CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DA GEOGRAFIA
NEOPOSITIVISTA NO BRASIL
José Carlos Godoy CAMARGO1
Dante Flávio da Costa REIS JÚNIOR2

Resumo
O objetivo deste artigo é contribuir para a caracterização da corrente geográfica
neopositivista no Brasil, evidenciando os seus aspectos básicos, os antecedentes históricos que facilitaram o seu desenvolvimento no país, bem como os agentes difusores e
os geógrafos que mais se destacaram. É também nosso intuito fornecer aos estudantes
de Geografia e aos interessados em História do Pensamento Geográfico um texto acerca da Geografia Neopositivista Brasileira.
Palavras-chave: neopositivismo; história do pensamento geográfico; contexto
brasileiro; geógrafos atuantes.

Abstract

Considerations regarding to neopositivistic
geography in Brazil
The objectif of this article is to give a contribution to the caracterization of the
brazilian neopositivist geographic stream. It will make clear the basic aspects, the
historic antecedents wich collaborated to its development in Brazil, as well as the agents
of diffusion and the more detached geographers. We pretend also to provide to the
students of Geography and to the interested in History of the Geographic Thought an
initial text concerning the Brazilian Neopositivist Geography.
Keywords: neopositivism; history of geographic thought; brazilian context; acting
geographers.

1

Professor Adjunto,
[email protected]

Departamento

de

Geografia,

IGCE/UNESP,

2

Doutorando em Geografia, UNICAMP ­ [email protected]

Rio

Claro/SP

GEOGRAFIA, Rio Claro, v. 29, n. 3, p. 355-382, set./dez. 2004.

­

e-mail:

356

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

INTRODUÇÃO
"Geografia Teorética e Quantitativa" ou "Geografia Neopositivista" ou ainda
"Nova Geografia" são formas alternativas de nomear uma das escolas inseridas no
amplo espectro do pensamento geográfico. Provocando profundas modificações no
seio dessa ciência, obrigou os geógrafos a repensarem os conceitos básicos e os
fundamentos teórico-metodológicos da Geografia.
Esse movimento, que abalou os alicerces da disciplina, nasceu da insatisfação
de alguns geógrafos progressistas em relação a uma "Geografia Tradicional", de influência francesa, empírica e descritiva e que acabou ficando defasada em relação às
demandas teórico-explicativas ­ fato que lhe fez perder crédito.
O que aconteceu é que logo após o término da Segunda Guerra Mundial, a
sociedade viu-se amplamente transformada. Algumas mudanças podem ser citadas
como as mais notáveis: a) substituição do modo de produção capitalista concorrencial
pelo capitalismo monopolista; b) controle da economia pelos Estados, surgindo a preocupação com a prática do planejamento regional (no caso brasileiro, podemos citar
os períodos caracterizados pelos governos de Juscelino Kubitschek e dos militares);
c) preocupação com o domínio dos territórios (uma nova geopolítica mundial); d)
reorganização do espaço (agora "mundializado"); e) modernização da agricultura (provocando intenso êxodo rural) e industrialização; e f) advento de um comércio préglobalizado (intrincada rede de fluxos e relações, até então nunca vistas).
As Ciências Sociais se viram obrigadas a forjar reformulações internas, em
função das rápidas inovações tecnológicas e muitas delas puseram fé no aparente
poder explanatório de ferramentas teórico-quantificantes, implementadas no pósguerra. O aparecimento da teoria dos sistemas, do método estruturalista e, no campo
mais operacional (pragmático), das técnicas estatísticas e dos computadores,
exemplificam o novo rol de recursos científicos colocados à disposição dos pesquisadores.
A partir dessas mudanças, alguns geógrafos começaram a perceber que a
Geografia Tradicional, empírica e descritiva, não mais atendia aos anseios de um
verdadeiro conhecimento científico, necessitando de urgentes reformulações
(notadamente, no sentido de seguir os moldes da ciência neopositivista). Surgiu então uma nova corrente de pensamento no seio da Geografia e que passou a ser
denominada de "Geografia Quantitativa e Teorética". Sobre essa nova expressão,
Christofoletti nos informa:
Ao se analisar a literatura relacionada com as novas tendências geográficas, percebe-se que diversos adjetivos foram
sendo propostos para qualificá-la. Entre eles, dois ganharam maior realce: geografia quantitativa e geografia
teorética. A primeira expressa a aplicação intensiva de técnicas estatísticas e matemáticas nas análises geográficas e
o procedimento quantitativo pode ser considerado entre as
características básicas da Nova Geografia. A segunda salienta o aspecto teórico e metodológico, subentendendo como
imprescindível toda análise quantificativa e englobando os
processos de abstração necessários às etapas da
metodologia científica e da explicação. (CHRISTOFOLETTI,
1982, p. 17).

Procuramos então, neste artigo, estruturar uma versão a respeito dessa temática,
destacando algumas informações que a nosso ver são necessárias e essenciais para
a sua compreensão, tais como: antecedentes históricos que facilitaram a penetração

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

357

do ideário neopositivista/quantitativo no Brasil, seus principais agentes difusores (instituições e periódicos) e os geógrafos que mais se destacaram.

AS CARACTERÍSTICAS DA GEOGRAFIA NEOPOSITIVISTA
A escola neopositivista de Geografia se caracterizou por promover uma revolução no pensamento geográfico, na tentativa de transformar a Geografia numa verdadeira ciência ("cientismo"). Essas transformações abrangeram três aspectos básicos.
Uma primeira mudança foi a do ponto de vista filosófico, pois, superando o positivismo
tradicional, a Geografia acabou adotando os pilares filosóficos de um "neo" positivismo
(difundido pelos adeptos do chamado Círculo de Viena). A segunda foi do ponto de
vista conceitual, procurando a racionalização e a sistematização da categoria "espaço" e das classificações regionais. Já a terceira foi de caráter puramente metodológico,
pois os geógrafos neopositivistas passaram a empregar o "Método Científico", intrínseco às ciências naturais. Com a utilização e a combinação desses três vieses
modernizantes, estabeleceram-se novas perspectivas para a Geografia no que diz
respeito aos aspectos teórico-metodológicos e à procura de maior rigor científico.
A filosofia neopositivista recomenda um cuidado esmerado com a linguagem
científica; assim, os geógrafos neopositivistas passaram a empregar a matemática,
uma vez que a mesma é considerada, por excelência, a linguagem da Ciência. Por
sua própria natureza, a matemática facilitava comparações entre as variáveis e as
construções lógicas. Sua funcionalidade na Geografia é enaltecida, por exemplo, por
Faissol, quando este diz:
A Matemática e a Estatística, associadas, têm trazido à Geografia uma contribuição não só operacional, mas também
conceitual e lógica. Dois exemplos podem ser citados, evidentes e simples: o uso dos conceitos da teoria dos conjuntos para operacionalizar e classificar o conceito de região e o
uso de um modelo probabilístico epidemiológico, para descrever a operação do processo espacial/regional. (FAISSOL,
1987, p. 29).

Portanto, as características que melhor atestam a denominação de "novo",
naquela Geografia emergente nos anos sessenta, foram a preocupação com a utilização de um arsenal de técnicas matemático-estatísticas e a busca de um corpo de
teorias para a Geografia, fato este também evidenciado por Faissol:
[...] ela (a revolução quantitativa na Geografia) ficou marcada
pela denominação de Nova Geografia, fruto ao mesmo tempo da novidade que era o uso de técnicas estatísticas e
algoritmos computacionais, que as implementavam, e do
fato de que ela seguia uma rotina, já alcançada em outras
Ciências Sociais, de formulação de testes de hipóteses e
teorias. (FAISSOL, 1987, p. 21).

A preocupação era então o desenvolvimento de teorias na Geografia, pois as
mesmas explicam a realidade, sugerindo um mecanismo oculto por trás dos fenômenos, enxergando ordem naquilo que apenas aparentemente se manifesta de forma
desorganizada. Dessa maneira, a Geografia conseguiria fazer "previsões", meta esta
que todo conhecimento científico procura alcançar. Ian Burton ressalta a importância
da teoria, dizendo:

358

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

A teoria proporciona o crivo através do qual miríades de fatos são selecionados, e sem ela os fatos permanecem numa
confusão sem sentido. A teoria proporciona a medida contra
a qual os eventos excepcionais e inusitados podem ser reconhecidos. Num mundo sem teoria não há exceções, tudo
é único. (BURTON, 1977, p. 74).

Nesse novo contexto de incorporação de um modelo de abordagem mais
formalizante, teórica e sistemática, a aproximação da Física (uma ciência referencial
aos olhos dos neopositivistas) foi fatal. Reverenciando os ensinamentos do pensamento "sistêmico-termodinâmico", as regiões geográficas passaram, então, a ser vistas como "sistemas abertos", sendo delimitadas em função de um grande número de
variáveis e atributos.
Mas o analogismo fisicista não ficou somente restrito ao campo da termodinâmica,
tendo se estendido também ao domínio teórico da mecânica newtoniana, como bem
exemplifica Faissol (1987, p. 9): "usamos, muitas vezes, analogias conceituais e, por
via de conseqüência, metodológicas, bastando exemplificar com os chamados modelos gravitacionais."
Por isso é que foram constantes na Geografia Neopositivista argumentações
teóricas lançando mão de terminologias intimamente fisicistas, tais como "entropia",
"estado estacionário", "tempo de relaxamento", "eqüifinalidade", etc.
É preciso enfatizar, por outro lado, que foi a própria Geografia Tradicional,
empírica e descritiva, o principal motor da mudança paradigmática. A crença na
excepcionalidade (estudo do único) dificultava o estabelecimento de leis gerais e teorias, ficando a Geografia, por longo tempo, órfã de tendências explicativas nos moldes das ciências experimentais. Daí o empenho dos geógrafos neopositivistas em
dominar e empregar ferramentas teórico-quantitativas no sentido de favorecer a planificação e a previsão.
O conceito e a descrição das paisagens, herdado da Geografia Tradicional,
também não mais respondia aos anseios de uma sociedade de pós­guerra. O crescimento urbano/industrial, a modernização da agricultura e o êxodo rural provocaram
mudanças irreversíveis no espaço geográfico, agora globalizado. O estudo da dinâmica urbano/regional se adaptava melhor às novas teorias tais como a dos sistemas
gerais, uma vez que esta subentende uma ordenação complexa de elementos numa
estrutura de funcionamento racional e integrativo.
Alguns marcos históricos simbolizaram as alterações ocorridas no seio da Geografia. Um das principais foi o artigo de Fred Schaefer, publicado em 1953 e intitulado
"Exceptionalism in Geography: a methodological examination". Nesse trabalho, que
se tornou clássico, o autor faz críticas sobre o excepcionalismo, atentando para o fato
de os geógrafos deverem superar essa fase "idiográfica", fazendo da geografia uma
ciência "nomotética", produtora de leis e teorias. Ackerman (1958) também criticou o
excepcionalismo e sugeriu que se a Geografia pretendesse se voltar para os processos evolutivos da espacialidade, teria de apoiar-se, necessariamente, nos aspectos
quantitativos.
O emprego da quantificação começou a aparecer já na década de 1950 e o
sueco Tornsten Hägerstrand foi um dos primeiros a introduzir técnicas estatísticas na
Geografia. Nos países anglo-saxônicos, esse movimento evoluiu rapidamente e, em
1963, Ian Burton escreveu um artigo ("The Quantitative Revolution and Theorethical
Geography") evidenciando que uma verdadeira revolução no modo de pensar estava
ocorrendo no seio da Geografia e que essas transformações eram mesmo muito
profundas e implicavam na fatal matematização da ciência.

