JANEIRO / 2010

18
ÁREA DE CONHECIMENT
O:
CONHECIMENTO:
GEOGRAFIA
LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.
01

-

Você recebeu do fiscal o seguinte material:
a) este caderno, com o enunciado das 70 questões objetivas, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição:

LÍNGUA
PORTUGUESA
Questões
Pontos
1 a 10
1,0
-

RACIOCÍNIO LÓGICO
QUANTITATIVO
Questões
Pontos
21 a 30
0,7
-

LÍNGUA
INGLESA
Questões Pontos
11 a 20
0,8
-

CONHECIMENTO ESPECÍFICO
Questões
31 a 40
41 a 50

Pontos
1,0
1,5

Questões
51 a 60
61 a 70

Pontos
2,0
3,0

b) 1 CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas às questões objetivas formuladas nas provas.
02

-

Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃORESPOSTA. Caso contrário, notifique IMEDIATAMENTE o fiscal.

03

-

Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, preferivelmente a
caneta esferográfica de tinta na cor azul ou preta.

04

-

No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e
preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de preferência de tinta
na cor preta, de forma contínua e densa. A LEITORA ÓTICA é sensível a marcas escuras; portanto, preencha os
campos de marcação completamente, sem deixar claros.
Exemplo:

A

C

D

E

05

-

Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR.
O CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens superior ou inferior BARRA DE RECONHECIMENTO PARA LEITURA ÓTICA.

06

-

Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E);
só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em
mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA.

07

-

As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado.

08

-

SERÁ ELIMINADO do Concurso Público o candidato que:
a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores,
headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie;
b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA;
c) se recusar a entregar o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA quando terminar o tempo estabelecido.

09

-

Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no
Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA.

10

-

Quando terminar, entregue ao fiscal O CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA e ASSINE A LISTA DE
PRESENÇA.
Obs. O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das
mesmas. Por motivo de segurança, ao candidato somente será permitido levar seu CADERNO DE QUESTÕES faltando
1 (uma) hora ou menos para o término das provas.

11

-

O TEMPO DISPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETIVAS É DE 4 (QUATRO) HORAS e
30 (TRINTA) MINUTOS, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o CARTÃO-RESPOSTA.

12

-

As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das
mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRIO (http://www.cesgranrio.org.br).

2
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

LÍNGUA PORTUGUESA

40

Considere o texto a seguir para responder às questões
de nos 1 a 4.
Texto I

45

TITANIC NEGREIRO

5

10

15

20

25

30

35

O Brasil é um navio negreiro em direção ao futuro.
Um negreiro, com milhões de pobres excluídos nos
porões ­ sem comida, educação, saúde ­ e uma elite
no convés, usufruindo de elevado padrão de consumo
em direção a um futuro desastroso. O Brasil é um Titanic
negreiro: insensível aos porões e aos icebergs. Porque
nossa economia tem sido baseada na exclusão social
e no curto prazo.
[...]
Durante toda nossa história, o convés jogou restos
para os porões, na tentativa de manter uma mão de obra
viva e evitar a violência. Fizemos uma economia para
poucos e uma assistência para enganar os outros. [...]
O sistema escravocrata acabou, mas continuamos
nos tempos da assistência, no lugar da abolição. A economia brasileira, ao longo de nossa história, desde 1888
e sobretudo nas últimas duas décadas, em plena democracia, não é comprometida com a abolição. No
máximo incentiva a assistência. Assistimos meninos de
rua, mas não nos propomos a abolir a infância abandonada; assistimos prostitutas infantis, mas nem ao menos acreditamos ser possível abolir a prostituição de
crianças; anunciamos com orgulho que diminuímos o
número de meninos trabalhando, mas não fazemos o
esforço necessário para abolir o trabalho infantil; dizemos ter 95% das crianças matriculadas, esquecendo
de pedir desculpas às 5% abandonadas, tanto quanto
se dizia, em 1870, que apenas 70% dos negros eram
escravos.
[...]Na época da escravidão, muitos eram a favor da
abolição, mas diziam que não havia recursos para atender o direito adquirido do dono, comprando os escravos antes de liberá-los. Outros diziam que a abolição
desorganizaria o processo produtivo. Hoje dizemos o
mesmo em relação aos gastos com educação, saúde,
alimentação do nosso povo. Os compromissos do setor
público com direitos adquiridos não permitem atender
às necessidades de recursos para educação e saúde
nos orçamentos do setor público.

Uma economia da abolição tem a obrigação de zelar pela estabilidade monetária, porque a inflação pesa
sobretudo nos porões do barco Brasil; não é possível
tampouco aumentar a enorme carga fiscal que já pesa
sobre todo o país; nem podemos ignorar a força dos
credores. Mas uma nação com a nossa renda nacional,
com o poder de arrecadação do nosso setor público,
tem os recursos necessários para implementar uma
economia da abolição, a serviço do povo, garantindo
educação, saúde, alimentação para todos. [...]
BUARQUE, Cristovam. O Globo. 03 abr. 03.

1
A ideia central do artigo baseia-se na visão de que é
preciso estabelecer uma "economia da abolição", dando
acesso a todos, evitando, assim, uma política
assistencialista e excludente.
Qual dos trechos do artigo transcritos a seguir NÃO
apresenta o argumento de consistência compatível com
essa tese?
(A) "Porque nossa economia tem sido baseada na exclusão social e no curto prazo." (l. 6-8)
(B) "A economia brasileira, [...] sobretudo nas últimas duas
décadas, em plena democracia, não é comprometida
com a abolição." (l. 15-18)
(C) "muitos eram a favor da abolição, mas diziam que não
havia recursos para atender o direito adquirido do dono,
comprando os escravos antes de liberá-los." (l. 30-33)
(D) "Os compromissos do setor público [...] não permitem
atender às necessidades de recursos para educação
e saúde nos orçamentos do setor público." (l. 36-39)
(E) "...uma nação com a nossa renda nacional, [...]tem os
recursos necessários para implementar uma economia
da abolição," (l. 45-48)

2
O articulista parte de uma associação que é explicitada
pelo título do texto. Tal associação, envolvendo o Titanic e
o período histórico brasileiro escravocrata, revela uma estratégia discursiva que visa a provocar no leitor uma reação de
(A) revolta.
(B) descaso.
(C) conscientização.
(D) complacência.
(E) acomodação.

3
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

3

5

"O Brasil é um Titanic negreiro: insensível aos porões e
aos icebergs". (l. 5-6)

Analise as afirmações a seguir.

A relação de sentido que os dois pontos estabelecem, ligando as duas partes, visa a introduzir uma
(A) ideia de alternância entre as duas partes da frase.
(B) ideia que se opõe àquela dada anteriormente.
(C) adição ao que foi sugerido na primeira parte da frase.
(D) conclusão acerca do que foi mencionado antes.
(E) explicação para a visão assumida na primeira parte
da frase.

