migração
O Brasil em movimento

Sumário
Para lá e para cá

1. Migrações | p. 03
2. Mas, afinal, por que as pessoas migram? | p. 04
Fatores que favorecem a migração | p. 05
A influência das redes sociais nos locais de destino | p. 07
3. Discriminação e violação de direitos humanos | p. 08
Restrições | p. 10
Migração como direito humano | p. 11







O Brasil no mundo, o mundo no Brasil, e as migrações internas



1. Breve histórico da imigração para o Brasil | p. 12
Imigração no Brasil hoje | p. 14
O caso dos haitianos e a "imigração seletiva" | p. 15
2. Brasileiros no exterior | p. 16
3. Migração dentro do Brasil | p. 19

Migração e trabalho escravo



1. O que é trabalho escravo? | p. 22
2. O que exatamente as migrações têm a ver com isso? | p. 24
3. Origem dos trabalhadores escravizados | p. 25
Bolivianos e paraguaios no Brasil | p. 26

Mão na massa

Quem não é migrante? | p. 29

Expediente

Para lá e para cá

1

Migrações

Quem não é ou nunca foi migrante? É bastante difícil encontrar quem não seja migrante ou
descendente de migrantes, porque esse tem sido um fenômeno muito frequente ao longo da história
da humanidade, e que vem se generalizando cada vez mais nos nossos dias.
Chamamos de migração o deslocamento de pessoas de um país para outro ou do local
onde moram para outro dentro do mesmo país. Você conhece muitas pessoas que deixaram a sua
terra natal, seja por vontade própria ou por necessidade? E saberia dizer se os pais, avós e bisavós
dessas pessoas também viveram sempre no mesmo local?

Para refletir
A região onde você vive recebeu muitos migrantes de outros países
ou de outros estados? Você ou sua família já migraram? Já pensou em
migrar? Você conhece pessoas que migraram? Por quais motivos?

ONG Repórter Brasil - Presidente: Leonardo Sakamoto | Conselho diretivo: Claudia Carmello Cruz, Fernanda Sucupira Gomes, Julián Miguel
Barbero Fuks, Paula Monteiro Takada, Rodrigo Pelegrini Ratier | Conselho fiscal: Beatriz Costa Barbosa, João Caldeira Brant Monteiro de Castro,
Luiz Guilherme Barreiros Bueno da Silva | Coordenadores de programas: Daniel Santini e Maurício Hashizume (Agência de Notícias), Marcel
Gomes (Centro de Monitoramento de Agrocombustíveis), Natália Sayuri Suzuki (Escravo, nem pensar!) | www.reporterbrasil.org.br
Caderno temático Migração: O Brasil em Movimento (publicação do programa Escravo, nem pensar!)
Equipe editorial: Carolina Motoki, Natália Suzuki, Thaís Favoretto, Thiago Casteli | Pesquisa e redação: Fernanda Sucupira (com colaboração de
Fabiana Vezzali) | Pesquisa de imagem e assistência editorial: Marina Falcão Motoki e Thiago Teixeira | Projeto gráfico: Gustavo Ohara | Assistente
Financeira: Fabiana Garcia | Assistente Administrativa: Maia Fortes | www.escravonempensar.org.br
Impresso no Brasil | 2 mil exemplares | Distribuição gratuita | 2012
Todo conteúdo da Repórter Brasil pode ser copiado e distribuído, desde que citada a fonte. Copyleft ­ licença Creative Commons 2.0

3

2

Fatores que favorecem as migrações

Mas, afinal, por que as pessoas migram?

As migrações podem ocorrer por inúmeros motivos e ter diferentes características. Os deslocamentos podem
ser temporários ou definitivos, individuais ou coletivos, internos ou internacionais, por vontade própria ou por uma
necessidade. Não existe um padrão, cada migrante se comporta de um jeito: muitos partem com a resolução de
voltar, outros rapidamente cortam relações com amigos e familiares que ficaram para trás, outros restringem essas
comunicações ao envio de dinheiro, e ainda há aqueles que não resistem à saudade e desistem desse projeto.
As pessoas migrantes se deslocam em busca de algo, como novas oportunidades de emprego ou de estudo, melhores
condições de vida, tratamentos de saúde, experiências novas, autonomia em relação aos pais. Ou podem estar fugindo
especificamente de alguma coisa em seu local de origem: desde relações familiares difíceis até desastres naturais
(terremotos, furacões, inundações, vulcões), passando por guerras, fome, perseguição religiosa, étnica, cultural. Um
fenômeno recente é o número crescente de pessoas deslocadas pelos efeitos das mudanças climáticas, que afetam
o planeta de diferentes formas. Quando a população migrante não tem escolha e precisa se mudar para garantir a
sobrevivência, dizemos que é uma migração forçada.

São consideradas refugiadas as pessoas
que saíram de seu país de origem por medo
justificado de serem perseguidas por motivos
de raça, religião, nacionalidade, opinião política
ou participação em grupos sociais, e que, por isso,
não possam (ou não queiram) voltar para casa, ou
aquelas que foram obrigadas a deixar seu país
devido a conflitos armados, violência generalizada
e violação massiva dos direitos humanos. Segundo
o Alto Comissariado das Nações Unidas para os
Refugiados (ACNUR), em 2010, existiam 15,4
milhões de pessoas nessa situação no mundo todo. Em Darfur, no país africano do Sudão, estima-se que, desde
2003, um conflito étnico e por terras férteis matou mais de 300 mil pessoas e resultou em mais de 2,7 milhões de
refugiados. Essas pessoas têm migrado para países vizinhos, como Chade, Uganda, Quênia e Egito, ou vão para
campos de refugiados no próprio país, onde vivem em condições bastante precárias.

4

Albert Gonzalez Farran/Sudão/2011

Refugiados

Apesar dessa variedade de causas, a existência de uma situação socioeconômica negativa no
local de origem e a busca por uma vida melhor em lugares supostamente mais prósperos são as
principais razões para a ocorrência das migrações.
As desigualdades econômicas e sociais entre países e entre regiões de um mesmo país
criam áreas de atração e de expulsão de migrantes. De um lado, há lugares em que os salários são
relativamente mais altos e onde faltam pessoas para ocupar determinados empregos, principalmente
os que exigem pouca qualificação. De outro, existem áreas em que a pobreza, a concentração de
terras e a dificuldade de acesso a bens e serviços fazem com que uma grande quantidade de pessoas
seja obrigada a deixar sua localidade, além do desejo de melhorar a qualidade de vida, do sonho
de viver uma realidade diferente e de ambições de ascensão social. É claro que, muitas vezes, um
lugar que atrai algumas pessoas expulsa outras, por diferentes motivos. Portanto, essas distinções
não são assim tão rígidas.
Atualmente, o deslocamento de pessoas tem sido estimulado e facilitado por uma série de
fatores. Nunca antes na história da humanidade eles foram tão intensos como nas últimas
décadas. A tecnologia contribui para diminuir os custos e aumentar a rapidez dos transportes ao
redor do mundo, além de facilitar a comunicação entre as pessoas. Hoje, há mais possibilidades
e oportunidades de se informar sobre países e culturas distantes, o que pode influenciar nas
aspirações, vontades e escolhas de mudanças.
Contudo, devemos considerar que, em muitas situações, a circulação de bens, serviços e
recursos é mais fácil do que o livre trânsito de pessoas, já que as leis migratórias também
nunca foram tão rígidas como são agora.

Para refletir
A sua região é um polo de atração ou expulsão de pessoas? Por que as
pessoas decidem sair daí ou resolvem ir para a região onde você mora?

