ser definida como um modo filosófico de reflexão a respeito da experiência consciente e uma tentativa para
explicar isso em termos de significado e significância. (BUTTIMER,1982, p. 170)

Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

73

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

A intersubjetividade, segundo Holzer (1997, p. 79), "[...] acontece no momento em
que o corpo, como elemento móvel, coloca-se em contato com o exterior e localiza o outro,
comunicando-se com outros homens e conhecendo outras situações".
As pessoas nascem dentro de um mundo intersubjetivo, onde aprendem a linguagem e
os estilos de comportamento social que lhes permitem engajar-se no mundo diário. A
intersubjetividade sugere, assim, uma situação herdada que circunda a vida diária. Mas, além
disso, ela é também um processo pelo qual os indivíduos continuam a criar seus mundos
sociais.
O mundo para o fenomenologista é o contexto dentro do qual a consciência é revelada.
Este se encontra ancorado num passado e direcionado para um futuro, é um horizonte
compartilhado, embora cada indivíduo possa construí-lo de um modo singularmente pessoal.
Os indivíduos, uma vez conscientes do mundo vivido na experiência pessoal, devem
apreender os horizontes compartilhados do mundo de outras pessoas e sociedade como um
todo.
A Fenomenologia, no intuito de propiciar algumas condições e forças unificadoras na
experiência humana do mundo, convida os indivíduos a partir das suas próprias experiências,
a buscar denominadores comuns na experiência dos outros. Estas condições unificadoras
residem nas facetas rotineiras da vida diária, no conceito fenomenológico e existencialista da
lebenswelt (mundo vivido), definido como um "horizonte abrangente de nossas vidas
individual e coletiva". (BUTTIMER, 1982, p. 172)
A noção de mundo vivido emerge como facetas pré-refletivas, dadas como certas, da
experiência diária, os significados não questionados e determinantes do comportamento.
Trata-se de um procedimento para descrever o mundo cotidiano do homem, a partir da
experiência imediata, suas ações, lembranças, desejos e percepções. (HOLZER, 1992)
O espaço, na perspectiva fenomenológica, consiste num "[...] conjunto contínuo e
dinâmico, no qual o experimentador vive, desloca-se e busca um significado. É um horizonte
vivido ao longo do qual as coisas e as pessoas são percebidas e valorizadas". (SCHRAG apud
BUTTIMER, 1982, p. 174)
A partir deste contexto de experiência de sujeitos cognoscentes organizados em
sociedade, o espaço social, palco material e objetivo de relações sociais, é, em certa medida,
"construído" intersubjetivamente, no bairro, na região, na "terra natal", na "pátria" e etc".
(SOUZA, 1997, p. 23)
Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

74

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

Neste sentido, as pesquisas no âmbito da Geografia, destacando-se as Geografias
Humanista e das Representações, no intuito de descrever a experiência humana do espaço,
através do aporte fornecido pela Fenomenologia, considera o mundo vivido como o substrato
latente da experiência. O comportamento no espaço e no tempo seria observado de forma
superficial, sendo as suas profundidades sentidas só vagamente. Quanto à experiência
individual ou coletiva, os padrões visíveis de movimento e atividade consciente podem ser
elucidados pela exploração do dinamismo das tensões de suas bases subjacentes. Assim,
problemas aparentes na experiência diária do mundo são refletidos tanto no conflito entre o
que os indivíduos e os grupos têm como acertado sobre o lugar, o espaço e a sociedade,
quanto pelo que as instituições administrativas e funcionais dos sistemas espaciais e
bioecológicos têm como certo na organização dos meios ambientes. (BUTTIMER, 1982, p.
185)
A utilização das noções fenomenológicas, dentre os geógrafos humanistas, iniciaramse a partir do descontentamento de alguns geógrafos com o uso dos modelos mecanicistas e
cientificistas da Nova Geografia. Estes geógrafos foram buscar na Fenomenologia modos de
análise e conceitualização que lhes permitissem refletir sobre o significado experiencial da
ocupação da terra.
Dentre estes geógrafos, destacam-se: Carl Sauer, apontado como um dos precursores
da Geografia Humanista, desenvolvendo uma abordagem simples para descrever a paisagem e
negando o uso de modelos científicos; e David Lowenthal, que inaugurou os estudos da
percepção do entorno, através da experiência subjetiva, a fantasia e o gosto dos lugares.
Sauer e Lowenthal, no início do século XX, deram início a uma nova forma de se
observar a Geografia, através do aporte da Psicologia Comportamental e do Urbanismo
Culturalista. 5 Eles, ultrapassaram os limites dos estudos das regiões francesas iniciados por
Vidal de La Blache, que, a partir do conceito de Gênero de Vida, explicava os lugares e não o
homem na sua região cultural, ou seja, não abordavam as relações sociais, apesar das
paisagens refletirem a organização do trabalho. 6
Na década de 1970, consequentemente, em virtude deste movimento de renovação e
revisão dos conceitos e bases filosóficas, os geógrafos humanistas conseguem consolidar a
5 Neste sentido, a Geografia busca nas ciências afins servir-se de noções capazes de explicar a complexidade dos fenômenos, por isto não se
fixa em uma única forma de abordá-los. Todavia, esta interdisciplinaridade não é nova nesta ciência, segundo La Blache (1982, p. 37), "A
Geografia é considerada como se alimentando nas mesmas fontes de fatos da Geologia, da Física, das Ciências naturais e [...] das Ciências
Sociológicas".

Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

75

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

Geografia Humanista, atribuindo-a uma identidade própria. Foram iniciadas pesquisas sobre a
territorialidade e o comportamento dos indivíduos com o meio ambiente próximo, o que
possibilitou vários esclarecimentos sobre os fundamentos orgânicos, cognitivos, afetivos e
simbólicos da identificação dos indivíduos com o lugar.
Neste contexto, os trabalhos de Edward Relph, Yi-Fu Tuan, Anne Buttimer, Mercer e
Powell, destacam-se dentre o elenco de estudos que concebem o espaço "[...] constituído
como um mosaico de lugares especiais, cada qual estampado pela vontade, valor e memória
humana". (BUTTIMER, 1982, p. 177).
A Geografia Humanista, calcada nas filosofias do significado, Fenomenologia e
Existencialismo, diferentemente, de outras abordagens científicas que visam minimizar o
papel da conscientização humana e do conhecimento, privilegia compreender como as
atividades e os fenômenos geográficos revelam a qualidade da conscientização humana.
A Geografia Humanista tem na compreensão, ao invés da explicação, a base da
legibilidade do mundo real. Privilegiando o singular em detrimento do particular ou do
universal, esta corrente ressalta os sentimentos, valores e propósitos da ação humana. De
acordo Capel (1981, p. 443), a Geografia Humanista "[...] é um desenvolvimento em
Geografia da dimensão subjetiva e da experiência pessoal, realizada pela Geografia da
percepção e do comportamento".
Ao geógrafo humanista compete interpretar a experiência humana, esclarecer o
significado dos conceitos, dos símbolos e das aspirações, quando se referem ao espaço e ao
lugar. Compete, também, mostrar que os significados e as valorizações presentes no espaço
podem organizar a visão de uma paisagem ou as decisões sobre atividades a serem
desenvolvidas. Surge, assim, a partir destas valorizações os sentimentos de pertencer ou
repelir a um lugar.
Nesta perspectiva, considerando-se que a abrangência dos fenômenos, os
acontecimentos e as experiências humanas são assim transpostas nas paisagens. A paisagem
se constitui num meio natural, um meio humano, é um território vivido por um grupo, um
lugar de criação (estético-simbólico) em renovação permanente.
Segundo GOMES (1994, p. 148), paisagens "[...] significam recortes do espaço,
reservatórios de utopias: estéticas, políticas, intelectuais e didáticas". A paisagem envia-nos,
então, a um campo que se estrutura na relação do eu com o outro, um reino onde ocorre a

