São Paulo, Dez/17

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Esta apresentação pode conter certas declarações que expressam expectativas, crenças e previsões da administração sobre
eventos ou resultados futuros. Tais declarações não são dados históricos, estando baseadas em dados competitivos, financeiros
e econômicos disponíveis no momento e em projeções atuais acerca da indústria na qual a B3 se insere.
Os verbos "antecipar", "acreditar", "estimar", "esperar", "prever", "planejar", "projetar", "almejar" e outros verbos similares têm a
intenção de identificar estas declarações, as quais envolvem riscos e incertezas que podem resultar em diferenças materiais
entre os dados atuais e as projeções desta apresentação e não garantem qualquer desempenho futuro da B3.
Os fatores que podem afetar o desempenho incluem, mas não estão limitados a: (i) aceitação pelo mercado dos serviços
prestado pela B3; (ii) volatilidade relacionada (a) à economia e ao mercado de valores mobiliários brasileiros e (b) à indústria
altamente competitiva na qual a B3 opera; (iii) alterações (a) na legislação e tributação nacional e estrangeira e (b) nas políticas
governamentais relacionadas aos mercados financeiros e de valores mobiliários; (iv) crescimento da competição, com novos
participantes nos mercados brasileiros; (v) habilidade em adaptar-se às rápidas mudanças no ambiente tecnológico, incluindo a
implementação de funcionalidades otimizadas requeridas pelos clientes da B3; (vi) habilidade em manter um processo contínuo
de introdução de competitivos novos produtos e serviços enquanto mantém a competitividade dos já existentes; (vii) habilidade
em atrair novos clientes nas jurisdições nacional e estrangeira; (viii) habilidade em expandir a oferta de produtos da B3 em
jurisdições estrangeiras.
Todas as declarações nesta apresentação são baseadas em informações e dados disponíveis na data em que foram feitas, a B3
não se obriga a atualizá-las com base em novas informações ou desenvolvimentos futuros.

Esta apresentação não se constitui em uma oferta de venda nem em uma solicitação de compra de qualquer valor mobiliário;
tampouco deve haver qualquer venda de valor mobiliário onde tal oferta ou venda pudesse ser ilegal antes de registro ou
qualificação de acordo com lei de valores mobiliários. Nenhuma oferta deve ser feita à exceção de um prospecto que atenda os
requisitos da Instrução CVM 400 de 2003 e suas alterações.

2

AGENDA

Gilson Finkelsztain
PRESIDENTE

3

B3 S.A. ­ BRASIL BOLSA BALCÃO
One-stop-shop agregando valor em todas as etapas da cadeia de valor do mercado financeiro

A infraestrutura da B3 possui diversos pontos de integração com os
participantes do mercado, apoiando inúmeras de suas atividades centrais

Negociação

Contraparte
Central e
liquidação

Derivativos
de balcão

Registro

Contraparte
Central e
liquidação

Renda fixa
corporativa

Negociação /
Registro

Contraparte
Central e
liquidação

Depositária
central

Instrumentos
bancários

Registro

Liquidação

Custódia

Listados

Instituições
Financeiras

(ações, derivativos, câmbio
à vista e outros)

Depositária
central

Corretoras

Adm. de
Recursos

Emissores de
Instrumentos
Financeiros

4

Financiamento
(veículos e
imóveis)

Registro

Custódia

Elevado nível de diversificação de
receitas como diferencial do modelo
de negócio

No período de 9 meses
até set/17,
crescimento de
receitas em todos os
segmentos de negócio

Outras receitas¹
R$495 milhões
+27% yoy
Segmento
Cetip UFIN
R$315 milhões
+17% yoy
Receita Total

R$3,3 bi
+12% yoy

Segmento
Cetip UTVM
R$829 milhões
+5% yoy

5

Segmento
BM&F
R$824 milhões
+4% yoy

¹ Inclui reversão de provisão de R$57,8 milhões realizada no 3T17.

