As Políticas Públicas no Brasil: heranças, tendências e desafios1
Tânia Bacelar*
Para abordar o tema das políticas públicas no Brasil, vamos tratá-lo em três grandes blocos. O
primeiro discutirá a herança das políticas públicas no Brasil. O segundo, as novas tendências
da economia mundial e suas repercussões nas políticas públicas nacionais. E o terceiro, as
ameaças e oportunidades para o movimento popular brasileiro.
1. Herança das Políticas Públicas no Brasil
Chamamos de herança recente o período que vai dos anos 30 até hoje, quando o Brasil passa
por uma transformação muito grande. Nos anos 20, era um país rural e agrícola. O censo de
1920 revelava que 30% da população brasileira vivia nas cidades e 70%, no campo.
Cinqüenta anos depois, ocorria o inverso ­ 70% nas cidades e 30% no campo. Até 1930, a
economia do Brasil era uma economia agrícola. Em 1980, o Brasil era o oitavo PIB industrial
do mundo. Depois dos sete grandes, o oitavo era o Brasil. Isto nos dá uma idéia da mudança
de perfil na sociedade e na economia em meio século. O que alguns países levaram séculos
para fazer, o Brasil fez em cinqüenta, sessenta anos. Transformou-se numa potência industrial
média, com a maior parcela da sua gente morando nas cidades. Este é o perfil atual do Brasil.
Para entender os dias de hoje, é necessário saber que Estado tínhamos anteriormente e que
heranças e traços foram se fixando nesse percurso.
Essencialmente, o que caracterizava o Estado brasileiro nesse período (1920-1980) era seu
caráter desenvolvimentista, conservador, centralizador e autoritário. Não era um Estado de
Bem-Estar Social. O Estado era o promotor do desenvolvimento e não o transformador das
relações da sociedade. Um Estado conservador que logrou promover transformações
fantásticas sem alterar a estrutura de propriedade, por exemplo. Nessa fase, o grande objetivo
do Estado brasileiro era consolidar o processo de industrialização. Desde o começo do século,
optou-se pela industrialização. A grande tarefa era consolidar esse processo e fazer do Brasil
uma grande potência. Assim, o grande objetivo era de ordem econômica: construir uma
potência intermediária no cenário mundial. O Estado desempenhava a função de promover a
1

Texto retirado de: Santos Junior, Orlando Alves dos...[et al.]. (organizadores). Políticas Públicas e Gerstão
Local: programa interdisciplinar de capacitação de conselheiros municipais. Rio de Janeiro: FASE, 2003.
*
Drª em Economia, Planejamento e Organização do Espaço; Profª dos cursos de pós-graduação em Geografia,
Ciência Política e Desenvolvimento Urbano da Universidade Federal de Pernambuco.

2

acumulação privada na esfera produtiva. O essencial das políticas públicas estava voltado para
promover o crescimento econômico, acelerando o processo de industrialização, o que era
pretendido pelo Estado brasileiro, sem a transformação das relações de propriedade na
sociedade brasileira.
Essencialmente, o que caracterizava o Estado brasileiro nesse período (1920-1980) era seu
caráter desenvolvimentista, conservador, centralizador e autoritário.
O Estado brasileiro é, tradicionalmente, centralizador. A pouca ênfase no bem-estar, ou seja, a
tradição de assumir muito mais o objetivo do crescimento econômico e muito menos o
objetivo de proteção social ao conjunto da sociedade, fez com que o Estado adquirisse uma
postura de fazedor e não de regulador. Nós não temos tradição de Estado regulador, mas de
Estado fazedor, protetor; não temos tradição de Estado que regule, que negocie com a
sociedade os espaços políticos, o que só hoje estamos aprendendo a fazer. O Estado regulador
requer o diálogo entre governo e sociedade civil, e nós não temos tradição de fazer isso. O
Estado centralizador, em muitos momentos da nossa vida recente, junta-se ao autoritário:
tivemos uma longa ditadura no período Vargas e, depois, uma longa ditadura nos governos
militares pós-64. Então, o viés autoritário é muito forte nas políticas públicas do país.
Dado o seu caráter autoritário, o Estado não precisava se legitimar perante a grande parcela da
sociedade, ficando refém dos lobbies dos poderosos nos gabinetes, principalmente de Brasília,
já que se concentra na União. E as grandes lideranças nos períodos das ditaduras nem pressão
podiam fazer. Algumas estavam exiladas, outras foram mortas. Assim, a tradição, o ranço da
vertente autoritária, tornou-se um traço muito forte nas políticas públicas do país, e as
políticas públicas eram muito mais políticas econômicas. Se olharmos a história recente, as
políticas sociais e as políticas regionais são meros apêndices, não são o centro das
preocupações das políticas públicas. Nelas, o corte era predominantemente compensatório,
porque o central era a política econômica, já que a política industrial era hegemônica, porque
o projeto central era a industrialização.
Esse perfil autoritário e conservador também se traduz na maneira como tradicionalmente são
pensadas as políticas sociais. Quem está lá em Brasília tende a pensar que o Brasil é uma
média. E a média não diz quase nada do Brasil, que é um país muito heterogêneo. A
conseqüência dessa leitura é a dificuldade em considerar a heterogeneidade real do Brasil.
Cada lugar requer uma solução que venha da realidade. Quando se tem uma política

