VI ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA: FALA PROFESSOR

O ENSINO DE GEOGRAFIA NAS SÉRIES INICIAIS: UMA PROPOSTA E OS
SEUS DESAFIOS *
Valney D. Rigonato 1

Introdução

O artigo é fruto de uma experiência com ensino de Geografia nas sereis iniciais
no Centro de Ensino e Pesquisa Aplicado à Educação (CEPAE/UFG). Esse ensino
possui especificidades didáticas, pedagógicas e desafios as quais os "geográfoseducadores" podem aproximar o processo de ensino-aprendizagem ao universo vivido
e percebido, pelos educandos, para conceber um espaço geográfico mais humanitário.
Desse modo, objetivou-se refletir sobre os aspectos teóricos e metodológicos "dos
fazeres" do ensino de Geografia nas séries iniciais (1º, 2º, 3º e 4º anos) do Ensino
Fundamental. Os procedimentos metodológicos delinearam-se em revisão bibliografia
e reflexão-ação da prática de ensino em sala de aula. Em síntese, observou-se que há
vários desafios (alcançar a totalidade-mundo, autonomia, à relação espaço-tempocorpo e outros). Para isso, seria melhor que as aulas de Geografia desde as séries
iniciais sejam ministradas por professores licenciados em Geografia, com formação
continuada sobre os saberes pedagógicos, para melhor auxiliar os "pequenoseducandos" desenvolverem o espírito investigativo espacial no espaço geográfico
vivido, percebido em suas micro-escalas e macro-escalas.

O ensino de Geografia nas séries iniciais
O ensino de geografia é indispensável para todos os períodos do Ensino
Básico e para a formação de professores no ensino superior. O ensino de geografia
*

Este trabalho enquadra-se na modalidade de EDP ­ Relato de Experiência Prática.

1

Licenciado e Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Goiás. Ex-professor do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicado à
Educação (CEPAE/UFG) e professor do Curso de Geografia da Universidade Católica de Goiás. E, membro do Núcleo de Ensino e
Pesquisa Educação Geográfica ­ NEPEG.

1

VI ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA: FALA PROFESSOR

nas séries iniciais possui especificidades didáticas e pedagógicas as quais podem
tanto dificultar como aproximar o processo de ensino-aprendizagem ao universo vivido
e percebido, pelos educandos, para conceber um espaço geográfico mais humanitário.
O ensino de Geografia nas séries iniciais precisa interpretar e problematizar os
fenômenos espaço-temporal na perspectiva de propiciar ao educando conhecer,
desenvolver o espírito investigativo e, também, estabelecer sua comunicação corporal,
afetiva e social com os elementos do espaço geográfico 2 . Além disso, a leitura, a
escrita e a discussão precisam ser garantidas como procedimentos fundamentais para
a formação cidadã em relação às metamorfoses do mundo contemporâneo.
Como bem ilustra Callai (1999) primeiro é preciso possuir clareza do por que
estudar Geografia. Para a autora há três razões para ensinar essa disciplina na
sociedade contemporânea: "conhecer o mundo e obter informações; conhecer o
espaço produzido pelo homem e contribuir na formação do cidadão". Dessa forma,
desde as séries iniciais precisa desenvolver nos educandos a capacidade de observar,
analisar, interpretar e raciocinar criticamente o espaço geográfico e as suas
transformações.
Esses procedimentos de ensino-apredizagem em Geografia são bem ilustrados
por Cavalcanti (2002; 2006). Além disso, acrescenta "o ensino de Geografia precisa
levar o educando a compreender a sua realidade sob o ponto de vista de sua
espacialidade". A mesma autora, enfatiza que "a Geografia na escola tem a finalidade
de formação de modos de pensar geográficos por parte dos alunos". Nesta proposta
de ensino de Geografia precisa ressaltar, portanto, a espacialidade do universo vivido
e percebido pelos educandos para evidenciar as contradições da sociedade
contemporânea a partir do seu lugar vivido. Para (Straforini, 2004) é dessa forma que
o educando possa obter o esclarecimento e criar inquietações para conquista de uma
outra possibilidade de existência humana.
2

Milton Santos ­ Espaço e Método.

