RUY MOREIRA

O QUE É GEOGRAFIA
(2ª. Edição, revista e atualizada)

2009

ÍNDICE

PREFÁCIO A ESTA SEGUNDA EDIÇÃO
A GEOGRAFIA MODERNA
A EPISTEMOLOGIA
A GEOGRAFIA DOS HOMENS CONCRETOS
HISTÓRIA E NATUREZA: A BASE DA GEOGRAFIA
O ESPAÇO DO CAPITAL
A GEOGRAFIA: O QUE É, PARA QUE SERVE, A QUEM SERVE
INDICAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS

Aos que sonham, porque é no sonho onde mora o real mais profundo.

PREFÁCIO A ESTA SEGUNDA EDIÇÃO

A primeira versão deste pequeno livro é de 1980. Desde então importantes mudanças
se operaram na realidade do mundo que nos circunda e na sua forma de compreensão pela
geografia, mudando a própria concepção desta ciência. Mais que urgia uma revisão.
Esta segunda versão difere substancialmente da anterior. A primeira metade foi
inteiramente reescrita. Mantivemos seu cunho de um breve resumo histórico do pensamento
geográfico, bem como a parte de crítica epistemológica que lhe segue, acrescentando
elementos novos. A segunda metade, porém, foi pouco alterada, exceto aqui e ali para uma
maior clareza de redação. Também atualizamos a indicação bibliográfica.
O espírito do livro, no entanto, é o mesmo, seu formato de síntese e seu propósito de
mostrar a geografia como uma forma particular de conhecimento, nem por isso descolada dos
sonhos dos homens de viver numa sociedade mais igual e humanamente justa, como o
pensamos e redigimos nos idos de 1980.

A GEOGRAFIA MODERNA
Estrabão (64 a.C.-24 d.C.), o criador da geografia, dizia de sua criatura que "a
geografia familiazira-nos com os ocupantes da terra e dos oceanos, com a vegetação, os
frutos e peculiaridades dos vários quadrantes da Terra; e o homem que a cultiva é um homem
profundamente interessado no grande problema da vida e da felicidade". Nessa exegese,
Estrabão faz a lista do sentido e dos entes da realidade que formam o âmbito, os temas e a
natureza do envolvimento da geografia desde sua criação no século I. A identidade da ciência
e os elementos de essência de sua sabedoria aí estão numa impressionante invariabilidade do
que é a geografia até hoje.
O homem, a terra, a vida e a felicidade, as relações que os enlaçam na totalidade dos
modos de vida variáveis no espaço e no tempo é o que de Estrabão até hoje definem a
geografia e seu modo de envolvimento. Todavia, nem sempre teve ela um compromisso com
"o grande problema da vida e da felicidade", por conta dos percalços da história que fizeram
da vida e da felicidade um grande problema. Uma geografia do homem sempre se defrontou
nessa história com uma geografia oficial, uma geografia situada muito próxima da ideologia e
feita e praticada não para, mas contra a realização da vida e da felicidade como uma
realização humana.
História da geografia, esta tem sido uma história dos geógrafos. Há os que a fizeram e

fazem no rumo da vida e da felicidade do homem. E há os que a fazem deslocando-a na
direção da vida e da felicidade dos que o dominam. É sobretudo na história recente da
humanidade que esse antagonismo mais fortemente aparece.
A geografia que hoje conhecemos tem suas origens no século XIX. Em sua
florescência e desenvolvimento concorrem duas grandes filiações, as Sociedades de
Geografia e as Universidades. A geografia que se produz em uma e outra dessas instituições é
diferente, só aqui e ali se entrecruzando. A que se produz nas Sociedades de Geografia é um
conhecimento de tudo que se refere a povos e territórios dos diferentes cantos do mundo,
reunindo as Sociedades viajantes, naturalistas, militares e cientistas de várias procedências
acadêmicas. A que se produz nas Universidades tem um cunho especificamente científico e
reúne professores e pesquisadores formados e dedicados ao desenvolvimento e atualização
das teorias e métodos científicos que dão embasamento à ciência geográfica. Assim, as
Sociedades de Geografia atendem ao público mais amplo em seu desejo de conhecimento dos
povos e lugares, enquanto as Universidades atendem aos propósitos de formação acadêmica
dos que vão ter na geografia sua área e campo de atuação mais específico. Durante o correr
da primeira metade do século XIX estas duas instituições correm em paralelo, distanciandose para separar-se em campos distintos na segunda metade. Todavia, paralela a essas duas
corre a anunciada por Estrabão.

As sociedades de geografia

As décadas finais do século XX marcam a passagem do capitalismo à sua fase
superior: o imperialismo. E o nascimento do imperialismo traduzir-se-á, no plano da política
internacional, como uma intensa luta entre as potências imperialistas pela divisão dos
continentes em zonas de influência.
Dessa forma, a entrada do capitalismo em nova fase trará profundas transformações
geográficas, no plano da realidade e, conseqüentemente, no plano do saber. Exemplo disso
será a Conferência Internacional de Geografia, de 1876.
De olhos voltados para a bacia do Congo, o rei belga Leopoldo II, monarca e ledor
assíduo dos relatos de expedições científicas, convoca, em 1876, uma reunião de geógrafos, a
Conferência Internacional de Geografia. Realizada em Bruxelas e sob sua presidência, a ela
compareceram sociedades geográficas de vários países, além de diplomatas e exploradores
famosos. A Conferência de Bruxelas teve por objetivo, traçado pelo próprio Leopoldo II em
seu discurso de inauguração solene, a tarefa de debruçar-se sobre o continente africano, com

o intuito de "abrir à civilização a única parte de nosso globo em que ela não havia ainda
penetrado... conferenciar para acertar o passo, combinar esforços, tirar partido de todos os
recursos, de evitar a duplicação de trabalho".
A Conferência de Bruxelas revelará o papel que estivera reservado às Sociedades de
Geografia, e as razões por que com elas se tornara um saber de grande prestígio junto às
populações e governos. Por isto, não deixará de ser outro o desdobramento da reunião
internacional dessas Sociedades: a criação da Associação Internacional Africana (AIA),
entidade que pouco mais tarde transformar-se-á na Associação Internacional do Congo (AIC).
Com o concurso das Sociedades de Geografia empreender-se-á, assim, o avanço
imperialista sobre a África, Ásia e Oceania, bem como a América Latina, esta já submetida à
dominação colonial desde o século XVI.
Assim, a AIA sairá da Conferência de Bruxelas completamente equipada para ocupar
sua função: orientar com a ajuda da ciência oficial das Sociedades de Geografia as
expedições que abrirão as portas da África à dominação. Para tanto, é dotada de todo um
aparato. A AIA organiza-se a partir de Comissões Nacionais, coordenadas por um Comitê de
Altos Estudos do Congo que será composto por membros, em número de dois para cada
Comissão Nacional indicados anualmente por elas. Seu presidente é o próprio Leopoldo II.
Às Comissões Nacionais caberá criar e prover de fundos e todos os recursos necessários
bases de operações, a serem localizadas ao longo de posições estratégicas da costa e
interioranas, em especial na embocadura do rio Congo. Cada base de operação será dotada de
postos hospitalares, científicos e diplomáticos. Ao Comitê caberá dirigir os trabalhos e
gerenciar os fundos comuns. Um Estatuto, redigido para os fins orgânicos acima, prevê a
fundação de duas sociedades: uma de comércio e outra de transportes. A articulação entre
cientistas e exploradores compõe a espinha dorsal dos trabalhos: os exploradores levantando
informações e esboçando seu mapeamento, que os cientistas (vinculados às Sociedades de
Geografia, sobretudo) incumbir-se-ão de sistematizar, catalogar, inferir e dar tratamento
científico e cartográfico final produzindo base material de apoio para ações orientadas e
novas e mais profundas incursões exploratórias.
Em 1877, a AIA, já transformada em AIC, conta com dezoito Comissões Nacionais,
entre elas a dos Estados Unidos, número em progressão. Une-as a bandeira da Associação:
uma estrela de ouro sobre fundo azul.
A escalada imperialista não poderia ser mais bem organizada. Assim como o capital
introduzira a ciência nos processos produtivos, na produção industrial em particular,
incorpora-a agora também institucionalmente aos seus projetos de espoliação territorial em

escala mundial.
A Conferência de Bruxelas combina a ação conjunta das potências imperialistas, mas
a unidade mal conseguirá esconder as contradições, que afloram sobretudo no momento da
delimitação da partilha dos domínios de território. A iniciativa de Leopoldo II só aguçará
essas contradições. Instigados pelas associações científicas e de capitalistas proliferam as
expedições, destinadas ao reconhecimento e mapeamento do terreno, fixação de primazias e
estabelecimento de relações diplomáticas e mercantis com os povos africanos e asiáticos.
Frente a isso, a Conferência de Bruxelas precipitará a história e desaguará em nova reunião
internacional: a Conferência de Berlim.
A Conferência de Berlim destinar-se-á a uma apara das arestas e à institucionalização
da política de áreas de influência. Será organizada sob os auspícios do governo alemão, até
então ausente da escalada internacional por força de problemas de unidade territorial
nacional, e que só serão resolvidos em 1870, junto à guerra franco-prussiana, e realizar-se-á
de forma arrastada de 15 de novembro de 1884 a 26 de fevereiro de 1885. Dela participarão
os mesmos integrantes da Conferência de Bruxelas, mas reinarão os diplomatas das potências
imperialistas maiores, principalmente da Alemanha, da Bélgica, da França, da Inglaterra e
dos Estados Unidos. Bismarck, o chanceler alemão sob cujo governo a Alemanha se unifica e
é movida tenaz repressão ao movimento socialista e operário articulado à II Internacional dos
Trabalhadores, presidirá a Conferência Internacional de Berlim, sentado à cabeceira de uma
mesa de ferro perto da qual, sobranceiro, sobressai enorme mapa da África.
Será a tentativa de resolução à mesa das conversações daquilo que terão de tentar
resolver pela guerra poucas décadas após. Sessões plenárias e comissões restritas preparam
relatórios sobre os pontos de maior desentendimento. As contradições, todavia, já apontam
para a guerra de 1914-1918.
As Sociedades de Geografia são instituições que surgem nas primeiras décadas do
século XIX, evoluindo entre 1820 e 1920 em duas distintas fases: a que vai de 1820 a 1870,
marcada pelas atividades de viajantes e naturalistas em busca de levantar e cartografar
informações das regiões do mundo até pouco tempo desconhecidas ou mal conhecidas pelos
europeus, e a que vai de 1870 a 1920, definida por um intuito de incorporar os conhecimentos
acumulados e articulá-los num formato de tratamento metódico e analítico de cunho
dominantemente de conquista, a partir de quando as atividades das Sociedades e os interesses
de dominação imperialistas se encontram na Conferência Internacional de 1876.
As primeiras Sociedades de Geografia têm sua fundação na primeira metade do século
XIX: a Sociedade Geográfica de Paris é fundada em 1821, a Sociedade de Geografia de

Berlim em 1828, a Real Sociedade de Geografia de Londres em 1830 (mas seu embrião é a
African Association for Promoting the Discovery of the Interior Parts of África, criada em
1788) e a Sociedade Geográfica Russa de São Petersburgo em 1845. Daí para frente sua
distribuição geográfica e seu número se ampliam, muitas sociedades surgindo em diferentes
localidades de um mesmo país. Destacam-se a Sociedade Americana de Geografia de Nova
Iorque, fundada em 1852, a Sociedade de Geografia de Genebra, em 1858, e a Sociedade
Geográfica de Madri, em 1876. Seu auge se dá entre 1821 e 1870, embora com pico
numérico entre 1890 e 1920, quando então decaem em importância.
Estas Sociedades respondem por uma intensa atividade em que se inclui o
financiamento de viagens e divulgação de pesquisa de naturalistas em suas excursões pelo
mundo, às vezes com recursos próprios, realização de eventos em que viajantes e naturalistas
apresentam, debatem e tornam públicos seus conhecimentos, publicação de revistas através
das quais esses conhecimentos se disseminam além-fronteiras, congraçando os homens de
ciência e cumprindo o papel de estimular as atividades que vão originar muitas das
descobertas científicas que vão ser uma característica do século XIX. À exceção das
sociedades russas de geografia, financiada pelo Estado, em sua generalidade essas Sociedades
vivem das cotas de seus associados, dentre eles comerciantes interessados nas possibilidades
de ampliação de mercado que possam vir das descobertas geográficas e os próprios viajantes
e naturalistas interessados em ter onde intercambiar suas idéias.
O grande acervo de conhecimentos que por volta de 1870 se acumula nessas
Sociedades leva-as a despertar o lado comercial e militar de seus componentes, marcando
uma passagem à segunda fase, quando muitas delas vão se desdobrar em Sociedades de
Geografia Comercial, quando não se criam internamente comissões destinadas a esse fim,
inaugurando o período de forte vínculo com o projeto colonialista dos respectivos Estados
nacionais. Um forte redirecionamento se dá, então, na forma e propósitos das incursões e
pesquisas geográficas que elas estimulam, agora com o intuito de fornecer a base cartográfica
e de conhecimento aos projetos de conquista de territórios de seus Estados.
A Real Sociedade Geográfica Britânica serve de exemplo. Criada em 1830, desde
então se orienta por atividades voltadas para o fim da qualificação de exploradores de áreas
dos continentes para as quais a comunidade científica e governo mostram interesse, daí
brotando inúmeras incursões exploratórias que levantam informações e preparam relatórios
sobre hidrografia, correntes atmosféricas, formas de cultura que levadas à Real Sociedade
estimulam novas incursões e novos territórios, acumulando na Inglaterra um conhecimento
vasto e detalhado de povos e territórios de áreas coloniais as mais diferentes e ainda não

colonizadas e que serão de imensa valia quando da virada de rumos dos anos 1870 das
Sociedades Geográficas do continente europeu.
Período áureo das Sociedades Geográficas, os anos entre 1870 e 1920 é também o do
começo do declínio de sua importância. Esta é a época em que a etnografia e a antropologia
ganham forte expressão como ciência e se lançam à pesquisa nestas mesmas áreas de atuação
da geografia. Até cerca dos anos 1870 estes campos de conhecimento atuavam juntos ao da
geografia no interior das Sociedades, quando então se separam. Melhor preparadas que a
geografia para o levantamento dos quadros culturais, em particular os rituais e a língua em
suas recíprocas relações, a etnografia e a antropologia vão deslocando para si as tarefas de
estudos e cadastramento desse campo de conhecimento. Por outro lado, é quando a biologia
surge, também se dedicando ao levantamento das formas de fauna e flora dos continentes
analisadas junto a todo o quadro da natureza, identificando-se com o tema da história natural.
Restringida em seu campo, a geografia vai limitando-se a um elenco menor de atividades,
levando as Sociedades de Geografia a coabitar o mundo institucional com entidades
congêneres surgidas junto à emergência daqueles saberes erguidos à condição de formas
maiores de ciência. Por volta de 1920 o número de Sociedades de Geografia continua a
crescer, porém agora nos ambientes extra-europeus.

