O mapa mental
no ensino
de geografia
Concepções e propostas
para o trabalho docente
Denis Richter

O mapa mental no
ensino de geografia

Conselho Editorial Acadêmico
Responsável pela publicação desta obra

Profa. Dra. Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim
Prof. Dr. João Lima Sant'Anna Neto
Prof. Dr. Eliseu Savério Sposito
Profa. Dra. Rosangela Aparecida de Medeiros Hespanhol
Henrique Alves da Silva (representante discente)

Denis Richter

O mapa mental no
ensino de geografia

Concepções e propostas
para o trabalho docente

© 2011 Editora UNESP

Cultura Acadêmica
Praça da Sé, 108
01001-900 ­ São Paulo ­ SP
Tel.: (0xx11) 3242-7171
Fax: (0xx11) 3242-7172
www.editoraunesp.com.br
[email protected]

CIP ­ Brasil. Catalogação na fonte
Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ
R395m
Richter, Denis
O mapa mental no ensino de geografia : concepções e
propostas para o trabalho docente / Denis Richter. ­ São Paulo :
Cultura Acadêmica, 2011.
270p. : il.
Inclui bibliografia
ISBN 978-85-7983-227-7
1. Geografia ­ Estudo e ensino. 2. Cartografia ­ Estudo e ensino.
3. Prática de ensino. 4. Aprendizagem. 5. Cognição. I. Título.
11-8104.




CDD: 372.891
CDU: 373.3.016:910

Este livro é publicado pelo Programa de Publicações Digitais da Pró-Reitoria de
Pós-Graduação da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP)

Para
minha família, por sempre acreditar nos meus sonhos;
Maria del Carmen Granell-Perez e Maria Lígia Cassol,
pelos incentivos à pesquisa na graduação
que tornaram possível minha jornada acadêmica;
Fátima Marin e Mônica Decanini,
pelos aportes teórico-metodológicos deste trabalho e pela amizade; e
Carlos Primolan,
por estar ao meu lado e me fazer feliz.

Eu ando pelo mundo
Prestando atenção em cores
Que eu não sei o nome
Cores de Almodóvar
Cores de Frida Kahlo
Cores!
Passeio pelo escuro
Eu presto muita atenção
No que meu irmão ouve
E como uma segunda pele
Um calo, uma casca
Uma cápsula protetora
Ai, eu quero chegar antes
Pra sinalizar
O estar de cada coisa
Filtrar seus graus... [...]
Adriana Calcanhoto, Esquadros

Sumário

Prefácio 11
Introdução 15
1 Pressupostos teóricos da Cartografia Escolar 23
2 Teoria histórico-cultural e Cartografia:
uma aproximação possível? 45
3 Ensino de Geografia e mapas mentais 97
4 Análise dos mapas mentais 133
Considerações finais 255
Referências bibliográficas 261

Prefácio

É com imenso carinho que apresentamos ao leitor este livro de
Denis Richter, fruto de sua tese de doutoramento, que versa sobre
o ensino de Geografia e a sua relevância para a formação intelectual
do aluno. A obra faz uma "integração" criteriosa entre a Geografia
e a Cartografia Escolar, especialmente com relação aos mapas mentais. O autor defende com propriedade o uso do mapa mental como
um valioso instrumento de representação espacial e, portanto, de
comunicação do raciocínio geográfico.
Denis é um apaixonado pela Geografia e pela Cartografia. Esse
interesse surgiu ainda criança quando cursava a disciplina de Geografia na educação básica. Fiel ao seu encantamento de criança,
Denis escolheu a Geografia como formação acadêmica e tornou o
seu olhar sobre a dinâmica do espaço mais complexa. As suas inquietações na graduação resultaram em uma monografia sobre o
ensino de Geografia e a Cartografia. Decifrar a linguagem cartográfica, o seu papel no processo de ensino-aprendizagem de Geografia
embasou a sua pesquisa de mestrado, que teve como objeto a formação de professores das séries iniciais do ensino fundamental, no
tocante à construção das noções espaciais e o processo metodológico de aprendizagem do mapa, conhecido como alfabetização cartográfica.
O que chega às mãos do leitor neste momento é uma obra madura, resultante de um longo percurso de aprofundamento teó-

12

DENIS RICHTER

rico e de vivências profissionais. O menino cultivou seus sonhos,
venceu batalhas pessoais e profissionais e tornou-se docente e pesquisador da área de ensino da Geografia, com ênfase na Cartografia Escolar.
Este livro relata a sua pesquisa de doutorado, a qual realizou
uma investigação do raciocínio geográfico de alunos do terceiro
ano do ensino médio, público e privado, em duas escolas de uma
cidade do interior do Estado de São Paulo. Esses alunos construíram
mapas mentais da cidade ao realizar a leitura do seu cotidiano, da
perspectiva espacial. Os mapas mentais são esboços cartográficos, sem os rigores dos produtos convencionais, mas que têm
um imenso valor ao representar a leitura particular do espaço feita
pelo indivíduo. É uma ferramenta capaz de aproximar os conhecimentos científicos ensinados na escola da leitura do cotidiano.
Este estudo revelou como os alunos utilizaram a linguagem espacial para expressar os seus saberes geográficos sobre a organização
e a estrutura da cidade, bem como os processos que interferem na
produção dos diferentes contextos do espaço urbano. Os mapas
mentais materializaram as interpretações, os olhares, as reflexões,
os avanços, as relações, os limites, os equívocos e as omissões estabelecidos pelos estudantes a respeito do espaço.
Denis fez uma pesquisa rigorosa e atenta dos pressupostos teóricos da Cartografia Escolar. Realizou uma revisão crítica de como
a Cartografia Escolar foi se consolidando ao longo do tempo, tanto
com relação à pesquisa de cunho acadêmico como à sua materia
lização nas publicações especializadas. Faz referência ao trabalho
de vários pesquisadores da área, numa singela homenagem àqueles
que colaboraram para os avanços científicos da Cartografia Escolar.
Seu trabalho se fundamenta nos estudos de Vigotski, numa corajosa empreitada que tem o objetivo de considerar a linguagem no
campo da representação gráfica. Nesse sentido, enfrenta o desafio
de tecer aproximações entre a teoria histórico-cultural e a Cartografia, ao explorar a conexão entre o processo de desenvolvimento
da linguagem com a construção e o uso da representação cartográfica pelos indivíduos.

13

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

É notável a densidade com que aborda as questões teóricas, o
tratamento dado ao material empírico e a criatividade com que
apresenta as suas interpretações. Além disso, há um cuidado no
emprego de uma linguagem clara em respeito ao leitor, com a nítida
intenção de que a sua pesquisa seja socializada entre os professores.
As contribuições deste estudo são fundamentais para embasar
práticas escolares que utilizem os mapas mentais. O livro fornece
estratégias de como os mapas mentais podem ser utilizados como
recurso capaz de aproximar os conceitos científicos das leituras da
vivência, para que os estudantes possam desenvolver interpretações aprofundadas sobre o processo de construção do espaço.
Trata-se de um material riquíssimo, que se revela potencialmente significativo como fonte de pesquisa e referência para ações
dos professores, principalmente da educação básica, e de inspiração
para novas pesquisas na área do ensino de Geografia e da Cartografia Escolar.
Seria um paradoxo dizer que esta pesquisa nos deixou profundamente insatisfeitas, se não considerássemos que a satisfação é
excesso de certeza. A certeza não condiz com o processo de investigação científica, pois o que o desencadeia é, sobretudo, a dúvida,
não a resposta. Como muito bem aponta Mario Sergio Cortella,
em seu livro Qual é a tua obra?: inquietações propositivas sobre
gestão, liderança e ética: "tomemos, pois, muito cuidado com a satisfação. A satisfação paralisa, a satisfação adormece, a satisfação
entorpece. A satisfação pode nos deixar num estado de tranquilidade. Sabe o que é o oposto? O que nos renova? É a outra pessoa".
Denis nos propiciou a gratificante experiência de que há algo mais
a ser investigado/conhecido. Um gosto prazeroso de quero mais...
Se o inspiramos, ele certamente nos revitalizou.
Suas orientadoras, suas admiradoras:
Fátima Aparecida Dias Gomes Marin
Mônica Modesta Santos Decanini
Presidente Prudente/SP, junho de 2011

Introdução

Este livro refere-se à pesquisa de doutorado defendida em 2010
no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Faculdade de
Ciências e Tecnologia ­ FCT ­ Universidade Estadual Paulista ­
UNESP/campus de Presidente Prudente/SP, sob orientação da
professora doutora Fátima Aparecida Dias Gomes Marin (UNESP)
e co-orientação da professora doutora Mônica Modesta Santos Decanini (UNESP), tendo o propósito de investigar o raciocínio geográfico desenvolvido pelos alunos da 3a série do ensino médio
(EM), a partir da contribuição do ensino de Geografia, em duas
escolas (uma pública e outra particular) localizadas na cidade de
Presidente Prudente. Para isso, propusemos aos estudantes dessas
escolas a construção de mapas mentais da respectiva cidade com o
objetivo de analisar e interpretar o raciocínio geográfico formado
ao longo da educação básica; identificar e avaliar o conhecimento
que os alunos possuíam dos conteúdos da Geografia; e conhecer
como esses estudantes utilizavam a linguagem espacial para expressar seus conceitos espontâneos e científicos. A produção desses
mapas mentais revelou as leituras e os entendimentos que os alunos
desenvolvem em relação à organização e à estrutura da cidade, bem
como os processos que interferem na produção dos diferentes contextos do espaço urbano.

16

DENIS RICHTER

Podemos destacar que a necessidade de desenvolvermos um estudo sobre o raciocínio geográfico se instaura na ideia de que, no
processo de aprendizagem de Geografia, é fundamental estabelecermos relações com os objetos e arranjos espaciais que compõem a
sociedade ­ a totalidade (Santos, 2005). Essa perspectiva encontra-se fortemente associada às práticas escolares, no sentido de que,
quando um aluno participa da escola, espera-se que o mesmo possa
integrar ao seu cotidiano uma leitura mais crítica da realidade.
Ao concordarmos com isso, reconhecemos que todas as disciplinas possuem sua parcela de responsabilidade na formação escolar dos indivíduos. Sendo assim, no caso da Geografia não seria
diferente; como qualquer outro campo científico que faz parte dos
saberes curriculares da escola, essa disciplina busca proporcionar
ao aluno um "novo olhar" sobre o seu contexto sociocultural. Para
a Geografia, esse olhar está relacionado ao estudo do espaço.
Esse destaque ao termo espacial significa que existe uma preocupação sobre a localização e a contextualização do "onde(?)" dos
objetos, dos fatos e dos fenômenos no/do cotidiano (Santos, 2002).
Temos condições de aproximar esse debate do trabalho escolar
a partir das orientações dos Parâmetros Curriculares Nacionais
(PCNs) do Ensino Fundamental de Geografia, que fazem uma
alusão ao termo olhar:
Se nessa fase da escolaridade é possível trazer o mundo para a sala
de aula do aluno, é também importante levar os alunos para fora
dela. É relevante lembrar que grande parte da compreensão da Geografia passa pelo olhar. [...] A observação permite explicações sem
necessidade de longos discursos. Além disso, estar diante do objeto
de estudo é muito mais cativante e prazeroso no processo de aprendizagem. (Brasil, 1998, p.34) [grifo nosso]

Para ampliarmos essa discussão, destacamos o mapa como uma
importante linguagem que colabora na formação e no desenvolvimento desse raciocínio geográfico. Esse meio de comunicação, que
há muito tempo faz parte do ambiente escolar, possui uma ligação

17

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

muito forte com a Geografia, desde a gênese dessa ciência até a contribuição para seu avanço nos mais diferentes campos científicos.
E, no que se refere ao trabalho pedagógico, o mapa é comumente
utilizado como símbolo da Geografia em livros didáticos, em sítios
na internet ou na própria leitura e interpretação dos alunos e dos
professores sobre essa ciência.
Sendo assim, para contribuirmos com o processo de desenvolvimento do raciocínio geográfico, recomenda-se a utilização de um
recurso que faça uso da representação espacial, como expressão e
linguagem, a fim de contribuir para a formação de uma leitura geográfica mais coadunada com a dinâmica espacial ­ que no caso é o
mapa.
O mapa é um instrumento de comunicação, de linguagem e de
representação que faz parte da vida do ser humano desde que o
mesmo, em suas comunidades e organizações mais remotas, identificou a importância de "desenhar" o espaço vivido. Concepção
muito próxima da fala e da escrita para a história das sociedades
(Vigotski, 2000). O propósito do uso do mapa, ao longo das gerações, fez com que o mesmo nunca perdesse a dimensão de acompanhar o desenvolvimento cultural humano, tanto é que nos dias
atuais o mapa continua sendo valorizado nas práticas sociais. Porém,
como surgem novos questionamentos sobre os diferentes lugares
do mundo, a Cartografia é requisitada para responder e contribuir
para o conhecimento científico.
Contudo, o uso do mapa esteve, muitas vezes, atrelado às concepções mais cartesianas, que, de certa forma, restringiram sua
participação nas atividades escolares, seja por meio da cópia de
mapas, fato que consideramos um problema, ou apenas da sua leitura/visualização como recurso colaborador dos conteúdos geográficos. Porém, a prática de construção de mapas, geralmente, não se
encontra consolidada nas escolas. Essa postura é pertinente por entendermos que a Cartografia, na maioria dos casos, é apresentada
como uma linguagem pronta e finalizada aos alunos durante sua
formação escolar. Essa situação não atende às propostas dos PCNs
(Brasil, 1997, 2002 e 2006), que propõem a formação de um aluno

18

DENIS RICHTER

que tenha condições de ler, analisar, interpretar e produzir (ser um
fazedor de) mapas. Nesse caso, a única perspectiva de formação,
quando há, é a de um leitor de mapas. Em outras palavras, a pos
sibilidade de construir um mapa parece estar longe do ambiente
escolar.
A partir dessas questões é que defendemos a necessidade de
aprofundarmos o debate e a construção de uma prática didática que
utilize o mapa como importante linguagem na contribuição do processo de ensino-aprendizagem de Geografia e, consequentemente,
do desenvolvimento do raciocínio geográfico. A proposta de realizarmos um trabalho somente com o mapa pronto ou existente1 não
atende, muitas vezes, às expectativas da formação escolar dos estudantes. O que se sustenta aqui é a busca por caminhos que possibilitem um ensino voltado à construção do mapa de uma maneira
mais livre e participativa. Para alcançarmos esse objetivo, destacamos o uso de mapas mentais como ferramentas capazes de aproximar o conhecimento dos saberes científicos ensinados na escola
da leitura do cotidiano.
Desse modo, o mapa mental é analisado como um recurso que
permite a construção de uma expressão gráfica mais livre, tendo
a perspectiva de que o estudante possa transpor para essa representação espacial os conteúdos geográficos aprendidos ao longo da
educação básica. Assim, além de utilizar a fala, a escrita, a imagem
ou o próprio mapa convencional/tradicional, o aluno terá a oportunidade de apresentar num mapa mental suas interpretações a respeito de um determinado lugar, provenientes de leituras mais
científicas da realidade.

1. Entendemos por mapas prontos, existentes ou convencionais as representações
cartográficas presentes nos livros didáticos de Geografia, em atlas ou mapas
murais, por exemplo, que já estão finalizadas e muitas vezes não exigem a interferência do leitor em seu processo de produção. Nesse caso, a relação com o
aluno está no ato de interpretação das informações. Contudo, reconhecemos
que esse tipo de material é utilizado com frequência nas escolas e possui significativa importância para a aprendizagem da Geografia.

19

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Com base nesses apontamentos, organizamos este livro2 em
quatro capítulos que buscam discutir a importante colaboração da
Cartografia para o ato da leitura espacial, desde a interpretação do
mapa como linguagem de comunicação até sua possibilidade de
utilização para analisar o cotidiano. Essa organização visa aprofundar as questões suscitadas na introdução deste trabalho, possibilitando que o leitor possa compreender quais são os debates
científicos que existem sobre a temática estudada e, principalmente, quais avanços oferecemos para subsidiar o desenvolvimento
do raciocínio geográfico com o uso dos mapas mentais.
Sendo assim, o primeiro capítulo se ocupa em discutir os "Pressupostos teóricos da Cartografia Escolar". Nele, são realizados os
resgates históricos do desenvolvimento dessa linha de pesquisa, que
obteve um significativo crescimento nos últimos anos no Brasil,
como, também, as atuais reflexões sobre o ensino de Cartografia.
No segundo capítulo, a proposta apresentada se baseia na integração das concepções teóricas de Vigotski com a representação da
linguagem espacial. Seu desafio está em resolver a seguinte questão:
"Teoria histórico-cultural e Cartografia: uma aproximação possível?". Para fazermos essa conexão, apresentamos ao longo do texto
deste capítulo caixas de textos que visam relacionar a teoria vigotskiana com o processo de construção do mapa.
Após realizarmos o resgate das discussões pertinentes sobre
Cartografia Escolar e de discorrermos sobre a contribuição da
teoria vigotskiana para a representação espacial, consideramos necessário indicar um instrumento que colabora para essa associação.

2. Como já foi explicado, este livro é resultado da tese de doutorado intulada Raciocínio geográfico e mapas mentais: a leitura espacial do cotidiano por alunos do
ensino médio, defendida em 2010. Para a organização desse material optamos
por retirar as discussões sobre a metodologia da pesquisa e focamos as análises
dos mapas mentais na relação com os temas/conteúdos da Geografia. Esse fato
reduziu a quantidade de páginas, porém sem perder a qualidade e o objetivo
do trabalho. O leitor que tiver interesse em conhecer a tese completa, poderá
acessá-la no seguinte endereço: .

20

DENIS RICHTER

Para isso, o terceiro capítulo propõe o debate a respeito do "Ensino
de Geografia e os mapas mentais", que discute como as práticas
escolares dessa disciplina podem avançar no desenvolvimento do
raciocínio geográfico, por meio do uso e da produção de mapas
mentais.
Para finalizarmos, o capítulo quatro apresenta a "Análise dos
mapas mentais" que foram produzidos por alunos da 3a série do
EM, utilizando para isso as questões levantadas nos três primeiros
capítulos, a respeito da Cartografia Escolar, da abordagem teórica
de Vigotski e das concepções teóricas do ensino de Geografia. Nesse
trabalho de análise dos esboços cartográficos foi necessário construirmos tabelas e gráficos que nos ajudassem na interpretação
desses mapas. Além disso, inserimos os próprios mapas produzidos
pelos estudantes para exemplificar determinados contextos presentes em cada representação.
Ao longo do desenvolvimento desse último capítulo, nosso objetivo foi de suscitar propostas para o trabalho docente3 e de apresentar elementos que destacam os mapas mentais como linguagem
que expressa e colabora na investigação do raciocínio geográfico
dos indivíduos.
As "Considerações finais" buscam recuperar as principais
ideias articuladas neste livro, bem como indicar caminhos que
possibilitam integrar o ensino de Geografia com a produção dos
mapas mentais na perspectiva de superar a Cartografia como um
fim em si mesmo. Além disso, destaca contextos que possibilitam

3. Mesmo havendo críticas ao tom prescritivo aos docentes, consideramos fundamental apresentar alguns caminhos que possibilitem a intervenção do professor
no processo de ensino-aprendizagem de Geografia com a utilização da produção de mapas mentais. Muito mais do que limitarmos a ação docente, entendemos que essa nossa escolha contribui para que o professor compreenda a
significativa colaboração das representações espaciais para o desenvolvimento
do raciocínio geográfico. Portanto, sabemos que o professor tem autonomia
para realizar o seu trabalho em sala de aula e que os estudos acadêmicos são
apenas aportes ou diretrizes que visam contribuir para o processo de formação
escolar.

21

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

apresentar ao leitor a proximidade entre o desenvolvimento do raciocínio geográfico e a produção dos esboços cartográficos.
Por fim, após darmos as devidas explicações e apresentações,
desejamos a todos uma boa leitura!

1
Pressupostos teóricos da
Cartografia Escolar

A luta da Cartografia Escolar por um "espaço" no
ensino de Geografia
A área de pesquisa sobre Cartografia Escolar constitui hoje um
importante eixo de estudo científico do ensino de Geografia. Seu
alcance nos mais diferentes espaços da educação, como na prática
da sala de aula e, ao mesmo tempo, na formulação das propostas
teóricas e de orientações educacionais, são muito evidentes. Tanto
é que se tornou comum encontrarmos nos materiais didáticos de
Geografia ou no desenvolvimento dos trabalhos pedagógicos a inserção das atividades cartográficas, principalmente relacionadas ao
processo metodológico de aprendizagem do mapa.
Esse processo é conhecido como alfabetização cartográfica, que
se refere a uma proposta de ensino do mapa para escolares, a partir
do desenvolvimento das noções espaciais topológicas, projetivas e
euclidianas.1 O conjunto e a inter-relação dessas noções, ao longo
do ensino de Geografia, possibilitam ao indivíduo a formação de
um conhecimento mais coadunado com a leitura e a construção do
1. Essas noções espaciais serão explicadas, com maior aprofundamento, entre as
páginas 38-40.

24

DENIS RICHTER

mapa. Lívia de Oliveira (1978) foi quem começou a desenvolver
estudos nessa área no Brasil, a partir da tese de livre-docência intitulada Estudo metodológico e cognitivo do mapa. Nesse trabalho, a
pesquisadora identificou a relação entre a aprendizagem da Cartografia com o processo de ensino da alfabetização da linguagem escrita, além de aproximar as concepções da teoria cognitiva (também
conhecida como epistemologia genética, de Piaget, 1967, 1983;
Piaget & Inhelder, 1968, 1993) do ensino da Cartografia. Essa autora destaca:
Enquanto que a alfabetização sempre foi um problema que chamou
a atenção dos educadores, ela foi sempre entendida como processo
de ensino/aprendizagem da leitura e escrita da linguagem escrita
e falada de uma determinada língua. Não está incluído na alfa
betização o problema da leitura e escrita da linguagem gráfica, par
ticularmente do mapa: os professores não são preparados para
"alfabetizar" as crianças no que se refere ao mapeamento. O que
queremos dizer é que não há uma metodologia do mapa: este não
tem sido aproveitado como um modo de expressão e comunicação,
como poderia e mesmo deveria ser. Pouco sabemos sobre quando
poderia ser introduzida a criança no mundo da representação espacial, especialmente do mapa. (p.2)

Com base nessas preocupações indicadas por Oliveira (1978) é
que se iniciou a consolidação das pesquisas sobre Cartografia Escolar no Brasil, promovida por um grupo de pesquisadoras2 que até
os dias atuais contribui, significativamente, para o fortalecimento
dessa área de estudo.

2. É interessante registrar que grande parte das pessoas que se debruçaram sobre
essa temática foram professoras, sendo as principais: Paganelli (1982); Simieli
(1986, 1999); Almeida & Passini (1998); Antunes, Menandro & Paganelli
(1993); Almeida (1994, 2001); Passini (1994); Rufino (1996); Girardi (1997,
2003); Katuta (1997, 2003) e Le Sann (2007).

25

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Vale ressaltar que o surgimento dessa área de pesquisa ocorreu
num momento em que os debates e as revisões a respeito da ciência
geográfica estavam em efervescência. Pode-se dizer que as décadas
de 1970 e 1980 representaram um divisor de águas para o desenvolvimento da Geografia que se fazia no Brasil e no mundo, a partir do
desenvolvimento de leituras mais questionadoras do papel social
dessa ciência, fazendo com que houvesse um estreitamento com as
bases marxistas. Esse momento ficou conhecido como Movimento
de Renovação da Geografia (1978) ­ Geografia Crítica ­, que segundo Moreira (2007) foi articulado, principalmente, pelos trabalhos científicos de Lacoste (1988); Lefebvre (1973, apud Moreira,
2007); Santos (1978) e Quaini (1979).
Esses dois fatos apresentados revelam, ao mesmo tempo, que
enquanto a Cartografia começava a ganhar novas interpretações e
buscava maior espaço no ensino de Geografia, a própria Geografia
(Geografia Crítica) iniciava um período de desvalorização dessa
representação espacial em suas leituras teóricas, por entender que
o mapa era um expoente direto do (neo)positivismo. As consequências desse contrassenso refletiram-se diretamente na formação
de muitos professores de Geografia e, também, de inúmeros alunos
da educação básica, já que estes não tiveram a oportunidade de conhecer a importante colaboração do uso e da produção do mapa
para o ensino de Geografia.3
O descrédito que se deu à Cartografia foi sentido nas práticas
pedagógicas e na organização dos materiais didáticos que eram utilizados nas aulas de Geografia, ou seja, mesmo o mapa sendo incluído nos programas de ensino ou no rol dos conteúdos escolares,
muitos professores não desenvolviam um trabalho integrado dos
saberes geográficos com a contribuição da linguagem cartográfica.
Essa atitude, por parte dos docentes, fez com que o mapa fosse colocado numa posição inferior em relação aos demais conteúdos ou
linguagens trabalhadas nas aulas de Geografia. Por isso, mesmo
3. Sobre esse assunto, ver mais nos materiais de Katuta (1997) e Katuta & Souza
(2001).

26

DENIS RICHTER

quando era possível encontrar o mapa nas práticas de ensino, ele
recebia a única função de localizar um determinado fenômeno ou
fato. Nesse caso, subutilizando suas inúmeras contribuições para a
formação do raciocínio geográfico (Teixeira, 2001; Girardi, 2003).
Diante disso, não se pode deixar de mencionar que, com o advento da Geografia Crítica ou Radical, foi gerado um discurso de
desvalorização dos materiais e recursos que eram considerados
mais técnicos (tecnicistas ou herdeiros do pensamento [neo]posi
tivista), como a Cartografia. Essa leitura equivocada posicionou o
mapa como um representante da chamada geografia tradicional, a
qual se esperava que fosse superada pelos professores. Katuta
(1997) nos esclarece muito bem esse momento e aponta alguns cuidados sobre a crítica desse período:
[...] apesar de alguns pesquisadores afirmarem ou darem a impressão de que o mapa sempre foi utilizado no ensino de Geografia
o que vemos ou podemos observar na realidade é [...] um paradoxo
entre o que os pesquisadores afirmam e o que ocorre no ensino de
Geografia, porque na maioria das vezes, impera um certo abandono, descaso e subutilização desse meio de comunicação, em
função de um discurso tido como geográfico, mas que na verdade
empobrece o papel da escola e da própria disciplina em questão.
Foi o que ocorreu com boa parte de professores de Geografia formados sob a égide da Geografia Crítica. Ao nosso ver, houve um
certo descuido com sua formação cartográfica. Com isso, gosta
ríamos de esclarecer que não estamos criticando o movimento de
crítica à Geografia produzida até então, mas procuramos evidenciar algo que deixou marcas profundas na formação docente e na
Geografia que se ensina atualmente. (p.55)

No entanto, independente da formação desse quadro que negligenciava a integração do mapa nas atividades de ensino de Geografia, os estudos na área de Cartografia Escolar se constituíram e
começaram a se estruturar, por meio de pesquisas de mestrado e
doutorado. O resultado desse trabalho atingiu patamares jamais

27

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

imaginados, já que as duras críticas sobre os mapas apontavam
para um recuo no engajamento de pesquisadores. O estudo de Pinheiro (2005a), que fez o levantamento bibliográfico da produção
acadêmica brasileira de ensino de Geografia entre os anos de 1967 a
2003, indica o crescimento da área de Cartografia Escolar (na Figura 1, a nomenclatura utilizada é representação espacial). E, ainda
mais, esse mesmo estudo revela que a Cartografia Escolar ocupa a
posição de primeiro lugar em número de trabalhos.4

Figura 1 ­ Distribuição das pesquisas por áreas temáticas (1967-2003)
Fonte: Pinheiro, 2005a, p.81.

Esses dados apresentados refletem, também, uma realidade
muito comum nos encontros de Geografia dos últimos anos, muitos
deles promovidos pela Associação de Geógrafos Brasileiros (AGB),
4. Se forem somados os trabalhos de mestrado e doutorado, por área temática de
pesquisa.

28

DENIS RICHTER

de que o tema Cartografia Escolar está presente em quase todas as
discussões de mesas redondas e/ou dos minicursos realizados durante esses eventos. A procura por essa área de estudo evidencia que,
atualmente, muitos estudantes da graduação de Geografia e professores já formados buscam aprimorar e conhecer mais sobre o trabalho didático-pedagógico de uso e produção do mapa no ambiente
escolar.
Portanto, passados mais de trinta anos após a primeira publicação acadêmica sobre o ensino da Cartografia, o quadro que se encontra hoje é completamente diferente do que se configurava em
1978. O mapa ganhou status de linguagem imprescindível na realização das atividades escolares, como também foi inserido na grade
curricular dos cursos de formação de professores de Geografia,
sendo interpretado como um importante colaborador no processo
de ensino-aprendizagem dessa ciência e ampliando a sua participação no desenvolvimento dos conhecimentos geográficos (Almeida & Passini, 1998; Girardi, 2003). Essa mudança em relação à
participação do mapa nas atividades de Geografia se deve, também,
às pesquisas de Simielli (1986, 1999) que apresentaram uma análise
da Cartografia para além da localização, propondo desde uma articulação com a análise, a correlação e a síntese, até a consolidação do
mapa como um meio de comunicação ­ uma linguagem. Ou, como
apresenta a autora:
[...] a cartografia, além de se constituir em um recurso visual muito
utilizado, oferece aos professores a possibilidade de se trabalhar em
três níveis:
1) Localização e análise: cartas de análise, distribuição ou repartição, que analisam o fenômeno isoladamente.
2) Correlação: permite a combinação de duas ou mais cartas de
análise.
3) Síntese: mostra as relações entre várias cartas de análise, apresentando-se em uma carta-síntese. (Simielli, 1999, p.96-7)
[grifo nosso]

29

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Essa proposta busca superar a utilização descontextualizada do
mapa como ilustração presente nos livros didáticos ou nos mapas-murais, para uma integração mais próxima do ensino dos conteúdos e dos saberes geográficos desenvolvidos em sala de aula.
Outro destaque refere-se ao processo de alfabetização cartográfica5 e seus desdobramentos. Os estudos dessa temática possibi
litaram uma forte integração da representação espacial com as
atividades escolares das séries iniciais do ensino fundamental.
Como resultado dessa maior aproximação entre Geografia e Cartografia, foi produzida uma quantidade relevante de publicações referente à área de Cartografia Escolar.6
Esse contexto revela que o debate da valorização do uso da Cartografia nas aulas de Geografia atingiu novos patamares, por
exemplo, nas orientações e nas propostas dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) do ensino fundamental e médio. Esses
documentos oficiais indicam a necessidade de desenvolver o trabalho didático-pedagógico de Geografia vinculado ao uso, à aprendizagem e à construção da linguagem cartográfica. Em outras
palavras, o mapa é estabelecido como um importante recurso no
processo de ensino-aprendizagem da Geografia por contribuir para
a formação de uma análise espacial.
Diante disso, pode-se destacar a presença da Cartografia entre
os temas curriculares de Geografia na educação básica, como pode
ser observado no seguinte texto dos PCNs:
O estudo da linguagem cartográfica, por sua vez, tem cada vez
mais reafirmado sua importância, desde o início da escolaridade.
Contribui não apenas para que os alunos venham a compreender e
5. Segundo Girardi (2003), as pesquisas sobre alfabetização cartográfica provêm
de estudos anteriores, como: teoria da informação (mapa como veículo de informações); teoria da modelização (mapa como modelo da realidade); e teoria cognitiva (mapa como fonte variável de informações).
6. Por exemplo: Antunes, Menandro & Paganelli (1993); Passini (1994); Almeida
& Passini (1998); Almeida (2001, 2007) e Pontuschka, Paganelli & Cacete
(2007).

30

DENIS RICHTER

utilizar uma ferramenta básica da Geografia, os mapas, como
também para desenvolver capacidades relativas à representação do
espaço. (Brasil, 1997, p.79)

Esse fato indica que a Cartografia Escolar encontra-se hoje bem
articulada, teoricamente, no âmbito científico e nas orientações
das propostas curriculares. Entretanto, nem sempre os avanços são
materializados no cotidiano da sala de aula, pois, mesmo existindo
materiais didáticos como o atlas, o livro didático, os mapas-murais,
o globo terrestre, etc., esses recursos são, muitas vezes, subutilizados no processo de ensino-aprendizagem, caraterizando um descompasso entre o desenvolvimento das pesquisas acadêmicas com
a realização da prática escolar de Geografia.
Entende-se que essa situação contradiz os inúmeros avanços
que ocorreram na utilização e, principalmente, na contribuição da
linguagem cartográfica para o ensino de Geografia. Já que essa
ciência tem como um dos seus principais objetivos ensinar e de
senvolver nos indivíduos uma leitura mais atenta das questões es
paciais, que são produtos e processos da sociedade em diferentes
tempos e espaços. Posto isso, é interessante recuperar uma citação
de Oliveira (1978, p.56) que destacava esse problema, ao dizer que:
Os mapas constituem, sem dúvida, um dos mais valiosos recursos
do professor de Geografia. Eles ocupam um lugar definido na
educação geográfica de crianças e adolescentes, integrando as atividades, áreas de estudos ou disciplinas, porque atendem uma variedade de propósitos e são usados em quase todas as disciplinas
escolares. Mas é somente o professor de Geografia que tem formação básica para propiciar as condições didáticas para o aluno
manipular o mapa. Como parte inerente de todos os programas de
Geografia, qualquer que seja o assunto tratado ou a série considerada, o mapa ocupa um lugar de destaque.

Nesse sentido, o uso do mapa para colaborar com o desenvolvimento de um pensamento espacial é imprescindível, já que a re-

31

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

presentação cartográfica expressa, por meio de sua linguagem de
comunicação, a organização espacial da sociedade e, assim, possi
bilita a sua leitura na perspectiva geográfica. Em suma, o ato de
utilizar, ler, refletir e construir um mapa está diretamente relacionado ao processo de um olhar mais espacial.
Esses apontamentos evidenciam que a presença e a participação
conquistada pelo ensino do mapa nas práticas escolares de Geografia representam uma mudança no ato de organizar e desenvolver
as atividades pedagógicas dessa ciência. Assim, é fundamental que
o professor, ao realizar um trabalho didático de Geografia, tenha a
consciência da importância de estabelecer conexões com as representações cartográficas, para constituir um ensino capaz de formar
alunos mais atentos às questões espaciais.

Cartografia ­ da representação espacial à
linguagem de comunicação
Como se pôde observar, a valorização do mapa como representação espacial foi agregada às práticas pedagógicas nos últimos
anos, seja pelo desenvolvimento das pesquisas acadêmicas e da sua
inserção no próprio ambiente escolar, seja pelo uso dos livros didáticos, das orientações curriculares, das publicações especializadas,
entre outros. Por maiores questionamentos que possam ocorrer
sobre a efetiva participação da Cartografia no cotidiano escolar a
partir do trabalho docente, não se pode deixar de reconhecer que o
mapa e seus diferentes produtos situam-se numa posição visivelmente diferente da realidade de trinta anos atrás.
Desse modo, a Cartografia foi interpretada como uma linguagem competente para espacializar os fenômenos sociais e naturais, sendo esta uma das principais características da representação
gráfica ­ a questão espacial. Por outro lado, se o docente entender
que o mapa é um objeto que serve somente para representar os
fatos existentes e produzidos pela sociedade, por exemplo, essa leitura pode limitar a contribuição da Cartografia no processo de en-

32

DENIS RICHTER

sino-aprendizagem. Em outras palavras, o que se quer destacar
aqui é que o mapa, além de servir para representação espacial,
possui forte relação com a questão da linguagem de comunicação.
Para complementar essas ideias, as interpretações de Katuta (2007,
p.233) são pertinentes:
É preciso salientar que existe uma linguagem específica que não
pode ser desconsiderada no processo de ensino e aprendizagem dos
conhecimentos geográficos: a linguagem cartográfica. Este meio de
comunicação permite apreender as espacializações dos fenômenos,
bem como possibilita pensar em explicações para as mesmas em
diferentes níveis escalares. Contudo, apenas esta linguagem não dá
conta da polissemia dos fenômenos geográficos, pois diversos são
os grupos sociais bem como as suas Geografias. Há que, como
afirma Moreira (1999, p.54), polissemizar a diferença, instituir a
dialética da identidade-diferença na Geografia. Para tanto há que:
"[...] rever o modo de ser representação [...], num outro que combine heterogêneo e homogêneo sem que a diferença desapareça na
homogeneidade-identidade por um ardil formal da razão". (Katuta, 2007, p.233)

Mesmo valorizando o mapa como uma importante linguagem
presente na prática escolar, é preciso compreender que ele não é a
única linguagem. Na verdade, existem outras que fazem parte da
vida dos estudantes ao longo de sua formação educacional, como
a gráfica, fílmica, fotográfica, musical, escrita, entre outras. Todas
essas linguagens possuem suas características específicas e contribuem para ampliar as formas de leitura de mundo dos indivíduos.
Entretanto, dentre essas diferentes linguagens citadas cabe destacar que uma das primeiras e principais aprendizagens que a escola se preocupa em ensinar aos alunos, no decorrer do ensino
fundamental, é a alfabetização na língua vernácula ­ a linguagem
escrita. Ao ter contato com esse conhecimento, de ler, escrever e
interpretar textos, a criança tem a possibilidade de adentrar num
"universo" totalmente diferente do que ela conhecia antes, que é o

33

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

mundo cultural produzido pela humanidade (Vigotski, 2000). A
partir desse saber, o indivíduo, mesmo que pequeno, poderá desenvolver seu conhecimento por meio da leitura, da apreensão, da
compreensão, etc., o que constituirá, ao longo do seu desenvolvimento intelectual, um diferencial na vida desse aluno. De fato, essa
habilidade de leitura, ou de se tornar um indivíduo alfabetizado, é
um dos princípios básicos da formação social de qualquer ser humano em diversas nações. É possível evidenciar essa afirmação ao
observar que na própria Constituição brasileira a alfabetização encontra-se garantida em lei.
Artigo 60. Nos dez primeiros anos da promulgação da Constituição, o poder público desenvolverá esforços, com a mobilização
de todos os setores organizados da sociedade e com a aplicação de,
pelo menos, cinquenta por cento dos recursos a que se refere o artigo 212 da Constituição, para eliminar o analfabetismo e universalizar o ensino fundamental. (Brasil, 2006, p.45) [grifo nosso]

Muitos poderiam nos questionar qual é a necessidade de investigar a leitura e a produção de mapas se o desenvolvimento das
linguagens de comunicação como a da escrita, que foi abordado
anteriormente, já permite atender inúmeras aprendizagens. Todavia, como a construção da ciência geográfica se fez e se faz, até os
dias de hoje, a partir da perspectiva espacial, esse diferencial científico que estabelece e define a própria Geografia possibilita a valorização de outras representações, como é o caso do mapa, para além
do uso da linguagem das "palavras".
Nesse processo, torna-se válido ressaltar a importante colaboração, ao longo do processo histórico do desenvolvimento da Geografia, da Cartografia como ciência e como recurso gráfico e visual
no aprofundamento e na consolidação dos estudos geográficos
(Brasil, 1998). O mapa não é somente um objeto secundário no
desenvolvimento cognitivo de um indivíduo, ele faz parte da formação do desenvolvimento cultural humano e, portanto, expressa,
a partir da representação espacial, as transformações vividas pela

34

DENIS RICHTER

sociedade. Sua importância também inclui o ambiente escolar,
já que o mapa está presente no contexto dos conteúdos curriculares pela leitura e construção de uma compreensão espacial do
cotidiano.
Lacoste (1988) já salientava a importância de superar a ideia de
que a escola devesse somente ensinar a ler as letras: "Vai-se à escola
para aprender a ler, a escrever e a contar. Por que não para aprender
a ler uma carta?" (p.55).
Sendo assim, mesmo que um aluno venha a expressar o seu entendimento sobre a Geografia pelo uso das palavras, há um aprofundamento maior dos saberes produzidos pelo ensino de Geografia
que podem ser elaborados e apresentados numa representação cartográfica. Nesse processo didático-pedagógico, o professor pode analisar com mais cuidado a correlação que os alunos fazem entre o
conhecimento da Geografia com a organização espacial da sociedade,
tendo para isso o mapa como recurso e linguagem. Ao seguir essas
orientações, a interpretação de um aluno sobre um determinado
lugar, que poderia vir apenas do plano do discurso (da fala) ou da
própria escrita, mesmo sendo fundamental para a vida em sociedade,
não seria uma análise totalmente espacial. Contudo, é possível
afirmar que essa análise, que era antes uma interpretação generalista
ou de síntese na concepção da Geografia tradicional, transforma-se
agora, com o acréscimo da palavra espacial, numa leitura do espaço
geográfico.
Como em qualquer processo de leitura, é necessária a existência de alguns elementos que contribuam para a atividade de interpretação e construção da linguagem. No caso do mapa não seria
diferente; essa representação espacial precisa de determinados elementos que lhe dão sentido, como a localização, a orientação, a
simbologia, a escala (cartográfica e geográfica), a projeção e as
coordenadas geográficas (Richter, 2004). O conjunto desses elementos constitui a possibilidade de o mapa comunicar com maior
clareza os fenômenos representados e de, indiretamente, dialogar
com seu usuário. Dessa maneira, a escola também se torna res
ponsável por ensinar esses elementos pela realização das práticas

35

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

pedagógicas que organizam o conhecimento sistematizado em linguagens específicas, como o mapa.
Para contribuir com esse entendimento da Cartografia como
linguagem, Simielli (1986) desenvolve uma análise a respeito da
presença do signo como elemento de comunicação entre o produtor
e o leitor do mapa. Essa interpretação se destaca por promover uma
importante relação existente na linguagem, que é a do significante e
do significado.
Para se entender plenamente a linguagem cartográfica é preciso
destacar aqui a importância da semiótica, ciência geral de todas as
linguagens, mais especialmente dos signos. O signo é algo que representa o seu próprio objeto. Ele só é signo se tiver o poder de
representar este objeto, colocar-se no lugar dele, e, então, ele só
pode representar esse objeto de um certo modo e com uma certa
capacidade. O signo só pode representar seu objeto para um intérprete, produzindo na mente deste um outro signo, considerando o
fato de que o significado de um signo é outro signo. (p.74)

Nesse mesmo texto, a autora complementa:
O signo possui dois aspectos: o significante e o significado. O signi
ficante constitui-se no aspecto concreto (material) do signo. Ele é
audível e/ou legível. O significado é o aspecto imaterial, conceitual
do signo. O plano do significante é o da expressão e o plano do significado é o do conteúdo. Esses aspectos levam à significação que
seria o produto final da relação entre os dois. (p.74)

Entretanto, Guelke (1979) aponta que o contexto geográfico do
símbolo cartográfico é que lhes atribui significado, ou seja, a sua
espacialidade em relação a outros fenômenos geográficos.
São estudos como esses que ajudam a apresentar a importante
participação da Cartografia no desenvolvimento das linguagens,
como meio de comunicação responsável por ampliar as possibilidades de leitura de mundo dos indivíduos. Dessa forma, os mapas

36

DENIS RICHTER

se tornam um novo olhar para os processos de (re)produção da
sociedade, expressando, por meio da perspectiva espacial, os elementos que são responsáveis pela configuração da formação socioespacial.
Por outro lado, a aprendizagem do mapa não pode ser realizada
da mesma forma que ocorre com a alfabetização das letras. É necessário estabelecer um caminho específico para que a Cartografia seja
compreendida pelos alunos nas atividades escolares, respeitando,
principalmente, sua cognição. Para isso, a proximidade com os estudos de Jean Piaget e Bärbel Inhelder foi fundamental e permitiu
um significativo avanço no trabalho metodológico de ensino do
mapa.

A teoria cognitiva e o ensino do mapa
Quando Piaget iniciou suas pesquisas sobre o processo de
aprendizagem, na primeira metade do século XX, seu objetivo era
identificar que elementos e contextos influenciavam a capacidade
do ser humano de aprender e se desenvolver. Para isso, esse estudioso buscou na base do conhecimento teórico evolutivo e biológico, tendo como parâmetro as investigações de Charles Darwin,
esclarecimentos para compreender como os seres humanos são capazes de produzir saberes científicos e, ao mesmo tempo, modificar esse conhecimento ao longo dos anos.
Para responder a suas indagações iniciais, Piaget e seus co
laboradores7 organizaram a chamada estrutura cognitiva, também
conhecida como teoria cognitiva, que explica os períodos de desenvolvimento intelectual humano, fundamentado no processo de

7. Dentre seus vários colaboradores, a psicóloga e pedagoga Bärbel Inhelder é a
que mais se destaca por ter contribuído na produção de importantes livros,
como os relacionados à construção do espaço e da psicologia infantil. Porém,
podem ser citados ainda: Paul Fraisse, Louis Meylan, Pierre Bovet, entre
outros.

37

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

assimilação e acomodação,8 que se divide em três etapas bem
características: sensório-motora, operações concretas e operações
formais. A partir dessa estrutura teórica é que Piaget vai construir
todos os seus estudos sobre o ser humano, relacionando sempre
seus questionamentos com esse processo de formação do conhecimento. Em suma, esses pontos representam uma importante base
da teoria conhecida como piagetiana, que se tornou, no século passado, um dos estudos mais utilizados no campo da pedagogia
educacional.
Com base nesse referencial, Piaget produziu inúmeros estudos
sobre a inteligência, o raciocínio, a aprendizagem e o conhecimento, o juízo, a moral, o tempo, a formação do símbolo, a construção do espaço, entre outros. Dentre todas as suas pesquisas, as
produções científicas acerca do espaço (nesse caso, geométrico) tiveram significativos alcances no ensino de Geografia, já que muitos
pesquisadores dessa ciência conseguiram identificar uma proximi
dade entre as estruturas de construção do espaço com o processo de
compreensão/produção do mapa. O resultado disso foi a validação
das noções topológicas, projetivas e euclidianas no entendimento das
etapas da construção do espaço pelos indivíduos escolares.9
8. Para Piaget, o conceito de assimilação e acomodação tem importante papel na
compreensão das estruturas cognitivas, já que estas se organizam a partir do
movimento de equilibração do conhecimento. Em outras palavras, esse processo pode ser explicado assim: "Na assimilação, quando uma criança se depara
com um problema para a satisfação de suas necessidades, ela examina seu repertório de esquemas para resolvê-lo. Adaptar os estímulos ambientais ao conhecimento que já possuem requer que as crianças repensem o evento de forma
que corresponda ao padrão do seu repertório. [...] A acomodação pode ocorrer se
a nova situação não puder corresponder aos esquemas da criança. Esta dificuldade de correspondência vai resultar em uma de duas consequências: (1) o incidente não é assimilado de nenhuma forma, ou (2) a insatisfação faz com que a
criança modifique um esquema existente, ou seja, acomode-o" (Spodek & Saracho, 1998, p.74).
9. Para saber mais sobre esse tema, são indicadas as seguintes leituras: Oliveira
(1978); Almeida & Passini (1998); Antunes et al. (1985); Antunes et al. (1993);
Piaget & Inhelder (1993); Simielli (1999); Passini (1994, 2003); Katuta (1997);
Almeida (2001, 2007) e Richter (2004).

38

DENIS RICHTER

De forma sintética, pode-se explicar que o topológico se caracteriza por definir o lugar dos objetos, das "coisas", fator que para o
mapa é fundamental, por designar uma das principais funções da
representação cartográfica, que é localizar.
Uma das primeiras relações espaciais que a criança desenvolve é a
Topológica (menos de cinco anos). Ela representa a descoberta da
criança em referência à vizinhança, ao lado, a separação, ao "entre"
ou ao dentro/fora, a ordem ou a sucessão, ao envolvimento ou ao
fechamento e a continuidade ou ao contínuo. Estes termos são considerados os mais elementares no trabalho de construção e representação dos espaços (Antunes, Paganelli & Soihet, 1985). (Richter,
2004, p.55-6)

O projetivo está relacionado à perspectiva do olhar do indivíduo
sobre um determinado objeto, tendo como resultado o desenho, a
grafia desse objeto, que pode ser vertical, de perfil ou oblíqua. No
que se refere ao mapa, essa perspectiva está presente na sua própria
representação gráfica, que geralmente é a vertical.
[...] o trabalho desenvolvido nas noções projetivas visa colaborar
na compreensão das perspectivas e projeções que o mapa possui,
demonstrando para o aluno que as representações cartográficas
respeitam a perspectiva utilizada [...]. Outra contribuição desta
noção é a respeito da orientação, pois com a aprendizagem sobre as
habilidades de lateralidade e conhecimentos das direções direita e
esquerda, será realizado um trabalho de integração com os pontos
cardeais, presentes nos mapas e que fazem parte do cotidiano do
aluno não só na escola, mas também na sociedade [...]. (Richter,
2004, p.68)

Por fim, o euclidiano integra os eixos de coordenadas planas à
produção cartográfica, pois o seu cruzamento permite a localização
exata dos objetos representados no mapa.

39

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Isso ocorre juntamente com o surgimento da noção de coordenadas
que situam os objetos uns em relação aos outros e englobam o lugar
do objeto e seu deslocamento em uma mesma estrutura. Isto corresponde às Relações Espaciais Euclidianas. A organização espacial
do aluno envolve perspectiva e coordenadas, de modo que é capaz
de localizar-se e orientar-se usando referenciais abstratos [...]. (Almeida & Passini, 1998, p.38)

Embora esses apontamentos sejam um resumo das noções espaciais que se encontram presentes no processo metodológico de
construção do mapa, eles já destacam que há uma estreita aproximação dos estudos piagetianos com o trabalho de ensino da Cartografia. Para ampliar essa questão, Passini (1994) apresenta um
quadro (Figura 2) que expressa muito bem essa relação.
É interessante observar que essas operações mentais para a
realização da leitura de mapas, conforme o quadro organizado por
Passini, são relativas ao trabalho de alfabetização cartográfica que
se realiza nas aulas de Geografia das séries iniciais do ensino fundamental. Cada período de desenvolvimento destacado pela autora
propõe um avanço, uma aprendizagem para os elementos cartográficos, desde a construção dos símbolos e de sua tradução pelo uso
da legenda, momento no qual o aluno tem condições de compreender a relação entre o significante (o símbolo) e seu significado (o
que o símbolo representa); até o reconhecimento de limites/fronteiras presentes nas representações cartográficas pela delimitação
dos países, estados, municípios e demais territórios; e do enten
dimento da importante contribuição da orientação geográfica, da
perspectiva da projeção cartográfica, do uso e da função das escalas
e das coordenadas geográficas. A partir do conhecimento de todos
esses elementos e de sua integração, o indivíduo tem possibilidade
de realizar uma leitura mais ampla e crítica das informações inse
ridas num determinado mapa.

40

DENIS RICHTER

Períodos de
desenvolvimento

Operações mentais
· proporcionalidade
· horizontalidade
· verticalidade

· estágio
intermediário do
operatório para o
formal

Relações
construídas
· relações
espaciais
euclidianas

Elementos
cartográficos
· escalas
· coordenadas
geográficas

· conservação da
forma
· coordenação de
· relações
pontos de vista
espaciais
· descentração
projetivas
espacial
· orientação do corpo

· projeções
cartográficas
· orientação
geográfica

· operatório

· inclusão/exclusão
· interioridade/
exterioridade
· proximidade
· ordem
· vizinhança

· relações
espaciais
topológicas

· limites/
fronteiras

· pré-operatório

· função simbólica

· relação
significante/
significado

· símbolos/
legenda

Figura 2 ­ Operações mentais preparatórias para a leitura eficiente de
mapas
Fonte: Passini, 1994, p.39.