Segmento
Bovespa
R$830 milhões
+18% yoy

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO MERCADO BRASILEIRO
Exposição a diferentes direcionadores de forma balanceada

Queda da taxa de juros no Brasil
7,0% é o menor nível da série histórica

6

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO MERCADO BRASILEIRO
Exposição a diferentes direcionadores de forma balanceada

Queda da taxa de juros no Brasil
7,0% é o menor nível da série histórica

Portfólio de investidores
locais concentrado em RF
(especialmente TFP)
91% do AuM dos fundos de
investimentos em RF (86% em 2012)
83% do AuM dos fundos de pensão em
RF (71% em 2012)

7

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO MERCADO BRASILEIRO
Exposição a diferentes direcionadores de forma balanceada

Queda da taxa de juros no Brasil
7,0% é o menor nível da série histórica

Portfólio de investidores
locais concentrado em RF
(especialmente TFP)
91% do AuM dos fundos de
investimentos em RF (86% em 2012)
83% do AuM dos fundos de pensão em
RF (71% em 2012)

Redução do papel do estado
no financiamento
Desembolsos do BNDES: R$55 bi em
2017¹ vs. pico de R$190 bi em 2013

8

¹ De janeiro a outubro de 2017.

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO MERCADO BRASILEIRO
Exposição a diferentes direcionadores de forma balanceada

Queda da taxa de juros no Brasil
7,0% é o menor nível da série histórica

Portfólio de investidores
locais concentrado em RF
(especialmente TFP)
91% do AuM dos fundos de
investimentos em RF (86% em 2012)
83% do AuM dos fundos de pensão em
RF (71% em 2012)

Fim da pior
recessão da história
do Brasil
Sinais de retomada do
crescimento
9

¹ De janeiro a outubro de 2017.

Redução do papel do estado
no financiamento
Desembolsos do BNDES: R$55 bi em
2017¹ vs. pico de R$190 bi em 2013

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO MERCADO BRASILEIRO
Exposição a diferentes direcionadores de forma balanceada

Queda da taxa de juros no Brasil
7,0% é o menor nível da série histórica

Portfólio de investidores
locais concentrado em RF
(especialmente TFP)
91% do AuM dos fundos de
investimentos em RF (86% em 2012)
83% do AuM dos fundos de pensão em
RF (71% em 2012)

Expectativa de expansão
do crédito
Sinais da retomada do financiamento
de veículos e expectativa de melhora
para financiamento de imóveis
10

¹ De janeiro a outubro de 2017.

Fim da pior
recessão da história
do Brasil
Sinais de retomada do
crescimento

Redução do papel do estado
no financiamento
Desembolsos do BNDES: R$55 bi em
2017¹ vs. pico de R$190 bi em 2013

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO MERCADO BRASILEIRO
Exposição a diferentes direcionadores de forma balanceada

Queda da taxa de juros no Brasil
7,0% é o menor nível da série histórica

Portfólio de investidores
locais concentrado em RF
(especialmente TFP)

Baixa relevância do
Brasil nos portfólios
globais de ações

91% do AuM dos fundos de
investimentos em RF (86% em 2012)

Participação do Brasil no MSCI
Emerging Markets é de ~7%
versus pico de ~18% em 2008

Expectativa de expansão
do crédito
Sinais da retomada do financiamento
de veículos e expectativa de melhora
para financiamento de imóveis
11

¹ De janeiro a outubro de 2017.

83% do AuM dos fundos de pensão em
RF (71% em 2012)

Fim da pior
recessão da história
do Brasil
Sinais de retomada do
crescimento

Redução do papel do estado
no financiamento
Desembolsos do BNDES: R$55 bi em
2017¹ vs. pico de R$190 bi em 2013

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO MERCADO BRASILEIRO
Exposição a diferentes direcionadores de forma balanceada

Aumento da sofisticação do mercado

Queda da taxa de juros no Brasil

Queda do juros deve estimular a indústria de fundos
multimercados e a busca por produtos financeiros
mais sofisticados

7,0% é o menor nível da série histórica

Portfólio de investidores
locais concentrado em RF
(especialmente TFP)

Baixa relevância do
Brasil nos portfólios
globais de ações

91% do AuM dos fundos de
investimentos em RF (86% em 2012)

Participação do Brasil no MSCI
Emerging Markets é de ~7%
versus pico de ~18% em 2008

Expectativa de expansão
do crédito
Sinais da retomada do financiamento
de veículos e expectativa de melhora
para financiamento de imóveis
12

¹ De janeiro a outubro de 2017.

83% do AuM dos fundos de pensão em
RF (71% em 2012)

Fim da pior
recessão da história
do Brasil
Sinais de retomada do
crescimento

Redução do papel do estado
no financiamento
Desembolsos do BNDES: R$55 bi em
2017¹ vs. pico de R$190 bi em 2013

PRIORIDADES ESTRATÉGICAS
Integração da B3 pós-fusão

Gilson Finkelsztain
Presidente

Ana Buchaim
Recursos Humanos

Eduardo Farias
PMO, Controles Internos,
Compliance e Risco
Corporativo
Sonia Favaretto
Imprensa, Comunicação,
Sustentabilidade e
Investimento Social

Gustavo Baptista¹
Auditoria

13

¹ Report para o Comitê de Auditoria.

