Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

119

O PORTUGUÊS DO BRASIL:
REVISITANDO A HISTÓRIA
Filomena de Oliveira Azevedo Varejão
RESUMO
O objetivo deste artigo é apresentar um breve histórico
de algumas ideias linguísticas desenvolvidas no Brasil
sobre as origens do português brasileiro, desde o início
do século XIX e ao longo do século XX. Essas ideias
mostram duas diferentes direções para explicar sobre algumas peculiaridades do Português Brasileiro (PB), desde explicações "impressionistas" a pesquisas linguísticas
cientificamente conduzidas.
PALAVRAS-CHAVE: História das ideias linguísticas;
português brasileiro; periodização do português brasileiro.

Introdução

P

oucos questionam o fato de o Brasil ser um país geograficamente
multicultural e multidialetal. No entanto, embora seja evidente essa
face multidialetal em termos diastráticos, não parece ser-lhe atribuída
legitimidade equivalente. Infelizmente, mesmo entre intelectuais da área de
educação, não existe a compreensão de que há normas cultas e vernáculas em
tensão na heterogênea comunidade de fala brasileira, todas com coerência e
funcionalidade particulares. A alguns parece mais visível a dissonância entre uma
norma padrão lusitanizante ­ idealizada e codificada na tradição escolar ­ e a
fala da "massa inculta". Desde as primeiras monografias produzidas por dialetólogos brasileiros até os estudos elaborados por linguistas, constatam-se, nos
diversos níveis da gramática dos falantes brasileiros de diferentes escolaridades,

120



Varejão, Filomena de Oliveira Azevedo.
O portugues do Brasil: Revisando a história

fenômenos considerados não-padrão que idealmente seriam realizados da forma
considerada padrão entre os europeus. Nesse sentido, seriam idiossincráticos
ao vernáculo brasileiro fenômenos fonético/fonológicos ­ como a iotização
(véio por velho) e a monotongação (quexa por queixa) ­ e fenômenos morfossintáticos ­ como a preferência pela marcação de plural apenas no primeiro
elemento do sintagma nominal (as criança); a simplificação do quadro flexional
dos verbos (eles/nós chegou); o uso de estruturas de relativização do tipo `a garota
que eu saí com ela é só minha amiga', entre outros.
Na opinião de alguns, entre eles Mendonça1 e Raimundo2, tais peculiaridades resultariam da influência das línguas africanas em território brasileiro
e de outros fatores de ordem social. Para outros, como Silva Neto3 e Melo
(1981)4, as línguas africanas não teriam contribuído de forma muito significativa para a formação do nosso vernáculo, embora se deva reconhecer que o
aprendizado imperfeito do português pelos africanos pudesse ter gerado uma
língua crioula ou semicrioula em suas origens.
Hoje, passadas algumas décadas dos primeiros estudos dialetológicos e da
consolidação de diversos projetos acadêmicos que buscaram e ainda buscam
descrever as normas em prática no Brasil, podemos falar de uma história linguística do português brasileiro (PB), cujos passos este artigo tenta reconstruir.

O registro das diferenças
Ao historiografar as ideias linguísticas no Brasil, Guimarães5 estabelece
a existência de quatro períodos, que são definidos (i) pelo tipo de produção
intelectual, (ii) pelos objetivos propostos e (iii) e pelas ideias veiculadas. Nesse
processo de desenvolvimento dos saberes sobre a língua, as propostas teóricas
evoluíram da ausência de aporte teórico às teses cientificamente ancoradas.
Descartado o estudo do primeiro português, por se definir como refle1
2
3

4
5

MENDONÇA, R. A influência africana no português do Brasil. Rio de Janeiro: Sauer, 1933.
RAIMUNDO, J. O elemento afro-negro na língua portuguesa. Rio de Janeiro: Renascença, 1933.
SILVA NETO, S. da. Introdução ao estudo da língua portuguesa no Brasil. Rio de Janeiro:
Presença, 1986.
MELO, G. C. A língua do Brasil. Rio de Janeiro: Padrão, 1981.
GUIMARÃES, E. Sinopse dos estudos do português no Brasil: a gramatização brasileira.
In: GUIMARÃES, E.; ORLANDI, E. (Org.). Língua e cidadania. Campinas: Pontes,1996.
p. 127-138.

Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

121

xões sobre a língua no Brasil, mas não do Brasil, Guimarães centra sua atenção
a partir do segundo momento.
O segundo período inicia-se na segunda metade do século XIX, com a
publicação de gramáticas, artigos, listas de vocabulário e dos célebres debates
públicos acerca da legitimidade de uma língua nacional brasileira. O autor
considera central nesse momento a tensão entre posicionamentos puristas e
libertários, sobretudo em relação à escrita literária brasileira, o cerne das discussões.
O terceiro, delimitado entre o fim dos anos 30 e meados da década de 60
do século XX, caracteriza-se pelo abandono da perspectiva purista e apresenta
como central aos debates a defesa da unidade linguística Brasil/Portugal, com
argumentação já fundamentada nas ideias da Ciência Linguística, que acabava
de chegar às faculdades de Letras do país.
Finalmente, o quarto período dessa história tem início no final dos anos
60 e é marcado pela produção das pesquisas de pós-graduação desenvolvidas
em várias universidades brasileiras.
Ao retomar algumas reflexões de Guimarães acerca da constituição da
língua brasileira, Pagotto6 propõe, a partir de estudos sobre a sintaxe do PB,
que a história da construção da norma culta no Brasil pode ser dividida em
duas fases: uma que data da segunda metade do século XIX até os anos 30 do
século XX ­ marcada pelo tom apaixonado das defesas polêmicas ­ e outra que
se inicia a partir dos anos 40 do século XX, cuja argumentação se fundamenta
no discurso da ciência. Sobre este último, Pagotto7 afirma que, "ao fugir completamente do discurso polêmico, o trabalho deste período jamais consegue
trazer, para a codificação da norma culta escrita, as formas linguísticas do Brasil" e, "ao acentuar a diferença [entre PE/PB], permite a volta do discurso pela
unidade da norma culta, agora reforçado pelo discurso científico".
Do que se extrai dos trabalhos de Guimarães e Pagotto, podemos sintetizar a trajetória dos estudos em torno da diferenciação da fala brasileira
relativamente à fala lusitana a partir de dois diferentes recortes discursivos,
6

7

PAGOTTO, E. Norma e condescendência; ciência e pureza. In: Línguas e instrumentos linguísticos. Campinas: Pontes, n. 2, 1998.
______. Gramatização e normatização: entre o discurso polêmico e o científico. In: ORLANDI, E. (Org.). História das idéias linguísticas. Mato Grosso: UNEMAT, 2001. p. 39-57.

