História Aplicada ao Turismo
Jucilane Pedrosa Machado

Curso Técnico em Hospedagem

História Aplicada ao Turismo
Jucilane Pedrosa Machado

Manaus ­ AM
2010

Presidência da República Federativa do Brasil
Ministério da Educação
Secretaria de Educação a Distância

© Centro de Educação Tecnológica do Amazonas
Este Caderno foi elaborado em parceria entre o Centro de Educação Tecnológica
do Amazonas e a Universidade Federal de Santa Catarina para o Sistema Escola
Técnica Aberta do Brasil ­ e-Tec Brasil.
Equipe de Elaboração
Centro de Educação Tecnológica do Amazonas
­ CETAM
Coordenação Institucional
Adriana Lisboa Rosa/CETAM
Laura Vicuña Velasquez/CETAM
Coordenação do Curso
Márcia Fernanda Izidoro Gomes/CETAM
Professor-autor
Jucilane Pedrosa Machado/CETAM
Comissão de Acompanhamento e Validação
Universidade Federal de Santa Catarina ­ UFSC
Coordenação Institucional
Araci Hack Catapan/UFSC
Coordenação do Projeto
Silvia Modesto Nassar/UFSC
Coordenação de Design Instrucional
Beatriz Helena Dal Molin/UNIOESTE e UFSC

Design Instrucional
Renato Cislaghi/UFSC
Web Master
Rafaela Lunardi Comarella/UFSC
Web Design
Beatriz Wilges/UFSC
Gustavo Mateus/UFSC
Coordenação de Design Gráfico
Carlos Antônio Ramirez Righi/UFSC
Diagramação
André Rodrigues da Silva/UFSC
Andréia Takeuchi/UFSC
Guilherme Ataíde Costa/UFSC
Juliana Tonietto/UFSC
Revisão
Júlio César Ramos/UFSC
Projeto Gráfico
e-Tec/MEC

Catalogação na fonte elaborada pela DECTI da Biblioteca
Central da Universidade Federal de Santa Catarina
M149h Machado, Jucilane Pedrosa
História aplicada ao turismo / Jucilane Pedrosa Machado.
- Manaus : Centro de Educação Tecnológica do Amazonas,
2010.
76 p. : il., gráfs, tabs.
Inclui bibliografia

NSTITUTO
FEDERAL

IO GRANDE
DO SUL




ISBN: 978-85-63576-23-1
1. Turismo ­ História. 2.Brasil ­ História. I. Título.
CDU: 380.8

Apresentação e-Tec Brasil
Prezado estudante,
Bem-vindo ao e-Tec Brasil!
Você faz parte de uma rede nacional pública de ensino, a Escola Técnica
Aberta do Brasil, instituída pelo Decreto nº 6.301, de 12 de dezembro 2007,
com o objetivo de democratizar o acesso ao ensino técnico público, na modalidade a distância. O programa é resultado de uma parceria entre o Ministério da Educação, por meio das Secretarias de Educação a Distancia (SEED)
e de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC), as universidades e escolas
técnicas estaduais e federais.
A educação a distância no nosso país, de dimensões continentais e grande
diversidade regional e cultural, longe de distanciar, aproxima as pessoas ao
garantir acesso à educação de qualidade, e promover o fortalecimento da
formação de jovens moradores de regiões distantes, geograficamente ou
economicamente, dos grandes centros.
O e-Tec Brasil leva os cursos técnicos a locais distantes das instituições de ensino e para a periferia das grandes cidades, incentivando os jovens a concluir
o ensino médio. Os cursos são ofertados pelas instituições públicas de ensino
e o atendimento ao estudante é realizado em escolas-polo integrantes das
redes públicas municipais e estaduais.
O Ministério da Educação, as instituições públicas de ensino técnico, seus
servidores técnicos e professores acreditam que uma educação profissional
qualificada ­ integradora do ensino médio e educação técnica, ­ é capaz de
promover o cidadão com capacidades para produzir, mas também com autonomia diante das diferentes dimensões da realidade: cultural, social, familiar,
esportiva, política e ética.
Nós acreditamos em você!
Desejamos sucesso na sua formação profissional!
Ministério da Educação
Janeiro de 2010
Nosso contato
[email protected]

3

e-Tec Brasil

Indicação de ícones
Os ícones são elementos gráficos utilizados para ampliar as formas de
linguagem e facilitar a organização e a leitura hipertextual.
Atenção: indica pontos de maior relevância no texto.

Saiba mais: oferece novas informações que enriquecem o
assunto ou "curiosidades" e notícias recentes relacionadas ao
tema estudado.
Glossário: indica a definição de um termo, palavra ou expressão
utilizada no texto.
Mídias integradas: sempre que se desejar que os estudantes
desenvolvam atividades empregando diferentes mídias: vídeos,
filmes, jornais, ambiente AVEA e outras.
Atividades de aprendizagem: apresenta atividades em
diferentes níveis de aprendizagem para que o estudante possa
realizá-las e conferir o seu domínio do tema estudado.

5

e-Tec Brasil

Sumário
Palavra do professor-autor

9

Apresentação da disciplina

11

Projeto instrucional

13

Aula 1 ­ História do turismo: introdução
1.1 O que é história?

16
16

1.2 História do turismo

17

Aula 2 ­ O desenvolvimento do
turismo no Brasil
2.1 Início do turismo no Brasil

24
24

Aula 3 ­ Amazônia: formação e aspectos históricos
3.1 A Amazônia na pré-história

30
30

3.2 Colonização da Amazônia

33

Aula 4 - Formação e povoamento
4.1 Ocupações militares e as missões

38
38

4.2 Medidas pombalinas
Aula 5 ­ Manaus: origem e ciclos econômicos
5.1 Origem do município de Manaus

41
44
44

5.2 O povoamento e a mão de obra utilizada na economia

46

5.3 Ciclos econômicos

48

Aula 6 ­ Fase desenvolvimentista
6.1 Projetos desenvolvimentistas
6.2 Zona Franca
Aula 7 ­ Patrimônio histórico edificado e sociedade
7.1 Aspectos históricos sociais

54
54
55
60
60

7.2 Patrimônio cultural edificado

62

7.3 Monumentos edificados de Manaus

67

7

e-Tec Brasil

Palavra do professor-autor
Caro estudante!
A história é um processo do qual todos os homens, consciente ou inconscientemente, participam. Conhecendo o passado você estará mais capacitado para entender o presente e, por meio de uma análise crítica, a refletir
sobre o seu papel de sujeito histórico como cidadão atuante e participativo
na sociedade.
A história do turismo está associada à história da humanidade, ao ato de
viajar, o qual estimulou o comércio, ampliou fronteiras, aproximou homens,
transformou ideias, hábitos e costumes.
Essas transformações culturais ocorridas ao longo da história podem ser percebidas nos patrimônios históricos edificados.
Hoje, essas construções históricas estimulam o ato de viajar, contribuindo
para a promoção do desenvolvimento turístico.
Esse é um dos temas que abordaremos nesta disciplina. Para melhor compreensão dos conteúdos, procure ler os textos complementares, assistir aos
filmes sugeridos e participar dos fóruns. Somente você pode contribuir para
a construção de seu conhecimento e, se ainda for necessário, consulte livros
didáticos de História Geral, do Brasil e do Amazonas.
Espero, com isso, tornar seu estudo mais interessante, estimulá-lo a gostar dos
estudos de história e turismo, e assim contribuir para o seu crescimento pessoal.
Bons estudos e tenha um ótimo crescimento interior!

Jucilane Pedrosa Machado

9

e-Tec Brasil

Apresentação da disciplina
A história do turismo está associada à história da humanidade. O ato de
viajar sempre foi comum entre as sociedades. Seu desenvolvimento resultou da necessidade de deslocamento, tanto do ponto de vista da conquista
(guerras, invasões, etc.) como do lazer (termas medicinais e santuários), e da
curiosidade de algumas pessoas em conhecer novas localidades.
Com o decorrer do tempo, o ato de viajar foi sofrendo transformações, chegando à concepção do que conhecemos por turismo moderno.
Atualmente, em todo mundo, cresce a importância do turismo cultural como
fator ponderável de desenvolvimento sustentável local e regional.
Ao estudar esta disciplina você vai refletir sobre as mudanças ocorridas na
sociedade ao longo da história que contribuíram para o desenvolvimento
do turismo, e saber que muitas dessas mudanças podem ser percebidas ao
contemplarmos os patrimônios históricos de uma localidade.
Esperamos, por meio do estudo da disciplina História Aplicada ao Turismo,
contribuir para a construção do seu conhecimento, para que você se torne
uma pessoa mais crítica e reflexiva, capaz de compreender melhor o mundo
em que vivemos e de construir seu próprio conhecimento histórico.
Para fins didáticos, organizamos o conteúdo da disciplina em sete aulas. Os
textos oferecem um panorama sobre o desenvolvimento do turismo ao longo da história; uma abordagem, de maneira sucinta, sobre os aspectos históricos e socioeconômicos do estado do Amazonas e do município de Manaus
e os principais patrimônios históricos edificados da cidade de Manaus.

11

e-Tec Brasil

Projeto instrucional
Disciplina: História Aplicada ao Turismo (carga horária: 30h).
Ementa: Aspectos históricos, socioeconômicos e ambientais do Estado, especialmente da região, aplicados ao turismo. História geral do local: formação do
povoamento e da sociedade, origem do município, ciclos econômicos, fatos
relevantes da história da localidade ou região, sítios turísticos, monumentos ou
museus com acervo histórico.

AULA

OBJETIVOS DE
APRENDIZAGEM

MATERIAIS

CARGA
HORÁRIA
(horas)

Texto explicativo com ilustrações
para melhor enriquecimento e
compreensão do aluno:
Reconhecer a importância do estudo
da história para a compreensão do
mundo e a formação do cidadão crítico
participativo.
1. Introdução ao
estudo de história.

Conhecer os principais momentos históricos (da antiguidade à modernização) que
contribuíram para o desenvolvimento do
turismo.
Reconhecer a importância de Thomas
Cook para o Turismo moderno.

· O que é história;
· História do turismo.
Hipertextos descrevendo
monumentos históricos da
antiguidade relacionados ao ato
de viajar (Palas Atenas e Termas
de Caracalas).

5

Filmes dirigidos para melhor
compreensão e ilustração dos
conteúdos abordados (Gladiador,
Cruzadas).
Atividades avaliativas.

Relacionar as mudanças ocorridas na
sociedade e nos transportes após a
vinda da Família Real ao Brasil com o
crescimento no ato de viajar.
2. O desenvolvimento do turismo
no Brasil.

Identificar as principais contribuições do
Visconde de Mauá para o desenvolvimento econômico e social do Brasil.
Perceber que no período da República o
fascínio da elite brasileira pela civilização
europeia contribuiu para o desenvolvimento turístico.

Texto explicativo com ilustrações
para melhor enriquecimento e
compreensão do aluno:
· O desenvolvimento do
turismo no Brasil.
Filmes dirigidos para melhor
compreensão e ilustração dos
conteúdos abordados (Carlota
Joaquina; Mauá, O imperador
e o rei).

3

Hipertextos complementares
para aprofundamento do assunto (Visconde de Mauá).
Atividades avaliativas.

13

e-Tec Brasil

AULA

OBJETIVOS DE
APRENDIZAGEM

MATERIAIS

CARGA
HORÁRIA
(horas)

Reconhecer a importância da preservação dos sítios arqueológicos para a
cultura de um povo e para o turismo.
Identificar as principais hipóteses sobre a
origem dos antigos povos americanos.

3. Amazonas: formação e aspectos
históricos.

Compreender a importância dos ecossistemas da várzea e da terra firme para a
sobrevivência dos grupos pré-históricos
da Amazônia.
Analisar os fatos e momentos históricos
que contribuíram para a colonização da
Amazônia.

Texto explicativo com ilustrações
para melhor enriquecimento e
compreensão do aluno:
· A Amazônia na pré-história;
· Colonização da Amazônia.
Hipertextos complementares
para aprofundamento do
assunto

4

Atividades avaliativas.

Reconhecer a importância da expedição
de Pedro Teixeira para o reconhecimento, demarcação e ocupação da região
amazônica.

4. Formação do
povoamento.

Compreender os objetivos das expedições militares e das missões religiosas na
região do Amazonas.

Texto explicativo com ilustrações
para melhor enriquecimento e
compreensão do aluno:

Reconhecer a importância do Forte do
Presépio para a Amazônia.

· Ocupação militar: o Forte do
Presépio e as missões;

Identificar as formas de recrutamento
de mão de obra indígena no período
colonial.

· Brasil colonial: divisão
política;

Refletir sobre as consequências das
medidas pombalinas para a região
amazônica.

Filme dirigido (A Missão).

Conhecer os fatores que contribuíram
para a origem de seu município.

5. Origem do município e os ciclos
econômicos.

Identificar os principais acontecimentos
históricos que contribuíram para a fundação da cidade de Manaus.
Identificar os ciclos econômicos ocorridos
no Amazonas.
Compreender a importância do ciclo
da borracha para o desenvolvimento
econômico e cultural do Amazonas.

4

· Medidas Pombalinas.

Atividades avaliativas.
Texto explicativo com ilustrações
para melhor enriquecimento e
compreensão do aluno:
· Origem do município de
Manaus;
· O povoamento e a mão de
obra utilizada na economia;

4

· Ciclos econômicos.
Hipertextos complementares
para aprofundamento do assunto (a Cabanagem; Koutakuseis:
os guerreiros da juta).
Atividades avaliativas.

6. Ciclos econômicos: fase
desenvolvimentista.

Identificar os principais órgãos federais e
suas características, criados para promover o desenvolvimento da Amazônia.

Texto explicativo com ilustrações
para melhor enriquecimento e
compreensão do aluno:

Compreender a importância da criação
da Zona Franca para a promoção de
integração do Estado.

· Fase desenvolvimentista e a
criação da Zona Franca de
Manaus;

Perceber a importância da SUFRAMA
para o desenvolvimento da Zona Franca
de Manaus (ZFM).

· Zona Franca;

Reconhecer a importância da ZFM para o
desenvolvimento econômico da região.

e-Tec Brasil

14

5

· Polo industrial de Manaus.
Atividades avaliativas.

História Aplicada ao Turismo

AULA

7. Patrimônio
histórico edificado
e sociedade.

OBJETIVOS DE
APRENDIZAGEM

MATERIAIS

Refletir sobre as mudanças ocorridas
na sociedade amazonense durante o
período áureo da borracha.

Texto explicativo com ilustrações
para melhor enriquecimento e
compreensão do aluno:

Identificar o patrimônio cultural edificado
no entorno de sua cidade.

· Aspectos históricos;

Reconhecer a importância da preservação e conservação do patrimônio
histórico, tanto para o desenvolvimento
turístico quanto para a valorização da
identidade cultural de um povo.

· Patrimônio Cultural Edificado;

CARGA
HORÁRIA
(horas)

5

· Monumentos edificados;
· Museus.
Atividades avaliativas.

15

e-Tec Brasil

Aula 1 ­ História do turismo: introdução
Objetivos
Reconhecer a importância do estudo da história para a compreensão do mundo e a formação do cidadão crítico participativo.
Conhecer os principais momentos históricos (da antiguidade à modernização) que contribuíram para o desenvolvimento do turismo.
Reconhecer a importância de Thomas Cook para o turismo moderno.

1.1 O que é história?
Você já deve ter se perguntado, em algum momento, por que precisamos
estudar história, ou para que ela serve, não é?
A enciclopédia colaborativa Wikipédia descreve a palavra história:
"Vem do grego antigo historie, que significa testemunho, no sentido
daquele que vê, é a ciência que estuda o homem e sua ação no tempo
e no espaço, concomitante à análise de processos e eventos ocorridos
no passado."