5

A influência das redes sociais nos locais de destino

Tomas Castelazo/Fronteira México-EUA/2007

Estados Unidos e México: Uma relação contraditória

As relações entre Estados Unidos e México mostram com bastante clareza a contradição entre
as facilidades para a circulação de bens, serviços e recursos e a crescente dificuldade na mobilidade
internacional das pessoas. Por um lado, em 1992, os dois países e o Canadá assinaram um tratado de
livre comércio chamado NAFTA, um acordo de integração entre as suas economias, que reduzia os custos
das transações de mercadorias entre eles e previa a total eliminação das barreiras alfandegárias. Por outro,
as restrições para a migração de mexicanos para seu vizinho do norte só pioraram. Entre outras coisas,
os Estados Unidos construíram um muro em parte de sua fronteira com o México ­ como você pode ver
na fotografia ­ aumentaram o policiamento nessa área e implantaram um sistema de deportação imediata.
Muitos migrantes já morreram ao tentar atravessar a fronteira.

6

Quando as pessoas cruzam as fronteiras de seus países e vão viver em outro local, chamamos esse
movimento de migração internacional. A Organização Internacional para as Migrações (OIM) estima que
em 2010 existiam 214 milhões de migrantes internacionais espalhados pelo mundo. Isso quer dizer que,
juntas, essas pessoas que não vivem em seus países de origem formariam o quinto país mais populoso do
mundo. Atualmente, os migrantes internacionais enviam a seus países de origem uma remessa de cerca de
440 bilhões de dólares por ano.

Mas por que entre pessoas que vivem no mesmo lugar, em condições socioeconômicas bastante
parecidas, apenas algumas decidem se mudar e outras não? Isso acontece porque cada indivíduo
escreve sua própria história: as pessoas têm estratégias diferentes para enfrentar os mesmos
problemas e graus de tolerância distintos às adversidades. Por mais que estejam em contextos
semelhantes, e isso afete suas decisões, têm sonhos e projetos de vida próprios e decidem suas
trajetórias pessoais guiadas pelos mais variados fatores.
Um elemento que pode influenciar bastante nessa decisão é a existência ou não de uma
rede social no local de destino. Em outras palavras, a chance de escolher migrar pode aumentar
significativamente se alguém tem familiares ou amigos no lugar para o qual pensa se deslocar. São
pessoas que podem oferecer uma hospedagem provisória e até arrumar um emprego, além de dar
uma série de dicas e fazer um relato mais pessoal da experiência que estão vivendo. Isso tudo ajuda
na hora de tomar uma decisão tão importante quanto migrar ou permanecer no local de origem.

"

O motivo das pessoas estarem saindo daqui todo mundo já conhece, é a falta
de emprego. [...] Então, o serviço é ruim, a pessoa sofre, mas é um dinheirinho
a mais, se torna melhor que aqui às vezes, porque aqui a pessoa passa o ano
todinho e não consegue comprar nada, aí vai para um lugar desses, sofre, mas
sofrendo consegue comprar um pouco. Não tudo, mas consegue sobreviver
melhor [...]. E aqui a pessoa fica geralmente a maior parte do tempo é parado,
porque não tem o que fazer mesmo [...]

"

Raimundo*, morador de Timbiras (MA)
(Fonte: Migrantes: trabalho e trabalhadores no
complexo agroindustrial canavieiro ­ os heróis do
agronegócio brasileiro, 2007)
*Todos os nomes de migrantes deste caderno temático foram trocados para proteger suas identidades.

7

3

Discriminação e violações de direitos humanos

Artigo XIII: 1. Toda pessoa tem direito à liberdade de locomoção e
residência dentro das fronteiras de cada Estado; 2. Toda pessoa tem o direito
de deixar qualquer país, inclusive o próprio, e a este regressar.
Declaração Universal de Direitos Humanos

8

Divulgação - Partido Nacional
Renovador (Portugal)/2007

Xenofobia

Você imagina como seria se mudar para um lugar completamente novo? Ao mesmo tempo em
que enfrentam a saudade de sua terra e das pessoas queridas, os migrantes precisam se adaptar ao
local a que chegaram, a uma cultura nova, a costumes distintos e, em diversos casos, a uma língua
diferente. Tudo isso já seria um desafio bem grande para se integrar a uma nova comunidade, mas,
muitas vezes, eles ainda são obrigados a lidar com a hostilidade das pessoas que vivem ali.
Além disso, muitos migrantes sofrem com o racismo, a xenofobia e outras formas de
discriminação, principalmente se forem pobres e com baixa qualificação; são vistos como sujos,
arruaceiros e preguiçosos. Vistos com desconfiança, recebem a culpa por todo tipo de problema que
possa aparecer: crises econômicas, desemprego, aumento da criminalidade e, até mesmo, para a
ocorrência de catástrofes naturais. Por isso, comumente são criminalizados e podem se tornar
vítimas de abuso por parte de autoridades locais.

Você sabe o que é xenofobia? Xenofobia é um sentimento de aversão aos estrangeiros,
de desconfiança, medo e antipatia pelo que vem de fora, que se manifesta em atitudes
discriminatórias e violentas contra os migrantes de outro país ou mesmo de outra região.
Muitas pessoas xenófobas defendem a expulsão dos migrantes e a proibição da entrada de
estrangeiros no país. Veja, por exemplo, o cartaz acima, de um partido político de Portugal.
Nos casos mais extremos, a xenofobia pode resultar em assassinatos ou atentados terroristas.

Assim, nem sempre a diversidade cultural, racial, étnica, de tradições, crenças religiosas, de idiomas e de origens
nacionais são valorizadas como contribuições positivas das migrações. Numa sociedade intolerante e avessa a
transformações sociais, os costumes religiosos, as roupas e o sotaque diferentes podem ser o pretexto para atos de
exclusão e violência.
Por conta disso tudo, muitos migrantes vivem em condições bastante precárias, como cidadãos de segunda
classe, excluídos e marginalizados. Essas formas de discriminação reforçam a vulnerabilidade das pessoas migrantes,
que já se encontram distantes de suas redes sociais de confiança.

bom migrante X mau migrante
Nem sempre os migrantes são mal vistos. Os que são ricos podem ser encarados
pela população local como os "bons migrantes", aqueles que contribuem para o
crescimento econômico, que investem em melhorias no local de chegada, que ajudam
a aumentar o nível dos trabalhadores.
Podemos ver isso, por exemplo, no contraste entre a forma como são tratados os
executivos vindos de países europeus e os bolivianos que trabalham nas confecções
em São Paulo. Outro exemplo é a diferença que se faz entre os migrantes do Sul e
do Sudeste e os nordestinos que migraram para a Amazônia. Enquanto os sulistas
são vistos como pioneiros, colonizadores, os "bandeirantes" que foram desbravar a
floresta e levar prosperidade, os que saíram do Nordeste são encarados como pobres
coitados fugindo da seca, que foram se aproveitar das riquezas do local, levando os
problemas.

9

Tudo isso pode resultar na violação de diversos direitos humanos, como a negação do direito à
saúde e à educação, além de restrições a condições dignas de moradia, trabalho e segurança. Com
frequência, eles exercem trabalhos desvalorizados socialmente, são explorados, recebem baixos
salários, além de serem proibidos de participar dos sindicatos.

igração
im

DO

A
OV

R

AP

ra
imig ção

10

visto
d
e

Quando a migração é internacional, muitas das situações de discriminação e violações são alimentadas por
políticas migratórias restritivas, sejam elas leis que limitam os direitos das pessoas migrantes ou barreiras físicas
para dificultar a entrada nas fronteiras, como o muro construído entre os Estados Unidos e o México. Existem políticas
de Estado xenófobas que reforçam preconceitos e estereótipos em relação às pessoas migrantes, o que também
estimula que os cidadãos locais encarem a migração como um problema que deve ser evitado ou controlado.
Em 2009, por exemplo, a Itália passou a devolver para a Líbia qualquer barco de imigrantes africanos encontrado
em sua costa, independentemente da origem. Funcionários públicos italianos, como médicos, enfermeiros e professores,
são incentivados a denunciar pessoas em situação irregular. Em alguns países, como na França, passou a ser crime
ajudar migrantes sem documentos, o que ficou conhecido como "delito de solidariedade". Em 2012, a Espanha retirou
dos imigrantes em situação irregular o direito ao atendimento médico no sistema público de saúde do país.
Tais medidas, no entanto, não impedem a entrada de migrantes nesses países, mas estimulam a migração irregular.
Nessa situação, os migrantes ficam ainda mais propensos a terem seus direitos negados e raramente denunciam essas
violações com medo de serem descobertos e expulsos.

