i

Universidade de Brasília
Instituto de Ciências Humanas
Departamento de Geografia ­ GEA

ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL
CONSIDERANDO DIFERENTES HIPÓTESES SOBRE O AQUECIMENTO GLOBAL E
AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Marcelo Miller Barreto

Brasília
2009

Livros Grátis
http://www.livrosgratis.com.br
Milhares de livros grátis para download.

ii

Universidade de Brasília
Instituto de Ciências Humanas
Departamento de Geografia ­ GEA

ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL
CONSIDERANDO DIFERENTES HIPÓTESES SOBRE O AQUECIMENTO GLOBAL E
AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Marcelo Miller Barreto

Orientadora: Prof. Dr. Ercília Torres Steinke

Dissertação de Mestrado

Brasília-DF: Julho/2009

iii

Universidade de Brasília
Instituto de Ciências Humanas
Departamento de Geografia ­ GEA

ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL
CONSIDERANDO DIFERENTES HIPÓTESES SOBRE O AQUECIMENTO
GLOBAL E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Marcelo Miller Barreto

Dissertação de Mestrado submetida ao Departamento de Geografia da Universidade
de Brasília, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do Grau de
Mestre em Geografia, área de concentração Gestão Ambiental e Territorial, opção
Acadêmica.

Aprovado por:

_____________________________________
Ercília Torre Steinke, Doutora (UnB)
(Orientadora)

_____________________________________
Marília Luiza Peluso, Doutora (UnB)
(Examinador Interno)

_____________________________________
Luiz Carlos Baldicero Molion, Doutor (UFAL)
(Examinador Externo)

Brasília-DF, 10 de Julho de 2009

iv

BARRETO, Marcelo Miller
Análise de livros didáticos de geografia do ensino fundamental considerando
diferentes hipóteses sobre o aquecimento global e as mudanças climáticas, 161 p.,
297 mm, (UnB-GEA, Mestre, Gestão Ambiental e Territorial, 2009).
Dissertação de Mestrado ­ Universidade de Brasília. Departamento de Geografia
1. Aquecimento Global

2. Mudanças Climáticas

3. Ensino de Climatologia

4. Ensino de Geografia

É concedida à Universidade de Brasília permissão para reproduzir cópias desta
dissertação e emprestar ou vender tais cópias somente para propósitos acadêmicos
e científicos. O autor reserva outros direitos de publicação e nenhuma parte desta
dissertação de mestrado pode ser reproduzida sem a autorização por escrito do
autor.

______________________________
Marcelo Miller Barreto

v

Dedico este trabalho especialmente
a John Lawrence Miller, quem me
transmitiu valores muito importantes
de moral, ética e bondade.

vi

"A educação para uma vida sustentável é
uma
pedagogia
que
facilita
esse
entendimento por ensinar os princípios
básicos da ecologia e, com eles, um
profundo respeito pela natureza viva".
Fritjof Capra.

vii

AGRADECIMENTOS

Agradeço de coração:

A minha mãe e meu pai que sempre acreditaram
Aos meus avós que me deixaram essa vida como herança
A Vanessa, minha esposa, pelo amor, paciência e apoio em todos os momentos
A minha irmã Déborah pela ajuda imprescindível na reta final do trabalho
Aos amigos Alan, Danniel, Matheus e Isabela, Ricardinho, Rafael e Eloá, Pedro,
Fred, Diogo, Rico, Felipe, Gabriel, Henrique, Waldão e Kênia, Bibiana, Pablo, pela
inspiração e apoio em momentos cruciais
A orientadora Ercília Torres Steinke
Aos colegas, professores e funcionários do Departamento de Geografia ­ GEA
A todos em geral que contribuíram para o bom andamento deste trabalho

viii

RESUMO

O assunto referente ao aquecimento global vem despertando atenção e sendo mais
comentado no meio científico e na sociedade como um todo, devido aos impactos
ambientais atribuídos às mudanças climáticas. As organizações internacionais
buscam a implantação de políticas e medidas com o intuito de combater a
degradação e reduzir o impacto ambiental supostamente criado pelas atividades
antrópicas, principalmente as que resultam nas emissões de dióxido de carbono.
Contudo, ainda há duvidas a respeito da confiabilidade dos dados expostos pelo
Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das
Nações Unidas (ONU) e se as emissões antrópicas são realmente a causa do
aquecimento. Acredita-se que alguns livros didáticos de Geografia abordem o tema
de maneira equivocada mostrando o ser humano como principal causador do
aquecimento, ignorando autores e pesquisadores que propõem um maior cuidado na
abordagem do tema, afirmando que as pesquisas científicas ainda precisam avançar
em suas análises e que os dados, até então expostos, não têm credibilidade para
confirmar a influência antrópica na mudança do clima global. Assim, acredita-se que
a disciplina Geografia no Ensino Fundamental seja essencial para ajudar os jovens
estudantes a ampliar a visão a respeito das mudanças climáticas, as suas causas e
suas conseqüências frente a outros pontos de vista. Apresentando as incertezas
sobre as pesquisas científicas mais difundidas, pretende-se verificar como o tema é
transmitido aos alunos por meio de uma análise crítica dos livros didáticos de
Geografia aprovados pelo MEC para o período entre 2005 e 2008.

Palavras-chave: aquecimento global, mudanças climáticas, ensino de climatologia,
ensino de geografia, impacto ambiental.

ix

ABSTRACT

The issue concerning global warming has been attracting attention and it has been
debated more often in the scientific field and the society, due to the environmental
impact attributed to climate change. The international organizations search for the
implantation of politics and measures aiming at resisting the degradation and
reducing the environmental impact supposedly created by human activities,
especially the ones which result from carbon dioxide emissions. However, there still
remains skepticism regarding the reliability of the data presented by the International
Panel for Climate Change (IPCC) of United Nations Organization (UN) and if the
anthropogenic emissions are really the cause of the global warming. Some
Geography school books approach the subject in an equivocal manner showing
humankind as directly responsible for global warming, ignoring authors and
researchers, who suggest a more careful approach regarding the subject. They
sustain that scientific research is still necessary in order to advance the analysis and
that the data, presented up to now, do not have the credibility to confirm the
anthropogenic influence on the change of the global climate. Therefore, Grade
School Geography teaching is essential to help youngsters to broaden their view
regarding the climate change, its causes and its consequences in face of other
viewpoints. As the uncertainties about the most broadcasted scientific research are
presented in this dissertation, this research intends to verify how the subject is
transmitted to the students, through an analysis of the Grade School Geography
books approved by the Brazilian Ministry of Education for the period between 2005
and 2008.

Key-words: global warming, climate change, climatology teaching, geography
teaching, environmental impact.

x

SUMÁRIO
LISTA DE FIGURAS ................................................................................................... xi
LISTA DE TABELAS .................................................................................................. xii
LISTA DE QUADROS ............................................................................................... xiii
LISTA DE SIGLAS .................................................................................................... xiv
INTRODUÇÃO .......................................................................................................... 15
1. O AQUECIMENTO GLOBAL RELACIONADO AO USO DOS RECURSOS
NATURAIS................................................................................................................ 20
1.1. Entendendo o efeito estufa ............................................................................ 22
1.2. O Papel do CO2 no efeito estufa................................................................... 23
1.2.1. Emissões antrópicas de CO2 ................................................................... 24
1.2.2. Emissões naturais de CO2 ....................................................................... 25
1.3. Entendendo o aquecimento global: diferentes visões do assunto .................. 26
1.3.1. A influência antrópica nas mudanças climáticas...................................... 30
1.3.2. Emissões antrópicas no Brasil ................................................................. 33
1.4. Mudanças climáticas regidas pela natureza ................................................... 37
2. A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE GEOGRAFIA PARA A COMPREENSÃO DOS
FENÔMENOS CLIMÁTICOS .................................................................................... 46
2.1. A crise ambiental global e a educação como agente transformador do
pensamento atual .................................................................................................. 46
2.2. A necessidade da inserção de valores ambientais nos processos
educacionais. ........................................................................................................ 48
2.3. A Geografia escolar como disciplina crítica e transformadora ....................... 50
2.4. O ensino de climatologia no Ensino Fundamental: sua importância para o
entendimento dos fenômenos que contribuem nas mudanças climáticas globais. 55
2.5. A importância do livro didático no processo de aprendizagem ...................... 62
2.6. O livro didático de Geografia .......................................................................... 64
3. METODOLOGIA DA PESQUISA .......................................................................... 70
3.1. Natureza e seleção da amostra da pesquisa ................................................. 70
3.2. Análise dos textos da Coleção ....................................................................... 71
4. ANÁLISE INTERPRETATIVA DAS COLEÇÕES SELECIONADAS DOS LIVROS
DIDÁTICOS .............................................................................................................. 74
4.1. Coleção Estudos de Geografia por Demétrio Magnoli. 1ª ed. São Paulo: Atual,
2008......... ............................................................................................................. 76
4.2. Coleção Geografia Crítica por Willian Vesentini e Vânia Vlach. 32ª ed. 1ª
impressão. São Paulo: Ática, 2008.........................................................................81
4.3. Coleção Trilhas da Geografia por João Carlos Moreira e Eustáquio de Sene.
2ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Scipione, 2007. .................................................. 89
4.4. Coleção Geografia do Século XXI por Francisco Coelho Sampaio. 2ª ed.
Curitiba: Positivo, 2007. ........................................................................................ 95
4.5. Coleção Construindo o Espaço por Igor Moreira e Elizabeth Auricchio. 5ª ed.
1ª impressão. São Paulo: Ática, 2006. ................................................................ 101
4.6. Coleção Geografia ­ Espaço e Vivência por Levon Boligian et al. 2ª ed. 6ª
reimpressão. São Paulo: Atual, 2005. ................................................................. 108
CONSIDERAÇÕES FINAIS E RECOMENDAÇÕES .............................................. 115
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ....................................................................... 118
APÊNDICE(S)......................................................................................................... 123

xi

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 ­ Mudança na temperatura, do nível do mar e na cobertura de neve no
Hemisfério Norte.........................................................................................................31
Figura 2 ­ Ranking de emissões de gases de efeito estufa.......................................34
Figura 3 ­ Emissões de CO2 oriundas da queima de combustíveis fósseis e de
mudança no uso do solo............................................................................................35
Figura 4 ­ Histórico de Temperatura do Hemisferio Norte.........................................39
Figura 5 ­ Oscilação Decadal do Pacífico..................................................................41

xii

LISTA DE TABELAS

Tabela 1 ­ Tabela de Análise das Coleções..............................................................75

xiii

LISTA DE QUADROS

Quadro 1 ­ Entidades e cientistas que estudam o clima e sua posição quanto ao
aquecimento global antrópico.....................................................................................36

xiv

LISTA DE SIGLAS

AR4

­ Quarto Relatório de Avaliação ­ sigla em inglês

CFCs

­ Clorofluorcarbono

EA

­ Educação Ambiental

GEE

­ Gás de efeito estufa

HFC

­ Hidrofluorcarbonos

IDEC

­ Instituto de Defesa do Consumidor

IEA

­ Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo

IPAM

­ Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia

IPCC

­ Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas ­ sigla em
inglês

LDB

­ Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

MEC

­ Ministério da Educação

MMA

­ Ministério do Meio Ambiente

NIPCC

­ Painel Internacional Não-Governamental sobre Mudanças
Climáticas ­ sigla em inglês

ODP

­ Oscilação Decadal do Pacífico

ONU

­ Organização das Nações Unidas

PCNs

­ Parâmetros Curriculares Nacionais

PFC

­ Perfluorcarbono

PNLD

­ Programa Nacional do Livro Didático

PNMC ­ Plano Nacional sobre Mudanças do Clima
ppm

­ Partes por milhão

SRES ­ Relatório Especial dos Cenários de Emissões ­ sigla em inglês
TAR

­ Terceiro Relatório de Avaliação ­ sigla em inglês

WMO

­ Organização de Meteorologia Mundial ­ sigla em inglês

15

INTRODUÇÃO

Nos últimos anos, os impactos ambientais relacionados à utilização dos
recursos naturais de maneira impensada e insensata vêm sendo discutidos, em
âmbito internacional.
Com a grande urbanização decorrente do processo capitalista de produção
de mercadorias e da rápida industrialização, ocorrida principalmente a partir do
século XX, a quantidade de CO2 liberada na atmosfera foi aumentando
gradativamente e, atualmente, é tida como principal influência para o aumento do
efeito estufa natural, gerando um suposto aquecimento global. Assim, muitos dos
problemas ambientais têm sido diretamente relacionados às mudanças climáticas
no planeta, mais precisamente ao aquecimento global.
Desde o início da década de 1990, o tema é uma das questões mais
veiculadas na mídia internacional, mostrando seus impactos negativos para a vida
dos seres humanos. Nas últimas duas décadas, o assunto foi discutido em
conferências e encontros internacionais nos quais foi acordado, entre a grande
maioria das nações do planeta, que as emissões de gás carbônico (CO2)
intensificam o efeito estufa e, assim, aumentam a temperatura do planeta.
A Organização das Nações Unidas (ONU) instaurou a partir de 1988 o
Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, o IPCC, que, completando
20 anos em agosto de 2008, é o principal referencial teórico a respeito dos
estudos realizados no âmbito das mudanças climáticas no planeta. Sua principal
conclusão é de que há realmente um aumento na temperatura da Terra e que
esse aumento está diretamente relacionado às ações antrópicas, principalmente
às altas emissões de gás carbônico (CO2) na atmosfera, o que estaria
intensificando o efeito estufa natural.
O mais recente relatório do IPCC também afirma que "o aquecimento do
sistema climático é inequívoco, como agora fica evidente pelas observações dos
aumentos na temperatura média global do ar e oceanos, amplo derretimento da
neve e gelo, e aumento da média do nível global do mar" (AR4, 2007).
Mesmo que as conclusões feitas pela ONU sejam muito difundidas e
normalmente aceitas, há diferentes teorias a respeito da realidade da influência
antrópica nas mudanças climáticas. O assunto não é abordado de maneira isenta

16

ou clara, pois também existem estudos que confirmam que as emissões de gás
carbônico antrópicas não passam de 3% dos fluxos naturais, mostrando que a
influência das emissões relacionadas às ações humanas é muito pequena.
Com o objetivo de estudar a influência antrópica no aquecimento da Terra
partindo do ponto de vista de que sua influência não seja a principal reguladora do
clima global, um grupo de renomados cientistas, físicos, meteorologistas,
climatologistas se reuniu para a formulação de um relatório que apresenta
informações conclusivas a respeito do controle das ações naturais sobre o
sistema climático da Terra, esse relatório recebeu o nome de NIPCC (Painel
Internacional Não-Governamental sobre Mudanças Climáticas).
Com isso, é possível perceber que existem pelo menos duas vertentes de
pensamento a respeito do assunto apesar da divulgação unilateral. Acredita-se
que os dados a respeito do aquecimento global devam ser analisados de maneira
isenta e com o intuito de fomentar o debate na sociedade, para que o assunto
possa ser entendido da maneira mais correta possível.
A idéia de impacto ambiental muitas vezes vem sendo atribuída
diretamente ao processo de aquecimento do planeta. As políticas de mitigação
voltadas ao combate desse suposto aquecimento são direcionadas à redução das
emissões de gás carbônico (CO2) que geram mudanças nos processos físicos e
químicos da atmosfera, e não à redução dos hábitos consumistas das populações
desenvolvidas e em desenvolvimento, ou à mudança dessa política de exploração
dos recursos naturais ao custo da sustentabilidade. A educação voltada à
compreensão dos processos naturais e da organização humana no planeta é
importante para uma mudança de postura, de atitude da população e dos
governos.
A Geografia como disciplina escolar é de grande importância por
proporcionar o debate a respeito do aquecimento global, pois trabalha o tema em
sala de aula ao abordar os assuntos referentes ao efeito estufa e problemas
ambientais. O livro didático, dentre os demais recursos didáticos, é instrumento
fundamental no trabalho do professor e no processo de aprendizagem do aluno,
contudo os livros podem ser tendenciosos ou apenas mostrar uma das diversas
teorias a respeito de um tema. Assim, se faz necessária uma análise crítica dos

17

livros didáticos de Geografia aprovados pelo MEC, no intuito de entender como as
informações sobre as mudanças climáticas são apresentadas por eles.
Essa pesquisa tem como objetivo geral compreender como as mudanças
climáticas e o aquecimento global são abordados em seis coleções de livros
didáticos de Geografia aprovados pelo Ministério da Educação para o Ensino
Fundamental por meio de uma análise dos livros do período de 2005, 2006, 2007
e 2008 realizada previamente pelo Plano Nacional do Livro Didático (PNLD).
A análise dos livros didáticos será realizada tomando por base a utilização
de fichas de avaliação adaptadas do PNLD de 2008 tendo como referencial
teórico a revisão bibliográfica referente às mudanças climáticas, ao aquecimento
global e às práticas educacionais em Climatologia e em Geografia produzidas
pela pesquisa.
As decisões tomadas a partir dessa assertiva são baseadas nas
informações liberadas pelos relatórios do Painel Intergovernamental sobre
Mudanças Climáticas (IPCC) a respeito do comportamento do clima nos últimos
anos, considerando o estudo de cientistas do mundo inteiro. Partindo da idéia de
que existem, pelo menos, duas teorias a respeito das mudanças climáticas, as
decisões governamentais relacionadas ao clima deveriam ser pensadas
englobando ambas.
Dessa forma é essencial uma educação voltada ao desenvolvimento crítico
do aluno, para que este possa ampliar seu ponto de vista e contribuir para as
tomadas de decisão a respeito do tema. Assim, o livro didático foi escolhido para
a realização dessa pesquisa por ser o recurso didático mais utilizado nas escolas
do país. Entende-se que o aluno deva ser orientado a fazer uma análise crítica
dos conteúdos abordados nos livros, que devem apresentar diferentes linhas de
estudo existentes sobre determinado tema, buscando o debate com o professor,
ao invés da simples absorção de um conteúdo que pode não implicar em ações
reais em seu cotidiano.
O problema que esta pesquisa pretende resolver baseia-se na idéia de que
os livros didáticos de Geografia podem estar apenas perpetuando o que vem
sendo discutido pela ONU, ou seja, mostrando unicamente o ponto de vista do
IPCC que sugere a visão catastrófica de que o ser humano é o principal causador
dos fenômenos climáticos relacionados ao aquecimento global.

18

Entende-se ser necessário que os livros didáticos sejam fontes de
informação e conhecimento que acima de tudo gerem o debate entre professor e
alunos, ao apresentar todas as possíveis teorias e linhas de estudo sobre
determinado tema.
No primeiro capítulo, apresenta-se o referencial teórico a respeito do
aquecimento global e as mudanças climáticas mostrando as teorias que procuram
comprovar a existência das influências antrópicas nas mudanças do clima
comparando-as com as teorias que propõe que as mudanças no clima são
regidas pela natureza, por processos naturais e que cabe aos seres humanos
apenas uma parte muito pequena.
No segundo capítulo, apresentam-se as referências bibliográficas sobre a
importância do ensino da Geografia para a compreensão dos fenômenos
climáticos para que a sociedade tire suas próprias conclusões a respeito da
realidade das informações sobre o tema. Em muitas das informações
relacionadas ao aquecimento global, o senso comum é predominante, deixando
as informações realmente científicas em segundo plano. A Geografia como
disciplina escolar tem o dever e a capacidade de gerar o debate sobre os temas
referentes às mudanças climáticas, trazendo para os alunos dados científicos,
utilizando as bases e conceitos da Climatologia Geográfica para contribuir no
entendimento pelo aluno dos fenômenos climáticos que possam estar levando a
um aumento da temperatura.
Ainda, nesse capítulo, são apresentados os processos pretendidos com o
ensino da Geografia e como esta supostamente deve trabalhar com os alunos
para atingir seus objetivos em sala de aula. Apresenta, ainda, a importância da
inserção de princípios ambientais em todas as disciplinas, mas principalmente na
Geografia. É, ainda, apresentada a importância do livro didático como instrumento
importante para o desenvolvimento dos alunos, mostrando como este deve ser
trabalhado pelo professor no intuito de gerar o debate e o senso crítico nos alunos
do Ensino Fundamental.
No terceiro capítulo, está disposta a metodologia que permeou o
desenvolvimento da análise das coleções escolhidas, apresentando os processos
utilizados para este fim.

19

No quarto capítulo, são apresentados e discutidos os resultados das
análises das seis coleções de livros didáticos de Geografia escolhidas para a
verificação, mostrando como as informações sobre "aquecimento global" e
"mudanças climáticas" estão sendo apresentadas nos livros, principalmente nos
capítulos que se referem aos estudos do efeito estufa ou impactos ambientais.
Nas Considerações Finais são expostas as conclusões feitas com o
resultado alcançado com a pesquisa, assim como a proposição de abordagens
sobre a maneira como o aquecimento global e as mudanças climáticas devem ser
transmitidos nos manuais de Geografia.

20

1. O AQUECIMENTO GLOBAL RELACIONADO AO USO DOS RECURSOS
NATURAIS
O homem sempre utilizou os recursos naturais para sobreviver e melhorar
sua qualidade de vida. Ele se torna, a partir de sua socialização, um ser diferente,
buscando ,,dominar a natureza com a criação de técnicas e métodos, como
mostra Ross (2003: 212) quando afirma que:
A evolução progressiva do homem como ser social mostra que,
quanto mais ele evolui tecnicamente, menos se submete às
imposições da natureza. Deste modo, se, por um lado, o homem
como animal é parte integrante da natureza e necessita dela para
continuar sobrevivendo, por outro, como ser social, cada dia mais
sofistica os mecanismos de extrair da natureza recursos que, ao
serem aproveitados, podem alterar de modo profundo a
funcionalidade harmônica dos ambientes naturais

Com a evolução do conhecimento humano, atividades de subsistência
foram sendo trocadas por relações de troca e comércio, sendo difundidas por todo
o planeta, intensificando o acúmulo de bens materiais. Esse processo levou a um
gradativo avanço nos modos de produção de mercadorias facilitando assim, o
transporte e a comunicação entre pessoas e produtos. O processo de
industrialização crescente, juntamente com o avanço técnico científico (séculos
XVIII, XIX e XX) nos países ricos ou pobres, modificou e agrediu a natureza em
detrimento de benefícios à vida humana (Ibidem, 2003: 213).
É, então, no século XX que se consolida o sistema capitalista
contemporâneo, que se baseia em um processo econômico que proporciona
melhores condições de distribuição e produção em um mercado livre para o lucro,
por meio do qual as grandes empresas, mais eficientes, fabricam cada vez mais
produtos para um mercado em expansão aumentando a renda de determinada
parte da população, melhorando assim, sua qualidade de vida e mantendo-a
pronta para utilizar sua mão de obra especializada. Não há falta generalizada de
qualquer produto, quando acontece escassez de algo, logo surge outro produto
em substituição. Existe um pensamento voltado ao meio ambiente, contanto que
não atrapalhe o crescimento econômico e altere o alto padrão de vida das
pessoas (elite) (HAWKEN et al., 2005: 06).

21

É possível notar que o capitalismo busca atingir o lucro em curto prazo, não
importando as conseqüências que isso possa acarretar para o equilíbrio do
sistema terrestre. "O capitalismo, tal qual vem sendo praticado, é uma aberração
lucrativa e insustentável do desenvolvimento humano" (Ibidem, 2005:04).
A busca incessante pelo lucro em curto prazo faz com que os recursos
naturais sejam utilizados sem qualquer planejamento, criando um risco para a
manutenção do sistema terrestre. Segundo Porto-Gonçalves (2006: 20) "(...)
estamos diante, nesses últimos 30-40 anos de globalização neoliberal, de uma
devastação do planeta sem precedentes em toda historia da humanidade". A
qualidade de vida, proporcionada pelo capitalismo e almejada pela população é
tida como prioridade, mas se concretiza sem estudos prévios tornando-a mais
cara, mais poluidora e com impactos ambientais maiores.
O processo de melhorias técnicas na extração dos recursos naturais tem
acarretado impactos ambientais relacionados com a intensificação dos processos
de agricultura de monocultura que utiliza um maquinário enorme; da pecuária, que
utiliza grandes áreas, antes de florestas, para o pasto; dos processos de extração
dos recursos energéticos como o petróleo e o carvão mineral; da extração de
recursos minerais como o ouro, alumínio, ferro, cobre, manganês, entre outros.
Esse processo que busca a qualidade de vida de parcela da população é
significativamente nocivo para o ambiente da Terra (ROSS, 2003: 213).
O aumento da produção e o desenvolvimento do capitalismo aumentaram
demasiadamente o uso dos combustíveis fósseis a partir de meados do século
XX, gerando uma grande quantidade de emissões de gases de efeito estufa na
atmosfera, principalmente o gás carbônico (CO2).
O aquecimento global é tido como principal resultado das mudanças
climáticas no planeta, que é caracterizado pelo aumento na temperatura media da
superfície da Terra em quase 1º C nos últimos 100 anos, causado principalmente,
segundo o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), pelo
aumento nas emissões de gás carbônico (CO2) no último século.
Contudo, o sistema climático é complexo e, por isso, acredita-se que as
discussões, a respeito das causas desse aquecimento, precisem ser fomentadas
por mais cientistas. Assim, é importante divulgar outras teorias de como funciona
o efeito estufa e mostrar sua importância para a manutenção da vida no planeta.

22

1.1. Entendendo o efeito estufa
O clima sempre afetou a vida do ser humano, seja de maneira positiva ou
negativa. Muitas mudanças climáticas foram registradas por historiadores em
épocas passadas, porém, em âmbito mais regional, mostrando que essas
mudanças podem ter sido responsáveis até pelo desaparecimento de alguns
povos e civilizações (HAWKEN et al, 2005).
Entender o efeito estufa é primordial para a compreensão dos eventos
climáticos que são relacionados às mudanças climáticas. A fonte principal de
energia do planeta é o Sol, ou seja, a radiação solar que chega à Terra. O efeito
estufa é responsável por regular a temperatura do planeta, mantendo na
atmosfera uma parte do calor que é capturado por gases, chamados gases de
efeito estufa. Os gases mais importantes são o vapor dágua, o dióxido de
carbono (CO2), o metano (CH4), o óxido nitroso, (N2O), o ozônio (O3), o
perfluorcarbono (PFC), os hidrofluorcarbonos (HFC), e os compostos de
clorofluorcarbono (CFCs).
No processo do efeito estufa, parte dos raios solares é refletida pela Terra
e pela atmosfera, a outra parte passa pela atmosfera e atinge a superfície
terrestre onde parte é absorvida pela mesma. A superfície, por sua vez, emite
radiação infravermelha (calor) onde uma parte dela passará pela atmosfera e
outra parte será absorvida e re-emitida em diversas direções pelas moléculas dos
gases de efeito estufa, principalmente o vapor dágua e o gás carbônico (CO 2),
tendo como efeito o aquecimento da superfície da Terra e da baixa atmosfera
(troposfera), onde fica retida boa parte da radiação infravermelha (PORTOGONÇALVES, 2006).
De acordo com o IPCC o CO2, o metano e o óxido nitroso são gases de
efeito estufa de longa vida, pois permanecem por décadas na atmosfera
generalizando seu efeito, entretanto, há pesquisas que propõem que eles
permaneçam apenas de 5 a 8 anos na atmosfera. Importante também é
compreender que o vapor dágua é o mais poderoso gás de efeito estufa se
tomado individualmente, pois tem um eficiente mecanismo de retroalimentação
em relação à temperatura. Com menos vapor dágua, menos efeito estufa e maior

23

resfriamento; e com mais vapor dágua, mais efeito estufa e maior aquecimento
(OLIVEIRA apud VEIGA, 2008: 25).
Por ter essa característica de manter o planeta aquecido, o efeito estufa, é
responsável por manter a temperatura média do planeta em torno de 15 ºC, que é
considerada a temperatura ideal para a manutenção da vida como nós a
conhecemos hoje (CUNHA, 1997: 34).

1.2. O Papel do CO2 no efeito estufa
É importante ressaltar que o CO2 é um dos gases contribuidores para a
manutenção do efeito estufa sendo responsável por reter o calor emitido pela
superfície terrestre. Porém, é sabido que o gás carbônico é "o segundo gás de
efeito estufa (GEE) em importância, com concentração até 100 vezes inferior à do
vapor d'água" (MOLION, 2007).
Apesar do gás carbônico não ser o principal gás de efeito estufa (GEE),
muitos cientistas e organizações internacionais apontam que a quantidade
liberada, pela ação humana, de dióxido de carbono está muito elevada, em
relação aos níveis normais do planeta, fazendo com que mais radiação
infravermelha seja retida, criando assim, um aquecimento global de escala nunca
antes vista.
Porém, um fato que atualmente vem sendo percebido é que "menos do que
a metade do CO2 emitido pela queima de combustível fóssil permanece na
atmosfera; o resto é absorvido pelos oceanos ou incorporado pela biosfera
terrestre em medidas iguais" (BAKER apud SINGER, 2008: 21).
Apesar de pesquisas anteriores sobre o aumento da temperatura global
terem sido realizadas anteriormente como Arrhenius (1896) e Callendar (1938),
esse grande aumento nas emissões de CO2 foi constatado em 1990 quando mais
de 2000 estudiosos do clima do mundo trabalharam no relatório do IPCC, e
concluíram que o planeta se aqueceu nos últimos 100 anos. Os cientistas tinham
o conhecimento na época de que, claramente, esse aquecimento global
registrado tinha uma contribuição das atividades humanas. Uma nova versão do
IPCC, de 1995, confirmou as teorias construídas em 1990 (PORTOGONÇALVES, 2006: 333).

24

Segundo estudos realizados pela Organização de Meteorologia Mundial
(WMO) lançados no Statement on the Global Climate (Relatório sobre o Clima
Global) em dezembro de 1998, o ano em questão (1998) foi registrado como o
ano mais quente das história da humanidade, desde que começaram os registros,
e os 10 anos mais quentes do último século ocorreram todos desde 1983 (Ibidem,
2006: 334).
1.2.1. Emissões antrópicas de CO2
Com a grande industrialização decorrente do processo capitalista de
produção de mercadorias e do aumento do processo de urbanização, ocorrido
principalmente a partir do séc. XX, a quantidade de CO 2 liberada na atmosfera foi
aumentando gradativamente, e, de acordo com muitos cientistas, pode estar
intensificando o efeito estufa.
Uma das maiores agressões ao meio ambiente atualmente é a alta
emissão de dióxido de carbono na atmosfera, devido à queima de combustíveis
fósseis como o carvão mineral e o petróleo, o que pode estar alterando o
mecanismo do efeito estufa e mudando a dinâmica climática terrestre. "A queima
de combustíveis fósseis, com a liberação do CO2 e CO na atmosfera, acarreta
conhecidos problemas ambientais, sendo a maior responsável pelo aumento do
efeito estufa do planeta, e, portanto, do aquecimento global" (CORDANI e TAIOLI,
2003: 525).
No período após o advento da maquina a vapor, até ser atingido o estado
atual do uso exacerbado de combustíveis fósseis, os níveis de CO2 que eram
estimados, anteriormente a Revolução Industrial, em 280 partes por milhão (ppm),
subiram para 317 ppm em 1960, passando para um índice de 368 ppm em quatro
décadas (PORTO-GONÇALVES, 2006: 327). Esse aumento supostamente se
deu devido à queima de combustível fóssil que transforma, anualmente, cerca de
6,5 bilhões de toneladas de carbono, fixado pela fotossíntese de antigos pântanos
e enterrado profundamente na forma de carvão mineral, petróleo e gás natural,
em dióxido de carbono (HAWKEN et al. 2005: 219).
A geração de energia, utilizando os combustíveis fósseis para dar suporte
aos processos capitalistas, tem um custo alto para o meio ambiente e, portanto,

25

para os seres humanos, estando, sim, relacionados, como afirma Goldemberg
(2003: 85):

Apesar do potencial da energia para melhorar a qualidade de vida
humana ser inquestionável, a produção de energia convencional e
o seu consumo estão intimamente relacionados com a
degradação do meio ambiente. Esta degradação ameaça a saúde
humana e a qualidade de vida, além de afetar o equilíbrio
ecológico e a diversidade biológica.

1.2.2. Emissões naturais de CO2
Sabe-se que o ser humano não é o único responsável pelas emissões de
gases de efeito estufa. Existem outras fontes de emissões naturais que são
conhecidas pelos cientistas e que podem contribuir para o efeito estufa,
aumentado o aquecimento global e contribuindo para dificultar a permanecia do
homem no planeta.
O vulcanismo é um exemplo por meio do qual é possível perceber que ser
humano não é o único responsável pelas emissões de CO 2 no planeta. Teixeira
(2003: 373) afirma que:
Há evidencias de que as erupções vulcânicas afetam o
comportamento do clima em curtos períodos de tempo e
possivelmente influenciando as alterações de longa duração,
inclusive no aquecimento global. Isto poderia causar no futuro, por
exemplo, o degelo das calotas polares com conseqüente subida
do nível dos oceanos, trazendo efeitos catastróficos para
habitantes de cidades como Rio de Janeiro, Buenos Aires, Tóquio,
Los Angeles e Nova Iorque, entre tantas outras situadas em
litorais.

Segundo Molion (2007), "erupções vulcânicas explosivas lançam grandes
quantidades de aerossóis na estratosfera, aumentam o albedo planetário e podem
causar resfriamento significativo durante décadas. O efeito de uma erupção é
sentido rapidamente e em curto prazo".
Duas erupções em particular alteraram rapidamente o clima no final do
século passado, a do Monte El Chichon, México (1982) e do Monte Pinatubo,
Filipinas (1991) que causaram um resfriamento durante 3 anos entre as latitudes

26

40ºN-40ºS, com até 0,5ºC abaixo da média (CHRISTY e SPENCER, apud
MOLION, 2007).
Considera-se importante perceber que a Terra é um sistema que, com
cerca de 4,6 bilhões de anos, já passou por diversas fases diferentes. Isso pode
ser explicado por Fairchild (2003: 495) quando afirma que:
[...] a Terra é um planeta dinâmico, em que mudanças, em
diversas escalas temporais, são a norma. É normal, portanto, que
o clima mundial esquente ou esfrie, permitindo o avanço ou o
degelo das calotas polares, que o nível do mar suba ou desça,
redesenhando toda a linha de costa, perturbando ecossistemas
costeiros e até ribeirinhos e modificando o clima; é também
normal que os continentes se afastem ou se aproximem e que
espécies evoluam e sejam extintas, continuamente, em função
dessas mudanças [...] Mas isto não é problema para a mãenatureza, pois ela já sobreviveu a inúmeras crises sem a presença
do ser humano, pois a vida é extremamente oportunista [...]

1.3. Entendendo o aquecimento global: diferentes visões do assunto
Ainda há muito a aprender sobre a dinâmica do planeta, pois "mesmo com
mais de seis mil anos de história da civilização documentada por escrito, é fato
que o ser humano, desde que se socializou, ainda não experimentou toda a
variedade e magnitude dos fenômenos geológicos mais comuns da Terra"
(FAIRCHILD, 2003: 495).
Fenômenos

como

esses

podem

ser

colocados

pelos

meios

de

comunicação como catástrofes eminentes, porém,
Pode-se pensar ainda nas muitas vezes em que o mundo foi palco
de inundações, secas ou furacões tidos como únicos na memória
do povo local ou nos registros históricos das regiões afetadas.
Embora esses eventos nos pareçam muito raros no contexto de
nossas vidas, são muito comuns, até corriqueiros, na história
geológica (Ibidem, 2003: 495).

Afirmações como essas mostram que os acontecimentos ocorridos na
superfície terrestre têm um ciclo geológico que normalmente não é entendido pela
população, em geral, por se tratar de um ciclo natural com durações de milhares,
às vezes milhões de anos, um período de tempo muitas vezes tido como
inimaginável.

27

No caso do aquecimento global, cientistas como Fairchild (2003: 516)
afirmam que o planeta está passando por uma fase de alternâcias climáticas onde
a tendência é de aquecimento, tendendo posteriormente a um novo resfriamento,
culminando em uma nova era glacial daqui a 80 milhões de anos. Há, ainda,
evidências propostas por Singer (2008) que mostram que a maior parte do
aquecimento moderno é devido a causas naturais.
Partindo do pressuposto de que as influências antrópicas não são as mais
importantes, é proposto pelo autor que as oscilações internas têm grande papel
nas mudanças climáticas, contudo não podem ser preditas ainda. Ele ainda
propõe que o papel das influências do Sol sobre o clima não podem ser
negligenciadas como vêm sendo feito pelo IPCC.
Fenômenos naturais e emissões naturais de gás carbônico também são
responsáveis por mudanças na dinâmica climática terrestre, impactando na vida
do ser humano de alguma forma. Há evidências que apresentam a ocorrência de
fenômenos climáticos relacionados ao aumento da temperatura global, tais como
a diminuição da espessura e da área das calotas polares, o aumento nos níveis
das águas dos oceanos e mares, a exposição de grandes áreas de solo antes
permanentemente congeladas, assim como o registro de tufões, furacões e
trombas dágua, entre outros (PORTO-GONÇALVES, 2006: 334), contudo a
origem desses fenômenos climáticos não pode ser constatada de forma
contundente.
Desde o primeiro relatório do IPCC em 1990, as projeções avaliadas
sugeriram aumentos da temperatura média global entre cerca de 0,15ºC e 0,3ºC
por década para o período de 1990 a 2005 (AR4, 2007). Os dados apresentados
previamente mostram que houve um aumento na temperatura média da Terra e
um aumento na concentração de gás carbônico na atmosfera, é necessário saber
se ambos estão relacionados e até que ponto essa relação é real.
O aquecimento global tem sido apontado como um dos grandes vilões
contemporâneos a respeito da degradação e impactos ambientais relacionados
com as ações humanas na Terra. Tem se tratado muito sobre o aquecimento
global nos meios de comunicação, nas escolas e universidades em âmbito
nacional e internacional.

28

No entanto, é preciso entender que existem diferentes teorias a respeito do
aquecimento, mostrando que diversas correntes de cientistas estudam o
fenômeno e que os mesmos possuem diferentes opiniões. Entende-se que é
preciso observar todos os fatos para tirar conclusões que não sejam precipitadas
e nem tendenciosas.
É necessário que se estude os conceitos climáticos, por exemplo, da
variabilidade climática e como ela se diferencia das mudanças climáticas. O termo
"variabilidade climática" é utilizado para classificar as variações de clima
relacionadas aos condicionantes naturais do planeta e suas interações, daí a
denominação de variabilidade natural do clima. As "mudanças climáticas" são
alterações nessa variabilidade natural do clima devido às atividades humanas.
Dessa forma, é necessário identificar se está ocorrendo alteração na variabilidade
natural para se poder afirmar que está havendo mudança climática.
De acordo com a Organização de Meteorologia Mundial (WMO), o
comportamento dos fenômenos atmosféricos não é igual todos os anos. Ocorrem
variações de décadas com flutuações verificadas a curto, médio e longo prazo.
Segundo Conti (apud Steinke, 2004) é possível distinguir as categorias de
variação da forma a seguir:

Mudança climática: termo geral que abrange toda e qualquer
manifestação de inconstância climática, não dependente de sua
natureza estatística, escala temporal ou causas físicas;
Flutuação climática: correspondente a qualquer forma de mudança
sistemática, regular ou irregular, caracterizada pelo menos por duas
máximas (ou mínimas) e uma mínima (ou máxima) observadas no
período de registro;
Variação climática: é uma flutuação cujas características, em escala
temporal, são suficientemente longas para resultar em diferença
apreciável

entre

médias

(ou

normais)

sucessivas,

geralmente

observada na escala de décadas;
Oscilação climática: é uma flutuação na qual a variável tende a se
mover gradual e suavemente entre máximas e mínimas sucessivas;

29

Variabilidade climática: maneira pela qual os parâmetros climáticos
variam no interior de um determinado período de registro, expressos
através de desvio padrão ou coeficiente de variação.
Existem diversos conceitos que precisam ser estudados, tanto pelo aluno
quanto pelo professor, de acordo com Steinke (2004):
Estas definições refletem as dificuldades existentes em separar os
efeitos das atividades humanas no clima e a sua variabilidade
natural, sobretudo, porque o sistema climático é extremamente
complexo, sua dinâmica ainda não é completamente
compreendida, por mais que se tenha avançado no conhecimento
sobre o sistema Terra-Atmosfera.

O assunto muitas vezes é tratado de maneira a exaltar as tragédias e criar
certo pânico na população em geral. Não se pode esquecer que o estado de
pânico pode ser utilizado como forma de dominação ideológica. Existe uma
tendência de mostrar que o mundo está se encaminhando ao fim, que a raça
humana está vivendo seu maior desafio em busca da preservação da espécie.
Spencer (2008: 11) afirma de maneira sarcástica que:
Caso você não tenha notado, todos os desastres naturais são
agora causados pelo aquecimento global. Tsunamis, furacões,
tornados, ondas de calor e tempestades de neve estão todos
sendo culpados pelo uso antrópico dos combustíveis fósseis. As
últimas enchentes e secas foram ambas causadas pelo
aquecimento global.

O autor ainda afirma que a "teoria do aquecimento global antrópico foi
elevada a uma lei da física, provada além de qualquer dúvida, e supostamente
agora nos dá uma forma unificada de explicar qualquer mudança que vemos na
natureza" (Ibidem, 2008: 12) mostrando que já parece haver uma única maneira
de se perceber as mudanças climáticas, sem que sejam necessários mais
estudos a respeito disso, ou a discussão de outras teorias.
Acredita-se ser necessário um maior debate a respeito das mudanças
climáticas e seus impactos no planeta, para que decisões que irão ter impactos
diretos na vida das pessoas não sejam tomadas com base em informações que
não foram amplamente discutidas.

30

1.3.1. A influência antrópica nas mudanças climáticas
A principal fonte de informação referente ao tema "aquecimento global" é o
Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, o IPCC e foi criado com o
intuito de fornecer, a quem toma as decisões políticas e pessoas interessadas na
mudança do clima, uma fonte objetiva de informações sobre as mudanças
climáticas.
O IPCC não conduz nenhuma pesquisa nem monitora dados ou
parâmetros relacionados às mudanças climáticas. Seu papel é avaliar de maneira
compreensiva, objetiva, aberta e transparente a literatura científica, técnica e
socioeconômica mais recente produzida no mundo e que é relevante ao
entendimento do risco das mudanças climáticas de origem antrópica (sítio IPCC,
2008).
Os relatórios do IPCC devem ser neutros e devem ter altos padrões
científicos e técnicos. Em relação às mudanças climáticas, o 4º relatório produzido
pelo IPCC afirma que:
O entendimento sobre as influências antropogênicas
aquecimento e resfriamento no clima melhoraram desde o
relatório, levando a uma confiança muito grande que a média
efeito global das atividades humanas desde 1750 têm sido
aquecimento [...] (AR4, 2007).

de

do
de

É fato que o planeta está ficando mais populoso, e conseqüentemente,
mais industrializado para que as demandas possam ser atingidas. Com isso, o
nível de CO2 na atmosfera vem crescendo e estaria influenciando na
intensificação do efeito estufa e, segundo o IPCC, é o principal responsável pelo
aumento da temperatura média global, do nível do mar e da diminuição da
cobertura de neve no Hemisfério Norte (Figura 1). "A maior parte do aumento das
temperaturas médias globais observadas desde meados do século XX é muito
provável que seja devido ao aumento observado nas concentrações de gases de
efeito estufa antropogênicas" (Ibidem, 2007).
O relatório utiliza principalmente pesquisas que estudam as temperaturas e
a composição da atmosfera em períodos anteriores com base nas informações
retiradas de testemunhos de gelo,

31

Existem evidências de que haja uma grande correlação entre a
concentração de dióxido de carbono na atmosfera e as flutuações
climáticas no longo prazo. Por meio das variações na
concentração de dióxido de carbono contida nas bolhas de ar das
camadas de gelo, por exemplo, pode se reconstruir as variações
de temperaturas de até 420.000 anos atrás. Essa relação pode
ser ilustrada pela camada de gelo de Vostok, no leste da Antártida
(NOBRE apud DINIZ, 2005: 09)

Figura 1. Mudança na temperatura, nível do mar e cobertura de neve no
Hemisfério Norte. (fonte: IPCC, 2007)

O relatório de 2007 afirma, ainda, que as emissões naturais possivelmente
não são a causa do aquecimento global e que:

32

A grande difusão observada do aquecimento da atmosfera e
oceanos, juntamente com a perda de massa de gelo, apóia a
conclusão de que é extremamente pouco provável que a mudança
climática global nos últimos 50 anos possa ser explicada sem
forças externas, e muito provável, que não seja devido apenas a
causas naturais conhecidas (AR4, 2007).

O Painel foi criado há 20 anos e produziu até hoje quatro relatórios oficiais
sobre a condição das mudanças climáticas no planeta, o último lançado em
fevereiro de 2007. Assim, os relatórios anteriores foram melhorados e questões
antes não analisadas, como a radiação advinda de explosões de grandes estrelas
em outras galáxias, a influência do albedo planetário, foram incluídas nos
relatórios subseqüentes.
Um dos pontos cruciais do relatório é a projeção futura da influência das
ações antrópicas na dinâmica climática, tendo grande influência para as tomadas
de decisão de governos e entidades em longo prazo e na elaboração de projetos
de mitigação. O relatório afirma que a situação do planeta no que diz respeito às
mudanças climáticas é ruim e que
Pelas próximas duas décadas um aquecimento de cerca de 0.2ºC
por década está projetado para uma série dos cenários de
emissões do SRES (Relatório Especial dos Cenários de
Emissões). Mesmo se as concentrações de todos os gases de
efeito estufa e aerossóis fossem mantidos constantes nos níveis
do ano 2000, um aquecimento posterior de cerca de 0.1ºC por
década seria esperado (Ibidem, 2007).

Ainda é proposto pelo Painel que mesmo que as ações mitigadoras sejam
postas em prática a

Contínua emissão de gases de efeito estufa nas mesmas taxas ou
maiores do que as atuais causariam um aquecimento posterior e
induziriam muitas mudanças no sistema climático global durante o
sec. XXI que muito provavelmente seriam maiores do que aquelas
observadas durante o sec. XX (Ibidem, 2007).

Sendo uma verificação das informações científicas relacionadas às
mudanças climáticas, o Painel da ONU, é confirmado pelos milhares de cientistas
que trabalham no projeto, e por diversos outros autores, como é o caso de
Lomborg (2007) que afirma categoricamente que "o aquecimento global é real e

33

antrópico. Terá um sério impacto sobre os humanos e o ambiente até o fim desse
século".

1.3.2. Emissões antrópicas no Brasil

O Brasil é considerado atualmente o 4º maior emissor de gases de efeito
estufa do planeta (Figura 2), sendo o principal gás o CO2. Nobre (2001) afirma
que "no Brasil, análises das observações de temperatura indicam pequeno
aumento das temperaturas do ar à superfície, durante o século XX, compatíveis
com o aquecimento global experimentado pelo planeta", mostrando que a
tendência é a de aquecimento e que o país sofreria o impacto de severas
mudanças climáticas, sendo que

(...) as mais significativas para o país são o aumento de
temperatura, modificações nos padrões de chuvas e alterações na
distribuição de extremos climáticos tais como secas, inundações,
penetração de frentes frias, geadas, tempestades severas,
vendavais, granizo etc. Evidências científicas recentes apontam
para uma intensificação da variabilidade climática associada a
eventos El Niño/La Niña em função do aumento do efeito estufa
(Ibidem, 2001).

Embora o país esteja em desenvolvimento, o número das emissões de
gases de efeito estufa relacionado ao aumento da industrialização, não é o que
chama a atenção, pelo contrário "grande parte das emissões brasileiras provem
de desmatamentos na Amazônia, que vem substituindo a floresta por pastagens,
com pequena produtividade e curta duração" (FEARNSIDE, 1997).
O desmatamento contribui muito para o aquecimento global, e o
desmatamento da floresta Amazônica brasileira emitiu entre 258-270 milhões de
toneladas de CO2 por ano no período entre 1988 a 1994. "Gases são emitidos
pelo desmatamento através da queima e decomposição de biomassa, do solo,
exploração florestal, usinas hidrelétricas, gado e as repetidas queimadas de pasto
e florestas secundárias" (Idem, 2005).
Em estudos mais recentes, Fearnside (2006) ainda afirma que

O efeito estufa já aumentou em 0,7ºC a temperatura média do ar
na superfície da Terra, fazendo subir também a temperatura da

34

água dos oceanos. O aquecimento não é constante sobre a
superfície do planeta, mas pode causar o aparecimento de
manchas mais quentes em determinados pontos, (...) a elevação
até agora (0,7ºC) representa apenas um quinto do aumento médio
estimado até o final deste século, de 3,5ºC. As previsões para
esse aumento variam de 1,5 a 5,8ºC, dependendo dos cenários
futuros das emissões de gases estufa por atividades humanas.

