1
GEOGRAFIA E TRABALHO: uma leitura a partir das transformações territoriais
Alex Tristão de Santana1
Universidade Federal de Goiás/Campus Catalão
[email protected]
Marcelo Rodrigues Mendonça2
Universidade Federal de Goiás/Campus Catalão
[email protected]
Resumo: As transformações territoriais, provocadas pela reestruturação produtiva nas
últimas décadas, têm promovido uma alteração na base territorial do capital e do trabalho.
Neste contexto, o capital opera uma verdadeira ofensiva sobre a classe trabalhadora, no
intuito de aumentar o controle social e legitimar suas ações de dominação. Isso nos coloca
em alerta para perceber a dinâmica sócio-espacial, agora, hegemonizada pela
financeirização. É na apropriação do espaço, portanto na produção dos territórios, que vai
ser possível compreender a contradição viva, materializada a partir da existência de altos
padrões de produtividade, coabitados com a intensificação da degradação ambiental e da
precarização do trabalho. Acreditamos que a investigação desse fenômeno nos mostra
aspectos espaciais distintos da sociedade contemporânea, bem como, novas
territorialidades na relação capital x trabalho, capazes de instrumentalizar os pesquisadores
e trabalhadores numa reflexão rumo à ações políticas renovadas com o intuito de superar a
sociedade capitalista.
Palavras-chave: Transformações territoriais. Reestruturação produtiva. Trabalho.
INTRODUÇÃO
Tomar o trabalho como categoria de análise na Geografia implica um
esforço para superar dicotomias e fragmentações dentro das ciências humanas e sociais e a
aproximação de uma abordagem interdisciplinar. Também atende à necessidade de, na
atividade investigativa, considerar os sujeitos sociais, trabalhadores e trabalhadoras, como
protagonistas e não apenas como coadjuvantes.
Sendo assim, importante se faz entender o trabalho em sua totalidade
social, ou seja, a partir da relação dialética que une o ser social à natureza, e
ontologicamente relacionado ao processo de humanização do homem (THOMAZ
1

Mestrando em Geografia da Universidade Federal de Goiás/Campus Catalão; Licenciado e Bacharel em
Geografia/Campus Catalão/UFG; Membro do GETeM ­ Grupo de Estudos Geografia, Trabalho e
Movimentos Sociais/Universidade Federal de Goiás/Campus Catalão.
2
Professor Doutor do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Goiás/Campus Catalão.
Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Goiás/Campus
Catalão. Membro do CEGeT ­ Centro de Estudos de Geografia do Trabalho/UNESP/Presidente Prudente.
Membro do GETeM ­ Grupo de Estudos Geografia, Trabalho e Movimentos Sociais/Universidade Federal
de Goiás/Campus Catalão.

2
JÚNIOR, 2002). Essa demarcação teórico-metodológica permite, por um lado, reconhecer
o metabolismo do capital e seu sistema de regulação social, que subordina o trabalho e os
trabalhadores ao seu processo de (re)produção. Por outro lado, permite perceber que o
trabalho ainda é um elemento fundamental na sociedade, como produtor de valores de uso
é intrínseco a vida humana, condição fundamental na relação do homem com a natureza.
Por isso, precisa se emancipar das relações capitalistas de produção e das mais diversas
formas de exploração com que o capital o subordina.
A reestruturação produtiva do capital desencadeada nas últimas décadas,
tem provocado mudanças significativas na base territorial do capital e do trabalho, para o
qual os desdobramentos são extremamente negativos. Percebe-se de forma mais
generalizada o efeito do desemprego, da desterritorialização de milhares trabalhadores e
famílias camponesas, da subcontratação e terceirização, da desregulamentação das leis
trabalhistas, do aumento do trabalho precário, informal e sem carteira.
A análise do território, marcado pela contradição viva, pode mostrar a
dimensão dos desdobramentos da crise do metabolismo do capital, marcada pela
reestruturação produtiva e pela degradação crescente dos recursos naturais e das relações
sociais de trabalho, que reflete diretamente na classe trabalhadora e em suas instâncias
representativas. É com a análise do espaço e do território que será possível entender a
dimensão e a envergadura dos desafios colocados para a classe trabalhadora no início do
século XXI.
Uma leitura do trabalho que tome-o como categoria geográfica e a partir
das já reconhecidas categorias geográficas (espaço, território, paisagem e outras) renova a
importância dessa disciplina, que com esse esforço teórico-metodológico e seus possíveis
resultados, se credencia a (re)pensar e (re)construir as ações políticas rumo à superação da
sociedade capitalista. É isso o que nos propomos a realizar nas páginas seguintes.
ABORDAGENS SOBRE O CONCEITO DE TERRITÓRIO
As transformações espaciais resultantes do processo de reestruturação
produtiva do capital provocaram profundos (re)arranjos territoriais, com consequências
político-econômicas significativas para os trabalhadores. O território, nesse contexto, é
bruscamente alterado e redefinido. Isso coloca a necessidade de uma nova teorização sobre
o seu conceito. E só a partir de uma melhor compreensão do território na atualidade, será
possível perceber de forma clara as transformações no mundo do trabalho.

