Imagens, currículo e Livro Didático de História1
Evelyn Louise Almeida de Azevedo2
A importância da imagem no ato de aprender é inquestionável.
Para a produção de cada imagem, uma intenção de seu autor,
para sua utilização, outro sentido. A leitura da imagem
proporciona ao receptor um sentido, um significado próprio de
acordo com suas vivências. (Warley da Costa. 2009).

Buscamos em nossa pesquisa analisar os Livros Didáticos (LD) de
História das séries iniciais e as imagens relativas ao negro como foco central
de nossa análise. Um dos resultados destas disputas foi à implementação da
lei 10.639/03 que institui a obrigatoriedade do ensino da Historia da Cultura
Africana e Afro-Brasileira.
Analisamos quatro livros didáticos de história das séries iniciais do Ensino
Fundamental, focando as imagens de negros apresentadas em seu conteúdo.
Escravidão em três décadas: entre raça e etnia

Neste trabalho consideramos duas formas de classificar currículo, o
currículo prescrito e o currículo vivido, sendo o último marcado pelas
influências do cotidiano. Como apresentamos anteriormente o currículo em sua
perspectiva vivida é refeito a cada leitura e a cada experiência cotidiana. O
currículo inserido no livro didático já perpassou por análises e reformulações
cabíveis3, pela compreensão dos alunos e professores e com estes compõe
um diálogo circular formando o currículo vivido, um conhecimento em ação.
O professor assume e estabelece uma relação com o material que lhe é
fornecido para trabalhar os diferentes conteúdos nele encontrados. Nas
variadas perspectivas que assume o currículo observamos disputas políticas
1

Este artigo é o quarto capítulo da Monografia de conclusão do Curso de Pedagogia - Ensino
de historia e livro didático: a imagem do negro nos livros didáticos de historia das series
iniciais.
2
Graduada em Pedagogia UFRRJ/IM
3
O currículo presente no LD é atravessado por uma perspectiva pedagógica, que transforma o
conhecimento presente neste material, sendo submetido e organizado visando a compreensão
de alunos, professores, pais, isto é, a comunidade escolar em uma perspectiva mais ampla.

por um espaço no conhecimento e conteúdo escolarizado. Estas disputas são
realizadas através das relações de poder e diversos interesses sociais que
entram em concorrência.
Essa relação entre a inserção deste conhecimento no ensino de história
nas séries iniciais e o uso das imagens dos LD didáticos atuais, comparados
aos antigos LD, podemos observar uma produção de conhecimento
diferenciado, uma perspectiva modificada e re-significada. Existem várias
formas de apreender conhecimento. A imagem oferece uma leitura que difere
da leitura textual. Ela remete inúmeras interpretações que podem causar
impactos distintos ao indivíduo que a observa.
Para executarmos nossa análise pesquisamos LD de três diferentes
décadas ­ a saber, (1980, 1990 e 2000) ­ tendo como ponto de partida a
reformulação feita nos LD de história após período de ditadura militar no Brasil.
Nossa pesquisa nesta seção se propõe analisar imagens da escravidão
apresentadas nestes quatro LD de história.
Estudos Sociais: Brasil
Ao analisar as imagens do livro "Estudos Sociais: Brasil4" que reserva
quatorze capítulos ao ensino de história, distribuídos em setenta e duas
páginas. Encontramos quatro imagens em dois capítulos, todas em preto e
branco, onde aparecem escravos negros. Nenhuma das imagens é
apresentada como documento e não definem data ou autoria das mesmas. A
primeira imagem (1) apresentada aparece no capítulo onze expressa
basicamente o trabalho agrícola.
O trabalho é a nossa principal categorias de análise das imagens e
subdividimos esta categoria em três subcategorias de análise: 1) trabalho
agrícola; 2) trabalho doméstico; 3) trabalho urbano. Festa, Castigo,
Resistência, Vida social e Tráfico que também compõem nossas categorias
de análises relativas às imagens dos livros didáticos.
Imagem 1:
Trabalho agrícola

4

AZEVEDO. DARÓS. Estudos Sociais: Brasil. São Paulo: FTD, 1989.

Enquanto os escravos cortam árvores e carregam troncos são
observados por dois homens "livres"5 e outros escravos. Uma representação da
relação de subserviência entre o homem branco e o escravo negro marcada
pelo maior número de escravos em relação aos brancos, que não portam
armas. Atento que a imagem revela a derrubada da mata atlântica para a
plantação da cana de açúcar no Nordeste e até este ponto, já na segunda
página deste capítulo, não existe nenhum dado no texto sobre os escravos e a
sua pertinência no plantio da cana-de-açúcar.
Em produções de pesquisa da mesma década ­ na academia ­, 1980,
encontramos dados de grande relevância sobre os negros que trabalhavam em
engenhos e fazendas que não são inclusas nos livros didáticos:
A ampliação do espaço de autonomia escrava no contexto das
grandes fazendas estava fortemente ligada a obtenção de casa
e roça próprias, no interior das mesmas e, portanto, de uma
aproximação

deste modelo

de

exercícios da liberdade

(MATTOS.1993, p.47).

A relação encontrada por Mattos ultrapassa a condição de servidão dos
escravos, incorporando questões sociais e familiares à dinâmica presente na
vida escrava. Ter apenas a informação do trabalho compulsório servil e do
castigo, como única perspectiva sobre os escravos é reduzir a educação de
5

Consideramos homens "livres" nesta imagem, os dois homens que aparecem vestidos
com camisa e usando sapatos. Tradicionalmente no período escravocrata brasileiro o uso do
sapato e uma marca e distinção entre homens livres e escravos (MATTOS. 1998).

crianças e adultos, que estão construindo seus conceitos sobre o negro e a
escravidão através de diferentes espaços de formação, entre elas as imagens
e textos encontrados nos LD trabalhados nas escolas.
Imagem 2:
Trabalho agrícola

A imagem (2) retrata o trabalho escravo supervisionado nas diversas
etapas de um engenho de cana-de-açúcar. O texto segue após a imagem
apontando o caminho feito pela cana de açúcar na produção do açúcar. Ao
observar a imagem encontramos uma tecnologia elaborada atrelada a
produção do açúcar nos engenhos. A indispensável mão de obra do escravo
trabalha conjuntamente com a maquinaria elaborada para moer grande
quantidade de cana de açúcar. Vemos ao fundo a plantação de cana, moenda,
fornos, carregamento e o caldo da cana no tacho, serviços feitos por escravos
negros.

O texto, em sua terceira página, depois de esclarecer todos os

processos feitos pela cana de açúcar refere-se ao escravo, equiparando seu
trabalho ao de um animal. "Os rolos ou cilindros que espremiam a cana eram
movimentadas por bois ou escravos (AZEVEDO e DARÓS. 1989 p.71)."

Essa comparação é uma maneira de perpetuar a idéia de alienação do
trabalho. Como se as etapas do processo fossem tão fáceis que qualquer um,
até um animal, pudesse exercer tal função desqualificando trabalho escravo.
Algumas etapas da produção eram sim feitas por animais, porém a mão de
obra escrava trabalhava com maior eficiência e menor tempo. O trabalho
animal não dispensava e não substituía o trabalho humano e sua capacidade
de organização e execução planejada.
Os engenhos movidos a água eram conhecidos como
engenhos reais, provavelmente em virtude do tamanho e

produtividade; esta, em meados do sec. XVII era calculada em
torno de cinqüenta arrobas (730 quilogramas) diárias, o dobro
da

apresentada

pelos

engenhos

de

tração

animal

(SCHWARTZ. 1998, p.109).