122



Varejão, Filomena de Oliveira Azevedo.
O portugues do Brasil: Revisando a história

que atuaram e continuam atuando mais ou menos explicitamente na condução desse debate (ainda hoje) central: o discurso impressionista e os discursos
científicos, cujas formulações se estabelecem ou sob a égide do purismo apaixonado, ou sob uma proposta descritiva isenta de paixões normativistas, por
assim dizer.
As tensões do momento podem ser sintetizadas na polaridade entre a defesa da manutenção dos vínculos culturais e políticos com Portugal e a defesa
da autonomia linguística brasileira. Os puristas, representantes do primeiro
pólo, defendiam o combate à corrupção do idioma a todo custo. Os nacionalistas, no outro extremo, argumentavam pela necessária política da afirmação nacional, amplamente justificada pelos movimentos impostos ao processo
histórico de independência de um país colonizado que, embora rejeitando
o afastamento da América, debatia-se pelo reconhecimento da superioridade
cultural e linguística branca na origem dessa nação miscigenada.
Segundo Pinto8, data de 1824, na Introdução de Pedra Branca ao Atlas
Etnográfico do Globo de Adrien Balbi, a primeira menção à constituição de um
"idioma brasileiro", e são de autoria de José Bonifácio, em 1825, as primeiras
defesas sobre a liberdade de expressão da escrita literária, configurada no direito
de criar neologismos que atendessem às necessidades expressivas de uma cultura, desde que tais criações não ferissem o imperativo da língua culta. Ainda
nesse quadro encontram-se alguns debates entre puristas e nacionalistas, nos
quais escritores românticos e gramáticos pugnavam entre o direito ao uso de
estrangeirismos e de estruturas de cor local e a manutenção de uma língua literária pura e livre dos galicismos que estariam desfigurando a língua de Camões.
Desta forma, em 1870, enquanto José de Alencar sofria ataques do filólogo Pinheiro Chagas por registrar um vocabulário típico de certas construções
gramaticais à brasileira, e Gonçalves Dias defendia o bom aproveitamento da
"língua do povo" já dicionarizada e lapidada pelo "arredondamento" eufônico peculiar à tarefa do artista, escritores como Taunay, Euclides da Cunha,
Olavo Bilac combatiam a existência de um dialeto brasileiro e se dedicavam à
tarefa de reafirmar a norma literária purista. Em 1789, também centrada na
polarização purismo/nacionalismo, o escritor brasileiro Carlos de Laet enceta
polêmica com o escritor português Camilo Castelo Branco.
8

PINTO, E. P. (Org.). Introdução. In: O português do Brasil: textos críticos e teóricos. São
Paulo: EDUSP, 1978. p. 15-58.

Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

123

Esse tipo de debate, inicialmente recortado pelo discurso impressionista
e posteriormente baseado em interpretações equivocadas da ciência, perdurou
até o início do século XX, quando o Modernismo consolidou os ideais nacionalistas para a expressão literária, embora, de modo geral, isso tenha sido
feito sob a problemática concepção de português brasileiro equivocadamente
equacionado à fala de indivíduos pobres e de baixa escolarização.
Além do discurso impressionista, desenvolveu-se entre intelectuais brasileiros uma linha de argumentação calcada em postulados científicos de escolas francesas, inglesas, alemãs e americanas. Dentro dessa segunda vertente,
reúnem-se trabalhos alinhados, em alguma medida, ao ideal normativo lusitano e, por vezes, resultantes de interpretações problemáticas em relação às
propostas da Ciência da Linguagem, embora muitos desses estudos procedam
de ideias filosóficas e científicas vindas da Europa.
Nesse momento, no entanto, registram-se dados mais concretos da sintaxe da fala ou da escrita dos brasileiros (embora o foco ainda seja o léxico), e
isso pode ser observado nas monografias dialetais, em gramáticas normativas
como a de Júlio Ribeiro, Maximino Maciel e Antonio Alvares Pereira Coruja e em dicionários como o de Antonio Joaquim de Macedo Soares. Alguns
desses trabalhos apresentam no título as expressões "[língua] nacional" e "vocabulário brasileiro", num claro, porém nem sempre fiel, compromisso com a
descrição do português usado no Brasil, mas não em detrimento da unidade
linguística com Portugal (PINTO, 1978).
Tomando a proposta de Pagotto (1998; 2001), o estabelecimento dessa
linha discursiva data de 1940. Com ela se pretende fundamentar o debate
sobre a língua do Brasil a partir das ideias de Ferdinand Saussure, sobretudo a
partir da dicotomia entre a fala diversificada na prosódia e no léxico e a unidade da escrita, especialmente da escrita literária brasileira. Tais propostas serviram aos interessados em justificar nossas diferenças a partir de noções estilísticas e a partir de registros de peculiaridades que externariam linguisticamente
as nossas características, isto é, as idiossincrasias do "espírito americano".
Sem lhes tirar o mérito devido, não se pode deixar de dizer que, embora naquele momento alguns estudos já estivessem orientados por propostas de Saussure, especialmente sobre a distinção entre langue e parole, sua argumentação
se sustentava em uma falsa relação entre parole e informalidade. Isso permitiu
dizer que, relativamente à norma lusitana, à fala dos brasileiros cabiam os