Há uma inadequação quanto à concordância nominal em
relação ao termo "seguradas", no último parágrafo do texto.

PORQUE
O termo com valor de adjetivo, posposto, quando se refere
a substantivos de gêneros diferentes, deve concordar ou
no masculino ou com o mais próximo, portanto a concordância adequada seria segurados.

4
"A economia brasileira [...], em plena democracia, não é
comprometida com a abolição." (l. 15-18).
Nos dicionários, a palavra "abolição" assume o sentido de
extinção, de supressão. No texto, essa palavra alarga seu
sentido e ganha o valor de
(A) exclusão.
(B) legitimação.
(C) regulamentação.
(D) inclusão.
(E) abonação.

A esse respeito conclui-se que
(A) as duas afirmações são verdadeiras e a segunda justifica a primeira.
(B) as duas afirmações são verdadeiras e a segunda não
justifica a primeira.
(C) a primeira afirmação é verdadeira e a segunda é falsa.
(D) a primeira afirmação é falsa e a segunda é verdadeira.
(E) as duas afirmações são falsas.

Considere o texto a seguir para responder às questões
de nos 5 e 6.

6
Texto II

"Ambos vêm promovendo poluição visual, instalando faixas e cartazes irregularmente em várias áreas do Rio de
Janeiro e em outras cidades do estado." (l. 4-6).

CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA OAB/RJ ESTÃO
VIOLANDO REGRAS DE PROPAGANDA
Campanha das duas chapas causa
poluição visual em várias cidades

5

10

15

A segunda oração do período pode ser substituída, sem a
alteração de sentido, por Ambos vêm promovendo poluição visual...
(A) caso instalem faixas e cartazes irregularmente em várias áreas do Rio de Janeiro e em outras cidades do
estado.
(B) uma vez que instalam faixas e cartazes irregularmente em várias áreas do Rio de Janeiro e em outras cidades do estado.
(C) logo instalam faixas e cartazes irregularmente em várias áreas do Rio de Janeiro e em outras cidades do
estado.
(D) entretanto instalam faixas e cartazes irregularmente em
várias áreas do Rio de Janeiro e em outras cidades do
estado.
(E) ainda que instalem faixas e cartazes irregularmente em
várias áreas do Rio de Janeiro e em outras cidades do
estado.

Os dois principais candidatos à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seção Rio de Janeiro, estão violando as regras de propaganda eleitoral
em vigor. Ambos vêm promovendo poluição visual,
instalando faixas e cartazes irregularmente em várias
áreas do Rio de Janeiro e em outras cidades do estado.
O material pode ser visto preso em passarelas,
fincado nos jardins do Aterro do Flamengo, em vários
pontos da orla marítima e na esquina das Avenidas Rio Branco e Almirante Barroso, entre outros
locais. [...]
O próprio presidente da Comissão eleitoral da
OAB/RJ disse ontem que a propaganda tem que ser
móvel:
­ Faixas e cartazes são permitidos desde que
estejam sendo segurados por pessoas. Esse material
não pode ser fixo ­ disse ele [...]
O Globo. 11 nov. 09. (Adaptado)

4
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

Considere o texto a seguir para responder às questões
de nos 7 a 9.

7

Texto III

Essa estratégia tem como objetivo

A crônica se inicia negando a tese da "Teoria da Evolução".
(A) atrair a atenção do leitor, pois apresenta sua tese logo

OS VENENOSOS

5

10

15

20

25

30

35

40

45

no começo.
(B) contrastar de maneira lúdica o início do texto e o seu final.

O veneno é um furo na teoria da evolução. De
acordo com o darwinismo clássico os bichos desenvolvem, por seleção natural, as características que garantem a sua sobrevivência. Adquirem seus mecanismos de defesa e ataque num longo processo em que
o acaso tem papel importante: a arma ou o disfarce
que o salva dos seus predadores ou facilita o assédio
a suas presas é reproduzido na sua descendência, ou
na descendência dos que sobrevivem, e lentamente
incorporado à espécie. Mas a teoria darwiniana de progressivo aparelhamento das espécies para a sobrevivência não explica o veneno. O veneno não evoluiu.
O veneno esteve sempre lá.
Nenhum bicho venenoso pode alegar que a luta
pela vida o fez assim. Que ele foi ficando venenoso
com o tempo, que só descobriu que sua picada era
tóxica por acidente, que nunca pensou etc. O veneno
sugere que existe, sim, o mal-intencionado nato. O ruim
desde o princípio. E o que vale para serpentes vale
para o ser humano. Sem querer entrar na velha discussão sobre o valor relativo da genética e da cultura
na formação da personalidade, o fato é que não dá
para evitar a constatação de que há pessoas venenosas, naturalmente venenosas, assim como há pessoas desafinadas.
A comparação não é descabida. Acredito que a
mente é um produto cultural, e que descontadas coisas inexplicáveis como um gosto congênito por couve-flor ou pelo "Bolero" de Ravel, somos todos dotados de basicamente o mesmo material cefálico, pronto para ser moldado pelas nossas circunstâncias. Mas
então como é que ninguém aprende a ser afinado?
Quem é desafinado não tem remédio. Nasce e está
condenado a morrer desafinado. No peito de um desafinado também bate um coração, certo, e o desafinado não tem culpa de ser um desafio às teses psicológicas mais simpáticas. Mas é. Matemática se aprende, até alemão se aprende, mas desafinado nunca fica
afinado. Como venenoso é de nascença.
O que explica não apenas o crime patológico como
as pequenas vilanias que nos cercam. A pura maldade inerente a tanto que se vê, ouve ou lê por aí. O
insulto gratuito, a mentira infamante, a busca da notoriedade pela ofensa aos outros. Ressentimento ou
amargura são características humanas adquiridas,
compreensíveis, que explicam muito disto. Pura maldade, só o veneno explica.

(C) ironizar a postura do cientista britânico em suas
pesquisas.
(D) apresentar o argumento de outrem para contestar em
seguida.
(E) revelar outras tendências sobre o assunto "teoria da
evolução".

8
"Nenhum bicho venenoso pode alegar que a luta pela vida
o fez assim. Que ele foi ficando venenoso com o tempo,
que só descobriu que sua picada era tóxica por acidente,
que nunca pensou etc." (l. 14-17)
No trecho acima, o cronista faz uso do termo "que", repetidamente.
A passagem na qual o termo "que" apresenta a mesma
classificação gramatical daquela desempenhada no trecho destacado é
(A) "as características que garantem a sua sobrevivência".
(l. 3-4)
(B) "a arma ou o disfarce que o salva dos seus predadores". (l. 6-7)
(C) "E o que vale para serpentes vale para o ser humano".
(l. 19-20)
(D) "o fato é que não dá para evitar a constatação". (l. 22-23)
(E) "A pura maldade inerente a tanto que se vê". (l. 41-42)

9
"Ressentimento ou amargura são características humanas
adquiridas, compreensíveis, que explicam muito disto. Pura
maldade, só o veneno explica."
O final da crônica evidencia atitude de
(A) desprezo.
(B) denúncia.
(C) conivência.
(D) curiosidade.