2

VI ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA: FALA PROFESSOR

Neste caso, a Geografia destaca-se desde as séries iniciais ao oferecer a
alfabetização escrita e a alfabetização cartográfica no plano oficial do ensino público e
privado. Assim, os educandos conforme as habilidades e competências dos
educadores podem também perceber e compreender o espaço vivido, através do
trabalho com a alfabetização cartográfica.
A alfabetização cartográfica consiste na construção de conhecimentos, signos
e representações, referentes à compreensão e leitura de legenda, cartogramas,
tabelas, gráfico, mapas, cartas e imagens (fotografias e imagens de satélites). Como
se pode observar, o ensino de Geografia precisa cultuar de forma mais significativa
esse recurso desde as séries iniciais na perspectiva de ampliar e possibilitar uma
leitura mais completa da realidade espacial do mundo contemporâneo.
Sobre o processo de alfabetização nas séries iniciais Callai (1999, p. 65)
assevera que: "a compreensão da alfabetização como capacidade de leitura não só do
texto, mas também da experiência humana vivida por todos, cotidianamente, e de
escritura, igualmente não só do texto, mas também como construção da própria
história não ocorre. Num e outro caso entende-se leitura/escrita não só como uma
habilidade mecânica, mas como uma manifestação de cidadania. Neste sentido, a
alfabetização do ler e do escrever (inclusive mapas) é um meio para a constituição do
cidadão que sabe o quê, e por quê, lê e/ou escreve.
Como se observa a alfabetização tanto escrita como cartográfica precisa
transceder os construtos pedagógicos e conceituais para alcançar a contextualização
da vida na escola. Através, também, dessa alfabetização há possibilidade de promover
ações interdisciplinares em diálogo com as outras disciplinas ministradas (Matemática,
Ciências, Português, Educação Física e outras). Podendo, assim, ampliar a produção
de relações, sentido e significado no processo de ensino-aprendizagem nas séries
iniciais tanto para os educandos como para os educadores.

3

VI ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA: FALA PROFESSOR

Há na atualidade do ensino de Geografia desde as séries iniciais a
necessidade de ultrapassar o conhecimento imediato (o local) para outras escalas ­
estaduais, regionais e globais (vice-versa) -, uma vez que o universo vivido pelos
alunos torna-se interconectado às múltiplas territorialidades do mundo contemporâneo.
Vivendo-se o que Straforini (2004), denominou de "Totalidade-mundo". A exemplo: as
questões sociais adentram, todos os dias, pela mídia a vivência dos alunos.
Sobre esse quesito, Straforini (2004, p. 77) assegura: "ainda é um tabu nas
pesquisas em ensino de Geografia, e muito menos, objeto de conhecimento e de
domínio intelectual dos professores nesse nível de escolaridade. Todavia,, se esse
desafio não for enfrentado continuaremos como uma disciplina irrelevante ou
secundária nas séries iniciais, participando no conjunto das disciplinas como aquela na
qual se encaixam as atividades comemorativas."
No mesmo sentido, a compreensão da escala do fenômeno geográfico esbarra
tanto na indigência pedagógica como na teórica conceitual por parte da maioria dos
educadores que ensinam nas sereis iniciais. Straforini (2004) ainda aponta a
existência de um possível desencontro teórico-metodológico da Geografia com a
Educação. No entanto, a compreensão da "totalidade-mundo", ou melhor, dos
fenômenos sociais que assolam a vida dos educandos dos diversos lugares
geográficos precisa ultrapassar o "método sintético" e o "método analítico". Dessa
forma, há possibilidade desde as séries iniciais dos educadores, principalmente, dos
"geógrafos-educadores"

contextualizar

a

sobreposição

e

a

multiplicidade

de

fenômenos sociais, econômicos, políticos e culturais que interferem a vida e, até
mesmo, a tranqüilidade do ser criança neste período de globalização de algumas
porções do território.
Em síntese, o ensino de Geografia nas séries iniciais precisa no mínimo (re)
dimensionar as competências e as habilidades conforme os níveis cognitivos dos
educandos para formação de conceitos e, sobretudo, para a vida. Para isso, faz-se

4

VI ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA: FALA PROFESSOR

necessário tanto conhecer as linhas pedagógicas como o pensamento geográfico.
Desse modo, acredito que quanto mais qualificado (formação continuada voltada para
a educação geográfica) do pedagogo e do "geógrafo-educador" maiores serão as
possibilidades das escolas e da Geografia formar os "pequenos-educandos" na
perspectiva de conquistarem suas próprias autonomias no raciocínio espacial e,
conseqüentemente, tornarem cidadãos críticos e reflexivos.

A proposta de ensino de Geografia nas séries iniciais no CEPAE/UFG
A proposta que irei apresentar aqui nesta parte do texto é fruto de uma
experiência de ensino de Geografia coletiva junto à subárea de conhecimento da
mesma disciplina no CEPAE/UFG no ano letivo de 2005 e 2006.

