1

CARLOS EDUARDO PONTES GALVÃO FILHO

A GEOGRAFIA ESTUDANDO O TURISMO: UMA ANÁLISE
DOS TRABALHOS APRESENTADOS EM DOIS EVENTOS
GEOGRÁFICOS NACIONAIS

Londrina
2005

2

CARLOS EDUARDO PONTES GALVÃO FILHO

A GEOGRAFIA ESTUDANDO O TURISMO: UMA ANÁLISE
DOS TRABALHOS APRESENTADOS EM DOIS EVENTOS
GEOGRÁFICOS NACIONAIS

Trabalho apresentado como requisito
para a obtenção do título de Bacharel
em Geografia,
da Universidade
Estadual de Londrina, sob orientação
da professora Maria del Carmen
Matilde Huertas Calvente

Orientadora: Rosa

Londrina
2005

3

CARLOS EDUARDO PONTES GALVÃO FILHO

A GEOGRAFIA ESTUDANDO O TURISMO: UMA ANÁLISE
DOS TRABALHOS APRESENTADOS EM DOIS EVENTOS
GEOGRÁFICOS NACIONAIS

Trabalho apresentado como requisito
para a obtenção do título de Bacharel
em Geografia,
da Universidade
Estadual de Londrina, sob orientação
da professora Maria del Carmen
Matilde Huertas Calvente

COMISSÃO EXAMINADORA
______________________________
Profa. Maria del Carmen M. H.
Calvente
______________________________
Profa. Rosana Figueiredo Salvi

______________________________
Profa. Ruth Youko Tsukamoto

Londrina, __08__ de ____dezembro___ de 2005.

4

INTRODUÇÃO.......................................................................................................1
1 O TURISMO NOS ESTUDOS GEOGRÁFICOS BRASILEIROS ­ UMA
POLÊMICA...................................................................................................6
1.1 Breve história do turismo no pensamento geográfico..........................................9
1.2 Algumas leituras atuais da Geografia estudando o turismo...............................14
1.3 E a geografia do turismo recebe críticas............................................................19
1.4 Reflexões sobre uma experiência: Geografia e turismo em pequenos
municípios................................................................................................................24

2 O TEMA TURISMO NOS DOIS ÚLTIMOS EVENTOS
NACIONAIS DE GEOGRAFIA.........................................................................31
2.1 Sobre os eventos ENG/2002 e CBG/2004.........................................................31
2.1.1 As comunicações coordenadas sobre geografia do turismo nos
eventos de 2002 e 2004.............................................................................................. 36

2.2 A importância dos eventos nacionais da AGB para o pensamento
geográfico brasileiro.................................................................................................40
2.3 Sobre os trabalhos não publicados....................................................................44
2.4 Os trabalhos analisados (fichas-resumo)...........................................................46

3 INSTITUIÇÕES PESQUISADORAS, LOCAIS ESTUDADOS E
NATUREZA DOS TRABALHOS.....................................................................73
3.1 As instituições pesquisadoras............................................................................74
3.2 Os locais estudados...........................................................................................79
3.2.1 As regiões estudadas.........................................................................................79
3.2.2 Os trabalhos da região Nordeste.........................................................................81
3.2.3 Os trabalhos da região Sudeste..........................................................................86
3.2.4 Os trabalhos da região Centro-Oeste..................................................................90
3.2.5 Os trabalhos da região Sul.................................................................................94
3.2.6 Os trabalhos da região Norte..............................................................................96

3.3 Natureza dos trabalhos apresentados..............................................................97
3.3.1 Trabalhos apresentados no ENG/2002................................................................98

5

3.3.2 Trabalhos apresentados no CBG/2004..............................................................101

4 A DIVISÃO DOS TRABALHOS POR SUB-EIXOS TEMÁTICOS.....106
4.1 Sub-eixo temático A: Impactos socioambientais do turismo............................107
4.2 Sub-eixo temático B: Planejamento e políticas públicas..................................109
4.3 Sub-eixo temático C: Aspectos religiosos, culturais e
imaginários do turismo...........................................................................................111
4.4 Sub-eixo temático D: Turismo, Geografia e ensino.........................................113
4.5 Sub-eixo temático E: Estudo das potencialidades turísticas...........................115
4.6 Sub-eixo temático F: Tipologia dos fluxos turísticos........................................116

CONSIDERAÇÕES FINAIS...........................................................................119
BIBLIOGRAFIA.................................................................................................125
ANEXOS.............................................................................................................130

6

INTRODUÇÃO

Definir o objeto de estudo da Geografia certamente não pode ser
considerado um exercício possível de ser prestado com exatidão. Pois, sabe-se que
desde a época da institucionalização da Geografia como ciência, no final do século
XIX, com cientistas da Alemanha, França e Estados Unidos, entre outros, chegando
ao Brasil na década de 1930 e continuando até os debates atuais, tem-se discutido
as fronteiras da ciência geográfica. A história do pensamento geográfico, nacional ou
internacional, mostra conflitos de idéias e de concepções ao longo do tempo e,
assim, caracterizaram períodos de entendimento acerca da Geografia.
No Brasil, basta lembrarmos do embate entre o paradigma do
neopositivismo, representado pela Geografia Teorética, e do materialismo histórico,
representado pela Geografia Crítica, para pensarmos como podem ocorrer as
divergências. Atualmente, temos uma crescente expansão da chamada Geografia
Humanística e uma nova proposta de compreensão dos fatos geográficos. Temos
então que, existindo diferentes entendimentos sobre a Geografia, as abordagens
geográficas são variadas, podendo então o recorte do objeto estudado variar com o
tempo. Com novas geotecnologias, inova-se a forma de estudar o meio natural; com
a aparição de novas atividades sociais, aparecem novos objetos para o estudo do
meio social.
Ao privilegiar diferentes vertentes para os estudos geográficos, do outro
lado, surgem contrárias visões acerca destes mesmos estudos, o que não deixa de
ser normal e desejável, considerando o processo do conhecimento científico, sendo
então necessárias pesquisas sobre como tem ocorrido a produção e a crítica destes
novos objetos da Geografia. Seja pelas abordagens geográficas que enxergam o
turismo como possibilidade para o desenvolvimento local ou ainda geógrafos que

7

estudam a atividade turística e sua relação com patrimônios históricos e
arquitetônicos, entre outras visões que neste presente trabalho iremos expor, o fato
é que a Geografia mais uma vez se depara com uma polêmica. É neste sentido que
esta monografia pretendeu analisar o tema do turismo presente em estudos
geográficos.
Entendemos a atividade turística como uma relevante forma de uso do
território nacional neste início de século XXI, e constatamos que dentro da Geografia
existem geógrafos estudiosos da temática e outros contrários a tais estudos ou, pelo
menos, da forma como estes têm sido realizados. O conflito entre os dois lados
citados acima tem gerado polêmica e discussão sobre qual seria o papel da
Geografia no que diz respeito ao seu olhar sobre o turismo.
No campo deste embate teórico, uma ocasião em especial instigou-nos a
pesquisar como o tema tem sido abordado pela Geografia brasileira. O momento
especial aconteceu no VI Congresso Brasileiro de Geógrafos (CBG), em Goiânia, no
ano de 2004, quando participávamos do espaço de diálogo destinado à
apresentação de trabalhos sobre geografia do turismo e percebemos uma crítica
sistemática aos autores, denominados, por esses mesmos críticos, de `defensores'
do turismo. Também participamos como ouvinte de uma mesa-redonda sobre o
tema, onde observamos mais críticas, tanto à atividade turística estudada pela
Geografia, como a alguns dos teóricos que abordam o tema. Com esses dois
acontecimentos, passamos a observar com maior profundidade, ou pelo menos com
mais dúvidas e conteúdos para análise, a relação entre Geografia e turismo.
Além disso, participando do projeto TERNOPAR (Turismo e Excursionismo
Rural no Norte do Paraná) e com leituras e discussões acerca do assunto,
chegamos à idéia desta monografia. Objetivamos, portanto, analisar as pesquisas

8

em geografia do turismo e contribuir para o debate, elaborando um panorama do
assunto a partir do que foi apresentado em dois eventos geográficos nacionais
promovidos pela Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB): o XIII Encontro
Nacional de Geógrafos, João Pessoa, 2002 e o VI Congresso Brasileiro de
Geógrafos, Goiânia, 2004. Tratam-se dos mesmos eventos promovidos pela
instituição a cada dois anos, sendo que a mudança no nome, de Encontro para
Congresso, ocorre a cada dez anos, demonstrando uma amplitude maior do evento.
Quanto às críticas ao tema, destacamos inicialmente a de que os
estudiosos do turismo estariam, na verdade, servindo como arqueólogos do capital
(OURIQUES, 2003). Foi justamente Ouriques quem elaborou uma tese de doutorado
onde encontramos as críticas de maneira sistematizada. Um dos capítulos da tese é
destinado à produção científica do turismo e é nele que localizamos a divisão em
quatro correntes teóricas de geografia do turismo. E embora não concordemos com
a separação dos quatro grupos, foi a partir deste material que nos organizamos para
discutir, neste presente trabalho, possibilidades de entendimento sobre o assunto.
Por outro lado, como participante de um projeto que busca a compreensão
do turismo com base no conhecimento geográfico, o projeto TERNOPAR, decidimos
colocar algumas experiências da pesquisa para darem a dimensão da escala local
como possibilidade de relações horizontais na atividade turística. Procuramos, de
maneira crítica, verificar as contribuições e os aprendizados proporcionados durante
o projeto, relacionando com temas como políticas públicas, impactos ambientais e
ensino.
A importância dos eventos geográficos nacionais da AGB, pontos de
encontro de pesquisadores e também de graduandos em Geografia, está
exatamente na oportunidade de fornecer condições para um diálogo nacional. Assim

9

sendo, procuramos nesta monografia observar quais os locais do território brasileiro
são estudados na geografia do turismo, bem como entendê-los de acordo com as
características do país neste início de século.
A ampliação do número de universidades e faculdades de Geografia pelo
país sugere que pontos do território venham à luz em estudos geográficos, com as
leituras regionais sobre os mesmos. Para tanto, a necessidade de uma AGB
preocupada com o Brasil como um todo, não se restringindo apenas às instituições
de maior destaque do país, aparece como pressuposto para que as trocas de
informações sejam realizadas de maneira abrangente, contemplando as diversas
instituições de pesquisa geográfica do território nacional.
Pretendemos, nesta pesquisa, aumentar o material sobre o tema do
turismo dentro da Geografia brasileira, partindo da sistematização dos dados obtidos
nos anais dos eventos já mencionados. Queremos saber como os teóricos da
geografia do turismo têm enxergado o espaço geográfico e como esta questão vem
sendo discutida em âmbito nacional.
Quais experiências estão sendo realizadas, quais as tentativas para a
construção de um turismo que contemple educação e lazer, ou ainda, como está a
relação entre o conhecimento científico produzido e as comunidades receptoras?
Finalmente, quais os exemplos que estão sendo mostrados como perversos tanto ao
espaço geográfico como para os moradores dos locais turísticos? Perguntas como
essas não poderão ser respondidas apenas com este trabalho, sendo que nosso
objetivo estará cumprido se conseguirmos, ao menos, contribuir com nossas
reflexões e análises, para o árduo e constante exercício de se pensar uma Geografia
que possa servir para auxiliar na construção de uma sociedade mais equilibrada na
sua dimensão socioambiental.

10

1 O turismo nos estudos geográficos brasileiros ­ uma polêmica

Este relativo desaparecimento das distinções dicotômicas tem repercussões nas disciplinas
científicas que delas nascem. Aliás, sempre houve ciências que se reconheceram mal
nestas distinções, de tal modo que tiveram de se fracturar internamente para se lhes
adequarem minimamente. Refiro-me à antropologia, à geografia e também à psicologia. [...]
Daí que, neste período de transição paradigmática, seja particularmente importante, do
ponto de vista epistemológico, observar o que se passa nessas ciências. (SANTOS, 2000,
p. 90)

Se for aceitável que qualquer conceito, categoria, técnica, método ou ainda
paradigma seja, em seu início, visto com desconfiança ou, ainda, que ignorem os
trabalhos realizados, podemos afirmar que com o estudo do turismo na Geografia
não poderia ser diferente. Não poderíamos esperar outra reação, senão a de
confronto de idéias e de compreensões.
Então, quando Rodrigues (2001a) formula a questão, na apresentação de
seu trabalho, se a geografia do turismo existe realmente, isso nos leva a entender
que o desafio é lançado. E esse é o nosso ponto de partida para este capítulo, trazer
para o debate alguns dos enfoques da Geografia em relação aos estudos da
atividade turística. Partimos da idéia de que é pertinente a exposição de concepções
geográficas diferentes e até mesmo contraditórias ao tratarem do assunto.
Para tanto, no primeiro item, iremos localizar o turismo dentro do
pensamento geográfico. Elaboramos um quadro que apresenta os principais
trabalhos, de acordo com artigo de Rodrigues (2001a; 2001b), sobre turismo, fora do
Brasil. O outro quadro indica os primeiros trabalhos sobre o tema realizados no
Brasil. Embora consideremos que uma atualização destes quadros, principalmente o
brasileiro, seria muito positiva para esta monografia, não foi possível, devido ao
tempo exigido para o término da mesma, sistematizar e disponibilizar estes dados.
No entanto, pensamos que a apresentação dos trabalhos que iniciaram estudos
geográficos do turismo possa ser válida no sentido de consulta e de primeiras

11

aproximações com o tema. Ainda, entendemos que as pesquisas, mestrados e
doutorados na área, possivelmente tenham conhecido um crescimento já que
aumentou a própria importância da atividade turística para a sociedade, e assim um
estudo mais detalhado sobre essas novas produções científicas de geografia do
turismo se faz necessário.
Percebemos a presença dos dois paradigmas mais influentes da Geografia,
o neopositivismo e o materialismo histórico, segundo Spósito (2001). Esse autor
analisa as duas posturas filosóficas e algumas de suas conseqüências para a
Geografia, sendo interessante estabelecer uma relação entre suas idéias com os
trabalhos de geografia do turismo presentes no quadro.
No item intitulado Algumas leituras atuais sobre a geografia do turismo,
apresentaremos reflexões baseadas em leituras selecionadas por indicar caminhos
para a Geografia estudar o turismo. Em primeiro lugar, expomos algumas idéias
sobre o conceito de gênero de vida em Geografia, que expressa a preocupação
geográfica com o conceito de cultura. Almeida (2003) explicitou sua visão contrária à
idéia do turismo como promotor de intercâmbio cultural. Para isso, argumenta o que
pensa ser o lugar turístico, um híbrido em que participam moradores e visitantes,
indicando o caráter mutante dos modos de vida, seja pela comunicação, seja pelo
turismo. Inserimos ainda o trabalho de Xavier (2005) acerca de uma eventual relação
entre a Geografia Humanística e a percepção geográfica do turismo. Também este
autor aproxima-se da visão de Almeida no que diz respeito ao lugar turístico como
lugar do morador-permante e do visitante-passageiro.
Localizamos também artigos que tratam de uma sociedade indicada como
pós-moderna e o que isso pode refletir na construção de lugares para o turismo.
Como exemplo, temos os parques temáticos modelo Disneylândia. Como leitura

12

atual sobre o que seria a geografia do turismo, bem como a importância da avaliação
das políticas públicas de turismo, nossa referência foi Cruz (2003) com sua
Introdução à geografia do turismo, no qual aborda aspectos conceituais e escreve a
respeito de um panorama do turismo no Brasil.
No terceiro tópico, vamos mostrar quais foram as principais críticas feitas à
produção geográfica sobre turismo, como as realizadas por Ouriques (2003). Esse
trabalho, uma tese de doutorado, sistematizou a produção por intermédio da
separação entre grupos de autores, e considerou para a crítica os mais importantes
trabalhos sobre o tema no Brasil. A tese entende o turismo como uma construção
capitalista para tornar o lazer e o ócio mercadorias para consumo. Essa
transformação, segundo o autor, gerou territórios turísticos de reprodução dos
interesses de grandes capitais, sendo assim usada como expressão de fetichismo e
aumentando a dependência dos países pobres aos ricos. Escreve o autor que, em
sua tese, "[...] o turismo será encarado aqui como faceta estética, fetichista, do
colonialismo no Brasil". (OURIQUES, 2003, p. 12).
Finalmente, no último item, iremos discorrer sobre o projeto TERNOPAR ­
Turismo e Excursionismo Rural no Norte do Paraná - como uma experiência que
abordou a relação entre a Geografia e os lugares turísticos. Partiu de uma tese que
permitiu a criação de um projeto que procurou, por meio de uma abordagem
geográfica, a elaboração de estudos e propostas para pequenos municípios
desenvolverem ações para o turismo com base local. Esse item possui um histórico
do tema, das tendências atuais, das críticas realizadas e uma experiência.

13

1.1 Breve história do turismo no pensamento geográfico

Pensamos que, para uma discussão abrangente do tema do turismo de
acordo com a abordagem geográfica, seja interessante a sistematização de alguns
dados históricos, para entender como essa relação foi entendida e estudada por
autores que, com diferentes preocupações, produziram certo entendimento da
atividade turística e de sua relação com a produção do espaço. Rodrigues (2001a, p.
43) escreve que: "A dificuldade para definir-se o espaço turístico está basicamente
em captar o peso ou a força que essa atividade exerce na produção do espaço."
Elaboramos então, um histórico com alguns dos principais trabalhos
produzidos fora do Brasil. O quadro foi realizado após leitura de artigos nos quais
Rodrigues (2001a; 2001b) expõe como a Geografia foi abordando o turismo, e o
interesse crescente pelos fatores geradores do crescimento do fenômeno turístico.
De acordo com o quadro 1, os primeiros trabalhos a respeito do tema
apontavam para uma discussão sobre o ócio. No entanto, percebemos a lacuna
existente entre o ano de 1905, em que a expressão geografia do turismo foi usada
pela primeira vez, até os anos da década de 1960, quando começam, na Europa,
trabalhos acerca de regiões turísticas, levantamento de potencialidades e as
propostas de tipologias e modelos para o estudo da atividade turística.
E é a partir dessa década que se inicia, na Geografia, um gradativo
interesse pelo turismo. Essas primeiras abordagens, como afirma Rodrigues (2001a,
p. 42), "Na sua esmagadora maioria, os trabalhos podem ser rotulados como
pertencentes à Geografia tradicional, avançando, no máximo, até a fase
neopositivista." Sabemos, então, que até 1977 os pressupostos neopositivistas da
chamada Geografia Teorética influenciaram a elaboração de modelos para análise

14

dos dados coletados, preocupando-se com classificações, funcionalismo e
separando o homem da natureza. Entretanto, cabe ressaltar que eram os estudos
geográficos, em geral, que tinham esses enfoques. Se, por um lado, a Geografia era
reduzida no sentido de ser descritiva, por outro lado deixou legados com trabalhos
preocupados com a análise espacial representada cartograficamente, representação
essa esquecida pela Geografia Crítica, segundo Spósito (2001).

TÍTULO
Não consta

AUTOR
J. Stradner

ANO
1905

Variations de consommation de
farine et migration touristique d'été
en France
Some considerations of tourism
location in Europe

Françoise
Cribier

1961

W.
Christaller

1963

La localization de l'industrie
touristique: application de
l'anlayse de Thünen-Weber

1968
N. Yokeno

Une modèle de l'espace
Jean-Marie
touristique
Miossec
L'aménagement du territoire em
Remy
économie liberate: l'exemple des
Knafou
stations integrées de sports
d´hiver des Alpes françaises
L'espace touristique de la grande
Douglas
ville: éléments de synthèse et
Pearce
aplication à Christchurch (Nouvelle
Zélande)
Gli spazi del turismo
Magda F.
Muscarà
Não consta

Por uma geografia del turismo de
litoral
Aproximación histórica al estúdio
de la geografía del ocio
Ecotourism: the potentials and
pitfalls

JeanDidier
Urbain
JuanEugeni
Sanches
Alberto
Luiz
Gómez
Elizabeth
Boo

1977
1979

IMPORTÂNCIA
Usou a expressão Geografia do
Turismo
Estabeleceu uma hierarquia das
regiões turísticas francesas,
comparando as estações baixa e alta
Estudo pioneiro de geografia do
turismo, fundamentado na sua clássica
teoria dos lugares centrais
Mostra a longa tradição da Geografia
em caracterizar e classificar os espaços
turísticos estabelecendo-se tipologias e
modelos
Apresenta modelos teóricos de
espaços turísticos
Representa tendências da chamada
Geografia Crítica

1981

Esquema teórico de fluxos turísticos

1983

Estuda a imagem turística e a
percepção do espaço de consumo do
turista
Analisa folhetos turísticos na Tunísia,
explorando os elementos icônicos e o
discurso
Apresenta uma proposta metodológica
para o estudo do turismo do litoral
fundamentada em princípios marxistas
Extenso inventário sobre a produção da
geografia do turismo

1983

1985

1988

1990

Destaca-se como uma preocupação
mais recente, gerada pela onda
ecológica
Quadro 1 ­ Histórico parcial dos trabalhos geográficos sobre o turismo, fora do Brasil,
entre 1905 e 1990. Fonte: Rodrigues, 2001a; 2001b.

15

Porém, os trabalhos de Remy Knafou e Juan-Eugeni Sanches podem ser
considerados como representantes da Geografia Crítica. Esses artigos, estudando
os Alpes franceses e o turismo do litoral, são resultados de um entendimento ligado
a um paradigma, o do materialismo histórico, que busca desvendar os conflitos de
interesses, já que a ciência é vista como uma categoria histórica. É a procura por
uma Geografia aplicada à sociedade, transformando-a.
Nossa intenção é trazer elementos que contribuam para reflexões sobre o
caminhar da Geografia e suas preocupações com o turismo. É importante
pensarmos sobre o nosso processo de conhecimento científico. Spósito (2001)
explicita que o neopositivismo e seus modelos matemáticos perderam contato com
os estudos empíricos. E, por sua vez, a Geografia Crítica valorizou tais estudos, mas
abandonou a Cartografia. Assim, mesmo com posturas antagônicas, cada fase traz
sua contribuição. Ou seja, devemos entender que a história da produção geográfica
sobre o turismo foi (e continua sendo) também uma parte da história da Geografia
atrás das delimitações de seu objeto de estudo e a procura de metodologias.
O primeiro trabalho brasileiro sobre geografia do turismo é do ano de 1976,
com a produção de Kleber M. B. Assis para sua tese de livre-docência e que,
segundo Rodrigues (2001a, p.52), representa tendências de uma Geografia
descritiva. O mesmo ocorre com os modelos estabelecidos por Juergen R.
Langembuch, também no ano de 1976. Interessante trabalho ficou por conta de
Evandro Barbieri e o estudo sobre a relevância do clima para os lugares destinados
ao lazer e à recreação e, consequentemente, para o turismo, objetivando
estabelecer contato entre uma análise climatológica com um tema de relevância
sócio-econômica (RODRIGUES, 2001a).

16

Nos trabalhos dos anos de 1981 e 1987, encontramos a preocupação com
as potencialidades ambientais, as feições morfológicas e consequentemente
paisagísticas para o uso turístico do território. Assim, Maria D. Buss e Maria Hilde B.
Góes, realizaram estudos que, em seus objetivos iniciais, segundo Rodrigues
(2001a), procuraram relacionar as classificações de áreas turísticas com o
planejamento desses mesmos lugares. Percebemos que ambos os estudos são de
áreas litorâneas, mostrando que desde aquela época já se configurava como maior
destino turístico dos fluxos em território nacional.
A dissertação de mestrado de Odette C. L. Seabra enfocou a segunda
residência em Santos (SP) e o custo social cuja população local teve que arcar,
seguindo uma linha de reflexão onde o lazer já estava na época do estudo, 1979,
sendo utilizado como mercadoria e favorecendo alguns poucos proprietários
capitalistas. Trabalho semelhante é o de Cleusa Maria A. Scrofeneker, avançando
em interpretações críticas em relação aos loteamentos de segunda residência e o
Estado como investidor de infra-estrutura para uso destes mesmos loteamentos.
Finalmente, encontramos a tese de doutorado da própria autora, Adyr A. B.
Rodrigues, cuja análise enfocou o impacto à população local da cidade de Águas de
São Pedro, "[...] uma estância criada artificialmente para exploração das águas
minerais, significativo exemplo de espaço produzido pela empresa privada para
exploração do turismo termal." (RODRIGUES, 2001a, p. 55).
A seguir, a tabela com os primeiros passos geográficos no Brasil para o
estudo do turismo:

17

TÍTULO

AUTOR

ANO

O turismo interno no
Brasil

Kleber M. B. Assis

1976

Apuração e análise do
movimento turístico de
áreas receptoras a partir
de dados de contagem
diária de veículos: o
caso do litoral paulista

Juergen R. Langembuch

1976

IMPORTÂNCIA
Tese apresentada a concurso de
livre-docência ao departamento de
Geografia da UFRS. Primeiro trabalho
específico de Geografia do Turismo,
no Brasil, visando à obtenção de um
título acadêmico.
Autor de artigos sobre turismo, onde
procuram estabelecer modelos e
tipologias de espaços turísticos
(métodos quantitativos em Geografia).

Tese de doutoramento apresentada
ao departamento de Geografia da
Evandro Barbieri
1979
USP. Propõe um `calendário
climático-turístico anual' para o litoral
este-sul do Estado do Rio de Janeiro.
Classificação ambiental
Dissertação de Mestrado apresentada
do sul-catarinense para
Maria Dolores Buss
1981
à UFRJ. Objetivos técnicos, tendo em
fins turísticos
vista o planejamento.
Elaborou mapas do litoral digitais
classificados, com base nas suas
O potencial turístico do
Maria Hilde B. Goés
1987
feições geomorfológicas, para
litoral alagoano
subsidiarem os estudos de
planejamento e avaliação do impacto
ambiental.
Dissertação de mestrado apresentada
Santos - A muralha que
ao departamento de Geografia da
cerca o mar ­ uma
Odette C. L. Seabra
1979
USP. Analisa o custo ambiental da
modalidade de uso do
segunda residência. Já havia escrito
solo urbano
um artigo onde o lazer é enfocado
como mercadoria
Dissertação de mestrado apresentada
Proposição de uma
à UFRS. Avança em interpretações
tipologia turística de um
Cleusa Maria A.
1983
críticas, uma vez que a autora está
modelo de avaliação
Scroferneker
interessada na segregação espacial
qualitativa do espaço
dos loteamentos para segunda
turístico
residência e no papel do Estado.
Águas de São Pedro ­
Tese de doutorado apresentada ao
Estância Paulista. Uma
departamento de Geografia da USP.
contribuição à Geografia
Adyr B. Rodrigues
1985
Por meio de um estudo de caso,
da recreação
procura avaliar o impacto do turismo
na comunidade local.
Quadro 2 ­ Histórico parcial dos trabalhos geográficos sobre o turismo, no Brasil,
entre 1976 e 1985. Fonte: Rodrigues, 2001a; 2001b.
O fato climático nos
sistemas territoriais de
recreação

Estes trabalhos aqui comentados são os primeiros caminhos percorridos
pela Geografia brasileira para entendimento do turismo enquanto atividade produtora
e consumidora do espaço geográfico. Como mencionamos anteriormente, a
apresentação de uma tabela mais completa seria bem vinda, visto que enriqueceria
nossa análise. Mas, devido ao prazo dado para esta monografia não foi possível

18

este levantamento. Ressaltamos assim, que as duas tabelas por nós neste item
apresentadas servem como referências iniciais e constituem material para
analisarmos que, apesar do tema ter surgido antes da difusão maior da atividade, é
após os anos de 1960 que a Geografia percebe e se interessa pelo tema com maior
entusiasmo, derivando daí trabalhos pragmáticos, críticos e posteriormente de
preocupações ambientais mais destacadas.
Sendo assim, consideramos que apresentado este breve histórico, nosso
trabalho possa prosseguir, neste primeiro capítulo, com algumas leituras atuais,
críticas e experiências que têm sido realizadas entre Geografia e turismo.

1.2 Algumas leituras atuais da Geografia estudando o turismo

Há, na Geografia, em vários trabalhos, uma preocupação com relação aos
habitantes dos locais visitados. Dessa forma, e apesar da preocupação com o
espaço geográfico e suas transformações perante a atividade turística, encontramos
uma discussão dos impactos que refletem modificações no modo de vida da
população local. Um exemplo é o trabalho de Calvente (1993). Esse estudo abordou
a perda do território caiçara para as comunidades de Ilhabela (SP), tanto
simbolicamente quanto concretamente, a partir do aumento da atividade turística.
Em trabalho sobre o estudo dos costumes e das tradições na Geografia,
Maia (2001) nos apresenta como foram sendo abordados esses temas com base em
um olhar geográfico. Vidal de La Blache traz à Geografia a idéia de gênero de vida,
conceito esse explorado por Max Sorre quando afirma que o complexo de hábitos
possui um caráter evolucionista, mas que no entanto seria característico de povos
pouco ou nada civilizados. Nessa perspectiva, a visão do turista sobre nós será a de

19

exóticos, chegando próximo à relação de colonialismo expressa pelas idéias de
Ouriques (2003). Posteriormente aos estudos de Max Sorre, encontramos Max
Derruau, cuja preocupação atinge a aplicabilidade do estudo dos gêneros de vida
para o mundo moderno. Nesse sentido, utiliza o termo modos de vida, entendendo
ser mais abrangente, além de considerar que, ao invés do estudo da adaptação do
homem ao meio, "[...] é necessário que se substitua [...] pelo estudo das distinções
profissionais e sociais [...]" (MAIA, 2001, p. 78). Esse termo, modos de vida, nos
parece mais interessante para os estudos do turismo no enfoque da Geografia.
O artigo de Almeida, Lugares Turísticos e a Falácia do Intercâmbio Cultural,
enfoca se pode ou não existir um intercâmbio cultural tomando por base o turismo. A
relação visitante-morador é autêntica? A turistificação dos lugares os torna
artificiais? Perguntas pertinentes e que remetem ao conceito de cultura, bem como
sobre o lugar visitado, o lugar turístico que, para Almeida (2003, p. 13) é definido
como:
[...] sua hibridez: lugar, espaço vivido e de existência para a população local e,
paralelamente, lugar de representações e de imagens para os turistas [...] espaço de
alteridade do Eu e do Outro [...] Em si, o lugar turístico não existe. Ele é invenção por e
para o turismo, invenção que é feita no bojo de uma expectativa alimentada pela fantasia,
nostalgia, aventura [...].