Já o dicionário de língua portuguesa Miniaurélio século XXI (FERREIRA, 2001,
p.395) define história como "o conjunto de conhecimentos, adquiridos através da tradição e/ou mediante documentos, acerca da evolução do passado
da humanidade, segundo o lugar, a época e o ponto de vista escolhido".
Entretanto, a história não é um fato do passado em si, ela não trabalha só
com fatos e evidências prontas, passivas, como se fatos e documentos fossem realidades adormecidas, apenas esperando serem descobertas.
A história estuda, como defende o historiador Marc Bloch, as "ações do
homem no tempo" (BLOCH, 1965). Conhecer o passado nos permite compreender melhor a realidade em que vivemos, descobrir os limites, as potencialidades e as consequências dos atos humanos e, por meio de uma análise
crítica, fazer projeções para o futuro.

Aula 1 ­ História do turismo: introdução

17

e-Tec Brasil

Portanto, a história é uma ciência que nos ajuda a compreender o mundo à
nossa volta e a ficar sabendo o porquê das coisas e das ideias que existem
hoje através de experiências adquiridas em tempos passados, por meio do
estudo e da reflexão.
Assim, um dos principais objetivos da história é resgatar os aspectos culturais
de um determinado povo ou região para o entendimento do processo de
desenvolvimento. O estudo da história deve contribuir para a formação de
um cidadão crítico, consciente de sua própria história, ou seja, alguém que
se sinta incluído e participante ativo na sociedade em que vive.
Devido à riqueza dos temas que aborda, a história pode ser produzida por
uma diversidade de perspectivas: política, cultural, do cotidiano, das relações
internacionais, das regiões, dos municípios, do mundo antiga, medieval, moderna e contemporânea.
É no estudo dessa pluralidade de perspectivas e temas, e buscando compreender melhor nossa realidade, que procuramos oferecer um panorama histórico desse fenômeno econômico denominado turismo, tendo como ponto
de partida as viagens.

1.2 História do turismo
O ato de viajar sempre foi comum entre as sociedades humanas. Seu desenvolvimento se deu por causa da necessidade de deslocamento, tanto do
ponto de vista da conquista (guerras, invasões, etc.) como do lazer e da
curiosidade de algumas pessoas em conhecer e, ao mesmo tempo, explorar
as paisagens naturais existentes não só no seu próprio território, mas também em outras localidades. Com o decorrer do tempo, o ato de viajar foi
sofrendo transformações, até chegar à concepção do que conhecemos por
turismo moderno.
O povo grego foi uma das culturas mais importantes da humanidade. Sendo
considerada a base da cultura ocidental, encontramos raízes gregas em diferentes áreas da cultura contemporânea: artes, ciências, filosofia, política, literatura.
A arquitetura apresenta-se com a utilização de colunas, desenvolvidas em
três estilos: dórico, coríntio e jônico. Com elas foram criados belíssimos templos como, por exemplo, o Partenon, (Figura 1.1) dedicado à deusa Palas
Atenas, protetora da cidade.

e-Tec Brasil

18

História Aplicada ao Turismo

Para saber mais sobre a
arquitetura do Partenon, acesse
o site:
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Partenon
ou acesse:
http://www.youtube.com/watc
h?v=qslhSnUK8FE&feature=r
elated>

Figura 1.1: Partenon
Fonte: http://www.panoramio.com/

Muitos estudiosos acreditam que a primeira fase da história do turismo inicia-se com as viagens gregas, ora com as visitas a seus santuários, ora com
a celebração de competições atléticas, ora com a comercialização, inclusive
com os chineses, quando tiveram contato com a bússola e a pólvora, o que
influenciou posteriormente as expansões marítimas européias.
Além dos lugares sagrados, os gregos também davam muita atenção principalmente aos grandes festivais. No mais antigo e importante deles aconteciam os jogos olímpicos em Olímpia, de quatro em quatro anos, em homenagem a Zeus.
Atualmente, os jogos olímpicos representam um grande impulso ao desenvolvimento turístico mundial, não só durante a sua realização, mas também na
fase de preparação e organização, fazendo convergir para o local realizador
um fluxo altamente rentável de turistas, movimentando milhões de dólares.
Durante o Império Romano as viagens ganharam ainda mais força. Um fato
que contribuiu muito para que as viagens crescessem nessa época foi a "Pax
Romano", ou a "paz Romana", que durou de 29 a.C. até 180 d.C., quando
Augusto César declarou o fim das guerras de conquista, depois da morte de
Marco Aurélio. Nessa época, foi desenvolvida uma infraestrutura de viagens que
possibilitava viajar seguramente e por mais de 150 km num único dia, por meio
de pontes e estradas que interligavam as mais diversas regiões do Império.
O povo romano viajava para assistir a teatros, lutas de gladiadores e frequentava lugares termais como, por exemplo, as Termas de Caracala.

Aula 1 ­ História do turismo: introdução

19

As Termas de Caracala são um
perfeito exemplo das grandes
termas imperiais. Grande
parte de sua estrutura ainda
se encontra conservada. Na
atualidade, são cenários para
grandes manifestações artísticas.
Para saber mais, acesse o site:
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Termas_de_Caracala

e-Tec Brasil

Com as conquistas militares, os romanos entraram em contato com diferentes povos, dos quais assimilaram muitos elementos culturais, principalmente
dos gregos. A esses elementos acrescentaram características próprias, das
quais se destacam: o surgimento de idiomas derivados do latim e a organização social, que se refletiu no Direito.

frases em latim
Termos utilizados na área
jurídica. (Data vênia: expressão
respeitosa com a devida licença
ou permissão; in dubio pro reo:
se houver dúvida no momento
da decisão, o juiz deve decidir
em favor do réu; actori onus
probandi incumbit: o ônus da
prova cabe a quem acusa, isto
é, compete ao autor das ações
jurídicas provar suas alegações).

Deles herdamos concepções fundamentais do Direito Romano, que constituem fontes de inspiração para juristas modernos. Até hoje, é comum advogados e juízes citarem frases em latim, que refletem princípios formulados
na antiga Roma.
Os romanos deixaram belíssimas obras arquitetônicas. Preocupados com o
caráter funcional, souberam aliar beleza e utilidade na construção dos mais
variados edifícios: teatros, basílicas, termas (casas de banhos), aquedutos
(canais para condução de águas), templos religiosos, palácios, circos, etc.
Roma foi uma das maiores cidades do mundo antigo, chegando a abrigar
cerca de um milhão de pessoas. Para manter sob controle e entretida essa
grande massa, os líderes de Roma passaram a promover uma política na qual
ofereciam diversos espetáculos, que ficou conhecida como "pão e circo".
Eram tantas as festas que os governantes mandaram construir anfiteatros
em todo o território romano. O mais famoso era o Coliseu (Figura 1.2), onde
eram apresentados combates entre gladiadores (escravos ou prisioneiros de
guerra) e entres homens e feras. Sua grandiosa e imponente arquitetura
assim como a de outras construções feitas durante o império romano encontra-se ainda hoje parcialmente preservadas. Por isso, a cidade de Roma
recebe todos os anos milhares de turistas interessados em vê-las.

Mídias integradas: Assista ao
filme Gladiador, com o ator
Russell Crowe, dirigido por Ridley
Scott, em 2000. Faça o exercício
1 solicitado sa de aprendizagem
ao final desta aula.
Para obter maiores informações
sobre o Coliseu acesse o site:
http://pt.wikipedia.org/wiki/
coliseu

Figura 1.2: Coliseu
Fonte: http://desktop.qkype.com/wallpapers/world_337/colosseum_at_night_desktop_wallpaper_57817.jpg

e-Tec Brasil

20

História Aplicada ao Turismo

No século V, o Império Romano sofreu invasão dos povos bárbaros e como
consequência entrou num período que ficou conhecido como feudalismo
que durou do século V ao XV.
Durante esse período, as atividades comerciais e de viagem sofreram queda
significativas, só voltando a crescer após a influência da cultura muçulmana,
com as peregrinações religiosas até Jerusalém e a cidade de Meca, esta conhecida pelos muçulmanos como Hajj, deslocando milhares de pessoas. Essa peregrinação deve ser feita por todos os muçulmanos pelo menos uma vez na vida.
Outro movimento que impulsionou as viagens foi o das "cruzadas". Além do
objetivo religioso (expulsar os muçulmanos da Terra Santa ­ Jerusalém), que
tinha como garantia a absolvição de todos os seus pecados e a garantia de
que suas almas ganhariam os reinos dos céus, outras causas motivaram a organização das cruzadas: os cavaleiros e senhores feudais queriam conquistar
terras novas e riquezas, e os comerciantes buscavam ampliar seus mercados.
As cruzadas reabriram o Mediterrâneo aos europeus, intensificando as viagens e as relações comerciais do Ocidente com o Oriente, fazendo progredir
as cidades italianas. O crescimento comercial fez surgir nas cidades um novo
grupo social: os burgueses. Com o tempo esse grupo cresceu, enriqueceu e
conquistou poder.
A partir do século XVI, um movimento intelectual e cultural que caracterizou
a transição da mentalidade medieval para a mentalidade moderna ficou conhecido como Renascimento.
O Renascimento foi um movimento cultural urbano que atingiu a elite das cidades prósperas e provocou uma revolução nos hábitos e no comportamento do
europeu mais abastado. Houve um grande desenvolvimento artístico e científico.
Os Mecenas, ricos senhores (banqueiros, monarcas e papas), estimularam e
patrocinaram o trabalho de cientistas, artistas e intelectuais renascentistas.
Nessa época, viajar passou a ser uma oportunidade para ter mais conhecimento e aprender novos idiomas.

Aula 1 ­ História do turismo: introdução

21

Terra Santa
Terra Santa é o termo utilizado
para designar os locais bíblicos
da região do Oriente Médio,
incluindo as cidades de Belém,
Jerusalém e Nazaré, além das
importantes muralhas da Cidade
Velha com locais sagrados para
cristãos, judeus e muçulmanos.
Devido à importância históricoreligiosa, a região, todos os anos,
recebe milhares de peregrinos.

A principal contribuição das
Cruzadas foi que ela abriu
caminho para a expansão
comercial. Saiba mais sobre as
Cruzadas acessando:
http://www.brasilescola.com/
historiag/cruzadas.htm

O Renascimento foi um
movimento cultural urbano
que tinha como principais
características o humanismo, o
cientificismo, e o racionalismo.
Para saber mais, acesse o site:
http://pt.wikipedia.org/wiki/
Idade_Moderna#Renascimento

e-Tec Brasil

No século XVI os ingleses começaram a mandar os jovens estudantes para
outros países, acompanhados de professores ou tutores, para que obtivessem um maior conhecimento do mundo. Era uma viagem educacional e
cultural. Essas viagens eram consideradas um aprendizado indispensável.
Nesse período, as cidades de Florença e Roma despontaram como destinos
culturais no chamado Grand Tour.
Já no ano de 1282 começaram a surgir hospedarias mais sofisticadas (os hotéis) e estâncias especializadas, pois os grandes senhores e artistas viajavam
com comitivas cada vez maiores para as principais cidades italianas, Florença,
Roma e Veneza, onde floresceu o Renascimento.
Com o tempo, o caráter da própria excursão modificou-se e do "Grand Tour
Clássico", com base em observações e registro de galerias, museus e artefatos altamente culturais, passou-se para o "Grand Tour Romântico", que
visava à valorização das paisagens.
A partir daí as viagens foram se popularizando e originando as casas de hóspedes, pousadas e alojamentos. Essa mania foi se estendendo ao longo do
tempo e ainda hoje é muito comum nos centros receptores, onde a oferta
hoteleira é menor que a demanda nos períodos de grandes eventos como,
por exemplo, no festival folclórico de Parintins, na Ciranda em Manacapuru
e no Festival da Canção de Itacoatiara.
Não podemos esquecer que essa também foi uma época de grandes viagens
marítimas, períodos de grandes navegações e atividades comerciais, e teve
como consequência a conquista e colonização das Américas.
Entretanto, o grande divisor de águas na história da humanidade foi a Revolução Industrial ocorrida por volta de 1760 na Inglaterra, quando houve
verdadeiras e definitivas transformações na qualidade de vida, nos meios de
comunicação e transportes, tornando as viagens mais rápidas e oferecendo
mais tranquilidade, conforto e proteção aos passageiros.
Em 1830, a Inglaterra inaugurou sua primeira estrada de ferro entre Liverpool e Manchester, abrindo caminho para um grande sistema de linhas. Por
essa época, Estados Unidos, Alemanha e França também passaram a investir
em estradas de ferro. Em 1842, para facilitar a viagem, foi implementado
o Clearing house, um meio de registro e pagamento pelo tráfego, que era
usado pela maioria das linhas das companhias ferroviárias.

e-Tec Brasil

22

História Aplicada ao Turismo

O turismo, enquanto atividade moderna e organizada, começa efetivamente
na segunda metade do século XIX, quando Thomas Cook, considerado o
pai do turismo moderno, após organizar com sucesso um Congresso Antialcoólico em Leicester, na Inglaterra, percebeu o potencial econômico que as
viagens realizadas coletivamente poderiam trazer.
Em 1845, Thomas Cook iniciou suas atividades em tempo integral como
organizador de excursões, criando no mesmo ano o Handbook of the trip, o
primeiro itinerário descritivo de viagem de forma profissional, especialmente
para o uso dos turistas.
Em 1851, ele organiza o transporte e a estada de uma caravana com 165
pessoas a uma exposição mundial de artes em Londres, capital da Inglaterra.

Thomas Cook foi o precursor
do turismo moderno. Leia mais
acessando:
http://www.desvendar.com/
especiais/historiadoturismo/
thomas_cook.asp

Com sua criatividade e sua incrível capacidade empreendedora, Thomas
Cook cria em 1867 o cupom de Hotel, que hoje é conhecido como voucher.
Em 1872, organiza a primeira volta ao mundo, com um grupo de nove pessoas, com duração de 222 dias, coberto pelo Times, de Londres.
O desenvolvimento das ferrovias, o surgimento do automóvel, do avião e do
navio aliaram-se à melhoria das hospedagens em várias partes do mundo,
bem como à organização de espaços para a visitação pública, os chamados
pontos turísticos, que contribuíram para transformar o turismo em uma
atividade típica do mundo moderno e muito rentável.

Resumo
Um dos principais objetivos da história é resgatar os aspectos culturais de um
determinado povo ou região para o entendimento do processo de desenvolvimento, buscando assim, compreender melhor nossa realidade. O ato de
viajar sempre foi comum entre as sociedades humanas. Durante o Império
Romano, o povo viajava para assistir a teatros, lutas de gladiadores e frequentavam lugares termais. Com as transformações econômicas e sociais
proporcionadas pela Revolução Industrial, no século XIX, e o empreendedorismo do inglês Thomas Cook, começa efetivamente o turismo, enquanto
atividade moderna.

Atividades de aprendizagem
1. Assista ao filme Gladiador. Comente-o destacando a política do "pão
e circo" e procure fazer uma relação com os dias de hoje. Registre sua
resposta no fórum.

