GEOGRAFIA: CONCEITOS E PARADIGMAS - APONTAMENTOS
PRELIMINARES
COSTA, Fábio Rodrigues da1; ROCHA, Márcio Mendes2
RESUMO: O presente artigo, de caráter introdutório, tem como objetivo discutir a constituição
e os desdobramentos da geografia como ciência, bem como seus principais conceitos
orientadores. Para isso buscamos apresentar no transcorrer do texto os principais paradigmas
geográficos e as novas possibilidades para o século XXI, isto feito através da leitura de livros e
artigos científicos. Desta forma, pretendemos apresentar uma abordagem geral sobre a
geografia, seus paradigmas e conceitos.
Palavras-chave: Geografia. Paradigmas. Conceitos.

GEOGRAPHY: CONCEPTS AND PARADIGMS ­ PRELIMINARY
NOTES
ABSTRACT: This article aims to discuss the evolution of the geography as science and its main
concepts guiding. Are presented in the course of the text the main geographical paradigms and
new possibilities for the twenty-first century, this by reading books and scientific articles. Thus,
we intend to present, in a preliminary way, a general approach and introduction on the
geography, its paradigms and concepts.
Keiwords: Geography. Paradigms. Concepts.

INTRODUÇÃO
O presente artigo tem como objetivo principal apresentar uma discussão
introdutória sobre a Geografia a partir da construção histórica de seus paradigmas e
conceitos. Em virtude da complexidade do assunto não é possível, no presente texto, o
aprofundamento das questões expostas. Desta forma, a intenção é oferecer uma base
orientadora para os estudantes sobre o processo de desenvolvimento da geografia. Assim,

1

Professor assistente do Departamento de Geografia - FECILCAM, doutorando pelo Programa de Pósgraduação em Geografia ­ UEM. [email protected] - Bolsa de estudo Fundação Araucária.
2

Professor associado do Departamento de Geografia - UEM

Rev. GEOMAE

Campo Mourão, PR

v.1n.2

p.25 - 56

2ºSem 2010

ISSN 2178-3306

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

buscamos discutir os paradigmas e os conceitos considerados como de maior relevância.
Cabe ao leitor aprofundar os estudos através das referências indicadas
Inicialmente fazemos uma breve discussão sobre a geografia pré-científica que se
estendeu até o século XVIII, e foi caracterizada por ser um saber totalizante desprovido
de sistematização. Na sequência buscamos apresentar os principais debates sobre a
geografia científica. Abordamos os seguintes paradigmas: determinismo ambiental,
possibilismo, método regional, nova geografia e geografia crítica. Também trazemos para
o debate as discussões referentes às novas possibilidades para o século XXI, através da
geografia global. No terceiro momento apresentamos os principais conceitos
geográficos: espaço, território, região, paisagem e lugar.
As contribuições que a geografia vem trazendo para a sociedade são resultados de
intensas descrições, análises, discussões, debates, divergências e até mesmo profundos
enfrentamentos teóricos e metodológicos. Os enfrentamentos vão marcar a revisão de
seus paradigmas e conceitos, o que demonstra o dinamismo e as constantes críticas pelas
quais passou e está passando.
Debater e refletir sobre o desenvolvimento histórico da geografia, mesmo que
isso já tenha sido realizado por inúmeros estudiosos, nunca é demais, visto que
proporciona um melhor entendimento sobre o tema. É relevante o resgate e a revisão de
importantes pensamentos e pensadores, pois permite novos olhares sobre essa dinâmica e
importante ciência.

BREVE RELATO SOBRE O PERÍODO PRÉ-CIENTÍFICO DA GEOGRAFIA
O período pré-científico corresponde aos saberes geográficos desprovidos de
sistematização e organização metodológica produzidos pelos seres humanos desde a préhistória até a consolidação científica. Abarcam as pinturas rupestres encontradas em
cavernas representando a organização espacial da sociedade, os estudos de astronomia,
cartografia, correntes marinhas, organização social entre outros.
Manuel Correia de Andrade (1987), considera que os povos que viviam na préhistória já desenvolviam conhecimentos que podem ser considerados geográficos. Cita
como exemplo os quéchuas na América Andina que possuíam noção de orientação, visto
que as estradas que partiam da capital seguiam na direção dos quatro pontos cardeais. Os
polinésios, povos navegadores, conheciam a direção dos ventos e das correntes marinhas
e utilizavam seus conhecimentos para a locomoção entre as diversas ilhas que compõem o
arquipélago.
26

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

Na antiguidade as civilizações da Mesopotâmia e do Egito estudavam técnicas de
irrigação, regime, extensão dos rios e variação do volume da água. Os estudos eram
realizados em razão da necessidade de compreender a dinâmica fluvial para a prática da
agricultura. Andrade (1987) considera tais abordagens como os primeiros passos para o
desenvolvimento da hidrografia fluvial.
A contribuição dos gregos, na antiguidade clássica, é considerada a mais
relevante e significativa. Os principais destaques foram: a medição do espaço e a
discussão da forma da Terra, o estudo da física da superfície terrestre e a descrição dos
aspectos físico-espaciais. Podemos destacar que:
Ao mesmo tempo em que se ampliava o conhecimento do espaço geográfico, aguçando a
pesquisa dos sistemas de relação entre a sociedade e a natureza ­ sistemas agrícolas,
técnicas de uso do solo, relacionamento entre as cidades e o campo, relações entre as
classes sociais e entre o Poder e o povo -, desenvolvia-se também a curiosidade sobre as
características naturais, os sistemas de montanha, os rios com os seus variados regimes, a
distribuição das chuvas, a sucessão das estações do ano etc. (ANDRADE, 1987, p. 24).

Os estudos geográficos realizados pelos gregos tinham na maioria das vezes
caráter descritivo e informativo. O principal objetivo era descrever as características do
espaço e sua possibilidade de utilização e exploração. Também estavam preocupados com
o estudo da esfericidade da Terra, com o processo de erosão, com as variações do clima,
com os mares, rios e com a política.
A partir da decadência do Império Romano do Ocidente no século V, ocorreu, na
Europa, um retrocesso do pensamento. Foram descartadas importantes contribuições
realizadas pelos gregos. Entre elas podemos destacar a negação da esfericidade da Terra,
entendendo-a como um disco plano. O sistema de produção feudal e a fragmentação do poder
e do espaço, somados com a intensa influência exercida pela igreja católica, contribuíram para a
retração do pensamento científico. Neste contexto histórico os conhecimentos que se
enquadravam na geografia ficaram estagnados, havendo poucos avanços.
Merece destaque na Idade Média a contribuição dos povos árabes que motivados
pelo processo de expansão territorial buscavam compreender melhor o espaço.
Estudavam a herança grega, ampliando e inovando. Conforme Rodrigues (2008), os
muçulmanos contribuíram para a evolução das ciências e das artes, realizaram a tradução
da obra de Ptolomeu, desenvolveram a geografia, a geometria, a astronomia e a
matemática.
Os séculos XV e XVI são marcados pelas grandes navegações portuguesas e
espanholas. A maior preocupação no período foi com a espacialização, através do
27

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

desenvolvimento de técnicas cartográficas. Tal fato é explicado em virtude das
necessidades de expansão impostas pelo capitalismo comercial. A escola de navegação de
Sagres em Portugal, criada pelo infante D. Henrique, teria contribuído para o
aprimoramento das técnicas de navegação e de cartografia. Até o século XVIII, se
destacam os estudos sobre relatos de viagens, estudos dos fenômenos naturais e a
elaboração de mapas.
Os conhecimentos caracterizados como geográficos estavam fragmentados e
desorganizados, cabendo a filosofia, a matemática e a física as discussões e debates
pertinentes. A organização científica ocorreu somente no século XIX, na Alemanha.
É possível notar que o desenvolvimento dos conhecimentos geográficos
anteriores a sistematização estavam ligados ao processo expansionista territorial. Isso
pode ser aplicado aos quéchuas nos Andes, aos gregos e romanos na Europa, aos povos
árabes e italianos em busca de rotas comerciais no mediterrâneo e aos portugueses e
espanhóis com as grandes navegações nos séculos XV, XVI e XVII. O objetivo principal
era o conhecimento e a descrição do espaço para, entre outros aspectos, a elaboração de
rotas que possibilitassem a ampliação do comércio. Também estavam preocupados com a
expansão territorial e o domínio econômico de novos espaços. O que denota o papel
estratégico da geografia para os povos que a desenvolviam.

A ORGANIZAÇÃO DA GEOGRAFIA E SEUS PARADIGMAS
Milton Santos (1986) nos ensina que se queremos encontrar os fundamentos
filosóficos da geografia no momento da sua construção como ciência entre o final do
século XIX e inicio do XX, temos que buscá-los em Descartes (1596 - 1650), Kant
(1724 ­ 1804), Darwin (1809 ­ 1882), Comte (1789 ­ 1857), Hegel (1770 ­ 1831) e
Marx (1818 ­ 1883) .
Os pensamentos dos referidos autores contribuíram de forma diferente, peculiar
e ideológica, para a construção dos paradigmas da geografia. O filósofo francês René
Descartes é considerado o pai da filosofia moderna, tendo como principal contribuição o
racionalismo. O filósofo alemão Immanuel Kant analisou o espaço e o tempo. O
naturalista britânico Charles Darwin, na obra "A origem das Espécies" apresenta a
seleção natural, que impactou profundamente as ciências naturais. O filósofo francês
August Comte elaborou o positivismo. O filósofo alemão Georg Hegel o idealismo, e o
filósofo, economista e revolucionário alemão Karl Marx o materialismo histórico
dialético. Esses conhecimentos teóricos ofereceram suporte para o desenvolvimento dos
28

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

paradigmas da geografia.
No entendimento de Antônio Christofoletti (1985), a organização da geografia
como ciência parte decisivamente das obras do geólogo, botânico e naturalista alemão
Alexander von Humboldt, e do filósofo e historiador também alemão Karl Ritter. Esses
pesquisadores construíram os alicerces necessários para a edificação de uma geografia
científica. Para Camargo e Reis Júnior (2007):
[...] somente nos meados do século XIX, na Alemanha, com A. von Humboldt, K. Ritter e
F. Ratzel, que ela passou a ter status de ciência, sendo, a partir dessa época, ensinada e
praticada nas universidades. Formou-se então uma corrente de pensamento no seio da
geografia que ficou conhecida como "escola alemã", cuja característica central era o fato de
ser iminentemente determinista e naturalista (CAMARGO; REIS JÚNIOR, 2007, p. 83).