3
A noção de território foi durante muito tempo associada à de EstadoNação, incorporada à Geografia pela concepção naturalista, sob forte influencia do
darwinismo, por exemplo, por Ratzel que associava a intensidade de poder dos Estados ao
tamanho e aos recursos naturais de seus territórios. Atualmente, não é mais possível
compreender o território apenas como base de sustentação do poder estatal. Uma das
características fundamentais dos territórios é o crescente movimento de sobreposição,
proporcionado pelos aspectos imateriais das comunicações e das redes.
Muitos teóricos, dentre eles Santos (1994), chamam a atenção para
revisão da noção de território herdada da Modernidade, pois conforme o autor, "[...]
caminhamos, ao longo dos séculos, da antiga comunhão individual dos lugares com o
Universo à comunhão hoje global: a interdependência universal dos lugares é a nova
realidade do território." (SANTOS, 1994, p. 15).
Ao se referir a relação entre território e Estado, Santos (1994) é
categórico. "O território era a base, o fundamento do Estado-Nação que, ao mesmo tempo,
o moldava. Hoje, quando vivemos uma dialética do mundo concreto, evoluímos da noção,
tornada antiga, de Estado territorial para a noção pós-moderna de transnacionalização do
território." (SANTOS, 1994, p. 15).
Se o Estado territorial, logo, o território possuía um aspecto
predominantemente exclusivo, hoje o poder político e econômico se transformou e a
dimensão simbólica adquire importância. Raffestin (1993) contribui com o debate ao
apontar a necessidade de compreender o território a partir das relações sociais, permeadas
pelas relações de poder e de se fazer distinção entre os conceitos de espaço e de território
"O território se forma a partir do espaço, é o resultado de uma ação conduzida por um ator
sintagmático (ator que realiza um programa) em qualquer nível. Ao se apropriar de um
espaço, concreta ou abstratamente (por exemplo, pela representação), o ator `territorializa'
o espaço." (RAFFESTIN, 1993, p. 143, grifos do autor).
Raffestin (1993), em sua abordagem relacional, de acordo com a
perspectiva crítica, mostra que, portanto, o território, "[...] é um espaço onde se projetou
um trabalho, seja energia e informação, e que, por consequência, revela relações marcadas
pelo poder [...]." (RAFFESTIN, 1993, p. 144).
O trabalho, nesse sentido, é fundamental para a apropriação do espaço,
ou seja, para a produção de territórios, conforme levantado por Raffestin (1993), e em
momento de reestruturação produtiva, a relação capital x trabalho sofre profundas
alterações. O capital, além de subordinar a capacidade produtiva do trabalho, redefine

4
profundamente a correlação de força com os trabalhadores através das novas tecnologias
inseridas nos processos produtivos, que contribuem para eliminar crescentemente o
trabalho vivo e diminuir o controle da produção pelo trabalhador e da implantação das
novas técnicas de gestão da produção, como os Círculos de Controle de Qualidade (CCQ),
que visam buscar maior envolvimento dos trabalhadores na lógica produtiva, sobretudo, ao
associar essa estratégia a uma nova política de remuneração do trabalho, com, por
exemplo, a Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Assim, na nova forma de
territorialização, na relação capital x trabalho, o capital tem um maior controle social do
trabalhador e promove, com novas estratégias, o enfraquecimento de suas instâncias
representativas.
Quando Raffestin (1993) fala de territorialização abstrata por meio da
representação e da projeção de informação sobre o espaço indica a existência de aspectos
imateriais no território. O autor diz que "[...] Produzir uma representação do espaço já é
uma apropriação [...] mesmo se isso permanece nos limites de um conhecimento. Qualquer
projeto no espaço que é expresso por uma representação revela a imagem desejada de um
território, de um local de relações." (Raffestin, 1993, p. 144). Assim, fica mais fácil
entender como as novas estratégias do capital capturam a subjetividade do trabalhador,
uma vez que eles estão diretamente inseridos no seu território.
Como, de acordo com Raffestin (1993), tanto a apropriação concreta
quanto a abstrata se dão por meio do trabalho, é importante pensar o território a partir de
outras bases teórico-metodológicas, que considerem o trabalho como categoria geográfica.
Nessa perspectiva o território expressa, sobretudo, relações de poder e pode ser construído
de forma individual, estatal até no contexto das grandes corporações transnacionais.
Diante de tantas e tão profundas transformações espaciais, outra
abordagem sobre o território que merece destaque é a de Haesbaert (2004), que contrapõese aos teóricos que pregam a desterritorialização, ou o fim dos territórios. Para o autor,
cada leitura do território mostra uma concepção prévia dele. E essas concepções de
território são marcadas por uma dicotomização. Geralmente o que se vê é uma polarização
entre as os aspectos materialistas, em que o território é caracterizado por elementos físicomateriais, e os idealistas, que define o território pelo seu valor simbólico.
Haesbaert (2004) destaca três vertentes básicas nas concepções de
território: a política, em que o território é caracterizado como um espaço delimitado e
controlado através do poder, geralmente o do Estado; a cultural, que prioriza a dimensão
simbólica e na qual o território é visto como o produto da apropriação/valorização

