Programa

4ª Jornada de Educação em Sensoriamento Remoto no Âmbito do Mercosul ­ 11 a 13 de agosto de 2004 ­ São Leopoldo, RS, Brasil

PROJETO EDUCA SeRe - ENSINO DE GEOGRAFIA NO ENSINO
FUNDAMENTAL E MÉDIO USANDO SENSORIAMENTO REMOTO
Tania Maria Sausen1
Osmar Gustavo Wöhl Coelho2
1

2

Ministério da Ciência e Tecnologia, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
Av. dos Astronautas, 1758 - Cx.P. 515, CEP 12245-970 - São José dos Campos, SP, Brasil
[email protected]

Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas
Av. Unisinos, 950 - São Leopoldo, RS, Brasil
[email protected]

ABSTRACT
Since 1998 the INPE Dissemination and Education Space Science Activities has been developing
the EDUCA SeRe Program which main objective is the development of educational material using
remote sensing data in grammar and high schools. In 1998, it was created the Remote Sensing and
Digital Cartography Laboratory ­ LASERCA in the Vale do Rio dos Sinos University UNISINOS. In 2003 INPE and UNISINOS have decided to developed in partnership the
EDUCA SeRe Project III, a pilot project with geography grammar and high schools teachers
from Porto Alegre metropolitan area and Sinos river valley area, Rio Grande do Sul State,
where UNISINOS is located. This paper is about this educational experience.
1 ­ INTRODUÇÃO

2 - O PROGRAMA EDUCA SeRe

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais-INPE, no
Brasil, é um instituto do Ministério da Ciência e
Tecnologia responsável pelas pesquisas espaciais no
Brasil. Desde 1998 as Atividades de Educação e
Disseminação de Conhecimentos em Ciência e
Tecnologia Espaciais vem desenvolvendo o Programa
EDUCA SeRe cujo objetivo principal é o
desenvolvimento de material didático usando dados de
sensoriamento remoto, no ensino fundamental e médio.

No período de 20 a 23 de Maio de 1997, o Comitê de
Docência e Pesquisa da Sociedade de Especialistas
Latino-Americanos em Sensoriamento Remoto-SELPER/
International, o INPE, a Unversidade do Vale do ItajaíUNIVALI, a Universidade Nacional de Lujan-UNLu, a
Argentina e o Grupo de Trabalho 1, da Comissão Técnica
VI-Educação e Comunicação da International Society of
Photogrammetry
and
Remote
Sensing-ISPRS
organizaram a 1a Jornada de Educação em Sensoriamento
Remoto no Âmbito do Mercosul, com a finalidade de
reunir a comunidade diretamente interessada no ensino de
sensoriamento remoto, para discutir e apresentar
propostas para uma ação regional na área.

Em 1998 foi criado o Laboratório de Sensoriamento
Remoto
e
Cartografia
Digital-LASERCA
na
Universidade do Vale do Rio dos Sinos-UNISINOS.
Desde outubro de 2001, o INPE, por meio do Projeto
EDUCA SeRe III, que é um dos projetos do Programa
EDUCA SeRe, desenvolveu várias cartas-imagem de
capitais estaduais e cidades brasileiras usando imagens
CBERS. Paralelamente foram oferecidos cursos de
treinamento para professores sobre o uso deste material
educacional em sala de aula.
Em 2003 o INPE e a UNISINOS decidiram desenvolver
em conjunto um projeto piloto em educação.

