Geografia e interdisciplinaridade.
Espaço geográfico: interface natureza e sociedade
Dirce Maria Antunes Suertegaray *

Resumo
Este texto constitui uma síntese das idéias apresentadas em
um seminário interdisciplinar sobre a construção da geografia. O
texto é subdividido em três partes. Na primeira, trata-se da
geografia, sua construção e o significado de espaço geográfico. A
segunda parte expõe, de forma mais detalhada, a compreensão
assumida pela autora sobre espaço geográfico e demais conceitos
geográficos. Na terceira parte, apresenta-se de forma sintética o
sentido atribuído à multidisciplinaridade, transdisciplinaridade e
interdisciplinaridade tomando como referência a geografia.
Palavras chaves: geografia, espaço geográfico e interdiscipliraridade.

Abstract
This text is a synthesis of the ideas presented in an
interdisciplinary seminar about the construction of the geography.
The text is subdivided in three parts. The first part is about the
geography, its construction and the meaning of geographical space.
The second part exposes, in a more detailed way, the understanding
assumed by the author on geographical space and other
geographical concepts. The third part shows, in a synthetic way,
the sense attributed to the multidisciplinarity, transdisciplinarity
and interdisciplinarity taking as reference the geography.
Key words: geography, geographycal space, interdisciplinarity.

*

Professora Doutora do Departamento de Geografia / UFRGS.

Geosul, Florianópolis, v.18, n.35, p. 43-53, jan./jun. 2003

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

Introdução
Trata-se este texto da sistematização da intervenção que se
fez em uma mesa cujo debate dizia respeito ao interdisciplinar. O
debate das idéias aqui expostas ocorreu em Seminário
Interdisciplinar realizado pelo doutorado Interdisciplinar Sociedade
e Meio Ambiente que ocorreu em 2001 na UFSC.
Penso ao fazer essa exposição, encaminhar uma reflexão,
tomando como ponto de partida a final do século XIX, quando a
Geografia torna-se uma ciência, uma disciplina autônoma. Nesse
momento histórico temos não só a individualização da Geografia,
como o surgimento da geologia, da geomorfologia e também não
podemos esquecer da ecologia entre outras ciências. A
individualização da Geografia ocorre num momento em que se
inicia, ou melhor se aprofunda, a fragmentação científica. Esta
fragmentação baseada numa ciência que se construía a partir
perspectiva positivista de compreensão do conhecimento produziu
no âmbito da geografia um significativo paradoxo. A geografia,
num contexto em que se classifica e se pratica uma ciência
disjunta, individualizada através de objetos que devem ser
diferentes e únicos a cada ciência, se propõe uma ciência da
relação natureza e sociedade, uma ciência da conjunção do natural
e do social. É por essa razão que Milton Santos vai dizer que a
"Geografia tem um discurso unitário e um método dual". Ao se
referir ao método dual quer dizer construiu uma análise da natureza
utilizando-se dos métodos das ciências naturais e uma análise do
espaço construído utilizando-se dos métodos da ciência social.
Ao longo de sua história a Geografia, no entanto, promoveu
reflexões sobre esta relação, concebeu-a como determinismo
geográfico, onde a natureza é entendida como a causa da
organização social, concebeu-a como possibilismo geográfico onde
o homem tem possibilidades de transformação da natureza a partir
do seu desenvolvimento técnico, pensou a relação natureza sociedade dialeticamente, ou seja como uma relação mediada pelo
trabalho. Mais recentemente é levada também a discutir esta
problemática como compreensão (hermenêutica), construção
44

