Este capítulo visa apresentar, em traços gerais, as características
físicas do território da área metropolitana de Lisboa, de forma a
poderem avaliar-se as suas potencialidades e constrangimento ao
nível dos recursos, mas também a dar uma ideia geral do território
onde está implantada a maior e mais densamente povoada área
metropolitana do território português.

Uma área metropolitana não é apenas um vasto espaço urbanizado,
mas um espaço de complementaridades sejam elas originadas pelas
condições naturais diversificadas e/ou pelos usos diferenciados do
território. A área metropolitana de Lisboa é disso um bom exemplo,
no quadro português e europeu.

Paisagens rurais e urbanas, litorais e de montanha ou de lezíria,
constituem um património rico e variado desta área metropolitana,
cujo uso deve ser planeado e ordenado com base no conhecimento
físico do seu território e áreas adjacentes.

GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE

Tal concepção implica uma apreciação global de todos os concelhos
que a integram, a avaliação da complementaridade interconcelhia
dos recursos, bem como uma rede global de protecção e minimização dos riscos a que está sujeita.

O conhecimento científico que se possui deste vasto espaço no
quadro português e a colaboração interdisiplinar que se aconselha
certamente permitirão, no futuro, uma melhor utilização do espaço
metropolitano, salvaguardando os seus variados recursos, potenciando o seu uso sempre que possível, e minimizando os riscos
naturais, como os sísmicos, ou induzidos pelo homem, de que a
erosão costeira é um bom exemplo.

III

Ana RAMOS PEREIRA
Geógrafa
Centro de Estudos Geográficos, Universidade de Lisboa

A localização da área metropolitana de Lisboa, em posição central face ao território continental, deve-se em grande medida às boas condições naturais e à abundância de recursos básicos que também favorecem a acessibilidade, embora possam ter
constituído uma fronteira de difícil transposição.
A disposição do relevo desde logo permite a existência
de fachadas litorais soalheiras e abrigadas dos ventos frescos de
Norte. A costa do Estoril e da Arrábida constituem disso exemplo.
No quadro da área metropolitana de Lisboa, estas são
as áreas mais aprazíveis, de clima mais ameno. Não é, por isso, de
estranhar que a costa do Estoril desde cedo se tenha afirmado como a faixa litoral de excelência, escolhida pela nobreza ou pela classe mais abastada para aí instalar segunda residência ou se fixar.
Um desenvolvimento similar na costa da Arrábida, com
idênticas condições climáticas, não foi possível porque o relevo não
o permite. Com efeito, a Arrábida possui um litoral escarpado, em
que a vertente costeira pode ultrapassar 200m de altura e se despenha abruptamente no mar. Por este motivo, apenas se desenvolveram pequenos núcleos, como Sesimbra.
Um outro tipo de razão impediu também uma ocupação
mais densa do território na área metropolitana de Lisboa Sul: a
acessibilidade. Até à construção da Ponte 25 de Abril, o Tejo constituía uma fronteira relativamente difícil de transpor. Esta deficiente acessibilidade dificultou a ocupação de uma outra fachada litoral abrigada: a da Costa da Caparica. A península de Lisboa, na
área metropolitana de Lisboa Norte, fornece abrigo à referida fachada litoral, uma vez que é um território avançado para ocidente
e os ventos dominantes são do quadrante Norte, em geral de Noroeste. Por esse motivo, toda a área entre a Trafaria e a Fonte da
Telha-Lagoa de Albufeira têm condições climáticas favoráveis à
ocupação. Contudo, é um litoral exposto aos temporais de mar
provenientes de Oeste ou especialmente de Sudoeste, que fustigaram (e fustigam ainda) esta costa desde o final de década de 40.
Na década seguinte, foram mesmos destruídas habitações na Costa da Caparica, bem como a antiga linha de comboios ao longo da
praia, o que levou os responsáveis a promover a construção de diques (longitudinais) e esporões (transversais) ao longo da linha de
costa. Tal solução, à época considerada a melhor, não teve em
conta que as praias e as dunas constituem a protecção natural aos
avanços do mar, que começavam a escassear as areias que as
constituem, por o Tejo trazer cada vez menos aluviões em consequência da construção das barragens. Conhecia-se insuficientemente como circulam as areias ao longo da costa e finalmente,
mas não menos importante, pretendeu-se fixar aquilo que é naturalmente móvel, ou seja, a linha de costa. A destruição das dunas ou a sua impermeabilização com casas e parques de estacionamento ou caminhos pedonais acabou por conduzir, em boa parte da área litoral, à substituição das areias por grandes blocos de
pedra e de cimento, com a consequente degradação ambiental.
A fachada Oeste da área metropolitana de Lisboa Norte,

bem como todo o seu interior, basearam o seu desenvolvimento
nas actividades agrícolas. Porém, as condições naturais de relevo e de solos não são sempre as melhores. As áreas deprimidas,
as várzeas, como a de Loures, e os terrenos marginais ao Tejo (excluindo os sapais), são as mais favoráveis. Devem, ainda acrescentar-se algumas áreas de solos desenvolvidos no Complexo Vulcânico de Lisboa ou em depósitos superficiais que, sem permitir
um exploração intensiva, constituíram recursos indispensáveis à fixação da população.
O grande desenvolvimento das acessibilidades na área
metropolitana de Lisboa, mais recentemente, veio permitir uma nem
sempre bem planeada ocupação do seu território, por vezes com
destruição de alguns dos seus recursos, como se referiu a propósito da Costa da Caparica.
A consciencialização crescente da importância da preservação dos recursos e do seu uso racional veio trazer novos desafios à área metropolitana de Lisboa.
A área metropolitana é muito rica em recursos renováveis. Desde logo se salientam as boas condições para a exploração da energia solar (térmica ou fotovoltaica), que poderia e deveria ser utilizada em larga escala em todas as fachadas soalheiras.
A energia eólica, pelo impacto visual e ecológico que pode provocar, bem como pela necessidade de espaços vastos e com ocupação predominantemente agrícola ou agroflorestal, só poderá ter,
na área metropolitana de Lisboa, um desenvolvimento localizado.
Não podem deixar de salientar-se as boas condições naturais da
área metropolitana de Lisboa para o uso de energias alternativas.
A água, recurso eleito como prioritário para o terceiro
milénio, apesar de ser um recurso finito, é abundante na área metropolitana de Lisboa e nem sempre tem sido acautelada a sua qualidade. Foi feito um esforço, no final do último milénio, no sentido
de melhor a sua qualidade, através de redes de saneamento básico que, contudo, ainda não impedem completamente que sejam
visíveis descargas de efluentes em cursos de água da área metropolitana de Lisboa. Este facto tem dois tipos de repercussões muito importantes nas actividades: a contaminação de bons solos, nomeadamente nas várzeas e nos fundos de vale, e a chegada de
água poluída ao litoral, pondo em risco as actividades relacionadas com a pesca, o turismo e o lazer.
A área metropolitana de Lisboa é, ainda, rica em águas
termais, cujo aproveitamento se degradou muito e que, exploradas em complementaridade com outras actividades regionais, poderão constituir importantes pólos de desenvolvimento.

