40

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

GEOGRAFIA FÍSICA E GEOGRAFIA HUMANA:
uma dicotomia a ser superada?

Sérgio Henrique Pinto Silva
Geógrafo licenciado pela U FMA, especialista na
área de Educação em Docência do Ensino Superior
pela FACAM

Resumo: Busca-se uma melhor compreensão da dicotomia existente entre a Geografia
Física e a Geografia Humana e a necessidade de superá-la. A ciência geográfica possui uma
grande virtude que é a visão global da realidade, mas a especialização é necessária para
evolução dessa ciência. Nesse sentido é que se procura analisar as diferentes formas de
ensino geográfico, pois se percebe que profissionais da geografia através das
especializações entram em conflito com as demais áreas de conhecimento, pois acabam
concentrando-se em determinados assuntos, favorecendo dicotomia já mencionada. Os
professores de instituições públicas e particulares do Ensino Fundamental e Médio
vivenciam essa situação com menos divergência, pois estão envolvidos com disciplinas
distintas.
Palavras-chave: Geografia Física. Geografia Humana. Dicotomia. Geografia Crítica e
Ensino.
Abstract: It's search the best comprehension of the existed dichotomy between the physics
geography and human geography and the necessity of surmount it. The geographic science
has a great virtue, that is the global vision of the reality, but a specialization is necessary to
this science evolution. In this way, we are looking for to analyses the different ways of
geographic teaching, where it's noticed that the geography professional start a conflict with
other areas of knowledge , through out the specialization, therefore they concentrate
themselves in other subjects in the end, in order to favor the dichotomy already mentioned.
Teachers of public an particular institutions of elementary and high school, live this
situation with less divergence, therefore they are involved with distinct subjects.
Keywords: Physics Geography, Human Geography, dichotomy , Geography Criticizes
and Education.

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

41

Introdução
A Geografia é a ciência das relações espaciais, sendo seu objeto de estudo o
espaço, o qual essa razão engloba o social e o natural, ocupando lugar intermediário entre
as ciências sociais e naturais.
Acredita-se em uma ciência geográfica que sustente uma visão global do
homem e da natureza, embora mantenha especializações a exemplo das demais ciências.
Como exemplo dessa relação existem alguns elementos que demonstram o verdadeiro
fundamento do conhecimento global, ao afirmar que a geografia urbana é somente humana,
pois considera todos os aspectos físicos, que afetam a sociedade urbana, tais como a rede
hidrográfica, o relevo e o solo, muitas vezes impermeabilizado.
Entretanto, afirmar o caráter puramente físico da Geomorfologia significa
desprezar vários aspectos que afetam diretamente a sociedade, entre eles os movimentos em
massa.
A dicotomia entre Geografia Humana e Geografia Física enfraquece a ciência
geográfica, pois, ao renegar uma delas, o geógrafo restringe o seu campo de trabalho.
Perde, portanto, espaço em uma sociedade cada vez mais competitiva, ao referir-se por
exemplo, à importância da temática ambiental, possivelmente o tema que mais une os
diferentes ramos da Geografia, mas, ao mesmo tempo, é cobiçado por várias outras
ciências, essa perda da Geografia é devido à sua fragmentação. A formação dualista da
Geografia, englobando os aspectos físicos e sociais associados à capacidade de síntese,
fornece uma ampla vantagem dessa ciência perante as demais.
Portanto, o objetivo desse estudo é mostrar que a Ciência Geográfica não pode
excluir suas afinidades a partir de sensíveis diferenças e é, sobretudo, a respeito dessas
diferenças que as idéias são pouco precisas.
Na complexidade desses fenômenos, não se deve ter uma única maneira de
abordar o estudo dos fatos, mas sim observá-los de ângulos diferentes.
Partindo desse entendimento é que o ensino da Geografia deve ser ministrado
de forma explicativa, contribuindo para o desenvolvimento de um pensamento consciente e
crítico.