124



Varejão, Filomena de Oliveira Azevedo.
O portugues do Brasil: Revisando a história

"erros" próprios da comunicação informal, mas à escrita cabia manter os laços
de unidade que nos identificavam com a norma lusitanizante (cf. PAGOTTO, 1998; 2001), justificando o projeto classicista de bem escrever como
matriz que orientou e ainda orienta diretrizes e documentos para o ensino de
língua portuguesa.
Situa-se ainda uma segunda vertente discursiva dentro desse recorte empírico, na qual se evidencia uma postura de investigação científica, visto que, a
partir dela, se orientam trabalhos acadêmicos que visam a refutar ou confirmar
afirmações sobre fatos estruturais do PB com base na interpretação de evidências controladas por rigorosa metodologia.
Precisamos ressaltar, no entanto, que a vertente defensora da norma clássica lusitana permanece presente em documentos, artigos, reportagens, etc.
Como marca dessa permanência, publicam-se reportagens como a da revista
Época, de 14/06/1999, "A ciência de escrever bem", em que se lê a seguinte recomendação: "O uso do gerúndio empobrece o texto. Lembre que não existe
gerúndio no português falado em Portugal". A revista Veja, de 25/06/2001,
publicou "Todo mundo fala assim ­ Vem aí uma gramática anistiando os
principais desvios da linguagem oral. Mas atenção: o português continua a
merecer respeito." Esse artigo destaca como "anistiadas" as formas como Você
fez o que eu te falei?; Os manifestantes chegaram em Brasília e Amanhã vou fazer
o serviço, numa inequívoca retomada do discurso da condescendência para a
oralidade contra o rigor normativo para a escrita, que sustentou a construção
discursiva da norma culta brasileira (cf. PAGOTTO, 1998).

Entre o nacionalismo e a subserviência
Constituindo as bases do discurso impressionista, encontram-se os célebres debates acerca da norma ­ para alguns, "popular" e para outros, "desleixada" ­ registrada por escritores brasileiros do final do século XIX. Em 1870,
José de Alencar registra sua defesa aos ataques do filólogo português Pinheiro
Chagas, que o havia acusado de deturpar a norma clássica em seus romances.
Em 1879, envolvem-se numa querela em torno da norma o brasileiro Carlos
de Laet e o escritor português Camilo Castelo Branco.
Num dos pólos desse debate, era imperativo estabelecer o PB como
língua autônoma e se fazia necessária uma descrição (contrastiva ou não) que

Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

125

pudesse constituir um conjunto de documentos fundadores, que, no dizer
de Guimarães (1996), promovessem a gramatização de nosso idioma. Como
referências desse movimento situam-se três monografias do início do século
passado acerca das realizações diferenciadas do português em território brasileiro: O dialeto caipira, investigado por Amadeu Amaral9; O linguajar carioca,
de Antenor Nascentes10 e A língua do nordeste, de Mário Marroquim11.
Como ponto de vista subjacente a essas monografias está a noção de que
havia, nos diversos níveis gramaticais, fatos tipificadores dos falares brasileiros
justificáveis i) pela distância em relação à matriz; ii) pelas diferentes formas
de ocupação de nosso território e iii) pela história interna e externa da língua
portuguesa no Brasil.
A preocupação em apresentar os novos e inevitáveis rumos do PB, especialmente o falado português pelas camadas sociais "incultas e semicultas"
­ comparativamente aos usos dos falantes cultos europeus ­, segue a tradição
dos estudos filológicos. Essa base metodológica traz, no entanto, uma questão: comparam-se níveis díspares de uso (culto e popular) e conclui-se pela
existência de uma variação que, por princípio, existiria independentemente
das causas apontadas como causa das distâncias entre as duas normas.
Mas, ainda que apresentem imprecisões conceituais, é de se considerar
que, já àquela época, Amaral, Nascentes e Marroquim trouxessem dados e
análises que somente muito mais tarde seriam retomados por outros estudiosos do campo da linguagem. Eles não só foram intuitivamente surpreendentes
como também foram vanguardistas, uma vez que demonstraram empiricamente a existência de variedades linguísticas, cujas diferenças formais nos conferiam identidade em relação à matriz e, de certa forma, assim veicularam uma
noção de língua como produto cultural.

A ciência como instrumento do projeto de unidade linguística
É curioso constatar que, apesar do esforço para legitimar a fala brasileira,
ao final do século XIX, a norma culta escrita no PB se apresentava muito mais
9
10
11

AMARAL, A. O dialeto caipira. São Paulo: O livro, 1920.
NASCENTES, A. O linguajar carioca. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1922/1953.
MARROQUIM, M. A língua do Nordeste: Alagoas e Pernambuco. Curitiba: HD Livros
Editora, 1934.

126



Varejão, Filomena de Oliveira Azevedo.
O portugues do Brasil: Revisando a história

