ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

O uso das TICs como ferramenta de ensino-aprendizagem no Ensino Superior
Use of technologies of information and knowledge as teaching-learning tools
in higher education
Alex Sander Miranda Lobo
Professor de Sistemas de Informação do IFMG
Campus Ponte Nova, MG, Brasil
[email protected]
Luiz Cláudio Gomes Maia
Doutor em Ciência da Informação pela UFMG, Professor da
Universidade FUMEC, Belo Horizonte, Brasil
[email protected]
Artigo recebido para revisão em 23/02/2015 e aceito para publicação em 19/05/2015

Resumo
Este ensaio buscou apresentar algumas formas de utilização das Tecnologias da Informação e
Comunicação (TIC) no sistema superior de ensino, como apoio ao ensino-aprendizagem e seus
desdobramentos. Foi feita uma revisão literária com intuito de mostrar alguns caminhos e práticas
para o ensino-aprendizagem, qual o perfil do novo docente frente a estas novas tecnologias, seu
papel na utilização das mesmas e o resultado esperado quando da utilização das mesmas. Algumas
ferramentas de TIC, que podem ser utilizadas em pesquisas, exposição de conteúdo e disseminação
de conhecimento são apresentadas para este contexto. Como resultados percebemos que a
tecnologia é uma auxiliar muito importante no processo de ensino, cabendo às instituições de ensino
propor currículos bem elaborados; aos professores serem capacitados e interessados em melhorar
constantemente as aulas; os alunos terem interesse e não serem passivos, buscarem constantemente
adquirir novos conhecimentos.
Palavras-Chave: Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Ensino-Aprendizagem (EA).
Ensino Superior.
Abstract
This article aims to present some uses of Information and Communication Technologies (ICT) in
teaching superior system to support the teaching - learning and its consequences. A literary review
was made with the intention to show some ways and practices for teaching and learning, which the
profile of the new teaching front of these new technologies, their role in the use of the same and the
expected result when using them. Some ICT tools that can be used in research, content display and
dissemination of knowledge are presented in this context. As a result we see that the technology is a
very important aid in the teaching process, leaving educational institutions offer well-designed
curricula; teachers are qualified and interested in constantly enhance lessons; students have interest
and not being passive, seek constantly acquire new knowledge.
Keywords: Information and Communication Technology. Teaching and Learning. Higher
Education.

DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

16

ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

1. INTRODUÇÃO
Cada vez mais as chamadas "novas tecnologias" estão presentes no cotidiano das pessoas.
As ditas (ALMENARA, 1996) "novas tecnologias", que para alguns são identificadas como as
"tecnologias da informação e da comunicação", estão imprimindo mudanças inesperadas na
sociedade atual em todas as esferas da estrutura social, política, econômica, jurídica e do trabalho.
Essa evolução das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) permite que a
maioria da população tenha acesso à informação, o que traz mudanças profundas em várias áreas do
saber, principalmente no campo acadêmico, onde são discutidos e construídos conhecimento.
Devido às diversas áreas passarem a utilizar as TICs, as Instituições de Ensino Superior
(IES) tentam acompanhar essa mudança para manter seus cursos atuais em relação às tecnologias
consideradas essências (COSTA, 2005). Porém, o processo de Ensino-Aprendizagem (EA) nas IES
não consegue acompanhar com a mesma velocidade as mudanças tecnológicas. Os "novos" alunos
possuem uma maior habilidade com as novas tecnologias, enquanto parte dos docentes diante desse
fato ainda são reticentes ao uso das TICs.
Moran (2007, p. 11) afirma que muitas aulas convencionais estão ultrapassadas, aulas
baseadas no método expositivo, onde o professor é o retentor do conhecimento e o aluno é o
receptor, ou seja, o professor transmite o conhecimento e o aluno decora o conteúdo para a
realização de provas. Porém, o autor afirma também que, "[...] se ensinar dependesse só de
tecnologias, já teríamos achado as melhores soluções há muito tempo. Elas são importantes, mas
não resolvem as questões de fundo" (MORAN, 2007, p. 12).
Dessa forma, apresentaremos neste ensaio, como a tecnologia pode ser usada no processo de
ensino-aprendizagem no ensino superior. O objetivo desse estudo é descrever o uso das tecnologias
da informação e comunicação usadas no processo de ensino-aprendizagem no ensino superior e o
papel dos "novos" professores frente ao desafio imposto com o surgimento dessas "novas
tecnologias".
2. TICs NO ENSINO-APRENDIZAGEM
Mendes (2008) define Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) como um conjunto
de recursos tecnológicos que, quando integrados entre si, proporcionam a automação e/ou a
comunicação nos processos existentes nos negócios, no ensino e na pesquisa científica e etc. São
tecnologias usadas para reunir, distribuir e compartilhar informações.
No processo de ensino-aprendizagem (EA), é importante destacar a importância do aprender
fazendo, do aprender a aprender, do interesse, da experiência e da participação como base para a
vida em uma democracia. As modernas pedagogias têm apontado na direção da aprendizagem ativa,
DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