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

42

A Dicotomia da Geografia
A dicotomia é reconhecida e acentuada nas grandes universidades, onde a
especialização (Mestrado ou Doutorado) predomina e os professores, além de lecionarem
disciplinas nas quais são especializados, realizam também pesquisa. Os departamentos de
Geografia aparentam ser subdivididos em dois departamentos independentes: Geografia
Física e Geografia Humana. Em geral, a pesquisa e os trabalhos com os alunos são
realizados isoladamente, não havendo integração entre as disciplinas físicas e humanas. Os
profissionais tendem a apresentar uma visão mais direcionada para as suas especializações,
encontrando, muitas vezes dificuldade de realizarem na prática as inter-relações possíveis
com outros campos do conhecimento geográfico. Esses profissionais, de modo geral,
demonstraram individualismo em seus trabalhos de campo, não havendo a participação de
outros professores. Portanto, a visão global do objeto de investigação é prejudicada.
Nas instituições de pequeno porte, os professores, em geral, não são
especialistas e lecionam várias disciplinas, muitas vezes distintas entre si, o que nos leva a
crer no insuficiente aprofundamento em cada uma delas. Não há contato freqüente entre os
professores, pois muitos são horistas e encontram-se nos horários de aula. A dicotomia
entre geografia física e geografia humana não é sentida por esses profissionais. Isso
significa que haja integração consistente entre esses dois ramos da geografia, pois a visão
do professor tende a ser superficial, não havendo aprofundamento dos problemas
abordados.
A especialização é importante para o geógrafo, no seu crescimento pessoal e
para melhor desenvolver o seu trabalho, inclusive como professor. A discussão da
dicotomia existente na geografia poderia tomar novos rumos se assumíssemos que: a) a
especialização é necessária para o desenvolvimento dessa ciência; b) o geógrafo precisa
manter a visão global do objeto de estudo, supostamente conquistada na sua formação
inicial, mesmo depois da especialização.
Discute-se muito a dicotomia existente na geografia e a ação dos geógrafos.
Mas em relação aos professores geógrafos e não geógrafos que atuam nos campos de
Geografia e os reflexos de suas ações sobre os alunos ­ futuros profissionais ­ há pouco
debate.

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

43

Será que a dicotomia existente entre a Geografia Física e Geografia Humana
não é agravada pelos professores na própria universidade? Como esperar do futuro
geógrafo uma visão global da realidade se na própria universidade essa visão não lhe é
permitida?
Mendonça (1998) observa a preocupação dos estudantes de graduação em
geografia que,
[...] perplexos diante da disparidade de disciplinas que compõem a formação geográfica
universitária, aliada a ideologia expressa por cada um dos seus mestres em relação à geografia
que praticam, levam-nos a uma paradoxal busca de unidade do pensamento geográfico (p.25).

A Geografia é considerada como se alimentando nas fontes de fatos da
Geologia, da Física, das ciências naturais e, de certa forma, das ciências sociológicas. Ela
serve-se de noções, sendo que algumas delas são os objetos de estudos aprofundados nas
ciências vizinhas; daí vem então à crítica que se faz às vezes à Geografia, a de viver de
empréstimos, a intervir indiscretamente no campo de outras ciências, como se houvesse
compartimentos reservados no domínio da ciência. Na realidade, como veremos, a
geografia possui seu próprio campo. O essencial é considerar qual uso ela faz dos dados
que ela exerce.
A dicotomia Geografia Física versus Geografia Humana neste momento
histórico não pode ser confundido com o abandono do conhecimento da natureza
geográfica. O conhecimento da natureza sempre esteve presente na preocupação analítica
dos geógrafos.
George (1986) afirma que é por sua atitude sintética que o geógrafo se sobressai
entre pesquisadores ou práticas que recorrem apenas a métodos analíticos estreitamente
especializados e ignoram geralmente o contexto, inclusive o contexto geográfico, do tema
de seus estudos ou de sua atividade. Segundo esse autor: "[...] a especialização se tornou
inevitável" (p.22). O problema principal consiste em fazer com que esta especialização se
harmonize com uma unidade do pensamento. Hoje em dia, é totalmente inútil obstinar-se
em esperar que o mesmo indivíduo produza obras-primas simultaneamente em
Geomorfologia, em economia e em urbanismo; é indispensável, entretanto, que, tendo
optado por este ou por aquele, dentre esses vários setores, os pesquisadores geógrafos não
se descuidem de agir como geógrafos, permanecendo continuamente integrados numa