Como conseqüência desta Jornada as Atividades de
Educação e Disseminação de Conhecimentos e
Tecnologia Espacial do INPE criou o Programa EDUCA
SeRe cujo objetivo principal é o desenvolvimento de
material didático, usando dados de sensoriamento remoto
e técnicas de geoprocessamento, para ensinar geografia e
ciências naturais no ensino fundamental e médio. Este
programa é dividido em cinco projetos:
· Projeto EDUCA SeRe I­ Cadernos didáticos para o
ensino de sensoriamento remoto;
· Projeto EDUCA SeRe II- CD ROMs para o ensino de
sensoriamento remoto;

4ª Jornada de Educação em Sensoriamento Remoto no Âmbito do Mercosul ­ 11 a 13 de agosto de 2004 ­ São Leopoldo, RS, Brasil

· Projeto EDUCA SeRe III­ Desenvolvimento de
cartas-imagem para o ensino de sensoriamento
remoto;
· Projeto EDUCA SeRe IV- Desenvolvimento de
homepages para o ensino de sensoriamento remoto.
Em 14 de outubro de 1999, o INPE, em parceria com a
China lançou o Satélite Sino-Brasileiro de Sensoriamento
Remoto-CBERS I que leva a bordo três sistemas sensores
(câmera CCD, câmera IRMSS e a câmera WFI). O
CBERS II foi lançado em 21 de outubro de 2004. Os
CBERS-1 e 2 são idênticos em sua estrutura técnica,
missão especial e carga útil. Os dados do CBERS II
estão livres para download na homepage do INPE para
todo
o
território
brasileiro
(http://www.obt.inpe.br/catalogo) .
Desde o lançamento do satélite CBERS o Projeto
EDUCA SeRe PROJECT III foi adaptado para
desenvolver cartas-imagens usando imagens CBERSCCD. Foram criadas duas séries de cartas-imagem: série
cidades brasileiras e séries capitais brasileiras (Figura 1).

Fig. 2 - Mosaico CBERS/IRMSS do estado do Rio
Grande do Sul
Paralelamente o INPE tem oferecido treinamentos para
professores do ensino fundamental e médio sobre o uso
deste material didático em sala de aula. Mais de 180
professores foram treinados pelo INPE nestes
treinamentos. Ele tem quatro dias de duração com aulas
sobre fundamentos de sensoriamento remoto, satélites e
sistemas sensores, interpretação de imagens, cartografia e
GPS, trabalho de campo, aplicações de sensoriamento
remoto e como usar as imagens em sala de aula. Há
também um trabalho de grupo, onde os professores
devem fazer uma proposta de projeto de como utilizar os
conhecimentos adquiridos no curso, em sala de aula
(Figura 3).

Fig. 1 - Carta-imagem CBERS/CCD da cidade de Porto
Alegre, capital estado do Rio Grande do Sul, Brasil.
Até o momento foram desenvolvidas quatro cartasimagem de cidade brasileiras (Foz do Iguaçu, Cachoeira
Paulista, São Leopoldo e Jacareí-São José dos Campos) e
seis cartas-imagem de capitais estaduais brasileiras
(Brasília, Belo Horizonte, Cuiabá, Manaus, Natal e Porto
Alegre).
Este projeto, em parceria com a Divisão de Geração de
Imagens-DGI do INPE, desenvolveu também, seis
mosaicos CBERS/IRMSS de estados brasileiros (Rio
Grande do Norte, Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas
Gerais, Paraná, Eixo Rio-São Paulo) e um mosaico
CBERS/CCD (Rio Grande do Norte), Figura 2.

Fig. 3 - Exercícios de interpretação de imagem no curso
de treinamento na UNISINOS, São Leopoldo, estado do
Rio Grande do Sul, Brasil.
2.1 - O Projeto EDUCA SeRe III na UNISINOS
Em 2003 o INPE e a UNISINOS decidiram desenvolver
junto um projeto piloto com professores de geografia do
ensino fundamental e médio das escolas da área
metropolitana de Porto Alegre e do vale do Rio dos
Sinos, estado do Rio Grande do Sul, onde está localizado
o campus da UNISINOS.
O objetivo principal deste projeto é qualificar e encorajar
os professores a utilizarem dados de sensoriamento
remoto (LANDSAT, CBERS) e técnicas de SIG
(SPRING e TERRAView- softwares gratuitos do INPE)
como recurso didático para o ensino de geografia

4ª Jornada de Educação em Sensoriamento Remoto no Âmbito do Mercosul ­ 11 a 13 de agosto de 2004 ­ São Leopoldo, RS, Brasil

Considerando os Parâmetros Curriculares Nacionais-PCN
para geografia as metas do projeto são:

as disciplinas que são regularmente oferecidas no ensino
fundamental e médio.