Aula 1 ­ História do turismo: introdução

23

e-Tec Brasil

2. Disserte sobre a importância do estudo de história para a sociedade e
para a formação do indivíduo. Poste no AVEA.
3. Muitos estudiosos acreditam que a primeira fase da história do turismo
inicia-se com as viagens gregas e romanas. Cite os principais locais que
os gregos e os romanos visitavam e que ainda hoje atraem turistas do
mundo inteiro. Poste no AVEA.
4. Durante muito tempo, Thomas Cook promoveu vários passeios pela Europa, através de sua empresa, além de gerar ideias imprescindíveis, visando melhorar a qualidade das viagens. Cite as principais inovações de
Thomas Cook para dinamizar e desenvolver o turismo na Europa e no
mundo. Poste no AVEA.

e-Tec Brasil

24

História Aplicada ao Turismo

Aula 2 ­ O desenvolvimento do
turismo no Brasil
Objetivos
Relacionar as mudanças ocorridas na sociedade e nos transportes
após a vinda da Família Real ao Brasil com o crescimento do ato
de viajar.
Identificar as principais contribuições do Visconde de Mauá para o
desenvolvimento econômico e social do Brasil.
Perceber que, no período da República, o fascínio da elite brasileira
pela civilização europeia contribuiu para o desenvolvimento turístico.

2.1 Início do turismo no Brasil
No Brasil, o ato de viajar é intensificado pela vinda da Família Real e pela
abertura dos portos às nações amigas, em 1808, quando uma maior quantidade de viajantes estrangeiros passa a visitar as terras brasileiras com intuito comercial, trazendo a influência de alguns costumes europeus e impulsionando enormemente as atividades ligadas ao comércio de importação
e exportação.
A cidade do Rio de Janeiro, sede onde se abrigava a Família Real, passou por
grandes transformações em um curto espaço de tempo. O Príncipe Regente, interessado em dar à sede monárquica feições mais civilizadas, mandou
construir pontes, instalar um abastecimento de água, reparar calçamentos,
colocar iluminação, abrir novas estradas. Os estabelecimentos comerciais se
multiplicaram de maneira considerável, todos lotados de mercadorias importadas de várias origens.

Alguns costumes trazidos pela
Família Real passaram a ser
seguidos por famílias brasileiras.
Para uma melhor compreensão
do contexto histórico assista ao
filme: Carlota Joaquina, Princesa
do Brasil, com Marieta Severo,
Marco Nanini, dirigido por Carla
Camurati, em 1995. Comente
o filme procurando fazer a
relação entre o comportamento
da sociedade da época com os
dias atuais. Poste no fórum da
disciplina

A entrada de novas mercadorias e o contato com fidalgos lusitanos e estrangeiros resultaram na adoção de novos padrões de comportamento social que se mesclavam aos antigos. Alguns costumes trazidos pela Família
Real passaram a ser seguidos por famílias brasileiras. Dentre esses costumes
podemos citar, como exemplo, os banhos de mar que habitualmente Dom
João e Dona Carlota Joaquina tomavam por causa das possíveis propriedades
medicinais. Segundo os jornais da época, logo se tornou moda no Rio de Janeiro tomar banhos de mar para beneficiar a saúde (PIRES, 2001b, p. 31-57).
Aula 2 - O desenvolvimento do turismo no Brasil

25

e-Tec Brasil

Em decorrência de uma mentalidade escravista, a sociedade tinha pleno desprezo pelos trabalhos manuais. Os fidalgos não admitiam submeter-se, de
forma alguma, a qualquer serviço que fosse realizado por escravo. Esse hábito resultou em um atraso no desenvolvimento dos ofícios e em uma péssima
prestação de serviços.
Dessa forma, os hotéis foram se requintando de maneira a se adaptarem aos
novos tempos. O luxo da mobília chegava a ser extravagante, por outro lado,
os serviços sempre deixavam a desejar.
Aproveitando a moda e o prestígio das águas para a saúde e os banhos de
mar, os hotéis procuraram oferecer um atrativo a mais para seus hóspedes e
passaram a explorar os poucos banhos de água doce existentes.

A partir de 1850 o Brasil
começa a viver um período
de estabilidade política e
econômica. Isso provoca
também, certa modernização
capitalista no país. Uma das
figuras que mais se destacou
nesse período foi o Visconde de
Mauá. Saiba mais sobre essa
personalidade acessando o site:
http://www.infoescola.com/
historia/barao-de-maua

Assista ao filme:
Mauá ­ O Imperador e o
Rei, com Paulo Betti, Malu
Mader, dirigido por Sérgio
Rezende, em 1999. Descreva
algumas transformações
sociais apresentadas no
filme. Disponibilize no fórum
da disciplina suas ideias
apresentadas em PowerPoint.

Outro setor que ficou estagnado foi o de transportes. As estradas eram péssimas e havia poucos carros puxados por animais. Somente a partir do II
Reinado é que começou a haver uma significativa melhora nos transportes.
Dom Pedro II incentivou a navegação a vapor no Brasil. No início da década
de 1850, os estaleiros de Mauá, localizados em Niterói, construíram embarcações que navegaram em nosso litoral, na Bacia Amazônica e na do Prata.
Nessa última, transportavam pessoas e mercadorias.
Na metade do século XIX, graças à expansão da economia cafeeira, o Brasil
sofreu grandes transformações. Pela lei Eusébio de Queirós, foi extinto o comércio de escravos para o Brasil. Isso liberou grandes somas de dinheiro, até
então destinadas à compra de escravos, para serem aplicadas na montagem
de novas empresas. Começaram a surgir várias indústrias, bancos, empresas
de navegação, ferrovias, companhias de seguros, etc.
Em 1866, a construção da ferrovia São Paulo Railway, ligando São Paulo a
Santos, e no ano seguinte a Jundiaí, ampliou o comércio, encurtou as distâncias e contribuiu para a melhoria dos correios e telégrafos, nas prestações de
serviços urbanos e comerciais.
Na década de 1880, o Brasil possuía cerca de 600 indústrias. Destaca-se,
nesse período, o grande empresário Irineu Evangelista de Sousa, o Visconde
de Mauá, que realizou grandes investimentos em diversos setores: industriais,
financeiros, bancos, transportes urbanos, ferroviários, marítimos e fluviais.
A região Norte também se beneficiou com o surto de expansão dos transportes e comunicações que se operavam no sul do país. Preocupado com

e-Tec Brasil

26

História Aplicada ao Turismo

o crescente interesse dos países imperialistas (Estados Unidos, Inglaterra e
França) sobre a Amazônia, que poderia ameaçar a soberania brasileira na
região, o governo imperial tratou de dinamizar a ocupação do Norte.
A navegação a vapor na região foi introduzida pelo empreendedor Barão de
Mauá por meio de sua Companhia de Navegação e Transportes do Amazonas.
No final do século XIX, a elite paulista, endinheirada pela agricultura e pela
industrialização, provocou a urbanização do sudeste, ostentando poder e
prestígio em grandes mansões, construídas com material importado da Europa.
Podemos também perceber a influência da cultura européia na arquitetura,
demonstrada na imponência de algumas construções realizadas na cidade
do Rio de janeiro, como a Casa de Misericórdia, o Instituto Benjamim Constant e a Casa da Moeda.
Na Região Norte, como um dos resultados da riqueza proporcionada pelo
extrativismo da borracha, surgiram, em Manaus, prédios de refinadas linhas
arquitetônicas como: o Teatro Amazonas, o Palácio Rio Negro (Figura 2.1)
e a Alfândega.

Figura 2.1: Fotografia do Palácio Rio Negro
Fonte: http://richarddetrich.files.wordpress.com/2010/03/manaus-palacio-rio-negro.jpg

Politicamente a República representou uma nova composição de forças no
quadro da elite, imbuída dos ideais de progresso e pragmatismo. Usufruindo
da riqueza dos novos tempos, essa elite transformou, entre outras coisas,
antigos hábitos. O fascínio pela civilização européia aumentou e as viagens
para o Velho Mundo se intensificaram.

Aula 2 - O desenvolvimento do turismo no Brasil

27

e-Tec Brasil

As possibilidades comerciais que se estenderam a partir da abertura dos
portos também atraíram viajantes desejosos de enriquecer. Nessa atividade
destacamos o inglês John Luccock, que muito contribuiu para a historiografia com seus relatos. Nesses portos, além das condições de progresso e de
atraso das localidades visitadas, o que mais chamava a atenção dos viajantes
era relacionado à ideia de pitoresco e exótico.
Já nessa época a flora exuberante, como o resto das belezas naturais, motivava os europeus a visitarem o Brasil. Isso explica, em parte, a grande quantidade de viajantes naturalistas, botânicos e zoólogos que para cá vieram
(PIRES, 2001b, p. 110).

Resumo
No Brasil, o ato de viajar é intensificado pela vinda da Família Real. A expansão da economia cafeeira e a industrialização provocaram a urbanização do
sudeste. Destaca-se, nesse período, o grande empresário Visconde de Mauá,
que realizou grandes investimentos em diversos setores. A região Norte também se beneficiou com o surto de expansão dos transportes e comunicações
que se operava no sul do país. As novas gerações dos barões do café, em
busca de educação e cultura, passaram a viajar com bastante frequência à
Europa, criando um fluxo emissivo sem precedentes na história do Brasil, o
que contribuiu para a "europeização" dos costumes.

Atividades de aprendizagem
1. O ato de viajar é intensificado pela vinda da Família Real. A entrada de
novas mercadorias e o contato com fidalgos lusitanos e outros estrangeiros resultaram na adoção de novos padrões de comportamento social
que se mesclavam aos antigos. Descreva três dessas mudanças que contribuíram para o desenvolvimento do turismo no Brasil e poste no AVEA.
2. Em decorrência a uma mentalidade escravista, a sociedade tinha pleno
desprezo pelos trabalhos manuais. Os fidalgos não admitiam se submeter, de forma alguma, a quaisquer serviços que fossem realizados por
escravos. Que consequência esse comportamento trouxe para o turismo
nessa época? Poste sua resposta no AVEA.
3. Após a leitura complementar sobre o Visconde de Mauá, produza um
pequeno texto descrevendo sua contribuição para o desenvolvimento
econômico no II Reinado. Poste no AVEA.

e-Tec Brasil

28

História Aplicada ao Turismo

Aula 3 ­ Amazônia: formação e
aspectos históricos
Objetivos
Reconhecer a importância da preservação dos sítios arqueológicos
para a cultura de um povo e para o turismo.
Identificar as principais hipóteses sobre a origem dos antigos povos
americanos.
Compreender a importância dos ecossistemas da várzea e da terra
firme para a sobrevivência dos grupos pré-históricos da Amazônia.
Analisar os fatos e momentos históricos que contribuíram para a
colonização da Amazônia.
Reconhecer a importância da expedição de Pedro Teixeira para o
reconhecimento, demarcação e ocupação da região Amazônica.

3.1 A Amazônia na pré-história
Nossos ancestrais deixaram vestígios nos lugares por onde passaram e fixaram residência. Esses locais são conhecidos como sítios arqueológicos.
Os sítios arqueológicos são um atrativo turístico muito explorado em várias
regiões do país e sua preservação é de suma importância para a valorização
da cultura de um povo. Por meio de estudos arqueológicos foram desenvolvidas várias teorias a cerca da origem do homem americano.
O continente americano começou a ser povoado por grupos humanos muito antes de 1492, quando finalmente a tecnologia ocidental de navegação
marítima, embora precária, já permitia viagens pelo oceano. A pergunta que
se faz é: qual a origem do homem americano?
Uma das respostas compartilhada pela maioria dos pesquisadores da temática é a de que o homem americano não se originou na América. A presença
do homem nesta parte do planeta se deve às migrações de grupos humanos
do continente asiático e da Oceania para o continente americano.

Aula 3 - Amazônia: formação e aspectos históricos

29

e-Tec Brasil

Uma das hipóteses mais aceitas no meio científico é a do estudioso francês
Paul Rivet, que defendeu a ideia de que a origem dos antigos povos americanos seria multirracial, ou seja, eles não descenderiam de apenas um povo,
mas de vários povos.
Esta hipótese propõe quatro caminhos de migração (Figura 3.1):

Europa

Sibéria

Montes
Urais

Alaska

América
do Norte

Asia

América
Central
Africa

Malásia

América
do Sul

Polinésia
Austrália

Corrente asiática
Corrente australiana
Corrente malaio-polinésia
Corrente esquimó

Terra
do Fogo

Figura 3.1: Rotas migratórias
Fonte: Bentes; Rolim (2005)

a) os povos que vieram da Ásia teriam seguido para o nordeste daquele
continente, hoje a Sibéria, território da Rússia, chegando ao Estreito do
Mar de Bering. Essa corrente migratória é considerada por muitos estudiosos a mais importante;
b) as migrações dos povos que vieram da região onde hoje é a Austrália,
que navegaram o oceano Pacífico e chegaram à região da América do
Sul pela Terra do Fogo;
c) os povos que vieram da Malásia e da Polinésia também atravessaram o oceano Pacífico, até chegarem à região hoje conhecida como América Central; e
d) os povos que vieram do sul da Ásia, caminharam em direção às regiões
árticas e, daquelas regiões, espalharam-se para leste e oeste.
O fato que mais contribuiu para a aceitação da hipótese levantada por Paul Rivet é a semelhança das características físicas entres os índios e os asiáticos: pele
amarela, olhos puxados, cabelos pretos e lisos e a presença reduzida de pelos
em determinadas regiões do corpo, tais como: rosto, peito, costas e pernas.

e-Tec Brasil

30

História Aplicada ao Turismo

A ideia de que o território americano foi ocupado por populações de componentes biológicos distintos ganhou mais força com a publicação, em 1998,
de um estudo feito pelo arqueólogo Walter Neves, da Universidade de São
Paulo (USP), a partir de um esqueleto encontrado na Lapa Vermelha, em
Minas Gerais, numa caverna com 13 metros de profundidade, considerado
o fóssil de características humanas mais antigo das Américas.
Com a idade entre 11 mil e 11.500 anos, esse esqueleto pertencia a uma
mulher jovem, batizada pelos arqueólogos de Luzia (Figura 3.2). O estado de
conservação de seu crânio permitiu a realização de uma reconstituição facial,
cuja aparência revela traços semelhantes aos de africanos e australianos.
No que se refere às datações para o povoamento da Amazônia, os estudos
arqueológicos de Anna Roosevelt sobre Pedra Pintada, sítio localizado na
cidade de Monte Alegre, Pará, indicam a ocupação do homem na floresta
amazônica por volta de 11.200 anos.

Figura 3.2: Luzia
Fonte: http://img.socioambiental.org/v/publico/pibmirim/antes-de-cabral/LUZIA+final.JPG.html

As pesquisas realizadas pelo projeto Museu de Arqueologia e Etnologia da
Universidade de São Paulo (MAE/USP), na área do Iranduba-AM, no sítio Hatahara, indicam a presença dos líticos com 7.700 anos no Amazonas.
Essa é a área que está sendo bastante investigada, devido ao grande indício
de cultura material.
No entanto, devemos levar em consideração que, independentemente do
período ou por onde vieram, quando os europeus chegaram já havia pessoas
vivendo nessa região.

Aula 3 - Amazônia: formação e aspectos históricos

31

e-Tec Brasil

Para entender as estratégias de sobrevivência dos grupos pré-históricos amazônicos, há que se distinguirem dois ecossistemas diferenciados: a várzea e a
terra firme. A várzea corresponde às planícies inundáveis pelos rios que nascem nos Andes e que são ricos em nutrientes; já na terra firme predominam
solos pobres e rios com poucos nutrientes, conhecidos na região como "rios
da fome", provenientes dos escudos da Guiana e do Brasil, sendo o mais
significativo o Rio Negro.
As áreas de várzea contam com maiores recursos alimentares, embora dependam de níveis inseguros de inundação. Entretanto, a terra firme, que apresenta solos menos férteis, é também menos vulnerável a mudanças climáticas.
Um complexo sistema de adaptação ecológica e de relações inter-tribais levou
os homens das várzeas e das terras firmes amazônicas a criarem mecanismos
de subsistência que permitiram o desenvolvimento de culturas inéditas e originais como as de Marajó e Santarém, para citar algumas das mais significativas.