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

44

equipe e num mesmo modo de pensar, de forma que lhes seja sempre possível passar de um
campo para outro, sem que isto lhes acarrete a obrigação de se manterem cientes de tudo
que ocorre ao nível da pesquisa fundamental.
A especialização não implica perda do poder de síntese, mas aprofundamento
em um campo específico calcado em uma fundamentação global que a geografia como
ciência oferece. A própria especialização pode favorecer esse poder de síntese, pois fornece
mais subsídios ao geógrafo, tornando-o mais capaz para análise de determinado problema,
desde que não perca sua visão global.
Lacoste (1985) observa que:
[...]embora haja dificuldade, parece necessário manter o princípio da geografia global, ao mesmo
tempo física e humana, encarregada de dar conta da complexidade das interações na superfície
do globo entre os fenômenos que dependem das ciências da matéria, da vida e da sociedade.
Bem entendido, este princípio de uma Geografia global não exclui absolutamente que, alguns
geógrafos se especializem nos estudos dos aspectos espaciais dos fenômenos humanos, e outros,
na análise das combinações espaciais dos fenômenos físicos. É indispensável, porém, que uns e
outros guardem contatos suficientes entre si, tenham preocupações epistemológicas comuns e
que aqueles que são engajados na ação ocupem-se do emaranhado nesta ou naquela porção do
espaço dos diversos fenômenos humanos. Isto não é somente do interesses deles, dos geógrafos;
é definitivamente do interesse de todos os cidadãos (p.65).

A especialização não deve ser vista pelo geógrafo como fuga da visão global,
mas encarada como necessidade real profissional. Essa discussão entre a busca da
especialização ou de visão mais global dos problemas a serem investigados está associada
diretamente à divisão que a geografia apresente entre humana e física. Mas será que a
especialização implica a perda de uma visão global dos problemas a serem investigados? É
possível um geógrafo não especializado apresentar uma visão global consistente?
Considera-se que não. A visão global que a Geografia permite não é perdida na
especialização, mas pelos próprios geógrafos, o que pode estar associado à formação
bastante dicotomizada nas grandes universidades ou muito superficial em instituições de
pequeno porte.
A visão global da realidade. Seria essa a grande virtude do geógrafo? Coelho
(1997) salienta o fato de os geógrafos terem uma visão mais global e sintética da realidade,
tendo, portanto, a capacidade de inter-relacionar os mais diversos dados, demonstrando
portanto, uma preocupação com o conjunto, não alcançada por especialistas de outras áreas.
A autora salienta, ainda, que essa abordagem global vem sendo novamente valorizada nos

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

45

meios científicos, devido à necessidade de se levar em consideração os diversos aspectos
para uma melhor compreensão da realidade como um todo.
Essa valorização de uma visão global, como afirma Coelho, não está restrita aos
meios científicos, mas à sociedade contemporânea. Devido às tendências atuais de reduzir
custos e aumentar a produção, observa-se sensível redução de pessoal no setor secundário
de economia, não só devido à automação, mas também à busca de profissionais
multidisciplinares. É nesse contexto que o geógrafo seria o profissional mais capaz para
atuar em áreas envolvendo o meio ambiente e a sociedade. Mas para isso, necessita romper
com a dicotomia existente entre o físico e o humano.
Essa dicotomia é discutida por muitos autores. Mendonça (1992) aborda
inúmeros trabalhos que discutem os aspectos básicos da geografia enquanto ciência.
É interessante, todavia, notar que a maior dessas produções é de autoria de geógrafos ligados,
principalmente à parte humana/social da geografia, registrando uma tendência a tratar os
aspectos ligados à geografia física de maneira muito superficial. Acreditamos que isto se dê
principalmente pela falta de convívio contínuo com este sub-ramo da geografia. A referida
dicotomia tem um forte componente histórico. A geografia tradicional reinante até os meados do
século XX era descritiva e com forte componente físico. A partir da década de 1960, com o
predomínio da chamada geografia crítica, grande parte dos geógrafos passou a desconsiderar os
aspectos físicos e valorizar apenas o que se relacionava ao social sem refletir sobre a
problemática integração entre o homem e a natureza (p.44).

