2
História do Jornal do Brasil: concepção e trajetória
até a primeira metade do século XX.

Neste capítulo será abordada a história do Jornal do Brasil desde sua
fundação até meados do século XX, período que abrange o recorte desta pesquisa.
Para isso serão utilizadas informações obtidas na revisão bibliográfica e nas
observações feitas durante a pesquisa nas edições originais impressas, disponíveis
na Biblioteca Nacional. É relevante observar a importância dessas informações
adquiridas no próprio jornal, já que a partir delas foi possível comentar as
características gráficas dos itens citados e confirmar ou refutar as informações

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

disponíveis na bibliografia tradicional.

2.1 Concepção e turbulências

A história do Jornal do Brasil, especialmente nos seus primeiros anos, é
indissociável da história da República brasileira, uma vez que o mesmo foi
concebido em meio a um período conturbado de consolidação do novo regime. O
Jornal do Brasil foi fundado no dia 9 de abril de 1891, por Rodolfo de Souza
Dantas, menos de dois anos após a proclamação da República (figura 1). Sua
redação se instalou na Rua Gonçalves Dias, número 56, contava com a direção de
Dantas, a gerência de Henrique de Villeneuve e a chefia de redação de Sancho de
Barros Pimentel. Seu fundador era ex-Ministro do Império (29º Gabinete, 1882) e
o dia de seu lançamento foi escolhido por ser o 60° aniversário do Te-Deum1 em
ação de graças pela aclamação de D. Pedro II como Imperador. Contrariando as
evidências, o periódico declarou em sua primeira edição que "apesar de não ter
contribuído para a

1

Te-Deum é um hino litúrgico católico atribuído a Santo Ambrósio e a Santo Agostinho, iniciado
com as palavras "Te Deum Laudamus" (A Ti, ó Deus, louvamos).

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

24

Figura 1 ­ Capa da edição inaugural em 1891.

25

implantação da república, considerava um dever de patriotismo ajudar na sua
consolidação". O Jornal do Brasil nasceu monarquista, apesar do cuidado em
informar de maneira imparcial para não sofrer repressão do governo (Silva, 1988:
42-3; Sodré, 1999: 256-7).
A postura do Jornal do Brasil era moderada em relação à sua luta
ideológica, pois surgiu fortemente capitalizado e com intenção de vida longa, não
pretendia ser liquidado pelo governo como aconteceu com vários pasquins
monarquistas. Contou com diversos colaboradores de prestígio sem clara
vinculação ao monarquismo militante, como José Veríssimo, Said Ali e Rio
Branco. Durante um tempo o jornal oscilou entre atitudes mais ou menos
engajadas, testando os limites do aceitável. Com a chegada de Joaquim Nabuco
para chefiar a redação em junho de 1891, quando voltou da Inglaterra onde era
correspondente, intensificaram-se as críticas ao regime de governo, foi publicada,
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

além de outras coisas, uma série de artigos intitulados "Ilusões Republicanas" e
"Outras Ilusões Republicanas". O jornal foi ameaçado e ainda assim continuou
com a campanha criticando o adesismo ao novo regime (Silva, 1988: 44).
No final do ano, o jornal deu destaque à morte de D. Pedro II em Paris e
incitou uma campanha monarquista. Até que no dia 16 de dezembro, a redação foi
invadida; aos gritos de ordem para matar Nabuco, as oficinas foram depredadas.
Ao pedir garantias ao governo, o jornal recebeu a informação de que não seria
possível garantir a vida de jornalistas que trabalhavam para jornais monarquistas.
Diante disso, Dantas anunciou que junto com Nabuco e Sancho de Barros
Pimentel, deixava o jornal que passou para novos proprietários. Henrique de
Villeneuve assumiu a direção do periódico e Ulisses Viana a redação. Em 1892 a
chefia de redação foi assumida por Constâncio Alves, que substituiu Ulisses
Viana. Este não concordava com a atitude de Villeneuve em continuar se
posicionando como monarquista frente às ameaças do governo. Foi um ano de
crise, superada em 1893 quando o jornal passou a ser uma sociedade anônima,
cujos sócios, em sua maioria, haviam sido titulares do Império. Assim, Ulisses
Viana voltou à redação, e o periódico novamente se declarou imparcial (Silva,
1988: 44-5).
Desde o princípio, o Jornal do Brasil adotou uma postura empresarial
inovadora, enviando correspondentes estrangeiros para Alemanha, França, Itália,
Bélgica, Estados Unidos, Portugal e Inglaterra. Também inovou qua ndo em 1893

