250

TRAJETÓRIA DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS NO BRASIL
Claudia Lysia de Oliveira Araújo 1
Luciana Aparecida de Souza 2
Ana Cristina Mancussi e Faro 3

Resumo
O surgimento de instituições para idosos não é recente. O número de asilos no Brasil vem
crescendo assustadoramente, é de extrema importância conhecer melhor este segmento de
institucionalização para idosos. O objetivo deste artigo é descrever a trajetória e analisar o efeito
das ILPI para a vida desses usuários no Brasil. Trata-se de um estudo do tipo revisão bibliográfica,
por meio da análise de artigos publicados e livros. Foi realizada busca eletrônica em sites da
Biblioteca Virtual de Saúde. A amostra foi composta por artigos em português na íntegra, resumos
de livros e tratados publicados no período entre 2000 e 2009. As instituições asilares constitui a
modalidade mais antiga e universal de atenção ao idoso fora de sua família, mas têm como
inconveniente conduzi-lo ao isolamento e à inatividade física e mental. Cuidar envolve afeto e
disponibilidade emocional e física, como também condições materiais, financeiras e suporte do
Estado.
Descritores: idoso, história da enfermagem, instituição de longa permanência para idosos.

TRAJECTORY OF INSTITUTIONS FOR LONG STAY FOR ELDERLY IN BRAZIL

Abstract
The emergence of institutions for the elderly is not new. The number of nursing homes in Brazil is
growing alarmingly, it is of utmost importance to know better this segment of institutionalization
1. Doutorando Programa de Pós-Graduação em Enfermagem na Saúde do Adulto, da Escola de
Enfermagem da USP, professor Titular II, Faculdades Integradas Teresa D' Ávila ­ Lorena, SP.
[email protected]
2. Mestranda Programa de Pós-Graduação em Enfermagem na Saúde do Adulto, da Escola de
Enfermagem da USP. [email protected]
3. Livre Docente do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Escola de Enfermagem da
Universidade de São Paulo. [email protected]

251

for the elderly. The aim of this paper is to describe the trajectory and consider the effect of LPI for
the life of users in Brazil. This is a type study literature review, through an analysis of published
articles and books. Electronic search was conducted on sites in the Virtual Library for Health The
sample consisted of articles in Portuguese in full, summaries of books and treaties published in the
period between 2000 and 2009. The nursing homes is the oldest and most universal form of care
for the elderly outside the family, but have the drawback lead it to isolation and lack of physical
and mental. Caring involves affection and emotional availability and physical conditions as well as
material and financial support of the state.
Keywords: elderly, nursing history, long-stay institution for the elderly.

TRAYECTORIA DE LAS INSTITUCIONES DE LARGA ESTANCIA PARA PERSONAS MAYORES EN
BRASIL
Resumen
La aparición de instituciones para los ancianos no es nueva. El número de centros de acogida en
Brasil está creciendo de forma alarmante, es de suma importancia para conocer mejor a ese
segmento de la institucionalización de los ancianos. El objetivo de este trabajo es describir la
trayectoria y considerar el efecto de la LPI para la vida de los usuarios en Brasil. Esta es una
revisión de tipo estudio de la literatura, a través de un análisis de artículos publicados y libros.
búsqueda electrónica se realizó en los sitios de la Biblioteca Virtual de Salud La muestra consistió
en artículos en portugués en su totalidad, resúmenes de libros y tratados publicados en el período
comprendido entre 2000 y 2009. Los hogares de ancianos es la forma más antigua y más universal
de atención a los ancianos fuera de la familia, pero tienen el inconveniente de llevarla al
aislamiento y la falta de salud física y mental. El cuidado es cariño y disponibilidad emocional y las
condiciones físicas, así como apoyo material y financiero del Estado.
Palabras claves: personas de edad avanzada, historia de la enfermería, institución de larga
estancia para personas mayores.

1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS
O envelhecimento populacional é uma conquista da humanidade, mas apresenta
desafios a serem enfrentados pela sociedade e os formuladores de política. Em nível mundial, a

252

proporção de pessoas com 60 anos ou mais cresce de forma mais rápida que a de outras faixas
etárias.

