GEOGRAFIA ECONÔMICA
Anais de Geografia Econômica e Social
Dossiê Ásia/China

Organizadores:
Armen Mamigonian
José Messias Bastos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Reitor:

Álvaro Toubes Prata

Vice-Reitor:

Carlos Alberto Justo da Silva

CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Diretora:

Maria Juracy Filgueiras Toneli

Vice-Diretora:

Roselane Neckel

DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

Chefe:
Sub-Chefe:

João Carlos Rocha Gré
José Messias Bastos

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA

Coordenador:
Sub-Coordenador:

Carlos José Espíndola
Élson Manoel Pereira

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA
CATARINA

GEOGRAFIA ECONÔMICA
Anais de Geografia Econômica e Social

UFSC

ISSN 1983-4543

GEOGRAFIA ECONÔMICA Florianópolis

Edição nº1 - Revisada 349 p. julho 2008

GEOGRAFIA ECONÔMICA ­ Anais de Geografia Econômica
e Social é uma publicação do Grupo de Pesquisa Formação SócioEspacial: Mundo, Brasil, Regiões, vinculado ao CNPq.
Patronos:
André Cholley
Ignácio Rangel
Marc Bloch
Comissão Editorial:
Antônio Alfredo Teles de Carvalho (UNEAL ­ Arapiraca/AL)
Armen Mamigonian (USP/UFSC)
Bernadete M. de Azambuja (UNIJUI/RS)
Carlos José Espíndola (UFSC)
César Martins (FURG ­ Rio Grande/RS)
Domingos Sávio Corrêa (Doutorando USP)
Elias Jabbour (Doutorando USP)
Fábio Napoleão (UDESC)
Fernando Sampaio (UNIOESTE ­ Francisco Beltrão/PR)
Francisco Capuano Scarlato (USP)
German Wettstein (Montevidéu ­ Uruguai)
Gervásio Rodrigo Neves (UFRGS)
Humberto Marinho de Almeida (UECE)
Isa de Oliveira Rocha (UDESC)
José Messias Bastos (UFSC)
Marcos Aurélio da Silva (UFSC)
Maria Auxiliadora da Silva (UFBA)
Maria Graciana E. de Deus Vieira (UDESC)
Marlon Clóvis Medeiros (UNIOESTE ­ Francisco Beltrão/PR)
Marta da Silveira Luedemann (UNESP ­ Ourinhos)
Maycon Neykiel Bastos (Mestrando UFSC)
Miguel Gimenez Benitez (UNESP ­ Presidente Prudente)
Mônica Arroyo (USP)
Paulo Cirino Mourão (UNESP ­ Ourinhos)
Raquel Maria Fontes do Amaral Pereira (UNIVALI /SC)
Roberto Lobato Corrêa (UFRJ)
Tânia Maria Fresca (UEL - Londrina)
Zeno Crocetti (UNIBEM/PR)

NOTA EDITORIAL
GEOGRAFIA ECONÔMICA ­ Anais de Geografia
Econômica e Social, é uma revista do Grupo de Pesquisa Formação
Sócio-Espacial: Mundo, Brasil, Regiões, vinculado ao CNPq.
Dedicado à temática Ásia/China, com colaborações não somente de
geógrafos, este primeiro número foi iniciativa conjunta com o Núcleo
de Estudos Asiáticos ­ NEAS da UFSC, vinculado ao Departamento
de Geociências. Este núcleo nasceu incentivado pelo embaixador
Amaury Porto de Oliveira, que fez grande doação de revistas e livros
especializados e tem nos visitado periodicamente. Agradecemos a
todos que colaboraram com artigos, notas, resenhas, traduções e nos
preparativos deste número, como Maria Graciana E. Deus Vieira e
Fábio Napoleão, professores da UDESC, Marcos Aurélio da Silva,
professor da UFSC, Raquel do Amaral Pereira, professora da
UNIVALI e da Pós Graduação em Geografia da UFSC, além de
Maycon Bastos e Tomás Fontan, alunos da UFSC. A organização do
presente número esteve a cargo de Armen Mamigonian e José
Messias Bastos. O próximo número da revista versará sobre temas
de Teoria da Geografia, em especial de geografia econômica e será
organizado pelo LABEUR-UFSC e pelo Grupo de Pesquisas
Dinâmica Econômica e Formação Sócio-Espacial da UNIOESTE,
Campus Francisco Beltrão/PR.
O presente número é dedicado ao professor Carlos Augusto
de Figueiredo Monteiro, um dos fundadores da Faculdade
Catarinense de Filosofia, implantada sob a direção do professor
Henrique da Silva Fontes. Carlos Augusto lecionou vários anos nos
nossos cursos de graduação e pós-graduação em Geografia e
participou ativamente da AGB e da UGI, tendo estado no Japão
várias vezes, desde 1980. Da última vez lecionou cultura brasileira
na Universidade de Tenri (Nara), no biênio 1995-97, quando teve
oportunidade de visitar China e Taiwan, Coréia do Sul, Indonésia,
Filipinas, Vietnã, Índia e Nepal e nos deixou um interessante registro:
Este & Oeste ­ mesmidade ou mudança nas relações e feições destes
grandes lugares do homem no Mundo atual? publicado na Revista
GEOSUL, nº 26, vol 13, julho/dezembro (1998).
Comissão Editorial

Universidade Federal de Santa Catarina
Centro de Filosofia e Ciências Humanas

Revisão Técnica:

Marcos Aurélio da Silva
Maria Graciana E. Deus Vieira
Raquel Maria Fontes do
Amaral Pereira
Tomás Figueiredo Fontan

Projeto Gráfico e Diagramação:

Jane Mary Carpes Gonzaga

Capa:

Marcelo Perez Ramos

GEOGRAFIAECONÔMICA­Anais de Geografia Econômica e Social. Grupo
de Pesquisa/CNPq Formação Sócio-Espacial: Mundo, Brasil, Regiões; Núcleo
de Estudos Asiáticos. Universidade Federal de Santa Catarina ­ Florianópolis:
Impressão no Departamento de Geociências, Julho de 2008.
ISSN
1983-4543
1. Geografia 2. Periódico I. Universidade Federal de Santa Catarina.

Endereço para correspondência e assinatura
Mailing address subscriptions
Universidade Federal de Santa Catarina
Centro de Filosofia e Ciências Humanas
Departamento de Geociências
Laboratório de Estudos Urbanos e Regionais
Campus Universitário ­ Trindade
88.040-900 ­ Florianópolis ­ SC
Telefone: (00 XX 55) 48 3721-8637
E-mail: [email protected] - [email protected]

Sumário
Apresentação.................................................................................09
Artigos.....................................................................................................................15
As origens da civilização chinesa
(Henri Maspero) ..........................................................................17
As bases naturais e sociais da civilização chinesa
(Armen Mamigonian) ...................................................................41
Japão: revolução passiva e rivalidade imperialista
(Marcos Aurélio da Silva).............................................................67
Segunda viagem À China (janeiro de 2007)
(Elias Jabbour)..............................................................................99
Introdução ao comércio varejista na China.
(José Messias Bastos) ................................................................123
Brasil e China nos fluxos globais de investimento direto externo
(Luciana Acioly da Silva).............................................................141
Uma análise da "agenda liberal" para a China
(Bernardo Kocher)......................................................................177
Indústria de tecnologia da informação no Brasil e na Coréia do Sul
(Mee Joung Lee).........................................................................195
As transformações recentes na produção mundial de refrigeradores e
compressores
(Isa de Oliveira Rocha)...............................................................210
A Ásia e o fim do oligopólio automobilístico dos EUA
(Marta da Silveira Luedemann)...................................................237
POSCO: a líder sul-coreana na siderurgia mundial
(Priscila Helena Lee)...................................................................265

Desenvolvimento econômico e estratégias de expansão de
empresas na Ásia
(Domingos Sávio Corrêa)............................................................279
Notas.........................................................................................293
O Vietnã volta a estar em foco)..................................................295
(Amaury Porto de Oliveira)
Vietnã: o tigre vermelho
Armen Mamigonia...................................................................... 305
A terra e o povo da China
(Pearl Buck)................................................................................311
Notas sobre o agronegócio de carne na China
(Carlos José Espíndola)...............................................................315
Notas sobre a produção e comércio de grãos na Ásia
(Marlon Clóvis Medeiros)...........................................................323
Resenhas........................................................................................331
Chutando a escada
(Ha-Joon Chang).......................................................................334
China: infra-estruturas e crescimento econômico
(Elias Jabbour)............................................................................335
Mao: a história desconhecida
(Jon Halliday e Jung Chang)........................................................339

APRESENTAÇÃO
No lançamento de GEOGRAFIA ECONÔMICA ­ Anais
de Geografia Econômica e Social achamos útil fazer algumas
observações sobre o percurso da ciência geográfica ao longo dos
séculos XIX e XX no Brasil e no Mundo.
Humboldt e Ritter, dois gênios do pensamento alemão,
criaram a geografia moderna na primeira metade do século XIX.
A reação francesa à hegemonia alemã tardou a ocorrer, mas
adquiriu dinamismo com as iniciativas de P. Vidal de La Blache,
que fundou em 1891 os Annales de Géographie, revista que
estimulou os debates entre as concepções francesas e alemães.
Marc Bloch e Lucien Febvre, dois historiadores com sólida
formação geográfica, influenciados pela vitalidade desta revista
e pelo marxismo criaram, em 1929, os Annales d'Historie
économique et sociale e as duas revistas tornaram-se importantes
veículos de produção de conhecimentos geográficos e históricos.
Os Annales de Géographie tornou-se a mais avançada revista
geográfica mundial em meados do século XX, sob as lideranças
de André Cholley e Max Sorre. É possível que o Encontro da
UGI no Rio de Janeiro em 1956 tenha sido o auge da Geografia,
tanto mundial como brasileira, mesmo com o ostracismo imposto
a nomes como A. Cholley e Josué de Castro.
Assentadas as bases da visão de mundo e das metodologias
por Humboldt e Ritter, herdeiros de Kant e Hegel, é possível dizer
que as controvérsias ocorridas depois não mudaram os rumos da
Geografia até meados do século XX. Entretanto, a vitória da
revolução socialista na URSS estimulou os estudos de idéias
marxistas nas universidades européias nos campos da filosofia, da
história, da geografia, etc, com aproximações entre geografia e
marxismo na Alemanha (Wittfogel e Chrystaller) e na França (J.
Dresch e P. George) e ganhou novo impulso com a vitória soviética
na Segunda Guerra Mundial. Assim sendo, à altura de 1950 na
Europa ocidental o marxismo era chamado a dialogar não só com
a geografia e as demais ciências, mas também com os cristãos,
sobretudo com a ala esquerda do catolicismo, dando origem à
Teologia da Libertação na América Latina.

10 --

As idéias de combinações geográficas que A. Cholley
desenvolveu nos anos 40 e 50, foram heranças dos zoneamentos
altimétricos e geográficos constatados por Humboldt nos Andes e
corresponderam às idéias de múltiplas determinações de Marx,
que visavam decifrar as causalidades dos acontecimentos humanos
e foram fundamentais, no dizer de G. Bertrand à elaboração das
idéias de geo-sistemas. Em outras palavras, as idéias de geosistemas já estavam implícitas nas pesquisas de campo de
Humboldt. Como Kant, Humboldt enxergava a existência de dois
sistemas intimamente relacionados, mas distintos, o sistema natural
e o sistema social. A formação sócio-espacial de M. Santos, por
exemplo, privilegia o sistema social. Esta continuidade virtuosa
da Geografia, incluindo a emulação entre geografia alemã e
geografia francesa, desde inícios do século XIX aos meados do
século XX começou a ser erodida logo depois.
Antes que essa erosão ocorresse, o Brasil viveu nos anos
40 e 50 o período de ouro na feliz expressão de M. Alves de Lima.
No caso paulista, P. Monbeig desempenhou papel fundamental,
pois mesmo sem ter grandes conhecimentos de Geografia física
incentivou os estudos de Aziz Ab'Saber em geomorfologia e os de
Ari França em climatologia dinâmica, além de pesquisar as frentes
pioneiras do café, muito influenciado pelas idéias de Marc Bloch
sobre os desbravamentos germânicos na Idade Média e orientar
M. C. Vicente de Carvalho (Litoral Paulista e o Porto de Santos) e
Nice L. Muller (Sítios e sitiantes do Estado de São Paulo), além de
estimular pesquisas de Caio Prado Júnior sobre as implicações
urbanas do sítio e da situação da cidade de São Paulo. Assim sendo,
nos anos 50 foi possível publicar a monumental geografia da
Cidade de São Paulo. Como se vê tratavam-se de estudos sobre a
natureza e a sociedade, agora subestimados em favor dos estudos
do espaço, resultando em textos fragmentados, como apareceu em
publicação recente sobre a Metrópole paulistana, da USP, que
lembra um verdadeiro "samba do crioulo doido". Deve-se dizer
que a doença "espaciológica" é muito maior na Geografia humana
do que na Geografia física, o que empobreceu nossa visão da
sociedade. Assim, a Geografia brasileira, que havia alcançado nos
anos 50 e 60 a maturidade e por vezes ultrapassava o que se fazia
no centro do sistema, com Aziz, CA. Figueiredo Monteiro, Milton
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

-- 11

Santos entre outros, passou a sofrer várias ondas de recolonização,
com a "quantitativa", o marxismo de fachada e o pós-modernismo.
Voltando à Geografia européia, é interessante lembrar que
ela preservou sua vitalidade até meados do século XX, em grande
parte, pelo seu apego às raízes e pelo seu conservadorismo,
sobretudo no caso francês. Enquanto a História foi
excessivamente história política no século XIX e foi rejuvenescida
pelos Annales d'historie economique et sociale, a Geografia de
Humboldt e Ritter nasceu fortemente com pés na terra, isto é,
com raízes nas bases naturais e no trabalho dos homens e
continuou com estas características, aperfeiçoadas pelas
influências marxistas acima referidas. No após guerra (1945), as
divergências na História passavam a ser principalmente de
interpretação dos fatos, enquanto a Geografia foi envolvida por
vendavais maiores e mais perigosos. A erosão da Geografia
começou na Europa durante os chamados Trinta anos gloriosos,
correspondentes aos "milagres" econômicos da Alemanha,
França, Itália, etc, ao mesmo tempo em que também se iniciou a
erosão do "marxismo ocidental" dos filósofos e sociólogos
acadêmicos, como observou Perry Anderson. O crescimento
econômico permitiu a elevação do nível de vida popular e criou
uma sociedade de consumo de massas, que só existia
anteriormente nos EUA, e que provocou o crescente
aburguesamento dos trabalhadores, o enfraquecimento dos
movimentos políticos, sociais e culturais, além do surgimento
da sociedade do espetáculo, na qual a verdade cede lugar à
aparência e se faz o jogo para "agradar" a platéia, agora
consumista e não mais crítica.
Os milagres econômicos europeus (1948-1973) se apoiaram
em planejamentos keynesianos, que supervalorizavam os
conhecimentos dos economistas e usavam de maneira subalterna
os conhecimentos geográficos. Assim, nos anos 50 P. George
encaminhou alguns discípulos ao Ministério da Construção francês
para estudos de redes urbanas, enquanto J. Tricart nos anos 60
realizou estudos geomorfológicos para uso da construção de
rodovias, para citar dois exemplos de fragmentação. Diante desta
nova realidade, a ciência geográfica não enfrentou os desafios de
aprofundar sua visão teórica de si mesma (geo-sistema e formação
sócio-espacial como paradigmas interpenetrados, etc). Os avanços
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

12 --

das especializações tornaram impossível, dada a enorme variedade
de campo de estudos, abarcá-la individualmente, como foi possível
a Humboldt e até recentemente a J. Tricart e alguns outros. Uma
falsa saída foi embarcar no empirismo abstrato da quantitativa,
usada para ajudar o planejamento, na qual o natural e o social foram
reduzidos à simples organização do espaço, em uma espaciologia
paupérrima. No interior da sociedade do espetáculo, geógrafos
subalternos ao poder político e às ciências mais agressivas, e
animados por um dinheirinho extra, foram procurando novas
"saídas" conforme a direção dos ventos e das modas (marxismo
de fachada, por exemplo), abandonando as "ultrapassadas"
experiências positivas acumuladas até meados do século XX. Na
verdade, são elas que devem ser retomadas numa proposta de
rejuvenescimento da nossa ciência, como discutiremos adiante.
A perda do dinamismo da Geografia Humana coincidiu
com o enfraquecimento do "marxismo ocidental" e da esquerda
européia nos anos 1960-70 e como a revolução foi saindo da
ordem das possibilidades, H. Lefebvre e M. Castels voltaram-se
para questões mais amenas, como a reprodução da força de
trabalho (habitação, etc.) e inspiraram os "novos" estudos de
geografia urbana. É verdade que M. Castels enveredou, mais tarde
por caminhos mais sérios. Sob influência de H. Lefebvre, a
geografia urbana deixou de se interessar pelos fenômenos
econômicos importantes, tratados anteriormente. Para
exemplificar, a industrialização ou a desindustrialização passaram
a ser temas marginais, juntamente com os processos profundos
que animam o urbano. Os estudos habitacionais, como
condomínios fechados, conjuntos populares, verticalização, etc.,
passaram a ser mais valorizados, excluindo outros temas.
Com a subordinação da geografia urbana à temática da
reprodução da força de trabalho é possível entender por que D. Harvey
considerou todas as grandes cidades do mundo, Nova York ou Rio de
Janeiro, Londres ou Dacca, Paris ou Dakar, semelhantes, com problemas
comuns, pois todas têm milionários e ricos, classes médias, pobres e
miseráveis. Descartou as formações sociais distintas e a perspectiva
mundial centro-periferiae assim desconsiderou asdimensões gigantescas
da função bancária de Londres, hipertrofiada, contrastando com o
fechamento da bolsa de valores do Rio de Janeiro, como fenômenos
opostos e igualmente importantes para a análise urbana.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

-- 13

O vendaval que assolou a Geografia continua a se
manifestar e as fragmentações afetaram inclusive as antigas boas
relações entre as Geografias física e humana, como se o sistema
natural não incorporasse o social ou a formação social não
abrangesse a natureza. Alguns geógrafos da área humana passaram
a desconsiderar o natural, antagonizando mesmo a Geografia física.
Nós acreditamos que a Geografia estuda os fenômenos físicos,
biológicos e humanos na superfície da Terra, conectados e
combinados, como é plataforma de outros geógrafos (J.A Matthews
e D.T Herbert: Unifying geography: common heritage, shared
future, 2004), trazidos ao nosso conhecimento por C.A. Figueiredo
Monteiro, e foi preocupação de F. Braudel pouco antes de morrer,
ao cobrar um retorno à antiga grandeza da Geografia. As
dificuldades também se situam na mudança da preocupação dos
intelectuais com o destino das suas respectivas disciplinas, pois se
há um esforço positivo de alguns, também há uma crescente postura
de individualismo neurotizado de outros. No caso brasileiro surgiu
um novo mandarinato de professores subalternos aos órgãos
governamentais de financiamento, constituído de verdadeiros
yuppies que incentiva uma política de poder mais do que uma
política cultural, aceitando produções "gastro-intestinais" dos
"amigos", para usar a expressão de M. Santos, e que constitui um
enorme obstáculo à renovação da Geografia.
Ao longo da segunda metade do século XX é possível dizer
que a Geografia Econômica tenha sido a mais atingida pelas
fragmentações e mudanças de enfoque da nossa ciência. Entretanto,
os desafios existentes devem nos estimular a retomar o antigo
caminho aberto pelos fundadores da Geografia. Não devemos nos
esquecer que Humboldt realizou uma brilhante geografia
econômica no Ensaio político da Nova Espanha (México) e também
no estudo sobre a ilha de Cuba, com surpreendentes resultados. P.
Monbeig, um dos fundadores da Geografia brasileira, fez excelente
geografia econômica em Pionniers et planteurs sobre as frentes
pioneiras do café. Não devemos nos esquecer dos numerosos
mestres estrangeiros de meados do século XX, como J. Chardonnet,
J. Gottman, L. Waibel, Y. Saonchkine (URSS), entre outros e dos
mestres brasileiros, como Orlando Valverde, Josué de Castro,
Dirceu Lino de Mattos, Manuel Correia de Andrade, entre outros.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

13--

A Geografia econômica é um enorme cruzamento de
geografia, história e economia e por isto escolhemos como patronos,
que nos inspirem na luta, Ignacio Rangel (1914-1994), André
Cholley (1886-1969) e Marc Bloch (1876-1944), que conseguiram
reunir, em graus variados geografia, história e economia e
defenderam suas idéias e convicções mesmo com a morte. Estamos
certos de que os caminhos que eles percorreram e as luzes que
lançaram nos ajudarão no percurso que estamos começando.

Armen Mamigonian
José Messias Bastos

ARTIGOS

AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA
Henri Maspero*
Resumo: Balanço das diferentes idéias acerca das origens da
civilização chinesa.
Palavras-chave: China; Origens da Civilização; Interpretações.
The origins of Chinese civilization.
Abstract: Balance of the different ideas concerning the origins
of Chinese civilization.
Keywords: China; origins of civilization; interpretations.
Em geral se diz que a civilização chinesa nasceu no
Noroeste da China, no que forma hoje o centro da província de
Chen-si e o Sudoeste da de Chan-si: nesse local, nas margens do
rio Amarelo e sobre o curso inferior dos rios Wei e Fen, seus
afluentes, entre a cadeia do Ts'in-ling, ao Sul, e os últimos
contrafortes do planalto de Ordos, ao Norte, ela teria seu berço;
de lá, ousados pioneiros descendo o rio Amarelo teriam partido
para conquistar e colonizar a grande planície oriental, aquela onde
se estendem hoje as províncias de Tche-li, Chang-tong e Kiangsu, assim como as porções Norte e Leste do Ho-nan e o Norte do
Ngan-huei. Esta hipótese, que nada justifica e que tudo parece
contradizer, é consagrada por um longo hábito: com efeito, teve a
chance de ser constantemente reforçada pelos preconceitos
sucessivos dos diversos autores que por três quartos de século se
dedicaram às origens chinesas.

*Henri Maspero (1883-1945), filho de egiptólogo francês, estudou Geografia
e História, Direito e Chinês na École des Langues Orientales (Paris). Foi
contemporâneo de outro sinólogo famoso, M. Granet (1884-1940) e escreveu
em 1927 La China antique (reed. PUF, 1965) e Le Taoisme et les religions
chinoises (reed. Gallimard, 1990). Faleceu no campo de concentração nazista
de Buchenwald. Seu artigo Les origines de la civilization chinoise nos Annales
de Géographie, 1926 (p.135-154) foi traduzido por Mônica Martins Figueiredo
e Maria Ângela Villela com revisão técnica de Yadir A. Figueiredo e Maria
Helena G. Mamigonian
.

18 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

O primeiro e o melhor tradutor dos Livros Clássicos, o
Reverendo James Legge, fazia recuar sua teoria até a Torre de
Babel: "Os chineses começaram seu movimento em direção ao
Leste, desde as regiões entre o Mar Negro e o Mar Cáspio, pouco
depois da Confusão das Línguas; continuando entre as cadeias
Altaica, ao Norte, e a Táurica, com seus prolongamentos ao Sul,
mais aproximando-se tanto quanto possível do sul ensolarado e
mais agradável, a tribo encontrou-se, cerca de 2.000 anos antes da
nossa era, entre 40o e 45o latitude Norte, seguindo paralelamente
ao rio Amarelo na parte mais setentrional do seu curso ela decidiu
seguir o rio, voltou ao Sul com ele, andou sobre sua margem
oriental e foi parada por seu ângulo em direção ao Leste. Assim o
Chan-si atual tornou-se o berço do império chinês."1
Por seu lado, Richthofen, persuadido de que os três grandes
povos civilizadores do Velho Continente ­ indo-europeus, semitas
e chineses ­ deviam ter um habitat comum na Ásia Central em
torno do planalto do Pamir, os primeiros a Oeste, os últimos a
Leste, na bacia do Tarim, do lado de Yarkand e de Khotan, seguiam
os chineses em sua marcha em direção a Leste, etapa por etapa,
primeiro no Kan-su atual, em seguida, de lá, em uma "época
indeterminada", anterior a 3000 a.C., no vale do Wei, em Chensi2. Desse lugar, que era para ele também o berço da civilização
chinesa, uma hipótese nova lhe permitiu seguir seus movimentos
ulteriores, graças a uma interpretação pessoal do "Tributo de Yu"
Yu kong, opúsculo que forma um capítulo de um dos Livros
Clássicos, o Chu king: ele acreditou encontrar ali a descrição das
estradas de migração chinesas, do habitat primitivo no Chen-si
em direção ao Leste, na parte baixa do rio Amarelo, e em direção
ao Sul, até o rio Azul3. Esta interpretação, se bem que engenhosa,
é demasiado arbitrária para poder ser aceita.
Mais ou menos na mesma época, Schlegel4, que se deixou
levar por falsas etimologias a acreditar na identidade das "raízes
Legge, SHoo king, Prolegomena, p. 189. Em seu Ch'um-ts'ew, Prolegomena,
p. 134, ele situa o primeiro estabelecimento dos chineses no Sudoeste do Chansi e talvez do outro lado do rio.
2
Richthofen, China, 1, p. 414-415, e mapa 3.
3
Richthofen, op.cit., 1, p.340-342, e mapa 5.
4
Schlegel, Sinico- Aryaca ou Recherches sur les racines primitives dans les
langues chinoise e aryenne, Batavia, 1872.
1

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 19

primitivas" das línguas chinesa e sânscrito, era naturalmente
conduzido a fazer com que os chineses seguissem um caminho
análogo, do país primitivo comum a eles e aos indo-europeus, e a
fazê-los chegar ao seu domínio atual descendo o rio Amarelo.
Terrien de Lacouperie acreditara reconhecer a identidade das formas
antigas das escrituras chinesa e cuneiforme, e além dessa, aquela
dos nomes de Chen-nong e Huang-ti, dois imperadores míticos
chineses que teriam reinado em torno do século XXX a.C, com os
nomes de Sargon, rei de Agade, na Babilônia, e de Kudurnakhunte,
rei de Suse. Para ele, os chineses, a quem chama de Tribus Bak,
considerando como nome étnico à expressão as Cem Famílias5
pela qual eles se designavam com freqüência, eram uma tribo de
emigrantes, vindos da região situada a Oeste de Hindu-Kuch, no
Sudoeste do Mar Cáspio e próximo de Elam (Susiane). Ele os
seguiu por muito tempo através da Ásia, levantando todos os nomes
de lugares onde se encontra a sílaba bak para fazer disto
testemunhos de sua passagem, Bactres, Bagdá, Bagistão, etc.; fez
com que atravessassem o Pamir, descessem para Kachgar e Khotan,
enfim, conduziu-os para as margens do rio Amarelo e dos rios Lo
e Wei, no Chen-si; pretendia até fixar exatamente a data de sua
migração nos anos 2285-2282 a.C6.
Assim, fosse qual fosse sua opinião sobre a origem do primeiro dos
chineses, todos esses autores estavam de acordo a fazê-los entrar na
China pelo Noroeste, e a situar seu primeiro estabelecimento no vale do
Wei. Acreditavam ser autorizados por aquilo que consideravam, em
seguida aos chineses, como a história autêntica da China primitiva. O
imperador Yao, que a cronologia oficial situa no século XXXIV a.C.
teria tido sua capital em P'ing-yang7, sobre o rio Fen, no Chan-si; seu
sucessor Chuen teria estabelecido a sua mais ao Sul, perto de P'u-tcheu,
na mesma província; a de seu sucessor Yu, no século XXII a.C, teria se
Em chinês po-sing; a pronúncia antiga da palavra po que significa 100 fora
recuperada de modo inexato por Terrien de Lacouperie como bak..
6
Terrien de Lacouperie, Western Origin of the Chinese Civilization,
Londres, 1894, p. 26,27, 302, 305, 309, 321, etc.
7
Os nomes de um grande número de prefeituras e subprefeituras chinesas foram
modificados quando da reforma administrativa de 1914; mas como os nomes
anteriores a essa reforma são os únicos que se encontram nos mapas europeus,
eu os conservei neste artigo.
5

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

20 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

situado não longe dali, em Ngan-yi, mas o feudo de Hia que ele possuía
antes era na planície oriental, perto de Kaifong, e é para esta região que
seus descendentes, os imperadores da dinastia Hia, teriam transportado
suas sucessivas capitais, no Tche-li e no Chan-tong.Assim o advento da
dinastia Hia teria marcado a marcha para frente dos conquistadores
chineses, primeiro confinados no alto do rio Amarelo, e passando dali
para a planície onde se desenvolve a parte inferior do seu curso. Mas só
se obtinha este esquema submetendo a história tradicional chinesa a um
tratamento dos mais violentos. Em primeiro lugar, com efeito, essas
mudanças de capital não foram jamais consideradas pelos historiadores
chineses como tendo o caráter de uma migração ou de uma conquista, e
estanãoémais do queuma interpretação tendenciosa dos sábios europeus
ao procurar uma justificativa para suas teorias pré-concebidas. E, ainda
mais, esta aparência de justificativa não era devida a um corte arbitrário
dentro da história oficial chinesa, ao escolher o imperador Yao para
marcar o início da história pretensamente autêntica, e ao rejeitar tudo o
que precede para o campo da lenda. Com efeito, antes desse soberano,
a tradição localizava todas as capitais mais antigas na planície oriental,
ao sul do Tche-li, no Chan-tong e no Ho-nan: a do Ti-k'u, o pai e
predecessor de Yao em P'o (Ho-nan), a de Tchuan-hiu, predecessor de
Ti-k'u e avô de Yu, em P'u-yang (Tche-li); quanto a Huang-li, o avô de
Tchuan-hiu e bisavô deTi-k'u, alguns declaram que ele não tinha capital
fixa, outros o fazem residir em Sin-tcheng (Ho-nan); antes ainda dele,
situa-se a capital de Chen-nong em K'iufeu (Chang-tong) e a de Fu-hi,
o primeiro imperador da história oficial, em Tch'em (Ho-nan).
Tudo isso, aliás, tem pouca importância. A história oficial da
antigüidade chinesa não passa de uma coleção de lendas: os reinos
de Chen-nong, de Huang-li, de Yu são versões diferentes de uma
mesma lenda mitológica multiplicada, aquela da arrumação do
mundo coberto de água na origem por heróis enviados do céu8; de
Chuen, tudo o que está relatado se reduz a um conto de folclore, o
enteado perseguido por sua madrasta e o filho desta, vencendo
todas as armadilhas e acabando por desposar as filhas do rei. Quanto
a Yao, é apenas um nome: ele não tem sequer uma lenda pessoal.
Da dinastia Hia, que começa com Yu, nada é conhecido, salvo
Henri Maspero, Legendes mythologiques dans de Chou-king (Journal
Asiatique, C II, 1924, p.47 e suiv.)
8

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 21

alguns relatos mitológicos espalhados sobre o fundador Yu e seu
filho K'i, e também sobre um outro herói (uma espécie de Hércules
chinês), Yi o excelente arqueiro, grande destruidor de monstros,
que foi acrescentado artificialmente. Foi apenas com o fim da
dinastia Yin que a história começa com estes últimos reis, tornados
conhecidos a partir de inscrições, sobre casco de tartaruga,
descobertas recentemente, ainda que só abarquem um curto
período: os documentos cessam quase imediatamente e só retornam
de modo continuado nos últimos anos do século VIII a.C.
Foi bem erradamente que se procurou na história antiga da China
uma confirmação das teorias que situavam o berço da civilização
chinesa no centro do Chen-si e no sudoeste do Chan-si.
Mr.Conrady9, impressionado pela fragilidade desta hipótese, propôs
procurar esse lugar de origem dentro do Chan-si meridional e do
Ho-nan setentrional, a cavalo, pelas duas margens do rio Amarelo:
seria daí que os colonos chineses teriam enxameado, alguns em
direção ao Wei, outros enfim em direção ao sul, na bacia do rio
Azul. Esta região é singularmente pouco propícia ao papel que lhe
atribuem; não é por acaso que, depois de três mil anos de história,
Chan-si e Ho-nan tenham sempre formado estados ou províncias
separados: todo o território ao Norte dos montes Tchong-t'iao e
T'ai-hang, no Chan-si, está voltado em direção ao vale do rio Fen
e das bacias de aluvião que ele reúne; ao contrário, a parte
setentrional do Ho-nan está voltada para o rio Amarelo. As
montanhas marcam uma linha de separação nitidamente traçada, e
é difícil ver aí um centro único de formação e a seguir de difusão
de civilização. A dificuldade aparece ainda maior quando se
examinam as posições relativas das populações chinesa e bárbara
nas províncias nos tempos antigos.
No início dos tempos históricos, cerca do século VIII, os
chineses estavam longe de ser os únicos habitantes da bacia do
rio Amarelo: apenas as planícies irrigadas lhes pertenciam, e
Conrady, China, 482 (Pflugk-Harttung's Wellgeschichte). A mesma teoria foi
sustentada recentemente por Mr. Enkes, China, 28. Mr. Forke, Die Völker
Chinas, 40, não toma posição e se contenta em constatar que "a sede mais
antiga dos chineses era na vizinhança do rio Amarelo, nas províncias de Tcheli, Chan-si, Chen-si, Ho-nan e Chag-tong".
9

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

22 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

todas as montanhas estavam nas mãos dos bárbaros. Os planaltos
em terraços do Chan-si eram o domínio dos Ti. Ao Sul, as seis
tribos dos Ti Vermelhos, das quais a última só foi dominada em
593 a.C., habitavam em todo o maciço que domina ao Norte do
rio Amarelo, a partir de seu ângulo em direção ao Leste, na
saída do Chen-si, até os altos vales do Ts'in e dos dois Tchang:
os Kao-lo, os mais meridionais, nos montes Tchog-t'iao, acima
da atual subprefeitura de Yuan-k'iu; mais a Leste, sobre o curso
superior do Ts'in e do Tcahg, os Lu-che e os Lieu-yu, que
deixaram seus nomes às circunscrições modernas de Lu-ngan e
de Tuen-lieu; mais ao Norte, os Tsiang-kao-ju, os To-tch'em
cujo habitat exato não é conhecido, enfim os Kia-che, os mais
orientais, sobre as encostas dos montes T'ai-hang, e descendo
mesmo até as margens do rio Amarelo, perto de K'i-tchö. Ao
Norte, no Wu-t'ai-chan, as três tribos dos Ti-Brancos: os Fei e
os Ku a Leste, perto de Sin-lo, e a Oeste, os Sien-yu de Tchongcham que conseguiram conservar sua independência até 296
a.C. Enfim, a Oeste todo o centro do Chan-si até o rio Amarelo
era povoado por Ti Ocidentais, que, bem menos protegidos por
uma região de acesso mais fácil, tinham sido dominados desde
a metade do século VII. Eles confinavam ao Norte com os
nômades que, desde os tempos antigos, pastavam nas estepes
do planalto mongol, "os Três Hu" San-hu a Oeste, duas tribos
de Hunos, os Leu-fan em torno do K'o-lan e os Tai-lin em torno
de Chan-p'ing, na margem do rio Amarelo, perto de seu ângulo
em direção ao Sul, na borda extrema do Chan-si, lá onde, por
volta da era cristã, os Hunos mantinham sua grande assembléia
política e religiosa de outono, e a Leste, perto do mar, tribos
mantchus, os Jong Orientais chamados também de Hu Orientais,
ou ainda Wu-tchong, e mais longe, em direção ao Nordeste, os
Mi, que não possuíam nem cidades, nem palácios, nem casas,
nem templos ancestrais e só cultivavam painço.
Ao Sul e a Oeste do rio Amarelo, os bárbaros Jong dominavam
todas as montanhas. Eles contornavam o vale do Wei: nas
montanhas que se elevam do vale em direção ao Norte até o
planalto de Ordos e, mais a Oeste, até as nascentes do Wei, do
King e do Lo, ficavam os Kuen Jong, os Jong de Ti-huan, os
Mien-tchu, os Wu-tche e os Yi-k'iu que resistiram durante
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 23

séculos aos chineses e só perderam sua independência em 315
a.C. Algumas tribos subsistiam mesmo então em meio aos
chineses, os Jong de Tang-che sobre a margem norte do Wei,
entre Sseu-yuan e Hing-p'ing, os K'iuan Jong entre a
embocadura do Wei e do Lo, os Ta-li de T'ong-tcheu, submetidos
em 461 a.C somente, e os P'eng-hi do Pó-chuei nas margens do
rio Lo, os Li Jong' das colinas ao pé do Hua-chan, que atingiam
ao Norte as margens do Wei perto do atual Wei-nan; vestígio
do tempo onde não somente a montanha, mas a planície mesma
era de domínio dos Jong, antes que os chineses chegassem vindo
ainda a expulsá-los ou assimilá-los. Os Li Jong apoiavam ao
Leste os Kiang Jong que dominavam o rio Amarelo sobre sua
margem sul acima de Chen. Todas as montanhas que separam
o vale do Huang-ho daquelas de seus afluentes e subafluentes,
o Lo, o Yi, etc., até os montes Huai, eram igualmente povoadas
por Jong, os Jong do Lo, os Jong do Yi, os Jong de Yang-kiu, os
Jong de Man ou de Mao, etc, que contornavam a capital oriental
dos reis de Tcheu, a cidade de Lo, Lo-yi (situada próxima a Honan fou), que eles pilharam no século VII, como seus irmãos do
oeste haviam pilhado a capital do Oeste, Hao (próxima de Singan fou), no século VIII.
À beira mar, as montanhas de Chan-tong eram povoadas por
bárbaros Yi, dos quais algumas tribos subsistiram até final do
mundo feudal, em meio a seus congêneres que se deixaram
assimilar pouco a pouco e sem conquista brutal, e tinham
formado verdadeiros principados chineses: Kiu, Ki, Tchu-lu,
etc. Mais ao Sul, os confins do Chan-tong e do Kiang-su
pertenciam aos Yi de Huai, que se apoiavam, a Oeste, nos Siu:
esses últimos teriam ocupado primitivamente toda a região entre
o rio Amarelo e os montes Huai, sobre o curso médio do rio
Huai e de seus afluentes: os últimos reis da dinastia Yin, por
volta do século XI, estavam em contato com eles, e, mais tarde
seu nome foi dado a uma das nove províncias entre as quais os
grandes reis conquistadores da dinastia Tcheu, em torno do
século IX, Tchao e Um, dividiram seu império efêmero; mas à
época histórica, martelados alternativamente ao Norte pelos
príncipes de Lu e a Oeste pelos duques de Song, seus vizinhos,
eles foram reduzidos à parte oriental de seu antigo domínio,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

24 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

em torno da atual Sseu-tcheu, tendo deixado mais a Oeste
somente ruínas, entre as quais a mais importante, os Jong de
Siu, mantinha a região situada no ângulo do rio Amarelo entre
K'ai-fong e Ts'ao-tcheu que só foi submetida em 668 a.C.
Enfim, toda a bacia do rio Azul era povoada por bárbaros que
se confundiam pelo nome geral de Man: entrados tardiamente
sob a influência chinesa, quando das conquistas do século IX
a.C., e rapidamente tornados independentes, eles assim
permaneceram até o fim dos Tcheu e se civilizaram sobretudo
por contato. Um dos chefes da planície onde o Ham conflui
com o rio Azul submeteu todos os seus vizinhos, fundou o
principado de Tch'u, e tomou o título de rei no fim do século
VIII: enquanto que no Sseu-tch'uan, a planície de Tch'eng-tu
formou o principado de Chu, e que as tribos de beira mar do
baixo rio Azul, a princípio submetidas aos reis de Tch'u,
acabaram por se organizar, elas também, em estados
independentes, o Wu e o Yue.
Em suma, a China antiga, ultrapassando pouco a bacia do rio
Amarelo, era constituída , por volta do fim do século VIII antes
de nossa era, por dois agrupamentos distintos: um, a Leste, na
grande planície do rio Amarelo, o outro nos vales do Wei e do
Fen; entre eles se interpunham massas profundas de bárbaros
que os separavam completamente. Este estado de coisas era
evidentemente antigo e não era devido ao deslocamento de um
antigo bloco chinês por intrusão de invasores bárbaros: o habitat
propriamente dos bárbaros exclui essa hipótese. Eles eram, com
efeito, os senhores das montanhas e apenas das montanhas, todas
as planícies estavam nas mãos dos Chineses. Ora, as vias de
invasão na China estão seja a Leste da planície, seja a Oeste
dos vales do rio Amarelo e de seus afluentes: as montanhas são
obstáculos e não passagens.
*

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 25

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

26 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

A hipótese emitida por Groot 10, de invasores turcos
conquistando custosamente as montanhas pobres e de difícil
acesso, e deixando as planícies aos vencidos, é contrária a toda
verossimilhança.
O exame detalhado da repartição geográfica dos chineses
e dos bárbaros em cada uma das duas regiões no século VIII
permite reconhecer que as relações respectivas das duas populações
não eram ali as mesmas. Os chineses dos vales do Wei e do Fen
eram estrangeiros no meio de indígenas, não tinham ainda
conseguido assimilar ou destruir inteiramente estes, e
agrupamentos importantes destes subsistiam durante muito tempo
entre eles. A repartição de seus estabelecimentos mostra como
vieram, subindo os rios, instalando-se nas planícies bem irrigadas
que eles trataram, deixando aos indígenas as montanhas de
penetração difícil e de cultura incerta. Ainda no século VIII, quando
um escriba anônimo juntou diversos documentos em prosa e verso
para fazer o pequeno tratado intitulado Yukong, o vale do Wei lhe
parecia tão pouco tratado que ele o classificou com o imposto
bastante baixo, na sexta categoria de uma escala de nove, enquanto
que colocou as terras na primeira categoria, anomalia que somente
o pouco de densidade da população ou a pouca extensão de terras
cultivadas (o que dá no mesmo) permite explicar11. Qualquer
hipótese que se faça sobre a origem da civilização chinesa, estes
eram colonos; o fato é de resto tão claro que todos aqueles que se
De Groot, Die Hunnen de vorchristlichem Zeit, p.5, faz dos bárbaros do Shan-si
turcos por uma falsa etimologia de seu nome Ti; e declara que eles estavam
estabelecidos nas montanhas, "favorecidos pela circunstância de terem encontrado
as montanhas pouco ou nada povoadas" (p.28). As incursões dos Ti na região
chinesa nos séculos VII e VI lhe sugeriram a hipótese de um "poderoso império"
setentrional desconhecido que lhes teria comandado, e com o qual os bárbaros
instalados no Chan-si teriam permanecido em contato permanente (p.28). Se se
pode agradecer a De Groot de ter tentado um estudo aprofundado dos capítulos do
Che ki (século I a.C.) e do Ts'ien han chu (século I depois de C.) sobre os Huns, só
se pode lamentar que ele tenha dado espaço em seu trabalho a hipóteses arriscadas.
11
Chu-king, trad. Legge (Chinese Classics, III, 125; trad. Crouveur, 69); ver
Conrady, China, 482. ­ O dízimo da colheita paga in natura era o imposto
fundamental da China antiga, de modo que a relação da terra com o imposto
era ali muito estreito. No Yukong, cada uma das nove províncias do império
recebe dois números de ordem, referindo-se um ao valor relativo das terras, o
outro ao valor relativo do imposto.
10

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 27

ocuparam da questão, Legge, Richthofen, etc. o admitiram sem
contestação, apenas divergindo de opinião quanto à região de
origem que atribuem a esses colonos.
Com as pessoas da planície oriental, não se dava o mesmo.
Seu domínio, apesar de sua extensão, era puramente chinês,
nenhum agrupamento bárbaro se encontrava em seu meio, nem
nas montanhas, nem nos pântanos; era preciso sair dali para chegar
ao domínio das tribos bárbaras, nas montanhas de Oeste e de Leste,
assim como nos pantanais do Sul. Nenhuma pista de uma
colonização relativamente recente e ainda incompleta como no
vale do Wei. De fato, se os chineses desta região tinham sido, eles
também, pessoas vindas do exterior, dadas à ausência completa
de populações indígenas e à imensidão do território, era necessário
lhes atribuir por ter podido assimilar ou destruir essas populações,
um tempo muito mais longo do que àqueles do Oeste, cuja obra
era bem menos completa sobre um domínio menos vasto, e esses
estabelecimentos do meio e do baixo rio Amarelo deveriam ter
sido bem mais antigos do que aqueles do vale do Wei.
Mas nada obriga a acreditar que a civilização chinesa fora
de origem estrangeira e tenha sido levada para o vale do rio
Amarelo por conquistadores vindos de fora. Muito ao contrário,
ela aparece como o desenvolvimento no local da cultura bárbara
comum às diversas populações do mundo chinês, os próprios
chineses, os tibetanos, os lolos, os birmanes, os thai, os miaotseu, que o passar do tempo as tornou tão diferentes ao colocálas em graus tão afastados de civilização; pois é com essas tribos
da Ásia Sub-oriental e não com aquelas da Ásia Central e
Setentrional que tudo leva a procurar as afinidades da cultura
primeira dos chineses12. Esta cultura comum era caracterizada
pelo parentesco das línguas, uma organização social parecida e
religiões análogas. A língua chinesa não tem nenhuma relação
com o turco, o mongol, o mantchu, o coreano, o japonês, mas
12

A descoberta, recentemente feita por Mr. Andersson e Mr. Arne
(Palaeontologia Sinica, Ser. D., vol I, Fasc. 1-2, Pékin, 1923-1925) de cerâmica
pré-histórica cuja ornamentação apresenta relações que parecem indiscutíveis
com aquela da pradaria ocidental, que não prova, como parece admiti-lo Mr.
Arne, a origem ocidental da civilização chinesa, mas somente a existência de
relações comerciais através da Ásia Central em uma época muito remota.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

28 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

está bastante próxima de uma família importante de dialetos
falados por tribos meridionais, os Thai, que habitam as províncias
de Yun-nan, Kuei-tcheu, e Kuang-si, assim como o Norte da
Birmânia e do Tonkin, e cujo ramo mais meridional fundou o
reino de Sião; além do mais, ela apresenta relações menos nítidas,
mas indiscutíveis, com as línguas tibeto-birmanes (tibetano, lolo,
mosso, birmane, etc.). Nessas línguas sino-thai, tão remotamente
quanto podemos alcançar, as palavras eram sempre
monossilábicas e invariáveis, sem flexão de qualquer sorte13; o
sistema de tons é um elemento fundamental delas: cada palavra
trazia um tom cujos elementos, altura e inflexão, estavam na
origem sob a influência das iniciais e das finais. Fora a sua língua,
sua civilização essencialmente sedentária e agrícola, sua religião
estreitamente ligada à agricultura, sua organização política,
aristocrática e feudal, fundada sobre o caráter religioso da posse
da terra, aproximavam os chineses de seus vizinhos meridionais
e os separavam dos setentrionais. Entre os nômades criadores de
gado do Norte, ancestrais dos Hunos, dos Mongóis, dos Mantchus
da época histórica, e os selvagens da península indochinesa,
ancestrais dos Mei da cadeia anamítica, dos Cambojanos e dos
tailandeses (Talaing: Mon, Peguan), irremediavelmente
anárquicos, a quem somente uma educação estrangeira pôde por
vezes impor agrupamentos sociais mais extensos que o vilarejo,
sobre quase todo o território que forma hoje a China, as tribos
que o habitavam tinham constituído, muito tempo antes que a
história possa registrá-las, sociedades do mesmo tipo sedentária
e agrícola, fortemente ligadas ao solo por sua religião e suas
instituições. De modo que, por um singular retorno das coisas, a
conquista e a assimilação progressiva das regiões do Sul pela
civilização chinesa nos tempos recentes parece não passar da
reinstalação sob uma forma moderna de um estado pré-histórico
onde quase todos aqueles que povoam hoje o império chinês
compartilhavam uma civilização comum.
Mr. Bernhardt Karlgren, Le Proto-chinois langue flexionnelle (Journal
Asiatique, 1920, p. 205-232), acreditou encontrar traços de flexão no
emprego dos pronomes pessoais nos Livros Clássicos; mas parece-me difícil
aceitar suas conclusões.
13

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 29

Assim os chineses apareciam como o ramo mais
setentrional dessas populações sedentárias cujo ramo ocidental
é formado pelas tribos tibeto-birmanes do Tibet, do Sseutch'uan e do Yun-nan (Tibetanos, Lolos, Mossos, Birmanes,
etc.), o ramo meridional pelos Thai do Sul da China e Norte
da Indochina (Shan do Yun-nan e de Birmânia, Dioi do Kuangsi, Tai-Brancos e Tai-Negros do Tonkin, Laosianos, Siameses)
e o ramo central pelos Miao-tseu do Hu-nan e do Kuei-tcheu.
Mas talvez para seus irmãos de habitat mais meridional, a
vida devesse ser dura para esses chineses pré-históricos. A
grande planície do Nordeste (Tche-li, Chan-tong, Ho-nan),
onde eles começaram a desenvolver uma civilização
rudimentar, que estava longe de ser o país bem cultivado que
é nos nossos dias. O rio Amarelo, que a atravessava, então
tinha um curso diferente do curso atual, e ia depois de um
longo desvio ao pé das montanhas do Chan-si jogar-se no mar
pelo curso atual do Pai-ho, próximo de T'ien-tsin 14; seus
inumeráveis braços divagavam caprichosamente através das
planícies baixas e achatadas quase sem encostas: era a região
que se chamava então "os Nove Rios", porque, dizia-se, o rio
Amarelo tinha ali nove braços principais 15. Cada ano as cheias
modificavam seu curso e se procuravam novos canais; os
baixios se enchiam de água, formando grandes pântanos que
com o tempo eram aterrados, mas dos quais alguns subsistem
ainda hoje. Eram matagais de plantas aquáticas, sempre-vivas,

M. Fujita, The River Huang in the Reign of Ya (Shinagaku, I, 1921, XII, 132), tentou demonstrar que, no século III a.C. ainda, o percurso do Pai-ho, até
algumas léguas em aval do Pao-ting, era uma enseada do golfo do Petchili, ao
fundo da qual desembocava o rio Amarelo; mas sua argumentação é pouco
decisiva e eu duvido que na época antiga as margens não estivessem colocadas
muito longe de T'ien-tsin. ­ No mapa anexo ao presente artigo, é a margem
moderna que foi indicada.
15
A descrição das paisagens da China antiga, de sua flora e fauna, é feita ao
reunir numerosos pequenos traços dispersos no Che King, compilação de peças
em versos dos séculos VII e VI antes de nossa era. Ver Biot, Recherches sur les
moeurs des anciens Chinois d'après le Che King, Journal Asiatique, IV, II, p.
310 et suiv.); sobre a questão particular da existência de rinoceronte, ver Laufer,
Chinese Clay figures, I, 1-173.
14

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

30 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

juncos, doliques, valerianas, no meio das quais se aninhavam
os gansos selvagens e os grous, e onde pululavam os peixes.
Em torno de tudo isso corriam zonas mais ou menos largas
de terras demasiado úmidas para a cultura, cobertas de altas
plantas entrecortadas por matas de olmos de casca branca,
ameixeiras e castanheiros; não era uma grande floresta: esta
só existia na periferia, sobre as encostas das montanhas, a
Leste no Chantong e a Oeste no Chan-si, e com ela começava
o domínio dos bárbaros. Era uma mata espessa que servia de
abrigo para os grandes animais selvagens, tigres, panteras,
leopardos, gatos selvagens, ursos, bois selvagens, mesmo
elefantes e rinocerontes, lobos, javalis, raposas e também caça
de todo tipo, rebanhos de cervos e antílopes, maçados, lebres,
coelhos e pássaros de toa espécie, que se ia caçar no inverno
em grandes empreitadas, colocando fogo na mata. Só a orla
fronteiriça era cultivada, seja com pastagens para os cavalos
e os bois domésticos, seja em plantações de amoreiras para a
criação dos bichos-da-seda. As terras melhores, protegidas da
inundação pelos diques, eram cultivadas regularmente.
Mas essas terras eram as terras de loess, das quais
Richthofen revelou a ex tens ão, lodaçal espesso que
forneceram ao rio Amarelo os aluviões lamacentos aos quais
ele deve o nome. Largamente espalhados ao pé das montanhas,
e, mais ao Sul, no Kiang-su e no Nagan-huei, cobrindo no
Kan-su os terraços do vale do Wei e de seus afluentes, e
periodicamente fecundados pelas chuvas da monção de verão,
essas terras mostraram-se por toda parte muito favoráveis à
agricultura. Até parece que elas é que procuraram os chineses
quando, partindo da planície, eles subiram os vales do Oeste.
Monção e terras amarelas do loess, tal é, parece, o segredo do
desenvolvimento no local da civilização chinesa. A geografia
está ali de acordo com a história.
Tal era o país onde pouco a pouco os ancestrais préhistóricos dos chineses começaram a sair da barbárie que os
rodeava. Nada permite supor que eles tenham jamais sido
nômades, levando os rebanhos para pastar através da mata do
baixo rio Amarelo; tudo, ao contrário, tende a provar que eles
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 31

eram agricultores sedentários 16. Mas, na origem, eles só
deviam ter, em lugar de campos regulares e permanentes,
campos arroteados temporários, análogos aos "raís" das
populações do Alto-Tonkin, que abandonavam ao fim de
alguns anos para ir desbravar um outro canto, deixando a
mat a rei nvadir 17 ; e o cos tum e bastante singul ar dos
camponeses chi neses antigos consi stia em deix ar
absolutamente as casas do vilarejo desde os meados da
primavera até o final do outono para ir morar, em grupos de
três famílias, grandes cabanas comunais no meio dos campos18,
parece-me ser um vestígio do tempo em que os campos
temporários, os raí, ficavam em plena mata bastante longe do
vilarejo; ia-se morar ali todo o tempo dos trabalhos para só
voltar ao vilarejo depois da colheita feita.
O labor mais duro foi o trato mesmo das terras, sua conquista sobre
o rio e sobre o pântano: foi longo e difícil, foi preciso levantar diques
contra as inundações, cavar canais para drenar e secar o solo. Todos
esses trabalhos eram tão antigos que a lembrança se perdia na bruma
das lendas, e que se os atribuía aos heróis descidos do Céu nas
origens do mundo, o imperador Amarelo, Huang-ti, o Divino
Trabalhador, Chen-nong, ou enfim Yu, o Grande, o mais célebre:
16

A organização religiosa e política dos chineses antigos, como aquela de seus
vizinhos bárbaros que subsistem ainda, era uma hierarquia com base territorial
onde, ao lado dos senhores, suseranos e vassalos, estabeleciam-se igualmente deuses
do solo (não divindades da terra enquanto criadora e alimentadora, presidindo a
vegetação, mas protetores de um território com limites precisos suseranos e vassalos);
ver Chavannes, Lê Dieu du sol dans la Chine antique (Bibl. D'Études du Musée
Guimet, t. XXI, p. 437-523); toda a vida religiosa era fundada sobre o ritmo da
vida agrícola e especialmente da cultura dos cereais (milho miúdo, painço) etc. Se
se quer imaginar um período nômade dos ancestrais dos chineses, é preciso rejeitálo bem alto para que nada disso tenha subsistido desde a aurora dos tempos históricos,
até antes do período de cultura comum a eles e às populações bárbaras vizinhas,
Thai, Lolos, Miao-tseu, etc.
17
Não é uma forma de nomadismo: cada agrupamento tem seu lugar de habitação
fixo, seu vilarejo de inverno, que só é deslocado por razões graves; somente os
terrenos de cultura mudam de tempos em tempos; além disso, cada vilarejo tem seu
território exatamente delimitado, fronteiras das quais os desmatamentos não saíam.
18
Do ponto de vista religioso, este costume se enquadra entre dois ritos que
apresentam o mesmo sentido, o de "tirar o fogo" das casas no terceiro mês de
primavera, e o de "voltar o fogo" nas casas no terceiro mês do outono.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

32 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

"Esta montanha meridional - foi Yu que a tratou -, desmatando as
planícies, os terrenos úmidos; - eu, descendente longínquo, coloqueia em campos"; ou ainda: "Espessos são os abrolhos! ­ Arrancou-se
a mata espinhosa. ­ Por que outrora fez-se este trabalho? ­ A fim de
que pudéssemos plantar nosso milho, nosso painço ­ a fim de que
nosso milho fosse abundante - , a fim de que nosso painço fosse
luxuriante!"19 As terras assim conquistadas produziam o painço e o
sorgo no Tche-li, arroz no Sul do rio, e trigo em quase todos os
lugares; tinha-se ali também feijões, abóboras, cânhamo, índigo. Os
campos periodicamente deslocados eram quadrados de mais ou
menos um li de lado (15 a 20 ha.), os tsing, divididos em nove lotes
iguais que oito famílias cultivavam em comum, guardando para si
cada uma a colheita de uma parte, dando a nona parte, o "campo
público", kong tien, ao rei ou ao senhor a título de imposto. Na
proximidade se elevavam, disseminadas e como perdidas no meio
da planície, pequenas aglomerações de mais ou menos vinte e cinco
cabanas de taipa, habitações invernais dos camponeses, que
formavam as menores circunscrições religiosas e administrativas,
pequenas aldeolas, li, de em torno de 200 habitantes (as vinte e cinco
famílias de três tsing) com um outeiro ao Deus do solo, uma escola
e um mercado20: era lá que fechavam no inverno os camponeses,
cada família em sua casa; mas na primavera eles iam morar, em
grupos de três famílias juntas, em grandes cabanas comunais no
meio do tsing; viviam então inteiramente ao ar livre, trabalhando
nos campos, sem voltar ao vilarejo deixado ao abandono. Produziam
assim eles próprios quase tudo o que lhes era necessário, grãos, gado,
tecido, seda, etc; o excesso, levavam ao mercado. Cada cidade, cada
aldeola tinha ao menos um mercado situado sobre a face Norte; nas
residências senhoriais, ele era estabelecido pela mulher do senhor
Che king, trad. Legge, 373-378.
Conhecemos esta organização apenas sob a forma puramente teórica que lhe
deram ao descrevê-la com ritos tardios e com tendências utopistas: os números
foram arredondados para obter divisões regulares. Os cultivadores de três tsing
formam na realidade 24 famílias, mas arredondou-se o número para 25 para ter
de uma parte uma divisão exata do li em 5 grupos de 5 famílias (divisão
importante porque ela servia de base aos levantes militares e às colheitas), e de
outro, um número exato de 100 famílias para 4 li para a circunscrição superior.
Esses cálculos eram puramente teóricos, e o movimento real da população os
tornava ilusórios.
19
20

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 33

ao tempo do primeiro estabelecimento, do mesmo modo que o
próprio senhor construía então o templo dos Ancestrais e o outeiro
do Deus do solo; era uma grande praça quadrada em torno da qual
os camponeses e os vendedores ambulantes instalavam suas vendas
agrupando-se por quarteirões, quarteirão dos mercadores de grãos,
quarteirão de vendedores de seda, quarteirão de vendedores de bois,
quarteirão de vendedores de cavalos, quarteirão de vendedores de
escravos, quarteirão de vendedores de cerâmicas, etc. Os pequenos
castelos senhoriais se elevavam de longe em longe: lá vivia o senhor
do feudo (pois toda a grande planície era dividida em domínios
feudais) entre suas mulheres e seus filhos, seus servidores e sua
pequena corte de nobres dependentes dele, na maior parte
descendentes dos caçulas da família ou de pequenos vassalos que
cumpriam junto a ele os papéis de padres, escribas, guerreiros. Os
castelos eram construídos sobre um modelo uniforme, regido por
princípios rituais: no centro, a sala de audiências orientada para o
Sul, tendo diante dela o vasto pátio onde os funcionários e os vassalos
se apresentavam segundo seu grau nas grandes audiências, e que
flanqueava a Oeste o templo ancestral, a Leste o altar do Deus do
solo; atrás, um outro pátio de entrada com sua porta voltada para o
Sul; todo o conjunto era contornado por uma cerca e por um fosso
para colocá-lo ao abrigo de um ataque. Em torno, as casas onde
viviam os ministros, os funcionários, os escribas, os sacerdotes e
também os artesãos e todos aqueles cujo trabalho era necessário
para a corte. Por vezes, mas não sempre, uma cerca exterior envolvia
essa aglomeração; mas havia lá cidades bem pequenas: Mencius
fala de uma cidade cuja cerca externa tinha 7 li de comprimento, ou
seja, cerca de 3.000 metros, e se considerava que "quando o muro
de uma cidade (que não a capital) tem mais de três mil pés de
comprimento (cerca de 600 metros) é um perigo para o Estado"21. A
capital dos Tcheu orientais, Lo-yi, cujos muros tinham 17.200 pés,
ou seja, menos de 4.000 metros de comprimento, era em princípio a
maior cidade do império.
À medida que faziam progressos, os chineses sentiam-se cada
vez mais diferentes de seus vizinhos menos avançados, que eles
consideravam como bárbaros. A invenção da escrita acentua ainda
21

Mencius, trad. Legge (Chinese Classics t.II, 64).

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

34 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

mais a separação: primeiramente foi uma espécie de pictografia,
parece, em seguida uma verdadeira escrita, em parte ideográfica,
em parte fonética (é dela que derivam os caracteres modernos).
Os primeiros impérios se fundaram, o de Hia, ao sul do T'aichan, do qual não sabemos nada, somente que, em torno do século
VII, os duques de Song relataram que seus ancestrais, os reis de
Yin, o tinham derrubado para estabelecer seu próprio poder,
depois o dos Yin, cujo centro se encontrava em torno do grande
ângulo do rio Amarelo, em sua entrada na planície, império ainda
meio legendário, mas do qual os últimos soberanos, cerca do
século XI a.C., deixaram os mais antigos documentos chineses
conhecidos até esses dias, inscrições gravadas sobre cascos de
tartaruga22. Foi lá que provavelmente em torno do meio ou do
fim da dinastia Yin, os colonos partiram para constituir seu
domínio à custa dos bárbaros.
Não se deve pensar em emigrações em massa de "tribos" chinesas,
e, por outro lado, nada do que sabemos da religião chinesa lembra
as "primaveras sagradas" da Itália antiga. Eram com certeza os
caçulas das famílias principescas que, pouco ou nada
privilegiados, partiam desse modo para procurar fortuna longe,
levando pequenas tropas de clientes, parentes, escravos e pessoas
recrutadas por uma espécie de contrato religioso com o juramento
de fidelidade mútua23. Nesta época, com efeito, o mundo chinês
dividido em pequenos domínios feudais (no século VIII, contavase uma centena na planície do baixo rio Amarelo), cujos senhores
22

As carapaças de tartaruga serviam à adivinhação. Inscrevia-se sobre a casca
uma pergunta aos ancestrais, depois, ao expô-la ao fogo, tirava-se uma resposta
examinando as fissuras e as linhas produzidas pelo calor.
23
As tradições relativas à fundação do principado de Tcheng (próximo a Singtcheng, no Ho-nan) em 806 a.C., mostram o conde de Tcheng - cujas funções
de ministro o retinham na corte, longe de seu feudo - de uma parte enviando
seu filho para governar em seu lugar, e de outra, associando-se a mercadores
para o trato dos campos e a valorização do domínio: faz com estes uma
convenção religiosa sob juramento, onde as duas partes, jurando em seu próprio
nome e no de seus descendentes, se engajam: os mercadores a não se revoltar,
e o conde a não molestar em seu comércio os Tso tchuan
(trad. Legge, 664). ­ O principado de Tcheng era propriamente na China, e
trata-se de valorizar as terras situadas no próprio império e não as de colonização
no exterior; mas essa historia mostra como se fazia o recrutamento dos colonos
e se organizava a hierarquia.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 35

hereditários, os príncipes, tchu-heu, como eram chamados, eram
os senhores ao mesmo tempo políticos e religiosos, sob a
suseranidade longínqua do rei. Cada um deles, na sua chegada
ou durante seu reinado, distribuía terras para seus irmãos, primos,
filhos, a título de privilégio, para sua subsistência: eram, sem
dúvida, aqueles que se encontravam mal favorecidos ou que,
parentes muito afastados, não recebiam nada, ou ainda aqueles
que sentiam sua vida ameaçada por intrigas de uma favorita, que
se expatriavam. A lenda, que liga o fundador de uma família real
de Wu, reino bárbaro do Kiang-su meridional, aos ancestrais dos
reis de Tcheu, e o fato do filho mais velho que se retira
voluntariamente porque o príncipe seu pai queria desempossá-lo
em benefício do mais moço, "O Grande-Conde, T'ai-po, de Wu,
e Tchong-yong, seu irmão caçula, eram ambos filhos do GrandeRei, T'ai-wang, de Tcheu, e irmãos mais velhos do rei Ki-li. Como
Ki-li era inteligente e ainda mais tinha um filho santo, Tch'ang,
o Grande-Rei desejava dar o poder a Ki-li a fim de fazê-lo chegar
a Tch'ang; então o Grande-Conde e Tchong-yong fugiram ambos
para o meio dos (bárbaros) Man (da região) de King; eles tatuaram
seus corpos e cortaram os cabelos para mostrar que renunciavam
à sucessão e se retiraram diante de Ki-li... Quando o GrandeConde fugiu para junto dos Man, ... estes o acharam justo:
seguiram-no e se colocaram sob sua proteção em número de mais
de mil famílias"24. A fuga para junto dos bárbaros permaneceu
tradicionalmente a fonte das vítimas das intrigas do harém: ainda
no meio do século VII, quando o príncipe Hien de Tsin tentou
fazer perecer seu filho Tch'ong-eul para que o trono fosse para o
filho de sua favorita Li-Ki, Tch'ong-eul fugiu para junto dos Ti
com alguns fiéis, e foi bem recebido por um chefe bárbaro de
quem ele desposou a filha.
A colonização era impossível em direção ao Norte onde o deserto
parava a expansão chinesa; ela se fez em direção ao Sul e ao Oeste.
Não conhecemos a história: toda a história antiga da China é
desconhecida; mas é possível se ter alguma idéia das etapas
percorridas. Aqueles que partiram para o Sul iriam fundar pequenos
Sseu-ma Ts'ien, Che ki, k. 31 trad. Chavannes, Les mémoires historiques de
Sseu-ma Ts'ien, t. IV.
24

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

36 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

domínios senhoriais nos montes Huai: Tch'en, Chen, Ts'ai, Hiu,
Huang; em seguida atingiram a planície e belos domínios
começaram a se criar no sopé meridional dos montes, em Jô, Li,
Suei, Eul, etc. Mas eles encontraram lá um clima muito diferente
daquele do Norte, e que provavelmente lhes convinha mal e atraiu
poucos emigrantes; aliás, os chefes bárbaros da região, ao menos
na planície, deixaram-se bastante depressa ganhar pela cultura
chinesa; um deles, o senhor de Tch'u, tornou-se para eles um rival
temível quando, nos últimos anos do século VIII, ele submeteu
todas as tribos da bacia do Han-yang. Foi em direção do Oeste que
se fez a arremetida mais considerável. Ela não atacou de frente as
difíceis montanhas pelas quais se sobe abruptamente da planície
ao Chan-si, o T'ai-hang chan, o Wu-t'ai chan, etc., e que
permaneceram até o fim a última cidadela de independência dos
bárbaros Ti. Os colonos contornaram o obstáculo subindo os vales
do rio Amarelo e de seus afluentes, o Wei e o Fen. A maioria deles
parecia ter vindo da região que forma atualmente os confins do
Chan-tong, do Kiang-su, e do Kiang-si, região onde a maior parte
das casas principescas pertencia aos clãs Ki, Sseu e Ying, cujos
membros representaram o papel mais importante na colonização
do Oeste. Os Sseu tinham lá seu centro religioso em torno da ilha
de Yu-chan, onde estava o templo de seu ancestral Kuen, e foi a
ramos desta família que pertenciam os feudos de Tseng (perto de
Yi-tcheu), de Chen (junto a Ju-ning), de K'i (próximo a K'ai-fong),
de Yang, perto de Ki-chuei, etc. Aqueles que tinham passado para
o Oeste estavam instalados à margem do rio Amarelo, em torno do
templo que haviam erigido a seu ancestral Yu, filho de Kuen, na
saída do desfiladeiro de Long-men, e tinham fundado ali alguns
pequenos principados: sobre a margem direita do rio, Sin, cuja
filha passava por ter sido a mãe do rei Wu, fundador da dinastia
Tcheu, e, sobre a margem esquerda, Hia, Ming e Tong, cujo conde
foi encarregado de representar seu ancestral Kuen, pai de Yu, em
um sacrifício solene que o príncipe P'ing de Tsin fez realizar em
535; alguns tinham ultrapassado para além do Ts'in-ling para o
alto vale do Han, como os senhores de Pão de onde vem a bela
Sseu de Pão, a rainha nefasta que, segundo a lenda, perdeu o rei
Yeu de Tcheu (771). Misturados a eles sobre as margens do rio
Amarelo, como tinham se avizinhado da planície oriental (seu feudo
de T'na era perto de Tseng, e o de Huang não longe de Chen, etc),
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero -- 37

membros da família Ying mantinham alguns domínios senhoriais:
Keng sobre o baixo Fen, Fei na margem direita do rio, na saída de
Long-men, próximo dali, Leang, face à embocadura do Fen, e,
mais a Oeste, Wang e P'eng-ya, sobre o rio Lo; fora deste centro,
alguns tinham fundado domínios mais longínquos ainda: a Oeste,
Ts'in sobre o alto Wei; a Leste, Tchao sobre o curso médio do Fen,
nos extremos postos avançados da colonização chinesa. As terras
mais extensas pareciam ter pertencido aos membros da família
Ki: todo o quadrilátero compreendido entre o Fen no Norte e o rio
Amarelo a Oeste e ao Sul pertencia a senhores desta família: Kai,
Hia-yang, Yu, Wei; outros tinham seus domínios no vale do Wei,
em Juei, perto de sua embocadura, em Chão, Kuo, junto de Fengsiang. O mais poderoso de todos esses senhores era aquele de Tcheu,
que possuía todo o Oeste da planície, sobre o curso médio dos rios
King e Wei, até a entrada das montanhas.
Não é impossível se fazer uma idéia aproximada da data verossímil
em que se fundaram alguns desses feudos. Os reis que governaram
a China desde cerca do século X até o século III antes da era cristã
(dinastia Tcheu) descendiam desses senhores de Tcheu, que tinham
fundado um principado sobre o alto Wei. A traição de seu templo
ancestral remontava a fundação deste domínio até o décimo segundo ancestral do primeiro rei: é este antepassado remoto, o
duque de Lieu, o primeiro a ocupar as terras de Pin e criar ali um
grande feudo. Ora, as listas genealógicas dos templos ancestrais
eram muito bem mantidas desde a alta antigüidade: a minúcia do
culto dos ancestrais que determinava o número e a natureza das
oferendas apresentadas anualmente a cada rei ou príncipe defunto,
segundo seu grau, impunha um grande cuidado. Também, apesar
da data bastante tardia dos escritores que, por volta dos séculos III
e II, recolheram essas listas, de modo que elas não podem ser
consideradas como de fantasia. Um exemplo da confiança que se
pode atribuir às listas tradicionais, quando a família da qual elas
emanam conservou-se por bastante tempo, foi dada recentemente
pelas inscrições do fim dos Yin: a lista de reis que elas forneceram
diferem muito pouco daquela que nos transmitiram o analista
anônimo que, nos últimos anos do século IV a.C. compôs a História
da China conhecida sob o nome de Anais escritos sobre bambu, e
o grande historiador do final dos séculos II e I, Sseu-ma Ts'ien, em
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

38 -- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

suas Memórias históricas. A queda do império dos Yin não tinha
levado à destruição da família real vencida, cujos descendentes
tinham conservado uma parte de seus domínios hereditários sob o
título de duques de Song e só desapareceram no início do século
III: é a lista conservada no templo ancestral dos duques de Song
que nos foi transmitida. Não há, infelizmente, testemunho de
exatidão da lista genealógica dos reis de Tcheu, mas não há razão
para se supor menos correta do que aquela dos duques de Song.
Como a primeira data segura da história chinesa é a fuga do rei Li,
o décimo na dinastia Tcheu, expulso de sua capital em 842, se
contarmos remontando aos primeiros reis, depois os doze duques
de Tcheu, até o duque de Lieu, são vinte e dois reinos,
encontraremos que, seguindo que se lhes atribuirá uma média de
quinze ou doze anos, o estabelecimento de Lieu em Pin poderá se
colocar em torno do começo ou o fim do século XII a.C. Isso não
é mais do que uma aproximação, mas uma aproximação verossímil.
Não seria necessário, aliás, concluir por aí que a colonização no
Oeste começou nesta época, pois nada nos permite supor que os
senhores de Tcheu foram os primeiros a se instalar na região.
Gostar-se-ia de conhecer a vida desses colonos chineses do Oeste
e do Sul, como se instalaram, que relações tinham com seus
vizinhos bárbaros. Nenhum documento nos chegou deste período.
O que nós temos de melhor, são duas odes religiosas em honra dos
ancestrais da dinastia Tcheu aos quais atribui-se a fundação do
feudo familiar: estes não são, nem é preciso dizer, documentos
históricos, e não é necessário procurar ensinamentos exatos sobre
os fatos e os gestos reais desses personagens; mas essas peças de
versos que remontam provavelmente ao século VIII de antes de
nossa era, datam de um tempo quando a colonização, se bem que
desacelerada por seu próprio sucesso, devia continuar ainda em
algumas regiões, e é permitido ver aí uma descrição idealizada do
estabelecimento de um aventureiro chinês com seus clientes em
uma região bárbara, e da vida que eles levavam ali.
Não se trata de conquista nessas peças: talvez acontecesse com
freqüência não ter propriamente de falar de conquista, e que os
colonos chineses obtinham pacificamente dos chefes bárbaros um
canto de terra para plantar, como na outra extremidade do Velho
Continente, os colonos gregos parecem ter muitas vezes obtido
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Henri Maspero-- 39

sem sofrimento terras onde estabelecer uma cidade ou um porto.
O que está descrito, é o rito mais importante da tomada de posse, a
fundação do burgo onde, ao lado de sua própria residência , o senhor
estabelece o templo de seus ancestrais e o altar de seu deus do
solo. Em uma das odes, é o duque de Lieu que deixa a instalação
provisória do início e sua população "numerosa e comprimida"
depois das primeiras ocupações dos campos e as primeiras
colheitas: "Ele tomou da carne grelhada e do grão torrado -
colocou-os em sacos e cestos... ­ com arcos e flechas mantidos
prontos -, com escudos, albardas, machados de armas e machados
em gancho - , então ele se pôs em marcha"; ei-lo à procura de um
local favorável: "Ele sobe, ei-lo no pico, ele desce e se encontra de
novo na planície", até que tenha encontrado o melhor lugar para
uma instalação definitiva; constrói um muro de cerca em terra,
depois oferece uma refeição ritual àqueles que o acompanharam,
seguida da qual "eles o fazem seu senhor, eles lhe rendem
homenagem". Em uma outra ode, é o Antigo-duque, T'na-fu, que,
expulso, dizem, pelos bárbaros, deixa o lugar onde seus súditos
"faziam cavernas, faziam grutas - não tendo ainda casas -... Ele
veio pela manhã, ao galope de seus cavalos -, ... ele veio procurar
para si uma residência. ­ A planície de Tcheu era bela - violetas e
serralhas eram como doces"; a adivinhação tendo dado uma
resposta favorável, ele se instala: constrói primeiro o templo
ancestral, ergue em seguida uma pequena cerca de terra de 5.000
pés (cerca de 1.200 metros de comprimento), depois constrói suas
salas de audiência e seu palácio, enfim, o altar do deus do solo;
com os progressos do trato das terras, os bárbaros tiveram de fugir:
"os carvalhos e as árvores espinhosas desapareceram - estradas
para viajantes se abriram ­ os bárbaros fugiram -; ora, eles estavam
todos ofegantes25". Na medida em que os poetas descreveram os
fatos tais como se passaram sob seus olhos, sob a cor de contar os
acontecimentos de um passado remoto, parece que os chineses
obtiveram com freqüência pacificamente sua instalação em um
canto de mata que eles desmataram para transformar em campos
irrigados permanentes, enquanto os bárbaros só faziam campos
temporários, análogos aos que os montanheses de Alto-Tonkin
25

Che king, trad. Couvreur, 287, 316; trad. Legge, 437, 483.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

40-- AS ORIGENS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA
chamam de raí, queimando a floresta. Foi somente em seguida
que a extensão da colônia colocou-os em disputa com os indígenas
cujos procedimentos de cultura demandavam muito espaço, e que
estes, se não se reunissem para expulsar os recém-chegados (como
aconteceu segundo a tradição do Antigo-duque T'na-fu), eram
forçados a deixar a região ou a adotar os procedimentos chineses
de se deixar assimilar pelos colonos.
Foi assim que a grande planície do baixo rio Amarelo onde foi
criada a civilização chinesa estendeu-se pouco a pouco para o
extremo Oeste, subindo os rios e contornando as montanhas. Os
vales do Wei e do Fen foram suas grandes vias de penetração. No
Chan-si, os colonos se estabeleceram em pequenas bacias que o
Fen atravessa e só pararam no ponto onde o vale cessa de ser
praticável, no grande cânion a jusante do Houo: apenas tardiamente
eles passaram mais ao Norte e a bacia de T'ai-yuan só se tornou
chinesa em pleno período histórico, cerca dos séculos VI e V a.C.
Mas naquela época, a investida chinesa no país bárbaro tinha
mudado de característica: não eram mais empresas isoladas de
aventureiros indo tomar os domínios à custa dos selvagens; eram
expedições metódicas de dois grandes principados que tinham
acabado de se constituir e irão absorver a maior parte dos pequenos
feudos da antigüidade, o Tsin no Chan-si, e o Ts'in no Chen-si. Os
dois Estados (e mais tarde, depois da queda do Tsin, aqueles que
se formaram de suas ruínas) deviam completar em condições mais
favoráveis esta conquista e esta assimilação gradual dos bárbaros
da bacia média do rio Amarelo, que foi a obra mais considerável
da China antiga, como a assimilação, ainda hoje não concluída,
das tribos do rio Azul e das regiões mais meridionais, deveria ser
aquela da China medieval e moderna.

ASBASESNATURAISESOCIAISDACIVILIZAÇÃOCHINESA
Armen Mamigonian*
Resumo:A civilização chinesa à luz do seu quadro geográfico e
histórico próprio, bem como das pressões dos interesses imperialistas.
Palavras-chave: China; Civilização; Natureza e Sociedade.
The natural and social basis of Chinese civilization.
Abstract:The Chinese civilization considering its own geographical
and historical panorama as well as the pressure of imperialist interests.
Keywords: China; civilization; nature and society.
I ­ Introdução ao enigma chinês
1. Os contatos entre Ocidente e Oriente datam da
Antigüidade. Heródoto, pai da geografia e da história, viajou por
grande parte do Oriente próximo e decifrou o Egito como "dádiva
do Nilo". Aristóteles, logo depois, também comparando povos e
instituições, talvez tenha sido o primeiro a fazer referências ao
"despotismo oriental", minimizando o fato de Sócrates ter sido
condenado à morte pela democracia ateniense.
O Império Romano foi incorporado às relações com a
China pela Rota da Seda, mas durante a Idade Média a decadência
do Ocidente provocou a interrupção de suas relações com o
Oriente, restabelecidas lentamente, primeiro com o Oriente
próximo e mais tarde com a China, pelas viagens de Marco Polo
(REID, 1993, p 5) O deslumbramento da Europa atrasada diante
dos avanços das civilizações árabe, bizantina e chinesa provocou
forte interesse de seu capital comercial. Com as grandes
*

Armen Mamigonian é professor dos cursos de pós-gradu
ação em Geografia da USP e UFSC, fez doutorado em Estrasburgo (Étude
geographique de l'industrie a Blumenau ­ Bresil) e livre-docência na USP,
sendo pesquisador do CNPq. As bases naturais e sociais da civilização
chinesa fazem parte de um texto maior e inédito A China e o Marxismo:Li
Dazhao, Mao e Deng.