Figura 2. Ranking de emissões de gases de efeito estufa. (fonte: IPAM, 2008).

No Brasil, a Floresta Amazônica é tida como grande contribuinte na
emissão de gases de efeito estufa, seja pelo número elevado de queimadas ou
pela mudança no uso do solo (Figura 3), através do desmatamento, plantio de
soja ou pecuária.

As mudanças no uso do solo contribuem para as mudanças
climáticas de diversas maneiras. Mudanças climáticas afetadas
pelo desmatamento incluem precipitação reduzida devido a uma
redução na reciclagem da água, especialmente na estação seca.
A água reciclada pela Floresta Amazônica dá uma contribuição
substancial para a precipitação nas áreas do Centro e Sul do país
(FEARNSIDE, 2005).

Partindo da aceitação da teoria apresentada pelo IPCC e dos estudos
realizados no país sobre queimadas e mudança no uso do solo, o Governo

35

Brasileiro tornou-se signatário do Protocolo de Kyoto, se prontificando a reduzir as
emissões de CO2 e outros gases de efeito estufa.

Figura 3. Emissões de CO2 advindas da queima de combustíveis fósseis e de
mudanças no uso do solo. (fonte: IPAM, 2008).

O país produziu um Plano Nacional sobre Mudanças do Clima (PNMC) em
2008, no intuito de elaborar estratégias para o presente e o futuro do
desenvolvimento nacional. O Plano afirma que:
O aquecimento do planeta pela interferência humana, apesar de
incerto quanto à sua magnitude, tornou-se um fato aceito pela
comunidade científica. Para isto, contribuiu o Quarto Relatório do
Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC),
publicado em 2007. Por ser global, o problema une a todos em
torno de si, na busca por caminhos e soluções que permitam que
a civilização continue a prosperar em sua trajetória futura (PNMC,
2008).

Buscando a participação da população no processo de tomadas de
decisão, o Plano afirma que "as escolhas são feitas à medida que a sociedade
reconhece o problema, compreende a dinâmica das múltiplas forças que o
provocam, define-se como parte da solução e se vê como beneficiária das

36

decisões tomadas" (Ibidem, 2008) mostrando a importância da opinião pública no
processo de tomada de decisão feito pelos políticos.
Seguindo as definições apresentadas pelo Quarto Relatório do IPCC, o
Governo Brasileiro tem, como objetivo, ao implementar o PNMC, "identificar,
planejar e coordenar as ações e medidas que possam ser empreendidas para
mitigar as emissões de gases de efeito estufa geradas no Brasil, bem como
aquelas necessárias à adaptação da sociedade aos impactos que ocorram devido
à mudança no clima" (Ibidem, 2008).
O Brasil já está se preparando para enfrentar os possíveis impactos
provenientes de um maior aquecimento, com base na idéia de que a influência
antrópica é tida como fato científico incontestável. Porém, a teoria que sustenta a
influência humana nas mudanças climáticas ainda é muito criticada no meio
científico, não devendo ser transmitida de maneira unilateral como vem sendo
feito pela ONU.

Entidades e cientistas que estudam o clima e sua posição quanto ao aquecimento global antrópico
A FAVOR

Intergovernm ental Panel on Clim ate
Change (IPCC) das Nações Unidas;
A Academ ias nacionais de Ciências dos
países do G8, Brasil, China e Índia;
A Am erican Meteorological Society;
A Am erican Geophysical Union;
A Am erican Association for the
Advancem ent of Science (AAAS);
A Union of Concerned Scientists.

CONTRA
Patrick Michaels do Departm ent of Environm ental Sciences at the
University of Virginia;
Robert Balling of Arizona State University;
Sherw ood B. Idso do U.S. Water Conservation Laboratory;
S. Fred Singer, físico atm osférico da University of Virginia;
Richard Lindzen do Massachusetts Institute of Technology;
Frederick Seitz;
William M. Gray, professor em érito da Colorado State; University
expertos m undial em tem pestades tropicais.
Roy Spencer m onitora tem peratura por m edidas de satélites;
Marcel Leroux Professor de Clim atologia da Universidade; Jean Moulin,
Lyon III, França, diretor do Laboratório de Clim atologia do CNRS;
Luiz B Molion Departam ento de Meteorologia, UFAL ­ AL (Destaca a
im portância m aior na variabilidade clim ática aos m ares, vulcões e
atividade solar);
Kary Mullis, bioquím ico inventor da replicação do DNA;
Andrey Illarionov, assessor econom ia de Vladim ir Putin;
Ross McKitrick professor econom ia;
Michael Crichton, autor ficção científica e critico da politicizção da
ciência;
David Bellam y, ecologista britânico;
Ann Coulter colunista am ericano;
Steven Milloy, colunista FOX New s, publica JunkScience;
Inform ation Council on the Environm ent (extinto) Michaels, Balling and
Idso participavam ;
Center for the Study of Carbon Dioxide and Global Change
Science and Environm ental Policy Project, fundado por S. Fred Singer.

Quadro 1. Principais entidades internacionais e cientistas que estudam o clima no mundo
e sua posição quanto ao aquecimento global antrópico. (fonte: Verdesio, Juan José,
2009. com adaptações).

37

O IPCC é a fonte oficial de informações sobre o aquecimento global e as
mudanças climáticas. Contudo, diversos cientistas e estudiosos do clima como
Singer, Seitz, Spencer, entre outros (Quadro 1) contestam algumas afirmações do
Painel. Alguns discordam que o aquecimento é influenciado diretamente pelas
ações antrópicas, outros como Lomborg (2007) concordam que as ações
humanas estão mudando o clima, porém não concordam com a maneira como as
informações são transmitidas e nem com as políticas mitigadoras propostas pela
organização.

1.4. Mudanças climáticas regidas pela natureza

É sabido que a Organização das Nações Unidas (ONU) é responsável por
financiar diversas pesquisas, entre elas a criação do Painel Internacional de
Mudanças Climáticas (IPCC) que, reunindo mais de 2000 cientistas em busca de
dados a respeito das mudanças climáticas globais, concluiu, em seus primeiros
estudos, que não havia, de maneira eficiente, como quantificar a influência
humana sobre o clima global, mas que estava claro que essa influência existia
(CUNHA, 1997: 46).
Uma forte crítica ao relatório do IPCC de 1995, que sintetizou o
conhecimento científico mundial sobre mudanças climáticas globais, vem do
cientista Frederick Seitz. Por ser reconhecido no meio científico, sua crítica
alcançou certa repercussão. Segundo ele, a conclusão do relatório da reunião de
Madrid de novembro de 1995 foi forjada e, na realidade, mostrou, com base nos
seus rascunhos da reunião, que

[...] a conclusão certa era de que não se pode detectar influência
da atividade humana sobre as mudanças do clima global. E essa
conclusão tem muitos interesses econômicos por trás,
particularmente no que se relaciona com a necessidade de
políticas de controle das emissões dos chamados gases de estufa
(Ibidem, 1997: 45).

As afirmações do IPCC são de extrema importância, pois criam padrões
que devem ser utilizados e metas a serem atingidas pelos países membros, como
o exemplo do Brasil que recentemente publicou seu Plano Nacional sobre

38

Mudanças Climáticas. No entanto há um grupo de cientistas que não concorda
totalmente com as informações transmitidas pela ONU, pois essas, devido ao seu
poder político, podem ser manipuladas para o benefício dos países mais
desenvolvidos como afirmam Cordani e Taioli (2003: 523) quando propõe que

[...] as organizações internacionais, inclusive a própria ONU,
acabam priorizando os interesses das nações desenvolvidas, com
maior poder de influência, cujos problemas internos contrastam
com os das nações em desenvolvimento e, paradoxalmente, são
as que mais exercem pressão sobre o ambiente global, com seus
altos índices de consumo de energia e matérias-primas.

Discordando da maneira como as evidências científicas vêm sendo
apresentadas pela ONU, um grupo de renomados cientistas liderados por Singer
se reuniu e juntos produziram um trabalho que apresenta contradições ao que o
IPCC propõe, mostrando que sua visão governamental ou político-econômica é
mais evidente do que a visão ambiental. Esse grupo criou o NIPCC
(Nongovernmental International Panel on Climate Change), ou seja, um Painel
Internacional Não-Governamental de Mudanças Climáticas, baseado puramente
em evidências científicas, deixando de fora as possíveis influências dos governos.
A principal conclusão do grupo foi que a natureza é o principal agente
regulador do clima e não as atividades humanas, não querendo dizer que "que os
gases de efeito estufa antropogênicos não possam produzir algum aquecimento.
Nossa conclusão é de que as evidências mostram que eles não têm um papel
significante". (SINGER, 2008: iv)
No relatório de avaliação elaborado pelo NIPCC, Frederick Seitz,
presidente emérito da Universidade de Rockefeller, cita um trecho do discurso do
Presidente da Republica Tcheca, Dr. Vaclav Klaus, feito na Conferência da ONU
sobre Mudanças Climáticas em setembro de 2007, onde o mesmo afirma que
seria de grande proveito para o debate sobre as mudanças climáticas se o
monopólio e a unilateralidade dos dados científicos apresentados sobre o assunto
pelo IPCC fosse eliminada (SEITZ, apud SINGER, 2008). O pesquisador ainda
afirma que "o IPCC é pré-programado a produzir relatórios que apóiem a hipótese
do aquecimento antropogênico e o controle dos gases de efeito estufa, como
proposto no Tratado do Clima Global" (Ibidem, 2008).

39

Pode se perceber que o IPCC é tendencioso e apoiado em interesses
políticos de determinados governos quando Singer (2008: iv) afirma que "desde o
início o IPCC era uma entidade mais política do que científica, com seus cientistas
representantes refletindo as posições de seus governos ou buscando induzir seus
governos a adotarem a posição do IPCC". Essa é uma das maiores críticas a
respeito do IPCC, uma vez que as questões políticas tornaram-se mais
importantes do que os dados apresentados.
Ainda, de acordo com Singer (2008), a grande maioria dos cientistas nos
quais os relatórios são baseados não tem influência direta sobre as conclusões
feitas. As mesmas são resultado de estudos realizados por um núcleo interno de
cientistas e os relatórios são todos revisados por representantes dos governos. O
3º relatório feito pelo IPCC (2001) enfatizou que havia evidências novas e mais
fortes da influência humana no aumento da temperatura global e uma das
principais evidências era o gráfico em forma de "taco de hockey" (Figura 4) que
mostrava que o séc. XX foi o mais quente dos últimos 1000 anos. Contudo, foram
encontrados erros estatísticos que fizeram com que o gráfico não fosse utilizado
no 4º relatório (SINGER, 2008: v).

Histórico da Temperatura do Hemisfério Norte

Figura 4. Histórico da temperatura no hemisfério norte. (fonte: TAR, 2001)

Ainda, segundo o relatório do NIPCC, o sistema climático terrestre está
sujeito a diferentes influências externas à Terra que ainda não são bem

40

entendidas e não podem ser controladas. O NIPCC propõe que as mudanças
climáticas sejam de origem natural afirmando que

Há muitas causas para a mudança climática global, cada uma
eminentemente dependendo da escala temporal considerada. Em
uma escala de tempo de décadas a séculos, a variabilidade solar
pode ser o fator mais importante. Há também oscilações naturais
de origem interna, especialmente em escala regional, que também
não parecem estar conectadas com causas humanas (SINGER,
2008: 10).

Molion realiza trabalhos com esse tema há bastante tempo e propõe que o
aquecimento atual tem outras origens que não as antrópicas. Segundo o
pesquisador, a Oscilação Decadal do Pacífico (ODP) é uma das grandes
responsáveis pelas mudanças no clima do planeta. Segundo Molion (2005), a
temperatura do Oceano Pacífico sofre uma configuração parecida com o
fenômeno do El Niño, mas com variações temporais maiores. Essa configuração
é denominada ODP e persiste por 20 a 30 anos, enquanto os El Niños de 6 a 18
meses.
As temperaturas da superfície do Pacífico tiveram uma fase fria no período
de 1947 a 1976 que foi caracterizada por anomalias negativas de temperatura no
Pacífico Tropical e simultaneamente positivas no Pacífico Extratropical. A fase
quente das temperaturas que se estendeu de 1977 a 1998 foi caracterizada por
anomalias positivas no Pacífico Tropical e negativas no Extratropical (Figura 5).
Não se sabe ao certo as causas da ODP, porém, é sabido que a atmosfera é
aquecida por baixo, sendo os oceanos muito importantes na variabilidade
climática interdecadal, principalmente o Pacífico, pela sua grande extensão
(Ibidem, 2005).
A temperatura dos oceanos influencia diretamente na quantidade de CO2
presente na atmosfera. Quando a temperatura dos oceanos, no caso do Pacífico,
é alta devido a anomalias de curto prazo, como os El Niños, ou de grande
duração como a fase quente da ODP, há maior concentração de vapor dágua,
principal gás de efeito estufa (GEE), na atmosfera, intensificando, assim, o efeito
estufa, capturando mais radiação de ondas longas, gerando assim, um
aquecimento. Quando a temperatura é baixa devido a anomalias de curto prazo
como, os La Niñas, e de grande duração com a fase fria da ODP, ocorre uma

41

diminuição do efeito estufa, fazendo com que exista menos vapor dágua na
atmosfera e, assim, com que a região de águas mais frias perca mais radiação de
ondas longas para o espaço, gerando um período de resfriamento. Isso mostra
que o sistema Terra-atmosfera sofre uma variação natural de temperatura
interanual e interdecadal (Ibidem, 2005).

INDICE DE ODP

Fria



1947-1976



1977-1998

1925-1946

Quente

Quente

ANOS

CICLO DA ODP: ~ 50 A 60 ANOS

Figura 5. Influência da ODP na temperatura global. (fonte: Mantua et al, 1997 apud
Molion, 2005).

O IPCC se baseia principalmente em dados retirados de modelos
climáticos que tentam reproduzir a realidade das variáveis do clima, porém o
próprio relatório do IPCC de 2001 afirma que "na pesquisa e nos modelos
climáticos, nós devemos reconhecer que estamos lidando com sistemas
caóticos, não-lineares acoplados, sendo assim que as previsões em longo
prazo para o estado futuro do clima não seja possível1" (IPCC ­ TAR, 2001
apud SINGER, 2008: 15).
MOLION (2007) também faz uma crítica aos modelos de simulação do
clima utilizados quando afirma que:

Os modelos comumente têm dificuldade em reproduzir as
características principais do clima atual, tais como temperatura
média global, diferença de temperatura entre equador e pólo, a
intensidade e posicionamento das altas subtropicais e das
correntes de jato, se não for feito o que, eufemisticamente, é
chamado de ,,sintonia ou ,,ajustes. Nuvens, seus tipos, formas,
constituição e distribuição, tanto em altura como no plano
horizontal, e aerossóis são processos físicos mal-simulados nos
modelos.
1

Grifo do autor deste trabalho.

42

Percebe-se que existem bases científicas para se entender que o
aquecimento global pode não ser causado diretamente pelas atividades humanas,
não havendo um consenso a respeito do assunto como é enfatizado pelo IPCC.
Outra questão, que é preciso ser discutida mais amplamente, é a
implementação de políticas de mitigação que propõem a redução das emissões
de gás carbônico na busca da redução dos impactos que, supostamente, levam a
um aquecimento global, baseadas nas informações propostas pelo IPCC.
Lomborg

(2008),

economista

dinamarquês,

desenvolveu

pesquisas

especificamente na área das mudanças climáticas e o aquecimento global e
afirma que "nossa melhor informação vem do Painel Intergovernamental sobre
Mudanças Climáticas das Nações Unidas, ou IPCC". Mas apesar de concordar
que as emissões antrópicas estão influenciando diretamente nas mudanças
climáticas, o autor discorda da maneira como a ONU vem implementando seus
programas de redução de emissões de CO2 afirmando que
No momento, a única iniciativa política real buscando o corte do
carbono é o assim chamado Protocolo de Kyoto, assinado em
1997 (...) aqui foi decidido que as nações industriais deveriam
reduzir suas emissões totais de CO2 no período de 2008 a 2012
até cerca de 5,2% abaixo do que elas por outro lado seriam
(Ibidem, 2008: 22).

O autor propõe que o Protocolo é ineficiente e que, mesmo se fosse
implantado da maneira como foi proposta, as vantagens seriam muito poucas.

Kyoto ainda significa pouco para o clima. Mesmo se todos os
países tivessem o ratificado (Estados Unidos e Austrália não
estão), e todos os países persistissem com seus compromissos
(os quais muitos terão dificuldades de fazê-lo) e ficassem firmes a
eles durante o século 21 (o que seria ainda mais difícil), a
mudança teria sido minúscula (Ibidem, 2008: 22).

A ação de cortar as emissões de CO2 é ineficaz e um dos motivos para
isso é que os países em desenvolvimento, como China e Índia, estão se tornando
cada vez mais industrializados e não concordam em reduzir as emissões, pois
têm prioridades maiores como a produção de alimento e a melhoria nas
condições de vida da população (Ibidem, 2008: 23). O Brasil, assim como China e

43

Índia faz parte do grupo dos países em desenvolvimento que estão investindo na
industrialização com a intenção de suprir suas próprias necessidades internas,
podendo aumentar ainda mais sua contribuição nas emissões de gases de efeito
estufa, já que o país é grande emissor devido às queimadas e o desmatamento.
A crítica ao Protocolo de Kyoto é bem fundamentada, pois mostra que a
ação global contra o avanço das emissões de CO2 liderada pela ONU, não é,
segundo Lomborg, eficiente, sendo necessário criar outras alternativas para
minimizar os supostos impactos ambientais decorrentes das mudanças climáticas.
"Se nenhum outro tratado substituir Kyoto após 2012, seu efeito total terá sido de
adiar o aumento da temperatura global em um pouco menos de sete dias em
2100" (Ibidem, 2008: 23).
Acredita-se que os investimentos feitos pela ONU ou por qualquer país no
que diz respeito ao combate às mudanças climáticas devem ser repensados, pois
atualmente existem outros assuntos muito mais importantes do que os impactos
relacionados com o aquecimento global. "Existem outros problemas no mundo
como a fome, pobreza e doenças. Voltando-nos a eles, podemos ajudar mais
pessoas, a um custo mais baixo, com maior chance de sucesso, mais do que
perseguindo políticas climáticas drásticas ao custo de trilhões de dólares" (Ibidem,
2008: 08). Entende-se que tais questões não são resolvidas por falta de interesse
político e econômico.
Os recursos naturais do planeta estão sendo utilizados de maneira pouco
planejada, gerando uma crise ambiental na qual o aquecimento global é tido como
a única causa dos problemas. Nesse contexto, percebe-se que é necessário que
haja atitudes tanto de governos como da sociedade voltadas para a mudança na
consciência da sociedade, pois "temos que nos lembrar que o nosso objetivo
específico não é a redução dos gases de efeito estufa ou do aquecimento global
em si, mas melhorar a qualidade de vida e do ambiente" (Ibidem, 2008: 09) com o
intuito de se assegurar o desenvolvimento sustentável das populações para que a
vida do ser humano no planeta seja mais equilibrada.
Contudo, o pânico gerado pelos ensinamentos disponibilizados nos livros
didáticos produzidos com base no IPCC, não contribui para que as pessoas
tomem atitudes diferentes em prol da melhoria da sua relação com o ambiente. É

44

importante perceber como as pessoas estão entendendo o aquecimento global, já
que, atualmente, o acesso a informações divergentes é muito grande.
A falta de informações confiáveis, ou no caso do aquecimento global,
informações unilaterais e tendenciosas gera, para a sociedade, uma única via de
entendimento de determinado assunto. No senso comum, é possível que as
pessoas atribuam um dia mais quente ou um verão com temperaturas mais
severas aos efeitos do aquecimento global. Contudo, pode não haver nenhuma
relação.
Um ponto que colore nossa maneira de ver os eventos climáticos
extremos é que tendemos a colocar o clima atual dentro do
contexto, bem pequeno, de nossas próprias vidas. Se nós nunca
experimentamos algo antes, nós somos tentados a concluir que
isso nunca aconteceu antes. E mesmo dentro de nosso tempo de
vida, nossa memória de eventos passados que realmente
ocorreram normalmente não é muito boa (SPENCER, 2008: 17).

Entendendo que existem incertezas a respeito da influência humana nas
mudanças climática e que há realmente questões mais importantes para o bem
estar das sociedades humanas, acredita-se que uma alternativa para o melhor
entendimento do assunto seja o debate. O debate entre a ciência, governos e
população, principalmente a população que, geralmente, é a mais afetada pelas
ações dos governos mundiais.
A conscientização da sociedade em geral é fundamental para uma
mudança na realidade em longo prazo, e a educação é um importante agente
para buscar essa renovação no pensamento ambiental da população. Porém, é
importante que a população tenha acesso a informações confiáveis e que tragam
a discussão para escola e para o dia-a-dia. Assim, Molion (2008) propõe que:
Não se pode tentar consertar o planeta usando ,,verdades
científicas não comprovadas! É importante esclarecer a população
sobre as limitações do conhecimento científico atual e lutar para a
conservação sob o argumento que, sendo a base de dados
observados pequena, existe uma incerteza quanto à capacidade
do homem interferir em fenômenos básicos do clima, efeito-estufa
e camada de O3. Na dúvida, atualmente existente, é melhor
conservar reduzindo atividades que possam interferir no sistema
climático.

45

No que se refere à educação formal, é possível perceber que o objeto de
estudo da Geografia está diretamente relacionado à recente crise sócioambiental, quando se entendem que ela estuda "a realidade territorial criada a
partir da apropriação do meio geográfico pela sociedade" (Ciências Humanas,
volume 3, 2006: 43). Assim, a Geografia, como disciplina escolar, torna-se uma
importante ferramenta para a mudança de pensamento da sociedade, pois busca
ensinar a realidade sobre os fenômenos que acontecem na superfície terrestre.
Os livros didáticos de Geografia são fundamentais nesse processo de
aprendizagem, complementando o trabalho do professor em sala de aula, e
contribuindo para o debate e para as atividades práticas com os alunos. Contudo,
os livros muitas vezes não estão atualizados em conformidade com os fatos
científicos. Molion (2008) afirma "uma das minhas preocupações é que o assunto
já está sendo tratado nos livros de Ciências que as crianças usam e parece que
vamos formar uma geração inteira, ou mais, baseados em afirmações, ou
,,dogmas, sem fundamento científico".
Assim se faz fundamental uma verificação de como o tema referente ao
aquecimento global e as mudanças climáticas está sendo transmitido por esse
importante instrumento de aprendizagem, o livro didático. No próximo capítulo,
são trabalhadas as referências bibliográficas relacionadas com o ensino de
Geografia e da Climatologia, mostrando sua importância para o entendimento dos
processos climáticos que estão gerando a polêmica do aquecimento global.

46

2. A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE GEOGRAFIA PARA A COMPREENSÃO
DOS FENÔMENOS CLIMÁTICOS

2.1. A crise ambiental global e a educação como agente transformador do
pensamento atual

Em meados do século passado, o planeta passava por uma fase de
degradação muito grande por meio da qual rios foram transformados em esgoto,
já se sentia o ar das cidades poluído, florestas haviam sido devastadas, muitos
solos foram perdidos devido ao uso de pesticidas e a contaminação de lençóis
freáticos era freqüente. A influência das ações humanas na natureza passou a ser
visível ao momento que tais ações tornaram-se nocivas à qualidade de vida,
principalmente nos países desenvolvidos, ameaçando alguns hábitos adquiridos
com o aumento do consumo de produtos industrializados.
O livro Primavera Silenciosa, de 1962, da bióloga Rachel Carson mostra
muitos dos impactos ambientais da época, em todo o mundo, relacionando-os
diretamente com o modelo de desenvolvimento econômico adotado e faz também
um alerta sobre o problema. O livro pode ser considerado um marco a respeito do
estudo das questões ambientais, incentivando a discussão dos problemas
ambientais na comunidade científica internacional.
Em 1972, aconteceu a Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente
Humano, mais conhecida como Conferência de Estocolmo. A Conferência trouxe
o assunto da degradação ambiental como importante ponto de discussão, e foi
constituída por 113 representantes do mundo que buscavam uma solução aos
problemas ambientais. Foi decidido na Conferência que seriam necessárias
mudanças nos modelos de desenvolvimento, nos comportamentos e hábitos das
populações e que a educação era o instrumento para alcançar esse objetivo
(DIAS, 2003: 74).
Entende-se ser importante que a educação, para uma vida mais
comprometida com os valores ambientais, seja transmitida desde as séries
iniciais, pois o Ensino Fundamental é um momento chave na vida dos estudantes
e faz parte da educação básica. No Brasil, foi criada em 1996 a Lei de Diretrizes e
Bases da Educação Nacional (LDB) na busca pela padronização da educação no

47

país. A educação, segundo a LDB, tem como missão "desenvolver o educando,
assegurar-lhe a formação indispensável para o exercício da cidadania e fornecerlhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores".
A LDB (1996) tem como principal objetivo desenvolver os alunos através do
(a):

I - desenvolvimento da capacidade de aprender, tendo como
meios básicos o pleno domínio da leitura, da escrita e do cálculo;
II - compreensão do ambiente natural e social, do sistema político,
da tecnologia, das artes e dos valores em que se fundamenta a
sociedade;
III - desenvolvimento da capacidade de aprendizagem, tendo em
vista a aquisição de conhecimentos e habilidade e a formação de
atitudes e valores;
IV - fortalecimento dos vínculos de família, dos laços de
solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se
assenta a vida social.

Entende-se que a educação, como instrumento necessário para a mudança
dos comportamentos e hábitos da população, como propôs a Conferência de
Estocolmo, se dá a partir do ensino formal e não formal da sociedade, sendo
responsabilidade do Estado proporcionar a educação formal básica, por meio da
escola. "A educação escolar deve constituir-se em uma ajuda intencional,
sistemática, planejada e continuada para crianças, adolescentes e jovens durante
um período contínuo e extensivo de tempo" (PCN, 1998) sendo diferente dos
ensinamentos transmitidos por outras instâncias da educação não formal, como a
família, por exemplo, que prepara os alunos em diversos momentos de suas vidas
e com abordagens diferentes.
A interação entre a educação formal e aquela adquirida fora da escola é
essencial para o desenvolvimento do aluno, para que este possa vivenciar aquilo
que foi estudado ou apresentado na escola.
A ampla gama de conhecimentos construídos no ambiente escolar
ganha sentido quando há interação contínua e permanente entre
o saber escolar e os demais saberes, entre o que o aluno aprende
na escola e o que ele traz para a escola. O relacionamento
contínuo e flexível com a comunidade favorece a compreensão
dos fatores políticos, sociais, culturais e psicológicos que se
expressam no ambiente escolar (Ibidem, 1998).

48

Acredita-se que o processo educacional tenha a proposta de formar
cidadãos mais críticos e responsáveis com suas ações. Para tal é importante que
os alunos percebam-se como parte integrante e agentes transformadores do
ambiente "identificando seus elementos e as integrações entre eles, contribuindo
ativamente para a melhoria do meio ambiente" (Ibidem, 1998).
A crise ambiental presente não é apenas uma crise ecológica, é também
uma crise do sistema político-econômico compartilhado pela maioria dos países
do mundo. Esse processo capitalista deve ser repensado para que a utilização
dos recursos naturais do planeta seja menos danosa aos seres humanos e ao
sistema natural.
Percebe-se a educação como instrumento de conscientização em relação
ao uso dos recursos naturais e da degradação ambiental, deve "concentrar-se nas
condições ambientais atuais, tendo em conta também a perspectiva histórica"
(DIAS, 2003), para que seja possível o entendimento do aluno de como se
configurava certo local anteriormente às mudanças ambientais registradas no
mesmo. O ambiente está relacionado diretamente com a vida social e cultural das
comunidades. É importante que os alunos entendam as questões ambientais e
participem efetivamente na construção de um processo de desenvolvimento mais
sustentável.
Considera-se, portanto, que educar a população a respeito das questões
ambientais é importante para que haja melhor compreensão, também, sobre a
realidade dos fenômenos climáticos que vêm ocorrendo no planeta. Dessa forma
os alunos devem ser incitados a sempre "questionar a realidade formulando
problemas e tratando de resolvê-los, utilizando para isso o pensamento lógico, a
criatividade,

a

intuição,

a

capacidade

de

análise

crítica,

selecionando

procedimentos e verificando sua adequação" (PCN, 1998).

2.2. A necessidade da inserção de valores ambientais nos processos
educacionais.

Entende-se que, para inserir um pensamento ambiental no dia-a-dia dos
alunos, não se pode apenas verbalizar as teorias e significados a respeito do
ambiente. É necessário que os alunos vivenciem os processos e fenômenos para

49

que seus cérebros possam assimilar informações conectadas a outros saberes
(CAPRA, 2003).

Hoje se sabe muito bem que as crianças não chegam à escola
como frascos vazios a serem preenchidos com informações, mas
constroem ativamente seus conhecimentos, relacionando todas as
novas informações a experiências anteriores, em busca constante
de significados. Do ponto de vista evolutivo, a busca de
significados está voltada para a sobrevivência e constitui um
elemento básico da natureza humana. Temos uma tendência inata
a dar um sentido a nossas experiências, a buscar significados
(Ibidem, 2003: 31).

Acredita-se que o conhecimento seja adquirido através do acúmulo de
experiências que são vivenciadas e, de acordo com suas experiências, os alunos
possam tirar conclusões a respeito dos fenômenos apresentados e presenciados
por eles, pois esses fazem parte de sua realidade.
Capra (1999) propõe que é preciso um programa de ensino que ensine as
crianças alguns fatos fundamentais da vida, tais como:
um ecossistema não gera detritos, o detrito de uma espécie é o
alimento de outra;
a matéria circula continuamente através da teia da vida;
a energia que regula estes ciclos ecológicos flui do sol;
a diversidade assegura a resiliência;
a vida, desde o inicio a mais de três bilhões de anos atrás, não
tomou conta do planeta por combate, mas por cooperação, parceria, e
trabalho em redes.

Capra

(1999), ainda,

salienta

que

"ensinar esses conhecimentos

ecológicos, que são também antigos conhecimentos, será o papel mais
importante da educação neste próximo século". Inserir princípios ambientais na
educação formal e não formal é papel também da Educação Ambiental (EA) que
busca promover mudanças de comportamento e dos hábitos da sociedade por
meio da transmissão de valores ambientais.
A EA é uma grande ferramenta de educação popular, de práticas
educacionais dos movimentos sociais, com uma concepção libertária advinda,
também, dos pensamentos de Paulo Freire (JUNIOR, 2005), tendo o desafio de
ser uma educação voltada para a emancipação do pensamento contribuindo para

50

que a população tome suas próprias decisões a respeito dos acontecimentos que
ocorrem em sua comunidade, sejam eles de caráter ambiental ou político.
Considera-se que, a partir de uma visão holística, isto é, uma visão
integrada da vida, a interação entre a comunidade e o meio ambiente se torne
muito importante para se atingir os objetivos de uma educação baseada nos
princípios da EA. Ter uma visão multidisciplinar do conhecimento é indispensável
para que os alunos se relacionem de maneira mais sustentável com o meio
ambiente.
Alguns dos objetivos da Educação Ambiental que devem ser transmitidos
em todos os níveis de educação, segundo DIAS (2003), são:

[...] ajudar os indivíduos e grupos sociais a sensibilizarem-se e a
adquirirem consciência do meio ambiente global e suas questões;
[...] a adquirirem diversidade de experiências e compreensão
fundamental sobre o meio ambiente e seus problemas; [...]
comprometerem-se com uma série de valores, e a sentirem
interesse pelo meio ambiente, e a participarem da proteção e
melhoria do meio ambiente; [...] adquirirem as habilidades
necessárias para identificar e resolver problemas ambientais;
proporcionar a possibilidade de participarem ativamente das
tarefas que têm por objetivo resolver os problemas ambientais.

Acredita-se que, no ensino fundamental, a EA deva estar inserida em todas
as disciplinas, não havendo uma única disciplina para ser incluída no currículo
das escolas. Sendo discutidos em todas as disciplinas do ensino fundamental, os
princípios ambientais devem permear o cotidiano dos alunos, trazendo essas
questões para a sala de aula. A Ciência Geográfica trabalha justamente as
relações dos seres humanos com o ambiente onde vivem, contribuindo, assim, no
ensino da Geografia como disciplina escolar, para que se faça uma ponte entre as
relações dos fenômenos que acontecem na superfície da Terra e a realidade dos
alunos.

2.3. A Geografia escolar como disciplina crítica e transformadora
A Ciência Geográfica "toma em consideração as leis descobertas pelas
suas ciências irmãs e coloca em pauta as suas ações e efeitos mútuos em
relação à superfície do globo" (KROPOTKIN, 1885: 02). Por tratar dos fenômenos

51

que acontecem na superfície terrestre, o objeto de estudo da Geografia são os
fenômenos naturais e os impactos da cultura humana sobre ela. Isso quer dizer
que a Geografia trata da relação mútua dos acontecimentos que ocorrem no
planeta, sejam eles climáticos, sociais, políticos, culturais ou ambientais.
A Geografia, vista na sala de aula, é muito importante para o entendimento
dos fenômenos da natureza e da relação que o ser humano tem com seus
recursos, mostrando ao aluno que os fenômenos que acontecem na superfície da
Terra estão todos interligados e que as ações humanas também estão
interligadas com os fenômenos naturais.
A Ciência Geográfica é essencial para criar uma conscientização ambiental
nos cidadãos, pois está presente em nossa vida acadêmica desde as séries
iniciais até o final do Ensino Médio. Kropotkin (1885: 03) mostra que, desde o
século XIX, a Geografia é muito importante para implementar um pensamento
ambiental nos estudantes quando afirma que:

É quase seguro que não existe outra ciência que possa tornar-se
tão atrativa para a criança como a geografia, e que possa se
constituir num poderoso instrumento para o desenvolvimento geral
do pensamento, assim como para familiarizar o estudante com o
verdadeiro método de investigação científica e para despertar sua
afeição pela ciência natural.

No Brasil, um momento marcante para a Geografia foi a criação do curso
superior na Universidade de São Paulo em 1934. O curso foi fundamentado pelo
positivismo que era base metodológica de praticamente quase todas as ciências
humanas na época, e sofria grande influência da escola de Vidal de La Blache
que entendia a Geografia como a ciência dos lugares não dos homens. O estudo
geográfico no Brasil incorporou a tendência de estudos regionais, buscando
explicações objetivas e quantitativas da realidade (PCN, 1998).
No ensino, a Geografia Tradicional se caracteriza por estudar, de forma
apenas descritiva, as paisagens naturais e as antropizadas. A didática promovia
apenas a descrição e a memorização dos componentes das paisagens, fazendo
com que os alunos fossem orientados a,

[...] descrever, relacionar os fatos naturais e sociais, fazer
analogias entre eles e elaborar suas generalizações ou sínteses.

52

Explicá-las sim, porém evitando qualquer forma de compreensão
ou subjetividade que confundisse o observador com o objeto de
análise. Pretendia-se ensinar uma Geografia neutra. Essa
perspectiva marcou também a produção dos livros didáticos até
meados da década de 70 e muitos ainda apresentam em seu
corpo idéias, interpretações ou até mesmo expectativas de
aprendizagem defendidas pela Geografia Tradicional. (Ibidem,
1998)

A partir da década de 60, a Geografia Tradicional não conseguia manter-se
atual para compreender as complexidades espaciais apresentadas na época.
Apenas a descrição passou a ser insuficiente como método de analise espacial.
Surge, então, uma corrente crítica à corrente mais tradicional, com objetivo de
estudar as relações entre a sociedade, trabalho e a natureza na apropriação dos
lugares, sofrendo influências das teorias marxistas (Ibidem, 1998).
Atualmente, o ensino de Geografia não pode estar centrado apenas nas
descrições empíricas da paisagem, nem somente ser baseado na explicação das
relações sócio-politico-econômicas. É preciso que sejam trabalhadas também as
relações socioculturais, físicas e biológicas das paisagens, apresentando-as como
agentes formadores dos lugares e territórios.
As constantes mudanças e debates no pensamento geográfico, que
permeiam o meio acadêmico, trouxeram diferentes conseqüências para o ensino
da disciplina no Ensino Fundamental. Essas mudanças foram positivas no sentido
de estimular a produção de novos modelos didáticos, mas foram, ao mesmo
tempo, negativas no sentido de que essa produção mudava os conceitos de uma
maneira muito rápida, não sendo explorados de maneira mais profunda.
Essas mudanças também não progrediram de maneira a atingir a didática
do professor dentro de sala, principalmente aquele das séries iniciais, que
continuou "a ensinar Geografia apoiando-se apenas na descrição dos fatos e
ancorando-se, quase que exclusivamente, no livro didático, que ainda, em sua
grande maioria, fundamenta-se em uma Geografia Tradicional" (Ibidem, 1998).
No intuito de estabelecer parâmetros curriculares para o ensino em todo o
país, foram criados, pelo Ministério da Educação, os Parâmetros Curriculares
Nacionais (PCN) em 1998, para contribuir ao mesmo tempo com a construção da
unidade de ensino e garantir o respeito à diversidade cultural do país através de
adaptações que integrem diferentes práticas educacionais.

53

Para se entender a crise ambiental pela qual a sociedade está passando
atualmente, é preciso que os alunos entendam como se dão as relações da
sociedade com o uso dos recursos naturais disponíveis na superfície terrestre. A
Geografia tem papel fundamental no ensino da população e, segundo o PCN
(1998), o ensino para a área de Geografia deve:

[...] fundamentar-se numa abordagem teórica e metodológica que
procura contemplar os principais avanços que ocorreram no
interior dessa disciplina. Entre eles, destacam-se as contribuições
dadas pela fenomenologia no surgimento de novas correntes
teóricas do pensamento geográfico, as quais se convencionou
chamar de Geografia Humanista e Geografia da Percepção. Sem
abandonar as contribuições da Geografia Tradicional, de cunho
positivista, ou da Geografia Crítica, alicerçada no pensamento
marxista, essas novas "geografias" permitem que os professores
trabalhem as dimensões subjetivas do espaço geográfico e as
representações simbólicas que os alunos fazem dele.

A Geografia em sala de aula também é responsável por transmitir os
conceitos de natureza, paisagem, espaço, território, região, rede, lugar e
ambiente, clima, tempo, entre outros, fazendo uma análise em relação com o
tempo, a cultura, a sociedade, o poder e as relações econômicas e sociais com
base nos pressupostos da ciência geográfica como o estudo dos processos, das
formas e das dinâmicas dos fenômenos que são desenvolvidos por meio das
relações entre o homem e a natureza (Ciências Humanas, 2006).
Entende-se que, para que haja uma relação mais responsável com a
natureza, os alunos devam compreender que são parte do espaço natural, e o
ensino da Geografia trabalha essa questão em sala, devendo valorizar o estudo
do espaço geográfico onde o aluno está inserido, pois "se o espaço não é
encarado como algo em que o homem (o aluno) está inserido, natureza que ele
próprio ajuda a moldar, a verdade geográfica do indivíduo se perde, e a geografia
torna-se alheia a ele" (RESENDE, 1989: 84).
Esse espaço geográfico onde acontece a vivência do aluno é onde ele irá
perceber a maioria dos fenômenos terrestres que acontecem ao seu redor.
Entende-se que seria de grande colaboração se houvesse uma valorização das
experiências dos alunos, integrando-as ao que é transmitido pela escola.
Contudo, a escola muitas vezes prefere "excluir esse espaço real do espaço

54

geográfico que ensinamos (razão manifesta: as impressões dos alunos são
irrelevantes; razão política: esse saber pode ser arriscado, subversivo para a
própria geografia e a escola)" (Ibidem, 1989: 84).
Gerar o debate a respeito da relação do ser humano com a natureza em
sala de aula é fundamental para despertar um senso crítico nos alunos a respeito
da sua própria relação com o ambiente onde se encontram. A disciplina Geografia
leva os alunos a entender a realidade de forma mais ampla, mostrando que eles
podem interferir nela de maneira mais consciente e ativa. Para tal, é preciso que
os alunos apreendam conhecimentos, dominem categorias, conceitos e
metodologias básicas fundamentais do estudo da Geografia para que estes
possam, além de compreender as relações sócio-culturais e o funcionamento da
natureza a qual pertencem, conhecer e utilizar o conhecimento geográfico para
poder pensar a realidade (PCN,1998).
O estudo do ambiente deve partir de uma abordagem interdisciplinar como
proposto, também, pela Educação Ambiental. Os problemas ambientais devem
ser discutidos a partir de uma análise das questões políticas, históricas,
econômicas, ecológicas, geográficas, sendo assim, "como o objeto de estudo da
Geografia, no entanto, refere-se às interações entre a sociedade e a natureza, um
grande leque de temáticas de meio ambiente está necessariamente dentro de seu
estudo" (Ibidem, 1998).
Considera-se que a Geografia no Ensino Fundamental deve sempre
promover o diálogo e o debate entre os acontecimentos do cotidiano dos alunos,
principalmente a respeito dos fenômenos climáticos, que por fazerem parte do
seu dia-a-dia, geram grandes dúvidas nos alunos. Há, atualmente, um maior
diálogo entre a escola e as diferentes disciplinas escolares, tornando fundamental
o diálogo com os alunos para aprimorar seu aprendizado e, de acordo com
PELUSO (2006: 138),
Não cabem mais perguntas do tipo ,,o que é população, ,,o que é
clima, próprias de um ensino tradicional, mas perguntas nas quais
os alunos possam situar-se e posicionar-se criativamente e
desenvolver a linguagem e a escrita. É um processo de
ensino/aprendizagem voltado para a prática da cidadania, para
formar um aluno cidadão que, por intermédio da leitura geográfica
da realidade, reflita sobre ela e atue sobre o meio em que vive.

55

2.4. O ensino de climatologia no Ensino Fundamental: sua importância para
o entendimento dos fenômenos que contribuem nas mudanças climáticas
globais.

A compreensão dos fenômenos físicos que acontecem na superfície
terrestre permitiu ao ser humano interferir neles, fazendo com que os mesmos
fossem incorporados pelos mais diferentes grupos sociais. A Geografia no Ensino
Fundamental trabalha diretamente com a compreensão desses fenômenos físicos
e sua relação com a organização social do ser humano. Dentre eles, destacam-se
os fenômenos climáticos.
Os fenômenos climáticos são muito vivenciados pelos seres humanos,
estão sempre presentes no dia-a-dia dos alunos e seu entendimento é importante
para que sejam compreendidos certos mecanismos climáticos como: o efeito
estufa, as variações diárias de tempo, tipos de chuva, variações de temperatura,
ciclo hidrológico, e algo muito importante, a diferença entre clima e tempo.
A Geografia no Ensino Formal deve contribuir também para a exploração
da perspectiva empírica sobre a sucessão dos fenômenos climáticos vivenciados
pelos alunos. A partir da aquisição desses conhecimentos é possível haver um
debate sobre muitos ditos populares sobre o tempo atmosférico que não são
verdadeiros. É possível que o tempo e o clima sejam estudados a partir de
observações em pequena escala feitas pelos alunos, trabalhando a sucessão dos
fenômenos com o intuito de prever os próximos acontecimentos relacionados ao
clima. A compreensão desses fatos é importante para demonstrar aos alunos, por
exemplo, a importância das estações do ano para que a sociedade se organize,
seja no planejamento da produção econômica ou em seu cotidiano. (PCN, 1998)
A compreensão dos impactos dos fenômenos climáticos no cotidiano das
sociedades é importante, pois os alunos precisam entender que certos fenômenos
naturais, que trazem conseqüências aos homens, como tornados, tempestades,
furacões, inundações, não são "culpa" da natureza, mas problemas decorrentes
da organização histórica da ocupação espacial da superfície terrestre. Os alunos
devem ser ensinados a construir raciocínios lógicos a respeito das leis que
controlam o universo e os fenômenos naturais, pois, assim, podem contribuir para

56

o avanço das ciências da natureza e com sua vida prática, em suas comunidades
(Ibidem, 1998).
Estudar o funcionamento da natureza traz, para a sala de aula, questões
atuais relacionadas aos problemas ambientais e seus impactos na vida do ser
humano, principalmente impactos que possam ser contextualizados a partir do
dia-a-dia dos alunos. O professor deve propor atividades voltadas aos
componentes da natureza, trabalhando esses componentes de forma integrada
mostrando a interação entre eles. É importante que os alunos entendam a relação
direta entre o solo, o clima, a vegetação, com os demais agentes naturais,
formando ecossistemas inteiros, e a partir daí, entender como as sociedades se
organizaram dentro desses ecossistemas.
As mudanças climáticas são um importante ponto de partida para o estudo
de como funcionam os processos naturais relacionados ao clima, pois abrangem
o estudo de fenômenos como o efeito estufa, ciclo hidrológico, movimento de
massas de ar, entre outros. A compreensão, pelos alunos, dos fatores que
influenciam nas mudanças do clima podendo gerar um aquecimento global é
essencial, principalmente devido à importância que o clima tem para a produção
de alimentos e para a economia mundial e à repercussão dos impactos
relacionados aos fenômenos climáticos.
É necessário que os alunos sejam levados a debater as causas dos
impactos ambientais para poder pensar em soluções para tais. Não se deve
apenas expor fatos aos alunos e esperar que eles acreditem em tudo, ou que não
sejam críticos ao ouvirem uma informação que não concordam. A Geografia é
uma disciplina geradora de debates e discussões na sala de aula, principalmente
sobre temas muito corriqueiros que envolvem questões ambientais, políticas,
sociais e econômicas como, por exemplo, a reforma agrária no Brasil, o conflito
entre palestinos e israelenses no Oriente Médio, a formação dos Blocos
Econômicos ou o Aquecimento Global.
Atualmente o Aquecimento Global e as mudanças climáticas tornaram-se
uma questão política internacional que tem a capacidade de gerar debates a
respeito de uma série de assuntos relacionados ao cotidiano dos alunos, como o
consumismo, o uso indiscriminado do solo, o mau uso da água, a grande
produção de lixo, entre outros. Esse assunto está contido dentro de uma série de

57

outras esferas, como a ambiental, a social, e principalmente a econômica. Os
alunos precisam compreender que uma das principais esferas da sociedade é a
esfera

da

economia

e

as

ações

desta

geram

impactos

ambientais

incomensuráveis.
O entendimento da natureza apenas como fornecedora de matéria-prima
para a produção de bens de consumo deve ser mudado e para isso é preciso a
integração de princípios ambientais como os propostos pela EA nas aulas de
todas as disciplinas, mas principalmente na Geografia.
Na tentativa de gerar nos alunos um pensamento mais responsável em
relação ao meio ambiente, a Geografia transmite conhecimentos referentes à
climatologia, procurando gerar um conhecimento crítico nos estudantes e
mostrando como a vida humana está intrinsecamente relacionada com os
fenômenos climáticos. Os estudos em Climatologia e Meteorologia transmitem um
importante conhecimento a respeito do ciclo hidrológico, que é responsável pela
ocorrência de inúmeros fenômenos na superfície.
Por mais que outras disciplinas, como ciências no ensino fundamental,
abordem o tema do ciclo hidrológico e da Climatologia, o professor de Geografia
ainda é responsável por "explicar as relações existentes entre o clima e o
modelado dos relevos, a distribuição espacial da vegetação e da rede
hidrográfica" (CASTRO, 1997).
A Geografia tem a chance de trabalhar muito bem a questão das relações
entre o clima e sua influência na vida cotidiana da população, por valorizar o
entendimento do conceito de tempo em relação ao clima. O professor, por
exemplo, pode explicar a diferença entre tempo e clima, e depois definir o clima
como sucessão habitual de tipos de tempo, contudo, trazendo os ensinamentos
geográficos para a realidade dos alunos como propõe Castro (1997) quando
ressalta que:
Valorizar essa conceituação de clima é valorizar a capacidade de
apreensão que os alunos têm com relação à importância do tempo
nas transformações do espaço geográfico. Neste caso, podemos
citar as enchentes e deslizamentos freqüentes na estação
primavera-verão no país, afetando diretamente boa parte dos
nossos estudantes, que residem ou que conhecem pessoas que
vivem em áreas de risco. Assim, uma melhor compreensão sobre
o tempo, e a possibilidade de sua repetição, é necessária e pode

58

ser feita quando o estudante relaciona a informação teórica
recebida em sala de aula com a sua prática, através da própria
vivência.