A geografia universitária

Coincide com esse momento o surgimento da geografia universitária, coroando os
ensaios de transformação do saber geográfico em ciência desenvolvidos pelas próprias
Sociedades.
Nesse nascimento, a geografia universitária, tal como acontecera com os outros
campos científicos, a exemplo da etnografia, da antropologia e da biologia em suas áreas,
comporta-se como uma herdeira cultural da primeira fase das Sociedades Geográficas, por
isso a geografia universitária acompanhando as Sociedades de Geografia em sua evolução.
Por essa razão, surge com forma própria em cada contexto nacional, mas a começar da
Alemanha.

A geografia alemã

É entre os alemães que, por volta de 1754, a geografia inicia seu caminho para o
status científico. Os passos nesse sentido são já nítidos nas discussões entre as duas vias que

surgem: a geografia político-estatística e a geografia pura. A primeira dá prosseguimento
metodológico ao que vinha sendo a geografia desde os tempos de Estrabão, no século I, e
ganha impulso com Varenius no século XVII. A segunda põe acento na questão dos limites
naturais de um território, tema tipicamente da Alemanha de então e que virá despontar no
final século XIX com Ratzel, particularmente. Ambas tomam para si o grande problema
posto à época para o desenvolvimento do capitalismo na Alemanha: a saída do atraso perante
os níveis mais avançados da Inglaterra e França e a solução do problema doméstico de
unificação de um território fortemente fragmentado. A geografia política-estatística define o
papel da geografia como sendo o de montagem de um painel o mais amplo e sistemático
possível de conjuntura e demarcação territorial tendo em vista daí extrair os meios que
atendam às necessidades da administração estatal. A geografia pura assenta a tônica nos
critérios dessa demarcação, sendo para ela os limites naturais do terreno. Tanto uma forma de
geografia quanto outra se voltam assim para a questão da identidade territorial e seus marcos
de limite, emergindo no contexto da Alemanha fragmentada às voltas com o problema da
unidade como um assunto identificado ao tema da unidade e diversidade regional dentro e
fora de um país. Assim, na aparência contrapostas, essas duas formas de geografia apenas
diferenciam-se em sua convergência para um mesmo ponto: a geografia político-estatística
privilegia a problemática da unidade interna do Estado dos príncipes em que se divide a
nação alemã, enquanto a geografia pura estende-se para a questão mais além da unidade do
todo de uma Alemanha regionalmente diferenciada. Todavia, é a geografia pura a forma que
se identificará com o verdadeiro salto que o saber geográfico experimentará quando da
entrada da metade seguinte do século XVIII, quando, com Kant, ganhará a tradução que a irá
tornar-se uma forma de ciência moderna.
Por cerca de 40 anos, de 1756 a 1796, Immanuel Kant (1724-1804) lecionará na
Universidade de Koengsberg o que no então se chamava geografia física, assim designada em
grande medida por efeito da temática herdada da geografia pura. As aulas de geografia
serviam a Kant, ao lado da antropologia pragmática, como ponto de apoio de sua busca de
formação de uma sistemática nova para a filosofia, sua área de atuação real. Através da
geografia Kant procurava formar um conceito crítico da natureza e através da antropologia
pragmática um conceito crítico do homem, conceitos estes capazes ao mesmo tempo de
permitir-lhe dar contemporaneidade a uma filosofia defasada diante de uma ciência que se lhe
avançara bem mais adiante, mercê o surgimento da física newtoniana, e equacionar a
separação entre a natureza e o homem que desde Descartes aparecera na forma de um objeto
e sujeito dissociados. A geografia que está nascendo na Alemanha é, assim, prima-irmã da

filosofia crítica que igualmente está nascendo pelas mesmas mãos do mesmo Kant, trazendo
consigo traços importantes dessa filosofia, em particular o papel da percepção e do espaço no
processo do conhecimento.
Para Kant o conhecimento nos é dado inicialmente pela rede das nossas sensações
corpóreas. Nasce com elas o conhecimento empírico. Esse conhecimento empírico advém da
junção das informações sensórias ­ singulares e isoladas por provirem das formas diferentes
das sensações (a visão, o tato, o olfato, a gustação) ­, pela percepção numa imagem
reprodutora dos objetos do mundo externo. Nesse processo, diferem a percepção interna,
reveladora do homem (objeto da antropologia pragmática), e a percepção externa (objeto da
geografia), reveladora da natureza. Uma separação que deve ser superada pelo conceito,
quando então o conhecimento senso-perceptivo se torna um conhecimento sistemático e
generalizado no nível abstrato do pensamento. É quando o espaço e o tempo aparecem como
um fundamento, revelando embora uma nova dicotomia. Os dados da apreensão sensória
aparecem à percepção como entes localizados numa ordem de contigüidade e de sucessão, a
ordem da contigüidade sendo o espaço e ordem da sucessão sendo o tempo. Ora, fruto da
percepção externa (objetiva), o espaço aparece como uma relação de externalidade, e fruto da
percepção interna (subjetiva), o tempo como uma relação de internalidade, um problema que
Kant espera resolver apelando para a intervenção da filosofia, atribuindo à geografia a ordem
do espaço e à história a ordem da sucessão no processo do conhecimento, cabendo à
geografia a descrição do espaço e à história a narrativa do tempo, a filosofia juntando-as e
trazendo-as para o seio de sua reflexão do mundo como um universo de fenômenos de
diversa determinidade que só a subjetividade do pensamento humano unifica.
Geografia e história nascem, pois, de um mesmo processo, o da localização dos
fenômenos, porém em ordens de distinta qualidade, a geografia localizando-os no espaço e a
história no tempo, por isso mesmo nascendo diferentes e separadas. A história nasce como o
registro dos acontecimentos na sucessão, ao passo que a geografia no da na coabitação. A
forma de leitura da história é a narrativa, enquanto a da geografia é a descrição. A geografia e
a história firmam-se, pois, como saberes separados, mas unificadas pela filosofia. Assim,
embora distintas, geografia e história se encontram. Pelo olhar da filosofia, a história é uma
geografia contínua e a geografia uma história cortada pela descontinuidade. Pode, assim,
haver uma história como uma geografia da Antiguidade, por exemplo, uma vez que os
acontecimentos históricos ocorrem num lugar geográfico e os acontecimentos geográficos
ocorrem num contexto de tempo histórico. Como, pensa Kant, a geografia é a descrição
natural da natureza, segue-se que ela subestrutura a história e a antecede. Substrato da

história, a descrição da natureza dá o tom da definição da geografia em sua lida com os
fenômenos humanos.
Deve-se compreender que Kant vê a geografia pelo prisma de quatro referências: 1) a
concepção aristotélica, ainda prevalecente, da coisa física como tudo que forma o mundo
externo da nossa percepção, 2) a forte influência da idéia da natureza como coisa inorgânica
recém-introduzida no conhecimento científico pela física newtoniana, 3) a presença
determinante das idéias da geografia pura e 4) o próprio interesse de Kant de tê-la como
suporte de sua reflexão sobre a natureza ao lado da reflexão do homem propiciada pela
antropologia pragmática. Quando Kant designa-a de uma geografia física, está dizendo algo
inteiramente diferente do sentido atual, este derivado da segunda referência.
As teorias de Kant vão, assim, ser a base do nascimento da geografia moderna,
transferindo-lhe como paradigmas a noção do espaço como ordem espacial, a superfície
terrestre como campo da taxonomia (tomando os nichos territoriais como critério,
diferentemente da ordem lógica de Lineus, então em voga), a comparação como método e o
sistema de agrupamento taxonômico dos fenômenos por suas semelhanças e diferenças, que
logo a seguir Alexander Von Humboldt e Carl Ritter vão incorporar ao sistematizá-los como
um corpus discursivo, no começo do século XIX.
Alexander Von Humboldt (1769-1859) e Carl Ritter (1779-1859), contemporâneos,
vivem o clima histórico das lutas pela unificação territorial nacional e pelo desenvolvimento
moderno da Alemanha, mas no ambiente dos efeitos dos primeiros passos de
desenvolvimento da economia moderna e de instauração da unificação alemã, passos esses
dados em 1834 pelos Principados. Nesse clima nasce com eles a geografia alemã e o seu
caráter de uma visão integrada do todo da realidade do mundo, expressivo das necessidades
nacionais da Alemanha. São por isso eles, não Kant, os geógrafos fundadores.
Incorporadores da contribuição de Kant, Humboldt e Ritter seguem, entretanto,
trajetórias diferentes. Humboldt exprime a visão do romantismo encarnado pelo poeta J. W.
Goethe (1749-1832) e pelo filósofo da natureza F. G. Schelling (1775-1854). Tomando como
referência a esfera das plantas como uma mediação das relações entre a esfera inorgânica das
rochas e dos solos e a esfera humana da sociedade, Humboldt costura sobre essa base a
unidade do todo da superfície terrestre. A morfologia da paisagem, tirada da teoria da estética
de Goethe, é o recurso de método que emprega para das relações das plantas com o mundo do
inorgânico e o mundo do humano inferir a sua teoria holista de geografia. Ritter parte da
noção de escala que toma de empréstimo a J. H. Pestalozzi (1746-1827), discípulo de J. J.
Rousseau (1712-1778), à qual junta o romantismo da filosofia da identidade de Schelling. A

relação humana parte para Pestalozzi do contexto da natureza, de que o homem é parte
integrante, a percepção dessa pertença indo do mais próximo para o mais distante, dessa
forma inferindo sua compreensão de mundo e de si mesmo. Ritter transporta o pensamento
pestalozziano para o âmbito da geografia e o transforma em sua própria teoria geográfica. A
base é o método comparativo herdado de Kant e a filosofia da identidade, vertente filosófica
de Schelling diferente daquela que serviu de referência a Humboldt, tomando também, à
semelhança deste, os recortes de espaços da superfície terrestre como referência territorial da
constituição holista. O propósito de Ritter, porém, é, pela comparação das semelhanças e
diferenças dos recortes, grupados dois a dois, extrair generalidades comuns e singularidades
distintivas para assim chegar ao que designa de individualidade regional, ao fim do qual a
superfície terrestre venha a aparecer como um todo como um grande mosaico, essa corologia
constituindo a visão holista de Ritter. Compartilham, pois, Humboldt e Ritter da concepção
holista do romantismo na qual a diversidade e a unidade da superfície formam a referência, o
holismo de Humboldt expressando uma concepção panteísta que vem de sua relação com o
esteticismo goethiano e a filosifia da natureza de Schelling e o de Ritter uma concepção teísta
que vem de suja relação com a filosofia combinada de Pestalozzi e de um Schelling voltado
para o teísmo.
O holismo é o modo como tanto Humboldt quanto Ritter refletem o desejo e o quadro
conturbado da unificação da Alemanha, que Lucien Goldmann resumiu nas seguintes
palavras: "Em toda a Europa, na França e na Alemanha, como na Itália, na Inglaterra ou na
Holanda, o desenvolvimento do pensamento humanista (racionalista ou empirista) esteve
estreitamente ligado a desenvolvimento econômico do país, quer dizer, ao desenvolvimento
de uma burguesia comercial e industrial. A existência ou ausência desse Terceiro Estado
determinou, também, a situação dos escritores humanistas ou místicos na sociedade. Na
França, os escritores humanistas e racionalistas estavam organicamente ligados ao público e à
nação inteira. Faziam parte dela e exprimiam seus pensamentos e sentimentos; ser escritor
não passava de uma profissão como qualquer outra. Um Montaigne, um Racine, um
Descartes, um Molière ou um Voltaire são a expressão perfeita de seu país e de sua época.
Atrás de seus escritos está toda a parte culta da nação, e eis por que seus ataques são
perigosos, suas sátiras tão mortais para quantos eram atingidos. ,,Na França, o ridículo mata`,
diz um provérbio que bem caracteriza esse estado de coisas. Na Alemanha a situação é
exatamente oposta. O grande atraso no desenvolvimento social e econômico e a ausência por
mais de dois séculos de uma possante burguesia comercial e industrial impediram a eclosão
de fortes correntes de pensamento humanista e racionalista; a Alemanha estava aberta,

sobretudo, ao misticismo e aos transportes afetivos e intuitivos. Eis por que nesse país faltava
aos escritores e pensadores humanistas e racionalistas todo contato verdadeiro com o público
e a sociedade que os abrangia. A solidão é o tema fundamental que sempre aparece na
biografia dos grandes humanistas alemães. O velho Leibniz, Lessing, Hölderlin, Kleist, Kant,
Schopenhauer, Marx, Heine, Nietzsche e tantos outros levantam-se todos como solitários no
meio da sociedade alemã que não os compreendia e com a qual eles não conseguem manter
contato. Eis por que há entre eles tantas vidas partidas. Hölderlin, Nietzsche e Lenau
enlouqueceram; Kleist se suicidou; Klopstock, Wimckelmann, Heine, Marx, Nietzsche
viveram no exílio; Lessing morreu num canto perdido".
Embora compartilhando e vendo a Alemanha com a mesma expectativa crítica,
Humboldt e Ritter seguiram caminhos diferentes. Humboldt dedicou quase toda sua vida a
organizar o vasto material que reuniu de suas incursões em pesquisas pelo mundo e a fazer
palestras para um público europeu, em particular para o francês, ávido em conhecimento dos
relatos dos quadros de vida dos quatro cantos do mundo, resultando disso seu Cosmos, a obra
mater publicada em cinco volumes entre 1845 e 1862. Ritter dedicou-se às suas lições na
Universidade de Berlim, onde foi colega de Hegel e professor de Marx, e na Academia
Militar Prussiana, onde foi colega de Karl Von Clausewitz, o grande teórico da arte da guerra,
à publicação dos 19 volumes de seu Erdkunde, publicado entre 1819 e 1859, e à presidência
da Sociedade de Geografia de Berlim em sua primeira fase.
Humboldt e Ritter morrem em 1859 e por algumas dezenas de anos a geografia alemã
entra num estado de forte declínio que só termina por volta de 1880, com o aparecimento de
uma nova geração de geógrafos de origem acadêmica a mais diversa, entre os quais
ressaltam-se Ratzel, vindo da zoologia, e Richtofen, vindo da geologia.
Friedrich Ratzel (1844-1904) desenvolve sua teoria em duas obras fundamentais, a
Antropogeografia, de 1882, e a Geografia Política, de 1897, formulando uma maneira de ver
a geografia com inspiração no organicismo sociológico de Herbert Spencer (1820-1903).
Ratzel toma por princípio a visão integrada de Humboldt e Ritter, mas para ver na relação
política, não na paisagem orgânica da superfície terrestre, o dado integrador. Os homens
necessitam extrair do solo, um outro modo de Ratzel dizer seu chão espacial, os seus meios
de vida. Para isto, precisarão criar um organismo que os integre em suas ações. Este
organismo é o Estado. E é o Estado em seu casamento como o solo a origem da sociedade. O
chão espacial é o elo orgânico da unidade Estado-sociedade, compondo a base deste
complexo, e sendo por isso chamado por Ratzel de espaço vital. A busca de dispor de mais
referência de vida leva os homens a buscar uma ampliação crescente desse espaço vital na