Foi na Alemanha que se encontraram as condições teóricas para a organização da
geografia como ciência. Horacio Capel aponta Humboldt como um dos principais
responsáveis pelo desenvolvimento da geografia moderna:
Quase todos os estudiosos da história da geografia concordam em considerar Alexander
von Humboldt como o pai da moderna ciência geográfica. Sua obra, sem dúvida, foi
decisiva para a configuração de muitas das idéias geográficas, particularmente no campo
da geografia física (CAPEL, 2004, p. 11).

Humboldt realizou inúmeras viagens ao redor do mundo entre o final do século
XVIII e inicio do XIX, o que contribuiu decisivamente para a formulação de suas
principais ideias. Em suas viagens teve a preocupação em entender as diferenças e
similaridades entre as paisagens da superfície terrestre, usando para isso o método
comparativo. Conforme relata Capel:
Em relação ao método comparativo usado por Humboldt, cabe destacar somente que o
usou de forma abundante e que alguns consideram que é precisamente este uso de
comparações universais sua contribuição mais importante. Humboldt comparava, de
fato, sistematicamente as paisagens do setor que estudava com outras partes da Terra.
Assim, por exemplo, comparava as planícies do Orinoco com os Pampas, os desertos do
velho continente e os da América, o altiplano do México e o da Península Ibérica, as
montanhas da Europa e as do Novo Mundo (CAPEL, 2004, p. 14).

Humboldt buscou reconhecer as relações gerais e as causas genéticas comuns
entre áreas similares em diversas partes da superfície terrestre. A comparação foi sua
principal contribuição. O estudo da distribuição espacial de diferentes fenômenos
físicos também está entre as suas importantes investigações. Também foi o primeiro a
29

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

unir, através de linhas, os pontos que possuíam a mesma temperatura média anual
(isotermas). Foi o primeiro a fazer referência às paisagens naturais com relação a áreas de
características homogêneas.
Para Andrade (1987), as ideias de Humboldt foram influenciadas pelo
racionalismo francês, idealismo alemão e pelo positivismo. Disso resulta sua
preocupação em estabelecer leis gerais que explicassem o mundo em que vivia.
No entendimento de Vitte (2007), a partir da herança humboldtiana, a geografia
física tem como objeto de estudo a superfície da Terra, mais precisamente sua epiderme,
visando entender a lógica dos fenômenos físicos e humanos em uma perspectiva
sintética. Assim, teríamos a constituição das paisagens naturais, nas quais a diferenciação
na superfície terrestre seria o resultado da dialética entre as forças endogenéticas e
exogenéticas. Isso permitiria o zoneamento dos fenômenos da natureza na face da Terra.
Karl Ritter também apresentou importante contribuição para o
desenvolvimento da geografia. Segundo Capel (2004), ele foi catedrático na
Universidade de Berlim e em sua obra propõe de forma direta o estudo das relações entre
a superfície terrestre e a atividade humana. Em seu trabalho o estudo das relações era
central e as mesmas se estabeleciam entre fatos físicos e humanos. A superfície terrestre é
considerada o palco onde se desenvolviam as atividades praticadas pelo homem. Para
Ritter o princípio essencial da geografia estava na relação dos fenômenos e formas da
natureza com a espécie humana.
Capel (2004), explica como o geógrafo alemão entendia a geografia citando um
trecho da obra "Erdkunde":
A expressão geografia, utilizada no sentido de descrição da Terra, é infeliz e tem
confundido as pessoas; parece-nos que com isso simplesmente refere-se aos elementos,
cujos fatores são a verdadeira ciência da geografia. Esta ciência tenta possuir a mais
completa e cósmica imagem da Terra; resumir e organizar em uma bela unidade de tudo
o que conhecemos do globo [...]. A geografia é a parte da ciência que estuda o planeta em
todas suas características, fenômenos e relações, como uma unidade interdependente, e
mostra a conexão deste conjunto unificado com o homem e com o Criador do homem
(RITTER IN: CAPEL, 2004, p. 41).

Ritter buscava entender as relações dos fenômenos e formas da natureza com o
homem. Por isso tinha um profundo interesse na história, entendendo que a mesma
estava bastante próxima da geografia. Compreendia que as relações espaciais não podem
prescindir de uma relação temporal. Assim, o estudo da geografia não pode ser
desvinculado ou separado do estudo da história.
30

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

Andrade (1987), analisa que ao tentar formular leis gerais para explicar os fatos
humanos, Ritter teve dificuldades, pois as leis sociais não eram uniformes com as leis
físico-naturais. Essa teria sido sua grande dificuldade. Isto vem do fato de que as bases
metodológicas usadas no nascimento da geografia foram oriundas das ciências naturais,
sendo que tais metodologias não podem ser aplicadas diretamente nas ciências
humanas. No entanto, é notável sua contribuição.
No entendimento de inúmeros estudiosos, entre eles Morais (1983),
Christofoletti (1985), Andrade (1987) e Capel (2004), os estudos de Humboldt e Ritter
foram decisivos e abriram as portas para o estabelecimento da geografia como ciência.
A organização cientifica ocorreu principalmente sobre as bases do positivismo. É
nessa concepção filosófica e metodológica que os geógrafos vão buscar suas orientações
gerais. Para o positivismo, os estudos devem restringir-se ao visível, real, mensurável e
palpável; como se os fenômenos se demonstrassem diretamente ao cientista, que seria um
simples observador (MORAES, 1983).
Andrade (1987), traz a seguinte explicação para o surgimento da geografia como
ciência dentro das bases positivistas:
As condições culturais, econômicas e políticas do início do século propiciaram as
diretrizes intelectuais e científicas que mudariam o pensamento do século XIX e
levariam as idéias ao positivismo, estruturado por Augusto Comte [...] Os cientistas
procuraram acumular conhecimentos empíricos e fazer as suas formulações teóricas; os
governos dos países mais comprometidos com a expansão colonial, como a Inglaterra, a
França, a Prússia e, com a expansão colonial após 1871, a Alemanha, a Rússia etc.
estimularam a formação de sociedades geográficas que patrocinavam expedições
científicas ao interior da África, da Ásia e da América do Sul, à procura de recursos
susceptíveis de exploração (ANTRADE, 1987, p. 49-50).

O contexto do surgimento e organização da geografia está relacionado com o
processo imperialista e expansionista das grandes potências européias entre os séculos
XVIII e XIX. Isso estruturado sobre as bases do positivismo. O fato contribuiu
decisivamente para a constituição de uma ciência preocupada em atender aos anseios
capitalistas e voltada para a expansão territorial e comercial. A geografia científica nasce
durante o trunfo da burguesia na Alemanha e passou a ser usada com fins políticos
expansionistas. Os alemães, que entram tardiamente nas relações capitalistas de
produção, em razão da unificação tardia, utilizaram a nova ciência para atingir suas
necessidades imperialistas de expansão territorial e comercial.
Santos (1986), esclarece que a geografia teve profundas dificuldades para se
31

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

desligar dos interesses imperialistas inclusos em sua formação. Neste sentido, era grande
o apoio do Estado e do capital para a criação e efetivação de centros de pesquisa, porém, o
que se desejava efetivamente era a constituição de uma ciência que atendesse as
necessidades do Estado e do capital.
Corrêa (2003), argumenta que o determinismo ambiental foi o primeiro
paradigma a caracterizar a geografia no século XIX, em razão da passagem do capitalismo
da sua fase comercial concorrêncial para uma fase monopolista e imperialista. O
determinismo ambiental foi amplamente utilizado para justificar o processo de expansão
no continente africano e asiático.
Ainda para Corrêa (2003), as idéias deterministas tiveram no geógrafo alemão
Friedrich Ratzel o grande organizador e divulgador. Os defensores deste paradigma
argumentavam que as condições naturais, especialmente as climáticas, determinam o
comportamento do homem, interferindo na sua capacidade de progredir. Para Moraes
(1983), a obra de Ratzel foi um instrumento poderoso de legitimação do expansionismo
do Estado alemão.
Segundo Andrade (1987):
Friedrich Ratzel tornou-se famoso por haver dado maior ênfase ao homem na sua
formulação geográfica. Vivendo na Alemanha e tendo assistido à sua unificação, sob a
égide de Prússia, formulou uma concepção geográfica que correspondia aos anseios
expansionistas do novo Império. Dedicando-se às ciências naturais, sobretudo à
Antropologia, encarou o homem como uma espécie animal e não como elemento social.
Tentando explicar a evolução da humanidade dentro dos postulados de Darwin. A
evolução se processaria através da luta entre as várias espécies, vencendo as mais capazes na
sua adaptação ao meio natural. Se isso ocorria entre as várias espécies, ocorria também
entre as raças humanas e os povos, sendo selecionadas para a sobrevivência e para o mundo
as mais capazes de se adaptar e de controlar o meio natural. Daí a ideia da superioridade
dos europeus, povos com uma civilização mais dinâmica frente aos coloniais, ditos
selvagens, bárbaros e com civilizações estagnadas (ANDRADE, 1987, p. 54).