Mesmo nesse contexto de radicalismos, há também quem defenda uma política de integração
e reconheça a importância socioeconômica e o enriquecimento cultural que os migrantes
proporcionam. Muita gente tem defendido a construção da livre mobilidade das pessoas e de uma
cidadania universal.
A migração dentro do país ou para fora dele é um direito humano, que deve ser
garantido para todo mundo. Essa ideia é recente e, infelizmente, esse direito ainda não está
garantido nos tratados internacionais. Organizações que trabalham em defesa dos direitos dos
migrantes defendem essa concepção das migrações para construirmos um mundo melhor.
Podemos, por exemplo, encontrar essa definição na declaração de princípios da Conferência
Sul-Americana de Migrações, principal espaço de diálogo entre os governos da região sobre o tema,
da qual o Brasil faz parte. É uma instância que busca promover o intercâmbio de informações e
boas práticas em relação à migração, bem como desenvolver programas e coordenar políticas sobre
esse assunto entre seus doze países-membros. Na declaração, os países reconhecem "às pessoas,
o direito a migrar, a não migrar e retornar de forma livre, informada e segura sem criminalizar
seus deslocamentos e ao migrante". Afirmam também que "não se considerará a nenhum ser
humano como ilegal por estar incurso em uma situação migratória irregular" e defende que "se
deve reconhecer a importância de avançar de maneira gradual, mas decidida através do diálogo
e da cooperação multilateral, a uma integração regional fundamentada na construção da livre
mobilidade de pessoas e da cidadania sul-americana".

e

João Zinclar/Bahia, Brasil/2006

Restrições

Migração como direito humano

d

Muitos migrantes nordestinos enfrentam
hostilidade da população local, quando saem de
sua terra para trabalhar nos canaviais no estado
de São Paulo, ou em outros lugares, e acabam
sendo marginalizados cultural, social e
economicamente, e tratados como inferiores
pelos nativos. Eles sofrem discriminação da
população local, o que provoca um profundo
isolamento em relação ao restante da cidade.
Quase sempre são submetidos a condições precárias de moradia, amontoados em becos e pequenos
quartos e acabam estabelecendo relações quase que exclusivamente com seus "iguais". Isso dificulta a
mobilização, a reivindicação de direitos e a denúncia de situações de abuso.
Esses migrantes que trabalham no corte da cana são frequentemente desumanizados, desqualificados,
e submetidos a explorações de vários níveis, inclusive à escravidão. E, muitas vezes, nas cartas trocadas
com a família, toda essa situação de dor e sofrimento é silenciada, por vergonha ou por quererem poupar
as pessoas queridas de mais esse sofrimento.

visto

Migrantes da cana

11

Século 16

O mundo no Brasil, o Brasil no
mundo, e as migrações internas

1

Breve histórico da imigração para o Brasil

Você sabia que o Brasil, ao longo de sua história, tem sido um país muito mais de entrada de
migrantes do que de saída de brasileiros para outros países, ou seja, muito mais de imigração do
que de emigração? A formação da sociedade brasileira deve muito à imigração internacional.

Curiosidades sobre a imigração no Brasil
· Entre 1870 e 1920, os italianos corresponderam a 42% do total dos imigrantes que chegaram
ao Brasil: de 3,3 milhões de estrangeiros, os italianos eram cerca de 1,4 milhão.
· O primeiro grupo de imigrantes japoneses chegou em 1908, a bordo do navio Kasato-maru.
Em 2008, foi comemorado o Centenário da Imigração Japonesa no Brasil. Atualmente, no nosso
país está a maior população japonesa fora do Japão. São cerca de 1,5 milhão de pessoas, das quais
aproximadamente um milhão vivem no estado de São Paulo.
· Poucos sabem, mas várias personalidades brasileiras têm sangue cigano. A escritora Clarice
Lispector e o ex-presidente Juscelino Kubitschek são dois exemplos. Hoje, estima-se que haja 800
mil vivendo no país ­ a segunda maior população do mundo de ciganos, atrás apenas da Romênia.
· A comunidade libanesa que vive no Brasil, formada em sua maioria por descendentes, é maior
do que a população do Líbano. São quase 10 milhões de libaneses e descendentes em território
brasileiro, contra 3,5 milhões que vivem no Líbano.
· No bairro do Pari, em São Paulo, a feira boliviana Kantuta reúne aos domingos quase 2 mil
bolivianos e já virou atração turística.

12

Fontes: www.almanaquebrasil.org.br | www.saopaulo.sp.gov.br | www.senado.gov.br |
www.brasilbolivia.com.br

No século 16, os portugueses chegaram ao território, que há muito tempo já era ocupado
pelos povos indígenas, e passaram a colonizá-lo e explorá-lo. Com o desenvolvimento das atividades
econômicas, milhões de africanos foram trazidos à força para trabalhar como escravos. Esse
processo durou até 1850, quando finalmente o tráfico passou a ser proibido.

1850
De 1850 até as primeiras décadas
do século 20, começou um processo de
forte incentivo à vinda de imigrantes,
principalmente de europeus. Por trás disso,
havia uma ideologia racista: além de muitos
senhores se negarem a pagar salários aos
negros, a partir da abolição, o objetivo
era "branquear" a população local! Nesse
período, estima-se que mais de quatro
milhões de portugueses, italianos,
espanhóis, alemães e japoneses
chegaram ao Brasil para trabalhar na
agricultura e na indústria, que lentamente
começava a se desenvolver.

1950s

Memorial do Migrante/São Paulo, Brasil/1906

Principalmente a partir da década de 1950, as migrações internas são estimuladas e passam
a predominar no território brasileiro. Veja mais detalhes na página 19.

1980s

E é só a partir da década de 1980 que surge de forma mais sólida o fenômeno da emigração,
isto é, a saída de brasileiros para o exterior, que vai ampliando sua importância até passar a ser
mais significativa que a imigração. Veja mais detalhes na página 16.

1990s

Durante os anos 1990, foram os sul-americanos que predominaram entre os imigrantes
que chegaram ao Brasil, correspondendo a quase 40% do total. Sem interesse governamental na
atração de imigrantes, esse período se caracterizou pela presença dos não documentados, que se
deslocavam por motivações econômicas.

13

O caso dos Haitianos e a "imigração seletiva"

Imigração no Brasil hoje
Você tem ideia de quantos estrangeiros vivem em terras brasileiras hoje em dia? O recente
crescimento econômico do Brasil e a crise mundial contribuíram para aumentar significativamente
o número de estrangeiros no país nos últimos anos. De acordo com dados do Ministério da Justiça,
só de 2010 até abril de 2012, o número de estrangeiros em situação regular no Brasil aumentou
em 60%! Passou de 960 mil para 1,54 milhão de pessoas nessas condições. A região Sudeste é, de
longe, a que mais recebe imigrantes.
A maior parte dos que chegam são trabalhadores dos países vizinhos. De 2009 a abril de
2012, o número de imigrantes peruanos em situação regular aumentou em 378%, o de bolivianos
em 160% e o de paraguaios em 148%. Enquanto isso, a imigração de europeus apresentou um
crescimento bem mais discreto.
Mas esses números não dão conta de toda a realidade dos estrangeiros no país. Estima-se que
haja no Brasil entre 60 mil e 300 mil pessoas de outros países em situação irregular, principalmente
latino-americanos, chineses e africanos.
De um lado, a maioria dos imigrantes latino-americanos no Brasil representa uma mão de
obra que teve pouco acesso à escola e à qualificação profissional, que vem para trabalhar nas
confecções, no comércio, na construção e nos trabalhos domésticos. Do outro, estão os europeus
que costumam ter mais qualificação, nível universitário elevado, e vêm trabalhar em empregos com
melhores salários.