1. O RELEVO DA ÁREA METROPOLITANA
DE LISBOA E DA ÁREA SUBMERSA ADJACENTE
No conjunto do país, a área metropolitana de Lisboa pode considerar-se como uma área de relevo moderado, cujas altitudes mais elevadas são atingidas nas serras de Sintra e da Arrábida (528m na Pena, na serra de Sintra, e 501m no Formosinho,
na serra da Arrábida). No que respeita à rugosidade da superfície
topográfica, que exprime os desníveis, esta área revela também
valores médios a baixos, não ultrapassando o valor 59, quando no
Norte e Centro do país o valor dessa variável pode ser superior a
200 (Mapa III.1).
A área ocupada pela área metropolitana de Lisboa constitui, no quadro da fachada ocidental portuguesa, um promontório
que avança pelo Atlântico. É constituído por duas penínsulas, a de
Lisboa e a de Setúbal, separadas pelo estuário do rio Tejo, que desagua na enseada de Lisboa. (Mapa III.1).

47

Apesar da península de Lisboa ter uma rugosidade superior, o relevo destas duas penínsulas tem diversos traços comuns: (i) ambas são dominadas por uma serra que se individualiza
claramente do conjunto envolvente, tendo sensivelmente a mesma
orientação (Este-Oeste a Estenordeste-Oestesudoeste), (ii) abaixo
delas estão presentes as denominadas plataformas litorais, áreas
planas mais ou menos entalhas pela rede hidrográfica, (iii) e um
conjunto de relevos baixos, que englobam os relevos designados
genericamente de costeiras, a que se devem acrescentar, na península de Lisboa, cones vulcânicos mais ou menos desmantelados.
A serra de Sintra
A serra de Sintra constitui um doma isolado, de forma
elíptica, com 10km por 5km, com uma orientação aproximada Este-Oeste. Esta serra é o resultado da ascensão continuada de um
maciço magmático proveniente de pequena profundidade e que
se iniciou há cerca de 82 milhões de anos e perdura ainda. Esse
maciço, constituído por rochas variadas que em seguida se referem (Mapa III.5), iniciou a sua ascensão sob uma capa de rochas
que então existia na região, semelhantes às que actualmente circundam o referido maciço. Essas rochas sedimentares eram essencialmente constituídas por calcários e margas cuja espessura
estimada seria, de acordo com M.C. Kulberg e J.C. Kulberg (2000),
de 2200 a 2700m, formadas ao longo 35 milhões de anos. A ascensão do maciço de Sintra empolou esta cobertura sedimentar,
que se foi deformando em doma até partir e ser desmantelada pelos agentes geomorfológicos erosivos, nomeadamente pela água
de escorrência. Os testemunhos desse desmantelamento estão
ainda presentes numa formação rochosa conservada na vertente
Norte da serra, junto a Galamares (Mapa III.5 ­ Paleogénico).
Significa o exposto que, num período de tempo de cerca de 30 milhões de anos, desde que a ascensão começou a deformar as rochas sedimentares, a erosão foi capaz de desmantelar cerca de 2200-2700m de espessura de rochas, numa área de
cerca de 150km2 e pôr a descoberto, há cerca de 65 milhões de
anos, as rochas magmáticas que constituem a serra.
A ascensão do maciço teve ainda outras consequências. Com efeito, o maciço, proveniente de áreas com temperaturas mais elevadas, exerceu sobre as rochas encaixantes uma
enorme pressão e provocou um forte aumento de temperatura. As
transformações causadas, denominadas genericamente por metamorfismo de contacto, modificaram as rochas encaixantes, formando uma auréola. Esta auréola de metamorfismo está ainda patente no relevo a Sul e a oriente da Serra. Aí observa-se uma auréola de colinas, que Orlando Ribeiro (1940) designou por colinas
periféricas, e o planalto de S. Pedro (de Sintra) (Mapa III.2), que por
serem constituídos por rochas relativamente mais resistentes do
que as rochas mais afastadas do maciço, originam as referidas formas de relevo (Figura III.1).
A serra apresenta-se, assim, como um doma dissimétrico,
com vertentes mais suaves a Sul, fazendo-se a transição para a
área aplanada da plataforma de Cascais por intermédio do referido
conjunto de colinas. O sopé da vertente Norte, mais abrupta, é
erodido pela ribeira de Colares. Este aspecto dissimétrico é-lhe
conferido por razões de natureza tectónica, mais concretamente
estrutural (Mapa III.2).
A ribeira de Colares é, no conjunto da área serrana, uma
excepção. A serra de Sintra constitui uma área de dispersão da rede hidrográfica, que daí irradia em todas as direcções. A ribeira de
Colares, ao contornar a serra, evidencia um claro controlo estrutural ou, por outras palavras, a ribeira aproveitou para se instalar uma
área de rochas relativamente menos resistentes.

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE

DIVERSIDADE do meio físico
e recursos naturais

Mapa III.1 O relevo na área metropolitana de Lisboa e na área submersa adjacente

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE
Mapa III.2 A individualidade da serra de Sintra na península de Lisboa

Figura III.1 A Serra de Sintra entre as plataformas litorais de São João das Lampas e de Cascais, com o esboço de disposição das rochas
Fonte: Ribeiro, O. - Remarques sur la morphologie de Sintra-Cascais, 1940 (adaptado)

Fotografia III.1 O litoral escarpado da serra de Sintra e os seus vales, com a foz suspensa na arriba. 1998