VERISSIMO, Luis Fernando. O Globo. 24 fev. 05.

(E) ironia.

5
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

LÍNGUA INGLESA

10

An 18-Minute Plan for Managing Your Day

5

10

15

20

HENFIL. O Globo, maio 2005.

Na tira acima, observa-se um desvio no emprego da norma culta da Língua Portuguesa. Com base no entendimento
da mensagem e considerando o último quadrinho, o uso
de tal variação pode ser explicado pelo fato de
(A) criticar o emprego excessivo de línguas estrangeiras
no Brasil.
(B) abolir uma marca da oralidade na escrita.
(C) ironizar a forma como os brasileiros utilizam a Língua
Portuguesa.
(D) exemplificar como a língua falada se diferencia da
língua escrita.
(E) valorizar o idioma nacional por meio do status da
Língua Estrangeira.

25

30

35

40

45

50

6
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

Yesterday started with the best of intentions. I walked
into my office in the morning with a vague sense of
what I wanted to accomplish. Then I sat down, turned
on my computer, and checked my email. Two hours
later, after fighting several fires, solving other people's
problems, and dealing with whatever happened to be
thrown at me through my computer and phone, I could
hardly remember what I had set out to accomplish when
I first turned on my computer. I'd been ambushed. And
I know better.
That means we start every day knowing we're not going
to get it all done. So how we spend our time is a key
strategic decision. That's why it's a good idea to create
a to do list and an ignore list. The hardest attention to
focus is our own.
But even with those lists, the challenge, as always, is
execution. How can you stick to a plan when so many
things threaten to derail it?
Managing our time needs to become a ritual too. Not
simply a list or a vague sense of our priorities. That's
not consistent or deliberate. It needs to be an ongoing
process we follow no matter what to keep us focused
on our priorities throughout the day.
I think we can do it in three steps that take less than 18
minutes over an eight-hour workday.
STEP 1 (5 Minutes) Before turning on your computer,
sit down with a blank piece of paper and decide what
will make this day highly successful. What can you
realistically carry out that will further your goals and
allow you to leave at the end of the day feeling like
you've been productive and successful? Write those
things down.
Now, most importantly, take your calendar and schedule
those things into time slots, placing the hardest and
most important items at the beginning of the day. And
by the beginning of the day I mean, if possible, before
even checking your email. There is tremendous power
in deciding when and where you are going to do
something.
If you want to get something done, decide when and
where you're going to do it. Otherwise, take it off your
list.
STEP 2 (1 minute every hour) Set your watch, phone,
or computer to ring every hour. When it rings, take a
deep breath, look at your list and ask yourself if you
spent your last hour productively. Then look at your
calendar and deliberately recommit to how you are
going to use the next hour.
STEP 3 (5 minutes) Shut off your computer and review
your day. What worked? Where did you focus? Where
did you get distracted?

The power of rituals is their predictability. You do the
same thing in the same way over and over again. And
so the outcome of a ritual is predictable too. If you
choose your focus deliberately and wisely, and
consistently remind yourself of that focus, you will stay
focused. It's simple.
This particular ritual may not help you swim the English
Channel. But it may just help you leave the office feeling
productive and successful.
And, at the end of the day, isn't that a higher priority?

55

60

15
According to STEP 3,
(A) success on the job depends on predicting the right
outcomes.
(B) it is important to analyze if you have met your goals of
the day.
(C) one should never shut off the computer before the end
of the day.
(D) focusing on the right distractions may help us be more
productive.
(E) distractions are essential to help one go through the
responsibilities of the day.

Extracted from: http://blogs.harvardbusiness.org/bregman/2009/07/an18minute-plan-for-managing.html

11
The main purpose of the text is to
(A) convince the reader that no one can fight against busy
schedules.
(B) justify why employees never focus on their most
important tasks.
(C) criticize the overload of activities people have to
accomplish at work.
(D) explain the importance of following rituals when working
from home.
(E) teach office workers how to make the best use of their
daily business schedule.

16

12

17

Check the option that contains a correct correspondence
of meaning.
(A) "...threaten..." (line 18) and menace express
contradictory ideas.
(B) "...ongoing..." (line 21) means the same as
occasional.
(C) "...further..." (line 29) and spoil have similar meanings.
(D) "...outcome..." (line 54) and results are synonyms.
(E) "...wisely," (line 55) and prudently are antonyms.

Check the only alternative in which the expression in bold
type has the same meaning as the item given.
(A) "I could hardly remember what I had set out
to accomplish when I first turned on my computer."
(lines 7-9) ­ intended
(B) "How can you stick to a plan when so many things
threaten to derail it?" (lines 17-18) ­ abandon
(C) "...to keep us focused on our priorities throughout
the day." (line 22-23) ­ distant from
(D) "What can you realistically carry out that will further
your goals...?" (lines 28-29) ­ eliminate
(E) "Shut off your computer and review your day."
(lines 49-50) ­ start

According to paragraph 1, the author had problems at work
because he
(A) had to fight for two hours against a fire in the office.
(B) was asked to answer phone calls and reply to e-mails.
(C) did not define his priorities before starting his working
day.
(D) could not remember everything he was supposed to do
early in the morning.
(E) decided to solve his co-workers' computer problems
before solving his own.

13
The only adequate title to refer to STEP 1 is
(A) "Set a Plan for the Day".
(B) "Refocus Your Attention".
(C) "Review Your Weekly Schedule" .
(D) "Avoid Hard Decisions Early in the Day".
(E) "Make Good Use of Watch, Phone and Computer".

18
Otherwise in the sentence "Otherwise, take it off your list."
(lines 41-42) can be substituted, without changing the
meaning of the sentence, by
(A) Unless.
(B) Or else.
(C) Despite.
(D) However.
(E) Therefore.

14
The only advice that is in line with STEP 2 is
(A) Plan deliberate actions to redo the finished tasks.
(B) Focus your attention on a different important activity
every day.
(C) Manage your day hour by hour. Don't let the hours
manage you.
(D) Teach yourself to breathe deeply to be more productive
tomorrow.
(E) If your entire list does not fit into your calendar,
reprioritize your phone calls.

19
In "But it may just help you leave the office feeling productive
and successful." (lines 59-60) may just help could be
correctly replaced, by
(A) can only aid.
(B) will probably help.
(C) should never help.
(D) might never assist.
(E) couldn't simply support.

7
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

20

24

Which option correctly indicates the referent of that in
"...isn't that a higher priority?" (line 61)?
(A) leave the office.
(B) keep things simple.
(C) get to the end of the day.
(D) swim the English Channel.
(E) feel productive and successful.