Fica claro que o determinismo ambiental, apoiado no darwinismo social, veio
para justificar o processo expansionista da época. Ingleses, alemães, italianos, russos,
norte-americanos, entre outros Estados, assumiram as ideias deterministas com vistas a
atender seus projetos imperialistas. O homem é introduzido nas discussões, porém é
visto como uma espécie animal que busca se adaptar e controlar o meio natural.
Em reação ao determinismo ambiental surge, na França no final do século XIX,
um outro paradigma ­ o possibilismo. A visão possibilista focaliza as relações entre o
homem e o meio natural, mas não o faz considerando a natureza determinante do
32

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

comportamento humano (CORRÊA, 2003).
O francês Vidal de La Blache foi o grande expoente do possibilismo. De acordo
com Moraes (1983), a proposta do autor manifestava um tom mais liberal, consoante
com a revolução francesa. As críticas ao determinismo dizem respeito ao tratamento das
questões políticas, ao seu caráter naturalista, a minimização do elemento humano e a
concepção mecanicista das relações entre homens e natureza.
Segundo Moraes (1983), o geógrafo francês definiu o objeto da geografia como a
relação homem-natureza, na perspectiva da paisagem. O homem deve ser compreendido
como ser ativo que sofre a influência do meio, porém que atua sobre este, transformandoo. No entanto, como nos alerta Suertegaray (2001), em La Blache a geografia é a ciência
dos lugares e não dos homens, visto que a preocupação estava em estudar a ação humana
materializada sobre o espaço e não as relações sociais e seus efeitos.
Conforme aponta Andrade (1987), La Blache admitia que o meio exercesse
alguma influência sobre o homem, mas o homem, dependendo das condições técnicas e
dos recursos disponíveis poderia exercer influência sobre o meio. Assim, surgia a
expressão possibilismo, divulgada principalmente por Lucien Febvre. Os estudos
estavam voltados para pequenas áreas, ficando conhecidos como estudos regionais.
Levavam em conta os aspectos físicos e a eles sobrepondo os humanos e econômicos.
Admitiam que o meio físico é o suporte que os seres humanos utilizam para sobreviver,
fazendo suas construções e produzindo o que necessitam.
Sobre a Geografia Regional, Rodrigues (2008), explica que:
[...] ele divide o estudo geográfico em quadros físicos, humanos e econômicos. Assim,
tem-se, por exemplo, nos trabalhos monográficos e regionais: a localização da área, por
meio de projeções cartográficas; o quadro físico; como relevo, solo, hidrografia, clima
vegetação etc.; a formação histórica de ocupação humana do território; a estrutura
agrária; a estrutura urbana; a estrutura industrial etc. Finalmente, apresenta-se uma
conclusão, com um conjunto de cartas, objetivando demonstrar uma relação entre os
elementos humanos e naturais da região (RODRIGUES, 2008, p. 86).

O geógrafo francês tinha em seus estudos regionais a preocupação em descrever
minuciosamente os quadros físicos, humanos e econômicos para posteriormente
apresentar as relações existentes. Formou importante escola na França, tendo inúmeros
discípulos que levaram seus estudos adiante. Os possibilistas, assim como os
deterministas, não consideravam o homem como um ser social. Os avanços do
possibilismo estão em compreender a influência e a capacidade de transformação do
homem sobre o meio natural. O que interessava no debate era a ação transformadora do
33

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

homem, porém, foram deixadas de lado as relações sociais constituídas historicamente e
seus efeitos políticos e econômicos sobre o meio. Torna-se famosa na primeira metade do
século XX, a polêmica entre deterministas e possibilistas, os segundos arrogando-se o
privilégio de incluir a ação do homem e admitindo que os deterministas deram
prioridade aos fatores naturais (SANTOS, 1986).
De acordo com Corrêa (2003), o terceiro paradigma da geografia tradicional é o
método regional. Nesta escola a diferenciação de áreas não é vista a partir das relações
entre o homem e a natureza, como ocorria em La Blache, mas sim tendo como referência
a integração de fenômenos heterogêneos em uma porção da superfície da Terra. Richard
Hartshorne, geógrafo norte-americano, foi o grande expoente do método regional. Nele
busca a integração entre os fenômenos heterogêneos em seções do espaço terrestre.
Moraes (1983) aponta que os conceitos básicos formulados por Hartshorne foram de
"área" e de "integração".
Em Rodrigues (2008), encontramos que Hartshorne articulou a Geografia Geral
e a Regional:
[...] diferenciando-as pelo nível de profundidade das inter-relações dos elementos
estudados, quanto menor o número de elementos inter-relacionados, maior a
possibilidade de generalização; quanto maior o número de elementos interrelacionadas, mais profunda a análise efetuada, maior o conhecimento da singularidade
da "área", maior possibilidade de estudo regional (RODRIGUES, 2008, p. 95).

Christofoletti (1985), explica que o método regional considerava que cada
categoria de fenômeno era objeto de determinada ciência (sociologia, economia,
demografia, botânica, hidrologia, etc.). Todas essas ciências executavam a análise sobre os
assuntos particulares. Á geografia, considerando a totalidade, correspondia o trabalho de
síntese, reunindo e coordenando todas as informações a fim de salientar a visão global da
região.
Com base nas discussões apresentadas e nos autores consultados, podemos
classificar o determinismo ambiental, o possibilismo e o método regional como os três
principais paradigmas da geografia tradicional. Estes dominaram a produção geográfica
e o debate durante o final do século XIX, até meados da década de 1950. Mesmo na
atualidade, ainda podemos observar vestígios das escolas tradicionais tanto no ensino
como na pesquisa.
No período pós Segunda Guerra Mundial se iniciou o movimento de renovação.
Segundo Santos (1986), a geografia não podia escapar às enormes transformações
ocorridas em todos os domínios científicos após 1950. As modificações vivenciadas a
34

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

partir do inicio da segunda metade do século XX, principalmente as inerentes as novas
tecnologias desenvolvidas, levaram inúmeros pesquisadores a refletir e buscar novas
possibilidades teóricas e metodológicas.
Moraes (1983), aponta que a renovação advém do rompimento de grande parte
dos geógrafos com os paradigmas tradicionais. O movimento de renovação é
denominado de Nova geografia por Manley em 1966. Santos (1986), explica que a nova
orientação queria se caracterizar por não ser apenas diferente, mas também ser oposição à
geografia tradicional. Conforme Camargo e Reis Júnior (2007):
Denomina-se Geografia "Teorética e Quantitativa" ou Geografia "Neopositivista" a corrente
que começou a se formar logo após a Segunda Guerra Mundial e que terminou por trazer
profundas modificações teóricas e metodológicas. Esta escola se caracterizou pelo emprego
maciço das técnicas matemático-estatísticas na geografia, provocando uma verdadeira
"revolução" no seio dessa ciência [...] (CAMARGO; REIS JÚNIOR, 2007, p.84).

A Nova geografia se manifestou, sobretudo, através da quantificação e da
abordagem sistêmica. Para Santos (1986), a quantificação ocorreu em razão da procura
de uma linguagem matemática para dar cientificismo à geografia. Na abordagem do
positivismo lógico para ser considerado cientifico o conhecimento deve ser mensurável
por técnicas matemáticas. Assim, são utilizados o emprego de técnicas estatísticas como:
média, desvio-padrão, coeficiente de correlação, entre outras (CORRÊA, 2003).
Na interpretação de Christofoletti (1985), a geografia quantitativa se
caracterizou pelo maior rigor na aplicação da metodologia científica embasada no
positivismo lógico ou neopositivismo, no uso de técnicas de estatística e matemática, na
abordagem sistêmica e no uso de modelos. Desenvolveu-se especialmente na Suécia, nos
Estados Unidos, na Grã-Bretanha e na Rússia.
O positivismo lógico ou neopositivismo, teoria na qual foi embasada a geografia
quantitativa, tem como características:
- só descartando a metafísica alcança-se o conhecimento científico;
- o empirismo deve ser estendido a todo o domínio do pensamento;
- todas as ciências são matematizáveis;
- ciência significa compreensão do mundo e não intuição dele;
- experiência e linguagem completam-se reciprocamente;
- só tem sentido o que é fisicamente verificável;
- proposições que não se prestam à verificação e à mensuração são destituídas de sentido;
- a ciência não estuda leis objetivas da natureza, mas somente os dados da experiência
mediada pelos sentidos ou por instrumentos (SCIACCA, 1968 IN: CAMARGO; REIS
JÚNIOR, 2007, p.91).
35

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

Camargo e Reis Júnior (2007) concordam com Santos (1986), em que o uso da
filosofia neopositivista teve como objetivo dotar a geografia de cientificismo, ou seja,
torná-la mais científica. Visto que o uso de técnicas matemáticas, modelos, o empirismo
e a experimentação seriam os requisitos básicos de uma ciência.
Os críticos deste paradigma argumentam que a quantificação deixou de ser uma
ferramenta auxiliar do geógrafo em sua análise e passou a ser o referencial básico das
pesquisas. Os estudos passaram a se preocupar mais com os modelos matemáticos e com
a estatística do que em compreender as relações sociais e espaciais presentes no espaço.
A quantificação tem como méritos o enriquecimento da geografia com o uso de
modelos matemáticos-estatisticos, inserção dos computadores na análise e a busca de
aprimoramento metodológico. No entanto, o uso e abuso de técnicas e modelos típicos
das ciências naturais não davam respostas a todas as questões e inquietações impostas as
ciências sociais.
Assim, a partir da década de 1970, a Nova geografia e os paradigmas tradicionais
são intensamente questionados, surgindo a geografia crítica. Christofoletti (1985)
classifica as tendências críticas em: geografia radical, geografia humanística e geografia
idealista.
O vetor mais significativo da geografia radical está baseado no materialismo
histórico dialético elaborado pelos alemães K. Marx e F. Engels no final do século XIX.
Marx e Engels buscaram entender as contradições inerentes ao sistema capitalista de
produção e a divisão da sociedade em classes. A burguesia, minoria e dona dos meios de
produção concentra a maior parte do capital em suas mãos; já o proletariado, a maior
parte da população, é detentora de pouco ou quase nenhum recurso financeiro. Para a
dialética marxista o mundo deve ser compreendido como dinâmico, em movimento,
contraditório, histórico e a perspectiva da ciência é a transformação da realidade
objetivando novas sínteses.
Tais pensamentos chegam tardiamente no âmbito geográfico. Isto não significa
que inexistiam anteriormente. O que ocorria é que os pensadores sociais críticos foram
abafados pelo pensamento tradicional que dominava e influenciava a geografia antes da
década de 1970.
O aprofundamento dos problemas sociais, a ampliação da concentração de
renda, as constantes migrações para as cidades que não possuíam infraestrutura capaz de
atender a grande demanda, foram construindo um espaço degradado, especialmente na
América Latina, África e Ásia. Os fatores apontados foram decisivos para a penetração do
pensamento marxista na geografia e sua difusão entre um número significativo de
pensadores.
36