42 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

navegações a Europa assumiu posições agressivas e de
supremacia em relação ao restante do mundo. As idéias do
despotismo oriental foram retomadas (Montesquieu e outros) pelo
seu lado mais depreciativo, visando referendar a superioridade
européia e norte-americana e suas políticas colonialistas, que se
intensificaram no século XIX, quando a China foi transformada
em semi-colônia pelo condomínio imperialista composto pela
Inglaterra, França, Alemanha, EUA, Japão, Rússia e outros.
Durante o século XIX a China foi esquartejada, saqueada e
inferiorizada pelos seus exploradores externos, associados aos seus
aliados internos. Mas, curiosamente, foi o marxismo, nascido no
Ocidente das idéias alemãs (filosofia clássica), inglesas (economia
política) e francesas (socialismo), que permitiu a regeneração da
China, a vitória da revolução nacional popular liderada por Mao
Tsetung e o esforço atual para se tornar uma superpotência capaz
de barrar os desmandos do fascismo norte-americano, tão destruidor
quanto foi anteriormente a Alemanha nazista, e assim ajudar a
regeneração do próprio Ocidente.
Nascido na Europa, o marxismo perdeu força no seu lugar
de origem, mas por isto mesmo cabe a pergunta: o que levou a
conquistar os corações e as mentes de milhões de chineses e
asiáticos e dar um novo impulso à luta pelo socialismo, após a
vitória da revolução e depois de sua trágica queda na URSS?
2. Os fundadores do marxismo (Marx e Engels),
influenciados pelas revoluções de 1789 e 1848, superestimaram
as lutas de classe que se travavam na Europa, paralelamente à
subestimação das questões nacionais (unificações, etc), que
ocorriam na Itália, na Alemanha, no Japão e em outros lugares
(ANDERSON, 2004, posfácio). Ao mesmo tempo, apesar da
genialidade, elaboraram uma visão eurocêntrica do mundo, como
era comum na época. Entretanto, a eles se deve creditar a idéia de
modo de produção asiático, que descartava a noção de evolução
unilinear da humanidade (comunismo primitivo, escravidão,
feudalismo, capitalismo e socialismo). A observação de Heródoto
referente ao Egito, acima mencionada, serviria para as civilizações
da Mesopotâmia, da Índia, da China e dos impérios précolombianos da América? (WITTFOGEL, 1957 e SOFRI, 1977).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 43

A propósito da China caberia indagar da enorme duração
de sua história imperial e de sua civilização, comparativamente
aos outros casos. Aliás, Marx acompanhou, em meados do século
XIX, os extertores da história milenar do império chinês, que se
apresentavam como questão camponesa e como questão nacional,
ambas de dimensões gigantescas (MARX, 1978, p 21-30).
Assim como o budismo, as dinastias mongol (1260-1368)
e manchu (1644-1912), o marxismo introduzido tardiamente na
China (1920), logo adquiriu especificidades chinesas, tanto com
Mao como com Deng. Por isto mesmo é útil tentar entender, mesmo
de maneira introdutória, a longevidade da civilização chinesa e do
império chinês.
II - Cronologia dos 5000 anos da civilização chinesa
(Fonte: Brasil Connects, 2003)
- Período Neolítico (8000 a 2000 aC): culturas pré-dinásticas
Yangshao(centro-norte)
Hongshan
Lianzhu
Longshan

5000a 3000 aC
3600a 2000 aC
3600a 2000 aC
3000a 1700 aC

Surgiram nos arredores do Rio Amarelo três diferentes
culturas (Yangshao, Longsha e Majiyao). Período dos governantes
lendários (Yao, Shun e outros), considerados sábios por Confúcio.
Iniciou-se o uso do bronze e do jade
- Dinastias antigas
X ia
Sh an g
Z h ou
Z h ou do o e s te
Z h ou do les te
Pr im a v eras e O u to no s
R eino s C o m b a te ntes

2100
1600
1100
1100
770
770
471

a
a
a
a
a
a
a

1 6 00
1 1 00
2 56
7 71
2 56
4 76
2 21

aC
aC
aC
aC
aC
aC
aC

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

44 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

A metalurgia do bronze se expandiu. Construíram-se
cidades fortificadas e grandes palácios. Foram organizadas
forças militares. Os reis eram Filhos do Céu, acima dos espíritos
que protegiam tribos e clãs. No final do período ocorreram
grandes conflitos entre os vários reinos existentes. Surgiram o
taoísmo e o confucionismo.
- China dinástica (221aC a 1911)

Qin
Han
Han do oeste
Han do leste
Períododa desunião
Três Reinos
Jin do oeste
Jin do leste
Dinastias do Sul
Song/Qi/Liang/Chen
Dinastias do Norte
Wei N/Wei S/Qi N/
Zhou N
Sui
Tang
Cinco dinastias
Song
Song do Norte
Song do Sul
Yuan (Mongol)
Ming
Qing (Manchu)

221 a 207 aC
206 aCa 220 dC
206 aC a 24 dC
25dCa 220 dC
220 a 589 dC
220 a 280 dC
265 a 316 dC
317 a 420 dC
420 a 589 dC
386 a 581 dC

581 a 618 dC
618 a 907 dC
907 a 960 dC
960 a 1279 dC
960 a 1127 dC
960 a 1279 dC
1279 a 1368 dC
1368 a 1644 dC
1644 a 1911 dC

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 45

Shi Huangdi, rei de Qin (Xian) conquistou seis reinos,
unificou a nação chinesa e recomeçou a construção da Grande
Muralha. A dinastia Han adotou o confucionismo e criou grande
prosperidade, com implementos agrícolas de ferro, carros de boi e
avançadas técnicas de irrigação; estabeleceu a Rota da Seda até
Alexandria e foram inventados o papel e a porcelana. O Período
da desunião foi de grandes conflitos, mas foram inventados a
pólvora e o carrinho de mão, além de avanços na medicina,
astronomia e cartografia e o budismo tornou-se popular. O Império
foi restaurado na dinastia Sui, que construiu o Grande Canal e
reconstruiu a Muralha da China. Na dinastia Tang houve grande
florescimento da civilização chinesa e a administração
confucionista foi reforçada; invenção da imprensa e novo impulso
do comércio com o Ocidente. As Cinco dinastias corresponderam
a novo período de fragmentação, mas a dinastia Song reunificou a
China e impulsionou o desenvolvimento econômico e cultural:
escritos históricos, pintura, caligrafia e porcelana esmaltada. A
dinastia Yuan correspondeu à conquista mongol e aos relatos
deslumbrantes de Marco Pólo. A dinastia Ming nasceu da revolta
camponesa liderada por ex-monge budista e a China atingiu 100
milhões de habitantes; construiu-se a "Cidade Proibida" em
Pequim. A dinastia Qing, manchu, expandiu o território chinês a
sua dimensão máxima e manteve muitas tradições chinesas. E
encerrou-se em 1911 com o início do período republicano.
III - A longevidade da civilização e do império chinês
1. Algumas civilizações da Antigüidade, tiveram duração
menor (Egito e Mesopotâmia) e outras maior (Índia e China), assim
como os impérios correspondentes. A China é o caso de civilização
de maior duração e isto se deve a vários fatores, que foram se
conjugando ao longo do tempo.
A posição geográfica da China, no extremo-Oriente, foi
um fator de proteção diante das invasões, comparativamente às
áreas de trânsito mais fácil. As conquistas de Alexandre
alcançaram o Egito, Mesopotâmia, a Pérsia, a Índia, mas não a
China, que estava longe demais. A China, sujeita às invasões
tártaras (mongóis, manchus, etc), se viu forçada a construir a
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

46 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

Grande Muralha, iniciada no século IV a.C., o que desviou estas
invasões para a Índia, a Rússia e a Europa ocidental e com sua
civilização consolidada conseguiu absorver mais tarde mongóis
e manchus. Além da posição geográfica vantajosa, outros fatores
se combinaram para permitir uma vida rica e duradoura à
civilização chinesa: 1) a gênese e expansão da agricultura
intensiva de arroz; 2) o nascimento de filosofias civilizatórias e
tolerantes, como o taoísmo e o confucionismo (século VI a.C.) e
3) o surgimento e a consolidação da administração pública que
precocemente deu origem a um estado nacional (século III a.C.).
A "civilização do arroz" (GOUROU, 1947) teve
importância essencial na vida material da China e da Índia e por
extensão nas áreas abrangidas pelas chamadas chuvas de monção.
As duas civilizações nasceram em extensas planícies fluviais, de
grande fertilidade agrícola, capazes de comportar altas densidades
populacionais. Além de importância na vida material, a civilização
do arroz, nascida na exuberância natural da Ásia das Monções
(chuvas abundantes e rios caudalosos com grandes planícies férteis)
teve papel importante na vida espiritual dos seus habitantes, dando
origem às religiões e filosofias fortemente pacifistas e tolerantes,
comparativamente às do Mediterrâneo oriental, onde as condições
naturais inóspitas ajudaram a emersão de um conflito maior entre
homem e natureza e das idéias religiosas de que ela deveria ser
dominada e mesmo destruída (DEFFONTAINES, 1948). Como
se sabe, para os hindus não existia abismo entre os homens e os
animais, pois todos tinham alma, assim como o taoísmo e o
confucionismo ensinavam que o homem e a natureza deveriam
conviver harmoniosamente. Além do mais, como a agricultura do
arroz exigia trabalho intensivo, ela deu origem à necessidade de
dedicação, organização e disciplina, pois se tratava no dizer dos
geógrafos de um cultivo de jardinagem.
A civilização chinesa, que já conta com cinco mil anos,
nasceu da crescente sedentarização, acelerada depois de 8000 a.C.,
das populações das margens dos rios Amarelo e Azul.
Anteriormente, como nas outras regiões do mundo, houve uma
prolongada fase de comunismo tribal e de matriarcado, ainda com
resquícios na China atual (XINRAN, 2003, cap 15). É importante
assinalar que a agricultura do arroz obrigava todos os camponeses
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 47

à responsabilidade pela irrigação das terras de cada aldeia (trabalho
coletivo), mas os cultivos eram familiares, estimulando a pequena
produção camponesa. Assim, muito cedo entre os chineses
coexistiam claramente responsabilidades coletivas e
responsabilidades familiares distintas, além de que o campesinato
chinês não viveu sob regime de servidão, diferentemente do russo.
Antes de 2000 a.C. surgiram, em vários pontos distintos,
elites governantes com o papel principal de construir pequenas
obras regionais de engenharia de irrigação, ao mesmo tempo em
que nasceram cidades amuralhadas, trocas comerciais e
especializações artesanais (objetos de bronze e jade), após, o
desenvolvimento dos artesanatos camponeses de objetos de pedra
(machados, pás, facas) e objetos cerâmicos (vasos, etc.). As aldeias
camponesas eram fontes de mão-de-obra compulsória para os
trabalhos de engenharia mais amplos, além de fontes de impostos
que sustentavam as administrações nascentes. Pouco a pouco foi
nascendo e se consolidando o modo de produção asiático: 1)
encabeçado pela organização administrativa que estabelecia laços
feudais com as aldeias camponesas, subordinadas por relações de
vassalagem e 2) embasado nas numerosas comunidades aldeãs,
com fortes estruturas igualitárias, origem de antigo e forte
sentimento democrático e de rebeldia diante das administrações
incompetentes, como ocorreu ao longo de milênios.
2. Por volta de 2100 a.C. as organizações pré-dinásticas (de
5000 a 1700 a.C.) começaram a ceder lugar às chamadas dinastias
antigas, Xia, Shang, Zhou e ao período das Primaveras e Outonos e
ao período dos Reinos Combatentes, ainda durante os quais o rei do
Estado de Qin partiu para encarniçadas lutas de conquista de
numerosos estados rivais e concluiu a unificação da China,
conferindo-lhe um sentido de nacionalidade (dinastia Qin: 207 a
221 a.C.). Portanto, deve-se insistir na idéia de que houve um longo
período histórico de milênios para que culturas nascidas lentamente
ao longo dos rios Amarelo eAzul, em Shaanxi e outros pontos desde
5.000 a.C. e não num único lugar como se pensava no início do
século XX (MASPERO, 1926, p. 135-154), dessem origem à
civilização que permitiu o nascimento da nação chinesa, muito antes
das nações européias nas suas transições feudalismo-capitalismo, a
partir de uma visão histórica não-eurocêntrica (AMIN, 1979).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

48 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

Nos seus primeiros tempos a civilização chinesa teve uma
fase expansiva (2100 a 771 a.C.), seguida de um período
descendente prolongado (770 a 221 a.C.), que antecedeu a
unificação nacional acima referida. Na fase ascendente, a
metalurgia do bronze pré-existente se difundiu rapidamente,
sendo seguida, por volta de 1.000 a.C., do nascimento da
metalurgia do ferro, pioneira no mundo, e que ao ser adotada foi
elevando a produtividade dos camponeses e aumentando o
poderio militar. As monarquias se consolidaram, suas capitais
admi ni strati vas f orti f i cadas chegavam a al cançar 25 km 2, seus
maiores palácios 10 mil m2, as forças militares se tornaram
permanentes, surgiu um sistema de leis e a escrita se consolidou
(BARRETO e FERREIRA Fº, 2003, p 65).
O período descendente após 770 a. C correspondeu à longa
decadência da dinastia Zhou, aos seus erros, ao empobrecimento
popular e à fragmentação de seu território por rivalidades militares
internas, mas foi também um período de sofisticação do
pensamento chinês, com o aparecimento do taoísmo e do
confucionismo. Um século depois, de modo semelhante, os gregos,
que não eram mais os gregos homéricos, despertavam as
preocupações de Sócrates, Platão, Heródoto e seus teatrólogos.
3. As primeiras indagações do pensamento filosófico chinês
referiram-se à totalidade que reunia a natureza e os homens, além
das questões ligadas ao funcionamento do sistema social, seus acertos
e seus defeitos. Por volta de 1100 a.C. foi escrito o famoso Livro das
Mutações, difundido mais tarde por Confúcio, que o tinha em alta
conta. Pela primeira vez foram sistematizados os princípios yang e
yin, base de sutil dialética, tanto da natureza quanto do homem, com
componentes ocultistas explorados por Jung na sua psicologia
analítica. Anteriormente muitos pensadores se dedicaram à história
dos reis e das dinastias, analisando suas experiências, o que permitiu
mais tarde a um administrador público escrever em 845 a.C.: "Um
imperador sabe governar quando os poetas têm liberdade de fazer
versos; os atores, de representar; os historiadores, de dizer a
verdade; os pobres, de rosnar contra os impostos; os estudantes, de
aprender suas lições em voz alta; os artesãos, de louvar a habilidade
própria e procurar trabalho; o povo, de falar de tudo; e os velhos,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 49

de pôr defeitos em todas as coisas" (DURANT, 1983, p 215). Com
tais refinados precedentes intelectuais, foi natural que os desafios
colocados pela fase depressiva e de crise moral após 770 a.C. dessem
origem a gênios do pensamento como Lao Tsé (604 a 521 a.C.) e
Confúcio (551 a 479 a.C.).
Nascidos quase que simultaneamente, o taoísmo e o
confucionismo tiveram origens comuns nos ensinamentos do Livro
das Mutações (yang e yin), mas passaram a disputar a alma chinesa
desde os seus inícios até hoje. Os chineses devem ao taoísmo sua
elevação de espírito, o sentido de relatividade e o desligamento das
coisas, que falta freqüentemente aos ocidentais. Daí decorre o amor
à liberdade e ao pensamento, a paciência, a persistência nos trabalhos
braçais e espirituais, a serenidade no infortúnio. Nos anos 50 do
século XX o regime comunista recém-vitorioso combatia
vigorosamente o confucionismo, ao mesmo tempo em que tinha
simpatias pelo taoísmo (BRÉMOND, 1955, p 10). Entretanto, no
período aberto com as reformas de Deng Xiaoping as simpatias
passaram por certa inversão. Tendo sido contemporâneos, Confúcio
conheceu Lao Tsé idoso e famoso e ambos refletiram sobre os graves
problemas enfrentados pelos chineses, resultando em visões distintas,
mas não excludentes. Num certo sentido é possível dizer o mesmo
de Mao e Deng, que pensando a China e o mundo, inspirados no
marxismo, assumiram visões diferentes, mas complementares.
A prolongada decadência da dinastia Zhou se refletiu de
várias maneiras na sociedade. A desordem administrativa, política
e moral provocou conflitos militares entre reinos e no interior deles
e as comunidades rurais sofreram com os aumentos de impostos e
as convocações de soldados e o conseqüente empobrecimento.
Naquela época Lao Tsé havia sido curador da biblioteca real de
Zhou, o que lhe permitiu testemunhar a decadência dos políticos
da época, levando-o ao afastamento das funções públicas e ao autoexílio no interior. Sob a influência do Livro das Mutações escreveu
sobre o Tao, o caminho da natureza, como também o caminho da
virtude, isto é da conduta humana. Lao Tsé viu a natureza como
um conjunto indissociável, onde a água macia e fraca acaba
vencendo a pedra, aparentemente forte, assim como a fêmea vence
o macho, usando sua passividade, sua aparente fraqueza. Tomado
de simpatias pelos camponeses, Lao Tsé estabeleceu nítida distinção
entre natureza e civilização, pregando uma volta à simplicidade e
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

50 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

ao igualitarismo que existiu na Idade de Ouro, que precedeu as
primeiras dinastias (comunismo primitivo). Valorizando o trabalho
manual e criticando os intelectuais, como desligados da
simplicidade e pré-dispostos a impor uma geometria à sociedade,
Lao Tsé era contrário aos avanços técnicos, mas sobretudo aos
governos, suas legislações e seus aparatos burocráticos. Assim, o
taoísmo valorizava a bondade e o desapego material, coincidindo
com a ideologia camponesa espontânea ("na vida basta um
punhado de arroz e um chapéu"), o que abriu caminho séculos
depois, à penetração e difusão do budismo na China. Também
ajudou a manter entre os chineses um latente espírito de liberdade
e rebeldia, mas não se pode esquecer que o espírito taoísta pode
soprar para onde se queira, inclusive para lados imprevistos, como
ocorreu durante a "Revolução Cultural".
Diante da desordem, do caos e das guerras civis da época,
Lao Tsé pregou o afastamento, a negação e a rebeldia, enquanto
Confúcio pregou o restabelecimento da ordem. Além de professor
que formou muitos discípulos, trabalhou com sucesso em várias
funções administrativas em sua província natal, como magistrado
de distrito, superintendente de obras públicas e ministro de
assuntos criminais. Desgostoso com seu superior acabou se
afastando, dedicando seus últimos anos à produção intelectual.
Confúcio escreveu ou organizou os Cinco Ching, ou livros
canônicos, inclusive comentários e apêndices do I Ching (Livro
das Mutações), assim como o Shu Ching (Livro de História).
Posteriormente seus discípulos, inclusive Mêncio, escreveram
ou organizaram outros quatro livros, totalizando os chamados
"nove clássicos" (GRANET, 1997, cap. XIII).
Apesar das raízes comuns com o taoísmo, mais que no
Livro das Mutações e na idéia dos fluxos da natureza, o
confucionismo se inspirou na história chinesa, nos exemplos
dos reis sábios pré-dinásticos, Yao (2350 a.C.) e Shun (2250
a.C.), que criaram regulamentações e doutrinas e foram
considerados dirigentes modelos.
Confúcio não via uma bondade humana inata e discordando
do taoísmo não acreditava que a maldade deveria ser retribuída
com bondade. Abondade deveria ser recompensada com a bondade,
conforme a regra da reciprocidade, mas a maldade deveria ser
corrigida com a justiça. Confúcio valorizava a educação pelo
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 51

exemplo dado pelos superiores e assim haveria um "bom governo
quando o príncipe é príncipe e o ministro é ministro, quando o pai
é pai e o filho é filho". Mas não se tratava de simples obediência,
pois acima dela existia o princípio moral que autorizava a
resistência à ordem injusta (uma das raízes da doutrina de Mêncio
sobre o divino direito de revolução). A propósito da perda de
legitimidade da dinastia Shang (1600 a 1100 a.C.), Confúcio se
expressou sobre as condições de um bom governo: seus requisitos
seriam a abundância de alimentos, poder militar suficiente e
confiança do povo. Caso a adversidade exigisse sacrifícios, a
primeira condição a cair deveria ser o poder militar e a segunda
"os alimentos, pois a morte está no destino do homem, mas se o
povo perde a fé em seus chefes, não haverá salvação". Avesso à
metafísica e nitidamente agnóstico, Confúcio julgava desnecessário
entender as forças do céu e o reino dos espíritos, mas era necessário
conhecer os problemas deste mundo, sem deixar de render as
devidas homenagens à memória dos ancestrais falecidos, idéia e
prática tão forte entre os chineses antigos quanto entre os chineses
atuais (GRANET, 1997, cap. XI).
Resumindo, é possível dizer que tanto Lao Tsé quanto
Confúcio analisaram a crise social da época a partir de uma base
dialética comum (Livro das Mutações) e da história chinesa, como
na admissão de uma Idade de Ouro. Ambos desenvolveram fortes
visões éticas, apesar das diferenças. Enquanto Lao Tsé mostrou-se
decepcionado com a época e propunha um retorno à natureza,
valorizando o camponês e granjeando simpatias entre os intelectuais
rebeldes, Confúcio queria regenerar toda a sociedade e sua proposta
abrangente ia da família camponesa à corte imperial. Assim, ao
longo do tempo, foi a filosofia mais influente entre os chineses.
Com propostas éticas tão fortes como as de Sócrates, Lao Tsé e
Confúcio continuam vivos no horizonte espiritual chinês,
certamente mais do que Sócrates na civilização ocidental.
4. Mesmo com o grande avanço do pensamento chinês
acima referido, as lutas intermináveis do período iniciado em 770
a.C. continuaram, assim como as divergências intelectuais. O
confucionismo foi adquirindo grande força na luta ideológica.
Assim sendo, Mêncio (372 a 289 a.C.), que teve experiência
administrativa como o mestre, contrariando alguns dizia que "o
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

52 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

governo deveria permanecer nas mãos dos homens educados" e
que o rei que se tornasse nocivo ao bem estar do povo perderia o
"mandato do céu" e deveria ser deposto, apoiado em exemplos
históricos. Entretanto, outras correntes se multiplicavam: 1) Mo
Ti (479 a 381 a.C.), da mesma província de Confúcio, teve seus
adeptos ao propor a idéia de amor e pacifismo, naturalmente
criticado por Mêncio, 2) Chuang Tsé (369 a 286 a.C.), como seu
mestre Lao Tsé, valorizava a vida rural e propunha distância das
funções administrativas, 3) Hsu Hsing defendia a ditadura popular,
que deveria impor o trabalho manual aos magistrados, 4) Yang
Chu (390 a.C.) exaltava a vida epicurista e a idéia de cada um por
si, justificando a maldade, 5) Chu Ping (350 a.C.), após ocupar
altos cargos foi demitido injustamente, retirou-se para o campo e
preferiu o suicídio ao carreirismo, deixando um exemplo
reverenciado até hoje e 6) Li Ssu, entre os legalistas, propôs um
vigoroso poder central, com leis rígidas substituindo a
administração baseada nas pessoas e nos costumes.
Além das reflexões filosóficas acima apontadas é desta
época a obra-prima da estratégia e tática militares (SUN TZU,
2000), que se apoiou em larga experiência de lutas, mas também
nos princípios do Tao, do yin-yang e do confucionismo (Mêncio).
O autor lembrou que os generais antigos eram antes de militares,
homens sábios: "entre eles a leitura e o estudo precediam a guerra
e os preparavam para ela" (Cap. VIII). Sua leitura foi útil para as
lutas de unificação nacional, que ocorreram logo depois (230 a
221 a.C.), como também para os outros chefes militares posteriores,
como Mao Tsetung, entre outros.
No período dos Reinos Combatentes (473 a 221 a.C.) os
conflitos militares entre os numerosos estados, dos quais oito eram
considerados grandes, se agravaram e se tornaram constantes e
destrutivos, o que explica a indignação pacifista de Mo Ti, mas
também a urgência de se encontrar um caminho de superação do
caos e da desordem reinantes. A saída foi uma encarniçada
incorporação militar de todos os territórios, vale dizer a unificação e
o nascimento da China como nação, sob a liderança de Shi Huangti,
primeiro imperador, fundador da dinastia Qin (221 a 207 a.C.). A
unificação dos treze estados, grandes e pequenos, que se hostilizavam
e se esgotavam inutilmente, teve um papel revolucionário na história
chinesa, mesmo que o território do império nascente, abrangendo
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 53

tão somente o baixo e o médio cursos do Amarelo e Azul fosse
pequeno em relação ao que seria mais tarde, na dinastia Han (206
a.C. a 220 d. C.) e seguintes (HERRMANN, 1935).
No plano imediato, a unificação do poder significou a
retomada das obras da Grande Muralha com mais de 2400 km
construídos durante dez anos, mobilizando trabalho compulsório
de milhões de homens. "Essa muralha foi a ruína de uma geração
e a salvação de muitas" dizem os chineses, pois reduziram os
ataques dos pastores nômades da Mongólia, assolados por secas
prolongadas, e desviados para o Ocidente, tendo mais tarde
contribuído para a queda do Império Romano (DION, 1950, p.
127-139). O imperador mandou os legalistas elaborar nova
legislação alcançando a nação toda, assim como o confucionismo
sofreu grandes perseguições. A hierarquia administrativa nobre foi
substituída por funcionários nomeados. As províncias passaram a
ser administradas por três altos funcionários imperiais: um
administrador civil, um governador militar e um superintendente
de controle (GRANET, 1929). Grandes estradas unificaram o
território, foi criada a moeda única, assim como a propriedade
camponesa foi reforçada. Os conflitos que envolveram a unificação
foram tão grandes que a dinastia Qin durou pouco, como aconteceu
freqüentemente na história da humanidade (Cromwell e Napoleão
no Ocidente, por exemplo). Shi Huangti preparou para si um
mausoléu grandioso, recentemente descoberto em Xian. Pela
audácia e grandiosidade de sua obra, foi a figura histórica chinesa
mais admirada por Mao Tsetung (LI ZHISUI, 1997).
Com a unificação nacional, a escala das iniciativas se
ampliou enormemente. Deve ser assinalado que no período dos
Reinos Combatentes, pequenos estados chineses construíram
fortificações entre suas fronteiras, uns em relação aos outros, como
mostra o mapa organizado por A. Herrmann sobre a China em 350
a.C (HERRMANN, 1935). O império uniu pela primeira vez toda
a etnia han, até então dividida, equivalente mesmo hoje a mais de
90% da população chinesa, abrindo então a possibilidade da sua
expansão geográfica para várias direções, sobretudo para o sul do
Yang Tsé (o mesmo aconteceu com a etnia quechua no império
Inca). A expansão dos han limitou naturalmente o território de
minorias étnicas, como os zhuang, os hakka e outras. Por volta de
289 a.C os chineses eram 14 milhões e em 200 d.C. já alcançavam
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

54 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

28 milhões, em parte graças à expansão geográfica acima referida,
com a vantagem da homogeneidade étnica, que aumentou a coesão
nacional, o que não aconteceu na Índia nem na Mesopotâmia.
5. A dinastia Han (206 a.C. a 220 d.C.), de longa duração,
completou a obra de unificação e fortalecimento do Império recémfundado, cuja base foi um sólido modo de produção asiático, que
só entrou em crise terminal após a sucessão de várias dinastias,
com a política de destruição dirigida pela Inglaterra industrial no
século XIX, de fora para dentro.
Assim, a China viveu fase de grande prosperidade no
período Han. A reforma agrária imposta por Shi Huangti, acima
referida, estimulou a produção camponesa, que contou com a
crescente difusão do arado de ferro e do carro de boi, além de
aperfeiçoadas técnicas de irrigação. A dinastia Han, adotando
normas confucianas, implantou os exames públicos obrigatórios,
visando constituir um corpo administrativo nacional, o que o
Ocidente adotou há poucos séculos atrás, e flexibilizou a estrutura
do poder imperial centralizado que havia herdado.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 55

Ampliou através de alianças, a zona de influência da China,
tornando possível e segura a Rota da Seda de caravanas através da
Ásia Central, passando por Bagdá e alcançando Alexandria, então
parte do Império Romano. A capital do Império chinês chegou a
ter 240 mil habitantes, três vezes mais do que Roma (REID, 1993,
p 8 e 9). Aliás, duas grandes invenções chinesas datam deste
período: o papel e a porcelana. A dinastia Han, nos seus 400 anos
de duração, consolidou o Império. As invasões que ocorreram nesta
época e posteriormente foram absorvidas, diferentemente do que
aconteceu com outros impérios, inclusive o romano.
Entretanto, a fase final da dinastia Han, como aconteceu
antes e depois com outras dinastias prolongadas, foi marcada pela
perda de vitalidade e dinamismo, quando passaram a ocorrer
guerras civis, invasões estrangeiras e fragmentações territoriais.
É possível dizer que as dinastias chinesas, em geral, apresentaram
fase inicial dinâmica e depois fase final decadente, seguida de
colapso, como um movimento natural do modo de produção
asiático. Na dinastia Han e nas seguintes (Tang, Song, etc.) a
fase inicial de riqueza popular permitiu divisão social do trabalho
na base da sociedade, pois a crescente renda dos camponeses
garantiu a expansão de uma sólida pequena produção mercantil,
o aparecimento de artesãos e comerciantes de cereais e de
artesanatos, etc. Foi da massa de camponeses abastados que
nasceram os artesãos e comerciantes que acabaram implantando
manufaturas urbanas, empregando filhos de camponeses pobres.
A riqueza camponesa aumentava o fluxo de impostos carreado
pelo Estado, beneficiando os altos funcionários no consumo de
produtos artesanais de luxo, etc.
Com o tempo o poder imperial adquiria caráter parasitário,
aumentando os impostos sem aplicá-los em obras públicas, dando
início ao período de empobrecimento popular (mais impostos e
abandono das infra-estruturas coletivas), que obrigava muitos
camponeses a vender suas terras e às vezes seus filhos (origem da
escravidão conjuntural e doméstica), reduzindo-se à condição de
arrendatários. Assim, parte das terras camponesas era adquirida
pelos altos funcionários públicos, pelos comerciantes e mesmo
pelos camponeses ricos, localizando-se, em geral, nos arredores
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

56 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

das cidades (MOORE Jr, 1983, p. 213). A desgraça que se abatia
sobre os camponeses acabava se extendendo à natureza, com a
aceleração dos desmatamentos, em decorrência do empobrecimento
que os atingia e do conseqüente superpovoamento. Nestas fases
finais das dinastias, os conflitos sociais se multiplicavam no campo,
não tanto como rebeliões dos arrendatários frente a seus senhores,
mas na maior parte dos casos em conseqüência dos impostos
escorchantes, que colocavam em posições opostas camponeses e
a administração pública, conforme a interpretação de Qin Hui
(2006, p 85), que também lembrou o pioneirismo dos trotskistas
chineses no referido tema, no início da década de 1930, com a
obra História das rebeliões camponesas na China.
Assim sendo, vale destacar que se desenvolveu na China
imperial uma política de intervenção do Estado no domínio
econômico nos inícios de cada longa dinastia, visando corrigir as
distorções da fase final das dinastias decadentes, com: 1)
intensificação dos laços imperiais unindo as diferentes províncias;
2) reestruturação do sistema de abastecimento de cereais, com os
depósitos públicos, o fornecimento de sementes, etc.; 3)
reforçamento dos monopólios estatais (sal, mineração, etc.) e
sobretudo 4) distribuição mais igualitária das terras cultiváveis, o
que garantia estabilidade econômica prolongada. Com tais
características foi possível falar de políticas econômicas com fortes
traços de socialismo de Estado, acompanhadas de estímulo às
atividades econômicas privadas (CIOLI, 1938, p 138).
Os pólos componentes do modo de produção asiático, isto
é, a administração pública e as comunidades camponesas, se
opunham e se completavam. Na dialética das relações de produção
e forças produtivas, quando a administração estrangulava a
agricultura nas fases finais das dinastias, ocorria sob pressão de
baixo para cima uma ruptura, pois a dinastia cadente havia perdido
o "mandato do céu", conforme as lições de Mêncio, dando lugar
a uma dinastia regenerada.
6. Pelo que foi exposto, fica afastada a idéia de raiz
eurocêntrica, referente à imutabilidade ou à inércia do modo de
produção asiático, base estrutural do Império chinês. As forças
produtivas, como já foi assinalado, se expandiram fortemente em
vários períodos muito mais do que no Ocidente até o Renascimento
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 57

pelo menos, não tendo sido impedidas pelas relações de produção
asiáticas. Assim sendo, somente com a primeira revolução
industrial, a Europa passou a ter densidades demográficas
semelhantes às da Ásia de base agrícola, pois de longa data a
rizicultura chinesa passou a colher de duas a três safras anuais.
Por outro lado, a idéia de Max Weber sobre o papel da ética
protestante na gênese do capitalismo, inspirada em Marx, que não
recebeu os devidos créditos, também tem uma dose de eurocentrismo,
já que a ética do trabalho é antes de tudo intrínseca à pequena
produção mercantil, seja germânica, latina, árabe, hindu, chinesa,
etc. Como nas diversas civilizações, a divisão social do trabalho na
China foi impulsionada pela pequena produção em expansão, que
deu origem aos comércios e artesanatos urbanos, por sua vez
desdobrados em incontáveis manufaturas, de diferentes produtos,
"reunindo, 10, 15, 20 e até 40 empregados, cujos donos assumiam
ares importantes" (POLO, 1926, p 236). As manufaturas chinesas
organizavam-se em corporações, que regulavam a produção,
limitavam a concorrência, ditavam salários, horas de serviço e preços
dos produtos. Tais práticas tinham como conseqüência retardar a
introdução de invenções, como aconteceu com a manufatura
capitalista, que foi um sistema de pouquíssimas inovações técnicas
durante dois séculos (XVI e XVII), como assinalou P. Sweezy (1997).
Aliás, uma das grandes surpresas da civilização chinesa foi sua grande
fertilidade inventiva tanto nas práticas agrícolas dos camponeses
como nos grandes inventos, mesmo com lentidão nas aplicações
(bússola, imprensa, pólvora, etc.) e o papel secundário da ciência no
seu mundo intelectual (NEEDHAM, 1945, vol 1).
Apesar das taxações, o comércio interprovincial se
expandiu, bem como o comércio à grande distância (seda, chá,
especiarias), por trajetos continentais e marítimos, e assim foi
se gestando e crescendo uma classe importante de comerciantes,
mal vistos pelo povo, conforme o provérbio "ladrões por
atacado abriram um banco" (DURANT, 1983, p 317). Os ricos
comerciantes podiam adquirir terras camponesas na periferia
das cidades, encaminhar seus filhos aos exames para a
administração pública e ampliar seus negócios. Com os avanços
do colonialismo estrangeiro sobre o Império Chinês no século
XIX, milhares deles migraram para as cidades da Ásia do
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

58 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

Sudeste, Hanói, Saigon, Cingapura, Manila, Jacarta, etc. onde
passavam a assumir destacada posição comercial.
Entretanto, na sociedade chinesa tradicional os
comerciantes ocupavam status inferior, pois conforme se dizia,
eles não produziam, apenas trocavam, com lucro para si, o produto
do trabalho dos outros homens. Na China imperial os sábios, os
professores e os funcionários eram os mais prestigiados e os
camponeses vinham em segundo lugar, uma consideração
compatível com a lógica do modo de produção asiático. Os artistas
e artesãos ocupavam o terceiro escalão e os comerciantes, o quarto.
Tornou-se clássica a observação de Marx sobre o papel da
política na estruturação do escravismo greco-romano, assim como
da religião católica como fator estruturante do feudalismo medieval
e que apenas no capitalismo o elo de ligação interno do modo de
produção passara a ser a economia. Pois no caso chinês é possível
dizer que sua especificidade esteve e está na importância decisiva
da filosofia, como o grande fator estruturante e civilizatório e isto
desde milênios.Apesar das numerosas correntes filosóficas, as duas
maiores escolas de pensamento, o taoísmo e o confucionismo datam
do VI e V séculos a.C. e mantiveram vitalidade até os dias de hoje,
numa continuidade inimaginável no Ocidente. Desde a dinastia
Han o confucionismo se tornou hegemônico no trato das coisas
públicas, responsável pela "política filosófica" praticada na China,
como M. Vieira de Mello propunha para o Ocidente atual (1994,
p. 13-76). Mesmo eclipsado de tempos em tempos, o confucionismo
se revigorava nos períodos de prosperidade como nas dinastias
Tang (618 a 907 d.C.), época de ouro das artes e literatura, e Song
(906 a 1279 d.C.), quando se refinou o ideal do homem universal,
que combinava qualidades de estudioso, poeta, artista e estadista
(BARRETO e FERREIRA Fº, 2003, p. 153).
É importante lembrar que na China as filosofias taoísta e
confuciana absorveram as religiões animistas primitivas e educaram
os dirigentes e o povo a uma convivência interpessoal, social e
com as populações vizinhas (os "bárbaros"), que fosse tolerante e
evitasse atritos inúteis. Assim, a civilização chinesa se expandiu
para a Coréia, o Japão, o Vietnã e outros territórios vizinhos não
por meios militares, mas por relações comerciais e de alianças
políticas frouxas (protetorados), sendo que as dinastias nãoGEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 59

chinesas (mongol e manchu) foram as mais beligerantes, como
nos casos do Tibet e do Sinkiang.
Os chineses, ao longo dos séculos, foram incorporando e
não rejeitando suas idéias primitivas, como no caso dos doze animais
que compõem seu zodíaco (rato, boi, tigre, lebre, dragão, etc.) ou na
idéia básica de ligação do Céu e da Terra como duas metades da
grande unidade cósmica, como homem e mulher, senhor e vassalo,
yin e yang ou o importante culto aos antepassados, muito valorizado
pelo confucionismo. Pela força do taoísmo, igualmente incorporaram
o budismo, durante o período convulsivo que se seguiu à dinastia
Han, mas sem aceitar a idéia de reencarnação de Buda, por ser
excessivamente religiosa. As idéias filosóficas e religiosas nunca se
repeliram umas às outras e em regra geral o chinês tornou-se ao
mesmo tempo animista, taoísta, budista e confucionista.
É possível dizer que das grandes civilizações da humanidade,
a chinesa é certamente a de menor vinculação com idéias religiosas,
provavelmente a menos belicosa e talvez aquela que tenha bases
filosóficas mais sólidas. Estas características despertaram a
atenção e a admiração de importantes pensadores do Iluminismo
europeu, sobretudo filósofos, desde Leibniz, que promoveu a
fundação de sociedades de estudos chineses em Berlim e Moscou,
até Tolstoi, passando por Voltaire, Rousseau e Goethe, que se
encantaram com a filosofia chinesa, o taoísmo ou o confucionismo,
com ênfase na problemática ética e moral (GRANET, 1929 e 1997).
Ao mesmo tempo, provavelmente de maneira eurocêntrica,
Montesquieu lamentava a falta de democracia na China.
IV ­ O imperialismo, as humilhações e os "negócios da China"
1. Entretanto, na mesma época em que a China era admirada
por inúmeros filósofos europeus, ela era crescentemente assediada
pelo comércio e pelas missões religiosas européias. Tanto a China
como o Japão, tomando o exemplo das ações européias na Índia,
decretaram medidas proibindo a presença de europeus, até que a
revolução industrial inglesa tornou inócuas as proibições, a partir
do uso da força militar na China (1839-42) e no Japão (1853-54),
visando " normalizar" o comércio. É verdade que naquele momento
a dinastia manchu na China, assim como o xogunato Tokugawa
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

60 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

no Japão, estavam em decadência, mas a precedência da invasão
estrangeira na China alertou o Japão, onde a facção nacionalista
dos senhores feudais conseguiu interromper o processo de
colonização, com a vitória da Inovação Meiji (1868), que implantou
um Estado capitalista, ponto de partida de relações econômicosociais capitalistas, até então inexistentes (OKABE, 1974, p 5163). Na China, para sua desgraça, o domínio estrangeiro durou um
século e só foi encerrado com a vitória da revolução liderada por
Mao Tsetung em 1949.
Neste século de domínio estrangeiro, o destino da China
escapou de seu próprio controle e foi passando para as mãos dos
ingleses no início e depois o esquartejamento territorial se ampliou
para outras potências, com crescentes humilhações para os chineses.
Ao longo do período, a ação estrangeira se manifestou de várias
maneiras, mas sobretudo pela exploração econômica e pelo uso da
força militar sempre que necessário. Logo no início, além da
concessão de Hong Kong, outros portos foram abertos ao comércio
exterior e os estrangeiros adquiriram o direito de extraterritorialidade,
tornando a China cada vez mais uma semicolônia. A abertura
comercial criou uma classe de comerciantes chineses de importexport, a chamada "burguesia compradora", até então inexistente,
subordinada e aliada à indústria ocidental. Por intermédio deles, por
exemplo, a Standard Oil (Grupo Rockefeller), introduziu na China
rural e urbana milhões de lampiões, para escoar sua produção de
querosene de iluminação, substituindo o artesanato e o combustível
chineses. É verdade que a Fundação Rockefeller não se esqueceu de
tomar iniciativas "beneméritas", como a abertura de escolas de
medicina, hospitais, etc (SPENCE, 1996, p 371).
Após as guerras do ópio (1839-42), além das concessões
econômicas, a Inglaterra impôs pesadas indenizações, abrindo
caminho, em seguida, à penetração norte-americana e francesa.
Os conflitos e as indenizações mal haviam começado. A renda
imperial chinesa no final do século XIX alcançava US$ 75 milhões
por ano, somada às rendas de US$ 175 milhões para propósitos
locais, ambas necessárias ao gasto público normal, enquanto a
vitória militar do Japão (1895) custou à China US$ 150 milhões e
a perda de Taiwan, assim como o consórcio de aliados imperialistas
cobrou US$ 300 milhões, após o esmagamento da rebelião Boxer
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 61

em 1901. Tudo isto dava uma idéia do colapso financeiro que foi
sendo imposto à China (DURANT, 1983 cap 27). Assim sendo,
por mais que os reformistas confucianos da alta administração
manchu se preocupassem com o chamado "autofortalecimento"
da China, elaborando a idéia de que a sabedoria chinesa deveria
continuar sendo a essência, mas o conhecimento ocidental deveria
ser usado para o desenvolvimento prático (na fórmula abreviada
ti-yong, isto é "essência" e "uso prático"), resultando em iniciativas
econômicas (mineração, siderurgia, estradas-de-ferro) e
modernização militar, os empréstimos estrangeiros necessários se
chocavam com a inviabilidade financeira acima referida e o futuro
da China dependia de rupturas mais radicais, propostas inicialmente
por Sun Yat-sen e depois pelo PCC, sobretudo por Mao Tsetung.
2. As rebeliões contrárias à dinastia manchu, do Lótus
Branco nos fins do século XVIII e início do século XIX, dos taiping
(1850-1864), dos nians (1851-1868) e dos boxers (1898-1901),
foram adquirindo gradativamente uma postura nacionalista, mas
tiveram participação camponesa dominante. Entretanto, e
curiosamente, o maior líder nacionalista da China moderna, Sun
Yat-sen, fundador da República, e o PCC, nos seus inícios, não
deram maior importância aos camponeses, com exceção de Mao
Tsetung, que por isto mesmo acabou liderando a Revolução Chinesa
e fundando a República Popular da China. Sun Yat-sen surgiu como
político na época da 2ª Internacional, enquanto o PCC e Mao
Tsetung surgiram, em grande parte, como frutos da 3ª Internacional,
proposta por Lênin e pela nascente URSS. A 2ª Internacional não
apostava nos países coloniais e sim na revolução nos países
europeus, seguindo preguiçosamente a tradição de Marx e Engels,
que, aliás, vislumbraram precocemente o potencial revolucionário
da China. Lênin foi o primeiro a perceber a mudança do eixo da
revolução para o lado das colônias e semicolônias e que teria duas
faces, uma anti-imperialista e outra antifeudal (LENIN, 1947).
Sun Yat-sen (1866-1925) fez parte da grande leva de filhos
de camponeses do extremo-sul da China, que na segunda metade
do século XIX emigraram, como seus parentes que participaram
da corrida do ouro na Califórnia e seu irmão mais velho que se
estabeleceu no Havaí, para onde o atraiu adolescente. Lá foi
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

62 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

educado em escola anglicana e se converteu ao cristianismo, às
idéias democráticas e republicanas ocidentais. Em Hong Kong
formou-se no British Medical College, mas teve seu exercício
profissional em medicina limitado pelos ingleses, na tradicional
prática de inferiorizações. Após a humilhante derrota chinesa frente
ao Japão (1894-95), passou a se dedicar à sua incansável campanha
política de derrubada da dinastia manchu e de democracia ocidental,
e assim foi ganhando prestígio. Entretanto, à maneira chinesa,
procurou organizar sociedades secretas e levantar dinheiro junto à
burguesia pequena ou grande, no continente e no além-mar, como
Charlie Soong, convertido ao cristianismo como ele e de quem se
tornou genro (SPENCE, 1996, p 232).
O movimento de Sun Yat-sen, nitidamente nacionalista e
progressista, nas condições vigentes na China nos inícios do século
XX se transformou na grande esperança da pequena e da grande
burguesia chinesas, que constituíam suas alas esquerda e direita,
respectivamente. Mas a realidade chinesa era mais complicada e
por isto após a queda da dinastia manchu, Sun não teve forças
suficientes para assumir o poder, que ficou nas mãos dos chefes
militares ligados à antiga dinastia, num processo de fragmentação
regional que se repetiu mais uma vez na história da China.
Assim sendo, a situação na China tornou-se ainda mais
grave, pois ao lado da questão camponesa, que não parava de se
agravar, o domínio imperialista aumentava mais e mais e os dois
problemas se intensificavam pela ruína crescente da administração
pública, agora exercida pelos chefes militares regionais. Repetiramse, em proporções muito maiores, os períodos críticos e de
desagregação que a China havia vivido ao longo da sua história
milenar: dos Reinos Combatentes (471-221 a.C.), da Desunião (220
a.C.-589 d.C), das Cinco Dinastias (907-960 d.C.), etc. que haviam
sido superados por sangrentas lutas unificadoras e regeneradoras,
como nas dinastias Qin (221-207 a.C.), acima referida, Sui (581617 d.C.) e outras (BARRETO e FERREIRA Fº, 2003).
A decadência da dinastia manchu, como havia acontecido
com a dinastia Zhou dois mil anos antes, abriu um período
altamente perigoso para toda a sociedade chinesa, mas altamente
estimulante para sua intelectualidade. Traduções e debates de
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 63

obras científicas, filosóficas e literárias ocidentais se
multiplicaram, assim como visitas de intelectuais como Bertrand
Russel, Albert Einstein, R. Tagore e muitos outros. A eclosão
da primeira guerra mundial acelerou o processo de
transformações intelectuais e políticas, que já estava em curso
na China e desembocou no primeiro impulso da revolução
chinesa, que se manifestou na aliança Kuomintang-PCC (192327), sob os auspícios da Internacional Comunista. Mais tarde a
invasão japonesa à China provocou novo impulso revolucionário
e levou à segunda aliança Kuomintang-PCC (1937-45), desta
vez sob decisão política de Mao Tsetung. Em resumo, a primeira
guerra mundial e a invasão japonesa à China foram dois
divisores de água e dois acontecimentos fundamentais no
recrudescimento do processo revolucionário chinês. Entre os
dois acontecimentos o marxismo foi introduzido na China, o
PCC teve sua gênese, logo depois se tornou maduro e
independente, e assim passou a dirigir os destinos da nação
(MAO Tsetung, 1979, vol 3, p 315-429).
Referências Bibliográficas
AMIN, S. (1979). Classe et Nation, Paris, Ed. Minuit.
ANDERSON, P. (2004). Considerações sobre o marxismo
ocidental, S. Paulo, Boitempo.
BARRETO, C. e FERREIRA Fº, J. M. Org. (2003). Cinco mil
anos de civilização chinesa, S. Paulo, Brasil Connects.
BRÉMOND, R. (1955). La sagesse chinoise selon le Tao,
Paris, Lib. Plon.
CIOLI, L. (1938). Histoire économique, depuis l'antiquité
jusqu'a nos jours, Paris, Payot.
DEFFONTAINES, P. (1948). El Mediterraneo: estudio de
Geografia Humana, Barcelona, Ed. Juventud.
DION, R. (1950). Influência da Geografia Física sobre a
evolução histórica da Europa (As invasões bárbaras vistas
pelos geógrafos), Revista de História-USP.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

64 -- AS BASES NATURAIS E SOCIAIS DA CIVILIZAÇÃO CHINESA

DURANT, W. (1983). História da civilização: nossa herança
oriental, S. Paulo, Ed. Record.
GOUROU, P. (1947). La terre et l'homme en ExtrêmeOriente, Paris, A. Colin.
GRANET, M. (1929). La civilisation chinoise, Paris, La
Renaissance du Livre.
______. (1997). O pensamento chinês, R. Janeiro,
Contraponto.
HERRMANN, A. (1935). Historical and Commercial Atlas of
China, Cambridge (Mass.).
LENIN, W. (1947). O imperialismo: fase superior do
capitalismo, R. Janeiro, Ed. Vitória.
LI Zhisui (1997). A vida privada do camarada Mao, R. de
Janeiro, Civ. Bras.
MAO Tsetung. (1979). Obras escolhidas, 4 vol., S. Paulo,
Ed. Alfa Omega.
MARCO POLO (1926). Travels, N. York, Ed. Manuel Komroff.
MARX, K. (1978). Revolução na China e na Europa, in Marx e
Engels: Sobre o colonialismo, vol 1, Lisboa, Ed. Estampa.
MASPERO, H. (1926). Les origines de la civilisation chinoise,
Paris, Ann. de geographie, Ed. A. Colin.
MOORE Jr.,B. (1983). As origens sociais da ditadura e da
democracia, Lisboa, Ed Cosmos.
NEEDHAM, J. (1945). Science and civilization in China,
vol 1, Cambridge.
OKABE, H. (1974). Algumas reflexões sobre a formação do
capitalismo japonês, Argumento nº 3, R. Janeiro, Paz e Terra.
QIN Hui (2006). A divisão do patrimônio da grande família, in
E. Sader: Contragolpes, S. Paulo, Boitempo.
REID, S. (1993). As rotas da seda e das especiarias, Lisboa,
Ed. Estampa-Unesco.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian -- 65

SOFRI, G. (1977). O modo de produção asiático, R.
Janeiro, Paz e Terra.
SPENCE, J. (1996). Em busca da China moderna, S. Paulo,
Cia. Letras.
SUN TZU (2000). A arte da guerra, P. Alegre, L&PM.
SWEEZY, P. (1977): K. Marx e a revolução industrial, in P.
Sweezy Capitalismo moderno, R. Janeiro, Graal.
WITTFOGEL, K. (1957). Oriental despotism: a comparative
study of total power, New Haven.
XINRAN (2003). As boas mulheres da China, S. Paulo, Cia. Letras.

*

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

JAPÃO:REVOLUÇÃOPASSIVAERIVALIDADEIMPERIALISTA
Marcos Aurélio da Silva
Resumo: O artigo trata do caráter específico da revolução burguesa
japonesa e suas relações com os padrões de inserção internacional
forjados pela formação social nipônica no curso do século XX.
Palavras-chave: Japão; Revolução Passiva; Imperialismo.
Japan: Passive Revolution and Imperialist Rivalry
Abstract: The article to treat of specific character of Japan´s bourgeois
revolution and your relations with the standards of international insertion
forged for social formation nipponese during the XX century.
Ke-words: Japan; Passive Revolution; Imperialism.
Introdução
Antes que a Ásia Oriental se convertesse na região com
as maiores taxas de crescimento econômico do planeta o Japão
já despontava no cenário mundial com prodigioso vigor. No
início do século passado, Lenin o associava aos "países
capitalistas jovens, que progrediram com enorme rapidez"
(1977, p. 636), dinamismo que se manteve mesmo por todo o
século, como o demonstram as estatísticas da ONU. De fato,
em tais estatísticas comparece ele como o país que apresentou
a mais elevada taxa de crescimento da produção industrial do
capitalismo desenvolvido no período 1938-1988, com 6,1% ao
ano - perdendo apenas para o Brasil, com 6,7% ao ano, se
incluirmos os capitalismos do Terceiro Mundo, e ficando no
terceiro posto se se abarca o mundo socialista, com os 7,5% ao
ano da ex-URSS (RANGEL, 1990).


Marcos Aurélio da Silva é professor no Departamento de Geociências da
UFSC. Doutor em Geografia Humana pela USP com a tese Gênese e dinâmica
competitiva da indústria de equipamentos elétricos do Sul do Brasil. Uma
versão resumida deste artigo foi publicada nos Anais do VII Encontro Nacional
da ANPEGE (Niretói-RJ, setembro de 2007) e, com pequenas alterações, no
site www.gramsci.org (abril de 2008).

68 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

Nãodevehaverdúvidaque,envolvendoumaatualizaçãotecnológica
pelousodomaisavançadoprogressotécnicoexistentenaeconomiamundial,
estamos diante de um aspecto do desenvolvimento desigual em escala
internacional, fenômeno portador de enormes ganhos para diversas
industrializaçõestardias,inclusiveperiféricas(LENIN,1977;ROWTHORN,
1979; MAMIGONIAN, 1982; RANGEL, 1990). E, se a portentosa redivisão geográfica do trabalho de diversos ramos da produção industrial
planetáriaésuaexpressãomaisacabada,nãoseriademaisdizerqueoJapão
figura, aqui,comoo seuprincipalbeneficiário.Com efeito,sena "alturade
1960,os EUA ainda detinham maisdeum quarto daproduçãomundial de
aço, mais da metade da montagem de automóveis e (alguns anos depois)
quase 90% da produção de televisores a cores" (sic), em 1980, pois, a
"parte do Japão... saltara de 6,5% (1960) para 15,5% no aço; de 5% para
30%nosautomóveis;edevirtualmentezeroparamaisde50%nastelevisões
a cores" (sic) (OLIVEIRA, 2006, p. 13-14).
Aliás, vale notar que o fenômeno não se restringe às
tecnologias já maduras. Ele alcança também, e de forma
extremamente veloz, os produtos saídos da revolução
microeletrônica. Assim, se nos "anos 80, firmas americanas
atendiam, no país e em implantações no exterior, 98% da produção
mundial" de semicondutores, logo em seguida "o Japão inverteria
a situação", alcançando em "fins de 1986... 90% das 256K DRAM vendidas no mundo" (OLIVEIRA, 2006, p. 16).
Todavia, na década de 90, o quadro que acima traçamos
perde algo de sua nitidez. O outrora dinâmico crescimento
econômico japonês, abalado pela reação norte-americana, que
logrou impor uma determinada macroeconomia planetária a
partir de meados dos anos 80, conhece uma persistente
estagnação. E a economia dos Estados Unidos, após sofrer
seguidamente com os desdobramentos da crise de longa duração
aberta no início da década de 70, conhece mesmo, nos anos 90,
uma importante retomada.
Posto o novo quadro, é possível dizer que o processo da
re-divisão internacional do trabalho, em curso no século XX,
perdeu o ímpeto e a orientação geográfica que o marcara?
Outrossim, que as categorias que permitiam a compreensão deste
processo deixaram de ter sentido?
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 69

Para A. Teixeira (2000, p. 9), se o contexto anterior poderia ser
interpretado a partir da noção de rivalidade imperialista, esposada por
Lenin,1 ou ainda da categoria gramsciana de hegemonia,2 hoje ambos
os aportes teriam perdido sua força explicativa. Os Estados Unidos se
nos apresentaria como o único império, "capaz de adotar as estratégias
que bem entender", dada a "centralidade do dólar no sistema monetário
internacional e a autoridade do Federal Reserve sobre os investimentos
de capital", fatores que permitiriam à economia americana escapar das
"restrições de balanço de pagamentos... importar livremente e...
reestruturar seu parque industrial" (TEIXEIRA, 2000, p. 9).
Não obstante a efetiva reação norte-americana caberia
indagar: esta leitura não está se prendendo exageradamente aos
fatores sistêmicos que marcam o capitalismo atual? Não seria
este viés impeditivo de uma análise que, ao lado das formas gerais
assumidas pelo modo de produção dominante, atentasse para as
formações sociais que o compõem? Não decorre do mesmo viés
a incapacidade de perceber, mutatis mutandis, o que há de válido
nas categorias marxistas acima assinaladas?
O artigo que aqui se segue irá, pois, articular estas duas
escalas de análise (a do modo de produção e a da formação
social) para tentar entender a posição japonesa no cenário
econômico mundial atual. Ele está dividido, além desta introdução
e das conclusões, em três seções. Na primeira seção, ele irá
tratar da construção da formação social capitalista nipônica, das
características específicas que lhe marcaram em razão da via de
transição ao capitalismo que ali se processou, bem como das
relações internacionais que esta via forjou, de enormes
repercussões geopolíticas na Ásia da primeira metade do século
XX. Na segunda seção, o foco será as transformações que, no
pós-II Grande Guerra, lhe permitiram crescente capacidade de
emulação. Na terceira seção, o artigo se voltará para as
1

"...faz parte da própria essência do imperialismo a rivalidade das várias grandes
potências nas suas aspirações a hegemonia..." (LENIN, 1977, p. 643).
2
"O fato da hegemonia pressupõe indubitavelmente que se deve levar em
conta os interesses e as tendências dos grupos dominados sobre os quais a
hegemonia será exercida; que se forme certo equilíbrio de compromisso..."
(GRAMSCI, 1987, p. 33).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

70 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

características da reação norte-americana, bem como para os
efeitos econômicos e geográficos que ela causou no tipo de
rivalidade imperialista que caracterizava a emulação japonesa.
I - Revolução passiva, industrialização e imperialismo militarista
No Japão, temos uma formação do tipo inglês
e alemão, isto é, uma civilização industrial
que se desenvolve dentro de um invólucro
feudal-burocrático, com inconfundíveis
características próprias.
(Antonio Gramsci, Cadernos do Cárcere)
A formação social japonesa emerge de modo bemsucedido na concorrência intercapitalista mundial a partir de
formas econômicas e sociais bastante específicas, notadamente
se comparadas àquelas consagradas pelo capitalismo
estadunidense. Expressão de relações sociais de produção
particulares, esta especificidade reflete, pois, as correlações de
forças presentes na sua transição capitalista, situada na década
de sessenta do século XIX. Devidamente re-acomodadas
segundo necessidades impostas por conjunturas específicas do
século XX, são as heranças dessa base genética que ajudam a
entender a forte capacidade de emulação do capitalismo
nipônico, flagrante nas estatísticas econômicas mundiais desde
pelo menos a década de 70.
Três características se sobressaem na particularidade dessa
acumulação: 1. a ação estatal, bastante superior a dos Estados Unidos,
e centrada sobre a empresa privada, tornada simultaneamente vetor
da acumulação e (numa primeira fase) da agressão militar
imperialista; 2. o tipo de conglomerado industrial, apto a explorar,
notadamente após a II Grande Guerra, economias de variedade no
interior das economias de escala; 3. as relações de produção calcadas
em formas condicionais de reprodução do salariato, fortemente
tributárias do passado medieval japonês.
Com efeito, a transição capitalista japonesa, marcada pela
Inovação Meiji (1868), resolveu-se sob uma forma tipicamente
prussiana (OKABE, 1974, p. 58), ou o que também pode ser
chamado, seguindo uma formulação gramsciana, de revolução
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 71

passiva ou ainda revolução-restauração, fenômeno atuante quando a
tese é capaz de "desenvolver-se integralmente, até o ponto de conseguir
incorporar uma parte da própria antítese, para não se deixar `superar'"
(GRAMSCI, 1987, p. 77). De fato, nesta transição, foram os elementos
da sociedade feudal em decomposição - nobres de estamento inferior
(daimyo) e militares (samurai), em conluio com camponeses ricos e
comerciantes abastados e em detrimento dos pequenos camponeses,
submetidos a uma forte exploração - que levaram a efeito a derrubada
do shogunato Tokugawa,3 instalando uma monarquia absolutista de
amplo significado para a transição capitalista e o processo de
acumulação que se seguiu (OKABE, 1974).4, 5
As origens do conglomerado industrial japonês, por exemplo,
remontam a esse período, bem como a forte ação estatal na economia.
Foram os nobres e os grandes comerciantes que se beneficiaram da
aquisição a preços baixos de modernas fábricas construídas pelo
Estado, em geral para a defesa ou a agressão militar imperialista,
3

Devemos a Ralf de Sousa Guth a observação de que não se aplica o termo
império, como havíamos feito nas primeiras versões, à dinastia Tokugawa. De
fato, o governo imperial japonês, formado no século VII, passou por um processo
de dissolução entre os séculos IX e XII, processo que resultou na progressiva
feudalização da sociedade japonesa sob comando de uma nova nobreza militar
(o shogunato). Na verdade, a dinastia imperial nunca foi abolida e, sobretudo,
com os sucessivos comandantes militares estabelecidos a partir do século XVI
(os shogunatos Nobunaga, Hideyoshi e Tokugawa), teve garantida sua
preservação "como símbolo religioso (mas também político) de legitimidade,
acima e à margem do sistema operacional de suserania feudal", estabelecendo
uma dualidade que "reproduzia a soberania fissurada de todo o feudalismo
secular". Vide Anderson (1974). Parênteses acrescentados.
4
Perry Anderson (1974, p. 539-40) critica os historiadores japoneses por
associarem o Estado Meiji ao absolutismo, insistindo, a partir de uma vaga
observação de Lenin, na instauração de um regime constitucional. A tese,
todavia, parece ignorar as pesadas continuidades de que foi herdeira a Inovação
Meiji. Note-se, por exemplo, que enquanto Anderson aponta ter sido "abolida
a ordem social em quatro estados" e "proclamada a igualdade dos cidadãos
perante a lei", Okabe (1974, p. 55) lembra que, "contrariando o princípio da
igualdade, estabeleceram-se os títulos de nobreza, classe militar e povo comum,
os quais permaneceram no registro civil até depois da Segunda Guerra Mundial".
5

As razões da decomposição do feudalismo japonês devem ser buscadas na
crise de rendimentos que afetava o shogunato desde o século XVIII - raiz dos
conflitos que então se acirravam entre ele, shogunato, os daimyo, os grandes
comerciantes e mesmo a população plebéia - em combinação com as pressões
exercidas pelos países imperialistas ocidentais. A crise se alimentava do consumo
ostentatório da alta aristocracia - condição crucial do seu prestígio (e. g. extenso
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

72 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

dando origem aos chamados zaibatsu, conglomerados industriais e
financeiros de origem familiar que comandaram o desenvolvimento
da indústria pesada (ferro, aço, construção naval) do final do século
XIX até a II Guerra Mundial (OKABE, 1974; LAZONICK, 1992).
Aliás, não se deve minimizar o papel das ações estatais de
cunho militar imperialista (guerra sino-japonesa em 1894-95, guerra
com a Rússia em 1904-05, invasão da Manchúria em 1931), cujo
alcance geopolítico retratamos no mapa que se segue. Sua função foi
a de fornecer mercado, matérias-primas e ainda capitais para
investimentos (OKABE, 1974; NIVEAU, 1969). Assim é que, tanto
o mercado externo quanto o interno foram dinamizados, o primeiro
através da abertura dos quatro portos chineses e do tratado desigual
com a mesma China, da concessão de Formosa e das ilhas P'enghu, e ainda da hegemonia sobre a Coréia, enquanto o mercado interno
se beneficiava da compra de armas levada a efeito pelos gastos
militares, que alcançaram de 65 a 70% do orçamento na guerra de
1894-95 (OKABE, 1974). Já o auto-abastecimento em aço foi
favorecido pelo ferro e o carvão da Manchúria e da Coréia, ao passo
que o conflito com a China permitiu absorver 345 milhões de ienes
de reparação de guerra, quase o dobro do orçamento de 180 milhões
de ienes dos anos 1894-95 (OKABE, 1974; NIVEAU, 1969).
Resultado dessas ações, o processo da reprodução
ampliada, isto é, o desenvolvimento de capacidade de produção

CONTINUAÇÃO da nota 5
corpo de administradores etc.) - num contexto de escassos recursos: detinha
apenas 1/5 do território; suas minas de ouro e prata, sofrendo com inundações,
foram tomadas por uma baixa na produção; a conversão monetária de suas
receitas fiscais, acompanhando a intensa difusão do comércio ao final do período
Tokugawa, se fazia a preços inferiores aos do mercado e em moeda que
rapidamente se desvalorizava. O impacto do imperialismo ocidental, demarcado
na chegada da esquadra do comodoro Perry em 1853, que exigia pelas armas o
estabelecimento de relações diplomáticas e comerciais com o Ocidente, fez os
citados conflitos se acirrarem de modo decisivo. Debilitado pelo arcaísmo
militar, produto de um isolamento de mais de 250 anos, a contemporização
do shogunato com a abertura exigida pelas potências estrangeiras exacerbou
a xenofobia dos senhores provinciais (os daimyo do sudoeste) e das demais
classes, o que culminou na restituição do poder imperial que deu início ao
período Meiji. Vide Anderson (1974, p. 534 e segs.).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 73

simultaneamente nos departamentos voltados para os bens de
consumo e para a indústria de bens de produção, estabeleceuse já nos inícios do século XX, permitindo uma forte inserção
nos mercados externos (OKABE, 1974). Aliás, como se pode
facilmente perceber cruzando as informações do gráfico e do
mapa aqui reproduzidas, no contexto de uma industrialização
que se fazia sem a emancipação dos camponeses e com "o
predomínio de relações semifeudais nas fábricas e minas"
(OKABE, 1974, p. 60), uma tal inserção afigurou-se mesmo
crucial, atuando - frente a relativa estabilidade do crescimento
da produção primária após a Primeira Guerra - como o principal
motor da indústria de transformação, notadamente a partir das
conquistas coloniais que se seguiram nos anos 30.
Mas, não obstante toda a força do imperialismo no pósMeiji, inclusive como ideologia,6 não se deve, é claro, como
ressaltou a crítica de Rowthorn, assinalar todas as realizações em
direção à industrialização, nos cinqüenta anos que se seguiram ao
1868, como obra exclusiva da agressão militarista (ROWTHORN,
1982). Há, antes, ações de efeitos mais propriamente internos,
igualmente característicos de uma revolução passiva.
De fato, se observarmos o período que segue do último quartel
do século XIX até a década de 1930, veremos o ordenamento de um
padrão de acumulação, marcado pela proteção do mercado interno
para a indústria7 e por uma sustentação das exportações de produtos
primários, em condições de comércio mundial relativamente livre
para estes bens (seda bruta, chá, cobre e carvão), que permitiu, financiar
amplamente a importação de maquinaria (NIVEAU, 1969).
Ora, neste grande período e, sobretudo, em suas fases iniciais, os dois
fatos, sugerem estarmos diante daquilo que Dobb, tratando dos
capitalismos tardios do século XIX, chamou de "política colonial
interna" do capital industrial em relação à agricultura, "antes que
6

"O exército representava papel importante na política, na qualidade tanto
de grupo de pressão como de amoldador da opinião pública."
(ROWTHORN, 1982, p. 239).
7
Esta proteção fora lograda pela recuperação do "direito autônomo de decidir
sobre as tarifas aduaneiras" no pós Meiji e ainda pela depreciação cambial
pré-1897, quando o Japão não adotava o padrão-ouro (OKABE, 1974, p. 60)
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

74 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

seu interessepelo mercado exportador paramanufaturas fosse despertado
completamente" (DOBB, 1987, p. 197-8).

Japão: índices de produção e comércio externo
(1910-14 base 100)
600
500
400
300
200
100
0

1915-19

1920-24

1925-29

1930-34

1936-38

Prod. Primária

121

130

145

150

178

Ind. Transformação

160

217

313

377

600

Exportações

168

142

217

327

505

Importações

124

190

242

277

347

Fonte: NIVEAU, 1969. (Elaboração do autor)

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 75

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

76 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

Do mesmo modo, a despeito das relações feudais terem sido
amplamente conservadas na transição capitalista japonesa, variável
garantidora do referido colonialismo interno,8 não se pode ser levado
a crer que, uma vez iniciada a progressiva inserção exportadora das
manufaturas nipônicas, dependessem elas para um tal desempenho
unicamente dos baixos custos do trabalho que essa continuidade
implicava, como quiçá exageradamente assinala Niveau.9 De fato, é
esta a tese que defende Alice Amsden (1990). Tomando o exemplo
da indústria têxtil do algodão, insiste a autora que foram os fortes
incentivos do Estado para a progressiva mecanização e nacionalização
dos insumos10 que promoveram a competitividade das exportações
dessa indústria na virada do século XIX para o XX, quando ela
direcionava suas vendas para o Ocidente, ocupando uma fatia
crescente do mercado de Lancashire. Aliás, para tomar um exemplo
da indústria pesada, foi a prática do constante apoio estatal para a
absorção da tecnologia ocidental, mediante a compra de máquinas e
o contato com técnicos do exterior (NIVEAU, 1969) que permitiu
desenvolver, ainda antes da II Guerra Mundial, capacitação
organizacional típica dos ramos intensivos em capital (calcada
nas economias de escala e escopo mais do que nos baixos salários)
em uma indústria como a de equipamentos elétricos, beneficiada
por contatos com os quatro grandes pioneiros do Ocidente (GE,
Westinghouse, Siemens e AEG) (CHANDLER, 1990).
II ­ Toyotismo: a forma do transformismo japonês
Como destacou Dobb, "isso só conservava sua raison d`être de um ponto de
vista capitalista, enquanto o capitalismo não estava desenvolvido,
permanecendo a agricultura primariamente como uma agricultura camponesa,
cuja expansão em favor da indústria era capaz de alargar o alcance do
investimento lucrativo de capital" (1987, p. 198).
9
"... a indústria japonesa não tardou a encontrar saídas para os mercados
externos, graças aos seus salários, anormalmente baixos em relação aos países
ocidentais" (NIVEAU, 1969, p. 122).
10
Por exemplo, o processo completo da fabricação de fios e tecidos, da criação do
bicho da seda (viabilizada pela necessidade de trabalhos subsidiários das famílias
rurais) e da cultura do algodão, esta posteriormente abandonada em favor das
importações da Índia ou EUA, dado o alto custo da produção em minifúndios"
(OKABE,1974, p. 61).
8

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 77

O período que se abre após a derrota na II Guerra Mundial,
vê consolidar mudanças tanto organizacionais quanto patrimoniais
nos conglomerados industriais japoneses. Associadas a estas, não
faltaram, todavia, transformações de grande impacto nas relações
sociais de produção em toda a indústria nipônica, e mesmo na
agricultura. Não resta dúvida que nestas mudanças se deve ver o
papel das forças de ocupação norte-americanas, interessadas em conter
o avanço do comunismo na Ásia. Mas isto só não basta. É preciso
entender que o processo, ao confirmar uma industrialização que, à
moda dos capitalismos tardios, vinha se fazendo desde o final do século
XIX sob impulso de um Estado desenvolvimentista, requer "uma opção
e esforços da parte das elites empresarial e governamental do país em
causa" (OLIVEIRA, 2006, p. 21). De fato, de par com a noção de
revolução passiva antes referida, ponto de partida para uma análise
centrada nas relações internas de produção, convém aqui interpretar o
conjunto de mudanças pelo critério do transformismo,ou da culminância
"das modificações moleculares que... modificam progressivamente a
composição precedente das forças..." - sem deixar, todavia, de
estabelecer-se sob a forma dos compromissos e limitações que marcam
as revoluções-restaurações (GRAMSCI, 1987, p. 63-7 e 77).
Assim,noplano das mudanças ocorridasnaestruturaempresarial,
se é verdade que o General MacArthur, comandante das forças de
ocupação norte-americanas, "encetou a desmontagem dos zaibatsu"
(OLIVEIRA, 1987, p. 8), é preciso não esquecer que, não obstante
tenha diminuído o controle das famílias sobre as holdings, os
conglomerados, agora chamados keiretsu, permaneceram intactos, com
as ações tendo sido distribuídas entre as firmas integrantes das
corporações, outros grupos industriais, e especialmente grupos bancários
(LAZONICK, 1992). Na verdade, em geral ligados ao próprio
conglomerado de origem, o papel de liderança dos bancos, exercido
agora principalmente através da função de avalistas, vinha sendo
construído no curso mesmo do processo de industrialização. Em alguns
casos, como o do grupo Mitsui, "trata-se de uma posição que remonta
ao século XIX. Nesse período o grupo... fortaleceu-se como casa de
câmbio e de empréstimo, apesar de ter sido fundado, um século antes,
como empresa comercial" (TORRES FILHO, 1995, p. 23). Noutros,
esta liderança tem origem nas transformações do mercado financeiro
ocorridas ainda nas décadas de 1930 e 1940 - tanto por efeito de uma
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

78 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

grave crise financeira (no ano de 1927), quanto pelo esforço de guerra,
quando "os governos militares japoneses apoiaram abertamente a
concentração bancária" (TORRES FILHO, 1995, p. 23).
Uma tal liderança, todavia, não significou a transformação
dos grandes grupos em instituições puramente financeiras. De
fato, na estrutura dos keiretsu se vê organizar um arranjo bastante
particular das relações indústria e finanças, que em muito guarda
distância do primado conferido aos interesses financeiros observado
na recente história de muitas das grandes corporações estadunidenses
(CHANDLER, 1990). Assim, seja em razão das participações
financeiras cruzadas entre os diferentes grupos, seja pela maior margem
de manobra de que dispõem os administradores japoneses frente
aos principais bancos de cada grupo, ou mesmo ao papel subordinado
conferido aos bancos pelo Estado através do MITI (Ministério do
Comércio Internacional e Indústria), o grupo industrial japonês se
organizou de modo a privilegiar antes o crescimento de partes do
mercado, a inovação rápida, a massa e não a taxa de lucro - objetivos
enfim mais propriamente industriais (CORIAT, 1994).11 Aliás, uma
tal imbricação indústria e finanças, francamente favorável ao longo
prazo, aparece mesmo nas relações entre firmas satélites e firmas
core, posto muitas vezes a última aparecer detendo títulos de
propriedade no capital das primeiras (CORIAT, 1994).
E é no campo das relações entre as firmas core e suas
fornecedoras que se opera outro conjunto de transformações
importantes. Não obstante, também aqui é preciso compreender
que há algo de uma modificação progressiva. Afinal, as novas
relações interempresas, que contaram de modo cabal com uma extensão
espacial para toda a orla do pacífico, remetem mesmo às "linhas de
integração já testadas pelo Japão, no início do século XX, na

11

"Nos anos 50 e 60, o Estado não discriminou o acesso de nenhum grande
grupo aos setores em expansão, em particular os de indústria pesada, tanto
os de insumos de uso generalizado como de mecânica e elétrica pesada,
escolhidos como estratégicos nos programas de industrialização. Ao mesmo
tempo, por ser avesso à entrada do capital estrangeiro, o governo japonês
utilizou o crédito como mecanismo básico de estímulo ao setor privado,
reforçando o processo de conglomeração que estava, então, se dando em
torno aos grandes bancos comerciais" (TORRES FILHO, 1995, p. 13).

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 79

estruturação de uma economia sub-regional" no continente asiático
(CUMINGS, ARRIGHI apud OLIVEIRA, 2006, p. 15).
Em termos concretos, foram introduzidos no pós-II Guerra
arranjos de subcontratação com as firmas satélites, que permitiram,
às firmas core, desfrutar das vantagens da integração vertical da
produção e da distribuição sem enfrentar os limites burocráticos
que sufocam o dinamismo tecnológico e organizacional (LAZONICK,
1992).As relações de subcontratação seguiram quatro eixos principais,
caracterizando-se pelo longo prazo (durando todo o ciclo de vida de
um produto), pelo estabelecimento de uma hierarquia de empresas
(fornecimentos realizados no mercado, encomendados com design da
firma core, ou com design da própria firma satélite), pelos contratos
explícitos (quanto aos preços, prazos, qualidade) e por favorecerem a
mudança e a inovação (podendo os benefícios - quanto aos custos ao
longo do ciclo de vida de um produto - ficar com as firmas
subcontratadas) (CORIAT, 1994). São relações que, inscritas no
campo de uma combinação entre competição e cooperação (auxilio
técnico da empresa-mãe associado à prática dos duplos fornecedores,
que são jogados uns contra os outros para a melhoria de performance),12
permitem a construção de economias de variedade (multiproduto) no
interior mesmo das economias de escala - característica ímpar que
distingue enormemente a forma japonesa de concorrência daquela
observada na grande firma americana (CORIAT, 1994).
Por seu turno, as relações capitalistas de produção,
desde o início da industrialização nipônica marcadas pelo
caminho prussiano, ou seja, com fortes sobrevivências feudais,
como "o sistema das operárias vivendo dentro das fábricas, o
sistema de capatazes etc" (OKABE, 1974, p. 58), sofreram
igualmente importantes mudanças depois da II Guerra - todas
12

Para Ruigrok e van Tulder (1995), sendo os esquemas de produção das firmas
fornecedoras totalmente subordinados aos das montadoras, que se posicionam
como monopsônicas no topo de uma rede hierárquica, a melhor definição para
as relações de subcontratação japonesas seria a do controle estrutural. Todavia,
assinalam os autores, o controle à japonesa remete a uma terceira dimensão
das relações de poder interempresas, aquela em que a firma core, mais que
ordenar o fornecedor, influencia, molda, exercendo o poder de uma maneira
muito mais sutil. A definição é útil, mas é preciso não esquecer que há uma
hierarquia na subordinação das empresas. Para os fornecimentos realizados no
mercado, estamos diante de uma "categoria de firmas que dispõem de maior
autonomia em relação à empresa montadora" (CORIAT, 1994, p. 121).

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

80 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

em conexão com a forma de produzir típica da estrutura
keiretsu acima assinalada, também denominada toyotismo.
Respondendo a um conjunto de determinações conjunturais e
estruturais, tais mudanças, todavia, não seguiram propriamente
uma direção progressista.
Entre as determinações estruturais estão: as características do
mercado de bens duráveis japoneses, notadamente o mercado de
automóveis, marcado por uma demanda curta e diferenciada; a grande
desordem que reinava em matéria de programação da produção e
acumulação de estoques; a organização combativa dos sindicatos no
setor automobilístico, calcada nos sindicatos de indústrias (setoriais)
(CORIAT, 1994), que reproduzia a explosão geral do sindicalismo
japonês no período (50% da força de trabalho urbana), "sob a direção
dos comunistas e socialistas" (OLIVEIRA, 2006, p. 8). A estas
determinações somam-se, nos idos de 1949-50, alguns acontecimentos
conjunturais de grande impacto. Entre eles, destacam-se: a séria crise
financeira que acometeu a empresa Toyota, que chegou a beira da
falência em razão dos grandes desperdícios provocados pela desordem
em matéria de programação da produção e dos estoques; a greve de
grandes dimensões, com a demissão de cerca de 1600 empregados,
realizada pelos trabalhadores da Toyota, em oposição à reestruturação
imposta por um grupo bancário frente à falência iminente da empresa;
o início da guerra da Coréia, que trouxe encomendas em massa para a
Toyota, porém sempre em pequenas séries e que a sujeitavam a multas
no caso de descumprimento dos prazos de entrega (CORIAT, 1994).
Aliás, não se deve ter este último como um fato de pouca importância.
Registrando em 1950 um índice de produção manufatureira que mal
alcançava um terço do observado em 1931, o Japão tinha no referido
conflito o motor de sua recuperação econômica, que dependia
fundamentalmente das aquisições militares dos Estados Unidos no
exterior, no mais orientadas "à criação de um mecanismo Keynesiano
de estímulos... a economias amigas" (OLIVEIRA, 2006, p. 10).
Assim, a necessidade de enfrentar as especificidades da demanda e o
conjunto depressões existentes sobre os custos levou à adoçãode práticas
bastante originais. Lograndoimporumafragorosaderrotaà greve operária
de 1950, a Toyota acabou ampliando suas vantagens e conseguiu
transformar o ramo local do sindicato de indústria em um sindicato de
empresa, dito corporativista, e que se torna o interlocutor exclusivo da
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 81

direção (CORIAT, 1994).13 Apartir daí operou-seumasérie de mudanças.
Tornando-se uma das passagens essenciais que asseguram a promoção
dos dirigentes e a formação das elites das empresas, a nova forma de
atividadesindicalapareceriaemsimbiosecomoutroseventosquemarcaram
não só aToyota, mas a totalidade da indústria japonesa no período -cuja
sínteseencontramosnoconjuntodecontrapartidascondicionais, implícitas
ouexplícitas,dadasaossindicatosetrabalhadoresbluescollorsdasgrandes
firmas, em troca do seu engajamento nas metas de produção, como o
"empregovitalício"eo"salárioporantiguidade",asgratificaçõeseosbônus,
todos fortemente ancorados na instauração da prática dos mercados
internos de trabalho (mobilidade e promoção interna) (CORIAT, 1994).
Ainda que respondendo à necessidade imediata de diminuir os custos
operários implicados pela super-representação das faixas etárias jovens
no mercado de trabalho após II Guerra - uma super-representação
favorecida pela penúria de mão-de-obra adulta e experiente que a
sangria da Guerra provocou -, bem como aos enormes investimentos
em capital fixo importado, que requeriam uma aprendizagem constante
dos trabalhadores (CORIAT, 1994), os mercados internos de trabalho,
bem como as formas de contrapartidas que o acompanham (e. g.
emprego vitalício), dizem respeito a uma prática bastante antiga no
Japão. Não seria mesmo exagero dizer, como aliás assinalou F.
Annunziato, que aqui continuam se reproduzindo traços das relações
feudais de produção.14 Afinal, já na década de 1930, a grande empresa
japonesa, buscando uma alternativa aos métodos tayloristas que então
se difundiam no país, se voltava "para formas de paternalismo
autoritário, em que embriões de mercados internos eram
estabelecidos no objetivo de fixar e de prender a mão-de-obra
qualificada, notadamente nas indústrias que trabalhavam para as
empresas de armamento" (CORIAT, 1994, p. 111). Na verdade,
trata-se de práticas que, acompanhando conjunturas específicas,
foram penetrando progressivamente até alcançar diferentes
13

Deve-se destacar o papel do general MacArthur, Supremo Comandante das Potências
Aliadas durante o período de ocupação, na desmobilização do combativo
sindicalismo japonês, empenhando-se, por exemplo, em "expurgar esquerdistas
dos diversos setores da vida pública japonesa" (OLIVEIRA, 2006, p. 8).
14
"O capitalista japonês, como encarnação do senhor feudal, garante a segurança
do trabalho, obtendo em troca, dos trabalhadores, encarnação dos servos
feudais, lealdade e obediência" (ANNUNZIATO, 1999, p. 32).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

82 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

qualificações da mão-de-obra, como o demonstra o uso gradual do
"emprego vitalício", limitado à gerência no início do século XX, com o
objetivo de desviá-la do emprego público, mas logo estendido aos
trabalhadores qualificados nos anos 40, transformando-os em capatazes
vitalícios responsáveis pelo treinamento da mão-de-obra, e ao
"conjunto" dos blues collors no início dos anos 50, quando se fez
necessário derrotar os sindicatos de indústrias (LAZONICK, 1992).
Fenômeno, enfim, típico de "uma fusão e assimilação recíproca depois
de um processo molecular" (GRAMSCI, 1987, p. 65).
Penetrando em todas as grandes firmas, estas formas de reprodução
da mão-de-obra tornaram possíveis a introdução de métodos
originais de obtenção de produtividade, que não resultam da
parcelização das tarefas e sua repetitividade, nem simplesmente
na grande série e na busca de economias de escala, mas antes em
um tripé em que se encontram a reagregação de tarefas
(manipulação simultânea de várias máquinas), a
multifuncionalidade, e a construção das economias multiproduto
no interior das economias de escala (CORIAT, 1994).
Não deve haver dúvida que o enquadramento das relações de
produção dentro das condições de custo e das especificidades da
demanda resultou numa forma contraditória bastante desfavorável
aos trabalhadores. Se, no chão de fábrica, aspectos "modernos",
como a valorização do saber-fazer operário, se fazem presentes,
no plano da divisão dos ganhos de produtividade as formas
condicionais de contrato, explícitas (gratificações, bônus) ou
implícitas (oportunidades de carreira), marcando a conservação
de formas "arcaicas", revelam o quanto essa divisão se fez
fortemente em favor dos lucros (CORIAT, 1994). Outrossim, não
se deve esquecer que o "modelo" japonês, típico produto de uma
revolução passiva, "excluía de saída as mulheres, os operários
temporários e com vínculos precários e os trabalhadores das fábricas
subcontratadas, em geral as pequenas e médias empresas" (HIRATA,
1991, p. 148).15
Demais, é este um dos fatores que explicam ter sido o departamento
produtor de bens de produção o motor do crescimento japonês
também entre o pós-II Guerra Mundial e a primeira crise do petróleo
(CORIAT, 1994), o que permite concluir que a abolição das rendas
feudais proporcionada pela reforma agrária que os norte-americanos
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 83

patrocinaram durante a ocupação16 teve impacto limitado na
dinamização do mercado consumidor do período. Certamente, a
forte expansão do consumo interno de automóveis a partir de
1967,17 deve ser atribuída mais ao rápido e prolongado crescimento
econômico (kodo seicho ki) do período pós-1960, quando
praticamente não existiram demissões (HIRATA, 1991), fato que
permitiu um crescimento da massa salarial, mas também o início
de um ciclo de crescimento dos salários (CASTRO, 1979).18
A partir de 1973, o departamento de bens de consumo passou a ter
um papel de liderança no crescimento econômico, mas isso se deveu
à orientação exportadora que assumiu, permitindo dizer que no
novo período, e diante das condições de acumulação já alcançadas, o
"mercado interno japonês continua... a beneficiar-se pouco dos ganhos
de produtividade realizados" (CORIAT, 1994, p. 194-5). Isso
certamente se deve à facilidade de ajuste conjuntural que trazem as
relações de produção em seus aspectos específicos (e. g. importância
das gratificações, dos bônus), mas também porque, e em razão mesmo
do esgotamento do rápido e prolongado crescimento dos anos
anteriores a 1973, bem como do processo de automação, se
acentuaram as pressões para as demissões `voluntárias' e para a
15

Vale notar, todavia, o que assinala uma outra pesquisa: "... na década de 1970
a prática do emprego vitalício tornou-se predominante tanto nas grandes
quanto nas pequenas empresas" (OSAWA, 1993, p. 177).
16
No início da década de 1950, 90% dos agricultores japoneses tinham se
tornado proprietários dos lotes que cultivavam, quando no período anterior
os proprietários chegavam a apenas um terço (OLIVEIRA, 2006)
.17 O mercado interno japonês, que absorveu menos de 500 mil automóveis em
1964, alcançou 1,13 milhões em 1967, 2,38 milhões em 1970, 2,93 milhões
em 1973 e 3,10 milhões em 1979 (CHANDLER, 1990). Deve-se notar o
quanto irrisória era a produção de veículos no Japão em 1955 (69 mil
unidades) quando comparada ao que produziam no mesmo ano os Estados
Unidos (9,2 milhões), a Alemanha Ocidental (909 mil) e a França (725 mil),
valendo observar também que no caso japonês tratava-se, sobretudo, de
utilitários, e não de veículos de passeio (CORIAT, 1994).
18
No início da década de 1950 a economia japonesa operava com enormes
reservas de mão-de-obra agrícola (42% do emprego em 1953), o que só se
modificou a partir de meados da década seguinte, fazendo com que o
capitalismo japonês chegasse próximo do pleno emprego ao cabo dos anos
sessenta (em 1970 a agricultura respondia por apenas 20% da ocupação da
força de trabalho) (CASTRO, 1979).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

84 --JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

redução da idade da aposentadoria (trabalhadores com mais de 45
anos na siderurgia e mais de 50 na construção naval), além do recurso
ao trabalho estrangeiro ilegal (na construção civil, mas também nas
firmas de auto-peças), praticado desde meados da década de 1980
(HIRATA, 1991).
Aliás, é aqui que se deve buscar um dos elementos da crise japonesa
dos anos 90, ao qual caberia acrescer a tradicional frugalidade da
população (BELLUZZO, 1998). Todavia, é preciso entender que esta
não pode ser compreendida a partir apenas de seus condicionantes
internos, devendo-se, pois, atentar para os conflitos oriundos do campo
da economia internacional, especialmente aqueles forjados pela reação
estadunidense, que parecem reagir sobre as relações sociais nipônicas
"exatamente na medida em que as superestruturas reagem sobre a
estrutura, a política sobre a economia" (GRAMSCI, 1987, p. 44).
III -Acrise dos anos 90: exportação de capitais e reestruturação espacial
Como assinalou B. Rowthorn (1982), a agressão
imperialista japonesa entre o pós-II Guerra e o início da década de
1970 se caracterizou mais pelas exportações de mercadorias do
que de capitais, fato explicado tanto pelos recursos necessários
para a construção de fábricas nas escalas comparáveis àquelas
existentes nas metrópoles imperialistas rivais (sobretudo nos
Estados Unidos), quanto pelos salários mais baixos verificados no
Japão.19 Depois desse período, sugere o autor, observa-se uma
tendência em favor das exportações de capitais, explicada não só
pela maior capacitação organizacional da firma nipônica, como
posteriormente demonstrou a analise de Chandler (1990),20 mas
também pelas majorações salariais então em curso, não totalmente
contrabalançadas pelos aumentos de produtividade nem pela taxa
cambial (ROWTHORN, 1982).
O ponto a destacar na análise acima, que endereça uma
crítica à leitura da competitividade exageradamente calcada nos
baixos salários (o autor se refere à E. Mandel), é que os "custos de
produção do país exportador, (são) calculados em dólares", o que
19

Entre 1957 e 1965 as exportações foram responsáveis por um aumento de
17% nas vendas externas das firmas japonesas, contra apenas 2% da produção
no exterior (ROWTHORN, 1982).

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 85

significa dizer que "são determinados pelos custos de produção
calculados em moeda local e pela taxa cambial" (ROWTHORN,
1982, p. 70). Ora, isto ajuda a entender por que, a despeito de toda
a coação sobre os operários japoneses, encetada pela burguesia
daquele país depois de 1973, mas também de toda modernidade
alcançada pela indústria, não foi possível à formação capitalista
nipônica, pelo menos nos ramos que vinham liderando seu
crescimento (aço, indústria naval, petroquímica), superar as
pressões norte-americanas sobre a sua capacidade de emulação -
realizadas fundamentalmente através da política cambial
(CASTRO, 1979), 21 mas também contando com cotas de
importação (MAMIGONIAN, 1982). Este processo fez com que
os conglomerados japoneses, já abalados por uma redução na
propensão a consumir que a estratégia da coação operária implica,
buscassem, no imediato pós-1973, uma reestruturação industrial,
que, de par com a difusão das técnicas de informação por todo o
aparelho produtivo (TAVARES, 1993), dirigiu o potencial de
crescimento para os ramos automobilístico, eletroeletrônico e de
computadores, até então não bloqueados pelos EUA
(MAMIGONIAN, 1982). Além disso, os conglomerados
intensificaram, em escala certamente superior à que vislumbrou
Rowthorn, a estratégia das exportações de capital.
Vejamos como, na esteira das primeiras pressões abertas
nos anos 1970, os Estados Unidos lograram dar contornos
definitivos a esse quadro, cujos resultados mais dramáticos
apareceram na crise capitalista que assolou grande parte da Ásia
em 1997 - região, aliás, onde o modelo toyotista foi replicado
com grande sucesso.22
Para tal concorreram dois eventos de crucial importância,
situados nos idos de 1985 e 1987, e com efeitos de grande monta,
tanto espacial como economicamente, sobre toda a Ásia Oriental:
1. O Acordo do Hotel Plaza (Nova York, 1985), marcado por uma
20

Entre 1950 e 1967 o Japão adquiriu 4135 licenças tecnológicas dos EUA,
mais de 50% delas no ramo de construção de maquinarias, e cerca de 20% na
indústria química (CHANDLER, 1990).
21
Já que "o poderio econômico do Japão não tem correspondência no seu poder
de negociação na esfera internacional," disto "se valem os norte-americanos
para impor sucessivas revalorizações ao yen" (CASTRO, 1979, p. 45).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

86 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

desvalorização "negociada" do dólar e a conseqüente valorização
relativa das moedas européias e do Japão (a última conhecida como
endaka);23 2. O crash da bolsa de Nova York de outubro de 1987,
que leva os EUA a estabelecer pressões sobre os países da Ásia para
a liberalização financeira de suas economias e a desregulamentação
das atividades bancárias (BELLUZZO, 1998).
De fato, estes dois episódios significaram a abertura de
um novo período na economia mundial que deu lugar as mais
importantes redefinições geoeconômicas da fase recente. Elas são
notórias na tendência de inversão de posições deficitárias e
superavitárias de países e mesmo blocos econômico-regionais
inteiros, como também através das relocalizações de unidades
produtivas, não raro associadas a importantes reestruturações do
espaço urbano e regional.
Por um lado, a valorização da moeda japonesa estabelecida
pelo Acordo do Plaza impôs de imediato, maiores dificuldades
para a competitividade das empresas nipônicas, com efeitos
perversos sobre o desempenho das contas externas do país. Ao
mesmo tempo, os próprios bancos, bem como as seguradoras e
corretoras de títulos (ações) nipônicas, dispondo de grandes
aplicações em dólar (agora desvalorizado), acabam por sofrer
enormes perdas (BELLUZZO, 1998).
A reação a esses efeitos, desencadeada, sobretudo, por parte
das empresas, consistiu na relocalização dos investimentos para
a Europa e os EUA, promovendo um novo momento
concorrencial que aparecerá com maior nitidez nos setores
automobilísticos e da indústria eletroeletrônica (TAVARES e
MELIN, 1998). Em seguida, porém, esse movimento espacial se
22

"Como adquiriram de 50% a 60% de seus equipamentos de montagem no
Japão, os coreanos também tiveram acesso às modernas técnicas
organizacionais japonesas através dos instrutores que vinham auxiliar a
instalação dos equipamentos. Além disto, as firmas coreanas fizeram uso de
consultores japoneses que prestavam serviços por um tempo curto" (TORRES
FILHO, 1991, p. 21).
23
É preciso não esquecer que, com a política de juros altos do início da era
Reagan, os EUA haviam promovido valorizações do dólar "da ordem de 50%
entre 1980 e 1985, destinadas não apenas a fechar o balanço de pagamentos,
mas também a reverter a decadência da moeda americana no cenário mundial"
(TAVARES, 1993, p. 29).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 87

fará em direção à própria Ásia, para países como Coréia do Sul e
Taiwan, mas igualmente para Tailândia, Malásia e Indonésia
(como também na costa leste da China, para as chamadas "zonas
liberadas"), que, mantendo suas moedas desvalorizadas, como o
dólar, tornavam atrativos os investimentos japoneses -aliás realizados,
em boa medida, com o apoio dos próprios bancos nipônicos, que
procuravam compensar as perdas sofridas com as aplicações em
dólar (BELLUZZO, 1998).24
Ora, essas relocalizações acabaram por provocar uma reação
em cadeia na região. Coréia e Taiwan, usando a mesma lógica
locacional, em parte decorrente, também, das pressões norteamericanas por uma maior liberalização comercial e financeira,
realizaram uma nova onda de investimentos em direção aos
chamados tigres de segunda geração (Tailândia, Malásia,
Indonésia), e, principalmente, em direção à China (BELLUZZO,
1998), que desde as reformas de 1978, buscava, numa peculiar
fusão entre o Estado revolucionário comunista e o Estado
desenvolvimentista já testado na Ásia, mobilizar o apoio financeiro
e tecnológico de sua diáspora (CASTELS apud OLIVEIRA, 2006).
Como resultado, formou-se um ambiente de feroz concorrência
em terceiros mercados, notadamente nos setores automobilístico,
de microprocessadores e eletrônica de consumo (caso de Coréia e
Japão), mas também uma rede densa de relações de solidariedade
(quanto ao fornecimento de peças, máquinas e mesmo
financiamentos) que transformaram a região numa espécie de planta
integrada de bens de alto conteúdo tecnológico voltados para a
exportação (SCHWARTZ, 1997; BELLUZZO, 1998).
Do ponto de vista da organização do espaço urbano e
regional dos países da Ásia Oriental, tal relocalização não parece
ter tido efeitos menos importantes. E aqui o Japão comparece
como um destacado exemplo.
Com efeito, muitas fábricas labour intensive localizadas nas
áreas interioranas, mesmo rurais, pertencentes a grandes
24

Mas é preciso insistir que, "Com centenas de indústrias - especialmente no
ramo eletrônico - transferindo-se para a Coréia, Singapura e Malásia, o Japão
marchava, (já) no início dos anos 70, à frente das demais nações, em direção
ao que poderíamos denominar de (uma) Super-Divisão Internacional do
Trabalho" (CASTRO, 1979, p. 43). Parênteses acrescentados.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

88 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

conglomerados cujas sedes administrativas se localizavam na região
metropolitana de Tóquio, foram fechadas e relocalizadas para fora
do país - o que também ocorreu com sistemas inteiros de
subcontratação -, levando, pois, a um forte impacto desindustrializante
e conseqüente esvaziamento populacional (TABB, 1990).Aliás, esse
processo atingiu mesmo as regiões mais fortemente industrializadas
do país. Kansai, onde se localiza a cidade de Osaka, segunda maior
do Japão e, juntamente com Nagoya e Tóquio, responsável por
praticamente a totalidade da industrialização nipônica (entre 1950 e
o final da década de 1970, controlaram 95% da capacidade nacional
de produção de aço, 80% do refino de petróleo, 100% da indústria
petroquímica, 82% das sedes das grandes empresas), tem sido uma
vítima evidente: a Matsushita, maior empresa de bens de consumo
eletrônicos do Japão e maior empregadora de Kansai, que em meados
de 1987 tinha cerca de 12% de sua produção no exterior, planejava
para o ano de 1992 alcançar a marca dos 25%; enquanto que a
Sanyo, outra grande empregadora de Osaka, já havia ultrapassado
esta última cifra (TABB, 1990).25 Demais, como que dando forma
geral a um verdadeiro processo de reestruturação urbano-regional
do espaço, paralelamente a todo esse movimento de exportação de
capitais, muitas empresas passaram a deslocar suas sedes ou
escritórios regionais e mesmo departamentos executivos inteiros de
Osaka para Tóquio (TABB, 1990).
Porém, os impactos econômico-espaciais das mudanças no
cenário mundial serão ainda maiores a partir do crash da bolsa de
Nova York de 1987 - bem como do tipo de manejo da política
monetária feito pelos EUA desde 1992.
De fato, vendo-se diante de desequilíbrios comerciais
crônicos e de uma grande acumulação de reservas, os EUA, a partir
do crash de 1987, passou a pressionar o Japão e os tigres para que
operassem uma liberalização financeira de suas economias (ou seja,

25

Deve-se notar, é claro, que o problema do esvaziamento industrial de Osaka,
embora acentuado com o Acordo do Plaza, não se restringe ao pós-segunda
metade dos anos 80, sendo mais antigo e estrutural. Segundo dados do The
Economist, entre 1955 e 1984, a participação de sua prefeitura no produto
industrial japonês caiu de 12,6 para 8,4%, enquanto sua participação no total
das exportações do país passou de 52,6 para 20,5% (TABB, 1990).

