Departamento de Geociências
Laboratório de Pesquisas Urbanas e Regionais
Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
HOMENAGEANDO LÍVIA DE OLIVEIRA
|Londrina 2005|

Cultura, mundo-vivido e território
Lurdes Bertol Rocha
Professora do curso de Geografia do Departamento de Ciência Agrárias e Ambientais (DCAA) da
Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Doutoranda em Geografia
na Universidade Federal de Sergipe.
[email protected]

Maria Geralda Almeida
Professora Doutora do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Goiás (UFG).
[email protected]

RESUMO

O artigo em pauta procura fazer uma análise dos fenômenos geográficos numa abordagem cultural,
concebendo o território como lugar do mundo-vivido. Na Geografia Cultural, território não é categoria
enquanto elemento de apropriação. Diferencia-se do território ratzeliano compreendido como área
delimitada. Diferencia-se da análise dentro da Geografia Crítica em que o vivido é definido pelas relações
de trabalho. Na Geografia Cultural, território é o lugar do vivido a partir do percebido e do concebido, ou
seja, do mundo-vivido. Cultura, nessa acepção, é definida pelas relações históricas de um povo, que dão
sentido ao mundo vivido num território que se torna lugar.

INTRODUÇÃO
Ao se pensar cultura, mundo-vivido e território, temos uma visão de conjunto, isto
porque uma coisa não existe sem a outra. Temos a visão e a compreensão do todo. Ao
falar ou ao escrever sobre o assunto, somos cartesianos, pois não há como falar num
conjunto, no todo. Enquanto em pensamento é visão e compreensão simultâneas, ao
escrever, apresentar, comunicar, os fatos são sucessivos. Neste artigo, a intenção é
discutir cultura, mundo-vivido e território, de forma a dar a entender, da melhor forma
possível, a visão do todo. No entanto, foi necessário discutir cada tema em separado,
pois, em uma apresentação, não há como tratá-los num conjunto, já que o pensamento,
por ser abstrato, percebe o todo, mas na forma concreta do real, do escrito, do
apresentado, do falado, os temas, as coisas aparecem em separado, de forma sucessiva.
Vemos cada coisa de vez. Falamos cada coisa de vez. Escrevemos cada coisa de vez.
Pensamos o todo. É a contradição. Mas é através dela que o mundo é compreendido.

-2-

CULTURA E GEOGRAFIA CULTURAL
No final do século XIX e início do século XX a Geografia européia já se ocupa da
dimensão cultural da sociedade. O foco central do interesse dos geógrafos europeus,
neste período, está centrado no resultado da ação humana responsável pela alteração da
paisagem natural. Era essa alteração que produzia cultura, caracterizada por um gênero
de vida, resultante das relações de um determinado grupo humano e a natureza. Nos
Estados Unidos a Geografia Cultural ganha identidade através das obras de Carl Sauer e
seus discípulos, a qual está ancorada no historicismo. A partir do final da década de
1970 e na década de 1980, a Geografia sob a abordagem cultural inicia um processo
de renovação, quando sofre diversas influências. Entre essas influências, contam-se, além
da "tradição saueriana e do legado vidaliano (...) a influência das filosofias do
significado, especialmente da fenomenologia, e do denominado materialismo cultural de
Raymond Williams" (CORRÊA; ROSENDAHL, 2003, p. 12).
No final do século XIX domina na Geografia a perspectiva material, na qual os
seres humanos são considerados produto do meio. A ciência geográfica contenta-se com
"a tipologia das paisagens e com o inventário das combinações produtivas (gênero de
vida, ou modos de produção), que permitem explorar o ambiente" (CLAVAL, 2001, p.
41). A partir dos anos oitenta do século XX, aborda-se, na Geografia, a dialética das
relações que ocorrem no espaço, as relações com o meio ambiente e com o papel das
paisagens. Esta Geografia é a Geografia Cultural.
Na realidade, não existe uma Geografia Cultural. O que existe é uma visão
geográfica de mundo sob o enfoque da cultura, como poderia ser sob o enfoque da
economia, dos aspectos físicos, dos aspectos climáticos, e assim sucessivamente. Admitir
a ciência geográfica subdivida em compartimentos a partir de sua adjetivação, seria o
mesmo que aceitar que existem tantas Nossas Senhoras quanto seus cognomes (de
Fátima, de Lourdes, da Conceição, do Bom Parto, etc.), ou tantos Jesus quanto seus
apelidos (Menino Jesus de Praga, de Nazaré, Senhor do Bonfim, entre outros).
Até o aparecimento da Escola de Berkeley, liderada por Carl O. Sauer, nos
Estados Unidos, os fatos da cultura são tratados em seu aspecto material, constituídos por
objetos criados pelos grupos humanos, pelos seus gêneros de vida, através dos quais
criam e transformam as paisagens. É a visão naturalista na Geografia, herdada do
darwinismo. Nesta forma de tratar os fatos culturais, não são levadas em conta as
atividades mentais dos que detêm a cultura e "nem das relações que se desenvolviam
entre si em tal ou tal lugar" (CLAVAL, op. cit. p. 35). Ainda de acordo com o mesmo
autor, a modernização da Geografia Cultural advinda do final do século XIX ocorrerá em
fins da década de 1950, estendendo-se pela de 1960. A nova geografia "de inspiração
econômica, dedica-se à localização das atividades humanas" acreditando que os "atores
geográficos são perfeitamente racionais e procuram maximizar as rendas que extraem de
suas atividades e os ganhos assegurados por seus recursos". Alguns geógrafos, contudo,
como Wirth e Planhol, consideram tal visão muito simplificadora, pois, para eles "a lógica
do comportamento humano não é universal, depende das crenças religiosas ou
filosóficas" (ibidem, p. 36-37).

Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-3-

Não é fácil definir cultura, visto ter inúmeros significados em diversos contextos,
inserida em diferentes territórios. O conceito de cultura mais aceito pela Geografia é o da
Antropologia Cultural, pois esta reconhece que os seres humanos vivem num mundo que
foi construído por eles mesmos e nele encontram significado. A cultura é constituída pelo
mundo cotidiano vivido por todos nós e onde todos nos movimentamos, relacionandonos entre nós e com o entorno. Este mundo vivido acontece num território, cujas
territorialidades se definem pelas diferenças culturais e onde o poder se manifesta.
Os grupos humanos possuem símbolos, língua, costumes, religião, crenças que os
distinguem uns dos outros. A diferença é que faz a beleza do mosaico dos povos.
Normalmente, cada grupo com características culturais diferentes dos outros, habita um
território contínuo com suas diversas territorialidades onde o poder é exercido, onde seu
mundo é vivido, percebido e concebido. Essas diferenças é que constituem a cultura, que
se manifesta através de uma linguagem verbal, com suas músicas, língua, mitos, lendas,
crenças, e não-verbal, com seus símbolos, ícones e índices.
A cultura, mais do que isso, é o resultado da capacidade que os seres humanos
têm de se comunicar entre si por meio de símbolos (WAGNER; MIKESELL, 2003, p. 28).
Estes símbolos são representações de suas crenças, superstições, usos, costumes, língua,
religião, que faz com que as pessoas de determinado grupo entabulem conversas, criem
modos de vida, construam suas casas, seus jardins, suas estradas, suas lavouras, suas
cidades, suas indústrias, seu cotidiano. A cultura é o resultado natural da interação entre
o homem e a natureza e do homem com seus semelhantes, podendo ser compreendida
como um processo de produção da própria existência humana. A cultura é o resultado de
seu mundo de acordo como o vivem, o percebem e o concebem.
De acordo com Laraia (2004, p. 25-28), o termo cultura surge no século XVIII, na
Alemanha (kultur), significando os aspectos espirituais de uma comunidade. Já na França
o termo utilizado é civilization, referindo-se em especial aos feitos materiais de um grupo
humano. O inglês Edward Tylor sintetiza os dois conceitos na palavra inglesa culture,
estando embutidos nele crenças, costumes, leis morais, arte, e tudo que se refere à
capacidade humana de aquisição de hábitos de toda natureza por parte de membros de
uma comunidade ou de uma sociedade. Tylor, em 1871, conceitua cultura como sendo
"todo o comportamento apreendido, tudo aquilo que independe de uma transmissão
genética" (p. 28). Kroeber, em 1917, define, de vez, a supremacia do cultural sobre o
biológico. Assim, a comunicação seria o processo cultural responsável pela difusão das
diferenças de comportamentos, costumes, construção e organização dos objetos no
espaço. E essa cultura não teria como se expandir não fosse a linguagem em suas
diversas acepções. E, em sendo a linguagem humana um produto da cultura, "não
existiria cultura se o homem não tivesse a possibilidade de desenvolver um sistema
articulado de comunicação oral" (p. 52).
A consciência do ser humano se constitui a partir das experiências vividas em seu
meio ambiente, através de cujos objetos se põe em contato e se relaciona com o mundo.
A fenomenologia, estruturada por Husserl, vem para dizer que o sujeito não pode estar
separado do objeto, observando-o como se ele (o sujeito) fosse um fenômeno à parte,
neutro, que não tivesse liames e conexões com o objeto. Ambos estão intimamente
ligados, e os objetos construídos pelo homem são o seu reflexo, assim como o homem o
Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-4-