Ao mesmo tempo, para que cada etapa seja compreendida pelo
estudante é fundamental que a Geografia lhe dê base pelo ensino
de saberes e conteúdos específicos que permitam a articulação
entre os fenômenos presentes nas representações cartográficas com
os processos que ocorrem na sociedade. Ao desenvolver esse conhecimento nos alunos, ao longo do ensino fundamental, o passo
seguinte é integrar as mais complexas práticas escolares propostas
da utilização da Cartografia com o objetivo de aproximar o uso do
mapa para o entendimento dos inúmeros conteúdos geográficos.
Como forma de apresentar essas ideias, que propõem o avanço no
trabalho das representações espaciais, o mapa conceitual (Figura 3)
elaborado por Simielli (1999) torna-se um bom exemplo.

41

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 3 ­ A Cartografia no ensino de Geografia
Fonte: Simielli, 1999, p.101.

42

DENIS RICHTER

De acordo com esse mapa conceitual (Figura 3), o ensino de
Geografia em colaboração com a Cartografia permite a formação
de um aluno leitor crítico e mapeador consciente. Mas, para que
isso ocorra, é fundamental que o estudante tenha uma base, um
referencial sobre os elementos que compõem o mapa, e nesse caso
podemos recuperar o quadro organizado por Passini (1994) (Figura
2). Nesse sentido, entende-se que a alfabetização cartográfica, que
prepara o aluno para reconhecer e saber trabalhar com a linguagem
espacial, não deve se destinar apenas às primeiras etapas ou ao
reconhecimento dos elementos do mapa. Torna-se necessário que
o aluno tenha oportunidade de aprender outras relações que o
mapa apresenta para refletir sobre os saberes geográficos ou até
mesmo sobre a produção do espaço.
Sendo assim, os pesquisadores que iniciaram os trabalhos relacionados ao ensino do mapa fundamentado na teoria de Piaget10
puderam cunhar a expressão alfabetização cartográfica, que representa a organização de conteúdos e de atividades didático-pedagógicas tendo o objetivo de formar alunos, das séries iniciais do ensino
fundamental e séries subsequentes, como mapeadores e usuários
da linguagem espacial (Antunes et al., 1985). Essa proposta de trabalho com o mapa nas escolas obteve muito êxito em inúmeras pesquisas de mestrado e doutorado,11 que puderam ampliar e destacar
a necessidade de inserir nos currículos disciplinares de Geografia
essa proposta de construção metodológica do mapa.

10.Por exemplo: Oliveira (1978), no livro Estudo metodológico e cognitivo do mapa,
que foi resultado de sua tese de livre-docência; Paganelli (1982), em sua dissertação de mestrado, intitulada Para construção do espaço geográfico; e no
difundido livro de Almeida & Passini (1998), O espaço geográfico: ensino e
representação, que foi e é amplamente utilizado nos cursos de graduação de
Geografia e Pedagogia.
11.Dentre as quais, podem ser citadas: Cecchet (1982); Simielli (1986); Filizola
(1996); Ramires (1996); Ruffino (1996); Silva (1998); Abrantes (2001); Costella (2001) e Oliveira (2003).

43

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Consequentemente, o alcance desses estudos atingiu o ambiente escolar, por meio dos referenciais curriculares,12 livros e
materiais didáticos. Isso significa que, na construção desses instrumentos de apoio pedagógico, o mapa foi incluído como um importante colaborador do processo de ensino-aprendizagem de
Geografia. No entanto, como já foi destacado, essa situação não
reflete, diretamente, a mudança desejada na postura do professor
da educação básica em relação à Cartografia. Tem-se a consciência
de que esse obstáculo ainda não foi superado. Portanto, o avanço
que houve nas pesquisas de Cartografia Escolar e a sua influência
na produção dos materiais de apoio didático mostram-se incongruentes quando se analisa como a prática pedagógica de Geografia é realizada nos dias de hoje. Pois o mapa deixou de ser um
conhecimento negligenciado pelos livros didáticos, pelos conteúdos
escolares da educação básica e pelas grades curriculares de gra
duação de Geografia (e de Pedagogia, também). Mas, de maneira
contraditória, ainda não alterou substancialmente a ação docente
nas escolas de educação básica, que deveria formar alunos capazes
de interpretar a realidade a partir da análise espacial.
Com base nos materiais produzidos e nas pesquisas realizadas
acerca da Cartografia Escolar, pode-se concluir que a contribuição
da teoria piagetiana para o desenvolvimento do ensino do mapa foi
significativa, principalmente a partir da década de 1980. Contudo,
mesmo reconhecendo os avanços, é possível identificar alguns limites dessa perspectiva fundamentada na estrutura cognitiva, contexto que provoca a necessidade de buscar novos caminhos para
ampliar os estudos sobre a linguagem cartográfica no processo de
ensino-aprendizagem de Geografia. Que, nesse caso, refere-se à
teoria histórico-cultural.

12.É possível encontrar a articulação da Geografia com a Cartografia nos PCNs de
Geografia ­ séries iniciais do EF (Brasil, 1997, p.104), nos PCNs de Geografia
­ séries finais do EF (Brasil, 1998, p.77), e nos PCNs de Geografia do ensino
médio (Brasil, 2002, p.60-1).

44

DENIS RICHTER

Assim, para colaborar com a continuidade dos estudos relacionados à Cartografia Escolar, como apontou Almeida (2007, p.13),
considera-se fundamental buscar/encontrar novas referências teóricas na compreensão da produção do mapa e da sua relação como
linguagem social. Para isso, optou-se por aprofundar o conhecimento a respeito das ideias de Lev S. Vigotski, que serão tratadas
no próximo capítulo.

2
Teoria histórico-cultural
e Cartografia:
uma aproximação possível?

Para que se possa integrar o desenvolvimento dos saberes científicos da Geografia com a produção de próprio punho ("livre") da
representação cartográfica, tornou-se fundamental a busca por
novos referenciais teórico-metodológicos para valorizar o uso de
mapas mentais como um recurso didático para o processo de ensino-aprendizagem de Geografia. Esse contexto ajuda a esclarecer
os motivos deste estudo, já que o processo metodológico do mapa
possui, atualmente, uma forte vinculação com as pesquisas de Jean
Piaget sobre o sujeito epistêmico.1
Entretanto, nosso objetivo não é reescrever o que já foi apresentado em diversos trabalhos científicos, entre os quais podemos
citar: Oliveira (1978); Antunes et al. (1985); Simielli (1986); Almeida & Passini (1998); Passini (1994); Katuta (1997); Almeida
(2001) e Richter (2004), muito menos desconsiderarmos todos

1. Como foi indicado na apresentação dos capítulos, a integração entre a teoria
histórico-cultural com a construção do mapa será apresentada ao longo do texto
pela inserção de caixas de diálogos. Para complementarmos essa relação, utilizaremos exemplos de mapas mentais produzidos pelos alunos que objetivam
contextualizar a construção da linguagem espacial com as perspectivas teóricas
de Vigotski.

46

DENIS RICHTER

esses estudos, que contribuíram significativamente para ampliar e
subsidiar o trabalho didático-pedagógico do mapa nas aulas de
Geografia. Nossa tentativa é de buscar a colaboração de outros
teóricos para reafirmar a importante relação que existe entre a
produção do conhecimento geográfico com a representação cartográfica. Nesse caso, fazemos referência à teoria histórico-cultural,
articulada, principalmente, por Lev Semenovich Vigotski (Vigotski, 2000; Duarte, 2004, 2007; Beatón, 2005, 2006; Vigotski,
Luria & Leontiev, 2006; Freitas, 2007), a partir de seus pressupostos filosóficos e epistemológicos. Inicialmente, reconhecemos
que pode soar estranho e, por que não, equivocado utilizarmos os
estudos teóricos e as contribuições metodológicas de Vigotski para
tratar do ensino das representações espaciais, já que a sua produção
intelectual tem sido mais empregada nas questões referentes à Pedagogia, nos trabalhos relacionados ao processo de alfabetização da
escrita, das palavras2 ou no aprofundamento de inúmeras áreas,
entre as quais destacamos a Arte, a Educação Física, a Literatura, a
História, entre outras. Porém, entendemos que há possibilidade de
ampliarmos as leituras teóricas de Vigotski com as questões relativas à construção e ao uso das representações cartográficas.
No entanto, antes de começarmos a detalhar os pontos de encontro e de sinalizarmos as contribuições da teoria histórico-cultural

2. A aproximação de Vigotski com os referenciais teóricos da Pedagogia e com os
estudos da alfabetização pode ser observada claramente pelas publicações desse
autor e de seu grupo de colaboradores, como também nos debates presentes
nesses materiais. No livro A construção do pensamento e da linguagem (2000),
estabelece um aprofundado estudo sobre os tortuosos percursos da aprendizagem sobre as palavras, sendo estas compostas por valores (no caso, sociais) e
conceitos, no intelecto do ser humano. E a coletânea de textos presentes no material Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem, produzido por Vigotski,
Luria & Leontiev (2006), também apresenta novos encaminhamentos ao tratar
de questões relativas à aprendizagem infantil e às práticas pedagógicas. Contudo, esses dois materiais, mesmo não representando todas as obras de Vigotski,
são portadores de uma postura teórico-metodológica que avança nos estudos
relativos à compreensão do desenvolvimento humano ao longo da História,
principalmente pela sua aproximação com o materialismo histórico-dialético.

47

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

para os estudos do mapa, torna-se fundamental realizarmos um resgate das principais ideias de Vigotski a respeito do desenvolvimento
da linguagem, como elemento cultural do ser humano, da sua interpretação do processo de ensino-aprendizagem, da construção dos
conceitos espontâneos e científicos, e da importância da palavra
como expressão, objeto e signo do conhecimento sistematizado.

Os pressupostos teóricos dos estudos de Vigotski
Para que possamos compreender o ser humano e suas práticas
sociais, não basta somente observar um determinado momento ou
uma única ação. Precisamos analisar a composição de suas características, particulares e coletivas, de forma mais ampla. Um exemplo
dessa observação pode ser constituído pelo uso da linguagem e de
suas consequências para a formação social dos indivíduos.
Entretanto, de nada nos adianta discorrer sobre a linguagem no
contexto humano sem considerarmos o processo de aprendizagem
presente nas relações sociais, que estabelece o desenvolvimento
cultural dos indivíduos. Vigotski (2000) desenvolveu pesquisas no
início do século XX pertinentes à relação entre os homens e seus
produtos culturais, como o conhecimento humano/científico, os
valores sociais, o processo de ensino-aprendizagem e a comunicação ­ a linguagem.
Os estudos de Vigotski e de seus colaboradores3 (2000, 2006)
permitiram construir uma interpretação singular sobre o desen
volvimento cultural dos indivíduos. O que antes era entendido,
muitas vezes, como um resultado biológico, pragmático ou inato
do contexto humano, foi alterado para uma leitura mais ampla,
a partir dos aportes teóricos provindos dos estudos sociais e his
tóricos. Esses pesquisadores russos se fundamentaram na estrutura do pensamento filosófico do materialismo histórico-dialético
3. Sempre que fizermos referência, ao longo do texto, sobre os colaboradores de
Vigotski, devem-se entender Alexander Romanovich Luria e Alexis Leontiev.

48

DENIS RICHTER

(MHD)4 para apresentar uma nova interpretação sobre o ser humano, com base no desenvolvimento histórico-cultural. Ou seja, o
indivíduo de hoje é resultado de um processo temporal que se inicia
no momento em que os homens começam a se comunicar e transmitir seus conhecimentos para as gerações seguintes. Em outras
palavras, a formação da sociedade é resultado de um processo histórico e dialético.
Para que possamos compreender a relação do MHD com a formação do ser humano, é válido utilizarmos a estrutura do pensamento dialético que se organiza através do movimento do concreto
caótico/real até o concreto pensado. Esse caminho, que é percorrido na internalização do saber humano, se instala num processo de
ir e vir, sem uma direção correta ou padronizada, consequência
de contradições (Pires, 1997). No entanto, é necessário realçarmos
que o desenvolvimento do caótico ao pensado exige a presença de
elementos abstratos, que são provenientes do conhecimento dos indivíduos em relação ao meio em que vivem. Essa tríade organizada
(caótico/real, abstração, pensamento) produz um movimento que
transforma o homem e, paralelamente, altera suas relações sociais
(ver Figura 4). Para explicarmos essas ideias, as contribuições de
Pires (1997) são válidas:
O princípio da contradição, presente nesta lógica, indica que para
pensar a realidade é possível aceitar a contradição, caminhar por ela
e apreender o que dela é essencial. Neste caminho lógico, movi4. Essa concepção teórica provém das ideias forjadas por Marx e Engels, a respeito
da produção da sociedade. Mesmo sendo um estudo mais voltado para as questões econômicas, esse pensamento filosófico contribuiu na reflexão das práticas
humanas, tendo, assim, um alcance nos estudos da educação. No entanto, para
ampliarmos a compreensão sobre o MHD, o Dicionário do pensamento marxista
(Bottomore, 2001) esclarece: "[...] o materialismo dialético constitui-se pelo
cruzamento e a união de duas filosofias burguesas: o materialismo mecanicista
da Revolução Científica e do Iluminismo e a dialética idealista de Hegel. [...]
Materialismo histórico: expressão que designa o corpo central de doutrina da
concepção materialista da história, núcleo científico e social da teoria marxista"
(p.258-60).

49

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

mentar o pensamento significa refletir sobre a realidade partindo
do empírico (a realidade dada, o real aparente, o objeto assim como
ele se apresenta à primeira vista) e, por meio de abstrações (elaborações do pensamento, reflexões, teoria), chegar ao concreto: compreensão mais elaborada do que há de essencial no objeto, objeto
síntese de múltiplas determinações, concreto pensado. Assim, a
diferença entre o empírico (real aparente) e o concreto (real pensado) são as abstrações (reflexões) do pensamento que tornam mais
completa a realidade observada. Aqui, percebe-se que a lógica dialética do Método não descarta a lógica formal, mas lança mão dela
como instrumento de construção e reflexão para a elaboração do
pensamento pleno, concreto. Desta forma, a lógica formal é um
momento da lógica dialética; o importante é usá-la sem esgotar nela
e por ela a interpretação da realidade. (Pires, 1997, p.5)

Figura 4 ­ Estrutura do pensamento com base no MHD
Fonte: Richter, D. (Org.), 2010.

Diante desse pressuposto, entendemos que o ser humano contemporâneo acaba por ser um resultado histórico que foi iniciado
há milhares de anos, fato que modificou suas práticas, suas estruturas orgânicas e possibilitou o desenvolvimento de novos saberes.

50

DENIS RICHTER

Sendo assim, para interpretarmos a sociedade de hoje não basta
compreender somente o tempo atual/momentâneo, é preciso
reconhecer que o processo histórico encontra-se inserido em diversos contextos que explicam e caracterizam o próprio indivíduo
(Meszáros, 2005).
Os pontos destacados até aqui salientam uma postura teórico-metodológica muito importante, conforme as contribuições de
Duarte (2003, 2004, 2007). Uma das preocupações desse autor, em
suas pesquisas e obras, se constitui no fato de que, ao interpretarmos a teoria de Vigotski sem considerar suas bases filosóficas,
temos a possibilidade de cometer o erro de negar seus pressupostos
teóricos e, portanto, realizar uma análise falaciosa da perspectiva
histórico-cultural. Duarte (2004) ainda sinaliza que o maior problema na leitura equivocada dos estudos de Vigotski é resultado
de uma postura neoliberal, que procura mascarar a importante contribuição científica que o MHD possibilitou à sociedade.5 Nesse
sentido, se desenvolvemos uma análise da teoria vigotskiana negligenciando sua estreita relação com as bases marxistas, significa que
podemos realizar um estudo incoerente e inverídico sobre o processo de formação do indivíduo e seu desenvolvimento cultural.
Em síntese, a fundamentação dos debates e dos esclarecimentos
de Duarte (2004) está no questionamento de que muitos autores e
pesquisadores interpretaram as produções de Vigotski como sendo
mais próximas das ideias pós-modernas do que das ideias marxistas. Para o referido autor, todo o trabalho intelectual desse teórico russo se baseia no pensamento filosófico de Marx e isso está
evidente em vários dos seus materiais produzidos.
Ao defendermos [...] a necessidade de uma leitura marxista da obra
de Vigotski, que se oponha às leituras neoliberais e pós-modernas
dessa obra, que a incorporam aos ideários pedagógicos centrados
5. Já que esse pensamento filosófico esteve muito associado às políticas socialistas durante várias décadas do século XX, como da ex-União Soviética ­ atual
Rússia.

51

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

no lema "aprender a aprender", estamos travando uma batalha em
campo aberto contra a reprodução da ideologia da classe dominante no meio educacional. As leituras neoliberais e pós-modernas
[...] acabam por ter o efeito de neutralizar o papel que a difusão do
pensamento vigotskiano poderia ter no fortalecimento de uma concepção educacional marxista [...]. (Duarte, 2004, p.11)

Os apontamentos de Duarte (2004) são necessários para entendermos que há uma gênese específica no trabalho teórico de Vigotski, que se encontra embasada nas contribuições teóricas de
Marx e Engels. Essa é uma das mais importantes questões que
Duarte (2004) se preocupa em esclarecer aos seus leitores. Ainda
mais, por existirem muitas interpretações equivocadas sobre a
aproximação entre a teoria cognitiva com a histórico-cultural.6
Por outro lado, é importante destacarmos que o próprio Vigotski não encaixava o seu trabalho na psicologia marxista, expli6. Esses estudos referem-se às pesquisas de Duarte (2004, 2003, 2005 e 2007), que
produziu diversos materiais que buscam comprovar as diferenças existentes
entre as teorias de Piaget e Vigotski. O livro Vigotski e o "aprender a aprender"
(2004) apresenta análises pertinentes e muito provocativas para refletir sobre a
equivocada aproximação entre esses dois teóricos pelo modelo interacionista.
Para Duarte, esse fato é resultado de uma postura ideológica que objetiva mascarar os verdadeiros contextos de cada teoria e que acaba por construir interpretações equivocadas, como: "Esse tipo de raciocínio assemelha-se muito a algo
que já criticamos [...] de que a junção das teorias de Vigotski e Piaget seria necessária para `trazer o social para o construtivismo'. [...] não se trata de justapor
o social ao modelo interacionista-construtivista, mas sim de superar esse modelo, que se caracteriza pela biologização, isto é, pela naturalização do social. A
questão não é a de se Piaget focalizou ou não o social em sua teoria, mas sim a de
como ele focalizou o social. Nossa interpretação é a de que ele o fez partindo
de uma ótica biologizante. A biologização do social impede que se possa explicar o caráter essencialmente sócio-histórico do ser humano e, consequentemente, dos processos cognitivos humanos. Considerar o indivíduo como ser
social não se reduz a afirmar que ele interage com objetos culturais e também
com outros seres humanos. A questão é: qual é o modelo teórico de análise
dessas interações? O modelo interacionista (adaptação, equilibração, assimilação, acomodação) biologiza os processos cognitivos, as relações entre indivíduo e sociedade e, em última instância, até a própria sociedade" (p.109).

52

DENIS RICHTER

cando que sua teoria está baseada na construção histórica e não
nos planos momentâneos (Duarte, 2004). Nesse sentido, Vigotski
(2000) argumenta que um estudo marxista somente é válido nessa
categoria filosófica quando é interpretado pelos seus leitores como
tal, pois o ato de escrever ou de se autoproclamar marxista anula
qualquer possibilidade de ser coerente com essa corrente de pensamento.
Sendo assim, a importância em ressaltarmos a proximidade da
teoria de Vigotski com as bases do MHD refere-se à compreensão
de que diversos estudos provenientes desse grupo se estabeleceram
ao ter como fundamento a perspectiva histórico-cultural no processo de desenvolvimento humano. Desse modo, essa teoria se
distingue dos demais campos de estudo da psicologia da apren
dizagem.
A partir desses apontamentos é que se estrutura a teoria histórico-cultural, que também é valorizada por superar as análises dos
modelos objetivistas e subjetivistas (Serra, 2004; e Freitas, 2007).
Essa postura inovadora, para a época em que foi formulada,
possibilitou que outras leituras pudessem ser incorporadas no
processo de observação do meio social. Em vez de pontuar somente
o momentâneo ­ o agora ­, a interpretação de Vigotski pretende ir
além e resgatar o fator histórico, que está presente na formação do
indivíduo. Freitas (2007) nos esclarece ao dizer que:
Ambas as abordagens da Psicologia ­ a objetivista e a subjetivista
­ fragmentam a realidade, não tendo condições de explicar o todo,
sendo insuficientes para a sua compreensão por negligenciarem o
caráter histórico dos fatos. Embora diferentes, os modelos objetivistas e subjetivistas têm dois pontos em comum: são frutos da
alienação da sociedade capitalista que, enfatizando o culto do indivíduo, separa o homem de sua integração social e se desenvolvem
de forma a-histórica. (p.62)

Isso nos ajuda a confirmar que a análise de Vigotski sobre o
processo de ensino-aprendizagem se diferencia das demais por re-

53

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

conhecer que o conhecimento é passado aos indivíduos pela organização dos atos de reprodução e criação (Serra, 2004), ao contrário
de outros estudos que se embasam apenas na reprodução, sem projetar a criação do novo ou exclusivamente da construção, sem organizar uma base de conteúdos ou de conhecimentos a priori. Esse
autor argumenta que:
"Creador", quiere decir, un ser humano caracterizado por un determinado funcionamiento de los procesos cognoscitivos (que penetra también en los afectivos y en la motivación), que le permita
asimilar la cultura ya existente de manera innovadora y en función
de la creación de nuevas formas culturales. Claro, que para crear es
necesario reproducir la cultura humana y es en virtud de dicha reproducción que el individuo puede convertirse en un verdadero
creador. (Serra, 2004, p.1-2)7

Ao considerarmos a atitude criadora do ser humano destacada
por Serra (2004), podemos representar as concepções de Vigotski a
respeito do processo de ensino-aprendizagem por meio de uma espiral (Figura 5). Essa representação indica que o caminho percorrido pelo conhecimento é alterado/modificado, ao longo do tempo,
por interferência do meio cultural/social em relação ao desenvolvimento dos saberes científicos, sendo estes produzidos pela própria
sociedade. No centro dessa espiral, encontramos o indivíduo ­ o
mediador ­, que recebe, dialeticamente, essas influências (do meio
cultural/social e do conhecimento/saber) conforme avançam suas
experiências individuais e coletivas.

7."`Criador', ou seja, um ser humano caracterizado por uma determinada operação de processos cognitivos (que também entra nos contextos afetivos e na
motivação), que possibilita assimilar a cultura já existente de modo inovador e
em função da criação de novas formas culturais. É evidente que, para criar,
é necessário reproduzir a cultura humana e é em virtude dessa reprodução que o
indivíduo pode se tornar um verdadeiro criador."

54

DENIS RICHTER

Figura 5 ­ Processo de ensino-aprendizagem na perspectiva da teoria histórico-cultural
Fonte: Vigotski, 2000. Richter, D. (Org.), 2010.

De acordo com essa perspectiva, ao observarmos e interpretarmos as práticas e as ações dos seres humanos atualmente, estamos
realizando uma leitura dialética sobre o desenvolvimento social dos
indivíduos, que provêm de transformações históricas e se modi
ficam diariamente, a partir do contato e das próprias relações humanas. Essa postura na análise da sociedade é fundamental para
ampliarmos a compreensão da linguagem na estrutura do conhecimento científico, já que a própria linguagem é, também, ordenada
com base no resultado histórico.
Diante desses esclarecimentos a respeito da formação social dos
indivíduos, destacamos a necessidade de relacionar esse contexto
com os demais campos e produtos da cultura humana. Ou seja, se o
homem transforma o seu meio e a si próprio, os elementos, os objetos que são resultado de sua ação, sofrem, igualmente, essa modificação.

55

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Numa análise mais particular, podemos dizer que a educação
passa pelo mesmo processo, já que ela provém das práticas sociais
dos indivíduos. No entanto, um outro ponto deve ser acrescentado,
e se refere ao ato de transformação. Para alguns estudiosos da teoria
de Vigotski, como Duarte (2004), Serra (2004) e Beatón (2005), a
educação deve estar aliada ao processo de transformação da realidade, com o objetivo de contribuir socialmente para o desenvolvimento humano.
Assim, para a presente abordagem teórica, a cultura possui uma
significativa importância, por ela se originar das ações humanas
e das relações entre os indivíduos que produzem interpretações
sobre o contexto em que vivem. E outro ponto fundamental da
construção da cultura é que ela é passível de alterações ao longo do
tempo, principalmente se formos considerar a sua relação com os
objetos.
Portanto, mesmo que a cultura represente uma importante contribuição para a formação da sociedade, devemos compreendê-la a
partir do processo histórico, já que o desenvolvimento humano
permitiu que novas interpretações fossem construídas com o
tempo. Essa situação fica mais evidente ao observarmos que a
cultura produzida hoje, pela sociedade, pode ter como meta ou
objeto os mesmos elementos, porém a forma de produção da cultura, suas consequências e seu campo de atuação transformaram-se
completamente.
Esses apontamentos realçam o peso que o resgate histórico
possui como um dos principais pressupostos da teoria de Vigotski.
Pois tudo e todos podem sofrer pelas alterações do tempo artificial
­ o tempo construído pelo homem. Nesse sentido, se Vigotski reconhece o valor dos elementos e dos fatos históricos, de que o saber se
organiza a partir dos atos de reprodução e criação, e de que os indivíduos são resultados dialéticos do desenvolvimento histórico-cultural, no que tange ao processo de ensino-aprendizagem isso
também seria a base para refletirmos sobre a linguagem. Ou, como
argumenta Beatón (2005, p.238):

56

DENIS RICHTER

Cuando el niño se apropia de la lectura y de la escritura, está en un
nuevo momento de su desarrollo, ¿por qué? Porque ha asimilado,
se ha apropiado de un instrumento cultural por excelencia, que
amplía, posteriormente, hasta lo insospechado, su desarrollo. Di
ríamos que cuando un sujeto en desarrollo, se apropia de la lectura
y la escritura, se inicia su introducción al proceso de apropiación
del conocimiento de las ciencias y de la acumulación de una inmensa cantidad de contenidos de la cultura. Algo semejante a lo
que le ocurrió a la humanidad, cuando se inventó la escritura jeroglífica y cuneiforme a partir de 5 mil ó 4 mil años y la construcción
del alfabeto fonético también, mil años antes de Cristo.8

São essas questões que nos interessam para refletir sobre o
processo de construção da linguagem. Logo, qualquer indivíduo
integrado em determinada sociedade tem acesso a um meio de comunicação, que poderíamos chamar de uma aprendizagem não
formal. Entretanto, que mudanças e transformações ocorrem nesse
indivíduo no momento em que o saber sistematizado, o conhecimento acumulado da humanidade, lhe é oferecido/ensinado? Precisamos ampliar essa leitura com base na teoria histórico-cultural.

8. "Quando a criança se apropria da leitura e da escrita, ela se encontra em um
novo momento de seu desenvolvimento. Por quê? Porque assimilou, se apropriou de um instrumento cultural por excelência, que amplia, em seguida, até o
inesperado, seu desenvolvimento. Podemos dizer que, quando um sujeito em
desenvolvimento se apropria da leitura e da escrita, começa sua introdução ao
processo de apropriação do conhecimento das ciências e da acumulação de uma
grande quantidade de conteúdos culturais. Algo semelhante ao que ocorreu
com a humanidade, quando foi inventada a escrita hieroglífica e cuneiforme de
5 ou 4 mil anos e, também, a construção do alfabeto fonético, mil anos antes
de Cristo."

57

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

O desenvolvimento da linguagem
na teoria histórico-cultural
A linguagem possui um importante papel no desenvolvimento
humano. Ao analisarmos a sociedade, no contexto atual, torna-se
necessário realizarmos uma leitura histórica sobre a formação dos
indivíduos desde os tempos mais remotos. Se hoje os seres humanos detêm um conhecimento que é considerado amplo e complexo, isso se deve, em grande parte, ao processo de desenvolvimento
da linguagem.
Comunicar sempre foi uma característica humana. A necessidade de transmitir informações e conhecimentos, através das gerações, permitiu que o desenvolvimento humano alcançasse níveis
jamais imaginados. Essa afirmativa nos permite dizer que os indivíduos de hoje são resultados históricos de um processo iniciado há
milhares de anos, e um dos principais elementos que possibilitou
esse desenvolvimento foi a construção da linguagem.
Beatón (2005, p.13) faz um paralelo da importância da descoberta do fogo, para a sobrevivência humana, com a criação da escrita
para a reprodução e o desenvolvimento cultural da humanidade:
Tudo parece indicar que se o domínio do fogo foi uma revolução
importante para a subsistência, a construção da escrita representou
o mesmo para corroborar todo o desenvolvimento psicológico que
já havia sido produzido, como resultado de mais de 400 mil anos de
construção da cultura e da sociedade humana, resolvendo novos
problemas práticos, concretos, situacionais impostos pela natureza
ao ser humano, para que este pudesse subsistir e impor sua presença na terra. Por outra parte, a construção deste instrumento, a
escrita que demorou centos de mil anos foi um fato que elevou o
pensamento humano, e sua prática, para o uso de símbolo e signos
generalizadores que permitem processos de abstração e generalização melhores e mais complexos. (Beatón, 2006, p.13)

58

DENIS RICHTER

De acordo com esses contextos históricos e antropológicos que
explicam o surgimento da linguagem no desenvolvimento humano,
podemos analisar que esse meio de comunicação encontra-se presente na vida dos indivíduos desde o nascimento, como o primeiro
choro da criança ao nascer, que é tão necessário e vital para que a
jornada da vida se inicie. Esse parece ser o primeiro ato comunicativo de uma pessoa em contato com o mundo.
A relação com o nascimento demonstra o quão significativo é o
ato da comunicação, da expressão, da linguagem, para as relações
humanas. Com o desenvolvimento cognitivo da criança, novos códigos são aprendidos e a comunicação que no início é relativamente simples torna-se, com o tempo, cada vez mais ampla e
complexa. Esse fato está relacionado à compreensão dos significados das palavras e, também, do aumento do vocabulário desse
indivíduo. Por conseguinte, o ato de comunicação se transforma e
expande as possibilidades de conhecimento e de compreensão dos
inúmeros contextos sociais. No entanto, além da linguagem como
expressão da fala, que é essencial para a comunicação entre os indivíduos, o desenvolvimento da escrita representa a transmissão
de saberes, de informação que ultrapasse os limites temporais do
próprio homem, por meio do seu registro. Portanto, tão importante quanto falar, foi fundamental a conquista da escrita para
expressar os conhecimentos desenvolvidos por uma geração (Vigotski, 2000; Teixeira, 2001).
Assim, a comunicação, que não deve ser entendida somente
como a aprendizagem da fala das palavras ­ da sua escrita e leitura ­,
encontra-se disseminada em diversos campos do conhecimento
humano. O mundo de hoje, que por resultados histórico-culturais
é mais complexo que outros períodos, é formado pela integração
de diversos meios de comunicação, de linguagens, que estabelecem
novas formas de compreensão e de produção do meio. Dentre as
várias formas de comunicação estão a pintura, a escrita, a fotografia, o rádio, a televisão, a internet, a Libras, o mapa. Todos esses
meios possuem sua importância na organização da atual estrutura
social. Podemos complementar essas ideias ao dizer que a socie-

59

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

dade contemporânea acaba por ser um reflexo do desenvolvimento
dessas formas de comunicação e do seu processo de evolução.
Por outro lado, não devemos interpretar a escrita como uma
ação reflexiva da fala. Os estudos de Vigotski, Luria & Leontiev
(2006) indicam a necessidade de realizar uma leitura mais aprofundada desse tema. Esses autores dizem que o ato de escrever não
está relacionado ao fator de compreensão da própria palavra, esse
processo precisa de tempo, pois o desenvolvimento da escrita encontra-se relacionado à ampliação do pensamento complexo e, paralelamente, ao uso dessa forma de comunicação como elemento
auxiliar das práticas sociais. Esses três autores complementam
dizendo que:
Nossos experimentos garantem a afirmação de que o desenvolvimento da escrita na criança prossegue ao longo de um caminho que
podemos descrever como a transformação de um rabisco não diferenciado para um signo diferenciado. Linhas e rabiscos são subs
tituídos por figuras e imagens, e estas dão lugar a signos. Nesta
sequência de acontecimentos está todo o caminho do desenvol
vimento da escrita, tanto na história da civilização como no desen
volvimento da criança. (Vigotski, Luria & Leontiev, 2006, p.161)

Da mesma forma, o mapa não deve ser interpretado como um reflexo direto da compreensão intelectual do espaço. Ao produzir
um mapa, seu autor terá preocupações relativas ao ato comu
nicativo do mapa e a escolha de determinadas informações que
ele considera mais relevantes para ser destacadas. Essa prática de
transpor para a representação gráfica os conhecimentos socia
lizados, materializados, por exemplo, numa folha de papel, signi
fica desenvolver uma nova organização das ideias provindas do
contexto real. Esse é o primeiro papel que cumpre o mapa.

60

DENIS RICHTER

o
, mesm
mentais
s
e
a
d
p
a
a
t
s
po
de m
mplos
sma pro
e
e
e
x
d
e
m
e
a
d
is
do
cida
bido
Nestes
ntal da
o rece
u
e
d
o
r
n
m
u
e
t
a
c
p
o
os
o pr
m ma
u
u
íd
ir
os alun
iv
z
u
d
d
in
ra rede (pro
), cada
ade pa
e
t
id
c
n
ativida
e
a
d
d
u
rea
s que
nte Pr
inada á
mento
m
le
r
e
e
Preside
t
e
e
d
tos
l. São
ar uma
os obje itura espacia
d
ir
destac
t
r
a
, mas
a le
tar, a p
cidade
s na su
a
e
t
,
presen
n
o
a
ç
v
a
era rele o mesmo esp
consid
sd
s.
ntaçõe
iferente
represe
ções d
a
t
re
p
r
e
t
com in

61

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Em suma, o desenvolvimento da linguagem representa um significativo avanço nas relações humanas. Pelo uso do meio de comunicação, os indivíduos puderam ampliar seus conhecimentos e
superar diversos limites. Para Vigotski, o estudo da linguagem
sempre despertou muito interesse, já que a comunicação representa
um produto histórico do processo cultural da sociedade.
As investigações de Vigotski, Luria & Leontiev (2006) a respeito do desenvolvimento da linguagem buscaram compreender
como os grupos sociais utilizavam, transformavam e construíam os
meios de comunicação em suas práticas cotidianas.9 Nesse sentido,
um dos principais objetivos desse estudo pautava-se em destacar a
construção de conceitos pelo uso de signos, como resultado dos
processos psicológicos superiores. Ou, como nos indica Vigotski
(2000, p.11): "A função da linguagem é a comunicativa. A linguagem é, antes de tudo, um meio de comunicação social, de enunciação e compreensão".
Subsidiados nesse mesmo trabalho de Vigotski et al. (2006),
fundamentado na linguagem, podemos identificar que a palavra
não existe por si só. Para que ela tenha sentido e uso, perante um
determinado grupo, é necessário que expresse uma generalização,
um conceito. De nada adianta criarmos uma palavra se ela não obtiver uma representação no contexto social. Esse é um dos pres
supostos de Vigotski para sinalizar a relação entre a palavra e a
formação do conceito. A origem desse conceito está no desenvolvimento cognitivo humano, já que o meio em que os indivíduos
vivem exige interpretações, sendo estas provindas de agentes da
natureza ou da própria sociedade, e a interação de ambas produz o
espaço humano.

9. Sobre esse estudo, ver Vigotski, Luria & Leontiev (2006, p.39-58), que apresenta uma pesquisa com um grupo de camponeses do Uzbequistão e objetiva
explicar como a linguagem é desenvolvida no processo de formação social dos
indivíduos e sua importância para as relações humanas e comunicativas.

62

DENIS RICHTER

Essa preocupação também pode ser observada no mapa. Já que
ao construirmos uma representação cartográfica ela deve ter sentido para um uso no contexto social, deve servir para ler e analisar
a realidade expressa. Os conceitos apresentados no mapa precisam estabelecer relações entre os conhecimentos provindos do
plano da experiência, da vivência, com os saberes sistematizados
pela própria sociedade. Dessa forma, o mapa atende à função de
comunicar determinadas informações, que são selecionadas pelo
seu autor no momento da sua produção.

trar a re
os encon
m
e
d
ra
o
u
p
it
a le
l acima,
ido com
a menta
ão do viv
ç
os conta
No map
r
re
a
rp
a inte
ra indic
e
a
P
tr
n
.
lie
e
d
o
a
laçã
alid
ade, sina
fica da re
o da cid


n
g
ie
c
re
),
a
o
is
cad
ma
tizad o
envolvem
r sistema
e
e
b
u
a
q
(s
s
is
to
a
tex
suas dife
arde
urbano,
pontos c
o
r
ç
o
a
e
p
p
s
s
s
s
e
e
a
zad
tc. D
ecer o
anças, e
cisa conh
s, semelh
e
aluno pre
s da exd
re
a
e
d
b
ri
r os sa
articula
ra
p
g
,
s
te
a
ndaç
in
n
re
paz de
ficas, fu
le foi ca
is cientí
e
a
,
m
o
d
s
o
e
m
estõ
com qu
periência
eitos.
c
n
s em co
a
d
ta
n
e
m

63

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Os estudos sobre a origem dos conceitos que foram produzidos
antes de Vigotski, como de Ach (apud Vigotski, 2000), compreendiam que a existência de determinadas situações que suscitam problemas é o meio pelo qual o conceito é construído, ou seja, obedecendo
a um caráter produtivo e não reprodutivo. Sendo assim, o que se interpreta dessa análise teórica é que o conceito é resultado de um fim
em si mesmo, em vez de desenvolver uma cadeia associativa que leve
à criação de outros conceitos (Vigotski, 2000).
Mesmo Vigotski reconhecendo alguns pontos colaborativos nos
estudos de Ach e de outros pesquisadores,10 como Uznadze, Sákharov,
Müller, Bühler e Thorndike, sobre a formação do conceito, ele identifica pontos limitantes nessas abordagens. Para Vigotski, a análise se
instaura no reconhecimento de que o conceito é resultado de um processo complexo no qual se encontram o acúmulo de associações, a
estabilidade da ação, a existência das representações e os fatores determinantes. Portanto, o conjunto desses momentos está atrelado ao
uso e ao sentido das palavras, já que nenhum conceito existe se não
houver a palavra, que resulta no pensamento verbal ­ da interação
das ideias do ser humano ­, e assim dando origem ao conceito. Entendemos que aí está a contribuição desse teórico russo para a realização de estudos acerca da linguagem, a palavra se torna um elemento
central na formação dos conceitos e, ao mesmo tempo, na possibi
lidade da criação de novos (Vigotski, 2000).
A crítica vigotskiana sobre os outros estudos citados anteriormente está pautada no fato de que essas pesquisas se preocupavam
em compreender somente o resultado, o produto do próprio conceito, expresso pelas definições verbais. O tratamento dado a esses
estudos deixava de considerar elementos como a dinâmica, o desenvolvimento, o fluxo, o começo e o fim do processo. Para Vigotski, ao
se preocupar exclusivamente com o produto e não com o processo, o
resultado é uma leitura muito simplista de todas as etapas de cons10.Esses autores foram citados em Vigotski (2000, p.151-74). Porém, não há, nesse
material, uma referência bibliográfica correta sobre o ano das publicações das
pesquisas desses autores.

64

DENIS RICHTER

trução dos conceitos. É importante ressaltarmos, ainda, que, no
início do desenvolvimento cognitivo, a palavra não é interpretada
como conceito ou como significado, ela pouco representa para a
criança, que nessa fase infantil apenas a reproduz porque ela faz parte
do seu contexto social. Portanto, o fato de expressar a palavra verbalmente não significa que a criança já concebe perfeitamente o seu sentido mais complexo e/ou sua forma usual.
A valorização que esse teórico concede à palavra se justifica por
entender que é através dela que as crianças poderão estabelecer
uma comunicação com os indivíduos adultos (como também seus
pares) e, consequentemente, desenvolver novos conhecimentos. O
destaque a respeito do conceito é tão grande que Vigotski (2000)
organiza os estágios e as fases do desenvolvimento dos conceitos
espontâneos e científicos.
Durante muitos anos, a psicologia tradicional interpretou a construção da linguagem e suas respectivas representações como um ato
inato ao ser humano, ou seja, as palavras expressas pelos indivíduos,
independente da sua idade, eram compreendidas da mesma maneira,
sem considerar as profundas disparidades entre o pensamento de
uma criança e de um adulto.11 Porém, os estudos de Vigotski e seus
colaboradores sinalizam que as relações exteriores, as relações sociais
(históricas ­ do passado e contemporâneas) que envolvem a vivência
dos seres humanos, são responsáveis por provocar determinados raciocínios e, sobretudo, a formação de pensamentos.
Nesse sentido, podemos destacar que um dos principais pressupostos da teoria vigotskiana sobre a linguagem está em valorizar a
existência da importante relação entre a palavra e o conceito. Isso
significa que, para compreendermos a formação do conceito, é fundamental estudarmos o seu processo de construção e correlacioná-lo com o uso das palavras.

11.Como também evidenciava Piaget (1967, 1968), ao organizar os estudos relativos à teoria cognitiva. Porém, sem denotar maiores preocupações e questionamentos a respeito do fator histórico que influencia o processo de formação dos
indivíduos, de acordo com os estudos de Vigotski.

65

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Contudo, o que no primeiro instante pode nos parecer somente
um único conceito, que vem a ser formado no intelecto humano,
será analisado por Vigotski em dois diferentes momentos. O primeiro conceito formado nos indivíduos refere-se ao conceito espontâneo, que provém das interações sociais mais elementares em
pessoas de tenra idade e que está fortemente baseado na transmissão direta de uma informação. O segundo conceito é o conceito
científico, resultado de um processo de formação de conceitos espontâneos e do desenvolvimento do pensamento. Nesse último
momento, que pode ocorrer desde a infância até a fase adulta, além
de o indivíduo reconhecer o uso das palavras e sua relação com o
conceito, ele é capaz de produzir novos conhecimentos, ou seja,
novos conceitos. Aqui, vemos em ação a proposta da espiral (ver
Figura 5).
Essa divisão na análise sobre a formação dos conceitos destaca
um ponto fundamental nos estudos de Vigotski, que contesta as interpretações de que os conceitos são produtos da resolução de um
único problema. Para esse teórico, o conceito não é formado ou
construído para si mesmo, ele possui um contexto histórico e, principalmente, social que justifica sua existência e sua constante transformação.
Para aprofundarmos esse debate, será apresentado, em detalhe,
cada processo de formação de conceito, ressaltando suas diferenças
e semelhanças ao longo do desenvolvimento cognitivo do indivíduo. Mas, antes, é necessário esclarecermos que, para Vigotski, o
conhecimento não é formado a partir de uma determinada idade,
ou seja, sem ter relação com os anos anteriores. Tudo o que ocorre
no campo intelectual do ser humano é fruto de um processo que lhe
dá base e que permite o seu próprio crescimento. Esse autor nos
alerta, ainda, que a formação dos conceitos é resultado de um processo amplo, complexo e permanente, por sofrer a influência de diversos fatores, como a associação ao pensamento, à representação,
ao juízo, às tendências determinantes, e, o ponto central dessa ação,
que é o uso e o sentido que possui a palavra para designar o conceito
e sua função social/socializadora (Vigotski, 2000).

66

DENIS RICHTER

Nesse caso, quando o mapa é integrado às práticas escolares de
Geografia, é fundamental que alguns conteúdos tenham sido trabalhados em sala de aula. Como exemplo, para que a criança/indivíduo tenha condições de expor na representação cartográfica
suas interpretações relativas aos fenômenos geográficos, a partir
de um determinado recorte territorial, é necessário que ela compreenda alguns conceitos que devem ser ensinados na escola.
Dessa forma, ao produzir este mapa, cada signo (as palavras do
mapa) poderá servir de referência para os conceitos estudados na
escola. Tornando, assim, a Cartografia numa linguagem de leitura
e de análise dos diversos contextos espaciais que integram a vivência dessa criança/indivíduo.

en
de id a
a
t
s
n
po
a pro balização a
lo
tinha
u
g
o
e
c
a
u
,q
sd
esta
ental contexto
no d ocesso
u
m
l
a
a
p
r
o
e ma mentos e rudente,
m o p cor
reu
Nest
e
´s co
P
l
o
d
e
l
e
t
a
s
ó
n
n
o
s
e
o
r
d
a
i
D
o
s
c
t
ntou
re
tifi
en
Mc
de P
dame
ecim
nete
n
e
h
o
u
d
n
f
h
a
o
c
cid
lan
e c
que
. Ess ndizado
ão da
e
relaç balização
r
p
a
lo
e um
de g
houv ão.
e
u
porq erpretaç
int
essa

67

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

O desenvolvimento dos conceitos espontâneos
O conhecimento produzido pelo ser humano encontra-se organizado em expressões que são conhecidas como palavras. Nos estudos de Vigotski (2000), a palavra torna-se o meio/a mediação
pelo qual os conceitos podem ser usados pelos indivíduos em suas
interpretações a respeito do mundo em que vivem. Ela, a palavra,
representa uma síntese na compreensão de um determinado elemento do contexto social. Com base nesse importante destaque
que se dá à palavra no processo de formação dos conceitos, podemos salientar que:
O conceito é impossível sem palavras, o pensamento em conceitos é
impossível fora do pensamento verbal; em todo esse processo, o momento central, que tem todos os fundamentos para ser considerado
causa decorrente do amadurecimento de conceitos, é o emprego
específico da palavra, o emprego funcional do signo como meio de
formação de conceitos. (Vigotski, 2000, p.170) [grifo nosso]

A partir dessa valorização da palavra presente nas relações sociais é que Vigotski começa a estruturar os percursos da formação
dos conceitos pelos elementos que compõem as práticas humanas,
como o uso da linguagem, que nesse caso refere-se à palavra. Sendo
assim, entendemos que o início desse longo processo de desenvolvimento dos conceitos parte de um elemento muito comum para os
indivíduos que convivem em sociedade; esse elemento é a palavra
como princípio da construção de um conceito.
Para contextualizarmos essa situação, tomemos como exemplo
o seguinte fato: para que uma criança possa compreender um dado
objeto (relacionado ao uso de um conceito), presente em seu meio
social, é necessário que ele seja selecionado, diferenciado dos demais. Isso pode ser resolvido pelo uso da palavra, que identifica e
distingue esse objeto. Essa ação se caracteriza pela interpretação
da palavra como representação de um significado. Em outros

68

DENIS RICHTER

termos, para um indivíduo de tenra idade que ainda não consegue
ou que não possui um intelecto capaz de desenvolver uma conexão
abstrata entre a palavra e o conceito, essa função se estabelece no
fator de representação simbólica do objeto. Assim, como existem
diversos objetos presentes no cotidiano, torna-se necessário discriminá-lo perante todos os outros, pelo uso de uma forma de expressão. Para atingir isso, o primeiro passo é transformarmos esse
determinado objeto numa linguagem verbal/abstrata/comunicativa/nominal, ou seja, por meio da palavra.
Essa atitude é proveniente da busca por nexos explicativos para
um objeto, que para a criança, como foi apresentado, pode ser representado pelo uso social da palavra. No entanto, é importante
salientarmos que mesmo que a criança utilize uma palavra que é
considerada idêntica à palavra usada por um adulto, isso não significa que a criança já alcançou o pensamento cognitivo de um indivíduo mais velho. O que se estabelece nesse momento é que o uso
da expressão é o mesmo, porém a compreensão que cada um faz
sobre essa palavra é completamente diferente.

Podemos relacionar essas ideias a respeito da palavra como
construção do conceito com a produção dos mapas da seguinte
maneira: quando um aluno constrói uma representação espacial,
o fato de essa linguagem apresentar signos (palavras) que expressem um determinado contexto não significa que o estudante possui total compreensão do fenômeno destacado no
mapa. Torna-se fundamental que o professor questione e instigue o aluno a explicar, analisar e relacionar, com maior aprofundamento, a sua representação.

69

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

l,
pa menta
ir seu ma
ru
st
n
u
o
o
c
,
"
o
o, a
"favela
esse alun
ação" e
iz
o
n
d
a
la
O fato de
rb
u
"
m ao
a palavra
erados u
m
lo
g
tu
a
s
e
escrever
s
dio
ue esse
tar os pré
belece q
s
ta
s
o
e
rm
represen
u
o
ne
dos te
, não defi
ão ampla
s
r
n
a
e
c
re
fi
do outro
p
a
om
precis
ha uma c
docente
n
O
e
.
s
s
dante ten
o
re
d
a rep
apresenta
teriosa d
ri
c
is
a
ou ideias
m
lise
essa aná
atento a
l.
acia
tação esp

Por outro lado, entendemos que é a palavra que possibilitará
uma comunicação entre os adultos e as crianças, já que estas farão
uso da palavra não por um entendimento aprofundado, mas pelo
simples fato de que ela encontra-se presente nas práticas sociais
entre os indivíduos. Essa é a principal característica do primeiro estágio da formação dos conceitos, a palavra sendo utilizada como
uma representação de um objeto.
Contudo, esse estágio decorrente do uso da palavra se subdivide
em três fases bem específicas, mas que no conjunto contribuem significativamente para a formação do conceito. A primeira fase está relacionada à formação da imagem sincrética,12 a partir do significado das
12.Uma totalidade complexa, visão de conjunto, confusa.

70

DENIS RICHTER

palavras. Nesse caso, a criança faz uso da palavra para representar uma
imagem por meio de ações ao acaso, ou seja, não existe um raciocínio
lógico fundamentando a prática. Já na segunda fase, a imagem sin
crética é formada com base nos encontros espaciais e temporais de
determinados elementos. Esse momento possui forte influência da
percepção nos vínculos dos objetos, isso pode ser analisado quando as
imagens sincréticas, de que o indivíduo de tenra idade faz uso, começam a se estabelecer a partir de parâmetros temporais e espaciais,
como também pelos vínculos de percepção particular. Assim, os objetos se aproximam pelas suas semelhanças comuns, observadas nos
contextos de tempo, de espaço e de percepção. Por fim, na terceira
fase, a imagem sincrética é formada, agora, por uma base mais complexa, porém ela possui um único significado.
Em síntese, podemos explicar essa fase da seguinte maneira: a
imagem sincrética, sobre a palavra e o seu significado, começa a estabelecer um único caminho na sua compreensão, se desvencilhando do amontoado de interpretações. A consequência desse fato
está na construção da palavra como equivalente ao conceito.13 No
entanto, a criança ainda não possui uma clara compreensão disso; o
fato se articula na proximidade com o uso do mesmo conceito pelo
adulto. Esse momento de equivalência do conceito entre esses dois
sujeitos representa a passagem para o segundo estágio da formação
dos conceitos espontâneos.

13.No entanto, é importante destacar que esta ainda não representa o conceito. Da
mesma forma que o uso da palavra pela criança e pelo adulto pode ser idêntico
no que se refere à expressão verbal no início do desenvolvimento cognitivo,
é completamente diferente o nível de compreensão que cada indivíduo tem
dessa palavra ou, no caso, do conceito. Portanto, nesse momento, o conceito
é somente idêntico como forma de expressão, mas não como processo de interpretação.

