A entrada da Geografia Humanista na ciência Geográfica
Aline de Souza Melo
Universidade de São Paulo USP
Cidade de São Paulo
[email protected]

Resumo: Os estudos sobre geografia humanista vem crescendo no contexto da
produção cientifica da Geografia no país. Dissertaremos sobre seu percurso de entrada
na ciência geográfica como forma de entender a validade e contribuição desta corrente
nos estudos geográficos que envolvem aspectos da subjetividade, reconhecendo seus
fundamentos e a necessidade de uma ampla discussão na Geografia.
Palavras chave: História do pensamento geográfico, Geografia Humanista.
A Geografia Humanista nasce dentro de um movimento de renovação da
geografia, na década de 60 e não surge já com suas idéias prontas e estandartizadas, ela
é uma mistura das idéias anarquistas, estruturalistas, marxistas, das idéias da
fenomenologia, do existencialismo, do idealismo, do pragmatismo. É resultado de um
processo longo de renovação e revisão de conceitos e bases filosóficas da Geografia
cultural e histórica norte-americana.
Neste período, entram em cena no mundo, preocupações com o planejamento
econômico e a intervenção do Estado com o planejamento territorial na organização dos
espaços. Segundo Moraes (2003), esta nova realidade exigia um novo papel para os
estudos das ciências humanas, algo que revelasse um instrumental de intervenção, que
superasse o fundamento filosófico do positivismo clássico e seus instrumentos de
pesquisa que não explicavam a complexa realidade, só descreviam e quantificavam os
fenômenos, e por isso "estabeleceu-se uma crise de linguagem e metodologia de
pesquisa. O movimento de renovação vai buscar novas técnicas de análise geográfica"
(MORAES, 2003. p.95).
Os estudos de Geografia Humanista terão esta base de influência de tendências
do período, e compreenderá que a ação humana não está separada do seu contexto social
ou físico (GOMES, 1996). Veremos como se deu o percurso de construção deste
movimento e sua entrada na ciência geográfica.

1- A geografia Tradicional ou Clássica
O conhecimento considerado Geográfico adquiriu status de ciência a partir de
sua sistematização e ensino em universidades na Alemanha e posteriormente na França,
a partir da organização das obras de Humboldt e Ritter, e avança em seus

conhecimentos nos períodos do colonialismo e do imperialismo no século XIX
(CRIHSTOFOLETTI, 1982; MORAES, 2003) ampliando e dando corpo aos estudos
geográficos.
Neste período, a análise das influências e interações entre o homem e o meio
era construída junto a oposições dicotômicas acerca do objetivo da Ciência Geográfica.
A dicotomia que nasce está relacionada aos objetivos e metodologia: para a
Geografia considerada Física, a formulação teórica se erigiu de forma mais rápida e foi
baseada nas teorias das ciências naturais, com as elaborações propostas por Willians
Morris Davis. Já nos estudos considerados de Geografia Humana, segundo
Crihstofoletti (1982), a preocupação estava na distribuição dos aspectos originados
pelas atividades humanas. Para este autor, a Geografia Humana não teve uma base de
apoio teórico e metodológico próprio das ciências humanas, e por isso nasce sendo
considerada sem precisão e definição.
O positivismo é a filosofia basilar do pensamento geográfico deste período que
ficou conhecido como Geografia Tradicional ou Clássica. Esta filosofia reduz o trabalho
cientifico ao domínio da aparência dos fenômenos e a realidade ao mundo dos sentidos.
Considerava o pesquisador como mero observador neutro da realidade, sendo a
descrição, numeração e classificação, passos da apreensão da realidade e este método de
análise, considerado único e comum a todas as ciências, sem distinguir as naturais das
humanas, o que resultou para Moraes (2003) em uma geografia como "ciência natural
dos fenômenos humanos" (p.31).
Esta postura empirista e naturalista por muito tempo erigiu estudos das
relações entre o homem e a natureza sem se preocupar com a relação dos homens entre
si, e ainda atuou como receituário de pesquisa, exigindo da ciência geográfica uma
postura de "ciência de síntese" o que "encobria a vaguidade da indefinição de seu
objeto" (MORAES, 2003.p.32).
Segundo Dartigues (2005), a precisão e definição de objetos e metodologias
eram exigências da ciência influenciada pelo positivismo na época, pois a filosofia
estava em crise, uma crise da ciência na tentativa de sua constituição, e em
conseqüência, crise das ciências nascentes que tinham que se organizar para serem
reconhecidas como tal.
Os últimos 10 anos do século XX na Alemanha retratam este período de
transformação

dos

grandes

sistemas

filosóficos

tradicionais.