Acredita-se que, para se entender os fenômenos climáticos de maneira a
gerar o debate, é preciso que a população adquira um conhecimento básico e
correto a respeito da climatologia. O ensino da Climatologia tem o papel de
transmitir conceitos que expliquem como funcionam os processos climáticos que
podem estar causando esse aquecimento global, contudo, mostrando as
diferentes vertentes teóricas, comparando-as às informações que constam nos
livros didáticos, reportagens, artigos, entre outras fontes de informação.
É imprescindível, para a formação dos estudantes, a aquisição dos
conhecimentos e das aplicações da Climatologia em varias áreas como a saúde,
o planejamento urbano e territorial, agricultura, turismo, entre outros, o que
reforça a necessidade de uma climatologia geográfica que se apodere de
situações cotidianas para explicar e analisar os fenômenos atmosféricos de forma
a se inserir na realidade dos estudantes.
A Climatologia Geográfica deve entender os processos físicos causadores
das variações e mudanças no tempo e clima utilizando os conhecimentos da
Meteorologia e da própria Climatologia, contudo deve focar nas conseqüências
desses fenômenos na vida da sociedade, apresentando aos alunos a relação
entre os fenômenos climáticos e seus impactos em sua comunidade. Assim, de
acordo com SantAnna Neto (2001: 59)
Mais do que desvendar os processos dinâmicos e as estruturas
temporais e espaciais do clima, para o geógrafo o que realmente
deveria importar é o significado desse processo inserido na
dimensão socioeconômica e socioambiental. Não basta, como
fazemos correntemente, identificar os sistemas produtores de
tempo e, em analises episódicas, explicar como, onde e por que
ocorreram, por exemplo, alagamentos e inundações num
determinado espaço urbano.

Entende-se que a Climatologia pelo olhar do geógrafo, deve confrontar as
ações do ser humano com as ações do clima, apresentando qual a relação que
há entre a sociedade e a Climatologia, mostrando como as atividades econômicas
e culturais desenvolvem-se tradicionalmente com as variações climáticas. Trata-

59

se de não apenas descrever e explicar, mas trazer para a vivência dos alunos
formas de complementar a prática e a teoria em sala de aula.
Nas aulas de Geografia, é importante frisar que é possível que as grandes
emissões de CO2 estejam afetando o processo de efeito estufa, responsável pelo
aquecimento da Terra, e que também podem ser responsáveis, por exemplo, pela
poluição do ar em grandes metrópoles (Consumers International/MMA/IDEC,
2002: 66). A compreensão da necessidade do efeito estufa para a manutenção da
vida no planeta é fundamental para a compreensão do aquecimento global, pois a
teoria divulgada pelo IPCC faz a associação direta do aumento do nível de gás
carbônico na atmosfera com o aumento da temperatura global, deixando claro
que o culpado por isso é o ser humano, principalmente através da queima de
combustíveis fósseis.
O CO2 é um gás de efeito estufa (GEE) e, teoricamente, com um aumento
desse gás na atmosfera, o efeito estufa seria intensificado. Contudo, a partir do
momento que o aluno também tiver acesso a informações sobre os processos do
efeito estufa como a de que "o vapor dágua é o principal gás de efeito estufa",
que a intensidade dos raios solares é fundamental para o aquecimento do
planeta", e que segundo alguns cientistas "[...] mais de 97% das emissões de gás
carbônico são naturais, provenientes dos oceanos, vegetação e solos, cabendo
ao homem menos de 3% [...]" (MONTE e HIEB apud MOLION, 2007), este aluno
terá condições para indagar algumas afirmações feitas sobre as mudanças
climáticas.
Considera-se importante trabalhar com os alunos as hipóteses existentes a
respeito do aquecimento global. Os professores devem buscar diferentes fontes
de informação e sempre gerar o questionamento em seus alunos, criando neles
um senso crítico, um senso de dever, de contribuir com o ambiente.
Assim, é possível perceber que o ensino da Geografia, ao trabalhar com as
relações entre seres humanos e natureza, deve, por exemplo, transmitir aos
alunos a relação das emissões de gás carbônico com a quantidade de carros
rodando nas ruas e com o número de indústrias; explicar que o combustível fóssil,
que faz com que os carros funcionem, emite gases poluentes; e mostrar, como
eles mesmos vão poder perceber, a quantidade de transportes que são utilizados
movidos à combustível fóssil, relacionando-o não necessariamente apenas ao

60

aquecimento global em si, mas também aos impactos diretos desses gases na
vida da sociedade, principalmente a urbana.
Faz-se necessário, ainda, que a disciplina Geografia demonstre as
relações de consumo dos recursos naturais não renováveis, no caso o petróleo,
mostrando que os mesmos não são infinitos, e precisam ser utilizados de maneira
mais racional, gerando assim, juntamente com os alunos, um debate a cerca das
questões ambientais e sua relação com as mudanças climáticas.
Além da suposta relação do aquecimento global com as emissões
antrópicas de CO2, essas emissões afetam diretamente o cotidiano da própria
população. É necessário que o professor de Geografia mostre aos alunos que,
nos grandes centros urbanos, é possível perceber que a poluição do ar é
principalmente advinda dos canos de descarga dos veículos movidos pelos
derivados do petróleo, mostrando que "os veículos automotores constituem
mundialmente a principal fonte de poluição do ar nas grandes regiões urbanas"
(Consumers International/MMA/IDEC, 2002: 64). E, ainda, que há outras fontes de
emissões, como indústrias, centrais termelétricas e de incineração de resíduos
que estão presentes nos ambientes urbanos, aos quais os estudantes podem ter
acesso e adquirir conhecimento. Ao mesmo tempo em que as emissões
antrópicas de gases poluentes são responsáveis por inúmeros problemas de
saúde nas grandes cidades, é importante salientar aos alunos que existem outras
fontes de gases tidos como poluentes, como os vulcões, que podem ser
responsáveis por doenças respiratórias em comunidades próximas ou pelo
resfriamento de grandes áreas no planeta, causando sérias mudanças nos
ecossistemas locais.
Ao estudar o efeito estufa relacionado às emissões antrópicas dos GEEs é
importante abordar as conseqüências da poluição do ar no dia-a-dia das pessoas,
que pode ser transmitida aos alunos mostrando que a saúde humana é muito
frágil quanto às mudanças no ar que podem causar, por exemplo, "alergias,
irritação nos olhos, coceira na garganta, tosse, além de problemas mais graves,
como doenças respiratórias e até cardiovasculares" (ibidem, 2002: 67). Essas
reações à saúde da população devem ser tidas como exemplos de como é
possível influenciar o ambiente local onde se vive, atribuindo ao ser humano a
causa direta do problema.

61

É importante que o aluno perceba que, por mais que a crise ambiental
deflagrada com o suposto aquecimento global seja uma crise mundial, as ações
humanas em âmbito regional e local são muito mais prejudiciais à população
desses locais, afetando-a mais rapidamente. Assim, entende-se que é necessário
que a sociedade saiba que suas ações estão, sim, prejudicando o planeta, mas
prejudicam mais diretamente os próprios seres humanos, principalmente aqueles
que vivem em áreas menos desenvolvidas economicamente.
Muitos dos impactos ambientais relacionados com o aquecimento global
são impactos relacionados ao mau uso do solo, pelos processos de produção
agrícola, e ao processo de urbanização não planejado. Os alunos devem
compreender que a maioria dos impactos atribuídos às mudanças climáticas em
áreas urbanas ou rurais estão relacionados com a ocupação mal planejada do
espaço geográfico.
Dessa forma, é imprescindível que a os alunos do Ensino Fundamental
tenham acesso às diferentes teorias formuladas a respeito das mudanças
climáticas globais, pois esse assunto, atualmente, é relacionado a quaisquer
mudanças climáticas percebidas pela sociedade.
É necessário que os alunos compreendam que a ciência não é precisa, que
os experimentos científicos são passíveis de erros e que ainda existem muitas
dúvidas a respeito da influência das ações humanas no aumento da temperatura
global. Essas dúvidas são saudáveis, pois levarão ao debate e a geração de
novos conceitos e teorias a respeito de um assunto tão importante, nos dias de
hoje, como as mudanças climáticas. Entende-se que as informações devam ser
transmitidas de maneira isenta e clara, buscando o incentivo do debate entre os
alunos.
Entende-se que trabalhar os fatos a respeito das mudanças climáticas e
abordar os temas ambientais relacionados com a realidade local dos alunos seja
muito importante para o desenvolvimento da percepção do aluno para a
compreensão das dinâmicas sociais e naturais que o cercam. Uma das principais
fontes de informação à disposição dos alunos sobre temas geográficos é o livro
didático, pois este tem distribuição gratuita nas escolas públicas, atingindo uma
grande quantidade de alunos, principalmente no Ensino Fundamental.

62

O livro didático como ferramenta para o professor e como fonte de
informações para os alunos é essencial para a construção de um raciocínio lógico
e orientado para o desenvolvimento dos temas abordados pela Geografia. Apesar
de, atualmente, os alunos desde as séries iniciais, terem acesso a diversas fontes
de informação, o livro didático ainda se configura como principal fonte de
orientação das aulas.

2.5. A importância do livro didático no processo de aprendizagem

Os recursos didáticos fazem parte do processo ensino-aprendizagem do
conhecimento e certamente sem eles o saber estaria ainda atrelado apenas aos
que detêm o conhecimento e subjugado ao senso comum. Os recursos didáticos,
no processo de ensino-aprendizagem, são essenciais para que os conhecimentos
sejam construídos, pensados e repensados. Para que essas ações possam trazer
frutos, os meios, para a transmissão do conhecimento, utilizaram diferentes tipos
de instrumentos, clássicos e modernos, do quadro negro ao computador
conectado a internet.
É sabido que o livro didático é uma das principais fontes de conhecimento
para os alunos e professores, tornando-se o recurso didático mais utilizado nas
escolas. Esse fato se dá muito devido à distribuição gratuita dos livros no Ensino
Fundamental das escolas públicas no país, atingindo uma grande quantidade de
estudantes. Esse recurso didático apresenta valor relevante nas escolas uma vez
que, dependendo da localidade, é a única fonte de saber.
Mesmo com o avanço dos meios de comunicação de massa, do
desenvolvimento da internet e, conseqüentemente, da redução da dependência
do livro como principal fonte de informação, é garantido que ele ainda estará
presente por muito tempo na escola. O livro didático contribui para quase todas as
atividades escolares, pois a maioria delas depende da leitura. Não somente as
aulas expositivas, mas também as tarefas de casa quase sempre utilizam o livro.
(MOLINA, 1987: 13).
Seja para a obtenção de conhecimento, ou simples recreação, a leitura faz
parte das atividades escolares e o livro torna-se, então, um objeto familiar para a
maior parte dos alunos. Nem todo aluno entra em contato com livros de literatura

63

ou ficção em sua caminhada pelo aprendizado, mas certamente terá algum
contato com o livro didático. Assim, é possível compreender que o livro didático é
um componente tão presente na sala de aula quanto o próprio professor (Ibidem).
A leitura é parte fundamental para o desenvolvimento dos alunos, e sem
dúvidas o livro didático contribui para o contato do aluno com ela. Molina (1987:
18) reforça que:

O livro didático adquire especial importância quando se atenta
para o fato de que ele pode ser, muitas vezes, o único livro com o
qual a criança tem contato. Considerando-se o fato de que, ao
deixar a escola, pode ocorrer que jamais tornem a pegar nos
livros, percebe-se que, para muitos cidadãos, o livro didático
termina por ser "o" livro.

Fazer do livro didático uma ferramenta que contribua para a definição do
curso a ser dado, no planejamento das aulas e em suas propostas de trabalho, é
fundamental para o professor. Contudo, deve-se utilizar o livro de forma crítica,
relativizando-o, confrontando-o com outros livros, com outras fontes de
informações como jornais e revistas. O professor deve utilizá-lo como "apoio ou
complemento para a relação ensino-aprendizagem que visa a integrar
criticamente o educando ao mundo" (VESENTINI,1989: 166).
Vesentini (1989: 166) também afirma que "(...) o livro didático constitui um
elo importante na corrente do discurso da competência: é o lugar do saber
definido, pronto, acabado, correto". Isso mostra que o livro muitas vezes é visto
como fonte inegável de informação, não podendo ser questionado. Por mais que
o livro didático não seja o único culpado pelo autoritarismo e a precariedade no
ensino, ele acaba perpetuando a forma usual e institucionalizada do mesmo,
tornando o saber alheio à prática educativa, sendo apenas assimilado, mas não
produzido pelos alunos.
É possível perceber que o livro didático deixa a desejar por diversos
fatores. Contudo, ele é indispensável em sala de aula segundo Freitag (1997:
128) que afirma:
Se com o livro didático o ensino no Brasil é sofrível, sem ele será
incontestavelmente pior. Poderíamos ir mais longe, afirmando que
sem ele o ensino brasileiro desmoronaria. Tudo se calca no livro
didático. Ele estabelece o roteiro de trabalho para o ano letivo,
dosa as atividades de cada professor no dia-a-dia da sala de aula

64

e ocupa os alunos por horas a fio em classe e em casa (fazendo
seus deveres).

Contudo, a autora também faz uma crítica, quando propõe que os
professores e alunos tornaram-se escravos dos manuais, perdendo sua
autonomia e senso crítico que deveria ser desenvolvido pelo processo ensinoaprendizagem, mostrando que o livro está inserido no dia-a-dia dos alunos e
professores (Idem).
O livro não tem funcionado em sala como um instrumento auxiliar para
construir o processo de apreensão do conhecimento, mas sim como um modelo
pronto, "a autoridade absoluta, o critério último de verdade. Nesse sentido, os
livros parecem estar modelando os professores. O conteúdo ideológico do livro é
absorvido pelo professor e repassado ao aluno de forma acrítica" (Ibidem: 111).
Mesmo com os problemas encontrados no livro didático, é possível
perceber que ele é importante para o desenvolvimento dos alunos, pois "apesar
de não ser o conteúdo o único problema do ensino, é evidente que ele possui
uma inegável importância, em especial no caso específico do ensino da
Geografia" (VESENTINI, 1989:167).

2.6. O livro didático de Geografia

Acredita-se que a abordagem dos temas geográficos voltados para o
estudo do clima não se dá de maneira uniforme nos livros didáticos. Há diversas
coleções de livros aprovadas pelo Ministério da Educação por meio do Programa
Nacional do Livro Didático (PNLD) que está em operação a mais de uma década
e contribui de forma significativa para melhorar a qualidade técnica, teórica e
didática das coleções de Geografia (PNLD, 2008).
Dessa forma, é possível que os alunos tenham acesso a informações
diferentes ou mesmo não tenham acesso a certas informações em detrimento da
coleção escolhida por sua escola e professor de Geografia. É proposto pelo PNLD
que a escolha do livro didático seja feita levando em consideração o auxilio ao
aluno em compreender conhecimentos geográficos que:

65

Propicie o entendimento das relações sociedade e natureza, de
suas dinâmicas e processos; possibilite o estabelecimento de
relações entre o que acontece no seu cotidiano e os fenômenos
estudados, considerando os conceitos básicos da Geografia e as
linguagens que lhe são próprias; contribua para o
desenvolvimento de hábitos e atitudes que favoreçam a
construção da cidadania, por meio do estímulo à compreensão e à
aceitação da diversidade cultural e étnica (PNLD, 2008:09).

Foi verificado, pelo Programa Nacional, que os manuais do Ensino
Fundamental trabalham com noções básicas de Geografia e Cartografia,
abordando os estudos da orientação, coordenadas geográficas, escala, fusos
horários, movimentos de rotação e translação, efeito estufa, entre outros. Em
diversas coleções, os aspectos naturais são mais enfatizados, enquanto em
outras os aspectos humanos e econômicos são mais visíveis. Em sua grande
maioria, os manuais da trabalham com ênfase nas noções de orientação e
representação do espaço geográfico, com os elementos da natureza e as
relações sociedade e natureza (Ibidem: 16).
Nos livros de Geografia verificados pelo Programa Nacional, existe a
escolha de um enfoque de ensino-aprendizagem com o objetivo de "propiciar aos
alunos a participação ativa na elaboração de conhecimentos que lhes permitam
compreender a produção do espaço geográfico, bem como desenvolver sua
criticidade e cidadania" (Ibidem: 30). Esse enfoque é importante, pois entende-se
ser necessário que haja uma mudança na apresentação dos temas nos livros,
assim como nas aulas de Geografia, deixando de lado o enfoque tradicional da
Geografia e buscando uma maior participação dos alunos na construção de um
pensamento onde haja uma "(re)descoberta da natureza como ser integrado (e
não-fragmentado) e vivo, com o qual devemos nos entender de forma harmônica
ao invés de pretender dominar" (VESENTINI, 1989: 178), pensamento esse
inspirado por uma abordagem sistêmica, uma nova percepção da natureza,
diferente daquela cartesiana-newtoniana que propõe que "(...) o saber é a
possibilidade de nos tornarmos cada vez mais senhores da natureza" (Ibidem:
177).
Uma questão importante nas abordagens tradicionais no livro didático é a
aceitação do paradigma Terra e homem, onde o ser humano é visto como ser à
parte do planeta, levando ao entendimento da natureza apenas como recurso

66

para beneficiar a raça humana, favorecendo ainda mais a dicotomia entre
Geografia Humana e Física. Os livros, começando pela 5ª série, abordam os
aspectos naturais do planeta para depois colocar, nessa base, as estruturas
criadas pelo homem e pela economia. Os capítulos não têm grande relação entre
si mostrando os conceitos de forma não integrada, apresentando o ser humano
como dominador da natureza, deixando ausente a importante idéia da construção
e produção do espaço pela sociedade moderna (Ibidem: 168).
Atualmente, com as avaliações das coleções didáticas que são distribuídas
no país e feitas anualmente pelo PNLD, percebe-se um avanço significativo na
qualidade das informações contidas nos livros. Contudo, a Geografia por si só é
uma disciplina complexa e difícil de ser ministrada. Uma das muitas dificuldades
enfrentadas pela Ciência Geográfica é o trabalho com as questões do cotidiano,
dos fatos recentes, pois esses sempre são objeto de algum tipo de ideologia, de
algum tipo de poder ou preconceito que tem como objetivo dirigir o conhecimento
que é transmitido, dirigindo, assim, a prática dos alunos no decorrer de suas vidas
(PELUSO, 2006: 137).
Se o livro didático apresenta o ambiente no qual o aluno se encontra como
estático, imutável, sem interesse, há poucas chances de que a sua concepção em
relação à natureza mude ou que ele se sinta pertencente a ela. Contudo, se as
"espacialidades e temporalidades dinâmicas atravessam o meio ambiente, a
importância da Geografia se afirma, as práticas dos atores são desvendadas e os
educandos valorizam o papel dos conhecimentos geográficos para sua vivência"
(Ibidem: 137).
Percebe-se que, para o desenvolvimento das práticas educacionais em
Geografia, é importante que se estabeleça o diálogo entre a escola e o mundo
real, onde os alunos vivem. É importante que o livro didático contribua para que
os alunos aprendam a ler o mundo sob um ponto de vista geográfico, entendendo
as relações que acontecem no espaço em que se encontram, primeiro em escala
local, para depois inserirem-se no espaço regional e, posteriormente, mundial
(Ibidem: 138).
Percebe-se, a partir de 1998, um avanço na qualidade dos livros didáticos
de Geografia quando Peluso (2006: 138) afirma que:

67

As mudanças teórico-metodológicas da Geografia trouxeram
novos objetivos e outras práticas para o ensino da disciplina no
Ensino Fundamental que os livros didáticos foram aos poucos
incorporando. O objetivo da Geografia renovada no Ensino
Fundamental será o desenvolvimento de um raciocínio e de uma
linguagem geográficos, definindo-se um recorte espacial para o
estudo da realidade. Dessa maneira, leva-se o aluno a interpretar
as formas, os conteúdos e os processos do mundo em que vive, a
partir do movimento da inter-relação da natureza e da sociedade,
relacionando espaço com natureza e espaço com sociedade.

A prática geográfica no Ensino Fundamental está relacionada, atualmente,
a uma visão crítica do mundo, buscando trabalhar o homem como parte da
natureza, ser dependente dela, não dominador da mesma. Acredita-se que os
alunos precisem desenvolver um sentimento de pertencimento à natureza,
gerando assim um maior comprometimento com seus atos. E, de acordo, com
Vesentini (1989: 178-79)
Só a prática docente nas salas de aulas (...) é que irá engendrar
uma geografia escolar crítica, voltada a contribuir para a formação
de cidadãos plenos. E tal tarefa é ininterrupta, o que vale dizer
que não se deve encontrar uma receita, um modelo acabado para
ser constantemente reproduzido, mas sim que a busca deve ser
uma meta sem fim, que o renovar e sempre experimentar novas
atividades e conteúdos é condição sine qua non2 para um ensino
que não sirva às relações de dominação.

Do ponto de vista da Geografia Física, a questão das mudanças climáticas
é trabalhada ativamente em sala de aula, inclusive entre crianças que estudam no
Ensino Fundamental. Os alunos desse período têm o primeiro contato com o
aprendizado a respeito da formação do universo até a formação da Terra dentro
do Sistema Solar. No estudo da formação do planeta Terra, os alunos aprendem
todo o processo de formação da litosfera, atmosfera e hidrosfera, cada esfera
evoluindo em períodos de tempo de milhões de anos, formando juntas a Biosfera,
a cerca de 3,5 bilhões de anos atrás.
Ao se trabalhar, posteriormente, com os mesmos alunos o assunto do
efeito estufa, por exemplo, é abordada a importância das emissões de gás
carbônico para o agravamento do efeito estufa por meio da queima de
combustíveis fósseis. Segundo a teoria mais difundida, o início das emissões data

2

Do latim "sem o qual não pode ser".

68

de meados do século XX, com pouco mais de 50 anos. Sabendo que 50 anos
corresponde a um tempo muito menor do que milhões de anos é possível que os
alunos questionem a rapidez dessa mudança de temperatura, sendo que a
formação da Biosfera demorou milhões de anos.
Acredita-se que haja uma histeria desnecessária envolvendo esse assunto
nos livros didáticos, fazendo com que os alunos acreditem que o ser humano é o
ser mais importante do planeta, tendo ele parte em tudo o que acontece na
superfície terrestre e até além. Conforme foi possível compreender, durante essa
pesquisa, há outras explicações para esse aquecimento que está acontecendo
atualmente, e grande parte delas não expõe o ser humano como causa principal
do mesmo.
Considera-se ser essencial que o livro didático e o professor instiguem o
debate com os alunos, na busca de compreender a realidade dos fenômenos
climáticos. Entende-se ser importante, ainda, que o professor e o manual
apresentem as informações como conceitos que foram formados por meio de
pesquisas científicas e que essas sejam experimentos que não tragam certezas
absolutas, mas sim teorias com níveis diferentes de aceitação. Percebe-se que os
alunos devam compreender que, para todas as teses, existem também as
antíteses, que são estudos que trazem informações conflitantes. Esse
entendimento pelos alunos é essencial para o avanço da Ciência e do
pensamento científico, gerando o debate e o questionamento. Dessa maneira:
O fundamental, neste momento que possibilita experimento e
inovações, é evitar sistemas teóricos fechados, conteúdos que
valorizem excessivamente os conceitos (...) e assim deixar pouco
espaço para o pensar o novo, para refletir a partir do real e nesse
ato engendrar os conceitos, sempre provisórios, que nada mais
devem ser que expressões que nos ajudem a compreender o real
e, na medida em que este é dinâmico, estejam constantemente
sujeitos a reformulações. Pois é o escopo de um ensino libertário:
não ensinar, mas ajudar a aprender, orientar no crescimento
intelectual-cognitivo-político, formar pessoas criativas, críticas e
capazes de fazer coisas novas (Ibidem: 179).

Ao se entender que os conceitos devam ser tidos como dinâmicos e que o
ensino libertário parte do princípio de contribuir para o desenvolvimento do aluno
no sentido de aprender a criar, criticar e inovar, é importante que, em sala de
aula, os conceitos sejam trabalhados como ponto de partida para discussões e

69

apenas como uma referência, não como a verdade absoluta sobre algo. A
Geografia tem o papel de gerar a discussão, justamente para tornar os alunos
cidadãos mais responsáveis e não apenas perpetuadores dos mesmos
ensinamentos advindos da Geografia Tradicional.
Os livros didáticos do Ensino Fundamental, como visto anteriormente,
trabalham os aspectos naturais do planeta, apresentando sua formação e
funções. Um dos assuntos abordados nos livros é o papel do efeito estufa na
manutenção da vida na Terra. Esse tema, dependendo da maneira como é
apresentado no livro, pode gerar um aprendizado precipitado sobre algumas
questões, principalmente as relacionadas às mudanças climáticas e ao
aquecimento global. É possível que os livros de Geografia estejam transmitindo a
visão catastrófica do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças
Climáticas) em suas informações de maneira categórica e estática, não abrindo
espaço para outras teorias, impossibilitando, assim, a principal atividade da
Geografia em sala de aula que é o debate.
Partindo do princípio de que existem incertezas a respeito da influência
antrópica na intensificação do efeito estufa natural, esta pesquisa faz, no próximo
capítulo, uma verificação de como o tema referente às mudanças climáticas e ao
aquecimento global é abordado em 6 (seis) diferentes coleções de livros didáticos
de Geografia do Ensino Fundamental editadas entre os anos de 2005 e 2008,
todas aprovadas pelo Ministério da Educação.

70

3. METODOLOGIA DA PESQUISA

3.1. Natureza e seleção da amostra da pesquisa

Os livros didáticos, como abordado anteriormente na pesquisa, são
considerados ferramentas didáticas, isto é, material escrito para ser utilizado
como fonte de conteúdo para desenvolver o processo educacional do aluno. Esta
pesquisa propõe a análise qualitativa a partir dos estudos realizados com base no
referencial teórico trabalhado.
A metodologia utilizada para a pesquisa permite o alcance dos objetivos
propostos por este estudo, uma vez que possibilita a realização de uma
verificação de 6 (seis) diferentes coleções de livros didáticos de Geografia do
Ensino Fundamental utilizadas no 3º e 4º ciclos, avaliados previamente pelo
Programa Nacional do Livro Didático (PNLD).
A escolha dessas coleções justifica-se pelo início do estudo da Geografia
propriamente dita durante essa fase, pois deixa de ser ministrada juntamente com
a História em Estudos Sociais e passa a ser uma disciplina importante para a
compreensão dos fenômenos que acontecem no planeta. Dessa forma, o estudo
da Geografia passa a ser mais dinâmico, pois torna possível o aprofundamento
em inúmeros assuntos.
Assim, faz-se necessário estudar de que modo os livros didáticos de
Geografia estão transmitindo os conteúdos relacionados com o aquecimento
global e as mudanças climáticas, com vistas a contribuir para a melhoria da
ferramenta didática, bem como demonstrar, aos profissionais do ensino,
pesquisadores e estudantes de todos os níveis, as potencialidades e limitações
das coleções analisadas, a partir de uma visão geográfica e sócio-ambiental.
A escolha das coleções foi feita a partir da identificação das coleções mais
utilizadas nas escolas do Distrito Federal, sendo importante frisar que o objetivo
da

pesquisa

é

a

verificação

de

coleções

aprovadas

pelo

MEC,

independentemente de sua classificação no PNLD. Foram escolhidas duas
coleções de 2008 ­ Estudos de Geografia e Geografia Crítica, representando
cerca de 12% das coleções avaliadas pelo PNLD, duas coleções de 2007 ­
Trilhas da Geografia e Geografia do Século XXI, também representando cerca de

71

12 % das coleções avaliadas pelo plano nacional. Para complementar a pesquisa,
foram escolhidas mais duas coleções, uma de 2006 ­ Construindo o Espaço e
outra de 2005 ­ Geografia Espaço e Vivência (PNLD 2008, 2007, 2006, 2005)

3.2. Análise dos textos da Coleção

Foram analisados os quatro volumes, de 5ª série/6º ano a 8ª série/9º ano,
das seis coleções escolhidas, totalizando 24 livros verificados quanto à presença
e a abordagem dos termos aquecimento global e mudanças climáticas. Foram
considerados três passos importantes para a realização dessa pesquisa.

1. Pré-análise

Nessa etapa, as coleções foram analisadas de forma geral com a intenção
de identificar os volumes onde se encontram os temas, para verificar a
intensidade das informações apresentadas.

2. Exploração da Coleção

Inicialmente, nessa fase da pesquisa, foi realizado um mapeamento das
coleções escolhidas com o intuito de compreender em que momento os temas
aquecimento global e mudanças climáticas são apresentados ao aluno, quando
são trabalhados os:


impactos ambientais, abordando o fenômeno relacionado às ações
humanas, ou;



os fenômenos climáticos, tendo uma abordagem relacionada aos
fenômenos naturais do planeta.

Esse mapeamento gerou subsídios para compreender os dois principais
momentos em que os temas são abordados nas coleções, possibilitando a
comparação entre os dois momentos na análise interpretativa das mesmas.

72

3. Análise qualitativa dos conteúdos textuais

De acordo com os questionamentos e objetivos propostos pela pesquisa, e
considerando a necessidade dos livros didáticos de Geografia no processo
educacional do aluno, essa análise se utiliza de uma ficha de avaliação adaptada
da ficha contida no PNLD ­ 2008. A ficha foi modificada de maneira a contribuir
para a obtenção das informações necessárias para a compreensão e para a
verificação da maneira como o tema aquecimento global e mudanças climáticas
está sendo veiculado (PNLD, 2008).
A ficha contém 8 (oito) perguntas que abordam desde as questões de
organização da coleção até questões conceituais e teórico-metodologicas. Elas
objetivam obter informações suficientes para uma análise o mais completa
possível da abordagem do tema. As perguntas foram criadas na intenção de gerar
uma linha de raciocínio de compreensão crescente.
As perguntas estão classificadas em 3 (três) categorias: X, Y e Z onde:
X ­ pergunta com 4 (quatro) respostas possíveis entre quatro opções.
Y ­ pergunta com apenas uma opção de resposta entre duas existentes.
Z ­ pergunta com duas opções de resposta SIM e NÃO, onde a primeira é
subdividida em R (regular), B (bom) e O (ótimo), pois busca apresentar o nível
das informações transmitidas nas obras.
As perguntas Y são sucedidas de exemplos que reforçam e complementam
a resposta. As perguntas Z são sucedidas de justificativas e exemplos para as
menções que foram atribuídas às obras.
As perguntas estão expostas em tabelas referentes a cada coleção
analisada, juntamente com as respectivas justificativas e exemplos. Contudo, para
a melhor compreensão da análise realizada nas coleções, é importante a
disposição das perguntas que guiaram essa verificação:

1. A coleção trabalha os temas "Aquecimento Global" e "Mudanças
Climáticas"? Se sim, em quais volumes?
2. No (s) volume (s) em que se encontram o tema, em que momento ele é
abordado, ao se trabalhar os fenômenos climáticos (C) ou os impactos
ambientais (I)?

73

3. No (s) volume (s) verificado (s) há a apresentação apenas da teoria
antrópica para o Aquecimento Global (A) ou há, também, a apresentação
de outras teorias sobre o aquecimento do planeta (B)?
4. Há coerência entre a fundamentação teórico-metodológica da Geografia
proposta com a utilizada na apresentação dos temas próprios da
climatologia relacionados com as mudanças climáticas?
5. As

informações

básicas

relacionadas

aos

fenômenos

climáticos,

principalmente ao efeito estufa, e a precisão dos conceitos climatológicos
estão corretos e atualizados?
6. Possibilita ao aluno a articulação entre os níveis de conhecimento do senso
comum e científico, abordando conteúdos que valorizam o saber prévio do
aluno no processo de aprendizagem a respeito das mudanças climáticas?
7. Os conteúdos são adequados e enriquecedores no intuito de ampliar as
possibilidades de expressão do aluno a respeito das mudanças climáticas?
8. As atividades possibilitam a articulação dos conteúdos de forma adequada
para se atingir os objetivos propostos pelas unidades?

Dessa forma, nessa etapa da pesquisa foi realizada uma compreensão
imediata dos significados, explorando os textos relacionados com o tema em
questão, isto é, uma análise dos significados presentes nas informações contidas
sobre o aquecimento global e mudanças climáticas nas coleções escolhidas,
conforme será apresentado no próximo capítulo desse trabalho.

74

4. ANÁLISE INTERPRETATIVA DAS COLEÇÕES SELECIONADAS DOS
LIVROS DIDÁTICOS

A utilização dos livros didáticos é muito importante para o ensino dos
alunos do Ensino Fundamental. Esse estágio do conhecimento Geográfico faz
parte de um ciclo de aprendizado a respeito da influência do ser humano, sua
organização e impactos no meio ambiente. O entendimento dos fenômenos
naturais, a compreensão da relação entre estes e a sua realidade são muito
importantes para o desenvolvimento desses alunos.
Nesse capítulo, é apresentada a verificação das coleções propostas para
análise. Foram selecionadas seis coleções aprovadas pelo Plano Nacional do
Livro Didático (PLND) editadas entre 2005 e 2008. Ao total foram analisados 24
livros didáticos no intuito de verificar a abordagem do tema aquecimento global e
mudanças climáticas para compreender como os temas são abordados nos livros
de Geografia aprovados pelo Ministério da Educação para o Ensino Fundamental.
Durante a análise, constatou-se que os temas foram apenas apresentados em
alguns volumes.
Para a análise, considerou-se a necessidade do livro em transmitir o
objetivo da Geografia, de apresentar a dinâmica espacial e as mudanças geradas
por ela, transformando o espaço geográfico local, regional, nacional e
mundialmente. Para tal, conceitos básicos do estudo da Geografia como:
natureza, lugar, região, território, paisagem, tempo, espaço, cultura, sociedade, e
mais precisamente no caso específico dessa pesquisa do clima, efeito estufa e
camada de ozônio, devem ser explicados de maneira clara e bem exemplificados,
trazendo o assunto abordado para a realidade dos alunos.
Como se tem defendido ao longo desta pesquisa, acredita-se que os livros
didáticos de Geografia tenham a função de preparar o aluno para agir num mundo
complexo, localizar-se nele, entendê-lo, compreendê-lo para, então, desenvolver
um senso crítico sendo capaz de problematizar a realidade, propor e implementar
soluções para mantê-lo sustentável. A seguir, é apresentada a tabela contendo os
dados da análise das coleções.

8.

As atividades possibilitam a articulação dos
conteúdos de forma adequada para se atingir
os objetivos propostos pelas unidades?

Possibilita ao aluno a articulação entre os
níveis de conhecimento do senso comum e
científico, abordando conteúdos que valorizam
6.
o saber prévio do aluno no processo de
aprendizagem a respeito das mudanças
climáticas?
Os conteúdos são adequados e
enriquecedores no intuito de ampliar as
7.
possibilidades de expressão do aluno a
respeito das mudanças climáticas?
NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

As informações básicas relacionadas aos
fenômenos climáticos, principalmente ao efeito
estufa, e a precisão dos conceitos
climatológicos estão corretos e atualizados?

5.

NÃO

B

A

X

X

X

X

SIM

SIM

SIM

SIM

SIM

X

R

R

Coleção

Coleção

Coleção

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

B

A

I

C

NÃO

X

X

X

X

X

X
X

O

B

R

B
O

R

O

B

R

O

B

R

O

B

R

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

B

A

I

C

NÃO

O - Ótim o

SIM

SIM

SIM

SIM

SIM

X

X

5ª/6º
6ª/7º
7ª/8º
8ª/9º

SIM

X

X

X

X

X

X
X

SIM

SIM

SIM

SIM

SIM

X

X

SIM

O

B

R

B
O

R

O

B

R

O

B

R

O

B

R

5ª/6º
6ª/7º
7ª/8º
8ª/9º

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

B

A

I

C

NÃO

X

X

X

X

X

X

X

SIM

SIM

SIM

SIM

SIM

X

X

O

B

R

B
O

R

O

B

R

O

B

R

O

B

R

5ª/6º
6ª/7º
7ª/8º
8ª/9º

SIM

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

NÃO

B

A

I

C

NÃO

X

X

X

X

X

X

X

SIM

SIM

SIM

SIM

SIM

X

X

SIM

O

B

R

B
O

R

O

B

R

O

B

R

O

B

R

5ª/6º
6ª/7º
7ª/8º
8ª/9º

Trilhas da Geografia Geografia do Século XXI Construindo o Espaço Geografia - Espaço e Vivência

Coleção

Legenda: R - Regular B - Bom

O

SIM

O

X

B

NÃO

B
O

R

B

R

B
O

R

X

SIM

O
NÃO

B

B

R

O

R

X

SIM

O

R

O

B

R

O

X

SIM

SIM

X

X

5ª/6º
6ª/7º
7ª/8º
8ª/9º

B

NÃO

NÃO

X

X
X

SIM

B

R

O

B

NÃO

B

A

I

X

I

NÃO

C

X

X

5ª/6º
6ª/7º
7ª/8º
8ª/9º

SIM

C

NÃO

Há coerência entre a fundamentação teóricometodológica da Geografia proposta com a
4. utilizada na apresentação dos temas próprios
da climatologia relacionados com as mudanças
climáticas?

3.

No(os) volume(es) verificado(os) há a
apresentação apenas da teoria antrópica para
o Aquecimento Global (A) ou há, também a
apresentação de outras teorias sobre o
aquecimento do planeta (B)?

No(os) volume(es) em que se encontra o tema,
em que momento ele é abordado, ao se
2.
trabalhar os fenômenos climáticos (C) ou os
impactos ambientais (I)?

1.

A coleção trabalha o temas "Aquecimento
Global" e "Mudanças Climáticas"? Se sim, em
quais volumes?

Coleção

Tabela de Análise das Coleções
Estudos de Geografia Geografia Crítica

Coleção

75

76

4.1. Coleção Estudos de Geografia por Demétrio Magnoli. 1ª ed. São Paulo:
Atual, 2008

A coleção Estudos da Geografia, preparada por Demétrio Magnoli para os
alunos do Ensino Fundamental de 5ª série/6º ano a 8ª série/9º ano, possui quatro
volumes. Em cada um dos volumes há uma lista de referências para os alunos com
sugestões de livros, filmes e sites recomendados para a pesquisa seguida das
referências bibliográficas utilizadas pelo autor do livro. Nota-se que não há a
presença de um Atlas ou de um Glossário nos volumes. Essas recomendações são
importantes, pois vão incentivar a busca pelo conhecimento no aluno, levando o
ensino para fora da sala ou do livro didático.
Percebe-se, nessa coleção, que o aquecimento global ou as mudanças
climáticas não são trabalhados no volume da 5ª série/6º ano como se acredita ser
oportuno, pois, nesse capítulo, são abordados os processos de formação da
atmosfera e dos fenômenos climáticos que regem o clima. O assunto é apenas
abordado no volume da 8ª série/9º ano na unidade 1, no Capítulo 4 denominado "As
políticas ambientais globais", a partir da página 55, com o subitem "O aquecimento
global", apresentando o fenômeno como um impacto ambiental causado pelas ações
humanas.
Verifica-se que os conceitos próprios do estudo da Climatologia são
apresentados no primeiro volume dessa coleção nos capítulos 7 ­ Luz e calor e 8 ­
O tempo e o clima não abordando fenômenos relacionados com o aquecimento
global. Nos capítulos 13 ­ Técnicas e trabalho: indústrias e 14 ­ Energia, transporte
e comunicações, os temas como a poluição atmosférica e a chuva ácida são
trabalhados de forma crítica, mostrando as conseqüências, para o ser humano, do
uso dos combustíveis fósseis. Contudo, não é apontado o aquecimento global como
o principal impacto ambiental relacionado ao uso desses combustíveis.

Volume 8ª série/9º ano

No momento em que é trabalhado o aquecimento global, no capítulo 4, o
tema é apresentado de maneira muito bem elaborada, buscando apresentar
diferentes momentos na história geológica da Terra quando aconteceram
aquecimentos. Apesar da explicação prévia sobre outros momentos de aquecimento

77

no planeta, e ainda de que o efeito estufa é um fenômeno natural, é afirmado, na
página 57, que "o aumento da concentração de gases como o dióxido de carbono, o
metano, e o óxido nitroso na atmosfera, intensifica o efeito estufa". Apesar de
apresentar outros gases como o óxido nitroso como parte do efeito estufa, o texto
afirma, em seguida, na página 58, que a Revolução Industrial aumentou
gradativamente as emissões de CO2 e que "a produção de energia em usinas
termelétricas e o consumo de combustíveis fósseis nos transportes e nas indústrias
constituem as maiores causas da emissão de dióxido de carbono, o principal gás de
estufa", confirmando, assim, que é abordada a teoria da intensificação do efeito
estufa pelas ações antrópicas.
Mesmo confirmando a influência antrópica como a causa das mudanças
climáticas, o volume busca uma abordagem mais científica, mostrando que ainda
existem discussões no meio científico quando afirma, na página 58, que "a
discussão científica sobre o grau de contribuição das atividades humanas para o
aquecimento global continua, mas praticamente não existem mais dúvidas de que
essa contribuição é significativa".
Constatou-se que, ao trabalhar o tema das mudanças climáticas e do
aquecimento global, o último volume da coleção apresenta o assunto, em seu
capítulo 4, após introduzir as preocupações mundiais a respeito dos problemas
ambientais enfrentados pelo planeta e a humanidade. No texto da página 55, o
aquecimento global é abordado como um problema ambiental global e apresenta as
previsões de aumento da temperatura média do planeta de 1ºC a 3,5ºC até o final do
século XXI. Ao invés de afirmar taxativamente as origens do aquecimento global, o
texto apresenta um quadro com o título: "O aquecimento e a história". Nesse quadro,
(páginas 55, 56 e 57) é apresentada uma série de informações a respeito do
processo natural de variação de temperatura do planeta, afirmando que os
processos podem ser causados por erupções vulcânicas ou até pelo impacto de um
meteorito. Contudo, é afirmado que após o processo de industrialização intenso nos
séculos XIX e XX, as médias globais cresceram 0,4ºC. Após essa explicação, é
apresentada a teoria da influência antrópica, porém com ressalvas nas informações
apresentadas, na página 57, onde o texto afirma que "períodos de aquecimento
registraram-se antes, em tempos históricos. A novidade é que o aquecimento atual
ocorre no mundo inteiro e, provavelmente, resulta, ao menos em parte, do impacto
das atividades humanas". A informação da maneira como é transmitida, não é

78

taxativa, abrindo espaço para o questionamento do aluno sobre a "outra parte" que
conta neste aquecimento.
O termo ,,efeito estufa somente é abordado neste volume quando são
trabalhados os impactos ambientais e as políticas internacionais que foram criadas
para a redução desses impactos no planeta. Ainda, na página 57, o fenômeno é
explicado superficialmente, porém, dando ênfase na sua origem natural "esse efeito
estufa, um fenômeno natural, faz com que a Terra apresente condições térmicas
adequadas ao desenvolvimento da vida", já na página seguinte o texto afirma que,
desde a Revolução Industrial, vem acontecendo o aumento na quantidade de gases
estufa na atmosfera, apresentando que "a queima de combustíveis fósseis nos
transportes e nas indústrias constituem as maiores causas da emissão de dióxido de
carbono, o principal gás de efeito estufa".
Entende-se que as explicações, na coleção Estudos de Geografia, para o
aquecimento global atual são relacionadas diretamente com as emissões de CO 2
pelo homem. As informações apresentadas são atuais e mostram a evolução dos
encontros ambientais internacionais e suas principais conclusões. As explicações
para o aquecimento global atual são relacionadas diretamente com as emissões de
CO2 pelo homem como propõe o IPCC exposto na página 58 no gráfico "Emissões
de CO2 geradas pelo consumo de combustíveis fósseis (1820 ­ 2000)". Nesse
gráfico, percebe-se, claramente, o aumento das emissões de carbono, mas não é
apresentado um gráfico com o aumento da temperatura para que seja feita uma
comparação, não propiciando uma co-relação entre os dois fatores, prejudicando a
compreensão entre o aumento das emissões de gás carbônico e o aumento na
temperatura.
É importante ressaltar que a maioria das informações contidas no capítulo,
que aborda as mudanças climáticas e o aquecimento global, pertencem a fontes
científicas e apenas um item, na página 65, do volume, "Matéria de imprensa" traz
um texto sobre os impactos do aquecimento global nas geleiras da China. Porém,
em momento algum é feito um alarmismo sobre o assunto na matéria que, pelo
contrário, afirma no final que "segundo os cálculos mais pessimistas, 64% das
geleiras chinesas derreterão até 2050, embora uma equipe de cientistas chineses
enviados ao Himalaia tenha dito que o ritmo não é tão rápido".
Ainda na página 65, do volume é feita a seguinte pergunta "O que significa
efeito estufa? Por que esse é um conceito importante para se entender o

79

aquecimento global?". A pergunta é importante, pois é essencial entender o efeito
estufa para compreender a teoria da influência antrópica no aquecimento global.
Contudo, nem esse volume, nem o primeiro volume, que trata das questões
atmosféricas e climáticas, contém informações suficientes para se explicar o efeito
estufa, não propiciando ao aluno uma articulação com o que foi transmitido pelo
manual e aquilo que é exigido por ele.

Síntese da Coleção

De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do
Professor, página 7, desse volume "os conceitos fundamentais são desenvolvidos de
modo rigoroso e completo ­ e isso se traduz, muitas vezes, em incursões
interdisciplinares através das Ciências Naturais e da História". Na maior parte dos
temas trabalhados na coleção, há coerência entre a fundamentação teóricometodológica

da

Geografia

proposta

e

a

utilizada,

mostrando

que

a

interdisciplinaridade faz parte da construção do conhecimento do aluno. Entretanto,
apesar de relacionar as mudanças climáticas às ações humanas, há, na obra, uma
série de informações complementares que são capazes de gerar o debate com o
aluno, mostrando que existiram outros momentos de aquecimento no planeta, onde
a presença do ser humano não era predominante. Acredita-se que essas
informações sejam imprescindíveis para construir, juntamente com o aluno, o
conhecimento sobre os fenômenos climáticos que causam as mudanças climáticas.
Nos volumes nos quais o clima é trabalhado, há a apresentação dos
fenômenos responsáveis pela dinâmica climática do planeta onde são expostos, por
exemplo, os conceitos de ciclo hidrológico, massas de ar, chuvas, circulação global
da atmosfera e a relação das correntes oceânicas com o clima. A grande maioria
dos conceitos está correta e bem detalhada, não sendo apenas expositiva, mas
apresentando as conseqüências dos fenômenos climáticos para a sociedade, sejam
eles positivos ou negativos. Entretanto, o fenômeno do efeito estufa não é
trabalhado de maneira clara, apenas há explicações no primeiro volume sobre os
processos naturais de aquecimento da atmosfera, onde o fenômeno não é
caracterizado como efeito estufa, podendo gerar um mau entendimento sobre o
fenômeno ao longo da coleção, uma vez que é apenas abordado novamente como
impacto ambiental no último volume da coleção.

