ano v - número
j u l h o / a gosto/setembro
200916

ÓRGÃO DA SOCIEDADE
DE NEFROLOGIA DO ESTADO
DE SÃO PAULO
WWW.SONESP.ORG.BR

ESPECIAL: HEMODIÁLISE NO BRASIL CHEGA AOS 60
Desde 1949, ano em que Tito Ribeiro de Almeida, no Hospital das
Clínicas de São Paulo, utilizou pela
primeira vez no Brasil o "rim artificial" para tratar uma paciente de
27 anos de idade portadora de insuficiência renal, a nefrologia nunca
mais foi a mesma. Ao longo das
últimas seis décadas, o tratamento
dialítico apresentou uma expansão
notável no Brasil. O número de pacientes tratados passou de 500, em
1976, para 9 mil, em 1986, cresceu
para 32 mil, em 1996, chegando aos
95 mil, em 2008.
P á gin a s 6 e 7

MEMÓRIA VIVA
Aos 80 anos de idade - e 56
de carreira - Jenner Cruz é
hoje um dos mais velhos
médicos da especialidade
ainda em atividade. Presta
consultoria científica, duas
vezes na semana, no Instituto de Nefrologia de Mogi das Cruzes e
continua na coordenação da série ATUALIDADES EM NEFROLOGIA, que ele
mesmo criou em 1988. Na entrevista, Jenner conta curiosidades da fundação da Sociedade Brasileira da Nefrologia e comenta
sobre a evolução da especialidade.

Pág i nas 4 e 5

CRISE PERMANENTE
NA DIÁLISE
Veja o artigo de João Carlos Biernat sobre
os problemas enfrentados pelos prestadores de serviço de diálise. Setor solicita
constantes empréstimos bancários para
cobrir rombo operacional causado pelo
constante atraso no repasse de verba da
administração pública para as unidades.

Pá gin a s 8 e 9

SONESP realiza reunião e apresenta
propostas para contornar a situação.

Pá gin a 1 0

ESCOLHER E VIVER
Livro do fotógrafo André François que retrata a
vida de pacientes renais crônicos submetidos
a diálise peritoneal. François,
por meio de imagens e depoimentos,
conclui que é possível ter boa qualidade
de vida mesmo com a limitação de um
tratamento artificial.

P á gin a 1 2

1

Nefro SP

julho/agosto/setembro 2009

E di t o r i al

Eventos

CURSO DE RECICLAGEM ACONTECE EM NOVEMBRO

DIÁLISE VOLANTE: NEM RIMA, NEM SOLUÇÃO

O curso de reciclagem, realizado pela SONESP desde 1983, será realizado, este ano, entre os dias 23 e 27 de
novembro. O objetivo é oferecer atualização a médicos que atuam na área da Nefrologia. Este evento tem como
características: 1) ter grande enfoque clínico, com discussão de casos e troca de opiniões sobre condutas; 2) contar
com demonstrações práticas (por exemplo, a realização de biópsia renal) em algumas atividades; 3) ser ministrado a
grupos com pequeno número de participantes para que ocorra maior diálogo e interatividade com os coordenadores;
e 4) poder participar de algumas atividades da rotina do serviço como, por exemplo, visitas de enfermaria, reuniões
clínicas, etc. A participação neste evento deverá conceder 10 pontos aos participantes (pontuação solicitada à Comissão Nacional de Acreditação). As inscrições estão abertas e podem ser feitas na Secretaria da SONESP, pelo telefone:
(11) 5579-1242 ou pelo e-mail: [email protected] A taxa de inscrição é de R$ 300,00 para sócios da Sociedade
Brasileira de Nefrologia, e R$ 450,00 para não sócios.

Dr. Ruy Barata*
para os hospitais no box abaixo).
O edital expõe em seus tópicos a dinâmica de funcionamento do sistema a
ser adquirido, assim como estabelece
"que, quando a chamada para realizar o
procedimento não indicar a terapia renal
substitutiva, a remuneração será de 5%
do valor do procedimento". É uma clara
atitude que não cremos intencional, mas
que disparada açodadamente atinge diretamente o exercício ético e integral da
medicina, em específico a nefrologia.
Sabe-se que cerca de 80% dos casos
de internação nos hospitais públicos
referem-se a pacientes portadores de
doenças renais crônicas com complexos distúrbios metabólicos e plenos de
co-morbidades. Eles exigem, no mínimo, o acompanhamento diário de especialistas em nefrologia. Entre os hospitais citados no edital, estão o Hospital
Ipiranga e o Pérola Byington (Centro
de Referência da Saúde da Mulher).
Tratam-se de locais com residência médica, portanto considerados hospitais
de ensino, cujas responsabilidades são
duplicadas nestas tomadas de decisão.

Não há como aceitar, sem reclamar,
projetos como este que desfiguram
princípios básicos do exercício ético da
medicina. Não concordamos que a cidade de São Paulo, a mais rica do país,
necessite de práticas desta natureza, que
incentivam a fragmentação da atenção
médica. É sabido que a cidade conta
com recursos humanos, técnicos e materiais necessários para montar serviços
integrais de nefrologia a serem fixados
nos hospitais de referência, incorporando os novos profissionais nefrologistas, alargando o mercado de trabalho
e propiciando atenção médica correta
e integral no sistema público de saúde.
Oxalá possamos comemorar, em breve,
a revogação de tal decisão e consigamos
um fórum legítimo de debate das políticas nefrológicas para o Estado. Quem
sabe discutindo, consigamos evitar projetos simplistas, isolados, às vezes bemintencionados, mas que, elaborados no
silêncio dos gabinetes, acabam tornando-se problemáticos.
* diretor de defesa profissional da SONESP e editor do Nefro-SP