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 89

abertura para a livre entrada e saída de capitais de curto prazo na
conta de capital do balanço de pagamentos) e um crescente
afrouxamento dos controles sobre a atividade dos bancos
(BELLUZZO, 1998). Associada às baixas taxas de juros que passam
a ser praticadas nos EUA desde o início dos anos 90, cujo objetivo
era, pois, diminuir o serviço das dívidas de empresas, bancos e famílias,
a adoção dessas medidas acaba por atrair os grandes investidores
institucionais americanos (fundos de pensão, companhias de seguro de
vida) para aplicações na Ásia. Assim é que eles passam a adquirir
empresas, ações e a investir em projetos imobiliários de alta
rentabilidade, uma vez que muitas dessas economias vinham
desenvolvendo ambiciosos planos de modernização urbana
(BELLUZZO, 1998), num nítido esforço de aproximação com as infraestruturas e modelos do Ocidente: museus e jardins suspensos em
Cingapura, arranha-céus e hotéis de luxo na cidade portuária de Shangai,
notável verticalização em Kuala-Lumpur, além das free-ways e centros
comerciais, encontrados por toda parte (MONTEIRO, 1998).
Ademais, a própria desregulamentação e a liberalização, bem
como a relocalização das unidades administrativas dos conglomerados,
favorecendo, todas, um crescimento econômico apoiado na
diversificação dos serviços financeiros, comerciais e empresariais,
contribuem para a reestruturação sócio-econômica do espaço urbano.
Em Tóquio, onde o crescimento desses serviços fora importante
durante os anos 80, o preço dos terrenos e o aluguel dos escritórios
se elevou de tal modo que afetou a distribuição espacial de famílias e
empresas tradicionais: as primeiras, pressionadas por altos aluguéis,
acabaram empurradas para áreas cada vez mais distantes do centro,
enquanto as últimas, achando dispendioso manter suas atividades na
área central, descobriram que poderiam lucrar vendendo terras e
armazéns de sua propriedade (TABB, 1990).
Certamente essa ampla modernização urbana e os maciços
investimentos em empresas e ações não contaram apenas com
capitais do Ocidente. Do mesmo modo a liberalização financeira e a
desregulamentação bancária, que estiveram por trás desse processo,
tampouco foram apenas um produto dos interesses externos à região.
Não obstante a atuação a reboque em todo o processo, governo,
bancos e empresas japonesas tiveram também sua cota de
responsabilidade. Por um lado, as autoridades monetárias nipônicas,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

90 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

tradicionalmente arredias a uma política de juros altos, se interessavam
pela liberalização porque ela era capaz de evitar que os excedentes dos
bancos e empresas sem aplicação na produção de bens exportáveis,
pressionassem as taxas de juros via especulação com papéis do governo,
provocando assim uma expansão não desejada da dívida pública e uma
valorização ainda mais excessiva do iene. Por outro, os próprios
conglomerados japoneses, mas também sul-coreanos, às voltas com
excedentes em caixamuitoacimadeseus cronogramasdegastos,exigiam
uma oferta de serviços mais sofisticados e diversificados por parte dos
bancos locais. Estes últimos, assim, ao invés de se limitarem a prover
crédito industrial como sempre o fizeram, passaram a intermediar
operações nos mercados imobiliários, conceder empréstimos para
aplicações especulativas nas bolsas de valores, e para negócios com
derivativos (títulos renegociados de dívidas imobiliárias ou de empresas
de boa reputação) (BELLUZZO, 1998).26
Como é fácil perceber, todos esses elementos, que concorreram
para a brutal redefinição econômico-espacial acima descrita, são os
mesmos que, no bojo da estagnação japonesa dos anos 90, permitem
entender a violenta crise capitalista que arrebatou a Ásia Oriental em
1997, projetando-se mesmo por todo o sistema. Afinal, depreciações
impostas do dólar, associadas às liberalizações financeiras e
desregulamentações bancárias, que tiveram que conviver com taxas
de juros muito baixas no Japão e mesmo nos Estados Unidos, não
poderiam resultar senão em elevados níveis de superprodução (tanto
de artigos industriais quanto de imóveis). E estes, por seu turno,
redundaram em forte crise dos sistemas bancários asiáticos, suas
balanças comerciais e mercado de ações.
Considerações finais
Se se tem em conta que, na fase do imperialismo, "a exportação
de capitais, diferentemente da exportação de mercadorias, adquire uma
importância particularmente crucial" (LENIN, 1977, p. 642), então a
26

As operações com derivativos têm origem na chamada prática do "fora-debalanço" - de início créditos bancários duvidosos, colocados a taxas de juros
variáveis junto a investidores institucionais (e. g. fundos de pensão). São
realizadas em um mercado secundário, abrindo espaço para uma cadeia de
rendimentos puramente conceituais, fictícios. Ver a respeito Chesnais (1996).

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 91

respostanipônicaàreaçãonorte-americana,realizadaexatamentesobessa
forma de investimento, em nada autoriza o abandono da citada categoria
leniniana para a compreensão da realidade econômica contemporânea.
Isso não significa, obviamente, abonar a tese, algo realçada no mesmo
Lenin, acerca do parasitismo e da decomposição do capitalismo na fase
imperialista.27 Na formação social japonesa, a fusão do capital bancário e
industrial, outra das características cruciais da etapa imperialista,28 se fez,
até mesmo em razão do forte controle estatal, de modo a negar
flagrantementeestatendência.
A exportação de capitais pode, certamente, enfraquecer o
papel de controle do Estado japonês, notadamente exercido
através do MITI, sobre os conglomerados nipônicos (OLIVEIRA,
2006), como, aliás, já se viu ocorrer com o capitalismo inglês
depois de forte desnacionalização da sua burguesia
(ROWTHORN, 1982). Todavia, após o crash das bolsas asiáticas
de 1997, quando os EUA e o FMI passaram a receitar medidas
"corretivas" de caráter recessivo, foi fácil observar a "resistência
da população japonesa", como igualmente "de parte dos grandes
grupos industriais do país, para quem renunciar a aproveitar a
taxa de câmbio favorável entre o iene e o dólar para aumentar
suas exportações seria percebido como um ato de submissão
frente ao imperialismo americano" (CHESNAIS, 1998, p. 315).
.27 "... a comparação, por exemplo, entre a burguesia republicana americana e a
burguesia monárquica japonesa ou alemã, mostra que as maiores diferenças
políticas se atenuam ao máximo na época do imperialismo; e não por que
essa diferença não seja importante em geral, mas porque em todos esses casos
se trata de uma burguesia com traços definidos de parasitismo" (LENIN,
1977, p. 668). A generalização que a passagem revela, aliás arrolada após
referência ao caso inglês, sem dúvida destinada a realçar o fenômeno, esmaece
um pouco a abordagem, até ali conduzida, argutamente, a partir da teoria do
desenvolvimento desigual, não faltando mesmo uma perspectiva cíclica,
todavia não explorada. Com efeito, em passagem mais penetrante, anterior a
aqui citada, pode-se ler que o fenômeno aparece como "tendência" (itálico
no original), bem como opera "em certos ramos da indústria e em certos
países", e não todo o tempo, mas por "períodos" (LENIN, 1977, p. 650).
28
Lembrando ao leitor, as características definidoras do imperialismo para Lenin
são cinco: 1. a concentração do capital em grau elevado, criando os monopólios;
2. a fusão do capital industrial com o bancário, criando uma oligarquia financeira;
3. a exportação de capitais; 4. a formação das associações internacionais de
monopolistas, que partilham o mundo entre si; 5. termo da partilha territorial do
mundo entre as grandes potências (LENIN, 1977, 641-2).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

92 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

Isso quer dizer que os compromissos desenvolvimentistas da
revolução passiva, renovados pelo transformismo do pós-II
Grande Guerra, continuam valendo. Daí a reforma do sistema
financeiro nipônico, ao invés de abrir espaço para as instituições
estrangeiras, ter privilegiado a aquisição de bancos regionais por
instituições de propriedade nacional (SCHWARTZ, 1998); uma
decisão nada irrelevante, se se pensa que os bancos são elementos
cruciais do que tem sido chamado de competitividade sistêmica
ou estrutural de uma formação capitalista, aquela calcada nos
"atributos do contexto produtivo, social e institucional do país"
(CHESNAIS, 1996).29 Aliás, já que se está tratando da exportação
de capitais, vale reter que, invariavelmente, "a companhia
multinacional tem uma origem nacional, de modo que os pontos
fortes e fracos de sua base nacional e a ajuda que tiver recebido
de seu Estado serão componentes de sua estratégia e de sua
competitividade" (CHESNAIS, 1996, p. 73).
Claro está que toda a resistência assinalada não visa romper
os marcos do modo de produção dominante, e aqui vem a tempo
notar que o importante "Partido Democrático Liberal japonês foi
criado pelos Estados Unidos para fazer o seu serviço, o que fez
com extrema competência" (ALI, 2005, p. 28). Ora, isso significa
que o atual quadro das disputas imperialistas, hierarquizado a partir
das pressões norte-americanas, pode ser lido também pelo conceito
gramsciano de hegemonia.
Certamente tais pressões têm permitido aos Estados Unidos
recuperar posições perdidas, com a imposição dos devidos danos
ao capitalismo nipônico, como no exemplo da microeletrônica,
em que os fabricantes estadunidenses têm conseguido fazer valer
os seus padrões como vanguarda mundial, bem como reduzido
os custos pela terceirização em direção à China (OLIVEIRA,
2006).30 Mas a microeletrônica norte-americana, refém da própria
liberalização financeira que forjou, tem sido abalada, desde o
forte ingresso de moeda estrangeira registrado em meados da
29

Ainda segundo o autor, que aqui compara duas formações capitalistas
avançadas, "um dos componentes da competitividade sistêmica da Alemanha
é que os bancos ainda reconhecem responsabilidades perante a indústria; no
caso japonês, os bancos ainda estão, pelo menos em parte, subordinados a
esta" (CHESNAIS, 1996, p. 122).

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 93

década de 1990, pelas bolhas especulativas no setor de
telecomunicações, que, redundando numa ampliação do já
existente excesso de capacidade, provocou queda de lucros e
inúmeras falências na virada do século (BRENNER, 2003). E, no
setor automobilístico, a indústria japonesa continua impondo
sucessivos reveses aos fabricantes estadunidenses,31 em parte
beneficiando-se da reestruturação espacial da produção que a
exportação de capitais levou a efeito.
Aliás, nesse ponto, a Ásia, e nela notadamente a China,
podem fazer a diferença. Pensamos no que foi chamado de sistema
tributário sinocêntrico, secular "zona regional de comércio, com
suas próprias regras e que vem ressurgindo nesta virada de século,
à medida que a China se fortalece na Ásia Oriental como
alternativa a Pax Americana" (OLIVEIRA, 2006, p. 12). Não
obstante o imperialismo japonês da primeira metade do século
XX ter sido conduzido "em confrontação com esse sistema"
(OLIVEIRA, 2006, p. 13), o que se viu ocorrer no campo da
exportação de capitais encetada pelo Japão desde a década de
1970 - e notadamente no pós-1985 - sugere que o campo agora
está aberto à exploração das vantagens que esse sistema pode
oferecer para o enfrentamento da concorrência capitalista
mundial. E, certamente, ao Japão mais que aos Estados Unidos,
em razão, entre outras coisas, da forte identidade institucional
que ele revela com as demais economias industriais da região,
todas elas um produto do Estado desenvolvimentista.32

30

Note-se que a crise prolongada e o excesso de capacidade impediram que os
conglomerados japoneses realizassem investimentos já planejados para
aumentar a capacidade de produção de pastilhas de cristal líquido, o que
lograram fazer empresas taiwanesas, a partir de aquisição das tecnologias
nipônicas. Daí uma associação entre a IBM e a Toshiba, feita em 1989 para
esse mercado, ter sido encerrada no ano de 2001 (AMSDEN, 2004).
31
"A indústria automobilística não é mais a mesma. As montadoras japonesas
estão roubando a supremacia das americanas em sua terra natal" (AMORIN,
2005, p. B-8). Ver também, neste volume, o artigo de Luedmann (2008).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

94 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

Referências Bibliográficas
ALI, T. Imperialismo: antes e agora. In:Ali, T. e Barsamian, D.
Imperialismo e resistência. São Paulo: Expressão Popular, 2005.
AMSDEN,A. Third World Industrialization: `Global Fordism'or a
New Model? In: New Left Review, no 182, jul., 1990.
______. La sustituición de importaciones en las indústrias de alta
tecnologia: Prebisch renace en Ásia. In: Revista de La CEPAL.
abr. 2004.
AMORIN, J. A. Ásia muda o mapa da produção de carros. In:
Folha de São Paulo. 24.07.2005, p. B-8.
ANDERSON, P. O feudalismo Japonês. In: Linhagens do Estado
Absolutista. Trad. T. COSTA. Porto: Edições Afrontamento, 1974.
ANNUNZIATO, F. Fordismo na crítica de Gramsci e na realidade
estadunidense contemporânea. In: Geosul. v. 14, no 28, 1999.
BELLUZZO, L. G. Notas sobre a crise da Ásia. In: Praga: estudos
marxistas, no 5, maio, 1998.
BRENNER, R. Introdução à edição brasileira. In: O Boom e a
bolha: os Estados Unidos na economia mundial. Trad. Z.
MALDONADO. Rio de Janeiro: Record, 2003.
CASTRO, A. B. de O capitalismo ainda é aquele. Rio de Janeiro:
Forense Universitária, 1979.
CHANDLER,A.The Dynamics of Industrial Capitalism. In: Scale and
Scope. Cambridge-Mass.: Harvard UniversityPress, 1990.
CHESNAIS, F. A mundialização do Capital. Trad. S. F. FOÁ.
São Paulo: Xamã, 1996.
______. Crashes financeiros asiáticos e os mecanismos de
propagação internacional da crise econômica. In: Amundialização
32

Cabe indagar se não é no persistente e forte crescimento chinês que se deve
buscar, pelo menos em parte, o entendimento do recente ciclo expansivo
nipônico, que, mesmo não alcançando as taxas da década de 1960, já dura, à
moda de um ciclo econômico de média duração (um juglariano), 57 meses.Ver
a respeito Folha de São Paulo, 15.11.2006, p. B-17.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 95

financeira: gênese, custos e riscos. CHESNAIS, F. (org.). São
Paulo: Xamã, 1998.
CORIAT, B. Pensar pelo avesso: o modelo japonês de trabalho e
organização. Trad. E. S. SILVA. Rio de Janeiro: Revan/UFRJ, 1994.
DOBB, M. A evolução do capitalismo. 7 ed. Trad. M. do R.
BRAGA. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1987.
GRAMSCI, A. O moderno príncipe. In: Maquiavel, a política e o
Estado moderno. 7 ed. Trad. L. M. GAZZANEO, Rio de Janeiro;
Civilização brasileira, 1987.
______. Cadernos do Cárcere. vol. 2, 4 ed. Trad. C. N.
COUTINHO. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.
HIRATA, H. Outro lado do modelo japonês: entrevista com Satoshi
Kamata. In: Novos Estudos Cebrap, no 29, março de 1991.
LAZONICK, W. Business Organization and Competitive
Advantage: capitalist transformation in the twentieth century. In:
DOSI, G., et. al. (eds.). Technology and Enterprise in a
Historical Perspective. Oxford: Clarendon Press, 1992.
LENIN, V. I. O imperialismo, fase superior do capitalismo. In:
Obras Escolhidas. t. 1, 2.ed. Moscou: Edições Progresso; Lisboa:
Editorial "Avante!", 1977.
LUEDMANN, M.AÁsia e o fim dooligopólio automobilístico dos
EUA. In: Geografia Econômica:Anais de Geografia econômica e
social, no 1, Florianópolis: Depto. Geociências, UFSC, 2008.
MAMIGONIAN,A. Tecnologia e desenvolvimento desigual no
centro do sistema capitalista. In: Revista de Ciências Humanas. v.
1, no 1, 1982.
MONTEIRO, C. A. de. F. Este & Oeste ­ mesmidade ou mudança
nas relações destes grandes lugares do homem no mundo atual?. In:
Geosul. v. 13, no 26, 1998.
NIVEAU, M. Industrialização e crescimento de alguns grandes países
capitalistas. In: História dos fatos econômicos contemporâneos.
Trad. O. M. CAJADO. São Paulo: Difel, 1969.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

96 -- JAPÃO: REVOLUÇÃO PASSIVA E RIVALIDADE IMPERIALISTA

OKABE, H.Algumas reflexões sobre a formação do capitalismo
japonês. Argumento nº 3. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.
OLIVEIRA, A. P. de. Formação de uma economia regional no
Leste Asiático. Cadernos Geográficos, nº 13, 2006.
OSAWA, M. Transformação estrutural e relações industriais no
mercado de trabalho japonês. In: HIRATA, H. (org.). Sobre o
modelo japonês: automação, novas formas de organização e
relações de trabalho. São Paulo: Edusp, 1993.
RANGEL, I. O quarto ciclo de Kondratiev. In: Revista de
Economia Política v. 10, no 4 (40). out./dez., 1990.
ROWTHORN, B. Capitalismo, conflito e inflação: ensaios de
economia política. T rad. A. WEISSENBERG. Rio de Janeiro: Zahar
Editores, 1982.
______. `O capitalismo tardio'. In: Cadernos de Opinião. out./
nov de 1979.
RUIGROK, W; Van TULDER, R. The Logic of international
restructuring. London and New York: Routledg, 1995.
SCHWARTZ, G. Tecnologia salvará a Ásia. In: Folha de São
Paulo. 24.10.1997.
______. Ásia rejeita modelo de ajuste latino-americano. In: Folha
de São Paulo. 18.01.1998, p. 2-2. (Caderno Dinheiro)
TAVARES, M. da C. Ajuste e reestruturação nos países centrais: a
modernização conservadora. In: TAVARES, M. da C. e FIORI, J.
L. (Des)Ajuste global e modernização conservadora. Rio de
Janeiro: Paz e Terra, 1993.
TAVARES, M. da C.e MELIN, L. E. Pós-escrito 1997: A
reafirmação da hegemonia norte-americana. In: Poder e dinheiro:
uma economia política da globalização. TAVARES, M. C. e FIORI,
J. L. (org.). Petrópolis: Vozes, 1998.
TABB, W. K. As cidades mundiais e a problemática urbana: os
casos de Nova York e Tóquio. In: Reestruturação urbana:
tendências e desafios. VALLADARES, L. e PRETECEILLE, E.
(coord). São Paulo: Nobel; Rio de Janeiro: Iuperj, 1990.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marcos Aurélio da Silva -- 97

TEIXEIRA, A. O império contra-ataca; notas sobre os fundamentos
da atual dominação norte-amenricana. In: Economia e Sociedade.
Campinas (15): 1-13, dez. 2000.
TORRES FILHO, E. T. Os Keiretsu e os desafios da
internacionalização. In: Lições da economia japonesa. Schwartz,
G. (coord.). São Paulo: Saraiva, 1995.
______. Coréia do Sul: um paradigma de industrialização
retardatária. Rio de Janeiro: UFRJ/IEI, 1991.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

SEGUNDA VIAGEM À CHINA (Janeiro de 2007)
Elias Jabbour*
Resumo: Relato de viagem à China no ano de 2007, seguido de
análise das condições econômicas, políticas e geográficas da
crescente projeção do país asiático no cenário mundial.
Palavras-chave: China; inserção mundial; condições econômicas
e políticas.
Second trip to China (January 2007).
Abstract: Report of a trip to China in 2007, followed byan economical,
political and geographical analysis of the Asiatic country growing
projection in the global scenario.
Keywords: China; global engagement; economical and political
conditions.
Tive a honra de, entre os dias 11 e 20 de janeiro do presente
ano, realizar minha segunda viagem à República Popular da
China. Fui à convite ­ juntamente com outros três membros - do
Instituto Popular dos Assuntos Estrangeiros, na qualidade de
Assessor Econômico da Presidência da Câmara dos Deputados.
A delegação chefiada pelo Deputado Federal Francisco Rodrigues
(PFL-RR), foi integrada pelo Deputado Federal, José Rocha (PFLBA) e pelo Consultor Legislativo da Câmara dos Deputados, o
economista Eduardo Fernandez.
Em dez dias visitamos as cidades de Pequim, Shenzen,
Chongqing e Xangai, onde pudemos conversar e trocar opiniões
com dirigentes ministeriais (Ministérios das Ferrovias e da
Construção) e municipais (vice-prefeito de Chongqing, p. ex.),
políticos de todos os níveis e agentes de administração empresarial
(Baosteel em Xangai e Lifan em Chongqing, p. ex.)
*

Doutorando e Mestre em Geografia Humana pela USP, com a dissertação
"China: infra-estruturas e crescimento econômico".

100 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

Estive na China pela primeira vez em 2004, mais precisamente
entre os meses de março e junho do citado ano. Naquela oportunidade,
os objetivos eram muito claros e poderiam se resumir na empirização
de minha dissertação de mestrado, que versa sobre infra-estruturas e
crescimento econômico chinês. Foi uma grande oportunidade de
conhecer e conviver com o dia-a-dia de Pequim, Xangai, Chongqing,
Hohhot (capital da RegiãoAutônoma da Mongólia Interior), Yichang
(cidade que abriga a obra de Três Gargantas), Qinghai e Tianjin.
Na citada "primeira viagem", acompanhado somente de uma
mochila nas costas, máquina fotográfica, gravador e caderno, percorri
mais de 10.000 km. de trem e outros 3.000 km de barco. Conheci e
conversei com técnicos, trabalhadores e afetados pelas então três
maiores obras do mundo atual: a Usina Hidrelétrica de Três Gargantas,
o Gasoduto Oeste-Leste (Xinjiang-Xangai, 4.221 km. de extensão) e
a ferrovia Qinghai-Tibet (trajeto de 1.125 km, sendo 80% a alturas
superiores a 4.000m).
Vale mencionar que o mesmo objetivo - o de decifrar o
processo do desenvolvimento econômico da China - valeu para a
análise do desenvolvimento urbano de Pequim e Xangai. Conversas
ainda foram mantidas com funcionários ministeriais, quatro
membros do Comitê Central do Partido Comunista da China
(PCCh) e, evidentemente, com o chamado "povão".
A "primeira viagem" foi o coroamento de um processo de
estudos e pesquisas iniciado ainda durante a graduação, pois, em 1995,
escolhi a China como tema de meu projeto de iniciação científica, sob
a orientação do Professor Armen Mamigonian. Tal experiência e
conhecimento permitiram tirar o máximo proveito desta última viagem.
Abaixo segue um relato geral da "segunda viagem", onde,
por questões de espaço, focamos os aspectos essenciais ao debate
em curso sobre a China e seu caminho, que alcançamos, até o
momento, aprofundar e emitir opiniões.
1
Chegamos a Pequim, no dia 11 de janeiro, após uma escala de
seis horas em Paris. Foi importante passar pela "cidade luz" para
perceber que a "luz" aos poucos vai sendo substituída por "trevas".
Não que Paris ainda não contenha uma certa aura iluminista. O problema
é que a capital francesa, assim como outras metrópoles do centro do
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 101

sistema, passa por um processo de pauperização da vida social: cabeça
baixa, isolamento nos restaurantes, businas atormentando e negros e
árabes isolados nas periferias. Aliás se existe ainda algum sopro de
vida por lá, deve-se à existência de negros e árabes na cidade. Gente
trabalhadora, honesta e que ainda teima em abrir um sorriso a algum
estrangeiro pedindo informações na rua. O fato de Robespierre ainda
não ter uma estátua na cidade diz muita coisa.
Pequim
Pequim estava fria. Cerca de 10 graus centígrados negativos
tira, e muito, o ânimo de quem gosta de passear pela cidade. O tempo
para passeios individuais era reservado à noite, pois a agenda de
compromissos na cidade ­ na qual ficamos por três dias ­ não
guardava "brechas" para grandes voltas. Nossa delegação ficou
hospedada no melhor hotel da cidade: o Hotel Beijing, situado ao
lado da grande Praça Tiananmen.
Mantivemos audiências no Ministério das Ferrovias e no
da Construção. Visitamos as obras, em frenético andamento, no
sítio que abrigará os Jogos Olímpicos de 2008 (parte norte da
cidade) e por fim nossa delegação foi recebida no Centro do
Planejamento Urbano de Pequim.
Uma vista geral do movimento da cidade nos dá a percepção
de que a sociedade chinesa ­ ao contrário da européia e norte-americana
­ explode de excitação. O anúncio dos 10,7% de crescimento
econômico no ano de 2006 é expressão disso.
O governo cumpriu com antecedência a promessa de que até
2008, 90% dos ônibus e 70% dos táxis seriam movidos por gás natural.
Entre a minha primeira visita e a última, toda a frota de ônibus foi trocada
e mais de 60% da frota de táxis. Porém o trânsito continua ainda muito
tumultuado.A razão para isso pode ser encontrada na combinação de
dois elementos: a) a expansão tanto do crédito bancário, quanto da
classe média - que tem no carro uma expressão de status ­ dificultando
o acompanhamento, por parte do governo, da construção de infraestruturas, numa velocidade que corresponda a tal ritmo de expansão
e b) como tudo é novidade na China, faz muita falta ainda um esquema
de engenharia de tráfego e também de regras claras para o
funcionamento do trânsito.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

102 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

No que concerne à estrutura urbana, um visitante de
segunda viagem não percebe grandes diferenças na cidade, ou
melhor, em seu centro. Pequim é divida e cercada por seis anéis
viários. Na área que vai do primeiro ao terceiro anel, as
construções de prédios continuam aceleradas, porém a
intervenção governamental somente pode ser sentida na periferia
da cidade. Para quem acredita que o mercado já domina todos
os âmbitos da vida chinesa, é bom que se diga que os chineses
mantém vigente o velho esquema soviético de planejamento
urbano: linhas de transportes (metrôs e ônibus) chegam primeiro
às periferias, só depois se estabelecem os moradores, ao contrário
do que ocorre em metrópoles capitalistas onde a expansão do
transporte é fator de expulsão de populações inteiras (os pobres,
evidentemente) de seu local de moradia. Este planejamento evita
o surgimento de rendas diferenciais, que servem de renda
complementar aos especuladores imobiliários.
É importante salientar que cerca de 300 km de linhas de
metrô estão sendo construídas hoje em Pequim, enquanto no
Brasil a busca da "estabilidade monetária" e o "combate à
inflação" no Brasil permitiram que o metrô da cidade de São
Paulo expandisse somente 20 km, nos últimos dez anos. Os
chineses seguem dando exemplos que servem de ensinamento às
forças do campo nacional e popular no Brasil.
As ferrovias e o socialismo
Boa, muito boa, a conversa mantida no Ministério das
Ferrovias. A importância deste setor pode ser medida pelo simples
fato de existir um ministério específico (com toda burocracia
inerente) para os assuntos referentes à infra-estrutura ferroviária.
Abaixo seguem alguns dados registrados durante a audiência.
Atualmente o sistema ferroviário chinês tem um alcance
de 75 mil quilômetros, número que chegará a 77,5 mil ao final
de 2007. No ano passado ­ sobre trilhos ­ foram transportadas
1,28 bilhão de pessoas, ou seja, quase a população inteira da
China. Em 2006, foram transportados 2,7 bilhões de toneladas
de mercadorias, número que chegará a 3 bilhões de toneladas
ao final do ano. Diariamente três Enfim, um passo largo no rumo do
que os chineses chamam de "socialismo com características
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 103

chinesas". Há quem duvide. Daí a pergunta: seria possível um salto
deste tipo e de longa duração, sem que o governo popular dominasse
a ação espontânea das leis econômicas e utilizasse o caráter objetivo
de tais leis em proveito do próprio projeto em curso? Seria possível
tal domínio sobre as leis do desenvolvimento e a conseqüente
"blindagem" diante das crises cíclicas e típicas de economias em
que a anarquia já tomou conta da produção, sem a utilização de
mecanismos como o planejamento (herança do modo de produção
asiático) e a propriedade social (socialismo científico) dos meios
estratégicos de produção? Engels já nos respondeu esta pergunta,
há pelo menos 150 anos.1
A questão do financiamento
O ensejo para o pincelamento deste debate de fundo sobre
a questão do financiamento, se deve a um ponto levantado durante
nossa audiência no Ministério das Ferrovias, onde fomos recebidos
pelo Sr. Chen Juemin, chefe do Departamento de Cooperação do
Ministério das Ferrovias, acompanhado de sua equipe.
Após o Sr. Chen Juemin elencar os principais investimentos
e o valor a ser investido pelo setor, conforme o 11º Plano
Qüinqüenal, achei por bem perguntar quais os canais de
financiamento de tais investimentos, tendo em vista que o orçamento
do ministério não comportava tal cifra, e que as concessões de
serviço público à empresas públicas2, por si só, não seriam capazes
de, com sua capacidade de busca de fundos para as obras, "fechar
a conta" dos investimentos previstos e em andamento. Ora, o que

Em Anti-Düring, Engels­ com substanciais argumentos - discorre
acerca desta discussão
2
Desde a década de 1990, a China permite que empresas púbicas sejam formadas
para o gerenciamento e busca de fundos para grandes empreendimentos. A
mais famosa é a que gerencia a obra da Usina Hidrelétrica de Três Gargantas,
obra esta cujas ações já estão há muito tempo cotizadas na Bolsa de Valores de
Xangai. Trata-se de um caminho semelhante ao seguido pelo Brasil ao criar
empresas como a Petrobrás e a Eletrobrás. E também vale observar que tal
forma de propriedade foi concebida teórica e juridicamente pelo economista
maranhense Ignácio Rangel, que em nossa humilde opinião é o mais completo
intelectual brasileiro do século XX.
1

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

104 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

acontece nas palavras do Sr. Chen: "Os ministérios responsáveis
por gerir grandes empreendimentos tem cerca de 60% do
orçamento dotado pelo Estado e pelos governos provinciais. A
outra parte do orçamento cabe aos bancos emprestarem aos
ministérios". Tal medida parece ser algo, no mínimo, esdrúxulo
para os economistas hegemônicos, porém se percebermos que os
empreendimentos - dadas as necessidades imediatas do país ­ tem
altíssimo índice de liquidez, o retorno do investimento é garantido.
O ressarcimento do crédito bancário pode variar de 15 a 20 anos
com juros não revelados. A meu ver, trata-sede um grande negócio
para os bancos e uma novidade, uma peça do "quebra-cabeças",
chamado financiamento da produção na China.
A problemática que envolve a questão do financiamento e
seus mecanismos é de crucial importância. Muitas incompreensões
surgem a partir de elaborações que contemplam a necessidade,
deste ou daquele país periférico, se prover de um sistema de
intermediação financeira. Não é incomum assistir a "pregação" que
relaciona a idéia de capital financeiro com o imperialismo. Sobre
isto cabem as seguintes palavras de Ignácio Rangel apresentadas
na introdução de seu clássico A Inflação Brasileira (1963):
"A idéia de capital financeiro está
conotada pejorativamente pela de
imperialismo, porque, na verdade, o
capital financeiro das potências
dominantes é uma força de opressão. Não
será fácil explicar que o nosso capital
financeiro é uma força de libertação, do
mesmo modo como o foi, no período
transcurso o capital industrial."
Vale ainda dizer que para Lênin, a economia monetária foi
a maior invenção do capitalismo e como tal, deve ser utilizada pelo
socialismo. É no campo da economia que o socialismo deve mostrar
a sua superioridade ante o capitalismo. Após a derrota da revolução
na Alemanha, o teórico e prático russo afirmava claramente que o
comércio internacional passou a ser o novo front da luta de classes
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 105

em âmbito internacional, e que neste campo (comércio) é que a
batalha mundial entre os dois sistemas iria ser decidida.3
Assim como Lênin propôs, por ocasião da NEP, defendendo
o controle do comércio exterior pelo Estado, os chineses o fazem,
tendo o comércio internacional como arma política, sujeito ao instituto
do planejamento. Desta forma, fica clara a intencionalidade chinesa de
acúmulo de superávits com os países do centro do sistema. Tais
superávits viabilizam uma orientação de sustentação de déficits
comerciais com a periferia, de forma que no plano estratégico, uma
zona de isolamento ao imperialismo seja formada sob influência chinesa.
Utilizando um exemplo concreto, seria bom refletirmos acerca do que
os cubanos, venezuelanos e demais países latino-americanos e africanos
- que hoje beneficiam-se do crescente poderio financeiro chinês ­
acham da China como parceiro comercial. Decorre daí podermos opinar
que a transição capitalismo x socialismo no mundo depende, cada vez
mais, da capacidade chinesa de exportar capitais e da capacidade
financeira chinesa de ser uma alternativa às agências gerenciadas pelo
imperialismo, tais como o FMI e o Banco Mundial.
Enfim, o "capital financeiro" chinês é um fator de extrema
importância nesta contenda que envolve não simplesmente a
transição capitalismo x socialismo em âmbito mundial, mas
principalmente o futuro da humanidade. Não se trata de nenhum
exagero ou expressão de fanatismo ou adesão acrítica, mas sim de
uma constatação dos fatos concretos. Observemos as diferenças
entre a relação da China com os países africanos, frente à forma
utilizada pelo velho colonialismo e o atual imperialismo.
2
Após Pequim, nossa próxima parada estava reservada para
a Zona Econômica Especial de Shenzen (delta do rio das Pérolas),
localizada na província de Guangdong e cidade fronteiriça com
Hong-Kong. Shenzen foi a primeira experiência de ZEE na China
(1982) e também a mais importante dada sua importância geográfica
3

Sobre as opiniões de Lênin acerca da disputa econômica entre o socialismo e o
capitalismo, indico a leitura de todos os artigos escritos por ele entre 1920 e sua
morte. Tais artigos poderão ser encontrados no Volume III de suas Obras Escolhidas.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

106 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

(fronteira com Hong-Kong). Com uma área de 1952 km2, conta
atualmente com 8,5 milhões de habitantes, porém, antes de 1982
era somente uma vila de pescadores com 300 mil habitantes.
Atualmente Shenzen ­ em contínua construção (em 2006 foram
investidos cerca de US$ 15 bilhões em infra-estruturas na cidade)
­ é o terceiro maior mercado financeiro da China com 16 mercados
de valores e o quarto maior porto do país com capacidade de
1.750.000 containeres. Abaixo seguem maiores informações
extraídas durante o encontro com membros da Comissão de
Assuntos Econômicos da Assembléia Popular de Shenzen.
Shenzen ou "Cidade de Deng Xiaoping"
Se a cidade-epicentro da Revolução Russa levou o nome
de Lênin, se a cidade-símbolo da resistência vietnamita foi
rebatizada com o nome do grande líder revolucionário, Ho Chi
Minh, não seria nenhum exagero batizar Shenzen como a "Cidade
de Deng Xiaoping". Expressão disto é o fato de ser Shenzen, até o
ano de 1982 ­ repetindo - uma vila de apenas 300.000 habitantes,
que, a partir de então, se transformou numa das grandes metrópoles
asiáticas, onde se encontra um terço das companhias estrangeiras
na China e onde se concentra 9% da atividade econômica do país.
Seu PIB atualmente é de US$ 80 bilhões, com crescimento médio
nos últimos 25 anos de impressionantes 28% ao ano.
A atividade industrial de Shenzen está distribuída em quatro
setores principais: a indústria de alta e nova tecnologia, a indústria
cultural, a logística e o sistema financeiro. Cerca de 58% da
atividade econômica está voltada para setores de alta e nova
tecnologia e 50% de suas exportações originam-se deste setor
industrial. Por seu aeroporto, construído em 1993, passaram em
2006 aproximadamente 180 milhões de pessoas, ou seja, o dobro
de pessoas que andaram de avião no Brasil no ano passado.
Shenzen, com pouco mais de oito milhões de habitantes,
conseguiu, somente no ano passado, praticamente igualar o volume
de comércio exterior de um país com as dimensões do Brasil: em
2006 o valor arrecadado de exportações foi de US$ 127 bilhões e
suas importações alcançaram a cifra de US$ 96 bilhões. Cerca de
100% das crianças estão na escola. A cidade conta com quatro
universidades, expressão do fato da idade média de sua população
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian-- 107

ser de apenas 30 anos. Percebe-se, conversando com as pessoas,
que Shenzen é um local onde a natureza empreendedora do
camponês médio chinês faz-se sentir de forma mais intensa. Poderia
se chamar "Cidade de Deng Xiaoping", não somente pelos números
apresentados, mas principalmente pelo fato de abrigar extratos da
classe social em que Deng Xiaoping apostou suas fichas para o
processo de modernização, que sua nação necessitava. Refiro-me
aos camponeses médios.
Por fim, aproveitando o ensejo de estar relatando a experiência
de uma Zona Econômica Especial, acredito ser importante e pertinente
aprofundar a análise da relação entre a estratégia chinesa, a receita do
sucesso chinês e a instalação das ZEE`s.
Zonas Econômicas Especiais
Diariamente somos levados a acreditar que o sucesso da China se
deve, únicae exclusivamente, a dois fatores: a uma estratégiaacertada de
exportaçõeseaoinvestimentoestrangeiro.Nadamaisleviano,poisquestões
mais de fundo têm maior poder de explicação:
1) a instalação de plataformas de exportações demanda investimentos
maciços em infra-estruturas e em novas instalações industriais, portanto
um mercado interno surge como síntese deste processo;
2) as Zonas Econômicas Especiais chinesas podem ser compreendidas
como parte de um todo, ou seja, meio de acumulação de capital para
posterior financiamento de um projeto de modernização industrial e
"esponja" de tecnologia avançada. Por sua vez, sem tecnologia
avançada, falar em socialismo não passa de homilia em culto religioso;
3) oacúmulo de moeda estrangeiraé estratégico para umapolítica interna
expansiva, ou seja, a disposição de crédito com juros atraentes ao
consumidor(desmentindoassimomitodaexistênciade"trabalhoescravo",
atéporque qualquertrabalhador urbanochinês hoje temem sua residência
TV, DVD, geladeira e pode passar, pelo menos cinco dias do ano, com
sua família em sua cidade natal no interior);
4) a política de implantação das ZEE´s implica em dois movimentos
simultâneos e de longoalcance, são eles: a)criação decondições objetivas
à incorporação de Hong-Kong, Macau e Taiwan a partir do surgimento
de uma área de convergência econômica, não somente com os ditos
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

108 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

territórios, mas com todo o complexo financeiro do sudeste asiático -
da qual os chineses ultramarinos são sócios majoritários -que por sua
vez serve de base a um discurso que contempla o principal objetivo
imediato do Estado chinês (aliás, um dos objetivos do poder instalado
em 1949) , a já citada "reunificação nacional" e b) nas trilhas do veterano
revolucionário Deng Xiaoping, para quem "é necessário num primeiro
momento o enriquecimento de algumas regiões para o posterior
enriquecimento comum de todo o país", a estratégia de utilização do
litoral chinês como plataformas de exportações, além de se basear na
história e na geografia, serviu de base para um acúmulo de capital e
tecnologia que estão possibilitando, desde a primavera de 1999 ­ com o
lançamento do "Programa de Desenvolvimento do Oeste" - a maior
integração territorial em curso no mundo contemporâneo;
5) e por último, a relação entre PIB x investimentos na China tem
girado em torno de 45% ao ano. Um número de grande porte se
compararmos com o Brasil, que patina na casa dos 19%. Pois bem,
45% do PIB chinês corresponde a algo em torno de US$ 800 bilhões.
Os Investimentos Estrangeiros Diretos (IED`s) na China, em 2006,
foram de US$ 63 bilhões (recorde mundial). Ora, se os IED`s na China
em relação ao montante investido não chegam a 10%, como pode se
perpetuar a tal "da mentira que contada mil vezes se transforma em
verdade", que considera o capital estrangeiro como um dos principais
componentes da receita de sucesso da China? Vale mencionar que
60% destes investimentos são feitos por chineses ultramarinos.
3
A terceira parada de nossa delegação foi na milenar cidade
de Chongqing, localizada na confluência dos rios Jialing e o YangTsé (centro-oeste do país) e distante 2.500 km de Xangai. Cidade
linda, circundada por montanhas, Chongqing foi fundada a cerca
de 3.000 anos, sob o nome de Jiangzhou e foi a primeira capital do
reino Ba. Passou a ser chamada Chongqing há 800 anos. Durante
a II Guerra Mundial serviu de capital do país, por este motivo, no
centro da cidade foi erigido um monumento de lembrança das
atrocidades japonesas daquele período.
A importância que os chineses atribuem à sua relação com o
Brasil pode ser comprovada pela recepção oferecida pelo vice-prefeito
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 109

da municipalidade, Yu Yuanmu, que - acompanhado pelos seus
principais assessores ­ nos apresentou um interessante relato da situação
atual da municipalidade.
Chongqing: o centro dinâmico da expansão ao oeste
Chongqing é, atualmente, parte central do projeto de unificação
econômica do território chinês. Para termos uma idéia, a expansão ao
oeste verificada na segunda metade do século XIX nos EUA, teve seu
centro dinâmico em Chicago: entroncamento ferroviário, depósito de
suprimento e onde se ergueria em seguida um dos maiores centros de
produção intelectual do mundo. Chongqing, da mesma forma que
Chicago, está localizada no meio-oeste de um país muito semelhante
aos EUA em extensão leste-oeste. Os chineses ­ em mais este ponto ­
seguiram os conselhos de Lênin.
Falando em Lênin, abrimos rápido parêntese para
ressaltarmos as palavras do maior revolucionário de todos os
tempos, ditas a Armand Hammer, então um jovem empreendedor
norte-americano interessado em investir na URSS por ocasião da
NEP. Vejamos como Lênin, ao mesmo tempo em que justifica a
necessidade de concessões aos EUA, alça este país à condição de
exemplo a ser seguido e obviamente alcançado:
"Os EUA e a URSS se complementam ­
disse ele ­ A URSS é uma nação decadente
com tesouros imensos, na forma de recursos
inexplorados. Os EUA podem, encontrar
aqui, matérias-primas e mercado para
máquinas e, depois, para produtos
manufaturados. Acima de tudo, a URSS
necessita da tecnologia e dos métodos
americanos, como também de suas
máquinas, de seus engenheiros e
instrutores." Em outro momento, "ele(Lênin)
apanha um exemplar da revista Scientific
American e afirma: ... olhe aqui ­ folheando
rapidamente as páginas da revista ­ o que
seu povo fez. Isso significa progresso:
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

110 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

edifícios, inventos, máquinas, recursos
mecânicos para o trabalho braçal. A URSS
de hoje encontra-se no nível de seu povo
no tempo do pioneirismo. Precisamos da
experiência e da fibra que transformaram
a América no que ela é hoje." (HAMMER,
A. & LYNDON, N, 1988)
Retornando ao cerne da proposta de unificação,
Chongqing em 1993 teve aprovada ­ pelo governo central a
instalação de uma Zona de Desenvolvimento Econômico. Foi
apenas mais um capítulo num processo que culminou, no ano de
1997, na transformação de Chongqing - que tem sob sua
jurisdição 40 distritos e vilas, 31 milhões de habitantes e um
território de 82.000 km 2 (seis vezes o território da Bélgica) ­
em municipalidade diretamente subordinada ao governo central.
Este status somente havia sido conferido a outras três cidades:
Pequim, Xangai e Tianjin.
Analisando de forma mais estratégica, percebemos que a
China está abrindo as portas para o fim da secular diferença entre
um litoral rico e um interior pobre e para a construção de uma
nação digna de seu nome: Império do Meio. "Centro de gravidade",
nas palavras de meu mestre Armen Mamigonian, "para onde se
dirigem, e saem fluxos financeiros, econômicos, políticos e
culturais crescentes, criando fortes movimentos gravitacionais"
(JABBOUR, 2006).
Ressaltando ainda a importância de Chongqing, vale lembrar
que o rio Yang-Tsé transporta atualmente cerca de 47,6 milhões de
toneladas de carga por ano. Este enorme potencial há de ser
ampliado com o aumento da velocidade do rio, por conta da
construção da barragem de Três Gargantas (já citada). Lembrando,
antes de 1997 a taxa média de crescimento de Chongqing era de
5%, após 1997, sua média anual passou para 11,7%. Expressão
deste ritmo foi a observação realizada em um trajeto de cerca de
30 km, percorrido em micro-ônibus por nossa delegação, ao longo
do rio Yang-Tsé, quando pudemos visualizar a construção de seis
pontes. O deputado José Rocha lembrou-nos que nos mais de 2.500
km de extensão do rio São Francisco existem apenas cinco pontes
para ligar uma margem à outra do rio.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 111

Após todos perceberem o colapso do neoliberalismo no
mundo e que - mesmo timidamente - a palavra socialismo volta
aos alfarrábios do dia-a-dia, não faltam "receitas mágicas" para a
tomada do poder. É comum que tais receitas, muitas delas
produzidas na América Latina e, portanto, trazendo, inerentemente,
doses de talmudismo e cristianismo, deixem de lado conceitos
científicos e consagrados, tais como, "correlação de forças",
"acúmulo de forças", "estratégia e tática" etc. Tudo passou ­ para
muitos ­ a ser uma questão de tempo. Ah, faltou falar, de quem
comandará este processo: os movimentos sociais como senda de
um movimento mundial anticapitalista. Nada contra os
"movimentos sociais", até porque no Brasil se não fosse a ação
destes movimentos, a barbárie neoliberal seria muito mais
avassaladora. O problema é de outra ordem e remete à transição
capitalismo x socialismo em âmbito mundial.
Retornando ao tema da conversa, uma análise que leve em
conta a necessária - e obrigatória - visão de conjunto, deve
considerar que o país que mais cresce no mundo é comandado por
um Partido Comunista (para Lênin, independente da base
econômica, a questão de "quem exerce o poder político" é central);
que este país é síntese de uma nação, que criou filosofias do nível
do confucionismo e do taoísmo e tem no marxismo-leninismo sua
ideologia oficial; que mesmo contra toda a corrente neoliberal, este
Estado lança mão de instrumentos econômicos como o planejamento
e a propriedade social dos meios de produção, o que por si só
(como já foi dito) é suficiente para explicar como um país pode
crescer tanto, há tanto tempo.
Por que desconsiderar, na transição capitalismo x
socialismo, o merecido papel que uma economia continental
unificada (da qual Chongqing é grande expressão) poderá ter? Será
que da mesma forma que Marx vislumbrou o socialismo ­ em um
primeiro momento ­ na Alemanha, Inglaterra e França, não podemos
vislumbrar na China o surgimento de um novo centro dinâmico no
mundo com capacidade de interferência nesta contenda de
dimensões históricas? Importante lembrar que o fluxo de comércio
atual interno da Ásia é muito maior que o verificado entre a Europa
e os EUA. Reflitamos...
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

112 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

Fábrica de alimentos e a montadora Lifan
Pudemos, em Chongqing, visitar duas empresas: a
primeira, a Fábrica Fulin de Alimentos. Tal fábrica recebe soja
importada do Brasil e a transforma em produtos, tipo óleos
diversos. Sua planta é localizada às margens do rio Yang-Tsé, o
que demonstra de um lado a importância deste rio na vida
econômica do país, e por outro a crescente participação dos
empresários nacionais, não somente no âmbito interno, mas
também na estratégia externa chinesa.
A Fábrica Fulin, é uma joint-venture entre capitais chineses,
de Hong-Kong (Noble Group) e investimentos individuais provindos
de chineses étnicos de Singapura (lembremos a questão da
unificação nacional, suas estratégias e o crescente poder
gravitacional chinês). Ora, com apenas cinco anos de existência, a
empresa já tem um porto próprio em Nanjing e alcança um
faturamento de US$ 11,6 bilhões. Repito, com apenas cinco anos
de existência, a empresa conta, hoje, com escritórios em 35 países
e com um porto próprio, vejam só, na Argentina. Enfim, como nos
relatou nosso anfitrião, Sr. Yu Yuanmu: "Logo, estaremos prontos
para enfrentar desafios maiores em âmbito mundial".
A segunda empresa visitada em Chongqing foi a montadora
Lifan, nascida há 14 anos, a partir da iniciativa de nove jovens
empreendedores, que juntos investiram US$ 30.000, numa pequena
empresa de motocicletas. Na entrada da fábrica vê-se uma série de
fotografias dos donos da empresa com os quatro atuais e principais
líderes do país.A idéia é demonstrar que na China de hoje, ficar rico
é glorioso e também incentivado.
Atualmente sua produção anual de veículos é de apenas
70.000 unidades de automóveis, tipo popular, com preço de venda
de somente US$ 3.000 (fizemos um test-drive com os carros).Apesar
da produção ser ainda pequena, temos que lembrar que a fábrica
possui pouco mais de uma década e o seu objetivo para os próximos
anos, nas palavras de seu presidente, Yin Mingshan, demonstra as
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian-- 113

perspectivas em relação ao futuro: "Nosso objetivo de médio prazo
é travar concorrência internacional com as grandes mundiais. E
para isto contamos com o apoio de nosso governo".
A vila de emigrados e a procura pela tal "ditadura sanguinária"
Nossa última experiência em Chongqing ocorreu numa vila de
emigrados da área atingida pela represa de Três Gargantas. Antes da
descrição, acredito ser necessário levantar e debater uma questão,
que guarda certa polêmica e tem relação com a realidade observada
na vila de emigrados: a questão da democracia.
Apesar do senso-comum proliferado pelo lobbie midiático
e acadêmico (patrocinado pelo capital financeiro norte-americano
e suas agências de fomento "científico") anti-chinês no Brasil e
no mundo, sou simpatizante do modelo chinês e inclusive busco,
em minhas pesquisas, desmontar tais superficialidades ahistóricas que propagandeiam idéias que tomam a China como
sinônimo de desrespeito às "liberdades individuais", aos "direitos
humanos" e à "liberdade de imprensa".
Confesso que sempre fico buscando evidências da existência
de uma tal "ditadura sanguinária" na China. Numa destas buscas -
além da observação empírica - descobri que, segundo relatórios da
ONU, Pequim e Xangai são as metrópoles mais seguras do mundo.
Imagina-se que, por se tratar de uma "ditadura", tais cidades estão
repletas de policiais. Mentira: em comparação com Nova Iorque (a
principal cidade do "país mais livre do mundo"), Pequim tem 16,5
vezes menos policiais para cada mil habitantes que a citada metrópole.
Para mim ditadura é expressão de Estado policial e, neste caso, Nova
Iorque e outras metrópoles decadentes do centro do sistema não estão
com capacidade de nos dar lições de democracia. Para quem se prende
à máxima liberal que aufere a democracia de um determinado país à
"liberdade de ir e vir de um cidadão" pode tomar um susto na China:
difícil encontrar policiais e "bandidos" nas ruas, aliás os policiais na
China andam desarmados (quase igual aos policiais do "mundo livre"?).
Outro exemplo empírico pode residir no fato de que os check-ins,
pelos quais passei nos aeroportos chineses, não demoraram mais do
que dez minutos. Já no Aeroporto Charles de Gaulle em Paris, fui
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

114 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

obrigado a tomar uma certa "canseira".Afinal, eu não sou culpado de
ter uma feição claramente semita.
Por fim um lembrete: os clássicos liberais advogavam a
democracia. Bonito, lindo, porém em tal "democracia" não cabiam os
trabalhadores, mulheres e minorias historicamente oprimidas. A
Revolução Russa de 1917 foi o início do processo de libertação política
de imensas massas de trabalhadores ocidentais, que com seu poder de
pressão puderam adentrar - melhor dizendo, "chutar" - as portas da
institucionalidade burguesa até chegar ao ponto de colocar esta mesma
institucionalidade contra a própria burguesia (prestemos atenção à
Venezuela Bolivariana). Enquanto na China as mulheres, perante a lei,
têm garantida igualdade com relação aos homens desde 1º de outubro
de 1949, nos EUA este direito foi alcançado somente na década de
1950. Enquanto na China as minorias étnicas têm estatuto semelhante
à maioria han (também desde 1949), os negros norte-americanos
conquistaram direitos civis somente no final da década de 1960. Para
isto Martin Luther King, assim como Sócrates na Grécia, foi assassinado
por uma democracia tão decadente quanto a da Grécia antiga.
Um longo caminho para a democracia ainda há de ser
percorrido pela China. A milenar democracia, no nível da aldeia,
está sendo retomada com eleições diretas para escolha de seus
chefes. Até Jimmy Carter teve de reconhecer a legitimidade destas
eleições. Aonde foi parar a democracia nascida na senda da pequena
produção mercantil do nordeste norte-americano e muito bem
versada pelo gênio de Walt Whitman? Os negros, até hoje, vítimas
da humilhação branca no sul dos Estados Unidos, ou o bravo povo
iraquiano, poderão nos dar uma resposta mais convincente.
Retornando à narrativa, acreditei que na vila de emigrados de
Três Gargantas iria ter uma prova concreta de que estava em um país
tutelado por uma "terrível ditadura". Fui ficando desanimado na medida
em que onosso interlocutor ­antes de chegarao local -passou a descrever
o ambiente em que vivem 20 famílias emigradas: moram em casas de
150 m2, cuja eletricidade, televisão, rádio e móveis são financiados pelo
governo central. Pensei comigo, "qual o destino de uma família pobre
cuja casa foi engolida por alguma obra deste tipo no Brasil?"Aresposta
todos sabem: com muita sorte compram um "barraco" por R$ 5 mil
("esmola indenizatória") em alguma favela próxima do"fim do mundo",
ou melhor, da periferia mais distante.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 115

Chegando à vila, percebi que as casas realmente tinham
dimensões de 150 m2. Perguntei em quais atividades estavam ocupadas
estas famílias. Não precisaria ter perguntado.Acabei percebendo, pela
movimentação do local, que boa parte dos membros ativos das famílias
criam animais (porcos, frangos, patos) e plantam verduras em seus
terrenos, a outra parte está ocupada na indústria ou na construção
civil. A criação de animais e a plantação de verduras, segundo nosso
interlocutor, garantem a alimentação e algum excedente econômico às
famílias.Além disto, a energia gerada no local é tirada sabem de onde?
Das "fezes dos porcos". Mais uma prova da capacidade de "viração"
do camponês chinês.
Nosso interlocutor informou então, que todas as crianças têm
escola garantida pelo governo. Pude notar a veracidade da informação,
pois não vi ­ excetuando aquelas que ainda não alcançaram a idade
escolar - nenhuma criança na vila visitada. Todas estavam na escola. No
caminho de volta, vi muitas delas retornandoàs suas residências; algumas
delas com lenços vermelhos no pescoço: tais lenços são uma distinção
aos chamados "Jovens Pioneiros", ou "comunistas mirins".Tal distinção
surgiu na década de 1930 na URSS e até hoje continua viva na China,
em Cuba e no Vietnã.
O sorriso como marca de um povo
Uma característica do camponês chinês, comprovada nesta
experiência (na vila de emigrados) é um constante sorriso no rosto.
Parece até que o sorriso é parte da composição facial deste povo.
Nesta linha de raciocínio, lembro-me ainda de um relato feito ­ após
uma experiência de 15 dias na China - por meu querido amigo Sérgio
Barroso. Segundo Barroso, toda vez que perguntava algo a um chinês,
a resposta era antecedida por um sorriso. A explicação a esta
observação não pode ser atribuída - pura e simplesmente - a questões
meramente conjunturais. Devemos buscá-la na história.
A civilização chinesaé síntese de um processo de sedentarização
de tribos nômades que se acentuou a cerca de 8.000 anos. Este
processo culminou no povoamento das extensas planícies férteis ao
longo dos rios Amarelo e Azul e no nascimento ­ há cerca de 5.000
anos ­ da civilização chinesa. Tal fertilidade do solo, relacionada à
abundância de água e terras, explica em grande parte a numerosa
população abrigada sobre o solo chinês.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

116 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

Sabendo-se que o desenvolvimento das forças produtivas é
expressão das relações homem-natureza e que tal desenvolvimento dá
vazão ao surgimento de ideologias, podemos perceber que o fato de a
civilização chinesa ter nascido em uma região do globo onde o trabalho
necessário para a sustentação material era, e muito, facilitada pelas
condições naturais4, o florescimento de ideologias de cunho tolerante é
apenas umaconseqüência.O confucionismo e o taoísmosão os principais
corpos filosóficos surgidos no seio desta civilização. Importante que tal
tolerância e o "sorriso estampado", inerentes às populações influenciadas
pelas filosofias citadas, são, sob particular ponto de vista, fruto de uma
formação social privilegiada do ponto de vista territorial.
Nas trilhas das constantes observações feitas por meu mestre
Armen ­ e tomando como minhas suas opiniões - é mister salientar
que apesar da simetria de propostas éticas, o confucionismo e o
taoísmo continuam a fazer parte da formação moral e espiritual do
povo chinês, enquanto que pensadores do nível de Sócrates já foram,
há muito tempo, deslocados do horizonte espiritual do Ocidente.
Por fim, além de explicar o constante "sorriso no rosto" de
seu povo, a apreensão científica dos elementos constitutivos da
formação social chinesa, é parte necessária à compreensão de fatos
­ entre eles e a título de exemplo - como a constatação da China
nunca ter sido uma potência expansionista (com exceção de épocas
em que dinastias estrangeiras ­ mongol e manchu ­ governaram o
país). Por outro lado, é bom que se diga que os EUA, desde sua
independência em 1776, nunca ficou por menos de dez anos ausente
de uma guerra fora de seus domínios territoriais. A história chinesa
e sua atual prática concreta em matéria de relações exteriores não
dão base científica à idéia propalada, que enxerga a China como
uma futura "potência imperialista".
Após falar das experiências nas empresas citadas anteriormente
e a vivida na vila dos emigrados, vale a pena refletirmos sobre algumas
coisas. Os burocratas chineses que nos receberam pelo país, poderiam
ser vistos por pelo menos dois aspectos. Aspectos que a meu ver são
essenciais para quem, como eu, quer "entender o que se passa pela
cabeça daquele povo".
4

Sobre a relação entre Trabalho Necessário e Trabalho Excedente nas
diferentes zonas do globo, sugiro a leitura, em Marx, dos capítulos V e XIV
do Livro 1 de O Capital.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 117

O primeiro aspecto: são políticos de alto nível. Todos preparados,
teórica e ideologicamente, defendem os interesses chineses acima de
qualquer coisa, enfim, são herdeiros diretos do mandarinato. É bom
que se diga que enquanto a Europa estava se ensangüentando em guerras
religiosas, os chineses já haviam instituído como obrigatório o concurso
para ingresso no serviço público. Menos remoto fica este exemplo,
quando pensamos na caracterização de um comunista para Deng
Xiaoping: ser firme na ideologia, mas também um quadro técnico de
alto nível. Este líder revolucionário deve ter lido a afirmação de Lênin,
para quem "o comunista deve ser o melhor operário da fábrica".
O segundo aspecto: os políticos chineses são -além depolíticos no
stricto sensu da palavra -muito bons comerciantes. Nesta viagem pude
perceber, por exemplo, que os chineses são excelentes anfitriões, ou seja,
nos hospedaram nas melhores suítes dos melhores hotéis das respectivas
cidades. Brindaram-nos com enormes banquetes etc etc...Após a "aula"
de como tratar um "cliente", em seguida - sempre que possível - nos
sugeriam visitar alguma empresa. Interessante notar que as empresas
visitadas, todas têm alguma relação com o Brasil (ou importam ou
exportam). Em todas elas, seja a matéria-prima oferecidapelo Brasil, seja
a robustez do nosso mercado, interessam diretamente aos chineses.
Ora, como entender isto? A história pode nos ajudar. Basta
constatarmos que o comércio é parte da vida chinesa há pelo menos
3.700 anos. O mercado surge na China como resultado da separação
da economia doméstica, da economia de ganho. Logo, não estamos
lidando com "aprendizes de feiticeiro" na arte de comercializar.Assim
sendo, socializo uma questão: como ter um parceiro comercial das
características da China, partindo de desastrosas opções em matéria
de câmbio e juros? Isso sem falar de outras aberrações do tipo contas
CC-5, livre fluxo de capitais, superávit primário, "combate à inflação"
etc. No mínimo estamos pedindo para sermos engolidos.
4
A última cidade visitada por nossa delegação foi a
municipalidade de Xangai. O fato de ser a última, teve muito de
planejamento. O objetivo nosso ao montar o roteiro - foi causar o
maior impacto possível em nossos deputados. Para isto nada melhor
que a Zona Econômica Especial de Pudong e sua exuberância urbana,
encerrando a nossa empreitada.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

118 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

A história de Xangai é muito mais longa do que parece. Xangai,
no século XIX, apesar de porto aberto há mais de 700 anos, era
habitada, em sua maioria, por pescadores. Como zona administrativa
foi instalada no ano de 751 sob o nome de Huating County e em 1292,
sob o acicate da crescente atividade comercial, transformou-se em
Xangai. Sua área (incluindo a ilha de Chongming) é de 6.340 km2. É a
principal cidade do delta do rio Yang-Tsé e também em torno de si
gravitam outras 18 cidades. Com cerca de 20 milhões de habitantes
forma a maior conurbação urbana da China. Um quarto do PIB do
país é produzido nesta área, demonstrando, assim, pujança econômica
e acúmulo financeiro e tecnológico pronto ­ como já ocorre - para
grandes transferências litoral-interior. Mais: é atrativode famílias inteiras
de empresários taiwaneses, de Hong-Kong e outras áreas chinesas de
ultramar. Importante na análise mais de fundo do papel de Xangai, o
seu significado frente ao objetivo de reunificação nacional e os
instrumentos utilizados pela China5.
Xangai: a futura "capital do mundo"?
Sendo a China um futuro centro gravitacional, a exemplo
dos EUA no século XX, não é muita pretensão nomear Xangai a
cidade que irá substituir a cada vez mais intolerante e policiada cidade
de Nova York, como a "capital do mundo".Avista da Zona de Pudong
pelo outro lado do rio Huang Po, suas imensas torres modernas e a
Torre de Televisão "Pérola do Oriente", denunciam este futuro. Toda a
simbologia que se encerra na Estátua da Liberdade (em Nova Iorque)
perde brilho ante a história de luta pela liberdade nacional e social que
repousa na cidade que abrigou o I Congresso Nacional do PCCh no
dia 1º de julho de 1921.
5

Sobre a importância de Xangai no processo que envolve a unificação nacional
chinesa, sugiro as seguintes leituras: JABBOUR, E. "A modernização da China
e a guerra comercial com os Estados Unidos". In. JABBOUR, E. "China: infraestruturas e crescimento econômico". Anita Garibaldi. São Paulo, 2006, págs.
210-238. Também, na mesma linha de raciocínio, vale a leitura de: OLIVEIRA,
A. P. de: "A dimensão territorial do reformismo chinês". In, Revista Tempo
Brasileiro. Rio de Janeiro, nº 125,Abr/Mai de 1996. Do mesmo autor recomendase também a leitura de: OLIVEIRA, A. P. de: "O salto qualitativo de uma economia
continental". In, Política Externa. São Paulo, vol. II, nº 04, Abr/Mai/Jun de 2003.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian-- 119

Fomos recebidos em Xangai por Ma Junwei, vice-diretora do
Birô de Relações Exteriores daAssembléia Popular deXangai (a Câmara
Municipal de São Paulo não tem órgão análogo). Passamos também
pela Baosteel GroupAssociation, a atual quarta maior siderúrgica do
mundo e mantivemos um encontro com o sr. Huang Jianzhi, vice-diretor
do birô responsável pela Expo-2010, que será realizada em Xangai e é
por esta experiência que iniciaremos nossa descrição.
Esta experiência serviu para a consecução de dois objetivos. O
primeiro: tomar contato com o local que irá sediar a Expo-2010 (este
evento já conta com 155 anos), ou seja, Pudong; e a segunda: verificar os
preparativos dacidadeparaesteevento seculare mundialmentedisputado
pelasmetrópolesmundiais.AssimcomoPequim,estápassandoporimensas
transformações em suaestrutura urbana por conta darealização dos Jogos
Olímpicos de 2008, em Xangai ocorre o mesmo pela realização da Expo2010.Vamos conferir.
Tendo em vista que cerca de um milhão de turistas passarão
por Xangai durante o evento, a cidade trabalha freneticamente na
preparação: a) mais de 300 km de linhas de metrô sendo construídas;
b) duplicação de capacidade dos dois aeroportos da cidade; c)
ampliação do trajeto do trem bala (Meglev), que chegará até a parte
oeste da cidade (hoje liga somente o Aeroporto de Pudong com o
centro da cidade); d) 6.500 banheiros em construção; e) ampliação da
capacidade de transporte de pessoas por rio, dos atuais 30.000 para
um milhão de pessoas; f) com relação ao metrô, estima-se que
atualmente um milhão de pessoas utilizam este meio para se locomover,
número que chegará a três milhões em 2010.
Calcula-se em US$10 bilhões os gastos com o empreendimento.
Gastos estes divididos entre o Estado e outras 15 empresas privadas.
Para este evento espera-se a presença de 101 países. Cada stand custará
perto de US$ 1 milhão. Perguntado, por mim, sobre como os países
pobres financiarão seus espaços, a resposta de nosso interlocutor foi
rápida e precisa:"O governo chinês irá financiar os gastos dos 40
países mais pobres do mundo".
Para quem acredita que solidariedade internacional resume-se a
algumas palavras deordem antiimperialistas,ébom saberqueem relações
internacionais gestos concretos têm mais valor que palavras e que a força
do dinheiro ainda é central nesta questão, que envolve a transição
capitalismox socialismoem âmbito mundial.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

120 -- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

Isto não serve somente para os nossos marxistas religiosos,
mas também ao nosso governo que, de forma equivocada e na
contramão da história, tenta casar uma política externa soberana com
uma política econômica antinacional. Resultado e exemplo:Angola ­
em 2004 -solicitou ao governo brasileiro, sob forma de empréstimo -
US$ 300 milhões. Enquanto nossos "gestores econômicos" discutiam,
entre si, os juros a serem pagos pelo governo e povo irmão deAngola,
os chineses não somente emprestaram US$ 2 bilhões, como também
propuseram que o pagamento fosse feito em petróleo com prazo de
vencimento em dez anos com juros anuais de apenas 1%.
Sob nosso ponto de vista, política externa se faz com capacidade
de controle de fluxos de capitais, capacidade de financiar exportações
de mercadorias e exportação de capitais. Resume-se também na
capacidade brasileira de planejar déficits com nossos vizinhos e também
na demonstração de força financeira para investir dezenas de bilhões de
dólares, nesta chamada integração sul-americana. Será que temos força
para isto? Com 37%do orçamentodaUniãocarimbados paraa oligarquia
financeira(imperialismo),ficadifícilqualqueriniciativaséria,nãosomente
em relações internacionais, mas principalmente em matéria de política
desenvolvimentista para a retomada de nosso projeto nacional.
Pundong
Pudong está situada na margem leste de Xangai, faz divisa com
a chamada "Xangai antiga" pelo rio Huang Pó. Tem território de 570
km2 e uma população permanente de 2,8 milhões de habitantes. Esta
Zona Econômica Especial foi inaugurada no dia 18 de abril de 1990. Em
26 anos, um local, que outrora servira de plantações de arroz,
transformou-se na maior expressão urbana da política de Reforma e
Abertura, inaugurada por Deng Xiaoping, em 1978.Até 2005 haviam
estocado investimentos de97 países,em mais de13.000 projetos relativos
a novas e novíssimas tecnologias, aferidos em US$ 31 bilhões.
Cerca de 200 empresas multinacionais, relacionadas entre as
500 maiores corporações do mundo pela revista Forbes Fortune, estão
instaladas em Pundong. Por seu turno outras 9.400 empresas chinesas
também marcam presença em escritórios, construídos num dos sítios
urbanos (ao lado de Brasília) mais bem planejados do mundo atual. Prova
disto (planejamento urbano) é a constatação de que 37% do território
de Pudong está reservado para áreas verdes.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian-- 121

Encerro esta exposição rápida sobre Pudong com as
palavras do presidente francês Jacques Chirac: "Como a Grande
Muralha e o Grande Canal, o desenvolvimento de Pudong irá
se constituir numa brilhante página da história chinesa."
Baosteel
A visita à Baosteel era algo no mínimo esperado. Pelo menos
para mim. Coloquei em relevo aos nossos deputados que este
encontro seria, no mínimo, mais um capítulo no processo que
envolve uma quebra-de-braço, entre a mesma Baosteeel e a
Companhia Vale do Rio do Doce (CVRD), a maior fornecedora
de minério de ferro da empresa.
Fomos recepcionados na empresa por Guo Ning, o todopoderoso diretor responsável pelas relações exteriores da empresa.
Tratava-se de um xangaiense: uma certa arrogância e um apurado
espírito de bom e grande comerciante, lapidado pela própria
formação social de Xangai, com uma grande "pitada" adquirida em
universidades ocidentais. A conversa girou ­ e muito ­ em torno do
preço do minério de ferro brasileiro em comparação com o da
Austrália. Apenas lembrei nosso interlocutor que o minério de ferro
brasileiro era de melhor qualidade que o australiano.
Sobre a empresa em si não coube grandes novidades: surge
no bojo de um fenômeno mundial, para o qual a China vem se
preparando, o de imensas fusões e aquisições. No caso chinês, a
fusão de grandes empresas estatais com médias e pequenas é parte
de uma estratégia empresarial que busca, no plano interno,
salvaguardar para o Estado os setores estratégicos da economia
e, no plano externo, como futuras lanças de uma política comercial
e diplomática de preciso e longo alcance.Trata-se de uma estatal
com capital aberto criada em 1998 com a fusão da Baoshan Iron
and Steel Group Corporation com a Shanghai Metallurgical
Holding Group Corporation e a antiga Shanghai Meishan
Group Corporation. Representa, atualmente, o quarto maior
grupo siderúrgico do mundo com ativos da ordem de US$ 10
bilhões com produção de aço que chegou em 2005 a 90 milhões
de toneladas (a China, como um todo, produz 240 milhões de
toneladas.). Além da grande unidade localizada em Xangai, com
direito a porto próprio, a produção ­ no bojo de grandes fusões
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

122-- SEGUNDA VIAGEM À CHINA

e aquisições internas ­ está distribuída em 24 subsidiárias,
espalhadas pela China e outras duas fora da China.
5
Algumas considerações finais podem ser resumidas da seguinte
forma: a) A China caminha firme para a construção de seu futuro e
nesta esteira, o futuro da própria humanidade; b)Aproposta de visitar
três cidades litorâneas e uma interiorana foi justa: vai se dissipando a
imagem da existência de uma China com um litoral rico e um interior
decrépito e pobre, pois é evidente que o interior chinês passou a ser o
dínamo deste colossal empreendimento humano; c) O socialismo na
China vai muito bem, obrigado.As taxas de crescimento e sua robustez
e resistência, mais a capacidade de o governo chinês prover o território
de políticas públicas voltadas para a diminuição das grandes
desigualdades sociais, é prova disto. No que concerne à superestrutura,
o PCCh vai demonstrando capacidade de governança ante os grandes
desafios, que a mutante estrutura social do país vai impondo; d) É de
suma importância a contínua visita de parlamentares e intelectuais
brasileiros à China. O crescente poder gravitacional chinês é capaz de
"mexer com a cabeça" de qualquer brasileiro, que, em seguida, passa
a se perguntar "o que acontece com o nosso país?"; e) Nosso país
continua a andar para trás. Ou mudamos a direção de nosso Banco
Central ou o Banco Central aprofundará o processo de contrarevolução, iniciado com a eleição de Collor em 1989.
Referências Bibliográficas
HAMMER, A. & LYNDON, N.: Hammer: um capitalista em
Moscou. Best Seller. São Paulo, 1988, págs. 121-130.
JABBOUR, E. China: infra-estruturas e crescimento econômico.
Anita Garibaldi. São Paulo, 2006.
RANGEL, Ignácio. Inflação Brasileira. In: Obras Reunidas, Rio de
Janeiro: Contraponto, 2005. p. 551-680.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição Revisada n.1 - 349 p. - Julho 2008

INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA
José Messias Bastos*
Resumo: O comércio de múltiplas filiais na China vive uma conjuntura
revolucionária, pois, além de sua modernização, ocorre à implantação de
inúmeras lojasdasgrandesredesestrangeiras,paralelamenteaosurgimento
de redes nacionais com forte apoio estatal.
Palavras-chave: China; Comércio Varejista; Supermercados.
Introduction to retail sales in China
Abstract:The trade ofmultiplesubsidiaries inChinalives arevolutionary
conjuncture, because, in addition to its modernization, is the implantation
of innumerable stores of great foreign networks and the constitution of
national networks with strong state support.
Key-words: China; Commerce Retailers; Supermarket.
As quatromodernizações (agricultura,indústria, defesanacional e
ciência e tecnologia), idealizadas por Chu En-lai com o apoio de Mao e
implementadas por Deng e seus sucessores, imprimiram forte arrancada
desenvolvimentistanaChina,promovendotransformaçõesnasuaestrutura
econômica,socialepopulacional (MAMIGONIAN,1986).Ocrescimento
médiodoPIBem maisde9%,nosúltimos25anos,transformouaChinana
locomotivaindustrial domundo.Nos últimos 40anos,aeconomiachinesa
multiplicouseuPIBem quase34vezes,passando de66bilhões dedólares,
em 1965, para 2,23 trilhões, em 2005, tornando-se, assim, a quarta maior
economia do planeta1. Este desempenho econômico foi responsável

*

Professor do Departamento de Geociências da UFSC e doutor pela USP (O
comércio de múltiplas filiais no sul do Brasil, 2002).
1
Os dados são do FMI e do Banco Mundial. Por outro lado, economistas
americanos acreditam que a economia chinesa corresponda a 2/3 da norteamericana e acusam as autoridades da China de subestimarem as taxas de
crescimento, de não contabilizarem a gigantesca economia informal e ainda
continuarem mantendo o valor do yuan desvalorizado e atrelado a também
desvalorizada moeda americana.

124 -- INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA

pelaascensãodemais de300milhões decidadãos aomercado consumidor
interno ea um rápido processode urbanização, que em 2005 representava
cerca de 550 milhões de citadinos e que segundo projeção do China
Statistical Yearbook representará mais de 600 milhões de habitantes
vivendo em cidades chinesas no ano de 2010, conforme Gráfico 1. Em
outras palavras,em cinco anos aChina urbanizará o equivalentea mais de
três Grande São Paulo.
Gráfico 1 - Urbanização Acelerada
1000

(em milhões)

800
600
400
200
0
1950 1955 1960 1965 1970 1975 1980 1985 1990 1995 2005 2010
Urbana Rural

Fonte: Conselho Nacional Brasil-China
Na verdade, esta transformação recente, promovida pelo PCCh,
a partir da Revolução Cultural, tem o intuito de resgatar o espaço
perdido pela civilização chinesa diante da expansão territorial do
capitalismo industrial europeu, que buscou anexar na forma de colônias
e semi-colônias várias regiões do mundo. Ora, a China participava em
1820 com 33% do PIB mundial. Com a brutal exploração externa, a
civilização camponesa foi esquartejada territorialmente e humilhada
economicamente e militarmente (MAMIGONIAN, no prelo), durante
o século XIX e a primeira metade do século XX.Apartir de então sua
fatia do PIB mundial despencou para 5% em 1950, iniciando, a partir
desta década, sua recuperação com a vitoriosa revolução liderada por
Mao Tsetung, em 1949, alcançando em 2001 o percentual de 12%. A
projeção para 2020 é a de produzir 20% da riqueza mundial, conforme
Gráfico 2.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian-- 125
G rá fico 2 ­ P a rtic ipa ç ão da C h ina n o P IB m u nd ial
(% )
35
30
25
20
15
10
5
0
1 82 0

1 8 70

1 91 3

1 95 0

19 73

2 00 1

20 20

Fonte: Madison, CEPI
No contexto interno constata-se (ainda) a participação cada vez
menor do Estado e de empresas coletivas na produção industrial chinesa,
uma vez que, em 1985, controlavam mais de 95% da riqueza produzida
pela indústria e em 2001 reduziram sua participação para cerca de 37%.
Ao mesmo tempo, observa-se claramente no Gráfico 3 a extraordinária
e crescente participação do setor privado nacional e estrangeiro que
passaram dos minguados 5% da produção industrial para cerca de 63%
num espaço de tempo de 16 anos.Aleitura superficial destes dados leva
a mídia e intelectuais ingênuos ou mal intencionados a concluir que o
capitalismo impera nas relações sociais de produção na China, mas se
se fizer uma reflexão mais cuidadosa do que está ocorrendo diante das
leis econômicas vigentes, ver-se-á que elas são fortemente reguladas
pelo Partido Comunista Chinês. Só assim a China poderá resgatar o
respeito das nações mais poderosas do planeta.
G r áfic o 3 - D im inu iç ão d o P a p el do E sta do
(p a rtic ipa çã o n a p ro du çã o in du s tr ial)
1 98 5
1 99 3
1 99 7
2 00 1
0%

2 0%
E sta ta l

4 0%
C o le ti v a

6 0%
P r iv a d o

8 0%

1 0 0%

O u tr o s , IE D

Fonte: Conselho Empresarial Brasil-China
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

126 -- INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA

Vale a pena acrescentar, neste quadro de transformações sem
precedentes na história econômica do mundo moderno, coordenado
por um planejamento central rigoroso, o incrível processo de inserção
da economia chinesa na economia internacional, como nos revela o
Gráfico 4. É importante considerar que, apesar da prolongada crise
econômica vivida pela economia mundial, desde a "crise do petróleo
de 1973", diferentemente das crises anteriores do capitalismo, as
relações comerciais entre os vários países do mundo, ao invés de se
retraírem, cresceram fortemente, muito acima do crescimento dos seus
respectivos PIBs. Neste sentido, o referido gráfico revela que no
período de 1977-2004 o comércio mundial multiplicou sua intensidade
em quase 10 vezes, mas o comércio chinês, neste mesmo período foi
muito mais veloz, multiplicando por quase 80 vezes seu volume de
exportações e importações.
Gráfico 4 ­ Comércio Mundial e Chinês: 1977-2004

Fonte: Nicholas Landy, Institute for International Economia.
Organizado pelo Conselho Nacional Brasil-China
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 127

Assinala-se, por outro lado que, além da referida expansão do
setor privado na economia chinesa, ocorerrem incremento sem
precedentes dos investimentos do setor público em infra-estrutura,
sobretudo no interior ­ em direção ao oeste, onde os problemas
sociais e econômicos são muito mais agudos. Os investimentos
somaram cerca de 900 bilhões de dólares em 2006, captados
internamente em moeda nacional, basicamente com financiamento
público, decorrente do gigantesco superávit no seu balanço de
pagamentos, que inclusive proporcionou a acumulação da maior
reserva cambial do mundo, com cerca de um trilhão de dólares.
Assim, mais da metade da alocação destes investimentos estão sendo
direcionados para o interior do país com o objetivo de minimizar as
desigualdades regionais. O Gráfico n° 5 mostra o crescente volume
dos investimentos em ativos fixos onde o Estado e as empresas
estatais de setores estratégicos são os principais responsáveis pelo
montante dos recursos. Para comprovar tal afirmação basta lembrar
que as três maiores obras de infra-estrutura em andamento no mundo
ocorrem em território chinês: a construção da Usina Hidrelétrica de
Três Gargantas, que será a maior do mundo; a construção da ferrovia
Qinghai-Tibet, com mais de 80% de seus 1.125 km de extensão em
altitudes superiores a 4.000 metros; e a do gasoduto de 4.200 km
entre Xinjiang e Xangai, além de dezenas de outras grandes obras,
conforme demonstrou E. Jabbour (2006) em seu livro " China: Infraestrutura e crescimento econômico".
Gráfico 5 ­ Investimentos em ativos fixos (US$ Bilhões)

Fonte: China StatisticalYearbook. Organização: ConselhoNacional Brasil-China
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

128 -- INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA

A partir desta nova realidade vivida pela sociedade chinesa,
formou-se o terceiro maior mercado de consumo do mundo, que
alcançou, em 2006, o faturamento de 979,62 bilhões de dólares. A
China vem registrando nas últimas décadas uma média de
crescimento de 15% ao ano em vendas no comércio varejista.
Rapidamente, nesse período, o velho varejo vem sendo posto à prova
diante do crescente investimento implementado por grandes redes
de lojas modernas de iniciativa estatal, privada nacional e privada
estrangeira através do processo de fusões e aquisições e de novas
plantas modernas. O caso do desempenho do setor supermercadista
é didaticamente emblemático, pois, entre os anos de 1994 e 2003,
em termos de número de lojas, a taxa de crescimento médio foi de
quase 50% ao ano e no que se refere ao faturamento, a taxa média
atingiu a incrível marca de 93% ao ano, conforme revela a Tabela 1.
Tabela 1 - Desenvolvimento do setor supermercadista na China.

Ano
1994
1995
1996
1997
1998
1999
2000
2001
2002
2003

Lojas
Número de
Lojas
2500
6000
10000
15000
21000
26000
32000
40500
53100
74000

Taxa de
Crescimento (%)
140
66.7
50
40
23.8
23.1
26.6
31.1
39.4

Vendas
Total de Vendas
(Bilhões de
dólares)
0.4
1.0
3.6
5.1
12.0
18.1
26.5
37.1
55.2
71.2

Taxa de
Crescimento (%)
167
275
40
138
50
47
40
49
29

Fonte:http://www.wpi.edu/Academics/Research/Sloan/China/
supermarket-development- slides.pdf. Acessado em 08/03/2007
Via de regra, na literatura especializada do ocidente sobre
o varejo, enfatiza-se a expansão das grandes redes americana,
européia e do sudeste asiático no mercado chinês, não dando o
merecido destaque a mais do que agressiva expansão das redes
locais. No Panorama de 2007, publicado em dezembro de 2006
pela Revista SuperHiper, da Associação Brasileira de
Supermercados, o setor varejista da China mereceu apenas dois
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 129

pequenos parágrafos na página 182, referindo-se à expansão das
grandes redes estrangeiras nesse país. Não resta dúvida que esta
expansão vem ocorrendo com grande intensidade nos últimos
anos, pois basta verificar as estratégias de expansão territorial e
de mercado das principais cadeias que se observa nitidamente o
interesse, cada vez maior, em estabelecer filiais no apetitoso e
crescente mercado de consumo interno da China. Assim, podese inferir que a fantasiosa idéia de que as empresas estrangeiras
dirigem-se para China em busca de mão-de-obra barata não se
sustenta, pois estas empresas procuram, na verdade, a capacidade
de consumo do mercado interno, que, aliás, vive uma conjuntura
fortemente expansionista, como os dados apresentados
demonstram com singular nitidez.
Assim, desenvolve-se a seguir algumas considerações
acerca da forte expansão das redes chinesas em seu mercado
doméstico e, em seguida, verifica-se as principais causas da
penetração das grandes cadeias mundiais no mais promissor
mercado de consumo do mundo.
1. A forte arrancada das redes comerciais chinesas
O comércio varejista na China encontra-se fortemente
fragmentado, pois as 100 maiores empresas do setor detem apenas
10,5% do seu faturamento, que alcançou, em 2005, o montante de
755 bilhões de dólares. A partir do acordo firmado em 2001, para
admissão na Organização Mundial do Comércio (OMC), o mercado
consumidor chinês foi sendo cobiçado mais e mais pelas maiores
redes comerciais do mundo. Os estudos especializados do setor
varejista afirmam que das 50 maiores cadeias comerciais do mundo
todas têm investimentos programados para China. Em 2005, cerca
de 1027 lojas de redes estrangeiras foram estabelecidas na China,
esse número representa a soma de todas as lojas inauguradas nos
últimos 12 anos. Isto se deve a desregulamentação do comércio
varejista ocorrido em 2004, como havia sido acordado com a OMC
no ano de 2001. Contudo, observando na Tabela 2, as principais
empresas do varejo que operam no mercado chinês, constata-se a
preponderância de empresas chinesas, estatais e privadas, na
liderança do mercado consumidor, sendo que, nas primeiras
colocações, estão aquelas de propriedade do Estado Chinês, com
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

130 -- INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA

exceção do Carrefour.As empresas que se destacam em seguida são de
propriedade privada chinesa ou dos países do sudeste asiático.
Tabela 2 - Principais redes de lojas que operam no mercado
chinês
Empresas

Propriedade

Lianhua

Estatal

Receita2004 Lojas Lojas
(Million 2004 2005
RMB)
30.881 3.123 3.377

Gome Electrical
Hualian

China
Estatal

23.700
21.518

227 425
1.693 X

Carrefour
Beijing Hualian
Suguo
Nonggongshang

França
Estatal
China
Estatal

16.241
16.000
13.880
13.703

62
72
70 X
1.345 X
1.232 X

Beijing Wumei
Trust Mart
Huarun Wanjia
RT-Mart
Xinyijia
Wal-Mart
Parkson
Lotus
Hymall/Tesco
Metro

China
13.277
Taiwan
12.000
China
11.014
Taiwan
9.500
China
8.500
EUA
7.635
Hong Kong 7.400
Tailândia
7.394
RU/Taiwan 7.000
Alemanha
6.459

608
88
476
40
58
43
30
41
31
23

X
90
X
X
X
47
X
49
39
29

Tipos de lojas

Localização

Super/hipermercado
Nacional
Conveniência
Eletro-eletrônico
Nacional
Super/hipermercado
Nacional
Conveniência
Hipermercado
Nacional
Hipermercado
Norte China
Supermercado/Conven Jiangsu/Shandong
Super/hipermercado
Leste China
Conveniência
Supermercado/Conven
Beijing/Hebei
Hipermercado
Nacional
Departamento
Hipermecado
Nacional
Departamento
Hipermercado
Nacional
Departamento
Nacional
Hipermercado
Nacional
Hipermercado
Nacional
Hipermecado
Nacional

Fonte: sda.gov/gainfiles/200603/146187234.pdf

Embora não apareça na Tabela n° 2, o Grupo Shanghai Bailian
que se formou da fusão das redes estatais Shanghai Yibai, Co. Hulian,
Shanghai Friendship Group e da Materiais Shanghai Co., em 2003,
apresentou faturamento de 72,1 bilhões de Remembi (RMB) (8,9
bilhões de dólares) em 2006. Operando, atualmente, com uma rede
de mais de 6.000 lojas, distribuídas pelo território nacional chinês, o
Grupo Bailian atua com os seguintes formatos de lojas:
supermercados, hipermercados, conveniência, lojas de departamento
e de material de construção. Nos últimos anos, além dos maciços
investimentos na expansão física da rede, os setores de logística e
de tecnologia da informação mereceram, por parte dos seus
administradores, destacada atenção. Tais estratégias marcam o novo
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 131

momento vivido pela estrutura comercial da China, pois as redes locais
são forçadas a se confrontarem com as grandes e modernas cadeias
mundiais, como a francesa Carrefour, a americana Wal-Mart e outras
iniciativas dos países vizinhos do sudeste asiático.
Um exemplo que demonstra também a magnitude dos dados
apresentados anteriormente é o caso da Lianhua Supermercados
Holdinhg Co. Ltda, que tem participação direta do poder público e
de empresas estatais e privadas nacionais e estrangeiras, como a
japonesa Mitshubishi. Operando nos segmentos de supermercados,
hipermercados e lojas de conveniência, tem suas lojas concentradas
no leste, sobretudo na região do delta do Yangtse do território
chinês, onde está localizada a cidade de Shangai, conforme revela
a Figura 1. A rede de lojas Lianhua multiplicou por 3,8 vezes o
número de lojas entre 2000 e 2005 (de 943 para 3609). Embora
não operasse no segmento de hipermercado no início desta década,
em junho de 2006 já controlava 101 dessas filiais (Figura 1). Quanto
ao faturamento, o resultado foi mais significativo, pois, entre os
anos 2000 e 2005, suas vendas brutas saltaram de cerca de
RMB1.784,5 milhões para RMB14.313 milhões, conforme Gráfico
6. Isto significou que nesse período suas vendas cresceram em
mais 800%, conforme os Relatórios Anuais da Holding Lianhua.
Figura 1 - Distribuição das Filiais da Rede Lianhua no
Território Chinês

Fonte:RelatórioHoldingLianhua - 2005(DigitalizadoeAdaptadoporGabrielLima)
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

132 -- INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA

Gráfico 6 - Faturamento anual Supermercados Lianhua
(RMB em Milhões)

20.000
14.313

15.00
9.282

10.000
5.000

3.516

4.518

2000

2001

10.855

5.821

0
2002

2003

2004

2005

Faturamento anual

Fonte: Relatórios Anuais da Holding Lianhua
Com relação aos investimentos privados no setor varejista cabe
ressaltar que apesar da agressividade das redes estrangeiras no mercado
chinês, são as redes domésticas que apresentam maior agressividade.
Segundo Don Lee, jornalista do LosAngeles Time, em sua reportagem
"os discretos bilionáriosda China", publicadatambém nojornal O Estado
de São Paulo (p. 20 de 07/06/2006), a Gome ElectricalAppliance nasceu
da iniciativa de um camponês pobre nascido nas proximidades da cidade
de Shantou, localizada na Província de Guangdong.Aos 16 anos, Huang
Guangyu(principalacionista)partiu,juntocomseuirmãomaisvelho,numa
aventura pela província chinesa da Mongólia Interior, vendendo rádios e
produtos elétricos.Após alguns meses, noanode 1986,os irmãos chegam
a Pequim, onde com apenas 100 dólares conseguem alugar uma pequena
loja perto da Praça de Tiananmen. Dez anos depois, Guangyu havia
construído uma rede com 120 lojas de eletro-eletrônicos,quando então as
dividiu em duas, separando as 90 mais rentáveis, lançando suas ações na
bolsa devalores de Hong Kong,onde amealhou US$ 400milhões e mais
US$ 150 milhões de uma empresa de investimento, a Warburg Pincus.
Vivendo modestamente num pequeno apartamento de três quartos com
sua família, o acionista principal da Gome Electrical, o empresário mais
rico da China, administra uma rede com mais de 550 lojas, que ocupam
uma área de 2,52 milhões de m², distribuídas por 178 cidades (Figura 1) e
empregando mais de 100 mil trabalhadores até o primeiro semestre de
2006. Neste ano seu faturamento somou 12,1 bilhões de RMB e os
Gráficos 7 e 8 mostram o dinamismo de suas redes de lojas tradicionais.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 133

Gráfico 7 - Número de lojas da Gome Electrical
(Listco e Parent Group)
600
500
400
300
200
100
0

551
435

200
103

43

61

2001

2002

2003

2004

2005

2006/1

Númerodelojas

Fonte: Relatórios Anuais da Gome Electrical
Gráfico 8 - Crescimento na área de vendas da Gome Electrical
(m2) - Listco
1.300.000

1.500.000

1.050.000
1.000.000
500.000

100.000 180.000

250.000

420.000

0
2001

2002

2003

2004

2005

2006/1

Área total (m2)

Fonte: Relatórios Anuais da Gome Electrical
A rede de lojas varejista Suguo é outro caso de dinamismo de
cadeias de lojas na China, pois num período de oito anos saltou de 13
lojas de supermercados e conveniência, em 1997, para 1583 lojas em
2005, conforme o Gráfico 9. Dessas lojas, mais de 400 estão localizadas
em Nanjing e empregam 50.000 trabalhadores, obtendo em suas vendas
em 2005 o faturamento equivalente a RMB18,12 bilhões, ou seja, 41
vezes maior que o registrado em 1997, conforme o Gráfico 10. Desde
sua origem, em 1996, uma de suas grandes estratégias foi a de estabelecer
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

134 -- INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA

filiaisnomeiorural,aproveitandoagigantescapopulaçãode900milhõesde
habitantes que vivem no campo e a ampliação da renda per capita dos
proprietários e trabalhadores do meio rural, que, aliás, cresceu muito nas
últimas décadas, conforme se observa no Gráfico 11. A origem da rede
esteveligadaàatividadeagrícola,poissetornouoprimeirointermediárioem
grande escalade produtos oriundos domeio rural para em seguida formar
suas cadeias de lojas e de franquias nos formatos de supermercado e
conveniência.EsteexemplodespertouointeressedoMinistériodaAgricultura
daChina, querealizouum esforço para,através de um Projetode Lei, criar
um sistema moderno de distribuição na área rural. Beneficiando cerca de
100milhõesdepessoas,oprojetojácontacom1150lojasem770condados
e municipalidades que empregam cerca de 350 mil pessoas, investindo o
montante de RMB 7 bilhões até maio de 2006. Nas lojas localizadas em
pequenas cidades o Estado chinês oferece um subsídio de 3.000 yuan e
para as vilas 4.000 yuan, mas aquelas que estão localizadas nas regiões
centrais ouocidentais podem ter mais um acréscimo de 1.000 yuan.Todo
esse esforço empreendido pelo poder público visa: 1) satisfazer com
segurança a crescente demanda do meio rural, 2) empurrar para frente a
industrialização daagricultura,3)capacitaros pretendentes aonegócioe4)
monitorar, inspecionare revisar as iniciativas eleitas e o projetocomo um
todo (MOFCON, 2007).