é dos objetos que cria para sua melhor inserção e vivência no mundo. De acordo com
Lencione (2003, p. 151) a fenomenologia se faz presente na Geografia em 1964, com o
trabalho de Julian Welport que, ao discutir a migração, insere em sua análise a dimensão
subjetiva dos indivíduos estudados a fim de poder entender os motivos que os levaram a
migrar.
Diegues Júnior (1960) faz um ensaio de classificação cultural do Brasil, a partir de
regiões culturais. O autor considera região no sentido de um conjunto de pessoas que
estão próximas pela unidade das relações espaciais, da economia e de características
sociais, o que lhe daria um tipo próprio de cultura, diferindo de uma região para outra.
Para o autor, as regiões culturais seriam "espaços territoriais definidos por certas
características que dão unidade de idéias, de sentimentos, de estilos de vida a um grupo
populacional" (p. 7). Na realidade, o autor toma como base de sua análise, a aplicação
de um conceito de região cultural baseado nas relações entre o meio físico e as
condições econômicas, caracterizando a cultura brasileira a partir do processo de
ocupação humana. Divide as regiões culturais brasileiras em Nordeste agrário do litoral,
Nordeste mediterrâneo, Amazônia, Centro-Oeste, Extremo Sul, de colonização
estrangeira, a do café e a da faixa industrial, tendo como base as características étnicas,
sociais e econômicas. Sintetizando seu estudo, apresentamos a seguir um quadro que
resume sua idéia.

Regiões culturais brasileiras
Regiões
culturais

Características do ponto de vista:
Étnico
Social
Econômico
Nordeste
Mestiçagem
maior Função
social, Economia açucareira, a
agrário
do entre brancos e negros econômica, demográfica princípio com o engenho
litoral
(mulato).
e política da casa e depois com a usina.
grande,
símbolo
do Responsável principal pela
engenho de açúcar.
formação da sociedade
agrária,
de
linhas
aristocráticas,
de
características patriarcais.
Nordeste
Aberto à ocupação Os currais e depois as Economia baseada na
Mediterrâneo humana
com
a fazendas
de
criação pecuária.
expansão das correntes representam o principal
litorâneas. A sociedade centro social.
que se forma tem no
vaqueiro o seu tipo
humano característico.
Mestiçagem
entre
brancos
e
índios
(mameluco).
(continua)

Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-5(conclusão)

Regiões
culturais

Características do ponto de vista:
Étnico

Social

Amazônia

A presença do indígena O seringal - o centro
é básica
social mais expressivo,
com a exploração da
borracha; a floresta e a
água
influem
na
formação de mitos e
crendices, e na rarefação
demográfica.
Centro-Oeste Ocupação
humana Áreas
de
extração
iniciada
com
a mineral,
mais
tarde
mineração, de breve fazendas e pequenos
esplendor. O elemento sítios
como
centros
humano predominante sociais.
é
o
português,
mestiçado
com
o
indígena.
Extremo Sul
Sua formação decorre A estância é o núcleo
da
expansão
de social mais característico
correntes
paulistas, e expressivo. Aqui surge
nordestinos
e o gaúcho, tipo humano e
fluminenses e de ilhéus, social definido.
vindos no século XVIII.
A
de Formada por correntes Características culturais
colonização
imigratórias,
não portuguesas.
estrangeira
inicialmente alemães e
italianos,
depois
poloneses,
russos,
árabes, e mais tarde
suábios, holandeses e
japoneses.
Elas
ocupam faixas vazias
do extremo sul (RS, SC,
PR).
A do Café
Trabalho escravo no A fazenda de café é seu
período da exploração núcleo
característico,
cafeeira (RJ, MG e dela irradiando-se a
parte de SP); trabalho influência
social
e
livre do imigrante do política; daí saíram os
sul de MG e parte de barões do café, ministros,
São Paulo.
senadores do império.
Faixa
industrial

Econômico
Extrativismo, a princípio
de drogas e depois da
borracha.

Mineração,
extração da
gado,
agricultura.

depois
erva-mate,
pequena

Pecuária - sua principal
atividade
econômica;
persiste
apesar
da
diversificação
Economia baseada na
lavoura de base familiar.

Economia
agrícola
baseada
em
grandes
fazendas de café.

Surgida sobre zonas de Transformações sociais Economia baseada nas
antiga
ocupação surgidas pela ocupação indústrias
implantadas
cafeeira
das indústrias nas antigas com o capital proveniente
áreas cafeeiras.
do café.