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

As principais discussões dentro da linha de orientação marxista são encontradas
em David Harvey, Yves Lacoste, Massimo Quaine, James Anderson, Neil Smith entre
outros. No Brasil, é importante destacar a intensa produção cientifica desenvolvida pelos
geógrafos Milton Santos e Ruy Moreira.
A influência do marxismo significou uma nova orientação na prática política dos
geógrafos, que buscaram romper com a neutralidade pregada pelo positivismo e se
envolver mais em propostas de mudanças sociais. Para Moraes (1983), os geógrafos
críticos, em suas diferenciadas orientações, assumem a perspectiva da transformação da
ordem social.
A perspectiva vem da análise das grandes contradições do sistema capitalista e da
produção de espaços desiguais. A pobreza, a miséria, as desigualdades sociais, o
desemprego, a corrupção e até mesmo a fome onde se produz alimentos se manifestam de
forma escancarada. A somatória desses problemas levou a configuração de uma geografia
marcada pelo materialismo histórico dialético. Passou-se a compreender o homem como
ser social e as relações políticas e econômicas são introduzidas no debate com o objetivo
de compreender as profundas desigualdades espaciais existentes.
Frigotto (1989, p. 73), compreende o materialismo histórico e dialético como
uma postura, uma concepção de mundo "um método que permite uma apreensão
radical (que vai à raiz) da realidade e, enquanto práxis, isto é, unidade de teoria e prática
na busca da transformação e de novas sínteses no plano do conhecimento e no plano da
realidade histórica."
O materialismo histórico e dialético diz respeito às contradições da realidade, a
concepção de mundo e de movimento que o pesquisador possui, deve ser radical3 e ter
por finalidade a transformação da realidade.
Fica evidente a preocupação do método com a transformação da realidade. Não
basta apenas compreender a essência, é necessário compreender para mudar. O
pesquisador busca compreender a essência oculta nas relações sociais historicamente
produzidas com a finalidade de transformá-las. Marx deixa isso claro na XI tese sobre
Feuerbach.
Já a geografia humanística, embasada na fenomenologia, procura valorizar a
experiência do individuo ou do grupo, visando compreender o comportamento e as
maneiras de sentir das pessoas em relação aos seus lugares (CHRISTOFOLETTI, 1985).
Para cada individuo existe uma visão de mundo, que se expressa através das suas atitudes

3

A palavra radical deve ser compreendida no sentido de ir à raiz.
37

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

e valores com relação ao meio ambiente.
As noções de espaço e lugar surgem como conceitos chaves na geografia
humanística. O lugar é aquele em que o indivíduo se encontra ambientado, no qual está
integrado. O lugar não é toda e qualquer localidade, mas aquele que tem significância
afetiva para uma pessoa ou grupo de pessoas (CAVALCANTI, 1998). Um dos principais
geógrafos que discutem o conceito sobre a ótica da percepção é Yi-Fu Tuan, na obra
"Topofilia".
Conforme Tuan (1980), o termo topofilia é definido como o elo afetivo entre a
pessoa e o lugar, é um termo concreto como experiência pessoal vivida. O autor considera
a percepção, as atitudes e os valores envolvidos na relação entre os seres humanos e o meio
ambiente.
A geografia cultural, inserida na vertente humanística, tem origem nos estudos
sobre paisagem de Otto Schlüter e August Meitzen no final do século XIX e inicio do XX,
e de Carl Sauer a partir da década de 1920, sendo retomados posteriormente com o
movimento de renovação da geografia na década de 1970. Atualmente tem em Paul
Claval seu principal expoente. Este geógrafo francês está ligado à renovação dos estudos
culturais. Estuda as relações entre a cultura e a vida social, a transmissão dos
conhecimentos e regras de conduta, a relação do indivíduo com a sociedade e também as
articulações e relações entre cultura e poder.
Para Claval (2001), o desaparecimento da geografia cultural que parecia estar
programado para a década de 1970 não ocorreu. Mesmo com a uniformização das
técnicas e também da vida material, fato comum nos dias atuais, os estudos culturais não
desapareceram, pelo contrário, o que se observa é a sua retomada, agora com ênfase nas
representações, outrora negligenciadas.
Ainda para Claval (2001):
Desde que, em 1976, Yi-Fu Tuan propõe falar simplesmente de abordagem humanista, a
partida está ganha. A nova corrente aparece como um dos componentes indispensáveis
de toda démarche geográfica. Insistindo sobre o sentido dos lugares, sobre a importância
do vivido, sobre o peso das representações religiosas, torna indispensável um estudo
aprofundado das realidades culturais. É necessário conhecer a lógica profunda das
ideias, das ideologias ou das religiões para ver como elas modelam a experiência que as
pessoas têm do mundo e como influem sobre sua ação (CLAVAL, 2001, p. 53).

No Brasil merece destaque os estudos dos geógrafos Roberto Lobato Corrêa e
Zeny Rozendahl. Ambos estão debruçando esforços significativos para a divulgação e o
desenvolvimento de uma geografia cultural no país.
38

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

O idealismo, para Christofoletti (1985), é uma alternativa ao positivismo,
tomando plena consideração da dimensão do pensamento do comportamento humano.
O idealismo considera que as ações humanas não podem ser explicadas adequadamente a
menos que se compreenda o pensamento subjacente a elas. Onde os positivistas
procuram explicar o comportamento como uma função dos atributos externos dos
fenômenos, o idealista procura compreende-lo em termos dos princípios internos do
indivíduo ou do grupo.

A GEOGRAFIA GLOBAL COMO NOVO PARADIGMA?
No século XXI, a tecnologia passa cada vez mais a fazer parte da vida e também
das necessidades dos seres humanos. O computador e a internet não são mais artigos de
luxo ou de uso restrito. Estão presentes nas casas, nos carros, nas ruas, no comércio, no
trabalho, etc. A geografia também se encontra inserida nessa realidade, pois o espaço, seu
objeto de estudo, também se torna espaço virtual.
No artigo "Geografia y tecnologias digitales del siglo XXI: Uma aproximación a las
nuevas visiones del mundo y sus impactos científico-tecnológicos", o geógrafo argentino
Gustavo Buzai (2004), procura apresentar um panorama geral referente às relações entre
geografia e tecnologia. Atenta para os seguintes temas: paradigma geotecnológico,
geografia global, ciberespaço e cibergeografia. As discussões são sobre a apropriação das
novas tecnologias digitais pela geografia, aplicações, perspectivas e possibilidades.
Buzai (2004) apresenta uma breve retomada histórica dos principais paradigmas
que nortearam o pensamento geográfico desde sua sistematização como ciência no final
do século XIX. Explica que os movimentos renovadores podem se apresentar em ondas
curtas (20-25 anos), ondas médias (50 anos) e ondas largas (100 anos). Com relação às
ondas curtas teríamos no século XX: paradigma regional (década de 10), racional
(década de 30), quantitativo (década de 50) radical crítico e humanista (década de 70) e
ecologia da paisagem, geografia Pós-moderna e geografia automatizada (década de 90).
Os ciclos de ondas médias representariam em finais do século XX, o paradigma
geotecnológico, ou seja, o positivismo ligado à informática. E os movimentos de ondas
longas, representado atualmente pela geografia global, pelo qual a geografia apresenta
uma "visão espacial" a partir da incorporação em seus conceitos e métodos dos sistemas
computacionais amplamente difundidos.
A geografia global e seus conceitos incluídos no interior das geotecnologias
propiciam uma nova visão do mundo. Não como um paradigma de geografia e sim como
39

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

um paradigma geográfico, onde a geografia oferece as outras disciplinas uma imensa
possibilidade de ações e aplicações (BUZAI, 2004).
O autor entende ciberespaço como uma matriz eletrônica de interconexão entre
bases de dados digitais através dos sistemas computacionais conectados em rede. É um
novo espaço que se sobrepõe ao espaço real. A partir deste ponto de referência explica o
que significa cibergeografia, que é o estudo da natureza espacial das atuais redes de
comunicação. A ciber-cartografia, para o autor, é um dos pontos mais atraentes da
cibergeografia, pois permite a representação cartográfica do ciberespaço.
Buzai (2004) toca em um ponto de fundamental importância que é o mito de
uma rede mundial sem centro. Assim como os romanos dominaram os caminhos
terrestres, os ingleses as rotas marítimas e os estadunidenses as rotas aéreas e espaciais,
existe uma luta para controlar o ciberespaço. Isso ocorre em razão do grande interesse das
potências mundiais em controlar este importante viés no século XXI. Como exemplo
cita o sistema ECHELON, controlado pelos Estados Unidos, que intercepta as
comunicações.
As informações que circulam pelo ciberespaço acabam passando por centros de
controle das grandes potencias. Buzai (2004) também argumenta que no ciberespaço a
informação pode chegar mais rapidamente em um local distante da fonte de origem do
que em um país vizinho. De Buenos Aires (Argentina) para New York (EUA) a
informação demora (480 milésimos de segundo) e de Buenos Aires para o Paraguai, país
vizinho, (2765 milésimos de segundo).
A incorporação dos conceitos e metodologias desenvolvidas nos últimos
cinqüenta anos tem ingressado nos sistemas de computadores para serem distribuídas
nos mais variados âmbitos da geografia. Na atualidade, em razão da perspectiva global, a
geografia tem tido um maior impacto em outras ciências e um maior reconhecimento
com relação a sua importância. Essa geografia pode ter uma infinidade de aplicações a
partir da simulação digital.
Buzai (2004) esclarece que aprender a aplicar os procedimentos geoinformáticos
se converteu em uma tarefa dinâmica e de descobrimentos de novos sentidos. As
ferramentas tecnológicas oferecem oportunidades inovadoras que geram novos desafios.
Entre eles está utilizar a tecnologia como meio através do qual a atividade científica
promova soluções concretas para os problemas que enfrentam a população.
Podemos perceber que um novo panorama se abriu para a geografia a partir do
uso das novas tecnologias. Com o uso do computador, GPS, SIG, INTERNET, entre
outros. Novos termos foram cunhados a exemplo de: cibergeografia, ciber-cartografia,
geotecnologia e geografia global. Estes impõem novos desafios e amplas possibilidades
40

