As Grandes Navegações e o Descobrimento do Brasil
WANESSA DE SOUZA
Até o século XV pouco se sabia a respeito dos oceanos e da geografia da Terra. As
informações que os europeus possuíam eram imprecisas e povoadas de lendas e histórias
religiosas. Tais informações, em sua maioria, foram colhidas pelos europeus dos gregos,
que desde a Antiguidade viajavam pelos mares e contavam aquilo que haviam visto em
histórias fabulosas, cheias de mitos e seres maravilhosos e monstruosos. Somavam-se às
histórias transmitidas pelos gregos, aquelas que os próprios europeus criaram, nas quais a
religiosidade cristã estava muito presente.
O que se sabia até então era que a Terra estava dividida em três partes (Europa,
Ásia e África), que estavam separadas por mares estreitos e pelos rios Ganges, Eufrates,
Tigre e Nilo, e, por fim, que ela era cercada por um único oceano, cheio de perigos e
habitado por monstros aterrorizantes. Dessa forma, apesar de o oceano exercer fascínio
sobre os europeus, eles restringiam suas viagens marítimas a regiões que ficavam próximas
ao litoral. Contudo, não era apenas o medo que os europeus tinham do oceano que os
impedia de viajar por ele, havia também o problema de que eles não possuíam instrumentos
de navegação nem embarcações que lhes dessem maior segurança para se afastar do litoral.
A pesar do medo que o oceano O aperfeiçoamento dos instrumentos de navegação e a criação das
foram um importante fator que possibilitou as grandes
provocava e das dificuldades técnicas de caravelas,
viagens marítimas a partir do século XV.
se viajar por ele, nos fins do século XV, os
europeus conseguiram desvendar seus
mistérios,
movidos
por
questões
econômicas, políticas, religiosas, e até
Caravela Portuguesa: era
mesmo pelo fascínio que ele despertava. O
uma embarcação forte e
que permitiu as grandes viagens
veloz, que permitia navegar
marítimas, nesse período, foi o
em alto-mar e possuía
bastante espaço para a
desenvolvimento dos instrumentos de
tripulação e para as cargas.
navegação, a criação de embarcações mais
resistentes e modernas, os incentivos e
investimentos financeiros e também a
disposição dos navegadores para viajar.
Astrolábio
português
Instrumentos como a ampulheta, a
(1555): era utilizado para
balestilha, o astrolábio, a bússola, o
medir, em terra ou no mar,
quadrante, etc, há muito tempo conhecidos
a altura do Sol e, a partir
desse dado, calcular a
no oriente, foram, nesse período, bastante
latitude.
divulgados entre os europeus e
aperfeiçoados por eles. A criação da
caravela pelos portugueses, foi outro
Quadrante do séc. XVI: era
importante fator que possibilitou as
utilizado para calcular a
viagens marítimas, pois ela era uma
latitude tanto pela altura do
embarcação forte, que permitia enfrentar
Sol quanto pela da estrela
polar, à noite.
correntes e tempestades do alto mar, era
veloz e dotada de bom espaço para
carregar a tripulação e a carga.

2

Uma vez que os navegadores europeus contavam com equipamentos mais seguros,
com financiamentos e com motivações bastante fortes, eles partiram para as grandes
viagens que lhes revelaram um mundo bastante diferente daquele que a geografia descrevia
até então. Uma das principais motivações era chegar até as Índias, pois corria pela Europa a
notícia de que naquela região havia abundância de ouro, marfim, pimenta e escravos,
produtos que eram imensamente valorizados pelos europeus. Ter acesso a esses produtos
significava a possibilidade de enriquecimento. Contudo, a busca por riquezas não era o
único motivo das viagens pelo oceano. O homem europeu, que era profundamente
religioso, acreditava que devia levar a fé cristã a todas os lugares, convertendo os povos
infiéis. Ora, no Oriente havia muitos povos infiéis, como, por exemplo, os muçulmanos, e
viajar para lá pelo oceano possibilitaria o domínio desses povos e sua conversão. Também
era interessante aos governos europeus o fato de que conquistar regiões novas significava
aumentar suas posses e conseqüentemente seu poder e importância junto aos demais países
europeus.
Os portugueses foram os primeiros a se aventurarem pelo oceano Atlântico,
movidos pelos interesses correntes na época. Enquanto a maior parte da Europa se
encontrava, no século XV, dividida em várias pequenas regiões rivais entre si, Portugal já
era um reino unificado desde o século XII, o que possibilitou seu crescimento e
desenvolvimento. Esses antecedentes do reino português, somados ao aprimoramento dos
instrumentos de navegação e ao fato de existir uma população portuária enriquecida e com
desejo de expandir seu comércio, permitiram aos portugueses empreender grandes viagens
pelo oceano. A Espanha também empreendeu, nesse período, grandes viagens, e, numa
delas, Cristóvão Colombo chegou às terras de um continente, que era desconhecido por
todos até então. Tais terras, que posteriormente receberam o nome de continente
Americano, constituíam um Novo Mundo, totalmente diferente daquele que era conhecido
pelos europeus.
A conquista de Ceuta, um grande centro comercial muçulmano situado no norte da
África, pelos portugueses, em 1415, foi o primeiro passo rumo à concretização do desejo de
construir um grande império português. Daí em diante, os portugueses continuaram com
suas viagens, chegando a outros tantos lugares diferentes. Mas até fins do século XV, os
portugueses não haviam conseguido chegar às Índias, o que era um dos principais objetivos
de suas viagens. Somente em 1498 é que uma expedição portuguesa, comandada por Vasco
da Gama, conseguiu chegar à cidade de Calicute, na Índia, quando, por fim, o sonho
português foi concretizado.
Fonte: KOSHIBA, L & PEREIRA, Denise
M.F. História do Brasil. São Paulo: Atual,
1996, p.17.