Como um trabalho dividido em seções, a produção de açúcar,
demandava esforços específicos e os grupos se destinavam ao seu "setor". "Na
última etapa do processo, o líquido era passado às tachas, onde era submetido
a calor intenso e "cozido" (SCHWARTZ.1998, p.109). Processo que só poderia
ser executado por força, organização e condução humana. A especificidade do
trabalho exigia especialmente raciocínio para conclusão das etapas em tempo
certo.
Imagem 3:
Trabalho agrícola

A imagem (3) é acompanhada do título do capítulo doze "Sem eles
(escravos) o Brasil parava" é um retrato semelhante ao do capítulo anterior em
que o trabalho com a cana de açúcar "aparentemente" não é supervisionado.
Mostra quatro escravos carregando a cana para moenda no processo da
transformação em caldo. Mesmo se dispondo titular um capítulo destinado aos
escravos, o livro refere-se aos escravos sempre relacionados ao trabalho, é o
que ressalta o título. Ao que expressa o texto, junto às imagens, o escravo era
incluído somente como mão de obra além de atribuir-lhes uma passividade em
relação a essa escravidão, condição confirmada na imagem seguinte do texto.

O texto do LD reforça a relação de opressão e subserviência escrava, o
segundo subtítulo do capítulo reforça esta idéia ­ Como pagamento pelo
trabalho PPP - a expressão usada pelo autor no LD e reafirmada como usual
por Schwartz.
No séc XVII muitos senhores do engenho aparentemente
aceitavam a teoria da administração da escravaria mencionada
por Antonil, segundo a qual os cativos necessitavam de três
PPP, a saber: pau, pão e pano. Observadores estrangeiros,
como Johan Nieuhoff, que visitou o Brasil naquele século,
falavam invariavelmente da brutalidade do regime escravista e
informavam que os escravos brasileiros eram mal alimentados,
mal abrigados e mal vestidos. Os comentários de observadores
cuja nacionalidade ou religião predispunham-se a criticar os
portugueses poderiam ser desconsiderados, não fossem as
afirmações semelhantes feitas por clérigos portugueses, os
quais

também

acusavam

os

senhores

escravistas

de

desumanos. De qualquer forma, tanto os clérigos defensores
de um melhor tratamento quanto os observadores forasteiros
compartilhavam com a disciplina, o castigo e o trabalho eram a
única maneira de sobrepujar-lhes a superstição, a indolência e
aos maus modos (SCHWARTZ. 1988, p.122).

O autor demonstra que o proporcionado pelos senhores como
pagamento expunha os escravos em desqualificação pessoal. Os escravos
eram mal tratados física e psicologicamente, colocando-os em lugares
desproporcionais ao valor de seu trabalho. Se um escravo e seu trabalho não
fossem tão valorosos sua fuga não seria tão temida.
Essa é a abordagem que se empenha em descrever o LD. Exprime a
relação de pagamento dos trabalhos exercidos através da condição básica e
essencial de sobrevivência que se reserva ao alimento, roupa e castigo. O
autor considera que dentre tantos acontecimentos e conhecimentos que se
pode explorar através desta informação o mais relevante se reserva a condição
do castigo que é reforçado a companhia da ilustração.

Imagem 4:
Castigo

A imagem (4), deste mesmo capítulo, representa o castigo de um
escravo frente outros escravos. Enquanto apanha de um homem livre é
observado por outros escravos numa afirmação de conformidade e exemplo de
resignação e subserviência. Era uma relação mantida pelos capatazes para
demonstrar o que acontecia aos que desobedeciam. A nosso ver existe uma
desconexão entre a imagem, e o texto, anterior a ela. Se o escravo aparenta
passividade e não apresenta rejeição ao trabalho, como analisamos o LD
afirmação constante presente anteriormente, como pode em seqüência
aparecer apanhando? Os maus tratos não decorrem apenas do trabalho
incessante e das más condições de vida, mas também das tentativas de fuga e
resistência? Tal luta gerou não somente o castigo, mas também é expressa
pela conquista de "liberdade" adquirida nos quilombos? São questões que não
aparecem no livro, ratificando uma historiografia que pressupunha a
coisificação e a passividade escrava. O conceito de escravo "coisa" designa o
pensamento em relação ao escravo.
Nessa perspectiva, a subjetivação da condição de coisa pelo
escravo fez com que este apenas espelhasse "passivamente os
significados sociais impostos pelos senhores", em outras
palavras, o negro era visto como um indivíduo inabilitado à
ação e pensamento autônomo e mero receptor dos valores e
normas senhoriais (PERUSSATO, 2007,p. 10).

Neste contexto que institui deveres e esclarece a isenção de direitos que
se depara o escravo na sociedade. Parte do texto que acompanha a imagem
sugere a dependência dessa mão de obra pelo país. Ao dizer que o "Brasil
parava" nos remete a uma produção destinada ao consumo interno, condição
insustentável já que não existia mercado consumidor para o tamanho da
produção obtida neste período. Essa produção era destina a metrópole e aos
mercados exteriores.
Outra análise refere-se à negociação e caminho percorrido pelos
africanos até sua "possível" chegada, pois muitos dos escravos morriam a
caminho do Brasil. A mão de obra é o principal tema em que encontram os
negros inseridos no Brasil açucareiro deste LD, outras questões pertinentes a
vida social, religiosa e a resistência não aparece em seus textos.
Imagem 5:
Resistência

A resistência escrava é localizada na página setenta e seis com uma
ilustração de Zumbi, líder do quilombo dos Palmares. A imagem (5) é um
desenho, datado de 1988, que assemelha Zumbi aos super heróis dos anos 80.
Percebemos na figura que Zumbi encontra-se em um telhado com uma faixa
vermelha na cabeça, uma capa de onça e uma lança. A capa, a faixa e a lança
são elementos inadequados a época e ao local, o que faz dessa ilustração uma
menção aos heróis fantasiosos de desenhos e filmes, sugerindo um
anacronismo histórico, desqualificando a importância da resistência e da figura
de Zumbi. Assim trata de maneira pueril o tema que entendemos ser o
trampolim para uma reafirmação do ser negro. A resistência, que foi assumida
de formas distintas, tem no quilombo uma significância para a construção do
ser negro político, situação negada dentro da sociedade escravocrata.

Este LD além de não apresentar nenhum aspecto relevante sobre a
história e a cultura do escravo, que tem seu trabalho assemelhado ao do
animal, também fantasia sua história de resistência e formação de organização
social. São elementos como este, de diminuir a importância de momentos
relevantes da história dos afro-descendente e a reafirmação do trabalho
desvalorizado, que fazem parte do imaginário criado pela educação escolar,
reforçado socialmente. Sendo um dos elementos que faz com que se perpetue
uma negação da identidade negra na sociedade brasileira e de desqualificação
de seu trabalho.

Os caminhos de Estudos Sociais
Imagem 6:
Tráfico

No livro "Os caminhos de Estudos Sociais6", desenvolvido em cento e
setenta e oito páginas distribuídas nas disciplinas Geografia e História, sendo
destas oitenta e oito destinadas à disciplina de história está subdividida em
vinte capítulos. Encontramos no capítulo oito, com seis páginas, a aparição da
imagem do negro atrelada à escravidão e cana de açúcar. Neste capítulo três
imagens expressam a representatividade do negro no Brasil. A imagem (6) é

6

FAVRET, Maria Luiza. Os caminhos de estudos sociais, 4ª série. São Paulo: Atual, 1996.

uma obra de Johann Moritz Rugendas7, pintor alemão, tradicionalmente
encontrada em LD de história. Esta imagem retrata a viagem de homens,
mulheres e crianças oriundos do continente africano, aglomeradas no interior
de um navio negreiro a caminho do Brasil. Neste processo de transporte eram
submetidos a condições subumanas. Nesta imagem três homens brancos
carregam um escravo aparentemente morto e indicando que irão lançá-lo ao
mar, fortalecendo a perspectiva de "coisa descartável". É perceptível que a
imagem demonstra e reafirma a passividade do escravo. Ela também
desconsidera as diferentes nações, igualando os traços físicos e estéticos da
diversidade que o continente africano oferece.
Imagem 7:
Trabalho agrícola

A imagem (7) é uma obra de Jean-Batist Debret8, pintor e desenhista
francês, que retrata o trabalho de quatro escravos na moenda de cana.
Configura um espaço de trabalho limpo e harmonioso dividindo com a
maquinaria que exigia esforço físico para um primeiro processo da produção.