Fonte: DIÉGUES JÚNIOR, 1960 p. 20-22
Elaboração: Lurdes Bertol Rocha

Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-6-

Além das regiões culturais do quadro acima, o autor apresenta outras três, ainda
não consolidadas como independentes: a marcada pelo cacau no sul da Bahia; a região
sal, em parte do Rio Grande do Norte e do Rio de Janeiro; e aqueça da pesca na faixa
litorânea, onde se fixaram populações ligadas à vida do mar (p. 22).
Como se observa, o autor em pauta leva em conta os aspectos materiais como
sendo os mais importantes componentes que definem uma cultura, localizada num
espaço euclidiano, com fronteiras bem definidas, caracterizando a influência do
positivismo na Geografia à época em que é feito o estudo.
A transformação na forma de analisar os fatos culturais a partir da década de
1970, ocorre devido à constatação de que a organização social dos grupos humanos,
sua vida, seu dia-a-dia, não são reflexos puramente materiais, mas expressam também
sua dimensão psicológica, suas crenças, suas atividades mentais, enfim, a forma como
percebem o mundo de sua vivência e de sua experiência.
Existem alguns (pré)conceitos culturais que vêm de muito longe no tempo e que se
cristalizaram na mente de muitas pessoas, difíceis de serem expurgados, apesar do
avanço da ciência, da técnica, da informação. Dentro dessa lista estão as idéias do índio
indolente, da preguiça do brasileiro herdada do negro, do judeu comerciante e avarento,
dos japoneses trabalhadores e traiçoeiros, da inteligência superior dos nórdicos, da
superioridade do sexo masculino, da fragilidade do sexo feminino, entre tantos outros.
Isto constituiria o determinismo biológico. Os antropólogos, todavia, estão convencidos
de que "as diferenças genéticas não são determinantes das diferenças culturais" (LARAIA,
2004, p. 17). Mas existe também o determinismo geográfico. Este consiste, no final do
século XIX, em considerar que "as diferenças do ambiente físico condicionam a
diversidade cultural (...) explicações existentes desde a Antigüidade, do tipo das
formuladas por Pollio, Ibn Khaldun, Bodin e outros" (p. 21).
Com relação à identidade cultural, Hall (2003) distingue três conceitos que se
processaram ao longo do tempo: sujeito do Iluminismo, sujeito sociológico e sujeito pósmoderno. O sujeito do Iluminismo é baseado num indivíduo centrado, unificado, um
sujeito que, do nascimento à morte, é o mesmo. O sujeito sociológico "refletia a
crescente complexidade do mundo moderno (...) formado na relação com outras pessoas
importantes para ele" (p. 11). O sujeito pós-moderno, ao contrário do sujeito do
Iluminismo, não tem uma identidade fixa, essencial ou permanente. Essa identidade é
"definida historicamente e não biologicamente. O sujeito assume identidades diferentes
em diferentes momentos, identidades que não são unificadas ao redor de um `eu'
coerente" (p. 13). Dessa forma, para Hall, "a identidade plenamente unificada, completa,
segura e coerente é uma fantasia" (ibidem).
É possível concordar com o conceito de identidade cultural do sujeito pósmoderno apresentado por Hall, em parte, tendo em vista a rápida difusão das idéias, dos
costumes, do consumo, chegados a qualquer grupo humano de qualquer canto do
planeta que tenha acesso às tecnologias modernas. No entanto, cada povo mantém
elementos culturais que lhe são específicos, como a língua, costumes locais, crenças,
formas de encarar a vida. Contudo, rapidamente, alguns costumes (monogamia, direitos
iguais entre homens e mulheres), língua (inglês), crenças religiosas (tolerância), idéias
Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-7-

políticas (democracia, por exemplo), se impõem, cada vez mais, no mundo como um
todo. Portanto, acredita-se que hoje seja raro encontrar um grupo humano com uma
identidade cultural única, ímpar, totalmente livre de influências de outras sociedades
humanas, mas, por outro lado, não há como negar a
diversidade cultural entre os
povos, o que os torna únicos, apesar da globalização.