Depois que Vasco da Gama
retornou da expedição à Índia, o
rei português Dom Manuel
enviou uma outra expedição para
lá , a fim de estabelecer relações
comerciais com os indianos. À
frente dessa expedição estava

3
Pedro Álvares Cabral, que, partindo de Lisboa, em março de 1500, acabou chegando, em
22 de abril do mesmo ano, em terras que eram até então desconhecidas dos portugueses e
dos demais europeus. Cabral pediu então que Pero Vaz de Caminha escrevesse uma carta
ao rei português, informando-o do "achamento" da terra recebeu o nome de Vera Cruz:
"22 de abril, quarta-feira
[...] Nesse mesmo dia, na hora das vésperas,
avistamos terra! Primeiramente um grande monte, muito
alto e redondo; e depois, outras serras mais baixas ao sul
ele; e terra chã, com grandes arvoredos. Ao monte alto o
Capitão deu o nome de Monte Pascoal e à terra deu o nome
de Terra de Vera Cruz.[...]"1
Cabral permaneceu mais de uma
semana nas terras e manteve contato com os
habitantes do lugar,os indígenas. Mas em
seguida continuou sua viagem, que tinha por
destino final a Índia. A princípio, as terras
descobertas não despertaram grande interesse
nos portugueses. O que delas se podia retirar
de valioso era o pau-brasil, madeira da qual
Terra Brasilis, mapa do Atlas Miller 1515-1519.
se extraía um pigmento vermelho usado para
tingir tecidos. Para garantir a exploração
dessa madeira, os portugueses estabeleceram
algumas fortificações na região e se
aproximaram dos indígenas, a fim de que eles
trabalhassem retirando a madeira, que depois
era negociada. Em troca do pau-brasil, os
portugueses davam toda espécie de objetos
que nem sempre tinham muita utilidade, ou
eram valiosos. Mas os indígenas ficaram
encantados pelos espelhos, colares, pentes,
vasilhas, e outros tantos objetos que eles não
conheciam e que os portugueses trataram de
apresentar-lhes.
O interesse português pelas terras do
"Novo Mundo" tornou-se maior a partir do
momento em que o comércio com o Oriente não
estava mais sendo tão lucrativo. Além disso, a
constante presença de concorrentes, sobretudo de
franceses, nas novas terras, alertou a Coroa
portuguesa para a necessidade de colonizá-las,
efetivando sua posse. Um importante passo nesse
sentido foi criação das Capitanias Hereditárias, dividindo o Brasil em 14 grandes lotes de
terras, que foram entregues pela Cora portuguesa a seus respectivos donatários. Dessa
1

TUFANO, Douglas. A carta de Pero Vaz de Caminha (edição ilustrada). São Paulo: Moderna, 1999, p. 61

4
forma, coube ao investimento de particulares o início do processo de colonização
portuguesa do Brasil.
Contudo, não foram apenas os motivos político-econômicos que levaram à
colonização das terras da América pela Espanha e por Portugal. Os motivos religiosos,
ligados à expansão da fé cristã, eram de extrema importância. Os indígenas, que eram
enxergados como o oposto do cristão europeu, precisavam ser salvos. Isto pode ser
percebido, por exemplo, na Carta de Pero Vaz de Caminha, na qual ele afirma ao rei
português o seguinte:
[...] " Porém, o melhor fruto que dela [da terra descoberta] se pode tirar me parece que será
salvar esta gente. E esta deve ser a principal semente que Vossa Alteza nela deve lançar".
[...]2
Assim, a partir das viagens iniciadas no século XV, a América passou a fazer parte
dos mapas europeus, bem como o restante dos lugares descobertos por eles, as rotas
marítimas passaram a ser mais seguras e precisas, e os instrumentos de navegação
aperfeiçoaram-se cada vez mais. Contudo, essa nova tecnologia de navegação e o
conhecimento das rotas não significaram o fim do perigo de se navegar em alto-mar, uma
vez que muitos acidentes, desvios de rota, naufrágios, etc, ainda continuaram ocorrendo. O
conhecimento da geografia terrestre e de seus oceanos não significou o desaparecimento
das idéias que desde muito tempo faziam parte do cotidiano europeu. As fábulas sobre
terras povoadas por monstros e criaturas maravilhosas, sobre a existência de um paraíso na
terra, etc, permaneceram ainda por muito tempo na mentalidade dos europeus.
De todo modo, a pesar da persistência dos mitos, os europeus desenvolveram uma
tecnologia de navegação bastante eficaz, que, somada a outros fatores, permitiu que eles
partissem para grandes viagens, que lhes revelaram um mundo novo, diferente daquele que
eles conheciam. Permitiu, ainda, a concretização de muitos dos objetivos políticoeconômicos e religiosos por meio da conquista de terras que se localizavam fora da Europa.

2

Ibidem, p. 27.