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

para o geógrafo. Desta forma, a geografia enfrenta novos desafios. Ao seu objeto de
estudo se deverá agregar um novo plano, que é o virtual e sua grande variedade de
relações.
No entanto, é demasiadamente importante não perder de vista que estas novas
possibilidades tecnológicas devem ser usadas para promover o bem estar social e
melhorar a qualidade de vida da população. Sem esta premissa corremos o risco da
tecnologia servir apenas aos interesses financeiros de restritos e poderosos grupos
internacionais. O pensamento crítico deve estar sempre presente para avaliar os custos e
os ganhos sociais em questão.

A GEOGRAFIA E SEUS CONCEITOS
Nesta etapa do artigo buscamos discutir os conceitos considerados basilares para
a geografia. São discutidos os seguintes conceitos: espaço, território, região, paisagem e
lugar. Procuramos, de forma sucinta, destacar suas principais características e seus
desdobramentos históricos.
Faz-se necessário realçar que não há convergência absoluta entre os estudiosos em
relação à quais são os conceitos geográficos. Nem mesmo existe consentimento sobre a
sua descrição, pois cada um encontra sua explicação de acordo com o paradigma no qual
está incluso. Tal fato evidencia o dinamismo da geografia. Não temos como objetivo,
inicialmente, entrar nesta discussão. O que propomos é apresentar os conceitos que
compreendemos como referenciais. Iniciamos pela conceitualização de espaço, pois
entendemos que é a partir dele que se desdobram os conceitos de território, região,
paisagem e lugar. Cada um com sua ênfase, como procuramos demonstrar.
Espaço
Primeiramente ratificamos que o espaço é o conceito basilar para a geografia. É
dotado de complexidade e vem sendo discutido demasiadamente desde a antiguidade.
Os gregos clássicos conceituavam espaço como localização dos lugares, o que já
demonstra a existência de uma preocupação com a espacialização da superfície terrestre.
Na concepção de Kant, importante filósofo do século XVIII, o espaço é uma
representação necessária a priori, que serve de fundamento a todas as percepções
exteriores. O espaço é considerado como a condição de ocorrência dos fenômenos.
Assim, todas as relações somente podem ocorrer no espaço e a partir do espaço.
41

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

Na geografia tradicional encontramos em Ratzel a noção de espaço vital, que se
refere à necessidade territorial de uma sociedade, em busca pelo equilíbrio entre os
recursos naturais disponíveis e o total de população. O referido autor traz importante
contribuição para o estudo da geografia, mesmo estando inserido dentro do processo
imperialista e expansionista alemão.
O conceito de espaço, segundo Sposito (2004), esteve durante um longo período
desvinculado do conceito de tempo. A geografia ficava responsável pelos estudos
espaciais e a história se preocupava efetivamente com o tempo. Depois dos estudos de
Albert Einstein referentes à relatividade na física, espaço e tempo não podem mais ser
analisados separadamente.
Para Suertegaray (2001):
A visão crítica da Geografia, ao romper com a visão de estabilidade, passa a conceber o
tempo como espiral. Neste sentido, o tempo é entendido como seta e ciclo, ou seja, o
espaço geográfico se forma (no sentido de formação, origem) e se organiza (no sentido de
funcionalidade), projetando-se como determinação ou como possibilidade. Esta projeção
se faz por avanços (seta) e retornos (ciclo). Neste contexto, o espaço geográfico é a
coexistência das formas herdadas (de uma outra funcionalidade), reconstruídas sob uma
nova organização com formas novas em construção, ou seja, é a coexistência do passado e
do presente ou de um passado reconstituído no presente (SUERTEGARAY, 2001, p. 3).

Na análise de Santos (1986), um dos geógrafos mais comprometidos com a
discussão, o espaço deve ser considerado como um conjunto de relações realizadas através
de funções e de formas que se apresentam como testemunho de uma história escrita por
processos do passado e do presente. É resultado da ação dos homens sobre o próprio
espaço intermediados pelos objetos naturais e artificiais. Nesse ponto, a técnica também
é importante, pois é através dela que o homem produz e transforma o espaço. Através da
técnica de produção os humanos foram organizando e produzindo espacialidades de
acordo com as necessidades e forças produtivas disponíveis. As novas necessidades e
desejos foram conduzindo a novas técnicas e a novas formas de organização espacial.
Para Santos (2008):
Um conceito básico é que o espaço constitui uma realidade objetiva, um produto social
em permanente processo de transformação. O espaço impõe sua própria realidade; por
isso a sociedade não pode operar fora dele. Consequentemente, para estudar o espaço,
cumpre apreender sua relação com a sociedade, pois é esta que dita a compreensão dos
efeitos dos processos (tempo e mudança) e especifica as noções de forma, função e
estrutura, elementos fundamentais para a nossa compreensão da produção do espaço
(SANTOS, 2008, p. 67).
42

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

O autor assim define forma, função, estrutura e processo:
Forma é o aspecto visível de uma coisa. Refere-se, ademais, ao arranjo ordenado de
objetos, a um padrão. Tomada isoladamente, temos uma mera descrição de fenômenos
ou de um de seus aspectos num dado instante do tempo. Função, de acordo com o
Dicionário Webster, sugere uma tarefa ou atividade esperada de uma forma, pessoa,
instituição ou coisa. Estrutura implica a inter-relação de todas as partes de um todo;
modo de organização ou construção. Processo pode ser definido como uma ação
contínua desenvolvendo-se em direção a um resultado qualquer, implicando conceitos
de tempo (continuidade) e mudança (SANTOS, 2008, p. 69).

Forma, função, estrutura e processo são as categorias primárias que permitem o
entendimento da atual organização do espaço. São quatro termos disjuntivos, contudo
associados. "Tomados individualmente, representam apenas realidades parciais,
limitadas, do mundo. Considerados em conjunto, porém, e relacionados entre si, eles
constroem uma base teórica e metodológica a partir da qual podemos discutir os
fenômenos espaciais em totalidade " (SANTOS, 2008, p. 71).
Henrique (2003), compreende que na obra de Milton Santos o espaço é
entendido como a natureza transformada e socializada, ou seja, uma segunda natureza
historicizada. A transformação da primeira natureza ­ natureza natural, para a segunda
natureza ­ natureza socializada, ocorre pelo uso das técnicas e ferramentas desenvolvidas
pelos homens. Desta forma, os humanos transformam a natureza e produzem espaço.
Corrêa (2003) utiliza o termo organização espacial na sua análise. O autor
explica que a organização espacial é reflexo da ação humana ao longo do tempo,
conseqüência do trabalho e da divisão do trabalho. O espaço é entendido como espaço
social, vivido, em estreita correlação com a prática social. A produção do espaço é
resultado da ação do homem sobre a natureza. A organização do espaço reflete em como a
população utiliza-o em virtude das técnicas disponíveis e das necessidades humanas.
Ainda para Corrêa (2003):
O longo processo de organização e reorganização da sociedade deu-se
concomitantemente à transformação da natureza primitiva em campos, cidades,
estradas de ferro, minas, voçorocas, parques nacionais, shopping centers, etc. Estas obras
do homem são as suas marcas apresentando um determinado padrão de localização que é
próprio a cada sociedade. Organizadas espacialmente, constituem o espaço do homem,
a organização espacial da sociedade ou, simplesmente, o espaço geográfico (CORRÊA,
2003, p. 52).

A ação humana tende a modificar o meio natural e transformá-lo em meio
43

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

geográfico, ou seja, moldado e trabalhado pela intervenção do homem e realizado no
transcorrer da história. Assim, ao longo do tempo a atuação da sociedade (re)transforma
o espaço em uma ação dinâmica continua.
Smith (1988), explica que é necessário insistir no significado de espaço, porque
seu entendimento ainda é vago e visto com multiplicidade de significados muitas vezes
contraditórios: espaço como campo, como receptáculo, como simples vácuo. O autor
aponta que é demasiadamente importante distinguir a concepção de espaço geográfico
dos outros significados atribuídos. Aponta que duas concepções de espaço têm sido
objeto de destaque: o espaço absoluto e o espaço relativo.
O espaço absoluto é compreendido como vácuo. É desprovido de matéria,
porém é o receptáculo de ocorrência e existência dos objetos. O espaço relativo não é
independente da matéria "As relações espaciais são, na realidade, relações entre partes
específicas da matéria e, assim, são puramente relativas ao movimento, ao
comportamento e a composição da matéria e dos eventos materiais (SMITH, 1988, p.
112). Com base no exposto o autor avança para a questão do espaço físico e do espaço
social.
Como o exemplo do espaço absoluto ilustrou, os conceitos absolutos de espaço têm
influenciado consideravelmente nossas concepções sociais mais amplas de espaço, pelo
menos desde Newton. Entretanto, as concepções contemporâneas de espaço não têm
nenhuma semelhança com os espaços n-dimensionais abstratos da Física matemática.
Qualquer que tenha sido a relação histórica, o espaço social hoje é completamente
diferente do espaço científico. Enquanto o espaço científico tenta completamente se
abstrair da atividade e dos eventos sociais, o espaço social é geralmente tratado como
sendo justamente o campo dessa atividade. Como sugerimos, a base conceitual para o
surgimento de um espaço social separado reside mais claramente na separação feita por
Newton de espaço relativo e do espaço absoluto. Com o espaço absoluto de Newton, o
mundo dos fenômenos físicos, biológicos e geográficos poderia ser tratado como a base
natural do espaço físico. O espaço social, por outro lado, poderia ser tratado como um
espaço puramente relativo, existindo dentro do espaço absoluto a relatividade do espaço
social é determinada pelas relações sociais particulares que ocorrem numa dada
sociedade (SMITH, 1988, p. 119).