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

359

Willian Bunge (1966) também publicou um trabalho considerado clássico
("Theoretical Geography", de primeira edição datando de 1962) onde procurou explicitar
os aspectos relativos à teorização em Geografia. No mesmo ano temos o trabalho de
Harvey, intitulado "Explanation in Geography" (1969), obra que foi considerada de
fundamental importância, pois que se trata de um exame minucioso dos aspectos
teóricos e metodológicos da Nova Geografia.
Esses e muitos outros trabalhos sobre quantificação indicam que os anos sessenta foram caracterizados por uma intensa fermentação intelectual e que as obras
acabaram cumprindo o importante papel de solidificar o movimento teórico-quantificante
no âmbito da Geografia.
Os adeptos da revolução passaram também a resgatar alguns trabalhos que de
certa forma já evidenciavam uma preocupação teorizante, sendo a maioria deles
ligados à Economia, ciência humana de conteúdo altamente matematizado, pois como
diz Faissol (1972, p. 39), ela "foi, talvez, dentre as Ciências Sociais, a que obteve mais
sucesso em desenvolver teorias formais."
Como exemplo podemos citar o trabalho de Walter Christaller sobre as localidades centrais e as teorias locacionais de Lösch, Weber e von Thünen, relacionadas,
pois, com a localização e distribuição espacial de fenômenos. Outras matrizes teóricas também foram incorporadas aos estudos geográficos tais como a teoria dos Jogos, de Morgenstern, a cibernética, de Wiener, e o chamado princípio do menor esforço, de Zipf.
Na área de Geografia Física, a Geomorfologia rapidamente aderiu às técnicas
quantitativas. Os processos geomorfológicos passaram a ser descritos e analisados
através de "índices morfométricos". Foram marcantes nessa linha quantificante os
trabalhos de Strahler (que acabou rompendo com a longeva teoria davisiana da evolução do modelado terrestre), de King e de Chorley, adeptos convictos da Nova Geografia, como aponta Christofoletti:
Os trabalhos de STRAHLER e CHORLEY tornaram-se clássicos para a aplicação da estatística em estudos
geomorfológicos. As potencialidades aplicativas foram diversas, salientando-se os exemplos relacionados com a análise espacial [...] e com a morfometria das bacias hidrográficas.
(CHRISTOFOLETTI, 1990, p. 70).

Com respeito à Geografia Humana, o emprego do Método Científico e das
técnicas quantitativas acabou gerando problemas de ordem epistemológica. Muitos
cientistas humanos têm levantado questões a respeito das dificuldades de se quantificar
fenômenos humanos e querer enquadrá-los nos moldes das ciências naturais. Burton
colocou muito bem essa questão quando diz:
A maior luta para a aceitação dos métodos quantitativos
tem sido de longe, na geografia humana e econômica [...] É
aqui que a revolução força as noções de livre arbítrio e da
impossibilidade de prever o comportamento humano.
(BURTON, 1977, p. 70).

Mas as respostas dadas a esta inquietação foram no sentido de tentar
desmistificar o caráter eminentemente qualitativo de nossas ações no espaço geográfico. Assim, a quantificação tenderia a explanar com relativa prosperidade dado que a
aleatoriedade do comportamento humano no nível social seria sensivelmente menor.
Para resolver esses problemas ligados a "incertezas", tornou-se, então, habitual o
recurso à teoria probabilística em Geografia.

360

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

E o grande número de dados, variáveis e informações disponíveis, obrigou os
geógrafos neopositivistas a se familiarizarem com o uso dos computadores, como
bem exemplificam Galvão e Faissol:
O advento de modernos computadores está tornando possível a utilização de técnicas e métodos estatísticos de análise, de tipo multivariado, que em um processo de classificação, usando taxonomia numérica, produz um sistema regional baseado em mais objetividade de critério. (GALVÃO;
FAISSOL, 1970, p. 10).

O emprego de "modelos" também foi de fundamental importância para essa
Nova Geografia. O modelo configura uma abstração que deve dar conta de responder
como os elementos que ele compreende interagem e, por conseguinte, como o todo
tende a funcionar. Vemos então que modelos geométricos, probabilísticos, descritivos
e classificatórios formaram a rol de produtos disponibilizados, sobretudo, pelas ciências sistemáticas. O livro, por exemplo, de Chorley e Haggett, "Modelos em Geografia" (1967), foi considerado de fundamental importância para a divulgação e a aplicação de modelos nos mais variados setores da investigação geográfica.
Um outro paradigma emergente na Geografia Neopositivista ficou conhecido
pela denominação de "paradigma matricial" e foi proposto pelo geógrafo norteamericano Brian Berry. Diz ele:
Um modo eficaz de arranjar o corpo de dados resultantes é
dispô-lo numa disposição retangular ou matriz. Com que se
parece essa "matriz geográfica"? Cada característica
corresponde a uma fileira e cada lugar a uma coluna [...] A
interação de cada fileira e cada coluna define uma célula e
cada célula é preenchida por um fato geográfico; a característica, identificada pela fileira; o local, pela coluna. (BERRY,
1969, p. 22).

Pelo exposto, podemos verificar que a "matriz geográfica" foi uma técnica desenvolvida para se poder trabalhar e correlacionar grande quantidade de dados, tornando-os compatíveis com o uso dos computadores.
Percebemos também o quanto as técnicas desenvolvidas pelos estatísticos acabaram seduzindo os geógrafos neopositivistas, que passaram a empregá-las sistematicamente em seus trabalhos (análise fatorial, de agrupamento e de superfície de
Tendência, cadeia de Markov, etc.).
Dotada do arsenal teórico-quantificador, a Nova Geografia tornou-se uma ciência mais pragmática e mais "valorizada" perante os órgãos públicos, ficando fácil
entender porque o IBGE rapidamente a endossou e foi o seu grande centro difusor.
Sem dúvida nenhuma a corrente neopositivista acabou trazendo grandes benefícios para a Geografia. Proporcionou uma abertura e maior discussão sobre os
aspectos filosóficos e metodológicos dessa ciência, coisa que até então não convenientemente bem explicitada. Uma tal abertura também acabou propiciando o aparecimento de outras correntes de pensamento no seio da Geografia, sendo as mais importantes as denominadas "Geografia Radical" (ou "Geografia Crítica") e a "Geografia
Humanística" (ou "Geografia da Percepção"). Podemos afirmar, por isso, que a Geografia Neopositivista acabou norteando todo o dinamismo subseqüente da disciplina,
alçando-a ao mesmo nível de outras ciências, como aponta Faissol:
[...] vencidos os "fetichismos" tanto espacial quanto social,
creio que a Geografia alcançou um ponto em que, aberta a
interpretações diferenciadas do quadro social-espacial, e tanto

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

361

pluralísticas como metodológica e teoricamente está pronta
a assumir, e em verdade assumiu, seu lugar dentre as ciências sociais. (FAISSOL, 1989, p. 48).

AS CRÍTICAS À GEOGRAFIA NEOPOSITIVISTA
O emprego maciço de técnicas quantitativas na Geografia acabou provocando
uma reação dos geógrafos tradicionais contra esse movimento. Faissol (1989) comenta que um dos estímulos que o levou a escrever o seu artigo sobre a Geografia
Quantitativa no Brasil foram justamente as inúmeras críticas feitas a essa nova corrente, pois segundo ele, algumas até eram favoráveis, mas outras não; e estas,
muitas vezes, foram críticas injustas e facciosas.
Na realidade, um dos principais problemas que esse movimento acabou indiretamente acarretando foi o fato de grande parte dos geógrafos de então sentirem
certa dificuldade na assimilação das novas técnicas estatísticas. Foi exigido, então,
um grande sacrifício, pois os pesquisadores sentiram-se obrigados a estudar as matemáticas para poderem utilizar essas novas ferramentas de análise. Essa foi uma
tarefa difícil e frustrante, já que muitos não conseguiram compreender a profundidade das mudanças, como bem mostra Faissol (1989, p. 29): "Não é necessário enfatizar
as dificuldades que todos nós encontrávamos em assimilar todo um arsenal de técnicas estatísticas".
Uma das críticas feitas à Geografia Quantitativa tornou-se chavão: a de que os
geógrafos engajados passaram a utilizar a quantificação não como um meio, mas
como um fim em si mesmo. Teriam exagerado na matematização, dando maior importância aos métodos e as técnicas do que aos resultados propriamente obtidos.
Uma textualização pertinente:
[...] a conseqüente aplicação mais direta do rigor matemático deu à Geografia um cientificismo de que ela necessitava
para afirmar-se, embora a linguagem matemática e a busca
de uma geometria nos processos espaciais tenha lhe valido
alguns exageros que foram duramente criticados e, aos
poucos, sendo corrigidos. (FAISSOL, 1989, p. 36).

Este detalhe deu margem a uma outra crítica corrente; os geógrafos quantitativos passaram a ser acusados de serem geógrafos "tecnicistas" e "alienados", praticando uma "ciência neutra" e ficando alheios aos problemas sociais e ambientais de
seu país e de sua época. Como exemplo, podemos citar Corrêa, que diz:
Se a Geografia tradicional pode ser acusada de ter sido ingênua e alienada dos problemas reais que afetam a sociedade, constituindo-se em uma ideologia, à "Nova Geografia" esta acusação é mais cabível, acrescentando-se ainda
que além de alienada ela é alienante: mistificando sobre a
realidade sócio-espacial com a "elegância", "neutralidade" e
"cientificidade" que o positivismo lógico fornece, acaba transformando o geógrafo em um pesquisador alienado, que levanta falsas questões, que não questiona as hipóteses que
formula ou repete de outros trabalhos, que muitas vezes se
perde com "geometrias estéreis", e que se preocupa com a
aparência dos fenômenos sociais, esquecendo-se de sua
essência. Geógrafo alienado que não percebe que o homem

362

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

e suas formas espaciais não são "coisas" que podem ser
tratadas de modo neutro, que as diferenciações entre os
homens e entre as formas espaciais por eles criadas, advindas
das relações sociais, e não somente semelhanças e regularidades, são fundamentais para se compreender a ação humana através do tempo e do espaço, para se compreender
o movimento da sociedade sobre o espaço, o qual deve ser
visto como o locus da concretização, reprodução, herança e
mudanças da sociedade ao longo do tempo, e que só pode
ser percebido a partir da compreensão da totalidade e não
de uma visão fragmentária e descritiva da realidade.
(CORRÊA, 1980, p. 8).

Rui Moreira também foi contra esse movimento quantificante, organizando um
livro intitulado "Geografia: teoria e crítica..." (1982), livro este claramente imbuído da
causa anti-positivista. Speridião Faissol, por sua vez, muito oportunamente, comentou que no Brasil, a Nova Geografia acabou sendo vítima de uma espécie de "terrorismo ideológico". São suas palavras: [...] tanto no Brasil como em outros paises, tentou
fulminar a Geografia Quantitativa como servindo a interesses [...] (FAISSOL, 1989, p.
22).
[...] uma das críticas correntes, refere-se à questão da ligação do movimento Teórico-quantitativo com temas e premissas do sistema capitalista-eficientista ­ e com isso a
inadequação das metodologias quantitativas aos problemas
críticos da sociedade [...] (FAISSOL, 1989, p. 36).
[...] a negação da quantificação, que às vezes era acusada
até de distorção ideológica [...] simplesmente porque o centro
de difusão quantitativa era anglo-saxônico, principalmente
norte-americano. (FAISSOL, 1989, p. 41).

Faissol combateu as críticas, sobretudo as indisfarçadamente sectárias, que
procuravam atribuir um atrelamento ideológico ao IBGE, induzindo que o mesmo
estaria a serviço de uma doutrina do Estado ou do Governo. Segundo ele, o que
existiu, na realidade, no Instituto, foi um ambiente verdadeiramente acadêmico e
sem nenhum patrulhamento vindo de quem quer que fosse.
A crítica relativa ao emprego de "modelos abstratos" para explicar a realidade,
na maioria das vezes elaborados em outros paises e para outras realidades, foi,
igualmente, sedutora. Os mesmos modelos, utilizando-se em larga escala de dados
estatísticos retirados das mais variadas fontes, seriam carentes de credibilidade.
Atualmente, essas críticas já foram superadas e a quantificação é entendida
não mais como um fim em si mesmo, mas como um mero instrumental técnico. Os
exageros de outrora não mais há. Juízos carregados de emotividade, seja no sentido
de defender ardentemente a quantificação, ou no de criticá-la e mesmo denegri-la,
perderam o sentido.
Christofoletti sintetiza esse assunto dizendo:
A adoção entusiástica e a rejeição impulsiva são duas atitudes emocionalmente tomadas, embora não adequadas ao
bom senso e à visão científica. Pelas suas características, a
quantificação despertou paixões em ambos os extremos.
Na atualidade, o desenvolvimento mostrou a utilidade na
tecnologia analítica do geógrafo e as vantagens da
quantificação são aceitas como óbvias para a Geografia.
(CHRISTOFOLETTI, 1990, p. 70).

