A história de Chico Rei
Béatrice Tanaka
Ilustraçõesda
Temas

autora
Brasil colonial · Ciclo do ouro · Escravidão · Carnaval



GUIA DE LEITURA
PARA O PROFESSOR

64 páginas

A autora Nascida em 1o. de março de 1932, na cidade
de Czernowitz (então pertencente à Romênia, hoje na
Ucrânia), numa família de origem judaica, Béatrice
Tanaka (Lauder era seu nome de solteira, mudado para
Tanaka após o casamento com o pintor nipo-brasileiro
Flávio-Shiró Tanaka, em 1955) viveu desde muito cedo
a experiência do exílio. Em 1944, ela e sua família,
fugindo da ocupação alemã, atravessaram o mar Negro
e a Turquia e foram dar na Palestina, onde ficaram três
anos antes de desembarcar no Brasil, longe dos horrores
da guerra. Assim, Béatrice conheceu a estrela vermelha
de Stálin, a amarela de Hitler e a azul de Davi antes de
avistar o brilho das estrelas do Cruzeiro do Sul. Exilada
sob tantos céus, não é de espantar que se identificasse
com a história de Chico Rei, rei africano escravizado
que também sofreu as dores do exílio.
Cidadã do mundo naturalizada brasileira, Béatrice
cursou línguas modernas e pedagogia na Faculdade de
Filosofia de Minas Gerais, e desenho na Escolinha de
Guignard, ambas em Belo Horizonte (MG). Nos anos
1950-1960, em Paris, estudou teatro na Sorbonne e
na Université du Théâtre des Nations, cenografia no

Atelier D'Essai des Décorateurs Maquettistes de Théâtre
e desenho e artes gráficas na École Paul Colin.
Criou cenários e figurinos para teatro, participou de
muitas exposições individuais e coletivas de cenografia
(no Brasil e no exterior), engajou-se em movimentos
pacifistas, ecológicos e em defesa dos direitos da
criança, e também se dedicou à literatura. Escreveu e
ilustrou mais de quarenta livros, traduzidos em vários
países. Por esses trabalhos, obteve importantes prêmios
e participou, como ilustradora, de exposições nas
Bienais de Bratislava e Leipzig e nas Feiras de Livro de
Bolonha e Frankfurt, entre outras.
Dividindo seu tempo entre Paris e Rio de Janeiro,
ela continua a produzir livros para crianças e
adolescentes, além de criar cartazes para bibliotecas
e espetáculos, bem como cartões para organismos
internacionais, como Unicef e Artisans du Monde.
Fonte: Junqueira, Christine. Béatrice Tanaka: dos figurinos
e cenários à literatura. Disponível em: . Acesso em: ago. 2010.

A história de Chico Rei
Explorações
paralelas
IRMANDADES NEGRAS
Na crônica "Rosário dos homens
pretos", de Passeios na ilha (1952),
Carlos Drummond de Andrade escreve
sobre a importância das irmandades
de pretos no Brasil. Uma das primeiras
irmandades foi fundada no Rio de
Janeiro, em 1640, em homenagem
a Nossa Senhora do Rosário e a São
Benedito, outro santo negro venerado
pelos escravos, que se tornou muito
popular no Brasil. Mas a maioria
das irmandades, muitas localizadas
em Minas Gerais, surgiu a partir do
início do século XVIII. A devoção
dos negros a Nossa Senhora do
Rosário vinha do fato de missionários
portugueses terem introduzido o
culto à santa no Reino do Congo.
Para os senhores brancos, a reunião
dos negros em agremiações religiosas
parecia ser um meio de abafar os
ânimos revolucionários dos escravos,
servindo como consolo e estímulo
à resignação. Muitas vezes, alguns