Gráfico 9 - Número de lojas
(Supermercados Suguo)
2000
1500
1000
500

13

80

201

416

663

931

1162

1345 1503

0
1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005

Fonte: Relatório Anual do Supermercado
Suguo (2005)
Número de lojas

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 135

Gráfico 10 - Faturamento Supermercado Suguo
(RMB em Milhões)
181

200
150

139

100
50
0

4

10

25

41

53

71

96

1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005
Faturamento

Fonte: Relatório Anual do Supermercado Suguo (2005)
Gráfico 11 - Renda per capita anual de moradias
urbanas e rurais (RMB em Milhões)
10000
8000
6000

Rurais

4000

Urbanos

2000
0

1980

1985

1990

1995

2000

2003

Fonte: Conselho Nacional Brasil-China
Uma outraestratégiamuito disseminada do sistema de distribuição
varejista da China é a utilização por empresários de canais e redes de
vendas próprias, em virtude das dificuldades logísticas decorrentes de
uma estrutura comercial muito fragmentada. A fabricante de
microcomputadores Legend, por exemplo, constituiu uma rede com
mais de quatro mil distribuidores e mil lojas Legend one-one com o
objetivo de se aproximar mais dos consumidores chineses.
Assim, a partir destes resultados empíricos das cadeias de
lojas e da economia chinesa em geral, evidencia-se o caráter
modernizador e de extremo dinamismo das redes de lojas chinesas.
Tal dinamismo, é importante ressaltar, foi coordenado, incentivado
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

136 -- INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA

e, em grande parte, subsidiado financeiramente e gerencialmente pelas
políticas públicas implementadas pelas diversas esferas do governo
chinês. Contudo, cabe assinalar que tais apoios governamentais não
obscurecem a capacidade empresarial dos novos empreendedores
do comércio varejista da China. Pelo contrário, o que o governo
chinês está interessado em explorar ao máximo é a capacidade
empreendedora do novo empresário chinês, oferecendo a
possibilidade de enfrentar as grandes redes mundiais no mercado
doméstico e ao mesmo tempo preparando-as para no futuro concorrer
em outros mercados. O caso Alex Wu é outro exemplo que sintetiza
a capacidade empreendedora do novo empresário chinês, ao construir
o maior shopping center do mundo com 603 mil m² de área, com
mais de 2100 lojas, sendo 11 âncoras. O South China Mall em sua
primeira fase terá investimento de US$ 1 bilhão e reproduzirá sete
"zonas" - cidades, regiões ou países do mundo - para que o
consumidor tenha a sensação de estar passeando por esses locais.
2. As cadeias varejistas estrangeiras na China
A prolongada crise econômica, iniciada em meados dos anos
70, nitidamente percebida nas sucessivas taxas de reduzido
crescimento da economia mundial e principalmente aquelas taxas
das economias pertencentes ao centro do sistema capitalista, acabou
por saturar os mercados consumidores com suas densas redes de
múltiplas filiais (RANGEL, 1990). Tal cenário depressivo provocou
ao mesmo tempo um forte processo de canibalismo entre as grandes
redes e principalmente sobre as redes regionais menores. Para
compensar a conjuntura interna pouco estimulante, as redes
comerciais mais dinâmicas vão promover estratégias de expansão
de suas filiais para além de suas fronteiras nacionais. O alvo
principal escolhido nos últimos anos pelos grandes capitais
comerciais foram as nações consideradas emergentes e dezenas de
outros países menores. Na China, em particular, o interesse maior
ocorreu a partir da segunda metade dos anos 90 e principalmente
nos últimos dois anos, conforme comentado anteriormente.
Os planos anunciados são muito audaciosos, como é o caso
da americana Wal-Mart que anuncia abrir cerca de 50 supercenters
nos próximos cinco anos. Maior varejista do mundo, assinou
recentemente contrato de compra de 100 lojas da rede chinesa TrustMart e têm planos de abrir, no presente ano, 20 novas lojas. Sem
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 137

contar que se tornou a maior compradora estadunidense de produtos
fabricados na China, ou seja, entre 10% e 13% de tudo que é
comprado pelos EUA, e mais, 80% das seis mil fábricas
fornecedoras da Wal-Mart estão localizadas neste país. A partir
desses dados desenvolveu-se na mídia norte-americana uma
campanha em que a rede Wal-Mart é acusada de ser predadora de
empregos e empresas dos EUA.
No plano internacional, a política imperialista foi a de
promover a abertura comercial, a desregulamentação financeira e
o enfraquecimento dos Estados nacionais periféricos. Neste
contexto, as grandes redes do varejo trataram de promover a
expansão principalmente para os mercados dos chamados países
com grande potencial de expansão do consumo, como são os casos
do Brasil, Rússia, México, Argentina e Índia. Na China, onde as
decisões são milimetricamente planejadas pelo poder central, a
expansão das grandes redes de lojas mundiais se deve, além das
razões já referidas, a outras de ordem estratégicas. O grande
mercado consumidor em acelerado crescimento, o avanço das redes
chinesas, a busca por fornecedores chineses para a ampliação de
suas margens de lucro nas lojas localizadas em seus países de
origem são apontadas como as principais causas da expansão das
grandes redes estrangeiras no mercado chinês.
É importante lembrar que além das razões acima apontadas
talvez a motivação mais importante se deva a questão tecnológica,
pois se sabe conforme Mamigonian (1982), citando Marx, que o
desenvolvimento tecnológico resulta do "casamento da fertilidade
da ciência e do dinamismo industrial". Quanto ao desenvolvimento
científico, pela velocidade das informações no mundo de hoje, as
invenções tornam-se rapidamente universais, isto é, ficam à
disposição para serem absorvidas pelas empresas mais capazes. Já
o dinamismo industrial resulta de fatores nacionais como políticas
públicas fomentadoras de investimentos na produção de artigos
manufaturados, amadurecimento de inovações tecnológicas
revolucionárias capazes de justificar, em termos de custo-benefício,
a substituição radical do parque produtivo instalado ou ainda o
engendramento de metástases econômico-sociais em países cujo parque
produtivo encontra-se parcialmente estruturado, mas com condições
objetivas de se projetar como potência tecnológica. No ano de 2004,
a China investiu cerca de US$ 60 bilhões em pesquisa e
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

138 -- INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA

desenvolvimento industrial, quase cinco vezes menos que os EUA,
embora este país tenha quase o dobro de pesquisadores em relação à
China, ou seja, 1,3 milhões contra 743 mil, respectivamente (HSM
MANAGEMENT, 2005).
3. Considerações Finais
Na presente conjuntura internacional, é a China que vem
reunindo essas capacidades para se tornar o principal palco da
terceira revolução industrial. Deste fato parte a principal razão
pela qual as grandes redes do varejo mundial se estabelecem na
China, pois os investimentos em tecnologia de informação e
logística tornam-se cada vez mais necessários diante dos
gigantescos desafios a serem enfrentados pela sociedade chinesa.
As vantagens comparativas da China são muito evidentes, como
a dimensão da população e do território e, principalmente, o
empenho para vencer o atraso econômico de boa parte da nação
colocando a China como a mais séria candidata a tornar-se a maior
potência tecnológica do século XXI.
É importante acrescentar, por outro lado, que qualquer
grande empresa comercial que tem como objetivo tornar-se
"global", isto é, líder mundial nos setores varejista ou atacadista,
passa sem sombra de dúvida pela capacidade de estar presente
competitivamente na disputa pelo abastecimento do sólido e
promissor mercado consumidor chinês. Por isso mesmo, as
grandes redes de lojas dos EUA, da Europa e dos principais
países vizinhos do sudeste asiático já estão presentes, ou estão
planejando investir na China.
A revolução no comércio varejista na China, como se pode
constatar, vem ocorrendo com grande velocidade e é nele que estão
se desenvolvendo as pré-condições necessárias e suficientes para
desencadear a emersão do novo paradigma tecnológico ligado à
informática e a robotização.
Referências Bibliográficas
China e poder público. Disponível em www.mofcom.gov.cn.Acesso

em 08 mar 2007.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Elias JabbourArmen Mamigonian -- 139

Conselho Nacional Brasil ­China. Disponível em http://
www.cebc.org.br/. Acesso em 26 fev 2007.
Desenvolvimento do setor supermercadista na China. Disponível em
Fonte: http://www.wpi.edu/Academics/Research/Sloan/China/
supermarket development-slides.pdf. Acesso em 08 mar 2007.
HSM Management, nº. 53, ano 9, vol. 6, novembro e dezembro
de 2005.
JA BBOUR, Elias. China: infra-estrutura e crescimento

econômico. São Paulo: Editora Anita Garibaldi, 2006.
______. China: desenvolvimento e socialismo de mercado.
Florianópolis: Departamento de Geociências, Cadernos
Geográficos nº 14, maio 2006. 86p.
MAMIGONIAN, A. A China e o Marxismo: Li Dazhao, Mao e
Deng. (no Prelo).
______. Tecnologia e desenvolvimento desigual no centro do
sistema capitalista. In: Revista de Ciências Humanas, nº 2,
Editora UFSC, 1982.
______. China: coleção viagem pela Geografia. São Paulo:
Editora Ática, 1986.
MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política. São
Paulo: Abril Cultural, 1983.
OLIVEIRA PORTO, Amaury. Formação de uma economia
regional no leste asiático. Florianópolis: Departamento de
Geociências, Cadernos Geográficos nº 13, maio de 2006. 42p.
RANGEL, Ignacio. Obras Reunidas. Rio de Janeiro:
Contraponto, 2005. 2v.
__________. O Quarto Ciclo de Kondratiev. In: Revista de
Economia Política. São Paulo, v. 10, n. 04, outubrodezembro de 1990.
RelatóriosAnuais Gome Electrical. Disponível em http://
www.gome.com.hk/eng/.Acesso em 05 mar 2007.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

140--

INTRODUÇÃO AO COMÉRCIO VAREJISTA NA CHINA

RelatóriosAnuais Holding Lianhua. Disponível em http://
www.lhok.com.cn/index.jsp. Acesso em 03 mar 2007.
Relatórios Anuais Supermercado Suguo. Disponível em http://
www.suguo.com.cn/. Acesso em 27 fev 2007.
Redes que operam no mercado chinês. Disponível em Fonte:
www.fas.usda.gov/gainfiles/200603/146187234.pdf. Acesso em
07 mar 2007.
SUPERHIPER, Revista. Panorama 2007. São Paulo:
Associação Brasileira de Supermercados, vol 1, 2007.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição Revisada n.1 - 349 p. - Julho 2008

BRASILECHINANOSFLUXOSGLOBAISDEINVESTIMENTO
DIRETO EXTERNO
Luciana Acioly da Silva
Resumo:Análise comparativa das inserções brasileira e chinesa
nos fluxos mundiais de investimento externo direto.
Palavras-chave: Brasil; China; Investimento Estrangeiro.
Brazil and China on the global flow of foreign direct investment.
Abstract: Comparative analysis of Brazil and China's engagement
on the global flow of foreign direct investment.
Keywords: Brazil; China; foreign investment.
I - Introdução
As duas últimas décadas mostraram mudanças profundas
na visão e na prática do desenvolvimento econômico. Frente à crise
da dívida e do desenvolvimento nos anos 80, a nova concepção
política ­ a new policy approach ­ procurou liberar as empresas
da intervenção do Estado, defendendo a proeminência das forças
de mercado como veículo de aumento do bem-estar das nações.
Nessa perspectiva, a retomada do crescimento dos fluxos
globais IDE pós-recessão de 1981-1982 gerou uma série de
expectativas positivas por parte de analistas e governos com relação
ao papel que o investimento direto externo (IDE) exerceria na
integração econômica mundial e na competitividade dos países e
regiões, tanto de destino quanto de origem desses investimentos.
Este papel relevante seria devido às relações existentes entre
investimento, comércio, tecnologia e fluxos financeiros. O aumento
do IDE num ritmo maior que o do produto e das exportações mundiais
levaria a uma forte contribuição dos recursos externos na formação
bruta de capital fixo das economias, e a um aumento da presença
Doutora em economia pela UNICAMP (Brasil, China e Índia: o investimento
direto externo nos anos 90) e pesquisadora do IPEA (Brasília/DF).


142 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

das corporações multinacionais nessas economias promovendo uma
mais eficiente produção e distribuição de mercadorias e serviços
vis-à-vis as empresas isoladas produzindo num único mercado.
As corporações transnacionais (TNCs) possuiriam, nessa
visão, "recursos de eficiência" derivados de uma série de vantagens,
que contribuiriam positivamente para a performance econômica
dos países, desde que fossem retiradas todas as barreiras relativas
às transações internacionais, incluindo aí a liberalização dos fluxos
de IDE, comércio e tecnologia. A maior abertura à entrada das
TNCs lhes possibilitaria, então, o exercício de um duplo papel: de
um lado, sua maior presença levaria ao aumento da pressão
competitiva no mercado doméstico, desestabilizaria as firmas
ineficientes e aumentaria a eficiência da produção interna e a
competitividade dessa economia. Por outro lado, essas empresas
facilitariam o acesso da economia em questão, a recursos e
mercados externos, melhorando a performance de suas exportações.
Essa agenda dos "novos tempos" foi internalizada com
entusiasmo na América Latina, e com o sucesso do Plano Brady
iniciou-se um processo de abertura das economias latinoamericanas ao capital estrangeiro já no final dos anos 80. Assim,
frente à explosão dos investimentos diretos nas economias
avançadas em meados dos 80 e depois de uma década de escassez
de financiamento externo, os países latino-americanos passaram
a adotar políticas de reformas estruturais no sentido de eliminar
barreiras e garantir os "benefícios" advindos de uma mais ampla
inserção nos fluxos de investimentos internacionais. Nesses
países, o IDE, além de colaborar para a reestruturação industrial,
fornecendo recursos tecnológicos para a modernização
organizacional e produtiva garantindo acesso a canais de
comércio, teria ainda uma outra função: contribuir com aportes
de recursos externos para a estabilização monetária de países com
processos inflacionários crônicos.
Depois de mais de uma década de experiências de abertura,
reformas e implementação de políticas agressivas de atração de
IDE por parte dos países em desenvolvimento, a frustração das
expectativas com relação ao papel "virtuoso" desses fluxos parece
evidente, principalmente quando se observa o desempenho da
maioria desses países. Após alguns sinais de sucesso inicial, os
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 143

constrangimentos estruturais já conhecidos reapareceram: baixo
nível de formação de capital e de progresso tecnológico nos setores
mais dinâmicos, aumento das importações e desempenho
exportador insatisfatório, aumento do desemprego e da exclusão
social, sem mencionar as crises especulativas avassaladoras de que
foram alvo boa parte dessas economias.
Analisando as principais características dos fluxos globais
de IDE nos últimos 20 anos, podem-se observar mudanças
importantes em sua natureza e direção, de modo que o novo "ciclo
de investimentos" surgido nos anos 1980 não poderia cumprir, por
si só, os papéis a ele atribuído. Entre o imediato pós-guerra e o início
dos anos 80, a tendência do IDE tinha sido o de expandir o
investimento através da instalação de novas plantas, sobretudo na
indústria manufatureira, com uma distribuição geográfica mais
abrangente.Apartir dos oitenta, no entanto, o dinamismo apresentado
pelos fluxos globais de IDE foi caracterizado por um crescimento
sem paralelo das operações de fusões e aquisições transfronteiras ­
acompanhado da expansão do investimento de portfólio e da
formação de "megacorporações" ­, por sua preferência pelo setor
de serviços e por uma distribuição espacial mais concentradora.
Em que pese essas tendências mais gerais, a inserção dos países
em desenvolvimento nesses fluxos foi bastante diferenciada, de modo
que alguns deles conseguiram se beneficiar dessa nova onda de
investimentos. Este foi particularmente o caso da China. Grande líder
na atração de investimentos diretos desde os anos 90, este país vem
recebendo altos volumes de investimentos novos (greenfield
investment) dirigidos grandemente à indústria de transformação e, cada
vez mais para as atividades de maior valor agregado. Além disso, seu
desempenho tem sido notável, em termos de taxa de crescimento
econômico, ritmo das exportações, aumento da participação da
produção industrial no PIB e acumulação de reservas.
O Brasil também ocupou nesse período um lugar de
destaque nos investimentos globais, ocupando o segundo lugar
entre os países em desenvolvimento que mais receberam IDE. No
entanto, sua inserção nesses fluxos seguiu as tendências mais gerais,
tendo as fusões e aquisições um grande peso nos investimentos
recebidos, dirigidas ao setor de serviços não-comercializáveis, com
a indústria sofrendo uma retração em sua posição histórica como
destino de novos projetos das empresas transnacionais. Apesar de
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

144 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

ter promovido políticas mais amplas e rápidas de abertura de sua
economia, o desempenho do país, particularmente nos anos 90,
foi de baixo crescimento do PIB, inserção no comércio internacional
insatisfatória e de envolvimento em duas crises cambiais.
O objetivo deste artigo é traçar uma comparação entre as
inserções do Brasil e da China nos fluxos globais de IDE, discutindo
em que medida os fatores internos ligados aos processos de abertura
dessas economias ao capital estrangeiro as inseriu de modo
diferenciado na globalização. Após esta introdução, o próximo item
apresentará as principais tendências dos fluxos globais de IDE, em
termos de sua composição, direção setorial e distribuição geográfica;
o terceiro ponto fará uma comparação entre o Brasil e a China quanto
às configurações assumidas pelo IDE em suas economias e às
principais políticas adotadas para receber esses investimentos; o
quarto item dedica-se às considerações finais do trabalho.
II - Tendências dos Fluxos Globais de Investimento Direto Externo
Superada a recessão mundial de 1981-1982, os fluxos globais
de IDE cresceram a uma taxa de aproximadamente 29% ao ano, entre
1983-1989, superando em mais de três vezes o ritmo de crescimento
das exportações mundiais e em cerca de quatro vezes a taxa de
crescimento do Produto Mundial. Em termos brutos, o crescimento
do IDE foi mais concentrado na segunda metade da década, quando
os fluxos de IDE saltaram de US$ 53,7 bilhões em 1985 para US$
196 bilhões em 1989 (tabela 1) e esteve basicamente circunscrito às
economias avançadas e a alguns poucos países em desenvolvimento.
Os investimentos diretos realizados ao longo dos anos 1990
também apresentaram performance semelhante: saltaram de
aproximadamente US$ 243 bilhões em 1990 para cerca de US$ 1,2
trilhão em 2000, porém englobando um número maior de países em
desenvolvimento. A taxa de crescimento do IDE nessa década foi um
pouco menor que a dos anos 1980, devido à desaceleração nos planos
de expansão das grandes empresas frente ao menor ritmo de crescimento
da economia mundial verificado entre 1991-1992.Porém, considerandose o intervalo 1993-2000, quando os investimentos foram retomados, o
ritmo de crescimento do IDE chegou novamente à casa dos 28,5%.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 145

A partir de 2001, os fluxos globais de IDE desaceleraram
acentuadamente. Depois de terem atingido um nível recorde de
US$ 1,2 trilhão em 2000, os investimentos realizados
contabilizaram em 2001 cerca de US$ 711 bilhões, pouco mais
de US$ 647 bilhões em 2002, e US$ 612 em 2003. Esse quadro
resultou, entre outros fatores, do lento crescimento global,
notadamente das três maiores economias do mundo, as quais
entraram em recessão diminuindo seus planos de investimentos.
TABELA1
Composição dos fluxosglobais do InvestimentoDiretoExterno,1979; 1985-2003
1986

1988

1990

1992

1994

1995

1996

1997

1998

1999

2000

2001

EmUS$bilhões
2002 2003

IDE(realizado)
97,8 177,6 242,5 201,5 287,2 356,6 395,7 476,9 683,2 1.096,6 1.200,8 711,4 647,4 612,2
F&AsTransfronteiras
39,2 115,6 150,5
79,2 127,1 186,6 227,0 304,8 531,6
766,0 1.143,8 593,9 369,8 296,9
F&Asacimade US$ 1bi
49,6
60,9
21,3
50,9
80,4
94,0 129,2 329,7
500,8
865,7 378,0 208,9 141,1
(No. deacordos)
22
33
10
24
36
43
64
86
109
175
113
81 56
Fonte: UNCTAD, World InvestimentoReport 2003e 2004paraoanode2003
Elaboraçãodaautora

Durante esses períodos observa-se que o perfil dos fluxos
globais de IDE apresentou algumas mudanças quando
comparado ao perfil do ciclo de expansão dos investimentos
entre o imediato pós-guerra e o início dos anos 80.
Primeiramente, as fusões e aquisições foram o principal
instrumento de acesso ao mercado externo, tornando-se assim na
modalidade predominante do IDE1. Entre 1987 e 2000, em média 3/4
dos fluxos de IDE dirigiram-se para aquisição de empresas, e só em
2000 essa participação foi de mais de 90%. Entre 2001 e 2003 a
participação das fusões e aquisições no total do IDE recebido caiu
para 64%, devido ao fato de que as corporações sediadas nas principais
economias avançadas reduziram o valor dessas operações para pouco
mais de 1/3 do valor verificado em 2000, incluindo as transações acima
de um bilhão de dólares ­ os mega deals (Gráfico 1).
Do ponto de vista da distribuição geográfica, caracteriza
os fluxos globais de IDE pós-85 a sua tendência à concentração
espacial. Em meados dos anos 80, esses fluxos se realizaram quase
inteiramente entre as economias desenvolvidas, que absorveram,
em média, 78% dos investimentos mundiais contra 22% dos países
1

A participação das F&As no total de IDE deve ser vista apenas como uma
tendência, uma vez que não se podem derivar diretamente os montantes de
F&As dos valores de IDE, dado que os mesmos são mensurados por fontes e
metodologias distintas (ver Quadro 1 no final deste item).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

146 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...
G RÁ FI C O 1
C o m p o s iç ã o d o f lu x o s g l o b a i s d e I D E ( 1 9 8 7 -2 0 0 3 )
1 2 0, 0
1 0 0, 0
Em%

8 0, 0
6 0, 0
4 0, 0
2 0, 0
0, 0
1 98 7

1 9 88

1989

1990

19 9 1

1 99 2

1 9 93

1994
F & A / ID E

19 9 5

1 99 6

F & A* /F &A

1 9 97

1998

1999

20 0 0

2 00 1

2 0 02

2003

F & A */ ID E

N o t a: F & A* = fu sõ e s e a q u is iç õ e s a c im a d e U S $ 1 bilh ã o
F o n t e: U N C T A D , W or ld In v e st im e n to R ep o r t , vá r io s n ú m er o s .
E la b or a ç ã o da au t or a

em desenvolvimento, sendo que em meados de 1970, a participação
das economias avançadas não passou de 69%. Em termos de
investimentos realizados, a participação dos países desenvolvidos
nos investimentos globais foi expressiva: 97%, em média. Na
década de 1990, os países em desenvolvimento experimentaram
um aumento de sua participação, tanto nos fluxos recebidos (cerca
de 30%) quanto realizados (em torno de 12%), sugerindo uma maior
desconcentração espacial do IDE em relação à década anterior,
sem, contudo, chegar aos níveis dos anos 70. A tabela 2 ilustra
esse ponto com a participação dos 10 maiores recebedores de IDE
no investimento global entre 1985-2003.
Por último, outra tendência importante dos fluxos de IDE
pós 1980 foi a sua crescente preferência pelo setor de serviços.
Durante a década de 1950, os investimentos estiveram basicamente
direcionados para uma ampla gama de produtos primários, e
particularmente voltados para a indústria de transformação
(UNCTAD, 1991: 15), mas, o setor de serviços foi tornando-se
destino da maior parte dos investimentos diretos, de modo que, do
estoque mundial de IDE na década de 1970, o setor de serviços
respondia por apenas 1/4; em 1988, por 44%; em 1999 por 51% .
O crescimento dos serviços como destino dos fluxos de IDE refletiu
o amplo direcionamento das operações de fusões e aquisições para
esse setor, particularmente para as finanças, serviços pessoais,
serviços relacionados a negócios, serviços de transportes,
armazenagem e comunicações (Gráfico 2).
Os períodos de grande dinamismo atingidos pelos
investimentos diretos e pelas fusões e aquisições transfronteiras
coincidiram não só com os períodos de relativo crescimento
econômico e de difusão da reestruturação industrial em muitas
economias, como foram condicionados pelas mudanças nos
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva-- 147

mercados de capitais. Estas geraram uma massa global de fundos
emprestáveis, proporcionados pelas inovações financeiras, sem o
que as grandes operações entre empresas não teriam sido possíveis2.
T A BEL A 2
P ar ti c ip a çã o do s 1 0 m a io r es p aís e s n o s f lu x o s m u n d ia is de ID E , 1 9 8 5 , 2 00 0 e 20 0 3 (e m % )
1 98 5

a

b

E s tad o s Un i d os
R e in o Un i d o

3 3 ,2
6, 2

A rá b i a S a u d ita
C a na d á
F ran ça
M é xi c o
A u s tr á li a
E s pa nh a
B ra s i l
P a ís e s B ai x o s
T o t a l d o s 1 0 m a io re s

6, 2
4, 9
4, 0
3, 4
3, 3
3, 2
2, 8
2, 8
7 0 ,0

20 00
I D E r e c eb i do
E s t a do s U ni d o s
R eino U nid o
A l e m a nh a
B é l g i c a e L ux e m b
P a ís es B a ix o s
C hina
F r an ç a
C an adá
H o n g K o n g , Ch i n a
S u éc i a

20 03

c

2 5 ,1
9 ,3

L ux em b u r g o
E s t ad o s U n i d os

16 ,5
12 ,3

8 ,4
7 ,5
4 ,4
4 ,1
4 ,0
3 ,6
3 ,4
3 ,3
7 3 ,1

C hi n a
F r a nç a
P a ís e s B a i x o s
R ei n o U n i d o
E sp an ha
B é l gi c a
A le m a nh a
Ir el a n d

7, 4
7, 1
4, 7
4, 6
4, 4
3, 6
3, 4
2, 9
66 ,9

E s t ad o s U n i d os
L ux em b u r g o
F r a nç a
R ei n o U n i d o
P a ís e s B a i x o s
J a p ão
E sp an ha
C an a d á
B é l gi c a
A le m a nh a

20 ,3
18 ,4
10 ,0
7, 7
6, 1
5, 2
4, 6
4, 4
4, 1
2, 5
83 ,3

I D E re a liz a d o
E s tad o s Un i d os
2 0 ,9
R eino U nid o
2 0 ,1
R e in o Un i d o
1 5 ,8
E s t a do s U ni d o s
1 4 ,6
J a pã o
1 0 ,5
F r an ç a
1 1 ,8
A l e m an h a
8, 9
A l e m a nh a
8 ,6
P a ís e s B ai x o s
7, 4
B é l g i c a e L ux e m b u r g o
8 ,1
C a na d á
6, 6
P a ís es B a ix o s
6 ,0
S u íç a
4, 1
E s p a n ha
4 ,0
F ran ça
4, 0
H o n g C o ng , C h i n a
3 ,5
I tá l i a
3, 7
C an adá
3 ,4
S ué c ia
3, 1
S u íç a
3 ,3
T o t a l d o s 1 0 m a io re s
8 5 ,0
8 3 ,4
F o nte : U N C T A D ,
W o r ld In v es ti m e n t R e p o r t,
2 0 0 1 (p ág . 5 2 ) e 2 0 04
a
M é di a 1 9 83 -1 98 5
b
M é di a 1 9 98 -2 00 0
b
M é di a 2 0 01 -2 00 3
A p a r ti r d e 20 0 1 os v a lo r e s d o I DE pa s s ar am a s e r c o nta b i l i za do s
s e pa ra da m e nt e p a r a B ég ic a e L u x e m bu rg o

2

Apesar dos empréstimos bancários ainda se constituírem em importantes fontes
de financiamento das fusões e aquisições, as finanças diretas através das common
stocks e do corporate debt ganharam importância para essas transações. Em
termos de valor, um terço dos acordos realizados entre as corporações
transnacionais utilizou um desses dois tipos de financiamento e, em termos de
número, cerca de 50% (UNCTAD, 2000: 108).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

148 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

Essas características mais gerais dos fluxos de IDE ao longo dos últimos
25 anos escondem diferenças significativas entre países e regiões tanto
quanto ao perfil do IDE por eles recebido quanto ao realizado. Esses
comportamentos diferenciados do IDE refletiram as distintas estratégias
dos governos e empresas de participarem do processo de globalização. O
projeto europeu de constituição de um mercado único para enfrentar a
concorrência dos Estados Unidos e do Japão na arena internacional; a
própria posição comercial e financeira do Japão e o projeto de
industrializaçãodospaísesasiáticos(incluindoodesejodaChinadepossuir
suas próprias multinacionais); a situação de endividamento externo das
economias latino-americanas nos anos 80 e seus programas de
modernização institucional nos anos 90 foram fatores que condicionaram
as tendências dosfluxos globais deinvestimentodiretonoperíodorecente.
Quadro 1: Investimento Direto Externo e Fusões e Aquisições
Investimento direto externo é definido como um investimento envolvendo uma relação de
longo prazo que reflete o interesse e controle de uma entidade residente em uma economia em
uma empresa residente em outra economia que não a do investidor. Isto é, o IDE implica que o
investidor exerce um significante grau de influência na administração da empresa residente
numa outra economia. Fluxos de IDE compreende capital originado (diretamente ou através de
empresas relacionadas) de um investidor direto externo numa empresa, ou capital recebido de
uma empresa estrangeira por um investidor direto externo. Existem 3 componentes do IDE:
§Ações (Equity capital): compra por parte do investidor estrangeiro de participação nas ações
de uma empresa num país outro que não o do investidor.
§Reinvestimento de ganhos (Reinvested earnings): compreende a participação do investidor
estrangeiro (em proporção direta a participação nas ações) nos lucros não distribuídos como
dividendos pelas filiais ou rendas não remetidas ao investidor direto. Também diz respeito
aos lucros retidos pelas filiais que são reinvestidos.
§Empréstimos intracompanhias (intercompany loans): referem-se a empréstimos de curto ou
longo prazo e tomada de fundos entre investidores diretos (matrizes) e as empresas filiais.Estoque
de IDE é o valor da participação de seu capital e reservas (incluindo retenção de lucros) atribuídos
às matrizes, mais as dívidas líquidas das filiais com as suas matrizes. Note-se, no entanto, que
os dados de fluxos e estoque de IDE utilizados no world Investment Report e, portanto nesse
trabalho, nem sempre são definidos como acima.Formas de investimento não acionárias. Os
investidores estrangeiros podem obter controle sobre a administração dos negócios de outras
entidades através de outros meios que não o da compra de participações acionárias, como, subcontratação, contratos de administração, franchising, licenças etc..Fusões e Aquisições. Uma
empresa pode realizar um investimento direto noutro país de duas maneiras: fazendo um
investimento novo (greenfield) ou pela aquisição ou fusão de uma empresa local já existente.
Esta pode ser privada ou de propriedade estatal. As fusões e aquisições "transfronteiras" (crossborder mergers and acquisitions) envolvem a transferência de controle para um não-residente.
No caso de uma fusão, os ativos e operações das duas firmas pertencentes a dois diferentes
países se combinam para estabelecer uma nova entidade legal. No caso de uma aquisição, o
controle de ativos e as operações são transferidos da firma local para uma firma estrangeira. A
primeira torna-se, então, uma filial da segunda. Tanto o investimento greenfield como as fusões
e aquisições significam que os ativos do país receptor estão sob os auspícios das corporações
transnacionais (TNCs).Aquisições podem ser: minoritárias (participação nas ações acima de
10% e abaixo de 49%); majoritária (participação entre 50% e 99%) e controle total
(participação de 100%). Aquisições envolvendo menos de 10% constitui investimento de
portfólio. Com relação aos aspectos metodológicos é difícil estimar precisamente que montante
de IDE corresponde às fusões e aquisições porque um valor não pode ser comparado diretamente
com o outro. Se os dados sobre as fontes de financiamento das fusões e aquisições fossem
separadamente disponíveis, seria possível distinguir as F&As dos fluxos de investimento tipo
greenfield. Além do mais, dados de IDE e de F&As são coletados por fontes distintas.
Fonte: UNCTAD: World Investment Report, 2000

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 149

III - As Inserções Diferenciadas do Brasil e da China nos Fluxos
de Investimento Direto Externo
Os anos 1990 foram marcados pelo volume crescente de
investimento direto em direção aos países em desenvolvimento.
Nesse contexto, países como o Brasil e a China procuraram criar
condições favoráveis à entrada de IDE em suas economias,
motivados pelo desejo de modernização de suas estruturas
industriais e de um melhor desempenho no comércio internacional.
Desde o final dos anos 80 o discurso amplamente aceito nos
meios acadêmicos e políticos era de que o IDE, além de fornecer
recursos tecnológicos e melhorar a competitividade de um país,
significaria também um compromisso de longo prazo dos investidores
estrangeiros com a economia na qual investe.Assim sendo, essa forma
de financiamento externo torna-se preferida vis-à-vis outras formas
de investimentos, como os investimentos de portfólio e os empréstimos
internacionais. Porém, para gozar de todos esses benefícios seria
preciso que a economia interessada em receber IDE promovesse uma
ampla abertura comercial e financeira e adotasse políticas mais ativas
e padronizadas de tratamento ao capital estrangeiro.
O grande sucesso na atração de investimentos diretos para
o Brasil e China desde os anos 90 tem sido creditado por muitos
analistas à abertura que esses países vêm promovendo em suas
economias. No entanto, pouca atenção tem sido dada às diferenças
marcantes entre tais países quanto aos tipos de reforma e abertura
que promoveram, particularmente quanto aos tipos de mudanças
introduzidas nos quadros regulatórios para o IDE e à qualidade
dos investimentos por eles recebidos.
Os distintos ambientes institucionais criados pelo Brasil e pela
China para receber o IDE resultaram das distintas estratégias de
inserção internacional adotadas por seus governos, as quais estiveram
apoiadas numa certa visão de desenvolvimento que incorporou o capital
estrangeiro, como fonte de financiamento para cobrir o déficit em
conta corrente, ou como fonte de desenvolvimento das forças
produtivas. Diferentemente do Brasil, a China mostrou que é possível
inibir o componente mais ou menos especulativo e patrimonial do
investimento direto externo (tão característico do ciclo atual de IDE)
através do quadro regulatório local, desafiando o discurso de que fora
das regras dos mercados globalizados, os países em desenvolvimento
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

150 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

estariam fadados a um processo de marginalização da economia global.
Isso pode ser observado pela configuração que assumiu o investimento
externo em cada uma dessas economias.
III.1 O perfil do IDE na Economia Brasileira
Nos anos 1990, mediante a liberalização financeira e depois
de uma década de escassez de financiamento externo, o Brasil
voltou a ser receptor de capital estrangeiro. Segundo dados da
Unctad, o Brasil recebeu no ano de 1990 quase US$ 1 bilhão em
investimento direto externo e em 2000, esses investimentos já
chegavam a US$ 33,8 bilhões. Entre 2001-2003 ocorreram quedas
sucessivas nesses montantes, como reflexo não apenas da
desaceleração global dos fluxos de IDE a partir de 2001, mas
também devido a fatores de ordem interna, relacionados ao fim do
ciclo privatista e ao baixo crescimento econômico. A taxa de
crescimento da economia brasileira na década de 90 foi oscilante,
registrando uma média de 2,0% entre 1990-1999 e 2,5% entre 2000
e 2003, um patamar bem inferior à média dos paises em
desenvolvimento, particularmente dos países asiáticos.
De qualquer modo, o grande volume de IDE recebido pelo
Brasil nos anos 90 levou o país a sair de uma participação nos fluxos
mundiais de investimentos diretos de 0,5% em 1990 para 2,4% entre
2000-2002, enquanto que sua participação nos investimentos
destinados aos países em desenvolvimento passou de 2,6% para
13,8% entre 1990 e 2000. Ainda, o Brasil ocupou naquela década o
11o lugar no ranking dos 20 países que mais receberam investimentos
diretos e a terceira posição dentre os países em desenvolvimento,
sendo superado apenas pela China e Hong Kong.
A excelente posição do país como destino dos fluxos globais
de IDE não esteve, no entanto, dissociado de sua inserção nas fusões
e aquisições mundiais. Dos 20 países que mais se envolveram
nessas operações, do lado das vendas de empresas, durante a década
de 1990, o Brasil ocupou o 9o lugar no ranking mundial e liderou
os países em desenvolvimento nessas operações. O país acumulou
US$ 136,1 bilhões em investimentos diretos, e US$ 83,7 bilhões
em operações de fusões e aquisições entre 1990-2000, resultando
numa participação média das fusões e aquisições sobre os fluxos
totais de IDE em torno de 61,5% no período (Gráfico 3).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 151
GRÁFICO 3

Brasil: Fluxos Recebidos e Fusões e Aquisições (posição vendedora)
1990-2002 (em US$ milhões)
40.000
35.000
30.000
25.000
20.000
15.000
10.000
5.000
-

1990

1991

1992

1993

1994

1995

IDE

989

1.102

2.061

1.291

2.150

4.405 10.792 18.993 28.856 28.578 33.779 22.457 16.566

F&As

217

158

174

624

367

1.761

1996

1997

1998

1999

2000

2001

6.536 12.064 29.376 9.357 23.013 7.003

2002
5.897

Fonte: Unctad, World Investment Report, vários números.
Elaboração da autora

A distribuição setorial do IDE mostrou mudanças importantes
em sua composição quando comparada àquela verificada nas décadas
anteriores: o crescimento do setor de serviços ultrapassou grandemente
a indústria como destino dos investimentos recebidos. Ativos baratos
devidos à desvalorização da moeda nacional e ao processo de
privatização foram fatores relevantes na explicação do crescimento
do setor de serviços como alvo de investimentos estrangeiros.
Em 1980, a participação da indústria de transformação no
estoque de IDE foi de aproximadamente 74% contra menos de
20% do setor terciário3. Como mostra a tabela 3, a distribuição do
TABELA 3

Distribuição Setorial do Investimento Direto Estrangeiro no Brasil (1995-2002)
(Em US$milhões e%)
Setores
Agric. Pesca., Pec., Extr. Min.
Indústria
Serviços
Total
Ingrs. abaixo de US$10mi
p/ empresa receptora/ano
Total Geraldosingressos

12/1995*
Estoque
%
689 1,6
23.402 55,0
18.439 43,4
42.530 100,0
-

-

1996-2000
2001
2002
1996
1998
2000**
Fluxo
% Fluxo
% Fluxo
%
Fluxo
% Fluxo
% Fluxo
%
111
1,4
142
0,6
649
2,2 1.781
1,7 1.494 7,1
638
3,4
1.740 22,7 2.766 11,9 5.087 17,0 18.633 18,0 7.001 33,3 7.617 40,6
5.815 75,9 20.362 87,5 24.139 80,8 83.274 80,3 12.547 59,6 10.499 56,0
7.665 100,0 23.271 100,0 29.876 100,0 103.688 100,0 21.042 100,0 18.754 100,0
1.979
9.644

3.075
26.346

3.455
33.331

14.747
118.435

21.042

18.754

Fonte:BancoCentral doBrasil/CensodeCapitais Estrangeiros e Notapara aImprensaSet/2003
* Dados doCensodeCapitais Estrangeiros, realizado em1996.
** Inclui conversões para investimentos diretos
Conversões emdólares às paridade históricas
Elaboração da autora

3

Naquela década as indústrias que mais receberam investimentos estrangeiros
foram: a indústria química (19%), de material de transporte (18%) e mecânica
(13%). Já os investimentos nos serviços concentraram-se em consultorias (52%),
comércio em geral (19%) e bancos (16%), sendo que os serviços relacionados
à utilidade pública registraram conjuntamente apenas 1,2% no total dos
investimentos nesse setor (BACEN, 1997).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

152 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

estoque de IDE em 1995 foi de 55% para a indústria contra 43%
dos serviços, com o setor primário respondendo por apenas 1,6%.
Entre 1996-2000, a distribuição dos fluxos acumulados de IDE foi
amplamente favorável ao setor de serviços não comercializáveis,
que contabilizou uma participação média de 80%, contra 18% da
indústria, invertendo completamente o quadro dos anos 80.
Do estoque de IDE em 1995, a extração de minerais
metálicos, a agricultura e a pecuária responderam por quase 80%
do total do setor primário. No setor industrial destacaram-se a
indústria química e os setores automotivo e de metalurgia básica
que juntos responderam por 43% de todo o estoque de
investimento na indústria naquele ano, enquanto que no âmbito
dos serviços, os serviços prestados a empresas foram de longe o
mais importante setor de destino do IDE, com uma participação
de 62%. Em termos de fluxos acumulados entre 1996-2000, as
atividades relacionadas à extração de petróleo responderam por
cerca de 50% dos fluxos no setor primário; dentro da indústria,
que concentrou apenas 18% do total de IDE recebido pelo país,
os setores mais importantes foram os setores automotivos, de
produtos alimentares e bebidas e de material eletrônico e de
comunicação, com uma participação conjunta em torno de 56%.
Portanto, na segunda metade dos anos 1990, com os
serviços respondendo por 4/5 do investimento direto recebido,
as atividades de correios, telecomunicações e intermediação
financeira somaram sozinhas 36% do setor. Nesse quadro, as
privatizações tiveram importante papel, contabilizando quase US$
30 bilhões no período (BACEN, 2002).
A importância do setor de serviços nos fluxos de IDE foi
grandemente influenciada pela abertura dos setores de infraestrutura (telecomunicações, e distribuição de energia) e do sistema
financeiro aos investidores externos. O processo de abertura levou
várias corporações transnacionais desses setores (basicamente da
Espanha e de Portugal) a incluir o Brasil nas suas estratégias de
expansão. O Brasil arrecadou em 1998 cerca de US$ 16,5 bilhões
com a privatização do Sistema Telebrás, quando o volume total de
IDE foi de US$ 28,4 bilhões. Isso colocou o Brasil na lista dos
países mais envolvidos nos "mega acordos" internacionais, ou seja,
nas transações que envolvem operações de aquisições acima de
um bilhão de dólares (UNCTAD, 1999).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 153

O processo de privatização no Brasil iniciou-se já nos anos
80, quando entre 1986 e 1992 foram privatizadas 38 empresas
avaliadas em cerca de US$ 800 milhões. No governo Collor, com
a criação do Programa Nacional de Desestatização (PND), o
processo criou maior abrangência, com a privatização de 18
empresas dos setores de siderurgia, fertilizante e petroquímica, com
uma arrecadação de US$ 4 bilhões pagos com títulos da dívida
pública. No período 1995/97 ocorreram outras 26 privatizações,
arrecadando US$ 6,5 bilhões, concluindo praticamente a venda
das empresas estatais que atuavam no segmento industrial,
incluindo a Vale do Rio Doce. Em 1997, 36 empresas foram
vendidas (21 federais e 15 estaduais) somando US$ 22,6 bilhões4.
Em 1998 o governo federal procurou vender estatais para os capitais
externos como uma forma de aliviar a restrição ao financiamento
do balanço de pagamentos. Os governos estaduais também
passaram a desenhar modelos de privatização que incentivaram a
participação do capital estrangeiro, o que resultou na venda de 12
holdings criadas a partir do Sistema Telebrás, contabilizando US$
22.057 milhões (CANO, 2003).
Outro passo importante foi a privatização das empresas de
energia elétrica e a privatização da malha ferroviária, transferindo
a exploração de portos para a iniciativa privada. Em 1999 o processo
de privatização se desacelera, devido às incertezas do cenário
macroeconômico pós-desvalorização cambial, e também, pelas
dificuldades inerentes aos setores que ainda restavam para ser
privatizados. Foi arrecadado nesse ano US$ 3,2 bilhões resultantes
das vendas de 6 empresas federais e 5 estaduais; em 2000 aumenta
o valor das privatizações para US$ 10,7 bilhões (Idem, ibidem).
No entanto, a participação das empresas estrangeiras nas
privatizações dos segmentos industriais foi baixa, permitindo às
empresas nacionais adotar estratégias de compras das estatais em
seus respectivos setores como forma de ganhar market share. Já a
participação das empresas estrangeiras nas privatizações do setor
de serviços foi bem maior, como resultado da atratividade do
tamanho do mercado e seu potencial de expansão, correspondendo
4

Os dados apresentados nesse item sobre as privatizações no Brasil são
retirados de Cano (2003:100-1003)
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

154 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

a uma participação nas privatizações de 60% do valor arrecadado
entre 1991 e 2001 (US$ 41 bilhões dos US$ 85,2 bilhões totais).
Essa nova configuração do IDE implicou em mudanças
importantes também quanto à origem do IDE no Brasil. Os
Estados Unidos continuaram como o maior investidor no país,
porém, ocorreu um aumento das participações da Espanha e
Portugal e o declínio da presença da Alemanha. Em 1995 o
estoque de IDE americano no Brasil estava concentrado na
indústria de transformação (68%). Em 2000 esses investimentos
eram mais fortes nos serviços (60,3%). A Alemanha, que era o
segundo maior investidor no país em 1995, com forte presença
na indústria brasileira (87% do estoque), particularmente na
fabricação de produtos químicos e na fabricação de veículos
automotores, teve sua presença nesse setor reduzida para 63%
em 2000, dados de estoque. Espanha e Portugal juntos somaram
30% do IDE acumulado no país em 2000 com forte presença do
setor de serviços. O crescimento das inversões da Holanda seguiu
a mesma direção, acumulando mais de 80% do IDE nos serviços
(telecomunicações, intermediação financeira e comércio varejista)
no estoque de IDE em 2000 (BACEN 1997 e 2002).
Dadas as características mencionadas, a contribuição do
IDE para o desempenho da economia brasileira foi modesta.
Embora a participação do IDE na formação bruta de capital fixo
(FBCF) tenha aumentado de 2% entre 1990-95 para 28,4% em
2000, sugerindo uma contribuição efetiva do IDE para o
investimento e o crescimento do produto, a leitura correta é
outra. A FBCF não acompanhou o crescimento do IDE, uma
vez que a taxa de investimento do país (FBCF/PIB) variou, com
tendência declinante, entre 21% e 19% entre esses períodos
(LAPLANE e SARTI, 2003).
Quanto ao desempenho no comércio internacional, a
participação do Brasil nas exportações mundiais em 1980 era de
1%, chegou a 1,4% em 1984-85 e manteve uma média de 0,9%
nos anos 90. A partir da implantação do Plano Real, a balança
comercial tornou-se deficitária (1995-2000), e só dois anos depois,
com a desvalorização cambial, a balança voltou a ter superávits
(IMF, 2001). Nesse sentido, existem evidências apontadas pela
literatura de que o padrão de inserção comercial das transnacionais
operando no Brasil explica parte dos déficits da balança comercial
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 155

na década de 90, particularmente em setores com forte presença
de empresas estrangeiras, relacionados aos déficits crescentes que
as mesmas têm com os países-sede controladores de seu capital
(MIRANDA, 2001; DE NEGRI e ACIOLY, 2003).
Em linhas gerais, o investimento direto externo no Brasil
durante a década de 90 mostrou pouca inclinação à construção de
novas plantas produtivas e uma maior preferência pelo setor de
serviços não-comercializáveis, embora tenham ocorrido
investimentos das multinacionais em expansão e ampliação de
unidades essencialmente dirigidas para a produção de bens de
consumo, visando ao Mercosul. Porém, ao contrário das décadas
anteriores, quando a instalação ou expansão de filiais era uma forma
predominante de conquista de mercado, as aquisições de empresas
têm se constituído no principal instrumento de market share global
das transnacionais no Brasil (MIRANDA, 2001). Vale dizer que essas
características foram resultado da opção do país por certo tipo de
integração à economia internacional e tem resultados duradouros.
Mesmo no período mais recente e após a desvalorização
cambial, os serviços continuam predominando, com uma
participação de 54,7% entre 2001-2005, ainda que a indústria de
transformação tenha recebido maiores montantes de IDE nesses
anos. As fusões e aquisições diminuíram em termos quantitativos,
mas em alguns setores e anos selecionados, essas operações foram
bastante importantes e até redesenharam a dinâmica setorial.
III.2 A Orientação Liberal das Reformas e da Abertura da Economia
Brasileira - o Papel do Investimento Direto Externo
No início dos anos 90, a economia brasileira encontravase frente a uma inflação crônica, baixos índices de crescimento do
produto e enorme dívida externa herdada dos anos 80. A eleição
de Fernando Collor de Mello para a Presidência da República
marcou, nesse contexto, o inicio das mudanças que permitiriam
ao país montar uma nova estrutura institucional sintonizada com
recomendações do chamado Consenso de Washington aos países
latino-americanos, de introdução de reformas estruturais e de maior
abertura aos fluxos de capitais. O governo acreditava que tais
reformas removeriam o clima de incerteza sobre as expectativas
do crescimento e, com a volta da estabilidade em relação ao valor
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

156 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

externo da moeda nacional, estariam dadas as condições para a
retomada da expansão da economia. Porém, como o sucesso dessa
estratégia dependia do retorno dos fluxos de investimentos e
créditos externos, foi realizada a Reforma Monetária e introduzido
o processo de liberalização para retomar a negociação da dívida e
assim conseguir a reaproximação do país com os movimentos de
capitais internacionais (BELLUZZO e ALMEIDA, 2002).
Como parte dessa estratégia, o governo introduziu: i) a
abertura comercial, através da abolição dos controles
administrativos sobre as importações ­ um dos principais pilares
da proteção da indústria nacional, até então ­ e da redução da
escalonada do imposto de importação; e ii) a abertura financeira
indiscriminada ao exterior, através da implementação de várias
medidas para facilitar a entrada e saída de capitais estrangeiros
no país. No entanto, o cenário econômico e financeiro
internacional adverso devido à crise dos bancos internacionais
impediu, em parte, o alcance daqueles objetivos.
Mais tarde, com a subida de Fernando Henrique Cardoso à
Presidência, foi introduzido o Plano Real, em 1994, o qual procurou
também debelar a inflação e recuperar a confiança da moeda nacional
por meio da garantia de seu valor externo. A "ancora" foi a
estabilização da taxa de câmbio nominal garantida por financiamento
em moeda estrangeira ou por um montante de reservas capaz de
desestimular a especulação contra a paridade escolhida. Esse aspecto
mudou o perfil do financiamento externo brasileiro e o Brasil passou
de doador de poupança nos anos 80 a absorvedor de recursos
financeiros. Adotou-se o regime de câmbio fixo com um regime de
conversibilidade limitada, o que levou a sobrevalorização da moeda
e a taxas de juros muito altas. Em que pese os fatores conjunturais
que levaram a esse resultado, o objetivo da política econômica era
não apenas a estabilidade de preços via âncora cambial, mas
implementar um projeto de desenvolvimento liberal supondo a
convergência rápida das estruturas produtivas e da produtividade da
economia brasileira na direção dos padrões competitivos das
economias avançadas (BELLUZZO e ALMEIDA, 2002, p. 373).
Desse modo, assim como outros países latino-americanos,
o Brasil entrou no processo de globalização através da execução de
programas de estabilização de acordo com as normas dos mercados
financeiros globalizados, adotando um programa de estabilização
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 157

com abertura financeira. Isso significou a criação de uma oferta de
ativos atraentes que pudessem ser incorporados pelo movimento
geral da globalização, tais como: títulos da dívida pública (de curto
prazo e de elevada liquidez); ações de empresas em processo de
privatização; bônus e papéis comerciais de empresas e bancos de
boa reputação; e, posteriormente, ações depreciadas de empresas
privadas, especialmente daquelas afetadas pela abertura econômica,
valorização cambial e taxas de juros altas (BELLUZZO, 1999).
Como conseqüência do processo de abertura, os fluxos de
capitais estrangeiros recebidos pelo Brasil passaram por 3 fases nos
anos 90. Entre 1990 e 1994, quando os montantes de capitais eram
ainda pouco expressivos, e foram introduzidas mudanças no arcabouço
institucional caracterizada pela abertura comercial e financeira; entre
1994-96, durante o Plano Real quando o país já se encontrava
incorporado aos mercados financeiros internacionais. Neste período
o capital externo foi utilizado para mudar o perfil do balanço de
pagamentos (financiamento do déficit em conta corrente) e para
promover a estabilização de preços. E entre 1997-1999, quando
ocorreram mudanças na qualidade dos capitais recebidos em direção
ao investimento direto externo, este, tido como uma mudança positiva
na composição dos fluxos de capitais, por significar um financiamento
estável e menos suscetível a variações nos humores do mercado
financeiro internacional. Mas os investimentos externos no Brasil
estiveram na maioria das vezes associados ao baixo preço das empresas
brasileiras em dólar, atraindo fusões e aquisições e recursos para o
programa de privatizações. No final dos anos 90 o Brasil amargou
uma crise financeira, em decorrência da crise asiática e da Rússia que
levou o país a aumentar as taxas de juros para reter capitais de curto
prazo e evitar o estrangulamento cambial, tornado inevitável a
desvalorização da moeda nacional. Nesse momento aumentou a
entrada de IDE e os empréstimos em moeda entre matriz e filiais das
corporações transnacionais operando no Brasil (ANTUNES, 2000)
Em consonância com essas orientações foram introduzidas
alterações significativas no quadro regulatório brasileiro referente
ao investimento direto externo. Tais mudanças tiveram impactos
importantes na determinação do volume e da configuração que
assumiu o investimento direto externo na economia brasileira.
As principais mudanças foram: a abertura de novos setores ao
investimento direto estrangeiro, tais como, os resultantes da
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

158 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

privatização, da queda da reserva de mercado na informática e a
permissão para registro de patentes no setor bioquímico
(fármacos). Também em 1994, através de emenda constitucional,
equiparou-se a empresa estrangeira à empresa nacional, o que
permitiu a primeira o acesso ao sistema de crédito público e a
incentivos fiscais; mudanças na legislação de remessa de lucros,
suprimiu-se a proibição da remessa de royalties por marcas e
patentes. A tributação de remessa de lucros foi reformulada
substituindo-se o sistema de alíquotas crescentes e variáveis, em
função do valor enviado e cuja incidência mínima era de 25%,
pela alíquota única de 15% sobre o total remetido.
III.3. China: Evolução, Composição e distribuição do IDE
A entrada de investimento direto externo na China foi
autorizada apenas em 1979. A partir de então, os volumes de
IDE para esse país experimentaram quatro fases distintas. Nos
anos oitenta e início dos 90 o IDE aumentou de forma moderada
acumulando US$ 22,9 bilhões (Gráfico 4). Entre 1992 e 1997
esses fluxos conheceram um dinamismo extraordinário,
contabilizando US$ 192,7 bilhões como resultado da maior
confiança dos investidores na política de abertura do país e frente
às mudanças introduzidas na estrutura regulatória para atração
de IDE, que passou a contemplar novas áreas e setores passíveis
de investimentos estrangeiros.
Uma terceira fase pode ser notada entre 1998-2000, quando
os fluxos de IDE sofrem uma desaceleração devido à queda da
taxa do crescimento econômico do país (Tabela 3.3), confirmando
a tendência do IDE de ser fortemente influenciado pelas flutuações
do crescimento econômico. No ano de 2001, a China entrou para a
OMC e houve uma recuperação da entrada de investimentos diretos
no país, cujo montante passou de US$ 40,7 bilhões em 2000 para
US$ 46,8 e US$ 52,7 em 2001 e 2002, respectivamente. Note-se
que a reconversão desses fluxos em direção a China, deu-se num
contexto de forte declínio do IDE para o resto do mundo.
Sendo o terceiro maior país do mundo e o mais populoso,
a China vem apresentado um crescimento médio de 9,5% na
década de noventa e acumulando US$ 284,6 bilhões em
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 159

investimento direto externo (e US$ 440 bilhões desde a
abertura). Ocupa o 3 o . lugar no ranking dos maiores
absorvedores de investimento do mundo, e o 1o. lugar entre os
países em desenvolvimento. A participação da China nos fluxos
de IDE dentre as economias em desenvolvimento passou de
7,2% entre 1980-1989 para 24% entre 1990-1999. Mas, essa
crescente inserção nos investimentos diretos mundiais não foi
dirigida pelo envolvimento do país nas operações de fusões e
aquisições transfronteiras. Segundo dados da Unctad, essas
operações na China foram ausentes nos anos 1980 e somaram
pouco mais de US$ 9 bilhões entre 1990-1999, resultando numa
participação média dessas operações sobre o total de IDE
recebido de apenas 3,1% no período.
GRÁFICO 4

China: Fluxos de IDE recebidos e F&As, 1980-2002 (US$ bilhões)
250
192,7

200

150

124,8
99,5

100
TABELA 3. 3

China: Fluxos de IDE recebidos e taxa de crecimento da economia
50

0

22,9
5,6

0,133
1980-1991

1992-97

IDE recebido

5,4

4,4

1998-2000

2001-2002

F&As

Fonte: Unctad, vários números e IMF (2000, 2003)
Elaboração da autora

As privatizações, via investimentos diretos, também foram
baixas naquele país, não ultrapassando o valor de US$ 400
milhões ao longo da década de 90, soma igual a da Índia, porém
muito inferior ao montante verificado para o Brasil, que ficou
em US$ 32 bilhões (UNCTAD, 2000).
Quanto à distribuição setorial dos investimentos diretos
recebidos, esta também guardou uma estreita relação com os
estágio s de abertura da economia chinesa ao capital
estrangeiro. De 1979 até meados dos anos 80, os investimentos
diretos concentraram-se nas atividades de prospecção
geológica e no setor de serviços relacionados ao turismo e às
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

160 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

atividades imobiliárias. O IDE nas atividades de prospecção
geológica correspondeu a participação das empresas ocidentais
na exploração dos campos de petróleo da China, os quais foram
pri oridades para políti ca do país naquele m omento
(BROADMAN & SUN, 1997). Os investimentos no setor
imobiliário e nos serviços em geral (hotéis, restaurantes,
companhias de táxi etc.) foram dirigidos pela necessidade da
política de abertura, no sentido de criar condições mínimas
para receber os próprios investidores estrangeiros e que
garantissem o retorno rápido dos recursos investidos.
A partir de 1986 tem início a segunda fase da abertura
do país quando o governo chinês adota medidas para mudar a
estrutura setorial do IDE a favor de investimentos em setores
export-oriented de maior valor agregado e de mais alta
tecnologia. Como resultado da nova orientação, o IDE no setor
primário caiu de 40,1% em 1988 para 3,1% em 1993 e o setor
manufatureiro registrou uma participação de 51,2% nesse
último ano. Após esse período, o perfil do IDE recebido pela
China muda substancialmente em favor da indústria.
Depois que o governo chinês anunciou seu objetivo de
construir uma "economia socialista de mercado" e passou a
adotar novas medidas de política para o capital estrangeiro, o
boom dos investimentos diretos na China pós- 1992 foi dirigido
pelo setor manufatureiro e pelo setor de serviços. O IDE em
projetos imobiliários nas grandes cidades chinesas registraram
uma participação de 39% em 1993, coincidentes com a chamada
"febre dos imóveis" no país. A indústria registrou em 1993 uma
participação de 59% no total de IDE dirigido ao país; o setor
imobiliário, 24%; a agricultura, 1%; comércio e comunicações,
6%; construção, 6%; e, outros, 7% (LEMOINE, 2000).
Apesar da forte presença do setor imobiliário, o
investimento direto externo nos serviços foi bastante limitado
nesse período, dado que poucas atividades estavam abertas ao
capital estrangeiro, não sendo permitido investir, por exemplo,
nos serviços financeiros ou no comércio varejista, a não ser em
casos específicos e restritos a certas áreas geográficas.
Dentro da manufatura, a distribuição de IDE apresentou
algumas mudanças. Durante essa terceira fase, foram abertas novas
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 161

áreas e setores ao IDE e lançado um pacote de incentivos para fortalecer
as indústrias capital-intensivas e de tecnologia mais avançada, como
a química, a indústria de máquinas e equipamentos, equipamentos de
transporte, eletrônica e comunicações.Assim, na segunda metade dos
anos 1990, enquanto a indústria tradicional viu uma estagnação nos
investimentos recebidos, a indústria eletrônica e de telecomunicações
tornaram-se foco de novos investimentos diretos: entre 1997-2000, a
primeira aumentou de US$ 3,9 bilhões para US$ 11,3 bilhões e, a
segunda, de US$ 3,1 bilhões para US$ 4,6 bilhões.
Observando os montantes acumulados de IDE na China
desde o início da abertura até 2000, pode-se verificar o perfil setorial
que assumiram os investimentos externos naquele país. Em 2000 a
indústria já contabilizava, em termos de valor, uma participação de
60,8% e 73% em termos de número de projetos apresentados; os
serviços 37,3% do valor total, com o setor imobiliário e de utilidade
pública, concentrando 23,6% e 10% do número de projetos (Tabela
4). A evolução da distribuição do IDE entre os macro-setores da
economia chinesa mostra uma clara predominância do setor
secundário em relação aos demais setores (Gráfico 5).
TA B E L A 4

Se tor
To tal

D istribuiç ão s etorial do ID E na C hina
A cu m ululad o at é 2 000 (Em U S$ m ilhõe s e % )
N . p ro jeto s
%
Va lor co ntratua l
3 6 3.88 5
10 0,0
6 76 .09 7

Agricultu ra , ca ça e pe sca
Ind ústria
C on struçã o
Tr an spo rte s, corre ios e
tele c omu nic a çõe s
C om ércio va re jo e
a ta cad o
Imó ve is e utilid ad es
p úb lica s
Sa úd e, esp or te e serviço s
socia is
Art. rá dio , filme e
tele vis ã o
Pe sq uisa cie ntífica e
serviço s p olité cn icos
Ou tro s

%
1 00 ,0

1 0.3 55
2 6 5.60 9
9 .05 9

2 ,8
7 3 ,0
2 ,5

1 .2 31
4 11 .53 4
1 9.69 1

0 ,2
6 0,9
2 ,9

4 .02 7

1 ,1

1 6.38 6

2 ,4

1 8.4 10

5 ,1

2 3.39 6

3 ,5

3 7.2 52

1 0 ,2

1 59 .44 3

2 3,6

1 .03 0

0 ,3

4 .7 73

0 ,7

1 .33 6

0 ,4

2 .1 23

0 ,3

2 51 0
1 42 97

0 ,7
3 ,9

2 .1 24
2 4.21 7

0 ,3
3 ,6

Fo nte : MO F TE C , 2 00 1 (A pu d P in gya o, 2 00 2 , p .2 5)

Mesmo para o período mais recente os dados revelam que a
indústria continua a ser dominante como destino do IDE na China,
contabilizando uma participação de 68%, com a liderança da indústria
eletrônica e de equipamento de comunicações que respondeu por 1/
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

162 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

4 do total entre 2001-2002. O setor de serviços teve uma participação
de 26,4%, mas com o setor imobiliário perdendo importância relativa,
com apenas 11%. Serviços de transportes e telecomunicações
absorveram 2,8% e a participação do IDE nos bancos e nas finanças
permaneceu ínfima, com 02% do total.
GRÁFICO 3.4

China: distribuição do IDE por macro-setor, 1979-2000
100

(Em %)

80
60
40
20
0
1979-89

1990

1991

1992

1993
1994
1995
1996
1997
Primário
Secundário
Terciário

1998

1999

2000

Fonte: China Foreign Economic Statistical Yearbook, vários anos
Elaboração da autora

O rápido crescimento do IDE destinado à China foi
acompanhado também por mudanças no padrão geográfico de
distribuição dos países de origem desses investimentos. Até 1991
apenas 3 países respondiam pela maior parte desses fluxos: Hong
Kong (62%), Japão (14%) e os Estados Unidos (10%). Nos anos
90, os países asiáticos foram origem de 80% do total de IDE na
China, com o predomínio de Hong Kong5 (50%). Os Estados
Unidos responderam por 8% e os países da então Comunidade
Econômica Européia (CEE) por 9%. Em termos setoriais, as
empresas de origem asiáticas tenderam a investir nas atividades
orientadas para as exportações. No caso dos investimentos
americanos e europeus, estes tenderam a se concentrar em setores
intensivos em capital e tecnologia e foram mais dirigidos por
estratégias de expansão do mercado doméstico chinês.
A dinâmica dos investimentos intra-asiáticos pode ser
explicada em grande parte pela condução da política cambial
chinesa. Durante o período em que a moeda japonesa, o ien, esteve
5

Deve-se destacar que a partir de 1992, boa parte dos investimentos
oriundos de Hong Kong representou uma reciclagem do capital da Grande
China, os quais queriam gozar de tratamento preferencial dado aos
investidores estrangeiros.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 163

fortemente valorizada frente ao dólar, entre 1985 e 1995, a China,
assim como outros países asiáticos, beneficiou-se dos investimentos
diretos japoneses, de Hong Kong e de Singapura e também do
comércio regional associado a esses investimentos. Em 1995, com
a desvalorização do ien frente ao dólar, caíram os investimentos
diretos japoneses vinculados às exportações asiáticas para terceiros
mercados, particularmente para os Estados Unidos, impactando
negativamente a dinâmica regional. Como esses países tinham
regimes cambiais vinculados ao dólar, a valorização daquela moeda
levou a uma valorização real das principais moedas asiáticas. Um
ano antes o yuan havia sido desvalorizado e o governo chinês
decidido que manteria a taxa fixa nominal de câmbio do yuan/
dólar. A partir de então, a China passou a deslocar os produtores
regionais, receber grandes montantes de investimentos diretos
americanos e a se constituir num grande mercado asiático; a
estabilidade do yuan passou a se contrapor à instabilidade do ien
frente ao dólar e a política de sustentação de sua da taxa nominal
de câmbio a partir de 1997 ajudou na superação da crise asiática,
evitando a corrida cambial, além de afirmar a estabilidade da moeda
chave para o comércio regional (MEDEIROS, 2005).
Em termos de contribuição do IDE para o desempenho da
economia chinesa, verifica-se que após 20 anos de políticas de
atração de investimento direto externo, a participação das firmas
estrangeiras no produto industrial chinês aumentou
significantemente, em termos de valor: passou de 5,5% em 1991,
para 22,5% em 2000 (MOFTEC, 2001, p. 6-31). A presença das
empresas estrangeiras no dinamismo das exportações da China
deve ser destacada. A criação das Zonas Econômicas Especiais
(SEZs) incentivou a entrada das empresas estrangeiras basicamente
no setor industrial, que passou a absorver 61% do total acumulado
de IDE no país. As exportações da China cresceram a uma taxa
anual de 15%, entre 1989 e 2001. Em 1989, as filiais estrangeiras
contabilizavam menos de 9% do total das exportações chinesas e,
em 2002, respondiam por metade do total. Na indústria de
transformação, a participação das filiais estrangeiras no total das
exportações no ano de 2000 foi de 91%, particularmente em alguns
setores de alta tecnologia, como eletrônicos, automação e
processamento de dados e telefonia móvel.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

164 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

Quanto à participação do IDE para a formação bruta de
capital na China, esta foi elevada, em média 12,1% entre 19902001, ficando acima da média asiática de 10%. A participação do
IDE no PIB chinês passou de 7% em 1990 para 32% em 2000.
Deve-se notar que diferentemente do Brasil, o aumento da relação
IDE/FBCF na China deu-se num contexto de crescimento
econômico e de aumento contínuo da taxa de investimento dessa
economia (FBCF/PIB), a qual passou de 25,8% em 1990 para
37,5% em 2000-2002 (OECD, 2003).
III.4. O Lento Processo de Liberalização da Economia Chinesa e
as Diretrizes da Política para o IDE
O processo de abertura da China iniciado em 1979 tem
sido caracterizado do ponto de vista comercial pela promoção de
suas exportações e ao mesmo tempo por fortes medidas para
proteger seu mercado doméstico. Tal política apresentou, nesse
sentido, similaridades com a de outros, porém, para não onerar os
produtos de exportação que poderiam ter seus preços majorados
devido a um custo maior na obtenção de bens de capitais e de bens
intermediários, as indústrias exportadoras puderam importar em
regime livre de impostos alfandegários.
Essa política comercial dualista acabou favorecendo, de
um lado, a criação de indústrias voltadas para o mercado externo,
baseadas na transformação de mercadorias importadas; e, de outro
lado, a manutenção das importações num nível relativamente
baixo. As importações de empresas locais e de consumidores
estiveram sujeitas as fortes restrições e experimentaram um
crescimento bem modesto, totalizando menos da metade de todas
as importações nos anos 90 (LEMOINE, 2000).
Com relação ao investimento internacional, a China impôs
ao longo dos anos 90 sérias restrições aos fluxos de capitais
envolvendo investimentos de portfólio e empréstimos bancários.
Em linhas gerais, os fluxos de capitais na China foram
inexpressivos até o início dos anos 80, mas a partir de 1984 a
categoria "outros investimentos", os quais incluem empréstimos
bancários, aumentou significantemente, contabilizando a maior
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 165

participação no total dos fluxos recebidos ao longo dos oitenta. O
IDE foi aumentando gradualmente nesse período e cresceu de forma
substancial nos anos noventa, passando a ser o componente de
maior peso no total dos fluxos de capitais recebidos.
Nesse sentido, o processo de abertura da economia chinesa
disse respeito quase que exclusivamente à entrada de investimento
direto externo, fortemente associado à sua política comercial. As
condições de entrada do IDE no país foram estabelecidas
gradualmente e em termos bastante seletivos, baseadas em
tratamentos preferenciais, como obtenção de redução de tarifas e
de isenções fiscais naquelas indústrias aonde o IDE foi
considerado desejado: setores exportadores e setores alvos de
política de substituição de importações.
A preocupação com relação às restrições de balanço de
pagamentos foi uma constante na política para o capital externo
e várias medidas foram tomadas em relação às empresas
estrangeiras no sentido de evitar evasão de divisas. Medidas
como a imposição de cotas de exportações e o estabelecimento
de obrigações para manter o equilíbrio das contas em moedas
estrangeiras, exemplificam essa questão. Mais recentemente,
essas restrições têm sido relaxadas, dentro do cronograma de
adesão da China à OMC (CHUNLAI, 1997).
Desse quadro, resultou, portanto, um padrão de fluxos de
capitais bastante distinto de outros países em desenvolvimento,
o que permitiu a China uma relativa tranqüilidade para dar curso
a sua política de modernização e se manter praticamente isolada
das crises financeiras características do final dos anos 90.
Observando a estrutura do financiamento externo da economia
chinesa podemos identificar basicamente três períodos: durante
1983-1991 a China acumulou um total de US$ 67 bilhões, com
os empréstimos sendo a grande fonte de capitais externos (60%
do total). De 1992-1998, o financiamento externo quintuplicou
para US$ 327 bilhões e o IDE tornou-se a maior fonte de fundos
dirigidos à China (70% do total). O investimento de portfólio
permaneceu limitado e aumentou só em 1997 (12% do
financiamento externo) (Tabela 5).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

166 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

TABELA 5
Estrutura do Financiamento Externo em Alguns Países em Desenvolvimento
(Participaçãop no estoque, 1999)
Empréstimos
Títulos
Ações
IDE
4
7
China
23
Brasil
20
49
9
Índia
24
2
51
México
19
28
18
8
Indonésia
30
17
Coréia do Sul
68
28
10
4
5
Tailândia
84
Fonte: Lemoine (2000)

65
22
24
35
45
-6
7

Pode-se notar o papel dominante do IDE no financiamento
externo da China já no final dos anos 90, o que permitiu manter
administrável o nível de débito externo, em torno de US$ 140 bilhões
em 1998, representando 15% do PIB, participação essa que se mantém
até agora. O débito externo tornou-se uma carga moderada para a
economia chinesa, com o déficit na conta de serviços tomando menos
de 10% de sua renda anual com exportações de mercadorias e serviços
nesse período (WORLD BANK, 1999).
É importante notar, nesse contexto, que o padrão de
financiamento da China é baseado na expansão do crédito interno
para alimentar as atividades industriais domésticas. A aquisição de
poupança externa através de um setor externo gerador de divisas
(associada às zonas de processamento) teve um papel muito mais
importante na manutenção do ritmo da modernização (EPSTEIN e
BRAUNSTEIN, 2002).
Especificamente no que se refere às diretrizes da política para
o investimento direto externo, estas foram parte integrante da reforma
econômica e da política de abertura. A nova orientação política
procurou estimular o aumento da participação da China no comércio
internacional e favorecer seu acesso às fontes externas de capital e
tecnologia. Nesse contexto, o IDE foi considerado a melhor maneira
de se alcançar 3 diferentes tarefas: acelerar a transferência de
tecnologia moderna, introduzir novas práticas administrativas e obter
divisas (LEMOINE, 2000). Em 1975, Deng Xiaoping havia
participado da elaboração de uma série de documentos sobre
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 167

desenvolvimento econômico, cujo eixo de reflexão foi a política
industrial e regional6 e nessa linha foram definidas quatro áreas alvos
de modernização7: agricultura, indústria, ciência e tecnologia, e defesa
nacional, sendo dado ao capital estrangeiro papel central nessa política.
Essas idéias, no entanto, foram duramente atacadas como
"capitalistas" e Deng Xiaoping foi removido do partido e deposto do
governo (CHUNLAI, 1997; WEI JIA, 1994).
Mais tarde, ao retornar ao poder, Deng Xiaoping reintroduziu
essas idéias e já no final de 1978 a China iniciou, sob sua liderança, um
processo de reforma econômica na qual a elaboração de uma política
para o capital estrangeiro passou a ter papel crucial. Baseado na
experiência de outros países em desenvolvimento, particularmente do
Leste e SudesteAsiático, a liderança política da China reconheceu o
IDE como uma maneira efetiva de atingir esses objetivos, desde que o
país não tivesse que realizar pesados gastos em moeda estrangeira.
Essa estratégia exigia, no entanto, a construção de uma arquitetura
institucional para direcionar os investimentos externos de acordo com
as prioridades do país (SILVA, 2004). Assim, o processo de abertura
da economia chinesa ao IDE foi executado de forma lenta e gradual,
passando basicamente por cinco fases ou estágios.
Apartir da "Equity Joint Venture Law" de 1979, a China estabeleceu 4
zonas econômicas especiais (ZEEs): Shenzhen, Zhuhai, Xiamen e
Shantou, localizadas em Guandong e nas províncias Fujian. O
Estabelecimento dessas zonas não significou apenas o início da política
de abertura da China, mas constituiu-se em pedra angular de uma
política de abertura mais ampla. Do ponto de vista político, essas zonas
significaram o restabelecimento de uma fronteira com Hong Kong
(vizinha de Shenzhen); do ponto de vista geográfico, a proximidade
das ZEEs, as quais são os locais de origem de muitos Chineses nãoresidentes, de Hong Kong, Macau, Taiwan e ASEAN, fez com que
fosse possível a China explorar vantagens nacionais utilizando a rede
de negócios de chineses no exterior; dentro de uma estratégia de
6

Deng Xiaoping (1984) "Some Questions on Accelerating Industrial
Development" in Select Works of Deng Xiaoping (1975-1982). Foreign Language
Press, Beijing.
7
Essas questões foram levantadas no Fourth National People's Congress em
janeiro de 1975 (citado em Chunlai, 1997).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

168 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

abertura voltada para o desenvolvimento do mercado interno (marketoriented reforms), o estabelecimento dessas zonas servira ainda como
"laboratório" para as reformas econômicas a serem aplicada na China
como um todo; e finalmente, do ponto de vista dos interesses políticos
internos, a criação das zonas diminuiriam as resistências políticas dos
mais "conservadores" do Partido contra as reformas orientadas para o
mercado, uma vez que essas experiências serviriam para introduzir as
reformas e a abertura de forma mais lenta (CHEN CHUNLAI, 1997).
Seguindo as experiências das zonas de exportações
estabelecidas em Taiwan, Coréia e outros países em desenvolvimento
(ZEEs), as zonas de exportações na China foram alvo de regulações e
exerceram múltiplas funções. O grande objetivo inicialmente foi atrair
investimento direto externo, através de isenção tarifária para os
investidores estrangeiros. Dentre as políticas preferenciais para as
empresas estabelecidas nas ZEEs, estão aquelas que reduzem em vários
níveis os impostos para empresas que se engajem no setor produtivo,
com projetos que superem 10 anos.
A segunda fase da abertura, entre 1986-1991, foi uma resposta
à pressão política de várias províncias para também receber tratamento
preferencial, o que levou o governo chinês a aumentar o número de
zonas alvos depolíticas especiais,formando geograficamenteum cinturão
que significou, do ponto de vista econômico, o estreitamento dos laços
com o mercado externo e uma mais ampla conexão com o mercado
interno.As políticas adotadas para o IDE nessas cidades orientaram-se
paraestabelecerumaZonadeDesenvolvimentoEconômicoeTecnológico
(Economic and Ttecnological Development Zones ­ ETDZs) com
incentivos graduados em função do engajamento das empresas
estrangeiras em setores tecnologicamente avançados.
Ainda com o objetivo de atrair mais investimentos diretos e
aumentar a difusão de seus efeitos diretos e indiretos para o interior
e outras regiões, foram criados os três triângulos de desenvolvimento
(Development Triangles) ­ Yangzi River Delta Region (perto de
Shanghai), o Pearl River Delta Region (próxima a Guanskhou) e o
Minnan Delta Region (perto de Xiamen). Foram incluídas ainda as
penínsulas de Lianodeng e Shandong e criando-se a chamada
Estratégia de Desenvolvimento da Costa (Coastal Development
Strategy) quando o governo chinês estendeu sua política de IDE
para o restante das áreas costeiras.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 169

A terceira fase da abertura, compreendida entre 1991-1997,
foi caracterizada pelo aprofundamento das políticas anteriores e
criação de novas áreas especiais e novos setores, com o objetivo
não só de internalizar tecnologia e aumentar as exportações, mas
também como instrumento de diminuir as diferenças regionais que
foram sendo criadas ao longo desse processo. As principais medidas
para atrair IDE incluíam tratamentos preferenciais para o IDE
destinado às regiões consideradas prioritárias pela política industrial
e para atividades de alta ou nova tecnologia. Esta política foi estendida
a 52 cidades, incluindo todas as capitais das províncias do interior
exceto o Tibet e Urumqi em Xinjiang, e as grandes cidades ao longo
do Yangzi River, e as 15 cidades fronteiriças com países ao oeste,
norte e nordeste da China (UNCTAD, 1994 p. 68).
Entre 1997-2000, a política industrial estabeleceu para o capital
estrangeiro quatro categorias de industrias: as indústrias "proibidas",
"permitidas", "restritas" e "proibidas"8. Inicia-se, assim, a construção
sistemática de uma estrutura regulatória, cujas novas diretrizes
procuravam não apenas priorizar os investimentos nos setores alvo da
reestruturação industrial, mas também incentivar uma maior dispersão
geográfica dos mesmos. Questões como "direitos de propriedade" e
adaptação às regras internacionais de comércio e investimentos
começam a ser tratadas nesse período. Com a entrada da China na
OMC em 2001 iniciou-se uma revisão das principais diretrizes para o
IDE, envolvendo discussão sobre setores prioritários, novo quadro
legislativo para adequação às regras da daquela instituição. Com relação
à política industrial, o "Guiding Foreign Investment ­ Industrial
Catalogue" foi alvo de uma revisão em janeiro de 2005, para permitir
a expansão do setor de serviços e encorajar o IDE nas indústrias hitech e no estabelecimento de centros de pesquisa e desenvolvimento
(P&D). Com relação à política regional, a nova orientação é a "Go
West", uma tentativade desenvolver e atrair investimentos para o interior
do país, cuja área corresponde a 56% do país, detém 23% da população
e 14,8% do PIB. (MOFCOM, 2005).
Outro ponto a destacar diz respeito ao modo de entrada de
investimento direto externo na China. E este se deu primeiramente sob
a forma de joint ventures ­ as chamadas foreign invested enterprises
9

"Guiding Foreign Investment­ Industrial Catalogue"

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

170 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

(FIEs) cuja lei estipulava que o capital estrangeiro poderia contabilizar
25% do capital total de uma joint-venture. Estabeleceu-se mais tarde
uma variação dessa forma, a cooperative joint venture, pela qual a
distribuição dos lucros não dependia da quota de participação dos
parceiros nas ações, mas seria determinada pelo acordo entre os
parceiros no contrato. A segunda forma de entrada de IDE foi por
meio da organização das Wholly foreign firms ­ empresas com
participação estrangeira total, permitidas apenas dentro das zonas
especiais. Deve-se ressaltar que, frente à inexistência de um setor
privado, o governo não pretendia lançar esse tipo de empresa para o
restante do país. Só depois de muita controvérsia e após um período
de julgamento, as empresas 100% estrangeiras foram autorizadas, em
1986, mas somente caso exportassem 50% de sua produção ou
produzissem mercadorias tecnologicamente avançadas. Mais tarde, essa
forma jurídica de empresas foi sendo estimulada para além das zonas
especiais. Entre 1990 e 1999, as empresas 100% estrangeiras tiveram
uma participação média nos investimentos recebidos pela China, em
termos de valor, de 35%, enquanto as joint-ventures contabilizam
62% (MOFTEC, 2000). Com o ingresso da China na OMC essas
restrições têm sido flexibilizadas.
IV - Considerações finais
O novo ciclo de investimentos diretos que teve início na segunda
metade da década de 1980 teve um dinamismo surpreendente e trouxe
algumas características bem distintas daquelas verificadas durante o
período compreendido entre o pós-guerra e o início dos 80.Atendência
do IDE nesse período tinha sido a de expandir o investimento de
natureza produtiva, sobretudo na indústria manufatureira, e sua
distribuição espacial foi muito mais abrangente envolvendo países da
periferia. O dinamismo recente apresentado pelo IDE foi caracterizado
por um crescimento das operações de fusões e aquisições
transfronteiras, pela expansão do investimento de portfólio, formação
de "megacorporações", por uma distribuição espacial concentradora
e preferência pelo setor de serviços.
Emquepeseessastendências maisgeraiseodiscursoliberalizante
dos anos 90, uma maior desagregação dos dados mostra diferenças
significativas entre países e regiões quanto as suas inserções nos fluxos
globais de IDE. Do ponto de vista das políticas de atração de capital
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 171

estrangeiro, as açõesdos governos também nãoforam homogêneas.Esses
comportamentosdiferenciadosrefletiramdistintasestratégiasdosgovernos
e empresas de participarem do processo de globalização.
Este artigo procurou mostrar que a China seguiu um caminho
próprio e se inseriu de modo diferenciado nos investimentos globais, o
que pode ser evidenciado quando se observa não só o perfil assumido
pelo investimento direto externo em sua economia, como a sua
contribuição para o desempenho do país. Diferentemente dessas
experiências, o comportamento dos investimentos estrangeiros no Brasil
foi mais sintonizado com as tendências globais apresentadas por esses
fluxos, tanto em termos de direção setorial quanto em termos de modos
de entrada e tipo de contribuição para a economia.
O Brasil foi o terceiro maior recebedor de investimento direto
dos países em desenvolvimento nos anos noventa e esta posição esteve
diretamente associada a sua inserção nas fusões e aquisições
transfronteiras que se dirigiram em grande parte ao setor de serviços,
especialmente para privatizações do setor elétrico e de
telecomunicações. A configuração assumida pelo IDE na China foi
bastante distinta, com as empresas estrangeiras realizando seus
investimentos sob a forma predominante de novos projetos destinados
às atividades industriais e através de joint-ventures. Esses distintos
perfis assumidos pelo IDE no Brasil foram resultados das distintas
estratégias de seus governos de se integrarem à economia mundial e
dependeram da forma como cada país fez a reforma e abertura de sua
economia e construiu o quadro legal e institucional para receber o
investimento direto externo.
O Brasil promoveu no final dos 80 e ao longo dos anos 90 uma
série de reformas de orientação liberal e introduziu várias medidas para
aumentar o grau de abertura financeira e comercial da economia
brasileira e redefinir o papel do Estado na economia.Avisão subjacente
a essas políticas estava plenamente de acordo com as recomendações
do Consenso de Washington de retirar todas as restrições à livre
movimentação dos fluxos financeiros, comerciais, deinvestimento direto
e de tecnologia e de reduzir o papel do Estado na produção (redefinindo,
inclusive, sua função na esfera fiscal).
Nessa direção, mudanças rápidas foram introduzidas no quadro
regulatório para receber o investimento direto externo, as quais diziam
respeito ao fim da diferenciação entre capital estrangeiro e capital
nacional e das restrições de ordem setorial, societária etc. Estas
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

172 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

mudanças foram fruto de certa visão do papel a ser cumprido pelas
empresas transnacionais no processo de modernização, de que além
de contribuir com aportes de recursos para a desejada estabilização
monetária, essas empresas facilitariam o acesso do país a recursos
financeiros e tecnológicos e contribuiriam ainda paramelhorar a inserção
do Brasil no comércio internacional.
Uma década e meia depois, os resultados mostraram-se
frustrantes, tanto em termos da contribuição do IDE para a taxa de
investimento, quanto para o desempenho exportador do país que
amargou até 2000 grandes déficits comerciais.Agrande contribuição
do IDE para a economia brasileira parece ter sido na cobertura dos
déficits em conta corrente durante parte dos anos 90 e entre 20012002.Apredominância das fusões e aquisições como modo de entrada
na economia, num contexto de baixo crescimento econômico e de
câmbio e juros altos, resultou de motivações de investimentos mais
associadas ao surgimento de um ciclo de oportunidades gerado pelo
processo de privatização do que uma tendência de longo prazo.
A China também introduziu medidas de natureza sistêmica e
regulatória para receber o investimento direto externo. Porém, o
processo de abertura executado por este país foi lento e gradual
(utilizando as ZEEs de forma experimental) e disse respeito quase que
exclusivamente a entrada de investimento produtivo, desestimulando
outras formas de investimentos internacionais. Dentro do objetivo de
modernizar sua indústria e introduzir novas práticas administrativas, as
políticas para o IDE foram sendo introduzidas de maneira a orientar os
investimentos para os setores prioritários da política industrial, e o
controle sobre a forma de entrada do capital estrangeiro na economia
(via joint-ventures e não através de fusões e aquisições) foi parte
fundamental desta estratégia.
Deve-se ressaltar que a China enveredou por uma estratégia
de desenvolvimento nacionalista com forte apoio do Estado. Sua opção
de se integrar à economia global deu-se através do investimento direto
e do comércio, como mostram não só os crescentes ingressos de IDE,
como o desempenho exportador do país, grandemente determinado
pelas estratégias exportadoras das filiais estrangeiras que operam em
sua economia. Note-se o papel da política de crescimento do governo
chinês, baseado no crédito interno, e sua política de manutenção da
estabilidade cambial com moeda desvalorizada nesses desdobramentos,
além do processo de negociação para o estabelecimento do
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 173

cronograma de adesão do país a OMC. Desse modo, o IDE na China é
algocomplementar, paratrazerdivisas e manter oritmode modernização.
Por outro lado, as opções de cada um desses países dependeram
do estágio de desenvolvimento em que se encontravam no momento
em que se inicia a nova onda de investimentos globais. Isto implica em
maiores ou menores oportunidades de investimentos relacionados à
abertura ou não de novos setores e reflete o nível de engajamento no
circuito financeiro internacional,dando maior ou menor raio de manobra
para alavancar as políticas de crescimento. Assim, o perfil do IDE
numa determinada economia depende da visão de desenvolvimento
do país que faz a absorção.
Referências Bibliográficas
BANCO CENTRAL DO BRASIL. Censo de capitais
estrangeiros. Brasília, 1997. Disponível em: .
BANCO CENTRAL DO BRASIL. Censo de capitais
estrangeiros. Brasília, 2002. Disponível em: .
BANCO CENTRAL DO BRASIL. Nota para Imprensa. Brasília.
Disponível em: .
BELLUZZO, L. G. (1999) "Finança Global e Ciclos de Expansão" in
Fiori, L. (organizador), Estados e Moedas, Ed. Vozes.
______& ALMEIDA, J. G. (2002) Depois da queda: a economia
brasileira da crise da dívida aos impasses do Real. Rio de Janeiro,
Ed. Civilização Brasileira.
BROADMAN & SUN (1997) "The Distribution of Foreign Direct
Investment in China". WB Policy Research Working Paper,
February 1997, Washington, D.C.
CANO, M. (2003) O recente processo de fusões e aquisições
na economia brasileira, Campinas, UNICAMP, Instituto de
Economia. (Dissertação, Mestrado)
CHEN CHUYUAN (1982) China's economic development,
growth and structural change. Boulder, Westview Press
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

174 -- BRASIL E CHINA NOS FLUXOS GLOBAIS DE INVESTIMENTO ...

