HISTÓRIA DO LIVRO MANUSCRITO
Ana Lúcia Merege
Mestre em Ciência da Informação (IBICT-UFRJ/ECO)
Bibliotecária ­ Setor de Manuscritos ­ Biblioteca Nacional (Brasil)

O que conhecemos como livro chegou ao seu aspecto atual após intensas
e constantes modificações, que alteraram, inclusive, o seu significado. Hoje o
vemos como algo corriqueiro, mas no passado foi um símbolo de poder e status,
acessível apenas a uma pequena parcela da população. Seu papel como veículo
de conhecimento e informação, contudo, permanece o mesmo, ainda que esse
processo também tenha assumido diferentes formas, de acordo com a época e
o local.
As primeiras representações gráficas que conhecemos são as chamadas
pinturas rupestres ­ existentes há aproximadamente 32.000 anos ­ e os
petroglifos, desenhos gravados em pedra. Essas representações não são
caracterizadas como escrita, mas já se constituem numa forma positiva de
comunicação e de registro. Em outras palavras, são os primeiros esboços
representativos da linguagem oral.
Definida por Février (apud Higounet, p. 11), como "um conjunto de sinais
estabelecido e utilizado por uma comunidade para reproduzir a fala", a escrita
surgiu em várias civilizações, ao longo de milênios. Alguns tipos chegaram até
nossos dias, com ligeiras modificações, enquanto outros ainda precisam de mais
subsídios para serem decifrados. Os sistemas podem ser de vários tipos:
-- Escrita sintética: também chamada ideografia, é aquela em que um
sinal ou grupo de sinais é usado para sugerir uma ideia ou uma frase. O sistema
é usado pelos inuit e por alguns povos indígenas da América do Norte, que
usavam o sistema de faixas coloridas chamadas wampuns. Elementos
ideográficos podem ser encontrados em escritas analíticas ou analíticofonéticas, tais como a maia, a chinesa e os hieróglifos egípcios.

-- Escrita analítica: é aquela em que os sinais não mais são usados para
traduzir ideias ou frases, mas sim palavras. As mais antigas dentre elas são a da
China ­ onde, respectivamente nos séculos I e IV de nossa era, surgiram o
primeiro papel feito de vegetais prensados e a escrita clássica até hoje em uso
até hoje, chamada de k´ai chou --, a hieroglífica do Egito e a escrita da
Mesopotâmia, onde, ao longo de 3.000 anos de difusão, os caracteres
cuneiformes acabaram por ser usados para notar cerca de quinze línguas
diferentes. Na Suméria acabou por surgir um silabário que caracteriza uma fase
de transição entre os sistemas analítico e fonético.
-- Escrita fonética: é aquela em que os sinais não são usados para notar
ideias ou palavras, mas sim os sons. As escritas fonéticas podem ser silábicas,
como a escrita cherokee, semissilábicas, como algumas escritas ibéricas
antigas, ou alfabéticas.
Os primeiros alfabetos
O alfabeto pode ser definido como "um sistema de sinais que exprimem
os sons elementares da linguagem" (Higounet, p. 59). As primeiras tentativas de
representação surgiram no Egito, no segundo milênio antes de nossa era, e se
difundiram pelo norte da Síria e da Palestina. Ali surgiu um conjunto de sinais
mais simples do que os hieróglifos e o cuneiforme, mas que não chega a se
constituir num alfabeto completo. Os sons representados são apenas os das
consoantes, que constituem as bases das línguas dos povos semitas daquela
região ­ um sistema que o linguista Peter Daniels sugeriu chamar de abjad,
denominação derivada das três primeiras letras do alfabeto árabe (b, g, d).
Evidências

arqueológicas

encontradas

em

antigas

inscrições,

notadamente as de Biblos e Ras Shamra (antiga Ugarit), na região da Síria,
apontam os fenícios, habitantes do atual Líbano, como criadores e divulgadores
do primeiro alfabeto. Os fenícios foram grandes comerciantes e navegadores,
tendo fundado colônias em lugares como a ilha de Chipre, a península ibérica e
o norte da África ­ a mais famosa de todas foi Cartago. Seu alfabeto se
desenvolveu por volta da segunda metade do segundo milênio a. C. -possivelmente inspirado num amálgama das várias escritas existentes no