3

centralizada, o tratamento é homogeneizado. A centralização faz com que as propostas
venham de cima para baixo, e essa é uma tradição das políticas sociais no país. Junta-se a isso
a conseqüente dificuldade de promover a participação da sociedade.
Esse perfil autoritário e conservador também se traduz na maneira como tradicionalmente são
pensadas as políticas sociais. Quem está lá em Brasília tende a pensar que o Brasil é uma
média. E a média não diz quase nada do Brasil, que é um país muito heterogêneo.
Mas, vejamos ainda: que tipo de ação praticou o Estado? O Estado brasileiro fez tudo para
promover o projeto industrial: financiou, protegeu, criou alíquotas, produziu insumos básicos.
As estatais, que estão sendo privatizadas agora, produziam insumos básicos. Nas atividades
mais pesadas, de investimento mais pesado, com taxa de retorno mais lento, houve
participação do setor estatal produtivo. A produção de aço, a mineração, a produção de
petróleo e de energia, têm a mesma natureza: são insumo básico. O Estado investiu em
projetos grandes, onerosos, com taxas de retorno mais lentas, para possibilitar que o setor
produtivo privado ficasse com o mais leve e rapidamente rentável. O que se fez de rodovias,
de portos, de instalações de telecomunicações nesse país, nos últimos anos, é inimaginável. E
quem foi responsável por todas essas realizações? o Estado brasileiro. Agora, parte dessa
estrutura está sendo desmontada, com as privatizações.
Em muito menor grau, o Estado brasileiro também facultou serviços sociais, de segurança e
justiça. O Estado regulador, embora com uma face muito menor do que o Estado realizador,
também se fazia presente, quando era imprescindível a seu projeto. Por exemplo, na era
Vargas, o Estado interveio para regular a relação trabalho-capital. Quer dizer, no momento em
que a opção é a industrialização, em que o operariado vai surgindo e em que é necessário
definir as regras do jogo entre o trabalho e o capital, o Estado brasileiro aparece com força.
São da era Vargas o salário mínimo e o essencial da legislação trabalhista que ainda se
mantém. Na Justiça do Trabalho, ou seja, nos mecanismos de regulação da relação entre
trabalhador urbano e capital, o Estado esteve muito presente.
E o que herdamos dessa história brasileira, com o apoio do Estado brasileiro? Na minha visão,
herdamos um país que consegue ser a oitava economia do mundo, em poucos anos, e que tem,
ao mesmo tempo, a maior fratura social dentre os países de perfil semelhante. Não há outro
país com o mesmo perfil do Brasil. Conseguiu percorrer essa trajetória econômica, que é
exitosa do ponto de vista de seus objetivos, mas é único quanto à distribuição de renda: 20%