Esperam-se que em 2050 haja dois bilhões de idosos, 80% deles nos países em

desenvolvimento. A população de 80 anos ou mais é a que mais cresce e poderá passar dos atuais
11% para 19% em 2050(1).
A família brasileira tem se modificado com a modernização da sociedade. A inserção da
mulher no mercado de trabalho, os contraceptivos, a redução do tamanho das famílias e a falta de
tempo na vida atual vêm modificando a relação do cuidado(2,3). Somada a essas mudanças, a
escassez de alternativas para as famílias manterem seus velhos em casa e a questão dos idosos
sem referência familiar têm impulsionado a demanda por internações.
O surgimento de instituições para idosos não é recente. O cristianismo foi pioneiro no
amparo aos velhos: "Há registro de que o primeiro asilo foi fundado pelo Papa Pelágio II (520-590),
que transformou a sua casa em um hospital para velhos" (4).
Define-se asilo (do grego ásylos, pelo latim asylu) como casa de assistência social onde
são recolhidas, para sustento ou também para educação, pessoas pobres e desamparadas, como
mendigos, crianças abandonadas, órfãos e velhos. Considera-se ainda asilo o lugar onde ficam
isentos da execução das leis, os que a ele se recolhem. Relaciona-se assim, a idéia de guarita,
abrigo, proteção ao local denominado de asilo, independentemente do seu caráter social, político
ou de cuidados com dependências físicas e/ou mentais. Devido ao caráter genérico dessa
definição outros termos surgiram para denominar locais de assistência a idosos como, por
exemplo, abrigo, lar, casa de repouso, clínica geriátrica e ancionato. Procurando-se padronizar a
nomenclatura, tem sido proposta a denominação de instituições de longa permanência para
idosos (ILPI), definindo-as como estabelecimentos para atendimento integral a idosos,
dependentes ou não, sem condições familiares ou domiciliares para a sua permanência na
comunidade de origem (5).
No Brasil Colônia, o Conde de Resende defendeu que soldados velhos mereciam uma
velhice digna e "descansada". Em 1794, no Rio de Janeiro, começou então a funcionar a Casa dos
Inválidos, não como ação de caridade, mas como reconhecimento àqueles que prestaram serviço
à pátria, para que tivessem uma velhice tranqüila(4).
A história dos hospitais se assemelha à de asilos de velhos, pois em seu início ambas
abrigavam idosos em situação de pobreza e exclusão social. No Brasil, o Asilo São Luiz para a

253

Velhice Desamparada, criado em 1890, foi a primeira instituição para idosos no Rio de Janeiro. O
surgimento deste dá visibilidade à velhice(6). A instituição era um mundo à parte e ingressar nela
significava romper laços com família e sociedade.
Quando não existiam instituições específicas para idosos, estes eram abrigados em
asilos de mendicidade, junto com outros pobres, doentes mentais, crianças abandonadas,
desempregados. Em fins do século XIX, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo dava assistência
a mendigos e, conforme o aumento de internações para idosos passou a definir-se como
instituição gerontológica em 1964 (7).
O modelo asilar brasileiro ainda tem muitas semelhanças com as chamadas instituições
totais, ultrapassadas no que diz respeito à administração de serviços de saúde e/ou habitação para
idosos

(8)

. Define instituição total como "um local de residência e trabalho, onde um grande

número de indivíduos com situação semelhante, separados da sociedade mais ampla por
considerável período de tempo, levam uma vida fechada e formalmente administrada" (9). Nesse
espaço os indivíduos se tornam cidadãos violados em sua individualidade, sem controle da própria
vida, sem direito a seus pertences sociais e à privacidade, com relação difícil ou inexistente com
funcionários e o mundo exterior (9).
No recenseamento brasileiro de 2000, 113 mil idosos moravam em domicílios coletivos.
Desse total, estimou-se em 107 mil o número de idosos residentes em ILPI, o que significa 0,8% da
população idosa. Os estados com a maior proporção de idosos em ILPIs são Minas Gerais, Rio de
Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Goiás. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social e
Combate à Fome (MDS), responsável pela política de cuidados de longa duração no Brasil, em
2005 a União financiou 1.146 instituições para 24.859 idosos (10).
No Brasil não se dispõe ainda de um levantamento nacional sobre as instituições para
idosos(7). Um estudo conhecido foi o do sociólogo francês Hôte, em 1984. Ao investigar programas
para idosos no Brasil, o autor estimou que houvesse nesse ano entre 0,6% e 1,3% de pessoas
idosas em instituições.
Nos países como o Brasil, com extrema desigualdade socioeconômica e diversidade
cultural, o atendimento assume contornos diferenciados. No sul, sudeste e para aqueles com
poder aquisitivo maiores, a institucionalização tende a ser similar a dos países desenvolvidos.