26

publicou uma seção destinada à mulher, de autoria de Clotilde Doyle, sob o
pseudônimo de Branca, fato inédito na imprensa brasileira, e, no ano seguinte,
lançou a coluna "Kinetoscópio", que veiculava aos domingos e era dedicada ao
cinema (figura 2) (Silva, 1988: 48; Sodré, 1999: 257).
Em maio de 1893 o Jornal do Brasil passa a ser dirigido por um líder
republicano, Rui Barbosa. Nesse momento, o posicionamento da empresa deixou
de ser monarquista e passou a legalista a favor da República, porém contra a
ditadura do então presidente Floriano Peixoto. Sabe-se que Rui Barbosa se
associou a Joaquim Lúcio de Albuquerque Melo, juntos compraram o periódico
por 70 contos de réis. (Bandeira, 1960: 40). Logo que assumiu a redação, Rui
Barbosa mudou, no título, o Z de Brasil para S; nessa época o jornal começou a
receber notícias telegráficas por meio do serviço da agência Reuter-Havas, que
havia se instalado no Brasil em 1874. Quando se iniciaram as transmissões
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

telegráficas, via cabo submarino, que ligou o país à Europa, esse novo avanço nas
comunicações permitiu a publicação de notícias internacionais nos principais
jornais brasileiros (Bahia, 1967: 129; Sodré, 1999: 215).
Com a prisão do almirante Eduardo Wandenkolk, acusado pelo governo de
pirataria, Rui Barbosa, atuando como advogado, impetrou habeas-corpus, em seu
favor. O documento foi publicado na edição do Jornal do Brasil de 31 de agosto
de 1893 (figura 3). Três dias depois o jornal foi empastelado. Com o início da
revolta da Armada em 6 de setembro, Rui Barbosa publicou um artigo no qual
atacava de forma contundente os partidários de Floriano Peixoto. Foi seu último
artigo publicado antes de se refugiar na Inglaterra, face à prisão iminente. Apesar
dos acontecimentos, o jornal, sob a direção de Joaquim Lúcio, continuou
publicando o noticiário sobre a revolta, até que Floriano decretou estado de sítio e
suspendeu a liberdade de imprensa (Silva, 1988: 46).
O Jornal do Brasil só voltou a circular no dia 15 de novembro de 1894, sob
a direção de novos proprietários, a firma Mendes e Cia. A data escolhida para o
lançamento, aniversário da Proclamação da República, indicava que o periódico
não pretendia mais ser identificado como monarquista. De fato, a partir dessa
nova fase, ele se voltaria para temas mais populares: notícias policiais,
informações sobre problemas urbanos, etc. (Silva, 1988: 46). Para evidenciar a
mudança, a numeração do jornal foi reiniciada ­ número 1, ano 4 ­ e a
comemoração de aniversário do jornal passou a ser nessa nova data, o que, aliás,

27

era cômodo, já que as edições comemorativas nos dias 15 de novembro podiam
dar mais ênfase à sua própria celebração do que às festividades da República
(figura 4). O dia em que o Jornal do Brasil voltou a circular coincidiu também
com a posse do primeiro governo civil da República que substituiu Floriano
Peixoto na presidência. Com Prudente de Moraes, iniciou-se o período que ficou
conhecido como "política do café-com- leite", durante o qual, através de acordos
políticos entre as elites econômicas de São Paulo e Minas, a presidência da
República foi ocupada ora por paulistas ora por mineiros.
A partir de então, teve início uma nova e longa fase do periódico, onde o
Jornal do Brasil se intitularia, conforme o editorial do número de relançamento
como: "legítimo e natural representante do povo". A redação foi assumida por
Fernando Mendes de Almeida que tomou iniciativas jornalísticas arrojadas para a
época. A ida de Felisberto Freire, repórter que colaborava no jornal desde 1893, a
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

Buenos Aires e a Montevidéu para entrevistar o almirante Custódio José de Melo
e outros brasileiros ali exilados, rendeu várias reportagens. Continuou divulgando
diariamente as notícias da agência Havas, porém a seção que passou a ganhar
destaque e possuir lugar cativo na capa era a do jogo do bicho (Sodré, 1999: 266).
Cruzando os dados obtidos acerca desse delicado momento histórico
brasileiro e a trajetória do Jornal do Brasil, percebe-se como o periódico foi se
transformando com as circunstâncias comerciais e políticas e com as posições das
diversas direções que o controlaram, ou ainda do posicionamento político de seus
redatores, dentre outros fatores.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

28

Figura 2 ­ Seção dedicada ao cinema em 1894.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

29

Figura 3 ­ Documento publicado por Rui Barbosa contra o governo republicano, 1893.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

30

Figura 4 ­ Capa da reinauguração do jornal em 1894.

31

2.2 A modernidade e suas implicações

O Jornal do Brasil, já estruturado como uma indústria e usufruindo avanços
técnicos, iniciou a publicação de uma edição diária vespertina em 1900 que
circulava às 15 horas. Nesse ano já era expedido para todo o país. Possuía uma
tiragem extraordinária para a época, chegando a 62.000 exemplares diários em
1902. Para ilustrar a magnitude desses números, em 1900, quando a tiragem do
periódico ainda era de 50.000 exemplares diários, o Jornal do Brasil se gabava
por ser superior ao La Prensa, de Buenos Aires, que até o ano anterior era o de
maior tiragem na América do Sul (Sodré, 1999: 274).
Em 1900, o jornal contava entre suas seções "Coisas da Política";
"Telegramas", com muitas notícias internacionais recebidas das agências de

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

notícias; "Queixas do Povo", que trazia as reivindicações da população do Rio de
Janeiro; "Folhetim Literário"; "Palcos e Salões", com informações dos eventos
culturais; "Seção Religiosa"; "Seção Forense", "Sport"; publicava ainda,
"Modinhas Populares", com as letras das músicas; "A Bicharada", com os palpites
e resultados do jogo do bicho. Trazia ainda notícias de outros estados, como por
exemplo, a seca que assolou o Ceará e foi destaque em reportagens e caricaturas.
Havia também uma seção de modas com desenhos ilustrando as novidades. Ou
seja, seu conteúdo ia além de apenas noticiar fatos ocorridos e reunia informações
diversas para um público heterogêneo. Pelo fato de ser um dos jornais mais
importantes do país e ser largamente distribuído, o Jornal do Brasil divulgava
valores, imagens e elementos da cultura popular da capital da República, que eram
absorvidos por todo o país.
Para exemplificar o caráter popular do Jornal do Brasil, é importante relatar
que publicava a cobertura das festas populares, religiosas e do carnaval. Em
janeiro já começava a ser veiculada a seção "Carnaval", ela informava quais eram
os clubes carnavalescos e os preparativos para a grande festa popular. Durante os
dias do carnaval, a capa e algumas páginas do miolo eram dedicadas à publicação
da cobertura dos bailes e blocos. Em 1901, cada festa ou clube mencionado era
acompanhado por uma ilustração representando elementos característicos do
carnaval, o que motivou a criação de uma página repleta de pequenas notas
(figuras 5 e 6). Nesses dias a seção de modas deixava de lado as novidades
parisienses e apresentava acessórios para serem usados nos eventos carnavalescos.

32

Isso ilustra como o jornal divulgava os eventos populares, irradiava as novidades
e costumes da capital para todo o país.
No que diz respeito a inovações editoriais, começou a publicar um romance
policial em quadrinhos, ilustrado por Julião Machado (Casimiro Miragy), em
dezembro de 1902. O título da história, Os irmãos da luva vermelha, era
apresentado com letras desenhadas sem serifa, em caixa alta. A estrutura de
apresentação do romance era vertical, ocupando duas ou três colunas da capa. O
texto e as ilustrações dividiam o espaço e suas dimensões alternavam entre uma e
duas colunas (figura 7) (Sodré, 1999: 284-5). Além das duas edições diárias, a
empresa ainda publicava uma edição semanal ilustrada, a Revista da Semana; uma
edição mensal de informações úteis, o Guia Mensal do Jornal do Brasil, e uma
edição anual com desenhos em cores e em preto e branco, o Anuário Ilustrado do
Jornal do Brasil.
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

Uma característica importante do Jornal do Brasil no início do século foi a
valorização das caricaturas, que eram publicadas diariamente e quebravam a
monotonia da estrutura das páginas. As sátiras acerca da política, dos problemas
nacionais, dos novos valores gerados com a modernidade eram importantes
diferenciais do periódico e ajudavam a formar o público. Aos domingos o jornal
ficava ainda mais interessante. Artur Lucas (Bambino) elaborava um resumo
ilustrado dos acontecimentos da semana, que era publicado com grande destaque
na capa (figura 8), além das diversas outras charges e caricaturas que invadiam
também o miolo da publicação, de autoria dos demais ilustradores que
trabalhavam para o jornal, como Celso Hermínio e Julião Machado (figura 9).

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

33

Figura 5 ­ Cobertura do carnaval de 1901.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

34

Figura 6 ­ Cobertura do carnaval de 1901.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

35

Figura 7 ­ Romance policial em quadrinhos, 1902.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

36

Figura 8 ­ Capa de edição dominical em 1900.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

37

Figura 9 - Capa de edição dominical em 1900.

38

No dia 1° de Janeiro de 1902 o Jornal do Brasil informava seus
investimentos em relação à ilustração, nesse momento era o que havia de mais
moderno nas páginas dos periódicos diários:

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

Foi o Jornal do Brasil dos primeiros a introduzir a ilustração nas suas edições
diárias. Toda a imprensa contemporânea adota essa tendência, que consiste em por
ao serviço do Jornal a contribuição de todas as artes. Uns como o Fígaro, o
aristocrático Fígaro limitam-se, em dias determinados, à caricatura do
acontecimento palpitante da atualidade; outros, como Le Journal e Le Martin, os
órgãos de maior circulação em França depois do Petit Journal e o New-YorkHerald, New York Journal, New-York-World, da União Americana, ilustram
largamente o local, o fait divers, o folhetim, o crime sensacional, a vida cidadã ou
provincial. O Jornal do Brasil adota simultaneamente os dois processos e a
caricatura diária alia o comentário ou elucidação gráfica da vida contemporânea,
própria ou alheia. Os seus artistas são conhecidos; algumas das suas páginas têm
sido aplaudidas pelos mais exigentes paladares do jornalismo europeu. É um
serviço caro, bem o sabemos; mas não é uma razão para, não podendo custeá-lo,
denegri-lo por pirronismo, por sistema ou por qualquer outra razão, nem decente
nem artística (Jornal do Brasil, 1902).

É interessante a comparação que este texto faz entre os periódicos
internacionais e as formas de utilização da ilustração no jornal diário. Num
momento em que estavam se estabelecendo padrões e tecnologias e o público
leitor ia se habituando às novidades, o Jornal do Brasil anuncia que utilizava as
duas formas de ilustração descritas, a caricatura dos acontecimentos políticos e
sociais aliada à ilustração que figurava como fotografia, enfatizando os
acontecimentos sensacionais e a vida contemporânea. Os esforços para
acompanhar o que era produzido em jornais respeitados mundialmente
traduziram-se na contratação de profissionais gabaritados, que correspondiam à
produção necessária, e ainda no investimento em tecnologia, como se pode
constatar na segunda parte dessa citação:
Não contente, porém, com haver introduzido a ilustração nas suas edições diárias, o
Jornal do Brasil adquiriu há um ano com sacrifício não pequeno, o material e a
propriedade da Revista da Semana, dando ao público uma edição semanal
ilustrada, cujos trabalhos de fotozincografia, de fotogravura, de litografia e
cromotipia, honram as suas oficinas. Essa publicação é única no Brasil e foi criada
com o tostão diário do povo. Até que outra apareça estamos, pois, no direito de
considerá-la a melhor.
Literalmente, nos domínios da pura estética mental, os progressos do Jornal do
Brasil têm sido mais lentos, subordinados, como não pode deixar de suceder, ao
serviço de informações que, na imprensa diária contemporânea tudo pretere e
protela. Mas, quem como nós, faz da sua profissão tão ale vantada e nobre idéia,
certo não é insensível a beleza dos grandes espíritos do seu tempo, e por feliz se

39

dará no dia em que para regalo do cenáculo intelectual, as circunstâncias lhe
permitirem associá -los à prosperidade da empresa (Jornal do Brasil, 1902).

O Jornal do Brasil iniciou a construção de sua nova sede na Avenida
Central, principal ícone da grande reforma urbana que modificou o Rio de Janeiro
no início do século 2 , para aonde se deslocou todo o comércio de primeira linha da
cidade. Na percepção geral, a modernidade estava ligada ao progresso e à
tecnologia. Assim, nessa mesma época, o jornal comprou modernas máquinas que
imprimiam em cores, os primeiros linotipos 3 chegados ao Rio; e ainda, uma
clicheria de sistema fotomecânico, que permitia a confecção de clichês através de
processo fotográfico. Com todo esse investimento o jornal foi transformado em
sociedade anônima e passou a ser comandado por Carvalho de Morais, tendo
como acionista Ernesto Pereira Carneiro 4 , responsável pelos setores comercial e
financeiro (Silva, 1988: 47). Ainda em conseqüência das dívidas acumuladas com
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

a modernização da empresa, em 1° de agosto de 1906, começaram a ser
veiculados na capa pequenos anúncios, alteração gráfica que perdurou por décadas
e, nessa época, se inspirou em jornais estrangeiros que usavam o mesmo recurso
como o New York Herald, The Times, La Prensa, La Nación (figura 10) (Sodré,
1999: 325).
Desfrutando da nova tecnologia, em 1907, o jornal apresentou seu
cabeçalho impresso em vermelho e produziu suplemento colorido, veiculado aos
domingos e composto de quatro páginas, com oito colunas (figura 11). Os títulos
eram pequenos e apresentados em tipografia sem serifa, para a separação
horizontal das matérias eram utilizados finos fios duplos. O uso comedido de
elementos gráficos tornava a página clara e limpa, as grandes imagens quebravam
a monotonia da estrutura estática das páginas. As fotografias eram publicadas em
tamanho maior que o usual e, muitas vezes, eram apresentadas em formatos
inusitados; além disso, eram elaboradas composições interessantes unindo
desenho s e ilustrações a meio-tom (figura 12). Os ilustradores

2

De 1903 a 1906 a capital foi modificada radicalmente através de um plano de ações que ampliou
e reformou o porto, demoliu centenas de imóveis para abrir diversas ruas no centro da cidade, e
ainda, foram tomadas várias medidas a fim de livrar a cidade das epidemias que assolavam a
população (Sevcenko, 1998: 22-23).
3
Linotipo ­ denominação de máquina para compor linhas-bloco com o auxílio de matrizes
reunidas por meio de um teclado (Porta, 1958: 237).
4
Ernesto Pereira Carneiro, futuro conde papalino, tornou-se proprietário do jornal na década de
1920.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

40

Figura 10 ­ Capa repleta de pequenos anúncios. Importante alteração gráfica em 1906.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

41

Figura 11 ­ Suplemento dominical em 1907.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

42

Figura 12 ­ Suplemento dominical em 1907. Composições interessantes.

43

que mais colaboravam nas edições desse ano foram Amaro, Bambino e Raul, com
destaque para o último nos suplementos.
A nova sede do jornal, concluída em 1910, era na época o prédio mais alto
da América Latina. O periódico continuou a vender como água. Nesse mesmo
ano, com as notícias sobre a revolta dos marinheiros, chegou a produzir de 5 a 6
edições diárias. Nessa época existiam 40 agências do Jornal do Brasil espalhadas
pela capital para receber os "pequenos anúncios de letras", os classificados de
hoje, e, também, para receber as reclamações da população que eram publicados
gratuitamente na seção intitulada "Queixas do Povo" (Silva, 1988: 52).
Quanto às inovações editoriais, o jornal foi pioneiro quando passou a
dedicar uma página inteira ao esporte, em 1912. O título da seção escrito em
inglês, Sport, se apresentava com destaque e era composto por letras desenhadas
cercadas de ilustrações de pessoas praticando vários tipos de atividades e de
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

instrumentos representativos das modalidades: automobilismo, ciclismo, crianças
patinando, jogador de futebol, cavaleiros, alvo de dardo, esgrima e até um avião,
elemento que representava a modernidade. Existiam várias sub-seções, tais como,
"Rowing" (remo), "Foot-ball", "Natação", "Cyclismo", "Boxing", "Athletismo",
"Patinação", "Lawn Tennis", "Tiro", "Luta", "Aviação". Chama atenção à mistura
de títulos nas línguas portuguesa e inglesa, demonstrando a influência estrangeira
então predominante. A veiculação de cada sub-seção dependia da existência de
notícias sobre elas; a única que era publicada diariamente era "Foot-ball". A
página era publicada repleta de reportagens com cobertura de eventos esportivos e
ilustrada com fotografias, principalmente, dos eventos e de personalidades
importantes dos clubes esportivos.
O espaço dedicado aos esportes no Jornal do Brasil existe desde sua
fundação, quando as notícias giravam em torno das corridas de cavalo promovidas
no "Jockey-Club". Porém, a utilização de uma página inteira para o assunto foi
reflexo da popularização dos esportes no país. Com isso, a seção passou a ter mais
destaque; foi observada uma diagramação peculiar no dia 17 de novembro de
1912, com o recorte de vários retratos em forma triangular e dispostos
simetricamente, entretanto, inclinados, formando um conjunto no formato de um
buquê (figura 13). Ainda em 1912, era publicada com destaque a seção
"Agricultura e Pecuária", ocupando página inteira, com título imponente e
desenhado, com elementos representativos do assunto.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

44

Figura 13 ­ Página inteira dedicada aos esportes em 1912.

45

2.3 As conseqüências da I Guerra Mundial e os anos 1920

O Jornal do Brasil fez cobertura diária da Primeira Guerra Mundial dandolhe destaque nas chamadas de capa sob o título: "Europa em Guerra", ilustradas
com fotografias (figura 14). As notícias telegráficas tiveram muita importância
nessa época, ocupando grande parte da edição para divulgar cada movimentação
da guerra e, muitas vezes, as matérias eram ilustradas com fotografias (figura 15).
Segundo a visão de Sodré, o noticiário sobre o armistício, que marcou o fim da
guerra, em 1918, "é moderno, movimentado, escandaloso mesmo" (figura 16)
(Sodré, 1999: 346). Nessa época, as capas eram apresentadas repletas de
classificados e, em alguns dias, caricaturas eram publicadas em meio aos
pequenos anúncios. A manchete do armistício ocupou toda a metade superior da

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

página, tomando o espaço cativo dos classificados da capa. A notícia foi destacada
com quatro grandes títulos, ocupando toda a extensão da página, cada um deles
composto em tipologias diferentes. Abaixo dos títulos, foram publicadas várias
fotos de líderes de diversos países, com uma foto maior ao centro e, dos lados,
fotos menores intercaladas a elementos decorativos que ora estavam alinhados no
topo do espaço destinado às fotos, ora alinhados na base. Esse desalinhamento das
fotografias é o que proporciona movimento à página, conforme constatou Sodré.
No miolo foram publicadas diversas reportagens sobre o fim da guerra. Foram
divulgados os telegramas importantes para o acontecimento numa página inteira
composta de vários títulos e tópicos destacados, e ainda, fotografias de
personalidades ligadas à guerra, intercaladas em meio ao texto (figura 17).
Uma das conseqüências da Primeira Guerra Mundial foi o encarecimento de
vários produtos importados usados pela indústria gráfica, inclusive o papel jornal.
Pode-se observar em 1918 os esforços do Jornal do Brasil na economia de espaço
nas páginas onde apresentavam textos em corpos minúsculos e títulos menores do
que o usual. Isso provocou uma séria crise financeira no Jornal do Brasil, já
endividado com os investimentos de modernização. Até que, sem conseguir quitar
as hipotecas feitas junto ao conde Pereira Carneiro, o jornal passou às suas mãos
em 1919. A chefia de redação foi assumida por Assis Chateaubriand que viera de
Pernambuco, e posteriormente seria um dos maiores nomes da história da
imprensa brasileira (Sodré, 1999: 346).

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

46

Figura 14 ­ "Europa em Guerra", cobertura da I Guerra Mundial.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

47

Figura 15 ­ As notícias telegráficas foram importantes na divulgação dos acontecimentos
da I Guerra Mundial.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

48

Figura 16 ­ Capa sobre o armistício em 1918.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

49

Figura 17 ­ Página da edição sobre o armistício em 1918.

50

Com as mudanças na diretoria e na redação, ocorreram mudanças gráficas
também. A estrutura das páginas continuou semelhante, mas os títulos ganharam
maior destaque, ocupando muitas vezes duas ou três colunas; já as manchetes
ocupando toda a extensão da página tornaram-se comuns. Ainda em 1920, passou
a ser veiculada diariamente a seção "Diário Desportivo", que possuía várias subseções apresentadas com título desenhado. Esse aspecto gráfico, do cuidado em
destacar os subtítulos com ilustrações, reforça o caráter popular do periódico e
seus esforços em tornar suas páginas interessantes.
Segundo Sodré, na década de 1920 a imprensa brasileira se consolidou com
estrutura empresarial, tornando-se mais raros os jornais e revistas de vida efêmera
(Sodré, 1999: 371-2). Nesse período, jornais mais antigos agilizaram seus
noticiários, e o Jornal do Brasil começou a receber os serviços da United Press,
em 1922. Dois anos depois, passou a publicar uma seção inédita sobre rádio, que,
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

a princípio, divulgava a quem havia sido concedida licença para instalação de
aparelhos radiotelefônicos e anunciava sua erudita programação diária. Apesar de
não ter recebido destaque no jornal, essa seção existiu por anos. O jornal também
publicava a revista "Palcos e Salões", que ocupava, geralmente, seis das oito
colunas da página (figura 18). Seu título era composto em caixa alta, com
tipografia de serifas quadradas e em negrito, era acompanhado por ornamentos de
estilo vagamente art nouveau. O conteúdo dessa seção era voltado aos
acontecimentos culturais, divulgava e criticava filmes, peças teatrais, circos,
danças, músicas e outros eventos. As sub-seções fixas dessa revista eram
"Música", "Novas e Ecos", "Pelos Circos", "Jardim Zoológico" e "Cinemas".
O jornal estava sempre investindo em inovações e acompanhando as
mudanças de comportamento e interesses da população. Quando, em 1929,
apareceu o cinema falado, o jornal logo passou a dedicar uma página inteiramente
ao assunto (Sodré, 1999: 364-5). Segundo Sevcenko, o cinema de Hollywood, no
seu apogeu, exerceu efeito profundo na mudança do comportamento e dos padrões
de gosto e consumo no mundo todo (Sevcenko, 1999: 398-9). Diariamente era
publicada a seção "Cinemas e Filmes", que informava os lançamentos, a
programação do que estava sendo exibido na cidade e publicava fotografias.
Todavia, era aos domingos que o assunto ganhava destaque e se estendia a uma
página inteira. O título mudava para "Cinema, a realidade ­ sonho...", era
composto em tipografia sem serifa e em negrito e ocupava toda a extensão da

51

página. Além dos textos, eram publicadas diversas fotografias de cenas dos filmes
e dos famosos atores hollywoodianos. A composição gráfica da página se
destacava das demais do periódico, já que era diagramada sem os fios verticais de

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

separação das colunas (figura 19).

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

52

Figura 18 ­ Seção "Palcos e Salões" em destaque.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

53

Figura 19 ­ Página dominical dedicada ao cinema em 1930.

54

2.4 Censura Vargas e o "jornal das cozinheiras"

Durante o período de campanha presidencial, que se iniciou em 1929 e
durou até a Revolução de 1930, a maioria da imprensa apoiou a Aliança Liberal.
Com o golpe e a tomada do poder, a imprensa que apoiara a situação anterior foi
liquidada e os periódicos que não foram destruídos sofreram graves conseqüências
e não puderam voltar a circular de imediato. O Jornal do Brasil foi invadido,
empastelado, ficou sem circular por quatro meses. Sua reabertura só foi possível
com a substituição de Aníbal Freire por Brício Filho, que censurava as matérias
antes de serem publicadas (Sodré, 1999: 371-376). Assim, o posicionamento do
jornal em relação ao governo provisório foi de cautela: agiu timidamente quando
fez críticas ao

governo

e

se

colocou

a

favor

da

campanha

pela

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

reconstitucionalização.
No início dos anos 1930 a imprensa brasileira lidava com os problemas
econômicos do país e com a censura. Só em 1933, com a convocação da
Assembléia Constituinte, é que o Jornal do Brasil voltou a se engajar mais
abertamente nas lutas políticas. Isso ocorreu, principalmente, porque o conde
Pereira Carneiro se candidatou à Constituinte pelo partido Autonomista do
Distrito Federal e o jornal passou a ser um de seus veículos de divulgação. No ano
seguinte, apoiou a Constituinte por trazer o país de volta à legalidade; porém, não
aceitou o continuísmo de Vargas.
O Jornal do Brasil passava por problemas financeiros desde o início da
década, apesar de ter se reestruturado internamente e mantido relacionamento
estável com o governo. Para reorganizar as finanças da empresa, Pereira Carneiro
convidou José Pires do Rio para assumir o cargo de diretor-tesoureiro. Pires do
Rio 5 assumiu sua nova função em 1934, e o jornal foi reestruturado. Para ele era
preciso transformar o periódico num "boletim de anúncios", dando ênfase aos
classificados. Questões políticas, culturais e outros assuntos passaram a ter menos
destaque. Defendia o abandono do interesse tradicional pelas artes e pela
literatura; a seu ver, os literatos deveriam ser afastados gradativamente da
empresa. Além disso, sua postura em relação à contenção de despesas provocou
5

José Pires do Rio nasceu em 26 de novembro de 1880, em Guaratinguetá (SP). Formou-se em
engenharia e farmácia. Trabalhou nas obras do porto do Rio de Janeiro de 1906 a 1910, foi
ministro, deputado federal e por fim diretor-tesoureiro do Jornal do Brasil, cargo que ocupou até o
fim de sua vida (Abreu, 2001, vol.5: 5067-8).

55

inúmeros atritos com os funcionários. Dessa forma, o Jornal do Brasil foi aos
poucos perdendo sua importância como órgão noticioso e, com as páginas
majoritariamente ocupadas por anúncios, o jornal passou a ser chamado,
pejorativamente, de "jornal das cozinheiras" (figura 20) (Abreu, 2001, vol.3:
2869).
Em 1935 eclodiu uma tentativa de golpe comunista, mas a falta de
coordenação entre os diversos núcleos facilitou a repressão do governo, que
liquidou a Intentona Comunista e prendeu milhares de pessoas. Sob pretexto desse
episódio, foi decretado estado de sítio, e a imprensa foi censurada em todo o país.
Os jornais de oposição ao governo perderam seu poder de crítica e sofreram com
os embargos de fornecedores e banqueiros; tornou-se impossível a continuidade
perante a situação imposta (Sodré, 1999: 380). O Jornal do Brasil, com seu novo
posicionamento comercial, repudiou a revolta comunista e não sofreu repressão
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

do governo. (Abreu, 2001, vol.3: 2869).
Em 1937, Vargas decretou o Estado Novo. A imprensa nacional foi calada
com a criação do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), órgão cuja
atribuição era controlar todos os meios de comunicação através da censura e
também divulgar os ideais do Estado Novo às camadas populares. Apesar do
Jornal do Brasil ter apoiado a candidatura oposicionista de Armando Sales à
presidência da República, considerou o golpe do Estado Novo uma solução para a
crise política. Durante todo o período da ditadura de Vargas, o jornal manteve
relações cordiais com o DIP e demonstrou simpatia em relação à legislação
trabalhista e à política econômica do governo (Abreu, 2001, vol.3: 2869).
Uma das conseqüências da implantação da censura foi o empobrecimento da
caricatura, que perdeu espaço na imprensa nacional. Profissionais de primeira
linha que trabalhavam para jornais e revistas ilustrados ficaram de mãos atadas
sem poder satirizar o governo. Foram oito anos de asfixia com a falta de
liberdade. Só com a Segunda Guerra Mundial é que a caricatura novamente
recomporia sua feição, expressando o sentimento popular contra o totalitarismo
externo (Sodré, 1999: 383-4). Verificou-se que no Jornal do Brasil não há
publicação de caricaturas durante esse período. A fotografia ganhou maior espaço
e suprimiu de vez a arte que abrilhantou suas páginas durante décadas. As
ilustrações se limitaram aos anúncios publicitários e às tirinhas publicadas
esporadicamente.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

56

Figura 20 ­ "Jornal das cozinheiras". Páginas majoritariamente ocupadas por anúncios a
partir de meados da década de 1930.

57

Com os esforços pela democratização, em 1945, o Jornal do Brasil se
posicionou contra o governo. Porém, o periódico não se engajou abertamente na
campanha eleitoral, limitou-se a mostrar simpatia pelo candidato da oposição
Eduardo Gomes, em virtude das relações pessoais deste com Pires do Rio. A
deposição de Vargas e o curto período de governo de José Linhares, que nomeou
Pires do Rio ministro da Fazenda, foi totalmente apoiado pelo jornal. Também foi
bem aceita pelo jornal a vitória de Dutra e suas medidas contra o Partido
Comunista, que teve o registro cancelado em 1947. Na campanha presidencial de
1950, o periódico novamente não se engajou e só demonstrou simpatia por
Eduardo Gomes. Com a vitória de Vargas e a tentativa da oposição de questionar
a posse do candidato eleito, o Jornal do Brasil posicionou-se a favor da
legalidade, ou seja, de Vargas (Abreu, 2001, vo l.3: 2869).
A Era Vargas acarretou conseqüências financeiras que transformaram a
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

trajetória do periódico, alterando seu posicionamento e até sua apresentação
gráfica. Principalmente no que diz respeito à grande ênfase dada aos classificados
e também em relação ao desaparecimento das caricaturas do jornal. É interessante
observar como esse período se compara com a primeira década de vida do Jornal
do Brasil, quando seu posicionamento político também afetou radicalmente a
empresa, que precisou mudar de proprietário e partido diversas vezes, até se tornar
sucesso nacional e ficar conhecido como Popularíssimo, apelido divulgado pelo
próprio jornal. Os desfechos desses dois períodos conturbados, a última década do
século XIX e a Era Vargas, apresentaram mudanças significativas que
alavancaram as vendas e tornaram o Jornal do Brasil parâmetro nacional. A
transição do "jornal das cozinheiras" para ser novamente uma folha noticiosa será
abordada a seguir.

58

2.5 Reestruturação gráfica

Com a morte de José Pires do Rio em 1950, principal defensor da
predominância dos classificados no jornal, e, posteriormente, com o afastamento
do conde Pereira Carneiro por motivo de saúde e seu falecimento em 1953, o
jornal se reestruturou. A condessa Pereira Carneiro, 6 com o auxílio de seu genro
Nascimento Brito, 7 assume a direção do jornal, adquire equipamentos gráficos e
recursos técnicos necessários para sua modernização. (Abreu, 2001, volume 1:
828; Egypto e Priolli, 1990: 27). Convencida de que era necessário mudar o jornal
ou ele não sobreviveria, a condessa Pereira Carneiro viajou para os Estados
Unidos à procura de soluções aplicáveis à sua empresa. Durante essa fase de
transição, o periódico manteve-se neutro em relação aos acontecimentos políticos,

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

não participando das principais campanhas empreendidas pelo governo Vargas
(Abreu, 2001, vol.3: 2869).
O surgimento do Suplemento Dominical, criado por Reynaldo Jardim em
1956, foi a primeira alteração no jornal sob a nova direção e seu sucesso
estimulou as alterações posteriores. Nascimento Brito assumiu o cargo de diretorexecutivo da empresa em 1956, e uma das suas primeiras medidas foi contratar o
jornalista Odylo Costa Filho para coordenar a reformulação do jornal. Para
realizar as mudanças que o Jornal do Brasil necessitava, Odylo organizou uma
nova equipe, composta por jovens jornalistas que trabalhavam no Diário Carioca,
conhecido por sua leveza, graça e charme, e, na agressiva Tribuna da Imprensa.
Os profissionais que se destacavam na equipe eram Jânio de Freitas, Carlos
Castelo Branco, Carlos Lemos, Wilson Figueiredo, Amílcar de Castro, Hermano
Alves, Lúcio Neves, Luís Lobo, Ferreira Gullar e José Carlos de Oliveira. Com a
equipe renovada, o jornal passou a ampliar seu noticiário e o número de páginas
de suas edições. Apesar de ainda não haver um plano de ações definido,
começaram a fazer experimentações, como a publicação de uma fotografia na
capa, em meio aos anúncios, em 1957, ou ainda, a re-organização da página de
6

Maurina Dunshee de Abranches Pereira Carneiro, filha do escritor, jornalista e político João
Dunshee de Abranches Moura, deputado federal de 1906 a 1917. Casou-se com o conde Pereira
Carneiro em 1942, quando ambos eram viúvos.
7
Manoel Francisco do Nascimento Brito nasceu em 02 de agosto de 1922, no Rio de Janeiro.
Formou-se em direito em 1946, nesse mesmo ano casou-se com a enteada do conde Pereira
Carneiro e assumiu a superintendência do sistema Jornal do Brasil, que incluía o jornal, a agência
de notícias, uma gráfica e redes de rádio (Abreu, 2001, vol.1: 828-9).

59

esportes, que funcionou como um laboratório de experiências (Lessa, 1995: 1821).
Todas essas mudanças e experimentações culminaram, no final da década,
na modificação estrutural e gráfica mais célebre na história dos jornais impressos
brasileiros. Em 1959, a primeira página foi radicalmente reestruturada e o
noticiário voltou a fazer parte da mesma (figura 21). No ano seguinte,
concretizaram-se as principais modificações gráficas, sob a orientação de Amílcar
de Castro: os classificados passaram a ocupar um caderno separado, o Caderno C,
ainda surgiu o Caderno B, onde eram publicadas as notícias sobre as artes em
geral, especialmente sobre cinema e teatro (Abreu, 2001, vol.3: 2870). Com o
sucesso das modificações editoriais e gráficas, o Jornal do Brasil passou a servir
de referência para periódicos em todo o Brasil e essa transformação tornou-o

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

objeto de estudo, principalmente, para comunicólogos e designers.

PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0610429/CA

60

Figura 21 ­ Capa do jornal após passar por uma importante reforma gráfica no final da
década de 1950.