17

ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

do trabalho coletivo, da participação, da pesquisa e da construção do conhecimento (AMARAL,
2004).
Contudo, de acordo com Behrens (1998), é evidente o uso de práticas pedagógicas
autoritárias e conservadoras, e a ausência de uma postura reflexiva sobre a ação docente. Com isso,
há dificuldade para sensibilizar e mobilizar professores para que se envolvam em projetos
pedagógicos que promovam esse tipo de reflexão.
Destacam-se, portanto, como desafios principais, à profissionalização do professor, a
qualificação pedagógica e a sua aproximação a metodologias de ensino inovadoras e
transformadoras.
Paulo Freire, em seu livro "A máquina está a serviço de quem?" publicado em 1984,
questiona o uso das tecnologias no processo de EA:
O avanço da ciência e da tecnologia não é tarefa de demônios, mas sim a expressão da
criatividade humana [...] Quero saber a favor de quem, ou contra quem as máquinas estão postas
em uso. Então, por aí, observamos o seguinte: não é a informática que pode responder. Uma
pergunta política, que envolve uma direção ideológica, tem de ser respondida politicamente. Para
mim os computadores são um negócio extraordinário. O problema é saber a serviço de quem eles
entram na escola (FREIRE, 1984, p. 6).
Hoje não se discute se a escola deve ou não utilizar a tecnologia como ferramenta
educacional, pois já é uma realidade no contexto educacional. A questão a ser debatida é como usar
essas novas tecnologias de forma eficiente e proveitosa.
Petry (2006) diz que o conceito de novas tecnologias está associado à utilização do
computador pessoal e ao acesso às informações em formato digital (texto, imagem estática e
dinâmica e sons). Devido a essa diversidade tecnológica, as TICs podem auxiliar no processo de
EA, ou dispersar a atenção dos alunos.
Para Gesser (2012), as novas tecnologias trouxeram avanços na área da educação, em
especial no Ensino Superior, com metodologias empregadas para se fazer ensino, nas diferentes
formas de materialização do currículo, de aquisição ou de acesso às informações para a efetivação
da aprendizagem.
Marchiori et al. (2011) comentam que o desempenho dos alunos universitários depende da
atenção que eles dedicam aos estudos. Ainda de acordo com as autoras, essa atenção pode ser
considerada um dos principais fatores para o sucesso na aprendizagem. Com isso, podemos dizer
que a tecnologia pode ser uma ferramenta muito útil no processo de EA, com projetos bem
organizados e mudanças nos currículos.
Não necessariamente a introdução de novas tecnologias implica em mudanças pedagógicas,
como por exemplo, o uso de livros eletrônicos, tutoriais multimídias e cursos à distância via
DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