Béatrice Tanaka

O ÁLBUM
A história do rei africano tornado escravo no Brasil, recontada em palavras e imagens é o elemento central de A história de Chico Rei. No entanto, a obra é também composta de
outros textos relacionados à personagem-título. Da própria
autora, há um depoimento autobiográfico, intitulado "Pequeno caderno de lembranças da autora". Nele Béatrice fala de
seu primeiro contato com a arte mineira (nas aulas do pintor
Guignard), Ouro Preto e a Igreja de Santa Efigênia, de uma
irmandade negra, e ainda nos conta como a cultura popular
brasileira, mescla de influências ibéricas, indígenas e africanas,
inspiraria sua produção artística.
O livro também traz um texto sobre carnaval, "Escola de samba, uma escola de vida", de Maria Augusta Rodrigues, que evoca
o histórico desfile da Salgueiro em 1964, quando Chico Rei foi
tema do samba-enredo, além de oferecer informações sobre a
origem e o funcionamento das escolas de samba.
Encerra-se a leitura em chave de ouro com o "Romance do
Chico Rei", poema de Cecília Meireles extraído de Romanceiro
da Inconfidência (1953), comentado pelo pesquisador Maurício
Baptista Vieira ("Trabalho, festa e descanso").
Assim, o álbum reúne textos de natureza variada, dando testemunho da multiplicidade de manifestações artísticas em torno
da figura desse herói africano, ícone da luta pela emancipação
dos negros.

cargos das irmandades de negros eram
ocupados por brancos, como forma
de controle. Na prática, contudo, as
irmandades acabavam fortalecendo a
unidade e a autoafirmação dos negros
e funcionavam como instrumento de
reivindicação política. Na lista de
deveres da Irmandade de Nossa
Senhora do Rosário e São Benedito
dos Homens Pretos do Rio de Janeiro,
datada de 1883, constam, entre outras
obrigações, "cuidar da educação
dos filhos legítimos dos irmãos que
morrerem em indigência etc." e
"libertar da escravidão os irmãos
cativos".

2

A história de Chico Rei

Béatrice Tanaka

LEITURA DA OBRA
O fortalecimento dos negros dentro
das irmandades exclusivas (havia
também irmandades só de brancos ou
pardos) teria resultado no ganho de
algumas disputas, como a luta pelo
controle da capela que viraria Igreja
de Santa Efigênia, de acordo com
o relato de Diogo de Vasconcelos
citado por Drummond: "Quando os
irmãos brancos do Rosário puseram-se a rixar com os pretos [...] viram
pela primeira vez as panelas de barro
quebrarem as de ferro. Perderam por
isso a partida; e a Capela do Alto
da Cruz passou à mansa e pacífica
posse dos fracos, de mais a mais
guiados pelo seu príncipe, um negro
forro Francisco, o Chico Rei, como
o chamavam...". (Andrade, Carlos
Drummond de. Prosa seleta. Rio de
Janeiro: Nova Aguilar, 2003, p. 1.386).

Entre a lenda e o fato histórico
Ainda hoje há controvérsias sobre a veracidade da história de
Chico Rei. Teria de fato existido um homem por trás do mito?
Muitos historiadores sustentam que não há fontes documentais suficientes que lhe comprovem a existência. A ficção criada
em torno do herói africano seria fruto da historiografia romântica
do século XIX e início do século XX, em que o ideário republicano
procura histórias e personagens para representar a fundação da
nação brasileira. Dessa maneira, a figura de Chico Rei resultaria
da mistura de traços de diferentes personagens históricas.
Duas das principais fontes escritas que contribuíram para a
construção da narrativa de Chico Rei foram o relato do historiador mineiro Diogo de Vasconcelos (1843-1927) em seu livro
História antiga das Minas Gerais (1904) e o romance de Agripa
Vasconcelos (1896-1969) intitulado Chico Rei ­ romance do ciclo
da escravidão em Minas Gerais (1966).
O primeiro é citado por autores como Manuel Bandeira, em
seu Guia de Ouro Preto. Já o livro de Agripa Vasconcelos apresenta-se como um romance com pretensões de registro histórico,
conforme se lê na orelha da obra: "[...] conseguiu Agripa Vasconcelos reunir material suficiente para demonstrar ­ e com que
brilhantismo! ­ que a sua história tem muito mais de realidade
do que de lenda: é, inequivocamente, História, com maiúscula."