CHUNLAI, Chen. (1997) The Evolution and Main Features of
China's Foreign Direct Investment Policies. Chinese Economic
Research Center,Austrália.
COUTINHO, L. & BELLUZZO, L.G. (1996) "Desenvolvimento. e
Estabilização sob Finanças Globalizadas". Economia e Sociedade,
No. 7, dez. de 1996, Campinas, SP.
DE NEGRI & ACIOLY (2003) Novas Evidências sobre os
Determinantes do Investimento Externo na Indústria de
Transformação Brasileira e nos Setores Prioritários da
Política Industrial. TD 1019, IPEA, Brasília.
EPSTEIN, G. & BRAUNSTEIN, E. (2002) "Bargaining Power and
Foreign direct Investment in China: can 1.3 billion consumers tame
the multinationals?" PERI (Political Economy Research Institute),
University of MassachusettsAmherst.
FRANCO, Gustavo H. (1998). A inserção externa e o
desenvolvimento. Revista de Economia Política. v. 18, n.3
International MonetaryFund(IMF)(2004). WorldEconomicOutlook:
AdvancingStructural Reforms (Washington,D.C.: IMF).
LAPLANE M. F. & SARTI, F. (1999) Investimento Direto
Estrangeiro e o Impacto na Balança Comercial nos Anos 90.
Texto para Discussão do IPEA. N.629, Brasília, Fev. 1999.
LAPLANE, M. & SARTI, F. (2003) "O investimento direto
estrangeiro e a internacionalização da economia brasileira nos
anos 90". In LAPLANE & SARTI (orgs.) Internacionalização
e Desenvolvimento da Indústria no Brasil, 2003. Ed.
Unesp, Campinas, SP.
LEMOINE, Françoise. (2000) FDI and the Opening Up of
China's Economy. CEPII, 2000.
MEDEIROS, C.A. (2004) "A Economia Política da
Internacionalização sob Liderança dos EUA:Alemanha, Japão e
China". In: José Luís Fiori. (Org.). O PoderAmericano. Petrópolis,
2004, v. , p. 139-178.
MIRANDA, J.C (2001): "AberturaComercial,ReestruturaçãoIndustrial
e Exportações Brasileiras na Década de90" in IPEA, TDn. 829.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Luciana Acioly da Silva -- 175

MOFCOM (2005) "Colóquio paraAutoridades daAdministração
Econômica da China e dos Países de Língua Portuguesa"
Documentos Avulsos. Maio, 2005, Beijing, China.
MOFTEC (2001) FDI Statistics. Beijing, China
OECD (2003): OCDE Factbook 2003: Economic, Environmental
and Social Statistics. Macroeconomic trends - economic growth investment rates.
SILVA, L. A. (2004) Brasil, China e Índia: o investimento
direto externo nos anos noventa. Campinas: IE/Unicamp (Tese
de doutoramento), cap. 3.
WEI JIA (1994) Chinese foreign investment laws and policies:
evolution and transformations, Quorum Books, Westport, Connecticut.
WORLD BANK, (1999) Global Development Finance.
Washington, D.C
UNCTAD (2000) World Investment Report 2000: Cross-border
Mergers and Acquisitions and Development, United Nations,
New York / Geneva.
______ (2001) World Investment Report 2001: Promoting
Linkages, (Annexes). United Nations, New York / Geneva
______ (2002) World Investment Report 2002: Transnational
Corporations and Export competitiveness, (Annexes). United
Nations, New York / Geneva.
______ (2003) World Investment Report 2003: FDI Policies for
Development: National and international Perspectives, (Annexes).
United Nations, New York / Geneva.
______ (2004) World Investment Report 2004: The Shift
Towards Services, (Annexes). United Nations, New York / Geneva.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

UMA ANÁLISE DA "AGENDA LIBERAL" PARAA CHINA
Bernardo Kocher*
Resumo:AnálisedainserçãodaChinanosistemainternacional pó-Guerra
Fria destacando-se especialmente o período pós-crise asiática de 1997.
Palavras-chave: China; Inserção Internacional; Pós-Guerra Fria.
An analysis of the "liberal agenda" for China.
Abstract: Analysis of China's engagement on the post-Cold War
international system, especiallyon the post-Asian crisis period of 1997.
Keywords: China; international engagement; post-Cold War.
A China sempre foi protagonista de importantes convulsões
internas, com expressivos impactos materiais e simbólicos no mundo
exterior. Ao longo de sua História o país conheceu variadas formas de
governo e regimes políticos em meio a críticos "warfares". Desde a
aproximação do ocidente com a viagem de Marco Pólo, passando pelo
colonialismo ea guerracivil,atéopresentecrescimentovertiginosoda sua
economia - que a transformou numa potência econômica em pouco mais
de vinte e cinco anos -, o país tem sido foco de intensos questionamentos
sobre qual a natureza da sua participação no sistema internacional.
O esgotamento da Revolução Cultural, por um lado, e o fim
da URSS e do bloco comunista na Europa oriental, por outro, deramlhe um novo realce. Nos dias atuais assistimos até a uma discussão
sobre uma eventual ameaça de uma nova Guerra Fria, onde a China
substituiria a URSS no confronto com os EUA (SMALL, 2005).
Gostaríamos de tratar neste artigo de um aspecto que considero
ser de extrema importância para a China contemporânea. Trata-se
de uma forma de compreensão do país em função das transformações
que ele vem passando nas últimas décadas. Estou chamando esta
visão de "agenda liberal" para a China. Apartir de uma pouco cuidada
análise que contemple tanto a História quanto a correlação de forças
Doutor em História pela UFF (1997), com a tese "A Economia Política da
Inflação dos Preços: Brasil, 1964-1994" e Professor de História
Contemporânea do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação
em Relações Internacionais da Universidade Federal Fluminense.
*

178 -- UMA ANÁLISE DA "AGENDA LIBERAL" PARA A CHINA

políticas reais que existem na sociedade civil chinesa, é doada ao
país pela mídia, agências multilaterais e "think tanks", além de grande
parte da intelectualidade dos países ocidentais, uma percepção de
que o mercado está simplesmente substituindo o Estado, ou mesmo
o PCC. Se estes ainda não saíram de cena é por conta de um
anacronismo que cedo ou tarde a nova correlação de forças trazida
pela modernização e pelo mercado produzirá. Esta atitude pouco
construtiva, mas fortemente politizada, possui papel relevante na
formação de uma visão da China sem que, no entanto, produza uma
compreensão precisa do sucesso econômico chinês. Este tem como
protagonista o capital privado e o Estado chinês.
Forma-se, assim, a falsa percepção de que existe uma
contradição entre a realidade econômica voltada para o mercado e o
papel do PCC na condução da política econômica. Aimagem gerada
pela "agenda liberal" é a de que a política econômica do Estado chinês
(dirigida pelo PCC) não conta para o crescimento econômico
vertiginoso, antes, pelo contrário, é um fator inibidor.
Como o atual desenvolvimento econômico e político não
pertencem a nenhum modelo prévio, repousa sobre a China uma natural
incompreensão inicial do que lá está ocorrendo. Ainda, face à crise
profunda pela qual passa o marxismo desde a derrocada da URSS, as
interpretações oriundas deste campo de conhecimento têm cedido
espaço para a "agenda liberal". Agrega-se a esta situação o fato de
que o PCC polarizou acirrados debates ideológicos com forças políticas
de esquerda desde os anos cinqüenta até os setenta ­ assumindo
posições de ultra-esquerda -, o que criou uma espécie de débito
profundo da China com o marxismo, via maoísmo.
As reformas econômicas na China têm polarizado a atenção
sobre o país. Não é, frisamos, a questão política e nem tampouco
o processo de reformas em si o que está sendo realçado, mas, é o
sucesso da economia o que contaminou as interpretações que
produzem a "agenda liberal".
Entre 1978 e 2004 o PIB chinês pulou de US$ 147,3 milhões
para US$ 1,65 bilhões, tendo sido multiplicado por onze, com uma
taxa de crescimento médio de 9,4% por ano. O comércio exterior
(exportação + importação) aumentou de US$ 20,6 milhões para US$
1,15 bilhões, a uma taxa de 16% ao ano e mulplicando-se por
sessenta. São também surpreendentes o ascenso da inversão externa
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Bernardo Kocher -- 179

direta, que passou de US$ 1,8 bilhões (1979-1983) a US$ 60,630
bilhões em 2004. Estudos da empresa de consultoria Goldman Sachs
afirmam que o PIB chinês medido em dólares correntes poderá
superar o da Alemanha em 2007, o do Japão em 2015 e o dos EUA
em 2039 (BUSTELO, 2006). Suas reservas monetárias chegaram a
mais de US$ 1 trilhão em 2006, tornando-se a segunda maior do
mundo, somente superada pelo Japão.
A partir do início dos anos noventa ­ após a queda da URSS
e as reformas na China já terem completado mais de uma década de
sucesso ­ todo um conjunto de análises voltadas para a compreensão
e (também diríamos) interferência na vida interna chinesa tem sido
produzido. Sob este prisma o país estaria indo no caminho certo, do
ponto de vista econômico, apesar da presença no poder político da
ditadura do Partido Comunista Chinês, da intervenção do Estado na
economia, da inexistência do texto legal que oficialize a propriedade
privada, da ausência de normas claras e de foros jurídicos para o
funcionamento do mercado, etc.
Este conjunto de interpretações não considera, no entanto, que
é justamente a presença do PCC no poder que fornece as condições
de funcionamento da economia de mercado na China. Esta aparente
contradição não possui até o momento uma análise conceitual e teórica
ampla que procure dar conta do papel do PCC (tal como ele é) na
criação de uma forma de desenvolvimento absolutamente específico e,
como sabemos, bem sucedida.
O conjunto de questões acima apontado tornar-se-á ainda mais
importante de ser discutido neste ano de 2007, quando importantes
mudanças na política econômica chinesa estarão sendo implementadas
a partir de março. Uma delas será a equiparação da propriedade
privada à propriedade pública, visando a incentivar investimentos. O
horizonte de realização das Olimpíadas também nos traz a necessidade
de refletir sobre a realidade chinesa contemporânea, já que esta terá
presença constante na mídia quando no ano de 2008.
Para uma análise que alcance a dinâmica da "agenda liberal"
para a China com o processo de transformações concreto por que
passa o país elegemos um conjunto de questões voltadas à inserção no
sistema internacional da China. Pensamos que este possa ser um meio
de ajudar a responder às imensas dúvidas que existem para a definição
da China no mundo contemporâneo.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

180 -- UMA ANÁLISE DA "AGENDA LIBERAL" PARA A CHINA

Amorte de Mao Tse Tung em 1976 consolidou o que já havia
sido alinhado nos primórdios da década de setenta. Deng Xiao Ping
deu vida plena às reformas, iniciadas política e intelectualmente ainda
por Mao, que se caracterizaram no plano internacional: a) pela
desideologização, especialização e profissionalismo do corpo
diplomático e da política externa; b) pela eliminação da orientação de
esquerda na relação com o Terceiro Mundo; c) pelo entrelaçamento
da política externa com a nova orientação de reformas e modernização
econômica; e, d) orientação independente da política externa chinesa
em relação aos EUA e URSS.
Na primeira fase deste envolvimento - desde a sua
implementação até o fim da Guerra Fria -, a confluência entre as
transformações em curso na China e a economia mundial não foram
obstáculo à compreensão e ao aprofundamento do modelo econômico
chinês. Tudo o que ocorria no país poderia ser creditado, pela ótica
da "agenda liberal", ao debilitado socialismo real, que para a China
significaria que um dia o capitalismo voltaria. O país teve direito, antes
mesmo do restabelecimento das relações diplomáticas com os EUA
em 1979, a "um veloz acesso ao financiamento internacional em
condições excepcionalmente favoráveis" (MEDEIROS, 1999). Isto
caracteriza o que Imanuel Wallerstein chamou de "convite" ao
desenvolvimento, numa feliz definição da decisão das economias
capitalistas mais desenvolvidas em implementar meios para o
crescimento econômico em larga escala em outras nações aliadas
políticas e estratégicas (WALLERSTEIN, 1979).
O caminho desta nova inserção foi também articulado pela
reorganização da economia regional do sudeste asiático que a partir
da migração de parte do capital produtivo japonês propiciou que o
comércio e o investimento regionais ganhassem relevo na economia
mundial. Uma importante fase conjuntural se abriu para aChina, quando
a desvalorização do dólar acordada multilateralmente no Acordo do
Plaza Hotel, em 1985, promoveu uma injeção de capital produtivo,
vindos de Hong Kong, Formosa, Japão e Coréia do Sul, que passaram
a procurar as zonas econômicas especiais para fins de barateamento
dos custos de mão-de-obra e dos imóveis urbanos, além do câmbio
desvalorizado (WALLERSTEIN, 1979, p. 101). Começa aí a escalada
da formação do superávit comercial chinês em relação aos EUA.
A China alargou nos anos oitenta o escopo da sua atuação
em termos de política externa, transformando os Estados Unidos, o
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Bernardo Kocher -- 181

Japão, os países asiáticos e os países europeus, além dos organismos
multilaterais, em parceiros ativos. Por este caminho o multilateralismo
substituiu o estrito bi-lateralismo e o isolamento das décadas
anteriores. A negação dos países ocidentais e de suas instituições
multilaterais já não era mais possível e o pragmatismo teve que ser
adotado tanto quanto o distanciamento com os países do Terceiro
Mundo e a busca da liderança chinesa destes.
O crescimento econômico exponencial do país não ocorreu
sem uma redefinição dos marcos da sua reinserção no sistema
internacional e, simultaneamente, da política externa chinesa. A
diplomacia chinesa tem sido convidada para as reuniões anuais do
G8, é membro ativo da integração regional no Pacífico ocidental
(Asean + 3) e a Comissão Econômica Ásia-Pacífico (APEC),
participado intensamente do Conselho de Segurança da ONU e nas
demais instituições internacionais. A orientação da política externa
chinesa pulou do isolamento para a busca de uma inserção como
uma "grande potência", o que tem causado até o temor do poderio
chinês construído após o início das reformas.
O fim da Guerra Fria criou um novo contexto para a inserção
econômica e política da China no sistema internacional. As benesses
trazidas pela "Guerra Fria dentro da Guerra Fria" ­ como chamamos a
cisão sino-soviética -, nos anos sessenta e setenta - já não eram mais
necessárias aos olhos dos patrocinadores ocidentais. A China teria
que, necessariamente, procurar realocar o seu papel como receptor
de investimentos e mega-exportador no interior de uma agenda que a
partir de então contaria com os tradicionais termos de contingenciamento
aplicados até então à extinta URSS. Os Direitos Humanos foram o
maior destes termos e o Massacre da Praça Tiannanmen, em 1989 o
seu principal marco. Daí a oposição dos EUA para que a China
realizasse os Jogos Olímpicos em 2000. Os constantes bloqueios aos
pedidos de empréstimos chineses no Banco Mundial e, também, as
dificuldades crescentes à renovação anual pelos EUA do status da
China como "Nação Mais Favorecida" expressam esta situação. Mas
o fim do "convite" não produziu uma limitação do poder econômico
que as reformas têm dado à China.
Após a CriseAsiática em 1997, o poderio da economia chinesa
foi testado e, também, reorientado. Agora, já não se tratava mais de
se abrir ao capital estrangeiro, mas de colocar o mercado interno como
um estímulo ao crescimento econômico. Segundo Elias Jabbour, os
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

182 -- UMA ANÁLISE DA "AGENDA LIBERAL" PARA A CHINA

anos anteriores prepararam o país para o enfrentamento seguro da
crise (ressalte-se a manutenção da taxa de câmbio como um mecanismo
essencial para o enfrentamento da volatilidade de capitais) através da
criação da "capacidade produtiva instalada, (do) sistema estatal de
intermediação financeira e o efetivo controle do Estado Nacional em
todos os terrenos da governança chinesa" (JABBOUR, 2006). Apartir
de então efetuou-se o reordenamento do gasto público com "volumosos
gastos públicos em infra-estruturas com a intenção de criar um mercado
interno em condições de proteger o país de efeitos relacionados ao
fechamento de mercados externos" (JABBOUR, 2006, p. 24).
A continuidade da nossa análise caminhará para a
compreensão da China no sistema internacional no pós-Guerra Fria,
e especialmente após a Crise Asiática, salientando alguns elementos
específicos da "agenda liberal".
Em primeiro lugar chamamos atenção para a problemática
da consideração da China como uma ameaça, tal como antes fora a
URSS, a ponto de poder engendrar uma nova Guerra Fria. Agora, o
sucesso estrondoso do modelo econômico chinês também a colocaria
numa rota de colizão com os EUA. Lembremos que a Guerra Fria
ocorreu em meio ao crescimento econômico da URSS e o seu fim foi
totalmente intermediado pela sua falência econômica. O bombardeio
da embaixada chinesa em Belgrado, durante a liberação do Kosovo
da presença Iugoslávia, possuiria os ingredientes deste eventual
conflito. A interdependência econômica (já que a China é ativa
vendedora no mercado interno americano e detentora de grande porte
da sua dívida pública mobiliária federal) não seria, neste raciocínio, o
suficiente para evitar o confronto sino-americano, que partiria de uma
nova elaboração da política de "contenção".
Um outro caminho para a ruptura das relações pacíficas ChinaEUAseria a questão de Taiwan. Ailha no Mar da China, considerada
uma "província rebelde" pelo governo da China continental, poderia
talvez representar o mesmo papel que o controle do governo da Polônia
em 1946 teve para o acirramento das tensões entre EUA e URSS.
Imensas somas de recursos têm sido gastas pelo governo americano
para proteger como um bastião do mundo ocidental na Ásia a ilha que
abrigou os derrotados pelos comunistas em 1949. Mesmo sem o status
de representante oficial do povo chinês na ONU, quando perdeu seu
lugar para a República Popular da China, em 1971, a proteção e o
"convite" ao desenvolvimento foram mantidos absolutamente intactos
pelos sucessivos governos americanos.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Bernardo Kocher -- 183

Do ponto de vista do grupo dos neocons norte-americanos
encontramos em Condolezza Rice um ponto de possível construção
de um atrito instransponível que levaria a uma nova Guerra Fria: o
ambiente criado em torno do sistema Ásia-Pacífico, onde uma disputa
de hegemonia poderia fazer o conflito eclodir. ASecretária de Estado
dos EUA assim se referiu ao problema:
"Even if there is an argument for economic
interaction with Beijing, China is still a
potential threat to stability in the Asia-Pacific
region. Its military power is currently no
match for that of the United States. But that
condition is not necessarily permanent. What
we do know is that China is a great power
with unresolved vital interests, particularly
concerning Taiwan and the South China Sea.
China resents the role of the United States in
theAsia-Pacificregion.This means that China
is not a "status quo" power but one that
would like to alter Asia's balance of power in
its own favor. That alone makes it a strategic
competitor, not the "strategic partner" the
Clinton administration once called it. Add to
this China's record of cooperation with Iran
and Pakistan in the proliferation of ballisticmissile technology, and the security problem
is obvious. China will do what it can to
enhance its position, whether by stealing
nuclear secrets or by trying to intimidate
Taiwan" (SMALL, 2005, p. 30).
Outras fontes de atrito que a China pode ensejar são a busca
chinesa no mercado global por matérias-primas e energia não-renovável
e a vinculação política de Pequim com vários governos hostis à política
externa americana, como Sudão, Irã, Zimbabwe, Bielorússia e Coréia
do Norte, principalmente.
Numa outra vertente interpretativa - a que atribui a existência de
umarealinterdependênciaentreaChinacomunistaeainsular,comaatenuação
dosentimentoindependentistadailha-,podemoslembrarque existem cerca
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

184 -- UMA ANÁLISE DA "AGENDA LIBERAL" PARA A CHINA

de 6 mil empresas taiwaneses instaladas na China continental no vale
do rio Yang-tsé (JABBOUR, 2006).
Também diametralmente oposta à tese de uma eventual futura
Guerra Fria temos o trabalho de Pablo Bustelo, que aponta para a
formulação da política chinesa de "ascensão pacífica" (heping jueqi)
como uma resposta à formulação à tese internacional de "ameaça"
chinesa. Esta, pautada na formulação anterior de Deng Xiaoping de
"esconder nossas capacidades e ganhar tempo", procura caracterizar,
no melhor estilo da tradição realista, o papel belicoso da China
(BUSTELO, 2006, p. 2-3). Segundo o autor, acompanhando a
formulação de ZhengBiijan, numa interpretação oficiosa, a "China pode
e quer ascender sem por em questão, desafiar ou inclusive perturbar a
ordem internacional existente". Para isto aponta-se o fato de que o
atual status quo no sistema internacional tem sido benéfico à China,
com amplo acesso a mercados e capitais disponíveis para investimento,
e, por outro lado, que este processo só se consolidará no longo prazo
(BUSTELO, 2006, p. 4). Além disso, a diplomacia chinesa tem se
mostrado cooperativa com a comunidade internacional em diversos
assuntos econômicos quanto políticos. Ela é um fator importante para
a negociação da limitação do poder nuclear da Coréia do Norte.
Se tomarmos como ponto de partida de que os argumentos da
possibilidade de uma nova Guerra Fria são infundados, não podemos
deixar de questionar, nosso segundo ponto, o fato de que a China pode
estar desenvolvendo um soft power. Seguindo as categorias básicas de
engajamento dos EUA criadas por Joseph Nye, em seu livro "Paradoxo
doPoderAmericano"(São Paulo,Editora Unesp,2002),aChinasegundo
ampladiscussãobibliográficatambém possuiriaelementosqueacolocam
como possuidora do poder brando, ou soft power. Aprópria postulação
chinesa de líder do Terceiro Mundo dos anos cinqüenta aos setenta era
em essência a manifestação desta situação.
Não partimos do pressuposto de que a China irá reproduzir o
papel que os EUA, para quem esta categoria foi especificamente
criada, e caminha agora para a generalização digamos um novo tipo de
poder brando. A China não possuiu no passado e nem possui no
presente condições para tal. Seu idioma principal, o chinês mandarim
- o mais falado no mundo -, não possui condições de difusão como
meio de comunicação, tal como o inglês, e nem as instituições chinesas
serviriam de modelo para moldar a realidade política e institucional,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Bernardo Kocher -- 185

seja de Estados Nacionais seja de organismos multilaterais. De qualquer
forma é inegável que nos últimos anos a atuação chinesa em inúmeros
cenários tem caminhado para a ampliação da sua participação e
influência, o que nos pode indicar que o resultado eficaz que o
crescimento econômico tem trazido para a China após o início das
reformas é justamente o soft power chinês.
São inúmeros os episódios que demonstram o papel
cooperativo da China nas relações internacionais do pós-Guerra Fria.
A postulação do "ascenso pacífico" (heping jueqi) é uma delas. Ela
indica uma posição diametralmente oposta a todas as políticas adotadas
anteriormente em relação ao Terceiro Mundo. O aumento do prestígio
do país em relação aos EUA, manifestadas em pesquisas de opinião
pública (SOTO, 2005) pode ajudar a contrabalançar a perspectiva,
também manifestada em pesquisas de opinião, sobre o papel do
equilíbrio militar futuro entre a China e os EUA.
Mas, o que chamaremos a atenção neste trabalho, no que tange
ao poder brando chinês, são dois aspectos da discussão prática e
conceitual internacional. O primeiro destes é a entrada da China para
a Organização Mundial do Comércio. A inclusão do país como
centésimo quadragésimo terceiro membro da entidade foi obtida após
o reconhecimento por parte de vários membros da OMC de que a
China possui uma economia de mercado. Esta caracterização causa
intensa polêmica dos pontos de vista político e ideológico. Na ânsia
de se colocar "em pé de igualdade com os demais países" (zili yu
shijie minzhu zhilin), este passo representou para China uma
importante etapa da reconstrução da sua identidade nacional, abalada
desde o início da colonização em meio à desestruturação da unidade
nacional durante a dinastia manchu. Por outro lado, pelo ângulo do
sistema internacional, a participação da China representa a mais
importante vitória da "agenda liberal".
Esta adesão a uma expressiva instituição multilateral é, por outro
lado,um importantemeio demanutençãodapolíticadereformas iniciadas
em 1978, já que "open markets for China's exports and high influx
of FDI are crucially important: that is precisely why China joined
the WTO in December 2001" (DECKERS, 2005, p. 8-9). Ao tempo
da adesão à OMC o país era o sétimo exportador do mundo e o maior
importador da economia mundial. Mesmo que a OMC represente os
interesses de empresas multinacionais e penalize a soberania dos Estados
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

186 -- UMA ANÁLISE DA "AGENDA LIBERAL" PARA A CHINA

Nacionais, entre outros problemas que são levantados pelos seus críticos,
a China não exitou em propor e efetivar a sua participação. Adecisão
final veio após o incidente da repressão aos manifestantes da Praça
Tiannanmen,em1989. Umaincorporaçãomaisíntimaàeconomiamundial
poderia diminuir as restrições que começaram a ser construídas em torno
da problemática dos Direitos Humanos. Como resultado do
constrangimento político a ampliação da inserção da economia nacional
na interdependente economia globalizada foi colocada como moeda de
troca, o que produziu resultados positivos para os investimentos externos
na China. Neste processo as tarifas alfandegárias foram cortadas numa
média de 23%, os industriais passaram a importar e a exportar sem a
interferência do Estadoe avender diretamente nomercadointerno chinês,
os bancos estrangeiros puderam oferecer serviços no mercado de câmbio
para empresas (dois anos) e cidadãos (cinco anos) chineses após a adesão
à OMC, as empresas automobilísticas passaram a ter direitos plenos de
distribuição e venda dos seus produtos e os subsídios agrícolas foram
limitados a 14,5 a 15% (DECKERS, 2005, p. 11).Além disto, o controle
da pirataria deveria ser introduzido internamente, caso a China desejasse
participar do processo de solução de controvérsias da OMC.
O cálculo e o benefício políticos pelos governantes chineses
foram o do fortalecimento da coalizão de poder interna, o que daria
uma continuidade ao processo de reformas sem que a contestação
política fosse associada às críticas internacionais.
Tomando como positiva a formulação do soft power chinês,
em terceiro lugar, apontamos a formulação de uma tese extremamente
interessante para a discussão da China no sistema internacional: o
Consenso de Pequim. Em maio de 2004, um especialista em assuntos
chineses da Goldman Sachs, Joshua Cooper Ramo, publicou um artigo
intitulado "The BeijingConsensus: Notes on the NewPhysics of Chinese
Power", publicado pelo Foreign Policy Center, em 2004 (RAMO,
2004). O artigo popularizou ainda mais a incidência da expressão
"consenso" na literatura social e iniciou um debate intenso sobre a
natureza das transformações na China, ainda mais quando o clássico
"Consenso de Washington" serviu de contraponto ao desenvolvimento
do poder brando chinês. Associado com o "padrão chinês de
desenvolvimento", a audiência no Terceiro Mundo a esta idéia (mais
do que a palavra "consenso" quer exprimir) foi grande, criando o
questionamento do congênere anglo-saxão, aplicado àAmérica Latina.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Bernardo Kocher -- 187

Segundo Ramo a China é uma elemento central numa eventual
transformação da economia global:
"What is happening in China at the moment
is not only a model for China, but has begun
to remake the whole landscape of
international development, economics,
society and, by extension, politics. While
the US is pursuing unilateral policies
designed to protect United States interests,
China is assembling the resources to eclipse
the US in many essential areas of
international affairs and constructing an
environment that will make US hegemonic
action more difficult. The point of this piece
is not to judge China's rise as good or bad.
I will leave the discussion about how to
handle China's rise to the ideologically
electric engagement/containment debate,
though I will show in a moment why ideas
like engagement and containment are
outdated in regard to China. Rather what I
wish to do here is simply to outline the shape
of China's new power basis and solidify the
claim that when measured in terms of
comprehensive national power, China is
already a rival of the United States in many
important areas" (RAMO, 2004, p. 3)
Assim, a realidade interna chinesa seria a formadora do novo
consenso, que é assim definido:
"To the degree China's development is
changing China it is important; but what
is far more important is that China's new
ideas are having a gigantic effect outside
of China. China is marking a path for other
nations around the world who are trying
to figure out not simply how to develop
their countries, but also how to fit into the
international order in a way that allows
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

188 -- UMA ANÁLISE DA "AGENDA LIBERAL" PARA A CHINA

them to be truly independent, to protect
their way of life and political choices in a
world with a single massively powerful
centre of gravity. I call this new physics of
power and development the Beijing
Consensus" (RAMO, 2004, p. 3).
O conceito ampliou-se muito desde o seu lançamento, vindo
ao encontro de uma grande insatisfação com as políticas unilaterais e
ultra-liberalizantes das últimas décadas. Ainda não podemos dizer que
medidas práticas estão sendo implementadas em torno deste conceito,
já que a idéia da existência de um novo "consenso" trata-se apenas de
uma análise estritamente intelectual, e não uma articulação social para
pô-la em prática. As políticas de choque que foram apontadas como
solução da Crise Asiática (1997), o seu desrespeito pelos países
envolvidos ­ ressalte-se a China, que manteve estável a sua moeda ­
contribuíram para a formação de uma atuação do governo chinês que,
segundoArik Dirlif, criou uma distinção intrínseca entreo modelo chinês
o ambiente que o cerca. É desta situação nasce e se fortalece a
proposta do "Consenso de Pequim" como uma nova via de
desenvolvimento (DIRLIF, 2006).
Antes de sua inserção, digamos, "total" e internacional, a China
tem que ser pensada em função da sua longa História de relacionamento
com os vizinhos asiáticos. Estas relações, nosso quarto ponto, são de
crucial importância para a compreensão do que estamos analisando
no presente. Pressupomos que a China não poderá prescindir de uma
bem sucedida atuação diplomática, expressando o sucesso de uma
estrutura produtiva, financeira e política regionais que associem tanto a
competição por mercados e as assimetrias quanto a interdependência
e a complementaridade com os países vizinhos.
Esta inserção tem sido bem sucedida, depois do início das
reformas, em primeiro lugar pela atenuação das tensões com os vizinhos
através da negociação de questões fronteiriças com Índia, Vietnã e
Rússia. Com o sudeste asiático mais especificamente, em segundo
lugar, as tensões estiveram em alta quando os seis membros daASEAN
se opuseram à ocupação do Camboja pelo Vietnã, em 1979. Esta
situação demoveu a convergência entre chineses e países daASEAN,
fazendo com que estes se reaproximassem rapidamente do Vietnã.
Após a normalização das relações sino-vietnamitas, em 1991, a China
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Bernardo Kocher -- 189

reavaliou o seu papel no sudeste asiático em meio às críticas
internacionais dos episódios ocorridos na Praça Tiananmen dois anos
antes. Foram criados laços entre a China e a Asean, até o ponto de
ser assinado em 2002 o Acordo de Livre Comércio China-Asean,
seguido pela assinatura de um acordo político em outubro de 2003,
que dava acento à China no Tratado da ASEAN de Amizade e
Cooperação no Sudeste Asiático.
Teria a China a capacidade de tal como aAlemanha no século
XIX introduzir instabilidadenosistemainternacional? Ou apossibilidade
contrária (a China como uma estabilizadora) é que seria verdadeira? O
raciocínio teórico inicial é o de que novos agentes estatais de peso
produzem instabilidadee, então, conflito. Indicaríamos,nestenovo ponto
de análise, uma percepção que tem se desenvolvido na mídia: a de que a
participação da economia chinesa na economiamundial estaria alterando
muitas relações pré-estabelecidas e, com isto, criando hostilidades com
concorrentes, pressionandopelo aumento dos preços de matérias-primas,
etc. Neste sentido, apontamos que a presença chinesa é realmente
expressiva, mas a conclusão sobre o seu impacto desfavorável na
economia mundial não se sustenta. As exportações do país cresceram
muito (5 vezes entre 1994 e 2004), mas também as importações chinesa
cresceram (4,8entre 1994 e 2004).AChina contribuiu parao crescimento
mundial numa proporção maior do que EUA e Europa, apesar de ter
recebido em 2004 9,3% do total dos investimentos externos diretos
tendo sua participação na economia mundial sido 13,2%.AChina, com
seu grande crescimento de demanda de energia, consumiu 6,6 milhões
de barris/dia e os EUA 20,5. Finalmente, apontamos como ponto de
discordância de que a China é causadora de instabilidade ­ pelo menos
no campo econômico ­ o fato de que o país recusou-se a desvalorizar a
sua moeda nacional, o yuan, em meio à crise de 1997 e desvalorizou a
sua moeda em julho de 2004 para melhor enquadrar-se às demandas
internacionais, "en una medida que no era en absoluto imprescindible
para su economia interna y que puede entenderse como una
manifestacion de su voluntad de reducir lãs fricciones comerciales
con EEUU" (BUSTELO, 2006, p. 5).
Como aponta Rosita Dellios (2007) para o que a China poderia
trazer em termos de estabilidade: a capacidade do país ter o "poder
global". São várias as características que compõem esta força: a)
participação como mantenedora da ordem mundial; b) possuir a
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

190 -- UMA ANÁLISE DA "AGENDA LIBERAL" PARA A CHINA

legitimidade de uma grande potência; c) ter poder político e econômico
típicos de uma grande potência; e, d) possuir o status de potência
nuclear. Todos estes itens são aplicáveis à China. Adiplomacia chinesa
participa ativamente das principais decisões da ONU, sendo voz ativa
como crítica e exerce pressão com alguma eficiência para ser contrapeso
ao unilateralismo norte-americano, e é uma ativa defensora do
multilateralismo. Adiplomacia chinesaatuaem mais de mil organizações
internacionais que lidam com todas as matérias relevantes ao sistema
internacional, tais como tráfico de drogas, terrorismo e meio ambiente.
O país é, segundo Rosita Dellos, "an ardent supporter of the United
Nations and international law, warning against the exercise of military
power when peaceful methods of diplomacy ought to be given greater
scope for realization" (DELLIOS, 2007, p. 6). Muitos dos problemas
que o país enfrenta interna e regionalmente (Taiwan,Tibete, democracia,
direitos humanos, poluição, etc.), que poderiam em tese abalar a
capacidade do país atuar globalmente, são problemas que outros países
que já possuem o "poder global" também enfrentam.
O poderio econômico e militar chinês são indiscutíveis,
mas insuficientes para a definição do país como detentor do poder
global. Para Rosita Dellos existirão fatores a serem considerados
para que num futuro (em 2025) a China possa assumir o papel
inquestionável de ter o "poder global".
Numa outra perspectiva, não valorando positivamente o
processo de transformações da China, está o antológico artigo do
especialista em questões asiáticas Gerald Segal, intitulado "Does China
Matter?" (SEGAL, 1999).Trata-se de uma visão crítica e de vanguarda,
acentuando o papel relativo da China que, apesar das impressões,
possui debilidades profundas que não a caracterizariam como uma
grande potência. Suas afirmações bombásticas provocaram intenso
debate na academia sobre suas afirmações, que estavam baseadas
também numa amarga crítica política da saturação da exaltação do
sucesso chinês. Para ele o ocidente estaria aceitando apenas reformas
parciais na política e na economia chinesas e enganando a si mesmo de
que os benefícios de uma economia de mercado viriam sem custos.
Além disto, o exagero do sucesso chinês, principalmente pelo fato do
seu banco central não desvalorizar a sua moeda no curso da crise de
1997, estaria dentro de uma percepção novamente equivocada que
também levaria a Ásia para o centro dos equívocos. Para Segal a China
seria apenas "second-rank middle power that has mastered the art
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Bernardo Kocher -- 191

of diplomatic theater" (SEGAL, 2004, p. 11) e somente o Japão
seria, na Ásia, uma verdadeira economia global.
Economicamente, militarmente e politicamente Segal aponta
para um sem número de restrições para a consideração da fragilidade
chinesa. Em sua conclusão, algo espantosa - intitulada "Does it matter
if China doesn't matter?" (SEGAL, 2004, p. 18,20) -, o "Império
do Centro" é tratado como uma potência média ("middle power") cujo
papel só seria relevante na medida em que o Ocidente não souber lidar
com ela. Seu papel global é enfaticamente negado em favor de uma
debilidade presente em todos os campos de atuação das instituições
públicas chinesas. Estas mereceram uma poderosa reprimenda do
autor, ao afirmar concluindo o seu artigo:
"And perhaps most important, until we treat
China as a normal middle power, we will
make it harder for the Chinese people to
understand their own failings and limitations
and get on with the serious reforms that need
to come"(SEGAL. 2004, p. 20)
Finalmente, existe um ponto relativamente obscuro para a
compreensão do novo papel da China no sistema internacional após o
sucesso das suas reformas. Como são as relações da China com o
Terceiro Mundo? AChina seria um país do Terceiro Mundo?
Desconsiderando aqui a "agenda liberal", que não foca este
tipo de classificação, existem análises que valorizam positivamente as
relações China-Terceiro Mundo. Partindo do pressuposto de que existe
uma crescente tensão nas relações EUA-China, Elias Jabbour indica
que o tradicional vínculo dos anos cinqüenta não foi quebrado pelo
país asiático que se "posiciona na linha de frente dos países periféricos"
(JABBOUR, 2006, p. 37-38) da seguinte forma:
"O alinhamento da China no G-22, criado
no âmbito da OMC, as pressões crescentes
pela embaixada chinesa na ONU pelo
perdão das dívidas do Terceiro Mundo, a
recente abertura comercial total a
produtos dos 35 países mais pobre do
mundo, a decisão de apoiar uma reforma
no Conselho de Segurança da ONU que
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

192 -- UMA ANÁLISE DA "AGENDA LIBERAL" PARA A CHINA

contemple o aumento da participação do
Terceiro Mundo, entre outras iniciativas,
lançam luz a uma política chinesa de
criar uma relação de forças no mundo
cada vez mais propícia para seus
objetivos políticos de longo prazo."
Pensamos que as respostas para as questões acima formuladas
não poderão ser dadas de forma monolítica, do tipo sim ou não. Isto
ocorre porque o próprio Terceiro Mundo é heterogêneo, não se
expondo a uma caracterização simplista. Existe, por exemplo, uma
denominação específica surgida na década de sessenta para os países
do Terceiro Mundo mais pobres, são os LDCs (low development
countries). O crescimento econômico contínuo, por vinte e oito anos
seguidos, provavelmente único na História econômica do capitalismo,
não foi acompanhado por quase nenhum país do Terceiro Mundo,
exceto na Ásia. África e América Latina ficaram quase totalmente
excluídos nos anos oitenta, noventa e neste início do século XXI de
uma política de crescimento econômico e industrialização. Mesmo na
Ásia o crescimento chinês está em parte integrado a uma ampla divisão
do trabalho que tem origem no Japão, passando pelos "tigres". Mas a
China, mesmo como um país dependente deste ciclo, foi capaz de
estabelecer uma política que lhe é própria, única e autônoma. O
gigantesco tamanho tanto do seu território quanto da sua população
indica claramente que uma mudança de eixo dominante poderá ocorrer
no sudeste asiático, do Japão para a China. Esta parte do globo através
do seu "regionalismo aberto" já possui um comércio intra-regional maior
do que o comércio com o mundo exterior e a economia chinesa é uma
parte expressiva deste processo.
Internamente,asreformaseconômicasnaChina,decaráterprivatizante
e liberal, são permeadas pela não existência da propriedade privada no
campo. Os contratos estabelecidos entre o Estado e as comunidades
camponesas comoscamponeses paraousodaterraeacomercializaçãoda
produção no mercado livre não contemplam a compra e venda daterra. É
deste ponto de partida que devemos procurar compreender o quese passa
naChinaeoseupapelnosistemainternacional. Comoamaioriadapopulação
é camponesa esomente se espera quea populaçãourbanasejamaior que a
ruraldécadasafrente,nãopodemosnegligenciarqueaantigaequaçãocampoGEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Bernardo Kocher -- 193

cidadeque tantoabalou aeconomiadaURSS nos anos vintenas "crises da
tesoura"estejam agora,pela inserçãode capitaisestrangeiros, colocando a
economiachinesanumarotadecrescimento. Associadoaistoestáapresença
do PCC, artífice inconteste das políticas públicas que foram capazes de
articulartantoaeconomiaagráriacomomercadointernoquantoomercado
internocomo externo.
Referências Bibliográficas
BUSTELO, Pablo. El augeda China: amenaza o "ascenso pacífico"?
Real InstitutoElcanodeEstúdios Internacionales yEstratégicos,pp.2-3.
http://www.realinstitutoelcano.org/analisis/839.asp,2006.
DECKERS, Wolfgang. China, Globalisation and the World Trade
Organisation, pp. 8-9.
DELLIOS, Rosita. The Rise of China as a Global Power. In: The
Culture Mandala, Volume 6, Nº 2, 2007.
DIRLIF, Arif. Beijing Consensus: Beijing "Gongshi." Who
Recognizes Whom and to What End?, p. 7 .
JABBOUR, Elias. China: infraestruturas e crescimento econômico.
São Paulo, Editora Anita Garibaldi, 2006, pp. 24-25.
MEDEIROS, CarlosAguiar. Economia e política do desenvolvimento
recente na China. In: Revista de Economia Política, vol. 19, nº. 3
(75), julho-setembro/1999, p. 99.
RAMO, Joshua Cooper. The Beijing Consensus. In: http://
fpc.org.uk/fsblob/244.pdf, 2004.
SEGAL, Gerald. Does China Matter? In: BUZAN, Barry e FOOT,
Rosemary. Does China Matter? A Ressessment. Essays in
memory of Gerald Segal. London, Routledge, 2004, p. 11.
SEGAL, Gerald. Does China Matter? In: Foreign Affairs (78:5)
September/October, 1999
SMALL, Andrew. Preventing the Next Cold War. A View from
Beijing. London, Foreign Policy Center, 2005.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO
RASIL E NA CORÉIA DO SUL
Mee Joung Lee*
Resumo: O artigo analisa a indústria de alta tecnologia (softweres,
hardwares) em uma perspectiva comparada, focando os casos do Brasil
e da Coréia do Sul.
Palavras-chave:CoréiadoSul;Brasil;Indústria;TecnologiadaInformação.
The information technology industry in Brazil and South Korea.
Abstract:Thearticleanalyzeshightechnologyindustry(software,hardware)
ina comparedperspective, focusingonBrazilianandSouthKorean cases.
Keywords: South Korean; Brazil; industry; information technology
1. Emergência do Setor de Tecnologia da Informação e hegemonia
norte-americana
A globalização alinha-se a um processo de reestruturação
espacial da economia mundial. Nós observamos a integração espacial
crescente de várias unidades de produção e a distribuição de bens e
fluxos econômicos entre regiões e países que são considerados como
elos concretos do processo. Já que a difusão global de tecnologias da
informação (TI) se tornou o novo meio de ações econômicas, a indústria
de TI como um todo pode ser um veículo acelerador da reestruturação.
A evolução da indústria eletrônica aumentou sua dimensão de
produtos e se aglomerou com outras tecnologias gerando mais
segmentos de mercado e várias séries de produtos a ponto de formar
um grande setor industrial abrangente. Grandes invenções científicotecnológicas têm se tornado um produto de valor econômico definitivo
no mercado, atrelando sua existência para toda a ramificação concreta
da economia ­ bens de capital, intermediários e de consumo - e social,
à medida que o âmbito de aplicações se estende imensuravelmente
*

Professora na Hankuk University of Foreign Studies (Seul, Coréia) e
pesquisadora do Institute of Latin American Studies. Doutora em Geografia
Humana pela USP (Evolução global da Indústria da TI-Tecnologia da
Informação uma abordagem comparativa do Brasil e da Coréia do Sul).

196 -- INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ...

em várias espécies de atividades materiais e imateriais. Nesse contexto,
o período do "meio técnico-científico-informacional" (SANTOS,
1998) pode ser sintonizado ao ciclo de "paradigma técnico-econômico"
atribuído por várias invenções originadas da eletrônica, denominado
pelos economistas neo-Schumpeterianos (FREEMAN; PEREZ,
1988). Mas o primeiro abrange mais uma dimensão espacial e social.
Nomundoempresarial,surgiuuma nova tendência nosetordeTI,
após a IIGuerra Mundial.Aindústriaeletrônica, especialmente, começou
a buscar maior eficácia na alocação espacial de investimentos produtivos
por parte das grandes empresas multinacionais (EMNs) americanas, e
posteriormente japonesas e européias, cujo comportamento tende a ser
condicionado porvantagens competitivas dinâmicas. Isto intensificou, ao
longo do tempo, uma descentralização geográfica da produção, não só
nos países desenvolvidos,mas também nos países em desenvolvimento ­
os NICs (Newly Industrializing Countries), em busca de parceiros
locaisdeprodução sobumarelaçãorestritaentreas EMNs--quepossuem
o centro do controle do "sistema de integração produtiva".
No entanto, os novos países em desenvolvimento, tanto latinoamericanos como asiáticos, têm sido representados freqüentemente,
como dois modelos contrários que alcançaram seu desenvolvimento
industrial -- a orientação para dentro ou substituição de importações
e a orientação para fora ou promoção a exportações - após a II Guerra
Mundial e antes da nova orientação global de desenvolvimento
econômico tomar sua força. Apesar dos dois blocos regionais terem
crescido com grande diferença na política-institucional de
desenvolvimento, na estrutura industrial e empresarial e no ambiente
sócio-cultural, isto às vezes ofusca semelhanças endógenas do
mecanismo capitalista nessas localidades, em termos de "uma alternativa
secundária" sintonizada ao sistema racional do centro das ações por
grandes empresas multinacionais (EMNs) dos países mais avançados.
Entre os países da periferia é comum que políticas industriais
priorizem a atualização tecnológica em detrimento da resolução de
problemas sociais. Integrar-se no sistema econômico global é uma tarefa
principal da política governamental de cada país e nessa direção, eles
optam por aumento de produtividade, formação de novas relações
entre capital nacional e estrangeiro, integração ao bloco regional e outras
tentativas de crescimento esporádico, em vez de resolver o problema
do bem-estar social, desemprego e o desenvolvimento nacional de
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Mee Joung Lee -- 197

forma coerente e autônoma. Todos os campos da vida social estão
sendo submetidos diretamente à valorização do capital privado e essa
tendência não está acompanhada de um mecanismo conseqüente e
equilibrado de acordo com o contexto territorial ao qual pertencem.
Nesse contexto, esta pesquisa pretende buscar uma saída
para a integração produtiva sem polarização regional por alguns
países ou empresas do centro e da periferia. A concentração na
economia global e sua produção técnica fazem com que a economia
dos países da periferia continue sujeita a crescimento sem
desenvolvimento. A ampliação da capacidade econômica de cada
lugar deve envolver a responsabilidade social e sua cooperação
precisa retomar ao desenvolvimento nacional endógeno. Numa
dimensão externa, conseqüentemente, o controle participativo dos
países na escolha do ambiente econômico global necessita ter a
mesma dinâmica que a economia de cada pais.
Observamos que os NICs conseguiram um bom resultado em
seu desempenho industrial em alguns setores de alta-tecnologia, e
acabaram ingressando no sistema de integração global. Mas, esse sistema
de integração produtiva global passou a influir negativamente no
crescimento econômicos dos NICs e o impacto constante das crises
financeiras ao longo dos anos noventa dificultou o futuro desses países.
A interrupção na inovação estratégica e na ampliação dos nichos de
mercado, as crises das empresas locais e o enfraquecimento da
intervenção estatal na economia nacional, além das fusões e aquisições
intensivas por EMNs estrangeiras, são alguns resultados ilustrativos da
descontinuidade do desenvolvimento autônomo nos NICs atualmente.
Portanto, é significativo analisar a trajetória do desenvolvimento
industrial do setor de TI dos NICs - Brasil e Coréia do Sul - em relação
ao centro do movimento econômico global, onde as EMNs possuem
seu amplo respaldo político. A visão comparativa entre os países
desenvolvidos e entre os países em desenvolvimento viabilizaria um
melhor entendimento da identidade real do novo paradigma técnico econômico e o papel da difusão espacial produtiva do setor de TI
como um todo. O novo sistema tecnológico global nas estruturas
empresariais e industriais, políticas e institucionais e formação da ordem
sócio-econômica nos vários países encontram-se no âmbito de
preocupações dessa pesquisa.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

198 -- INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ...

O paradigma tecnológico da TI tem mudado ao longo do tempo.
O primeiro período foi o da era de hardwares. Os principais produtores
de hardwares dominavam o quadro do desenvolvimento recebendo o
ganho não só da produção industrial em si mas também do proveito da
lei proprietária de tecnologias. A transição para o novo paradigma
tecnológico começou com inúmeras inovações tecnológicas ao longo
dos anos 80, após o surgimento e a expansão da indústria de
microcomputadores, produtores independentes de softwares, produtores
secundários de computadores de grande e médio porte, baseados em
compatibilidade tecnológica, redes de computação de curta e longa
distância, etc.. Houve, assim, o crescimento exponencial de ampliação e
aplicação de todos os segmentos existentes e emergentes da TI a partir
do segundo período. Especialmente o investimento para tecnologias de
comunicações e softwares nesse período contribuiu para o crescimento
radicalmente acelerado da indústria de TI como um todo.
O setor industrial de TI abrange, cada vez mais, uma ampla gama
de produtos que resultam da convergência tecnológica de informação
digital, áudio e vídeo, tecnologias de comunicações e serviços de
Internet (DIETER, 1999), que passa servir como uma plataforma
funcional de expansão tecnológica e de diversificação ampliada em
outros setores de atividades econômicas. Com essa relação, distinguir
categoricamente a dimensão das tecnologias de informação1 como um
todo é uma tarefa difícil, constantemente ambígua e imprevisível.
Todavia,aTI,diferente dos outros setoresindustriais,tem orientado
freqüentemente uma ação recíproca ou "interação" entre produtores e
mercados na medida que os usuários se posicionam como co-produtores
de novas tecnologias industriais ou novos segmentos de mercado, ao
invés de se restringirem a um papel de usuários passivos.Ainda que o
desenvolvimento da TIna fase inicial fosse dominado por um ambiente
restrito de ações industriais de um lado, havia também dentro dessa

1

Geralmente, as tecnologias da informação podem ser definidas como o conjunto
de tecnologias baseadas em computadores relacionados à criação, transmissão,
arrnazenamento e processamento de dados, nas quais se originam os setores
de informática e telecomunicações. Com várias descobertas técnico-científicas,
ao longo do tempo, a nova geração de TI gerou ainda maior variedade de
trabalho relacionado a informação (TIGRE; RENATA; JORGES, 1995) (ERNST;
DIETER; O'CONNOR, 1992).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Mee Joung Lee -- 199

trajetória, uma onda constante de expansão potencial do "retorno social"2
com o qual o ambiente técnico pudesse se transformar em um amplo
"meio de interações expansivas" de externalidade espontânea3.
Após as fases de crescimento exponencial de cada segmento
de mercado de TI sob o aumento do poder econômico das
empresas pioneiras, a restrição do sistema industrial se tornava
flexível cedendo aos poucos seu domínio fechado para nova onda
de ações secundárias oriundas das novas plataformas tecnológicas
geralmente convergentes. Mas essa interação potencial de expansão
não entrou, de fato, em um processo de difusão mais distributiva,
em termos de "integração global da indústria". A integração das
atividades de TI em dimensão mundial, tem sido conduzida por
algumas empresas multinacionais (EMNs) ou pioneiras, aumentando
a passividade das empresas dos países em desenvolvimento em
relação às dos países desenvolvidos, especialmente as empresas
americanas. Portanto, o conteúdo do processo de desenvolvimento
da TI e a sua difusão do meio da produção precisam ser explicados
de forma compatível com a realidade econômica.
2. Indústria de Software e Redes nos EUA
Ao longo dos primeiros 30 anos desde a emergência da
indústria de computadores, houve uma competição articulada sob
um grupo seletivo de empresas dedicadas à produção das tecnologias
próximas a arquiteturas dominantes dos mainframes.Adisputa entre
empresas rivais dentro desse grupo conduziu a direção das inovações.
A estrutura industrial de computadores do segmento tem sido

2

Entre as análises técnicas sobre o desenvolvimento da TI, foi enfatizada
uma "teoria de co-invenção" em relação com os investimentos e custos gerais
de TI. A partir desse aspecto, os autores reconhecem um valor social para
construção de nova tecnologia, além das ações empresariais com o progresso
tecnológico e sua organização sistematizada (BRESNAHAN. T;
GREENSTEIN. S, 1997, p.16.).
3
Acomunicação entre produtores e usuários em um ambiente incerto, complexo
e dinâmico pode ser um benefício social. Isto se compreende que os primeiros
possam conduzir nova tecnologia ou mudança tecnológica conforme a
necessidade da sociedade para resultar em novo ambiente equilibrado. Mas
isto for adaptado ao mecanismo vertical de organizações económicas, pode
servir como um instrumento para concentração mais intensa.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

200 -- INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ...

caracterizada por forte concentração, até o final dos anos 80. O
surgimento de novos segmentos, como minis na metade dos anos 60,
superminis e microcomputadores, workstations, etc., ao longo dos
anos 80, tem provocado grande mudança da estrutura industrial
existente de computadores.
As empresas pioneiras em cada segmento se estabeleceram
em "plataformas" tecnológicas e isto funcionou como um sistema de
critério concreto de um "meio de expansão" de mercado de
computadores entre empresas concorrentes. Mas, a partir da ascensão
de PCs, o trajeto do desenvolvimento tecnológico não foi controlado
por produtores de sistemas finais. Na medida que o peso de
fornecedores de vários componentes e partes aumentou
gradativamente, os fornecedores de componentes-chaves como CPU
e software básico assumiram uma posição importante na evolução
tecnológica e a liderança industrial começou a ser definida por critérios
como inovação tecnológica e mercadológica. Por exemplo, o padrão
tecnológico dos PCs compatíveis da IBM e suas próximas gerações
de produtos começaram a ser controlados pelo padrão "Wintel" e isto
começou a ser reconhecido como o padrão industrial.
A tendência de downsizingpossibilitou a substituição das tarefas
resolvidas através de computadores de grande e médio porte por
pequenos sistemas de computadores como workstations e PCs. Isto
possibilitou uma construção de redes de informação baseada em
pequenos sistemas de computadores através de ampliação dos meios
de interligação entre diferentes computadores. Paralelamente, o "sistema
aberto" possibilitou conectar os diferentes computadores, ter
compatibilidade e portabilidade entre dados e softwares.
O sistema aberto na indústria de softwares foi tentado pela
Sun Microsystems através do fornecimento de maior portabilidade do
seu software para as suas linhas de workstations potencialmente
envolvidas com o uso de Unix,o sistema operacional então disponível.
No entanto, a tentativa do sistema aberto pela Sun Microsystems não
foi tão bem sucedida como no caso do PC da IBM. Houve uma
restrição por um grupo líder da indústriadecomputadores --OSF(Open
SoftwareFoundation)-- queutilizavamUnix sob o sistema proprietário.
O processo de desverticalização (externalização) das unidades
de produção de softwares e serviços da empresa de computadores
provocouo surgimento daindústriaindependentedesoftwares americana
ao longo dos anos 70. A indústria de softwares começou a crescer
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Mee Joung Lee -- 201

aceleradamente ao longo dos anos 80 não só pela expansão e
fragmentaçãolineardeaplicação mas também sob uma mudança atrelada
à circulação dos produtos da indústria de TI como um todo, em termos
de invenção de computadores pessoais e workstations; processo de
desintegração expressiva do setor de softwares e serviços de aplicações
de computadores; combinação entrosada de ações empresariais, etc..
Com a inovação do meio de fornecimento de unidades de produção de
TI como um todo, a desintegração vertical começou a se tornar um meio
de expansão da distribuição, não só no mercado doméstico norteamericano mas também no mercado mundial. As grandes cadeias
comerciais podem estabelecer seus próprios contratos de terceirização
(outsourcing) com produtores locais para mercado internacional.
A estrutura da indústria de computador mudou drasticamente
nos anos 1990, após várias décadas de concentração estável. Apesar
de que vários fatores oscilantes fossem vistos como uma possibilidade
de desconcentração devido ao surgimento de novos segmentos de
mercado como minicomputadores e microcomputadores, a estabilidade
continuou se mantendo dentro do limite de cada segmento de mercado.
A estabilidade começou a se romper com a nova dinâmica de
competição baseada não só entre produtores de sistemas de
computador mas também entre setores industriais diferentes da TI
através do novo modo de formação de redes de computadores.
Todavia, com o crescimento de redes de computadores com
seu enorme fluxo de informações, os produtores de softwares
começaram a se envolver com os problemas de "coordenação". As
empresas de softwares e serviços começaram a tratar da produção e
do percurso de transações em busca do ganho de eficiência ao longo
da cadeia de valor de seus softwares e serviços e, nesse processo,
software e serviço se tornaram produtos.
A Intemet foi desenhada para construir uma infra-estrutura geral
para criar novas oportunidades de geração de produtos de TI sem
discriminação, através da arquitetura aberta de rede. De fato, surgiram
barreiras maiores na definição de padrões tecnológicos, devido à
complexidade de integração das redes individuais em que diferentes
computadores dependem de regras proprietárias. Nesse termo, o
desenvolvimento da tecnologia de rede se caracteriza por dois
ambientes tecnológicos paralelos -- o ambiente de inovação horizontal
aberto e o de inovação vertical fechado.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

202 -- INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ...

3. Integração versus Regionalização e ajuste periférico na Indústria de TI
Em vez da criação e destruição de barreiras de entrada para novas
empresas, as EMNs de TItem vendido freqüentemente tecnologias ou o
meio de produção, que estão na fase de envelhecimento. Por outro lado,
as EMNs tem externalizado as unidades menos importantes ou
complementares sob ocontrolecentral.Nesseprocesso deexternalização,
os países em desenvolvimento asiáticos começaram a ingressar na DIT
de semicondutores, originadas das empresas americanas e japonesas.A
alocação de unidades industriais de semicondutores nas regiões asiáticas
deu-se pelo baixo custo do trabalho e essas bases começaram a se
conjugar com os fatores inerentes ­ os fatores naturais, políticos,
econômicos e sociais ­ dos países da região que, por sua vez, se tornaram
fornecedores de determinados produtos de TI.
A posição subalterna dos países tecnologicamente mais
atrasados em relação aos Estados Unidos permitiu às empresas
americanas a exploração de oportunidades locais e de unidades da
produção locais. Em compensação, esses países se tornaram um
receptor espacial na absorção do fluxo de controle das EMNs. Com
o passar do tempo, a produção local começou a envolver o capital
intensivo e P&D para corresponder à dinâmica da demanda do
mercado externo. A inovação das tecnologias de semicondutores
acelerou-se devido à característica de seu uso ­ industrial­ que precisa
ser inovada rapidamente porque isto é um fator decisivo da liderança
industrial. A liderança da indústria microeletrônica se tornou o alvo
de atrito comercial entre o Japão e os EUA. A partir da alocação de
unidades de semicondutores das EMNs norte-americanas, os NICs
asiáticos se tornaram fornecedores especializados dos produtos
eletrônicos e de TI para os países desenvolvidos.
4. Indústria de TI no Brasil
A produção industrial relacionada a TI na Coréia só começou
de fato a partir do início da década de 80.Até o final da década de 70
a Coréia não podia se lançar ao desafio internacional espontaneamente
nos segmentos de alta-tecnologia devido ao atraso das indústrias
coreanas em relação às dos países desenvolvidos. Apesar da
competitividade internacional das empresas coreanas em diversos
segmentos de TI, como chips de memória, monitores de PCs, celulares,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Mee Joung Lee-- 203

sistemas de comutação eletrônica, etc., existe grande diferença do tempo
de desenvolvimento das indústrias coreanas em relação às dos Estados
Unidos e do Japão ou dos outros países desenvolvidos.
Desde o início do desenvolvimento da indústria eletrônica, as
grandes empresas coreanas se concentraram na produção de alguns
segmentos de eletrônica de consumo e componentes eletrônicos,
padronizados em grande escala, não chegando a construir uma
plataforma de bens de capital, que contribuísse para integrar-se
internamente com outras indústrias nacionais relacionadas a TI. A
Coréia foi beneficiada pela disputa comercial entre Estados Unidos e
Japão, com as empresas coreanas passando a produzir TI de peso VLSI - cujo alcance tecnológico não era competitivo nesse segmento.
Mas a preponderânciade exportação de PCs e alguns periféricos
coreanos, baseada em OEM, chegou a criar um aspecto negativo da
posiçãodaindústrianacional no mercadointernacional.Jáqueo interesse
das EMNs não era o mercado coreano, estas usaram as indústrias
coreanas mais como fornecedores eventuais de segunda classe do que
como parceiros de peso em termos de joint venture. O fornecimento
de PCs baseado em OEM pertence a um caso da participação na rede
de produção global, mas sua posição é passiva e instável. No âmbito da
produção de TI atualmente, os produtores de elementos industriais tem
sido invariavelmente organizados em rede, interligados dinamicamente
em relações densas, mas sua relação não é totalmente horizontal.
Ao contrário, a capacitação nacional da indústria de informática
do Brasil foi um processo autônomo.Até final dos anos 70, a indústria
brasileira de computadores era dominada por empresas estrangeiras
que importavam produtos acabados ou realizavam no país apenas
operações de montagem utilizando componentes importados. Com o
esforço nacional de capacitação e a reserva do mercado, as indústrias
nacionais de informática superaram de algum modo seu gap do tempo
básico em relação aos países desenvolvidos. As empresas nacionais
começaram a criar capacidade industrial própria conforme o uso
específico local na área de automação bancária sob reserva de mercado.
Desde então as empresas nacionais de TI abriram uma margem de
barganha com as EMNs, mesmo depois da abertura do mercado,
formando parceiros ao invés de permitirem o controle total das empresas
estrangeiras na indústria do país.Apesar do confronto direto promovido
entre a competição de tecnologias desenvolvidas externamente e a
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

204 -- INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ...

estrutura industrial de TIdebilitada, a relação entre produtores e usuários
continua valendo sob o domínio forte das empresas nacionais. Um
meio menos dependente, ao contrário de uma sub-contratação, as
parcerias em suas várias dimensões poderiam abrir um espaço até então
não empreendido. Frente à recessão da economia mundial, a construção
do "meio técnico-científico e informacional" pôde ampliar a capacidade
nacional do setor TI, no sentido de uma maior participação nacional na
nova área de crescimento do setor.
5. Indústria de TI na Coréia
O modelo da industrialização de TI do Brasil baseado em reserva
de mercado de longo prazo, após a abertura, não conseguiu resultados
satisfatórios para a manutenção da substituição de importações de TI.
Com a abertura, o gap tecnológico acumulado entre a indústria nacional
e a estrangeira sofreu um grande impacto, devido a adaptação à
dinâmica tecnológica mundial, debilitando abruptamente a estrutura
industrial nacional existente. Apesar do país não ter grande relação
direta com a exportação de produtos de TI para sustentar sua economia
nacional, o mercado interno já foi sustentado por grande base industrial
local estrangeira. Os nichos de mercado, que abriram um horizonte
para ampliação futura da capacidade nacional na vigência da reserva
do mercado, não são mais terreno exclusivo das indústrias nacionais.
A presença estrangeira no país não limitou a importação de produtos,
tornou-se forte participante da indústria local no desenvolvimento e
produção, tomando o terreno que pertencia às empresas nacionais. O
mercado brasileiro já envolvia maior parte da produção local das
EMNs, que controlaram o fornecimento de componentes e partes e,
desde o início, a produção local de computadores, cujo mercado
brasileiro era grande e bem formado. No processo de capacitação
tecnológica para automação bancária, os grandes conglomerados
bancários nacionais concentraram sua produção através da vantagem
de escopo, mesmo com escala inferior a das coreanas.
O modelo de orientação à exportação da Coréia também não
foi bem sucedido, a partir da década de 90, devido à incapacidade
crescente de adaptação à dinâmica de competição internacional. A
preponderância do setor industrial de exportação de produtos
padronizados, com baixo índice de tecnologia própria resultou numa
estrutura industrial debilitada. Embora a rápida adaptação ao mercado
internacional trouxesse o sucesso da exportação de DRAMs e de PCs,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Mee Joung Lee-- 205

ao longo dos anos 80, isto não resultou de uma integração interna
crescente em termos de capacitação nacional de componentes, partes
e equipamentos industriais, mas atribuiu ao país o aumento das
importações para aumentar exportações.Aentrada do ciclo de recessão
mundial, do neo-liberalismo e da fase de maturidade da TI, logo depois
do auge da expansão da Intemet, foi em conjunto criando um grande
obstáculo para o crescimento sustentável do setor da Coréia. Além
disso, a concentração industrial na Coréia era uma vantagem para que
as empresas nacionais se tornassem fornecedores competitivos ao longo
da década de 80, mas após a abertura essa vantagem da produção em
grande escala transformou-se em um obstáculo.
Quanto a exportação, o meio de exportação mais usado pelas
empresas coreanas aumentou mais sua passividade no mercado
internacional, onde valorizam mais o direito autoral e marcas. As
empresas que desenvolveram suas indústrias através do numeroso
licenciamento de tecnologia e de OEM tiveram pouca margem de
opção para interagir com os líderes industriais a nível horizontal, além
da indução direta da participação do capital estrangeiro no local. O
impacto da ação das EMNs, como em licenciamento e OEM,
conduzia as empresas fornecedoras a se tornarem mais passivas e
instáveis em termos de fornecimento, pois o mercado de commodities
depende do cliente que tem sua própria marca.
A atuação do governo da Coréia é mais intensa do que a do
governo do Brasil. As medidas seletivas de suporte ou restrição, em
termos de subsídio financeiro, proteção ou abertura de mercado,
aplicadas pelo governo coreano fizeram surtir vários efeitos positivos
na indústria eletrônica. O governo teve um vínculo especial com os
setores privados na medida em que o primeiro selecionou áreas
estratégicas industriais, favorecendo freqüentemente um pequeno
número de grupos conglomerados, para criar grandes empresas que
pudessem competir no mercado externo.Apesar da indústria eletrônica
na Coréia ter começado com trabalho somente de montagem pelas
empresas estrangeiras, o governo proibiu a estas, desde o início da
instalação estrangeira no país, a venda de seus produtos fabricados no
país no mercado interno. Isto difere do Brasil, que permitiu este direito
desde o início da entrada de EMNs no país, começando a fechar seu
mercado apenas depois de que o prejuízo veio à tona.
Após a crise financeira de 1998, ao invés de diversificar novos
setores industriais, o governo coreano começou a enfatizar a
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

206 -- INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ...

reestruturação dos grandes conglomerados -- Big Deal --, devido à
incapacidade crescente de enfrentar o novo ambiente mundial dos
conglomerados, sem considerar,portanto, o desenvolvimento endógeno.
Por outro lado, o governo começou a dar espaço para pequenas e
médias empresas de TI, para contrabalançar o impacto do neoliberalismo e para promover o desenvolvimento de segmentos de
produto menos atendidos nas áreas estratégicas.
A indústriade computadores mundial foi baseada em "competição
sistêmica", em que a competição entre as empresas individuais foi
substituída por competição entre empresas baseadas em diferentes
"plataformas tecnológicas". Como a Wintel e os sistemas de
computadores do Unix, as empresas começaram a produzir utilizando
algumas bases de padrão comum, o que provocou aumento da
competição de dimensão extra-empresarial na indústria de TI. Isto
promoveu osurgimentodeum meiodeconvivênciados líderes industriais
na produção de bens de capitais e serviços e a redução da dimensão
dos competidores, devido a entrada restrita no clube de padronização,
dominado por produtores pioneiros de tecnologias chaves.
Por outro lado, a interação entre empresas de informática e
telecomunicações constitui um elemento crítico na implementação de
estratégias competitivas. Acrescente convergência entre tecnologias
de telecomunicações e de informática, associada às novas exigências
dos usuários por linhas completas de produtos compatíveis entre si
tem levado a uma maior aproximação desses dois setores industriais.
Com a grande proliferação de computadores desde o surgimento de
microcomputadores de uso pessoal e sua conseqüente aplicação à
transmissão de dados, a maioria das empresas dos dois setores tornouse parceira temporária ou definitiva, com o intuito de absorver
tecnologias necessárias e completar sua linha de produtos conforme as
novas exigências do mercado de TI.
A definição de padrões fisicos e filosóficos em torno do
desenvolvimento de hardwares, interfaces, protocolos, etc., tem
importante papel na indústria de TI como um todo -- no sentido de
estabelecer o meio de competição sem conflito, o que contribuiu para
selecionar os membros adequados ao novo mecanismo de
funcionamento. Enquanto o sistema proprietário tem promovido um
bloqueio absoluto da entrada de novas empresas no ramo, em período
determinado, o sistema aberto também reduz os membros de
participantes industriais na competição internacional, excluindo aqueles
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Mee Joung Lee-- 207

que não entraram no processo de padronização -- com o qual a difusão
se realiza em dimensão global como ISO (International Standars
Organization) e OSI (Opera System Interconnection).
A produção de TI pode se desdobrar em atividades
segmentadas economicamente, conforme várias unidades verticais --
unidades de preparo de insumos (P&D), produção de componentes,
partes e equipamentos, montagem de produtos, de teste, marketing e
distribuição etc. --, as quais eram formalmente integradas a nível
empresarial.As EMNs internalizam a propriedade tecnológica (P&D),
a técnica de controle (gerenciamento e marketing), os bens de capital
e os insumos-chave, com maior valor na cadeia de produção. As
unidades mais valorizadas pelas EMNs são conhecimento tecnológico,
direito autoral ou de marcas e ativos intangíveis, como know-how
gerencial, ou seja, os fluxos imateriais de controle ou comando. As
etapas de menor valor agregado e as unidades complementares foram
externalizadas como um todo através de OEM (sub-contratação).
O atual modelo de abertura se sujeita a proibição da
intervenção direta do governo na política econômica nacional dos países
que não foram preparados para competir com as EMNs com sede
nos países desenvolvidos. Este modelo traria um domínio total da
indústria estrangeira nos países em desenvolvimento, já que o
predomínio tecnológico norte-americano nesse setor é uma realidade.
Apesar da busca por alternativas para uma nova forma de
desenvolvimento industrial de TI pelos países em desenvolvimento,
atualmente a maioria desses países não tem condições de competir
com a TI americana. Os países em desenvolvimento estão apenas
tentando acordos multilaterais, para conter a atuação agressiva dos
Estados Unidos, que praticamente comanda a trajetória do
desenvolvimento material e imaterial da TI.
Referências Bibliográficas
DIETER, Ernst. How Globalization Reshapes The Geographv of
Innovation Systems: Reflection on Global Production Networks in
Information Industries, In: DRUID, 1999. p.2-3.
DIETER, Ernst; O'CONNOR, David. Competing in The
Electronics Industry: The Experience of Newly Industrialising
Economies, OECD, Paris, 1992, pp.22.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

208-- INDÚSTRIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ...
FREEMAN, Christopher; PEREZ, Carlota. Structural Crises of
Adjustment, Business Cycles and Investment Behavior. In: Dosi, G.
et alii. (Ed.), Technical Change and Economic Theory, 1988. pp.38.
SANTOS, Milton. Técnica Espaço Tempo: Globalização e Meio
Técnico-Cientifico Informacional, 1998.
TIGRE; RENATA; JORGES. Tecnologias da Informação e
Desenvolvimento: novas evidências sobre sua difusão e impacto
econômicos. In: Revista Brasileira de Economia, Dez. 1995, p.699.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição Revisada n.1 - 349 p. - Julho 2008

AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO
MUNDIAL DE REFRIGERADORES E COMPRESSORES
Isa de Oliveira Rocha*
Resumo: Aprodução mundial de eletrodomésticos, especificamente
de geladeiras, freezers e condicionadores de ar e de seus equipamentos,
como os compressores, modificaram-se diante dos novos rumos do
comércio internacional, verificados a partir da década de 1990.
Desde então, configurou-se um novo quadro da concorrência e da
divisão das fatias do mercado mundial de eletrodomésticos, que
parece ainda não ter findado, tendo em vista a entrada recente de
grandes fabricantes de refrigeradores chinesas. As fabricantes
asiáticas apresentam um porte de produção gigantesco e as fatias
de mercado dominadas por algumas delas na Ásia são superiores
ao volume vendido pelas líderes ocidentais tradicionais nas regiões
do Ocidente. A busca de alternativas para enfrentar a concorrência
tem-se pautado em: a) crescimento por meio da compra de
concorrentes (fusões); b) lançamento de inovações nos produtos; e c)
produção offshore, direcionando e reordenando uma quantidade
crescente da produção para países de baixo custo. Verifica-se que a
Ásia comandará o crescimento do setor, destacando-se a China e Índia,
beneficiadas pelo desenvolvimento econômico com crescimento
urbano, elevação da renda e dos investimentos fixos.
Palavras-chave: refrigeradores e compressores, produção mundial,
transformações recentes.
The recent transformations in the world-wide production of
coolants and compressors
Abstract: The production and world-wide commercialization of
household-electric, specificallyofrefrigerators, freezers and conditioners
of air and its equipment, as the compressors, had been modified ahead
of the new verified routes of the international trade from the decade of
1990. Since then, a new picture of the competition and the division for
*

Professora do Departamento de Geografia da Universidade do Estado de Santa
Catarina ­ UDESC e da Universidade da Região de Joinville ­ UNIVILLE, com
tese de doutorado defendidana USP em 2004, intitulada: O dinamismo industrial
e exportador de Santa Catarina, de onde foram extraídas notas e tabelas.

210 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

slices of the world-wide market of household-electric was configured,
that it not yet seems to have itself over, in view of the recent entrance of
great manufacturers of coolants for China. The Asian manufacturers
present a gigantic transport of production and the slices of market
dominated by some of them inAsia are superior to the volume sold for
the traditional occidental leaders intheregions oftheOccident.Thesearch
of alternatives to face the competition has been marked in: a) growing by
means ofthepurchaseofcompetitors (fusing); b)launchingofinnovations
in the products; e c) production offshore, directing and rearranging an
increasing amount of the production forcountries of lowcost.It is verified
thatAsia will commands the growth of the sector, being distinguished it
China and India, benefited for the economic development with urban
growth, rise of the income and the fixed investments.
Key words: coolants and compressors, world-wide production,
recent transformations.
Nas últimas três décadas, a Ásia-Pacífico testemunhou,
em linhas gerais, o auge do vigor fabril e financeiro nipônico (ainda
a segunda economia mundial, apesar da crise da bolha),
estimulando o vôo dos gansos voadores, as reestruturações
socioeconômicas lideradas por estados desenvolvimentistas, que
ascenderam à posição de tigres asiáticos (também ameaçados na
crise de 1997) e a impressionante arrancada da China, isto é, a
estruturação de uma economia regional dinâmica e a concomitante
melhoria das condições sociais.1 Apesar das divergentes taxas de
crescimento econômico intra-regional, esse quadro de
industrialização tardia na Ásia, além de constituir generosas
plataformas exportadoras de manufaturados para o Ocidente,
gerou um satisfatório aumento e distribuição de renda per capita
local, que por sua vez tem transformado a região, densamente
povoada, em promissora consumidora de bens industrializados,
particularmente de equipamentos para o lar.

1

A contemporânea evolução econômica da região deveu-se, em grande
medida, ao contexto do jogo político-militar na área, como decorrência da
Guerra Fria, cujo lado ocidental (EUA) manteve por bom tempo o bloqueio à
China (OLIVEIRA, 2004).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 211

A indústria mundial de eletrodomésticos como um todo, a de
produtos da linha branca2, especificamente as montadoras de geladeiras,
freezers e condicionadores de ar ­ domésticos e comerciais ­ e as
suas fornecedoras de insumos, como as fabricantes de compressores
herméticos para refrigeração3, têm seu crescimento relacionado
diretamente à situação econômica dos países, ou seja, à elevação do
poder aquisitivo da população. Nos principais mercados consumidores,
especialmente nos países ditos emergentes, as vendas são afetadas
preponderantemente por contextos como a variação da atividade da
construção civil (por exemplo, maior ou menor número/tamanho de
casas, gôndolas de supermercados, restaurantes etc.) e tendências de
mercado (novos design e performance de produtos).
A maior parte das grandes fabricantes de geladeiras e
freezers da Europa (Electrolux, Zanussi, Áspera etc), dos Estados
Unidos (Whirlpool, GE etc.) e do Japão (Matsushita, Sanyo etc.)
até os anos 1990 mantinham um razoável fornecimento vertical de
peças e acessórios, isto é, dominavam igualmente a produção do
componente fundamental do refrigerador, o compressor. Já as
pequenas montadoras, como é o caso das fábricas latino-americanas
de refrigeradores na Costa Rica (Atlas), Equador (Indurama),
México (Amabi), Brasil (Consul, Climax), entre outras, adquiriam
compressores de grandes fabricantes europeus e, a partir da década
de 1980, principalmente do Brasil (da Embraco), que após adquirir
a tecnologia da dinamarquesa Danfoss, foi liderando o fornecimento
na região, em detrimento da européia, com produtos mais
competitivos, robustos e eficazes para enfrentar, por exemplo, as
variações de tensão elétrica nos países andinos.
Mas, tal cenário de produção e comercialização modificouse diante dos novos rumos traçados para o comércio internacional
2

A linha branca engloba produtos para o lar (tradicionalmente brancos) como:
refrigeradores, freezers, fogões, lavadoras de roupa, secadoras, lava-louças,
fornos de microondas, ventiladores de teto, climatizadores de ar,
condicionadores e depuradores de ar.
3
Os compressores de refrigeração, difundidos desde que se massificou a fabricação
de geladeiras no início do século passado, são equipamentos cuja principal função
é aumentar a pressão de um gás ou escoamento gasoso, participando assim do
processo de refrigeração. Operam com fluidos bastante específicos e em condições
de sucção e descarga pouco variáveis, viabilizando sua produção em série.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

212 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

pela política externa estadudinense, de retomada de sua hegemonia,
ameaçada pela ascensão asiática/japonesa4.Assim, a última negociata
do Acordo Geral sobreTarifas e Comércio (GATT), a Rodada Uruguai,
a mais longa e complexa (1986-1994), selou com êxito a sorte do
"império", ameaçado pela proliferação dos acordos não-tradicionais
(fora de sua alçada) e do agigantamento dos novos quadros
comerciais. Ações neoliberais foram referendadas e propagadas
(Consenso de Washington, grupo de Harvard), e avalizadas pela
criação da Organização Mundial do Comércio (OMC).
O GATT, balcão de negociações e supervisor das regras
tratadas entre as partes para resguardar o comércio mundial no
segundo pós-guerra, tornou-se obsoleto com a nova alternativa do
arranjo regional, o mundo dividido em blocos (UE). Até então, sua
essência liberalizante guiou o comércio mundial, desde os anos 70,
a uma dimensão impressionante, ao contrário da retração verificada
nas fases econômicas recessivas anteriores. Porém, a competição
mais acirrada, com imposições de abertura comercial unilateral,
inclusive por meio de instituições de Bretton Woods, foi reorganizada
e perpetuada, com muito mais vigor, sob um GATT fortalecido,
agora transformado em OMC (THORSTENSEN et al, 1994).
Por sua vez, o impressionante desenvolvimento das
telecomunicações, robótica, informática etc., implicando a
compressão de tempo e de espaço, como bem coloca Santos (1994),
arrefeceu a competitividade fabril em novos termos, em função da
própria mobilidade locacional dos fatores de produção e dos
investimentos. Paralelamente, as novas exigências do mercado
consumidor, influenciadas pelas posturas apocalípticas relacionadas
à degradação ambiental (aquecimento do planeta derivado da
degradação da camada de ozônio), à questão do limite energético
(diminuição do consumo de eletricidade, petróleo) e à busca pela
melhoria da qualidade de vida, exigiram pesados investimentos das
indústrias, em particular nas de produtos domésticos, para a obtenção
de certificações de qualidade (as ISOs 9000), de responsabilidade
ambiental (ISOs 14000) e social (OHSAS 18000) etc.
4

Convém lembrar que na busca da saída da crise deste 4º Kondratieff (RANGEL,
2005), para retomar a aceleração econômica perdida para o Japão, os EUA
articularam a desestruturação do grande bloco coletivista/URSS, via "guerra
nas estrelas",Guerra do Golfo, etc.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 213

Tal panorama refletiu-se negativamente em inúmeras e
variadas empresas, que foram fechadas ou vendidas, premidas pela
impossibilidade de bancar os vultosos investimentos necessários
para o enfrentamento concorrencial na década de 90, confirmandose, consequentemente, "a tendência ao aparecimento de uma nova
cartelização mundial". Ou melhor, "as grandes multinacionais
americanas, européias e japonesas realizam gigantesco esforço de
participação em todos os mercados da chamada `tríade' (EUA,
Europa e Japão), tentando participar do seleto e pequeno grupo
dos futuros sobreviventes das fusões que se estão acelerando,
procurando estar entre os cinco ou seis grupos mundiais de cada
setor (telecomunicações, automóveis, equipamentos elétricos etc.)
nos próximos dez anos", segundo Mamigonian (2000).
Os grandes grupos mundiais produtores de bens de
consumo duráveis, no caso em questão os da linha branca,
passaram a adquirir os concorrentes de menor porte,
especialmente na América Latina e na Europa. Cita-se como
exemplo a sueca Electrolux, marca tradicional de eletrodomésticos,
que se tornou, no decorrer da última década, uma das maiores
fabricantes de compressores do mundo. Ao comprar as
montadoras de refrigeradores menores, por exemplo, na Europa,
acabou tornando-se também grande fabricante mundial de
compressores, pois no pacote de compra das concorrentes
estavam incluídas as fábricas supridoras do equipamento. O
agigantamento da Electrolux surgiu pela aquisição da Zanussi
Electtromeccanica SpA. (Itália), da Verdichter Oe. GmbH
(Áustria), da Cubigel S.A. (Espanha), além das agregadas joint
ventu res na Ch ina, via "p acot e Zanus si": a Zanus si
Electtromeccanica Tianjin Compressor Co., Ltd e a Shanghai
Zanussi Electtromeccanica Co. Ltd.
No Bras i l e s s e novo des enh o da prod ução e
comercialização da linha branca ­ a Electrolux comprou a
Refripar/Prosdócimo, o consórcio alemão Bosch-Siemens
adquiriu a Continental, e as coreanas Samsung e LG, entre outras,
passaram a se disseminar no varejo ­ forçou a forte fabricante
Brasmotor a se reestruturar por meio da fusão das marcas
Brastemp e Consul (Multibrás S.A Eletrodomésticos, 1994),
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

214 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

culminando com a entrega do comando para a sócia Whirlpool5
(em 1997), mais apta para estabelecer novas estratégias de
administração. Tal quadro, na época, levou à divulgação de uma
possível venda da fabricante de compressores do grupo (a
Embraco), em meados de 1998, não efetivada. Mas, na
continuidade, foram fechadas a fábrica da Argentina (2003) e a
unidade de São Bernardo do Campo (SP), e toda a produção
de refrigeradores/freezers do grupo Whilrpool para a América
Latina foi transferida para a fábrica de Joinville (Consul),
considerada uma das maiores fábricas de geladeiras do mundo.
Com a união das controladas no Brasil, a Multibrás/Whirlpool
tornou-se a líder do segmento na América Latina, dominando
cerca de 40% do mercado brasileiro, 30% do argentino e 14%
do chileno, entre outros.
Na verdade, configurou-se um novo quadro da concorrência
e da divisão das fatias do mercado mundial de eletrodomésticos
desde a década passada, que parece ainda não ter-se findado, tendo
em vista a entrada recente de grandes fabricantes de refrigeradores
chinesas, nascidas nos anos 1980.
Ademandamundial derefrigeradoresgiraem tornode60milhões
de unidades (2000). No market share do produto aparece a liderança
do grupo norte-americano Whirlpool (14% de participação no
suprimento da demanda mundial de refrigeradores), seguido pelas
gigantes Electrolux (12%), GE (8%) e Bosch-Siemens.(5%). Em quinto
e sexto lugares estão as novatas chinesas Haier (4%) e KelonRongsheng (3%), esta última empatada com a tradicional japonesa
Matsushita (3%) e as ocidentais Maytag (3%) e Merloni (3%). Logo a
seguir, dominando cada qual 2% do mercado mundial, situam-se as
coreanas Samsung, LG/Goldstar, as japonesas Sanyo e Toshiba e a
chinesa Xinfei. No outro conjunto de companhias que dominam 1%
do mercado estão a Meiling, Sharp, Brandt, Liebherr e Arcelik. As

5

Com sede em Michigan, nos Estados Unidos, e atuação nos mercados daAmérica
do Norte,América Latina, Europa e Ásia, a Whirlpool Corporation é uma das líderes
mundiais em eletrodomésticos. Fundada em 1911, a companhia emprega cerca de 68
mil trabalhadores e suas unidades fabris estão instaladas em 13 países,
comercializando produtos em 170 países. Além da marca Whirlpool, a empresa
detém outras marcas, como KitchenAid, Roper, Bauknecht, Ignis, Brastemp e Consul.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 215

diversas outras menores, com menos de 1% de participação no mercado
mundial (Fisher & Paykel-Nova Zelândia, Defy-África do Sul, ForsterSuíça, Atlas Electrica-Costa Rica, Vestel-Turquia, Kiriazi-Egito etc.)
respondiam por 30% da fatia de refrigeradores comercializados. Cerca
de 70% da demanda mundial é suprida por 19 companhias, das quais
a metade é de grupos asiáticos que detêm cerca de 23% da produção
mundial. Os outros 50% das geladeiras fabricadas no mundo são de
companhias de origem ocidental, que por sua vez estão estruturando
unidades fabris na China (Ilustração 1).
Ilustração 1: Market Share de refrigeradores (2000) ­ Demanda
Mundial ­ 60 milhões de unidades
12%

8%
5%
4%
3%

14%

3%

3%
3%
30%

2%
2%

1%
1%
2%

2%

2% 1% 1%

1%

Whirlpool

O thers

Arcelik

Liebherr

Brandt

Sharp

Meling

Toshiba

X infei

Sanyo

LG/Goldstar
Kelon/Rongsheng

Samsung
Haier

Merloni
Bosch/Siemens

Mayt ag
GE

Mat sishita
AB Electrolux

Fonte: Entrevista Embraco.
"Se existe um lugar onde se tem algo a fazer, esse lugar é o
mercado asiático. É um mercado que está explodindo", diz Johni
Richter, diretor da Embraco para operações na China, comentando
sobre as perspectivas da economia chinesa, dentre as quais o aumento
do consumo da classe média e a viabilidade de instalar fábricas na
Ásia, como fez a fabricante de refrigeradores Electrolux (Jurgenfeld,
2006). De fato, entre as regiões do planeta a Ásia apresenta
atualmente o maior valor da demanda mundial de refrigeradores, cerca
de 25 milhões de unidades (2000) do total de 60 milhões; número
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

216 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

muito acima da demanda de 1 milhão da Europa do Oeste, origem
de muitas fabricantes tradicionais, e dos 15 milhões da Europa do
Leste, igualmente uma área atrativa após a queda do Muro de Berlim.
NasAméricas, a porção consumista do norte apresenta uma demanda
bem superior de geladeiras (14 milhões de unidades) à da porção
latina do sul (5 milhões de unidades), motivo pelo qual os EUA têm
sido bastante procurados pelas fabricantes orientais.
E essas fabricantes asiáticas apresentam um porte de
produção gigantesco. Em termos de volume (número de
refrigeradores vendidos), as fatias de mercado dominadas por
algumas delas na Ásia são superiores ao volume vendido pelas
líderes ocidentais tradicionais nas regiões do Ocidente. Em
quantidade, por exemplo, as chinesas Haier e Kelon venderam mais
refrigeradores na Ásia (2,25 e 2 milhões de refrigeradores
respectivamente) do que a Electrolux vendeu na América do Norte
(1,68 milhão de refrigeradores) e na Europa do Oeste (210 mil); já
na Ásia a Electrolux respondeu por 1,75 milhão de geladeiras
comercializadas. Nota-se, ainda, que muitas fabricantes da linha
branca asiáticas fazem parte dos grandes conglomerados fabris
(eletro-eletrônicos, automobilísticos etc.): a) coreanos, por exemplo
os chaebols Samsung, LG, Daewoo; b) e japoneses, os keiretsus
Matsushita (mais conhecido pelas marcas Panasonic, National),
Toshiba, Sanyo etc (Tabela 1).
A m é ric a do N or te
GE
W hir poo l
AB E lec tr olu x
M ayta g/A m a na
Ha ie r
S anyo
Ou tro s

29%
25 %
12 %
12 %
4%
2%
16%

To tal ­ 1 4 m ilhõ es d e
r ef r ige ra do re s

E uro pa ­ Oe ste
AB El ec tr olux
B ra nd t
Wh irp ool
Am ic a
Ar do
B osc h- S ie me n s
Gor e nje
Out ro s

T

21%
1 9%
16 %
13%
10%
5%
5%
1 1%

Tot al ­ 1 m il hão de r e fr iger a dor e s
Eur op a ­ L es te

A m éri ca Latina
W hir poo l
AB E lec tr olu x
B osc h -S ie me ns
C CE
C TI
Ou tro s
To tal ­ 5 m ilhões de
r ef r ige ra do re s

37%
18 %
6%
6%
2%
31 %

AB El ec tr olux
B osc h- S ie me n s
Wh irp ool
M e rlo ni
Lie bhe r r
B ra nd t
C an dy/H oo ve r
GE /M arcon i
F ag or
Out ro s

2 0%
15 %
13%
9%
4%
4%
4%
3%
2%
2 6%

Ásia
Ha ier
Ke long/R ongsheng
AB Ele ctrolux
M atsushita
LG/Goldstar
S am sung
Toshiba
W hir pool
S harp
S anyo
M eiling
Xinfe i
Hitac hi
GE /Go drej
M itsub ishi
Da ewoo
Outros

9%
8%
7%
7%
6%
6%
5%
4%
4%
4%
3%
4%
3%
3%
3%
3%
21%

T ota l ­ 25 m ilh õe s de
r e fr ige r ad or es

Tot al ­ 1 5 m ilhõe s de r ef r ige ra do re s

Fonte: Entrevista Embraco
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 217

Com relação ao freezer, um bem de consumo das classes
mais abastadas, com condições financeiras para armazenar
alimentos, e, portanto, um complemento doméstico dispensável,
substituível pela geladeira com congelador, apresenta uma demanda
mundial ­ 11,2 milhões de unidades (2000) ­ bem menor que a de
refrigeradores. No market share mundial percebe-se que 12
companhias abastecem cerca de dois terços da demanda (65%). A
Electrolux dominou o mercado, com 25% do total (3 milhões de
frezeers produzidos no ano), em várias unidades fabris, seguida de
longe pela Whirlpool, com 10%, e outras menos expressivas, como
Bosch-Siemens (6%) e Auckma (5%). As chinesas Xingling (4%) e
a Haier (3%), no mesmo patamar da Liebherr e da GE, estavam
como 5ª e 6ª maiores fabricantes mundiais do produto. A Merloni e
a Brandt com 2%, e a Kelon-Rongsheng e Candy-Hoover com
1%. As fabricantes com menos de 1% de participação responderam
por 35% das vendas totais. Como no caso dos refrigeradores, a
Ásia (4 milhões de unidades) representa o dobro da demanda de
freezers apresentada pelaAmérica do Norte (2 milhões de unidades),
segunda área com maior demanda. (Ilustração 2 e Tabela 2)
Ilustração 2: Market Share de freezers (2000) ­ Demanda Mundial
­ 11 milhões de unidades
3%

3%
4%

2%

5%

Whirlpool

3%

2%

AB Electrolux

6%

Others
Candy/Hoover

10%

Kelon/
Rongsheng
1%

Kelon/Rongsheng
Brandt
Merloni
GE
Liebherr

1%

Haier
Xingling
Auck ma
Bosc h/Siemens

25%
35%

Fonte: Entrevista Embraco.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

218 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

Tabela 2: Principais fabricantes de freezers (2000) participação por regiões do mundo
América do Norte
AB Electrolux
GE
Maytag/Amana
Whirpool
Outros

67%
10%
6%
5%
12%

Europa ­ Oeste
Whirpool
Outros

15%
85%

Total ­ 300 mi l freezers
Total ­ 2 milhões de freezers
Europa ­ Les te
América Latina
Whirpool
AB Electrolux
Bosch-Siemens
CCE
Es malt ec
Outros

35%
24%
18%
4%
3%
16%

Total ­ 900 mil freezers

AB Electrolux
Whirpool
Bosch-Siemens
Liebherr
Brandt
Merloni
GE/M arconi
Candy/Hoover
Lec
Outros

26%
17%
13%
9%
4%
3%
3%
2%
2%
21%

Ási a
Auckma
Xi ngling
Haier
AB Electrolux
Kelon
Matsushita
GE/Godrej
Outros

17%
14%
11%
7%
4%
2%
2%
43%

Total ­ 4 milhões de freezers

Total ­ 4 milhões de freezers

Fonte: Entrevista Embraco.