80

Acredita-se que os conteúdos apresentados na coleção Estudos de Geografia
propiciem o debate a respeito das mudanças climáticas e a articulação entre
diferentes teorias a respeito das dinâmicas do clima. Apesar do tema ser trabalhado
apenas nesse volume e ser abordado como um impacto ambiental ocasionado pela
ação humana, há informações que possibilitam o questionamento pelo aluno.
Entende-se que a presença de informações de maneira crítica e esclarecedora
demonstre uma preocupação, do autor, com a construção do conhecimento
juntamente com o aluno, uma vez que os textos não são taxativos, apresentando
questões que podem gerar o debate.
No primeiro volume, as atividades propostas nas unidades que trabalham o
clima, nem sequer fazem menção às mudanças climáticas ou do efeito estufa, não
introduzindo o tema em um momento que acredita-se adequado, pois nesse
momento é abordado o estudo dos principais fenômenos climáticos relacionados
com o aquecimento global. Ambos são trabalhados apenas no volume da 8ª série/9º
ano como impactos ambientais. Dessa forma, não há uma inter-relação entre os
conteúdos trabalhados ao se estudar o clima com os impactos causados pelas
mudanças nele. Apesar de o tema aquecimento global dominar as páginas do
capítulo que aborda esse assunto, os exercícios ao final não trazem muitos itens
sobre ele. As atividades que abordam o tema são críticas, porém com pouca
articulação com o que foi definido ao longo do capítulo e não favorecem o
questionamento do aluno, uma vez que o manual é importante em sala e em casa,
sendo um guia para os estudos.
Os níveis de conhecimento do senso comum e científico são articulados de
maneira que se considera adequada quanto aos conceitos da climatologia, pois
busca apresentar, ao aluno, os mais diversos fenômenos climáticos que ocorrem no
planeta, e como relacioná-los com a realidade do aluno. Acredita-se que não haja
utilização de informações alarmistas e prevaleça a utilização de informações, sobre
as mudanças climáticas, vindas de fontes científicas. Entende-se que há uma boa
articulação com os conhecimentos prévios do aluno no que diz respeito aos
impactos ambientais causados pelas ações humanas e as relações entre os países
do mundo. Nas informações transmitidas a respeito das mudanças climáticas,
apesar de prevalecer o discurso com base na teoria das influências antrópicas, há a
apresentação de outras informações que contribuem para o debate em sala.

81

É possível perceber que o assunto referente às mudanças climáticas e ao
aquecimento global não é trabalhado relacionando-o aos processos naturais do
clima. Eles são trabalhados como problemas ambientais que necessitam ser
combatidos pelas políticas ambientais globais. Os fenômenos que dão origem às
mudanças climáticas no planeta são abordados de maneira a entendê-los fora das
dinâmicas climáticas, pois não são trabalhados juntamente com o estudo do clima ou
da atmosfera, gerando um caráter artificial para os eles.
Conclui-se que o fenômeno do efeito estufa não é apresentado de maneira
satisfatória por não ser abordado no momento em que são estudados os fenômenos
climáticos e por não ser explicado de forma detalhada e sim superficial. Não há
nenhuma imagem ou quadro para fornecer a visualização do fenômeno do efeito
estufa, o que se acredita ser fundamental para a compreensão do aluno.
Apesar de afirmar em diferentes momentos a relação entre emissões
antrópicas de CO2 e o aumento da temperatura média no planeta, é importante notar
a responsabilidade do autor ao incluir no texto expressões como "ao menos em
parte" ou "a discussão científica (...) continua", para que o entendimento do aluno
sobre a ciência não seja feito de maneira dogmática, possibilitando, assim, um
debate a respeito do tema.
As informações relacionadas à teoria antrópica do aquecimento são a base do
entendimento transmitido pelo capítulo no qual mudanças climáticas e o
aquecimento global são abordados. Contudo, há uma série de informações
complementares ao longo do capítulo que propiciam o enriquecimento dos debates,
uma vez que são informações científicas que revelam outras mudanças climáticas
extremas que aconteceram em todo o planeta em outras eras, e todas de origem
natural, tornando, de certa forma, positiva a abordagem sobre as mudanças
climáticas.

4.2. Coleção Geografia Crítica por Willian Vesentini e Vânia Vlach. 32ª ed. 1ª
impressão. São Paulo: Ática, 2008.

A coleção Geografia Crítica, preparada por Willian Vesentini e Vânia Vlach é
composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª série/6º ano
a 8ª série/9º ano. Em cada capítulo, há indicações de sites na internet e filmes
recomendados. Os volumes apresentam, ainda, listas com sugestões de leituras

82

complementares para aos alunos e que estão divididas de acordo com os assuntos
abordados em cada unidade, assim como as referências bibliográficas utilizadas
pelos autores.
Percebe-se na coleção que os temas relacionado aquecimento global ou as
mudanças climáticas são trabalhados apenas nos volumes da 5ª série/6º ano e 6ª
série/7º ano. Os conceitos próprios da Climatologia são abordados, porém com
algumas distorções em alguns momentos ao longo do desenvolvimento dos volumes
e principalmente o efeito estufa não é trabalhado de maneira satisfatória.

Volume 5ª série/6º ano

No volume da 5ª série/6º ano, o tema pesquisado não é trabalhado nos
capítulos onde estão apresentados os fenômenos climáticos, deixando claro que
esses fenômenos de mudanças climáticas não são naturais, mas sim causados
pelas ações humanas. O tema é abordado de forma unilateral e apresenta as
mudanças climáticas como um dos principais problemas relacionados às ações do
ser humano quando, por exemplo, no início da unidade 5, na página 200, o texto
apresenta "vamos discutir os problemas ambientais causados pela ação humana,
como o buraco na camada de ozônio, o aquecimento global e a crescente escassez
de água." Acredita-se que, ao se trabalhar as mudanças climáticas apenas como um
impacto ambiental, as questões naturais, que têm grande relevância para a
ocorrência do fenômeno, não são trabalhadas, fazendo com que o aluno
compreenda o efeito estufa de maneira artificial, ou seja apenas agindo devido a
forças antrópicas.
Na página 207 do capítulo 14, há um quadro Geolink 2 que apresenta a
relação econômica das mudanças climáticas, nas quais são gastos trilhões de
dólares no combate ao aquecimento global. O texto afirma, de maneira taxativa, que
"a inação poderá provocar uma recessão global catastrófica. Se não for contida, a
mudança climática transformará 200 milhões de pessoas em refugiados quando
suas casas sucumbirem a secas ou inundações".
O efeito estufa propriamente dito somente é trabalhado no capítulo 15, na
página 213, e é diretamente relacionado com o aumento das emissões de gás
carbônico a partir da Revolução Industrial, que são vistas como um impacto
ambiental. Após fazer a relação entre o CO2 e o efeito estufa, o texto coloca que ele

83

é benéfico para os seres vivos, mas que a elevada quantidade de gás carbônico
contribui para o aumento do efeito de aquecimento do planeta. Ao tratar os possíveis
impactos do aquecimento global, nas páginas 214 e 215, o texto apresenta a teoria
do IPCC que sugere catástrofes como o aumento do nível do mar, secas, chuvas e o
degelo no Ártico, afirmando ainda que "algumas áreas, hoje desérticas, poderão
tornar-se mais úmidas e outras, hoje temperadas, poderão tornar-se impróprias para
a vida humana".
Ao trabalhar o tema apenas como um impacto ambiental, a coleção não
contribui para a geração de qualquer debate na sala de aula, apresentando-o como
um fato científico, sem possibilidades de questionamento. O fenômeno do efeito
estufa é descrito, na página 213 do volume da 5ª série/6º ano, como "o aumento da
temperatura das camadas atmosféricas inferiores, devido à retenção do calor
irradiado pela superfície do planeta e em conseqüência do acúmulo de gases,
especialmente o dióxido de carbono". O texto não explica questões conceituais
importantes, que se acredita serem necessárias para o bom entendimento do
assunto. Na mesma página, o texto afirma que "pesquisas científicas comprovam
que a temperatura média da superfície da Terra subiu quase 1ºC de 1880 a 2003", e
ainda que "o efeito estufa é benéfico para os seres vivos, mas uma quantidade
excessiva de gás carbônico contribui para aumentar esse efeito, elevando a
temperatura do planeta". Contudo, não expõe, em momento algum, como o efeito
estufa pode ser benéfico para o planeta e para os seres que nele habitam, ou que
ele é originado de formas naturais. Sem uma explicação mais detalhada dos
fenômenos naturais que influenciam o efeito estufa entende-se ser difícil para o
aluno desenvolver qualquer pensamento crítico sobre a relação desse com as
mudanças climáticas.
Uma figura explicando o esquema do efeito estufa é apresentada na página
214. Observou-se que a nota explicativa colocada logo abaixo da figura não
descreve os fenômenos apresentados na imagem. Segundo a explicação, o efeito
estufa pode ser comparado ao que acontece com um carro com os vidros fechados,
retendo o calor proveniente do Sol. E continua, "na atmosfera da Terra, o dióxido de
carbono e o metano desempenham o mesmo papel do vidro no automóvel: eles não
deixam passar parte do calor do Sol que o planeta tenta devolver ao espaço durante
a noite, na forma de raios infravermelhos. Uma parte do calor retido volta à
superfície e a outra permanece na atmosfera, desregulando o equilíbrio térmico do

84

planeta". Conforme a explicação, não se demonstra que a superfície terrestre se
aquece por debaixo, o que é uma informação muito importante para se entender o
aquecimento global.
Na página 144, o texto explica, de maneira bem eficiente, o fenômeno de
aquecimento da Terra mostrando que "o ar não absorve toda a irradiação solar que
atinge a Terra. Uma parte dela chega à superfície terrestre e é absorvida pelos
continentes e oceanos, enquanto uma parte é refletida e retorna para a atmosfera".
A explicação é feita de maneira clara e com conceituação suficiente para que o
aluno entenda o fenômeno, contudo em nenhum momento o mesmo é descrito como
sendo o efeito estufa, podendo gerar dúvidas ao ser abordado no volume da 6ª
série/7º ano.
Na página 202 do volume, há um recorte de jornal que afirma "Cientistas
prevêem futuro sombrio para a Terra". O volume tem como ponto de partida a
discussão sobre a notícia, gerando o debate com o aluno, entretanto, apenas por um
viés. No capítulo onde são trabalhadas as questões climáticas (página 144), o texto
apresenta o efeito estufa como um fenômeno natural, necessário para a vida no
planeta. No entanto, ao se trabalhar os impactos ambientais das atividades humanas
na Terra, o texto apresenta o efeito estufa como artificial, gerado pelas ações
humanas. Entende-se que, neste momento, perde-se a chance de discutir a fundo a
relação entre as atividades humanas e as mudanças climáticas, uma vez que o texto
não exalta a influência natural dos fenômenos climáticos como apresentado na
página 144.
Nesse volume, na página 207, o texto apresenta os gastos necessários para a
contenção do efeito estufa, em trilhões de dólares, afirmando que para isso foi
assinado o Protocolo de Kyoto. Ao final do texto, são feitas duas perguntas: "O que
você sabe sobre o Tratado de Kyoto?" e "Por que alguns economistas ingleses
acreditam que devemos gastar 351,3 bilhões de dólares com a preservação
ambiental?". Acredita-se que as perguntas não gerem o debate ou qualquer
discussão sobre as mudanças climáticas e apenas procuram gerar a memorização
dos conceitos apresentados. Já na página 222, são apresentadas mais informações
a respeito do Protocolo de Kyoto, perguntando ao final "Quais são as principais
preocupação relatadas na Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima
de 1992?" mostrando que o importante a ser memorizado é a relação política das
mudanças climáticas e não as questões que envolvem o clima.

85

Esse volume expõe, claramente, que não há outra possibilidade para as
mudanças climáticas, apresentando, na página 214, que "segundo um relatório
produzido pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC),
concluído em fevereiro de 2007, o nível médio do mar vai subir nos próximos mil
anos se os governos não criarem medidas para baixar as temperaturas médias
globais ainda neste século".

Volume 6ª série/7º ano

No volume da 6ª série/7º ano o mesmo assunto é abordado na unidade 4,
mas não é trabalhado no capítulo 8, onde se trata a relação dos diferentes tipos de
clima e a formação do relevo. O assunto é trabalhado no capítulo 10, sobre a
relação da sociedade com a natureza. Na página 162 deste capítulo, o efeito estufa
é apresentado como um dos principais problemas ambientais enfrentados pelo
homem na atualidade, afirmando que o CO2 é o principal gás de efeito estufa e que
o ser humano é o principal produtor desse gás, descartando as fontes naturais.
Novamente, é colocado de forma catastrófica que o aquecimento do planeta irá
causar furacões, ciclones, tsunamis e processos de desertificação, contribuindo para
a inserção de um sentimento de impotência ou medo no aluno, o que não está de
acordo com a posição da coleção que propõe uma Geografia crítica.
Os textos, muitas vezes, apresentam-se taxativos e um bom exemplo disso é
o capítulo 10 do volume da 6ª série/7º ano que se parece com uma cópia resumida
do capítulo 15 do volume da 5ª série/6º ano. Nesse capítulo, o texto afirma que a
presença de CO2 vem aumentando desde o século XIX e que "este gás é o principal
responsável pelo chamado efeito estufa, que é a capacidade da atmosfera de reter a
radiação solar no planeta". Apesar de afirmar, novamente, que o efeito estufa é
benéfico aos seres vivos, o texto não apresenta nenhuma outra fonte natural de
emissão de gás carbônico, dando a entender que o efeito é regido unicamente pelas
ações humanas. Acredita-se ser importante que os alunos tenham acesso a
informações que apresentem outras possibilidades para as causas das mudanças
climáticas para que o debate possa ser privilegiado.
Entende-se que coleção Geografia Crítica não apresenta informações
suficientes para gerar o debate com os alunos, trazendo conceitos fechados, sem a
possibilidade de questionamento.

86

Na página 162 do volume, o texto apresenta o mesmo formato da explicação
do volume da série anterior, praticamente com as mesmas palavras. Contudo, a
figura apresentada é menor, com menos informações, explicando que "a retenção do
calor da terra na atmosfera por uma capa de gases tem sido fortemente agravada
pela ação humana". Percebe-se que essa afirmação não explica a figura e não visa
o entendimento do efeito estufa, que não pode ser explicado apenas por afirmar que
o calor é retido na Terra, por uma capa de gases, ou que os gases acumulados na
atmosfera bloqueiem a saída do calor como é proposto na imagem.
Nesse volume, são apresentados os tipos de clima no Brasil, sua relação com
a formação do relevo e da vegetação, como as massas de ar influenciam no clima
brasileiro, entre as páginas 132 e 136. Os problemas ambientais que ameaçam a
preservação ambiental, a poluição da atmosfera e o efeito estufa são os primeiros a
serem trabalhados no item. Contudo, o texto não apresenta, em momento algum, a
relação desse fenômeno com a realidade brasileira.
O efeito estufa é visto, nesse volume, de forma generalizada, artificial, e
praticamente como uma cópia do volume anterior, não deixando claro se se trata de
um fenômeno natural ou artificial. O exemplo utilizado no quadro Geolink 2, na
página 163 desse volume, refere-se à catástrofe gerada pelas mudanças climáticas
na forma de um tsunami, onda gigante que atingiu a Indonésia causando grande
destruição. Não há um exemplo sequer de como as mudanças climáticas poderiam
atingir o Brasil e sua população.
As questões científicas relacionadas ao efeito estufa e às mudanças
climáticas são abordadas novamente nesse volume na página 162, quando o texto
apresenta ao aluno que diversas pesquisas foram feitas e que essas comprovaram
um aumento na temperatura média da superfície terrestre, e afirma que o aumento
previsto diverge de acordo com os cientistas, mostrando que "alguns falam em 1,5ºC
e outros em até 4,5ºC" mostrando ao aluno que a Ciência pode ter afirmações
diferentes e que os resultados podem variar. Contudo, esse mesmo pensamento não
é continuado quando se trabalha as mudanças climáticas de forma taxativa. Se a
ciência não é exata na questão das temperaturas, porque seria exata ao afirmar que
a influência antrópica é a causa do aquecimento global?
As atividades propostas nas unidades que trabalham o clima nem sequer
fazem menção às mudanças climáticas. As atividades relacionadas ao assunto são
apenas apresentadas nas unidades que trabalham os impactos ambientais. Dessa

87

forma, não há uma inter-relação entre os conteúdos trabalhados ao se estudar o
clima com os impactos causados pelas mudanças nele. Considera-se que os
impactos causados pelas mudanças climáticas sejam abordados de forma a
impossibilitar o questionamento a cerca dos estudos feitos sobre o clima. As
atividades propostas nas unidades que trabalham os impactos ambientais tratam as
mudanças climáticas como questões políticas e econômicas, mas não científicas.
No volume da 6ª série/7º ano, as atividades relacionadas às mudanças
climáticas estão diretamente voltas para a compreensão dos fatores que intensificam
o efeito estufa. Na página 167, no primeiro exercício o texto apresenta que o dióxido
de carbono é o principal gás responsável pelo aumento do efeito estufa e, logo em
seguida, o texto apresenta um quadro com os países que mais emitem CO2. O
exercício pede a observação do quadro e pergunta entre outras coisas "Você sabe
quais são as principais formas de emissão de gases à base de carbono?". A questão
não pede as principais formas de emissão antrópica de CO2, mas sim as fontes em
geral. O aluno não teve acesso, ao longo da coleção, sobre fontes naturais de CO2
como as erupções vulcânicas, ou mesmo as emissões advindas dos oceanos. Dessa
forma, o exercício apenas prevê que o aluno repita o que foi visto na unidade, sem
gerar o questionamento ou uma análise crítica sobre as mudanças climáticas.

Síntese da Coleção

De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do
Professor, página 4, a coleção Geografia Crítica foi pensada como uma tentativa de
unir a orientação teórica conhecida no meio acadêmico com as experiências prévias
do aluno, com o intuito de que este faça parte do processo de construção do
conhecimento. Em diversos temas trabalhados, há coerência entre a fundamentação
teórico-metodológica da Geografia proposta e a utilizada. Contudo, em relação às
mudanças climáticas, os conteúdos não contribuem para a efetiva construção do
conhecimento crítico sobre os fenômenos climáticos no mundo em que o aluno vive,
uma vez que privilegia a descrição dos fenômenos e processos cognitivos de
memorização.
Verifica-se que existe a prevalência de textos taxativos, com informações
assertivas a respeito das mudanças climáticas, relacionando-as apenas às ações
humanas, dando a entender que essas mudanças não poderiam acontecer sem a

88

presença do ser humano no planeta, o que se acredita ser incorreto afirmar. Dessa
forma, a teoria das mudanças climáticas naturais não é sequer comentada na
coleção, prejudicando a discussão do tema com os alunos, além de não contribuir
para que os mesmos tenham suas próprias interpretações sobre o assunto.
Considera-se que os fenômenos, que dão origem às mudanças climáticas no
planeta, não sejam abordados de maneira correta, pois não são trabalhados
juntamente com o estudo do clima ou da atmosfera. As mudanças climáticas, em
toda a coleção, são tratadas como um problema governamental que deve apenas
ser trabalhado na esfera política, dando a entender que os governos têm a
capacidade de "baixar as temperaturas médias globais", deixando clara a posição
antropocêntrica de que o ser humano é tão poderoso que é capaz de controlar as
temperaturas médias globais.
Acredita-se que os níveis de conhecimento científico e do senso comum
sejam articulados de maneira satisfatória quanto aos conceitos da climatologia,
buscando apresentar ao aluno os mais diversos fenômenos climáticos que ocorrem
no planeta. Contudo, em alguns momentos são apresentadas informações que
podem gerar duvidas no aluno, pois são contraditórias ao longo do desenvolvimento
da coleção. Em alguns momentos, são utilizadas informações retiradas de jornais,
mostrando uma possível tendência alarmista da imprensa ao tratar das mudanças
climáticas.
Verifica-se que não há um conteúdo que propicie o enriquecimento do
conhecimento dos fenômenos climáticos que contribuem para as mudanças
climáticas, uma vez que, na coleção Geografia Crítica, somente a teoria unilateral
apresentada pelo IPCC da ONU é mencionada. Ao apresentar o efeito estufa
apenas como artificial, isto é, causado pelas ações humanas, não há como o aluno
questionar a relação do efeito estufa natural, pois esse nem sequer é mencionado.
As mudanças climáticas são abordadas no momento em que os impactos das
atividades humanas são estudados, deixando a explicação sobre o efeito estufa
apenas para esse momento. A evolução das explicações na coleção não está
organizada de maneira adequada, pois pode gerar confusão ao aluno uma vez que
apresenta o fenômeno do efeito estufa de duas maneiras: uma natural, ao se
trabalhar o assunto nos estudos da atmosfera e do clima; outra artificial, influenciada
diretamente pela ação antrópica, nos estudos dos impactos ambientais.

89

Além disso, acredita-se que a maioria das atividades propostas não propicia a
discussão de pontos de vista diferentes sobre um mesmo assunto, o que prejudica a
criatividade do aluno, assim como a sua capacidade de problematização e crítica.
Dessa forma, nota-se que o desenvolvimento das atividades não está de acordo com
o que propõe a coleção, ou seja, desenvolver o espírito crítico do aluno.
Conclui-se que os conteúdos apresentados ao longo da coleção, de forma
geral, pouco propiciam o debate a respeito das mudanças climáticas e sobre a
articulação entre as diferentes teorias a respeito do Tema. O assunto é trabalhado
no volume da 5ª série/6º ano e no volume da 6ª série/7º ano, apenas ao se tratar os
impactos ambientais ocasionados pela ação humana, não atribuindo qualquer
relação com fenômenos naturais conhecidos.

4.3. Coleção Trilhas da Geografia por João Carlos Moreira e Eustáquio de
Sene. 2ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Scipione, 2007.

A coleção Trilhas da Geografia, elaborada por João Carlos Moreira e
Eustáquio de Sene, é composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino
Fundamental de 5ª série/6º ano a 8ª série/9º ano. Os volumes apresentam, ainda,
glossários seguidos de bibliografias divididas em livros, periódicos, atlas, dicionários
e endereços eletrônicos utilizados pelos autores.
Percebe-se na coleção que os temas relacionado aquecimento global ou as
mudanças climáticas sejam trabalhados apenas nos volumes da 7ª série/8º ano e 8ª
série/9º ano. Os termos aquecimento global ou mudanças climáticas são bastante
utilizados nesses volumes, sendo abordados sempre como impactos ambientais,
com relação às ações humanas.

Volume 7ª série/8º ano

A coleção Trilhas da Geografia explica o fenômeno do efeito estufa no volume
da 7ª série/8º ano, página 91, como sendo um impacto ambiental no planeta
relacionado ao uso dos combustíveis fósseis afirmando que "o lançamento, na
atmosfera, de dióxido de carbono (CO2), metano, clorofluorcarbonos (CFCs) e outros
gases e partículas provoca o aquecimento da temperatura em escala local e
planetária".

90

No volume, na página 91, o texto apresenta que as emissões antrópicas são
responsáveis pelo efeito estufa quando afirma que "o elevado consumo de petróleo
e carvão mineral provoca sérios danos ao meio ambiente. A queima desses
combustíveis lança na atmosfera enormes quantidades de gás carbônico e dióxido
de enxofre ­ os maiores responsáveis pela ocorrência, respectivamente, do efeito
estufa e da chuva ácida".
Na página 57 do volume, o texto afirma que "diversas mudanças climáticas
comandadas pelas forças da própria natureza aconteceram no decorrer da história
da Terra. Um dos melhores exemplos desses fenômenos é a ocorrência das
glaciações". Na mesma página ainda ressalta que "outros exemplos de mudanças no
quadro natural sem interferência humana são as erupções vulcânicas e os sismos".
Entretanto, não menciona como exemplos o aquecimento global ou o efeito estufa.
Um exemplo, da forma unilateral como as informações são transmitidas,
acontece nas páginas 91 e 92 onde há a informação de que os gases emitidos pela
ação humana são responsáveis pelo efeito estufa e completa mostrando que, na
agricultura, também existem emissões, "as queimadas na agricultura e os incêndios
florestais, muito freqüentes no Brasil, também liberam uma enorme quantidade de
gás carbônico na atmosfera".
O efeito estufa é abordado quando o texto fala sobre a energia solar.
Contudo, na página 63 desse volume, o termo não é citado. O texto apenas explica
como esse funciona "ao atravessar a atmosfera, uma pequena parte da radiação
solar aquece o ar e os gases aí presentes ­ principalmente o gás carbônico (CO2)".
Ao longo da coleção Trilhas da Geografia são apresentados fenômenos muitas
vezes atribuídos ao aquecimento global como a ,,ilha de calor, ,,inversão térmica,
,,deslizamentos de encostas, todos explicados como sendo de causas naturais ou
conseqüência da má ocupação do solo. Na página 76, o texto apresenta um gráfico
que representa o aumento da temperatura conforme há o afastamento do meio rural
em direção ao centro urbano. E, na página 79, pode-se ver a explicação sobre a
inversão térmica seguida da afirmação "esse fenômeno, que independe de qualquer
ação humana, ocorre em grandes centros urbanos e dificulta muito a dispersão da
poluição atmosférica".
Sobre os deslizamentos de terra em muitas encostas, principalmente nas
grandes cidades, o texto afirma, na página 80, que "nas encostas em que a

91

declividade é acentuada, o aprofundamento dos solos provoca uma tendência
natural à ocorrência de deslizamentos".
Acredita-se que na ilustração da página 91, onde é descrito o fenômeno, o
efeito estufa seja transmitido com um caráter artificial. Na imagem, todas as fontes
de gases estufa são antrópicas, e não são apresentadas fontes naturais, o que pode
favorecer uma compreensão distorcida do efeito estufa e da real influência no
fenômeno. O fenômeno é novamente visto, na página 92, como algo que pode ser
controlado "para enfrentar o problema da intensificação do efeito estufa, foi realizada
em 1997 a convenção da ONU sobre Mudanças Climáticas, em Quioto (Japão)".
A teoria antrópica para o aquecimento global é afirmada na coleção Trilhas da
Geografia, quando o efeito estufa é trabalhado, que é visto como artificial e
conseqüência das ações humanas. Na página 92 desse volume, o texto apresenta a
contribuição das queimadas agrícolas nas emissões de CO 2, "além de contribuir
para o efeito estufa e destruir as florestas, as queimadas empobrecem os solos".
As atividades propostas no volume não se referem, em nenhum momento, às
mudanças climáticas, ao aquecimento global ou ao efeito estufa, apesar de
abordarem

esse

último

como

um

impacto

ambiental

ao

longo

de

seu

desenvolvimento. O ultimo volume da coleção Trilhas da Geografia aborda o
fenômeno do efeito estufa como um impacto ambiental e ainda responsável pelo
aumento da temperatura média do planeta. Poucas atividades são voltadas para o
Tema, apesar do mesmo ser bem discutido ao longo do volume. Muitas informações
são apresentadas sobre os fenômenos climáticos de origem natural. Contudo, não
há um reforço dessas informações como atividades propostas na coleção, as
atividades são voltadas a transmitir uma noção de domínio da natureza pelo homem.
As mesmas não têm o propósito de instigar o questionamento no aluno,
desfavorecendo o debate.
Em momento algum no volume da 7ª série/8º ano, aparecem atividades com a
intenção de discutir o efeito estufa ou o aquecimento global. O tema apenas é
transmitido de forma expositiva e apenas trabalhado novamente no próximo volume.

Volume 8ª série/9º ano

No volume da 8ª série/9º ano o texto apresenta o efeito estufa como um
impacto ambiental, quando afirma, na página 165, que "atualmente, podemos

92

distinguir impactos ambientais em escala local, regional e global. Os impactos
ambientais globais, como o efeito estufa ou o buraco na camada de ozônio, resultam
em vários impactos locais".
Nesse volume na página 168, o texto apresenta que "de acordo com o Painel
Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), órgão ligado à Organização
Meteorológica Mundial (OMM), a temperatura atmosférica do planeta subiu 0,7ºC no
último século" perpetuando assim, a teoria proposta pela ONU, por meio da qual as
emissões de CO2 de causas antrópicas são a causa principal do aquecimento global.
Apesar do dinamismo do planeta ser ressaltado, o texto afirma que as
definições do IPCC são conclusivas sobre o aumento da temperatura média do
planeta, afirmando que "caso isso venha a ocorrer, poderá haver uma elevação do
nível do mar de cerca de 50 centímetros, o que causaria grandes transtornos às
cidades litorâneas".
Nesse volume também são atribuídos às forças naturais fenômenos muitas
vezes tidos como causas do aquecimento global como tsunamis, erupções
vulcânicas, terremotos. Contudo, o efeito estufa é novamente abordado como
impacto ambiental na página 158, "certamente há fenômenos, como o efeito estufa e
a destruição da camada de ozônio, que são causados pelas atividades
socioeconômicas, pelo descaso com o meio ambiente. Entretanto, terremotos e
maremotos, assim como vulcões, são fenômenos da natureza que vêm acontecendo
desde o início da história geológica do planeta, muito antes do aparecimento do ser
humano". Na página 166, o efeito estufa é tido novamente como prejudicial quando o
texto afirma que "o efeito estufa é um dos impactos ambientais em escala global que
mais causam temor".
Os níveis de conhecimento do senso comum e científico são articulados de
maneira adequada quanto aos conceitos da climatologia, pois apresentam diversos
fenômenos relacionados com o cotidiano dos alunos, relacionando-os com a
dinâmica natural do planeta. Muitos problemas ambientais urbanos ou rurais foram
apresentados como tendo origens naturais, sem a interferência do ser humano,
mostrando a importância dos fenômenos climáticos naturais. Porém, no momento
em que é abordado, o fenômeno do efeito estufa, lhe é atribuído um caráter mais
artificial do que natural, contradizendo a maneira como outros fenômenos foram
abordados previamente.

93

A maior ocorrência de informações que exaltam a importância do CO 2 no
efeito estufa não demonstra sua real função na manutenção do planeta. As
informações a respeito do aquecimento global não propiciam o debate, uma vez que
o efeito estufa é tido como principal causador do fenômeno apoiado pela teoria das
emissões de gás carbônico de origem antrópica.
Na página 167 desse volume, o efeito estufa é novamente abordado como
impacto ambiental e o CO2 como o principal gás de estufa "a crescente
concentração de gases-estufa na atmosfera, especialmente o dióxido de carbono,
resultante da queima de combustíveis fósseis e florestas, provoca um aumento da
retenção de calor irradiado pela Terra, elevando a temperatura média do planeta".
Considera-se que o debate não é favorecido, pois a insistência na influência do CO2
como principal gás de estufa é evidente quando novamente o texto apresenta, em
uma tabela na página 167, os principais emissores de gás carbônico o mundo. O
exercício propõe a análise da tabela que relaciona as emissões de gás com nível de
desenvolvimento dos países emissores, exaltando sua importância para o fenômeno
de aquecimento no planeta.
O texto, na página 166 desse volume, apresenta o efeito estufa como
problema ambiental mais uma vez "quando falamos de efeito estufa e dos problemas
que pode causar, referimo-nos à elevação exagerada da temperatura média do
planeta em razão do aumento dos gases-estufa na atmosfera".
Na página 151, do volume da 8ª série/9º ano, é proposta a atividade
"produzindo um texto" antes mesmo de iniciar o conteúdo do capítulo. É proposto ao
aluno que redija um texto respondendo perguntas dentre as quais a segunda é "E o
efeito estufa? É causado pelo homem?". A pergunta é importante para perceber o
conhecimento prévio do aluno sobre o tema. Contudo, ao longo do capítulo, o
conceito do fenômeno é apresentado de forma distorcida.
Outra atividade proposta como análise do efeito estufa é a verificação de uma
tabela, página 167, que contém o ranking dos principais países emissores de CO 2. O
capítulo propõe, como exercício, fazer a comparação entre o consumo de energia de
cada país com seu nível de emissões. Contudo, não é feita relação alguma com a
questão climática. Na página 171, é proposto, ainda, no exercício número 4 do
subitem "Para relembrar" "O que é efeito estufa? O que provoca esse fenômeno?
Quais suas conseqüências?". Entende-se que o exercício não incentiva o raciocínio

94

do aluno, uma vez que é pontual e expositivo, não estimula o questionamento crítico
sobre um tema tão controverso.

Síntese da Coleção

De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do
Professor, página 4, "entendemos que a Geografia não se restringe a descrever o
espaço geográfico, mas busca também interpretá-lo, desvendá-lo. (...) A
compreensão das relações entre sociedade e espaço geográfico é um poderoso
instrumento para a formação de pessoas com condições de transformar conscientemente, para melhor, o lugar em que vivem". A coleção Trilhas da Geografia
expõe diversos aspectos do clima, favorecendo a compreensão de uma série de
fenômenos climáticos, mostrando-se fiel à proposta teórico-metodológica. Apesar de
tratar o tema referente ao aquecimento global de maneira unilateral, explica que o
planeta é dinâmico e que inúmeros fenômenos são naturais e impossíveis de serem
controlados pela ação humana. Assim, de alguma forma, é possível que haja
discussão sobre as dinâmicas climáticas da Terra por mais que a teoria antrópica
sobre as mudanças climáticas prevaleça. Ao apresentar a Terra dessa maneira, o
debate é estimulado, pois não é transmitida a idéia de que o ser humano é o
responsável por tudo o que acontece no planeta.
São trabalhados diversos fenômenos muitas vezes relacionados ao
aquecimento global, porém com uma conotação natural para os fenômenos,
possibilitando o debate com o aluno. O conceito de efeito estufa é visto como tal
apenas quando atrelado ao uso dos combustíveis fósseis e ao conceito de impacto
ambiental global, e nunca ligado às explicações dos fenômenos climáticos naturais.
Prevalece o conceito que apresenta o CO2 como principal gás de estufa,
descartando os estudos que apontam a importância do vapor dágua para o
fenômeno. Acredita-se que os conceitos apresentados sobre o efeito estufa sejam
precipitados e possam causar interpretações erradas sobre a realidade.
Uma vez que se exalta a teoria antrópica como única explicação para o
fenômeno de aquecimento atual da Terra, entende-se que a coleção Trilhas da
Geografia não favorece o debate sobre as mudanças climáticas. Apesar de abordar
diversos problemas ambientais relacionados a fenômenos climáticos como de

95

origem natural, a coleção apresenta o fenômeno do efeito estufa como um impacto
ambiental, causando dúvidas sobre sua importância para o planeta.
Em ambos os volumes são apresentadas as afirmações do IPCC de forma
unânime, atribuindo aos governos das nações a solução ao problema, liderados pela
Organização. Ao aluno não é posto nenhum desafio, pois as informações são
apenas expositivas, sem questionamentos.
A coleção Trilhas da Geografia apresenta o aquecimento global e as
mudanças climáticas relacionados diretamente com o efeito estufa. Em relação a
esse último, o texto o apresenta como fenômeno natural, mas depois emprega a
conotação de impacto ambiental causado pela ação humana. O assunto é apenas
abordado quando são trabalhados os impactos ambientais causados pela utilização
de combustíveis fósseis e pelo mau uso do solo pelo ser humano.
Conclui-se que essa coleção não favorece o debate sobre as mudanças
climáticas, pois não apresenta outras explicações para o atual aquecimento da
Terra, prevalecendo a teoria disseminada pelo IPCC. O conceito de efeito estufa
utilizado na coleção é apresentado de forma distorcida e supervaloriza seu caráter
artificial, tornando difícil a compreensão dos fenômenos climáticos que estão
relacionados com as mudanças climáticas.

4.4. Coleção Geografia do Século XXI por Francisco Coelho Sampaio. 2ª ed.
Curitiba: Positivo, 2007.

A coleção Geografia do Século XXI elaborada por Francisco Coelho Sampaio
é composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª série/6º
ano a 8ª série/9º ano. Os volumes apresentam uma lista de sites de geografia
recomendados, seguida das referências bibliográficas utilizadas pelo autor do livro.
Nota-se que não há a presença de um atlas ou de um glossário nos volumes.
O aquecimento global é abordado na coleção Geografia do Século XXI,
principalmente no volume da 5ª série/6º ano não somente quando são tratados os
fenômenos climáticos, mas também quando são apresentados os impactos
ambientais. O assunto ainda é abordado no volume da 6ª série/7º ano, contudo com
uma menor intensidade.

96

Volume 5ª série/6º ano

Na página 76, antes de qualquer explicação, um quadro de destaque
apresenta a seguinte informação: "A atmosfera forma uma camada protetora em
torno do planeta (...). No entanto, a ação poluente do ser humano está destruindo
essa proteção. Por causa da poluição das fábricas, dos automóveis e de gases
como o freon-12, (...) o planeta fica mais quente". O texto explica o efeito estufa logo
após essa informação, página 77, seguido de uma imagem que representa o
fenômeno. Na mesma página, o texto afirma que o efeito está sendo modificado,
"nas últimas décadas, ficou comprovado que a Terra está superaquecendo, e a
causa, mais uma vez, é a poluição".
Ao final do capítulo relacionado ao efeito estufa, na página 83 do volume, o
próprio autor apresenta um texto sobre o aquecimento global como subitem de
pesquisa "Estimulando a curiosidade". Entre outras coisas, o texto afirma que "entre
as muitas conseqüências do desequilíbrio na atmosfera, o aquecimento do planeta é
uma das que mais preocupa os cientistas". O autor ainda afirma categoricamente
que "atenta a essa questão, a Organização das Nações Unidas (ONU) criou, em
1990, o Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima, que, desde então, vem
estudando os impactos do aquecimento da Terra".
É possível notar a prevalência da teoria antrópica nas mudanças climáticas.
Ainda no mesmo volume, o tema é novamente abordado como um impacto
ambiental, ao ser apresentado no subitem "O problema da poluição industrial", na
página 147, onde o efeito estufa é apresentado como um distúrbio da natureza "(...)
os poluentes lançados na atmosfera são os principais causadores de distúrbios na
natureza, como a chuva ácida, a destruição da camada de ozônio e o efeito estufa".
Na página 77, o texto apresenta o efeito estufa como "alguns gases
atmosféricos, chamados gases estufa, absorvem parte do calor enviado pelo Sol
para não deixar escapar o calor presente. Se esses gases não existissem, o planeta
seria gelado". Acredita-se que essa explicação mostra que o fenômeno é natural e
importante para o planeta.
No entanto, na página 83, o autor afirma que "o chamado efeito estufa,
causado principalmente pelo gás carbônico lançado na atmosfera por indústrias e
automóveis, já vem gerando mudanças climáticas que podem ter graves
conseqüências para o planeta". Entende-se que essa afirmação taxativa de que o

97

efeito estufa seja causado principalmente pelo CO2, é precipitada e não gera o
debate na sala de aula.
A teoria antrópica das mudanças climáticas tem, como base, o aumento das
emissões de gases estufa que geram o aquecimento do planeta. Sendo assim,
considera-se importante a compreensão de como funciona o efeito estufa e como ele
realmente pode alterar as dinâmicas climáticas. Ao aparecer de duas formas na
coleção, o fenômeno pode ser mal compreendido, levando a uma má compreensão
do aquecimento global. Quando o efeito estufa é apresentado como um fenômeno
natural, na página 77, fica clara a necessidade desse fenômeno para o planeta.
Todavia, essa explicação é novamente apresentada na página 83, quando um
quadro procura explicar o aquecimento global. Nesse momento, o texto apresenta o
efeito estufa como "causado principalmente pelo gás carbônico lançado na
atmosfera por indústrias" e, pior ainda, é visto como algo controlado pelo ser
humano quando afirma que "embora exista tecnologia disponível para controlar o
efeito estufa, a solução para o problema depende de um esforço conjunto de todas
as nações".
Verifica-se que algumas informações são transmitidas de maneira expositiva,
não apresentando os aspectos do fenômeno, como na página 82, por exemplo, no
contexto de clima urbano, "o fenômeno do aumento da temperatura nos grandes
centros é chamado de ilha de calor", descartando outras possibilidades para o
aumento da temperatura urbana. No capítulo 7 do volume, antes de serem
explicados os movimentos da Terra e sua relação com os tipos de clima, são
apresentados, nas páginas 74 a 77, três impactos ambientais relacionados às ações
humanas: buraco na camada de ozônio, chuva ácida e efeito estufa (aquecimento
global), que são apresentados em praticamente metade do capítulo, deixando clara
a super valorização das conseqüências e não da origem ou forma dos fenômenos
climáticos.
No momento de leitura complementar na página 83 ainda do primeiro volume,
o texto exalta o poder do efeito estufa que "já vem gerando mudanças climáticas que
podem ter graves conseqüências para o planeta", informação que, segundo o texto,
é garantida pelo IPCC.
No capítulo 7 desse volume, são apresentadas as camadas da atmosfera e,
logo em seguida, na página 74, aparece o subitem "O ser humano também modifica
a atmosfera" começando o trabalho sobre os impactos causados pelas ações

98

humanas na atmosfera. Na página 77, o texto explica o efeito estufa como natural e
intensificado pela poluição. Não há a menção do termo aquecimento global,
atribuindo o entendimento do efeito estufa como aumento da temperatura da
superfície.
Na página 83, do mesmo volume, o texto afirma que "o efeito estufa provoca o
derretimento das geleiras, nas áreas polares, e o aumento do nível dos oceanos", e
afirma exaltando a força do ser humano que, "embora exista tecnologia disponível
para controlar o efeito estufa, a solução para o problema depende de um esforço
conjunto de todas as nações". Verifica-se que a informação é precipitada, uma vez
que não existem mecanismos capazes de controlar o efeito estufa, ou qualquer
fenômeno climático.
Ao longo do capítulo 7, apenas em dois momentos são propostas atividades e
em ambas não há o trabalho com as mudanças climáticas ou o aquecimento global.
Apenas, no final do capítulo, existe um quadro, na página 83, "Estimulando a
curiosidade: Aquecimento global" explicando o que seria o fenômeno. Todavia, não
há nenhum questionário, ou perguntas associadas ao texto, impossibilitando a
melhor discussão sobre o assunto. O efeito estufa também é citado como um
"distúrbio na natureza" na página 147 do mesmo volume, quando é relacionado ao
"problema da poluição industrial". Dessa forma, o debate e a discussão sobre a real
função do efeito estufa não são favorecidos, apresentando-o apenas como um
impacto das ações humanas.

Volume 6ª série/7º ano

Há a referência ao aumento da poluição da atmosfera nesse volume na
página 121, quando o texto apresenta o processo de industrialização no Brasil,
atribuindo o efeito estufa aos impactos ambientais, "graves problemas ambientais,
como a chuva ácida e o efeito estufa, que afetam o planeta como um todo, estão
diretamente relacionados à poluição gerada pela atividade industrial".
Neste volume da coleção Geografia do Século XXI, o texto o apresenta
novamente, na página 121, como um impacto ambiental e posteriormente, são
apresentados impactos no clima derivados do desmatamento da Amazônia, página
175, quando o texto apresenta no quadro "Estimulando a curiosidade" entrevista
com Bertha Becker que afirma "os riscos do desmatamento são reais em outros

99

aspectos, como, por exemplo, na absorção, pela floresta, de 20% do gás carbônico
do planeta. Menos floresta, menos absorção, maior concentração de CO2, ampliação
do ,,efeito estufa com o aquecimento da atmosfera".

Síntese da Coleção

De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do
Professor, página 4, "a proposta que se coloca é de uma concepção de Geografia
que explique o espaço geográfico real, construído e organizado pela sociedade
humana e que responda às necessidades básicas e àquelas criadas por essa
sociedade". Na maior parte dos temas trabalhados na coleção Geografia do Século
XXI, há coerência entre a fundamentação teórico-metodológica da Geografia
proposta e a utilizada. Contudo, a abordagem do tema referente às mudanças
climáticas e o aquecimento global de forma unilateral como apresentada na Coleção,
não possibilita a discussão de um assunto com o aluno. Considera-se que a
explicação sobre o efeito estufa como fenômeno natural e depois como degradação
ambiental, pode tornar confuso o entendimento sobre o tema.
O texto apresenta o efeito estufa como fenômeno natural no princípio,
entretanto perde essa característica ao longo das explicações sobre as mudanças
climáticas, pois passa a ter uma conotação de impacto ambiental, não sendo
observado como fenômeno necessário para a manutenção da vida no planeta. A
explicação é feita parcialmente apenas no primeiro volume da coleção Geografia do
Século XXI, não sendo abordada novamente. Considera-se que os detalhes não são
apresentados deixando um entendimento muito superficial sobre as mudanças
climáticas.
Entende-se que prevalece o conceito que apresenta o CO2 como principal gás
de estufa, descartando os estudos que apontam a importância do vapor dágua para
o fenômeno. Além disso, o conceito de efeito estufa não é trabalhado ao longo da
coleção e é transmitido apenas de maneira descritiva, dificultando a inserção do
tema no dia-a-dia do aluno, a não ser como um impacto ambiental. Outras fontes
causadoras de mudanças climáticas também são abordadas na Coleção ao se
apresentar o uso dos solos e a floresta amazônica nos estudos sobre o Brasil.
Considera-se que os níveis de conhecimento do senso comum e científico
são articulados de maneira regular quanto aos conceitos da climatologia, buscando

100

apresentar, ao aluno, os mais diversos fenômenos climáticos que ocorrem no
planeta de maneira apenas expositiva. Assim, em alguns momentos são
apresentadas informações que podem gerar duvidas no aluno, pois são
contraditórias no desenvolvimento da coleção. Há momentos em que os impactos
ambientais relacionados à atmosfera são apresentados antes mesmo de haver a
explicação sobre o fenômeno climático.
Prevalecem informações sobre os impactos ambientais ocasionados pela
ação humana e não a própria explicação sobre a atmosfera e sua importância para o
planeta. As informações muitas vezes são taxativas, não abrindo espaço para a
contestação ou complementação. Considera-se que as informações transmitidas a
respeito das mudanças climáticas não são feitas de maneira a gerar o debate, uma
vez que, o efeito estufa antrópico é tido como principal causador do fenômeno,
sendo descartada qualquer outra influência natural.
Acredita-se que, apesar de o aquecimento global ser abordado em dois
volumes da Coleção, a maneira taxativa e unilateral como é transmitido ao aluno não
possibilita a discussão e o debate. O texto apresenta o aquecimento global
juntamente com o efeito estufa, não sendo possível ser feita uma distinção entre
ambos. O assunto é trabalhado quando são apresentados os fenômenos
atmosféricos relacionados ao clima. Contudo, ao longo da Coleção passa a receber
a conotação de impacto ambiental, caracterizando o efeito estufa como artificial. No
momento de reflexão proposto na obra, o texto apresenta o tema como uma
unanimidade científica e um problema político internacional, não havendo abertura
para a exposição de outras teorias sobre as mudanças climáticas.
Na coleção Geografia do Século XXI, as atividades, que são propostas no
capítulo no qual o clima é trabalhado, não são abordadas as mudanças climáticas ou
o aquecimento global. Não há ao final de cada capítulo exercícios propostos, estes
são organizados ao longo do mesmo. Dessa forma, considera-se que o trabalho com
as mudanças climáticas fica prejudicado, uma vez que o assunto é abordado e não
há questionamentos sobre sua origem, ou conseqüências e que os impactos
causados pelas mudanças climáticas são abordados de forma a impossibilitar o
questionamento a cerca dos estudos feitos sobre o clima. As atividades propostas
nas unidades, que trabalham os impactos ambientais na atmosfera, tratam as
mudanças climáticas como efeito estufa e não propiciam o debate científico a cerca
do tema.

101

Considera-se que as informações são, muitas vezes, taxativas, não abrindo
espaço para a contestação ou complementação. No momento de reflexão proposto
na obra, o texto apresenta o tema como uma unanimidade científica e um problema
político internacional, não havendo abertura para a exposição de outras teorias
sobre as mudanças climáticas. As atividades não são expostas de maneira a gerar a
discussão com o aluno, não há exercícios sobre o aquecimento global ou mesmo o
efeito estufa, dificultando, dessa forma, a compreensão do aluno sobre os
fenômenos climáticos que geram o aquecimento global.
Conclui-se que os conceitos apresentados não foram utilizados de maneira
clara, pois são abordados de maneiras discordantes em diferentes momentos da
coleção. Em toda a Coleção, os conceitos de mudanças climáticas e aquecimento
global são apresentados de maneira superficial e misturados com o conceito de
efeito estufa. Prevalecem informações sobre os impactos ambientais ocasionados
pela ação humana e não a explicação sobre a atmosfera e sua importância para o
planeta.