Márcio Silva /Amazonas, Brasil/2012

AUMENTO EM NÚMEROS ABSOLUTOS
Bolivianos

Paraguaios

Peruanos

91.1
mil

62

mil

35

mil

19
11

mil

14

19

mil

mil

2009 2011 2012

28.7

27.3

2009 2011 2012

6

mil

mil

mil

2009 2011 2012
Fonte: Ministério da Justiça

No início de 2012, um fato recebeu bastante atenção dos meios de comunicação: o aumento da
imigração de haitianos para o Norte do Brasil, que estavam entrando no país principalmente pelos
estados do Acre e do Amazonas.
Desde 2010, cresceu o número de pessoas que deixaram o Haiti em busca de uma vida melhor.
O Brasil, que lidera uma polêmica missão de paz das Nações Unidas nesse país, é um dos destinos
desses migrantes.
Em janeiro daquele ano, um terremoto devastou o Haiti, deixando mais de 230 mil mortos, 300
mil feridos e quase dois milhões de pessoas sem teto. Foi uma das maiores tragédias já registradas
no mundo, em um país marcado por graves violações de direitos humanos, conflitos políticos,
golpes de estado, sucessivas ditaduras, intervenções militares externas, crises econômicas, ondas
de violência, fome e repetidas catástrofes naturais.
Diante desse quadro, em janeiro de 2012, o governo brasileiro decidiu regularizar a situação
dos mais de 4 mil haitianos que já viviam no país. No entanto, passou a limitar o número de vistos
humanitários concedidos a pessoas que vêm do Haiti a 1,2 mil por ano. Os haitianos que entrarem
no país sem autorização podem ser deportados.

15

Esse fato ainda foi utilizado como pretexto para o governo brasileiro, por meio da Secretaria de
Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE), começar a falar sobre a ideia de adotar
um processo de "imigração seletiva".
Esse setor do governo manifestou naquele contexto o desejo de que a nova política nacional
de imigração priorize a entrada de profissionais estrangeiros altamente qualificados, retirando
os atuais entraves burocráticos para sua entrada no país. Ao mesmo tempo, a secretaria propõe
que sejam mantidas as restrições apenas para os imigrantes com pouca qualificação profissional,
e sejam estabelecidos limites para as pessoas que fogem da pobreza de seus países. Isso quer
dizer que alguns setores do governo federal defendem a seleção de imigrantes, criando duas
categorias diferentes, definidas por suas características socioeconômicas.
Causou espanto a muitas organizações que trabalham com o tema essa declaração do governo,
porque vai na contramão do que vinha sendo feito anteriormente. Em 2009, por exemplo, o
Brasil aprovou a Lei da Anistia, que abriu a possibilidade de conceder residência provisória
aos estrangeiros que estavam no país em situação imigratória irregular, beneficiando 45 mil
estrangeiros.
Organizações nacionais e internacionais de apoio aos migrantes lançaram um manifesto em
defesa dos direitos dos haitianos. Nele, defendiam um tratamento dessa nova realidade como uma
questão de direitos humanos, assim como de todos os novos fluxos migratórios que começam a se
intensificar na região e no Brasil.

2

Brasileiros no exterior

Como já vimos, a emigração é um fenômeno bastante recente na história do Brasil. Foi só a
partir da década de 1980 que começou a ser expressiva a saída de brasileiros em busca de melhores
oportunidades fora do país. De acordo com o Ministério das Relações Exteriores (MRE), a presença
de pessoas nascidas no Brasil é registrada em aproximadamente 130 países do mundo.
A Organização Internacional para as Migrações (OIM) estima que existam de 1 a 3 milhões
de brasileiros residindo fora das nossas fronteiras. Os principais destinos são Estados Unidos,
Paraguai, Japão e alguns países europeus, como Espanha e Portugal. Juntos, esses cinco
países representam a destinação de cerca de 60% de todos os emigrantes brasileiros.

16

Estados Unidos

Portugal Espanha

Japão

Brasil
Paraguai

Essa emigração se iniciou com bastante incentivo dos países ricos, numa época em que os Estados Unidos, o
Japão, e alguns países da Europa estimulavam a entrada de trabalhadores estrangeiros para ocuparem vagas de menor
qualificação e com baixos salários. Mas, depois de um tempo, esses migrantes deixaram de ser bem vindos
nesses países e a entrada deles passou a ser controlada de forma bastante rígida.
Isso faz com que atualmente parte significativa dos emigrantes brasileiros entre nos países de destino de maneira
irregular. Estima-se, por exemplo, que mais de 60% dos brasileiros que foram morar nos Estados Unidos entraram
de forma irregular naquele que é o principal destino dos emigrantes do Brasil.
A crise financeira mundial e as políticas migratórias cada vez mais seletivas nos países ricos vêm provocando nos
últimos anos um forte fluxo de retorno desses emigrantes. O Censo 2010 mostrou que vem crescendo muito a volta
de brasileiros que moravam no exterior, a chamada "migração de retorno". Do total de imigrantes registrados pelo
recenseamento que entraram no país, de 2000 a 2010, 65% nasceram aqui e estavam voltando especialmente de países
como Estados Unidos, Japão e Portugal.

17

Para refletir

Divulgação - Ministério da Justiça/2010

Brasileiras exploradas no mercado do sexo internacional

18

Todos os anos, muitas brasileiras deixam sua região
à procura de alternativas concretas de sobrevivência.
Elas partem em busca de emprego ou melhores
salários, mas descobrem que foram enganadas. Essa
situação acaba configurando casos de tráfico de
pessoas: a vítima é aliciada com uma promessa
inegável de trabalho, geralmente distante do seu lugar
de origem. A pessoa é deslocada e, no lugar de destino,
acaba explorada. Algumas acabam até escravizadas:
são obrigadas a se prostituir em jornadas de trabalho
desumanas, vigiadas e impedidas de deixar o local de
trabalho sem autorização. Convivem com a ameaça e
sofrem abusos físicos e psicológicos. Além disso, os
seus documentos são retidos.
No Brasil, o alvo mais fácil do tráfico de pessoas
para exploração sexual são mulheres jovens, de baixa
escolaridade, que começaram a trabalhar cedo e
migraram por falta de opção. Além disso, em geral
elas são negras, solteiras, com filhos, e muitas vezes
sofreram abuso sexual na infância, prostituíram-se
ou tornaram-se viciadas em drogas. Mas é importante
lembrar que esse é o perfil mais comum, não o único:
entre as vítimas desse crime há também gente de
classe média, inclusive homens.
Para saber mais sobre este assunto, veja a
publicação "Tráfico de pessoas - Mercado de
gente", disponível na seção "Materiais" da
página do Escravo, nem pensar!:
www.escravonempensar.org.br

Sua região tem recebido imigrantes? De que países eles são? Ou há
muitas pessoas em sua região que vão tentar a vida em outros países? Por
que o Brasil tem atraído imigrantes de outras nacionalidades, como vimos
anteriormente?