71

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Nesse caso, a relação com o mapa está no fato de uma criança,
ao observar o meio, seu espaço cotidiano, interpreta-o, inicialmente, como uma imagem sincrética, pois não consegue discernir os contextos que são responsáveis pela sua configuração.
Ou seja, produz um mapa em que todos os elementos representados não apresentam diferenças. Por exemplo, não entende que
uma árvore pode ser mais velha que um prédio abandonado.
Mas, ao cruzar determinadas informações, como a localização de
alguns objetos ou a análise temporal, transforma essa imagem
complexa numa leitura mais criteriosa.

Para Vigotski (2000), depois que a criança passou por momentos
em que as imagens sincréticas estabeleciam a principal forma de
leitura e interpretação dos objetos presentes em seu contexto social,
o pensamento desse indivíduo, que se desenvolve desde o seu nascimento, recebe a colaboração do chamado pensamento por complexos. Assim, o segundo estágio é marcado pelo processo cognitivo
de formação de complexos. Isso significa que as generalizações não
são mais organizadas somente pelas impressões das crianças, mas
por vínculos objetivos que realmente existem em determinados
objetos (idem). Em outras palavras, nesse estágio, o significado
das palavras pode ser definido a partir dos nomes de famílias, por
exemplo, a família dos felinos, que integra gatos, onças, leões, entre
outros, e unificados em complexos ou grupos de objetos. A forma
de a criança desenvolver o pensamento contribui, consubstan
cialmente, para a sua interpretação do mundo. O que antes era
totalmente integrado, complexo ou indiferente, agora começa a
apresentar diferentes nuances e especificidades.
Uma característica do pensamento por complexos é que a base
desse conhecimento não se instaura mais nos contextos abstratos
ou lógicos, mas em relações concretas e fatuais. Portanto, diferente
do estágio anterior, quando a criança organiza seu pensamento por
nexo desconexo, tendo a subjetividade como principal elemento,
agora o momento representa a construção de objetos homogêneos

72

DENIS RICHTER

na interpretação dos elementos que compõem seu meio social. O
pensamento desse indivíduo começa a se tornar mais coerente e objetivo, entretanto essa prática ainda não constitui toda a clareza do
conhecimento conceitual de um indivíduo adulto.

A organização do pensamento por complexos ajuda a criança na
interpretação do mundo e, assim, na sua representação. Nesse
momento, o mapa deixa de ser um amontoado de objetos para
representar fenômenos específicos. Mesmo o mapa tendo alguns
níveis de complexidade não compatíveis com a cognição da
criança, esta já é capaz de estabelecer critérios de seleção. Assim,
o mapa construído começa ser analisado como um meio de comunicação entre o que a criança observa no mundo, no seu meio,
e no que é possível expressar dele.

Da mesma forma que Vigotski organizou o primeiro estágio,
este também se divide em fases distintas, que buscam aprofundar
as particularidades desse desenvolvimento do pensamento por
complexos. O segundo estágio encontra-se dividido em cinco fases.
Primeira fase: tipo associativo. O princípio desse pensamento
da criança é fundamentado nas semelhanças que podem existir
entre os objetos e destes com o núcleo básico do complexo. Numa
interpretação mais clara, é o vínculo das semelhanças que os une.
Fato que nos permite dizer que o complexo-associativo é um vínculo concreto. Na atual fase, a análise e a correlação entre os objetos
ocorrem com o propósito de encontrar alguma semelhança física,
estrutural, entre os próprios objetos para que tenham uma relação
com o núcleo. O resultado da ação é a possibilidade de gerar uma
grande abrangência nas relações entre os objetos, porém isso
sempre será validado pela existência de um vínculo concreto, real.
É nesse momento que a criança realiza a associação da palavra com
o nome da família de um dado objeto.

73

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Segunda fase: por complexo-coleções. Agora, a criança integra
os objetos através da associação por contrastes ­ resultado da fase
anterior ­, quando ela começa a identificar as diferenças presentes
entre os objetos. Com base nas palavras de Vigotski (2000, p.184),
"[...] a coleção se baseia em vínculos e relações de objetos que são
estabelecidos na experiência prática, efetiva e direta da criança".
Ao explicar a presente fase, Vigotski faz um importante apon
tamento sobre o processo de desenvolvimento dos conceitos até
agora; ele destaca que não devemos analisar ou considerar cada fase
separada ou isoladamente para demonstrar a sua participação ou
o seu principal produto; o que esse autor defende é que esses três
momentos, que foram apresentados até agora (das imagens sincréticas, do complexo-associativo e do complexo por coleções), contribuem no conjunto para entender o processo de formação do
conceito.
Terceira fase: complexo em cadeia. Nesse momento, a criança
encontra os elos entre os objetos, a partir de características específicas que integram os próprios objetos numa cadeia, onde cada um
expressa um elo com o anterior e com o seguinte, o que por sua vez
não exige a criação de um núcleo integrador, global. O primeiro
elemento a ser destacado poderá ser completamente diferente do
anterior. O que interessa nessa fase é desenvolvermos essa leitura/
análise na descoberta de algum contexto integrador que cada objeto
possui.
Quarta fase: complexo difuso. Como a criança desenvolve seu
pensamento num processo crescente, a formação dos complexos,
que ela já domina e reconhece, possibilita-lhe começar a identificar
inúmeros vínculos entre os objetos. O resultado dessa ação cog
nitiva é a construção de diversas associações que podem se tornar
difusas, indefinidas e confusas, já que estão interligadas por complexos concretos muito particulares. Por outro lado, é fundamental
validarmos essa forma de pensamento, por demonstrar que a
criança consegue estabelecer relações entre os objetos e, também,
compreende que não há limites para determinar as possíveis associações produzidas pelos indivíduos.

74

DENIS RICHTER

Quinta fase: complexo do pseudoconceito. Representa o último
momento do segundo estágio, que se caracteriza pela formação de
complexos na estrutura das palavras. Da mesma forma, podemos
encontrar nessa fase elementos de transição para o próximo estágio,
já que o conceito começa a se formar a partir de um pseudoconceito.
Entretanto, entendemos que é preciso explicar o que vem a ser esse
momento chamado de pseudoconceito.
Para uma criança que se encontra na presente fase, o seu pensamento é resultado de processos que buscam no concreto as explicações lógicas, enquanto a formação dos conceitos, que por ora são
muito elementares, podem ser observadas como sendo muito semelhantes aos conceitos utilizados pelos adultos. Com base nesses
pressupostos, devemos tomar cuidado ao designar os primeiros
conceitos formados pela criança como uma evidência de que ela já é
capaz de compreender na totalidade. Para Vigotski (2000), foi possível identificar que essas palavras (que expressam conceitos) ainda
não são produtos da total compreensão da criança sobre o conceito
formado nos adultos.
O fato fica evidente quando observamos que o pensamento por
complexos e o pensamento por conceitos apresentam formas muito
próximas de caminhos e características, porém a formação do pseudoconceito na criança se estabelece com uma sensível diferença, de
que está formando um conceito que ainda não é entendido como
tal. A proximidade permitiu que muitos estudos interpretassem
como não existindo uma diferença entre o pensamento de um
adulto em relação a uma criança. O que para Vigotski é um erro. Na
relação existente entre os adultos e as crianças, durante o desenvolvimento da linguagem, esse indivíduo de mais idade pode orientar
ou direcionar o caminho das generalizações existentes na própria
linguagem, porém não será possível ao adulto transmitir à criança o
seu modo de pensar. O processo ficará a cargo da criança, ao longo
do seu tempo de desenvolvimento cognitivo.

75

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Na relação com a produção do mapa, essas fases do segundo
estágio contribuem para pensar no uso da legenda, por exemplo.
A questão associativa refere-se ao ato de identificar uma cidade
por meio de um símbolo (signo) e de relacionar esse mesmo código com outras cidades (o símbolo para representar uma capital
é reproduzido para todas as demais capitais existentes num
mapa). Em outra análise, se a criança for conhecer empiricamente
uma cidade representada no mapa, seu conhecimento sobre esse
lugar deverá ser ampliado. Dessa forma, ela poderá projetar algumas informações de uma cidade para outra, que ainda não conhece, ou seja, o saber torna-se mais complexo. Ao seguir esse
processo, a criança poderá reconhecer elementos e objetos que
estão presentes em mais de uma cidade. Por exemplo, as cidades
que possuem aeroportos, que estão na mesma rodovia ou no
mesmo estado. Isso significa que o raciocínio da criança se organiza por relações em cadeia. No processo de desenvolvimento
do conhecimento, a criança apresenta a capacidade de interpretar algumas informações do cotidiano, mas ainda está muito
associada aos saberes produzidos pelos indivíduos adultos.
Nesse sentido, ao produzir um mapa, mesmo que este seja muito
semelhante ao dos adultos, resultado da ação de copiar, a criança
ainda não possui todas as habilidades cognitivas e uma autonomia suficiente para construir um mapa sozinha ­ é o chamado
pseudoconceito.

Após termos compreendido a relação existente entre as imagens
e os objetos pela construção das palavras e da formação de complexos, o próximo passo da criança é o último estágio desse desenvolvimento cognitivo que se refere à formação dos conceitos. No
entanto, não devemos analisar todo esse percurso de maneira linear. Vigotski (2000) salienta, diversas vezes em seu texto, que o
indivíduo organiza seu conhecimento a partir de relações diretas
e indiretas com os demais estágios que contribuem para a formação dos conceitos espontâneos e que os processos psicológicos
superiores estão presentes nas ações mais elementares do pensamento humano. É o conjunto dessas práticas cognitivas que per-

76

DENIS RICHTER

mitirá a organização do saber cultural. Esse autor complementa ao
dizer:
Vimos ainda nas nossas experiências que o conceito surge como resultado do pensamento e encontra lugar orgânico natural dentro do
juízo. Neste sentido, o experimento confirmou inteiramente a tese
teórica segundo a qual os conceitos não surgem mecanicamente
como uma fotografia coletiva de objetos concretos; neste caso, o cérebro não atua à semelhança de uma máquina fotográfica que faz
tomadas coletivas, e o pensamento não é uma simples combinação
dessas tomadas; ao contrário, os processos de pensamento, concreto e eficaz, surgem antes da formação dos conceitos e estes são
produto de um processo longo e complexo de evolução do pensamento infantil. Como já afirmamos, o conceito surge no processo
de operação intelectual; não é o jogo de associações que leva à obstrução dos conceitos: em sua formação participam todas as funções
intelectuais elementares em uma original combinação, sendo que o
momento central de toda essa operação é o uso funcional da palavra
como meio de orientação arbitrária da atenção, da abstração, da
discriminação de atributos particulares e de sua síntese e simbolização com o auxílio do signo. (Vigotski, 2000, p.236)

Dito isto, partimos agora para o aprofundamento do terceiro
estágio, que, como já apresentamos, se fundamenta na efetivação
dos conceitos. Todavia, o início desse estágio é marcado por características transitórias que permeiam entre o pensamento complexo e a evolução dos conceitos infantis. Nesse sentido, antes de
se tornarem conceitos propriamente ditos, as palavras são consideradas equivalentes funcionais.
Ao recuperar alguns contextos do estágio anterior, vale ressaltar
que, no pensamento por complexos, a criança procura agrupar os
objetos tendo o objetivo de generalizar os elementos dispersos no
seu cotidiano. Essa prática encontra-se repleta de reprodução, mas
de pouca abstração, que são considerados elementos necessários
para a formação de um conceito. É dessa maneira que inicia o ter-

77

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

ceiro estágio da evolução do pensamento infantil, com o propósito
de desenvolver a decomposição, a análise e a abstração.
Da mesma forma que ocorreu nos estágios anteriores, novamente Vigotski faz uso da divisão em fases para explicar esse momento cognitivo do indivíduo. Assim, o terceiro estágio encontra-se
organizado em três fases muito representativas, que partem do
contexto transitório do pensamento complexo para atingir o conceito verdadeiro, objetivo desse processo intelectual.
A primeira fase está muito próxima do chamado pseudoconceito, no entanto agora existe uma dúvida sobre a coerência do
"conceito". Como consequência, há uma possibilidade de revermos
determinados contextos que foram levantados para designar um
objeto pelo uso da palavra. Assim, o pseudoconceito começa a ser
revisto pelo indivíduo, tendo o objetivo de identificar o que realmente é válido nessa interpretação. É importante ressaltarmos que
esse processo não ocorre de maneira cronológica, já que existe uma
dialética presente na construção desses conceitos.
Seguindo o processo de desenvolvimento, a segunda fase desse
estágio sinaliza a formação de conceitos potenciais. Nesse momento, a criança designa um determinado grupo de objetos que ela generaliza, a partir de um dado atributo. Isso significa que, na atual
fase, os conceitos válidos para a criança e para o adulto são muito
próximos, mas para esse indivíduo de tenra idade o pseudoconceito
ainda é uma realidade. A proximidade e semelhança dificultam a
interpretação mais apurada dos conceitos expressos pelos adultos e
pelas crianças. Por outro lado, os conceitos potenciais podem permanecer durante determinados períodos do desenvolvimento e não
se transformarem em conceitos "verdadeiros", o que vem a definir
a próxima fase.
A última fase do terceiro estágio encontra-se fundamentada,
propriamente, na conquista da formação dos conceitos. Para que
esse conceito seja real, "verdadeiro", e que possa integrar as práticas sociais dos indivíduos, a palavra torna-se o elemento mediador
desse processo, ou seja, ela representa um signo que se expressa
num determinado conceito, a partir do atributo da generalização.

78

DENIS RICHTER

Da mesma forma, para a psicologia da aprendizagem, o conceito,
em qualquer nível intelectual, é considerado um ato de generalização. Isso significa que os conceitos evoluem do uso e da relação
com as palavras durante o desenvolvimento cognitivo dos indivíduos. Em síntese, a atual fase representa o alcance da meta que
foi iniciada nas relações sociais mais elementares do ser humano.
Quando uma criança consegue diferenciar entre falsos e verdadeiros os conceitos que foram formados ao longo da sua vida e que
a princípio eram interpretados como corretos e inquestionáveis,
isso significa que esse indivíduo está pronto para começar uma
nova jornada no processo intelectual. Essa ação possibilita a construção dos chamados conceitos científicos. Portanto, ao "encerrar"
esse período de formação do conhecimento humano, a criança se vê
diante de novos questionamentos, que permitirão o aprofundamento de suas capacidades cognitivas.

Nas fases do terceiro estágio, a relação com o mapa situa-se, inicialmente, na constituição de uma maior autonomia na construção da linguagem cartográfica. Por exemplo, mesmo que uma
criança copie algum elemento do mapa, ela começa a ter dúvidas
sobre o uso do mesmo, pois já possui um conhecimento acumulado que lhe dá possibilidade de questionar. Tendo essa postura,
a criança deverá buscar/escolher alguns símbolos para representar
no mapa um determinado conceito que ela já compreende. Isso
significa maior autonomia no processo criativo da representação
espacial. Concomitantemente, ao ter a ação de selecionar alguns
signos na composição do mapa, a criança começa a ampliar a
compreensão a respeito da leitura do mapa. Portanto, ao ter contato com qualquer tipo de representação cartográfica, esse indivíduo fará interpretações mais apuradas sobre a relação do signo
(das "palavras" do mapa) com o contexto real e com o cotidiano.
Dessa maneira, o mapa deixa de ser uma mera figura ilustrativa e
passa a complementar a sua leitura de mundo.

79

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

A fim de contribuirmos para a compreensão da formação dos
conceitos espontâneos nos indivíduos, será apresentado, a seguir,
um mapa conceitual (Figura 6) que procura sintetizar os apontamentos levantados até aqui. Esse mapa foi construído de acordo
com os referenciais teóricos de Vigotski (2000) e, também, seguiu a
sua proposta de superar a estrutura linear da organização do pensamento, que muitas vezes é interpretada pela psicologia tradicional.

Figura 6 ­ Desenvolvimento dos conceitos espontâneos
Fonte: Vigotski, L. S., 2000. Richter, D. (Org.), 2010.

O desenvolvimento dos conceitos científicos
No processo de desenvolvimento do pensamento intelectual, a
formação dos conceitos representa um importante estágio na evolução cognitiva do indivíduo. É importante reafirmarmos que os

80

DENIS RICHTER

conceitos possuem um papel fundamental nas relações humanas,
por contribuírem para a comunicação e na linguagem pelo uso da
palavra como signo representativo e funcional presente nas práticas
sociais. Porém, como apresentamos anteriormente, os conceitos
podem ser divididos em duas estruturas bem distintas, que se referem aos conceitos espontâneos e os científicos. O primeiro se
caracteriza pela necessidade de exigir uma forte relação com a materialidade, a concreticidade do contexto que envolve um determinado objeto. Nessa fase, o pensamento da criança não detém certas
capacidades e/ou cognições para realizar raciocínios sem a articulação das ações práticas. Há um sensível distanciamento das análises abstratas, ou seja, de uma produção do saber proveniente de
estruturas mais complexas, estando estas presentes nos processos
psicológicos superiores.
Em outras palavras, os conceitos espontâneos são resultados de
experiências que a criança tem em contato com seus pares e com
outros indivíduos, no caso os adultos, como, também, na relação
com os diversos objetos que compõem seu ambiente, a partir das
relações de afetividade, pela capacidade simbólica e a própria mediação do objeto. O desenvolvimento cognitivo que ocorre nessa
fase provém de uma educação informal, que está presente nas re
lações sociais cotidianas e se transmite como elemento necessário
para a realização de algumas práticas humanas.
Noutra concepção, os conceitos científicos se estruturam sobre
uma diferente base, já que eles se fundamentam em estruturas
abstratas para produzir o conhecimento, fato que os diferencia dos
conceitos espontâneos. Após a criança ter desenvolvido a capacidade de entender o seu contexto social, o seu mundo, pelo uso das
palavras, pelo processo de generalização e de intercâmbio social,
chega o momento de ampliar suas leituras de mundo para incorporar no seu raciocínio os mecanismos abstratos. Vigotski (2000)
destaca algumas características desses dois conceitos:
segundo os dados da nossa pesquisa, a fraqueza dos conceitos espontâneos se manifesta na incapacidade para a abstração, para uma

81

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

operação arbitrária com esses conceitos, ao passo que a aplicação
incorreta ganha validade. A debilidade do conceito científico é o
seu verbalismo, que se manifesta como o principal perigo no caminho do seu desenvolvimento desses conceitos, na insuficiente
saturação de concretitude; seu ponto forte é a habilidade de usar
arbitrariamente a "disposição para agir". (Idem, p.245)

Esses apontamentos nos permitem dizer que existe uma distinção
entre o processo de desenvolvimento dos conceitos espontâneos e
dos científicos. Seria um equívoco interpretarmos os dois conceitos
de modo idêntico, em razão de que os conceitos científicos descendem para o concreto, com o objetivo de serem compreendidos, ao
passo que os espontâneos ascendem para as generalizações, na busca
por uma ampliação no pensamento. Essa relação contrária constitui
uma interessante trama no desafio da aprendizagem humana (Vigotski, 2000).
Entretanto, mesmo havendo diferenças entre os dois conceitos,
Vigotski nos alerta que, ao analisá-los, não devemos interpretar que
os seus desenvolvimentos ocorrem em momentos singulares nos
indivíduos. Os conceitos espontâneos e científicos não se encontram totalmente distantes, como defendem algumas teorias, entre
as quais a de Piaget (Duarte, 2004). Para o teórico russo, esses dois
conceitos são formados a partir de inter-relações que se complementam e que ajudam a definir melhor, particularmente, cada elemento conceitual. Tanto um como outro são fundamentais para o
desenvolvimento do pensamento do indivíduo e, portanto, não
existe um determinado momento que os separa.
Mesmo assim, se for reconhecida a diferença no desenvolvimento desses dois conceitos, torna-se necessário identificarmos
que as relações sociais mais elementares, que foram tão importantes
e significativas para os conceitos espontâneos, não serão as bases
estruturais da construção dos conceitos científicos. Estes últimos
terão como espaço de atuação a escola, a chamada educação formal,
que tem na sua gênese a sociedade, porque esse local representa a
possibilidade de transmissão do saber sistematizado e produzido

82

DENIS RICHTER

pelos seres humanos ao longo do tempo. Diante disso, a importância da escola para a vida em sociedade pode ser constituída pelo
fato de que essa instituição é responsável por permitir o contínuo
processo de evolução do conhecimento humano.
Tendo como premissa esses apontamentos, a escola precisa ser
revista pelos docentes que nela atuam. O fato se justifica em razão
de essa instituição ter como um dos seus objetivos o ensino e a
aprendizagem das palavras, que precisam se estruturar para formar
indivíduos capazes de ler, interpretar, produzir e, com o tempo,
talvez, transformar as palavras que representam os contextos sociais e teóricos. Nesse sentido, se o professor se propõe a realizar
um trabalho didático-pedagógico vinculado somente ao ensino das
palavras sem ocorrer uma relação com a produção dos conceitos, o
profissional docente torna-se responsável por gerar um conhecimento vazio, um puro verbalismo que não busca compreender a
essência da própria palavra. Vigotski rechaça os estudos que abandonam ou negam a importância da palavra no processo de formação do conceito e, também, questiona a validade desses estudos
quando os mesmos não destacam a influência dos elementos históricos no desenvolvimento do pensamento humano. Para superar
esse desafio, o trabalho docente precisa valorizar os estudos por
conceitos.

Ao longo do desenvolvimento das atividades escolares, o professor tem a responsabilidade de ensinar aos alunos as diversas
linguagens, como a Cartografia, que está repleta de conceitos
científicos. No trabalho de construção do mapa, essa linguagem
será um dos canais para que o aluno possa compreender a realidade, fugindo dos entendimentos mais naturalizados ou simplificados. Assim, o mapa deve cumprir a função de traduzir o contexto
real para uma leitura mais científica e sistematizada.

83

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

s cientíconceito
s
o
d
a
ç
entos e
resen
os elem
s
ntrar a p
o
o
c
m
,
n
a
e
rv
s
se caso
o obse
Podemo
tor. Nes
, quand
u
a
a
p
a
o
lo
n
m
e
s p
ase s
ficos no
e com b
cionado
d
le
a
e
d
s
li
a
s
o
re
n
os proo da
fenôme
entificou
rpretaçã
id
te
in
o
n
a
lu
m
oa
espaço.
houve u
ção do
cos, pois
u
fi

d
n
ro
ie
p
c
nos que
m na
saberes
as urba
m
interfere
le
o
e
b
u
ro
q
. Assim,
aos p
cessos
rudente
P
estaque
d
te
li
n
a
o
e
n
re
da
resid
Como
reflexo
ade de P
m
id
u
c
o
a
o
ã
n
ç
m
co
reta
ocorrem
apenas
a interp
ão serve
, mas um
é
o
ã
n
mapa n
fato
que de
dade, o
ço.
a
p
s
a do e
científic

Essas preocupações e alertas nos destacam o quão fundamental
é a realização de estudos voltados ao desenvolvimento do conhecimento dos saberes científicos para as crianças. A partir dos conceitos é que o indivíduo terá condições de compreender a própria
história humana, já que a mesma foi produzida pela organização de
conceitos que, dialeticamente, dão sentido à sociedade.
Ao evidenciarmos a significativa contribuição dos conceitos
científicos para a formação intelectual do indivíduo, consideramos

84

DENIS RICHTER

necessário explorar mais o processo de construção desses conceitos,
a partir de suas fases, que Vigotski (2000) denomina grupos. Esses
vão do primeiro ao quarto grupo e se caracterizam pelos seguintes
pontos:
Primeiro grupo: confirma que o processo de aprendizagem dos
conceitos científicos é totalmente diferente dos espontâneos, por
ocorrer no ambiente escolar e possuir contextos específicos que
provocam a formação do pensamento científico na criança. Numa
análise particular, é possível realizarmos a seguinte consideração:
para uma criança que se encontra na fase escolar pode ser mais fácil
explicar (conceituar) um determinado tema, presente nos conteúdos
escolares, do que conceituar algo que sempre esteve presente em
sua vida cotidiana, ou seja, aquilo que foi apreendido no plano da
experiência, já que este último nunca lhe foi ensinado por um professor. Sendo assim, a conceituação sobre os saberes científicos
torna-se mais compreensível porque passa por um processo escolar. No entanto, precisamos considerar que, na maioria dos casos,
a criança nunca vivenciou no plano das experiências esses conhecimentos científicos.

O mapa não é um recurso desconhecido pela criança ao chegar à
escola. Ela já o conhece pelos meios de comunicação, como a TV,
os jornais, a internet, etc. Também sabe para que serve, pois muitas
vezes o mapa está associado à localização. Entretanto, temos que
considerar que seu uso está mais para um caráter ilustrativo do que
para pensar ou refletir sobre a representação espacial. Nesse sentido, ao ser incorporado na escola como linguagem específica para
contribuir no processo de ensino-aprendizagem, o mapa ganha
uma nova dimensão. O aluno aprende quais são seus elementos,
suas funções e usos, e com isso, muitas vezes, apresenta maior facilidade de interpretar os mapas que estão presentes nos livros didáticos do que os que são veiculados pelos meios de comunicação.

85

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Segundo grupo: explica que os conceitos científicos contribuem
para ampliar o conhecimento do indivíduo no plano das experiências, dos conceitos espontâneos. Porém, para que o conceito
científico ocorra é necessário fazermos uso de exemplos e contextos
já vivenciados pela criança em suas práticas sociais. Cabe aqui recorrermos, mais uma vez, à Figura 5, que representa a espiral do
conhecimento. De acordo com Vigotski (2000, p.264-9), o processo
de ensino de uma língua estrangeira para um indivíduo que já
possui o conhecimento da língua materna significa o desenvolvimento de saberes mais elevados (superiores), a ampliação de análises mais abstratas e a generalização de fenômenos. Ou seja, de
posse do conhecimento sobre uma outra linguagem (idioma), a
criança tem possibilidade de aprofundar seus saberes aprendidos e
de contribuir para a tomada de consciência dos conceitos científicos que já fazem parte da sua leitura de mundo. Assim, essa
aprendizagem se integra à perspectiva da espiral, quando um novo
conhecimento amplia seus saberes sistematizados.

No processo de ensino do mapa, a cada momento em que novas
e diferentes representações cartográficas são apresentadas aos
alunos para realizar atividades de leitura, análise, interpretação e
construção, ocorre o aprofundamento da compreensão da linguagem espacial. Em outras palavras, para que os estudantes ampliem seu entendimento sobre a Cartografia, é fundamental que
outras formas de representação do espaço sejam integradas ao
seu processo de ensino. Mapas elaborados a partir de diferentes
perspectivas e/ou de diversas escalas colaboram nesse trabalho,
pois os alunos terão que identificar a presença dos elementos do
mapa, por exemplo, em outras propostas da linguagem espacial.
Aqui destacamos a importante colaboração da produção de mapas
mentais.

86

DENIS RICHTER

Terceiro grupo: Vigotski nos sinaliza que nesse momento,
quando o indivíduo já possui um significativo acúmulo de saberes,
torna-se fundamental criarmos condições para que a criança comece a descobrir alguns caminhos por conta própria. Para escla
recermos, faremos uso das próprias palavras desse autor, por
entendermos que isso poderá facilitar o entendimento dessa etapa
do desenvolvimento dos conceitos científicos.
A investigação psicológica moderna conhece apenas duas modalidades de estudo de conceitos: uma delas se realiza através de métodos superficiais, mas em compensação opera com conceitos reais
da criança. A outra pode aplicar procedimentos de análise e experimento infinitamente mais aprofundados, porém só a conceitos experimentais artificialmente designados por palavras sem sentido.
Neste campo, uma questão metodológica nova é a [...] investigação
aprofundada dos conceitos reais, que utiliza todos os resultados básicos dos dois métodos de análise do processo de formação de conceito que estão em vigor. [...] Os conceitos científicos formam um
grupo especial que, sem dúvida, faz parte dos conceitos reais da
criança, que se mantêm em todo o resto da vida, mas, pelo próprio
curso do seu desenvolvimento, aproximam-se demais da formação
experimental de conceitos e, assim, combinam os méritos dos dois
métodos ora existentes e permitem o emprego da análise experimental do nascimento e do desenvolvimento do conceito que de
fato existe na consciência da criança. (Vigotski, 2000, p.269-70)

Quarto grupo: valoriza as atividades práticas como forma de reconhecimento das habilidades intelectuais, já que estas não ocorrem
por si só e tampouco isoladas dos elementos socioculturais. Logo,
diferente de encerrarmos ou finalizarmos o processo de formação
dos conceitos, que são expressos pelo uso das palavras, num contexto de síntese explicativa, esse momento representa a possibilidade de construirmos novos parâmetros para o uso dos conceitos
científicos na vida em sociedade.

87

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Nesse caso, a ideia está em expandirmos as possibilidades de
construção dos mapas. Para isso, os mapas mentais podem ser
bons exemplos, pois a proposta situa-se na construção de atividades práticas que recuperem os conhecimentos aprendidos e as
habilidades formadas pela educação formal, a fim de contribuir
para a expressão e leitura da realidade. Por exemplo, os elementos
do mapa, a organização e produção das cidades, o processo de
globalização, a relação sociedade-natureza, entre outros. Assim, os
conceitos científicos desenvolvidos na escola ganham uma nova
dimensão ao serem utilizados para ampliar a compreensão dos
contextos que interferem na formação da sociedade. Portanto, os
mapas mentais tornam-se uma linguagem capaz de resgatar os saberes ensinados para produzir um novo conhecimento, uma nova
interpretação do espaço.

Em referência às análises mais detalhadas sobre o desenvolvimento dos conceitos científicos, fica evidente que a preocupação de
Vigotski está em compreender como os indivíduos se tornam capazes de aprender e, com o tempo, ter possibilidade de construir
novos saberes. Para finalizarmos esses apontamentos, um mapa
conceitual será apresentado (Figura 7) para contribuir ao entendimento dessa fase do pensamento humano. No entanto, é fundamental esclarecermos que esse momento não se estrutura de forma
linear, da mesma forma que foi destacado no mapa conceitual do
desenvolvimento dos conceitos espontâneos (Figura 6), já que os
elementos que influenciam os saberes científicos se desdobram
desde as atividades mais elementares do indivíduo até as mais complexas, superiores.

88

DENIS RICHTER

Figura 7 ­ Desenvolvimento dos conceitos científicos
Fonte: Vigotski, L. S., 2000. Richter, D., 2010.

A palavra como expressão do conceito
Após termos apresentado as etapas do desenvolvimento dos
conceitos espontâneos e científicos, que contribuem para denotar a
importância da evolução do pensamento humano, a partir das experiências sociais e do próprio conhecimento histórico produzido
pela sociedade, é chegada a hora de relacionarmos essas estruturas
com a construção da linguagem escrita. Isso representa a conquista
de um novo patamar no processo de desenvolvimento cognitivo do
indivíduo, que se fundamenta no ato de organizar o raciocínio, por
meio da expressão concreta, na materialização de símbolos (signos)
e que, portanto, podem ser interpretados por seus pares.
Contudo, diferente de discorrermos sobre a palavra como elemento da linguagem, o que será aprofundado agora se refere ao estudo da escrita, do registro gráfico, como expressão do percurso do
conhecimento internalizado para o conhecimento social. E, ao
mesmo tempo, de um alto grau de abstração por parte do indivíduo, que necessita de determinados saberes prévios para que

89

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

possa interpretar as informações contidas na construção da própria
escrita (Vigotski, 2000).
O primeiro esclarecimento que devemos fazer destina-se a diferenciar o processo de formação da fala em relação ao da escrita.
Mesmo a linguagem dos sons sendo um importante passo no desenvolvimento intelectual da criança, mais avançada e mais abstrata é a construção desse som em uma representação concreta e
material, que é a escrita. Esse contexto produz uma análise par
ticular sobre as etapas de evolução da fala e da escrita. Fato que es
tabelece a necessidade de compreendermos cada aprendizagem
dentro de um escopo singular, já que os percursos do desenvolvimento de cada elemento cultural situam-se em momentos diferentes da formação do pensamento humano.
Outro ponto que destacamos se fundamenta na análise da construção da escrita, que diz respeito ao interlocutor, ou seja, ao indivíduo que fará a leitura e a interpretação das palavras expressas.
Isso denota que nem sempre é preciso ter a presença do interlocutor
no momento em que as palavras são escritas, o autor pode realizar
essa tarefa de modo isolado, distanciado de seus pares. No entanto,
ele deve sempre pensar que, numa outra situação, o leitor deverá se
fazer presente, o que vai exigir desse construtor das palavras um
pensamento mais abstrato e fortemente relacionado ao processo comunicativo.
Esses apontamentos referentes à formação da palavra podem ser
relacionados ao processo de construção do mapa (mental). Primeiro, por estabelecer que a interpretação e a compreensão do
espaço se faz a partir da internalização das ideias, ou seja, é preciso
organizar os conhecimentos e conceitos (espontâneos e científicos)
na estrutura do pensamento, para depois transpô-los para uma linguagem de comunicação, que no caso é o mapa. E, segundo, por
entender que, no momento de produzir essa representação espacial, seu autor deve se preocupar com o leitor desse mapa, que
fará uso das informações contidas no mesmo para ampliar seus conhecimentos sobre um determinado lugar.

90

DENIS RICHTER

is cond
, temo
a
s
im
a
c
d
a
ntal
ação
ernaliz
apa me
t
m
e
in
o
s
a
o
s
d
o
ent
cia
ervarm
corrên
s elem
o
o
a
r
is
r
a
a
t
a
Ao obs
e
m
tific
ura
erpr
e iden
r e int
ma leit
e
u
c
ar
e
o
it
h
ções d
d
il
n
n
o
po
ssib
ao rec
em po
de, pro
a
o
s,
d
n
li
o
lu
ideias,
a
u
a
e
r
divíd
o do
tos da
utros in
cupaçã
o
ao
a
contex
e
m
r
r
r
a
p
p
s info
a. E a
mapa
de sua
a
o
e
ã
científic ação de seu
r
ç
b
u
trad
o so
nic
como
rmaçã
o
o
a
f
d
d
a comu
in
n
e
o
a
icativ
ir a leg
os um
comun
ao inclu se caso, tem
o
t
a
o
Nes
juda n
ções.
que a
,
o
ã
ç
a
inform
.
a
p
a
m

91

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Como resultado, a produção das palavras escritas permite a formação de um pensamento mais independente, mais arbitrário e
mais livre ao próprio indivíduo, fato bem diferente do que ocorria
no desenvolvimento da linguagem falada (Vigotski, 2000). Existe,
agora, a presença marcante da consciência e da arbitrariedade ao
organizar e materializar as palavras pelo uso da escrita; isso representa um "divisor de águas" no tratamento dado às informações
presentes nas estruturas socioculturais. Dessa maneira, o indivíduo torna-se mais atuante no processo de formação do pensamento cognitivo e passa a interferir nas etapas de construção do
saber científico de modo mais intenso e constante. Percebemos,
então, uma significativa mudança no tratamento dado ao conhe
cimento produzido pela escrita, que contribui para a formação de
uma criança mais intelectualizada.
O objetivo dessas práticas sociais é um dos pilares teóricos dos
estudos de Vigotski, que está na busca de uma transformação dos
contextos sociais presentes nas relações humanas. Em outras palavras, somente com a formação de determinados elementos produzidos pela sociedade, como o conhecimento científico e a linguagem de
comunicação, e o próprio emprego dessas ferramentas e desses signos nas ações reflexivas que condicionam a consciência humana ­
por meio de regulação interna ou autorregulação ­, é que se tornam
possíveis as mudanças necessárias capazes de gerar um desenvolvimento cognitivo baseado nas alterações qualitativas (Freitas, 2007).

Do mesmo modo que se espera que a escrita dê maior autonomia
para o indivíduo, a construção e o uso do mapa mental apresenta
o mesmo objetivo. Em vez de somente trabalhar com mapas existentes, o aluno precisa ter a oportunidade de expressar suas leituras a respeito dos lugares, por meio do desenvolvimento e da
integração dos mapas mentais nas atividades escolares e cotidianas. Essa prática leva a um avanço na capacidade cognitiva do
indivíduo, pois, além de ler, ele terá condições de "escrever" o
mapa, ampliando sua relação com essa linguagem.

92

DENIS RICHTER

Esses apontamentos referentes ao processo de cognição nos permitem fundamentar uma importante ressalva de Vigotski (2000) a
respeito da relação entre a aprendizagem e o desenvolvimento. Para
esse autor, aprendizado não é desenvolvimento, ou seja, dizer que
uma criança aprendeu não significa dizer, diretamente, que a
criança desenvolveu raciocínio ­ esse processo é bem mais amplo,
mais complexo, pois advém de um percurso cíclico em que estão
presentes as diferentes etapas da aprendizagem, que no conjunto e
na própria interação possibilitam a formação de um elemento
maior, que vem a ser o desenvolvimento.
Desse modo, podemos trazer para o debate outro relevante estudo teórico de Vigotski, que é a chamada zona de desenvolvimento
imediato ou proximal,14 ao dizer que:
[...] o aspecto mais essencial de nossa hipótese é a noção de que os
processos de desenvolvimento não coincidem com os processos de
aprendizado. Ou melhor, o processo de desenvolvimento progride
14.Essa expressão zona de desenvolvimento imediato é geralmente conhecida como
zona de desenvolvimento proximal. A mudança de proximal para imediato justifica-se pela nova interpretação da tradução do texto de Vigotski, do russo para o
português, realizada pelo professor Paulo Bezerra, que explica essa alteração da
seguinte forma: "Trata-se de um estágio do processo de aprendizagem em que o
aluno consegue fazer sozinho ou com a colaboração de colegas mais adiantados
o que antes fazia com o auxílio do professor, isto é, dispensa a mediação do professor. Na ótica de Vigotski, esse `fazer em colaboração' não anula, mas destaca
a participação criadora da criança e serve para medir o seu nível de desenvolvimento intelectual, sua capacidade de discernimento, de tomar a iniciativa, de
começar a fazer sozinha o que antes só fazia acompanhada, sendo, ainda, um
valiosíssimo critério de verificação da eficácia do processo de ensino-aprendizagem. Resumindo, é um estágio em que a criança traduz no seu desempenho
imediato os novos conteúdos e as novas habilidades adquiridas no processo de
ensino-aprendizagem, em que ela revela que pode fazer hoje o que ontem não
conseguia fazer. É isto que Vigotski define como zona de desenvolvimento imediato, que no Brasil apareceu como zona de desenvolvimento proximal(!)" (Vigostski, 2000, p.X-XI). Portanto, a partir dessa explicação, adotaremos nesta
tese o termo imediato ao referenciarmos as zonas de desenvolvimento analisadas
por esse teórico russo, pois entendemos que se trata de uma tradução mais correta e contextualizada.

93

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

de forma mais lenta e atrás do processo de aprendizado; desta sequenciação resultam, então as zonas de desenvolvimento proximal.15 Nossa análise modifica a visão tradicional, segundo a qual,
no momento em que uma criança assimila o significado de uma
palavra, ou domina uma operação tal como a adição ou a linguagem
escrita, seus processos de desenvolvimento estão basicamente
completos. Na verdade, naquele momento eles apenas começaram.
A maior consequência de se analisar o processo educacional desta
maneira é mostrar que, por exemplo, o domínio inicial das quatro
operações aritméticas fornece a base para o desenvolvimento subsequente de vários processos internos altamente complexos no
pensamento das crianças. (Vigotski, 1998, p.118)

Apoiado nas considerações anteriores, podemos destacar que a
zona de desenvolvimento imediato (ZDI) encontra-se fortemente
engendrada no trabalho didático-pedagógico da escola, por buscar
formar nos alunos novos conhecimentos, nesse caso científicos, a
partir dos saberes que esses mesmos indivíduos já possuem e que
provêm de suas experiências cotidianas. Assim, o objetivo é desenvolvermos o conhecimento e permitir que ele esteja mais próximo
da própria sociedade, fato que caracteriza a função social da escola.
Numa leitura específica, a ZDI representa a diferença entre a idade
mental real (ou o nível de desenvolvimento atual) de uma criança e
o nível que ela atinge na resolução de determinados problemas sem
autonomia, ou seja, em colaboração com outra pessoa.
O que podemos concluir dessas interpretações sobre o processo
de ensino e aprendizagem correlacionado ao desenvolvimento cognitivo humano, é de que as práticas escolares devem se orientar não
somente pelo que a criança já sabe, mas, principalmente, pelo que
15.Neste caso, o uso do termo proximal ocorre em razão de uma outra tradução dos
estudos de Vigotski. Diferente do professor Paulo Bezerra, os tradutores dessa
edição (José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto e Solange Castro
Afeche) do livro A formação social da mente optaram por utilizar esse termo.
Interpretação com que não concordamos, mas que respeitamos ao transcrever a
referente citação.

94

DENIS RICHTER

ela pode vir a saber e/ou desenvolver. Essa atitude pedagógica reorganiza a estrutura da escola, para que a mesma não busque somente a reprodução dos saberes, porém que inclua em seus projetos
a possibilidade de transformação.

Esse, também, deve ser o propósito do mapa (mental ou existente), de promover que o conhecimento do aluno seja desenvolvido para níveis cognitivos mais amplos e complexos. O mapa
mental pode servir, ao mesmo tempo, como um instrumento que
indica os saberes geográficos e científicos que o aluno possui (seus
raciocínios geográficos), e para possibilitar a identificação dos caminhos que deverão ser percorridos pelos alunos para aprofundar
seus conhecimentos em referência ao contexto da realidade. É importante destacarmos que, da mesma forma que Vigotski nos
alerta que aprendizagem não é desenvolvimento, o trabalho didático com o mapa também deve estar atento a essa questão. Pois
aprender a construir o mapa é totalmente diferente de desenvolver
um raciocínio a partir dele.

Nos estudos referentes à evolução do pensamento, não podemos
deixar de mencionar a significativa importância que existe na construção da linguagem para o crescimento intelectual do ser humano.
Vigotski identificou uma conexão existente entre o pensamento e a
linguagem, apontando que essa relação objetiva a produção do próprio conhecimento e que a formação das palavras sem um significado próprio gera apenas um "som vazio" (Freitas, 2007).
Portanto, mesmo tendo como exemplo a escrita, que foi amplamente analisada nos estudos de Vigotski (1998, 2000, 2006), consideramos necessário avançar o debate sobre a linguagem no campo
da representação gráfica, utilizando para isso a inclusão de novos
meios de comunicação. Para atender a essa proposta, este estudo
buscou integrar as análises já desenvolvidas sobre a produção e a
função social do mapa aos estudos vigotskianos. Mesmo reconhe-

95

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

cendo que esse teórico russo não produziu pesquisas sobre o processo de construção do mapa, temos condições de explorar um elo
entre o processo de desenvolvimento da linguagem, a partir dos
conceitos espontâneos e científicos, com a construção e o uso da
representação cartográfica pelos indivíduos, como realizamos nas
"caixas de textos" apresentadas ao longo deste capítulo. Esta investigação estabelece, de certa forma, um novo caminho para o estudo
do mapa e objetiva que seus desdobramentos possam colaborar no
processo de ensino-aprendizagem.

Por fim, Vigotski entende que a linguagem ocorre por meio de um
signo, um objeto ­ como ferramenta que contribui para o processo
dialógico. Nesse caso, a palavra pode ser considerada um modelo
sígnico, como um dos principais representantes desse meio de comunicação. Pois ela é resultado da internalização do saber humano
que necessita produzir símbolos para expressar seu entendimento
a respeito de contextos sociais ou de raciocínios abstratos. Da
mesma maneira que ocorre no mapa, ao utilizarmos um determinado símbolo e traduzi-lo na legenda. Contudo, a palavra permite
que o conhecimento seja socializado para um grupo de indivíduos
e a leitura e a interpretação dessa palavra pode gerar novos entendimentos sobre o meio, dentro de uma postura dialética. É nesse
contexto que se destacam os estudos de Vigotski em contribuição
ao estudo da Cartografia, por identificarmos que o saber humano
de hoje, como a linguagem, é um recorte no tempo e possui seus
tentáculos amarrados com os fatos e fenômenos históricos, que influenciaram e influenciam a história humana. Da mesma forma, o
mapa registra, expressa e possibilita uma leitura mais ampla e contextualizada do espaço (geográfico).

3
Ensino de Geografia
e mapas mentais

Algumas considerações
sobre o atual ensino de Geografia
Muitos programas curriculares de Geografia, de escolas públicas e particulares, dos três níveis de ensino (fundamental, médio
e superior), têm como propósito a busca por ampliar o debate e salientar a importância de construir um olhar mais atento para as
transformações que ocorrem no espaço, sejam de cunho político,
cultural, econômico, físico-natural, social, ambiental, individual,
coletivo, entre outros.
No entanto, será que esses objetivos são/estão materializados
nas práticas sociais dos indivíduos que frequentaram os bancos escolares? Como a Geografia tem se relacionado com um dos seus
principais conceitos teóricos, que é o espaço geográfico? Onde se
encontra o conceito de espaço no processo de ensino-aprendizagem
de Geografia na educação básica? De que modo o professor pode
articular a linguagem cartográfica com o estudo da análise espacial?
E qual a sua contribuição para a formação do indivíduo?
São questionamentos como esses que orientam o percurso que
pretendemos fazer a respeito da prática pedagógica de Geografia.
Muito mais do que reescrevermos a história do ensino de Geo-

98

DENIS RICHTER

grafia, almejamos apresentar algumas reflexões que permitam
avançar nos estudos relacionados à prática escolar dessa ciência.
Mesmo assim, consideramos necessário esclarecer que inúmeros problemas e desafios do ensino de Geografia, apontados por
autores como Cavalcanti (1998), Callai (2000), Kaercher (2002),
que realizaram um levantamento criterioso sobre o cotidiano escolar, ainda fazem parte da realidade de muitas escolas no Brasil.
Desde o uso descritivo dos conteúdos geográficos, que foi subserviente à manipulação das políticas do Estado, por exemplo, no
tempo da ditadura brasileira (1964-1989), até no desenvolvimento
acrítico desses conteúdos, que serviam para controlar as reflexões
sobre o próprio sistema, o ensino de Geografia foi fortemente marcado por uma característica de saber desnecessário e passageiro.
Em decorrência desses fatos, não é de se estranhar que muitas pessoas, nos dias de hoje, entendam que essa disciplina escolar só
possui sentido para a realização de concursos, como o vestibular. Se
isso ocorreu, foi em razão dos elementos e dos fatores históricos
que contribuíram para formar e caracterizar essa ciência, e que não
possibilitaram a construção de um saber científico mais coadunado
com os problemas que interferem na sociedade.
Esses pontos contextualizam a necessidade de procurarmos,
cada vez mais, práticas escolares que possam sobrepujar essa realidade e modificar, significativamente, o ensino de Geografia. Acreditamos que a formação escolar dos indivíduos precisa estar
embasada na transmissão de saberes que contribua para a construção de uma reflexão crítica e, principalmente, transformadora.
De nada adianta participarmos da escola se essa instituição não
fornece os elementos indispensáveis para que os alunos possam
compreender o meio em que vivem, correlacionar os fatos e os
fenômenos que interferem nas estruturas sócio-econômico-culturais, e construir bases para forjar a transformação.
Em contrapartida, os debates teóricos presentes nas faculdades
de Geografia se desenvolveram consideravelmente nos últimos
anos. Desde que o movimento de renovação da Geografia (década
de 1970-1980) projetou novos campos de atuação dessa ciência e,

99

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

ao mesmo tempo, fortaleceu sua consistência enquanto área acadêmica na produção científica, a Geografia universitária obteve um
crescimento que pode ser comprovado pelo aumento dos cursos
de graduação e de pós-graduação, pelas inúmeras publicações
acadêmicas e na participação mais atuante em diversos setores da
sociedade.
O descompasso existente entre essas duas instâncias na Geografia, a escolar e a acadêmica, representa um sério problema por
indicar que a mudança tão necessária e desejada ocorre parcialmente. Fato que revela a fraqueza do ensino de Geografia perante
os diversos desafios que essa ciência já enfrentou. Podemos observar essa realidade na pesquisa de Kaercher (2004), quando esse
autor encontra elementos marcantes que expressam a divisão entre
a Geografia que se propaga nos cursos de graduação e a Geografia
que se pratica nas salas de aula da educação básica. Leituras como
essas contribuem para reforçar a necessidade de rever o atual estágio em que se encontra o ensino de Geografia.
De acordo com esses apontamentos iniciais, entendemos que o
conhecimento científico desenvolvido pela Geografia, ao longo dos
anos, deve fazer parte do ambiente escolar. As interpretações mais
criteriosas da produção do espaço, articuladas com o uso dos conceitos geográficos, são elementos fundamentais que dão sentido ao
saber ensinado por essa disciplina. Muito mais do que apenas ampliar o vocabulário do aluno, com a inserção de palavras como espaço geográfico, território, região, lugar, redes, paisagem, etc., o
trabalho didático de Geografia pauta-se pela relação desses saberes
científicos na observação e compreensão do cotidiano. Desse modo,
o aluno poderá utilizar o conhecimento geográfico para interpretar
os diversos contextos que atuam e são responsáveis pela produção
do espaço e que, indiretamente, afetam sua própria vivência.