·

Mostar aos professores de geografia a potencialidade
dos dados de sensoriamento remoto e técnicas de
SIG como recurso educacional em sala de aula;
Por meio do uso de dados de sensoriamento remoto e
técnicas de SIG em sala de aula tornar a disciplina de
geografia mais atraente para os estudantes;
Capacitar os professores de geografia para
desenvolverem atividades em sala de aula utilizando
dados de sensoriamento remoto e técnicas de SIG;
Com o auxílio dos professores de geografia buscar
novas metodologias para o uso de dados de
sensoriamento remoto como material educacional.

Depois do curso de treinamento cada escola teve que
apresentar uma proposta de projeto para ser desenvolvido
num período de quarto meses em sala de aula, usando
sensoriamento remoto, coma orientação do INPE e do
LASERCA.

Participaram deste projeto nove escolas privadas e uma
escola pública, 26 professores e ao redor de 700
estudantes. O projeto foi desenvolvido de maio a
dezembro de 2003.

No período da tarde foi organizado em segundo
semianrio onde os alunos apresentaram os resultados dos
projetos. Este seminário foi uma iniciativa dos próprios
alunos (Figuras 4 e 5).

·
·
·

Em dezembro de 2003 foram organizados uma exposição
e dois seminários, no Campus da UNISINOS, com os
resultados dos projetos desenvolvidos pelas escolas. O
primeiro semianrio for para os professores apresentarem e
explicar como foi esta experiência em sua própria escola
e as atividades desenvolvidas no projeto.

Em maio de 2003, 22 diretores de escolas e
coordenadores pedagógicos foram convidados para
participar de um seminário sobre o Projeto EDUCA SeRe
III e como usar as técnicas de sensoriamento remoto em
sala de aula. Estas escolas foram convidadas para
participarem do projeto piloto, porém apenas nove
escolas aceitaram o convite.
Em agosto de 2003 foi realizado, no campus da
UNISINOS, um curso de treinamento para professores
abordando fundamentos de sensoriamento remoto,
comportamento espectral de alvos, sistemas sensores,
aplicações de sensoriamento remoto, trabalho de campo
na região e como usar imagens de satélite em sala de
aula. Este treinamento foi ministrado por pesquisadores
do INPE que estão envolvidos com atividades de
sensoriamento remoto nos últimos 20 anos e em
atividades de educação nos últimos 15 anos.
Inicialmente este curso foi planejado apenas para
professores de geografia, porém, após o seminário,
devido a influência dos diretores de escolas, vários
professores de outras disciplinas, tais como história,
química, matemática, física e ciências naturais decidiram
agregar-se ao projeto. Isto fez com que a troca de
informação entre os participantes do curso fosse mais
interessante e proveitosa, durante o desenvolvimento do
projeto piloto.
È necessário explicar-se que este projeto não está restrito
apenas aos professores de geografia, isto foi apenas a
idéia inicial, porque esta era a forma mais fácil de
gerenciar o trabalho, abordando apenas uma disciplina
em todas as fases do projeto. Porém a
multidisciplinaridade de professores só contribuiu para o
êxito da experiência.
A idéia inicial era começar com professores de geografia
e depois numa segunda fase, estender o projeto para todas

Fig. 4 - Seminário dos estudantes no Campus da
UNISINOS

Fig. 5 - Exposição dos projetos no Campus da UNISNOS
2.2 - Os projetos escolares
As escolas desenvolveram os seguintes projetos:
·
·

Colégio Israelita ­Estudo das mudanças ambientais
na Terceira Perimetral-estudantes de ensino médio
(15-16 anos) escola privada;
Colégio Israelita-Sensoriamento remoto aplicado a
termoquímica,-Estudo comparativo de florestas, área

4ª Jornada de Educação em Sensoriamento Remoto no Âmbito do Mercosul ­ 11 a 13 de agosto de 2004 ­ São Leopoldo, RS, Brasil