Na qual, tive

oportunidade de ministrar aulas tanto para as séries iniciais como para outras séries
do Ensino Básico. Além disso, junto com a professora Claudia Santos Gonçalves
Barreto Bezerra 3 de (re) elaborar o projeto de ensino de Geografia.
A subárea de Geografia do CEPAE/UFG entende-se que o ensino de geografia
é detém um papel impar na formação e na conscientização dos educandos sobre o
exercício da cidadania. Reconhece, também que o ensino de Geografia nas séries
iniciais possui especificidades didáticas e pedagógicas as quais podem aproximar o
processo de ensino-aprendizagem ao universo vivido e percebido para conceber um
espaço geográfico mais humanitário.
Valendo-se dessas considerações, o objetivo do ensino de geografia nas séries
iniciais é propor "estudos contextualizados com o espaço em sua cotidianidade".
Assim objetiva-se também:

3

Pedagoga e Mestre em Psicologia da Educação. Atua enquanto professora de Geografia nas serieis
iniciais nessa instituição de ensino.

5

VI ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA: FALA PROFESSOR

·

"Propiciar aos alunos o conhecimento do espaço vivido, percebido e
concebido em sua cotidianidade;

·

Analisar os fenômenos espaciais nas diversas escalas geográficas: o local,
o regional, nacional e mundial;

·

Reconhecer

o

espaço

geográfico

como

produto

das

relações

sociedade/natureza, em constante modificação através do processo
histórico;" (Plano de Ensino de Geografia do CEPAE/UFG, 2006).

Assim, a sub-área de geografia acredita-se que o conhecimento geográfico no
âmbito do Ensino Básico e, sobretudo, nas séries iniciais precisa (re)dimensionar as
competências e as habilidades conforme os níveis cognitivos dos educandos para
formação de conceitos e, sobretudo, para a vida.
Com esses princípios e de acordo com as diretrizes dos PCNs ­ Parâmetro
Curriculares Nacionais ­ e com as especificidades da comunidade escolar do
CEPAE/UFG o ensino de geografia nas sereis iniciais estrutura-se conforme o quadro
abaixo:

Fases

Competências

Habilidades básicas

Categorias a serem
enfatizadas
Alfabetização espacial e construção de

Alfab.

1

ª

Vivenciar o espaço imediato.

noções de lateralidade: "mapa corporal".

Ler, reconhecer, falar e escrever

Sujeito, família, lugar e paisagem.

sobre o espaço imediato.
2

ª

3

ª

Conhecimento,
ª

ª

1 a 4 série

investigação,

Conhecer e representar o seu
cotidiano

compreensão,

Modo de vida, bairro, lugar e paisagem.

Identificar e reconhecer os espaços
urbano e rural

Espaço urbano e rural, município, lugar,

comunicação.

paisagem.
ª

4

Compreender

as

noções

das

escalas espaciais e representar Os elementos do meio físico,
mapas, gráficos e tabelas.

Estado, região e paisagem.

Fonte: Plano de Ensino de Geografia do CEPAE/UFG, 2006 p.5.

6

VI ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA: FALA PROFESSOR

Como se pode observar no quadro da página anterior, o ensino de Geografia
nas séries iniciais é estruturado a partir dessas competências, habilidades básicas e
categorias geográficas. No entanto, isso por se só pouco garante o ensinoaprendizagem em Geografia. Dessa forma, relatarei agora alguns procedimentos de
ensino e princípios pedagógicos utilizados na sistematização das aulas de Geografia
nas series iniciais.
De modo geral, pode-se dizer que os procedimentos de ensino-apredizagem
foram desenvolvidos a partir de tais princípios: 1 - Lugar, espaço vivido (Observação,
descrição, croqui, trabalho de campo e, etc); 2- Cidade (espaço urbano ­ público e
privado, violência e, etc); 3- Simulação (desenhos, círculos concêntricos, maquetes e,
etc.) 4 - Jogos (localização, itinerários, ecológicos e, etc.); 5- Alfabetização cartográfica
(croquis, mapas, cartas, gráficos e tabelas); 6 -Projetos de pesquisa (Pesquisa-Ação);