100

DENIS RICHTER

O ensino de Geografia
é o ensino do espaço geográfico?
Ao longo do processo de institucionalização da Geografia,
muitas abordagens teórico-metodológicas já influenciaram essa
ciência. De uma perspectiva científica mais preocupada em descrever o espaço, passou para a compreensão do espaço como sendo
resultado de uma produção humana. De uma ciência mais submissa ao Estado, passou para uma atuação mais presente nas lutas
sociais e contestadoras das inúmeras desigualdades produzidas
pelo sistema capitalista. De uma disciplina que se estruturava na
dicotomia entre o físico e o humano, passou para a construção de
um olhar mais integrado e sistêmico das relações sociedade-natureza. Essas mudanças significaram a formação de uma Geografia
capaz de atuar em diversas áreas, desde questões referentes ao meio
ambiente, à população, aos recursos naturais, à economia, à política, à cultura, à educação, entre outros (Lacoste, 1988; Claval,
2002; e Moreira, 2007).
De todas essas áreas, a educação tem sido um lugar de forte
atuação da Geografia, principalmente por ser um campo disciplinar
presente na educação básica no Brasil. Entendemos que essa situação representa um importante papel para essa ciência no processo de desenvolvimento cultural e social dos indivíduos. Nesse
sentido, ao realizarmos discussões sobre a relação entre a Geografia e
a educação, temos a possibilidade de encontrar caminhos que contribuam para a formação de indivíduos mais atentos às questões
espaciais e, ao mesmo tempo, capazes de transformar seu meio.
Diante dessas considerações, nos cabe retornar a um dos questionamentos iniciais deste texto: como o ensino de Geografia tem
se relacionado com o conceito de espaço, que representa a sua identidade em referência às outras ciências?
Se é correto dizermos que a Geografia produz uma leitura espacial da realidade, podemos dizer, também, que o espaço dá sentido
à Geografia. Ao buscarmos estudos que contextualizam a cons-

101

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

trução histórica dessa área do saber, encontramos um ponto em
comum entre os diversos autores que discorrem sobre esse tema,
como Lacoste (1988), Claval (2002), Santos (2002) e Moreira
(2007). Para eles, a Geografia inicia quando os homens buscam explicações sobre os lugares em que vivem ou pelos caminhos percorridos entre esses lugares habitados. Historicamente, o resultado
dessas indagações foi a produção de um conhecimento que fez um
elogio à descrição, como método de compreender as estruturas
que compõem o meio e, ao mesmo tempo, o reflexo de uma prática
científica embasada na perspectiva analítica.
Essa situação mostra que o peso histórico sobre a prática de descrever o espaço é muito grande, ou seja, bem maior do que a abordagem atual, que valoriza não só a descrição, mas a interpretação
integrada dos fatos que influenciam a produção do espaço. Portanto, se hoje ainda é possível encontrarmos situações que remetem
o ensino de Geografia a seus períodos mais antigos, isto é consequência do passado, que construiu os alicerces dessa ciência numa
base positivista e analítica.
Não queremos, com isso, dizer que a possibilidade de alterar
esse quadro é nula. Pelo contrário, buscamos com essa leitura histórica compreender quais são os motivos que ainda mantêm o ensino de Geografia marcado, muitas vezes, pelas ações descritivas e
acríticas. Ao termos consciência da gênese dessa questão e de reconhecermos os elementos que envolvem o trabalho docente é que
teremos condições de superar essa situação.
De acordo com essas ideias, podemos desenvolver alguns questionamentos, por exemplo: quais são os contextos que podem explicar o distanciamento do ensino de Geografia da análise espacial?
Para respondermos a isso, as contribuições de Massey (2008) são
pertinentes. Essa autora faz significativas indicações de como o
conceito de espaço foi tratado pela sociedade. Para ela, a perspectiva do capital buscou sempre enaltecer o tempo como principal
conceito, por encontrar nele elementos que pudessem colaborar no
ato produtivo e reprodutivo do próprio capital, tanto como sistema
econômico ou cultural. Em outra observação, a autora destaca que

102

DENIS RICHTER

em muitos estudos científicos existe uma supervalorização do
tempo. Isso se deve ao fato de a História ser interpretada como objeto científico competente para compreender a própria sociedade e,
também, da maneira como foi analisado o tempo ­ dinâmico,
aberto e flexível ­, ao passo que o espaço foi considerado o contrário disso.
Mas uma ressalva é necessária para esclarecermos que leitura é
feita sobre a relação entre os conceitos de tempo e espaço:
Há uma distinção que precisa ser feita desde o início. Foi argumentado que, pelo menos nos últimos séculos, o espaço tem sido menos
valorizado e tem recebido menos atenção do que o tempo [...]. Frequentemente, advoga-se a "priorização do tempo sobre espaço", e
isto foi comentado e severamente criticado por muitos. Não é esta,
no entanto, minha preocupação aqui. O que me preocupa é o modo
como imaginamos o espaço. Algumas vezes o caráter problemático
dessa imaginação resulta, provavelmente, da despriorização ­ a
conceituação de espaço como uma reflexão a posteriori, como um
resíduo do tempo. No entanto, não se pode dizer que os primeiros
pensadores estruturalistas deram prioridade ao tempo, e ainda, ou
assim eu devo argumentar, o efeito de sua abordagem foi uma imaginação do espaço altamente problemática. (Massey, 2008, p.41)

Para galgar os problemas evidenciados, a mesma autora enfatiza
algumas proposições que devem ser levantadas ao se questionar a
importância do conceito de espaço nos estudos da sociedade. Primeiro, espaço como produto das inter-relações global-local; segundo, espaço como esfera da multiplicidade, local onde as diferentes
trajetórias coexistem, sem espaço não há multiplicidade e vice-versa; e terceiro, espaço como elemento em constante construção.
Nessa valorização do conceito de espaço, Moreira (2007) tam
bém produz algumas análises interessantes. O autor indica que a
solução da Geografia em estabelecer no espaço a resposta para todas as suas dúvidas ou demonstrar segurança diante das questões
científicas, não resolve por completo. Nem sempre a localização

103

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

exata de fenômenos compreende a complexidade de um processo,
já que o mesmo pode não ter uma base exata, matemática. Pode
haver uma desordem.
Para resolver essa situação, o referido autor indica uma postura
que devemos tomar:
De certo modo, isso significa resgatar toda a tradição da geografia
como estudo da relação homem-meio, vista agora não mais como
embutida numa arquitetura de tempo-espaço matemático-mecânico, em que até hoje teoricamente foi posta, mas na arquitetura
holista da espacialidade diferencial, cujo resultado mais claro é
fazer do espaço um tecido formado pelo complexo de todas as relações que intervêm na transformação da superfície terrestre como o
verdadeiro espaço da sociedade humana. (Moreira, 2007, p.129)

Na concepção de Santos (2002), os questionamentos se instalam
na necessidade de reconhecermos a função que o conceito de espaço possui para a Geografia. Sua crítica está no fato de que muitas
ciências se utilizam dessa categoria para se expressar e expressar
suas ideias, mas sem saber ao certo do que se trata. O uso do termo
"espaço" tornou-se tão "comum" nas academias que ficou difícil
traduzir ou interpretar seu real significado (espaço mental, espaço
sideral, espaço social, espaço geopolítico, entre outros). Por conta
dessa dificuldade, acabamos mais descrevendo o espaço do que o
conceituando. Esse mesmo autor complementa suas ideias ao destacar que os primeiros textos que começavam a expressar o papel da
Geografia tinham como questão central o "onde(?)". Para Santos
(2002), essa foi e é a grande pergunta da Geografia e a representação do seu trabalho ímpar, que não pode ser esquecido ao desenvolvermos sua prática científica ou escolar.
Ao recordarmos as preocupações de Santos (1978) sobre o conceito de espaço, registrado num momento em que havia leituras
que consideravam o papel da Geografia como uma ciência mais
coadunada com as perspectivas tecnicistas e pragmáticas, sua análise pautava-se pela superação dessa condição para o exercício de

104

DENIS RICHTER

uma Geografia mais atenuada com a ideia do espaço humano ou
espaço social. Essa posição amplia, demasiadamente, a possibilidade de definição de espaço, pois ele se estrutura na multiplicidade.
Entretanto, Santos (2002) apresenta uma interpretação do espaço geográfico:
O espaço deve ser considerado como um conjunto de relações realizadas através de funções e de formas que se apresentam como testemunho de uma história escrita por processos do passado e do
presente. Isto é, o espaço se define como um conjunto de formas
representativas de relações sociais do passado e do presente e por
uma estrutura representada por relações sociais que estão acontecendo diante dos nossos olhos e que se manifestam através de processos e funções. O espaço é, então, um verdadeiro campo de forças
cuja aceleração é desigual. Daí porque a evolução espacial não se
faz de forma idêntica em todos os lugares. (p.122)

Nesse sentido, consideramos fundamental que o trabalho escolar de Geografia utilize essas categorias do espaço (forma, função,
estrutura e processo) para que as leituras e as interpretações sobre
as mais diferentes paisagens, contextos e fenômenos possam ser ensinadas aos alunos de modo mais científico e coerente com os elementos que são responsáveis pela sua produção.
A postura que muitos autores assumem ao destacar a contribuição da análise espacial para compreender o mundo está diretamente relacionada à construção de uma prática de interpretação da
sociedade, em outras palavras, trata-se de uma forma de ler o mundo
(Callai, 2005). Dentre todas as possibilidades de leitura do espaço
que podemos fazer, presente na análise da paisagem, no estudo dos
diferentes territórios, na identificação das regiões ou na investigação sobre a produção do lugar, temos condições de destacar a
importante relação existente entre as práticas de leitura com a formação de uma linguagem, nesse caso uma linguagem espacial e que
pode ser chamada de cartográfica.

105

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

O que queremos salientar aqui é a existência da forte proxi
midade entre a tríade ensino de Geografia ­ espaço ­ linguagem cartográfica. Esses três elementos devem fazer parte das práticas
escolares que procuram desenvolver uma capacidade no indivíduo
de analisar o mundo de uma perspectiva espacial. O resultado desse
processo pode ser observado no raciocínio geográfico, isto é, na capacidade intelectual do indivíduo para interpretar os elementos e
os fenômenos que compõem e que interferem na produção do
mundo, a partir da ótica espacial.

O uso da linguagem cartográfica
no ensino de Geografia:
um caminho para compreender o espaço
A presença dos produtos cartográficos nas práticas escolares de
Geografia sempre foi marcante, tanto que existe uma certa associação do mapa como objeto simbólico e representante do trabalho
desenvolvido pela Geografia na educação básica. Nesse sentido,
podemos destacar o incentivo que Katuta (2007) faz ao salientar a
importante integração das diversas linguagens1 no ensino de Geografia. Essa pesquisadora destaca que as linguagem precisam ser
incorporadas ao processo de aprendizagem de modo a provocar nos
alunos reflexões investigativas, em vez de simplesmente representarem um fim em si mesmas ou de se tornarem somente mais um
recurso para ilustrar ou apenas dinamizar as aulas dessa disciplina.
De acordo com essas considerações, entendemos que o docente necessita desenvolver metodologias para que os alunos tenham a possibilidade de raciocinar uma análise espacial, a partir do uso e da
produção das linguagens ­ principalmente no que tange aos produtos cartográficos.
1. Que para a autora são a cartográfica, a escrita, a fílmica, a gráfica, a fotográfica,
a musical, entre outras (idem, p.228).

106

DENIS RICHTER

Ao analisarmos a história da produção dos mapas, podemos observar que eles foram desenvolvidos no momento em que a precisão
matemática era fundamental. Isso explica por que os cartógrafos da
época rejeitaram novas formas de representação que fugissem de
uma certeza cartesiana ou que não apresentassem um rigor cien
tífico na sua produção (Gomes, 2004). Contudo, nos dias atuais,
muitos estudiosos da área da Cartografia e da representação espacial têm observado com mais cuidado novas formas da produção
dos mapas. Para aprofundar esse tema, as contribuições de Harley
(1991) são válidas:
Para poderem estudar todos esses novos aspectos, os historiadores
da cartografia estão adotando teorias provenientes das ciências humanas e sociais. Deixou-se de acreditar, por exemplo, na pretensa
supremacia do sistema de representação numérica do mundo.
Também já não se crê que os mapas modernos, inclusive os objetivos mediante o concurso do satélite Landstat e dos computadores,
estejam à margem das maquinações do poder. Tal como o mapa de
uma cosmografia indiana ou qualquer representação asteca do Universo, as cartas geográficas por satélite não deixam de ser construções sociais. Começamos a compreender que a cartografia moderna
é fruto de uma empresa global, uma forma de poder/saber mesclada
às principais transformações produzidas na história do mundo,
criada e recebida por agentes humanos, explorada pelas elites para
exprimir uma visão ideológica do mundo. (p.9)

Se o uso da linguagem cartográfica pode contribuir para questionar as formações rígidas que estruturam, muitas vezes, o saber,
precisamos relacionar esse meio de comunicação com os signos que
fazem parte dos elementos sociais. Isso significa que, ao interpretarmos os signos, criamos também um caminho para a formação de
conceitos que definem determinados fatos e fenômenos que estão
presentes na sociedade. Em suma, podemos dizer que o uso da linguagem permite construir novas relações com os conceitos que são
representados a partir de figuras sígnicas (Kozel, 2004, 2005).

107

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Essa relação entre a linguagem e a expressão do conceito tem
fundamental importância na prática pedagógica, já que os conteúdos escolares são desenvolvidos pelos conceitos que definem e
especificam uma determinada disciplina escolar, como é o caso da
Geografia. Couto (2006) colabora com o seguinte apontamento:
A palavra, desde o início, constituiu-se em um tipo primário de
conceito, na medida em que reproduz uma generalização da realidade, atitude fundamental à formação de conceitos. No entanto,
quando se utiliza uma palavra, o desenvolvimento dela no pensamento da criança ainda percorrerá longo percurso: no início a palavra se refere aos objetos da experiência concreta e depois sem
perder esse lastro de concretude, ela permite ao pensamento emancipar-se do concreto e da percepção; na verdade a palavra torna-se
uma síntese mais ampla e complexa do concreto com o abstrato,
transformando-se, assim, num símbolo do conceito. (p.88)

O acúmulo das atividades desenvolvidas no trabalho didático-pedagógico de Geografia pressupõe a formação de uma leitura
considerada científica, que vem a ser a análise espacial, bem des
tacada em parágrafos anteriores. Podemos dizer, ainda, que essa
análise refere-se ao raciocínio geográfico, ou seja, à capacidade cognitiva e intelectual de interpretar os mais diferentes lugares tendo
como questionamento central o topos.
Numa análise mais próxima das questões escolares, Callai
(1995) indica que a necessidade de desenvolvermos um trabalho
baseado no estudo do conceito permite que seja superada a ideia
simplista e naturalizada da formação do espaço geográfico.
A grande questão é conseguir dar unidade ao estudo que é feito,
buscando compreender-se a ação do homem no processo de construção do espaço. E este não pode ser o espaço abstrato nem amplo,
mas deve ser o espaço concreto da vida do homem. O espaço geográfico é um espaço que não é dado naturalmente como um palco
onde acontecem os fenômenos. É um espaço que contém caracte-

108

DENIS RICHTER

rísticas e a ação do homem. Quer dizer, o espaço supõe todos os
dados naturais (ao natural ou transformados), os dados humanos,
sociais (as relações que acontecem entre os homens, expressas,
muitas vezes, de formas diferenciadas) e o resultado destas relações, o produto, materializado no espaço. É um espaço prenhe de
relações, carregado de história, que tem uma circunscrição de limites. Ao ser expresso por uma paisagem, é a visualização concreta
das relações sociais e da sociedade com a natureza, o qual denominamos espaço geográfico. (p.38)

Esses pontos confirmam a necessidade de iniciarmos nas práticas escolares da educação básica o estudo sobre os conceitos, que
contribuem tanto para explicar a própria Geografia como os diferentes contextos que interferem na produção do espaço. Nesse sentido, a análise sobre o espaço geográfico torna-se uma ação presente
no processo de ensino dessa disciplina escolar.
Entretanto, cabe-nos uma indagação: como devemos introduzir
o estudo dos conceitos espaciais nas atividades didático-pedagógicas de Geografia? Um caminho para resolvermos essa situação é
o uso de linguagens específicas para apresentar aos alunos como os
conceitos estão presentes nas práticas cotidianas. Sendo assim, se
um dos principais conceitos da Geografia é o espaço (geográfico),
nada melhor do que utilizarmos uma linguagem que o represente
de maneira mais ampla e clara; nesse caso, referimo-nos ao mapa.
Esse produto cartográfico tem as características específicas para
organizar em sua representação os elementos que estruturam e
constituem o próprio espaço, além de nos fornecer uma leitura mais
coadunada com as análises geográficas.
Ao reconhecermos a necessidade de trabalhar no ensino de
Geografia com a formação de conceitos, a partir do uso e da construção de linguagens específicas como o mapa, é fundamental conhecermos que tipo de conhecimento geográfico almeja-se formar
nos alunos da educação básica. Já que, no fim dessa etapa, o resultado estará presente nas práticas cotidianas de leitura e de análise
da realidade por parte desses jovens.

109

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Essas considerações são compatíveis ao recuperarmos os debates provocados por Lacoste (1988) em seu livro A Geografia ­ isso
serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra, quando o referido
autor apresenta duas possibilidades na formação educacional dessa
disciplina escolar, a dos Estados-maiores e a dos professores. Podemos questionar se essa Geografia, tão limitada e combatida tanto
por Lacoste como por outros pesquisadores,2 como Gebran (1990),
Almeida (1991), Brabant (1991), Callai (1995) e Pereira (2005), já
foi resolvida ou ainda perdura nas inúmeras salas de aula.
De acordo com esses autores e pelo conhecimento que temos do
trabalho didático-pedagógico que é realizado nas aulas de Geografia, a dicotomia abordada por Lacoste (1988) ainda se faz presente no desenvolvimento de ensino dessa disciplina escolar. Mesmo
com todo o fortalecimento das pesquisas educacionais e pela inserção
de novas práticas escolares, a Geografia inserida na educação básica
continua a carecer de um trabalho mais próximo das bases científicas, ou seja, do uso dos conceitos geográficos.
Ou, como nos apresenta Callai (1995), é fundamental construirmos um ensino de Geografia que supere a análise simplista e
generalista de que essa ciência trata de tudo que se vê. Ao identificarmos esses pontos limitantes que entravam o desenvolvimento
dos saberes geográficos, o processo de ensino-aprendizagem dessa
disciplina fica cada vez mais distante da possibilidade de constituir
seu objetivo, que é de formar nos alunos uma capacidade cognitiva
de leitura espacial da realidade.
No entanto, os ideais apresentados até aqui poderão se tornar
somente uma inspiração teórica se não forem construídas metodologias capazes de colaborar com o trabalho docente e que se aponte
caminhos para solucionar esses problemas que ocorrem na prática
didática de Geografia. Sendo assim, a categoria espacial "lugar" é

2. Alguns autores citados não utilizaram diretamente as ideias de Lacoste em seus
textos, porém apresentam nas suas análises sobre ensino de Geografia uma proposta de superação das duas Geografias ­ a dos Estados-maiores e a dos professores ­, as mesmas apontadas pelo referido autor.

110

DENIS RICHTER

destacada para contribuir, significativamente, para o objetivo de
alcançar as transformações desejadas.

O conceito de lugar no ensino de Geografia:
entendendo as contradições do espaço
Se foi apontado que os conteúdos geográficos se desenvolvem
com maior ênfase em colaboração com o uso de conceitos (como de
região, território, paisagem, lugar, escala e, principalmente, de espaço geográfico), com a integração das linguagens, como da representação cartográfica, e de metodologias que possam apresentar
possibilidades de mudanças, nada melhor que utilizarmos uma
perspectiva geográfica para reunir todos esses elementos e, ao mesmo tempo, criarmos condições para tornar um exemplo didático e
compatível com as mais diferentes realidades existentes. Nesse
caso, o conceito de lugar é o mais indicado.
Por outro lado, vale ressaltar que o uso desse conceito no ensino
de Geografia não é novidade. No trabalho didático-pedagógico das
séries iniciais do ensino fundamental, o lugar e a paisagem são os
conceitos centrais para o desenvolvimento de diversas atividades
escolares. Isso também é recorrente nas séries finais do ensino fundamental, porém ocorre nessa última fase a colaboração de uma
ampliação da análise espacial do lugar para contextos mais regionais e globais ­ totalizantes. No ensino médio, é comum os professores, com base nos materiais que orientam o seu trabalho, como os
PCNs e os livros didáticos, se ocuparem mais com uma leitura do
espaço global do que o local.3

3. Independente de os PCNs (Brasil, 1998) e dos PCNs+ do Ensino Médio
(Brasil, 2002) orientarem a realização de um trabalho escolar de Geografia vinculado tanto ao espaço local como ao global, há um maior destaque para os
temas relacionados ao contexto global, como estudos sobre as diferentes eco
nomias do mundo ou as políticas internacionais. Em suma, o desenvolvimento
dos conteúdos geográficos no ensino médio projeta para uma leitura mais apro

111

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Podemos confirmar esse fato, também, a partir da escala car
tográfica, que é desenvolvida ao longo da formação escolar da
educação básica. Mesmo sendo recomendado que o ensino de Geo
grafia não seja estanque ou rígido sobre os círculos concêntricos
(Callai, 2005), temos condições de identificar que na construção da
análise geográfica ainda perdura uma forte relação com as escalas
cartográficas, durante a organização do ensino de Geografia nos
onze anos dos ensinos fundamental e médio. Portanto, no final
dessa etapa, os alunos estão muito mais preocupados com a leitura
de espaços mundiais, fruto de uma prática pedagógica que valoriza
demasiadamente os territórios mais distantes e globais, em detrimento de uma reflexão crítica e questionadora sobre seu próprio
espaço de vivência. O que se pode entender de todo esse processo é
que no ensino médio o aluno deve ser capaz de compreender inúmeros lugares do mundo; em contrapartida, esse indivíduo dificilmente é provocado a pensar sobre o seu próprio lugar ­ de vivência,
de contato direto.
Esse descompasso entre o estágio final da formação da educação básica com o tratamento dos conteúdos geográficos pode resultar num ensino muito limitado e preocupado somente com que
os alunos consigam passar nos exames escolares, o que nos ajuda a
reforçar a ideia de que os conhecimentos e conteúdos da Geografia
não possuem sentido para a formação da vida em sociedade.
A incoerência de atitudes como essas se instalam na falta de
compreensão da importante relação que existe entre o conceito de
lugar com o ensino de Geografia. Desenvolver atividades didático-pedagógicas que incluam o lugar (em suas diversas escalas) como
espaço de análise e processo de interpretação dos mais diferentes
fenômenos, não representa apenas realizar um trabalho docente
coerente com as orientações pedagógicas. Muito mais do que isso,
significa tratar os conteúdos geográficos de acordo com os apontamentos de inúmeros autores/pesquisadores que destacam o lugar
fundada dos debates globais, apesar de jamais negar o contexto local em suas
leituras da realidade.

112

DENIS RICHTER

como espaço mais evidente de entendimento dos processos que
transformam e modificam a sociedade, como o espaço de vivência
dos homens, onde os indivíduos têm a possibilidade de tornar reais/
concretas suas decisões e ações (Straforini, 2004; Santos, 2005;
Callai, Cavalcanti & Castellar, 2007).
Para exemplificarmos o lugar, a cidade pode ser tomada como
um objeto de investigação e análise por parte dos alunos,4 orientados pelo professor de Geografia. Essa prática confere com a pesquisa de Callai, Cavalcanti & Castellar (2007), pois elas dizem
que:
A cidade é uma expressão da complexidade e da diversidade da experiência dos diferentes grupos que a habitam. Seu arranjo vai
sendo produzido para que cada habitante possa viver o cotidiano,
compartilhando desejos, necessidades, problemas com os outros
habitantes. Ela é, nesse sentido, espaço da vida coletiva, espaço público. Para viabilizar essa vida coletiva, seus gestores contam com
vários agentes educativos [...]. Mas, a cidade é, em si mesma, um
espaço educativo. A cidade é educadora: ela educa, ela forma valores, comportamentos, ela informa com seu arranjo espacial, com
seus sinais, com suas imagens, com sua escrita (Bernet, 1987). Ela
também é um conteúdo a ser apreendido por seus habitantes. É no
exercício da cidadania, e no espaço cotidiano da cidade, que seus
habitantes podem se reconhecer como agentes possuidores de direitos e deveres nesse processo de produção. (p.93)

4. É importante esclarecermos que o conceito de lugar não deve ser confundido
com a nomenclatura local. O lugar pode ser qualquer espaço, desde a casa do
estudante, passando por seu município até a dimensão do mundo. A ideia de
lugar está relacionada às discussões sobre a produção desse espaço, de identificar quais contextos e elementos interferem na sua organização e transformação, seja pelas perspectivas locais ou globais. Nesse sentido, justificamos
que em nosso estudo a cidade foi tomada como exemplo do conceito de lugar,
principalmente porque esse foi o espaço de análise e de construção das representações cartográficas nas atividades propostas no trabalho de campo.

113

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Em outro texto, Santos (1996) inicia um debate sobre a globalização recuperando o conceito de lugar e integrando-o aos contextos
existentes na realidade, para que o leitor tenha a oportunidade de
entender que, por mais abstratas que sejam as relações econômicas,
sociais ou políticas, elas possuem necessariamente um lugar de
ocorrência, de materialização, para que possam se tornar presentes
e reais na vida dos indivíduos.
Esse mesmo autor nos faz um alerta sobre a importância de valorizar o lugar em detrimento do espaço global. Para ele, o elogio
demasiado aos elementos globais contribuem para a fragmentação
e, muito próximo disso, para a alienação. Contraditoriamente, sua
posição coloca em destaque o lugar como condição real de superação dos fenômenos econômicos e sociais que deterioram as mais
diferentes sociedades.
O mundo da globalização doentia é contrariado no lugar. Desse
modo, o lugar torna-se o mundo do veraz e da esperança; e o global,
mediatizado por uma organização perversa, o lugar da falsidade e
do engodo. Se o lugar nos engana, é por conta do mundo. Nestas
condições, o que globaliza, separa; é o local que permite a união.
Defina-se o lugar como a extensão do acontecer homogêneo ou do
acontecer solidário e que se caracteriza por dois gêneros de constituição: uma é a própria configuração territorial, outra é a norma, a
organização, os regimes de regulação. O lugar, a região não mais o
fruto de uma solidariedade orgânica, mas de uma solidariedade regulada ou organizacional. Não importa que esta seja efêmera. Os
fenômenos não se definem, apenas, pela sua duração, mas também
e sobretudo, pela sua estrutura. E, afinal, o que é longo e o que é
breve? (Santos, 1996, p.36).

Com base nesses apontamentos, que representam mais um
alerta, Santos (1996) justifica que uma nova forma de compreender
o espaço é a partir do cotidiano, já que grande parte dos processos
e fenômenos sociais estão vinculados a configurações locacionais.

114

DENIS RICHTER

Compartilhando as ideias de Milton Santos, Carlos (2007)
apresenta um avanço aos debates que procuram reforçar a importância desse conceito espacial para as leituras da Geografia. Primeiramente, essa autora entende que o lugar se define a partir da
técnica, da densidade informacional e comunicacional, da densidade normativa, da dimensão histórica e na prática cotidiana. Esses
pontos expressam o quão ampla pode ser a análise sobre o lugar e
como esse espaço merece ser observado com cuidado nos estudos
geográficos, tanto na área acadêmica como nas atividades escolares
da educação básica.5
Para essa autora, é no lugar que o geral, o mundial ocorrem e são,
também, registrados e concretamente construídos. Por isso, o lugar
não é anulado no plano global, ele continua sendo um importante
espaço para que as transformações se tornem reais. Entretanto, a
produção desse lugar está carregada de elementos que provêm de
estruturas econômicas que buscam interferir e modificar, diretamente, a forma como seus habitantes interpretam a sua cidade. O
resultado desse contexto vem se tornando muito comum nos últimos anos, principalmente nos espaços que se encontram cada vez
mais globalizados. O nome dado a esse processo é a configuração
de um não lugar, que nega o sentido de singularidade dos espaços
humanos para se basear na homogeneização e na reprodução dos
espaços, a partir de um modelo central. Por fim, a cidade se apresenta para o citadino de forma mercadológica, de consumo. Assim,
se porventura esta vier a ser a única leitura que um aluno do ensino
médio faça da sua cidade, isso representa que a Geografia escolar,
presente na educação básica, não contribuiu significativamente
para que esse indivíduo possa entender a cidade por outras

5. No caso, Carlos (2007) não integra em seu livro a relação do conceito de lugar
com as práticas de ensino de Geografia. Entretanto, encontramos em textos de
outros autores que se basearam na sua discussão teórica para fazer essa aproximação, considerada válida e fundamental para constituir uma Geografia escolar de qualidade. Por exemplo: Callai (2000); Cavalcanti (2002); Straforini
(2004) e Callai, Cavalcanti & Castellar (2007).

115

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

perspectivas, superando, dessa forma, os elementos de alienação e
da própria negação do lugar.
Vivemos, hoje, sob a égide de um novo tempo, marcado pelo tempo
abstrato imposto pela sociedade produtivista que determina a vida
de relações e as possibilidades dos encontros. Espaço e tempo são
cada vez mais, no contexto das transformações do processo produtivo, dominados pela troca. O desenvolvimento do capitalismo, no
estágio atual, tende a reduzir as diferenças e homogeneizar a sociedade reduzindo-a a um mesmo modelo. Aqui o espaço e tempo entram numa ordem: o tempo associado ao ritmo do processo de
trabalho, preso a um calendário rígido e o espaço dominado por
fluxos de mercadorias, capitais, informações. Ao se reproduzirem
destroem as referências urbanas e, como consequência, a memória
social. (Carlos, 2007, p.41)

Assim, a valorização que queremos dar ao lugar está relacionada ao fato de que, ao compreendermos determinados espaços ­ a
cidade, por exemplo ­, o aluno terá possibilidade de ampliar suas
leituras a respeito dos fenômenos que interferem no processo de
produção e transformação do seu cotidiano, bem como produzir representações espaciais que expressem as análises espaciais. Para
isso, é importante que a escola desenvolva atividades que permitam
a reflexão do aluno sobre seu espaço de vivência, para que o mesmo
não entenda a cidade somente pelos principais eixos viários ou
pelas áreas de lazer. A cidade deve ser analisada como um todo (em
suas relações internas e externas), para que o estudante possa compreendê-la nas suas diferenças, desigualdades, exclusões/inclusões
e nos seus espaços segregados. Ao seguirmos essas indicações,
temos condições de superar a ideia de espaço vazio, muito presente
na leitura e na construção do mapa mental das cidades, como nos
explica Bauman (2001):
Numa de minhas viagens de conferências (a uma cidade populosa,
grande e viva do sul da Europa), fui recebido no aeroporto por uma

116

DENIS RICHTER

jovem professora, filha de um casal de profissionais ricos e de alta
sociedade. Ela se desculpou porque a ida para o hotel não seria
fácil, e tomaria muito tempo, pois não havia como evitar as movimentadas avenidas para o centro da cidade, constantemente engarrafadas pelo tráfego pesado. De fato, levamos quase duas horas
para chegar ao lugar. Minha guia ofereceu-se para conduzir-me ao
aeroporto no dia da partida. Sabendo quão cansativo era dirigir na
cidade, agradeci sua gentileza e boa vontade, mas disse que tomaria
um táxi. O que fiz. Desta vez, a ida ao aeroporto tomou menos de
dez minutos. Mas o motorista foi por fileiras de barracos pobres,
decadentes e esquecidos, cheios de pessoas rudes e evidentemente
desocupadas e crianças sujas vestindo farrapos. A ênfase de minha
guia em que não havia como evitar o tráfego do centro da cidade
não era mentira. Era sincera e adequada a seu mapa mental da cidade em que tinha nascido e onde sempre vivera. Esse mapa não
registrava as ruas dos feios "distritos perigosos" pelas quais o táxi
me levou. No mapa mental de minha guia, no lugar em que essas
ruas deveriam ter sido projetadas havia, pura e simplesmente, um
espaço vazio. (Bauman, 2001, p.121)

São considerações como essas que contribuem para reforçar a
concepção de que para entendermos os espaços de vivência precisamos utilizar recursos que permitam repensar a produção dos lugares. Para isso, o uso de mapas mentais articulado ao ensino de
Geografia possibilita ao aluno a transposição, para essa linguagem
cartográfica, de suas análises espaciais e, ao mesmo tempo, ampliar
seu conhecimento. Assim, no momento em que o aluno construir,
em sala de aula, o mapa de sua cidade, tendo a colaboração dos
saberes científicos ensinados na escola, esse indivíduo fará uma
revisão do espaço representado e poderá incorporar leituras individuais, coletivas e, quiçá, questionadoras.
Contudo, tão importante quanto entendermos a cidade, é
criarmos condições para que os alunos produzam instrumentos que
contribuam para seu raciocínio geográfico. Dessa forma, o mapa
mental torna-se um bom exemplo.

117

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Mapas mentais no ensino de Geografia:
uma integração necessária
As atividades relacionadas com a Cartografia encontram-se,
nos dias de hoje, muito próximas das práticas escolares. É difícil
encontrarmos um aluno que não tenha participado, enquanto estudante da educação básica, de atividades escolares tendo o mapa
como um recurso didático. Nos últimos trinta anos, a representação espacial obteve uma significativa inclusão nas propostas pedagógicas, principalmente no que se refere à disciplina de Geografia.
Esse contexto nos permite esboçar a ideia de que atualmente o
uso e a construção do mapa estão muito próximos do processo de
ensino-aprendizagem de Geografia, pelo menos no campo teórico-metodológico. Podemos confirmar a presente afirmação com base
nos estudos de Oliveira (1978), Paganelli (1982), Simielli (1986),
Almeida (1994) e Passini (1996), que são considerados pesquisas
pioneiras nessa temática e que tinham um objetivo comum: o de
consolidar uma valorização sobre a representação cartográfica nas
práticas escolares de Geografia.
Entretanto, mesmo reconhecendo que houve um sensível
avanço na relação do mapa com o ensino de Geografia, ainda
podemos encontrar determinadas situações que denotam a construção dessa relação apenas no plano do discurso. Ou, em outros
casos, deparamos com uma prática da Cartografia6 mais atrelada

6. De acordo com os autores Harley (1991, 2009) e Black (2005), a rigidez na produção das representações cartográficas está relacionada à proximidade dessa
ciência com os conhecimentos matemáticos, que foram essenciais para embasar
cientificamente os produtos da Cartografia. Isto é, para construir um mapa era
fundamental a inserção de "técnicas, como planos quadriculados, escalas regulares, signos abstratos convencionais e até curvas de nível, ou seja, a todos os
aspectos correspondentes ao modelo ocidental de excelência cartográfica"
(Harley, 1991, p.6). Fora desse padrão, os mapas não eram reconhecidos e ao
longo da história as propostas alternativas de representação do espaço foram
desconsideradas pela ciência produzida na Europa.

118

DENIS RICHTER

aos contextos tradicionais dessa ciência, em que a base cartesiana
torna-se a única possibilidade de referencial teórico-metodológico.
A partir desses apontamentos, temos condições de verificar que
essa preocupação em avançar no trabalho com o mapa não é uma luta
individual. Além dos pesquisadores que desenvolveram dissertações
e teses, inúmeros outros professores compartilham da necessidade
de integrar o mapa no ensino de Geografia para além de uma Cartografia tradicional. Um dos precursores dessa temática foi Harley
(1991), que provoca aos leitores de seus textos novas indagações,
principalmente relacionadas às estruturas rígidas que constituíram a
própria Cartografia, e que, por escolhas ideológicas, negligenciaram
determinados conhecimentos e formas de representação espacial.
Para o referido autor, esse fato resultou num retrocesso no desenvolvimento da Cartografia ao longo dos anos, por atribuir uma categoria
de valor para considerar o que era um "verdadeiro" mapa e o que
deveria ser descartado.
Nesse sentido, para que as ideias fossem validadas, era necessário realizar um estudo analítico sobre os fatores que determinavam
ou condicionavam determinados fatos e contextos. A racionalidade
científica, que perdurou durante muitos séculos (e que, em alguns
casos, perdura até hoje), negligenciou a possibilidade de se fazer
ciência com base em outras leituras ou propostas. Como resultado,
a compreensão que se tem atualmente do mundo e de suas inter-relações são, praticamente, todas baseadas na ordem lógico-matemática (Girardi, 1997; Kozel, 2005).
Questões como essas são destacadas por Harley (1991) e Girardi (1997), que identificam que nem todos os mapas eram considerados válidos para expressar as novas formas da organização da
sociedade.
Os mapas eram considerados marcos significativos da evolução da
humanidade; por conseguinte, aqueles que não indicassem algum
progresso rumo à objetividade deixavam de ser seriamente estudados. Mesmo alguns dos primeiros mapas produzidos pela cultura europeia, como os grandes planisférios da Idade Média Cristã,

119

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

eram considerados indignos de atenção científica. No início deste
século, Charles Raymond descreveu os principais mapas da Baixa
Idade Média ­ o Hereford e o Ebstorf ­ como "monstruosidades
não científicas, absolutamente inúteis". (Harley, 1991, p.5)
Durante muito tempo se fez uma história da cartografia que separava os mapas "primitivos" e "antigos" dos "contemporâneos"
(leia-se ocidentais, científicos e portanto "verdadeiros"). Nesta
classificação está claro o preconceito em relação aos mapas tanto
das sociedades tecnologicamente não avançadas e mesmo quanto
aos mapas "não científicos". Convencionou-se chamar de mapa
aquelas construções que obedecem padrões. No decorrer da formação em geografia somos treinados a operacionalizar e a construir
tais mapas; eventualmente a analisá-los. Ainda assim é comum balizar esta análise dentro de especificações técnicas da própria cartografia. Julgamos se o mapa é bom ou não, se é correto ou não a
partir da existência ou não de escala, de orientação, de título, de uso
de variáveis visuais pertinentes, de coerência legenda-conteúdo,
entre outros elementos. (Girardi, 1997, p.16)

Na tentativa de reescrever a História da Cartografia, Harley
(1991) destaca que os mapas antigos, que remontam à própria His
tória da humanidade, vieram antes do desenvolvimento das escri
turas e da notação matemática em muitas sociedades. Isso revela a
importância que a representação espacial possui no entendimento da
formação social dos indivíduos. O autor faz, também, um alerta
ao analisar com mais cuidado o desenvolvimento da Cartografia, já
que os mapas produzidos na pré-história tornaram-se somente reconhecidos e aceitáveis aos estudos dessa ciência há poucos anos. Antes, a rigidez e, principalmente, a ocidentalização da Cartografia
(Santos, 2002) não permitia adotar outros tipos de produções cartográficas provindas de sociedades consideradas primitivas (Harley, 1991, 2009). Ou, como nos esclarece Santos (2002, p.25-6):

120

DENIS RICHTER

Do ponto de vista cartográfico, o que pode nos servir de referência
fundamental é que todos os mapas conhecidos, em todos os momentos da história, representam, de uma maneira ou de outra, a
leitura de mundo da sociedade que os constitui (e, ainda, constrói)
e são, portanto, potencialmente capazes de nos oferecer elementos
de leitura da cosmologia subjacente a seus atores. Vale lembrar
que os mapas possuem, genericamente, uma aparência meramente
descritiva ­ quase invocando para si um certo caráter de neutralidade, tão caro a certas tradições positivistas ­, o que nos obrigará
a um esforço contínuo de comparação e identificação (releituras,
portanto), sem o qual tenderemos a permanecer na superficialidade ­ um certo "congelamento" do fenômeno ­ que a linguagem
cartográfica geralmente nos indica.

O contexto que justifica o fato de as sociedades europeias negarem os demais produtos cartográficos originados de outras culturas
(leia-se, diferentes perspectivas da realidade e da representação dos
espaços conhecidos) era atribuído pela necessidade dos europeus
de observar a sua própria imagem. Essa situação reforçava os
elementos culturais, políticos, econômicos e sociais produzidos pelas nações desse continente, e assim transformavam a representação
espacial em veículo de afirmação e padronização de outros grupos
sociais. Em contrapartida, a ciência produzida nessa época tratou
logo de fundamentar as justificativas que se dava a essa negação,
alicerçada no fato de que os mapas não ocidentais ou não europeus
jamais atendiam às bases de orientação, das escalas regulares, dos
elementos de geometria euclidiana, entre outros. Assim, os mapas
eram produzidos com outros referenciais de balizamento espacial
e, portanto, não seria necessário estudar esses diferentes códigos de
representação (Black, 2005).
Podemos incluir outros elementos que a Cartografia "eurocêntrica" desconsiderou como sendo representações espaciais válidas,
por exemplo a presença de contextos míticos, psicológicos e simbólicos ou que tivessem um uso prático para uma determinada sociedade, e que não atendessem aos modelos científicos desenvolvidos

121

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

pela Cartografia europeia. Desse modo, os mapas foram restritos a
tipos específicos de produção e de espaços.
Contrariando as posições limitadas a respeito do mapa, Harley
(1991) destaca que, ao considerar diversos produtos cartográficos
como objetos da representação espacial, a própria Cartografia amplia seus horizontes na compreensão da História da humanidade
e torna mais visíveis períodos que antes eram desconsiderados na
produção de mapas. Por outro lado, o autor indica que, nos dias de
hoje, temos possibilidade de observar que inúmeros mapas produzidos pelos europeus, após a ocupação da América, obtiveram suas
bases cartográficas dos mapas e dos conhecimentos geográficos dos
povos indígenas, que foram suprimidos, principalmente, pelas monarquias da península Ibérica. Se ocorreu uma valorização dos
diferentes tipos de mapas encontrados no contato com outras sociedades, essa inclusão era realizada apropriando-se desses novos
saberes como um conhecimento europeu.
As considerações feitas acerca da história da produção dos
mapas evidenciam a necessidade de ampliarmos as possibilidades
na sua construção e de não restringirmos a sua valorização a determinados mapas que atendam somente a uma estrutura rígida e,
muitas vezes, limitada do espaço. Dentre todos os apontamentos de
Harley (1991), a última frase que esse autor apresenta em seu artigo
é um ponto de reflexão:
Os mapas sempre foram imagens mentais. Hoje continuamos a considerá-los uma forma de ver, mas começamos a entender o significado de "ver". Em vez de pensarmos que os mapas são um espelho
do mundo, passamos a vê-los como um simulacro: algumas vezes,
mais importante que o território representado; frequentemente, uma
redescrição do mundo em toda a sua diversidade cultural. (p.9)

São questões como essas que contribuíram para os estudos de
Kozel (2004). Para essa autora, é fundamental reconhecermos a influência histórica que a Geografia recebeu das estruturas racionalistas para o entendimento dos fenômenos que ocorriam no espaço.

122

DENIS RICHTER

Ao tomarmos conhecimento dessa posição do pensamento geográfico, torna-se mais fácil compreendermos a relação entre a formação da própria Geografia e o destaque à Cartografia mais
tradicional. Ela aponta:
Na geografia, Humboldt defendia a ideia de que as condições naturais, como clima e temperatura, interferiam no comportamento e
na capacidade de progresso dos seres humanos, caracterizando o
determinismo ambiental. E, Ratzel, numa clara alusão ao darwinismo, enfatizava que o desenvolvimento dos povos se determinava pelo nível de adaptação ao ambiente em que viviam. Entretanto,
se o estudo do meio era o cerne da pesquisa geográfica, estava sujeito a alterações, proporcionadas pela ação humana, o que passa a
ser revisto por La Blache quando afirma que o ser humano ao se
adaptar transforma a natureza de acordo com suas necessidades,
principalmente pela sobrevivência. Entretanto, o princípio geográfico se restringia à descrição da Terra e a proceder a um inventário
das ações humanas desenvolvidas. (Kozel, 2004, p.165)

Mais do que limitar a possibilidade de formar novas interpre
tações, essas posturas rígidas foram responsáveis por estabelecer um
olhar menos flexível sobre os encaminhamentos da própria ciência.
Consequentemente, foi possível construir a falsa ideia de que os
mapas seriam portadores de uma neutralidade ao representar os espaços. Esse tipo de leitura forjou uma análise sobre a Cartografia
que menosprezou as diversas possibilidades e inúmeras qualidades
com que essa representação espacial poderia contribuir para o entendimento da sociedade. Para Girardi (1997), essa situação permitiu que a Cartografia fosse compreendida somente como o
resultado de uma atividade técnica ou mecânica, portanto sem a inclusão das interfaces críticas, reflexivas e subjetivas. Como proposta
de superar esses limites destacados pelos autores supracitados, as
considerações de Board (1984 apud Girardi, 1997) merecem ser
enfatizadas:

123

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

[...] é no campo da educação geográfica que devemos olhar com
maior interesse a pesquisa do uso geográfico do mapa. [...]. É vital
colocar mais esforços na melhoria da qualidade da leitura do mapa,
não apenas perpetuar gerações de compradores de mapas, mas desenvolver habilidades úteis para cidadãos de um mundo incrivelmente complexo e desconcertante. (Board, 1984 apud Girardi,
1997, p.16)

Se o mapa esteve dividido entre a proposta mais cartesiana e
matemática, no viés da Geografia pragmática, e numa interpretação
de instrumento de manipulação e dominação, pela Geografia Crítica (movimento de renovação) (Teixeira, 2001), será que o caminho mais indicado não é de superarmos essas duas visões
"reducionistas" de análise do mapa? Nesse sentido, entendemos
que uma proposta para atender a essa questão pode ser a da construção do mapa em outra vertente, e nesse caso destacamos o mapa
mental. Entretanto, consideramos necessário esclarecer que essa
proposta não exclui as demais produções cartográficas.
Na mesma perspectiva de ampliarmos e, principalmente, de superarmos as possibilidades de uso da Cartografia, Katuta (2005)
nos apresenta a sua concepção sobre o mapa, que contribui para
reforçar a ideia de que a produção cartográfica deve servir para
além das bases matemáticas, pois estas restringem muito a Cartografia a uma visão positivista do espaço, eurocêntrica e, muitas
vezes, voltada para a exploração do espaço pelo capital. Em outro
artigo, Katuta (2007) enfatiza a relevância da integração da representação espacial nas práticas pedagógicas do ensino de Geografia.
A primeira preocupação está em estabelecer que no processo de
formação escolar os estudantes tenham contato tanto com as linguagens já prontas, confeccionadas como produtos culturais, como
com o processo de construção dessas linguagens, para que se tenha
possibilidade de desenvolver diferentes leituras da realidade e, ao
mesmo tempo, reconhecer que esse processo é dialético. O uso das
diferentes linguagens deve ter um objetivo na efetivação das práticas pedagógicas que supere a ideia de somente "enfeitar" a prática

124

DENIS RICHTER

da sala de aula. As linguagens precisam fazer parte da formação dos
saberes escolares.
Uma das qualidades dessa mudança, mencionada por Katuta
(2007), está na possibilidade de alterar os elementos que validam a
produção do saber. Em outras palavras, significa dizer que o conhecimento não deve ser analisado somente como um resultado do
ato exclusivamente científico. Pelo contrário, é fundamental que
sejam integrados os aspectos subjetivos e perceptivos de cada indivíduo na produção das linguagens. Por fim, a dialética entre esses
dois processos é que contribui para o desenvolvimento do saber.
As atuais mudanças projetam a construção de um ensino de
Geografia mais próximo de questões latentes da atualidade, como a
compreensão de problemas urbanos que afetam a sua própria cidade, da integração do espaço local com o processo de globalização
­ suas vantagens e desvantagens ­, e o entendimento sobre os
fatores que interferem na transformação dos espaços. Isso não significa que devemos descartar ou negligenciar as propostas consideradas mais tradicionais. O que queremos salientar é a necessidade
de incluir, cada vez mais, novos recursos e, principalmente, novas
linguagens que nos permitam ampliar o conhecimento geográfico
para além das "quatro paredes" da sala de aula. O aluno precisa
estabelecer relações entre os saberes aprendidos na escola com a
prática da vida cotidiana.
Para alcançarmos esses ideais, consideramos imprescindível a
inclusão da participação (ativa) dos mapas. Assim, muito mais importante do que apenas localizarmos um determinado fenômeno
numa representação cartográfica, é fundamental que possamos
desenvolver atividades, leituras e interpretações (raciocínios) que
permitam que o aluno entenda a produção de um dado contexto no
espaço. Nesse sentido, ao possibilitarmos que o aluno desenvolva
esse tipo de raciocínio, que interpretamos como raciocínio geográfico, salientamos que essa prática deve ser um objetivo comum e
pertinente a todos os programas curriculares da educação básica.
Ao concordarmos com esses pontos a respeito da necessidade
de superarmos a perspectiva mais rígida da produção do mapa, o

125

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

encaminhamento que se dá refere-se à integração da Cartografia
com a compreensão do processo de produção do espaço, que se estabelece no fato de que é o próprio homem o responsável pela construção e transformação do meio espacial. Com base nas premissas
anteriores, precisamos buscar na produção dos mapas propostas
que retratem e representem, de maneira mais ampla, os inúmeros
elementos e contextos que participam da sociedade.
Teixeira (2001) nos apresenta uma preocupação sobre como
cada indivíduo compreende o seu espaço. Diante desse questionamento, torna-se válido investigar a representação do espaço a partir
de cada sujeito integrante da sociedade. Assim, nos estudos do espaço vivido, além de ampliarmos o conhecimento do mundo produzido pelos próprios indivíduos, como resultado histórico-social,
é necessário, também, compreendermos a leitura que seus habitantes fazem desse espaço. Portanto, reconhecemos o quão importante é a existência de inúmeras interpretações do mundo,
provindas do plano das experiências, das vivências, mas sempre
fundamentadas nas leituras científicas.
Os mapas mentais possibilitam a seu autor incluir elementos
subjetivos que, na maioria das vezes, não estão presentes nos mapas
tradicionais. Essa característica torna mais rica essa representação
de próprio punho, por incluir contextos que podem ampliar a compreensão do espaço. Desse modo, concordamos com Kozel (2007),
quando escreve:
As representações provenientes das imagens mentais não existem
dissociadas do processo de leitura que se faz do mundo. E nesse
aspecto os mapas mentais são considerados uma representação do
mundo real visto através do olhar particular de um ser humano,
passando pelo aporte cognitivo, pela visão de mundo e intencionalidades. Essa multiplicidade de sentidos que um mesmo "lugar"
contém para seus moradores e visitantes está ligada, sobretudo ao
que se denomina de imaginação criadora, função cognitiva que ressalta a fabulação como vetor a partir do qual todo ser humano conhece o mundo que habita. O espaço percebido pela imaginação

126

DENIS RICHTER

não pode ser o espaço indiferente, é um espaço vivido. E vivido não
em sua positividade, mas com todas as parcialidades da imaginação. (p.121)

Dessa maneira, o mapa deve incluir, no seu trabalho de representação, características e elementos que anteriormente eram considerados desnecessários ou sem valor científico por não estarem
dentro dos padrões científicos que determinavam a construção
cartográfica cartesiana. A necessidade de valorizarmos esse tipo de
representação do mapa, mais flexível e mais integrado ao processo
de mudanças que ocorre na sociedade, se justifica pelo fato de que
essa concepção nos permite formar indivíduos capazes de com
preender o mapa para além do processo de cópia. A ideia é tornarmos o mapa uma linguagem que contribua para a expressão e
interpretação do cotidiano.
Girardi (1997) nos apresenta um estudo da relação entre o mapa
e a escrita, fundamentado nas pesquisas de Robinson & Petchenik
(1976 apud Girardi, 1997), no qual explica que o processo de leitura do mapa é resultado de uma não linearidade no ato de leitura e
compreensão, já que a representação cartográfica possibilita uma
visão do conjunto. Assim, o leitor possui autonomia para seguir um
ou diversos caminhos. Podemos avançar nessa análise ao integrar a
concepção do mapa mental, principalmente se o mapa está alicerçado num processo de leitura não linear; devemos pensar sobre
seus métodos de construção da mesma maneira. Portanto, consi
deramos de suma importância reconhecer que existem diversas
formas de produzir um mapa, já que a leitura da própria realidade
pode ser múltipla.
Paralelamente, essas considerações devem ser integradas com o
fato de que a própria cognição humana não se encontra vinculada a
um único modelo de representação. São inúmeros os desdobramentos que o saber humano pode desenvolver e isso deve ser considerado ao compreender o mapa. O contrário disso, quer dizer, a
afirmação de que deve existir somente um padrão para a construção
cartográfica ou para o processo intelectual dos indivíduos, gera um

127

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

fator preocupante que se estabelece no empobrecimento do desenvolvimento cultural e na possibilidade de limitar a liberdade do
pensamento.
Sobre essas questões, outro texto de Girardi (2005, p.61-72) nos
sinaliza a necessidade de reconhecermos a presença da ideologia no
processo de construção do mapa e da importância de expandirmos
as formas de produção da Cartografia, superando a ideia de hierarquia ou padronização da linguagem cartográfica.
E os mapas das nações indígenas e de outras sociedades cujo referencial é outro? Não são mapas? E mapas turísticos, de propaganda
imobiliária, de jornal... A crítica corporativa resolveu essa questão
mudando o nome dessas representações: croquis, mapa mental,
mapa ilustrativo... Essa visão eurocêntrica e elitista da cartografia
em muito pouco contribuía para fazer avançar a discussão sobre o
mapa na Geografia. É preciso lembrar que nesse período o paradigma neopositivo na Cartografia ganhava muita força devido ao
crescimento da informatização, refletida na Cartografia Digital e
nos Sistemas de Informações Geográficas. (p.65)

Outra autora que colabora no debate sobre a necessidade de superarmos o modelo linear é Massey (2008), que mesmo não tendo
abordado diretamente as questões relativas ao mapa, destaca quão
prejudicial é para os indivíduos e para a própria ciência a imposição de uma única visão ou concepção de mundo. Massey nos
ilustra esse fato pela valorização do conceito de tempo na formação
das sociedades, a partir da influência europeia e capitalista, sobre o
conceito de espaço. Essa estrutura foi responsável por constituir
nas relações sociais de inúmeros territórios do mundo um elogio à
dimensão temporal, que se configura materialmente na comparação de diversos grupos humanos do globo num único tempo. Situação esta que nega o reconhecimento das diferenças espaciais
que identificam, marcam, diferenciam e valorizam determinadas
sociedades. Em síntese, esse processo representa, também, um retrocesso para o desenvolvimento humano, ainda mais quando ob-

128

DENIS RICHTER

servamos na atualidade os padrões culturais que estão em evidência
e que norteiam diversas nações.
As considerações das duas autoras (Girardi, 2005; Massey,
2008) indicam a importância de desenvolvermos análises científicas de maneira mais ampla e diversificada. Situação que pode ser
muito bem articulada ao tratamento e interpretação das produções
cartográficas, que almeja incluir outras perspectivas espaciais no
processo de construção dos mapas. O mapa mental se apresenta inserido nessa estrutura. Muito mais do que criarmos uma nova divisão na Cartografia, esse tipo de representação espacial se instaura
na possibilidade de fazer com que o mapa possa expressar diferentes elementos presentes no cotidiano da sociedade, e que seus
próprios construtores tenham a liberdade de incluir na sua produção interpretações particulares e/ou coletivas.
A busca por estabelecermos novos vínculos da Cartografia com
as práticas pedagógicas de Geografia está expressada nas preocupações de Pinheiro (2005b), ao estudar a influência dos mapas de
perspectiva matemática, geométrica e a formação da compreensão
espacial. Esse autor nos diz que, geralmente, não se dá a possibilidade ao aluno de desenvolver uma capacidade de representar e de
ler o espaço sob diferentes formas de representação. O fato pode ser
compreendido a partir dos seguintes contextos:
Representações mentais do mundo são similares aos mapas cartográficos correspondentes, mas há uma distinção muito importante.
As projeções cartográficas são expressas através de fórmulas ma
temáticas, ao passo que não existe linguagem equivalente para
traduzir os "mapas mentais". A partir de qualquer projeção cartográfica existe a possibilidade de reconstruir os tamanhos reais,
formas e posições de nosso planeta quase-esférico, mas no caso dos
mapas cognitivos "a mente humana parece reorganizar completamente as informações" (Tversky, 1992, p.208). Tais distorções não
significam erro, no sentido das ciências físicas ou das engenharias,
mas uma reorganização funcionalmente orientada da informação
(McDonald & Pellegrino, 1993; Tversky, 1992). Ao mesmo tempo,

129

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

no nível social, essas distorções tornam o processo de comunicação
mais simples e fácil, pois "é justamente essa estruturação cognitiva
do ambiente que nos capacita a organizar nosso mundo de um
modo reconhecível e administrável" (Ittelson et al., 1974, p.14).
(Pinheiro, 2005b, p.164).