história, o que conseguem incorporando áreas do território ainda não ocupadas ou ocupando
mais intensivamente o que já ocupa. No primeiro caso, a ampliação pode significar apenas
uma ocupação mais completa de seu território ou uma atitude de invasão do território de
outras sociedades. No segundo caso, pode significar a obtenção de meios em quantidades
superiores ao que precisa, motivando uma relação de cooperação internamente e com as
demais formas de sociedade. De modo que em decorrência da dinâmica do espaço vital as
sociedades podem conviver seja numa relação de conflito, seja numa relação de cooperação
na história.
Ferdinand Von Richtofen (1833-1905) divide com Ratzel as honras da reconstrução
da geografia alemã. E encabeça uma lista de geógrafos, em que se incluem Albrecht Penck
(1853-1945) e Walter Penck (1888-1923), pai e filho, respectivamente, os dois primeiros
vindos da geologia, que buscam, ao redor da criação da versão alemã de geomorfologia,
estabelecer esse reerguimento tomando como referência a noção de paisagem de Humboldt.
Vimos que nessa noção a forma é a referência da leitura, a paisagem aparecendo por sua
feição morfológica como o objeto da explicação geográfica. A inspiração é a morfologia de
Goethe, de onde Richtofen tira o nome de geomorfologia que dará à nova forma de geografia
que está ajudando a criar. De modo que embora surgindo como o estudo geográfico do
relevo, a geomorfologia irá se modelizar como um estudo do relevo enquanto um aspecto da
paisagem, uma parte integrada ao seu todo, o relevo sendo visto dentro e na medida das
características locais do todo da superfície terrestre. Este caráter de parte do todo mais
integrado e que tem na forma sua categoria por excelência de descrição e explicação é um
traço que cedo sai da geomorfologia para daí para diante ir se tornar o fundamento de toda a
geografia alemã. A climatologia, a hidrografia, a geografia agrária, cada ramo que surge vem
já formulado nesse parâmetro que vai se tornar uma espécie de paradigma da nova geografia
alemã. Como é Humboldt a fonte de inspiração, para o qual cabe à vegetação o papel da
integração holista, é então a biogeografia, não propriamente a geomorfologia, que ao final
acabará por estabelecer a base do conceito alemão da paisagem. Assim, toda a geração que se
segue a Richtofen e os Penck, de Siegfried Passarge (1867-1958), um geógrafo vindo da
medicina, a Carl Troll (1889-1975), egresso da biologia, vem a tomar o padrão biogeográfico
como referência do conceito da paisagem e do método morfológico e a levar a geografia
alemã a institucionalizar-se nessa característica, a culminância vindo a acontecer com Otto
Schlütter (1872-1959) e Alfred Hettner (1859-1941), Schlütter orientando a geografia da
paisagem para um sentido da cultura e Hettner para o da diferenciação de áreas, num retorno
à corologia da individualidade regional de Ritter.

A geografia francesa

Se o século XIX foi alemão, o século XX será francês em geografia. E a ponte de
passagem é a geografia comparada de Ritter. Reclus é seu aluno e Vidal de La Blache seu
discípulo. Seja como for, é da geografia alemã que a francesa tirará o conteúdo da sua.
Tal como a geografia alemã, a francesa tem imbricações no seu início com as
Sociedades Geográficas. A Sociedade de Geografia de Paris desempenha suas atividades da
primeira fase até o ano de 1870, também promovendo cursos e estimulando a realização de
debates de temas e eventos geográficos, a exemplo das outras Sociedades de Geografia.
Malte-Brun, filho de um geógrafo de origem dinamarquesa e autor de uma Geografia
Universal de grande circulação, exerce a função de Secretário-Geral da Sociedade de Paris,
lembrando Ritter, que fora presidente da Sociedade de Berlim. E, assim, tal como Ritter,
Brun recebe, organiza e divulga os trabalhos de geógrafos franceses, maduros e em formação
como um Elisée Reclus ainda pouco conhecido em 1862, através as atividades paraacadêmicas da Sociedade.
Entretanto, só nas décadas finais do século XIX tem início a fase universitária da
geografia na França. Seu grande criador é Vidal de La Blache. Há, assim, uma geografia
francesa que antecede a Vidal, ao tempo que o começo de uma fase nova com ele. Reclus é a
grande expressão da fase que precede e verá sua influência entrando ainda pela fase seguinte.
Elisée Reclus (1830-1905) é um geógrafo de formação anarquista, condição que o
manteve fora da França, no exílio, a maior parte de sua vida. O primeiro exílio deu-se em
1852, face sua reação em protesto ao golpe de estado de Luis Bonaparte III. A principal
época deu-se entretanto a partir de 1871, em conseqüência de sua participação na Comuna de
Paris, levante do povo decorrente da fuga da burguesia governante da cidade diante do
avanço das tropas alemãs pelo território francês no ano de 1870, quando estas em 1871
chegam às portas de Paris. Revoltado, o povo toma as rédeas do governo da cidade,
reorganiza o poder em forma comunitária e mantém Paris sob seu controle por 72 dias,
quando, aliadas, as tropas francesas e alemãs invadem Paris e destroem com enorme
violência o governo popular, prendem e eliminam seus líderes. Entre estes está Reclus.
Pressionado por uma mobilização internacional que exige a sua libertação, o governo francês
reconstituído expulsa-o do país, obrigando Reclus a viver no exílio até sua morte.
Toda a obra de Reclus é produzida nessa condição de exilado, boa parte dela como
meio de sobrevivência. Para tanto, Reclus vai dedicar-se a escrever roteiros de orientação de

turistas, os famosos Guias Joannes, os primeiros dos quais datam de 1858. Impressionada
com a qualidade dos textos, a Editora Hachete passa a publicar suas obras científicas, com a
exigência de Reclus não externar sua filosofia anarquista em seus trabalhos. Assim, em 1869
publica A Terra: descrição dos fenômenos da vida do globo, onde Reclus desenvolve sua
teoria da natureza e faz sua afirmação do "homem como a natureza consciente de si mesma",
numa concepção de geografia integrada que mantém a tradição dos fundadores. Entre 1875 e
1894 publica A nova geografia universal, obra em 19 volumes que cobre as regiões do
planeta, para cuja redação Reclus percorre os mais diversos países em trabalhos de pesquisa,
sendo ajudado por Peter Kropotkine na autoria da parte de geografia física de muitos
capítulos. Por fim, já rompido com a Hachete, publica entre 1905 e 1908 sua mais importante
obra, O homem e a terra, onde pode expor suas idéias sem limites, falecendo, entretanto, em
1905, antes de ver este livro vir a público.
A Paul Vidal de La Blache (1845-1918) caberá a tarefa de criar a versão acadêmica da
geografia francesa. E esta vem como uma reação nacional frente ao fracasso na guerra,
aproveitando a elite francesa para empreender uma grande reorganização do Estado e das
instituições da sociedade com uma série de medidas, entre as quais a redivisão regional da
França e a criação da universidade em moldes modernos, a geografia de Vidal vindo dessas
duas fontes. Em 1903, atendendo a solicitação de seu colega historiador Ernest Lavisse, Vidal
publica Quadros da geografia da França, o famoso Tableau, lançando com ele as bases da
geografia regional francesa. Em 1917, dentro do clima da guerra mundial e diante do avanço
das tropas aliadas rumo à Alemanha, publica O leste da França, um trabalho de geografia
política que ficará por longo tempo desconhecido. Em 1922, após sua morte ocorrida em
1918, é publicada sua segunda obra capital, Princípios de geografia humana, onde lança as
bases de uma geografia da civilização, numa linha em tudo distinta do livro de 1903 por sua
visão integrada e muito próxima de um diálogo com a visão antropológica do fato geográfico,
sobretudo por seu conceito chave de gênero de vida.
Toda a evolução da geografia francesa e a irradiação que a faz tornar-se a base da
geografia mundial em todo o correr do século XX vem da ação dos discípulos de Vidal, uns
divulgando e sedimentando a concepção regional nascida das páginas do Tableau, outros
buscando seguir uma linha sistemática longinquamente próxima do Princípios, sem contudo
lograr ter a visão integrada que encontramos nos fundadores, e mantida sob forma menos
holista por Vidal, Ratzel e Reclus. É com muitos deles que a tradição vidaliana cede lugar à
fragmentação que vai dominar a história da geografia a partir dos anos 1940, assim
perdurando até hoje.

A geografia norte-americana

Uma combinação inusitada da geografia alemã da paisagem e da geografia francesa
da região atravessará o Atlântico para formar a geografia americana. Aí vão despontar Sauer
e Hartshorne.
Carl Sauer (1889-1975), originário de família alemã migrada para os Estados Unidos,
é o promotor maior dessa mesclagem. Da geografia francesa tira o foco regional e da
geografia alemã o enfoque morfológico da paisagem, resumindo esse encontro num de texto
de 1925, A morfologia da paisagem. Mas logo sofre influência da antropologia, em franco
desenvolvimento nos Estados Unidos, deslocando seu discurso no sentido da cultura e da sua
arrumação regional, focando seus trabalhos nas regiões culturais. Seu propósito é analisar a
passagem das paisagens naturais para as paisagens humanizadas e o efeito dessa mudança nos
modos de vida e organização das sociedades comunitárias, cuja presença ainda forte nesse
tempo desperta a atenção do povo e da intelectualidade norte-americana.
Richard Hartshorne (1899-1992) completa esse percurso, trazendo para a geografia
regional vidaliana a presença do enfoque neoritteriano de Hettner, levando a geografia norteamericana a recentrar seu foco na diferenciação de áreas do conceito hettneriano.

Os canais cruzados das Sociedades e da academia

Nem sempre, todavia, os discursos das Sociedades e da academia seguem linhas
distintas, freqüentemente sendo levadas a um entrecruzamento que será responsável pela
difusão de toda uma ideologização das correntes de geografia como um discurso de escolas
nacionais. E assim a levar parte da geografia acadêmica a vincular a academia e as
Sociedades nos entrelaçamentos com as políticas de expansionismo e a se afastar da tarefa de
ir ao encontro da utopia estraboniana do século I.
Dois pontos de entrecruzamento, sobretudo, têm lugar: a criação de cadeiras de
geografia colonial nas universidades junto à instituição da geografia universitária e o
surgimento da versão de geopolítica que terá lugar nessa época.
A criação das cadeiras de geografia colonial no âmbito das universidades tem suas
origens nas de geografia comercial instituídas no âmbito das Sociedades de Geografia no
momento de sua segunda fase. A Sociedade de Geografia Comercial, desmembrada da
comissão para estudos de relações exteriores da Sociedade de Geografia de Paris, por

exemplo, foi criada em 1873, inaugurando uma prática que se multiplicará pela Europa. A
primeira cátedra de geografia colonial é criada em 1885, também na França, logo se
desdobrando em cadeiras de geografia comercial, estas duas disciplinas se propagando pelo
ensino universitário de geografia pelo continente em simultâneo à multiplicação das
Sociedades Comerciais. Não se trata, entretanto, de uma regra universitária. A geografia
colonial é criada na França por Marcel Dubois, um dos fundadores da revista Annales de
Géographie junto a Vidal, mas sem vínculos de parte deste. Embora a disciplina ganhe corpo
no ambiente universitário daí para diante, estimulada na França pela criação em 1889 da
Escola de França de Além-Mar (École de France d´Outre Mer), ainda sob os influxos da
derrota da guerra de 1870, nem Vidal e nem a maioria dos acadêmicos seguirá essa trajetória.
Diga-se o mesmo da Itália, onde tem o mesmo papel impulsor a Sociedade Geográfica
Italiana criada em 1868. Ou da Alemanha, onde à mesma época é criado o Instituto Colonial
de Hamburgo, onde a África é o objetivo de atenção. Cedo a geografia colonial e a geografia
comercial se desdobram numa geografia tropical, matéria de intensas pesquisas acadêmicas à
qual se dedicará uma diversidade de revistas especializadas e de onde sairá uma profusa
produção de livros e atlas das colônias em que o trópico colonial ganha um amplo tratamento
analítico e de sistematização, expressando um movimento no qual a realização da
Conferência Internacional de Geografia de 1876 e seu desdobramento na criação da
Associação Internacional Africana e a ocorrência da Conferência de Berlim de 1884-1885 são
parte integrante.
A geopolítica surge como uma componente desse quadro, materializando em toda
clareza a institucionalidade dessa mesclagem. Sua função é trazer para o Estado e a ação
militar a legitimidade do tema e da tarefa do empreendimento de uma geografia colonial no
âmbito da relação entre as potências européias. Embora criação do jurista sueco Rudolf
Kjellen (1884-1926), que desenvolve suas idéias em seu livro de 1916, O Estado como forma
de vida, é ao geógrafo britânico Halford Mackinder (1861-1947) que cabe o melhor resumo
desse seu significado. Em A Grã-Bretanha e os mares britânicos, de 1902, Mackinder deixa
claro a quem se destina o discurso da geopolítica, observando: quem dominar o leste europeu,
dominará o coração do continente; quem dominar o coração do continente, dominará a ilhamundo; e quem dominar a ilha-mundo, dominará o mundo. Por leste europeu Mackinder
refere-se à Alemanha, extensivo à Rússia. A ilha-mundo é a Inglaterra.
O auge dessa mescla é o período da segunda grande guerra. Após o qual seu sistema
institucional e de idéias decai e praticamente se extingue. Seja porque a antropologia vai
lentamente substituindo a função até então exercida pela geografia e seja porque a

propagação vai transformando a indústria em um sistema mundial, o centro das relações
internacionais sofre a partir dos anos 1950 uma grande mudança. A incorporação dos espaços
mundiais por hábitos de consumo de bens vindos da fabricação industrial vai tomando o lugar
de um expansionismo baseado no domínio das fontes brutas de recursos naturais pura e
simples, o conhecimento dos valores culturais distintivos de territórios e povos se tornando a
matéria-prima principal da nova forma de expansão. Declinam de importância, assim, tanto
as Sociedades de Geografia quanto a geopolítica, numa perda da influência de que
desfrutavam os conhecimentos geográficos de que não escapará mesmo a geografia
acadêmica.