Oriente e no Mediterrâneo -- e compreendia 22 sinais lineares que se gravavam
da direita para a esquerda. Essa escrita se espalhou por suas colônias e por
regiões vizinhas, tendo dado origem, segundo se acredita, às primeiras formas
do hebraico e do aramaico.
Os alfabetos grego e latino
A opinião mais amplamente aceita pelos estudiosos é a de que o alfabeto
foi transmitido aos povos da Grécia diretamente pelos fenícios. Isso é atestado
pela comparação entre os sinais, bem como pela tradição histórica: no século V
a. C., Heródoto se refere às letras como phoinikeia grammata, ou seja, "escrita
fenícia". As lendas atribuem a introdução do alfabeto a Cadmo, irmão de Europa
e filho do rei de Tiro ­ uma cidade fenícia ­ que teria sido também o fundador de
Tebas.
Na escrita grega mais antiga (séculos VIII e VII a. C.), o formato das letras
varia de região para região, assim como a direção das inscrições: às vezes da
esquerda para a direita, às vezes o contrário, havendo ainda o uso do bustrófedo
(escrita tortuosa, semelhante aos riscos de um arado). Os sinais eram
basicamente os mesmos usados pela Fenícia, com algumas adaptações,
principalmente no que diz respeito às vogais.
Ao longo do tempo e de acordo com a região, o alfabeto teve muitas
variantes. A forma que prevaleceu foi, por fim, o chamado alfabeto jônico, que
chegaria até nós como o alfabeto "clássico", escrito da esquerda para a direita e
composto de 24 sinais. Por outro lado, variantes que hoje se acham em desuso
foram desenvolvidas para notar outras línguas, particularmente o etrusco, por
intermédio de quem o alfabeto chegou até os romanos.
As primeiras inscrições em escrita latina são monumentais, datando do
fim do século VII ou do início do século VI a. C. O alfabeto, porém, só foi fixado
no século I a. C., quando os romanos já estavam bem avançados em sua
expansão militar e cultural. Assim como o latim se tornou a base da língua de
muitos dos povos conquistados, também o alfabeto latino de 23 letras foi o
precursor de todas as escritas da Europa Ocidental, que viriam a se desenvolver
em diferentes estilos ao longo da Idade Média.

Suportes e formatos do livro na Antiguidade
As escritas antigas foram registradas em um sem-número de suportes. Os
mais famosos são as tabuinhas de argila utilizadas na Mesopotâmia, porém
também se encontram inscrições em pedra (praticamente todas as que sobraram
de Cartago, por exemplo), bronze, madeira, tiras de bambu e folhas de árvore.
Na China, os primeiros escritos conhecidos, datados do segundo milênio anterior
a nossa era, são textos divinatórios escritos sobre ossos e cascos de tartaruga.
No Egito, a escrita hierática ­ um tipo de escrita simplificada, mais
utilizada pela classe sacerdotal, mas que também serviu para registros
comerciais, administrativos e literários ­ foi encontrada principalmente em cacos
de cerâmica, chamados de ostraca, e no material por excelência ligado à
Antiguidade clássica, o papiro. Obtido a partir do caule de uma espécie de junco,
o papiro era transformado em folhas, e estas coladas umas às outras, formando
longos rolos (em latim, volumen) sobre os quais se escrevia com um pincel de
junco, geralmente com tinta preta e eventualmente com vermelha. Foi esse o
suporte mais utilizado no mundo helênico e entre os romanos, chegando aos
primeiros séculos da Era Cristã.
O Surgimento do códex e do papel
A mudança de formato do livro, que passou a ser como hoje o
conhecemos ­ folhas agrupadas entre capas mais resistentes ­ aconteceu
gradualmente entre os séculos I e V de nossa era. Isso se deu ao mesmo tempo
que a crise nas estruturas do Império Romano, que vinha causando uma
diminuição no número de pessoas letradas ou mesmo alfabetizadas (Cavallo, p.
93). Ao mesmo tempo, o Cristianismo se fortalecia, e o estabelecimento de uma
cultura escrita em muito se deveu ao clero, ao qual eram ligados praticamente
todos os homens de estudo.
Dentro da visão preconizada pela Igreja havia certa cautela e até
hostilidade a tudo que proviesse do período pré-cristão, já que este se achava
associado ao paganismo. Entretanto, certos aspectos da cultura clássica, em
especial a retórica, foram favorecidos por autores como Agostinho, Ambrósio de
Milão e Jerônimo, com isso propiciando o surgimento de "uma nova forma de