254

Porém, muitos idosos são institucionalizados por doenças crônico-degenerativas e dificuldades
geradas pela falta da família ou impossibilidade desta para mantê-los(10).
A Portaria nº 810/1989 foi a primeira a definir as Normas e Padrões de Funcionamento
de Casas de Repouso, Clínicas Geriátricas e outras instituições para idosos. Ela define como deve
ser a organização da instituição, a área física, as instalações e os recursos humanos

(11)

. Essas

ações ainda não são suficientes e por isso é necessária a parceria entre o poder público,
sociedade, profissionais e idosos para dar continuidade a ações bem-sucedidas, ampliar e
implementar novas modalidades de serviços no país.
Em 1970, a obra "A Velhice", denunciou veementemente as deficiências dos asilos(12).
Hoje os problemas persistem e, apesar de existirem instituições com atendimento de qualidade,
ainda é expressivo o número daquelas que não atendem a parâmetros básicos de funcionamento.
O número de asilos no Brasil vem crescendo assustadoramente, é de extrema
importância

conhecer

melhor

este

segmento

de

institucionalização

para

idosos

e

consequentemente quando inevitável a internação para que se torne uma alternativa que
proporcione dignidade e qualidade de vida, a instituição tem que romper com sua imagem
histórica de segregação e se tornar uma saída, uma opção, na vida dos idosos.
O objetivo deste artigo é descrever a trajetória das instituições de longa permanência
para idosos no Brasil e analisar o efeito das ILPI para a vida desses usuários no Brasil.

2. Método
Trata-se de um estudo do tipo revisão bibliográfica para descrever a história dos asilos
no Brasil, por meio da análise de artigos publicados e livros.
Foi realizada busca eletrônica em sites da Biblioteca Virtual de Saúde. A amostra foi
composta por artigos em português na íntegra, resumos de livros e tratados publicados no período
entre 2000 e 2009, período determinado pela autora por conveniência.
Em uma primeira etapa foram utilizados como descritores os termos: "idoso", "asilos
para idosos", "história da enfermagem" e "instituição de longa permanência para idosos".
A pesquisa realizada com o emprego das palavras chaves acima citada encontrou 653
publicações que citavam idoso, 66 publicações que citavam asilos para idosos, com o emprego da
palavra história da enfermagem 241 e 72 publicações para instituição de longa permanência.

255

Foram critérios de inclusão para a composição da amostra publicações que tinham
acesso livre nos sites de busca citado acima; que se adequassem ao tema proposto inicialmente;
porém dos artigos encontrados praticamente todos os trabalhos guardavam relação com o tema
proposto. Foram excluídas as publicações de relatos de casos e cartas do editor.
Foram excluídas as publicações em outro idioma que não fosse o português ou que
estivessem fora deste período, as teses e dissertações, trabalhos de conclusão de curso.
Após serem colhidos, os dados foram tratados de maneira quali quantitativamente.

3. Resultados e Análise:
Os estados com maiores proporções de idosos, já citados acima, produzem o maior
número de publicações na área, o desenho metodológico das pesquisas são de campo com
abordagem quantitativa descritiva.
Um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que os
abrigados representam apenas 0,8% da população de idosos do país -- atualmente em torno de
17 milhões de pessoas. O preconceito que a sociedade revela e os próprios usuários têm em
relação às instituições(10).
Os fatores de risco para internação no Brasil são: síndrome de imobilidade, múltiplos
problemas médicos, depressão, demência, alta hospitalar recente, incontinência, ser mulher, ter
idade acima de 70 anos, ser solteiro, sem filhos, viúvo recente, morar sozinho, isolamento social
(falta de apoios sociais) e pobreza(13).
Pesquisa realizada em três instituições de Natal concluiu que as características
socioeconômicas e de saúde encontradas na população internada são marcadas pelo predomínio
de mulheres, condições de saúde precária, baixo poder aquisitivo, contatos familiares conflituosos
e ausência de moradia (14).
A pesquisa em 14 ILPIs no Rio Grande do Sul mostrou que a maioria dos moradores são
mulheres (64,9%), com escolaridade e renda baixas, idade superior a 70 anos, solteiras ou viúvas.
A maioria tem família (42,6% possuem filhos), é aposentada (44,3% recebem de um a menos de
dois salários mínimos), e muitos apresentam cuidados especiais de saúde(15).