5
simbólica do grupo e a econômica, que privilegia a dimensão das relações espaciais e
econômicas e compreende o território como fonte de recursos, no embate entre classes
sociais e na relação capital x trabalho.
Contrário às dicotomizações, Haesbaert busca uma visão integradora de
território. A idéia do autor é "[...] superar a dicotomia material/ideal, o território
envolvendo, ao mesmo tempo, a dimensão espacial material das relações sociais e o
conjunto de representações sobre o espaço ou o `imaginário geográfico' que não apenas
move como integra ou é parte indissociável destas relações." (HAESBAERT, 2004, p. 42,
grifos do autor)
Para Haesbaert (2004) essa visão integradora de território só pode ser
alcançada com uma visão híbrida de espaço geográfico que seria a fusão entre sociedade e
natureza, entre política, economia e cultura e entre materialidade e "idealidade", marcada
por uma nova interação tempo-espaço. O território, assim, "[...] pode ser concebido a partir
da imbricação de múltiplas relações de poder, do poder mais material das relações
econômico-políticas ao poder mais simbólico das relações de ordem mais estritamente
cultural." (HAESBAERT, 2004, p. 79).
Haesbaert (2004) propõe a predominância, na contemporaneidade, da
multiterritorialidade, em vez da desterritorialização, propriamente dita, que estaria sendo
causada pelas redes de comunicação instantânea. Ao contrário, para Haesbaert (2004),
essas redes são território: "[...] com uma maior carga imaterial, [...] as redes
contemporâneas, enquanto componentes dos processos de territorialização (e não
simplesmente de desterritorialização), configuram territórios descontínuos, fragmentados,
superpostos, bastante distintos da territorialização dominante na chamada modernidade
clássica." (HAESBAERT, 2004, p. 281, grifos do autor).
Dessa forma, a multiterritorialidade seria
[...] a forma dominante, contemporânea ou "pós-moderna", da reterritorialização,
a que muitos autores, equivocadamente, denominam desterritorialização. Ela é
consequência direta da predominância, especialmente no âmbito do chamado
capitalismo pós-fordista ou de acumulação flexível, de relações sociais
construídas através de territórios-rede, sobrepostos e descontínuos, e não mais de
territórios-zona, que marcaram aquilo que podemos denominar modernidade
clássica territorial-estatal. O que não quer dizer, em hipótese alguma, que essas
formas mais antigas de territórios não continuem presentes, formando um
amálgama complexo com as novas modalidades de organização territorial.
(HAESBAERT, 2004, p. 338, grifos do autor).

6
Haesbaert (2004) identifica ainda quatro formas de territorialização que
marcam a multiterritorialidade: as territorializações mais fechadas, nas quais pouco, ou
nada, se admite de pluralidade de poderes e identidades; as territorializações tradicionais,
que não admitem sobreposições de jurisdições e são caracterizadas pela homogeneidade
interna, como os Estados-Nações; as territorializações mais flexíveis, que admitem a
sobreposição ou a multifuncionalidade territorial, como acontece nas grandes cidades com
o uso temporário dos territórios e as territorializações efetivamente múltiplas, resultantes
da combinação de controles, funções e simbolizações concretizadas nos territórios pessoais
de alguns indivíduos ou grupos.
Essa multiplicidade de territórios se dá mediante o papel crescente das
redes na reprodução da sociedade contemporânea que permitem interligar as diferentes
formas de relações sociais. Outra característica desse processo, destacada por Haesbaert
(2004), é a "glocalização", situação que ocorre a partir de uma nova relação dialética entre
o local e global, na qual os lugares não podem mais ser reconhecidos como locais ou
globais, mas sim pela combinação dos dois processos.
Diante dessa nova lógica do território, Santos (1994) ressalta que o
importante nesse momento é compreender o território enquanto "território usado", que
comporta uma dialética marcada por um conflito entre um espaço local, vivido por todos, e
um espaço global, "[...] habitado por um processo racionalizador e um conteúdo ideológico
de origem distante e que chegam a cada lugar com os objetos e as normas estabelecidos
para servi-los [...]." (SANTOS, 1994, p. 18).
Sendo

assim,

percebe-se

que

a

análise

do

território

na

contemporaneidade pode auxiliar, significativamente, a compreensão da nova lógica do
capital transnacional e os rebatimentos dessa nova lógica para os trabalhadores, suas
organizações políticas e ações contra as novas investidas do capital. A leitura do território
é fundamental para se pensar as transformações na relação capital x trabalho provocadas
pelo processo de reestruturação produtiva. É o que se pretende fazer a seguir.
TERRITÓRIO E RELAÇÃO CAPITAL X TRABALHO
A nova realidade do território, marcado por multiplicidade, sobreposição,
fluidez e possibilidades criadas pelo crescente papel das redes na sociedade
contemporânea, provoca profundas transformações na relação homem e natureza e no
conteúdo do trabalho.