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

363

ANTECEDENTES HISTÓRICOS
O desenvolvimento da Geografia Neopositivista no Brasil e a divulgação de
seus métodos e técnicas de análise (a partir da década de setenta), estiveram, num
primeiro momento, diretamente ligados ao Departamento de Geografia do IBGE.
A preocupação dos geógrafos e dos técnicos dessa instituição foi voltada para
os problemas da regionalização. E nisso havia razão de ser, pois o pós-guerra trouxe
o desenvolvimento da urbano-industrial e a conseqüente manifestação do êxodo rural
em nosso país. Daí o aparecimento de graves desequilíbrios regionais, demandando a
ação planificada do Governo Federal.
A importância de uma Geografia científica, munida de um arsenal de teorias e
procedimentos técnicos (quantitativos), vai se delinear, então, quando o planejamento estatal, voltado para a escala das regiões, passa a necessitar de uma compreensão
mais objetiva e racional do sistema espacial brasileiro. Em verdade, podemos verificar que, historicamente, a prática do planejamento sempre encontrou um corpo técnico aliado junto ao IBGE e ela foi providencial para que uma Geografia de cunho
neopositivista encontrasse no país o ambiente adequado para a sua manifestação e
amadurecimento.
Mas é possível encontrar nos períodos anteriores aos anos setenta alguns elementos importantes ou certos indícios que viriam a criar condições favoráveis para o
exercício do planejamento no Brasil (condições que, em outras palavras, propiciaram
a tomada de consciência do tecnicismo matemático e computacional disponibilizado já
há alguns anos). Para visualizar o cenário justificante de uma preocupação emergente e crescente com a planificação e com a adoção do apoio logístico e das práticas
teórico-quantitativas, voltemos um pouco na história para melhor entender o presente.
No início dos anos cinqüenta já havia uma forte preocupação governamental
em acelerar o desenvolvimento industrial no Brasil, mas uma série de problemas
dificultava esse processo e exigia urgentes soluções. Entre eles podemos citar o processo migratório do campo para as cidades, a expansão do setor terciário e o vertiginoso crescimento dos núcleos urbanos. Dessa forma, era absolutamente previsível
que os pesquisadores e as instituições públicas estivessem voltadas, desde aquela
época, para o levantamento e o tratamento de dados e informações concernentes a
esses problemas. Compreendê-los e prevê-los estava na dependência direta de uma
eficiente coleta, sistematização e análise desses dados.
Em função de determinadas situações de ordem social, os governos são levados a engajar-se mais seriamente na dinâmica própria do sistema econômico, despertando a atenção dos agentes de decisão para com a prática do planejamento, a
qual vai sendo paulatinamente incorporada e assimilada por governantes e técnicos.
Assim, a ação do Estado acaba chamando para si a responsabilidade de tornar natural
uma associação entre planejamento e desenvolvimento econômico. Conjuntamente,
vê-se acrescida a premência de técnicas modernizadas no auxílio ao trato das informações; fato que, automaticamente, efetiva a conjugação entre poder público e
tecnicismo científico (consolidação de uma "tecnoestrutura estatal").
No segundo Governo Vargas (1951-1954), houve a preocupação em diversificar economicamente o país. Verifica-se, portanto, a busca por diretrizes condutoras
de ações eficazes para tentar resolver empecilhos estruturais (que constrangiam a
requerida diversificação). Para isso, o governo procurou munir-se de todo recurso
técnico-analítico disponível à época, intentando visualizar aqueles fenômenos que,
merecedores de atenção, estavam "espacializados" no território brasileiro. Comissões de estudos foram, então, convocadas para que os obstáculos percebidos, uma

364

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

vez delimitados por meios precisos, pudessem ser eliminados (prática que veio consolidar o apego a uma ciência, digamos, mais modernizada).
O governo Juscelino Kubitscheck (1956-1960) vem, por sua vez, aprofundar as
relações entre Estado e economia. Isso ocorre muito em função dos feitos de uma
mudança de paradigma na política econômica: abertura do Brasil ao capital internacional, financiamentos decorrentes e importação de tecnologias. A partir daí, o país se
inseriria definitivamente no sistema capitalista internacional.
O desenvolvimento inerente à gestão de JK envolveu vários setores
infraestruturais (transporte, energia, comunicação, indústria) e seu discurso congregou a sociedade em torno de marcos simbólicos. O principal, sem dúvida, foi a mudança da capital para o interior do país (fato que exigiu amplos estudos geográficos e
técnicos). Todavia, o estímulo ao desenvolvimento regional também se consubstancia
com a criação de órgãos subjugados ao poder central (caso da SUDENE, por exemplo). Assim, no governo de Juscelino, foi perceptível a estreita relação entre a esfera
estatal tomadora de decisão e a esfera encarregada de alimentar o Estado de informações a respeito dos problemas nacionais. Daí que, normalmente, se diga ter sido
no governo JK que o planejamento alicerçado por diagnósticos cientificistas foi propriamente posto em marcha. Ianni (1971) enfatiza que entre as décadas de 50 e 60, a
prática do planejamento já havia sido incorporada pelos centros de pesquisa científica
e de decisão política. Outro autor nos confirma:
Com Juscelino Kubitscheck, o planejamento alcançaria patamares expressivas nunca antes experimentados no Brasil. E
note-se que o Plano de Metas não tratava de delineamentos fiscais e monetários, pondo, no lugar dos indicadores
macroeconômicos gerais, objetos concretos, traduzidos em
resultados quantificáveis, que deveriam ser atingidos no
período demarcado politicamente pelo slogan de sucesso:
50 anos em 5. (FICO, 2000, p. 176).

Nos governos militares também foi elaborada uma série de planos e de programas de desenvolvimento ­ o que vem provar a sedimentação definitiva de ações
planificadas em território brasileiro. Alves e Sayad (1975) constatam tal afirmação,
salientando que o próprio PED (Programa Estratégico de Desenvolvimento), posto em
prática durante o período Costa e Silva, entre 1967 e 1970, deve, muito provavelmente, ter-se valido do grande número de informações levantadas pelos quadros
técnicos vinculados aos órgãos públicos. Ademais, Ianni (1971) também nos informa
que o planejamento verificado entre as gestões Castelo Branco e Figueiredo previa
etapas sistematizadas e sucessivas, tais como: o exame da evolução econômica, a
modelagem econométrica, o delineamento de objetivos, a computação de equívocos
e, por fim, a normatização de um plano coerente com as metas a serem atingidas.
Identificar problemas amplos ou setoriais, arquitetando soluções ponderadas,
é uma atribuição típica dos Estados centralizadores de decisão. Mas para isso é necessário, em primeiro lugar, uma série de condições: apoio logístico de estirpe, uma
ciência moderna e devidamente assistida pela estrutura estatal, centros acadêmicos
de pesquisa, familiaridade do corpo de pesquisadores com novidades técnicas na
computação e análise de dados e massa crítica apta a interpretar percalços. Em segundo lugar, é fundamental a determinação do poder central em superar fragilidades
estruturais pela via da inspeção criteriosa e preliminar, ou seja, é preciso um
engajamento na busca de alternativas e na agregação de informações técnicas.
No Brasil, a emergência desse apoio governamental deliberado ocorreu, como
aludido, a partir da década de cinqüenta e, desde então, muito da organização econômica do país estaria vinculada aos méritos de um cientificismo impecável e de uma,

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

365

por assim dizer, tecnoburocracia estatal. Para tanto, o IBGE ­ como exemplo certeiro
­ foi se equipando de modernas tecnologias analíticas e, em décadas seguintes (sobretudo nos anos setenta) vai se preocupar com o aprimoramento técnico de seu
quadro de pesquisadores, em função das renovações científicas ocorridas após a
Segunda Guerra Mundial e, mais precisamente, em virtude das mudanças ocorridas
no seio da Geografia.

OS AGENTES DIFUSORES: INSTITUIÇÕES E SEUS PERIÓDICOS
O IBGE (RJ)
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, fundado em 1937, durante o
Estado Novo (primeira gestão de Vargas) sempre esteve associado à tarefa de organizar, tecnicamente, as informações de interesse para o Governo Federal. Atuou,
portanto, como um braço especializado em várias gestões. Suas contribuições atravessaram regimes autoritários e democráticos, apenas variando a ênfase das análises e dos métodos utilizados.
As rotinas de estatística e cartografia conferiram relevância ao Instituto durante os regimes que estimularam a tecnocracia (valorização de práticas que gerassem
uma racionalidade administrativa). O IBGE deu suporte a grandes empreendimentos
promovidos pela esfera executiva, tais como a interiorização do país, os processos de
colonização, estudos regionais variados, planejamento de redes rodoviárias e racionalização dos limites e divisas. E uma vez que o Instituto teve papel de destaque no
que diz respeito ao pensamento em torno do problema regional, naturalmente alinhou-se com a tendência à quantificação na Geografia.
Possuindo as históricas atribuições de lidar, entre outras coisas, com os indicadores sócio-econômicos, acolheu de modo instintivo o exercício das pesquisas de
cunho matemático-estatístico, assumindo, assim, a vanguarda dos benefícios trazidos
pela deriva quantificante. Ademais, amplificara-se a capacidade de se empreender na
identificação de diferenciações regionais, na análise de mecanismos geradores de
fenômenos de interligação e na abstração do processo evolutivo dos espaços.
A divisão regional do país foi um dos primeiros temas a serem tratados pelas
modernas técnicas analíticas de natureza matemática e é provável que o reparo nos
fenômenos de fluxo (mercadorias, capitais) tenha-se constituído no primeiro passo,
na cena brasileira, rumo ao acolhimento definitivo das terminologias e do arsenal
metodológico próprio da Geografia Neopositivista.
Nos fins da década de sessenta, a percepção de inadequações na divisão regional então vigente no país leva o Instituto a iniciar estudos que promoveram uma
reformulação segundo novos critérios. Era preciso admitir fenômenos incontestáveis
no país e enxergar seus significados numa perspectiva espacial, cuja expressão estava intrinsecamente atada ao processo de desenvolvimento sócio-econômico brasileiro (fenômenos de polarização econômica e de fluxo de produtos e consumidores, por
exemplo). Conhecer bem o país possibilitaria ajustar adequadamente as ações progressistas àquilo que era, na visão dos pesquisadores e dos tomadores de decisão,
um verdadeiro complexo nacional. Assim, a compreensão de sua organização espacial, poderia levar, mais facilmente, a uma política de intervenção por parte do Estado.
Disso resultou a necessidade de se ter que manipular e processar dados e
informações de forma mais precisa e racional, obrigando o grupo de pesquisadores
do IBGE a se familiarizarem com as novas técnicas matemáticas e computacionais. O