MUNDO-VIVIDO
A França foi o país onde se começa a estudar os espaços vividos de forma
independente, desvinculado do humanismo fenomenológico anglo-saxão. Gomes (1996,
p. 317) escreve que as bases dos estudos do espaço-vivido, também chamado de
mundo-vivido, estão na escola francesa de Geografia, sobretudo em Vidal de La Blache e
Deffontaines. Segundo o mesmo autor, foi Frémont que estudou as regiões sob o ângulo
do espaço vivido, tornando-o uma dimensão da experiência humana dos lugares. Daí o
espaço vivido ser "compreendido como um espaço de vida, construído e representado
pelos atores sociais que circulam neste espaço" (p. 319). Esta forma de pensar o espaço
geográfico é também encontrada na corrente fenomenológica, cujas primeiras referência
se encontram em Sauer, sem, no entanto, ter utilizado a expressão que o caracterizasse
como engajado nesta corrente. Somente a partir dos anos 1970, Relph (1979) e Yi-FuTuan (1980; 1983) aplicam os conceitos de fenomenologia à Geografia de forma mais
clara.
Para Relph (1979), o mundo-vivido se apresenta sob três aspectos: natural, social
ou cultural e geográfico. O mundo-vivido natural é pré-determinado, onde coisas, formas
e pessoas possuem modos variantes e sentimentos. Este mundo é visto e sentido pelas
pessoas, no qual elas estão apenas implicadas numa situação que lhes é dada. É o
mundo real do espetáculo, presente e não representado. O mundo-vivido social ou
cultural é constituído pelos seres humanos, suas ações, seus interesses, seu trabalho, suas
lutas, seu cotidiano. É o mundo onde as pessoas se inter-relacionam, fazem uso de uma
linguagem comum, relacionam-se com instituições sociais, culturais, edifícios, obras de
arte, enfim, fazem parte de um mundo que não é pré-determinado, mas vai se fazendo de
acordo com os aconteceres da sociedade em sua intersubjetividade e sua interconexão
com o meio ambiente. Citando Husserl (p. 6), este mundo-vivido compreende "os seres
humanos com toda a ação e interesse humanos, trabalhos e sofrimentos". Relph
complementa, afirmando que "o mundo é visto e experienciado não como uma soma de
objetos mas como um sistema de relações entre o homem e suas vizinhanças, como focos
de seu interesse" (p. 7). O mundo-vivido geográfico é formado tanto do mundo natural
quanto do construído pelo homem, constituindo-se em seu ambiente que "provê sustento
e uma moldura para a existência" (p.7). O mundo-vivido geográfico, segundo Relph, é o
mundo dos espaços, das paisagens, dos lugares, onde a vida cotidiana se faz, se
manifesta e se perpetua. Concordando com Dardel (p. 7), questiona: "na análise final, a
geografia não é um modo particular de sermos inspirados pela terra, pelo mar, pela
distância, de sermos dominados pelas montanhas, guiados por direções e tornada real
pela paisagem?" Em resumo, o mundo vivido se apresenta conforme o quadro abaixo:

Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-8-

Mundos-vividos natural, social ou cultural e geográfico
Natural
Mundo pré-determinado ou
natural de coisas, formas ou
de pessoas.

Social ou cultural

Geográfico

Compreende os seres
humanos com toda ação e
interesse humanos, trabalhos e
sofrimentos.

Mundo experienciado como
cenário, tanto o natural como
o construído pelo homem, e
como ambiente que provê
sustento e moldura para a
existência

Mundo que vemos e sentimos,
mas no qual estamos apenas Mundo da intersubjetividade,
inseridos.
linguagem comum, contato
com outras pessoas, edifícios e
A experiência que se tem nele obras de arte.
não é delimitada como numa
obra de arte: "não há
Mundo de tudo que não é
moldura, nem é fixa, e a luz
meramente pré-determinado
muda e as nuvens passam."
mas usado, transformado e
manipulado.
"(...) não tenho apenas um
mundo físico, não vivo apenas
no meio da terra, ar, e água,
tenho em torno de mim
estradas, plantações, cidades,
ruas, igrejas, implementos, um
sino, uma colher, um
cachimbo..." (Merleau-Ponty,
1962). p. 6

"É nos lugares onde vive e
através do manejo dos
campos, rios e pradarias, no
curso de sua vida e no
movimento de coisas e
pessoas, que o homem
externa
sua
relação
fundamental com a Terra".
(Dardel, 1952). p. 7.
"A Geografia não é um modo
particular
de
sermos
inspirados pela terra, pelo
mar, pela distância, de sermos
dominados pelas montanhas,
guiados por direções e
tornada real pela paisagem?"
(Dardel, 1952). p. 7.

O mundo é visto e
experienciado não como uma
soma de objetos mas como um
sistema de relações entre o
homem e suas vizinhanças,
como focos de seu interesse.
Fonte: RELPH, 1979, p. 1-25.
Elaboração: Lurdes Bertol Rocha