A China, ao lado de EUA, Europa e Japão, vem
de s t a can do - s e co m o u m d o s gr and es fab ri c ant es de
eletrodomésticos (principalmente refrigeradores, máquinas de
l a v a r e f o r n o m i c ro o n d a s ) e d e s e u s e q u i p am e n t o s
(compressores), quase triplicando a produção de 1994 a 2004,
com produtos bastante competitivos, beneficiada pela mãode-obra mais barata que na Europa e nos EUA, e taxas de
câmbio e impostos mais favoráveis (THE FREEDONIA
GROUP, 2007). Embora as empresas estrangeiras sejam
responsáveis por significativa parte do crescimento das
exportações da China, algumas companhias locais genuinamente
chinesas estão começando a aparecer como sérias concorrentes
globais, como a Haier, a Kelon/Rongsheng e a Xingling,
exportando para as Américas, a Europa e toda a Ásia.
Maior fabricante chinesa de eletrodomésticos da linha
branca e de alguns bens eletrônicos, como televisores, a Haier
(de 1984) obtém aproximadamente 15% do seu rendimento fora
de China. A companhia, que responde por cerca de 6% do
mercado mundial de refrigeradores e de máquinas de lavar (2006),
vendendo seus produtos em 160 países, tem parcerias com
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 219

grandes varejistas. Nos Estados Unidos seus produtos estão na
Wal-Mart, Best Buy, Sears, Lowe's, Home Depot and Target.
Por exemplo: em 800 lojas da Wal-Mart, a Haier tem 100% do
espaço das prateleiras reservado para os condicionadores de ar
(da linha "window air conditioner") e 80% para os refrigeradores;
e a Best Buy anuncia os seus "digital wine cooler" (adegas de
vinho) como produtos eletrônicos. Por outro lado, os artigos da
Haier proporcionam margens vantajosas para as varejistas,
segundo Kotler Marketing Group (2007).
A companhia chinesa ainda manufatura para outras marcas,
por exemplo, fabrica os freezers domésticos para a japonesa
Sanyo, que os comercializa no Japão com a marca Sanyo. Além
disso, a Haier já tem uma fábrica de refrigeradores nos Estados
Unidos (Carolina do Sul), e quase adquiriu a Maytag, comprada
em 2005 pela rival ianque Whirlpool. Segundo relato do Wall
Street Journal de jun/2005 (apud SUPPLY CHAIN DIGEST,
2007), os tradicionais fabricantes norte-americanos de
refrigeradores, secadoras e fornos estão enfrentando o aumento
da acirrada concorrência dos fabricantes asiáticos. Embora as
marcas estrangeiras (Samsung, LG, e Haier) dominem ainda uma
pequena parte do mercado dos Estados Unidos, sua porcentagem
de participação tem crescido acentuadamente. A Haier tem nos
EUA 50% do mercado dos refrigeradores compactos, 25% dos
refrigeradores domésticos ("apartment size"), 40% dos freezers
("chest"); 50% das "wine cellars" e 18% dos "window air
conditioners"; concorrendo frontalmente com a produção
brasileira da Whirlpool (Consul), que tem perdido terreno
na fatia dos refrigeradores compactos e "wine cellars". Os
concorrentes orientais estão ganhando em grande parte devido:
a) à inovação dos produtos, tal como o refrigerador da LG com
televisão de tela lisa na porta e alta eficiência energética; b) aos
canais de distribuição utilizados, concentrados nas grandes redes
de varejo, alcançando diretamente os consumidores americanos;
c) aos preços mais baixos.
Como visto, aindústriadeprodutos dalinhabranca­em especial
de refrigeradores, item básico e prioritário de uma casa na atualidade ­
estápassandoporsignificativamudançaestrutural,cujas líderes ocidentais
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

220 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

tem lutado frente ao encolhimento imposto pela produção oriental nos
mercados ocidentais.Abusca de alternativas para enfrentar a recente
concorrência vinda da Ásia tem-se pautado em: a) agigantamento por
meio da compra de concorrentes (fusões); b) lançamento de inovações
nos produtos; c) produção offshore, direcionando e reordenando uma
quantidade crescente da produção para países de baixo custo ­ como a
transferência da fabricação para a própriaÁsia (por exemplo a celebração
das joint ventures na China) ­ , isto é, inserção nesse novo
mercado consumidor em expansão, berço das novatas rivais.
Essa configuração da produção de refrigeradores e
freezers leva a reboque, como efeito dominó, o desempenho
da indústria fornecedora de equipamentos, a de compressores.
Uma significativa modificação no quadro dos fabricantes
de compressores é observada igualmente a partir de meados da
década de 1990, e se caracteriza pela concentração da produção
em poucas grandes empresas. No quadro evolutivo da produção
mundial de compressores (Ilustração 3) verifica-se que a
Electrolux (ACC desde 2003), a Embraco, a Tecumseh, a
Danfoss, a LG/Goldstar e a Matsushita despontaram dominando
mais de 90% da demanda mundial de aproximadamente 120
milhões de compressores (2003). No início da década, em 1990,
essas maiores fabricantes detinham a metade ­ cerca de 53% ­
da demanda mundial de 77,5 milhões de compressores, enquanto
a outra metade (47%) era fornecida por várias empresas
menores, como Áspera (Itália), Necchi Pavia (Itália), Unid,
Hermetic (Espanha), Zanussi (Italia), Sicom (Brasil) ­ cada
qual com participação em torno de 3% a 5% do mercado
mundi al ­ muitas posteri orment e incorporadas pelas
concorrentes maiores.
Quase a totalidade da produção de compressores está
hoje sob domínio: a) de duas empresas estadudinenses, a
Embraco/Whirlpool, atrelada a fabricante da linha branca; e
a Tecumseh, de produção independente (não ligada a linha
branca); b) dois grupos europeus independentes: a Danfoss,
de origem dinamarquesa, e a ACC, ex-Electrolux; e c) de
dois conglomerados asiáticos: o grupo coreano LG e o
japonês Matsushita.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 221

Ilustração 3: Evolução do Market Share de compressores
(1990 ­ 2003)

Fonte: Embraco

Esses grandes fabricantes apresentaram aumento do
volume produzido e da proporção da participação individual no
total da demanda mundial, com exceção da Matsushita/Panasonic
que perdeu sua posição de liderança como maior fabricante de
compressores do início da década, embora tivesse aumentado
o volume produzido e mantivesse a terceira maior unidade fabril
(capacidade de 9 milhões de compressores/ano, 1.900
trabalhadores) em Cingapura (Matsushita Refrigeration Industries
(S) Pte Ltd - MARIS), onde está desde 1973.
No decorrer do período (1990-2003), a participação
da Matsushita oscilou em torno de 15% a 18% da produção
total de compressores, diminuindo para 13% em 2003, com a
produção de 19,9 milhões de unidades/ano nas plantas de
Cingapura, China, Malásia e Japão, quantidade bem superior
aos 12 milhões fabricados em 1990: 7,7 milhões em Cingapura
e 4,5 milhões na unidade do Japão. Nesse período foi
implantada uma indústria nos EUA (em 1989) ­ a Matsushita
Refrigeration Company of America (MARCA) ­ fechada em
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

222 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

2002, quando foi incrementada a produção na Ásia6, inclusive
com a transferência de equipamentos para a unidade chinesa ­
Matsushita-Wanbao (Guangzhou) Compressor Co. (joint
venture celebrada em 1995) ­, tornando-a a maior fábrica de
compressores para condicionadores de ar do mundo (6 milhões
de unidades/ano) 7. Segundo relatório da Bloomberg (2007), o
grupo nipônico planeja fechar mais quatro bases de produção em
2007 (uma planta do condensador do refrigerador, uma fábrica
de lava-louças, uma fab ricante de equip amentos de
eletrodomésticos e uma planta do sistema de condicionamento de
ar) para concentrar esforços na fabricação de modelos maiores
de televisores de plasma com alta definição,investindo cerca de
US$ 2,3 bilhões na construção da maior fábrica do mundo.
Por outro lado, a vizinha rival coreana LG/Goldstar, que
começou (1973) fabricando compressores para o seu
conglomerado, iniciou as exportações do produto em 1986, e
a conjugação dos seguintes fatores a colocaria entre as grandes
fabricantes: implantação da unidade de compressor na China,
LG Electronics (Tianjin) Co. Ltd., em 1998; aumento das
vendas do condicionador de ar; implementação pioneira das
inovações nos refrigeradores (como internet e TV acoplados),
liderando as vendas globais desses segmentos de home
appliance 8 (o que forçou o aumento da fabricação dos
6

"As the main reasons for closing the U.S. refrigerator compressor production
subsidiary [in Vonore, Tennessee], Matsushita cited the necessity to restructure
its ongoing refrigerator compressor production operations from a global
viewpoint, and intensified price competition in the U.S. refrigerator compressor
market, which resulted in decreased profitability at MARCA. Production of
refrigerator compressors for the U.S. market will be shifted to Matsushita's
Asian factories in Singapore, Malaysia and China to further enhance the
company's strategy to achieve an optimum global production structure in this
product area". (MATSUSHITA, 2007)
7
"Matsushita-Wambao (Guangzhou) Compressor Co. officially put anew
compressor plant into operation with an annual production of 5 million
compressors. The joint venture is now the world's largest air-conditioner
compressor producer with a total capacity of six million on compressors per
year." (PEOPLE'S DAILY, 2007a)
8
Em 2000 ­ "The world's first Internet-enabled refrigerator launched. Global
sales of refrigerators reached the number one position." (LG, 2007).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 223

compressores). A LG é a novidade do grupo das maiores
fabricantes de compressores, pois elevou sua participação de
menos de 1% da demanda mundial em 1990 (compressores
fabricados na planta de Changwon, com capacidade inicial de
produção de 600.000 unidades/ano) para 9% em 2003, com
mais de 10 milhões de compressores nas fábricas da Coréia (6
milhões em 2002) e da China.
Fora do circuito asiático de fabricação de compressores,
a Danfoss9, uma das mais antigas indústrias de compressores do
mundo (iniciou em 1933 com a produção e comercialização de
válvulas automáticas de refrigeradores, até então só fabricadas
nos Estados Unidos, e em 1951 lançou a licença para produção
do compressor), distribuiu a produção do equipamento na Europa
e América. A divisão Danfoss Compressors é integrada por
fábricas em Flensburg (na Alemanha desde 1956, onde está
concentrada a área de R&D - Pesquisa e Desenvolvimento),
Eslovênia (1993), Eslováquia (desde a década de 1950 é
tradicionalmente produtora de compressores; até 2005 abastecia
com componentes as outras fábricas do grupo, quando iniciou a
produção dos T-Series compressors) e México (1995), totalizando
uma produção de cerca de 13 milhões de compressores/ano.
Visando ao mercado asiático, não atrelada a fabricantes
de eletrodomésticos, e produzindo uma variedade grande de
produtos (nas áreas de compressores herméticos, condensadores
para refrigeração, bombas, softwares e motores elétricos/gasolina.),
a Tecumseh (com sede em Michigan, EUA) investiu na Índia,
onde estão duas unidades de compressores para condicionadores
de ar e refrigeradores, além das fábricas nos EUA, França e
Brasil. Também aumentou significativamente a capacidade de
produção de compressores no decorrer do período, mais que
dobrando a sua fatia do bolo: de 6%, cerca de 1,7 milhão de
compressores/ano em 1990, saltou para 14% do total mundial,
16 milhões de unidades/ano em 2003. Com a aquisição da
brasileira Sicom em 1984 (que produzia cerca de 3 milhões de
9

A Danfoss ingressou na China em 1996, com indústria de componentes para
refrigeração e, em 2002, uma nova fábrica foi construída, a Danfoss (Tianjin)
Ltd., que produz termostatos, válvulas, unidades condensadoras etc.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

224 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

compressores) 10, transformou o grupo em forte concorrente
dentro do próprio território da líder mundial, a Embraco,
exportando 70% dos 12 milhões de compressores/ano (para
refrigeradores, condicionadores de ar e freezers, domésticos e
comerciais) fabricados em São Carlos (SP).
A Embraco(Joinville-SC,Brasil), integrante dogrupo Whirlpool
Corporation (EUA) de capital financeiro suíço11, apresenta-se como
uma das maiores fabricantes de compressores do mundo: de uma
participação de 9% da demanda mundial (quando detinha somente a
planta fabril brasileira com capacidade anual de 7,2 milhões de
compressores) aumentou para cerca de 25% do total em 2003 (25
milhões de compressores/ano; cerca de80%pararefrigeraçãodoméstica,
refrigeradores/freezers e condicionares de ar, e o restante para aplicações
comerciais leves, como bebedouros, expositores refrigerados etc). Tal
crescimento resultou da duplicação da produção na fábrica brasileira
(que passou para 16 milhões de compressores/ano-2006) e da
incorporação da européia Áspera (Itália) em 1994 (tradicional fabricante
de compressores desde 1956), que por ter contratos de repasse de
tecnologia com indústrias de compressores chinesas (cerca de uma
dezena), facilitou a associação da Whirpool com a fabricante estatal
de refrigeradores Beijing Snowflake ElectricAppliance de Pequim, cuja
fábrica de compressores foi repassada para a Embraco, que por meio
de joitn venture (1995) instituiu a Beijing Embraco Snowflake
Compressor Company Ltd. (participação inicial de 55,23% no capital
social). Mas, ante os resultados não favoráveis da Áspera (produção
anual de 1,7 milhões de compressores/ano), principalmente
10

A Sicom (localizada em São Carlos­ SP), implantada na década de 1950 com
pacote tecnológico da Tecumseh (EUA), para equipar com compressores as
então indústrias de refrigeração que começavam a se instalar no Brasil
(substituição de importações de bens de consumo duráveis), era a principal
fornecedora da Prosdócimo (que não comprava compressores da Embraco), e
não ameaçava a Embraco no Brasil. Os investimentos feitos pela nova
proprietária, transformaram a fábrica brasileira ­ cujo maior acionista era a
Pereira Lopes, comprada pela Prosdócimo, que foi em 1996 adquirida pela
Electrolux ­ numa fabricante mundial de compressores herméticos (gôndolas
de supermercados, condicionadores de ar etc.).
11
Informação sobre o capital financeiro ligado ao grupo Whirlpool repassada
numa entrevista realizada na Embraco, em 1992, e nunca explicitamente
confirmada nas entrevistas posteriores.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 225

relacionados aos custos com mão-de-obra e à estagnação da Europa
do Oeste, e as possibilidades de ampliação do consumo no leste
europeu, foi construída uma unidade fabril na Eslováquia (4,4 milhões
de compressores/ano), em operação desde 1999, para onde, inclusive,
foram transferidas algumas linhas de produção da Itália.
Embora a Embraco domine 70% do mercado da América
do Sul e da América Central, onde concorre com a Tecumseh, 44%
do mercado da América do Norte, onde disputa com as unidades
mexicanas da Danfoss, Matsushita e Sanyo, além da conterrânea
Tecumseh, e 23% do bolo europeu e africano, concorrendo com a
ACC, Danfoss e Tecumseh, ela pretende ampliar sua inserção na
Ásia, que é de apenas 6% (10% na China). A capacidade de
produção anual na China foi ampliada de 1,9 milhão de
compressores/ano para 4,5 milhões de compressores/ano em nova
planta fabril (inaugurada em 2006), a maior do grupo depois da
unidade joinvillense, localizada estrategicamente para dobrar
também as exportações ao mercado asiático (proximidade de portos
e aeroportos), mais apta para enfrentar as gigantes orientais
(Matsushita e LG) e as unidades norte-americanas e européias
(ACC e Tecumseh) implantadas nos últimos anos.
Uma das primeiras fabricantes ocidentais de compressores a se
instalar na China foi a italiana Zanussi (em 1993)12, adquirida pela
Electrolux. No decorrer da década passada, a Electrolux tornou-se
grande fabricante do equipamento, pois, conforme já mencionado, na
medida em que adquiria concorrentes menores da linha branca,
principalmente no continente europeu, incorporava as fabricantes de
compressores. Mas, em 2003, o conjunto de suas cinco fábricas de
compressores, com cerca de 6.000 trabalhadores, isto é, as três
unidades européias e as duas joint ventures chinesas, foi adquirida
por um grupo financeiro investidor baseado na Itália, passando a
12

"Zanussi Elettromeccanica Tianjin Compressor Co. Ltd. started its operation
in January 1993 as the first Chinese/foreign joint venture in the home refrigerator
compressors industry in China. [...]. From 1996 to 1998 the Company strongly
invested in technology and machinery from Europe, and built the largest
domestic compressor plant in China. Since the establishment of the joint venture,
ZEL-TJ has integrated domestic and international market requirements, resulting
in a complete management system for quality, manufacture and product
development." (ACC, 2007)
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

226 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

denominar-seACC (Apliances Components Companies).Aexemplo
da unidade italiana da Embraco, parece que "as unidades de
compressores européias da Electrolux também não apresentavam bons
resultados", segundo depoimento do Gestor de Vendas da Embraco
(em contato telefônico efetuado em maio/2004). Com duas unidades
de negócios ­ compressores e motores ­, a ACC apresenta:
rendimentos anuais de aproximadamente 700 milhões de Euros; cerca
de 7.000 trabalhadores; e 10 plantas de produção situadas na Europa
e China.As cinco fábricas de compressores produzem em torno de 21
milhões de compressores/ano e participam com 18% do mercado
mundial no segmento de compressores para refrigeração doméstica e
12% no segmento de refrigeração comercial. "Com capacidade
instalada superior à da Embraco", segundo o executivo, a ACC
passou, portanto, a ocupar o nicho até então da Electrolux, ou seja,
concorre com a "brasileira" pela liderança mundial na fabricação de
compressores (Ilustrações 4, 5 e 6).

4%
5%
5%

5%
47%
5%
6%

Ilustração 4: Embraco: Market Share ­ vendas (1990)
9%
14%
Nechi-Pavia-Itália

Sicom -Brasil

Zanussi-Itália

Aspera-Itália

Danfoss-Alem anha

Embraco-Brasil

Matsushita-Japão

Outros

Unid. Hermetic-Espanha

Fonte: Entrevista Embraco.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 227

Ilustração 5: Embraco: Market Share ­ vendas (2000)

Danfoss
12%
Matsushita
15%

Outros
13%

Embraco
25%

Tecumseh
14%

Electrolux
21%

Fonte: Entrevista Embraco

Ilustração 6: Compressores ­ Market Share ­ vendas (2003)

LG
9%

Outros
8%

Danfoss
12%

Embraco
25%
Matsushita
13%
Tecumseh
14%

Electrolux
19%

Fonte: Entrevista Embraco.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

228 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

Esseaumentodaparticipaçãonomercadoviaampliaçãodovolume
da produção, não resulta somente do processo de aquisições/fusões,
depende igualmente da busca da maximização da competitividade,
alcançada pela atuação em áreas como: logística, tecnologia,
qualidade etc. As estratégias logísticas, como localização com fácil
acesso a sistemas de transportes (portos, ferrovias etc), além de uma rede
de escritórios comerciais, revendedores e depósitos para entrega imediata
doproduto,fornecemsuporteàs unidades industriaisnos diferentes países.
Por exemplo, a maior fabricante mundial, a Embraco, tem base em 49
países, 19 pontos de depósitos e 14 de consignação, para gerenciar
1.010 clientes em 82 países.Ainserção na Ásia é efetivada por escritório
de vendas na unidade fabril de Beijing, com agentes e distribuidores,
inclusive em Cingapura, espaço da grande concorrente Matsushita.
Verifica-se que a tendência é aumentar a presença física na Ásia,
principalmente com fábricas, das grandes firmas ocidentais, tendo em
vista a grande distância entre esse novo mercado (China) e as plantas
presentes na Europa e na América (Ilustração 7).
A evolução da tecnologia acontece geralmente de forma
razoavelmentesincronizadaentreas grandes fabricantesdecompressores,
com pequenas diferenças de tempo no lançamento de novos produtos, na
medida em que todas as seis maiores empresas mantém laboratórios,
pesquisadores, parcerias com centros de pesquisa etc., além de um
constante monitoramento dos concorrentes. Por outro lado, as clientes da
linhabranca,dependentesdoposicionamentodosseusprodutos(geladeiras,
freezers, condicionadores de ar) no mercado, que setornou mais exigente
(qualidade, legislação ambiental etc.), requerem compressores mais
avançados e com menor custo.Além de acumular patentes, as empresas
colecionam premiações pelas novas performances alcançadas.
Ilustração 7: Logística Embraco

Fonte: Embraco
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 229

Vencida a etapa de substituição do CFC ­ clorofluorcarbono
(condenado pelo protocolo de Montreal, em 1987), na primeira
metade da década de 1990, por fluidos refrigerantes ecológicos
(Danfoss e Embraco foram as primeiras a usar o HFC ­
hidrofluorcarbono em 1992), outras inovações "verdes" são aplicadas
aos compressores. As mais recentes se relacionam ao
desenvolvimento de compressores com alta eficiência energética, baixo
nível de ruído e vibração para uso na linha doméstica e comercial. A
atual geração de compressores chega ao mercado consumindo a
metade (ou menos) da energia que consumiam os modelos de duas
décadas atrás, com a mesma capacidade de refrigeração.
As inovações mais significativas, tradicionalmente originárias de
empresas ocidentais (Danfoss, Whirpool/Embraco), têm vindo de
laboratórios asiáticos. Acoreana LG consegue liderar a produção da
linha branca, com refrigeradores e condicionadores de ar de designs
modernos e energeticamente eficientes, pois desenvolve compressores
ecologicamente melhores. Esse objetivo vem sendo alcançado desde
2001 com o DIOS, o refrigerador de duas-portas que utiliza o primeiro
compressor linear do mundo. Para desenvolvê-lo, 60 pesquisadores
trabalharam por 8 anos, obtendo mais de 500 patentes. Diferentemente
dos convencionais, baseados no movimento circular do motor, o novo
compressor move-se linearmente, reduzindo drasticamente o consumo
de energia. Essa classe de refrigeradores consome 16% menos do que
modelos antigos da LG e 40% menos do que os da Whirlpool e GE,
por exemplo, uma conquista tecnológica que projetou a LG para 2 a 5
anos à frente de suas concorrentes, o que também explica o aumento
de sua produção de compressores a partir de então.
Outro lançamento pioneiro da LG (em 2005) é o Multi Power
System para condicionadores de ar (utilizando dois compressores
pequenos), gasta 70% menos energia do que o produto convencional
(que utiliza compressor maior) reduzindo também o ruído e a vibração.
Essas inovações no compressor contribuem para posicionar a LG como
líder na fabricação dos condicionadores de ar. Tal redução do consumo
de energia é possível devido ao avanço da eletrônica, que permitiu
desenvolver a linha de compressores controlados eletronicamente.
Nesse contexto,um detalhe merece destaque: mesmo fabricando
estes novos compressores para consumo próprio, a LG, que não os
vende para concorrentes nem abriu seu segredo industrial, alcançou um
desempenho fantástico em 13 anos. Em 1990 ela sequer aparecia no
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

230 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

cenário mundial e chegou em 2003 como sexta maior fabricante, com
grande parte dos compressores embutidos em seus refrigeradores, o
que já dá uma idéia da força de sua presença nesse mercado.
Por outro lado, a competitividade também é requerida por meio
da produção em escala, caracterizada pela imensa capacidade de
produção das plantas fabris, sem o correspondente crescimento dos
postos de trabalho. Isto é, a produtividade resulta de abrangente reestruturação do chão de fábrica, com utilização de gestão toyotista (just
in time,kanbam etc.) e plantas fabris bastante automatizadas/robotizadas.
Por exemplo: o aumento da produtividade na Embraco foi
bastante expressivo: em 1991 a planta de Joinville tinha 5.538
trabalhadores e produziu um total de 8.374.000 compressores, o
que equivalia a cerca de US$ 276,3 milhões em vendas brutas.
Depois de quase 10 anos, em 2000 elevou a produção em quase
70%, passando para cerca de 13,5 milhões de compressores/ano,
fabricados por 4.870 trabalhadores, 13% menos, e vendas brutas
de US$ 407,4 milhões, que representaram um aumento de quase
50%. Na planta brasileira percebe-se, assim, expressivo aumento
de produtividade, principalmente entre 1995 e 1999, e estável daí
em diante: de 1.748 compressores por empregado/ano em 1995
passou para 2.979 em 1999 e 2.960 compressores por empregado/
ano em 2002; e de 2.526 compressores por horista/ano em 1995
aumentou para 4.276 em 1999 e 4.260 compressores por horista/
ano em 2002. Dentre as 4 plantas fabris da Embraco, a italiana
(ex-Aspera) é a que apresenta os mais elevados índices de
produtividade: de 2.683 compressores por empregado/ano em
1995 aumentou para 3.587 compressores por empregado/ano em
2001; e de 3.628 compressores por horista/ano (1995) passou
para 5.104 compressores por horista/ano em 2001, mas ainda sem
bons resultados. Diante de tal quadro, ocorreu a transferência de
algumas linhas para a Eslováquia, "onde as condições de fabricação
para determinados tipos de compressores são mais favoráveis à
competitividade internacional" (nas entrelinhas, leia-se mão-deobra mais barata), segundo entrevista na empresa. Mas, mesmo
assim, a Embraco Europe (Itália e Eslováquia) reduziu seu
faturamento líquido: de 292 milhões em 1998 caiu para US$ de
258,1 milhões em 2003. (Rocha, 2004)
Os motivos do desempenho negativo da planta européia da
Embraco, segundo Relatórios da Administração e que podem ser
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 231

estendidos para as demais fabricantes de compressores locais e de
suas clientes da linha branca, que por isso se inserem
progressivamente na China, relacionam-se: a) ao "ambiente
econômico europeu [...] caracterizado por um cenário de grande
concorrência, contribuindo para uma corrosão nos preços, fenômeno
que já vem se repetindo nos últimos anos"; b) a "forte apreciação
do euro frente ao dólar"; c) pouco crescimento da demanda no
mercado; d) custos elevados com a for?¥a de trabalho na Europa.
Por sua vez,essa busca de maior competitividadevia aumento de
produtividade e diminui?Ù
?oÙde custos com m?Ù
o-de-obra, n?Ù
o alcan?Ù
ada
nasplantasfabrisantigas,tamb?u
m?u
sentidanasprsupriasempresastradicionais
asiaticas(Japão,Coréia),oqueastemimpelidoatambémentrarnoterritório
chinês, como expõe o executivo da japonesa Matsushita: "The recession
of the world economy has compelled many transnational companies to
seek cheaper labor and better market opportunities. With sustained fast
economic growth and an inexpensive labor force, China has been the
foremostchoiceofmanyjapanese companies,includingMatsushitaElectric"
said the Matsushita spokeswoman" (PEAPLE'S DAILY, 2007b).
A Ásia foi a região do planeta que apresentou o maior
crescimento da produção de compressores herméticos para
refrigeração, mais que o dobro entre 1990 e 2003 (aumento de 113%),
destacando-se a China, que de 1 milhão de compressores fabricados
em 1990 pelas indústrias locais saltou para cerca de 23 milhões de
compressores em 2006, manufaturados pelas unidades fabris chinesas
da Embraco, Matsushita, LG e ACC/Electrolux (exclusive outras),
principalmente nas regiões de Guangdong, Shandong e Jiangsu, que
concentram 60% da produção total do país.AEuropa, como mercado
de consumo, apresentou pouco crescimento na produção de
compressores no período, mesmo com a inclusão dos países do Leste
(ainda não computados em 1990), refletindo a estagnação no consumo
de refrigeradores, motivo pelo qual se observa um significativo processo
de fusões/desaparecimento de companhias: a produção de 24,8 milhões
de compressores em 1990 distribuída entre as 8 maiores empresas
européias (exclusive URSS), concentrou-se principalmente nas três
grandes empresas (2003), que produziram 36,2 milhões de
compressores em 2003. Nas Américas, a produção dobrou,
principalmente como resultado da ampliação produtiva no Brasil
da Embraco e Tecumseh/Sicom; essa com a produção
quadruplicada (Tabela 3 e Ilustração 8).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

232 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

Quanto à distribuição da fabricação dos compressores por
segmento de produtoobserva-se que, conformeestudode BSRIA (2007):
a) a China (43%) e a Ásia-leste (28%) dominam a produção
mundial de compressores para condicionadores de ar, especialmente
de compressores pequenos ("small rotary"), classe em acelerada
elevação devido ao deslocamento da produção de companhias ocidentais
e japonesas para esta região; tendência verificada também na linha
comercial, ainda majoritariamente fabricada em terra americana;
b) a Europa e as Américas respondem pelo maior volume da
produção total dos compressores para refrigeração (61%), contudo a
produção de compressores domésticos pequenos para refrigeração é
dominada pelas plantas asiáticas da LG, Samsung, Sanyo e Matsushita
e a produção do segmento de porte maior, o compressor de refrigeração
comercial, destinado às indústrias e grande comércio, é dominada pelas
americanas Tecumseh, Embraco e Copeland. Quando a produção
destina-se aos setores comerciais e industriais mais pesados,
predominam algumas empresas européias (York, Bitzer, Refcomp etc).
Tabela 3: Principais fabricantes e produção de compressores no
mundo (1990 e 2003)
1 9 90
I n d ús tr i a ­ m i lh õ e s de c om p r e s so r e s

2003
I n d ú s t r i a ­ ­ m i l h õ e s d e c o m p r e s s o re s
A M É R IC A S

1 ­ E m b r a c o ­ 7 , 2 ( B r a s i l)
2 ­ S ic o m ­ 3 , 5 ( B r a s il )
3 ­ A m e r ic o l d ­ 2 ,0 ( E U A )
4 ­ T e c u m se h ­ 1 ,7 ( E U A )
5 ­ G E ­ 1 ,5 ( E U A )
6 ­ C o m a s a ­ 0 ,8
O u tr o s ­ 0,8
T o ta l ­ 1 7 , 5

1 ­ E m b r a c o ­ 1 5 , 0 m i l h õ e s ( B r a s il )
2 ­ T e c u m se h ­ 1 3 ,5 m i lh õe s ( B r a si l)
3 ­ D a n f o s s ­ 2 , 5 m il h õ e s ( M é x ic o )
4 ­ S a n y o ­ 2 ,2 m il hõ e s ( M é x ic o )
T o ta l ­ 3 3 ,2

EUROPA
1 ­ D a n f o ss ­ 5, 0
2 ­ Z a n us s i ­ 4 ,0
3 ­ Á s p e r a ­ 3,5
4 ­ N e c c h i ­ 2,7
5 ­ U n id a d ­ 2, 5
6 ­ I r e ­ 2,3
7 ­ L ' U n i te ­ 2 , 0
8 ­ V e r d ic h t e r ­ 0 , 8
R ú s s ia ­ 6 , 8
D D R ­ 1 ,6
Y u g o sl á vi a ­ 1 ,1
O u tr o s ­ 2,5
T o ta l ­ 2 4 , 8 ( E u r o p a ­ O e s t e )

1 ­ A C C ( e x - E le c t r o l u x ) ­ 1 7 , 3 m il h õ e s ( I tá l ia ,
E s pa nh a , Á us tr i a )
2 ­ D a n f o s s ­ 1 1 , 3 m il h õ e s ( A le m a n h a , E s lo v ê n ia )
3 ­ E m b r a c o ­ 7 , 6 m il h õ e s ( I tá li a , E s l o v á q u i a )
T o ta l ­ 3 6 ,2 ( E u r op a ­ O e st e e L e s te )

Á SIA
1 ­ M a r i s ( M a ts u s h it a ) ­ 7 , 5 (C i n g a p u r a )
2 ­ M a t s u s h it a ­ 4 , 5 ( J a p ã o )
3 ­ S a n y o ­ 2 ,9 ( J a p ã o )
4 ­ S a m s un g ­ 2 ,0 ( C o r é ia )
5 ­ H it a c h i ­ 1 ,6 ( Ja p ã o )
6 ­ G o l d s t a r ­ 1 , 5 ( C o r é ia )
7 ­ T o s h ib a ­ 1 , 2 ( J a p ã o )
8 ­ M it s u b is h i ­ 0 , 8 ( J a p ã o )
C hi n a ­ 1,0
T a i w a n ­ 0,9
Í n d ia ­ 0 ,7
T a i l â n d ia ­ 0 , 6
T o ta l ­ 2 5 , 2
T o ta l ­ 7 7 , 5

1 ­ M a ts u s h i t a ­ 1 9 , 9 m i l h õ e s ( C in g a p u r a , C h in a ,
M a l á si a , J a p ã o )
2 ­ L G ( G o ld s t a r ) ­ 1 2 , 4 m il h õ e s ( C o r é ia , C h in a )
3 ­ A C C ( e x - E le c t r o l u x ) ­ 5 , 8 m i l h õ e s ( C h i n a )
4 ­ S a n y o ­ 4 , 7 m i l h õ e s ( T a il â n d i a , I n d o n é s i a , J a p ã o ,
T aiw an )
5 ­ S a m s u n g ­ 4 , 0 m i l h õ e s ( C o r é ia )
6 ­ T e c u m s e h ­ 2 , 5 m i l h õ e s ( Ín d ia )
7 ­ D a e w o o ­ 2 , 5 m i lh õ e s ( C o r é i a )
8 ­ E m b r a c o ­ 1 , 9 m il h õ e s ( C h i n a )
T o ta l ­ 5 3 ,7
T o ta l ­ 1 2 3 ,1 *

F o n t e : E n t re v i s t a E m b r a c o .
(* ) N ã o f o i c o n s i d e r a d a a p r o d u ç ã o d e f a b r i c a n t e s m e n o r e s (o u t ro s

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 233

Ilustração 8: Capacidade de produção de compressores (2003)
C o m p re s s o re s

E m p r e sa / c a p a c id a d e d e p r o d u çã o p o r r e g iã o
(2 0 0 3 )
E u ro p a - 3 6 ,2 m il h õ e s
E m b ra c o I t á li a ,
E slo v áq u ia
21%
A C C (e x E l e c t ro l lu x )
I tá li a , E s p a n h a ,
Á u s t ri a
4 8%

Am é r ic a s - 3 3 ,2 m ilh õ e s

D a n fo s s
M é x ic o
8%

S a n yo
M é x ic o
7%

D a nfo ss
A le m a n h a ,
E s lo v ê n ia
31 %

E m b ra c o
B ra s il
44%

Tecum seh
B ra s il
41%

D a e w o o C o r é ia
5%
T e c u m se h Ín d ia , T a ila n d a
5%

S a m s u n g C o ré ia
7%

S a n yo T a ila n d ia , In d o n é s ia,
J a p ã o , T a iw a n
AC C (e x -E le c tr o lu x) C h in a
9%
11 %

Ás ia - 53 ,7 m ilh õ e s
E m b r ac o C h in a
4%
M ats u s h ita C in g a p u r a ,
C h in a , M a lá s ia , J a p ã o
36%

L G C o r é ia , C h in a
23%

F o n te : E m b ra c o

Observa-se que praticamente a metade do valor da produção
total de compressores domésticos na China, quase 50% (2003), é
dominada pelas joint ventures Embraco,ACC e Matsushita, e a outra
metade distribui-se principalmente pelas fabricantes locais: Changshu
Baixue,HuangshiDongbe,Qianjiang,SichuanDanpu,GuangdongLengii,
Dongling, Huayi etc. A China se posicionou como um dos principais
fornecedores de equipamentos para refrigeração domésticos e está
oportunizando uma nova geração de investimentos, a fabricação de
compressores de refrigeração comercial, que vem a reboque do vigor
econômicolocal,maisespecificamente:oincrementodocomérciovarejista
e atacadista com a entrada de grupos estrangeiros (Carrefour e WalMart já mantêm cerca de 60 supermercados no país) e a expansão das
empresas comerciais locais, que necessitam de refrigeradores, freezers
e expositores para conservar e expor alimentos resfriados e congelados;
e ampliação do número/tamanho de restaurantes e indústrias
processadoras de alimentos. A demanda média mundial para
compressores de refrigeração comercial tende a aumentar 4,8% ao ano
até 2010, segundo estudo do Freedonia Group (APPLIANCE
MAGAZINE, 2007), e a Ásia comandará o crescimento do setor, com
uma taxa de 8,5% de crescimento ao ano, destacando-se a China e a
Índia, beneficiadas pelo desenvolvimento econômico com crescimento
urbano, elevação da renda e dos investimentos fixos.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

234 -- AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NA PRODUÇÃO MUNDIAL...

A urbanização, com o aumento do número de casas com
refrigeradores, impulsiona paralelamente a demanda por alimentos
resfriados, congelados etc., que por sua vez exigem acondicionamentos
adequados em refrigeradores, freezers etc., que, por outro lado,
impulsionam as fabricantes de equipamentos para a linha branca etc., e
assim, forma-se mais um elo circular da grande corrente oriental que
têm puxado a economia do mundo.
Em poucas palavras, firmas ocidentais buscam um lugar ao
sol nascente no oriente, enquanto firmas orientais adentram
competitivamente pelo ocidente, processo esse iniciado pelo Japão
meio século atrás.
Referências Bibliográficas
ACC Group. Zanussi Elettromeccanica Tianjin Compressor Co.
Ltd. Disponível em www.the-acc-group.com.Acessado em jan/2007.
APPLIANCE
Magazine. Disponível
em:
www.appliancemagazine.com.Acessado em jan/2007.

http://

BLOOMBERG. Matsushita Electric to Close Four Home
Appliance Factories by Pavel Alpeyev and Yoshinori Eki.
Disponível em: http//www.blomberg.com.Acessado em jan/2007.
BSRIA. World ACR compressors market. Disponível em: http/
/www.bsria.co.uk. Acessado em jan/2007.
EMBRACO ­ Empresa Brasileira de Compressores S. A.
Relatórios da Administração, de 1996 a 2003.
JURGENFELD, Vanessa. Ásia ganha espaço nos planos da
Embraco. Valor Econômico. São Paulo, 18/mai/2006.
KOTLER Marketing Group. Haier inAmérica. Disponível em: http/
/www.kotlermarketing.com.Acessado em: jan/2007.
MAMIGONIAN,Armen. Neoliberalismo versus projeto nacional
no mundo e no Brasil. São Paulo, Departamento de Geografia da
USP, 2000. [mimeo]
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Isa de Oliveira Rocha -- 235

MATSUSHITA. Matsushita Closes Refrigerator Compressor
Company in the U.S. Disponível em: http://ir-site.panasonic.com/
pdf. Acessado em jan/2007.
OLIVEIRA, Amaury Porto de. Dissonâncias e convergências sinojaponesas no século XXI. Política Externa. São Paulo: USP/IEEI,
v. 12, n. 4, mar./abr./maio 2004.
PEAPLE'S Daily. Matsushita Electric Moves to China. Matsushita
Electric, the world's leading electrical appliance producer, is speeding
up the transfer of its production operations to China. Disponível em:
http://english.peopledaily.com.cn.Acessado em jan/2007a.
______. World's Biggest Compressor Company Operational in
South China. Disponível em: http://english.peopledaily.com.cn.
Acessado em jan/2007b.
RANGEL, Ignácio. Obras reunidas. Rio de Janeiro:
Contraponto, v. 1 e 2, 2005.
ROCHA, Isa de Oliveira. O dinamismo industrial e exportador de
Santa Catarina. São Paulo: Universidade de São Paulo/FFLCH,
2004. (Tese de Doutorado em Geografia Humana)
SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo ­ globalização e meio
técnico-científico informacional. São Paulo: Hucitec, 1994.
SUPPLY Chain Digest. Asian manufacturers take aim at
aplliance market. Disponível em: http://www.scdigest.com.
Acessado em jan/2007.
THE FREEDONIA Group. World industry study with forecarsts
to 2009 & 2014. Disponível em: http://www.freedoniagroup.com/pdf.
Acessado em jan/2007.
THORSTENSEN, Vera et al. O Brasil frente a um mundo dividido
em blocos. São Paulo: Nobel, Instituto Sul-Norte de Política Econômica
e Relações Internacionais, 1994.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

AÁSIAE O FIM DO OLIGOPÓLIOAUTOMOBILÍTICO DOS EUA
Marta da Silveira Luedemann*
Resumo:O artigo trata das redefinições geoeconômicas ocorridas
na indústria automobilística mundial nos últimos anos, destacando
a crescente oligopolização do mercado de automóveis por firmas
de origem asiática em detrimento das tradicionais montadoras
norte-americanas.
Palavras-chave: IndústriaAutomobilística; Concorrência Mundial; Ásia
e Estados Unidos.
Asia and the end of USA's automotive oligopoly.
Abstract: This article deals with the geoeconomics redefinitions
occurred on the global automotive industry in the last years,
focusing on the growing oligopolization of
the automotive
trade by Asian establishments in detriment of traditional NorthAmerican automakers.
Keywords: automotive industry; global competition;Asia and United
States ofAmerica.
Introdução
Estamos vivendo a transição da II Revolução Industrial para a
III Revolução Industrial, mais precisamente a disseminação da III
Revolução Industrial no mundo com a substituição do fordismo pelo
toyotismo e a disseminação da telemática, da robótica, da biotecnologia,
etc. O modelo de desenvolvimento japonês influenciou vários países
asiáticos, inclusive a China, que adaptou o modelo aos seus padrões.
Nos últimos anos o modelo chinês transformou-se em referência para
vários países não-desenvolvidos da Ásia (Índia e Irã, por exemplo),
devido ao planejamento estatal.
*

Professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Mato
Grosso, Campus de Rondonópolis. Doutora pela Universidade de São Paulo
com a Tese:Transformações na Indústria Automobilística Mundial: o Caso do
Complexo Automotivo Brasileiro ­ 1990-2002

238 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

Mesmo com a propaganda ocidental contra os produtos
asiáticos, a inserção desses produtos cresce continuamente tanto nos
mercados dos países de centro quanto nos da periferia capitalista.
Depois do Japão, a Coréia do Sul tornou-se grande produtora nos
anos 1990 e atualmente a China tem se destacado. Entre os cinco
maiores produtores mundiais em 2006, três são asiáticos: EUA (1º),
Japão (2º), China (3º), Alemanha (4º) e Coréia do Sul (5º). Outros
países da região, como Índia, Tailândia, Turquia e Irã também
despontam no cenário internacional como grandes produtores.Assim,
o senso comum sobre a qualidade das mercadorias produzidas na China
é o mesmo daquele há trinta anos nos EUA e na Europa sobre os
produtos importados do Japão. A Ford, há cem anos atrás, também
foi objeto de críticas semelhantes. Seu maior concorrente nos EUA
questionou a produção em massa até ter de adaptar as formas de
produção fordistas à organização da empresa. Hoje, são os asiáticos
os alvos das críticas da concorrência ocidental.
Na indústria automobilística, o modelo japonês inovou em
produtos e métodos organizacionais que reduziram fartamente os custo
de produção, e superou as grandes montadoras ocidentais. Esses
métodos degerenciamento deitaram abaixo ooligopólio automobilístico
mundial e tornaram-se referência para empresas de vários tamanhos
nos mais variados setores, inaugurando um novo período concorrencial
em escalas nacionais e planetária. Nos referimos, aqui, aos métodos
de gerenciamento e produção denominados toyotistas.
A China, bem como Japão e Coréia do Sul, tem poupado
etapas na absorção de tecnologia através dos acordos de joint-venture
entre empresas de ponta estrangeiras e empresas nacionais. As
montadoras chinesas que iniciaram a produção sem os acordos de
joint-venture com empresas estrangeiras absorvem o know-how a
partir do próprio mercado de autopeças e o mercado de mão-deobra especializada, que vem se formando em várias províncias da China.
Em função da socialização do conhecimento técnico e
organizacional na China, contrário ao encastelamento do know-how
em apenas grandes companhias, as autopeças formaram o caldo original
para a gênese de pequenas novas montadoras, que em virtude do
crescimento econômico chinês podem se transformar em grandes
montadoras. É o caso das montadoras Chery e Geely, ambas
legitimamente chinesas e alvo de acusação por "clonagem" e "pirataria"
das montadoras. Estas empresas construíam veículos a partir do
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 239

mercado de autopeças, montando modelos semelhantes aos das
montadoras estrangeiras a partir da aquisição de partes e peças
automotivas no mercado chinês, com economia de 50% em relação
aos supostos semelhantes. Assim, a indústria automobilística chinesa
apresenta três esferas de organização: as montadoras constituídas por
joint ventures (Dongfeng, FAW, BeijinAIG, Shangai SAIC, Changan,
etc.), as montadoras nacionais (Geely, Chery, Chana, etc.), as autopeças
nacionais e de joint venture.
1. Formação da IndústriaAutomobilística e sua Internacionalização
A indústria automobilística surgiu na II Revolução Industrial,
na fase expansiva do 3º ciclo de Kondratieff, a partir do
desenvolvimento do motor de combustão interna que ocorria
paralelamente nas oficinas de pequena produção e nas universidades.
Até o início do século XX, as empresas na Europa e nos EUA produziam
automóveis em pequena escala pelos "engenheiros-criadores" com
pequeno número de funcionários com alto grau de especialização
técnica. Nesta primeira fase da indústria, a produção artesanal exigia
baixa complexidade tecnológica (comparada com a atual), o que
possibilitou a multiplicação de construtores de automóveis em ambiente
de crescimento econômico. Paralelamente, os novos métodos científicos
iniciados nas universidades e grandes empresas alemãs no último quartel
do século XIX foram rapidamente absorvidos pelos norte-americanos,
que tomaram a direção da revolução técnico-científica nos setores da
petroquímica, eletricidade, motores a combustão e também da
administração científica (scientific management, método criado por
F. W. Taylor). Os EUA investiam em novos produtos, meios de
produção e na absorção do conhecimento prático dos trabalhadores.
Sob o taylorismo, a fábrica consolidava a divisão entre a concepção e
a execução, transformando o trabalhador do chão de fábrica em uma
extensão do maquinário. Em seguida, a instituição da linha de produção
consolidou o fordismo como a mais inovadora forma de produção
capitalista.Aindústria automobilística dos EUA, por sua vez, dispunha
de enorme contingente de trabalhadores imigrantes europeus, que
formavam tanto o exército industrial de trabalhadores qualificados e
semiqualificados, como o mercado consumidor para a indústria
automobilística, com a ascensão da classe média e da pequena
burguesia. Em 1911, a Ford produziu quase 35 mil automóveis, dez
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

240 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

anos depois produziu 1,2 milhão pela metade do preço, e em 1925, a
Ford produziu 2 milhões de veículos. No mesmo ano, a Citroën, maior
produtora de veículos da Europa na época, fabricou 55 mil veículos, a
Renault 45 mil, a Fiat 37 mil e norte-americana GM investiu na
reestruturação organizacional chamada "sloanismo", adequando-se à
concorrência fordista. Cabe lembrar que na Europa a maior parcela
das empresas automobilísticas produziam em escalas reduzidas para
um mercado privilegiado de consumidores, de maneira que grande parte
destes produtores fecharam ou foram absorvidos pelas empresas que
adotaram a produção em escala.
No início da década de 1920, existiam mais de oitenta
construtores de veículos nos EUA, quase noventa produtores na
Alemanha, mais de noventa na Inglaterra e cerca de quarenta
fabricantes na Itália. O crescimento da empresa capitalista, no início
do século XX, impunha novas condições de existência, havia
necessidade de absorver as inovações, estabelecer formas de
crescimento e dimensionar os investimentos em instalações e recursos
humanos. A grande empresa tomou forma de empresa multiplanta,
transnacional, oligopolizada ou conglomerado em estruturas
verticalizadas, que lhe permitiu assim a ampliação nos ganhos de
escala. Apartir da década de 1920, verificou-se nos EUAa formação
do oligopólio automobilístico em escala nacional, concentrando a
produção entre Ford e GM. Em 1955, os EUA produziam 9,2 milhões
de veículos, com mais de 7 milhões vendidos no mercado interno,
dos quais 95% saíram das fábricas da Ford, GM e Chrysler. Em
1960, a França contava com quatro montadoras que concentravam
96% da produção nacional; na Alemanha, 87% da produção era
dividida também entre quatro montadoras; e, na Itália, apenas um
grupo detinha sozinho 86,5%.A Inglaterra, antes de 1940, tinha 90%
do mercado interno dominado por seis construtores em franco
processo de desnacionalização.
No pós-Guerra a indústria automobilística participou da
expansão dos oligopólios em escala planetária, gerando tanto a
centralização do capital, por fusões e aquisições, como a disseminação
da produção em massa, através das empresas multinacionais.
Internamente, a grande empresa formou uma nova estrutura gerencial
que permitiu a expansão das corporações em novas indústrias e em
novos espaços geográficos.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 241

Nesta fase, a transformação do mercado mundial alterou o
padrão de concorrência nos países centrais devido a alguns fatores:
a) recuperação econômica da Alemanha, França e Inglaterra; b)
formação do Mercado Comum Europeu, que colaborou com o
crescimento econômico dos países industrializados da Europa em
taxas superiores às dos EUA; c) aumento da migração campo-cidade
na Europa e nos EUA; d) expansão do mercado de manufaturados;
e) elevação do nível de emprego; f) incremento dos salários; g)
ampliação da classe média. No processo concorrencial, as fusões e
aquisições continuaram em conjunto com a internacionalização do
capital, ampliando a produção fora do centro do sistema e
concentrando capitais. A partir da segunda metade da década de
1940, o sistema fordista foi disseminado pela Europa e Terceiro
Mundo através de grandes empresas, colaborando para a difusão da
mecanização em outros segmentos da indústria.
No seu auge, durante a década de 1950, a indústria
automobilística norte-americana fabricou quase 70% do total de
veículos no mundo, até o surgimento de novos competidores no
mercado mundial. Em 1955, GM, Ford e Chrysler eram responsáveis
por 95% das vendas no mercado dos EUA. Quase 80% da produção
mundial, em 1959, era dividida entre GM, Ford, Chrysler e
Volkswagen; em 1969, com um aumento de 135% da produção
mundial, 85% dessa produção era compartilhada pela GM, Ford,
Chrysler, VW, Toyota, Fiat, Nissan e Renault.
A partir da década de 1960, a importação de carros japoneses
começou acrescer, devido ao fortalecimentoda competitividadejaponesa
em custos e qualidade. Em 1960, de 38,8 mil veículos exportados, quase
4% eram destinados ao mercado norte-americano. Em dez anos, as
montadoras japonesas exportavam 1,1 milhão de veículos, sendo 45,6%
destinado aos EUA e ao Canadá. Nos anos 1970, a Europa e os EUA
tiveram aumento considerável nas importações. No mercado norteamericano, em 1962, 4% das vendas internas era de origem japonesa;
em 1974, 15%; em 1980, 21,3%; e em 1989 eram de 30%, incluindo
as vendas dos transplantes japoneses nos EUA.
Na Europa, até a II Guerra Mundial o fordismo se limitava à
divisão do trabalho manual em tarefas simples e repetitivas, medida
em tempos de execução de tarefas e pagamento por produção. No
pós-guerra, o fordismo tomou caráter de ampliação do mercado,
produção de carros populares, crescimento das taxas de emprego,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

242 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

aumento da produtividade e maior participação no mercado mundial.
Na Itália, a Fiat foi a empresa que mais investiu na reestruturação
fordista, com o aumento na produtividade acompanhado de forte
insatisfação dos trabalhadores.
Na França, na década de 1960, a demanda por renovação
de veículos forçou a diversificação dos produtos, de forma que houve
uma transição da produção fordista para a sloanista (GM), quando a
queda nas barreiras alfandegárias na França exigia a queda dos custos
de produção para manter a competitividade. Porém, a introdução do
sloanismo na França ocorreu em conjunto com a internacionalização,
inicialmente pela via das exportações e posteriormente por
investimentos externos diretos no Terceiro Mundo. As montadoras
alemãs Volkswagen e Mercedes-Benz, diante da dificuldade de
instalar fábricas nos EUA, investiram na década de 1950 em fábricas
na América Latina. A Volkswagen também adotou a estratégia de
diversificação do modelo de Sloan em 1960. Dentre as quatro
maiores montadoras alemãs, duas investiram em plantas naAmérica
Latina. Na Inglaterra o processo de desnacionalização do parque
automotivo foi acompanhado de intensa fusão de empresas. Ford,
GM e Chrysler concentraram a maior parte da produção.Atualmente,
cerca de 100% da produção é de capital estrangeiro,
predominantemente norte-americano.
No fim da década de 1970, iniciou-se nos EUA o fechamento
de fábricas, como ocorreu em Flint (GM) e Detroit (Ford).Apopulação
de Detroit reduziu de 1,511 milhão em 1970 para 951 mil pessoas em
2000. Em Flint a população foi reduzida de 193 mil para 124 mil
pessoas, tendo várias fábricas da GM e da Delphi fechadas e em
processo de fechamento até 2010.
Os EUA mantiveram-se como maior produtor mundial até
1978, quando foi superado pela produção do Japão, retomando a
liderança apenas em 1993. Nos EUA, a centralização em torno
das "Três Grandes" montadoras (Ford, GM e Chrysler) ocorreu
com mais intensidade até a II Guerra. No pós-guerra, apenas a
GM chegou a produzir 50% do total de veículos dos EUA. A partir
de década de 1970 as Três Grandes nos EUA e as suas subsidiárias
no Canadá entraram em crise com o aumento da participação de
empresas japonesas no mercado norte-americano. Até o final da
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 243

década de 1980, os japoneses aumentaram a participação na
produção mundial, assim como ampliaram exportações,
particularmente para o mercado norte-americano.
O ingresso de novos competidores no oligopólio mundial
da indústria automobilística, com o crescimento da participação
japonesa nos EUA e Europa, ocorreu a partir dos anos 1970.
Nos EUA, as Três Grandes apresentaram forte queda nas vendas
no fim da década de 1970, levando o governo Reagan a adotar
medidas protecionistas restringindo a importação de veículos
japoneses, além de salvar a Chrysler da falência ­ mesmo que
com a reestruturação produtiva instaurada por Lee Iacocca. Além
disto, regiões tradicionais de produção automobilística, como
Detroit, passavam por forte processo de desindustrialização. A
crise instaurada no 4º Kondratieff demonstrou o esgotamento da
produção fordista do ocidente.
Em resposta às "restrições voluntárias" impostas pelas
montadoras norte-americanas em 1981, as montadoras japonesas
criaram os transplantes em território norte-americano, com
unidades independentes ou mantendo acordos de joint ventures
com as montadoras dos EUA. Em 1997 eram 14 transplantes nos
EUA e 4 no Canadá, produzindo aproximadamente 2,5 milhões de
automóveis. Atualmente a produção dos transplantes japoneses
ultrapassa a produção da GM nos EUA.
AChrysler, em 1992, novamente em crise, acumulou prejuizo
de US$ 665 milhões e, por causa disto, vendeu 50% do seu lote de
ações da Mitsubishi. Em 1998, a Daimler-Benz incorporou a Chrysler,
criando a DaimlerChrysler e mantendo as duas sedes ­ da Daimler
em Möhringen (Sttugart, Alemanha) e da Chrysler em Auburn Hills
(Michigan, EUA) ­, como estratégia da Daimler em participar
definitivamente do mercado norte-americano.
Nos EUA, a maior parte das novas fábricas foram
construídas nos chamados "greenfields", cidades sem tradição em
indústria automotiva e sem grande influência do sindicato do setor
automotivo, UAW (United Automobile Workers). As montadoras
norte-americanas têm buscado assimilar os planos de
desenvolvimento da indústria japonesa, promovendo a inovação
organizacional e produtiva que contemplaria a constituição do novo
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

244 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

regime de acumulação: a acumulação flexível. O toyotismo
constituído pela união dos métodos just in time-kan ban e kaisen
não seria possível sem a reintegração do trabalho intelectual com o
trabalho manual, que o toyotismo instituiu como elemento principal
para a execução das tarefas de produção pelos trabalhadores ­ a
constante inovação de processos produtivos, introdução de controle
de produção (CEPs), robotização e automação. Todavia, as
empresas asiáticas continuam ampliando sua participação no
mercado interno e internacional.
As montadoras norte-americanas GM e Ford, aumentaram
os programas de reestruturação produtiva, com redução de mãode-obra e maior integração com os mercados nacional, regional
(Nafta, América do Sul) e OCDE. Na década de 1990 as matrizes
das montadoras integraram a cadeia de fornecimento e suas filiais
em sistemas informatizados que controlam a produção,
produtividade, gestão de estoques e gestão de pessoal. A redução
de milhares de empregos e o fechamento de dezenas de empresas
foram aplicados em conjunto com o discurso da concorrência pela
eficiência. A maior greve da história da GM ocorreu em 1998,
quando a UAW conseguiu parar 80% da GM, a partir das unidades
de Flint, por quase oito semanas. Essa política de "cortes de
gorduras", denominada lean production, continua nos EUA e em
todas as montadoras da Europa.
Nem por isso as montadoras norte-americanas conseguem
conter o crescimento das montadoras asiáticas.A redução das
vendas da empresa e a queda de suas ações na Bolsa impulsionaram
o maior acionista pessoal da GM, Kirk Kerkorian (9,9% das
ações), a pressionar uma associação com a Renault/Nissan. E a
Ford anunciou, em agosto de 2006, o corte de mais de um quito
(21%) da sua produção nos EUA, devido aos prejuízos de US$
254 milhões acumulados no segundo trimestre. A Daimler Chrysler
já fechou duas fábricas na América do Sul (Brasil e Argentina) e
continua reestruturando suas fábricas nos EUA em razão da fusão.
A tendência atual da indústria no ocidente é fazer joint venture
com as montadoras japonesas.
Os dados da tabela abaixo demonstram a evolução da indústria
automobilística no mundo:
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 245

Produção Mundial deAutoveículos - 1955/2005 (mil unidades)

2.Aindústria automobilística asiática e a terceira revolução industrial
Japão: a criação de um novo modelo de produção
A produção automobilística japonesa iniciou nas oficinas de
reparos com a produção artesanal de réplicas de modelos importados.
Com o início da I Guerra Mundial, alguns pequenos produtores
passaram a produzir caminhões subsidiados pelo Estado, mas com
muitas dificuldades de investimento em equipamentos e máquinas. Em
1914, a Ford instalou uma linha de montagem no país e quatorze anos
depois a GM, em 1928, construiu outra. Até o governo japonês tomar
medidas protecionistas, em 1936, as duas montadoras norte-americanas
controlaram o mercado automotivo. Inicialmente, no ano de 1929, o
Ministério do Comércio e da Indústria (MITI) instaurou plano de
desenvolvimento da indústria automobilística nacional, sobretudo no
segmento de caminhões e ônibus, determinando as normas técnicas
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

246 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

(dos produtos, das fábricas, dos equipamentos e do know-how), além
de dar assistência financeira, redução de impostos e barreiras
aduaneiras.ANissan foi a primeira empresa a surgir num processo de
fusão de empresas e na aquisição de equipamentos de uma fábrica
adquirida pela GM.AToyoda, empresa do ramo de máquinas têxteis,
aproveitou a oportunidade da política de desenvolvimento e entrou no
setor automobilístico importando equipamentos da Europa,
principalmente da Alemanha. Em 1936, o Estado japonês instaurou
medidas para diminuir a presença das duas montadoras norteamericanas no país, exigindo que o capital nacional tivesse mais de
50% do controle acionário das empresas automobilísticas, devendo
obter autorização do Estado para produzir. Três anos depois, Ford e
GM suspendem a produção no Japão, enquanto Toyota, Nissan e
Diesel Jidosha (futura Isuzu) tornam-se os maiores produtores de
veículos particulares, além de veículos militares, durante a guerra,
período que conta com a entrada da Mitsubishi no setor. No pósguerra, essas quatro empresas foram obrigadas a se desvincular dos
zaibatsus, o que causou a redução das fábricas para a Toyota (ligada
ao Grupo Mitsui), a Nissan (ligada a Dowa Jidosha), a Diesel Jidosha
(associada com Hitachi) e o desmembramento do conglomerado para
a Mitsubishi. Também a produção de veículos ficou controlada pela
ocupação norte-americana até a década de 1950.
O governo do Japão instituiu uma forte política de
desenvolvimento econômico associando o Estado (via MITI) com o
capital financeiro e o capital nacional.Ampliou o incentivo à educação
e pesquisa, aproximando as universidades das grandes empresas no
intuito de ampliar a absorção das inovações técnicas provenientes do
estrangeiro. Para impedir a invasão estrangeira na economia do Japão
nos anos 1960,o governo contribuiu para o desenvolvimento da indústria
automobilística através da ajuda financeira de bancos, bem como
incentivos para a modernização dos equipamentos. Desta maneira, o
governo determinou: 1º) a indústria siderúrgica, a indústria
automobilística e a indústria petroquímica como setores estratégicos,
diminuindo o preço do petróleo em 60%; 2º) adotou medidas para
estimular as inversões no setor; 3º) por conseqüência, "encorajou" a
constituição dos keiretsus entre empresas e em cadeias de produção;
4º) construção de rodovias; 5º) proteção do mercado com taxas
aduaneiras e quotas de importação; 6º) medidas para a formação de
fornecedores e subcontratadas, com financiamento do Banco do
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 247

Desenvolvimento paraos fornecedores de primeiralinha e financiamento
da Caixa de PME (pequenas e médias empresas) para as
subcontratadas de segunda linha. Em 1967, fundou a associação dos
fabricantes de veículos, JAMA (Japan Automobile Manufacturers
Association), que estabeleceu vínculo direto com o MITI.
A Toyota passou por quatro fases para consolidar o sistema
just in time-kan ban: 1ª) entre 1947-1950, mudança do ramo têxtil
para o automobilístico, com adaptação do espaço produtivo e da mãode-obra; 2ª) entre 1949 e 1950, momento "fundamental" devido à
necessidade de aumentar a produção sem aumentar os efetivos, frente
à crise financeira, com demissão de 1.600 operários, transferência da
propriedade familiar para a sociedade anônima e aumento da demanda
com a Guerra da Coréia; 3ª) na década de 1950, importação de
técnicas de gestão de estoques dos supermercados norte-americanos,
"kan ban", com a produção ligada à demanda "just-in-time"; 4ª) a
partir de 1962, e mais intensamente a partir de 1973, extensão do
método kan ban aos fornecedores. No decorrer dessas fases, a partir
dos planos de produção aplicados no período de crise financeira da
Toyota, Taiichi Ohno, gerente da empresa, verificou a existência
excessiva de "tempos mortos de trabalho" e desperdício de materiais,
e promoveu a transformação na organização do trabalho e da produção,
com mudanças no lay out da fábrica que permitiram a ampliação do
número de tarefas dos operários, polivalência, trabalho em grupo e
"desespecialização" do trabalhador, buscando a homogeneização
das funções e a "reassociação das tarefas de programação com as
tarefas de fabricação". Ainda, duas derrotas sindicais permitiram à
Toyota criar o sindicato de empresa, nitidamente corporativista e
interlocutor da relação capital e trabalho.
Ainda sobre a organização do trabalho, dois fatores de peso
surgem no toyotismo: a qualidade e a estrutura de emprego (vitalício,
efetivo e temporário) no sistema japonês.A estabilidade promovida
pelo empregovitalício, implementado definitivamente em 1965, buscava
ampliar a qualidade e a produtividade dos trabalhadores. No que se
refere à qualidade da produção, esta é mais uma forma de intensificação
do trabalho, que exige do trabalhador mais empenho e atenção na
execução das tarefas. Com relação aos vínculos empregatícios, o
número de funcionários efetivos é praticamente calculado pelo número
necessário de trabalhadores em período de crise; enquanto que o
número de temporários corresponde às oscilações da demanda e,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

248 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

finalmente, o emprego vitalício reflete tanto o paternalismo da sociedade
quanto a necessidade de diminuir a rotatividade de trabalhadores e
garantir a manutenção do conhecimento prático de parcela dos
trabalhadores nas empresas.Ainda assim, as fábricas das montadoras
no Japão são grandes, com dezenas de milhares de trabalhadores.
Nota-se que a indústria automobilística no Japão, através da
instauração dos keiretsus, introduziu forte terceirização da produção,
de modo que a Toyota delegava mais de 70% da sua produção aos
fornecedores e subcontratados, responsabilizando-se pela produção
interna apenas do essencial. No fim da década de 1980, nos EUA, a
GM produzia quase 80% do produto final. Acordos entre as
montadoras e seus fornecedores/subcontratas tornaram-se mais rígidos,
baseados no ciclo de vida do produto, na adoção do just in time-kan
ban. Desta forma, a linha de produção passou a apresentar índices de
qualidade acima dos padrões internacionais.
No Japão, o desenvolvimento econômico e tecnológico
ocorreu apoiado nos pilares do Estado, do capital industrial e do capital
financeiro ­ através dos conglomerados, chamados de zaibatsus, até
1945, e depois os keiretus. Os avanços técnicos e científicos da III
Revolução Industrial foram um dos fatores que permitiram ao Japão
aumentar a composição orgânica do capital e competir no mercado
internacional em indústrias oligopolizadas, transformando-se em uma
das maiores economias mundiais. O desenvolvimento de novas técnicas
de controle de qualidade na produção, no Japão, associadas com novas
tecnologias de produção e produtos, apresentou uma nova fase
concorrencial, mais dinâmica e agressiva. Nesse aspecto, o governo
do Japão teve duas linhas de ação: inicialmente, as políticas de
investimento em pesquisa e desenvolvimento (P&D), através do MITI,
e investimentos antecedendo as necessidades da economia e do
mercado em infra-estrutura de transporte e bens de produção. Além
do incentivo do governo aos setores siderúrgico, de bens de consumo
duráveis, ampliados para os bens de consumo leves e de tecnologia da
informação, também as políticas de inovação tecnológica permitiram
romper os oligopólios ocidentais, de empresas que conservavam
inovações nos laboratórios de P&D sem aplicação imediata.Aindústria
automobilística no Japão emergiu das políticas desenvolvimentistas do
Estado e da intensificação da exploração do trabalho sob nova base
técnica, permitindo sua extensão no mercado internacional, sobretudo
nos países do centro do sistema capitalista.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 249

Entre 1970 e 1991, os mercados dos EUA e do Canadá
representaram mais de 40% do total de veículos exportados ao ano
pelo Japão. A partir dos anos 1980, a implantação dos transplantes
nos EUA, principal mercado do Japão, e a construção de plantas na
Europa, afetaram mais intensamente as exportações japonesas.
A década de 1990 apresentou nova fase da internacionalização
da indústria automobilística japonesa, com a intensificação dos
transplantes e a crise mais evidente no setor, inclusive com o controle
de empresas estrangeiras (como a Mazda-Ford, Nissan-Renault e
Mitsubishi-Daimler). Isto ocorreu sobretudo porque as exportações
foram também afetadas pela crise do mercado automobilístico
internacional e o pequeno crescimento das economias norte americana
e européia.Assim, nova situação se formou no Japão, nos anos 1990:
a desaceleração do crescimento e o aumento da produção dos
transplantes, que colaboraram também para a queda das exportações,
afetando diretamente a produção. AToyota, por exemplo, vendeu 2
milhões de veículos nos EUA e 1 milhão na Europa, em 2004.
Coréia do Sul
Além das montadoras japonesas, as montadoras sulcoreanas tiveram crescente participação no mercado internacional,
desde os anos 1980.
No caso da economia sul-coreana, modelo de
desenvolvimento econômico e organizacional japonês, a partir de
associações de joint ventures e formação de conglomerados integrando
Estado, capital industrial e capital financeiro, gerou grandes empresas
e conglomerados, os chaebols, que rapidamente tornaram-se
concorrentes agressivos nos mercados ocidentais. O capital coreano
absorveu os avanços da 3ª Revolução Industrial a partir de acordos
com empresas japonesas, enquanto as economias do centro do sistema
entravam na fase recessiva da economia. Os chaebols basearam-se
em "mudanças intra-industriais" a partir de conhecimentos adquiridos
e de "diversificação baseada na capacidade". A Coréia do Sul, nos
anos 1970, contava com um Estado cujo controle da economia
baseava-se na reserva de mercado, na propriedade do setor financeiro
e nas diretrizes dos fundos de investimento. Esse Estado também se
ocupava com a formação de chaebols "ultradiversificados", apoiados
por bancos estatais, crescimento acompanhado de endividamento, e
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

250 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

internacionalização pormeio de mão-de-obra qualificada de baixo custo.
O projeto de absorção de tecnologia de ponta se estabeleceu entre
empresas sul-coreanas e japonesas, além de empresas norteamericanas: a Hyundai estabeleceu joint venture com a Mitsubishi, e
através desta com a Chrysler; a Saehan, absorvida pela Daewoo,
mantinha cooperação com a GM, e esta passou a ter 50% da Daewoo;
a Kia aproximou-se da Mazda/Ford; a Samsung buscou cooperação
com a Chrysler, mas não foram concretizadas.
AindústriaautomobilísticadaCoréiadoSultevefortecrescimento
na década de 1980, e cresceu em média 10% ao ano no período 19912000. Desde 1995, a Coréia do Sul exportava mais de um milhão de
veículos, e quatro anos mais tarde, passou a exportar 1,5 milhão ao ano,
com destino aos principais mercados do mundo (aproximadamente um
quinto para os EUA).Até a eclosão da crise asiática, as estratégias das
montadoras coreanas convergiam para a internacionalização, com a
implantação de plantas CKD (kits para montagem) e exportação de
veículos completos e de CKDs ouSKDs para mercados daperiferia(Ásia
e África sobretudo).Essa estratégia era resultado daprática das empresas
japonesas de produzir com baixo custo, exportar grandes volumes ou se
instalar em pequenos mercados, quase sem competidores, e produzir em
pequenas escalas nos sistemas de CKD e SKD.
A crise asiática levou várias empresas à beira da falência, entre
elas as montadoras sul-coreanas. Em 1998, as montadoras coreanas
estavam com mais de 60% da capacidade ociosa, somente a Hyundai
estava com 40% de ociosidade, em decorrência da crise.AAsia Motors
foi incorporada pela Kia Motors, e esta pela Hyundai, que passou a
deter mais de 70% do mercado interno coreano.AGM comprou 67%
da Daewoo, e a Renault comprou 70% da Samsung. A GM e a Ford
também tentaram adquirir a Kia em leilão, mas o governo coreano
buscou meios para contornar o processo.
No fim dos anos 1990, as montadoras ampliaram as demissões
que desencadeou na intensificação do conflito entre capital e trabalho
no país. Os trabalhadores da Daewoo, por exemplo, se manifestaram
contra a venda da empresa com greves e piquetes. Os chaebols,
pressionados pelo FMI para concentrarem as atividades em apenas
um ramo, venderam os departamentos menos lucrativos para outros
chaebols ou para montadoras estrangeiras: a Hyundai Motor absorveu
a Kia e a Asia, mantendo associação com a Mitsubishi (que controla
quase 2% da Hyundai) e com a DaimlerChrysler (que detém 10,5%
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 251

da Hyundai); a Ssangyong Motor foi adquirida pela Daewoo Motor,
que passou para o controle da GM; a Samsung Motor, que ingressou
no mercado durante a crise asiática, foi adquirida pela Renault.
Durante a crise asiática, o governo coreano e os chaebols foram
responsabilizados pelo FMI pela crise na Coréia do Sul. Entretanto, a
Coréia não cedeuàs determinações do FMIde liberalização da economia
nos moldes da América Latina. O resultado, hoje, é o do retorno ao
crescimento da economia sem dependência com o FMI ou Banco
Mundial.ACoréia do Sul detém a quarta maior produção mundial de
veículos, superando em 2005 a produção Francesa.
Em 2005, aHyundai-Kia foi a nona maiormontadora do mundo,
com produçãode 3,1 milhões de veículos no mundo. Somente na Coréia,
emprega 86,8 mil trabalhadores em grandes fábricas, semelhantes às da
Toyota, nafabricação de 2,2 milhões de veículos, o querepresenta 60,4%
da produção sul coreana.ADaewoo/GM produziu 653,4 mil veículos, a
Ssangyong/Daewoo/GM, 141,0 mil e a Samsung/Renault, 119,0 mil
(OICA, 2006; KAMA, 2006). Mesmo diante da crise intensa, a Coréia
do Sul manteve os principais produtores automobilísticos sob o controle
do capital coreano e a participação da Hyundai-Kia no mercado
internacional é crescente, principalmente nos EUA.
China
Em 2006 a economia Chinesa tornou-se a 4ª maior economia
mundial e a indústria automobilística a terceira maior. O planejamento
estatal da China viabilizou tal crescimento a partir da associação da
economia planificada com a adaptação do modelo japonês de
desenvolvimento e organização da produção ­ o Estado
desempenhando o papel de agente de fomento e financiador, permitindo
a associação de grupos nacionais com grandes empresas estrangeiras
na transferência de tecnologia, além do apoio às pequenas e médias
empresas nacionais. Com a finalidade de absorver tecnologia, o governo
chinês criou diversos canais para o desenvolvimento econômico, dos
quais, para o momento, analisaremos a autonomia, o sistema de
responsabilidades e os acordos de joint venture:
1) a instituição da autonomia em cada unidade produtiva, grupo de
empresa ou coletividades, permitiu a diminuição da burocracia, que
inviabilizava a inovação organizacional e tecnológica, ficando a critério
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

252 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

dos trabalhadores, ou dos gestores, a aplicação de verbas, bem como
a distribuição dos lucros, inversões, melhorias no lay out de fábricas,
contratos de trabalho, etc.;
2) a introdução dos sistemas de responsabilidade, semelhantes aos
acordos estabelecidos entre empresas no modelo japonês. Todavia,
é preciso observar que a política de salários e empregos é
diferenciada da japonesa, visto que a busca pelo aumento da
produtividade na Chinacolocou em pauta o fim do emprego vitalício
e também do igualitarismo. Porém, a política econômica não está
consolidada a partir da desigualdade social, como no capitalismo;
3) o estabelecimento de acordos de joint venture. Os acordos têm
em média 25 anos de vigência e se baseiam na absorção de
inovações tecnológicas de produtos e processos.
Está se formando uma gigantesca classe operária na China,
através das empresas nacionais e das ZEEs, multiplicadas nas
últimas décadas, com os diferenciais da política de transferência de
know how de empresas modernas e da qualificação da mão-deobra na atual fase de transição campo-cidade da China. Dentro de
algumas décadas, a classe operária uma das maiores do mundo,
será a mais importante do país e terá papel decisivo no destino da
sociedade. A reforma política e social da China abriu mão do
igualitarismo mas não da estabilidade econômica e social para o
crescimento das forças produtivas e a elevação do nível social chinês
ao estágio de sociedade desenvolvida.
A construção de automóveis na China teve início em 1953,
mas o grande passo foi dado na década de 1970. As primeiras
associações entre a pequena empresa nacional e as grandes
empresas estrangeiras apresentaram grande resistência do capital
estrangeiro, com a tentativa de transferir tecnologias obsoletas e
equipamentos amortizados de fábricas no ocidente. A produção de
veículos quintuplicou entre 1985-2001, e no período 1991-2000 a
produção automobilística chinesa cresceu em média 15% ao ano.
A China hodierna é o mercado mais atrativo para a indústria
automobilística, com 1,3 bilhões de habitantes, crescimento anual
médio de 9% e mercado consumidor de 300 milhões de pessoas.
Hoje a indústria automobilística chinesa é a terceira maior produtora
do mundo, com meta de duplicar a produção até 2015,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 253

ultrapassando a produção norte americana. Em 2005, dentre as 50
maiores montadoras, 15 eram chinesas, das quais quatro produziam
mais de meio milhão de veículos ao ano.
Há dez anos atrás, havia no setor automobilístico chinês mais
de 50 associações, das quais participavam quase todas as empresas
mundiais, em parceria com uma parcela dos 122 montadores e mais 2
mil fornecedores locais na produção de aproximadamente 1,5 milhão
de veículos, ocupando aproximadamente 2,3 milhões de trabalhadores.
Cinco dos principais grupos chineses eram responsáveis por
aproximadamente 57% da produção total, com fabricação anual acima
de 100 mil unidades e três grupos que produziam entre 50 mil e 100
mil. Atualmente este quadro tem alterado muito por causa do grande
crescimento da economia chinesa.
Através das políticas de desenvolvimento o governo chinês
está formando o setor automotivo por duas vias: a japonesa e a pequena
produção industrial. Aprimeira via formou as empresas da primeira
fase através dos acordos de joint-venture entre montadoras
estrangeiras e montadoras nacionais, acordos que se firmaram a partir
de transferência de tecnologia para a China e o acesso ao mercado
para o capital estrangeiro.Asegunda via surge com o amadurecimento
da primeira, quando o parque de autopeças está instituído e as pequenas
montadoras nacionais produzem veículos sem acordos de joint venture
adquirindo peças do mercado automotivo. Isto ocorre graças a: i) alto
índice de nacionalização das peças, terceirização da produção e acordos
de joint venture no setor, tal qual no Japão; ii) maior autonomia das
autopeças em relação a cadeia de produção das montadoras, em
comparação com as cadeias de produção japonesas; iii) em
conseqüência dos dois primeiros aspectos, a indústria de autopeças
concentra o conhecimento técnico na produção nacional e permite a
difusão do know-how intrasetorial.
Dentre as 30 empresas chinesas com associações de joint
venture, as principais são:
· China First Automobile Works (China FAW Group) com
Volkswagen, com licença de fabricação de motores Chrysler e
Suzuki
· Shangai Automotive Ind. Corp. (SAIC) com Volkswagen,
Mercedes-Benz,Volvo, Freightliner e GM
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

254 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

·
·
·
·
·

TianjinAutomotive Ind. Corp. (TAIC) com Toyota e Daihatsu
Dongfeng Motor Corp. (DFM) com Citroën, Nissan e Peugeot
BeijinAutomotive Industriy Corp (BAIC) com Chrysler e Isuzu
YuejinAutotiveCorp(antigaNanjingAutoWorks) com Ivecoe Isuzu
Changan Auto (China North Ind. Corp., NORINCO ou Beifan)
com Suzuki e Ford
· Liuzhou MiniAuto Works (Liuzhou Automotive Ind. Corp.) com
Mitsubishi e Daihatsu
No acordo entre a VW e FAW, as filiais brasileiras da VW
forneceram o know-how para a fabricação e o desenvolvimento de
uma variação do modelo Santana na segunda metade dos anos 1990,
e, atualmente, para a produção do Gol.
Além das políticas do governo chinês de estímulo à produção
de veículos, outro atrativo aos investimentos nacionais e estrangeiros
no setor automobilístico é o crescimento das empresas e da distribuição
da renda, sobretudo em Hong Kong, Pequim, Xangai e demais cidades
costeiras, que incidiram direta ou indiretamente no aumento das vendas
de veículos comerciais e de passageiros. Outro item que poderá ampliar
a aquisição de veículos no país consiste no tratado da China com a
OMC, que prevê a abertura do mercado chinês para as empresas de
financiamento de veículos. Contudo, a estratégia do governo para o
setor automotivo chinês não se limita apenas ao mercado interno.Ao
contrário, a Honda detém desde 2003 a participação majoritária ­
primeiro caso de participação majoritária no setor automotivo ­ em
uma fábrica nova com capacidade para fabricar 50 mil veículos para
exportação, com 80% de nacionalização das peças, o que faz da China
um importante produtor de autopeças em escala mundial. Assim o
governo chinês pode, através da Honda, lançar veículo produzido no
mercado mundial e ampliar o kwon how e as vendas do setor de
autopeças nacional a partir da competição externa.
Em 2002,AFord anunciou que aumentará as compras de peças
e componentes fabricados na China de US$ 1 bilhão em 2002 para
US$ 10 bilhões até 2005. A GM foi uma das primeiras em buscar o
fornecimento externo, importando peças da China. A Delphi, maior
fornecedor da GM, aproximou-se da falência e, em 2006, as
exportações de autopeças chinesas para os EUA já estavam fora de
controle: a mídia norte americana divulgou o fato em tom de alerta à
"pirataria" das autopeças chinesas.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 255

É obvio lembrar que a China produz abaixo da demanda
interna: em 2002 era o sétimo país em licenciamento de veículos (ou
vendas internas) e em 2006 ultrapassou o Japão, mas não figura entre
os maiores importadores de veículos. Nos EUA, em 2004, a
participação das importações no mercado interno era de
aproximadamente 28,6%, enquanto no Japão apenas 5,6% do
licenciamento era de importados. Nos países europeus a participação
dos importados é maior em virtude da instituição da União Européia,
que ampliou os mercados das montadoras, e da participação de
importados asiáticos ou de filiais. Na Itália as vendas de importados
atingiu 71,2% do mercado interno, na França, 41,9%, na Alemanha,
35,3%, na Inglaterra, 81,9%. Ou seja, a produção nacional inglesa é
irrisória para a sua própria demanda.
Os efeitos da política de desenvolvimento da indústria
automotiva chinesa através dos acordos de joint venture têm
apresentado resultados positivos. Os exemplos se multiplicam para
além dos grandes grupos chineses e expõem a autonomia da indústria
automotiva na China também nas pequenas empresas, porque com
quase vinte anos de participação das grandes montadoras
estrangeiras no país (VW, Citroën, Peugeot, Fiat e Chrysler,
implantadas desde os anos 1980), houve a geração de centenas de
fábricas de autopeças, em que parte destas não detém contrato de
exclusividade com as grandes montadoras e vendem peças originais
ou semelhantes às originais no mercado interno. Nesse aspecto,
particularmente, duas empresas se destacam: a CheryAutomobile,
(estatal, sendo a maior investidora a Shangai Automobile) que
passou a comprar peças originais da VW de uma de suas
fornecedoras e produziu um modelo semelhante ao Jetta,
comercializado pela montadora alemã; e a GeelyAutomobile (capital
privado nacional), que também passou a produzir motor semelhante
ao modelo Xiali da Toyota, comprando as peças no mercado de
originais. Essas empresas ganharam mercado das montadoras
estrangeiras (inicialmente com produção de 15 mil veículos ao ano)
com esses modelos, até as montadoras estrangeiras intervirem para
garantirem as peças originais apenas nos respectivos modelos das
suas marcas. A Geely e a Chery adquiriram know how e passaram
a produzir seus próprios modelos, livres da interferência do capital
estrangeiro. Assim, a formação da indústria de autopeças chinesa
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