366

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

Instituto promoveu a vinda de alguns geógrafos estrangeiros versados nos então
recentes métodos de tratamento matemático. Essa sua iniciativa terminou por estreitar os laços da Geografia brasileira com a internacional, promovendo a sua dinamização.
Desse modo vemos que Brian Berry, considerado um dos expoentes da Nova
Geografia, veio ao Brasil em 1967 e ministrou cursos sobre uso de técnicas quantitativas, iniciando assim um grande número de geógrafos brasileiros na lida com uma
matematização mais sofisticada (bem diversa daquela até então empregada nas estatísticas nacionais). J. P. Cole, geógrafo da Universidade de Nottingham veio no ano
seguinte para auxiliar nos estudos sobre o Censo de População. Retorna em 1969 e,
desta vez, ajuda na aplicação de outras técnicas quantitativas úteis nas abordagens
regionais (Análise Dimensional e "Cluster", a par da fundamental análise de fatores).
Duane Marble, professor da Universidade de Northwestern, EUA, esteve aqui no início
da década de setenta. Os pesquisadores Akin Mabogunje, da Nigéria, Lawrence Brown,
de Ohio (EUA) e os israelenses Kipnis e Sachar, só para citar mais alguns, também
contribuíram para a implementação e divulgação de recursos matemático-estatísticos
de dados úteis ao planejamento regional.
O IBGE também se preocupou em enviar seus geógrafos ao exterior para que
estes fizessem cursos de aperfeiçoamento e mesmo pós-graduação. Uma vez
retornando, tais pesquisadores, por já estarem cientes da necessidade de
reformulações teóricas e metodológicas na Geografia, assumiam, naturalmente, o
papel de difusores de sua versão neopositivista na cena doméstica. A eles caberia
promover a reciclagem dos geógrafos ainda não familiarizados com essa Nova Geografia. Bem a propósito do assunto, Faissol (1989, p. 30) comenta que "o IBGE realizava cursos de aperfeiçoamento para professores e, em muitos deles, se ofereciam
disciplinas e métodos quantitativos na Geografia, do que resultou uma difusão de
interesses".
O IBGE também passou a promover a divulgação internacional de trabalhos
elaborados pelos geógrafos daqui. Em 1980, publicou um livro cuja organização foi de
Bertha K. Becker, Pedro P. Geiger e Speridião Faissol. Abordou temas referentes,
desde a questão ambiental, até os problemas da distribuição de renda e das políticas
territoriais. Um outro volume publicado pelo IBGE (uma coletânea de textos de 1971)
foi mais explicitamente voltado para a quantificação, prestigiando, na forma de "comunicação ao exterior", trabalhos de geógrafos brasileiros acerca da Geografia
Neopositivista (aplicações e reflexão de seus significados).
Também não podemos nos esquecer de que os veículos de informação produzidos pelo IBGE tiveram um importante papel na divulgação da Nova Geografia no
país. São dois os mais conhecidos pela comunidade geográfica e que, justamente,
vieram a jogar o referido papel propagador: a "Revista Brasileira de Geografia" (RBG)
e o "Boletim Geográfico" (BG).
A RBG, cujo primeiro número data de 1939, acabou vindo a ser o periódico que
de forma mais notável deu publicidade à Geografia Quantitativa no Brasil, com a
publicação de uma série de artigos ajustados a essa linha, e sobretudo a partir da
década de 70. Mas o artigo pioneiro, e que acabou chamando a atenção dos geógrafos
brasileiros a respeito de uma tomada de consciência sobre as mudanças que estavam
ocorrendo na Geografia, foi o de Pedro P. Geiger, publicado em 1970 e intitulado
"Renovação da Geografia" (GEIGER, 1970a).
Por outro lado, o B. G., apesar de ter tido também uma grande importância
promotora da modernização em Geografia na cena nacional, percebemos que esteve
mais objetivamente direcionado para a divulgação de trabalhos voltados para professores de escolas secundárias.
Realçando a importância do IBGE para o desenvolvimento e a divulgação da
ciência geográfica no Brasil, Faissol nos diz:

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

367

[...] a minha verdade e a minha pretensão de legitimação é
de que o Departamento de Geografia do IBGE tem um crédito perante a geografia brasileira, crédito que a fase quantitativa, que este mesmo Departamento implantou no Brasil,
saiu acrescentando [...] por isso mesmo, parece-me necessário destacar o papel inovador que este Departamento de
Geografia do IBGE teve no desenvolvimento da Geografia
brasileira, a começar pela sua própria existência, e pelo que
ele se constituiu como a maior massa, em quantidade e em
qualidade, de pesquisa geográfica feita no Brasil. (FAISSOL,
1989, p. 23).

O grupo de Rio Claro (SP)
Um outro centro difusor da Geografia Neopositivista no Brasil foi o Departamento de Geografia da então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro,
São Paulo (atualmente, um dos campi da UNESP), onde um grupo de professores,
liderados por Antonio Christofoletti, passou a estudar e a divulgar trabalhos nessa
nova linha de pensamento. Contudo, Rio Claro foi um centro não apenas de assimilação e propagação, mas inclusive de fermentação de idéias sobre as teorias e as
técnicas de quantificação em Geografia.
No ano de 1971, é fundada em Rio Claro a "Associação de Geografia Teorética"
(AGETEO), que veio a chancelar a publicação duas revistas científicas. A primeira
delas foi denominada de "Boletim de Geografia Teorética" (BGT), cujo primeiro número data justamente deste ano. Sobre este periódico e a concernente Associação,
achamos interessante citar dois comentários que ressaltam a sua importância. São
eles:
Eis uma nova publicação destinada a abordar o tema Ciência Geográfica. Seu principal objetivo consistirá na divulgação e discussão dos aspectos teóricos da Geografia, dando
também destaque a técnicas quantitativas que estão sendo
empregadas em pesquisas. (CHRISTOFOLETTI et al., 1971,
p. 3).
Em Rio Claro, como conseqüência da tomada de consciência, a 4 de março de 1971 foi fundada a Associação de Geografia Teorética, que vem patrocinando a realização de cursos, conferências e a publicação do Boletim de Geografia
Teorética. (CHRISTOFOLETTI, 1982, p. 78).

Fincava-se, então, no interior paulista, uma segunda bandeira pró-quantificação
e divulgadora da Geografia Neopositivista para todo o Brasil, através da ação da
AGETEO (existente até hoje) e de suas revistas geográficas. À guisa de ilustração,
convém ressaltar um fato interessante: como o entusiasmo desse grupo era muito
grande, eles conseguiram trazer para a cidade de Rio Claro, no ano de 1974, o ilustre
geógrafo David Harvey, a fim de que ministrasse palestras e divulgasse, pois, essa
nova geografia.
No ano de 1976, a mesma Associação lança uma segunda revista denominada
"Geografia", agora com objetivos mais amplos, indo além de uma mera preocupação
quantificante. Assume essa revista outras intenções tais como, o auxílio à atividade
docente, a promoção de debates e discussões e a difusão de assuntos geográficos
generalizados.

368

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

Desse modo, o Departamento de Geografia de Rio Claro adquiriu notoriedade
e valor na cena nacional, fato este evidenciado, por exemplo, pelo geógrafo Manuel
C. de Andrade, quando diz:
Também foi palco de estudos quantitativos o curso de Geografia da Unesp, localizada em Rio Claro, onde, ao lado dos
estudos urbanos, desenvolveram-se, principalmente, estudos agrários ou de localização das principais culturas. Neste
centro universitário foram produzidas numerosas teses de
doutorado e dissertações de mestrado utilizando os métodos quantitativos. Seu prestígio tornou-se nacional, sendo a
sua pós-graduação uma das mais procuradas, atraindo estudantes de todo Brasil, contribuindo para a difusão do
neopositivismo e da teoria dos sistemas. Em Rio Claro foi
fundada em 1971 a Associação de Geografia Teorética, que
publica um Boletim, que já chegou ao número 30, em que a
metodologia estatística é bastante difundida, e livros nessa
mesma linha de pensamento. (ANDRADE, 1987, p. 109).

Faissol também realça a importância de Rio Claro como epicentro difusor da
Geografia Quantitativa, dizendo:
O Departamento de Geografia da Universidade de Rio Claro
onde destacaram Christofoletti, Ceron, Lívia de Oliveira, entre outros, foi, sem dúvida, outro importante centro, e, logo,
muitos outros passaram a utilizar técnicas quantitativas, principalmente a análise fatorial e/ou enveredar por elucubrações
teóricas. (FAISSOL, 1989, p. 24).

OS GEÓGRAFOS QUE SE DESTACARAM
Em função da importância que tiveram o IBGE e o Departamento de Geografia
de Rio Claro na assimilação e na divulgação da Geografia Neopositivista no país, não
podemos deixar de mencionar o nome de alguns geógrafos vinculados de alguma
forma a tais instituições e que muito contribuíram para o sucesso circunstancial dessa
nova Geografia.
Chamamos porém a atenção para o fato de que, se folhearmos as principais
revistas geográficas nacionais, já em meados da década de 60, vamos encontrar
artigos com indícios germinais de quantificação, mas isso não significa que esses
autores estavam conscientemente engajados com os preceitos da filosofia
neopositivista. Como exemplo, citamos o artigo de Antonio T. Guerra, publicado no
BG de 1967, onde aborda o recurso dos anuários estatísticos para a pesquisa e para
o ensino da Geografia. Disse ele (1967, p. 53) que "o Anuário Estatístico é uma importante fonte de dados para as pesquisas geográficas nos mais diversos campos. Graças a ele, temos idéia dos valores quantitativos dos diversos fenômenos."
É nossa intenção citar apenas alguns geógrafos, dentre tantos outros, que realmente se identificaram e apoiaram as novas técnicas quantitativas, e que se preocuparam em refletir sobre o uso delas e em defender os fundamentos teóricos/
metodológicos da Geografia Neopositivista.
Iniciaremos com os geógrafos ligados ao IBGE, pois como já foi mencionado,
esse órgão foi, sem margem de dúvida, o principal divulgador da Nova Geografia no
Brasil.

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

369

OS GEÓGRAFOS DO IBGE
Iniciaremos este item mencionando o nome de Fani R. Davidovich, que deu
uma grande contribuição à Geografia Quantitativa ao desenvolver trabalhos sobre
áreas urbanas, planejamento e integração espacial, todos alicerçados em técnicas de
quantificação. Como ilustração, podemos citar os seguintes: "Aspectos geográficos de
um mercado industrial: Jundiaí em 1962." (DAVIDOVICH, 1966), onde estudou o desenvolvimento industrial na cidade de Jundiaí (SP); "Formas de projeção espacial das
cidades na área de influência de Fortaleza" (DAVIDOVICH, 1971), quando procura
dar uma contribuição ao enfoque dos problemas de regionalização do país, baseado
nas relações das cidades com o espaço geográfico e preocupando-se com os problemas da centralidade urbana; "Funções urbanas no Nordeste" (DAVIDOVICH, 1978),
onde examinou os vários aspectos do sistema de cidades do nordeste brasileiro, a fim
de fornecer subsídios ao planejamento regional; "Uma análise geográfica da urbanização brasileira: serviços de infra-estrutura nos principais centros urbanos do país"
(DAVIDOVICH, 1980), na qual estuda o problema da urbanização brasileira, particularmente em sua expressão espacial ­ a preocupação central do trabalho.
Também desenvolveu trabalhos em parceria com colegas do IBGE, tais como:
"Reflexões sobre a evolução da estrutura espacial do Brasil sob efeito da industrialização" (GEIGER; DAVIDOVICH, 1974), cujo objetivo principal foi o de repensar a
aplicação do modelo centro-periferia no país; "Contribuição ao estudo de aglomerações urbanas no Brasil" (DAVIDOVICH; LIMA, 1975), de objetivo voltado para a identificação das aglomerações que, pela magnitude alcançada, tornavam-se susceptíveis
de apresentar problemas econômicos e sociais, justificando, assim, a implementação
do planejamento e a conseqüente ordenação de seu processo expansivo; e "Resultados preliminares de um estudo geográfico sobre aglomerações urbanas no Brasil:
análise do nível de instrução" (DAVIDOVICH; CARDOSO, 1982), onde procuraram
dar conhecimento de um trabalho que estava sendo desenvolvido na Divisão de Estudos Urbanos do Departamento de Geografia do IBGE, e que dizia respeito às dimensões sócio-espaciais do processo de urbanização brasileira.
Através da leitura de seus trabalhos, fica claro que para essa pesquisadora era
vital a adoção de teorias que pudessem explicar adequadamente a realidade brasileira. Mas este, em verdade, é um mérito que deve ser creditado aos geógrafos do IBGE
em geral; isto é, a procura de um ajuste conceitual dos modelos teóricos absorvidos
aos problemas domésticos (à nossa realidade, portanto). Ela também comungava da
idéia de que, só com o uso de modelos e o emprego de técnicas matemático-estatísticas, seria possível contornar o problema da atualidade, que era o de ter de trabalhar
com pluralidade de dados e informações. Pode ser citado um outro trabalho seu, de
1975, agora em parceira com Olga M. B. de Lima, colega no Instituto, acerca das
aglomerações urbanas no país; trabalho recheado de tabelas e dados quantificados.
(DAVIDOVICH; LIMA, 1975).
A respeito dos estudos sobre cidades e sua zona de influência, a geógrafa Elza
C. de S. Keller publica, em 1969, na RGB, o artigo intitulado "As funções regionais e a
zona de influência de Campinas" (KELLER, 1969), valendo-se de expressões que
viriam a ser recorrentes em trabalhos de mesma natureza: "hierarquia de centros",
"localidade central", etc.
Em outros artigos, dessa mesma pesquisadora, vamos encontrar indícios diretamente ligados à Geografia Neopositivista. Assim, vemos que em "Tipos de agricultura no Paraná, uma análise fatorial" (KELLER, 1970), ela se vale das técnicas de
factor e cluster analysis, apresentando listas de tabelas e "scores" (terminologias,
com alguma freqüência, usadas sem tradução).