3

Migração dentro do Brasil

A história do Brasil também é marcada por diversas ondas migratórias internas. Com a redução
dos fluxos migratórios internacionais, a partir de 1930, a demanda por força de trabalho
foi suprida pelas migrações internas no país. Ao longo dos últimos 50 anos do século 20, elas
reorganizaram a população no território nacional.

1950s
A partir dos anos 1950, o país registrou intenso fluxo de migração da região Nordeste para
o Sudeste, que vivia o período da industrialização e atraía muita mão de obra. O chamado êxodo
rural intensificou-se nesse período, quando grande parte da população que vivia no campo teve que
buscar alternativas na cidade. Isso gerou uma grande concentração da população brasileira nos
grandes centros urbanos.

Seca
Por muito tempo, quando a migração do Nordeste para o Sudeste era bastante
intensa, a seca foi utilizada como justificativa para a migração forçada das famílias
nordestinas. Embora o fenômeno da estiagem seja um desafio para a sobrevivência no
campo, os pequenos agricultores conseguem produzir e conviver com essa condição
climática, quando têm acesso à água e apoio para desenvolver a lavoura ou a criação
de animais. Porém, a falta de políticas públicas e a concentração de terras são fatores
determinantes de expulsão dos trabalhadores.

19

1970s
Na década de 1970, sob influência da política adotada pelo governo militar, foi grande o número
de pessoas que se deslocaram do Sul para a Amazônia e para o Centro-Oeste do país. Com
o discurso de "modernização" da agricultura brasileira, as grandes propriedades rurais receberam
apoio financeiro para aumentar sua produtividade com o uso intensivo de máquinas e de produtos
químicos, atendendo às demandas da indústria nacional e das exportações. Empresas nacionais e
multinacionais foram incentivadas a se tornarem grandes proprietárias de terra.
A região amazônica foi alvo nesse período de um projeto de "ocupação" que garantiu que
empresas e grandes proprietários ­ vindos principalmente do Sul e Sudeste ­ implantassem
latifúndios, geralmente para a criação de gado. O apoio se deu por meio de incentivos fiscais e de
obras de infraestrutura, como a construção da rodovia Transamazônica.
Pressionados pela expansão das monoculturas, pequenos proprietários tiveram que vender
suas terras. Posseiros e pequenos arrendatários foram expulsos das áreas em que viviam e
produziam. Com a mecanização nas grandes propriedades rurais, os trabalhadores já não eram
mais tão necessários para o seu funcionamento. Muitas famílias deixavam o campo para viver nas
cidades.

Hoje
As trajetórias de migrações estão em constante mudança e os deslocamentos entre as regiões
do país têm diminuído nas últimas décadas.

ano

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística registrou queda da migração para a região
Sudeste e também no número de migrantes que deixam os estados da região Nordeste. Ainda
assim, Bahia e Maranhão são os estados de onde mais saíram migrantes nos últimos dez anos.
Surgiram ainda novos eixos de deslocamento da população, como, por exemplo, a migração para
cidades médias no interior do país (com menos de 500 mil habitantes). Os deslocamentos cada
vez mais são de curta duração e percorrem distâncias menores, e os principais movimentos ocorrem
dentro das próprias regiões e no âmbito dos próprios estados.
Verificou-se também uma tendência de retorno dos migrantes aos estados de origem. Isso
pode ter ocorrido por vários motivos, entre eles: esgotamento da geração de postos de trabalho no
Centro-Sul, expansão de oportunidades econômicas nas outras regiões do país, crescimento da
violência e as más condições de vida oferecidas nas metrópoles.

"

Eu saía pelo mundo não é porque eu queria, não. Eu sou muito amoroso
ao meu lugar. É a precisão que manda a gente embora. [...] O coração saía
trancado.

"

Antonio, ex-migrante, pai e sogro de migrantes canavieiros,
morador do município de Barra D´Alcântara (PI)
(Fonte: Migrantes: trabalho e trabalhadores no complexo
agroindustrial canavieiro ­ os heróis do agronegócio brasileiro, 2007)

número de migrantes no Brasil
visto
d

DO

A
OV

R

e

AP

ra
imig ção

3,3 milhões

igração
im

e

2000

visto
d

2009

2 milhões
fonte: IBGE

20

21

Migração e trabalho escravo

1

O que é trabalho escravo?

Como já vimos neste caderno temático, as migrações também se relacionam com o trabalho
escravo. Você já ouviu falar em trabalho escravo contemporâneo? Não estamos falando daquela
escravidão que existia antes de a Lei Áurea ser assinada em 1888 e proibir essa prática. Hoje, essa
violação de direitos humanos tem outras características.
No Brasil, de acordo com o Código Penal, para considerar que uma pessoa está submetida ao
trabalho escravo, é necessário que ela esteja sob pelo menos uma destas condições, tanto no meio
rural ou urbano: jornada exaustiva, condições degradantes de trabalho e/ou formas de
restrição de sua liberdade.
De 1995 a 2011, mais de 43 mil pessoas foram libertadas da escravidão em fazendas no Brasil,
principalmente no Pará e no Mato Grosso. Pecuária, cana-de-açúcar e produção de carvão vegetal
são as principais atividades em que são encontrados trabalhadores nessas condições. Em trabalho
não agrícola, já foram registrados diversos casos nos setores de confecções e construção civil.

Para acompanhar notícias sobre trabalho escravo nos meios rural e urbano, acesse o site
da ONG Repórter Brasil: www.reporterbrasil.org.br

22

Jornada exaustiva
A jornada é exaustiva quando o tempo de descanso não é suficiente para que a pessoa
consiga recuperar as suas forças para a jornada seguinte, em função do desgaste provocado pelas
condições de trabalho. Em muitas situações, extrapola o limite estipulado pela legislação, sem
pagamento de horas extras. Há casos em que o descanso semanal não é respeitado. As jornadas
podem ir de segunda a segunda, com poucas horas de descanso. Assim, o trabalhador também fica
impedido de manter vida social e familiar.

Restrição da liberdade
A restrição da liberdade é tudo aquilo que impede as pessoas de deixarem o local de
trabalho. Ela pode se dar por meio de dívidas ilegais impostas aos trabalhadores, pela retenção
dos salários até o fim da empreita, pelo isolamento geográfico, ou pela retenção de documentos
dos trabalhadores, como carteira de identidade ou de trabalho, para impedir a fuga. Também são
consideradas formas de limitar a liberdade dos trabalhadores as ameaças físicas e psicológicas e os
maus tratos e a violência.

Condições degradantes de trabalho
Já as condições degradantes de trabalho se apresentam pela soma de diversos fatores,
como os alojamentos precários, a falta de assistência médica, a péssima alimentação, a falta de
saneamento básico e de higiene. Essa situação retira a dignidade do trabalhador.

Para refletir
Quais são as principais características do trabalhador que pode ser
escravizado? Pelo perfil dos trabalhadores, você consegue imaginar as
condições em que vivem em seus locais de moradia?

23

"
"

Receber grito direto, ser tratado que nem cachorro. Se o peão senta um
instante, chega gritando, maltratando, arrogante.

"

(Fonte: Perfil dos principais envolvidos no trabalho escravo rural no Brasil, OIT, 2011)

Na [fazenda] Cabaceiras, quando eu fui acertar contas com esse gato, a
maior violência dele foi me dizer que não me devia nada, que eu caçasse os
meus direitos e que não me pagaria.

"

Pedro, libertado da fazenda Cabaceiras, em Marabá (PA)
(Fonte: Entrevista realizada por Xavier Plassat, da Comissão Pastoral da Terra, para
pesquisa de Nicola Phillips e Leonardo Sakamoto sobre redes globais de produção e o
trabalho escravo contemporâneo no Brasil para a Universidade de Manchester, Reino Unido)

"

2

Não dá tempo de folga, nem para beber água

"

(Fonte: Perfil dos principais envolvidos no trabalho escravo rural no Brasil, OIT, 2011)

O que exatamente as migrações têm a ver com isso?