4

dos mais pobres detêm, apenas, 2% da renda nacional, enquanto os 10% mais ricos detêm
quase 50% dessa renda. Só a Guatemala, um pequeno país, sem a importância econômica do
Brasil, é que apresenta um perfil semelhante. Na verdade, herdamos um país com uma grande
vitalidade econômica ­ que talvez se torne um exemplo de êxito econômico na história do
século XX ­ e, ao mesmo tempo, profundamente fraturado, com 2/3 da sua população fora do
mercado. É com esse Brasil fraturado que enfrentaremos uma nova era.
E o que herdamos dessa história brasileira com o apoio do Estado brasileiro? Na minha visão,
herdamos um país que consegue ser a oitava economia do mundo, em poucos anos, e que tem,
ao mesmo tempo, a maior fratura social dentre os países de perfil semelhante.
Os anos 90 serão de mudanças na economia mundial. Vivemos uma fase de crise. Crise não
só do mundo socialista, mas também do mundo capitalista. Os economistas usam dois
indicadores básicos para mostrá-la: o modesto crescimento da produção ­ taxa mundial média
de 2,5% a 3%, com exceção da China, que tem crescido 10% ao ano, nos últimos cinco anos.
Mas, na média, mesmo os grandes países apresentam taxa de crescimento muito pequena.
Outro indicador é a taxa de investimento, igualmente modesta nos últimos anos. A economia
capitalista entrou numa crise nos anos 90, e o que se vivencia é uma fase de preparação e de
mudanças, talvez para um outro ciclo expansivo, que no entanto ainda não se firmou. Nesse
novo ambiente mundial, destaco três grandes movimentos: o movimento de globalização; o
movimento de reestruturação produtiva e o movimento de financeirização da riqueza.
2. Novas Tendências na Economia Mundial e suas Repercussões nas Políticas Públicas
Brasileiras
O movimento de globalização não é novo, nem próprio da crise. É um processo em curso, já
faz algum tempo, de internacionalização do capital. Há um movimento antigo nessa direção,
mas é apenas nesse final de século que ele se firma e se consolida cada vez mais. Marca, na
verdade, uma mudança no mundo: a existência, hoje, de alguns atores econômicos que têm
condição de operar em escala global. Um grande conglomerado multinacional, atualmente,
pode ter centenas de fábricas espalhadas em dezenas de países, pode controlar tudo em tempo
real, porque a revolução das telecomunicações assim o permite. Na verdade, os
conglomerados multinacionais planejam olhando para o globo e operam no âmbito do globo.
E esse é um dado novo, agora existem atores com essa capacidade. E sua existência incomoda
todo mundo, porque cresce a inter-relação entre os espaços econômicos. Esses agentes

5

econômicos impõem certas homogeneizações. As regras do jogo, o padrão de competitividade
e o tipo de organização econômica são, na verdade, impostos por eles, o que termina afetando
o conjunto do espaço econômico mundial, principalmente em países médios como o Brasil,
que interessam a esses agentes. E este processo é seletivo, não é homogêneo.
O movimento de reestruturação produtiva é, na verdade, o modo como o capitalismo
rearruma-se para tentar sair da crise. Mudanças importantes estão acontecendo, além da
globalização. Com a crise, elas estão se processando para buscar um outro padrão produtivo
para o futuro. Há novos setores dinâmicos no cenário mundial, como, por exemplo, o
complexo eletro-eletrônico, que é muito mais dinâmico do que o complexo metal-mecânico. E
este foi um dos carros-chefes da economia do século XX. Assim, enquanto uns perdem,
outros ganham dinamismo. Quando nos detemos no perfil produtivo, observamos a
emergência de algumas atividades e o arrefecimento de outras. Há tipos novos de processo
produtivo em consolidação. A chamada revolução científico-tecnológica está mudando, uma
vez mais, o modo de produzir. Aquela cadeia produtiva rígida, típica do século XX, está
sendo remontada. As novas técnicas produtivas introduzem a possibilidade da produção
flexível e rearrumam profundamente o processo de produção, ocasionando mudanças muito
severas. Não é à toa que a discussão em torno de educação é tão presente. Na verdade, o novo
modelo produtivo requer produção de conhecimento, requer inovação contínua no processo
produtivo. Os padrões gerenciais, que tendemos a desprezar, requerem transformações, como,
por exemplo, o relacionamento da empresa com os seus fornecedores e com os seus clientes; a
organização da empresa na sua intimidade. Esses padrões estão mudando de modo profundo,
inclusive ideologicamente. Investimentos maciços estão sendo feitos, hoje, nas áreas do
conhecimento e da educação.
É muito importante que o Brasil entenda o movimento de reestruturação produtiva,
normalmente negligenciado. Discutimos muito a globalização e pouco a reestruturação. Muito
menos discutido, ainda, é o movimento de financeirização. Há no mundo, atualmente, uma
enorme possibilidade de geração de riqueza na esfera financeira, o que aliás sempre existiu no
capitalismo, mas jamais com tamanha magnitude.
Paralelamente a essas tendências, e associado a elas, algo muito forte ocorre hoje no mundo,
que não é da ordem do mundo real, mas é de natureza político-ideológica. É a hegemonia da
visão neoliberal. Quando observamos o mundo atual, vemos que essas tendências