7

RUGENDAS, (Johann Moritz) pintor e desenhista alemão (Augusburg, 1802- Weilheim, 1858).
Contratado como desenhista da expedição cientifica do barão de Langsdoff, chegou ao Brasil
em 1821. Pintou e anotou aspectos de regiões brasileiras, suas paisagens, costumes, tipos,
indígenas. Sua obra editada no Brasil (1940) com o titulo de Viagem Pitoresca através do Brasil
reúne em pranchas da edição original (1835) e mais dez inéditas. Autor de mais de 3.000
trabalhos, pintou ainda aspectos de vários países latinos americanos que visitou.
8
DEBRET, (Jean-Batist), pintor e desenhista Frances (Paris, 1768-ed.,1848), membro da
missão de artistas franceses solicitada por Dom João VI, chegou ao Brasil em 1816 . Foi
nomeado professor de pintura histórica da Academia de Belas Artes (1820). Regressando a
França em 1831, publicou em Paris de 1834 a 1839, Viagem pitoresca ao Brasil, de valor
fundamental para nossa historia do começo do séc. XIX.

Subentende-se que os demais processos necessitam de um contingente maior
de escravos para suprir a colônia. As duas gravuras dividem a mesma página
entre textos, sendo que a imagem (6) que suponho ter menor impacto ocupa
um espaço menor.
O texto não se remete as figuras como fonte documental, pois não
oferece substratos precisos sobre as figuras como data e título, além de ter
uma linguagem textual e imagética superficial sobre as contribuições do negro
na história e cultura brasileira. A leitura das imagens é ignorada, aparecendo
apenas como uma composição estética do LD. Desperdiça as possibilidades
que oferece o documento de uma análise crítica mais profunda e cria uma
perspectiva material para percepção do aluno referente ao período histórico.
O que muda entre as décadas de 1980 e 1990
Os LD analisados entre as décadas de 1980 e 1990 apresentam em
comum os escravos inclusos na temática produção da Cana de Açúcar.
Folcloriza o único ponto em que o livro aborda o negro como protagonista da
historia. A resistência é marcada por um personagem alegórico, o que mistifica
a figura de Zumbi, líder quilombola, de grande importância na formação da
historia e cultura afro descendente.
Os conhecimentos estão embasados na historiografia brasileira que
reafirma tais condições. Escritores que compunham relevante estudo na área
da escravidão são consideráveis contribuintes para a composição e formação
preconceituosa das décadas analisadas. Não existia uma análise de
posicionamento que partisse do olhar do escravo. Sendo assim foram
reafirmadas as obras e informações historiográficas oriundas das perspectivas
elitistas. Após trabalhos que afirmavam o posicionamento marginal do negro
posta por Nina Rodrigues (1932), surge a obra de Gilberto Freyre (1933),
apresentadas em Perussato ( que aparece para amenizar a vertente
historiográfica passada). O autor considerou uma relação mais branda entre o
homem branco e o escravo negro o que camufla a violência dos senhores e
reitera a passividade do escravo. O escravo parece não sair daquela condição,
pois lhe é cômodo ou conveniente, se encontra numa relação negociável que
vai além da passividade. O conceito de raça esmiuçado no primeiro capítulo,
que resume diferentes grupos de um mesmo continente em uma nomenclatura

"negro", titula os trabalhos encontrados nos anos 80 e 90. Retirando deste
indivíduo qualquer outro significado que o insira socialmente. No capítulo do
livro "Os caminhos dos estudos Sociais", que menciona o escravo negro, é
claro o uso das imagens como composição estética de um texto sintético,
resumindo em duas páginas e duas imagens uma história de trezentos anos.
A mescla dos trabalhos encontrados nestas décadas resultou LD que
tornaram compreensíveis estudos brasileiros tidos como obras importantes.
Não desconsiderando a contribuição dos trabalhos que se movimentaram, e se
movimentam, na liberdade da crítica e análise dos mesmos. Neste momento
esses escritos conduzem em si as re-significações que devem ser feitas na
direção de outro olhar sobre o povo negro. Os documentos escritos e ilustrados
contribuíram para a luta do movimento negro que tem base para contestar e
afirmar a necessidade da construção de uma nova historiografia. Uma que
parta da fala, do olhar e da vivência do negro.
Diferem-se apenas na elaboração textual ligadas as imagens e na
atribuição documental inserida nos anos 90. As imagens do livro "Estudos
Sociais: Brasil" assinala uma desconexão dos acontecimentos históricos. Por
mais que o livro "Os caminhos de estudos Sociais" desconsidere uma história
que revele as diferentes visões desta época, exibe uma maior coerência no que
se propõe o desenvolvimento histórico. Este elemento dá ao livro uma
qualificação se referente ao anterior, mesmo fazendo uso de pouco texto e
imagem exibe uma relação entre estes.

A caminho da etnicidade: anos 2000
Os livros dos anos 2000, "História e Geografia9" e "Projeto prosa: história10"
marcam

uma

mudança

nas

imagens

e

conseqüentemente

na

representatividade das mesmas. Estes usam as imagens como documento, a
distinção das diversas nações africanas, marcando suas singularidades
estéticas e culturais. Essas imagens revelam outro olhar sobre a realidade dos
negros da apresentada nos LD das décadas anteriores. Neste livro a

9

VENÂNCIO, Adriana. História e Geografia: 4°série: ensino fundamental. São Paulo: Escala
educacional, 2004.
10
ALVES, Alexandre. Projeto e prosa: história, 4° ano. São Paulo: Saraiva 2008;

participação social do negro é observada não só como trabalhador servil, mas
como participante de outros espaços sociais, incluindo o trabalho ambulante e
as festas por eles realizadas. Trazem marcantes diferenças na composição,
número de imagens e também da disposição e conexão das imagens com
textos. No primeiro livro são encontradas ilustrações (8) de Rugendas onde são
representados africanos de diferentes nações marcando os distintos traços
físicos, explicação encontrada na legenda da foto.
O mesmo tipo de imagem retrato (18) é encontra no livro seguinte,
porém com assinatura de Debret. Distinguem-se quando Rugendas especifica
as origens dos africanos oriundos de diversas nações e Debret, estes datados
de 1834-1839, apenas aponta que são de diferentes nações. As fotos retratam
inclusive uma distinção cultural perceptível no retrato de Moçambicanos que
apresentam queloides no rosto.
Imagem 8:
Vida Social

São imagens de escravos e escravas africanos de diferentes nações, em
que ficam claras as diferenças físicas e culturais. Os moçambicanos
apresentam marcas de cortes (quelóides) na face que se aparecem também
nas mulheres, mina, e em menor quantidade na mulher da nação monjolo.
Essas marcas se diferenciam indicando ser pertencentes a nações distintas.
Sabe-se que as nações não têm relações exatamente correspondentes ao
território hoje demarcado. As imagens nos remetem a uma foto de identificação
destes diferentes grupos. Encontramos uma multiplicidade de belezas nos
adornos presentes em cada mulher, retratados com singularidade pelo artista.

História e Geografia
Imagem 9:
Tráfico
O livro de 2004 de titulo "História e Geografia" reserva cento e trinta e
três páginas, das duzentas e sessenta e quatro, encontradas no livro ao ensino
de história. Nela constam seis imagens de situações distintas do cotidiano
escravo. Na página sessenta e quatro encontramos a mesma imagem do
primeiro livro analisado, imagem (6=9) de um navio negreiro retratada por

Rugendas, agora datado de 1835 e titulado "negros no fundo do porão", que se
conecta ao texto como documento.

