GEOGRAFIA DO PARANÁ
LOCALIZAÇÃO
O estado do Paraná ocupa uma área de 199.880 km²,
estendendo-se do litoral ao interior. Localiza-se a 51º00'00" de longitude
oeste do Meridiano de Greenwich e a 24º00'00" de latitude sul da Linha do
Equador e com fuso horário -3 horas em relação a hora mundial GMT.
Três quartos de seu território ficam abaixo do Trópico de Capricórnio. No
Brasil, o estado faz parte da região Sul, fazendo fronteiras com os estados
de São Paulo, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul e dois países:
Paraguai e Argentina. É banhado pelo oceano Atlântico.
A ligação com o Estado do Mato Grosso do Sul é feita pela Ponte
Ayrton Senna: é uma ponte sobre o Rio Paraná, localizada entre as
cidades de Guaíra, no Paraná e Mundo Novo, no Mato Grosso do Sul. Foi
inaugurada em 24 de Janeiro de 1998, custando R$ 32 milhões de reais. É
a continuação da BR-163, sendo a única ponte no mundo em curva na
parte central com tobogã. Sua construção promoveu a integração das
fronteiras agrícolas das regiões Norte e Centro Oeste com a região Sul do
país, que representam uma importante conexão estratégica em termos de
logística e intermodalidade. Com ela foi possível a eliminação do ponto
crítico de estrangulamento dessa ligação, pois a travessia era feita por
balsas, um sistema lento, precário, de alto risco e que onerava
sobremaneira o custo de transporte.
A ligação com a Argentina é feita pela Ponte Tancredo Neves:
também chamada de Ponte Internacional da Fraternidade, ela liga Foz do
Iguaçu (Brasil) a Puerto Iguazú (Argentina). Estas duas cidades, mais Ciudad del Este (Paraguai) formam a Tríplice Fronteira. Em
1972, os presidentes Emílio Médici, do Brasil, e Alejandro Lanusse, da Argentina, assinaram um "Tratado de Intenção" para
construir uma ponte que uniria os dois países. Esse tratado ficou arquivado por sete anos e só foi retomado, em 1979, por
lideranças de Foz do Iguaçu e Puerto Iguazú mediante a formação de Comissão Mista presidida pelo iguaçuense Sérgio Lobato da
Motta Machado. A pedra fundamental foi lançada pelos presidentes João Figueiredo e Reynaldo Bignone, em 13 de janeiro de
1982. Localiza-se 15 quilômetros abaixo das Cataratas do Iguaçu, rio que deságua no Rio Paraná.
A ligação do Estado do Paraná com o Paraguai se dá pela Ponte da Amizade: foi construída durante as décadas de 1950 e
1960. Liga a cidade de Foz do Iguaçu no Brasil e Ciudad del Este no Paraguai, passando sobre o rio Paraná.
Os pontos extremos do Estado do Paraná são:





NORTE: Rio Paranapanema. Pode-se ter como referência também o Município de Jardim Olinda e a Cachoeira de
Saran Grande, mais especificamente.
SUL: Rio Jangada, com destaque para o Município de General Carneiro.
OESTE: Porto Palacim em Foz do Iguaçu.
LESTE: Rio Ararapira em Guaraqueçaba.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

1

Curiosidade:
CIDADES GÊMEAS: UNIÃO DA VITÓRIA (PR) E PORTO UNIÃO (SC)
No ano de 1770, esta terra não era nada mais que uma extensa região abandonada. Então, vieram os bandeirantes, aventureiros
à procura de novas fontes de riqueza. Por decreto do Marquês de Pombal, formaram-se expedições para explorar o interior do
Brasil. Em 1842, Pedro Ciqueira Cortes descobre um Vau no Rio Iguaçu; (vau: local raso de um rio, mar ou lagoa, por onde se
pode passar a pé ou a cavalo.); que permite a passagem das tropas de gado, e servindo como ponto de embarque e
desembarque para quem se valia do transporte fluvial. Este é o motivo do primeiro nome dado a esta cidade, Porto da União.
Nascia a cidade. Em 1855, o nome da cidade foi mudado para Porto União da Vitória. Em 1877, a cidade passou a Freguesia de
União da Vitória. Em 1880, chegou de Palmas, o Cel. Amazonas de Araújo Marcondes, que dedicou-se a explorar o ramo
comercial, dando um grande impulso ao crescimento da região. Em 1881, iniciou a navegação a vapor, pelo Rio Iguaçu,
transportando mercadorias e passageiros. No mesmo ano, chegaram os primeiros colonos estrangeiros. No ano de 1882 foi
iniciada a construção da estrada para Palmas. Neste ano chegou a primeira caldeira para montagem da primeira serraria, e
instalou-se o primeiro hotel e o correio local. Em 27 de março de 1890, a freguesia é elevada a categoria de vila, e criada a
Intendência Municipal de União da Vitória. No ano seguinte, em 1891, foi criado o Juízo de Paz da Vila de União da Vitória . Em
1896, foi registrada a passagem do Monge João Maria pela região. Em 1901 foi alterado para município de União da Vitória.
Ainda em 1901 o Juízo de Paz foi elevado a termo Judiciário. Em 1908 o termo Judiciário foi elevado a categoria de comarca
através da Lei Estadual nº 744 de 11 de março e em 15 de março do mesmo ano foi desmembrado de Palmas. Em 1910, foi
fundado o Seminário das Missões e instalou-se a Junta Governamentiva das Missões. Missões foi a disputa entre a Argentina e o
Brasil, pela posse das terras entre os rios Chapecó e Periguaçu. Em 1912, desenvolveram-se os conflitos do Contestado. Os
conflitos prolongaram-se até 1916, quando foi estabelecido um acordo entre o Paraná e Santa Catarina, para a questão dos
limites com Santa Catarina. Em 1917, Santa Catarina entra de posse de suas terras conforme acordo firmado em 1916. Em 1917,
surge Porto União como terra catarinense, deixando União da Vitória para o lado paranaense. No dia 5 de Setembro de 1917,
com a presença do Secretário Geral do Estado de Santa Catarina, Dr. Fúlvio Aducci, tomam posse o primeiro prefeito de Porto
União, Dr. César de Almeida, e os primeiros conselheiros. A partir daí as cidades de Porto União, SC, e União da Vitória, PR,
desenvolveram-se lado a lado. Cada uma com seu prefeito, com seus vereadores e demais órgãos municipais. Porém, com um
só povo.
CIDADES TRIGÊMEAS: BARRACÃO (PR), BERNARDO DE IRIGOYEN E DIONÍSIO CERQUEIRA (SC)

(FONTE: eugeniolazarotto)
O conjunto urbano das três cidades possui uma fronteira entre dois países e ao mesmo tempo uma divisa entre dois estados, num
pequeno território. Essa complexidade espacial é marcada temporalmente pelas relações geopolíticas entre Argentina e Brasil e
depois, no século XX pela Guerra do Contestado que a define por meio de um acordo político uma divisa dotada de critérios
políticos e não necessariamente sociais, econômicos ou ambientais.
Essas se deram por meio de um arbitramento internacional em 1895, quando as demarcações foram mediadas pelo então
Presidente Grover Cleveland dos EUA, através do Laudo Arbitral de 1895, que estabeleceu (ANDRADE, M. C. Formação territorial
do Brasil. In.: BECKER, B. K. et all (Orgs.) Geografia e Meio Ambiente no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1995):
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

2

"... Onde as águas das chuvas correrem para o Oeste, pertencerão ao
território Argentino..."
"... Onde as águas das chuvas correrem para Leste, pertencerão ao território
Brasileiro..."
Foi quando Cleveland anunciou: "Senhores! A minha decisão foi em favor... do BRASIL!", e com esse veredicto criavam-se então
duas cidades dentro de um mesmo perímetro urbano.
O mapa abaixo possibilita uma visão mais ampla do Estado do Paraná:

De acordo com IPARDES, são estes os dados sobre o Estado do Paraná:
Capital

Curitiba
2

Área (km )

199.880
2

Densidade demográfica (2010)(hab.km )

52,2

Número de municípios

399

População do Paraná (2010)

10.439.601

População do Brasil (2010)

190.732.694

Participação na população do Brasil (%)
População urbana (2010) (%)
IDH (2005)

5,5
85,3
0,820

FONTES: IPARDES, IBGE
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

3

RELEVO PARANAENSE
Cerca de 52% do território do Paraná encontram-se acima de 600m e 89% acima de 300 metros; somente três por cento
ficam abaixo de 200 metros. O quadro morfológico é dominado por superfícies planas dispostas a grande altitude, compondo
planaltos que formam as serras do Mar e Geral.
Segundo o geógrafo Reinhard Maack, no Estado do Paraná distinguem-se cinco grandes regiões de paisagens naturais:
1)
2)
3)
4)
5)

O litoral
A Serra do Mar
O Primeiro Planalto ou Planalto de Curitiba
O Segundo Planalto ou Planalto de Ponta Grossa
O Terceiro Planalto ou Planalto de Guarapuava

FONTE: MINEROPAR

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

4

LITORAL
É formado por uma faixa estreita e montanhosa influenciada por movimentos
epirogênicos, ocorridos no Período Terciário da Era Cenozóica. Esses movimentos
geraram as baías de Paranaguá e de Guaratuba, além de várias pequenas ilhas que,
mais tarde, foram unidas ao continente por depósitos arenosos (restingas e tômbolos).
O litoral é constituído por sedimentos marinhos e terrestres do período
Quaternário da Era Cenozóica, sendo compostos por areias e argilas. Sua altitude varia
de zero a 20 metros.
1Ilha

do Mel: situa-se na embocadura da Baía de Paranaguá. Formação
Geológica: Os morros da Ilha são constituídos por rochas graníticas-migmatíticas, datadas em mais de seiscentos milhões de anos
(pré-cambriano). Nos costões pode-se observar veios de quartzo com turmalina negra, estruturas geológicas como dobras, falhas e
restitos de material anfibolítico, mais antigo, de formas arredondadas, no meio do migmatito (rocha metamórfica).
SERRA DO MAR
A serra do Mar constitui o rebordo oriental do planalto cristalino e domina com suas enérgicas escarpas a planície litorânea.
Formada por terrenos pré-cambrianos, pertence ao complexo cristalino brasileiro, sendo constituída essencialmente por gnaisses e
granitos, que foram intensamente desgastados. No Estado do Paraná, ao contrário do que ocorre em São Paulo, a serra apresentase fragmentada em maciços isolados, entre os quais se insinua o nível do planalto cristalino (900m), até alcançar a borda oriental.
Em geral, os maciços ultrapassam em cem metros essa cota. Isso faz com que no Paraná a serra do Mar, além da escarpa que se
volta para leste com um desnível de mil metros, também apresente uma escarpa interior, voltada para oeste. No entanto, esta
mostra um desnível de apenas cem metros.
Escrevendo um imenso arco desde São Paulo até Santa Catarina, a serra recebe várias denominações locais, como
Capivari Grande, Virgem Maria, Ibitiraquire, Morena, Graciosa (onde se localiza a Estrada da Graciosa), Marumbi (onde se
localiza o Parque Estadual Pico Marumbi), Prata, entre outras. Na serra do Mar, se encontram as mais elevadas altitudes do
estado. O ponto mais alto do estado é o pico Paraná, com 1.877m, na serra do Mar. Há também os picos Caratuba, Ferraria e
Taipabuçú, todos com mais de 1500 metros de altitude.
As rochas predominantes na Serra do Mar são granitos, gnaisses e migmatitos, originados na Era Pré-Cambriana.
PRIMEIRO PLANALTO
O Primeiro Planalto é limitado a leste pela Serra do Mar e a oeste pela escarpa devoniana de São Luís do Puruña, também
conhecida como Serrinha. Este planalto se divide em três regiões:
a)

Planalto de Curitiba: região de Curitiba. O relevo é suave, variando de 850 a 950 metros. É nessa região, junto à
cidade de Curitiba, que se encontram os sedimentos da Era Cenozóica, também conhecidos como Formação

1

A Ilha do Mel localiza-se no Oceano Atlântico Sul e situa-se a 15 milhas do Porto de Paranaguá, tendo seu ponto mais próximo do continente a 4
km de Pontal do Sul, no município de Pontal do Paraná, litoral do estado do Paraná, Brasil. São 2585 hectares de área composta por sistemas de
restinga e Floresta Atlântica protegidas e destinadas exclusivamente à preservação integral da flora e da fauna, de um total de 2762 hectares (35
km de perímetro). Sua estação ecológica, com 2240 hectares, tem o objetivo de preservar o meio-ambiente e é vedada à entrada de pessoas não
autorizadas. Na Reserva Natural, com 345 hectares, é admitida a existência de trilhas, desde que não afetem a paisagem. Já, a Zona de Ocupação
tem 120 hectares. Há cem mil anos, o nível do mar estava aproximadamente a 120 metros acima do atual. Nesta época, os morros da Ilha
formavam um arquipélago. De lá para cá, o mar recuou e avançou várias vezes. Essa sucessão de eventos formou a Ilha do Mel como é vista hoje,
com formação de terraços, cordões litorâneos e dunas. A areia marrom que se observa nas praias do Farol e de Nova Brasília tem cinco mil anos e
sua coloração deve-se à presença de matéria orgânica. O ponto mais alto da Ilha do Mel localiza-se no Morro do Miguel (Morro Bento Alves), com
151 metros.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

5

b)
c)

Guabirotuba. Estes sedimentos (argilitos e arcósios) estão depositados sobre as rochas cristalinas da Era PréCambriana.
Região do Açungui: situa-se ao norte de Curitiba. É uma área com relevo acidentado, formado por rochas calcárias do
final da Era Pré-Cambriana. Essa região também é conhecida como Açungui. Caracteriza-se pelas vertentes muito
íngremes, devido ao entalhe ocasionado pela ação do rio Ribeira e seus afluentes.
Planalto Maracanã: localiza-e na região de Castro e Piraí do Sul. Esse planalto tem altitudes superiores ao planalto de
Curitiba. As rochas que predominam são principalmente granitos e quartzitos.

Aquífero Carste: reservatório de água subterrânea localizado entre os municípios de Colombo, Almirante Tamandaré e Rio
Branco do Sul. Carste (ou Karst) é o nome dado ao fenômeno específico que ocorre nas rochas calcárias, como grutas, cavernas e
dolinas.
Aspectos importantes sobre o primeiro compartimento:
A região do vale do Rio Ribeira é rica em minerais metálicos, com destaque para os municípios de Campo Largo
(ouro), Adrianópolis (prata, chumbo), Rio Branco do Sul, Colombo e Almirante Tamandaré (calcário calcítico e
dolomítico).
A riqueza mineral da região do Vale do Rio Ribeira não impediu os graves problemas sociais dessa região, que
estão relacionados a aspectos históricos, sociais, políticos e econômicos. São eles:
a)
b)
c)
d)

A construção da BR-116 na década de 1960, ligando Curitiba a São Paulo, desviando o tráfego de veículos
que era feito pela estrada da Ribeira, isolando ainda mais a região;
O relevo com vertentes íngremes, dificultando a implantação de uma agricultura comercial;
A concentração fundiária;
O pequeno contingente populacional faz com que essa região receba pouca atenção do poder público e dos
políticos, o que torna ainda mais grave a condição precária em que vive a maioria de seus habitantes;

SEGUNDO PLANALTO
O planalto paleozóico, também chamado de segundo planalto do Paraná ou planalto dos Campos Gerais, desenvolve-se
em terrenos da Era Paleozóica, sendo constituído principalmente por rochas sedimentares da Bacia do Paraná, com destaque para
os arenitos (Vila Velha e Furnas), folhelhos, betuminosos e o carvão mineral. É limitado, a leste, pela escarpa devoniana, a
Serrinha, que cai para o planalto cristalino e, a oeste, pelo paredão da serra Geral, que sobe para o planalto basáltico.
O planalto paleozóico apresenta topografia suave e ligeira inclinação para oeste: em sua extremidade oriental alcança
1.200m de altura, e, na base da serra Geral, a oeste, registra apenas 500m. Forma uma faixa de terras de aproximadamente cem
quilômetros de largura e descreve uma gigantesca meia-lua, cuja concavidade se volta para leste. Na transição do segundo para o
terceiro planalto entre Guarapuava e Prudentópolis há vários desníveis que formam várias quedas d'água como o Salto São
Francisco em Guarapuava.
Assim, o Segundo Planalto dividi-se em:
a)
b)

Zona Ondulada do Paleozóico: é representada, principalmente, pelas rochas sedimentares da Era Paleozóica.
Região com 2Mesetas do Mesozóico nas proximidades da Escarpa Triássico-Jurássico: são mesetas isoladas
constituídas de arenito e basalto que restaram do recuo da Escarpa Tríassico-Jurássica. A presença das mesetas
evidencia que o derrame vulcânico estendeu-se mais para leste.