Hospital Geral de Vila Penteado:
20 sessões por mês*

Hospital Maternidade Interlagos:
6 sessões por mês

Hospital Maternidade Leonor Mendes
de Barros: 1 sessão por mês

Centro de Referência da Saúde da
Mulher: 35 sessões por mês

Hospital Infantil Cândido Fontoura:
1 sessão por mês

Hospital Ipiranga: 120 sessões
por mês

Total estimado: Hemodiálise - 143 sessões / Diálise Peritoneal - 40 sessões

Exp e d i ente
SONESP - SOCIEDADE DE NEFROLOGIA DO
ESTADO DE SÃO PAULO

2

DIRETORIA BIÊNIO 2009/2010:
Presidente: Dra. Altair Oliveira de Lima
Vice-presidente: Dr. Márcio Dantas
Secretária: Dra. Andréa Olivares Magalhães
Tesoureiro: Dr. Hugo Abensur

Diretor Científico: Dr. João Egídio Romão Júnior
Diretor de Defesa Profissional: Dr. Ruy Antônio Barata
Conselho Fiscal: Drs: Antônio Américo Alves, Jenner Cruz e
Yvoty Alves Santos Sens

do Rio Preto e Barretos: Dr. Leandro Júnior Lucca, Região
5 - Bauru, Araçatuba, Marília, Botucatu, Assis e Presidente
Prudente: Dra. Jacqueline Costa Teixeira Caramori, Região
6 - Campinas, Piracicaba e São João da Boa Vista: Dr. Cyro
Nogueira Fraga Moreira Filho

DIRETORIAS REGIONAIS:
Região 1 - Capital do Estado (Região Metropolitana):
Dr. Aderbal Angelo Nastri, Região 2 - Taubaté, Santos,
Sorocaba, Registro e São José dos Campos: Dr. Jerônimo
Ruiz Centeno, Região 3 - Ribeirão Preto, Franca e
Araraquara: Dr. Miguel Moyses Neto, Região 4 - São José

JORNAL NEFRO -SP
Coordenação: Dr. Ruy Barata
Jornalista Responsável: Ruy G. B. Neto - MTb 48.202
Editoração e Impressão: NSA Gráfica e Editora
Tiragem: 3.000 exemplares

CONFIRA AS INSTITUIÇÕES ENVOLVIDAS NO PROJETO ESTE ANO
Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (10 vagas)
Coordenadora: Dra. Vera Koch
Tema: Nefrologia pediátrica
Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (20 vagas)
Coordenadoras: Dra. Yvoty Sens e Dra. Vanda Benini
Temas: Nefrologia pediátrica, nefrologia clínica (IRA, glomerulopatias, HA, IRC e outros), tratamento dialítico e transplante renal
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (20 vagas)
Coordenador: Dr. Rui Toledo Barros
Temas: Nefrologia clínica (IRA, glomerulopatias, HA, IRC e outros), tratamento dialítico e transplante renal
Escola Paulista de Medicina ­ UNIFESP (20 vagas)
Coordenadores: Dr. José Osmar Medina Pestana e Dra. Gianna M Kirstajn
Temas: Nefrologia clínica (IRA, glomerulopatias, HA, IRC e outros), tratamento dialítico e transplante renal
Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP (20 vagas)
Coordenadores: Dr. Márcio Dantas e Dr. Miguel Moysés Neto
Temas: Nefrologia clínica (IRA, IRC, glomerulopatias, HA, e outros), tratamento dialítico e transplante renal.

O SUCESSO DO XIV NEFRÉTICO

* Valores Estimados

É

de nossa compreensão que a Sociedade Brasileira de Nefrologia
tem responsabilidades com o desenho e a montagem do sistema de atenção
pública à saúde de nefropatas. Por isso,
cabe à sociedade da especialidade o papel
relevante de compartilhar com as secretarias de saúde sua visão de atendimento
nefrológico nos municípios brasileiros.
Eis porque, hoje, consideramos um
erro grave o distanciamento entre a autoridade de saúde constituída e a sociedade de
nefrologia, no que concerne à concepção
do modelo de assistência e suas condições
de exercício e remuneração.
Atribuímos à ausência de debate a
equivocada decisão da Secretaria Estadual
de Saúde de comprar serviços de diálise
volante, ou seja, àquela feita fora da Unidade de Diálise ancorada no procedimento dialítico. Isto significa a compra ­ pelo
Estado ­ de serviços de empresas terceirizadas para realizar ­ quando chamadas
­ hemodiálise e diálise peritoneal nos pacientes internados nos hospitais mantidos
pela Secretaria Estadual de Saúde de São
Paulo (veja os quantitativos estimados

É com prazer que comunicamos o sucesso do XIV Simpósio sobre Transporte de Eletrólitos e Função Renal ­ NEFRÉTICO, realizado em Ribeirão Preto
no fim de junho. O evento foi organizado pelos Profs. Drs. Terezila Machado
Coimbra e Wamberto Varanda, ambos do
Departamento de Fisiologia da FMRPUSP, e contou com a assessoria científica
dos Profs. Drs. Gerhard Malnic, Roberto
Zatz, Antonio C. Seguro, Miriam Boim,
Antonio Cassola, Claudia Helou e Frida
Z. Gil. O evento é parte das atividades do
Departamento de Fisiologia e Fisiopatologia da Sociedade Brasileira de Nefrologia e recebeu apoio da Direção da FMRPUSP, FAPESP e CAPES.
Como curiosidade, o Dr. Roberto