Imagem 10:
Tráfico

Na página seguinte existe uma ilustração (10) em tamanho maior titulada
de "Mercado de Negros" datada de 1835. Essa ilustração de Rugendas
representa o espaço em que os escravos eram negociados e vendidos aos
senhores de engenho assim que desembarcavam no Brasil. É uma imagem
que traduz muitos dos elementos culturais destes grupos. Um grupo, com
mulheres e uma criança descansando em esteiras, se aquecem frente uma
fogueira que também serve para aquecer uma panela. Todas as mulheres
aparecem com os seios expostos.
Ao lado direito aparece a negociação de escravos, aparentemente mais
velhos que os demais, por dois homens brancos. A frente destes homens um
homem negro expressa sua liberdade nos calçados, indicando ser um negro
forro. Ao lado uma escrava que, por vestir roupas assinala que diferente social

das outras mulheres, seminuas, já se encontra inserida no país e não está em
negociação.
A esquerda um grupo de escravos mais novos é observado por um
homem branco vestido de vermelho. Um deles faz desenhos nas paredes e
retrata o homem branco em um de seus desenhos, expressando uma cultura
gráfica atrelada a reprodução de imagens. Essa cultura artística, oriunda da
cultura africana e afro-descendente é representada hoje pelos grafites. Arte
que adquiriu grande relevância na reafirmação da cultura, e identidade negra
que é atrelada a cultura popular.
Existe pouca comunicação entre estes homens e segundo sinaliza o
texto do LD. Os compradores adquiriam escravos de diferentes nações para
que não existisse na comunicação o agrupamento entre eles precavendo
possíveis revoltas, segundo a historiografia apresentada no LD.
Imagem 11:
Trabalho agrícola

O trabalho escravo no canavial é retratado na página sessenta e seis, a
imagem (11) titulada "moinho de açúcar" datada de 1667 e assinada por Franz

Post11 marcando a aparição de um artista inédito neste trabalho. Tal imagem
em formato macro, sem foco, mostra a paisagem de um moinho de açúcar em
que não se pode observar com precisão a imagem dos escravos. Nessa
imagem percebesse a circulação dos escravos pelo moinho de açúcar, porém
não podemos identificar quais atividades especificas estão sendo realizadas no
momento.
Neste ponto já percebemos uma conexão entre as imagens que
mostram o caminho percorrido pelo escravo, de diferentes nações, recém
chegado da África até a produção do açúcar. O texto e as imagens caminham
na confecção de uma história mais comprometida com um tipo de realidade da
escravidão, não tendo com isso uma mudança real na produção do
conhecimento da história e cultura africana e afro descendente. Ainda é
perceptível a inexistência de uma relação com a contribuição da construção
dos escravos negros na cultura e história brasileira com elementos das suas
culturas. São omitidos seus cultos e festas que são pertinentes a cultura. A
oralidade que é inserida em uma cultura letrada. Os caminhos e inserções
feitas nos processos que culminaram na cultura brasileira ficam ocultados.
Imagem 12:
Trabalho agrícola

A foto seguinte da página sessenta e oito é a repetição colorida do
"Engenho de açúcar" de Rugendas datada de 1835, apresentada no livro da
11

POST (Franz), pintor holandês (Haarlem, 1612- id.,1680). Chegou ao Brasil (1637), com
Mauricio de Nassau. De seus quadros sobre motivos brasileiros destacam-se Ilha de
Itamaracá(1637), Paisagens das vizinhanças de Pernambuco(1669), além de trinta e dois
desenhos sobre locais brasileiros e africanos, reunidos no álbum Delineações arquetípicas das
regiões do Brasil. Foi o Primeiro grande artista a pintar paisagens brasileiras.

década de oitenta (3=12) o trabalho é observado por homens livres, detalhe
este que não se observa no livro anterior. A imagem que agora recebe título,
data e legenda, e faz parte da composição de exercícios do LD. A repetição da
foto nos remete a significância que ela teve no processo de aquisição de
conhecimento e o reconhecimento que ela adquiriu no meio de produção dos
LD representa uma legitimidade da imagem.
No entanto o contexto que insere a imagem (12) reflete uma composição
distinta da imagem (3). A imagem (12) está inserida em um contexto que evoca
outros elementos da escravidão. Com isso imagens iguais inseridas em um
contexto distinto transmitem outra compreensão sobre o assunto.
Imagem 13:
Trabalho doméstico

A imagem (13) deste livro se chama "O jantar" de Debret e tem data de
1834-1839. Representa um casal branco se alimentando a mesa sendo
abanados por uma mulher negra e observados por dois homens negros, que
executavam o trabalho doméstico. Existem duas crianças negras sentadas ao
chão sendo alimentadas pela senhora branca em cena.

As crianças representavam relação distinta na sociedade do sec. XIX a
representação observada atualmente relativa à infância. Eram tratadas como
animais domésticos e não existia a preocupação que se desenvolveu na
sociedade atual. Del Priore , em seu trabalho "História da criança no Brasil",
relata o tratamento oferecido as crianças, brancas, negras ou mestiças. Esboça
o começo de uma relação de mimo com as crianças que passam a ser
enfeitadas e alimentadas com cuidados.
Os mimos em torno da criança pequena estendiam-se aos
negrinhos escravos ou forros vistos por vários viajantes
estrangeiros nos braços de suas senhoras ou engatinhando em
suas carinhas. Brincava-se com crianças como se brincava com
animaizinhos de estimação (DEL PRIORE. 2000, p. 96).

Os filhos de brancos e negros dividiam os mesmos espaços
aparentando uma suposta semelhança no tratamento dado a negros e brancos,
porém essa condição é reservada a infância que apresenta um significado
menor. São apresentados nessa imagem os escravos que trabalhavam dentro
das casas grandes acompanhados de seus filhos. É certo que havia uma
diferença entre estas escravas, e seus filhos, se comparados aos que viviam
nas senzalas. Porém essa imagem revela uma diferença nas relações sociais
encontradas se comparadas aos LD anteriores.
Imagem 14:
Trabalho agrícola

Mais uma vez de forma inédita neste trabalho é observado o trabalho
escravo em outro processo de produção brasileira, "a mineração". A imagem
retrata muitos escravos e alguns homens livres trabalhando na mineração, na
cidade de Ouro Preto, na imagem de ttulo "Lavage Du Minerai D´Or près de la
montagne Itacolomi" de Rugendas. O trabalho é dividido em etapas assim
como no processo do açúcar, porém o trabalho no minério advém apenas de
encontrar a pedra que, por muitas vezes, serviu como moeda de alforria para
escravos que conseguiam pegar alguma pedra sem passar pela a vistoria de
seus senhores ou capatazes. Mesmo que não aparente nenhuma diferença,
pois mantêm o trabalho escravo explorado, encontramos na nova atribuição
"minerador" um caminho diferenciado, que conduz novo ambiente e possibilita
outras relações e novas formações, isso é uma cultura mais diversificada. Ao
participar de um habitat distinto constroem-se habilidades pertinentes a
geografia e cultura local, dentre outros elementos, que tornam este individuo
escravo diferente do individuo que vive no litoral.
Imagem 15:
Trabalho urbano

A imagem apresenta a chegada de uma "pessoa de condição" abastada
no Brasil, o trabalho da escravaria urbana a transportando objetos que
representam esta distinção. O trabalho urbano de escravos expandia-se a
diferentes funções onde já exibe uma divisão de tarefas, não que um mesmo
escravo deixasse de executar diferentes atividades.
Imagem 16:
Trabalho urbano

Abaixo dessa imagem lê-se "marceneiro dirigindo-se para uma
construção", que afirma a profissionalização do trabalho de escravos. Esse
escravo que tem habilidade profissional cria mais um grupo de escravos. Os
escravos que trabalham na cidade para seus senhores com habilidades
específicas são escravos de aluguel. Prestavam serviços a outros senhores

que pudessem pagar pelo serviço e repassavam o valor aos seus senhores. O
mais significativo nessa imagem é a nova ocupação do escravo negro que é
reconhecido como um especialista. Ser escravo de ganho também possibilitava
a economia e uma perspectiva futura de compra de sua liberdade.
Imagem 17:
Trabalho urbano

O menino da imagem carrega cestos que devem ser vendidos na cidade
e a quantia previamente definida, destinado aos senhores. Eles eras chamados
escravos de ganho. Essa imagem marca a primeira imagem da infância
relacionada ao trabalho nos LD analisados. Uma imagem que possibilita uma

relação nova e distinta das demais em relação à escravidão e infância.
Possibilita uma exploração de leitura da imagem que se insere a alunos de
quarto ano e desperta a esses alunos uma nova condição de infância neste
contexto histórico.
Projeto prosa: história, 5º ano
O livro de "Projeto prosa: história, 4º ano12" é o único que não divide seu
espaço com conteúdo de Geografia. O livro de História contém cento e vinte e
seis páginas divididas em oito unidades com dois capítulos cada. Encontramos
na unidade cinco onze imagens de negros distribuídas em dez páginas.
Nenhum dos capítulos aborda o tema cana de açúcar para servir de referência
ao negro no Brasil.