Fotografia III.2 A serra de Sintra cortada em arriba no cabo da Roca. 1998

50

A rede hidrográfica serrana é bastante encaixada (Mapa III.2) e aquela que se dirige directamente para o mar origina vales suspensos na arriba, por vezes mais de 150m. Este facto, juntamente com a existência, referenciada por A. Brum Ferreira (1984),
de uma praia levantada, com areão e seixos rolados de praia, a
250m, junto à Ulgueira, atesta a continuidade da ascensão do maciço de Sintra. Com efeito, sabe-se que o nível do mar nunca poderia ter atingido tal altitude, pelo que a presença de uma praia
àquela cota só poderá ser uma consequência do levantamento da
serra. Por seu turno, os cursos de água não têm capacidade para aprofundar o seu leito, nomeadamente junto à foz, ficando com
a foz suspensa devido ao referido levantamento (Fotografia III.1).
Este fenómeno observa-se facilmente junto ao cabo da Roca
(Fotografia III.2). Estima-se que a taxa de levantamento da serra de
Sintra seja da ordem de 12,5cm em cada 1000 anos.
As plataformas que ladeiam a serra de Sintra
A serra de Sintra é ladeada por áreas planas, a plataforma de Fontanelas e S. João das Lampas, entre 100 e 150m, ao
Norte, e a plataforma de Cascais, relativamente mais baixa (bem
desenvolvida entre 60 e 80m), ao Sul (Figura III.2).
Estas superfícies planas têm uma origem complexa, mas
sabe-se que foram retocadas pelo mar, como demonstram as areias e seixos rolados que aí se podem encontrar. Estas areias não
dispõem de elementos que nos permitam datá-las pelo que desconhecemos ao certo quando o mar retocou estas superfícies. Sabemos, contudo, que terá sido há milhões de anos (cerca de 2 milhões de anos) pois posteriormente elas foram levantadas por movimentos tectónicos e colocadas à altitude a que hoje se encontram. Desconhece-se também se as plataformas a Norte e a Sul
da serra são contemporâneas. Se tal suceder e porque se encontram a altitudes diferentes, o levantamento a Norte da serra terá sido mais importante.
A plataforma de Cascais contém mais algumas informações relativamente à sua evolução geomorfológica posterior.
As rochas desta plataforma estão carsificadas, ou seja, possuem numerosos buracos de dimensão e forma variadas,
resultantes da dissolução do calcário pela água. É nesses buracos
que se encontram ainda areias de praia, como era visível até há
bem pouco tempo na parte inferior da colina de Oitavos (hoje está vedada por ser parte integrante da Quinta da Marinha). Estas
areias não possuem elementos que as permitam datar.
Porém, sobre elas e em areias relativamente mais finas,
desenvolveu-se um solo (A. Ramos Pereira, 1985) cuja matéria orgânica foi datada. Este paleossolo tem cerca de 32 000 anos (C.
Moniz, 1992). Ele constitui o testemunho de que, nessa altura, o
mar já se tinha retirado e essa área emersa já era atingida por areias transportadas pelo vento, as quais foram em seguida colonizadas por vegetação, que permitiu não só a sua fixação como o desenvolvimento do solo (Figura III.3).
A paisagem litoral não seria talvez muito diferente da actual, salvo que o mar estaria então cerca de 20km mais para o largo. Mas a área de Oitavos encerra ainda mais informações geomorfológicas, pois sobre este solo assentam areias esbranquiçadas, relativamente mais grosseiras, consolidadas, cuja disposição revela terem sido transportadas por ventos de Noroeste que
fustigavam esta área à semelhança do que ainda hoje sucede.
Essas areias provinham da área da actual enseada do
Guincho (Figura III.4), tendo criado na plataforma de Cascais um
extenso campo de dunas, de que a colina de Oitavos é o melhor
exemplo e devia ser devidamente protegido, atendendo ao seu interesse científico e de património natural.

As áreas aplanadas, de que as plataformas de Fontanelas e de Cascais são exemplo no litoral, prolongam-se para o interior, onde por vezes estão mais altas e dissecadas pela rede hidrográfica. São elementos deslocados por falha, ou por outras palavras, foram levantados tectonicamente. Disso é exemplo a serra
da Carregueira que não é mais do que um compartimento levantado ao longo da falha de Sabugo-Olelas (A. Ramos Pereira, 1982).
As colinas vulcânicas
A área metropolitana de Lisboa possui diversos testemunhos de episódios de actividade vulcânica. São eles: (i) as rochas vulcânicas, basaltos, tufos e cinzas vulcânicas mais ou menos alteradas, do denominado Complexo Vulcânico de Lisboa, onde se desenvolveram alguns dos bons solos da região, (ii) e um

Estes relevos são constituídos por uma vertente mais
suave, em rochas resistentes, em geral calcários, e por outra mais
declivosa, essencialmente constituída por rocha relativamente branda, muitas vezes com elevado teor em argila. Estas, em presença de água, podem perder coerência e comportar-se como uma
massa pastosa, que desliza pela vertente abaixo.
Os deslizamentos nas vertentes das costeiras são um
dos principais riscos geomorfológicos que afecta a região de Lisboa,
uma vez que podem ocorrer em áreas densamente povoadas.
As bacias e veigas aluviais
Na península de Lisboa, as áreas deprimidas, onde os
cursos de água vão deixando os seus sedimentos, criando áreas
de bons solos agrícolas, são de vários tipos: (i) áreas inicialmente

Figura III.2 As unidades de relevo em torno da serra de Sintra (SS)
PF - Plataforma de Fontanelas; VC - Várzea de Colares, PC - Plataforma de Cascais

Figura III.5 A costeira de Lousa-Bucelas. Os locais salientes no relevo correspondem às rochas resistentes destes relevos dissimétricos
Fonte: Zêzere, J. L. - Distribuição e ritmo dos movimentos de vertente na região a Norte de Lisboa, 2001.

Figura III.4 A enseada do Guincho

conjunto de colinas que constituem o que resta de cones vulcânicos, hoje já parcialmente desmanteladas.
As manifestações de actividade vulcânica na região de
Lisboa ter-se-ão iniciado há cerca de 100 milhões de anos e perdurado cerca de 30 milhões (A. Ribeiro et al, 1979). Os seus testemunhos encontram-se numa área com cerca de 200km2.
É em torno da cidade de Mafra que se encontram os
melhores exemplares; alguns deles serviram como locais estratégicos de ocupação pré-histórica da região. São disso exemplos
o Penedo do Lexim e a colina de Nossa Senhora do Socorro (em
manchas de cor vermelha no Mapa III.5).

Fotografia III.3 A várzea de Loures. 1998

A região de costeiras
As costeiras são formas de relevo dissimétricas em que
os agentes geomorfológicos, em especial a água, põem em evidência a inclinação das rochas que suportam estes relevos. Na península de Lisboa, os melhores exemplos são representados pela
costeira de Loures e pela costeira de Bucelas (Mapa III.3 e Figura III.5).

escavadas em rochas brandas, mas onde posteriormente os cursos
de água depositaram aluviões, como sucede na bacia de Loures
(Mapa III.3 e Fotografia III.3); (ii) áreas abatidas tectonicamente, drenadas por cursos de água, como sucede com a depressão da Granja
do Marquês, a Nordeste de Sintra; (iii) áreas em geral estreitas e
alongadas, nos fundos de vale, como a veiga de Colares (Figura III.2).

51

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE

Figura III.3 A colina de Oitavos, flanco sotavento de uma grande duna consolidada. a - nível da plataforma de Cascais: 1 - calcários;
2 - areias de praia conservadas no interior dos buracos cársicos; 3 - paleossolo; 4 - areias da duna de Oitavos. As setas indicam a direcção do vento dominante.

Mapa III.3 Os declives na área metropolitana de Lisboa

As plataformas da península de Setúbal
Na península de Setúbal, ocorre o equivalente das plataformas litorais da área metropolitana de Lisboa Norte, com altitudes diversas, e que aqui se denominam plataforma de Belverde,
dominando o Tejo e a planície da Costa da Caparica, e plataforma
do Cabo (Fotografia III.4), que se desenvolve entre o cabo Espichel
e a cadeia da Arrábida (Mapa III.4 e Figura III.6).
A génese destas plataformas é idêntica à referida para
as plataformas litorais da península de Lisboa.
A Arriba Fóssil da Costa da Caparica
A plataforma de Belverde é cortada do lado do mar por
um escarpado conhecido por Arriba Fóssil da Costa da Caparica
(Figura III.6).
Figura III.7 O litoral da Cova do Vapor à Costa de Caparica. PL - planície litoral; AF - arriba fóssil; PB - plataforma de Belverde

Esta vertente escarpada, que se pode observar em toda a sua extensão do miradouro do Capuchos, é uma antiga vertente trabalhada pelo mar, mas que dele se foi afastando devido
à acumulação de sedimentos no seu sopé. Esses sedimentos eram
aqui depositados pelo mar que os trazia da foz do rio Tejo, vindo a
constituir a denominada planície litoral da Costa da Caparica (Mapa III.4 e Figura III.7).
A Arriba Fóssil diminui de desnível até à Fonte da Telha,
à medida que estreita a planície litoral (Figura III.8). Constitui uma
área do território particularmente sensível porque, devido ao seu
forte declive e à natureza pouco coerente dos materiais em que é
talhada, evolui por deslizamento de enormes compartimentos
rochosos, como é visível no miradouro dos Capuchos (perfil 2 da
Figura III.8), além de estar profundamento ravinada (Fotografia III.5).
Estes dois processos geomorfológicos, deslizamento e ravinamento,
em muito contribuem para o recuo desta arriba, razão porque a
sua parte superior, já na plataforma de Belverde, bem como o seu
sopé, na planície da Costa da Caparica, devem ficar preservados
de qualquer construção.