A geografia acadêmica e a geografia marginal

A centração da geografia na virada do século XIX para o século XX nessa
consorciação da ideologia das Sociedades de Geografia e da geografia colonial, que então
viceja também na área acadêmica, cunhará, todavia, o modo de entendimento com que a
ciência geográfica ficará popularizada. A geografia acadêmica e o ensino escolar que
sobrevêm herdam esse cunho pragmático da geografia comercial, empurrando o discurso
geográfico e sua tradução escolar para um viés naturalista e utilitário. Estudar-se-á a natureza
pela influência que exerça sobre as atividades práticas da produção econômica, o homem pelo
efeito do prisma demográfico sobre a demanda de consumo e a oferta de mão-de-obra e a
economia por fim como a própria razão final dos estudos, num sistema de estrutura N-H-E.
No entanto, seguira existindo a geografia de sentido de compromisso com "o grande
problema da vida e da felicidade" de Estrabão, aqui e ali vindo à tona num contraponto com a
geografia acadêmica, como a exemplo da visão socialista de Reclus e a puramente acadêmica
de Vidal que impregna o ambiente francês da virada do século XIX-XX. Um contraponto que
vem por fim à superfície para dominar os debates do mundo científico dos anos 1970.
As grandes mobilizações que têm por pano de fundo a guerra do Vietnã e a seqüência
de catástrofes ambientais que convergem em simultâneo nessa década sacodem a estabilidade
das estruturas geográficas construídas à base da política do expansionismo mundial, da
economia comercial e do industrialismo capitalista, produzindo um momento de intenso
debate crítico no âmbito da geografia acadêmica, com intuitos de mudanças.
Já se pode vislumbrar por volta dos anos 1950 uma ligeira tentativa de reorientação da
geografia acadêmica entre alguns geógrafos franceses. Em geral, são geógrafos de formação
marxista, dando seqüência à busca de reativação do conceito de gênero de vida de Vidal por

seu discípulo Max Sorre nos anos 1930. É Pierre George (1902-2005), continuador dos
trabalhos e idéias de Sorre, o centro de referência dessa renovação. É com George que a
teoria da organização geográfica do espaço mundial perde seus alicerces clássicos: a divisão
natural em continentes. George toma como nova referência os sistemas econômico-sociais,
vendo as formas de organização do espaço mundial segundo os sistemas socialista e
capitalista, este por sua vez diferenciando-se em desenvolvidos e subdesenvolvidos. A
geografia de cada país, incluindo-se suas condições naturais, organizar-se-á segundo as regras
sócio-econômicas de seu sistema, o que põe no centro da organização as determinações da
história. A história determina o modo da relação do homem com o seu meio natural. Assim,
por exemplo, foram necessários anos de desenvolvimento econômico-social para que os
homens habitantes do Oriente Médio descobrissem a forma de uso industrial do petróleo e o
incorporassem como fonte de energia e matérias-primas à sua existência.
Com Yves Lacoste, discípulo de George, é dado mais um passo na ruptura com o
naturalismo. Da lavra de Lacoste sai o clássico Geografia do Subdesenvolvimento, de 1965,
no qual a classificação dos países e regiões desenvolvidos e subdesenvolvidos e capitalistas e
socialistas ganha um trato mais sistemático. O homem já não mais aí é visto segundo suas
diferenças de ordem continental. O que os distingue são suas condições econômicas e sociais
de existência, emanadas da capacidade de transformar e distribuir a riqueza vinda da ação
sobre a natureza. No nordeste industrial dos Estados Unidos, no noroeste europeu, nos
desertos do Saara, como nos trópicos do Brasil ou na região de coníferas do sul do Chile, o
que temos são homens vivendo sob quadros econômico-sociais que os distingue em
afortunados ou famintos. A determinação da estrutura econômico-social das sociedades, eis o
substrato da geografia em suas diferenças. Nos anos 1960 este conjunto de novas idéias é
sistematizado por George, junto a Yves Lacoste, Bernard Kayser e René Guglielmo no livro
A Geografia Ativa, de 1964, título que dará o nome ao movimento. O centro da nova teoria é
o conceito de situação, que George define nos termos da dialética de freios e aceleradores:
"Uma situação é a resultante, num dado momento ­ que é, por definição, o momento
presente, em geografia ­, de um conjunto de ações que se contrariam, se moderam ou se
reforçam e sofrem os efeitos de acelerações, de freios ou de inibição por parte dos elementos
duráveis do meio e das seqüelas das situações anteriores". Sente-se a intenção de se
introduzir a contradição como motor da dinâmica global, na perspectiva do marxismo, por
onde George havia transitado logo após o fim da guerra, mas esquematizada nos termos do
funcionalismo habitual das formulações vidalianas, a que George retorna e de onde no fundo
sempre parte.

Os estertores da antiga geografia oficial conhecem, entretanto, também sua versão de
renovação, e que vem em simultâneo à geografia ativa na forma da "new geography". Esta é
uma tentativa de ruptura na aparência mais radical, mas voltada ao fim de abandonar o
conteúdo dos gêneros de vida e o formato do recorte regional, descartando os princípios
vidalianos de geografia sob o argumento de não científicos. Seu berço são os Estados
Unidos, de onde se difunde à Inglaterra e daí para o resto do mundo, encontrando declarada
oposição dos geógrafos franceses e dos centros mundiais de forte raiz vidaliana.
O pressuposto da "new geography" é a organização do espaço segundo tipologias que
expressam padrões matemáticos, combinações de variáveis entrelaçadas numa constante
matemática que se revelam no formato dos arranjos do espaço, eles mesmos tipologiaspadrão, que uma vez conhecidas tornam-se a teoria explicativa da dinâmica geográfica dos
arranjos espaciais. Dispensa-se a compreensão do sentido seja naturalista ou seja histórico
dos conteúdos, partindo-se do princípio de que o fenômeno geográfico é um jogo de relação
processo-forma no qual o padrão matemático é o conteúdo. O computador e o conteúdo
matemático são, assim, a essência dessa modalidade de geografia, o primeiro tomado como
instrumento por excelência dos modelos quantitativos e o segundo como o objetivo do
alcance do conhecimento, o traçado do formalismo geométrico dos arranjos do espaço sendo
o seu objeto.
Essa combinação de modelo quantitavivo e formalismo geométrico coincide com o
auge do envolvimento norte-americano na guerra do Vietnã. O que leva Yves Lacoste a ver
nela a própria razão da emergência da "new geography". Em vários textos publicados na
revista Herodote, por ele dirigida, Lacoste mostra a ligação da "new geography" com a
elaboração da cartografia que orienta as ações militares norte-americanas no território do
Vietnã, os modelos quantitativos e o uso do computador sendo utilizados para mapear as
áreas de valor estratégico para o modo de vida geográfico da população vietnamita, baseado
na rizicultura inundada e assim dependente do controle dos rios por meio de diques, erguidos
secularmente pelo povo vietnamita em ações comunitárias. A cartografia de precisão que esta
metodologia meramente formal-quantitativa desligada dos conteúdos natural-sociais efetivos
oferece às ações militares de ar e de terra norte-americanos cai como uma luva para seus
propósitos de destruição da resistência das tropas de guerrilha e das comunidades do Vietnã,
via bombardeios maciços desses diques combinados à guerra química que introduzem com a
aspersão do napalm, um veneno químico tão altamente destrutivo quanto as catástrofes
geradas pelo rompimento dos diques do curso dos rios.
Vem-lhe, assim, à lembrança a associação das Sociedades de Geografia e do uso da

face política que a ciência geográfica na forma da geopolítica oferecera na primeira metade
do século, aproveitando para denunciar a geopolítica de então como uma deformação
introduzida pela política expansionista, mostrando vir a geopolítica do vínculo das lutas de
autodefesa e resistência das comunidades do passado, chamando a atenção para a necessidade
de resgatá-la do sentido estatal-militarista que então se dera, reorientando a própria revista
Herodote no sentido desse resgate.
O resultado é a publicação em 1976 do livro A Geografia ­ isto serve, antes de mais
nada para fazer a guerra, que ao tempo em que elucida o fundamento epistemológico, busca
restabelecer para a própria geografia o sentido mais amplo do significado estraboniano do
passado, deixado à margem e intencionalmente esquecido pelo que Lacoste chama a
geografia dos estados maiores e a geografia dos professores, aquela o saber de uso político
que não deve ser deixado nas mãos das empresas e dos militares, numa reedição moderna da
geografia comercial, antes a resgatando para o seio das populações em suas necessidades de
organização societária, a exemplo recente do povo vietnamita, e esta o saber universitário, a
geografia acadêmica, que em nome de não ser confundida com a geopolítica da conotação
expansionista do período de guerra, refugiara-se, diz Lacoste, numa neutralidade acadêmica
que não existe.
No fundo, Lacoste se soma com este livro ­ onde anuncia que é preciso "conhecer o
espaço, para nele se organizar e nele combater" ­, a uma série de publicações que reagem às
deformações quantitativo-formalistas da "new geography", como Por uma geografia nova, de
Milton Santos, A Justiça social e a cidade, de Harvey, e Marxismo e Geografia, de Massimo
Quaini, genericamente batizada de geografia radical e geografia crítica, dado que com ela
seus autores recuperam e ultrapassam as formulações antigas, reeditando, mas sob forma
nova, a preocupação de aliar análise de forma e conteúdo com o intuito de levar a pesquisa
geográfica ao conhecimento da essência dos modos de vida da sociedade moderna, como
antes o tentara a geografia ativa.
Entre seus efeitos está o resgate da trajetória aberta por Estrabão, em que se perfilam
Reclus e outros tantos geógrafos de formação socialista moderna, e em que se encontra o
próprio Lacoste como quadro integrante do movimento da geografia ativa. São livros que
abrem um processo novo de renovação que vai desembocar no pluralismo de caminhos com
que hoje o ambiente intelectual da geografia se apresenta.
A EPISTEMOLOGIA

A longa síntese da formação e desenvolvimento do pensamento geográfico que

fizemos pareceu-nos necessária ao empreendimento do que se pode chamar a sua crítica
epistemológica.
Uma das advertências que Milton Santos faz em Por uma nova geografia se refere ao
tema epistemológico, para ele essencial, do objeto. Não há, observa, como se poder definir a
geografia se previamente não se tem a clareza do tema de base com que lida, reclamando ser
o espaço este objeto. Quaini, no sentido de amplificação da escala de profundidade, leva o
espaço para o sentido do vínculo ordenador da integração orgânica da relação do homem com
o meio, convergindo para a noção do espaço como objeto, mas na perspectiva da
compreensão de um termo da organização estrutural da relação homem-meio, numa relação
de forma e essência.
Seja como for, há nas diferentes intervenções que vêm a público desde os anos 1950 a
concepção da geografia como um saber relacionado à clarividência do papel estrutural da
organização espacial das sociedades na história, pressupondo-se vir daí a clarificação de tudo
mais em geografia.

A crítica epistemológica

É um fato que poucas formas de saber lograram a popularidade da geografia. O mapa
e a paisagem, para pegarmos dois exemplos, são signos que encontramos fazendo parte de
nossa linguagem corrente, nos mais variados lugares: nas fábricas, nos lares, na televisão, nos
comícios, nos quartéis, nas delegacias de polícia, nos organismos políticos, nas empresas, nas
escolas, nos murais, nos out-doors das estradas.
O que pode estar por trás de tamanha popularidade? Provavelmente o fato de a
geografia fazer parte da vida humana, a partir do próprio fato de que todo dia fazemos nosso
percurso geográfico, de casa para o trabalho, do trabalho para a escola, da escola para o
trabalho, pondo a geografia na própria intimidade das nossas condições de existência.

As práticas espaciais, os saberes espaciais e a ciência geográfica

Isto porque tudo em geografia começa e se resolve nas práticas espaciais. Em geral, as
práticas são atividades que ocorrem no âmbito da relação homem-meio no momento e na
colagem da sua busca de prover-se de meios de sobrevivência. De modo que toda relação
homem-meio é uma forma de prática espacial, mesmo que a recíproca não seja verdadeira em
forma direta.

A prática espacial é movida inicialmente pelas necessidades de vida. Quando uma
comunidade humana entra em contato com o solo para fins agrícolas o que busca é extrair
dele o que este e a própria condição de trabalho do homem lhe oferecem. Aos poucos a
própria continuidade da prática espacial vai levando o homem a distinguir os melhores locais
para este cultivo e aquela criação, a melhor forma e as espécies mais apropriadas para
associações numa policultura local e como arrumar o uso da área para os fins de extrair dela o
melhor resultado.
A própria prática espacial vai também estimulando comparações, ensejando ao
homem atos de sistematização do quadro de experiências, extraindo aos poucos níveis de
generalização do aprendizado em forma de conhecimentos abstratos, as práticas espaciais
assim se transformando em saberes espaciais. Devolvidos às práticas espaciais de onde vêm e
nas quais mantêm fincados suas raízes os saberes espaciais aumentam sua eficiência, práticas
e saberes se unindo e se ampliando dialeticamente numa práxis.
A incorporação progressiva de áreas de práticas e saberes novos a essa práxis,
favorecendo o aumento do raio de escala das comparações, generalizações e sistematizações
do conhecimento empírico leva a abstração a galgar níveis crescentes de universalidade cuja
conseqüência é a transformação dos saberes na ciência geográfica.

A percepção em geografia

A percepção é o aspecto chave dessa relação. Nascendo no âmbito da prática espacial,
fornece os elementos que a abstração mental vai transformar no saber espacial, e, mais à
frente, na ciência geográfica.
Partamos, por exemplo, do modo como costumeiramente formamos nosso
conhecimento geográfico. Todos moramos em um lugar e temos familiares e amigos que
moram em outros lugares. Estes diferentes lugares são ligados por ruas, avenidas, estradas.
Pessoas, objetos e idéias fluem entre esses diferentes lugares, entrecruzam-se através das
artérias que os põem em comunicação. Ajudam-se ou ignoram-se. Cedo compreendemos que
nossa própria percepção obedece a dimensões de escala geográfica. De diferentes lugares são
extraídos meios que em diferentes lugares são transformados em objetos úteis e que são
intercambiados entre diferentes homens, de e entre diferentes lugares. Logo daí
depreendemos que uma combinação de lugares e relações entre lugares tece uma unidade de
espaço, um espaço cuja organização em rede forma o modo espacial de existência dos
homens. Este espaço em rede tem um ou uma pluralidade de núcleos, que reconhecemos na

residência, na fábrica ou na escola cujo conjunto compõe o nosso mundo. Como estes núcleos
de unidade de espaço justapõem-se, porque mesmos homens habitam diferentes núcleos, e
estes se embutem, porque uma escala de unidade de espaço sempre se inscreve em uma outra
de nível maior de abrangência, como a família, que se inscreve na fábrica, que se inscreve na
cidade, que se inscreve no país, que se inscreve no mundo, que se inscreve no universo,
temos uma realidade de rede de escala complexa e abrangente, cuja percepção amplificada
revela a nossa existência na integralidade do espaço.
Se passarmos da descrição da percepção das coisas singulares para a explicação da
compreensão da estrutura de suas relações, fazemos a passagem do singular para o universal
na qual a percepção se transfigura de dado empírico em um discurso geográfico.
Assim, podemos dizer que a geografia é um discurso teórico universal que combina a
escala mais simples das coisas singulares da percepção à mais abstrata e complexa da
totalidade do conceito, embutindo em sua estrutura desde as práticas espaciais e seus saberes
até o pensamento abstrato que é o domínio da ciência. Eis a origem de sua popularidade: é
uma forma de conhecimento que do tudo chega ao todo. Um procedimento que não é
apanágio da geografia acadêmica. Mas envolve uma inusitada peculiaridade. Na verdade, a
maioria das pessoas forma, mesmo que intuitivamente, o juízo do espaço como modo
integralizado da existência, uma vez que a prática e a percepção e a sua conversão no senso
comum do saber espacial é o cotidiano de vida de todo ser vivo.
Isto faz da geografia um saber do espaço vivido. Um saber com a propriedade de
elevar o homem comum da imediatez perceptiva à mediatez mais abstrata, sem se desligar
das ambiências e vivências. E se nisso reside sua peculiaridade, da qual deriva sua
popularidade, reside nisso igualmente seu amplo significado ontológico. E por isso seu
caráter de um saber de efeito ideológico e político.