256 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

em um mercado dinâmico permite também a formação de
pequenas montadoras nacionais, em economias de escala. Por
sua vez, os grandes grupos de montadoras, como Beijin, Dongfeng,
etc., estão absorvendo rapidamente novas tecnologias, a partir
dos acordos de joint venture, para desenvolver veículos próprios
­ evitando a dependência externa.
A chinesa Lifan (maior produtora de motocicletas da China),
busca a ampliação da sua participação no mercado chinês de carros
de luxo comprando motores da Tritec (joint venture entre BMW
e DaimlerChrysler) instalada no Brasil. Recentemente a Lifan propôs
comprar a Tritec, desmontá-la e enviá-la para a China, levando
inclusive os funcionários. Mesmo com fábrica com alto índice de
ociosidade, a oferta não foi aceita.
A montadora estatal Chery Automobile, com participação
de 7% no mercado chinês, produziu 186 mil carros em 2005 e
espera produzir 1 milhão em 2010. A empresa criou um carro
compacto (modelo QQ) de US$ 6 mil, que irá participar de vários
mercados no mundo. Nos EUA, por exemplo, a empresa irá montar
uma fábrica em associação com a DaimlerChrysler. A estratégia da
empresa é construir três fábricas em países fora da China: Brasil,
Argentina e Indonésia.
O processo de internacionalização da indústria automobilística
está se iniciando. Além da Chery Automobile, também a Geely
Automobile, a Great Wall Motors, a FirstAutomotive Works e a Chana
Automobile, planejam também abrir fábricas no exterior.
AGeely, particularmente, já está construindo uma unidade em
Cixi, próxima a Xangai, para produzir inicialmente 1milhão de veículos,
com investimento de US$ 2,35 bilhões, atraindo seus fornecedores
para a localidade. O projeto da empresa é produzir 2 milhões de veículos
em 2015 e exportar 1,3 milhões. É importante ressaltar que atualmente
a Geely produz 200 mil veículos e exporta 10 mil. Disto pode-se
observar a velocidade do crescimento econômico do país.
A China se apresenta para as montadoras estrangeiras como
uma das saídas para a crise mundial do setor, seja para o mercado
interno ou como possível plataforma de exportação ­ como foi o acordo
da Honda com o governo chinês. Desta maneira a política do Estado
chinês demonstrou como se utilizar, em benefício de seu país, a crise
internacional promovendo o rápido desenvolvimento das forças
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 257

produtivas e a autonomia econômica nacional.AChina é modelo para
vários países asiáticos, como se verifica a seguir.
Vietnã
Nos mesmos passos da China, mas no caminho contrário da
ASEAN (Associação das Nações do SudesteAsiático), o Vietnã firmou
acordos de joint venture com grandes empresas estrangeiras também
no setor automobilístico. Conforme CCFA(1997), três ministérios estão
fomentando a indústria automobilística: Ministério da Indústria,
Ministério das Comunicações e dos Transportes e Ministério da Defesa.
Em 1997, quatorze empresas estavam autorizadas a produzir veículos
em sociedades mistas entre capital nacional e estrangeiro, sendo elas a
BMW, Daewoo, Fiat, Hino, Isuzu, Iveco, Kia, Mazda, Mitsubishi,
Nissan, Proton, Ssangyong, Suzuki,Toyota Daihatsu, Ford e MercedesBenz. A produção do Vietnã em 2005 foi de 31,6 mil veículos, um
crescimento de 59% em relação ao ano anterior. O crescimento do
setor ainda é lento em função do mercado interno vietnamita ser menos
atraente do que os demais mercados asiáticos da ASEAN.
Índia
O atual governo indiano tem adotado o modelo de
desenvolvimento chinês, com a criação de zonas econômicas especiais e
está promovendo a abertura controlada de capitais estrangeiros. O país
tem ampliado os investimentos em informática, serviços e na indústria
automobilística. Esta última produz mais de 1,6 milhão de veículos e
apresenta, depois da China, o maior mercado potencial do mundo, com
um bilhão de pessoas e uma economia em rápido crescimento.
As principais montadoras indianas são: Maruti (50% Suzuki e
50% governo indiano); Tata/Telco (Grupo Tata); Mahindra &
Mahindra;Ashok Leyland (30% Iveco e 70% grupo indiano Hinduja);
Hindustan (grupoindiano Birla); Premier (grupoindianoWalchndnagar);
e Bajaj Tempo. Desde 1993, estão entrando montadoras estrangeiras
no mercado da Índia, associadas ao capital local. São elas: Daewoo,
GM, Honda, Hyundai, Mercedes-Benz, Peugeot, Mazda e Volvo, num
total de 38 empresas, além de recente ingresso da Renault. A nova
participação estrangeira está alterando o padrão do mercado indiano,
visto que as montadoras com maiores vendas produziam, até o fim da
década de 1990, modelos fora de linha das montadoras ocidentais.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

258 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

ATata Motors (Grupo Tata) atualmente é a maior empresa da
Índia e aquela que mais cresce interna e externamente entre as
montadoras indianas. Recentemente a montadora assinou um contrato
de joint venture com a Fiat, para a produção do carro mais barato da
empresa, por US$ 2,2 mil. A estratégia da Fiat é concorrer nos
mercados daAmérica Latina e Europa com um dos carros mais baratos
do mundo. O designer dos veículos da Tata é muito semelhante dos
modelos da Coréia e do Japão, superando a fase de montagem de
modelos europeus antigos. Além da Fiat, a Tata tem sociedade com a
Daewoo e com a montadora de carroceria brasileira Marcopolo.
Tailândia
ATailândia é um caso diverso ao modelo chinês e japonês, mas
característico dos países da ASEAN (exceto o Vietnã). A indústria
automotiva é plataforma de exportação das empresas multinacionais e o
governotailandêsnãointerferenosinvestimentosestrangeiros.Aspolíticas
de incentivo concentram-se em redução dos impostos e barreira
alfandegária, com alíquota de importação de 80% para os automóveis.
As montadoras estrangeiras não têm a obrigatoriedade da
associação com empresas nacionais e o país propicia os baixos custos
de produção, baixos salários e incentivo à exportação de veículos
completos, conjuntos e peças. As principais montadoras atuando na
Tailândia são: GM, Toyota; Mitsubishi, Ford e, mais recentemente,
Volvo. O maiorinvestimento estrangeiro foi daToyota, com a construção
de um centro de pesquisa e de desenvolvimento.
Dentre os países daASEAN, a Tailândia tem a maior produção,
1,12 milhão de veículos, seguida pela Malaísia, 563 mil e a Indonésia,
494 mil. Os demais países não passam de 50 mil unidades.
Turquia
A Turquia instituiu na década de 1990 uma política setorial
para a atração de investimentos no setor automotivo. Com empresas
estrangeiras atuando desde 1966, detém atualmente quinze montadoras
estrangeiras associadas ao capital turco em vários graus de participação.
Em 2003, verificou-se que a indústria automobilística na Turquia
apresentava índice de capacidade ociosa acima de 50%, reduzindo
para 13%, em 2005, quando a indústria produziu 879 mil veículos. O
país está incluso na estratégia das montadoras VW, Ford, e Renault,
para a produção de carros mundiais.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 259

Irã
O Irã, desde a Revolução de 1979, instituiu uma política
nacionalista restringindo o mercado para instituir um processo de
crescimento econômico pela via da autonomia. Entre 1979 e 1988, a
política econômica foi baseada na auto-suficiência e intervenção do
Estado na economia, sobretudo nas importações. Neste período o
Irã atravessou a guerra contra Iraque/EUA, cuja economia foi
intensamente afetada em função dos interesses estratégicos. No
período posterior, 1989-2001, de reconstrução e retomada do
crescimento, houve relativa abertura da economia, sem abandonar o
projeto de autonomia, aderindo ao modelo chinês e saudita.
Com a grande influência do Irã no Oriente Médio árabe e nos
demais países islâmicos, é muito importante seu papel na orientação
do crescimento econômico dos países de Terceiro Mundo na esfera
do Islã. Sabe-se, porém, que as relações com os EUA são conflituosas
e têm-se intensificado: tentativas de embargo econômico, veto à
participação do Irã na OMC, ataques sobre a política nuclear, tentativas
de sanções e ameaças de guerra.
Tratando do setor automotivo iraniano, este é o maior setor
do país depois do petrolífero, empregando 150 mil trabalhadores.
Além disto, a indústria automobilística do Irã é a maior do Oriente
Médio e da Ásia Central (CNN Fortune, 18/09/2006). A economia
do Irã é fortemente estatizada e apoiada na política de proteção à
produção local, à qual o setor de bens de capital está integrado. A
possibilidade de relativa abertura depende da inserção do país na
OMC. Assim, a importação se mantém controlada, bem como o
intuito de elevar o padrão tecnológico e a qualidade dos veículos
iranianos. Os atrasos tecnológicos têm sido suprimidos com os acordos
de transferência de tecnologia semelhantes aos acordos chineses: as
licenças de fabricação determinam que as empresas iranianas
produzam os veículos de empresas estrangeiras com alto grau de
nacionalização de peças e partes, tendo por contrapartida o
cumprimento da qualidade exigida pela montadora estrangeira. Os
acordos de transferência de tecnologia contam com a participação
da Peugeot, Mercedes (DaimlerChrysler), Citröen, Daewo e Nissan.
Tal qual alguns fabricantes da Índia, firmas iranianas optaram
por produzir modelos europeus ultrapassados no mercado internacional,
sem a necessidade de pagar altos royalties para os modelos novos. A
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

260 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

Iran Khodro, com 25 mil funcionários, detém atualmente 67% do
mercado, montando desde a década de 1960 ônibus da Mercedes e
automóveis da Talbot/Peugeot (modelo Paykan, mais vendido no Irã).
Recentemene a Renault/Dacia fez acordo com a Iran Khodro para a
produção do modelo Logan em 2007.
As principais associações entre empresas iranianas e empresas
estrangeiras nacionais são constituídas, desde a Revolução, sem a
participação norte-americana: Iran Khodro com Peugeot, Daimler e
Hyundai; SAIPAcom Peugeot, Nissan e Mazda; Morattab com Land
Rover; Iran Kaveh com Volvo; Iran Pars Khodro e SAIPAcom Nissan
e Renault; Shahab Khodro (Iran Khodro Diesel) com Renault e
Daimler; Khavar com Daimler e; Bahman com Mazda.
No setor de autopeças, as principais empresas estrangeiras
associadas com as empresas nacionais são de origem européia (suíças,
alemãs, inglesas), exceto duas canadenses.
O Irã não figurava na lista dos principais países produtores
mundiais de veículos motores até o início deste século. Em 2004 sua
produção foi de 786,6 mil veículos e em 2005 foi de 817,2 mil (OICA,
2006). Em 2006, a Volkswagen anunciou que irá produzir o Gol na
China e no Irã, transferindo a tecnologia produzida no Brasil.AFord,
BMW eToyota estão iniciando a participação junto com a Iran Khodro.
3. Considerações finais
No final dos anos 1990 ocorreu o aumento da participação no
controle das montadoras asiáticas pelas montadoras norte-americanas e
européias. Esse controle foi parcialmente favorecido pela crise asiática,
que afetou sobretudo as empresas sul-coreanas e parte das empresas
japonesas. Isto reflete o esforço das montadoras norte-americanas e
européias em absorver o modelo produtivo japonês e conter o
crescimento das empresas asiáticas. Por outro ângulo, nos anos 1990,
verifica-se oaumento daprodução internacionaldemontadoras japonesas
através dos transplantes, em detrimento das exportações japonesas,
bem como a adequação da produção automotiva aos mercados no
ocidente, sofrendo os efeitos da estagnação econômica deste.
Neste ambiente, o mercado chinês tornou-se um forte atrativo
para as montadoras ocidentais, bem como um importante fator para
a China desenvolver o know-how necessário para a autonomia de
sua própria indústria automotiva interna e externamente. Desta forma,
a principal contribuição da indústria automobilística da Ásia surge
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 261

com a integração do modelo de desenvolvimento nacional, com a
transferência de tecnologia de empresas estrangeiras de ponta para
empresas nacionais e com alto índice de nacionalização de peças,
como foi detalhado acima.
A tendência da indústria automobilística ocidental é de
agudização da crise, particularmente das norte-americanas.As "megafusões" irão continuar na proporção em que as empresas asiáticas
ampliarem a participação nos mercados do centro do sistema e
também da periferia. De fato, com o crescimento gigantesco e veloz
das montadoras da China, a internacionalização chinesa irá alterar
muito mais o cenário automobilístico internacional.
A centralização transregional da indústria automobilística
ocidental formou os grandes grupos e associações da GM (Opel, Fiat,
Saab; Isuzu, Suzuki, Fuji Heavy; Daewoo); da Ford (Jaguar, Volvo
Cars, Rover; Mazda); da DaimlerChrysler (Mitsubishi; Hyundai) e da
Renault (Dacia; Nissan; Samsung).
Sem estratégia de composição de grupo por
transregionalização, a Volkswagen manteve a estratégia de
centralização inter-regional, com a aquisição da Seat,Audi, Skoda e
o controle acionário da Scania. O caso do Grupo Toyota é mais
particular, sua organização atua em vários setores; no automobilístico,
controla a Daihatsu e a Hino.
No leste europeu, a empresa mais importante é a Avtovaz,
produtora da marca Lada, produzindo 712 mil veículos, cerca de
52,7% da produção russa. A GM também tenta se aproximar da
russa Avtovaz, em acordos de joint venture. Vale ressaltar que em
plena crise a Rússia soviética produzia em 1985 40% mais veículos
do que em 2005 (ver tabela acima).
Aparticipaçãodas montadoras ocidentais nosmercados doJapão
e da Coréia do Sul ocorre através do controle acionário das empresas,
enquanto a participação das empresas asiáticas nos EUA e na Europa
ocorre através de transplantes ou das exportações propriamente.
A tendência mais visível atualmente é a de uma nova
oligopolização docapital ocidental naindústriaautomobilística,em escala
mundial, o que é verificado no movimento de fusões e aquisições intraregional e inter-regional, numa tendência de formação de um número
reduzido de empresas mundiais com mais de 40 anos de existência. O
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

262 -- A ÁSIA E O FIM DO OLIGOPÓLIO AUTOMOBILÍTICO DOS EUA

oligopólio norte-americano está no fim. Paralelamente, surgem na Ásia
algumas dezenas de novas empresas automobilísticas associadas com
as políticas de desenvolvimento e autonomia nacional. O crescimento
da Ásia, mais precisamente da China, está impondo essa nova fase de
centralização do capital na cadeia de produção ocidental, substituindo
empresas cujos mercados restringiam-se ao âmbito nacional e nacionalregional, principalmente nos EUA e na Europa, em grandes oligopólios
especializados em nível mundial, provocando sobretudo a
internacionalização do setor de autopeças.
Referências Bibliográficas
BOYER, R. et FREYSSENET, M. Le Monde que a Change la
Machine. Synthèse des travaux du GERPISA- 1993-1999. LesActes
du GERPISA, n. 31, GERPISA, Univ. Evry, avril, 2001, p. 41-73.
CORIAT, Benjamin. Pensar ao avesso. O modelo japonês de trabalho
e organização. Rio de Janeiro: Revan/UFRJ, 1994.
HOLLANDA FILHO, S. B. de Os Desafios da Indústria
Automobilística. Acrise da modernização. São Paulo, IPE:USP, 1996.
LÊNIN, W. Sobre o imposto em espécie. In: BERTELLI,A.R. ANova
Política Econômica. São Paulo: Global, 1987.
LUEDEMANN, Marta da Silveira. Transformações na
Indústria Automobilística Mundial: o Caso do Complexo
Automotivo Brasileiro ­ 1990-2002. Tese (Doutorado). São
Paulo, FFLCH-USP, 2003.
MAMIGONIAN,Armen. "AAmérica Latina e a Economia Mundial:
o Caso Brasileiro". IV Encontro de Geógrafos Latino-Americanos.
Havana, agosto de 1994.
POMAR, W. O Enigma Chinês. Capitalismo ou Socialismo. São
Paulo: Alfa-Omega, 1987.
RANGEL, Ignácio M. Ciclo, Tecnologia e Crescimento. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.
WOMACK, J. P.; JONES, D. e ROSS, D. A Máquina que Mudou
o Mundo. Rio de Janeiro: Campus, 1992.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marta da Silveira Luedemann -- 263

Periódicos
Agência Estado;
CNN Fortune; Economic Daily (China);
Folha de S. Paulo;
Gazeta Mercantil;
Iran Daily (Irã);
O Estado de S. Paulo;
Valor Econômico.
Referências Internacionais da IndústriaAutomobilística:
AAMA (EUA, extinta);
ANFAVEA(Brasil);
Autoalliance (EUA);
CAAM (China);
JAMA (Japão);
KAMA (Coréia do Sul);
OICA (Internacional);
SIAM (Índia).

.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

POSCO:ALÍDER SUL-COREANANASIDERURGIAMUNDIAL
Priscila Helena Lee*
Resumo:Emmeioànovafasedecrescimentodosetorsiderúrgicomundial
marcado pelo aumento da produtividade e dos movimentos de
concentração de capital, através de fusões e aquisições, a POSCO, maior
indústria siderúrgica da Coréia do Sul, desde o final da década de 1980,
tem permanecido entre as cinco maiores empresas produtoras de aço no
mundo.Apresenta-seaqui o desenvolvimento dessaempresa,levando em
conta os fatores político-econômicos bem como os fatores tecnológicos,
na tentativa de entender quais foram as condições que possibilitaram o
crescimentodaPOSCO.Paraatingirtalobjetivo,foramutilizadostrabalhos
relacionados ao processo de industrialização da Coréia do Sul e ao
desenvolvimento da empresa, assim como informações e dados oficiais
fornecidos pelaprópria empresa e porinstituições internacionais.
Palavras-Chaves: Coréia do Sul ­ Indústria ­ Siderurgia ­ POSCO.
POSCO: a South Korean leader in the world steel industry
Abstract: Among the new phase of growth of the global steel industry
marked byincreased productivityand the movement of concentration of
capital, through mergers and acquisitions, POSCO, the steel industry in
the greater South Korea since the end of the 1980, has remained among
the five largest companies producing steel in the world. It is presented the
development of this company, taking into account the political-economic
factors as well as technological factors, in trying to understand what were
the conditions that allowed the growth of POSCO. To achieve this goal,
were used work related to the process of industrialization of South Korea
and the development of the company, as well as official information and
data provided bythe companyand byinternational institutions.
Keywords: South Korea ­ Industry ­ Steelwork ­ POSCO.

*

Bacharel em Geografia na Universidade de São Paulo. Bolsista PIBIC do CNPq
entre Agosto de 2005 e Março de 2008, com indicação ao 4° Prêmio de Destaque
no Ano na Iniciação Científica em 2006.

266 -- POSCO: A LÍDER SUL-COREANA NA SIDERURGIA MUNDIAL

Introdução
A indústria siderúrgica sul-coreana Pohang Iron and Steel
Company, mais conhecida como POSCO, em 2006 ocupou o quarto
lugar na lista dos maiores produtores de aço do mundo, ao alcançar,
em sua produção bruta, 30,1 milhões de toneladas de aço (IISI, 2006),
ficando atrás da Arcelor Mittal, Nippon Steel e JFE.
Tal desempenho, num primeiro momento, é atribuído à
capacidade de suas unidades de produção, localizadas em duas
cidades portuárias, Pohang1 e Gwangyang2. A primeira no litoral
sudeste, e a segunda no litoral sul do país.
Apesar das condições técnicas de produção, esse artigo visa
entender desenvolvimento da empresa dentro de uma perspectiva
histórica. Para essa análise serão trazidos elementos das políticas
econômicas adotadas pelo governo sul-coreano procurando relacionálos à organização interna da empresa, a fim de mostrar que esses fatores
são tão importantes quanto a técnica empregada na formação de uma
indústria competitiva internacionalmente.
A Formação da Primeira Indústria Siderúrgica Integrada Sul-Coreana
A presença do Estado sul-coreano no processo de
industrialização e modernização pode ser verificada através dos sete
Planos Qüinqüenais de Desenvolvimento Econômico praticados entre
1962-1996, sendo que os primeiros planos foram baseados no modelo
japonês de industrialização por substituição de importações.
Até meados da década de 1960, a Coréia do Sul não possuía
uma indústria siderúrgica integrada, devido à Guerra das Coréias (19501953) e às instabilidades político-econômicas que se sucederam. Foi
durante o governo militar de Park Chung-hee (1961-1979), conforme
previa o Segundo Plano Qüinqüenal de Desenvolvimento Econômico
(1967-1971), que começaram a ser articuladas as possibilidades para
a criação de uma usina siderúrgica integrada moderna, iniciativa esta
bastante incentivada por empresários nacionais e estrangeiros.
Assim, no dia 1º de abril de 1968, a POSCO foi criada
seguindo as políticas governamentais focadas no desenvolvimento
1
2

Na Província de Gyeonsangbuk, a 272 quilômetros de Seoul, a capital.
Naprovíncia de Jeollanam a298 quilômetros de Seoul e a 190 quilômetrosde Pohang.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Priscila Helena Lee -- 267

de infra-estruturas para dar suporte à modernização do país.
Conforme Lim (2003), sua criação tem duas características
principais. Em primeiro lugar, a principal fonte do capital investido
na construção da usina tem origem na indenização do Japão, devido
ao período de colonização da Coréia. Dentre a quantia de US$
77,2 milhões pagos pelo governo japonês, US$ 46,4 milhões foram
taxados com 3,5% de juros a serem pagos em 20 anos, com 7
anos de amortização. Além desse capital, houve financiamento de
US$ 50 milhões em crédito do Japan Export-Import Bank.
A empresa obteve cooperação técnica, a começar com o
planejamento de construção da aciaria, assistência de engenharia e
operação da Nippon Steel e de outras corporações japonesas. Este
fato representa um dos resultados do processo de restabelecimento
das relações político-econômicas com o Japão em 1965.
Em segundo lugar, o governo priorizou tornar a POSCO uma
empresa de sociedade anônima, ao invés de uma corporação pública,
pois tinha como objetivo obter um maior grau de flexibilidade
organizacional da empresa, que nasceu com sonho de competir na
escala mundial. Para o cargo de diretor geral foi designado Park
Tae-Joon, conhecido como a "mão direita" do presidente Park Chunghee. Esse estreito relacionamento permitiu que a POSCO tivesse
maior autonomia do que as outras empresas públicas.
Apesar da participação do capital japonês, diferentemente
do caso da indústria siderúrgica brasileira USIMINAS, em que,
inicialmente, 40% das ações pertenciam aos japoneses, no caso da
POSCO esse capital não foi transformado em ações da empresa.
As ações da POSCO, em 1968, foram dividas em 56,2% para o
governo sul-coreano, e 43,8% para Korea Tungsten Mining Co..
A operação da usina iniciou em Julho de 1973, e teve sua
primeira etapa finalizada em Março de 1976, com capacidade de
produção de 1,03 milhões de toneladas de aço/ano. Desde então,
passou por quatro etapas de expansão, alcançando, em 1983, uma
produção de 9,1 milhões de toneladas/ano.
Logo após a quarta expansão da unidade de Pohang, em
1985, a empresa iniciou a construção de outra usina integrada, a
de Gwangyang, cuja primeira e segunda etapas do projeto foram
finalizadas em 1988. Devido ao privilégio de empregar
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

268 -- POSCO: A LÍDER SUL-COREANA NA SIDERURGIA MUNDIAL

equipamentos mais eficientes e modernos que os existentes na
década anterior, a capacidade de produção dessa usina começou
com 5,4 milhões de toneladas de aço/ano. E é a partir desse
momento que a POSCO entra na lista das dez maiores empresas
siderúrgicas do mundo, com capacidade total de produção de
14,5 milhões de toneladas/ano.
Contudo, apesar da meta de se tornar uma empresa competitiva
internacionalmente, no primeiro momento, a prioridade da POSCO
era o abastecimento do mercado interno para que a Coréia se tornasse
auto-suficiente na produção de artigos siderúrgicos. E, para tanto, a
empresa passou a se empenhar na produção de ferro e aço de qualidade
para os setores industriais nacionais a preços mais baixos do que os
produtos importados, garantindo, assim, a preferência em relação aos
produtos internacionais.
Segundo Song (1989), o rendimento bruto da empresa em
1988 chegou a 2,241 bilhões de wons3, garantindo um lucro líquido no
valor de 62 milhões wons, o que representava, naquele momento, o
maior lucro líquido entre todas as companhias sul-coreanas. Tal
desempenho foi atribuído aos contínuos investimentos em tecnologia,
a fim de produzir produtos siderúrgicos com maior valor agregado.
Uma Privatização Processual
Com a liberalização e a internacionalização econômica da
década de 1980, incentivou a privatização da POSCO. Havia,
contudo, uma forte oposição à privatização dessa empresa,
fundamentada no argumento de que a sua privatização poderia
ocasionar um grande impacto na economia nacional já que ela era
detentora de 50% do mercado nacional, visto que a prioridade da
empresa era o aumento dos lucros e não o interesse público. Por
outro lado, a possibilidade do controle externo da empresa, a partir
do momento em que o movimento do capital internacional fosse
totalmente liberalizado, era também um fator de preocupação. Diante
desses argumentos, segundo Song (idem), as autoridades
3

Won é a unidade da moeda sul-coreana. Em 1988, 1 dólar equivalia a cerca de
680 wons, mas hoje vale em torno de 940 wons.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Priscila Helena Lee -- 269

estabeleceram instrumentos para garantir a preservação dos direitos
de gerenciamento através de revisões do Securities Transation
Act e Capital Market Promotion Act.
Na primeira revisão, o direito de voto dos acionistas, designados
pelo governo de "empresas públicas", foi restringido. A pessoa que
possuísse mais de 3% das ações, não teria o direto de voto das ações
excedentes. No caso de empresas privadas, essa regra era aplicável
àquelas com mais de 10% das ações.
Já a segunda revisão visava proibir a igualdade de participação
dos investidores estrangeiros nas "empresas públicas", para minimizar
a influência externa. E a terceira foi realizada para restringir o direito
dos pequenos investidores de inspecionar os registros de contabilidade
e examinar a ata das auditorias.
Até dezembro de 1987, o governo sul-coreano possuía
69,1% das ações da empresa, sendo 32,3% sob sua guarda direta,
e 36,8% através do Banco de Desenvolvimento da Coréia (KDB4).
Assim, mesmo diante da presença de outros acionistas, o governo
tinha poder exclusivo na gerência da POSCO. Após as revisões,
citadas anteriormente, o governo passou a estudar formas de
privatizar parcialmente a empresa.
No processo de privatização, mesmo que parcial, de uma
grande empresa pública, é comum apontar o pequeno tamanho
do mercado de capital como um importante obstáculo para tal
tarefa. O governo, no entanto, ao constatar que a reserva da Bolsa
de Valores sul coreana alcançou aproximadamente US$ 10 bilhões
por ano ao fim da década de 1980 e que, portanto, tinha
condições de prover a quantia das ações sem risco de efeitos
colaterais no funcionamento da bolsa de valores, decidiu vender
34,1% de ações ao mesmo tempo.
Assim, em junho de 1988, parte das ações da POSCO passa
a ser vendidas na Bolsa de Valores da Coréia do Sul. Mesmo com
a venda dos 34,1% o governo se manteve como o acionista
majoritário, assegurando 35% das ações em conjunto com o KDB.
Com esses 35%, o governo detinha o poder de bloquear quaisquer
decisões indesejáveis, na revisão do alvará da POSCO que exigia
4

Korea Development Bank.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

270 --POSCO: A LÍDER SUL-COREANA NA SIDERURGIA MUNDIAL

mais que dois terços de acionistas. Desse modo o governo sulcoreano consegue preserva sua função a fim de controlar o processo
de privatização parcial da empresa.
A desregulação forçada do governo e a existência de um
ambiente competitivo geralmente catalisam os efeitos da privatização.
Mas no caso da POSCO, a privatização não mudou as características
de monopólio da empresa no âmbito nacional, pois, no início, o
governo permanecia como um acionista majoritário, possuindo o papel
dominante no controle da empresa.
Na Tabela 1 é possível visualizar as mudanças da distribuição
acionária da POSCO.
G o ve r n o
D ez.
19 68
D ez.
19 87
Ju n .
19 88

KDB

O u tr os
B an c os

56 ,2

K o re a
T u n g ste n
M in i n g
Co .

A çõ e s d e
F u n ci on ár ios

O u tr os
In v es tid or e s
D om é sti c os

43 ,8

-

-

32 ,3

36 ,8

2 5, 3

2 ,4

-

-

20 ,0

15 ,0

2 5, 3

2 ,4

1 0, 0

2 7, 3

Fonte: traduzido e adaptado de Lim (2003).

Em Outubro de 1992, após 24 anos como diretor geral da
POSCO, Park Tae-Joon decidiu se dedicar à carreira política.Após sua
retirada, o cargo foi ocupado por quatro diretores gerais ao longo de
seis anos, pois esses quatro diretores deixaram seu cargo para seguir a
carreira política. Como observa Lim (2003), a empresa pública da Coréia
do Sul menos influenciada pelas questões políticas se tornou vítima dela.
Mas após esse período de mudanças na gerência, com Ryu
Sang-Bu no cargo, a POSCO aumentou sua descentralização e
diversificação. Esse novo diretor geral delegou aos centros de
contabilidade maior autonomia, mudando estrutura de organização em
hierarquia para uma baseada em equipes.
Apesar dessa instabilidade, como o desempenho da POSCO
se mostrava acima da média das empresas privadas, os argumentos de
ingerência do setor público e da eficiência do setor privado se
esvaziavam para o caso da empresa em questão. Mas se o objetivo
era manter o seu crescimento e a sua posição como um dos maiores
produtores de aço do mundo, a empresa não poderia mais suportar os
riscos de mudanças bruscas na sua gerência.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Priscila Helena Lee -- 271

Como uma empresa relativamente recente no setor, foi
privilegiada pela possibilidade de adotar as instalações mais modernas
e empregar mão-de-obra por salários baixos. Mediante a essas
vantagens acrescida com o setor de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D)
eficiente conseguiu tornar-se um do produtor de aço com baixo custo.
Contudo, o fato de o governo possuir grande poder de decisão
sobre a POSCO, os concorrentes dos países desenvolvidos acusam o
governo coreano de dar subsídios, criando vantagens de custo para a
POSCO. Por exemplo, os Estados Unidos ameaçaram com o Super
3015 em 1995, demonstrando que haveria petições semelhantes se o
governo mantivesse a POSCO como uma empresa pública.
Essa pressão na balança comercial foi um dos motivos que
incentivou a privatização da POSCO, já que para se livrar desses
problemas político-econômicos, a empresa optou por se desligar do
governo. Concomitantemente a essas pressões, em 1997, durante o
governo de Kim Young-Sam, foi anunciada a privatização da POSCO
dentro da nova política de privatização das empresas públicas.
Entretanto, esse governo voltou atrás de seu anúncio e manteve os
33,7% das ações da POSCO sob seu controle.
Em 1998, já sob a administração de Kim Dae-Jung, a
privatização de empresas públicas se tornou prioridade na agenda de
políticas econômicas devido à crise financeira de 1997. Desde então,
o governo coreano passou a vender suas ações aos poucos, até que
em 2000 a privatização se completou (Tabela 2).

5

O Super 301 pede que o Representante Comercial dos Estados Unidos (United
States Trade Representative) elabore uma lista dos paísescompráticas "não-razoáveis",
um cronograma para sua eliminação e um programa de sanções a serem aplicadas.
6
Pohang University of Science and Technology.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

272 -- POSCO: A LÍDER SUL-COREANA NA SIDERURGIA MUNDIAL

A Organização Produtiva da Empresa
O escritório central, localizado em Pohang junto à primeira
unidade produtiva da POSCO, é responsável pelas tarefas da empresa,
formada por duas unidades produtivas em território sul-coreano.
A unidade de Pohang, com 8,9ha, especializou-se na produção
em pequenos lotes de diversos produtos, entre eles bobinas a quente,
chapas, aros de aço, aço elétrico, e aço inoxidável. Já a unidade de
Gwangyang que possui 14,4 ha, é voltada para a produção em massa
de um número limitado de produtos, tais como bobinas a quente e a
frio.Asinergia entre essas duas unidades permite a grande diversificação
de produtos e uma economia de escala.
Desde início de seu funcionamento, a POSCO criou e adquiriu
companhias relacionadas ao setor siderúrgico, promovendo a
verticalização da empresa. Assim, hoje, possui 8 escritórios fora do
país, 16 subsidiárias domésticas e 8 empresas de investimento
internacional, através das quais pode formar grande parte das 27 jointventures, engendrado o processo de internacionalização.
Entre essas joint-ventures há aquelas destinadas à
produção de artigos siderúrgicos, assim como há fornecedores de
matérias-primas, visto que a Coréia do Sul não possui reservas de
minério de ferro e nem de carvão.
Como pode ser observado no Mapa 1, o fornecimento de
minério de ferro e pelotas, em sua maioria são daAustrália e do Brasil.
Para garantir tal fornecimento, a empresa formou duas joint-ventures:
a KOBRASCO7 (1996) e a POSMAC (2003).Aprimeira foi formada
com a Vale do Brasil (Vitória-ES), e a segunda com a com a empresa
BHPBilliton8 daAustrália. Desse modo, a empresa assegura 25 milhões
de toneladas/ano dessas matérias-primas para os próximos 10 anos.
Em 2004, a POSCO cogitou a construção outra indústria
siderúrgica de placas no Brasil, em parceria com a Vale, em São
Luis, no Maranhão. Contudo, o projeto foi transferido para a Índia,
devido à oferta de condições atraentes aos planos da empresa, como
"um plano estruturado para dobrar sua capacidade de produção até
7

Companhia Coreana-Brasileira de Pelotização.
Além da BHP Billiton, essa joint-venture tem a participação da
CI Minerals Australia e Mitsui Iron Ore Corporation.
8

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Priscila Helena Lee -- 273

2013, com investimentos governamentais, privados nacionais e
externos; e tem se equipado, em termos de infra-estrutura, para receber
investidores e viabilizar seus planos" (SIMONETTI, 2006). Esse
investimento na Índia, entretanto, só será concretizado com a garantia
de exploração do minério de ferro.
Mapa 1 ­ Fluxo Produtivo da POSCO9

Para o fornecimento do carvão, foram assinados contratos com
as minas de carvão da Austrália e do Canadá, além das minas sob
desenvolvimento em conjunto nesses países.
Para aumentar a produção de aço inoxidável, foi construída
uma linha de produção com capacidade de 800 mil de tonelada/
ano em Zhangjiagang, próxima a Shanghai, na China. Entre as
companhias afiliadas há em Vung Tau, próxima de Ho Chi Minh, a
capital econômica do Vietnã e na Cidade do México destinadas à
produção de bobinas frias e quentes, e tiras para automóveis,
respectivamente (Mapa 1).
9

Lembrando que existem outras afiliadas internacionais da POSCO que não
foram contempladas nesse mapa.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

274 -- POSCO: A LÍDER SUL-COREANA NA SIDERURGIA MUNDIAL

As Inovações Tecnológicas no Sistema Produtivo
Algumas das subsidiárias domésticas da POSCO são voltadas
para o setor de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), que são
responsáveis pelas inovações tecnológicas10 e de gerenciamento11. Park
Ki-Hong, diretor geral da POSRI, em 2006, disse, em uma entrevista
à revista Acero Latinoamericano, que 90% das pesquisas realizadas
no instituto são destinadas à POSCO, entretanto, nem todas as
pesquisas que a POSCO necessita são destinadas a POSRI, podendo
efetuar consultar em outras instituições.
O processo utilizado nas duas unidades da POSCO desde 1995
é o COREX. Esse omite o processo de sinterização e coqueificação,
mas exige o emprego de matérias-primas caras e o controle do pó de
carvão gerado durante o processo de produção. Para a redução dos
custos de produção a empresa introduziu algumas inovações
tecnológicas desenvolvidas na RIST12.
Para manter o alto nível de produtividade, fazendo uso de
matérias-primas de baratas, ou seja, de menor qualidade, se dedicou
ao desenvolvimento de tecnologias para o alto-forno, onde ocorre a
fundição de parte dos insumos, como "a Tecnologia de Controle de
Carga e Distribuição, o Sistema de Sensor de Anormalidade na
Produção, e a Tecnologia de Abertura Imediata"13. Através dessas
novas técnicas, desenvolvidas pela POSCO, é possível maior
produtividade e estabilidade dos altos-fornos.
A Tecnologia de Controle de Carga e Distribuição é usada
para controlar a injeção de materiais (Minérios de ferro e Coques) e
catalisar a redução de oxigênio e outras reações nos fornos. O Sistema
de Sensor deAnormalidade na Produção antecipa a possibilidade de
acidentes dentro de altos-fornos, de modo que medida de reparo
possam ser tomadas imediatamente.
ATecnologia deAbertura Imediata, diferente do método antigo
de inserir barras de aço para criar aberturas, pulveriza os produtos
Research Institute of Industrial Science and Technology (RIST).
POSCO Research Institute (POSRI).
12
Desde 2002 a POSCO tem investido uma média de 267 milhões de won por ano
em seus institutos de pesquisa.
13
Tradução livre de "The Burden-Distribution-Control Technology, The
Production-Abnormality Sensor System, and Immediate-Opening Technology".
10
11

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Priscila Helena Lee -- 275

para o resfriamento e o nitrogênio sobre a abertura, com resistência a
altas temperaturas logo após a abertura. Isso significa que o ferro fundido
pode ser exaurido num período mais curto de tempo, reduzindo o tempo
de operação de 20 para 5 minutos.
Foi desenvolvido material refratário, que cobre os conversores,
com maior tempo útil de vida. Essa tecnologia14 reduz o tempo de
manutenção e aumenta o ciclo de produção de 70 vezes/dia para 84
vezes/dia e, conseqüentemente, aumenta o tempo de vida dos
conversores de 4.000 para 7.350 ciclos.
A "Tecnologia de Produção Programada"15 é usada para
determinar a seqüência dos processos e a quantidade de ciclos de
cada operação, incluindo o tempo no conversor e do refino, o tempo
tomado para inserir, extrair, e rolar as placas nos fornos de
reaquecimento. A existência de um cronograma de operação
específico permite reduzir o estoque de placas nos pátios e a
aumentar a velocidade de produção.
Além disso, com a finalidade de produzir produtos com
alto valor agregado, a empresa construiu a Sexta Linha de
Galvanização Contínua e a Planta TWB16 de Placa, que corta e
solda as folhas de aço para carros.
Apesar do emprego do processo Corex, a empresa via
possibilidade de desenvolver um sistema mais eficiente
(BARTSCH, 2007, p.36). Com esse propósito, em 1992, foi
assinado um acordo entre a POSCO e a Voest-Alpine
Industrieanlagenbau, empresa austríaca que já havia apresentado
a possibilidade de desenvolver um processo que eliminasse as
etapas de sinterização e coqueificação.
Após todos os testes em laboratórios e em plantas pilotos,
em agosto de 2004 foi assinado o contrato com a Siemens Metals
& Mining Technologies17, para construir uma planta oficial com o
processo denominado FINEX. E, finalmente, em 30 de maio de
2007, iniciou a sua primeira corrida com capacidade de 1,5 milhões
de toneladas de metal fundido/ano.

14

Chamada de "Refractory Lifespan Technology".
Tradução livre de "Production-Scheduling Technology".
16
Abreviação de "tailor-welded-blank" (Corte e soldagem)
17
Em 2005 a Siemens adquiriu a Voest-Alpine Industrieanlagenbau.
15

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

276 -- POSCO: A LÍDER SUL-COREANA NA SIDERURGIA MUNDIAL

No processo Finex diferente do Corex é possível o emprego
de matérias-primas mais baratas, como pó de minério de ferro e o
carvão não processado, sem necessitar de um estágio de preparo
para entrar no processo produtivo. Assim, além de reduzir o tempo
da produção, o seu custo é barateado.
Em resumo, como não poderia ser diferente, após essa breve
exposição sobre a Pohang Iron and Steel Company, é possível notar
que desde o momento de sua criação, a POSCO tem sido influenciada
pela conjuntura nacional e internacional.
E diante de cada novo cenário, a empresa conseguiu adotar
medidas para se adaptar, realizando mudanças em sua forma de
gerenciamento, investindo em desenvolvimento de tecnologias a fim
de atender à crescente demanda e às exigências ecológicas, de
acordo com as necessidades de cada período histórico.
Contudo, vale ressaltar que a atual eficiência da POSCO,
em muito, se deve ao esforço do Estado em mantê-la sob seu
controle até a consolidação da mesma como uma indústria
siderúrgica competitiva internacionalmente, o que a possibilitou se
verticalizar e internacionalizar.
Referências Bibliográficas
BARTSCH, Bernhard. "Smarter Smelting". In: SIEMENS AG.
Pictures of the Future - The Magazine for Research and
Innovation. Munich. Fall 2007. p. 35-36. Disponível no endereço
.
CANUTO, Otaviano. Brasil e Coréia do Sul ­ Os (des)caminhos
da industrialização tardia. São Paulo: Nobel, 1994.
ENTREVISTA.Acero Latiniamericano. Santiago (Chile): ILAFA.
N.464. ene-feb. 2006. p.37.
International Iron and Steel Institute. World Steel in Figures.
Belgium, 2007. Disponível no endereço http://www.worldsteel.org
JAPAN IRON & STEEL EXPORTER'S ASSOCIATION. The
Japanese Steel Industry's Technical Cooperation with
Developing Countries. STEELTODAY & TOMORROW,
Tokyo, n°35, p.10-11, jun.1980.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Priscila Helena Lee -- 277

KANG, T. W. Coréia: O Novo Japão? ­ Estrutura, estratégia e
táticas que explicam seu crescente êxito como potência industrial.
São Paulo: Maltese, 1990.
LIM, Won-Hyuk. Public Enterprise Reform and Privatization in
Korea: Lessons for Developing Countries. Korea Development
Institute. December, 2003.
NUNES, Thales Cyrano Saito. Papel do Estado na
Industrialização: Brasil e Coréia do Sul. Dissertação de Mestrado
da Pontifícia Universidade Católica. São Paulo, 2005.
POSCOAnnual Report, 2006. Disponível no endereço .
SIMONETTI, Eliana Giannella. Nervos de Aço. In: Revista
Desafios do Desenvolvimento, Brasília: ano 3, n. 29, p.36-42.
Set. 2006.
SONG, Dae-Hee. Three Essays on Korean Privatization Policy:
An Overview of Privatization Policies, The People's Shares
Program, and A Case Study of POSCO. Korea Development
Institute.August, 1989.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ESTRATÉGIAS DE
EXPANSÃO DE EMPRESAS NA ÁSIA
Domingos Sávio Corrêa*
Resumo:O artigo trata da expansão das empresas asiáticas no contexto
do forte crescimento econômico dos países da região e da acirrada
concorrência internacional
Palavras Chave:
Economic development strategies and business expansion in Asia
Abstract:The article treat of the expansion ofAsian companies in the
context of economic growth of countries in the region and the fierce
international competition.
Key-words: Asian Companies; Economic Growth; International
Competition.
Introdução
Analisar o movimento de expansão das empresas asiáticas,
em meio a um cenário de expansão econômica dos países da região
e acirrada competitividade internacional nos negócios, é o principal
objetivo deste artigo. A justificativa para isso encontra-se no fato de
que a grande novidade no mundo empresarial procede da Ásia, com
o surgimento de empresas que se expandem rapidamente pelo
mercado mundial, seja através de acordos de joint ventures ou através
de fusões e aquisições, e também pelo incessante crescimento
econômico de muitos países da região.
Desenvolvimento econômico e expansão de empresas na Ásia
O elevado crescimento econômico dos países asiáticos, mais
precisamentedaChina,Vietnã, ÍndiaeCoréia do Sul,entreoutros, durante
as últimas décadas do século XX, e que se mantém no início do século
XXItem sidosuperior ao crescimento médio mundial, com taxas maiores
que aquelas apresentadas por países em desenvolvimento de outras partes
*

Domingos Sávio Corrêa é mestre em Geografia Humana pela Universidade de
São Paulo (O Movimento de Fusões e Aquisições de Empresas e o Processo de
Privatizações e Desnacionalização na Década de 1990: o Caso Brasileiro).

280 -- DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ESTRATÉGIAS ...

do globo, com a China despontando como grande potência mundial.
Conforme Tello,Arruda eAraújo (2006), "AChina cresce, em média,
mais de 8% ao ano desde o início da década de 1980". Vale ressaltar
que, a despeito de todas as previsões negativas, a China emplacou a
maior taxa de crescimento de sua história em 2006: 10,7%.
Com essecrescimento, muitas empresas de atuação local partem
para fusões e aquisições bem como acordos de joint ventures em outros
países. São muitos os exemplos a considerar: uma joint venture no
setor de eletrônica, ocorrida em julho de 2004, entre a TCL (China) e a
ThomsonElectronics (França),gerouum grandefabricante de televisores,
um exemplo da expansão chinesa, sempre superlativa.
A aquisição do departamento de computadores pessoais da
IBM, a IBM-PC, pela chinesa Lenovo, ocorrida em 2005 tornou esta
empresa a terceira maior fabricante mundial de computadores pessoais,
com uma receita de US$ 13 bilhões.ALenovo, criada e desenvolvida
sob a influência da Universidade de Pequim, inicialmente chamada
Legend, foi fundada em 1984 e apenas distribuía equipamentos de
empresas como DELL, HP e IBM, mas logo passou a produzir seus
computadores.Aaquisição da IBM-PC modifica o ranking do setor e
a Lenovo já se constitui no 3º maior fabricante mundial desses
equipamentos (OLIVEIRA, p. 39).
No setor automobilístico, em 2005, a Nanjing Automobile
adquiriu a fabricante britânica MG Rover. Por seu lado, a Geely,
primeira empresa chinesa privada do setor, instala fábrica em Xangai
para produzir cerca de um milhão de automóveis por ano, em
investimento para a construção de unidade de US$ 2,35 bilhões,
além de produzir na Malásia, em acordo com o grupo IGC, onde
pretende montar entre 10 a 30 mil automóveis/ano para o mercado
interno e exportação para Venezuela, Honduras e Chile. A empresa
almeja os mercados norte-americano e europeu.
Já a CheryAutomobile, uma estatal do mesmo setor, planeja
associar-se com empresas tanto asiáticas como européias com
fábricas já instaladas nos EUA, para concorrer com GM e Ford
Motors nos seus próprios redutos. Cerca de um milhão de automóveis
seriam importados da China e posteriormente seriam construídas
fábricas nos EUA. Ao mesmo tempo, o governo aprova formação
de joint venture entre Ford Motors, Mazda Motor e Changan
Automotive Group para produção de motores, em investimento de
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Domingos Sávio Corrêa -- 281

mais de US$ 1 bilhão da Ford na China, em uma iniciativa com
capacidade de produção de 350 mil motores/ano, com início de
operação previsto para 2007. Ressalte-se que, na primeira fase do
projeto, os blocos construídos na nova fábrica serão destinados às
unidades da Ford, Mazda e Changan em território chinês.
No setor siderúrgico, que se encontra em processo de
reestruturação mundial, a Mittal Steel (Índia) fundiu-se com a
Arcelor (França) e concretizou o maior negócio já realizado nesse
setor, que atingiu US$ 38,3 bilhões em junho de 2006, formando o
maior conglomerado siderúrgico do mundo. No Brasil, a Arcelor
incorporou as empresas Belgo-Mineira, Companhia Siderúrgica de
Tubarão, Acesita e Vega do Sul. AArcelor-Mittal poderá produzir
cerca de 120 milhões de toneladas de aço por ano, ou
aproximadamente 10% da produção mundial.
Também foi anunciada com destaque a aquisição da Sicartsa
(México) pelaArcelor-Mittal, por US$ 1,4 bilhão, em uma estratégia
de negócios que visa, além do mercado mexicano, a entrada da
empresa no sul dos EUA. Significa, ainda, o controle de uma mina de
minério de ferro em território mexicano, controlada pela Sicartsa. Esta
foi a primeira aquisição do recém formado grupoArcelor-Mittal.
Outro exemplo também no ramo siderúrgico, é o da recente
disputa entre Tata Steel (Índia) e a Companhia Siderúrgica Nacional
(Brasil) pela Corus (Reino Unido/Holanda), vencida pela Tata em 30/
01/2007, em uma transação avaliada em US$ 11,3 bilhões. Estimavase, até então, que a empresa perdedora ficaria vulnerável a uma oferta
hostil, ou seja, tornar-se-ia, na avaliação geral, a "bola da vez" do
setor. A Tata Steel era a 55ª colocada no ranking mundial e a CSN a
49ª em disputa pela 9ª maior siderúrgica. O resultado coloca a Tata
Steel em disputa pela 5ª posição com a Baosteel, de acordo com o
ranking do setor. Além de adquirir a Corus, a Tata Steel já havia
adquirido a NatSteel (Cingapura) e a Millennium Steel na Tailândia
por mais de US$ 400 milhões. Outras empresas do grupo Tata
realizaram aquisições fora da Índia. ACorus é resultante do processo
de consolidação da antiga British Steel, que produzia 85% do aço
inglês e fundiu-se em 1999 com a holandesa Hoogovens.
Já a maior produtora chinesa de aço, a Baosteel, uma empresa
criada em 1998, e posicionada em 6º lugar no ranking mundial da
siderurgia de 2005, adquiriu 69,6% da Xinjiang Ba Yi Iron & Steel
Group, por US$ 385 milhões. Com a aquisição, a Baosteel alcança a
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

282 -- DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ESTRATÉGIAS ...

marca de produção de 26 milhões de toneladas, e se aproxima dos
vice-líderes do mercado, Nippon Steel (32 milhões de toneladas),
Posco (30,5 milhões de toneladas), e JFE (29,9 milhões de toneladas),
o que torna mais acirrada ainda a competição no setor. A empresa
cresce conforme estratégia do governo chinês, que busca consolidar
grandes empresas no setor e garantir maior poder de negociação junto
a fornecedores de minério de ferro, além de buscar o 3º lugar entre as
maiores siderúrgicas do mundo, e esta aquisição poderá configurar um
modelo para outras operações internas ou nacionais.
Em janeiro de 2007, foi cogitada uma joint venture no setor
siderúrgico na bolsa de valores de Tóquio, entre a JFE Holdings e a sulcoreana Hyundai Steel.As empresas estariam delineando uma associação
para a construção de usinas de produção de aço e o intercâmbio de
tecnologia. Se o negócio for confirmado, a empresa resultante do acordo
seria a terceira maior produtora de aço do mundo, atrás apenas da
Arcelor Mittal e da Nippon Steel. Mais um exemplo da consolidação no
setor siderúrgico e a sua influência nas bolsas de valores.
Empresas comoTataMotors,TataSteel eMittal (Índia), Petronas
(Malásia), Singtel (Cingapura), Toyota (Japão), Samsung (Coréia do
Sul) ou BenQ (Taiwan), entre muitíssimas outras,aparecem em rankings
ou em notícias referentes a negócios e transações em diversos países.
Dados divulgados pela ONU revelam que dentre as 100 companhias de
países emergentes que mais investem no exterior, 77 são da Ásia.
Entre 1980-1990, o Brasil era o "emergente" que mais
investia no exterior, mas foi superado pelos asiáticos e perdeu a
liderança na última década (década de 1991-2000). AArgentina,
que figurava no 3° lugar em investimentos em 1980, hoje não
aparece sequer com uma única grande empresa na relação das 100
maiores companhias dos países emergentes. Em 1990, eram 19
empresas de países emergentes na relação da Revista Fortune (500
maiores companhias mundiais); atualmente, são 47 empresas nessa
mesma lista. Para a ONU, os investimentos dessas empresas em
2005 foram da ordem de US$ 120 bilhões, o que é considerado
uma verdadeira façanha. Nesse ranking, as cinco maiores são
asiáticas: Hutchison Whampoa (Hong Kong), Petronas (Malásia),
Singtel (Cingapura), Samsung (Coréia do Sul) e CITIC (China).
Assim, a estratégia adotada por essas empresas para enfrentar a
concorrência, tem sido a da expansão através da
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Domingos Sávio Corrêa -- 283

internacionalização, nos mais diversos setores (mineração, serviços,
tecnologia, etc.), principalmente através de fusões e aquisições, mas
também através de múltiplos acordos de joint ventures.
Conforme Rovetta (2006), aumentou a participação das
empresas chinesas no ranking Global 500 elaborado pela Revista
Fortune (Tabela 1). São empresas pertencentes aos setores de
petróleo, energia, financeiro, telecomunicações, automobilístico,
ferroviário e de construção. A petrolífera Sinopec é a 2ª mais
poderosa empresa asiática, em uma classificação que apresenta a
Toyota ocupando o primeiro lugar. Das cinco maiores empresas
asiáticas, duas são chinesas e três são japonesas.
Tabela 1- Empresas chinesas no ranking da Revista Fortune 500
Ordem
Empresas
Classificação na Fortune
1
Sinopec
23ª
2
State Grid
32ª
3
China National Petroleum
39ª
4
Industrial & Commercial Bank of China
119ª
5
China Mobile Communications
202ª
6
China Life Insurance
217ª
7
Bank of China
255ª
8
Hutchison Whampoa
259ª
9
China Souther Power Grid
266ª
10
China Construction Bank
277ª
11
China Telecomunications
279ª
12
Baosteel Group
296ª
13
Sinochem
304ª
14
Agricultural Bank of China
377ª
15
China Railway Engineering
441ª
16
Cofco
463ª
17
China First Automotive Works
470ª
18
Shangai Automotive
475ª
19
China Railway Construction
485ª
20
China State Construction
486ª
Fonte: Rovetta (2006).

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

284 -- DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ESTRATÉGIAS ...

Além da China National Offshore Oil Corp. (CNOOC), há diversas
grandes empresas atuando no setor petrolífero na Ásia, como a maior
delas, a Sinopec, a China National Petroleum Co., a Chinese Petroleum
Corp. (Taiwan), a Nippon Mitsubishi Oil Corp., a Petronas e a
Singapore Petroleum Company, entre outras.
A partir do impulso dado pelo governo chinês às reformas das
empresas estatais, um dos principais objetivos estabelecidos foi a
criação de grandes empresas com atuação internacional, como os
grupos japoneses e coreanos. Assim,
Figurar em Fortune 500 era la meta a
alcanzar y la mejor muestra de que se habría
dado un paso de gigante en el
fortalecimiento de la posicioón de la
empresa china a nível mundial. Hoy, en
menos de 10 años, com 20 empresas ya
en Fortune 500, tres de ellas entre las 100
más grandes del mundo, se puede afirmar
que esos objetivos se están cumpliendo con
creces (ROVETTA, 2006, p. 3).
Tabela 2 - Empresas chinesas, espanholas e latino-americanas nos 100
primeiros postos da Fortune

Fonte: Rovetta (2006).

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Domingos Sávio Corrêa -- 285

A expansão das companhias chinesas pode ser ilustrada
através dos seguintes dados:
Aquartamaioreconomiadomundoéaterceira
maior exportadora (Alemanha: US$ 970,7
bilhões, em 2005; EUA: US$ 904,3 e China:
US$762,0),terceiromaiorsuperávit comercial
(Alemanha:US$196,6bilhões,em2005;Rússia:
US$ 120,1 e China: US$ 101,9), e terceira
receptora de investimento direto estrangeiro
(EUA: US$252,01bilhões; França:US$ 99,20
e China: US$ 54,94 em 2005). (TELLO,
ARRUDA&ARAÚJO, 2006, p. 1.)
AChinaétambém amaiorconsumidoramundialdegrãos, carne,
carvão e ferro. Lá são consumidos 7% do petróleo, 25% do alumínio,
cerca de 33% do ferro e carvão e 40% do cimento produzidos no mundo.
"Os chineses têm consciência de seu impacto naexploração dos recursos
naturais e já trabalham para garantir o abastecimento necessário com
investimentosempaísesasiáticos,africanoselatino-americanos"(TELLO,
ARRUDA&ARAÚJO, 2006).
Investimentos chineses na África: 1) Angola (2005): o banco
de exportações chinês (China Exim Bank) ofereceu ao governo angolano
uma linha de crédito de dois bilhões de dólares para projetos de infraestrutura, em troca do fornecimento de 10 mil barris de petróleo/dia,
além de vantagens especiais em contratos para empresas chinesas na
área de engenharia (o dinheiro seria gasto em obras contratadas apenas
com empresas chinesas). Com isso,Angola converteu-se no principal
fornecedor de petróleo para a China. 2) Sudão: 60% do petróleo
produzido destinam-se à China; empresas chinesas envolvidas em
praticamente todos os novos projetos de exploração, produção e refino
de petróleo. 3) Gabão: a China obteve os direitos de exploração da
mina de ferro de Belinga, a maior jazida inexplorada do mundo,
(potencial de produção de 1 bilhão de toneladas de minério de ferro).
Os chineses investirão 3 bilhões de dólares na infra-estrutura e na
aquisição de toda a produção da mina. Foram estabelecidos acordos
bilaterais entre os governos de China e Gabão, prevendo desde
empréstimos em troca de óleo até cooperação técnica para
desenvolvimento no setor de pesca.AChina transforma-se rapidamente,
portanto, no principal "sócio" de diversos países da África subsaariana.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

286 -- DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ESTRATÉGIAS ...

Investimentos chineses na América Latina: também
concentrados no setor de mineração. No Chile (2005), a Minmetals
(maior empresa de mineração chinesa), anunciou joint venture com a
Codelco, "para explorar uma nova mina de cobre dedicada
exclusivamente a exportações para a China". No Brasil, estão previstos
investimentos em produção mineral e commodities agrícolas. Também
foram estabelecidos acordos entre Petrobras e Sinopec para a
construção de gasoduto no Nordeste e construção de refinaria a base
de óleos pesados no Rio de Janeiro, não concretizados "pelos fatores
custo e tecnologia" (TELLO, ARRUDA &ARAÚJO, 2006, p.2).
A China procura estabelecer uma estratégia em relação às
matérias-primas de que necessita e se posiciona no cenário global em
defesa de seu projeto de desenvolvimento, especialmente no que se
refere ao petróleo: empresas chinesas avançam no mercado em busca
de oportunidades e fazem acordos benéficos para sua economia.
A China National Offshore Oil Corp. (CNOOC) investiu na
aquisição da Unocal nos Estados Unidos, em um negócio que acabou
não se concretizando pela ação de amplos setores americanos, que uniu
democratas e republicanos na oposição à proposta feita pela CNOOC.
O temor generalizado seria o de que a empresa chinesa, com essa
aquisição, teria acesso a tecnologias que "poderiam ser copiadas".
Mesmo com a garantia dos dirigentes da CNOOC de que não haveria
demissões e da manutenção do fornecimento de gás e petróleo aos EUA,
a empresa ficou com a Chevron-Texaco, por oferta inferior à proposta
pela CNOOC.Apreferência pela aquisição foi dada à Chevron-Texaco,
que anunciou a aquisição por US$ 18 bilhões, sendo US$ 12 bilhões em
ações e US$ 4,4 bilhões em dinheiro, além de assumir dívidas de US$
1,6 bilhão da rival, enquanto a oferta da CNOOC era de US$ 18,5
bilhões. Assim, a CNOOC retirou sua oferta de US$18,5 bilhões pela
Unocal em meio a grande oposição nos EUA Este negócio ilustra a
capacidade norte-americana na garantia de seus interesses, do interesse
de suas empresas ou de suas estratégias econômicas.
Os dados apresentados até o momento indicam, portanto,
que não é correto considerar, como afirma Hutton (CARTA
CAPITAL, 17/01/2007), com base no desconhecimento dos ingleses
a respeito de marcas chinesas, de que não existiriam empresas
chinesas. Se os ingleses não conseguem mencionar uma marca sequer
da China é porque desconhecem o fato de que empresas chinesas,
na maior parte das vezes através de associações do tipo joint venture,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Domingos Sávio Corrêa -- 287

iniciam sério movimento expansivo ­ do qual a aquisição da IBMPC é um significativo exemplo entre diversos outros ­ alavancado
pelo prodigioso crescimento econômico chinês.
Pode parecer estranho, e para alguns até mesmo
incompreensível, que a maior empresa mundial de celulares seja
chinesa, e ainda por cima uma empresa estatal. Nos referimos, no
caso, à China Mobile Communications, empresa que esteve próxima
de adquirir a Millicom International Cellular, uma companhia de
telefone celular baseada em Luxemburgo por US$ 5 bilhões. Portanto,
não parece possível minimizar a força empresarial chinesa ou mesmo
asiática, no que se refere a transações empresariais internas ou
externas, seja por associações do tipo joint venture, ou por meio de
fusões e aquisições de empresas, com o objetivo de ganhar posições
e mercados, garantir o crescimento de sua economia e o acesso a
diversas matérias primas, necessárias a sua expansão.
Um outro exemplo de associação empresarial deu-se entre
a Portugal Telecom e o governo chinês em 2005. A PT criou a Ásia
PT e aumentou seu investimento na China, com o intuito de agregar
as empresas da PT Investimentos Internacionais na região, e investiu
10 milhões de euros em parceria com o Ministério dos Transportes
na criação da China Pathway Logistics. Também reforçou sua
posição na TV Cabo Macau.
A Ásia PT terá a seu cargo a gestão das suas empresas coligadas
na região: CTM, TV Cabo Macau, Directel Macau, Telesat e Timor
Telecom.Além de incorporar todas as coligadas na região, a Ásia PT se
fortalecerá em negócios que possam surgir. Conforme o Presidente
ExecutivodoGrupo PortugalTelecom: aChinaéum mercadocomgrande
potencial e um lugar onde a empresa possui vantagens competitivas. De
acordo com estimativas dos executivos da nova empresa, o mercado de
transportes comerciais na China, área em que a China PathwayLogistics
atuará, tem enorme potencial de crescimento (cerca de 15 a 20% ao
ano): estima-se que o número de veículos passe dos 10,7 milhões
registrados em 2004 para mais de 19 milhões em 2009.
No segmento de TV a cabo, a PT amplia sua participação na
TV Cabo Macau para 87,5% do capital, com a aquisição dos 32,5%
da empresa que não estavam subscritos, num investimento próximo dos
2,5 milhões de euros.Além disso, planeja investir mais 2,5 milhões de
euros para consolidar o negócio de TV por assinatura, com a produção
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

288 -- DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ESTRATÉGIAS ...

de conteúdos na área de esportes e buscar novas oportunidades como,
por exemplo, no setor de internet (Fonte: Portugal Telecom).
No setor de varejo, um exemplo de acordo do tipo joint venture
naÁsiaéo casodaAhold. Esseconglomerado mundialdesupermercados
iniciou suas atividades na região apartir de joint venture em 1995. Outras
joint ventures foram estabelecidas até 1999, e a empresa adquiriu muitas
lojasnaChina,Indonésia,TailândiaeMalásia.De1999emdiante,aempresa
procurou concentrar-se na Tailândia, Malásia e Indonésia, após vender
suas lojasnaChina eSingapura.Em novembrode2002,ela terminou com
todas as operações na Ásia, processo concluído com a venda de sua
participação na CRC Thailand, em março de 2004, quando deixou de
atuar na Ásia (Fonte: FNV CompanyMonitor).
No setor de autopeças, a Dana produzirá em parceria com a
Dongfeng Motor Co. Ltda eixos para veículos comerciais na China.A
parceria será chamada de Dongfeng DanaAxle Corp. Ltda e terá 50% de
participação da Dana e 50% da Dongfeng. O investimento previsto da
Dana em umasubsidiária da Dongfeng erade cercade US$60 milhões.A
sede da Dongfeng Dana Axle em Xiangfan (China), vai empregar
aproximadamente 8.000 pessoas nas unidades de produção em Xiangfan
e Shiyan, e no centro de pesquisa e desenvolvimento em Wuhan.
A joint venture fornecerá principalmente para a Dongfeng
Motor, uma das maiores fabricantes de caminhões do mundo, ao
mesmo tempo em que expandirá sua oferta de produtos e aumentará
o número de clientes na China.
Para a Dana, a joint venture era uma grande oportunidade de
equilibrar operações naAmérica do Norte e na Ásia, além de importante
projeto concretizado com a Dongfeng, atendendo as necessidades de
fornecimento de eixos da Dongfeng Motor, ao mesmo tempo em que
servirá de base mundial para o fornecimento de eixos médios e pesados.
Outros países da região também têm demonstrado altos níveis
de crescimento, como é o caso da Índia, que tem crescido 8% em
média ao ano, e se transforma rapidamente em potência mundial nos
setores de informação e biotecnologia. Empresas como Biocon, Shantha
Biotechnics e Panacea Biotech são exemplos na área farmacêutica.
Moserboer, TCS, Infosys, Wipro, TCL e Satyan já se tornaram
referência no setor de tecnologias da informação, além de Bajaj e Tata
no setor automobilístico, entre muitas outras empresas. Constata-se,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Domingos Sávio Corrêa -- 289

também, um crescimento das aquisições trans-fronteiras indianas:
apenas no primeiro semestre de 2006 foram adquiridas 76 companhias
no exterior, com investimentos da ordem de US$ 5,2 bilhões; os dados
referentes aos nove primeiros meses de 2006 apontam 115 aquisições
no exterior, que alcançaram um valor total de US$ 7,4 bilhões .
Além de China e Índia, outras economias também têm
apresentado altos índices de crescimento econômico, como é o caso do
Vietnã, que se tornou o 150º país incorporado à Organização Mundial
do Comércio em janeiro de 2007, e cuja taxa de crescimento em 2006
foi de 8,2%. A meta de crescimento para 2007, conforme o primeiroministro vietnamita será de 8,5% (AGÊNCIA EFE, 28/12/2006).
No Vietnã, no setor de tecnologia, a QUALCOMM, uma
empresa norte-americana líder em tecnologia CDMA (Code Division
MultipleAccess) e outras tecnologias sem fio avançadas, formou joint
venture com a IQLINKS, fabricante de telefones celulares sediada no
Vietnã, em agosto de 2006.AIQLINKS é o primeiro fabricante desses
aparelhos no Vietnã. É também a primeira empresa sediada no Vietnã a
firmar um contrato de licença de patente com empresa dos EUA para
desenvolver, fabricar e comercializar unidades de assinantes e placas de
modem. Segundo os termos do contrato de joint venture, a IQLINKS
firmou com a QUALCOMM um contrato de licença para fabricação de
unidades de assinante CDMA e planeja fabricar aparelhos 3G CDMA.
Taiwantem apresentadomédiade 8% decrescimentonas últimas
três décadas, e é desse pequeno país uma empresa que se expande
relacionada ao setor de informática e comunicações, a BenQ, uma
empresa que havia adquirido a divisão de celulares da alemã Siemens
em junho de 2005 e formou a BenQ Mobile.Aassociação entre BenQ
e Siemens, com problemas financeiros e imagem negativa, terminou por
falir e foi recentemente liquidada (em janeiro de 2007).ABenQ Mobile
possui umaplanta principal em Muniquee duas outras menores.Já foram
demitidas cerca de 2 mil pessoas, mas ainda restam mil funcionários
Em 2005 o Sri-Lanka cresceu 5,6% e a Tailândia 4,5%,
percentuais superiores, por exemplo, ao do crescimento do Brasil, no
mesmo ano. Na média do período 1991-2003, o crescimento asiático
(7,87%) é inferior ao crescimento da China (11,45%), mas supera, no
mesmo período, repito, em média, o crescimento do mundo (4,14%),
daAmérica Latina e do Caribe que, em conjunto, cresceram 3,85%; o
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

290 -- DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ESTRATÉGIAS ...

crescimento da Argentina (3,55%) e do Brasil (1,98%) (VIEIRA,
2006). As previsões do FMI para o crescimento mundial e do Brasil,
em 2006, eram respectivamente de 5,1% e 3,6%.
A China é um país que tem demonstrado grande disposição
para aquisições e demonstra um apetite diversificado, procurando
adquirir bancos e empresas de informática americanas, indústrias do
setor de agro-alimentos, do setor de eletrodomésticos da Europa ou
ativos petroleiros canadenses no Cazaquistão, entre outras.
Além dos índices de crescimento dos citados países, entre
as 10 Bolsas de Valores com melhor desempenho no mundo em
2006, quatro são de Bolsas de Valores asiáticas: o índice de ações
Ho Chi Minh do Vietnã (alta de 150%), o Índice Xangai Xenzen
300 (alta de 109%), o Índice de Empreendimentos Hang Seng
China de Hong Kong (alta de 68%) e o Índice Composto Jacarta
da Indonésia (alta de 67%).
Considerações finais
É importante ressaltar que no geral o crescimento econômico
asiático resulta, em linhas gerais, da adoção de políticas de
desenvolvimento nacionais, de projetos e estratégias de expansão
econômica fundamentalmente com a ação e participação do Estado,
em um contraponto às receitas dos organismos econômicos
internacionais, e bem distante dos preceitos neoliberais. É também
um contraponto ao pífio desenvolvimento latino-americano, aberto
ao receituário de FMI e demais órgãos de controle (Banco Mundial,
etc.), além da aceitação passiva do papel do Estado apenas como
regulador da economia. Em uma "análise" no mínimo contraditória,
os defensores do livre mercado, em muitos casos associados ou
patrocinados por agências de informação norte-americanas, avaliam
o crescimento desses países como o resultado das propostas de
abertura comercial e econômica implementadas na região: esquecemse das suas políticas autônomas, da atuação do Estado, fomentando,
financiando e incentivando ações, com opções claras realizadas por
esses países no caminho do crescimento e do desenvolvimento
econômico. Algo pode ser esclarecido com a atuação de um Estado
como o da China, que utiliza instrumentos de planejamento,
investimentos em infra-estrutura e incentiva o surgimento e o
crescimento de empresas atuantes e competitivas.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Domingos Sávio Corrêa -- 291

Referências Bibliográficas
ARRUDA, C., TELLO, R. & LARA, A. L. O desafio da
competitividade: Ásia uma força competitiva emergente. Disponível
em: < http://ci.fdc.org.br >Acesso em: 14 nov. 2006
BANCA de investimento atinge recordes na região asiática.
Disponível em: Acesso em
19 mai. 2006.
COMPRAS e fusões giram quase US$ 90 bi. Disponível em:

Acesso em 22 dez. 2006.
EMPRESAS asiáticas brilham em ranking. Disponível em:
Acesso em 17 out. 2006.
GIRIDHARADAS, Anand. Ascensão do Sul: novas potências
disputam a Corus. Disponível em: Acesso em
21 nov. 2006.
HAMM, S. eROBERTS, D. Na Lenovo. Chinafaz seu primeiro
capitalista global. Valor Econômico, 29,30 e31/12/2006 e 01/01/2007.
LEAHY, Joe. Tata Steel pretende intimidar rival brasileira.
Disponível em: Acesso em 21 nov. 2006.
OLIVEIRA, A. P. de. Formação de uma economia regional no
Leste Asiático. Cadernos Geográficos, UFSC, Florianópolis, nº
13. Abril de 2006.
ROVETTA, P. Las empresas chinas avanzan em su
internacionalización: China en el Fortune 500. Disponível em:

Acesso em 08 nov. 2006
TELLO, R., ARRUDA, C. & ARAÚJO, M. China: o dragão
ainda mais competitivo. Disponível em: < http://ci.fdc.org.br >
Acesso em 08 nov. 2006
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

292--

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E ESTRATÉGIAS ...

VIEIRA, F. V. China: crescimento econômico de longo prazo. Revista
de. Economia Política, São Paulo, v. 26, nº. 3, 2006. Disponível em:
.Acesso em 30 Jan 2007.
Periódicos:
Agência Estado (26/06/2006)
Financial Times (21/11/2006)
Folha de São Paulo (22/11/2006; 12/12/2006)
Gazeta Mercantil (01/06/05; 29/06/2006)
O Estado de São Paulo (05/04/2005; 17/10/2006)
Revista Exame (02/02/2007).
Revista Carta Capital (20/09/2006 e 20/12/2006)
The Economist (12/10/2006).
Valor Econômico (21/12/2006; 22/12/2006; 29/12/2006; 11/01/
2007; 18/01/2007)

NOTAS

O VIETNÃ VOLTAA ESTAR EM FOCO
Amaury Porto de Oliveira*
Novembro de 2006 foi um mês de glória para o Vietnã. No
dia 7, o país foi afinal aceito na OMC, após quase doze anos de
nego ciações. E no dia 18, abriu-se em Hanói a sessão anual daAPEC,
com a presença dos Presidentes dos EUA e da China e mais uma
corte de Chefes de Estados e de Governos. O acordo que permitiu o
ingresso formal na OMC foi concluído em Genebra, a 26 de outubro,
e passa por incluir as exigências mais rigorosas até hoje cobradas de
um candidato à organização. Hanói concordou , entre outras coisas,
em permanecer numa lista de economias ditas "não de mercado", que
dificulta ao país defender-se de eventuais acusações da prática de
dumping e da qual poderá ter de esperar anos para ser retirado.
O Vietnã tem 84 milhões de habitantes e uma renda per capita
de apenas 640 dólares, menor do que a do Sri Lanka e da Indonésia.
Continua a ser um dos países mais pobres da Ásia, o que não é de
surpreender quando se re corda a devastação a que foi submetido
pela aviação dos EUA. Nenhum país do SudesteAsiático pagou mais
caro do que o Vietnã para garantir sua independência nacio nal. O
General Westmoreland ameaçou mais de uma vez levá-lo de volta à
Idade da Pedra, e trabalhou duro para isso. Basta lembrar a Operation
Ranch Hand, no curso da qual aviões americanos espalharam sobre
campos e matas vietnamitas 40 milhões de litros do agente alaranjado,
20 milhões de litros do agente branco e 8 milhões do agente azul.
Dados oficiais de Hanói estimam que 2,2 milhões de hectares de
florestas e campos de cultivo, 20 milhões de metros cúbicos de madeiras
de valor comercial, 135 mil hectares de plantações de borracha e 300
milhões de tone ladas de alimentos foram perdidos, em conseqüência
dessa operação e outras do gênero.
Apesar desse legado, o Vietnã está crescendo a 7,5% por ano
desde 2001, e poderá alcançar 8% em 2006. A expec tativa de vida
*

Foi embaixador do Brasil em Cingapura, ?...
membro do Grupo de Conjuntura
Internacional da USP (GACINT) e membro fundador do N?J
cleo de Estudos
Asiaticos da USFC. O Vietn? volta a estar em foco foi publicado pela revista
eletrtÉnica Carta Internacional em novembro de 2006 (p.3 - 7).

296 -- O VIETNÃ VOLTA A ESTAR EM FOCO

deu um salto nas duas últimas décadas, e a mortalidade infantil desabou.
O país ostenta uma das mais altas taxas de alfabetização do mundo.
Quase três quartos das crianças em idade de freqüentar o ensino médio
es tão efetivamente matriculadas. Estudos do Banco Mundial acentuam
o caráter altamente igualitário do crescimento econômico do país.
Fazendo um pouco de história, vale recordar que os viets, assim
como os tais (os tailandeses de hoje), são povos descidos há muito
tempo da China e que levaram adiante, na periferia do colosso chinês,
um lento processo de con solidação de Estados nacionais. Ambos
revelaram, desde o início, tendências expansionistas e dominadoras.
Lutaram muito entre si, provocando a ruína, sob o fogo cruzado das
respectivas ambições, do Império Khmer, sede entre os séculos VII e
XII da Era Cristã da brilhante civilização angkoriana. No século XIX,
os colonizadores franceses so brepuseram-se às disputas entre tais e
viets, criando para o uso deles, franceses, o conceito da Indochina: a
agrega ção administrativa das terras vietnamitas com o Laos e o
Camboja.ATailândia (Sião) permaneceu independente.
De um modo geral, a colonização européia teve impor tantes
efeitos espaciais e demográficos sobre todo o Sudeste Asiático.
Introduziu-se a prática do desflorestamento em larga escala, a fim de
criar espaço para as plantações co loniais a serviço do mercado
internacional. A mineração do estanho alterou a distribuição da
ocupação humana em amplas áreas, somando-se ao agrobusiness na
exigência de estradas-de-ferro e portos modernos. Pântanos foram
se cados e velhos rios tiveram os seus cursos alterados para permitir o
aparecimento de bolsões dedicados ao cultivo do arroz. Todas essas
atividades provocaram o influxo de levas e levas de imigrantes chineses
e indianos, com conse qüências de monta para a estruturação social e
a distribui ção da riqueza nos países da área. Particular importância
adquiriram, a este último respeito, as minorias chinesas.
OVietnãestáhojefirmementeintegradonaANSEA,aAssociação
das Nações do Sudeste Asiático, que no en tanto foi criada, em 1967,
com um forte viés de oposição ao Vietnã comunista. Em 1975, após
derrotaremsucessi vamenteaFrançaeosEUA,os "vietcongs"unificaram
seupaíseprovocaramumaobservaçãodoPrimeiroMinistrodeCingapura,
Lee KuanYew, para quem "nãohaviano SudesteAsiático composição de
forças capaz de deter os vietnamitas". Eles tentaram de fato restaurar sob
seu con trole a velha Indochina, começando por ajudar, ainda em 1975, a
fundação da República Democrática Popular do Laos. A situação
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Amaury Porto de Oliveira -- 297

complicou-se,porém,doladodoCamboja,eoVietnãterminouporinvadir
militarmente esse país, em dezembro de 1978, a fim de depor o regi me
ultra-radicaldePolPoteinstalarumgovernoami go.AGuerradoCamboja
iria estender-sepor mais de onzeanos como um dos conflitos mais típicos
da Guerra Fria, até a reunião em Paris, a 23 de outubro de 1991, da
Conferência Internacional sobre o Camboja, da qual saiu um acordo de
paz aprovado quatro meses mais tarde pelo Conselho de Segurança das
Nações Unidas.As acomoda ções pós-Camboja, no SudesteAsiático,
deram ensejo aqueaANSEAseconstituísseem organizaçãoefetivamente
regional, abarcando todos os dez países da área.
ARepública Socialista do Vietnã (RSV) tem trajetória muito
próxima da da República Popular da China (RPC). Originaram-se
ambas de movimentos políticos fundados na década dos 1920, como
parte da Terceira Internacional leninista, e têm em comum o fato de
nunca se terem en quadrado nos esquemas estratégicos dos EUA para
a Ásia. Numa primeira fase, as opções econômicas da RSV foram
semelhantes às da fase maoísta da RPC, e em meados da década dos
1980 oVietnã introduziu reformas, conhecidas como dói moi, refletindo
a busca iniciada na China, por Deng Xiaoping, pela criação de uma
economia de mercado sem necessidade de reforma do sistema político.
Em abril de 2006, o X Congresso do Partido Comunista do Vietnã
(PCV) adotou novo plano qüinqüenal, com o objetivo de tornar o
Vietnã um país industrial moderno até a altura de 2020. Eu procurarei,
a seguir, fornecer um resumo do que já fizeram e pretendem fazer os
vietnamitas em direção a tal objetivo.
Retornarei ao ano de 2001, que pode ser visto como o de uma
nova partida para o Vietnã, após fase de mau de sempenho econômico
provocado entre outras causas pela crise financeira asiática do final da
década dos 1990. Em março de 2001 reuniu-se o IX Congresso do
PCV e uma série de ajustes de personalidades puderam ser ali feitos, de
maneira a melhor equacionar o duplo dilema que vinha emperrando o
processo dói moi: (i) como obter progresso e segurança em cooperação
com os ocidentaissem anta gonizaraChina; (ii)como estimularcomércio
e investi mentos doOcidente sem enfraquecer adeterminação do regime
de levar adiante as reformas, mantendo a intocabi lidade do partido.
Uma das chaves para o período de prosperidade ini ciado em
2001 foi o estabelecimento de relações diplomá ticas com os EUA. Bill
Clinton foi o primeiro Presidente americano a decidirenfrentar os grupos
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

298 -- O VIETNÃ VOLTA A ESTAR EM FOCO

domésticos que impediam uma aproximação com oVietnã.O mais vocal
desses grupos era a associação das "Filhas da RevoluçãoAmericana",
com grande peso eleitoral, e que agitava o pro blema artificial dos
"Desaparecidos emAção". Insistia esse movimento na necessidade de o
governo vietnamita forne cer prova cabal do destino de soldados
americanos, cujos corpos não tivessem sido recolhidos durante a guerra.
A não ser que se exi bissem a ossada e o local do sepulta mento,
levantava-se a suspeita de que o soldado estava vivo e usado como
escravo em algum empreendimento doVietnã comunista. Logo no início
do seu governo, Clinton encarregou o General John Vessey de discretas
mis sões no Vietnã, e o problema dos desaparecidos foi sendo
contornado. Em 1995, foi aberta a Embaixada dos EUA em Hanói e,
em novembro de 2000, o próprio Clinton vi sitaria oficialmente aquela
capital.Após longas negocia ções, começaria a ser implementado, em
2002, um Acordo Comercial Bilateral que daria grande impulso às
exporta ções vietnamitas para os EUA, mas sem deixar de provo car
disputas comerciais, que figuraram entre os embaraços para o ingresso
do Vietnã na OMC. Desdobramento posi tivo da normalização das
relações com os EUA foi a aber tura de canais para a participação, na
obra de construção nacional, da importante diáspora dos vietkieus.
Refugiados da época da guerra, muitos deles enriqueceram nos EUA e
suas remessas para a velha pátria vêm alcançando mais de um bilhão de
dólares por ano, além de contribuições diretas sob a forma de aberturas
de empresas de alta tec nologia.
As relações com a China estão atravessando fase tran qüila e
construtiva. Sem deixar-se enfeudar pelo "grande irmão do Norte", o
Vietnã mostra-se discípulo atento das soluções que vai encontrando a
China para a edificação de um socialismo de mercado e para o
relacionamento com as forças transnacionais definidoras da globalização.
Firmas globais começam a responder aos incentivos que lhes ofe rece
Hanói e a instalar-se no Vietnã. Exemplo recente foi a decisão da Intel
de abrir uma fábrica para pastilhas semi condutoras, na cidade de Ho
Chi Minh, num investimento de 605 milhões de dólares.
Além dos incentivos fiscais e outros, dados ao capital
estrangeiro, o governo de Hanói tem dedicado especial atenção à
consolidação da infraestrutura material do país. Tanto a administração
central quanto as provinciais cria ram instituições especializadas na
coleta de fundos, de diversas procedências, e no fornecimento de
assistência técnica para projetos específicos de infraestrutura. Entre 9
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Amaury Porto de Oliveira -- 299

e 10 por cento do PIB vão sendo investidos nesses pro jetos, voltados
para os transportes, a produção de energia, os sistemas de
telecomunicações, de água e saneamento.Amalha nacional de estradas
mais do que dobrou, no último lustro, e toda a área urbana e 88% da
área rural estão hoje eletrificadas. O crescimento da população urbana
vem al cançando um milhão de novos citadinos por ano.
O Banco Mundial levou a cabo, entre 2004 e 2006, um amplo
estudo sobre "o desafio estrutural do Vietnã", dis ponível na Internet.
São seis volumes cobrindo exaustiva mente os problemas e as
realizações no tocante ao cresci mento e ao gerenciamento da moderna
infraestrutura do país. Não me será possível resumir aqui todo esse
material, e vou dar apenas uma idéia da situação na área da geração
de eletricidade.Ademanda de eletricidade vem crescendo, no Vietnã,
ao ritmo de 15% por ano, e o governo se vê na necessidade de introduzir
novos arranjos institucionais, de maneira a permitir a expansão maciça
da produção de energia e a criação de um mercado competitivo para
o se tor. Aoferta de energia terá de dobrar nos próximos cinco anos e
as medidas correspondentes estavam sendo ultima das em começos
de 2006, simultaneamente nas indústrias do carvão e dos
hidrocarbonetos.As reservas de carvão já conhecidas permitirão elevar
a produção dos 20 milhões de toneladas atuais para 45 milhões de
toneladas, mas so mente a parcela de qualidade inferior poderá ser
utilizada domesticamente, diante da necessidade de seguir expor tando
o carvão de uso metalúrgico. O Vietnã é importante produtor e
exportador líquido de petróleo, havendo pro duzido 16 milhões de
toneladas em 2004. Foi quase tudo exportado, em troca da importação
de 11 milhões de to neladas de produtos petrolíferos. Quanto ao gás
natural, há significativas reservas ao largo da costa, tanto de gás
associado quanto de gás seco, mas ainda faltam dinheiro e tecnologia
para bem aproveitá-las. Como apropriado a uma economia de tipo
socialista, a produção da energia é dominada pelo Estado, mas o setor
se abre gradativamen te às forças do mercado.AEletricidade do Vietnã
(EVN) tem-se mostrado apta a crescer como empresa essencial mente
comercial, mantendo seu orçamento separado do orçamento do Estado
e incrementando laços com inves tidores privados, inclusive do
estrangeiro. Tem-se aí um terreno no qual os vietnamitas vão sabendo
extrair lições da experiência chinesa.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

300 -- O VIETNÃ VOLTA A ESTAR EM FOCO

Além do petróleo, o Vietnã é hoje importante expor tador de
commodities: têxteis e vestuário; calçados; pro dutos de madeira. Tem
sabido, em particular, explorar suas possibilidades na agricultura,
buscando ultrapassar a Tailândia nas exportações de arroz e havendo,
inclusive, dado um susto no Brasil, há alguns anos, quando apare ceu
como grande exportador de café.Acaba de tornar-se o maior exportador
mundial de pimenta e dis tingue-se nos mercados internacionais de
ma riscos. O fluxo de mercadorias vem sendo su plementado por
exportações de mão-de-obra. Há cerca de 400 mil vietnamitas
trabalhando temporariamente no exterior, fonte importan te de remessas
de divisas. O governo fixou-se a meta de elevar em 27%, nos próximos
dez anos, as exportações de produtos eletrônicos.
Globalização em tempos de liderança chinesa
Aimprensa internacional vem apontando o Vietnã, neste ano
de 2006, como o "tigre da vez". A metáfora evoca o surto
desenvolvimentista que percorreu o Leste Asiático, nas décadas dos
1980 e 1990, época do florescimento dos "novos países industriais"
(NPI, ou NIC na sigla inglesa): Coréia do Sul, Taiwan, Hong Kong e
Cingapura. Mas a si tuação já não é a mesma, neste início do século
XXI. O rompante dos "tigres", descrito pelos japoneses como "a
re voada dos gansos selvagens", expressava a descida vertical pela
orla asiática do Pacífico do modelo de industrialização tardia inventado
no Japão da Era Meiji. No pós-Segunda Guerra Mundial, Estados
desenvolvimentistas de tipo ja ponês foram levados a organizar a
economia regional do LesteAsiático, enquanto assim interessou à Pax
Americana. Ao tornar-se o processo incômodo para a supremacia da
economia dos EUA, iniciativas de contenção começaram a ser tomadas:
a "Guerra nas Estrelas", de Ronald Reagan; a valorização forçada do
iene na famosa Reunião do Hotel Plaza, de NovaYork; a crise financeira
asiática de 1997. A expectativa que existia, de uma III Revolução
Industrial modelada pelo Japão, cedeu lugar à visão de uma econo mia
globalizada, em marcha para a Idade da Informação. E ganhou relevo
a China, em processo acelerado de reju venescimento.
Sob a Pax Americana, os EUA pretenderam estruturar a
economia do LesteAsiático abstraindo a existência da China, com os
seus 9.500.000 de km² e 800 milhões de habitantes na época. Durante
vinte anos, governos demo cratas e republicanos revezaram-se em
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Amaury Porto de Oliveira -- 301

Washington es forçando-se por implementar essa absurda pretensão.
Os aliados europeus dos EUA foram compelidos a aplicar à China
proibições de transferência de tecnologia mais seve ras do que as em
vigor para a URSS. Os ativos financeiros chineses nos EUA foram
congelados e navios americanos proibidos de demandar portos da
China. Países aliados foram conclamados a pôr em prática um amplo
embargo comercial e de contatos pessoais com a RPC, arrastando-se
para isso inclusive o Japão, com sua complementaridade natural e
milenar com a China. No final dos anos de 1960, por motivos de política
doméstica, os EUA começaram a repensar suas posições diante da
China, e quando em 1971 aAssembléia das Nações Unidas pôs fim,
por expressiva maioria, a vinte anos de recusa americana a que se
entre gasse ao enviado da RPC o assento da China na organi zação,
tomou Washington a iniciativa da visita a Pequim do próprio Presidente
Richard Nixon. Relações di plomáticas plenas entre EUA e China iriam
ser encetadas a 1º de janeiro de 1979.
Por notável coincidência, essa data foi também o primei ro dia
da entrada em vigor das "Quatro Modernizações", o programa de
reformas que Deng Xiaoping fizera aprovar pelo Comitê Central do
PCC, em dezembro anterior. Era a época, ainda mais, da guinada dos
NPIs asiáticos em dire ção ao patamar da Idade da Informação. Deng
estava cer cado de assessores que vinham acompanhando com gran de
atenção o avanço dos NPIs, três dos quais faziam parte do universo
chinês. Antes mesmo da aprovação das suas reformas, Deng buscou
entrosá-las com o dinamismo da diáspora chinesa na Ásia Pacífico e
logo em 1979 aprofun dou o movimento, através da criação de quatro
"zonas eco nômicas especiais", localizadas a dedo para atrair
empre sários de Hong Kong, Taiwan e terras do Sudeste Asiático.
Pequenos e médios empresários dali foram transferindo produção para
as ZEEs, dando origem à extraordinária transformação do Delta do
Rio das Pérolas na "oficina do mundo", de que se fala hoje. Em 1992,
já quase nonagená rio, Deng efetuou sua famosa "viagem imperial" às
pro víncias do Sul e Xangai, a fim de estimular os magnatas da diáspora
a também investirem no progresso material da China.
Incluindo as populações de Taiwan, Macau e Hong Kong, os
chineses de ultramar andavam naquela época em torno de 60 milhões de
indivíduos. Deixando de lado as migrações remotas dos tais e dos viets,
a diáspora atual constituiu-se nos últimos 600 anos, graças às levas de
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

302 -- O VIETNÃ VOLTA A ESTAR EM FOCO

chi neses que por algum motivo abandonavam o Império do Meio e iam
assentar-se em terras do Sudeste Asiático ou mais além. Estrangeiros
assalariados, bar rados em geral de possuir terra ou exercer profissão
liberal, as atividades comerciais eram as únicas possíveis para quem
aspiras se subir socialmente. Muitos enriqueceram trabalhando duro e
levando vida frugal. Era natural que eles se associassem em redes de
informações, de crédito e de contatos sociais. Com o tempo, suas firmas
familia res estruturaram-se numa grande malha de empresas que
cooperam discretamente entre si. Está ela na base de boa parte do
progresso das economias do Círculo Chinês (con ceito que agrega a
China continental a Taiwan, Hong Kong e Macau). É válido chamar
"capitalismo internacional chi nês" à imensa massa de recursos
acumulados nas mãos da diáspora chinesa. Hong Kong firmou-se como
a principal praça de capitalização e recirculação desses recursos.
Anteriormente a 1975, quando lutavam entre si as duas metades
do Vietnã, com o Vietnã do Sul reduzido a prote torado dos EUA,
eram os chineses étnicos que dominavam a economia meridional.
Controlavam 80% da indústria, 50% das atividades financeiras e
bancárias, nove décimos do comércio atacadista e metade do comércio
a retalho.Areunificação de 1975, sob a liderança do Norte comu nista,
determinou num primeiro momento a tentativa dos radicais do PCV de
"reeducar" o estamento mercantil, pro vocando a emigração
atabalhoada de dezenas e dezenas de milhares de indivíduos (episódio
que ficou conhecido como o dos boat-people). Uma das principais
conseqüên cias das reformas dói moi, em 1986, iria ser a reativação
da parte da minoria chinesa que não havia fugido, mas se retraíra de
atividades visíveis. Um censo de 1989 registrou 960.000 chineses
étnicos ativos no conjunto do país, dos quais 80% no Vietnã do Sul e
apenas 10.000 deles na cida de de Hanói, no Norte.
O Vietnã em reforma tornou-se um ímã para o capi talismo
internacional chinês. Entre 1988 e 1993, dos sete bilhões e meio de
dólares alocados a projetos de infraes trutura no Vietnã, 40% foram
assumidos por capitalistas chineses da região, com predominância de
investidores de Hong Kong e Taiwan.Aeconomia vietnamita entrosase, assim, com a modernização do já mencionado Círculo Chinês,
conceito historicamente mais avançado do que o da projeção pelo Leste
Asiáticododesenvolvimentismoja ponês,com osseus "tigres".Tentando
captar a essência dos dois momentos históricos que a frase anterior deixa
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Amaury Porto de Oliveira -- 303

entre ver, eu direi que, nas décadas dos 1950-1970, o progresso
econômico do LesteAsiático esteve subordinado à geopo lítica; a partir
dos anos 1980, intensifica-se a globalização e a política vai cada vez
mais depender da geoeconomia. Robert Manning, um pesquisador da
George Washington University, descreveu com acuidade, em artigo de
fins de 1993, essa mutação histórica: "O principal fator de uni ficação na
Ásia Pacífico é,hoje, o dinamismo econômi co e tecnológico que sacode
a região, dando nova forma aos interesses, expectativas e visões de
segurança de toda uma geração de tomadores de decisões.Anova lógica
da geoeconomia e os imperativos que fluem da importância superior
atribuída às capacitações comerciais e tecnológi cas defrontam-se com
a lógica tradicional da geopolítica. Surgem novas oportunidades de
parcerias, em contrastecom as velhas atitudes, quecercavam de suspeitas
a con cepção da segurança nacional."
O Vietnã de hoje é um bom exemplo dessa integração madura
com o grande mundo. O ano de 1991 foi rico de eventos que poriam o
país nessa nova rota. Foi o ano do colapso da União Soviética e do
conseqüente término da aliança Hanói-Moscou, em função da qual
vinham-se definindo os relacionamentos internacionais do Vietnã. Em
contrapartida, a assinatura em outubro de 1991 da paz no Camboja
possibilitou a normalização das rela ções diplomáticas com Pequim,
abrindo caminho para o entrosamento do Vietnã no Círculo Chinês. E a
reunião do Sétimo Congresso do PCV, com a escolha de Do Muoi para
Secretário-Geral, colocou à frente do país um políti co hábil e de visão,
que logo encetaria o discreto trabalho de normalização das relações com
os EUA, superando os ressentimentos que não podiam deixar de ter
criado as dé cadas de confrontação sangrenta com os americanos.
Em suma, embora o Vietnã comece a exibir a agressi vidade
desenvolvimentista que foi típica dos NPIs da fase do predomínio
japonês, não parece apropriado falar dele como um "tigre". Há muito
mais em jogo. As opções do Vietnã têm tudo a ver com as da China,
que é agora o mo tor do progresso na Ásia. E a boa definição para os
dois países é a sugerida por Manuel Castells: um Estado revolu cionáriodesenvolvimentista.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

VIETNÃ: O TIGRE VERMELHO
Armen Mamigonian*?
Em 1986 iniciou-se a batalha que o Vietnã está travando de
sua reinserção independente na economia mundial e sua rápida
transformação em novo tigre asiático, acelerando seu ritmo de
crescimento anual de 4,5% de 1986 a 1990 para taxas acima de 7%
ao ano de 1991 até hoje, o que significa que a nação triplicou o
tamanho de sua economia nos últimos vinte anos.
A primeira inserção foi imposta pela invasão francesa iniciada
em 1858, na época em que a Inglaterra forçou a concessão de HongKong (1844) e os EUA ocuparam portos japoneses (1853). Em 1885
quando atacaram Huê, a capital imperial, além dos incêndios e pilhagens,
foram mortos 1500 vietnamitas contra 11 franceses.AFrança impôs a
cobrança de impostos sobre o sal, o álcool e o ópio, provocando
sangria permanente à população, estimulou o acesso à terra aos
latifundiários franceses e locais e fundou o Banco da Indochina, que
estruturou o sistema colonial, levando por exemplo ao plantio de
seringueiras, visando abastecer à nascente indústria automobilística
francesa. Entretanto, não se deve esquecer que o Vietnã construiu
durante mil anos sua nacionalidade e sempre enfrentou vitoriosamente
sucessivas invasões das dinastias chinesas, sobretudoYuan (mongol) e
Quing (manchu), forjando seus heróis e suas doutrinas militares.
A vitória darevolução soviética deu grandeimpulso à resistência
dos povos asiáticos ao domínio imperialista. Ho Chi Minh explicitou
seu nacionalismo em Moscou (1924): "Marx construiu sua doutrina
sobre uma certa filosofia da História: mas que História? A da
Europa. Mas o que é a Europa? Não é toda a humanidade". Em
1930 a fundação do PC do Vietnã e as grandes mobilizações
camponesas deram um rumo mais efetivo à resistência popular. G.
Dimitrov, dirigente da Internacional Comunista e arguto analista do
panorama mundial, observou após a derrota daAlemanha nazista, que
*

Professor dos programas de pós-graduação em Geografia da UFSC e da
USP; contou com a colaboração de Camila de Souza Ferreira, aluna da
Geografia da USP. Verbete para o Dicionário de Globalização, que Bernardo
Kocher está organizando.