7
Segundo Mendonça (2004, p. 140) "pensar geograficamente a relação
metabólica entre o homem e a natureza e suas configurações territoriais significa perceber
novas sociabilidades construídas a partir da relação capital x trabalho [...]." Então, uma
leitura geográfica da sociedade não pode desconsiderar o processo de reestruturação
produtiva do capital. Com início no final do século XX, esse fenômeno alterou
profundamente a dinâmica espacial, nas relações de produção, (re)produção e acumulação
capitalista, com desdobramentos territoriais que marcam uma nova fase de maior controle
do capital sobre o trabalho. Suas consequências têm sido negativas para os trabalhadores,
para o movimento sindical e social como um todo.
O processo de reestruturação produtiva é marcado pela crise do padrão de
acumulação, que levou o capital a implementar novas ações. Destaca-se aqui a
mundialização e a transnacionalização das empresas, possibilitando aos capitalistas colocar
em concorrência os preços da força de trabalho de diversas partes do mundo, seja através
dos investimentos diretos ou pela via da terceirização (CHESNAIS, 1996). Outra
característica desse momento é a financeirização da economia, em que a (re)produção do
capital encerra uma fase de industrialização planetária, se desloca da forma clássica
operário-fabríl, se diversifica e passa a incorporar todo tipo de excedente (MOREIRA,
2003).
Para Antunes (1999) o metabolismo social do capital, neste momento, é
marcado por uma crescente destrutividade, tendo em vista que está sendo operada pelo
capital uma verdadeira separação entre a produção voltada exclusivamente para suprir as
necessidades da humanidade e aquela voltada para suprir suas próprias necessidades.
Assim, converte-se a concorrência e a produtividade em um processo destrutivo e de
precarização do trabalho, degradação ambiental e aumento do desemprego.
Quanto mais aumentam a competição e a concorrência inter-capitais,
mais nefastas são suas conseqüências, das quais duas são particularmente
graves: a destruição e/ou precarização, sem paralelos em toda a era
moderna, da força humana que trabalha e a degradação crescente do meio
ambiente, na relação metabólica entre homem, tecnologia e natureza,
conduzida pela lógica societal subordinada aos parâmetros do capital e do
sistema produtor de mercadorias. (ANTUNES, 1999, p. 26).

Esse processo traz diferentes consequência para os trabalhadores. Por um
lado, diminui-se o operariado industrial tradicional da fábrica fordista, o trabalhador
estável. Por outro, aumenta-se o trabalho subcontratado, terceirizado e o assalariamento do

8
setor de serviços, a incorporação do trabalho feminino e a exclusão dos mais jovens e mais
velhos do mercado de trabalho (ANTUNES, 1995).
Para Antunes (1999) essas mudanças no mundo do trabalho são uma
resposta do capital à sua crise estrutural. Particularmente após a crise de 1970, a
intensificação das transformações nos processos produtivos, por meio do avanço
tecnológico, as novas formas de gestão do trabalho e os modelos concorrentes ao
taylorismo/fordismo, como o toyotismo, marcam o que Harvey (1996) caracterizou por
"acumulação flexível".
Ao analisar essa situação a partir da perspectiva da Geografia do
trabalho, Thomaz Júnior (2002) demonstra a ferocidade da espacialização da
reestruturação produtiva sobre a classe trabalhadora. Ela se manifesta de várias formas:
pela intensificação das transferências de atividades produtivas, pelas mudanças
implementadas para adequar a participação da rede de fornecedores à nova territorialidade
da produção/distribuição/consumo e pelo deslocamento e/ou "desconcentração geográfica"
industrial, que repercute diretamente sobre os trabalhadores e suas instituições políticorepresentativas.
Segundo Thomaz Júnior (2002) a reorganização espacial do parque
fabril, promovida pela reestruturação produtiva e propiciada pelo avanço do meio-técnicocientífico-informacional e pela articulação territorial das empresas através das redes, teve
um duplo resultado. Por um lado, promoveu o processo de produção capitalista, mas, por
outro, capturou a subjetividade operária ao implementar a flexibilização e a
multifuncionalidade do trabalho.
Nesse contexto, os rebatimentos para a classe trabalhadora são os mais
negativos e produzem, no espaço resultados diferenciados. Para Thomaz Júnior (2002), o
estigma de subordinado e dependente enquadra o Brasil numa condição subalterna. Em
linhas gerais o autor aponta o seguinte:
1) a desproletarização do trabalho industrial fabril, típico do fordismo; 2)
a ampliação do assalariamento no setor de serviços; 3) o incremento das
inúmeras formas de subproletarização, decorrentes do trabalho parcial,
temporário, domiciliar, precário, subcontratado, "terceirizado"; 4)
verificou-se também, que todas essas formas que redimensionam a
heterogeinização do trabalho têm, na crescente incorporação do trabalho
feminino no interior da classe trabalhadora, expressão, em especial,
quando se pensa em termos da expansão do trabalho precarizado,
"terceirizado", sub-contratado, part-time, etc.; 5)intensificação da
superexploração do trabalho, através da extensão da jornada; 6) a
exclusão de trabalhadores jovens e "velhos" (acima de 45 anos), do