Imagem 18:
Vida social

12

ALVES. Alexandre. Projeto prosa: história, 5º ano. 1ª ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

A primeira página reserva à imagem de africanos de diferentes nações
encontrada no livro um espaço maior que o texto. Ilustrações (18) de Debret
mostram homens e mulheres com diferentes estéticas e trajes apontando um
cuidado com as vestimentas e caracterizando uma estética e uma perspectiva
de beleza.
Fazendo referência às mulheres percebemos uma beleza nas imagens
que nos remetem a um preparo anterior . Os cabelos, roupas e colares
enfeitam a indumentária. Percebemos que se comparadas às imagens
anteriores encontramos algumas dessas mulheres com cortes (quelóides) nas
faces, o que marca que dentre elas existem escravas de diferentes nações e
comportamento estéticos destintos.
Nos homens encontramos muitas diferenças estéticas dentre elas: os
diversos cortes de cabelo , cortes (queloides), o uso de brincos por alguns
deles. Se insere nessa foto exatamente na terceira imagem, um escravo que
faz uso de um colar com um crucifixo que representa a inserção de cultura
alheia a este grupo, isto é, sua aculturação religiosa, ou sua subversão a
cultura imposta, na possibilidade do sincretismo religioso. A cultura Cristã foi
um dos mecanismos de controle e domesticação dos africanos, que realizavam
cultos distintos dos cristãos, e acabaram por mesclar sua cultura a cultura
européia, produzindo assim uma saída a sua condição escrava. O sincretismo
religioso foi o processo que se incumbiu de inserir elementos das duas culturas
produzindo uma cultura que podemos chamar de cultura brasileira.
As religiões afro-brasileiras foram criadas a partir da junção das culturas,
formando no cenário social uma relação de associação dos santos católicos
aos orixás. Relação estabelecida através de negociações que demonstram a

representatividade dos escravos na sociedade. Atemos-nos a este tema na
tentativa de demonstrar a inserção da cultura negra nos diversos espaços da
sociedade.
Imagem 19:
Trabalho doméstico

A abertura a novos artistas é confirmada pela aquarela do artista
Joaquim Cândido Guilobel13, datada de 1814-1816, apresenta mais uma vez o
trabalho de escravas na Casa de seus senhores. Existem três mulheres negras
trabalhando: uma delas com seu filho nas costas, outra tece fios enquanto
13

Joaquim Cândido Guillobel (Lisboa, Portugal 1787 - Rio de Janeiro RJ 1859). Desenhista,
aquarelista, arquiteto, topógrafo e cartógrafo. Muda-se com seu pai, Francisco Agostinho
Guillobel, para o Rio de Janeiro em 1808. Em 1811 ocupa o posto de primeiro tenente do
Imperial Corpo de Engenheiros e passa a exercer a função de desenhista do recém-fundado
Arquivo Militar. No ano seguinte inicia a produção de uma série de desenhos representando
tipos e cenas urbanas do Rio de Janeiro. Em 1819 é enviado à província do Maranhão, onde
realiza alguns mapas, publicados no ano seguinte com o título de Usos e Costumes dos
Abitantes (sic) da Cidade do Maranhão. Retorna ao Rio de Janeiro e realiza a carta topográfica
da província, em 1825. Matricula-se, em 1827, no curso de arquitetura civil, ministrado por
Grandjean de Montigny (1776 - 1850) na Academia Imperial de Belas Artes - Aiba. Em 1829,
assume novamente o posto de desenhista do Arquivo Militar e projeta novo chafariz para o
largo da Carioca. Três anos depois, desenha a planta topográfica do terreno onde seria
construído o novo edifício da Casa de Correção. Em 1834, trabalha como professor assistente
do curso de desenho da Academia Militar. Promovido a titular dessa cadeira em 1836, ocupa o
posto até 1852. Entre 1845 e 1855, dedica-se às obras de construção do Palácio de Petrópolis,
realiza trabalhos para a Santa Casa de Misericórdia e responsabiliza-se, com José Maria
Jacinto Rebelo e Domingos Monteiro, pela construção do Hospício D. Pedro II (Hospício dos
Alienados). Em 1855 é nomeado professor honorário de ciências acessórias na cadeira de
matemáticas aplicadas da Aiba.

observa o filho dos senhores e a última cuida dos pés do homem branco. A
mesma relação com a infância é estabelecida nessa imagem. A criança é
observada no chão enquanto a escrava leva seu filho junto, numa relação de
cuidado. Esta imagem faz parte de um exercício do LD que questiona quais
são os personagens e a relação existente entre eles.
Considero

de

importante

relevância

a imagem feminina

como

protagonista da imagem. Se comparados aos LD anteriormente analisados, é a
primeira vez que a mulher exerce foco nas imagens alem de lhe atribuir um
trabalho que aparenta importante função na condução da organização da casa
grande. Revela assim não só uma preocupação com uma visão diferenciada no
mundo negro que nas imagens anteriores pertencia ao masculino, mas também
habita a relação de valorizar o lugar do feminino.
Imagem 20:
Tráfico

O capítulo dois começa traçando as condições do caminho percorrido
pelos escravos através do navio negreiro com obra distinta das anteriores, no
mesmo tema, onde desta vez é escolhida a "litografia" de Thomas Kelly datado
de 1828-1829. O recorte de um navio e sua divisão mostram as acomodações
inadequadas em que viajavam os africanos. O uso do termo litografia
especifica e qualifica o trabalho como documento.

Este trabalho se observado sem muita minúcia, nos leva refletir se não
existe uma discreta diferença do retrato que fez Rugendas (6) no livro "Estudos
Sociais: Brasil" que ao se tratar de uma obra de arte não tem o compromisso
com a realidade, pois é dada ao artista a liberdade de criar. Essa obra foi
retratada e posteriormente foi elevada a título de documento diferente da
litografia de Kelly que já se insere como um documento que se propõe retratar
uma possível realidade em cima de estudos anteriores.
Imagem 21:
Vida social

A imagem seguinte de Rugendas, é muito significativa, difere das
demais obras do artista que apareceram até então. Negros, homens, mulheres
e crianças aparecem em convívio social, numa habitação destinada aos
escravos. Essa imagem demonstra a relação estabelecida entre os escravos e
a sua sociabilidade. Voltamos a observar que as mulheres aparecem com os
seios à mostra. Como descreve a legenda se trata de uma senzala, o que nos
faz crer que as mulheres que trabalhavam dentro das casas grandes deveriam

vestir-se "aos modos" europeus e as mulheres da senzala viviam com uma
proximidade maior de sua cultura nativa.

Imagem 22:
Castigo

Na página, setenta e cinco, à direita duas imagens em tamanho maior
demonstram os castigos destinados aos escravos. Imagens assinadas por
Joaquim Lopes de Barros14, datadas respectivamente de 1840-41 e 184649,onde outras formas de castigo são observadas. Na primeira imagem,
titulada "preto de cepo", um homem carrega uma tora de madeira que é ligada
ao seu pé com uma corrente de ferro. Na segunda imagem de castigo de título
"preto de mascara" uma máscara, que deduzo ser de ferro, pois existe um
cadeado, é presa ao rosto de um escravo.

14

TEIVE, Joaquim Lopes de Barros Cabral (Rio de Janeiro, 8 de fevereiro de 1816 -- 6 de
novembro de 1863) foi um pintor acadêmico, cenógrafo, professor e caricaturista brasileiro.
Estudou na Academia Imperial de Belas Artes a partir de 1833, onde tornou-se professor
adjunto de desenho entre 1850 e 1855, e depois assumindo a cátedra de pintura histórica entre
1857 e 1860. Também colaborou na imprensa com caricaturas.