A aparência perceptiva, a ideologia e a ciência

Se o significado ontológico da geografia está definido em si nessa peculiaridade de
alicerçar-se na percepção das práticas e saberes espaciais, vem daí a difícil separação nela
entre o ideológico e científico. Um atributo que se a leva a poder servir para tornar os homens
uma humanidade resolvida em "seus problemas de vida e de felicidade", pode servir também
para aliená-los dela.
Tal propriedade, que encontramos em qualquer forma de saber, assume entretanto na
geografia particular significado. Já advertia Lacoste que aquele saber que fala do que pela

pura percepção parece o óbvio, no fundo é o que ideologicamente mais se mostra perigoso. Já
a geografia acadêmica se dizia um "saber terra-a-terra", concebendo que aquilo com que lida
é por demais evidente, capta-se bastando apenas a percepção, mas no fundo escondendo que a
percepção pode servir a deus e ao diabo.
Nossa percepção, em verdade, diz o que queremos que ela diga. Campo de batalha
onde se trava a disputa da ideologia e da ciência, a percepção pode confirmar ou desdizer o
que se afirma de nossa realidade.
Se o universo da percepção é a apreensão pelo aparente de nosso mundo imediato de
contatos, quem por meio dela está apreendendo é o nosso corpo, e fala mais alto o dizer da
sensibilidade corpórea. O seu poder de sentir quando o dizer não corresponde ao sentido. Diz
o povo que "as aparências enganam", inspirado no que as práticas espaciais e sua revelação
nos saberes espaciais cotidianamente ensinam. O que dá à geografia a propriedade da
proximidade da imediatez que se esconde por trás do espaço vivido.
Nisso ela se põe de par em par com a ideologia, comungando uma e outra de uma
imensa semelhança de metodologia. Tanto a ideologia quanto a geografia se valem do realaparente para demonstrar a verdade de seus discursos, face à imensa carga empírica da
realidade que o real-aparente carrega. É onde uma e outra vão buscar a matéria de toda
demonstração de evidência, numa tênue linha de fronteira. Na revelação, os caminhos podem,
mesmo que nem sempre sejam diferentes. Foi com esse intuito que Marx observou em O
Capital que "a ciência seria desnecessária se toda essência coincidisse com a sua aparência".

A aparência e a essência

Há, antes de mais, que se evidenciar no real-concreto do espaço vivido a morada da
essência. Simplesmente porque falando a linguagem da percepção ainda, o painel do espaço
vivido não nos diz por si mesmo a essência do mundo em que vivemos. A organização da
sociedade nem sempre é a que nossos olhos descrevem. Há semelhanças formais. E aí reside
o detalhe que pode diferir a geografia da pura ideologia. Sobre a base desse detalhe pode-se
elaborar toda uma concepção linear das sociedades humanas ou toda uma teoria da vida
social como uma forma de luta tenaz de construção humana.
Esta questão constitui a principal da teoria do conhecimento. Embora seja a questão
fundamental de toda forma de saber, recebeu porém na geografia um modo de
encaminhamento que a atrelou ao empirismo e ao neutralismo vigorantes até bem pouco.
É onde entra o problema do esquecimento do papel do conceito. Um elemento cujo

elo é o objeto. Milton Santos já observara esse hiato epistemológico da geografia. Não por
acaso, este é o tema que atravessa as fases da renovação desde os anos 1950 com a geografia
ativa e a "new geography" e vira o centro dos debates dos anos 1970.
Estudando a agricultura francesa Pierre George dirá da França que "o capitalismo
penetrou em todas as partes, mas o feudalismo não saiu de parte nenhuma". Eis como George
coloca a questão do tema na realidade da sociedade moderna, chamando para a contradição
de essência que a informa. Em pleno século XX, diz, há ainda no território francês algo de
não inteiramente incorporado à acumulação do capital, a pequena produção agrícola
amplamente disseminada pelo espaço doméstico da França, num momento em que o capital
tenta organizar nos moldes do espaço-em-rede emergente como forma de organização nos
anos 1950 seu processo de acumulação.
O que George põe em evidência é que de uma hora para outra o capitalismo descobre
que também tem o seu problema de "unificação territorial" na França. Mas com uma singular
peculiaridade. Se para o capitalismo francês trata-se de um problema de economia política do
espaço, para o capitalismo alemão o problema espacial fora de ordem política de constituição
do Estado. Por isso a questão do espaço vivido como um real-concreto se colocara para a
Alemanha num tempo e sob uma forma e para a França se coloca num outro tempo e sob uma
outra forma. Assim, se naquele tempo o faz no modo como é apreendido pelos geógrafos de
então, no tempo atual é na forma como as ondas de renovação da geografia ativa o
apreendem.
Num e noutro momento a essência se esconde por trás da aparência. Com o adendo de
que sob capas diferentes a questão espacial aparece no século XX em quase todos os países
onde a incorporação de segmentos não-capitalistas conflita vivamente com as formas como o
desenvolvimento do capitalismo a põe em pauta.
Chega a parecer natural que a geografia acadêmica tenha se tornado uma ciência
empacada no limiar do salto para além do nível imediato da percepção, considerando os laços
inseparáveis das relações da prática e do saber do espaço que a prendem. Não seria apenas
pelas razões apontadas por Lacoste, considerando a impossibilidade prática de uma ciência
ser neutra. Até porque ao mais comum dos homens a primeira vez que deita os olhos sobre o
mundo o que primeiro lhe salta às vistas é a sua geografia.
Um certo que de motivo vem do alto peso da presença da percepção nesse olhar sobre
o mundo que não é privilégio do geógrafo. E o peso correspondente da descrição que em
conseqüência daí decorre. A dificuldade é, assim, de natureza dupla.
É no campo da percepção onde a ideologia mais se arruma em seu ato de batalha. E é

desse nível que também deve a geografia partir para o alcance necessário da teoria da
totalidade. Um salto que se mostra difícil, ao tempo que propício para o seu aprisionamento
nas redes da ideologia. Isto é o que levou Lacoste a falar do discurso na aparência
freqüentemente ingênuo da geografia acadêmica e sua tradução escolar diante dos homens e
mulheres no dia-a-dia cotidiano da sociedade capitalista moderna.

Os limites do método

O fato de manter-se por longo tempo descritiva não é assim uma decorrência do seu
caráter empirista, mas não ir além desse horizonte é uma estratégia evidente do interesse de
manter-se descritiva.
A tradução da percepção em discurso de totalidade varia com o tipo de teoria que a
realiza. O que remete à relação entre esta e o método que utiliza. Um paralelo entre a forma
clássica e a quantitativa ilustra esse problema na geografia.
Durante longo tempo a geografia foi definida como uma pura forma de descrição da
paisagem. Sua tarefa consistia em apreender a morfologia do espaço. O que significava essa
morfologia, não se esclarecia. Com a emergência da geografia teorético-quantitativa,
apresentada por seus teóricos como uma revolução na geografia, troca-se a paisagem pela
geometria, em busca dos padrões de organização do espaço.
O método que as distingue decorre do que se objetivava apreender. Por isso, variarão
entre uma e outra os elementos da teoria. O método veste a roupa que lhe dá a teoria.
Concebida como uma teoria do real-aparente, seja este a paisagem e seja o padrão
geométrico, em ambas versões a geografia é levada a realçar o lugar do empírico em suas
leituras. O que lhe dá uma vantagem, mas também uma enorme desvantagem. Por isso, se na
geografia da paisagem o conteúdo, natural e/ou histórico, é levado em conta como um recurso
de explicação do formal, na "new geography" ele é completamente descartado, em nome de
uma completa desnecessidade da teoria, tal o poder de evidenciação ao conhecimento da
realidade que para ela confere o modelo matemático.
Assim entendido, o método de versão teorético-quantitativa consiste em uma sucessão
de passos cujo fim é produzir o padrão formal. Coligir dados, compará-los, classificá-los,
estabelecer generalizações e daí inferir as tipologias já implícitas mas só então evidenciadas
no modelo é o objetivo. Entende-se que são passos que se pode resumir em três etapas
sucessivas: a reunião de variáveis, a formulação de hipóteses e a inferência da lei constitutiva
e ledora do padrão de arranjo de espaço.

Não difere muito deste procedimento metodológico o da geografia acadêmica tornada
dominante no pós-guerra. Aqui a técnica da correlação cartográfica, não de variáveis
matemáticas, é o princípio do método. E a técnica da classificação o ponto-chave do
processo. A correlação cartográfica supõe a recolha de dados de campo, o que pressupõe um
sentido prévio de conteúdo. O que a taxonomia produz é o aspecto formal que o conteúdo,
natural ou social, assume em cada recorte de espaço, forma de um conteúdo que remete à
diferenciação de modalidade de paisagem dos diferentes cantos da superfície terrestre.
Num como noutro caso o processo do método consiste em se selecionar os dados, na
"new geography" se fazendo em função do modelo quantitativo que se escolheu na
conformidade da evidenciação do real-formal pré-estabelecido das hipóteses, na geografia
clássica em função da natureza das relações que servem de referência à confecção dos mapas
temáticos e que por intermédio da correlação cartográfica verá seu conteúdo estrutural se
evidenciar em seu grau de cadeia de causa-efeito. Por isso na geografia clássica a feitura do
mapa é um ponto central dos procedimentos. Até porque o mapa é não raro por ela concebido
como a própria forma de representação do real. Um aspecto desaparecido na "new
geography", onde o mapa é substituído por uma sucessão de tabelas e gráficos esotéricos que,
ao fim e ao cabo, nem os quantitativos entendem. A estrutura relacional remete à formatação
da paisagem. Razão porque da correlação produz-se a taxonomia. Uma vez feita a
classificação, a ultimação nos mapas sintéticos é uma questão de técnica de síntese, enquanto
um produto que se extrai do próprio processo da correlação, que consiste na superposição de
mapas de temas específicos, como clima, vegetação, relevo, densidade demográfica e por
cuja sobreposição e adequação de limites de demarcação progressiva se vai chegar à síntese
territorial da paisagem. Processo de método que se repete nos mesmos termos para a
demarcação do mapa da divisão regional. Troque-se o sentido de conteúdo de relações, de
mapas expressivos de essência natural-social das paisagens e de tratamento teórico da
geografia clássica e teremos a pobreza vegetativa da "new geography".
O método variará, pois, entre elas como uma variação de teoria de geografia. O
resultado final expressa, sobretudo, essa diferença de concepção. Enquanto para a geografia
clássica a concepção é uma busca da totalidade entendida como a síntese dos elementos que
todo natural-social encerra, para a "new geography" é uma busca de tipologias, uma
totalidade restrita de variáveis, ditas significativas. Varia assim, também, o todo do alcance
analítico. Se para a geografia clássica este é a escala da relação homem-meio no plano dos
gêneros e modos de vida ou da região, para a "new geography" é o plano areal ou setorial do
padrão-tipo. Isto traz uma diferença de escala e de padrão de complexidade. Só ao nível da

escala da região para um geógrafo vidaliano e da diferenciação de áreas para um geógrafo
rettneriano a totalidade pode ser apreendida em toda sua riqueza multivariada. Este parâmetro
pouco importa para a "new geography", interessada apenas com o nível nomotético, a escala
da totalidade sendo a lei governante, não a dimensão global da espacialidade. Para esta, a
escala de espaço vale pelas variáveis significativas que o modelo analítico abrange, que pode
ser um posto de gasolina. Mesmo assim os geógrafos regionais serão acusados de
singularistas pelos quantitativos, com as olheiras presas nos modelos ideais puros.

A concepção truncada do todo

A acusação deve-se a eles entenderem que a geografia clássica é uma ciência
ideográfica, ou seja, a própria negação da cientificidade que só o perfil nomotético pode dar.
E este é apresentado como a escolha da "new geography".
Culpa-se o respeito desnecessário e prejudicial da presença seminal de Kant na
fundação da geografia moderna. E a Ritter pela manutenção do sentido historicista com que
impregna o modo geográfico de ver o real do mundo dos homens. Mas absolve-se Humboldt,
justamente por entender-se, que ao emprestar sentido sistemático ao método geográfico,
incluiu-se no universo das ciências nomotéticas.
No fundo, está em jogo a concepção do todo em geografia. E o modo de a ele chegarse por intermédio do real-empírico. Para a geografia clássica de extração alemã o todo se
confunde com a integralidade da paisagem, o método morfológico partindo da forma. Esta é
por definição uma categoria de síntese, nela e por meio dela se manifestando a unidade da
diversidade dos componentes físicos e humanos da paisagem. Para a de extração francesa a
noção do todo ganha maior refinamento teórico com a região vidaliana, a singularidade, a
identidade e a personalidade atuando como o ponto da coagulação, o conceito, não a forma
empírica, portanto, vindo a oferecer-se como o caminho da chegada ao todo. Longe está
desse parâmetro a noção abraçada pela "new geography". Acusadora da geografia clássica de
negação da busca da lei geográfica, seja no sentido do investimento teórico e seja no da
prática metodológica da análise dos padrões espaciais, assim satisfazendo-se em ser um
holismo generalista e um idiografismo sem poder de fogo científico, a "new geography" opta
pelo perfil magro de complexidade do padrão-tipo.
Falta o pé-de-apoio do salto da percepção sensível que transporte o olhar geográfico
do imediato para o quadro de escala crescente de complexidade, rumo à totalidade que se não
se desliga do empírico. Seja essa totalidade a paisagem ou a região e seja o padrão-tipológico,

importa saber ver na como forma particular o holismo da universalidade, que a "new
geography" tanto vê e rejeita na geografia clássica, mas para empobrecê-la com o
formalismo-quantitativo que abraça.