Quando os trabalhadores enfrentam a pobreza e a falta de possibilidades de trabalho em seus municípios de
origem, tornam-se vulneráveis a aceitar qualquer oferta de trabalho, mesmo que isso signifique migrar para
outra região sem conhecimento prévio das condições que irão enfrentar. No novo local de moradia, o trabalhador tem
mais dificuldades de reivindicar seus direitos, pois está longe da família e desconhece entidades da sociedade civil ou
órgãos do poder público a quem pode recorrer. Por isso dizemos que está longe de sua rede de proteção social.
Como vimos anteriormente, são vários os motivos que levam as pessoas a aceitarem qualquer tipo de oferta de
trabalho para garantir seu sustento e a acabarem exploradas como mão de obra escrava. O fato de não ter uma terra
própria para plantar ou a dificuldade de obter condições econômicas para produzir, o desemprego ou a renda familiar
insuficiente fazem o trabalhador e a trabalhadora deixarem sua casa em busca de serviço.

24

Se as condições de vida em seu município de origem não melhoram, o trabalhador é levado
a continuar migrando. Distante do seu local de origem, o trabalhador deixa para trás o ambiente
social de sua convivência e é obrigado a romper o vínculo afetivo que tem com sua terra natal.
Além disso, a relação com a sua família e amigos pode se enfraquecer e, até mesmo, se romper.

3

Origem dos trabalhadores escravizados

Os estados de onde saem mais trabalhadores explorados como mão de obra escrava
são aqueles que não oferecem empregos ou alternativas de geração de renda para as famílias
se sustentarem, além de outros direitos fundamentais. É possível observar o grande fluxo de
trabalhadores que deixam o estado do Maranhão, onde uma em cada quatro pessoas vive em
extrema pobreza, o maior índice no país, segundo o IBGE.
Já os estados que recebem trabalhadores migrantes são aqueles em que há forte expansão
do agronegócio e de grandes obras de infraestrutura, como Pará e Mato Grosso. Eles estão na
região da floresta amazônica que é desmatada para dar lugar a pastos e plantações. Chegam a
esses estados não somente migrantes à procura de oportunidades de trabalho, mas também
pessoas aliciadas para trabalhar nesses empreendimentos.
É preciso dizer ainda que há estados que fornecem mão de obra e, ao mesmo tempo, recebem
trabalhadores vindos de outros lugares. Este é o caso, por exemplo, de Pará, Tocantins, Bahia e
Mato Grosso.

Aliciamento
As pessoas que recrutam migrantes para o trabalho escravo são chamadas
de "gatos". Elas agem em nome dos empregadores e, às vezes, por conta própria,
divulgando promessas de trabalho pelas ruas dos povoados Brasil afora. Esse
recrutamento criminoso recebe o nome de aliciamento, e é uma das etapas do tráfico
de pessoas.

25

Para se prevenir
Quem precisar migrar de seu local de origem para trabalhar pode
tomar alguns cuidados para não ser enganado. Só deve sair de sua cidade
com a carteira de trabalho assinada ou com um contrato de trabalho
temporário. Além disso, precisa se informar sobre o nome da empresa e
sua localização e o nome do proprietário, e deixar essas informações com
sua família e com o sindicato da categoria mais próximo.

Bolivianos e paraguaios no Brasil
A Bolívia e o Paraguai são dois dos principais países de origem de imigrantes estrangeiros que
chegaram ao Brasil nos últimos anos. A grande maioria deles está concentrada no estado de São
Paulo, em particular na capital.

A imigração de bolivianos e paraguaios para o país não é recente, mas se intensificou a partir
do ano 2000. Hoje são principalmente homens jovens e de baixa qualificação profissional
que se mudam para cá. Esses imigrantes, em especial os bolivianos, vêm geralmente para trabalhar
nas oficinas de costura, que são subcontratadas por confecções, inclusive pelas grandes marcas
do mercado.
É comum que, na viagem para o Brasil, esses trabalhadores se endividem com seus
empregadores, o que muitas vezes força a permanência do imigrante na oficina enquanto a dívida
não for quitada.
Eles têm poucas alternativas de trabalho além da costura, já que grande parte está em situação
irregular. Isso cria barreiras para o acesso à saúde e à educação e impossibilita coisas simples,
como alugar um imóvel ou abrir uma conta no banco. Assim, se sentem inseguros de circular pela
cidade e impedidos de exigir seus direitos trabalhistas e de denunciar a exploração.
Muitos trabalham e moram nas oficinas, dividindo o mesmo espaço com as máquinas de
costura. Isso amplia a exploração desses trabalhadores, já que acabam existindo poucos limites
entre os tempos de trabalho e de vida doméstica. Inclusive crianças vivem nesses locais, e
não é raro o trabalho infantil.
Essas moradias costumam ser superlotadas e há regras rígidas impostas pelos contratantes
para o dia-a-dia. Como esses trabalhadores são remunerados por peça produzida, o ritmo de
trabalho muitas vezes é intenso. Esse quadro favorece a combinação de um trabalho precário e um
cotidiano insalubre para esses imigrantes.
Em alguns casos, há retenção de documentos, endividamento e ameaças aos imigrantes. Várias
oficinas que produzem para grandes marcas já foram autuadas por submeterem esses imigrantes
ao trabalho escravo contemporâneo e eles foram libertados.

"

Fiquei das 7 da manhã até as 2 da tarde rodando, rodando e não achei o
caminho. Não sabia pedir ajuda.

"

Ronaldo, boliviano de 14 anos, libertado em 2012
(Fonte: "De La Paz para São Paulo, a história de exploração de uma vítima do tráfico de
pessoas", Agência de Notícias da Repórter Brasil, 27/07/2012)

26

Paula Takada/São Paulo, Brasil/2001

27

Junho de 2012

Bianca Pyl/São Paulo, Brasil/2012

Um grupo de oito pessoas vindas da Bolívia, incluindo um
adolescente de 17 anos, foi resgatado de condições análogas à
escravidão pela fiscalização dedicada ao combate desse tipo de
crime em áreas urbanas, de acordo com o Ministério do Trabalho
e Emprego. A libertação ocorreu no dia 19 de junho. Além dos
indícios de tráfico de pessoas, as vítimas eram submetidas a jornadas
exaustivas, à servidão por dívida, ao cerceamento de liberdade de ir e
vir e a condições de trabalho degradantes. O grupo costurava para a
marca coreana Talita Kume, cuja sede fica no bairro do Bom Retiro,
na zona central da capital paulista.

Maio de 2012
No mesmo dia em que a grife de roupas femininas Gregory lançava
a sua coleção Outono-Inverno 2012 com pompa e circunstância, uma
equipe de fiscalização do Ministério do Trabalho flagrava situação de
cerceamento de liberdade, servidão por dívida, jornada exaustiva,
ambiente degradante de trabalho e indícios de tráfico de pessoas em
uma oficina que produzia peças para a marca, na zona norte da cidade
de São Paulo. O conjunto de inspeções resultou na libertação de 23
pessoas, todas elas estrangeiras de nacionalidade boliviana, que
estavam sendo submetidas a condições análogas à escravidão.
Bianca Pyl/São Paulo, Brasil/2012

Agosto de 2011

28

Bianca Pyl/São Paulo, Brasil/2011

Nem uma, nem duas. Por três vezes, equipes de fiscalização
trabalhista flagraram trabalhadores estrangeiros submetidos a
condições análogas à escravidão produzindo peças de roupa para
a badalada marca internacional Zara, do grupo espanhol Inditex.
Na operação de agosto, que vasculhou subcontratadas de uma
das principais "fornecedoras" da rede, 15 pessoas, incluindo uma
adolescente de apenas 14 anos, foram libertadas da escravidão
contemporânea pelo Ministério do Trabalho e Emprego de duas
oficinas ­ uma localizada no centro da capital paulista e outra na
zona norte.