Considerando-se verdadeira a proposição composta "Se x
é par, então y é positivo", conclui-se que
(A) se x é ímpar, então y é negativo.
(B) se x é ímpar, então y não é positivo.
(C) se y é positivo, então x é par.
(D) se y é negativo, então x é par.
(E) se y é nulo, então x é ímpar.

25
A tabela abaixo apresenta as quantidades e os preços unitários de 4 produtos vendidos, em uma mercearia, durante
o 1o trimestre de 2009.

RACIOCÍNIO LÓGICO QUANTITATIVO
21

JANEIRO
PREÇO QUANTIDADE
Arroz
2,50
5
Feijão
3,00
4
Macarrão 2,00
3
Açúcar
1,25
2

Um fabricante de leite estabelece a seguinte promoção:
3 caixas vazias do leite podem ser trocadas por uma caixa
cheia desse mesmo produto. Cada caixa contém 1 litro.
Comprando-se 11 caixas desse leite, a quantidade máxima, em litros, que pode ser consumida é
(A) 13
(B) 14
(C) 15
(D) 16
(E) 17

Para o conjunto dos 4 produtos apresentados, o índice de
preços de Laspeyres referente ao mês de março, tendo
como base o mês de janeiro, vale, aproximadamente,
(A) 79
(B) 81
(C) 108
(D) 123
(E) 127

Leia o texto a seguir para responder às questões de
nos 22 e 23.
A tabela abaixo apresenta a distribuição de frequências das
idades de um grupo de crianças.
Classes (em anos)
0
2
2
4
4
6
6
8
8 10

26
No último mês, Alípio fez apenas 8 ligações de seu telefone celular cujas durações, em minutos, estão apresentadas no rol abaixo.

fi
5
2
4
2
7

5

2

11

8

3

8

7

4

O valor aproximado do desvio padrão desse conjunto de
tempos, em minutos, é
(A) 3,1
(B) 2,8
(C) 2,5
(D) 2,2
(E) 2,0

22
A média das idades dessas crianças, em anos, é
(A) 5,0
(B) 5,2
(C) 5,4
(D) 5,6
(E) 5,8

27
Seja H a variável aleatória que representa as alturas dos
cidadãos de certo país. Sabe-se que H tem distribuição
normal com média 1,70 m e desvio padrão 0,04 m. A probabilidade de que um cidadão desse país tenha mais do
que 1,75 m de altura é, aproximadamente,
(A) 9,9%
(B) 10,6%
(C) 22,2%
(D) 39,4%
(E) 40,6%

23
A mediana da distribuição de frequências apresentada é
(A) 5,5
(B) 5,6
(C) 5,7
(D) 5,8
(E) 5,9

8
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

FEVEREIRO
MARÇO
PREÇO QUANTIDADE PREÇO QUANTIDADE
2,00
6
2,50
4
3,50
3
4,00
3
2,50
4
2,75
2
4
1,50
3
2,00

28
Considere a proposição composta "A prova estava difícil e
menos do que 20% dos candidatos foram aprovados no
concurso". Sua negação é
(A) A prova estava difícil ou mais do que 20% dos candidatos foram aprovados no concurso.
(B) A prova estava difícil e mais do que 80% dos candidatos foram reprovados no concurso.
(C) A prova não estava difícil ou menos do que 20% dos
candidatos foram reprovados no concurso.
(D) A prova não estava difícil ou mais do que 80% dos candidatos foram reprovados no concurso.
(E) A prova não estava fácil ou 20% dos candidatos foram
reprovados no concurso.

29

O
H
N
U
C
S
A
R

O salário médio nacional dos trabalhadores de certa categoria é igual a 4 salários mínimos, com desvio padrão de
0,8 salários mínimos. Uma amostra de 25 trabalhadores
dessa categoria é escolhida ao acaso em um mesmo estado da União. O salário médio da amostra é de salários
mínimos. Deseja-se testar com nível de significância
igual a 10%
H 0: = 4
contra
H 1:

¹4

Considerando esses dados, analise as afirmativas.
I ­ O teste rejeitará H0 se for igual a 4,30.
II ­ O teste rejeitará H0 se for igual a 4,20.
III ­ O teste não rejeitará H0 se for igual a 3,75.
Está(ão) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s)
(A) I.
(B) II.
(C) III.
(D) I e II.
(E) I e III.

30
Três dados comuns e honestos serão lançados. A probabilidade de que o número 6 seja obtido mais de uma vez é
(A) 5/216
(B) 6/216
(C) 15/216
(D) 16/216
(E) 91/216

Co n t i nu a

9
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

33

CONHECIMENTO ESPECÍFICO

Nas palavras de Yi-Fu Tuan, os defensores da alta
modernidade que vivemos, "apesar das dúvidas e hesitações, mantêm o sentido da direção a seguir, do lar ao cosmos e daí ao conceito paradoxal de `lar cosmopolita' que
proporciona à alta modernidade seu telos e sua seriedade". Para o autor, assistimos à restituição de um conceito
geográfico que é o locus da realização humana.

31
Em seu texto de 1979, a Geografia serve para desvendar
máscaras sociais, Ruy Moreira afirma que a
"formação espacial é um conceito de totalidade que pode
ajudar os geógrafos em sua tarefa de analisar as formas
de organização das sociedades nos diferentes tempos
da história. (...) O que propomos é a construção de uma
teoria do espaço que se fundamente em três categorias
da totalidade, que são as três facetas de uma mesma
realidade, todas orientadas no sentido do arranjo espacial: a formação econômico-social, o modo de produção
e a formação espacial."

TUAN, Yi-Fu Cosmos y hogar. Barcelona: Melusina, 2005, P. 19.

O conceito que, segundo o autor, vem sendo restituído nos
últimos trinta anos constitui um dos termos teóricos
centrais na obra desse geógrafo e corresponde a um dos
conceitos-chave da Geografia Humanística.

MOREIRA, R. Pensar e Ser em Geografia. São Paulo: Contexto, 2007, p.76.

O conceito geográfico em tela é o de
(A) território.
(B) territorialidade.
(C) lugar.
(D) região.
(E) ambiente.

A proposta do autor reforça e é condizente com a Geografia
(A) Analítica.
(B) Aplicada.
(C) Crítica.
(D) Pós-moderna.
(E) Tradicional.

34
Na análise regional, de acordo com Sonia Barrios, é oportuno compreender como se estrutura o espaço a partir de
uma atividade produtiva, definida como primária ou inicial,
articulando uma série de fases ou escalões correpondentes
aos distintos processos de transformação por que passa o
produto principal dessa atividade, até chegar ao consumo
final.

32

Nessa metodologia, o conceito em foco é o de
(A) circuito espacial da produção.
(B) circuito inferior da economia.
(C) circuito superior da economia.
(D) modelo de inovação territorial.
(E) modelo de difusão de inovações.