Zatz (disciplina de Nefrologia, da Faculdade
de Medicina-USP) esclareceu que a denominação "NEFRÉTICO", usada desde as
primeiras edições deste simpósio, foi adotada graças à sugestão feita pelo Dr. Mozart
Régis Fortes Furtado, professor aposentado
da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
(USP), que criou o nome a partir da montagem: Núcleo de Estudos da Função Renal,
Transporte Iônico e Co-transporte.
O evento teve cerca 90 pessoas inscritas, entre pesquisadores, pós-graduandos,
alunos de graduação, médicos e residentes. Participaram também três convidados
estrangeiros: Dr. Lawrence G. Palmer, do
Departamento de Fisiologia e Biofísica, da
Weill Medical College of Cornell University,
de Nova York (USA), que tem contribuído

para o maior conhecimento dos canais
de sódio em epitélios; Dr. Hans Oberleithner, do Instituto de Fisiologia II, da
University of Münster, na Alemanha, que
tem trabalhado com microscopia de força atômica e mantém intercâmbio com o
Prof. Malnic, do ICBSP-USP; e Dr. René
J. Bindels, do Departmento de Fisiologia,
do Nijmegen Centre for Molecular Life
Sciences, da Radboud University Nijmegen Medical Centre, com atuação nos mecanismos envolvidos com canais de cálcio
em epitélios. Dr. Bindels também ministrou conferências nos Departamentos de
Fisiologia e Biofísica do ICB-USP, em
São Paulo, e da UFRJ, no Rio de Janeiro.
Além disso, estiveram presentes também
25 palestrantes de destaque do país.

3

Nefro SP

julho/agosto/setembro 2009

Entrev i s t a

Entrevista

JENNER CRUZ:


56

ANOS ATUANDO
EM NEFROLOGIA

N

ascido em 29 de maio de 1929, Jenner Cruz acaba de completar 80 anos de idade, sendo que 56 deles integralmente dedicados à
nefrologia. O médico foi um dos presentes na primeira reunião para a assinatura da ata de fundação da Sociedade Brasileira de
Nefrologia, em 1959 e um dos primeiros professores da nascente especialidade, ainda na década de 1950. Ele fez parte do grupo do
professor Antônio Barros de Ulhôa Cintra, responsável pela criação da primeira clínica médica em nefrologia. Cruz é um dos mais antigos
nefrologistas vivos e em atividade. É consultor científico do Instituto de Nefrologia de Mogi das Cruzes e levará, para o XV Congresso da
SONESP em Campos do Jordão, neste mês, três trabalhos feitos lá. Nesta entrevista, ele lembra os primeiros passos da SBN, os pontos altos
da carreira e fala sobre o que espera para o futuro da medicina e nefrologia.
A SBN faz 50 anos em 2010. Conte um pouco de como a entidade foi
criada já que o senhor esteve presente na fundação? Naquele tempo,
éramos muito jovens. Eu era do grupo
do professor Antonio Barros de Ulhôa
Cintra, mas quem organizou a fundação da sociedade foi o professor Israel
Nussenzveig, que era do grupo de Luiz
Décourt, da segunda clínica médica.
Nussenzveig era chefiado pelo professor
Magaldi [José de Barros Magaldi]. Todos os nefrologistas das clínicas foram
convidados ­ além de profissionais que
não eram da área, pois havia pediatras
interessados ­ para constituir a entidade médica. Chegou-se aos 42 membros
que se reuniram para assinar a ata de
fundação da SBN. Feita a ata, assinamos
a homenagem. Em seguida, o professor
Magaldi e Décourt, que não estavam

4

presentes na primeira ocasião, também
assinaram. Ao todo, são 107 assinaturas
que constam da fundação da SBN, mas
a ata original era de 42 membros, contando também com a assinatura de três
médicos franceses, entre eles Dr. Jean
Hamburger, primeiro presidente da sociedade internacional de nefrologia.
Como o senhor estava inserido
na especialidade naquela época? No
começo, a disciplina era clínica médica,
então os doentes eram meio misturados.
Porém, pouco a pouco, foram ficando
só os nefrológicos. Fazíamos ambulatório uma vez por semana, tínhamos três
leitos e internávamos quem achávamos
que devia ser internado. Aprendi bastante dando aulas também. A especialidade na faculdade de medicina começou em 1951. Então, o professor Cintra

ficou com uma série de especialidades, e
o Décourt com outras. Posteriormente,
algumas que haviam ficado com o Cintra, foram fundadas também na clínica
do professor Décourt, inclusive a nefrologia. O grupo de Décourt tornouse muito importante porque começou a
fazer diálise muito antes de nós. O primeiro homem a fazer diálise no Brasil
foi o professor Tito Ribeiro de Almeida
que não era do grupo - era terapeuta, se
não me engano ­, mas foi convidado
por Décourt para sua clínica médica.
Ele inventou um aparelho para fazer
diálise. E foi o primeiro. Mas, como era
algo muito rudimentar, ele fazia apenas
diálise aguda quando o rim parava de
funcionar completamente. O primeiro
aparelho inclusive de hemodiálise foi
comprado por eles mais tarde (veja a
história da hemodiálise nas páginas 6 e