·

·
·
·
·

·

·

·

·

queimada, produção de CO2 e sua contribuição para
o efeito estufa, utilizando imagem de satéliteestudantes do ensino médio (16 anos), escola
privada;
Colégio
Maria
Auxiliadora-Preocessos
de
desenvolvimento urbano de Canoas: passado e
futuro-estudantes do ensino médio (16 anos), escola
privada;
Colégio Anchieta-A organização especial em Porto
Alegre-estudantes do ensino fundamental (11anos)
escola privada;
Instituto de Educação Ivoti-O rio dos Sinos e su
imortânica geográfica- estudantes do ensino
fundamental (11anos) escola privada;
Colégio Coração de Maria-Mudanças ambientais
como conseqüência da implantação do Trensurbensino fundamental (11 anos) escola privada;
Colégio São José- Análise das condições climáticas
em julho para os anos de 2001,2002 e 2003 em São
Leopoldo- ensino fundamental (11 anos) e médios
(16 anos), escola privada;
Colégio Salesiano Dom Bosco- Explorando o estado
do Rio Grande do Sul de 1835 aos dias de hojeensino fundamental (12 anos) médio (16 e17 anos)escola privada;
Colégio Sinodal-Imperatriz Leopoldina-O impacto
sócio-ambiental provocado pela ocupação humana
em áreas de banhados-ensino médio (16 anos), escola
privada;
Escola Pindorama-O bairro Hamburgo Velho (19962001)-Como a ocupação humana modificou o meioambiente-ensino fundamental (10 anos), escola
privada;
Instituto Estadual de Educação Prof. Pedro
Schneider-Reservatórios artificiais e a distribuição de
energia na região Sul do Brasil- ensino médio (15
anos), escola pública;

Durante o desenvolvimento dos projetos (de agosto a
dezembro) o INPE prestou orientação aos professores de
como utilizar os dados de sensoriamento remoto em sala
de aula.
Isto foi feito por meio de encontros mensais de avaliação
dos projetos (Setembro, Outubro re Novembro) no
Campus da UNISINOS, onde o coordenador do Projeto
no INPE orientava os professores. Com os instrutores do
INPE estão sediados em São José dos Campos, a 1200
km de distância das escolas, nos períodos entre uma
reunião de avaliação e outra a comunicação era realizada
por meio da Internet

3 - RESULTADOS
Os professores e os estudantes estavam bastante
motivados com este projeto. Durante sua realização
desenvolveram as seguintes atividades:
· Geração de mapas;
· Desenvolvimento de maquetes;
· Geração de gráficos e tabelas com dados sobre os
temas estudados;
· Visitas técnicas as instituições que desenvolvem
atividades relativas aos temas dos projetos;
· Trabalho de campo na área de estudo do projeto;
· Coleta de dados na área de estudo do projeto;
· Coleta de dados em instituições públicas e privadas
que exercem atividades relacionadas com os temas
dos projetos (hospital, agricultura, meteorologia,
cartografia, planejamento urbano e Trensurb);
· Monitoramento ambiental e de mudanças de áreas
urbanas;
· Monitoramento climático utilizando dados históricos;
· Busca por imagens de satélite na internet;
· Busca por imagens temporais e dados temporais
auxiliares;
· Busca por dados antigos (fotografias, fotografias
aéreas, mapas, dados estatísticos);
· Algumas escolas convidaram profissionais para
proferirem palestras sobre o tema desenvolvido no
projeto.
Uma segunda edição está programada para 2004, sendo
que o curso de treinamento será oferecido no período de
05 a 10 de agosto de 2004 por ocasião da 4ª Jornada de
Educação em Sensoriamento Remoto no Âmbito do
Mercosul, a ser realizada no Campus da UNISINOS.
Neste próximo curso será oferecido também capacitação
em técnicas de SIG e os professores serão encorajados a
desenvolverem projetos em sala de aula com este recurso.
4 - CONCLUSÃO
Ao final do Projeto Piloto foi possível concluir que:
·
·