Juca Andrade
Clientes e Produtos

Relac. com
Clientes

Cícero Vieira
Operações, Clearing e
Depositária

Negociação

Desenv. de
Produtos

Tarifação

Compens. e
Liquidação
Risco

Regulação
de
Emissores

Comercial

Produtos
de
Inovação

Produtos de
Plataformas

Rodrigo Nardoni
Tecnologia e
Segurança da
Informação

Sistemas
de
Negociação

Sistemas de
Pósnegociação

Infraestrutura
e Segurança
da
Informação

Daniel Sonder
Finanças, Corporativo
e RI

Finanças

Marcos Vanderlei
Financiamentos

Corporativo /
Administração

Marketing,
Novos
Negócios,
PFs,
Educação

Desenv. de
Mercados
Latam

Depositária
e Registro

Banco B3

Produtos
de
Informação

Produtos
do SNG e
Sistema de
Contratos

Sistemas
Externos

Sistemas de
Balcão e
Financ.

Jurídico

Relacionamento
com
Investidores

PRIORIDADES ESTRATÉGICAS

8 meses desde
a criação da
B3 em março
de 2018

Continuidade da execução
das estratégias existentes
nas duas empresas (pipeline
de projetos e iniciativas)

Reestruturação do modelo
de relacionamento com
clientes (foco e
proximidade)

Execução do plano de
integração das duas
empresas (empresa única)

Revisão dos processos e
estruturas internas (maior
agilidade e eficiência)

14

PRIORIDADES ESTRATÉGICAS
Integração da B3 pós-fusão ­ cultura

A Cultura será chave para o nosso desenvolvimento
Diagnóstico

Definições

Diagnóstico cultural das empresas antes
da integração (cultura atual e desejada)

Definição da causa, valores e
comportamentos esperados

Diagnostico cultural pós-integração

Definição de atributos de marca e
experiência do cliente

Implementação gradual: comunicação, prática e consistência

15

PRIORIDADES ESTRATÉGICAS
Integração da B3 pós-fusão ­ cultura (cont.)

PROJETO DE CULTURA

NOSSA CAUSA
Trabalhamos para viabilizar, conectar e
desenvolver os mercados financeiro e de capitais.
Juntos, com nossos clientes e a sociedade,
potencializamos o crescimento do Brasil.

16

N O S S O S VA L O R E S
Atitude correta para hoje, amanhã e sempre
Abertura e colaboração
Proximidade e satisfação do cliente
Solidez e credibilidade operacional
Ambiente para as pessoas se desenvolverem

PRIORIDADES ESTRATÉGICAS
Integração da B3 pós-fusão ­ desenvolvimento de projetos e produtos

Reorganizamos as esteiras de projetos e alteramos o papel e o
escopo de atuação do escritório de projetos (PMO)
5 esteiras de projetos:
Processo de aprovação e acompanhamento mais fluído e organizado

LISTADOS
BALCÃO
FINANCIAMENTO
TI
CORPORATIVO
17

AGENDA

Juca Andrade
VP DE PRODUTOS E CLIENTES

18

RELACIONAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS
Implantação de um novo modelo de relacionamento

Intenso trabalho interno e
externo para chegarmos no
novo modelo de relacionamento

Entrevistas ajudaram a identificar
oportunidades para B3 e pontos de
atenção do mercado

100+ entrevistas com a liderança da B3

Mercado espera trabalho em conjunto com B3
Agilidade na melhoria de sistemas e aprimoramento da
infra tec. são prioridades comuns para os clientes
B3 deve aumentar sua capacidade de desenvolver o
mercado
Mercado valoriza a figura do Relationship Manager que
concentra seu relacionamento com a B3

80+ entrevistas com o mercado para
mapeamento de necessidades e oportunidades
Pesquisa quantitativa de avaliação do modelo
de relacionamento e atendimento atual, com
500+ respostas
150+ horas de dedicação do grupo executivo da
B3 para alinhamento e redesenho do modelo de
relacionamento

19

Time to
market

+

Parceria e
proximidade
para
desenvolver
o mercado

+

Manutenção
da agilidade
no mercado
de Balcão

RELACIONAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS
Implantação de um novo modelo de relacionamento (cont.)