6 Segundo La Blache citado em CLAVAL(1999, p. 33), "a Geografia é ciência dos lugares e não dos homens".

Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

76

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

nossa história. "A Paisagem guarda camadas de complexidade que se ampliam na lida com
seus arcabouços teóricos e nos exercícios práticos de seus reencontros e representações ao
longo da história". (GOMES, 1999, p. 123)
Neste contexto, os geógrafos humanistas, apesar do grande esforço no âmbito da
Geografia Humanista em se diferenciar da Geografia Histórica e Cultural, desenvolveram
vários trabalhos utilizando-se a categoria paisagem. Distinguiram-se, assim, três vertentes: a
Geosofia Histórica, a percepção da paisagem através da pintura era considerada como
evidência das mudanças nas percepções ou imagens da região; A Teoria da Paisagem avaliou
os aspectos subjetivos da Paisagem Cultural; E por fim, a Leitura da Paisagem Urbana,
abordava os aspectos negligenciados do comportamento urbano e ensaiou novas propostas
metodológicas e teóricas.
Todavia, só a partir de Yi-Fu Tuan, um dos principais representantes desta última
vertente, que a categoria paisagem passa a ser substituída pelas categorias de espaço,
especificamente espaço vivido e Lugar na investigação das características subjetivas e
objetivas da experiência humana.

Neste sentido, a "Geografia Humanista procura um entendimento do mundo
humano através do estudo das relações das pessoas com a natureza, de seu
comportamento geográfico bem como dos seus sentimentos e idéias a respeito
do espaço e do lugar". (TUAN, 1982, p. 143)

O estudo do espaço envolve, então, os sentimentos espaciais e as idéias de um povo
através da experiência, enquanto o lugar é o centro de significado e foco de vinculação
emocional para o homem.
Consequentemente, segundo Tuan (1983), existem vários tipos de espaços, um
pessoal, outro grupal, onde vive-se a experiência dos outros, e o espaço mítico-conceitual 7 ,
cujo exemplo é o espaço sagrado, isto é, uma manifestação do sagrado.
O espaço vivido, portanto, refere-se ao afetivo, ao mágico, ao imaginário. Este
consiste numa experiência contínua, egocêntrica e social, um espaço de movimento e um
espaço-tempo vivido. (HOLZER, 1992) Além disso, o espaço vivido é também um campo de
representações simbólicas. Simbolismos estes que vão traduzir em sinais visíveis não só o

7 "O espaço mítico é também uma resposta do sentimento e da imaginação às necessidades humanas fundamentais". (TUAN, 1983, p. 112)

Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

77

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

projeto vital de toda sociedade, mas também as suas aspirações, crenças, o mais íntimo de sua
cultura.
Os geógrafos humanistas, diante disso, afirmam que o espaço não pode ser reduzido à
simples relações geométricas, numa alusão a Nova Geografia, pois os homens vivem e atuam
num espaço concreto e pessoal, modelado mentalmente pela experiência e um campo de
representações simbólicas.
Todavia, o espaço visto desta forma, seria amplo, desconhecido e até mesmo temido
ou rejeitado, correspondendo a qualquer parte da superfície da terra. Por outro lado, o espaço,
enquanto lugar, manifesta-se através de experiências cotidianas, ordenando-o e lhe dando
significados. (MATTOS, 1995)

Desta forma, o espaço enquanto lugar "transcende sua condição meramente
objetiva, de suporte material para o existir humano (produzir, habitar, circular,
amar, guerrear), reaparecendo em plano conceitualmente mais elevado:
materialidade dotada de significado. Parte da experiência humana". (SOUZA,
1997, p. 23)

Segundo HOLZER (1992), é a partir das pesquisas de Tuan, que o lugar passa a ter
uma dimensão no próprio cotidiano experienciado, humanizando o conteúdo do espaço.
Assim, se pode diferenciar espaço (objeto abstrato de análise científica) e lugar (a experiência
no espaço cotidiano).
Tuan, em 1974, ao estudar as atitudes percepções e valores dos homens em relação ao
ambiente, propôs o termo Topofilia, "[...] elo entre a pessoa e o lugar ou quadro físico", ou
seja, "[...] o conjunto de relações afetivas e emocionais que o homem mantém com o lugar".
(TUAN, 1980)
A partir desta valorização da percepção e das atitudes advém o interesse em estudar os
gostos, as preferências, as características e as particularidades dos lugares. "Valoriza-se
também o contexto ambiental e os aspectos que redundam no encanto e na magia dos lugares,
na sua personalidade e distinção". (CHRISTOFOLETTI, 1982, p. 23)
A noção de lugar, refere-se, assim, ao centro de significado e o foco de vinculação
emocional para o homem. Esta categoria possui um sentido, um espírito uma personalidade
que se manifesta através da apreciação visual ou estética e pelos sentidos vinculados a uma
longa vivência.

Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

78

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

Qualquer espaço, no entanto, não pode ser considerado um lugar, pois o lugar emerge
através dos sentimentos e afeições que lhe são associados. Este é o centro de significância
afetiva ou um foco de ação emocional de uma pessoa ou grupo de pessoas. Desta forma, é
através das experiências cotidianas, que os espaços são ordenados e lhe são atribuídos
significados.
Nesta perspectiva, os lugares humanos podem variar em tamanho. Assim, tanto "uma
poltrona perto da lareira", quanto um estado nação podem ser lugares. (TUAN, 1980, p. 142)
Segundo Relph citado em Holzer (1992), a identidade dos lugares possui três componentes
interrelacionados: traços físicos, atividades e funções observáveis e significados ou símbolos.
Além disso, o conceito de lugar pode ser classificado de três maneiras: lugar vivido,
lugar percebido e lugar concebido; não esquecendo o conceito de não lugar, desenvolvido por
Relph, visto como um produto da supermodernidade, como por exemplo as vias expressas e
os aeroportos.
Sendo assim, a partir da importância concedida a percepção e a experiência pessoal ou
coletiva, a "[...] ênfase se desloca do espaço, um conceito abstrato, ao lugar, no âmbito da
existência real e da experiência vivida". (CAPEL, 1981, p. 444)
A Geografia das Representações, por sua vez, tem como objetivo principal analisar a
forma como o vivido do homem contribui na elaboração das imagens mentais, e como estas
influenciam as práticas sócio-espaciais que modificam o vivido do homem.
As imagens mentais constituem, então, as representações que se utilizam das
informações conceituais (abstratas) e da experiência perceptiva direta, correspondendo, ao
mesmo tempo, a insumos da memória e da percepção. Consequentemente, possuem tanto a
função referencial na reconstrução das percepções, quanto a função elaborativa para organizar
as novas relações e as experiências anteriores. (BAILLY apud MESQUITA, [1994])
A Geografia das Representações, em outras palavras, no intuito de ultrapassar as
análises morfológicas e funcionais do espaço, introduz a afetividade e o simbolismo na
interpretação de nossas práticas cotidianas. Isto ocorre a partir do uso das representações
mentais e do imaginário 8 , nos estudos da densidade das relações tecidas entre o homem e o
seu território.

8 O imaginário social corresponde àquelas representações que, entremeadas e articuladas, correspondem, sistematicamente e em linha
ascendente, a desejos expectativas, projetos, valores, crenças e hábitos. (FERRARA apud CAMPOS, 1997, p. 52)

Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

79

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

De acordo com Relph, as representações mentais revelam os sistemas de valorização e
satisfação que explicam a diversidade do mundo e a sensibilidade dos lugares, quer seja da
habitação ou de espaços mais amplos. (BAILLY, 1986)
As relações entre espaços e representações, no entanto, só se tornam possíveis a partir
da análise dos processos cognitivos, que tratam dos mecanismos de aquisição, de
representação dos objetos e suas transformações em conhecimentos úteis para nossos
julgamentos e decisões. O ato de representar um objeto, então, não consiste em simplesmente
reproduzi-lo, mas reconstituí-lo, com transformações. (MOSCOVICI, 1978)
As representações vinculadas aos fatos sociais, passíveis de observação e interpretação
não são dadas a priori e não são universais na consciência. O substrato social, segundo
Durkheim, é a base das representações e algumas destas bases exercem uma coerção social
sobre nós para atuarmos em determinado sentido, como por exemplo, a religião e a moral, as
categorias de espaço, de tempo e de personalidade, e as representações sociais históricas.
Enquanto criações sociais de idéias, as representações, apresentam-se tanto como
representações sociais, a reprodução de uma percepção anterior ou do conteúdo do
pensamento, quanto como representações sociais coletivas, categorias de pensamento pelas
quais uma sociedade elabora e expressa sua realidade. Assim, as representações sociais, "são
todas elas maneiras de agir; pensar e sentir, exteriores ao indivíduo e dotadas de um poder
coercitivo em virtude do qual se lhes impõe". (DURKHEIM apud MESQUITA, 1999).
Neste sentido, segundo Serge Moscovici (1978, p. 28), a representação social pode ser
definida como "um corpus organizado de conhecimentos e uma das atividades psíquicas
graças às quais os homens tornam inteligível a realidade física e social, inserem-se num grupo
ou numa ligação cotidiana de trocas, e liberam os poderes de sua imaginação".
A Geografia das Representações, portanto, a partir da noção fenomenológica de
mundo vivido, busca revelar as experiências do vivido através de dados individuais e
subjetivos. Desta forma, considerando as noções de espaço vivido e espaço percebido, as
representações do espaço podem ir além da simples percepção do ambiente real, referindo-se
também a espaços não percebidos atualmente ou a espaços imaginários.
A partir do mundo cotidiano, os conjuntos de abstrações que envolvem o senso
comum podem ser interpretados e construídos, pois a existência cotidiana é dotada de
significados, selecionados através de construções mentais e de "representações" do "senso
comum". (MESQUITA, 1999).
Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