35
Segundo o geógrafo Claudio Egler, o Mercado Comum do
Sul (MERCOSUL) tem sua área de abrangência ampliada
com a entrada de membros associados, como Chile,
Bolívia e Peru, mais a proposta da Venezuela, além de
acordo com o Pacto Andino. Para o autor, corre-se o risco
de perda do locus geográfico da origem histórica do
processo de formação do MERCOSUL. Esse locus teria
sido, antes mesmo da criação do bloco regional em pauta,
cogitado para a instalação de interconexões rodoviárias,
ferroviárias, fluviais, aéreas, elétricas e de telecomunicações, representando os "rascunhos do MERCOSUL".

O Globo, 14 nov. 2009.

Em Geografia Humana, pode-se trabalhar com a definição
de um lugar, um itinerário, uma extensão que, por razões
religiosas, políticas ou culturais, aos olhos de certas
pessoas ou grupos sociais assume uma dimensão que os
fortalece em sua identidade.
O monumento do Cristo Redentor e seu entorno imediato
podem ser interpretados a partir da definição acima, a qual
refere-se, explicitamente, à noção de
(A) rugosidade, com referência a Milton Santos.
(B) topofilia, com base na obra de Yi-Fu Tuan.
(C) geotopo, consoante os trabalhos de Georges Bertrand.
(D) geopiedade, conforme as ideias de J. K. Wright.
(E) geossímbolo, de acordo com Joël Bonnemaison.

O locus geográfico do MERCOSUL, antes da criação
desse bloco, foi enfocado especificamente no(a)
(A) Tratado de Assunção, em 1991.
(B) Tratado da Bacia do Prata, em 1969.
(C) Criação da ALADI, em 1980.
(D) Criação da ALALC, em 1960.
(E) Criação da CEPAL, em 1948.

10
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

36

38

A complexidade do processo de urbanização no Brasil
ajuda à compreensão da formação territorial do País e
exige reflexões sobre as cidades-gêmeas. Acerca dessas
cidades, considere as análises a seguir.

No processo produtivo existem princípios que conduzem
à tendência de aproveitamento racional e intensivo de
fatores de produção, com a consequente tendência de
queda nos custos unitários dos produtos. Em Geografia
Econômica, as tendêncais assinaladas implicam na
formação de um espaço produtivo mais articulado interna
e externamente.
As tendências em pauta caracterizam, especificamente, um
contexto e o conceito de
(A) economia centralizada.
(B) economia de escala.
(C) economia informal.
(D) racionamento econômico.
(E) mercado secundário.

I

- Trata-se de adensamentos populacionais, cortados
pela linha de fronteira, seja esta seca ou fluvial,
articulada ou não por obra de infraestrutura.
II - Não existe correspondência entre o número de
cidades-gêmeas e a extensão da linha de fronteira
com cada país. Mato Grosso do Sul e Rio Grande
do Sul concentram o maior número dessas cidades,
por exemplo.
III - A disposição geográfica das cidades-gêmeas e o seu
tamanho urbano são equivalentes, sendo essa
simetria resultante da ação intencional de agentes
institucionais como militares e eclesiásticos.

39
Porcentagem de Experiências de Orçamento
Participativo por Região
Períodos
Regiões do
Brasil

Está(ão) correta(s) a(s) análise(s) que se apresenta(m) em
(A) I, apenas.
(B) I e II, apenas.
(C) I e III, apenas.
(D) II, e III, apenas.
(E) I, II e III.

1997 - 2000

Norte
Nordeste
Sul
Sudeste
Centro-Oeste

2,5%
14,2%
39,2%
41,7%
2,5%

2001 - 2004 2005 - 2008
5,5%
22,6%
22,6%
45,2%
4%

8,5%
22,4%
21,9%
41,3%
6,0%

AURITZER, L. e WAMPLER, B. The expansion of
participatory budgeting in Brazil. Banco Mundial, 2008.

37

A partir dos dados apresentados na tabela, são feitas as
afirmativas a seguir.

Refletindo sobre a questão regional da Amazônia e o
desenvolvimento do Brasil, Bertha Becker descreve a
seguinte área:
"Corresponde a vastas extensões que, permanecendo
à margem das grandes rodovias implantadas no passado, são comandadas ainda pelo ritmo da natureza.
É imensa a sua potencialidade não só em florestas mas
em disponibilidade de águas, a que se somam os
recursos minerais. A sociobiodiversidade é igualmente
uma grande riqueza (...) Mas são muito baixos os
índices de renda per capita e de desenvolvimento
humano."

I

- No período de 2001-2004, comparado com o anterior, registra-se um aumento das experiências em
orçamento participativo, no Sudeste, em parte por
causa da contribuição de São Paulo, e, no Nordeste, em função parcialmente da participação de Recife.
II - Comparado aos períodos anteriores, entre 2005 e
2008, houve refluxo das iniciativas com orçamento
participativo na Região Sul, em parte como decorrência da derrota dessa experiência em Porto Alegre.
III - Esse tipo de experiência de participação popular
assume o papel de potencializador de políticas
públicas em cidades governadas, frequentemente,
por partidos de esquerda, em municípios de médio
porte das regiões Sul, Sudeste e Nordeste.

BECKER, B. Amazônia. Geopolítica na virada do III milênio.
Rio de Janeiro: Garamond, 2004, p.155.

A área descrita pela autora corresponde à porção da
Amazônia
(A) Legal.
(B) Central.
(C) Oriental.
(D) Ocidental.
(E) Meridional.

Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s)
(A) I, apenas.
(B) I e II, apenas.
(C) I e III, apenas.
(D) II e III, apenas.
(E) I, II e III.

11
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

40

42

Considerando abordagens conceituais e métodos de

O geógrafo Roberto Lobato Corrêa propõe um esquema de
análise das redes geográficas, de acordo com as dimensões organizacional, temporal e espacial. Quanto à dimensão organizacional, as redes podem ser analisadas segundo a função, que pode ser de realização ou de suporte.
São exemplos de redes geográficas com função de
realização e de suporte, respectivamente, as redes
(A) de tráfego aéreo e de firmas globais.
(B) de corporações e de lugares centrais.
(C) de telecomunicações e de ONG.
(D) bancária e de transmissão de energia.
(E) ferroviária e de contrabando.

investigação, o geógrafo Aluizio Duarte afirma que as
regiões podem ser consideradas como unidades
espaciais em diferentes níveis de desenvolvimento ou
modern i z a ç ã o . A c r e s c e n ta q u e , n u m e n f o q u e
sistêmico, o conceito de região é visto como um
subsistema, dentro de uma totalidade espacial,
correspondendo à dimensão espacial de relações
sociais contraditórias.
A abordagem conceitual destacada acima refere-se à

43

regionalização como

Haja vista a logística e a concepção de defesa nacional,
a Marinha do Brasil tem como uma de suas propostas a
construção de um estaleiro e de base de submarinos convencionais e nucleares no Porto de Itaguaí, no Rio de Janeiro. A escolha dessa área geográfica é explicada por fatores, tais como a proximidade com as Usinas de Angra I e
II, com a NUCLEP e com as metrópoles carioca e
paulistana, dentre outros.
Os fatores apresentados remetem à noção de localização
relativa que expressa, especificamente, o conceito de
(A) risco ambiental.
(B) custo ambiental.
(C) posição geográfica.
(D) extensão geográfica.
(E) segurança marítima.