Desafios do Ensino de Geografia nas séries iniciais

É preciso transceder a Geografia descritiva e enciclopédica. Para tanto, as
discussões teóricas e metodológicas precisam ser discutidas, debatidas e refletidas
com os profissionais da educação nas séries iniciais. Mas, para isso necessita
acreditar que estes educadores são capazes de apreender as novas metodologias e
práticas de ensino-aprendizagem. Dessa forma, as políticas públicas e investimentos
privados precisam propiciar condições de trabalho para que esses profissionais
continuem, ou melhor, insiram nos processos de formação continuada.
Para Straforini (2004) um outro desafio reside na resolução do desencontro
teórico-metodologicos da Geografia com a Educação. Fato que possivelmente
consiste na incompreensão do construtivismo, do socioconstrutivismo e da geografia
crítica, cultural e humanista que chega nas escolas de Ensino Básico. Cabe aqui

7

VI ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA: FALA PROFESSOR

destacar, que durante as reuniões pedagógicas no CEPAE/UFG tive a oportunidade
de participar de calorosas discussões sobre o papel e a forma de ensinar Geografia
nas séries iniciais com os colegas pedagogos.
Além desses desafios há diversos outros, tais como: 1- Alcançar os
aprendizados interdisciplinares, multidisciplinares e transdiciplinar; 2- Desenvolver e
internalizar o método Totalidade Mundo; 3-Construir autonomia (educandos e
educadores); 4-Organizar o espaço-tempo de aula; 5- Utilizar os livros didáticos como
complemento às atividades didático-pedagógicas; 6-Ultrapassar a concepção de
professor para alfabetizador ­ "Alfabetização Cartográfica"; 7 -Espaço vivido ­ espaço
percebido ­ conceber um espaço geográfico mais humanizado".

Considerações finais

O ensino de Geografia nas séries iniciais é fundamental para (re) significar no
Ensino Básico o papel dessa disciplina na formação de cidadãos que possam
contribuir para o exercício da cidadania e a (re) construção de um espaço geográfico
mais humanitário.
Para isso, os profissionais da educação ­ pedagogos e licenciados em
Geografia - precisam aguçar suas sensibilidade para compreender o processo de
construção de conhecimento das crianças neste início do século XXI. E, por fim,
buscar sempre práticas e metodologias de ensino que possam com o lúdico, a música,
a Internet valorizar a criatividade do ser criança.
Afinal, ensinar "exige compreender que a educação é uma forma de
intervenção no mundo" Freire (2002). E, que as crianças serão sempre os novos
interventores do espaço geográfico a ser construído, vivido e projetado.

Referências bibliográficas

8

VI ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA: FALA PROFESSOR

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais de
Geografia. Brasília: MEC, SEF, 1998.b
CAVALCANTI, Lana de S. Geografia, escola e construção de conhecimentos. Campinas,
SP: Papirus, 1998.
___, Geografia e Práticas de Ensino. Goiânia, GO: Alternativa, 2002.
CALLAI, H. C. O ensino de geografia: recortes espaciais para análise. In: CALLAI, H. C.;
SCHÄFFER, N. O. KAERCHER, N. A. (Org.) Geografia em sala de aula: práticas e
reflexões. Porto Alegre: Ed. UFRGS/AGB-Seção Porto Alegre, 1999. p. 57-64.
___; CALLAI, J. L. Grupo, espaço e tempo nas séries iniciais. In: CALLAI, H. C.; SCHÄFFER,
N. O. KAERCHER, N. A. (Org.) Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto
Alegre: Ed. UFRGS/AGB-Seção Porto Alegre, 1999. p. 65-74.
CASTROGIOVANNI, Antônio.

Ensino de geografia: práticas e textualizações no

cotidiano.(Org.) Porto Alegre: Mediação, 2000.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo:
Paz e Terra, 2002.
Plano de Ensino de Geografia do CEPAE/UFG, 2006 (texto mimeografado).
MARTINELLI, Marcelo. Gráficos e Mapas: construa-os você mesmo. São Paulo: Moderna,
1998.
PENTEADO, H. D. Metodologia do Ensino de História e Geografia. São Paulo: Cortez,
1994.
KAERCHER, N. A. Desafios e utopias no ensino de Geografia. In: CALLAI, H. C.; SCHÄFFER,
N. O. KAERCHER, N. A. (Org.) Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. Porto
Alegre: Ed. UFRGS/AGB-Seção Porto Alegre, 1999. p. 171 ­ 186.
SANTOS, Milton. Espaço e Método. São Paulo: Nobel, 1997.
STRAFORINI, Rafael. Ensinar Geografia: o desafio da totalidade-mundo nas séries
iniciais. São Paulo: Annablume, 2004.

9