COBERTURA DE CLIENTES
Relacionamento com clientes
Brasil

DESENV. DE PRODUTOS
Ações
Derivativos listados (FICC)

Balcão

Relacionamento com clientes
Internacional

LATAM

Desenv. de
mercados
Latam

Serviços de tecnologia e market data

SUPORTE À COBERTURA DE CLIENTES E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS
Análise de mercado e Tarifação
Marketing, Novos Negócios, Instituto Educacional e Pessoas Físicas

20

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E SERVIÇOS
Pipeline de projetos

Exemplos de novos produtos e melhorias em
produtos existentes

PRODUTOS
L I S TA D O S

PRODUTOS
DE BALCÃO
21

PROJETOS

ESTUDOS

Market Data

Empréstimo de Ativos (BTB)

Formador de Mercado

Empréstimo e Compromissada de TPF

Tesouro Direto

Opções Digitais

Produtos de Volatilidade Implícita

Sinacor

PROJETOS

ESTUDOS

Internalização do Sistema Trader

Registro de Direitos Creditórios (Duplicatas)

Derivativos de Balcão com CCP

Plataforma de Fundos

Depositária e Gravames

Letra Imobiliária Garantida (LIG)

PRECIFICAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS
Análise de preços na B3

Visão de longo prazo sobre os preços de produtos e serviços
oferecidos pela B3:
Adoção de mecanismos de preços para desenvolvimento de mercados e produtos

Programas de incentivo para clientes sensíveis a preço (novos e atuais)
Compartilhamento de parte da alavancagem operacional, dada a escalabilidade dos negócios da B3
Constantes análises e benchmarks de preços

Práticas já adotadas pela B3 e pelas empresas que a
antecederam
22

AGENDA

Cícero Vieira
VP OPERAÇÕES, CLEARING E
DEPOSITÁRIA

23

INTEGRAÇÃO DA CLEARING B3
Principais estatísticas da segunda fase da integração

$

R$21,3 bilhões

20.000

1,8 milhão

595.906

Liberação total de
margens

Movimentações de
garantias

Negócios capturados

Repasses realizados

R$40 bilhões

$

3,7 milhões

3.720

Alocações realizadas

Operações de
empréstimo fechadas

Estoque de posições de
empréstimo em aberto

Valor bruto liquidado

R$1,6 bilhão

48

22

283

Valor compensado/
liquidado

Falhas de entrega de
ativos

Operações de recompra

Total de instituições do
buy-side que aderiram
ao iMercado

Primeira semana (28/08 ­ 01/09)

24

$

R$9,9 bilhões

Período de 28/08 a 22/11 ­ média diária, exceto quando explicitado

IMPACTOS DA FUSÃO NA ÁREA DE OPERAÇÕES
Principais impactos operacionais

25

Regulação de
Emissores

Unificação dos processos de análise de ofertas de valores mobiliários de RF
Processos de análise de ofertas de valores mobiliários de RF e RV sob uma mesma gestão

Negociação

Administração do PUMA e do Trader sob uma mesma gestão
Revisão das condições contratuais do Trader

Administração de
Risco de CCP

Oferta de CCP para derivativos de balcão registrados no NoMe
Unificação dos processos de apreçamento de ativos/contratos

Central
Depositária &
Registro

Depositária única com duas plataformas tecnológicas (especialização em RV e RF)
Integração entre as plataformas sempre que necessário (extrato de clientes, transferências de
ativos, etc)
Migração gradual dos registros do iBalcão para o NoMe
Unificação das áreas de cadastro
Revisão dos controles de PLD

Banco B3

Sem impactos relevantes

OFERTA DE SERVIÇOS NO MERCADO À VISTA DE AÇÕES
Acesso ao ambiente de pós-negociação da B3 por outras Infraestruturas de Mercado Financeiro (IMFs)

Prontidão do ponto de vista tecnológico, operacional e normativo
Sistemas, processos e regulamentos/manuais já estão preparados para oferecer serviços de
pós-negociação para outra IMF (compromisso com CVM e CADE)

Oferta de serviço de CSD para outra IMF que já demonstrou interesse
Encerrada negociação bilateral que durou 120 dias (compromisso com o CADE), foi requerida
a instauração de processo de arbitragem, o qual corre em sigilo