Impressiona-nos os diversos aparatos criados, apresentando as
diferentes possibilidades de se castigar um escravo e a importância de retratar
essas condições.
Imagem 23:
Resistência

Quando trata de luta e resistência escrava o livro é ilustrado com a
planta do terreno do Quilombo Buraco do Tatu, situado em Itapuã na Bahia, em
sua legenda é encontrado que o acervo origina do Arquivo Histórico
Ultramarino em Lisboa, datado de 1764. Retrata a organização e o uso de
conhecimentos elaborados não só na formação e disposição do espaço, mas
da preocupação de local estratégico para que não fossem encontrados. Os
quilombos são a expressão mais conhecida de resistência negra conhecida e
divulgada pelos livros. Observo que este documento apresenta data de 1764 e
se reserva a um Arquivo situado em Lisboa. Informações como essa que
demonstram que, mesmo podendo apresentar dialetos e nações distintas
esses escravos que também já haviam criado algum tipo de identidade,
aceitavam qualquer fugido que ali chegasse.

Este espaço reproduzia uma vida em comunidade com organização
política e social, espaço alijado aos escravos na sociedade escravocrata,
plantações e divisão de tarefas, assim como de costume em sua cultura.
Estabelece-se assim uma relação distinta da de entrada dos africanos no
Brasil. A união de diferentes grupos se deu através da esperança de liberdade.
Assim afirma Pina (2005) ao apontar o preconceito ao citar Rocha Pombo:
Quando define quilombo, sua visão preconceituosa sobressai:


assim

que

se

foram

formando

esses

temerosos

agrupamentos que desde o começo do referido século se
fizeram em todas as capitanias o terror dos viandantes e das
povoações indefesas"
...
Continua nesse raciocínio e, passada a Guerra e tendo
prosseguido os Palmares, o autor busca outras explicações.
Passa a ressaltar o perigo para a nação brasileira e a
necessidade da destruição. Relata as expedições tanto dos
holandeses

quanto dos

portugueses

para

acabar

com

palmares, destacando as derrotas sucessivas a quantidade de
negros aquilombados, as táticas empregadas pelos negros,
etc. Alem disso, descreve também um pouco da organização
política e da vida social desses quilombos( PINA, 2005, p.8).

O autor criminaliza a resistência, re-significando a sua maneira o que
representavam os Quilombos admitindo uma organização política e social. A
aglomeração de negros em uma organização social causava temor à
sociedade que ao tratá-lo como "coisa" marginalizou qualquer manifestação
política vinda deste grupo. Muitos são os remanescentes de quilombos que
conduzem suas vidas de acordo com seus antepassados. Possuem uma forma
de educação própria e mantém a oralidade e ancestralidade como elementos
imprescindíveis a condução dessa estrutura. Porém encontram dificuldades em
permanecer vivendo em seus locais de origem, pois são submetidos à estrutura
social vigente.
Imagem 24:
Resistência

O busto representativo da imagem de Zumbi é encontrado em Brasília.
Trata-se da fotografia de uma obra moderna de referencia ao líder do quilombo
dos Palmares, o mais famoso e de maior aparição nos livros didáticos. Eles
representam a resistência de escravos aos trabalhos desumanos.
Além da teoria do escravo-coisa, havia também a do escravorebelde, ou seja, aquele escravo que reage a sua condição de
coisa através da revolta e do desespero. Jacob Gorender
apontou que "o primeiro ato humano do escravo é o crime,
desde o atentado contra seu senhor à fuga do cativeiro
(PASSARETO, 2007.p.12).

O mito da aceitação da condição imposta ao escravo foi desfeito com a
existência dos quilombos. Nenhuma imagem demonstra, sem necessitar
maiores explicações, que o escravo lutou contra a condição a ele atribuída.
Não exito em fazer comparações à imagem (5) apresentada no livro didático
"Estudos Sociais", onde zumbi aparece numa apresentação que a nosso ver
denigre a historia da luta de resistência. Considerando os documentos e
conhecimentos pertinentes a luta é possível afirmar que a imagem (5) tenha um
direcionamento na transmissão de conhecimento encontrado neste LD um puro
anacronismo de seu tempo histórico, a década de 80.

Assim a imagem (24)

apresenta

uma

maior

possibilidade

de

interpretações e posições analisadas por quem a observa. O trabalho do
professor adquire maior autonomia possibilitando uma interpretação mais
próxima à realidade, mesmo ela sendo uma representação atual de Zumbi e o
elevando a categoria de monumento histórico.
Esta imagem evoca o quanto as lutas por afirmação ganham o espaço e
a legitimação social. A estátua eleva este personagem histórico a outra
dimensão sócio-política e a sua inserção no LD de certa forma apresenta esta
mudança na sociedade brasileira.
Imagem 25:

As idéias relativas à vida do negro mudam e fica claro nas fotos
seguintes: uma nova relação com a sociedade. Encontro nas imagens
numerações que usarei como auxílio em minha análise e com isso chamarei de
imagem 25.1 a primeira imagem, e assim farei com as subseqüentes em
correspondência à sua numeração.
O título encontrado na página setenta e oito esclarece o trabalho que
esperamos encontrar daqui por diante. "Imagens que documentam a historia"
traz quatro imagens dispostas na mesma página lado a lado com distintas
aparições dos escravos.

Imagem 25.1:
Trabalho urbano

A foto de Cristiano Junior15 demonstra em fotografia o trabalho
ambulante de uma escrava negra. A foto foi exatamente programada pelo
fotografo, pois aparece em ambiente favorável ao retrato e não a um local de
venda. Já identificamos marcas em seu rosto que caracterizam de sua nação
15

José Cristiano de Freitas Henriques Júnior (Portugal?, 1830 -- Assunção, Paraguai,
1902) foi um fotógrafo da segunda metade do século XIXCristiano Júnior, nome pelo qual ficou
conhecido, era provavelmente português de nascimento. Em 1862 já estava no Brasil
exercendo a profissão de fotógrafo em Maceió, Alagoas. Logo a seguir transferiu-se para a
capital do Império e assim que chegou ao Rio de Janeiro fez uma série de anúncios propondose "a tirar retratos por qualquer sistema fotográfico onde for chamado, seja qual for a distância".
Neste primeiro momento ainda não se encontrava estabelecido e solicitava aos eventuais
fregueses que o chamassem "por escrito no hotel Brisson, Rua da Ajuda 57B". Além de retratos
o anunciante aceitava pedidos de encomenda e "quadros e cestas de flores e frutas de cera".
No ano de 1864 associou-se a Fernando Antônio de Miranda (Cristiano Jr. & Miranda ou
Cristiano Jr. & Fernando); a sociedade, que recebeu o nome de Photographia do Commercio,
parece ter acabado no fim do mesmo ano.No princípio de 1865 Cristiano Jr. anunciava-se só e
informava a clientela de sua transferência para a Rua da Quitanda, 45. Posteriormente
Cristiano Jr. associou-se a Bernardo José Pacheco, com quem manteve o negócio até
1875.Apesar de manter o estúdio do Rio de Janeiro, Cristiano Júnior, desde o ano de 1867,
buscava expandir as suas atividades na Argentina. Em 1871 recebeu a medalha de ouro na
Primeira Exposição Nacional daquele país com a série de fotos Vistas y costumbres de la
Republica Argentina. Em 1876 alcançou novamente o grande prêmio na segunda exposição
anual da Sociedade Científica Argentina com uma coleção de Retratos y vistas de costumbres
y paysages. Apesar desse sucesso, faleceu pobre e quase cego, em Assunção, no Paraguai,
onde passou seus últimos anos.

de origem. Como puderam contribuir as obras de Debret e Rugendas, podemos
restringir as possíveis nações de origem dessa mulher. Observamos também
que ela trabalha para seu senhor, não sendo uma liberta, pois não usa sapatos.
A fotografia é um registro que nos dá com maior segurança a fidelidade da
imagem. Por mais que exista a possibilidade de criar um ambiente que
"corrompa" a realidade da imagem a expressão é mantida, o que em ilustração
pode ser desconfigurado, não que exatamente o seja feito.
Nas ultimas décadas da escravidão, alfaiates, carpinteiros,
lavadeiras, quitandeiras, costureiras travavam complexas
relações pessoais nas vilas do interior, envolvendo alguns
escravos, mas principalmente libertos e livres, com larga
predominância

de

forros

e

de

seus

descendentes.