cultura escrita cristã, que combinava a herança clássica com um estilo homilético
modelado na Bíblia" (Heather, p. 253).
Um dos marcos da cultura cristã e também da história do livro é a
publicação da Vulgata, a Bíblia latina produzida por Jerônimo entre o final do
século IV e o início do século V de nossa era. O autor também deixou cartas e
outros escritos que fornecem preciosas informações sobre a produção dos livros
na época, além de questões como a da autoria, autenticidade, edição e difusão
das obras. Sua época foi marcada pela vitória definitiva do formato códice (do
latim codex, "bloco de madeira"), que, para alguns autores, representa a mais
importante revolução da história do livro.
O códice apresentava muitas vantagens em relação ao rolo, pois ocupava
menos lugar nas bibliotecas, tinha maior capacidade de armazenamento de texto
e melhor legibilidade. Além disso, o novo formato facilitava o trabalho dos
estudiosos, já que tornava possível a paginação, os índices, o estabelecimento
de concordâncias e o cotejamento de passagens, necessário à comparação de
textos ou de versões. A aceitação foi tão grande que, a partir do século II, "todos
os manuscritos da Bíblia encontrados são códices de papiro, e 90% dos textos
bíblicos e 70% dos textos litúrgicos e hagiográficos dos séculos II-IV apresentamse dessa forma" (Furtado, p. 41).
Embora se prestassem bem à confecção de rolos, as folhas de papiro
eram um material frágil, que se rasgava ou se soltava facilmente das amarras.
Além disso, sua produção estava restrita a lugares distantes, como o Egito e a
Ásia Menor. Assim, tornou-se comum o uso do pergaminho, um suporte bem
mais resistente, embora muito mais caro que o papiro.
No século V a. C. o historiador grego Heródoto já afirmava que as peles
de animal eram utilizadas para a escrita, e existem alguns manuscritos até com
registros em cuneiforme. O termo pergaminho, porém, vem de Pérgamo, uma
cidade grega localizada na antiga Turquia, que, por volta do século II a. C.,
mantinha uma grande biblioteca. Ali, em certa época, houve uma grande
produção e consequente aperfeiçoamento do material obtido a partir das peles,
e o processo seria retomado a partir dos primeiros séculos de nossa era.
O pergaminho era geralmente feito da pele de vacas, ovelhas e cabras ­
estas foram empregadas principalmente na Itália ­ mas outros animais foram
ocasionalmente usados para esse fim, tais como porcos, veados e até mesmo

lebres e esquilos. O preparo era feito em etapas nas quais a pele era
sucessivamente mergulhada em água corrente, raspada, mergulhada numa
solução de óxido de cálcio, lavada, esticada numa armação, raspada com uma
ferramenta em forma de foice e, por fim, esfregada com pedra-pomes, pastas à
base de cálcio e outras substâncias. Esse processo resultava num produto
resistente e durável, fosse qual fosse a sua espessura. No entanto, apesar de
todas as vantagens sobre o papiro ­ que continuou a ser usado até os séculos
VII e início do VIII -, o pergaminho era um material dispendioso, o que obrigava
os escribas e estudiosos a se valerem de artifícios como a reutilização. Daí
resultam os chamados palimpsestos, pergaminhos em que a escrita original foi
apagada para receber um novo registro.
Durante a Idade Média, o Ocidente cristão passou a se beneficiar de uma
inovação. Trata-se do papel, uma invenção chinesa, datada provavelmente do
século II e que se difundiu a partir da conquista de Samarcanda pelos árabes.
Logo o papel foi adotado por todo o mundo muçulmano, incluindo a Hispânia,
onde o número de pessoas alfabetizadas era muito superior ao do restante da
Europa.
O crescimento das cidades e do comércio, verificado a partir do século
XIII, demandava cada vez mais suporte para a escrita, o que, aliado ao baixo
custo do papel, determinou a multiplicação das fábricas em vários países. O
primeiro foi a Espanha, logo seguida pela Itália e, já no século XIV, pela França
e pela Alemanha. Os centros de manufatura exportavam seu produto por toda a
Europa, e seu uso se ampliou em documentos que se destinavam a um uso mais
ou menos efêmero, tais como listas e registros comerciais. O papel, no entanto,
ainda era considerado um material menos "nobre" do que o pergaminho, do qual
se continuaram a confeccionar documentos oficiais e livros sofisticados, pagos
por mecenas e consumidos como objetos de luxo.
O papel que se produzia na Idade Média era obtido a partir de uma pasta
feita de trapos de pano, principalmente linho e cânhamo. Os trapos eram
deixados de molho durante vários dias, depois batidos até serem desfeitos numa
polpa. Esta era derramada num tanque no qual se inseria uma armação de metal
­ uma espécie de peneira -- sobre a qual, ao retirá-la, ficava depositada uma fina
camada de fragmentos. Camada após camada, intercalada com feltro, era posta
para secar, depois prensada até que toda a água houvesse saído. As folhas