A citação anterior vai ao encontro do que Seemann (2003) já
havia expressado sobre a necessidade de avançar na compreensão
da Cartografia. Ele destaca que o mapa apresenta duas possibilidades de mapeamento: o funcional e o planimétrico. Sendo funcional o mapa que busca representar a relação dos homens com os
diferentes espaços, e o planimétrico, as regras cartesianas estabe
lecidas para padronizar as produções cartográficas. No primeiro
caso, a relação não está fundamentada no tamanho, distâncias ou
dimensões reais de um determinado espaço, mas com as dimensões
construídas subjetivamente pela sociedade em relação ao uso dos
espaços ou facilidades de locomoção no espaço. A subjetividade
humana tem muita influência nesse tipo de mapeamento (o funcional). É interessante, ainda, completarmos essa análise com o seguinte alerta:
Pensar a Cartografia de uma maneira menos dogmática (e, quem
sabe, menos cartográfica e mais cartográfica) exige mais consciência, criatividade, ousadia, coragem e, sobretudo, uma postura
mais humana ou até humanística [...]. (Seemann, 2003, p.58)

São esses aportes teórico-metodológicos que nos ajudam a fundamentar a nossa valorização para esse tipo de representação cartográfica. Os mapas mentais podem colaborar, significativamente,
com a prática docente ao identificar os limites e avanços que os
alunos apresentam em determinados conteúdos (ZDI, Vigotski,
2000), como também no processo de ensino-aprendizagem desse
estudante, ao ter a possibilidade de representar os conhecimentos
geográficos numa linguagem mais aberta, que destaque seus produtos como objetos de expressão do espaço.

130

DENIS RICHTER

Ao termos clareza de que o ensino de Geografia está intimamente ligado ao estudo do espaço (geográfico) e de que a presença
da linguagem cartográfica se dá para além das estruturas cartesianas mais rígidas, o resultado desse processo na formação escolar
dos estudantes permitirá que seja consolidada uma análise espacial do cotidiano de maneira mais ampla e crítica.
Para que essas práticas sejam consolidadas, torna-se fundamental destacar a contribuição e a participação do ensino dos conceitos no processo de ensino-aprendizagem de Geografia. O
conceito, conforme apontamentos de Couto (2006) e Vigotski
(2000), será o eixo central para o desenvolvimento de um saber
mais científico na formação dos alunos, fato que poderá ser materializado na construção de uma leitura mais atenta às modificações
e/ou permanências que ocorrem no espaço.
Ao darmos seguimento a essas ações temos a possibilidade de
construirmos um trabalho com o mapa para além da proposta de
um fim em si mesmo, já que a inserção da Cartografia nas práticas
escolares, como foi destacado ao longo deste texto, busca promover
uma colaboração para a formação de uma leitura/interpretação/
raciocínio geográfico. Ou seja, o mapa como um meio e não como
um fim para as aulas de Geografia. Isso fortalece a participação da
linguagem cartográfica nas propostas didáticas desenvolvidas em
sala de aula, superando a concepção de ilustração ou de atividade
lúdica, sem relação com o próprio conhecimento da Geografia.
Essa perspectiva é muito destacada por Katuta (2007, p.231), ao
dizer:
É na lida cotidiana docente com as diferentes linguagens que os
desafios inerentes à sua (re)apropiação e repensar comparecerão.
Daí a necessidade de o professor ter uma postura investigativa com
relação à própria prática pedagógica, caso contrário, suas ações em
sala de aula correm o sério risco de se tornarem difusas ou
empobrecidas na medida em que acabam por se encerrarem em si.
Isto pode ocorrer quando o uso das linguagens se realiza de maneira
aleatória, apenas para tornar a aula menos maçante ou cansativa.

131

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Pereira (1999, p.118) define o educador investigador da seguinte
maneira: "[...] um profissional dotado de uma postura interrogativa e que se revele um pesquisador de sua própria ação docente".

Dessa forma, o que queremos salientar é a significativa importância de promover no ensino de Geografia um estudo mais voltado à produção e transformação do espaço, a partir dos conteúdos
específicos ou conceitos que são trabalhados ao longo do ano letivo,
permitindo que o aluno tenha condições de compreender a sociedade com base na perspectiva espacial.
Por isso, do mesmo modo que Harley (1991), Girardi (2005) e
Katuta (2007) defendem a valorização do uso de diferentes formas
de representação na formação escolar dos indivíduos, o mapa
mental se caracteriza por permitir que os alunos expressem suas
múltiplas interpretações, questões, dúvidas ou análises que não
estão presentes, muitas vezes, nos mapas padronizados ­ pre
viamente construídos, presentes em livros didáticos ou atlas es
colares.
Assim, a integração dos mapas mentais poderá ajudar no processo de ensino-aprendizagem dessa disciplina por desenvolver
nos alunos uma leitura sobre a realidade mais atenta às dinâmicas
espaciais que interferem na organização da sociedade. Portanto, a
proximidade da representação espacial com o ensino dos conteúdos
e conceitos deve se fazer presente ao longo do currículo escolar de
Geografia. Muito mais do que atender às normas pedagógicas das
escolas ou dos documentos oficiais que orientam os trabalhos didáticos, essa prática permitirá a formação de um indivíduo mais
consciente da análise espacial presente na construção da nossa vivência.
O objetivo dessa caminhada pelo saber geográfico é de permitir
que o indivíduo desenvolva uma leitura e uma compreensão espacial crítica a respeito dos diferentes lugares e fenômenos existentes.
Portanto, no final do processo de formação da educação básica, que
é o ensino médio, espera-se que o estudante conheça muito bem seu
espaço mais próximo, o seu entorno e, principalmente, saiba rela-

132

DENIS RICHTER

cionar esse lugar com as diferentes escalas geográficas, bem como
com os conhecimentos mais amplos que a Geografia desenvolve.
Nesse sentido, o próximo capítulo busca apresentar essa perspectiva de articulação entre o mapa mental e o desenvolvimento do
raciocínio geográfico nas práticas escolares de Geografia.

4
Análise dos mapas mentais

Ao concordarmos com a integração do uso da Cartografia nas
práticas escolares de Geografia, com a importância do desenvolvimento dos conceitos científicos como objetivo do trabalho didático-pedagógico da escola e com a necessidade de organizarmos
um ensino de Geografia atrelado às diferentes formas de linguagem, torna-se evidente que o mapa mental representa um
recurso fundamental para constituir um processo de ensino-aprendizagem capaz de juntar o conhecimento dos espaços de vivência
com os saberes sistematizados. Como resultado, temos a construção de produções cartográficas que expõem leituras, interpretações e raciocínios desenvolvidos pelos alunos ao longo de sua
formação escolar.
Nesse sentido, se pensarmos na origem desse raciocínio, mais
especificadamente no raciocínio geográfico, os mapas mentais apresentam uma contribuição significativa para o desenvolvimento do
ensino de Geografia, por estabelecer o contato entre os contextos
de vivência (a realidade, o lugar em que o indivíduo está inserido
­ sendo este produto e processo da relação local-global) com os
conteúdos da Geografia, que buscam explicar os fenômenos e as
práticas sociais. Dessa forma, podemos reconhecer que o raciocínio geográfico refere-se à compreensão da realidade a partir da

134

DENIS RICHTER

perspectiva espacial. Cavalcanti (2006, p.34) contribui com esta
reflexão:
Neste ponto cabe reafirmar e explicitar a importância da Geografia
escolar para a formação geral de cidadãos. Na relação cognitiva de
crianças, jovens e adultos com o mundo, o raciocínio espacial é
necessário, pois as práticas sociais cotidianas têm uma dimensão
espacial. Os alunos que estudam essa disciplina já possuem conhecimentos nessa área oriundos de sua relação direta e cotidiana com
o espaço vivido. Sendo assim, o trabalho de educação geográfica é
de ajudar os alunos a analisarem esses conhecimentos, a desenvolverem modos do pensamento geográfico, a internalizarem métodos
e procedimentos de captar a realidade, a vivida e a "apresentada"
pela Geografia escolar, tendo consciência de sua espacialidade.
Esse modo de pensar geográfico é importante para a realização de
práticas sociais variadas, já que essas práticas são sempre práticas
socioespaciais. A materialização dessas práticas, que se realizam
num movimento entre as pessoas e os espaços, vai se tornando cada
vez mais complexa, e sua compreensão cada vez mais difícil, o que
requer referências conceituais sistematizadas, para além de suas
referências espaciais cotidianas, carregadas de sentidos, de histórias, de imagens, de representações.

Portanto, se há uma complexidade presente no entendimento
das práticas sociais, conforme indica a autora, um modo de colaborarmos para essa compreensão da realidade pode ser por meio da
produção dos mapas mentais. Essa proposta se fundamenta nas
ideias de Eysenck & Keane (1994), que apresentam a importância
do uso das representações ­ interna e externa ­ para expressar o
percurso cognitivo da construção dos saberes científicos até a sua
materialização em alguma forma de linguagem, que torna possível
a visualização e o compartilhamento do conhecimento produzido.
Um mapa conceitual (Figura 8) nos ajudar a expressar essas ideias.

135

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 8 ­ Mapa conceitual do processo cognitivo do raciocínio geo
gráfico

De acordo com esse mapa conceitual, podemos observar que no
processo cognitivo da representação interna (experiência, conhe
cimento científico) até a representação externa (figuras, palavras,
signos), que nesse caso é atribuída ao esboço cartográfico (uma proposta inicial de construção do mapa mental), o raciocínio geográfico desenvolvido pelo indivíduo é o elemento responsável pela
formação de uma leitura mais espacializada dos fenômenos. Portanto, o mapa mental é analisado como um produto da cognição do
indivíduo em referência à leitura e à interpretação das diferentes
paisagens que estão presentes no espaço; em outras palavras, é a
construção de um "olhar" mais geográfico sobre os contextos que
ocorrem na sociedade.
Assim, o uso dos mapas mentais nas atividades escolares abre
possibilidade para que o professor de Geografia observe e reconheça
como os estudantes integram a realidade e os elementos do cotidiano
com os conteúdos científicos, a partir de diferentes escalas geográficas, e identifique suas leituras e interpretações do espaço.
Por outro lado, no primeiro instante, o conjunto dessas representações espaciais pode nos dar a impressão de que pouco expressa

136

DENIS RICHTER

sobre o raciocínio geográfico dos alunos, já que cada indivíduo tem
a liberdade de produzir o mapa mental à sua maneira.1 Para superar essa situação, é fundamental organizarmos alguns critérios
de análise e de seleção das informações contidas nos mapas, com o
objetivo de estabelecermos parâmetros nas interpretações dessas
produções cartográficas.
Com base nessas reflexões, construímos um mapa conceitual2
(Figura 9) como o propósito de orientar o trabalho de análise de
mapas mentais e de identificar, nessas representações espaciais, a
presença do raciocínio geográfico desenvolvido pelos estudantes.
Entendemos que a construção de mapas mentais não deve ocorrer
nas aulas de Geografia desprovida de uma proposta didática, sendo
essencial a articulação com as demais atividades e/ou conteúdos
ensinados na escola. Apesar de valorizarmos a integração da Cartografia nas práticas didáticas de Geografia, o mapa não pode ser um
recurso como um fim em si mesmo; ele complementa as atividades
dessa disciplina escolar e permite avançar no processo de interpretação do espaço. Entretanto, para isso é necessária a relação com
os saberes geográficos, os conteúdos específicos, os conceitos que
fundamentam a Geografia.
1. Isso ficou mais evidente na produção do mapa mental 1, pois não foi determinado aos alunos o tema ou assunto a ser representado sobre a cidade de Presidente Prudente.
2. Esse mapa conceitual refere-se também à metodologia do trabalho de campo da
pesquisa, que foi desenvolvida em duas escolas (uma pública e outra privada)
localizadas na região central da cidade de Presidente Prudente (SP), durante o
segundo semestre de 2008. Em cada uma dessas escolas selecionamos uma
turma do terceiro ano do ensino médio, totalizando um universo de 83 estudantes, sendo 40 alunos da escola pública (ao longo do texto a sigla utilizada
para esses indivíduos é AEPu) e 43 alunos da escola particular (AEPa). Nesse
trabalho de campo foi aplicado um questionário aos alunos a respeito de dados
e informações pessoais, bem como sobre seus conhecimentos cartográficos.
Além disso, foi proposta aos alunos dessas escolas a produção de mapas mentais, quatro atividades, que gerou o montante de 239 mapas. Esses esboços cartográficos foram interpretados de acordo com a seleção de categorias de análise
(Figura 9) que buscaram aproximar esse material do processo de ensino de
Geografia, articulado com o desenvolvimento do raciocínio geográfico.

137

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 9 ­ Mapa conceitual das categorias de análise dos mapas mentais
Fonte: Richter, D. (Org.), 2010.

138

DENIS RICHTER

Para construirmos esse mapa conceitual (Figura 9), apresentamos quatro propostas de produção dos mapas mentais como
exemplo didático, a saber: 1. Cidade de Presidente Prudente; 3.1.
Trajeto casa-escola; 3.2. Problemas urbanos da cidade de Pre
sidente Prudente; e 3.3. A globalização na cidade de Presidente
Prudente.
A partir desse material produzido pelos alunos, torna-se necessário lermos atentamente cada representação cartográfica, com o
intuito de observarmos detalhes, semelhanças, diferenças, avanços,
limites, perspectivas, abordagens, etc., que possam expor as leituras geográficas produzidas pelos estudantes sobre a representação espacial da cidade de Presidente Prudente, no caso. A análise
cuidadosa desses mapas nos permite a seleção de algumas categorias de análise, que são elencadas para investigar o raciocínio geográficos dos alunos, como: área geográfica, marco, ponto nodal,
bairro, limites, vias, problemas urbanos, processo de globalização e
elementos do mapa.
Não há uma hierarquia na distinção dessas categorias, todas
possuem seu grau de importância para o desenvolvimento do ensino de Geografia e, ao mesmo tempo, todas estão inter-relacionadas, já que não podem ser pensadas sozinhas ou isoladas ­ uma
interfere na outra em seu processo de formação ou transformação.
Sendo assim, é importante destacarmos que essas categorias foram
selecionadas com base no ensino de Geografia transmitido aos estudantes ao longo da educação básica, ou seja, no conhecimento
geográfico que um aluno deveria ter no fim do processo de
formação escolar. Entretanto, reconhecemos que algumas dessas
categorias são trabalhadas como temas/conteúdos no ensino fundamental e/ou médio, ao passo que outras fazem parte de discussões mais específicas e se integram no conjunto de um trabalho
escolar.
Do mesmo modo, estamos cientes de que as categorias apresentadas aqui não sintetizam a totalidade do conhecimento científico
da Geografia na educação básica. Contudo, no processo de formação escolar do aluno, no que tange aos saberes geográficos, con-

139

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

sideramos que essas categorias são essenciais para desenvolver uma
leitura espacial crítica e questionadora.
Além disso, integramos às categorias de análise alguns temas,
conceitos e teorias que são conhecidos como elementos fundantes
da Geografia, a partir dos estudos sobre o conceito de espaço (geo
gráf ico). Nesse sentido, utilizamos as propostas de Santos (1985),
que apresenta categorias para compreender a produção do espaço,
as quais são: forma, função, estrutura e processo. E outra referência
teórica utilizada foi a ideia de legibilidade de Lynch (2006), que
propõe a identificação e o uso de referenciais urbanos pelos seus
habitantes ­ por exemplo, marco, ponto nodal, bairros, limites e
vias ­ como forma de facilitar a locomoção, a identificação de diferentes lugares e, principalmente, a distinção dos objetos presentes
no espaço. Para completar, não poderiam faltar as habilidades de
acesso e processuais. No caso do acesso, foram pensadas a partir da
sintaxe, já que o uso da representação cartográfica como linguagem
de expressão e comunicação é composto por informações, leituras e
raciocínios desenvolvidos pelos estudantes; as processuais são relativas às análises, interpretações, sínteses, correlações, comparações, etc. Dessa forma, para que esses indivíduos possam expressar
suas leituras sobre a realidade, por meio do uso de mapas, torna-se
fundamental tanto a inserção e o conhecimento de elementos que
contribuem para a produção dessas representações, como a legenda, a orientação, os signos, o título, entre outros.
Entretanto, a organização das categorias e dos saberes teóricos
não deve ser pensada de forma fragmentada. Reconhecemos que,
numa primeira leitura do mapa conceitual (Figura 9), ao visualizarmos cada item, pode transparecer uma divisão, uma ruptura
entre eles, apesar de as "setas" indicarem uma relação entre si.
Porém, a necessidade de analisarmos cada categoria de forma detalhada nos força a investigar individualmente esses saberes escolares. Situação esta que não representa uma leitura estanque ou
desarticulada com outras questões ou perspectivas. Ao longo da
análise dos mapas mentais, algumas propostas permitirão a conexão entre as categorias e até mesmo aos conteúdos escolares.

140

DENIS RICHTER

Na organização desse mapa conceitual recuperamos as contribuições de Vigotski (2000) pela inserção dos conhecimentos científicos e espontâneos, por entendermos que a leitura da realidade
se constitui pelo contato dos saberes sistematizados com as informações cotidianas e passadas pela sociedade ao longo do tempo.
Assim, o desenvolvimento cognitivo somente ocorrerá quando as
análises mais simplistas e restritas forem substituídas pela fundamentação do saber científico.
Como resultado desse processo é que apresentamos a análise e
interpretação espacial, que se referem à integração entre todos os
conhecimentos geográficos ensinados na escola com a realidade
que está diante do aluno. Desse modo, esperamos que esse indivíduo, pela contribuição do uso e da construção de mapas mentais,
tenha condições de entender e compreender os diversos contextos
que interferem e são responsáveis pela produção e transformação
do espaço.
Sendo assim, é na articulação desses parâmetros que partimos
para as análises dos mapas mentais produzidos pelos alunos. Muito
mais do que dar respostas ou propor padrões para a observação
desses esboços cartográficos, nosso foco está em valorizar a Cartografia como expressão do conhecimento geográfico e ampliar a
possibilidade de os estudantes construírem mapas nas aulas de
Geografia, utilizando, para isso, o conteúdo ensinado ao longo da
formação escolar e, principalmente, contribuindo para o desenvolvimento do raciocínio geográfico.

Os mapas mentais e suas interpretações
O espaço é a matéria trabalhada por excelência. Nenhum dos objetos sociais tem uma tamanha imposição sobre o homem, nenhum
está tão presente no cotidiano dos indivíduos. A casa, o lugar de
trabalho, os pontos de encontro, os caminhos que unem esses
pontos são igualmente elementos passivos que condicionam a atividade dos homens e comandam a prática social. A práxis, ingre-

141

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

diente fundamental da transformação da natureza humana, é um
dado socioeconômico, mas é também tributária dos imperativos
espaciais. (Santos, 2005, p.34)

Se o espaço possui uma importância significativa para a vivência
dos indivíduos, como aponta Santos (2005), entendemos que a
compreensão desse conceito é igualmente essencial. Os diversos
ambientes, lugares, paisagens, meios, etc., que fazem parte do cotidiano das pessoas precisam ser analisados para além do reconhecimento da sua existência. Torna-se fundamental entendê-los a partir
da sua gênese, organização e dos processos que foram responsáveis
por construí-los. Dessa forma, para colaborar com essas indicações, a integração dos conteúdos geográficos com a produção dos
mapas mentais se configura como uma prática necessária ao desenvolvimento do estudo do espaço. De uma leitura mais restrita da
Geografia, partimos para a complexidade presente nos diversos
contextos do cotidiano e que interferem, significativamente, nas
práticas sociais dos indivíduos.
Assim, para colaborarmos na análise e na apresentação dos
mapas mentais, houve a preocupação de melhorar a qualidade visual de algumas representações, ao passo que em outras consideramos necessário inserir círculos ou traços para colaborar no
destaque de determinadas propostas ou análises desenvolvidas
acerca de cada categoria, de acordo com os conteúdos geográficos.
Por fim, é importante esclarecermos que a utilização das representações como exemplo dos temas analisados não significa que
esses mapas servem para tratar de uma única proposta. Isso poderá
ser observado no momento em que alguns mapas mentais são apresentados mais de uma vez, ao longo das interpretações sobre as categorias e dos conteúdos geográficos, ou na seção final deste capítulo
("Análise e interpretação espacial"), quando uma única representação cartográfica servirá de explicação para diversos temas.

142

DENIS RICHTER

Área geográfica

Uma primeira análise que podemos realizar sobre as representações cartográficas produzidas pelos alunos refere-se à delimitação
espacial apresentada nos mapas mentais. De uma visão geral da cidade de Presidente Prudente, passando por bairros ou regiões es
pecíficas, até a exclusividade da rua como espaço representado, a
delimitação da área geográfica nos oferece a primeira dimensão do
conhecimento espacial que o aluno possui sobre a cidade.
Sendo assim, um modo de pensarmos a delimitação da área geográfica, a partir da relação com os conteúdos geográficos, é por
meio da categoria forma, que indica um dos elementos responsáveis
pelo processo de produção do espaço (Santos, 1985). Esse autor argumenta que:
Um conceito básico é que o espaço constitui uma realidade objetiva, um produto social em permanente processo de transformação.
O espaço impõe sua própria realidade; por isso a sociedade não
pode operar fora dele. (p.49)

Isso significa que os mapas mentais expõem elementos e contextos pertinentes à análise da paisagem, sendo esta proveniente de
diversos resultados/processos temporais e espaciais, mas ela se constitui no conjunto da forma, ou seja, na composição do mapa produzido pelo aluno. Portanto, ao interpretarmos as informações contidas
nas representações cartográficas, a seleção da escala de análise (a
cidade, o bairro ou a rua) permitirá que sejam observadas a inclusão
e a disposição dos elementos/objetos que tecem o espaço.
Para exemplificarmos, a seguir são apresentados quatro mapas
mentais produzidos pelos alunos (ver Figura 10) que expõem perspectivas diferentes da leitura espacial da cidade, principalmente
relacionada à área geográfica. De uma visão mais específica, como
a representação dos edifícios e das casas (AEPu 40) ou a dimensão
de todo o espaço urbano (AEPa 12), os estudantes selecionam uma

143

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

determinada região, como os bairros presentes nos esboços cartográficos dos AEPa 04 e AEPu 06, para inserir os diversos elementos, objetos e as leituras relativas à organização e à produção da
cidade.
Assim, a forma pode ser estabelecida desde a representação de
um prédio ou de uma casa no mapa mental de um aluno, até o conjunto de elementos que se encontram num bairro ou numa rua,
chegando até a organização do espaço urbano de uma cidade. Essa
é a referência da categoria forma para nossa análise nas produções
cartográficas dos estudantes, contexto que não exclui outras formas, que estão presentes nos demais mapas mentais dos alunos, e
em diferentes escalas. Podemos complementar, ainda, que a forma
possui relação com a função dada ao espaço. Ou seja, um bairro residencial tem características diferentes de uma área industrial ou
comercial. Essas atividades específicas de cada lugar interferem no
conjunto dos elementos e das interpretações que são realizadas pelos alunos.
Nesse sentido, nossa proposta é de resgatar essa contribuição de
Santos (1985) que apresenta a forma como um atributo específico
do espaço. Ou, como o próprio autor nos diz: "[...] é o aspecto visível de uma coisa. Refere-se, ademais, ao arranjo ordenado de
objetos, a um padrão" (p.50). Podemos pensar, também, que a importância da forma será fundamental ao observarmos as funções
dadas aos objetos que compõem o próprio espaço. Na forma, é possível identificarmos os estágios do tempo, que foram responsáveis
pela formação de um determinado lugar.
A questão do tempo parece inerente à organização e à construção da forma. Por isso, ao produzir os mapas mentais, os alunos
homogeneizaram os diferentes tempos para a ideia do presente,
sem diferenciar os movimentos singulares que promoveram a formação de cada espaço ­ as rugosidades (Santos, 1985). Geralmente,
o mais comum é trazer o passado para o presente, fato que ocorreu
em muitas representações cartográficas dos estudantes em ambas
as escolas. Porém, pudemos observar que houve a ação de equalizar
o futuro com o presente, quando muitos alunos localizaram/inse-

Figura 10 ­ Mapas mentais da atividade 1, como exemplo das diferentes formas da cidade representada pelos alunos

144
DENIS RICHTER

145

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

riram o prédio do hipermercado Muffato Max3 em seus mapas,
como se ele já estivesse em funcionamento, ou seja, equiparando as
dimensões temporais com os outros objetos presentes no espaço.
Isso pode ser observado na Figura 11.
Reconhecemos que Santos (1985) não propõe a noção de forma
para estudar uma área geográfica, como apresentamos aqui. Entretanto, não podemos deixar de mencionar a forte relação entre essa
categoria espacial com a delimitação das escalas de análises, identificadas nos mapas mentais dos estudantes.
Mesmo não existindo uma hierarquia no modo de analisar os
mapas mentais, é válido mencionarmos que a forma pode ser a
primeira interpretação de um leitor da produção dos esboços cartográficos. Por outro lado, não se deve restringir a observação desse
mapa à perspectiva da forma sem levar em consideração a função,
a estrutura e o processo, categorias essenciais para compreender a
totalidade do espaço e que serão analisadas mais adiante.
Posto isso, longe de estabelecermos parâmetros de valor sobre os
saberes dos estudantes, a partir da escolha das escalas de análise, essa
delimitação não pode ser deixada de lado ao interpretarmos os mapas
mentais, já que as produções cartográficas expõem as informações
iniciais que os alunos organizam ao construir seus referidos mapas.
Outra consideração que podemos fazer em relação à área geográfica diz respeito ao próprio ato comunicativo do mapa, atrelado
à perspectiva da linguagem. Para Vigotski (2000), quando o indivíduo utiliza a comunicação para expressar algo, ele realiza uma
seleção de informações, de dados que considera mais relevante para
destacar. Esse fato indica que o mapa não é um reflexo direto da
realidade, ele passa por filtros, por leituras particulares que alteram
sua dimensão ­ do geral ao específico. Portanto, ao observarmos

3. Muffato Max é um hipermercado paranaense que em 2008 construiu um
prédio próprio na cidade de Presidente Prudente. No momento em que os
alunos produziram os mapas mentais dessa pesquisa, esse prédio estava em
construção e apresentava uma placa indicando esse estabelecimento comercial.

146

DENIS RICHTER

um mapa mental, temos possibilidade de analisar as interpretações
que os estudantes desenvolvem sobre um determinado espaço,
onde contextos, fatos e objetos são selecionados e representados de
acordo com o "olhar espacial" do aluno.

Figura 11 ­ Mapas mentais das atividades 1 (AEPu 27) e 3.1 (AEPa 13),
com destaque para a representação do prédio do "novo" Muffato

147

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Além disso, podemos destacar que a área geográfica diz respeito
ao próprio ato comunicativo do mapa, atrelado à perspectiva da linguagem. Para Vigotski (2000), quando o indivíduo utiliza a comu
nicação para expressar algo, ele realiza uma seleção de informações,
de dados que considera mais relevantes para serem destacados. Esse
fato indica que o mapa não é um reflexo direto da realidade, ele passa
por filtros, por leituras particulares que alteram sua dimensão ­ do
geral ao específico. Portanto, ao observarmos um mapa mental, temos possibilidade de analisar as interpretações que os estudantes desenvolvem sobre um determinado espaço, em que contextos, fatos e
objetos são selecionados e representados de acordo com o "olhar espacial" do aluno.
Nesse sentido, não existe uma área geográfica certa ou errada.
Independente do espaço delimitado no mapa, o que se busca observar são as relações, o cotidiano, as informações e a análise geográfica que o aluno insere/apresenta em sua produção cartográfica.
Entretanto, podemos destacar que existem diferenças entre as opções de representar o espaço urbano de toda a cidade, de um determinado bairro ou apenas de uma rua (ver Figuras 12 e 13). Essas
três diferentes perspectivas espaciais indicam olhares particulares
em relação a um mesmo espaço, que, nesse caso, é a cidade de Presidente Prudente.

Figura 12 ­ Mapa mental da atividade 3.1, exemplo da representação da
via (av. Washington Luiz), como escala de análise

148

DENIS RICHTER

Figura 13 ­ Mapas mentais das atividades 1 (AEPu 37) e 3.2 (AEPa 34),
exemplos da representação do bairro (Jd. Jequitibás) e da cidade, como
escala de análise

149

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Ao mesmo tempo, com base nessa observação mais atenta das
áreas geográficas, podemos identificar quais são os lugares/espaços
da cidade mais representativos para os alunos, que contextos são
compartilhados ou até quais fatos estão presentes na produção cartográfica desses estudantes. A simples observação inicial da área de
representação do mapa mental já começa a revelar algumas leituras
geográficas que os alunos produzem a respeito da cidade.
Além de registrar as diferentes escalas de análise sobre a cidade,
a construção desses mapas mentais está associada, na maioria dos
casos, ao nível de detalhamento das informações contidas no espaço, ou seja, da representação da cidade até a da rua ocorre, geralmente, uma sensível diferença na quantidade das informações
apresentadas. Podemos observar essa situação ao rever as Figuras
12 e 13, pois o nível de detalhamento cresce à medida que a escala
aumenta.
Nesse sentido, a partir das experiências realizadas, temos condições de destacar que se torna comum a representação do centro
da cidade como área geográfica na produção dos mapas mentais
dos alunos. Na busca pela compreensão das razões que levaram
os alunos a representar em seus mapas mentais o centro como área
geográfica (delimitação do espaço), precisamos recuperar algumas
ideias de Santos (1985, p.54) em relação à teoria dos lugares
centrais:
O que muitos não conseguiram entender no passado é que a forma
só se torna relevante quando a sociedade lhe confere um valor
social. Tal valor relaciona-se diretamente com a estrutura social
inerente ao período. Por conseguinte, precisamos compreender
inteiramente a estrutura social em cada período histórico para podermos acompanhar tanto a transformação dos elementos naturais em recursos sociais quanto a mudança que esses novos
recursos (formas) sofrem com o correr do tempo.

Com base nessa leitura, temos condições de entender que a região central de Presidente Prudente representa uma importante re-

150

DENIS RICHTER

ferência (recurso social e cultural) para que os alunos pensem ou
reflitam sobre a cidade. Em outras palavras, a atual estrutura social
que interfere na produção do espaço urbano dá uma função de destaque para o centro, por concentrar as atividades comerciais, os
fluxos de pessoas e de mercadorias, pelo conjunto de serviços oferecidos e, também, pela facilidade de acesso. No entanto, é necessário que o professor fique atento para as leituras espaciais muito
restritas a determinadas escalas de análise, como a residência do
estudante, a sua escola ou o próprio centro, já que a cidade acontece
e é produzida, também, para além desses espaços.
O conjunto dessas informações relativas às áreas geográficas
nos permitiram, inicialmente, ter uma dimensão de quais espaços
foram mais representativos aos alunos e de que maneira os níveis
de análise contribuíram para selecionar determinados elementos e
objetos presentes nos mapas. No entanto, a análise da forma da área
geográfica é apenas o começo de uma interpretação mais apurada e
atenta do processo de integração dos conteúdos geográficos com a
produção cartográfica. Nesse sentido, os próximos itens buscam
avançar neste trabalho.
Vias ­ bairros ­ marcos ­ pontos nodais ­ limites

A organização da cidade é resultado de uma estrutura que funciona de acordo com diversas ordens que regem o mundo, em diferentes escalas e provenientes de tempos singulares (Bauman, 1999;
Santos, 2005). Essas ordens podem ter sua gênese nas questões sociais, políticas, econômicas, culturais, etc. Desse modo, ao observarmos uma cidade estamos diante de elementos e configurações
que são provenientes de inúmeros processos que se fazem presentes, também, em espaços próximos e/ou distantes. Em outras pa
lavras, por mais que o espaço urbano possua suas características
particulares, ele é composto por elementos, objetos, fenômenos e
processos que são resultantes de estruturas que orientam e direcionam inúmeras ações e configurações, e que no conjunto alteram e
transformam a cidade.

151

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Com isso podemos dizer que, ao mesmo tempo em que a cidade
é construída para atender a suas demandas internas, ela também
precisa se estruturar de acordo com as ordens externas e/ou atuais
vigentes. Numa análise mais específica, a organização da rede viária
urbana se constitui de tal forma que possibilita, paralelamente,
tanto a locomoção/mobilidade das pessoas (interna) como o fluxo
das mercadorias (interna e externa). Ou, a própria espacialização
da cidade cria núcleos/áreas chamados de bairros ­ muitos destes
com características ou funções específicas ­ que são integrados por
meio das vias, dando acesso a diversas regiões da cidade. No percurso dessas vias encontramos locais que se tornam referências espaciais conhecidas como marcos ou importantes cruzamentos que
podem ser denominados de pontos nodais. Além disso, a cidade
também possui alguns limites ao longo de toda sua extensão, que
marcam o traçado urbano e, em alguns casos, são considerados
"obstáculos" ou delimitadores no processo de expansão e/ou diferenciação da cidade.
Esses elementos destacados resultam de processos estruturais
que determinam as atividades, a organização, as rugosidades, as
particularidades de uma cidade. No caso da produção dos mapas
mentais de Presidente Prudente, mesmo os alunos não sendo cobrados para inserir esses objetos em seus esboços cartográficos, eles
tiveram uma preocupação de indicar e representar as vias, os
bairros, os marcos, os pontos nodais e os limites, fato que contribuiu
significativamente para expressar a atual configuração da estrutura urbana, como também apresentar o conceito de legibilidade de
Lynch (2006).
a) Vias

Do mesmo modo que foi argumentado na explicação da área
geográfica, quando os mapas mentais dos alunos se destacavam por
apresentar uma determinada área da cidade, as vias também representam um importante elemento que foi observado ao interpretar
os esboços cartográficos. Independente de selecionar uma rua, um

152

DENIS RICHTER

bairro ou a cidade inteira, a existência das vias (ruas e avenidas) foi
marcante na maioria dos mapas mentais. A primeira análise que
podemos fazer disso é que a rua se torna uma referência espacial
significativa para delimitar os diversos espaços da cidade, bem
como apresentar os percursos que se podem realizar para chegar a
determinados lugares.
Podemos avançar nessa ideia, com a contribuição de Lynch
(2006), ao destacar que a leitura espacial que os indivíduos fazem
da cidade é projetada a partir das ruas e avenidas pelas quais eles
circulam no espaço urbano. Isso nos permite explicar a forte ocorrência da representação das vias em praticamente todos os mapas
mentais (atividade 1) produzidos pelos alunos (a Tabela 1 apresenta esses dados) e como pode ser observado no exemplo a seguir
(Figura 14). Nesse caso, além de acrescentar o nome das ruas, o
aluno localiza os diferentes espaços da cidade, a partir das vias e as
direções que dão acesso a outros lugares.

Figura 14 ­ Mapa mental da atividade 1, com destaque para a representação e a indicação de vias que dão acesso a determinados lugares da cidade

153

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

A forte presença das vias pode ser relacionada com o conceito de
paisagem, por permitir ao indivíduo construir leituras e interpre
tações sobre o espaço. Para isso, os apontamentos de Santos (1988,
p.61) são interessantes:
Nossa visão depende da localização em que se está, se no chão, em
um andar baixo ou alto de um edifício, num miradouro estratégico,
num avião... A paisagem toma escalas diferentes e assoma diversamente aos nossos olhos, segundo onde estejamos, ampliando-se
quanto mais se sobe em altura, porque desse modo desaparecem ou
se atenuam os obstáculos à visão, e o horizonte vislumbrado não se
rompe.

Sendo assim, os mapas mentais se tornam um simulacro da
visão dos alunos em referência ao espaço urbano, permitindo que o
professor de Geografia possa reconhecer quais leituras são desenvolvidas pelos estudantes, quais lugares são mais representados ou,
principalmente, quais áreas da cidade encontram-se obscuras para
esses indivíduos. A relevância da presença das vias nos mapas
mentais se confirma com os dados da Tabela 1.

Tabela 1 ­ Representação das vias no mapa mental 1
AEPa
Número de ocorrências/
Porcentagem sobre o total

29 mapas/96,6%

AEPu
29 mapas/93,5%

Fonte: Trabalho de campo, ago.-nov. 2008. Richter, D. (Org.), 2010.

Diante dos dados da Tabela 1, em que mais de 90% dos alunos
de ambas as escolas fizeram uso da representação das vias na composição de seus mapas mentais da atividade 1, identificamos as
ruas e as avenidas como importantes "canais" ou "fluxos" (Santos,
2006), responsáveis, além da locomoção/movimentação dos in

154

DENIS RICHTER

divíduos que habitam a cidade, pelas relações econômicas que
se desenvolvem no espaço urbano. Esse fato foi observado em razão
de que ao longo das vias os alunos expressaram a preocupação de
localizar diversas lojas ou fábricas, dando destaque para o uso comercial do sistema viário ­ o acesso aos locais de consumo (ver Figura 15). Assim, temos um exemplo bem evidente da função que é
dada aos diferentes espaços que compõem a cidade ­ o comércio
é uma das funções. Cada local se destaca por exercer uma atividade
específica que lhe dá sentido e função na organização da estrutura
urbana.

Figura 15 ­ Mapa mental da atividade 1, com destaque para a localização
do comércio na área central da cidade

Desse modo, o alto índice da presença de vias nos mapas mentais dos alunos indica que a leitura espacial desses indivíduos possui forte relação com a ordenação viária da cidade, ou, como
interpreta Carlos (2007, p.51): "a rua se coloca como dimensão
concreta da espacialidade das relações sociais num determinado
momento histórico, revelando nos gestos, olhares e rostos, as pistas das diferenças sociais". Mais adiante (p.53), essa mesma autora

155

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

apresenta os diversos sentidos que a rua pode ter para os indivíduos,
a saber: sentido de passagem; de fim em si mesmo; de mercado,
aquele vinculado à troca; de festa; de reivindicação; de morar
(sem-teto); de normatização da vida; da segregação espacial; do
encontro. Não pudemos identificar todos esses sentidos nos mapas dos alunos,4 entretanto essa abordagem em relação à rua nos
serviu para compreender a importância das vias na construção das
representações cartográficas e quais contextos se tornam mais significativos na interpretação do espaço urbano.
No que se refere ao uso das vias para indicar um caminho ou trajeto a ser percorrido, as contribuições de Santos (2006) são pertinentes ao dizer que os fluxos estabelecem relações com espaços
distantes. Isso pode ser observado nos mapas mentais da seguinte
maneira: a presença marcante das avenidas Washington Luiz e Manoel Goulart, por exemplo, se justificam por serem vias de acesso ao
Prudenshopping, local muito representado pelos estudantes (ver Figura 16), e/ou pelo fato de essas avenidas servirem como percurso
para diversos bairros/regiões da cidade (ver Figura 17).

Figura 16 ­ Mapa mental da atividade 1, com destaque para a avenida
Washington Luiz, que permite o acesso ao Prudenshopping
4. Pois seria necessário, além de analisar os mapas mentais, questionar cada aluno
para reconhecer as suas intenções ao construir essas representações cartográficas.

156

DENIS RICHTER

Figura 17 ­ Mapa mental da atividade 3.1, com destaque para as vias que
dão acesso aos bairros Watal Watashib (sic) [Ishibashi] e Humberto Salvador

Portanto, a ocorrência das vias nos mapas deve ser interpretada,
também, para além das relações com os lugares mais próximos,
mas como uma ideia de percurso, de caminho, de fluxo para onde
uma determinada rua ou avenida pode seguir ou indicar direções.
Essa análise a respeito da localização/orientação pode ser complementada ao observarmos os mapas mentais produzidos na ati
vidade 3.1 (trajeto casa-escola), quando houve a preocupação de
todos os alunos representarem as vias que permitem o acesso às
suas residências. É importante considerarmos que no processo de
interpretação desses esboços cartográficos estamos analisando informações do seu trajeto habitual, espaços que detêm algum grau
de importância (pertinência, relevância) para esses indivíduos e
que, por isso, se tornam visíveis, são representados em seus mapas.
Em suma, é fundamental reconhecermos que, ao representar as
vias na construção dos mapas, os alunos expressam seus conhecimentos de localização espacial sobre a cidade, considerados essenciais para se deslocar de um lugar a outro, exercer suas práticas
sociais ou para identificar diferenças entre as diversas regiões da
cidade. O trabalho do professor de Geografia, nesse caso, pode ser
de selecionar as paisagens cotidianas e integrá-las com leituras mais

157

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

geográficas, procurando questionar a produção dos espaços, desde
a sua configuração atual até os processos de transformação.
b) Bairros

No processo de organização urbana, os bairros têm o papel de
diferenciar as áreas e de estruturar a cidade em regiões, que muitas
vezes possuem características próprias ou comuns, por exemplo
um bairro comercial, industrial, residencial, etc. Pela análise dos
mapas mentais em relação à inclusão dos bairros, temos condições
de identificar que a presença e a localização dessas áreas da cidade
foi fundamental para colaborar na caracterização de uma região específica ou para apresentar contextos similares do espaço urbano.
Encontramos essa situação ao analisarmos os mapas mentais da atividade 3.25 (problemas urbanos), quando os alunos puderam expressar seus conhecimentos sobre os diversos bairros da cidade (ver
Figura 18). Esse contexto expressa uma leitura mais ampla do espaço urbano ao reconhecer as diferenças/problemas sociais ou econômicos entre os bairros da cidade.
Os mapas mentais apresentados na Figura 18 expressam que,
além de localizar os bairros, é fundamental observar se os alunos
conseguem identificar diferenças, características específicas em
cada região representada em seu mapa. Essa ação indica uma forte
relação da análise e interpretação espacial da cidade por parte
desses estudantes, através de uma perspectiva mais geográfica.
Nesse sentido, a atividade 3.2 do mapa mental permitiu uma reflexão dos estudantes para as questões da organização, da estrutura, da função e da atual configuração da cidade, e que se tornaram
visíveis ao produzir esses esboços cartográficos.

5. Os mapas mentais da atividade 3.2 serão analisados com maior abrangência na
seção "Problemas urbanos", deste capítulo. No entanto, consideramos necessário inserir alguns exemplos dessas representações nesta parte do capítulo, por
entendermos que os bairros são observados, também, pelas suas diferenças,
sejam elas sociais, econômicas, de infraestrutura, etc.

158

DENIS RICHTER

Figura 18 ­ Mapas mentais da atividade 3.2, que pretende a delimitação
de alguns bairros da cidade para destacar os problemas urbanos selecionados pelos alunos

159

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Em outra observação mais específica, ao analisarmos a indicação dos bairros na produção da atividade 3.1 dos mapas mentais,
que propunha a representação do trajeto casa-escola, encontramos
uma situação muito interessante, quando houve uma diminuição
na presença desse elemento espacial nas representações cartográficas dos alunos. Nesse caso, ao produzir os esboços cartográficos
seria fundamental que os alunos inserissem, no conjunto das informações presentes no mapa, a identificação e a localização de alguns
bairros da cidade, com o objetivo de contribuir para a leitura espacial desse trajeto. A Tabela 2 expressa o número reduzido de mapas
mentais que utilizaram a localização/indicação do bairro para colaborar no percurso casa-escola.
Tabela 2 ­ Localização dos bairros no mapa mental 3.1

Número de ocorrências/Porcentagem sobre o total

AEPa

AEPu

2/6,4%

4/12,5%

Fonte: Trabalho de campo, ago.-nov. 2008. Richter, D. (Org.), 2010.

O fato de que poucos alunos inseriram os bairros na construção
das representações do trajeto casa-escola sinaliza uma questão preocupante. Em nossa análise, esse elemento espacial, integrante da
estrutura e da organização urbana, é essencial para ajudar na localização da cidade. Numa relação com o desenvolvimento dos conceitos
científicos, argumentado por Vigotski (2000), os bairros podem ser
interpretados como um saber sistematizado, ou seja, um produto da
sociedade. Assim, a compreensão e a delimitação do bairro no espaço
urbano, por parte do aluno, estão diretamente relacionadas ao processo de formação dos conceitos científicos sobre os espontâneos.
Para que isso ocorra, torna-se fundamental que o professor de Geografia provoque leituras ou análises do espaço aos estudantes para
que façam uso dos bairros como áreas específicas da cidade e que
contribuam para entender as dinâmicas que existem nesse espaço.

160

DENIS RICHTER

É no conjunto com as demais informações que o bairro, como
elemento espacial da estrutura da cidade, apresenta relevância.
Porém, a sua localização no espaço urbano já antecipa que a
observação dos alunos sobre a paisagem é capaz de diferenciar ou
selecionar. Santos (1988, p.62) nos explica que:
A dimensão da paisagem é a dimensão da percepção, o que chega
aos sentidos. Por isso, o aparelho cognitivo tem importância crucial
nessa apreensão, pelo fato de que toda nossa educação, formal ou
informal, é feita de forma seletiva, pessoas diferentes apresentam
diversas versões do mesmo fato. Por exemplo, coisas que um arquiteto, um artista veem, outros não podem ver ou o fazem de
maneira distinta. Isso é válido, também, para profissionais com diferente formação e para o homem comum.

Mais adiante, esse mesmo autor esclarece que é importante reconhecer que a percepção não é o conhecimento, pois representa
apenas o estágio inicial da interpretação de uma paisagem. A percepção corre o risco de se tornar a aparência. Por isso, complementa:
A percepção é sempre um processo seletivo de apreensão. Se a realidade é apenas uma, cada pessoa a vê de forma diferenciada; dessa
forma, a visão pelo homem das coisas materiais é sempre deformada. Nossa tarefa é a de ultrapassar a paisagem como aspecto,
para chegar ao seu significado. A percepção não é ainda o conhecimento, que depende de sua interpretação e esta será tanto mais válida quanto mais limitarmos o risco de tomar por verdadeiro o que
é só aparência. (Santos, 1988, p.62)

Para superarmos essa aparência apontada pelo autor, os outros
elementos do espaço, como vias, marcos, pontos nodais e limites
são fundamentais para ampliar a análise a respeito da estrutura e da
legibilidade do espaço. Além disso, os mapas mentais produzidos
devem fazer parte das aulas de Geografia, a partir de atividades de

161

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

leitura que explorem e interpretem as informações contidas nessas
representações. Nesse caso, nem só o professor de Geografia pode
se tornar o usuário final desses esboços cartográficos, os próprios
alunos da classe colaboram para questionar, analisar e refletir sobre
o mapa. Ao seguir essas indicações, a percepção, que a princípio
pode prejudicar essa linguagem espacial, torna-se apenas uma leitura inicial, já que o contato com os conteúdos geográficos possibilita que os mapas mentais contribuam para a formação do raciocínio
geográfico.
c) Marcos

Cada indivíduo participante da cidade desenvolve leituras desse
espaço, seja a partir de suas experiências, das práticas cotidianas,
dos percursos realizados e/ou das paisagens observadas. Como
resultado dessas ações, os indivíduos buscam relacionar determinados lugares como pontos de referência para se localizar nos mais
diferentes espaços da cidade. Para Lynch (2006), esses locais
podem ser chamados de marcos, que são referências espaciais, por
exemplo: edifícios, lojas, placas indicativas, estátuas, praças, etc.
Esses marcos são provenientes das escolhas dos citadinos, que
identificam diferenças, singularidades e especificidades em determinados locais para indicá-los como referência na localização das
inúmeras áreas da cidade. O uso constante e compartilhado desses
marcos faz com que as pessoas confiem na indicação de alguns
objetos espaciais para se deslocar dentro da cidade, como guias. Os
marcos são totalmente suscetíveis aos processos de transformação
do espaço, ou seja, dependendo das práticas culturais, econômicas
ou sociais, até mesmo da ação do tempo, alguns marcos se tornam
mais importantes que outros. Portanto, a indicação de um marco
pode mudar de acordo com as alterações que ocorrem no espaço
urbano, por exemplo. Lynch (2006, p.88) contribui dizendo que:
[...] o uso de marcos implica a escolha de um elemento dentre um
conjunto de possibilidades, a principal característica física dessa

162

DENIS RICHTER

classe é a singularidade, algum aspecto que seja único ou memorável no contexto. Os marcos se tornam mais fáceis de identificar e
mais passíveis de ser escolhidos por sua importância quando possuem uma forma clara, isto é, se contrastam com seu plano de
fundo e se existe alguma proeminência em termos de sua localização espacial.