"QUANDO ERA ESTUDANTE, NÓS NÃO TÍNHAMOS DIÁLISE, NÃO TÍNHAMOS TRANSPLANTES,
NENHUM REMÉDIO PARA PRESSÃO... QUER DIZER O TRATAMENTO ERA MUITO EMPÍRICO.
HOJE ESTAMOS SABENDO DIREITINHO COMO FUNCIONA NOSSO ORGANISMO"
7). Mas o primeiro curso Moléstias renais e hipertensivas foi dado em 1952
pelos Drs. Silvio Soares de Almeida e
Emílio Mata, que eram assistentes do
Dr. Cintra ­ naquele tempo, era aluno
ainda e tive aulas com ele. Inclusive, um
colega de um ano anterior fez inclusive
um livro com o resumo dessas aulas. As
aulas eram no Hospital das Clínicas.
O senhor chegou a cursar doutorado na Escola Paulista de Medicina. Sendo do HC, por que resolveu
ingressar na instituição considerada rival entre os médicos? Naquela
ocasião, não havia ainda doutorado
no Hospital das Clínicas, e o professor Oswaldo Ramos havia criado esse
curso na Escola Paulista de Medicina.
Achei que seria interessante produzir
uma tese de doutorado. Alguns anos
depois, foi criado o mesmo curso no
HC. Eu fui direto para o doutorado
porque já tinha algum nome na nefrologia paulista e, por conta disso, o Dr.
Oswaldo me colocou direto lá. Ele só
não me dispensou de fazer diálise porque ainda não havia feito.
Mas o senhor não chegou a terminar o curso. Por quê? É que quando já estava com a tese de doutorado
quase pronta, a faculdade de Mogi das
Cruzes abriu vagas para docência direta, e resolvi logo prestar concurso para
dar aulas na universidade. Eu me inscrevi e passei, abandonando o doutorado, o que acho que foi uma burrada.
Na época fazíamos uma prova escrita,
oral, de dar aula, de defesa de tese e

de títulos; tudo isso durou dois dias, o
que era uma maratona.
O senhor também chegou a publicar livros. Como ingressou no
mercado editorial? Quando eu era
membro da Sociedade de Nefrologia,
fui indicado para a chefia do departamento de Hipertensão e achava que
deveria fazer alguma coisa. Então, resolvi fazer o livro ATUALIDADES
EM NEFROLOGIA, o que me deu
muita vivência; até agora continuo coordenando a elaboração do título. Com
isso, aprendi muito mais, pois tive que
ler todos os trabalhos, o que me torna bem atualizado em relação ao que
acontece de novo na área. A partir do
último, passamos a convidar toda a nefrologia para participar, então o projeto ficou ainda mais robusto. Dessa vez,
fizemos 124 convites. Mas não queremos 124 trabalhos, então limitamos o
prazo para entrega, que deve ser feita
até novembro. É interessante que, nesse tempo todo, nós abordamos todos
os pedaços da nefrologia, assim, apesar de muitos textos estarem desatualizados, temos no livro abordagens de
todas as áreas, o que permite acompanhar um estudo da evolução do tema.
E quanto a nefrologia evoluiu
neste tempo na sua opinião? Ela
evoluiu bastante. Quando era estudante,
nós não tínhamos diálise, não tínhamos
transplantes, nenhum remédio para
pressão, para tratar colesterol, ácido úrico. Quer dizer o tratamento era muito
empírico. E a mudança farmacológica

que houve, de 1950 pra cá, foi fantástica.
Hoje, estamos sabendo direitinho como
funciona nosso organismo. Em breve,
vamos começar a tratar doenças hereditárias. Essas doenças vão sumir com os
tratamentos que temos hoje. Sabemos
dosar todas as citosinas que fazem mal
pra gente. Estão todos sendo elucidados
e aparecendo remédios para destruí-los.
A vida vai melhorar cada vez mais. Não
só na nefrologia, como nas doenças em
geral. As doenças do rim mexem com
todos os órgãos. Então, o nefrologista
que estuda bastante sabe um pouco de
pulmão, de coração, sabe muito de diabetes. A mudança que houve na nefrologia foi fantástica.
O que o senhor destaca na sua
produção acadêmica além do ensino? Tive um bom desempenho no estudo de remédios. Recebíamos muitos
remédios para estudar naquela época.
Um deles foi o Xipamida, que era um
diurético. Estudamos isso em um certo
número de pacientes e publicamos o estudo na revista do Hospital da Clínicas
que, desde o começo, é indexada. Graças a isso, nosso trabalho ficou citado na
farmacologia americana porque o laboratório nos pediu para estudar colesterol
e descobrimos que o remédio o aumentava. Assim, quando mais de um livro de
farmacologia americana publica que os
diuréticos podem aumentar o colesterol,
faz isso baseado em quatro trabalhos
que saíram quase ao mesmo tempo: um
sobre Hidrocloroiazida, outro Furosemida, outro sobre a Clortalidona e o outro, que foi o nosso, sobre a Xipamida.

5

Nefro SP

julho/agosto/setembro 2009

E s peci al

Esp ecial

OS 60 ANOS DA HEMODIÁLISE NO BRASIL
Da criação do rim artificial à consolidação do tratamento em solo nacional

João Egídio Romão Júnior*

F

oi há 60 anos! Mais precisamente em 19 de maio de 1949 que o
Dr. Tito Ribeiro de Almeida, no
Hospital das Clínicas de São Paulo, utilizou pela primeira vez no Brasil o "rim
artificial" para tratar uma paciente de 27
anos de idade portadora de insuficiência renal. Usou seu aparelho, construído de maneira artesanal, apenas quatro
anos após William Kolff realizar seus
ensaios pioneiros na Holanda.
O rim artificial foi criado por Kolff, na Holanda, por volta de 1944, e
era do tipo de tambor rotatório; pouco depois, o canadense Murray desenvolveu um rim em que a membrana ficava parada e o líquido de diálise
era agitado. Segundo as palavras do
Dr. Tito, esta "foi a primeira literatura sobre o assunto que chegou as
minhas mãos e da qual eu copiei e
procurei fazer o rim artificial, porque
sempre mexi com rim, gostava de