9
mercado de trabalho; 7) a expansão do patamar de trabalho infantil, em
especial nas atividades agrárias e extrativas. (THOMAZ JÚNIOR, 2002,
p. 7)

Thomaz Júnior (2002) ainda ressalta que o processo de reestruturação
produtiva no Brasil repercute, de forma crescente, no alargamento do setor informal.
Situam-se aqui trabalhadores empregados e desempregados, mas sua atuação não se dá de
forma autônoma como antes. "[...] Ao contrário, essa autonomia é quebrada e
gradualmente cede ao comando do capital que faz com que seu circuito se realize dentro
dos marcos do circuito capitalista de produção, diretamente ligado e subordinado ao setor
formal [...]." (THOMAZ JÚNIOR, 2002, p. 07). Do trabalho domiciliar à camelotagem, é
possível perceber que a informalidade se ampliou e complexificou mas se encontra
vinculada às novas formas de organização da produção.
Cresce também a ofensiva do capital sobre os direitos trabalhistas
conquistados pelos trabalhadores. Tendo como agente o Estado, o capital tenta burlar a
legislação e até modificá-la para flexibilizar o trabalho, em nome da "geração de
empregos". Podemos citar, por exemplo, o aumento da terceirização, que implica na
diferenciação salarial e na perda de direitos conquistados; a implementação do banco de
horas, que flexibiliza o horário de trabalho, permitindo às empresas aumentar a jornada em
momentos de demanda de mercado, sem pagar horas-extras etc.
Todas essas transformações no espaço geográfico mostram como o
capital ampliou efetivamente suas relações sociais de produção, agora, sobretudo,
fundamentado em outras bases de regulação e controle social sobre o trabalho que vão
além do mundo fabril. É nesse sentido que Antunes (1995) diz que está em processo um
fenômeno no mundo do trabalho de maior heterogeneização, fragmentação e
complexificação da classe trabalhadora.
Thomaz Júnior (2002) argumenta que não é mais possível compreender a
classe trabalhadora a partir do "chão de fábrica", tendo como referência o regime de
acumulação fundamentado no fordismo/taylorismo. Para o autor, na atualidade é preciso
considerar como parte integrante do mundo do trabalho:
[...] a) o conjunto dos trabalhadores que vivem da sua força de trabalho; b)
aqueles que mesmo se garantindo com certa autonomia em relação à inserção no
circuito mercantil, como os camelôs; c) os trabalhadores proprietários ou não dos
meios de produção e inclusos na informalidade, como as diferentes modalidades
do trabalho familiar na agricultura e que são inteiramente subordinados ao
mando do capital; d) da mesma forma, os camponeses com pouca terra e que se
organizam em bases familiares; e) o conjunto dos trabalhadores que lutam por

10
terra, inclusive os camponeses desterreados, posseiros, meeiros e; f) todos os
demais trabalhadores que vivem precariamente junto às suas famílias, da
produção e venda de artesanatos, pescados, etc. (THOMAZ JÚNIOR, 2002, p. 9)

Diante dessa definição de classe trabalhadora é possível perceber a
complexidade da malha social que reflete o espaço geográfico de nosso tempo. Será a
partir da análise do movimento de (des)territorialização que será possível perceber o
significado dos fenômenos nos lugares, as condições de (re)produção das relações
capitalistas e a relação capital x trabalho na atualidade, com seus limites e contradições
(Thomaz Júnior, 2002).
Mendonça (2004), por compreender o território a partir de um enfoque
no capital e no trabalho, argumenta que, para responder à sua crise, o capital reelaborou
suas estratégias de organização, implementou mudanças na esfera financeira e produtiva e
reorganizou seu sistema político e ideológico, reconstruindo suas bases territoriais e de
poder.
[...] As novas formas de gestão, a desregulamentação das leis trabalhistas
e o surgimento de novas categorias de trabalhadores acarretaram
mudanças no conteúdo do território, da relação cidade-campo e,
consequentemente, na composição da classe trabalhadora e na ação
política desses trabalhadores. Essa constatação levou grande parcela do
movimento sindical a elaborar pautas reivindicatórias apenas para a
manutenção dos direitos historicamente adquiridos pelos trabalhadores,
sem, no entanto, refletir sobre a necessidade de pensar estratégias ­ pela
classe trabalhadora metamorfoseada ­ para superar e/ou apontar
alternativas concretas de lutas rumo a uma nova sociedade, para além da
sociedade do capital. (MENDONÇA, 2004, p. 142, grifos do autor).

