Aula
A GEOGRAFIA REGIONAL

META
Compreender o propósito da Geografia Regional no contexto do movimento
tradicional dessa disciplina.

OBJETIVOS
Ao final desta aula, o aluno deverá:
entender o propósito da Geografia Regional no contexto do movimento
tradicional dessa disciplina.

PRÉ-REQUISITOS
Considerando a complexidade do tema, já abordado por diversos autores e
considerando ainda, que este texto foi pensado e escrito sob a ótica dos
autores mencionados na
bibliografia, é recomendável que
você faça a leitura da bibliografia
indicada no final dessa aula, o que
facilitará a sua compreensão, ao
tempo em que suprirá as possíveis
lacunas do texto.

(Fonte: http://www.cidadaopg.sp.gov.br).

História do Pensamento Geográfico

INTRODUÇÃO

Olá, prezado aluno,
Ao longo do processo de desenvolvimento da ciência objetiva, várias
questões foram repensadas e novos limites e procedimentos foram estabelecidos. Foi assim que no seio do movimento historicista, emergiu a
crítica ao modelo epistemológico físico-matemático do Positivismo. Na
Geografia, esse movimento coincidiu com o desenvolvimento da escola
regional e da paisagem, com a afirmação do caráter idiográfico da ciência,
e com a discussão do Possibilismo. Sob essa atmosfera, a Geografia Regional se apresentou como uma vertente da produção de conhecimento
que reagiu aquele modelo.
A Geografia Regional se estabeleceu no âmbito do pensamento tradicional dessa disciplina e que diferentemente do Possibilismo e do
Determinismo, teve como base o Neokantismo.
Chamo a atenção para o fato de que nesse texto, muitos autores foram citados na bibliografia, mas o livro Perspectivas da geografia de Antonio
Christofoletti, e o livro Região e organização espacial de Roberto Lobato
Corrêa foram as principais referências para a elaboração dessa aula.

Charles Hartshorne
(Fonte: www.harvardsquarelibrary.org).

72

A Geografia Regional

A GEOGRAFIA REGIONAL

Aula

9

Vamos relembrar um pouco sobre o contexto histórico de surgimento
da Geografia Regional? Esta corrente da Geografia, não se deu de forma
isolada, e sim na ebulição da corrente historicista, no século XVIII, expandindo-se ao longo de todo o século XIX. Essa corrente se anunciava como
um movimento de oposição ao Positivismo e ao Naturalismo e noticiava
uma crítica ao modelo epistemológico físico-matemático do Positivismo, o
qual era adequado ao conhecimento dos fenômenos naturais.
O Historicismo se estendeu sob a luz de acontecimentos como a Primeira Guerra Mundial, a ruína do poder germânico, a Revolução Russa de
1917, a difusão do Marxismo, a República de Weimar, o nascimento do
fascismo e do nazismo etc. Os intelectuais não se portaram indiferentemente a tais acontecimentos, e buscaram entendê-los a partir de muitas
correntes filosóficas, tais como: neoidealistas, neocriticistas ou
neokantianas, espiritualistas, uma vez que havia um desencantamento
em relação ao modelo naturalista de cientificidade.
Uma tomada de decisão em relação a esse desencantamento foi o
reconhecimento de que havia a necessidade de fundamentar as ciências
da natureza e das ciências do espírito, tendo como base os conceitos
kantianos. Para atingir esse propósito, Windelband classificou as ciências da experiência em nomotéticas e idiográficas. A primeira, sistemática
e matematizada, determinaria as leis gerais que expressariam a regularidade dos fenômenos. A segunda, empírica-descritiva e histórica, se preocuparia com o único ou singular, com os fatos, com as condições circunstanciais no tempo e no espaço, de modo a compreender a
especificidade e individualidade do fenômeno. Apoiadas nessa distinção, as ciências da natureza são em geral, as nomotéticas e as ciências
históricas são as idiográficas.
Nesse debate delineava-se a separação entre as ciências naturais e
ciências humanas e na Geografia, tal debate trouxe a dicotomia entre uma
Geografia Física, que já tinha uma forte ligação com a disciplina e a Geografia Humana, que iniciava um rápido desenvolvimento, após a primeira
tentativa de sistematização realizada por Ratzel.
Segundo Capel (1988), esse dualismo entre o físico e o humano seria
uma ameaça para a continuidade da disciplina. Na Geografia Física estudava-se o meio geográfico e as atividades humanas, o que em outras palavras, era chamado de meio natural, enquanto a Geografia Humana preocupava-se com a distribuição dos aspectos originados pelas atividades
humanas.
Sobre essa dualidade Christofoletti (1982), afirmou que no caso das
ciências físicas, devido ao:

73

História do Pensamento Geográfico

[...] aparato metodológico mais eficiente das ciências físicas e da
esplêndida concatenação teórica elaborada por William Morris
Davis, a Geografia Física rapidamente ganhou a imagem de ser a
parte cientificamente mais bem consolidada e executada.
Praticamente, não havia mais necessidade de preocupações
metodológicas
e
conceituais
a
seu
propósito.
(CHRISTOFOLETTI, 1982, p. 13).