256

Em pesquisa similar realizada em Belo Horizonte(16) verificou como fatores de risco
para a institucionalização a baixa renda, o fato de morar sozinho e o suporte social precário. As
mulheres também representaram maioria (81,1%) nas ILPIs.
Mais da metade dos asilos pesquisados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
(Ipea) são filantrópicos e privados. Apesar de cobrarem dos residentes ou das famílias uma taxa,
não consegue, na maioria das vezes, sobreviver sem ajuda do governo. As diferenças regionais são
gritantes.
No Norte e Centro-Oeste, 55% do financiamento dos estabelecimentos vêm de recursos
públicos. O Sul não é tão dependente, com apenas 15% de dinheiro do governo no orçamento. A
explicação está no tipo de funcionamento. Lá, quase 50% das instituições são privadas com fins
lucrativos. Para se ter uma idéia, as mensalidades pagas pelos internos representam, no Rio
Grande do Sul, 67% dos recursos arrecadados pelas instituições(10).
Pelo retrato traçado no estudo, intitulado Condições de Funcionamento e InfraEstrutura das Instituições de Longa Permanência no Brasil, há 249 asilos no Centro-Oeste, 49 no
Norte e 693 no Sul. Somente nessa última região, a proporção de mulheres é maior que a dos
homens, embora a maioria feminina seja o padrão internacional. Um terço dos internos em asilos
do país, segundo a pesquisa, são considerados dependentes, pois não conseguem fazer as
atividades básicas da vida diária, como comer e tomar banho(10).
O Estatuto do Idoso define que "a assistência integral na modalidade de entidade de
longa permanência será prestada quando verificada inexistência de grupo familiar, casa-lar,
abandono ou carência de recursos financeiros próprios ou da família" e que "as instituições que
abrigarem idosos são obrigadas a manter padrões de habitação compatíveis com as necessidades
deles, bem como provê-los com alimentação regular e higiene indispensável às normas sanitárias
e com estas condizentes, sob as penas da lei" (11).
As ILPIs podem ser classificadas de acordo com as especializações de atendimento,
conforme se segue(11).
Modalidade I ­ destinada a idosos independentes para as atividades da vida diária
(AVDs), mesmo que necessitem utilizar algum equipamento de auto-ajuda (andador, bengala,
cadeira de rodas, adaptações para vestimenta, entre outros);

257

Modalidade II ­ destinada a idosos dependentes e independentes que necessitam de
ajuda e cuidados especializados, com acompanhamento e controle adequado de profissionais da
área de saúde;
Modalidade III ­ destinada a idosos dependentes que necessitem de assistência total
em pelo menos uma atividade da vida diária. Requer uma equipe interdisciplinar de saúde.
As instituições asilares constituem a modalidade mais antiga e universal de atenção ao
idoso fora de sua família, mas têm como inconveniente conduzi-lo ao isolamento e à inatividade
física e mental. Por isso devem representar a última alternativa a ser considerada entre os serviços
sociais oferecidos. Nesse sentido, observa-se que as ILPIs são, em geral, locais com espaço e área
física semelhantes a grandes alojamentos. Oferecem cuidados básicos de higiêne e alimentação,
mas podem também dificultar as relações interpessoais no contexto comunitário, indispensáveis à
manutenção do idoso pela vida e pela construção de sua cidadania (17).
Chama de ILPI um lar especializado, com a dupla função de oferecer assistência
gerontogeriátrica, conforme o grau de dependência dos seus residentes, e, ao mesmo tempo
aconchego de um ambiente doméstico, no qual são preservadas a intimidade e identidade dos
seus residentes(13).
Torna-se fundamental também definir qual é o entendimento da expressão "idoso
institucionalizado". Institucionalização significa, na língua portuguesa, "ato ou efeito de
institucionalizar". De modo geral, são as pessoas com 60 anos ou mais, que vivem em instituições
especializadas e recebem cuidados pertinentes às necessidades adquiridas. Assim, idoso
institucionalizado é aquele que vive em uma instituição para receber cuidados(18).
Apesar da possibilidade de que laços afetivos mais fortes ou diferentes arranjos
familiares (ex: filhos e netos residindo no domicílio dos idosos) possam evitar ou retardar a
institucionalização, a elevada taxa de ocupação das ILPIs indica que a dificuldade de acesso parece
ser o fator realmente limitante. A hipótese é reforçada pelas condições para admissão exigidas
pelas ILPIs. A maioria não aceita idosos demenciados ou acamados e várias recusam idosos com
doenças orgânicas(19).
Atualmente, ainda existem ILPIs que condicionam o ingresso do idoso ao fato de não
possuir familiares. Se antes abrigavam idosos desprovidos de recursos financeiros, hoje, torna-se
condição que esses contribuam minimamente com o equivalente a um salário mínimo,