Primórdios: paciente em diálise produzida de
forma quase artesanal

6

rim. Tinha mania de rim".
A descrição de seu aparelho foi
feita de maneira bem simples pelo Dr.
Tito: "Meu rim era feito com cerca de
30 metros de tubo fino de celofane,
enrolado feito serpentina em uma tela
de aço inoxidável cilíndrica. Esta tela
ficava fixa e mergulhada no líquido dialisador, um líquido o mais fisiológico
possível que se podia ter na época. Este
líquido tinha sua temperatura mantida
por meio de uma resistência. Um motorzinho elétrico movia uma hélice agitadora que mantinha o líquido em movimento e proporcionava condições
para manter a uniformidade de difusão
através da membrana dialisadora". E
ele prosseguiu: "Esta tela era feita artesanalmente em uma estampa¬ria que
trabalhava com aço inoxidável. A gente
ia até lá para orientá-los na confecção
da tela e na colocação de ganchinhos
que seguravam o tubo de celofane
enrola¬do". Como membrana,
"nós usávamos um tubo de celofane estreito e longo. O mesmo que
era utilizado na fabricação de salsichas!". Finalmente, informava que
"tudo era feito artesanalmente. Os
sais eram pesados e diluídos na
água na hora de se fazer a hemodiálise. No tanque, cabiam 40 litros
de líquido de diálise, e este tinha

que ser trocado a cada duas horas".
Ainda em 1949, foram realizadas
diversas sessões de hemodiálise em
pacientes com insuficiência renal crônica, tendo como indicação do tratamento dialítico a presença de coma.
"Só dialisávamos pacientes que estavam em coma urêmico." Todos estes
doentes faleceram após algumas horas
ou dias de tratamento. Em 1º de dezembro de 1949, uma mulher de 47
anos foi a primeira paciente que sobreviveu à hemodiálise.
Era um caso de insuficiência renal
aguda devido à intoxicação por bicloreto de mercúrio. Submetida a três
sessões de hemodiálise, saiu do coma
após a terceira hora de tratamento
("nesta diálise inicial, a ureia subiu de
228 para 252mg/dl!") e teve alta curada. De 1949 a 1954, foram tratados
cerca de cem pa¬cientes, quase todos
portadores de insuficiência renal aguda (somente os dois primeiros casos
foram pacientes crônicos).
* João Egídio Romão Júnior é professor
livre-docente de Nefrologia ­ Faculdade de
Medicina da Universidade de São Paulo,
Chefe da Unidade de Diálise do Hospital das Clínicas FMUSP e da Clínica de
Nefrologia do Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo.

· A IMPLANTAÇÃO DA HEMODIÁLISE NO BRASIL
Após esta fase pioneira, já se
constata a presença de diversos Serviços de Doenças Renais no país e
a natural incorporação tecnológica.
Em 1956, são introduzidos os rins
artificiais Kolff-Brigham, importados dos Estados Unidos ("tanque
de aço"), os primeiros no Rio de Janeiro - Hospital Pedro Ernesto em
04/01/1956 e Hospital dos Servidores do Estado em 05/03/1956 - e em
São Paulo - Hospital das Clínicas em
01/11/1956. Em 1968, começaram a
ser comercializados no Brasil os rins
artificiais Travenol RSP.
Até esta época, somente pacientes
portadores de insuficiência renal aguda podiam usufruir da terapêutica dialítica. Somente em meados dos anos
1960 é que a hemodiálise passou a ser
utilizada para o tratamento de substituição renal de portadores de insuficiência renal crônica (IRC). No Brasil, os
trabalhos iniciais foram realizados no

Implantação: nefrologistas começam a disseminar tratamento dialítico

Paraná pelo Prof. Adyr Mulinari após
treinamento em Seattle-EUA com o
Prof. Scribner, pioneiro do shunt arteriovenoso. Segue-se o uso de diálise
peritoneal e hemodiálise para tratar
portadores de IRC em São Paulo (Prof.
Emil Sabbaga, em 1962) e no Rio de
Janeiro (Prof. Francisco Santino Filho,

em 1963). Posteriormente, são descritas experiências em outros Estados
brasileiros. Estes centros localizavamse principalmente em hospitais universitários e em raros núcleos privados do
país. Estava implantada a hemodiálise
como modalidade de tratamento de
portadores de IRC no Brasil. (JERJ)

A CONSOLIDAÇÃO DA HEMODIÁLISE NO BRASIL
A terapêutica hemodialítica da
insuficiência renal crônica de longa duração foi implantada no país
no início dos anos 1970 e passou
a se consolidar após 1976, quando os serviços prestados passaram
a ser reembolsados pelo governo
federal (antigo INAMPS - Instituto Nacional de Assistência Médica
e Previdência Social). Nesse período, a diálise cresceu, integrandose, assim, ao padrão de prestação
de serviços à população previden-

ciária. Com a criação do Serviço
Único de Saúde (SUS), por meio
da Constituição Brasileira de 1988,
o acesso foi democratizado.
Nos anos que se seguiram ao
credenciamento dos primeiros centros de diálise, a atividade apresentou uma expansão notável no Brasil, não só no número de pacientes
tratados (que passou de 500 em
1976, para 9 mil em 1986, 32 mil
em 1996, chegando a 95 mil pacientes em 2008), como também na ex-

tensão da oportunidade de acesso a
estes tratamentos em todos os Estados brasileiros, chegando a números expressivos, como mais de 650
unidades de diálise. Tais números
colocam o programa brasileiro entre os três maiores do mundo, sendo, certamente, o maior programa
mundial público de diálise. Ao lado
destes números, diversos indicadores mostram a excelência dos serviços e a qualidade do tratamento
proporcionado. (JERJ)

7

Nefro SP

julho/agosto/setembro 2009

Ar t i g o

Art igo

CRISE NA DIÁLISE? QUE CRISE É ESSA?
Um panorama da situação de calamidade no setor e as possíveis soluções há muito aguardadas

João Carlos Biernat*

E

ntende-se por crise uma situação emergencial, passageira,
um momento crítico, perigoso,
aflitivo. Vem com início determinado,
dura um certo tempo e vai embora.
Indica um estado de alternância: não
há como retornar ao antigo padrão.
Pode ser uma boa oportunidade de
crescimento, se bem resolvida. A recente crise financeira mundial é um
exemplo: está passando, deixou
seu rastro de destruição, é
claro, mas também muitas
lições.