A partir da década de (19)90 é possível perceber no Brasil como é
emblemático para a classe trabalhadora o processo de reestruturação produtiva. Grande
parte do movimento sindical que surgiu no final da década de (19)70 e início da década de
(19)80, responsável por avanços significativos na organização dos trabalhadores, é
solapado no decorrer da década de (19)90. De uma política que questionava as
contradições da economia capitalista, que lutava por avanços e maiores garantias na
legislação trabalhista no país, o movimento sindical brasileiro neste período é marcado por
uma estratégia de consenso com o capital, da qual o sindicalismo de resultados da Força
Sindical e as "Câmaras Setoriais" implementadas pelos sindicatos filiados à CUT no ABC
Paulista são os melhores exemplos. (ANTUNES, 1995; SOARES, 1998).

11
Tomando-se como referência a compreensão do território a partir do
capital e do trabalho e seus aspectos relacionais (constituído por relações sociais e de
poder), bem como, o processo de apropriação do espaço, é possível constatar o fenômeno
de alienação e estranhamento do trabalho como elemento fundamental da hegemonia de
classe. Para Thomaz Júnior (2002) a configuração territorial, que expressa a relação capital
x trabalho na atualidade, aliena o trabalhador não só do produto de seu trabalho, como
também de sua identidade de classe. A gestão do capital sobre o território faz com que o
território seja entendo no limite e na abrangência da estrutura empresarial, enquanto, o
trabalhador (alienado) se enxerga enquanto tal só no limite da divisão social e técnica do
trabalho e, consequentemente, no enquadramento corporativo estabelecido pela
Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que repercute diretamente na existência dos
sindicatos.
Nesse sentido, é importante considerar que a reestruturação produtiva
marca uma etapa em que o capital busca exercer maior controle social sobre o trabalho.
Bihr (1998, p. 83), por exemplo, que estudou a crise do movimento operário europeu no
final do século XX, diz que "[...] a partir do início da crise, e mais particularmente, a partir
do final da década de 19(70), temos assistido a uma fragmentação crescente do
proletariado ocidental, que tende a paralisá-lo enquanto força social."
Contraditoriamente, o capital, que pode, através do avanço tecnológico e
informacional, ampliar as capacidades humanas, faz expandir o fenômeno de
estranhamento, eliminando o trabalho vivo, intensificando a produtividade, ampliando o
processo de terceirização e subproletarização e diminuindo o controle dos trabalhadores
dos processos produtivos. Ainda assim, é importante ressaltar que o capital não opera o
estralhamento e a alienção do trabalhador apenas dentro do espaço da produção, ele
também o faz no espaço do consumo, na esfera da vida fora do trabalho, submetendo os
trabalhadores e seu tempo livre aos valores do capital e aos princípios do consumo de
mercadorias (ANTUNES, 1999).
Uma leitura do território que busque compreender a complexidade da
sociedade contemporânea e a territorialidade da relação capital x trabalho deve perceber as
diversas formas assumidas pelo trabalho na contemporaneidade enquanto desdobramento
do movimento de (re)produção do capital e desvendar que, apesar de fragmentado,
complexificado e heterogeneizado, o trabalho constitui-se ainda elemento fundamental para
a humanidade. Mendonça (2007), nesse contexto, coloca a necessidade de uma relação da
Geografia com o trabalho e com as possibilidades criadoras, emanadas dos movimentos