De acordo com essas orientações de como reconhecer um marco
presente na descrição ou leitura que os indivíduos fazem sobre a
paisagem, pudemos identificar, na análise dos mapas mentais da
atividade 1, os principais marcos6 selecionados pelos alunos de ambas as escolas, a saber: Estátua do Cristo (av. Manoel Goulart), Catedral de São Sebastião, Prundenshopping, Muffato Max, Museu
Municipal, Fonte (Praça 9 de Julho) e Estádio "Prudentão".
Além de servir como objetos que colaboram para a localização
dos percursos realizados na cidade, esses marcos podem ser interpretados de acordo com suas funções, que são estabelecidas conforme as práticas sociais, econômicas e/ou culturais. Sendo assim,
observamos que em determinadas áreas da cidade a dinâmica do
tempo se tornou um importante contexto para valorizar um marco.
Isso ficou evidente nas proximidades do cruzamento das avenidas
Manoel Goulart e Washinton Luiz, que foram amplamente representadas nos mapas mentais dos alunos, tendo como destaque
(marcos) três elementos bem específicos, o Prudenshopping, o
Museu Municipal e o Muffato Max (ver Figura 19).
A relação com o tempo, nesse exemplo, encontra-se no fato de
que o Museu é o prédio mais antigo nessa região e que, mesmo
assim, apresentou os menores índices na seleção dos marcos definidos pelos estudantes (tanto da escola particular como da pública),
ao passo que os dois espaços considerados mais novos e, principalmente, relacionados às atividades de comércio (consumo) como o
6. Mesmo havendo outros marcos destacados pelos alunos em seus mapas mentais, preferimos analisar os marcos que apresentaram maior número de ocorrências.

163

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Prudenshopping e o Muffato Max, foram os locais mais destacados
pelos alunos como referência de localização nessa área da cidade. A
Figura 19 evidencia esses fatos na construção dos esboços cartográficos dos alunos.

Figura 19 ­ Mapas mentais da atividade 1, com destaque para a localização dos marcos: Museu, Prudenshopping e o "Novo" Muffato

164

DENIS RICHTER

Podemos destacar, também, que no momento em que o trabalho de campo dessa pesquisa foi realizado (agosto-novembro de
2008), o prédio do hipermercado do Muffato Max estava em construção. Entretanto, uma placa sinalizando o futuro empreendimento e a movimentação das obras no local foram suficientes para
tornar esse espaço um elemento representativo aos alunos.
Esse contexto pode servir para o professor de Geografia explicar
aos alunos como os lugares são suscetíveis aos processos econômicos que interferem e alteram significativamente a paisagem
(produção do espaço), podendo até influenciar diretamente na leitura individual e coletiva de um determinado espaço, como o que
ocorreu na análise dos mapas mentais.
Como amostragem dos marcos, a Figura 20 apresenta objetos
espaciais bem conhecidos em Presidente Prudente e que foram utilizados por diversos alunos ao produzir os mapas mentais. Por exem
plo, um marco que está muito associado à região Oeste da avenida
Manoel Goulart é a estátua do Cristo, que serve como ponto de referência para quem se dirige aos bairros dessa zona da cidade, como
Monte Alto, Cecap, Ana Jacinta, entre outros.
À medida que identificamos mais elementos e objetos nos
mapas mentais dos alunos, aumentamos a complexidade presente
nessas representações. De uma perspectiva mais simplista, como
desenhos livres, por exemplo, os esboços cartográficos tendo a contribuição da análise das vias, bairros e marcos possibilitam o reconhecimento de informações e leituras dos estudantes originadas de
suas práticas cotidianas e, em alguns casos, de reflexões mais geográficas sobre a realidade. Nesse processo, a paisagem do espaço
urbano se torna um objeto mais didático e passível de inúmeras interpretações, como afirma Santos (1988):
Por essa razão, a paisagem urbana é mais heterogênea, já que a cidade abarca diversos tipos e níveis de produção. Cada instrumento de trabalho tem uma localização específica, que obedece à
lógica da produção [...], e é por isso que o espaço é usado de forma
desordenada. (Santos, 1985, p.66)

165

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 20 ­ Mapa mental da atividade 1, com destaque para a localização
da estátua de Cristo, como referência espacial para o bairro Jardim Monte
Alto.

d) Pontos nodais

Na organização da estrutura urbana da cidade, as ruas e as avenidas permitem, além do deslocamento dos indivíduos, a formação
de conexões/convergências que se tornam importantes locais de
passagem. Lynch (2006) identifica esses lugares como pontos nodais que, muitas vezes, sintetizam determinados espaços da cidade,
como um parque, um cruzamento importante entre ruas, as rotatórias, entre outros. Há casos em que os pontos nodais são estabe
lecidos por grupos específicos de pessoas, que utilizam um dado
percurso e que, por isso, fazem uso de conexões muito particulares.
O ponto nodal não está presente somente no interior do espaço
urbano, é possível pensarmos nessa conexão em diferentes escalas
geográficas. De acordo com Lynch (2006), a própria cidade pode
ser considerada um ponto nodal, dependendo da relação com outros espaços. Por exemplo, a cidade de São Paulo é um ponto nodal
do sistema aéreo nacional, já que concentra inúmeros voos provenientes de diversas regiões do país. Assim, o aeroporto se torna o

166

DENIS RICHTER

espaço de conexão (ou, como referência, a própria cidade de São
Paulo), o lugar de passagem dos indivíduos, fazendo com que o
aeroporto não seja somente um local, mas o meio pelo qual se pode
ir de um lugar para outro. Entretanto, como o nosso objeto de estudo e de representação espacial refere-se à cidade de Presidente
Prudente, os principais pontos nodais destacados pelos alunos na
produção dos mapas mentais (atividade 1) foram os seguintes: escola, rotatórias, pontos de ônibus, Calçadão (rua Tenente Nicolau
Maffei) e Parque do Povo.
Dentre esses pontos nodais apresentados cabe a explicação de algumas escolhas na análise dos mapas mentais dos alunos. Como foi
dito anteriormente, dependendo de um grupo específico de indivíduos, os pontos nodais se tornam "reflexos" das práticas sociais,
como é o caso da "escola" ou do "ponto de ônibus". Pudemos observar que, na construção dos esboços cartográficos, muitos alunos
representaram a sua escola por entender que esse espaço é um local
de encontro, de convergência, já que todos os alunos se dirigem diariamente para esse espaço. Além disso, identificamos que, ao representar o prédio da escola nos mapas, grande parte dos estudantes
teve o cuidado de apresentar os espaços internos e não somente a
fachada, como é mais comum para outros locais.
Esse fato foi fundamental para considerarmos a escola como um
ponto nodal e não um marco, já que esses dois elementos do espaço
podem ser facilmente confundidos. De acordo com Lynch (2006,
p.52), "os pontos nodais são pontos, lugares estratégicos de uma
cidade através dos quais o observador pode entrar, são focos intensivos para os quais ou a partir dos quais ele se locomove" (grifo nosso).
Ao fazermos um paralelo com a escola, os alunos têm possibilidade
de entrar no prédio da escola, percorrem suas dependências internas, o pátio, etc., e se deslocam, praticamente, todos os dias para
esse local. Essas características levantadas se tornaram muito aparentes nos mapas mentais dos estudantes, como pode ser observado
na Figura 21.

167

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 21 ­ Mapas mentais da atividade 1, que apresenta a escola como
ponto nodal.

168

DENIS RICHTER

Já o ponto de ônibus é o lugar que dá acesso ao sistema de transporte público urbano e para utilizá-lo é necessário que o indivíduo
esteja num desses pontos para se deslocar. Por isso, a sua representação nos mapas mentais foi marcante, principalmente pelos AEPu,
que utilizam muito o ônibus como meio de transporte. Na Figura
22 são apresentados dois mapas mentais que expressam a impor
tância do ponto de ônibus nas práticas cotidianas dos alunos.

Figura 22 ­ Mapa mental da atividade 1, com destaque para a localização
do ponto de ônibus como ponto nodal

169

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Outro ponto nodal que pôde ser identificado na produção dos
mapas mentais dos alunos foi a rua Nicolau Maffei, na região central da cidade, conhecida como Calçadão por ser exclusivamente
para o trânsito dos pedestres. Essa rua faz a ligação entre dois locais
estratégicos para o transporte público urbano, que são as paradas
de ônibus da praça 9 de Julho e da praça da Bandeira. Assim, a extensão do Calçadão se transforma numa via de acesso, numa conexão, que se destaca na leitura espacial dos alunos sobre a cidade
com o reconhecimento de lojas e edifícios que se localizam ao longo
desse percurso (ver Figura 23). Novamente, as práticas cotidianas
interferem diretamente na interpretação do espaço, selecionando
áreas específicas de acordo com o uso social realizado pelos indivíduos.

Figura 23 ­ Mapa mental da atividade 1, com destaque para a representação do Calçadão como ponto nodal no centro da cidade.

A análise mais atenta dos objetos representados pelos alunos na
construção de seus mapas mentais, aqui destacados como pontos
nodais ou marcos, pode ser relacionada ao que Santos (2005) destaca da observação das práticas sociais pela representação de ob-

170

DENIS RICHTER

jetos/lugares específicos, sendo estes carregados de significados
culturais, econômicos, sociais, etc. Dessa forma, a própria repetição desses objetos por um determinado grupo de pessoas, que
compartilham o mesmo espaço num dado tempo, nos possibilita a
verificação da ocorrência da totalidade. Para esse autor, um salto
qualitativo no estudo das sociedades está em compreender que o
espaço não é um mero reflexo das práticas sociais, mas um elemento que é resultado e, ao mesmo tempo, provoca modificações
na realidade. Seja ela compreendida na sua totalidade ou na especificidade do próprio lugar.
Nesse sentido, ao estudarmos um determinado espaço (geográfico), se observarmos as práticas realizadas no decorrer de um período, as ações que se repetem demonstram como a influência da
totalidade, de estruturas superiores, suas funções, se sobrepõem
aos diversos espaços, que (in)diretamente refletem a própria realidade. Isso quer dizer que "a cada momento a totalidade existe
como uma realidade concreta e está ao mesmo tempo em processo
de transformação. A evolução jamais termina. O fato acabado é
pura ilusão" (Santos, 2005, p.45).
A contribuição dessas leituras teóricas nos ajudam a integrar os
marcos e os pontos nodais aos estudos da Geografia. É por esse viés
que o professor dessa disciplina escolar pode analisar a presença
desses elementos espaciais nas representações cartográficas dos
alunos. Os diferentes contextos que são responsáveis por definir os
marcos e os pontos nodais na leitura da paisagem dos indivíduos
necessitam incorporar as explicações sobre a produção do espaço.
Desse modo, a análise mais simplista de observar os mapas mentais
como "espelho" da realidade é superada pela conquista da complexidade, participando mais ativamente do processo cognitivo do ensino de Geografia.
e) Limites

Na atividade de interpretação do espaço pelos indivíduos, uma
importante observação refere-se ao reconhecimento das diferenças

171

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

que existem na sociedade. Essas diferenças estão espacializadas,
delimitadas por áreas ou regiões que podem ser mapeadas na construção dos mapas mentais. Portanto, as singularidades, as particularidades, as especificidades presentes na realidade possuem limites
e sua identificação possibilita uma análise mais aprofundada do
espaço e de seus processos de transformação. Entretanto, a demarcação dos limites não pode ser pensada de maneira rígida, inflexível, pois as diferenças são totalmente condicionadas pelas mudanças
que ocorrem na sociedade, seja pela ação do tempo ou do espaço.
Para Lynch (2006, p.71), "é preciso não perder de vista a capacidade
de ruptura de um limite", e avança ao dizer: "enquanto a continuidade e a visibilidade são cruciais, os limites fortes não são necessariamente impenetráveis. Muitos limites são uma costura, muito
mais barreiras que isolam [...]".
Com base nessas considerações, podemos reconhecer que os limites tornam-se visíveis aos "olhos" do seu observador quando há
uma mudança perceptível no espaço. Para isso, o indivíduo representa o limite para sinalizar as diferenças presentes no espaço como
elementos de separação/divisão, que podem ser: muros, ferrovias,
rios, rodovias, áreas vazias ou em construção, o perímetro entre os
espaços urbano e rural, etc. Essa identificação dos limites nos remete às questões levantadas por Vigotski (2000), quando indica
que, com o processo do desenvolvimento cognitivo do indivíduo, a
observação sobre os elementos que compõem o meio começam a se
diferenciar à medida que são incorporadas leituras mais científicas
da realidade.
Para exemplificar, podemos destacar as particularidades entre
os bairros pela sua configuração socioeconômica, ou seja, os bairros
de classe média em relação aos bairros populares, sendo estes últimos, na maioria dos casos, local de moradia da população de baixa
renda. Na perspectiva de Vigotski (2000), para um aluno que não
estudou ou não teve contato com uma análise mais econômica da
sociedade, as diferenças entre esses dois bairros são mínimas, pois
nos dois casos existem casas, residências, construções, ruas, etc.
Assim, de forma bem simplista, muitos limites acabam por não

172

DENIS RICHTER

existir para alguns indivíduos. Entretanto, com a formação dos
conceitos científicos na escola ou no próprio contato com seus
pares (conceitos espontâneos), o aluno tem possibilidade de identificar com maior acuidade as características existentes entre os lugares. Ao observarmos os mapas mentais produzidos pelos alunos,
verificamos que o processo de desenvolvimento cognitivo do indivíduo fez com que os bairros, por exemplo, se tornassem espaços
com elementos e características específicos, contexto que possibilitou a sua delimitação/seleção a partir dos objetos que compõem
esse espaço.
Em uma análise geral dos mapas mentais (atividade 1) produzidos pelos alunos, tendo como objetivo identificar os limites destacados/representados, encontramos a configuração mostrada pela
Tabela 3.
Tabela 3 ­ Limites representados pelos alunos no mapa mental 1*
Limites

AEPa

AEPu

Perímetro do bairro

6/20%

5/16,1%

Rio/córrego

2/6,6%

4/12,9%

Perímetro urbano

1/3,3%

4/12,9%

Linha do trem (ferrovia)

2/6,6%

0

Rodovia Raposo Tavares

1/3,3%

1/3,2%

(*) Dados apresentados por número de ocorrências/porcentagem sobre o total.
Fonte: Trabalho de campo, ago.-nov. 2008. Richter, D. (Org.), 2010.

Mesmo sendo considerada fundamental a presença do limite para
realizar uma leitura mais apurada sobre a cidade, observamos na Tabela 3 que poucos alunos tiveram o cuidado de registrar os limites
que fazem parte do espaço urbano. Consideramos esse fato preocupante, porque os autores dos mapas eram alunos do último ano do

173

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

ensino médio e, portanto, esperava-se que apresentassem uma interpretação mais crítica do espaço geográfico. Mais uma vez, o trabalho
do professor de Geografia é imprescindível para formar nos estudantes um "olhar" mais atento às questões espaciais.
O mapa mental apresentado na Figura 24 nos permite observar
alguns exemplos de limites selecionados pelo AEPa 20, como a
linha ferroviária (identificado no mapa pela letra "A"), que se
tornou uma "barreira" para o crescimento urbano da cidade de
Presidente Prudente; pelo bairro Ana Jacinta ("B"), que se encontra distante das demais áreas da cidade (há vazios urbanos ­
áreas com pequenas propriedades rurais ­ no percurso até esse
bairro); e na localização da rodovia Raposo Tavares ("C"), que representa outro limite na organização e expansão da cidade.

Figura 24 ­ Mapa mental da atividade 1, com destaque para os limites da
cidade representados pelo aluno.

Os limites presentes na construção do mapa mental apresentado na Figura 24 indicam a importância desse elemento espacial
na leitura e interpretação mais geográfica da paisagem, principal-

174

DENIS RICHTER

mente por relacionar essa análise com o processo de desenvolvimento do raciocínio geográfico. Assim, para que o aluno possa
compreender os diferentes contextos e fenômenos que interferem
no espaço, torna-se fundamental a contribuição dos conteúdos e
saberes da Geografia. Nesse sentido, como a proposta de atividade
3.2 de construção de mapas mentais solicitava aos estudantes um
"olhar" mais atento sobre os problemas urbanos, imaginávamos
que, nesse caso, os limites estariam mais evidentes aos alunos na
produção dos esboços cartográficos. Entretanto, a realidade encontrada no conjunto desses mapas foi completamente diferente (Tabela 4).
Tabela 4 ­ Limites representados pelos alunos no mapa mental 3.2*
Limites

AEPa

AEPu

Perímetro do bairro

9/33,3%

7/22,5%

Rio/córrego

3/11,1%

9/29%

0

1/3,2%

Linha do trem (ferrovia)

1/3,7%

1/3,2%

Rodovia Raposo Tavares

0

0

Perímetro urbano

(*) Dados apresentados por número de ocorrências/porcentagem sobre o
total.
Fonte: Trabalho de campo, ago.-nov. 2008. Richter, D. (Org.), 2010.

Mais uma vez, observamos que a análise geográfica dos alunos
em relação à cidade necessita de uma reflexão mais apurada sobre
os inúmeros processos que interferem na produção do espaço. De
posse dessa informação, o professor pode propor algumas atividades aos alunos que contribuam para a formação de uma leitura
mais crítica da cidade, por exemplo. É fundamental que o ensino de
Geografia possibilite aos indivíduos o reconhecimento das dife-

175

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

renças presentes na sociedade, tanto na identificação/seleção como
na compreensão dos fenômenos.
A Figura 25 nos ajuda a entender as questões sociais existentes
na cidade, ao expressar as diferenças/limites entre dois bairros.
Nesse caso, o aluno conseguiu, além de identificar a divisão de dois
bairros distintos (Humberto Salvador e Centro), reconhecer um
problema de ordem socioeconômica que cada lugar apresenta e que
acaba por distingui-los. Podemos observar uma leitura de conceitos científicos presentes na representação desse mapa mental.

Figura 25 ­ Mapa mental da atividade 3.2, com destaque para os limites e
as diferenças entre os bairros da cidade

Portanto, os elementos do espaço selecionados por Lynch
(2006) ­ vias, bairros, marcos, pontos nodais e limites ­ presentes no
processo de leitura da paisagem e de construção da representação
espacial devem ser pensados para além da tarefa de mensuração. A
contribuição desses elementos para a análise das produções cartográficas dos alunos está em reconhecer como o espaço é interpre-

176

DENIS RICHTER

tado com base nas experiências cotidianas e como essas leituras
podem servir ao professor para relacioná-las com os conteúdos
geográficos ensinados em sala de aula.
Ao pensarmos no conjunto dessas informações presentes nos
mapas mentais, a linguagem cartográfica possibilita uma reflexão
mais apurada sobre a produção do espaço. Pois, segundo Santos
(1988, p.64),
A produção do espaço é resultado da ação dos homens agindo sobre
o próprio espaço, através dos objetos, naturais e artificiais. Cada
tipo de paisagem é a reprodução de níveis diferentes de forças produtivas, materiais e imateriais, pois o conhecimento também faz
parte do rol das forças produtivas.

Todavia, se a paisagem contribui para a compreensão do espaço
e, ao mesmo tempo, como objeto de análise para a produção dos
esboços cartográficos, torna-se fundamental aproximarmos essa
categoria espacial do processo de desenvolvimento do raciocínio geográfico e do conceito de legibilidade, como é proposto neste capítulo.
A identificação do raciocínio geográfico ocorrerá no momento em
que o aluno cruzar as informações presentes na realidade com as
leituras mais científicas, provenientes dos conteúdos geográficos,
que ajudam a explicar determinados fenômenos e contextos que
ocorrem no espaço, enquanto a legibilidade está vinculada ao reconhecimento dos elementos espaciais (vias, bairros, marcos, pontos
nodais e limites) que colaboram na construção da própria imagem
da paisagem realizada pelo indivíduo. Assim, tendo essas premissas
no processo de interpretação do espaço, podemos relacionar a produção dos mapas mentais com o conceito de lugar, principalmente
por entendermos que as experiências do cotidiano se desvelam na
análise mais criteriosa e atenta do espaço e que a produção desse espaço é resultado de processos globais e locais. Ou, como nos indica
Santos (2006, p.114):

177

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

[...] o papel do lugar é determinante. Ele não é apenas um quadro
da vida, mas um espaço vivido, isto é, de experiência sempre renovada, o que permite, ao mesmo tempo, a reavaliação das heranças e
a indagação sobre o presente e o futuro. A existência naquele espaço
exerce um papel revelador sobre o mundo.

São essas questões que pretendemos trabalhar nos próximos
itens, desde a relação do lugar com os elementos da função e do
processo, presentes no espaço geográfico, até o uso de linguagens
específicas que auxiliam na interpretação da paisagem, que nesse
caso refere-se à Cartografia.
Problemas urbanos ­ processo de globalização

Quando propusemos aos alunos uma reflexão sobre os problemas urbanos e o processo de globalização que ocorrem e se
tornam visíveis na cidade de Presidente Prudente (atividade de
mapa mental 3.2 e 3.3, respectivamente), nosso objetivo era observar como os estudantes fariam a interpretação de fenômenos
presentes no cotidiano, muitas vezes tão próximos de sua vivência,
e como integrariam a essas leituras os conteúdos geográficos ensinados em sala de aula ao longo da sua formação escolar.
Essa abordagem vai ao encontro das ideias de Santos (1985),
quando ele diz que a análise mais apurada/crítica sobre o espaço
ocorre no momento em que relacionamos os elementos/contextos
abstratos com a produção e a configuração dos diferentes lugares.
Quando analisamos um dado espaço, se nós cogitamos apenas
dos seus elementos, da natureza desses elementos ou das possíveis classes desses elementos, não ultrapassamos o domínio da
abstração. É somente a relação que existe entre as coisas que nos
permite realmente conhecê-las e defini-las. Fatos isolados são
abstrações e o que lhes dá concretude é a relação que mantêm
entre si. (Santos, 1985, p.14)

178

DENIS RICHTER

De acordo com esses apontamentos, se o trabalho de interpre
tação dos mapas mentais fosse proposto somente até a análise da área
geográfica, vias, bairros, marcos, pontos nodais e limites, estaríamos
desenvolvendo uma reflexão muito limitada sobre as representações
cartográficas, pois não seriam integrados os processos que são responsáveis pela produção do espaço. Por isso, além de reconhecer a
importância das reflexões sobre a legibilidade, forma e estrutura, são
valorizados, nesse momento, outras duas categorias fundamentais
para a compreensão do espaço, segundo Santos (1985), que são a função e o processo.
Ao tomarmos essa atitude estamos reconhecendo o quão importante é analisar o espaço por meio de todos os seus elementos. En
tretanto, não queremos com isso estabelecer leituras estanques entre
as categorias, onde cada uma seria responsável por somente uma
abordagem no trabalho de análise dos mapas mentais. Mais uma vez,
as contribuições de Santos (1985, p.52) são pertinentes ao dizer que:
Em outras palavras, forma, função, processo e estrutura devem ser
estudados concomitantemente e vistos na maneira como interagem
para criar e moldar o espaço através do tempo. A descrição não
pode negligenciar nenhum dos componentes de uma situação. Só
se pode compreender plenamente cada um deles na medida em que
funciona no interior da estrutura total, e esta, na qualidade de uma
complexa rede de interações, é maior que a mera composição das
partes. Em terceiro lugar, em sua configuração tais componentes
nem são estáticos nem limitados em seu crescimento.

Para superar essa ideia de que se está fragmentando forma, estrutura, função e processo no trabalho de análise dos mapas mentais, nossa proposta dá um enfoque ao espaço urbano, como escala
de análise dos fenômenos e contextos que interferem na organização da sociedade. Isso não quer dizer que somente a cidade pode
ser utilizada como recorte espacial para o desenvolvimento de práticas de construção dos esboços cartográficos. Significa que a ci-

179

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

dade é um exemplo didático e que permite uma leitura mais direta
do aluno, por conviver e participar desse espaço diariamente.
Assim, a contribuição da Geografia está no processo de redefinir a
compreensão dos mais diferentes lugares, permitindo que o aluno
construa novas interpretações sobre a cidade, que possa identificar
contextos singulares e/ou plurais responsáveis pela produção
desse espaço e, principalmente, que o estudante consiga relacionar
a cidade com outros espaços, em diferentes escalas geográficas.
Ao utilizarmos essas categorias do espaço no trabalho de análise
e interpretação dos mapas mentais, temos a possibilidade de ampliar a compreensão do aluno em referência às categorias basilares
da Geografia, conforme indica Moreira (2007). Esse autor destaca
a significativa contribuição da paisagem, do território e do espaço
(geográfico) no processo científico da Geografia.
Para Moreira (2007), nos estudos da Geografia, as três principais
categorias são paisagem, território e espaço. Essas três categorias se
justificam pelos seguintes motivos: paisagem, por integrar ao mesmo
tempo a imagem e a fala (observação e análise de um determinado
lugar); território, a paisagem está espacializada/delimitada num determinado lugar e concorda com a ideia de representação do mundo;
e espaço, que integra as duas anteriores para organizar e mobilizar a
compreensão dessas categorias num dado espaço do mundo, tendo
assim possibilidade de categorizá-las.
Do ponto de vista da representação, tudo começa na categoria da
paisagem, mas se explica na categoria do espaço mediada na categoria do território. Interpretando a forma de relação entre elas [...]
vai-se do espaço para o território e por meio deste chega-se à paisagem. Mas depois faz-se o inverso: vai-se da paisagem ao território e deste chega-se ao espaço. Por outro lado, o entrelaçamento
em cadeia dessas três categorias, sempre com a centralidade na
categoria do espaço, dá também a fórmula geográfica para a leitura da relação entre as categorias do meio ambiente e do espaço.
Ao se exprimir como espaço através dos princípios lógicos da localização e da distribuição [...], o meio ambiente se organiza espa-

180

DENIS RICHTER

cialmente, organizando a sociedade ambientalmente. (Moreira,
2007, p.116)

A partir do movimento dessa "cadeia" de categorias, destacada
por Moreira (2007), podemos sinalizar o lugar como a área geográfica, já que o mesmo deve ser interpretado como algo inacabado e
que está em constante processo de transformação. Para isso, o olhar
sobre a paisagem é fundamental para identificar os elementos e os
objetos que compõem o meio. Desse modo, o vivido é levado para a
condição do concebido, por meio dos esboços cartográficos dos
alunos, que transpõem as leituras e as análises sobre os lugares para
o campo das representações. Assim, a realidade, que a princípio
parece uma só, começa ser observada a partir das diferenças, dos
contrastes, das divisões, das contradições, dos limites. Com base
nesses fatos, temos possibilidade de evidenciar a formação do território, que de acordo com Souza (2005, p.81):
[...] pode ser entendido também à escala nacional e em associação
com o Estado como grande [...]. No entanto, ele não precisa e nem
deve ser reduzido a essa escala ou associação com a figura do Estado. Territórios existem e são construídos (e desconstruídos) nas
mais diversas escalas, da mais acanhada (p. ex., uma rua) à internacional [...]; territórios são construídos (e desconstruídos) dentro de
escalas temporais as mais diferentes: séculos, décadas, anos, meses
ou dias; territórios podem ter um caráter permanente, mas também
podem ter uma existência periódica, cíclica.

Além disso, esse mesmo autor nos indica que o território está
relacionado ao uso humano do espaço, que estabelece controle, que
detém poder em uma determinada área e, por isso, permite o processo de transformação do meio.
Assim, o espaço se configura como o conjunto, a integração
dessas leituras, ou no processo cognitivo como a formação do raciocínio geográfico ao superar a leitura do senso comum, dos conceitos
espontâneos, para a compreensão mais sistematizada da realidade,

181

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

dos conceitos científicos (Vigotski, 2000). Por fim, é importante
recordarmos que o uso das linguagens de comunicação, como é o
caso do mapa, pode ser compartilhado com os demais indivíduos
para que as análises sejam ampliadas e provoquem novas reflexões
sobre o espaço estudado.
De acordo com essas considerações é que se faz necessário recorrermos às categorias do espaço: função e processo. Quando cada
lugar é definido por suas ações, que o caracterizam e dão forma aos
contextos presentes na realidade. Sendo assim, a função será observada na produção dos diferentes lugares/espaços da cidade que são
transformados/modificados a partir dos processos vigentes. Concomitantemente, a interferência da dinâmica do tempo sobre os espaços contribui para o desenvolvimento de inúmeras funções para
que atendam às necessidades da sociedade num determinado estágio. Essas funções podem ser analisadas ao reconhecer os papéis
que cada lugar representa para as práticas sociais.
No caso do processo, podemos pensar no sistema capitalista,
que influencia fortemente a produção dos espaços nas últimas décadas. Assim, a cidade de Presidente Prudente se insere nessa
área de influência e apresenta espaços e configurações que são resultados desse sistema econômico. Num estágio mais avançado,
podemos relacionar as ações do processo de globalização como
elemento característico do capitalismo.
Com base nesses apontamentos, os mapas mentais produzidos
pelos alunos se tornam bons exemplos para expressar as categorias
de função e processo presentes na organização e produção da cidade.
a) Problemas urbanos

Ao provocarmos nos alunos uma leitura espacial mais atenta
para a cidade, a partir da produção de todos os mapas mentais apresentados no trabalho de campo, nossa proposta era fazer com que
os estudantes identificassem no espaço urbano a contribuição dos
saberes científicos desenvolvidos na escola. Em outras palavras, o
conhecimento e os conteúdos geográficos deveriam colaborar para

182

DENIS RICHTER

compreender os diferentes processos e configurações espaciais presentes na cidade. Para realizar essa análise, além de uma observação
geral da cidade ou do percurso casa-escola, que foram as atividades
1 e 3.1 de construção de mapas mentais, era preciso questionar os
alunos sobre os contextos e os fenômenos que interferem na produção da cidade, entendidos aqui como os problemas/questões urbanos.
A perspectiva de utilizarmos a cidade como área de análise
concorda com as contribuições de Callai (2003), Cavalcanti (2006),
Carlos (2007) e Callai et al. (2007), que destacam o meio urbano
como um espaço e um exemplo muito didático para explicar as
múltiplas interferências dos processos globais sobre os locais e
vice-versa. Além disso, a cidade incorpora elementos sociais, políticos, culturais, econômicos e ambientais-naturais que, mesmo não
sendo exclusivos desse local, possibilitam ao aluno uma reflexão
ampla e específica para conhecer os diferentes contextos que são
responsáveis pela transformação e produção da cidade. É importante esclarecermos, ainda, que, para muitos estudantes, a cidade
se apresenta de forma pronta e acabada, fato que impede, muitas
vezes, de compreender como a atual configuração do espaço urbano se constituiu ao longo do tempo e quais são os processos responsáveis pela sua organização.
Para Carlos (2007, p.83), a cidade significa:
[...] o lugar dos conflitos permanentes e sempre renovados, lugar
do silêncio e dos gritos, expressão da vida e da morte, da emergência dos desejos e das coações, onde o sujeito se encontra porque
se reconhece nas fachadas, nos tijolos ou, simplesmente porque se
perde nas formas sempre tão fluidas e móveis.

Dada essa miscelânea de contextos que estão presentes no espaço urbano, os alunos podem realizar leituras provenientes da integração/associação com os diversos conteúdos trabalhados ao
longo das aulas de Geografia da educação básica, como as questões
ambientais/físico-naturais, a desigualdade social, os setores da

183

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

economia, a infraestrutura urbana, os espaços de consumo, etc.
Assim, de acordo com Cavalcanti (2007), a pertinência da cidade
como tema e objeto de ensino se instala na possibilidade de analisar
esse espaço como produto e processo das transformações espaciais
locais/globais. A cidade serve como exemplo das leituras de vivência dos próprios alunos e, também, como área geográfica para
compreender os diferentes fenômenos. Essa autora complementa
ao dizer que:
[...] a cidade é um lugar bastante complexo, de produção social, no
qual a identidade é vivida em fronteiras difusas, permeáveis, com
muitos espaços de contato, de resistências e de exclusão, em que há
manifestação de diferentes percepções, usos, culturas e aspirações
de distintos grupos, em seus espaços públicos e privados. (idem,
p.42)

Posto isso, temos condições de justificar a inclusão da atividade
3.2 na produção de mapas mentais, que solicitava aos alunos uma
observação mais atenta dos problemas que ocorrem na cidade.
Além do mais, é muito comum, no desenvolvimento do processo
de ensino-aprendizagem de Geografia no ensino médio, os conteúdos escolares se fixarem antes em temas relacionados aos espaços distantes ou processos de escala global do que trabalhar com
contextos mais locacionais, apesar de a própria Geografia e de as
Orientações Curriculares para o Ensino Médio (Brasil, 2006, p.51)
desconsiderarem essa prática.
Essa ação pode ocasionar uma interpretação, por parte dos
alunos, em valorizar e/ou possuir maior conhecimento sobre os fenômenos de escala planetária, regional ou nacional, do que desenvolver análises e leituras em relação à produção das cidades ou da
sua própria cidade de vivência. Para superar essa situação, podemos recuperar as ideias de Callai (2003), que propõe a cidade
como um exemplo do conceito de lugar por espacializar os fenômenos produzidos pela sociedade, a partir da materialização/concretude da estrutura e organização urbana. Essa pesquisadora nos

184

DENIS RICHTER

apresenta alguns apontamentos que salientam a importância do
lugar como espaço a ser estudado em sala de aula e indica a neces
sidade de procurar entender os diversos campos de poder que influenciam a própria construção do lugar.
A capacidade de compreensão do que o espaço geográfico representa para um povo, para uma sociedade, passa necessariamente
por se conseguir entender as lógicas que existem no lugar em que
vivemos, moramos, trabalhamos. [...] Fazer a leitura do espaço
próximo, aquele que materialmente faz parte de nosso dia a dia,
permite que se exercite esta leitura, o conhecimento e a compreensão do que está acontecendo. [...] No entanto não é o lugar em
si que importa compreender. Mas como as forças que ali existem
estabelecem o jogo que vai permitir o resultado da complexidade
da vida social. São forças decorrentes da natureza, do econômico,
do político, do cultural. (Callai, 2003, p.62-3)

Nesse sentido, é válido esclarecermos que o uso da cidade como
escala de análise na produção de mapas mentais nos possibilitou
conhecer que leituras geográficas os estudantes desenvolvem ao refletir sobre o espaço urbano, meio tão próximo de suas experiências
cotidianas e repleto de contradições que podem se tornar bons
exemplos para o estudo de conteúdos geográficos. Da mesma maneira que contribuiu para a pesquisa de Callai, Cavalcanti & Castellar (2007), que, mesmo não propondo a construção de esboços
cartográficos, puderam identificar os inúmeros contextos levantados por docentes e alunos em relação ao espaço urbano.
Sendo assim, de posse das representações espaciais produzidas
pelos estudantes, fizemos a primeira análise, buscando identificar
os problemas destacados pelos alunos, como pode ser observado na
Tabela 5 e no Gráfico 1.

185

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Tabela 5 ­ Problemas urbanos destacados pelos alunos no mapa mental
3.2*
Problemas urbanos

Desigualdade
social

desemprego

4

0

pobreza

4

2

concentração de renda

7

2

marginalidade/exclusão social/moradores
de rua

2

6

desigualdade social (geral)**

0

6

moradias irregulares/falta de moradias

8

4

1

1

16

11

vias (falta de sinalização, de asfalto)

0

4

furtos/roubo

2

6

tráfico de entorpecentes

8

4

poluição (dos rios, do ar)

9

8

canalização de rios

1

1

áreas de inundação

2

5

resíduos sólidos (lixo)

0

4

problemas ambientais (geral)**

4

0

prostituição

0

6

Infraestrutura falta/precariedade de equipamentos urbanos
urbana
trânsito (congestionamento)

Violência

Problemas
ambientais

Outros

AEPa AEPu

(*) Dados apresentados por número de ocorrências.
(**) Os problemas destacados não foram especificados pelos alunos.
Fonte: Trabalho de campo, ago.-nov. 2008. Richter, D. (Org.), 2010.

186

DENIS RICHTER

Gráfico 1 ­ Problemas urbanos destacados pelos alunosno mapa mental
3.2
Fonte: Trabalho de campo, ago.-nov. 2008. Richter, D. (Org.), 2010.

As informações contidas na Tabela 5 e no Gráfico 1 nos ajudam
a entender quais são as leituras espaciais que os alunos desenvolvem ao refletir sobre os fenômenos que atuam no espaço urbano e
quais problemas se tornam mais evidentes na interpretação desses
estudantes. Esses dados também servem para expressar um panorama, uma visão geral, das questões mais relevantes apontadas
pelos alunos em referência à cidade, a partir das análises dos es
boços cartográficos. Outra contribuição dessa atividade está relacionada ao ensino de Geografia. Sendo a cidade um espaço de interesse
para essa disciplina escolar, a identificação que os alunos fazem
dos problemas que afetam a organização e a estrutura urbana serve como um parâmetro para que o professor conheça se as leituras
produzidas são provenientes da contribuição dos conteúdos/sa
beres geográficos. A partir da identificação das análises, temos
condições de reconhecer a presença do raciocínio geográfico desenvolvido pelos alunos e que foi necessário para construir os mapas mentais.
É interessante salientar que, diferentemente das outras pro
postas de produção de mapas mentais, essa atividade apresentava
um objetivo, um tema, um determinado contexto que restringia a
leitura espacial do aluno para uma questão específica. Nesse caso,
os problemas urbanos eram o foco de análise dos estudantes. Eles
precisavam pensar sobre a cidade procurando identificar, reconhecer, localizar, espacializar e entender os fatos e as configurações

187

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

que são pertinentes ao tema apresentado. Por isso, no momento de
organizarmos a atividade 3.2, indicamos alguns problemas que os
alunos poderiam analisar no espaço urbano. No texto que acompanhava a atividade do mapa mental, foram sugeridas os seguintes
temas: moradia, ambiental, trânsito, violência, áreas de inundações,
desigualdade social, entre outros. Essa atitude pode ter influenciado
indiretamente na produção das representações cartográficas dos
alunos, temos consciência desse fato.
Entretanto, torna-se válido observar quais foram as leituras ou
análises produzidas pelos alunos para além do que foi solicitado na
proposta da atividade 3.2. Tendo clareza dessa perspectiva, temos
condições de identificar a ocorrência de uma cognição por parte dos
estudantes ao localizar determinadas questões na própria cidade.
Os problemas citados podem até ter restringido ou limitado a leitura dos alunos. Porém, mesmo assim foi necessário que os alunos
reconhecessem a localização, a espacialização ou a delimitação dos
fenômenos em determinadas áreas específicas. Desse modo, pudemos identificar a existência de uma leitura geográfica ou, principalmente, de um raciocínio geográfico dos alunos em referência à
atual configuração do espaço urbano, sendo este constituído por
diferentes arranjos espaciais que moldam e caracterizam a própria
cidade.
Um dos exemplos que podemos apresentar refere-se à menção
do tema "desigualdade social" presente na proposta da atividade
3.2. Nesse caso, os alunos identificaram cinco problemas relacionados a esse tema, que foram: desemprego, pobreza, concentração
de renda, moradores de rua e exclusão social, como pode ser observado na Tabela 5. E apenas seis alunos utilizaram o termo "desigualdade social" sem especificar o tipo de problema. Da mesma
forma, podemos observar essa situação no caso da "questão ambiental", que gerou a seleção de quatro problemas, ou no caso da
"violência", que apresentou dois itens. Esses exemplos citados revelam que houve uma autonomia por parte dos alunos ao analisarem determinados problemas do espaço urbano com diferentes
enfoques.

188

DENIS RICHTER

Portanto, reconhecemos que os problemas destacados pelos
alunos na produção dos mapas mentais indicam leituras mais aprofundadas da organização e produção da cidade, como também as
funções, as características estabelecidas por cada região/bairro ou
na interpretação dos diversos espaços da vivência. As represen
tações cartográficas contribuem para o desenvolvimento de con
teúdos específicos da Geografia, que precisa da relação com o
vivido para que o aluno compreenda como os saberes científicos se
fazem presentes na configuração da realidade, em sua concretude.
Para que possamos compreender melhor esses esboços cartográficos, serão apresentados a seguir exemplos de mapas mentais da
atividade 3.2 de acordo com os problemas urbanos destacados
pelos alunos.
Desigualdade social

De acordo com as interpretações de Carlos (2007) sobre a cidade,
esse espaço representa um exemplo muito válido para reconhecer e
estudar as diferenças produzidas pela sociedade. Diferentemente das
leituras iniciais que os alunos podem realizar, a cidade é formada por
elementos e contextos heterogêneos e plurais, que a caracterizam
como sendo complexa e, ao mesmo tempo, muito didática. Ao concordarmos com esses apontamentos, podemos identificar um problema muito saliente no espaço urbano, que se refere à produção da
desigualdade social.
Independente do tamanho da cidade, as diferenças sociais fazem
parte do contexto urbano, principalmente por vivermos no sistema
capitalista. Essas disparidades existentes entre uma região e outra
precisam ser reconhecidas pelos alunos ao analisar a cidade de sua
vivência, como também outras áreas urbanas e/ou rurais. Por isso,
ao observarmos os mapas mentais dos alunos, procuramos identificar as relações entre os diversos espaços destacados pelos estudantes. Ou seja, se estes conseguiram perceber e entender que a
produção de cada lugar possui relação com outros espaços, em diferentes escalas, e até mesmo dentro da própria cidade.

189

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Das diversas representações produzidas pelos estudantes, pudemos localizar esse contexto em alguns mapas mentais, como
pode ser observado nas Figuras 26, 27 e 28. Esses alunos, além de
identificarem os problemas de desigualdade social, fizeram destaques para as relações entre os bairros da cidade ou a própria produção das diferenças sociais. Nos dois mapas dos AEPa (Figuras
26 e 27), é notória a compreensão desses indivíduos das espacialização das desigualdades e, principalmente, dos espaços de moradia
e de trabalho de cada segmento social (da pobreza e da riqueza). A
organização dos mapas em zonas (Norte, Sul, Leste e Oeste) expressam a compreensão da organização do espaço urbano carregado de diferenças.

Figura 26 ­ Mapa mental da atividade 3.2, com destaque para os problemas da desigualdade social e suas relações presentes no espaço urbano
de Presidente Prudente

190

DENIS RICHTER

Figura 27 ­ Mapa mental da atividade 3.2, com destaque para os problemas da desigualdade social que ocorrem na cidade,por zonas/terri
tórios

Outro contexto que deve ser apontado diz respeito à com
preensão do território por parte dos alunos ao construir seus mapas
mentais. A identificação das diferenças presentes na produção da
cidade são delimitadas por áreas específicas, que detêm certos limites. Assim, os estudantes destacam os territórios das diferenças,
das desigualdades, dos contrastes sociais que compõem a complexidade do espaço urbano.
Os AEPu também procuraram reconhecer os problemas de
ordem social (22%) ao produzirem os mapas mentais, muitos deles
tendo a área geográfica dos bairros da cidade e identificando questões particulares de cada local. Nos exemplos apresentados nas
Figuras 28 e 29 temos duas análises bem interessantes: uma que
apresenta os problemas existentes em dois bairros (Figura 28,
AEPu 20) e outra que faz uma leitura muito ampla da cidade (Figura 29, AEPu 24). No primeiro caso, é válido transcrevermos os
problemas identificados pelo aluno, como nos destaques "A" (favelas, desigualdades, ruas sem saída, lugares sem sinalização) e

191

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

"D" (Pessoal, a maior parte pobre e o mal cheiro do distrito [industrial] e o lixão que acaba prejudicando a saúde), indicados no mapa.
Está evidente a compreensão que o estudante tem das dificuldades
que afetam essas áreas da cidade; além do mais, o aluno consegue
fazer relações com outros espaços, referindo-se ao Distrito Industrial e ao "lixão".
Ainda no mapa mental do AEPu 20 (Figura 28), podemos destacar a percepção que esse estudante tem em relação à própria estrutura urbana. Ao observarmos os destaques "B" e "C", é visível a
diferenciação entre o espaço da "favela" e do bairro pelas quadras e
ruas. Nesse caso, a representação cartográfica do aluno procura
mostrar a diferença entre as áreas de ocupação irregular (letra "B"),
que muitas vezes são desprovidas da interferência ou da regulamentação do poder público local, por não existir uma ordem ou padrão na construção das quadras, como é destacado na representação
do bairro (letra "C" no mapa).

Figura 28 ­ Mapas mentais da atividade 3.2 (AEPu 20), com destaque
para os problemas da desigualdade social presentes no espaço urbano de
Presidente Prudente

192

DENIS RICHTER

Figura 29 ­ Mapas mentais da atividade 3.2 (AEPu 24), com destaque
para os problemas da desigualdade social presentes no espaço urbano de
Presidente Prudente

Por outro lado, no mapa do AEPu 24 (Figura 29), mesmo tendo
feito uma leitura que abrangia diversas áreas da cidade, sua interpretação sobre os problemas da desigualdade social está presente e
bem destacada ao localizar determinados bairros com características específicas e peculiares. No entanto, poderíamos valorizar
que esse esboço cartográfico não fica restrito às questões sociais, há
diversas análises inseridas na representação que ampliam as discussões e permitem que o professor realize inúmeras intervenções
para aprofundar e correlacionar com os conteúdos geográficos.

193

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Infraestrutura urbana

Seguindo a perspectiva de que a cidade é composta por diferenças e pluralidades, no que tange à infraestrutura urbana novamente pudemos observar que as leituras produzidas pelos alunos
conseguiram reconhecer os distintos e adversos contextos existentes em relação à organização da cidade, seja pela perspectiva das
condições de moradia, na falta e/ou precariedade de equipamentos
urbanos (como hospitais, escolas, creches, parques/praças, centros
culturais, bibliotecas, etc.), do trânsito ou das vias públicas.
No entanto, consideramos importante, antes de avançar nessas
discussões, esclarecermos como a expressão "infraestrutura urbana" deve ser compreendida. Para Zmitrovicz & Neto (1997,
p.2), é:
[...] um sistema técnico de equipamentos e serviços necessários ao
desenvolvimento das funções urbanas, podendo estas funções ser
vistas sob os aspectos social, econômico e institucional. Sob o aspecto social, a infraestrutura urbana visa promover adequadas condições de moradia, trabalho, saúde, educação, lazer e segurança.
No que se refere ao aspecto econômico, a infraestrutura urbana deve
propiciar o desenvolvimento das atividades produtivas, isto é, a
produção e comercialização de bens e serviços. E sob o aspecto institucional, entende-se que a infraestrutura urbana deva propiciar os
meios necessários ao desenvolvimento das atividades político-administrativas, entre as quais se inclui a gerência da própria cidade.

Mesmo reconhecendo essa abordagem técnica do tema, na análise dos mapas mentais a infraestrutura foi observada a partir dos
principais elementos e contextos apresentados pelos alunos na construção de seus esboços cartográficos. Assim, dos quatro diferentes
tipos de problemas identificados pelos alunos em relação à infraestrutura (ver Tabela 5), destacamos dois contextos que foram mais
evidenciados na construção de seus esboços cartográficos, a saber:
as moradias irregulares e a ausência delas em determinados bairros,

194

DENIS RICHTER

e os problemas relacionados ao trânsito, principalmente em relação
aos congestionamentos presentes em algumas vias da cidade.
A última questão, do trânsito, deve ser analisada da perspectiva
da dinâmica do tempo como elemento fundamental para intensificar a concentração de veículos em determinadas áreas da cidade.
Essa interpretação revela uma leitura dos alunos mais apurada
sobre os ritmos distintos que ocorrem no espaço, de acordo com as
temporalidades diárias, funcionais ou sazonais. Santos (1988, p.69)
aborda essa situação, ao dizer:
As mutações da paisagem podem ser estruturais ou funcionais. Ao
passarmos numa grande avenida, de dia ou à noite, contemplamos
paisagens diferentes, graças ao seu movimento funcional. A rua, a
praça, o logradouro funcionam de modo diferente segundo as horas
do dia, os dias da semana, as épocas do ano. Dentro da cidade e em
razão da divisão territorial do trabalho, também há paisagens funcionalmente distintas. A sociedade urbana é una, mas se dá segundo formas-lugares diferentes. É o princípio da diferenciação
funcional dos subespaços. A sociedade não mudou, permaneceu a
mesma, mas se dá de acordo com ritmos distintos, segundo os lugares, cada ritmo correspondendo a uma aparência, uma forma de
parecer. É o princípio da variação funcional do mesmo subespaço.

Com base nessas considerações de Santos (1988), observamos o
reconhecimento desse movimento na produção de alguns esboços
cartográficos, como podem ser observados na Figura 30.
É interessante destacarmos que mesmo os estudantes de ambas
as escolas tendo indicado o trânsito como um dos problemas urbanos, foi mais marcante nos AEPa a relação dos congestionamentos com a dinâmica do tempo, como um dos elementos
responsáveis pela ocorrência desse fato. Mais uma vez, podemos
ressaltar a importância dos mapas mentais para o trabalho docente,
pois, ao ter conhecimento dessas leituras, o professor tem condições de ensinar aos alunos uma compreensão mais ampla dos diversos contextos que interferem na organização da cidade.

195

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 30 ­ Mapas mentais da atividade 3.2, que apresentam o problema
do trânsito intensificado pelos horários e a dinâmica do tempo como fator
para a ocorrência dos congestionamentos

196

DENIS RICHTER

Além das preocupações com o trânsito e com as questões de
moradia, alguns alunos deram destaque para a carência de alguns
equipamentos urbanos; nesse caso, houve uma valorização para os
espaços culturais na cidade. No mapa mental apresentado na Figura 31, temos essa configuração presente na construção da representação espacial. Cabe destacar que AEPa 13 chama a atenção
para as "condições precárias" do Teatro Municipal, relatando até a
falta de incentivo à cultura por parte do poder público municipal.
Essa situação indica o envolvimento do estudante com o problema
e, quiçá, uma proposta de solução para reverter o referido problema. Entretanto, cabe ao professor de Geografia oferecer essa
possibilidade de discussão aos alunos.

Figura 31 ­ Mapa mental da atividade 3.2, com destaque dos problemas
da infraestrutura urbana ­ equipamentos urbanos

Noutro exemplo, presente na Figura 32, observamos claramente que o aluno quis dar a ideia de concentração ao apresentar o
espaço urbano. O desenho dos edifícios, das casas e das construções uma ao lado da outra, sem espaço, nos dá uma dimensão do

197

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

problema que esse estudante destaca na cidade de Presidente Prudente. Para complementar, o AEPu 40 escreve abaixo de sua representação: "problema destacado: urbanização e superlotação de alguns
bairros (favelização)". Mesmo questionando o termo "favelização",
as reflexões do estudante são coerentes com os problemas que
afetam a cidade. A falta de espaço para a construção de novas moradias, preço pago pelo solo urbano e a concentração populacional
em determinados bairros seriam estudos que complementariam as
leituras e interpretações produzidas por esse aluno.

Figura 32 ­ Mapa mental da atividade 3.2, como exemplo da identificação
de problemas de infraestrutura urbana

Violência

A interpretação dos alunos com relação à violência existente na
cidade foi um dos pontos que nos chamou a atenção. A primeira
ideia que tínhamos era de que os AEPa fariam uma leitura mais
enfática da violência, pelo fato de esses indivíduos, em sua maioria,
residirem em bairros de classe média, que são, muitas vezes, alvos
de furtos e/ou roubos. Entretanto, como pode ser observado na Tabela 5, os AEPu deram mais destaque para essa questão. Esse fato
nos ajuda a reforçar a ideia de que as realidades presentes na cidade

198

DENIS RICHTER

são muito diversas, pois a percepção da segurança não é a mesma
para todos os indivíduos.
Reconhecidas as diferenças entre cada grupo de estudantes, ao
analisarmos os mapas mentais que continham informações referentes à violência urbana, seja por destaque aos furtos e roubos ou
pela ocorrência do tráfico de entorpecentes, identificamos dois esboços cartográficos muito semelhantes que foram produzidos por
alunos de diferentes escolas (ver Figura 33). É nítida a proximidade
da organização das duas representações, com a escolha dos símbolos, da legenda e, principalmente, das informações inseridas em
cada mapa. Mesmo tendo como área geográficas duas regiões distintas da cidade, as leituras são muito semelhantes. Cabe-nos destacar, ainda, que o mapa do AEPu 38 (Figura 33) apresenta um
limite (linha férrea) como fator preponderante para localizar a existência/ocorrência da violência, que nesse caso refere-se ao bairro
Vila Marcondes.
Para complementar, é interessante salientarmos que, com base
na leitura do questionário do trabalho de campo, identificamos o
local de moradia desses dois alunos (autores dos mapas mentais da
Figura 33). O AEPa 17 reside nas imediações do centro (Vila Ocidental), ao passo que o AEPu 38 no Jd. Maracanã, bairro que se
localiza a cerca de 5 km do centro da cidade. A partir dessas informações, torna-se válido observar os espaços selecionados por cada
estudante para representar a violência. Longe de querermos definir
uma perspectiva limitada, é notória a escolha da área da cidade que
cada aluno fez para apresentar os elementos e contextos da violência. Nesse caso, identificando a violência em espaços distantes
do seu local de moradia, da vivência mais cotidiana. Assim, no trabalho didático de Geografia, esse tema é uma oportunidade para
o professor realizar debates a respeito da violência, desde a sua
origem até os espaços de maior ocorrência.