3

A história de Chico Rei

O CONGADO
Uma importante forma de resistência
exercida por meio das irmandades
de homens negros se dava nas
festividades do reinado. Fruto da
diáspora negra, o reinado foi criado
no Brasil, misturando elementos
da cultura africana com a devoção
popular aos santos católicos,
exemplo de sincretismo religioso.
No reinado, os escravos restauravam
simbolicamente a realeza africana,
reforçando a memória de seus povos e
seus laços culturais, ao mesmo tempo
que prestavam homenagem a Nossa
Senhora do Rosário e aos outros
santos venerados pela comunidade
negra, como São Benedito e Santa
Efigênia.
Segundo o folclorista potiguar Luís da
Câmara Cascudo, a parte principal
dos reinados era a coroação dos reis
de Congo, "denominação comum
que abrangia sudaneses e bantos"

(Câmara Cascudo, Luis da. Dicionário
do folclore brasileiro. 11 ed. São
Paulo: Global, 2002, p. 150). Daí
viria o nome congado, congada
ou simplesmente congo, embora a
denominação reinado ainda vigore
em algumas localidades do Brasil.
Todos os anos, as irmandades
elegiam um rei e uma rainha,
que saíam cantando, dançando,
simulando lutas de espada entre
mouros e cristãos, tocando tambores
e outros instrumentos em um cortejo
ricamente vestido e ornamentado.
O cortejo ia até a igreja, onde os
reis eram coroados, e depois voltava
à sede das irmandades ou a outro
local, onde se realizava um baile
comemorativo, com comidas e
bebidas.

Béatrice Tanaka

O romance se difundiu de tal maneira que estendeu sua influência ao próprio imaginário popular. Chico Rei já aparecia em relatos orais anteriores à publicação do livro de Agripa Vasconcelos, que neles se inspirou; mas, posteriormente, as narrativas de
congadeiros (Chico Rei seria o introdutor do congado nas Minas
Gerais) e militantes do movimento negro seriam muito marcadas
pelo romance. A figura de Chico Rei constituiria então importante
referência para a afirmação das origens e da identidade dos afrodescendentes. Dessa perspectiva, as atitudes do herói na narrativa
são valorizadas como sinal não só de nobreza como de astúcia, já
que Chico Rei aparenta obediência aos senhores, que não suspeitam da revolta lenta, pacífica e silenciosa por ele tramada.
Por outro lado, há militantes do movimento negro que criticam justamente o modo como a figura do herói é construída no
romance e em outros relatos, que apenas reforçariam estereótipos negativos sobre a "raça" negra. Chico Rei seria valorizado por
membros da elite branca na medida em que nega suas características de origem, demonstrando respeito e obediência às regras
estabelecidas pelos senhores brancos. Afinal, ele não promove
de fato uma rebelião para libertar seu povo, mas age por meio
do trabalho e da disciplina (ainda que sua história contenha um
componente "malandro": o ouro escondido nos cabelos).
De qualquer maneira, lendária ou não, é certo que a história
de Chico Rei tem vários elementos que correspondem a práticas
e modos de ser da sociedade brasileira no período colonial, especificamente das Minas Gerais do século XVIII. A veracidade da
história de Chico Rei pode ser questionada, mas não sua verossimilhança. Um dos aspectos relevantes é o fato de que o meio
urbano das Minas Gerais estava entre as localidades com maior
número de população forra da colônia. Muitas das alforrias eram
compradas pelos próprios escravos, seja à vista, seja no sistema
de coartação, comum em Minas. A coartação era uma espécie de
meio-termo entre o cativeiro e a liberdade, em que o escravo ficava provisoriamente livre para conseguir meios de comprar sua
alforria, a qual seria paga a prazo. Outros aspectos dizem respeito
à organização e às formas de resistência da população negra, como
se pode comprovar pela existência das irmandades negras ligadas
à Ordem do Rosário. Por meio das irmandades, os escravos e exescravos ajudavam-se mutuamente, fortaleciam os laços culturais,
comunitários e relembravam suas tradições ­ elementos que aparecem na narrativa sobre Chico Rei.