18

ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

Internet. Essas tecnologias seriam usadas apenas como um instrumento, o que seria inócuo no
processo educacional. O uso dessas novas tecnologias pode contribuir para novas práticas
pedagógicas, desde que seja baseado em novas concepções de conhecimento, de aluno, de professor
e transformando vários elementos que compõem o processo de EA (REZENDE, 2008).
3. PROFESSOR UNIVERSITÁRIO FRENTE ÀS TICs
As modificações provocadas pelo avanço da tecnologia exigem uma maior qualidade na
formação do docente e consequentemente uma maior exigência em sua prática. É exigido do
mesmo, muitas atribuições e um novo perfil.
Segundo Sacristán (2000, p.238):
Propor inovações pedagógicas aos professores é remover a estrutura do trabalho e
conscientizar-se de certas interdependências, já que, em geral, não se trata de simples substituições
metodológicas, mas de importantes alterações que devem ser vistas dentro da complexidade dos
encargos da função do professor e de acordo com suas possibilidades e obrigações de trabalho.
Perrenoud (2000) afirma que, dentre outras qualidades essenciais para a qualidade do
ensino, o professor deve conceber e fazer evoluir os dispositivos de ensino, saber trabalhar em
equipe, participar da criação e da execução do projeto pedagógico da escola, utilizar novas
tecnologias em benefício da educação, cuidar da própria formação contínua e ter compromisso com
a aprendizagem coletiva e individual.
Para Junior et al. (2011), o professor deve ser capaz de analisar situações complexas por
meio de uma leitura diversificada, saber optar por estratégias adaptadas aos objetivos e às
exigências éticas, conhecer várias técnicas e instrumentos para o processo de EA, estruturando-as
na forma de abordagens, adaptar rapidamente seus projetos em função da experiência, analisar de
maneira crítica suas ações e seus resultados e aprender por meio de avaliação contínua durante toda
a sua carreira.
Para Moran (2007) as tecnologias não substituíram os professores, mas irão permitir que
várias tarefas e funções dos mesmos possam ser transformadas. Freire e Shor (1986) afirmam que a
tarefa de passar informações pode ser deixada aos bancos de dados, livros, vídeos ou programas em
CD-ROM.
Dessa forma, é possível o professor se transformar em um estimulador do aprendizado do
aluno, despertando nele a curiosidade em conhecer, em pesquisar, e buscar a informação mais
relevante. Para Valente (1993), o professor deixa de ser o repassador do conhecimento para ser o
criador de ambientes de aprendizagem e facilitador do processo pelo qual o aluno adquire
conhecimento.
DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

19

ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

O docente deve ter em mente que as TIC não objetivam eliminar o uso de técnicas
convencionais de ensino. Elas devem ser incorporadas ao processo educacional já existente.
Segundo Tedesco (2004), cada meio utilizado no processo de ensino e aprendizagem apresenta
características específicas que devem ser selecionadas e utilizadas pelos docentes em conformidade
com o objetivo educacional, para ministrar sua disciplina, ou seja, o conteúdo a ser desenvolvido na
sala de aula. Em seguida, identificar a tecnologia mais adequada para trabalhar um conteúdo no
processo de ensino e aprendizagem.
O novo professor universitário frente às TICs deve possuir conhecimento do conteúdo,
metodologia de ensino, saber lidar com as emoções, ter compromisso com a produção do
conhecimento por meio de pesquisas e extensões e, sobretudo, romper os paradigmas das formas
conservadoras de ensinar, aprender, pesquisar e avaliar com as inovações tecnológicas
(BERTONCELLO, 2010).
4. COMO UTILIZAR AS TICS EM SALA DE AULA
4.1

Planejamento Didático
O planejamento didático pode ser uma organização fechada e rígida quando o professor

trabalha com esquemas, aulas expositivas, apostilas e avaliação tradicional e que, de certa maneira,
pode facilitar para os alunos, mas, por outro lado, transfere para o aluno um pacote pronto do
conhecimento (MORAN, 2009).
Entende-se que as competências que os alunos devem alcançar na sua aprendizagem podem
ser melhoradas ou facilitadas por meio de métodos pedagógicos que utilizam novas Tecnologias da
Informação e Comunicação (TICs). No entanto, quando se pretende utilizar qualquer tecnologia no
processo ensino-aprendizagem, o professor deve ter em conta a sua integração em uma perspectiva
pedagógica para que esse uso seja o mais adequado possível.
Um dos fatores primordiais para o processo de EA é a organização das informações
buscadas pelos alunos, onde o professor precisa criar formas de questionamentos para estimular o
raciocínio lógico dos alunos e dessa forma, provocar um melhor nível de compreensão da tarefa
exigida.
No planejamento didático com uso das TICs, prevalece uma organização aberta e flexível
quando se trabalha com projetos a partir de experiências adquiridas. Professores ao elaborarem um
planejamento didático devem saber que existe a necessidade de saber escolher aquilo que melhor
possa atender aos alunos em consonância com a realidade atual (MORAN, 2009).

DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

20

ISSN 2318-2962

4.2

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

Pesquisa
A internet tem se tornado, cada vez mais, um dos principais meios de acesso às informações,

e, com isso, uma fonte de pesquisa inesgotável. Acesso a portais de busca e pesquisa de textos
científicos facilitam muito as pesquisas na busca das informações.
Para Sampaio e Leite (2002), as tecnologias presentes nas IES podem oferecer novas formas
de busca pelo conhecimento por alunos e docentes. Mas, os conteúdos disponibilizados devem ser
analisados criticamente para que o acesso às tecnologias existentes seja democratizado. O uso e
adequação das TICs em sala de aula exigem um planejamento e uma metodologia da prática de
ensino.
Nesse processo, o professor continua tendo um papel fundamental, não como transmissor do
conhecimento, mas sim como mediador no acesso e organização dos processos. Pode ajudar os
alunos a serem criteriosos nas escolhas de conteúdo e, comparar textos com múltiplas visões. Com
base em temas de interesse, pode propor investigações das mais simples até as mais complexas e
assim ajudar no desenvolvimento de um pensamento construtivista e organização semântica
continua (MORAN, 2009).
Ainda de acordo com o autor acima, as TICs podem ajudar nesses processos de pesquisas,
consolidando e organizando as informações. Porém, existe a necessidade de saber interpretar o que
se escolhe, adaptá-lo ao contexto do objeto estudado, realizar comparações e a aplicar de alguma
forma.
De acordo com Moran (2009), é muito importante o professor ficar atento a algumas
questões em relação às pesquisas, tais como: o objetivo da pesquisa, a profundidade desejada, o
conteúdo, se as fontes são confiáveis, as normas e padrões, e se houve plágio.
A pesquisa na escola pode ser de duas formas: uma informação pronta e consolidada ou,
uma informação em movimento, que está em constante transformação com base em novos fatos.
Em áreas que se estudam fatos passados, o conhecimento já está consolidado, a não ser diante de
novos fatos. E áreas ligadas ao cotidiano são sensíveis a mudanças.
4.3

Ferramentas de Comunicação
A internet surgiu como sistema criado para fins militares e, hoje, viabiliza a comunicação

mundial em tempo real. Atualmente, a rede mundial de tecnologia não tem fronteiras,
desempenhando papel fundamental para disseminação da educação. Seu uso já está bastante
disseminado como ferramenta de ensino, permitindo a oferta de cursos a distância e, em casos mais
simples, o apoio a atividades presenciais.

DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

21

ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

Segundo McManus (1995), a internet apresenta duas vantagens principais sobre os demais
tipos de mídia: em primeiro lugar, ela combina as vantagens dos demais tipos; por exemplo,
apresenta recursos de som e vídeo melhor que qualquer livro, é mais interativo que qualquer
videocassete e, finalmente, pode reunir, com baixo custo, pessoas dispersas geograficamente. A
segunda vantagem é que, sem dúvida, é o recurso que possibilita a maior quantidade e diversidade
de informações no mundo atual. Por meio dela é perfeitamente possível incorporar em um curso
toda a informação disponível na rede.
Existem várias formas de comunicação baseadas na internet tais como: sites de
relacionamentos, blogs, chats, fóruns e correio eletrônico. Essas novas soluções podem ser muito
úteis para cursos à distância, pois são ferramentas apreciadas pelos alunos (MORAN, 2009).
Costa et al. (2013) em seu artigo intitulado "Motivação dos alunos para a utilização da
tecnologia wiki: um estudo prático no ensino superior" concluíram, após diversos estudos realizados
com alunos dos cursos de Tecnologia da Informação, que a wiki apresenta inúmeras vantagens
quando utilizada no contexto de EA. Wiki é uma tecnologia Web 2.0 que possibilita a construção de
repositórios de conhecimento com base em um conjunto de páginas web interligadas, que podem
ser visualizadas, criadas, editadas e modificadas por qualquer pessoa com acesso à web (KEAR et
al., 2010 apud COSTA et al., 2013).
4.4