Houve

um

desmembramento dos estudos gerais filosóficos, e a separação em temas, já que a
ciência positivista, pautada pelo profundo objetivismo, exigia de toda e qualquer ciência

uma exatidão na explicação do mundo, uma profundidade e especialização, que
eliminava da pauta das ciências ditas humanas os aspectos subjetivos - considerados não
científicos.
As pretensões científicas da ciência geográfica nascem neste período como um
fim político e com uma ideologia que justificava e estava a serviço do colonialismo e do
imperialismo onde "as noções de determinismo, de região, de gênero de vida e áreas
culturais aparentemente inocentes e disparatadas, seguem na mesma direção"
(SANTOS, 1978. p. 16).
Assim, muitos estudos são confeccionados e geraram séculos de trabalhos que
expressam a falta de uma unidade na ciência geográfica: uma multiplicidade de formas
e tendências.
Alguns autores defendiam a ciência geográfica como estudo da superfície
terrestre, outros em estudos da paisagem (de uma forma organicista/ecologista,
divididos em discussão da forma ­ morfológica, e discussão da relação entre os seus
elementos ­ fisiologia), outros da diferenciação de áreas (individualizando e
comparando os lugares, chamada de Geografia Regional), outros que conceberam como
estudo do espaço, e outros ainda, como estudo da relação homem meio ou entre a
sociedade e a natureza.
Tem início uma série de estudos considerados com enfoque no homem e não
no meio natural, e por isso inauguram a chamada Geografia Humanista dentro da
Geografia Tradicional.
Havia, de um lado, os geógrafos ditos Humanos que se interessavam pelos
estudos da relação de adaptação entre o homem e seu meio físico (geografia anglosaxã); e de outro, os geógrafos classificados Culturais que tinham interesse nos estudos
dos elementos culturais que caracterizavam uma área, as relações que envolviam o
homem com o seu meio, destacando até as dimensões psicológicas, produtivas e
territoriais objetivando confeccionar um retrato das regiões e dos povos (geógrafos
franceses).
Estas perspectivas eram em concepções naturalistas, organicistas, de
sociedades tradicionais e agrárias, que dominaram o panorama geográfico deste século.
Podemos citar como alguns de seus expoentes Ratzel e Vidal de La Blache.
É importante lembrar que estes trabalhos terão suas idéias resgatadas
posteriormente, na década de 60, em um movimento de renovação da geografia, e vão
se misturar com outras concepções teórico/metodológicas.

Mendonza (1982) nos fala que o interesse pelas atitudes e a apreciação dos
grupos humanos no meio em que vivem começa com Sauer desde 1925, e de forma
implicita e marginal em algumas perspectivas clássicas como Ratzel e La Blache, mas
ainda incapazes de esclarecer a dinâmica dos comportamentos, tendo construído e sido
mais úteis, segundo Claval (2001), para construir um inventário de formas passadas.