12
sociais. É a partir da contradição viva (territorializada mediante os elevados índices de
produtividade e, paralelamente, aos impactos sócio-ambientais e à degradação das relações
sociais de trabalho) que será possível perceber a apropriação do espaço, portanto, a
produção dos territórios e a resistência dos trabalhadores.
Nesse cenário, no que se refere à (re)territorialização dos trabalhadores,
as pesquisas constatam que os segmentos mais qualificados e intelectualizados da classe
trabalhadora, que atuam nos setores de tecnologia de ponta, se encontram mergulhados
num intenso processo de manipulação no interior do espaço produtivo. Sujeitos aos novos
métodos de gestão implementados pelo toyotismo, a participação dos trabalhadores se dá
através de "parceria" com a empresa, enquanto seu saber fazer é apropriado. Os
trabalhadores estáveis, herança do regime fordista, ameaçados pela eliminação do trabalho
vivo, pelo crescente processo de terceirização e fragmentação, se vêem desmobilizados e
desarticulados pelas fissuras na subjetividade da consciência de classe. Na maioria, pautam
suas lutas na manutenção dos direitos trabalhistas já conquistados e/ou tentam negociar o
processo de reestruturação, as demissões e os reajustes e novos ganhos salariais.
Contrariamente, é importante ressaltar que os trabalhadores que
vivenciam os diversos estágios da subproletarização, os desempregados, os excluídos e
expulsos do trabalho são os sujeitos com maior potencial de estabelecer as ações
anticapitalistas mais ousadas. Além disso, destaca-se o protagonismo dos movimentos
sociais, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos
Atingidos por Barragens (MAB) e do Movimento Camponês Popular (MCP) ­ nascido de
um racha interno no antigo Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) ­ na luta pela
emancipação social.
Thomaz Júnior (2002, p. 14) chama a atenção para necessidade de
observar os diferentes elementos e perfis dos segmentos que compõem, hoje, a classe
trabalhadora. Ou seja, "[...] as características espaciais desse processo, que revela um novo
universo das confrontações contra a lógica destrutiva do capital e particularmente a
tradução disso em ações concretas e os conteúdos tático-estratégicos específicos, é o que
vai nos permitir entender a dinâmica territorial da relação capital-trabalho e as demais
formas de expressão da luta de classes [...]."
Compreender os (re)arranjos territoriais a partir do capital e do trabalho
requer considerar as diversas formas assumidas pelo trabalho na atualidade como
desdobramento intrínseco do movimento de reestruturação produtiva. É a análise do
território que vai nos permitir entender as diversas territorialidades emanadas da relação

13
capital x trabalho, capazes de instrumentalizar pesquisadores e trabalhadores a superar a
sociabilidade do capital.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
A sociedade contemporânea, movida pelo metabolismo social do capital,
se vê frente a mudanças significativas em sua forma de produzir, em sua relação com a
natureza, em suas relações sociais. Os desdobramentos espaciais dessa dinâmica, marcada
por uma "lógica destrutiva", nos coloca em alerta para compreender os impactos desse
fenômeno nos territórios.
Para os geógrafos, a compreensão do espaço não pode se dar de forma
isolada da relação existente entre os recursos naturais e as necessidades humanas. O capital
quando altera essa relação, com o intuito de manter sua regulação social e sua lógica
(re)produtiva,

também

transforma

todo

o

conjunto

das

relações

sociais

e,

consequentemente, o mundo do trabalho.
Portanto, será a leitura do ordenamento territorial resultante desse
processo que nos permitirá compreender o metabolismo social do capital, marcado pelo
processo de reestruturação produtiva e por uma crescente degradação ambiental e
precarização das relações de trabalho. Por isso, se torna fundamental realizar uma leitura
do território a partir da contradição viva.
Nesse sentido, a compreensão das transformações espaciais nos permitirá
perceber os reflexos da crise estrutural do capital, marcada por uma verdadeira ofensiva
sobre o mundo do trabalho. Como desdobramento, é possível identificar a
desregulamentação e a flexibilização da legislação trabalhista, o desemprego estrutural, a
subproletarização/terceirização, o trabalho precário (que se manifesta em várias partes,
como o trabalho imigrante, domiciliar, informal, em tempo parcial, sem carteira e registro
de trabalho) e a grave crise do movimento operário e das entidades representativas da
classe trabalhadora (sindicatos, partidos políticos, associações etc.).
Então

coloca-se

como

necessidade

premente

compreender

os

rebatimentos territoriais do processo de reestruturação produtiva sobre a classe
trabalhadora. Somente assim será possível (re)pensar e (re)inventar ações políticas, bem
como, novas formas de se buscar a emancipação social. Eis o desafio.

14

REFERÊNCIAS
ALVES, Giovanni. O novo (e precário) mundo do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2000.
365 p.
______. Dimensões da globalização. Londrina: Praxis, 2001. 222 p.
ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade
do mundo do trabalho. 3. ed. Campinas: Cortez, 1995. 200 p.
______. Os sentidos do trabalho: ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho. São
Paulo: Boitempo, 1999. 258 p.
ANTUNES, Ricardo (org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil. São Paulo:
Boitempo, 2006. 527 p.
BIHR, Alain. Da grande noite à alternativa: o movimento operário europeu em crise. São
Paulo: Boitempo, 1998. 287 p.
BOTELHO, Adriano. Reestruturação produtiva e produção do espaço: o caso da indústria
automobilística instalada no Brasil. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo,
n. 15, p. 55-64. 2002.
______. Do fordismo à produção flexível: A produção do espaço num contexto de
mudanças das estratégias de acumulação do capital. 2000. 148 f. Dissertação (mestrado) ­
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo,
2000.
CHESNAIS, François. A mundialização do capital. Tradução S. F. Foá. São Paulo:
Xamã, 1996. 335 p.
DEGASPARI, S. D.; VANALLI, T. R.; MOREIRA, M. R. G. Apostila de normalização
documentária: com base nas normas da ABNT. Presidente Prudente: Serviço Técnico de
Biblioteca e Documentação. 2006, 31 p.
ENGELS, F. A origem da família da propriedade privada e do estado, São Paulo:
Escala. 190 p. (Coleção grandes obras do pensamento universal).
GORZ, André. Adeus ao proletariado: para além do socialismo. Tradução A. R.Viana e
S. G. de Paula. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.
HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do "fim dos territórios" à
multiterritorialidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 395 p.
HARVEY, David. Condição pós-moderna. 6 ed. São Paulo: Loyola, 1996. 349 p.
HOBSBAWM, Eric J. Mundos do trabalho. 5 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2008. 460 p.