Assim, mediante a atividade turística, o lugar, local das relações humanas e
que gera significados como espaço vivido, ou dos sentimentos topofílicos, recebe
também visitantes. E, como a autora lembrou, a hibridez traz à tona as diferenças
culturais, entre uma pessoa e outra, o que permite uma experiência. Ao pensarmos a
experiência, independente de seu valor autêntico ou não, estaria ocorrendo a troca
de conhecimentos que modificam nosso modo de ver o mundo.
Ao pensarmos o contato entre turista e morador, independente do
conhecimento ser verdadeiro para as duas partes, temos um problema que é o da

20

artificialidade, presente na maior parte do turismo. Almeida (2003) leva o debate
para a questão da pós-modernidade. Tempo com características ora indefiníveis, ora
como embrião de uma nova sociedade e que encara o lazer com importância maior,
e assim o turismo aparece como propiciador de um tempo livre favorável às
experiências culturais, desprendidas do lugar do cotidiano e que geram símbolos e
sensações, que quanto mais variadas melhor. Como percebemos, a questão cultural
pode gerar diversos assuntos para pesquisas e polêmicas.
Interessante mencionar apontamentos geográficos de base fenomenológica
e existencialista representados pela Geografia Humanística. Em um simpósio
destinado ao tema da cognição do meio ambiente, Xavier (2005) apresenta um
trabalho intitulado Contribuição de Lívia de Oliveira para a percepção geográfica do
turismo, onde enfatiza a possibilidade de conhecimento das dimensões dos fatos
geográficos através do turismo, destacando o turismo de base local e sua relação
com a comunidade receptora.
A professora homenageada pelo mencionado autor trouxe à Geografia
brasileira os primeiros trabalhos traduzidos de geógrafos preocupados com o
conhecimento do território também ligado ao psicológico. Assim, o autor abre
perspectivas para a compreensão do turismo enquanto fenômeno territorial e social,
variando de pessoa para pessoa, de acordo com o conhecimento de cada um.
Xavier (2005, p. 4) ainda coloca que ao mesmo tempo em que há um
turismo ligado aos grandes capitais, ocorre o crescimento também inverso, já que:
"No contexto brasileiro são bem evidentes as implementações de grandes
complexos litorâneos ao mesmo tempo em que a atividade é também atingida pelo
processo de interiorização". Assim, o autor aponta concordar para a importância dos
estudos de turismo de base local, experiência por nós relatada no item 1.4. Xavier

21

(2005, p.5) escreveu sobre as preocupações com a comunidade local, sendo que há
certa aproximação com Almeida, anteriormente citada, entendendo o autor que:

Os estudos sobre a percepção geográfica desenvolveram-se devido à preocupação no
sentido de conhecer e em explicar as atitudes e os valores de uma comunidade frente ao
meio ambiente. A pauta fundamental de tais estudos é o espaço. É o mesmo espaço onde
se situa as habitações, os caminhos e as regiões. É o mundo-vivido das pessoas que
recebem o turista e que é o mesmo espaço para onde as pessoas se deslocam para o
lazer. Assim a percepção geográfica do turismo torna-se abrangente, razão pela qual ela
tem constituído a preocupação de muitos estudiosos ligados aos estudos do turismo.

O referido simpósio contou com outros trabalhos ligados ao turismo e a
percepção ligada aos sentimentos despertados pelo visitar do turista. Embora
tenhamos encontrado apenas um trabalho em nossa pesquisa que mencionou o
conceito de topofilia, pensamos que esta Geografia Humanística pode aumentar e
contribuir os estudos relacionados à geografia do turismo. Seja pela perspectiva dos
moradores locais, sejam pelas subjetividades que envolvem os viajantes e suas
ânsias para conhecerem lugares...
Outro trabalho interessante é o de Ashton, Parques Temáticos: espaços e
imaginários (2003). O trabalho aborda a questão dos parques temáticos na
problemática da pós-modernidade, tendo como exemplo maior a Disneylândia e
busca compreender esses locais como ambientes que proporcionam uma fuga do
cotidiano, momentaneamente, com uma imaginação sem limites, na qual, segundo a
autora, a simulação torna-se mais real que o original que a inspirou, é o real sendo
melhorado para ser consumido.
Na mesma coletânea, o artigo de Castrogiovanni, Turismo e Espaço:
reflexões necessárias na pós-modernidade, traz reflexões acerca do turismo como
forma de lazer da sociedade atual, que procura as particularidades de cada local "[...]
mostrando às comunidades que o fato do lugar ser próprio/único é o que o faz existir

22

e, portanto, ser atrativo." (CASTROGIOVANNI, 2003, p. 47). Assim, o autor analisa a
imagem para a motivação de deslocamento turístico, influenciada pela globalização
e pelas redes de comunicação, fazendo com que os lugares se pareçam mais a
cada dia, e por isso o lugar singular será o procurado pelo turista.
A perspectiva de Cruz (2003) destina-se prioritariamente à questão do
planejamento de lugares turísticos, estudando para isso a questão das políticas
públicas voltadas para o setor. Em artigo (CRUZ & SANSOLO, 2003) sobre a criação
do Ministério do Turismo e o Plano Nacional de Turismo (PNT), escreveu que apesar
de uma aparente relevância destinada ao setor, com a criação de um ministério
exclusivo, reduz-se a chance de melhor gestão da atividade, já que esta é
diversificada, multifacetada, não devendo sua administração ser centralizada. Dá o
exemplo da Alemanha que trata o turismo através de políticas setoriais, trabalhadas
em conjunto com os transportes, por exemplo. Assim, a gestão pública do turismo
encontraria um paradoxo, que é justamente esta relevância destinada para uma
atividade transversal, para usarmos o termo em que o turismo é encaixado nos
parâmetros nacionais de educação.
No entanto, algumas considerações mais devem ser feitas para a
mencionada autora. Em seu livro, Introdução à Geografia do Turismo entende como
significado do termo geografia do turismo, que:

A geografia do turismo, entretanto, não se refere apenas à abordagem científica do
fenômeno do turismo pela ciência geográfica. A `geografia do turismo' é uma expressão que
se refere à dimensão socioespacial da prática social do turismo, e isto sim pode interessar
às mais diversas áreas do conhecimento. (CRUZ, 2003, s/p)

Considerando essa dimensão socioespacial da atividade temos então esta
abertura das perspectivas de como encarar e estudar o turismo, sendo que devemos
entender a expressão geografia do turismo como esta distribuição dos impactos e

23

outras variáveis, e não como uma eventual requisição de um novo ramo da
Geografia, para não corrermos também o risco do paradoxo em que o Ministério do
Turismo transformou-se, como nos referimos anteriormente. É neste sentido que
utilizamos o termo em itálico, para deixar claro que não entendemos que deva haver
uma Geografia especializada em estudos turísticos, e sim de que pretendemos, de
maneira geográfica, analisar como o uso do território tem sofrido transformações e
novos significados através das viagens turísticas.
Como pudemos perceber, algumas leituras geográficas atuais sobre o tema
o estão fazendo abordando os novos significados atribuídos aos lugares, ou ainda o
território como um todo, que estão cada vez mais conhecendo transformações pela
atividade do turismo. Certamente, com a complexidade do tema é normal a
variedade de enfoques, nesta procura geográfica de entender as novas ações que
vêm ocorrendo no espaço geográfico deste início de século XXI.

1.3 E a geografia do turismo recebe críticas...

A atividade turística é a faceta estética do colonialismo. É esta a definição
de Ouriques (2003) em sua tese intitulada A produção do turismo no Brasil:
fetichismo e dependência, defendendo que, no Brasil, existe uma espécie de
colonização do pensamento em relação ao turismo, o que faz com que nossos
lugares visitados reflitam essa dependência e certa ilusão de que a atividade possa
trazer benefícios à população local. No decorrer de sua tese, o autor faz uma revisão
bibliográfica de concepções geográficas do turismo, que vem provocando debates
teóricos entre os envolvidos com o tema, como no VI CBG Goiânia/2004 que teve

24

uma mesa-redonda sobre o assunto. E é justamente sobre essa parte da tese que
iremos trazer alguns comentários.
Para o autor, os trabalhos sobre turismo, em sua maioria, e por mais
diferentes que pareçam, são hegemônicos quando abordam a questão porque
estariam enxergando o turismo como um caminho para o desenvolvimento
sustentável (que seria incompatível na atual sociedade capitalista), além de
defenderem o planejamento como garantia de uma atividade mais justa socialmente.
Segundo o trabalho, este enfoque é prejudicial já que não estimula o confronto de
idéias e não permite analisar o tema em sua total complexidade. No entanto, com
relação a essa visão, pensamos que, na Geografia, esse confronto de idéias é claro.
Ouriques dividiu o trabalho em quatro linhas de pesquisa sobre o tema,
considerando-as como: a economicista e liberal; a corrente do planejamento; a que
trata da segmentação das ofertas de tipos de turismo e que recebeu o nome de
"pós-moderna"; e, por último, a que o autor disse ser a única que considera os
aspectos maléficos do turismo, a "corrente crítica". Discutiremos as críticas que são
dirigidas aos geógrafos e, embora não concordemos integralmente com a divisão
estabelecida, nos pautaremos na mesma.
A primeira linha de pesquisa, que é, segundo o autor, de concepção
economicista, compreende o turismo como um sistema cujo objetivo é a otimização
dos recursos financeiros, preocupando-se com a oferta e a demanda dos elementos
do turismo. Encontramos uma crítica ao geógrafo Antônio Carlos Castrogiovanni
que, de acordo com Ouriques (2003), enfocaria a natureza como produto a ser
comercializado pelo marketing turístico. Percebemos aqui o direcionamento contra
os levantamentos de dados sobre potencialidades, sejam eles naturais ou culturais,

25

uma vez que apenas serviriam de material para exploração com fins lucrativos,
particulares e da visão da natureza como mais um produto ofertado.
Sobre a linha que considera o planejamento estatal como solução para um
turismo mais democrático, as críticas caem justamente sobre esse entendimento
que, segundo Ouriques, é fruto de uma concepção desenvolvimentista que acredita
que é com o controle do Estado que a atividade será aproveitada em todo o seu
potencial. Assim, o autor afirma ser essa visão refém de uma concepção de que o
Brasil tem tudo para dar certo e crescer com o turismo, só falta um planejamento
sério e um maior controle dos usos. Nessa divisão estão geógrafos como Rita de
Cássia Ariza da Cruz e Luzia Neide Coriolano.
Pensamos aqui que a concepção de Ouriques pode ser compreendida para
trabalhos de planejamento que apontam mais para o discurso do que para a prática.
Mas, se considerarmos que o planejamento não é apenas resultado de idéias
científicas, e sim um resultado de interesses políticos, individuais e públicos, por que
não considerar que a Geografia pode ser útil para um resultado melhor? Seria o seu
papel, como uma ciência social. O que devemos então é conferir se esses trabalhos
estão ou não auxiliando no melhor planejamento de lugares turísticos.
Com relação às críticas realizadas à concepção pós-moderna, seu
argumento é de que essa se vale do discurso e que, com isso, coloca idéias
diferenciadas no mesmo patamar. Os membros desse grupo seriam, para Ouriques,
entre outros, Eduardo Yázigi e Adyr Balastreri Rodrigues. Na tese, encontramos
críticas afirmando que essa visão parece desconhecer a realidade dos mecanismos
que a sociedade capitalista produz e reproduz, além da crença de que, se houvesse
uma melhoria na mentalidade dos planejadores, a história seria outra ou o turismo
seria outro.

26

Critica Eduardo Yázigi por se ater às questões de ordem cultural. Esse
exemplo deixa claro que o tema é para gerar controvérsias, sempre. Afinal, os
trabalhos citados nessa concepção realmente se preocupam mais com a
subjetividade e com a cultura do que com a economia e a crítica ao capitalismo. Mas
será que todo trabalho acadêmico deve se ater a essa postura? A universidade não
deve procurar respostas e melhorias para a sociedade como ela é, para as pessoas
que vivem nela hoje? A resposta sempre será uma resposta ideológica, mas, na
nossa concepção, nenhuma das respostas dadas hoje é completa, qualquer uma
delas traz problemas filosóficos e incertezas. Talvez a preocupação deva ser: o que
a Geografia pode fazer para auxiliar um Brasil melhor?
Continuando com sua análise, Ouriques (2003, p. 166) destaca a quarta
corrente, denominada "crítica" e que, ao contrário das outras, insere o
questionamento ao "[...] caráter intrinsecamente benéfico do desenvolvimento
turístico, discutindo as transformações que ocorrem na (re) produção da vida das
comunidades receptoras e as condições de trabalho nas atividades turísticas".
Nesse grupo encontramos Arlete Moysés Rodrigues, Maria Tereza Luchiari e
Edvaldo César Moretti. As críticas desses autores são direcionadas notadamente à
idéia de desenvolvimento sustentável, conceito relacionado ao uso político, gerando
o uso da paisagem como produto, a uma produção de um território excludente,
segundo o autor.
O que está acontecendo, para o autor, é que os estudos da Geografia, em
sua maior parte, serviriam mais como inventários dos lugares para usos comerciais,
chegando até mesmo a serem chamados de "[...] arqueólogos do capital [...] o que
acaba transformando a Geografia em uma ciência do e para o capital." (OURIQUES,
2003, p. 126). Nesse caminho, segundo o autor, essa última corrente se diferencia

27

das outras, visto que seus trabalhos não estariam se dirigindo ao desenvolvimento
pelo turismo, mas sim procurariam estudá-lo em seus aspectos maléficos, como é o
caso dos estudos de Edvaldo Moretti, que abordam o cotidiano dos trabalhadores
em estabelecimentos turísticos e as condições que estão sendo ofertadas para a
população que se torna assalariada pelo e para o turismo.
Expostas as críticas sobre a produção geográfica sobre o turismo, podemos
perceber que o autor da tese pretende afirmar que o arcabouço teórico produzido
tem servido para o uso do capital, e não para o auxílio de políticas públicas sérias
destinadas ao setor. Porém, refletimos, essa análise pode ser feita com relação a
qualquer atividade humana, dentro do capitalismo, incluindo aí a educação formal,
em todos os seus níveis, inclusive o acadêmico. Iremos, então, deixar de pensar em
melhores alternativas educacionais porque o ensino se transformou em mercadoria?
Se, por um lado, o argumento é válido quando consideramos o turismo e
toda a rede que o envolve, favorecendo poucos, e destruindo muito, temos que
considerar o caminho que foi percorrido pela Geografia para chegar a ponto de
intervir na atividade e modificá-la. A crescente preocupação com o turismo tem
mostrado a amplitude que pode haver nos enfoques. A pergunta de Ouriques, se
agora a Geografia serve para fazer o turismo, embora tenha uma conotação
pejorativa, fazendo uma alusão da ciência a serviço do capital, pode ter outra
interpretação. Pode ser que ela sirva para fazer o turismo, mas também de maneira
benéfica, nas contradições e complexidade próprias da realidade.
A preocupação com o turismo sexual é um ponto importante e tem que ser
trabalhado, já que não é possível ignorar esse grave problema. Se pensarmos em
autores que defendem o planejamento estatal como fundamental para uma melhor
gestão de territórios turísticos, uma tentativa de extinção do turismo sexual não

28

poderia deixar de passar pelas políticas públicas, com a educação e com a questão
cultural, como somos vistos e como vemos o outro.
Entre outros pontos para reflexão que a leitura da tese permite, destacamos
aqui a afirmação do autor de que há um consumo estético das paisagens e da
cultura brasileira, consumo esse baseado em idéias do exótico, das formas arcaicas
de vida, da pobreza como modo de vida de pessoas que lutam e vivem por um dia
melhor. Mas a defesa de um turismo com base local não é a defesa da permanência
da pobreza, e sim a procura de auxiliar essas comunidades a inserirem-se na
sociedade moderna, com informações, dando-lhes suporte para seguirem caminhos
que permitam uma melhor qualidade de vida.
O que podemos destacar aqui, neste momento do trabalho, é que essas
críticas vieram em momento oportuno, por acenderem a discussão necessária à
Geografia e sua preocupação com o turismo. A antítese, presente nas suas idéias,
possibilita o diálogo, o confronto intelectual, a dialética, e, assim, o enriquecimento
teórico da Geografia.

1.4 Reflexões sobre uma experiência: Geografia e turismo em pequenos
municípios

Como os itens anteriores se preocuparam com a elaboração de um histórico
sobre a geografia do turismo, sobre a produção atual e, também, acerca de críticas
realizadas, optamos por colocar neste item uma experiência que ocorre desde 2002
na Universidade Estadual de Londrina (UEL). O projeto TERNOPAR ­ Turismo e
Excursionismo Rural no Norte do Paraná -, procura, pelos estudos geográficos,
abordar a atividade turística em pequenos municípios do Norte do Paraná. Com isso,

29

temos um exemplo empírico de tentativa de desenvolver práticas educacionais para
preparar a população quando ocorre a implantação do turismo em seus lugares.
No entanto, sabemos da dificuldade de analisar um trabalho no qual
fazemos parte. Mesmo assim, discorreremos sobre o projeto, desde sua idéia inicial
até às suas ações nos municípios, procurando destacar os pontos positivos e os
negativos. A função deste item, portanto, é aumentar o leque de informações sobre
nosso tema, além de trazer um exemplo concreto do desafio de trabalhar o turismo
mediante a Geografia.
O projeto surgiu da tese de doutorado, intitulada Turismo e Excursionismo: o
Qualificativo Rural ­ Um estudo das experiências e potencialidades no Norte Velho
do Paraná (CALVENTE, 2001). Na tese podemos encontrar um estudo tanto teórico
como empírico sobre o turismo rural, sua regulação, suas escalas para análise e
compreensão, bem como a exposição de pesquisas realizadas junto a proprietários
de estabelecimentos rurais onde havia interesse na implantação do turismo como
alternativa economicamente viável. Esse estudo, agora, pode ser encontrado com
mais facilidade já que foi publicado (CALVENTE, 2005), constituindo assim mais um
material para a discussão da polêmica instaurada na Geografia.
A tese percorre a atividade turística e enfatiza sua diversificação,
especialmente após os anos de 1970, quando ocorre com maior intensidade o
processo de urbanização brasileira, que, entre outras conseqüências, trouxe em um
primeiro momento a distância do homem em relação aos ambientes naturais e,
posteriormente, gerou o interesse em retornar para esses mesmo lugares, só que
fazendo turismo. A opção do país pelo sistema rodoviário também contribuiu para o
turismo em áreas rurais, já que, segundo Calvente (2005), o deslocamento desses
turistas ocorre, em sua maior parte, por meio de automóveis. Necessário salientar

30

que o trabalho considera a terminologia turismo em áreas rurais entendida como
localização. Assim, o turismo rural expressa, mais que localização, uma relação com
os signos do mundo rural, com a paisagem rural, ou seja, o resultado das atividades
agrárias do passado e do presente.
Assim, o trabalho nos leva a pensar sobre as novas funções do meio rural,
as atividades não agrícolas como o turismo e o lazer, que modernizaram a função
desse meio. O imaginário é o principal incentivador desse tipo de turismo, já que o
turismo rural é a imagem do mundo rural (CALVENTE, 2001). Entretanto, ao mesmo
tempo em que diferenciamos os tipos de turismo, não devemos estabelecer
fronteiras muito acentuadas entre os mesmos. Afinal, o ecoturismo, apesar de ser
um termo usado estrategicamente para o marketing, confunde-se com o turismo
rural, podendo ser até chamado de eco-rural.
Com base nessas idéias, o primeiro município escolhido, no projeto, foi o de
Jataizinho, Paraná, localizado próximo à cidade de Londrina e que conta com
proprietários interessados em implementação do turismo. Para este trabalho, vamos
refletir apenas sobre a atuação nesse primeiro município. Foram realizadas
pesquisas sobre a história do município e suas características econômicas, sociais e
físicas. Foi estabelecido contato com o poder público, com a rádio local, com os
professores, com as crianças do ensino fundamental e com os donos dos lugares
inseridos na pesquisa.
Com relação à prefeitura, o apoio foi instável, instabilidade em parte
impulsionada pelo conturbado período das eleições, em parte pela falta de
compromisso e interesse em nossa proposta. Certamente que uma mudança na
mentalidade dos gestores públicos é essencial, opinião muito criticada por Ouriques
(2003). Há, então, a seguinte contradição: a mudança é necessária, mas autores

31

chamados pelo autor de críticos parecem não acreditar na mesma, ao passo que
outros especialistas consideram a mudança possível, ou que os estudos e os
projetos devem, pelo menos, apontar alternativas para a mudança. A sociedade
atual é propiciadora de desigualdades e favorecimentos particulares, os mais
diversos, mas não seria o papel da Geografia descortinar a realidade e atuar para
reduzir a desigualdade?
Um dos objetivos do projeto foi a elaboração de um roteiro de excursionismo
no município, muito parecido com um trabalho de campo de Geografia, já que teve
enfoque educativo. Os lugares foram selecionados de acordo com suas
potencialidades, e estudos relativos aos mesmos foram feitos para gerar
informações aos participantes. Pensamos uma coisa: se um dos participantes do
roteiro, antes da realização do mesmo, tivesse um perfil de turista que só viaja por
agências especializadas, geralmente, para lugares distantes de sua residência, não
estaríamos ao menos mostrando que há o que conhecer e valorizar em lugares
próximos?
No roteiro, cuja pesquisa resultou em uma apostila, distribuída aos
proprietários dos locais envolvidos, à prefeitura e às escolas, percebemos que uma
simples viagem estimula as pessoas no sentido do conhecimento (pessoas de áreas
distintas de formação acadêmica se interessaram pelo conteúdo geográfico das
informações); também há mudanças de comportamento quando estão em contato
com a paisagem natural, fato raro entre alguns que estão acostumados à vida
urbana; no convívio com os outros participantes, na interação que uma viagem pode
propiciar, no relaxamento muitas vezes necessário para descarregarmos nossa
energia e renová-la. Enfim, mostrou que viajar é sim algo além da economia e que
envolve as subjetividades.

32

Como a pesquisa não se restringia às visitas realizadas no município de
Jataizinho para conversas com a população local, mas também um processo de
reflexão em reuniões, nas quais diversos textos eram trabalhados em forma de
seminários, o diálogo sempre tem ocorrido. As dificuldades são mencionadas e
tentamos discutir por que estariam acontecendo.
Um exemplo claro das dificuldades foi quando, depois de elaborado o livro
Turismo

em

Pequenos

Municípios:

Jataizinho

­

Paraná

(CALVENTE

e

GONÇALVES, 2004), distribuído gratuitamente para todos os professores da rede
municipal e estadual de ensino de Jataizinho, foi pedido em contrapartida o
preenchimento de um formulário sobre o livro, que continha perguntas sobre a
opinião dos professores, os temas que acharam mais interessantes, as críticas, a
aplicabilidade e a importância de obras acadêmicas para os pequenos municípios.
Embora a maioria tenha respondido, levamos um bom tempo cobrando as
respostas, procurando professores e explicando o porquê necessitar dos formulários
preenchidos. Alguns não entendiam, outros não quiseram ajudar, o que nos leva a
pensar que a educação formal não é garantia de cooperação entre as pessoas. Se
nem os professores deram colaboração total com a nossa pesquisa, o desafio de
uma educação para o futuro parece ser bem maior.
Mas consideramos isso muito mais como um ponto para reflexão do que
uma justificativa para a desistência da pesquisa. Se, por um lado, não fomos
correspondidos, por outro recebemos elogios que estimulam o caminhar. Algumas
pessoas se mostraram receptivas com a chance de estarem incluídos em um roteiro
que estava contando a história do município, muitas vezes a história da própria
pessoa, de sua família e de sua participação na construção da história daquele
lugar.

33

Por outro lado, soubemos que vários professores estavam utilizando partes
do livro nas suas aulas. É um material que ficará nas escolas e com os professores,
e esperamos ter dado a nossa contribuição. Uma grata surpresa foi descobrir que o
coordenador de uma rádio comunitária do município utilizou um dos artigos do livro,
a respeito do problema da geração de resíduos sólidos e o turismo, em um evento
ambientalista que envolveu catadores de papel da América Latina.
Se a sociedade capitalista contemporânea pretende nos distanciar do lugar,
é nesse sentido que o resgate histórico e cultural entra, já que o contato pode servir
de estímulo para a valorização do meio ou da natureza, não como produto, mas
como parte de nós mesmos.
Estas reflexões, apesar de breves, dão uma dimensão do que trazemos de
conhecimento e que podem contribuir para as análises que aqui são almejadas.
Permitem explicar nossa perplexidade quando, no VI Congresso Brasileiro de
Geógrafos de 2004, nos deparamos com pesadas críticas sobre os geógrafos que
abordam o turismo com uma perspectiva de desenvolvimento local e como
possibilidade de atividade educativa, sobre o entendimento dos lugares. As críticas,
ao invés de desestimularem nossa pesquisa sobre o tema, serviram de estímulo
para uma busca de visões que possam ser confrontadas com outras e, assim,
enriquecer a Geografia.
A oportunidade de reflexões, sobre o papel do geógrafo e o papel da
educação, foi proporcionada por esse projeto. Pensamos sobre a Geografia que se
pode fazer (uma necessária utopia), mas também sobre as dificuldades e os
obstáculos que devemos reconhecer e, assim, assumir que o papel da Geografia é
fundamental para a procura que há por um turismo, assim como qualquer outra
atividade humana, mais justo.

34

É sob essa perspectiva que finalizamos nosso primeiro capítulo e partimos
aos seguintes. Entendemos que apresentados os primeiros trabalhos de geografia
do turismo, algumas das leituras atuais, bem como as críticas realizadas e as
experiências do turismo em pequenos municípios pautadas em bases geográficas,
possibilitarão o entendimento das próximas etapas desenvolvidas neste presente
trabalho. Assim, no capítulo a seguir veremos o papel da Associação dos Geógrafos
Brasileiros (AGB) perante a constituição e integração das instituições de Geografia
espalhadas pelo Brasil, salientando os eventos nacionais como momento de
encontro e discussão de idéias e pesquisas.

35

2 O tema turismo nos dois últimos eventos nacionais de Geografia

Neste segundo capítulo discutiremos as características dos dois eventos
que aqui vamos analisar, refletindo também sobre o papel da Associação dos
Geógrafos Brasileiros (AGB) na formação da Geografia brasileira. Analisaremos a
divisão dos eixos temáticos dos eventos, bem como apresentaremos as
comunicações coordenadas nas quais o tema principal foi a atividade turística e seus
reflexos no espaço geográfico. Com relação à AGB, escrevemos um item no qual
são apresentados comentários de autores que, por experiência própria, viveram e
presenciaram a evolução histórica dessa entidade. No item 2.3 expomos os
trabalhos que não foram publicados nos anais do CBG/2004 em razão de problemas
técnicos, segundo a organização. Finalmente, no item 2.4 estão todos os trabalhos
sobre geografia do turismo publicados nos dois eventos, organizados em fichasresumo que permitem uma primeira visualização do tema, já que nos capítulos
seguintes faremos análises desses trabalhos.