26

OPERAÇÕES NA B3
Prioridades de curto e médio prazos

Fim de longo ciclo de
investimentos em modernização
da infraestrutura tecnológica
PUMA (substituição de duas plataformas de
negociação obsoletas)
Integração das clearings (derivativos e ações)
Novo data center (hospedagem PUMA e nova
clearing integrada)
Aumento de capacidade de processamento,
redução de latência, maior resiliência
operacional, otimização de processos,
otimização de margens e redução do time-tomarket para lançamento de novos produtos
27

Início de novo ciclo:
desenvolvimento e execução de
maior número produtos e projetos
menores e mais rápidos
Novos produtos/serviços e aperfeiçoamento
de produtos/serviços existentes
Suporte ao desenvolvimento de produtos e
serviços
Redução de riscos e aperfeiçoamentos
operacionais
Novo LINE
Liquidação do mercado de ações em D+2
Plano de Continuidade Operacional (PCO) do
PUMA

OPERAÇÕES NA B3
Foco na mitigação de riscos que podem impactar a nossa Clearing

LINE ATUAL
Limites para
· Tamanho máximo de oferta por
instrumento
· Fluxo liquidamente
comprado/vendido por instrumento
· Fluxo liquidamente
comprado/vendido por grupo de
instrumentos

Utilização obrigatória somente por
investidores classificados como HFT

28

NOVO LINE
Preservação da possibilidade de atribuição de limites
individuais por instrumento ou grupo de instrumentos
Limite para o risco residual do portfolio
· Posições em aberto
· Fluxo de operações do dia
· Garantias depositadas
Limite para o resultado de day-trade negativo
Limite para operações de repasse recebidas pelo
carrying-broker
Operação em "modo protegido": aceitação
exclusivamente de ofertas com a identificação do
cliente e que reduzam as posições em aberto caso
fechadas

AGENDA

Marcos Vanderlei
DIRETORIA DA UNIDADE DE
FINANCIAMENTOS

29

FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS
Atuação em toda a esteira de financiamentos

SNG e o Sistema de Contratos permitem ao banco realizar o
controle de garantias em base centralizada e o envio dos dados
aos Detrans e ao Bacen para cumprimento da regulação
Planejamento
comercial
Auxílio ao
banco em sua
estratégia de
atuação

30

Proposta/
Crédito
Informações para
aprovação de
crédito com mais
assertividade

Formalização

Otimização do
processo de
formalização do
banco, com
validações
antifraude e captura
da situação do
veículo

Pagamentos

Validação do
veículo recebido
como garantia ao
contrato, de
acordo com as
regras de negócio
do próprio banco

Pós-venda

Produtos para
melhor gestão de
carteira de crédito,
validações de
garantias para os
sistemas de
cessão de crédito

FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS
Modelo de atuação da B3

SNG
Plataforma privada, alimentada pelo sistema
financeiro com informações referentes aos contratos
de financiamento de veículos
Conecta o sistema financeiro ao Bacen e aos Órgãos
de Trânsito
Efetua consultas em bases oficiais, garante que o
veículo em questão está livre de restrições ou
impedimentos financeiros, judiciais e administrativos
Envia solicitação de inclusão de restrição financeira
aos Detrans
Gerencia e controla os pedidos de baixa,
cancelamento, exclusão e alteração das restrições
financeiras realizadas por Instituições Financeiras
junto aos Detrans

31

Sistema de Contratos
É um hub que tem por objetivo levar dos bancos
aos Detrans todas as informações e imagens
necessárias para que o Órgão de Trânsito efetue
o registro do contrato de financiamento de
veículo

A plataforma é flexível para efetuar a entrega
destas informações para registro
independentemente do modelo estabelecido por
cada Detran

FINANCIAMENTO DE VEÍCULOS
Participação de mercado ­ SNG e Sistema de Contratos

SNG
Processamos
100% das
transações
do mercado,
em um
universo de
cerca de 5
milhões de
gravames ao
ano¹

Sistema de Contratos
Processamos
~70% das
transações do
mercado, com
o envio de
cerca de 3,6
milhões de
dados para
registro ao
ano¹

RR

AP

AM

PA
MA

CE
PI

AC
RO

PE

TO

RN
PB

SE AL

MT

BA
DF

GO

Modelo de registro de contrato por UF

MG
ES

MS
SP

RJ

PR

Credenciamento
Convênio
Sistema próprio DETRAN (taxa)
Concessão pública

SC
RS

Balcão DETRAN
Sem processo de registro
UFs com prestação de serviço da B3

32

¹ Expectativa de 3,6 milhões de dados para registro por ano e de 5 milhões de gravames por ano com base nos primeiros 11 meses de 2017 anualizados.