370

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

Ficava patente, então, o acolhimento da quantificação no intuito de melhor
operacionalizar os dados informativos, pois segundo a própria Keller (1973), as técnicas quantitativas devem ser utilizadas para se poder almejar a obtenção de resultados mensuráveis e comparáveis. E não podemos deixar de ressaltar, aqui, que na
década de sessenta, Elza Keller foi professora do Departamento de Geografia da
antiga Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, dedicando-se ao campo
da Geografia Humana (mais precisamente à Geografia da População) ­ fato que
terminou por deixar naquela cidade um bom número de discípulos propensos, portanto, a aderir à vertente neopositivista.
Marília V. Galvão foi outra geógrafa atuante do IBGE. Trabalhando com áreas
metropolitanas e problemas relativos às grandes aglomerações, preocupou-se com a
imprecisão conceitual da Geografia Tradicional. A sua aproximação com as novas
técnicas de análise terminou então por ser fatal. Observamos em seus trabalhos ­ na
maioria, elaborados em conjunto com outros colegas ­ a aplicação, por exemplo, de
modelos fisicistas (gravitacionais, sobretudo).
Juntamente com Speridião Faissol, escreveu o artigo "Divisão Regional do Brasil" (GALVÃO; FAISSOL, 1969), onde aplicam a análise fatorial, procedimento este que
se tornou comum nos casos em que se objetivava identificar padrões de associação
entre variáveis.
Ainda em parceria com Faissol publicou, no ano seguinte, um trabalho que se
tornou clássico, "A Revolução Quantitativa na Geografia e seus Reflexos no Brasil"
(GALVÃO; FAISSOL, 1970). Esse artigo acabou convertendo-se em um texto imprescindível para o entendimento do movimento de renovação metodológica, dado que
seus autores procuravam evidenciar as vantagens inerentes ao uso do novo arsenal
técnico e conceitual no sentido de instrumentalizar os planejamentos regionais.
Outro expoente da Geografia Neopositivista no IBGE foi Pedro P. Geiger, que
escreveu vários artigos sobre essa temática, sendo "Renovação da Geografia" (GEIGER,
1970a) considerado um marco histórico. Em seus artigos, ele procurava discutir temas relacionados à Nova Geografia, tais como a atitude analítica, sua
interdisciplinaridade, a questão da modelagem, a atitude prospectiva e a linguagem
matemática. Também incentivou o uso de técnicas quantitativas na Geografia, dentre
as quais, a análise fatorial. O próprio autor utilizou-se dessa técnica para estudar as
cidades nordestinas (GEIGER, 1970b). Juntamente com Davidovich, escreveu um artigo no qual correlaciona o fator industrialização com o modo de evolução da estrutura espacial brasileira (GEIGER; DAVIDOVICH, 1974). Com outros colegas do IBGE,
escreveu um trabalho sobre as séries temporais, artimanha matemática para poder
aproximar formalmente os conceitos de espaço e tempo (GEIGER et al., 1974). Para
divulgação internacional escreveu "Factor Analysis applied in the study of cities of the
central west of Brazil" (GEIGER; GUIMARÃES; STEFFAN, 1971). Participou também do
"Simpósio de Renovação da Geografia", promovido pela AGB, no Rio de Janeiro, em
1973, apresentando um trabalho onde fez reflexões sobre a regionalização e o emprego de métodos quantitativos (GEIGER, 1973).
Um geógrafo que, por sua vez, jamais poderia ser esquecido, em função da
grande contribuição que deu para a Geografia Neopositivista no Brasil, é o já algumas
vezes mencionado Speridião Faissol. Atuando por mais de três décadas no IBGE, foi
um dos principais agentes difusores da vertente quantitativa no país. Nos inúmeros
trabalhos consagrados à Nova Geografia (aplicações e implicações), fica claro seu
empenho num esclarecimento pedagógico da quantificação e da busca por teorias.
É conveniente ressaltar que Faissol procurou alertar os neófitos quanto a necessidade de se tomar cuidado ao empregar as técnicas quantitativas, evitando exageros e mesmo o risco de se cair num tecnicismo inútil. Lembra também que as

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

371

técnicas são apenas instrumentos de análise e que não podemos utiliza-las como o
fim último das pesquisas científicas.
Entre os vários artigos nessa linha, três merecem destaque. Dois são homônimos, "Teorização e Quantificação em Geografia" (FAISSOL, 1972a, 1978). Neles, o
autor revisa as principais idéias concernentes à fase analítico-quantitativa, informando ao leitor acerca das principais técnicas matemáticas e estatísticas utilizadas. O
terceiro, por sua vez, enfoca os principais problemas da Geografia como ciência e
tem por título "Geografia na década de 80: os velhos dilemas e as novas soluções"
(FAISSOL, 1987).
Com colegas do IBGE, publicou, em 1972, um outro artigo que também é
considerado referencial para a compreensão de um dos instrumentos práticos trazidos pela Nova Geografia; ele intitula-se "A Cadeia de Markov como método de distância funcional: delimitação de regiões funcionais e nodais" (FAISSOL; OLIVEIRA;
PEDROSA, 1972). No ano seguinte publicou "O processo de difusão no sistema urbano
brasileiro: análise do padrão de distribuição espacial dos centros urbanos e seu ajustamento à distribuição de probabilidades" (FAISSOL, 1973) e em 1974, "A organização
espacial do sistema urbano brasileiro: relações entre a estrutura das cidades e as
relações entre elas" (FAISSOL, 1974).
Através da leitura desses artigos, percebe-se claramente a importância que
Faissol teve para o desenvolvimento da Geografia Neopositivista no Brasil. Diga-se de
passagem, a produção científica do geógrafo foi recentemente analisada por Reis
Júnior (2003), sobretudo o aspecto propagador/reflexivo que ela contém.
Juntamente com Faissol e colegas do IBGE, Roberto Lobato A. Corrêa também
militou na Geografia Quantitativa, tendo escrito vários artigos vinculados a essa corrente. Mas é interessante ressaltar que, mesmo se envolvendo com a quantificação,
este pesquisador não se furtou a criticar o neopositivismo em Geografia, fato este por
nós ilustrado (via citação) em capítulo anterior. Isto, todavia, não diminuiu em nada a
sua importância e participação no movimento quantificante; muito pelo contrário, a
aparente contradição só vem atestar o quão grande tende a ser o dinamismo do
pensamento no âmbito da ciência geográfica.
Corrêa dedicou-se aos temas de Geografia Urbana, interessando-se pelos estudos de "rede" e "hierarquia" urbanas, bem como pelos problemas de regionalização,
em cuja abordagem empregou, com certa freqüência, técnicas estatísticas. Como é
muito vasta a sua produção, selecionamos ­ à guisa de ilustração ­ apenas alguns de
seus artigos consagrados, como aqui nos convém, às referidas temáticas (naturalmente passíveis de exploração em linguagem quantitativa). São eles: "Processos
espaciais e a cidade" (CORRÊA, 1979), "A periodização da rede urbana da Amazônia"
(CORRÊA, 1987a), "Algumas considerações sobre análise regional" (CORRÊA, 1987b),
"A rede de localidades centrais nos países subdesenvolvidos" (CORRÊA, 1988a), "O
estudo da rede urbana: uma proposição metodológica" (CORRÊA, 1988b), "Concentração bancária e os centros de gestão do território" (CORRÊA, 1989a), "Hinterlândias,
hierarquias e redes: uma avaliação da produção geográfica brasileira" (CORRÊA,
1989b), "Os centros de gestão e seu estudo" (CORRÊA, 1989c).
Saindo do IBGE em 1993, transferiu-se para a Universidade Federal do Rio de
Janeiro (UFRJ), onde continuou trabalhando como Professor Assistente no Departamento de Geografia e produzindo artigos. Para melhor caracterizar sua produção
científica, citamos mais alguns: "Identificação dos centros de gestão do território no
Brasil" (CORRÊA, 1995), "Globalização e reestruturação da rede urbana ­ uma nota
sobre as pequenas cidades" (CORRÊA, 1999), "Formação espacial ­ reflexões considerando o Brasil" (CORRÊA, 2000).
Por fim, deve ser citado um trabalho pioneiro empregando a quantificação em
Geografia Urbana que foi elaborado por ele em co-autoria com uma então estagiária

372

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

no IBGE: "Uma definição estatística da hierarquia urbana" (CORRÊA; LOJKASEK, 1972).
Nele, são empregadas técnicas matemáticas no estudo da rede de localidades centrais do sudoeste paranaense.
Finalmente, não podemos deixar de mencionar o nome da geógrafa Bertha K.
Becker (professora emérita da UFRJ) que, apesar de não pertencer ao corpo técnico
do IBGE, acabou trabalhando algumas vezes em conjunto com os geógrafos do Instituto, no sentido de divulgar, na cena doméstica, o movimento renovador em Geografia. Ela foi responsável por numerosos trabalhos sobre a temática urbana e a
estruturação espacial brasileira, utilizando técnicas quantitativas variadas. Consultando alguns de seus trabalhos, vemos que em 1972 publicou "Crescimento econômico e a estrutura espacial do Brasil", onde procurou analisar as relações entre aquele
fenômeno (enquanto processo) e uma de suas respostas em termos de forma. Em
1973 publicou a sua Tese de Livre Docência, intitulada "O Norte do Espírito Santo
(Região Periférica em Transformação)", onde se propôs a estudar a incidência espacial do crescimento econômico, visto que o Brasil sofria, à época, um processo marcado pelos desequilíbrios sócio-econômicos setoriais e regionais. Em "A Amazônia na
estruturação espacial do Brasil" (BECKER, 1974) explana sobre a importância da economia amazônica e seu papel particular na hierarquia do espaço brasileiro. "A propósito de um modelo de ocupação racional da Amazônia" (BECKER, 1976) é outro artigo
consagrado à mesma região, onde se mostra preocupada e consciente da necessidade de um esforço conjunto para uma definição responsável e adequada para a ocupação da Amazônia. Já em "Uma hipótese sobre a origem do fenômeno urbano numa
fronteira de recursos do Brasil" (BECKER, 1978), estuda exatamente a origem do
fenômeno urbano no Brasil contemporâneo, chamando atenção para os "povoados"
de um sítio específico localizado ao longo da rodovia Belém-Brasília.
Em 1978 organizou, juntamente com Pedro P. Geiger, uma coletânea de artigos
de geógrafos brasileiros, para ser divulgada internacionalmente, sendo a maioria
deles alinhados com a perspectiva neopositivista e abordando temas geográficos variados, tais como: o sistema urbano, a expansão de culturas agrícolas, a migração e
a política regional (BECKER; GEIGER, 1978). Para também ser divulgado internacionalmente, publicou, em língua inglesa, um livro sobre a organização espacial brasileira em parceria com Pedro P. Geiger e Speridião Faissol (BECKER; GEIGER; FAISSOL,
1980).