2.1 Sobre os eventos ENG/2002 e CBG/2004

A AGB traz consigo a procura por uma unificação da Geografia brasileira,
trabalha para abranger todas as universidades e faculdades de Geografia, e
possibilita diálogos e trocas de experiências entre as diversas instituições do país. A
opção em analisar os dois últimos eventos nacionais da AGB deveu-se, em parte,
pelo acesso facilitado aos anais dos mesmos e, conseqüentemente, aos resumos e
trabalhos expandidos, e, também, que quando realizamos o levantamento desses

36

dois eventos, sobre os trabalhos que deveríamos analisar, contamos 135 trabalhos,
e avaliamos esse número apropriado para nossa proposta. Assim, nosso objetivo
aqui não é o de fazer um histórico de todos os trabalhos sobre geografia do turismo
apresentados em todos os eventos nacionais da AGB já realizados, e sim saber o
que e como foi apresentado o tema à comunidade geográfica nos dois últimos
eventos geográficos nacionais que a instituição promoveu. Trabalharemos com o XIII
Encontro Nacional de Geógrafos, João Pessoa-PB, 2002 e o VI Congresso Brasileiro
de Geógrafos, Goiânia-GO, 2004.
Em primeiro lugar, faz-se necessário lembrar que os dois eventos
correspondem aos realizados pela AGB de dois em dois anos, e a modificação do
nome de Encontro para Congresso se deve porque de dez em dez anos o evento é
classificado como Congresso.
O XIII Encontro Nacional de Geógrafos (ENG/2002) ocorreu na cidade de
João Pessoa, Estado da Paraíba, entre os dias 21 a 26 de julho de 2002. Teve como
tema principal uma homenagem ao professor Milton Santos, com o título Por uma
geografia nova na construção do Brasil, uma referência à obra que marcou o período
de inserção da geografia crítica no ambiente acadêmico brasileiro, elaborada pelo
professor mencionado. No texto de apresentação do evento, no cd dos anais,
encontramos a vontade (por parte da organização que escreveu o texto de abertura)
de valorizar neste [...] a Geografia e os geógrafos que trabalham e lutam dia-a-dia
nas salas de aula das escolas do ensino fundamental, médio e superior, nos
institutos de pesquisas, nos diversos níveis de governo, em organizações não
governamentais e em empresas privadas. E continua, a seguir, com a finalidade do
evento: Nós geógrafos, oferecemos aqui nossa contribuição na construção de um

37

país livre das injustiças sociais, com melhor distribuição de renda e ambientalmente
saudável.
Não há dúvidas de que um evento nacional de geógrafos deva ousar, já que
há a oportunidade de local e também a disponibilidade de tempo para debates,
reflexões, trocas de experiências e conhecimentos. Milton Santos sempre procurou
transportar a Geografia produzida pelos franceses, alemães e, posteriormente,
estadunidenses, para a realidade brasileira, para as características próprias dos
países do chamado terceiro mundo. Por isso é compreensível e justificável que um
evento que se destine a homenageá-lo persiga o objetivo de uma produção científica
voltada para a melhoria da qualidade de vida de nossa sociedade.
Os eixos temáticos correspondem aos espaços de diálogos nos quais os
trabalhos são inscritos, e que, durante o evento, são locais de encontro entre os
autores para apresentação e discussão de seus respectivos trabalhos. No ENG/2002
foram os seguintes:
-

Eixo I ­ Natureza, Espaço e Política

-

Eixo II ­ Sociedade, Espaço e Política

-

Eixo III ­ Pensamento Geográfico no Brasil

-

Eixo IV ­ Ensino de Geografia

-

Eixo V ­ Geotecnologias na Análise Geográfica.

Os 61 trabalhos sobre geografia do turismo apresentados no ENG/2002
estão dispostos de acordo com os eixos temáticos do evento: 18 trabalhos no eixo I;
43 trabalhos no eixo II; nenhum trabalho no eixo III; 1 trabalho no eixo IV; e 1
trabalho no eixo V. Podemos destacar a ausência de trabalhos no eixo sobre o
pensamento geográfico no Brasil, indicando que os teóricos de geografia do turismo
não estão diretamente relacionando o tema com a epistemologia do pensamento

38

geográfico brasileiro. Quanto aos eixos I e II, não há nenhuma surpresa, já que a
atividade turística envolve a política, o espaço, a natureza e a sociedade. No eixo IV
poderíamos esperar mais trabalhos, já que a educação geográfica pelo
excursionismo ou turismo vem se mostrando prática possível. A proposta de
mapeamento do trabalho do eixo V é um estímulo na relação da atividade turística
com as novas geotecnologias de informação e conhecimento.
Por sua vez, o evento realizado entre os dias 18 a 23 de julho de 2004, na
cidade de Goiânia, Estado de Goiás, comemorou os 70 anos da AGB. Sendo assim,
o VI Congresso Brasileiro de Geógrafos (CBG/2004), teve como título Setenta anos
da AGB: as transformações do espaço e a geografia no século XXI e realizou
homenagens e exposições especiais relativas à data, como, por exemplo, uma
mostra com documentos da origem da instituição, bem como o lançamento da
revista Terra Livre número 22, que enfocou os 70 anos da AGB. Segundo
informações presentes nos anais, foram mais de 1.500 trabalhos apresentados.
Como objetivo do evento, a comissão organizadora escreveu no texto de
abertura que a AGB [...] realiza o seu mais importante evento tendo como princípios
fundamentais: refletir a respeito do seu papel histórico quanto a sua contribuição
para a construção da Geografia Brasileira e pensar e propor projetos para o Brasil
(AGB, 2004). Certamente que esse objetivo corresponde ao momento histórico dos
70 anos, mas é também o de uma sociedade que vêm sendo rapidamente
modificada pelo meio técnico-científico-informacional, o que gera necessidade de
reflexões, tanto no que concerne ao ensino de Geografia e seu vasto campo de
análise como, por exemplo, o computador e as mudanças nos modos de acesso ao
conhecimento, quanto no que diz respeito à Geografia e seu papel para a sociedade,

39

no sentido dessa ciência auxiliar para a melhor relação do homem com os sistemas
naturais.
Não podemos deixar de mencionar ainda que esse período estimula o
anseio por compreender o papel do geógrafo, necessitando assim de reflexões
acerca do pensamento geográfico, levando-nos a entender e justificar que analisar
os trabalhos de geografia do turismo pode contribuir para a epistemologia do
pensamento geográfico brasileiro, evidentemente considerando sua limitação como
unidade de um todo. Os eixos temáticos do CBG/2004 foram:
Eixo I ­ Espaço agrário e espaço urbano: abordagens atuais
Eixo II ­ Gestão dos recursos naturais
Eixo III ­ História do pensamento geográfico
Eixo IV ­ Ensino, formação e exercício profissional
Eixo V ­ Território, região e redes.
Igualmente ao ENG/2002, dos 74 trabalhos apresentados no CBG/2004
nenhum foi classificado no terceiro eixo, que é o que aborda o pensamento
geográfico de maneira direta, fato esse que nos faz pensar que ainda há dificuldade
para relacionar a geografia do turismo com a epistemologia da Geografia. Será
mesmo que a geografia do turismo não tem nada para contribuir ou será
preconceito? Nesse evento, a disposição dos trabalhos foi a seguinte: 11 trabalhos
no eixo I; 20 trabalhos no eixo II; 6 trabalhos no eixo IV; e 37 trabalhos no eixo V.
Temos, agora, mais trabalhos no eixo sobre ensino do que no evento passado, mas
mesmo assim continua um número baixo. As transformações nas dinâmicas dos
espaços rurais e urbanos estão presentes nos estudos sobre a atividade turística
como vetor de modificação nas relações sociais e territoriais. O eixo II contemplou
trabalhos preocupados com os impactos do turismo, com o planejamento e com a

40

questão da atividade em áreas naturais protegidas. Finalmente, o eixo V, no qual
encontramos metade dos trabalhos de geografia do turismo apresentados no evento,
é o que possui maior diversidade nos enfoques, desde metodologias para o
desenvolvimento do turismo em áreas rurais até a abstração sobre se existe ou não
o espaço turístico.

2.1.1 As comunicações coordenadas sobre geografia do turismo nos eventos de
2002 e 2004

Como veremos a seguir, além dos trabalhos publicados nos anais
correspondentes aos espaços de diálogos tanto do ENG/2002 como do CBG/2004, a
temática do turismo também foi trabalhada em comunicações coordenadas, nas
quais os pesquisadores docentes ou da pós-graduação reuniram-se com o intuito de
debater com outros pesquisadores trabalhos sobre o tema. Percebe-se, no quadro a
seguir (Quadro 3), que houve variedade nos assuntos, que vão desde o
planejamento turístico até estudos de caso em locais nos quais a atividade vem
crescendo e gerando necessidades de análise, por parte da academia .

Título
Participantes
O planejamento governamental e a política
pública de turismo: o que são, para que servem Rita de Cássia Ariza da Cruz
Turismo e lugar: o planejamento turístico em
Clézio Santos
pequenos municípios
Uma leitura crítico-interpretativa do
planejamento governamental do turismo no
Ireleno Porto Benevides
Ceará
Quadro 3 ­ Trabalhos da comunicação coordenada Planejamento governamental do turismo,
apresentados no ENG/2002. Fonte: AGB, 2002.

Abordando a questão do planejamento no âmbito da atividade turística, os
trabalhos do quadro 3 enfatizaram a necessidade da comunicação entre as diversas

41

esferas do poder público para um maior êxito no que diz respeito à gestão do
território ou do lugar onde o turismo existe ou passará a existir em proporções
maiores. Rita de C. A. da Cruz (2002) procurou destacar as interfaces da atividade
que, segundo a autora, trazem a necessidade de uma gestão integrada com outros
setores do poder público, já que as infra-estruturas existentes não são apenas para
os turistas e sim para a comunidade local. Com isso, afirma que só o planejamento
não irá garantir os bons resultados, mas que é essencial para que se alcance
objetivos satisfatórios nas gestões, como, por exemplo, evitando xenofobias por
parte da população residente.
O trabalho de Clézio Santos (2002) é parte de um projeto intitulado
Planejamento turístico de São Simão (SP), município da região de Ribeirão Preto, no
qual o autor trabalha os efeitos da turistificação dos lugares, enfocando as
mudanças ocorridas no ambiente da população rural, ou seja, o meio rural. O
destaque desse trabalho é a relevância que o autor confere à necessidade de
estudos de percepção ambiental e sua relação com o turismo, ou a relação da
cognição do turismo perante o ambiente. Assim, o processo de turistificação deve
ser posterior ao trabalho de reconhecimento e valorização do lugar, entendido como
categoria principal onde o turismo ocorre.
Finalmente, o trabalho de Ireleno P. Benevides (2002) dirige-se ao Estado
do Ceará e às políticas públicas nacionais e regionais que vêm transformando o
estado em pólo turístico. Aborda o conflito entre a preservação da natureza e a
valorização turística dos lugares, que é, no caso do Ceará, a valorização do próprio
meio natural. Denomina frentes pioneiras os locais cujo desenvolvimento básico não
ocorreu antes do processo de turistificação que estes mesmo locais vêm recebendo,
com o incentivo de políticas públicas. Como uma conseqüência disso, é a

42

necessidade que o PRODETUR/NE (Programa de Desenvolvimento do Turismo no
Nordeste) vê na capacitação profissional para a referida atividade.
O quadro 4, no qual estão os trabalhos da segunda comunicação
coordenada, apresentados no ENG/2002, consiste em trabalhos de pesquisadores
da UNIVALI (Universidade do Vale do Itajaí - SC). O primeiro (OLIVEIRA, THOMAZI
e ROCHA, 2002) analisa como o Estado do Paraná, por meio de órgãos ligados
diretamente ao turismo, realizou o levantamento dos municípios onde já ocorre a
atividade turística ou ainda os que possuem potencial para tanto. O estado ficou
dividido em cindo regiões, que foram classificadas de acordo com a própria divisão
natural já existente: litoral, Serra do Mar e os três planaltos do interior do estado.
Com um total de 86 municípios onde há ou pode haver turismo, destacou a
construção da via de transporte rodoviário denominado Anel de Integração
Rodoviário e que estimula as viagens. A metodologia utilizada foi a da Teoria Geral
dos Sistemas.

Título
Participantes
A ação do planejamento urbano na formação do Josildete Pereira de Oliveira; Sílvia Maria
espaço turístico do Paraná
Thomazi; Eduardo Bruel Valente Rocha
A paisagem rural como recurso turístico
Paulo dos Santos Pires
Turismo e produção de território na região da
Francisco Antonio dos Anjos; Romero Simi
costa brava em balneário Camboriú-SC
Quadro 4 ­ Trabalhos da comunicação coordenada Turismo, natureza e sociedade, apresentados no
ENG/2002. Fonte: AGB, 2002.

Com relação ao segundo trabalho, A paisagem como recurso turístico
(PIRES, 2002), artigo esse adaptado de um trabalho já publicado em coletânea
sobre o turismo, ele especifica a paisagem considerada como motivadora da
atividade turística. Assim, o autor segue, no texto, expondo as definições da
categoria paisagem, bem como mostra as dimensões da mesma: a estética ou
visual; a dimensão cultural; e a dimensão ecológica. As qualidades da paisagem, ou

43

seja, naturalidade, singularidade e diversidade, compõem os valores que podem
chamar mais ou menos a atenção do turista. Quanto ao interesse pela paisagem
rural o autor destaca o legado da humanização da paisagem natural de acordo com
os aspectos da ocupação de determinada área. Finalmente, o trabalho salienta que
o gradiente de modificação da paisagem é dinâmico, caracterizando cada área de
acordo com as ações ali ocorridas.
Já o terceiro trabalho dessa comunicação coordenada (ANJOS e SIMI,
2002) analisa o poder público como modificador e incentivador da produção do
espaço de Costa Brava, área que abrange seis praias do Município de Camboriú SC. A intervenção do Estado ocorreu com a construção da rodovia Inter-Praias, que
vem acelerando o processo de ocupação e de urbanização da área estudada. A
pesquisa utilizou técnicas de geoprocessamento para gerar um banco de dados, que
auxilia futuros projetos para uso e ocupação planejados da referida área.
O CBG/2004 contou também com duas comunicações coordenadas sobre
turismo (quadro 5). Os trabalhos sobre a Ilha do Mel (PR) trataram das
conseqüências ambientais que o fluxo de turistas vem causando à área. Com o
crescimento do turismo na ilha, o uso e ocupação do solo são analisados de acordo
com o ritmo de ocupação desordenado que o local vem sofrendo desde 1980.
Também a qualidade da água e sua relação com o aumento do fluxo de turistas foi
alvo de debate dos pesquisadores dessa comunicação. Os estudos ainda foram
realizados com auxílio de geoprocessamento, mostrando conflitos de usos do solo
com áreas de preservação ambiental, destacando a necessidade de monitoramento
e fiscalização.
Na segunda comunicação coordenada encontramos alguns autores que
abordamos no capítulo 1, como é o caso de Helton R. Ouriques e Maria Geralda de

44

Ameida. Nessa comunicação foi discutido o alcance cada vez maior que a atividade
turística têm conseguido, abrangendo quase que a totalidade das áreas do planeta.
Com sua visão desfavorável com relação a este processo, Helton Ouriques destacou
o capítulo de sua tese no qual aborda os autores da Geografia que estudam ou
estudaram o turismo.

Título
Uso e ocupação na Vila de Encantadas, Ilha do
Mel (Eixo II).

Participantes
Daniel Hauer Queiroz Telles; Janaína Martinez;
Claudio Jesus de Oliveira Esteves

A pesquisa em geografia sobre a produção
territorial do turismo (Eixo V).

Edvaldo César Moretti; Gilson Kleber Lomba;
Helton Ricardo Ouriques; Maria Geralda de
Almeida
Quadro 5 ­ Comunicações coordenadas do CBG/2004. Fonte: AGB, 2004.

Mas a comunicação também trabalhou com as características da sociedade
atual, o maior acesso à mobilidade, e as novas relações humanas geradas pela
sociedade que surge com o avanço das tecnologias. Pôde ser considerada uma
interessante reunião, já que a postura dos mesmos foi motivo de perguntas e
indignações, gerando uma discussão (no bom sentido) sobre os rumos que a
Geografia deve seguir para estudar a atividade turística e sua relação com o espaço
geográfico.

2.2 A importância dos eventos nacionais da AGB para o pensamento
geográfico brasileiro

A AGB, fundada em 1934 por um grupo liderado por Pierre Deffontaines,
vêm exercendo o papel de entidade nacional da Geografia brasileira, embora, no
seu início, tenha sido encarada como regional ou, mais especificamente, paulista, já
que o grupo pertencia à Universidade de São Paulo. Para a análise dessa entidade

45

e alguns de seus reflexos para a Geografia brasileira, utilizaremos as considerações
feitas por Andrade (1994) e por Monteiro (1980), trabalhos nos quais o papel da
entidade foi discutido.
Quando escreveu o artigo A AGB e o pensamento geográfico no Brasil, o
autor, Manuel Correia de Andrade, abordava uma eventual Geografia para o século
XXI e, conseqüentemente, tratou a entidade dentro desse contexto. Para o autor, ao
pensarmos a evolução histórica da Geografia brasileira temos que considerar a
herança deixada pelos primeiros ensaios realizados por autores não-geógrafos, mas
que em seus textos escreveram com preocupações geográficas. A consolidação da
Geografia nacional é realizada na década de 1930, notadamente por geógrafos
franceses, mas já havia então um legado de trabalhos de pensadores brasileiros que
influenciariam a consolidação de um pensamento geográfico científico.
A década de 1930 é propícia, segundo o referido autor, para a efetivação
das ciências sociais no Brasil, estimulada pela Revolução de Trinta e pela
necessidade de pensar cientificamente o território brasileiro. Assim, é dessa época o
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), criado para elaboração do
censo demográfico de 1940, além da Universidade de São Paulo e a Universidade
do Distrito Federal, com cursos específicos, em nível superior, de Geografia
(ANDRADE, 1994). Nasce então a AGB, com uma postura oligárquica, na qual os
sócios efetivos possuíam direitos plenos, e os cooperadores (pessoas não formadas
em Geografia) eram privados de alguns direitos. De acordo com Andrade, o objetivo
era garantir um patrulhamento da produção científica, evitando confrontos
epistemológicos e metodológicos, e garantir que profissionais de outras áreas não
assumissem os cargos de direção.

46

Este caráter hermético da entidade reflete uma postura afastada da política
e dos problemas sociais nacionais, e essa fase dura até meados da década de
1940, quando a associação vai adquirindo um caráter mais nacional, procurando
estabelecer debates com as universidades de Geografia que vinham se formando
em outros estados brasileiros. A AGB também começa a realizar nas cidades onde
aconteciam assembléias nacionais (que posteriormente tornar-se-iam encontros
nacionais) trabalhos de campo, para o conhecimento do território nacional.
A importância da AGB para o pensamento geográfico brasileiro vai sendo
modificada ao longo do tempo. Por exemplo, quando existia apenas pós-graduação
em Geografia na Universidade de São Paulo, os eventos da associação eram a
oportunidade para os estudantes de outras instituições e dos geógrafos mais jovens
aperfeiçoarem e aprofundarem seus conhecimentos (ANDRADE, 1994). Porém, o
crescimento dos associados e da participação dos estudantes nos eventos foram
motivos de preocupação dos diretores, que viam nisso um aumento da quantidade
em detrimento da qualidade dos trabalhos.
Na década de 1970 os eventos nacionais tornam-se importante no âmbito
político, já que nessa época alguns trabalhos de Geografia se preocupavam com as
questões sociais e depois, com as ambientais. A ampliação da AGB explicitou a
divisão que havia entre a Geografia Teorética e a Geografia Crítica. Esse
posicionamento diversificado entre os membros da associação levou a uma divisão,
com a existência de um período de "confusão e baixa do nível científico"
(ANDRADE, 1994), que só foi superado e recuperado quando algumas presidências
conciliaram as estruturas populares da entidade com uma maior preocupação
científica. Andrade observa uma tendência para discutir as diferentes posturas, e
que, com o tempo, os debates podem ser realizados com serenidade. Pensamos

47

que essa última afirmação possa ser útil para os debatedores de geografia do
turismo.
O texto de Monteiro (1980) aborda de forma abrangente a evolução da
Geografia brasileira, relacionando as fases que a AGB passou nesse processo de
construção da Geografia nacional, avaliando suas tendências, além de discutir a
relação de um pensamento nacional de um país subdesenvolvido com o
entendimento mundial do que é a Geografia. Interessante verificar que Andrade, ao
escrever de forma geral sobre a AGB, nos permite entender como as temáticas da
Geografia brasileira foram evoluindo e se diversificando.
Uma conseqüência do estudo do processo histórico da produção geográfica
brasileira nos permite pensar que a tendência dos estudos de turismo, dentro da
Geografia, é crescer em quantidade e qualidade. De acordo com Monteiro, os
estudos geográficos refletem, de maneira geral, a evolução histórica de nosso país.
Assim, se os primeiros estudos apontavam para a Geografia agrária, com a
urbanização passaram a fazer parte da Geografia os estudos sobre as cidades. Com
o aumento dos impactos ambientais, a preocupação ambientalista começou e hoje é
muito presente nos trabalhos e nas linhas de pesquisa. Por esse motivo é que
entendemos que os estudos de geografia do turismo tendem a crescer, já que a
atividade vem fortemente influenciando o espaço geográfico nas áreas onde está
presente.
Os dois eventos que aqui estudamos, o ENG/2002 e o CBG/2004, contaram
com a presença de estudantes, seja pela oportunidade de assistir a palestras de
autores de renome, seja pelo fato de que a publicação em um evento é mais fácil do
que quando o graduando tenta publicar seu trabalho em uma revista. O próximo
evento ocorrerá ano que vem, 2006, no Acre, o que aponta para essa tentativa de

48

integração nacional por parte da AGB. Podemos supor que as gerações
universitárias, que serão os professores de amanhã, podem, com idéias novas,
contribuir para o avanço da Geografia em debates dos eventos, já que quando
estamos inseridos em um determinado sistema pode ocorrer de a nossa autocrítica
falhar, como no livro do Pequeno Príncipe (EXUPERY, 1969), quando o rei constata
que julgar a si mesmo é muito mais difícil que julgar aos outros.

2.3 Sobre os trabalhos não publicados

Ocorreu um problema de ordem interna na organização do VI Congresso
Brasileiro de Geógrafos ­ Goiânia/2004, tendo como conseqüência que alguns dos
trabalhos expandidos, enviados e aceitos, não foram publicados nos anais. Por outro
lado, alguns autores enviaram apenas os resumos para serem publicados. Portanto,
ao verificar os resumos, percebemos que há trabalhos que entrariam em nossa
análise, já que trazem no título as palavras turismo ou excursionismo, mas que não
constam nos anais dos trabalhos expandidos.
Por ironia, dois dos trabalhos do projeto TERNOPAR foram enviados e
aceitos, mas não foram publicados. Por isso decidimos explicitar, a seguir, os títulos
dos trabalhos que estão no caderno de resumo do respectivo evento mas, que não
podem ser encontrados nem no CD e nem no sítio eletrônico da AGB nacional.
Procuramos saber se o problema seria solucionado, mas a resposta foi a seguinte:
Prezado Carlos, Ao final do VI CBG, alguns trabalhos q apresentaram problemas não foram
reenviados para a comissão organizadora, ficando de fora tanto do CD qto da versão on
line dos anais. Ainda temos esperança de relançar o CD do Congresso, incorporando pelo
menos parte desses trabalhos, mas ainda não há previsão se esse projeto poderá ser
concluído. Atenciosamente, Jorge Luís, Diretoria Nacional AGB (conforme Anexo A).

49

Número
Título
Eixo
1
O turismo em João Pessoa e a construção da imagem da cidade
I
2
A atividade turística em uma comunidade negra rural, Furnas do Dionísio,
I
Jaraguari - MS
3
Unidade de conservação, turismo e desenvolvimento regional: o caso do
II
Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari
4
A geração de resíduos sólidos e o projeto TERNOPAR ­ Turismo e
II
Excursionismo Rural no Norte do Paraná
5
Análise do ecoturismo no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, SC, sob a
II
ótica dos visitantes
6
Ecoturismo no domo de Itabaiana
II
7
O turismo no Parque Estadual da Serra do Bridageiro: a busca da
II
sustentabilidade
8
O desenvolvimento turístico e as excursões de segmentos de baixa renda:
V
reorganização e exclusão legítima em territórios turísticos de Cabo Frio ­ RJ
9
Espaço e manifestações populares: potencialidades turísticas nos municípios
V
do entorno do lago da UHE de Serra da Mesa
10
O projeto TERNOPAR ­ Turismo e Excursionismo Rural no Norte do Paraná
V
11
O turismo e os impactos ambientais no Maciço de Baturité: o caso do Município
V
de Guaramiranga
12
Turistificação de áreas rurais e desenvolvimento socioespacial na Zona da Mata
V
Norte de Pernambuco
13
Uma análise preliminar do patrimônio arqueológico da região de Chapada dos
V
Guimarães ­ Mato Grosso sob a perspectiva do turismo
14
Turismo de eventos e negócios na cidade de Sobral (CE): potencialidades de
V
desenvolvimento sócio-espacial
Quadro 6 ­ Título dos trabalhos de Geografia e turismo publicados apenas em forma de resumos, no
VI CBG Goiânia/2004. Fonte: AGB, 2004.

Temos então que 14 trabalhos não foram publicados nos anais do
CBG/2004 e por isso não puderam entrar na análise da nossa pesquisa. Certamente
que algumas falhas e problemas surgem quando um evento é organizado, ainda
mais se tratando de um evento nacional, como é o caso. Apesar da não publicação
dos trabalhos expandidos, há a possibilidade de consulta aos resumos, o que
possibilita um superficial entendimento do tema. Também estão contidos os e-mails
dos autores e, sendo assim, pode ocorrer uma comunicação com os mesmos, caso
exista interesse. De nossa parte, esperamos que o problema possa ser resolvido
para ao menos, ser possível a consulta pela internet dos artigos expandidos.
Justificamos que a escolha por não coletar os dados dos trabalhos não publicados,
para a nossa pesquisa, ficou por conta das possíveis restrições à interpretação
apenas dos resumos.

50

2.4 Os trabalhos analisados (fichas-resumo)

Para a elaboração do projeto desta monografia, uma outra, realizada no
mesmo departamento, o Departamento de Geociências da UEL, serviu de base para
sabermos como trabalharíamos os dados obtidos mediante a leitura dos trabalhos. A
monografia de Tavares (1995) verificou todos os trabalhos de conclusão de curso
defendidos no departamento, até o ano de sua realização. Na criação de suas
fichas-resumo o autor trabalhou com dados diferentes, por exemplo, ele verificou a
presença de quadros, tabelas e mapas em cada uma das monografias. Foi com
base nesse trabalho que estabelecemos o modelo da nossa ficha-resumo.
Com a elaboração deste material foi possível, ao mesmo tempo em que
fazíamos a leitura dos trabalhos sobre turismo de acordo com a abordagem
geográfica, fazermos anotações pertinentes para auxiliar a posterior análise. As
fichas-resumo originais (Anexo B), continham, além das informações presentes nas
que aqui publicamos, comentários nossos sobre cada um dos textos. Tais
comentários, no entanto, serviram mais de base para a reflexão, sendo dispensável
a publicação dos mesmos.
Com relação ao conteúdo destas fichas, temos, além do título do trabalho,
os autores; a instituição pesquisadora; a natureza da pesquisa; a localidade
estudada; o evento apresentado; o eixo-temático no qual o trabalho pode ser
encontrado nos anais dos eventos; o sub-eixo temático com classificação elaborada
por nós e explicada detalhadamente no capítulo 4; e as palavras-chave. Quanto aos
autores, houve dificuldade em diferenciá-los entre estudantes e orientadores, como
pretendíamos, a princípio, já que em muitos dos trabalhos essa informação não pode

51

ser localizada. Com relação às palavras-chave, escolhemos aquelas que não estão
presentes nos títulos, porque consideramos que estando nos títulos elas já servem
de referência para o entendimento do trabalho, e novas palavras aumentam a gama
de informações para a análise. A seguir, temos as fichas-resumo de todos os
trabalhos por nós abordados.