A bifurcação entre espaço físico e espaço social está no desenvolvimento da
segunda natureza a partir da primeira. Ocorreu que a sociedade foi separada da natureza
antes que o espaço social fosse distinguido do espaço físico. O espaço físico absoluto foi
associado ao espaço natural da primeira natureza. Já o conceito de espaço social foi
abstraído do espaço natural. O espaço social é entendido como um campo abstrato
44

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

constituído por eventos sociais. Para Smith (1988, p. 120) "Um objeto ou uma relação
pode ser bastante real, por exemplo, a classe trabalhadora, ou a relação salário-trabalho,
mas colocá-los como pontos no espaço social não implica absolutamente nada sobre sua
localização no espaço físico ou natural."
As discussões levantadas têm as seguintes implicações na Geografia:
Agora o espaço geográfico é algo novamente diferente. Por mais social que ele possa ser, o
espaço geográfico é manifestadamente físico; é o espaço físico das cidades, dos campos,
das estradas, dos furacões e das fábricas. O espaço natural, no sentido de espaço absoluto
herdado, não é mais sinônimo de espaço físico, haja vista que o espaço físico, por
definição, pode ser social. Esta distinção surge no debate sobre o espaço geográfico,
porque os geógrafos têm que lidar com o espaço físico em geral e não apenas com o espaço
natural da primeira natureza. Com seus objetos de estudo localizados enquadradamente
dentro do espaço social, a maioria das ciências sociais poderia abstrair do espaço físico,
incorporando-o nas análises somente como um dado externo ocasional. A Geografia
evidentemente não se deu a esse luxo e, somente em anos recentes, tem tido que enfrentar
face a face a contradição aparente entre espaço físico e espaço social, e a diferenciação
interna do espaço natural e do espaço físico em geral (SMITH, 1988, p. 120).

A contradição aparente entre espaço físico e espaço social se caracterizou através
do dualismo entre espaço e sociedade. Romper com o dualismo e demonstrar a unidade
do espaço e da sociedade não é tarefa fácil, como procura demonstrar o autor:
Nós chegamos a entender e a afirmar a unidade do espaço e da sociedade, mas ainda é
difícil dar o próximo passo, da afirmação para a demonstração, sem alterar, na prática,
nossa concepção de espaço. A noção de que o espaço e a sociedade "interagem" ou que os
padrões espaciais "refletem" a estrutura social não é somente grosseira e mecânica na sua
elaboração, mas também impede mais discernimentos com relação ao espaço geográfico
[...] Duas coisas somente podem interagir ou refletir-se mutuamente se elas forem
definidas, em primeiro lugar, como coisas separadas [...] A concepção da "produção do
espaço" deve-nos apresentar um meio de dar o próximo passo e de nos permitir
demonstrar, mais do que simplesmente afirmar, a unidade do espaço e da sociedade
(SMITH, 1988, p. 122-123).

Assim, com a produção do espaço, a prática dos homens e o espaço são
integrados no próprio conceito de espaço. O que rompe com a dicotomia espaço e
sociedade e possibilita avançar sobre o entendimento de espaço geográfico.
Suertegaray (2001), compreende o espaço como um conceito balizador da
geografia, entendendo-o como uno e múltiplo "Sua dinâmica é representada pelo
45

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

movimento, o girar do círculo. Este giro expressa a ideia: um todo uno, múltiplo e
complexo" (2001, p. 09).
Entendemos que é a partir da complexidade e dinamismo do espaço geográfico
que se desdobram os conceitos de território, região, paisagem e lugar. O que os diferencia
é a ênfase dada por cada autor de acordo com os objetivos do estudo a ser realizado.
Território
O conceito território vem sendo amplamente debatido nas ultimas décadas,
existindo divergências entre pesquisadores sobre sua definição. Etimologicamente a
palavra território, "territorium" em latim, é derivada do vocábulo terra e é compreendido
como o pedaço de terra apropriado, dentro dos limites de uma jurisdição políticoadministrativa.
No Brasil, durante muito tempo, a noção de território ficou restrita a uma
porção de terra limitada por fronteiras sob uma jurisdição. O conceito vem ganhando
destaque e amplitude em razão de novos olhares sobre a temática.
Na geografia tem por base a obra de Ratzel, que o entendia como o
aproveitamento de uma porção do espaço por um grupo organizados pela ação do
Estado. Sua concepção está diretamente ligada ao momento histórico de sua época, que
foi a consolidação das relações capitalista e imperialista na Alemanha.
Para Haesbaert (2004), pode-se agrupar a concepção de território em três
vertentes básicas: i) política (referente às relações espaço-poder), ii) cultural (que prioriza
a dimensão simbólica e mais subjetiva), e iii) econômica (como fonte de recursos). O
autor apresenta as possibilidades de análise sobre o tema, demonstrando sua
complexidade.
Santos (2005) compreende sob a perspectiva do uso. Para o autor o território
usado constitui-se como um todo complexo onde se tece uma trama de relações
complementares e conflitantes. Deve ser compreendido como uma totalidade que vai do
global ao local. Em sua análise argumenta que o território em si não é um conceito, ele só
se torna um conceito quando o consideramos na perspectiva do seu uso. Tal
entendimento é demasiadamente importante, visto que tem como preocupação
principal a ação e a utilização desempenhada pelos seres humanos na produção do
espaço.
Em Robert Sack (1986), território está ligado ao controle de pessoas e/ou
recursos através do controle de uma área. A escala varia muito, podendo ir do nível
pessoal, de uma sala, ao internacional. Nesta análise está evidente as relações de poder
46

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

abordadas no conceito. As relações de poder estabelecidas no território estão entre as
contribuições mais importantes, visto que buscam entender como ocorrem a
apropriação e dominação territorial em diferentes escalas de poder.
Raffestin apud Saquet (2004), aponta que o território é objetivado por relações
sociais concretas e abstratas, de poder e dominação, o que implica a cristalização de uma
territorialidade. Em Raffestin o espaço é anterior ao território. O território se forma a
partir do espaço, sendo o resultado de uma ação conduzida.
Para Saquet (2004), outra contribuição importante de Raffestin está relacionada
ao processo TDR (territorialização, desterritorialização e reterritorialização) relacionado
às ações econômicas e culturais. É considerado um "processo de relações sociais, de perda
e reconstrução de relações" (SAQUET, 2004, p. 126). O território também apresenta
caráter político, é um espaço modificado pelo trabalho e apresenta relações de poder.
Um território é produzido, ao mesmo tempo, por relações políticas, culturais e
econômicas, nas quais as relações de poder inerentes às relações sociais estão presentes
num jogo contínuo de dominação e submissão, de controle do espaço geográfico. O
território é apropriado e construído socialmente, fruto do processo de territorialização,
do enraizamento; é resultado do processo de apropriação e domínio de um espaço,
cotidianamente, inscrevendo-se num campo de poder, de relações socioespaciais
(SAQUET, 2004, p. 128-129).

Podemos perceber, conforme as análises de Sack (1986), Haesbaert (2004),
Saquet (2004), Santos (2005), que o conceito tornou-se mais complexo e abrangente,
estando relacionado ao uso, a apropriação do espaço, as relações sociais, políticas,
econômicas, culturais, de poder e de controle. O conceito de território ganhou novas
perspectivas em virtude das possibilidades de abordagem estabelecidas sobre o tema por
importantes estudiosos.
O avanço sobre o entendimento de território vem contribuindo para a produção
de pesquisas críticas e preocupadas com as relações estabelecidas a partir do uso e
apropriação. O que evidencia o caráter dinâmico do conceito e da própria geografia
como ciência.
Região
Partimos agora para o conceito de região, que foi demasiadamente desenvolvido
e trabalhado pela escola francesa e está associado à noção de diferenciação de áreas.
Segundo Corrêa (2003, p. 22), a aceitação do conceito está na ideia de que a "superfície
47

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

da Terra é constituída por áreas diferentes entre si." O conceito vai assumindo
características distintas conforme os paradigmas da geografia.
No determinismo ambiental era entendido como região natural, sendo
caracterizado pela uniformidade resultante da integração dos elementos da natureza:
clima, vegetação, relevo, etc. O elemento humano ficava de fora na análise, pois se
entendia que os elementos naturais determinam as condições do homem. Corrêa (2003)
explica que:
A região natural é entendida como uma parte da superfície da Terra, dimensionada
segundo escalas territoriais diversificadas, e caracterizadas pela uniformidade resultante
da combinação ou integração em áreas dos elementos da natureza: o clima, a vegetação,
o relevo, a geologia e outros adicionais que diferenciariam ainda mais cada uma destas
partes. Em outras palavras, uma região natural é um ecossistema onde seus elementos
acham-se integrados e são interagentes (CORRÊA, 2003, p. 24).