4

A história de Chico Rei

Béatrice Tanaka

A Igreja de Santa Efigênia
Os congados eram muitas vezes
motivo de desentendimento
entre os negros e as autoridades
brancas, pelo caráter desafiador
dos cortejos ao instituir um reinado
que não era português. Drummond
menciona, na crônica "Rosário dos
homens pretos", duas tentativas de
proibição dos congados no Brasil,
uma na primeira metade do século
XVIII, outra em 1771. Na prática,
nenhuma das duas vingou, o que
atesta o papel revolucionário das
irmandades de negros no período
colonial: "Esse Rei do Congo e
essa Rainha Ginga, decorativos,
burlescos aos olhos de hoje, mas
revestidos de profunda dignidade nos
breves dias do seu domínio, eram
imagens evocativas de um poder
real na costa africana, que o tráfico
extinguira ao reduzir seus detentores
à condição de escravos de eito. Por
umas poucas horas, o negro voltava
a ser livre. O `rei' ou o `imperador
do Divino' exerciam jurisdição
efetiva sobre seus `súditos'. E é
compreensível que, na embriaguez

No Guia de Ouro Preto, Manuel Bandeira retoma o texto de
Diogo de Vasconcelos para falar sobre a Igreja de Santa Efigênia,
cujo nome original era Nossa Senhora do Rosário dos Pretos:
"Em sua História Antiga das Minas Gerais narra Diogo de
Vasconcelos a tradição de Chico Rei, recolhida pela primeira vez
por Afonso Arinos ("Atalaia Bandeirante"), à qual está ligada
a ereção desta igreja: Francisco, rei africano, foi aprisionado e
vendido para escravo com toda a sua tribo. A mulher e todos os
filhos, menos um, morreram na travessia do Atlântico. Os sobreviventes foram encaminhados às minas de Ouro Preto. Homem
inteligente e enérgico, Chico Rei trabalhou e forrou o filho; em
seguida os dois trabalharam para forrar um patrício; e assim
sucessivamente se forrou toda a tribo, que passou a forrar outros vizinhos da mesma nação. Formaram entre si um como que
Estado: Francisco era o rei; sua nova mulher, a rainha; seu filho, o
príncipe; a nora, a princesa. A coletividade possuía a mina riquíssima da Encardideira. Tomaram como padroeira a Santa Efigênia, a
cuja milagrosa imagem prestavam culto no Alto da Cruz, na capela
levantada sob a invocação de N. S. do Rosário. No dia 6 de janeiro
o rei, a rainha e os príncipes, vestidos como tais, eram conduzidos
triunfalmente à igreja para assistir à missa cantada; em seguida
percorriam as ruas dançando ao som de instrumentos africanos:
era o reinado do Rosário, festas imitadas em todos os arraiais de
Minas. Ainda existe à entrada da igreja a pia de pedra onde as negras lavavam os cabelos para nela deixar como donativo o ouro de
que estavam empoados" (Bandeira, Manuel. Guia de Outro Preto.
Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1938, p. 115).

desse domínio, alimentassem a
veleidade de estendê-lo aos próprios
senhores brancos. A instituição do
reinado adquiria assim um conteúdo
revolucionário, que seria causa de
mais de um incidente penoso, e
mesmo de choques sangrentos" ­
afirma o poeta.
Conta-se que o mito fundador
das congadas ou reinados é o
aparecimento de Nossa Senhora
do Rosário no mar ou ainda numa
gruta. Mais tarde, esse mito será
atualizado com a vinculação do
congado à história de Chico Rei.