próxima ao PE moderno do que se podia para um momento de disputas ideológicas e de afirmação da nacionalidade, conforme aponta Pagotto (1998). As
respostas a essa aparente contradição não se definem sem que atentemos para
o projeto de nacionalidade delineado de forma sui generis por nossas elites: a
nacionalidade seria pela ruptura com o passado colonial, mas não podia prescindir da legitimidade que a chamada cultura de civilização conferia.
A questão seria definir se o Brasil poderia ou não se expressar artisticamente com uma "língua própria" e a resposta a esse conflito de identidade
linguística se encaminhou no sentido da constituição de uma norma culta
modelada na forma do PE moderno. Tal resposta ecoava as aspirações de nossas elites, uma vez que reafirmava seu lugar privilegiado em face da maioria da
população inculta, que passaria a perseguir o acesso à norma prestigiada como
meio de inclusão.
Estava, assim, posto o contexto que serviria tanto à defesa do purismo
como à acomodação das tensões em torno da variação observada entre as modalidades escrita e falada do português brasileiro. A saída seria reconhecer a
existência de uma norma culta escrita decalcada ao português europeu e, paralelamente, reconhecer as peculiaridades "toleráveis" da fala. O reconhecimento e a aceitação dessas normas foram definitivos para a construção das
diferenças linguísticas entre o PE e o PB e também contribuíram para que
­ diferentemente de Portugal ­ as normas das duas modalidades, no Brasil,
fossem se distanciando pouco a pouco.
O discurso polêmico, agora apaziguado, deu então lugar ao científico,
que contribuiu para justificar e legitimar as particularidades do PB. Segundo
Pagotto (1998; 2001), o aporte teórico da Linguística acabou por corroborar a
defesa da norma purista fixada no final do século XIX e fundamentou cientificamente a argumentação em torno da unidade entre o PE e o PB, acomodando as diferenças. O autor sustenta sua tese com base na análise de texto escrito
por Gladstone Chaves de Melo na década de 40 ­ publicado sob o título
Alencar e a `Língua Brasileira', em 1970 ­ no qual situa o marco inicial do uso
do discurso científico como argumentação para a tese que negava a existência
de uma língua brasileira. Nesse ensaio, Melo se coloca como um cientista
que assume ponderadamente a voz da verdade ao defender Alencar como um
grande escritor e, portanto, uma legítima referência para a norma culta escrita no Brasil. O ensaísta recorre a Saussure para justificar as diferenças entre

Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

127

língua (sistema) e fala e situa esta última como o locus para a manifestação
das idiossincrasias da cultura e do indivíduo. Para Melo, Alencar não poderia
ter escrito em língua brasileira, uma vez que o sistema é o mesmo no Brasil
e em Portugal. Nessa linha argumentativa, as reconhecidas diferenças lexicais
e estruturais apenas refletiriam estilisticamente as peculiaridades nacionais,
reflexo das manifestações de fala, nos termos de Saussure.
Para Melo, é justamente esse caráter estilístico o que leva "muitos observadores superficiais ou doutrinadores improvisados em linguistas a falar
em língua brasileira"12. A fim de construir uma identidade científica para seu
discurso, ele argumenta que, embora bem intencionado, faltou a Alencar
o conhecimento científico ­ que não poderia ter ­ das noções de Saussure
sobre os conceitos de langue e parole quando o romancista saiu em defesa
de seu estilo.
A preocupação de Melo é enfatizar que Alencar jamais atentou contra
a unidade da língua e argumentar que, quando o romancista afirmou que
colocava os clíticos onde mandassem os seus ouvidos, Alencar tinha razão
científica, pois, de fato, ainda no dizer de Melo, o que diferiria o PE e o PB
em termos de colocação pronominal seria a questão da eufonia e não das mudanças que já registravam especificidades dos dois sistemas. Para ele, só uma
posição reacionária justificaria uma rigidez doutrinária acerca da colocação
pronominal, embora logo em seguida lembre que: "Não se pense, porém, em
liberdade absoluta de colocação do pronome átono. Há tendências respeitáveis, que a leitura de bons autores ensina"13, pois "não se trata, é claro, de
liberdade absoluta e caótica, não se trata de sinal verde para os ignorantes e
solecistas profissionais, semianalfabetos de pai e mãe: trata-se, isto sim, de
liberdade estilística, consagrada por dois mestres do tope de Said Ali e Sousa
da Silveira"14.
Desta forma, a solução da polêmica em torno do estilo de Alencar prestou serviço à estratégia da condescendência, que previa regras mais severas
para a norma escrita e permitia maior liberdade para a fala, atendendo esta às
idiossincrasias da cultura e do espírito brasileiro.
12

13
14

MELO, G. C. de. Alencar e a "Língua Brasileira". Conselho Federal de Cultura, 1970/1972.
p. 12.
MELO, op. cit., p. 103.
Ibidem, p. 140

128



Varejão, Filomena de Oliveira Azevedo.
O portugues do Brasil: Revisando a história

A partir do primeiro trabalho de descrição do PB cientificamente fundamentado ­ Para o estudo da fonêmica portuguesa, de Joaquim Mattoso Câmara,
publicado em 1953 ­, novos quadros teóricos vêm sendo incorporados ao
campo da linguística e cada vez mais as diferenças estruturais entre o PE e o
PB são objeto de investigação científica.

O discurso científico contemporâneo
A vertente discursiva que podemos chamar de rigorosa apresenta, em
linhas gerais, trabalhos fundamentados no pressuposto de que os atos verbais
constituem as diferentes normas, que são consequência de complexas relações
sociais, semânticas, pragmáticas e sintáticas. Esses atos verbais ­ ou usos ­
formam a base de dados matematicamente quantificados com vistas a análises
que nos permitem contrastar ocorrências e desenhar os contornos das diferentes gramáticas que coocorrem em um determinado sistema.
No Brasil, nas três últimas décadas do século passado, a produção científica tem gerado trabalhos que mapeiam com certa precisão as tendências
gerais de mudança e oferecem explicações que, embora situadas em diferentes
quadros teóricos, refletem a trajetória da variação em todos os níveis da gramática do PB.
Os primeiros estudos a refletirem sobre essa variação se organizaram em
torno da constituição do Projeto de Estudo da Norma Linguística Urbana
Culta, desenvolvido em cinco capitais brasileiras (Recife, Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre). Nele se reúnem 1.500 horas de registros
magnetofônicos, que formam a base de dados a partir da qual se pretende
documentar e descrever o português urbano culto do Brasil, em termos de
realizações fonológicas, morfológicas, sintáticas e vocabulares.
Segundo Callou15, a execução desse projeto surgiu como proposta de
extensão do Proyecto de Estudio Coordinado de la Norma Lingüística Culta
de las Principales Ciudades de Iberoamérica Y de la Peninsúla Ibérica pelo
professor Nélson Rossi que, em 1968, ao elaborar o relatório para a Comissão
de Linguística Ibero-Americana do Programa Interamericano de Ensino de
Idiomas (PILEI), observou pontos em comum entre questões linguísticas do
15

CALLOU, D. O Projeto NURC no Brasil: da década de 70 à década de 90. In: Linguística.
São Paulo: ALFAL, v.11, p. 231-250, 1999.

Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

129

espanhol das Américas e do português no Brasil. Dessa forma, visando a caracterizar a fala culta habitual daqueles centros urbanos, adotaram-se critérios
de pesquisa rigorosos, tais como foram estabelecidos para o projeto espanhol.
Ainda segundo Callou (1999), no Projeto NURC do Rio de Janeiro
(www.letras.ufrj.br/nurc-rj/projnurc.html), a equipe de trabalho subdividiuse em três subprojetos16: fonética e fonologia, morfossintaxe e léxico. O primeiro tem como objetivo apresentar uma visão geral dos principais processos
fonético-fonológicos da fala culta e toma como base teórica a sociolinguística
quantitativa laboviana. Já se desenvolveram trabalhos nas seguintes áreas: análise acústica do vocalismo átono e tônico; harmonização vocálica; análise das
consoantes l, r, s em posição de travamento de sílaba; ditongação e palatalização, conforme se pode verificar nos trabalhos de Callou, 1987: Variação e
distribuição da vibrante na fala urbana culta do Rio de Janeiro; Demasi, 1995:
O ­l pós-vocálico na fala culta do Rio de Janeiro; Callou, Moraes & Leite 1996:
O sistema vocálico do português do Brasil; Callou & Moraes, 1996: A norma
de pronúncia do /s/ e do /r/ pós-vocálico: distribuição por áreas regionais; Orsini,
1995: A acústica das vogais orais no dialeto carioca, a voz feminina, entre outros.
No campo da morfossintaxe, com base nas propostas teóricas da Sociolinguística Variacionista e do Funcionalismo, muitos temas foram abordados
em teses, artigos e dissertações. Entre os quais, a modalização discursiva; o
sistema de tempos verbais; particípios duplos; concordância verbal; advérbios
em ­mente; sistema de pronomes português pessoais; uso de artigo antes de
possessivos e de nomes próprios; alternância de nós/ a gente; processos de indeterminação do sujeito; topicalização; sintaxe e prosódia; ordem; anteposição e
posposição de adjetivos no sintagma nominal; fechamento de turnos; características do discurso indireto; processos de intensificação e, mais recentemente, uso variável de preposições; auxiliaridade verbal; sujeito e objeto nulos;
orações subordinadas comparativas, entre outros. Alguns desses temas podem
ser encontrados nos trabalhos de Monteiro, 1991: Pronomes pessoais:: subsídios
para uma gramática do português do Brasil; Lobo, 1992: A colocação dos clíticos em português: duas sincronias em confronto; Cunha, 1993: Indeterminação
16

Arrolamos apenas alguns dos trabalhos realizados em cada um dos subprojetos, tendo em
vista os limites e objetivos desse artigo. Para uma lista mais completa, sugerimos a leitura de
CALLOU, Dinah. O Projeto Nurc no Brasil: da década de 70 à década de 90. In: Linguística, São Paulo: ALFAL, ano 11, 1999.

130



Varejão, Filomena de Oliveira Azevedo.
O portugues do Brasil: Revisando a história

pronominal do sujeito; Lopes, 1993: Nós por a gente no português falado culto;
Barbosa, 1993: Particípios duplos na fala culta carioca; Rodrigues, 1994: A
função dos vocábulos em ­mente na fala culta carioca; Costa, 1995: Estratégias
argumentativas no texto NURC; Duarte, 1995: A perda do princípio `evite pronome' no português brasileiro.
No subprojeto acerca do léxico, indexaram-se substantivos, adjetivos e
verbos e cerca de 500 mil unidades vocabulares já foram quantificadas na fala
carioca culta, como se pode observar nos trabalhos de Oliveira, 1995: Tendências e características do vocabulário da fala culta carioca, e de Marques, 1996: O
vocabulário da fala carioca.
Ao final da década de 90, já passados mais de 20 anos da implantação
do Projeto, muitos resultados de pesquisas apontavam para a necessidade de
se confirmarem evidências apresentadas em tempo aparente num recorte diacrônico, ou seja, em tempo real. Nova amostra foi então constituída e foram
também recontactados alguns daqueles informantes da amostra inicial, a fim
de viabilizar estudos do tipo Painel e Tendência, a partir dos quais se podem
fazer afirmações mais consistentes sobre o quadro geral das mudanças no PB.
Concomitantemente à constituição do Projeto NURC, outra frente de
pesquisa tomava corpo. Conforme relatam Oliveira e Silva & Scherre17, os
trabalhos na linha da Sociolinguística Variacionista se iniciaram em 1979,
com a formação de um grupo interuniversitário composto por orientandos
e/ou orientados do professor Anthony Julius Naro, sediado no Departamento de Linguística e Filologia da Faculdade de Letras da UFRJ. As pesquisas
desse grupo tinham como objetivo traçar o perfil da norma urbana não-culta
do português falado no Brasil, enquanto, paralelamente, o Projeto NURC se
ocupava da norma urbana culta. Dois corpora principais constituíam o banco
de dados do grupo: o corpus Mobral (proveniente de doação do Projeto Competências Básicas do Português, de 1977) e o corpus Censo.
Em 1980, o primeiro projeto desse grupo, financiado pela FINEP e
denominado Censo Variação Linguística no Estado do Rio de Janeiro, organizou
um banco de dados com 48 horas de fala de 48 falantes adultos estratificados
17

OLIVEIRA e SILVA, G. M.; SCHERRE, M. M. P. (Org.). Padrões sociolinguísticos: análise
de fenômenos variáveis do português falado na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro:
Tempo Brasileiro, 1996.

Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

131

por sexo, idade e escolaridade. Em 1981, sob financiamento do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, um outro projeto de pesquisa,
intitulado Estruturas de Fala e Aquisição da Língua Padrão, buscou ampliar o
corpus do Projeto Censo, visando a analisar fenômenos variáveis que tivessem
relação direta com o ensino de língua padrão no ciclo básico. Para isso, foram
gravadas mais 16 horas de fala de informantes na faixa de 7 a 14 anos. Em
1982, a FINEP financiou um terceiro projeto ­ Subsídios Sociolinguísticos do
Projeto `Censo' à Educação ­ agora coordenado pela professora Giselle Machline de Oliveira e Silva. Ainda sob fomento da FINEP, o Projeto Mecanismos
Funcionais do Uso Linguístico, o quarto do grupo Censo (que sofrera modificações com a saída de alguns participantes e com a entrada de novos pesquisadores), era implementado sob a coordenação do professor Sebastião Votre18.
Contando com diferentes linhas de pesquisa (variacionista, funcionalista e conversacional) atuando harmonicamente, o grupo passa a se denominar PEUL ­ Programa de Estudos sobre o Uso da Língua. Ainda atuando, hoje
assessora outros grupos de pesquisa pelo Brasil (como os grupos Dialetos
Sociais Cearenses19; Estudos do Bilinguismo e Variação Linguística na Região
Sul do País (VARSUL); A Língua Falada em Alagoas; Projeto de Vitória da
Conquista) e seus trabalhos são divulgados internacionalmente (cf. Anais dos
encontros do grupo NWAVE ­ New Ways of Analysing Variation), podendo
também ser consultados em várias publicações nacionais. No VARSUL, por
exemplo, focalizando a fala da Região Sul, foram investigados fenômenos
variáveis no âmbito das concordâncias verbal e nominal, da ordem SVN
em construções monoargumentais e do preenchimento do sujeito, numa
perspectiva diacrônica. No Projeto O Português Falado no Ceará, foram
observados fenômenos como a despalatalização e a iotização e o vocalismo
pré-tônico na fala popular de Fortaleza.
18

19

VOTRE, S. J.; NARO, A. J. Mecanismos funcionais do uso da língua. D.E.L.T.A. São Paulo:
Educ. v. 5, p. 169-184, 1989.
Coordenado por RONCARATI e GONÇALVES (1997-1998, FINEP/UFC). Os dialetos
sociais cearenses. Convênio FINEP/ FCPC, nº 41.85.0655.00, 1988. Posteriormente, algumas gravações desse projeto foram publicadas: ARAGÃO, M. S. S. de SOARES, Maria Elias
(Org.). A linguagem falada em Fortaleza - diálogos entre informantes e documentadores
(Materiais para estudo). Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 1996. Essa publicação
contém um histórico do Projeto por Roncarati.

132



Varejão, Filomena de Oliveira Azevedo.
O portugues do Brasil: Revisando a história

Embora assumindo o risco de uma listagem parcial, é preciso lembrar
alguns dos trabalhos desenvolvidos pelo PEUL20.
No campo da fonética e da fonologia, foram investigados os seguintes
tópicos: a estabilidade da supressão de ­d na sequência ­ndo (MATTOS;
MOLLICA, 1989); o reforço da palatalização do ­s pós-vocálico (SCHERRE; MACEDO, 1989); a queda de ­r nos grupos consonantais (MOLLICA;
PAIVA, 1991); a implementação da queda do ­r pós-vocálico, em especial nos
infinitivos (LIMA, 1992); a redução variável da preposição `para' (FELGUEIRAS, 1993); a prótese (avoar) e a aférese (assistir/sistir) de segmentos fônicos
(GONÇALVES, 1993); a tendência à supressão de semivogais em ditongos
(PAIVA, 1996).
No campo da morfossintaxe, os estudos sobre concordância definiram
uma simetria entre os seguintes processos variáveis: a variação na concordância em verbos português pessoais (GRYNER, 1977); a variação do sujeito na
escrita informal (PAREDES DA SILVA, 1988); a concordância no sintagma
nominal (SCHERRE, 1988; 1994; SCHERRE; NARO, 1993; 1997); a concordância verbo e sujeito (SCHERRE; NARO, 1993; NARO; SCHERRE,
1996; SCHERRE; NARO, 1993; 1997).
Os pronomes pessoais de 3a pessoa em função acusativa foram abordados
por Omena (1978). Também foram investigados os fenômenos de queísmo e
dequeísmo (MOLLICA, 1989), a regência do verbo IR (MOLLICA, 1996) e
a regência variável de verbos bitransitivos (GOMES, 1996). Foram observadas
ainda as mudanças no uso pronominal, especialmente no uso alternado de nós/
a gente (OMENA, 1987) e de seu/dele (OLIVEIRA E SILVA, 1991). Também
nessa área, agora assumindo uma perspectiva discursivo-funcional, foi pesquisada a variação tempo e modo no processo de conexão das orações condicionais
(GRYNER, 1990), a análise da ordenação das cláusulas causais (PAIVA, 1992),
das cláusulas temporais (BRAGA, 1995), das orações reduzidas de gerúndio
(BRAGA, 1996) e da variação da negação (RONCARATI, 1996, 1997, 2001).
Uma outra frente de trabalho, focalizando a fala popular como base de
dados (circunscrita à fala dos pescadores do Norte Fluminense), desenvolveuse também na UFRJ. O intitulado Projeto APERJ ­ Atlas Etnolinguístico dos
Pescadores do Estado do Rio de Janeiro ­ retomou alguns fenômenos já obser20

Mais detalhes em PAIVA & SCHERRE. Retropesctiva sociolinguística: contribuições do
PEUL. D.E.L.T.A, v. 15, p. 201-232,1999.

Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

133

vados nas Amostras NURC e PEUL, dentre os quais podemos citar a realização variável da concordância nominal, em estudo de Brandão (1994); o uso
de nós e a gente, em trabalho de Machado (1995) e o estudo da concordância
verbal, em Vieira (1995).
Numa outra perspectiva teórica, mas ainda na busca de entender o funcionamento do sistema e a gramática do PB, Fernando Tarallo21 lançou as
primeiras idéias que semeariam uma nova vertente dos estudos variacionistas,
de fato implantada por ele na PUC de São Paulo e na UNICAMP, a partir
da defesa de sua tese de doutorado sobre as estratégias de relativização. Nessa
vertente, a associação com Kato, em meados da década de 80, consolidou
aquelas primeiras propostas e alicerçou as bases teóricas do fecundo "casamento" entre a Teoria da Variação e alguns pressupostos gerativistas da Teoria
de Princípios e Parâmetros, cujo "contrato" se encontra em Kato & Tarallo22.
São frutos desse casamento, entre outros, os trabalhos de Duarte (1986),
sobre o clítico acusativo e o objeto nulo; de Andrade Berlinck (1989), focalizando a perda da ordem VS; de Nunes (1990), sobre o se indefinido ou
apassivador; de Pagotto (1992), acerca da perda de clíticos de 3a pessoa; de
Cyrino (1994), sobre a diacronia do objeto nulo; de Ramos (1992), que trata
da marcação de caso e a mudança sintática; de Duarte (1993), a respeito do
sujeito nulo; de Ribeiro (1995), sobre a diacronia da sintaxe da ordem; de
Lopes Rossi (1996), sobre as interrogativas ­Q; de Corrêa (1991; 1998),
que focaliza o objeto nulo e a aprendizagem formal das orações relativas.
Os resultados desses trabalhos revelam uma intrigante rede de relações entre
fenômenos sintáticos, que se propagam em cadeia por diversos subsistemas.
Deles concluiu-se, por exemplo, que o enfraquecimento da concordância de
pessoa no PB no parece ter engatilhado a perda do sujeito nulo e perda da
inversão VS, bem como a perda dos clíticos -o e ­se.
Em Duarte (2001; 2005), obtém-se uma visão orgânica de alguns dos
resultados de investigações desse grupo. Tais resultados dão suporte à hipótese
21

22

TARALLO, F. Por uma Sociolinguística românica `paramétrica': fonologia e sintaxe. In:
OLIVEIRA, M. A. ; NASCIMENTO, M. do (Org.). Ensaios de linguística. Belo Horizonte:
Fac. de Letras da UFMG, p. 51-83, 1987.
KATO, M.; TARALLO, F. Anything YOU can do in Brazilian Portuguese. In: JAEGGLI,
O.; SILVA-CORVALAN, C. (Ed.). Studies in Romance Linguistic. Holland/USA: Dordrecht, Riverton, 1986. p. 343-358.

134



Varejão, Filomena de Oliveira Azevedo.
O portugues do Brasil: Revisando a história

levantada por Kato (2005) de que a gramática do letrado brasileiro, em alguns
aspectos, não corresponde à do letrado português, já que a escolarização conserva estruturas da gramática antiga (europeia), mas não "corrige" algumas
inovações incorporadas da fala brasileira inovadora. Desse modo, é possível
que a escrita do letrado brasileiro registre, por exemplo, a variação entre o uso
do clítico e do pronome reto em função acusativa.
Em 1990, agregando inclusive trabalhos do grupo da Sociolinguística
Paramétrica, tinha início o Projeto de Gramática do Português Falado, organizado pelo linguista Ataliba de Castilho, do qual resultaram os dez volumes da
Gramática do português falado, elaborados por pesquisadores como Margarida
Basílio, Dino Pretti, Rodolfo Ilari, H. Urbano, M. Abaurre, Ângela Rodrigues, Mary Kato, Ingedore Koch, entre muitos outros.
Os resultados de tantos estudos fizeram surgir, naturalmente, outras inquietações, e algumas delas apontavam em direção ao passado. Desse modo, a
fim de perscrutar aspectos sociais e estruturais do PB na perspectiva histórica,
organizou-se o Programa Para a História da Língua Portuguesa (PROPHOR),
capitaneado por Rosa Virgínia Mattos e Silva23, na UFBa. Ainda na Bahia,
Lucchesi e Baxter24 deram vida ao Projeto de Dialetos Crioulos em Comunidades
Afro-brasileiras. Logo em seguida veio à luz o Projeto para a História do Português Brasileiro (PHPB), cujos primeiros resultados foram apresentados no I
Seminário para a História do Português Brasileiro, realizado em abril de 1997,
e estão publicados em Castilho, 199825.
Todos esses estudos levantaram perguntas importantes sobre as diferenças do PB em relação ao PE e às demais línguas românicas, e isso promoveu, também a partir da década de 90 do século passado, o estabelecimento
de projetos de cooperação entre pesquisadores do Brasil e de Portugal, consubstanciados no PEPB (Português europeu português brasileiro: unidade
e diversidade na virada do milênio) ­ coordenado por Mary Kato e João
23

24

25

MATTOS E SILVA, R. V. Uma compreensão histórica do português brasileiro: velhos problemas revisitados. Bahia: UFBA. Conferência para Concurso Público de Professor Titular,
1999. Mimeografado.
LUCCHESI, D.; BAXTER, A. A relevância dos processos de pidginização e crioulização na
formação da língua portuguesa no Brasil. Revista Estudos Linguísticos e Literários, v. 19, p.
65-84, 1997.
CASTILHO, A. T. de. (Org.). Para a história do português brasileiro. São Paulo: Humanitas,
1998.

Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

135

Peres ­ e no VARPORT (Análise Contrastiva de Variedades do Português) ­
coordenado por Sílvia Brandão e Maria Antónia Mota26. Os resultados dos
estudos realizados sob a égide dessa cooperação resultaram em encontros de
trabalho em que se levam a cabo discussões, principalmente, em três áreas
da sintaxe: as concordâncias, o sistema pronominal e a ordem dos constituintes na frase.
Do que foi exposto, importa sublinhar que, a partir desses estudos, a
visão que se tem do PB hoje não pode mais se deixar influenciar nem por ímpetos impressionistas nem por argumentos aparentemente científicos, já que
o conjunto dessas investigações revela com alguma segurança os limites e as
confluências entre as duas variedades de português.