Softwares de Gerenciamento e Monitoramento Local e Remoto
São programas usados para monitorar a atividade dos alunos e melhorar a aprendizagem em

sala de aula digital "laboratórios de informática". Entre os mais diversos tipos disponíveis, podemos
citar o LanSchool, um programa de propriedade da empresa Grés Inc.
O LanSchool inclui monitor de tela, onde o professor pode verificar em tempo real o que
cada alunos está fazendo em seu computador; bate-papo professor-aluno, onde os alunos podem
tirar dúvidas em tempo real; monitor de navegação na internet; e, criação de testes on-line, onde o
professor pode criar testes e verificar as respostas dos alunos no mesmo instante (STONEWARE,
2012).
Softwares de gerenciamento e monitoramento local e remoto corroboram com a ideia de
Marchiori et al. (2011), que comentam que o desempenho dos alunos universitários dependem da
atenção que dedicam aos estudos, pois estes softwares garantem que os alunos não dispersem a
atenção durante as aulas.
Uma observação importante é que não é o software que faz a diferença em termos de
resultados cognitivos, mas sim, a forma ele é utilizado no processo de ensino-aprendizagem pelo
professor (GUERRA, 2000). Por isso a importância de se atentar para qual conteúdo ele será
aplicado, pois existe enorme possibilidade do crescimento no ensino-aprendizagem, a utilização da
DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

22

ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

Tecnologia da Informação (TI) por meio de software para lecionar conteúdos abstratos e de difícil
aprendizagem pelo aluno.
5. PROBLEMAS NA INTEGRAÇÃO DAS TICS NA EDUCAÇÃO
A grande diversidade de informações e a facilidade do acesso a essas informações podem
trazer vários problemas como: plágio, conteúdos inverídicos, seleção de informações inúteis, etc. O
professor deve ficar atento para esta situação e orientar seus alunos para que isso não ocorra.
Teruya (2006) afirma que as pesquisas realizadas pela internet possibilitam o acesso aos
mais variados tipos de dados, porém, o excesso de informação pode atrapalhar o aluno. As
informações fúteis, inverídicas e sem fundamentação teórica são outros problemas.
Gesser (2012) observa alguns limites na integração das TICs na educação, tais como:


Dificuldade para mudar os modelos curriculares atuais nas IES;



Vários profissionais da educação ainda são resistentes ao uso da tecnologia como instrumento de EA;



Falta de conhecimento tecnológico por parte de professores e alunos;



Facilidade de dispersão dos alunos em frente às tecnologias usadas;



Falta de apoio financeiro nas IES.

Moran (2005) também faz algumas observações sobre os problemas na integração das TICs
a educação. Em alguns aspectos concorda com Gesser, porém, em alguns pontos diverge conforme
baixo:


Alunos estão prontos para o uso das tecnologias, professores, em geral, não. Os professores que não
dominam as novas tecnologias, tentam segurar o máximo que podem, fazendo pequenas concessões, sem
mudar o essencial. Com isso mantêm uma estrutura repressiva, controladora e repetidora. Os professores
sabem que precisam mudar, mas não sabe como.



Várias IES exigem mudanças dos professores sem dar-lhes condições para que eles as efetuem. Existe
investimento em tecnologias, porém, com a falta de preparo dos professores, os administradores se
frustram ao ver que tanto esforço e dinheiro empatados não se traduzem em mudanças significativas nas
aulas e nas atitudes do corpo docente.



A maior parte dos cursos presenciais e on-line continua focada no conteúdo, focada na informação, no
professor, no aluno individualmente e na interação com o professor/tutor. Convém que os cursos hoje ­
principalmente os de formação ­ sejam focados na construção do conhecimento e na interação; no
equilíbrio entre o individual e o grupal, entre conteúdo e interação (aprendizagem cooperativa), um
conteúdo em parte preparado e em parte construído ao longo do curso.