Figura III.6 As plataformas litorais na península de Setúbal e a disposição das rochas desde a arriba fóssil da Costa da Caparica até ao Cabo Espichel
Fonte: Pereira, A. Ramos - Aspectos do relevo de Portugal. Litorais ocidental e meridional da península de Setúbal, 1988.

53

Figura III.8 Perfis da arriba fóssil e da planície litoral da Costa da Caparica
Fonte: Pereira, A. Ramos - Aspectos do relevo de Portugal. Litorais ocidental
e meridional da península de Setúbal, 1988.

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE

Fotografia III.4 A plataforma do cabo Espichel. 1998

Mapa III.4 As unidades de relevo no litoral ocidental da península de Setúbal

Fotografia III.6 Praia próxima de Setúbal. 1998

Acompanhando ao Norte a cadeia da Arrábida, estende-se uma faixa quase contínua de costeiras. Estas são particularmente bem desenvolvidas desde o Alto da Madalena, perto de Vila Nogueira de Azeitão, e prolongam-se de forma contínua pela serra de S. Francisco, culminando, na parte oriental, na serra do Louro (Mapa III.4 e Figura III.9).

A cadeia da Arrábida e as costeiras
Esta cadeia estende-se ao longo de cerca de 35km, de
Setúbal até 5km para Oeste do cabo Espichel, onde se encontra
submersa (D. Mougenot, 1989) e dela fazem parte as serras da Arrábida e de S. Luís. O essencial desta cadeia formou-se em duas
fases de compressão (a primeira entre 21.6-16.6 milhões de anos

e a segunda entre 8-6.5 milhões de anos, de acordo com M.C.
Kullberg; J.C. Kullberg; P. Terrinha, 2000). O enrugamento das rochas, e muitas vezes a sua fractura, ocasionou um levantamento
regional, o qual foi superior nas áreas central e oriental da cadeia,
que nunca chegaram a ser arrasadas pelo mar, como sucedeu
na plataforma do cabo Espichel (Mapa III.1 e Fotografia III.4).

Figura III.9 Serras de São Francisco, do Louro e de São Luís

55

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE

Fotografia III.5 O profundo ravinamento que afecta as rochas pouco coerentes (arenitos) em que é talhada a arriba fóssil

As formas de relevo litoral
A linha de costa da área metropolitana de Lisboa é marcada, em grande parte da sua extensão, por arribas e vertentes
escarpadas, que chegam a atingir mais de 300m de desnível, como
sucede na Arrábida. As praias são, no geral, estreitas fímbrias de
areias encostadas às arribas (Fotografia III.6) ou pequenos triângulos
arenosos confinados à desembocadura dos pequenos cursos de
água (Fotografia III.7).
A praia do Guincho e o areal da Caparica, que se estende da Trafaria à praia das Bicas, a Sul da lagoa de Albufeira, constituem a excepção a este cenário.

Fotografia III.7 Arrábida. Praia na desembocadura de um pequeno curso de água. 1998

A primeira desenvolve-se numa reentrância relativamente profunda e ampla da linha de costa, abrigada da ondulação dominante, onde o mar deposita as areias em trânsito ao longo da
costa (Figura III.4).
O areal da Caparica, também ao abrigo da ondulação,
retém as aluviões do Tejo que o mar aí faz chegar. Constitui o maior areal contínuo da área metropolitana de Lisboa (Fotografia III.8).
Este areal já foi mais extenso, especialmente no seu extremo Norte, e está presentemente submetido a um regime de erosão.
Em 1910, Alfredo Ferreira do Nascimento relata que "eram muitas
as pessoas residentes na margem esquerda do Tejo que se deslocavam ao Bugio, a pé enxuto, pelo extenso areal, para assistirem à
missa dominical na capela da fortaleza quando a baixa mar ocorria
a horas favoráveis e o estado do tempo o permitia" (Diário de Notícias, suplemento, 8 de Setembro de 1985, p. 7, referido por E. Freire,
1986). De acordo com o exposto, aliás confirmado pelos planos
hidrográficos das primeiras décadas do século passado, e atendendo ao tipo de maré, a missa teria que ser curta e os crentes bons
marchantes (teriam que percorrer cerca de 3km em cada sentido).

Fotografia III.8 A planície litoral da Costa da Caparica e o mais extenso areal da área metropolitana de Lisboa. 1998

Os temporais de mar intensificaram-se no final dos anos
40 e nos anos 50, o que levou os responsáveis a optar por protecções costeiras pesadas, da Costa da Caparica para Norte. Mas
o regime de erosão mantém-se e as praias emagrecem todos os
Invernos, em consequência do desordenamento costeiro, com destruição de dunas, escassez de areias, associadas a uma subida do
nível do mar. A linha de costa é, por definição, móvel e as tentativas para a fixar têm sempre consequências.
O estuário do rio Tejo constitui outra forma litoral de grande
importância no quadro da área metropolitana de Lisboa, pelos recursos que encerra. O Tejo depois de ultrapassar o Mar da Palha, onde
formou um delta interior, vê o seu vale confinado entre as colinas
de Lisboa e as de Almada. Também aqui, o traçado do Tejo tem
uma razão estrutural. O rio aproveitou uma área de rochas fragilizadas tectonicamente, bem como um compartimento abatido para
aí se instalar e criar o denominado gargalo do Tejo (Figura III.10).
A lagoa de Albufeira constitui ainda um elemento de referência no litoral da área metropolitana de Lisboa (Figura III.11). De
pequenas dimensões, esta lagoa situa-se num sinclinal a que dá o
nome (Figura III.6), ou seja, numa área onde as rochas desenham
uma dobra invertida larga. Está em fase de franco assoreamento
por areias que provêm de Norte, da plataforma de Belverde, onde assentam as maiores dunas da região (o cabo da Malha é disso exemplo; Figura III.11), e outras que entram na lagoa trazidas
pelo mar. Para que a lagoa continue a assegurar o meio de vida de
animais de águas salobras, a comunicação com o mar tem que ser
aberta anualmente, pelo menos aquando da maré equinocial da
Primavera (Fotografia III.9).
A planície aluvial do Tejo
Não pode deixar de referir-se, como forma de relevo importante na área metropolitana de Lisboa, a planície aluvial do Tejo, apesar
de apenas o seu troço jusante estar integrado na área metropolitana.
O território ribeirinho, plano e baixo, é constituído por
aluviões (Mapa III.5). Esta constituição, bem como a sua posição
deprimida face às áreas enquadrantes, permitem defini-la como
uma área de bons solos e de aquíferos. Assim, como toda a planície
aluvial do Tejo, este território constitui, pelas características anteriormente referidas, uma área estratégica, cujos recursos são essenciais
à vida humana e às actividades económicas. Sendo o solo e a água
recursos primordiais, a sua preservação deve ser acautelada.
Esta faixa estreita tem uma disposição Noroeste-Sudeste
e é dissimétrica, uma vez que do lado ocidental é dominada por
um escarpado e do lado oriental por uma escadaria de degraus
que, no conjunto, parecem formar uma rampa suave.
A referida escarpa, que domina a cidade de Vila Franca,
não é mais do que uma escarpa de falha, cuja presença e frescura indiciam a existência de movimentos tectónicos. Aliás, o risco
sísmico é conhecido em toda a região de Lisboa e não apenas junto à faixa ribeirinha.