Titulo: A crescente atração pelo agroturismo e seu desenvolvimento em Uberlândia (MG)

1

Autores: Thaís M. Carvalho de Souza / Roberta M. Ambrósio Rodrigues
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: F2

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Uberlândia (MG)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: planejamento sustentável ­ potencialidades ­ agroturismo ­
infra-estrutura turística

Titulo: Degradação ambiental e turismo na vila de Encantadas (Ilha do Mel/PR): um
enfoque a partir da água

2

Autores: Cláudio J. de Oliveira Estves / Francisco Mendonça
Instituição:
UFPR
Sub-eixo
temático: C1g

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
Ilha do Mel (PR)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: indústria do turismo ­ impactos ­ especulação imobiliária ­
uso do solo

Titulo: Formação de condutores locais de ecoturismo no Parque Estadual de Itapuã (RS)
experiência de um curso
Autores: Josiane F. Fontana / João Luiz Nicolodi / Shaula M. V. Sampaio
Instituição:
Natureza da pesquisa:
Localidade estudada:
UFRGS
Não consta
Parque Estadual de Itapuã (RS)
Sub-eixo
temático: B3

3

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: educação ambiental ­ visitação pública ­ comunidade local

52

Titulo: Impactos ambientais no espaço turístico de Porto Seguro ­ extremo sul da Bahia
Autores: Ednice de Oliveira Fontes
Instituição:
UESC
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Não consta
Palavras-chave: turismo
segregação espacial

4

Localidade estudada:
Porto Seguro (BA)
massificado

­

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
sustentabilidade ambiental ­

Titulo: Interdisciplinaridade entre geografia e turismo para valorização do patrimônio
5
natural e cultural: um estudo de caso no distrito de Cuiabá, Gouveia (MG)
Autores: Júlia Furati
Instituição:
Natureza da pesquisa:
Localidade estudada:
Evento
apresentado:
Newton Paiva
Graduação
Gouveia (MG)
ENG/Eixo I
Sub-eixo
Palavras-chave: ecoturismo ­ turismo sustentável ­ relação geografia ­
temático: B3
turismo
Titulo: Natureza e turismo em São Pedro do Sul (RS)
Autores: Elsbeth L. S. Becker / Edir Lúcia Besognin / Lúcia Isaia
Instituição:
UNIFRA
Sub-eixo
temático: F4

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
São Pedro do Sul (RS)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: paisagens turísticas ­ fósseis animais ­ Barão Friederich von
Huene

Titulo: O clima do Nordeste do Brasil: das limitações às potencialidades turísticas
Autores: Andrews J. de Lucena / Ana Maria de P. M. Brandão
Instituição:
UFRJ
Sub-eixo
temático: F5

6

Natureza da pesquisa:
Graduação

7

Localidade estudada:
Região Nordeste

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: estudos climáticos ­ turismo no litoral ­ sustentabilidade ­
diversidade geoambiental

Titulo: O potencial ecoturístico do Parque Estadual da Pedra Branca (RJ)

8

Autores: Vivian Castilho da Costa / Flávia A. de Oliveira / Wilde I. Ferreira
Instituição:
UFRJ
Sub-eixo
temático: F3

Natureza da pesquisa:
graduação

Localidade estudada:
Evento
apresentado:
Parque Estadual da Pedra
Branca (RJ)
ENG/Eixo I
Palavras-chave: educação ambiental ­ trilhas interpretativas ­ dados
cartográficos ­ capacidade de carga

Titulo: O turismo em busca do desenvolvimento sustentável
Autores: Jucilene Galvão
Instituição:
UNESP
Sub-eixo
temático: F6

Natureza da pesquisa:
Mestrado

Localidade estudada:
Nenhuma

9

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: exploração turística ­ conservação ambiental ­ ecoturismo planejamento

53

Titulo: O turismo rural na região serrana fluminense: um estudo de caso ­ São Pedro da
Serra

10

Autores: Caroline B. Natal
Instituição:
UERJ
Sub-eixo
temático: C2

Natureza da pesquisa:
Graduação
Palavras-chave:
urbanização

Localidade estudada:
Nova Friburgo (RJ)

modernização

agrícola

­

atividades

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
não-agrícolas -

Titulo: Perfil do turista ­ Parque Nacional da Serra do Cipó
Autores: Rita Cássia Isaac
Instituição:
Não consta
Sub-eixo
temático: E3

11

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Evento
apresentado:
Parque Nacional da Serra do
Cipó (MG)
ENG/Eixo I
Palavras-chave: preservação ­ planejamento ­ sustentabilidade ­ impactos
ambientais

Titulo: Turismo em áreas de usinas hidrelétricas: uma análise dos impactos socioambientais na bacia do rio Araguaria (MG)

12

Autores: Luciano Z. P. Canidotto / Beatriz R. Carrijo
Instituição:
UNIOESTE
Sub-eixo
temático: C3

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Evento
apresentado:
Região do Triângulo Mineiro
(MG)
ENG/Eixo I
Palavras-chave: transformações sócioespaciais ­ planejamento ­ pequena
escala ­ turismo sustentável

Titulo: Turismo em Campos do Jordão (SP) ­ considerações sobre o papel do parque
estadual

13

Autores: Patrícia Martinelli / Roberto Braga
Instituição:
UNESP
Sub-eixo
temático: E3

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Campos do Jordão (SP)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: turismo de natureza ­ turismo de elite ­ fluxos de visitação ­
população local

Titulo: Turismo no Araguaia
Autores: Fabio C. de Souza / Maria Geralda de Almeida
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: C3

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Rio Araguaia (GO)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: urbanização ­ objeto turístico ­ segunda residência ­ lei para
navegação

Titulo: Turismo no espaço rural: conservação e perspectivas
Autores: Maria da G. S. da Silva / Maria A. M. Vargas
Instituição:
UFS
Sub-eixo
temático: C2

14

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Bonito (PE)

15

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: conservação ­ ecoturismo ­ educação ambiental ­ recursos
naturais

54

Titulo: Turismo sertanejo: um estudo das potencialidades turísticas do município de
Currais Novos (RN)

16

Autores: Tatiana de L. Corrêa / Anelino F. da Silva
Instituição:
UFRN
Sub-eixo
temático: F2

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Currais Novos (RN)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo I
Palavras-chave: paisagem ­ cultura sertaneja ­ patrimônio histórico

Titulo: O desenvolvimento do turismo no litoral norte do Rio Grande do Norte: o caso de
Maracajaú (RN)

17

Autores: Luciene de Vasconcelos Casado
Instituição:
UFRN
Sub-eixo
temático: A1

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Maxaranguape (RN)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: planejamento ­ empreendimentos privados - espacialidade

Titulo: A atividade turística e a reprodução do espaço litorâneo no cumbuco-caucaia (CE)
Autores: Maria E. dos S. Vieira
Instituição:
Não consta
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
Caucaia (CE)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: capital imobiliário ­ vocação turística ­ PRODETUR/NE ­
marketing turístico

Titulo: A indústria do turismo: o caso da festa do peão de Jardinópolis
Autores: Maria C. Gonçalves
Instituição:
USP
Sub-eixo
temático: C2

18

Natureza da pesquisa:
Graduação

19

Localidade estudada:
Jardinópolis (SP)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: espacialidade ­ espetáculo ­ industrialização do lugar ­
cultura

Titulo: A região de Garanhuns e a difusão da função turística: uma abordagem geográfica

20

Autores: Carlos R. C. Ubirajara
Instituição:
UFPE
Sub-eixo
temático: C2

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Garanhuns (PE)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: interiorização do turismo ­ espaço geográfico ­ dinâmica
regional ­ clima

55

Titulo: Algumas considerações teórico-metodológicas sobre a abordagem geográfica do
turismo

21

Autores: Roberto O. Paixão / Álvaro C. Pollero
Instituição:
USP
Sub-eixo
temático: B6

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II

Palavras-chave: ambientes turísticos ­ filosofia

Titulo: As festas religiosas nos distritos de Uberlândia (MG) e sua inserção como atração
turística da cidade

22

Autores: Roger Lima e Alves / Rossevelt José Santos
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: D2

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Uberlândia (MG)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: cultura ­ fluxo de turistas ­ rural/urbano ­ tradições

Titulo: Atividade turística no município de Martinópolis (SP): diagnóstico da demanda da
área pública da represa Laranja Doce

23

Autores: Bethânia A. de Menezes / Claudemira A. Ito
Instituição:
UNESP
Sub-eixo
temático: E4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Martinópolis (SP)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: infra-estrutura ­ excursionistas ­ perfil ­ lazer

Titulo: A atividade turística no Pantanal e as transformações no mundo do trabalho
Autores: Edvaldo César Moretti
Instituição:
UFMS
Sub-eixo
temático: C3

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Pantanal

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: período técnico-científico ­ jornada de trabalho ­ mercado
global ­ colonização

Titulo: Caldas Novas: o marketing turístico e a sua verdadeira origem geológica
Autores: Thaís Pereira / Renato Duarte / Nadia C. dos Santos
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: B4

24

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Caldas Novas (GO)

25

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: maquetes educativas ­ geomorfologia ­ propaganda do
turismo

56

Titulo: Coco e cocô: turismo e saneamento básico em Baía formosa (RN)
Autores: Josidalva I. de Brito / Edan B. de Oliveira Filho
Instituição:
UFRN
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
graduação

Localidade estudada:
Baía Formosa (RN)

26
Evento
apresentado:
ENG/Eixo II

Palavras-chave: infra-estrutura ­ lei orgânica ­ saúde pública

Titulo: diagnóstico sócio-econômico-cultural dos turistas em visita a Chapada dos
Guimarães (MT)

27

Autores: Hugo J. S. Werle
Instituição:
UFMT
Sub-eixo
temático: E1

Natureza da pesquisa:
Doutorado

Localidade estudada:
Chapada dos Guimarães (MT)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: sítio arqueológico ­ informação ­ atrativos turísticos

Titulo: Ecoturismo: uma questão de topofilia com o bioma caatinga
Autores: Paulo Rogério Gonçalves Pontes
Instituição:
UNEB
Sub-eixo
temático: D1

Natureza da pesquisa:
Especialização

Localidade estudada:
Paulo Afonso (BA)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: percepção ambiental ­ Rio São Francisco ­ subjetividade ­
desenvolvimento sustentável

Titulo: Explorando possibilidades do conceito de região em geografia do turismo
Autores: Nilson Crocia
Instituição:
UFPE
Sub-eixo
temático: B6

Natureza da pesquisa:
Não consta

Sub-eixo
temático: D4

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: redes urbanas ­ regiões hierárquicas ­ identidade regional ­
resorts

Natureza da pesquisa:
Graduação

Sub-eixo
temático: C3

30

Localidade estudada:
Cachoeira (BA)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: geografia cultural ­ atrativos turísticos ­ história

Titulo: Geografia e turismo no paraíso das águas: o caso de Bonito (MS)
Autores: Milton A. P. Mariani
Instituição:
UCDB

29

Localidade estudada:
nenhuma

Titulo: Festas populares: sua importância turística para a cidade de Cachoeira (BA)
Autores: Maria das G. Bispo de Jesus / Maria E. P. Costa
Instituição:
UFBA

28

Natureza da pesquisa:
Doutorado

Localidade estudada:
Bonito (MS)

31

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: ciências sociais ­ poder público ­ iniciativa privada ­
população local

57

Titulo: Hospitalidade e consumo do espaço como desafio do processo produtivo do
turismo
Autores: Álvaro C. Pollero
Instituição:
USP
Sub-eixo
temático: B6

Natureza da pesquisa:
Doutorado

32

Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: urbanização turística ­ imagem turística ­ cidadão anfitriã ­
planejamento

Titulo: Identificação e caracterização dos recursos naturais e potencialidades turísticas do
Rio Araguari nos distritos de Uberlêndia (MG)

33

Autores: Rodrigo B. de Andrade / Rossevelt J. Santos
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: F4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Uberlândia (MG)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: ecoturismo ­ paisagem ­ preservação ambiental ­ impactos
ambientais

Titulo: Levantamento e mapeamento dos eventos turísticos culturais de Uberlândia: a
inserção de duas festas populares como uma proposta de turismo alternativo

34

Autores: Guilherme C. Melazo / Rossevelt J. Santos
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: F4

Natureza da pesquisa:
graduação

Localidade estudada:
Uberlândia (MG)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: indústria do turismo ­ espetacularização ­ mercantilização
cultural ­ turismo de eventos

Titulo: A modernidade no Rio de Janeiro: construção de um cenário para o turismo
Autores: Marcello de B. T. Machado
Instituição:
Não consta
Sub-eixo
temático: A1

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Rio de Janeiro (RJ)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: cartão postal ­ construção da paisagem ­ cidade moderna

Titulo: Natal (RN): a transformação do território sob a influência do turismo
Autores: Josué A. Bezerra / Rita de C. da Conceição Gomes
Instituição:
UFRN
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Graduação

Sub-eixo
temático: D5

36

Localidade estudada:
Natal (RN)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: infra-estrutura ­ políticas públicas ­ reubanização ­ Projeto
Rota do Sol

Titulo: O espaço da cultura no turismo em Minas Gerais (MG)
Autores: Ana Lucy O. Freire
Instituição:
PUC (MG)

35

Natureza da pesquisa:
Profissional acadêmico

Localidade estudada:
Minas Gerais

37

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: folclore ­ civilização ­ bens não-materiais ­ barroco

58

Titulo: O setor informal x turismo: uma abordagem sobre o comércio ambulante praiano
em Natal (RN)

38

Autores: Rosana Silva de França
Instituição:
UFRN
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Natal (RN)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: turistificação ­ marginalidade ­ perfil dos ambulantes

Titulo: O turismo e o lazer GLS e sua manifestações em Uberlândia
Autores: Ana Flávia A. Canuto / Andréa D. Nascimento / Juliana Bridi / Otávio F. Calfat
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: E4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Uberlândia (MG)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: segmentação do turismo ­ preconceito ­ tolerância ­
demanda turística

Titulo: O turismo e o turista em Paulo Afonso (BA)
Autores: Sergio L. M. de Azevedo / Catia C. S. de Azevedo
Instituição:
UNEB
Sub-eixo
temático: E4

Natureza da pesquisa:
Especialização

Sub-eixo
temático: E1

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: paisagem ­ esportes radicais ­ turismo de eventos ­ turismo
local

Natureza da pesquisa:
Graduação

Sub-eixo
temático: A6

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: atrativos turísticos ­ turismo individual ­ sinalização turística

Natureza da pesquisa:
mestrado

Sub-eixo
temático: C6

42

Localidade estudada:
nenhuma

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: subemprego ­ sustentabilidade ­ políticas de turismo ­
população local

Titulo: Pluriatividade e produção familiar no Brasil: o exemplo do agroturismo
Autores: Ana R. do Vale
Instituição:
UNESP

41

Localidade estudada:
Rio de Janeiro (RJ)

Titulo: Planejamento governamental e turismo sob o olhar da sociedade local
Autores: Maria dos S. de Andrade / Eustógio W. C. Dantas
Instituição:
UFC

40

Localidade estudada:
Paulo Afonso (BA)

Titulo: Perfil do turista estrangeiro: o exemplo da cidade do Rio de Janeiro
Autores: Raquel M. Colombiano / Miguel A. Ribeiro
Instituição:
UERJ

39

Natureza da pesquisa:
Doutorado

Localidade estudada:
nenhuma

43

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: atividade não-agrícola ­ ruralidade ­ tradições ­ empregos

59

Titulo: Política territorial e turismo no Parque Nacional do Lençóis Maranhenses
Autores: Márcia P. Costa / Antônio J. de A. Ferreira
Instituição:
UFMA
Sub-eixo
temático: A3

Natureza da pesquisa:
Graduação

44

Localidade estudada:
Lençóis Maranhenses (MA)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: mercado ecológico ­ planejamento ­ infra-estrutura ­
desenvolvimento sustentável

Titulo: Políticas públicas e a atividade turística no Mato Grosso do Sul
Autores: Wanderson Júnior da S. Marques / Edvaldo César Moretti
Instituição:
UFMS
Sub-eixo
temático: A5

Natureza da pesquisa:
Graduação

45

Localidade estudada:
Mato Grosso do Sul

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: urbanização ­ natureza ­ sustentabilidade ­ paisagem

Titulo: Resultados preliminares dos estudos de localização do patrimônio arqueológico nas
diferentes formas de relevo do município de Chapada dos Guimarães associado às
potencialidades turísticas
Autores: Magno Silvestri / Hugo J. S. Werle / Peter Zeilhofer
Instituição:
UFMT
Sub-eixo
temático: F3

Natureza da pesquisa:
graduação

Localidade estudada:
Chapada dos Guimarães (MT)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: turismo cultural ­ arte rupestre ­ informação ­ Parque
Nacional de Chapada dos Guimarães

Titulo: Territorialidade do turismo em espaço rural e desenvolvimento local na Bahia
Autores: Telma M. S. dos Santos
Instituição:
UEFS
Sub-eixo
temático: A5

Natureza da pesquisa:
Não consta

Sub-eixo
temático: F4

47

Localidade estudada:
Bahia

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: urbanização ­ atividade não-agrícolas ­ agroturismo

Titulo: Tipos de turismo em Goiânia e seus atrativos principais
Autores: Ivolnaldo F. Duarte / A. M. Silva / D. A. Silva / Maria Geralda de Almeida
Instituição:
UFG

46

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Goiânia (GO)

48
Evento
apresentado:
ENG/Eixo II

Palavras-chave: lazer ­ eventos ­ infra-estrutura ­ cidade

Titulo: Trilhas e atalhos do `mercado do trabalho' no turismo: entre o formal e o informal no
RN

49

Autores: Anieres B. da Silva / Valdenido P. da Silva / Rita de C. da C. Gomes
Instituição:
UFRN
Sub-eixo
temático: C5

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Rio Grande do Norte

Palavras-chave: fordismo ­ turistificação ­ ambulantes

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II

60

Titulo: Turismo de praia ­ inquietações geográficas
Autores: Antonio C. Castrogiovanni
Instituição:
PUC(RS) e
UFRGS
Sub-eixo
temático: D6

Natureza da pesquisa:
Doutorado

50

Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: imagem ­ produto turístico ­ pós-modernidade ­ mídia ­ nãolugar

Titulo: Turismo e identidade espacial em Água de Lindóia (SP) ­ contribuições para o
planejamento espacial do turismo

51

Autores: Eduardo B. Destro
Instituição:
USP
Sub-eixo
temático: A4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Águas de Lindóia (SP)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: estância turística ­ radioatividade ­ plano diretor ­ águas
termais

Titulo: Turismo e imaginário regional: o caso do Pantanal Matogrossossense no desfile de
carnaval

52

Autores: Christian D. M. de Oliveira
Instituição:
UFMS
Sub-eixo
temático: D3

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Pantanal

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: manifestação cultural ­ mito ­ simbolismo ­ publicidade

Titulo: Turismo e sociedade
Autores: Célia C. Atkinson
Instituição:
UNIJUÍ
Sub-eixo
temático: C4

53

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Evento
apresentado:
Noroeste do Estado do Rio
Grande do Sul
ENG/Eixo II
Palavras-chave: transformações espaciais ­ escala global ­ tecnociência ­
mercadoria

Titulo: Turismo étnico em Curitiba e região metropolitana: uma questão de identidade
Autores: Valquiria Renk
Instituição:
PUC (PR)
Sub-eixo
temático: D4

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Curitiba (PR)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: cultura pluriétnica ­ planejamento ­ sustentabilidade ­
globalização

Titulo: Turismo religioso: um estudo sobre a cidade de Pirenópolis ­ Goiás
Autores: Sarita de Moura
Instituição:
UNESP
Sub-eixo
temático: D4

54

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Pirenópolis (GO)

Palavras-chave: sagrado ­ profano ­ folclore ­ cultura

55
Evento
apresentado:
ENG/Eixo II

61

Titulo: Turismo rural: uma alternativa de desenvolvimento no campo?
Autores: Arlete M. Silva / Maria Geralda de Almeida
Instituição:
Natureza da pesquisa:
Localidade estudada:
UFG
Mestrado
UFG
Sub-eixo
temático: C6

56

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: urbanização ­ desenvolvimento local ­ motivação turística

Titulo: Turismo, território e políticas públicas ­ o caso de Beberibe (CE)
Autores: Maria L. S. A. Saraiva / Luiz Cruz Lima
Instituição:
UECE
Sub-eixo
temático: A4

Natureza da pesquisa:
Mestrado

57

Localidade estudada:
Beberibe (CE)

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: planejamento ­ participação popular ­ concorrência global

Titulo: Turistas e trabalhadores de verão: mobilidade e território
Autores: Helton Ricardo Ouriques
Instituição:
UNESP
Sub-eixo
temático: C6

Natureza da pesquisa:
doutorado

58

Localidade estudada:
nenhuma

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: mercadoria ­ migração ­ territorialidade ­ trabalhador
ambulante

Titulo: Viagem de redescoberta das paisagens litorâneas da região metropolitana do
Recife através do turismo geocientífico ­ o litoral norte

59

Autores: Paulo T. M. Filho / Matheus W. R. do Nascimento / Edvânia T. A. Gomes
Instituição:
UFPE
Sub-eixo
temático: B5

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Pernambuco

Evento
apresentado:
ENG/Eixo II
Palavras-chave: roteiro turístico ­ aspectos físicos ­ integração universidade sociedade

Titulo: Turismo pedagógico: a terceirização das excursões didáticas
Autores: Antonio J. V. A da Silva
Instituição:
Professor da
rede municipal
de ensino do
Recife (PE)
Sub-eixo
temático: B5

Natureza da pesquisa:
Sem vínculo acadêmico

Localidade estudada:
Pernambuco

60
Evento
apresentado:
ENG/Eixo IV

Palavras-chave: geografia turística ­ globalização ­ interdisciplinaridade ­
educação ambiental

Titulo: Mapeamento
geoprocessamento

turístico

da

cidade

de

Uberlândia

utilizando

técnicas

de

61

Autores: José F. Moreira / Alessandra S. Rodrigues / Maria A. de Almeida
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: A4g

Natureza da pesquisa:
especialização
Palavras-chave:
potencialidades

turismo

Localidade estudada:
Uberlândia (MG)
de

negócios

­

Evento
apresentado:
ENG/Eixo V
planejamento ­ ArcView ­

62

Titulo: A atividade turística e a redefinição espacial em Anaurilândia (MS), após a
construção da usina hidrelétrica engenheiro Sérgio Motta
Autores: Débora C. M. Ocon / Edvaldo C. Moretti
Instituição:
Natureza da pesquisa:
Localidade estudada:
UFMS
Graduação
Anaurilândia (MS)
Sub-eixo
temático: C4

62

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I

Palavras-chave: urbanização ­ legislação ­ privatização

Titulo: A geografia da função turística no litoral de Baía da Traição (PB) a Tibau do Sul
(RN)

63

Autores: Luciana P. Viegas
Instituição:
UFPE
Sub-eixo
temático: A1

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Região Nordeste

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I
Palavras-chave: paisagem ­ infra-estrutura ­ sustentabilidade ­ planejamento

Titulo: Agricultura e turismo na rodovia "Teresópolis-Friburgo": uma relação cultural e
interdependente

64

Autores: Bruno H. de Azevedo
Instituição:
UERJ
Sub-eixo
temático: C2

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Evento
apresentado:
Rodovia Teresópolis-Friburgo
(RJ)
CBG/Eixo I
Palavras-chave: paisagem cultural ­ agricultura familiar ­ revolução verde ­
ruralidades

Titulo: Considerações sobre a geografia do turismo cultural no Rio de Janeiro
Autores: Raquel M. Colombiano
Instituição:
UERJ
Sub-eixo
temático: D1

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Rio de Janeiro (RJ)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I
Palavras-chave: patrimônio histórico ­ relações culturais ­ lugar turístico ­
centro urbano

Titulo: Difusão do turismo no município de Tibau do Sul (RN): impactos no espaço urbano
Autores: Clarisse V. F. de M. Lima / Fabiana dos S. Firmino / Luís H. de Souza
Instituição:
UFPE
Sub-eixo
temático: C1g

65

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Tibau do Sul (RN)

66

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I
Palavras-chave: zoneamento urbano ­ geoprocessamento ­ Vila de Pipa ­
hospedagem

63

Titulo: Espacialização e importância das praças na estância turística Ilha Solteira (SP)

67

Autores: Lílian A. C. Dourado
Instituição:
UFMS
Sub-eixo
temático: F4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Ilha Solteira (SP)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I
Palavras-chave: urbanização ­ lazer ­ cotidiano ­ arborização urbana

Titulo: Geografia e turismo, processo de criação e remodelação de paisagens e espaços,
enfoques e perspectivas sobre São José do Rio Preto (SP)

68

Autores: Abdre L. de A. Borelli / Claudemira A. Ito
Instituição:
UNESP
Sub-eixo
temático: C4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
São José do Rio Preto (SP)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I
Palavras-chave: planejamento ­ demanda hoteleira ­ negócios ­ impactos
sócio-ambientais

Titulo: O processo de ocupação do litoral sul de João Pessoa (PB): a expansão urbana e
turística e os impactos sócio-ambientais

69

Autores: Alzeni G. da Silva
Instituição:
UFPB
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
João Pessoa (PB)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I
Palavras-chave: especulação imobiliária ­ espaço turístico ­ população local ­
planejamento

Titulo: O turismo e as transformações socioambientais na dinâmica espacial litorânea: o
caso de Cano Quebrada (CE)

70

Autores: Márcia M. dos Santos / Maria G. de Almeida
Instituição:
UFPE
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Mestrado

Localidade estudada:
Canoa Quebrada (CE)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I
Palavras-chave: desenvolvimento turístico ­ paraíso ­ não-lugar ­ ocupação
desordenada

Titulo: O turismo rural na região metropolitana de Goiânia: as especificidades do turismo
rural

71

Autores: Arlete M. da Silva
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: D2

Natureza da pesquisa:
Mestrado

Localidade estudada:
Goiânia (GO)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I
Palavras-chave: globalização ­ modo de vida rural ­ desenvolvimento local

64

Titulo: Turismo, urbanização e sustentabilidade econômica e sócio-ambiental em Vitória
(ES)

72

Autores: Ana Lucy O. Freire
Instituição:
UFES
Sub-eixo
temático: A1

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Vitória (ES)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo I
Palavras-chave: espaço urbano ­ sustentabilidade ­ políticas públicas ­ infra estrutura

Titulo: A atividade turística no município de Jardim (MS). A produção e o consumo da
natureza

73

Autores: Silvana A. L. Moretti
Instituição:
UEMS
Sub-eixo
temático: D3

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
Jardim (MS)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: globalização ­ imaginário social ­ turismo ecológico ­
mercadoria

Titulo: A atividade turística sob o discurso do desenvolvimento sustentável: uma análise da
reserva indígena de Dourados (MS)

74

Autores: Djanires L. de Jesus / Edvaldo C. Moretti
Instituição:
UFMS
Sub-eixo
temático: C4

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
Dourados (MS)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II

Palavras-chave: cultura ­ planejamento ­ etnia

Titulo: A expansão da atividade turística e seus reflexos nas paisagens do litoral
meridional da Paraíba

75

Autores: Rebeka A. dos Santos / Irineu C. da Silva Filho
Instituição:
UEPB
Sub-eixo
temático: C5

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Paraíba

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: indústria do turismo ­ fluxo turístico ­ especulação imobiliária

Titulo: Análise das paisagens litorâneas como ferramenta para o turismo sustentável: o
caso da prainha do Canto Verde (CE)

76

Autores: Erica S. Pontes / Edson V. da Silva
Instituição:
UECE
Sub-eixo
temático: A1g

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
Canto Verde (CE)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: planejamento ­ comunidade local ­ geossistemas

65

Titulo: Impactos ambientais do turismo
Autores: Aline C. Gonçalves / Ângelo Spoladore
Instituição:
UEL
Sub-eixo
temático: C6

Natureza da pesquisa:
Graduação

77
Localidade estudada:
nenhuma

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: planejamento ­ sustentabilidade ­ monitoramento ambiental ­
capacidade de carga

Titulo: Levantamento dos potenciais turísticos do município de Campo Verde (MT)
Autores: Eliete F. C. e Silva
Instituição:
UNEMAT
Sub-eixo
temático: F4

Natureza da pesquisa:
Não consta

78

Localidade estudada:
Campo Verde (MT)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: ecoturismo ­ paisagem ­ políticas públicas ­ aspectos físicos

Titulo: Mapeamento da degradação da qualidade da água, ocasionada pelo turismo, na
vila de Encantadas (Ilha do Mel - Pr)

79

Autores: Cláudio J. de O. Esteves / Janaína Martinez
Instituição:
UFPR
Sub-eixo
temático: C1g

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
Ilha do Mel (PR)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: mapeamento temático ­ uso do solo ­ fluxo turístico

Titulo: Mercantilização das amenidades geradas pelo reservatório emborcação e prática
do turismo e lazer em Três Ranchos (GO)

80

Autores: Clenilda E. Felipe / Rossevelt J. Santos
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: C4

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
Três Ranchos (GO)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II

Palavras-chave: paisagem ­ chácaras ­ infra-estrutura

Titulo: Modelagem de uma banco de dados geográficos para o pantanal de Cáceres (MT)
Autores: Sandra M. A. da S. Neves / Carla B. M. Cruz
Instituição:
UFRJ
Sub-eixo
temático: C3g

Natureza da pesquisa:
doutorado

Localidade estudada:
Cáeceres (MT)

81

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: geotecnologias ­ planejamento ­ mapeamento temático

66

Titulo: O turismo na Ilha dos Frades, um embate entre a legitimidade e a apropriação dos
seus recursos naturais

82

Autores: Robson O. Lins / José R. de S. Filho / Augusto M. Netto
Instituição:
UFBA
Sub-eixo
temático: A1g

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Salvador (BA)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: sustentabilidade ­ comunidade tradicional ­ ecoturismo ­
geoprocessamento

Titulo: O uso da imagem como estratégia para o consumo turístico
Autores: Telma M. S. dos Santos
Instituição:
UEFS
Sub-eixo
temático: D6

Natureza da pesquisa:
doutorado

83

Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: cotidiano ­ marketing ­ psicoesfera ­ consumo

Titulo: O uso do SIG como instrumento de planejamento do turismo: uma análise da
cidade da Catas Altas da Noruega ­ MG

84

Autores: Aline C. de Oliveira / Gilberto F. Moreira / Karoley L. Cunha / Josceany M. da Silva /
Fábio S. Oliveira / André L. L. de Faria / Elpídio I. F. Filho
Instituição:
UFV
Sub-eixo
temático: A4g

Natureza da pesquisa:
graduação

Localidade estudada:
Catas Altas da Noruega (MG)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: impactos ­ cartogramas digitais ­ patrimônio ambiental ­
ArcView

Titulo: Paisagem e (eco) turismo ­ uma discussão sobre a Serra de Itabaiana/SE
Autores: Luis C. de Menezes / Fernanda dos S. Cruz
Instituição:
UFS
Sub-eixo
temático: D3

Natureza da pesquisa:
Não consta
Palavras-chave:
subjetividade

85

Localidade estudada:
Serra de Itabaiana (SE)

sustentabilidade

­

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
preservacionismo ­ estética ­

Titulo: Redefinições sócio-espaciais na zona costeira: o veraneio e os empreendimentos
turísticos em Aquiraz (CE)

86

Autores: Alexandre Q. Pereira / Maria do C. Lima
Instituição:
UECE
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Aquiraz (CE)

Palavras-chave: mercadoria ­ capitalismo ­ subespaço

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II

67

Titulo: RPPN, ecoturismo, populações tradicionais e/ou residentes: dilemas de uma
política de áreas particulares protegidas

87

Autores: Isis M. C. Lustosa / Maria Geralda de Almeida
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: A6

Natureza da pesquisa:
Mestrado

Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: biodiversidade ­ educação ambiental ­ legislação ambiental

Titulo: Turismo e gestão ambiental: praias Catarina e Marina, estância turística de Ilha
Solteira (SP)

88

Autores: Micheli F. Martins / Conceição A. de Q. Gomes
Instituição:
UFMS
Sub-eixo
temático: A4

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Ilha Solteira (SP)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: sustentabilidade ­ planejamento ­ infra-estrutura