306 -- VIETNÃ: O TIGRE VERMELHO

nova onda fascista partia dos EUA. No Vietnã os norte-americanos
substituíram os militares japoneses e franceses derrotados em 1945 e
1953 e impuseram guerra brutal. Na imprensa ocidental não se diz que
os EUAatiraram quatro vezes mais bombas no Vietnã do que durante
a 2ª Guerra Mundial, mataram mais de 3 milhões, principalmente civis
e feriram mais de 4 milhões e ainda hoje bombas e minas terrestres
fazem vítimas entre camponeses e crianças. Despejaram mais de 80
milhões de litros de produtos químicos, sobretudo o agente laranja,
com dioxina tóxica, responsável por devastar mais de 2 milhões de
hectares de florestas, destruir plantações e afetar milhões de vietnamitas,
com mortes, nascimentos com deformações e seus efeitos biológicos
ainda não foram totalmente controlados. No processo de
descolonização da Ásia e da África, a guerra do Vietnã foi a mais
importante batalha de independência nacional e o slogan Socialismo
ou barbárie mostrou-se intensamente verdadeiro.
O Vietnã, vizinho do Camboja e do Laos e separado deles
por longa cadeia de montanhas no sentido norte-sul, limita-se ao norte
com a China, tendo a leste extenso litoral de 3 mil quilômetros. Com
80,8 milhões de habitantes em 2003 (74,2% rurais e 25,8% urbanos),
tem alta densidade de 244 habitantes por km², pois ocupa um território
de apenas 329 mil km², equivalente ao Maranhão, dos quais ¾ de
relevo montanhoso, de onde descem pequenos rios encachoeirados,
que garantem hidroeletricidade barata e que se espraiam em planícies
litorâneas, base da rizicultura irrigada, ampliadas no extremo norte (delta
do Tonkin) e no extremo sul (delta do Mekong), onde nasceram Hanoi
e Saigon, suas duas grandes cidades.
Em 1986, diante da persistência do subdesenvolvimento, do
bloqueio econômico capitalista e dos perigos da Perestroika soviética, o
PC do Vietnã assumiu a reforma econômica, baseada no modelo chinês
de Deng Tsiaoping. O Estado vietnamita manteve o monopólio do
aparelho bancário, do comércio exterior, dos setores de energia e
transportes e das grandes indústrias (cimento, cerveja,etc), mas diminuiu
sua presença econômica direta, aumentando sua presença indireta
(planejamento). Manteve a propriedade estatal da terra, mas estimulou
os contratos de parceria com os camponeses, estimulando grandes
aumentos da produção, a mais significativa das quais na rizicultura, que
saltou de 19,2 milhões de toneladas em 1990 para 34,5 milhões em
2003. Com a diminuição da produção na China, Japão e Coréia do Sul,
o Vietnã aumentou suas exportações de 1,4 milhão em 1989 para 4,2
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Armen Mamigonian-- 307

milhões em 2003, com o arroz de alta qualidade alcançando a Europa.
Com boas jazidas de fosfatos, o Estado instalou fábricas de fertilizantes,
que ajudaram o salto da agricultura, também visível nas crescentes safras
de café e de borracha, aproveitando as condições tropicais, os
conhecimentos agronômicos e as crises nos mercados produtores
(Colômbia no café e Malásia na borracha). Hoje o Vietnã é o 2º produtor
mundial de café (20º em 1990) e o 6º de borracha natural (8º em 1990).
Maisdoqueocrescimentoagrícolaéaindústriaquetemgarantido
o grandedinamismo econômico, pois aindústria cresceu a taxas anuais de
12,5% nos anos 90 e 14% nos anos 2000. Assim, a agricultura caiu de
43% para 21,7% do PIB de 1986 a 2003, enquanto a indústria subiu de
29,3% para 40,5% e os serviços de 27,7% para 37,8%. Em 2000 a
participação do Estado no PIB foi de 39%, a produção familiar 32% e o
capital estrangeiro 13,3%, em decorrência da política de joint-ventures
em que o Estado controla 51% do capital e a empresa estrangeira 49%.
Firmas japonesas participam deste processo: a Canon transferiu da China
suafábricademáquinasfotográficaseaHonda,YamahaeSuzukiinstalaram
fábricasdemotocicletaseconômicas,quecirculamnascidadessobo limite
de 40 km/hora. São 1,6 milhão em Hanói e 2,6 milhões em Ho Chi Minh
(ex-Saigon), quando aChinatem 30 milhõeseoBrasil 1milhãode motos.
A KIA coreana produz pequenos caminhões e automóveis (43 mil em
2004), atraindo a POSCO, que da Coréia remete aço em placas para
laminação (como faz no México). No setor de petróleo, onde também
houve grande expansão, a PVDSA está fechando acordo para extração
off-shore.AIntel norte-americana está investindo US$ 600 milhões em
fábrica de semi-condutores. Aliás, o Estado vietnamita planeja atrair
indústrias de alta tecnologia permitindo o controle de 60% pelo capital
estrangeiro, que totalizou US$ 46 bilhões (2005). Entretanto, o grosso
das exportações de manufaturados é de produtos tradicionais de mão-deobra intensiva, de controle estatal majoritariamente: têxtil, confecções (2
milhões de empregados), calçados, etc. Há ainda empresas coletivas
(8,5%), integradas (3,9%) e capitalistas privadas (3,3% do PIB).Assim,
engenheirosvietnamitasformadosnos EUAretornaram àpátriaeumdeles
empregava 400 técnicos (2005), em programas de software.Aentrada
crescente de turistas estrangeiros (2,4 milhões em 2003) tem ajudado a
equilibrar as contas externas e a dívida externa caiu de US$ 22,2 bilhões
em 1990 para US$ 12,8 em 2000.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

308-- VIETNÃ: O TIGRE VERMELHO

O povo vietnamita e seus dirigentes têm enfrentado com
coragem e sucesso a batalha iniciada em 1986. O Vietnã mantém
inabalável sua independência nacional na recusa à auditoria do FMI ao
seu sistema bancário (2004) e no ingresso soberano na OMC (2006).
Realiza crescimento econômico mais igualitarista que o chinês,
diminuindo a pobreza de 70% da população em 1985 a 25% em 2004,
com 310 mil famílias promovidas a cada ano em média, bem como
diminuindo o desemprego urbano de 8 a 9% nos anos 90 para 5,8%
em 2003, além de usar 25% do orçamento em gastos sociais. Completou
a universalização do ensino primário em 2000 e elevou o número de
estudantes do ensino superior de 203 mil em 1995 para 1020 mil em
2004. O Vietnã constrói uma sociedade harmoniosa, onde as 54
minorias étnicas (15% da população) e os diferentes credos religiosos,
sobretudo os budistas, possam se sentir parte ativa da construção do
socialismo, fortemente industrializado, abundante e mais justo em 2020,
conforme o planejamento socialista em andamento.
Referências Bibliográficas
30 years after the war Vietnam on the road of renewal,
www.vietpeace.org.vn, 2005.
GIAP, V. N. O Vietnã segundo Giap. Rio de Janeiro: Ed. Saga, 1968.
SPITZCOVSKY, J. Anova guerra doVietnã. SãoPaulo: Ática, 1995.

A TERRA E O POVO DA CHINA
Pearl S. Buck*
Estas duas palavras terra e povo estão freqüente mente
unidas nas discussões de qualquer grupo na face da terra. São
empregadas para indicar o país, a associação da natureza e
humanidade, tão diferente da entidade política compreendida na
palavra nação. Assim sendo, referir-me-ei agora à China, terra e
povo e não à China como nação.
A terra e o povo em qualquer parte adaptam-se mutuamente.
Suponho que a terra está em primeiro lugar. A da China é extensa e
variada. Existem de sertos ao Norte, e no Nordeste montanhas
altas e ári das e densos vales férteis. Ao Norte o frio gélido; o
vento implacável soprando areia procedente de deser tos ainda mais
longínquos até entranhá-la no solo da região ao Norte. Ao Sul o
solo é profundo e rico, oferecendo a abundância dos trópicos. O
Leste defronta -se com o mar e o Oeste com a Himalaia. Grandes
rios e lagos, montanhas altaneiras, planícies imensas -- tudo quanto
a natureza pode exibir é encontrado na China. Nela se desenvolvem
os melhores e mais variados frutos. É de lá que se originam as
plantas que embele zaram o mundo todo.
Tornou-se inevitável que esta terra extensa e varie gada tivesse
que alimentar uma nação imensa e dife rente. Os chineses viveram
tanto tempo numa só face da terra, que adquiriram uma
homogeneidade de colo rido que só poderia ser conseguido nos
Estados Unidos após vários milênios, se fossemos tão bem sucedidos
quanto aqueles que viveram por milhares de anos. Deixando isto de
lado, deparamo-nos com a terra e sua variedade de alimentos
sustentando pessoas de aspecto diferente. Os que vivem ao Sul têm
no arroz a alimentação básica, e certamente ao nascerem em alguns
lugares, trazem nas veias a mistura do sangue dos aborígenes, sendo
*

Pearl S. Buck (1892-1973), filha de missionários presbiterianos norte-americanos,
viveu a infância e a adolescência na China, tornando-se romancista famosa em
assuntos chineses e femininos (prêmio Nobel em 1938). Prefaciou a edição norteamericana de Geopolítica da Fome, de Josué de Castro. A terra e o Povo da China
foi palestra proferida em 1948 nos EUA, e transcrita no seu livro A China que eu vi.

310 --A TERRA E O POVO DA CHINA

de estatura mais baixa do que os do Norte. As feições são mais
rudes e talvez pos suam índole mais enérgica e mais ativa.
O povo do Norte alimenta-se basicamente de trigo, tornandose alto e forte. Tem o temperamento calmo e costuma-se dizer que
os grandes filósofos e estudiosos chineses procederam do Norte.
Sabemos que a alimen tação influi muito na estrutura e formação
óssea de qualquer povo, e a China tendo sobrevivido por um espaço
de tempo tão longo, seu povo certamente pôde provar isto devido à
variedade de alimentos. Evidencia- se facilmente esse fato, porquanto
os meios de trans porte ainda não evoluíram além das marchas a pé
e das viaturas morosas, resultando que as comunidades até o século
atual permaneceram em grande parte iso ladas. As províncias eram
tanto ou mais extensas do que os países da Europa e não foi difícil
que gerações inteiras vivessem satisfeitas com a variedade que
encontravam numa simples província ou condado. Até hoje, se
perguntarmos a um chinês de nível médio onde é o seu lar, ele
responderá indicando o nome de sua aldeia ou cidade ancestral numa
província longín qua, em vez de citar o nome da cidade e local em
que vive ou trabalha no momento. O sentimento de per tencer a um
determinado pedaço de terra, está arrai gado no coração de qualquer
chinês. Ele não conhece a idéia de lealdade e fidelidade a um governo,
mas sim ao solo de seu país e a tudo que nele brotou.
Contudo todos esses povos da China são unidos. O elemento
essencial da união da China não está na vida política, que até a geração
atual não foi de grande importância.Aunião da China, tão mais profunda
do que a nossa, consiste na harmonia do povo sentindo-se chinês, na
união de um povo que viveu durante milênios numa só parte do mundo,
na união de sua história e formação. Para tal povo, habituado a uma
união tão profunda, a simples uniformidade de um governo fugaz
representa muito pouco. Sente-se chi nês e isto é o bastante.
Aqui nos Estados Unidos temos a política da demo cracia. É
importante que nós os americanos nos man tenhamos unidos pelo
governo, uma vez que perma necemos apartados em tantos outros
setores. Nossos ancestrais provêm de todas as regiões localizadas
sob o Céu, e não possuímos uma história em comum. Nosso
vocabulário é variado. O Inglês é a nossa língua franca - que nos
foi cedida por um outro povo. Nossas men talidades também são
diversas e nosso meio de vida é tão instável quanto as casas que
construímos. Na China um povo viveu junto por tantos anos que
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Pearl S. Buck -- 311

atual mente já sabe qual a espécie de moradia que lhe convém e seja
qual for a casa chinesa em que se entrar, a não ser uma bem moderna,
tendo sofrido a influên cia do Ocidente, encontrar-se-á, de certo
modo, as acomodações dispostas da mesma maneira. Nas salas mais
cerimoniosas, até mesmo as peças do mobiliário estão arrumadas de
tal forma, que cada um sabe onde deverá sentar-se em relação às
outras pessoas da fa mília. A arquitetura chinesa é tão característica
quanto a da Grécia antiga, e modificou-se a fim de poder fazer face
à topografia -- as planícies altaneiras e as montanhas do Norte apenas
delineadas, e os vales profundos e as colinas abruptas do Sul.
A democracia chinesa não nasceu nas salas de reuniões onde
os oficiais vitoriosos e os líderes encon travam-se a fim de formar
um governo para o povo. Ela foi construída pelo próprio povo
vivendo na terra. É a democracia da família, paternal em sua
liderança, maternal em sua responsabilidade de prover o bem estar
do membro mais insignificante da grande família antiga, bem
instituída. Esta democracia existe em nossos dias, talvez ignorada,
mas ainda vivendo à espera de ser reconhecida.
Quando a moderna democracia chinesa se desen volver terá
sua própria forma, não a dos americanos, mas à sua maneira conterá
as oportunidades neces sárias para a vida, a liberdade e a procura
da feli cidade pela qual todos os povos tanto anseiam.
Existem, entretanto, certos obstáculos para esse
desenvolvimento do povo chinês. Seria fictício negá-los ou pretenderse que não existem. Nesse povo tão singularmente unido verificam-se
três separações profundas e tradicionais, que devem ser retificadas
antes que os chineses comecem a viver uma existéncia moderna e
domocrata. Essas separações eram menos graves nos tempos antigos,
quando melhor compreendidas e prevenidas. Atualmente as velhas
garantias cessaram. Por exemplo, o Imperador, enquanto vene rado
como um soberano apontado pelo Céu, podia ser criticado
acerbamente quando não dirigia seu povo com critério, ou quando o
preço do arroz ficava muito pesado para a gente mais humilde. Os
bons ministros em todas as dinastias, arriscavam freqüentemente suas
vidas a fim de despertar a consciência de um sobe rano, e eles mesmos
eram primeiramente despertados pelos protestos do povo aglomerado
nas ruas e estra das. Os bons governantes eram renovados com
fre qüência, selecionados entre os mais inteligentes do povo, por meio
de Exames Imperiais que embora às vezes anulados por formas
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

312 -- A TERRA E O POVO DA CHINA

ocasionais de suborno, aqueles espíritos mais aptos ao discernimento
eram procurados no meio do povo. Qualquer um podia prestar esses
exames, se suficientemente educado, e a educação podia ser encontrada
em todas as partes rela cionando-se com um indivíduo notável, mesmo
que pertencesse a uma linhagem humilde.Além disso as honrarias e os
títulos não eram hereditários como são na Inglaterra.
Com uma noção de democracia tão profunda e absoluta, o
que teria impedido o povo chinês de desen volver-se mais
rapidamente, tornando-se uma demo cracia moderna e ativa
concedendo autonomia ao povo?
Primeiramente eu indicaria os intelectuais da China moderna e
seu afastamento do próprio povo. Nos tempos atuais a separação
tradicional entreoschineses cultos eincultostornou-setragicamentevasta.
Outrora, o estudioso era teoricamente respeitado e até reverenciado
pelo povo mais modesto, mantendo ao mesmo tempo uma compreensão
humilde de responsa bilidade perante aquela gente simples. Isto
representava os alicerces sobre os quais a nova China deveria ser
construída. Elepossuía maiores conhecimentos e, portanto, devia exercer
sua sabedoria para beneficiar o povo. Isso ocorreu várias vezes. Mas
podia tam bém tornar-se altivo e superior, deixando as unhas crescerem
de tal forma a fim de demonstrar que, não estava interessado no trabalho
comum -- ou antes, que era bom demais para trabalhar.
Essa altivez e o falso senso de superioridade esta cionavam
gradativamente, convergindo para um jul gamento de classe, de modo
que embora qualquer pessoa pudesse ser educada, se possuísse
aptidões e oportunidade, e que não fosse certamente limitada pela
sua origem, uma vez que sentisse estar suficien temente instruído,
poderia tornar-se um intelectual no pior dos sentidos. Os intelectuais
da China moderna não compreenderam a democracia congênita de
seu próprio país. Ao empreenderem a instituição de uma república
não estudaram sua terra, suas aldeias e a sua gente. Tiraram suas
idéias dos livros e de leituras provenientes do Ocidente, e tentaram
adaptar uma espécie de democracia estrangeira que nunca chegou a
nascer. Vou mais longe ainda, afirmando que fre qüentemente esses
intelectuais não avaliavam ou mesmo não conheciam seu próprio povo,
exceto aque les com quem conviviam em sua intimidade.
A conseqüência desse tradicionalismo, essa tena cidade de
uma falsa aristocracia, de uma classe inte lectual, resulta no
desenvolvimento de uma nova demccracia na China, baseada na
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Pearl S. Buck -- 313

antiga, e que foi retardada por tempo demasiado. O povo chinês
de pende de seus intelectuais. Necessita de sua pronun ciação, da
facilidade, dos conhecimentos e técnicas daqueles. Mas a sua
contribuição não pode ser ofe recida, a não ser que eles aprendam
primeiramente com o povo, e com ele descubram os alicerces sobre
os quais a nova China deve ser construída. Uma nova estrutura tem
que ter alicerces. Não pode ficar sã e salva suspensa no ar.
A segunda separação profunda no povo chinês encontra-se
entre os ricos e os pobres. O sentido da responsabilidade social
em qualquer pessoa abastada, é realmente muito frágil. A religião
influenciando os Rockfellers faz com que ofereçam donativos para
o bem-estar da humanidade, do mesmo modo a religião atuando
nos chineses prósperos levou-os a construir templos, abrigos e
cozinhas onde distribuíam arroz -- mas qualquer um desses setores
não foi suficiente para as necessidades vitais ou para elevar uma
estrutura. O chinês rico ou mesmo próspero, não sente que a
pobreza possa interessá-lo. Sou obrigada a afirmar que receio ter
essa mesma atitude, a dos ricos ocidentais, pois que a religião
tradicional liberta-os dessa obri gação. Da mesma forma tanto no
Oriente como no Ocidente comem, bebem e divertem-se. Os
pobres, po rém, onde quer que estejam atualmente, não aceitam
mais sua pobreza como costumavam fazê-lo antes. Eles se
perguntam por que devem passar fome, enquanto outros se
banqueteam. Essa pergunta tam bém foi feita na China. Os ricos
ficam constrangidos e a separação torna-se cada vez mais profunda.
A terceira e última separação existe entre os ofi ciais e o
homem comum. Essa desunião não é muito significativa nos Estados
Unidos e onde é verificada, permanece secreta. O homem do povo
aqui ainda é forte, graças às idéias primitivas de uma democracia
prática, sendo tantas quanto os erros de nossa gente, e convenhamos
que o oficial americano deve caminhar silenciosamente perante o povo.
Deve parecer que obedece à lei, mesmo que não o faça realmente.
Esta é uma de nossas qualidades e devemos reconhecè-la!
Na China, porém, o oficial não tem que obedecer à lei e
quanto mais graduado, menos obrigações ele sente.As leis são feitas
por eles para o povo. Até mesmo as que regem a velocidade nem
sempre são obedecidas pelos mesmos. A teoria é que um oficial é
tão honrado que não precisa de leis. Em verdade, ele não é melhor
do que qualquer pessoa e assim, infringe as leis segundo seu critério
e agindo desta forma, per manece afastado do povo.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

314--
314 -- A TERRA E O POVO DA CHINA

Essa tradição tem que ser mudada. Os intelec tuais não podem
conservar-se afastados como um grupo superior possuindo um sistema
próprio; os ricos devem levar em consideração suas obrigações para
com aqueles que passam fome e sofrem: os oficiais devem julgar-se
antes servidores do povo, do que superiores isentos da lei. E então,
quando desapare cerem essas tradições antiquadas, uma democracia
moderna poderá erguer-se da grandiosa e vetusta de mocracia da China.
O povo chinês foi criado sob o espírito da liber dade e do
individualismo. Nascidos numa vasta re gião, onde permaneceram
enraizados, família por fa mília, através dos séculos, devem agora
libertar-se dessas raízes, que estando velhas têm que produzir
novas flores e frutos. Contudo, não podem fazer isso, enquanto o
desenvolvimento dos tempos modernos esteja sufocado pela
tradição que deve ser rejeitada.
Talvez para alguns, apesar de tudo, eu possa pa recer um
tanto política, mas desminto esta acusação. Não discuti Comunismo
ou Nacionalismo. Não com parei os governos. Não lhes disse que
os Comu nistas chineses são apenas "reformadores agrários". Não
falei sobre política por considerar que ela não é essencial para o
povo chinês. O que tentei exprimir foi a minha intensa fé nos chineses,
na firmeza e união de suas vidas e o motivo pelo qual julgo que estão
prontos para se tornarem uma nação moderna e democrata, ao mesmo
tempo em que demonstrei porque eu julgo que separações específicas
estão de tendo seu rápido desenvolvimento naquele sentido.
Termino dizendo que confio plenamente nos chi neses.
Viveram por muito tempo e há longos anos vem resistindo a tudo, até
mesmo ao Comunismo. Eles existem, apesar de seus contemporâneos
da Gré cia e de Roma terem desaparecido. Não acreditam na guerra
agressiva, porque possuem grande dose de senso comum. Vivem e
viveram muito mais do que qualquer outro povo, talvez excetuandose o da Índia. Não são fracos nem decadentes. O povo chinês que
vive na terra é enérgico e prático. Nada pode destruí- lo. Os levianos
somente é que podem ignorá-los, e só a estupidez e a ignorância
pode desprezá-los. Esse povo tem sido cruelmente perseguido pelas
provações atuais, mas está tentando encontrar seu caminho por meio
de sua antiga perícia. Eles acreditam em seu destino, com todo o
senso da proporção que representa a sua maior sabedoria.
Conhecendo-os, eu também creio em seu futuro e sei que ele é grande.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

-- 315

NOTAS SOBRE O AGRONEGÓCIO DE CARNE NA CHINA
Carlos José Espíndola*
I
Nos últimos anos, a economia chinesa vem apresentando
crescimento em torno de 10%, o que elevou o seu PIB para U$
2,69 trilhões em 2006. Esse crescimento decorre das reformas
implantadas a partir de 1979, como por exemplo, a criação de
quatro Zonas Econômicas Especiais (ZPEs). Segundo Zemin
(1993, p. 151) "foi um passo de grande importância na
abertura para o exterior e constituiu uma experiência
completamente nova no desenvolvimento da economia
socialista, aproveitando o capital, a tecnologia e as
experiências de gestão empresarial do estrangeiro".
Com apenas 7% da superfície agrícola do mundo, cerca de
110 milhões de hectares agricultáveis, dos quais 50 milhões irrigados,
a agricultura chinesa passou também por profundas transformações a
partir de 1979. Suprimiu-se a comuna popular e implantou-se o sistema
de responsabilidade, que consiste em contratos com as famílias de
agricultores, cuja renda decorre do rendimento da produção.Ademais,
"os 800 milhões de camponeses obtiveram direitos de autonomia
na exploração das terras; além disso, aboliu-se fundamentalmente
o sistema de compra estatal de forma centralizada, ou com quotas
obrigatórias dos produtos agrícolas, e liberaram-se os preços da
maior parte desses produtos" (ZEMIN, 1993, p. 151).
Essas reformas tiraram a produção agrícola da estagnação
e aumentaram a produtividade do solo e do trabalho. Para tanto, o
governo chinês garante o fornecimento de insumos através das
cooperativas, auxilia os camponeses nas situações emergenciais e
busca, através dos centros tecnológicos e granjas Estatais, a
introdução e difusão de tecnologias agronômicas. A evolução da
produção agropecuária da China entre 1978-2000 pode ser
observada na tabela 1.

*

Professor do Departamento de Geociências ­ CFH/UFSC e doutor pela USP
com a tese As agroindústrias de carne no Sul do Brasil.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

316 -- NOTAS SOBRE O AGRONEGÓCIO DE CARNE NA CHINA

TABELA1:EvoluçãodaproduçãoagropecuárianaChina(milhõesdeton).
Produto
Grãos
Algodão
Oleaginosa
Cana-de-açúcar
Beterraba
Carne suína
Leite

1978
304,70
2,16
5,21
5,21
2,70
8,56
6,60

2000
492,00
4,40
29,50
7,80
8,10
61,30
9,19

Fonte: Negócios com a China (2005).
Verifica-se na tabela 1 que a produção de grãos cresceu 161%,
seguida da produção de carne suína com 72% e as oleaginosas com
60%. Somente no agronegócio de carne o crescimento de 2005 em
relação a 2004 foi de 3,3%, passando a produção para 75 milhões de
toneladas. A carne suína compreende cerca da metade da produção
de carne da China, a de frango responde por 25% e as de carne bovina
e de carneiro pelo restante (Beijing OrientAgribusiness Consultant).
Com base no Plano de Desenvolvimento Setorial Chinês (Five
Year Plan), a taxa de crescimento da indústria de aves e suínos
apresentou um crescimento de 4,7% no período 2001 a 2005. Em sua
10ª Edição, este plano indicou os seguintes dados:
a) A indústria de aves chinesa foi avaliada em US$ 162
bilhões, tendo sido produzidos neste período 76,5 milhões de
toneladas de frango e ovos;
b) A indústria de nutrição animal produziu, em valores, US$
32 bilhões em 2005 e consolidou seu 1º lugar no ranking mundial
(www.aviculturaindustrial.com.br, acessado em 09/02/2007).
Estes números dão um panorama da dinâmica recente da
indústria da carne na China.
II
A mercadização da economia, sem o abandono da vocação
socializante, deu origem a uma numerosa classe de consumidores que
modificam seus hábitos alimentares e que pressionam constantemente
a produção agropecuária.Aprodução de carne de frango, por exemplo,
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Carlos José Espíndola -- 317

cresceu de 1.770 mil toneladas em 1990 para 10.350 mil toneladas
em 2006, o que representa um crescimento da ordem de 484%.
TABELA2 ­ Principais países produtores de carne de frango (mil ton)

* Previsão
** UE (União Européia) Bélgica/Luxemburgo, Dinamarca,França,Alemanha, Grécia,
Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Reino Unido, Irlanda, Suécia, Áustria, Finlândia.
Fonte: USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

A análise da tabela 2 permite constatar que em 1990, a
produção chinesa de carne de frango representava 6,45% da produção
mundial, enquanto a dos EUA representava 30,46% e a do Brasil
9,57%. Em 2006 a China já respondia por 17,24% da produção
mundial contra 26.89% dos EUA e 15,44% do Brasil. Portanto, taxas
de crescimento desiguais e favoráveis à China e ao Brasil.
Este aumento da produção chinesa possibilitou a exportação
de excedentes de carne de frango, conforme demonstra a tabela 3.
TABELA3 ­ Principais países exportadores de carne de frango (mil ton)
Anos
EUA
China
Brasil

1990 1995 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006
*
518 1.776 2.231 2.521 2.180 2.232 2.170 2.360 2.454
86 263 464
489 438 388 241
331 350
300 428 893 1.241 1.577 1+90 2.416 2.739 3.022
3
853 1.520 762
718 871 788 813
755 620
2.277 4.276 4.862 5.599 5.702 6.023 6.055 6.791 6.470

UE**
Total
Mundial
* Previsão
** UE (União Européia) Bélgica/Luxemburgo, Dinamarca, França, Alemanha,
Grécia, Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Reino Unido, Irlanda, Suécia,
Áustria, Finlândia.
Fonte: USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

318 -- NOTAS SOBRE O AGRONEGÓCIO DE CARNE NA CHINA

Verifica-se na tabela 3 que as exportações de carne de frango
da China aumentaram de 86 mil toneladas em 1990 para 350 mil em
2006. Isto representou um crescimento da ordem de 4.069%. Ressaltese que em 1990, a produção da China representava 3,77% do comércio
mundial e que, em 2006 representava 5,40%.Apesar da China não ser
um grande "player" no mercado exportador, estudos demonstram a
capacidade espetacular de crescimento da avicultura chinesa, sobretudo
pela possibilidade dos EUA importarem frango processado na China.
Na verdade, uma parte das exportações chinesas deriva da
importação de frango cru que é processado e reexportado. Assim, as
importações chinesas são relativamente altas, com tendência à redução,
conforme demonstra a Tabela 4. Há que se considerar o crescimento
do consumo per capita e absoluto de carne de frango. Entre 19921999, o consumo per capita na China cresceu de 2 kg/hab/ano para
5,4 kg/hab/ano. Em termos absolutos cresceu de 1.749 mil toneladas
em 1990 para 6.625 mil toneladas entre 1990-1999 (ANUÁRIO DA
AVICULTURA INDUSTRIAL, 2005). Segundo a FAO, o consumo
médio mundial per capita é de 11 kg/hab/ano, sendo Hong Kong o
maior consumidor per capita de carne de frango com 50,4 kg/hab/
ano/2003 (ANUÁRIO DA AVICULTURA INDUSTRIAL, 2005).
Segundo projeções, em 2015 a China estará consumindo em termos
absolutos 13.430 mil toneladas (AVICULTURA INDUSTRIAL,
2006).Atabela 4 mostra a evolução dos principais países importadores
de carne de frango de 1990 a 2005.
TABELA4 ­ Principais países importadores de carne de frango(mil ton)
Anos
Rússia
Japão
UE*
Arábia
Saudita
China
Total
M undial

1990 1995 2000 2001 2002 2003 2004 2005
475
855 943 1.281 1.208 1.081 1.016 1.2 25
444
585
721
710
744
695
582
7 48
843
865
198
299
418
588
466
5 22
141
285
348
399
391
452
429
4 84
323
547
448
436
453
174
219
3 70
3.290 3.895 4.029 4.443 4.443 4.625 4.384 5.0 63

* UE (União Européia) Bélgica/Luxemburgo, Dinamarca, França,Alemanha, Grécia,
Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Reino Unido, Irlanda, Suécia, Áustria, Finlândia.
Fonte: USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Carlos José Espíndola -- 319

Analisando-se a tabela 4 verifica-se que a Rússia é um grande
importador de carne de frango, seguida pelo Japão e aArábia Saudita.
Somente entre 1990 ­ 2005, as importações russas cresceram 257%,
seguida doArábia Saudita com 343% de crescimento no mesmo período.
III
O aumento da produção de carne na China foi ainda espetacular
na cadeia produtiva de carne suína que cresceu de 16.547 mil toneladas
em 1985 para 50.095, conforme a tabela 5.
TABELA5 ­ Principais países produtores de carne de suíno (mil ton)
Anos

1985 1990 1995 2000 2001 2002 2003 2004

China 16.547 22.808 36.484 40.314 42.982 44.358
11.188 15.056 15.908 17.585 17.419 17.825
UE*
6.716 6.963 8.096 8.597 8.691 8.929
EUA
Rússia 5.855 3.190 1.865 1.500 1.560 1.600
600 1.150 1.450 2.010 2.637 2.798
Brasil
54.683 67.198 75.833 81.774 92.082 95.249
Total
mundial

2005

46.233 48.118 50.095
17.850 17.900

ND

9.056

9.312

9.402

1.700

ND

ND

3.059

3.110

3.110

98.473 100.484 102.523

ND ­ Não Disponível
* UE (União Européia) Bélgica/Luxemburgo, Dinamarca, França,Alemanha, Grécia,
Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Reino Unido, Irlanda, Suécia, Áustria, Finlândia.
Fonte: USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

Analisando-se a tabela 5 verifica-se que 48,86% da produção
mundial de carne suína é de responsabilidade chinesa. Entre 19852005, o crescimento de sua produção foi da ordem de 3.072%. Mesmo
assim, a China não é um grande "player" no mercado exportador (apenas
9,5% deste mercado), em função do seu grande mercado consumidor
interno. O consumo per capita de carne suína na China cresceu 16,4
kg/hab/ano/1987 para 36 kg/hab/ano/1999.
Em termos de sistema produtivo, há indícios de que 50% da
produção de suínos ocorre em fundo de quintal. Entretanto, existem
criações especializadas que produzem de 100 a 1.000 suínos por granja.
Elas compreendem 25 a 35% da produção chinesa. Dos 20% restantes,
5% são de granjas privadas e 15% de fazendas do estado
(SUINOCULTURA INDUSTRIAL, 2005).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

320 -- NOTAS SOBRE O AGRONEGÓCIO DE CARNE NA CHINA

Desta forma, em termos de importações líquidas a China
apresentou em 2003 menos 330 mil toneladas.As previsões indicam
que somente em 2012 as importações de carne suína apresentarão
saldos positivos de 31 mil toneladas. Em contrapartida, Hong Kong
apresenta desde 1995 um aumento das importações de carne suína.
Entre 1995-2006, as importações aumentaram de 151 mil toneladas
para 264 mil toneladas, o que representa percentual de crescimento
de 74,83%. As previsões indicam que, em 2015, as importações
feitas por Hong Kong chegarão as 351 mil toneladas
(AVICULTURA INDUSTRIAL, 2006).
IV
No que diz respeito à cadeia produtiva de carne bovina, os
chineses ainda não têm o hábito do consumo deste tipo de carne.
Entre 1987 e 1996, o consumo per capita cresceu de 0,4 kg/hab/
ano para 4,0 kg/hab/ano, contra 47,8 kg/hab/ano para 45,3 kg/hab/
ano dos EUA, no mesmo período.
Em termos de produção, a China, com um rebanho de 156
milhões de bovinos, vem apresentando taxas elevadas de crescimento,
de acordo com a tabela 6.
TABELA 6 - Principais países produtores de carne bovina (mil ton
de equivalente-carcaça)
Anos

1985

1990

1995

2000

2001

2002

2003

EUA
10.997 10.464 11.585 12.196 11.890 12.426 12.226
UE*
8.305 8.302 7.852 7.462 6.896 7.456 7.360
Argentina 2.740 2.650 2.600 2.880 2.680 2.650 2.650
Austrália
Brasil
China

1.338
3.708

1.718
4.114

1.717
6.768

1.988
6.583

2.052
6.892

1.946
7.629

1.946
7.629

467

1.256

4.154

5.328

5.488

5.846

6.020

* UE (União Européia) Bélgica/Luxemburgo, Dinamarca, França,
Alemanha, Grécia, Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Reino Unido,
Irlanda, Suécia, Áustria, Finlândia.
Fonte: USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Carlos José Espíndola -- 321

A produção chinesa, conforme a tabela 6, cresceu de 467 mil
toneladas para 6.020 mil toneladas, o que representa um crescimento
da ordem de 1.289% contra 11% dos EUAe 247% do Brasil. Verificase ainda uma estabilidade da produção Argentina e uma redução da
produção da EU, sobretudo pela doença da vaca loura.
V
Em termos gerais, verificou-se que o crescimento da economia
chinesa ampliou a produção de carne de frango, suíno e bovino, apesar
do agronegócio total representar apenas 13% do seu PIB. Contudo, a
expansão da produtividade e as melhorias técnicas farão da China uma
grande potência do processamento de alimentos, quer pelo aumento
do consumo interno, quer pela reexportação de produtos alimentares
industrializados e ou reprocessados.
Segundo Oliveira (2005, p. 37).AChina veio a ser a principal
base manufatureira da indústria global, graças a uma intensa e extensa
interação entre a economia chinesa e as redes produtivas globais,
interação que tem por moldura o círculo chinês, isto é, o amálgama
operacional da China com Hong Kong e Taiwan. O movimento de
internacionalização da economia chinesa é levado "numa ação
revolucionária tingida de nacionalismo" (OLIVEIRA, 2005, p. 34),
visando a consolidação de uma ativa sociedade civil.
Segundo Zemin (1993, p. 163) a agricultura chinesa continuará
a ser fortalecida e assentada em uma economia rural diversificada. A
idéia central é desenvolver uma agropecuária de elevado rendimento,
excelente qualidade e alta rentabilidade. Para tanto, faz-se necessário
apoiar-se na ciência, na tecnologia e na educação.
Referências Bibliográficas
ANUALPEC ­ Anuário da Pecuária. FNP, 2006.
ANUÁRIO 2005, Avicultura Industrial, nº 11, ed. 1.129. São
Paulo: Gessulli, 2005.
ANUÁRIO 2007, Avicultura Industrial, nº 11, ed. 1.151. São
Paulo: Gessulli, 2006.
AVICULTURAINDUSTRIAL,nº08,ed.1.148.SãoPaulo:Gessulli,2006.
BEIJING ORIENTAGRIBUSINESS CONSULTANT. OCAB,
acessado em 12/02/2007.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

322 --NOTAS SOBRE O AGRONEGÓCIO DE CARNE NA CHINA
322--

CHINA: O MAPA DO GIGANTE. In: Management, nº 53, ano
6, HSM, 2005.
CHINA: O QUE EXPLICA ESSE NOVO IMPÉRIO ANTIGO. In:
Biblioteca Entre Livros. São Paulo: Duetto, 2004.
JABBOUR, E. China: Infra-estrutura e crescimento econômico. São
Paulo:Anita Garibaldi, 2006.
OLIVEIRA,AMAURYP. Tentando compreender a China. In: Olhares
ao Leste (Org.). Rodrigues Thiago. São Paulo: Desatino, 2005.
REVISTANEGÓCIOSCOMACHINA.RiodeJaneiro:Publisher,2005.
SUINOCULTURA INDUSTRIAL, nº 06, ed. 198. São Paulo:
Gessulli, 2005.
SUINOCULTURA INDUSTRIAL, nº 07, ed. 199. São Paulo:
Gessulli, 2006.
USDA ­ Departamento de Agricultura dos Estados Unidos,
www.usda.org, acessado em 05/03/2006.
ZEMIN, JIANG. Acelerar a reforma, a abertura e a modernização e
conquistar vitórias mais importantes para a causa do socialismo com
peculiaridades chinesas. In: Política Externa, vol. 1, nº 4, 1993.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

-- 323

NOTASSOBREAPRODUÇÃOECOMÉRCIODEGRÃOSNAÁSIA
Marlon Clovis Medeiros*
Estas breves notas têm por objetivo comentar as mudanças
recentes nos países asiáticos, no tocante à produção de alimentos, em
especial de grãos, no consumo de alimentos e na participação da região
no comércio mundial de produtos agrícolas.
O intenso crescimento econômico vivido pelos países
asiáticos nas últimas décadas foi acompanhado de profundas
mudanças estruturais, que incluíram (analogamente a outros países
que se industrializaram na segunda metade do século XX, como o
Brasil) acelerado êxodo rural e mudanças nos hábitos e padrões
alimentares da população migrante1.
As mudanças nos hábitos alimentares, levam países como China
a aumentar a produção de proteína animal e decrescer a produção de
alimentos tradicionais, nos quais há menor crescimento per capita do
consumo, em especial o arroz, como se pode observar na tabela 1.
Tabela1-VariaçãodoConsumoPercapitadeAlimentosnaChina1978-1997
Produto

Variação acum ulada %
1978 = 100
G rãos (total)
1,1
V egetais Frescos
-24,5
Óle os Co mestíveis 214,3
Carne V erm elha 120,8
A ves
844,0
Ovos
410,0
Pescados
302,4
Açúcar
84,9
Bebidas A lcoólicas 484,4
Fonte: Souza, 2002.
*

Professor da Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE, Campus
de Francisco Beltrão. Doutorando em Geografia Humana pela Universidade de
São Paulo-USP. Mestre em Geografia pela Universidade Estadual Paulista UNESP,
Campus de Presidente Prudente, com a dissertação intitulada "Formação,
Evolução e Dinâmica do Complexo Agroindustrial do Arroz de Santa Catarina".
1
Na Ásia como um todo, a população rural é de 64%, sendo 60% na China, 20%
na Coréia do Sul, 74% no Vietnã, 53% na Indonésia, 35% na Malásia, 80% no
Camboja, 66% no Paquistão e 38% nas Filipinas. Embora com elevado percentual
de população rural, a população urbana total da Ásia chega a 1,2 bilhão de
pessoas, o que gera um imenso mercado consumidor de alimentos. A população
rural total chega a 1,8 bilhão, embora a parcela que trabalha em atividades
agrícolas seja de 1,01 bilhão (dados da FAO, 2006).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

324 -- NOTAS SOBRE A PRODUÇÃO E COMÉRCIO DE GRÃOS NA ÁSIA

Fica clara a ênfase no aumento do consumo de proteína
animal representada pela carne vermelha, ovos, pescados e
também de laticínios (que não constam da tabela), além do
aumento de óleos comestíveis, com destaque para o óleo de soja.
A China segue uma tendência que o Japão já trilhou entre 196090, segundo a qual o consumo de carnes aumentou 258%, o de
laticínios 261%, o de óleos e gorduras 186%, enquanto o de arroz
caiu 38% (SOUZA, 2002).
Paralelamente ao aumento de produção, as gigantescas
quantidades de alimentos necessárias levaram a que a China se tornasse
um dos maiores importadores mundiais de alimentos. Outros países
asiáticos industrializados, como Coréia do Sul e Japão enfrentam a
mesma dependência de alimentos importados. As importações de
alimentos da China passam de US$ 19,5 bilhões em 2000 para US$
45,1 bilhões em 2005 (OMC, 2006).
Países asiáticos de forte base agrícola (mas que também vem
crescendo a elevadas taxas), como Vietnã2 e Tailândia, aumentam seu
volume de exportação de commodities agrícolas. As exportações
agrícolas aumentaram consideravelmente, alcançando as taxas anuais
no período 2000-2005: 12% na China, 8% na Tailândia, 7,5% no
Vietnã3, 11% na Malásia, 13% na Indonésia e 10% na Índia (OMC,
2006). Não obstante o rápido crescimento, representam baixo
percentual das exportações totais, em torno de 18% do total na
Tailândia, 27% no Vietnã, 9% na Malásia, 4% na China, 2% em Hong
Kong e 1% no Japão (OMC, 2006)4.
O baixo percentual de exportações agrícolas da China
indica, por um lado, a preocupação com o crescimento das vendas
de produtos industrializados de maior valor e, por outro, a
preocupação com o abastecimento interno. A alimentação é uma
das grandes preocupações no continente, em virtude da

2

Segundo dados da OMC as exportações totais do Vietnã aumentaram 19%
ao ano no período 1995-2005. O Vietnã foi aceito como membro da OMC em
11 de Janeiro de 2007.
3
Para o Vietnã os dados constam somente até 2004.
4
O comércio mundial de produtos agrícolas aumentou a taxas anuais de 9% de
2000 a 2005, representando 8,4% do comércio total entre países.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marlon Clovis Medeiros -- 325

subnutrição de elevado contingente populacional. Estudo da FAO
(2006) demonstra que o número de pessoas subnutridas na região
da Ásia e Pacífico caiu de 569,7 milhões em 1990-92 para 524
milhões em 2001-2003. Apenas na Coréia do Norte este número
se elevou de 18 milhões para 35 milhões de pessoas no mesmo
período, devido aos problemas de escassez de alimentos que este
país passou a enfrentar após o fim da URSS, e com o bloqueio
econômico norte-americano.
Na China, o número de pessoas que saiu da linha da
subnutrição alcançou a cifra de 43,6 milhões. No Vietnã, embora
bem mais modesto em números absolutos, a população subnutrida
passou de 31% do total, para 17%. Na América Latina e Caribe,
por outro lado, a população subnutrida reduziu-se para apenas
sete milhões de pessoas, ao passo que se ampliou no Oriente
Médio e Norte da África em 12,6 milhões e na África SubSahariana em 37,2 milhões.
Ao mesmo tempo em que a Ásia é um dos principais destinos
das exportações de alimentos de outros continentes, é também um
dos grandes produtores e exportadores de alimentos. A participação
dos países asiáticos no comércio agrícola mundial já chega a 18%
do total, inferior somente à da Europa. O comércio intra-asiático
de gêneros agrícolas cresceu a taxas de 8% ao ano no período
2000-2005, representando 60% das importações agrícolas dos
países da região. Isto marca forte concorrência com produtos das
Américas do Sul e do Norte.
Esse é um dos motivos pelo qual a China vem diminuindo a
produção de arroz, na qual é auto-suficiente e aumentando sua produção
de trigo e soja, produtos que importa em grandes quantidades e que
também apresentam mercado internacional em expansão.
As tabelas n° 2, 3 e 4 apresentam a produção dos principais
países produtores de arroz, soja e trigo.

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

326 -- NOTAS SOBRE A PRODUÇÃO E COMÉRCIO DE GRÃOS NA ÁSIA

Tabela 2- Principais Países Produtores deArroz (ton.)

Fonte: FAOSTAT

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marlon Clovis Medeiros-- 327

Tabela 3- Principais Países Produtores de Soja (ton.)

Fonte: FAOSTAT
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

328 -- NOTAS SOBRE A PRODUÇÃO E COMÉRCIO DE GRÃOS NA ÁSIA

Tabela 4- Principais Países Produtores de Trigo

Fonte: FAOSTAT

Nas três tabelas, há países asiáticos com destacada
participação, cuja produção ainda continua a crescer.AChina, como
maior produtor agrícola da região, vem diminuindo sua produção de
arroz ao passo que aumenta a de soja e mantém elevada produção de
trigo. O trigo e a soja apresentam maiores possibilidades de
industrialização, maiores valores nutritivos e ao mesmo tempo, maior
expansão internacional da demanda, o que abre possibilidades
comerciais imensas. A produção chinesa de trigo dobrou de 1980 a
1990, estabilizando-se daí em diante em 90 a 100 milhões de toneladas.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

Marlon Clovis Medeiros -- 329

A Índia, por sua vez, aumenta sua produção em todos os
grãos de forma intensa, enquanto Indonésia, Bangladesh, Vietnã,
Tailândia, Mianmar, Filipinas, Camboja, entre outros países asiáticos
avançam aceleradamente apenas na produção de arroz,
interessados também nas exportações.
A pequena participação asiática na produção de soja (mas
que vem crescendo intensamente) aponta que este deverá ser o
foco de atenção de crescimento na região nos próximos anos, em
especial na China, que vem instalando diversas unidades de
beneficiamento de soja, incluindo fábricas de grandes tradings
internacionais como Cargill e ADM.
Ao lado do trigo e da soja, a batata vem crescendo sua
participação como alimento na região, sendo que a produção per capita
passou nas últimas duas décadas, de 20 quilos para 34 quilos5.
Os países asiáticos que passaram por conflitos armados
recentemente, como Sri Lanka, Timor Leste e Nepal também se
configuram como potenciais mercados para os alimentos dos demais
países asiáticos, uma vez que a Ásia recebeu em torno de 32% da
ajuda alimentar dos programas da ONU na década de 1990 (WEBB,
2002). China e Índia já participam como doadores nestes programas.
As condições climáticas para a expansão agrícola na China
e na Índia são favoráveis, permitindo duas safras por ano. Ao lado
destas, há programas de estímulo ao aumento da produtividade pois
a área agrícola per capita na Ásia é de apenas 0,3 hectares, ao
passo que na América Latina é de 1,3 hectares6.
Em 1999, o Ministério da Agricultura da China anunciou 39
projetos para estímulo à agricultura, incluindo compras anuais de mais
de 50 milhões de toneladas, e a implantação de indústrias nas áreas
rurais, posteriormente em 2001 e 2002 liberou os agricultores de
cotas anuais de entrega de grãos e estimulou sua adaptação aos
regulamentos da OMC (SOUZA, 2002).

5

Dados do Centro de Inteligência em Mercados disponíveis em
www.cim-agro.com.br.
6
Dados da FAO (2006).
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

330-- NOTAS SOBRE A PRODUÇÃO E COMÉRCIO DE GRÃOS NA ÁSIA

Referências Bibliográficas
ESCAP- Economic and Social Commission forAsia and the Pacific.
In: Statistical Indicators for Asia and the Pacific 2005
Compendium. Volume XXXV. New York: UN, 2005.
FAO. The State of food and Agriculture. Food Aid and food
Security? Roma: FAO, 2006.
OMC. International Trade Statistics, 2006.
SOUZA, Clímaco, Cézar de. Cadeia de Soja e Outras
Oleaginosas. Mundo e Brasil. Série BM&F: Agronegócios,
Diagnósticos e Tendências. Livro-Vivo 5, 2002. Disponível em
www.agrovision.com.br
WEBB, Patrick. Los alimentos como ayuda: tendencias, necesidades
y retos en el siglo XXI. In: Documento Especial, n. 14. Roma:
WFP- Programa Mundial deAlimentos, 2002.

RESENHAS

Chutando a escada: a estratégia de desenvolvimento em perspectiva
histórica ­ Ha-Joon Chang, Editora Unesp, São Paulo, 2004.
Até meados do século XX o Brasil, como outros países, era visto
como país jovem e até mesmo "país do futuro" (S. Zeiwg).As idéias de
paísessubdesenvolvidosedeTerceiroMundovieramcomadescolonização
daÁsiaedaÁfrica,masa3ª Internacionalcomunista,muitoanteschamava
a atenção para os países coloniais e semi-coloniais, isto é, a periferia do
capitalismo,ondeeramgrandesaspossibilidadesrevolucionárias.Nosanos
80, com a ofensiva neo-liberal (R. Reagan), outras idéias passaram a se
impor, comoatal de"globalização",visando forçaraberturas comerciais e
financeirasàescalamundialparafavoreceroimperialismo.Paralelamenteo
conceito de centro-periferia foi descartado mesmo por intelectuais
consideradosdeesquerda(D.Harvey),quepassaramater,inadvertidamente
ilusões sobrea"globalização"(O.Ianni).
Nosdiasdehoje, omundodasidéias éfortementepressionadopor
gigantesca ideologização conservadorae o livro deHa-JoonChang éuma
excelente contribuição ao debate, da questão do crescimento econômico,
de interessecrucial para os países atrasados.Talvez por isto mesmo tenha
havidocampanhacontraalistadelivrosorganizadapeloItamaratiparaseus
diplomatas, entres eles CHUTANDO A ESCADA e PENSAMENTO
ECONÔMICO BRASILEIRO (1930-1964), de R. Bielchowsky, leituras
indispensáveis para o conhecimento do Mundo e do Brasil. Diplomatas
reacionáriossaíram"chutandoobalde",criticandooretorno"deumapolítica
nacional-desenvolvimentista,anti-imperialistaeprotecionista"comoados
anos 60, esquecendo-se que Geisel já havia assumido uma nítida política
externaindependente,interrompidapelas submissões deColloreFHC.
CHUTANDOAESCADAéleituraindispensável nos diasdehoje,
mesmoconsiderandoqueaofensivaneo-liberaltenhaperdidomuitodesua
virulência inicial. Ha-Joon Chang retomou as preocupações com o tema
fundamental do desenvolvimento econômico, debatido nos anos 50 na
América Latina pela CEPAL (R. Prebish e C. Furtado), estimulando as
divergências de opiniões e o aparecimento do extraordinário intelectual
brasileiroIgnacioRangel,quedefendeunaquelainstituiçãooseuluminosoO
desenvolvimento econômico no Brasil, em 1954. Nos dias atuais, HaJoonChangfezexcelenteestudodahistóriadopensamentoeconômicosobre
otemaproposto,deanálisedas políticasdedesenvolvimento,sobretudodo
passadoeuropeu, etransportouestasanálises paraaatualidade.Apoiadono

334 --

professor Ch. Kindleberger, relembrou a passagem pouco conhecida de
Friedrich List (O sistema nacional de economia política), inspirador do
Zollverein alemão da primeira metade do século XIX, segundo o qual a
Inglaterra, após usaro protecionismo frente às manufaturas e à navegação
daHolanda(LeisdeNavegaçãodeCromwell),passouadefenderapolítica
oposta, de livre-comércio: É um expediente muito comum e inteligente
de quem chegou ao topo de grandeza, chutar a escada pela qual subiu,
afim de impedir os outros de fazerem o mesmo.
Hojeem diao Consenso deWashington visaimpordiretrizes para
a ampliação do domínio norte-americano sobre aAmérica Latina, assim
como os EUA impuseram a valorização do câmbio japonês (1985), as
reformasdoschaebolsnaCoréiadoSul,aflexibilizaçãodapolíticaeconômica
protecionista daÍndia, como tentaram imporaALCAàAméricado Sul.
Nos capítulos 1, Como os países ricos enriqueceram de fato? e
2, Políticas de desenvolvimento econômico: perspectica histórica das
políticas industrial, comercial e tecnológica, Ha-Joon Chang demonstrou
quetodosospaísesdesenvolvidos usarampolíticasquehojecondenam aos
subdesenvolvidos:protecionismo,subsídios,espionagemindustrial,etc.Notese quemesmona industrialização chinesaaURSS quis imporsuas regras,
inclusiveretirando milhares de técnicos em 1960. Oautor relata inúmeros
casos históricos dos séculos XIX eXX,sendoqueum deles éexemplar: O
Japão e os NPI do Extremo Oriente (p. 86-94). O capítulo 3, Instituições
e desenvolvimento econômico: a "boa governança" na perspectiva
histórica, foio quedeu mais trabalho ao autor, mas com ótimos resultados
comparativos,referentesàdemocracia,àburocracia,aojudiciário,aosregimes
de direito de propriedade, às sociedades anônimas, à lei de falência, às
auditorias, às leis anti-truste, ao sistema bancário, ao banco central, à
regulamentaçãodetítulos,àsinstituiçõesfinanceiraspúblicas,àsinstituições
debemestarsocial,àregulamentaçãodotrabalhoinfantil,àregulamentação
da condições de trabalho. Esta relação enorme dá uma idéia do tour de
forcerealizado.Oúltimocapítulo,Liçõesparaopresente,apontanaverdade
para o futuropossível dos países subdesenvolvidosquesouberam assumir
seus destinos, como foi possível nos anos 1960 e 1970, com interrupção
imposta pelos países poderosos.
CHUTANDO A ESCADA é leitura obrigatória para melhor
percorrer os desafios do século XXI, para o Brasil e muitos outros países.
Armen Mamigonian
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

-- 335

China: Infra-estruturas e crescimento econômico - Elias Jabbour,
EditoraAnita Garibaldi, São Paulo, 2006.
Elias Jabbour, autor de China: infra-estruturas e
crescimento econô mico, freqüentou o curso de geografia na USP
nos anos 1990, quan do o modelo neoliberal reduziu o Brasil à intensa
exploração do im perialismo norte-americano e impôs conformismo
mesmo entre a intelectualidade de esquerda. Entretanto, Elias tinha
clara consci ência da brutalidade imposta ao povo (desemprego etc) e
à nação brasileira (dívida pública crescente, privatizações etc) e, assim,
foi, ao mesmo tempo, estudante preocupado com sua formação
intelec tual, mas também militante político, com atuação constante em
prol dos interesses nacionais e populares.
A soma de preocupação intelectual e a militância de
esquerda deu bons frutos.
Elias escolheu -- desde 1995, sob minha orientação -- a China
como tema de seu projeto de iniciação científica e posterior Traba lho
de Graduação Individual (TGI). Tal TGIintitulado "China, capitalismo
e socialismo de mercado: potência do século XXI" foi submetido à
banca examinadora no dia 7 de novembro de 1997, momento este
marcado por caloroso debate. Deu seqüência ao seu tema preferencial
no mestrado, feito também sob minha orientação e defendido no dia 6
de abril de 2005. Seu Exame de Qualificação contou com a presença
de Dante Aldrighi da FEA-USP e, na defesa de dissertação, com a
presença de Luiz Gonzaga de Mello Belluzo do Instituto de Economia
da Unicamp, além de André Roberto Martin, meu colega do
Departamento de Geografia da USP. Os debates demonstraram o
caráter combativo e sério de Elias Jabbour.
Este livroé resultado de umadissertação feita com garrae paixão.
Milton Santos insistia na necessidade da geografia brasileira
estudar outros países, aumentando sua área de atuação intelectual,
superando os limites impostos pela geografia dos países dominan tes
(EUA e Europa). Assim sendo, a escolha da China participa des ta
necessidade da nossa geografia. Interessa também à esquerda --
ainda mais depois da queda da URSS--com a finalidade de decifrar
os segredos do modelo socialista de mercado, com espantosas taxas
de crescimento, levando a China a dobrar de tamanho praticamente
de sete em sete anos, mudando rapidamente a geografia do mundo
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

336 --

com a criação de um novo pólo, para onde se dirigem, e saem,
fluxos financeiros, econômicos, políticos e culturais crescentes,
criando fortes movimentos gravitacionais.
A temática infra-estrutura se revelou feliz, pois dá destaque
a um lado fundamental da economia chinesa que nem sempre é
valo rizado. Na verdade, a China não poderia ter-se lançado às
exporta ções sem resolver inicialmente o nó-de-estrangulamento
do abaste cimento alimentar, o que foi a primeira tarefa econômica
do modelo (últimos anos da década de 1970 e primeiros da de
1980). E não poderia obter êxito na política de instalação de Zonas
Econômicas Especiais (ZEE's), inicialmente no litoral meridional,
sem equipá -las com infra-estruturas modernas, apesar de pontuais
no território. Novas ZEE's foram se estendendo por todo o litoral
(final dos anos 1980) e logo depois elas foram interiorizadas em
novos "litorais": o rio Yang- tsé e as regiões fronteiriças do norte.
Assim, os recursos inicialmente investidos no litoral permitiram
transferências para o interior, criando uma economia continental
crescentemente inte grada e inserida na economia mundial.
Elias Jabbour iniciou suas pesquisas realizando levantamento
de informações em revistas e jornais chineses, visando relacionar
as principais obras construídas e em construção. Logo depois
percor reu por três meses (2004) na China, siderúrgicas, ferrovias,
rodovias etc. Além de visitar ministérios e órgãos de pesquisa. Tal
experiên cia em território chinês foi relatada na revista Carta
Capital n° 304 de 18 de agosto de 2004 (A intimidade do
Dragão), com boa reper cussão junto ao público. Público, aliás,
desinformado pela "mídia de aluguel" colonizada. Curiosamente, a
China deslumbra econo mistas reacionários e horroriza sociólogos
"marxistas" num interes sante sinal dos tempos atuais.
A aplicação das idéias de Ignacio Rangel sobre os
mecanismos de desenvolvimento econômico ajudou o autor a
decifrar seu tema. Pois, se no Brasil as infra-estruturas continuam
sendo os nós de estrangulamento desde os anos 1970, a indústria
mecânica pesada foi seriamente afetada pela falta de encomendas,
após sua implan tação brilhante durante o governo Geisel. Tal
indústria mecânica brasileira foi afetada, não somente pela falta de
encomendas, mas também por importações de locomotivas, trilhos
ferroviários e va gões usados.
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

-- 337

Na China houve planejamento equilibrado entre construções
de infra-estruturas gigantescas desde os anos 1990, importações
de equipamentos e implantações recentes de indústria mecânica
pesa da de ponta, em joint-ventures com multinacionais do ramo
(Siemens, Alston, GE etc). Assim, à medida que foi criando -- a
partir dos inícios modestos das primeiras ZEE' s (1982-83) -- novos
pólos regionais industriais espalhados por toda a China, a
preocupação por interligações em transportes e suprimentos
energéticos em es cala gigantesca tornou-se crucial. A crise asiática
de 1997 obrigou o Estado chinês a acelerar gastos públicos em
infra-estruturas para estimular o crescimento econômico nacional
sem apelar para a des valorização cambial -- opção obrigatória das
economias atingidas pela crise. Deve-se notar que somente a China
e Taiwan, com grandes reservas cambiais e sem dívidas externas
significativas, escaparam da crise.Aliás, mantendo o câmbio intacto,
a China reforçou seu prestígio regional na Ásia.
Elias Jabbour visitou e estudou as três maiores obras de
infra- estruturas do mundo atual: 1) a Usina Hidrelétrica de Três
Gargan tas, no rio Yang-tsé, a maior do mundo, já em operação
parcial, com conclusão prevista para 2009, com geradores
fabricados no Brasil pela GE e Siemens, e com as eclusas mais
altas do mundo; 2) o gasoduto oeste-leste (Xinjiang-Xangai), com
4.200 km de extensão, concluído em 2005, com financiamento
governamental (50%), de Hong-Kong e da Rússia, detentora de
tecnologia avançada, herança da época soviética; 3) a ferrovia QinghaiTibet, com trajeto de 1.125 quilometros, sendo que 80% da
construção em alturas geladas de 4.000 m, ou mais, acima do nível
do mar, tendo que re solver, por isto, desafiantes problemas de
engenharia, com conclu são prevista para 2007.
Muitas outras obras estão em andamento. A China constrói
várias ferrovias e rodovias leste-oeste. A auto-estrada PequimXan gai é considerada uma das melhores do mundo. O trecho
ferroviá rio Pequim-Xangai foi melhorado e prolongado até
Kowloon, nas proximidades de Hong-Kong, com aproximadamente
3.000 km e velocidade média de 110 km/h e alcançando velocidade
máxima de 140 km/h. Para as Olimpíadas de Pequim (2008), está
prevista a conclusão do TGV, com velocidade de 200 km/h, entre
Xangai e a capital do país, num percurso litorâneo de 1.400 km. A
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

338--

China excluiu o Japão e colocou a França e a Alemanha no
fornecimento de tecnologia, mas acabou decidindo usar tecnologia
própria. Paralelamente, enquanto Pequim utiliza tecnologia chinesa
na construção de seu metrô, Xangai realizou acordos com a França
e, ambas cidades, com menos de 100 km de linhas em operação
atualmente (2003), prevêem ter, cada uma, 400 km até 2015. Além
disto, está em andamento, ou sendo iniciada, a construção de linhas
de metrô em outras 20 cidades chinesas.
A continuidade do crescimento econômico acelerado,
marcado pelos 9,9% em 2005, o financiamento basicamente público
das infra estruturas, a ênfase na integração do oeste da China
numa econo mia nacional de caráter continental, o uso das jointventures como mecanismo de absorção de tecnologia de ponta
são marcas registradas do setor estudado pelo geógrafo Elias
Jabbour. Esperamos que no futuro continue nos brindando com
novas e originais pesquisas.
Armen Mamigonian

Mao, a história desconhecida - Jon Halliday e Jung Chang, Cia. das
Letras, São Paulo, 2006.
Atualmente o movimento editorial está cada vez mais
acelerado, como o capitalismo, ao qual está subordinado, e de tempos
em tempos são lançados novos best-sellers e logo esquecidos. Sidney
Sheldon, Dalai Lama, Paulo Coelho vendem milhões de exemplares
pelo mundo afora, sendo que o brasileiro granjeou admiradores como
Clinton e Chirac. Esses autores precisam dominar algumas
"ferramentas", na expressão dos jornalistas, como psicologia elementar,
escrever acessivelmente, abusar dos suspenses, além de bons
conhecimentos de marketing e até de logística... É possível dizer que
Jung Chang e Jon Halliday preencheram estas características quando
anunciaram "a história desconhecida" de Mao Tsetung.
Mesmo não representando um quarto da humanidade, como
dizem os dois, mas um quinto, a China é um tema inesgotável, não só
pela sua civilização multimilenar e vigorosa, sua história tumultuada
no século XIX, quando foi transformada em semi-colônia de um
condomínio estrangeiro de várias potências, a Inglaterra em primeiro
lugar, mas também pela sua violenta revolução camponesa e antiimperialista na primeira metade do século XX, sua via original para o
socialismo, seu espantoso crescimento nas últimas décadas e seu papel
no futuro. O Banco Mundial assinalou que de 1990 a 2001, o
"crescimento da China derrubou a pobreza mundial", que permaneceu
igual naAmérica Latina, aumentou muito na África, mas diminuiu na
China de 337 milhões para 212 milhões de pessoas, vale dizer de
33% para 16,6% de sua população.
Ora, a temática China é abordada por dezenas de livros
anualmente, mas o livro clássico de J.K. Fairbank, atualizado por M.
Goldman e recém editado no Brasil, não mereceu o devido destaque.
Assim como o livro de J. D. Spence, incluindo uma biografia de Mao,
estão quase esquecidos, enquanto "Cisnes Selvagens" de Jung Chang
já vendeu mais de dez milhões de exemplares em trinta idiomas e
permitiu a montagem da dobradinha com Jon Halliday para o livro
"Mao, a história desconhecida", lançado na Inglaterra e Austrália,
chegando aos EUA (primeiro os anglo-saxões...) e daí se espalhando
pelo mundo. Como a fama subiu à cabeça, Jung Chang garantiu que
"ninguém explicou Mao como nós".

340 --

Quando a chamada Revolução Cultural estourou na China,
Jung Chang assumiu a condição de guarda-vermelha adolescente
entusiasmada, e atravessou o país com outros jovens até Pequim, a
aldeia natal de Mao e outros lugares. No seu primeiro livro, rico em
informações, assinalou que mesmo entre os jovens houve resistências
aos abusos dos guarda vermelhos como ela e seus irmãos. Ela confessou
que na época considerava Mao divino, etc, etc. Começou a acordar
quando seus pais, comunistas exemplares, passaram a ser perseguidos
injustamente, na esteira das lutas de facções e mesmo assim não
desconfiava da responsabilidade de Mao... Por fim passou a imputar
todos os problemas, abusos e crimes... a Mao, que deixou de ser
Deus para ser o Diabo. Este é o principal defeito de "Cisnes Selvagens"
e principalmente de "Mao, a história desconhecida": uma visão
religiosa elementar dos seres humanos.
Em "Cisnes Selvagens" Jung Chang relata as histórias de sua
avó, de sua mãe e dela mesma, as "três filhas da China", ao longo do
século XX. Esta seqüência de gerações genuínas é fortíssima no seu país
de origem e também tem ou teve força em outras culturas, certamente
uma das explicações do merecido sucesso do livro. Entretanto, o
primarismo de sua visão do mundo empobreceu suas ricas descrições.
Afinal, sua avó desde menina não teve os pés quebrados e comprimidos
para ser valorizadapela estética masculina dominante? Não foi oferecida
como concubina de um chefe militar, que teve participação decisiva na
corrupção de parlamentares "democraticamente" reunidos em Pequim?
Não foi sua mãe que desde cedo, como seu pai, assumiu a militância
comunista, ajudando a China a recompor sua dignidade e seu destino
conspurcados pelas potências estrangeiras? E, finalmente, não foi ela
que teve chances de estudar, ir à Inglaterra e defender doutorado em
1982? Todo este salto radical e extraordinário não teria acontecido sem
o PCC e a liderança de Mao Tsetung, que nossa autora, entusiasmada
pelo fog, pelos ônibus e pela "tranqüilidade" da capital inglesa parece
não compreender. Assim sendo, Mao talvez tivesse alguma razão em
dizer que para alguns chineses "sentir peido de estrangeiro e achar
cheiroso" era a máxima maravilha (Cisnes Selvagens, cap. 26).
Sobre a questão feminina, quando ela e Jon Halliday
reconheceram, com ressalvas naturalmente, a adoração que Mao tinha
pela mãe, mas enfatizaram a prática de "conquistador" de mulheres, já
revelada por Li Zhisui, médico de Mao, e criticada pelo marechal Peng
Dehuai como "postura imperial", mesmo um jornalista conservador
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

-- 341

como Nicholas D. Kristof (NY Times) discordou dos exageros dos
autores e lembrou que a China era "um dos piores lugares do mundo
para se nascer menina" e passou a ser um lugar "onde as mulheres têm
mais igualdade do que no Japão ou na Coréia do Sul".Afinal na China
travou-se uma revolução popular e não uma simples modernização de
cima para baixo e onde no PCC e no exército vermelho as mulheres
tiveram numerosa presença e importante papel na vitória da revolução
agrária e anti-imperialista e que foi também uma revolução nas relações
entre homens e mulheres.Assim, o provérbio de Mao segundo o qual
"as mulheres carregam a metade do céu" passou a fazer parte da
sabedoria chinesa, corrigindo neste particular o confucionismo.
Se, na chamada Revolução Cultural, Jung Chang assumiu
alegremente a condição de guarda-vermelha, onde estava Jon Halliday
naquela época? Era um entre muitos promissores intelectuais marxistas,
que havia começado a colaborar na New Left Review em 1964,
encerrando sua colaboração em 1981, onde escreveu sobre os assuntos
da moda, desde o movimento operário na Itália e no Japão, o
capitalismo japonês, a liberação feminina e até a pressão imperialista
na Ásia, quando fez referências à China. O que se passava no interior
daquele país não lhe interessou. Entretanto já em 1966, pouco antes
de falecer precocemente I. Deutscher denunciou na mesma revista o
xenofobismo e o esquerdismo infantil da Revolução Cultural e o mesmo
fez S. Schram na mesma época, numa biografia de Mao. Eles, com
pouquíssimas informações vindas da China, tinham olhos para enxergar,
enquanto quarenta anos depois Jung Chang e Jon Halliday, com fontes
muito maiores, permanecem a quilômetros de distância daqueles
analistas e daqueles acontecimentos, pois o objetivo que assumiram
foi escolhido antecipadamente, sem necessidade de comprovação:
denegrir as imagens de Mao e do PCC ao invés de tentar entender os
acontecimentos para os quais ele não se interessou anteriormente e ela
vivenciou sem saber onde estava metida. Juntaram centenas de
informações, muitas delas preciosas, mas não se propuseram a dar a
menor interpretação, fora a demonização. Sintomaticamente, o epílogo
do livro de quase mil páginas, tem duas linhas e meia, "ordenando" ao
governo chinês retirar a foto de Mao da Praça Celestial.
Jon Holliday e Jung Chang pretenderam esmagar o leitor
desavisado montando um verdadeiro blitzkrieg de informações, livros,
revistas, entrevistas, etc, mas os resultados " pour épater le burgeois"
são precários. Em primeiro lugar excluíram a apresentação de fatos
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

342 --

importantes e também excluíram da bibliografia autores fundamentais
como I. Deutscher e J. Spence e outros importantes como M. Meismer,
N. Bernal, G. Sofri entre outros. Ora, Jon Halliday não desconhecia a
contribuição dos dois primeiros, até porque I. Deutscher foi patrono
da New Left Review, e por outro lado Jon se inspirou visivelmente em
J. Spence na descrição da área de Hunan onde se localizam as aldeias
do pai e da mãe de Mao, em vales próximos, mas separados, para
escrever as primeiras páginas do livro.Aexclusão bibliográfica evitou
o contraditório ou o diálogo com opiniões divergentes, obedecendo a
onda pós-moderna de muitos intelectuais (sic) pós-marxistas.
I. Deutscher argutamente caracterizou Mao como uma
combinação entre Lênin e Stálin e viu nele um líder camponês como o
russo Pugachev, do século XVIII. Por sua vez, J. Spence comparou
Mao aos "senhores da desordem" das cortes medievais européias, que
patrocinavam as breves inversões de papéis hierárquicos nos dias de
final de ano, pois Mao parecia se sentir mais a vontade no mundo da
desordem do que no mundo da ordem. Mesmo as ricas observações de
Deutscher e de Spence contém alguma dose de euro-centrismo. Como
Deutscher notou muito bem, os chineses importaram o leninismo antes
que o stalinismo ganhasse força, mas na verdade Li Dazhao, o primeiro
intelectual marxista chinês, que estudou economia política no Japão, se
apoiou diretamente em Marx para analisar a realidade chinesa e enfatizar
a importância fundamental dos camponeses. Isto permite entender por
que Mao, mais que Pugachev, fez parte da tradição chinesa de rebeliões
agrárias, pois afinal de contas aChina sempre foi amais importante nação
camponesa de toda a humanidade. E na China a tradição taoísta, de
base camponesa e anti-burocrática, sempre estimulou a rebeldia, no
pensamento e na ação, e é muito anterior aos reis medievais da Europa.
Entretanto, a dobradinha Chang-Halliday além de excluir de
maneira duvidosa Deutscher e Spence da sua bibliografia caudalosa,
excluiu também M. Meismer, autor de importante biografia de Li
Dazhao, fundador do PCC e pensador fundamental para entender a
China do ponto de vista marxista. Por razões deste tipo The China
Journal, da Universidade Nacional daAustrália (Camberra), uma das
melhores revistas sobre a China contemporânea, considerou o livro
excessivamente unidimensional e publicou no seu número de janeiro
de 2006 quatro resenhas demolidoras sobre "Mao, a história
desconhecida", abrangendo os períodos até 1940, de 1940 a 1949,
de 1949 a 1965 e de 1966 a 1976, num total de 45 páginas (p.95 a
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

-- 343

136), a cargo de cinco especialistas, que unanimemente lamentaram a
inversão simplória da ótica do período maoísta, substituindo a biografia
do santo pela biografia do monstro, simplificando causalidades
complexas, em favor da visão míope das maquinações de um tirano
individual (G. Benton e S. Tsang, p. 95-96).
Para a dupla Chang-Halliday o ponto de partida para a
condenação de Mao aos fogos do inferno (como se essa condenação
fosse possível para o próprio demônio) foram os seus comentários ao
livro do filósofo alemão F. Paulsen, "Sistema de Ética", solicitados
pelo seu mestreYang Changji da Escola Normal de Changsha (Hunan).
No limite extremo de seu hedonismo e utilitarismo, o filósofo garantia
que "todos os seres humanos, sem exceção, tendem a enfatizar o
interesse próprio sobre o interesse dos outros". Chang-Halliday (p.3134) "editaram" os comentários de Mao como se ele concordasse em
gênero, número e grau com Paulsen e simplesmente suprimiram a
passagem em que ele criticava a visão egoísta: "a ajuda mútua representa
a realização do individual; o interesse próprio é realmente básico à
existência humana, mas ele não deve parar por aí. É da nossa natureza
estendê-lo a fim de ajudar aos outros. Desta maneira, trabalhar para o
interesse dos outros é na minha visão interesse próprio". Para os
resenhistas, ao suprimirem estas observações escritas por Mao, ChangHalliday montaram uma caricatura dele (p.96-97).Acriteriosa biografia
de Mao escrita por J. Spence discutiu de maneira honesta os
comentários de Mao sobre F. Paulsen, mas o autor foi suprimido mesmo
sabendo-se que ele vem se dedicando desde os anos 70 às pesquisas
sobre a China, como também foi o caso de J. K. Fairbank, editor da
monumental The Cambridge History of China, em vários volumes.
O volumoso index de Chang-Hallidaynão seria sobrevivência do antigo
dogmatismo deles? Estranhos intelectuais.Apenas estranhos?
Chang-Halliday não se cansaram e garantiram que Chiang Kaishek deixou oExércitoVermelho atravessar tranqüilamente o Rio Xiang,
como gesto de boa vontade em relação a URSS (p.173-177), quando
o historiador Kuo Hua-lun, de Taiwan, entrevistando participantes da
Longa Marcha constatou perdas de milhares de pessoas. Peng Dehuai,
o"mais honesto"comunistasegundo adupla,escreveu em suas memórias
sobre "duras batalhas" travadas, assim como Otto Braun deixou
depoimento semelhante e ambos estão na bibliografia. O livro ignorou
estas testemunhas oculares e de primeira mão, segundo G. Benton e S.
Tsang (p.98). Chang-Halliday continuaram na mesma toada por mais
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

344 --

centenas de páginas, que, aliás, mereceram dezenas de ressalvas dos
resenhistas. Mesmo assim é preciso reconhecer que Chang-Halliday
contribuíram para clarear pontos das conversações Mao-Stálin, como
na insistência de Mao em conseguir instalações industriais e militares,
com transferência de tecnologia de ponta, em contrapartida da
participação chinesa na Guerra da Coréia, por exemplo.
N.D. Kristof lamentou a viva auto-confiança dos autores e
estranhou que Zhang Hanzhi, amiga íntima de Mao tenha sido citada
como entrevistada, quando ela nega o fato. Também duvidou das
estatísticas de mortes dos camponeses durante o "Grande Salto"
(1958-61) e lamentou a falta de visão histórica dos autores. Como Li
Zhisui, médico de Mao, que registrou a admiração que ele nutria por
Shi Huangti, Kristof assinala a semelhança das duas figuras históricas.
Shi Huangti, o primeiro imperador, fundador da nação chinesa, unificou
militarmente vários pequenos reinos há 2200 anos, construiu boa parte
da Muralha da China, padronizou pesos e medidas, criou a moeda
comum e o sistema legal, mas queimou livros e enterrou eruditos vivos,
assentando os fundamentos da dinastia seguinte, Han (206 a.C. a 220
d.C.), uma das eras douradas da civilização chinesa. Mao também
impiedosamente e às vezes de maneira selvagem ajudou decisivamente
a estabelecer os alicerces do renascimento e ascensão da China, depois
de muito tempo de insuportáveis sofrimentos impostos pela decadência
da dinastia Manchu associada à ação civilizatória da Inglaterra de Jon
Halliday, que aliás encontrou tempo para exibir seu esnobismo britânico
ao apontar Mao numa foto "com ar de Oscar Wilde". Talvez tenha se
esquecido que o genial e rebelde irlandês escreveu um antológico "A
alma do homem sob o socialismo".
É útil lembrarmos que nos 80 a ofensiva desencadeada por
R. Reagan intimidou os aprendizes de feiticeiros da Perestroika e
abriu caminho à passagem de centenas de "marxistas" de ocasião
ao campo bem nutrido do anti-comunismo. Se na época do
marxismo de fachada estes intelectuais faziam ideologizações de
"esquerda" ironizando de maneira grosseira os EUA, por exemplo,
eles passaram a ajudar a montagem da ideologização de extremadireita, mantendo a mesma auto-confiança de antes, fingindo uma
superioridade intelectual anteriormente "marxista" e hoje antimarxista. Nunca como nos dias atuais o mundo "intelectual" sob o
capitalismo se subordinou tão servilmente à gigantesca ideologização
GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

-- 345

reinante, com conclusões pré-estebelecidas, infensa ao debate e
dispensando comprovações empíricas. Assim, numa época em que
o "criacionismo" vai ganhando forças nos EUA dos neoconservadores, não há porque estranhar a demonização de Mao.
Aliás, G. Dimitrov, da Internacional Comunista, já havia previsto
que a segunda grande onda fascista mundial partiria dos EUA, que
foram criando a partir de seus balcões de negócios verdadeiros
zumbis anti-latinoamericanos (Vargas Llosa e FHC), antimuçulmanos (S. Rushdie e M. Amis), anti-chineses (Chang e
Halliday) e assim por diante.
Entretanto, como disse Deng Xiaoping, discípulo de Mao,
parafraseando o mesmo: "o governante que acerta 70% das decisões
pode ser considerado um estadista, mesmo cometendo alguns graves
erros", como foi o caso de Mao Tsetung. Paradoxalmente as quase
mil páginas produzidas pelos dois novos anões intelectuais, que
naturalmente se julgam gigantes, podem ajudar a escrever um bom
livro de cem páginas sobre Mao.
Armen Mamigonian

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008

PERFIL DA REVISTA
PARÂMETROSPARAACEITAÇÃODETEXTOSEINSTRUÇÕES
A revista será composta de: artigos científicos, resenhas bibliográficas,
ensaios, entrevistas,traduçõesetc,aindaquenem todas essas modalidades
de textos estejam, necessariamente, presentes em todos os números.
Poderão ser organizados, a critério da Comissão Editorial, números
especiais ou com dossiês temáticos.
A Revista aceitará a publicação de:
- Artigos científicos que interessem, sobretudo à reflexão teóricometodológica, resultantes ou não de pesquisas empíricas;
- Ensaios críticos sobre temas, obras, autores, etc;
- Resenhas bibliográficas;
- Notas.
INSTRUÇÕES PARAAAPRESENTAÇÃO DE TEXTOS
Os artigos científicos e ensaios críticos devem ter no máximo 25 páginas
(tamanho A4), digitados em Word, com espaçamento 1,5 entrelinhas,
letra Times New Roman, tamanho 12 e sem formatação dos parágrafos.
Notas eresenhas devem ter, respectivamente, um máximo 15 e8 páginas.
Todos os textos devem ser enviados em três cópias impressas e em
versão eletrônica ([email protected]), acompanhados de uma
folha, em que conste: nome(s) do(s) autor(es), filiação acadêmica, e
endereço para correspondência (postal e eletrônico).
Os artigos científicos devem possuir obrigatoriamente um resumo de
no mínimo 100 e no máximo 150 palavras, em português e inglês. A
critério do autor, poderá ser enviado um terceiro resumo em outra
língua estrangeira. O título e as palavras-chave (máximo 5) também
deverão ser traduzidas para a língua inglesa e, se for o caso, para a
outra língua estrangeira em que for apresentado o resumo.

348 --

As tabelas e figuras devem ser entregues em folha à parte, indicando no
corpo do texto o local da sua inserção.As tabelas devem ser geradas no
próprio Word.As figuras deverão ser encaminhadas impressas e no seu
formato digital (JPG, GIF, TIF), numa boa resolução e não exceder o
tamanho de 23 x 16 cm. Os originais devem ser enviados sem moldura,
com escalagráficaelegendas legíveis.Nãoserãoaceitas figuras coloridas.
As referências e citações devem seguir as orientações da ABNT. As
notas devem constar no rodapé.
Será responsabilidade do autor a correção ortográfica e sintática do texto.
A seleção dos textos será realizada por pareceristas do Conselho
Científico. No processo de seleção consideram-se três situações: texto
aprovado para publicação, texto re-encaminhado ao autor para
modificações ou texto recusado.
Endereço para correspondência e assinatura
Mailing address subscriptions
Universidade Federal de Santa Catarina
Centro de Filosofia e Ciências Humanas
Departamento de Geociências
Laboratório de Estudos Urbanos e Regionais
Campus Universitário ­ Trindade
88.040-900 ­ Florianópolis ­ SC
Telefone: (00 XX 55) 48 3721-8637
E-mail: [email protected] - [email protected]

GEOGRAFIA ECONÔMICA - Florianópolis - Edição n.1 - Revisada 349 p. - Julho 2008