Estabeleciam, assim, verdadeiras comunidades, abertas aos
recém

chegados,

mas

capazes

de

oferecer

alguma

estabilidade a seus membros (MATTOS. 1993, p.48).

Homens e mulheres ambulantes dividiam espaços públicos com outros
trabalhadores de diferentes "profissões" e em sua maioria libertos. É certo que
o comércio ambulante foi um meio importante de sobrevivência dos escravos
alforriados ou libertos, que não encontravam outros meios de sustento de sua
família.
Pouco se pode observar na figura do menino, a não ser que ele compra
o que a quitandeira vende. Certamente deve fazer compras para seu senhor.
A análise da imagem demonstra dois escravos que nos fazem
compreender uma relação de submissão, pois nenhum deles encara a câmera.
Se por vergonha ou desajeito, existe um desvio de olhar que sugere "medo".
Imagem 25.2:
Festa

Na segunda ilustração de Rugendas, a primeira aparição dentre as
análises, de uma festa protagonizada por negros. Uma festa religiosa, como
sugere o título, onde os escravos se travestem e tocam para Nossa Senhora do
Rosário. A maneira que encontraram de festejar e cultuar suas crenças, como
dito anteriormente, foi o sincretismo religioso. Percebemos que os homens que
usam coroa e a mulher ao seu lado usam sapatos. Neste caso l a festa
representa a irmandade do rosário que era uma estrutura que tinha como
finalidade a compra de alforrias ,e

a mulher com sapatos é uma forra,

salientando a perspectiva que a irmandade possuía. Os músicos vão a frente
seguidos dos "rei e rainha" com estandarte e a fumaça ao fundo sugere uma
multidão acompanhando a procissão.
Acredito que a principal crítica feita à imagem incide sobre a autoria, ou
o uso dos autores dos LD. O mesmo artista que se apresenta nas formas de
opressão e submissão faz registros relevantes a historia dessa cultura que se

reformula no cenário social do séc. XIX. A importância dessa foto nos sugere
que por motivos que por uma condução política da historia na perspectiva
marxista da alienação do trabalho autores dos LD fizeram uso das imagens
mais cruéis que o artista dispunha. Não convém aqui supor o porquê da
repetição dessas imagens. No entanto o reflexo de construção de identidade do
negro no imaginário social, junto às demais comunicações legitima o
preconceito e confirmam que: As imagens de opressão e castigo têm seu valor,
porém não deve sobrepor a construção cultural produzida que também é
encontrada nas obras de arte. Registro que o valor a que nos referimos confere
ao uso das imagens como critica ao Império.
Essa imagem sugere o triunfa neste livro como pertinente a reelaboração do imaginário e construção do sujeito negro na condição de se
reconhecer como portador de sua cultura que representa significado social e o
faz participante e critico dentro de uma sociedade que cria seus critérios sobre
uma visão elitista, branca, européia. Conduz assim um percurso mais estreito
com sua natureza.
Imagem 25.3:
Castigo

A terceira é o açoite público onde homens e mulheres negros e brancos
assistem um escravo ser açoitado por outro escravo. Observo ser um escravo

pois não usa sapatos , o que não lhe reservava nenhuma regalia por executar o
papel de feitor. Conforme assinala Mattos:
Um `feitor' livre, o `verdadeiro feitor', era antes de tudo `um
representante do senhor, que infundia respeito'. Um `feitor
escravo' seria apenas `a máquina que castiga sem vontade
própria' e apenas infundia medo. Sua única relação com o
senhor era de `submissão', a mesma dos demais escravos. Já
o feitor livre teria uma relação com o senhor de esmera cortesia
e mutua confiança que o elevaria, de fato, ao nível da família
senhorial (MATTOS. 1993,p.124).

Essa função "transferia" ao feitor escravo os sentimentos de revolta
que deveriam ser atribuídos ao senhor. Uma relação confusa para os escravos,
pois se encontravam em mesma condição dando a idéia de traição por parte do
escravo feitor. E a inteligente estratégia do senhor que ao repassar o cargo a
outro escravo distribuía a revolta entre eles.

Imagem 25.4:
Trabalho agrícola

A última imagem é um retrato do trabalho no cafezal. Dois homens
dispostos frente a frente colhem café que despejam em cestos apoiados as

costas. A imagem oculta suas faces que mais uma vez, insisto o que revelam
as fotos, escondem-se do foco. Emitindo a possível interpretação de que os
escravos temiam que qualquer contato com o homem branco repercutisse em
repreensão já que entendo não ser qualquer escravo a ser fotografado.
Mais uma vez foco nas diferentes imagens de trabalho agrícola que este
livro se ateve, o que me revela um pensamento que justifica a mostra de
imagens de diferentes regiões do Brasil salientando abordar as diferentes
culturas ajustadas ao país.
O livro expõe novamente a amplitude de temas excluídos ou dificilmente
inseridos nos livros. Primeiro ao abordar o feminino como foco em uma imagem
representativa da autonomia feminina. Depois ao englobar as diferentes
regiões do Brasil. Portanto, concede assim a possibilidade de se identificar na
imagem ou através de sua região ou gênero.
O livro possibilita uma identidade diferenciada dos livros das décadas
anteriores. Trata agora de resgatar a história dos próprios familiares ao se
mesclar, antigas imagens dos LD as histórias de suas vidas. Emerge no sujeito
o que definimos etnicidade, uma vez que o aproxima da história e cultura e
produz um sujeito com formação autônoma e identificado.
Este livro demonstra mesmo com a aparição de imagens clássicas,
como a do açoite, outras relações do negro com a sociedade.
Em comum os livros das décadas de 1980 e 1990 apresentam os
escravos inclusos na temática produção da Cana de Açúcar, o que se diferem
dos livros de 2000, em que negros aparecem protagonizando o capítulo e suas
imagens revelam realidades distintas das usadas nos livros anteriores. Neste
livro a participação social do negro não só como trabalhador servil, mas como
participante de outros espaços sociais incluindo o trabalho ambulante e as
festas por eles realizadas.

1
9

1
2
2

1

1
2

1
11

4
2
3

2

1
3

3

X

X

1

1

X

3

3

1

8

(2004)

(2008)

Geografia

De imagens história, 4º ano
por categoria

História e

Projeto prosa:

Total

2

1

X

X

X

X

X

4

X

1

X

X

X

X

X

3

(1996)
1
X

(1989)