Sobre as origens do PB
Uma das explicações para as diferenças entre o PE e o PB remete ao
fato historicamente inegável de que esse português transplantado serviu de
instrumento de interação entre o colonizador branco e povos que aqui viviam
ou que para cá foram trazidos, índios e africanos, ambos falantes de línguas
maternas diversas. Por outro ângulo, porque somos herdeiros de uma língua
que remonta séculos de existência em Portugal, buscam-se explicações sobre
os aspectos formadores de nossa diversidade também nos processos de transformações normais por que passa uma língua natural.
Sem dúvida, não se pode deixar de observar ainda que, perpassando
qualquer debate sobre a nossa formação e nossas peculiaridades linguísticas,
devem estar em foco as diferenças particularmente advindas das especificidades de o Brasil ser um país: i) de imenso território, cujo povoamento foi
heterogêneo e, inicialmente, de base rural; ii) de evidente diversidade cultural e iii) de importante estratificação social, com significativas consequências
na escolarização dos indivíduos27. Logo, uma das possibilidades de resposta à
questão da variação aponta para os estudos das histórias interna e externa da
constituição do PB, subsumindo quatro correntes representativas principais.
26

27

BRANDÃO, S.; MOTA, M. A. (Org.). Análise contrastiva de variedades do português: primeiros estudos. Rio de Janeiro: IN-Fólio, 2003.
MATTOS E SILVA, R. V. O português são dois..." Novas fronteiras, velhos problemas. São
Paulo: Parábola Editorial, 2004.

136



Varejão, Filomena de Oliveira Azevedo.
O portugues do Brasil: Revisando a história

A primeira vertente pode ser reduzida à proposta que fundamenta as
origens do PB num processo histórico de crioulização/descrioulização, tese
defendida principalmente por Guy28. Uma segunda linha de análise refuta a
possibilidade da formação de um crioulo no Brasil, tendo em vista a ampla
funcionalidade das línguas gerais indígenas como meio de comunicação, Naro
& Scherre29. A terceira linha de argumentação reflete sobre a hipótese de ter
ocorrido uma forte influência das línguas africanas, como analisa Mattos e
Silva (2004), podendo ter ocorrido um processo de crioulização leve, no dizer
de Lucchesi & Baxter (1997) ou de aquisição irregular do português como
L2, como defende Lucchesi (1999)30. A quarta proposta é defendida principalmente por Scherre & Naro (2001)31e atribui à deriva secular das línguas
indo-européias (em particular, das línguas românicas) a forma do português
não-padrão, que teria se acelerado e maximizado no Brasil devido ao contato
com outras línguas.

Palavras finais
Sem dúvida, a História confirma que o Brasil foi a maior sociedade de
escravos do Novo Mundo e, embora muito ainda deva ser investigado sobre
o real papel das etnias e das línguas em contato no Brasil Colonial, hoje se
reconhece que o papel das línguas africanas foi decisivo para o desenho do
vernáculo brasileiro (Mattos e Silva, 2004).
Em suma, é evidente que os trabalhos realizados, sejam impressionísticos
sejam de caráter científico, comprovam a complexidade acerca das origens e
transformações do PB. Também está claro que o principal ponto de convergência entre os estudos que focalizam as origens de nossa língua é o que a
define como uma realização plural e heterogênea porque apenas um fato em28

29

30

31

GUY, G. On the nature and origins of popular brazilian portuguese. In: Estudios sobre español
de América y lingüística afroamericana. Bogotá: Instituto Caro y Cuervo, 1989. p. 226-244.
NARO, A.; SCHERRE, M. M. P. Variable concord in portuguese: the situation in Brazil
and Portugal. In: McWRHOTER, J. (Ed.). Language change and language contact in pidgins
and creoles. Amsterdam/Philadelphia, 2000. p. 235-255.
LUCCHESI, D. A questão da formação do português popular do Brasil. A cor das letras,
n. 3, p. 73-100, 1999.
SCHERRE, M. M. P.; NARO, A. Sobre as origens estruturais do português brasileiro:
crioulização ou mudança natural? Papia, n. 11, p. 40-50, 2001.

Cadernos de Letras da UFF ­ Dossiê: Difusão da língua portuguesa, no 39, p. 119-137, 2009

137

pírico é inegável: existem semelhanças e diferenças quantitativas e qualitativas
entre o PB e o PE. As questões postas aos linguistas interessados nesse campo
podem ser resumidas à busca por resposta a uma questão de partida: saber qual
é de fato a dimensão quantitativa e qualitativa dessas semelhanças e diferenças.
Concretamente, resultados de pesquisas sugerem que alguns dos traços
estruturais característicos do português popular brasileiro são também constitutivos da gramática do PE e, ante a evidente diferença quantitativa entre as
ocorrências lá e cá, é preciso pôr em relevo as condições singulares pelas quais
se deu o processo de implantação da língua portuguesa no Brasil e as subsequentes transformações em consequência dos contatos por que passou.
Cabe à pesquisa seguir sua natural busca por outras evidências e assentamento de novas hipóteses para questões que ainda permanecem em aberto.
ABSTRACT
The aim of this paper is to provide a brief overview
of some linguistic ideas about the origins of Brazilian
Portuguese from the 19th century throughout the 20th
century. Such ideas follow two different directions to
explain some peculiarities of Brazilian Portuguese, ranging from "impressionistic" explanations to scientifically driven linguistic researches.
KEY-WORDS: History of linguistic ideas; Brazilian
Portuguese; periodization of Brazilian Portuguese.
Recebido em 17/06/2009
Aprovado em 24/08/2009