15

KURZ, Robert. O colapso da modernização: da derrocada do socialismo de caserna à
crise da economia mundial. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. 231p.
LUNA, Sérgio Vasconcelos. Planejamento de pesquisa: uma introdução, elementos para
uma análise metodológica. São Paulo: EDUC, 2000. 108 p.
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista (1848). Porto
Alegre: L&PM, 2001. 131p.
MENDONÇA, Marcelo Rodrigues. A urdidura espacial do capital e do trabalho no
Cerrado do Sudeste Goiano. 2004. 458 f. Tese (doutorado) ­ Universidade Estadual
Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Campus de Presidente Prudente. Presidente
Prudente, 2004.
MOREIRA, Ruy. Os quatro modelos de espaço-tempo e a reestruturação espacial
brasileira. A reestruturação industrial e espacial do estado do Rio de Janeiro. Niterói,
NERET/NEGT/GECEL ­ UFF. 07-28, 2003.
______. O movimento operário e questão cidade campo no Brasil: estudo sobre
sociedade e espaço. Petrópolis: Vozes, 1985. 195 p.
OFFE, Claus. Capitalismo desorganizado: transformações contemporâneas do trabalho e
da política. Tradução W. C. Brant. São Paulo: Brasiliense, 1989.
RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. Tradução M. C. França. São Paulo:
Ática, 1993. 269 p.
SANTANA, Alex Tristão de; MENDONÇA, Marcelo Rodrigues. Mitsubishi Motors em
Catalão (GO): um olhar sobre as relações sociais de trabalho. In: ENCONTRO
NACIONAL DE GEÓGRAFOS, XIV, 16 a 21 de julho, Rio Branco. Anais... Rio Branco:
AGB, 2006a. 1 CD ROM. 1 ­ 13.
SANTANA, Alex Tristão de; MENDONÇA, Marcelo Rodrigues. Territórios em disputa:
A Mitsubishi Motors Company e o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de CatalãoGoiás-Brasil- rumo a unicidade orgânica do trabalho. In: VII CONGRESO LATINOAMERICANO DE SOCIOLOGIA RURAL-LA CUESTIÓN RURAL EN AMÉRICA
LATINA-EXCLUSIÓN Y RESISTENCIA SOCIAL, 20-25 de novembro, Quito. Anais...
Quito: ALASRU, 2006b. 1 CD-ROM. p. 1 ­ 20.
SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científicoinformacional. São Paulo: Hucitec, 1994a.
______. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 2 ed. São Paulo:
Hucitec, 1997. 308 p.
SANTOS, Milton. O retorno do território. In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adélia A.
de; SILVEIRA, Maria Laura (Orgs). Territorio: globalização e fragmentação. São Paulo:
Hucitec, 1994b. p. 15-20.

16
SILVA, Ângela Maria; PINHEIRO, Maria Salete de Freitas; FREITAS, Nara Eugênia de.
Guia para normalização de trabalhos técnico-científicos: projetos de pesquisas,
monografias, dissertações e teses. 4. ed. Uberlândia (MG): Edufu, 2004. 157 p.
SOARES, José de Lima. Sindicalismo no ABC Paulista: Reestruturação produtiva e
parcerias. Brasília, DF. Outubro ­ Centro de Educação e Documentação Popular, 1998.
356 p.
THOMAZ JÚNIOR, Antonio. Dinâmica geográfica do trabalho no século XXI: limites
explicativos, autocrítica e desafios teóricos. 2009. 500 f. Tese (livre-docência) ­
Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Campus de
Presidente Prudente. Presidente Prudente, 2009.
______. Por uma geografia do trabalho. Revista Pegada, Presidente Prudente (SP), v. 3,
Número Especial, p. 4-26, ago. 2002.
______. O mundo do trabalho e as transformações territoriais: os limites da `leitura
geográfica. Revista Pegada. Presidente Prudente (SP), v. 3, 20 p. out. 2002. Disponível
em: . Acesso em: 10 dez. 2005.