3.2 Colonização da Amazônia
A abordagem que iremos realizar sobre a Amazônia, no seu processo de colonização, será na perspectiva da história social, em que os contextos social,
político e econômico são responsáveis pela forma de colonização.
A Amazônia era território espanhol de fato e de direito. No século XV, a
corrida expansionista de Portugal e Espanha gerou controvérsias. Para definirem direitos e territórios, formularam-se diversos tratados, entre eles o
Tratado de Tordesilhas. Em 7 de junho de 1494 foi decidido que a Espanha
ficaria com as terras descobertas ao ocidente de uma linha imaginária,
tirada de polo a polo, e a 70 léguas das ilhas do Cabo Verde, cabendo
a Portugal as que se descobrissem ao oriente. Com essa divisão, a Espanha ganhava quase toda a América, os estados do Amazonas, Pará, Mato
Grosso, quase todo Goiás, dois terços de São Paulo, parte de Minas Gerais,
todo Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Para Portugal cabia um
pedaço de terra à foz do Rio Madeira, na Amazônia.
Aos espanhóis cabe, também, o mérito da descoberta. A primeira tentativa
de penetrar no interior da atual Amazônia brasileira foi feita pela expedição
de Alonso Mercadillo, em 1538, a qual não foi bem-sucedida por causa das
dificuldades da região, tais como: floresta muito fechada, hostilidade dos
nativos e epidemias às quais os membros da expedição estavam sujeitos.

e-Tec Brasil

32

História Aplicada ao Turismo

Entretanto, essa expedição conseguiu chegar até mais ou menos a região
entre os rios Tefé e Coari (província de Machifaro).
O espanhol Vicente Yanes Pinzón foi o primeiro europeu a enfrentar, provavelmente, a correnteza do rio Amazonas, cujo estuário chamou de Santa
Maria de la Mar Dulce, logo no início de 1500, enquanto Cabral ainda preparava sua viagem até as Índias.
Até por volta de 1570, cerca de duas dezenas de expedições com patrocínio
espanhol tentaram penetrar na Amazônia; entretanto, apenas duas percorreram totalmente a calha do rio Solimões-Amazonas: a expedição de Francisco
de Orellana em 1542, e a de Pedro de Ursúa e Lopo de Aguirre, em 1560-1561.
Em 1541, Gonzalo Pizarro e Francisco de Orellana partiram de Quito (Equador), com uma grande expedição espanhola. O objetivo era verificar a verdade sobre a história de que a leste de Quito, no Equador, existiria o país
da Canela e, principalmente o El Dorado, lugar onde havia muito ouro, e
apoderar-se dele. Entretanto, foi a floresta que se apoderou deles.
A falta de mantimentos obrigou a expedição a dividir-se em dois grupos.
Pizzarro ficou explorando a bacia do rio Napo, enquanto Orellana seguiu por
um rio chamado Coca, à procura de mantimentos. Orellana não voltou ao ponto de encontro porque, segundo o cronista da viagem, frei Gaspar de Carvajal,
a correnteza do rio era muito forte, o que impossibilitava o caminho de volta.

Enriqueça seus conhecimentos
lendo o texto complementar
"Orellana e as Amazonas".
Acesse o site: http://www.
expressaoamazonica.com.br/
index.php?option=com_con
tent&view=article&id=154:
orellana-e-o-rio-grande-dasamazonas&catid=38:historiada-amazonia&Itemid=57

Ainda em 1541, a certa altura, Francisco Orellana encontrou uma tribo de
índias guerreiras, com as quais lutou. Associando-as às Amazonas que, segundo a mitologia grega, amputavam o seio direito para melhor manejarem
o arco. Carvajal deu-lhes o mesmo nome e também ao rio. O legado de
Orellana é o nome Amazonas, que se transmitiu do rio à região e, depois, ao
maior estado do Brasil.
Pizarro continuou a procurar El Dorado em vão. Abandonado pelos índios
que não tinham morrido, sem suprimentos e com apenas 80 homens, conseguiu regressar a Quito, em junho de 1542.
A expedição de Pedro de Ursúa e Lope de Aguirre também fracassou na
busca do Eldorado e de riqueza fáceis. Enfrentando inúmeras batalhas contra os nativos, pois estes guardavam lembranças da passagem de Orellana e
não estavam dispostos a auxiliar os espanhóis, e, após vários assassinatos, os
líderes da expedição morreram.

Aula 3 - Amazônia: formação e aspectos históricos

33

e-Tec Brasil

O fracasso dessas aventuras e a descoberta de prata no Potosí (na Bolívia) fizeram os espanhóis se desinteressarem pela Amazônia e, nesse meio tempo,
com a União Ibérica, os portugueses iniciaram um processo de penetração
incessante no vale amazônico.

3.2.1 Expedição de Pedro Teixeira
No período de 1580-1640, por causa de todo um contexto histórico, social
e político e da morte de D. Henrique, rei de Portugal, deu-se a anexação de
Portugal à Espanha: A União Ibérica. Nessa época, holandeses, ingleses e
franceses tentavam colonizar a Amazônia.
Nesse contexto de disputas territoriais em 1637, os portugueses, com a desculpa de defender a área da Amazônia de invasões de outras nações da
Europa, iniciaram a partir da Capitania de Grão-Pará, uma expedição para
subir o rio Amazonas e o rio Napo, até chegar a Quito, no Equador. Composta por cerca de 70 soldados e 1.100 indígenas remeiros, essa expedição
tinha a tarefa de tomar posse, em nome da coroa portuguesa, de todas as
terras por onde passasse, pois os portugueses sabiam de possíveis expedições espanholas para conquistar aquela área. Essa foi a famosa expedição de
Pedro Teixeira (Figura 3.3), sendo ela a primeira a percorrer o rio Amazonas,
no sentido leste a oeste (Belém a Quito), ou seja, subindo o rio, depois, no
sentido contrário de oeste a leste (Quito a Belém).

Rio Negro
Rio

Nap

o

Rio Solimões

nas

mazo

Rio A

Expedição de Pedro de Teixeira
Inicio: 1637 - Retorno: 1639

Figura 3.3: Rota da expedição de Pedro Teixeira
Fonte: Bentes; Rolim (2005)

e-Tec Brasil

34

História Aplicada ao Turismo

Com a viagem de Pedro Teixeira (1637-1639) começaram o reconhecimento e a ocupação portuguesa da região amazônica. A partir daí sucederam
outras expedições nos rios Amazonas, Tocantins, Xingu, Tapajós, Madeira,
Urubu, Negro, Branco, Solimões, Içá e Japurá. À medida que penetravam o
interior, iam levantando fortes para demarcar a soberania portuguesa.
Em 1640, um ano após a conclusão dessa expedição, a União Ibérica chega
ao fim e Portugal passa a se favorecer dos resultados da expedição de Pedro
Teixeira para explorar e dominar a região.
Depois do tratado de Tordesilhas, outros tratados foram realizados para legalizar as possessões e seus respectivos limites. Um deles foi o Tratado de Madrid
(1750), o qual respeitou os marcos deixados por Pedro Teixeira. Juridicamente,
para os critérios daqueles tempos, estava firmado o Uti Possedetis, ou seja,
aquele que estivesse ocupando (economicamente) determinado território seria reconhecido, internacionalmente, como seu legítimo proprietário. Assim,
legitimou-se a protuberância amazônica em direção ao Pacífico.
O Brasil incorporou mais da metade do seu território atual, a quase totalidade da
bacia amazônica e um imenso tesouro hídrico, geológico, biológico e cultural.
A Amazônia começava a ser conhecida não somente como uma imensa e homogênea floresta tropical, mas como um mosaico de ecossistemas e situações
que incluíam florestas tropicais úmidas, matas de cipó, matas abertas, florestas
nublosas, cerrados, lacustres, campos de várzea, igapós, etc. e diversos povos
indígenas, que fascinam e atraem visitantes curiosos do mundo inteiro, tanto
pela pesquisa, quanto pela curiosidade.

Resumo
A preservação dos sítios arqueológicos é de suma importância para a valorização da cultura de um povo, além de ser um atrativo turístico muito explorado em várias regiões do país. Por meio de estudos arqueológicos foram
desenvolvidas várias teorias acerca da origem do homem americano. Uma
das hipóteses mais aceitas no meio científico é a do estudioso francês Paul
Rivet. A partir do século XVI, a Amazônia começa a ser explorada por várias expedições espanholas. Destas, destaca-se a expedição de Pedro Teixeira
(1637-1639). Com as viagens começaram o reconhecimento e a ocupação
portuguesa da região Amazônica.

Aula 3 - Amazônia: formação e aspectos históricos

35

e-Tec Brasil

Atividades de aprendizagem
1. Descreva as ideias de Paul Rivet sobre correntes migratórias para explicar
a origem do povoamento das Américas. Poste no AVEA.
2. Qual a importância do fóssil encontrado na Lapa Vermelha em Minas
Gerais, batizada pelos arqueólogos de Luzia? Poste no AVEA.
3. Um ano após a conclusão da expedição de Pedro Teixeira, a União Ibérica
chega ao fim (1640) e Portugal passa a se favorecer dos resultados dessa
expedição para explorar e dominar as terras da região. Disserte sobre a
expedição de Pedro Teixeira destacando sua contribuição para o reconhecimento e demarcação da região Amazônica. Poste no AVEA.
4. Pesquisa: procure saber se existe algum sítio arqueológico em seu município ou região. Levante informações sobre a situação atual dele. Caso o
seu município não possua nenhum sítio arqueológico, faça uma pesquisa
sobre o sítio da Pedra Pintada, localizado no município de Monte Alegre,
no Pará, e poste seu comentário no fórum.

e-Tec Brasil

36

História Aplicada ao Turismo

Aula 4 - Formação e povoamento
Objetivos
Compreender os objetivos das expedições militares e das missões
religiosas na região do Amazonas.
Reconhecer a importância do Forte do Presépio para a Amazônia.
Identificar as formas de recrutamento de mão de obra indígena no
Período Colonial.
Refletir sobre as consequências das medidas pombalinas para a
região amazônica.

4.1 Ocupações militares e as missões
Como vimos na aula anterior, por volta de 1600, pelo lado do Atlântico, começou a ser ocupada a terra do Amazonas. Holandeses, ingleses e franceses
disputavam as terras invadindo e explorando o delta do rio, comercializando
com os nativos, como se fossem donos da região.
Os portugueses, percebendo que a presença e a influência estrangeira na
região aumentavam, e visando assegurar para si a posse dessas terras, organizaram várias expedições militares para pôr fim às operações de exploração,
comércio e contrabando na região.
As expedições portuguesas, compostas por colonos leigos, militares e religiosos, que partiram de Pernambuco à caça dos franceses, tinham também
como objetivos as invasões das terras das populações nativas, a aquisição ou
captura de nativos para a mão de obra.
À medida que iam avançando as invasões portuguesas nos territórios dos
povos nativos, foram construídas diversas instalações militares muito bem
fortificadas para a época, como por exemplo, o Forte do Presépio e o Forte
de Gurupá, ambos construídos próximos à desembocadura do rio Amazonas, em sua margem direita.

Aula 4 - Formação e povoamento

37

e-Tec Brasil

O Forte do Presépio (1616), construído por Francisco Caldeira Castelo Branco, que expulsou os franceses do Maranhão, se tornou o núcleo de origem
da povoação de Belém e base de operações dos portugueses contra os estrangeiros. Foi a partir dele que se originou a cidade de Belém do Pará.
Os fortes serviam para que os portugueses defendessem as terras. Também
serviam de pontos de apoio para os religiosos e suas missões, para os colonos e suas terras e para outras expedições ao interior da região, que saiam
em busca de drogas do sertão e mão de obra escrava.

Assista ao filme: A Missão (The
Mission) com Robert de Niro,
Jeremy Irons, dirigido por Rolland
Joffé, em 1986. Disponível em
vídeo e DVD. Comente o filme
e poste suas observações no
fórum, expressas em uma
apresentação em PowerPoint.

As missões religiosas eram povoados formados, normalmente, por jesuítas,
mercedários, franciscanos e carmelitas, construídos próximos a esses fortes e
às margens do rio Amazonas.
Objetivando catequizar os índios e expandir a fé católica, no sentido de "civilizar o selvagem" elevando-o espiritualmente, os missionários penetravam
na selva, localizavam as tribos e nelas se instalavam, aprendiam o idioma e os
costumes dos índios, organizavam aldeias e fundavam as missões.
Muitas dessas missões deram origem a várias cidades, como Borba, Parintins
e Itacoatiara, além de contribuir significativamente para a penetração lusa
na região e implantação do projeto colonizador de Portugal (PONTES FILHO;
2000; p.63).
Quando Portugal decidiu colonizar a Amazônia, enquadrou-a no sistema
legal de organização de trabalho indígena vigente da época: "Capitães de
Aldeia". Esse sistema era um conjunto de leis que se regularizava sob a vigência da Carta de Lei de 10 de setembro de 1611.
De acordo com a Lei de 1611, cada missão ou povoado deveria ter um "Capitão de Aldeia", que deveria ser um "morador colono de bons costumes",
casado e de boa reputação.
Várias eram as suas obrigações, dentre as quais: comandar as formas de
expedições de recrutamento indígena e a distribuição da mão de obra indígena; fiscalizar os salários pagos aos nativos; atuar como juiz civil e criminal.
Havia três formas principais de recrutamento indígena:

e-Tec Brasil

38

História Aplicada ao Turismo

a) os descimentos - deslocamentos que os índios faziam de suas aldeias
para as missões para serem distribuídos entre os colonos, os missionários
e o serviço real da Coroa Portuguesa. Tais expedições baseavam-se na
persuasão. Os índios eram convencidos, pelos colonos e missionários, das
"boas intenções" religiosas. Os índios descidos eram livres e deveriam
receber uma espécie de salário (alimentos, roupas, objetos) por seus serviços, o que raramente ocorria;
b) os resgates - expedições armadas em que os colonos portugueses visavam trocar, com as tribos aliadas, quinquilharias e ferramentas por
nativos prisioneiros de guerras tribais. Assim, os portugueses julgavam
resgatar os índios prisioneiros da morte e os submetiam à escravidão, que
nesse caso era permitido por lei;
c) guerras justas - expedições militares contra as tribos que se recusavam a
"descer" para os aldeamentos dos colonos, que não aceitassem o cristianismo ou fossem declaradas inimigas. Os portugueses achavam "justo"
fazer guerra contra essas tribos e levarem os prisioneiros como escravos.
As guerras justas e as tropas de resgates provocaram a extinção de várias tribos. Para cada índio capturado, centenas de outros índios eram assassinados.
Essa dizimação mostra que os nativos não ficaram passivos ou de braços cruzados diante da opressão imposta pelos portugueses. Eles não admitiam pacificamente serem submetidos à escravidão ou trabalhos forçados. Muitas tribos
indígenas lutaram contra a escravidão até a extinção total do seu povo.
Dentre essas tribos destacamos os Manáos, que resistiram às guerras justas
durante quatro anos. O desfecho deu-se em 1727, quando Ajuricaba (cacique dos Manáos) foi aprisionado e levado a Belém. Conta-se que, para livrar-se da tortura e da morte vergonhosa, atirou-se às águas do rio ao avistar
Belém. O mais provável, porém, é que tenha sido morto. Assim, Ajuricaba
tornou-se herói e símbolo da resistência indígena.
Atualmente, sua luta por seu povo é frequentemente relembrada como expressão de firmeza e coragem que servem de inspiração para os povos que
reivindicam a defesa e demarcação de suas terras, bem como o respeito e a
valorização de sua cultura.