PLATAFORMA IMOBILIÁRIA
Serviços ofertados para a esteira de financiamento

Permite ao banco (i) precificar sua garantia de forma estruturada, (ii)
automatizar o envio de documentos para registro no cartório e (iii) atender à
Resolução do BACEN
Avaliação da
Garantia
Integra instituições financeiras e
empresas de avaliação, validando o
preço dos imóveis por região,
contribuindo na prevenção a fraudes

Conexão com os Cartórios
(Registro da Garantia)
Integra instituições financeiras e os
cartórios de registro de imóveis,
diretamente ou por intermédio de
centrais registradoras

Conexão com
Regulador
Consolida informações de garantias
imobiliárias, monitoramento e
conciliação (cumprimento regulatório Resolução 4.088 do BACEN)

Ambiente de negócios
Efeitos da crise no financiamento imobiliário: 221 mil unidades¹ financiadas entre jan-ago/17, queda de 2,6% yoy
Perspectivas de melhora com retomada do crescimento e queda do juros
33

¹ Não considera unidades financiadas por meio do programa Minha Casa Minha Vida.

SEGMENTO CETIP UFIN
Oportunidades e desafios

Veículos
Sinais de retomada
do crescimento após
anos de queda na
crise
Novo modelo de
negócio para SNG e
Sistema de Contratos
a partir de mudança
regulatória realizada
pelo Denatran

34

Imobiliário
Expectativa de
retomada do
crescimento após anos
de queda durante a
crise
Ampliar o número de
cartórios conectados à
nossa plataforma

Novas oportunidades
Análise de novas oportunidades em
mercados análogos aos atuais
Expansão da atuação dentro da
esteira das Instituições Financeiras

AGENDA

Rodrigo Nardoni
VP DE TECNOLOGIA E SEGURANÇA
DA INFORMAÇÃO

35

INFRAESTRUTURA TECNOLOGIA DA B3
Capacidade da infraestrutura para os segmentos BM&F e Bovespa

DATAS RELEVANTES
4-Abr-16 - o ex-presidente Lula foi levado
a depor coercitivamente pela PF

Em milhões de negócios

10-Nov-16 - data da eleição de Donald
Trump como presidente dos EUA

Nova Capacidade IPNv2

18-Mai-17 ­ vazamento de
gravações com o presidente Temer

Ações
Recorde
3,1 MM
1
Capacidade
Ações

Derivativos
Recorde
1,1 MM

ACOMPANHAMENTO NOV/17
(nº de negócios)

Capacidade
Derivativos

Mercado

PUMA

Ações
Derivativos

Média Mês

Pico

Capacidade
(%)

1.149.349

1.716.342

24%

834.132

1.090.105

15%

DESTAQUES
Nov/17 ­ migração do ambiente de negociação
(sistema de negociação PUMA), do site do Centro
para o site de Santana de Parnaíba

36

ESTRATÉGIA DE INTEGRAÇÃO DOS DATA CENTERS
Situação atual

São Paulo

Ex-BVMF
Ex-Cetip

Rio de Janeiro

Ascenty Camp.Colocation

Equinix RJ2 Colocation

UFIN
Equinix SP2 ­
Colocation

UTVM

UFIN
UTVM

SPA ­ Próprio
BVMF

UOLDiveo ­
Colocation
XV ­ Próprio

BVMF

UEC ­ Próprio
BVMF
(Florêncio de Abreu)

37

Praça A. PradoPróprio
BVMF

BVMF

Equinix RJ1 Colocation

Rep. do Chile Próprio

UTVM

UTVM

ESTRATÉGIA DE INTEGRAÇÃO DOS DATA CENTERS
Planejado

2021

B3

São Paulo

DC Terceirizado ­
Colocation
UFIN
UTVM

SPA ­ Próprio
BVMF
BVMF
UTVM
UTVM
UFIN

XV ­ Próprio
BVMF
BVMF
UTVM

38

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NA B3
Alinhada aos padrões internacionais e reguladores (NIST, ISF, CPMI-IOSCO)

Framework de Segurança
Cibernética

Modelo de Operacionalização de
Segurança Cibernética
ESTRATÉGICO
TÁTICO
OPERACIONAL