80

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

Uma representação, desta forma, segundo Moscovici citado em Mesquita (1999), "é o
senso comum que se tem sobre um determinado tema, onde se incluem também os
preconceitos, ideologias e características das atividades cotidianas (sociais e profissionais) das
pessoas".
Neste contexto, os estudos sobre o papel das representações no comportamento dos
homens datam do início do século XX, quando foram desenvolvidos trabalhos sobre o
deslocamentos dos homens no espaço e as pertenças regionais ou nacionais, tratam-se de
representações coletivas do espaço que explicam os vínculos territoriais e dão sentido aos
lugares.
Contudo, foi apenas na década de trinta, a partir das pesquisas de Skinner "Estímulo e
Resposta", que a idéia de relações diretas entre os estímulos do ambiente e o comportamento
humano pode se desenvolver. Emerge, assim, o enfoque ambientalista, fundamentado em
análises do comportamento dos indivíduos. Estas análises designam um comportamento
vinculado às condições do ambiente, sobretudo, os meios físico natural e o quadro construído.
Dentre os autores que desenvolveram trabalhos vinculados as ligações entre
comportamentos humanos e espaços vividos, destaca-se Kevin Lynch (1997). Este autor
analisou o papel de certos elementos externos e as propriedades geométricas que o homem
utiliza dentro de suas práticas. Em suas preocupações há uma valorização do processo de
apreensão do indivíduo e dos elementos visualizados e retidos na memória, recuperados
através dos mapas mentais. Também, atribui-se a ele, a origem do Behavior Setting, o "estudo
do espaço dentro do território representado e praticado por uma comunidade humana".
(BAILLY, 1986) Todavia, apesar desses estudos constituírem uma referência para a análise
do espaço urbano em função das percepções e representações sócio-espaciais dos seus
usuários, os críticos alegam que Lynch não contemplou as dimensões sociais, culturais e
ideológicas da percepção ambiental.
A noção de intersubjetividade, portanto, contribui na união das dimensões pessoais e
coletivas da experiência humana do espaço, lançando luz sobre as tensões entre o passado e o
presente e sobre as implicações dos estilos característicos de qualquer status quo.
(BUTTIMER, 1982)
A partir do exposto, portanto, percebe-se que dessa aproximação entre Geografia e
Fenomenologia as noções de espaço apresentadas, envolvem um complexo de idéias, que se
distanciam das concepções de espaços que abarcam apenas a sua materialidade enquanto
Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

81

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

objeto das relações sociais, e aproxima-se da perspectiva de um espaço social, que relaciona o
objetivo e o subjetivo, a partir de uma análise intersubjetiva da realidade.