Aula 4 - Formação e povoamento

39

e-Tec Brasil

4.2 Medidas pombalinas
No século XVIII, Portugal enfrentou uma grave crise econômica. Grande parte da riqueza vinda das suas colônias na América, das quais Portugal se via
cada vez mais dependente, ia direto para pagar dívidas de importações de
produtos manufaturados da Inglaterra.
Em 1757, o Secretário de Estado da Guerra e dos Negócios Exteriores, Sebastião de Carvalho e Melo (Marquês de Pombal), buscando aumentar a
renda da coroa portuguesa, cria uma nova legislação para suas colônias, que
substitui o Regimento das Missões de l686.
As medidas pombalinas provocaram transformações profundas em todas as
áreas da administração da colônia brasileira, atingindo instituições culturais,
políticas e econômicas que até então eram controladas ideologicamente
pela Igreja Católica.
Entre elas destacamos: expulsar os jesuítas, confiscando e redistribuindo
suas propriedades; incentivar o desenvolvimento agrícola e o povoamento
da região; executar a Lei conhecida como Diretório dos Índios, de 1757.
Essa lei estabelecia uma série de medidas econômicas, culturais, religiosas,
com o objetivo principal de regularizar a vida nas comunidades indígenas.
As mudanças administrativas, basicamente, consistiam em formar novas capitanias num território por demais extenso que dificultava a administração e, em
seguida, retomar as capitanias que ainda estavam nas mãos de particulares.
Em 1751 o estado da Maranhão foi extinto e em seu lugar foi criado o estado
do Grão-Pará e Maranhão. Entre os anos de 1752 e 1754, as seis capitanias privadas (Cabo do Norte, Ilha Grande ou Marajó, Xingu, Cametá, Caeté e Cumã)
foram retomadas de seus donatários e incorporadas ao Estado português.

Resumo
Visando assegurar para si a posse das terras e pôr fim às operações de exploração pelos estrangeiros, os portugueses organizaram várias expedições militares e
construções de fortes. Os fortes também serviam de pontos de apoio para os colonos, para outras expedições de recrutamento de mão de obra indígena e para
as missões religiosas, que deram origem a várias cidades do Estado. As medidas
pombalinas provocaram transformações profundas em todas as áreas da administração da colônia brasileira, atingindo instituições culturais, políticas e econômicas que, até então, eram controladas ideologicamente pela Igreja Católica.

e-Tec Brasil

40

História Aplicada ao Turismo

Atividades de aprendizagem
1. Procure saber se sua cidade, ou outra cidade vizinha, teve origem nas
missões religiosas no período colonial. Poste seu comentário no fórum.
2. Explique quais os motivos que levaram os portugueses a organizar expedições militares para o Amazonas. Poste no AVEA.
3. Cite os objetivos e a contribuição das missões na região amazônica. Poste
no AVEA.
4. A carta de Lei de 1661, que introduziu a escravidão legal dos índios,
determinava que os "Capitães de aldeia" deveriam ser responsáveis pela
expedição de recrutamento dos índios. Cite e explique as formas de recrutamento de mão de obra indígena estabelecidas pela Lei de 1661.
Poste no AVEA.
5. Destaque a relevância da administração do Marquês de Pombal para as
colônias do Amazonas. Poste no AVEA.

Aula 4 - Formação e povoamento

41

e-Tec Brasil

Aula 5 ­ Manaus: origem e ciclos
econômicos
Objetivos
Conhecer os fatores que contribuíram para a origem de seu município (do aluno).
Identificar os principais acontecimentos históricos que contribuíram para a fundação da cidade de Manaus.
Identificar os ciclos econômicos ocorridos no Amazonas.
Compreender a importância do ciclo da borracha para o desenvolvimento econômico e cultural do Amazonas.

5.1 Origem do município de Manaus
A origem de Manaus remonta à fundação do forte Fortaleza São José da
Barra do Rio Negro, construído pelo capitão Francisco da Mota Falcão, em
1669, com o objetivo de garantir o domínio de Portugal e aumentar a defesa
contra invasores estrangeiros.
Ao redor do forte desenvolveu-se um povoado com o nome de Lugar da
Barra. Lá viviam nativos Aroaquis, Barés, Banibás, Manáos, entre outros,
e alguns brancos.
Em 1751, durante a administração do Marquês de Pombal, o estado do
Maranhão foi extinto e em seu lugar foi criado o estado do Grão-Pará e Maranhão, com a capital em Belém, com o objetivo de demarcar com mais rapidez e segurança as fronteiras portuguesas determinadas no Tratado de Madri.
Em 3 de março de 1755, o governador do estado do Grão-Pará e Maranhão,
Mendonça Furtado, criou a Capitania de São José do Rio Negro, subordinada
ao governo do Pará, e tendo como capital a missão de Mariuá (elevada à
categoria de Vila Barcelos). Devido à posição geográfica, a sede da capitania
é transferida para o Lugar da Barra.

Aula 5 - Manaus: origem e ciclos econômicos

43

e-Tec Brasil

Após a Independência do Brasil, o governo imperial, com o objetivo de reorganizar a administração, elevou todas as antigas capitanias à condição de província.
Entretanto, a Capitania de São José do Rio Negro foi rebaixada à condição de simples Comarca do Rio Negro, submetida à Província do Grão-Pará
(Pará), causando grande insatisfação popular.
No início da década de 1830, houve uma nova mudança no Império em termos político-administrativos e, por conta disso, a Comarca do Rio Negro mudou de denominação, passando a ser chamada de Comarca do Alto Amazonas.
A Comarca do Alto Amazonas ficou dividida em quatro regiões: Lugar da Barra
(atual Manaus), Luzéa (atual Maués), Mariuá (atual Barcelos) e Ega (atual Tefé).
Em 1832, o Lugar da Barra foi promovido à Vila de Manáos, tornando-se capital da Comarca do Alto Amazonas, subordinada à Província do Grão-Pará.
Os habitantes da Comarca do Alto Amazonas, descontentes com sua subordinação à província paraense, se sentiam prejudicados pela administração da
Província do Grão-Pará em face da crise econômica que se abatia sobre a
região. Miséria e penúria alastravam-se ao longo das beiradas dos rios, sob as
cabanas, lugar onde morava o povo, pobre e faminto; daí o nome de cabanos.
Assim, diante das péssimas condições sociais e econômicas nas quais viviam
as populações, explodiu, em 1835, a maior e mais popular rebelião ocorrida
na história do Amazonas: a Revolta dos Cabanos ou a Cabanagem, que exigia a autonomia da região com criação da província do Amazonas.
A população do Rio Negro entendia que a desvinculação político-administrativa da província do Pará era, de fato, necessária para adotar uma política
capaz de promover o desenvolvimento da região.
Dois fatores contribuíram para acelerar o processo de criação da província: a
Cabanagem e a cobiça dos povos estrangeiros pelas riquezas do Amazonas.
A Cabanagem foi um movimento de revoltas sociais ocorrido entre 1835 e
1840. Uma de suas principais características foi a grande participação popular. Por isso, ela é considerada por muitos como o mais importante movimento social ocorrido na Amazônia durante o período imperial, e um dos mais
importantes do Brasil. Enriqueça seus conhecimentos lendo o texto comple-

e-Tec Brasil

44

História Aplicada ao Turismo

mentar de Rainer Sousa. Ou acesse: http://www.brasilescola.com/historiab/cabanagem.htm
Em 5 de setembro de 1850, por meio da Lei Imperial 582, a Comarca do Alto
Amazonas foi elevada à categoria de Província do Amazonas, a qual teria a
extensão da antiga Comarca do Rio Negro e sua capital seria a Vila de Manáos.
Em 24 de outubro de 1848, a Assembléia Provincial Paraense, através da Lei
n. 45, elevou Vila de Manáos à categoria de cidade, com a denominação de
Nossa Senhora da Conceição da Barra do Rio Negro.
Em 4 de setembro de 1856, a cidade Nossa Senhora da Conceição da Barra do
Rio Negro passou a ser chamada de Manaus, lembrando os índios Manáos que
habitavam essa região antes de serem extintos pelo colonizador europeu.

5.2 O povoamento e a mão de obra utilizada
na economia
O período de povoação da Amazônia inicia entre 1580 e 1640, época em
que Portugal e Espanha permaneceram sob uma só coroa (União Ibérica),
tendo os portugueses penetrado no vale amazônico, sem desrespeito oficial
aos interesses espanhóis.
A ocupação foi demorada por causa dos interesses comerciais portugueses, que não viam na região facilidade para obter grandes lucros em curto prazo, pois ela era de difícil acesso e eles desconheciam a existência de
riquezas (ouro e prata).
As primeiras manifestações de ocupação da região ocorreram somente em
1658, quando uma expedição de resgate fixou-se em Manaus, assentando
arraial na boca do rio Tarumã. Entretanto, os primeiros processos de colonização só aparecem definitivamente com a criação do Forte São José do
Rio Negro, em 1669.
Outra causa para a colonização da região foi impedir a intromissão dos inimigos (estrangeiros) da Coroa Portuguesa.
Assim, os elementos humanos que contribuíram para o povoamento foram
os mesmos que encontramos no restante do Brasil:

Aula 5 - Manaus: origem e ciclos econômicos

45

e-Tec Brasil

a) o índio ­ uma população numerosa, porém não considerada forte suficientemente para o duro trabalho; por isso era caçado violentamente
pelo sertanista, reunido em aldeamento pelos missionários e descido pelas autoridades civis e militares. O aldeamento foi o núcleo humano com
maior número de membros e era utilizado para todo tipo de tarefas;
b) o negro africano ­ no início da colonização da Amazônia, a força de
trabalho do negro era desprezada por causa das facilidades do aprisionamento dos índios. A Lei de 6 de junho de 1755 aboliu a escravização do
índio; daí a procura pelo negro foi se intensificando.
Contudo, como a agricultura era incipiente, não se fazia tão necessária a sua
mão de obra. A falta de fundos financeiros não permitia o comércio negreiro
dos colonos, mesmo com a insistência das representações do governo para
que se facilitasse o mercado negreiro.
A Coroa Portuguesa oficialmente estimulava empreendimentos agrícolas
com o objetivo de constituir uma base mais estável para a efetivação da
colonização da região. Porém, para o desenvolvimento agrícola, as condições ainda eram inviáveis, pois a Amazônia não ostentava recursos agrícolas
excepcionais e nem metais preciosos; havia baixa produção nas colheitas;
o transporte era muito caro; a maioria dos colonos da Amazônia era pobre
para comprar escravos, negros mais acostumados com a agricultura.
A solução encontrada pelos colonos era continuar escravizando os índios
para utilizá-los como mão de obra.
Nas primeiras décadas de colonização da Amazônia as expedições coletoras
eram baseadas na base da produção extrativista. A atividade era organizada
com os índios, espalhados em diversas áreas para extrair substâncias naturais: óleo de tartaruga, especiarias, madeiras de lei, óleos vegetais e sementes de cacau. Em troca recebiam ferramentas, bugigangas e ocasionalmente
salário dos missionários e comerciantes portugueses.

Procure na internet alguns filmes
que versem sobre atividades
extrativistas brasileiras. Indiqueos aos colegas no fórum. Em
seguida monte um pequeno
vídeo no movie maker sobre
estas atividades na sua cidade
ou estado.

e-Tec Brasil

A atividade extrativista tornou-se atraente para a população cabocla pelas
exigências mínimas de capital e, com a falta de material e de contatos externos, o coletor geralmente tinha que fazer um tipo de acerto com um comerciante local, a fim de adquirir os bens de que necessitava.
No período de 1760 a 1822, mais da metade das exportações do Pará provinha mais de fontes silvestres do que de plantações agrícolas.

46

História Aplicada ao Turismo

5.3 Ciclos econômicos
O desenvolvimento da região amazônica foi marcado por diversas fases econômicas: a exploração das drogas do sertão, o incentivo à agricultura e outras atividades como a pesca, a pecuária e o cultivo da juta. O extrativismo
vegetal da borracha passou a ser desenvolvido na segunda metade do século
XIX, quando a Amazônia presenciou um período "áureo" de grande crescimento de cidades como Manaus e Belém, e durou até a década de 1920. Na
década de 1950, foi aprovado o projeto da Zona Franca de Manaus, estimulando atividades econômicas estruturadas em um polo industrial, essenciais
para o equilíbrio financeiro local.
Atualmente o governo está investindo na economia do turismo sustentável
e na continuidade da economia do Polo Industrial de Manaus.

5.3.1 Drogas do sertão
A Amazônia era vista como o Eldorado não só pela imensidão de suas terras, matas e rios, mas também pela promessa de empreendimento, que era
grande. Na sua esplêndida mata, os colonizadores encontraram uma variedade de plantas que denominaram drogas do sertão pela utilidade que elas
apresentaram para o mercado europeu. Esses produtos, no Oriente e na
Europa, eram denominados de especiarias.
Essas drogas (especiarias) da Amazônia eram o cacau, a salsa, o urucum, as
sementes oleaginosas, o paturi, o cravo, a canela, a baunilha, as raízes aromáticas e tantas outras.
A Europa procurava as "drogas" com mais intenso interesse, pois havia dificuldades na colheita das especiarias no Oriente, onde outros povos bem
mais armados e preparados tecnicamente concorriam com os portugueses.
O extremo-norte do Brasil se apresentava para Portugal como um ponto
estratégico geograficamente e também comercialmente, de início sem concorrências, constituindo uma verdadeira revelação ao Reino português.
Portugal esperava encontrar um substituto das Índias que satisfizesse as necessidades mercantis para a riqueza de sua Coroa.
A euforia gerada inicialmente com as "drogas do sertão" também foi um estímulo para que Portugal iniciasse o projeto econômico colonialista e o saque
dos recursos ambientais (naturais e humanos) da Amazônia.

Aula 5 - Manaus: origem e ciclos econômicos

47

e-Tec Brasil

Havia uma legislação que amparava e protegia a atividade do colono. Ele
era isento de impostos e tinha instruções de procedimentos da colheita. Essa
experiência de cultivo durou até meados do século XVIII.
De 1750 a 1830, houve um incentivo à agricultura. Na época de Pombal,
as ordens eram para que, ao lado da coleta da droga do sertão, também se
plantassem na região espécies vindas de outros lugares. Foram feitas muitas
plantações de cacau, canela, algodão, café e arroz.
Já nessa época o objetivo era transformar o estado num grande campo onde
o colono exercitasse a larga agricultura.
No entanto, o progresso da agricultura encontrava forte entrave na concorrência das "drogas do sertão", na pobreza dos colonos, na resistência do
índio que não se substituía pelo africano, na falta de conhecimentos técnicos
dos povoadores e na improdutividade dos diretores de povoados, mais interessados em operações imediatas de comércio.
No entanto, esses produtos regionais estimularam a maior penetração
do colonizador na selva e em áreas mais difíceis da Amazônia, assegurando, desse modo, a posse e aos poucos a ocupação do território pelos
conquistadores portugueses.

Potosis
Vila Imperal de Potosis, situada
na Bolívia de hoje, era o principal
centro produtor de prata da
América do Sul das colônias
espanholas.

e-Tec Brasil

Outra tentação do colono na Amazônia (como em todas as partes do mundo) era explorar a riqueza do subsolo, principalmente na Amazônia, pelo
fato de ter-se criado o mito do ouro. Tendo em vista tal objetivo, várias
expedições de cunho oficial, foram realizadas, procurando outros Potosis.