resultantes

eram

mergulhadas

numa

cola

orgânica

que

as

tornava

impermeáveis, e, às vezes, polidas para conferir maior brilho. Por volta de 1300,
apareceram as marcas d´água, resultantes dos desenhos vazados que os
fabricantes de papel adicionavam às peneiras a fim de identificar seus produtos.
Scriptoria e oficinas: a produção dos livros medievais
Nos quinze séculos que transcorreram entre o fim do Império Romano e
o surgimento da imprensa, livros de todos os tipos foram produzidos, em
condições as mais variáveis e de acordo com o estilo em voga naquela época e
naquele lugar. Em outras palavras: cada livro tem sua própria história, embora
se possa admitir a existência de pontos em comum.
Nos primeiros séculos da Idade Média, a Igreja foi a depositária quase
exclusiva do saber e do conhecimento. O material escrito circulava entre as
comunidades cristãs, sob a forma de textos sacros e teológicos, homilias e
cartas; clérigos atuavam como professores e secretários, e até mesmo as
primeiras universidades estavam ligadas à Igreja. Soma-se a isso o fato de que
as bibliotecas monásticas foram praticamente as únicas a preservar seus livros
durante e após as chamadas "invasões bárbaras". Assim, não é de estranhar
que os mosteiros e abadias mantivessem seus próprios centros de produção de
livros, comumente chamados de scriptoria, e que boa parte dos belos
manuscritos que nos ficou daquela época tenha sido produzido por religiosos ou
por laicos sob a sua orientação.
Nesse panorama merece destaque a cultura bizantina, em que, já no
século VI, surgiram ateliers com copistas e ilustradores, sediados em casas
religiosas e em centros como Alexandria, Damasco, Antioquia e, mais tarde,
Constantinopla. O papel de trapo foi utilizado antes do Ocidente medieval. A
influência da Antiguidade Clássica e do helenismo, bem como a predominância
de um Cristianismo mais ortodoxo (oposto ao romano) e de tradições orientais,
derivadas principalmente da Síria e da Pérsia, resultaram no estilo hierático
característico de Bizâncio, que por sua vez influenciou a iconografia dos países
eslavos.
Chamamos atenção também para as obras produzidas nas Ilhas
Britânicas, particularmente a Irlanda, em centros monásticos fundados por

missionários. O estilo aí desenvolvido ganhou características próprias, com
elementos decorativos baseados na arte celta e saxônica; as iniciais são muito
trabalhadas, as cercaduras intrincadas, frequentemente com padrão geométrico.
Essa arte, que se convencionou chamar insular ou hiberno-saxônica, é
observada na arquitetura ­ especialmente cruzes de pedra --, em objetos de
metal e também em livros iluminados, com destaque para o Livro de Durrow (feito
por volta do ano 680), o Livro de Kells (obra inacabada, finalizada por volta do
ano 800) e os Evangelhos de Lindisfarne (produzidos no mosteiro do mesmo
nome, que foi saqueado pelos vikings em junho de 793).
Nesse período, a letra mais utilizada na escrita era derivada da escrita
romana: a uncial, ou sua variante conhecida como semi-uncial, um modelo de
letra grande, arredondada, que se desenvolveu em vários estilos. Nas Ilhas
Britânicas havia o insular ou céltico, na França, o merovíngio (letra angulosa e
apertada). Na Itália, o principal estilo era o lombardo, enquanto o visigótico era
usado na Espanha. Ali, a partir do século VII, se deu o período de dominação
muçulmana, que atingiu regiões da Itália, da França e, durante muito tempo, boa
parte da Península Ibérica. A transmissão da herança clássica ao Ocidente em
muito se deve à ação de tradutores e eruditos muçulmanos, tais como os da
Casa da Sabedoria, criada pela dinastia abássida em Bagdá, que reunia obras
filosóficas e científicas. A biblioteca dos califas de Córdoba era riquíssima, assim
como a dos fatímidas do Cairo. Além disso, houve um período de grande
integração entre o mundo muçulmano, o cristão e a tradição judaica,
notadamente durante o reinado de Afonso X de León e Castela, chamado O
Sábio (1252 ­ 1284).
Um outro momento importante na história do livro manuscrito foi a
promoção, pelo imperador Carlos Magno (768-814), da chamada Renovatio
Romanorum Imperii, com a qual pretendia revisar toda a literatura à luz dos
modelos romanos, além de fazer com que todas as casas religiosas se
convertessem em centros de produção e saber. Isso veio arrematar o movimento
que já surgia na Europa continental por parte de copistas e ilustradores que
assimilaram a escrita e a pintura da Antiguidade tardia, transformando-as em um
estilo próprio (Gaehde, p. 155). O movimento teve a supervisão do religioso
Alcuíno de York (735 ­ 804) e se constituiu numa verdadeira revolução, chamada
por alguns de renascimento carolíngio.