Titulo: Turismo e gestão ambiental em Três Lagoas (MS)
Autores: César G. da R. Lima / Vinicíus P. Belon
Instituição:
UFMS
Sub-eixo
temático: A4

Natureza da pesquisa:
Graduação

89

Localidade estudada:
Três Lagoas (MS)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: sustentabilidade ­ hidrografia ­ impactos ­ educação
ambiental

Titulo: Turismo em áreas naturais protegidas: o caso do parque estadual do cerrado no
Paraná

90

Autores: Cláudio J. de O. Esteves / Paulo C. Medeiros / Evandro Pinheiro / Ronaldo P. Trentini
Instituição:
UFPR
Sub-eixo
temático: C3

Natureza da pesquisa:
Mestrado

Localidade estudada:
Jaguariaíva (PR)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: ecoturismo ­ unidades de conservação ­ turismo sustentável

Titulo: Turismo rural sustentável na bacia do rio Araguari, município de Uberlândia ­ MG:
potencialidades e possibilidades

91

Autores: Flávio P. Barbosa
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: F4

Natureza da pesquisa:
graduação

Localidade estudada:
Uberlândia (MG)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: atividades não-agrícolas ­ população local ­ desenvolvimento

68

Titulo: Utilização de técnicas de geoprocessamento no diagnóstico e zoneamento da
densidade visual da paisagem da microbacia do córrego da Goiabeira ­ município de 92
Ewbank da Câmara-MG, como forma dinamizadora do planejamento turístico rural
Autores: Fabiano Sales / Maria E. F. de Souza / Moisés B. Moreira / Leonardo M. Cintra / Adenir
B. da Silva
Instituição:
CES
Sub-eixo
temático: A2g

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Ewbank da Câmara (MG)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo II
Palavras-chave: economia rural ­ sustentabilidade ­ SAGA/UFRJ

Titulo: A capacitação continuada para os professores do município de João Pessoa: o uso
da excursão como instrumento didático

93

Autores: Maria O. T. do Nascimento / Paulo R. de O. Rosa
Instituição:
UFPB
Sub-eixo
temático: B2

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
João Pessoa (PB)

Palavras-chave: Parâmetros
geograficidade ­ território

Curriculares

Nacionais

Titulo: A excursão como atividade didático-pedagógica
Autores: Elias J. L. Cruz / Maria O. T. do Nascimento / Paulo R. de O. Rosa
Instituição:
UFPB
Sub-eixo
temático: B1

Natureza da pesquisa:
Não consta

Sub-eixo
temático: D4

Evento
apresentado:
CBG/Eixo IV
Palavras-chave: mundo conceitual ­ meio real ­ paisagem ­ realidade vivida

Natureza da pesquisa:
Mestrado

Sub-eixo
temático: B6

95

Localidade estudada:
Goiânia (GO)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo IV
Palavras-chave: turismo cultural ­ lugar turístico ­ preservacionismo ­
segregação espacial

Titulo: Geografia e ecoturismo no ensino médio: é possível?
Autores: Leomar Tiradentes
Instituição:
UNESP

94

Localidade estudada:
João Pessoa (PB)

Titulo: Cultura e mercadização pelo turismo
Autores: Ivonaldo F. Duarte / Maria Geralda de Almeida
Instituição:
UFMS

Evento
apresentado:
CBG/Eixo IV
­ paisagem ­

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
nenhuma

96

Evento
apresentado:
CBG/Eixo IV
Palavras-chave: educação ­ interdisciplinaridade ­ sustentabilidade ­ espaço
rural

69

Titulo: Projeto turístico pedagógico na serra da Tiririca
Autores: Camila F. de Aquino / Diana F. Barbosa / Gizeli S. de O. / Leonardo de A. Almeida
Instituição:
UERJ
Sub-eixo
temático: B3

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Parque Estadual da Serra da
Tiririca (RJ)
Palavras-chave: psicologia ­ olhar turístico ­ paisagem

97

Evento
apresentado:
CBG/Eixo IV

Titulo: Quando o contexto social e ambiental do ecossistema manguezal invade a escola: 98
experiência de construção coletiva de programa de educação ambiental e ecoturismo em
escolas de Santa-Cruz e Mangue-Seco
Autores: Antonia B. R. Fattolillo / Ruth S. Marozesk / Idalina Amaral
Instituição:
Natureza da pesquisa:
Localidade estudada:
Evento
apresentado:
UFES
Não consta
Vitória (ES)
CBG/Eixo IV
Sub-eixo
Palavras-chave: ensino fundamental ­ sustentabilidade ­ guia ecológico
temático: B1
Titulo: A produção do espaço para o turismo no Parque Nacional da Serra da Canastra e
arredores, MG

99

Autores: Gelze S. de S. C. Rodrigues
Instituição:
UFU
Sub-eixo
temático: D3

Natureza da pesquisa:
Mestrado

Localidade estudada:
Evento
apresentado:
Parque Nacional da Serra da
Canastra (MG)
CBG/Eixo V
Palavras-chave: percepção ambiental ­ paisagem ­ ecoturismo ­ imagens

Titulo: A (re) produção espacial das atividades turísticas no porto das Dunas ­ Aquiraz ­
Ceará

100

Autores: Marília C. Mendes
Instituição:
UECE
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Fortaleza (CE)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: turistificação ­ economia mundial ­ especulação imobiliária

Titulo: Algumas considerações sobre as políticas públicas de turismo no Estado de Goiás
Autores: Romero ribeiro Barbosa / Maria G. de Almeida
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: A5

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Goiás

101

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: planejamento ­ cultura ­ EMBRATUR ­ objeto turístico

70

Titulo: As adversidades da urbanização turística do litoral de Ipojuca - PE: o caso de Porto
de Galinhas

102

Autores: Norberto F. de B. Júnior
Instituição:
UFPE
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Mestrado
Palavras-chave:
sustentabilidade

valorização

Localidade estudada:
Ipojuca (PE)
espacial

­

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
infra-estrutura ­ hotelaria ­

Titulo: As transformações sócio-espaciais decorrentes das atividades turísticas na região
costa do sol (Rio de Janeiro)

103

Autores: Marcelo B. de Castro / Gláucio José Marafon
Instituição:
UERJ
Sub-eixo
temático: C5

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Rio de Janeiro

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: planejamento ­ turistificação ­ questão fundiária

Titulo: Avaliação do corpo administrativo municipal como subsídio ao planejamento de
atividades turísticas nos municípios do entorno da UHE de Serra da Mesa

104

Autores: Camila R. de Oliveira / Eliana M. B. de Morais
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: A3

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Evento
apresentado:
Usina Hidrelétrica de Serra da
Mesa (GO)
CBG/Eixo V
Palavras-chave: infra-estrutura ­ produto turístico ­ marketing ­ Secretaria de
Turismo

Titulo: Configurações do turismo no espaço litorâneo cearense: análise dos impactos
vivenciados pela APA de Jericoacoara

105

Autores: Rosiane Freitas
Instituição:
UFC
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Jericoacoara (CE)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: planejamento ­ cultura ­ organização espacial ­ população
local

Titulo: Desenvolvimento e globalização: o turismo em Angra dos Reis (RJ) como recorte
analítico

106

Autores: Marcos R. O. de Lima
Instituição:
UERJ
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Angra dos Reis (RJ)

Palavras-chave: modernidade ­ território ­ local

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V

71

Titulo: Diagnóstico do patrimônio arqueológico da região de Chapada dos Guimarães ­
Mato Grosso sob a perspectiva do turismo

107

Autores: Magno silvestri / Hugo J. S. Werle
Instituição:
UFMT
Sub-eixo
temático: F3

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Chapada dos Guimarães (MT)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: ecoturismo ­ museu arqueológico ­ educação

Titulo: Discutindo o planejamento e a gestão do território: um enfoque no turismo
Autores: Fábio C. Braz
Instituição:
UEL
Sub-eixo
temático: A6

Natureza da pesquisa:
Graduação

108

Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: espaço turístico ­ questão ambiental ­ imaginário - cenário

Titulo: Enclaves turísticos: política e território na concepção dos resorts no litoral
nordestino

109

Autores: Marina J. de Miranda / Maria T. D. P. Luchiari
Instituição:
UNICAMP
Sub-eixo
temático: A5

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Região Nordeste

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: estado-nação ­ territorialidade ­ internacionalização ­
macroeconomia

Titulo: Estudo de qualificação da paisagem: uma prática desenvolvida como alunos de
turismo

110

Autores: José E. da silva
Instituição:
FAINTVISA
Sub-eixo
temático: B4

Natureza da pesquisa:
Não consta

Localidade estudada:
Campina e Vicência (PE)

Palavras-chave: relações sociais ­ semiologia ­ cartografia

Titulo: Existe o espaço turístico?
Autores: Antonio C. Castrogiovanni
Instituição:
UFRGS
Sub-eixo
temático: D6

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V

Natureza da pesquisa:
doutorado

111
Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: subjetividade ­ comunicação ­ turistificação ­ imagem

72

Titulo: Festa de Nossa Senhora da Penha: a prática religiosa e a inserção do turismo em
Corumbá de Goiás

112

Autores: Valkíria R. de Oliveira / Odiores de F. Borba
Instituição:
AEE
Sub-eixo
temático: D4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Corumbá de Goiás (GO)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: cultura ­ turismo de massa ­ paisagem ­ tradição

Titulo: O desenvolvimento do turismo no norte goiano: o caso de Minaçu (GO)
Autores: Eliana M. B. de Morais / Wagner P. de Morais
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: C4

Natureza da pesquisa:
Não consta
Palavras-chave:
planejamento

Localidade estudada:
Minaçu (GO)
­

ecoturismo

conservacionismo

­

113
Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
turismo rural ­

Titulo: O desenvolvimento turístico do litoral centro-norte de Santa Catarina e os novos
padrões de ocupação do espaço: o caso da Praia Brava ­ Itajaí (SC)

114

Autores: Cristiano Pickler / Raquel M. F. do A. Pereira
Instituição:
UNIVALI
Sub-eixo
temático: C1

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Itajaí (SC)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: organização espacial ­ urbanização ­ uso do solo ­ relações
sociais

Titulo: O turismo e a organização sócio-espacial dos municípios de Martins e Portalegre
Autores: Rosa M. R. Lopes / Rita de C. da C. Gomes
Instituição:
UFRN
Sub-eixo
temático: C4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Martins e Portalegre (RN)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V

Palavras-chave: território ­ planejamento ­ sustentabilidade

Titulo: O turismo em análise: crítica sobre o processo de cientificização do turismo
Autores: Marco A. M. Júnior
Instituição:
USP
Sub-eixo
temático: B6

Natureza da pesquisa:
Não consta

Sub-eixo
temático: C6

116

Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: planejamento ­ pós-modernidade ­ Jericoacora (CE)

Titulo: O turismo sexual na periferia do capitalismo
Autores: Helton R. Ouriques / Arlete M. Rodrigues
Instituição:
UFSC

115

Natureza da pesquisa:
Doutorado

Localidade estudada:
Nenhuma

117

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: colonialismo ­ burguesia nacional ­ Tailândia ­ perfil do
turista

73

Titulo: Perspectiva conceitual do turismo, do turista e de seu olhar sobre a paisagem como
elemento básico de sua compreensão

118

Autores: Sergio L. M. de Azevedo / Catia C. S. de Azevedo
Instituição:
UNEB
Sub-eixo
temático: E6

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: visitante ­ comportamento do turista ­ deslocamento espacial

Titulo: Políticas públicas de coleta seletiva de lixo no circuito de visibilidade turística de
Salvador-BA

119

Autores: Denise M. de J. Santos / Bárbara C. N. Silva
Instituição:
UFBA
Sub-eixo
temático: A1

Natureza da pesquisa:
mestrado

Localidade estudada:
Salvador (BA)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: imagem ­ revitalização ­ planejamento ­ seletividade
espacial

Titulo: Políticas públicas de turismo no extremo sul da Bahia: impactos e desafios
Autores: Ednice de O. Fontes
Instituição:
UFS
Sub-eixo
temático: A5

Natureza da pesquisa:
Doutorado

120

Localidade estudada:
Bahia

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: desenvolvimento ­ planejamento ­ indústria automobilística

Titulo: Redes de infra-estrutura, turismo e desenvolvimento sócio-espacial: uma análise da
formação histórico-territorial da Ilha de Mosqueiro, Pará ­ Amazônia - Brasil

121

Autores: Kleber dos S. Gomes / Maria A. F. Costa / Williame de O. Ribeiro
Instituição:
UFPA
Sub-eixo
temático: A4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Ilha de Mosqueiro (PA)

Palavras-chave: lazer ­ território ­ ecologia ­ urbanismo

Titulo: Reflexões sobre o turismo cultural: um estudo de caso em Campinaçu
Autores: Bruno C. Mesquita / Maria G. de Almeida
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: D4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Campinaçu (GO)

Sub-eixo
temático: C4

122
Evento
apresentado:
CBG/Eixo V

Palavras-chave: globalização ­ economicismo ­ patrimônio

Titulo: Turismo e espaço: da pousada ao Rio Quente Resorts
Autores: Lídia M. Pereira / Ycarim M. Barbosa
Instituição:
UCG

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Rio Quente (GO)

Palavras-chave: território ­ urbanização ­ marketing

123
Evento
apresentado:
CBG/Eixo V

74

Titulo: Turismo aventura, esportes radicais e ecoturismo: estratégias de preservação
ambiental das cachoeiras de Guarda-Mór/MG

124

Autores: Eudis de A. Tavares
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: A3

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Guarda-Mór (MG)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: ambientalismo ­ unidades de conservação ­ legislação
ambiental

Titulo: Turismo e produção artesanal: uma leitura preliminar nos municípios do entorno do
lago da UHE de Serra da Mesa

125

Autores: Cristiane de A. Fernandes / Maria G. de Almeida
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: D4

Natureza da pesquisa:
graduação

Localidade estudada:
Evento
apresentado:
Usina Hidrelétrica de Serra da
Mesa (GO)
CBG/Eixo V
Palavras-chave: turismo cultural ­ simbolismo ­ globalização

Titulo: Turismo e cultura: a produção do espaço geográfico na reserva Francisco Horto
Barbosa, em Dourados ­ MS

126

Autores: Adriano C. Cabreira / Edvaldo C. Moretti
Instituição:
UFMS
Sub-eixo
temático: D4

Natureza da pesquisa:
Graduação

Localidade estudada:
Dourados (MS)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: etnoturismo ­ tradição ­ mercantilização cultural

Titulo: Turismo e espaço rural no município de Campinaçu ­ GO
Autores: Alexsander B. e Silva / Alessandra T. Cerqueira / Maria G. de Almeida
Instituição:
UFG
Sub-eixo
temático: F4

Natureza da pesquisa:
graduação

Localidade estudada:
Campinaçu (GO)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: pluriatividade ­ desenvolvimento ­ infra-estrutura

Titulo: Turismo & planejamento participativo: reflexões sobre a realidade cearense
Autores: Rosiane Freitas / César Pinheiro
Instituição:
UFC
Sub-eixo
temático: A5

Natureza da pesquisa:
mestrado

Sub-eixo
temático: D6

128

Localidade estudada:
Ceará

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: epistemologia ­ turistificação ­ trabalho ­ desenvolvimento
sustentável

Titulo: Turismo e território
Autores: Lucélia N. Pinto / Wânia C. F. Cunha
Instituição:
UEG

127

Natureza da pesquisa:
especialização

129
Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: mercantilização ­ desenvolvimento sustentável ­ marketing

75

Titulo: Turismo e trabalho no município de Dourados ­ MS: estudo de caso
Autores: Lidiane A. Costa / Edvaldo C. Moretti
Instituição:
Natureza da pesquisa:
Localidade estudada:
UFMS
Graduação
Dourados (MS)
Sub-eixo
temático: C4

Palavras-chave:
subproletarização

turismo

agrícola

­

130

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
desenvolvimento regional ­

Titulo: Turismo rural: uma alternativa para a dinamização da economia da região sudoeste
do Paraná

131

Autores: Sandra M. Brasil
Instituição:
ESAP
Sub-eixo
temático: A2

Natureza da pesquisa:
Especialização

Localidade estudada:
Sudoeste do Estado do Paraná

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: turismo local ­ planejamento ­ desenvolvimento regional

Titulo: Turismo sustentável na APA de Balbino: fatos e feições de um espaço litorâneo
cearense

132

Autores: Mardineuson A. de Sera / Aldo A. D. da Silva
Instituição:
UFRN
Sub-eixo
temático: C3

Natureza da pesquisa:
Mestrado

Localidade estudada:
Cascavel (CE)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: população local ­ ecoturismo comunitário ­ territorialidades

Titulo: Turismo, patrimônio e novas territorialidades em Ouro Preto ­ MG
Autores: Gabrielle Cifelli
Instituição:
UNICAMP
Sub-eixo
temático: D4

Natureza da pesquisa:
mestrado

133

Localidade estudada:
Ouro Preto (MG)

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V

Palavras-chave: cultura ­ refuncionalização ­ cidadania

Titulo: Uma metodologia para o desenvolvimento turístico em áreas rurais
Autores: Janes T. Lavonetti / Antonio P. Torres
Instituição:
UFBA
Sub-eixo
temático: B6

Natureza da pesquisa:
Não consta

134

Localidade estudada:
Nenhuma

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
Palavras-chave: ambientalismo ­ planejamento ­ método DELPHI

Titulo: Urbanização, turismo e lazer no litoral central do Ceará: riscos e degradação
ambiental em análise

135

Autores: Marcelo M. M. F. / Geísa do Nascimento / Maria de L.C.Neta / Elizângela B.C. /
Anatanino T. da Costa / Mercelo de O.Moura / Alex F.Pires / Vanda C. Sales
Instituição:
UFC
Sub-eixo
temático: C5

Natureza da pesquisa:
graduação
Palavras-chave:
deslitoralização

uso

Localidade estudada:
Ceará
do

solo

­

infra-estrutura

­

Evento
apresentado:
CBG/Eixo V
sustentabilidade ­

76

Nos dois capítulos iniciais abordamos a história da geografia do turismo e
alguns trabalhos atualmente realizados, além das críticas que estimularam esta
monografia. Também pudemos conferir uma breve história da AGB e relacioná-la
com o papel que os encontros nacionais da entidade vêm tendo, para
estabelecermos um primeiro panorama geral da relação desses encontros com a
análise dos trabalhos de geografia do turismo em relação à evolução do pensamento
geográfico brasileiro.
Temos consciência que nossos resultados serão sempre parciais, na
medida em que optamos por dois eventos, porém estamos convictos que estas
análises poderão contribuir no caminho árduo que é o do entendimento das novas
dinâmicas do espaço geográfico, neste início de século XXI. Por isso, a seguir, a
análise ocorrerá com três focos: as instituições pesquisadoras, os locais estudados;
e os níveis de estudo do trabalho (graduação; especialização; mestrado; doutorado
etc...). Posteriormente, analisaremos os trabalhos de geografia do turismo divididos
em sub-eixos temáticos procurando relacioná-los com categorias e conceitos do
pensamento geográfico.

77

3 Instituições pesquisadoras, locais estudados e natureza dos trabalhos

Certas áreas do país vêm sendo estudadas em profundidade, embora com metodologias
diferentes, nos últimos cinqüenta anos e já são relativamente conhecidas; em outras áreas,
porém, como o Nordeste Ocidental, o Norte e grande parte do Centro-Oeste só agora
começam a se desenvolver instituições geográficas que necessitam uma mais rápida
intensificação. Acreditamos que a AGB tem um grande papel a desempenhar na
intensificação dos estudos e pesquisas dessas áreas, procurando acabar ou pelo menos
atenuar as desigualdades regionais do conhecimento geográfico (ANDRADE,1994, p.77)

A história do território brasileiro é realizada de maneira seletiva, com pontos
e manchas de desenvolvimento e presença maior de técnicas, sendo que, após a
década de 1970, este território vem conhecendo ações que são tentativas da
realização efetiva de uma verdadeira integração nacional. O desenvolvimento dos
transportes e sobretudo das redes de telecomunicação tem aumentado essa
possibilidade.
O que encontramos a seguir, neste capítulo 3, é a mostra dos estudos
geográficos sobre o turismo nacional, manifestado de maneira multifacetada, seja
pelas diversidades dos meios naturais ou dos grupos sociais encontradas em nosso
país, diferenças essas refletidas em disparidades no uso do território. Assim, o
turismo toma dimensão nacional, mas ao mesmo tempo possui grandes
particularidades locais, o que configura um desafio às políticas públicas destinadas
ao setor. Temos então dinamismo das áreas turísticas nacionais, sendo que locais
conhecidos historicamente como de destacado uso turístico têm dado lugar a novos
locais escolhidos pelos visitantes.
Essa nova função do espaço geográfico foi motivo de pesquisas
apresentadas nos dois eventos que esta monografia analisa. Contou com vasto
número de instituições, níveis diferenciados de pesquisa e com boa variedade de
locais estudados, apontando uma Geografia preocupada em estudar o turismo e

78

possibilitando-nos realizar assim um panorama da geografia do turismo em território
nacional.

3.1 As instituições pesquisadoras

Nesta primeira divisão, de acordo com a produção sobre o tema turismo
tratado pela Geografia por instituição pesquisadora, percebemos que há boa
diversidade, o que corresponde a uma variedade interessante refletida nos lugares
estudados, já que a maioria dos artigos pesquisa lugares próximos à instituição.
Temos um total de 47 diferentes instituições, a maioria pública, sendo que dois
trabalhos pesquisaram dois locais ao mesmo tempo.
Tabela 1 ­ Números de trabalhos apresentados por instituições, nos eventos ENG/2002 e CBG/2004
Número de
Instituição
trabalhos
Instituição
Número de trabalhos
UFG
12
PUC (PR)
1
UFMS
11
UESC
1
UFU
10
Unicentro Newton Paiva
1
UFRN
8
PUC (MG)
1
UNESP
8
PUC (RS) / UFRGS
1
UFPE
7
UNIJUÍ
1
UERJ
7
UCDB
1
USP
5
UNIFRA
1
UFC
4
UFV
1
UECE
4
UFSC
1
UFMT
3
UNEMAT
1
UNEB
3
UNIVALI
1
UFRJ
3
UEPB
1
UFBA
3
UEG
1
UFS
3
UCG
1
UFPR
3
UEMS
1
UFPB
3
UFPA
1
UEL
2
UFBA
1
UNICAMP
2
ESAP
1
UFES
2
FAINTVISA
1
UFRGS
2
CES
1
UEFS
2
AEE
1
UFMA
1
S/ Vínculo acadêmico
1
UNIOESTE
1
Não consta
3
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

79

Tabela 2 ­ Localização das instituições por região brasileira
Região onde estão localizadas as instituições
Número de instituições na região
pesquisadoras
Nordeste
13
Sudeste
12
Sul
11
Centro-Oeste
9
Norte
1
Trabalho sem vínculo acadêmico
1
Não consta
3
Total
50
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Neste contexto, temos que a UFG (Universidade Federal de Goiás)
correspondeu a 8,95% dos trabalhos sobre turismo, contando ambos os eventos.
Interessante notar que dos 12 trabalhos, nove foram orientados pela professora
Maria Geralda de Almeida. A Usina Hidrelétrica de Serra da Mesa, local abordado
devido ao crescimento da atividade turística em torno do lago represado, foi
abordada levando-se em conta os impactos sociais, além das modificações nos
valores paisagísticos. No total, são sete artigos de graduação, dois não identificados
e outros três de mestrado. Desses últimos, dois enfocam o turismo rural como fator
de desenvolvimento do campo e eventuais potencialidades desse tipo de turismo na
zona rural de Goiânia (GO). O terceiro priorizou a questão do ecoturismo em áreas
particulares protegidas, contestando algumas das posições adotadas pelo Instituto
Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) com
relação às políticas adotadas para a população residente em tais áreas.
A UFMS (Universidade Federal do Mato Grosso do Sul) contou com dois
trabalhos de mestrado, seis de graduação e três não identificados. Os da pósgraduação são de caráter crítico, um analisando o folclore dentro das práticas do
turismo cultural em Goiânia (GO), e o outro, que é orientado por Edvaldo César
Moretti, faz crítica ao uso do termo desenvolvimento sustentável para fins políticos e,
analisando o município de Dourados (MS), chega até à reserva indígena do

80

município, como eventual `pólo de turismo etno-cultural indígena'. Esse professor
ainda orientou quatro trabalhos da graduação, que abordaram a legislação
ambiental, a situação da mão-de-obra do turismo, a questão do planejamento e da
gestão ambiental, destacando em todos, as transformações geradas pelo ou para o
turismo. Dois dos artigos não identificados analisaram o Pantanal Matogrossense,
levando em consideração as manifestações culturais e simbólicas na produção do
lugar para o turista.
As publicações da UFU (Universidade Federal de Uberlândia) somam 10, ou
7,46% do total, e em sua maioria são trabalhos de graduação. Quanto aos artigos do
mestrado, que são dois, encontramos um que enfoca o olhar do turista sobre a
paisagem da Serra da Canastra (MG) como fator que gera uma produção do espaço
para a atividade turística, estimulando a percepção ambiental e trabalhando com as
representações mentais. O

segundo

aborda os impactos da

segregação

socioespacial, gerados após o `(re) ordenamento do território' para o turismo, no
balneário

de

Três

Ranchos

(GO).



também

uma

especialização

em

geoprocessamento que propõe um mapeamento turístico de Uberlândia (MG) para
fins de planejamento e administração pública, com o uso do software ArcView. Não
podemos deixar de mencionar o trabalho de graduação que pesquisou o turismo
GLS e suas manifestações em Uberlândia (MG). Sem dúvida é um trabalho diferente
e que procurou abordar a questão do preconceito, também destacando que é uma
segmentação que vem proporcionando lucros aos hotéis, casas noturnas e agências
de turismo.
A UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) publicou oito
trabalhos contando os dois eventos, sendo um de mestrado, seis de graduação e um
não identificado. Em sua maioria, se preocuparam com o crescimento do turismo no

81

litoral, destacando a falta de planejamento, de infra-estrutura e também a rápida
evolução do turismo na região costeira do estado. O mestrado abordou uma área de
proteção ambiental no litoral cearense, onde há uma luta dos moradores locais
contra a especulação imobiliária e por um turismo menos predatório na região,
chegando ao termo `ecoturismo comunitário'. O interior do estado do Rio Grande do
Norte e sua paisagem sertaneja, caracterizada pelo processo de desertificação da
região, foi também alvo de estudo de um outro artigo. Finalmente, encontramos uma
pesquisa que enfocou o setor informal e o setor formal da economia urbana de Natal
(RN), abordando o comércio ambulante e sua diferenciação entre os períodos diurno
e noturno nas praias da cidade.
Por sua vez, a UNESP (Universidade Estadual Paulista) teve oito
publicações nos eventos. Não distinguimos aqui os diferentes campi da instituição, já
que foi uma prática usada para todas as instituições. Constatamos quatro trabalhos
de graduação, dois de mestrado e dois de doutorado. No entanto, esses dois últimos
não correspondem diretamente à tese, e sim a trabalhos realizados durante o
período de estudo. Esse é o caso do artigo de Helton Ricardo Ouriques (autor citado
por nós no item 1.3 deste trabalho), que abordou a mobilidade e o território de
acordo com os trabalhadores sazonais do turismo. Um dos mestrados analisou a
educação do ensino médio com a Geografia e o turismo, e o outro se preocupou em
discutir o que é desenvolvimento relacionando-o com os aspectos do turismo.
Ambos se encontravam em andamento. Os demais trabalhos analisaram as cidades
de Campos do Jordão (SP), Martinópolis (SP), Pirenópolis (GO) e São José do Rio
Preto (SP).
A pesquisa sem vínculo acadêmico é de um professor da rede municipal de
ensino da cidade do Recife, Estado de Pernambuco, e que investigou junto às

82

agências de turismo da cidade o turismo pedagógico e escolar, chegando à
conclusão de uma terceirização dos trabalhos extraclasse, ou seja, os trabalhos de
campo, antes propostos por professores de Geografia e realizados pelas escolas,
mas que agora surgem vinculados às agências de turismo para operacionalização
das viagens. O autor expõe que essa relação demonstra a flexibilidade gerada pelo
setor de serviços, crescente no final do século XX e início do século XXI.
Pensamos ser um caso que requer atenção e ressalvas, já que modifica o
modo como os trabalhos de campo são realizados nas escolas. Pois, se a
organização destas `aulas' ficar a cargo das agências pode ocorrer um processo de
mercantilização dessa atividade, a aula de campo, o que sem dúvida prejudicaria o
êxito dos objetivos pensados pelos professores. Afinal, planejar o roteiro e selecionar
os locais para serem observados devem ser tarefas realizadas pelos professores.
Assim, esta terceirização não aponta para caminhos positivos se realizada sem total
supervisão das escolas envolvidas.
Observando a tabela das instituições por região brasileira, percebemos que
apesar da maioria estudar locais próximos à mesma, notamos algumas contradições
ao verificarmos a tabela 2 do item 3.2. Por exemplo, a região Sul que apesar de
contar com 11 instituições possui apenas nove locais estudados. Ressaltamos então
que a diversidade, tanto das instituições como de seus objetos de estudos,
contribuirão certamente para reflexões posteriores para o entendimento do turismo
de acordo com a abordagem geográfica.
Com relação às outras instituições, consideramos positivo o fato da
atividade turística ser estudada por diversas entidades, que podem destacar,
eventualmente, características mais especificas de certos lugares, apresentando

83

leituras regionais ou não, acerca do turismo e de seus objetos e ações no espaço
geográfico em questão.