5.3.2 A pesca, o gado, a juta
A pesca é uma das principais atividades econômicas da população amazônica e o alimento básico para o seu sustento. Existem várias espécies de
peixes nos inúmeros rios da região, entre os quais se destacam: o tucunaré,
muito apreciado na culinária, o dourado amazônico; o pirarucu, um dos
maiores peixes de água doce do mundo; o peixe-boi, uma das espécies mais
exóticas da Amazônia, que se encontra em risco de extinção; os peixes ornamentais, entre outros. As piranhas, cuja carne é muito apreciada por pescadores, habitam quase todos os rios da Amazônia. No entanto, raramente
encontra-se em concentrações suficientes para causar o perigo que a elas é
frequentemente atribuído.

48

História Aplicada ao Turismo

Várias regiões amazônicas desenvolvem a pecuária desde tempos remotos
da colonização. A mais tradicional é a ilha de Marajó, localizada no norte de
Belém, onde a criação de gado é uma herança dos missionários. Em 1696, os
religiosos das Mercês e os jesuítas instalaram fazendas, chegando a possuir
cerca de 136.000 cabeças de gado.
Durante todo o período colonial até os anos 1940, a ilha de Marajó teve a
maior concentração de gado da Amazônia.
A partir dos anos 1920, para encorajar a ocupação e garantir uma atividade
econômica estável, foram feitas várias concessões de terras, principalmente
a empresários ou imigrantes estrangeiros.
O cultivo da juta foi desenvolvido pelos imigrantes japoneses que chegaram
à Amazônia no dia 2 de janeiro de 1930, e se instalaram num lugar denominado Vila Batista, localizada no município de Parintins.
A partir de 20 de junho de 1931, começaram a chegar os primeiros koutakuseis, nome dado aos estudantes formados na Escola Nipônica e Científica de
Plantação no Japão, responsáveis por estudar o cultivo da juta, realizando
pesquisa no solo e incrementando a plantação da fibra. A juta, originária da
Índia, era uma fibra indispensável ao comércio internacional, usada nos sacos de café e em outras mercadorias, por absorver umidade e preservar seus
conteúdos. Mas poucos países a produziam em larga escala.

Juta
A juta (ou cânhamo de calcutá) é
uma fibra longa, 100% natural,
macia e brilhante que pode ser
trabalhada em fios grosseiros e
fortes. É uma das fibras naturais
mais resistentes que existem,
perdendo apenas para o algodão
em produção e variedade de
uso. Indiretamente, a cultura da
juta é a principal fonte de renda
para cerca de 15 mil famílias
ribeirinhas no interior dos estados
do Pará e do Amazonas.

Em 1936, a produção já chegava a algumas toneladas, despertando alguns
interesses políticos, e os colonos japoneses passaram a ser vistos como ameaça, o famoso perigo amarelo, e deveriam ser banidos do Amazonas. Apesar
de alguns defensores, no ano de 1937 surgiu uma lei estadual que proibia,
definitivamente, a concessão de terras no Amazonas.
Mais tarde, com a Segunda Guerra Mundial, o Japão tornou-se inimigo do
Brasil, os japoneses foram presos e levados para a colônia de Tomé-Açu, no
estado do Pará, e seus bens foram confiscados. O grupo J. G. Araújo não
descuidou do trabalho deixado pelos japoneses, retomando o cultivo e a
produção de vários produtos regionais.

5.3.3 A borracha
O desenvolvimento tecnológico e a Revolução Industrial na Europa transformaram a borracha, um produto exclusivo da Amazônia, em produto de

Aula 5 - Manaus: origem e ciclos econômicos

49

e-Tec Brasil

grande demanda e preço elevado. Desde o início da segunda metade do século
XIX a borracha passou a exercer forte atração sobre empreendedores visionários.
No primeiro ciclo da borracha, os seringais amazônicos passam a atrair dezenas de milhares de imigrantes, sobretudo os nordestinos, para a coleta do látex (Figura 5.1). Atraem também o interesse de grandes companhias estrangeiras e passam por mudanças significativas do ponto de vista demográfico,
cultural e de infraestrutura: a famosa belle époque ou Paris dos Trópicos.
Entre 1890 e 1910, a produção de borracha do Amazonas corresponde a
mais de 40% do total mundial, a produção multiplica-se, a exportação chega a se igualar à do café e a economia cresce rapidamente.

Figura 5.1: Seringueiro
Fonte: http://seringalguapimirim.com.br/seringueiro.JPG

O estado começa a receber levas de migrantes. Em quase 50 anos a população aumenta de 57.610 (Censo de 1872) para 1.439.052 (Censo de 1920),
(BENTES, 2005). Chamada de Paris dos Trópicos, Manaus transforma-se em
uma metrópole de estilo europeu e é a segunda cidade do país a instalar
iluminação elétrica (após Campos dos Goitacazes, RJ).
Esse desenvolvimento não durou muito. Em 1876, sementes da seringueira
foram contrabandeadas para Londres e, após germinarem, foram enviadas
para as colônias britânicas da Ásia: Ceilão (atualmente, Sri Lanka), Bornéu
e Malásia, onde se adaptaram facilmente. Cultivadas em plantações bem
organizadas, proporcionaram grande rendimento.
Em 1910, a borracha amazônica sofreu uma queda de preços causada pelo
cultivo da borracha oriunda da Ásia. Nesse período, a borracha brasileira
entrou em fase de declínio.

e-Tec Brasil

50

História Aplicada ao Turismo

Durante a Segunda Guerra Mundial (1942-1945), os grandes consumidores,
principalmente os Estados Unidos, passaram a valorizar novamente a produção brasileira por causa da invasão dos seringais asiáticos pelos japoneses,
proporcionando um novo estímulo à economia extrativa.
Isso trouxe um novo e volátil alento à economia regional, embora se possa
dizer que a incapacidade empresarial e a falta de visão da elite dirigente
regional tenham resultado na perda de mais esta oportunidade para aplicar
uma política de efetivo desenvolvimento à região.
Com o término da guerra e o restabelecimento do fluxo de borracha asiática,
os preços do produto brasileiro entraram novamente em declínio, caindo
a níveis baixíssimos.

Resumo
Os primeiros processos de colonização na Amazônia só aparecem definitivamente com a criação do forte São José do Rio Negro, em 1669. Em 1848, a
Vila de Manáos foi elevada à categoria de cidade, a qual, em 1856, passou
a ser chamada de Manaus. O desenvolvimento da região amazônica foi marcado por três grandes fases econômicas: a exploração das drogas do sertão,
o incentivo à agricultura e o extrativismo vegetal da borracha. A pesca e o
cultivo da juta também contribuíram para a economia amazônica. O ciclo
econômico da borracha mudou definitivamente a demografia, a infraestrutura e a cultura do Amazonas.

Atividades de aprendizagem
1. Cite as denominações que o município de Manaus recebeu antes de ser
elevada à categoria de cidade e em que ano ocorreram. Poste no AVEA.
2. Com o objetivo de constituir uma base mais estável para a efetivação da
colonização da região, a Coroa Portuguesa estimulava empreendimentos
agrícolas. Destaque os motivos que tornaram esse empreendimento inviável. Poste no AVEA.
3. O que justificava o grande interesse dos portugueses nas drogas do sertão?
Poste no AVEA.
4. Disserte sobre a importância econômica da pesca amazonense.
Poste no AVEA.

Aula 5 - Manaus: origem e ciclos econômicos

51

e-Tec Brasil

5. Disserte de maneira sucinta sobre o ciclo econômico da borracha.
Poste no AVEA.
6. Faça uma pesquisa sobre a origem de sua cidade, verifique se também teve sua origem a partir das missões religiosas no período colonial. Poste suas descobertas no fórum. Não esqueça de comentar as
pesquisas dos amigos.

e-Tec Brasil

52

História Aplicada ao Turismo

Aula 6 ­ Fase desenvolvimentista
Objetivos
Identificar os principais órgãos federais e suas características, criados para promover o desenvolvimento da Amazônia.
Compreender a importância da criação Zona Franca para a promoção de integração do estado.
Perceber a importância da SUFRAMA para o desenvolvimento da
Zona Franca de Manaus (ZFM).
Reconhecer a importância da ZFM para o desenvolvimento econômico da região.

6.1 Projetos desenvolvimentistas
A economia da Amazônia tem sido alvo de interesses externos desde a época
da colonização. Primeiro tivemos a fase extrativista, com as chamadas "drogas do sertão", depois, durante a Revolução Industrial, nasce a atividade do
látex provocando um grande período de prosperidade, a chamada "belle
époque" que até hoje impressiona turistas de todas as partes do mundo.
Esse ciclo "áureo da borracha" entra em declínio em função da competitividade da borracha asiática que inundou o mercado internacional e a economia amazônica ficou estagnada.
Somente a partir de 1950 é que começam a aparecer os primeiros projetos
desenvolvimentistas.
Em 1953 é criada a Superintendência do Plano de Valorização da Amazônia
(SPVEA), que representou o primeiro ensaio de planejamento regional. Entre
os resultados da SPVEA podemos destacar a criação do Instituto Nacional
de Pesquisas da Amazônia (INPA) e a construção da rodovia Belém-Brasília.
A construção da rodovia Belém-Brasília, no fim dos anos 1950, é o primeiro
passo para romper o isolamento e a estagnação econômica do estado.

Aula 6 ­ Fase desenvolvimentista

53

e-Tec Brasil

Em 1966, o Governo Federal, alegando preocupação com os interesses internacionais na Amazônia e visando empreender um projeto de modernização
nacional que justificasse a necessidade de "integrar para não entregar", extinguiu a SPVEA. Em seu lugar criou a Superintendência do Desenvolvimento
da Amazônia (SUDAM), com os objetivos de planejar, inspecionar e dirigir
o processo de desenvolvimento da Amazônia, podendo para isso conceder
incentivos fiscais e disponibilizar financiamentos.
Durante o período de 36 anos da sua atuação, foi responsável por processos de desenvolvimento em diferentes setores da atividade econômica, tais
como agricultura, pecuária, indústria, pesca extrativismo mineral e vegetal.
No início da década de 1970 foram criadas várias instituições como o Banco
da Amazônia S/A (BASA) e Fundo para Investimentos Privados no Desenvolvimento da Amazônia (FINDAM). O objetivo foi viabilizar a estratégia do governo militar, de ocupação e aproveitamento econômico da região, por meio de
práticas de incentivos fiscais e da promoção de projetos de desenvolvimento.
Nesse período ocorreu a mudança da base produtiva, que antes era baseada
no extrativismo tradicional, passando assim para um sistema de produção
agropecuário. Nesse processo foram derrubadas grandes quantidades de seringueiras e outras espécies de árvores. A devastação da floresta foi intensa.
É a partir dessa ocupação dos seringais para a implantação da pecuária que
começaram os conflitos pela posse da terra.
Diante de todo esse cenário de promoção de grandes projetos e do financiamento de capitais privados, externos (inserindo a economia do Estado
no capitalismo internacional) e internos, (por parte do governo que visava
atender um imperativo geopolítico), é que se implanta o modelo econômico
da Zona Franca de Manaus.

6.2 Zona Franca
A Zona Franca de Manaus (ZFM), criada em 1967 pelo Governo Federal, foi
resultado da política de incentivos fiscais e tributários. Dessa forma traçou-se para ela uma finalidade básica: implantar no interior da Amazônia ocidental um centro comercial, industrial e agropecuário dotado de condições
mínimas para promover o desenvolvimento do estado, tendo como órgão
responsável pela sua administração a Superintendência da Zona Franca de
Manaus (SUFRAMA).

e-Tec Brasil

54

História Aplicada ao Turismo

Nem sempre a ZFM teve as mesmas configurações econômicas e legais que
possui hoje. Criada pela Lei nº 3173, de 06/06/1957, operava como Porto
Livre, ou seja, somente como área livre de comércio de importação.
A partir de 1967, por meio do Decreto-Lei nº 288, de 28/01/1967, a Suframa
cria uma série de incentivos fiscais especiais para a instalação de indústrias
dos mais variados setores em Manaus; isenção do Imposto sobre Circulação
de Mercadorias e Serviços (ICMS), do Imposto de Produtos Industrializados
(IPI), do Imposto sobre Exportação e Importação (IEI), dos impostos municipais e subsídios à energia elétrica.
A instalação da Zona Franca cria um vigoroso polo de empregos, atrai as
populações rurais dos vales do Madeira, Purus e Solimões e provoca intensa
concentração e expansão urbana. A população de Manaus sobe de 300 mil
habitantes em 1970 para 800 mil em 1985.
O surto comercial e o desenvolvimento da hotelaria e do turismo levam à
criação de cerca de 100 mil empregos e impulsionam a economia. Entre
1965 e 1975, a renda anual do estado cresce 147%.
Nessa fase do glamour da Zona Franca, cresce substancialmente o turismo
de compras, pelo qual Manaus recebia os famosos sacoleiros, que vinham
em busca de produtos para revenda, de praticamente todo o Brasil.
Mas, em meados dos anos 1980, a Zona Franca começa a apresentar certo declínio pelo corte de incentivos, pela queda de produção e pela baixa demanda
de mão de obra. O turismo, que até então era predominantemente doméstico,
voltou-se para a natureza da região, atraindo mais os visitantes estrangeiros.
Vale lembrar que a SUFRAMA não promoveu apenas o desenvolvimento do
setor industrial, mas também o de outras atividades como a construção civil,
o setor hoteleiro, o comércio, o turismo e a educação, com a instalação de
escolas técnicas e agrícolas para atender a hábitos alimentares dos recém-chegados do setor terciário.
A SUFRAMA apóia as atividades relacionadas ao setor turístico em sua área
de atuação, Amazônia Ocidental e Macapá/Santana (AP), em parceria com
as entidades gestoras desse segmento. Dentre suas principais ações, destacamos o acompanhamento da elaboração e ajustes do Plano Nacional de Turismo, junto ao Ministério do Turismo (MTUR); a análise e apoio em projetos

Aula 6 ­ Fase desenvolvimentista

55

e-Tec Brasil

de infraestrutura turística da sua área de jurisdição; articulação com órgãos
oficiais e entidades de turismo; apoio e elaboração de estudos e pesquisas
para a região.
Atualmente o Polo Industrial de Manaus (PIM) abriga mais de 500 indústrias. Predomina a de produtos eletrônicos, responsável por 55% do faturamento industrial. São empresas de bens de consumo (áudio, vídeo e fornos
de micro-ondas), seguidas pelas indústrias de informática (telefone celular,
computadores e seus periféricos), de equipamentos profissionais (fotocopiadoras, aparelhos telefônicos e de fac-simile e outros aparelhos de telecomunicações) e componentes eletrônicos.
Igualmente modernos e competitivos, os segmentos de duas rodas, relojoeiro, ótico, o que significa que o PIM tem contribuído para o aperfeiçoamento
tecnológico do país.
Com a abertura brasileira às importações, no início da década de 1990, a
ZFM tem passado por diversas crises econômicas provocando o fechamento
de várias fábricas e aumentando o desemprego. Logo, o aumento da exportação dos produtos fabricados em Manaus é fundamental para a economia
do Amazonas, para a balança comercial brasileira e para evitar o aumento
do desemprego no estado.