ATENÇÃO: a Escarpa Devoniana Triássico-Jurássica é também conhecida como Serra da Esperança no trajeto de Palmeira a
Guarapuava (BR-277) e como Serra do Cadeado, no trajeto Ponta Grossa a Londrina (BR-376).
Como visto, no segundo compartimento encontram-se os principais bens minerais energéticos, tais como carvão mineral,
urânio e xisto pirobetuminoso. Vejamos a tabela:
2

Mesetas: altos planaltos com pequena dimensão.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

6

RECURSOS MINERAL
Carvão Mineral

OCORRÊNCIA NO ESTADO
Região de Figueira

Urânio

Região de Figueira

Folhelo Pirobetuminoso

Região de São Mateus do
Sul

UTILIZAÇÃO
Fonte de Energia na
Termoelétrica de Telêmaco
Borba
Matéria prima para
combustível nuclear
Produção de um tipo de
petróleo (óleo de xisto)

Arenito de Vila Velha: notável conjunto de esculturas naturais em
arenito, situadas no Parque Estadual de Vila Velha, no Município de Ponta
Grossa. As esculturas naturais, em número de quase uma centena, distribuemse por um platô topográfico (morro testemunho) muito desfeito pela erosão
("relevo ruiniforme"), com extensão de cerca de 10 hectares e altitude máxima
de pouco mais de mil metros. Têm altura média em torno de 10 metros, e
recebem denominações de acordo com o imaginário popular (Taça, Camelo,
Gavião, Esfinge, Baleia, Tartaruga, etc.). Os arenitos que constituem as
esculturas são da porção inferior do Grupo Itararé, de idade carbonífera
superior, ou seja , formaram-se cerca de 300 milhões de anos atrás.
Caracterizam-se pela coloração avermelhada, em conseqüência de marcante
cimentação por óxidos de ferro (Arenito Vila Velha). A elaboração das
esculturas é um fenômeno muito mais jovem que a formação dos arenitos. Elas resultam de processos erosivos de idade
cenozóica, isto é, atuantes durante as últimas dezenas de milhões de anos da história da Terra. Tais processos erosivos
compreendem sobretudo a ação das águas pluviais e de infiltração, combinada com a ação de organismos e da energia do sol, e
que sofrem influência das estruturas da rocha (estratificação sedimentar, fraturas, falhas) e dos diferentes graus de cimentação
natural. A ação do vento não foi significativa na elaboração das formas erosivas. Vila Velha é um centro de atração turística, tendo
recebido, nos anos 90, cerca de 150 mil visitantes por ano.
As regiões onde ocorrem solos arenosos merecem um cuidado especial no que diz respeito aos riscos de erosão e
arenização. São áreas onde a atividade econômica deve ser muito bem planejada. Em muitos casos, a pecuária nos campos
nativos é a atividade mais indicada, pois a perda de solo é menor se comparada à atividade agrícola.
TERCEIRO PLANALTO
Situado a oeste da Escarpa da Esperança, denominado Planalto de Guarapuava, ocupa 2/3 da área do Estado. A altitude
na Serra da Esperança chega a atingir 1250m, enquanto no vale do Rio Paraná, possui altitudes de apenas 100 metros. É região
onde se localizam os solos mais férteis do Estado do Paraná. O Terceiro Planalto é subdividido em 5 blocos:
Planalto de Cambará e São Jerônimo da Serra: Ocupa a parte nordeste do Estado do Paraná, entre os rios
Tibagi, Paranapanema e Itararé. Suas altitudes variam entre 1.150 metros, na escarpa da Esperança, e 300
metros, no rio Paranapanema.
Planalto de Apucarana: Situa-se entre os rios Tibagi, Paranapanema, Ivaí e Paraná. Atinge altitudes de 1.125
metros na escarpa (serras do Cadeado e Bufadeira), declinando pra 290 metros ao atingir o rio Paranapanema. O
mesmo acontece na direção oeste, quando atinge altitudes de 235 metros no rio Paraná.
Planalto de Campo Mourão: Compreende as terras localizadas entre os rios Ivaí, Piquiri e Paraná. Atinge
altitudes de 1150 metros na escarpa da Esperança, declinando para 225 metros no rio Paraná.
Planalto de Guarapuava: Abrange as terras situadas entre os rios Piquiri, Iguaçu e Paraná, constituídas de uma
zona de mesetas. Suas altitudes são de 1250 metros na escarpa, declinando em direção oeste para 550 metros
(serras de Boi Preto e de São Francisco) 197 metros no Paraná.
Planalto de Palmas: Este planalto compreende as terras que ficam na parte norte do divisor de águas entre o rios
Iguaçu e Uruguai. Suas altitudes chegam a 1150 metros, diminuindo até 300 metros à medida que se aproximam
do vale do rio Iguaçu.
As principais cidades situadas sobre o Terceiro Planalto são: Londrina, Maringá, Foz do Iguaçu, Cascavel, Campo Mourão,
Pato Branco, Paranavaí, União da Vitória, Guarapuava e Umuarama.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

7

Em vários locais do terceiro planalto paranaense, aparecem denominações de serras: Dourados, Palmital, Cantagalo,
Chagu, Pitanga, Lagarto, Apucarana, Fartura e muitas outras. Na realidade estas serras não passam de espigões, mesetas, ou de
pequenos morros. Outras são degraus (estruturais) que ocupam bordas de lençois de lavas, como as escarpas São Francisco e Boi
Preto, localizadas no oeste do Estado do Paraná.
ATENÇÃO!
A seguir temos uma classificação do relevo paranaense feita por Jurandir Ross:
1 - Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná
2 - Depressão Periférica da Borda Leste da Bacia do Paraná
3 - Planaltos e Serras do Atlântico Leste Sudeste
4 - Planície Litorânea.

2

1

3
E

metros

1.200
800

D

B
C

A

400

F
W

Bacias Sedimentares

Oceano
Atlântico

E

Rochas Vulcânicas
Rochas Cristalinas

Letras:
A ­ TERCEIRO PLANALTO
B ­ SERRA DA ESPERANÇA (ESCARPA TRIÁSSICO-JURÁSSICA)
C ­ SEGUNDO PLANALTO
D ­ ESCARPA DEVONIANA DE SÃO LUÍS DO PURUNÃ
E ­ PRIMEIRO PLANALTO E SERRA DO MAR
F - LITORAL
_____________
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

8

TERRA ROXA

A terra roxa é um tipo de solo muito fértil, resultado da decomposição por
milhões de anos de rochas vulcânicas. Sua aparência vermelho-roxeada dá-se pela
presença do ferro.
Esse tipo de solo aparece nas porções ocidentais dos estados do Rio Grande do
Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e sudeste do Mato Grosso do Sul, destacandose nestes três últimos estados por sua qualidade.
O nome terra roxa dado a esse tipo de solo é devido aos imigrantes italianos
que trabalhavam nas fazendas de café, referindo-se ao solo com a denominação terra
rossa. Como rosso em italiano significa vermelho, pela similaridade, a palavra "roxa" foi
se consolidando.
ARENITO CAIUÁ
A região Noroeste do Paraná abrange 107 municípios, perfazendo 16% da área territorial do Estado. Os solos dessa região,
originários do Arenito Caiuá, apresentam textura média a arenosa, são extremamente friáveis e, conseqüentemente, com alta
suscetibilidade à erosão. Os teores de areia atingem 85% a 90% e possuem níveis críticos de fósforo, potássio, cálcio, magnésio e,
não raro, baixos níveis de matéria orgânica, cerca de 1%, podendo, freqüentemente, ocorrer deficiência de macro e micronutrientes
nas culturas. No entanto, diante de uma nova perspectiva econômica, baseada principalmente na obtenção e acumulação de
capital, a sociedade humana vem explorando a terra para atender as suas necessidades, sem considerar a capacidade que o solo
tem de suportar certas práticas de manejo. Um exemplo disso é o avanço do cultivo agrícola, principalmente da soja, aliado a
incentivos oferecidos por cooperativas como a Cocamar (Projeto Arenito Nova Fronteira), em solos arenosos originalmente mais
frágeis e que requerem um bom planejamento de uso e ocupação. Diante disso, o uso adequado da terra é o primeiro passo em
direção à agricultura correta.

Arenito Caiuá: Nova esperança para a última fronteira
Programa do governo federal, anunciado no Plano Safra, vai destinar R$ 1 bilhão a juros de 5,75% para recuperação de áreas
degradadas.
Um programa regional de arrendamento de terras fez o plantio de soja aumentar 750% entre 1997 e 2007 na região de
Umuarama (Noroeste), onde predomina o solo Arenito Caiuá. Era a nova fronteira agrícola do Paraná em expansão. Mas, o
cultivo de grãos numa região onde só se via pecuária há 20 anos não veio acompanhado dos cuidados necessários com o solo. O
resultado foi a queda na produtividade e a saída de muitos produtores da atividade. Agora, uma linha de crédito especial,
anunciada pelo governo federal junto com o Plano Agrícola e Pecuário 2008/09, surge como a esperança de abrir de fato a nova
fronteira agrícola do estado.
É o Programa de Produção Sustentável do Agronegócio (Produsa), criado para financiar a recuperação de áreas de pastagens
degradadas a fim de inseri-las novamente no processo produtivo. Um dos atrativos é a taxa de juros de 5,75% ao ano, 1 ponto
porcentual a menos do que a cobrada nas contratações de crédito rural.
Gazeta do Povo

AQUÍFERO CAIUÁ
Esta região também possui um importante aqüífero. Abrange uma área de 30.000 km 2 representadas principalmente por
arenitos arroxeados. O potencial hidrológico do aqüífero é de 4,2 L/s/Km 2. Cerca de 80% do abastecimento público da região de
abrangência do aqüífero de Caiuá é feito através de água subterrânea.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

9

De acordo com a distribuição iônica média, admite-se classificar as águas subterrâneas da Unidade Caiuá como sendo
Bicarbonatadas Cálcicas, apresentando média de 77 mg/L (ppm) de Sólidos Totais Dissolvidos.
Uso do solo no Paraná
Nos mapas a seguir, podem ser observadas as condições de uso do solo de 2005 a 2008 e o uso potencial do solo
atualmente a partir de um estudo do IPARDES ­ Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social.

CLIMA
O clima do Estado do Paraná se apresenta como um dos melhores do país. Motivo pelo qual inúmeras correntes
imigratórias e migratórias preferiram seu território. As temperaturas mais elevadas são encontradas na região norte, oeste, litoral e
no vale do Rio Ribeira. As mais baixas coincidem com as regiões mais elevadas, onde são encontradas as linhas isotérmicas das
mais baixas do país.
Segundo Reinhard Maack (1981), em sua descrição climática do Estado do Paraná, as localidades mais quentes são
Paranaguá, na região litorânea, com média térmica de 21,1ºC; Londrina, no Terceiro Planalto no Norte do Paraná, com 20,8ºC; Foz
do Iguaçu no vale do Rio Paraná, com 20,8ºC; e Jacarezinho, diante da escarpa Triássico-Jurássica, no Norte do Paraná, com
20,5ºC de temperatura média anual.
De acordo com a classificação de Köppen, no Paraná domina o clima do tipo C (mesotérmico):

Aft ­ Clima Tropical Super-Úmido: sem estação seca e isento de geadas. A média das temperaturas do mês mais quente
é superior a 22ºC e a do mês mais frio é superior a 18ºC. Encontra-se no litoral e no leste da Serra do Mar.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

10

Cfa ­ Clima Subtropical Úmido Mesotérmico: com verões
quentes, sem estação seca e com poucas geadas. A média das
temperaturas do mês mais quente é superior a 22ºC, e a do mês mais
frio é inferior a 18ºC. Encontra-se nas regiões Norte, Oeste e Sudoeste,
no Oeste da Serra do Mar e do Vale do Ribeira.
Cfb ­ Clima Subtropical Úmido Mesotérmico: sem estação
seca, com verão brando e geadas severas. A média das temperaturas
do mês mais quente é inferior a 22ºC, e a do mês mais frio é inferior a
18ºC. Encontra-se na região de Curitiba, nos Campos Gerais, Sul e
parte do Sudoeste do Terceiro Planalto.
No verão o Paraná é atingido pela Massa Equatorial Continental.
A Massa Polar Atlântica também exerce ampla influência durante o inverno. A maior concentração de chuvas decorre da atuação da
Massa Tropical Atlântica durante o verão. As curvas isobáricas indicam que a umidade relativa do ar normalmente apresenta-se
elevada no Estado do Paraná. Na faixa litorânea, devido à influência oceânica, os índices médios superam 85%. Nos planaltos do
interior as médias situam-se entre 80 e 85%, declinando estes valores à medida que se avança para o norte e oeste, em exceção
do vale do rio Paraná, abaixo de Guaíra, que apresenta valores superiores a 80%.
07/06/2009
Nova massa de ar baixa temperatura em Curitiba (PR)
Diferente do que ocorre normalmente, a Região Metropolitana de Curitiba teve as temperaturas mais baixas do
Estado neste começo da semana. Entre as 34 estações meteorológicas do Simepar, as que registraram mais frio
nesta segunda-feira (08)foram as de Pinhais (3,8ºC), Lapa (4,1ºC) e Curitiba (5,0ºC) .Depois aparece Entre Rios
(Central do Estado), com 5,2ºC. As temperaturas são baixas, mas não o suficiente para a formação de geadas. No
começo da manhã, o céu estava encoberto na maioria das regiões e os nevoeiros eram persistentes entre o sudeste
e o sul, especialmente ao longo dos vales, até por volta das 9h. A umidade - que andou muito baixa em todo o
Estado - aumenta por causa da direção e a intensidade dos ventos nos diferentes níveis da atmosfera.
(Fonte: Bem Paraná)

VEGETAÇÃO
A vegetação natural do Paraná compreende três tipos de classificação principal: mata fluvial tropical, mata fluvial subtropical
e campos. Essa classificação representa, em primeira linha, a expressão do clima em relação à latitude e a longitude. De acordo
com Reinhard Maack (1981), a mata conquistou a maior parte das áreas do Estado do Paraná sob os fatores climáticos
predominantes no Quaternário recente. Ainda nesse período, havia os campos limpos e cerrados revestindo grande parte do
Paraná, o que se percebia graças ao clima semi-árido existente nesse momento. As alternâncias climáticas pelas quais a região foi
passando propiciaram que a mata fosse dominando os campos a partir dos declives das escarpas e dos vales dos rios,
transformando o Estado do Paraná numa das áreas mais ricas em matas do Brasil até poucos decênios.
Matas em 1965: segundo Reinhard Maack
Tipo de mata

Área primitiva Área devastada Área em 1965

Mata pluvial, tropical e subtropical 94.044 km²

61.840 km²

32.204 km²

Mata de araucária

73.780 km²

57.848 km²

15.932 km²

Total

167.824 km²

119.698 km²

48.136 km²

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

11

Com base na vegetação original, as
matas paranaenses podem ser agrupadas em:
Mata de Araucária, Mata Atlântica, Mata
Tropical e a Mata Pluvial Subtropical.
MATA DE ARAUCÁRIA

Estado do Paraná
Vegetação
Mata Atlântica
Floresta de Araucárias
Floresta luvial
Campos
Cerrados