Por outro lado, as Ciências Físicas são destituídas de aparato teóricometodológico para as atividades humanas, e a Geografia Humana sempre
se debatia na tentativa de justificar o seu suporte cientifico, e em estabelecer a sua definição e as suas finalidades como ciência. A esta dicotomia
se juntava o conflito conceitual de ser a Geografia uma ciência única, ou
um conjunto de ciências.
Então, de um lado, tínhamos a dicotomia entre a Geografia Geral e a
Geografia Regional e de outro, a dicotomia entre a Geografia Física e a
Geografia Humana, fato que abalava a unidade da disciplina. A Geografia Regional é vista como uma solução visualizada para sanar tal problema, pois a mesma se configurou como um caminho seguro para a sobrevivência da disciplina. A tradição geográfica em uma direção, e as vinculações
teóricas do Historicismo em outra, facilitaram e alicerçaram o caminho
integrador da disciplina.
Para Christofoletti (1982), a Geografia Regional procurou estudar as
unidades componentes das diversas áreas da superfície terrestre. Em cada
lugar, área ou região a combinação e a interação das diversas categorias
de fenômenos refletiam-se na elaboração de uma paisagem distinta que
surgia de modo objetivo e concreto.
A fim de compreender as características regionais, o geógrafo desenvolveu a habilidade descritiva, exercendo a caracterização já estabelecida
por La Blache, em 1913. No estudo das regiões e das áreas, o geógrafo
começou a esboçar a evolução histórica, e estabeleceu a seqüência das
fases que culminaram nas características atuais de uma área ou região.
Aqui, se delineou a dicotomia Geografia Geral/Geografia Regional.
A relação Geografia Geral e Geografia Regional interessou profundamente a Hettner, esse autor entendeu que a primeira incluía tanto uma
perspectiva geral, adotando conceitos genéricos como também, o estudo
dos grandes fenômenos que se estendem por toda a terra ou por parte
dela, tais como: a disposição dos continentes, oceanos ou montanhas, a
circulação atmosférica geral e a distribuição das raças. Nesse sentido,
Hettner definiu a Geografia como:
[...] a ciência que estuda a diferenciação de áreas, isto é, a que visa
explicar por quê e em que diferem as porções da superfície
terrestre; diferença esta que, para ele, é apreendida ao nível do

74

A Geografia Regional

próprio senso comum. Para Hettner, o caráter singular das
diferentes parcelas do espaço adviria da particular forma de interrelação dos fenômenos aí existentes. A Geografia seria então o
estudo dessas formas de inter-relação dos elementos, no espaço
terrestre. (MORAES, 1986, p. 85).

Aula

9

Hettner tinha interesse em manter o caráter da Geografia, e defender
a prioridade do enfoque corológico, sem apagar os limites entre o geral e
o regional, pois:
[...] na perspectiva corológica, região é a unidade globalizada na
qual há interpenetração de todos os aspectos, os físicos e os humanos.
Ao estudar a região, o geógrafo podia compreender a totalidade.
Esta totalidade, resultante da pluralidade das coisas, assinala a
influência relativamente inconsciente que a visão da filosofia de Hegel
teve no trabalho geográfico. Esta noção de pluralidade de
fenômenos está no âmago do conceito de paisagem e criava a
possibilidade de considerar as regiões como entidades objetivas,
independentes do observador, sendo "objetos concretos" da análise
geográfica (CHRISTOFOLETTI, 1982, p. 12).

Baseada nessa premissa, a Geografia Regional utilizaria também, os
conceitos gerais, uma vez que, muitos fatos só podem ser estudados de
forma geral, mas defendeu que entre uma e outra, não há um corte radical, e sim uma diferença gradual.
Assim, analisando e compreendendo o conjunto inter-relacionado dos
aspectos existentes em uma região, considerava-se que cada categoria de
fenômeno, em particular, era o objeto de determinada ciência (Sociologia, Economia, Demografia, Botânica, Hidrologia, dentre outras). Essas
ciências executavam a análise sobre os assuntos particulares, já que a
Geografia, considerando a totalidade, faria o trabalho de síntese, reunindo e coordenando todas as informações a fim de salientar a visão global e
totalizadora da região. O caráter sintético da Geografia tornou-a responsável pela sua unidade, fazendo com que essa ciência tenha por objeto o
conhecimento das relações que condicionam, em determinado momento,
a vida e as relações dos grupos humanos.
Em virtude dessa concepção ampla, todos os acontecimentos ocorridos na superfície terrestre pertenceriam à Geografia. A importância assumida pela síntese é tão grande que Jacqueline Beaujeau Garnier, em 1971,
observou que o método geográfico visa analisar uma parcela do espaço
concreto, isto é, pesquisar todas as formas de relações e de combinações
que podem existir entre a totalidade dos diversos elementos em presença,
constituindo assim, a Geografia global.