PIB do Estado do Amazonas é o
4º da economia brasileira. Para
saber mais sobre este tema,
assista à reportagem de Yano
Sérgio produzida pelo Canal
Livre. Acesse:
http://mais.uol.com.br/
view/1575mnadmj5c/pibdo-estado-do amazonas-eo-4-da-economia-brasileira04023864D0891326?types=A&
Faça o exercício 4 proposto nas
Atividades de aprendizagem
desta aula e poste no fórum

De acordo com os dados da SUFRAMA, em 2009, apesar da diminuição
do ritmo de crescimento em relação ao ano anterior, com uma queda de
26,97%, o mês de setembro trouxe resultados amplamente favoráveis ao
PIM em diversas áreas. Além de registrar aumento no faturamento global
pelo quinto mês consecutivo, o PIM apresentou melhora sensível no volume
de exportações e na mão de obra empregada, confirmando a sua recuperação e a estabilização do desempenho após os efeitos da crise econômica
internacional.
Atualmente, o Polo tem expectativa de crescimento por causa do Plano de
Aceleração do Crescimento (PAC), anunciado no começo de 2007. Nele, o
governo pretende desenvolver o plano da televisão digital no Polo Industrial
de Manaus.
Os incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus foram estendidos até o ano
de 2013, pelo artigo 40 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias
da Constituição Brasileira, outorgada em 5 de outubro de 1988.

e-Tec Brasil

56

História Aplicada ao Turismo

Resumo
Com o objetivo de promover a melhor integração produtiva e social da Região Norte ao país, garantindo a soberania nacional sobre suas fronteiras, o
governo federal criou a SPVEA, a SUDAM e a SUFRAMA.
A Zona Franca de Manaus (ZFM), administrada pela SUFRAMA, tinha como
finalidade básica implantar no interior da Amazônia ocidental um centro
comercial, industrial e agropecuário dotado de condições mínimas para
promover o desenvolvimento do estado. Hoje, o Polo Industrial de Manaus
abriga mais de 500 indústrias, o que significa que tem contribuído para o
desenvolvimento não só do estado mais também do país.

Atividades de aprendizagem
1. Quais eram os objetivos do Governo para promover projetos desenvolvimentistas na Amazônia? Poste no AVEA.
2. Cite as principais contribuições da Superintendência do Plano de Valorização da Amazônia (SPVEA). Poste no AVEA.
3. Explique qual o objetivo da SUFRAMA e sua importância para o desenvolvimento da ZFM. Poste no AVEA.
4. Assista à reportagem realizada por Yano Sérgio (Canal Livre) e comente
a importância do Polo Industrial de Manaus para a economia da cidade
e do estado e a sua influência para o desenvolvimento do turismo. Poste
no AVEA.
Acesse a reportagem em:
http://mais.uol.com.br/view/1575mnadmj5c/pib-do-estado-doamazonas-e-o-4-da-economia-brasileira-04023864D0891326?types=A&

Aula 6 ­ Fase desenvolvimentista

57

e-Tec Brasil

Aula 7 ­ Patrimônio histórico
edificado e sociedade
Objetivos
Refletir sobre as mudanças ocorridas na sociedade amazonense
durante o período áureo da borracha".
Identificar o patrimônio cultural edificado no entorno de sua cidade.
Reconhecer a importância da preservação e conservação do patrimônio histórico, tanto para o desenvolvimento turístico quanto
para a valorização da identidade cultural de um povo.

7.1 Aspectos históricos sociais
No primeiro ciclo da borracha os seringais amazônicos passaram a atrair dezenas de milhares de imigrantes, sobretudo os nordestinos, para a coleta do
látex (Hevea brasiliensis). Atraíram também o interesse de grandes companhias estrangeiras, e passaram por mudanças significativas do ponto de vista
demográfico, cultural e de infraestrutura da famosa belle époque.
Assim, com o apogeu da borracha, Manaus sofreu o seu primeiro grande
surto de urbanização. A elite amazonense se esforçava para se aproximar
dos moldes parisienses, modelo de civilização da época. Era necessário que
a cidade se apresentasse moderna, limpa e atraente para aqueles que a visitavam a negócio ou que nela pretendessem estabelecer-se definitivamente.
Nesse esforço de aproximação com o que se julgava ser o exemplo de civilização, o período republicano em Manaus iniciou-se com o brilho da luz
elétrica, a rapidez das linhas de telégrafos, a magia dos bondes e a beleza da
pavimentação das ruas (com paralelepípedos vindos da Europa).
Para facilitar o tráfego de um bairro a outro, iniciou-se a construção da ponte de ferro dos Remédios, sobre o igarapé do mesmo nome, sendo essa obra
a primeira na cidade a utilizar ferro em sua estrutura, e até hoje é utilizada
tanto para tráfego quanto como atrativo turístico.

Aula 7 - Patrimônio histórico edificado e sociedade

59

e-Tec Brasil

Na chamada belle époque, foram construídos vários prédios públicos em
Manaus, os quais testemunham ainda hoje a importância da borracha na
economia regional.
Contudo, Manaus não era só esplendor; as mudanças que ocorreram no
espaço urbano, pensadas para atrair e impressionar investidores, também
atraíram todo tipo de pessoas. Imigrantes chegavam de todos os lados querendo fazer fortuna e trazendo novos problemas para o cotidiano da cidade.
Em 1920, o aumento demográfico já era visível, a população cresceu de 10
mil para 75 mil habitantes. A falta de policiamento facilitava casos como
roubo, vadiagem, prostituição, jogo, mendicância e doenças de toda ordem,
contrariando a idealização da cidade ordenada e sem problemas, como a
elite manauense queria crer.
Embora privadas das benesses da modernização, as classes subalternas e
as etnias regionais insistiam em seu direito à cidade, morando em cortiços
construídos ao lado de belos prédios.
Mesmo com seus problemas sociais, a modernidade se destacava. Em 1910,
a capital da borracha era comparada às cidades européias, com porto, serviço
telefônico, edifícios de bela arquitetura, bancos ingleses, moda francesa, serviço
de coleta de lixo, eletricidade, praças arborizadas, bondes, teatros. Havia na cidade uma enorme variedade de divertimentos, tais como cinemas, restaurantes,
clubes de dança, clube de jogos e cafés (onde serviam o famoso chá das cinco).
Os recursos da borracha também geraram avanços na área da Educação. Por
ocasião da implantação da Província, existiam apenas oito escolas, mas em
1889 já havia 124. O antigo Liceu Provincial posteriormente tornou-se o Ginásio Amazonense Pedro II, que ainda hoje se encontra em funcionamento.
A cultura amazônica recebe importante influência dos povos indígenas. O
calendário de eventos das cidades da região explora elementos como a música, as artes plásticas, o artesanato e folclores regionais.
A Amazônia tem um folclore rico em lendas, mitos, músicas populares, poesia, danças, que encantam e fazem parte do imaginário dos turistas e habitantes de toda a região.
O Boi-Bumbá de Parintins já conquistou o prestígio internacional e todos os
anos atrai milhares de visitantes.

e-Tec Brasil

60

História Aplicada ao Turismo

No interior diversos municípios também realizam suas festas próprias como
Manacapuru, com Festival de Cirandas, ou o Festival da Canção em Itacoatiara, com artistas locais.
Para os admiradores de óperas e shows eruditos, todos os anos o Teatro
Amazonas realiza o Festival Amazonas de Ópera, que é referência no gênero
na América Latina.
Há ainda diversos museus e centros culturais com exposições permanentes
que contam a rica história da região.
Os bondes permaneceram atuantes por mais de 60 anos. Deixaram de trafegar em 1957. Hoje, o bonde faz parte do acervo revitalizado e encontra-se
exposto no Largo São Sebastião.
Esta história social da cidade pode ser contada através das informações registradas nos patrimônios arquitetônicos presentes e conservados até os dias
de hoje. Eles servem de fontes de informações preciosas para analisar sua
fundação, a formação das primeiras vilas, a sua organização econômica e
social, a estrutura política e o desenvolvimento da urbanização.

7.2 Patrimônio cultural edificado
No Brasil a valorização do patrimônio cultural se deu a partir da década de
1930 com a criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional
(SPHAN), pela Lei Federal 378, de 13 de janeiro de 1937, cuja organização
foi regulamentada pelo Decreto-Lei n. 25, de 30 de janeiro de 1937 (BRASIL,
1937). Apesar da grande evolução da noção do patrimônio e de como tratá-lo, até a década de 1960 a política de proteção continuava direcionada apenas a grandes edifícios históricos que representavam a elite da sociedade.
Nosso país ainda via nossa herança cultural a partir da visão pós-colonização.
A preservação e o destaque eram dados somente para as habitações da elite,
enquanto os vestígios dos subalternos eram dignos de desdém e desprezo.
O trabalho escravo nunca foi visto como forma de criação de valores culturais, muito menos a cultura de nossos índios.
Negros e brancos pobres eram vistos nos livros escolares como trabalhadores,
mas não construtores de cultura. Assim a educação formal também contribuiu
para a ampliação de uma cultura de não valorização no nosso real passado.

Aula 7 - Patrimônio histórico edificado e sociedade

61

e-Tec Brasil

Desse modo é compreensível a distância entre o patrimônio cultural e a maioria da população brasileira, uma vez que esta não reconhece nele nada seu.
Foi só a partir da década de 1980 que, com movimentos sociais, o patrimônio cultural começou a ser mais valorizado e principalmente entendido pela população.
Aos poucos nosso país criou uma consciência da importância da valorização
de nossa cultura (monumentos históricos, festas típicas e belezas). O patrimônio passou a constituir uma coleção simbólica unificadora, que procurava
dar base cultural idêntica a todos, embora os grupos sociais e étnicos presentes em um mesmo território fossem diversos.
Patrimônio significa algo que pertence a alguém. Etimologicamente, significa "herança paterna" na verdade, a riqueza comum que nós herdamos
como cidadãos, e que se vai transmitindo de geração a geração.
O conceito de patrimônio cultural é vasto, não se restringe apenas a imóveis
oficiais isolados, igrejas ou palácios, mas na sua concepção contemporânea
se estende a imóveis particulares, trechos urbanos e até ambientes naturais
de importância paisagística, passando por imagens, mobiliário, utensílios e
outros bens móveis, ou seja, compreendem as particularidades ou especificidades de um local, região ou sociedade.
A principal característica de um patrimônio cultural é que a sua conservação
seja de interesse público, seja por sua vinculação a fatos memoráveis da
história do lugar e de seu povo, seja por seu excepcional valor arqueológico,
etnográfico, bibliográfico ou artístico.
De acordo com Klamt (2008), uma forma de conceituar o patrimônio cultural é dividi-lo em categorias:
a) os elementos pertencentes à natureza e ao meio ambiente, os recursos
naturais são os sítios e paisagens da natureza considerados excepcionais
por suas qualidades intrínsecas e por seu valor ambiental e que tornam o
sítio habitável. Ex.: rios, peixes, cachoeiras, árvores, cavernas, etc.;
b) o intelectual, ligado às técnicas, o saber e o saber-fazer, compreendendo
toda a capacidade de sobrevivência do homem em seu meio ambiente;
c) os bens culturais propriamente, os bens de ordem emocional, englobando toda a sorte de coisas, objetos, artefatos e construções obtidas a partir do próprio meio ambiente e do saber-fazer humano.

e-Tec Brasil

62

História Aplicada ao Turismo

De acordo com a Constituição Federativa do Brasil de 1988, art. 216 (BRASIL, 1988):
"Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores
de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos
formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem:
I ­ as formas de expressão;
II ­ os modos de criar, fazer e viver;
III ­ as criações científicas, artísticas e tecnológicas;
IV ­ as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços
destinados às manifestações artístico-culturais;
V ­ os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico."

O órgão que identifica, reconhece, promove e protege o patrimônio em nível federal é o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), ligado ao
Ministério da Cultura. Em nível estadual temos o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Estadual (IPHAE). Em muitos estados e municípios, as secretarias é
que são encarregadas de proteger o patrimônio em nível regional.
Entretanto, não podemos esquecer que, antes de ser um papel do governo,
são as pessoas que devem proteger os bens culturais, materiais e emocionais
de sua localidade.
O IPHAN divide o Patrimônio Cultural em dois grupos: imaterial e material.
Patrimônio Cultural Imaterial ou Inatingível trata-se da nossa herança
que não pode ser tocada, mas que se sente no coração, que se imagina, que
se encontra no imaginário das pessoas.
É entendido como aquele em que as práticas, representações, expressões,
conhecimentos e técnicas, instrumentos, objetos, artefatos e lugares são
reconhecidos e constantemente recriados pelas comunidades e grupos em
função de seu ambiente, de sua interação com a natureza e de sua história,
gerando um sentimento de identidade e continuidade, contribuindo assim
para promover o respeito à diversidade cultural e à criatividade humana.

Aula 7 - Patrimônio histórico edificado e sociedade

63

e-Tec Brasil

Na lista de bens imateriais brasileiros estão a festa do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, a Feira de Caruaru, o Frevo, a capoeira, o modo artesanal de
fazer Queijo de Minas, as matrizes do Samba no Rio de Janeiro, a festa do
Boi Bumbá no Amazonas.
O Governo Federal por meio do Decreto lei 3.551/2000 criou o Programa
Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI) e instituiu como formas de reconhecimento, valorização e proteção do patrimônio Imaterial o registro em livros
temáticos e o inventário, são eles: Livro dos Saberes; Livro das Celebrações;
Livro das Formas de Expressão e Livro dos Lugares.
O Patrimônio Material ou Tangível é o conjunto de bens que contam a
história de uma geração através de sua arquitetura, vestes, acessórios, mobílias, utensílios, armas, ferramentas, meios de transportes, obras de arte,
documentos.

Livros do Tombo
A expressão Livro de Tombo,
provém do Direito Português,
onde a palavra tombar
tem o sentido de registrar,
inventariar inscrever bens nos
arquivos do Reino. Atualmente
o tombamento é um ato
administrativo realizado pelo
Poder Público com o objetivo
de preservar, por intermédio
da aplicação de legislação
específica, bens de valor
histórico, cultural, arquitetônico,
ambiental e também de valor
afetivo para a população,
impedindo que venham a ser
destruídos ou descaracterizados

É protegido pelo IPHAN, com base em legislações específicas. É formado por
um conjunto de bens culturais classificados e registrado segundo sua natureza nos quatro Livros do Tombo: Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico;
Artes Aplicadas; Belas Artes; e Histórico.
Considerados importantes por razões históricas, arqueológicas, artísticas,
arquitetônicas, tecnológicas, afetivas e formadoras da memória de uma comunidade, o patrimônio material está dividido em bens móveis: coleções
arqueológicas, acervos museológicos, documentais, bibliográficos, arquivísticos, videográficos, fotográficos e cinematográficos; e bens imóveis:
núcleos urbanos (onde estão incluídos os patrimônios históricos edificados
ou arquitetônicos), sítios arqueológicos e paisagísticos, bens individuais que
atestam a história de uma dada sociedade.
Entre os bens materiais brasileiros estão os conjuntos arquitetônicos de cidades
históricas como Ouro Preto (MG), Paraty (RJ), Olinda (BA) e São Luís (MA), o
Teatro Amazonas (AM) ou paisagísticos, como Lençóis (BA), Serra do Curral (Belo
Horizonte, (MG), Grutas do Lago Azul e de Nossa Senhora Aparecida (Bonito,
MS), o Corcovado (Rio de Janeiro, RJ), o Encontro das Águas (Manaus, AM).
Patrimônio Histórico Edificado são construções representativas, que por seus
estilos, época de construção, técnicas construtivas utilizadas, entre outros,
são reconhecidas como patrimônio arquitetônico( vide figuras 7.1 e demais
presentes neste caderno e as demais que postarmos no AVEA) No Brasil o
reconhecimento formal, via tombamento, ocorre em três níveis: municipal,
estadual e federal.

e-Tec Brasil

64

História Aplicada ao Turismo

O patrimônio arquitetônico ou edificado é uma fonte e um suporte de informações ricas em conteúdo, assim como o livro, o jornal, a fotografia e outros.
Além de servir ao conhecimento do passado, o patrimônio histórico-cultural
é um testemunho de experiências vividas que permitem ao homem compartilhar e ampliar sentimentos de pertencer a um mesmo espaço, a uma
mesma cultura e desenvolver a noção de algo em comum, compondo a
identidade coletiva.
Nossa memória social será mais significativa quando o que foi vivido por
nossos antecessores começar a representar um fator importante para nossa
consciência coletiva. Portanto, preservar o patrimônio cultural é garantir que
a sociedade tenha maiores oportunidades de perceber a si própria.
A preservação e a conservação são necessárias para um resgate da história e
memória do conjunto em que esses patrimônios arquitetônicos estão inseridos.
Nesse espaço também há lugar para o novo e as fontes de informação sobre
esse patrimônio servirão de resgate da memória para as gerações seguintes.
Entende-se por preservação todas as ações que beneficiam a manutenção
do bem cultural. Por exemplo: criar leis para garantir a integridade do patrimônio, criar mecanismos para viabilizar a realização de projetos de restauração, estabelecer parâmetros para sua segurança e o cuidado com o meio
ambiente que circunda o local. Enfim, todas as ações que colaboram para
garantir a integridade do bem que se deseja preservar.
A conservação não se limita somente em ações direcionadas na matéria do
objeto. Ela visa interromper os processos de deterioração, conferindo estabilidade à obra. Para tanto promovem ações para controlar os agentes que
podem provocar a deterioração do bem cultural, como os biológicos (cupins,
fungos, etc.), atmosféricos (temperatura e umidade), luz (natural, artificial),
poluentes e o ser humano (manuseio, acondicionamento e transporte inadequados, vandalismos e roubo).
A preservação do patrimônio cultural edificado é considerada uma base para
a evolução cultural do povo que o desenvolveu e representa um "passo"
para o desenvolvimento da arte e da arquitetura na história da humanidade.
Assim, recuperar e resgatar a memória arquitetônica de uma cidade é uma
tarefa que deve ser buscada junto à comunidade, a fim de que se possa auxiliar na formação de uma identidade local.