As mudanças na educação dependem, mais do que das novas tecnologias, de termos
educadores, gestores e alunos maduros intelectual, emocional e eticamente; pessoas curiosas,
entusiasmadas, abertas, que saibam motivar e dialogar; pessoas com as quais valha a pena entrar em
contato, porque dele saímos enriquecidos. São poucos os educadores que integram teoria e prática e
que aproximam o pensar do viver (MORAN, 2005).
DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

23

ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

Marinho (2002) concorda com Gesser (2012) e Moran (2005) que ainda existem docentes
que não estão abertos às mudanças causadas pelas TICs na educação. Ainda existe uma grande
resistência por parte dos docentes da eficácia do uso da TIC no processo de EA.
A capacitação do docente para a utilização das ferramentas tecnológicas, devido aos
professores não possuírem conhecimento com essas ferramentas, pode demorar de três a quatro
anos em cursos que habilitem o conhecimento adequado do uso das TICs (TEDESCO, 2004).
As IES ainda são instituições conservadoras, com culturas que resistem às mudanças e
modelos "ultrapassados" de ensino com foco no professor, apesar dos avanços em busca de
mudanças no processo de EA. Isto nos mostra o quão não será fácil mudar esta cultura escolar
tradicional, e que as inovações tecnológicas caminharão em passos lentos (MORAN, 2005).
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Este artigo apresentou algumas teorias sobre a utilização das TICS no sistema superior de
ensino para apoiar o professor em sala de aula no processo de ensino-aprendizagem. O uso destas
ferramentas não garante o sucesso, mas, quando bem utilizadas, podem auxiliar e muito em face do
perfil dos novos estudantes.
Com fácil acesso a informações diversas e constantes, os professores devem buscar meios de
prender a atenção destes alunos, que facilmente se dispersam e perdem o interesse. As aulas devem
ser mais dinâmicas e participativas, fugindo do método passivo de ensino anterior.
Vimos também como é de suma importância o professor se capacitar, assimilar essas novas
tecnologias e, perceber que elas veem para ajudar e não para substituí-lo. Eles têm que se preparar,
treinar, elaborar seu planejamento educacional, contemplando o uso da TICS que melhor se adapte
ao seu método de ensino e aplicá-las em seu benefício.
Cremos que a tecnologia é uma auxiliar muito importante no processo de ensino, mas, os
protagonistas desta história, que determinarão o sucesso deste projeto são as instituições de ensino,
os professores e alunos.
Cabem as instituições de ensino propor currículos bem elaborados; aos professores serem
capacitados e interessados em melhorar constantemente as aulas, tornando-as mais interessantes; os
alunos terem interesse e não serem passivos, buscarem constantemente adquirir novos
conhecimentos.

DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

24

ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

REFERÊNCIAS

ALMENARA, J. C. Nuevas Tecnologias, comunicacion y educacion. EDUTEC. Revista
Electrónica
de
Tecnologia
Educativa.
1996.
Disponível
em:
. Acesso em: 15 out. 2014.
AMARAL, A. L. As eternas encruzilhadas: de como selecionar caminhos para a formação do
professor de ensino superior. In: XXII ENDIPE, 2004, Curitiba. Conhecimento local e
conhecimento universal: pesquisa, didática e ação docente. Belo Horizonte: Editora Universitária
Champangnat, 2004. v. 1, p. 139-150.
BEHRENS, M. A. A formação pedagógica e os desafios do mundo moderno. In: MASETTO, M. T.
Docência na universidade. Campinas: Papirus, 1998. p. 57-68.
BERTONCELLO, L. A utilização das TIC e sua contribuição na educação superior: uma visão
a partir do discurso docente da área de letras. 2010. Disponível em:
. Acesso em: 08 out. 2014.
COSTA, C. Educação, imagem e mídias. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2005.
COSTA, C.; ALVELOS, H.; TEIXEIRA, L. Motivação dos alunos para a utilização da tecnologia
wiki: um estudo prático no ensino superior. Educação e Pesquisa, v. 39, n. 3, p. 775-790, 2013.
FREIRE, P. A máquina está a serviço de quem? Revista Bits, São Paulo, v. 1, n. 7, p. 6. 1984.
FREIRE, P.; SHOR, I. A Pedagogy of Liberation: Dialogues for Transforming Education. Boston:
Bergin and Garvey, 1987.
GESSER, V. Novas tecnologias e educação superior: Avanços, desdobramentos, Implicações e
Limites para a qualidade da aprendizagem. IE Comunicaciones: Revista Iberoamericana de
Informática Educativa, n. 16, p. 23-31, 2012.
GUERRA, J. H. L. Utilização do computador no processo de ensino-aprendizagem: uma
aplicação em planejamento e controle da produção. 2000. 76 f. Dissertação (Mestrado em
Engenharia de Produção da Universidade de São Carlos-USP), - Escola de Engenharia de Produção
da USP, São Carlos, 2000.
JUNIOR, J. V. A.; CARMO, P. T. E. S.; TRAVASSOS, L. C. P. Como o bom entendimento da
relação entre motivação e aprendizagem pode ser positivo no processo ensino-aprendizagem.
Revista Tecer, v. 2, n. 3, 2011.
LIGUORI, L. As Novas Tecnologias da Informação e da Comunicação no Campo dos Velhos
Problemas e Desafios Educacionais. In: LITWIN, Edith (Org.). Tecnologia Educacional ­ Política,
Histórias e Propostas. Porto Alegre: Artes Médicas.
MARCHIORI, L. L.; MELO, W. J.; MELO, J. J. Avaliação docente em relação às novas
tecnologias para a didática e atenção no ensino superior. Avaliação: Revista da Avaliação da
Educação Superior, v. 16, n. 2, p. 433-443, 2011.

DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

25

ISSN 2318-2962

Caderno de Geografia, v.25, n.44, 2015

MARINHO, S. P. Tecnologia, educação contemporânea e desafios ao professor. In: JOLY, Maria
Cristina Rodrigues Azevedo. (Org.). A tecnologia no ensino: implicações para a aprendizagem. 1.
ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002. p. 41-62.
McMANUS, T. F. Special considerations for designing Internet based instruction. In: Society for
Information Technology & Teacher Education International Conference. 1995. Disponível em:
Acesso em: 14 out. 2014
MENDES, A. TIC ­ Muita gente está comentando, mas você sabe o que é? Portal iMaster, mar.
2008. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2014.
MORAN, J. M. Integração das Tecnologias na Educação. In: Salto para o Futuro. Brasília:
Posigraf, 2005.
MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. (Ed.). Novas tecnologias e mediações
pedagógicas. 13. ed. São Paulo: Papirus, 2007.
MORAN, J. M.. A educação que desejamos: Novos desafios e como chegar lá. 4. ed. São Paulo:
Papirus, 2009.
PERRENOUD, P. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed editora, 2000.
PETRY, L. C. O conceito de novas tecnologias e a hipermídia como uma nova forma de
pensamento. Porto. In: Cibertextualidades, v. 1, n. 1, p. 110-125, 2006.
REZENDE, F. As novas tecnologias na prática pedagógica sob a perspectiva construtivista. Ensaio
Pesquisa em Educação em Ciências, v. 2, n. 1, p. 75-98, 2008.
SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.
SAMPAIO, M. N.; LEITE, L. S. Alfabetização tecnológica do professor. 3. ed. Petrópolis: Vozes,
2002.
STONEWARE - Manual do Utilizador do LanSchool. Disponível em: Acesso em: 17
out. 2014.
TEDESCO, J. C. Educação e novas tecnologias: esperança ou incerteza? São Paulo: Cortez, 2004.
p. 9-13.
TERUYA, T. K. Trabalho e educação na era midiática: um estudo sobre o mundo do trabalho
na era da mídia e seus reflexos na educação. Maringá: Eduem, 2006.
VALENTE, J. A. Diferentes usos do computador na Educação. Computadores e Conhecimento:
repensando a educação, p. 1-23, 1993.

DOI 10.5752/p.2318-2962.2015v25n.44p.16

26