2- A exigência de renovação nas ciências humanas e suas conseqüências na
Geografia
Na década de cinqüenta do século passado, houve, segundo Christofoletti
(1982), uma "transformação nos setores cientifico, tecnológico, social e econômico".
Estas transformações foram provocadas pelas mudanças culturais advindas da expansão
do capitalismo, da urbanização que se torna mais complexa, da industrialização e
mecanização da atividade agrícola, do desaparecimento das comunidades locais, da
Segunda Guerra Mundial, da derrocada do liberalismo e da crise de 1929 (MORAES,
2003).
Muitos filósofos e cientistas neste movimento se opuseram ao extremo
objetivismo do positivismo que impedia o desenvolvimento de uma ciência que
considerasse os dados da introspecção dos indivíduos. Nasceu com eles o
questionamento da necessidade de formulação de leis gerais para as atividades humanas
e o uso de metodologias das ciências naturais (que procuram relacionamentos causais
entre fenômenos) em pesquisas de geografia humana, onde os significados segundo
Dilthey (in CRIHSTOFOLETTI,1982, p.21), "são fornecidos na experiência do
investigador apreendidos na experiência dos outros".
Entram em cena as preocupações com o planejamento econômico e a
intervenção do Estado com o planejamento territorial na organização dos espaços.
Segundo Moraes, (2003), esta nova realidade exigia um novo papel para os estudos das
ciências humanas, algo que revelasse um instrumental de intervenção, algo que
superasse o fundamento filosófico do positivismo clássico e seus instrumentos de
pesquisa que não explicam a complexa realidade, só descrevia e quantificava os
fenômenos, e por isso "Estabeleceu-se uma crise de linguagem e metodologia de
pesquisa. O movimento de renovação vai buscar novas técnicas de análise geográfica"
(MORAES, 2003. p.95).
O positivismo é negado, mas a sua substituição na formulação de uma nova
geografia não traz uma unidade nas teorias e posturas filosóficas adotadas, ao contrário,

Moraes (2003) nos fala que elas são "as mais variadas e antagônicas" (p.97). A
diversidade foi o marco deste período.
Estas transformações na ciência geográfica, ocorrem segundo Claval (2001)
devido a constatação de que existe uma diversidade na realidade, e estas organizam o
mundo socialmente, e ainda, a vida dos grupos humanos vão para além da materialidade
descrita pelos geógrafos da geografia cultural clássica. Estas vidas são regidas e tem
expressões de diferentes processos cognitivos, de atividades mentais, de trocas de
informações e idéias. Assim, as relações dos homens com seu meio ambiente são
também psicológicas e sóciopsicológicas.
Aparecem trabalhos centrados na percepção e no comportamento espacial,
realizado por autores anglossaxões de cunho analítico, chegando ao ano de 1965 com
uma produção considerável e um extenso corpo de conhecimentos apoiado em enfoques
conceituais e metodológicos próprios, se desenvolvendo e diversificando, incorporando
autores e misturando com outras correntes de outras disciplinas. Segundo Holzer
(1992), uma análise rigorosa mostra que mesmo com esta mistura é possivel perceber
que cada uma delas se move em um horizonte epistemológico distinto. Em sua tese este
autor evidencia estas diferenciações.

3- Influências teóricas
Os estudos de Geografia humanística terão esta base de influência de
tendências do período humanista do fim da idade média que é resgatado. A discussão
absorvida é da compreensão que a ação humana não está separada do seu contexto
social ou físico (GOMES, 1996).
Os geógrafos são concebidos como observadores ativos e privilegiados,
capazes de interpretar os grupos humanos que ao se colocarem no território e se
organizarem espacialmente não teriam consciência explícita de todos os processos de
significação que são atribuídos e vividos cotidianamente.
O homem é considerado como produtor de cultura atribuindo valores às coisas
que o cerca e arte é concebida como um meio de expressão que reúne os valores e as
associações construídas pelos grupos sociais, um elemento de mediação entre a vida e o
universo das representações, sendo o geógrafo capaz de reunir o maior número de
elementos delas, para fazer uso em seus estudos (GOMES, 1996).
Os geógrafos humanistas para entenderem as relações diferenciadas entre
homem e meio, seus valores e a individualidade - como pensam, sentem e crêem as
pessoas-, utilizaram-se de um pluralismo e alguns pontos da fenomenologia como base