75

História do Pensamento Geográfico

Como conseqüência dessa vastidão do campo e da perspectiva sintética, os geógrafos chegam a acreditar que a sua maneira de trabalhar é
única e exclusiva, e que a Geografia não é uma ciência como as outras,
por possuir métodos próprios e distintos das demais ciências. A Geografia era uma ciência singular.

O MÉTODO REGIONAL
O método regional é considerado um grande paradigma da Geografia, o qual se opôs ao Determinismo Ambiental e ao Possibilismo. Nele, a
diferenciação de áreas não é vista a partir das relações entre o homem e a
natureza, mas sim por meio da integração e da comparação de fenômenos
heterogêneos em uma dada porção da superfície da Terra. "O método
regional focaliza assim, o estudo de áreas, erigindo não uma relação causal ou a paisagem regional, mas a sua diferenciação de per si como objeto
da geografia". (CORRÊA, 1986, p 14). Ainda conforme esse autor:
[...] o método regional tem merecido a atenção de geógrafos desde
pelo menos o século XVII, com Varenius. O filósofo Kant e o
geógrafo Carl Ritter, respectivamente no final do século XVIII e
na primeira metade do XIX, ampliaram as bases dos estudos de
área. No final do século passado, Richthofen estabeleceu o conceito
de corologia (integração de fenômenos heterogêneos sobre uma
dada área), desenvolvido mais tarde por Alfred Hettner.
(CORRÊA, 1986, p 14).

Ainda sob a lente desse autor, foi somente a partir dos anos 40 do
século XX, nos Estados Unidos, sobretudo, que a tradição de estudos de
área assumiu uma forte expressão, principalmente com as ideias do geógrafo
norte-americano Hartshorne. Este por sua vez, "inspirado pela classificação das ciências de Kant, sugere uma separação entre as ciências sistemáticas de um lado e de outro - a Geografia e a Historia". (GOMES, 2000, p.
60). Considerando essa perspectiva, Hartshorne entendeu que:
[...] o campo sistemático das ciências naturais está mais próximo
do modelo nomotético, enquanto as ciências sociais, pelo caráter
único dos fenômenos que estudam (os mesmos fatos não se
repetem na história; uma montanha, ou um rio nunca é igual a
outro) se identificam muito mais ao modelo idiográfico.
(GOMES, 2000, p. 60).

Acrescentou ainda Hartshorne que todas as disciplinas, no entanto,
"devem fazer apelo aos dois procedimentos - nomotético e idiográfico - a
ciência, aliás, costuma proceder do particular ao geral. Ele reconhece pois
76

A Geografia Regional

a necessidade de estabelecer esquemas gerais em todos os campos científicos, inclusive na geografia". (GOMES, 2000, p. 60).
Na sua proposta, Hartshorne formulou conceitos básicos como: os
de área e de integração, ambos referidos ao método, o que respalda a
cientificidade da Geografia. "A área seria uma parcela da superfície terrestre, diferenciada pelo observador, que a delimita por seu caráter, isto
é, a distingue das demais". (MORAES, 1986, p. 88). Esse autor acrescentou que tal "delimitação é um procedimento de escolha do observador,
que seleciona os fenômenos enfocados; dependendo dos dados selecionados, a delimitação será diferente (pois a abrangência destes varia desigualmente)". (MORAES, 1986, p. 88). Assim, na verdade:

Aula

9

[...] a área é construída idealmente pelo pesquisador, a partir
da observação dos dados escolhidos. Desta forma, a área seria
um instrumento de análise (semelhante ao tipo ideal de Max
Weber), ao contrário da região ou do território, que eram vistos
com o realidad es objetivas exteriores ao obser vad or.
(MORAES, 1986, p. 88).