Aula 7 - Patrimônio histórico edificado e sociedade

65

e-Tec Brasil

Vale ressaltar que o Patrimônio cultural além de sua importância na construção da identidade de uma comunidade também apresenta interações significativas com outros importantes segmentos da economia como a construção
civil e o turismo, ampliando exponencialmente o potencial de investimentos.

7.3 Monumentos edificados de Manaus
A história do Brasil é recente se comparada a de países como a França, Inglaterra, Espanha, entre outros lugares, cujo patrimônio histórico arquitetônico
inclui castelos medievais, igrejas góticas, monumentos milenares, etc.
O que restou da história material no Brasil, do ponto de vista da arquitetura,
data, no máximo, do século XVI, como alguns fortes edificados pelos portugueses junto à costa e no interior da calha do Rio Negro visando à ocupação
e proteção do território de ataques estrangeiros.
O fenômeno de urbanização no Brasil é, ainda, mais recente (Século XIX),
já que nesse período a população brasileira era predominantemente rural.
O que temos, portanto, é o patrimônio histórico arquitetônico urbano, ou
seja, o que restou de uma história de muita destruição, Em geral são objetos
territorialmente isolados ou, no máximo, alguns conjuntos remanescentes,
inseridos em um mesmo contexto espacial, como é o caso das chamadas
cidades históricas de Minas Gerais (Ouro Preto, Mariana, Tiradentes, Congonhas, São João del Rei), ou Pelourinho (Salvador-BA), o bairro da Praia
Grande (São Luís-MA).
Processo semelhante acontece, também, com o patrimônio arquitetônico
amazonense. O ciclo da borracha deixou como herança um maravilhoso
conjunto arquitetônico, com verdadeiras obras de arte que impressionam
turistas do mundo inteiro. Destacamos, entre outras:
a) Teatro Amazonas ­ uma tentativa de réplica da Ópera de Paris. Todos os
materiais usados em sua construção foram importados da Europa, para
não perder o ar de cultura e civilização que aqueles mecenas atribuíam
aos materiais do velho continente. Em que pese o exotismo da ideia e
os altíssimos custos, o Teatro Amazonas resultou numa construção suntuosa e de extremo bom gosto (Figura 7.1). Destaca-se no Salão Nobre
a pintura do teto, assinada por De Angelis, em 1899, denominada "A
Glorificação das Bellas Artes na Amazônia".

e-Tec Brasil

66

História Aplicada ao Turismo

Figura 7.1: Fotografia do Teatro Amazonas
Fonte: Acervo particular da autora

Em pleno desenvolvimento, a cidade de Manaus tinha uma elite exigente
que importava obras de arte e artigos luxuosos e exigia a construção de um
centro cultural e artístico, inclusive onde as senhoras dos barões da borracha poderiam ostentar seus vestidos e jóias caras. O teatro veio preencher
essa lacuna;
b) Alfândega ­ por onde entravam os produtos oriundos das mais diversas
partes do mundo, comprados com o dinheiro farto da borracha. Ainda
hoje tem sua sede em um imponente prédio em estilo mourisco, à época
tão representativa do requinte e da riqueza quanto as construções em
estilo francês (Figura 7.2);

Figura 7.2: Fotografia da Alfândega
Fonte: Acervo particular da autora

Aula 7 - Patrimônio histórico edificado e sociedade

67

e-Tec Brasil

c) Palácio da Justiça ­ inaugurado em 1900, o prédio foi erguido sobre uma
área elevada e protegido por um espesso muro com balaustradas (Figura 7.3).

Figura 7.3: Fotografia do Palácio da Justiça
Fonte: Acervo particular da autora

Este prédio fez parte do plano de monumentalização da cidade traçado pelo
governador Eduardo Ribeiro em 1893. Projetado para ser a sede do Palácio
da Justiça, esse monumento cumpre até hoje essa função. Seu interior apresenta uma profusão de ornamentos que misturam elementos de variados estilos. O aspecto barroco do seu ambiente interno contrasta acentuadamente
com sua fachada sóbria e austera;
d) Porto de Manaus ­ seu conjunto arquitetônico, tombado pelo Patrimônio
Histórico Nacional em 1987, é composto por várias construções: Prédio da
Ilha de São Vicente, Escritório Central, Museu do Porto, o antigo Prédio do
Tesouro Público e o trapiche, que tem seus cais flutuantes (Figura 7.4). As
construções datam de 1890 a 1910, feitas pela firma inglesa Manaos Harbour Limited, que administrou os serviços portuários até os anos 1960;

Figura 7.4: Fotografia do Porto Internacional de Manaus
Fonte: Acervo particular da autora

e-Tec Brasil

68

História Aplicada ao Turismo

e) Igreja da Matriz­ primeira igreja erguida logo após a fundação de Manaus foi a obra dos missionários carmelitas que em 1695 construíram a
Matriz de Nossa Senhora da Conceição (Figura 7.5). Esta obra rústica foi
reconstruída pelo então presidente da Província, Manoel da Gama Lobo
D'Almada, que ampliou suas instalações. Porém, em 1850, foi complemente destruída por um incêndio.

Figura 7.5: Fotografia da Igreja Matriz ­ Nossa Senhora da Conceição
Fonte: Acervo particular da autora

O prédio atual da nova Igreja da Matriz foi inaugurado em 1878 e a sua
construção levou vinte anos entre o lançamento da pedra fundamental e
a sua inauguração. Até hoje a igreja mantém uma posição de destaque na
paisagem do centro da cidade. Localizada sobre uma pequena elevação, em
frente ao porto de Manaus, sua construção é bastante simples, com predominância de linhas retas em estilo neoclássico;
f) Palacete Provincial ­ é uma das construções mais antigas de Manaus,
localizada no conjunto arquitetônico das Praças Heliodoro Balbi, Gonçalves Dias e Rooselvelt. O prédio, que ficou conhecido como Quartel da
Polícia Militar por ter sido seu por mais de cem anos, hoje está tombado
sob proteção especial da Comissão Permanente de Defesa do Patrimônio
Histórico e Artístico (Figura 7.6).

Figura 7.6: Fotografia do Palacete Provincial
Fonte: Acervo particular da autora

Aula 7 - Patrimônio histórico edificado e sociedade

69

e-Tec Brasil

A primeira notícia que se tem dessa edificação data de 1867, quando o presidente da Província relatou a compra do prédio em construção para abrigar
várias repartições públicas. Restaurado e reaberto em 2009, atualmente nele
funciona o Museu de Numismática, Pinacoteca do Estado, Museu Tiradentes, Museu da Imagem e do Som, Arena de Artes, Ateliê de Restauro, laboratório de arqueologia;
g) Mercado Municipal ­ construído nos moldes dos mais belos e luxuosos
lugares franceses, o Mercado Municipal de Manaus foi o segundo a ser
montado no Brasil (Figura 7.7). Construído de frente para o Rio Negro,
em estilo art nouveau, foi oficialmente inaugurado em 1882. Possui um
pavilhão central em alvenaria, ladeado por dois pavilhões com estrutura
em ferro fundido e forjado, com pórtico de ferro rendilhado e riquíssimos
vitrais que até hoje filtram os raios solares equatoriais, lançando reflexos
luminosos em diversas cores. Sua arquitetura é comparada à do extinto
Mercado Les Hales, de Paris. O mercado funciona até hoje como um centro
de comercialização de produtos regionais e de outras localidades do País.

Figura 7.7: Fotografia do Mercado Municipal
Fonte: Acervo particular da autora

Resumo
A história social de uma cidade também pode ser contada através das informações registradas nos patrimônios arquitetônicos que tanto causam perplexidade e admiração por suas luxuosas e majestosas edificações. O Brasil
demorou a reconhecer a importância do patrimônio histórico para a construção da identidade cultural, hoje assegurada pela Constituição Federal de
1988. A cidade de Manaus possui um grande e admirável acervo arquitetônico, o que também impulsiona o turismo na região.

e-Tec Brasil

70

História Aplicada ao Turismo

Atividades de aprendizagem
1. Disserte sobre as mudanças ocorridas em Manaus durante o período áureo da borracha. Poste no AVEA.
2. Defina Patrimônio Cultural, tomando como base o Art. 216 da Constituição Federal do Brasil de 1988. Poste no AVEA.
3. Pesquise alguns dos patrimônios edificados de sua cidade e comente sobre a história deles. Poste no AVEA.

Aula 7 - Patrimônio histórico edificado e sociedade

71

e-Tec Brasil

Referências
AQUINO, Rubim Santos Leão de. História das sociedades: das comunidades primitivas
às sociedades medievais. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1980. 458 p.
ARRUDA, José Jobson de A.; PILETTI, Nelson. Toda a história: história geral e história do
Brasil. São Paulo: Ática, 1998.
AVENTURAS na história. Disponível em: Acesso em: 15 ago. 2006.
BENI, Mário Carlos. Análise estrutural do turismo. 6ª ed. São Paulo: Senac, 2001.
BENTES, Dorinethe dos Santos; ROLIM, Amarildo Rodrigues. O Amazonas no Brasil e
no mundo. Manaus: Mens'sana, 2005.
BLOCH, Marc. Introdução à história. Lisboa: Publicações Europa-América, 1965
(Coleção Saber).
BRASIL. Constituição Federal da República Federativa do Brasil de 1988. Artigo
216, 1988.
BRASIL. Decreto-Lei 25, de 30 de janeiro de 1937.Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2010.
NELI, Neto. Breve história do turismo. Disponível em: Acesso em: 24 jun. 2009.
CASTRO, Hebe. História social. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Domínios
da história: ensaio de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.
DESVENDAR.
Disponível
em:
Acesso em: 15 ago. 2006.
DIAS, Edinéia Mascarenhas. A ilusão do fausto: Manaus: 1890 - 1920. Manaus/AM:
Editora Valer, 1999.
ECO 21. Rio de Janeiro: Tricontinental, ano XV, n. 98, jan.2005.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio século XXI:o minidicionário da
língua portuguesa. , 5.ed. rev. ampliada Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001. 395p.
FGV.CPDOC. O Seringueiro. Figura. Disponível em: http://www.cpdoc.fgv.br/nav_jk/fotos/
janela.asp?Img=../fotos/10_Diversas/46_seringueiro.jpg&Lgn1=Desenhos%20de%20Percy%20
Lau.&Lgn2=(Acervo%20IBGE). Acesso em: 5 mai. 2008.

FRANCO JÚNIOR, Hílário. A Idade Média: nascimento do ocidente. São Paulo: Brasiliense,
2ª ed. ver. ampliada, 2001.

FRONER, Yacy Ara. Patrimônio Histórico e modernidade: construção do conceito a
partir da noção de revitalização de sítios, monumentos e centros urbanos. Disponível em:
. Acesso em: 5 maio 2008.
GRAND-TOUR. História do turismo. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2009.
HISTÓRIA da colonização da Amazônia. Disponível em: . Acesso em: 15 ago.
2006.
HISTÓRIA do Turismo: impérios antigos. Disponível em: . Acesso em: 24 jun. 2009.
Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado Disponível em:. Acesso em 03 jul. 2010.
KLAMT, Sérgio. Que é patrimônio? CEPA­Centro de Ensino e Pesquisas Arqueológicas.
Disponível em: . Acesso
em: 5 mai. 2008.
MANAUS 336 anos. Jornal do Commercio, Manaus, 22-24 out. 2005.
MEDEIROS, Gilca Flores Por que preservar, conservar e restaurar? Disponível em:
. Acesso em 03 jul.
2010.
NASCIMENTO, Maria Evany do. Patrimônio e memória da cidade: monumentos do
centro histórico de Manaus. 2003. p.146. Dissertação (Mestre em Sociedade e Cultura na
Amazonia) ­ Universidade Federal do Amazonas. Instituto de Ciências Humanas e Letras,
Manaus/AM, 2003.
OTONI, Mesquita. Manaus: história e arquitetura 1852-1910. 3ª ed. Manaus/AM: Valer,
Prefeitura de Manaus e Uninorte, 2006.
PINHEIRO, Luís Balkar Sá Peixoto. Visões da Cabanagem. Manaus/AM: Valer, 2001.
PIRES, Mário Jorge. Lazer e turismo cultural. Barueri/SP: Manole, 2001a.
PIRES, Mário Jorge. Raízes do turismo no Brasil. Barueri/SP: Manole, 2001b.
PONTES FILHO, Raimundo Pereira. Estudo de história do Amazonas. Manaus: Valer,
2000.
RAMAL, Andréa Cecília. Entre mitos e desafios. In: Cenário Atual da EAD. e-bookSenac. 2007. UE-1. p.77-82.

REIS, Arthur Cezar Ferreira. O seringal e o seringueiro. Manaus: Governo do Estado do
Amazonas/EDUA, 1997.
SANTOS, Francisco Jorge. Além da conquista: guerras e rebeliões indígenas na Amazônia
pombalina. Manaus: EDUA, 1999.
______________________. História do Amazonas. Manaus: Novo Tempo, 2000.
SANTOS, Eloína Monteiro dos Santos. A rebelião de 1942 em Manaus. 3ª ed. Manaus:
Valer, 2001.
PORTAL AMAZÔNIA.COM. Turismo na Amazônia. Disponível em:. Acesso em: 15 ago. 2006.
SUFRAMA. Disponível em:. Acesso em: 15 nov. 2009.

Currículo da professora-autora
Jucilane Pedrosa Machado é licenciada em História pela Universidade Federal
do Amazonas, especialista em Educação a Distância pelo SENAC-MT. É professora da rede municipal de educação de Manaus-AM.

História Aplicada ao Turismo
Jucilane Pedrosa Machado

Curso Técnico em Hospedagem