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

indissociável onde o homem é natureza ainda que diferenciado na
sua natureza ou, como diz Morin (1990), esta relação deve ser
entendida de forma conjuntiva, como um sistema auto ­ eco ­ re organizacional.
Estas diferentes formas de tratar a relação da natureza com a
sociedade configuraram ao longo do século XX diferentes formas
de pensar geografia. Não obstante, na prática a geografia foi muito
mais dual, ou melhor fragmentou-se não só em Geografia Física e
Geografia Humana, mas também fragmentou-se a Geografia Física
e a Geografia Humana.
O saber fragmentado construído pela geografia, entretanto,
nunca permitiu, talvez devido ao seu dilema constante com o seu
objeto (o espaço geográfico), uma disciplinaridade muito limitada
aos geógrafos.
Pelo fato de serem exigidos para sua formação uma
compreensão, um conhecimento da natureza e da sociedade e, pelo
fato de compreenderem o espaço geográfico como a materialização
na superfície da terra das diferentes formas de organização social
foram sempre levados a construir uma ciência que chegaram a
conceituar como de síntese e que internamente pode ser lida como
uma ciência interdisciplinar.
Para uma explicação mais detalhada da compreensão
geográfica apresentaremos algumas idéias sobre o espaço
geográfico. Para conceituá-lo partimos de uma consideração
inicial, onde o definimos como uno e múltiplo.

Espaço geográfico uno e múltiplo
A Geografia como área de conhecimento sempre expressou
(desde sua autonomia) sua preocupação com a busca da
compreensão da relação do homem com o meio (entendido como
entorno natural). Neste sentido ela se diferenciou e se contrapôs as
demais ciências, que por força de seus objetos e das classificações,
foram individualizadas em Ciências Naturais e Sociais. Este
paradoxo acompanha a Geografia, ainda que hoje possa ser seu
privilégio. Constitui um paradoxo, porque, na medida em que na
45

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

Modernidade se expandiu a racionalidade e se constituiu a ciência
moderna, o caminho foi a disjunção, a separação, a
compartimentação do conhecimento; a divisão entre as ciências
naturais e as ciências sociais.
Em decorrência, a Geografia foi impossibilitada (pelo
caminho que assumiu) de construção unitária e mesmo de um lugar
preciso entre as ciências. Isto, nos parece, dificultou, para a
Geografia, a construção de um método, pois propunha-se a unidade
natureza- sociedade num contexto científico onde estas dimensões
disjuntas perseguiam métodos diferentes Hoje esta perspectiva de
conjuntividade inicia seus alicerces, para além da Geografia no
âmbito das demais ciências.
Partilhamos da idéia de que o espaço geográfico constitui o
conceito balizador da Geografia. A formulação deste conceito
apresentou e apresenta ainda hoje variadas interpretações. Ainda,
no século passado, como vimos com Humbolt (1862), a Geografia
constitui-se uma ciência natural. Este sugeria uma interpretação da
natureza sub-dividida em Física e Geografia Física (Fig.1).
FIGURA 1

Os geógrafos, posteriormente, conceberam uma geografia
que propunha a conjunção do natural e do humano, transformando
o espaço geográfico em um conceito que expressa a articulação
Natureza e Sociedade, ou seja constituíram um objeto de interface
e entre as ciências naturais e as ciências sociais (Fig.2).

46

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

FIGURA 2

Em inúmeras obras geográficas, o conceito de espaço
geográfico expressou-se através da concepção de paisagem, região,
território, lugar. Já observamos que Humboldt (1862), ao falar em
Geografia Física, referia- se à paisagem natural. Pensamos poder
estabelecer diferenças entre esses conceitos. A expressão do
geográfico encontra- se representada no conceito de espaço
geográfico. Adotando a conceituação de Milton Santos (1997),
espaço geográfico constitui "um sistema de objetos e um sistema
de ações" que, segundo o autor:
"é formado por um conjunto indissociável, solidário e
também contraditório, de sistemas de objetos e
sistemas de ações, não considerados isoladamente,
mas como um quadro único na qual a história se dá.
No começo era a natureza selvagem, formada por
objetos naturais, que ao longo da história vão sendo
substituídos por objetos fabricados, objetos técnicos,
mecanizados e, depois cibernéticos fazendo com que a
natureza artificial tenda a funcionar como uma
máquina" (Milton Santos, 1997).
Este conceito expressa a articulação entre natureza e
sociedade, conforme a representação da figura 2.
Agora cabe perguntar: a que natureza se refere o autor?
Trata- se, neste caso, de uma concepção de natureza denominada
de natureza artificial ou tecnificada. Para Milton Santos (1997), o
período atual, período "Técnico Científico Informacional" não nos
permite pensar a natureza como primariamente natural, ou melhor
47