(A) classificação, decorrente da Geografia Quantitativista.
(B) diferenciação de áreas, correspondente à Geografia
Tradicional.
(C) divisão territorial do trabalho, ligada à Geografia
Humanista.
(D) instrumento de ação, relacionada à Geografia Aplicada.
(E) processo, vinculada à Geografia Crítica.

41
Tendo em vista as escalas da urbanização, autores como
A. Scott, E. Soja, J. Agnew e M. Storper propuseram o con-

44

ceito de cidade-região global, apresentando-o como um

O geógrafo David Harvey considera que um dos
problemas geográficos consiste em esboçar uma forma
de organização espacial que maximize as perspectivas
das áreas menos privilegiadas, na qual as vantagens dos
mais afortunados promovam o bem-estar dos menos
afortunados. Recentemente, o autor declarou que

novo regionalismo no qual "as cidades-regiões funcionam,
cada vez mais, como nós espaciais essenciais na economia global e como atores políticos específicos na cena
mundial".
Cidade-região é um termo que retoma e complexifica

"Para mim, é muito importante afirmar que `direito à
cidade' não é simplesmente um direito de acesso ao
que existe. É um direito de participar da construção e da
reconstrução do tecido urbano, de formas mais condizentes com as necessidades da massa da população."

outros como cidade global e cidade mundial, mas
também guarda referência a conceitos regionais bastante
empregados por geógrafos no passado.
Um conceito regional frequente nos estudos geográficos

HARVEY, D. Wall Street e o direito à cidade. Le Monde
Diplomatique Brasil, março, 2009, p. 6.

e que tem forte afinidade teórica com cidade-região é o de
região

As considerações acima remetem, explicitamente, ao
conceito de
(A) justiça territorial.
(B) território produtivo.
(C) contraurbanização.
(D) urbanismo em rede.
(E) rede de solidariedade.

(A) uniforme.
(B) polarizada.
(C) fisiográfica.
(D) homogênea.
(E) de governo.

12
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

45

47
COMÉRCIO VAREJISTA

Texto I
MUROS E CONTENÇÃO TERRITORIAL
Em relação aos migrantes e refugiados, figuras
emblemáticas de nossas sociedades de in-segurança, a
"contenção territorial" é uma estratégia frequentemente
acionada. Construção de muros ou cercas eletrificadas nas
fronteiras torna-se cada vez mais corriqueiro. Em outra
escala bastante distinta, casas e condomínios invertem o
sentido territorial de "contenção": "conter a entrada do
alegado criminoso, `contendo-se' na relativa reclusão dos
muros".
HAESBAERT, R. Sociedades biopolíticas de in-segurança e descontrole
dos territórios in Oliveira, M. et alii (orgs). O Brasil, a América, a
América Latina e o mundo. Rio de Janeiro: ANPEGE/
Lamparina, 2008, p. 30. (Adaptado)

Texto II
"ECOLIMITE": MAIS UM MURO
Atualmente, em nome da preservação ambiental, além de
se segregar espaços voltados a empreendimentos imobiliários de alto padrão econômico, se busca restringir as áreas do solo urbano que sejam - potencialmente - ocupadas
por urbanização espontânea. A Prefeitura do Rio de Janeiro mandou construir 11 km de muros para garantir áreas
naturais, denominando-os de "ecolimites". Esses muros não
se localizam em torno de qualquer área verde, mas sim
em torno de 13 comunidades pobres.

THÉRY, H. e MELLO, N. Atlas do Brasil. Disparidades e dinâmicas do
território. São Paulo: EDUSP, 2008, p. 165.

A distribuição geográfica do comércio varejista tem como
um de seus principais fatores a
(A) desvalorização do poder aquisitivo das classes médias.
(B) revitalização dos movimentos sociais sindicalizados.
(C) expansão da mão de obra altamente especializada.
(D) articulação entre empresas formais e informais.
(E) localização igualitária de políticas setoriais.

PROST, C. O falso consenso sobre a defesa do meio ambiente in
Mendonça, F. et alii (orgs). Espaço e Tempo. Curitiba: ANPEGE/
ADEMADAN, 2009, p. 196. (Adaptado)

Comparando os Textos I e II conclui-se que
(A) o primeiro contradiz o segundo, metodologicamente.
(B) o primeiro retifica o segundo, teoricamente.
(C) o segundo complementa o primeiro, empiricamente.
(D) o segundo desconstrói o primeiro, analiticamente.
(E) ambos os textos se polarizam, categoricamente.

48
Pesquisa sobre a Produção da Extração Vegetal e da
Silvicultura (Pevs) divulgada pelo IBGE aponta reduções
significativas, de 2007 para 2008, na extração de madeira
em tora, carvão e lenha e madeira para papel e celulose,
além do destaque por valor da produção de produtos como
amêndoa de babaçu e cera de carnaúba.

46
As perturbações das rochas podem originar estruturas
falhadas ou dobradas. Tendo em vista as partes que constituem as falhas e as dobras, relacione as duas colunas.
Estruturas
I ­ Falhas
II ­ Dobras

Jornal do Brasil, 20 de novembro 2009.

O texto acima destaca um produto resultante tanto do
extrativismo quanto da silvicultura, ou seja, como produto
do extrativismo nos estados da região Sul, onde é também
cultivado em larga escala, assim como em Mato Grosso
do Sul.
O produto destacado é o(a)
(A) eucalipto.
(B) cacau.
(C) palmito de açaí.
(D) erva-mate.
(E) fibra de piaçaba.

Partes
P ­ Fossa ou Gráben
Q ­ Flanco direito ou esquerdo
R ­ Eixo ou Charneira
S ­ Horst ou Muralha

A relação correta entre estruturas e partes é
(A) I ­ P e II ­ R
(B) I ­ P e II ­ S
(C) I ­ Q e II ­ P
(D) I ­ Q e II ­ R
(E) I ­ R e II ­ S

13
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

49
POPULAÇÃO URBANA E RURAL

THÉRY, H. e MELLO, N. Atlas do Brasil. Disparidades e dinâmicas do território. São Paulo: EDUSP, 2008; e IBGE, 2000, p. 92.