3.2 Os locais estudados

"Uma preocupação com o entendimento das diferenciações regionais e com novo
dinamismo das suas relações tem norteado particularmente a busca de uma interpretação
geográfica da sociedade brasileira" (SANTOS e SILVEIRA, 2002, p.22)

Nosso desafio para o item 3.2 é o de interpretar os trabalhos analisados,
procurando saber como a atividade turística tem ocorrido para a (re)elaboração do
espaço geográfico. Pretendemos verificar a dimensão nacional da atividade turística
e os olhares geográficos sobre o território nacional usado pelo turismo. Assim,
buscaremos neste item realizar o exercício de chegar a considerações que
contribuam para a análise geográfica, apesar de todos os reducionismos contidos
nesta expressão.

3.2.1 As regiões estudadas

Com relação às regiões brasileiras, não causa surpresa ser o Nordeste a
região mais estudada, já que é o principal destino de turistas, sejam eles nacionais
ou, e principalmente, internacionais, correspondendo então aos pontos luminosos
para a rede hoteleira internacional que vem crescendo, ainda mais no que diz
respeito aos resorts, símbolo das novas modalidades oferecidas para o turismo
(SANTOS e SILVEIRA, 2002, p.236). O que não significa necessariamente um ponto
positivo, tamanha dependência dessas áreas de atração em relação ao capital
internacional.

84

A seguir podemos conferir o número de trabalhos por região, além do
número de trabalhos que não abordaram um lugar em específico:

Tabela 3 ­ Locais estudados divididos pelas regiões brasileiras
Região
Total de trabalhos
Nordeste
41
Sudeste
34
Centro-Oeste
30
Sul
9
Norte
1
Nenhum lugar específico
20
Total
135
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Adiante, veremos que dentro das regiões encontramos uma considerável
variedade de lugares estudados, o que indica uma dispersão de pontos cuja
atividade turística mereceu a preocupação de pesquisas geográficas. Se quisermos
comparar o número de trabalhos por região, com a região das instituições
pesquisadoras ­ tabela 2 do item 3.1 - temos certa semelhança, como no exemplo
da região Norte, que tem uma instituição e um local estudado, justamente pela
mesma. Entretanto, como já afirmamos anteriormente, não segue mesma lógica a
análise acerca da região Sul já que não aponta para uma mesma proporção como
das outras regiões.
Para esta constatação, da diversidade dos lugares estudados, o único
contraponto deve ser dispensado ao município de Uberlândia (MG), que contou com
sete trabalhos dedicados ao estudo do turismo no local, mostrando que o Instituto de
Geociências da UFU (Universidade Federal de Uberlândia) se preocupou em
analisar a atividade turística e suas relações com o município, sendo que
encontramos trabalhos acerca dos distritos e também do perímetro urbano de
Uberlândia.

85

Podemos ainda citar algumas áreas cujo turismo tem se destacado, e que
por isso poderíamos esperar mais trabalhos sobre o tema, como é o caso da cidade
do Rio de Janeiro (RJ), com três trabalhos, a cidade de Porto Seguro (BA), com
apenas um trabalho e a cidade de Pirenópolis (GO), com um único trabalho também.
Outras localidades sequer apareceram em nossas pesquisas, como é o caso de Foz
do Iguaçu (PR), área de interesse turístico internacional.
Sobre os trabalhos que não tratam de um lugar específico, que somam 20 e
assim superam as análises feitas na região Sul e na região Norte, estes abordaram o
turismo sem algum estudo de caso específico e sim procurando formular questões
mais gerais acerca do tema, o que sem dúvida é necessário e deve ser feito. Afinal,
a abstração é a base da construção das teorias e é também, necessária para o
próprio uso destas mesmas teorias para o entendimento de um objeto científico, que
no nosso caso é atividade turística e seus desdobramentos quanto aos impactos
geográficos. No entanto, como neste item o nosso objetivo é comentar as
localidades estudadas, os trabalhos que trataram o tema de forma mais geral são
abordados em outros itens de nossa monografia.
De qualquer forma, a seguir colocamos os lugares estudados em cada
região, interpretando como foram investigados pelos pesquisadores geográficos.
Lembramos que as fichas-resumo indicam que do número 1 ao 61 são os artigos
publicados no ENG/2002 e do número 62 ao 135 são as pesquisas publicadas no
CBG/2004.

3.2.2 Os trabalhos da região Nordeste

Como escrevemos há pouco, já era esperado que os trabalhos tivessem em
sua maioria preocupações com a região Nordeste, por ser a região de maior

86

destaque no Brasil quanto à atividade turística. O turismo sol e praia é a maior
atração no país, tanto pelas próprias características paisagísticas do litoral e,
especificamente, as águas mais quentes das praias nordestinas, quanto pela
propaganda que há tempos prioriza este tipo de turismo. No entanto, nem todas as
averiguações destinaram-se ao turismo litorâneo, apontando para uma segmentação
de outros tipos de turismo no interior de alguns dos estados nordestinos. A tabela 4
mostra todos os locais pesquisados na região Nordeste:

Tabela 4 ­ Locais estudados da região Nordeste
Locais estudados na região Nordeste
Total de trabalhos
Região Nordeste
3
João Pessoa (PB)
3
Estado de Pernambuco (PE)
2
Estado do Ceará
2
Estado da Bahia
2
Paulo Afonso (BA)
2
Salvador (BA)
2
Natal (RN)
2
Lençóis Maranhenses (MA)
1
Bonito (PE)
1
Ipojuca (PE)
1
Campina/Vicência (PE)
1
Garanhuns (PE)
1
Estado da Paraíba
1
Serra de Itabaiana (SE)
1
Porto Seguro (BA)
1
Cachoeira (BA)
1
Estado do Rio Grande do Norte
1
Currais Novos (RN)
1
Martins/Portalegre (RN)
1
Baía Formosa (RN)
1
Maxaranguape (RN)
1
Tibau do Sul (RN)
1
Cascavel (CE)
1
Caucaia (CE)
1
Aquiraz (CE)
1
Beberibe (CE)
1
Canoa Quebrada (CE)
1
Prainha do Canto Verde (CE)
1
Jericoacoara (CE)
1
Fortaleza (CE)
1
Total
41
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Ficha-Resumo
7; 63; 109
69; 93; 94
59; 60
128; 135
47; 120
28; 40
82; 119
36; 38
44
15
102
110
20
75
85
4
30
49
16
115
26
17
66
132
18
86
57
70
76
105
100
41

87

A grande quantidade dos lugares estudados foi considerável e está assim
distribuída, de acordo com cada estado: 10 trabalhos sobre locais do Ceará; oito
pesquisas sobre lugares na Bahia e oito no Rio Grande do Norte; o Pernambuco
recebeu seis artigos; a Paraíba contou com quatro; e os Estados de Sergipe e
Maranhão foram analisados em apenas um trabalho para cada um.
Ainda tivemos três trabalhos sobre o Nordeste salientaram a importância da
região como atração internacional para o turismo, ocorrendo então uma
internacionalização deste território de acordo com as lógicas internacionais de um
grande fluxo de capitais. Um dos artigos tratou da necessidade de descentralização
do turismo litorâneo na região, já que se perdem assim oportunidades de verificar as
diversidades climáticas e ambientais que a mesma possui. O de número 63 estudou
uma área mais específica do litoral, que vai de Baía da Traição (PB) até Tibau do Sul
(RN), e como analisou o PRODETUR/NE, foi classificado por nós como preocupado
com as políticas públicas que envolvem a região Nordeste como um todo.
A capital do Estado da Paraíba, João Pessoa, foi abordada em três estudos,
sendo que dois enfatizaram a excursão como instrumento didático. Indagamos aqui
se não é apenas mais um nome dado aos tradicionais trabalhos de campo presentes
nos estudos de Geografia desde o ensino fundamental. O terceiro analisou o
processo de urbanização do litoral sul de João Pessoa, análise esta direcionada aos
problemas como a especulação imobiliária, ausência de planejamento e os
conseqüentes impactos ambientais e sobretudo sociais que estas ações podem
gerar, como é o caso da expulsão da população local devido à elevação do preço da
terra.
O Estado da Bahia, alvo de dois trabalhos, foi pesquisado sob a ótica das
políticas públicas de turismo e os impactos no extremo sul do Estado, além da

88

presença do agroturismo em algumas áreas no interior baiano. A cidade de Salvador
recebeu abordagens semelhantes, já que os dois trabalhos enfatizaram as
exclusões que algumas áreas têm recebido: a Ilha do Frades, localizada na Baía de
Todos os Santos e que não recebe número significativo de turistas, por não se
enquadrar no perfil de turismo litorâneo e ser mais propícia ao ecoturismo; já a
cidade de Salvador propriamente dita, é acusada de impor uma seletividade
espacial, ou seja, revitalizar áreas voltadas para o turismo, além da política pública
de coleta seletiva de lixo funcionar melhor nestas mesmas áreas.
Ainda na Bahia temos os trabalhos sobre o município de Paulo Afonso e o
turismo ligado ao rio São Francisco. Em um deles foi pesquisado o perfil do turista
que freqüenta o local, mostrando o destaque que os esportes radicais têm ali. O
outro artigo destaca-se pela abordagem aproximada da Geografia Humanista,
quando enfoca a percepção ambiental acerca da caatinga e, o ecoturismo e sua
importância para o respeito aos ambientes naturais, sendo considerada uma
questão de topofilia pelo autor, que segue assim as idéias do geógrafo Yi-Fu Tuan.
O Estado do Ceará recebeu conteúdo crítico quanto à falta de efetivação do
planejamento, que gera entre outros impactos, a expulsão da população local e
degradação ambiental da área turistificada. Por sua vez, a cidade de Natal (RN),
alvo de duas pesquisas, foi vista sob duas perspectivas: as transformações
territoriais principalmente após 1990, embora não deixando de considerar os
primeiros objetos construídos, como o caso da Via Costeira, que serviram de base
para as futuras ações públicas ali ocorridas; e a perspectiva do trabalho formal
versus o trabalho informal, este sendo representado pelo comércio ambulante. As
idéias deste último trabalho foram pautadas nos dois circuitos existentes no espaço
dividido, segundo Milton Santos.

89

Tratando especificamente do Estado de Pernambuco, duas pesquisas
abordaram a possibilidade de educação através do turismo, ora chamado de
pedagógico ora de geocientífico, sendo em ambos privilegiados os aspectos
paisagísticos

no

processo

educacional.

Continuando

no

mesmo

estado,

encontramos dois trabalhos que salientaram a existência de um turismo rural, tanto
no município de Garanhuns como no de Bonito, ocorrendo assim uma interiorização
da atividade turística. Os outros dois enfocaram os temas da educação e dos
impactos da atividade.
Os locais abordados em apenas um trabalho foram, no caso dos pertencentes
ao Estado do Rio Grande do Norte, abordados quanto às transformações
socioespaciais geradas após 1990. Três deles são: o de Baía Formosa, que fez
relação direta da atividade com o problema do saneamento básico do local; o de
Maxaranguape que enfatizou o crescimento dos empreendimentos privados com a
valorização do lugar pelo turismo; e o trabalho sobre o município de Currais Novos,
classificado pelo Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR) como de paisagem
sertaneja, sendo então salientadas as potencialidades locais, nem sempre
conhecidas pela maioria dos turistas que freqüentam esse estado, já que buscam os
atrativos litorâneos.
A presença de turistas estrangeiros no Estado do Ceará foi o objeto principal
dos estudos de localidades pertencentes ao mesmo. Críticas foram elaboradas pelas
pesquisas, que mostraram que, tanto as transformações territoriais quanto as
modificações culturais através do grande capital, foram e continuam sendo
características marcantes da atividade turística neste estado. Assim, Jericoacoara,
Fortaleza, Canoa Quebrada, Caucaia e Cascavel, foram estudadas enquanto locus
de interesse internacional.

90

Finalmente, cabem comentários sobre mais três locais abordados no
Nordeste: Porto Seguro (BA), local "clássico" do turismo massificado, é discutido
enquanto um crescimento de fluxo e de população incoerente com a infra-estrutura
urbana oferecida; o Estado do Sergipe que contou com uma localidade, a Serra de
Itabaiana, enquanto local de possibilidade do ecoturismo e desenvolvimento de
subjetividades; e o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, Estado do
Maranhão, que vêm cada vez mais atraindo visitantes e gerando necessidade de
pensar o lugar para não descaracterizá-lo.

3.2.3 Os trabalhos da região Sudeste

A região Sudeste representa para o Brasil uma área de concentração das
novas tecnologias, das redes de informação, do setor de serviços e também das
atividades industriais, tanto que Santos e Silveira (2002) a denominaram de Região
Concentrada, somando-se ainda os três estados da região Sul. Sobressai-se o eixo
Rio de Janeiro ­ São Paulo como área onde a concentração é ainda mais intensa.
Dessa forma, a região Sudeste concentra também um número mais elevado de
instituições de ensino superior, sendo que no item 3.1 pudemos conferir que 12
instituições diferentes abordaram o tema do turismo partindo de um olhar geográfico.
Já destacamos no item 3.1 a UFU (Universidade Federal de Uberlândia) pela
quantidade de trabalhos apresentados nos eventos. Também anteriormente citamos
o município como o que teve maior número de trabalhos, sete. E os temas variaram:
festas religiosas nos distritos do município;

levantamento de

eventos e

potencialidades da cidade no que diz respeito à atratividade turística, com destaque
para o rio Araguari e a possibilidade do ecoturismo; o agroturismo e o turismo rural

91

inseridos nas atratividades econômicas de Uberlândia, além dos dois artigos já
mencionados no item 3.1: o uso de geoprocessamento para mapeamento turístico e
o lazer GLS manifestando-se na cidade.

Tabela 5 ­ Locais estudados da região Sudeste
Locais estudados na região Sudeste
Total de trabalhos
Uberlândia (MG)

7

Rio de Janeiro (RJ)
Ilha Solteira (SP)
Vitória (ES)
Parque Nacional da Serra do Cipó (MG)
Parque Nacional da Serra da Canastra (MG)
Guarda-Mór (MG)
Estado de Minas Gerais
Catas Altas da Noruega (MG)
Região do Triângulo Mineiro (MG)
Gouveia (MG)
Ewbank da Câmara (MG)
Ouro Preto (MG)
Estado do Rio de Janeiro
Parque Estadual da Pedra Branca (RJ)
Parque Estadual da Serra da Tiririca (RJ)
Angra dos Reis (RJ)
Rodovia Teresópolis-Friburgo (RJ)
Nova Friburgo (RJ)
Martinópolis (SP)
Jardinópolis (SP)
Águas de Lindóia (SP)
São José do Rio Preto (SP)
Campos do Jordão (SP)
Total
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

3
2
2
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
34

Ficha-Resumo
1; 22; 33; 34; 39;
61; 91
35; 41; 65
67; 88
72; 98
11
99
124
37
84
12
5
92
133
103
8
97
106
64
10
23
19
51
68
13
34

Dentro da região Sudeste, encontramos o Estado de Minas Gerais e suas
localidades sendo alvo de 16 trabalhos sobre o tema; o Estado do Rio de Janeiro
com nove; o Estado de São Paulo com sete e, por último, o Estado do Espírito Santo
com dois trabalhos dedicados ao tema e que por sinal concentraram-se na capital,
Vitória. A tabela 5 traz detalhadamente os locais estudados na referida região. Cabe
observar que a ordem dos mesmos está de acordo com o número de trabalhos para

92

cada lugar, sendo que aqueles com uma pesquisa apenas estão próximos aos
pertencentes ao mesmo estado.
Apesar de não ter tido um número elevado de trabalhos, a cidade do Rio de
Janeiro (RJ) foi analisada em três pesquisas. Em duas delas o enfoque ficou por
conta do caráter cultural da cidade, seus pontos turísticos e a ausência de lugares
degradados nos roteiros turísticos, fato este entendido como opção mercadológica
para não manchar a `Cidade Maravilhosa'. O centro urbano estaria passando por um
processo de refuncionalização para valorização do patrimônio histórico nele contido.
O terceiro trabalho enfatizou a presença do turista estrangeiro, as sinalizações
turísticas existentes na cidade para os mesmos e apresentou algumas melhorias
feitas no espaço urbano para o turismo.
Os dois artigos sobre Vitória (ES) mostraram a preocupação com o processo
de urbanização da cidade e as conseqüências para o ecossistema de manguezais,
praticamente extintos após a expansão da malha urbana. Um dos trabalhos mostrou
as ações que vêm ocorrendo em escolas de ensino fundamental para aliar o
ecoturismo aos projetos educacionais acerca da conservação ambiental, dando
ênfase justamente aos impactos gerados nos manguezais. O outro texto avaliou as
políticas públicas do governo municipal que têm priorizado a revitalização de áreas
para fins turísticos.
A estância turística de Ilha Solteira (SP) localizada no extremo noroeste do
Estado de São Paulo foi trabalhada sob duas perspectivas: o lazer dos moradores
através das praças existentes na cidade, que somam 14 no total e dão exemplo da
cidade planejada de acordo com o interesse dos construtores da Usina Hidrelétrica
de Ilha Solteira. A segunda abordou justamente a área em torno do lago da usina e

93

que vem recebendo número cada vez maior de turistas e excursionistas, gerando
necessidade de planejamento e gestão preocupados com esse fluxo.
Os demais trabalhos dos locais do Estado do Rio de Janeiro enfatizaram: as
transformações no mundo rural fluminense e o turismo como uma das atividades
não-agrícolas presente na nova ruralidade; as áreas de proteção ambiental, Parque
Estadual da Pedra Branca e o Parque Estadual da Serra da Tiririca, como locais de
educação ambiental e também do aprendizado de observação da paisagem,
valendo-se de conceitos da psicologia pra tal realização; os impactos do turismo em
Angra dos Reis; e a falta de planejamento para o uso turístico do litoral fluminense,
denominado de Costa do Sol.
O Estado de São Paulo contou com outros trabalhos também: a cidade de
São José do Rio Preto e sua função turística destinada aos negócios e à saúde;
Jardinópolis e a festa do peão gerando transformações espaciais no local; a cidade
de Martinópolis e a represa Laranja Doce como local de lazer para a população de
renda média-baixa, salientando a importância do tempo livre para estes
trabalhadores; o caso de Águas de Lindóia que antes do crescimento da medicina
era procurada como local para cura e relaxamento, através de suas águas termais, e
que atualmente tem como função turística o turismo de eventos; finalmente, a
segregação do espaço turístico na cidade de Campos do Jordão, cuja forma de
vivenciar o espaço turístico varia de acordo com o poder financeiro dos viajantes,
configurando assim formas diferentes de fazer turismo.
O Estado de Minas Gerais contou com um número superior aos demais
Estados da região Sudeste e apresentou perspectivas e abordagens interessantes
acerca da atividade turística: um dos trabalhos salientou que a idéia das férias
"clássicas", ou seja, aquelas de fim de ano coincidentes com as férias escolares,

94

acabou. Atualmente, o turismo pode ser realizado em qualquer parte do ano, o que
modifica o valor atribuído às viagens e que gera novos significados às mesmas; a
cidade de Ouro Preto foi alvo das preocupações com o patrimônio cultural e o fluxo
de turistas, além dos interesses imobiliários nestas áreas de valor histórico; a região
do Triângulo Mineiro que contém usinas hidrelétricas foi pesquisada justamente
pelos impactos gerados pelas usinas e com o conseqüente uso dos lagos
represados para fins turísticos e de lazer; as áreas de proteção ambiental, tanto o
Parque Nacional da Serra da Canastra (onde está localizada a nascente do rio São
Francisco), como o Parque Nacional da Serra do Cipó, foram investigadas sob a
perspectiva da educação ambiental e do perfil dos turistas que visitam os locais; por
último, os municípios de Ewbank da Câmara e o de Catas Altas da Noruega
contaram com técnicas de geoprocessamento para diagnósticos e zoneamentos
turísticos, que podem servir de base para o planejamento local de ambas as
localidades.

3.2.4 Os trabalhos da região Centro-Oeste

A região Centro-Oeste aparece com 30 trabalhos que analisaram lugares
turísticos da região, demonstrando que as pesquisas preocuparam-se em abordar os
problemas ou possibilidades benéficas que a atividade do turismo tem gerado. Os
artigos sobre o município de Dourados (MS) acompanharam as idéias do orientador,
Edvaldo César Moretti, já citado no item 3.1 e que também esteve na comunicação
coordenada do CBG/2004 discutindo a produção científica geográfica acerca do
turismo. Assim, abordaram as modificações culturais e territoriais que vêm ocorrendo
no município com as visitações. Mais especificamente, um desses trabalhos verificou

95

a situação dos trabalhadores nos locais turísticos, outro abordou o etnoturismo em
uma reserva indígena e o último defendeu que o termo desenvolvimento sustentável
tem sido usado como instrumento político e não para o planejamento. A tabela 6
indica os locais estudados no Centro-Oeste:

Tabela 6 ­ Locais estudados da região Centro-Oeste
Locais estudados na região Centro-Oeste
Total de trabalhos
Goiânia (GO)
3
Chapada dos Guimarães (MT)
3
Dourados (MS)
3
UHE Serra da Mesa (GO)
2
Campinaçu (GO)
2
Pantanal
2
Caldas Novas (GO)
1
Rio Quente (GO)
1
Corumbá de Goiás (GO)
1
Pirenópolis (GO)
1
Três Ranchos (GO)
1
Estado de Goiás
1
Estado do Mato Grosso do Sul
1
Três Lagoas (MS)
1
Anaurilândia (MS)
1
Bonito (MS)
1
Jardim (MS)
1
Rio Araguaia (GO)
1
Minaçu (GO)
1
Cáceres (MT)
1
Campo Verde (MT)
1
Total
30
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Ficha-Resumo
48; 71; 95
27;46; 107
74; 126; 130
104; 125
122; 127
24; 52
25
123
112
55
80
101
45
89
62
31
73
14
113
81
78
30

A cidade de Goiânia (GO) recebeu atenção especial em três pesquisas, todas
elas orientados pela professora Maria Geralda de Almeida, autora já comentada
nesta monografia. As preocupações foram, de certa maneira, variadas, já que um
dos artigos caracterizou outros tipos de turismo na cidade que não necessariamente
dizem respeito ao ócio e lazer, como é o caso dos turismos de negócio, de saúde ou
ainda de eventos, gerando controvérsias quanto ao entendimento do turismo apenas
enquanto modalidade do lazer. O segundo trabalho abordou as especificidades do
turismo rural na área metropolitana de Goiânia sob a ótica dos turistas e também dos

96

proprietários de estabelecimentos. Finalmente, o terceiro criticou o uso do termo
desenvolvimento sustentável e sua incapacidade de possibilitar idéias e ações para
um turismo que não seja vendido como espetáculo, prejudicando assim o folclore e
as culturas locais.
Um ponto turístico muito conhecido é a Chapada dos Guimarães (MT) já que
a paisagem e as características físicas da região são de uma beleza que merecem
realmente destaque. Os três trabalhos sobre o local foram coordenados pelo
professor Hugo José Scheurer Werle e procuraram em um primeiro momento,
diagnosticar quem são os turistas que visitam a localidade. Também pesquisaram
acerca do patrimônio arqueológico presente no Parque Nacional de Chapada dos
Guimarães e relacionaram a presença deste patrimônio enquanto possibilidade de
um turismo cultural e não apenas como visitas alienadas ao conhecimento que é
possível obter e, pior que isso, estas visitas além de não valorizarem contribuem
para a degradação ambiental.
Patrimônio da humanidade reconhecido pela UNESCO, o Pantanal foi alvo de
duas pesquisas, ambas apresentadas no ENG/2002. Uma delas, muito interessante,
relacionou o imaginário e o simbolismo do local presente no samba enredo da escola
de samba Acadêmicos do Salgueiro (RJ). No entanto, a pesquisa criticou a
artificialidade da letra do samba. A segunda investigação contou com críticas
ferrenhas ao que chamou de colonização do local via atividade turística, ou seja, o
lugar regido conforme a vontade, interesse e necessidade dos turistas e dos
empreendedores.
Os dois trabalhos sobre a área ao redor do lago represado para a construção
da Usina Hidrelétrica de Serra da Mesa (GO) exemplificam pesquisas geográficas
em áreas que viraram atração turística após modificações ambientais ou ainda

97

aquelas que se tornaram estabelecimento de segundas residências, como
encontramos nos trabalhos sobre a região de Paulo Afonso (BA) e em outros. No
caso da usina localizada no norte goiano, as pesquisas constataram a presença de
infra-estrutura voltada para o turismo, bem como modificações nos hábitos da
população local. Com relação aos trabalhos sobre Campinaçu (GO), um deles
abordou a Usina Hidrelétrica (UHE) de Serra da Mesa, pela proximidade do local e
discutiu o papel da mídia na produção do consumidor (turista) e os efeitos para a
região.
Sabe-se que a região Centro-Oeste, no contexto brasileiro, conheceu maior
expansão e intensificação das técnicas após o ano de 1970, com a expansão das
fronteiras agrícolas, a migração de sulistas para a região, e, consequentemente,
conheceu um processo de devastação de suas matas e florestas para a agricultura
moderna e de caráter latifundiário. Assim, as preocupações ambientais são temas
cada vez mais presentes nos estudos sobre a região. Percebemos que a atividade
turística está sendo alvo dessas preocupações enquanto geradora de impactos
ambientais e sociais. Cabe indagar se os estragos ambientais do agronegócio não
são imensamente maiores do que os eventuais estragos de um fluxo desordenado
de turistas. Além disso, percebemos que os locais abordados sob a ótica do turismo
enquanto atividade crescente na região, são lugares cuja devastação não ocorreu
ainda de forma total e que por isso mesmo permanecem como atrativos turísticos.
Assim, a atividade está presente nos locais que ainda restam como resquícios de
uma natureza que é aceleradamente modificada, e que por isso a presença de
turistas tem gerado controvérsias. O tema promete discussões e necessita de
estudos realmente para se pensar a melhor forma de permitir visitas e viagens aos
locais.

98

Como outros exemplos de trabalhos sobre a região temos: o de Pirenópolis
(GO) que analisa o turismo religioso e todo o folclore e simbolismo que envolve esta
região de Goiás Velho; as políticas públicas de turismo para o Estado do Mato
Grosso do Sul que estariam incentivando o uso da paisagem enquanto mercadoria
para turistas; o rio Araguaia, antes usado para pesca e suas areias para praia, mas
que com aumento de visitantes teria se tornado um verdadeiro shopping-center, com
eventos como shows; além do caso de Bonito (MS), famoso por suas águas e pelo
ecoturismo, este município teria conhecido sua reordenação territorial pelo turismo.
Destacamos o caso de Caldas Novas (GO) e suas águas termais sendo
explicadas aos visitantes através de maquetes educativas, configurando-se ótima
oportunidade de um turismo educativo. Finalmente, concluímos este item com a
pergunta elaborada no trabalho que abordou a cidade de Corumbá de Goiás (GO):
"[...] com que intensidade o turismo está alterando a originalidade da manifestação
cultural?" (BORBA e OLIVEIRA, 2004, s/p). Como a cultura é um conceito dinâmico,
permanecem os desafios para entendermos essas novas ações que vêm ocorrendo
no território brasileiro.

3.2.5 Os trabalhos da região Sul

Como somos membros do já mencionado projeto TERNOPAR, não podemos
deixar de destacar que dois de nossos trabalhos não foram publicados e, por isso,
não contabilizados na pesquisa desta monografia. Sendo assim, a região Sul
poderia contar com mais lugares estudados. De qualquer forma, adiante veremos os
nove trabalhos sobre a região e como se preocuparam em enxergar o espaço
geográfico e os sistemas de ações e objetos turísticos neles presentes.

99

Tabela 7 ­ Locais estudados da região Sul
Locais estudados na região Sul
Total de trabalhos
Ilha do Mel (PR)
2
Curitiba (PR)
1
Jaguariaíva (PR)
1
Sudoeste do Estado do Paraná
1
Itajaí (SC)
1
São Pedro do Sul (RS)
1
Parque Estadual de Itapuã (RS)
1
Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
1
Total
9
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Ficha-Resumo
2; 79
54
90
131
114
6
3
53
9

Os dois trabalhos sobre a Ilha do Mel, conhecido local turístico do litoral
paranaense, mostram uma preocupação contínua dos pesquisadores já que no
ENG/2002 foram apresentadas as primeiras análises e a pesquisa continuou, em
forma de mestrado, com resultados apresentados no CBG/2004. O enfoque foi a
qualidade da água em dois períodos: sem a presença maciça dos turistas e com um
alto fluxo dos mesmos. Os resultados finais ainda não haviam sido obtidos na época
do CBG/2004, restando a publicação das primeiras reflexões acerca da pesquisa e
as perspectivas para a elaboração de uma carta de uso do solo no local.
O artigo sobre Curitiba procurou salientar a diversidade étnica presente na
capital do Estado do Paraná, gerada pelo movimento migratório de europeus
iniciado em 1839. Analisou a diversidade não apenas como mais um atrativo da
cidade, mas como oportunidade de conhecimento e manutenção da identidade
destes povos. De certa maneira, os outros dois trabalhos sobre áreas turísticas do
Paraná se relacionam, já que abordaram políticas públicas de turismo para o
desenvolvimento regional, bem como a manutenção e criação de Unidades de
Conservação e a idéia de turismo sustentável.
Os trabalhos sobre Itajaí (SC) e o Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
(RS) foram baseados nas idéias de Milton Santos para o entendimento das
transformações socioespaciais que nestas áreas têm ocorrido, mudanças essas

100

resultados, segundo os autores, das novas relações locais e globais, além da
inserção do meio técnico-científico-informacional. Os outros dois artigos, sobre o
Parque Estadual de Itapuã (RS) e o município de São Pedro do Sul (RS), abordaram
a paisagem e as características naturais das regiões como atrativos turísticos, mas
também como possibilidade de educação ambiental. O trabalho no parque estadual
ainda escreveu acerca da experiência de um curso de condutores locais de
ecoturismo, preocupando-se com a relação Universidade x Comunidade.