OS GEÓGRAFOS DE RIO CLARO (SP)
Alguns geógrafos do Departamento de Geografia da então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro (atual UNESP) também contribuíram significativamente para a divulgação da Nova Geografia no Brasil.
O professor Antonio Christofoletti foi, sem dúvida, o principal expoente nessa
instituição. Como mantinha intenso intercâmbio com editoras e autores, adquiriu o
hábito de comunicar a bibliografia geográfica internacional mais recente. Por conseqüência, termina por ser um dos primeiros a perceber que estavam ocorrendo importantes mudanças paradigmáticas no seio da Geografia e que era preciso, em virtude
disso, absorvê-las o quanto antes. Publica, então, uma resenha no jornal "O Estado
de São Paulo", ocasião em que procura chamar a atenção da comunidade (não apenas científica) para as transformações metodológicas na disciplina (CHRISTOFOLETTI,
1970a).
Preocupado em absorver as novas técnicas, participou da "Reunião da Comissão de Métodos Quantitativos" (Rio de Janeiro, 1971), apresentando o trabalho "Cor-

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

373

relação de variáveis para um estudo comparativo de bacias hidrográficas". Este trabalho foi depois publicado no "Boletim Geográfico" (CHRISTOFOLETTI, 1971).
Na transição entre as décadas de sessenta e setenta, produziu uma série de
artigos convergentes tematicamente: "Análise morfométrica de bacias hidrográficas"
(CHRISTOFOLETTI, 1969), "Análise morfométrica de bacias hidrográficas localizadas
no planalto de Poços de Caldas" (CHRISTOFOLETTI, 1970b), "A nova geografia e a
geomorfologia" (CHRISTOFOLETTI, 1972) e "Análise Topológica de Redes Fluviais"
(CHRISTOFOLETTI, 1973).
Analisando esses trabalhos, naturalmente somos levados a deduzir que o autor
esteve mais comprometido com a aplicação das técnicas quantitativas no campo da
Geografia Física (ou, talvez mais precisamente, na área da geomorfologia fluvial).
Todavia, também tratou de divulgar a Nova Geografia em suas implicações e significados mais gerais (não se restringindo, pois, aos seus potenciais reflexos nos subcampos da disciplina). Os seguintes artigos ilustram bem essa sua preocupação mais
amplificada: "A nova geografia e a geomorfologia" (CHRISTOFOLETTI, 1972), "As
características da nova geografia" (CHRISTOFOLETTI, 1982), "O desenvolvimento da
quantificação em geografia" (CHRISTOFOLETTI, 1990) e "Geografia teorética"
(CHRISTOFOLETTI, 1971) ­ este último, escrito em parceria com a colega de departamento Lívia de Oliveira.
Sempre aberto às novas tendências, organizou uma obra de grande utilidade
para quem examina a história do pensamento geográfico em seus vários vieses teóricos e metodológicos (CHRISTOFOLETTI, 1982). A par disso, é dever mencionar o
fato do autor ter publicado um sem-número de resenhas (mais de quatrocentas, estima-se). Trata-se de sínteses críticas nas quais informa não apenas o conteúdo de
obras vinculadas a variados aspectos da Geografia, mas, inclusive, a utilidade que
algumas produções científicas não-geográficas poderiam ter para os profissionais brasileiros.
Outro geógrafo que se destacou no núcleo rio-clarense foi Antonio Olívio Ceron,
que escolheu a Geografia Agrária , como área de pesquisa preferencial. Em seus
trabalhos encontramos indícios de uso de técnicas e procedimentos matemáticos próprios da Geografia Neopositivista. Assim, lançou mão de equações de relação entre
variáveis, tabelas de correlação logarítmica, gráficos variados e terminologias
sistêmicas.
Em 1968, escreveu um artigo intitulado "As categorias dimensionais de propriedades agrícolas: técnicas de agrupamento". Aparentemente, este foi seu trabalho
debutante na área da quantificação; depois do qual produziria outros: "Classificações
espaciais e regionalização" (CERON, 1972a), "Revolução industrial e sistema espacial
da agricultura" (CERON, 1973) e "Distância do mercado e intensidade do uso da terra
como fatores de localização da força de trabalho agrícola no estado de São Paulo"
(CERON, 1976). Também merece referência sua Tese de Livre Docência intitulada "Os
tipos de agricultura e sua regionalização no setor norte-ocidental do estado de São
Paulo: uma contribuição à teoria de classificação espacial" (CERON, 1972b).
José Alexandre F. Diniz também pertence ao contingente de geógrafos
quantitativistas de Rio Claro. Dedicando-se estoicamente à aplicação e apologia da
Nova Geografia ­ que na época não era ainda pacificamente aceita pela maioria dos
geógrafos tradicionais ­, veio a importar-se com os tópicos conexos à Geografia
Agrária, sobressaindo-se nacionalmente nessa temática. Ainda assim, um de seus
primeiros trabalhos foi sobre as denominadas "zonas de influências", tendo estudado
o caso da cidade de Aracaju (DINIZ, 1969), trabalho este já recheado de dados
quantitativos.
Mas uma vez assumindo o tema agrário, empenhou-se sempre em adaptar as
técnicas estatísticas desenvolvidas por pesquisadores estrangeiros à realidade brasi-

374

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

leira. Em parceria com Ceron, escreveu "Tipologia da agricultura ­ questões
metodológicas e problemas de aplicação no estado de São Paulo" (DINIZ; CERON,
1970) e "Intensidade de agricultura no estado de São Paulo: uma abordagem quantitativa" (DINIZ; CERON, 1971), sendo este último apresentado na já mencionada "Reunião da Comissão de Métodos Quantitativos", promovida pela União Geográfica Internacional, na cidade do Rio de Janeiro.
No "Boletim de Geografia Teorética" vamos encontrar artigos sugestivos de sua
autoria, tais como "Classificação de uma variável e sua aplicação na geografia" (DINIZ,
1971b) e "Modelos e paradigmas na geografia" (DINIZ, 1971c). Merecem igual menção
(por conta de abordarem as novas rotinas metodológicas) sua Tese de Livre Docência
intitulada "Aplicação da análise fatorial de uma tipologia agrícola na depressão periférica
paulista" (DINIZ, 1971a) e "A renovação da geografia agrária no Brasil" (DINIZ, 1973),
trabalho divulgado no "Simpósio de Renovação da Geografia", no Rio de Janeiro.
A geógrafa Lívia de Oliveira, apesar de ter adquirido fama nacional em virtude
de seu inquestionável pioneirismo na divulgação da denominada "Geografia
Humanística" (ou "Geografia da Percepção") no Brasil, teve também um papel atuante nas discussões acerca da Geografia Neopositivista. Oliveira participou ativamente
da comissão que inaugurou a "Associação da Geografia Teorética" (AGETEO) e já no
primeiro número da revista patrocinada por essa associação, publicou, juntamente
com Christofoletti, um artigo no qual os autores fornecem ao leitor uma ampla bibliografia vinculada ao movimento de renovação (CHRISTOFOLETTI; OLIVEIRA, 1971).
Reforçando as tendências modernizantes na Geografia, produziu um artigo onde intenta demarcar funcionalmente a disciplina, bem como sua posição em relação às
outras ciências (OLIVEIRA, 1976).
Como ilustre representante da Geografia da Percepção, ensaiou relacionar conhecimentos geográficos com técnicas quantitativas, no propósito de contemplar o
processo de aprendizagem. Juntamente com Lucy Marion C. P. Machado, escreveu
vários artigos acerca dessa temática. É importante ressaltar que ela soube aliar o
tratamento matemático às teorias psicológicas concernentes à percepção, o que acabou enriquecendo seus trabalhos. E analisando os mesmos, vemos que é freqüente o
uso de tabelas de "scores" e equações para a análise de variâncias e a submissão de
dados ao tratamento estatístico.
Na área da cartografia, destacou-se Miguel César Sanchez, desenvolvendo
uma cartografia afinada com as técnicas quantitativas. Dois artigos ilustram bem a
sua preocupação com o tema, sendo um intitulado "A problemática dos intervalos de
classe na elaboração de cartogramas" (SANCHEZ, 1972), e o outro "A cartografia
como técnica auxiliar da geografia" (SANCHEZ, 1973). Mas Sanchez também acabou
escrevendo artigos a respeito de Geografia Agrária. Com Ceron publica "Alguns problemas de análise das distribuições espaciais: exemplos de variáveis agrícolas no
espaço paulista" (CERON; SANCHEZ, 1973), onde verificamos a existência de
fraseologias do tipo "espaço estatístico", bem como um grande número de tabelas e
matrizes de correlação de variáveis.
Não podemos, contudo, deixar de mencionar também o nome de alguns discípulos dos primeiros, por assim dizer, "cruzados neopositivistas", que enquanto alunos
à época acabaram herdando do grupo de professores seus o viés quantitativo rioclarense.
A então aluna Lucia Helena de Oliveira Gerardi escreveu, juntamente com o
professor Diniz, um artigo que versava sobre o emprego de modelos para a análise
da distribuição da terra (DINIZ; OLIVEIRA, 1971). Ela participou também da criação
do "Boletim de Geografia Teorética" e em seu segundo número publica o artigo "Um
modelo matemático: sua concepção e aplicações" (GERARDI, 1971). Em 1973, defendeu geral de Doutoramento, desenvolvendo uma pesquisa onde procurou empregar a

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

375

teoria geral dos sistemas na atividade agrícola, tendo como área de estudo a região
da Alta Paulista, no estado de São Paulo (GERARDI, 1973).
Mas sua principal contribuição para a Geografia Neopositivista foi a publicação
do livro "Quantificação em Geografia"; em co-autoria com Bárbara-Christine N. Silva
(GERARDI; SILVA, 1981), esta obra foi uma das primeiras em língua portuguesa a
explicar didaticamente técnicas quantitativas de serventia potencial à Geografia.
José Carlos Godoy Camargo e Sérgio dos Anjos Ferreira Pinto deram a sua
contribuição, participando ativamente das discussões teóricas e das sessões de estudos promovidas pelos professores de Rio Claro. Tendo sido também sócios fundadores da AGETEO e de seu Boletim, publicaram nessa revista o artigo "A teoria das
ondas cinemáticas e seu emprego na geografia" (CAMARGO; PINTO, 1972), onde
discutem a possibilidade do recurso a modelos análogos em Geografia, analisando
um específico modelo originário da Física e que já havia sido empregado em Geologia.
Uma vez que o apelo por teoria, assim como o desenvolvimento da cartografia
temática, foram distintivas características do movimento renovador, é natural que se
verifique já nos primeiros números das revistas rio-clarenses "Boletim de Geografia
Teorética" e "Geografia", a presença de artigos enfocando tais preocupações. A título
de exemplo podemos citar alguns mais relevantes. Sobre os aspectos da aplicação de
teoria e conceitos em Geografia encontramos os seguintes: "Estruturalismo" (MICOTTI,
1972), "As perspectivas idiográfica e nomotética em geografia" (TAVARES, 1975),
"Teorias de localização e de desenvolvimento regional" (MELLO E SILVA, 1976) e
"Considerações sobre a teoria do turbilhão e aplicações aos estudos de calhas
induzidas" (TAVARES, 1978). Em se tratando de cartografia temática, merecem citação: "Difusão espacial da citricultura no estado de São Paulo analisada através do
modelo de superfície de tendência" (POLTRONIERI, 1976), "A propósito de uma técnica de seleção de intervalos de classe para fins de mapeamento" (SILVA, 1980), "Contribuição à metodologia da cartografia temática: o exemplo da variabilidade das precipitações anuais no estado da Bahia" (SILVA, 1981), "Previsão através de mapas de
probabilidades ­ o caso das precipitações anuais no estado da Bahia" (SILVA, 1982),
"Cartografia da acessibilidade e da interação no estado da Bahia" (MELLO E SILVA,
1982) e "Exemplo de cartografia das formações superficiais em zona tropical: o mapa
a SE de Camaçari (Bahia)" (VERGNE, 1982).