A questão espacial

Foi por não saber dar esse salto que a fronteira da ideologia e da ciência ficou
esbatido. Seja na forma da paisagem ou região e seja na do padrão tipo o que se revela no
problema do método é a crise da configuração teórica que leve à essencialidade manifestada
no vivido da percepção, nessa versão dupla, uma mais rica e outra mais pobre de
possibilidades.
Por uma evidente convergência, criticam a geografia regional tanto os quantitativos
quanto Lacoste. Indaga-se do que ela pode dar conta. O fato é que apresentada como a célula
da pesquisa e do discurso geográfico por excelência, a região minimiza justamente o alcance
da real totalidade. Cedo assim entendem-na os próprios vidalianos, que, numa crítica por
dentro do vidalismo, afirmam antes haver regionalização que região na dinâmica real dos
espaços. Lacoste é mais enfático ao chamá-la de um verdadeiro conceito-obstáculo.
Obstáculo a preparar o salto da percepção à estrutura mais íntima da organização do espaço.
Problema para o qual Lacoste oferece o conceito da espacialidade diferencial, a totalidade
que vem do entrecruzamento de recortes de espaço, que ele designa de conjuntos espaciais, e
que no todo se estrutura como um conjunto de diferenciados ângulos de mirantes, a paisagem
vindo a ser o que revela a subjetividade do ângulo de nosso olhar. No fundo, um modo de
antagonizar seja o regionalismo restritivo seja o quantitativismo estreito.

A GEOGRAFIA DOS HOMENS CONCRETOS

O real-concreto é o ponto onde a percepção leva à geografia. E onde esta pode se
separar da ideologia pura e simples. Se ele é uma essencialidade diferente nas sociedades
comunitárias do passado e nas sociedades capitalistas do presente, como vislumbrar uma
geografia do real-concreto?

O homem e as suas formas geográficas

No capitalismo o processo do trabalho define-se a partir do modo como os homens

configuram entre si as forças produtivas, e a relação desses homens com a natureza a partir
dessa configuração. Uma parte dos homens somente possui sua própria força de trabalho (os
trabalhadores) e a outra parte possui o conjunto das condições materiais do trabalho (a
burguesia). Esta clivagem dos homens a partir de dentro da propriedade das forças produtivas
determina um processo de trabalho entre desiguais a favor dos detentores dos meios de
produção. Determina, então, relações de

produção polarizadas na contradição de suas

principais classes sociais. Uma vez que as relações de produção são a base sobre a qual se
ergue a sociedade, essa contradição de base atinge a relação dos homens entre si e com a
natureza e torna-se uma contradição estrutural da sociedade inteira.
O centro geográfico do problema é a relação homem-meio. E a forma espacial como
esta relação existe. A relação homem-meio sob o capitalismo apresenta-se antes de mais
como contradição capital-trabalho. No plano abstrato, homens entram em relação com a
natureza para a transformar em produtos. No plano real o trabalho é um processo de
produção/reprodução de mercadorias, por estas conterem em germe a reprodução ampliada
do capital (acumulação de capital).
A existência de homens que só possuam de seu sua própria força de trabalho explicase por ser isto uma condição necessária do capitalismo. Para que o capitalismo seja um modo
de produção de mercadorias e as mercadorias contenham em germe a acumulação de capital é
condição necessária que a reprodução da existência humana esteja submetida a relações
mercantis. Despojando o trabalhador do conjunto dos meios materiais de reprodução de sua
existência o capital retira-lhe toda possibilidade de acesso próprio aos meios de subsistência
de que necessita. Impõe-lhe a recorrência ao mercado. Impõe-lhe, com isto, que transforme
sua força de trabalho em mercadoria: para obter os meios de subsistência o trabalhador deve
transformar sua força de trabalho em meios de compra (salário), vendendo aquela no
mercado.
Em outros termos, o capital necessita operar radical separação entre o trabalhador e a
natureza, desfazer violentamente seus vínculos orgânicos com ela e seus recursos e assim
separá-los entre si.
Como a produção pressupõe homens e natureza, a transformação da força de trabalho
em mercadoria repete-se com a natureza, então. O acesso à natureza e seus recursos deve
passar pelas relações mercantis, uma vez que sua apropriação pelo capital implica a
eliminação de sua gratuidade natural entre os próprios homens. A incorporação dos homens e
da natureza ao circuito das mercadorias é a base sobre a qual nasce e se expande o
capitalismo, como condição necessária e suficiente. Mas não é a mercadoria o objetivo do

capital e sim a reprodução ampliada de si mesmo, em expansão permanente. A
universalização da mercadoria, isto é, a transformação de tudo em mercadoria (homens e
natureza em suas variadas formas) só é necessária porque a produção de mercadorias é o
veículo da produção da mais-valia, e a realização desta (sua compra-venda) no lucro é o
veículo da acumulação, o lucro que será reinjetado em novo ciclo de produção de
mercadorias para a produção de mais mais-valia.
Sobre esta base o capitalismo expandir-se-á em escala planetária.

História e Natureza: a base da Geografia

Se considerado no seu plano mais geral o espaço geográfico é o que Karl Marx (18181883) disse sobre o processo do trabalho: historicização da natureza e naturização da história.
Para tal, o capital traz como sua condição necessária a subversão da geografia pré-capitalista,
dando um conteúdo novo, capitalista, à relação homem-meio, que não é outra coisa que o
processo do trabalho, dito de forma metabólica.
Desde o aparecimento do homem na face da Terra, diz Marx, história dos homens e
história da natureza fundem-se e confundem-se num só e mesmo plano. Em cada modo de
produção este plano abstrato (abstrato porque genérico) ganha sua expressão concreta. Mas
só no modo de produção capitalista este é um plano de separação dicotômica, demarcando-se
uma diferença nítida e profunda entre os modos pré-capitalista (sociedades naturais) e
capitalista (sociedades históricas) de produção. Homem e natureza formam uma unidade
orgânica, uma identidade, nas sociedades naturais, e entes organicamente distintos e
separados nas sociedades históricas, para usarmos as expressões de Quaini.

Sociedades naturais versus sociedades históricas

Nas sociedades naturais, assim chamadas porque a terra é o meio universal de
trabalho, a comunidade é a forma de organização. E o caráter comunitário implica e impõe a
unicidade orgânica entre o homem e a natureza como forma de relação. O ritmo do trabalho e
da vida dos homens repete o ritmo da natureza. O espaço geográfico é o próprio espaço
natural. A terra é a despensa primitiva e o arsenal primitivo. Trabalhando-a, tiram os homens
seu sustento e os instrumentos com os quais produzirão meios de subsistência e instrumentos
de trabalho novos. A natureza-terra é a condição da produção/reprodução das relações entre
os homens. E o comunitarismo controla e vincula homem e natureza numa relação de

recíproco pertencimento.
Nas sociedades capitalistas este vínculo é rompido. Separado o homem da natureza, o
ritmo do trabalho e o ritmo dos homens passam a ser diferentes, o ritmo do capital unindo-os.
Em conseqüência, homem e natureza entram em contradição, com o trabalho virando uma
fonte de predação de ambos, fato que se aprofunda com o aumento da divisão capitalista de
trabalho e sua internacionalização.

Dicotomia homem-meio: divisão e alienação do trabalho

Nascendo das entranhas da dissolução das sociedades naturais, o capital opera a
passagem do estado da identidade orgânica para o da contradição, da identificação para o da
degradação ambiental, do pertencimento para o da alienação.
Perseguindo a elevação da produtividade e a baixa de custo da produção como forma
de elevação da taxa da acumulação, o capital aumenta a extensão da dicotomia entre o
homem e a natureza, ampliando-a como base da alienação do trabalho com a separação entre
produtores e produtos, trabalho intelectual e trabalho manual, trabalho de direção e trabalho
de execução, tomando o aprofundamento da divisão do trabalho como eixo. Breve a rede da
alienação do trabalho se irradia para todas as instâncias da sociedade capitalista: aliena-se o
homem da natureza, dos produtos, do saber, do poder e dos próprios homens. A alienação
generalizada torna-se a base de todo o sistema. Se o poder sobre os homens nas sociedades
naturais passa pelo controle comunitário da terra, sob o capital passa ele pela alienação geral
do trabalho. Quanto mais a alienação integraliza-se na sociedade, mais se consolida o poder
do capital sobre o conjunto da sociedade.
É quando, partindo da produção no mundo prático do espaço do trabalho, a ideologia
intervém, tomando como elementos de evidência as evidências empíricas do universo da
percepção. Será preciso conferir uma "naturalidade" às relações capitalistas de trabalho, fazer
a estratégia de "dividir para reinar" chegar à consciência dos homens como relação normal,
mas, sobretudo, dar-lhe uma elevada eficácia econômica.
E é quando a geografia assimila e se torna um veículo do "modo capitalista de
pensar", na forma da geografia acadêmica. Dá, assim, para se perceber que a dicotomia
"geografia física versus geografia humana", e as outras tantas dicotomias que tornam a
geografia a reprodução mais completa do discurso do capital, é, a um só tempo, estrutural e
ideológica.
Ideologizando o mundo da percepção, o modo capitalista de pensar acaba por virar a

própria argamassa da sociedade moderna. Com ela, a racionalidade do capital conferida pela
elevação da eficácia do trabalho mergulha ainda mais fundo o conteúdo alienado da relação
homem-meio. É assim que nunca na sua história os homens estiveram tão apartados da
natureza, mas nunca com ela mais são vistos como naturalmente desincorporados.

Alienação e ontologia

A alienação é assim a forma ontológica do homem no capitalismo. O contraponto da
ontologia do homem comunitário.
É a necessidade de comer, vestir, proteger-se e incorporar graus crescentes de
conforto à sua existência que impele os homens ao trabalho. E o fato de serem os próprios
homens que resolvem essas necessidades é o que faz que o progresso humano seja o fruto do
trabalho. É o consenso popular, o consenso da percepção, que reconhece no processo do
trabalho a viga que sustenta a evolução e a revolução humana. No plano abstrato este
processo pode ser compreendido como transformação da natureza em formas novas de meios
de vida, mais conformes com a utilidade requerida. Assim, a natureza fornece o trigo, mas o
homem o quer na forma do pão. Com o seu trabalho, produz o trigo e o transforma em pão.
Na sociedade não se conhece o plano abstrato, porque ela mesma é concretude histórica.
Aprofundemos, todavia, este plano abstrato.
A natureza apresenta-se aos nossos olhos sob distintas formas, mas simplificam-se
estas formas em duas: a primeira natureza (a natureza natural) e a segunda natureza (a
natureza socializada). No plano abstrato de que estamos falando, o processo do trabalho
passa-se como sendo a transformação da primeira natureza em segunda, isto é, sua
socialização. O que é forma natural neste momento, logo adiante é transmutada em uma
forma social. A natureza, prenhe de trabalho, historiciza-se, vira parte da história dos homens.
Todavia, a primeira natureza transforma-se em segunda, mas não desaparece: a segunda
segue sendo a primeira, sob outra forma.
Pressuposto da natureza, por isso mesmo este processo é o pressuposto do homem. O
homem é ele próprio natureza e história: natureza hominizada. A transformação da natureza
pelo trabalho é também autotransformação do próprio homem, o homem transformando-se a
si mesmo no mesmo momento em que transforma a natureza por intermédio do seu trabalho,
hominizando-se junto à hominização da natureza. Fato cuja decorrência é ser ele o sujeito e o
objeto de sua própria história. O homem naturiza-se historicizando a natureza e historiciza-se
naturizando a história, em suma. Por isto, dialeticamente, quanto mais com o

desenvolvimento científico e técnico o homem cresce em poder sobre a natureza, mais em
tese ele dela se liberta e ao tempo que mais com ela se funde.
Tal como ocorre com o todo da natureza, na natureza socializada que é o homem não
desaparece a natureza primeira. Antes, muda nele a forma-natureza para a forma-social.
Realcemos este ponto. O processo de historicização da natureza é o próprio processo
histórico de formação da sociedade. No seu plano abstrato a história do homem (história da
conversão das formas naturais em formas sociais) pode ser entendida como a história da
transformação permanente e continuamente ampliada da natureza em sociedade.
Freqüentemente nos esquecemos de que o pão que comemos, a roupa que vestimos, o prédio
que habitamos, o carro que dirigimos, as pessoas que amamos, são formas socializadas,
historicizadas, da natureza. De outra feita, igualmente nos esquecemos de que a partir de um
certo momento na história socializamos a natureza utilizando a própria natureza socializada.
As máquinas e construções, que são elas mesmas segunda natureza, tornam-se de novo
primeira natureza toda vez que as reincorporamos ao ciclo infatigavelmente repetitivo de
transformação da natureza, isto é, de trabalho.
Assim, a natureza está no homem e o homem está na natureza, porque o homem é
produto da história natural e a natureza é condição ontológica, então, da existência humana.
Mas como é o trabalho que está verdadeiramente tecendo a dialética da história, é ele que faz
o homem estar na natureza e a natureza estar no homem, segundo forma sempre nova. E o
trabalho pode ser esta dialética porque ele não é mais do que um intercâmbio de matéria entre
o homem e a natureza, processo que, ao tempo que funde o homem com a natureza, os recria.
O homem é o único animal que se autorreproduz com consciência. A alienação
capitalista é exatamente a sua quebra

O conteúdo capitalista da natureza socializada

A produção/reprodução da existência humana que está no centro da motivação dos
homens ao trabalho é um processo que se move segundo as regras da natureza das relações de
produção. O modo de produção do capitalismo tem uma forma própria de fazer isso.
Sob o capitalismo o trabalho define-se como processo de produção de mercadorias e
os homens não comem, não se vestem e não habitam se não entram no mundo colorido das
mercadorias. E a porta de entrada é a sua incorporação como força de trabalho ao circuito
mercantil. O conjunto dos meios de produção, nele se incluindo a natureza, e por extensão os
próprios produtos, pertence ao capitalista. Como a apropriação das condições materiais do

trabalho não é um fim em si, mas um expediente do capital para submeter aos seus interesses
de ampliação a natureza e o conjunto dos homens, e como sem a força de trabalho não há
produção de mercadorias, o capitalista está sempre interessado em comprar esta mercadoria
especial no mercado. Especial porque só a força de trabalho pode pôr em movimento os
meios de produção e gerar mercadorias.
É então já apropriado pelo capital que o trabalhador ver-se-á reencontrado no
capitalismo com a natureza. Mas como estranhos que reciprocamente não se reconhecem.
Pudera, o homem que está entrando em relação com a natureza (tanto faz sua forma, se
primeira ou segunda natureza) é um homem cativo. Um homem sujeito-objeto do trabalho
alienado. A subsistência, elo da vida tornada elo do cativeiro, vira sub-existência. Nada tem a
ver com a reprodução de vida. O trabalho, instrumento de libertação da dependência material,
virou um carcereiro. Nada neste homem lembra-nos aquele de que falamos linhas atrás,
aquele da ontologia comunitária.
Que conteúdo histórico tem a relação homem-meio em outro contexto de relações de
produção, por exemplo, no modo mercantil simples?
Aqui, os homens produtores são os donos das forças produtivas como um todo, de sua
força de trabalho, como de suas condições materiais de trabalho. Produz-se valores de uso,
não valores de troca (mercadorias), que suprirão as necessidades familiares em primeira
instância. As sobras são postas no mercado. A existência realiza-se sob essa forma
autonomizada.
Onde está a concretude entre esses dois modos de produção? Nas suas formas
historicamente diferenciadas de existência; na relação visivelmente distinta com as condições
materiais de existência; na forma específica da ligação orgânica entre homem e a natureza; na
natureza de posse do produto do trabalho; na articularidade das relações de conjunto. Nas
diferenças espaço-formais da organização geográfica de suas sociedades, em suma.