Figura III.10 O gargalo do Tejo. Fonte: Almeida, F. Moitinho de - Carta Geológica do Concelho de Lisboa, 1986.

56

Figura III.11 A lagoa de Albufeira

O relevo submerso
A área submersa até uma profundidade de 200m, a denominada plataforma continental, é uma rampa relativamente estreita, com valores inferiores a 20km, e inclinada, à excepção das
áreas em frente da foz dos dois principais cursos de água, o rio Tejo e o rio Sado, as enseadas de Lisboa e de Setúbal (Mapa III.1).
Nessas áreas, os sedimentos transportados por esses rios até à
foz construíram troços de plataforma continental mais largos. Os
estudos aí efectuados, com recurso à reflexão sísmica, mostraram
que esses sedimentos vieram preencher antigos canais, provavelmente relacionados com episódios em que o nível do mar se encontrava abaixo do actual.
Mais para o largo, o talude abissal é uma vertente escarpada que estabelece a passagem para as profundidades abissais.
Este talude está entalhado por uma série de incisões, os denominados
canhões submarinos. Na área submersa adjacente à área metropolitana de Lisboa, existem três canhões importantes: o de Cascais,
o de Lisboa e o de Setúbal (Mapas III.1 e III.4). A origem destes três
canhões não é completamente conhecida, sabendo-se contudo que

estas profundas incisões estão relacionadas com acidentes tectónicos e com a dinâmica das correntes que circulam junto ao litoral.
Pode afirmar-se que o relevo da área metropolitana de
Lisboa constitui um recurso, mas nalguns casos também um constrangimento. Um recurso, porque a sua organização proporciona
paisagens de grande beleza, quer no interior rural quer no litoral,
cria áreas soalheiras e sombrias, com nítidas repercussões na vegetação e no uso do território. Constrangimentos, sobretudo na
península de Lisboa, onde a rugosidade é mais elevada. Este parâmetro de caracterização é particularmente importante para as
autarquias em geral, pois de acordo com a Lei das Finanças Locais, no Capítulo II, dele depende o Fundo Geral Municipal (na alínea d) do artigo 12, referindo aí que este deve ser atribuído em função de vários critérios, entre os quais, "30% na razão directa da
área ponderada por um factor relativo à amplitude altimétrica do
município". Também nesta península, alguns processos geomorfológicos são especialmente frequentes, como os deslizamentos,
implicando o acautelamento de algumas áreas mais sensíveis.

Fotografia III.9 A lagoa de Albufeira em comunicação com o mar. 1998 [Comparar com o ortofotomapa da Figura III.11]

57

Do ponto de vista geológico, a área metropolitana de
Lisboa desenvolve-se sobre os terrenos da Orla Ocidental Portuguesa ­ formada na sequência da abertura do oceano Atlântico ­
e da Bacia Sedimentar do Tejo. Comporta, por isso, rochas com
idades posteriores a 260 milhões de anos.
As vicissitudes tectónicas a que esta área foi sujeita justificam a grande variedade de rochas que nela se encontram: arenitos, rochas margosas e calcários, além de rochas constituintes
do maciço de Sintra, granitos, sienitos, dioritos e gabros, e do Complexo Vulcânico de Lisboa, de que fazem parte os vestígios de vulcões na região de Mafra ou de escoadas basálticas que se encontram na região de Lisboa (Mapa III.5).
Sobre estas rochas que constituem o substrato do território encontram-se ainda formações mais recentes, como areias de duna e de praia, bem como aluviões dos cursos de água,
especialmente bem desenvolvidas ao longo do Tejo.
Esta diversidade litológica encerra algumas riquezas ao
nível dos recursos do subsolo, como sejam a exploração de pedras ornamentais como os granitos da serra de Sintra, os mármores de Pero Pinheiro e a "brecha da Arrábida", a extracção de calcários para a fabricação do cimento, nomeadamente na serra da
Arrábida. A exploração de argilas para a fabricação de telhas constituiu também um recurso importante.
As rochas da região constituem aquíferos de riqueza muito
diversa. Devem destacar-se as aluviões do rio Tejo, formando uma
extensa área de elevada permeabilidade (Mapa III.5). Esta característica, que lhe é conferida por as aluviões serem um meio muito
poroso, torna-as particularmente vulneráveis à poluição, sendo por
isso áreas a acautelar. Essa protecção é particularmente importante
uma vez que aí se encontram os melhores solos agrícolas.
Há diversos afloramentos rochosos que pela sua constituição (arenitos) ou pelo seu grau de fracturação tectónica ou, ainda,
por se tratarem de rochas calcárias carsificadas constituem áreas
de absorção de água e recarga dos aquíferos, em que se deve ter
idêntica precaução. Sondagens hidrogeológicas realizadas em arenitos cretácicos (Mapa III.5), nomeadamente na serra da Carregueira,
evidenciaram caudais elevados, da ordem dos 40 000l/h, com caudal
específico de 1200l/h/m (M. Ramalho et al, 1993).
A área metropolitana de Lisboa é, no conjunto, rica no
recurso água, como o demonstram as numerosas fontes, frequentemente de águas hiposalinas e hipotermais, com fins terapêuticos, muitas delas fechadas por contaminação da água. É, por isso, necessário
preservar a sua qualidade e não impermeabilizar excessivamente
o território, de forma a manter as áreas de recarga de aquíferos.
As termas existentes na área metropolitana de Lisboa,
que têm vindo a sofrer um progressivo declínio, poderão ser reactivadas, como parece ser essa a tendência mais recente, contribuindo para a diversificação do aproveitamento dos seus recursos.
Das características geológicas da região decorre ainda
uma perigosidade particular. A área metropolitana de Lisboa é uma
área muito fragmentada tectonicamente (no Mapa III.5 estão apenas
representados os principais acidentes). A actividade das falhas é
conhecida e o registo dos sismos, ainda que não sentidos, mostra
que muitas das falhas estão activas e vão libertando a energia gerada pela compressão tectónica a que esta área está submetida.
A assunção deste facto é especialmente importante no
quadro do ordenamento do território da área metropolitana de
Lisboa, em que o zonamento da perigosidade sísmica deve ser
uma condicionante quer na ocupação urbana e no tipo de construção, quer na implantação de estruturas viárias.