O autor ainda avalia que para o determinismo ambiental o clima aparece como
elemento primordial, sendo em alguns casos utilizado para justificar a exploração
colonial e o racismo no período imperialista.
No possibilismo a região não é mais natural, é geográfica. O homem passou a ser
considerado como ser que influencia e é influenciado pela natureza. A região se torna
objeto de estudo e abrange uma paisagem e sua extensão, onde se entrelaçam os
componentes da natureza com a ação humana. Para Corrêa:
Reagindo ao determinismo ambiental, o possibilismo considera a evolução das relações
entre o homem e a natureza, que, ao longo da história, passaram de uma adaptação
humana a uma ação modeladora, pela qual o homem com sua cultura cria uma paisagem
e um gênero de vida, ambos próprios e peculiares a cada porção da superfície da Terra
(CORRÊA, 2003, p. 28).

A região geográfica abordada pelo paradigma possibilista é elaborada na França
no final do século XIX, por La Blache. Posteriormente se expande para a Alemanha e para
os Estados Unidos no século XX. A preocupação do geógrafo está em evidenciar as
individualidades e singularidades oriundas da combinação entre elementos humanos e
naturais, ou seja, a região geográfica. Foi construída sobre as bases teóricas do empirismo.
De acordo com Corrêa (2003), a nova geografia definiu região como um
conjunto de lugares onde as diferenças internas são menores que a existente entre eles e
outros lugares. Originada sobre as bases teóricas do positivismo lógico a nova geografia
utilizou de técnicas estatísticas para regionalizar as porções da superfície.
48

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

Para se verificar as similaridades e as diferenças entre as áreas são utilizados um
conjunto técnico-estatístico (moda, mediana, desvio padrão, coeficiente de variação,
análise de agrupamento, etc.) que permite mensurar os lugares e definir uma divisão
regional.
Segundo Cavalcanti (1998), na visão da geografia crítica se analisa a região a
partir da caracterização do capitalismo como um sistema que promove o
desenvolvimento desigual. A região é considerada uma entidade concreta, resultado de
múltiplas determinações e das contradições materializadas no espaço. O enfoque está
dentro da temática centro e periferia.
O conceito de região foi amplamente difundido na geografia, sendo considerado
por alguns pesquisadores, como é o caso de Hartshorne, um método para o estudo da
geografia. No entanto, na última década no Brasil, o conceito tem ficado em segundo
plano nas discussões. Maior ênfase passou a ser dada aos conceitos paisagem, território e
lugar. Mesmo assim, os estudos regionais ainda estão inseridos em um considerável
número de pesquisas que contribuem para o desenvolvimento do pensamento
geográfico.
Paisagem
Na geografia o conceito aparece inicialmente ligado a paisagem natural,
entendida através da composição dos elementos naturais (clima, vegetação, relevo, solo,
entre outros); e posteriormente a paisagem humanizada compreendida como resultado
das relações homem/natureza. Conforme Colavite e Passos (2010, p. 1143), "a paisagem
surge na geografia como um dos primeiros conceitos basilares e desenvolve-se sob
variadas perspectivas teórico-conceituais e metodológicas, circunstanciadas pelo
momento histórico atravessado".
Os geógrafos geralmente compreendem a paisagem como a expressão
materializada das relações do homem com a natureza. Para alguns o limite da paisagem é
o que a visão alcança, para outros é algo além do visível, resultado da articulação entre os
elementos constituintes e deve ser estudada a partir da sua morfologia, estrutura e divisão
(SUERTEGARAY, 2001).
Suertegaray (2001, p. 5) continua sua argumentação explicando que entende
paisagem como um conceito operacional "[...] um conceito que nos permite analisar o
espaço geográfico sob uma dimensão, qual seja o da conjunção de elementos naturais e
tecnificados, sócio-econômicos e culturais". A paisagem pode ser analisada como a
materialização das condições sociais, podendo persistir elementos naturais, embora já
49

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

transfigurados pela ação humana.
De acordo com Passos (2000), o termo paisagem, anteriormente envolto por
uma carga romântico-naturalista, no século XX passou a ter caráter científico. O autor
compreende que a paisagem é produzida historicamente pelos homens, segundo a sua
organização social, o seu grau de cultura e o seu aparato tecnológico. É um espaço em três
dimensões: "natural", social e histórico.
Ainda para Passos (2000), natureza e paisagem são conceitos diferentes. A
natureza não é paisagem, a natureza existe em si, enquanto que a paisagem existe somente
em relação ao homem, na medida em que a elabora historicamente.
Na visão de Vitte (2007), foi Ab' Saber quem mais contribui no Brasil com os
estudos sobre paisagens naturais, recuperando o conceito de fisiologia da paisagem e
compreendendo-a como o resultado da relação entre os processos do passado
(responsáveis pela compartimentação regional da superfície) e os atuais (responsáveis
pela dinâmica atual das paisagens).
Em Santos (1986), encontramos que a paisagem é tudo o que é visível, o que a
visão alcança, que a vista abarca. É formada por cores, odores, sons e movimento. É a
materializado de um instante da sociedade.
A paisagem também é analisada sobre a perspectiva da fenomenologia,
apresentando características subjetivas, como é o caso da interpretação de Corrêa (2003),
que compreende como um produto da ação do homem ao longo do tempo constituída
de valores, crenças e uma dimensão simbólica.
Para Claval (2001):
A paisagem traz a marca da atividade produtiva dos homens e de seus esforços para
habitar o mundo, adaptando-o às suas necessidades. Ela é marcada pelas técnicas
materiais que a sociedade domina e moldada para responder às convicções religiosas, às
paixões ideológicas ou aos gostos estéticos dos grupos. Ela constitui desta maneira um
documento-chave para compreender as culturas, o único que subsiste frequentemente
para as sociedades do passado (CLAVAL, 2001, p. 14).

Para o referido autor, inserido nos estudos da geografia cultural, a paisagem se
constitui através das transformações que o homem realiza sobre o meio natural usando as
técnicas disponíveis, moldando o espaço conforme as características culturais dos grupos
humanos. Fica evidente a preocupação com a relação entre a cultura e a paisagem na
análise geográfica, visto que a paisagem é moldada de acordo com as técnicas e as
características culturais dos diversos grupos humanos.
Atualmente se verificam na geografia duas correntes principais preocupadas com
50

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

o estudo da paisagem. Uma enfatiza as múltiplas relações entre os elementos naturais
(clima, relevo, solo, vegetação, geologia e hidrografia) mais a ação antrópica como os
fatores responsáveis pela morfologia da paisagem, foi denominada de sistêmica ou
geossistêmica. A outra corrente prioriza a cultura humana e foi denominada paisagem
cultural.
A visão sistêmica foi desenvolvida na geografia por Soctchava na década de 1960.
Em seguida o francês Georges Bertrand define recortes espaciais e escala de análise. Na
perspectiva cultural é analisado o vínculo que o homem estabelece com o lugar
(COLAVITE; PASSOS, 2010).
Uma das propostas mais complexas e também completas para o estudo da
paisagem é o modelo GTP elaborado pelo geógrafo francês Bertrand. Nesta abordagem
são analisados o geossistema (source ­ fonte), o território (ressource ­ recurso) e a
paisagem (ressourcement ­ identidade).
Assim, para Colavite e Passos (2010), o geossistema é a análise do meio natural e
a paisagem do meio sociocultural. O território a análise das inter-relações entre cultura e
geossistema, envolvendo sujeitos que atuam sobre o objeto, resultando na produção
territorial. Em razão de melhor contemplar a complexidade da análise geográfica o
modelo GTP começou a ser amplamente utilizado por inúmeros pesquisadores.
O que fica em evidência é o fato da paisagem ser um importante e dinâmico
conceito no âmbito da geografia, adquirindo interpretações próprias e particulares em
conformidade com os paradigmas e teorias nas quais foi gerada.
Lugar
O conceito de lugar, dentro da geografia tradicional, foi definido de acordo com
as características naturais e culturais próprias de uma determinada área. Estava ligado à
noção de localização e à individualidade das parcelas do espaço.
De acordo com Cavalcanti (1998), na perspectiva da geografia humanística o
lugar é o conceito chave, compreendido com o espaço vivido. É onde a vida se realiza, está
carregado de afetividade e significado. A perspectiva humanística é desenvolvida sobre as
bases teóricas da fenomenologia, que tem na percepção do sujeito sobre o objeto a
principal referência. Assim, o lugar é estudado a partir das relações e ligações subjetivas
estabelecidas entre o sujeito e o espaço.
Para Tuan (1980), o espaço é mais abstrato que o lugar, o que começa como
espaço indiferenciado, transforma-se em lugar à medida que o conhecemos melhor e o
dotamos de valor e significado. Segundo Claval (2001, p. 55), "[...] os lugares não tem
51

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

somente uma forma e uma cor, uma racionalidade funcional e econômica. Eles estão
carregados de sentido para aqueles que os habitam ou que os freqüentam." Fica claro que
na abordagem humanística o entendimento de lugar vai muito além da simples visão de
localização e de individualidade do espaço. São acrescentadas a percepção, os
significados, as características e heranças culturais dos indivíduos. O lugar é o espaço
vivido, dotado de significados próprios e particulares que são transmitidos
culturalmente. São considerados nos estudos a percepção do individuo, os símbolos, a
religiosidade, os valores e as identidades coletivas.
A concepção de lugar, dentro da geografia crítica, passou a valorizar mais as
questões políticas e econômicas. É analisado como campo de embate, arena de combate
entre as classes socias. O lugar é o espaço do particular, estando presentes os elementos
históricos, culturais e a identidade; revelando as especificidades. É no lugar que se
materializam as contradições da globalização, conforme suas particularidades e suas
possibilidades (CAVALCANTE, 1998).
Na visão crítica existe uma inter-relação dinâmica entre as escalas: local, regional,
nacional e global. Com a expansão das relações capitalistas de produção não é mais
possível estudar o lugar sem uma preocupação efetiva com suas conexões com o global
através das redes e fluxos. Porém, mesmo com a globalização, as especificidades do lugar
não desaparecem. Pelo contrário, as características próprias e peculiares conseguem
coexistir, contraditoriamente a tendência de homogeneização imposta pelo capital
internacional.
Para Carlos (1997):
[...] o lugar aparece como um fragmento do espaço onde se pode apreender o mundo
moderno. Uma vez que o mundial não abale o local. O lugar se produz na articulação
contraditória entre o mundial que se anuncia e a especificidade histórica do particular.
Deste modo o lugar se apresenta como o ponto de articulação entre a mundialidade em
constituição e o local enquanto especificidade concreta, enquanto momento
(CARLOS, 1997, p. 303).