Mão na Massa
As migrações são um assunto muito rico e complexo! Nesta seção, você vai encontrar uma
sugestão de atividade para abordar esse tema. É claro que esta não é uma proposta fechada, pelo
contrário, deve ser adaptada de acordo com a realidade local e com as necessidades de cada grupo.

Quem não é migrante?
OBJETIVOS
Perceber que quase todo mundo é migrante em algum momento da vida, ou é descendente
de migrante, e discutir as causas e consequências dos deslocamentos humanos.
TEMAS ABORDADOS
Migrações, direitos humanos.
DISCIPLINAS COM AS QUAIS PODE SE RELACIONAR
Geografia, História, Português, Sociologia, Artes.
TEMPO SUGERIDO
4 a 5 aulas

1

Uma boa forma de começar a atividade é por meio de uma pesquisa entre os conhecidos
dos participantes do grupo. A proposta seria de que cada um fizesse uma enquete rápida com seus
vizinhos e familiares, perguntando: Você nasceu onde mora atualmente ou veio de outro local?
Você já migrou em algum momento para outra cidade, outro estado ou outro país? Seus pais
viveram a vida toda no mesmo lugar? E seus avós? E seus filhos? Essa primeira etapa teria como
objetivo recolher informações mais gerais sobre os deslocamentos das pessoas que convivem com
os participantes, para que possam mapear como se manifesta essa questão entre aqueles que estão
próximos a eles.

2

Em seguida, a enquete pode ser reforçada entre os próprios participantes do grupo, durante
o encontro seguinte. Dessa forma, eles podem perceber que quase todas as pessoas, em algum
momento da vida, acabam migrando, ou que na história familiar de todo mundo existem diversos
tipos de deslocamentos. Se o participante for um migrante, ele também pode trazer elementos de
sua própria vida.

29

4

Dicas para estimular a reflexão sobre as migrações
Você também pode usar o filme "Migrantes" (Beto Novaes, 2007), assim como outros vídeos que
você conheça que aborde os deslocamentos humanos. Outras opções seriam escutar a música "Asa
Branca", de Luiz Gonzaga, ou analisar o quadro "Retirantes", de Candido Portinari. Na literatura,
alguns clássicos brasileiros tratam diretamente desse assunto e também podem ser utilizados,
como "Morte e vida severina", de João Cabral de Melo Neto, e "Vidas secas", de Graciliano Ramos.
Algumas questões podem ser levantadas a partir deles, como: Por que as pessoas migram? O que
leva uma pessoa a abandonar sua terra e buscar outro lugar? Quais dificuldades elas podem
enfrentar? Quais elementos podem fazer com que alguns lugares atraiam pessoas e outros
expulsem? Também pode ser feita uma comparação entre essas histórias e as coletadas durante as
entrevistas.

Para ver outras sugestões de atividades didáticas e materiais de apoio, consulte nossa página:
www.escravonempensar.org.br
visto
d

O

D
VA

RO

AP

ra
imig ção

30

Depois, você pode pedir aos participantes que produzam algo para apresentar para o grupo
ou para a comunidade, a partir de todo esse material coletado e estudado. Pode ser um trabalho
individual ou coletivo, em forma de cartazes, jornais-murais, quadrinhos, paródias de músicas,
dramatizações, poemas, ou fotos e vídeos feitos com o celular.

e

A partir do material obtido na enquete inicial e nas entrevistas aprofundadas, pode ser feita
uma discussão sobre os motivos da migração, as histórias dos trabalhadores migrantes e a maneira
como eles são vistos. Assim, os migrantes podem deixar de ser tratados simplesmente como vítimas
da pobreza, como uma massa uniforme, e passar a serem encarados também como sujeitos de
suas próprias histórias.

6

igração
im

Qual foi o motivo da migração?
Quando ocorreu?
Como foi tomada a decisão de migrar?
A pessoa foi sozinha ou com mais alguém?
Com o que se sonhava?
Para onde foi e com qual objetivo?
Ela conhecia alguém que já vivia no lugar de destino? Se sim, de que forma essa pessoa
ajudou no processo?
Como a pessoa foi recebida no lugar de destino?
Quais foram as dificuldades encontradas? Sofreu discriminação? A pessoa se sentiu
isolada, marginalizada?
Quais diferenças mais chamaram a atenção entre o lugar de origem e de destino?
Quais foram os objetivos alcançados?
A pessoa mudou muito depois dessa experiência?

No processo de sistematização das respostas do questionário anterior, os textos deste
caderno temático podem ser usados para fomentar, complementar e trazer outros elementos para
o debate. Neste momento, vocês podem discutir a ideia de migração como um direito humano e
a vulnerabilidade dessas pessoas, assim como as violações de direitos humanos que muitas delas
sofrem.

e

Sugestão de roteiro para as entrevistas, a partir do que estudamos neste caderno temático:

5

d

Depois, eles podem escolher algumas pessoas que participaram da enquete que já migraram
e fazer entrevistas um pouco mais aprofundadas, para entender melhor as possíveis causas e
consequências dos deslocamentos e para conhecer mais de perto histórias de vida de migração.
Os participantes podem ser divididos em grupos, e cada grupo entrevistar uma pessoa diferente.
A ideia neste momento é estudar mais a fundo esses deslocamentos e conhecer seus elementos
subjetivos, aquilo que diferencia uma história da outra, os sentimentos dessas pessoas, seus
medos, suas conquistas, as discriminações que sofreram, o que aprenderam nesse processo.
Dessa forma, os participantes conseguiriam reunir um belo quadro de histórias de vida, que
mostrariam a riqueza e a complexidade dos deslocamentos humanos.

visto

3

31

Livros, relatórios, reportagens e sites usados para elaborar este caderno temático
BAENINGER, Rosana (org.) (2012). Imigração boliviana no
Brasil.Campinas: NEPO/Unicamp. Disponível em:
http://www.nepo.unicamp.br/textos/publicacoes/livros/
bolivianos/livro_bolivianos.pdf
CDHIC, ESF (2011). Informe sobre a legislação migratória e
a realidade dos imigrantes. São Paulo. Disponível em: http://
www.youblisher.com/p/260091-BRASIL-INFORME-SOBREA-LEGISLACAO-MIGRATORIA-E-A-REALIDADE-DOSIMIGRANTES/
CONFERÊNCIA SUL-AMERICANA DE MIGRAÇÕES (2010).
Declaração de Princípios Migratórios e Lineamentos Gerais da
Conferência Sul-Americana de Migrações. Disponível em: http://
www.csm-2011.com/attachments/article/70/CSM%2010%20
-3-%20Portugues%20DECLARA%C3%87%C3%83O%20DE%20
PRINC%C3%8DPIOS.pdf
FÓRUM SOCIAL PELA INTEGRAÇÃO E DIREITOS HUMANOS
DOS MIGRANTES NO BRASIL (2012). Manifesto em Defesa de
uma Nova Lei de Migração Pautada nos Direitos Humanos e
na Solidariedade entre os Povos. Divulgado no dia 10 de abril de
2012. Disponível em: http://www.cdhic.org.br/v01/?p=994.
GUILAYN, Priscila; OTAVIO, Chico (2012). "Brasil quer facilitar
vistos para profissionais estrangeiros". Reportagem do Jornal
O Globo, de 15 de janeiro de 2012. Disponível em: oglobo.
globo.com/pais/brasil-quer-facilitar-vistos-para-profissionaisestrangeiros-3671799