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

como decorrente de processos que advém exclusivamente de sua
auto organização.
A presença do homem concretamente como ser natural e, ao
mesmo
tempo,
como
alguém
oposto
a
natureza,
promoveu/promove profundas transformações na natureza mesma
e na sua própria natureza. Isto exige uma reflexão efetiva sobre o
que é natureza hoje. Algumas proposições encaminham a
discussão. Milton Santos (1997) qualifica a natureza denominandoa de natureza artificial ou tecnificada ou, ainda, natureza
instrumental. Isto porque a técnica no seu estágio atual permite a
intervenção, não só nas formas, como nos processos naturais.
Alguns exemplos cabem para melhor ilustrar: a intervenção no
ciclo cicardiano de maneira generalizada, seja entre os homens,
onde a necessidade do relógio na vida diária constitui um exemplo
expressivo, seja entre os animais e vegetais através da aceleração
nos processos de produção e reprodução destes para o consumo
humano. Além deste exemplo, cabe registrar a constituição de
sementes transgênicas assim como a transmutação de animais
(ovelha Dolly), entre tantos outros mais comumente lembrados, o
efeito estufa e a camada de ozônio (na Climatologia), as águas
superficiais contaminadas (na Hidrologia) e os depósitos
tecnogênicos (na Geomorfologia/Geologia) Tratar-se-ia a natureza,
nesta circunstância, não mais como uma dimensão de interface
com a sociedade, mas como uma dimensão de
transmutação/transfiguração.
O termo transfiguração aqui adotado é entendido conforme
apresenta Maffesoli (1995) "transfiguração é a passagem de uma
figura para a outra. Além disso, ela é de uma certa maneira
próxima da possessão" (Maffesoli, 1995). Assim, uma natureza
possuída pelo homem transfigura-se, adquire uma outra dimensão.
Retornando à nossa representação como interface/
transfiguração, podemos pensar o espaço geográfico como um todo
uno e múltiplo aberto a múltiplas conexões que se expressam
através dos diferentes conceitos como paisagem, região, território,

48

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

lugar, redes e ambiente. Estes, ao mesmo tempo em que separam
visões, também as unem.
Representamos esta interpretação na figura 3. Ela expressa
no disco a idéia de espaço geográfico aqui setorizado em quatro
partes. Cada parte representa a visão analítica privilegiada por um
ou outro geógrafo.
FIGURA 3

Assim, temos nesta representação a expressão da
possibilidade de diferentes leituras. Não obstante, o espaço
geográfico é dinâmico. Sua dinâmica é representada pelo
movimento, o girar do disco. Este giro expressa a idéia: Um todo
uno, múltiplo e complexo. Esta representação é elaborada no
sentido de expressar a concepção de que: o espaço geográfico pode
ser lido através do conceito de paisagem e ou território, e ou lugar,
e ou ambiente; sem desconhecermos que cada uma dessas
dimensões está contida em todas as demais. Paisagens contêm
territórios que contêm lugares que contêm ambientes valendo, para
cada um, todas as conexões possíveis.
Algumas questões se impõem à discussão. A primeira delas
diz respeito aos recortes analíticos, o que poderia ser lido como um
reducionismo na concepção de espaço geográfico. Entretanto,
pensando em uma Geografia que se construiu independentemente
desses conceitos, compartimentada em geografia física e geografia
humana com seus respectivos setores, não seriam estes,
instrumentos operacionais que permitiriam o retorno a conjunção?