6

favoreceram a consolidação de uma visão que é ideológica e política: a visão de "quanto
menos Estado e quanto mais mercado, melhor; quanto mais individualidade e quanto menos
coletividade, melhor". Essa é a perspectiva dos dirigentes mundiais. E é ela que impregna
todas as sociedades neste final de século. Trata-se de uma abordagem que favorece as
mudanças que estão acontecendo no mundo real, para que o capital globalizado circule no
mundo inteiro. Quanto menos Estado nacional houver, melhor será para a realização dessa
tendência.
Nesse processo, redefine-se o papel dos Estados nacionais. Criam-se instâncias
supranacionais, como o Parlamento Europeu. Há menos Estado na produção, menos Estado na
regulação e, portanto, mais mercado, o que é ótimo para viabilizar o projeto neoliberal. Por
conseguinte, há menos políticas públicas e mais mercadorias e serviços. A educação, por
exemplo, é agora tratada como uma mercadoria; só é acessível a quem pode pagá-la. Então,
contrapomos a essa visão nosso ponto de vista de que educação é um bem público e, portanto,
é dever do Estado.
No governo Fernando Henrique Cardoso, pode-se dizer que no Brasil havia duas tendências
importantes. A primeira traduzia-se na opção central por uma inserção no mundo, que se
poderia chamar de inserção submissa, mas que os economistas do governo chamavam de
"integração competitiva". Era a opção de integrar, competitivamente, o Brasil neste ambiente
mundial. Como, na verdade, tratava-se de uma integração comandada pelo mercado, podemos
denominá-la submissa. E o Estado brasileiro, que tinha uma política industrial explícita,
deixou de fazê-lo. O mercado deve decidir o que fica e o que não fica.
A outra tendência importante que estava por trás das políticas públicas era a financeirização
das riquezas. Se não a considerarmos, não conseguiremos entender, por exemplo, a
privatização no Brasil. Porque o governo dizia: privatizaremos para conseguir receita
patrimonial e reduzir nossa dívida. Mas as contas do governo informavam seu endividamento.
O que ele fez, de fato, foi exatamente o contrário. Vendeu as estatais e de tudo o que já
vendeu obteve apenas algo em torno de 9 bilhões de dólares. Só conseguiu, de receita
patrimonial, vinte por cento. Oitenta por cento foram moeda podre. E aí pergunta-se: a dívida
do governo diminuiu? Não! A dívida cresceu. A trajetória da dívida mobiliária é de 55 bilhões
de dólares com Sarney, 12 bilhões com o calote de Zélia, 36 bilhões com Marcílio. Quando
Fernando Henrique assume o Ministério da Fazenda, a dívida é de 40 bilhões de dólares,