de estudos, como: mundo vivido, da experiência, da intencionalidade humana, do autoconhecimento, das humanidades, da interdisciplinaridade e do antropocentrismo
(HOLZER, 1992). A base filosófica fenomenológica serviu para reunir em uma nova
denominação o que Holzer (1992) chama de Coletivo Renovador da geografia cultural e
histórica.
Há uma classificação que identifica em dois os tipos de matrizes mais claros
que influenciaram os estudos geográficos Humanistas: a matriz da psicologia cultural e
da semiologia ­ que segundo Gomes (1996) definem estudos sobre o espaço vivido; e a
matriz de abordagem fenomenológica, que aproxima os estudos da geografia a sua
filosofia.
Holzer (1992) divide a História da Geografia Humanista dois centros de
desenvolvimento que recebeu influências de matrizes diferenciadas no seu início:
Geografia Anglo-saxã, recebe influencias da geografia cultural, histórica e
comportamental (fenomenologia, behaviorismo, semiologia e psicologia), onde ele
classifica os Estados Unidos como berço do desenvolvimento; e de forma paralela a
França, que recebe influência principalmente da geografia comportamental (psicologia e
semiologia).
Para Holzer (1992), no início do movimento humanista, todas estas influencias
estavam misturadas, sendo que a percepção ambiental era o conceito unificador desta
geografia que nascia nos Estados Unidos. A percepção ambiental era o "rótulo [...]
conveniente para agrupar geógrafos de várias tendências" (HOLZER, 1992, p.124). Os
estudos da percepção e do comportamento se desenvolviam rapidamente por geógrafos
da geografia analítica, como Robert Kates e Gilbert White, e por geógrafos da geografia
histórica e cultural como Lowenthal (da escola de Berkeley de Sauer) e Tuan
(HOLZER, 1992).
O 61° Encontro da Associação dos Geógrafos Americanos, realizado em Abril
de 1965 em Columbus, marca a união destas perspectivas em torno do tema da
percepção ambiental e do comportamento (Envritomenthal Perception and Behavior),
sendo encaradas neste momento como uma possibilidade de convergência e
interdisciplinaridade, apesar das diferenças na formação e nos objetivos de seus diversos
autores. Mais tarde, este encontro permitiu a delineação clara dos temas que vão se
diferenciar na Geografia humanista e Comportamental.
Segundo

Holzer

(1992)

a

distinção

entre

geografia

humanista

e

comportamental até hoje não seria muito clara devido à inclusão feita pelos
comportamentalistas dos estudos humanistas em seu campo.

4- Origens, o nascimento e a consolidação da Geografia Humanista Anglosaxã e
Francesa
A Geografia Humanista tem o marco do inicio de seu desenvolvimento nos
Estado Unidos, tendo, porém, um desenvolvimento paralelo na França.
Nos países de língua inglesa teríamos uma evolução do nascimento e
consolidação da geografia humanista marcados pelas décadas de 60, 70 e 80, sendo elas
respectivamente:
- criação das condições para o nascimento da Geografia Humanista através das
discussões sobre estudos do meio;
-consolidação da Geografia Humanista com a criação de uma disciplina universitária;
- produção já bem delimitada marcada pelas tendências de consolidação e
aprofundamento, aproximação com outras ciências humanas e procura de aproximação
com aportes filosóficos diversos.
A década de 60 foi marcada um momento de pluralismo de temas e posturas
teóricas como idealistas, existencialistas, behavioristas, fenomenologistas, etc. sendo
que na década de 70 segundo Holzer (1992) começam a ficarem claras as posições dos
geógrafos humanistas e comportamentais, ocorrendo uma cisão entre eles.
Os geógrafos ligados à geografia analítica rompem com os parâmetros da
geografia clássica, que nos Estados unidos era representada pela geografia regional
baseada na obra de Hartshorne, trazendo novos pressupostos metodológicos, se
interessando principalmente por técnicas advindas da psicologia, da economia e do
planejamento urbano. Concentravam seus esforços na quantificação e mapeamento de
comportamentos espaciais.
Os geógrafos ligados à geografia cultural ou à geografia histórica, eram
segundo Holzer (1992) mais afeitos a interdisciplinaridade e pela criação de
aproximações com outras disciplinas das humanidades, incorporando também a linha
tradicional de estudos americanos sobre aspectos subjetivos do homem como meio
ambiente.
Para Holzer (1992), no início do movimento humanista, todas estas influencias
estavam misturadas, sendo que a percepção ambiental era o conceito unificador desta
geografia que nascia nos Estados Unidos. A percepção ambiental era o "rótulo [...]
conveniente para agrupar geógrafos de várias tendências" (HOLZER, 1992, p.124). Os
estudos da percepção e do comportamento se desenvolviam rapidamente por geógrafos
da geografia analítica, como Robert Kates e Gilbert White, e por geógrafos da geografia