49

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

Se de um lado ainda trabalhamos com o recorte do espaço
geográfico, de outro acreditamos que esses recortes poderão mais
unir o discurso geográfico, do que separar. Isto porque cada um
deles enfatiza uma dimensão da complexidade organizacional do
espaço geográfico: o econômico/cultural (na paisagem), o político
(no território), a existência objetiva e subjetiva (no lugar) e a
transfiguração da natureza (no ambiente). Não obstante, nenhum
deles prescinde das determinações expressas em uns e em outros.
Por outro lado, acreditamos que conceber esta como uma das
possibilidades analíticas da Geografia, tende a nos permitir a
diferença de enfoques, ao mesmo tempo em que nos articula pelas
conexões derivadas da fronteira tênue entre cada um desses
conceitos. Costuma- se dizer na atualidade, que o objeto de estudo
se constrói num contexto relacional. Por conseguinte, as conexões
que permeiam os conceitos que aqui denominamos operacionais,
aproximam as nossas práticas geográficas, muito mais que nos
dividem.
Esta aproximação indica uma geografia internamente
multidisciplinar. Esta sua característica não elimina, ao contrario,
auxilia na compreensão da dinâmica dos lugares.
Vivemos desde o dia 11 de setembro, desde o atentado as
torres gêmeas do World Trade Center uma reordenação espacial
que se desenrola desde a escala local (New York) aos diferentes
territórios que compõe o mundo (a escala global). Os eventos que
ocorreram nesse espaço geográfico dizem respeito a todas as
dimensões da vida, desde a nossa sobrevivência como pessoas, as
dimensões econômicas, políticas e culturais em particular no que
diz respeito as diferenças religiosas e as diferenças étnicas. A
conjugação desses fatores na busca da explicação do ocorrido
dificilmente poderá ser feita por um único intelectual, daí ser este
um exemplo dos mais aterroradores sobre os significado da
complexidade de que nos fala Morin (1990) Mas constitui também
um exemplo da possibilidade de compreensão conjuntiva, desde
que pensemos em interdisciplinaridade não como sombreamento

50

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

mas como convergência de leituras na busca de compreensão de
um acontecimento, da decifração de um problema, de uma questão.

Geografia e interdisciplinaridade
No contexto de um seminário interdisciplinar, cabe registrar
ao final do texto considerações que resultaram da discussão feita a
partir da contextualização da Geografia. A compreensão e as
práticas interdisciplinares são de natureza diferenciada. Ao expor a
compreensão da Geografia como ciência que busca a conjunção
fizemos referência à multidisciplinaridade, transdisciplinaridade e
interdisciplinaridade. Tentaremos deixar expressas nossas
convicções, elas poderão contribuir para o debate. A partir da
leitura do conteúdo geográfico, ou melhor, a geografia a partir de
sua leitura interna pode ser lida como um campo multidisciplinar,
ou seja, configura-se por uma multiplicidade de temas e problemas
sendo operados. Entretanto, de nosso ponto de vista, o múltiplo, o
caso do espaço geográfico, só poderá ser decifrado através de um
limite, aquele da disciplina acrescido dos conceitos operacionais.
Porém, não basta esse limite, pois a complexidade é o princípio
analítico que se busca para a compreensão aproximada da
totalidade. Daí as práticas transdisciplinares.
Transdisciplinaridade significa, então, mais do que o
horizonte que está além das disciplinas. Constitui a possibilidade
de cada um colocar-se no lugar do outro, na busca da compreensão
ampliada de sua disciplina. Neste sentido, a capacidade de transitar
pelos diferentes campos é algo a ser buscado.
Finalmente, de nosso ponto de vista, interdisciplinaridade
constitui uma prática coletiva, surge da organização em grupo, hoje
em rede, e tem como objetivo a busca da compreensão/explicação
de um problema formulado pelo conjunto dos investigadores. O
trabalho interdisciplinar vai exigir um rompimento com os
problemas específicos de cada campo, colocando na pauta da
pesquisa questões de estruturação mais complexa.
São todas estas, questões postas à discussão. Hoje, em
especial, as leituras pós-modernas encaminham o entendimento do
51

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

mundo de forma fragmentada. Propõem um encaminhamento que
diz respeito à multiplicidade de leituras e de compreensão dos
fatos. Reconhecemos a diferenciação dos olhares, mas pensamos,
também, que no lado das ciências ditas hoje "duras", há uma
necessidade de objetividade que não se perdeu, mas que se
transforma, na medida em que é pensada como consenso para uma
comunidade de cientistas. Assim, o resultado interdisciplinar seria,
ou uma multiplicidade de olhares levando à relativização
excessiva, ou o consenso assumido pelo grupo envolvido na
discussão e busca de compreensão/explicação do problema
investigado.