3.2.6 Os trabalhos da região Norte

A região Norte teve apenas um lugar abordado com enfoque para a
atividade turística e suas formas de intervenção no espaço, que foi a Ilha de
Mosqueiro, localidade próxima à capital do Estado do Pará, Belém, e que após o
ciclo da borracha na região, tem como atual característica ser um destino turístico
para aqueles que buscam conhecer a Floresta Amazônica. O trabalho enfatiza a
história da região quanto à integração nacional e a presença de redes de infraestrutura, materializadas no espaço primeiro pela atividade da borracha e, em um
segundo momento, pelas políticas públicas voltadas para o turismo.
Embora a atividade turística esteja crescendo na região Amazônica, como
no exemplo dos hotéis "selvagens" (lodges) em meio à floresta, não encontramos em
ambos os eventos maiores preocupações das pesquisas da geografia do turismo
com este local. Se considerarmos o baixo número de instituições de Geografia na
região (SANTOS e SILVEIRA, 2002, p. LXIII), podemos chegar a alguma explicação
para isso. Mas, se pensarmos na distância e no custo do transporte para os
estudantes da região participarem dos eventos de 2002 e 2004, poderemos, então,

101

no ano que vem, com a realização do XIV ENG na cidade de Rio Branco, no Acre,
compararmos o número de trabalhos e saber se é uma hipótese aceitável.
Tabela 8 ­ Locais estudados da região Norte
Locais estudados na região Norte
Ilha de Mosqueiro (PA)
Total
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Total de trabalhos
1
1

Ficha-Resumo
121
1

Não seria incorreta a tentativa de classificar regiões turísticas brasileiras, no
que diz respeito à participação das mesmas sobre um hipotético espaço turístico
nacional, mas provavelmente seria considerada como um trabalho tradicional. Cabe
aqui uma indagação: serão mesmas todas as classificações, conservadoras e
tradicionais? Da nossa parte, permanece a dúvida, já que o pensamento humano
está de certo modo preso à nossa própria linguagem, sendo assim as classificações
compreensíveis e sobretudo necessárias para a compreensão da própria Ciência.
Contudo, neste trabalho não propomos nenhuma classificação de regiões ou
cidades turísticas brasileiras por entendermos que é um estudo que demanda mais
tempo e pesquisa, podendo ser realizado em outro momento.

3.3 Natureza dos trabalhos apresentados

O objetivo de separarmos os artigos de acordo com o que chamamos aqui
de natureza do trabalho, que é a divisão dos níveis de estudo, a princípio seria para
sistematizar os grupos de pesquisa e/ou projetos de pesquisa. Infelizmente esta
divisão não pôde ser realizada já que em muitos trabalhos ou não consta nenhuma
informação a respeito, ou apenas escreve que faz parte de projeto de iniciação
científica de graduação, por exemplo. Portanto, não pudemos identificar tais grupos

102

ou projetos, embora numa pesquisa posterior isso possa ser feito, com mais tempo e
até entrando em contato com os autores dos trabalhos.
Nos restringimos aqui então a separar pelos níveis de estudo e procuramos
comentar acerca dos mesmos, enfatizando os trabalhos de pós-graduação que
foram apresentados. Percebe-se nas duas tabelas que o número de trabalhos de
doutorado foi praticamente igual nos dois eventos, e até mesmo alguns dos autores
estiveram presentes em ambos. No entanto, chama atenção o número crescente dos
trabalhos

referentes aos

mestrados,

que

triplicou

de

seis

para

dezoito.

Consideramos que a predominância dos trabalhos de graduação, muitos deles
referentes aos projetos de iniciação científica, se deve ao fato do maior acesso a
uma publicação nestes eventos, já que em revistas especializadas a dificuldade de
aceitação é bem maior.
Como

salientamos

anteriormente,

a

identificação

dos

projetos

e,

conseqüentemente dos orientadores, não foi possível de ser realizada devido à
ausência de informações. Assim, pensamos serem as tabelas abaixo, primeiras
ações para posteriores identificações mais específicas, como é o caso da orientação
desses trabalhos.

3.3.1 Trabalhos apresentados no ENG/2002

Tabela 9 ­ Natureza dos trabalhos apresentados no ENG/2002
Natureza dos trabalhos
Número de trabalhos
Graduação
27
Especialização
3
Mestrado
6
Doutorado
6
Profissional Acadêmico
1
Sem vínculo acadêmico
1
Não consta
17
Total
61
Fonte: AGB, 2002.

103

Como não poderia deixar de ser, os trabalhos de doutorado apresentaram
variedade tanto nos locais estudados como nas abordagens que fazem. Referem-se
aos números 27; 31; 32; 43; 50; 58 das fichas-resumo. Cabe ressaltar, porém, que
não necessariamente correspondem às teses diretamente, podendo ser textos que
na época foram elaborados no processo de reflexão para a construção da tese final.
Este é o caso, por exemplo, do trabalho 58, que é a dissertação de mestrado que foi
apresentada a fim de reunir informações que resultariam na tese.
Temos então que estas pesquisas abordaram desde o turismo litorâneo e a
questão da imagem do lugar, gerando um produto turístico alienado do contexto
local e envolvendo também a questão do marketing. Outra verificou Bonito (MS) e as
ações do poder público e da iniciativa privada para a constituição do paraíso das
águas. Também encontramos um artigo sobre o agroturismo e a questão do novo
rural brasileiro, texto este desenvolvido, segundo a autora, para uma disciplina do
doutorado da UNESP (Universidade Estadual Paulista) de Rio Claro. Finalmente, as
duas últimas preocuparam-se, uma com a questão da hospitalidade do espaço como
desafio para a produção do turismo e suas exigências mercadológicas, e outra com
um estudo mais específico sobre os turistas freqüentadores do Parque Nacional de
Chapada dos Guimarães (MT).
Com relação aos seis trabalhos de mestrados, os de número 2; 9; 18; 42;
56; 57 das fichas-resumo, identificamos dois sobre políticas públicas e o
planejamento para o turismo, contestando pontos do Programa Nacional de
Municipalização do Turismo (PNMT) ou ainda do Programa de Desenvolvimento do
Turismo no Nordeste, o PRODETUR/NE. Em ambos existem menções sobre a
negligência ou descaso com os interesses da população local, tanto no momento do
planejamento como na gestão do território. O trabalho sobre o turismo rural, sobre a

104

atividade sendo indagada como uma alternativa de desenvolvimento para o campo,
preocupou-se em discutir os conceitos e procedimentos metodológicos a serem
utilizados no decorrer da pesquisa. Por sua vez, a pesquisa sobre o
desenvolvimento sustentável refletiu acerca deste tema, fazendo relações com a
conservação ambiental e o ecoturismo.
Ainda sobre os mestrados, os outros dois podem ser considerados como
estudos de caso sobre os impactos do turismo. Um relacionou a atividade às
modificações na paisagem e na cultura local dos pescadores e artesãos. O segundo
objetivou o diagnóstico da qualidade da água na Ilha do Mel (PR) após o aumento
do fluxo de turistas, através da coleta de dados dos dias sem número expressivo de
turistas e após os grandes feriados, quando o local recebera grande número de
visitantes. Para tanto teve como ferramenta para a pesquisa o software SPRING.
Os três trabalhos referentes ao Lato Sensu, ou seja, às especializações,
dois são da Universidade Estadual da Bahia (UNEB), campus de Paulo Afonso,
onde o rio São Francisco foi objeto de estudo para ambas as pesquisas. Em uma
delas foi abordada a topofilia em ambientes da caatinga, e assim, enfatizando a
percepção ambiental e o ecoturismo no contexto da subjetividade. A outra pesquisa
estudou o perfil dos turistas na região, constatando a significativa presença dos
esportes radicais, e através de um formulário, chegou aos resultados. O terceiro
trabalho é de uma especialização em geoprocessamento, da Universidade Federal
de Uberlândia (UFU), e realizou o mapeamento turístico da cidade de Uberlândia
buscando conhecer suas potencialidades para que possam servir ao planejamento.
Por sua vez, o trabalho O espaço da cultura no turismo em Minas Gerais:
alguns aspectos, e que segundo a própria autora foi classificado como profissional
acadêmico - trabalho número 37 das fichas-resumo - merece destaque pois procurou

105

diferenciar as antigas viagens de férias do atual turismo massificado. Segundo o
texto, a espera pelas férias, a ansiedade pelo período de descanso que muitas
vezes correspondia ao recesso dos filhos nas escolas, fora modificado já que o
turismo agora pode ser feito em qualquer época do ano, claro que segundo a
disponibilidade do trabalhador, mas o fato é que fazer turismo já é parte mais
presente no cotidiano de algumas pessoas. O turista assim é, para a autora, mais o
viajante-consumidor do que uma pessoa preocupada com seu descanso e lazer.
Com relação aos trabalhos de graduação, a grande maioria corresponde
aos projetos de iniciação científica. São diversificados quanto aos locais estudados,
sendo que boa parte corresponde a levantamentos de potencialidades, verificando a
atividade turística com conceitos como sustentabilidade, cultura, entre outros. Como
já mencionamos anteriormente, o número maior dos trabalhos de graduação se deve
pela maior possibilidade de publicação, permitindo-nos afirmar que estes eventos
são oportunidades para os graduandos debater o assunto entre eles, além de
acompanhar eventuais mesas temáticas acerca do assunto.

3.3.2 Trabalhos apresentados no CBG/2004

A diversidade dos trabalhos de doutorado sobre geografia do turismo está
presente também nos que se referem ao CBG/2004. São eles: 81; 83; 111; 117; 120.

Tabela 10­ Natureza dos trabalhos apresentados no CBG/2004
Natureza dos trabalhos
Número de trabalhos
Graduação
33
Especialização
2
Mestrado
18
Doutorado
5
Não consta
16
Total
74
Fonte: AGB, 2004.

106

As abordagens abrangem o espaço turístico enquanto fenômeno subjetivo e
ligado à comunicação e ao marketing, este último considerado decisivo para um
destino turístico obter sucesso de público, ou seja, para ser comercializado nas
agências especializadas em vender lugares para turistas. Assim, enfatiza o uso da
imagem para a construção das formas de lazer da atual sociedade, onde existiria
uma demanda propícia a este consumo. Sobre essa demanda, podemos mencionar
Santos e Silveira (2002) quando afirmam que a introdução do meio técnico-científicoinformacional foi mais fácil na Região Concentrada, pois ali já existiria um desejo por
parte da população pela modernidade.
Há ainda o artigo de um autor já citado anteriormente em nossa monografia,
Helton R. Ouriques, que publicou a parte da sua tese referente ao turismo sexual no
Brasil. Encontramos também um trabalho que abordou as políticas públicas de
turismo no sul da Bahia, enfatizando os impactos da construção de rodovias e os
desafios que existem para estes programas de desenvolvimento. Finalmente, há
uma proposta para elaboração de um mapa temático que auxilie na ordenação do
território do pantanal mato-grossense, mais especificamente em Cáceres (MT).
Os trabalhos de mestrado correspondem aos de números 69; 70; 71; 73; 74;
76; 79; 80; 87; 90; 95; 96; 99; 102; 119; 128; 132; 133, das fichas-resumo. Como já
mencionamos anteriormente, destaca-se o crescimento dos números deste nível no
CBG/2004 em relação ao evento anterior. A maioria destas pesquisas refere-se a
preocupações dos impactos causados pelo turismo, sejam ambientais, sejam eles
sociais. É por isso que encontramos então inquietações com a ocupação de áreas
litorâneas e as mudanças nas dinâmicas sociais dos lugares, simbolizado pelo
consumo da natureza através do turismo. Destacamos a presença de posturas
diferentes em relação ao conceito de desenvolvimento sustentável: trabalhos que

107

defendem o planejamento ou estudos aprofundados para a sustentabilidade da
atividade turística, e outros onde há a menção ao uso político do conceito.
Interessante o trabalho de número 119 que trata de uma eventual seleção
no circuito turístico da cidade de Salvador, seletividade esta baseada em excluir da
visibilidade dos turistas áreas onde a coleta seletiva de lixo não funciona muito bem.
Percebemos com isso a preocupação dos pesquisadores no que se refere aos
processos de urbanização ditados por interesses do turismo, sejam eles processos
negativos, mas também os positivos, como o caso da defesa da sustentabilidade. A
idéia de turismo cultural também está presente e aborda desde a questão nas
cidades consideradas patrimônios históricos, como é o caso de Ouro Preto (MG), até
o fato da cultura enquanto mercado para o turismo. Por último, colocamos que
alguns trabalhos de mestrado tiveram como objetos de estudo áreas naturais
protegidas, pesquisando então como se dá a percepção ambiental dos visitantes
nessas reservas.
As publicações da especialização sobre o tema tiveram enfoques diferentes.
Uma analisou a questão das motivações que levam uma pessoa a querer viajar, a
procurar o deslocamento espacial para o lazer. O trabalho não deixou de considerar
as motivações geradas pelo marketing e os aspectos econômicos da atividade, mas
não se esqueceu que o turismo é uma atividade humana mais complexa, por
envolver questões subjetivas. A outra analisou a região sudoeste do Estado do
Paraná e as possibilidades para o turismo rural, enfatizando o papel que as políticas
públicas estariam exercendo a respeito.
Por sua vez, os artigos de graduação correspondem novamente à maioria
dos trabalhos apresentados sobre o tema no evento CBG/2004 e, refletem como no
evento anterior, que os alunos iniciantes procuram iniciar-se no ambiente acadêmico

108

justamente nestes encontros e congressos. Este fato reafirma o crescente interesse
pela atividade turística na Geografia e aponta provavelmente para diversificações
ainda maiores de pesquisas, em um futuro próximo, do que as encontradas nesta
nossa pesquisa.
Os enfoques deste nível de pesquisa foram também variados, embora
tenham destaque os de preocupações com os impactos ambientais de áreas cujo
turismo vem crescendo de maneira desordenada e mal planejada. Assim, os
estudantes analisaram o rearranjo territorial do espaço geográfico para o turismo, ou
seja, do espaço que está sendo redefinido de acordo com interesses na promoção
do lazer e no uso do território para o visitante. Portanto os impactos, além de
ambientais, entram nesse contexto como sociais e culturais principalmente. A visão
do estudante vai dando início a do pesquisador que, por intermédio de seu
orientador, recebe primeiros passos para o caminhar científico.
Os trabalhos cujas informações acerca do tipo de pesquisa infelizmente não
constam, contaram com uma variada gama de análises, que por sua vez, são ao
longo de nosso trabalho também verificadas em outros itens quando destacamos,
como por exemplo, os sub-eixos temáticos ou ainda no que diz respeito aos lugares
estudados.
Como pudemos perceber neste item 3.3, a presença maior dos artigos de
estudantes de graduação é destacada, fazendo com que, de certa maneira, os
espaços de diálogos de ambos os eventos foram senão, locais de encontros de
geógrafos iniciantes, o que é sem dúvida um lado positivo no sentido do crescimento
intelectual e acadêmico do aluno. É plausível que os professores se reúnam em
mesas-redondas para as discussões, momento este que dá oportunidade do próprio
estudante há pouco referido de participar como ouvinte. Sendo assim, vemos que

109

eventos, sobretudo os de abrangência nacional, contribuem para experiência
pessoal e acadêmica e que, de acordo com o olhar de cada participante, configura
um instante único na formação de quem quer que seja.
Neste capítulo 3 conferimos a distribuição dos trabalhos analisados através
das instituições pesquisadores, locais estudados e níveis de pesquisa. Constatamos
que neste recorte, a variedade das instituições e respectivos estados a que
pertencem mostram, ao mesmo tempo em que os lugares estudados também são
diversificados, que como a atividade turística tem recebido investimentos públicos e
privados e conhecido cada vez maior crescimento em território brasileiro, as
pesquisas geográficas apontam para abordagens preocupadas em saber como está
ocorrendo o uso deste território através do turismo.
Certamente que os comentários realizados neste capítulo foram de acordo
com cada recorte por nós proposto. Por isso, por exemplo, no item 3.2 enfatizamos
quais e como foram analisados os lugares pelos respectivos trabalhos, sendo que o
mesmo trabalho pode ter gerado outros assuntos interessantes, mas que são
tratados em outras partes desta monografia. No capítulo a seguir, verificaremos os
artigos divididos em sub-eixos temáticos e analisaremos os mesmos dentro de
nossas classificações.

110

4 A divisão dos trabalhos por sub-eixos temáticos

O objetivo deste capítulo 4 é aumentar a gama de análise acerca das
publicações por nós investigadas, permitindo assim conhecermos um pouco mais da
geografia do turismo. Como no capítulo anterior enfatizamos as instituições, os
lugares estudados e o nível das pesquisas, destinamos aqui espaço para reflexões
propondo a separação dos trabalhos sob dois indicadores principais: o enfoque dado
e de acordo com a natureza do espaço estudado, que denominamos de
classificação da área.
Também optamos em mencionar as pesquisas que utilizaram a técnica do
geoprocessamento, indicadas nas fichas-resumo com a letra g no quadro do subeixo temático, apontando para estudos geográficos sobre o turismo preocupados em
novas metodologias e recursos para análises. Consideramos que, se por um lado os
estudos de geografia do turismo aumentarão devido ao crescimento da atividade, o
uso do geoprocessamento será cada vez maior na Geografia pelo aumento da
difusão dessas geotecnologias, cabendo então analisar se estão sendo utilizadas
nos estudos geográficos sobre o turismo.
Consideramos que esta nossa proposta de classificação dos trabalhos por
sub-eixos temáticos pode ter agrupado pesquisas aparentemente diferentes em um
mesmo sub-eixo. Justificamos que nossa divisão procurou em cada um dos artigos o
objetivo principal sobre a problemática do turismo dentro do espaço geográfico.
Assim, os seis enfoques por nós elaborados correspondem a subdivisões do eixo
temático principal, que é a geografia do turismo.
Nas tabelas de 11 a 16 estão agrupadas as pesquisas baseadas nos
enfoques que dão o nome aos sub-eixos. Posteriormente, para cada um destes sub-

111

eixos, foi realizada a divisão da classificação da área, sendo que estes dois
indicadores principais são explicados ao longo deste capítulo. A seguir
disponibilizamos a legenda destes dois indicadores:

Enfoque
Classificação da área
A = Impactos socioambientais do turismo
1 = áreas litorâneas
B = Turismo: planejamento e políticas públicas
2 = áreas rurais
C = Aspectos culturais, religiosos e imaginários do turismo
3 = áreas naturais
D = Turismo, Geografia e ensino
4 = áreas urbanas não-litorâneas
E = Estudo das potencialidades turísticas
5 = regiões brasileiras
F = Tipologia dos fluxos turísticos
6 = nenhum lugar específico
Quadro 7 ­ Legenda dos dois indicadores dos sub-eixos temáticos: enfoque e classificação da área.
Org: GALVÃO FILHO, C.E.P (2005)

4.1 Sub-eixo temático A: Impactos socioambientais do turismo

O grande número de trabalhos classificados no sub-eixo A expressa
estudos geográficos preocupados com a atividade turística como modificadora do
meio onde é realizada. Também aponta que neste sub-eixo a abrangência dos
trabalhos é maior, já que são impactos socioambientais, ou seja, dizem respeito às
pessoas e ao ambiente físico onde são efetivadas as ações. Esta pluralidade das
pesquisas indica as várias dimensões dos impactos gerados pelo turismo.
Como os grandes grupos de hotéis têm maior interesse no turismo sol e
praia, pois o fluxo no litoral é maior, a maioria dos trabalhos deste sub-eixo
destinaram-se a estudar áreas litorâneas. O poder do grande capital reflete em
profundas transformações nestes espaços, como mostrou a pesquisa 70 ao abordar
a ocupação acelerada em Canoa Quebrada (CE) que modificou as relações locais.
Caso semelhante apresentou o trabalho 4, afirmando que em Porto Seguro (BA) a
existência de um turismo massificado possibilitado pelas agências de viagem e pela
rede hoteleira, além de ter prejudicado a infra-estrutura urbana, não compatível com

112

o número de pessoas, gerou segregação espacial e acentuou as diferenças entre os
turistas e os moradores locais.

Tabela 11 - Trabalhos do sub-eixo temático A
SUB-EIXO TEMÁTICO A: IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS DO TURISMO
Classificação
Número total
Número de trabalhos que
Ficha-Resumo
da área
dos trabalhos
mencionam o uso de
Geoprocessamento (g)
A1
2; 4; 18; 26; 36; 38; 66; 69;
16
3
70; 79; 86; 100; 102; 105;
106; 114
A2
10; 15; 19; 20; 64
5
A3
12; 14; 24; 31; 81; 90; 135
7
1
A4
53; 62; 68; 74; 80; 113;
9
115; 123; 130
A5
49; 75; 103; 135
4
A6
43; 56; 58; 77; 117
5
Total
46
4
46
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Estes impactos socioambientais ainda incluem os estudos acerca das
relações trabalhistas nas localidades turísticas, muitas vezes realizadas sem as
devidas regulamentações que os trabalhadores têm direito. Exemplificando este fato
no pantanal mato-grossense, o estudo 24 entende o turismo como mais uma
indústria, preocupada na produção em larga escala e, portanto, produzindo lugares
turísticos como mercadorias a serem consumidos. Esta transformação no uso do
território é refletida também nas modificações no mundo do trabalho dos habitantes
da região, que muitas vezes ou são mal remunerados ou até mesmo excluídos por
não possuírem habilidades necessárias para os cargos oferecidos, como por
exemplo, não falar uma língua estrangeira ou não manusear um computador.
Interessante notar os estudos em áreas no entorno das represas de usinas
hidrelétricas, como o de número 12, que abordou as transformações geradas com a
represa e o conseqüente interesse das pessoas em aproveitarem a área para o lazer
ou mesmo para construírem segundas residências. A ausência de um planejamento
que norteie as ações públicas ou privadas nestas áreas é verificada, já que a

113

atenção para o problema surge após a presença de um considerável fluxo turístico,
justificando assim a preocupação do mencionado estudo para a necessidade de se
levar em conta, na época do planejamento destas construções, que haverá posterior
uso das áreas de represa de usinas hidrelétrica para fins turísticos e de lazer.
Baseados na já referida variedade das dimensões dos impactos causados
pelo turismo, consideramos que os trabalhos deste sub-eixo devem ser olhados com
mais atenção para os interessados em estudar como o turismo vem mudando os
lugares onde a atividade é encontrada. Esses impactos envolvem desde problemas
com os resíduos sólidos, degradação do meio natural ou de monumentos históricos,
até transformações nos modos de vida das comunidades receptoras, envolvendo
então questões subjetivas.

4.2 Sub-eixo temático B: Turismo: planejamento e políticas públicas

O sub-eixo temático B, referente às ações de planejamento, políticas
públicas e até mesmo gestão da atividade turística e seus reflexos no uso do
território, discute desde estudos de caso onde ações públicas ou mesmo privadas
foram importantes para a reorganização territorial, até trabalhos preocupados com
áreas cujo planejamento é inexistente ou não realizado de forma completa.
Assim, estas pesquisas percorreram as políticas nacionais destinadas ao
setor, como o PRODETUR, o PNMT, as políticas de âmbitos estaduais ou mesmo
municipais, objetivando reflexões acerca destas ações que podem ter sido benéficas
ou não às localidades estudadas. A tabela 12 compreende os trabalhos do sub-eixo
temático B:

114

Tabela 12 ­ Trabalhos do sub-eixo temático B
SUB-EIXO TEMÁTICO B: TURISMO: PLANEJAMENTO E POLÍTICAS PÚBLICAS
Classificação
Número total
Número de trabalhos que
Ficha-Resumo
da área
dos trabalhos
mencionam o uso de
Geoprocessamento (g)
B1
17; 35; 63; 72; 76; 82; 119
7
2
B2
92; 131
2
1
B3
44; 104; 124
3
B4
51; 57; 61; 84; 88; 89; 121
7
2
B5
45; 47; 101; 109; 120; 128;
6
B6
42; 87; 108
3
Total
28
5
28
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

As pesquisas agrupadas na soma do enfoque mais a classificação espacial
correspondem à letra mais o número. Por exemplo, o grupo B1 refere-se aos
trabalhos sobre políticas públicas e planejamento em áreas litorâneas. Este grupo,
abordou lugares como por exemplo, Rio de Janeiro (RJ), Vitória (ES), Salvador (BA),
enfatizando a sustentabilidade do turismo intermediada por estudos de planejamento
e refletindo sobre ações já realizadas resultadas em novas lógicas das dinâmicas
territoriais.
Destacamos o trabalho 92 por propor um diagnóstico e zoneamento da
densidade visual da paisagem de uma microbacia hidrográfica em Minas Gerais,
usando o geoprocessamento, para facilitar o planejamento turístico da área rural. O
mesmo caminho é percorrido pelo trabalho 84, que com cartogramas digitais estuda
o patrimônio ambiental de um município também localizado em Minas Gerais.
Estudiosos de geografia do turismo distinguem duas formas de inserção da
atividade no espaço geográfico: a urbanização para o turismo, quando ações
públicas fornecem infra-estrutura para a cidade receber o turismo e a urbanização
turística, quando com o fluxo de turistas as cidades conhecem sua expansão urbana
(LUCHIARI e SERRANO, 2002). Por isso que neste sub-eixo B encontramos
pesquisas como, por exemplo, a de número 57, que aborda o Plano Diretor urbano

115

da cidade de Beberibe (CE) e a necessidade da participação popular na elaboração
para as ações planejadas.
Sabemos que o crescimento da atividade turística gera dinamismo
econômico, social e cultural para as comunidades receptoras. Com isso, avaliar o
papel de órgãos públicos para a regulamentação e controle dos investimentos
privados para um uso melhor das localidades é de fundamental importância para a
Geografia compreender mais esta faceta da produção do espaço geográfico. É
assim que a pesquisa 87 contesta as políticas do IBAMA no que se refere às
populações tradicionais moradoras em áreas naturais protegidas. Ou ainda o
trabalho 109, que analisa o aparecimento de enclaves turísticos no nordeste
brasileiro com a inserção cada vez maior de grupos internacionais nas praias da
região, gerando territorialidades seletivas e descontextualizadas do local onde se
encontram1.

4.3 Sub-eixo temático C: Aspectos culturais, religiosos e imaginários do
turismo

Neste sub-eixo C pretendemos separar os trabalhos que abordaram
assuntos pertinentes às motivações turísticas ligadas aos aspectos da cultura, como
exemplo os patrimônios históricos e culturais, às questões religiosas como festas de
santos e mesmo objetos e construções afins, bem como àquelas pesquisas que

1

Encontramos forte crítica a essas novas territorialidades seletivas em Luchiari e Serrano (2002,
p.257) quando escrevem que: "Having reivented nature as a valuable landscape, contemporary
enviromentalism opened the way to the mercatilization of natural landscapes as well as to a new
sociospatial segregation profile. The same preservationist spirit that protected natural ecosystems also
selected landscapes to be sold and transformed into new territorialities of urban elites, who are now
nature's guardian".

116

trataram do uso da imagem como despertadora do desejo de mobilidade entre as
pessoas.

Tabela 13 ­ Trabalhos do sub-eixo temático C
SUB-EIXO TEMÁTICO C: ASPECTOS CULTURAIS, RELIGIOSOS E IMAGINÁRIOS DO
TURISMO
Classificação
Número total
Número de trabalhos que
Ficha-Resumo
da área
dos trabalhos
mencionam o uso de
Geoprocessamento (g)
C1
28; 65
2
C2
22; 71
2
C3
52; 73; 85; 99;
4
C4
30; 54; 55; 95; 112; 122;
9
125; 126; 133
C5
37
1
C6
50; 83; 111; 129
4
Total
22
0
22
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Segundo o trabalho 111, a comunicação, utilizando-se da imagem, tem
contribuído para divulgação e até mesmo criando os espaços turísticos. Esta força
da imagem estaria agindo fortemente na psicosfera de acordo com o artigo 83, e
assim condicionando o que será ou deve ser visitado pelos turistas, correspondendo
a um processo cuja propaganda é mais significativa do que o próprio lugar. Vale
conferir também o de número 129, que analisa a atividade do turismo marcadamente
guiada pelo marketing.
Investigando a dimensão da cultura dentro da atividade turística, a pesquisa
54 destaca o turismo étnico rural em Curitiba (PR) enquanto propiciador de uma
sustentabilidade cultural que respeita a diversidade existente na capital paranaense,
diversidade esta resultado do processo migratório iniciado no ano de 1839. O
contato do modo de vida rural com o modo de vida urbano é analisado no artigo 22,
pois em Uberlândia (MG) as festas religiosas nos distritos do município estão
modificando costumes e a rotina destes lugares com o crescimento do turismo
cultural.

117

A irregular distribuição do meio técnico-científico-informacional no Brasil
certamente reflete em diferentes resultados quanto ao alcance das imagens do
turismo. Nos grandes centros emissores de turistas o uso do marketing pelas
agências de turismo ocorre com mais densidade do que nos centro receptores, já
que estes últimos muitas vezes nem imaginam como são feitas as propagandas
acerca dos próprios lugares que habitam. A Geografia, portanto, deve estar atenta
para esta questão, que abrange a mercantilização dos lugares e das culturas e uma
conseqüente criação artificializada de acordo com os interesses daqueles que
querem vender estes locais, para o turista viajar para lugares selecionados para seu
conforto e de acordo com o seu perfil.