Comitê de
Segurança da
Informação

Gestão e
Governança de
Riscos Cibernéticos

Plano diretor de
Segurança
Cibernética

Novas tecnologias
e tendências

Normas e
Políticas

Inteligência em
Ameaças
Defesa em Camadas
e Engenharia de
redes seguras

39

Objetivos
Estratégicos da
B3

Estratégia de Segurança
Cibernética

Segurança em
Participantes

Gestão de ativos
de software e
hardware

Enterprise Risk
Management B3

Proteção de dados

Processos,
Controles,
Responsabilidade
s e Indicadores

Continuidade dos
Negócios *

Conformidade

Segurança na
gestão fornecedores
e parceiros

Segurança de
Recursos
Humanos

Arquitetura de
Aplicações e
Processos

Controles de
acessos

Skills e
treinamentos de
segurança

Configuração
segura de
dispositivos

Gestão de
Vulnerabilidades

Classificação da
Informação

Defesas contra
conteúdo
malicioso

Gestão de
incidentes de
segurança

Testes de
Segurança

Investigação

INFRAESTRUTURA TECNOLOGIA DA B3
Integração da B3 pós-fusão ­ ponto de vista tecnológico

INFRAESTRUTURA DE HARDWARE E SOFTWARE
E-mail
Ferramenta de comunicação instantânea
Rede de escritórios
Links entre sites

SERVIÇOS DE TI PARA A COMPANHIA
Service desk
Catálogo de serviços
Mudanças e problemas
Ferramentas

MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES
Operação de TI
Incidentes

40

INOVAÇÃO NA B3

Programa Foresee
Aceleradoras
Startups
Fintechs
Mentoring
Forum Know

41

Laboratório para
novas tecnologias

Consórcio R3
Tecnologia Blockchain

AGENDA

Daniel Sonder
VP FINANCEIRA, CORPORATIVA E
DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES

42

INTEGRAÇÃO B3 PÓS-FUSÃO
Principais marcos dos primeiros 8 meses do
processo de integração

Empresa
Única

Time
Motivado

Clientes
Satisfeitos

Projetos
usuais em
M&As

Projetos
específicos
relacionados
à B3

26 projetos e 4 frentes
alavancando a integração
Duração esperada: 18 meses
Funcionários
envolvidos

43

Horas
trabalhadas

Mudanças
estruturais
para a B3

Mudança de razão social
Incorporação societária
Integração da folha de pagamentos
Integração do ERP
Estrutura predial
Revisão de contratos










Processo de captura de sinergias
Integração dos data centers
Plataforma derivativos com CCP
Market Data
Depositária
Pipeline de projetos
Serviços de TI
Segurança da Informação
Comunicação

Nova cultura
Novo modelo de relacionamento com clientes
Experiência dos clientes com a marca e
marketing comercial
Governança interna

CAPTURA DE SINERGIAS DE DESPESAS
Acompanhamento das sinergias

R$100 milhões de sinergias serão capturados em 2018, 1º ano pós-fusão
Elevação da meta para R$110 milhões até 2021 (após integração dos data centers)
Parte das sinergias capturadas será compartilhada com clientes

Pessoal

Identificação de sobreposições corporativas

TI

Integração tecnológica das plataformas
Eliminação de sobreposições de sistemas de
negócios e back-office
Consolidação de data centers

Corporativo

44

Melhoria na eficiência de processos internos, com
harmonização de políticas
Racionalização da estrutura predial
Renegociação de contratos

Pessoal
80%

Corporativo TI
14%
6%

ORÇAMENTO DE DESPESAS AJUSTADAS¹
Estável em termos nominais

Mantido o intervalo de despesas ajustadas de 2017 para 2018: entre
R$1.050 milhões ­ R$1.100 milhões
Em R$ milhões

~1.120 ­ despesa
ajustada das duas
Companhias
combinadas sem
qualquer sinergia em
2017

Inflação em pessoal (acordo coletivo, inflação médica)
Inflação em contratos e prestadores de serviços
Conclusão de grandes projetos
- parte das horas trabalhadas que eram capitalizadas
voltam para despesas para operacionalização das
novas plataformas
- sustentação de plataformas que entraram em
operação (Clearing Integrada, nova infra do PUMA,
DVA, etc.)
Crescimento vegetativo de infraestrutura
Desp. atreladas ao faturamento

¹ Ajustado por: i) depreciação e amortização; (ii) programa de incentivo de longo prazo baseado em ações ­ principal e encargos; (iii) combinação de negócios com a Cetip; e (iv)
45 provisões.