7

alcançando, já em setembro, 98 bilhões. Somente FHC, como ministro, aumentou em 150% o
valor da dívida mobiliária do governo. Ou seja, estamos mais endividados e sem o patrimônio
que foi privatizado. Patrimônio privatizado com moeda podre. Em vez de diminuir a dívida, o
governo aumentou as taxas de juros para atrair reservas (dólares) e emitiu muitos títulos da
dívida pública. Cresceu o endividamento e cresceu o déficit público. Logo, o governo não
resolveu seu desequilíbrio financeiro, mas se exauriu nestas duas contas: o serviço da dívida
externa e o serviço da dívida interna. Essa é uma das discussões mais atuais. Por que
carecemos de políticas públicas e por que o governo, de fato, não teve meios para patrocinálas.
3. Ameaças e Oportunidades Para o Movimento Popular
Mas o Brasil não é o seu governo. Há um outro Brasil, que somos nós. Quando observamos
esse outro Brasil, vislumbramos outra trajetória, muito diferente da traçada pelos poderosos.
Existe uma proposta de reforma do Estado na sociedade brasileira! E não é a proposta
neoliberal. É outra. Existe uma proposta de descentralização! Na prática, a sociedade
brasileira está realizando a descentralização. Sempre que se diz concentrar, centralizar de
novo, dizemos não! Há uma decisão, no seio da sociedade brasileira, que rejeita a
centralização. Sabemos que centralizar não dá certo no Brasil. Estamos operando a
descentralização. Estamos ocupando os espaços da descentralização. Existe um espaço a favor
da democratização do Estado brasileiro! Estamos, de muitas formas, dizendo não àquele
Estado fechado, submetido somente aos lobbies. Há que existir um amplo espaço para
disputarmos as decisões e a implementação das políticas públicas necessárias. Sente-se uma
força na sociedade brasileira tentando instaurar o espaço da descentralização. Existe uma
decisão a favor das políticas sociais! Reformar aquele Estado desenvolvimentista, que só
patrocinava o crescimento da economia, e abrir espaço para um Estado que patrocine saúde,
patrocine educação, patrocine segurança. Um Estado com políticas sociais. Existe uma
proposta a favor do Estado transformador!
Existe uma experiência acumulada, ao longo desses anos, sobretudo nos espaços
governamentais locais, muito mais no âmbito dos municípios e de alguns estados do que no
âmbito federal. Existe muita experiência acumulada, também, nos espaços nãogovernamentais. O Brasil não está morto! Está cheio de experiências locais mostrando como
se organiza, como se planta, como se comercializa, como se governa.

8

O Brasil não está morto! Está cheio de experiências locais mostrando como se organiza, como
se planta, como se comercializa, como se governa.
Os desafios e oportunidades para o Brasil implicam considerar a heterogeneidade do país, e
nesse aspecto é equivocada a trajetória das políticas públicas, por conta da visão
centralizadora. De baixo para cima, consegue-se trabalhar a heterogeneidade. Mas como as
políticas generalizadoras vêm de cima para baixo, a tendência é operar como se o Brasil fosse
um país uniformemente semelhante, o que não é. Mas sabemos que, mesmo na
heterogeneidade, é possível encontrar pontos de semelhança; generalizar o que é comum e
operar sobre o que é diferente. Trata-se de um desafio porque não temos essa tradição nas
políticas públicas governamentais. Outro desafio é romper com a idéia de que público é
sinônimo de governamental, apesar da tradição brasileira.
O correto para o Brasil parece ser o modelo descentralizado coordenado. A questão é quem
fará essa coordenação. Como é que vamos organizar esses focos de coordenação nas políticas
públicas governamentais? Qual é o papel das ONGs nesse ambiente descentralizado? Se nem
tudo que é público é governamental e se há descentralização, resta um espaço enorme para as
ONGs. E como é que as ONGs podem evitar a fragmentação? Qual é o papel das associações
de ONGs, no Brasil de hoje, em relação às políticas públicas? Para examinarmos essas
indagações, devemos discutir o modelo descentralizado coordenado, que é o que parece servir
ao Brasil. O papel regulador do Estado pode e deve ser ampliado. Com um Estado regulador
pode-se discutir.
Outra questão é o avanço obtido em termos da democratização. Em muitos casos, tivemos de
construir espaços. Em outros, o governo é que abriu espaço. Hoje existem os Conselhos
institucionais, importantes espaços de participação, mas cuja composição é que define a
relação de poder. Outro aspecto importante é a atribuição dos Conselhos. Uns são consultivos,
outros são deliberativos. Conseguimos influir mais quando eles são deliberativos, ou seja,
quando sua atribuição é deliberar, é influir nas decisões e, portanto, é exercer uma parcela do
poder.
A experiência de descentralização diante da crise financeira é mais uma questão a ser
discutida. Participamos dos Conselhos Municipais de saúde, por um lado, e a saúde está sendo
privatizada, por outro. Então administramos o pedaço podre que resta do sistema público de