A região para Hartshorne representa o campo empírico da observação e o campo das verificações das leis gerais, é também o local, onde se
manifesta "o pleno encontro do homem, com a cultura, com o ambiente,
com a natureza; a região é a materialidade desta inter-relação, é também a
forma localizada das diferentes maneiras pelas quais esta inter-relação se
realiza". (GOMES, 2000, p. 62). Por isso, o conceito de região era visto
como o conceito capaz de promover a união entre as ciências humanas e
as ciências da natureza.
É importante frisar que Hartshorne, não adotou a região como o objeto da Geografia, uma vez que para ele, o mais importante é o método de
identificar as diferenciações de área, que resultam de uma integração única de fenômenos heterogêneos. Quanto ao conceito de integração,
Hartshorne argumentou que:
[...] os fenômenos variam de lugar alugar, que as suas inter-relações
também variam, e que os elementos possuem relações internas e
externas à área. O caráter de cada área seria dado pela integração
de fenômenos inter-relacionados. Assim, a aná1ise deveria buscar a
integração do maior número possível de fênomenos interrelacionados. (MORAES, 1986, p. 88).

Nesse debate tanto Hartshorne, como Hettner, viram no método
corológico, a possibilidade de unificação do campo de pesquisas físico e
humano na Geografia, e o conceito de região permitiu a síntese destas
relações complexas.
77

História do Pensamento Geográfico

CONCLUSÃO
Historicismo surgiu em oposição ao Positivismo e ao Naturalismo,
no século XVIII, e teve uma forte influência na Geografia provocando
uma grande discussão no seio dessa ciência, que se fez em torno do
dualismo: Geografia Física- Geografia Humana; Geografia Geral-Geografia Regional.
Essas discussões fomentaram o debate, ao tempo em que se possibilitou uma releitura dos seus conceitos. Cabe ao geógrafo entender e avaliar, no contexto do seu surgimento, os pontos positivos e negativos do
Historicismo na Geografia.

RESUMO
No final do século XIX e nos primeiro decênios do século XX, uma
forte crise se espalhou na Europa em torno da concepção positivista de
ciência. Tal crise possibilitou o desenvolvimento do Historicismo, que
surgiu como um movimento de oposição ao Positivismo e ao Naturalismo, no século XVIII, e foi se afirmando ao longo de todo o século XIX.
Foi assim que no seio do movimento historicista, emergiu a crítica ao
modelo epistemológico físico-matemático do Positivismo. Na Geografia,
esse movimento coincidiu com o desenvolvimento da escola regional e
da paisagem, com a afirmação do caráter idiográfico da ciência, e com a
discussão do Possibilismo. Sob essa atmosfera, a Geografia Regional se
apresentou como uma vertente da produção de conhecimento que reagiu
aquele modelo e solucionaria o problema das dicotomias que ameaçavam
o caráter integrador da Geografia.

ATIVIDADES
1. Destaque a importância do método regional para a Geografia.

COMENTÁRIO SOBRE AS ATIVIDADES
A importância do método regional para a Geografia é um tema que
perpassa todo o texto. Dessa maneira, a partir de uma releitura do
mesmo você conseguirá responder a questão colocada.

78

A Geografia Regional

PRÓXIMA AULA

Aula

9

Na próxima aula, você vai conhecer o que se denominou de movimento de renovação da Geografia. O primeiro movimento que você vai
estudar é o Neo-Positivismo e a sua influência na Geografia.

AUTO-AVALIAÇÃO
Agora que você terminou a sua leitura, indique o nível de compreensão deste texto:
Excelente (...)
Bom (...)
Regular (...)
Ruim (...)

REFERÊNCIAS
ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia, ciência da sociedade: uma
introdução à análise do pensamento geográfico. São Paulo: Ática, 1987.
CAPEL, Horacio. Filosofía y ciencia em la geografia contemporânea. Barcelona: Barcanova, 1988.
CHRISTOFOLETTI, Antonio. (org). Perspectivas da geografia. São
Paulo: Difel, 1982.
CORRÊA, Roberto Lobato. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1986. (Série Princípios).
________. Espaço: um conceito-chave da Geografia. In: CASTRO, Iná
Elias; GOMES, Paulo César da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (orgs.).
Geografia: conceitos e temas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.
FALCON, Francisco José Calazans. História Cultural: uma visão sobre
a sociedade e a cultura. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
GADOTTI, Moacir. História das Idéias Pedagógicas. São Paulo: Ática,
1993. (Série Educação).
GOMES, Paulo César da Costa. O conceito de região e sua discussão. In:
CASTRO, Iná Elias; GOMES, Paulo César da Costa; CORRÊA, Roberto
Lobato (orgs.). Geografia: conceitos e temas. 2ª ed. Rio de Janeiro:
Bertrand Brasil, 2000.
_______. Geografia e modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.
HARTSHORNE, Richard. Propósitos e natureza da Geografia. São
Paulo: Hucitec, 1978.
JOHNSTON, R. J. Geografia e Geógrafos: a geografia humana angloamericana desde 1945. São Paulo: Difel, 1986.
REALI, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da Filosofia: do Romantismo até os nossos dias. São Paulo: Paulus, 1991, v.3. (Coleção Filosofia).
79