COMPOSIÇÃO DAS DESPESAS DA B3
Principais despesas com características variáveis

A maior parte das despesas da B3 é considerada fixa, no entanto, três linhas
merecem destaque por sua característica variável
Natureza
Despesas atreladas
a receitas no
segmento Cetip
UFIN

Despesas atreladas
ao preço da ação

46

Linha da DRE

Descrição

Dinâmica

Serviços de
terceiros

Pagamentos realizados a parceiros
de acordo com a receita de
determinados serviços nesse
segmento

Refere-se principalmente aos produtos
de financiamento de veículos e imóveis
Totalizou R$49 milhões nos 9M17

Pessoal

Provisionamento de encargos sobre
Incentivos de Longo Prazo (ILP)
pagos aos funcionários

60,3% sobre o valor financeiro a ser
transferido aos beneficiários do ILP (# de
ações a serem transferidas¹ x preço de
BVMF3 no encerramento do trimestre)

Ajuste da provisão pelo preço de BVMF3
no encerramento do trimestre
Provisões referentes à atualização de
Outras despesas
disputas judiciais que implicam na
Em set/17, o estoque provisionado era de
entrega de ações BVMF3
R$133,4 milhões (equivalente a
5.568.376 ações)

¹ Encargos calculados apenas sobre o valor financeiro estimado da próxima transferência de ações a ser realizada no início do ano seguinte.

ÁGIO RELACIONADO À COMBINAÇÃO COM A BOVESPA HOLDING
Estágio atual das discussões em curso

Autuações relacionadas ao benefício fiscal do ágio da Bovespa Holding são
classificadas como chance de perda remota. Não há provisionamento
Esfera Administrativa
Poder Judiciário
Ano fiscal
(recebimento do auto)

2008-2009
(29/11/2010)

2010-2011
(02/04/2015)
2012-2013
(21/09/2017)

Montantes em
discussão em set/17
(R$ bi - inclui multas e juros)

R$1,3 bilhão

R$2,5 bilhões

R$3,0 bilhões

DRJ

CARF

CARF

(RFB)

(Câmara baixa)

(Câmara superior)

21/10/2011

09/05/2014

05/04/2017

(impugnação parcial)

(3x3 votos)

(4x4 votos)

27/04/2016

21/06/2017

(impugnação parcial)

(5x3 votos)

Estamos
aqui

Estamos
aqui
Resultado negativos para a B3

47

¹ Foi apresentada apólice de seguro garantia.

Resultado positivo para a B3

(três instâncias)

Estamos
Aqui¹

ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS (CAPEX)
Contínuo aprimoramento da infraestrutura e desenvolvimento de produtos e serviços

Intensa fase de investimentos iniciada em 2010 e concluída em 2017
PUMA, integração das clearings de derivativos e ações, novo data center

R$ milhões

Orçamento de 2017 reafirmado

230-250

346

2013
48 48

220-250

Orçamento de 2018
Principais projetos

300

316

322

2014

2015

2016

· Migração da negociação ­ PUMA (site
de contingência)
· Estrutura predial definitiva
· Market Data (Dados com Valor
Agregado)
2017E

2018E

ALAVANCAGEM FINANCEIRA
Compromisso com a robustez do balanço

Cronograma de amortização da dívida
R$ bilhões
5,7

3T17
2,2x Dívida Bruta /
EBITDA (LTM)
2,3

1,5

0,2

49 49

1,7

0,01

A B3 pretende
reduzir a
alavancagem
financeira para 1x
Dívida Bruta /
EBITDA até o final
de 2019

DISTRIBUIÇÃO DE PROVENTOS
Distribuição do caixa aos acionistas

Histórico de pagamento de proventos¹

Entre 2017 ­ 2019, pretende-se
distribuir entre 70% e 80% do
lucro líquido societário na
forma de proventos aos
acionistas³

Após a redução da
alavancagem financeira para 1x
Dívida Bruta / EBITDA, o
montante a ser distribuído
pode ser elevado³

¹ Não inclui recompra de ações. ² Considera proventos aprovados até dez/17. ³ Condicionado ao desempenho da
50 Companhia,
meta de desalavancagem financeira e à aprovação do Conselho de Administração.
50

RELAÇÕES COM INVESTIDORES
+55 11 2565-4729 / 4418 / 4207 / 5730
[email protected]