E na hemodiálise, há crise? Parece
que não. Pode ser surpreendente, mas,
para haver crise, deve haver um período
anterior bem-definido, de prosperidade, de bonança, de estabilidade prolongada com bons resultados financeiros
e bom desempenho técnico, e sempre
acompanhados de ética. Como esta situação paradisíaca não existe há mais
de 25 anos, ou nunca existiu de fato,
não há como falar em crise. Há sim,
um moto-contínuo de dificuldades de
toda ordem, permanente, duradouro.
Tão ruim e constante que até acostuma a gente... Os envolvidos se adaptam a esta conjuntura como se adapta o organismo humano à medida
que se instala, gradual e progressiva,
uma insuficiência renal crônica. Um
lenta e sofrida agonia.
É inacreditável como muitas famílias no Brasil se mantém com ren-

da mensal de 1, ou mesmo 2, salários
mínimos. Assim como é incrível conseguir tocar programas de hemodiálise
recebendo US$ 70 por sessão ­ às vezes, nem isso, - e tendo que devolver
35% ao governo na forma de leis sociais, impostos e tributos. Sobram US$
50. Só com muita superação. Mas só
superação não basta. A espoliação continuada deteriora relações, desanima e
até humilha a ponto de gerar inércia,
falta de reação e discernimento com
relação ao que acontece. Surgem sonegação de qualidade, manutenção precária, baixos salários, não recolhimento de tributos, endividamento bancário
­ este, primeiro da empresa e, depois,
da pessoa física do nefrologista-sócio.
Essa é a adaptação "natural" face à
longa privação de recursos. Adaptação
a contragosto, pois nenhum nefrologista quer conviver com isso.

cumulativamente a remuneração das
Unidades. Em paralelo, houve aumento de custos operacionais, a partir dos
anos 1990, na busca correta por qualidade e segurança, por pressão social.
Basta lembrar de Caruaru, do papel da

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).
Só que a conta não fecha, a equação é imperfeita. Há flagrante desequilíbrio entre as contas a pagar e a
receber. Aparecem então as dívidas,

· DEFINHAMENTO
OK, não há crise! Mas então o que
há? Há sim um crônico desfinanciamento do setor, provocado por sucessivas subcorreções de tabelas. Cada
plano econômico, com ou sem inflação, e mesmo após a URV, corroeu

8

de início toleráveis, depois impagáveis. E dá-lhe REFIS, empréstimos consignados e outras formas
de explícita agiotagem. E também
aparecem as dúvidas: vale a pena
continuar trabalhando assim? Isso
um dia melhora? Mas os pacientes
como ficam? Mas, e os pacientes,
são meus ou são do SUS? Qual meu
papel diante de toda essa coisa velha, constante, repetitiva?
Fazer alguma coisa possível e não

"ficar sentado esperando a morte
chegar", como um dia cantou Raul
Seixas e como, infelizmente, vivem
muitos pacientes renais crônicos ­
infelizmente. Pressionar quem tem
poder de decisão: os senhores congressistas, o senhor Ministro da Saúde e por que não o senhor Presidente
desta República? A gente pede tabela, eles alegam falta de verba. É o
mesmo surrado diálogo de surdos se
repetindo há 30 anos.

O momento exige mobilização não
só dos nefrologistas ­ poucos, pequenos
e solenes desconhecidos ­, mas sim de
todas as áreas envolvidas com doença
renal. Pacientes, unidades, associações,
indústria e uma parceria frequentemente
esquecida, mas com muito peso, os hospitais. Sim, os hospitais com seu prestígio e representatividade deveriam ser
participantes desta força-tarefa, pois
também têm lá seus interesses com a
recuperação do segmento diálise.

vimentação financeira. E dá ao Executivo um bom instrumento para combater a sonegação fiscal, outra praga que,
de certo modo, dilapida o orçamento
da União e acaba nos afetando. Com
estes dois objetivos atingidos, seriam
agregados mais de R$ 15 bilhões ao
orçamento do MS, o que permitiria
melhor recomposição de tabelas.
E há ainda a mobilização para que
Estados e municípios cumpram sua
obrigação de aplicar, respectivamente, 12% e 15% de seus orçamentos
em saúde. Aplicação de fato, sem os
simulacros da inclusão de despesas
paralelas como se fossem gastos com
saúde a exemplo das despesas com esgoto, saneamento básico, merenda escolar, aposentados, hospitais de funcionários públicos e sua assistência, e
por aí vai. Em 2008, seriam obtidos
R$ 26,8 bilhões dos Estados e R$ 27,8
bilhões dos municípios, além do orçado pelo MS (R$ 48,7 bilhões). Se fosse
realmente realizado este orçamento, a
saúde melhoraria muito.
Havendo capacidade criativa e
pegada, humildade e maturidade,

faz-se a parceria com os outros atores deste processo, único modo de
reverter o desfinanciamento da saúde. Depois sim, vem a hora de lutar
pela nefrologia, por uma política séria para tratamento da insuficiência
renal, para corrigir suas tabelas. E
esta luta fica facilitada com a existência assegurada de fontes perenes
de recursos. Mesmo porque está
chegando a hora de exigir inclusão
definitiva de novos procedimentos
dialíticos pelo SUS, como diálise diária, longa de 8 horas, 3 a 5 vezes
por semana, diálise adequada para
insuficiência renal aguda, com óbvio
aumento de custos para o MS. Mas
esta é uma imposição ética e moral
em função dos ótimos resultados alcançados mundo afora, em termos
de qualidade de vida e sobrevida
de pacientes. Uma nova diálise, um
novo tempo. E lógico, sem crise.