As florestas de araucárias são típicas do Paraná. Compreende a mata
subtropical de coníferas, também conhecida como mata dos pinhais, onde o
pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia) aparece como principal vegetal,
associado freqüentemente à imbuia e à erva-mate.
O domínio geográfico da Mata de Araucária coincide com as regiões de
altitudes superiores a 500 metros e de temperaturas médias anuais abaixo de
20°C. Segundo o geógrafo Orlando Valverde, distinguem-se dois tipos de matas de araucária. No primeiro predomina nitidamente o
pinheiro, formando um andar de 25 a 30 metros de altura, ao mesmo tempo em que se forma um andar inferior de árvores e
arbustos latifoliados com 12 a 15 metros de altura. No segundo forma-se uma floresta mista de pinheiros e árvores latifoliadas, num
nível só, por volta de 25 a 30 metros de altura.
Os últimos vestígios importantes da Mata de Araucária se encontram no sudoeste paranaense.
MATA ATLÂNTICA
Também conhecida como mata tropical de encosta, pois localiza-se junto à Serra do Mar e no litoral. Pertence ao tipo de
mata higrófila latifoliada, que se estende ao longo da fachada leste do Planalto Oriental Brasileiro, onde a alta precipitação
pluviométrica a torna mais úmida.
A Mata Atlântica possui muitas espécies de madeira como cedro, ipê, figueira, peroba, além de outros vegetais como
palmito, embaúba, aleluia, epífitas, lianas e musgos. Ao penetrar no primeiro planalto paranaense, a mata confunde-se com a
vegetação subtropical, formando uma verdadeira zona de transição.
A criação do Parque Estadual do Marumbi na região da Serra do Mar foi de grande importância para a preservação da
fauna e flora da região, que vinha sofrendo com a degradação levada a cabo pela exploração da madeira, em especial. Atualment e
é a maior reserva de Mata Atlântica existente em território contínuo no Brasil
MATA TROPICAL
O quadro original foi substituído em sua maior parte pela agricultura e pelos pastos. Poucos vestígios de sua existência
podem ser assinalados em áreas de preservação, como o Parque Estadual do Ingá e o Horto Florestal, ambos na cidade de
Maringá, ou então a Reserva do Iguaçu, no sudoeste do estado.
Primtivamente esta mata apresentava dois aspectos distintos. O primeiro mais rico em espécies vegetais (peroba, pau
d'alho, figueira branca e palmito), ocupava a região de "terra roxa", situada entre os rios Itararé, Paranapanema, Pirapó e Ivaí. O
segundo, mais pobre em espécies vegetais, ocupava a região arenosa do arenito Cauiá, entre os rios Pirapó, Paranapanema, baixo
Ivaí e foz do Piquiri.
MATA PLUVIAL SUBTROPICAL

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

12

Diferencia-se da Mata de Araucária por ocupar terras inferiores e 500 metros de altitudes e pela ausência do pinheiro.
Primitivamente era encontrada ao longo do rio Paraná desde a foz do rio Piquiri até a foz do rio Iguaçu, pelas quais penetravam em
seus vales.
O Parque Nacional do Iguaçu é a principal área preservada como tipo de mata, onde se encontram vegetais e animais da
fauna local. Das formações herbáceas e arbustivas que se encontram no Paraná destacamos: campos limpos e campos cerrados.
CAMPOS LIMPOS
Nos campos limpos predominam as gramíneas que geralmente refletem solos mais pobres. Apresentam-se entremeados
com matas ciliares e capões isolados. Aparecem em vários pontos do Paraná, como nos Campos Gerais, Campos de Guarapuava,
Campos de Palmas, Campos de Curitiba, Campos de Castro e outras áreas menores.
CAMPOS CERRADOS
São os campos limpos entremeados de arbustos, que ocupam locais de matas primitivas. Aparecem em pequenas regiões
do Paraná, merecendo destaque os seguintes lugares: alto rio das Cinzas, Jaguariaíva, Castro, Sengés, São Jerônimo da Serra,
Sabáudia e Campo Mourão. Em 1992, por meio do decreto estadual, foi criado o Parque Estadual do Cerrado, no municipio de
Jaguariaíva, buscando preservar a biodiversidade do local.
VEGETAÇÃO LITORÂNEA
Ocupa uma área aproximada de 729 km² da costa Paranaense, sendo representada pelos vegetais dos mangues, pela
vegetação das praias e pela vegetação das restingas. A vegetação característica dos mangues sofre influência das marés, podendo
ser encontrada nas baías de Paranaguá e Guaratuba. A vegetação de praias é muito pobre, sendo característica das áreas
arenosas. A vegetação das restingas ocupa os solos consolidados de antigas praias. Apresenta agrupamentos densos de vegetais,
muitas vezes com árvores de 6 a 8 metros de altura.
VEGETAÇÃO PANTANOSA
Encontra-se junto às regiões pantanosas das restingas, nos campos de inundação do rio Paraná e nas várzeas dos rios de
planalto.
Importante destacar que a Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Paraná reconhece a existência de uma variedade de
ecossistemas no Paraná: Restinga, Manguezais, Floresta Atlântica, Floresta com Araucária, Floresta Estacional Semidecidual,
Cerrado, Campos Naturais, Várzeas, Rios e Alagados, Ambientes Marinhos, Subterrâneos.
Áreas de proteção ambiental do Estado do Paraná
De acordo com R. Maack, em 1930, a área da mata virgem no Estado do Paraná era de 129.024,00 hectares,
correspondendo a 61,1% da superfície do território. Em 1980, segundo dados do inventário de florestas nativas do Instituto
Brasileiro de Desenvolvimento Florestal ­ IBDF, a cobertura florestal existente era, aproximadamente, 12% daquela superfície.
Nos anos 60 houve amplo processo de modernização do espaço agrário paranaense. Pode-se dizer que esse processo se
caracterizou pelo desenvolvimento dos setores industriais, fortalecidos pela produção agrícola, muito incentivada pelo Estado, que
criou um forte sistema de crédito rural e ampliação das infraestrutura básica de armazenagem e de escoamento da produção, além
de reestruturar os serviços de assistência técnica e de extensão rural.
Houve a mecanização e a quimificação de grande parte dos processos produtivos. O aproveitamento comercial da madeira,
a implantação da cultura cafeeira no Norte do Estado, posteriormente, e, mais tarde, a da cultura da soja, no Oeste, estão entre os
principais fatores do rápido desaparecimento das florestas do Paraná.
Hoje, o quadro da cobertura florestal no Paraná poderá ser descrito como "ilhas residuais" de vegetações mal distribuídas
no espaço.
O processo de criação das Unidades de Conservação no Paraná deu-se mediante o aproveitamento de terras devolutas no
início da década de 40, sendo que, na década seguinte, em decorrência da ocupação desenfreada que exercia forte pressão sobre
as áreas decretadas protegidas, essas áreas passaram ao domínio de particulares.Conseqüentemente, áreas decretadas como
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

13

reservas florestais, como as sete reduções jesuíticas da antiga província de "Guayra" e dois antigos "pueblos" espanhóis,
destinadas à preservação do patrimônio histórico e natural, sucumbiram frente a essas ocupações.
De 1934 a 1968 pouco se fez para aumentar a área protegida no Estado. Nessa época o Brasil vivia seus anos de "Milagre
Econômico" e os tecnocratas repudiavam as questões ambientais.
Em 1978, as áreas naturais protegidas decretadas pelo Estado resumiam-se a quatro Parques Estaduais: Vila Velha,
Monge, Campinhos e Caxambu; três Reservas Florestais: Vila Rica, Jurema e Figueira; e três Hortos Florestais: Mandaguari,
Geraldo Russi e Jacarezinho.
Em 1979 foram criadas no Estado 8 Unidades de Conservação. Nesse momento, o PNEUMA (Programa das Nações
Unidas Para o Meio Ambiente), com a colaboração das Comissões Econômicas Regionais das Nações Unidas, em uma série de
seminários, discute estilos alternativos de desenvolvimento, e a preocupação ambientalista cresce em nível internacional, obrigando
as instituições públicas e privadas a colocarem exigências para a realização de investimentos no Brasil.
Em 1986, o Estado do Paraná possuía 24 Unidades de Conservação, correspondendo a aproximadamente 0,1% do
território estadual.
Entre 1990 e 1993 criaram-se mais 17 Unidades. As medidas foram influenciadas pelo Relatório de Brundtland (1987) e
pela ECO-92 (1992). Hoje as Unidades de Conservação no Paraná totalizam 61.
Algumas Áreas de Proteção Ambiental no Paraná:








Guaraqueçaba (Estação Ecológica de Guaraqueçaba);
Guaratuba;
Parque Estadual do Marumbi (Serra do Mar);
Serra da Esperança (única região com realização de macrozoneamento);
Parque Nacional do Superagüi (Litoral);
Mata do Godoy (Londrina);
Parque Nacional do Iguaçu (Foz do Iguaçu);

HIDROGRAFIA
A costa paranaense estende-se do rio Varadouro (Vila de Arapiara) até a foz do rio Saiguaçu. As principais retificações da
linha costeira são as duas baías: Paranaguá e Guaratuba. Na entrada da baía de Guaratuba, encontram-se as pontas de Caiubá,
Brejatuba,Caieiras e Vapor. Em termos de penínsulas, o Estado apresenta Superagüi e Guaraqueçaba, embora não consideradas
penínsulas típicas.
A Serra do Mar ocasiona o desaguamento do maior complexo hidrográfico paranaense para o interior do continente e
pertence à região de captação do grande sistema do rio Paraná, representando uma parte específica da bacia hidrográfica do
Paraná e, dessa forma, da Bacia Platina.
Já o menor complexo, conhecida por bacia hidrográfica Atlântica ou do Leste, deságua diretamente no oceano Atlântico
através do rio Ribeira. Dela fazem parte todos os rios que, oriundos da Serra do Mar, cruzam a planície litorânea. A proximidade do
oceano, como nível base de erosão, confere mais poder de erosão a todos os rios da bacia Atlântica do que aos rios da bacia do
Paraná. Enquanto o braço principal do rio Iguaçu evidencia meandros com extensas curvas cortadas e águas antigas já no Primeiro
Planalto, a parte norte está profundamente entalhada pelos afluentes do rio Ribeira.
Os principais rios paranaenses e suas usinas hidrelétricas são:
RIO PARANÁ
A bacia do rio Paraná é uma das doze regiões hidrográficas do território brasileiro. A região abrange uma área de
879.860 km², distribuídos em sete unidades da federação: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa
Catarina e o Distrito Federal. O Rio Paraná é o principal curso d'água da bacia, mas de grande importância também são seus
afluentes e formadores como os rios Grande, Paranaíba, Tietê, Paranapanema, Iguaçu, dentre outros. As principais coberturas
vegetais da região eram a Mata Atlântica, o Cerrado e a Mata de Araucárias, que foram fortemente desmatados ao longo da
ocupação da região. A bacia do Paraná é a região mais industrializada e urbanizada do país. Nela reside quase um terço da
população brasileira, destacando-se como principais aglomerados urbanos as regiões metropolitanas de São Paulo, Campinas e de
Curitiba.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

14

Trata-se da bacia hidrográfica com a maior capacidade instalada de energia elétrica do país e também a de maior demanda.
Destacam-se as usinas de Itaipu, Furnas, Porto Primavera, dentre outras. O Rio Paraná corre aproximadamente no eixo central
da Bacia do Paraná, ampla bacia sedimentar com área de cerca de 1,5 milhões de km2 e situada na porção centro-leste da América
do Sul, abrangendo o nordeste da Argentina, o centro-sul do Brasil, a porção leste do Paraguai e o norte do Uruguai. A Bacia do
Paraná é fonte de diversos recursos minerais, sendo os principais o carvão e a água subterrânea, além de materiais para a
construção civil, como o basalto.
Seus afluentes mais importantes são os rios Piquiri e Ivaí.
Hidrovia Tietê-Paraná
A Hidrovia Tietê - Paraná é uma via de
navegação situada entre as regiões sul, sudeste e
centro-oeste do Brasil, que permite a navegação e
conseqüentemente o transporte de cargas e de
passageiros ao longo dos rios Paraná e Tietê. Um
sistema de eclusas viabiliza a passagem pelos
desníveis das muitas represas existentes nos dois
rios.
É uma via muito importante para o
escoamento da produção agrícola dos Estados do
Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e parte de
Rondônia, Tocantins e Minas Gerais. A hidrovia
movimentou 2 milhões de toneladas de carga no ano
de 2001. Possui 12 terminais portuários, distribuídos
em uma área de 76 milhões de hectares. A entrada
em operação desta hidrovia impulsionou a
implantação de 23 pólos industriais, 17 pólos
turísticos e 12 pólos de distribuição. Gerou
aproximadamente 4 mil empregos diretos.
A implantação e a manutenção da hidrovia e todas as ações que se referem à sua infra-estrutura, com exceção das do rio
Tietê (que estão a cargo do Departamento Hidroviário do estado de São Paulo) estão a cargo da Administração das Hidrovias do
Paraná-AHRANA(órgão da sociedade de economia mista federal vinculada ao Ministério dos Transportes, Companhia Docas do
Estado de São Paulo - CODESP).

RIO PARANAPANEMA
Abrange, juntamente com seus afluentes da margem sul, cerca de 55.530 km 2 no Estado do Paraná, formando a fronteira
com o Estado de São Paulo numa extensão de cerca de 392 quilômetros desde a embocadura do rio Itararé. É navegável desde a
barra até a Cachoeira do Diabo. Suas principais usinas hidrelétricas são: Jurumirim, Chavantes, Salto Grande, Canoas I, Canos
II, Capivara, Taquaruçu e Rosana.
RIO IVAÍ
Nasce na Serra da Esperança, no município de Prudentópolis, com o nome de rio dos Patos. Possui aproximadamente
685km de percurso total. Destes, apenas 140 são navegáveis, devido à sua principal característica: a presença de saltos. O
principal deles, Visconde do Rio Branco, mede aproximadamente 64,40m e encontra-se a noroeste, em linha reta de Prudentópolis.
Outros importantes saltos são o Barão de Capanema e Rickli. Recebe como afluentes os rios Corumbataí, Antes a Alonzo.
Turismo Rural no rio Ivaí
O projeto conta atualmente com o apoio da Secretaria do Turismo e trata-se também de um trabalho conjunto com a Secretaria da
Agricultura e do Abastecimento. Este é um dos projetos que o Paraná tem como forma de aplicar nas pequenas propriedades em
alternativas econômicas, que podem gerar ocupação e renda. Este projeto tem esses componentes, assim é perfeitamente possível
que o Governo do Estado amplie seus investimentos na região.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

15

Corredor do Ivaí - O principal objetivo do projeto é desenvolver ações que promovam o desenvolvimento sustentável nos
municípios que margeiam o rio Ivaí, por meio do turismo rural, com a formação de um novo conceito de território integrado. O rio
Ivaí tem 685 quilômetros de extensão e é formado pelos rios São João e dos Patos, que nasce em Prudentópolis. Da nascente à
sua foz, em Querência do Norte, o rio passa por municípios pertencentes a quatro microrregiões: Amunpar, Amusep, Comcam e
Amerios, que integram a Região Noroeste no Programa Nacional de Regionalização do Turismo.
RIO PIQUIRI
Nasce na Serra da Esperança, no município de Campina do Simão, e tem um percurso de aproximadamente 485km. À
pequena distância de sua foz estão as ruínas da Ciudad Real Del Guairá, destruída pelos bandeirantes no século XVII. O rio Piquiri
recebe vários afluentes, sendo os principais o rio Goiô-Erê e o rio Cantu.
RIO IGUAÇU
Do nome indígena quer dizer grandes águas. Nasce próximo à Serra do Mar, no município de Curitiba, correndo de leste a
oeste. Entra no Segundo Planalto, através da Escarpa Devoniana, por um boqueirão formado posteriormente, o que comprova que
o rio é mais antigo do que a escarpa. Seu curso é de aproximadamente 900km, sendo que 360km são navegáveis. Separa o Estado
do Paraná de Santa Catarina depois de receber o rio Negro pela margem esquerda até União da Vitória. Seus principais afluentes
são o Chopin e o rio Negro.
No Planalto de Guarapuava chamado de "terceiro planalto paranaense", o Iguaçu aparece como um rio conseqüente,
influenciado pela formação geológica, onde o mergulho dos derrames de basalto fazem ele apresentar-se com trechos encaixados,
como seus afluentes, com vales estreitos e profundos, com corredeiras (rápidos), ilhas rochosas e quedas de água, onde são
conhecidos pelos nomes de saltos: Grande, Santiago, Osório, Caxias, Sampaio, Faraday e as Cataratas do Iguaçu.
Os desníveis que fizeram aparecer este grande número de quedas d'água, fizeram este rio ser um dos maiores rios
brasileiros na contribuição da geração de energia elétrica. Existem no seu percurso cinco represas para aproveitamento
hidroelétrico, sendo elas:
Usina Governador Bento Munhoz da Rocha Neto
Usina Gov. Ney Aminthas de Barros Braga
Usina Hidrelétrica de Salto Caxias
Usina Hidrelétrica de Salto Santiago
Usina Hidrelétrica de Salto Osório
Usina Hidrelétrica de Foz de Areia
No chamado baixo curso do rio, após o município de Capanema, no Paraná; o rio faz a divisa internacional entre o Brasil e a
Argentina, ou seja, entre o Estado do Paraná e a Província de Misiones.
RIO TIBAGI
É o principal afluente do rio Paranapanema. Seu curso fluvial, em alguns pontos,
é calmo e equilibrado, sem corredeiras e com margens íngremes, mas, a partir da cidade
de Tibagi, apresenta cerca de 68 corredeiras. Seu principal afluente é o rio Iapó, rio que
se destaca pelo seu percurso no qual passa pelo Cânion Quartelá, hoje importante
atrativo turístico entre os municípios de Castro e Tibagi.
A foto ao lado é do rio Tibagi passando por Londrina.
Ainda, é o segundo em extensão no estado do Paraná. Suas nascentes
localizam-se entre os municípios de Campo Largo, Palmeira e Ponta Grossa, no centrosul do estado. Esta região é conhecida como Campos Gerais do Paraná, unidade
fisiográfica identificada como segundo planalto paranaense. Seu curso percorre o estado
de sul para norte atravessando o segundo e o terceiro planalto paranaense. A bacia do
rio Tibaji se estende por 41 municípios, cobrindo 25.239 km² no território paranaense.
RIO CINZAS
O rio das Cinzas nasce no município de Piraí do Sul e corre em direção ao rio Paranapanema, trajeto pelo qual recebe
diversos afluentes, como o rio Laranjinha e o rio Jacarezinho[1] e ajuda a alimentar outros rios da região.
Foi um rio em que os bandeirantes acharam ouro e diamantes, em pequenas proporções, embora muito garimpado no início
do século XX.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