·

A comunicação por Internet foi largamente utilizada
pelos alunos para contatar os pesquisadores do INPE e
solicitar orientação bem como dados de satélite.
·

Os professores gostaram muito da experiência e eles
pretendem
continuar
utilizando
dados
de
sensoriamento remoto em sala de aula;
Os professores estão muito interessados em
participar de futuros cursos de treinamento sobre
sensoriamento remoto e técnicas de SIG para
aumentar os seus conhecimentos nesta área;
Este Projeto Piloto foi realmente uma experiência
enriquecedora e uma atividade desafiadora para
todos os estudantes. Muito freqüentemente os pais
estavam envolvidos no desenvolvimento de algumas
tarefas
Os temas escolhidos e as atividades desenvolvidas
nos projetos foram além da expectativa inicial
proposta pela coordenação do Projeto Piloto;

4ª Jornada de Educação em Sensoriamento Remoto no Âmbito do Mercosul ­ 11 a 13 de agosto de 2004 ­ São Leopoldo, RS, Brasil

·

·

·

·

Alguns projetos forma desenvolvidos pelas as
escolas na forma de um pequeno projeto científico
em sensoriamento remoto. Os estudantes e os
professores estavam realmente envolvidos com estas
atividades e os professores aproveitaram a
oportunidade para introduzir metodologia e
procedimentos científicos, para os estudantes, como
exemplo tem os projetos desenvolvidos pelos
Colégios Israelita, Sinodal e São José. Este projetos
escolares eram verdadeiros mini-projetos de
pesquisas científicas;
Initially the students' seminar was not planned; just
the teachers' seminar was planned for the end of the
Pilot Project. The students have decided to give
presentations about their activities during the project
and the results they have gotten. This seminar was
much more important and fruitful then the other one;
In the exposition are there was a PC available, with
all students presentation files, to be accessed by the
exposition visitants. This PC was surrounded by the
students and visitants all the time;
O resultado do Projeto Piloto foi uma excelente
oportunidade para o Projeto EDUCA Sere Project
melhorar a informação sobre o uso de sensoriamento
remoto em sala de aula.

Como uma conseqüência deste Projeto Piloto em 2004, o
INPE e a UNISINOS estão oferecendo outro treinamento
com conseqüente desenvolvimento de projetos escolares.
O INPE e a UNISINOS estão assinando um convênio
para continuar com esta parceria na área educacional. A
idéia e que este programa seja realizado de forma
continuada, com edições anuais..
Esta duas instituições pretendem:
·

·

Criar uma atividade de pesquisa para o
desenvolvimento de curricula e material didático em
sensoriamento remoto e SIG para serem integrados
ao curricula regular das escolas de ensino
fundamental e médio;
Desenvolver e estabelecer um curso de
especialização on line (360horas), para professores
do ensino fundamental e médio, sobre o uso de
sensoriamento remoto e SIG em sala de aula.

Existem muitos cursos de especialização na área de
sensoriamento remoto e sistemas de informações
espaciais ao redor do mundo, mas todos eles são
dedicados à profissionais que desenvolvem projetos de
aplicações ou pesquisas. Normalmente estes profissionais
estão envolvidos com a área de recursos natural e meio
ambiente, portanto o uso destas tecnologias é algo natural
em suas atividades profissionais.
Porém, isto não acontece com os docentes do ensino
fundamental e médio. Normalmente eles não têm
nenhuma informação sobre sensoriamento remoto e SIG e
como eles podem ser úteis como recurso didático. A idéia

desta especialização é capacitor os docentes nestas
tecnologias e auxiliá-los a educarem os estudantes,
tornando suas aulas mais atraentes e incorporando novas
tecnologias em sala de aula, como recomendado nos
PCNs.
Ao final do Programa EDUCA SeRe do projeto espera-se
que esta metodologia seja adotada nos cursos de
licenciatura dedicados a formar professores para o ensino
fundamental e médio nas áreas de geografia, ciências
naturais, física, química, etc.