Sociais: Brasil

Estudos

Sociais

de Estudos

Os caminhos

4.5. TABELA DE IMAGENS

imagens por

Total de

Tráfico

Castigo

Festa

doméstico

Trabalho

Vida social

Resistência

Trabalho urbano

Trabalho agrícola

livro

Categoria/

Relação

Conclusão
Neste ponto peço licença à companhia dos autores que utilizei como
base teórica, do auxílio de minha orientadora e demais contribuintes do meu
conhecimento para tomar a fala em primeira pessoa, quando necessário.
Penso que ao demonstrar minha identificação com o tema haja necessidade de
falar com propriedade.
Retorno ao axioma do trabalho que revela como o ensino de história que
suas imagens contribuíram para a negação da identidade negra ocultada e
mitificada na escola. Ao analisar as imagens de livros didáticos de diferentes
décadas percebemos influências distintas no resultado das produções,
podendo exibir comparações claras que contribuem para instituir e deflagrar os
elementos exigidos pela lei. O número de imagens exibidas nos livros cresceu
na última década em relação às anteriores. Os documentos das décadas de 80
e 90 têm base nas bibliografias de autores clássicos que apresentam fortes
traços de preconceito racial, e por isso suas imagens se encaixam apenas nas
categorias que se destinam ao trabalho, castigo e tráfico. Estas imagens foram
transportadas aos LD como ilustrações estéticas de sua composição, não
representando um documento. Todas as categorias em que se encaixam tais
imagens, resumem identidade negra à negociação de sua força de trabalho,
reservando a este grupo a condição de uma "raça" marginalizada.
Assim o currículo é por conseqüência um documento que atesta a
validade das informações, conduzindo este material à formação de sujeitos que
se resignificam diante tais imagens. Os LD nos revelam imagens que
desconectam o negro de uma identidade criada por sua cultura ancestral os
desconectando de sua história. Essas imagens confirmam a raça como uma
sucessão de semelhanças físicas direcionadas a um grupo de sujeitos de
diferentes culturas, desqualificando qualquer indício de uma formação cultural.
No entanto ressalto que minhas críticas são uma análise criada a partir
do lugar em que me encontro; a minha visão cultural do que é identidade
negra. Com isso entendo também que os autores com estudos relevantes e
artistas das obras mencionadas se inseriam em uma cultura que considerava
outras formas de olhar o mundo, em uma cultura própria. Uma visão que hoje
tem um significado distinto do meu: mulher, negra, estudante de pedagogia e
brasileira no ano de dois mil e dez. Foram os olhos com a mescla desses

adjetivos que fizeram as inferências encontradas no enredo deste texto.
Entendo assim que o movimento curricular e epistemológico tenha significado e
se faça também na historiografia dos LD.
Se por um lado os postulados destes historiadores não são
originais ou novos, por outro, o que estes historiadores da
escravidão vêm fazendo certamente se diferencia da produção
anterior, constituindo um momento singular na historiografia da
escravidão. Ao tomarem a produção anterior como algo
homogêneo

e

considerarem-na

em

seu

conjunto

uma

historiografia superada, estes historiadores abstraem o fato de
que a possibilidade da produção do novo nascem do velho e
não seguem uma linha evolutiva linear. Sendo assim o que
vem depois não é necessariamente superior aquilo que o
procedeu, nem se constitui independente do que foi produzido
antes, mas surge a partir de uma relação dialética com aquilo
que se pretende negar (BERMAN, 2002-2003. p.4).

O caminho de produção historiográfica depende de uma produção
anterior que, se hoje considerada satisfatória ou não, é condição sine qua non
para nossas críticas. Assim se constroem os conhecimentos e nos
aproveitando disso devemos re-significar os elementos culturais, conduzindoos aos espaços de relevância social, é enfocar uma etnicidade ao invés de uma
raça, os grupos étnicos ao serem representados como formadores sociais que
avaliam com seriedade os elementos de sua cultura resultam em grupos
autônomos e socialmente afirmados.
A representação dos livros didáticos dos anos 2000 elabora a partir de
uma temática que parte do grupo para sua posição social. Pensar o indivíduo
neste caso é representar um grupo que não se encerra nele. O LD conduz
outros elementos marginalizados em nossa sociedade, abarca diferentes
culturas dentro da cultura negra e afro-descendente. Observar imagens de
mulheres negras trabalhando no século XIX e observar a realidade brasileira,
numa condução sutil de elementos que evidenciem a presença da cultura
negra e afro descendente no Brasil. O último livro (2008) evocou observar que
estão presentes nos tipos de imagem, se através do tipo de cultivo ou em

evidências, as diferentes regiões brasileiras. Demonstrando que continuam
existindo diferentes tipos de culturas negras que obtiveram através de sua
história a formação de uma cultura com características da sua região.
Assim suas categorias e aumento do número de imagens de análise
possibilitam as diversificar as "verdades" conduzindo a uma história que conte
diferentes versões encontradas em documentos historiográficos. Deixam de
existir apenas imagens marginalizadoras da identidade negra. Observamos sua
cultura e história presente na apresentação de suas festas e na direfenciação
das origens. Essas imagens fazem parte de uma leitura documental e
participam dialogando com o texto numa análise pedagógica da mesma.
Acompanham uma historiografia mais recente que propõe um trabalho em
favor de uma identidade que reafirma o sujeito , demonstrando o impacto que a
lei exerceu sobre os LD ao inserir a vida social do negro , assim reforçando que
a luta do movimento e sua história fizeram a diferença no comprometimento
com a sociedade negra.
Tais considerações demonstraram a diferença da representação do
negro que, se aplicado ao mesmo grupo, reafirmará a formação de identidades
distintas das formadas nas décadas anteriores. Perceber que o negro não é
somente açoite e mão de obra ou a "coisa", que cita Perussato (2000), é
ressaltar um resultado de formação de identidade nova. Com uma nova
concepção da história do negro no contexto brasileiro a formação das
identidades serão outras, porém ainda estará na dependência do uso feito pelo
professor deste material que influirá na produção destas identidades assim
como das relações encontradas no espaço escolar.
É essencial que junto a este material exista uma relação que compunha
e considere elementos da cultura no dia a dia da escola. É importante que
sejam feitas críticas que independem das feitas neste trabalho, comprometidas
com o conhecimento a que consolida a Lei 10.639/03. Neste viés admito de
extrema relevância as mudanças obtidas nos LD na última década que se deve
a um movimento coletivo de reafirmação de uma cultura historicamente aliada
à marginalidade. Reergue-se nas possibilidades que são concedidas a
educação uma possibilidade de mudança que acredito, devido às disparidades
históricas, caminharem em direção a uma crítica favorável à identidade negra.

BIBLIOGRAFIA

BERTICELLI, Ireno Antônio. Currículo: Tendências e Filosofia. In. COSTA,
M. V. O currículo nos limiares do contemporâneo. 4º ed. Rio de Janeiro: DP&A,
2005.

COSTA, Warley. Escravidão africana: imagens nos livros didáticos e
produção de identidade. In. XIV Endipe. Porto Alegre, 2008.

DEL PRIORE, Mary (Org) História das Crianças no Brasil. 2° ed. São Paulo:
Contexto, 2000.

Enciclopédia

e

dicionário

ilustrado

Koogan

­

Houaiss

Editora Delta, RJ, 1994.

GINZBURG, C. Sinais: Raízes de um paradigma indiciário. In. GINZBURG,
C. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das
Letras, 1989.

MATTOS, Hebe Maria de, Das Cores do Silêncio: os significados da
liberdade no Sudeste escravista, Brasil Século XIX. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1998.

MEYER, Dagmar Estermann, Etnia, raça e nação: o currículo e a
construção de fronteiras e posições sociais. In. COSTA, M. V O currículo
nos limiares do contemporâneo. 4º ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

MONTEIRO, Ana Maria da Costa. Professores e livro didático: narrativas e
leituras no ensino de história. In. ROCHA, H. A. B. REZINIK, L.
MAGALHAES, M. de S. A história na escola: autores, livros e leituras. Rio de
Janeiro: FGV, 2009.

MUNAKATA, Kazumi. Livro, Livro Didático e Forma Escolar. In. Dalben, A.
Diniz, J. Leal, L. Santos, L. (org). Coleção didática e prática de ensino.

Convergência e tensões no campo da formação do trabalho docente:currículo,
ensino de educação fídica, ensino de geografia, ensino de história e escola,
família e comunidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

PINA, Maria Cristina Dantas. A escravidão no livro didático de História:
Rocha Pombo e o ensino de História na Primeira República. Anpuh, XXIII
Simpósio Nacional de História. Universidade Estadual de Londrina. Julho de
2005.
POPKEWITZ. Thomas S. História do Currículo, Regulação Social e Poder.
In. SILVA. Tomaz Tadeu. O sujeito da educação. 6ª ed.-Petrópolis, RJ: Vozes,
2008-(Ciências Sociais da Educação).
SCHWARTZ, Stuart B. Segredos Internos: engenhos e escravos na
sociedade colonial: 1550 ­ 1835. São Paulo, Companhia das Letras, 1988.