4.4 Sub-eixo temático D: Turismo, Geografia e ensino

Uma relação muito próxima existe entre o ensino de Geografia e o
deslocamento das pessoas, denominado turismo ou, quando ocorre sem o pernoite,
excursionismo. Esta aproximação existe porque, em primeiro lugar, a Geografia na
maioria das vezes utiliza como prática de ensino os trabalhos de campo; em
segundo lugar, porque em muitas vezes quando ocorre o turismo ou o excursionismo
o viajante pode aprender com guias locais, por exemplo, sobre o lugar que está
visitando.
Isto não significa porém, que as viagens turísticas podem ou devem
substituir as aulas de campo ministradas em disciplinas de Geografia, sejam elas
nos ensinos de 1º, 2º ou 3º graus. O que afirmamos é que, um turismo mais
respeitador, tanto por parte de quem viaja como por parte de quem `recebe' a visita,
tem como um dos pilares um ensino de Geografia preocupado em formar pessoas
responsáveis pela manutenção de um equilíbrio socioambiental.

118

Tabela 14 ­ Trabalhos do sub-eixo temático D
SUB-EIXO TEMÁTICO D: TURISMO, GEOGRAFIA E ENSINO
Classificação
Número total
Número de trabalhos que
Ficha-Resumo
da área
dos trabalhos
mencionam o uso de
Geoprocessamento (g)
D1
94; 98
2
D2
93
1
D3
3; 5; 97
3
D4
25; 110
2
D5
59; 60
2
D6
21; 29; 32; 96; 116; 134
6
Total
16
0
16
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Embora haja esta referida aproximação entre o ensino de Geografia e o
turismo, o número de trabalhos sobre o tema não pode ser considerado alto, já que
somam 16 em um total de 135. Ainda assim, as pesquisas tiveram preocupações
variadas. A de número 93 investigou a formação dos professores em João Pessoa
(PB) através de uma proposta municipal de capacitação dos mesmos para `trazer' a
realidade a esses professores, preparando-os para realizarem aulas de campo com
os alunos.
O artigo 32, preocupado com as comunidades receptoras, salientou
justamente índices de não hospitalidade das mesmas, mostrando que os espaços
turísticos envolvem fortemente a relação entre visitante e morador, havendo então
uma necessidade de preparação de ambos para compreensão um do outro.
Cabe ainda destacar que a maioria dos trabalhos deste sub-eixo não
abordou lugares específicos, classificação D6, o que mostra a existência de
pesquisas teóricas. Exemplo disso, o trabalho 29 discute o interesse da Geografia
em estudar o turismo e apresenta duas dimensões para estes estudos: a natureza
das estruturas regionais pré-existentes e as destinações turísticas como áreas ou
regiões homogêneas, o que influencia, segundo o autor, na constituição das
localidades turísticas.

119

4.5 Sub-eixo temático E: Estudo das potencialidades turísticas

O sub-eixo E abrange os estudos sobre as potencialidades dos lugares
turísticos dando ênfase aos aspectos naturais e culturais de cada localidade. Por
exemplo, no estudo sobre a Chapada dos Guimarães (MT), o trabalho 46 procurou
caracterizar a área destacando o patrimônio arqueológico ali presente, mas que por
falta de maiores pesquisas não fazem parte do conhecimento passado ao turista,
perdendo-se assim uma possibilidade de ensiná-los a respeito, por exemplo, das
artes rupestres.
De certo modo os trabalhos 7 e 16 aproximam-se, quando mencionam a
necessidade de descentralização do turismo no Nordeste, concentrado na área
litorânea. O primeiro avalia que os diferentes climas na região são potenciais para
divulgação e percepção dos turistas acerca da diversidade geoambiental que o
Nordeste possui. O segundo aborda o município de Currais Novos (RN), classificado
como de paisagem sertaneja pela EMBRATUR (Instituto Brasileiro de Turismo),
como lugar de potencial para os turistas descobrirem outras paisagens nordestinas
que não as litorâneas.

Tabela 15 - Trabalhos do sub-eixo temático E
SUB-EIXO TEMÁTICO E: ESTUDOS DAS PÓTENCIALIDADES TURÍSTICAS
Classificação
Número total
Número de trabalhos que
Ficha-Resumo
da área
dos trabalhos
mencionam o uso de
Geoprocessamento (g)
E1
E2
1; 16
2
E3
8; 46; 107
3
E4
6; 33; 34; 48; 67; 78; 91;
8
127
E5
7
1
E6
9
1
Total
15
0
15
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

120

Portanto, a avaliação das potencialidades dos lugares para a atividade
turística é também um processo de reflexão acerca da possibilidade de
segmentação dos tipos de turismo existentes, ocorrendo assim divulgações menos
concentradas de quais lugares o Brasil oferece para quem quer viajar. Não podemos
nos esquecer, no entanto, que há que se estar atento para quem está divulgando e
como está ocorrendo esta disponibilidade das informações. Correspondem estas
informações à realidade dos locais, pelo menos a realidade do meio natural? Ou são
produzidas e camufladas para venderem mais? O processo contraditório onde de um
lado estão os promotores e empreendedores de um turismo produzido para elites e,
do outro, pessoas preocupadas com a sustentabilidade da atividade, ou seja, um
uso equilibrado e que respeite os moradores locais, é um embate cujo papel da
Geografia se faz necessário para não deixar a balança pender para o lado dos
primeiros.

4.6 Sub-eixo temático F: Tipologia dos fluxos turísticos

Os oito trabalhos do sub-eixo F abordaram, de maneira geral, a demanda
em lugares turísticos. São estudos sobre o perfil do turista que freqüenta
determinado local, o que busca, por que vai, como e quando costuma viajar, além de
investigarem o comportamento dos turistas durante a viagem.
Estes estudos apontam para preocupações pertinentes aos planejadores
públicos ou aos próprios proprietários, para saberem quem são os visitantes que
recebem. Entretanto, traçar o perfil de turistas pode gerar um efeito contraditório se
for utilizado por um empreendedor para obter maiores lucros em seu negócio. Não
que os proprietários não devam se preocupar em aumentarem os lucros, mas

121

partirem baseados em estudos geográficos causa certa estranheza. Afinal, para que
e para quem estão destinados os estudos sobre fluxos turísticos?

Tabela 16­ Trabalhos do sub-eixo temático F
SUB-EIXO TEMÁTICO F: TIPOLOGIA DOS FLUXOS TURÍSTICOS
Classificação
Número total
Número de trabalhos que
Ficha-Resumo
da área
dos trabalhos
mencionam o uso de
Geoprocessamento (g)
F1
27; 41
2
F2
F3
11; 13
2
F4
23; 39; 40
3
F5
F6
118
1
Total
8
0
8
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

Queremos esclarecer que enxergamos as pesquisas deste sub-eixo como
necessárias para um uso mais adequado do território, sendo ferramentas
importantes para o planejamento e gestão, devendo apenas ser atentado o fato de
quem estaria usando realmente estas investigações. A tabela 17, que indica a
totalidade dos 135 trabalhos de geografia do turismo de ambos os eventos:

Tabela 17­ Número de trabalhos divididos pelos dois indicadores dos sub-eixos temáticos: enfoque e
classificação da área
Enfoque
Número de trabalhos
Classificação da área
Número de trabalhos
A
1
46
29
B
2
28
12
C
3
22
22
D
4
16
38
E
5
15
14
F
6
8
20
Total
135
Total
135
Fonte: AGB, 2002 e AGB, 2004.

A classificação proposta neste capítulo 4 é o primeiro passo por nós
executado para formular entendimentos mais específicos sobre linhas de pesquisas
e correntes teórico-metodológicas sobre a geografia do turismo. Sabemos que é um
início ainda tímido para chegarmos a classificações mais completas e abrangentes.

122

Justamente por isso é que este capítulo procurou abordar mais as características de
cada sub-eixo, comentando apenas alguns dos trabalhos de cada um, pois
esperamos que a pesquisa possa ser continuada a partir desta nossa classificação.
É nesse sentido que esta monografia procurou analisar as pesquisas de geografia
do turismo partindo dos trabalhos apresentados nos dois eventos da AGB.
Objetivamos sistematizar e avaliar tais trabalhos não pensando em produzirmos uma
pesquisa completa sobre o tema, e sim, a partir de nossas análises, instigarmos
pesquisadores a discutirem a polêmica existente nos estudos de geografia do
turismo.

123

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Expostos o entendimento geográfico acerca da atividade turística como
significativa vertente para a caracterização do espaço geográfico neste início do
século XXI, temos que a Geografia mostrou estar atenta aos novos usos do território
nacional e preocupada com os desdobramentos desta nova atividade. Com a
presença de novos objetos e novas ações no espaço geográfico, há a necessidade
de novas propostas para compreensão dos fatos socioambientais.
Este trabalho possibilitou conhecermos pesquisadores da geografia do
turismo e reforçou a hipótese de que para um tema transversal os enfoques se
mostram diversificados. As leituras regionais dos locais estudados são exemplos
disso, permitindo em um evento nacional de geógrafos os diálogos pertinentes para
o caminhar científico. A idéia de um território brasileiro integrado ainda é procurada,
sendo que no âmbito da ciência geográfica os eventos da AGB configuram-se como
potenciais para tanto.
À época da institucionalização da chamada Geografia moderna, com
Humboldt e Ritter, e depois com Ratzel e La Blache, os estudos geográficos já se
preocupavam em entender como o homem estava se relacionando com o meio
natural. A atividade turística, que elementarmente consome espaço (CRUZ, 2003)
aparece como um contemporâneo relacionamento entre o homem e o meio, relação
esta realizada de maneira diversa e que tem se mostrado possibilitadora de
experiências interculturais. Então, considerar que o turismo não deve ser objeto de
estudo por parte da Geografia parece querer desconsiderar a pluralidade existente
entre as relações humanas com o meio.

124

Considerando a polêmica gerada pelo tema no ambiente acadêmico da
Geografia brasileira, esta monografia procurou analisar as pesquisas publicadas nos
anais dos eventos, não para esgotar o diálogo, muito pelo contrário, para contribuir
com a sistematização do material para a discussão.
A questão das relações culturais parece ser a que mais instiga debates
sobre o tema, já que o turismo, permitindo o contato entre culturas diferentes,
modifica a percepção das pessoas das outras. Assim, se para alguns a relação
ocorre com artificialidade (ALMEIDA, 2003) e não permite um verdadeiro intercâmbio
cultural, para outros, a segmentação do turismo de base local significa relações
sinceras entre o visitante e o morador (CALVENTE, 2001; XAVIER, 2005). De
qualquer forma, o lugar turístico é este híbrido, o lugar do contato entre diferentes
subjetividades (ALMEIDA, 2003).
Quando da revolução das tecnologias surgiram meios de transporte que
permitiram mais rápidos e acessíveis deslocamentos de pessoas entre os lugares,
os trabalhos de geografia do turismo aumentaram, como vimos nos quadros 1 e 2,
apontando que naquela época estudiosos já enxergavam áreas nas quais a
densidade da atividade turística tenderia a aumentar e passar a ter significativa
parcela na economia, além dos conseqüentes impactos socioambientais.
É por isso que consideramos que com o crescimento do turismo e de suas
segmentações, o desafio da geografia do turismo será o de verificar quais são as
dimensões geográficas da atividade, considerando que a mesma possui um caráter
transversal e mesmo interdisciplinar. Santos (2000, p.29) escreve que "[...] a
complexidade da nossa posição transicional, que pode resumir-se assim:
enfrentamos problemas modernos para os quais não há soluções modernas". Com

125

isso, a geografia do turismo, assim como outras pesquisas geográficas, encontra-se
em uma constante construção.
A crítica de Ouriques (2003) destinada à produção científica do turismo
afirma que o entendimento do tema é hegemônico, exceto quando considera a
corrente chamada, por ele, de crítica como a única que conta com pesquisadores
preocupados com o caráter maléfico da atividade. No entanto, os trabalhos
analisados nesta monografia apontaram diversificados enfoques acerca do tema.
Devemos esclarecer que esta é uma monografia de graduação com
evidentes limitações se comparadas com uma tese. Em segundo lugar, nossa
proposta foi a de verificar os possíveis sub-eixos temáticos derivados da geografia
do turismo, tendo como objetivo principal analisá-los como leituras diversificadas de
uma atividade complexa e transversal, e não observar quem defende ou quem é
contra o turismo. Entendemos que os desdobramentos socioambientais da atividade
turística são mais abrangentes do que entendê-los apenas como resultados de uma
atividade ligada aos grandes capitais econômicos mundiais.
Isso não quer dizer que estudar os lugares turísticos geridos por grandes
redes hoteleiras, principalmente no litoral brasileiro, como locais produzidos para
elites e descontextualizados do entorno onde se encontram, não deve ser objeto de
estudo geográfico questionador de que se nesses locais existe mesmo um
desenvolvimento e se este abrange a população local. Aí sim as críticas ao
entendimento do turismo como atividade propiciadora de inúmeros benefícios aos
locais onde ocorre são válidas. Certamente que com estas pesquisas a Geografia
pode contribuir para mostrar que as políticas públicas, muitas vezes favorecendo os
grandes grupos econômicos internacionais, não atingem êxito na melhoria da
qualidade de vida da população local.

126

Nesta monografia pudemos conferir trabalhos que abordaram a questão do
trabalhador, do trabalho informal e da segregação espacial, entre outros, que
analisaram o turismo como mais uma atividade capitalista excludente. No entanto,
pesquisas na área da educação ambiental, do planejamento urbano de localidades
com vocação para receberem turistas e do estudo de fluxos para melhor gestão de
áreas turísticas, mostraram que a Geografia pode contribuir para uma atividade mais
equilibrada. Se a lógica do capital é o lucro, a lógica da ciência geográfica deve ser a
de pensar um ambiente mais justo.
Sabemos que esta pesquisa nem de longe chegará a soluções ou respostas
sobre o tema. Como já afirmamos anteriormente, o estímulo ao debate deve sempre
existir, pois se nenhum estudo por si só contribui completamente, é com o diálogo
entre os pesquisadores que se pode chegar a melhores resultados. Saber o que se
passa no Nordeste brasileiro e no Sul ou, enfim, conhecer o turismo realizado em
diferentes localidades do país, estudados por diversas instituições, em diferentes
níveis de pesquisa, somente poderão contribuir para reflexões científicas se os
pesquisadores estiverem dispostos a escutarem ou lerem o que o outro tem a dizer
ou escrever. Ignorar as críticas ou então os projetos de pesquisas sobre o tema não
parece um comportamento correto para a academia.
A AGB tem, como papel, proporcionar condições para que ocorram os
encontros e os debates entre os geógrafos das diversas instituições do país. Nos
dois eventos analisados neste presente trabalho, o XIII Encontro Nacional de
Geógrafos, 2002 e o VI Congresso Brasileiro de Geógrafos, 2004, houve
possibilidades para diálogo, ainda mais na mesa-redonda que abordou a produção
científica do turismo e expôs as principais críticas. Também constatamos grande
presença dos alunos de graduação, indicando novos pesquisadores estimulados em

127

estudarem o tema, cada um com seu objeto de estudo, seu local de abordagem,
enriquecendo o arcabouço teórico da geografia do turismo.
A contestação, por parte de geógrafos, acerca da produção geográfica do
turismo, é vista nesta monografia como parte de uma crise, de um período de
transição paradigmática, aonde o papel da Geografia para a sociedade vem sendo
repensado, aparecendo então como um momento de reflexões e discussões para o
entendimento desta ciência. Sobre a crise da Ciência Moderna, Santos (2000, p.55)
escreve que:
"A forma como a crise é identificada condiciona a direcção (sic) da viragem epistemológica.
Contudo, o conhecimento usado para construir uma dada definição da crise tende a ser
considerado, do ponto de vista de uma definição alternativa da mesma, como parte da crise
que se procura definir. Por isso, a exterioridade do conhecimento relativamente às
condições que analisa é apenas provisória, estando momentaneamente suspensa entre
uma interioridade passada ou pré-reflexiva, e uma interioridade futura ou pós-reflexiva".

Sobre o tema do turismo dentro da Geografia, encontramo-nos em um
momento de pensar como tratar o assunto conforme seu peso na reordenação do
espaço geográfico no início do século XXI. Não devemos encarar a atividade como
uma panacéia para áreas degradadas, nem como atividade totalmente perversa
quanto ao dinamismo entre seus agentes, e sim caminhar para o exercício de
encará-la como atividade intercultural ou ainda intersubjetiva, o que não impossibilita
considerá-la em seu âmbito econômico e socioambiental.
Finalmente, o autor desta monografia coloca que, como experiência
pessoal, a última deste período de graduação, a realização deste trabalho mostrou
as dificuldades, mas também os privilégios existentes para aqueles que percorrem o
caminho de uma pesquisa acadêmica. Pude perceber que, do projeto inicial, muita
coisa teve que ser modificada e até mesmo retirada, devido ao tempo e a
necessidade de recortar o objeto de estudo para se chegar a um trabalho mais
objetivo. Talvez por isso que, escrevendo estas considerações finais, permanece a

128

impressão de que faltou escrever mais. Mas, ao mesmo tempo, percebo que fazer
Ciência é caminhar lentamente, com paciência, é uma construção histórica que tem
que ser amadurecida com o tempo e com o aprendizado. E entender a afirmação de
Milton Santos (2004b), de que não somos os primeiros nem os últimos a pensar
sobre qualquer assunto que seja.

129

BIBLIOGRAFIA

AB'SABER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas.
São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.
AGB. XIII Encontro Nacional de Geógrafos, 2002, Anais... João Pessoa, UFPB, CD.
____. VI Congresso Brasileiro de Geógrafos, 2004, Artigos... Goiânia, UFG, CD.
ALMEIDA, M. G. Lugares turísticos e a falácia do intercâmbio cultural. In: ALMEIDA,
M. G. (org.). Paradigmas do Turismo. Goiânia: Alternativa, 2003. p. 11-19.
_____________. et al. A pesquisa em geografia sobre a produção territorial do
turismo. In: VI Congresso Brasileiro de Geógrafos, 2004, Artigos... Goiânia, UFG,
CD.
ANDRADE, M. C. Uma geografia para o século XXI. Campinas-SP: Papirus, 1994.
ANJOS, F. A. dos; SIMI R. Turismo e produção de território na região da costa brava
em balneário Camboriú-SC. In: XIII Encontro Nacional de Geógrafos, 2002, Anais...
João Pessoa, UFPB, CD.
ASHTON, M. S. G. Parques temáticos: espaços e imaginários. In: GASTAL, S.;
CASTROGIOVANNI, A. C. (orgs.). Turismo na Pós-Modernidade ­
(des)inquietações. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003. p. 121 ­ 129.
BENEVIDES, I. P. Uma leitura crítico-interpretativa do planejamento governamental
do turismo no Ceará. In: XIII Encontro Nacional de Geógrafos, 2002, Anais... João
Pessoa, UFPB, CD.
BORBA, O.; OLIVEIRA, V. Festa de Nossa Senhora da Penha: a prática religiosa e a
inserção do turismo em Corumbá de Goiás. In: VI Congresso Brasileiro de
Geógrafos, 2004, Artigos... Goiânia, UFG, CD.
CALVENTE, M. C. M. H. Turismo e Excursionismo Rural - potencialidades,
regulação e impactos. Londrina: Humanidades, 2005.
_______________. GONCALVES, M. A. C. C. Turismo em Pequenos Municípios:
Jataizinho - PR. Londrina: Humanidades, 2004.
_______________. et al. Caiçaras, Mestres, Professores e Turistas: a resistência da
territorialidade em um processo de transformação do território. In: DIEGUES, A. C.
(org.) Enciclopédia caiçara, v.1, São Paulo: HUCITEC: NUPAUB: CEC/USP, 2004, p.
263-273.
_____________; FUSCALDO, W. C. A relação entre o excursionismo rural e a
educação formal e informal. Geografia ­ Revista do Departamento de Geociências,
Londrina, v. 11, n. 2, p. 195 ­ 207, jul./dez. 2002.

130

CALVENTE, M. C. M. H. Turismo e Excursionismo - o Qualificativo Rural. Um
estudo das experiências e potencialidades no Norte Velho do Paraná. São Paulo,
2001. Tese (Doutorado em Geografia Humana) ­ Faculdade de Filosofia, Letras e
Ciências Humanas. USP.
_______________. No Território do Azul Marinho - A busca do espaço caiçara. São
Paulo, 1993. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) ­ Faculdade de
Filosofia, Letras e Ciências Humanas. USP.
CARLOS, A. F. A. Seria o Brasil "menos urbano do que se calcula?". Resenha de:
VEIGA, J. E. da. Cidades imaginárias: o Brasil é menos urbano do que se calcula.
Disponível em: http://www.geografia.fflch.usp.br/Geousp/Geousp13. Acessado em:
19 de setembro de 2003.
CARLOS, A. F. A. A Geografia brasileira, hoje: algumas reflexões. Terra Livre. São
Paulo, ano 18, v. 1, n. 18, p. 161-178, jan./jun. 2002.
CASTROGIOVANNI, A. C. Turismo x Espaço: reflexões necessárias na pósmodernidade. In: GASTAL, S.; CASTROGIOVANNI, A. C. (orgs.). Turismo na PósModernidade ­ (des) inquietações. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003. p. 43 ­ 50.
CRUZ, R.C.A. Introdução à geografia do turismo. 2 ed. São Paulo: Roca, 2003.
_____________; SANSOLO, D. G. Plano Nacional do Turismo: uma análise crítica.
Caderno
Virtual
de
Turismo.
Disponível
em
. Acessado em: 04 de dezembro de 2003.
_____________. O planejamento governamental e a política pública de turismo: o
que são, para que servem. In: XIII Encontro Nacional de Geógrafos, 2002, Anais...
João Pessoa, UFPB, CD.
DA MATTA, R. Dez anos depois: em torno da originalidade de Gilberto Freyre. Ci. &
Tróp., Recife, v. 25, n.1, p.17-37, jan./jun., 1997.
DELAMARO, L. L.; OLIVEIRA, J. H. Resenha de BARRETO, M. Turismo e Legado
Cultural. Caderno Virtual de Turismo. Disponível em: http://www.ivt-rj.net/caderno.
Acessado em 18 de setembro de 2004.
ESTEVES, C. J. O.; MARTINEZ, J.; TELLES, D. H. Q.; Uso e ocupação na Vila de
Encantadas, Ilha do Mel. In: VI Congresso Brasileiro de Geógrafos, 2004, Artigos...
Goiânia, UFG, CD.
EXUPERY, A. de Saint. O Pequeno Príncipe. 14 ed. Rio de Janeiro: AGIR, 1969.
GONÇALVES, A.R.; PEREIRA, M. F. V. O ecoturismo em Brotas-SP: ação pública e
privada na produção da localidade turística. Geografia, Rio Claro, v. 29, n. 2, p.159167, mai./ago. 2004.
GRAZIANO DA SILVA, J. Velhos e novos mitos do rural brasileiro. Estudos
Avançados, v. 15, n. 43, p. 37-50, set./dez. 2001.

131

HENRIQUE, W. A natureza nos interstícios do social ­ uma leitura das idéias de
natureza nas obras de Milton Santos. Terra Livre, São Paulo, ano 19, v. 2, n. 21, p.
249 ­ 262. jul./dez. 2003.
LUCHIARI, M. T. D. Paes; SERRANO, Célia. Tourism and Enviroment in Brazil. In:
Population and Enviroment in Brazil: Rio+10 / Daniel J. Hogan, Elza Berquó and
Heloisa S. M. Costa (eds.) ­ Campinas: CNPD, ABEP, NEPO, 2002.
MAIA, D. S. A Geografia e o estudo dos costumes e tradições. Terra Livre. São
Paulo, n. 16, p. 71 98, 1º sem/2001.
MONTERO, P. Magia e pensamento mágico. São Paulo: Ática, 1986 (Série
Princípios, n.43).
MONTEIRO, C.A.F. A geografia no Brasil (1934-1977): avaliação e tendências. São
Paulo: IGEOG-USP, 1980, Série Teses e Monografias, nº37.
MORANDI, S. Espaço e Turismo: uma proposta de geografia para o pós-médio. In:
PONTUSCHKA, N. N.; OLIVEIRA, A. U. (orgs.) Geografia em Perspectiva: Ensino e
Pesquisa. São Paulo: Contexto, 2002, p.69-76.
MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 3ª ed. São
Paulo: Cortez/Brasília: UNESCO, 2001.
____________. Ciência com Consciência. Bertrand Brasil: Rio de Janeiro, 1996.
OLIVEIRA, A. U. A longa marcha do campesinato brasileiro: movimentos sociais,
conflitos e Reforma Agrária. Estudos Avançados. v.15, n.43, p.185-206. set./dez.
2001.
OLIVEIRA J. P. de; ROCHA E. B. V; THOMAZI, S. M.; A ação do planejamento
urbano na formação do espaço turístico do Paraná. In: XIII Encontro Nacional de
Geógrafos, 2002, Anais... João Pessoa, UFPB, CD.
OURIQUES, H. R. A Produção do Turismo: fetichismo e dependência. Presidente
Prudente, 2003. Tese (Doutorado em Geografia ­ Desenvolvimento Regional e
Planejamento Ambiental) ­ Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade
Estadual Paulista.
PIRES, P. S. A paisagem rural como recurso turístico. In: XIII Encontro Nacional de
Geógrafos, 2002, Anais... João Pessoa, UFPB, CD.
PUNZO, Lionello F. Sostenabilidad del turismo y desarrollo económico local: El caso
de la region Toscana. Caderno Virtual de Turismo. Disponível em: http://www.ivtrj.net/caderno/punzo/punzo1.htm. Acessado em: 18 de maio de 2004.
RODRIGUES, Adyr B. Turismo e Espaço: rumo a um conhecimento transdisciplinar.
3ª ed. São Paulo: Hucitec, 2001a.

132

RODRIGUES, Adyr B. Desafio para os estudiosos do turismo. In: Turismo e
Geografia: reflexões teóricas e enfoques regionais. 3ª ed. São Paulo: Hucitec,
2001b.
RODRIGUES, Arlete M. A utopia da sociedade sustentável. Ambiente & Sociedade.
Campinas, ano I, n.2 p.133-138, 1º semestre de 1998.
SACHS, I. Brasil rural: da redescoberta à invenção. Estudos Avançados, v. 15, n. 43,
p. 75-82, set./dez. 2001.
SAHLINS, M. A primeira sociedade da afluência. In: CARVALHO, E. A. (org.)
Antropologia econômica. São Paulo: Liv. Editora Ciências Humanas, 1978.
SANTOS, B. de Sousa. Para um Novo Senso Comum: a ciência, o direito e a política
na transição paradigmática. São Paulo: Cortez, 2000.
SANTOS, C. Turismo e lugar: o planejamento turístico em pequenos municípios. In:
XIII Encontro Nacional de Geógrafos, 2002, Anais... João Pessoa, UFPB, CD.
SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4 ed. São
Paulo: EDUSP, 2004a.
__________. Testamento intelectual/Milton Santos; entrevistado por Jesus de Paula
Assis; colaboração de Maria Encarnação Sposito. ­ São Paulo: Editora UNESP,
2004b.
__________; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século
XXI. 4ªed. Rio de Janeiro: Record, 2002.
SILVA, Ana M. R. da. Trabalho de campo: prática "andante" de fazer Geografia. Geo
UERJ - Revista do Departamento de Geografia, Rio de Janeiro, n.11, p.61-74, 1º
semestre de 2002.
SILVA, C. G. da. O caipira/country como novo rural no campo da cultura e as
exposições agropecuárias como lócus de sua reprodução In: XX Semana de
Geografia, 2004. Anais... Londrina, UEL, CD.
SILVA JUNIOR, E. P. Programa de inclusão da disciplina "Estudos Turísticos e Meio
Ambiente" nos municípios turísticos do Rio de Janeiro. Caderno Virtual de Turismo.
Disponível
em:
http://www.ivt-rj.net/caderno/anteriores/12/pereira/pereira1.htm.
Acessado em 18 de julho de 2004.
SPÓSITO, E. S. A propósito dos paradigmas de orientações teórico-metodológicas
na Geografia contemporânea. Terra Livre. São Paulo, n. 16, p. 99 ­ 112, 1º
sem./2001.
TAVARES, J.H. Contribuição à epistemologia da geografia: baseada na análise dos
trabalhos de conclusão do bacharelado em geografia ­ UEL, 1984-1995.
Bacharelado em Geografia, Londrina ­ UEL, 1995.

133

XAVIER, Herbe. Contribuição de Lívia de Oliveira para a percepção geográfica do
turismo In: Simpósio Nacional sobre Geografia, Percepção e Cognição do Meio
Ambiente, 2005. Anais... Londrina, UEL, CD.
____________. A incorporação da dimensão do turismo no ensino da geografia. In:
PONTUSCHKA, N. N.; OLIVEIRA, A. U. (orgs.) Geografia em Perspectiva: Ensino e
Pesquisa. São Paulo: Contexto, 2002, p.59-68.

134

ANEXO A ­ e-mail recebido da AGB como resposta sobre os trabalhos não
publicados no CBG/2004.

ANEXO B ­ modelo original da Ficha-Resumo utilizada durante a pesquisa.