4.5. Coleção Construindo o Espaço por Igor Moreira e Elizabeth Auricchio. 5ª
ed. 1ª impressão. São Paulo: Ática, 2006.

A coleção Construindo o Espaço, elaborada por Igor Moreira e Elizabeth
Auricchio, é composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª
série/6º ano a 8ª série/9º ano. Os volumes apresentam um glossário ilustrado com
palavras utilizadas, seguido das referências bibliográficas utilizadas pelos autores do
livro. Não há uma lista de indicações de leituras para os alunos ao final dos volumes,
pois as mesmas se encontram ao final dos capítulos. Nota-se que não há a presença
de um atlas nos volumes.
Percebe-se na coleção que a abordagem dos temas relacionado aquecimento
global ou as mudanças climáticas acontece apenas nos volumes da 5ª série/6º ano e
7ª série/8º ano. Os termos aquecimento global ou mudanças climáticas são bastante
trabalhados nesses volumes, sendo abordados como impactos ambientais, com
relação às ações humanas. Apesar da maioria das informações sobre o tema serem
transmitidas de forma a explicitar a teoria antrópica sobre o aquecimento do planeta,
está é a única coleção que apresenta, em seu conteúdo, um texto confirmando que
existem outras correntes científicas que estudam o fenômeno. Essa informação, por

102

mais que seja feita de forma muito superficial, é capaz de propiciar o debate com o
aluno, um dos objetivos da Geografia como disciplina escolar.

Volume 5ª série/6º ano

No capítulo 11 deste volume, são apresentadas as funções da atmosfera, e
na página 142, aparece a explicação do efeito estufa dentro do subitem "A Terra
mais quente", apresentando-o como um impacto ambiental "a queima de
combustíveis fósseis, como o carvão e os derivados de petróleo nas usinas
termelétricas, nas fábricas, nos carros e em outros meios de transporte (...) formam
uma nuvem de poeira (...) os elementos mais leves ficam suspensos na atmosfera e
bloqueiam a passagem de parte dos raios infravermelhos".
Na página 133 do volume, a explicação sobre o efeito estufa é apresentada.
Todavia, o termo não é utilizado "no planeta em que vivemos, a principal fonte
energética ou de calor é a radiação emitida pelo Sol. Os raios solares atravessam a
atmosfera e atingem a superfície terrestre. Esta, por sua vez, funciona como uma
fonte de calor para a atmosfera, que é mais fria". A explicação é seguida de um
esquema explicativo, porém sem o nome do fenômeno.
Logo após, na página 142 do mesmo volume, o texto afirma que o efeito
estufa pode causar conseqüências como: "derretimento de parte das calotas polares
e conseqüente inundação de cidades litorâneas; (...) aumento da evaporação das
águas e mudança nos índices pluviométricos; mudança nos ventos, com maior
ocorrência de tufões e distribuição diferente da umidade do ar".
Sabe-se que afirmar que, somente o aumento do CO2 na atmosfera seja a
causa do aquecimento global, consiste em uma suposição e não uma certeza.
Entretanto, na página 175 do volume, o texto afirma que "todas as florestas
equatoriais e tropicais são significativos reservatórios de gás carbônico (cerca de
20% do planeta). A queima da floresta pode levar a um grande aumento na
concentração desse gás, que é considerado o principal causador do efeito estufa",
deixando clara a importância do gás carbônico para o efeito estufa. O texto explica o
fenômeno, na página 133 do mesmo volume, como sendo "A fonte de calor da
atmosfera", como um fenômeno natural.
Em seguida, é abordado como conseqüência da ação humana na página 142,
quando o texto apresenta o aumento da temperatura na Terra após 1940, "a

103

interferência do ser humano fica clara, já que esse período coincide com a
intensificação da industrialização em todo o mundo".
As catástrofes apresentadas, estão em suas grande maioria, relacionadas às
mudanças climáticas como "derretimento de calotas polares", "derretimento de neve
em cadeia de montanhas", "aumento da evaporação da água", "mudança nos
ventos" como apresentado na página 142 desse volume. O texto apresenta que
efeito estufa apenas acontece sob a condição de poluição, pois ao explicar o efeito
estufa, novamente na página 142 do mesmo volume, o texto afirma que "a queima
de combustíveis fósseis, como o carvão e os derivados de petróleo (gasolina, óleo
diesel, etc.) nas usinas termelétricas, nas fábricas, nos carros e em outros meios de
transporte, a queimada das florestas, os aquecedores das residências. Tudo isso
produz fumaça composta de gases que formam uma espécie de ,,nuvem de poeira",
e, segundo a explicação, essa ,,nuvem de poeira é a responsável pelo efeito estufa.
No capítulo 11, são trabalhados fenômenos atmosféricos, após explicações
sobre a previsão do tempo, na página 141, "apesar dos modernos conhecimentos
científicos e da eficiente aparelhagem técnica, a previsão do tempo pode falhar. Isso
acontece porque nem sempre o ar atmosférico se movimenta conforme a previsão".
Após essa explicação segue-se o subitem "A Terra mais quente" que explica o efeito
estufa como causador do aquecimento, mostrando que "alguns cientistas acreditam
que até 2030 a temperatura média do planeta subirá mais 1,5 ou 2ºC". Considera-se
que, nesse momento, caberia o questionamento sobre as previsões do tempo e as
previsões sobre o aumento da temperatura.
Na página 143 do primeiro volume da Coleção é proposta uma atividade
sobre alterações atmosféricas "6. Consultem jornais e revistas para coletar
reportagens e fotos que mostrem situações em que houve alterações prejudiciais à
atmosfera provocadas pelas atividades humanas". Entende-se que essa atividade
não gera o questionamento, uma vez que as fontes da mídia são alarmistas e
fortalecidas pela catástrofe. Assim, acredita-se que o aluno terá acesso a grande
fonte de informações não oficiais, não científicas, prejudicando seu entendimento
sobre o assunto.

104

Volume 7ª série/8º ano

O tema é abordado também no volume da 7ª série/8º ano como o subitem
"Globalização e meio ambiente", na página 43, quando são listadas "profundas
transformações ocorridas no meio ambiente". Dentre as sete transformações citadas
na lista, cinco são relacionadas a alterações climáticas como, por exemplo, "quanto
ao clima, a poluição da atmosfera e o aumento da liberação de gás carbônico têm
provocado a elevação da temperatura do planeta. Esse aumento compromete o
regime de chuvas e a circulação atmosférica".
Na coleção Construindo o Espaço prevalece a teoria antrópica sobre as
mudanças climáticas recentes como, por exemplo, quando o texto explica no quadro
"Fique ligado", página 44, do volume, o Protocolo de Kyoto como "documento que
oficializou o compromisso dos países desenvolvidos com a redução da emissão de
gases poluentes. Acredita-se que esses gases, principalmente o dióxido de carbono,
estejam ligados ao aquecimento global. Eles ,,segurariam o calor na atmosfera,
causando o chamado efeito estufa".
Fica clara a exaltação da teoria antrópica e a conceituação distorcida do
fenômeno ,,efeito estufa. Contudo, em outro quadro "Fique ligado", na página 74 do
mesmo volume, é apresentada a seguinte afirmação ao se abordar o aquecimento
global: "uma parcela da comunidade científica, no entanto, suspeita que esse
aquecimento seja um fenômeno natural: faria parte de mudanças cíclicas no clima
terrestre causadas por fatores físicos, químicos e geológicos. Os regimes climáticos
já mudaram muitas vezes em tempos remotos, antes e depois da existência do ser
humano". Apesar de essa informação aparecer apenas uma vez em toda a coleção,
é importante sua utilização para instigar o debate com o aluno.
A afirmação da importância do CO2 para o aquecimento global é aparente na
página 73, "uma das conseqüências da intervenção humana sobre o meio ambiente
é a elevação da temperatura média global, provocada pela intensificação do efeito
estufa" e continua "o problema é que o dióxido de carbono (CO 2), o metano (CH4) e
o óxido nitroso (N2O), lançados principalmente pelas chaminés das indústrias, pela
queima das florestas e pelo escapamento dos automóveis, estão engrossando esse
,,cobertor".
Ainda na página 73, o texto apresenta o quadro "Fique ligado", no qual o texto
explica mais uma vez o efeito estufa. Dessa vez, o fenômeno é visto como "um

105

fenômeno natural que mantém o planeta aquecido nos limites necessários para a
manutenção da vida". Ainda segundo a explicação, o calor da energia solar "é
aprisionado pela camada de gases atmosféricos, formada pelo carbono e pelo vapor
de água, entre outros". Dessa forma, é possível perceber a presença de informações
que trazem o vapor dágua como gás de estufa, contudo na seqüência da explicação
o texto afirma que "o dióxido de carbono, o metano e o óxido nitroso" estão
causando o efeito estufa, não trabalhando a importância do vapor dágua.
Novamente o fenômeno é visto como natural na página 73, que afirma "o
efeito estufa é um fenômeno natural". Ao mesmo tempo em que o quadro, na página
74, afirma que "de acordo com os cientistas do Painel Intergovernamental em
Mudanças do Clima (IPCC), da Organização das Nações Unidas, o século XX foi o
mais quente dos últimos cinco" afirma também que "uma parcela da comunidade
científica, no entanto, suspeita que esse aquecimento seja um fenômeno natural",
possibilitando assim o debate com o aluno, gerando outros conhecimentos,
favorecendo o desenvolvimento do aluno de maneira positiva.

Síntese da Coleção

Na Coleção Construindo o Espaço, o texto apresenta o aquecimento global
em dois volumes: 5ª série/6º ano e 7ª série/8º ano. O fenômeno do efeito estufa é
inicialmente apresentado como natural, porém ganha conotação de impacto
ambiental produzido pelo homem, dificultando sua compreensão pelo aluno. Apesar
da teoria antrópica prevalecer na abordagem do tema em toda a Coleção, há um
momento em que é exposta uma corrente de cientistas que têm diferentes
conclusões sobre as mudanças climáticas, momento em que o tema pode ser
abordado com mais atenção e propiciar a discussão com o aluno.
De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do
Professor, página 6, a temática utilizada na coleção "incorpora propostas arrojadas
que, com a mediação do professor, possibilitam ao aluno levar em consideração a
dimensão espacial da sociedade" e ainda que "o aluno é estimulado a refletir sobre
as relações sociedade-natureza o âmbito das ações humanas". A Coleção propõe
que sejam utilizados diversos artifícios na exploração dos fenômenos climáticos.
Contudo, na grande maioria das informações transmitidas sobre os fenômenos
climáticos, relacionados ao aquecimento global, apenas o efeito estufa é citado, não

106

há outras explicações para esse aquecimento. Entende-se que a discussão sobre o
tema deveria ser instigada nesse momento, porém a informação é apenas
expositiva, não havendo discussões posteriores.
Existem quadros de informações complementares ao longo dos capítulos,
contendo informações e questionamentos sobre os assuntos estudados e acreditase que, de forma geral, estão atualizadas. Porém, considera-se que alguns conceitos
não são utilizados de forma adequada, trazendo um prejuízo para o entendimento do
aluno, principalmente sobre o efeito estufa, apresentado como principal causador
aquecimento do planeta. A explicação do fenômeno não é feita claramente,
prevalecendo uma conceituação superficial sobre sua relação com o aquecimento
global. Ao abordar o efeito estufa como impacto ambiental é negligenciada toda sua
importância para o sistema climático do planeta. Dessa forma, prevalece a afirmação
de que o CO2 é o principal gás de estufa, sendo menosprezado o papel do vapor
dágua no fenômeno, apesar de este ser mencionado uma única vez.
Verifica-se que as mudanças climáticas não são abordadas na coleção
Construindo o Espaço como parte do cotidiano dos alunos, são expostas de maneira
superficial. Apesar de apresentar informações importantes sobre o fenômeno, não
são feitas discussões, apenas afirmações que não geram o questionamento. Os
níveis de conhecimento do senso comum e científico são articulados de maneira
regular em relação aos conceitos da climatologia, pois apresentam, de maneira
apenas expositiva ao aluno, os fenômenos climáticos que ocorrem no planeta.
As afirmações sobre a influência humana para a ocorrência do efeito estufa
prevalece, sendo clara a utilização da teoria difundida pelo IPCC para a exploração
do assunto. Informações essenciais para a conexão com o saber prévio do aluno,
sobre o efeito estufa, são apresentadas poucas vezes, contudo fazem-se presentes.
Os textos não apresentam o fenômeno do efeito estufa de maneira adequada,
uma vez que é abordado de maneira distorcida, sendo confundido com o
aquecimento global. O fenômeno ainda é abordado de forma artificial, pois o texto
exalta a dependência das ações humanas para que o fenômeno aconteça. Outras
explicações que podem gerar o debate com o aluno, são apresentadas ao longo da
coleção, entretanto, se apresentam de forma superficial e expositiva dificultando o
aprofundamento em suas questões. A concepção do efeito estufa como um
fenômeno natural não é explorada ao longo da coleção Construindo o Espaço,
sendo abordada em poucos momentos. As informações complementares sobre as

107

mudanças climáticas são apresentadas em poucos quadros ao longo dos capítulos
que abordam o tema.
Prevalecem as informações sobre os impactos ambientais ocasionados pela
ação humana, ao invés da própria explicação sobre a atmosfera e sua importância
para o planeta. As informações, muitas vezes abrem espaço para a contestação ou
complementação, porém não são aprofundadas ao longo da coleção, sendo
esquecidas. As afirmações sobre a influência humana para a ocorrência do efeito
estufa prevalecem sendo mais utilizada a teoria difundida pelo IPCC na exploração
do assunto. A concepção do efeito estufa como um fenômeno natural não é
explorada ao longo da coleção, sendo abordada em poucos momentos. São
trabalhados outros temas nas atividades propostas, desfavorecendo o entendimento
sobre o aquecimento global e a real função do efeito estufa que é distorcida ao ser
confundida com o próprio aquecimento global.
Na Coleção Construindo o Espaço, apesar de prevalecerem as atividades que
são propostas nos capítulos nos quais o clima ou os impactos ambientais na
atmosfera, são trabalhados não são abordados as mudanças climáticas ou o
aquecimento global. Em apenas um item, de um exercício, as alterações na
atmosfera pelas ações humanas são questionadas. São trabalhados outros temas
nas atividades, desfavorecendo a compreensão sobre o aquecimento global e a real
função do efeito estufa, distorcida ao longo da coleção. Acredita-se que fica, então,
prejudicado o entendimento sobre as mudanças climáticas, uma vez que o tema é
abordado em dois volumes da coleção e não há exercícios ou atividades propostas
para a exploração do mesmo em nenhum outro momento.
Entretanto, na coleção Construindo o Espaço, apesar de prevalecerem as
informações que apóiam a teoria antrópica para o aquecimento global, ela é a única
onde está presente uma abordagem que apresenta outra teoria sobre as mudanças
climáticas que, por mais que seja apenas uma vez e apenas um parágrafo é valido,
pois pode possibilitar a discussão do tema com o aluno, abordando outra
perspectiva, que não a apoiada nas emissões de CO2.

108

4.6. Coleção Geografia ­ Espaço e Vivência por Levon Boligian et al. 2ª ed. 6ª
reimpressão. São Paulo: Atual, 2005.
A coleção Geografia ­ Espaço e Vivência elaborada por Levon Boligian é
composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª série/6º ano
a 8ª série/9º ano. Os volumes apresentam um pequeno encarte com projetos e
temas especiais. São apresentadas sugestões de livros, revistas e sites da internet
para o aluno. Nota-se a presença de um mapa-múndi político e um mapa do Brasil
político após as sugestões, seguidos da bibliografia utilizada pelos autores. Ao final,
são apresentados os créditos das imagens utilizadas no volume, com sua respectiva
página. Não há um glossário nos volumes da coleção.
Percebe-se, na coleção, que a abordagem dos temas relacionado
aquecimento global ou as mudanças climáticas acontece apenas nos volumes da 5ª
série/6º ano e 8ª série/9º ano. Os termos aquecimento global ou mudanças
climáticas são bastante trabalhados nesses volumes, sendo abordados como
impactos ambientais, com relação às ações humanas.
A maior parte das informações apresentadas sobre o tema na coleção
Geografia ­ Espaço e Vivência encontram-se no volume da 5ª série/6º ano, onde é
trabalhada a atmosfera e abordado a poluição atmosférica.

Volume 5ª série/6º ano
O texto na página 136 afirma que "o aumento da poluição atmosférica tem
gerado fenômenos danosos ao meio ambiente, como a chuva ácida, o buraco na
camada de ozônio, o efeito estufa e a inversão térmica". Verifica-se, dessa forma,
que o fenômeno do efeito estufa pode ser confundido com o aquecimento global.
A teoria antrópica para o aquecimento global é evidente. Na página 138 do
volume, o texto afirma que o efeito estufa é um fenômeno natural "porém, estudos
indicam que o efeito estufa tem se acentuado a partir do século XX devido à ação
humana", mostrando a influência da teoria antrópica na formulação do texto. No
volume, o efeito estufa é inicialmente abordado, na página 136, como um problema
ambiental "o aumento da poluição atmosférica tem gerado fenômenos danosos ao
meio ambiente, como a chuva ácida, o buraco na camada de ozônio, o efeito estufa
e a inversão térmica" e, logo em seguida, na página 138, o texto apresenta que "o

109

efeito estufa é um fenômeno natural que não permite que a atmosfera da Terra se
resfrie de modo excessivo". Dessa forma, o fenômeno pode ser apreendido pelo
aluno de forma dúbia, levando a uma compreensão distorcida do tema.
A inversão térmica, um fenômeno natural, é apresentada na página 139 do
volume, como impacto ambiental. Porém, a explicação é natural "a inversão térmica
ocorre quando uma camada de ar frio, posicionada sobre uma cidade, é
repentinamente encoberta por uma camada de ar quente, que a aprisiona". Dessa
forma, não é possível compreender nenhuma ação humana para que o fenômeno
aconteça. O "efeito estufa é um fenômeno natural (...), porém, estudos indicam que o
efeito estufa tem se acentuado no século XX devido à ação humana, que provoca a
emissão exagerada de poluentes na atmosfera, sobretudo o gás carbônico".
Considera-se que a explicação do aquecimento da atmosfera é feita de forma
satisfatória na página 119 do volume, quando trabalha a "temperatura atmosférica" e
afirma que "o aquecimento da atmosfera é feito, em sua maior parte, de maneira
indireta. Isso quer dizer que primeiro ocorre o aquecimento da superfície terrestre;
em seguida, a superfícies emite o calor da radiação solar para o ar atmosférico,
aquecendo-o". A explicação é essencial para a compreensão de como a Terra se
aquece, contudo essa explicação não é repetida no decorrer da coleção.
Acredita-se que essa explicação deveria ser reasirmada no momento em que
é trabalhado o "efeito estufa", na página 138, pois este é dividido em "efeito estufa
natural" e "efeito estufa artificial", mas, no entanto, é valorizada a explicação do
efeito estufa artificial. Acredita-se que essa explicação seja satisfatória, pois
apresenta os dois tipos de efeito estufa, apesar de não serem salientadas outras
formas de intensificação do fenômeno por meios naturais.
O texto explica o fenômeno de aquecimento da temperatura, na página 119
do volume, como um fenômeno natural e necessário. O texto apresenta o efeito
estufa na página 139, do mesmo volume, como "um fenômeno natural", mas afirma
também que "estudos indicam que o efeito estufa tem se acentuado a partir do
século XX devido à ação humana". O efeito estufa é dividido em um quadro na
mesma página 139. A imagem explicativa no quadro mostra dois tipos de efeito
estufa: um natural e um artificial. O texto explica o efeito estufa natural como a ação
da redoma natural que cobre a Terra "essa redoma retém parte do calor refletido
pela superfície terrestre, mantendo a temperatura média da Terra em torno de 15ºC
o restante do calor é irradiado para o espaço". Na explicação do efeito estufa

110

artificial, o texto afirma que "a excessiva quantidade de gases produzida pelas
atividades humanas acumula-se na atmosfera (...) intensificando o efeito estufa e
aumentando a temperatura média do planeta".
O tema é abordado em apenas 3 capítulos de dois volumes em toda a
coleção. Assim, não são muitos os exercícios propostos para a discussão do tema.
Na página 138 do volume da 5ª série/6º ano, após a explicação sobre os dois tipos
de efeito estufa (natural e artificial), aparece em um quadro destacado a proposta
"sabendo das causas que provocam o efeito estufa, enumere algumas medidas que
podem ser tomadas para combater esse problema ambiental". Percebe-se que essa
atividade aborda o efeito estufa novamente como impacto ambiental, e não fornece
subsídios para a explicação das causas do efeito estufa natural, apenas do artificial
ao longo da explicação anterior, desfavorecendo a compreensão do tema pelo
aluno.
Contudo, na página 141 do mesmo volume, o exercício 4, no subitem
"Questões de compreensão", propõe uma abordagem mais científica sobre o efeito
estufa quando pergunta "O efeito estufa é um fenômeno provocado apenas pelas
atividades humanas? Explique". Considera-se que esse tipo de pergunta incita o
debate, pois é questionadora e não taxativa.

Volume 8ª série/9º ano

O fenômeno é novamente abordado como problema ambiental na página 185
do volume da 8ª série/9º ano, quando é trabalhada a região polar "outros sérios
problemas que afetam as regiões polares são o efeito estufa e o buraco na camada
de ozônio", confirmando a conotação de problema ambiental dada ao efeito estufa
pelo autor.
No volume, na página 185, o texto também afirma que "o efeito estufa é um
fenômeno acentuado pelo lançamento excessivo de gases na atmosfera, os quais
impedem a refração dos raios solares, levando a um rápido aumento de temperatura
no planeta".
Mais uma vez, o fenômeno é confundido com o próprio aquecimento global
quando no volume página 52, ao ser apresentada a hipótese de Gaia, são descritos
alguns desequilíbrios ambientais no planeta, "uma das principais preocupações diz
respeito ao chamado aquecimento global, ou efeito estufa". Afirmações como essas

111

tornam difícil a compreensão dos fenômenos climáticos, pois os mesmos são
trabalhados de forma muito superficial.
Um momento em que os gases antrópicos são apresentados como causa do
aquecimento global ocorre na página 52 do volume, na qual o texto afirma que
"aquecimento global, ou efeito estufa, fenômeno que se caracteriza pelo aumento da
temperatura

média

do

planeta,

causado,

principalmente,

pelos

poluentes

atmosféricos expelidos pelas indústrias e veículos automotores".
Existem informações sobre o aquecimento global no ultimo volume da
coleção, todavia apenas superficialmente e, em dois momentos na página 52, ao ser
abordado o tema "Meio ambiente e problemática ecológica", e ao ser estudada a
região polar, na página 185. Em ambos os momentos, a teoria antrópica está
presente nas afirmações feitas.
Nesse último volume da coleção Geografia ­ Espaço e Vivência o
aquecimento global é confundido com o efeito estufa quando o texto afirma, na
página 52, que "uma das principais preocupações diz respeito ao chamado
aquecimento global, ou efeito estufa".
Nas atividades propostas pela "Análise de texto", na página 186 do volume,
ao trabalhar um texto com o título "Fome no gelo" é atribuído ao aquecimento global
a causa da falta de alimentos para os ursos polares, favorecendo sua extinção. O
texto afirma que "por causa do aquecimento global, o clima do Ártico está sofrendo
mudanças drásticas como a diminuição da quantidade de gelo" após informações
alarmantes sobre o futuro dos ursos polares são apresentadas cinco perguntas e a
primeira apresenta "De que problema ambiental o texto trata?". Entende-se que essa
pergunta apenas perpetua o que foi afirmado no texto e não gera nenhum
questionamento ao aluno.

Síntese da Coleção

De acordo com as propostas teórico-metodológicas apresentadas no Manual
do Professor, na página 6, os conteúdos que são propostos estão estruturados na
interação entre aluno, professor e livro, e "essa interatividade é proporcionada por
meio dos diversos questionamentos nas páginas de conteúdo, os quais resgatam o
conhecimento prévio dos alunos, estimulam a exposição de opiniões e a
participação".

112

A coleção Geografia ­ Espaço e Vivência utiliza diversos artifícios para
proporcionar a explicação ao aluno de maneira clara. Contudo, alguns termos são
confundidos ou misturados quando apresentados, dificultando a compreensão do
aluno. Na maioria dos capítulos, há diversos quadros com perguntas referentes ao
assunto abordado, viabilizando o debate e o questionamento. No entanto, os
fenômenos relacionados ao aquecimento global são pouco trabalhados no decorrer
da coleção, não apresentando muitos subsídios ao aluno na tentativa de gerar
discussões sobre o assunto.
Dois fenômenos considerados naturais são abordados quando impactos
ambientais são trabalhados com o aluno. Esses fenômenos são apresentados como
dependentes das ações humanas, não acontecendo naturalmente no planeta.
Assim, as informações transmitidas, tornam-se distorcidas e incorretas, prejudicando
a compreensão do aluno sobre os fenômenos climáticos. Apesar da explicação do
efeito estufa exaltar que ele é um fenômeno natural, são atribuídos exclusivamente a
ele impactos na sociedade relacionados às mudanças climáticas. Não há muitas
informações complementares que contribuam para a compreensão dos fenômenos
climáticos relacionados ao aquecimento global, as poucas que existem são taxativas
e apenas discursivas. Com isso, prevalece a teoria sobre a intensificação do CO2 na
atmosfera como principal fonte para o aquecimento global.
Não é transmitida, na coleção Geografia ­ Espaço e Vivência, a real
importância do efeito estufa para a manutenção da vida no planeta, sendo focada
toda a explicação do fenômeno como um impacto causado pelas ações humanas e
que precisa ser corrigido. Nesse sentido, entende-se que não há a interação com os
conhecimentos dos alunos uma vez que a informação é apenas apresentada de
maneira superficial, não sendo valorizada como a fonte de calor da atmosfera.
Verifica-se que o estudo da atmosfera não é explorado de maneira a
possibilitar um melhor entendimento dos fenômenos que geram o aquecimento da
Terra. As explicações são pontuais e superficiais, não gerando o debate com o
aluno. Prevalecem as afirmações da teoria antrópica do aquecimento do planeta,
não havendo outras teorias expostas para a discussão com o aluno. Apesar de se
fazerem presentes, informações essenciais para a conexão com o saber prévio do
aluno sobre o aquecimento global são apresentadas poucas vezes.
Apesar de ser apresentado de maneira distorcida na coleção Geografia ­
Espaço e Vivência, o texto apresenta também o conceito de efeito estufa, dividido

113

em duas categorias. Dessa forma, torna-se enriquecedor, pois é capaz de gerar a
discussão e o debate com o aluno. Ao mesmo tempo em que o fenômeno é
abordado dessa maneira, em outros momentos ele se confunde com o próprio
aquecimento global, sendo apresentado como um impacto devido ações humanas,
não sendo atribuídas a ele origens naturais. No entanto, entende-se que se torna
mais fácil a compreensão do aluno sobre o fenômeno, pois é apresentada uma
explicação satisfatória do efeito estufa que, contudo, a mesma não permanece ao
longo da coleção, prevalecendo a teoria das emissões antrópicas de gases para o
aquecimento da temperatura do planeta. Verifica-se, também, que não são
exploradas outras teorias a respeito das mudanças climáticas, desfavorecendo o
questionamento do aluno sobre o assunto.
Verifica-se, de certa forma, que as informações contidas ao longo da coleção
favorecem a teoria antrópica sobre as mudanças climáticas. Contudo, em alguns
momentos são apresentadas informações capazes de gerar o questionamento no
aluno. Apesar de o tema ser abordado em dois volumes da coleção, os exercícios
sobre o aquecimento global ou mesmo o efeito estufa são muito poucos, e quando
são apresentados, na maioria das vezes, são taxativos e não questionadores. Dessa
maneira, o debate proposto pelas atividades não acontece, prejudicando a
compreensão de um assunto tão comentado atualmente como as mudanças
climáticas. Apenas em um momento existe a formulação de uma questão capaz de
gerar o debate.
Acredita-se que a coleção Geografia ­ Espaço e Vivência não siga o que
propõe nos aspectos teóricos ou metodológicos, pois as informações sobre as
mudanças climáticas são superficiais e pouco explicativas. Apesar da explicação do
efeito estufa exaltar que ele é um fenômeno natural, ao mesmo tempo lhe são
atribuídos impactos, na sociedade, relacionados às mudanças climáticas. Prevalece
a teoria sobre a intensificação antrópica do CO2 na atmosfera como principal fonte
para o aquecimento global.
Conclui-se que não é transmitida a real importância do efeito estufa para a
manutenção da vida no planeta, sendo focada toda a explicação do fenômeno como
um impacto causado pelas ações humanas e que precisa ser corrigido. Nesse
sentido, não há a interação com os conhecimentos dos alunos uma vez que a
informação é apenas apresentada e não discutida como a fonte de calor da
atmosfera. Apesar de o tema ser abordado em dois volumes da coleção, os

114

exercícios sobre o aquecimento global ou mesmo o efeito estufa são muito poucos, e
quando são apresentados, na maioria das vezes, são taxativos e não
questionadores. Dessa maneira, o debate proposto pelas atividades não acontece,
prejudicando a compreensão de um assunto tão comentado atualmente como as
mudanças climáticas.

115

CONSIDERAÇÕES FINAIS E RECOMENDAÇÕES

Foi possível perceber, ao longo da pesquisa, que a Geografia, como disciplina
escolar, é de grande importância por proporcionar o debate a respeito do
aquecimento global, pois trabalha o tema em sala de aula ao abordar os assuntos
referentes ao efeito estufa e problemas ambientais.
O livro didático, dentre os demais recursos didáticos, é instrumento
fundamental no trabalho do professor e no processo de aprendizagem do aluno.
Contudo, os livros podem ser tendenciosos ou apenas mostrar uma das diversas
teorias a respeito de um tema. Dessa forma, a essência da Geografia é dissipada,
pois o posicionamento crítico e questionador que supostamente os livros deveriam
trazer são esquecidos ou são apresentados apenas no manual do professor.
É essencial que o aluno compreenda que existem outras teorias a respeito
das mudanças climáticas e o aquecimento global, pois é necessário que ele tenha
acesso a informações científicas diversas para que possa desenvolver seu senso
crítico, aprender a pensar e criar novos conhecimentos, não dependendo apenas
das informações trazidas nos manuais didáticos.
A pesquisa aconteceu no sentido de compreender a maneira como o
aquecimento global e as mudanças climáticas são transmitidos por livros didáticos
de Geografia do Ensino Fundamental, partindo da hipótese de que os livros estão
apenas perpetuando o que vem sendo discutido pelo IPCC, ou seja, mostrando
unicamente o ponto de vista do IPCC que sugere a visão catastrófica de que o ser
humano é o principal causador dos fenômenos climáticos relacionados ao
aquecimento global.
O desenvolvimento crítico do aluno motivou a realização dessa pesquisa no
intuito de ampliar o ponto de vista do aluno, contribuindo para suas tomadas de
decisão a respeito do tema. O livro didático foi escolhido para a realização dessa
pesquisa por ser o recurso didático mais utilizado nas escolas do país. Entende-se
que o aluno deva ser orientado a fazer uma análise crítica dos conteúdos abordados
nos livros, que devem apresentar diferentes linhas de estudo existentes sobre
determinado tema, buscando o debate com o professor, ao invés da simples
absorção de um conteúdo que pode não implicar em ações reais em seu cotidiano.
A verificação dos livros foi realizada de acordo com processos metodológicos
de análise textual, seguindo uma ordem de perguntas criadas com o objetivo de

116

guiar a análise qualitativa das informações apresentadas nos livros didáticos de
Geografia. Foi percebido que o tema nas coleções não é disposto de forma
padronizada, seguindo diferentes abordagens e contextos, sendo apresentados em
diferentes volumes nas coleções
Com a realização da pesquisa, foi possível compreender que poucas
coleções expõem outras teorias sobre o aquecimento global, prevalecendo em todas
as coleções a teoria antrópica das mudanças climáticas mostrando unicamente o
ponto de vista do IPCC, que sugere a visão catastrófica de que o ser humano é o
principal causador dos fenômenos climáticos relacionados ao aquecimento global.
Outro fato importante é a confusão que acontece em praticamente todas as
coleções analisadas quando é abordado o efeito estufa como um impacto ambiental.
Muitas vezes, o fenômeno é confundido com o próprio aquecimento global, gerando
uma distorção enorme sobre o que se estuda na academia e o que está sendo
transmitido pelos livros didáticos.
Conclui-se que a coleção Estudos de Geografia tem a melhor abordagem
teórico-metodologica dentre as coleções analisadas, apresentando o tema de
maneira científica, expondo aquecimentos naturais que foram registrados no planeta
em outras eras. Porém, essa abordagem não sobrepõe a teoria antrópica que é
perpetuada na maioria das questões apresentadas na coleção. Nesse mesmo
contexto, a coleção Construindo o Espaço, é a única dentre as coleções trabalhadas
na pesquisa que aborda, mesmo que superficialmente em apenas um parágrafo,
outra teoria sobre o aquecimento global, afirmando que há cientistas que discordam
sobre a teoria antrópica e acreditam em um aquecimento natural.
Percebe-se que, em todas as coleções, a teoria antrópica veiculada pelo
Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas prevalece. Todavia, na
coleção Geografia Crítica, o aquecimento global é apresentado de maneira mais
enfática, taxativa e catastrófica, sendo prejudicial ao entendimento do aluno, uma
vez que apresenta o fenômeno de forma acrítica e, principalmente, gerando o pânico
e não o questionamento em busca de soluções sobre o dito problema.
É possível compreender que os livros didáticos de Geografia analisados
nessa pesquisa não expõe o aquecimento global e as mudanças climáticas
satisfatoriamente e, além disso, as informações apresentadas nessas coleções são
capazes de gerar a confusão no aluno devido maneira artificial com que o efeito
estufa é trabalhado. Todas as coleções apresentam a teoria antrópica como a mais

117

aceita pela ciência, não proporcionando a discussão e o entendimento pelo aluno de
que a ciência apenas evolui com o desenvolvimento de antíteses. É necessário que
o aluno entenda que sem questionamento não há ciência, e que sem a ciência não é
gerado o conhecimento científico.
É sabido que o processo educacional não acontece apenas dentro de sala.
Assim, é necessário que os professores tragam os assuntos abordados pela
Geografia para o cotidiano do aluno gerando uma relação entre a realidade e os
fenômenos climáticos, uma vez que esses são percebidos a todo o momento. O livro
é uma ferramenta didática importante, mas cabe ao professor buscar outras
ferramentas e fontes para gerar o debate com seus alunos, tornando o
questionamento um hábito nas aulas de Geografia.
No processo de escolha da coleção didática a ser trabalhada, é importante
que o professor sempre verifique a conceituação teórica dos termos fundamentais
para a compreensão do aluno sobre os fenômenos que se passam no planeta. Não
apenas as questões relacionadas ao aquecimento global, mas também a maneira
como a relação do homem com o ambiente é trabalhada.

118

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BOLIGIAN, Levon [et al.]. Geografia: Espaço e Vivência 5ª série. 2ª ed. 6ª
reimpressão. São Paulo: Atual, 2005.
______. Geografia: Espaço e Vivência 5ª série. 2ª ed. 6ª reimpressão. São Paulo:
Atual, 2005.
______. Geografia: Espaço e Vivência 5ª série. 2ª ed. 6ª reimpressão. São Paulo:
Atual, 2005.
______. Geografia: Espaço e Vivência 5ª série. 2ª ed. 6ª reimpressão. São Paulo:
Atual, 2005.
BRASIL, Plano Nacional sobre Mudanças do Clima, versão para consulta pública.
Brasília: 2008.
______. Ciências humanas e suas tecnologias/Secretaria de Educação Básica,
Orientações curriculares para o ensino médio ­ volume 3. Brasília: Ministério da
Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.
______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Ministério da
Educação, 1996.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros curriculares nacionais:
geografia. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1998.
______. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros curriculares nacionais:
introdução. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1998.
______. Ministério da Educação Guia de livros didáticos PNLD 2008 : Geografia:
Brasília, 2007.
______. Ministério da Educação Guia de livros didáticos PNLD 2007 : Geografia:
Brasília, 2006.
______. Ministério da Educação Guia de livros didáticos PNLD 2006 : Geografia:
Brasília, 2005.
______. Ministério da Educação Guia de livros didáticos PNLD 2005 : Geografia:
Brasília, 2004.
CAPRA, Fritjof. "Alfabetização Ecológica: O Desafio para a Educação do Século 21".
In: TRIGUEIRO, André (org) Meio Ambiente no Século 21. Rio de Janeiro: Sextante,
2003.
______. Ecoliteracy: The Challenge for Education in the Next Century. Center for
Ecoliteracy, 1999.

119

CASTRO, Maria Glória da Silva. A climatologia e os professores de Geografia no 1º
e 2º graus. In: Simpósio Brasileiro de Geografia Física aplicada, 7, Curitiba, Anais...
Curitiba: UFPR, 1997.
Consumers International/MMA/DEC ­ Consumo Sustentável: manual de educação.
Brasília, 2002.
CORDANI, Umberto G. e TAIOLI, Fabio. "A Terra, a humanidade e o
desenvolvimento sustentável" In: TEIXEIRA, Wilson [et al.] (org) Decifrando a Terra.
2ª reimpressão. São Paulo: Oficina de Textos, 2003.
CUNHA, Gilberto R. Meteorologia: fatos & mitos. Passo Fundo: EMBRAPA, 1997.
DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: princípios e práticas. 8ª ed. São
Paulo: Gaia, 2003.
DINIZ, Eliezer Martins (editor) Um Diálogo Interdisciplinar sobre Mudanças Globais.
Texto disponível em www.iea.usp.br/artigos Acesso em 12/02/2009.
FAIRCHILD, Thomas R. "A Terra: Passado, Presente e Futuro" In: TEIXEIRA, Wilson
[et al.] (org) Decifrando a Terra. 2ª reimpressão. São Paulo: Oficina de Textos, 2003.
FEARNSIDE, P.M. "Rio 92 Cinco Anos Depois, Avaliação das Ações brasileiras em
direção ao desenvolvimento sustentável após a Rio-92" In: Umberto Giuseppe
Cordani, Jacques Marcovitch, Eneas Salati (org). Rio de Janeiro: Academia
Brasileira de Ciências, 1997.
______. "Global implications of Amazon frontier settlement: Carbon, Kyoto and the
role of Amazonian deforestation". pp. 36-64. In: A. Hall (ed.) Global Impact, Local
Action: New Environmental Policy in Latin America. University of London, School of
Advanced Studies, Institute for the Study of the Americas, London, U.K., 2005.
______. "A vazante na Amazônia e o aquecimento global". CIÊNCIA HOJE · vol. 39
· nº 231, 2006.
FREITAG, Barbara [et al.] O livro didático em questão. 3ª ed. São Paulo: Cortez,
1997.
GOLDEMBERG, José. "O Caminho até Joanesburgo" In: TRIGUEIRO, André (org)
Meio Ambiente no Século 21. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.
HAWKEN, Paul, LOVINS, Amory e LOVINS, L. Hunter. Capitalismo Natural: Criando
a Próxima Revolução Industrial. 10ª ed. São Paulo: Cultrix, 2005.
IPCC TAR, 2001 In: SINGER, Fred S. Nature, Not Human Activity, Rules Climate:
Summary for Policymakers of the Report of the Nongovernmental International Panel
on Climate Change. 1ª ed. Chicago: The Heartland Institute, 2008.
IPCC AR4/SPM, 2007. Contribution of Working Group I for the Fourth Assessment
Report (AR4), Summary for Policy Makers (SPM), WMO/UNEP, Genebra, Suiça.

120

JUNIOR, Luiz Antonio Ferraro. "Introdução" In: JUNIOR, Luiz Antonio Ferraro (org)
Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras (es) Ambientais e Coletivos
Educadores. Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005.
KROPOTKIN, Piotr. "O Que a Geografia Deve Ser". Seleção de Textos 13 São
Paulo: AGB, 1986.
LOMBORG, Bjorn. Cool it: the skeptical environmentalist's guide to global warming.
1ª ed. New York: Alfred A. Knopf, 2008.
MAGNOLI, Demétrio. Estudos de Geografia 5ª série 1ª ed. São Paulo: Atual, 2008.
______. Estudos de Geografia 6ª série 1ª ed. São Paulo: Atual, 2008.
______. Estudos de Geografia 7ª série 1ª ed. São Paulo: Atual, 2008.
______. Estudos de Geografia 8ª série 1ª ed. São Paulo: Atual, 2008.
MOLINA, Olga. Quem engana quem: professor x livro didático. 1ª ed. Campinas:
Papirus, 1987.
MOLION, Luiz C. Baldicero. "O CFC e a Camada de Ozônio ­ A Farsa?". Disponível
em: br.geocities.com/zuritageo/cfc.htm Acesso em: 10/07/2008.
______. Luiz C. Baldicero. "Aquecimento Global. El Niños, Manchas Solares,
Vulcões e Oscilação Decadal do Pacífico". CLIMANALISE, 2005.
______. Luiz C. Baldicero. "Desmistificando o Aquecimento Global". Intergeo, v. 5, p.
13-20, 2007.
MOREIRA, Igor e AURICCHIO, Elizabeth. Construindo o Espaço 5ª série. 5ª ed. 1ª
impressão. São Paulo: Ática, 2006.
______. Construindo o Espaço 6ª série. 5ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Ática, 2006.
______. Construindo o Espaço 7ª série. 5ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Ática, 2006.
______. Construindo o Espaço 8ª série. 5ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Ática, 2006.
MOREIRA, João Carlos e SENE, Eustáquio de. Trilha da Geografia 5ª série. 2ª ed.
1ª impressão. São Paulo: Scipione, 2007.
______. Trilha da Geografia 6ª série. 2ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Scipione,
2007.
______. Trilha da Geografia 7ª série. 2ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Scipione,
2007.
______. Trilha da Geografia 8ª série. 2ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Scipione,
2007.

121

NOBRE, Carlos A. Mudanças climáticas globais: possíveis impactos nos
ecossistemas do país. In: Parcerias Estratégicas. n. 12 p. 239-258. 2001.
OLIVEIRA, Sonia M. B. de. "Base científica para a compreensão do aquecimento
global" In: VEIGA, José Eli da (org) Aquecimento Global: frias contendas científicas.
1ª ed. São Paulo: Senac, 2008
PELUSO, Marília Luíza. "O processo de avaliação do livro didático de geografia, uma
aposta no futuro". In: Livros didáticos de Geografia e História: avaliação e pesquisa.
São Paulo: Cultura Acadêmica, 2006.
PINTO, Erika de P. P. [et al.] Perguntas e respostas sobre o Aquecimento Global. 1ª
ed. Belém: IPAM, 2008.
PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A globalização da natureza e a natureza da
globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2006.
RESENDE, Márcia M. S. "O saber do aluno e o ensino de Geografia" In: VESENTINI,
J. Wiliam (org) [et al]. Geografia e ensino: textos críticos. 1ª ed. Campinas: Papirus,
1989.
ROSS, Jurandyr L. Sanches. "Os Fundamentos da Geografia da Natureza" In:
ROSS, Jurandyr, L. Sanches (org) Geografia do Brasil. 4ª ed. 1ª reimpressão. São
Paulo: Edusp, 2003.
SAMPAIO, Francisco Coelho. Geografia do Século XXI 5ª série. 2ª ed. Curitiba:
Positivo, 2007.
______. Geografia do Século XXI 6ª série. 2ª ed. Curitiba: Positivo, 2007.
______. Geografia do Século XXI 7ª série. 2ª ed. Curitiba: Positivo, 2007.
______. Geografia do Século XXI 8ª série. 2ª ed. Curitiba: Positivo, 2007.
SANTANA NETO, João Lima. Por uma Geografia do Clima: antecedentes históricos,
paradigmas contemporâneos e uma nova razão para um novo conhecimento. n 17.
p. 49-62. São Paulo: Terra Livre, 2001.
SEITZ, Frederick. "Foreword" In: SINGER, Fred S. Nature, Not Human Activity, Rules
Climate: Summary for Policymakers of the Report of the Nongovernmental
International Panel on Climate Change. 1ª ed. Chicago: The Heartland Institute, 2008
SINGER, Fred S. Nature, Not Human Activity, Rules Climate: Summary for
Policymakers of the Report of the Nongovernmental International Panel on Climate
Change. 1ª ed. Chicago: The Heartland Institute, 2008
SPENCER, Roy W. Climate Confusion: how global warming hysteria leads to bad
science, pandering politicians, and misguided policies that hurt the poor. 1ª ed. New
York: Encounter Books, 2008.

122

STEINKE, E. T. Considerações Sobre Variabilidade e Mudança Climática no Distrito
Federal, suas Repercussões nos recursos Hídricos e Informação ao Grande Público.
Brasília, 2004. 201 f. Tese (Doutorado). Instituto de Ciências Biológicas.
Universidade de Brasília.
TEIXEIRA, Wilson. "Vulcanismo: produtos e importância para a vida" In: TEIXEIRA,
Wilson [et al.] (org) Decifrando a Terra. 2ª reimpressão. São Paulo: Oficina de
Textos, 2003.
VERDESIO, Juan J. A controvérsia da influência do homem no clima global.
Apresentado no Departamento de Geografia, Universidade de Brasília ­ UnB,
Brasília: 2009.
VESENTINI, J. Wiliam. "A questão do Livro didático no ensino de Geografia" In:
VESENTINI, J. Wiliam (org) [et al]. Geografia e ensino: textos críticos. 1ª ed.
Campinas: Papirus, 1989.
VESENTINI, J. Willian e VLACH, Vânia. Geografia Crítica 5ª série. 32ª ed. 1ª
impressão. São Paulo: Ática, 2008.
______. Geografia Crítica 6ª série. 32ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Ática, 2008.
______. Geografia Crítica 7ª série. 32ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Ática, 2008.
______. Geografia Crítica 8ª série. 32ª ed. 1ª impressão. São Paulo: Ática, 2008.