O lugar, no dizer da autora, é produto da articulação estabelecida entre o
mundial e o especifico e particular.
O lugar permitiria desvendar a sociedade atual na medida em que aponta para a
globalidade. Enquanto parcela do espaço, enquanto construção social, o lugar abre
perspectiva para se pensar o viver e o habitar, o uso e o consumo, os processos de
apropriação do espaço. Ao mesmo tempo, posto que preenchido por múltiplas coações,
expõe as pressões que se exercem em todos os níveis (CARLOS, 1997, p. 303).
52

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

A autora chama a atenção para a supremacia do valor de troca sobre o valor de uso
do lugar. O lugar aparece como privado e o cidadão é apenas um consumidor, pois as
relações passam obrigatoriamente pela troca. No entanto, também é no lugar que se
manifesta a diferença e o conflito. O uso entra em choque com os interesses do capital. É
o uso reagindo contra a troca, contra os interesses dos especuladores.
É no lugar que se manifesta a luta de classes e a reação ao valor de troca através dos
movimentos e organizações populares como: movimento dos sem-teto e sem terra,
associações de bairro e de moradores, movimentos ambientais, movimentos dos
estudantes da educação básica e superior, movimentos em defesa da mulher e da criança,
contra a violência urbana, etc.
Os movimentos sociais reagem contra o ordenamento do capital e buscam
mobilizar a população com o objetivo de transformar a realidade e melhorar as condições
de vida. Os movimentos articulam e mediam as ações em diferentes escalas, com atuação
local efetiva.
Com base no exposto no transcorrer do texto entendemos que a compreensão
dos conceitos de espaço, território, região, paisagem e lugar são de fundamental
importância para a análise geográfica. Sem a clareza do significado dos conceitos
elementares e sem o entendimento de qual teoria lhes estabelece suporte, qualquer
discussão ou debate que se queira fazer fica vago e desprovido de significado.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
O desenvolvimento do conhecimento geográfico esteve fortemente ligado aos
processos expansionistas territoriais. Isto é válido tanto para o período pré-científico
como para o período da organização científica. Porém, não significa a inexistência de
pensadores críticos preocupados com as questões sociais. O que ocorria é que os
governantes interessados em ampliar seus domínios territoriais, incentivaram
determinados pensamentos e procuravam abafar e sufocar as ideias contrárias. O que
caracterizou a constituição de uma geografia a serviço do Estado.
O despertar do pensamento social crítico ocorreu efetivamente a partir da
década de 1970, com o movimento que ficou denominado como geografia crítica. As
preocupações sociais passaram a fazer parte das pautas e interesses de discussão dos
geógrafos. As profundas desigualdades sociais oriundas do capitalismo começaram a ser
intensamente discutidas, especialmente pela vertente marxista.
O que se verifica na atualidade é a busca por parte de inúmeros geógrafos em
53

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

elaborar estudos inter-relacionando os aspectos sociais com os ambientais. A dicotomia
entre geografia física e geografia humana ainda está presente, no entanto, os esforços para
a integração são crescentes.
No inicio do século XXI, as discussões também caminham para a relação entre a
geografia e as novas técnicas de computação e comunicação. Sendo o espaço virtual
inserido no debate. No entanto, é importante compreender quem o espaço virtual
beneficia: as grandes potências e companhias transnacionais ou a população
trabalhadora?
Sem esse entendimento corremos o risco de produzir novamente uma geografia
direcionada para atender os objetivos de dominação e expansão financeira de um restrito
grupo em detrimento da maioria da população. Papel desempenhado outrora pela
geografia e muito criticado na atualidade.
Não negamos a importância da tecnologia e os avanços que ela proporciona.
Mas, a tecnologia, assim como o espaço virtual, devem estar inseridos em um projeto
social mais amplo que auxilie na transformação de uma sociedade altamente desigual
para uma sociedade onde o bem estar social seja o objetivo a ser alcançado.
Como podemos perceber ao longo das discussões apresentadas são diversos os
paradigmas e conceitos. Eles contribuíram para o enriquecimento e dinamismo da
geografia ao longo do seu desenvolvimento histórico como ciência. Cabe a cada geógrafo
conhecer os paradigmas, avaliar os pontos negativos e os pontos positivos que cada um
apresenta, efetuar a crítica e, conscientemente, escolher o seu caminho. É como apontam
Camargo e Reis Júnior (2007, p. 83-84), "É preciso, portanto, que os geógrafos da
atualidade tenham presente o fato de na geografia existir uma variedade de enfoques e
correntes alternativas ­ detalhe que os obriga a repensar, constantemente, sua natureza".
Aqui apresentamos, de forma geral, os pontos que julgamos básicos e introdutórios para
as discussões sobre a temática proposta. Para o aprofundamento das discussões e das
reflexões sugerimos a leitura das referências citadas.

REFERÊNCIAS
ANDRADE, Manuel Correia de. Geografia, ciência da sociedade: uma introdução à
análise do pensamento geográfico. São Paulo: Atlas, 1987.
BUZAI, Gustavo D. Geografia y tecnologias digitales del siglo XXI: uma aproximación a
las nuevas visiones del mundo y sus impactos científico-tecnológicos. In: Scripta Nova.
54

COSTA, F.R. da; ROCHA, M.M.

Vol. VIII, n. 170, 1 de agosto de 2004.
CAMARGO, José Carlos Godoy; REIS JÚNIOR, Dante Flávio da Costa. A filosofia
(neo)positivista e a Geografia Quantitativa. In: VITTE, Antonio Carlos (org.)
Contribuições à História e à Epistemologia da Geografia. Rio de Janeiro: Bertrand
Brasil, 2007.
CAPEL, Horacio. Filosofia e ciência na geografia contemporânea: uma introdução à
geografia. Maringá: Massoni, 2004.
CARLOS, Ana Fani Alessandri. O lugar: mundialização e fragmentação. In: SANTOS,
Milton et. al. (Org.) O novo mapa do mundo: fim de século e globalização. São Paulo:
Hucitec, 1997.
CAVALCANTE, Lana de Souza. Geografia, escola e construção de conhecimento.
Campinas: Papirus. 1998.
CHRISTOFOLETTI, Antônio. As características da nova geografia. In: Perspectivas
da geografia. São Paulo: Difel, 1985, p.71-101.
CLAVAL, Paul. A geografia cultural. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2001.
COLAVITE, Ana Paula; PASSOS, Messias Modesto dos. Reflexões sobre a análise da
paisagem no GTP: da perspectiva sistêmica à cultural. Anais: V SIMPGEO ­ Simpósio
Paranaense de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia, estado da arte, tendências e
desafios. Curitiba: UFPR. 2010.
CORRÊA, Roberto Lobato. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 2003.
FRIGOTTO, Gaudêncio. O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa
educacional. In: FAZENDA, I. (Org.) Metodologia da pesquisa educacional. São
Paulo: Cortez, 1989.
HAESBAEST, Rogério. Dês-caminhos e perspectivas do território. In: RIBAS,
Alexandre Domingues; SPOSITO Eliseu Savério; SAQUET, Marcos Aurélio.
Território e desenvolvimento: diferentes abordagens. Francisco Beltrão: Unioeste,
2004.
HENRIQUE, Wendel. A natureza nos interstícios do social ­ uma leitura das idéias de
natureza nas obras de Milton Santos. Revista Terra Livre: São Paulo. Ano 19, v. 2, n. 21,
jul/dez. 2003.
MORAES, Antônio Carlos Robert de. Geografia: pequena história crítica. São Paulo:
55

Revista GEOMAE - Geografia, Meio Ambiente e Ensino. Vol. 01, Nº 02, 2º SEM/2010

Hucitec, 1987.
PASSOS, Messias Modesto. A Construção da Paisagem no Mato Grosso - Brasil.
Maringá: Editora da UEM, 2000.
RODRIGUES, Auro de Jesus. Geografia: introdução à ciência geográfica. São Paulo:
Avercamp, 2008.
SACK, Robert. Human territoriality. Cambridge: Cambridge Press, 1986.
SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica de geografia a uma geografia
crítica. São Paulo: Hucitec, 1986.
SANTOS, Milton. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científicoinformacional. São Paulo, Hucitec, 1994.
SANTOS, Milton. O retorno do território. In: Debates Territori y movimientos
sociales. Ano VI, n. 16, enero-abril, 2005.
SANTOS, Milton. Espaço e Método. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo,
2008.
SAQUET, Marcos Aurélio. O território: diferentes interpretações na literatura italiana.
In: RIBAS, Alexandre Domingues; SPOSITO Eliseu Savério; SAQUET, Marcos
Aurélio. Território e desenvolvimento: diferentes abordagens. Francisco Beltrão:
Unioeste, 2004.
SMITH, Neil. Desenvolvimento desigual: Natureza, Capital e a produção do espaço.
Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.
SPOSITO, Eliseu Savério. Geografia e filosofia: contribuição para o ensino do
pensamento geográfico. São Paulo: Unesp, 2004.
SUERTEGARAY, Dirce Maria Antunes. Espaço Geográfico uno e múltiplo. Scripta
Nova. n. 93, 15 de julio de 2001.
TUAN, Yi-fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente.
São Paulo: Difel, 1980.

56