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Procuramos neste artigo fazer um breve comentário a respeito das principais
características da (alternativamente chamada) Geografia Neopositivista, além de esboçar contexto e condicionantes de seu aparecimento e difusão no cenário brasileiro.
Evidenciamos também as principais instituições que se empenharam em sua incorporação local e os geógrafos que mais se destacaram na adoção de terminologias e na
replicação das técnicas matemático-estatísticas, colaborando, por fim, com a
transmutação da disciplina geográfica em nosso país.
O movimento de renovação da Geografia, no pós-guerra, se deu principalmente nos países anglo-saxônicos, destacando-se os EUA e a Inglaterra, mas logo se
espargiu por outros países. No Brasil, esse movimento começou a ser divisado no
final da década de sessenta e início dos anos setenta, sensibilizando alguns geógrafos
mais progressistas e se instalando em algumas instituições oficiais, onde se praticava
a pesquisa e/ou o ensino da Geografia.

376

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

Não se põe em duvida o fato de que foram mesmo o Instituto Brasileiro de
Geografia e Estatística, no Rio de Janeiro, e o Departamento de Geografia de Rio
Claro (SP) as mais notáveis instituições que, de forma pioneira, se prestaram à divulgação da Nova Geografia ­ seus métodos, técnicas de análise e arsenal lingüístico.
Em seus respectivos corpos técnicos, alguns geógrafos acabaram se preocupando,
mais detidamente, em assimilar e usufruir as potencialidades explanatórias contidas
no amplo acervo teórico (modelos, conceitos alienígenas) e metodológico (recursos
estatísticos, por exemplo). Todavia, foram variados os níveis de engajamento dos
geógrafos brasileiros com essa Geografia de cunho neopositivista; isto porque, de
outro ângulo, certos profissionais detiveram-se sobretudo ­ e muito adequadamente
­ com a reflexão epistemológica que uma tal disciplina remodelada despertava.
E é justamente esse viés neopositivista assumido que, além do mais, vai acabar provocando profundas transformações no âmbito da Geografia, obrigando os seus
praticantes (menos ou mais interados das mudanças em marcha) a repensarem/
questionarem os alicerces teóricos já desgastados pelo império de uma corrente tradicionalmente empírico-descritiva e monográfica, consubstanciada por Vidal de La
Blache e discípulos. Contudo, forte reação ao movimento não deixou de haver, pois
grande número de geógrafos, conservando afeição aos procedimentos científicos mais
tradicionais, não fizeram questão de assimilar os novos, desde logo, demarcando seu
papel de críticos sistemáticos da Geografia Quantitativa.
É possível asseverar sem riscos que houve dois grandes líderes do movimento
quantificante em nosso país, os quais naturalmente se transformaram em expoentes
desde suas instituições. No IBGE, destacou-se Speridião Faissol, pela erudição e profundidade reflexiva de seus artigos e, em Rio Claro, o professor Antonio Christofoletti,
que, igualmente afinado com as novas "emanações", se notabilizou por ter sido o
geógrafo brasileiro a tomar a (louvável) iniciativa de divulgar o que se publicava na
cena internacional (livros e periódicos europeus e norte-americanos), tanto em termos de literatura científica relativa propriamente à Nova Geografia, quanto a condizente com tópicos gerais da disciplina ou do pensamento científico como um todo.
Ambos os geógrafos perceberam bem o quanto era fundamental, à época, o estabelecimento de padrões explanatórios (leis e teorias para a Geografia, em outras palavras) no sentido de fazer ascender a disciplina ao mesmo degrau das ciências sistemáticas, objetivas e pragmáticas. Bem, aparentemente, isso só seria possível através do emprego da metodologia científica e todo o seu suporte tecnicista (matemático, decerto). Daí que a atuação engajada de Faissol e Christofoletti ilustra a percepção da conveniência utilitária de uma Geografia Quantitativa, a par de exemplificar a
firmeza com que emergiu e se solidificou a corrente neopositivista em nosso país.
Mais além da importância de ter dividido águas ­ se, em verdade, a Nova
Geografia instaura uma mentalidade menos estreita e fomentadora de empreendimentos e linhas teóricas outras ­, o arejamento da disciplina, apesar de não ter sido,
de fato, longevo enquanto uma estrutura coesa em torno de dogmas indiscutíveis,
finca uma bandeira cujo mastro se mantém teso até hoje. Os diásporos de uma
Geografia tocada pela premência de recursos explanatórios objetivos e eficientes
(úteis para a tomada de decisão e o planejamento, portanto) ainda respiram.
Para finalizar queremos dizer que nos parece apropriado que aqueles leitores
interessados na história do pensamento geográfico brasileiro, busquem um contato
mais circunspecto com as referências bibliográficas aqui apenas citadas. Não tivemos
a intenção de resenha-las com profundidade (a profundidade que seria requerida se
nosso objetivo transcendesse o propósito de caracterizar agentes e enumerar produções textuais; nossa meta aqui). Ademais, é útil que os mesmos interessados pesquisem
o grande número de trabalhos tematicamente conexos, contidos nos periódicos nacionais. É salutar que sejam produzidos novos trabalhos concernentes ao desenvolvi-

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

377

mento da Geografia Neopositivista no Brasil, bem como de outras escolas do pensamento. Para isso, é imprescindível que sejam identificados autores e instituições e
analisados suas correspondentes produções materiais (artigos e documentos de várias ordens). Mais trabalhos dessa natureza (historiográfica, epistemológica) são sempre bem vindos, para que seja enriquecido o mosaico, ainda em composição, da
história do pensamento geográfico no Brasil. Foi exatamente a escassez desses textos que nos estimulou a redigir este artigo.

REFERÊNCIAS
ACKERMAN, E. A. Geography as a fundamental research discipline. Research Paper,
Chicago, n. 53, não paginado, 1958.
ALVES, D. O.; SAYAD, J. O plano estratégico de desenvolvimento (1968-70). In: LAFER,
B. M. (Org.). Planejamento no Brasil. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1975. p. 91109.
ANDRADE, M. C. Geografia: ciência da sociedade: uma introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Atlas, 1987. 143p.
BECKER, B. K. Crescimento econômico e estrutura espacial do Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 34, n. 4, p. 101-116, out./dez. 1972.
_____. O norte do Espírito Santo (região periférica em transformação). Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 35, n. 3, p. 107-132, jul./set. 1973a.
_____. _____. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 35, n. 4, p. 3112, out./dez. 1973b.
_____. A Amazônia na estrutura espacial do Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 36, n. 2, p. 3-36, abr./jun. 1974.
_____. A propósito de um modelo de ocupação racional da Amazônia. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 38, n. 1, p. 137-141, jan./mar. 1976.
_____. Uma hipótese sobre a origem do fenômeno urbano numa fronteira de recursos
do Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 111-122,
jan./mar. 1978.
BECKER, B. K.; GEIGER, P. P. (Org.). Brazilian geographical studies. Belo Horizonte: UGI/ Secretaria de Estado de Ciências e Tecnologia de Minas Gerais, 1978. Não
paginado.
BECKER, B. K.; GEIGER. P. P.; FAISSOL, S. (Ed.). Brazil: spatial organization. Rio de
Janeiro: IBGE, 1980. 625p.
BERRY, B. J. L. Abordagens à análise regional: uma síntese. Textos Básicos, IPGH,
Rio de Janeiro, n. 3, p. 18-34, 1969.
BUNGE, W. Theoretical geography. 2. ed. Lund: Gleerup, 1966. 285p.
BURTON, I. The quantitative revolution and theoretical geography. The Canadian
Geographer, Toronto, v. 7, n. 2, p. 151-162, 1963.
_____. A revolução quantitativa e a geografia teorética. Boletim de Geografia
Teorética, Rio Claro, v. 7, n. 13, p. 63-84, 1977.
CAMARGO, J. C. G.; PINTO, S. A. F. A teoria das ondas cinemáticas e seu emprego na
geografia. Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro, n. 3, p. 71-81, 1972.

378

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

CERON, A. O. As categorias dimensionais de propriedades agrícolas: técnicas de
agrupamento. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 45, p. 106-123, 1968.
_____. Classificações espaciais e regionalização. Boletim de Geografia Teorética,
Rio Claro, v. 2, n. 3, p. 5-70, 1972a.
_____. Os tipos de agricultura e sua regionalização no setor norte-ocidental do estado de São Paulo: uma contribuição à teoria de classificação espacial.
1972b. Não paginado. Tese (Livre-Docência) ­ Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, São Paulo.
_____. Revolução industrial e sistema espacial da agricultura. Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro, v. 3, n. 5, p. 5-38, 1973.
_____. A distância do mercado e intensidade do uso da terra como fatores de localização da força de trabalho agrícola no estado de São Paulo. Boletim Paulista de
Geografia, São Paulo, n. 50, p. 143-158, 1976.
CERON, A. O.; DINIZ, J. A. F. Tipologia da agricultura ­ questões metodológicas e
problemas de aplicação no estado de São Paulo. Revista Brasileira de Geografia,
Rio de Janeiro, v. 32, n. 3, p. 41-71, jul./set. 1970.
CERON, A. O; SANCHEZ, M. C. Alguns problemas de análise das distribuições espaciais: exemplos de variáveis agrícolas no espaço paulista. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 48, p. 45-64, 1973.
CHORLEY, R.; HAGGETT, P. (Ed.). Models in geography. London: Methuen & Co.,
1967. 816p.
CHRISTOFOLETTI, A. Análise morfométrica de bacias hidrográficas. Notícia
Geomorfológica, Campinas, v. 9, n. 18, p. 35-64, 1969.
_____. O avanço da geografia. O Estado de São Paulo, São Paulo, 9 maio. 1970a.
Suplemento Literário, não paginado.
_____.
Análise morfométrica de bacias hidrográficas localizadas no planalto de Poços de Caldas. 1970b. Não paginado. Tese (Livre-Docência) ­ Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, São Paulo.
_____. Correlação de variáveis para o estudo comparativo de bacias hidrográficas.
Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, v. 30, n. 224, p. 101-106, 1971.
_____. A nova geografia e a geomorfologia. Notícia Geomorfológica, Campinas, v.
12, n. 25, p. 63-69, 1972.
_____. Análise topológica de redes fluviais. Boletim de Geografia Teorética, Rio
Claro, v. 3, n. 6, p. 5-29, 1973.
_____. Características da nova geografia. In: _____. (Org.). Perspectivas da geografia. São Paulo: Difel, 1982. p. 71-101.
_____. Desenvolvimento da quantificação em geografia. Geociências, São Paulo,
especial, p. 67-78, 1990,

n.

CHRISTOFOLETTI, A.; OLIVEIRA, L. Geografia teorética. Boletim de Geografia
Teorética, Rio Claro, n. 1, p. 5-23, 1971.
CHRISTOFOLETTI, A. et al. Editorial. Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro,
n. 1, p.3, 1971.
CORRÊA, R. L. A. Processos espaciais e a cidade. Revista Brasileira de Geografia,
Rio de Janeiro, v. 41, n. 3, p. 100-110, jul./set. 1979.
_____. Da "Nova Geografia" à "Geografia Nova". Geografia e Sociedade, [S.l.], v.
74, n. 4, p. 5-12, maio. 1980.