Analisando os gráficos acima, conclui-se que
(A) em 1940, o Nordeste e o Sudeste concentravam mais da metade da população brasileira, em números absolutos.
(B) entre 1940 e 1970, a população urbana e a rural eram equivalentes, no Norte e no Centro-Oeste, acompanhando esse
fato em nível nacional.
(C) em 2000, a população urbana do Sul era duas vezes superior à do Nordeste, em termos absolutos.
(D) em 2000, a diferença entre a população rural e a urbana do Nordeste é inferior àquela do Centro-Oeste e do Norte
reunidos.
(E) no momento em que a população urbana do Sudeste ultrapassa a rural, ocorre o mesmo em nível nacional.

50
As exportações exercem influência efetiva na geografia industrial brasileira, especialmente no Centro-Sul do País, onde se
localiza um vasto Polígono Industrial. Da relação entre exportações e atividades industriais surgem algumas mudanças no
Centro-Sul.
Considerando as atividades industriais no Centro-Sul, analise as características a seguir.
I - Tendência à reconcentração macroespacial dessa atividade.
II - Predominância da localização dos serviços de exportação em cidades de maior porte.
III - Dinamismo regressivo das chamadas metrópoles de segundo nível, como Campinas, Belo Horizonte, Curitiba e
Porto Alegre.
Está(ão) correta(s) a(s) característica(s)
(A) I, apenas.
(B) I e II, apenas.

(C) I e III, apenas.

14
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

(D) II e III, apenas.

(E) I, II e III.

51

BONIFACE, P. e VÉDRINE, H. Atlas do Mundo Global. São Paulo: Estação Liberdade, 2009, p. 106.

Na legenda do mapa acima, resistência estratégica e anseio de autonomia expressam posições e circunstâncias assumidas pelo Brasil no plano das relações internacionais.
Pela leitura do mapa, são exemplos dessas posições:
(A) impasses da diplomacia brasileira com os governos da Bolívia e de Honduras, face a golpes de Estado.
(B) rivalidades históricas desenvolvidas e mantidas com o México e a Argentina.
(C) restrições brasileiras à implantação da ALCA e aos subsídios agrícolas dos Estados Unidos.
(D) refutação da proposta venezuelana em participar do Mercosul e aceitação do Chile nesse bloco regional.
(E) enfrentamentos da participação brasileira na Iniciativa IBSA, face à cooperação com os BRICs.

52
"O clima, a topografia e o solo ­ e as influências paralelas em ambientes aquáticos ­ determinam o caráter de mudança da
vida animal e vegetal sobre a superfície da Terra. Embora não haja lugares que abriguem exatamente o mesmo conjunto de
espécies, podemos agrupar unidades biológicas em categorias baseadas em suas formas vegetais dominantes, o que dá
às comunidades a sua característica geral."
RICKLEFS, R. A economia da natureza. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003:92.

O texto faz referência a uma categoria que corresponde a um tipo grande de comunidade ecológica denominado
(A) biota.
(B) bioma.
(C) biosfera.
(D) ecossistema.
(E) geossistema.

15
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

53

55

Christofoletti, A.
Geomorfologia. S. Paulo: E.
Blücher,1980. p.107

Climograma I

A representação acima ilustra a classificação dos canais
de uma bacia hidrográfica, segundo a proposta de A.
Sthraler. Os canais indicados pelas letras x, y e z
correspondem, respectivamente, às ordens
(A) 1, 2 e 3.
(B) 2, 2 e 3.
(C) 2, 3 e 3.
(D) 2, 3 e 4.
(E) 2, 4 e 4.

54

Climograma II

AYOADE, J. Introdução à climatologia para os trópicos.
R. Janeiro: B. Brasil, 2001, p. 256 e 258.

Figura I

Figura II
Christofoletti, A. Geomorfologia.
S. Paulo: E. Blücher,1980. p.104

Os Climogramas I e II representam, respectivamente,

Os padrões de drenagem representados nas Figuras I e II
acima são, respectivamente, dos tipos
(A) retangular e paralelo.
(B) retangular e anelar.
(C) pararelo e radial
(D) treliça e anelar.
(E) treliça e radial.

os tipos climáticos
(A) subtropical e tropical de monção.
(B) equatorial e tropical semiárido.
(C) equatorial e tropical com duas estações.
(D) tropical com duas estações e subtropical.
(E) tropical de altitude e tropical semiárido.

16
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

56

58

Figura

MODELOS DE EVOLUÇÃO DE VOÇOROCAS

X

Fotografia

Em regiões de estratificação horizontal, situadas em clima
árido ou semiárido, desenvolvem-se formas topográficas
específicas.
A forma de relevo assinalada por X na figura e o exemplar
correspondente mostrado na fotografia são caracterizados
como
(A) cuestas antigas.
(B) domos cristalinos.
(C) mar de morros.
(D) mesetas sedimentares.
(E) morros testemunhos.

OLIVEIRA, M. Processos erosivos e preservação de áreas de risco de
erosão por voçorocas in Guerra, A. et alii (orgs). Erosão e conservação dos solos. R. de Janeiro: B. Brasil, 1999, p. 82.

O fator principal que diferencia a dinâmica erosiva do
Modelo I face à do Modelo II e explica a integração entre
ambas, no Modelo III, é a
(A) ordenação dos componentes geomórficos.
(B) atuação marcante de paleoclima no relevo.
(C) ausência ou presença de vegetação rasteira.
(D) conexão ou desconexão à rede hidrográfica.
(E) localização geográfica dos interflúvios laterais.

59
A composição de indicadores referentes à relação sociedade-espaço exige a definição de critérios, tais como:
· equivalência entre a taxa de utilização e a taxa de
recomposição de recursos naturais renováveis.
· distribuição justa de bens e serviços e acesso universal
e continuado a educação, moradia, saúde e seguridade
social.
· conversão industrial com ênfase na relação da entropia,
privilegiando a conservação de energia.
· incorporação dos direitos constitucionais das minorias em
políticas eficazes, estáveis e permanentes.
· equiparação entre as taxas de emissão de efluentes das
atividades produtivas e as taxas de regeneração dos
ecossistemas.

57
Em geomorfologia, a partir de estudos sobre o Sudeste do
Brasil, foi introduzido um termo para descrever as formas
de fundo de vale suavemente inclinadas, constituídas por
acumulações detríticas em forma de lobos delgados
provenientes das vertentes, que se interdigitam e/ou
recobrem depósitos aluviais quaternários.
As formas de relevo descritas correpondem ao conceito
de
(A) pediplano.
(B) terraço fluvial.
(C) anastomosamento.
(D) divisor de águas.
(E) rampas de colúvio.

O conjunto de critérios acima refere-se, mais diretamente,
à composição de indicadores de
(A) sustentabilidade.
(B) governabilidade.
(C) competitividade.
(D) produtividade.
(E) rentabilidade.