O espaço: a forma e a essência do concreto-geográfico

O processo do trabalho tem a sua materialidade em formas que ao mesmo tempo que
dele derivam a ele revertem, e são geradas com esse fim. Em se tratando da geografia, esta
materialidade dialeticamente articulada ao processo do trabalho é o espaço geográfico.
Espaço e trabalho estão numa relação de aparência e essência: o espaço geográfico é a
aparência de que o processo historicamente concreto do trabalho (a relação homem-meio
concreta) é a essência. Vejamos isto.

O espaço geográfico

O espaço geográfico é a materialidade do processo do trabalho. É a relação homemmeio na sua expressão historicamente concreta. É a natureza, mas a natureza em seu vaivém
dialético: ora a primeira natureza que se transforma em segunda, ora mais adiante a segunda
que reverte em primeira, para mais além voltar a ser segunda. É a história em seu devir
perpétuo. História na sua expressão concreta de dada sociedade. E espaço como
resultante/determinante dessas relações. Esclareçamos.
O espaço geográfico é o metabolismo homem-meio do trabalho em seu estado de
concreto-organizado. Assim como o processo do trabalho materializa-se na máquina, para
tomar a máquina como base de apoio a ponto de daí para diante não mais poder realizar-se
sem ela, assim também é ele em relação ao espaço. Só que como escala de organização: uma
vez que o processo de trabalho implica organização, organiza-se espacialmente. Daí
podermos dizer que o espaço geográfico é a materialidade histórico-concreta do processo do
trabalho. O trabalho estruturado na forma organizacional que orienta sua reprodutibilidade,
garantindo o estado que necessita ter de repetir-se como movimento produtivo de modo
contínuo e indefinidamente. Porque produção é reprodução. E assim como a máquina, o
espaço é condição de reprodução.
Em qualquer forma de sociedade o processo do trabalho é a transformação da natureza
em produtos úteis aos homens. Produzem-se meios de subsistência e meios de produção que
se destinam a reproduzir homens vivos. Parte da produção é destinada ao consumo humano e
parte é reintroduzida no ciclo produtivo seguinte. Assim como os grãos do trigo, que em parte
são transformados em pão e em parte permanecem como sementes destinadas a novo plantio.
No fundo, todos os frutos do trabalho cedo ou tarde irão ser consumidos, uma vez que a
segunda parte será destinada a um "consumo produtivo", arrumada e retida como "condição
de reprodução". Assim, as sementes do trigo. Mas entre as "condições de reprodução"
encontra-se também a "natureza natural", que não se origina do trabalho de ninguém; no
entanto, sem ela não há produção.
A reprodução é feita nessa referência de organização, em que a dinâmica produtivoreprodutiva fica na dependência da natureza e qualidade das condições materiais do trabalho,
a exemplo da qualidade e quantidade de recursos naturais ou da qualidade e quantidade de
homens. Mas, sobretudo, do nível do desenvolvimento dessas forças produtivas. Quanto mais
alto o nível e a forma de organização das forças produtivas, maior a capacidade dos homens

de extraírem produtos da natureza com o seu trabalho.
O espaço geográfico é esse quadro de organização, onde os meios de produção se
dispõem na distribuição territorial adequada à reprodução e encarnam a própria forma como a
segunda natureza se modeliza como condição de produção. O exemplo mais típico é a divisão
territorial do trabalho, onde o arranjo do espaço organiza e orienta todo o movimento
reprodutivo da relação do homem com a natureza num processo metabólico de intercâmbio
de forças e mudanças de forma.

Espaço e acumulação

O espaço é assim uma instância que entra nesse movimento como determinadodeterminante. Produzido pelo trabalho, a ele volta como esquema de reprodução.
Essencialmente primeira natureza nas sociedades naturais. Segunda que também é primeira
natureza nas sociedades de alto nível de desenvolvimento das forças produtivas.
Materialidade de toda uma história acumulada na forma de infraestrutura, que em retorno
garante a continuidade da história como processo crescente de acumulação.
Quando a reprodução se dá sempre nas mesmas proporções ela é simples. Quando a
reprodução se dá em proporções sucessivamente ampliadas ela é reprodução ampliada. Só há
acumulação quando a reprodução é ampliada. A reprodução simples é praticamente um caso
teórico, a necessidade do progresso humano dando à reprodução ampliada o seu caráter de
concretude.
É como concreto-acumulado que o espaço geográfico tem peso relevante no processo
da reprodução. Seja ele simples ou ampliado. Sua estrutura será tanto mais complexa quanto
mais integre uma reprodução ampliada. E quanto mais complexa sua estrutura mais efeito
determinante exerce na história das sociedades.

Espaço e sociedade

Uma vez que a história dos homens é a história dos homens e dos espaços geográficos
concretos vemos no espaço a própria história. Posto à base da sociedade, o espaço a comanda
em sua reprodutibilidade por inteiro. Com isto revela-se um esplêndido recurso de "leitura"
da sua estrutura e movimentos. Leitura que invariavelmente será feita pelos óculos de quem a
faz: "óculos empíricos" ou "óculos dialéticos". Sob a forma de fábricas, plantações, estradas,
construções, fluxos de produção e homens, o espaço geográfico revela, como numa

fotografia, o processo do trabalho. Sob a forma da densificação das fábricas, plantações,
estradas, construções e fluxos revela, como um construto, os termos e a natureza da
acumulação.
Produto histórico e tendo, por conseguinte um conteúdo histórico, o espaço é, assim, a
própria sociedade. Não é, então, o lugar onde a sociedade se aloja, como uma cidade
encravada no fundo de um vale, uma vez que a história dos homens ocorre na superfície da
Terra. Também não é como um reflexo da sociedade e da história. Não é receptáculo ou
espelho. O espaço é a sociedade pelo simples fato de que os homens produzem sua existência
produzindo o espaço. É a sociedade porque é condição de existência dos homens na história.
O fato é que espaço é o tempo histórico real. Não o tempo-data. A noção kantiana de
tempo como lugar da história e de espaço como lugar da geografia, promovendo a separação
entre tempo e espaço e entre história e geografia, é uma ambigüidade que levou Michel
Foucault a designá-lo de um espaço congelado. Ora, assim como tempo histórico não é o
tempo do relógio (tempo-data, tempo sideral), o espaço geográfico não é o espaço das
coordenadas geográficas. Embora a história embuta-se no calendário e o espaço geográfico
embuta-se na rede de coordenadas (latitude e longitude), tempo e espaço são estruturas da
história. Propriedades dessa matéria chamada realidade social. E são esse conteúdo.
E qual é esse conteúdo? O conteúdo comunitário nas sociedades naturais. O conteúdo
de classes nas sociedades socialmente estratificadas em classes, como na sociedade
capitalista, o espaço guardando em sua essência os conflitos que jogam em embate suas
classes contraditórias.

Espaço e lutas de classes

Numa sociedade estruturada em classes, a exemplo da sociedade capitalista, o espaço
tem por conteúdo as relações entre essas classes. E organiza-se segundo estas estruturam seus
modos de vida.
Espaço da existência dos homens, numa sociedade dividida em classes sociais o
espaço geográfico traz estampado esta estrutura em suas divisões e em seus arranjos. Um fato
que a paisagem se encarrega de revelar, no visual de uma favela, de um bairro operário ou de
classe média.
Assim, a estrutura de classes da sociedade traduz-se como um espaço estruturado em
classes, cada classe social se definindo por seu espaço próprio de existência. Mesmo onde os
estratos entrecruzam-se, as diferenciações de classes são espacialmente visíveis. A

corriqueira expressão "ponha-se no seu lugar" com que o dominante refere-se ao dominado
numa sociedade de classes tem clara significação espacial.
Mas o próprio caráter de dominante-dominado contido na metáfora espacial "ponhase no seu lugar" revela que antes de uma diferenciação, a estrutura de classes tem uma base
mais profunda na economia política vigente, manifesta na economia política do espaço.
Como as lutas entre as classes exprimem-se como correlação de forças, que pode
evoluir na direção da transformação das estruturas vigentes ou no sentido de mais ainda
reafirmá-la, as classes em luta tudo fazem para trazer para si o papel de força orgânica do
espaço, num confronto de espaço e contra-espaço.
Situemos esta teorização nas condições concretas do espaço capitalista.

O ESPAÇO DO CAPITAL

Visto na sua aparência o modo capitalista de produção é um modo de produção de
mercadorias. A produção da mercadoria, contudo, mascara a produção da mais-valia. Visto
na sua aparência apresenta-se como um modo de produção movido pelo interesse do lucro.
Mas o lucro é a mera forma que assume a mais-valia após sua realização no lucro na forma
do dinheiro. A mercadoria, o lucro e o dinheiro são as aparências que assume a mais-valia.
O trabalho produz mais-valia produzindo mercadorias. A mercadoria pela sua venda
gera a transformação da mais-valia nela contida em lucro. O lucro se expressa em forma
monetária e o dinheiro fecha um ciclo para abrir outro. A mais-valia na sua expressão
monetária será reinjetada na produção (na forma de compra suplementar de força de trabalho,
objeto e meios de trabalho), para geração de mais mais-valia. Reproduzir-se-á em escala
ampliada o ciclo da reprodução do capital. Esta é a dialética do capital, seu móvel e objetivo:
a acumulação... de capital.
O espaço é produto e produtor desse movimento.

O espaço da produção de mais-valia

O despojamento do homem do conjunto dos meios materiais de existência quando da
dissolução das sociedades comunitárias na sociedade capitalista, que vimos, não visa torná-lo
uma mercadoria para torná-lo consumidor de mercadoria, mas submetê-lo à produção de
mais-valia para a acumulação do capital, coisa que não faria se ele pudesse obter seus meios
de subsistência com meios próprios de trabalho. Para o capital os homens só existem

enquanto homens para o capital. O trabalho só é produtivo se for trabalho produtor de maisvalia. Trabalho que não gera mais-valia é trabalho improdutivo.
A mais-valia é o trabalho não pago, o trabalho que excede ao equivalente ao valor da
reprodução do trabalhador e pago como salário. Expliquemos. Suponhamos um tempo de
trabalho de oito horas/dia. Nestas oito horas o proletário deverá produzir mercadorias. Numa
parte da jornada do trabalho o proletário produzirá uma quantidade de mercadorias que, se
posta à venda, iguala o montante do seu salário. Digamos quatro horas. Nas quatro horas
restantes produzirá uma quantidade que excede o montante do salário que acabou de
reproduzir, da qual o capital apropria-se. É a mais-valia. Ao vender a totalidade das
mercadorias que o proletário produziu na jornada de oito horas, o capitalista terá de volta as
despesas havidas com a produção e uma quantidade suplementar de dinheiro, o seu lucro, que
é a mais-valia transformada no dinheiro adicional. Com esse dinheiro suplementar o
capitalista compra força de trabalho e meios de produção suplementares, para obter a
reprodução ampliada do capital em caráter permanente.
O salário é, assim, o pagamento parcial da jornada de trabalho do operário e com o
qual este se suprirá no mercado dos meios de subsistência de que necessita para se reproduzir
como homem vivo. O salário é o preço da reprodução de sua existência. Para que seu nível
fique sempre nos limites da subsistência o capital cria nas cidades um "exército industrial de
reserva". Com isto o salário torna-se meramente o preço da reprodução da força de trabalho
do operário, que se tornará eterno vendedor dela. Para elevar o nível salarial o operário tem
que se apropriar de parte de trabalho excedente, na forma de mais salário. E é em torno da
busca desse aumento que irão se dar os primeiros choques entre capital e trabalho.
Para produzir mais-valia, garantir sua apropriação e realizá-la, o capital cria o espaço
geográfico apropriado: o espaço do capital. A chave da organização desse espaço é a divisão
territorial do trabalho.
Todos temos a imagem da cena do filme Tempos Modernos em que Carlitos aparece
em ritmo alucinante de trabalho, apertando com uma chave inglesa porcas de peças
combinadas que passam à sua frente sobre uma esteira rolante. O endoidamento de Carlitos
manifesta a rebeldia do trabalhador à alienação extrema de seu trabalho. Carlitos-operário é
parte de uma engrenagem monstruosamente maior que seu trabalho parcelar. A mesma cena
mostrada em escala ampliada dimensiona uma divisão fabril de trabalho de que Carlitos é
parcela insignificante. Embora o perceba, escapa-lhe por completo o domínio do conjunto dos
meios de produção, do saber e do poder.
A espacialização da divisão fabril de trabalho, dentro da fábrica ou na escala do

sistema industrial, acompanha o nascimento e expansão do capitalismo moderno. O
capitalismo nasce destruindo a pequena produção artesanal e camponesa, para concentrar a
produção e os homens na manufatura, que mais tarde será destruída por sua vez, para dar
lugar a um espaço ainda mais centralizado e concentrado. E a uma divisão territorial
capitalista de trabalho ainda mais densa e ampliada, aumentando a relação de determinação
da economia política do espaço. O espaço do capital é, assim, a um só tempo relação
econômica e de poder. Economia e política. O poder econômico que o capitalista exerce
sobre sua fábrica, e que prescreve como mando político sobre o todo da sociedade.

O espaço da realização da mais-valia

A mais-valia não se converte em lucros e em acumulação de capital sem a venda da
mercadoria. Para que haja acumulação, o capital deve colar a esfera da produção com a esfera
da circulação.
O interesse do capitalista individual extrapola então o controle exclusivo de sua
fábrica, e junta-se ao interesse do coletivo dos capitalistas. O espaço do capital extrapola o
espaço fabril e torna-se agora o espaço ilimitado das trocas no mercado. Pode ser seu limite o
mercado circunvizinho, o mercado regional, o mercado nacional ou o mercado mundial. Mas
se para o coletivo dos capitalistas o nível da relação com os trabalhadores é um espaço
político onde impera o consenso, o nível da circulação é o do enfrentamento pelo mercado.