Vários foram os centros de produção de livros nesse período,
notadamente Tours (onde boa parte dos volumes produzidos se destinava à
exportação), Reims e Metz. Os estilos variavam de acordo com o local, mas,
segundo Gaehde, "percebe-se uma concordância: nada menos do que a união
da expansão mediterrânea e a do Norte, para se alcançar uma nova linguagem
artística, a Idade Média" (p. 166). De fato, existem traços em comum entre os
livros dessa época, tanto na organização, em que títulos e seções em destaque
eram usados a fim de facilitar o trabalho do estudioso, quanto no que se refere
à caligrafia, que se pretendia tornar um padrão para todo o continente europeu.
O estilo, que ficou conhecido como carolino ou carolíngio, ou ainda como
minúscula carolíngia, usava algumas formas do uncial, principalmente nas letras
capitais, e tinha como característica o uso de "hastes" e "caudas", em letras de
tamanhos iguais e bem espaçadas entre si.
A escrita carolíngia foi utilizada até meados do século XIII. Nesse mesmo
período, a figura do mecenas passou a ser mais frequentemente consagrada em
imagens e poemas que acompanhavam a obra. Além disso, os livros começaram
a ser mais e mais produzidos por artistas, escribas e oficinas laicas, enquanto a
produção dos mosteiros diminuiu até quase desaparecer por volta de 1300 (De
Hamel, p. 5). Por outro lado, as bibliotecas de catedrais começaram a crescer a
partir do século XII, juntamente com as universidades. Estas contavam com
bibliotecas segmentadas, ligadas aos cursos, onde os estudantes podiam alugar
cópias ou tomá-las emprestadas ­ um sistema que também funcionara desde os
séculos anteriores, nas escolas superiores islâmicas, como a de Ispahan. Além
disso, havia corporações de "profissionais do livro" subordinadas às
universidades. Os livreiros, deviam fornecer os livros utilizados nos cursos a um
preço pré-fixado e garantir que houvesse sempre cópias em circulação.
Um sistema interessante, utilizado na época ­ e que Barbier afirma ter
sido uma das mudanças fundamentais na história do livro manuscrito ­ era o de
pecia (Barbier, p. 110). Uma pecia era uma parte de livro que podia ser alugada
para cópia. Isso permitia que os estudantes menos abonados tivessem acesso
às obras, já que os livros, mesmo confeccionados em papel, continuavam a ser
bastante caros. Os manuscritos passavam de mão em mão entre mestres e
estudantes, às vezes por gerações.

Na segunda metade do século XII, acompanhando a racionalidade do
modelo escolástico, as curvas suaves da escrita carolíngia começaram a ser
substituídas por ângulos agudos, com muitas ligaduras que, mais tarde,
acabariam por permitir que as palavras fossem traçadas sem erguer a pena: uma
antecipação da escrita cursiva. Tal estilo, conhecido como gótico, tem um
aspecto mais "pesado" que o da escrita carolíngia. É também aquele que mais
comumente se associa à ideia de escrita medieval, uma vez que foi empregado
em manuscritos de grande divulgação nos dias de hoje, tais como o Livro de
Horas do Duque de Berry. Nessa época, "a língua vernácula aparece nas
orações livres, enquanto o corpus de textos litúrgicos que constitui o núcleo
rígido e obrigatório do Livro de Horas será pouco traduzido em francês antes do
século XVI" (Barbier, p. 105).
Já no século XIV, os italianos ­ primeiros a entrar no período conhecido
como Renascença -- retomaram a tradição carolíngia, adotando uma grafia de
formas mais suaves e arredondadas. Essa escrita, chamada de humanística ­
por ter se originado do movimento do mesmo nome --, se prestou principalmente
à confecção de livros, embora, em suas formas mais cursivas, também tenha
sido usada em outros tipos de documento. Foi nesse período que a leitura, antes
comumente feita em voz alta, passou a ser cada vez mais uma prática individual,
silenciosa, caracterizando uma religiosidade menos voltada para a congregação
e mais para a reflexão e a experiência pessoal.
Algumas regiões se destacaram nesse mesmo século como centros de
produção intelectual e livreira. Entre elas, podemos citar:
- O Languedoc, em particular Avignon, que se tornou sede do Papado
entre 1309 e 1377. A região havia sido nos séculos anteriores o principal centro
da cultura trovadoresca -- baseada na transmissão oral --, bem como, por seu
posicionamento geográfico, um local de confluência entre as culturas cristã e
muçulmana;
- A Boêmia, em cuja capital, Praga, foi fundada uma Universidade em
1366 e que se tornou um grande centro de produção de manuscritos;
- Os Países Baixos, onde, por volta de 1375, surgiu o movimento chamado
devotio moderna, que criou escolas e oficinas de produção de livros que, mais
tarde, passariam a ser impressos. Thomas à Kempis, autor da "Imitação de
Cristo", pertenceu a uma dessas escolas, já no século XV.