16

Ainda é um rio de águas limpas, embora já receba muita poluição por onde passa. Por ser considerado um rio ainda muito
limpo, muitos pescadores ainda tiram desse rio a sua fonte de renda e outras por lazer.
RIO ITARARÉ
Rio que faz divisa entre Paraná e São Paulo a leste. Foi importante na história da cafeicultura do Paraná, pois a partir dele
saíram paulistas e mineiros em busca de terras no norte do Paraná, o que ficou conhecido como "Marcha para o Oeste". Na sua
junção ao norte com o rio Paranapanema fica a represa de Chavantes, no município de Xavantes.
RIO RIBEIRA
É o rio mais importante da bacia do Atlântico. É formado pela junção do rio Ribeirinha e Açunguí, na divisa de Rio Branco e
Cerro Azul. Atravessa o município de Cerro Azul e separa o Paraná de São Paulo, nos municípios de Cerro Azul e Bocaiúva do Sul,
correndo de oeste para leste.
Usina Hidrelétrica Parigot de Souza
A Usina Hidrelétrica Governador Pedro Viriato Parigot de Souza possui a potência de 260 MW, e está situada no município
de Antonina. Seu reservatório está localizado na Rodovia BR-116 (trecho Curitiba - São Paulo), no município de Campina Grande
do Sul, a 50 km de Curitiba.
A Usina Parigot de Souza entrou em operação em outubro de 1970, tendo sido inaugurada oficialmente em 26 de Janeiro
de 1971, quando entrou em operação comercial. Ela é a maior central subterrânea do sul do país.
A usina, inicialmente conhecida como Capivari-Cachoeira, recebeu seu nome em homenagem ao Governador Pedro Viriato
Parigot de Souza, que liderou o Paraná entre 1971 e 1973, e foi, também, presidente da Copel.

LITORAL PARANAENSE
Os vestígios mais antigos da presença humana no litoral paranaense são estimados em cerca de 6.500 anos. São
encontrados principalmente junto aos sambaquis, que são acúmulos artificiais de conchas, restos de crustáceos, peixes e
mamíferos, aquáticos e terrestres.
Os primeiros habitantes viviam em pequenos grupos e eram nômades. Os grupos tupi-garanis que viviam no litoral eram
denominados Carijós e somavam entre 6.000 e 8.000 pessoas. A principal intenção do colonizador com o índio foi a escravização,
por isso esse contato foi desastroso.
Hoje: A única reserva indígena legalizada no litoral paranaense é a da Ilha Cotinga, que possui uma área de 824 hectares e
população de 68 pessoas da etnia guarani. No litoral norte do Estado, em Guaraqueçaba, existem duas áreas a espera de
demarcação, onde vivem cerca de 62 guaranis.
O litoral do Paraná pertencia a duas capitanias hereditárias: ao norte de Paranaguá, o território pertencia à Capitania de
São Vicente, cujo donatário era Martin Afonso de Souza; ao sul, o território pertencia à capitania de Santana, que tinha como
donatário Pero Lopes de Souza.
A instalação oficial do colonizador ocorreu com a concessão, em 1614, de uma sesmaria na região do Superagüi a Diogo
Unhate. Porém, o grande atrativo de imigrantes foi a descoberta de ouro nos rios da baía de Paranaguá. Inicialmente instalaram-se
na Ilha de Cotinga e, posteriormente, com a aproximação junto aos carijós, passaram a habitar no continente, nas margens do Rio
Taquaré (atualmente Itiberê). O ciclo entrou em decadência no século XVIII. A partir de então a região passou a sobreviver das
atividades de subsistência.
No século XIX a atividade portuária, ainda insipiente, intensificou-se com o ciclo da erva-mate.
As vias de circulação foram importantes para ligar o litoral ao primeiro planalto.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

17

Até a inauguração da Estrada da Graciosa, todo deslocamento entre o litoral e o Primeiro Planalto era feito por caminhos
(trilhas precárias). Os caminhos mais utilizados no período colonial foram: o Arraial, o Itupava e o da Graciosa.
Caminho do Arraial: ligava a localidade de Arraial Grande (São José dos Pinhais) ao local denominado Porto do Rio do
Pinto, em Morretes. Começou a ser usado por mineradores entre os anos de 1586 e 1590. Nos séculos XVIII e XIX foi bastante
usado por moradores das cidades de São José dos Pinhais e da Lapa.
Caminho de Itupava: era o preferido por ser mais curto. Iniciava-se em Quatro Barras e terminava em Porto de Cima
(Morretes). Começou a ser usado pelos colonizadores no século XVII. Era percorrido pelos jesuítas, que possuíam propriedades na
região de Borda Campo.
Caminho da Graciosa: foi usado inicialmente por faiscadores de ouro que descobriram a antiga rota indígena. Foi muito
utilizado por tropas que carregavam mercadorias diversas entre o porto de Antonina e Curitiba.
GUERRA DOS PORTOS
A Estrada da Graciosa era considerada a principal via de acesso rodoviário entre Curitiba e o litoral, no período
compreendido entre 1873 e a década de 1960. A escolha do seu traçado foi motivo de polêmica, opondo Antonina a Morretes e
Paranaguá. Para estas duas cidades não interessava a estrada ligando Curitiba a Antonina, pois diminuiria o comércio em Morretes,
haja vista que desviaria as tropas desta localidade. Além disso, beneficiaria o porto de Antonina em detrimento ao de Paranaguá.
Esse episódio ficou conhecido como Guerra dos Portos.
Em virtude das polêmicas, foi feito um levantamento nos três caminhos para ver qual seria mais viável. Em 1854, concluiuse que o traçado pela Serra da Graciosa era menos íngreme. Assim, D. Pedro II ordenou o início das obras da Estrada,
aproveitando parte do Caminho da Graciosa, ligando Curitiba a Antonina. Como forma de amenizar o descontentamento de
morreteanos e parnanguaras, construiu-se um ramal ligando a Estrada da Graciosa a Morretes.
O efetivo desenvolvimento das vias de circulação e transporte entre o litoral do Paraná e a capital vai ocorrer com a
inauguração de duas grandes obras viárias: a Estrada de Ferro Paranaguá-Curitiba, inaugurada em 1885, e a abertura do trecho da
rodovia BR-277, entre Curitiba e Paranaguá, o qual foi liberado em 1963 para tráfego de veículos leves.
Origem dos Municípios do Litoral
PARANAGUÁ
Foi elevada à categoria de vila em 1648, tendo como seu primeiro capitão-mor, Gabriel de Lara. Paranaguá desempenhou
destacado papel econômico no período colonial devido ao porto e também por centralizar, através de sua Casa de Fundição, toda a
atividade oficial referente ao ouro na Capitania.
GUARAQUEÇABA
Recebeu imigrantes europeus no início do século XVI, na região do Superagüi. A exploração do ouro se destaca em 1640
na Serra Negra. No século XIX a cidade ganha força como entreposto comercial e, em 1880, emancipa-se de Paranaguá, elevandose à categoria de Município.
ANTONINA
Houve a procura de ouro no início do século XVII. Em 1797 foi elevada à categoria de Vila e teve seu apogeu em meados
do século XX, quando recebeu o Complexo Industrial e Portuário, pertencente ao Conde Francesco Matarazzo. As principais
atividades eram: moinhos de trigo e de sal e o porto. O complexo foi fechado em 1972.
MORRETES
A mineração começou no início do século XVII. Em 1841 o território foi desmembrado de Antonina e elevado à categoria de
cidade em 1869, com o nome de Nhundiaquara. O seu desenvolvimento esteve associado à sua condição de entreposto comercial.
No século XIX, um fator que deu grande impulso econômico foram os engenhos de erva-mate.
GUARATUBA
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

18

Foi povoada para evitar uma possível invasão espanhola. Foram deslocados 200 casais que iniciaram a colonização.
Guaratuba foi elevada à categoria de Vila em 1771. Em 1938 foi incorporada a Paranaguá, recuperando a autonomia em 1947.
MATINHOS E PONTAL DO PARANÁ
Foram criados no século XX. Matinhos pertenceu a Guaratuba até 1938, passando neste ano à jurisdição de Paranaguá,
até a sua transformação em município em 1967. O município de Pontal do Paraná foi desmembrado de Paranaguá em 1995.
População, área, resumo das principais atividades econômicas e renda per capita dos municípios do litoral paranaense,
atualmente.
Município

População

Principais Atividades Econômicas

ANTONINA
GUARAQUEÇABA
GUARATUBA
MATINHOS
MORRETES
PARANAGUÁ

19.174
8.288
27.257
24.184
15.275
127.339

PONTAL DO
PARANÁ

14.323

Porto, turismo, agricultura, pecuária e pesca
Turismo, agricultura, pecuária e pesca
Turismo, agricultura, pesca e construção civil
Turismo, construção civil e pesca
Turismo e agricultura
Porto, comércio, turismo, indústria, agricultura e
pesca
Turismo, construção civil e pesca

Renda per capita
mensal (R$)
196,799
107,00
274,00
286,00
223,00
315,00
269,00

Atividade Portuária
O fortalecimento e a dinamização do sistema portuário se relacionam principalmente com os diferentes ciclos econômicos
do Paraná: inicialmente a erva-mate; no final do século XIX e início do XX, a madeira; a partir da década de 1930, os ciclos ligados
à agricultura e, mais recentemente, a diversificação da economia e o aumento substancial do transporte marítimo de produtos
industrializados.
Atualmente, existem dois portos públicos, D. Pedro II, em Paranaguá, e Barão de Teffé, em Antonina; além do terminal
portuário da Ponta Félix, que foi privatizado sob o sistema de arrendamento, e o Porto Matarazzo, que é particular.
Do século XVI até o ano de 1935, o Porto de Paranaguá (Porto D. Pedro II) foi um ancoradouro fluvial no Rio Itiberê. Em
1917, o Estado do Paraná passa a administrá-lo e, com o aumento do porte das embarcações, decide transferi-lo para a Baía de
Paranaguá. Em 1935, começa a operar e, atualmente, é considerado o 2º maior porto brasileiro em movimento de cargas. Os
principais produtos exportados são grãos, farelo, gêneros frigoríficos, açúcar, derivados de petróleo e automóveis.
O sistema portuário de Antonina, que na primeira metade do século XX chegou a operar simultaneamente 8 terminais, com
destaque para o Porto Matarazzo, atualmente se encontra organizado em três portos: o Porto Barão de Teffé, o Terminal da Ponta
do Félix e o Porto Matarazzo.
O Porto Barão de Teffé foi concedido ao Estado do Paraná em 1964. Em 1986, devido à desativação do ramal ferroviário de
Antonina, as atividades praticamente paralisaram. A revitalização ocorre a partir de 1994, quando recebeu melhorias, e com a
reativação do ramal ferroviário em 2003. Exporta cargas líquidas e sólidas, possui um cais de 62m, dois armazéns que totalizam
uma área de 3492m2.
O terminal da Ponta do Félix foi ativado em 1999. É destinado principalmente ao movimento de cargas refrigeradas.
O Porto Matarazzo encontra-se reativado e atualmente possui capacidade para receber dois navios em seu cais de 220
metros.

URBANIZAÇÃO E REGIONALISMO
O Estado do Paraná emancipou-se politicamente no ano de 1853. Desde então, sua configuração territorial sofreu
consideráveis alterações, sobretudo no âmbito de sua divisão municipal.
No ano de 1940 o Estado se dividia em 50 municípios. Em 2000 já eram 399 municípios.
A urbanização paranaense e, portanto, a expressividade urbana do Estado, constituiu-se muito recentemente. Em 1940,
apenas 24% dos paranaenses viviam em cidades; em 2000, pouco mais de 81% (IBGE). A inversão dos índices entre população
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

19

Municípios da RMC

População

Adrianópolis

6.709

Agudos do Sul

8.192

Almirante Tamandaré
Araucária
Balsa Nova

93.055
109.943
10.639

Bocaiúva do Sul
Campina Grande do Sul

9.533
35.396

Campo Largo

105.492

Campo Magro

22.325

Cerro Azul

17.693

Colombo

233.916

Contenda

14.800

Curitiba

1.797.408

Doutor Ulisses

5.956

Fazenda Rio Grande

75.006

Itaperuçu

22.021

Lapa

41.679

Mandirituba

20.408

Pinhais

112.038

Piraquara

82.006

Quatro Barras

18.125

Quitandinha

15.897

Rio Branco do Sul

31.486

São José dos Pinhais
Tijucas do Sul

263.622
13.091

Tunas do Paraná
RMC
Fonte: IBGE, 2007.

5.921
3.172.357

rural e urbana ocorreu entre as décadas de 1970 e 1980, quando um intenso
movimento migratório, constituído a partir da saída da população do campo em
direção às cidades, elevou sobremaneira a taxa de urbanização na maioria dos
municípios paranaenses.
A crise do café nas décadas de 1960 e 1970, aliada à emergência de uma
agricultura em moldes modernos e voltada para exportação, teve papel fundamental
no movimento de saída da população do campo paranaense em direção a dois
destinos principais: as áreas de fronteira agrícola no norte do País e as grandes
cidades do centro-sul.
A década de 70 apresenta-se como um importante marco do ponto de vista
da dinâmica populacional, não apenas pelo fato de que até os anos de 1970 o
Paraná atraía população e a partir de então passou a expulsar população para outros
Estados. Ainda assim, parte da população migrante procurou os centros urbanos do
próprio Estado.
O êxodo rural foi intenso e deslocou-se principalmente para a Região
Metropolitana de Curitiba. O Estado já promovia nessa região políticas de atração de
indústrias para a Cidade Industrial de Curitiba e para o Centro Industrial de Araucária.
Com isso, a fase de industrialização inaugurada na década de 70, foi capaz
também de promover a aceleração da urbanização, na medida em que a indústria
emergente estava presente em poucos centros urbanos, com destaque para Curitiba
e Araucária.
Simultaneamente à intensificação da urbanização e da industrialização no
Estado do Paraná, ocorreu a institucionalização da Região Metropolitana de Curitiba,
tendo essa unidade de planejamento passado a ser o destino de parte crescente da
população migrante, inclusive por ter como sede o município de Curitiba.
Em 2000. A RMC contava com 29% da população do Estado e Curitiba
representava 58% da população metropolitana. Esta região reúne 26 municípios do
estado do Paraná em relativo processo de conurbação. O termo refere-se à extensão
da capital paranaense, formando com seus municípios lindeiros (ou próximos) uma
mancha urbana contínua.
Estimativas de 2008 do IBGE apontam que a Região Metropolitana de
Curitiba totaliza 3.260.292 habitantes, sendo a segunda mais populosa do sul do país
e a oitava do Brasil. É também a 118ª maior área metropolitana do mundo, segundo
projeções para 2008.
De acordo com pesquisa da revista América Economia, publicada na edição
especial Cidades 2006, que tem como título "A Cidade Inovadora", Curitiba obteve a
quinta colocação no ranking das melhores cidades para se investir no continente, à
frente de importantes capitais como Cidade do México, Buenos Aires e Brasília. A
matéria levou em conta os principais pólos econômicos latino-americanos ou aqueles
com maior relevância para os negócios. À frente da capital paranaense estão apenas
São Paulo, primeiro lugar no ranking, Santiago, no Chile; Monterrey, no México; e
Miami, nos Estados Unidos.
Com um parque industrial de 43 milhões de metros quadrados, a região
metropolitana de Curitiba já atraiu grandes empresas como Audi, VW, Nissan,
Renault, New Holland, Volvo, ExxonMobil, Sadia, Kraft Foods, Siemens,CSN,
Gerdau, Petrobras, AAM e HSBC.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

20

Abaixo segue a lista dos municípios mais populosos do Paraná, de acordo com os dados do IBGE (2010):
MUNICÍPIO

POPULAÇÃO

Curitiba

1.746.896

Londrina

506.645

Maringá

357.117

Ponta Grossa

311.697

Cascavel

286.172

São José dos Pinhais

263.488

Foz do Iguaçu

256.081

Colombo

213.027

Guarapuava

167.463

Paranaguá

140.450

Apucarana

120.884

Toledo

119.353

Araucária

119.207

Pinhais

117.166

Campo Largo

112.486

FONTE: IBGE - Censo 2010
O Estado do Paraná é dividido em regiões, como demonstra o mapa abaixo:

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

21

Após analisar a urbanização paranaense e a formação da RMC, estudar-se-á as características gerais de outras
importantes regiões paranaenses.
MESORREGIÃO DO CENTRO-ORIENTAL PARANAENSE
A região Centro Oriental é composta de 14 municípios, que somam 623.356 habitantes, aproximadamente 7% de toda
população estadual está assentada sobre essa região. A taxa de crescimento populacional foi de 1,46% ao ano, no período de
1991-2000. Com uma densidade populacional de 31,1 hab/km2, a Centro Oriental é composta por três microrregiões: Jaguariaíva,
Ponta Grossa e Telêmaco Borba.
Essa região é parte do "Paraná Tradicional, cuja economia e sociedade se originam em fazendas, a partir das quais se
organizam os processos de produção. Assim, os ciclos econômicos do tropeirismo, da erva-mate e da madeira, complementados
pela agricultura de subsistência, foram sustentados por grandes propriedades. Este processo de ocupação tem suas marcas
presentes no Centro Oriental, conforme se verifica no alto nível de concentração da posse da terra.
As atividades extrativas e a pecuária predominaram até meados da década de 1970 na mesorregião. Os agricultores
pertencentes a colônias e organizados em cooperativas, bem como os grandes proprietários, através da incorporação de inovações,
puderam superar os entraves naturais de baixa fertilidade e pouca profundidade do solo. Assim, a Centro Oriental consolidou sua
produção como importante segmento agro-industrial do Paraná, dotada de alto grau de articulação com os mercados nacional e
internacional. A produção intensiva de commodities e outras culturas com mercado e rentabilidade garantidos é favorecida nas
lavouras.
O parque agro-industrial regional tem como característica favorável para sua implementação a localização geográfica:
enquanto entroncamento rodoferroviário e próximo ao Porto de Paranaguá, a Centro-Oriental é um dos mais importantes pólos de
produção de papel e papelão no Brasil. Outros produtos que se destacam em sua pauta são o leite, seus derivados e o grupo
agroquímico-moageiro (moagem de soja e produção de fertilizantes).
Na Segunda metade da década de 1990, a proximidade com Curitiba e a consolidação da infra-estrutura urbano-industrial
foram estratégias para a incorporação de novos segmentos, resultantes da irradiação do crescimento metropolitano recente. A
despeito da dinâmica econômica favorável, ela não tem se refletido no mercado de trabalho na mesorregião. A Centro Oriental
apresenta a maior taxa de desemprego entre as regiões do interior e a menor taxa de atividade da população economicamente
ativa em todo o Paraná. Dentre as causas deste diagnóstico está a relativamente baixa proporção de ocupados em atividades
agropecuárias.
Desde 1970, a Centro Oriental tem recebido um significativo incremento populacional, especialmente em Ponta Grossa e
imediações. As recentes perdas na população rural foram compensadas pelo crescimento das áreas urbanas, fazendo com que o
peso populacional da Centro Oriental se elevasse no âmbito estadual. Os saldos de migração têm se apresentado positivos para a
mesorregião, que absorve, predominantemente, o fluxo de outras regiões do Paraná.
Os índices de IDH-M, a exceção de Ponta Grossa, apresentam um desempenho desfavorável para a Centro-Oriental em
comparação com a média do estado. Como evidência do grau de desigualdade social e regional, é possível contrastar a maioria dos
municípios, dos quais nenhum com taxa de pobreza maior do que a média paranaense, com outros da mesma mesorregião que
registram o dobro desta média. O atendimento às demandas sociais é dificultado em alguns casos em que as finanças municipais
são preponderantemente dependentes das transferências do governo federal.
No que tange ao meio ambiente, a Centro Oriental se destaca pela presença de extensas áreas de reflorescimento de
pinus. O Canyon Guartelá e o Parque Estadual de Vila Velha são sítios naturais com grande valor turístico. Com efeito, o potencial
turístico da mesorregião pode contribuir para a diversificação da matriz produtiva.
A articulação das experiências em Ciência, Tecnologia e Inovação com a base produtiva regional, com crescente
intercâmbio entre instituições de ensino e pesquisa, definem um cenário de equilíbrio das ações de entretenimento vinculadas às
atividades econômicas e religiosas também aquelas propriamente de cultura, nos últimos oito anos.
Microrregiões
A microrregião de Telêmaco Borba conta atualmente com aproximadamente 150.837 habitantes, divididos em seis
municípios. A cidade de Telêmaco Borba tem cerca de 64.192 habitantes e seu o desenvolvimento está intimamente ligada à
necessidade do Brasil ser autosuficiente na produção de papel. Em 1941, a fabricação de papel ficou ao encargo de industriais que
instituiriam as Indústrias Klabin do Paraná Papel e Celulose S/A na fazenda Monte Alegre. Com os problemas com moradias
clandestinas no entorno da fábrica, iniciou-se, do lado oposto à fábrica com relação ao rio Tibagi, o loteamento de 300 alqueires de
terra, que se chamou "Mandaçaia" e mais tarde foi batizado como "Cidade Nova". Somente em 1964 a cidade foi emancipada de
Tibagi, município de origem.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

22

A microrregião de Jaguariaíva conta com 104.383 habitantes distribuídos em quatro municípios. Na cidade de Jaguariaíva
estão aproximadamente 35.184 habitantes, seu surgimento, de acordo com os historiadores, se deu devido ao Caminho das
Tropas, uma rota de tropeiros que ligava a região sul do Brasil a Sorocaba, SP no século XVIII, no qual a região servia como um
ponto de parada.
Na microrregião de Ponta Grossa estão cerca de 424.159 habitantes em quatro municípios. Só na cidade de Ponta Grossa
existem aproximadamente 304.973 habitantes. Ponta Grossa é considerada área próprio para o desenvolvimento da pecuária
(tendo o seu limite sul no vale do Rio Iguaçu e extremo norte demarcado pelo Rio Itararé). Os Campos Gerais tornaram-se, já no
século XVIII, passagem obrigatória na rota do comércio que levava gado e muares do Rio Grande do Sul para o abastecimento de
São Paulo e das Minas Gerais. A cidade recebeu, ainda no final do século XIX , um número considerável de imigrantes russosalemães e no decorrer dos anos foram surgindo outros grupos, entre eles, poloneses, alemães, russos, italianos, sírios, austríacos e
portugueses. Atualmente vem sendo apontado certa morosidade na economia da cidade, que é atribuída à proximidade de Curitiba
e a formação de cartéis.
MESORREGIÃO DO NORTE PIONEIRO PARANAENSE
É formada pela união de 46 municípios agrupados em cinco microrregiões. Abrange as seguintes microrregiões: Assaí,
Cornélio Procópio, Ibaiti, Jacarezinho e Wenceslau Braz. A microrregião de Jacarezinho, por exemplo, possui 120.000 habitantes e
é formada pelos seguintes municípios: Barra do Jacaré, Cambará, Jacarezinho, Jundiaí do Sul, Ribeirão Claro e Santo Antônio da
Platina.
Trata-se de uma região subdesenvolvida e com grandes dificuldades sociais, dentre elas, a limitação do mercado de
trabalho e ausência de mão-de-obra técnica. A dependência das atividades agrárias cria um cenário oligárquico na região, o que
afasta cada vez mais as grandes indústrias.
O mercado de trabalho da Norte Pioneiro é predominantemente dependente das atividades agrícolas. Trata-se de uma das
mesorregiões com menor peso da indústria na absorção da força de trabalho. A geração de postos apresenta baixo dinamismo,
observando-se, inclusive, a diminuição do número de empregos formais em alguns dos maiores municípios. A indústria regional em
geral concentra segmentos com baixa capacidade de agregação de valor. Na agricultura, destacam-se as produções de soja, trigo e
3cana. No caso dos segmentos de produção familiar, tem-se incrementado a criação de alguns hortifrutigranjeiros. A pecuária
extensiva figura como opção para áreas com restrições físicas à mecanização da agricultura, assim como, em menor medida, o
reflorestamento. A Mesorregião Norte Pioneiro continua sendo a principal produtora de café do estado. A população absorvida
durante a expansão cafeeira colocava a Norte Pioneiro como uma das regiões mais densamente povoadas durante a década de
1970 e também, como a região do estado que mantém o desenvolvimento de ações culturais que se explica pela manutenção das
tradições.
Em relação à Ciência, Tecnologia e Inovação, as experiências institucionais são incipientes e quase que em sua totalidade
concentradas em na cidade de Cornélio Procópio.
MESORREGIÃO DO NORTE NOVO PARANAENSE
A mesorregião do Norte Central Paranaense é formada pela união de 79 municípios agrupados em oito microrregiões numa
área de 24.555,727 km², a densidade demográfica é a segunda maior da região, com aproximadamente 80,2 hab./km². A taxa de
crescimento populacional da região é de cerca de 1,24% ao ano (1991-2000). Em 2006 estimou-se residirem na Norte Central
1.969.645 habitantes, correspondendo a cerca de 19% da população estadual.
O pioneirismo da ocupação é uma das especificidade da Norte Central. A cafeicultura, assentada em pequenas
propriedades vinculadas estritamente ao mercado, serviu de base para o desenvolvimento da região. Até meados dos anos 1970, o
estabelecimento de atividades produtivas dinâmicas nas áreas de fronteira estadual foi preponderante para sua liderança no
crescimento econômico do Paraná, tanto que a Norte Central era a mesorregião mais populosa do Paraná no início da década de
1970, concentrando quase ¼ da população do Estado.
A relativa redução populacional verificada a partir da segunda metade da década de 1970, não representou a perda de
dinamismo da economia regional. Este processo é muito mais efeito da concentração da atividade industrial na Região
Metropolitana de Curitiba. Não obstante, a Norte Central apresenta o segundo maior parque industrial do Paraná, com produção
3

A cana-de-açúcar é um dos produtos mais tradicionais da região. Produzida em solos de terra roxa, essa cultura mobiliza grande
quantidade de mão-de-obra temporária. A cultura está se expandindo e tomando áreas de produção de grãos. A seqüência de safras de soja mal
sucedidas, desde 2005, tem provocado essa migração para a cana de açúcar. Vale ressaltar que a cultura canavieira vive a iminência da
mecanização em toda a região. Assim, a mecanização da colheita de cana-de-açúcar no Norte Pioneiro deve provocar a perda de cerca de 14 mil
empregos na região. Por isso, capacitar trabalhadores do setor sucroalcooleiro é um dos principais desafios para o Governo do Estado.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

23

diversificada gêneros alimentícios, têxtil, mobiliário, açúcar e álcool, agroquímicos, embalagens plásticas e equipamentos para
instalações industriais e comerciais.
A base agropecuária da mesorregião Norte Central manteve sua competitividade, investindo na modernização da produção
e no aprofundamento da agro-industrialização. As culturas de soja e milho são preponderantes, mas a fruticultura também se
destaca por constituir-se como alternativa para a produção familiar. A organização em cooperativas, capazes de manter estruturas
gerenciais e de mercado comparáveis às das grandes empresas, é também uma das características dos proprietários rurais na
Norte central. Nos centros urbanos de Londrina e Maringá, destaca-se igualmente o setor de serviços. Entre as mesorregiões
paranaenses, a Norte Central tem o segundo maior contingente de população ocupada, apresentando um crescimento do emprego
formal maior que a média do Estado entre os anos de 1996 e 2001. A rearticulação das atividades, especialmente a modernização
da agropecuária, é considerada causa do baixo ritmo de crescimento populacional. O deslocamento interno em direção às áreas
urbanas não superou a migração para fora da mesorregião, fazendo com que, no cômputo geral, ela tenha apresentado perdas
populacionais.
Londrina e Maringá são as duas grandes aglomerações urbanas, com expressividade inclusive na hierarquia das redes
urbanas do país, articulando uma grande área de influência que se estende desde parte do interior do Paraná até regiões dos
Estados de São Paulo e Mato grosso do Sul. Dentro da Norte Central, a heterogeneidade dos municípios é patente no tocante à
variável renda: o conjunto de municípios do eixo Londrina/Maringá apresenta situação favorável em comparação com aqueles
situados ao norte/noroeste da mesorregião, e ainda mais distante dos que se situam na porção sul. Tais contrastes se refletem nas
variações do IDH-M entre os municípios. A dificuldade de crescimento das economias locais afeta diretamente as condições de vida
da população.
Todavia, o dinamismo econômico também produz efeitos perversos 95% da área todas da Norte Central foi desmatada.
Juntamente com as atividades agrícolas intensas, este componente expressa o quadro crítico de conservação ambiental da
mesorregião. No tocante à educação, o IPARDES salienta a necessidade de ampliar a oferta de vagas para a educação infantil e
para o ensino médio, além de fomentar condições para incorporar um contingente expressivo da população adulta não alfabetizada.
O ensino superior, em compensação, está bastante desenvolvido, apresentando diversidade de instituições e cursos, sendo uma
estrutura capaz de alimentar ambientes de Ciência, Tecnologia e Inovação.
Na cidade de Maringá estão a Universidade Estadual de Maringá, cujos cursos freqüentemente são lembrados como os
melhores do estado, além Instituições de Ensino Superior particulares. Em Londrina estão a Universidade Tecnológica Federal do
Paraná e a Universidade Estadual de Londrina.
Londrina e Maringá são duas aglomerações urbanas, de grande porte, que impulsionam as atividades culturais na região e
restringem as possibilidades de articulação das ações ditas culturais às manifestações religiosas, que são praticamente inexistentes
no período que vai do ano de 1987 à 1992.
Nos anos de 1990, iguala-se o ritmo de execução de ações de cunho econômico àquelas de criação e produção cultural,
período em que se expandem as universidades dos dois maiores centros urbanos da região e há um incremento da produção de
local de soja, garantindo feiras agropecuárias de grande porte, com status de eventos regionais.
Microrregiões de Londrina e Maringá
Na microrregião de Londrina estão 750.188 habitantes divididos em seis municípios, numa área total de 4.286 km². A cidade
de Londrina fica a 369 km da capital paranaense, Curitiba. Importante pólo de desenvolvimento regional, a cidade de Londrina
exerce grande influência sobre todo o Paraná e Região Sul. Londrina tem aproximadamente 500 mil habitantes, sendo a segunda
maior cidade do Paraná e a terceira maior cidade do Sul do Brasil. A cidade é formada principalmente por descendentes
portugueses, japoneses, italianos e alemães, além de outros grupos em menor escala, como poloneses, espanhóis, indígenas,
búlgaros, britânicos e afro-descendentes.
A agricultura continua a ser fundamental para Londrina, apesar de sua importância ter diminuído nos últimos anos. A
atividade agrícola diversificou-se e, além no café, atualmente se plantam milho, trigo, algodão, feijão, amendoim, arroz, cana-deaçúcar, soja, frutas e hortaliças. Londrina se destaca hoje pelo setor de comércio e prestação de serviços.
A microrregião de Maringá tem uma população estimada de 517.275 habitantes e está dividida em cinco municípios, numa
área total de 1.573,276 km². O município de Maringá é de urbanização recente, planejada e arborizada, sendo a terceira maior do
estado em população. A região de Maringá apresenta grande influência de imigrantes japoneses, italianos, alemães, portugueses,
poloneses, espanhóis, indígenas e afro-descendentes.
O setor industrial não é tão expressivo como a agricultura, mas vem crescendo paulatinamente. A cidade tem um parque
industrial em expansão, com destaque para a tecelagem e a agroindústria, mas principalmente confecções. O setor de comércio e
serviços são os que ocupam a maior parte do setor ativo da cidade.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

24

MESORREGIÃO DO NORTE NOVÍSSIMO PARANAENSE
Com 61 municípios e 630.421 habitantes, a mesorregião Noroeste apresentou um decréscimo populacional de 0,25% no
período de 1991 a 2000. Essa região faz fronteira com os Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul e as microrregiões que a
compõe são: Paranavaí, Cianorte e Umuarama. A área total da Noroeste é de 24.488,68 km² (12% da extensão territorial do
Paraná) e a densidade populacional é de 25,7 hab./km². A Noroeste abriga cerca de 6% da população paranaense.
A ocupação da Noroeste deu-se com a expansão da fronteira agrícola durante a década de 1940, alavancada pela produção de
café. Após os anos 60 e 70, de crise cafeeira, a Mesorregião Noroeste não transitou com facilidade para os novos padrões de
modernização da atividade agrícola. A despeito de ser predominante de relevo plano, somente 45% do solo da região é
considerado apto para atividades agro-silvo-pastoris. Altamente suscetível à erosão, as características ecológicas inviabilizam a
expansão acentuada das culturas anuais, favorecendo a pecuária extensiva.
Os dois períodos históricos de desenvolvimento produtivo (cafeicultura e pecuária) determinam de maneira marcante as
características ambientais e populacionais da Mesorregião Noroeste. O uso inadequado das terras e o intenso desmatamento
fazem desta uma das regiões mais degradadas em termos de preservação ambiental, com apenas 4,1% da cobertura florestal
original sobrevivente. Tendo sido a terceira mesorregião mais populosa do Paraná no começo dos anos 70, desde então apresenta
intenso decréscimo populacional, com taxas continuamente negativas no saldo de migração com origem rural e, mais
recentemente, também urbana. Entre as dez mesorregiões paranaenses, a Noroeste apresenta o maior índice de idosos, entre os
quais há predomínio masculino.
Um quarto dos habitantes desta mesorregião estão em situação de pobreza. Apenas em Umuarama e Cianorte verificam-se
valores do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) acima da média estadual. Na maioria dos municípios, entretanto,
a freqüência escolar nos níveis pré-escolar e fundamental é maior do que a verificada na média paranaense. No tocante à
existência de incubadoras, agências de desenvolvimento ou centros tecnológicos, capazes de apoiar e estimular experiências de
Ciência, Tecnologia e Inovação, a Noroeste não dispõe de infra-estrutura específica própria.
A taxa de desemprego é de 10,7%, terceira menor entre as mesorregiões do Paraná. No período de 1996/2001, a região
apresentou um dos maiores incrementos relativos no nível de emprego formal no Estado. Isto é em parte atribuído a
desenvolvimento da indústria têxtil (vestuário), cujo pólo de dinamismo é Cianorte. Com efeito, na área de confecção, a Noroeste se
insere como referência nacional.
Além da indústria da moda, a agropecuária mantém sua importância na ocupação da mão-de-obra regional. E, de fato, a
expressividade da criação bovina entre as atividades desenvolvidas na região é uma das particularidades da Noroeste ? assim
como indicadores de produtividade comparativamente mais baixos na agropecuária. Enquanto fronteira para expansão da soja e do
milho, em sistema que se vale dos avanços tecnológicos e da reforma de pastagens, a Noroeste também apresentou crescimento
na cultura de produtos direcionados à indústria, como cana, mandioca e aves. Esta mesorregião destaca-se, em comparação com
as outras do Paraná, na produção de casulos do bicho-da-seda, de café e de frutas (abacaxi laranja e manga). Em relação à
industrialização, a mesorregião Noroeste concentra as atividades de beneficiamento da mandioca e é o maior pólo sucro-alcooleiro
do estado.
Microrregiões
Na microrregião de Paranavaí está cerca de 41,75% da população, aproximadamente 263.088 habitantes espalhada em
seus 29 municípios. Só na cidade de Paranavaí vivem 79.222 habitantes.
A microrregião de Cianorte abriga 129.971 habitantes, o processo de ocupação tem início na década de 1950, quando
começa a colonização nesta área através da Companhia de Terras Norte do Paraná. O município de Cianorte ocupa uma posição
importante dentro do quadro econômico da região Noroeste do Paraná, abrigando cerca de 20,60% dos habitantes dessa
mesorregião, Cianorte domina as culturas agrícolas, é forte no setor industrial e bastante diversificado no setor comercial.
A microrregião de Cianorte tem uma população estimada em 129.971 habitantes divididos em onze municípios. Só a cidade
de Cianorte abriga quase metade do total dessa microrregião, são aproximadamente 61.277 habitantes. O principal destaque da
cidade na área econômica é a indústria do vestuário, o município abriga mais de 400 grifes que revendem seus produtos para todo
o Brasil, realizando também anualmente a Expovest, maior Feira do Vestuário do Sul do País. A microrregião ainda se destaca por
abrigar cursos de graduação da Universidade Estadual de Maringá, além da Universidade Paranaense.
A microrregião de Umuarama, com 37,65% da população da mesorregião, ou seja, aproximadamente 237.362 habitantes.
Na cidade de Umuarama estão cerca de 96.054 habitantes, é uma das principais cidades do Paraná, estando a 580 km da capital
do estado, a cidade também é pólo da região de Entre Rios. Com o desenvolvimento da cidade houve um crescimento das
atividades comerciais e como conseqüência aumento da população urbana. A Fundação Cultural de Umuarama (Centro Cultural
Schubert) foi inaugurada em 1990. Esta instituição procura, de acordo com a prefeitura de Umuarama, despertar e descobrir
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

25

talentos no município e atender a comunidade ao que se refere à cultura com salas de exposições, biblioteca e anfiteatro. O Centro
Cultural funciona como uma escola de artes, oferecendo cursos de música, dança, pintura em tela e tecido, teatro e conto.
MESORREGIÃO DO OESTE PARANAENSE
A mesorregião do Oeste Paranaense é formada pela união de cinqüenta municípios agrupados em três microrregiões: Foz
do Iguaçu, Cascavel e Toledo, com uma extensão territorial de 22.851,003 km² e uma densidade demográfica de 53,8 hab/km². A
taxa de crescimento populacional entre os anos de 1991 e 2000 foi de cerca de 1,28%. Em 2006 estimou-se residirem na Oeste
1.228.825 habitantes, correspondendo a cerca de 12% da população estadual.
Essa região tem sido capaz de contrabalancear as tendências de concentração econômica e populacional do Paraná em
torno da capital, Curitiba, e isso contribui para um maior equilíbrio regional do Estado. Tendo uma expressiva rede urbana, a Oeste
tem demonstrado contínua capacidade de crescimento econômico. O agronegócio cooperativo serve de base para a progressiva
expressão da Oeste no âmbito do setor primário estadual. A moderna base agropecuária tem sido capaz de compatibilizar a
preponderância de mão-de-obra familiar com alto desempenho produtivo.
Expandindo os postos de trabalho formais, o mercado de empregos tem influenciado positivamente na qualidade de vida da
população. O Oeste está entre as mesorregiões paranaenses com menor taxa de pobreza. Alguns dos municípios, entretanto, estão
entre os piores do Estado nos índices do IDH-M. De acordo com a interpretação do IPARDES, estas disparidades podem ser
plenamente sanadas através de investimentos do poder público em áreas tradicionais de saúde e educação, com conseqüentes
elevações do IDH-M. A disponibilidade de um aparato consolidado de entidades voltadas à Ciência, Tecnologia e Inovação, bem
como uma estrutura universitária atuante e em expansão na Mesorregião Oeste, podem ser articuladas à intervenções
governamentais visando à inclusão social.
Microrregiões
A microrregião de Cascavel abriga uma população de cerca de 428.510 habitantes e está dividida em dezoito municípios. A
cidade de Cascavel se situa a 520km da capital e conta com uma população de 278.185 habitantes (em 2005), sendo sua grande
maioria residente na área urbana. O ciclo da madeira, entre os anos 30 e 40, atraiu grande número de famílias de Santa Catarina,
Rio Grande do Sul e em especial colonos poloneses, alemães e italianos que, juntos, formaram a base populacional da cidade.
Atualmente, Cascavel recebe o título de "Capital do Oeste Paranaense", sendo um dos maiores centros econômicos do
Paraná. O município é considerado também o pólo universitário do oeste devido ao número de instituições de ensino superior (três
universidades e quadro faculdades), das quais é pertinente mencionar a Universidade Estadual do Oeste do Paraná e a
Universidade Paranaense.
No que diz respeito à economia, Cascavel é responsável por 26% do total da produção de grãos do estado. Tem como
principais produtos cultivados a soja, o trigo, o milho, o arroz, o algodão e o feijão, sendo que os três primeiros são os maiores
expoentes. Destaca-se ainda na avicultura, bovinocultura, suinocultura e ovinocultura. A indústria cascavelense acha-se em fase de
expansão, principalmente nas atividades ligadas ao beneficiamento da produção agropecuária.
Na microrregião de Foz do Iguaçu há uma população de aproximadamente 460.220 habitantes, dividida em onze
municípios. Só na cidade de Foz do Iguaçu estão cerca de 309 113 pessoas. As principais fontes de renda no município são o
turismo e a geração de energia elétrica. Foz do Iguaçu é considerada uma das cidades mais multiculturais do Brasil, espaço de
fixação de diversos grupos étnicos de tamanho expressivo, sendo os principais de origem italiana, alemã, libanesa, hispânica
(argentinos e paraguaios), chinesa, ucraniana e japonesa. O Parque Nacional do Iguaçu, as Cataratas do Iguaçu e o reservatório da
Usina de Itaipu são especificidades locais que fortalecem o setor turístico, sendo importantes atributos nas estratégias de promoção
e nas políticas de meio ambiente dos âmbitos estatal, federal e internacionais. Reflexo e reforço desta situação é a qualidade da
malha de rodovias, do ramal ferroviário e a existência de um aeroporto internacional em Foz do Iguaçu, infra-estrutura que favorece
o trânsito de pessoas e mercadorias.
A microrregião de Toledo tem cerca de 340.095 habitantes distribuídos em 21 municipalidades. Toledo é um dos principais
municípios do oeste do Paraná. Estando próximo de Cascavel, forma, juntamente com esta cidade, um eixo de desenvolvimento
agroindustrial, concentrando diversas cooperativas e empresas do ramo, graças principalmente às férteis e planas terras dessa
região, que garantem à cidade uma posição de prestígio entre as produtoras de grãos do estado.
Toledo está situado na Região Extremo Oeste do Paraná, que é uma área de colonização relativamente recente. A
atividade inicial que promovia a ocupação era a exploração de madeira para a Argentina e Uruguai. O desenvolvimento de Toledo
se deu de forma acelerada em torno da economia das comunidades agrícolas. Na década de 1960 até 1970, a modernização
imprimiu novas relações no campo e a especialização agrícola favoreceu a monocultura e a concentração da propriedade,
ocasionando o êxodo rural e a acelerada urbanização. A cidade conta ainda com quatro universidades, entre elas a Universidade
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

26

Tecnológica Federal do Paraná (UTF-PR), a Universidade Estadual do Oeste do Paraná e um campus da Pontifícia Universidade
Católica do Paraná.
MESORREGIÃO DO SUDESTE PARANAENSE
A mesorregião do Sudeste Paranaense é formada pela união de 21 municípios agrupados em quatro microrregiões
denominadas Irati, São Matheus do Sul, Prudentópolis e União da Vitória. De acordo com os dados de 2006, essa mesorregião
conta com 398.453 habitantes, cerca de 4% da população do estado. Nos anos de 1991 e 2000 ela teve uma taxa de crescimento
registrada em 0,89% ao ano. A extensão territorial da Sudeste é de 17.020,9 km² e a densidade populacional está estimada em
23,4 hab./km².
A mesorregião Sudeste é uma das áreas de ocupação mais antigas do Paraná. Durante o período de intensa atração de
estrangeiros para o Brasil, ela recebeu considerável fluxo de imigrantes, predominantemente eslavos. Os colonos assentaram-se
em pequenas propriedades dedicadas à atividades extrativas e à pequena agricultura de subsistência.
Entre as mesorregiões do Estado, a Sudeste apresenta uma das menores bases populacionais e o processo de transição
demográfica não tem se efetuado com a rapidez observada em outras áreas. Os níveis de fecundidade são maiores e os de
expectativa de vida ao nascer são ligeiramente menores quando comparados à média estadual.
No tocante à qualidade de vida da população, em todos os municípios o IDH-M é verificado como inferior ao índice médio
paranaense, com exceção de União da Vitória. A baixa freqüência escolar por parte das crianças e jovens e a considerável taxa de
mortalidade infantil são índices que representam a situação social da mesorregião: em 1/3 dos municípios, a taxa de pobreza é
superior a 40%, o que representa mais que o dobro da média no Estado.
A Sudeste é a mesorregião menos urbanizada do Paraná, em que a estruturação das cidades seguem um padrão de fraca
concentração. Do total da população, 46% das pessoas vivem em áreas rurais e, no ano 2000, somente Irati contava mais de 50 mil
habitantes. Ainda neste ano, a Sudeste apresentou uma das menores taxas de desemprego no Estado, tendo a maior variação
relativa do emprego formal durante o período de 1996-2001.
A estrutura fundiária tem se mantido estável, conservando a expressividade dos produtores familiares. Em relação ao meio
ambiente, a Sudeste preserva o maior contingente de floresta de araucárias no Paraná, sendo a terceira área, no comparativo
mesorregional, tanto a contribuir para o estoque florestal do Estado quanto para o reflorestamento.
Microrregiões
A microrregião de Irati, agrega um montante populacional de 95.714 habitantes e está dividida em quatro municípios. A
cidade de Irati situa-se a uma distância de cerca de 150 km da capital Curitiba e sua população é de aproximadamente 54.805
moradores, dos quais mais de 75% residem no perímetro urbano.
A constituição populacional é uma mescla de diferentes etnias, especialmente poloneses e ucranianos que mantêm os
costumes e tradições de seus ascendentes. A economia de Irati está especialmente centrada no setor terciário, que equivale a
57,89% do PIB municipal, enquanto o setor de indústrias conta com 26,18% e a agropecuária perfaz 15,93%. Embora a
agropecuária ocupe o último lugar no PIB da cidade, 66% de sua área é ocupada por agricultura e pastagem.
A microrregião de Prudentópolis é a mais populosa da Sudeste, com cerca de 123.770 habitantes divididos sete municípios.
A cidade de Prudentópolis está a aproximadamente 200 km da capital Curitiba e conta com cerca de 45.852 habitantes. O destaque
do município está no seu relevo, que apresenta diversas serras e dezenas de cachoeiras. Atualmente, Prudentópolis é considerada
a cidade mais ucraniana do Brasil, sendo 80% da sua população descendente desta nacionalidade de imigrantes. A valorização da
colonização ucraniana proporciona à Prudentópolis diversas atividades festivas típicas da cultura ucraniana, com destaque para os
grupos de dança folclórica, a Noite Ucraniana e o Koziá Festyvalh (Festa do Cabrito).
A terceira microrregião é a de São Mateus do Sul. Dividida em três municípios, ela conta com aproximadamente 58.761
habitantes. Só na cidade de São Mateus do Sul estão concentrado 39.105 habitantes. Os pioneiros na ocupação da área
constituíam-se de emigrantes do sul do Brasil e imigrantes espanhóis, alemães e poloneses. No município encontra-se a Usina
Industrial de Xisto da Petrobrás, em parte fruto dos esforços dos imigrantes alemães que procuravam explorar o petróleo de xisto na
região. A população urbana de São Matheus do Sul é praticamente a mesma da residente na zona rural.
Na microrregião de União da Vitória calcula-se que existam 120.208 habitantes e ela está dividida em sete municípios. A
cidade de União da Vitória conta com 51.352 residentes. A colonização territorial foi iniciada em 1881 por imigrantes europeus de
diversas etnias, entre os quais se destacam os ucranianos, poloneses, alemães e italianos atraídos pelo clima e topografia
semelhantes aos de sua terra natal. União da Vitória teve seu apogeu na década de 1950 com o ciclo da erva-mate e a
intensificação da extração de madeira. O município tem um dos melhores índices de qualidade de vida no Paraná, com um IDH de
0,793. Nele, 95% da população é alfabetizada e reside em domicílios com água encanada, esgoto sanitário e coleta de lixo.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

27

MESORREGIÃO DO SUDOESTE PARANAENSE
A mesorregião do Sudoeste Paranaense é formada pela união de 37 municípios agrupados em três microrregiões (chamdas
de Capanema, Francisco Beltrão e Pato Branco). Abrigando 468.559 habitantes, cerca de 5% da população do estado está
concentrada nesta mesorregião. Estima-se que existam 40,2 habitantes por km², espalhados numa área de 11.651,833 km².
A ocupação territorial da mesorregião Sudoeste é recente. Até meados de 1940 a região era constituída de mata de
araucárias densas, o que faz da Sudoeste uma das últimas áreas de ocupação intensiva do Estado. Duas cidades se destacam
nessa região: Pato Branco e Francisco Beltrão.
A influência do modo de produção não-extensivo e diversificado, introduzido pelos imigrantes gaúchos e catarinenses, é o
traço marcante desta mesorregião. Entre os anos de 1991 e 2000, houve uma queda de 25% no número de habitantes rurais. No
entanto, a região continua aparecendo como a segunda menos urbanizada do estado. A economia rural sempre foi baseada em
minifúndios, devido às características do relevo acidentado, e são uma característica da região as pequenas propriedades com mão
de obra familiar. Atualmente, todavia, a Sudoeste apresenta um crescimento da concentração fundiária, com a introdução de novas
técnicas de cultivo a partir da expansão da soja.
A renda per capita registra mudanças positivas e, durante os anos 90, verificou-se na Sudoeste a menor taxa de
desemprego do Estado, com crescimento do emprego formal maior do que o estadual. A cidade de Francisco Beltrão se destaca na
área educacional, segundo dados do PNUD, a taxa de anafalbetismo em pessoas com mais de 25 anos era de 9,4% em 2000, o
que significou uma redução de 43,5% em relação a 1991, quando o índice registrava 16,7%. A média de anos de estudo em
pessoas acima de 25 anos subiu de 4,6 para 6,0 anos. O IDH-Educação de Francisco Beltrão é de 0,918, uma melhoria de 13,6%
em relação a 1991, quando o índice era 0,809. Em que pesem estes dados promissores, ¼ das famílias da Mesorregião Sudoeste
encontram-se em condições de pobreza.
No que diz respeito ao meio ambiente, a produção intensiva em pequenas propriedades representou pressão considerável
sobre as áreas disponíveis, avançando a ocupação para áreas de florestas, o que resultou em um alto grau de comprometimento
ambiental do Sudoeste, potencializado pelas duas usinas hidrelétricas que foram criadas na região.
Microrregiões
A microrregião de Capanema abriga cerca de 90.618 habitantes divididos em oito municípios. A cidade de Capanema tem
uma população estimada em 18.239 habitantes (IBGE. 2005), dos quais 9.300 estão no perímetro urbano e 8.929 no rural. Por volta
de 1950, chegaram as primeiras correntes migratórias, predominantemente de origem alemã e italiana, vindos do Rio Grande do
Sul e Santa Catarina.
A microrregião de Francisco Beltrão tem sua população estimada em 223.883 habitantes, dividida em dezenove municípios.
A esmagadora maioria dos habitantes é descendente de europeus, principalmente alemães e italianos. A economia da região está
atrelada ao agronegócio, todavia, devido às formações de relevos antigos, o território não pode ser plenamente aproveitável.
Somente nas partes norte e oeste da microrregião as terras são de relevo mais suaves, sendo assim intensivamente aproveitadas
para a agricultura, principalmente para o plantio de soja, milho e trigo, com destaque também para a criação de aves.
A cidade de Francisco Beltrão é a maior em população e arrecadação e a segunda maior em área do sudoeste do Paraná.
Sua economia tem como base a agricultura extensiva e as atividades industriais concentradas no abate de aves e no setor têxtil.
Com a progressiva evasão da zona rural e o conseqüente aumento do perímetro urbano, observa-se também um incremento nas
atividades ligadas à industrialização e ao desenvolvimento do setor terciário. Tanto que hoje a agricultura responde diretamente por
apenas 22% de toda a riqueza gerada na cidade.
De uma população economicamente ativa (PEA) recenseada em 34.226 habitantes, apenas 18,3% do total estão
empregadas na agricultura, outros 15,1% estão na indústria e o restante em atividades ligadas ao setor terciário em atividades de
prestação de serviço, comércio e serviços públicos. A maior representatividade do setor terciário no quadro geral de empregos está
ligada à centralidade e influência que a cidade exerce sobre outros municípios da região como pólo urbano. A pobreza conceituada
como a porcentagem de pessoas que vivem com rendimento inferior a meio salário mínimo, encontra-se em queda acentuada,
perfazendo menos de 22% da população. Francisco Beltrão é a única das três cidades da microrregião que abriga uma secretaria
de cultura.
A microrregião de Pato Branco tem aproximadamente 154.058 habitantes e está dividida em dez municípios. A cidade de
Pato Branco tem uma população de quase 70 mil habitantes e índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,849, que a coloca
como 34ª melhor cidade em qualidade de vida do Brasil, apesar da microrregião apresentar um alto índice de pobreza. Sua
atividade econômica está fortemente centrada na agricultura e na pecuária. Pato Branco também se destaca como um importante
centro médico e de serviços. A Universidade Tecnológica Federal do Paraná, UTFPR, é uma importante instituição de fomento ao
desenvolvimento de pesquisa e tecnologia do município.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

28

MESORREGIÃO DO CENTRO-SUL PARANAENSE
A mesorregião do Centro-Sul Paranaense abriga cerca de 533.317 pessoas, em 29 municípios agrupados em três
microrregiões denominadas Guarapuava, Palmas e Pitanga. A taxa de crescimento populacional figura em 0,69% (período de
referência 1991/2000). Sua área territorial, de 26.409,78 km², equivale a 6% do território total do estado e a densidade populacional
é de 21,1 hab./km², a mais baixa dentre todas as mesorregiões. O maior núcleo urbano da mesorregião é Guarapuava.
A ocupação do seu território baseou-se em grandes propriedades rurais, com atividades de cunho extensivo e extrativo. Nas
últimas décadas do século XX, uma corrente migratória, oriunda predominantemente do norte e do oeste do Paraná, foi atraída pela
existência de áreas economicamente sub-utilizadas. A Centro-Sul apresenta uma das estruturas produtivas mais concentradas do
Estado, fortemente polarizada entre grandes e pequenas propriedades.
Sua pequena base populacional e a baixa densidade de ocupação mantém a Centro-Sul como uma das mesorregiões
menos urbanizadas do Paraná. Tal característica é reforçada pelo fato da região concentrar 34% das famílias assentadas em
projetos de reforma agrária e 62% das áreas indígenas do Paraná. A produção agrícola familiar é marcada por baixos rendimentos
e a organização em cooperativas sofre sucessivas crises. No tocante à proteção ambiental, a região concentra 15% da cobertura
florestal estadual remanescente, além de uma importante extensão de área reflorestada.
A transição demográfica não se encontra em fase avançada na Centro-Sul, que apresentou o nível mais elevado de
fecundidade na comparação mesorregional durante os anos 90, tendo menores índices de expectativa de vida ao nascer. A
composição etária é marcada por uma população preponderantemente jovem, com a presença de idosos ainda incipiente.
Todos os municípios da Centro-Sul apresentam IDH-M abaixo da média paranaense, sendo o índice de renda per capita o
que registra condições mais críticas. A dificuldade de geração de emprego na mesorregião reflete-se no fato de 1/3 das famílias
residentes encontra-se em situação de pobreza. Sete dos dez municípios mais pobres do Paraná situam-se na Centro Sul.
No tocante à estrutura ocupacional, a importância das atividades rurais é marcante, somando 39% do total de ocupados. O
crescimento da taxa de emprego formal na região é atribuído, em grande medida, à instalação de 17 novas municipalidades na
década de 1990.
Concentradas em Guarapuava, as ocupações industrial e terciária não têm alcançado dinamismo suficiente para absorver a
população ativa. Tanto é que Guarapuava apresenta a maior taxa de pessoas desocupadas da mesorregião.
Microrregiões
A microrregião de Guarapuava tem uma população estimada em 385.796 habitantes e está dividida em dezoito municípios.
A cidade de Guarapuava abriga cerca de 169.007 habitantes e está a 258km de distância da capital do estado.
O evento cultural de maior destaque na região são as Cavalhadas, espetáculo anual com duração de duas horas e meia no
qual participam mais de mil atores amadores, provenientes de todas as camadas sociais e faixas etárias. As Cavalhadas são uma
herança das cruzadas medievais e chegaram ao Brasil no século XVII. No século XX a festa popularizou-se, servindo de catequese,
já que encerra a dramatização com a conversão dos mouros ao cristianismo. É uma espécie de torneio no qual se simula a luta
entre cristãos e mouros na Idade Média.
A microrregião de Palmas tem uma população de cerca de 89.173 divididos em cinco municípios. A cidade de Palmas, com
39.417 habitantes, é o 15° município mais desigual do Sul do Brasil, e o 9° neste quesito no estado do Paraná. Entre 2000 e 2004,
Palmas foi o 12° município que mais cresceu economicamente no Paraná, seu PIB saltou de R$ 146,1 milhões no ano 2000 para
R$ 376,3 milhões em 2004.
A microrregião de Pitanga tem uma população de aproximadamente 82.063 habitantes e está dividida em seis municípios. A
cidade de Pitanga conta com 34.382 habitantes que estão espalhados quase que eqüitativamente entre as regiões urbana e rural
(18.339 e17.522, respectivamente).
MESORREGIÃO DO CENTRO-OCIDENTAL PARANAENSE
A Mesorregião Centro Ocidental do Paraná é composta de 25 municípios que, divididos entre nas microrregiões de Goioerê
e Campo Mourão, somam 316.482 habitantes. Isto equivale a 3% do total populacional do estado. A Centro Ocidental comporta
cerca de 26,5 habitantes por quilômetros quadrados. O principal centro urbano é Campo Mourão, que representa aproximadamente
¼ da população da Mesorregião.
O processo de ocupação do Centro Ocidental foi intensificado durante a década de 1940 pelo encontro de dois fluxos
populacionais: um deles relacionado à expansão da cafeicultura, vindo do Norte do Paraná, e outro oriundo do movimento de
gaúchos e catarinenses do Oeste, ligados à policultura familiar. O modo de produção organizado familiarmente predominou até o
início dos anos 70, momento em que a região se integrou ao movimento mais amplo de modernização da agricultura no Paraná.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

29

Este processo teve impacto intenso sobre a dinâmica demográfica: a taxa de crescimento populacional de 1991 a 2000 foi de 1,24% ao ano. A dificuldade em reter o montante populacional é diagnosticada tanto nas áreas urbanas quanto nas rurais.
Fatores fundamentais para que a região se caracterize como área de esvaziamento populacional são a concentração da
terra e a decorrente desocupação de mão-de-obra rural. A economia da Mesorregião é baseada na agroindústria: estima-se que
77% dos solos da Centro-Ocidental sejam aptos à prática agrícola mecanizável. A cobertura vegetal original foi amplamente
reduzida em favor do uso agrícola das terras, restando atualmente apenas cerca de 5% dela. Na Mesorregião, 32% das famílias se
encontram em situação de pobreza e a taxa de desemprego é de 13,7% (Ipardes, 2000). A predominância de pequenos municípios
e os baixos níveis de IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal) são variáveis importantes no que diz respeito às suas
manifestações culturais.
Microrregiões
A microrregião de Campo Mourão tem uma população de 205.493 habitantes divididos em quatorze municípios. A cidade de
Campo Mourão estão cerca de 81.780 habitantes. Essencialmente agrícola, com destaque para o plantio de soja e milho, o
município abriga a sede da maior cooperativa do Brasil e a terceira maior do mundo, a Coamo (Agroindustrial Cooperativa).
Na microrregião de Goioerê estão aproximadamente 110.999 habitantes, divididos em onze municípios. A região de Goioerê
possui grande representatividade de imigrantes italianos, espanhóis, japoneses, alemães, mesclados a outros grupos, como
portugueses, poloneses, indígenas e afro-descendentes. A cidade de Goioerê atualmente abriga 26.131 habitantes. Foi no de 1975,
no entanto, que o município chegou ao seu auge populacional, tendo o IBGE registrado uma população de 100.360 habitantes,
parte significativa deles atraída pelo cultivo do algodão. Nesse período o município passou a ser conhecido nacionalmente como
"Capital do Algodão Brasileiro". Mas o fim do plantio do algodão na década de 90 e a emancipação de alguns de seus distritos, o
município foi perdendo população. A urbanização da cidade é considerada recente. Um de seus destaques é o Aeroporto Manoel
Ribas, o mais importante da região.

ATIVIDADES ECONÔMICAS
A economia paranaense é a quinta maior do País. O Estado responde atualmente por 6,1% do PIB nacional.

ANO

PARANÁ

BRASIL

PARTICIPAÇÃO

Preços correntes
(R$ milhão)

Preços correntes
(R$ milhão)

PARANÁ/BRASIL
(%)

2002

88.407

1.477.822

6,0

2003

109.459

1.699.948

6,4

2004

122.434

1.941.498

6,3

2005

126.677

2.147.239

5,9

2006

136.615

2.369.484

5,8

2007

161.582

2.661.345

6,1

2008

179.270

3.031.864

5,9

2009(1)

189.269

3.185.125

5,9

FONTES: IBGE, IPARDES
(1) Estimativa do IPARDES para o PIB do Paraná.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

30

Composição do Valor Adicionado

Maiores Economias Municipais
Os municípios da Região Metropolitana de Curitiba se destacam dentre as maiores economias do Estado. Em razão do
dinamismo da indústria e dos serviços, Curitiba, Araucária e São José dos Pinhais são os municípios mais representativos no PIB
do Paraná. No interior do Estado, sobressaem Londrina e Maringá, pela forte presença da agroindústria e dos serviços, bem como
Foz do Iguaçu, que se destaca nas atividades ligadas ao turismo e à produção de energia elétrica; já, no litoral, Paranaguá destacase pelas atividades ligadas ao Porto.
MAIORES ECONOMIAS - PARANÁ ­ 2008

MUNICÍPIO

PIB
(R$ mil correntes)

PARTICIPAÇÃO
(%)

Curitiba

43.319.254

24,2

Araucária

11.001.673

6,1

São José dos Pinhais

10.398.355

5,8

Londrina

8.033.461

4,5

Paranaguá

7.107.175

4,0

Maringá

6.150.569

3,4

Foz do Iguaçu

6.010.671

3,4

Ponta Grossa

5.020.449

2,8

Cascavel

4.438.700

2,5

Pinhais

2.447.206

1,4

75.342.703

42,0

179.270.215

100,0

Outros municípios
PARANÁ
FONTES: IBGE, IPARDES

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

31

SETORES ECONÔMICOS
Agropecuária
O Paraná é o maior produtor nacional de grãos, apresentando uma pauta agrícola diversificada. A utilização de avançadas
técnicas agronômicas coloca o Estado em destaque em termos de produtividade. A soja, o milho, o trigo, o feijão e a cana-deaçúcar sobressaem na estrutura produtiva da agricultura local, observando-se, em paralelo, forte avanço de outras atividades, como
a produção de frutas.
Já na pecuária, destaca-se a avicultura, com 26,3% do total de abates do País. Nos segmentos de bovinos e suínos, a
participação do Estado atinge 4,3% e 17%, respectivamente.
PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS - PARANÁ ­ 2009

PRODUTO

QUANTIDADE
(toneladas)

PARTICIPAÇÃO
PARANÁ/BRASIL (%)

Cana-de-açúcar

55.331.668

8,0

Milho

11.190.936

21,8

Soja

9.408.991

16,5

Trigo

2.482.776

50,0

Feijão

787.180

22,3

Café

89.213

3,7

FONTE: IBGE

ABATES DE ANIMAIS - PARANÁ ­ 2009

TIPO DE ANIMAL

PESO
DAS
(t)

TOTAL PARTICIPAÇÃO
CARCAÇAS PARANÁ/BRASIL
(%)

Aves

2.489.061

25,0

Suínos

509.156

17,4

Bovinos

282.220

4,2

FONTE: IBGE
Indústria
O valor da transformação industrial do Paraná atingiu R$ 52,5 bilhões em 2008. Na estrutura industrial do Estado
predominam os segmentos de alimentos e bebidas, refino de petróleo e veículos automotores, responsáveis por aproximadamente
54% do valor da transformação da indústria estadual. Outro segmento importante é o de informática, sendo que o Paraná abriga o
maior fabricante de computadores do Brasil, o qual ocupa a 4.ª posição no ranking de fabricantes na América Latina e o 14.º lugar
no mercado mundial.
VALOR DA TRANSFORMAÇÃO INDUSTRIAL, SEGUNDO ATIVIDADES ECONÔMICAS - PARANÁ ­ 2008

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

32

VALOR DA TRANSFORMAÇÃO INDUSTRIAL
ATIVIDADE INDUSTRIAL

R$ milhões

Participação
(%)

Participação
Paraná/Brasil (%)