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE

2. A VARIEDADE LITOLÓGICA

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE
Mapa III.5 A natureza das rochas

3. O CLIMA
Os traços gerais do clima da área metropolitana de
Lisboa são-lhe conferidos fundamentalmente pela repartição das
chuvas e pelos contrastes de temperatura.
As quatro grandes regiões pluviométricas portuguesas
definidas por S. Daveau & Col. (1977), o Noroeste, o Nordeste, o
Centro e o Sul espelham a altitude e a disposição do relevo. Destas,
apenas as duas últimas estão representadas na área metropolitana
de Lisboa, a Região Pluviométrica do Centro e a Região Pluviométrica do Sul. Correspondem a áreas pouco elevadas, onde apenas
se destacam as serras de Sintra e da Arrábida e um conjunto de
colinas, a Norte de Lisboa, capazes de criar, para oriente e Sul, áreas
abrigadas das influências atlânticas (Mapas III.6 e III.7).
A repartição da precipitação na área metropolitana de
Lisboa é marcada pela presença da serra de Sintra, que, apesar
de se elevar pouco mais de 500m, é capaz de gerar uma ilha mais
pluviosa, onde se ultrapassam 1000mm de precipitação, repartidos por cerca de 110 dias do ano.
O litoral e as áreas interiores meridionais evidenciam-se
do conjunto pelos seus valores de precipitação relativamente mais
baixos. Este fenómeno, aparentemente contraditório, tem duas
razões: (i) o avanço das massas de ar atlânticas no continente só
ocasiona precipitação quando se verifica um aumento da rugosidade topográfica, criando uma estreita fímbria litoral, que se alarga
para Sul, relativamente menos chuvosa, apesar de húmida pela
presença de vapor de água no ar, que gera os nevoeiros litorais
(Mapa III.8); (ii) para o interior e ao Sul do Tejo, acentua-se a secura, não só por a rugosidade topográfica ser ainda mais baixa,
como se referiu, mas porque as colinas da Estremadura, incluindo
as serras de Sintra e da Arrábida, criam um abrigo aos fluxos atlânticos, mais frescos e húmidos.
O padrão de repartição do número de dias de precipitação é bem mais complexo (Mapa III.7) porque, além de ser influenciado pela altitude e repartição dos volumes de relevo, espelha a "proximidade do litoral e as condições topográficas locais" (S.
Daveau, 1977, p.77). As condições de abrigo de grande parte da
península de Setúbal e de Tróia, bem como do Ribatejo, justificam
o pequeno número de dias de precipitação.
A área metropolitana de Lisboa, apesar de se situar numa fachada atlântica, é no conjunto uma região seca que os pequenos relevos apenas esbatem. A maior parte da sua área está
contida na Região Pluviométrica do Sul, com precipitação inferior
a 800mm, repartidas por menos de 90 dias durante o ano.
A repartição dos contrastes térmicos na área metropolitana de Lisboa revela a dicotomia litoral-interior e evidencia as vertentes soalheiras das costas do Estoril e da Arrábida (Mapa III.9).
O interior, abrigado do ar marítimo moderador das temperaturas
pelos relevos da península de Lisboa, revela-se como a área de
maiores contrastes. É mais quente no Verão e mais fresco no Inverno, especialmente nos fundos de vale, pouco arejados no Verão, em que se atingem temperaturas até 35ºC, podendo registar
até 120 dias com mais de 25ºC no mês mais quente. No Inverno,
acumula-se aí o ar frio, registando-se 30 dias com temperaturas
negativas. Porém, no conjunto do país os contrastes não são muito acentuados.
A cidade de Lisboa constitui-se já como uma ilha de calor, que é mais frequente de noite, no Verão, podendo atingir mais
2ºC no interior da Baixa (M. J. Alcoforado, 1992). No Inverno também se verifica um aumento de temperatura, mas este é muito variável e depende da dinâmica atmosférica geral e da topografia da
cidade.

Mapa III.6 Precipitação, média anual. 1931/1960

Mapa III.7 Número de dias de precipitação, media anual. 1931/1960

60

Por se integrarem em duas penínsulas avançadas para
o Atlântico, as áreas mais expostas a Oeste são fustigadas por
ventos desse quadrante, especialmente no Verão, devido à Nortada.
Não é, portanto, de estranhar que a energia eólica aí tenha sido
utilizada (Fotografia III.10) e é ainda um recurso com grandes possibilidades.
Na área metropolitana de Lisboa, as fachadas expostas
a Sul e, particularmente a península de Setúbal, são as que mais
potencialidades revelam para uma outra energia limpa ­ a energia solar (A. Ramos Pereira et al, 2000), cuja utilização é ainda insuficiente.
A área metropolitana de Lisboa tem já diversos exemplos de utilização de energias alternativas, nomeadamente a solar e a eólica (a energia solar especialmente utilizada em consumo doméstico e um pequeno número de parques eólicos). Porém,
no quadro dos desafios ambientais energéticos com que o Planeta se confronta e com os compromissos internacionais assumidos por Portugal, no quadro da utilização de energias alternativas, os consumos energéticos numa área tão densamente povoada deviam recorrer muito mais a este tipo de energias do que outras. O seu uso terá também a vantagem de diversificar as fontes
de energia e promover uma utilização mais racional dos recursos.
O desenvolvimento tecnológico, ainda em curso, os
exemplos europeus de utilização bem sucedida do aproveitamento da energia solar (térmica e fotovoltaica) e da energia eólica, bem
como um conjunto de incentivos ao seu aproveitamento, farão mudar certamente o panorama energético na área metropolitana de
Lisboa.

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE

Mapa III.8 Nevoeiro e nebulosidade, média anual. 1931/1960

Mapa III.9 Contrastes térmicos. 1931/1960

61

Arrábida, nos concelhos de Sesimbra, Setúbal e Palmela e que engloba uma área submersa adjacente, num total de 165km2 (Mapa III.11).