Além da adoção do papel e do sistema de pecia, Barbier afirma ter havido
um terceiro elemento que impulsionou a produção do livro: cerca de 70 anos
antes do surgimento da imprensa, a xilogravura, originária da China, começou a
ser utilizada pelos europeus para produzir estampas religiosas, e, nos livros
manuscritos, para ilustrações e para as iniciais de abertura dos capítulos. Logo
depois surgiram os libretos xilográficos, acessíveis às classes mais populares.
No entanto, a demanda pela multiplicação dos livros ainda não tinha sido
resolvida, apesar dos esforços dos muitos pesquisadores, inventores e artesãos
que, desde o início do século XV, vinham trabalhando nesse sentido. E só com
a soma de muitas artes e técnicas, após inúmeras tentativas e outros tantos
erros, finalmente surgiria a imprensa de tipos móveis, a qual, após os primeiros
anos de estabelecimento em Mainz, se difundiria, para além da Renânia, a partir
da década de 1460 (Eisenstein, p. 28).
A Confecção de um livro iluminado
Por tudo quanto foi dito, acreditamos ter mostrado as principais
transformações sofridas pelo livro, desde os seus primórdios até que a imprensa
surgisse como uma grande revolução nos meios de produção e difusão da
escrita.
Para muitas pessoas, porém, a expressão "livro manuscrito" não remete
a rolos ou tabuinhas de argila nem aos livros escritos à mão que perduraram
praticamente até os dias de hoje, mas evoca imediatamente a ideia de um livro
medieval ornamentado com iluminuras. Esse é o modelo por excelência,
comumente gravado em nosso imaginário, o que pode ter várias razões: tratase de um objeto hoje facilmente reconhecível como livro, no formato códice e
dotado de capa e folhas; é representativo de uma época sobre a qual existe
muita informação, inclusive nos meios populares, já que a Idade Média foi
disseminada através de filmes, séries quadrinhos e outras mídias de grande
alcance; por fim, trata-se de verdadeiras obras de arte, que impressionam até
mesmo os olhos mais leigos.
Assim, sem deixar de mencionar o fato de que muitos livros,
especialmente a partir do crescimento das universidades, versavam sobre temas
que não a matéria religiosa ­ havia tratados sobre leis, crônicas, bestiários,

textos científicos, manuais técnicos e obras literárias, só para citar algumas
tipologias ­ falaremos um pouco sobre as etapas de produção de uma dessas
obras emblemáticas: um códice, digamos um livro de horas, ornamentado com
iluminuras, ou seja, no qual a ornamentação se utilizava de pigmentos à base de
ouro ou prata. Um livro desse tipo seria possivelmente em pergaminho, material
mais durável e de "status" mais elevado. Tal como o papel, o pergaminho era
cortado em folhas que depois eram dobradas, constituindo-se em fólios, e
formavam cadernos que podiam ser entregues a vários escribas e artesão, assim
reduzindo o tempo necessário à confecção do livro.
As páginas prontas eram dotadas de linhas que serviriam de guia para o
escriba. Numa obra mais sofisticada, a diagramação devia prever espaços livres
que conteriam as ilustrações, as letras capitais e, ainda, a distribuição do texto
em uma, duas ou mais colunas ­ o número variava de acordo com a época, o
lugar e o tipo de livro, mas o importante é que as proporções fossem guardadas
de acordo com modelos que obedeciam a uma precisão matemática. (De Hamel,
p. 23). Concluída a diagramação, as páginas podiam receber o registro escrito,
o que era feito por meio de hastes de junco (cálamos) ou penas de aves,
geralmente gansos ou cisnes, retiradas da parte externa das asas. A ponta do
instrumento de escrita era cortada e aparada de forma a obter letras mais finas
ou mais grossas.
A tinta preta usada para escrever era basicamente de dois tipos: um,
obtido a partir de carvão ou fuligem, misturada com cola, e o outro feito de sulfato
ferroso misturado a ácido tânico. O primeiro tipo era mais comum em
manuscritos antigos, enquanto a tinta à base de ferro (chamada de ferrogálica)
foi empregada em quase todos os livros a partir do século XII.
Outra cor muito utilizada era o vermelho, que servia para títulos,
cabeçalhos, iniciais e outros elementos em destaque, além de correções. A tinta
vermelha era obtida da mistura de mercúrio com goma arábica e clara de ovo,
ou, ainda, feita à base de um pigmento importado da Ásia, proveniente de uma
árvore da mesma espécie do pau-brasil. Tintas de escrever azuis e verdes eram
também conhecidas, mas seu uso foi limitado; a grande maioria dos livros
medievais era escrita em preto e vermelho.
À exceção dos que produziam seus próprios textos, o trabalho do escriba
era basicamente de cópia ou, às vezes, de transcrição de palavras ditadas. Era