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

379

_____. A periodização da rede urbana da Amazônia. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 49, n. 3, p. 39-67, jul./set. 1987a.
_____. Algumas considerações sobre análise regional. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 49, n. 4, p. 47-52, out./dez. 1987b.
_____. A rede de localidades centrais nos países subdesenvolvidos. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 50, n. 1, p. 61-83, jan./mar. 1988a.
_____. O estudo da rede urbana: uma proposição metodológica. Revista Brasileira
de Geografia, Rio de Janeiro, v. 50, n. 2, p. 107-124, abr./jun. 1988b.
_____. Concentração bancária e os centros de gestão do território. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 51, n. 2, p. 17-32, abr./jun. 1989a.
_____. Hinterlândias, hierarquias e redes: uma avaliação da produção geográfica
brasileira. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 51, n. 3, p. 113-137,
jul./set. 1989b.
_____. Os centros de gestão e seu estudo. Revista Brasileira de Geografia, Rio de
Janeiro, v. 51, n. 4, p. 109-119, out./dez. 1989c.
_____. Identificação dos centros de gestão do território no Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 57, n. 1, p. 83-102, jan./mar. 1995.
_____. Globalização e reestruturação da rede urbana ­ uma nota sobre as pequenas
cidades. Território, Rio de Janeiro, n. 6, p. 43-53, 1999.
_____. Rede urbana e formação espacial ­ reflexões considerando o Brasil. Território, Rio de Janeiro, n. 8, p. 123-129, 2000.
CORRÊA, R. L. A.; LOJKASEK, W. S. Uma definição estatística da hierarquia urbana.
Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 34, n. 3, p. 154-171, jul./set.
1972.
DAVIDOVICH, F. R. Aspectos geográficos de um mercado industrial: Jundiaí em 1962.
Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 28, n. 4, p. 329-374, out./dez.
1966.
_____. Formas de projeção espacial das cidades na área de influência de Fortaleza.
Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 33, n. 2, p. 39-101, abr./jun.
1971.
_____. Funções urbanas no Nordeste. Revista Brasileira de Geografia, Rio de
Janeiro, v. 40, n. 2, p. 142-191, abr./jun. 1978.
_____. Uma análise geográfica da urbanização brasileira: serviços de infra-estrutura
nos principais centros urbanos do país. Revista Brasileira de Geografia, Rio de
Janeiro, v. 42, n. 3, p. 435-476, jul./set. 1980.
DAVIDOVICH, F. R.; CARDOSO, M. T. C. Resultados preliminares de um estudo geográfico sobre aglomerações urbanas no Brasil: análise do nível de instrução. Revista
Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 44, n. 1, p. 89-135, jan./mar. 1982.
DAVIDOVICH, F. R.; LIMA, O. M. B. Contribuição ao estudo de aglomerações urbanas
no Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 37, n. 1, p. 50-84,
jan./mar. 1975.
DINIZ, J. A. F. Zona de influência de Aracaju. Revista Brasileira de Geografia, Rio
de Janeiro, v. 31, n. 2, p. 103-150, abr./jun. 1969.
_____. Aplicação da análise fatorial na elaboração de uma tipologia agrícola da depressão periférica paulista. 1970. 181f. Tese (Livre Docência) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, São Paulo.

380

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

_____. Classificação de uma variável e sua aplicação na geografia. Boletim de
Geografia Teorética, Rio Claro, n. 1, p. 25-39, 1971b.
_____. Modelos e paradigmas na geografia. Boletim de Geografia Teorética, Rio
Claro, n. 2, p. 5-42, 1971c.
_____. A renovação da geografia agrária no Brasil. In: SIMPÓSIO DE RENOVAÇÃO
DA GEOGRAFIA, 1973, Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: Associação dos
Geógrafos Brasileiros, 1973. Não paginado.
DINIZ, J. A. F.; CERON, A. O. Intensidade da agricultura no estado de São Paulo: uma
abordagem quantitativa. In: REUNIÃO DA COMISSÃO DE MÉTODOS QUANTITATIVOS
DA UGI, 1971, Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: [s. n.], 1971. Não paginado.
DINIZ, J. A. F.; OLIVEIRA, L. H. B. O emprego de modelos na análise da distribuição
da terra e das categorias dimensionais de estabelecimentos agrícolas no leste do
estado de São Paulo. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 33, n. 1,
p. 125-140, jan./mar. 1971.
FAISSOL, S. Teorização e quantificação na geografia. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 34, n. 1, p. 145-164, jan./mar. 1972a.
_____. Comentário bibliográfico e notas à margem: Explanation in Geography de
David Harvey. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 34, n. 2, p. 81119, abr./jun. 1972b.
_____. O processo de difusão no sistema urbano brasileiro: análise do padrão de
distribuição espacial de centros urbanos e seu ajustamento a distribuições de probabilidades. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 35, n. 3, p. 3-106,
jul./set. 1973.
_____. A organização espacial do sistema urbano brasileiro: relações entre a estrutura das cidades e as relações entre elas. Revista Brasileira de Geografia, Rio de
Janeiro, v. 36, n. 3, p. 75-90, jul./set. 1974.
_____. Teorização e quantificação na geografia. In: _____. (Org.). Tendências atuais na geografia urbano/regional: teorização e quantificação. Rio de Janeiro:
IBGE, 1978, p. 3-32.
_____. A geografia na década de 80: os velhos dilemas e as novas soluções. Revista
Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 49, n. 3, p. 7-37, jul./set. 1987.
_____. A geografia quantitativa no Brasil: como foi e o que foi? Revista Brasileira
de Geografia, Rio de Janeiro, v. 51, n. 4, p. 21-52, out./dez. 1989.
FAISSOL, S.; OLIVEIRA, M. G.; PEDROSA, A. A. A cadeia de Markov como método
descritivo de distância funcional: delimitação de regiões funcionais e nodais. Revista
Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 34, n. 4, p. 31-75, out./dez. 1972.
FICO, C. O Brasil no contexto da guerra fria: democracia, subdesenvolvimento e
ideologia do planejamento. In: MOTA, C. G. (Org.). Viagem incompleta: a experiência brasileira (1500-2000: a grande transação. São Paulo: SENAC, 2000. p. 163182.
GALVÃO, M. V.; FAISSOL, S. Divisão regional do Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 31, n. 4, p. 179-218, out./dez. 1969.
_____; _____. A revolução quantitativa na geografia e seus reflexos no Brasil. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 32, n. 4, p. 5-22, out./dez. 1970.
GEIGER, P. P. Renovação da geografia. Revista Brasileira de Geografia, Rio de
Janeiro, v. 32, n. 1, p. 67-71, jan./mar. 1970a.

v. 29, n. 3, set./dez. 2004

Camargo, J. C. G. / Reis Junior, D. F. da C.

381

_____. Cidades do Nordeste: aplicação de "factor analysis" no estudo de cidades
nordestinas. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 32, n. 4, p. 13171, out./dez. 1970b.
_____. Reflexões sobre a regionalização. In: SIMPÓSIO DE RENOVAÇÃO DA GEOGRAFIA, 1973, Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: Associação dos Geógrafos
Brasileiros, 1973. Não paginado.
GEIGER, P. P.; DAVIDOVICH. F. R. Reflexões sobre a evolução da estrutura espacial
do Brasil sob o efeito da industrialização. Revista Brasileira de Geografia, Rio de
Janeiro, v. 36, n. 3, p. 3-20, jul./set. 1974.
GEIGER, P. P.; GUIMARÃES, M. R.; STEFFAN, E. R. Factor analysis applied in the study
of cities of the central west of Brazil. In: REUNIÃO DA COMISSÃO DE MÉTODOS
QUANTITATIVOS DA UGI, 1971, Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: [s. n.], 1971.
Não paginado.
GEIGER, P. P. et al. Introdução à análise de séries temporais. Revista Brasileira de
Geografia, Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, p. 81-108, out./dez. 1974.
GERARDI, L. H. O. Um modelo matemático: sua concepção e aplicações. Boletim de
Geografia Teorética, Rio Claro, n. 2, p. 77-93, 1971.
GERARDI, L. H. O. Contribuição ao estudo sistêmico da atividade agrícola: o
caso da Alta Paulista. 1973. Não paginado. Tese (Doutorado em Geografia) ­ Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro, São Paulo.
GERARDI, L. H. O.; SILVA, B. C. N. Quantificação em Geografia. São Paulo: Difel,
1981. 161p.
GUERRA, A. T. O valor dos anuários estatísticos na pesquisa e no ensino da geografia.
Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, v. 26, n. 197, p. 45-53, mar./abr. 1967.
HARVEY, D. Explanation in Geography. Londres: Edward Arnold, 1969. 521p.
IANNI, O. Estado e planejamento econômico no Brasil: 1930-1970. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971. 316p.
KELLER, E. C. S. As funções regionais e a zona de influência de Campinas. Revista
Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 31, n. 2, p. 3-39, abr./jun. 1969.
_____. Tipos de agricultura no Paraná, uma análise fatorial. Revista Brasileira de
Geografia, Rio de Janeiro, v. 32, n. 4, p. 41-86, out./dez. 1970.
_____. Diretrizes e prioridades das pesquisas agrárias. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 35, n. 2, p.135-143, abr./jun. 1973.
MELLO E SILVA, S. C. B. Teoria de localização e de desenvolvimento Regional. Geografia, Rio Claro, v. 1, n. 2, p. 1-23, out. 1976.
_____. Cartografia da acessibilidade e da interação no estado da Bahia. Geografia,
Rio Claro, v. 7, n. 13/14, p. 51-73, out. 1982.
MICOTTI, M. C. D. Estruturalismo. Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro, n.
4, p. 23-36, 1972.
MOREIRA, R. (Coord.). Geografia: teoria e crítica: o saber posto em questão.
Petrópolis: Vozes, 1982. 236p.
OLIVEIRA, L. de. A renovação da geografia. In: SIMPÓSIO DE RENOVAÇÃO DA GEOGRAFIA, 1973, Rio de Janeiro, Anais... Rio de Janeiro: Associação dos Geógrafos
Brasileiros, 1973. Não paginado.

382

Considerações a respeito da geografia
neopositivista no Brasil

GEOGRAFIA

_____. A situação da geografia entre as ciências. Geografia, Rio Claro, v. 1, n. 1, p
53-61, 1976.
POLTRONIERI, L. C. Difusão espacial da citricultura no estado de São Paulo analisada
através do modelo de superfície de tendência. Boletim de Geografia Teorética,
Rio Claro, v. 6, n. 11/12, p. 5-28, 1976.
REIS JÚNIOR, D. F. da C. O Humano pelo viés quantitativo: um exame do
(neo)positivismo em Speridião Faissol, através da leitura de textos selecionados. 2003.
141f. Dissertação (Mestrado em Geografia) ­ Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, São Paulo.
SANCHEZ, M. C. A problemática dos intervalos de classe na elaboração de cartogramas.
Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro, n. 4, p. 53-65, 1972.
_____. A cartografia como técnica auxiliar da geografia. Boletim de Geografia
Teorética, Rio Claro, v. 3, n. 6, p. 31-46, 1973.
SCHAEFER, F. K. Exceptionalism in geography: a methodological examination. Annals
of the Association of American Geographers, Lancaster, v. 43, n. 3, p. 226-249,
sept. 1953.
_____. O excepcionalismo na geografia: um estudo metodológico. Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro, v. 7, n. 13, p. 5-37, 1977.
SILVA, B. C. N. A propósito de uma técnica de seleção de intervalos de classe para
fins de mapeamento. Geografia, Rio Claro, v. 5, n. 9/10, p. 85-96, 1980.
_____. Contribuição à metodologia da cartografia temática: o exemplo da variabilidade das precipitações anuais no estado da Bahia. Geografia, Rio Claro, v. 6, n. 11/12,
p. 179-197, out. 1981.
SILVA, B. C. N. Previsão através de mapas de probabilidades: o caso das precipitações anuais no estado da Bahia. Geografia, Rio Claro, v. 7, n. 13/14, p. 101-109,
out. 1982.
TAVARES, A C. As perspectivas idiográfica e nomotética em geografia. Boletim de
Geografia Teorética, Rio Claro, v. 5, n. 9/10, p. 5-15, 1975.
_____. Considerações sobre a teoria do turbilhão e aplicações aos estudos de calhas
induzidas. Geografia, Rio Claro, v. 3, n. 5, p. 43-67, abr. 1978.
VERGNE, O. C. A. Exemplo de cartografia das formações superficiais em zona tropical: o mapa a SE de Camaçari (Bahia). Geografia, Rio Claro, v. 7, n. 13/14, p. 111122, out. 1982.

Recebido em março de 2004
Revisado em junho de 2004
Aceito em agosto de 2004