9

saúde. Será que vale a pena ter Sistema Único de Saúde, com Conselho democratizado e tudo
o mais, se nos sentamos ali e não tomamos nenhuma decisão, porque não há o que decidir? Aí
achamos que o que está errado são os Conselhos. É este o erro, ou o erro é a falta de
investimento do governo na saúde? Afinal, onde está o erro? O erro está na política
econômica, é lá que temos de intervir, e não na nossa experiência de gestão descentralizada e
democrática.
Para terminar, sublinhamos algumas idéias-chave em torno da discussão das políticas públicas
e do papel dos Conselhos:
1. A economia é resultado das decisões políticas e não de decisões técnicas como o discurso
tecnocrático quer fazer crer.
2. A crise do Estado é a crise de um modelo específico de Estado que vigorou no Brasil
durante a maior parte do século XX, um Estado desenvolvimentista e conservador;
3. O modelo de Estado desenvolvimentista foi promotor de desenvolvimento, por um lado,
mas também das enormes desigualdades que temos no Brasil de hoje, por outro;
4. Principalmente a partir do regime militar, esse modelo de desenvolvimento foi sustentado
pela internacionalização da economia e pelas crescentes dívidas internas e externas que geram
a insustentabilidade do modelo e sua crise profunda;
5. As desigualdades sociais geradas por esse modelo são um enorme obstáculo para a
superação dessa crise;
6. As opções políticas no governo Fernando Henrique Cardoso privilegiaram o pagamento da
dívida, atendendo ao interesse dos credores, em detrimento da promoção de políticas sociais;
7. Os Conselhos Municipais podem ser um importante instrumento no enfrentamento dessas
desigualdades;
8. O município sozinho não tem condições de responder às imensas demandas sociais
herdadas. Daí a necessidade de pensar políticas públicas de forma integrada, nos âmbitos

10

federal, estadual e municipal. Os Conselhos podem constituir importantes instrumentos dessa
articulação. Os Conselhos podem criar uma articulação poderosa, tanto horizontalmente (entre
os diferentes Conselhos), quanto verticalmente (entre os diferentes segmentos de uma mesma
política);
10. As conferências nas diversas escalas (federal, estadual e municipal) são importantes
porque promovem uma visão de Estado ou de país, em torno de determinada política.
11. Os atores sociais e os Conselhos setoriais devem articular-se e integrar-se com a política
econômica geral. É nosso direito debater e conhecer a política econômica geral.

Para refletir:
1. Discuta as principais características da herança histórica das políticas públicas
brasileiras.
2. Discuta as novas tendências da economia mundial e seus possíveis impactos sobre as
políticas públicas brasileiras.
3. Dê exemplos de experiências locais de políticas públicas que você considere
democráticas e inovadoras. E discuta os limites da ação local num país como o Brasil
e sugira iniciativas capazes de enfrentar tais limites.
Para ler mais:
ARAÚJO, Tânia Bacelar. Ensaios sobre o Desenvolvimento Brasileiro: heranças e urgências.
Rio de Janeiro: Revan; FASE, 2000.
FURTADO, Celso. Em Busca do Novo Modelo: reflexões sobre a crise contemporânea. São
Paulo: Paz e Terra, 2002.
FIORI, José Luís. Brasil no Espaço. Petrópolis: Vozes, 2001.