199

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 33 ­ Mapas mentais da atividade 3.2, com destaque para a violência como um dos problemas da cidade de Presidente Prudente

200

DENIS RICHTER

Problemas ambientais

A relação homem-natureza tem sido, nos últimos anos, uma das
mais importantes preocupações para a sociedade, desde os problemas gerados pela exploração do meio natural até a formação e
a valorização de novas práticas sociais. Para Sobarzo (2008), a escola é um importante local de divulgação e de construção de ações
mais coadunadas com a sensibilização, preservação e conservação
ambiental.
Mesmo sendo um dos problemas mais mencionados pelos
alunos de ambas as escolas (ver Tabela 5 e Gráfico 1), as questões
ambientais foram abordadas de forma muito superficial. Nenhum
dos estudantes indicou em seus esboços cartográficos, ao destacar a
ocorrência da poluição (dos rios e do ar), por exemplo, uma perspectiva das mudanças necessárias para diminuir esses problemas
ou os contextos que causam esses problemas. No entanto, não podemos desconsiderar que a identificação das questões ambientais já
representa um passo importante para gerar mudanças no cotidiano
desses indivíduos ou na compreensão e na responsabilidade de
todos os habitantes da cidade.
Com relação às questões ambientais, organizamos em quatro
categorias as leituras realizadas pelos alunos ao produzirem os
mapas mentais (atividade 3.2), que foram: poluição (dos rios, do
ar), canalização do rios, áreas de inundação e resíduos sólidos (ver
Tabela 5). Houve casos em que os estudantes apenas mencionaram
o termo "problemas ambientais", mas não especificaram ou delimitaram o respectivo tema. Do conjunto de esboços cartográficos
produzidos, selecionamos três exemplos que nos ajudam a compreender as leituras e interpretações dos estudantes a respeito das
questões ambientais.
A Figura 34 apresenta o mapa mental do AEPa 12 que expressa
um dos problemas mais comuns na cidade de Presidente Prudente
quando ocorre uma forte precipitação, que é a inundação do córrego do Veado, na região do Parque do Povo. No mapa selecionado
(AEPa 12, Figura 34), podemos observar que o aluno delimita a

Figura 34 ­ Mapas mentais da atividade 3.2, com a identi
ficação dos problemas ambientais relacionados aos cursos
d'água que atravessam a cidade de Presidente Prudente

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

201

202

DENIS RICHTER

área de alagamento e faz uma breve explicação: "Quando há precipitações constantes, ocorre o entupimento de esgotos". Essa análise
desenvolvida pelo estudante revela algumas leituras limitadas, pois
em nenhum momento se faz menção ao córrego que está canalizado
nesse fundo do vale e que, por isso, se torna o principal elemento
para provocar a inundação. Isso pode ser explicado pelo fato de que
o curso d'água não está visível ao longo do Parque do Povo, contexto que dificulta uma interpretação inicial dos elementos envolvidos nesse problema.
Uma outra situação que merece ser destacada é a equivalência
do córrego ao esgoto, representado no mapa mental do AEPu 37
(Figura 34). Nesse caso, a interpretação do aluno expressa que o
curso d'água é um depósito dos dejetos residenciais e industriais
produzidos na cidade. Assim, mais uma vez, identificamos a necessidade da participação do professor de Geografia em sinalizar
algumas reflexões aos alunos para ampliar a compreensão sobre a
dinâmica espacial e, principalmente, reconhecer a origem dos fenômenos que interferem na organização da cidade.
Em outro mapa mental (AEPu 17), presente na Figura 35, além
de apresentar os problemas ambientais de determinadas áreas da
cidade, como o Balneário da Amizade, de indústrias locais (Vitapelli) e do córrego do Veado, o aluno faz um destaque para a questão
dos resíduos sólidos. A identificação dos problemas relacionados
aos resíduos, indicado, muitas vezes, pelos estudantes através do
uso do termo "lixo" ou "lixão", é um contexto que merece destaque
por ter sido apenas representado pelos AEPu (quatro no total) na
produção dos mapas mentais.
Diante desse fato, talvez a pergunta que se torna mais necessária é: por que os AEPa não mencionaram a existência do problema dos resíduos em seus esboços cartográficos? Essa reflexão é
necessária, pois, segundo Gonçalves (2006), a percepção da existência dos resíduos sólidos, para indivíduos que residem em áreas/
bairros que são mais bem atendidos pelos serviços públicos, como
o sistema de coleta de "lixo", é menor do que a dos habitantes de
bairros onde esse serviço não ocorre diariamente. Desse modo, a

203

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 35 ­ Exemplo de mapa mental da atividade 3.2, com a localização
dos problemas ambientais que ocorrem na cidade de Presidente Prudente

identificação do problema dos resíduos se torna mais evidente para
esses alunos.
[...] raramente esses problemas causados pelos resíduos são percebidos pelos cidadãos servidos pela coleta de lixo, que estão habituados a depositá-lo nos sacos plásticos, para que a coleta seja feita
pelos trabalhadores empregados pelas administrações municipais.
(Gonçalves, 2006, p.148-9)

Outros problemas

Além de identificar os problemas estruturais da cidade, como o
trânsito, as áreas de alagamento ou aqueles de ordem social, como
a desigualdade econômica entre os bairros da cidade, a existência
de favelas e condomínios fechados, alguns AEPu destacaram a
ocorrência de áreas de prostituição em determinadas ruas e regiões
da cidade. Esse fato nos chamou a atenção por observarmos na

204

DENIS RICHTER

construção dos mapas mentais a representação de questões muito
específicas e sazonais, já que é mais comum a ocorrência dessas
atividades no período noturno.
A Figura 36 apresenta alguns exemplos desses esboços cartográficos.
A partir desses mapas mentais, temos condições de identificar
as ruas onde ocorre a prostituição, indicadas pelos alunos, bem
como os símbolos utilizados para identificar essa atividade que, no
caso dos mapas mentais dos AEPu 15 e 25 (Figura 36), engloba
tanto o gênero feminino como o masculino. Cabe ressaltar, ainda,
sobre esses dois alunos, que existe uma forte semelhança na produção de seus mapas, tanto pelo espaço selecionado como os
objetos representados. Isso ocorreu por esses estudantes terem
discutido em conjunto a construção do mapa mental da atividade
3.2. Mesmo tendo solicitado aos alunos para utilizarem critérios e
leituras próprias, sem consultar os demais colegas de turma, na
resolução das atividades, houve casos em que esse pedido não foi
atendido. Porém, diante de todos os esboços cartográficos produzidos, identificamos uma autonomia nos estudantes para realizar
as atividades.
Outra relação que podemos fazer com essas produções cartográficas apresentadas na Figura 36 diz respeito ao território. Sabemos
que as atividades da prostituição ocorrem em determinadas áreas da
cidade e horários, isso ficou bem evidente nos mapas mentais dos
alunos ao indicarem a mesma região para representar esse problema.
Vemos aqui a importante colaboração do professor de Geografia
para utilizar exemplos como esse para explicar o conceito de território, superando a ideia de que esse conceito somente serve para contextualizar a área do Estado-nação.
Após analisarmos os mapas mentais da atividade 3.2 proposta
no trabalho de campo, consideramos fundamental realizar uma
avaliação dessas representações espaciais produzidas pelos alunos.
Inicialmente reconhecemos que os estudantes conseguiram atender
ao desenvolvimento da atividade, relacionada aos problemas urbanos de Presidente Prudente. Isso ficou evidente na identificação

Figura 36 ­ Mapas mentais da atividade 3.2, que destacam a ocorrência de áreas de prostituição na cidade

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

205

206

DENIS RICHTER

de inúmeras questões levantadas pelos alunos na construção e organização de seus esboços cartográficos. Entretanto, a relação entre
a localização dos fenômenos apresentados e a compreensão da suas
origens e de seus processos foi incipiente. Algumas leituras espaciais dos alunos, de ambas as escolas, nos deram a impressão de
uma percepção mais no campo dos conceitos espontâneos do que
científicos, já que os conteúdos geográficos tiveram pouca participação.
Por outro lado, mesmo reconhecendo os limites nas interpretações dos mapas mentais dos alunos, não podemos deixar de salien
tar que houve um esforço por parte dos estudantes em espacializar
determinados fenômenos na representação do espaço urbano. Talvez
o maior desafio dos alunos esteja na proximidade entre os saberes
geográficos ensinados na escola com a produção da linguagem carto
gráfica.
Sendo assim, os mapas mentais expressam um caminho para
aproximar o contato entre os temas estudados em sala de aula com
os elementos do cotidiano, da vivência dos indivíduos. A proposição desse tipo de trabalho deve ter por objetivo desenvolver nos
alunos uma reflexão mais crítica e ampla sobre os conceitos espontâneos, vislumbrando alcançar o saber sistematizado. Ou, como
nos apresenta Oliva (1999, p.44):
O conhecimento de tipo científico se distingue de outras formas de
saber por se ancorar em sistemas teóricos, que devem ter coerência
interna entre suas categorias e conceitos. Assim não se pode confundi-lo com o senso comum [...]. Pensar teoricamente significa
colocar em xeque nossas primeiras impressões, não raro entendidas
como verdadeiras.

Ao reafirmarmos a significativa contribuição dos mapas mentais para o processo de ensino-aprendizagem de Geografia, seguimos para a proposta de atividade 3.3 de construção de mapas
mentais. Agora, o fenômeno da globalização será o foco de análise
dos alunos para refletir sobre as funções e os processos que trans-

207

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

formam e influenciam a configuração da cidade de Presidente
Prudente.
b) Processo de globalização

O processo de globalização é um fenômeno atual que se manifesta em inúmero lugares, sendo concebido como um processo desigual e combinado (Santos, 1996). Sua presença na configuração
dos espaços tem sido cada vez mais perceptível, seja por meio dos
objetos geográficos, nas modificações que se fazem na paisagem ou
na própria produção e transformação do espaço geográfico. Ao
mesmo tempo, o tema "globalização" ganhou destaque nos ensinos
fundamental e médio de Geografia ao longo dos anos, fazendo
parte do rol dos conteúdos programados nos planos de ensino
(Straforini, 2004; Cavalcanti, 2006).
Quando Santos (1996, p.31) nos diz que "o espaço se globaliza,
mas não é mundial como um todo, senão como metáfora. Todos os
lugares são mundiais, mas não há espaço mundial. Quem se globaliza, mesmo, são as pessoas e os lugares"; significa que a importância de lançarmos um olhar mais atento às práticas sociais que
são realizadas nos espaços em que vivemos, independente das escalas geográficas, representa uma possibilidade para compreendermos os inúmeros processos que interferem na organização do
mundo de hoje. Seria uma ação de desvelar os agentes responsáveis
pela transformação do espaços geográficos. Assim, uma forma de
entender o espaço é a partir da análise/interpretação do cotidiano,
pois, como todo processo e fenômeno estão vinculados às relações
locais, por meio da sua materialização, é no cotidiano que se torna
possível observar as diferentes facetas da produção do espaço.
Esse cotidiano pode ser delimitado ou retratado em diversos
espaços, entretanto a cidade, como já destacamos, se apresenta
como um exemplo muito didático e, ao mesmo tempo, complexo
para analisar as modificações provocadas pelo processo de globalização. Essa validação da cidade é compartilhada por autores como
Bauman (1999), Cavalcanti (2006) e Massey (2008).

208

DENIS RICHTER

Dentre esses, Bauman (1999, p.48) desenvolve uma análise a respeito da cidade e da sua representação espacial que nos permite questionar como as cartografias urbanas podem se tornar responsáveis
pelas modificações/alterações que ocorrem em distintas áreas da cidade, ou até mesmo pelas leituras, muitas vezes simplistas e restritas
às aparências, feitas pelos próprios indivíduos que nelas vivem. De
acordo com as ideias de Bauman (1999), a cidade é formada por um
conjunto de eventos históricos que marcaram a sua atual configuração. Essas "camadas de acidentes históricos" (p.48) podem ser homogeneizadas pela simples ação de planificar o espaço urbano por
meio da representação de uma grade cartográfica.
O monopólio é muito mais fácil de alcançar se o mapa antecede o
território mapeado: se a cidade é, desde a sua criação e por toda a
sua história, simplesmente uma projeção do mapa sobre o espaço;
se, em vez de tentar desesperadamente capturar a desordenada variedade da realidade urbana na elegância impessoal de uma grade
cartográfica, o mapa se torna uma moldura na qual as realidades
urbanas ainda a surgir devem ser traçadas, extraindo seu significado e função unicamente do lugar a elas destinado na malha. Só
então poderiam os significados e funções ser realmente inequívocos; sua eindeutigkeit [clareza] será de antemão testemunhada
pela perda de poder ou derrubada de autoridades interpretativas
alternativas. (Bauman, 1999, p.48)

Não queremos com isso dizer que o mapa (cartesiano) precisa ser
banido da compreensão da cidade ou da sala de aula. Nossa proposta
é fazer uma relação dessa leitura, muitas vezes esvaziada de questionamentos, com uma reflexão mais ampla e crítica sobre os fenô
menos que interferem na produção do espaço urbano, dentre eles
destacando a globalização. Para compreendermos melhor como a cidade é transformada em decorrência dos agentes econômicos, sociais, culturais e políticos, a produção de mapas mentais pode servir
como uma alternativa às preocupações expressas por Bauman (1999)
em relação à leitura da cidade a partir do mapa.

209

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Assim, para entendermos a globalização para além das ações de
modificação do próprio espaço, é importante o reconhecimento de
quais elementos são responsáveis por manifestar esse fenômeno
nos mais diferentes lugares do globo. Dessa forma, concordamos
com Massey (2008, p.129) quando destaca que nos dias atuais é
muito comum que a leitura de mundo realizada por grande parte
dos indivíduos que convivem em lugares que sofrem interferência
da globalização está mais para a perspectiva de como o mundo está
sendo feito do que pela descrição de como é o mundo. Sendo assim,
podemos citar as técnicas como objetos de reprodução e caracterizadores das mudanças visíveis no espaço. Logo, as técnicas, como
produtos da sociedade, foram responsáveis nos últimos anos pelas
maiores e mais profundas mudanças, seja na perspectiva da configuração do espaço ou pela transformação das práticas cotidianas
realizadas pelos indivíduos.
Em uma análise mais específica ao trabalho escolar, Cavalcanti
(2006) destaca a importância de utilizarmos a cidade como um
exemplo ou tema didático relevante nas atividades pedagógicas. A
autora nos diz que a pertinência da cidade como tema se instala ao
servir como exemplo de leitura da vivência dos indivíduos que nela
participam e de compreensão da complexidade que envolve os fenômenos espaciais. E complementa:
A cidade assim abordada não é trabalhada somente como forma física, mas como materialização de modos de vida, como um espaço
simbólico, e seu estudo pretende desenvolver no aluno a compreensão dos modos de vida da sociedade contemporânea e do seu
cotidiano em particular, que resultam (e são condicionadas) em espacialidades determinadas. Além disso, este estudo contribui para
o desenvolvimento de habilidades necessárias para os deslocamentos do aluno, seja em espaços mais imediatos de seu cotidiano,
seja em espaços mais complexos, habilidades que são fundamentais, mesmo que não suficientes, para o usufruto pleno do direito à
cidade. Nesse entendimento é importante conhecer ou considerar
os conhecimentos que têm os alunos de seus espaços vividos na ci-

210

DENIS RICHTER

dade. Mas, considerando que eles são uma construção constante,
dinâmica, e que nessa construção interfere sua experiência, seus
deslocamentos cotidianos (a cidade conhecida é, em grande parte
medida, a cidade vivida através dos deslocamentos), seu contexto
familiar e social, mas também suas aprendizagens, seus conceitos,
que se expressam em seu mapa mental, com referências espaciais como
marcos, rotas, nós, e se expressam também em um conjunto complexo,
descontínuo, muitas vezes confuso, muitas vezes inconsciente, de significados simbólicos. (Cavalcanti, 2006, p.44) [grifos nossos]

Desse modo, fortalecemos a importância do uso dos mapas mentais nas atividades escolares, com o objetivo de contribuir para o processo de ensino-aprendizagem de Geografia. A produção cartográfica
dos alunos se torna um novo referencial ao trabalho docente, na medida em que é capaz de expressar as interpretações dos estudantes
sobre o espaço urbano e no seu conjunto, reunir informações a respeito da organização da própria cidade e de suas relações com determinados fenômenos, entre os quais se encontra a globalização.
Diante desses apontamentos teóricos, que indicam a neces
sidade de desenvolvermos olhares mais atentos ao processo de globalização presente na organização das cidades e, por conseguinte,
na formação da vida cotidiana, é que entendemos a significativa
contribuição dos mapas mentais como recurso capaz de expressar
as diferentes e complexas relações existentes no espaço urbano,
através da sua produção pelos estudantes.
Ao termos clareza dessas questões, pudemos observar quais
contextos e elementos foram destacados pelos alunos na produção
dos mapas mentais. Nesse sentido, organizamos a Tabela 6 e o Gráfico 2, que nos ajudam a apresentar essas informações.

211

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Tabela 6 ­ Elementos da globalização destacados pelos alunos no mapa
mental 3.3*
Elementos, objetos e contextos da globalização

AEPa AEPu

espaços culturais (teatro, cinema, biblioteca, etc.)

15

15

formação do conhecimento (escolas,
universidades)

11

12

agricultura

0

2

indústria

0

19

comércio

13

26

shopping center

12

14

consumo

4

0

empresas transnacionais

1

5

exportações

0

5

economia (geral)

2

0

capitalismo

2

0

redes e fluxos

4

1

4

2

3

1

7

9

Verticalização

0

2

Tempo

1

0

Resíduos sólidos (lixo)

0

1

Cultura

Atividades
econômicas

meios de comunicação (telefone/celular, TV,
Tecnologia/ internet, rádio, etc.)
informação/ produtos tecnológicos (computador, máquinas,
logística
aparelhos eletroeletrônicos)
meios de transporte (aéreo, rodoviário,
ferroviário)

(*) Dados apresentados por número de ocorrências.
Fonte: Trabalho de campo, ago.-nov. 2008. Richter, D. (Org.), 2010.

212

DENIS RICHTER

Gráfico 2 ­ Elementos da globalização destacados pelos alunos no mapa
mental 3.3
Fonte: Trabalho de campo, ago.-nov. 2008. Richter, D. (Org.), 2010.

No momento em que solicitamos aos alunos a produção de um
mapa mental da cidade de Presidente Prudente em relação ao processo de globalização, não realizamos uma discussão com as turmas
sobre esse tema. Em nossa proposta de investigação, esperávamos
que os estudantes recuperassem esse conteúdo, amplamente trabalhado nas aulas de Geografia ao longo da educação básica,7 para
subsidiar a construção desse esboço cartográfico. Isso ficou evidente por não haver surpresa entre os alunos quando mencionamos
o termo "globalização", sinal de que o conteúdo fazia parte dos debates e estudos da disciplina de Geografia.
Entretanto, no momento de realizarmos a atividade, alguns estudantes destacaram a dificuldade de pensar a globalização no
espaço urbano, ou, mais especificamente, na própria cidade de Presidente Prudente. Essa situação fortalece os apontamentos de Cavalcanti (2006), que ressaltam a necessidade de prepararmos para
atividades didáticas que promovam uma reflexão dos fenômenos
que ocorrem na sociedade em diferentes escalas geográficas, dentre
elas a cidade, como espaço próximo da vivência dos alunos, e, ao
mesmo tempo, com uma leitura mais atenta dos agentes respon
sáveis pela transformação e modificação da paisagem.
7. Em ambas as escolas investigadas, verificamos que o conteúdo "globalização"
se fazia presente nos planos de ensino da disciplina de Geografia.

213

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Diante disso, ao realizarmos a observação e a análise dos mapas
mentais da atividade 3.3, que resultaram na organização da Tabela
6 e do Gráfico 2, pudemos identificar a forte influência das atividades econômicas e culturais como elementos representantes do processo de globalização presentes na cidade de Presidente Prudente.
Esses dois itens foram os que apresentaram maior participação
na construção cartográfica dos alunos (76% nos AEPa e 86% nos
AEPu, se somarmos as duas categorias), por inserir objetos espaciais como espaços de consumo, lojas, shopping centers, fábricas,
comércio, escolas, universidades, centros de estudos/de formação,
cinema, teatro, etc. Além desses contextos destacados pelos estudantes, identificamos a relação da globalização com outras questões, como: a tecnologia/informação/logística, sendo representados
por meio das redes e dos fluxos, pelos meios de comunicação (telefone/celular, emissoras de TV e rádio, internet, etc.), dos produtos
tecnológicos (computador, máquinas, aparelhos eletroeletrônicos)
e dos meios de transporte (aéreo, rodoviário e ferroviário); a verticalização, que "imprime" a valorização do solo urbano na paisagem
ao construir espaços artificiais, e o tempo, na perspectiva de diminuição e como elemento imprescindível para disseminar a globalização.
Os pontos levantados pelos alunos na construção dos mapas
mentais indicam que esses indivíduos conhecem os objetos que
fazem parte do processo de globalização e como os mesmos se inserem na paisagem urbana. No entanto, mesmo reconhecendo os
conhecimentos prévios dos alunos sobre o fenômeno questionado,
é necessário destacar que houve uma leitura restrita, pois foram ínfimas as análises dos alunos sobre as consequências da globalização
presentes na cidade.8 De todos os alunos participantes dessa pes8. Por outro lado, estamos cientes de que, na proposta da atividade, não foi solicitada aos alunos a identificação dos problemas gerados pela globalização na produção dos esboços cartográficos. Mesmo assim, entendemos que, ao fazer parte
dos temas/conteúdos geográficos, os alunos deveriam desenvolver uma leitura
mais crítica desse fenômeno e provocar reflexões sobre a presença da globalização na cidade de Presidente Prudente.

214

DENIS RICHTER

quisa, de ambas as escolas, somente um estudante representou no
mapa mental sobre a globalização a área do depósito dos resíduos
sólidos da cidade. Todos esses pontos serão analisados com maior
acuidade a seguir, tendo como auxílio exemplos de mapas mentais
produzidos pelos alunos.
Cultura

Nos dias de hoje, quando se fala na influência da globalização
na produção e na organização dos espaços, é comum relacionarmos
a presença da cultura de massa como elemento responsável por disseminar/reproduzir os ideais e os modos de vida provenientes da
globalização e do sistema capitalista. Nesse caso, estamos falando
de músicas, filmes, seriados e programas de TV, informações/notícias da grande imprensa, etc., que são fortemente influenciados
pela cultura de países centrais da economia mundial.
No entanto, o que foi abordado a respeito da cultura pelos alunos
na construção de seus esboços cartográficos era uma relação entre a
formação do conhecimento, como escolas e universidades, e a existência de espaços culturais na cidade que possibilitam compartilhar
o saber sistematizado, como bibliotecas, museu, teatros, cinema,9
etc., contextos esses que não são considerados equivocados, já que
a globalização contribui, de certa forma, para disseminar esses espaços. Entretanto, o que nos chamou a atenção foi a leitura restrita
da cultura, sem fazer menção à influência da globalização na cultura de massa. Os mapas mentais da Figura 37 são exemplos dessa
situação.
Com base nesses esboços cartográficos (Figura 37), temos a
possibilidade de identificar a significativa contribuição da proposta
de construção dos mapas mentais para o trabalho docente de Geo-

9. No caso do cinema, reconhecemos que a maior parte dos títulos são produzidos
pela indústria cinematográfica estadunidense e que tem forte relação com a disseminação da cultura de massa. Porém, não houve essa vinculação nas representações cartográficas dos alunos.

215

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 37 ­ Mapas mentais da atividade 3.3, com destaque para os elementos culturais como exemplo da globalização

216

DENIS RICHTER

grafia. De posse desses materiais, o professor tem condições de
reconhecer que interpretações seus alunos realizam sobre o processo de globalização e sua interferência na organização dos espaços
cotidianos. Nesse sentido, é interessante que o docente proponha
novos questionamentos e reorganize seu planejamento escolar, caso
seja necessário, para que os alunos entendam que o processo de globalização ocorre para além desses espaços e como ele interfere na
própria estrutura da vida cotidiana.
Dentre os lugares representados pelos alunos na produção dos
mapas mentais relacionados às atividades culturais, a presença do
Centro Cultural Matarazzo nos chamou a atenção (Figura 38).
Muito mais do que servir de exemplo de um espaço cultural, o
prédio do Matarazzo pode ser observado a partir das questões da
função do espaço, que para a concepção de Santos (1985, 1988,
2007) significa dizer que a dinâmica da sociedade provoca mudanças nas diferentes formas do espaço que acabam por influenciar
na função que os espaços possuem. Ainda de acordo com esse autor:
A paisagem é um palimpsesto, um mosaico, mas que tem um funcionamento unitário. Pode conter formas viúvas e formas virgens.
As primeiras estão à espera de uma reutilização, que pode até acontecer; as segundas são adrede criadas para novas funções, para receber inovações. As funções que são mais suscetíveis de criar novas
formas são: bancos, hipermercados, o Estado, shopping-centers,
etc., além de certas funções públicas. Fora estas, são poucas as funções capazes de criar novas formas, e é por isso mais comum o uso
das preexistentes através de uma readaptação. (Santos, 1988, p.70)

Nesse caso, a análise que se faz, com base na citação de Santos e
na observação dos mapas mentais produzidos pelos alunos (Figura
38), é de que o prédio do Matarazzo passou por modificações ao
longo dos anos que alteraram sua função. De uma forte indústria
que beneficiava algodão, durante os anos de 1937 a 1970, com seu
declínio na década de 1970, o conjunto dos prédios que abrigava as
Indústrias Matarazzo em Presidente Prudente foi transformado,

217

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 38 ­ Mapas mentais da atividade 3.3, com destaque para a representação do Matarazzo (cultura) como elemento de globalização

218

DENIS RICHTER

em 2008, num centro cultural, recebendo diversas atividades vinculadas à cultura. Essa modificação na função do prédio, no decorrer do tempo, fez com que os alunos destacassem esse local,
principalmente pelo fato de a cidade revitalizar e retomar o uso
social desse espaço.
Atividades econômicas

De todos os elementos e objetos destacados pelos estudantes na
construção dos mapas mentais da atividade 3.3, as práticas sociais
relacionadas à economia foram as que tiveram maior representatividade na composição desses esboços (43% para os AEPa e 62% para os
AEPu, ver Tabela 6 e Gráfico 2). A presente situação aponta para a
importância da relação entre o processo de globalização e o desenvolvimento econômico da sociedade na leitura dos alunos. Mesmo o
comércio e o shopping center tendo maior destaque, a menção a
outros sete elementos/objetos relacionados às atividades econômicas
nos possibilita identificar como esse contexto apresenta relevância na
interpretação do espaço para os estudantes.
Numa análise mais específica, a respeito das contribuições de
Santos (2006, p.48-9) sobre a globalização, ao interpretarmos os
mapas mentais produzidos pelos alunos podemos observar a lógica
do sistema capitalista em ação, já que, antes mesmo de constituir o
produto, são "criados" os consumidores.10 Esse contexto está bem
claro nos exemplos dos esboços cartográficos apresentados na Figura
39, quando os alunos dão forte representatividade às marcas, aos logotipos presentes nas atividades do comércio, na indústria. Em
muito casos, os produtos não são apresentados, e sim, geralmente,
sua logomarca, situação que torna evidente a expressão do consumo.

10.Esse autor nos diz que: "Um dado essencial do entendimento do consumo é que
a produção do consumidor, hoje, precede à produção dos bens e dos serviços.
Então, na cadeia causal, a chamada autonomia da produção cede lugar ao despotismo do consumo. Daí, o império da informação e da publicidade" (Santos,
2006, p.48).

219

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

No entanto, cabe-nos ressaltar que, apesar de os alunos não apresentarem de modo inequívoco leituras mais críticas sobre a globalização na construção dos mapas mentais, identificamos que grande
parte dos estudantes entendem como se desenvolve e ocorre a globalização, a partir da indicação de empresas multinacionais (transnacionais), da exportação, do consumismo, da forte relação com a
economia, entre outros, como pode ser observado na Figura 39.
De posse desses mapas, o professor de Geografia tem condições
de observar quais espaços são representados pelos alunos, tanto na
perspectiva da escolha da delimitação da área geográfica como nos
objetos presentes no mapa, que expressam uma relação direta com o
processo de globalização. Assim, o mapa mental se torna um meio de
comunicação que apresenta os locais que possuem maior relevância
na interpretação do espaço e, ao mesmo tempo, revela os lugares que
os alunos mais frequentam ou gostariam de frequentar ­ entendendo
que essa escolha, muitas vezes, está fundamentada nos ideais e na
influência da globalização sobre o modo de vida cotidiano. Entretanto, uma das análises mais interessantes está no fato de que, ao observarmos todos os mapas mentais confeccionados pelos estudantes
de ambas as escolas, foi perceptível o "elogio" à globalização.11
11.Não queremos, com isso, estabelecer que a globalização é de todo ruim. Concordamos com a interpretação de Santos (2006, p.17-21) quando diz que
existem três perspectivas desse fenômeno que precisam se tornar evidentes aos
indivíduos, para que possam modificar a própria realidade, que são: a globalização como fábula, a globalização como perversidade e uma outra globalização.
Diante dessas três perspectivas apontadas pelo autor, encontramos na maior
parte dos mapas mentais produzidos pelos alunos a perspectiva da fábula na
globalização, pois os estudantes apenas expuseram as vantagens desse processo
sem apresentar as consequências geradas pelo fenômeno, que é muito excludente e perverso. Nas palavras de Santos (2006, p.18): "Fala-se, por exemplo,
em aldeia global para fazer crer que a difusão instantânea de notícias realmente
informa as pessoas. A partir desse mito e do encurtamento das distâncias ­ para
aqueles que realmente podem viajar ­ também se difunde a noção de tempo e
espaço construídos. É como se o mundo se houvesse tornado, para todos, ao alcance da mão. Um mercado avassalador dito global é apresentado como capaz
de homogeneizar o planeta quando, na verdade, as diferenças locais são profundas". Mesmo não encontrando todas essas questões apresentadas por Santos

220

DENIS RICHTER

Figura 39 ­ Mapas mentais da atividade 3.3, com destaque para as atividades econômicas como objetos/elementos que expressam a globalização
na cidade

221

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Apenas um aluno (AEPu 20)12 teve a preocupação de registrar um
dos graves problemas ocasionados pela globalização, que é a grande
quantidade de resíduos sólidos gerados em decorrência do consumo acelerado. Os demais estudantes não expressaram em seus
esboços cartográficos as consequências da globalização na produção
do espaço. Entendemos esse fato como uma leitura muito restrita
de um fenômeno que afeta significativamente a sociedade de hoje
e, principalmente, por esses indivíduos se encontrarem no final da
educação básica.
Tecnologia/informação/logística

Os inúmeros aportes tecnológicos disponíveis nos dias de hoje,
acessíveis aos indivíduos por meio do consumo, expressam que,
além de a globalização se fazer presente na produção da cultura e
nas atividades econômicas, as técnicas desenvolvidas nos últimos
anos estão cada vez mais inseridas no cotidiano das pessoas. Com
base nessa situação é que podemos compreender a inserção dos objetos tecnológicos na produção dos mapas mentais.
Na análise de Santos (1996, p.63), "a técnica constitui um elemento de explicação da sociedade, e de cada um dos seus lugares
geográficos". Desse modo, ao observarmos cada esboço cartográfico, temos a oportunidade de identificar quais espaços da cidade
são portadores das técnicas e das demais tecnologias desenvolvidas
pelo homem, na perspectiva da análise espacial dos alunos. Além
disso, pudemos encontrar nesses mapas a relação das conexões
existentes entre os lugares, característica particular do processo de
globalização. Muitos estudantes apresentaram essa preocupação ao
registrar na cidade de Presidente Prudente as redes e os fluxos que

nos mapas mentais produzidos pelos alunos, temos condições de relacionar as
leituras dos estudantes com a perspectiva que esse autor apresenta sobre a globalização ­ como fábula.
12 O mapa mental desse aluno será apresentado no item "Tempo, verticalização e
resíduos sólidos", deste capítulo.

222

DENIS RICHTER

ocorrem com outros espaços, em diferentes escalas geográficas. A
Figura 40 apresenta dois exemplos dessa situação.

Figura 40 ­ Mapas mentais da atividade 3.3, como exemplos da estrutura
de redes e fluxos presente no processo de globalização

223

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Em referência à representação da tecnologia, da informação e
da logística, houve uma sensível diferença entre os mapas mentais
dos AEPa e dos AEPu. A Tabela 6 e o Gráfico 2 já indicam essa situação, ao evidenciarem a disparidade entre as duas escolas investigadas (23% para os AEPa e 11% para os AEPu). No entanto, muito
mais do que apenas verificarmos esse descompasso ou de estabelecermos padrões nos espaços de vivência de cada grupo de indi
víduos, a análise desses mapas revela as diferenças socioeconômicas
existentes entre os alunos. Isso não significa que os AEPu des
conheçam a existência do aeroporto, as possíveis conexões que se
podem realizar a partir da cidade de Presidente Prudente ou as tecnologias de informação, como a internet. Mas apresenta a desigualdade da inserção das técnicas na vida cotidiana dos indivíduos de
uma mesma cidade.
Assim, recuperamos uma ideia de Santos (1996) quando nos diz
que as técnicas, por mais semelhantes que possam parecer, possuem
suas diferenças a partir do lugar de sua realização, de sua espacialização. O que representa um sistema combinado e desigual, pois elas
assumem diversos papéis para se incorporar ao modo de vida local,
enquanto agem de forma integrada e uniforme no plano global. Em
decorrência desse processo do uso intensificado das técnicas nos dias
atuais, muitas vezes constantes e frequentes no cotidiano das pessoas, os próprios indivíduos deixam de querer compreendê-las para
apenas utilizá-las e reconhecê-las como objetos de extrema necessidade para sua vivência.
Nesse sentido, podemos afirmar, de acordo com Santos (2006),
que um dos produtos do conhecimento humano é o desenvolvimento das técnicas. Na fase atual do capitalismo, as técnicas estão
assentadas na perspectiva da informação, contexto que permite a
ampliação dos espaços de atuação das próprias técnicas e, também,
a aceleração do processo histórico. Dessa maneira, consideramos
que as técnicas exercem um papel fundamental na organização da
sociedade e na construção de "elos" ­ conexões ­ entre os mais diversos espaços, contexto que marca profundamente o atual estágio
de desenvolvimento humano. Por outro lado, por mais que a so

224

DENIS RICHTER

ciedade, apoiada nas técnicas, conheça cada vez mais o próprio
espaço (a Terra, por exemplo), esse conhecimento não significa
que todos os lugares serão utilizados da mesma forma ou intensidade. A ciência produzida com base no acúmulo das informações
desenvolvidas e coletadas resulta em saber melhor utilizar, aproveitar mais ou explorar excessivamente um determinado espaço.
De todos os lugares de que se tem conhecimento, alguns são elegidos como espaços de exploração ­ de uso mais "social" ou capital.
Essas diferenças podem ser observadas na produção das cidades,
na configuração de suas áreas (bairros) que apresentam carac
terísticas específicas, singularidades, que demarcam as desigualdades e as diferenças presentes na produção das cidades.
Para aproximarmos essas ideias da produção dos mapas mentais, a Figura 41 traz dois exemplos da presença das técnicas na
cidade de Presidente Prudente, a partir da leitura dos alunos. É
interessante ressaltarmos que as distâncias são superadas pelo uso
das tecnologias.
Da mesma forma que observamos no item das atividades econômicas, os alunos demonstraram conhecer os mecanismos necessários para desenvolver e expandir a globalização nos mais diferentes
lugares, como é o caso da redes e dos meios de comunicação. A presença desses objetos e elementos nos mapas mentais dos estudantes
fortalece a ideia de que o conteúdo "globalização" é trabalhado em
sala de aula, porém ainda falta uma análise mais crítica, aprofundada desse fenômeno na produção dos espaços. Os alunos carecem
de uma reflexão mais apurada, para identificar as desigualdades e
as dificuldades de acesso às técnicas geradas pelo sistema capitalista. Mais uma vez, o uso dos mapas mentais em sala de aula possibilita ao docente a localização de leituras restritas que precisam ser
revistas no desenvolvimento do trabalho didático-pedagógico.

225

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Figura 41 ­ Mapas mentais da atividade 3.3, com a representação de produtos tecnológicos de informação

226

DENIS RICHTER

Tempo, verticalização e resíduos sólidos

De todos os mapas mentais analisados, apenas quatro representações apresentaram interpretações diferentes dos demais esboços
cartográficos, que tinham por objetivo identificar os elementos/
contextos da globalização inseridos na cidade de Presidente Prudente (ver Tabela 6 e Gráfico 2). Esses mapas se limitaram às questões do tempo, como agilidade e rapidez para oferecer serviços; no
processo de verticalização da cidade, que resulta na construção de
edifícios em decorrência, muitas vezes, do alto valor do solo urbano; e da geração de resíduos sólidos, como consequência do consumo desenfreado e pelo rápido descarte dos produtos que ocorre
na sociedade atual.
Mesmo estando em menor número, em relação às interpretações dos demais mapas mentais da atividade 3.3, essas represen
tações são válidas por destacarem observações muito pertinentes
sobre o processo de globalização. Entendemos que as quatro produções cartográficas identificam algumas ações e consequências do
desenvolvimento da totalidade-mundo no espaço urbano, situação
bem diferente das que foram encontradas nos outros mapas mentais, como foi apresentado nos itens anteriores.
No caso da presença do tempo, expresso por meio do título
"Pronta Entrega" (ver Figura 42, AEPa 40), podemos compreender
que, na análise espacial desse aluno, a globalização se insere na
cidade a partir da função que os espaços possuem para se adequar
às necessidades da sociedade, sendo oriundas das exigências econômicas. Os serviços que procuram "diminuir o tempo" estão totalmente conectados com os objetivos da globalização. Logo, em
vez de representar a superação das distâncias pelos meios de comunicação, de transportes, etc., como muitos alunos fizeram, esse
estudante conseguiu observar a presença da globalização nas atividades de serviços. A mesma análise deve ser realizada para o mapa
mental do AEPu 28 (Figura 42), ao expressar a verticalização como
elemento da globalização, já que um dos grandes símbolos do capitalismo atual é a construção de edifícios como ícones da acumulação

227

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

de capital, do desenvolvimento das técnicas e, principalmente, da
reprodução dos espaços. É comum encontrarmos nos livros didáticos de Geografia ou em revistas, jornais, entre outros, uma forte
relação da ocorrência de prédios com o processo de globalização.
Muitas vezes, uma cidade é considerada um simulacro da tota
lidade-mundo quando sua paisagem apresenta uma grande concentração de edifícios. É nessa perspectiva que entendemos a
representação dos edifícios no mapa do aluno. Ainda mais, temos
condições de analisar que a leitura da paisagem para esse estudante
está atrelada ao crescimento vertical da cidade.
No que se refere a uma das principais consequências do processo de globalização, somente um aluno deu destaque para a pro
dução de resíduos sólidos ao localizar a área do "lixão" da cidade
(ver Figura 42, AEPu 20).
Mesmo tendo representado outros elementos e objetos em seu
mapa, como as atividades econômicas (comércio e indústria) e
redes de transportes, o AEPu 20 (Figura 42) conseguiu ampliar sua
análise espacial para os problemas que ocorrem no meio urbano. A
presença do "lixão", como ele mesmo escreve em seu esboço cartográfico, sinaliza uma compreensão mais atenta da produção do espaço e um caminho para a formação do raciocínio geográfico.
Avanços e limites na produção dos mapas mentais sobre o
processo de globalização

Diante do conjunto dos mapas mentais produzidos pelos alunos
para representar o processo de globalização presente na cidade de
Presidente Prudente, tivemos possibilidade de avaliar quais análises e interpretações apresentaram avanços no desenvolvimento do
raciocínio geográfico e, ao mesmo tempo, alguns limites, que indicam a necessidade de intervenção do professor de Geografia para
superar leituras restritas ou simplistas sobre o tema proposto na
atividade de construção do esboço cartográfico.
A avaliação das representações espaciais dos alunos é fundamental, na medida em que, por mais livre que possa ser a produção

228

DENIS RICHTER

Figura 42 ­ Mapas mentais da atividade 3.3, com destaque para as
representações dos elementos do tempo (A), do processo de verticalização
(B) e da produção de resíduos sólidos (C), como exemplos da globalização

229

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

desses mapas, torna-se essencial a identificação de reflexões que
avancem na formação do conhecimento geográfico, que colaborem
na compreensão de temas e conteúdos específicos dessa disciplina
escolar. Isso tem por objetivo consolidar o uso dos mapas mentais
como recurso didático e linguagem de comunicação que contribui
para o desenvolvimento do trabalho docente e, principalmente, no
processo de ensino-aprendizagem do aluno, ultrapassando a ideia
de que qualquer produção cartográfica está correta ou que não precisa de uma avaliação criteriosa do professor.
Com base nesses apontamentos é que selecionamos dois exemplos de mapas mentais (Figura 43) para apresentar os avanços e limites que podem se fazer presentes nessas representações. Por
outro lado, entendemos que os exemplos não expressam todas as
leituras e concepções produzidas pelos alunos, apenas servem como
casos específicos para apresentarmos as possíveis análises que
podem ocorrer ao propor aos estudantes a construção de mapas
mentais.
No primeiro exemplo, AEPa 34 (Figura 43), apesar de o aluno
ter organizado seu mapa de maneira interessante, ao representar a
cidade a partir de setores, a questão que nos chamou a atenção
como uma análise limitada foi o fato de esse estudante destacar que
"não há presença marcante da globalização" na Zona Norte da cidade, região muito conhecida por abrigar diversos bairros populares. A concepção de que a globalização somente ocorre nos
espaços de maior acumulação de capital restringe a compreensão de
como o sistema capitalista explora o próprio espaço, dando a falsa
ideia de que a pobreza, em grande parte, não é consequência da
atual fase do capitalismo. É interessante observarmos como o aluno
indica nas demais áreas da cidade a presença da globalização,
sempre associada à concentração de capital. Nesse sentido, entendemos a necessidade da intervenção do professor para revisar determinadas leituras que, com base na representação cartográfica do
aluno, se apresenta como restrita e, de certa forma, alienada.
Já no segundo mapa da Figura 43 (AEPu 24), mesmo não contendo uma análise que indique os problemas ou consequências da

230

DENIS RICHTER

Figura 43 ­ Mapas mentais da atividade 3.3, como exemplos de leituras
que expressam limites (AEPa 34) e avanços (AEPu 24) na análise espacial
dos alunos em relação ao processo de globalização

231

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

globalização, como destacamos anteriormente, o aluno propõe uma
leitura bem ampla das diversas atividades que ocorrem na cidade e
suas relações com o processo de globalização. Ao representar duas
produções agrícolas presentes na região de Presidente Prudente,
que são a cana-de-açúcar e o café,13 e destacar as indústrias que exportam seus produtos, podemos analisar que esse estudante tem
uma compreensão de como a economia global interfere na produção do espaço local ­ produção do lugar. Essa observação não é
exclusiva desse aluno; outros mapas mentais apresentados neste
capítulo14 também podem servir como exemplos de leituras pertinentes e avançadas em relação ao espaço geográfico.
Entretanto, independente de destacarmos as análises mais coadunadas com o processo de globalização, isso não nos impede de
reforçarmos a preocupação pela ausência de interpretações mais
críticas a respeito desse fenômeno. Muitos alunos conseguiram expressar como a economia global se faz presente na cidade, a partir
da localização de determinadas indústrias, comércios ou áreas que
somente existem em decorrência da globalização. Por outro lado, é
notável que houve o esquecimento ou não tiveram base para desenvolver reflexões mais questionadoras. Essa realidade encontrada na
análise dos mapas mentais dos estudantes vai ao encontro das ideias
organizadas por Bauman (1999) e Carlos (2007).
No caso de Bauman (1999), esse autor nos diz que o Estado e o
sistema capitalista, envolvidos na articulação da expansão do processo da globalização, buscam constituir na sociedade uma leitura
homogênea das diversas relações presentes nos meios sociais, culturais, políticos, econômicos, etc. Bauman (1999) nos esclarece
esses apontamentos ao relacionar a produção e a interpretação dos
mapas:
13.É válido esclarecer que, atualmente, a atividade sucroalcooleira tem apresentado maior participação na produção agrícola nessa região. Situação bem diferente do café, que nos últimos trinta anos perdeu muito espaço para a pecuária e
outras atividades agrícolas.
14.Por exemplo: AEPa 6 (Figura 37); AEPa 32 e AEPu 37 (Figura 39); AEPa 12
(Figura 40) e AEPu 20 (Figura 42).

232

DENIS RICHTER

O objetivo esquivo da moderna guerra pelo espaço era a subordinação do espaço social a um e apenas um mapa oficialmente aprovado e apoiado pelo Estado ­ esforço conjugado com e apoiado pela
desqualificação de todos os outros mapas ou interpretações alternativas de espaço, assim como com o desmantelamento ou desativamento de todas as instituições e esforços cartográficos além daqueles
estabelecidos pelo Estado, licenciados ou financiados pelo Estado.
A estrutura espacial que surgiria no final dessa guerra pelo espaço
deveria ser perfeitamente legível para o poder estatal e seus agentes,
ao mesmo tempo que absolutamente imune ao processamento semântico por seus usuários ou vítimas ­ resistente a todas as iniciativas interpretativas de "base popular" que podiam ainda saturar
fragmentos do espaço com significados desconhecidos e ilegíveis
para os poderes constituídos e assim tornar esses fragmentos invulneráveis ao controle de cima. (Bauman, 1999, p.38)

Diante dessas considerações e ao revermos os mapas mentais
produzidos pelos alunos na atividade 3.3, observamos as propostas
do Estado e do capital sendo realizadas, quando se torna evidente
a construção de interpretações muito similares, se observarmos o
conjunto de todo o material. Contexto que expressa uma leitura
singular dos estudantes diante do espaço, já que foram poucos os
alunos que identificaram os problemas ou as consequências geradas
pela globalização (do total de mapas mentais produzidos para a
atividade 3.3, os que fizeram essa identificação representam apenas
1,7%).
Esse contexto indica que o ensino de Geografia necessita rever
sua forma de trabalho para incorporar, além dos conteúdos, a prática da reflexão sobre os mais diferentes fenômenos presentes na
sociedade. Situação esta que contribui para a formação do raciocínio geográfico como conhecimento científico que colabora na
análise crítica da realidade.
Além disso, é interessante destacarmos as contribuições de
Carlos (2007, p.72-3) ao dizer que a cidade, em muito casos, se
apresenta para o indivíduo de forma mercadológica, fato que foi

233

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

marcante ao observarmos as representações espaciais dos alunos.
Desse modo, se esta foi a principal visão ou leitura dos estudantes
em referência ao espaço urbano, temos condições de identificar que
a formação escolar dos 11 anos de educação básica contribuiu de
maneira muito insípida para que esses indivíduos compreendessem
a cidade da perspectiva da Geografia, que busca superar os elementos de alienação e de própria negação do lugar, para dar mais
amplitude à produção e à transformação do espaço.
Cabe destacar, ainda, que a diversidade de propostas apresentadas por esses indivíduos ao construir seus mapas mentais nos revela que o exercício de confeccionar uma representação cartográfica
de próprio punho, de forma livre, amplia as possibilidades de interpretar o espaço geográfico e dificilmente resulta numa produção
padronizada da linguagem espacial.
Por outro lado, isso não quer dizer que o trabalho escolar de
Geografia articulado com a produção de mapas mentais deva ser
pensado com o intuito de uniformizar as representações espaciais
dos estudantes. Entendemos que uma das significativas contribuições dos mapas mentais é de expressar a diversidade de leituras e
interpretações de um determinado espaço. Essa característica atende
a algumas das questões levantadas por Harvey (1992, p.191), de que
muitos sistemas de representações, excessivamente padronizados e
carregados de imposições políticas e culturais,15 restringem a compreensão de como o mundo é produzido pela sociedade.
15.Para Harvey (1992, p.221-2), as regras impostas sobre a Cartografia, no desenvolvimento dessa ciência entre os séculos XV e XX, tinham o objetivo de construir na consciência da sociedade da época que qualquer espaço poderia ser
ocupado, conquistado. A própria perspectiva plana e cartesiana da superfície
terrestre pôde inserir o mundo nos planos estratégicos dos Estados (reinados e
impérios), pois o mundo tornava-se racional e planejável. Essas ideias são compartilhadas, também, por Santos (2002) e Harvey (2009, p.2), sendo que o último autor faz considerações muito pertinentes a respeito da ideologia inserida
na Cartografia. Segundo ele, "os mapas serão considerados como parte integrante da família mais abrangente das imagens carregadas de um juízo de valor,
deixando de ser percebidos essencialmente como levantamentos inertes de paisagens morfológicas ou como reflexos passivos do mundo dos objetos. Eles são

234

DENIS RICHTER

Aprendemos nossos modos de pensar e de conceituar no contato
ativo com as especializações da palavra escrita, no estudo e na produção de mapas, gráficos, diagramas, fotografias, modelos, quadros, símbolos matemáticos e assim por diante. Até que ponto são
adequados esses modos de pensamento e esses conceitos diante do
fluxo da experiência humana e dos potentes processos de mudança
social? Do outro lado da moeda, como podem espacializações em
geral, e práticas estéticas em particular, representar o fluxo e a mudança, especialmente se estes últimos forem considerados verdades
essenciais a serem transmitidas?

Na contramão dessa situação apresentada pelo autor, os mapas
mentais se constituem como uma alternativa ao processo de representação do espaço, por permitirem a construção de diferentes análises, leituras e olhares produzidos pelos alunos e precisarem ser
articulados com as aulas de Geografia, a partir do desenvolvimento
dos conceitos científicos. Ao mesmo tempo, essa proposta de espacialização ajuda a desvelar como o mundo de hoje está organizado,
a partir da diversidade de contextos que compõe cada lugar e, concomitantemente, a significativa influência do processo de homogeneização dos espaços, como resultado da globalização.
Dito isso, o nosso próximo passo é valorizar a produção dos
mapas mentais com base no trabalho e no processo científico de

considerados imagens que contribuem para o diálogo num mundo socialmente
construído. Nós distinguimos assim a leitura dos mapas dos cânones da crítica
cartográfica tradicional e de seu rosário de oposições binárias entre mapas `verdadeiros e falsos', `exatos e inexatos', `objetivos e subjetivos', `literais e simbólicos', baseados na `integridade científica' ou marcados por uma `deformação
ideológica'. Os mapas nunca são imagens isentas de juízo de valor e, salvo no
sentido euclidiano mais estrito, eles não são por eles mesmos nem verdadeiros
nem falsos. Pela seletividade de seu conteúdo e por seus símbolos e estilos de
representação, os mapas são um meio de imaginar, articular e estruturar o
mundo dos homens. Aceitando-se tais premissas, torna-se mais fácil com
preender a que ponto eles se prestam às manipulações por parte dos poderosos
na sociedade".