· CÁLCULOS
E qual o objetivo primeiro: prover, de imediato, recursos para a saúde por meio da aprovação da Emenda
Constitucional 29, que acrescentaria
R$ 4 bilhões por ano ao orçamento
do Ministério da Saúde (MS) e daria
garantia efetiva de correção automática anual desse orçamento por força de lei. Todo santo ano, deve haver acréscimo da variação nominal
do PIB mais a variação da inflação.
Se, em 2010, o PIB for de 4% e a inflação anual for de 6%, para 2011, o
orçamento do MS deveria ser corrigido em 10%, e, assim, sucessivamente. Parece pouco, mas foi a ausência
continuada deste pouco que nos levou para a situação atual: as correções
hoje dependem de favores, benesses,
pedidos de joelhos e, mesmo assim,
quase nunca não acontecem.
Outro objetivo vital: mobilização
plena para aprovar a Contribuição
Social para a Saúde (a CSS), que pode
alocar mais R$ 11 bilhões ao atual orçamento de R$ 54 bilhões do MS. Mas
a CSS é uma nova CPMF, só que com
alíquota menor (0,1%) sobre toda mo-

*João Carlos Biernat é nefrologista em
Porto Alegre (RS) e ex-presidente da Associação Brasileira dos Centros de Diálise e Transplantes (ABCDT).

9

Nefro SP

julho/agosto/setembro 2009

I ns titu c i o n al

Geral

I ENCONTRO DE UNIDADES DE TRS DE SÃO PAULO

TERCEIRIZAÇÃO DOS HOSPITAIS PAULISTAS GERA POLÊMICA

A

Dr. Ruy Barata, diretor de defesa profissional SONESP; Dra. Altair Lima,
presidente da SONESP; e Dr. Gilberto Natalini, vereador PSDB-SP: debate
trouxe novas propostas

D

iante do panorama de inadimplência das Unidades de Diálise do Estado de São Paulo, a
diretoria da SONESP, após ampla divulgação de convites, realizou em sua
sede, no último dia 17 de agosto, um
encontro que reuniu representantes de
Unidades de Diálise, associações de
pacientes, além de profissionais da área
administrativa e contábil. O objetivo:
elaborar propostas e discutir alternativas para o setor em crise constante (ver
box abaixo e artigo na página...).
O debate foi aberto pela Dra. Altair Lima, presidente da SONESP,
que introduziu a difícil situação das
unidades de diálise de São Paulo.
"Além de insuficientes, as tabelas de
remuneração ainda sofrem os constantes e inaceitáveis atrasos por parte
das prefeituras", explicou.
O Dr. Fernando Frattini, diretor da
UNICOM de Jundiaí, fez apresentação
objetiva e bem-documentada de todos
os segmentos de custos envolvidos no
tratamento dialítico dos pacientes de
São Paulo e sua defasagem diante do
exíguo reembolso. Tal questão ficou
ainda mais evidente com a exposição
de Gilberto Rodrigues da Silva, admi-

10

nistrador, executivo da Master Qualy,
cujo trabalho no setor é reconhecido.
O encontro ganhou corpo com a
intervenção simples e substanciosa de
Gilberto Natalini (PSDB/SP), médico
e vereador na Câmara de São Paulo. Segundo ele, a crise do SUS é marcada pela
desmobilização de setores tradicionalmente ativos na luta pela implantação
do sistema em todas as suas dimensões
como sindicatos, associações filantrópicas, frente parlamentar de saúde e lideranças combativas. Em função disso,
Natalini exortou a mobilização do segmento médico dando como exemplo
o ativismo da SONESP. "Não haverá
outro modo de reverter a atual situação
sem ampla participação da sociedade",
disse Natalini.
O vereador ainda trouxe o exemplo
do atraso de votação da Emenda 29 e
sua desfiguração no Senado Federal.
Reconhecendo alguns avanços no diálogo entre prefeitura e prestadores de
serviço, considera incabível os atrasos
de pagamentos que vêm ocorrendo no
setor de terapia renal substitutiva, o que
certamente explica a inadimplência fiscal de várias unidades de diálise que se
submeteram ao processo de renovação

de contratos abertos pela prefeitura de
São Paulo este ano.
Natalini também prometeu esforços junto ao prefeito Gilberto Kassab e ao secretário de saúde para a
superação do problema, sob pena de
graves consequências para o sistema
de atenção aos pacientes renais no
município de São Paulo.

PROPOSTAS APRESENTADAS
O I Encontro de Terapia Renal
também serviu para que os participantes levantassem propostas
que devem funcionar como bandeira de luta das entidades médicas e devem ser encaminhadas
para a administração pública em
curto prazo. Entre os projetos
apresentados, destacaram-se:
1) Luta pela redução da carga fiscal
para aqueles que atendem mais de
60% ao SUS.
2) Criação de uma linha de crédito de
juros baixos para socorro das unidades penalizadas por atrasos de pagamentos devidos pelo poder público.