comum que vários escribas se ocupassem do mesmo texto, que depois podia
ser corrigido por meio de raspagens, rasuras ou inserção de palavras. A variação
entre as caligrafias diz mais sobre a mestria do escriba do que sobre a sua
identidade, embora, segundo De Hamel, existam mais assinaturas em livros
medievais do que seria de supor (p. 43). Além disso, alguns escribas se
identificavam por meio de explicit, um parágrafo adicional ao texto no qual se
anuncia a conclusão daquela obra. E, frequentemente, usavam as margens dos
textos para se queixar do tédio, da dureza do trabalho ou até mesmo suspirar
por uma bebida (Dickey)
Pinturas e iluminuras: a ornamentação
Segundo De Hamel, "era incomum que um livro medieval não contivesse
nada além da simples escrita" (p. 45). A maioria deles, porém, não era iluminada
e sim decorada com desenhos mais simples, às vezes limitados às iniciais. A
ornamentação podia estar também nas margens, ao redor do texto ou entre as
colunas escritas; podia se limitar à primeira página ou estar em todas as páginas.
Em suma, podia ser algo tão singelo quanto uma capital em vermelho ou tão
complexo quanto as iluminuras de página inteira.
A confecção desse tipo de obra era quase sempre objeto de negociação
entre o artífice e o comprador, que se punham de acordo em relação à qualidade
do pergaminho, ao tamanho das folhas e a vários outros detalhes. Os contratos
da época especificam a questão da decoração, pois tanto o material utilizado
quanto o trabalho dos artesãos tinha um preço, às vezes elevado.
O trabalho de ornamentação não era feito pelo escriba, mas este devia
estar ciente do que ficara combinado a fim de deixar em branco os espaços
destinados aos desenhos. Alguns faziam esboços de letras capitais ou
inscreviam instruções à margem do espaço, em letra minúscula. Muitos
manuscritos contêm essas mensagens. A superfície a receber a tinta devia então
ser limpa de qualquer resíduo antes que o desenhista pudesse fazer os primeiros
esboços, sempre muito leves, frequentemente copiados de outras obras ou,
ainda, de álbuns contendo repertórios de figuras (De Hamel, p. 51).
Nos manuscritos iluminados, o metal era aplicado ao pergaminho por
meio de um dentre três processos básicos. Dois deles utilizavam folhas

finíssimas de ouro, que podiam ser aplicadas com um pincel mergulhado em cola
ou pela superposição da folha de ouro a uma camada de material aderente, o
que deixava a superfície dourada em relevo. Em ambos os casos o metal era
aplicado antes dos demais pigmentos, ao contrário do terceiro método, no qual
se utilizava ouro pulverizado, misturado a goma arábica e a um pigmento
dourado, obtido da concha de um molusco. Esse último método foi mais usado
em manuscritos datados do século XV.
Além do metal, os manuscritos iluminados eram decorados com tintas de
várias cores. Um manual escrito por volta de 1455, o Livro Modelo de Göttingen,
fornece uma visão "acadêmica" do que seria esse trabalho: primeiro a área era
pintada, depois escurecida para dar o efeito de sombra e clareada no lado
oposto. Os detalhes mais delicados eram realçados com branco. Tanto a pena
quanto o pincel podiam ser utilizados. Os pigmentos podiam ser obtidos de
diferentes fontes. O vermelho, a tinta mais comum, podia ser à base de mercúrio
ou de plantas, como o pau-brasil; o azul também podia ser vegetal, mas vinha
frequentemente de pedras como a azurita ou do lápis-lázuli. Outras cores
incluíam o verde da malaquita, o amarelo extraído do açafrão ou à base de terra
vulcânica e os vários tons de terra e ocre, de origem mineral. Várias receitas
eram utilizadas para transformar o pigmento em tinta, a maior parte delas
empregando gema ou clara de ovo para fazer a liga.
Os livros medievais eram geralmente encadernados em couro ou em
pastas de madeira revestidas com couro e fechadas com garras de metal, mas
havia encadernações mais suntuosas, que exigiam o trabalho de gravadores e
joalheiros. Enfim, vários artesãos altamente especializados, falar nos
comerciantes de tinta e pergaminho, participava do processo de produção do
livro, um trabalho especializado e de grande complexidade, que, graças à
durabilidade do material, continua a ser preservado até os dias de hoje.
Conclusões
A revolução provocada pela imprensa, a partir dos anos 1460, na
produção e na difusão do livro não foi acompanhada por mudanças no formato,
que continuava a ser o códice de cadernos costurados. Mesmo em termos
estéticos os primeiros livros impressos se assemelhavam em muito aos