O mundo-vivido seria, portanto, tudo aquilo que se desenvolve no espaçogeográfico, formado pelas pessoas, pelos objetos, pelas relações intersubjetivas e com as
coisas, as instituições, os fluxos que levam mercadorias, idéias, pessoas, informações.
Este mundo-vivido geográfico tanto pode ser o de uma rua, de uma cidade, de uma
paisagem.
Segundo Relph (1980, p. 4), "os fundamentos do conhecimento geográfico
repousam na experiência direta e da conscientização do mundo em que vivemos".
Citando David Lowental, diz que "qualquer um que examine o mundo ao seu redor é, de
alguma forma, um geógrafo", já que desenvolve uma epistemologia geográfica, a qual é
fundada nas experiências diretas, memória, fantasia, circunstâncias presentes e propósitos
futuros (ibidem). Isto se constituiria no mundo-vivido, cujo estudo é feito, na Geografia,
pelo viés da Fenomenologia, corrente filosófica que procura "levantar as experiências
Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-9-

concretas do homem e encontrar nestas experiências uma orientação que não as limite a
uma simples sucessão" (HOLZER, 1997, p. 78).
Em resumo, para Relph (1980, p. 61), a identidade do lugar é formada de três
componentes inter-relacionados: características físicas ou aparências, atividades
observáveis e significados ou símbolos. Seguindo na mesma linha, para Tuan (1983), o
mundo geográfico é formado pela inter-relação do espaço como experienciado,
paisagem como a superfície que limita o espaço e o lugar como centro de significados no
espaço e paisagem.

TERRITÓRIO. TERRITORIALIDADE
Território, territorialidade, territorialização, desterritorialização, reterritorialização,
são palavras e/ou conceitos que, ao longo do tempo mudaram, transformaram,
contradisseram, renovaram, ampliaram seu significado. Apesar de toda essa dança, a raiz
da palavra é uma só: terra. Mas a palavra terra também sofreu os mesmos processos de
mudanças de significado. Aliás, como tudo na vida de qualquer coisa que tenha
existência material ou não.
Espaço, território, territorialidade são conceitos polissêmicos. O histórico de seu
uso tem mudado ao longo do tempo e das ciências que os utilizam. No caso das
reformulações feitas na Geografia nos Estados Unidos e na França a partir de década de
1970, e no Brasil, na década de 1980, novas abordagens filosóficas são introduzidas,
em espacial a abordagem fenomenológica e a marxista, quando se enfatizam as
"investigações mais materiais, valorizando as perspectivas individual, cultural e, em
termos mais gerais, a social" (MACHADO, 1997, p. 23).
Enquanto para a etologia território é uma área fechada, delimitada por fronteiras,
de dominação exclusiva de membros específicos de uma determinada espécie animal,
para as sociedades humanas o território não é necessariamente fechado nem contínuo, e
nem leva a um comportamento único e estável (BONNEMAISON, apud HOLZER, op. cit.
p. 83). O território envolve não só o aspecto físico ou material, mas também tudo aquilo
que uma sociedade "pode comportar como ideal, como representações, sentimentos de
vinculação, de comportamentos individuais ou de instituições que participam de uma
organização espacial" (MACHADO, op. cit. p. 26). Em outros termos, o território é
concebido como um produto da história da sociedade, e, em sendo assim, está sempre
em processo de mudança.
A expressão território e seus correlatos, constituem-se em termos utilizados tanto
pelas Ciência Sociais quanto pelas Ciências Naturais. O termo território passou a ser um
conceito científico a partir do momento em que os ornitólogos definiram territorialidade
como sendo a conduta que um organismo toma para definir e tomar posse de um
território, defendendo-o contra possíveis invasores de sua própria espécie.
Há tempos em que o uso do conceito território está no auge. Na atualidade o
termo território está em voga, disputando com região, lugar, espaço. No entanto, é
necessário ter um olhar mais acurado para não tomar um termo pelo outro, já que cada
Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-10-

um, dentro da ciência geográfica, tem um significado específico, portanto, seu lugar bem
demarcado.
Na biologia, território é o espaço de domínio de um determinado animal que o
exerce de forma mais intensa no centro, diminuindo seu poder na periferia, onde começa
o de outro animal. Na ciência geográfica, seu uso começou a partir do final do século
XIX, com Friedrich Ratzel, que se preocupa com o papel do Estado no controle do
território; por Elisée Reclus, no estabelecimento das relações entre as classes sociais e a
ocupação e dominação do território (ANDRADE, 1994, p. 213).
O termo território, de maneira geral, é utilizado para indicar domínio ou gestão de
uma determinada área. Nesse caso, não pode ser confundido com lugar, que pressupõe
afetividade, pertencimento, topofilia; não pode ser confundido com região, que se refere
à administração e/ou área onde predomina determinada cultura agrícola, pecuária,
indústria, etc; nem pode ser confundido com espaço, que se refere ao locus onde os fatos
sociais, políticos, culturais, religiosos, naturais, etc. ocorrem, seja na forma de território,
de lugar, de região. Espaço, como escreveu Kant, citado por Reynaud (1986, p. 6):
é uma representação necessária a priori, que serve de fundamento a todas as
percepções exteriores. (...) O espaço é considerado como a condição de
ocorrência de fenômenos, não como uma determinação dependente deles, e
constitui uma representação a priori que serve de fundamento, de uma maneira
necessária, aos fenômenos exteriores.