Fotografia III.10 A energia eólica é há muito utilizada na área metropolitana de Lisboa

4. O USO DO TERRITÓRIO
Os recursos naturais da área metropolitana de Lisboa,
nomeadamente a abundância de água doce, de bons solos, alguns deles já completamente ocupados por urbanizações ou que
se encontram expectantes, o acesso a uma importante via de penetração que é o rio Tejo, bem como de matérias primas para algumas indústrias, constituíram a base inicial para o desenvolvimento regional.
À urbe de Lisboa veio acrescentar-se o desenvolvimento
de uma área edificada na fachada climaticamente mais favorável,
por se encontrar exposta a Sul e abrigada dos ventos frescos de
Norte, como sucede com toda a costa do Estoril (na encosta da
Arrábida tal não sucedeu porque o contacto com o mar se faz por
uma vertente escarpada que chega a atingir 400m de desnível).
Esta ocupação urbana desenvolveu-se apesar da perigosidade sísmica conhecida da região.
A construção da ponte sobre o Tejo fez expandir em
mancha de óleo a área edificada. Aliás, esta põe em evidência, em
toda a área metropolitana de Lisboa, a rede de infra-estruturas viárias (Mapa III.10). No seu conjunto, a área edificada corresponde a
9% do território (14% na área metropolitana de Lisboa Norte e 6%
na área metropolitana de Lisboa Sul).
Envolvendo a área edificada, mais extensa na península de Lisboa, desenvolvem-se incultos e matos, sobretudo nesta
península, que representam 18% desta área da área metropolitana de Lisboa, e muitas vezes mais não são do que terrenos expectantes para a construção (correspondem a 28% da área metropolitana de Lisboa Norte e 11% da área metropolitana de Lisboa Sul).
Estas áreas deviam ser submetidas a um ordenamento florestal,

para poderem ser usufruídas e evitar o risco de incêndio, cujo combate no Verão é particularmente dificultado pela nortada intensa.
As áreas florestais e de mata que ocupam 17% da área
metropolitana de Lisboa, ocorrem sobretudo na margem Sul (23%
contra 11% na área metropolitana de Lisboa Norte) e muitas delas
situam-se em áreas submetidas a protecção.
A área agrícola ocupa 41% da área da área metropolitana de Lisboa e é especialmente importante nos concelhos interiores da margem Sul e nos bons terrenos aluviais marginais ao rio
Tejo. A paisagem rural no litoral só se reconhece na metade Norte
da península da Lisboa e nos extremos da península de Setúbal.

5. AS ÁREAS PROTEGIDAS
Não será de estranhar que na maior área metropolitana do país, onde a pressão de construção é elevada e onde até à
algumas décadas não havia regras gerais de ordenamento do território, tenha surgido a partir dos anos 70 e especialmente na última década do século passado um conjunto de áreas protegidas,
incluídas posteriormente na Rede Natura 2000. Estas abrangem
11% da área metropolitana de Lisboa (Mapa III.11).
A repartição espacial das áreas protegidas é curiosa e
compreensível, face ao principal núcleo urbano e suas áreas de expansão (Figura III.12). Situam-se nas fronteiras da área metropolitana de Lisboa.
São as áreas litorais, em que se destacam o Parque Natural de Sintra-Cascais, que ocupa 35% da área dos dois concelhos,
a Arriba Fóssil da Costa da Caparica, com 16km2, partilhada pelos
concelhos de Almada, Seixal e Sesimbra, e o Parque Natural da

62

As restantes áreas são também litorais, mais específicamente estuarinas e, ainda, de fronteira: a Reserva Natural do Estuário do Sado, que extravasa a área metropolitana de Lisboa, e
a Reserva Natural do Estuário do Tejo, na fronteira entre a área metropolitana de Lisboa Norte e Sul, com uma área total de 142km2.
Merecem ainda referência alguns, escassos, monumentos naturais e sítios classificados exteriores às áreas protegidas,
como a Jazida de Icnofósseis da serra de Carenque e os campos de lapiás de Negrais e da Granja dos Serrões, onde a água
atacou as rochas calcárias, carsificou-as e originou verdadeiros
monumentos em pedra, de grande beleza.
Estes monumentos naturais e sítios classificados bem
como as áreas protegidas constituem um património nacional de
que nos devemos orgulhar, mas necessitam ser melhor conhecidos pela população em geral e pelos munícipes em particular. São
estes que, reconhecendo a riqueza concelhia, melhor poderão ajudar a preservá-la, utilizando-a e valorizando os seus recursos.
O núcleo central da área metropolitana de Lisboa, salvo
alguns locais de reduzida dimensão, constituem um vazio de protecção ambiental, a que não será alheia a intensa transformação
do território (Mapa III.11).
As áreas de protecção ambiental tem sido muitas vezes
vistas como um entrave a um determinado tipo de "desenvolvimento",
que passa pela edificação, e não como um riqueza intrínseca que
deve ser potencializada e que pode constituir importante pólo de
atracção.
Se o uso condicionado destas áreas é um constrangimento à urbanização é também, sem sombra de dúvidas, uma
grande riqueza e assim deve ser entendida pelos órgãos responsáveis.
Pelo que ficou exposto, depreende-se que essa riqueza
é muito desigual nos diversos concelhos da área metropolitana de
Lisboa.
São sobretudo os concelhos de Sintra, Cascais, Sesimbra e Setúbal, onde essa riqueza é maior, cabendo aos responsáveis dos parques encontrar soluções que compatibilizem o desenvolvimento concelhio e interconcelhio com a protecção ambiental, de forma a que o seu uso sustentável seja sentido como um
dos motores de desenvolvimento.
Os traços gerais da área metropolitana de Lisboa, esboçados anteriormente, permitirão avaliar a riqueza deste território.
As diferentes combinações das várias componentes físicas e biofísicas do ambiente no território, nomeadamente o relevo e as rochas que o suportam, as condições climáticas, a extensa faixa de contacto mar-terra, a água superficial e subterrânea
(contida nos aquíferos), que, no conjunto, permitiram a formação
de diferentes tipos de solos que suportam diversas actividades,
permitiram elaborar ao longo do tempo um mosaico de paisagens
bastante diversificado que deve constituir um dos patrimónios da
área metropolitana de Lisboa.
Determinadas paisagens, urbanas ou rurais, litorais ou
de montanha, devem ser assumidas como um recurso potenciador
do desenvolvimento de determinadas actividades económicas sustentáveis, ou seja, que não promovam apenas o consumo do território e a delapidação dos recursos, mas os entendam e utilizem
como um bem comum herdado e herdável pelas gerações futuras.
O seu valor deriva da sua originalidade e diversidade, da
sua riqueza estética e, em muitos casos, do seu interesse científico,
como indicador da evolução ambiental regional.

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE
Mapa III.10 Uso do território. 1990

Mapa III.11 Áreas Protegidas. 2000

km2

BIBLIOGRAFIA

500

Alcoforado, M. J.(1992) - "O clima da região de Lisboa". «Memória do
Centro de Estudos Geográficos», 15. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.
Almeida, F. Moitinho de (1986) - Carta Geológica do Concelho de Lisboa.
Lisboa: Serviços Geológicos de Portugal.
Daveau, S. & Col. (1977) - "Répartition et rythme des précipitations au
Portugal". «Memória do Centro de Estudos Geográficos», 3. Lisboa: Centro

400

de Estudos Geográficos.
Daveau, S. & Col. (1985) - "Mapas Climáticos em Portugal. Nevoeiro e
Nebulosidade. Constrastes Térmicos". «Memória do Centro de Estudos
Geográficos», 8. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.
Ferreira, A. Brum (1984) - "Découverte d'un littoral à 250 mètres sur le

200

piémont occidental de la Serra de Sintra". «Finisterra», XIX, 37: pp. 83-88.
Freire, E. (1986) - A planície litoral entre Trafaria e a Lagoa de Albufeira.
RNAP

Estudo de geomorfologia litoral. Lisboa: Universidade de Lisboa (Dis-

ZPE

sertação de Mestrado em Geografia Física e Regional).