histórica e cultural como Lowenthal (da escola de Berkeley de Sauer) e Tuan
(HOLZER, 1992).
O 61° Encontro da Associação dos Geógrafos Americanos, realizado em Abril
de 1965 em Columbus marca a união destas perspectivas em torno do tema da
percepção ambiental e do comportamento (Envritomenthal Perception and Behavior),
sendo encaradas neste momento como uma possibilidade de convergência e
interdisciplinaridade, apesar das diferenças na formação e nos objetivos de seus diversos
autores. Mais tarde, este encontro permitiu a delineação clara dos temas que vão se
diferenciar na Geografia Humanista e Comportamental.
O marco da divisão foi a publicação do livro de Tuan "Man and Nature"1,
onde o autor deixa claro as diferenças dos estudos ambientais das perspectivas
humanistas e comportamentais. Ele faz uma cisão referenciada nos aportes
metodológicos, que advém da fenomenologia existencialista ou da psicologia, ou ainda,
divide o interesse que cada perspectiva teria, sendo o desenvolvimento da epistemologia
em um, e o desenvolvimento metodológico, em outro, respectivamente (HOLZER,
1992).
Agrupavam-se estudos com rótulos de percepção do entorno e de geografia da
percepção, mas com possibilidade de identificação de três perspectivas bastante
distintas:
- a perspectiva onde agrupamos Lowentahl e Tuan. Lowenthal que faziam
estudos com uso das perspectivas da psicologia comportamental, e Tuan que fazia
estudos da sociologia, da filosofia exitencialista, e da geografia cultural norte
americana;
- a perspectiva que podemos agrupar Hagertrand e White, que possuía uma
perspectiva analítica e propunha uma geografia espaço-temporal e pesquisas sobre
catástrofes naturais;
- a perspectiva dos urbanistas influenciados pela escola de Chicago, onde
podemos colocar Kevin Lynch, que usava do neopositivismo da psicologia
comportamental, e do estruturalismo da semiologia.
Já o desenvolvimento da geografia humanista na frança se deu de forma
diferente. A geografia francesa apesar do enfoque regional, nunca foi somente
positivista, já que as preocupações com a dimensão cultural, e com temas que exploram
aspecto subjetivos do entorno, sempre foram temas presentes (HOLZER, 1992). Na

1

Publicação da Associação Geógrafos Americanos, de 1971.

década de 50 do século passado há uma preocupação em reerguer a geografia regional
francesa, com destaque para os estudos de aspectos subjetivos e algumas análises
fenomenológicas, com Dardel e Gallais; e também para a influencia marxista que se
dedicava as investigações cidade-campo e influencia do imperialismo na geração de
desigualdades.
O marco para as mudanças profundas ocorridas na geografia francesa foi a
desorganização administrativa universitária, a agitação política e sindical, e o corte de
verbas para as universidades, que ocorreram em 1968. A disciplina geográfica se torna
mais aberta a influências anglo-saxão, e continua a se desenvolver com alguns
geógrafos já preocupados com as questões da percepção e do mundo vivido, como os
autores Gallais e Frémont, em uma linha autônoma, como vemos na citação de Saguin
(1981, p.574, apud Holzer, 1992)2:
Sob o vocábulo de Espace Vécu, uma corrente de pensamento apareceu
gradualmente no final da década de 60 do século passado. Curiosamente, esta
corrente reúne a aproximação humanista anglo-saxônica, mas nenhuma ponte foi
estabelecida entre as duas escolas e, de uma maneira explicita e oficial, a escola
francesa não adotou a perspectiva da fenomenologia existencial. No entanto ela se
utiliza da mesma linguagem dos humanistas anglófonos e os temas de suas
contribuições se comparam facilmente àqueles de além mar (espaço vivido,
sentimento de posse, profundidade das paisagens, imagens dos lugares...).