Do espaço da mais-valia absoluta ao da mais-valia relativa

As dimensões orgânicas do poder no plano da colagem da esfera individual da fábrica
com o conjunto da esfera da circulação mobiliza e envolve a presença do Estado, cuja
interferência amplifica a escala da transformação em poder político do poder da economia.
Um quadro que varia espacialmente segundo o estágio do desenvolvimento histórico do
capitalismo em fase da mais valia absoluta e fase da mais valia relativa. Isto é também
espacialmente visível.
A fase do desenvolvimento do capitalismo que tem a mais-valia absoluta como forma
de mais-valia caracteriza-se pela separação e progressiva fusão dos espaços de produção e de
apropriaçao da mais-valia. Enquanto a mais-valia for um excedente gerado dentro da pequena
produção mercantil (produção doméstica e artesanal), o espaço de produção e o de circulação
estarão dissociados. O capital mercantil é um dado externo ao processo produtivo e captura o

excedente pelos mecanismos indiretos da circulação. A acumulação monetária que se
desenvolve por via dessa subsunção formal (da hegemonia indireta do capital mercantil sobre
a produção) cedo, entretanto, dará origem à manufatura, vinda da destruição paulatina da
pequena produção. Com a manufatura um número considerável de trabalhadores reúne-se em
um mesmo espaço e sob o controle direto do capital recém-nascido: o capital industrial. A
manufatura marca, então, o início da passagem para a fase do controle direto do capital
(industrial) sobre a produção (subsunção real), quando o espaço de produção e o espaço de
circulação da mais-valia fundem-se num só, que virá mais à frente com a revolução
industrial. Entretanto, enquanto coexistirem no sistema produtivo a produção manufatureira e
a pequena produção mercantil o controle do capital sobre o conjunto da sociedade não será
ainda integral. E este somente surge com o aparecimento da mais-valia relativa.
A pressão do proletariado por melhores condições de vida e de trabalho e a
competição entre os capitalistas pelo mercado são duas frentes de lutas de classes que
empurrarão o capitalismo nesse rumo. Sob esta dupla pressão cada capitalista individual
buscará forçar a produtividade do trabalho mais para o alto. Mas há um limite, ainda não
transposto, para que esta elevação se torne contínua e acelerada: a insuficiência do nível das
forças produtivas capitalistas. Esta barreira será derrubada com o salto qualitativo que ocorre
na divisão de trabalho com o surgimento do setor de produção dos meios de produção. O
capital forja o surgimento das forças produtivas capitalistas, que os historiadores registram
como revolução industrial, em que a produtividade do trabalho sobe para o conjunto da
sociedade, uma vez que os meios de produção acabarão saindo do sistema fabril, espargindose sobre todo o sistema produtor da sociedade, isto é, na direção da agricultura e dos espaços
ainda situados fora do circuito mercantil capitalista. Para forjar essa difusão o capital
promoverá a separação dos pequenos produtores dos seus meios de produção. A expropriação
de terras ao campesinato torna-se vertical e a sua proletarização horizontal sobre o espaço. O
acelerado crescimento econômico que agilizará esse processo de expansão das relações
capitalistas sobre o espaço, desvinculando organicamente o homem de seus laços com as
condições materiais de trabalho, expropriando a terra ao campesinato e os meios de produção
aos artesãos força a concentração dos homens na fortaleza do capital: a cidade. O espaço
concentrado que se inicia com a destruição da pequena produção pela manufatura agora se
completa. Os campos se despovoam e as cidades engordam e se multiplicam.
Da fase da mais-valia absoluta à fase da mais-valia relativa o que se tem é a
integralização da hegemonia do capital sobre os homens e a natureza, sobre todos os homens
e sobre a superfície da Terra. O arranjo espacial em crescente densificação de capital fixo,

isto é, instalações fabris, usinas de energia, vias de transportes e comunicações, equipamentos
produtivos de todos os tipos, ou em crescente densificação de fluxos de capital constante, isto
é, força de trabalho e matérias-primas, é a pura expressão empírica do espaço do capital.
Espaço do monopólio: a geografia da "lei tendencial"

Do aprofundamento da divisão do trabalho resulta o surgimento das forças produtivas
capitalistas. Ao atingir esta etapa o capital amplia sua base material, mas dilata o âmbito de
suas próprias contradições estruturais. Assim, o crescimento pedirá mais crescimento como
forma de contrarrestar o grau ampliado das tensões. O capitalismo precisará crescer para além
de suas fronteiras e seus níveis qualitativos.
No plano do processo do trabalho a expansão capitalista traduz-se como elevação
constante da composição orgânica do capital, isto é, um aumento em ritmo maior de emprego
de máquinas que o ritmo de emprego de operários. Uma vez que a mais-valia é a origem do
lucro e que é o operário e não a máquina quem produz mais-valia, tende a haver um declínio
contínuo da taxa de lucro.
Isto não ocorre devido ao processo que gera a tendência de queda produzir junto a ela
suas próprias formas de contratendência. Uma delas é a concentração da produção em caráter
monopolista; uma segunda é a fusão dos monopólios industriais e bancários que promove o
nascimento do capital financeiro; uma terceira é a exportação de capitais de que é ilustrativa a
expansão ferroviária em escala mundial; uma quarta é a integração da produção agrícola à
industrial que força para baixo a reprodução da força de trabalho (mais-valia relativa) e para
cima a taxa da mais-valia; uma quinta é a deterioração da qualidade do produto para acelerar
a velocidade das trocas; uma sexta é a expansão do circuito mercantil para a periferia do
capitalismo; uma sétima é a socialização via ação do Estado das despesas de inversão em
capital fixo.
É quando o capitalismo passa da fase concorrencial para a fase monopolista, entrando
na fase imperialista.

Espaço e poder

O controle político do espaço geográfico, elemento-chave em todas as fases do
capitalismo, para enquadrar a produção da mais-valia, garantir o controle de sua apropriação
e promover sua realização no lucro assume sob o capitalismo monopolista importância

crucial. Assim, vemos nascer os espaços cativos do tipo de organismos que reúnem o
empresariado em nível mundial, com a função de fazer seus acertos globais. Organismos que
são uma reedição para o presente daqueles que existiam no tempo das Sociedades de
Geografia do passado.
O melhor exemplo é o Fórum Econômico Mundial, o organismo que reúne
regularmente todo ano as 200 maiores empresas monopolistas mundiais, com a função de
regular as relações internacionais e evitar os desacertos do passado.
Do controle monopolista do espaço deriva o controle econômico e político das
relações internacionais e a garantia da acumulação monopolista ante as disputas de mercado
entre os próprios grupos monopolistas e ante o movimento operário que volta e meia ensaia
recriar a Internacional dos Trabalhadores, faz tempo dissolvida, e, assim, a globalização que
amplifica o caráter político do espaço geográfico.
A globalização do capital fecha o longo ciclo que se inicia com a criação das
manufaturas, se desdobra na revolução industrial, passa pela fase do expansionismo e das
duas grandes guerras que provoca e culmina com a dominação do mundo por um punhado de
empresas transnacionais.

A GEOGRAFIA: O QUE É, PARA QUE SERVE E A QUEM SERVE

Monopolista sobre o espaço geográfico, o capital controla os homens e a natureza,
para os tornar homens e natureza para o capital em escala global. Mediando a relação
homem-meio e crescendo sobre ela, o capital assim tece a geografia dos homens concretos de
nosso tempo histórico.
É uma geografia da alienação, que degrada o homem e a natureza, exprimindo suas
contradições como crise ecológica, crise energética, crise alimentar, crise ética, segregação
espacial, manipulação da democracia, obsoletismo planejado. E na busca de equacioná-las
mais aumenta a escassez, para forjar necessidades novas e renovar as necessidades velhas,
subordinando a existência dos homens e os movimentos da natureza ao circuito generalizado
das mercadorias.
O fato é que o capital nasce na história subvertendo o modo de vida comunitário dos
homens, à base da dissolução das suas relações para as reconstruir dependentes do seu mundo
mercantil. Assim, alienada, a existência humana reproduz-se ao ritmo da reprodução do
capital. A mercantilização do verde, do lazer e do ar puro, obtida em diferentes escalas de
pedaços de espaço e oferecida sob alardes propagandísticos como a venda de qualidade de

vida, ilustra o grau de separação do homem e da natureza a que levou.

A geografia da alienação

Nesse mister, o comportamento humano individualiza-se e a individualização atinge
os homens nas classes sociais em que o parasitismo do capital mais se encontra mergulhado.
Nessas classes sociais o indivíduo sente-se sob um isolamento crescente em sua relação com
os outros indivíduos. E a unidade dos homens rebenta no justo momento em que as
aglomerações urbanas praticamente extinguiram as distâncias físicas e em que o
aprofundamento da divisão territorial do trabalho mais os torna interdependentes.
A estratégia do capital de quebrar os vínculos orgânicos para reinar intensifica-se no
espaço do monopólio. O espaço geográfico construído pelo capital monopolista dimensiona a
alienação do trabalho e do homem numa escala de percepção à escala da bola planetária. Os
rótulos dos out-doors tornam-se os mesmos em todos os cantos. E a televisão transporta as
imagens simultaneamente de um canto para outro, dando-nos a medida da padronização do
consumo e dos comportamentos. Já não existem notícias e acontecimentos de isolamento
local. O espaço-rede os impede.

A geografia da desalienação

Mas a geografia que aliena é a mesma que denuncia a alienação. Servindo à estratégia
da alienação humana a geografia é bem a medida da sua compreensão. E o ponto de partida
do seu contraponto no rumo oposto são as próprias práticas espaciais e a percepção que a
acompanham. É o que mostra o poema de Vinicius de Moraes O operário em construção,
quando o operário é tocado pela conscientização da materialidade do seu trabalho nos objetos
espaciais do seu espaço vivido:

Mas ele desconhecia
Esse fato extraordinário:
Que o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário.
De forma que, certo dia
À mesa, ao cortar o pão
O operário foi tomado
De uma súbita emoção
Ao constatar assombrado
Que tudo naquela mesa

­ Garrafa, prato, facão ­
Era ele quem os fazia
Ele, um humilde operário,
Um operário em construção.
Olhou em torno: gamela,
Banco, enxerga, caldeirão,
Vidro, parede, janela,
Casa, cidade, nação!
Tudo, tudo o que existia
Era ele quem fazia
Um operário que sabia
Exercer a profissão.
O operário em construção, o humilde peão de obras, reencontra-se em seu trabalho e,
como num passe de mágica, "salta pra dentro da vida", como em Morte e vida Severina, de
João Cabral de Melo Neto, acontece todos os dias nos mocambos do Recife. Da materialidade
do trabalho, nasce a consciência operária:

E dentro da tarde mansa
Agigantou-se a razão
De um homem pobre e esquecido
Razão porém que fizera
Em operário construído
O operário em construção.
Aquela paisagem que o operário de Vinicius vivenciara todos os dias revelara-se algo
de fantástico para ele face à escala da descoberta da origem do que via em si mesmo em sua
própria prática espacial. Subitamente, o prato vira "casa, cidade, nação". E reúnem-se na sua
cabeça todas as partes estrategicamente separadas de sua imediata percepção pelo capital para
aliená-lo dos frutos do seu trabalho. O todo desintegrado reintegra-se em toda sua inteireza
dialética de escala na cabeça do operário pelo fio condutor do seu trabalho. O itinerário do
prato à nação, do singular da percepção ao universal do pensamento, repõe-lhe ao nível da
consciência de operário a unidade orgânica do trabalho manual e do trabalho intelectual, do
trabalho de execução e do trabalho de direção, em suma do homem e da natureza.
E está dado na consciência operária o passo para a reconstrução. Se é do trabalho que
nascem pão, garrafa, prato, facão, gamela, banco, enxerga, caldeirão, vidro, janela, casa,
cidade, nação, nasce também a possibilidade do seu poder sobre o patrão. Mas a reunificação
do saber e do poder espacial nas mãos de quem os produz é a condição necessária à
retotalização orgânica de todos os homens, rumo à realização do "problema da vida e da
felicidade" como o proclamava Estrabão.

A que, então, se dê o salto mais alto do operário em construção para uma sociedade
sem dominantes e sem dominados e construída por ele para ele mesmo. De uma geografia de
homens para o capital para uma geografia dos homens para si mesmos. A geografia é a
medida dos homens concretos. Mas se são os homens que fazem a geografia, podem eles,
pois, fazê-la para eles mesmos.

INDICAÇÕES PARA LEITURA

O pensamento geográfico vive um período de grande liberação da imagem que por
tanto tempo isolou a geografia "dos homens profundamente interessados no grande problema
da vida e da felicidade" com que o grego Estrabão a identificava ao criá-la no século I.
Alguns livros contam essa história. Outros tecem a crítica dos seus fundamentos. E outros
mais tentam regatá-la do fundo do seu esquecimento. Uma referência para o estudo das
Sociedades de Geografia é Filosofía y ciência en la geografía contemporânea, de Horário
Capel, da editora Barcanova, Madri, de 1981, que dedica toda a segunda parte ao tema. O
leitor encontra um detalhado estudo da história geral da evolução da geografia desde a
Antiguidade até os dias contemporâneos em Los horizontes de la geografia, de José Ortega
Valcárcel, da Editorial Ariel, Barcelona, de 2000. A melhor crítica dos fundamentos
epistemológicos da geografia ainda é A geografia ­ isso serve, antes de mais para fazer a
guerra, de Yves Lacoste, publicação brasileira da Editora Papirus, São Paulo, de 1988. Há
uma excelente edição resumida, A geografia, publicada no volume 7, A filosofia das ciências
sociais, de História da filosofia, idéias, doutrinas, organizada por François Chatelet,
publicação da Zahar Editores, Rio de Janeiro, de 1974. Sempre será útil o conjunto de estudos
de assuntos de questões teóricas arrolados criticamente em Propósitos e natureza da
geografia, de Richard Hartshorne, da Hucitec/Edusp, São Paulo, de 1978. Bem como o que
pode ser tomado por sua atualização para o momento presente que encontramos em
Geografias pós-modernas ­ a reafirmação do espaço na teoria social crítica, de Edward W,
Soja, publicado por Jorge Zahar Editor, Rio de Janeiro, de 1993. O tema da economia política
do espaço é tratado na coletânea A produção capitalista do espaço, de David Harvey, da
Annablume Editora, São Paulo, de 2005. Por fim, o leitor vai poder aprofundar a temática
aqui tratada em Para onde vai o pensamento geográfico?, de 2006, e na trilogia O
pensamento geográfico brasileiro, de 2007-2008, ambos de nossa autoria, publicação da
Editora Contexto, de São Paulo.