Sítio

García-Ruiz, J. M.; Jones, J. A. A.; Arnáez, J. (ed.) (2002) - Environmental
Change and Water Sustainability. Zaragoza: Consejo Superior de Inves-

100

tigaciones Científicas, Instituto Pirenaico de Ecología.
Kulberg, M.C. e Kulberg, J.C. (2000) - "Tectónica da região de Sintra",
in "Tectónica das regiões de Sintra e Arrábida". «Memória de Geociências»,
2. Lisboa: Universidade de Lisboa, Museu Nacional de História Natural:
pp. 1-34.
Kulberg, M.C.; Kulberg, J.C.; Terrinha, P. (2000) - "Tectónica da cadeia
Total

Setúbal

Sesimbra

Almada

Seixal

Barreiro

Palmela

Moita

Alcochete

Montijo

Azambuja

V. F. Xira

Loures

Odivelas

Lisboa

Amadora

Oeiras

Cascais

Sintra

Mafra

0

da Arrábida", in "Tectónica das regiões de Sintra e Arrábida". «Memória
de Geociências», 2. Lisboa: Universidade de Lisboa, Museu Nacional
de História Natural: pp. 35-84.
Moniz, C. (1992) - Análise de fracturação. Exemplos de aplicação nas du-

Figura III.12 A repartição por município da Rede Nacional de Áreas Protegidas (RNAP), de Zonas de Protecção Especial (ZPE) e de monumentos naturais e sítios classificados

nas consolidadas de Oitavos e Praia da Aguda. (Provas de Aptidão Pedagógica e Capacidade Científica apresentadas à Faculdade de Ciências
- Geologia).

solina sem chumbo, uma vez que já existia contaminação de chumbo na parte superficial dos solos em extensas áreas do Planeta.
Portugal não constitui excepção, uma vez que a análise dos sedimentos superficiais de solos na planície aluvial do Tejo já revelam
essa contaminação (Ramos et al, 2002).
O conhecimento que já se possui das características
físicas e biofísicas da área metropolitana de Lisboa não só permite
enunciar as principais potencialidades e também os recursos naturais existentes. Falta apenas que as externalidades ambientais sejam
incorporadas nas opções de ordenamento e gestão do território,
para que se potenciem os recursos e minimizem os riscos, permitindo o usufruto sustentável de uma área tão rica e diversificada.

Mougenot, D. (1989) - "Geologia da Margem Portuguesa". «Documentos Técnicos», 32. Lisboa: Instituto Hidrográfico.
Pereira, A. Ramos e Ramos, C. e Col. (2000) - "Contrastes ambientais
concelhios de algumas componentes ambientais". «Linha de Investigação em Dinâmica Litoral e Fluvial, DILIF 1». Lisboa: Centro de Estudos
Geográficos.
Pereira, A. Ramos (1982) - "A depressão da Granja do Marquês. Problemas geomorfológicos". «Linha de Acção de Geografia Física», 15. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.
Pereira, A. Ramos (1988) - "Aspectos do relevo de Portugal. Litorais ocidental e meridional da Península de Setúbal". «Finisterra», XXII, 46: pp.
335-349.
Pereira, A. Ramos e Correia, E. Borges (1985) - "Dunas consolidadas em
Portugal. Análise da bibliografia e algumas reflexões". «Linha de Acção

FONTES CARTOGRÁFICAS

de Geografia Física», 22. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.

AML (2002) - Sistema Metropolitano de Informação Geográfica. Lisboa:

Ramalho, M. et al (1993) - Notícia explicativa da folha 34-A ­ Sintra. Lisboa:

Área Metropolitana de Lisboa.

Serviços Geológicos de Portugal.

ICN (2002) - Rede Nacional de Áreas Protegidas. Lisboa: Instituto de

Ramos, C.; Reis, E., Pereira, A. Ramos; Azevedo, T. Mira de; Nunes, E.;

Conservação da Natureza.

Freitas, M.C.; Andrade, C. (2002) - "Late Holocene evolution of the Lower

IGE - Carta Militar de Portugal (várias datas). Lisboa: Instituto Geográfico

Tagus alluvial plain and heavy metals content: Preliminary results", in Gar-

do Exército.

cía-Ruiz, J. M.; Jones, J. A. A.; Arnáez, J. (ed.): pp. 167-182.

IH (1997) - Cartas da Série Costeira ­ Oceano Atlântico Norte (Portugal),

Ribeiro, O. (1940) - "Remarques sur la morphologie de Sintra-Cascais".

Portugal Continental ­ Costa Oeste, Cabo Carvoeiro ao Cabo da Roca,

«Revue de Géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest», tomo XI, 3-4: pp.

1/75 000. Lisboa: Instituto Hidrográfico.

203-218.

IH (1999) - Cartas da Série Costeira ­ Oceano Atlântico Norte (Portugal),

Ribeiro, A. et al (1979) - Introduction a la Géologie du Portugal. Lisboa:

Portugal Continental ­ Costa Oeste, Cabo da Roca ao Cabo de Sines,

Serviços Geológicos de Portugal.

1/150 000. Lisboa: Instituto Hidrográfico.

Zêzere, J. L. (2001) - "Distribuição e ritmo dos movimentos de vertente

IPCC (1998 e 1999) - Ortofotomapas digitais. Lisboa: Instituto Português

na região a Norte de Lisboa". «Área de Geografia Física e Ambiente», 38.

de Cartografia e Cadastro.

Lisboa: Centro de Estudos Geográficos.

SGP (1992) - Carta Geológica de Portugal. Lisboa: Serviços Geológicos
de Portugal.

65

III GEOGRAFIA FÍSICA E AMBIENTE

As áreas protegidas assumem neste contexto uma importância primordial.
Não pode, porém, deixar de dizer-se que em muitas delas os atentados aos seus recursos naturais são uma evidência.
Esta situação deriva de duas ordens de razões: (i) o desconhecimento por parte da sociedade civil e política da importância que
os recursos naturais podem e devem assumir em cada um dos territórios concelhios e como deve ser feito o seu uso sustentável;
(ii) o carácter estanque com que as unidades administrativas são
consideradas no quadro do ordenamento do território.
Esta última é especialmente relevante quando se tratam
as características físicas e biofísicas de um território, porque estas
originam unidades naturais que não se compadecem com os limites administrativos.
O recurso água e a sua utilização sustentável é talvez o
exemplo mais referido, mas não o único, e para o qual começa a
haver maior sensibilização. Ao tratarem-se de unidades supra-concelhias, os cursos de água transportam a poluição de montante
para jusante, contaminam os solos e o seu uso racional implica a
participação de todos os concelhos atravessados.
Mas quando se tratam dos recursos hídricos subterrâneos,
as cautelas devem ainda ser maiores, pois não controlamos perfeitamente a circulação das águas nos aquíferos e uma contaminação
pontual pode repercutir-se a muitos quilómetros de distância.
No que respeita à poluição atmosférica, também esta
não tem fronteiras. A localização das indústrias, apesar do incentivo à colocação de filtros nas chaminés, deve ser ponderada com
as condições climáticas, nomeadamente com o regime de ventos
e tendo em consideração que a poluição atmosférica também chega
aos solos após a ocorrência de precipitação, contaminando-os.
Foi essa, aliás, a razão que levou à implementação do uso de ga-