5

A história de Chico Rei

É o que se verifica nos relatos de
congadeiros como Waldemiro
Gomes, um dos fundadores da
Federação dos Congados de Minas
Gerais. Segundo ele, a festa do
congado só passou a ter esse nome
"por causa do rei Galanga, que veio
lá do Congo pra Minas Gerais [...].
Mas era festa do reinado, é a festa
do reinado de Nossa Senhora do
Rosário". A Federação instituiu o
uso do título vitalício de Chico Rei
para um eleito entre os detentores
do cargo de Rei Congo. De acordo
com o antropólogo Rubens Alves
da Silva, que recolheu depoimentos
como o de Waldemiro Gomes, "Ao
Rei Congo intitulado `Chico Rei',
todos os reis e rainhas do congado
mineiro deviam obediência. Este
título recupera, de certo modo, a
antiga estrutura organizativa das
irmandades negras mineiras" (Chico
Rei Congo do Brasil. In: SILVA,
Vagner G. da (org.). Imaginário,
cotidiano e poder. São Paulo: Selo
Negro, 2007, v. III, p. 57-58, Col.
Memória afro-brasileira).
Além de Minas Gerais, onde estão
fortemente presentes, os congados
ocorrem em vários estados do

Béatrice Tanaka

A capela daria lugar à igreja, que terminou de ser construída
no final do século XVIII, e era administrada pela irmandade do
Rosário dos Pretos, de Antonio Dias. A escolha de Santa Efigênia como padroeira deve-se provavelmente ao fato de ser uma
santa negra, oriunda da Etiópia. Graças à influência da cultura
africana, a igreja apresenta, em meio aos ornamentos barrocos,
símbolos como conchas e chifres de animais, e a imagem de um
papa negro na pintura do teto. Como teria sido construída por
ordem do herói africano, a Igreja de Santa Efigênia ficou conhecida como Igreja do Chico Rei ­ assim como a suposta mina da
Encardideira, batizada "do Chico Rei", que também se tornou
um dos principais pontos turísticos de Ouro Preto.

Brasil e em diferentes épocas do
ano ­ a data mais tradicional seria
o mês de outubro, em função da
festa de Nossa Senhora do Rosário,
comemorada no primeiro domingo
do mês. Uma das manifestações
relacionadas ao congado é o
maracatu, típico de Pernambuco.
De acordo com Câmara Cascudo,
o maracatu é um tipo de cortejo
coreográfico que surge como
um desdobramento do congado:

6

A história de Chico Rei

Béatrice Tanaka

O carnaval ontem e hoje
"É visível vestígio dos séquitos
negros que acompanham os reis de
congos, eleitos pelos escravos, para
a coroação nas igrejas e posterior
batuque no adro, homenageando
a padroeira ou Nossa Senhora do
Rosário. Perdida a tradição sagrada,
o grupo convergiu para o carnaval,
conservando elementos distintos de
qualquer outro cordão na espécie"
(Câmara Cascudo, op. cit, p. 361). A
convergência entre o congado (que
existe no Nordeste desde o século
XVII), o maracatu e a história de
Chico Rei aparece no Maracatu de
Chico Rei, do compositor Francisco
Mignone (1897-1986). Com
argumento de Mário de Andrade,
o balé, composto em 1933, trata
da construção da Igreja de Santa
Efigênia.

Vimos que a história de Chico Rei foi transformada em samba-enredo pela escola Salgueiro, em 1964, ano do golpe militar, que
inauguraria uma ditadura de mais de 20 anos no Brasil. A história do herói negro, que trata de opressão e libertação, reaparecia
em momento oportuno, marcado por grande agitação política.
As escolas de samba foram em muitos momentos responsáveis pelo resgate e pela afirmação de aspectos da cultura negra,
como se vê nos sambas-enredo dedicados a personagens como
Chico Rei, Chica da Silva e Zumbi dos Palmares, promovidos
pela escola Acadêmicos do Salgueiro na década de 1960. Conforme explica a carnavalesca Maria Augusta Rodrigues, as escolas
de samba também reforçam os laços sociais entre os membros de
comunidades carentes que as frequentam.
Porém muita coisa mudou dos anos 1960 para os dias atuais.
Hoje nem todos os que tomam parte do carnaval pertencem às comunidades pobres mencionadas por Rodrigues. Pessoas de fora, turistas, podem comprar fantasias e um lugar no desfile. Celebridades
ganham papéis de destaque e sua presença é fundamental para promover a escola. Os desfiles de carnaval tornaram-se um grande empreendimento turístico, que movimenta muito dinheiro e depende
de patrocínio e cobertura televisiva. Ainda assim, o carnaval continua sendo uma festa essencialmente popular, em que muitos lutam
para manter ou resgatar a tradição de suas respectivas agremiações.