Sansolo (1996) faz uma apreciação dessa postura da geografia crítica,
observando que o geógrafo não deve ignorar os aspectos físicos, mesmo em áreas urbanas.
Em uma metrópole, embora o relevo tenha sido alterado pela construção de prédios, ou cuja
bacia de drenagem foi impermeabilizada pelo asfalto e seus rios e córregos canalizados, ainda
assim os processos naturais como os geomorfológicos, expressos pelo movimento de massa de
vertentes e depósitos sedimentares em rios e córregos; processos climáticos, como
sazonalbilidade das chuvas, temperaturas e umidade; migrações de aves continuam ocorrendo e
vão continuar ocorrendo (p. 36).

Essa observação do autor demonstra bem que não se pode pensar a geografia de
forma compartimentada. Mesmo em regiões urbanas, os fenômenos físicos, por mais
controladas que estejam pela ação do homem, continuam ocorrendo e exercendo sua
influência. O contrário também é válido, "[...] mesmo pesquisas que recaem apenas sobre
os caracteres físicos de um território não passam, por isso, a dizer menos respeito à
população que aí vive, na medida em que seus resultados tornam mais eficaz uma

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

46

intervenção aí" (LACOSTE, 1985). Mesmo em regiões inóspitas onde o homem pouco teve
contato, os trabalhos dos geógrafos visam à sociedade, pois essa ação busca uma adequada
ocupação do espaço ou estudar o impacto já causado pelo homem, pois, por exemplo, é
difícil imaginar algum lugar na superfície da Terra ainda não atingido pela poluição. Não
podemos nos esquecer das correntes de ar que circulam pela atmosfera terrestre e que
espalham gases e poeiras emitidas pelas indústrias, queimadas e demais formas de poluição
atmosférica. O próprio fundo oceânico, mesmo distante da interferência do homem,
certamente já sofreu sua presença devido à imensa quantidade de dejetos lançados nos rios
e mares do planeta. Pode-se argumentar que:
[...] por mais que o desenvolvimento interno das sociedades humanas aumente a distância entre
a sociedade e a natureza, distância esta jamais atingida na História do homem como na fase atual
do capitalismo, o qual tende, mundialmente, a levar a uma apropriação privada da natureza, por
mais que isso aconteça e se amplie, o homem nunca deixará de ser natureza. Não há dúvida
sobre isso. Por mais que a vida em sociedade tenha transformado a própria vida biológica do
homem, esse continua um ser vivo sob a ação das condições ambientais existentes na
"superfície" do planeta Terra, ás quais ele não se submete simplesmente, mas reage ativa e
reflexivamente (SEABRA, 1984, p.15).

As observações de Mendonça (1992) refletem bem a preocupação com a perda
dessa característica por parte dos geógrafos.
A geografia é a única entre as ciências humanas a ter em conta os aspectos
físicos do planeta (quadro natural). Daí a grande problemática epistemológica e
metodológica desta ciência. Analisar os processos que se desenvolvem na natureza e na
sociedade individual e conjuntamente é tarefa árdua e exige grande competência. Neste
sentido não é de se estranhar que boa parte dos geógrafos caia na produção de trabalhos
especializados, aprofundando a setorização do conhecimento geográfico. A alternativa ­ a
produção de uma geografia global, envolvendo tanto as análises do meio natural, quanto da
sociedade em suas mútuas relações de causas e efeitos ­ não significa desenvolver uma
ciência de cunho meramente enciclopédico ou descritivo, mas, sobretudo caminhar no
sentido da fidelidade ao objetivo principal desta ciência: o estudo da relação entre o homem
e seu meio, entre a sociedade e a natureza.
Os geógrafos físicos e geógrafos humanos que acirram suas especializações de
acordo com sub-ramos individualizados da Geografia, caminham de forma muito ambígua.
Analisar ou trabalhar somente os fenômenos sociais esquecendo do espaço físico sobre o