MOTOKI, Carolina. Vida e morte severina dos trabalhadores
migrantes (Artigo elaborado para a disciplina "Currículo e
questões étnico-culturais" do curso de especialização "Currículo,
Cultura, Letramento e Educação do Campo"). Marabá: UFPA,
2010. Mimeo.
NOVAES, José Roberto; ALVES, Francisco (Orgs.) (2007).
Migrantes: trabalho e trabalhadores no complexo agroindustrial
canavieiro (os heróis do agronegócio brasileiro). São Carlos:
EDUFSCAR.
OIM; MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO; CNPD
(2010). Perfil Migratório do Brasil 2009. Disponível em: http://
publications.iom.int/bookstore/free/Brazil_Profile2009.pdf
REPÓRTER BRASIL (2012). Tráfico de pessoas ­ Mercado de
gente. Publicação do programa Escravo, nem pensar!. Disponível
em:
http://escravonempensar.org.br/upfilesfolder/materiais/
arquivos/cartilha_trafico_spread_WEB.pdf
REPÓRTER BRASIL (2012). Escravo, nem pensar! ­ Uma
abordagem sobre trabalho escravo contemporâneo na sala de
aula e na comunidade. Publicação do programa Escravo, nem
pensar! (no prelo).
VÁRIOS AUTORES (2011). "Dossiê: migrações e Seção livre.
Idéias ­ Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da
Unicamp", V.1, N. 2. Disponível em: http://www.ifch.unicamp.br/
ojs/index.php/ideias/issue/view/37

IBGE (2011). Reflexões sobre os deslocamentos populacionais
no Brasil. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.ibge.
gov.br/home/estatistica/populacao/reflexoes_deslocamentos/
deslocamentos.pdf

VENTURA, Deisy ; ILLES, Paulo (2010). "Estatuto do estrangeiro
ou lei de imigração?" Artigo publicado no site do Le Monde
Diplomatique Brasil, no dia 1º de agosto de 2010. Disponível em:
www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=744

IPEA (2010). "Migração Interna no Brasil. Traça as desigualdades
enfrentadas pelos migrantes". Comunicados do IPEA. No.
61.
http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/
comunicado/100817_comunicadoipea61.pdf

_______ (2012). "Qual é a política migratória brasileira?" Artigo
publicado no site do Le Monde Diplomatique Brasil, no dia 07 de
Março de 2012. Disponível em: http://www.diplomatique.org.br/
artigo.php?id=1121

32

Sites
- Agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para Refugiados
http://www.acnur.org/t3/portugues/
- Centro de Apoio ao Migrante (CAMI)
www.cami-spm.org
- Centro de Direitos Humanos e Cidadania do Imigrante (CDHIC)
www.cdhic.org.br
- Conferência Sul-Americana sobre Migrações
www.csmigraciones.info
- Conselho Nacional de Imigração (CNIg)
http://portal.mte.gov.br/cni/conselho-nacional-de-imigracao-cnig.htm
- Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC)
http://www.unodc.org/southerncone/pt/index.html
- Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH)
www.migrante.org.br
- Ministério da Justiça (MJ)
www.mj.gov.br
- Ministério das Relações Exteriores (MRE)
www.portalconsular.mre.gov.br
- Ministério do Trabalho e Emprego (MTE)
www.mte.gov.br/trab_estrang/trabalho-estrangeiro.htm
- Organização Internacional do Trabalho (OIT)
www.oitbrasil.org.br/
- Organização Internacional para as Migrações (OIM)
www.iom.int
- Organização das Nações Unidas (ONU)
www.onu.org.br
- Serviço Pastoral dos Migrantes
www.spmigrantes.wordpress.com

33

Filmes
Viajo porque preciso, volto porque te amo (2010, 75 min) ­ ficção
Direção: Marcelo Gomes e Karim Aïnouz
Expedito, em busca de outros nortes (2006, 75 min) ­ documentário
Direção: Aída Marques e Beto Novaes



Céu de Suely (2006, 86 min) ­ ficção



Direção: Marcelo Gomes e Karim Aïnouz



Cinema, aspirinas e urubus (2005, 100 min) ­ ficção



Direção: Marcelo Gomes



Conterrâneos velhos de guerra (1990, 143 min) ­ documentário



Direção: Vladimir Carvalho



De braços nem tão abertos: Imigrantes no Brasil ­ Sala de Notícias (2012, 14 min) ­ reportagem



Direção: ONG Repórter Brasil



Migrantes (2007, 46 min) ­ documentário



Direção: Beto Novaes, Francisco Alves e Cleisson Vidal



Trabalhadores de Canaviais (2008, 5 min) ­ série de cinco reportagens



Direção: André de Oliveira e Jefferson Pinheiro (Coletivo Catarse)

Sobre o programa Escravo, nem pensar!
O programa Escravo, nem pensar!, da ONG Repórter Brasil*, desenvolve ações de
prevenção contra o trabalho escravo e o tráfico de pessoas por meio da educação. O programa é
pioneiro em desenvolvimento de metodologias para abordagem desses temas e assuntos correlatos.
Desde 2004, realiza formações de educadores e lideranças sociais. Mais de 2,5 mil pessoas
participaram de atividades em 50 municípios de seis estados do Norte, Nordeste e Centro-Oeste
do Brasil: Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Piauí e Tocantins. Nesses locais, são frequentes
os casos de aliciamento de trabalhadores para o trabalho escravo e/ou a incidência do uso desse
tipo de mão de obra. O programa também elabora publicações; apoia e financia a realização de
projetos comunitários, festivais regionais e concursos escolares. Com essas ações, o Escravo,
nem pensar! já alcançou mais de 100 mil pessoas.

*Sobre a Repórter Brasil
A Repórter Brasil foi fundada em 2001 por jornalistas, cientistas sociais e educadores com
o objetivo de fomentar a reflexão e ação sobre a violação aos direitos fundamentais dos povos e
trabalhadores do campo no Brasil. Devido ao seu trabalho, tornou-se um das mais importantes
fontes de informação sobre trabalho escravo no Brasil. Suas reportagens, investigações jornalísticas,
pesquisas e metodologias educacionais têm sido usadas por lideranças do poder público, do setor
empresarial e da sociedade civil como instrumentos para combater a escravidão contemporânea,
um problema que afeta milhares de brasileiros.

[email protected]
www.escravonempensar.org.br | www.reporterbrasil.org.br
Estes documentários estão disponíveis na internet no site: www.youtube.com
Para acessar, digite o nome do filme no campo de busca do site

34

Em São Paulo:
Rua Bruxelas, 169 ­ Sumaré, São Paulo/SP CEP 01259-020
(11) 2506 6570, ramal 1
Em Tocantins:
Rua Porto Alegre, 446 ­ Bairro São João, Araguaína/TO CEP 77808-070
(63) 3412 5884

As migrações fazem parte da história da humanidade. Graças a
esse fenômeno universal, muitos povos e países se constituíram pela
miscigenação de etnias e pela fusão de culturas. No Brasil, as migrações
tiveram papel fundamental na sua formação. Diante disso, arriscamos a
perguntar ao leitor: "Quem não é migrante?".
A migração deve ser considerada um direito humano, afinal todos nós
deveríamos ter a possibilidade de escolher nossos caminhos e destinos. No
entanto, muitas vezes o fenômeno está relacionado a violações de direitos,
como o trabalho escravo contemporâneo e o tráfico de pessoas.
Neste caderno temático, educadores e lideranças sociais encontrarão
questões e sugestões de abordagem para a reflexão sobre esse tema em suas
comunidades. Ele foi produzido pelo programa Escravo, nem pensar!,
da ONG Repórter Brasil, com apoio da Catholic Relief Services (CRS) e da
TAM Linhas Aéreas.

Realização

Apoio