Na frança Holzer (1992) destaca em sua tese três linhas de pesquisa que
reúnem os trabalhos humanistas: os estudos de urbanizações tradicionais de países
tropicais, a que estuda os modos de vidas tradicionais remanescentes de países de
primeiro mundo e, a que se dedica aos estudos da homogeneização social nos grandes
centros urbanos.

5- Geografia Humanista e Fenomenologia
A fenomenologia, segundo Horzel (1994), foi utilizada como aporte teórico
metodológico de muitos geógrafos como por exemplo Sauer, Dardel, Lowenthal e Kirk,
desde a década de 20 do século passado. Sauer e Dardel em 1925 e 1952 já
empreendiam respectivamente nestas datas, ensaios existencialistas, mas foi somente na
década de 1960 que esta base teórica serviu de alternativa as bases dominantes na
geografia.
O primeiro autor que relacionou as possibilidades de uso da fenomenologia na
geografia foi Relph3, onde caracterizava a fenomenologia como "um procedimento útil
na descrição do mundo cotidiano da experiência humana, tendo como base a volta `as
2

SAGUIN, André-Louis. La Geographie humaniste ou l´approche phénoménologique des lieux, des paysages ET des
espaces. Annales de Géographie. 90 (5001),1981.

3 No livro " Na inquiry into the relations between phenomenology and geography", Candian Geographer,
14(3), 1970.

coisas mesmas'" (HOLZER, 1994), e como uma alternativa ao modo positivista, não
como um postulado a ser sempre utilizado, mas como aporte radical confiável ligado a
filosofia, que permitia análises variadas e o exame das experiências individuais.
A fenomenologia existencialista como suporte teórico-conceitual pela
geografia se apoiou na fenomenologia pura de Husserl, ou na fenomenologia
Hermenêutica de Ricouer, e desta fusão que visava estudar o espaço social, nasceu os
estudos da intencionalidade do homem na estruturação de seu mundo ­ a chamada
intencionalidade corpo/sujeito; e o diálogo entre homem e meio, chamado de a
intersubjetividade. Mas para Buttimer estas opções não eram o mais importante,
importava que elas permitiam pesquisar os problemas do conhecimento, do pensamento,
explorar os significados e compreender os valores humanos (HOLZER, 1994).
A fenomenologia tem a ver com princípios e origens do significado e da
experiência e para Relph (1979), diz respeito a fenômenos tais como ansiedade,
comportamento, religião, lugar e topofilia 4. Estes por serem fenômenos da experiência,
não podem ser compreendidos somente através da observação e medição, eles são a
substância de nossos envolvimentos no mundo, e constituiriam as bases do corpo formal
de conhecimentos que designamos de Geografia.
As experiências variadas e contraditórias vividas nos espaços, paisagens e
lugares combinam as qualidades e aparências destes com os modos e atitudes de quem o
percebem, e estas experiências são fundidas no que Relph (1979) chama de
Geograficidade5.
Assim, nestes estudos a realidade considerada como qualidade objetivamente
demonstrada pela ciência racional tem seus fatos transformados em abstração com
indivíduos se transformando em casos e lugares se tornando meras localizações.
O método de descrição e interpretação fenomenológicas aparece assim, para
realizar uma tarefa de transformação da ciência e é inserido na geografia. A descrição
feita por ela não deve tentar explicar fenômenos da experiência imediata, assim, o

4

Quando o despertar de consciência em direção da atenção aos lugares com sensações positivas, os
humanistas chamam de experiências de topofilia. Quando são repulsivas, desagradáveis e negativas,
chamam de experiências topofóbicas
5 As bases fenomenológicas da realidade geográfica são pautadas em três pilares: espaço, paisagem e
lugares. As relações entre as experiências e o três componentes são chamados de Geograficidade.
Geograficidade referenciam-se às várias maneiras pelas quais sentimos e conhecemos os ambientes como
nos relacionamos com os espaços e com as paisagens, construídas e naturais. Atribuímos através de
nossa Geograficidade conceitos de bom ou ruim a determinadas experiências. È considerada universal e
necessária e intrínseca ao individuo de modo tão total ele acaba por esquecê-la assim como o faz com sua
vida psicológica. Permanece aceita e discreta, mais vivida do que expressa.