caligrafados, com grandes iniciais feitas por xilogravura, ou mesmo à mão,
depois de impresso o texto. Além disso, a produção de livros manuscritos não
foi totalmente interrompida. No entanto, a revolução proporcionada pelo novo
artefato foi imensa, e logo se faria sentir não apenas na Europa ­ onde, ao se
tornar mais acessível, o livro passou a competir com as formas tradicionais de
transmissão oral do saber ­ como também nas novas terras que mal começavam
a ser descobertas.
Naturalmente isso não extinguiu o livro manuscrito: muitas obras
continuaram a ser produzidas e copiadas por escribas ao longo dos séculos
seguintes. Algumas circularam largamente como manuscritos, com várias
cópias, como ocorria antes da tipografia, até ganhar versões impressas; houve
inclusive periódicos manuscritos. Além disso, até o século XX havia livros
escritos à mão que continham todo o texto de uma obra impressa, inclusive com
a indicação da tipografia do livro original. Isso podia ter vários motivos, tais como
a dificuldade de adquirir uma cópia impressa, a má conservação da obra ou até
mesmo o desejo de presentear alguém com um texto escrito de próprio punho,
às vezes ornamentado ou com uma dedicatória especial. Também era muito
frequente no caso de traduções feitas para uso pessoal, para fins de estudo ou,
mais uma vez, para servir como presente.
Nos dias de hoje o livro manuscrito praticamente desapareceu; algumas
pessoas ainda tomam notas à mão e escrevem em cadernos, mas as cópias de
quaisquer textos e até as cartas e diários pessoais são produzidas por meio de
novas

tecnologias.

As

possibilidades

de

publicação

vêm

crescendo

exponencialmente, assim como os meios de divulgação. Isso, porém, é mais
uma mudança de formato e de suporte do que de conceito, e certamente não
diminui a relevância que o livro, em suas várias roupagens, sempre
desempenhou em nossa civilização.
Talvez chegue o dia em que não mais nos utilizemos de papel ou de
qualquer suporte físico, mas, ainda assim o livro deverá perdurar por várias
gerações como o veículo por excelência da transmissão da informação e do
conhecimento, responsável por tantos avanços, tantas reflexões, tantos
momentos de prazer proporcionados pela leitura.

Bibliografia Consultada
ARNS, Paulo Evaristo. A Técnica do livro segundo São Jerônimo. Rio de Janeiro:
Imago, 1993.
BARBIER, Fréderic (coord.). A História do livro. São Paulo : Paulistana, 2008.
CAVALLO, Guglielmo. Entre volumen e codex: a leitura no mundo romano. In:
CAVALLO, Guglielmo, CHARTIER, Roger (org.). História da leitura no mundo
ocidental. V. 1. São Paulo: Ática, 1998.
DANIELS, Peter D. The world´s writing systems. Oxford: Oxford Press University,
1996.
DE HAMEL, Christopher. Scribes and illuminators. London: British Museum
Press, 1995.
DICKEY, Colin. Living in the margins. Lapham´s Quarterly, março 2012
(disponível em http://www.laphamsquarterly.org/roundtable/living-margins a
27 de agosto de 2015).
EISENSTEIN, Elizabeth. A Revolução da cultura impressa. São Paulo: Ática,
1998.
FEBVRE, Lucien, MARTIN, Henri-Jean. O Aparecimento do livro. São Paulo:
UNESP, 1992.
GAEHDE, A. A iluminura carolíngia. In: DUBY, Georges, LACLOTTE, Michel
(org.). História artística da Europa, vol. 1. São Paulo : Paz e Terra, 1997.
HEATHER, Peter. Cultura escrita e poder no mundo migratório. In: BOWMAN,
Alan, WOOLF, Greg (org.). Cultura escrita e poder no mundo antigo. São
Paulo: Ática, 1998.
HIGOUNET, Charles. História concisa da escrita. São Paulo: Parábola Editorial,
2003.
ZUMTHOR, Paul. A Letra e a voz. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.