O território, em si, não é uma categoria de análise. O que o constitui como tal é o
território utilizado, ou seja, o espaço geográfico. Na análise do território usado deve-se
levar em conta a materialidade, incluindo aí a natureza e o uso que é feito dela pelas
sociedades humanas através do trabalho e da política. No território leva-se em conta,
também, os fixos (o que é imóvel) e os fluxos (o que é móvel), de acordo com Santos e
Silveira (2001, p. 247). E, para Milton Santos (1994, p. 15), no território "o que ele tem
de permanente é ser nosso quadro de vida".
O território pode ser considerado como um conjunto de sistemas naturais
acrescidos dos fenômenos históricos materiais impostos pelo homem. É formado pelo
conjunto indissociável do substrato físico, natural ou artificial, mais as bases técnicas e as
práticas sociais. Os acréscimos são destinados a permitir, em cada época, uma nova
modernização, que é sempre seletiva. Por exemplo, o acréscimo das ferrovias na segunda
metade do século XIX e as infovias, hoje. A partir do Estado Moderno tudo isso constituiuse como base da soberania nacional e da competição entre as nações. Com a
globalização, o território passa a ter mais importância ainda, pois o mundo possibilita
multiplicar a produtividade com as técnicas contemporâneas através dos lugares
conhecidos em sua realidade material e política, sendo que os lugares se distinguem pela
diferente capacidade de oferecer às empresas uma produtividade maior ou menor.
Na leitura da análise crítica, território implica, não apenas na ocupação, mas na
apropriação, pois apropriar-se do território, é ter a prerrogativa do controle, do domínio
sobre determinada área. Para a Geografia Crítica, o valor do espaço territorializado é o
direito do valor do uso e do controle desse espaço. Por essa razão, o MST usa o território
como categoria de análise, porque para o movimento, a questão não é distribuir
Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-11-

propriedades, mas é o direito do controle, da apropriação, do uso. No caso da cultura
como identidade territorial, a forma de conceber território muda, pois ele passa a ser o
lugar da vivência, da experiência, do mundo-vivido.
Bonnemaison e Cambrezy (1996, p. 7) mostram os conceitos de território
cartesiano e da pós-modernidade. Segundo os autores, o território cartesiano "é uma
entidade, uma parte situada no espaço (lugar) situado dentro de um espaço fechado, um
polígono formado de fronteiras". Na pós-modernidade o território tem o sentido de
pertencimento, que resulta da representação e da identidade cultural e não mais da
posição de uma área fechada por fronteiras. É diferente do território ratzeliano, pois o
que define o território é a identidade cultural. Nessa concepção, de cunho histórico, é a
cultura que define o vivido.
A percepção espacial faz parte da dimensão de complexos de imagens que as
pessoas fazem de seu entorno. Como conseqüência dessa percepção, surge a
territorialidade, a qual varia de acordo com o condicionamento cultural, meio social e
atitudes políticas e motivações ideológicas, segundo Sanguin (1977, p. 46). Para este
autor, a territorialidade é veiculada às crianças e aos jovens pelo ensino de História e
Geografia, que os leva a ter mapas mentais distintos do território nacional. Assim, por
exemplo, quando as crianças americanas cantam This Land is my Land, esta música,
fazendo parte da cultura popular, carrega em si um antigo fundo político. O autor afirma
ainda que "os símbolos territoriais se estendem pelas subdivisões do Estado" (p. 50),
dando o exemplo da entoação de Home means Nevada, pelos habitantes de Nevada,
Estados Unidos.
No caso do Brasil, pode-se citar o Hino Nacional, entoado pelos brasileiros, como
símbolo de orgulho e pertencimento a seu território. Ou, quando se ouve ou se canta a
Aquarela brasileira, principalmente se se está no exterior. Alguns ícones/símbolos
brasileiros dão a identidade de um determinado lugar, levando de imediato, assim que se
o vê, àquele território ao qual ele representa, surgindo em seus habitantes o sentimento
de pertencimento: a imagem do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro; as procissões do
Círio de Nazaré, no Pará; as baianas do acarajé, na Bahia; a festa do Bumba-meu-boi,
com dois grupos que disputam o prêmio de melhor performance, representados pelos
bois Garantido e Caprichoso, no Amazonas, as danças folclóricas do Rio Grande do Sul,
entre tantas outras manifestações da identidade cultural no Brasil. E nos estados
brasileiros, as crianças entoam cantos referentes a eles, ou reverenciam bandeiras,
escudos, os quais se constituem em símbolos de seu pertencimento àquele território.
Pelo olhar dos cidadãos de qualquer país, de qualquer estado ou de qualquer
comunidade, sejam quais forem suas crenças, suas leis, seus costumes, suas instituições,
a "territorialidade tem um sentido profundo de pertencimento e de permanência"
(Sanguin, op. cit., p. 50). No entanto, quando a territorialidade significa segregação
religiosa, étnica ou cultural, como no caso dos cristãos e protestantes em Ulster, dos
curdos no Iraque e dos índios no Brasil, os problemas sociais se agravam e muitas vezes
a intervenção do poder do Estado traz problemas difíceis de serem solucionados,
havendo ás vezes, tentativas de extermínio, como foi o caso dos curdos.

Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-12-

FINALIZANDO O ARTIGO
Na Geografia Cultural, território não é categoria enquanto elemento de
apropriação. É diferente do território ratzeliano. É diferente do território dentro da análise
da Geografia Crítica, em que o vivido é definido pelas relações de trabalho que
englobam a existência e a subsistência. Quem define o território, na concepção pósmoderna, é a identidade cultural. Nessa acepção, território é o lugar do vivido a partir do
percebido e do concebido, ou, em outras palavras, o lugar é concebido a partir do
vivido. Para se entender o território, busca-se analisar a identidade cultural através do
coletivo de suas festas, seus ritos, seus mitos, suas crenças, no simbólico, enfim, na sua
história. Cultura, aqui, é definida pelas relações históricas de um povo, que dão sentido
ao mundo-vivido num território que se torna lugar.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ANDRADE, Manoel Correia de. Territorialidades, desterritorialidades, novas
territorialidades: os limites do poder nacional e do poder local. In: SANTOS, M. et al.
(Org.). Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hicitec ­ Anpur, 1994. p.
213-220.
BONNEMAISON, J.; CAMBREZY, L. Le lien territorial entre frontières et identités.
Géographie et culture. Le territoire. Paris, n. 20, p. 7-18, hiver 1996.
CLAVAL, P. O papel da nova Geografia Cultural na compreensão da ação humana. In:
ROSENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L. (Org.). Matrizes da Geografia Cultural. Rio de Janeiro:
EdUERJ, 2001.
CORRÊA R. L.; ROSENDAHL, Z. Geografia Cultural: introduzindo a temática, os textos e
uma agenda. In: CORRÊA R. L.; ROSENDAHL, Z. (Org). Introdução à Geografia Cultural.
Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.
DIEGUES JÚNIOR, M. Regiões culturais do Brasil. São Paulo: INEP, 1960.
GOMES, P. C. da C. Geografia e Modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed. Rio de Janeiro: DP&A Editora,
2003.
HOLZER, W. Uma discussão fenomenológica sobre os conceitos de paisagem, lugar,
território e meio ambiente. TERRITÓRIO. Rio de Janeiro, ano II, n. 3, p. 77-85, jul./dez.
1997.
LARAIA, R. de B. Cultura: um conceito antropológico. 17. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zaar,
2004.
LENCIONE, S. Região e Geografia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo,
2003.

Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|

-13-

MACHADO, M. S. Geografia e epistemologia: um passeio pelos conceitos de Espaço,
Território e Territorialidade. GEO UERJ. Rio de Janeiro: UERJ, Departamento de
Geografia, n. 1, p. 17-32, jan. 1997.
RELPH, E. As bases fenomenológicas da Geografia. Geografia. Rio Claro, v. 4, n. 7, p. 125, abr. 1979.
________. Place and placelessness. London: Pion Limited, 1980.
REYNOUD, Alain. A noção de espaço em Geografia. In: REYNAUD, A. et al. O espaço
interdisciplinar. São Paulo: Nobel, 1986. p. 5-23.
SANGUIN, A-L. La géographie politique. Paris: Presses Universitaires de France, 1977.
SANTOS, M. O retorno do território. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. de.; SILVEIRA, M. L.
Território. Globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 15-20.
SANTOS, M.; SILVEIRA, M. A. Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de
Janeiro: Record, 2001.
TUAN, Yi-Fu. Topofilia. Um estudo da percepção e valores do meio ambiente. São Paulo:
Difel, 1980.
________. Espaço e lugar. A perspectiva da experiência. Tradução de Lívia de Oliveira.
São Paulo: Difel, 1983.
WAGENER, Ph. L.; MIKESEL L, M. W. Os temas da Geografia Cultural. In: CORRÊA, R.
L.; ROSENDAHL, Z. Introdução à Geografia Cultural. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,
2003. p. 27-61.

Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio Ambiente
|Londrina 2005|