geógrafo deve excluir suas crenças e tentar se colocar na posição daqueles sujeitos que
está experienciando o fenômeno.
Assim, a intencionalidade e a intersubjetividade6 fenomenológicas são usadas
na geografia como a possibilidade de não trabalhar com sujeitos isolados no mundo,
mas que possuem um modo de existir, perceber e dar existência ao mundo a sua volta,
sendo tarefa do geógrafo através da redução fenomenológica e eidética desvendar as
essências e suas correlações, entendendo desta forma a verdadeira constituição do
mundo.

6- Considerações Finais
Assim, consideramos que os estudos da chamada Geografia Humanista
situam-se em um plano cognoscivel, na experiência que cada um tem do mundo e
opoem-se a alguns princípios básicos da geografia analítica onde, como nos diz Claval
(1978), "o tratamento de dados e a confecção de modelos aplicáveis, tornou-se um fim
em sí mesmo". Sua importância está inserida dentro do contexto de um momento de
critica a manutenção dos pressupostos positivistas e cientificistas, da pretensão da
objetividade. Atualmente, consideramos importante redicuti-lo devido a importancia da
subjetividade na construção do geográfico da realidade que necessita ser ampliada e
construída através de bases sólidas.
Durante a leitura de vários trabalhos, observamos que os estudos humanistas
invocam autores Marxistas, sociólogos, filósofos e literatos. Esta aparente ausência de
unidade é reflexo da própria história da construção do pensamento da ciência
geográfica, e como em outros momentos e movimentos não têm uma discussão e
definição clara sobre seus conceitos e categorias, e mais o que isso, uma postura
assumida pelos humanistas para se diferenciar da lógica da ciência racional. (GOMES,
1996).
Quanto a diversidade de teorias e autores existente nos trabalhos de Geografia
Humanista, segundo Gomes (1996) muitas vezes é interpretada como um ecletismo
voluntário, uma busca por referências variadas que não excluam nenhuma via para não
causar limitação e empobrecimento. Contudo, concordamos com Gomes(1996) que este
6

A intersubjetividade acontece quando um corpo se põe em contato com o exterior e localiza outro corpo
e acontece uma relação de intropatia, ou seja, a relação entre eu e o outro por mim percebido. Isso
garantiria a objetividade do objeto, já que nela o objeto é idêntico em sua multiplicidade de aparências
para muitos sujeitos. Ele (objeto) não será nunca objeto em si, mas objeto pensado, rememorado,
imaginado. Há, portanto, uma existência intencional do objeto na consciência, já que ele só tem sentido
de objeto para uma consciência e esta para lhe dar significado ou para definir sua essência, o faz a partir
de muitas de significações que a consciência resgata e monta.

ecletismo, de certa forma é inquietante, primeiro devido a história da ciência ter sido
sempre pautada pela limitação e nos ter aculturado desta forma, e segundo por criar
algumas ambigüidades, vaguidades, contradições, oposições que dificultam creditá-las
positivamente.
Para a ausência de modelos, de certa forma, podemos justificar que este
movimento tenta representar uma contraposição ao modelo cientificista, um argumento
contra o apego a um procedimento fixo. Gomes (1996) divide as oposições a crise do
modelo científico em crise da estrutura ideológica - ao formalismo e a falsa objetividade
da ciência positivista-lógica, e do outro lado, a crítica da racionalidade dos métodos - a
objetivação generalizadora e a não inclusão da interpretação da cultura.
Porém, mesmo com tantas contradições, é necessário reconhecer os
fundamentos da identidade que une tanta diversidade, os pressupostos destes autores, e
fazer a crítica da validade e da contribuição desta corrente nos estudos Geográficos, pois
como cita Claval (1978.p.150):
A geografia não pode ignorar o sentido do já vivido. Os geógrafos hoje
tentam, pois, descobrir como é que as pessoas sentem o ambiente em que vivem e se
deslocam: para lá da percepção, é na profundidade dos laços intimos que ligam o
homem ao meio que eles procuram penetrar.