Entidades médicas não aparecem e ficam a margem das discussões

s associações médicas, incluindo as de Saúde Pública, estão à margem das discussões em torno da lei
encaminhada pelo governador José Serra que permite a terceirização de todos os hospitais estaduais as OSs
(Organizações Sociais). Estas instituições, de extrema relevância para opinar sobre os impactos desta medida, não
foram integradas a um fórum de discussão adequado no
que diz respeito a questão.
O projeto encaminhado por Serra permite que os hospitais estaduais ­ administrados pela Secretaria de Saúde
­ utilizem até 25% da sua capacidade de atendimento a pacientes particulares ou de planos privados de saúde, dando
a entender que na esfera da saúde pública vagas sobrando
para a população. De um lado, críticos da proposta são
unânimes ao avaliar o claro prejuízo que haverá para a população. Na prática, duas entradas ou filas devem surgir nos

hospitais: a do SUS (abarrotada e lenta) e a dos particulares (privilegiada). De outro, a avaliação do governo de que
tal iniciativa permitirá cobrar dos ricos (convênios) para
melhorar o atendimento aos pobres (SUS). Tal argumento
é, no mínimo, duvidoso uma vez que o Governo até hoje
não conseguiu organizar uma maneira eficiente de destinar
recursos financeiros e técnicos adequados para garantir a
dignidade do sistema público de saúde.
Ao ser sancionada, já que a proposta foi enviada para
a Assembléia Legislativa pelo próprio José Serra, o Ministério Público promete tomar providências. Deve entrar com ações civis públicas contra os contratos de
terceirização que vierem a ser firmados entre o Estado
e as OSs (organizações sociais). Ainda assim, as organizações médicas ficam devendo posicionamento mais
incisivo sobre tal polêmica.

· DOENÇA RENAL ATINGE 12 MILHÕES DE
BRASILEIROS
Cerca de 12 milhões de pessoas no Brasil sofrem de algum tipo de insuficiência renal, segundo dados recentes
projetados pela Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) e
a SONESP. O número pode ainda ser maior uma vez que
idosos, obesos, diabéticos, hipertensos ou pessoas com históricos familiar somam um total de 52 milhões de pessoas
no País. Eles fazem parte de grupos com risco elevado de
desenvolver a doença.
Segundo a presidente da SONESP, Dra Altair Lima, as
pessoas demoram a descobrir que possuem a doença pela
falta de informação e exames. Estes indivíduos quando começam a sentir os sintomas é porque já possuem cerca de
50% da atividade normal do rim comprometida, o que os
levará inevitavelmente à diálise ou ao transplante renal. "A
situação poderia ser evitada se a doença fosse detectada em
fase inicial, com uma simples dosagem de creatinina no sangue e análise de urina", afirma a presidente da SONESP, Altair Lima. Daí a importância das dezenas de campanhas de
prevenção realizadas pela entidade médica.
Atualmente algo em torno de 95 mil renais crônicos dependam da diálise para sobreviver. Estima-se que, em 2010,
o número de pessoas dependentes dos serviços de diálise
ultrapasse a casa dos 105 mil casos.

11

Nefro SP

C ultur a

ANDRÉ FRANÇOIS RETRATA A VIDA DE DOENTES RENAIS
O fotógrafo reúne imagens e histórias de pacientes nas mais diferentes regiões do país; objetivo é
mostrar que o tratamento pode ser feito sem interferir tanto na vida cotidiana

E

scolher e Viver ­ tratamento e qualidade
de vida dos pacientes renais crônicos é o
título do recém-lançado livro do fotógrafo André François. A obra reúne histórias reais de pacientes renais crônicos em
cidades remotas do Brasil mostrando a relação deles com a doença. Todos os casos
demonstrados no livro tratam de pessoas
que usam a diálise peritoneal como método de tratamento da insuficiência dos rins.
Com isso, afirmam, conseguem levar uma
rotina bem mais próxima do que se considera como padrão de vida "normal" do ser
humano moderno.
François diz, na apresentação de sua
obra, que a necessidade de documentar a
história de vida de pacientes renais crônicos nasceu durante a produção do seu
último livro A Curva e o caminho ­ acesso à
saúde no Brasil. Ao realizar este trabalho, o
fotógrafo conheceu a história de uma paciente que precisa viajar por três vezes na

12

semana da cidade de Barreirinha, no interior do Maranhão, até a capital São Luis,
apenas para fazer o tratamento de hemodiálise em uma clínica. "A vida dessa jovem
mãe, chamada Maria, estava atrelada a uma
clínica distante da sua casa, o que a privava
do seu trabalho diário, e muitas vezes, da
convivência com a família", diz François.
Foi por conta da problemática de Maria, que não apenas a doença renal precisava ser abordada na obra, mas o tratamento
de diálise peritoneal. Este método de "limpeza" do sangue pode ser aplicado em casa
e, com isso, trazer benefícios para a qualidade de vida do paciente. A difusão desse
método é feita através dos exemplos narrados, entre eles o de Elza Roca Vargas, de
Guayaramerin (Guajará-Mirim), cidade na
fronteira do Brasil com a Bolívia. Por conta da atividade do marido, barqueiro transportador de frutas, Elza está sempre indo
de um lugar para o outro e não conseguiria

Elza Roca Vargas: diálise peritoneal feita
durante viagens de barco

ficar em clínica para fazer a hemodiálise.
Ao adotar o tratamento com a diálise peritoneal chega a realizar os procedimentos
médicos com a ajuda dos filhos no próprio
barco durante uma viagem.