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

47

qual eles se desenvolvem é tão incompleto do ponto de vista geográfico, quanto analisar ou
trabalhar o quadro físico de um lugar sem considerar as ações e relações humanas em seu
contexto. Todavia, nem um nem outro deixam de ser Geografia, desde que os fenômenos
abordados estejam trabalhados dentro de uma especialidade, conforme os princípios básicos
desta ciência.
Acredita-se que uma grande contribuição à Geografia seria dada se
começássemos a analisar a dicotomia existente nessa ciência desde a universidade, a partir
do ensino da geografia, buscando neutralizá-la e formar profissionais com visão global da
realidade. Mais tarde, com a especialização em um ramo da geografia, esse profissional não
perderá de vista a visão global, pois sua formação universitária lhe terá dado subsídios para
tanto.
Considerações finais
Um dos grandes desafios da Geografia é superar a dicotomia existente entre o
físico e o humano. É uma tarefa difícil, pois muitos geógrafos consagram um ramo dessa
ciência, renegando o outro.
Partindo do princípio de que o geógrafo não deve abdicar da vantagem que
possui em relação aos demais profissionais referentes à visão global do objeto de estudo,
deve-se assumir a especialização como fundamental; proporcionar ao geógrafo uma visão
global, mesmo se especializando em um dos ramos dessa ciência; e principalmente
promover os trabalhos interdisciplinares nas universidades.
Neste contexto, não só se define a Geografia como se redefinem todas as área
que deram suporte às análises geográficas como: a Geomorfologia, a Biogeografia, a
Climatologia, etc. Estas reformulam suas análises, privilegiaram algumas abordagens e
algumas escalas de análise, em detrimento de outras. Estas transformações dizem respeito
ao contexto econômico e social contemporâneo, em que o desenvolvimento da ciência e sua
relação direta com a tecnologia permitem perceber que, no estágio atual, a apropriação da
natureza transfigura a natureza e sua dinâmica, exigindo não só novos métodos de trabalhar
natureza e sociedade, mas também novas formas de conceber o que é natureza e o que é
sociedade.

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

48

Estas transformações conceituais se fazem presentes hoje no contexto
científico, em geral, e nas diferentes áreas do conhecimento. De maneira particular na
geografia que expressa algumas tendências da discussão e certos encaminhamentos
analíticos no âmbito geográfico que enfatizam os estudos da natureza e da sociedade.

REFERÊNCIAS
COELHO, A. M. S. Para uma caracterização do raciocínio geográfico. Belo Horizonte,
1997. 152 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) ­ Instituto de Geociências, Universidade
Federal de Minas Gerais.
GEORGE, P. et al. Geografia ativa. 4. ed. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1975.
GEORGE, P. Os métodos da geografia. 2. ed. São Paulo: Difel, 1986.
LACOSTE, Yves. Pesquisa e trabalho de campo. Seleção de textos. São Paulo: Associação
dos Geógrafos Brasileiros, n. 11, 1985.
MENDONÇA, F. Geografia física: ciência humana? 3. ed. São Paulo: Contexto, 1992.
______________. Dualidade e dicotomia da geografia moderna. Ra'EGA: o espaço
geográfico em análise, Curitiba: UFPR, v. 2, n. 2, p. 153-165, 1998.
MONTEIRO, C. A. De F. A geografia no Brasil (1934-1977): avaliação e tendências. São
Paulo: Instituto de Geografia ­ USP, 1980 (Série Teses e Monografias, 37).
PENTEADO ORELLANA, M. Metodologia integrada no estudo do meio ambiente.
Geografia, São Paulo, v. 10. n. 20, p. 125-148, out. 1985.
SANSOLO, D. G. A importância do trabalho de campo no ensino de geografia e para
educação ambiental. São Paulo, 1996. 170 f. Dissertação (Mestrado em Geografia Física)
­ Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo.
SCORTEGAGNA, A. Trabalhos de campo nas disciplinas de geologia introdutória:
cursos de geografia no Estado do Paraná. Campinas, 2001. 122 f. Dissertação (Mestrado em
Educação Aplicada às Geociências) ­ Instituto de Geociências, Universidade Estadual de
Campinas.

Outros Tempos, www.outrostempos.uema.br, ISSN 1808-8031, volume 04

49

SEABRA, M. F. G. Geógrafos? Revista Orientação, São Paulo: Instituto de Geografia ­
USP, v. 5, p. 9-17, out. 1984.