123

APÊNDICE(S)
Apêndice A ­ Ficha de avaliação da Coleção Estudos de Geografia. Descrição
sumária da coleção.
1. Descrição Sumária da Coleção: Estudos de Geografia/Demétrio
Sumário do conteúdo de cada volume da coleção (identificar as partes, os capítulos e indicar o
número de páginas de cada livro).
A coleção é composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries.
O volume do 5ª série/6º ano possui 240 páginas e é composto por três unidades, subdividas em 14 capítulos:
Unidade 1 ­ Noções de Cartografia: Capítulo 1 ­ O mundo no mapa; Capítulo 2 ­ Onde estou? Para onde
vou?; Capítulo 3 ­ Cada Lugar, um endereço; Capítulo 4 ­ A ciência e a arte dos mapas. Unidade 2 ­ O
planeta Terra: Capítulo 5 ­ Universo, Sistema Solar, Terra; Capítulo 6 ­ O planeta azul; Capítulo 7 ­ Luz e
calor; Capítulo 8 ­ O tempo e o clima; Capítulo 9 ­ A esfera da vida. Unidade 3 ­ Morada da Humanidade:
Capítulo 10 ­ Sociedade e espaço geográfico; Capítulo 11 ­ Os recursos naturais; Capítulo 12 ­ Técnicas e
trabalho: agricultura; Capítulo 13 ­ Técnicas e trabalho: indústria, Capítulo 14 ­ Energia, transporte e
comunicações.
O volume da 6ª série/7º ano possui 256 páginas e é composto por 3 unidades, subdividas em 14 capítulos:
Unidade 1 ­ Território e Nação: Capítulo 1 ­ Formação do território brasileiro; Capítulo 2 ­ Os domínios e as
paisagens naturais; Capítulo 3 ­ A república Federativa do Brasil; Capítulo 4 ­ Os brasileiros; Capítulo 5 ­ O
Brasil em regiões. Unidade 2 ­ Tecnologias, trabalho e economia: Capítulo 6 ­ A economia urbana; Capítulo 7
­ Agricultura e extrativismo florestal; Capítulo 8 ­ A produção e o consumo de energia; Capítulo 9 ­ As redes
de transporte; Capítulo 10 ­ Comércio: o Brasil e o mundo. Unidade 3 ­ A sociedade nacional: Capítulo 11 ­
Demografia e investimentos públicos; Capítulo 12 ­ As cidades e o território; Capítulo 13 ­ Faces da pobreza;
Capítulo 14 ­ A seca e a cerca.
O volume da 7ª série/8º ano possui 239 páginas e é composto por 3 unidades, subdividas em 14 capítulos:
Unidade 1 ­ Unidade e diversidade da América: Capítulo 1 ­ As Américas do Tempo Geológico; Capítulo 2 ­
As duas Américas; Capítulo 3 ­ América Latina ou América do Sul?; Capítulo 4 ­ A América para os
americanos; Capítulo 5 A identidade dos Estados Unidos. Unidade 2 ­ As nações das Américas do Norte e
Central: Capítulo 6 ­ Estados Unidos, a hiperpotência; Capítulo 7 ­ Canadá: um Estado, várias nações;
Capítulo 8 ­ México: entre dois mundos; Capítulo 9 ­ O Istmo e o Caribe. Unidade 3 ­ As nações da América
do Sul: Capítulo 10 ­ A região andino-caribenha; Capítulo 11 ­ A região pacífico-andina; Capítulo 12 ­ O Chile
e a globalização; Capítulo 13 ­ A região continental-interior; Capítulo 14 ­ A região platino-pampeana.
O volume da 8ª série/9º ano possui 271 páginas e é composto por 3 unidades, subdividas em 16 capítulos:
Unidade 1 ­ Geopolítica da globalização: Capítulo 1 ­ A Guerra Fria; Capítulo 2 ­ A "nova ordem mundial";
Capítulo 3 ­ Organizações internacionais; Capítulo 4 ­ As políticas ambientais globais. Unidade 2 ­ A Europa
e os orientes: Capítulo 5 ­ Unidade e diversidade da Europa; Capítulo 6 ­ União Européia; Capítulo 7 ­ A
Rússia e a CEI; Capítulo 8 ­ As "novas Europas" do Pacífico; Capítulo 9 ­ O Japão e os "Tigres Asiáticos";
Capítulo 10 ­ China: nova potência mundial; Capítulo 11 ­ O subcontinente indiano; Capítulo 12 ­ O Islã e o
Oriente Médio. Unidade 3 ­ África, áfricas: Capítulo 13 ­ África: natureza e culturas; Capítulo 14 ­ A pilhagem
da África; Capítulo 15 ­ África do Norte; Capítulo 16 ­ África Subsaariana.
Ao final dos volumes há uma lista de referências para os alunos com sugestões de livros, filmes e sites
recomendados para a pesquisa seguida das referências bibliográficas utilizadas pelo autor do livro. Nota-se
que não há a presença de um Atlas ou de um Glossário nos volumes.

124

Apêndice B ­ Ficha de avaliação da Coleção Estudos de Geografia. Abordagem dos
temas aquecimento global e mudanças climáticas.

Coleção: Estudos de Geografia/Demétrio
2. Quanto à abordagem dos temas Aquecimento Global e Mudanças Climáticas

1.

A coleção trabalha o temas "Aquecimento Global" e "Mudanças
Climáticas"? Se sim, em quais volumes?

2.

No(os) volume(es) em que se encontra o tema, em que momento ele é
abordado, ao se trabalhar os fenômenos climáticos (C) ou os impactos
ambientais (I)?

NÃO

SIM
5ª/6º 6ª/7º 7ª/8º 8ª/9º
X

C
I

X

Exemplo:
Na coleção o tema não é trabalhado no momento em que se trata dos processos de formação da atmosfera e dos
fenômenos climáticos que regem o clima no capítulo 8 ­ O tempo e o clima do volume da 5ª série/6º ano. O assunto
é apenas abordado no volume da 8ª série/9º ano na unidade 1, no Capítulo 4 ­ As políticas ambientais globais, na
página 55, com o subitem O aquecimento global, apresentando o fenômeno como um impacto ambiental.
3.

No(os) volume(es) verificado(os) há a apresentação apenas da teoria
antrópica para o Aquecimento Global (A) ou há, também a apresentação
de outras teorias sobre o aquecimento do planeta (B)?

A

X

B

Exemplos:
No momento que é trabalhado o aquecimento global, no capítulo 4, o tema é apresentado de maneira muito bem
elaborada, buscando apresentar diferentes momentos na história geológica da Terra onde aconteceu um
aquecimento. Apesar da explicação prévia sobre outros momentos de aquecimento no planeta, e ainda de que o
efeito estufa é um fenômeno natural, é afirmado, na página 57, que "o aumento da concentração de gases como o
dióxido de carbono, o metano, e o óxido nitroso na atmosfera, intensifica o efeito estufa". Apesar de apresentar
outros gases como o óxido nitroso como parte do efeito estufa, é afirmado em seguida, na página 58, que a
Revolução Industrial aumentou gradativamente as emissões de CO2 e "a produção de energia em usinas
termelétricas e o consumo de combustíveis fósseis nos transportes e nas indústrias constituem as maiores causas
da emissão de dióxido de carbono, o principal gás de estufa", confirmando assim que a teoria abordada na coleção
é a da intensificação do efeito estufa pelas ações antrópicas. Mesmo confirmando a influência antrópica como a
causa das mudanças climáticas, o volume busca uma abordagem mais científica, mostrando que ainda existem
discussões no meio científico quando afirma que "a discussão científica sobre o grau de contribuição das atividades
humanas para o aquecimento global continua, mas praticamente não existem mais dúvidas de que essa
contribuição é significativa".
Síntese do ítem:
É possível perceber que o assunto referente às mudanças climáticas e o aquecimento global não são trabalhados
relacionando-os aos processos naturais do clima, sendo trabalhados como problemas ambientais que necessitam
ser combatidos pelas políticas ambientais globais. Desta forma fica clara a abordagem da teoria da influência
antrópica nas mudanças climáticas, contudo há aspectos que podem incentivar o debate com o aluno, pois as
informações apresentadas nos textos não são taxativas, mostrando que a ciência não é exata, contribuindo para a
formação crítica dos alunos.

125

Apêndice C­ Ficha de avaliação da Coleção Estudos de Geografia. Coerência e
Adequação Metodológica.

3. Coerência e Adequação Metodológica/Demétrio

4.

Há coerência entre a fundamentação teórico-metodológica da Geografia
proposta com a utilizada na apresentação dos temas próprios da climatologia
relacionados com as mudanças climáticas?

SIM

NÃO
R

B

O

X
Justificativa:
De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do professor, página 7, "os
conceitos fundamentais são desenvolvidos de modo rigoroso e completo ­ e isso se traduz muitas vezes em
incursões interdisciplinares através das Ciências Naturais e da História". Na maior parte dos temas
trabalhados na coleção há coerência entre a fundamentação teórico-metodológica da Geografia proposta e a
utilizada na coleção mostrando que a interdisciplinaridade faz parte da construção do conhecimento do aluno.
Apesar de relacionar as mudanças climáticas às ações humanas, é parte da obra uma série de informações
complementares que são capazes de gerar o debate com o aluno, mostrando que existiram outros momentos
de aquecimento no planeta, onde a presença do ser humano não era predominante. Essas informações são
imprescindíveis para construir juntamente com o aluno o conhecimento sobre os fenômenos climáticos que
causam as mudanças climáticas.
Exemplo:
Os conceitos próprios do estudo da climatologia são apresentados no primeiro volume desta coleção nos
capítulo 7 ­ Luz e calor e no capítulo 8 ­ O tempo e o clima. Nos capítulos 13 ­ Técnicas e trabalho:
indústrias e 14 ­ Energia, transporte e comunicações os temas como a poluição atmosférica e a chuva ácida
são trabalhados de forma crítica, mostrando as conseqüências do uso dos combustíveis fósseis para o ser
humano, contudo sem apontar o aquecimento global como a principal impacto ambiental relacionado ao uso
desses combustíveis.
Ao se trabalhar o tema das mudanças climáticas e o aquecimento global, o último volume da coleção
apresenta o assunto no Capítulo 4 após introduzir as preocupações mundiais a respeito dos problemas
ambientais enfrentados pelo planeta. No texto da página 55, o aquecimento global é abordado como um
problema ambiental global devido às previsões de aumento da temperatura média do planeta de 1ºC a 3,5ºC
até o final do século XXI. Ao invés de afirmar taxativamente as origens do aquecimento global, é apresentado
no texto um Box com o título "O aquecimento e a história". Neste Box (páginas 55,56 e 57) são apresentadas
uma série de informações a respeito do processo natural de variação de temperatura do planeta, afirmando
que os processo podem ser causados por erupções vulcânicas ou até pelo impacto de um meteorito.
Contudo, é afirmado que após o processo de industrialização intenso nos séculos XIX e XX, as médias
globais cresceram 0,4ºC. Após essa explicação aparece a teoria da influência antrópica, porém com
ressalvas nas informações apresentadas na página 57 onde é afirmado que "períodos de aquecimento
registraram-se antes, em tempos históricos. A novidade é que o aquecimento atual ocorre no mundo inteiro e
provavelmente resulta, ao menos em parte, do impacto das atividades humanas".

126

As informações básicas relacionadas aos fenômenos climáticos,
SIM
NÃO
principalemente ao efeito estufa, e a precisão dos conceitos climatológicos
R
B
O
estão corretos e atualizados?
X
Justificativa:
Nos volumes em que o clima é trabalhado, há a apresentação dos fenômenos responsáveis pela dinâmica
climática do planeta onde são expostos, por exemplo, os conceitos de ciclo hidrológico, massas de ar,
chuvas, circulação global da atmosfera e a relação das correntes oceânicas com o clima. A grande maioria
dos conceitos são corretos e bem detalhados, não sendo apenas expositivos, mas apresentando as
conseqüências dos fenômenos climáticos para a sociedade, sejam eles positivos ou negativos. Contudo, o
fenômeno do efeito estufa não é trabalhado de maneira clara, apenas há explicações no primeiro volume,
onde o fenômeno não é caracterizado como efeito estufa. No último volume, ao serem trabalhadas as
políticas ambientais globais, apresenta-se o conceito de efeito estufa de maneira satisfatória, porém
afirmando que o CO2 é o principal gás de estufa, sem mencionar a importância do vapor dágua.
Nota-se que há a preocupação de apresentar informações atualizadas sobre o aquecimento global e as
mudanças climáticas, principalmente no que se refere às políticas internacionais selecionadas ao relatório do
Painel Intergovernamental sobre mudanças climáticas (IPCC). Contudo não são inseridas as novas pesquisas
e teorias trabalhadas por diversos cientistas do mundo que contestam as afirmações que apontam para a
influência antrópica na manutenção do clima global.
5.

Exemplo:
Embora a maioria dos conceitos seja aplicada de maneira positiva na obra, não há uma explicação detalhada
do efeito estufa, fundamental para o entendimento das teorias sobre o aquecimento global. Na página 108 do
volume da 5ª série/6º ano é afirmado que "a vida na Terra depende também do ,,filtro da energia solar, que é
a atmosfera. A radiação do Sol não atinge diretamente a superfície do planeta. Antes, entre em contato com a
atmosfera, que reflete de volta para o espaço uma parte da energia" essa explicação é relacionada ao efeito
estufa, contudo o termo não é mencionado. O termo ,,efeito estufa apenas é abordado no volume da 8ª
série/9º ano ao serem trabalhados os impactos ambientais e as políticas internacionais que foram criadas
para a redução desse impacto no planeta. Na página 57 o fenômeno é explicado superficialmente, porém,
dando ênfase na sua origem natural "esse efeito estufa, um fenômeno natural, faz que a Terra apresente
condições térmicas adequadas ao desenvolvimento da vida", contudo na página seguinte é afirmado que
desde a Revolução Industrial vem acontecendo o aumento na quantidade de gases estufa na atmosfera
afirmando que "a queima de combustíveis fósseis nos transportes e nas indústrias constituem as maiores
causas da emissão de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa". As explicações para o
aquecimento global atual são relacionadas diretamente com as emissões de CO2 pelo homem.
As informações apresentadas são atuais e mostram a evolução dos encontros ambientais internacionais e
suas principais conclusões. As explicações para o aquecimento global atual são relacionadas diretamente
com as emissões de CO2 pelo homem como propõe o Painel da ONU, como exposto na página 58 no gráfico
"Emissões de CO2 geradas pelo consumo de combustíveis fósseis (1820 ­ 2000)". Neste gráfico fica claro o
aumento das emissões de carbono, mas não há um gráfico com o aumento da temperatura para que seja
feita uma comparação.
Síntese do ítem:
Os fenômenos que dão origem às mudanças climáticas no planeta são abordados de maneira a entendê-los
fora das dinâmicas climáticas, pois não são trabalhados juntamente com o estudo do clima ou da atmosfera.
As mudanças climáticas são abordadas no momento em que as políticas internacionais para combate aos
impactos das atividades humanas são estudados, deixando uma explicação mais detalhada sobre o efeito
estufa apenas para esse momento. Apesar de afirmar em diferentes momentos a relação entre emissões
antrópicas de CO2 com o aumento da temperatura média no planeta, é importante notar a responsabilidade
do autor ao incluir no texto expressões como "ao menos em parte" ou "a discussão científica (...) continua",
para que o entendimento do aluno sobre a ciência não seja feito de maneira dogmática, possibilitando assim
um debate a respeito do tema.

127

Apêndice D ­ Ficha de avaliação da Coleção Estudos de Geografia. Aspectos
Gerais.
4. Aspectos Gerais (nível de conhecimento, valorização do saber prévio do aluno, atividades
propostas)/Demétrio
SIM
Possibilita ao aluno a articulação entre os níveis de conhecimento do senso comum e NÃO
6.

científico, abordando conteúdos que valorizam o saber prévio do aluno no processo de
aprendizagem a respeito das mudanças climáticas?

R

B

O

X

Justificativa:
Os níveis de conhecimento do senso comum e científico são articulados de uma boa maneira quanto aos conceitos
da climatologia, buscando apresentar ao aluno os mais diversos fenômenos climáticos que ocorrem no planeta, e
assim relacioná-los com a realidade do aluno. Não há a utilização de informações alarmistas retiradas da mídia,
prevalece a utilização de informações vindas de fontes científicas sobre as mudanças climáticas. Há uma boa
articulação com os conhecimentos prévios do aluno em relação aos impactos ambientais causados pelas ações
humanas e as relações entre os países do mundo, pois o assunto é abordado nesse momento. Nas informações
transmitidas a respeito das mudanças climáticas apesar de prevalecer o discurso com base na teoria das
influências antrópicas há a apresentação de outras informações que contribuem para o debate em sala.
Exemplo:
É importante ressaltar que a grande maioria das informações contidas no capítulo que aborda as mudanças
climáticas e o aquecimento global são retiradas de fontes científicas, apenas um item, na página 65 do volume da 8ª
série/9º ano, "Matéria de imprensa" traz um texto sobre os impactos do aquecimento global nas geleiras da China,
porém em momento algum é feito um alarmismo sobre o assunto na matéria que, pelo contrário, afirma no final que
"segundo os cálculos mais pessimistas, 64% das geleiras chinesas derreterão até 2050, embora uma equipe de
cientistas chineses enviados ao Himalaia tenha dito que o ritmo não é tão rápido". Ao trabalhar o aquecimento global
apenas no último volume, supõe-se que o aluno já tenha uma bagagem de conhecimento armazenada que o torna
capaz de utilizar esse conhecimento para tirar conclusões sobre a realidade. Na página 55 é apresentada a previsão
de aumento da temperatura da Terra feita pelo IPCC seguida de um Box afirmado que "ao longo da história da
Terra, as temperaturas médias apresentaram estabilidade de longo prazo, girando em torno de 15ºC. Mas essa foi
uma estabilidade oscilante, pois se registraram amplas variações, de até 5ºC. As rochas e fósseis guardam indícios
dessas oscilações, com seus ciclos de aquecimento e resfriamento". Essas informações são importantes para o
aluno compreender que existem ciclos climáticos naturais muito antigos que estão agindo a todo o momento.
SIM
NÃO
Os conteúdos são adequados e enriquecedores no intuito de ampliar as possibilidades
7.
R
B
O
de expressão do aluno a respeito das mudanças climáticas?
X
Justificativa:
Os conteúdos apresentados na coleção propiciam o debate a respeito das mudanças climáticas e a articulação
entre diferentes teorias a respeito das dinâmicas do clima. Apesar do tema ser trabalhado apenas no volume da 8ª
série/9º ano, e ser abordado como um impacto ambiental ocasionados pela ação humana, há a existência de
informações que possibilitam o questionamento pelo aluno. A presença de informações de maneira crítica e
exclarecedora demonstra uma preocupação com a construção do conhecimento juntamente com o aluno, uma vez
que os textos não são taxativos, havendo questões que podem gerar o debate. O fenômeno do efeito estufa não é
apresentado de maneira satisfatória por não ser abordado no momento em que são estudados os fenômenos
climáticos e por não ser explicado de forma detalhada, apenas superficial.
Exemplo:
Apesar de afirmar que o aquecimento global atualmente é causado principalmente pelas ações humanas, página
57, são apresentados outros momentos na história do planeta onde as oscilações de temperatura foram grandes,
gerando glaciações e aumento do nível do mar. É afirmado, na página 56, que as glaciações causam a diminuição
do nível do mar fazendo com que as bordas dos continentes apareçam. É afirmado em seguida que "já nos
períodos interglaciais, parte dos glaciares se funde, o nível dos oceanos sobe e as bordas dos continentes voltam a
submergir". Essa informação é essencial para que o aluno perceba que os ciclos climáticos não são percebidos em
curtos espaços de tempo, mas sim em milhares de anos. Ao abordar as políticas ambientais mundiais, o combate
ao aquecimento global mostra-se como prioridade nos debates internacionais. Na página 61 é apresentado o
Protocolo de Kyoto como uma alternativa no combate às mudanças climáticas, contudo é afirmado que importantes
nações não fazem parte desse tratado, tornando-o quase que ineficaz "o novo tratado conseguiu a adesão de mais
de 160 países. Contudo, está longe de ter alcance global, pois os Estados Unidos e a Austrália não aderiram a ele",
desta forma é possível gerar o debate sobre a não adoção dos EUA ao tratado e discutir sua relação com o modelo
econômico atual.
Não há nenhuma imagem ou quadro para fornecer a visualização do fenômeno do efeito estufa, o que é
fundamental para a compreensão do aluno.

128

8.

As atividades possibilitam a articulação dos conteúdos de forma adequada para se
atingir os objetivos propostos pelas unidades?

NÃO
R

SIM
B
X

O

Justificativa:
No volume da 5ª série/6º ano as atividades propostas nas unidades que trabalham o clima, nem sequer fazem
menção às mudanças climáticas ou do efeito estufa. Ambos serão trabalhados apenas no volume da 8ª série/9º ano
como impactos ambientais. Desta forma não há uma inter-relação entre os conteúdos trabalhados ao se estudar o
clima com os impactos causados pelas mudanças nele. Apesar do tema aquecimento global dominar as páginas do
capítulo que aborda esse tema, os exercícios ao seu final não trazem muitos itens sobre o assunto. As atividades
que abordar o tema são críticas, porém com pouca articulação com o que foi definido ao longo do capítulo.
Exemplo:
Na página 65 do volume da 8ª série/9º ano é feita a seguinte pergunta "O que significa efeito estufa? Por que esse é
um conceito importante para se entender o aquecimento global?". A pergunta é importante, pois é essencial
entender o efeito estufa para compreender a teoria da influência antrópica no aquecimento global, contudo nem este
volume, nem o primeiro volume que trata das questões atmosféricas e climáticas contem informações suficientes
para se explicar o efeito estufa, não propiciando ao aluno uma articulação com o que foi transmitido pelo manual e
aquilo que é exigido por ele. Na página 67 é apresentado um texto sobre a Groenlândia, mostrando sua importância
para os estudos do aquecimento global. Dentre as perguntas sobre o texto é importante notar a presença de uma
questão relacionada diretamente ao que foi estudado ao longo do capítulo "Quando os navegadores vikings
atingiram a Groenlândia, no século X, a largura das faixas costeiras livres era bem maior que a atual. Por que?"
essa pergunta leva o aluno a compreender que há séculos atrás um lugar que era coberto por solo e vegetação,
hoje é coberto por gelo, mostrando que os ciclos de aquecimento e resfriamento da superfície acontecem em
longos períodos de tempo.
Síntese do ítem:
As mudanças climáticas em toda a coleção são tratadas como um problema governamental, que deve apenas ser
trabalhado na esfera política. A explicação do efeito estufa não é feita de maneira satisfatória, uma vez que o
fenômeno apenas recebe esse nome no ultimo volume da coleção, sendo trabalhado de maneira superficial. As
informações relacionadas à teoria antrópica do aquecimento são a base do entendimento transmitido pelo capítulo
no qual as mudanças climáticas e o aquecimento global são abordados. Contudo há uma série de informações
importantes, não apenas complementares, ao longo do capítulo que propiciam o enriquecimento dos debates, uma
vez que são informações científicas que revelam outras mudanças climáticas extremas em todo o planeta e todas
de origem natural. A maioria das informações são apresentadas de maneira crítica, e são importantes por
apresentarem questões que podem ser discutidas com o aluno.

129

Apêndice E ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia Crítica. Descrição sumária
da coleção.
1. Descrição Sumária da Coleção: Geografia Crítica
Sumário do conteúdo de cada volume da coleção (identificar as partes, os capítulos e indicar o
número de páginas de cada livro).
A coleção é composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries.
O volume da 5ª série/6º ano possui 232 páginas e é composto por 5 unidades, subdivididas em 15 capítulos.
Unidade 1 ­ Paisagem, lugar e espaço geográfico: Capítulo 1 ­ Paisagem, o que é?; Capítulo 2 ­ A paisagem
e o tempo. Unidade 2 ­ Rumos, coordenadas, mapas: Capítulo 3 ­ Espaço geográfico: orientação; Capítulo 4
­ Espaço geográfico: localização; Capítulo 5 ­ Espaço geográfico: representação. Unidade 3 ­ A Terra é
assim: Capítulo 6 ­ A Terra no Universo; Capítulo 7 ­ A Terra: forma e movimentos; Capítulo 8 ­ A Terra e
sua superfície. Unidade 4 ­ As esferas da Terra: Capítulo 9 ­ Litosfera, solo e relevo; Capítulo 10 ­ Litosfera:
as formas do relevo; Capítulo 11 ­ Atmosfera: tempo e clima; Capítulo 12 ­ Hidrosfera: a água na Terra;
Capítulo 13 ­ Biosfera: a esfera da vida. Unidade 5 ­ Alerta global: Capítulo 14 ­ Um planeta vivo; Capítulo 15
­ S.O.S. planeta Terra.
O volume da 6ª série/7º ano possui 232 páginas e é composto por 5 unidades, subdividas em 14 capítulos.
Unidade 1 ­ Brasil: território e sociedade: Capítulo 1 ­ O Brasil em mapas e gráficos; Capítulo 2 ­ A
população brasileira. Unidade 2 ­ Brasil: economia e comércio exterior: Capítulo 3 ­ Desenvolvimento
econômico e social; Capítulo 4 ­ Comércio Exterior. Unidade 3 ­ Brasil: utilização do espaço: Capítulo 5 ­
Industrialização; Capítulo 6 ­ Agricultura e pecuária; Capítulo 7 ­ Urbanização. Unidade 4 ­ Brasil: paisagens
naturais e ação da sociedade: Capítulo 8 ­ Relevo e Clima; Capítulo 9 ­ Hidrografia e biomas; Capítulo 10 ­
Problemas ambientais. Unidade 5 ­ Brasil: Diversidades regionais: Capítulo 11 ­ As regiões brasileiras;
Capítulo 12 ­ Nordeste; Capítulo 13 ­ O Centro-Sul; Capítulo 14 ­ A Amazônia.
O volume da 7ª série/8º ano possui 296 páginas e é composto por 4 unidades, subdivididas em 17 capítulos.
Unidade 1 ­ Como regionalizar o espaço mundial?: Capítulo 1 ­ O mundo atual: unidade e diversidade;
Capítulo 2 ­ Continentes e paisagens naturais; Capítulo 3 Norte e Sul: Uma regionalização geoeconômica do
mundo; Capítulo 4 ­ O Sul subdesenvolvido; Capítulo 5 ­ Os países do Sul: características e contrastes.
Unidade 2 ­ América Latina: Capítulo 6 ­ A América Latina em conjunto; Capítulo 7 ­ México; Capítulo 8 ­
América Central; Capítulo 9 ­ América Andina e Guianas; Capítulo 10 ­ América Platina; Capítulo 11 ­ Brasil.
Unidade 3 ­ África: Capítulo 12 ­ A África em conjunto; Capítulo 13 ­ África: conjuntos regionais. Unidade 4 ­
Ásia: Capítulo 14 ­ Oriente Médio; Capítulo 15 ­ Sul da Ásia ou "subcontinente indiano"; Capítulo 16 ­
Sudeste e Leste da Ásia; Capítulo 17 ­ O Dragão e os Tigres Asiáticos.
O volume da 8ª série/9º ano possui 240 páginas e é composto por uma Introdução e 6 unidades, subdivididas
em 12 capítulos. Introdução: Capítulo 1 ­ O que são e quais são os países do Norte? Unidade 1 ­ Europa:
Capítulo 2 ­ Europa: uma visão de conjunto; Capítulo 3 ­ Europa ocidental (I): aspectos gerais; Capítulo 4 ­
Europa ocidental (II): aspectos regionais; Capítulo 5 Europa oriental (I): o Leste europeu atual; Capítulo 6 ­
Europa oriental (II): a antiga Iugoslávia e os novos países. Unidade 2 ­ Comunidade de Estados
Independentes: Capítulo 7 ­ CEI (I): aspectos gerais; Capítulo 8 ­ CEI (II): aspectos regionais. Unidade 3 ­
América Anglo-Saxônica: Capítulo 9 ­ Estados Unidos e Canadá. Unidade 4 ­ A superpotência do Oriente:
Capítulo 10 ­ Japão. Unidade 5 ­ A Oceania industrializada: Capítulo 11 ­ Austrália e Nova Zelândia. Unidade
6 ­ A Geografia do século XXI: Capítulo 12 ­ A nova ordem mundial.
Ao final de cada capítulo há indicações de sites na internet e filmes recomendados. Há ainda no final de cada
volume a presença de um glossário com as palavras definidas ao longo do livro e as páginas onde elas se
encontram. Há também uma lista com sugestões de leituras complementares aos alunos divididas de acordo
com os assuntos abordados em cada unidade. Por fim seguem-se as referências bibliográficas utilizadas pelo
autor do livro. Nota-se que não há a presença de um Atlas nos volumes da coleção.

130

Apêndice F ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia Crítica. Abordagem dos
temas aquecimento global e mudanças climáticas.
Coleção: Geografia Crítica/Vesentini
2. Quanto à abordagem dos temas Aquecimento Global e Mudanças Climáticas

1.

A coleção trabalha o temas "Aquecimento Global" e "Mudanças
Climáticas"? Se sim, em quais volumes?

SIM

NÃO
5ª/6º
X

6ª/7º
X

7ª/8º

8ª/9º

No(os) volume(es) em que se encontra o tema, em que momento ele é
C
abordado, ao se trabalhar os fenômenos climáticos (C) ou os impactos
X
I
ambientais (I)?
Exemplo:
No volume da 5ª série/6º ano o assunto é abordado apenas na Unidade 5 ­ Alerta global: Capítulo 14 ­ Um planeta
vivo; Capítulo 15 ­ S.O.S. planeta Terra, tendo a praticamente toda a unidade voltada ao tema das mudanças
climáticas, apresentando suas origens e conseqüências no planeta. O tema não é trabalhado no momento em que
se trata dos processos de formação da atmosfera e dos fenômenos climáticos que regem o clima na Unidade 4 ­
As esferas da Terra: Capítulo 11 ­ Atmosfera: tempo e clima.
2.

O volume da 6ª série/7º ano o assunto é abordado na Unidade 4 ­ Brasil: paisagens naturais e ação da sociedade:
Capítulo 10 ­ Problemas ambientais, apresentando a poluição da atmosfera como uma das causas do
aquecimento global e relacionando a ele catástrofes como tsunamis, furacões, desertificação.
No(os) volume(es) verificado(os) há a apresentação apenas da teoria
X
A
antrópica para o Aquecimento Global (A) ou há, também a
B
apresentação de outras teorias sobre o aquecimento do planeta (B)?
Exemplos:
No volume da 5ª série/6º ano o assunto não é trabalhado nos capítulos onde estão apresentados os fenômenos
climáticos, deixando claro que o fenômeno das mudanças climáticas não são naturais, mas sim causadas pelas
ações humanas. O tema é abordado de forma unilateral e apresenta as mudanças climáticas como um dos
principais problemas relacionados às ações do ser humano quando, por exemplo, no início da unidade 5 na pg.
200, é colocado que "vamos discutir os problemas ambientais causados pela ação humana, como o buraco na
camada de ozônio, o aquecimento global e a crescente escassez de água." Na página 207 do capítulo 14 há um
Box [geolink 2] apresentando a relação econômica das mudanças climáticas, onde deveriam ser gastos trilhões de
dólares no combate ao aquecimento global. O texto afirma de maneira taxativa que "a inação poderá provocar uma
recessão global catastrófica. Se não for contida, a mudança climática transformará 200 milhões de pessoas em
refugiados quando suas casas sucumbirem a secas ou inundações".
O efeito estufa apenas é trabalhado no capítulo 15 na página 213, e é diretamente relacionado com o aumento das
emissões de gás carbônico a partir da Revolução Industrial, visto como um impacto ambiental. Após fazer a
relação do CO2 com o efeito estufa, é colocado que ele é benéfico para os seres vivos, contudo que o aumento da
quantidade de gás carbônico contribui para o aumento do efeito de aquecimento do planeta. Ao tratar os possíveis
impactos do aquecimento global, nas páginas 214 e 215, é apresentada a teoria do IPCC que apresenta
catástrofes como o aumento do nível do mar, secas, chuvas e perda de gelo no Ártico, afirmando ainda que
"algumas áreas, hoje desérticas, poderão tornar-se mais úmidas e outras, hoje temperadas, poderão tornar-se
impróprias para a vida humana".
3.

No volume da 6ª série/7º ano o assunto é abordado na unidade 4 ­ Brasil: paisagens naturais e ação da sociedade,
contudo o tema não é trabalhado no capítulo 8 ­ Relevo e Clima, onde é apresentada a relação dos diferentes tipos
de clima e a formação do relevo. O assunto é trabalhado no capítulo 10 ­ Problemas ambientais, onde é
apresentada a relação da sociedade com a natureza. Na página 162 é apresentado o efeito estufa como um dos
principais problemas ambientais enfrentados pelo homem na atualidade, afirmando que o CO2 é o principal gás de
efeito estufa e que o ser humano é o principal produtor deste gás, descartando as fontes naturais. Novamente é
colocado de forma catastrófica que o aquecimento do planeta irá causar furacões, ciclones, tsunamis e processos
de desertificação.
Síntese do ítem:
É possível perceber que o assunto referente às mudanças climáticas e o aquecimento global não são trabalhados
relacionando-os aos processos naturais do clima, sendo trabalhados meramente como impactos ambientais. Desta
forma fica clara a abordagem unilateral da coleção não dando chance ao debate, ou a discussão de outras teorias
sobre o tema, contribuindo para a formação crítica dos alunos.

131

Apêndice G ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia Crítica. Coerência e
Adequação Metodológica.
3. Coerência e Adequação Metodológica/Vesentini

4.

Há coerência entre a fundamentação teórico-metodológica da Geografia
proposta com a utilizada na apresentação dos temas próprios da climatologia
relacionados com as mudanças climáticas?

SIM

NÃO
R

B

O

X
Justificativa:
De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do professor, página 4, a
coleção foi pensada como uma tentativa de unir a orientação teórica conhecida no meio acadêmico com
as experiências prévias do aluno, com o intuito que este faça parte do processo de construção do
conhecimento. Em diversos temas trabalhados na coleção há coerência entre a fundamentação teóricometodológica da Geografia proposta e a utilizada na coleção, contudo em relação às mudanças
climáticas os conteúdos não contribuem para a efetiva construção do conhecimento crítico sobre os
fenômenos climáticos no mundo em que ele vive, uma vez que privilegia a descrição dos fenômenos e
processos cognitivos de memorização.
Existe a prevalência de textos taxativos, com informações assertivas a respeito das mudanças
climáticas, relacionando-as apenas às ações humanas, dando a entender que essas mudanças não
poderiam acontecer sem a presença do ser humano no planeta, o que é incorreto afirmar. Desta forma
a teoria das mudanças climáticas naturais, não é sequer comentada na coleção, prejudicando a
discussão do tema com os alunos não contribuindo para que os mesmos tenham suas próprias
interpretações sobre o assunto.
Exemplo:
Ao trabalhar o tema apenas como um impacto ambiental, a coleção não contribui para a geração de
qualquer debate na sala de aula, apresentando o tema como um fato científico, não podendo ser
questionado. O fenômeno do efeito estufa é descrito, na página 213 do volume da 5ª série/6º ano como
"o aumento da temperatura das camadas atmosféricas inferiores, devido à retenção do calor irradiado
pela superfície do planeta e em conseqüência do acúmulo de gases, especialmente o dióxido de
carbono, não sendo explicadas questões conceituais importantes, necessárias para o bom
entendimento do assunto. Na mesma página é afirmado que "pesquisas científicas comprovam que a
temperatura média da superfície da Terra subiu quase 1ºC de 1880 a 2003", e ainda que "o efeito estufa
é benéfico para os seres vivos, mas uma quantidade excessiva de gás carbônico contribui para
aumentar esse efeito, elevando a temperatura do planeta", contudo não é exposto em momento algum
como o efeito estufa pode ser benéfico, ou originado de formas naturais. Sem uma explicação mais
detalhada dos fenômenos naturais que influenciam no efeito estufa fica difícil para o aluno desenvolver
qualquer pensamento crítico sobre a relação deste com as mudanças climáticas.
Exemplo de como os textos são taxativos é o capítulo 10 do volume da 6ª série/7º ano que parece uma
cópia resumida do capítulo 15 do volume da 5ª série/6º ano. Neste capítulo é afirmado que a presença
de CO2 vem aumentando desde o século XIX e que "este gás é o principal responsável pelo chamado
efeito estufa, que é a capacidade da atmosfera de reter a radiação solar no planeta". Apesar de afirmar,
novamente, que o efeito estufa é benéfico aos seres vivos não é apresentada nenhuma outra fonte de
gás carbônico, dando a entender que o efeito é regido pelas ações humanas. É importante que os
alunos tenham acesso a informações que apresentem outras fontes que possam causas as mudanças
climáticas para que o debate possa ser privilegiado.

132

As informações básicas relacionadas aos fenômenos climáticos,
SIM
NÃO
principalmente ao efeito estufa, e a precisão dos conceitos climatológicos
R
B O
estão corretos e atualizados?
X
Justificativa:
As informações apresentadas na coleção, primeiramente não são trabalhadas quando se estuda os
fenômenos atmosféricos ou o clima, mas sim quando é estudada a relação da sociedade com a
natureza e os impactos que essa relação traz à natureza e ao próprio ser humano. Ao se trabalhar as
mudanças climáticas apenas como um impacto ambiental, as questões naturais que têm grande
relevância para a ocorrência do fenômeno não são trabalhadas, fazendo com que o aluno compreenda
o efeito estufa de maneira artificial. A coleção não traz artifícios suficientes para gerar o debate com os
alunos, trazendo conceitos fechados, sem a possibilidade de questionamento. O efeito estufa é
apresentado de maneira que exalta a importância do CO2 e do metano em seu funcionamento,
abordando o fenômeno como algo regido pelas ações humanas, pois não apresenta nenhuma fonte
natural de gás carbônico ou metano.
5.

Nota-se que há a preocupação de apresentar informações atualizadas sobre o aquecimento,
principalmente no que se refere às políticas internacionais relacionadas ao relatório do Painel
Intergovernamental sobre mudanças climáticas (IPCC). Contudo não são inseridas as novas pesquisas
e teorias trabalhadas por diversos cientistas do mundo que contestam as afirmações que apontam para
a influência antrópica na manutenção do clima global.
Exemplo:
Na página 214 do volume da 5ª série/6º ano há uma figura explicando o esquema do efeito estufa. A
nota explicativa que é colocada logo abaixo da figura não apresenta os fenômenos apresentados na
imagem. Segundo a explicação o efeito estufa pode ser comparado ao que acontece com um carro com
os vidros fechados, retendo o calor proveniente do Sol. E continua, "na atmosfera da Terra, o dióxido de
carbono e o metano desempenham o mesmo papel do vidro no automóvel: eles não deixam passar
parte do calor do Sol que o planeta tenta devolver ao espaço durante a noite, na forma de raios
infravermelhos. Uma parte do calor retido volta à superfície e a outra permanece na atmosfera,
desregulando o equilíbrio térmico do planeta". Conforme afirmado pela explicação, não é apresentado
que a superfície terrestre se aquece por debaixo, o que é uma informação muito importante para se
entender como o planeta se aquece. Outro conceito que é desconsiderado é a importância do vapor
dágua para a manutenção do efeito estufa, sendo esse considerado por muitos cientistas como o
principal GEE (gás de efeito estufa). As mudanças climáticas, como apresentado nesta pesquisa, ainda
podem ter origens nas oscilações internas como a ODP ou ainda estar relacionadas diretamente com
os ciclos das manchas solares. Na página 144, no capítulo 11 ­ Atmosfera: tempo e clima, é explicado
de maneira bem eficiente o fenômeno de aquecimento da terra mostrando que "o ar não absorve toda a
irradiação solar que atinge a Terra. Uma parte dela chega à superfície terrestre e é absorvida pelos
continentes e oceanos, enquanto uma parte é refletida e retorna para a atmosfera". A explicação é feita
de maneira clara e com conceituação suficiente para o entendimento do aluno desse fenômeno,
contudo em nenhum momento esse fenômeno é descrito como sendo o efeito estufa.
Na página 162 do volume da 6ª série/7º ano é apresentado o mesmo formato da explicação do volume
da série anterior, praticamente com as mesmas palavras, contudo a figura apresentada é menor, com
menos informações, apresentando a seguinte explicação "a retenção do calor da terra na atmosfera por
uma capa de gases tem sido fortemente agravada pela ação humana". Essa afirmação não explica a
figura e não visa o entendimento do efeito estufa, que não se explica apenas por afirmar que o calor é
retido na Terra por uma capa de gases, ou que os gases acumulados na atmosfera bloqueiam a saída
do calor como é proposto na imagem.
Síntese do ítem:
Os fenômenos que dão origem às mudanças climáticas no planeta não são abordados de maneira
correta, pois não são trabalhados juntamente com o tema. As mudanças climáticas são abordadas no
momento em que os impactos das atividades humanas são estudados, deixando a explicação sobre o
efeito estufa apenas para esse momento. A evolução das explicações na coleção não está organizada
de maneira adequada, pois pode gerar confusão ao aluno uma vez que apresenta o fenômeno do efeito
estufa de duas maneiras: uma natural, ao se trabalhar o assunto nos estudos da atmosfera e do clima;
outra artificial, influenciada diretamente pela ação antrópica, ao se trabalhar o assunto nos estudos dos
impactos ambientais. Nota-se que a apresentação do tema precisa ser feita com mais cuidado, visando
tornar o aluno parte do processo formação do conhecimento.

133

Apêndice H ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia Crítica. Aspectos Gerais.
4. Aspectos Gerais (nível de conhecimento, valorização do saber prévio do aluno, atividades
propostas)/Vesentini
SIM
Possibilita ao aluno a articulação entre os níveis de conhecimento do senso comum e NÃO
6.

científico, abordando conteúdos que valorizam o saber prévio do aluno no processo de
aprendizagem a respeito das mudanças climáticas?

R

B

O

X

Justificativa:
Os níveis de conhecimento do senso comum e científico são articulados de maneira satisfatória quanto aos
conceitos da climatologia, buscando apresentar ao aluno os mais diversos fenômenos climáticos que ocorrem no
planeta. Contudo, em alguns momentos são apresentadas informações que podem gerar duvidas no aluno, pois são
contraditórias no desenvolvimento da coleção. Em alguns momentos são utilizadas informações retiradas de jornais,
mostrando a tendência alarmista da imprensa ao tratar das mudanças climáticas. O conhecimento prévio do aluno
na maioria das vezes não é exaltado uma vez que o assunto é recente e as informações adquiridas por ele na
maioria das vezes são retiradas da mídia. Embora haja um nível de conhecimento bom quanto aos conceitos da
climatologia, as informações transmitidas a respeito das mudanças climáticas não são feitas de maneira a gerar o
debate uma vez que o efeito estufa antrópico é tido como principal causador do fenômeno, sendo descartada
qualquer outra influência natural.
Exemplo:
Na página 202 do volume da 5ª série/6º ano há um recorte de jornal que afirma "Cientistas prevêem futuro sombrio
para a Terra". O volume tem como ponto de partida a discussão sobre a notícia, gerando o debate com o aluno,
contudo apenas por um viés. No capítulo onde são trabalhadas com o aluno as questões climáticas (pg. 144), o
efeito estufa é apresentado como um fenômeno natural, necessário para a vida no planeta. No entanto, ao se
trabalhar os impactos ambientais das atividades humanas na Terra, o efeito estufa é apresentado como artificial,
gerado pelas ações humanas. Neste momento perde-se a chance de discutir mais afundo a relação entre atividades
humanas e as mudanças climáticas, uma vez que não é exaltada a influência natural dos fenômenos climáticos
como apresentado na página 144.
No volume da 6ª série/7º ano são apresentados os tipos de clima no Brasil, sua relação com a formação do relevo e
vegetação, como as massas de ar influenciam no clima brasileiro, entre as páginas 132 e 136. Já ao apresentar os
problemas ambientais que ameaçam a preservação ambiental, a poluição da atmosfera e o efeito estufa são os
primeiros a serem trabalhados no item, contudo não é apresentada em momento algum, a relação desse problema
com a realidade brasileira. O efeito estufa é visto de forma generalizada, artificial, e praticamente uma cópia do
volume anterior, não deixando claro se é um fenômeno natural ou artificial. O exemplo utilizado no Box [geolink 2]
na página 163, refere-se à catástrofe gerada pelas mudanças climáticas na forma de um tsunami, onda gigante que
atingiu a Indonésia causando grande destruição. Não há um exemplo sequer de como as mudanças climáticas
poderiam atingir o Brasil e sua população.
SIM
NÃO
Os conteúdos são adequados e enriquecedores no intuito de ampliar as possibilidades
7.
R
B
O
de expressão do aluno a respeito das mudanças climáticas?
X
Justificativa:
Os conteúdos apresentados ao longo da coleção, de forma geral, pouco propiciam o debate a respeito das
mudanças climáticas e a articulação entre as diferentes teorias a respeito do tema. O assunto é trabalhado no
volume da 5ª série/6º ano e no volume da 6ª série/7º ano, apenas ao se tratar os impactos ambientais ocasionados
pela ação humana, não atribuindo qualquer relação com fenômenos naturais conhecidos. O assunto não é
trabalhado quando são apresentados os fenômenos atmosféricos relacionados ao clima, o que caracteriza apenas a
visão artificial do efeito estufa. Os conteúdos expostos são taxativos, não contribuindo para a construção do
conhecimento junto com o aluno.
Exemplo:
Não há um conteúdo que propicie o enriquecimento do conhecimento dos fenômenos climáticos que contribuem
para as mudanças climáticas se na coleção apenas se faz menção da teoria unilateral apresentada pelo IPCC da
ONU. Ao apresentar o efeito estufa apenas como artificial, isto é, causado pelas ações humanas, não há como o
aluno questionar a relação do efeito estufa natural, pois este nem seque é mencionado. O volume da 5ª série/6º ano
expõe claramente que não há outra possibilidade para as mudanças climáticas, apresentando, na página 214, que
"segundo um relatório produzido pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), concluído em
fevereiro de 2007, o nível médio do mar vai subir nos próximos mil anos se os governos não criarem medidas para
baixar as temperaturas médias globais ainda neste século".
As questões científicas relacionadas ao efeito estufa e às mudanças climáticas são abordadas novamente no
volume da 6ª série/7º ano, página 162, quando é apresentado ao aluno que diversas pesquisas foram feitas e que
estas comprovaram um aumento na temperatura média da superfície terrestre, e afirma que o aumento previsto
diverge de acordo com os cientistas, mostrando que "alguns falam em 1,5ºC e outros em até 4,5ºC" mostrando ao
aluno que a ciência pode ter afirmações diferentes, e que os resultados podem variar. Contudo, esse mesmo
pensamento não é continuado ao se trabalhar as mudanças climáticas de forma taxativa. Se a ciência não é exata
na questão das temperaturas, porque seria exata ao afirmar que a influência antrópica é a causa do aquecimento
global?

134

8.

As atividades possibilitam a articulação dos conteúdos de forma adequada para se
atingir os objetivos propostos pelas unidades?

NÃO
R
X

SIM
B

O

Justificativa:
As atividades propostas nas unidades que trabalham o clima, nem sequer fazem menção às mudanças climáticas.
As atividades relacionadas ao assunto são apenas apresentadas nas unidades que trabalham os impactos
ambientais. Desta forma não há uma inter-relação entre os conteúdos trabalhados ao se estudar o clima com os
impactos causados pelas mudanças nele. Os impactos causados pelas mudanças climáticas são abordados de
forma a impossibilitar o questionamento a cerca dos estudos feitos sobre o clima. As atividades propostas nas
unidades que trabalham os impactos ambientais tratam as mudanças climáticas como questões políticas e
econômicas, mas não científicas.
Exemplo:
No volume da 5ª série/6º ano, página 207, são apresentados os gastos necessários para a contenção do efeito
estufa, em trilhões de dólares, afirmando que para isso foi assinado o Protocolo de Kyoto. Ao final do texto são
feitas duas perguntas: "O que você sabe sobre o Tratado de Kyoto?" e "Porque alguns economistas ingleses
acreditam que devemos gastar 351,3 bilhões de dólares com a preservação ambiental?". As perguntas não geram o
debate ou qualquer discussão sobre as mudanças climáticas, apenas procuram gerar a memorização dos conceitos
apresentados. Já na página 222, são apresentadas mais informações a respeito do Protocolo de Kyoto,
perguntando ao final "Quais são as principais preocupação relatadas na Convenção das Nações Unidas sobre
Mudança do Clima de 1992?" mostrando que o importante a ser memorizado é a relação política das mudanças
climáticas e não as questões que envolvem o clima.
No volume da 6ª série/7º ano as atividades relacionadas às mudanças climáticas estão diretamente voltas para a
compreensão dos fatores que intensificam o efeito estufa. Na página 167, no primeiro exercício é apresentado que o
dióxido de carbono é o principal gás responsável pelo aumento do efeito estufa e logo em seguida é apresentado
um quadro com os países que mais emitem CO2. O exercício pede a observação do quadro e pergunta entre outras
coisas "Você sabe quais são as principais formas de emissão de gases à base de carbono?". A questão não pede
as principais formas de emissão antrópica de CO2, mas sim as fontes em geral. O aluno não teve acesso ao longo
da coleção sobre fontes naturais de CO2 como as erupções vulcânicas, ou mesmo as emissões advindas dos
oceanos. Desta forma o exercício apenas prevê que o aluno repita o que foi visto na unidade, sem gerar o
questionamento ou uma análise crítica sobre as mudanças climáticas.
Síntese do ítem:
As mudanças climáticas em toda a coleção são tratadas como um problema governamental, que deve apenas ser
trabalhado na esfera política, dando a entender que os governos têm a capacidade de "baixar as temperaturas
médias globais" deixando clara a posição antropocêntrica de que o ser humano é tão poderoso que é capaz de
controlar as temperaturas médias globais. Esse tipo de informação não contribui para que o aluno trabalhe para a
diminuição da poluição atmosférica, pois a responsabilidade recai sobre a esfera política, muitas vezes não
compreendida pelo aluno, por se tratar de tema pouco discutido por professores e a família. Nada é apresentado
sobre a relação do consumismo com as emissões de dióxido de carbono, não é trabalhada com o aluno sua relação
com a poluição atmosférica e como ele pode contribuir para reduzir esse tipo de poluição, o assunto fica atrelado
apenas ao âmbito global, mas não regional, onde o aluno pode sentir seus impactos.
Além disso, a maioria das atividades propostas não propicia a discussão de pontos de vista diferentes sobre um
mesmo assunto, o que prejudica a criatividade do aluno assim como a sua capacidade de problematização e crítica.
Dessa forma nota-se que o desenvolvimento das atividades não está de acordo com o que propõe a coleção, ou
seja, desenvolver o espírito crítico do aluno.