17
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

60

62

Acerca da escala geográfica são feitas as seguintes
afirmativas:

O mapeamento sistemático do Brasil, que compreende a
elaboração de cartas topográficas, é feito na projeção UTM
nas escalas 1:250.000, 1:100.000, 1:50.000, 1:25.000.
A escala numérica e o estado da federação brasileira,
parcialmente representado pela carta cuja nomenclatura é
SH-22-Z-A-I, são, respectivamente,
(A) 1: 25.000 ­ Minas Gerais
(B) 1: 25.000 ­ Santa Catarina
(C) 1: 50.000 ­ Rio Grande do Sul
(D) 1: 50.000 ­ São Paulo
(E) 1: 100.000 ­ Mato Grosso do Sul

I

- trata-se de uma escala diferenciada qualitativamente, a partir de uma dada ordenação dos fenômenos,
devendo-se conceber um conteúdo, um caráter minimamente conceitual e não puramente descritivo;
II - a escala geográfica é a medida que confere visibilidade ao fenômeno e definidora de espaços de
pertinência da medida dos fenômenos;
III - a escala geográfica é uma medida escolhida para
melhor observar um fenômeno, dimensioná-lo e
mensurá-lo, sendo, portanto, uma aproximação do
real e um problema epistemológico.

63
Para a elaboração de planos diretores municipais, planejamento e cadastro urbano, levantamento geológicogeotécnico é recomendável utilizar escala especificamente
(A) local ­ de 1: 10.000 a 1: 2.000
(B) local em detalhe ­ de 1: 2.000 a 1:250
(C) intraurbana ­ de 1: 50.000 a 1:100.000
(D) municipal ­ maior que 1: 1.000
(E) regional ­ menor que 1: 250.000

Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s)
(A) I, apenas.
(B) I e II, apenas.
(C) I e III, apenas.
(D) II e III, apenas.
(E) I, II e III.

61
Os exemplos abaixo apresentam uma comparação da
representação de um quarto de hemisfério, segundo
diferentes sistemas de projeção.

64
Para a elaboração de um mapa geomorfológico, cuja
legenda revela os nomes das diferentes feições
morfoestruturais que caracterizam o relevo de uma
região, utiliza-se o Método de mapeamento temático
(A) Corocromático
(B) Coroplético
(C) Isarítmico
(D) Relacional
(E) Ordinal

65

D'Alge, J. C. L. Cartografia Para Geoprocessamento In:Introdução à
Ciência da Geoinformação, p.9. Disponível em http://www.dpi.inpe.br/
gilberto/livro/introd/cap6-cartografia.pdf
Acessado em 20/10/2009.

O poder de extração de informação relaciona-se com
a capacidade do sensor de registrar a radiação em diferentes regiões do espectro eletromagnético, isto é, com o
número de bandas, o que revela a sua resolução espectral.
O satélite que possui a maior resolução espectral é
(A) Landsat 7
(B) Ikonos 2
(C) SPOT
(D) NOAA
(E) Meteosat - 9

Quanto ao tipo de superfície de projeção adotado, os exemplos ilustrados acima, respectivamente, denominam-se:
(A) azimutal ­ poliédrica ­ cônica.
(B) equivalente ­ plana ­ equidistante.
(C) equidistante ­ isogonal ­ poliédrica.
(D) plana ­ cilíndrica ­ cônica.
(E) polar ­ cilíndrica ­ isométrica.

18
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA

66

68

Diferentes tipos de superfície, como a água, o solo exposto ou a vegetação, refletem a radiação de forma diferente
em distintas bandas. As diversas reflectâncias dos alvos
imageados em relação aos comprimentos de onda é
denominada assinatura espectral.

Existem essencialmente duas abordagens relativas à
classificação automática de imagens multiespectrais
de sensoriamento remoto: a supervisionada e a não
supervisionada.
Entre os exemplos de métodos de classificação automática
supervisionada de imagens de satélite, NÃO se inclui o de
(A) battacharya.
(B) paralelepípedo.
(C) distância mínima.
(D) máxima verossimilhança.
(E) fatiamento de níveis de cinza.

Reflectância (%)
LANDSAT - Bandas (TM)
1 2

3

4

I

50

69
Independente da resolução e da escala, as imagens
obtidas por sensores remotos apresentam os elementos
básicos de análise e de interpretação, a partir dos quais se
extraem informações de objetos, áreas ou fenômenos.
Esses elementos são a tonalidade/cor, a textura, a forma,
o sombreamento, o padrão espacial e a localização.
A respeito desses elementos, analise as afirmativas a
seguir.

40
30

II

20
10

III

0
0.4

0.6

0.8

1.0

I

- A textura é um elemento muito importante na identificação de unidades de relevo: a textura lisa
corresponde a áreas de relevo plano, enquanto que
a textura rugosa corresponde a áreas de relevo
acidentado.
II - As variações da cena imageada são representadas
por diferentes tons de cinza, que variam do branco,
quando ocorre maior energia refletida, ao preto,
obtido quanto menos energia um objeto refletir.
III - O sombreamento é um obstáculo ao trabalho de interpretação de imagens de satélite porque dificulta a
visualização de forma e tamanho dos objetos e, por
isso, para identificação do relevo se deve trabalhar
somente com imagens com sombras menores.
IV - O padrão é fundamental para estudos geomorfológicos porque revela o arranjo da drenagem e a
forma do relevo, como no caso de uma antiga caldeira vulcânica, onde o padrão de drenagem
dendrítico é encontrado.

1.2

Comprimento de onda (m)
Disponível em http://www.eduspace.esa.int/ [adaptado].
Acessado em 23/10/2009.

A partir da análise do gráfico acima, os alvos I, II e III,
conforme suas assinaturas espectrais, respectivamente, são
(A) I ­ Água turva; II ­ Asfalto; III ­ Gramínea.
(B) I ­ Campo de cultivo; II ­ Reflorestamento; III ­ Asfalto.
(C) I ­ Nuvem; II ­ Água barrenta; III ­ Mata densa.
(D) I ­ Solo exposto; II ­ Vegetação esverdeada; III ­ Água.
(E) I ­ Terreno embrejado; II ­ Água; III ­ Afloramento
rochoso.

67
Os dados utilizados em SIG podem ser divididos em dois
grandes grupos: dados espaciais e alfanuméricos. Por seu
turno, os dados espaciais podem ser representados
por meio de duas estruturas de armazenamento ­ matricial
e vetorial.
Um aspecto da estrutura de armazenamento vetorial é
(A) facilidade com relação a operações de superposição.
(B) facilidade quanto à implementação de análises de rede.
(C) facilidade relativa a operações de modelagem e de
simulação.
(D) eficiência quanto à representação de variabilidades
espaciais.
(E) precisão relativa a operações matemáticas.

São corretas APENAS as afirmativas
(A) I e II.
(B) I e IV.
(C) III e IV.
(D) I, II e III.
(E) II, III e IV.

70
A representação da rede viária, em relação aos limites
municipais cortados por ela, possibilita realizar um tipo
específico de análise topológica, que é identificada como
(A) disjunção
(B) adjacência
(C) cruzamento
(D) proximidade
(E) contingência

19
ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA