HISTÓRIA POLÍTICA NO BRASIL: DA HISTÓRIA MILITAR À NOVA HISTÓRIA
MILITAR1
Sandro Heleno Morais Zarpelão
(Mestre em História Política ­ Universidade Estadual de Maringá;
Doutorando em História Social ­ Universidade de São Paulo);
Prof. Dr. Francisco Assis de Queiroz
(Orientador do Curso de Doutorado em História Social ­
Universidade de São Paulo)
Resumo: O objetivo do trabalho é analisar como a História Militar, enquanto um
campo de conhecimento historiográfico foi se modificando com o passar do tempo,
desde o século XIX até o final do século XX, já tratada como a Nova História Militar.
Trata-se de uma importante área do conhecimento que faz parte da História Política
e que merece ser melhor discutida e pensada, por incluir temas muito importantes
como a guerra, por exemplo. Para tanto, faz-se necessário refletir, em linhas gerais
como ocorreu a trajetória de mudanças da História Militar para a hodierna Nova
História Militar. A metodologia empregada foi a análise de algumas referências que
se debruçam sobre a temática da História Militar e da Nova História Militar. Então,
como resultado, pode-se verificar que apesar do crescimento de importância da
Nova História Militar, as temáticas militares ainda são pouco pesquisadas no Brasil,
por existirem barreiras acadêmicas, sociais e políticas nesse sentido, o que precisa
ser modificado, pois a esfera militar também faz parte da sociedade. Portanto,
trabalhar com temáticas da História Militar é imprescindível para compreender a
história política e social do Brasil e fundamental para incluí-la definitivamente como
membro atuante da sociedade brasileira. Trata-se de temática oriunda de da
Dissertação de Mestrado "Tempestade No Iraque: A Guerra do Golfo, a Política
Externa dos Estados Unidos, a Historiografia Militar e a Imprensa Escrita Brasileira
(1990-1991)", apresentada e defendida no Programa de Pós-Graduação do Curso
de Mestrado em História, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), em 2008.
Palavras-chave: história política; história militar; mudanças.
1

Dissertação de Mestrado "Tempestade No Iraque: A Guerra do Golfo, a Política Externa dos
Estados Unidos, a Historiografia Militar e a Imprensa Escrita Brasileira (1990-1991)", apresentada e
defendida no Programa de Pós-Graduação do Curso de Mestrado em História, linha de Pesquisa
História Política e dos Movimentos Sociais, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), em 2008. Email: [email protected]

1195

Introdução
O objetivo do presente trabalho é analisar como a História Militar, enquanto
área de conhecimento historiográfico e da História Política foi se modificando com o
passar do tempo, desde o século XIX até o final do século XX, no Brasil, quando
passou a ser denominada Nova História Militar.
Sabidamente é um campo de conhecimento de suma importância,
pertencente à História Política e que precisa ser mais bem estudada e refletida, por
incluir temas muito importantes como a guerra, as Forças Armadas, a relação dos
militares com a sociedade civil, por exemplo. Busca-se refletir e pensar, em linhas
gerais, como ocorreu a trajetória de mudanças da História Militar para a hodierna
Nova História Militar.
A metodologia empregada consistiu na pesquisa e análise bibliográfica acerca
do tema, por meio de algumas referências que abordam a História Militar e da Nova
História Militar. Vale lembrar que se trata de um trabalho decorrente da elaboração
da Dissertação de Mestrado "Tempestade No Iraque: A Guerra do Golfo, a Política
Externa dos Estados Unidos, a Historiografia Militar e a Imprensa Escrita Brasileira
(1990-1991)", apresentada e defendida no Programa de Pós-Graduação do Curso
de Mestrado em História, linha de Pesquisa História Política e dos Movimentos
Sociais, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), em 2008, orientada pelo
professor-orientador Sidnei José Munhoz.
Então, a compreensão da História Militar, de suas modificações e da Nova
História Militar deve levar em consideração a análise de sua relação com outras
searas cognitivas como a História Econômica, a História Social, a Geopolítica, a
Economia, a Ciência Política, a Psicologia, o Direito, as Relações Internacionais, por
exemplo. É o que se observará na leitura do texto abaixo.

Da História Militar à Nova História Militar
Celso Castro, Vitor Izecksohn e Hendrik Kraay, abordam na obra "Da História
Militar à ´Nova` História Militar"2, não propriamente o estudo das batalhas, das
2

Ver a obra: CASTRO, Celso; IZECKSOHN, Vitor; KRAAY, Hendrik. Da História Militar à
´Nova`História Militar.

1196

estratégias, dos países e seus líderes militares envolvidos nos conflitos,
tradicionalmente associados à temática da História Militar. Trabalham e estudam a
chamada "Nova História Militar", assim chamado na América Inglesa. Entende-se
como "Nova História Militar" a História Militar entendida como parte integrante da
História da sociedade na qual ela se insere no momento em que ela ocorreu. Ela
destaca, por exemplo, o cotidiano da vida pessoal dos soldados, nos períodos de
guerra e de paz.
Na ótica da "Nova História Militar" a relação entre as Forças Armadas e tudo o
que se refere à temática militar, com a sociedade, política, política internacional,
religião, cultura e economia é fundamental.
Entretanto, nem sempre foi assim. Durante a maior parte do século XIX, a
história militar foi bastante associada a outras searas da História ou até mesmo à
literatura. Ela não era considerada, na época, um campo próprio do conhecimento. A
História Militar de caráter tradicional estudava naquela época as datas, batalhas,
táticas, estratégias, guerras, nomes de líderes militares e as instituições, como as
forças armadas, que se envolveram no conflito. Tratava a temática militar da guerra,
por exemplo, como se fosse algo isolado, sem conexão com outros setores da vida
humana, como a economia, sociedade e política interna e internacional3.
No Brasil, a História Militar tradicional surgiu pela primeira vez, em termos
gerais, na década de 1890 e atingiu o seu ápice na primeira metade do século XX.
Enfatiza-se também o fato da História Militar, na seara acadêmica, ter tido um
difícil caminhar no Brasil, no século XX. O crescimento do número de universidades
e o fortalecimento da História, como disciplina e profissão, na segunda metade do
século XX, coincidiram com o aumento da ingerência militar na política nacional,
mais destacadamente na ditadura militar (1964-1985). Isso causou um recuo nas
pesquisas sobre temáticas militares, fato preocupante.
Mesmo assim, antes da emergência do regime militar, na década de 1960,
surgiram várias obras que contribuíram para o desenvolvimento de novas
abordagens para a História Militar. Sérgio Buarque de Holanda, em 1960, organizou
o primeiro volume "História geral e da civilização brasileira, que ajudou bastante no
desenvolvimento da profissão de historiador no Brasil. Essa obra publicada em dez
3

Ver a obra: CASTRO, Celso; IZECKSOHN, Vitor; KRAAY, Hendrik. Da História Militar à ´Nova`
História Militar.

1197

volumes, até o ano de 1981, revela a pequena quantidade de temas militares na
historiografia brasileira. As poucas temáticas militares possuíam ênfase na história
política.
Em 1965, no início da ditadura militar brasileira, no governo de Humberto de
Alencar Castello Branco (1964-1967), foi publicada a obra ,,História militar do Brasil,
de Nelson Werneck Sodré, representante da esquerda militar brasileira. Ele
reinterpretou a história militar brasileira sob uma nova ótica metodológica, no caso a
marxista4. Trata-se de uma importante inovação.
O Golpe de Estado perpetrado pelos militares, em 1964, e a estruturação do
regime militar, impediu que o desenvolvimento da temática da História Militar, ligada
à política, à economia e à sociedade, isto é, analisada com novas metodologias
como o marxismo.
A complicada situação política brasileira vivida entre os anos de 1964 e 1985,
também repercutiu nas obras e produções sobre temáticas de História Militar de
caráter internacional. Provavelmente, abordagens como a que foi feita na presente
dissertação de mestrado sobre a Guerra do Golfo, analisando a política externa dos
Estados Unidos e a cobertura da imprensa brasileira escrita não seria possível na
ditadura militar brasileira.
Com o fim da ditadura militar, em 1985, a redemocratização e as novas
tendências historiográficas revisaram, oxigenaram e revigoraram a História Militar.
Na década de 1990, a influência da História Social, da Antropologia, da Ciência
Política, da Economia, das Relações Internacionais, da Política Internacional e de
até referenciais pós-modernistas sobre os estudos militares, possibilitou uma nova
safra de produções com temáticas ligadas à História Militar. O fim do regime militar e
a revisão da História Militar, aos poucos, estão removendo os estigmas e até
preconceitos que a área possui. Assim, pesquisas como a do presente trabalho,
sobre a Guerra do Golfo, de 1991, mesmo não sendo sobre um tema brasileiro de
História Militar, tornaram-se possíveis.
A produção acadêmica brasileira, portanto, nos últimos vinte anos construiu
novas possibilidades, pesquisas, metodologias e interpretações para temas
militares. Ela seguiu uma tendência internacional que se observou na França, por
4

Idem, p. 17.

1198

exemplo. Segundo Jean-Pierre Azéma5, a temática das guerras do tempo presente
conquistou considerável espaço e importância nas universidades francesas. Ele cita
como exemplo a tese de Jean-Jacques Becker6 que trabalhou e pesquisou como
ocorreu a evolução da opinião pública francesa na véspera e no início da Primeira
Guerra Mundial (1914-1918), em 1914.
No Brasil, isso também se verificou. Domício Proença Junior, em sua tese de
Doutorado "O Fazer da Guerra Moderna: o Corpo-de-Exército como Unidade
Operacional gênese e superação"7 pesquisou a guerra, como tema da História
Militar, relacionando com outras áreas do conhecimento com a Engenharia, na
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 1994.
O historiador Francisco César Alves Ferraz foi um dos historiadores que
inovou na temática, ainda no início da década de 1990. Assim, ao longo dos anos
aprofundou e ampliou suas análises. Pesquisou e escreveu a sua Tese de
Doutorado "A Guerra que não acabou: A reintegração social dos veteranos da Força
Expedicionária Brasileira, 1945-2000"

8

, na USP, em 2003. Seguiu-se com a

publicação do artigo "História Militar e História Social" 9, também em 2003, e com a
publicação do livro "Os brasileiros e a Segunda Guerra Mundial" 10, em 2005. Para
ele a História Militar é quase tão antiga como a História e carrega um forte estigma
muito difícil de ser ultrapassado, principalmente na área acadêmica, entre os
chamados historiadores. Para esses, trata-se de uma área da História que possui
uma narrativa histórica, muito factual, pouco reflexiva e teórica, podendo ser
manipulável por Estados Nacionais, grupos dirigentes, setores elitistas da sociedade
de um país. Seria uma história "positivista", restrita simplesmente à narração dos
fatos.
5

AZÉMA, Jean-Pierre. A guerra. In: RÉMOND, René (org.). Por uma história política. Rio de
Janeiro: Editora UFRJ/Editora FGV, 1996. p. 402.
6
Ver a obra: BECKER, Jean-Jacques. 1914: comment lês français sont entres dans la guerre.
Paris: Presses de la Foundaution Nationale des Sciences Politiques, 1977.
7
JÚNIOR, Domício Proença. O Fazer da Guerra Moderna: o Corpo-de-Exército como Unidade
Operacional gênese e superação. Tese de doutrado apresentada ao Programas de Pós-Graduação
em Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1994.
8
FERRAZ, Francisco César Alves. A guerra que não acabou: A reintegração social dos veteranos
da Força Expedicionária Brasileira, 1945-2000. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de PósGraduação em História Social, da FFLCH, da Universidade de São Paulo (USP), 2003.
9
FERRAZ, Francisco César Alves. "História Militar e História Social". Anais do I Seminário
Internacional de História, da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, outubro de 2003: p. 620.
10
FERRAZ, Francisco César Alves. Os Brasileiros e a Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar Editor, 2005. (Coleção Descobrindo o Brasil).

1199

Seguindo essa tendência, publicações e pesquisas sobre as principais
guerras do século XX foram organizadas por Francisco Carlos Teixeira, na obra
"Enciclopédia de guerras e revoluções do Século XX", em 2004. O mesmo
historiador Francisco Carlos Teixeira juntamente com os autores Ricardo Pereira
Cabral e Sidnei José Munhoz coordenaram a elaboração da importante obra
"Impérios na História"

11

, publicada em 2009. A Guerra do Golfo, por exemplo, já foi

estudada por Sandro Heleno Morais Zarpelão, na monografia de especialização "A
Crise no Oriente Médio: a Guerra do Golfo, as Discussões Historiográficas e as
Relações Internacionais (1990-1991)", em 2006, e na Dissertação de Mestrado
"Tempestade No Iraque: A Guerra do Golfo, a Política Externa dos Estados Unidos,
a Historiografia Militar e a Imprensa Escrita Brasileira (1990-1991)", apresentada e
defendida no Programa de Pós-Graduação do Curso de Mestrado em História, linha
de Pesquisa História Política e dos Movimentos Sociais, da Universidade Estadual
de Maringá (UEM), em 2008.
Já a Guerra do Vietnã e a Guerra do Iraque, de 2003, foram trabalhadas por
Flávio Combat, na dissertação de mestrado "Hegemonia e contradições no sistema
monetário e financeiro internacional: as conseqüências da Guerra do Vietnã (19651975) e da Guerra do Iraque (2003-em curso) para a sustentação do dólar como
moeda central do sistema internacional" 12, em 2007.
Tal percepção foi elaborada pela Escola Historiográfica dos Annales, na
década de 1930, e pelo marxismo e o seu materialismo histórico, nas primeiras
décadas do século XX, no continente europeu.
O positivismo teve uma grande influência sobre a História Militar, conhecida
como a história dos grandes líderes, das datas cívicas, dos heróis nacionais, dos
11

SILVA, Francisco Carlos Teixeira; CABRAL, Ricardo Pereira; MUNHOZ, Sidnei José (coords.).
Impérios na História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.
12
Ver as obras: SILVA, Francisco Carlos Teixeira da (coord.) [et al]. Enciclopédia de guerras e
revoluções do Século XX: as grandes transformações do mundo contemporâneo. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2004, p. 693-694; COMBAT, Flavio Alves. Hegemonia e contradições no sistema
monetário e financeiro internacional: as conseqüências da Guerra do Vietnã (1965-1975) e da
Guerra do Iraque (2003-em curso) para a sustentação do dólar como moeda central do sistema
internacional. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História
Comparada (Instituições e Formas Políticas), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ),
2007; ZARPELÃO, Sandro Heleno Morais. A Crise no Oriente Médio: a Guerra do Golfo, as
Discussões Historiográficas e as Relações Internacionais (1990-1991). Monografia de Especialização
apresentada Curso de Especialização em História Social e Ensino de História, do Departamento de
História do Centro de Letras e Ciências Humanas, da Universidade Estadual de Londrina (UEL),
2006.

1200

grandes líderes, dos feitos patrióticos das Forças Armadas. Então, para muitos
historiadores a História Militar não deve ser trabalhada, estudada de forma científica,
na área acadêmica. Ela deveria ficar restrita aos círculos militares com os seus
historiadores.

Felizmente,

essa

visão

passa

por

mudanças

substanciais

principalmente a partir das décadas de 1980 e 1990, no Brasil.
Existem muitos temas inseridos no universo militar, mas talvez nenhum deles
exerça tamanha fascinação, preocupação e necessidade de ser estudado: a guerra.
A guerra acompanha a trajetória humana desde os seus primórdios. Trata-se de
uma manifestação humana muito importante na construção das civilizações, das
sociedades, dos países, dos impérios. O historiador não pode desprezar tudo o que
se refere ao ser humano e à temática militar, portanto, não pode ser
desconsiderada, pois "Portanto, o que faz qualquer história, seja ela militar, política,
diplomática, social ou cultural, ´positivista` ou não, é o uso que se faz das fontes e
da fortuna crítica, é o esforço de síntese e compreensão. Nenhum assunto é
´positivista´ por natureza"13.
Portanto, o historiador não pode se furtar a estudar a História Militar de cunho
tradicional, pois é sua função pesquisar e aprofundar o conhecimento sobre tal
historiografia. Ela não pode ser desprezada pelos historiadores e pela academia.
De acordo com Francisco César Ferraz, cabe ao historiador buscar entender
os motivos que ajudam na manutenção e difusão da prática de enaltecimento de
grandes líderes militares, datas nacionais e grandes batalhas pela historiografia
militar14.
A História Militar é uma área que está diretamente ligada aos ideais e
sentimentos que se inserem na construção da identidade social, cultural e nacional
de um país, produzindo memórias coletivas que permanecem no tempo, por uma
longa duração. Por isso, ela deve ser estudada relacionando-a com os
conhecimentos decorrentes do desenvolvimento dos métodos específicos da
História. Isso evitará que se conceba a História Militar como um mero acessório da
História Política.

13

FERRAZ, Francisco César Alves. "História Militar e História Social". Anais do I Seminário
Internacional de História, da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, outubro de 2003: p. 621.
14
Idem, p. 621.

1201

Em outras palavras, a História Militar não pode ser reduzida como uma área
do conhecimento que é abarcada pela História Política. Ela possui técnicas, métodos
e teorias relacionadas à História Política, mas, de forma alguma, ela é apenas o seu
apêndice. Assim, ressalta-se, a história militar possui a sua especificidade e se
constitui como um campo de estudos bem delineado, com arcabouços teóricos e
métodos que demandam rigor e procedimentos adequados. No entanto, devem-se
observar as suas características transdisciplinares. De acordo com Francisco César
Alves Ferraz15, para que se consigam tais objetivos, faz-se importante a superação
de alguns desafios. O primeiro seria obter o reconhecimento, por parte dos
historiadores e da academia, de que a História Militar constitui um campo de
pesquisa histórica própria, com suas especificidades técnicas, teóricas e
metodológicas. Precisa-se, na verdade, de se superar os problemas e dilemas que
abarcam a relação entre os historiadores militares e o restante dos historiadores.
Assim, vários historiadores militares em vários lugares do mundo, como na
França, no Brasil e nos Estados Unidos, buscaram diminuir a distância que separa o
desenvolvimento da História, em geral, da sua área específica, a História Militar nas
últimas décadas. Então, tais pesquisadores passaram a utilizar metodologias, teorias
e análises interdisciplinares, construiu-se uma nova forma de pensar e entender a
temática militar sob a ótica histórica. Passou a ser chamada de "Nova História
Militar" 16.
A "Nova História Militar" objetiva aprofundar as reflexões e enriquecer a visão
que se possui sobre o objeto e as especificidades técnicas da História Militar
considerada tradicional.
Como o grande objeto da História Militar é a guerra, no Ocidente, ela é
considerada repugnante, indesejável e um recurso "pouco inteligente" para se
resolverem questões pendentes, sejam elas territoriais, políticas, econômicas ou
religiosas. Isso decorre da tradição cristã que repudia e condena a violência. Então,
pesquisar a guerra é algo que se tornou bastante censurável. Entretanto, esquecese de que a guerra é um fenômeno, uma prática humana que acompanha a trajetória
da humanidade desde os seus primórdios. Pesquisá-la, estudá-la e compreendê-la
15
16

Idem, Ibidem, p. 622.
Idem, Idem, p. 621.

1202

é, além de obrigação do historiador, é uma forma imprescindível para se evitar
novos conflitos e se possível, erradicar tal prática do cotidiano humano.
O segundo desafio é de caráter teórico. Trata-se de conseguir o importante
consenso com relação ao objeto principal de pesquisa da História Militar. Ocorreu
que a Nova História Militar possui uma preocupação hodierna de somar vários novos
objetos de estudo, por serem relacionados com a principal temática militar: a guerra.
Então, além das batalhas, estratégias, táticas, armamentos e forças de
combates, também se passou a pesquisar tudo o que é ligado com a guerra, isto é,
sua preparação, a sua dimensão cultural, os aspectos sociais, culturais e
psicológicos que a envolvem e as suas conseqüências econômicas, políticas e
sociais para os países envolvidos. Portanto, existe o consenso entre os historiadores
militares de que não se deve abandonar o principal tema da História Militar, o fato
bélico, a guerra propriamente dita. Nesse sentido,
"(...) Pois, aumentando o peso do jogo social e da intervenção dos
dirigentes políticos na condução das guerras, corremos o risco de
minorar a importância das regras específicas da ,,gramática inerente
não só ao exercício da guerra; não fosse ela em primeiro lugar
violência recíproca, a violência do duelo, uma violência por natureza
limitada, desembocando numa "ida aos extremos" que escapa aos
cálculos dos políticos e não é gerível de maneira racional, já que os
homens, programando ou fazendo a guerra, jamais abolirão o
acaso."17

Em outras palavras, as guerras são vencidas ou perdidas através das lutas e
das forças das armas e dos homens que nela se empenham. Para se compreender
melhor tal questão são imprescindíveis que se conheçam as especificidades que
cercam a temática militar, no caso a tecnologia bélica, as estratégias militares,
táticas de guerra, as estruturas das forças armadas, por exemplo. É claro que essa
área do conhecimento possui estrutura, linguagem e teoria própria. O que não
impede um pesquisador que não seja militar de se debruçar com afinco sobre a
História Militar. Não é a condição de participar das forças armadas ou de uma guerra
que irá credenciar como válida a pesquisa. Ela só será respeitada e considerada boa
se tiver rigor metodológico e teórico.
17

AZÉMA, Jean-Pierre. A guerra. In: RÉMOND, René (org.). Por uma história política. Rio de
Janeiro: Editora UFRJ/Editora FGV, 1996. p. 423.

1203

O terceiro e último desafio a ser enfrentado é a questão da conciliação entre o
estudo e a pesquisa em História Militar por um oficial que é treinado e ensinado para
se comportar de uma forma pragmática, com a natureza especulativa bastante
variada da historiografia universitária. Não se pode esquecer que o militar é educado
para dar respostas rápidas e objetivas, já que possui responsabilidade sobre várias
vidas humanas. Para o futuro combatente, a História precisa ser válida. Então, a
História enquanto conhecimento possui uma gama de potencialidades que podem e
devem ser exploradas para a formação dos oficiais, através da reflexão dos
princípios de guerra, das teorias embasadoras da História Militar, das projeções
sobre o futuro e das projeções sociais, econômicas e políticas que a guerra pode
tomar. A História Militar torna-se cada vez mais uma História Social também,
importante na formação de lideranças militares mais conscientes do papel que a
guerra e a temática militar exercem na humanidade18.

Considerações finais

Por ocasião da emergência da História Social, no início do século XX, a
História Militar e a História Política foram marginalizadas, como efeito direto da
traumática experiência da Primeira Guerra Mundial, por um grupo de historiadores
que defendiam uma história diferente, a qual enfatizava as antes desprezadas
estruturas econômicas e políticas. A História Militar era "acusada" de ser favorável à
guerra, ao nacionalismo e as batalhas. Entretanto, essa situação precisa ser
superada, pois a História Militar deve ser ligada à História Social.
Para Francisco Ferraz, é possível se fazer uma História Militar relacionada
com outras temáticas como a social, econômica, ideológica, feita tanto para "os de
baixo" (soldados, flagelados, vencidos, refugiados) quanto para os oficiais
superiores, estabelecendo relações entre os eventos militares e as sociedades
beligerantes19. E ela já é feita há muito tempo, mas não era reconhecida como
História Militar.

18

FERRAZ, Francisco César Alves. "História Militar e História Social". Anais do I Seminário
Internacional de História, da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, outubro de 2003: p. 624.
19
Idem, pp. 624-625.

1204

Nota-se que o processo de diversificação de pesquisas e publicações de
temas ligados à área militar, no Brasil, está aumentando o que é uma tendência
importante, porém ainda restrita a esfera militar. Precisa ser ampliada para a esfera
acadêmica e social.
Ainda hoje, existe receio generalizado de o pesquisador assumir que faz
pesquisa sobre temática da História Militar, pois a Nova História Militar não
conquistou a maior parcela das pesquisas que tratam da temática militar. Isso
precisa ser refletido e modificado nos próximos anos, no seio das universidades e
centros de pesquisas brasileiros.
Então, como resultado, pode-se verificar que apesar do crescimento de
importância da Nova História Militar, as temáticas militares ainda são pouco
pesquisadas no Brasil, por existirem barreiras acadêmicas, sociais e políticas nesse
sentido, o que necessita ser urgentemente transformado, pois a esfera militar
também possui função social, histórica e política em nosso país, por ser uma
importante integrante da sociedade brasileira hodierna. Para compreender o Brasil
enquanto país, instituições políticas e sociedade, é assaz necessário que as Forças
Armadas estejam cada vez mais próximas das esferas sociais civis brasileiras.

Referências

AZÉMA, Jean-Pierre. A guerra. In: RÉMOND, René (org.). Por uma história
política. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Editora FGV, 1996.
BECKER, Jean-Jacques. 1914: comment lês français sont entres dans la guerre.
Paris-França: Presses de la Foundaution Nationale des Sciences Politiques, 1977.
CASTRO, Celso; IZECKSOHN, Vitor; KRAAY, Hendrik. Da História Militar à
´Nova`História Militar.
COMBAT, Flavio Alves. Hegemonia e contradições no sistema monetário e
financeiro internacional: as conseqüências da Guerra do Vietnã (1965-1975) e da
Guerra do Iraque (2003-em curso) para a sustentação do dólar como moeda central
do sistema internacional. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de
Pós-Graduação em História Comparada (Instituições e Formas Políticas), da
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), 2007.
FERRAZ, Francisco César Alves. A guerra que não acabou: A reintegração social
dos veteranos da Força Expedicionária Brasileira, 1945-2000. Tese de Doutorado
1205

apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História Social, da FFLCH, da
Universidade de São Paulo (USP), 2003.
_______. "História Militar e História Social". Anais do I Seminário Internacional de
História, da Universidade Estadual de Maringá. Maringá, outubro de 2003.
_______. Os Brasileiros e a Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar Editor, 2005. (Coleção Descobrindo o Brasil).
JÚNIOR, Domício Proença. O Fazer da Guerra Moderna: o Corpo-de-Exército
como Unidade Operacional gênese e superação. Tese de doutrado apresentada ao
Programas de Pós-Graduação em Engenharia, da Universidade Federal do Rio de
Janeiro, 1994.
SILVA, Francisco Carlos Teixeira da (coord.) [et al]. Enciclopédia de guerras e
revoluções do Século XX: as grandes transformações do mundo
contemporâneo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004, p. 693-694
______. CABRAL, Ricardo Pereira; MUNHOZ, Sidnei José (coords.). Impérios na
História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.
ZARPELÃO, Sandro Heleno Morais. A Crise no Oriente Médio: a Guerra do Golfo,
as Discussões Historiográficas e as Relações Internacionais (1990-1991).
Monografia de Especialização apresentada Curso de Especialização em História
Social e Ensino de História, do Departamento de História do Centro de Letras e
Ciências Humanas, da Universidade Estadual de Londrina (UEL), 2006.
________. Dissertação de Mestrado "Tempestade No Iraque: A Guerra do Golfo, a
Política Externa dos Estados Unidos, a Historiografia Militar e a Imprensa Escrita
Brasileira (1990-1991)", apresentada e defendida no Programa de Pós-Graduação
do Curso de Mestrado em História, linha de Pesquisa História Política e dos
Movimentos Sociais, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), em 2008.

1206