135

Apêndice I ­ Ficha de avaliação da Coleção Trilhas da Geografia. Descrição sumária
da coleção.
1. Descrição Sumária da Coleção: Trilhas da Geografia/Moreira
Sumário do conteúdo de cada volume da coleção (identificar as partes, os capítulos e indicar o
número de páginas de cada livro).
A coleção é composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries.
O volume da 5ª série/6º ano possui 168 páginas e não é dividido em unidades, mas em 9 capítulos: Capítulo 1
­ Desvendando o espaço geográfico; Capítulo 2 ­ Descobrindo a cartografia; Capítulo 3 ­ As relações dos
seres humanos com a natureza; Capítulo 4 ­ As diferenças entre a cidade e o campo; Capítulo 5 ­ A cidade;
Capítulo 6 ­ O campo; Capítulo 7 ­ A produção industrial em nosso dia-a-dia; Capítulo 8 ­ A natureza como
recurso; Capítulo 9 ­ Ser consumidor.
O volume da 6ª série/7º ano possui 200 páginas e não é dividido em unidades, mas em 13 capítulos: Capítulo
1 ­ A história dos lugares; Capítulo 2 ­ O planeta Terra em movimento; Capítulo 3 ­ Cartografia: o avanço da
técnica de produzir mapas; Capítulo 4 ­ A evolução histórica das técnicas de produção; Capítulo 5 ­ A
produção agrícola; Capítulo 6 ­ O crescimento demográfico e a pluralidade cultural; Capítulo 7 ­ A
organização do espaço e as cidades brasileiras; Capítulo 8 ­ Região Sudeste; Capítulo 9 ­ Região Nordeste;
Capítulo 10 ­ Região Sul; Capítulo 11 ­ Região Norte; Capítulo 12 ­ Região Centro-Oeste; Capítulo 13 ­
Aspectos físicos do território brasileiro.
O volume da 7ª série/8º ano possui 192 páginas e não é dividido em unidades, mas em 11 capítulos: Capítulo
1 ­ O espaço geográfico e a sociedade; Capítulo 2 ­ A estrutura das cidades; Capítulo 3 ­ Comunicação,
espaço geográfico e cidadania; Capítulo 4 ­ A dinâmica da natureza; Capítulo 5 ­ Os problemas ambientais
urbanos; Capítulo 6 ­ Energia e meio ambiente; Capítulo 7 ­ Indústria e sociedade; Capítulo 8 ­ Brasil:
espaço agrário e problemas socioambientais; Capítulo 9 ­ Meios de transporte e a organização do espaço
geográfico; Capítulo 10 ­ O continente americano: aspectos físicos e históricos; Capítulo 11 ­ O continente
americano: comércio e blocos econômicos.
O volume da 8ª série/9º ano possui 240 páginas e não é dividido em unidades, mas em 12 capítulos: Capítulo
1 ­ O capitalismo e a formação do espaço geográfico mundial; Capítulo 2 ­ Desenvolvimento e
subdesenvolvimento; Capítulo 3 ­ A cartografia do espaço geográfico mundial; Capítulo 4 ­ Um mundo
globalizado; Capítulo 5 ­ O comércio mundial e os blocos econômicos; Capítulo 6 ­ As cidades globais e os
tecnopolos; Capítulo 7 ­ Conflitos armados e terrorismo; Capítulo 8 ­ Planeta Terra: dinâmica e impactos
ambientais; Capítulo 9 ­ Geografia regional do mundo: Europa; Capítulo 10 ­ Geografia regional do mundo:
África; Capítulo 11 ­ Geografia regional do mundo: Ásia; Capítulo 12 ­ Geografia regional do mundo: Oceania
e Antártida.

Ao final dos volumes há um glossário seguido da bibliografia dividida em livros, periódicos, atlas, dicionários e
endereços eletrônicos utilizados pelos autores. Nota-se que não há a presença de um Atlas nos volumes.

136

Apêndice J ­ Ficha de avaliação da Coleção Trilhas da Geografia. Abordagem dos
temas aquecimento global e mudanças climáticas.
Coleção: Trilhas da Geografia/Moreira
2. Quanto à abordagem dos temas Aquecimento Global e Mudanças Climáticas

1.

A coleção trabalha o temas "Aquecimento Global" e "Mudanças
Climáticas"? Se sim, em quais volumes?

2.

No(os) volume(es) em que se encontra o tema, em que momento ele é
abordado, ao se trabalhar os fenômenos climáticos (C) ou os impactos
ambientais (I)?

NÃO

SIM
5ª/6º 6ª/7º 7ª/8º 8ª/9º
X
X

C
I

X

Exemplo:
Os termos aquecimento global ou mudanças climáticas pouco são utilizados ao longo da coleção, contudo o
fenômeno do efeito estufa é explicado no volume da 7ª série/8º ano, página 91, como um impacto ambiental no
planeta relacionado ao uso dos combustíveis fósseis e afirma que "o lançamento, na atmosfera, de dióxido de
carbono (CO2), metano, clorofluorcarbonos (CFCs) e outros gases e partículas provoca o aquecimento da
temperatura em escala local e planetária". Já no volume da 8ª série/9º ano o efeito estufa é apresentado como um
impacto ambiental ao ser afirmado na página 165 que "atualmente, podemos distinguir impactos ambientais em
escala local, regional e global. Os impactos ambientais globais, como o efeito estufa ou o buraco na camada de
ozônio, resultam em vários impactos locais".
3.

No(os) volume(es) verificado(os) há a apresentação apenas da teoria
antrópica para o Aquecimento Global (A) ou há, também a apresentação
de outras teorias sobre o aquecimento do planeta (B)?

A

X

B

Exemplos:
No volume da 7ª série/8º ano na página 91 é apresentado que as emissões antrópicas são responsáveis pelo efeito
estufa quando é afirmado que "o elevado consumo de petróleo e carvão mineral provoca sérios danos ao meio
ambiente. A queima desses combustíveis lança na atmosfera enormes quantidades de gás carbônico e dióxido de
enxofre ­ os maiores responsáveis pela ocorrência, respectivamente, do efeito estufa e da chuva ácida". No volume
da 8ª série/9º ano, na página 168 é afirmado que "de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças
Climáticas (IPCC), órgão ligado à Organização Meteorológica Mundial (OMM), a temperatura atmosférica do planeta
subiu 0,7ºC no último século" perpetuando assim, a teoria proposta pela ONU, onde as emissões de CO2 de
causas antrópicas são a causa principal do aquecimento global.
Síntese do ítem:
A coleção apresenta o aquecimento global e as mudanças climáticas relacionados diretamente com o efeito estufa.
Este último é apresentado como fenômeno natural, mas depois ganha conotação de impacto ambiental causado
pela ação humana. O assunto é apenas abordado ao serem trabalhados os impactos ambientais causados pela
utilização de combustíveis fósseis e mau uso do solo pelo ser humano. O conceito de efeito estufa não é
apresentado de maneira satisfatória e fica evidente a prevalência da teoria antrópica nas informações transmitidas
na coleção ao serem feitas referências diretas ao Painel da ONU.

137

Apêndice K ­ Ficha de avaliação da Coleção Trilhas da Geografia. Coerência e
Adequação Metodológica.
3. Coerência e Adequação Metodológica/Moreira

4.

Há coerência entre a fundamentação teórico-metodológica da Geografia
proposta com a utilizada na apresentação dos temas próprios da climatologia
relacionados com as mudanças climáticas?

SIM

NÃO
R

B

O

X
Justificativa:
De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do professor, página 4,
"entendemos que a Geografia não se restringe a descrever o espaço geográfico, mas busca também
interpretá-lo, desvendá-lo. (...) A compreensão das relações entre sociedade e espaço geográfico é um
poderoso instrumento para a formação de pessoas com condições de transformar cons-cientemente, para
melhor, o lugar em que vivem". A coleção procura expor diversos aspectos do clima, favorecendo a
compreensão de uma série de fenômenos climáticos, mostrando-se fiel à proposta teórico-metodológica
proposta. Apesar de tratar o tema referente ao aquecimento global de maneira unilateral, é proposto que o
planeta é dinâmico, sendo inúmeros fenômenos naturais e impossíveis de serem controlados pela ação
humana. Assim de alguma forma é possível haver a discussão sobre as dinâmicas climáticas da Terra por
mais que haja prevalência da teoria antrópica sobre as mudanças climáticas.
Exemplo:
Ao apresentar a Terra como um planeta dinâmico o debate é estimulado, pois não é transmitida a idéia de
que o ser humano é o responsável por tudo o que acontece no planeta. Na página 57 do volume da 7ª
série/8º ano é firmado que "diversas mudanças climáticas comandadas pelas forças da própria natureza
aconteceram no decorrer da história da Terra. Um dos melhores exemplos desses fenômenos é a ocorrência
das glaciações". Na mesma página ainda é ressaltado que "outros exemplos de mudanças no quadro natural
sem interferência humana são as erupções vulcânicas e os sismos". Um exemplo da forma unilateral como
as informações são transmitidas acontece nas páginas 91 e 92 que afirma que os gases emitidos pela ação
humana são responsáveis pelo efeito estufa e completa mostrando que na agricultura também existem
emissões, "as queimadas na agricultura e os incêndios florestais, muito freqüentes no Brasil, também liberam
uma enorme quantidade de gás carbônico na atmosfera". No volume da 8ª série/9º ano, apesar do dinamismo
do planeta ser ressaltado, é afirmado que as definições do IPCC são conclusivas sobre o aumento da
temperatura média do planeta, afirmando que "caso isso venha a ocorrer, poderá haver uma elevação do
nível do mar de cerca de 50 centímetros, o que causaria grandes transtornos às cidades litorâneas".
As informações básicas relacionadas aos fenômenos climáticos,
SIM
NÃO
5.
principalemente ao efeito estufa, e a precisão dos conceitos climatológicos
R
B
O
estão corretos e atualizados?
X
Justificativa:
O efeito estufa inicialmente é apresentado na influência da latitude na distribuição da energia solar explicandose todo seu processo, contudo sem ser mencionado o termo. São trabalhados diversos fenômenos muitas
vezes relacionados ao aquecimento global, porém com uma conotação natural para os fenômenos,
possibilitando o debate com o aluno. O conceito de efeito estufa é visto como tal apenas atrelado ao uso dos
combustíveis fósseis e ao conceito de impacto ambiental global, não ligado às explicações dos fenômenos
climáticos naturais. Prevalece o conceito que apresenta o CO2 como principal gás de estufa, descartando os
estudos que apontam a importância do vapor dágua para o fenômeno. Os conceitos apresentados sobre o
efeito estufa são precipitados e causam interpretações erradas sobre a realidade.

138

Exemplo:
O efeito estufa é abordado quando é trabalhada a energia solar na página 63 do volume da 7ª série/8º ano,
contudo o termo não é citado, apenas como este funciona "ao atravessar a atmosfera, uma pequena parte da
radiação solar aquece o ar e os gases aí presentes ­ principalmente o gás carbônico (CO2)". São
apresentados ao longo da coleção fenômenos muitas vezes atribuídos ao aquecimento global como a ,,ilha de
calor, ,,inversão térmica, ,,deslizamentos de encostas, todos explicados como sendo de causas naturais ou
conseqüência da má ocupação do solo. Na página 76 é apresentado um gráfico que representa o aumento da
temperatura conforme há o afastamento do meio rural em direção ao centro urbano. Na página 79 há a
explicação sobre a inversão térmica seguida da afirmação "esse fenômeno, que independe de qualquer ação
humana, ocorre em grandes centros urbanos e dificulta muito a dispersão da poluição atmosférica". Sobre o
deslizamento de terra em muitas encostas, principalmente nas grandes cidades é afirmado na página 80 que
"nas encostas em que a declividade é acentuada, o aprofundamento dos solos provoca uma tendência
natural à ocorrência de deslizamentos".

No volume da 8ª série/9º ano também é atribuído a forças naturais fenômenos muitas vezes tidos como
causas do aquecimento global como tsunamis, erupções vulcânicas, terremotos, contudo o efeito estufa é
novamente abordado como impacto ambiental, "certamente há fenômenos, como o efeito estufa e a
destruição da camada de ozônio, que são causados pelas atividades socioeconômicas, pelo descaso com o
meio ambiente; entretanto, terremotos e maremotos, assim como vulcões, são fenômenos da natureza que
vêm acontecendo desde o início da história geológica do planeta, muito antes do aparecimento do ser
humano". Na página 166 o efeito estufa novamente é tido como prejudicial ao ser afirmado que "o efeito
estufa é um dos impactos ambientais em escala global que mais causam temor".
Síntese do ítem:
Na coleção são expostos diversos aspectos climáticos, propiciando o entendimento de uma série de
fenômenos climáticos. Apesar de tratar o tema referente ao aquecimento global de maneira taxativa, não
propondo outras teorias para o fenômeno, é apresentado que o planeta é dinâmico, palco de inúmeros
fenômenos naturais impossíveis de ser controlados pela ação humana, o que pode gerar a discussão sobre a
magnitude das ações humanas. O conceito de efeito estufa é visto apenas relacionado ao uso dos
combustíveis fósseis e ao conceito de impacto ambiental global, não ligado às explicações dos fenômenos
climáticos naturais, tornando sua conceituação errada causando interpretações distorcidas da realidade.

139

Apêndice L ­ Ficha de avaliação da Coleção Trilhas da Geografia. Aspectos Gerais.
4. Aspectos Gerais (nível de conhecimento, valorização do saber prévio do aluno, atividades
propostas)/Moreira
SIM
Possibilita ao aluno a articulação entre os níveis de conhecimento do senso comum e NÃO
6.

científico, abordando conteúdos que valorizam o saber prévio do aluno no processo de
aprendizagem a respeito das mudanças climáticas?

R

B

O

X

Justificativa:
Os níveis de conhecimento do senso comum e científico são articulados de maneira boa quanto aos conceitos da
climatologia, pois apresentam diversos fenômenos relacionados com o cotidiano dos alunos, relacionando-os com a
dinâmica natural do planeta. Muitos problemas ambientais urbanos ou rurais foram apresentados como tendo
origens naturais, sem a interferência do ser humano, mostrando a importância dos fenômenos climáticos naturais.
Porém, no momento em que é abordado o fenômeno do efeito estufa, lhe é atribuído um caráter mais artificial do
que natural, contradizendo o maneira como outros fenômenos foram abordados previamente pela coleção. Há a
maior ocorrência de informações que exaltam a importância do CO2 no efeito estufa, mas não demonstram sua real
função na manutenção do planeta. As informações a respeito do aquecimento global não propiciam o debate uma
vez que o efeito estufa é tido como principal causador do fenômeno apoiado pela teoria das emissões de gás
carbônico de origem antrópica.
Exemplo:
Ao trabalhar no volume da 7ª série/8º ano os problemas ambientais urbanos, diversos fenômenos naturais
relacionados ao clima são apresentados entre as páginas 76 e 80, entre eles "ilhas de calor; a impermeabilização
dos solos e as enchentes; a inversão térmica; deslizamento de encostas". O efeito estufa é transmitido com um
caráter artificial na ilustração da página 91 onde é descrito o fenômeno. Na imagem, todas as fontes de gases
estufa são antrópicas, sem fontes naturais, favorecendo uma compreensão distorcida do efeito estufa e da real
influência no fenômeno. O fenômeno é novamente visto como algo que possa ser controlado quando é afirmado
que "para enfrentar o problema da intensificação do efeito estufa, foi realizada em 1997 a convenção da ONU sobre
Mudanças Climáticas, em Quioto (Japão)".
O efeito estufa é novamente abordado como impacto ambiental e o CO2 como o principal gás de estufa na página
167 do volume da 8ª série/9º ano afirmando que "a crescente concentração de gases-estufa na atmosfera,
especialmente o dióxido de carbono, resultante da queima de combustíveis fósseis e florestas, provoca um aumento
da retenção de calor irradiado pela Terra, elevando a temperatura média do planeta". O debate não é favorecido,
pois a insistência na influência do CO2 como principal gás de estufa é evidente quando novamente é apresentado
em uma tabela na página 167, abordando os principais emissores de gás carbônico o mundo. O exercício propõe a
análise da tabela que relaciona as emissões de gás com nível de desenvolvimento dos países emissores, exaltando
sua importância para o fenômeno de aquecimento no planeta.

7.

Os conteúdos são adequados e enriquecedores no intuito de ampliar as possibilidades
de expressão do aluno a respeito das mudanças climáticas?

SIM

NÃO
R

B

O

X
Justificativa:
Uma vez que é exaltada a teoria antrópica como única explicação para o fenômeno de aquecimento atual da Terra,
a coleção não favorece o debate sobre as mudanças climáticas. Apesar de abordar diversos problemas ambientais
relacionados a fenômenos climáticos como de origem natural, a coleção apresenta o fenômeno do efeito estufa
como um impacto ambiental, causando dúvidas sobre sua importância para o planeta. Em ambos os volumes são
apresentadas as afirmações do Painel da ONU de forma unânime, atribuindo aos governos das nações a solução
ao problema, liderados pela Organização. Ao aluno não é posto nenhum desafio, pois as informações são apenas
expositivas, sem questionamentos.
Exemplo:
A teoria antrópica para o aquecimento global é afirmada na coleção quando é trabalhado o efeito estufa, que é visto
como artificial e conseqüência das ações humanas. Na página 92 do volume da 7ª série/8º ano é apresentada a
contribuição das queimadas na agricultura nas emissões de CO2, afirmado que "além de contribuir para o efeito
estufa e destruir as florestas, as queimadas empobrecem os solos". O efeito estufa é apresentado como problema
ambiental mais uma vez na página 166 do volume da 8ª série/9º ano afirmando que "quando falamos de efeito
estufa e dos problemas que pode causar, referimo-nos à elevação exagerada da temperatura média do planeta em
razão do aumento dos gases-estufa na atmosfera". As afirmações do IPCC estão presentes na coleção exaltando
as conseqüências que a não ação das nações do mundo podem causar, apresentando na página 168 que "a
elevação da temperatura média do planeta poderia causar alterações na circulação das massas de ar em escala
global, provocando mais chuvas e enchentes em algumas áreas e secas em outras com graves prejuízos à
agricultura".

140

8.

As atividades possibilitam a articulação dos conteúdos de forma adequada para se
atingir os objetivos propostos pelas unidades?

NÃO
R
X

SIM
B

O

Justificativa:
As atividades propostas no volume da 7ª série/8º ano não se referem em nenhum momento às mudanças
climáticas, aquecimento global ou efeito estufa, apesar de abordar esse último como um impacto ambiental ao
longo de seu desenvolvimento. O ultimo volume da coleção aborda o fenômeno do efeito estufa como um impacto
ambiental e ainda o aumento da temperatura média do planeta. Poucas atividades são voltadas para o tema, apesar
do mesmo ser bem discutido ao longo do volume. Muitas informações são apresentadas sobre os fenômenos
climáticos de origem natural, contudo não há um reforço dessas informações como atividades propostas na
coleção, as atividades são voltadas a transmitir uma noção de domínio da natureza pelo homem. As atividades não
têm o propósito de instigar o questionamento no aluno, desfavorecendo o debate.
Exemplo:
Em momento algum no volume da 7ª série/8º ano aparecem atividades com a intenção de discutir o efeito estufa ou
o aquecimento global, o tema apenas é transmitido de forma expositiva e apenas trabalhado novamente no próximo
volume. Na página 151 do volume da 8ª série/9º ano é proposta a atividade "produzindo um texto" antes mesmo de
iniciar o conteúdo do capítulo. É proposto ao aluno que redija um texto respondendo perguntas onde a número 2 é
"E o efeito estufa? É causado pelo homem?" a pergunta é importante para perceber o conhecimento prévio do aluno
sobre o tema, contudo ao longo do capítulo o conceito do fenômeno é apresentado de forma distorcida. Outra
atividade proposta como análise do efeito estufa é a verificação de uma tabela, página 167, com o ranking dos
principais países emissores de CO2, é proposto como exercício fazer a comparação entre o consumo de energia de
cada país com seu nível de emissões, contudo não há relação alguma com a questão climática. Na página 171
ainda é proposto um exercício no subitem "Para relembrar" número 4 "O que é efeito estufa? O que provoca esse
fenômeno? Quais suas conseqüências?". O exercício não incentiva o raciocínio do aluno, uma vez que é pontual e
expositivo, não estimula o questionamento crítico sobre um tema tão controverso.
Síntese do ítem:
Certos problemas ambientais foram abordados como de origem natural, sem a interferência do ser humano.
Contudo, o fenômeno do efeito estufa é apresentado com um caráter mais artificial do que natural, contradizendo o
maneira como outros fenômenos foram abordados previamente pela coleção. A teoria antrópica é apresentada
como única explicação para o fenômeno de aquecimento atual da Terra, havendo a valorização das emissões de
CO2 como gás de estufa como causa do aumento da temperatura. A coleção não favorece o debate sobre as
mudanças climáticas, pois não apresenta outras explicações para o atual aquecimento da Terra, prevalecendo a
teoria disseminada pelo IPCC. O conceito de efeito estufa utilizado na coleção é apresentado de forma distorcida e
supervaloriza seu caráter artificial, tornando difícil a compreensão dos fenômenos climáticos que estão relacionados
com as mudanças climáticas.

141

Apêndice M ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia do Século XXI. Descrição
sumária da coleção.

1. Descrição Sumária da Coleção: Geografia do Século XXI/Sampaio
Sumário do conteúdo de cada volume da coleção (identificar as partes, os capítulos e indicar o
número de páginas de cada livro).
A coleção é composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries.
O volume da 5ª série/6º ano possui 176 páginas e é composto por 4 unidades, subdivididas em 17 capítulos: Unidade 1 ­
Você é morador do planeta Terra: Capítulo 1 ­ Descobrindo o lugar; Capítulo 2 ­ O Planeta Azul faz parte do Universo;
Capítulo 3 ­ Como se localizar no planeta Terra; Capítulo 4 ­ Representando o espaço geográfico; Unidade 2 ­ Terra, um
"sistema vivo": Capítulo 5 ­ Natureza e sociedade integram o "sistema vivo"; Capítulo 6 ­ Água: fonte de vida no Planeta Azul;
Capítulo 7 ­ De onde vem o ar que respiramos?; Capítulo 8 ­ Vegetação, fonte de oxigênio, alimento e matéria-prima. Unidade
3 ­ A diversidade de paisagens, sociedades e culturas no Planeta Azul: Capítulo 9 ­ As paisagens do Planeta Azul; Capítulo
10 ­ Seis bilhões de seres humanos ocupam o espaço na "nave Terra"; Capítulo 11 ­ Os seres humanos atravessam
fronteiras e territórios em busca de novos horizontes; Capítulo 12 ­ Cidade e campo: espaços complementares onde vivem
os seres humanos. Unidade 4 ­ As sociedades modificam o espaço do planeta pelas atividades econômicas: Capítulo 13 ­
As produções extrativista e agropecuária estabelecem relações entre o rural e o urbano; Capítulo 14 ­ A atividade industrial
e os problemas ambientais; Capítulo 15 ­ Os serviços: atividade econômica que dinamiza o espaço urbano; Capítulo 16 ­ O
espaço de circulação de pessoas, idéias e mercadorias; Capítulo 17 ­ Trabalho, emprego, subemprego, consumo e
consumismo.
O volume da 6ª série/7º ano possui 224 páginas e é composto por 4 unidades, subdivididas em 16 capítulos: Unidade 1 ­
Brasil: vastidão de terras e água: Capítulo 1 ­ Brasil: que país é esse?; Capítulo 2 ­ Modelado terrestre e ocupação
econômica do espaço brasileiro; Capítulo 3 ­ Rios: caminhos navegáveis e fontes de energia; Capítulo 4 ­ Sol, chuva,
geadas, secas: a diversidade climatobotânica brasileira. Unidade 2 ­ Desigualdade em um dos países mais populosos do
mundo: Capítulo 5 ­ Formação do espaço socioeconômico brasileiro e povoamento; Capítulo 6 ­ No Brasil, diferentes povos
formam uma grande nação; Capítulo 7 ­ População brasileira: estrutura e dinamismo; Capítulo 8 ­ Organização do espaço
urbano e agrário no Brasil: contrastes, complementação e conflitos. Unidade 3 ­ Brasil: um dos países mais ricos do mundo:
Capítulo 9 ­ Contrastes na ocupação do espaço agrário brasileiro: degradação ambiental e produção de riqueza; Capítulo 10
­ Brasil: um país urbanizado em um mundo globalizado; Capítulo 11 ­ Circulação de pessoas, de mercadorias e de idéias no
Brasil; Capítulo 12 ­ Produção X consumo: a comercialização no Brasil. Unidade 4 ­ Faces contrastantes de um grande e
populoso país: Capítulo 13 ­ As diferentes regionalizações do Brasil; Capítulo 14 ­ Região da Amazônia: biodiversidade,
exploração, cobiça e ecoturismo; Capítulo 15 ­ Região Nordeste: belas praias e marcante presença da cultura popular;
Capítulo 16 ­ Região Centro-Sul: industrialização, informação, degradação ambiental e graves problemas urbanos.
O volume da 7ª série/8º ano possui 192 páginas e é composto por 4 unidades, subdivididas em 15 capítulos: Unidade 1 ­
Desvendando o espaço do continente americano: Capítulo 1 ­ A ocupação do espaço nas Américas: conflito e contrastes;
Capítulo 2 ­ A formação dos Blocos Econômicos; Capítulo 3 ­ Globalização: o colonialismo do terceiro milênio?; Capítulo 4 ­
Américas: uma diversidade de paisagens, povos e culturas. Unidade 2 ­ Regionalizando a porção sul-americana: Capítulo 5 ­
Países platinos: um rio, uma história e um mercado; Capítulo 6 ­ Brasil: o "gigante sul-americano; Capítulo 7 ­ A América
Andina e a instabilidade política; Capítulo 8 ­ Guianas: uma colonização diferenciada. Unidade 3 ­ América Central: agricultura
tropical e turismo: Capítulo 9 ­ Países do istmo: exportação de produtos primários; Capítulo 10 ­ Caribe: monocultura,
exploração mineral e turismo; Capítulo 11 ­ Exploração e dependência nas Antilhas; Capítulo 12 ­ Cuba e o socialismo na
América. Unidade 4 ­ As faces contrastantes dos países do Nafta: Capítulo 13 ­ México: um país latino-americano; Capítulo
14 ­ Canadá: o grande país do extremo norte; Capítulo 15 ­ Estados Unidos: a maior economia dentre os "sete grandes".

142

O volume da 8ª série/9º ano possui 288 páginas e é composto de 4 unidades, subdivididas em 16 capítulos: Unidade 1 ­
Europa: unificada por um túnel, um parlamento e uma moeda: Capítulo 1 ­ Da Europa para o mundo: cristianismo e
revolução tecnológica; Capítulo 2 ­ União Européia: uma questão de sobrevivência para a Europa; Capítulo 3 ­ Alemanha,
França, Reino Unido e Itália: entre as sete maiores economias do mundo; Capítulo 4 ­ Da Escandinávia ao Mediterrâneo:
outras nações do espaço europeu. Unidade 2 ­ O desmoronamento do socialismo: Capítulo 5 ­ Do marxismo-leninismo ao
capitalismo periférico; Capítulo 6 ­ A reorganização do "ex-Império Vermelho"; Capítulo 7 ­ Leste Europeu: após o
autoritarismo, a crise de transição; Capítulo 8 ­ Sérvia e Montenegro: o que restou da ex-Iugoslávia. Unidade 3 ­ África:
natureza e povo, uma história de exploração: Capítulo 9 ­ A herança portuguesa na África; Capítulo 10 ­ A expansão
islâmica e seus efeitos na organização do espaço norte-africano; Capítulo 11 ­ Organização do espaço africano
subsaariano; Capítulo 12 ­ África Meridional: um espaço diferenciado? Unidade 4 ­ A organização do espaço asiático:
conflitos, diversidades e parcerias: Capítulo 13 ­ Muçulmanos, japoneses e chineses: três forças asiáticas; Capítulo 14 ­
Povos e países da Ásia Meridional; Capítulo 15 ­ Sudeste Asiático: uma área comercialmente estratégica; Capítulo 16 ­
Ásia e Oceania: crescentes relações socioeconômicas.

Ao final dos volumes há uma lista de sites de geografia recomendados, seguida das referências bibliográficas utilizadas
pelo autor do livro. Nota-se que não há a presença de um Atlas ou de um Glossário nos volumes.

143

Apêndice N ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia do Século XXI. Abordagem
dos temas aquecimento global e mudanças climáticas.
Coleção: Geografia do Século XXI/Sampaio
2. Quanto à abordagem dos temas Aquecimento Global e Mudanças Climáticas

1.

A coleção trabalha o temas "Aquecimento Global" e "Mudanças
Climáticas"? Se sim, em quais volumes?

2.

No(os) volume(es) em que se encontra o tema, em que momento ele é
abordado, ao se trabalhar os fenômenos climáticos (C) ou os impactos
ambientais (I)?

NÃO

SIM
5ª/6º 6ª/7º 7ª/8º 8ª/9º
X
X

C

X

I

X

Exemplo:
O tema é abordado na coleção, principalmente no volume da 5ª série/6º ano em ambos os momentos, ao trabalhar
os fenômenos climáticos e ao apresentar os impactos ambientais. No Capítulo 7 ­ De onde vem o ar que
respiramos? Antes de qualquer explicação um quadro de destaque, na página 76, apresenta a seguinte informação:
"A atmosfera forma uma camada protetora em torno do planeta (...). No entanto, a ação poluente do ser humano
está destruindo essa proteção. Por causa da poluição das fábricas, dos automóveis e de gases como o freon-12,
(...) o planeta fica mais quente". O efeito estufa é explicado logo após essa informação, página 77, seguido de uma
imagem representando o fenômeno. Na mesma página é afirmado que o efeito está sendo modificado, "nas últimas
décadas, ficou comprovado que a Terra está superaquecendo, e a causa, mais uma vez, é a poluição". Ainda há a
referência ao aumento da poluição da atmosfera no volume da 6ª série/7º ano, na página 121, quando é
apresentado o processo de industrialização no Brasil, atribuindo o efeito estufa aos impactos ambientais, "graves
problemas ambientais, como a chuva ácida e o efeito estufa, que afetam o planeta como um todo, estão
diretamente relacionados à poluição gerada pela atividade industrial".
3.

No(os) volume(es) verificado(os) há a apresentação apenas da teoria
antrópica para o Aquecimento Global (A) ou há, também a apresentação
de outras teorias sobre o aquecimento do planeta (B)?

A

X

B

Exemplos:
Na página 83 do volume da 5ª série/6º ano, ao final do capítulo relacionado ao efeito estufa, o próprio autor
apresenta um texto como subitem de pesquisa "Estimulando a curiosidade" sobre o aquecimento global. Entre
outras coisas o texto afirma que "entre as muitas conseqüências do desequilíbrio na atmosfera, o aquecimento do
planeta é uma das que mais preocupa os cientistas". O autor ainda afirma categoricamente que "atenta a essa
questão, a Organização das Nações Unidas (ONU) criou, em 1990, o Painel Intergovernamental de Mudanças do
Clima, que, desde então, vem estudando os impactos do aquecimento da Terra". É possível notar a prevalência da
teoria antrópica nas mudanças climáticas. Ainda n mesmo volume o tema é novamente abordado como um impacto
ambiental, ao ser apresentado no subitem "O problema da poluição industrial", na página 147, onde o efeito estufa é
apresentado como um distúrbio da natureza "(...) os poluentes lançados na atmosfera são os principais causadores
de distúrbios na natureza, como a chuva ácida, a destruição da camada de ozônio e o efeito estufa".
Síntese do ítem:
Pode-se notar que o assunto referente às mudanças climáticas é abordado ao longo da coleção de duas formas.
Uma quando trabalha o efeito estufa enquanto fenômeno natural intensificado pela natureza e principal causador do
aquecimento da Terra, e outra quando apresenta o mesmo como um distúrbio da natureza, como um impacto
ambiental. Desta forma, é possível notar que ao ser apresentado desta maneira, o efeito estufa não é transmitido
satisfatoriamente. Fica clara a presença apenas da teoria antrópica como causadora do aquecimento global, sendo
enfatizada pelo trabalho do IPCC.

144

Apêndice O ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia do Século XXI. Coerência e
Adequação Metodológica.
3. Coerência e Adequação Metodológica/Sampaio

4.

Há coerência entre a fundamentação teórico-metodológica da Geografia
proposta com a utilizada na apresentação dos temas próprios da climatologia
relacionados com as mudanças climáticas?

SIM

NÃO
R

B

O

X
Justificativa:
De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do professor, página 4, "a
proposta que se coloca é de uma concepção de Geografia que explique o espaço geográfico real, construído
e organizado pela sociedade humana e que responda às necessidades básicas e àquelas criadas por essa
sociedade". Na maior parte dos temas trabalhados na coleção há coerência entre a fundamentação teóricometodológica da Geografia proposta e a utilizada na coleção, contudo a abordagem do tema referente às
mudanças climáticas e o aquecimento global de forma unilateral como apresentada na coleção não possibilita
a discussão de um assunto com o aluno. A explicação sobre o efeito estufa como fenômeno natural e depois
como degradação ambiental pode tornar confuso o entendimento sobre o tema.
Exemplo:
Na página 77 do volume da 5ª série/6º ano o efeito estufa é apresentado como "alguns gases atmosféricos,
chamados gases estufa, absorvem parte do calor enviado pelo Sol para não deixar escapar o calor presente.
Se esses gases não existissem, o planeta seria gelado". Essa explicação mostra que o fenômeno é natural e
importante para o planeta. No entanto, na página 83 é afirmado pelo autor que "o chamado efeito estufa,
causado principalmente pelo gás carbônico lançado na atmosfera por indústrias e automóveis, já vem
gerando mudanças climáticas que podem ter graves conseqüências para o planeta". Essa afirmação taxativa
de que o efeito estufa é causado principalmente pelo CO2 é precipitada e não gera o debate na sala de aula.
Chama-se a atenção também para a afirmação da página 121 do volume da 6ª série/7º ano que "graves
problemas ambientais, como a chuva ácida e o efeito estufa, que afetam o planeta como um todo, estão
diretamente relacionados à poluição gerada pela atividade industrial".
As informações básicas relacionadas aos fenômenos climáticos,
SIM
NÃO
5.
principalemente ao efeito estufa, e a precisão dos conceitos climatológicos
R
B
O
estão corretos e atualizados?
X
Justificativa:
O efeito estufa é apresentado como fenômeno natural no princípio, contudo perde essa característica ao
longo das explicações sobre as mudanças climáticas, pois passa a ter uma conotação de impacto ambiental,
não sendo observado como fenômeno necessário para a manutenção da vida no planeta. A explicação é feita
parcialmente apenas no primeiro volume da coleção, não sendo abordada novamente, os detalhes não são
apresentados deixando um entendimento muito superficial sobre as mudanças climáticas. Prevalece o
conceito que apresenta o CO2 como principal gás de estufa, descartando os estudos que apontam a
importância do vapor dágua para o fenômeno. O conceito de efeito estufa não é trabalhado ao longo da
coleção e é transmitido apenas de maneira descritiva, dificultando a inserção do tema no dia-a-dia do aluno, a
não ser como um impacto ambiental. Outras fontes causadoras de mudanças climáticas também são
abordadas na coleção ao se apresentar o uso dos solos e a floresta amazônica nos estudos sobre o Brasil.

145

Exemplo:
A teoria antrópica das mudanças climáticas tem como base o aumento das emissões de gases estufa que
geram o aquecimento do planeta. Sendo assim, é importante compreender como funciona o efeito estufa e
como ele realmente pode alterar as dinâmicas climáticas. Ao aparecer de duas formas na coleção, o
fenômeno pode ser mal compreendido, levando a uma mal compreensão do aquecimento global. Ao
apresentar o efeito estufa como um fenômeno natural na página 77 do primeiro volume da coleção, deixa
clara a necessidade do fenômeno para o planeta. Contudo, essa explicação é novamente apresentada na
página 83, quando um quadro procura explicar o aquecimento global. Neste momento o efeito estufa é
apresentado como "causado principalmente pelo gás carbônico lançado na atmosfera por indústrias" e pior
ainda, é visto como algo controlado pelo ser humano quando afirma que "embora exista tecnologia disponível
para controlar o efeito estufa, a solução para o problema depende de um esforço conjunto de todas as
nações". No segundo volume da coleção o tema é apresentado novamente como um impacto ambiental na
página 121, e posteriormente são apresentados impactos no clima derivados do desmatamento da Amazônia,
página 175, quando é apresentado no quadro "Estimulando a curiosidade" entrevista com Bertha Becker que
afirma "os riscos do desmatamento são reais em outros aspectos, como, por exemplo, na absorção, pela
floresta, de 20% do gás carbônico do planeta. Menos floresta, menos absorção, maior concentração de CO2,
ampliação do ,,efeito estufa com o aquecimento da atmosfera".
Síntese do ítem:
A coleção apresenta a teoria antrópica das mudanças climáticas como única explicação para o efeito estufa e
o aquecimento. Não são detalhadas ao longo da coleção as reais influências do efeito estufa no processo das
mudanças climáticas, sendo apenas apresentadas no texto sem conexão com a realidade do aluno. Mais da
metade da explicação sobre o efeito estufa se dá no intuito de mostrar como os gases poluentes fazem parte
do fenômeno, deixando claro que o CO2 é o principal gás estufa, e visto como um impacto ambiental
causador de diversos problemas no planeta. Os conceitos apresentados não foram utilizados de maneira
clara, pois são abordados de maneiras discordantes em diferentes momentos da coleção. O conceito mais
utilizado de efeito estufa como impacto ambiental é precipitado e errado, devendo ser revisto.

146

Apêndice P ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia do Século XXI. Aspectos
Gerais.
4. Aspectos Gerais (nível de conhecimento, valorização do saber prévio do aluno, atividades
propostas)/Sampaio
SIM
Possibilita ao aluno a articulação entre os níveis de conhecimento do senso comum e NÃO
6.

científico, abordando conteúdos que valorizam o saber prévio do aluno no processo de
aprendizagem a respeito das mudanças climáticas?

R

B

O

X

Justificativa:
Os níveis de conhecimento do senso comum e científico são articulados de maneira regular quanto aos conceitos
da climatologia, buscando apresentar ao aluno os mais diversos fenômenos climáticos que ocorrem no planeta de
maneira apenas expositiva. Assim, em alguns momentos são apresentadas informações que podem gerar duvidas
no aluno, pois são contraditórias no desenvolvimento da coleção. Há momentos em que os impactos ambientais
relacionados à atmosfera são apresentados antes mesmo de haver a explicação sobre o fenômeno climático.
Prevalecem mais informações sobre os impactos ambientais ocasionados pela ação humana do que a própria
explicação sobre a atmosfera e sua importância para o planeta. As informações muitas vezes são taxativas, não
abrindo espaço para a contestação ou complementação. As informações transmitidas a respeito das mudanças
climáticas não são feitas de maneira a gerar o debate uma vez que o efeito estufa antrópico é tido como principal
causador do fenômeno, sendo descartada qualquer outra influência natural.
Exemplo:
Algumas informações são transmitidas de maneira expositiva, não apresentando os aspectos do fenômeno, como
na página 82 do volume da 5ª série/6º ano, por exemplo, quando afirma que, dentro do contexto de clima urbano, "o
fenômeno do aumento da temperatura nos grandes centros é chamado de ilha de calor", descartando outras
possibilidades para o aumento da temperatura urbana. No capítulo 7 do primeiro volume, antes de serem explicados
os movimentos da Terra e sua relação com os tipos de clima, são apresentados, nas páginas 74 a 77, três impactos
ambientais relacionados às ações humanas: buraco na camada de ozônio, chuva ácida e efeito estufa (aquecimento
global), que são apresentados em praticamente metade do capítulo, deixando clara a super valorização das
conseqüências e não da origem ou forma dos fenômenos climáticos. No momento de leitura complementar na
página 83 ainda do primeiro volume, é exaltado o poder do efeito estufa que "já vem gerando mudanças climáticas
que podem ter graves conseqüências para o planeta", informação que é garantida pela formação do IPCC segundo
o texto. Apesar do efeito estufa ser apresentado como natural no início de sua abordagem, ao longo da coleção
essa característica é modificada passando a ser entendido como impacto ambiental, ainda no primeiro volume e no
volume da 6ª série/7º ano, na página 121 quando afirma que o efeito estufa é um "grave problema ambiental".
SIM
NÃO
Os conteúdos são adequados e enriquecedores no intuito de ampliar as possibilidades
7.
R
B
O
de expressão do aluno a respeito das mudanças climáticas?
X
Justificativa:
Apesar de ser abordado em dois volumes da coleção, a maneira taxativa e unilateral como o aquecimento global é
transmitido ao aluno não possibilita a discussão e o debate. O tema é apresentado juntamente com o efeito estufa,
não sendo possível uma distinção entre ambos. O assunto é trabalhado quando são apresentados os fenômenos
atmosféricos relacionados ao clima, contudo ao longo da coleção passa a receber a conotação de impacto
ambiental, caracterizando o efeito estufa como artificial. No momento de reflexão proposto na obra, o tema é
apresentado como uma unanimidade científica e um problema político internacional, não havendo abertura para a
exposição de outras teorias sobre as mudanças climáticas.

147

Exemplo:
No primeiro volume da coleção são apresentadas no capítulo 7 as camadas da atmosfera e logo em seguida, na
página 74, aparece o subitem "O ser humano também modifica a atmosfera" começando o trabalho sobre os
impactos causados pelas ações humanas na atmosfera. Na página 77 o efeito estufa é explicado como natural e
intensificado pela poluição. Não há a menção do termo aquecimento global, atribuindo o entendimento do efeito
estufa como aumento da temperatura da superfície. Na página 83 do mesmo volume é afirmado que "o efeito estufa
provoca o derretimento das geleiras, nas áreas polares, e o aumento do nível dos oceanos", e afirma exaltando a
força do ser humano que, "embora exista tecnologia disponível para controlar o efeito estufa, a solução para o
problema depende de um esforço conjunto de todas as nações". A informação é precipitada, uma vez que não
existem mecanismos capazes de controlar o efeito estufa, ou qualquer fenômeno climático.
8.

As atividades possibilitam a articulação dos conteúdos de forma adequada para se
atingir os objetivos propostos pelas unidades?

NÃO
R
X

SIM
B

O

Justificativa:
Na coleção, as atividades que são propostas no capítulo onde o clima é trabalhado não abordam as mudanças
climáticas ou o aquecimento global. Não há ao final do capítulo exercícios propostos, estes são organizados ao
longo do capítulo. Desta forma o trabalho com as mudanças climáticas fica prejudicado, uma vez que o assunto é
abordado e não há questionamentos sobre sua origem, ou conseqüências. Os impactos causados pelas mudanças
climáticas são abordados de forma a impossibilitar o questionamento a cerca dos estudos feitos sobre o clima. As
atividades propostas nas unidades que trabalham os impactos ambientais na atmosfera tratam as mudanças
climáticas como efeito estufa e não propiciam o debate científico a cerca do tema.
Exemplo:
Ao longo do capítulo 7 do volume da 5ª série/6º ano apenas em dois momentos são propostas atividades e em
ambas não há o trabalho com as mudanças climáticas ou o aquecimento global. Apenas no final do capítulo existe
um quadro na página 83 "Estimulando a curiosidade: Aquecimento global" explicando o que seria o fenômeno.
Contudo não há nenhum questionário, ou perguntas associadas ao texto, impossibilitando a melhor discussão sobre
o assunto. O efeito estufa também é citado como um "distúrbio na natureza" na página 147 do mesmo volume
quando é relacionado ao "problema da poluição industrial". Desta forma o debate e a discussão sobre a real função
do efeito estufa não são favorecidos, apresentando-o apenas como um impacto das ações humanas. O efeito estufa
é apresentado da mesma forma na página 121 do volume da 6ª série/7º ano, sendo caracterizado como um "grave
problema ambiental", não favorecendo o debate científico sobre o fenômeno.
Síntese do ítem:
Em toda a coleção os conceitos de mudanças climáticas e aquecimento global são apresentados de maneira
superficial e misturados com o conceito de efeito estufa. Não é possível notar a diferença entre o efeito estufa e o
aquecimento global, pois as conseqüências são atribuídas apenas ao fenômeno do efeito estufa, gerando um
entendimento errado deste fenômeno tão importante para o planeta. Prevalecem mais informações sobre os
impactos ambientais ocasionados pela ação humana do que a própria explicação sobre a atmosfera e sua
importância para o planeta. As informações muitas vezes são taxativas, não abrindo espaço para a contestação ou
complementação. No momento de reflexão proposto na obra, o tema é apresentado como uma unanimidade
científica e um problema político internacional, não havendo abertura para a exposição de outras teorias sobre as
mudanças climáticas. As atividades não são expostas de maneira a gerar a discussão com o aluno, não há
exercícios sobre o aquecimento global ou mesmo o efeito estufa, dificultando, dessa forma, a compreensão do
aluno sobre os fenômenos climáticos que geram o aquecimento global.

148

Apêndice Q ­ Ficha de avaliação da Coleção Construindo o Espaço. Descrição
sumária da coleção.
1. Descrição Sumária da Coleção: Construindo o Espaço/Auricchio
Sumário do conteúdo de cada volume da coleção (identificar as partes, os capítulos e indicar o
número de páginas de cada livro).
A coleção é composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries.
O volume da 5ª série/6º ano possui 216 páginas e é composto por 6 unidades, subdivididas em 15 capítulos:
Unidade 1 ­ Paisagem e sociedade: Capítulo 1 ­ As paisagens da Terra; Capítulo 2 ­ As paisagens e o
trabalho. Unidade 2 ­ Direções, caminhos, mapas: Capítulo 3 ­ A orientação no espaço; Capítulo 4 ­ A
localização no espaço; Capítulo 5 ­ A representação do espaço. Unidade 3 ­ A Terra no Sistema Solar:
Capítulo 6 ­ O Sistema Solar; Capítulo 7 ­ A Terra e a Lua. Unidade 4 ­ A Terra: origem e formas: Capítulo 8
­ O tempo e as transformações; Capítulo 9 ­ Rochas e minerais; Capítulo 10 ­ As formas da paisagem.
Unidade 5 ­ A Terra: clima e vegetação: Capítulo 11 ­ Atmosfera: temperatura e pressão; Capítulo 12 ­
Atmosfera: umidade e precipitações; Capítulo 13 ­ O tempo, o clima e a vegetação. Unidade 6 ­ A Terra: as
águas e a vida: Capítulo 14 ­ Oceanos e mares; Capítulo 15 ­ Os lagos e a água solidificada.

O volume da 6ª série/7º ano possui 288 páginas e é composto por 8 unidades, subdivididas em 20 capítulos:
Unidade 1 ­ Brasil: território e sociedade: Capítulo 1 ­ O Brasil no globo terrestre; Capítulo 2 ­ A população
brasileira; Capítulo 3 ­ Movimentos da população brasileira. Unidade 2 ­ Brasil: construção e organização do
território: Capítulo 4 ­ Origens do espaço brasileiro; Capítulo 5 ­ Um país de desigualdades; Capítulo 6 ­ A
diferenciação regional no Brasil. Unidade 3 ­ Brasil: Utilização do espaço: Capítulo 7 ­ O espaço
agropecuário; Capítulo 8 ­ As atividades industriais; Capítulo 9 ­ Comércio, transporte e comunicações;
Capítulo 10 ­ O espaço urbano. Unidade 4 ­ Região Sudeste: Capítulo 11 ­ Sudeste: paisagens naturais;
Capítulo 12 ­ Sudeste: construção do espaço. Unidade 5 ­ Região Sul: Capítulo 13 ­ Sul: paisagens naturais;
Capítulo 14 ­ Sul: construção do espaço. Unidade 6 ­ Região Centro-Oeste: Capítulo 15 ­ Centro-Oeste:
paisagens naturais; Capítulo 16 ­ Centro-Oeste: construção do espaço. Unidade 7 ­ Região Nordeste:
Capítulo 17 ­ Nordeste: paisagens naturais; Capítulo 18 ­ Nordeste: construção do espaço. Unidade 8 ­
Região Norte: Capítulo 19 ­ Norte: paisagens naturais; Capítulo 20 ­ Norte: construção do espaço.