Referencias bibliográficas
ALIATA, F. y SILVESTRI, G. El paisage en el arte y las ciências
humanas. Buenos Aires: Centro Editor de America Latina
S.A., 1994.
BERTRAND, G. Paisage y Geografia Física Global. MENDOZA,
J.G.; JIMINES, J.M. y CANTERO,N.O. (Orgs). El
pensamiento geográfico. Estudio interpretativo y antologia
de textos (de Humboldt a las tendências radicales). Madrid:
Alianza Editorial,1982.
GENRO, A. Fº. Marxismo Filosofia Profana. Porto Alegre: Tchê!
Editora Ltda., l986.
GONÇALVES, C.W.P. Os (Des)caminhos do Meio Ambiente.
São Paulo: Editora Contexto, 1989.
GRIGG, D. Regiões, Modelos e Classes. CHORLEY e HAGGATT
(Orgs). Modelos Integrados em Geografia. Rio de Janeiro:
Livros técnicos e científicos Editora S.A. e editora da
universidade de São Paulo, 1974.
HARVEY, D. A Justiça Social e a Cidade. São Paulo: Editora
Hucitec, 1980.
HEIDRICH, A. Fundamentos da Formação do Território Moderno.
Boletim Gaúcho de Geografia, nº 23, Porto Alegre: AGB Seção Porto Alegre, 1998.

52

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

Geosul, v.18, n.35, 2003

HUMBOLDT, A. Von. Cosmos. Ensayo de una descripción física
del mundo. MENDOZA, J.G.; JIMENEZ, J.M. y CANTERO,
N.O. (orgs). EL pensamiento geográfico. Estudio
Interpretativo y Antologia de Textos (de Humboldt a las
tendências radicales). Madrid: Alianza Editorial, 1982.
MAFFESOLI. M. A. Contemplação do Mundo. Porto Alegre: Ed.
Artes e Ofícios, 1995.
MORIN, E. Introdução ao Pensamento Complexo. 2.ed. São
Paulo: Editora Instituto Piaget, 1990.
RATZEL, F. El Territorio, la sociedad y el estado. MENDOZA,
J.G.; JIMENEZ, J.M. y CANTERO, N.O. (orgs). El
pensamiento geográfico. Estudio Interpretativo y Antologia
de Textos (de Humboldt a las tendências radicales). Madrid:
Alianza Editorial, 1982.
RELPH, E.C. As bases Fenomenológicas da Geografia. Rev.
Geografia, vol.4/nº7, Rio Claro - SP, AGETEO, 1979.
SANTOS, M. Pensando o Espaço do Homem. São Paulo: Editora
Hucitec, 1980.
SANTOS,M. A Natureza do Espaço. Técnica e Tempo. Razão e
Emoção. 2.ed. São Paulo: Editora Hucitec, l997.
SOUZA, M.J.L. de. O território; sobre espaço e poder, autonomia e
desenvolvimento. CASTRO, I.E. de; GOMES, P.C. da C. e
CORRÊA. R.L. (Orgs). Geografia Conceitos e Temas. Rio de
Janeiro: Editora Bertrand Brasil S.A., 1995.
TROLL, C. El paisage geográfico y su investigación.
MENDONZA, J.G.; JIMENEZ, J.M. y CONTERO, N. (Orgs).
El pensamiento geográfico. Estudio interpretativo y
antologia de textos (de Humboldt a las tendências atuales).
Madrid: Alianza Editorial, 1982.
TUAN, Yi-Fu. Space and Place: Humanistic Perspective.
Progress in Geography. V l, nº 6, 1975.

53

SUERTEGARAY. D. Geografia e Interdisciplinaridade ...

54

Geosul, v.18, n.35, 2003