REFERÊNCIAS
BAILLY, Antoine. S. "Representações Espaciais e Dinâmicas Urbanas e Regionais."
Tradução livre de Edvânia T. A. Gomes. Montreal: Édtions régionales européennes, 1986.
10p.
BUTTIMER, Anne. Aprendendo o Dinamismo do Mundo Vivido. In: CHRISTOFOLETTI,
A. Perspectivas da Geografia. São Paulo: DIFEL, 1982. p. 165-194
CAMPOS, Heleniza A. Planejamento Urbano e áreas centrais urbanas no Brasil: uma reflexão
em torno das práticas sócio-espaciais de seus freqüentadores. In: Associação Nacional de PósGraduandos e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. Encontro Nacional da ANPUR,
7., 1997, Recife. Anais do 7 Encontro Nacional da ANPUR. V, 1. Recife: UFPE, 1997. p. 4257.
CAPEL, Horacio. Filosofía y Ciencia en la Geografia Contemporánea. Barcelona:
BARCANOVA, 1981.
CHRISTOFOLETTI, A. As Perspectivas dos Estudos Geográficos. In: CHRISTOFOLETTI,
A. Perspectivas da Geografia. São Paulo: DIFEL, 1982. p. 11-36
CLAVAL, Paul. A Geografia Cultural. Florianópolis: Editora da UFSC, 1999.
CORRÊA, Roberto L. Espaço: um conceito-chave da Geografia. In: CASTRO, Iná Elias de.;
GOMES, Paulo César da C.; e CORRÊA, Roberto L. Geografia: conceitos e temas. Rio de
Janeiro: Bertrand Brasil, 1995b. p. 15-48.
GOMES, Edvânia T. A. Inquietação em torno do Debate Sociedade-Natureza no Espaço da
Cidade. In: SOUZA, Maria Adélia A. de. et al. (Org.) O novo mapa do mundo. Natureza e
Sociedade de Hoje: uma leitura geográfica. São Paulo: Hucitec - ANPUR, 1994. p. 146 - 152
GOMES, Edvânia T. A. Paisagem - registros de conceitos a partir da Geografia Alemã. In:
VASCONCELOS, Pedro de A . & SILVA, Sylvio B. de M. (Orgs.). Novos Estudos de
Geografia Urbana Brasileira. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 1999. p.
121- 142
HOLZER, Werter. A Geografia Humanista - sua trajetória de 1950-1990. Dissertação de
mestrado em Geografia. V. 1 e 2 Rio de Janeiro: UFRJ, 1992.
HOLZER, Werter. Uma discussão fenomenológica sobre os conceitos de Paisagem e Lugar,
Território e Meio-ambiente. In: Território / LAGET, UFRJ. ­ ano II, N.º 3 (jul. / dez. 1997) ­
Rio de Janeiro: Garamond, 1997. p. 77-85.
LA BLACHE, Paul Vidal de. As características próprias da Geografia. In:
CHRISTOFOLETTI, A. Perspectivas da Geografia.. São Paulo: DIFEL, 1982. p. 37-48.
LYNCH, Kevin. A Imagem da Cidade. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo:
Martins Fontes, 1997.
MATTOS, Rogério B. de. O Mundo Vivido por uma comunidade urbana: o caso do
Condomínio Residencial José de Alencar. In:. Cadernos de Geociências. N.º 13, p. 47-62, jan.
- mar. Rio de Janeiro: IBGE, 1995.
MESQUITA, Zilá. As bases para os estudos sobre Território e Identidade.[1994] (mimeo)
MESQUITA, Zilá. "Território: imagens, representações e práticas." Apontamentos teóricos
da disciplina ministrada no Programa de mestrado em Geografia da UFPE. Recife: 31/05 a
04/06, 1999.
MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

82

DIÁLOGOS N.º 5 ­ Clélio Santos ­ Geografia e Fenomenologia: Algumas aproximações...

SANTOS, Clélio C. dos. Estudo de Práticas Sócio-espaciais a partir de um Conjunto
Habitacional do BNH: Reflexões acerca de prática cotidianas atuais no Condomínio
Residencial Ignês Andreazza (CRIAZZA) em Recife ­ PE. Dissertação de Mestrado em
Geografia. Recife: UFPE, 2002
SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo. Razão e Emoção. 2ª Ed. São
Paulo: HUCITEC, 1997.
SOUZA, Marcelo Lopes. Algumas notas sobre a importância do espaço para o
desenvolvimento social. Território / LAGET, UFRJ. Ano II, N.º 3, p. 13-36, jul.- dez., Rio de
Janeiro: Garamond, 1997.
TUAN, Yi-Fu. Espaço & Lugar: perspectiva da experiência. São Paulo: DIFEL, 1983.
TUAN, Yi-Fu. Geografia Humanística. In: CHRISTOFOLETTI, A. Perspectivas da
Geografia.. São Paulo: DIFEL, 1982. p. 143-164
TUAN, Yi-Fu. Topofilia - um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São
Paulo: DIFEL, 1980.

Revista Diálogos n.° 5 ­ Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade ­ UPE/Faceteg ­
Garanhuns/PE - 2011

83