7

A história de Chico Rei

Béatrice Tanaka

CONVERSANDO COM OS ALUNOS
ANTES DA LEITURA
Como preparação para a leitura, o professor de história
pode propor uma pesquisa sobre o espaço e a época em que
se passa a história de Chico Rei: as Minas Gerais do século
XVIII. A atividade deve ser planejada com antecedência, pois
precisa de algumas aulas para ser realizada. O objetivo é traçar
um panorama geral do contexto histórico de Chico Rei. Em
seguida, mais especificamente, a pesquisa será direcionada
para as condições de vida e sobrevivência dos escravos naquele contexto. Como e por que foram trazidos para o Brasil?
Que tipo de trabalho homens e mulheres faziam? Como viviam? O que vestiam e comiam? Como se manifestavam em
termos culturais? De que recursos dispunham para resistir à
opressão escravagista? Que possibilidades de libertação um
escravo possuía?
Os diferentes assuntos da pesquisa podem ser distribuídos
em pequenos grupos de alunos, que realizarão parte do trabalho em casa (coleta de fontes e material), parte em sala de aula
(seleção do material, discussão com os colegas, elaboração de
uma monografia). Além do texto, os trabalhos podem conter
imagens de época sobre os temas abordados. Ao final, os resultados serão expostos em seminários para o restante da classe.

DURANTE A LEITURA
Como vimos, a história de Chico Rei suscita a discussão sobre seu caráter verídico ou lendário. Para que os alunos mergulhem na história e ampliem a leitura com a pesquisa de elementos extratextuais relacionados à personagem, o professor
pode propor a realização de um debate. A turma é dividida em
três grupos: o primeiro deverá defender que a narrativa corresponde a fatos históricos; o segundo, que se trata de uma lenda;
e o terceiro deve propor que a história de Chico Rei combina
elementos verídicos com aspectos lendários ou ficcionais.
Cada grupo deverá fundamentar a sua posição com argumentos, evidências e "provas". Esta atividade também necessitará de mais de uma aula para ser realizada, pois dependerá
de pesquisa fora da sala de aula, mas também da reunião em

8

A história de Chico Rei

Béatrice Tanaka

classe dos grupos, que, com o auxílio do professor, ensaiarão
para o debate. No dia do evento, é importante que se calcule o
tempo reservado à exposição dos argumentos de cada grupo,
além do tempo para a discussão entre os grupos, que pode ser
feito pelo sistema de perguntas e respostas, com réplicas e tréplicas. O professor será o mediador e terá a função de encerrar o debate com uma reflexão final que resuma os principais
aspectos discutidos.

DEPOIS DA LEITURA
Nesta atividade, os alunos deverão relembrar outras personagens da cultura popular brasileira que também viveram
situações de opressão e luta pela liberdade. Num universo semelhante ao de Chico Rei, encontram-se, por exemplo, as figuras de Chica da Silva e Rosa Maria Egipcíaca, ambas negras
que subverteram a ordem de seu tempo, o século XVIII.
A pesquisa será feita na biblioteca da escola e também pela
internet, podendo contar com a participação do bibliotecário
da escola e do professor de informática.
Após o levantamento de dados sobre a personagem escolhida,
os alunos farão, individualmente, um trabalho de criação que
reconte a história dessa personagem. A forma de criação será livremente escolhida pelo aluno: texto em prosa, poema, desenho,
música, encenação etc. Por fim, a produção dos alunos será apresentada em sala de aula e/ou exposta para as outras turmas, num
mural, na biblioteca ou em outro espaço apropriado.

9

A história de Chico Rei

Béatrice Tanaka

SUGESTÕES DE ARTIGOS, LIVROS, FILMES E MÚSICAS
Para os alunos
LIVROS
·Meireles, Cecília. Romanceiro da Inconfidência. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.
·Mendes, Murilo. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro,
Aguilar, 2006.
Além de Cecília Meireles, outros poetas do modernismo
brasileiro recriaram ou fizeram referência à história de
Chico Rei. Murilo Mendes relembra o rei negro em dois
poemas de Contemplação de Ouro Preto: "Romance de
Ouro Preto" e "Acalanto de Ouro Preto". Já o Romanceiro da
Inconfidência traz ainda outros textos relacionados à história de Chico Rei, como o "Romance IX ou do Vira-e-sai",
sobre Santa Efigênia.

DVD
·Os inconfidentes. Brasil/Itália, 1972. Direção: Joaquim
Pedro de Andrade. Colorido. 76 min. Elenco: Fernando
Torres, José Wilker, Nelson Dantas, Paulo César Pereio,
entre outros. Distribuição: Videofilmes. Lançamento: 2009.
Fonte valiosa para contextualização dos conflitos entre intelectuais e governo nas Minas Gerais oitocentistas, o filme de
Joaquim Pedro, feito em plena ditadura militar, metaforiza
a opressão daquele período.

CD E TRILHA SONORA
·Francisco Mignone: Maracatu de Chico Rei, Festa das Igrejas
e Sinfonia Tropical. Com a Orquestra Sinfônica do Estado de
São Paulo (Osesp). Regência: John Neschling. Gravadora e
distribuidora: Biscoito Fino, 2003.
A construção da Igreja de Chico Rei é o tema do balé com
argumento de Mário de Andrade, que estreou em 1939, no
Rio de Janeiro, com coreografia da russa Maria Olenewa.
·Trilha sonora do filme Chico Rei (Brasil, Walter Lima Jr., 1986).
Com roteiro baseado em argumento de Mário Prata, na
poesia de Cecília Meireles e na tradição oral, o filme, que
não foi ainda lançado em DVD, traz trilha sonora com
canções sobre Santa Efigênia e Chico Rei, entre outros.

10

A história de Chico Rei

Béatrice Tanaka

Música de Wagner Tiso e Naná Vasconcelos; letras de
Fernando Brant; interpretação de Milton Nascimento e
Clementina de Jesus, entre outros.
Disponível em: . Acesso em:
mai. 2014.

Para o professor
ARTIGO
· Alves da Silva, Rubens. Chico Rei Congo do Brasil. In: SILVA,
Vagner G. da (Org.). Imaginário, cotidiano e poder. São Paulo:
Selo Negro, 2007, v. III, Col. Memória afro-brasileira.
O texto do antropólogo faz bom apanhado do modo como
a história de Chico Rei foi divulgada ao longo do tempo,
trazendo uma reflexão sobre seu caráter histórico/lendário
e o depoimento de fontes orais, congadeiros e militantes do
movimento negro, sobre o tema. O texto pode ser encontrado no site do Google Livros: http://books.google.com.br/

CD
·Missa dos quilombos, de Milton Nascimento. Gravadora:
Ariola/Polygram. Formatos: LP (1982), CD (1997).
Com música de Milton Nascimento e letras de Pedro Casaldáliga e Pedro Tierra, o disco evoca e partilha "o trabalho,
as lutas, o martírio do Povo Negro de todos os tempos e de
todos os lugares", de acordo com a letra de "Ladainha".
Disponível em: .
Acesso em: mai. 2014.

Elaboração do guia Chantal Castelli (poeta e doutora em Letras pela Faculdade
de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo); preparação
Fabio Weintraub; revisão Carla Mello Moreira

11