TOTAL

52.487

100,0

7,3

Indústrias extrativas

227

0,4

0,3

Indústrias de transformação

52.260

99,6

8,1

Alimentos

9.416

17,9

10,8

Bebidas

1.011

1,9

5,0

Refino de petróleo e produção de álcool

11.608

22,1

13,7

Veículos automotores

7.771

14,8

11,1

Máquinas e equipamentos

2.876

5,5

8,3

Produtos químicos

2.868

5,5

5,5

Papel e celulose

2.615

5,0

11,6

Produtos de madeira

2.154

4,1

26,8

Outros

11.940

22,8

3,6

FONTE: IBGE
Serviços
O valor adicionado do setor de serviços do Paraná totalizou R$ 90,3 bilhões em 2007, com grande participação dos ramos
de comércio, administração pública e atividades imobiliárias.
COMÉRCIO EXTERIOR
Em 2009, o Paraná respondeu por 7,3% dos US$ 153 bilhões das exportações brasileiras e manteve a 5.ª colocação no
ranking nacional entre os estados exportadores. China e Alemanha foram os principais mercados de produtos paranaenses em
2009.
Nas importações, destacam-se Argentina, Nigéria e China, que somaram US$ 3,9 bilhões em negócios com o Paraná.
EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES, SEGUNDO PAÍSES DE DESTINO E ORIGEM - PARANÁ ­ 2009

PAÍS DE DESTINO

EXPORTAÇÃO

PAÍS DE ORIGEM

IMPORTAÇÃO

China

US$ FOB
Participação %
1.234.880.145 11,0

Argentina

US$ FOB
Participação %
1.301.568.584 13,5

Alemanha
Argentina
Holanda

939.811.889
860.343.975
720.325.985

8,4
7,7
6,4

Nigéria
China
Alemanha

1.284.287.584 13,3
1.270.354.187 13,2
688.113.504
7,2

Estados Unidos
França

466.301.641
422.821.861

4,2
3,8

Estados Unidos
França

595.097.077
384.631.007

6,2
4,0

FONTE: MDIC-SECEX

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

33

Mercosul
O Mercado Comum do Sul (Mercosul) resulta de um processo de integração entre o Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Com
uma população de 260 milhões de habitantes e um PIB de aproximadamente US$ 3 trilhões, o Mercosul tem como centro
geográfico o estado do Paraná. Atualmente, 11,8% das exportações paranaenses são destinadas aos países do bloco e 16,9% das
importações paranaenses são provenientes desses países.
Cooperativas
As cooperativas paranaenses já respondem por mais de 1.300 milhão postos de trabalho em todo o Estado. Em 2009, as
cooperativas estaduais exportaram US$ 1,47 bilhão, indicando alta de 1,8% sobre o ano interior.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

34

ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS
Os Arranjos Produtivos Locais (APLs) são concentrações de indústrias de um mesmo segmento ou de atividades
complementares em uma mesma região. O APL propicia ações conjuntas, como compra de matérias-primas, consórcios para
exportação, compartilhamento de tecnologias e capacitação de mão-de-obra. As indústrias ganham em escala, reduzem custos e
conseguem ser mais competitivas. Atualmente o Paraná tem 22 APLs consolidadas, que geram mais de 60 mil empregos.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

35

INFRAESTRUTURA
Rodovias e Ferrovias
Uma bem estruturada rede de estradas garante a interligação entre os principais municípios do Estado ao Porto de
Paranaguá e a outros pólos econômicos do Brasil e dos países vizinhos. O Paraná possui a maior rede rodoviária pavimentada do
Sul do País, destacando-se a BR277, que corta o Estado de leste a oeste, a BR376, que liga o extremo noroeste do Estado a Santa
Catarina, e a BR116, que faz a ligação do Paraná com São Paulo e o sul do Brasil, totalizando aproximadamente 13.750 km de
rodovias pavimentadas. Dispõe também de uma malha ferroviária que liga as regiões produtoras do norte e do oeste do Estado ao
Porto de Paranaguá, com 2.288 km de extensão. Vejamos a lista das principais rodovias federais que cruzam o Estado do Paraná:
BR 101 ­ Também denominada translitorânea, é uma rodovia federal longitudinal do Brasil. Seu ponto inicial está localizado na
cidade de Touros (RN), e o final perto do Arroio Chuí (RS). Atravessa 12 estados brasileiros: Rio Grande do Norte, Paraíba,
Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Em
toda sua extensão é denominada oficialmente Rodovia Governador Mário Covas.
O trecho no estado do Paraná não existe. O acesso ao restante da rodovia em Garuva no estado de Santa Catarina é feito
passando pelas rodovias SP-226, BR-116 (até Curitiba) e BR-376.
BR-116 ­ É a principal rodovia brasileira, sendo também a maior rodovia totalmente pavimentada do país. É uma rodovia
longitudinal que tem início na cidade de Fortaleza, no estado do Ceará e término na cidade de Jaguarão, no estado do Rio Grande
do Sul, na fronteira com o Uruguai.
No Paraná, começa com a Rodovia Régis Bittencourt na divisa com São Paulo e atravessa todo o município de Curitiba,
passando pelo Bairro Alto. Depois segue no estado até Rio Negro. Trechos Concedidos:
Autopista Régis Bittencourt: Divisa com São Paulo até Curitiba.
Autopista Planalto Sul: De Curitiba até a divisa PR/SC
BR-153 ­ A Rodovia Transbrasiliana é a quarta maior rodovia do Brasil, ligando a cidade de Aceguá - RS ao município de Marabá
- PA, totalizando 4.355 quilômetros de extensão. Já foi chamada de BR-14 até o ano de 1964. A BR-153 é a principal ligação do
Meio-Norte do Brasil (estados do Tocantins, Maranhão, Pará e Amapá), além de Goiás e do Distrito Federal, com todas as demais
regiões do país. Devido a esse fato e somado ao grande fluxo de veículos, a BR-153 é considerada atualmente como uma das
principais rodovias de integração nacional do Brasil. Algumas capitais brasileiras, assim como Goiânia, Brasília e Palmas, a utilizam
como o principal corredor de escoamento. É também muito utilizada para acender a regiões turísticas, tais como a estância de
Caldas Novas/Rio Quente - GO, o rio Araguaia e a Chapada dos Veadeiros, além de outras capitais do país, assim como Belém,
Macapá (via balsa), São Luís, Teresina e São Paulo
BR-272 ­ É uma rodovia transversal brasileira que liga o Estado de São Paulo até a divisa do Estado do Paraná (Guaíra), fronteira
com a República do Paraguai. Em 2006, passou por um processo de recapeamento entre os municípios de Campo Mourão e
Goioerê, no Estado do Paraná, o seu primeiro desde a inauguração deste trecho. Existem muitos trechos que estão apenas
planejados, isto é, ainda não foram efetivamente construídos.
A BR-277, também denominada como Grande Estrada, é uma rodovia federal transversal do Brasil. Foi inaugurada em
março de 1969, e tem 730 km de extensão, com início no Porto de Paranaguá e término na Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu.
Saindo de Curitiba, a rodovia se sobrepõe a Rodovia do Café, até sua interassão com seu trajeto original no km 140. Administrada
por três concessionárias diferentes, ao longo de distintos trechos da mesma, está duplicada de Paranaguá a sua intersessão com a
BR-376 no km 140, e de Medianeira à Foz do Iguaçu.
Essa rodovia corta o Estado do Paraná no sentido leste-oeste, ao longo do paralelo 25°30', ligando o Porto de Paranaguá a
Curitiba, Campo Largo, Irati, Ponta Grossa, Guarapuava, Laranjeiras do Sul, Cascavel, Foz do Iguaçu, interliga-se com a "Ruta 7"
(Rodovia Transparaguaia); esta, também obedecendo à mesma orientação e estendendo-se através de 330 km, alcança Assunción;
daí a estrada segue rumo à Cañada de Oruro, fronteira com a Bolívia, passa por Santa Cruz de La Sierra, Cochabamba, La Paz. É
a "Ruta 33" da Bolívia. Enfim, interliga Cuzco, Nazca e Lima, no Peru. Assim, a BR-277 é parte integrante da Rodovia
Panamericana que de Lima, Capital do Peru, atinge Paranaguá (PR) no Atlântico, após atravessar a Bolívia e o Paraguai.
Em território brasileiro, constitui-se na espinha dorsal do sistema rodoviário da terra das araucárias, o Paraná. Rodovias
Federais e Estaduais a cortam ou para ela convergem. Recebendo a Rodovia do Café, canaliza para o Porto de Paranaguá a
produção cafeeira do estado do Paraná, a principal base econômica. Recebendo a BR-373 (Três Pinheiros - Pato Branco), que o
Governo constrói em convênio com o DNER, possibilita o escoamento de milhões de toneladas anuais de produtos agropecuários
da importantíssima região Sudoeste do Paraná. Além de sua importância econômica, acresce seu indiscutível valor social, político,
estratégico e turístico.
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

36

Concluída a duplicação da Rodovia Presidente Dutra, a BR-277 passou a constituir-se na principal meta do Governo
Federal, por ser a principal via rodoviária do Paraná e uma das mais importantes do Brasil, por ser considerada "corredor do
Mercosul".
BR-369 ­ É uma rodovia federal diagonal brasileira. Anteriormente conhecida como
Rodovia dos Cereais, a rodovia BR-369 inicia-se no entroncamento com a BR-494, no
município de Oliveira em Minas Gerais, e atravessa o estado de São Paulo e parte do
Paraná até a cidade de Cascavel. Entre os municípios atravessados pela BR-369
destacam-se: Alfenas, Jaú, Bauru, Ourinhos, Londrina, Apucarana, Campo Mourão e
Cascavel. A foto mostra o entroncamento da rodovia BR-369, km 158, com a rodovia PR445, Km 82, na divisa entre os municípios de Londrina e Cambé.
BR-376 ­ É uma rodovia diagonal brasileira, que liga Dourados, em Mato Grosso do Sul, a
Garuva, em Santa Catarina. No trecho paranaense, é conhecida como Rodovia do Café. No trecho entre Garuva e Curitiba,
incorpora a BR-101.
BR-469 ­ É uma rodovia brasileira situada dentro do limite do município de Foz do Iguaçu, no Paraná. Inicia a 4 km do centro da
cidade, na aduana argentina, e termina nas Cataratas do Iguaçu, totalizando 19 km, passando boa parte de seu leito dentro do
Parque Nacional do Iguaçu.
A BR-476 se inicia no Vale do Ribeira, na divisa de São Paulo com o Paraná. Possui 366 km, desde o quilômetro 0, até a
divisa do Paraná com Santa Catarina, onde passa a se denominar BR-153.
Desde o Trevo do Atuba até o bairro do Pinheirinho, no perímetro urbano de Curitiba, ela assumiu o antigo trecho da BR116, após a construção do Contorno Leste, anel rodoviário que desvia o trânsito da capital, desde o município de Quatro Barras.
Da cidade de Adrianópolis até Curitiba, a rodovia é denominada Estrada da Ribeira. De Curitiba até União da Vitória, ela é
denominada Rodovia do Xisto, por ser importante ligação com a região de São Mateus do Sul, importante pólo de extração do xisto
betuminoso.
Entre São Mateus do Sul e União da Vitória a rodovia está em estado lastimável, sendo que em 2007 o DNIT licitou reparos
no valor de R$ 21,976 milhões de reais, quando foi contratada a empreiteira EMPO, sendo que o dinheiro sumiu e a estrada está
em piores condições de que quando as obras começaram.
Rodovias estaduais Transitórias
Existe uma nomenclatura especial para as rodovias estaduais transitórias, que recebem a nomenclatura PRT-xxx. Uma
rodovia estadual transitória é aquela construída pelo governo estadual em um trecho em que está planejada a construção de uma
rodovia federal. As rodovias estaduais transitórias recebem os mesmos números das rodovias federais que futuramente a
substituirão quando forem construídas. Exemplo: a PRT-163 existe em trechos previstos para constituirem-se em trechos da BR163. Segue-se a lista destas 10 rodovias:
PRT-153
PRT-163
PRT-280
PRT-373
PRT-467
PRT-158
PRT-272
PRT-369
PRT-466
PRT-487
Rodovias de Acesso
As rodovias estaduais numeradas como PR-8xx e PR-9xx são consideradas rodovias de acesso, pois proporcionam
acesso da sede de um município a outras rodovias federais e estaduais e/ou possibilitam acesso a aeroportos, portos, parques
estaduais e pontos de atração turística. Geralmente tem extensão inferior a 100 Km. Segue-se a lista destas 45 rodovias:
Portos Secos
O comércio internacional cresceu muito nos últimos anos no país, e o volume de mercadorias exportadas e importadas
aumentou sem que houvesse uma contrapartida do governo em investimento em infra-estrutura. Em 1970 o país exportou 2,7
bilhões de dólares em mercadorias, dez anos depois este valor já estava na casa dos 20 bilhões de dólares, em 1990 nos 30
bilhões e em 2006 já está em 113,4 bilhões.
O volume de importação é menor, mas também vem crescendo muito, sendo que em 2006 já foram importadas 77 bilhões
de dólares. A conseqüência é a sobrecarga logística, os portos estão sobrecarregados, o que acarreta perda de tempo e dinheiro
para as empresas, e redução do nível de serviço logístico. Neste contexto os Portos Secos são uma alternativa para desafogar o
AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

37

transito aduaneiro nas zonas primárias, visto que podem realizar todas as atividades, em zona secundaria, levando a mercadoria
ara as zonas primárias (exportação) prontas para embarque, ou para as empresas, no caso de importação, já desembaraçadas.
Com este crescimento das exportações nos últimos anos, os Portos Secos ampliaram sua participação no comércio exterior
brasileiro, mas ainda estão aquém da sua capacidade e suas vantagens logísticas e fiscais ainda não são totalmente exploradas.
A Receita Federal conceitua Portos Secos como recintos alfandegados de uso público, situados em zona secundária, nos
quais são executados operações de movimentação, armazenagem e despacho aduaneiro de mercadorias e de bagagem, sob
controle aduaneiro. Recintos Alfandegados são espaços físicos delimitados à movimentação, armazenagem de mercadorias de
importação e exportação, que necessitam ficar sob controle aduaneiro. E Zona Secundária é todo território nacional, exceto as
zonas primárias: áreas de portos, aeroportos e pontos de fronteira alfandegados.
Os portos secos paranaenses são 6:







Porto Seco de Curitiba I
Porto Seco de Curitiba II
Porto Seco de Paranaguá
Porto Seco de Maringá
Porto Seco de Foz do Iguaçu
Porto Seco de Cascavel

Portos
Na Baía de Paranaguá localizam-se os dois portos marítimos do Estado, o de Paranaguá e o de Antonina. O Porto de
Paranaguá fica a 91 km de Curitiba, sendo o maior porto do sul do País. Movimenta cargas de vários estados do Brasil e de países
como a Argentina, a Bolívia e o Paraguai. Em 2009, a movimentação de mercadorias totalizou 31 milhões de toneladas, incluindo
exportações e importações, com destaque para os fertilizantes, os farelos, o açúcar e a soja. No mesmo ano, o valor das
mercadorias exportadas atingiu US$ 12 bilhões. Além disso, o Porto de Paranaguá movimentou 139.517 mil veículos e 627.879 mil
contêineres.
Existem ainda estações aduaneiras localizadas no interior do Estado, onde são executados despachos e recolhimento de
tributos para a exportação e importação de mercadorias.
Distância do porto aos principais polos (em km)
São José dos Pinhais
85
Curitiba

86

Araucária

108

Ponta Grossa

198

Guarapuava

322

Londrina

460

Maringá

504

Cascavel

558

Foz do Iguaçu

716

Energia e Telecomunicações
O Paraná é um dos maiores geradores de energia elétrica do Brasil e consome aproximadamente 20% da energia
produzida em seu território. Entre as várias usinas instaladas no Paraná está a Itaipu Binacional, localizada no Rio Paraná, que é a
maior usina hidrelétrica em operação do mundo.
Todas as regiões do Paraná são atendidas por redes de fibras ópticas e comunicação por satélite, que permitem a
transmissão de dados, voz e imagem para todo o mundo.
Aeroportos

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

38

O Paraná dispõe de seis aeroportos operando com linha aérea regular. Quatro deles operam com aviões de grande porte e cargas
(em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba, em Foz do Iguaçu, Londrina e Maringá), e dois destinam-se a voos regionais
(Cascavel e Guarapuava). Os aeroportos de São José dos Pinhais e Foz do Iguaçu são internacionais.
Há mais 17 aeroportos com infraestrutura pronta para operação da aviação aérea regular.

AMF PRÉ-VESTIBULAR
Prof. Vinícius Reccanello de Almeida

39