O volume da 7ª série/8º ano possui 256 páginas e é composto por 6 unidades, subdivididas em 15 capítulos:
Unidade 1 ­ O espaço geográfico mundial: Capítulo 1 ­ Um mundo dividido; Capítulo 2 ­ Capitalismo X
Socialismo; Capítulo 3 ­ Capitalismo e globalização. Unidade 2 ­ Américas: paisagens naturais: Capítulo 4 ­
O relevo e a hidrografia; Capítulo 5 ­ O clima e as paisagens. Unidade 3 ­ Américas: construção do território:
Capítulo 6 ­ Os donos da terra; Capítulo 7 ­ A conquista do território; Capítulo 8 ­ As desigualdades
regionais. Unidade 4 ­ A América do Norte: Capítulo 9 ­ Os Estados Unidos da América; Capítulo 10 ­ O
Canadá; Capítulo 11 ­ O México. Unidade 5 ­ A América Central: Capítulo 12 ­ Território e população;
Capítulo 13 ­ O jogo geopolítico. Unidade 6 ­ A América do Sul: Capítulo 14 ­ Os países andinos; Capítulo 15
­ Os países platinos.

O volume da 8ª série/9º ano possui 296 páginas e é composto de 5 unidades, subdivididas em 22 capítulos:
Unidade 1 ­ A Europa: Capítulo 1 ­ O que é a Europa?; Capítulo 2 ­ Paisagens naturais; Capítulo 3 ­
População e espaço; Capítulo 4 ­ A Europa ocidental; Capítulo 5 ­ A Europa setentrional; Capítulo 6 ­ A
Europa centro-oriental (I); Capítulo 7 ­ A Europa centro-oriental (II); Capítulo 8 ­ A Europa meridional;
Capítulo 9 ­ A União Européia. Unidade 2 ­ A África: Capítulo 10 ­ Paisagens naturais; Capítulo 11 ­ Entre a
riqueza e a pobreza; Capítulo 12 ­ A África e suas regiões (I); Capítulo 13 ­ A África e suas regiões (II).
Unidade 3 ­ A Ásia: Capítulo 14 ­ Paisagens naturais; Capítulo 15 ­ População e economia; Capítulo 16 ­ O
Oriente Médio; Capítulo 17 ­ O subcontinente indostânico; Capítulo 18 ­ O Sudeste Asiático; Capítulo 19 ­ O
Extremo Oriente socialista; Capítulo 20 ­ O Extremo Oriente: Japão e tigres asiáticos. Unidade 4 ­ A Oceania:
Capítulo 21 ­ Austrália e Nova Zelândia. Unidade 5 ­ O mundo polar: Capítulo 22 ­ Regiões ártica e antártica.

Ao final dos volumes há um glossário ilustrado com palavras utilizadas ao longo do volume, seguido das
referências bibliográficas utilizadas pelo autor do livro. Não há uma lista de indicações de leituras para os
alunos ao final dos volumes, pois estas se encontram ao final dos capítulos. Nota-se que não há a presença
de um Atlas nos volumes.

149

Apêndice R ­ Ficha de avaliação da Coleção Construindo o Espaço. Abordagem
dos temas aquecimento global e mudanças climáticas.
Coleção: Construindo o Espaço/Auricchio
2. Quanto à abordagem dos temas Aquecimento Global e Mudanças Climáticas

1.

A coleção trabalha o temas "Aquecimento Global" e "Mudanças
Climáticas"? Se sim, em quais volumes?

2.

No(os) volume(es) em que se encontra o tema, em que momento ele é
abordado, ao se trabalhar os fenômenos climáticos (C) ou os impactos
ambientais (I)?

NÃO

SIM
5ª/6º 6ª/7º 7ª/8º 8ª/9º
X
X

C

X

I

X

Exemplo:
A maior parte dos momentos em que o aquecimento global é apresentado, as informações são abordadas quando
se trata do clima. No capítulo 11 ­ Atmosfera: temperatura e pressão do volume da 5ª série/6º ano são
apresentadas as funções da atmosfera e na página 142 aparece a explicação do efeito estufa dentro do subitem "A
Terra mais quente", apresentando-o como um impacto ambiental quando este é apresentado como "a queima de
combustíveis fósseis, como o carvão e os derivados de petróleo nas usinas termelétricas, nas fábricas, nos carros e
em outros meios de transporte (...) formam uma nuvem de poeira (...) os elementos mais leves ficam suspensos na
atmosfera e bloqueiam a passagem de parte dos raios infravermelhos". O tema é abordado também no volume da
7ª série/8º ano como o subitem "Globalização e meio ambiente", na página 43, quando são listadas "profundas
transformações ocorridas no meio ambiente". Dentre as sete transformações citadas na lista cinco são relacionadas
a alterações climáticas como, por exemplo, "quanto ao clima, a poluição da atmosfera e o aumento da liberação de
gás carbônico têm provocado a elevação da temperatura do planeta. Esse aumento compromete o regime de
chuvas e a circulação atmosférica".
3.

No(os) volume(es) verificado(os) há a apresentação apenas da teoria
antrópica para o Aquecimento Global (A) ou há, também a apresentação
de outras teorias sobre o aquecimento do planeta (B)?

A
B

X

Exemplos:
Na coleção prevalece a teoria antrópica sobre as mudanças climáticas recentes como, por exemplo, quando é
explicado no quadro "Fique ligado", página 44 do volume da 7ª série/8º ano, o Protocolo de Kyoto como "documento
que oficializou o compromisso dos países desenvolvidos com a redução da emissão de gases poluentes. Acreditase que esses gases, principalmente o dióxido de carbono, estejam ligados ao aquecimento global. Eles ,,segurariam
o calor na atmosfera, causando o chamado efeito estufa". Fica clara a exaltação da teoria antrópica e a
conceituação distorcida do fenômeno ,,efeito estufa. Contudo em outro quadro "Fique ligado", na página 74 do
mesmo volume, é apresentada a seguinte afirmação ao se abordar o aquecimento global: "uma parcela da
comunidade científica, no entanto, suspeita que esse aquecimento seja um fenômeno natural: faria parte de
mudanças cíclicas no clima terrestre causadas por fatores físicos, químicos e geológicos. Os regimes climáticos já
mudaram muitas vezes em tempos remotos, antes e depois da existência do ser humano". Apesar de esta
informação aparecer apenas um vez em toda a coleção, é importante sua utilização para instigar o debate com o
aluno.
Síntese do ítem:
Na coleção o aquecimento global é apresentado em dois volumes: 5ª série/6º ano e 7ª série/8º ano. O conceito de
aquecimento global se confunde com o conceito de efeito estufa, dificultando sua compreensão pelo aluno. O
fenômeno inicialmente é apresentado como natural, porém ganha conotação de impacto ambiental produzido pelo
homem. Apesar da teoria antrópica prevalecer na abordagem do tema em toda a coleção, há um momento em que
é exposta uma corrente de cientistas que têm diferentes conclusões sobre as mudanças climáticas, momento em
que o tema pode ser abordado com mais atenção e propiciar a discussão com o aluno.

150

Apêndice S ­ Ficha Ficha de avaliação da Coleção Construindo o Espaço.
Coerência e Adequação Metodológica.
3. Coerência e Adequação Metodológica/Auricchio

4.

Há coerência entre a fundamentação teórico-metodológica da Geografia
proposta com a utilizada na apresentação dos temas próprios da climatologia
relacionados com as mudanças climáticas?

SIM

NÃO
R

B

O

X
Justificativa:
De acordo com a fundamentação teórico-metodológica exposta no Manual do professor, página 6, a temática
utilizada na coleção "incorpora propostas arrojadas que, com a mediação do professor, possibilitam ao aluno
levar em consideração a dimensão espacial da sociedade" e ainda que "o aluno é estimulado a refletir sobre
as relações sociedade-natureza o âmbito das ações humanas". De acordo com a proposta da coleção são
utilizados diversos artifícios na exploração dos fenômenos climáticos, contudo, na grande maioria das
informações transmitidas sobre os fenômenos climáticos relacionados ao aquecimento global, apenas o efeito
estufa é citado, não há outras explicações para esse aquecimento, apesar de em um momento específico na
coleção ser afirmado que alguns cientistas discordam da teoria relacionada às emissões humanas de CO2. A
discussão sobre o tema deveria ser instigada nesse momento, porém a informação é apenas expositiva, não
havendo discussões posteriores.
Exemplo:
Na página 133 do volume da 5ª série/6º ano, é apresentada a explicação do efeito estufa, contudo o termo
não é utilizado "no planeta em que vivemos, a principal fonte energética ou de calor é a radiação emitida pelo
Sol. Os raios solares atravessam a atmosfera e atingem a superfície terrestre. Esta, por sua vez, funciona
como uma fonte de calor para a atmosfera, que é mais fria". A explicação é seguida de um esquema
explicativo, porém sem o nome do fenômeno. Logo após, na página 142 do mesmo volume, é afirmado que o
efeito estufa pode causar conseqüências como: "derretimento de parte das calotas polares e conseqüente
inundação de cidades litorâneas; (...) aumento da evaporação das águas e mudança nos índices
pluviométricos; mudança nos ventos, com maior ocorrência de tufões e distribuição diferente da umidade do
ar". Apenas no quadro "Fique ligado", página 74 do volume da 7ª série/8º ano, é alertado ao aluno que
existem cientistas contrários às teorias antrópicas, quando afirma que "uma parcela da comunidade científica,
no entanto, suspeita que esse aquecimento seja um fenômeno natural". Não há mais questionamentos sobre
o tema nos outros volumes da coleção
As informações básicas relacionadas aos fenômenos climáticos,
SIM
NÃO
5.
principalemente ao efeito estufa, e a precisão dos conceitos climatológicos
R
B
O
estão corretos e atualizados?
X
Justificativa:
Existem quadros de informações complementares ao longo dos capítulos,contendo informações e
questionamentos sobre os assuntos estudados e, de forma geral, estão atualizadas. Contudo, alguns
conceitos não são utilizados de forma adequada, trazendo um prejuízo para o entendimento do aluno,
principalmente sobre o efeito estufa, apresentado como principal causador aquecimento do planeta. A
explicação do fenômeno não é feita claramente prevalecendo uma conceituação superficial sobre sua relação
com o aquecimento global. Ao abordar o efeito estufa como impacto ambiental, é negligenciada toda sua
importância para o sistema climático do planeta. Desta forma prevalece a afirmação de que o CO2 é o
principal gás de estufa, sendo menosprezado o papel do vapor dágua no fenômeno, apesar de este ser
mencionado por uma vez.

151

Exemplo:
Afirmar que apenas o aumento do CO2 na atmosfera é a causa do aquecimento global, consiste em uma
suposição e não uma certeza. Contudo, na página 175 do volume da 5ª série/6º ano, é afirmado que "todas
as florestas equatoriais e tropicais são significativos reservatórios de gás carbônico (cerca de 20% do
planeta). A queima da floresta pode levar a um grande aumento na concentração desse gás, que é
considerado o principal causador do efeito estufa", deixando clara a importância do gás carbônico para o
efeito estufa. O fenômeno é explicado na página 133 do mesmo volume como sendo "A fonte de calor da
atmosfera", como um fenômeno natural.
Em seguida é abordado como conseqüência da ação humana na página 142 quando é apresentado o
aumento da temperatura na Terra após 1940, "a interferência do ser humano fica clara, já que esse período
coincide com a intensificação da industrialização em todo o mundo". A afirmação da importância do CO2 para
o aquecimento global é aparente também no volume da 7ª série/8º ano, na página 73, quando afirma que
"uma das conseqüências da intervenção humana sobre o meio ambiente é a elevação da temperatura média
global, provocada pela intensificação do efeito estufa" e continua "o problema é que o dióxido de carbono
(CO2), o metano (CH4) e o óxido nitroso (N2O), lançados principalmente pelas chaminés das indústrias, pela
queima das florestas e pelo escapamento dos automóveis, estão engrossando esse ,,cobertor".
Síntese do ítem:
Na coleção prevalece a teoria antrópica como explicação para as mudanças climáticas globais que estão
acontecendo atualmente. Contudo, é citado em apenas um momento a existência de outras teorias sobre o
aquecimento global, afirmando que a mudança pode ser natural e não causada pelo homem. A discussão
sobre o tema não é instigada nesse momento, pois a informação é apenas expositiva, não havendo
discussões posteriores. A maior parte das explicações sobre o efeito estufa são feitas de maneira distorcida,
misturando o fenômeno com o aquecimento global, dificultando sua compreensão. Ao abordar o efeito estufa
como impacto ambiental, é negligenciada toda sua importância para o sistema climático do planeta. Desta
forma prevalece a afirmação de que o CO2 é o principal gás de estufa.

152

Apêndice T ­ Ficha de avaliação da Coleção Construindo o Espaço. Aspectos
Gerais.
4. Aspectos Gerais (nível de conhecimento, valorização do saber prévio do aluno, atividades
propostas)/Auricchio
SIM
Possibilita ao aluno a articulação entre os níveis de conhecimento do senso comum e NÃO
6.

científico, abordando conteúdos que valorizam o saber prévio do aluno no processo de
aprendizagem a respeito das mudanças climáticas?

R

B

O

X
Justificativa:
As mudanças climáticas não são abordadas na coleção como parte do cotidiano dos alunos, são expostas de
maneira superficial. Apesar de apresentar informações importantes sobre o fenômeno, não são feitas discussões,
apenas afirmações que não geram o questionamento. Os níveis de conhecimento do senso comum e científico são
articulados de maneira regular em ralação aos conceitos da climatologia, pois apresentam de maneira apenas
expositiva ao aluno os fenômenos climáticos que ocorrem no planeta. As afirmações sobre a influência humana
para a ocorrência do efeito estufa prevalece na coleção sendo clara a utilização da teoria difundida pela ONU na
exploração do assunto. Informações essenciais para a conexão com o saber prévio do aluno sobre o efeito estufa
são apresentadas poucas vezes, contudo fazem-se presentes.
Exemplo:
Ao serem trabalhadas as catástrofes ocasionadas pelas mudanças climáticas, em suas grande maioria elas estão
relacionadas ao "derretimento de calotas polares", "derretimento de neve em cadeia de montanhas", "aumento da
evaporação da água", "mudança nos ventos" como apresentado na página 142 do volume da 5ª série/6º ano. O
efeito estufa apenas acontece sob a condição de que haja poluição, pois ao explicar o efeito estufa, novamente na
página 142 do mesmo volume, é afirmado que "a queima de combustíveis fósseis, como o carvão e os derivados de
petróleo (gasolina, óleo diesel, etc.) nas usinas termelétricas, nas fábricas, nos carros e em outros meios de
transporte, a queimada das florestas, os aquecedores das residências: tudo isso produz fumaça composta de gases
que formam uma espécie de ,,nuvem de poeira", e segundo a explicação, essa ,,nuvem de poeira é a responsável
pelo efeito estufa.
Na página 73 do volume da 7ª série/8º ano, é apresentado o quadro "Fique ligado" onde é explicado mais uma vez o
efeito estufa. desta vez o fenômeno é visto como "um fenômeno natural que mantém o planeta aquecido nos limites
necessários para a manutenção da vida". Ainda segundo a explicação, o calor da energia solar "é aprisionado pela
camada de gases atmosféricos, formada pelo carbono e pelo vapor de água, entre outros". Desta forma é possível
perceber a presença de informações que trazem o vapor dágua como gás de estufa, contudo na seqüência da
explicação é afirmado que "o dióxido de carbono, o metano e o óxido nitroso" estão causando o efeito estufa não
trabalhando a importância do vapor dágua.
7.

Os conteúdos são adequados e enriquecedores no intuito de ampliar as possibilidades
de expressão do aluno a respeito das mudanças climáticas?

SIM

NÃO
R

B

O

X
Justificativa:
O fenômeno do efeito estufa não é apresentado de maneira adequada, uma vez que é abordado de maneira
distorcida, sendo confundido com o aquecimento global. O fenômeno ainda é abordado de forma artificial, pois é
exaltada a dependência das ações humanas para que o fenômeno aconteça. Outras explicações que podem gerar
o debate com o aluno, são apresentadas ao longo da coleção, contudo, se apresentam de forma superficial e
expositiva dificultando o aprofundamento em suas questões. A concepção do efeito estufa como um fenômeno
natural não é explorada ao longo da coleção, sendo abordada em poucos momentos. As informações
complementares sobre as mudanças climáticas são apresentadas em poucos quadros ao longo dos capítulos que
abordam o tema.

153

Exemplo:
No capítulo 11 do volume da 5ª série/6º ano, onde são trabalhados fenômenos atmosféricos, após explicações
sobre a previsão do tempo, na página 141, onde é afirmado que "apesar dos modernos conhecimentos científicos e
da eficiente aparelhagem técnica, a previsão do tempo pode falhar. Isso acontece porque nem sempre o ar
atmosférico se movimenta conforme a previsão". Após esse explicação segue-se o subitem "A Terra mais quente"
onde é explicado o efeito estufa como causador do aquecimento e mostrando que "alguns cientistas acreditam que
até 2030 a temperatura média do planeta subirá mais 1,5 ou 2ºC". Nesse momento caberia o questionamento sobre
as previsões do tempo e as previsões sobre o aumento da temperatura. O efeito estufa é visto como natural na
página 133 deste mesmo volume, contudo não recebe este nome. Novamente o fenômeno é visto como natural na
página 73 do volume da 7ª série/8º ano que afirma "o efeito estufa é um fenômeno natural". Ao mesmo tempo em
que o quadro, na página 74, afirma que "de acordo com os cientistas do Painel Intergovernamental em Mudanças
do Clima (IPCC), da Organização das Nações Unidas, o século XX foi o mais quente dos últimos cinco" ele afirma
também que "uma parcela da comunidade científica, no entanto, suspeita que esse aquecimento seja um fenômeno
natural", possibilitando assim o debate com o aluno, gerando outros conhecimentos.
SIM
NÃO
As atividades possibilitam a articulação dos conteúdos de forma adequada para se
8.
R
B
O
atingir os objetivos propostos pelas unidades?
X
Justificativa:
Na coleção, as atividades que são propostas nos capítulos onde o clima ou os impactos ambientais na atmosfera
são trabalhados não abordam as mudanças climáticas ou o aquecimento global. Em apenas um item de um
exercício as alterações na atmosfera pelas ações humanas são questionadas. São trabalhados outros temas nas
atividades desfavorecendo a compreensão sobre o aquecimento global e a real função do efeito estufa, distorcida
ao longo da coleção. Fica, então, prejudicado o entendimento sobre as mudanças climáticas, uma vez que o tema é
abordado em dois volumes da coleção e não há exercícios ou atividades propostas para a exploração do mesmo
em nenhum momento da coleção.
Exemplo:
O tema aquecimento global ou efeito estufa é abordado nos capítulos 11 e 13 do volume da 5ª série/6º ano e nos
capítulos 3 e 5 do volume da 7ª série/8º ano, sendo apresentado como de origem natural e antrópica, prevalecendo
a segunda. Contudo, praticamente não há a presença de atividades ou exercícios voltados para a exploração do
tema com o aluno. Apenas na página 143 do primeiro volume da coleção é demandado uma atividade sobre
alterações na atmosférica "6. Consultem jornais e revistas para coletar reportagens e fotos que mostrem situações
em que houve alterações prejudiciais à atmosfera provocadas pelas atividades humanas". Essa atividade não gera
o questionamento, uma vez que as fontes da mídia são alarmistas e fortalecidas pela catástrofe. Assim o aluno terá
acesso a grande fonte de informações não oficiais, não científicas, prejudicando seu entendimento sobre o assunto.
Síntese do ítem:
Na coleção prevalecem as informações sobre os impactos ambientais ocasionados pela ação humana ao invés da
própria explicação sobre a atmosfera e sua importância para o planeta. As informações muitas vezes abrem espaço
para a contestação ou complementação, porém não são aprofundadas ao longo da coleção, sendo esquecidas. As
afirmações sobre a influência humana para a ocorrência do efeito estufa prevalece na coleção sendo utilizada a
teoria difundida pela ONU na exploração do assunto. A concepção do efeito estufa como um fenômeno natural não
é explorada ao longo da coleção, sendo abordada em poucos momentos. São trabalhados outros temas nas
atividades propostas, desfavorecendo o entendimento sobre o aquecimento global e a real função do efeito estufa,
distorcida ao longo da coleção ao ser confundida com o próprio aquecimento global.

154

Apêndice U ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia ­ Espaço e Vivência.
Descrição sumária da coleção.
1. Descrição Sumária da Coleção: Geografia - Espaço e Vivência/Boligian
Sumário do conteúdo de cada volume da coleção (identificar as partes, os capítulos e indicar
o número de páginas de cada livro).
A coleção é composta de quatro volumes e destina-se ao Ensino Fundamental de 5ª a 8ª séries.
O volume da 5ª série/6º ano possui 208 páginas e é composto por 6 unidades, subdivididas em 18 capítulos: Unidade 1 ­
Representação do espaço geográfico: Capítulo 1 ­ Orientação e localização; Capítulo 2 ­ Os mapas; Capítulo 3 ­ A
linguagem dos mapas e dos gráficos. Unidade 2 ­ Planeta Terra: Capítulo 4 ­ A Terra e o Universo; Capítulo 5 ­
Movimentos da Terra; Capítulo 6 ­ Terra, planeta da vida. Unidade 3 ­ Litosfera: Capítulo 7 ­ Do interior à superfície
terrestre; Capítulo 8 ­ O relevo e suas formas; Capítulo 9 ­ Formação e transformação do relevo; Capítulo 10 ­ Os minerais
são recursos da natureza. Unidade 4 ­ Hidrosfera: Capítulo 11 ­ Águas continentais; Capítulo 12 ­ Águas oceânicas;
Unidade 5 ­ Atmosfera: Capítulo 13 ­ A atmosfera e seus fenômenos; Capítulo 14 ­ Tipos de clima; Capítulo 15 ­ Poluição
atmosférica e clima. Unidade 6 ­ Natureza e sociedade: Capítulo 16 ­ As paisagens e a sociedade; Capítulo 17 ­ As
atividades econômicas; Capítulo 18 ­ População brasileira.
O volume da 6ª série/7º ano possui 208 páginas e é composto por 9 unidades, subdivididas em 21 capítulos: Unidade 1 ­ O
território brasileiro ­ Características gerais: Capítulo 1 ­ Brasil: território, fronteiras e organização territorial; Capítulo 2 ­ O
território brasileiro e suas regiões. Unidade 2 ­ População brasileira: Capítulo 3 ­ Crescimento da população brasileira;
Capítulo 4 ­ Estrutura da população brasileira; Capítulo 5 ­ Distribuição da população brasileira. Unidade 3 ­ Espaço rural
brasileiro: Capítulo 6 ­ A agropecuária e a exploração dos recursos naturais brasileiros; Capítulo 7 ­ O trabalho e a terra
no espaço rural brasileiro. Unidade 4 ­ Espaço urbano brasileiro: Capítulo 8 ­ Organização do espaço nas cidades
brasileiras; Capítulo 9 ­ A urbanização brasileira. Unidade 5 ­ Região Nordeste: Capítulo 10 ­ O Nordeste e suas subregiões; Capítulo 11 ­ O Nordeste e seus contrastes socioeconômicos. Unidade 6 ­ Região Sudeste: Capítulo 12 ­ O
processo de industrialização do Sudeste; Capítulo 13 ­ As relações entre o rural e o urbano no Sudeste; Capítulo 14 ­
Sudeste: paisagens intensamente transformadas. Unidade 7 ­ Região Sul: Capítulo 15 ­ O Sul e seus habitantes; Capítulo
16 ­ A agropecuária moderna e o impulso industrial no Sul. Unidade 8 ­ Região Norte: Capítulo 17 ­ A região Norte e a
Amazônia; Capítulo 18 ­ Uma fronteira agropecuária e industrial; Capítulo 19 ­ A população da região Norte. Unidade 9 ­
Região Centro-Oeste: Capítulo 20 ­ Ocupação e povoamento do Centro-Oeste; Capítulo 21 ­ A integração econômica do
Centro-Oeste.
O volume da 7ª série/8º ano possui 224 páginas e é composto por 6 unidades, subdivididas em 17 capítulos: Unidade 1 ­ A
construção do espaço geográfico: Capítulo 1 ­ A natureza, seus fenômenos e a transformação do espaço; Capítulo 2 ­ O
trabalho e a transformação da natureza e do espaço geográfico. Unidade 2 ­ A organização do espaço geográfico
mundial: Capítulo 3 ­ Espaço, poder e territórios nacionais; Capítulo 4 ­ Transformações recentes no cenário mundial;
Capítulo 5 ­ Um mundo fragmentado, porém globalizado. Unidade 3 ­ A regionalização do mundo contemporâneo: Capítulo
6 ­ Como regionalizar o espaço geográfico mundial; Capítulo 7 ­ O mundo desenvolvido e o mundo subdesenvolvido.
Unidade 4 ­ América Latina: Capítulo 8 ­ Ocupação e povoamento da América Latina; Capítulo 9 ­ O subdesenvolvimento
no espaço geográfico da América Latina; Capítulo 10 ­ América Latina: influências externas e problemas de integração.
Unidade 5 ­ África: Capítulo 11 ­ As raízes do subdesenvolvimento africano; Capítulo 12 ­ A apropriação dos recursos
naturais e a fome na África; Capítulo 13 ­ Indústria, urbanização e movimentos populacionais na África. Unidade 6 ­ Ásia:
Capítulo 14 ­ Colonização e descolonização na da Ásia; Capítulo 15 ­ O Oriente Médio; Capítulo 16 ­ O Sudeste da Ásia e
os Tigres Asiáticos; Capítulo 17 ­ A Índia e a China.
O volume da 8ª série/9º ano possui 224 páginas e é composto de 6 unidades, subdivididas em 18 capítulos: Unidade 1 ­
Os espaços da globalização: Capítulo 1 ­ A revolução tecnológica e os espaços da globalização; Capítulo 2 ­ A dinâmica
dos espaços da globalização; Capítulo 3 ­ Fluxos populacionais: o caso das migrações internacionais. Unidade 2 ­
Consumo, meio ambiente e desigualdades no espaço mundial: Capítulo 4 ­ O capitalismo e a sociedade de consumo;
Capítulo 5 ­ Meio ambiente e problemática ecológica; Capítulo 6 ­ Globalização, desenvolvimento e subdesenvolvimento.
Unidade 3 ­ América Desenvolvida: Capítulo 7 ­ Estados Unidos: superpotência mundial; Capítulo 8 ­ O espaço geográfico
norte-americano; Capítulo 9 ­ Canadá: sociedade multicultural e potência econômica. Unidade 4 ­ Europa Desenvolvida:
Capítulo 10 ­ Questões populacionais na Europa desenvolvida; Capítulo 11 ­ A organização do espaço geográfico
europeu; Capítulo 12 ­ A União Européia. Unidade 5 ­ Países ex-socialistas da Europa e da Ásia: Capítulo 13 ­ Do império
russo à formação e à desagregação da União Soviética; Capítulo 14 ­ Rússia: uma potência em crise; Capítulo 15 ­ Leste
Europeu e países da CEI. Unidade 6 ­ Países desenvolvidos da Bacia do Pacífico e regiões polares: Capítulo 16 ­ Japão:
gigante do Oriente; Capítulo 17 ­ Austrália e Nova Zelândia; Capítulo 18 ­ As regiões polares.
Ao final dos volumes há um pequeno encarte com projetos e temas especiais. Após são apresentadas sugestões de
livros, revistas e sites da internet para o aluno. Nota-se a presença de um mapa-múndi político e um mapa do Brasil político
após as sugestões, seguidos da bibliografia utilizada pelos autores. Ao final são apresentados os créditos das imagens
utilizadas no volume, com sua respectiva página. Não há um glossário nos volumes da coleção.

155

Apêndice V ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia ­ Espaço e Vivência.
Abordagem dos temas aquecimento global e mudanças climáticas.
Coleção: Geografia - Espaço e Vivência/Boligian
2. Quanto à abordagem dos temas Aquecimento Global e Mudanças Climáticas

1.

A coleção trabalha o temas "Aquecimento Global" e "Mudanças
Climáticas"? Se sim, em quais volumes?

2.

No(os) volume(es) em que se encontra o tema, em que momento ele é
abordado, ao se trabalhar os fenômenos climáticos (C) ou os impactos
ambientais (I)?

NÃO

SIM
5ª/6º 6ª/7º 7ª/8º 8ª/9º
X
X

C
I

X

Exemplo:
A maior parte das informações apresentadas na coleção sobre o tema encontra-se no volume da 5ª série/6º ano
quando é trabalhada a atmosfera, contudo, ao abordar a poluição atmosférica na página 136, é afirmado que "o
aumento da poluição atmosférica tem gerado fenômenos danosos ao meio ambiente, como a chuva ácida, o buraco
na camada de ozônio, o efeito estufa e a inversão térmica". Desta forma o fenômeno do efeito estufa é confundido
com o aquecimento global. o fenômeno é novamente abordado como problema ambiental na página 185 do volume
da 8ª série/9º ano quando é trabalhada a região polar "outros sérios problemas que afetam as regiões polares são o
efeito estufa e o buraco na camada de ozônio", confirmando a conotação de problema ambiental dada ao efeito
estufa.
3.

No(os) volume(es) verificado(os) há a apresentação apenas da teoria
antrópica para o Aquecimento Global (A) ou há, também a apresentação
de outras teorias sobre o aquecimento do planeta (B)?

A

X

B

Exemplos:
Ao longo da coleção o tema é pouco abordado apresentado em sua totalidade como impacto ambiental resultante
das ações humanas. A teoria antrópica para o aquecimento global é evidente na coleção, quando é afirmado, na
página 138 do volume da 5ª série/6º ano, que o efeito estufa é um fenômeno natural "porém, estudos indicam que o
efeito estufa tem se acentuado a partir do século XX devido à ação humana", mostrando a influência da teoria
antrópica na formulação do texto. No volume da 8ª série/9º ano, na página 185, ainda é afirmado que "o efeito
estufa é um fenômeno acentuado pelo lançamento excessivo de gases na atmosfera, os quais impedem a refração
dos raios solares, levando a um rápido aumento de temperatura no planeta".
Síntese do ítem:
Na coleção o aquecimento global é apresentado em dois volumes: 5ª série/6º ano e 8ª série/9º ano. A compreensão
do aluno sobre as mudanças climáticas é dificultada, pois o conceito de aquecimento global se confunde com o
conceito de efeito estufa. O fenômeno é apresentado como natural, porém ao mesmo tempo ganha conotação de
impacto ambiental produzido pelo homem. A teoria antrópica prevalece na abordagem do tema em toda a coleção,
não havendo nenhum momento em que é exposta uma corrente de cientistas que têm diferentes conclusões sobre
as mudanças climáticas.

156

Apêndice W ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia ­ Espaço e Vivência.
Coerência e Adequação Metodológica.
3. Coerência e Adequação Metodológica/Boligian

4.

Há coerência entre a fundamentação teórico-metodológica da Geografia
proposta com a utilizada na apresentação dos temas próprios da climatologia
relacionados com as mudanças climáticas?

SIM

NÃO
R

B

O

X
Justificativa:
De acordo com as propostas teórico-metodológicas apresentadas no manual do professor, na página 6, os
conteúdos que são propostos estão estruturados na interação entre aluno, professor e livro, e "essa
interatividade é proporcionada por meio dos diversos questionamentos nas páginas de conteúdo, os quais
resgatam o conhecimento prévio dos alunos, estimulam a exposição de opiniões e a participação". A coleção
utiliza diversos artifícios para proporcionar a explicação ao aluno de maneira clara, contudo alguns termos
são confundidos ou misturados quando apresentados, dificultando a compreensão do aluno. Na maioria dos
capítulos há diversos quadros com perguntas referentes ao assunto abordado, viabilizando o debate e o
questionamento. No entanto, os fenômenos relacionados ao aquecimento global são pouco trabalhados no
decorrer da coleção, não apresentando muitos subsídios ao aluno na tentativa de gerar discussões sobre o
assunto.
Exemplo:
No volume da 5ª série/6º ano, inicialmente o efeito estufa é abordado como um problema ambiental quando é
afirmado, na página 136, que "o aumento da poluição atmosférica tem gerado fenômenos danosos ao meio
ambiente, como a chuva ácida, o buraco na camada de ozônio, o efeito estufa e a inversão térmica" e logo
em seguida na página 138, é apresentado que "o efeito estufa é um fenômeno natural que não permite que a
atmosfera da Terra se resfrie de modo excessivo". Desta forma o fenômeno pode ser apreendido pelo aluno
de forma dúbia, levando a uma compreensão distorcida do tema. Mais uma vez o fenômeno é confundido
com o próprio aquecimento global quando no volume da 8ª série/9º ano, página 52, ao ser apresentada a
hipótese de Gaia, são descritos alguns desequilíbrios ambientais no planeta, "uma das principais
preocupações diz respeito ao chamado aquecimento global, ou efeito estufa". Afirmações como essas tornam
difícil a compreensão dos fenômenos climáticos, pois são trabalhados de forma muito superficial.
As informações básicas relacionadas aos fenômenos climáticos,
SIM
NÃO
5.
principalemente ao efeito estufa, e a precisão dos conceitos climatológicos
R
B
O
estão corretos e atualizados?
X
Justificativa:
Dois fenômenos considerados naturais são abordados nos momentos em que os impactos ambientais são
trabalhados com o aluno. Esses fenômenos são apresentados como dependentes das ações humanas, não
acontecendo naturalmente no planeta. Assim as informações transmitidas tornam-se distorcidas e incorretas,
prejudicando a compreensão do aluno sobre os fenômenos climáticos. Apesar da explicação do efeito estufa
exaltar que ele é um fenômeno natural, é atribuído exclusivamente a ele impactos na sociedade relacionados
às mudanças climáticas. Não há muitas informações complementares que contribuam para a compreensão
dos fenômenos climáticos relacionados ao aquecimento global, as poucas que existem são taxativas e
apenas discursivas. Assim prevalece a teoria sobre a intensificação do CO2 na atmosfera como principal
fonte para o aquecimento global.

157

Exemplo:
A inversão térmica, um fenômeno natural, é apresentada na página 139 do volume da 5ª série/6º ano como
impacto ambiental, porém a explicação é natural "a inversão térmica ocorre quando uma camada de ar frio,
posicionada sobre uma cidade, é repentinamente encoberta por uma camada de ar quente, que a aprisiona",
desta forma não é possível compreender nenhuma ação humana para que o fenômeno aconteça. O "efeito
estufa é um fenômeno natural (...), porém, estudos indicam que o efeito estufa tem se acentuado no século
XX devido à ação humana, que provoca a emissão exagerada de poluentes na atmosfera, sobretudo o gás
carbônico". Outro momento em que os gases antrópicos são apresentados como causa do aquecimento
global acontece na página 52 do volume da 8ª série/9º ano, onde é afirmado que "aquecimento global, ou
efeito estufa, fenômeno que se caracteriza pelo aumento da temperatura média do planeta, causado,
principalmente, pelos poluentes atmosféricos expelidos pelas indústrias e veículos automotores".
Síntese do ítem:
Nos volumes da coleção há diversos quadros com perguntas referentes ao assunto que está sendo
abordado, incentivando o debate e o questionamento. Contudo, os fenômenos climáticos relacionados ao
aquecimento global são pouco trabalhados no decorrer da coleção, não apresentando muitos subsídios ao
aluno na tentativa de gerar discussões sobre o assunto. A coleção não segue o que propõe nos aspectos
teóricos ou metodológicos, pois as informações sobre as mudanças climáticas são superficiais e pouco
explicativas. Abordar o efeito estufa como um impacto ambiental torna as informações distorcidas e
incorretas, prejudicando a compreensão do aluno sobre os fenômenos climáticos. Apesar da explicação do
efeito estufa exaltar que ele é um fenômeno natural, ao mesmo tempo lhe são atribuídos impactos na
sociedade relacionados às mudanças climáticas. Prevalece na coleção a teoria sobre a intensificação
antrópica do CO2 na atmosfera como principal fonte para o aquecimento global.

158

Apêndice X ­ Ficha de avaliação da Coleção Geografia ­ Espaço e Vivência.
Aspectos Gerais.
4. Aspectos Gerais (nível de conhecimento, valorização do saber prévio do aluno, atividades
propostas)/Boligian
SIM
Possibilita ao aluno a articulação entre os níveis de conhecimento do senso comum e NÃO
6.

científico, abordando conteúdos que valorizam o saber prévio do aluno no processo de
aprendizagem a respeito das mudanças climáticas?

R

B

O

X
Justificativa:
Não é transmitida na coleção a real importância do efeito estufa para a manutenção da vida no planeta, sendo
focada toda a explicação do fenômeno como um impacto causado pelas ações humanas e que precisa ser
corrigido. Nesse sentido não há a interação com os conhecimentos dos alunos uma vez que a informação é apenas
apresentada e não discutida como a fonte de calor da atmosfera. O estudo da atmosfera não é explorado de
maneira a possibilitar um melhor entendimento dos fenômenos que geram o aquecimento da Terra, as explicações
são pontuais e superficiais, não gerando o debate com o aluno. Prevalecem as afirmações da teoria antrópica do
aquecimento do planeta, não havendo outras teorias expostas para a discussão com o aluno. Informações
essenciais para a conexão com o saber prévio do aluno sobre o aquecimento global são apresentadas poucas
vezes, contudo fazem-se presentes.
Exemplo:
A explicação do aquecimento da atmosfera é feita de forma satisfatória na página 119 do volume da 5ª série/6º ano,
quando trabalha a "temperatura atmosférica" e afirma que "o aquecimento da atmosfera é feito, em sua maior parte,
de maneira indireta. Isso quer dizer que primeiro ocorre o aquecimento da superfície terrestre; em seguida, a
superfícies emite o calor da radiação solar para o ar atmosférico, aquecendo-o". À explicação é essencial para a
compreensão de como a Terra se aquece, contudo essa explicação não é repetida no decorrer da coleção. Essa
explicação deveria ser reafirmada no momento em que é trabalhado o "efeito estufa", na página 138, pois este é
dividido em "efeito estufa natural" e "efeito estufa artificial", mas, no entanto, é valorizada a explicação do efeito
estufa artificial. Existem informações sobre o aquecimento global no ultimo volume da coleção, contudo apenas
superficialmente e em dois momentos na página 52 ao ser abordado o tema "Meio ambiente e problemática
ecológica", e ao ser estudada a região polar na página 185. Em ambos os momentos a teoria antrópica está
presente nas afirmações feitas.
SIM
NÃO
Os conteúdos são adequados e enriquecedores no intuito de ampliar as possibilidades
7.
R
B
O
de expressão do aluno a respeito das mudanças climáticas?
X
Justificativa:
Apesar de ser apresentado de maneira distorcida na coleção o conceito de efeito estufa é apresentado também,
dividido em duas categorias. Desta forma torna-se enriquecedor, pois é capaz de gerar a discussão e o debate com
o aluno. Ao mesmo tempo em que o fenômeno é abordado dessa maneira, em outros momentos ele se confunde
com o próprio aquecimento global, sendo apresentado como um impacto devido ações humanas, não sendo
atribuídas a ele origens naturais. No entanto, torna-se mais fácil a compreensão do aluno sobre o fenômeno, pois é
apresentada uma explicação satisfatória do efeito estufa que, contudo, não permanece ao longo da coleção essa
explicação, prevalecendo a teoria das emissões antrópicas de gases para o aquecimento da temperatura do
planeta. Não são exploradas outras teorias a respeito das mudanças climáticas, desfavorecendo o questionamento
do aluno sobre o assunto.

159

Exemplo:
O fenômeno de aquecimento da temperatura é explicado na página 119 do volume da 5ª série/6º ano como um
fenômeno natural e necessário. O efeito estufa é apresentado na página 139 do mesmo volume como "um
fenômeno natural", mas afirma também que "estudos indicam que o efeito estufa tem se acentuado a partir do
século XX devido à ação humana". O efeito estufa é dividido em dois em um quadro na mesma página 139. A
imagem explicativa no quadro mostra dois tipos de efeito estufa: um natural e um artificial. O efeito estufa natural é
explicado como a ação da redoma natural que cobre a Terra "essa redoma retém parte do calor refletido pela
superfície terrestre, mantendo a temperatura média da Terra em torno de 15ºC. o restante do calor é irradiado para
o espaço" na explicação do efeito estufa artificial é afirmado que "a excessiva quantidade de gases produzida pelas
atividades humanas acumula-se na atmosfera (...) intensificando o efeito estufa e aumentando a temperatura média
do planeta". Essa explicação é satisfatória, pois apresenta os dois tipos de efeito estufa, apesar de não serem
salientadas outras formas de intensificação do fenômeno por meios naturais. No ultimo volume da coleção o
aquecimento global é confundido com o efeito estufa quando é afirmado, na página 52, que "uma das principais
preocupações diz respeito ao chamado aquecimento global, ou efeito estufa".
SIM
NÃO
As atividades possibilitam a articulação dos conteúdos de forma adequada para se
8.
R
B
O
atingir os objetivos propostos pelas unidades?
X
Justificativa:
De certa forma, as informações contidas ao longo da coleção favorecem a teoria antrópica sobre as mudanças
climáticas. Contudo, em alguns momentos são apresentadas informações capazes de gerar o questionamento no
aluno. Apesar de o tema ser abordado em dois volumes da coleção, os exercícios sobre o aquecimento global ou
mesmo o efeito estufa são muito poucos, e quando são apresentados, na maioria das vezes são taxativos e não
questionadores. Desta maneira, o debate proposto pelas atividades não acontece, prejudicando a compreensão de
um assunto tão comentado atualmente como as mudanças climáticas. Apenas em um momento existe a
formulação de uma questão capaz de gerar o debate.
Exemplo:
O tema é abordado em apenas 3 capítulos de dois volumes em toda a coleção. Desta forma não são muitos os
exercícios propostos para a discussão do tema. Na página 138 do volume da 5ª série/6º ano após a explicação
sobre os dois tipos de efeito estufa (natural e artificial) aparece em um quadro destacado a proposta "sabendo das
causas que provocam o efeito estufa, enumere algumas medidas que podem ser tomadas para combater esse
problema ambiental". Essa atividade aborda o efeito estufa novamente como impacto ambiental, e não fornece
subsídios para a explicação das causas do efeito estufa natural, apenas do artificial ao longo da explicação anterior,
desfavorecendo a compreensão do tema pelo aluno. Contudo, na página 141 do mesmo volume, o exercício 4 no
subitem "Questões de compreensão" propõe uma abordagem mais científica sobre o efeito estufa quando pergunta
"O efeito estufa é um fenômeno provocado apenas pelas atividades humanas? Explique". Esse tipo de pergunta
ínsita o debate, pois é questionadora e não taxativa. Entretanto, nas atividades propostas pela "Análise de texto", na
página 186 do volume da 8ª série/9º ano, ao trabalhar um texto com o título "Fome no gelo" é atribuído ao
aquecimento global a causa da falta de alimentos para os ursos polares, favorecendo sua extinção. No texto é
afirmado que "por causa do aquecimento global, o clima do Ártico está sofrendo mudanças drásticas como a
diminuição da quantidade de gelo" após informações alarmantes sobre o futuro dos ursos polares são feitas 5
perguntas e a número 1 apresenta "De que problema ambiental o texto trata?". Essa pergunta apenas perpetua o
que foi afirmado no texto não gera nenhum questionamento ao aluno.
Síntese do ítem:
Não é transmitida na coleção a real importância do efeito estufa para a manutenção da vida no planeta, sendo
focada toda a explicação do fenômeno como um impacto causado pelas ações humanas e que precisa ser
corrigido. Nesse sentido não há a interação com os conhecimentos dos alunos uma vez que a informação é apenas
apresentada e não discutida como a fonte de calor da atmosfera. É apresentada uma explicação satisfatória do
efeito estufa que, contudo, não permanece ao longo da coleção essa explicação, prevalecendo a teoria das
emissões antrópicas de gases para o aquecimento da temperatura do planeta. Apesar de o tema ser abordado em
dois volumes da coleção, os exercícios sobre o aquecimento global ou mesmo o efeito estufa são muito poucos, e
quando são apresentados, na maioria das vezes são taxativos e não questionadores. Desta maneira, o debate
proposto pelas atividades não acontece, prejudicando a compreensão de um assunto tão comentado atualmente
como as mudanças climáticas.

160

Apêndice X ­ Glossário.
A
Aerossóis: minúsculas partículas em suspensão na atmosfera que, conjuntamente
com os gases atmosféricos, atuam como atenuadores da energia radiante.
Albedo: porcentagem de energia solar refletida em relação à incidente.
Antrópico: feito pelo ser humano.
F
Flutuação climática: correspondente a qualquer forma de mudança sistemática,
regular ou irregular, caracterizada pelo menos por duas máximas (ou mínimas) e
uma mínima (ou máxima) observada no período de registro.
I
Ilha de calor: fenômeno no qual as temperaturas numa região urbanizada são
consistentemente mais elevadas do que as das áreas circunvizinhas, pelo efeito da
ação antrópica.
M
Mudança climática: termo mais geral, que abrange toda e qualquer manifestação
de inconstância climática, independente de sua natureza estatística, escala temporal
ou causas físicas.
O
Oscilação climática: é uma flutuação na qual a variável tende a se mover gradual e
suavemente entre máximas e mínimas sucessivas.
P
Periodicidade climática: oscilação em que as máximas e as mínimas ocorrem a
intervalos de tempo regulares, por exemplo, 26 anos.
R
Radiação de ondas longas: tipo de radiação eletromagnética que apresenta grande
comprimento de onda, identificada a partir do infravermelho.

161

V
Variabilidade climática: maneira pela qual variáveis climáticas variam no interior de
um determinado período de registro, expressas através de desvio padrão ou
coeficiente de variação.
Variação climática: é uma flutuação cujas características, em escala temporal, são
suficientemente longas para resultar em diferença apreciável entre médias (ou
normais) sucessivas, geralmente observada na escala de décadas.

Livros Grátis
( http://www.livrosgratis.com.br )
Milhares de Livros para Download:
Baixar livros de Administração
Baixar livros de Agronomia
Baixar livros de Arquitetura
Baixar livros de Artes
Baixar livros de Astronomia
Baixar livros de Biologia Geral
Baixar livros de Ciência da Computação
Baixar livros de Ciência da Informação
Baixar livros de Ciência Política
Baixar livros de Ciências da Saúde
Baixar livros de Comunicação
Baixar livros do Conselho Nacional de Educação - CNE
Baixar livros de Defesa civil
Baixar livros de Direito
Baixar livros de Direitos humanos
Baixar livros de Economia
Baixar livros de Economia Doméstica
Baixar livros de Educação
Baixar livros de Educação - Trânsito
Baixar livros de Educação Física
Baixar livros de Engenharia Aeroespacial
Baixar livros de Farmácia
Baixar livros de Filosofia
Baixar livros de Física
Baixar livros de Geociências
Baixar livros de Geografia
Baixar livros de História
Baixar livros de Línguas

Baixar livros de Literatura
Baixar livros de Literatura de Cordel
Baixar livros de Literatura Infantil
Baixar livros de Matemática
Baixar livros de Medicina
Baixar livros de Medicina Veterinária
Baixar livros de Meio Ambiente
Baixar livros de Meteorologia
Baixar Monografias e TCC
Baixar livros Multidisciplinar
Baixar livros de Música
Baixar livros de Psicologia
Baixar livros de Química
Baixar livros de Saúde Coletiva
Baixar livros de Serviço Social
Baixar livros de Sociologia
Baixar livros de Teologia
Baixar livros de Trabalho
Baixar livros de Turismo