235

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

análise e interpretação espacial, que consideramos estar entre os
elementos fundamentais para a formação do raciocínio geográfico.

Análise e interpretação espacial ­ produção e
transformação do espaço
Até agora analisamos os mapas mentais desde a seleção da área
geográfica; pela ocorrência e o destaque às vias, bairros, marcos,
pontos nodais e limites; na identificação e compreensão dos problemas urbanos e do processo de globalização; é necessário, agora,
partirmos para uma integração dessas categorias e desses conteúdos
geográficos. Assim, como destacamos no início deste capítulo, o
fato de dividirmos os saberes científicos em cada uma das análises
propostas, não significa que os mesmos estão isolados. Até porque,
para interpretarmos alguns contextos ou fenômenos, precisamos
recorrer, em vários momentos, a outras categorias que nos ajudassem
a compreender os processos que envolvem ou são responsáveis pela
configuração de determinados arranjos espaciais. Entendemos que
é fundamental realizarmos essa aproximação dos conteúdos, para
que os estudantes identifiquem as diversas possibilidades de analisar o espaço geográfico e, ao mesmo tempo, reconheçam que a
produção desse espaço é resultado de uma totalidade. Ou, como
nos indica Santos (1985, p.57), a respeito da divisão dos elementos
do espaço:
Seria errôneo supor que o trabalho de um espaço deva ser estudado
apenas através de um desses conceitos, seja ele forma, função, processo ou estrutura, isoladamente. Na verdade, a interpretação de
uma realidade espacial ou de sua evolução só se torna possível mediante uma análise que combine as quatro categorias analíticas,
porquanto seu relacionamento é não apenas funcional, mas também
estrutural.

Mais adiante, esse mesmo autor complementa:

236

DENIS RICHTER

Separada da função, a estrutura conduz ou a um estruturalismo a-histórico e forma, ou a um funcionalismo relacionado tão somente
com o caráter conservador de todas as instituições, mas não com o
problema da transformação. Se levamos em conta somente a forma,
caímos imediatamente no reino do empirismo. Além disso, não
basta relacionar apenas estrutura e forma, ou função e forma. No
primeiro caso, supõe-se uma relação sem mediação; no segundo,
uma mediação sem impulso dominante. (1985, p.58)

Mesmo reconhecendo que Santos defende em seu texto a integração das categorias do espaço (forma, estrutura, função e processo), podemos aproximar essas ideias para o nosso trabalho, que
também precisou analisar separadamente cada conteúdo geográfico ou categoria de análise presente nos esboços cartográficos produzidos pelos alunos. Desse modo, no mesmo sentido que aponta
Santos (1985), consideramos imprescindível a associação de todos
os saberes científicos na proposição de uma leitura mais ampla, coadunada com a perspectiva da produção do espaço e do raciocínio
geográfico. De acordo com esses apontamentos é que apresentamos
a proposta da análise e interpretação espacial, por entendermos que
todo trabalho didático de Geografia deve prezar pela formação e
desenvolvimento da construção de um olhar espacial, como bem
aponta Callai (2005, p.238):
Desenvolver o olhar espacial, portanto, é construir um método que
possa dar conta de fazer a leitura da vida que estamos vivendo, a
partir do que pode ser percebido no espaço construído. "O olhar
espacial supõe desencadear o estudo de determinada realidade social verificando as marcas inscritas nesse espaço" (Callai, 2000,
p.94). Essas marcas refletem toda uma história, e escondem atrás
de si as relações e o jogo de forças que foi travado para finalmente
assumirem estas feições. A organização espacial representa muitas
coisas que, por não estarem visíveis, precisam ser descortinadas.

237

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

Podemos contribuir para essa citação ao dizer que é a partir do
olhar espacial que o indivíduo poderá compreender como os espaços são produzidos, como eles são transformados ao longo do
tempo e quais são os contextos que os influenciam em seu processo
de modificação. Ao termos clareza dessa leitura, que "descortina"
a realidade para o aluno, é que o conhecimento geográfico terá
sentido e contribuição para sua formação social. No caso desta
pesquisa, a realidade em questão é o espaço urbano, que revela
inúmeras contradições e contextos que podem colaborar para o ensino dos conteúdos específicos da Geografia.
Ao mesmo tempo, podemos pensar a cidade como uma paisagem
complexa e heterogênea (Santos, 1988, p.66), servindo de referência
para que os estudantes analisem os diversos processos que interferem na sociedade.16 Outra particularidade da cidade, que nesse caso
pode ser pensada como uma paisagem artificial, refere-se à sua in
teração entre formas naturais e artificiais, pois, para Santos (idem,
p.65),
A paisagem é sempre heterogênea. A vida em sociedade supõe uma
multiplicidade de funções e quanto maior o número destas, maior a
diversidade de formas e de atores. Quanto mais complexa a vida
social, tanto mais nos distanciamos de um mundo natural e nos endereçamos a um mundo artificial.

Sendo assim, ao utilizarmos a cidade como espaço de análise
para a produção dos mapas mentais, temos a possibilidade de observar de que maneira os alunos recuperam os conhecimentos específicos da Geografia para interpretar o espaço urbano, a partir
dos inúmeros fenômenos e processos que interferem na (trans)
formação da cidade. Podemos exemplificar essa situação ao relatar que, quando solicitamos aos estudantes a construção de
16.Essa perspectiva a respeito da cidade é compartilhada, também, pelos seguintes
autores: Bauman (1999), Callai (2003), Cavalcanti (2006) e Carlos (2007), já
mencionados neste capítulo.

238

DENIS RICHTER

mapas mentais que expressassem os problemas urbanos que
ocorrem na cidade, o objetivo era observar como esses indivíduos
fariam a integração do conhecimento espacial de um ambiente tão
próximo e que representasse, também, uma escala de análise de
significativa importância para desenvolver leituras geográficas.
Compreender as dinâmicas que modificam as diferentes paisagens da cidade, as questões que se tornam problemas para muitos
moradores ou reconhecer os desafios e as consequências que a
própria produção da cidade provoca no espaço seriam as leituras
esperadas dos alunos.
Por outro lado, reconhecemos que existe uma complexidade na
tentativa de fazer uma interpretação espacial da cidade, ou seja, de
compreender a cidade como sendo um espaço geográfico. Santos
(1978) aborda essa dificuldade, que precisa ser encarada como um
desafio necessário para a formação e o desenvolvimento do raciocínio geográfico. Esse autor nos diz que, ao levantarmos questionamentos a respeito do espaço geográfico, devemos estar cientes de
que "sua definição é árdua, porque a sua tendência é mudar com
o processo histórico, uma vez que o espaço geográfico é também o
espaço social" (p.120).
Uma forma de tentarmos superar esse desafio pode estar no reconhecimento das práticas sociais como elementos que interferem
na própria produção do espaço. Portanto, é fundamental que as
aulas de Geografia proporcionem momentos para que os alunos
possam pensar/refletir sobre as diferentes categorias do espaço e,
também, na sua configuração desigual. Em outras palavras:
O espaço deve ser considerado como um conjunto de relações realizadas através de funções e de formas que se apresentam como testemunho de uma história escrita por processos do passado e do
presente. Isto é, o espaço se define como um conjunto de formas
representativas de relações sociais do passado e do presente e por
uma estrutura representada por relações sociais que estão acontecendo diante dos nossos olhos e que se manifestam através de processos e funções. O espaço é, então, um verdadeiro campo de forças

239

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

cuja aceleração é desigual. Daí porque a evolução espacial não se
faz de forma idêntica em todos os lugares. (Santos, 1978, p.122)

De acordo com o mapa conceitual das categorias de análise dos
mapas mentais (ver Figura 9) e com as ideias de Santos (1978, 1985,
1988), essa "conexão" ficará a cargo da perspectiva da análise e interpretação espacial. Entretanto, estamos cientes de que, ao longo
de todo o nosso trabalho de leitura dos esboços cartográficos, a análise e a interpretação espacial estiveram presentes, seja pela leitura
geográfica dos alunos, ao construir os mapas mentais, ou pela nossa
abordagem ao tentar compreendê-los com base nos saberes científicos. Diante desses apontamentos é que destacamos a importância
de incluir a análise e a interpretação espacial, que não representa a
inserção de mais um conteúdo, categoria ou item nos esboços cartográficos, mas uma perspectiva de observação dessas represen
tações, que apresentam o conjunto de todos os elementos, categorias
e conceitos.
Para colaborarmos nessa explicação, organizamos um quadro
(Figura 44) que resume todas as categorias e conteúdos analisados e
sua integração presente na produção dos mapas mentais.
A organização da Figura 44 nos ajuda a apresentar a importante
contribuição da integração das categorias/conteúdos para a realização de uma análise e interpretação espacial mais ampla das produções cartográficas. A partir desse esquema torna-se evidente a
presença de cada conhecimento geográfico na composição do mapa
mental. Entretanto, nem sempre todos os conteúdos estarão inseridos na organização do mapa. Dependendo do objetivo da construção do esboço cartográfico, determinados conteúdos se tornam
mais necessários para compor a representação ou apresentar um
processo específico, como os problemas urbanos e a globalização.
Mesmo não sendo possível identificarmos todos os elementos
nos mapas mentais, a significativa contribuição da análise e interpretação espacial está em reconhecer as diferentes questões levantadas pelos alunos ao construir seus mapas. Ou, de forma indireta,
identificarmos a ocorrência de um raciocínio geográfico que per-

240

DENIS RICHTER

Categorias e conteúdos

ProcessoFunção
Legibilidade
Estrutura
Forma

geográfico

Interpretação nos mapas mentais

Área geográfica

A rua, o bairro, a cidade, os objetos e
elementos representados na com
posição do mapa.

Vias

Fluxos: deslocamentos dos indiví
duos, das mercadorias, os espaços de
consumo.

Bairros

Diferenças: influência das experiên
cias no reconhecimento das par
ticularidades, olhar mais atento às
diferenças, especificidades.

Marcos

Referências para localização: de
acordo com os percursos, atividades
cotidianas, locais com importância
social, econômica, cultural.

Pontos nodais

Conexões validadas pelos indivíduos.
São pontos de encontro/associação.

Limites

Espacializam/delimitam as diferenças
presentes no espaço, podem ser fixos
ou móveis e mudam com a dinâmica
do espaço-tempo.

Problemas
urbanos

Identificação e espacialização dos
eventos, fatos, fenômenos e proces
sos que são responsáveis pela (trans)
formação da cidade ­ modificação da
paisagem.

Globalização

Análise dos elementos, objetos,
contextos ou paisagens que são
resultados da interferência da
totalidade-mundo.

Figura 44 ­ Quadro-resumo das categorias e conteúdos geográficos para
interpretar os mapas mentais
Fonte: Richter, D. (Org.), 2010.

241

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

242

DENIS RICHTER

mitiu a compreensão ou entendimento sobre uma área específica
da cidade. Sendo assim, é no conjunto dessas informações e pela
associação entre as categorias/conteúdos que o professor de Geografia poderá analisar os avanços e os limites que os estudantes
apresentam a respeito da leitura espacial do espaço urbano. É interessante destacar que o docente tem autonomia para trabalhar
diferentes questões ou temas com seus alunos. As propostas apresentadas neste livro não devem ser pensadas como um modelo
padronizado para desenvolver práticas de construção de mapas
mentais. Compreendemos que são inúmeras as possibilidades de
ampliar a participação da produção cartográfica de próprio punho
para o ensino de Geografia.
Contudo, no que se refere às propostas organizadas para o presente estudo, conseguimos identificar algumas situações pertinentes ao desenvolvimento do olhar espacial (Callai, 2003) e,
principalmente, do raciocínio geográfico. Uma das análises está
relacionada à interpretação do processo de globalização, de acordo
com as ideias de Massey (2008) sobre esse tema. Para a autora, a
leitura de mundo produzida pelos indivíduos que estão inseridos
na globalização se torna, em grande parte, homogênea. Ou seja, de
um mundo sem caminhos ou possibilidades diferentes.
Essa perspectiva destacada por Massey (idem) foi visível nos
mapas mentais produzidos pelos alunos a respeito da globalização.
Na representação espacial desses estudantes, os espaços de consumo, os produtos tecnológicos, as conexões e as redes foram as
interpretações mais comuns. Houve apenas um aluno que representou o "lixão" da cidade como um problema intensificado/provocado pelas ações da globalização.17 Para Massey (idem), essa
situação é um forte indicativo de que grande parte dos indivíduos
produz uma visão muito limitada da realidade, perante a produção
do espaço ou da organização da sociedade.
Podemos exemplificar esse fato ao destacar que muito alunos,
ao produzirem os mapas mentais da atividade 3.2 (problemas urbanos), identificaram a existência da pobreza e/ou desigualdade
social em determinadas áreas da cidade. O que significa que esse
17.Ver a análise do mapa mental do AEPu 20 (Figura 42).

243

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

contexto, de alguma forma, foi visível para muitos estudantes.18
Entretanto, quando os alunos produziram os esboços cartográficos
sobre a globalização, essa situação tornou-se totalmente diferente.
Nesse caso, não houve uma representação espacial que fizesse relação entre a produção da pobreza com o desenvolvimento do processo de globalização.19 Entendemos que esse fato atende aos
apontamentos de Massey (2008, p.130), que diz:
Enquanto a desigualdade for lida em termos de estágio de avanço
ou atraso, não apenas as estórias alternativas não são reconhecidas,
mas também a evidência da produção da pobreza e da polarização,
dentro e através da própria "globalização", pode ser riscada do
mapa. Isto é ­ novamente ­ uma imaginação geográfica que ignora
sua própria espacialidade efetiva. [grifo nosso]

De acordo com as ideias da autora, temos condições de confirmar um limite no desenvolvimento do raciocínio geográfico dos
alunos, já que a relação entre os contextos que envolvem a compreensão e a produção das duas atividades (problemas urbanos e
globalização) deveria ter sido destacada pelos estudantes ao construir seus mapas mentais. Pelo menos, era isso que se esperava de
alunos do último ano do ensino médio.
Diante disso, ao termos clareza da significativa contribuição da
integração das categorias e conteúdos geográficos para a análise e
interpretação dos mapas mentais, é interessante apresentarmos
alguns exemplos dessa leitura mais ampla, conforme a ideia da
Figura 44.
Assim, para ajudar na leitura dos esboços cartográficos, que
serão apresentados a seguir (Figuras 45, 46, 47 e 48), organizamos

18.É interessante observarmos que 25% dos AEPa e 22% dos AEPu representaram
problemas relacionados à desigualdade social em seus mapas, como destacam a
Tabela 6 e o Gráfico 2.
19.Ver Tabela 6 e Gráfico 2.

244

DENIS RICHTER

uma legenda que indica cada uma das categorias e/ou conteúdos
geográficos presentes na composição das representações espaciais.
Muitas vezes, mesmo o aluno não tendo indicado diretamente
um determinado fenômeno ou processo, principalmente quando a
proposta da atividade não solicitava o desenvolvimento de um tema
específico (como foi o caso da atividade 1), entendemos que é possível a realização de um trabalho mais criterioso sobre os diversos
contextos que são apresentados pelos alunos na produção dos
mapas mentais. Até porque toda construção dos esboços cartográficos é resultado da ação do pensamento do indivíduo ao refletir
sobre o espaço urbano, ou seja, encontramos nesse processo o desenvolvimento dos conceitos científicos sobre os espontâneos (Vigotski, 2000).
Portanto, a inserção de determinados elementos tem um sentido ou uma origem, que se trata dos saberes sistematizados. Por
isso, a participação do professor no desenvolvimento dessa proposta em sala de aula é fundamental, já que o mapa não deve ser
entendido como um fim em si mesmo. Estamos cientes de que
essas produções cartográficas representam um caminho para ampliar o conhecimento do docente em referência ao processo ensino-aprendizagem do saber geográfico do aluno. Em outras palavras,
os mapas mentais se tornam um excelente recurso para identificar
leituras mais aprofundadas sobre um dado conteúdo ou desvelar
análises mais restritas ou limitadas. E, principalmente, contribuir
para a formação de um leitor mais crítico sobre a produção do espaço, a partir do trabalho de construção e interpretação de mapas.
São essas premissas que consideramos essenciais no desenvolvimento de um raciocínio geográfico.

Figura 45 ­ Mapa mental da atividade 1, como exemplo da análise e interpretação espacial

Globalização

Problemas urbanos

Limites

Pontos nodais

Marcos

Vias

Bairros

Área geográfica

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

245

246

DENIS RICHTER

Interpretação do mapa mental do AEPa 6
· Existe mais de uma área geográfica selecionada pelo
aluno ao compor o mapa. Desde a delimitação da região,
que engloba o shopping e os bairros Novo Bongiovani e
Cohab, até a rua como espaço de análise. Esse fato revela
diferentes territórios presentes na produção da cidade e
em cada área são apresentados diferentes contextos. Assim,
há uma forte associação com o limite e com os bairros.
· As principais vias comerciais e de maior fluxo de tráfego
são destacadas por suas toponímias e, também, indicam
uma forte relação com a mobilidade espacial do aluno.
· O "novo" Muffato é destacado como um marco para a
localização e referência espacial da região representada.
Isso pode ser correlacionado ao processo de globalização,
por valorizar um espaço de consumo, assim como o shop
ping e o Carrefour, ou seja, suas função no espaço. Ao
mesmo tempo, esse estudante também destaca as indús
trias que estão presentes nessa área da cidade.
· As rotatórias representadas servem como pontos nodais
para indicar a centralidade de alguns locais e a conexão
possível para chegar a determinados lugares.
· A inserção do córrego do Veado, muito conhecido pelos
problemas ambientais, pode servir como um indicativo
dos problemas urbanos, fortemente associado aos processos
de desenvolvimento econômico e da atual estrutura da
sociedade, na ocupação dos mais diferentes espaços.

Figura 46 ­ Mapa mental da atividade 3.1, como exemplo da análise e interpretação espacial

Globalização

Problemas urbanos

Limites

Pontos nodais

Marcos

Vias

Bairros

Área geográfica

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

247

248

DENIS RICHTER

Interpretação do mapa mental do AEPu 27
· Como esse mapa apresentava o percurso casa-escola, a
área geográfica selecionada pelo aluno engloba diversos
bairros e regiões da cidade. Entretanto, o estudante não
cita os nomes desses locais. Há uma maior valorização
das formas do espaço, como os prédios, as lojas, as fá
bricas, etc.
· Por outro lado, há um destaque para os elementos de
localização, como os pontos nodais e os marcos, que ajudam
o leitor a identificar o itinerário do caminho casa-escola,
como rotatórias, pontos comerciais e indústrias. Nesse
caso, muitos locais são representados com o objetivo de
indicar as esquinas e os pontos de referência, assim como
os nomes das principais vias. Mais uma vez, percebemos a
importância das funções e formas do espaço na compo
sição do mapa mental.
· É possível identificarmos uma relação entre a indicação
desses locais (principalmente os marcos) com o processo
de globalização, já que a maior parte desses espaços estão
vinculados às atividades econômicas (comércio, indústria)
e seus produtos/técnicas são resultados das relações
globais.

Figura 47 ­ Mapa mental da atividade 3.2, como exemplo da análise e interpretação espacial

Globalização

Problemas urbanos

Limites

Pontos nodais

Marcos

Vias

Bairros

Área geográfica

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

249

250

DENIS RICHTER

Interpretação do mapa mental do AEPa 7
· Ao apresentar os problemas urbanos (relacionados às
questões de moradia, de inundação e de trânsito), de
acordo com o que foi solicitado na atividade, o aluno
selecionou duas áreas geográficas bem destacadas no
mapa, com o objetivo de salientar as características de
cada região. Entretanto, as duas regiões destacadas fazem
parte do cotidiano do aluno (um mapa indica a casa e
outro a escola), situação que indica uma leitura muito
restrita da organização e dos processos que interferem
na produção da cidade.
· Para identificar os problemas urbanos, o estudante
utilizou os marcos que ajudam na localização desses
locais. Da mesma forma, esses marcos também servem
como referências ao processo de globalização (subliminar),
já que alguns espaços representados exercem atividades
relacionadas ao comércio, pela venda de produtos que
são ícones da economia global.
· Mesmo utilizando a representação das vias na composição
do mapa, não houve a preocupação de nominá-las, situação
que dificulta a interpretação e localização mais exata dos
problemas indicados pelo aluno.

Figura 48 ­ Mapa mental da atividade 3.3, como exemplo da análise e interpretação espacial

Globalização

Problemas urbanos

Limites

Pontos nodais

Marcos

Vias

Bairros

Área geográfica

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

251

252

DENIS RICHTER

Interpretação do mapa mental do AEPu 20
· Para representar a presença da globalização na cidade de
Presidente Prudente, o estudante selecionou três áreas
geográficas. Cada área foi separada por linhas, para que o
leitor pudesse compreender seus limites e, além disso,
houve a preocupação de apresentar o nome dos bairros, o
que colabora na localização.
· Em cada uma das áreas, a globalização foi representada a
partir da identificação de indústrias e comércios, sendo
que muitos poderiam servir de indicação aos marcos da
cidade, que contribuem para o deslocamento e para a
localização espacial. No entanto, há um destaque maior
para as atividades econômicas vinculadas à globalização
do que para as consequências desse processo.
· Os pontos nodais nesse mapa foram destacados apenas
pelas rotatórias, como conexões entre as demais regiões
da cidade a partir das vias. Mais uma vez, identificamos a
forte referência ao trânsito como mobilidade espacial.
· No que se refere aos problemas urbanos, o aluno destaca a
presença do "lixão" em uma das áreas representadas. Esse
contexto permite uma relação com as consequências da
globalização, já que a produção de resíduos sólidos é uma
das características desse processo econômico.
· Dentre os limites presentes nesse esboço cartográfico,
podemos citar a representação das rodovias (Raposo
Tavares e Assis Chateaubriand) e da linha férrea, que
indicam algumas "barreiras" no crescimento/expansão
da cidade ou delimitação de determinadas áreas.

253

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

De acordo com as análises e interpretações que realizamos
nesses mapas mentais (Figuras 45, 46, 47 e 48), a representação de
cada elemento e objeto, como as vias, os limites, os bairros, a área
geográfica, os pontos nodais e os marcos, ou a presença de contextos relacionados aos problemas urbanos e a globalização, devem
ser identificados como leituras provenientes das categorias do espaço ­ forma, função, estrutura e processo (Santos, 1985) ­, como
também da perspectiva da legibilidade (Lynch, 2006).
Entretanto, sabemos que muitas vezes os alunos não destacam
essa relação existente. Por isso, cabe ao professor desenvolver atividades, propostas, leituras e reflexões pertinentes que apresentem
essa proximidade entre a construção dos espaços de vivência com o
conhecimento científico, como o uso de mapas mentais integrado
ao desenvolvimento e ao ensino dos conteúdo geográficos. A compreensão mais aprofundada da formação e dos contextos que envolvem a produção do espaço são fundamentais para ampliar as
leituras e as interpretações dos estudantes a respeito dos lugares.
Por fim, de acordo com as propostas apresentadas e das interpretações realizadas sobre os esboços cartográficos, temos condições de dizer que o trabalho relacionado à construção dos mapas
mentais se torna um meio para que o professor possa identificar ou
reconhecer o desenvolvimento do raciocínio geográfico produzido
pelos alunos ao longo de sua formação escolar.

Considerações finais

Ao nos aproximarmos do encerramento deste trabalho, que nos
permitiu aprofundar os conhecimentos em relação aos estudos de
Cartografia Escolar, pela valorização do uso do mapa como uma
linguagem pertinente às ações didático-pedagógicas; na articulação
com a teoria histórico-cultural, que ampliou nosso entendimento
sobre o processo de aprendizagem, principalmente no que tange ao
uso das linguagens como expressão dos conceitos científicos e espontâneos; e na contribuição das bases teóricas do ensino de Geografia, que apresentaram os diversos contextos que interferem na
produção e construção do espaço, bem como no estudo do seu
conceito; é no conjunto dessas leituras, discussões e reflexões que
podemos justificar a presença e a significativa contribuição do
uso do mapa mental para o processo de ensino-aprendizagem de
Geografia, principalmente no que tange à expressão do raciocínio
geográfico.
Muito mais do que estabelecermos novas regras ou atividades
para as aulas de Geografia, entendemos que a integração dos esboços cartográficos no desenvolvimento dos saberes geográficos
amplia a participação da Cartografia como instrumento de linguagem das análises espaciais, permitindo ao indivíduo conhecer
outras formas de expressão de suas leituras de mundo (Callai, 2000)
pelo uso da representação cartográfica, sendo estas provenientes
das interpretações do cotidiano.

256

DENIS RICHTER

Nesse sentido, uma das nossas preocupações ao desenvolvermos este trabalho, estava em organizar um material que pudesse
ser viabilizado no uso das práticas escolares. Entendemos que a
urgência por aproximar a Cartografia das atividades de ensino de
Geografia exigem da universidade, e do conhecimento produzido
por ela, uma atenção relevante para alterar o quadro que encontramos em muitas escolas ou na própria formação dos alunos, ao
longo do ensino básico. Diante disso, a proposta de construção de
mapas mentais associada às questões geográficas ­ produção e
organização do espaço ­ se apresenta como um importante colaborador no processo de ensino-aprendizagem de Geografia.
A relação com o raciocínio geográfico está presente na articulação das ideias apresentadas pelos alunos na construção de seus
esboços cartográficos e no trabalho do professor ao interpretar
essas representações. De acordo com as atividades propostas
neste livro, vimos como os estudantes transpõem para a linguagem
cartográfica suas leituras e entendimentos sobre a produção do
espaço. Nesse caso, as dificuldades apresentadas pelos alunos estavam relacionadas desde o uso da própria Cartografia, da linguagem específica para representar suas análises espaciais, até a
articulação dos conteúdos geográficos para compreender os inúmeros processos que ocorrem na realidade. Assim, nossa intenção,
para contribuir para o avanço da Cartografia Escolar, está na identificação de um material que possibilite a associação dos saberes
geográficos, ensinados pela Geografia, com a construção da análise
espacial por parte dos alunos, ao observar, pensar, refletir ou ler
diferentes espaços.
Como se trata de uma proposta, tivemos o cuidado de apresentar uma metodologia de trabalho que utilizasse os mapas mentais como recurso capaz de aproximar os conceitos científicos das
leituras da vivência, do campo das experiências, que se materializam e dão sentido às práticas cotidianas desses indivíduos ao percorrerem distintos espaços, como a cidade.
Além disso, alguns pontos merecem destaque para expor a significativa colaboração do uso dos esboços cartográficos que, em

257

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

muitos casos, nos indicam as contribuições e/ou as perspectivas
desse trabalho. São eles:

· Além de valorizarmos as práticas de construção dos mapas
mentais, torna-se essencial encontrarmos meios que possam
explorar ao máximo as informações contidas nessas representações. Por exemplo, o fato de o prédio do Centro Cultural Matarazzo e do Muffato Max terem sido destacados
em diversas representações cartográficas dos alunos indica
que a forma e a função, como categorias do espaço apresentam um fator relevante na leitura cotidiana dos es
tudantes. Nesse caso, o professor poderia provocar nos
alunos a seguinte pergunta: se o Matarazzo não tivesse alterado sua atividade (função) ao longo dos anos (da industrial/comercial para a cultural) e se a construção do
Muffato Max já estivesse concluída, esses espaços teriam
sido tão destacados na observação espacial dos alunos em
referência à cidade de Presidente Prudente?
· Ao ensinar o aluno a produzir mapas mentais, que aproximam o conhecimento geográfico da leitura do cotidiano,
o ensino de Geografia ampliará o entendimento desse indivíduo de como o espaço é produzido e quais elementos e
contextos interferem na sua produção. Diante dessa perspectiva mais atenta aos processos de transformação do
espaço e por conhecer o funcionamento dessa complexa
"engrenagem" (produção espacial), o estudante terá condições, também, de intervir na organização da sociedade
por identificar, analisar e compreender as categorias que
são responsáveis pela formação dos diferentes fenômenos
que estão presentes na realidade.
· Uma preocupação que o professor precisa ter ao interpretar essas produções cartográficas refere-se à ocorrência
de determinadas leituras presentes nos mapas mentais.
Por exemplo, pudemos verificar que os alunos do último
ano do ensino médio apresentaram, na construção de seus

258

DENIS RICHTER

esboços cartográficos, a identificação de determinados
problemas ou questões pertinentes à organização da estrutura urbana, como foi analisado no capítulo 4. Entretanto,
chama-nos a atenção que isso somente ocorreu quando incluímos no texto de algumas atividades questões relativas
aos problemas da cidade. Fato que indica uma leitura do
espaço muito restrita por parte desses indivíduos. Muitos
alunos apenas apresentaram os problemas quando foram
questionados sobre tal contexto; antes disso, essa leitura
não estava presente em suas representações espaciais. De
certa forma, esperávamos desses alunos, concluintes da
educação básica, abordagens e interpretações mais críticas
e avançadas do que as encontradas nesse estudo.
· Entendemos que o raciocínio geográfico, tão mencionado
ao longo deste trabalho, se encontra na articulação das
ideias e no uso dos saberes científicos da Geografia para
analisar e interpretar as práticas sociais que estão presentes
na produção dos mais diferentes lugares. Os objetos representados, os contextos destacados, as indicações de elementos específicos em cada esboço cartográfico, permitem
expressar o desenvolvimento do conhecimento científico
por parte do aluno, ou seja, seu raciocínio geográfico.
Nesse sentido, com base na análise e interpretação dos
mapas mentais produzidos pelos alunos, pudemos identificar que as leituras apresentadas por esses indivíduos está
mais para a reprodução do espaço do que para desenvolver
reflexões mais pertinentes ao processo de construção do
espaço. Portanto, os estudantes precisavam avançar no desenvolvimento do seu raciocínio geográfico.
· Os mapas mentais, além de servirem como uma linguagem
capaz de ajudar o aluno a refletir sobre a presença dos conceitos científicos na produção dos espaços, têm o papel de
colaborar no trabalho docente ao indicar que conhecimentos ou interpretações os estudantes deveriam realizar.
Portanto, essas representações cartográficas servem como

259

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

indicativos do processo de avaliação do ensino de Geografia para o professor.
· O uso dos esboços cartográficos pode acompanhar o ensino dos elementos da Cartografia, para que o aluno saiba
utilizar melhor as habilidades de acesso e processuais que
são responsáveis pela construção da linguagem cartográfica. Talvez a associação entre os conteúdos geográficos
com a produção dos mapas mentais tivesse apresentado
resultados mais positivos se o processo de ensino de Geografia, ao qual os alunos tiveram acesso, tivesse articulado
de forma mais intensiva o uso da Cartografia. Entendemos
que o trabalho com os mapas precisa de tempo para ampliar e melhorar a produção cartográfica.
· A compreensão do desenvolvimento dos conceitos científicos e espontâneos, assim como o aprofundamento dos
elementos responsáveis pela produção da linguagem, abordados por Vigotski (2000), nos ajudaram a valorizar a
construção dos esboços cartográficos como expressão do
saber internalizado pelos alunos. Desse modo, no que se
refere à formação dos conceitos científicos, identificamos
os limites dos estudantes no processo de análise e interpretação da realidade.
De acordo com essas ideias, o mapa mental cumpre um papel
fundamental no processo de ensino-aprendizagem de Geografia,
ao indicar leituras, olhares, reflexões, compreensões, avanços, limites, equívocos, relações, interpretações e análises a respeito do
espaço. Entretanto, para que tudo isso aconteça, o professor precisa
reconhecer a significativa contribuição dessa linguagem espacial
para as atividades escolares e os inúmeros contextos que esse produto cartográfico permite expressar. Assim, o mapa terá sentido
para a vivência do aluno, desde sua colaboração na formação escolar até na realização das práticas sociais desse indivíduo.
Portanto, professor, vamos começar esse trabalho?

Referências bibliográficas

ABRANTES, Maria de Fátima Pereira. Da alfabetização cartográfica
à formação de leitores críticos de mapas: um desafio para os professores. Rio de Janeiro, 2001. Dissertação (mestrado) ­ Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).
ALMEIDA, Regina Araújo de et al. Geografia e Cartografia para o
turismo. Ed. rev. e ampl. São Paulo: Ipsis, 2007.
ALMEIDA, Rosângela Doin de, PASSINI, Elza Yazuko. O espaço
geográfico: ensino e representação. 6.ed. São Paulo: Contexto, 1998.
_____ (Org.). Cartografia escolar. São Paulo: Contexto, 2007.
_____. A propósito da questão teórico-metodológica sobre o ensino de
Geografia. Prática de Ensino em Geografia (Terra Livre/AGB, São
Paulo), p. 83-90, 1991.
_____. Do desenho ao mapa: iniciação cartográfica na escola. São Paulo:
Contexto, 2001.
_____. Proposta metodológica para compreensão de mapas geográficos.
São Paulo, 1994. Tese (doutorado) ­ Universidade de São Paulo
(USP).
ANTUNES, Aracy do Rego, MENANDRO, Heloísa Fesch, PAGANELLI, Tomoko Iyda. Estudos Sociais: teoria e prática. Rio de Janeiro: Access Editora, 1993.
_____, PAGANELLI, Tomoko Iyda, SOIHET, Rachel. A noção de
espaço e de tempo ­ o mapa e o gráfico. Revista Orientação (Instituto de Geografia, USP, São Paulo), n.6, p.21-38, 1985.

262

DENIS RICHTER

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: as consequências humanas. Rio
de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.
_____. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
BEATÓN, Guillermo Arias. Inteligência e educação. São Paulo: Terceira Margem, 2006.
_____. La persona em el enfoque histórico cultural. São Paulo: Linear B,
2005.
BLACK, Jeremy. Mapas e história: construindo imagens do passado.
Bauru: Edusc, 2005.
BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
BRABANT, Jean-Michel. Crise da Geografia, crise da escola. In:
OLIVEIRA, A. U. (Org.). Para onde vai o ensino de Geografia?
3.ed. São Paulo: Contexto, 1991, p.15-23.
BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN+). Ciências Humanas e suas tecnologias. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília: MEC/Semtec, 2002.
_____. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências Humanas e suas
tecnologias. Secretaria de Educação Básica. Brasília: Ministério da
Educação/Secretaria de Educação Básica, 2006.
_____. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia e História. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.
_____. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia. Secretaria de
Educação Fundamental. Brasília: SEF, 1998.
CALLAI, Helena Copetti. Aprendendo a ler o mundo: a Geografia
nos anos iniciais do ensino fundamental. Cadernos do Cedes. Centro
de Estudos Educação Sociedade (São Paulo: Cortez), v.25, n.66,
p.227-47, mai.-ago. 2005.
_____. Do ensinar Geografia ao produzir o pensamento geográfico.
In: REGO, N. et al. (Org.). Um pouco do mundo cabe nas mãos:
geografizando em educação o local e o global. Porto Alegre: Ed.
UFRGS, 2003, p.57-73.
_____. Estudar o lugar para compreender o mundo. In: CASTROGIOVANNI, Antônio (Org.). Ensino de Geografia: práticas e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Mediação, 2000, p. 83-134.

263

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

CALLAI, Helena Copetti. Geografia: um certo espaço, uma certa
aprendizagem. São Paulo, 1995. Tese (doutorado) ­ Universidade
de São Paulo (USP).
_____, CAVALCANTI, Lana de Souza, CASTELLAR, Sônia Maria
Vanzella. Lugar e cultura urbana: um estudo comparativo de saberes docentes no Brasil. Revista Terra Livre. Geografia e Ensino
(Presidente Prudente, AGB), v.1, n. 8, p.91-108, 2007.
CARLOS, Ana Fani Alessandri. O lugar no/do mundo. São Paulo:
Labur, 2007. Disponível em .
Acesso em 2/6/2008.
CAVALCANTI, Lana de Souza. Bases teórico-metodológicas da
Geografia: uma referência para a formação e a prática do ensino.
In: ROSA, D. E. G. et al. Formação de professores: concepções e
práticas em Geografia. Goiânia: E. V., 2006, p.27-50.
_____. Geografia e práticas de ensino. Goiânia: Alternativa, 2002.
_____. Geografia, escola e construção de conhecimentos. Campinas: Papirus, 1998.
CECCHET, Jandira Maria. Iniciação cognitiva do mapa. Rio Claro,
1982. Dissertação (mestrado) ­ Universidade Estadual Paulista
(UNESP).
CLAVAL, Paul. A revolução pós-funcionalista e as concepções atuais
da Geografia. In: MENDONÇA, F., KOZEL, S. (Org.). Elementos de Epistemologia da Geografia contemporânea. Curitiba: Ed.
da UFPR, 2002, p.11-43.
COSTELLA, Roselane Zordan. A alfabetização cartográfica interdisciplinar nas séries iniciais do ensino fundamental e a interação do
educando no contexto socioambiental. Porto Alegre, 2001. Dissertação (mestrado) ­ Universidade Federal do Rio Grande do Sul
(UFRGS).
COUTO, Marcos Antônio Campos. Pensar por conceitos geográficos.
In: CASTELLAR, Sônia (Org.). Educação geográfica: teorias e
práticas. 2.ed. São Paulo: Contexto, 2006, p.79-96.
DUARTE, Newton. Educação escolar, teoria do cotidiano e a escola de
Vigotski. 4.ed. Campinas: Autores Associados, 2007.
_____ (Org.). Sobre o construtivismo: contribuições para uma análise
crítica. Campinas: Autores Associados, 2005.

264

DENIS RICHTER

DUARTE, Newton. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Quatro ensaios crítico-dialéticos em filosofia da educação.
Campinas: Autores Associados, 2003.
_____. Vigotski e o "aprender a aprender": críticas às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 3.ed. Campinas:
Autores Associados, 2004.
EYSENCK, M. W., KEANE, M. T. Psicologia cognitiva: um manual
introdutório. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.
FILIZOLA, Roberto. Orientação espacial: implicações na leitura de
mapas. São Paulo, 1996. Dissertação (mestrado) ­ Universidade
de São Paulo (USP).
FREITAS, Maria Tereza de Assunção. Vygotsky e Bakhtin. Psicologia
e Educação: um intertexto. 4.ed. São Paulo: EDUFJF/Ática,
2007.
GEBRAN, Raimunda Abou. Como o rio não cabia no meu mapa, eu
resolvi tirá-lo...: o ensino da Geografia nas séries iniciais do 1o grau.
Campinas, 1990. Dissertação (mestrado) ­ Faculdade de Educação
­ Unicamp.
GIRARDI, Gisele. A cartografia e os mitos: ensaios de leitura de ma
pas. São Paulo, 1997. Dissertação (mestrado do Programa de Pós-Graduação em Geografia Física) ­ FFLCH ­ USP.
____. Aventuras da leitura de mapas. In: SEEMANN, Jörn. A aventura cartográfica: perspectivas, pesquisas e reflexões sobre a Cartografia Humana. Fortaleza: Expressão, 2005, p. 61-72.
_____. Cartografia Geográfica: considerações críticas e proposta para
ressignificação de práticas cartográficas na formação do profissional em Geografia. São Paulo, 2003. Tese (doutorado do Programa de Pós-Graduação em Geografia Física) ­ FFLCH ­ USP.
GOMES, Maria do Carmo Andrade. Velhos mapas, novas leituras:
revisitando a história da Cartografia. Revista GEOUSP ­ Espaço e
Tempo (USP, São Paulo), n.16, p.67-79, 2004.
GONÇALVES, Marcelino A. O trabalho no lixo. Tese de Doutorado.
Presidente Prudente: Programa de Pós-Gradução em Geografia.
FCT/Unesp, 2006.
GUELKE, Leonard. Perception, meaning and cartographic design.
The Canadian Cartographer (Canadá), v.16, n.1, p.61-9, 1979.

265

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

HARLEY, J. Brian. A nova história da Cartografia. O Correio da
Unesco, v.19, n.8, p.4-9, ago. 1991.
_____. Mapas, saber e poder. Confins: Revista Franco-Brasileira de
Geografia, n.5, jan.-jun. 2009. Disponível em . Acesso em 24/8/2009.
HARVEY, David. A condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.
KAERCHER, Nestro André. A geografia crítica ­ alguns obstáculos
e questões a enfrentar no ensino-aprendizagem de Geografia. Boletim Gaúcho de Geografia (Porto Alegre: AGB-PA), v.1, n.1, p.4565, jan.-jun. 2002.
_____. A Geografia escolar na prática docente: a utopia e os obstáculos
epistemológicos da Geografia Crítica. São Paulo, 2004. Tese (doutorado) ­ Universidade de São Paulo (USP).
KATUTA, Ângela Massumi. A educação docente: (re)pensando as
suas práticas e linguagens. Revista Terra Livre (Presidente Prudente: AGB), ano 23, v.1, n.28, p.221-38, jan.-jun. 2007.
_____. A(s) natureza(s) da Cartografia. In: SEEMANN, Jörn. A aventura cartográfica: perspectivas, pesquisas e reflexões sobre a cartografia humana. Fortaleza: Expressão, 2005, p.39-59.
_____. Ensino de Geografia × mapas: em busca de uma reconciliação.
Presidente Prudente, 1997. Dissertação (mestrado) ­ Faculdade de
Ciências e Tecnologia ­ UNESP.
_____. Representações cartográficas: teorias e práticas para o ensino
de Geografia. Geografares (Vitória: Edufes), n.4, p.7-19, 2003.
_____, SOUZA, José Gilberto de. Geografia e conhecimentos carto
gráficos: a Cartografia no movimento de renovação da Geografia
brasileira e a importância do uso de mapas. São Paulo: Editora
UNESP, 2001.
KOZEL, Salete. Comunicando e representando: mapas como construções socioculturais. In: SEEMANN, Jörn. A aventura carto
gráfica: perspectivas, pesquisas e reflexões sobre a cartografia
humana. Fortaleza: Expressão, 2005, p.131-49.
_____. Das "velhas certezas" à (re)significação do geográfico. In:
SILVA, A. A. D. da, GALEANO, A. (Org.). Geografia. Ciência
do complexus: ensaios transdisciplinares. Porto Alegre: Sulina,
2004, p.160-80.

266

DENIS RICHTER

KOZEL, Salete. Mapas mentais ­ uma forma de linguagem: perspectivas metodológicas. In: KOZEL, S. et al. (Orgs.). Da percepção e
cognição à representação: reconstrução teórica da Geografia Cultural e Humanista. São Paulo: Terceira Margem; Curitiba: Neer,
2007, p.114-38.
LACOSTE, Yves. A Geografia: isso serve, em primeiro lugar, para
fazer a guerra. Trad. Maria Cecília França. Campinas: Papirus,
1988.
LE SANN, Janine G. Metodologia para introduzir a Geografia no ensino fundamental. In: ALMEIDA, Rosângela Doin de (Org.).
Cartografia escolar. São Paulo: Contexto, 2007, p.95-118.
LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. Trad. Jefferson Luiz Camargo.
São Paulo: Martins Fontes, 2006.
MASSEY, Doreen B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade.
Trad. Hilda Pareto Maciel e Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro:
Bertrand Brasil, 2008.
MESZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo:
Boitempo, 2005.
MOREIRA, Rui. Pensar e ser em Geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço. São Paulo: Contexto, 2007.
OLIVA, Jaime Tadeu. Ensino de Geografia: um retardo desnecessário. In: CARLOS, A. F. A. A. (Org.). Geografia na sala de aula.
São Paulo: Contexto, 1999, p.34-49.
OLIVEIRA, Adriano Rodrigo de. A Cartografia escolar e as práticas
docentes nas séries iniciais do ensino fundamental. São Carlos, 2003.
Dissertação (mestrado) ­Universidade Federal de São Carlos
(UFSCar).
OLIVEIRA, Livia de. Estudo metodológico e cognitivo do mapa. São
Paulo, 1978. Tese (doutorado) ­ IGEOG ­ USP.
PAGANELLI, Tomoko Iyda. Para a construção no espaço geográfico
na criança. Rio de Janeiro, 1982. Dissertação (mestrado) ­ Instituto Superior de Estudos Avançados em Educação ­ Fundação
Getúlio Vargas (IESAE-FGV).
PASSINI, Elza Yasuko. Alfabetização cartográfica e o atlas municipal.
In: Anais do 9o Encontro de Geógrafos da América Latina. Mérida,
2003. (CD-ROM).

267

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

PASSINI, Elza Yasuko. Alfabetização cartográfica e o livro didático:
uma análise crítica. Belo Horizonte: Lê, 1994.
_____. Os gráficos em livros didáticos de Geografia de 5a série: seu significado para alunos e professores. São Paulo, 1996. Tese (doutorado) ­ Universidade de São Paulo (USP).
PEREIRA, Marcelo Garrido. El espacio por aprender, el mismo que
enseñar: las urgencias de la educación geográfica. Cadernos Cedes.
Centro de Estudos Educação Sociedade. (São Paulo: Cortez), v.25,
n.66, p.137-63, maio-ago. 2005.
PIAGET, Jean, INHELDER, Bärbel. A psicologia da criança. Trad.
Octávio Mendes Cajado. São Paulo: Difusão Europeia do Livro,
1968.
_____. A epistemologia genética / Sabedoria e ilusões da filosofia / Problemas de Psicologia Genética. Trad. Nathanael C. Caixeiro, Zilda
Abujamara Daeir e Célia E. A. di Piero. 2.ed. São Paulo: Abril
Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores).
_____. A representação do espaço na criança. Trad. Bernardina Machado de Albuquerque. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.
_____. O raciocínio na criança. Trad. Valerie Rumjanek Chaves. Rio
de Janeiro: Record, 1967.
PINHEIRO, Antonio Carlos. O ensino de Geografia no Brasil: ca
tálogo de dissertações e teses (1967-2003). Goiânia: Ed. Vieira,
2005a.
PINHEIRO, José Q. Mapas cognitivos do mundo: representações
mentais distorcidas? In: SEEMANN, Jörn. A aventura cartográfica: perspectivas, pesquisas e reflexões sobre a cartografia humana. Fortaleza: Expressão, 2005b, p.151-69.
PIRES, M. F. C. O materialismo histórico-dialético e a educação. Interface ­ Comunicação, Saúde, Educação, v.1, n.1, 1997.
PONTUSCHKA, Nídia Nacib, PAGANELLI, Tomoko Iyeda, CACETE, Núria H. Para ensinar e aprender Geografia. São Paulo:
Cortez, 2007.
QUAINI, Massimo. Marxismo e Geografia. São Paulo: Paz e Terra,
1979.
RAMIRES, Regina Rizzo. Cartografia e cognição: aspectos da aprendizagem do mapa no início do processo de escolarização. São

268

DENIS RICHTER

Paulo, 1996. Dissertação (mestrado) ­ Universidade de São Paulo
(USP).
RICHTER, Denis. Professor(a), para que serve este ponto aqui no
mapa? A construção das noções espaciais e o ensino da Cartografia
na formação do(a) pedagogo(a). Presidente Prudente: 2004. Dissertação (mestrado) ­ UNESP.
RUFFINO, Sônia Maria Vanzella Castellar. Noção de espaço e re
presentação cartográfica: ensino de Geografia nas séries iniciais.
São Paulo, 1996. Tese (doutorado) ­ Universidade de São Paulo
(USP).
SANTOS, Douglas. A reinvenção do espaço: diálogos em torno da
construção do significado de uma categoria. São Paulo: Editora
UNESP, 2002.
SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2005.
_____. Espaço e método. São Paulo: Nobel, 1985.
_____. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.
_____. Pensando o espaço do homem. 5.ed. São Paulo: Edusp, 2007.
_____. Por uma Geografia Nova: da crítica da Geografia a uma Geografia crítica. São Paulo: Hucitec, 1978.
_____. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência
universal. 13.ed. Rio de Janeiro: Record, 2006.
_____. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico
informacional. 2.ed. São Paulo: Hucitec, 1996.
SEEMANN, Jörn. Mapas, mapeamentos e a cartografia da realidade.
Revista Geografares. (Vitória: Edufes), n.4, p.49-60, 2003.
SERRA, Diego Jorge González. La Psicologia del reflexo creador. Havana: Editorial Pueblo y Educacional, 2004.
SILVA, Míriam Aparecida Bueno da. A Cartografia e o ensino de Geografia na escola fundamental: um estudo de caso. Belo Horizonte,
1998. Dissertação (mestrado) ­ Universidade Federal de Minas
Gerais (UFMG).
SIMIELLI, Maria Elena Ramos. Cartografia no ensino fundamental e
médio. In: CARLOS, A. F. A. A. (Org.). Geografia em sala de
aula. São Paulo: Contexto, 1999, p. 92-108.
_____. O mapa como meio de comunicação: implicações no ensino da
Geografia do 1o grau. São Paulo, 1986. Tese (doutorado) ­ Facul-

269

O MAPA MENTAL NO ENSINO DE GEOGRAFIA

dade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas ­ Universidade de
São Paulo.
SOBARZO, Liz C. D. Resíduos sólidos: do conhecimento científico ao
saber curricular ­ a releitura do tema em livros didáticos de Geografia. Presidente Prudente, 2008. Tese (doutorado do Programa
de Pós-Graduação em Geografia) ­ FCT ­ UNESP.
SOUZA, Marcelo J. Lopes de. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: CASTRO, Iná Elias de et al.
(Org.). Geografia: conceitos e temas. 7.ed. Rio de Janeiro: Bertrand
Brasil, 2005, p.77-116.
SPODEK, Bernard, SARACHO, Olivia N. Ensinando crianças de
três a oito anos. Trad. Cláudia Oliveira Dornelles. Porto Alegre:
ArtMed, 1998.
STRAFORINI, Rafael. Ensinar Geografia: o desafio da totalidade-mundo nas séries iniciais. São Paulo: Annablume, 2004.
TEIXEIRA, Salete Kozel. Das imagens às linguagens do geográfico:
Curitiba, a "capital ecológica". São Paulo, 2001. Tese (doutorado
do Programa de Pós-Graduação em Geografia Física) ­ FFLCH
­ USP.
VIGOTSKI, Lev Semenovich. A construção do pensamento e da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
_____. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos
psicológicos superiores. Trad. José Cipolla Neto, Luís Silveira
Menna e Solange Castro Afeche. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes,
1998.
_____, LURIA, Alexander Romanovich, LEONTIEV, Alexis N.
Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. Trad. Maria da Penha
Villalobos. 10.ed. São Paulo: Ícone, 2006.
ZANKOV, L. V. Combinações de meios verbais e visuais no ensino.
In: Psicologia e Pedagogia II: investigações experimentais sobre
problemas didácticos específicos. Lisboa: Estampa, 1991, p.99121.
ZMITROWICZ, W., ANGELIS NETO, G. Infraestrutura urbana.
São Paulo: Edusp, 1997.

SOBRE O LIVRO
Formato: 14 x 21 cm
Mancha: 23, 7 x 42,10 paicas
Tipologia: Horley Old Style 10,5/14
2011
EQUIPE DE REALIZAÇÃO
Coordenação Geral
Tulio Kawata

ISBN 978-85-7983-227-7

9 788579 832277