E é por isso que concentramos nossos esforços em construir seu percurso na
geografia brasileira fazendo uma sistematização das infomações de temas, autores e
bibliografia utilizada nas principais publicações cientificas da geografia do estado de
São Paulo ­ como trabalho de conclusão de curso em andamento. Com isso acreditamos
contribuir para ampliar as discussões sobre esta corrente.

Bibliografia
BAILLY, Antoine S. "A percepção do espaço Urbano- conceitos, método de estudos e
sua utilização na investigação urbanística", Coleção Novo Urbanismo, nº. 29, Instituto
de Estúdios de Administracion local, Madri, 1979.
CHRISTOFOLETTI, A. (Org.) (1982): Perspectivas da Geografia. São Paulo: Difel,
1982.
CLAVAL, P. O papel da nova Geografia Cultural na compreensão da ação humana.
In: Matrizes da Geografia Culural. Rozendahl, Z & Corrêa,L. org. Rio de Janeiro:
Eduerj, 2001.
CLAVAL, P. A nova Geografia. Livraria Almedina, Coimbra. 1978
CLAVAL, P. Evolución de La Geografía Humana. Barcelna: Oikos-Tau, 1974.
DARTIGUES, A. "O que é fenomenologia?". São Paulo: Centauro, 2005.
GOMES, P. C. C. Geografia e Modernidade. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil, 1996.

HOLZER, Werther. A Geografia Humanista Anglo-Saxônica ­ de suas origens aos
anos 90. Rio de Janeiro, UFRJ, 1992. (Dissertação de Mestrado).
_________ Paisagem e lugar: um estudo fenomenológico sobre o Brasil do século XVI.
São Paulo, USP, 1994. (Tese de Doutorado pela Faculdade de Letras e Ciências
Humanas, Departamento de Geografia Humana)
_________Uma discussão fenomenológica sobre os conceitos de Paisagem e Lugar,
território e meio ambiente. Revista Território, Rio de Janeiro, ano II, n° , jul./dez. 1997.
_________ O lugar na Geografia Humanista. Revista Território, Rio de Janeiro, ano
IV, n° 7, jul./dez. 1999.
LEITE, Adriana Filgueira. O Lugar: duas acepções geográficas. Anuário do Instituto
de Geociências. V. 21, 1998.
LYOTARD, Jean-François. A fenomenologia. Difusão Européia do Livro, São Paulo,
1967.
MATHEWSON K. & SEEMANN J. A geografia histórico-cultural da Escola de
Berkeley: um precursor ao surgimento da História Ambiental. VARIA HISTORIA,
Belo Horizonte, vol. 24, nº 39: p.71-85, jan/jun 2008
MELLO, J. B. F. Geografia Humanística: a perspectiva da experiência vivida e uma
crítica radical ao positivismo. Revista Brasileira de Geografia, v. 52, n.4. Rio de
Janeiro, 1990.
MENDOZA, J. G. ; JIMENEZ, J. M. Y CANTERO, N. O.(Orgs.) El pensamiento
geográfico. Estudio interpretativo y antología de Textos (De Humboldt a las tendencias
radicales) . Madrid: Alianza Editorial, 1982.
MICHAELLIS:

Moderno

dicionário

da

Lingua

portuguesa.

Companhia

Melhoramentos. São Paulo, 2008.
MORAES, A. C. R. Geografia Pequena História Crítica. 19.ed. ­ São Paulo :
Annablume, 2003.
LYNCH, K. A Imagem da Cidade. São Paulo: Martins Fontes,1997.
RELPH, Edward. As bases fenomenológicas da geografia. Geografia, 4(7): 1-25, Rio
Claro, São Paulo. Abril 1979.
SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia
crítica. São Paulo:HUCITEC, Ed. Da universidade de São Paulo, 1978.
VALCARCEL, José Ortega. Los horizontes de la geografía ­ Teoria de la Geografía.
Editora Ariel S.A. Barcelona,(sem data).