258

aproximadamente, seja com a aposentadoria ou com o benefício de prestação continuada. Tem
direito a receber este beneficio o idoso que possui 70 anos ou mais, comprove não possuir
recursos para prover seu próprio sustento e nem de tê-lo provido por sua família(11).
A ILPI é, portanto, "fruto das necessidades sociais", sendo objeto de seu controle e,
assim, "passível de ser influenciada pela instituição e modificada segundo suas necessidades" (14).
A transferência do próprio lar para uma ILPI é sempre um grande desafio para o idoso,
pois se depara com uma transformação muitas vezes radical do seu estilo de vida. Muitos idosos
encaram o processo de institucionalização como perda de liberdade, abandono pelos filhos,
aproximação da morte, além da ansiedade quanto à condução do tratamento pelos funcionários.
Contudo, cabe lembrar que, muitas vezes, a ILPI cumpre papel de abrigo para o idoso excluído da
sociedade e da família, abandonado e sem um lar fixo, podendo se tornar o único ponto de
referência para uma vida e um envelhecimento digno(13).
O relacionamento entre os idosos institucionalizados é um fenômeno complexo,
porque depende da disposição e expectativas deles, bem como de condições externas que
favorecerão ou não a formação de vínculos afetivos. Todavia, a interação entre os idosos
institucionalizados nem sempre é harmônica. Esse relacionamento pode ser conflituoso, pois se
observa que a grande maioria dos residentes é desprovida de interesse na construção de novos
laços de amizade(13). Percebe-se, na prática, que os residentes com um maior tempo de
institucionalização sentem-se ameaçados pelos mais novos, como se estes invadissem seu espaço.
Assim, faz-se imprescindível o preparo de ambos para o convívio em ambiente comum.
Por outro lado, o relacionamento entre os idosos institucionalizados, o carinho e o
respeito que constroem uns com os outros muitas vezes os levam a considerar alguns
companheiros idosos da instituição como entes queridos e até mais que a sua própria família (14).
Quando se estabelecem vínculos afetivos entre eles, os mesmos sentem-se mais
fortalecidos para enfrentar a tristeza ou a doença. A dor, a ansiedade e a preocupação são
compartilhadas e na iminência ou no agravamento da enfermidade de um dos companheiros,
percebe-se uma infinidade de sentimentos frente à possibilidade de perda deste amigo(15).
O apoio social contribui para manutenção da saúde das pessoas, aumentando a
sobrevida e acelerando os processos de cura, além de permitir a superação de certos
acontecimentos como a morte de alguém da família, a perda da capacidade de trabalhar, a perda

259

de papéis sociais, a saída da casa ou mesmo a institucionalização, entre outros(20,21). Assim, a rede
de apoio e o convívio com outras pessoas podem ser entendidos como verdadeira estratégia de
sobrevivência.
O enfrentamento do processo de envelhecimento por parte do idoso se expressa de
diferentes maneiras, tendo em vista que, em geral, é quando não possui alternativa ou recurso
que se faz necessário recorrer a uma instituição. Alguns idosos aprovam a condição de
institucionalizados, em decorrência da falta de recursos financeiros próprios ou de familiares.
Outros vêm sua condição como marginalização, abandono e rejeição, prostrando-se a espera da
morte, sem ter expectativas e desafios(13).
Se por um lado as ILPIs desempenham seu papel de acolhedoras dos idosos em
processo de exclusão social, por outro lado suas normas internas contribuem para o afastamento
dos problemas sociais externos, proporcionando um confinamento social, ficando os idosos
restritos apenas à vida institucionalizada, caracterizando-se como uma forma de ruptura dos elos
que os ligavam à vida familiar e social (4,22). Essas pessoas acabam tendo suas vidas determinadas
de acordo com as normas estabelecidas pela instituição. O meio institucional monopoliza parte do
tempo e do interesse daqueles que nele estão inseridos. Há uma tendência a reclusão da vida
social, tendo como conseqüência, em geral, idosos mais apáticos, sem motivação e extremamente
carentes, em relação aos residentes na comunidade(23).
Dentre as várias conseqüências do ingresso do idoso no ambiente institucional,
encontra-se a deterioração da qualidade do sono, que é propiciada, em grande parte, pelo
ambiente e pelas rotinas da ILPI(24).

A institucionalização parecer acentuar a tendência às

alterações específicas que surgem com o decorrer da idade, que podem predispor o idoso a um
sono de pouca qualidade, com aumento dos cochilos, fadiga e tendência ao sono diurno(25).

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Quando inevitável, para que se torne uma alternativa que proporcione dignidade e
qualidade de vida, a instituição tem que romper com sua imagem histórica de segregação e se
tornar uma saída, uma opção, na vida dos idosos.
De alguma maneira, todas as pessoas são impulsionadas, ainda que brevemente, a
intervir na solução dos problemas da sociedade, cujo objetivo maior é tornar real a possibilidade

260

de um mundo melhor, mais justo, mais convidativo às diferenças. Também os enfermeiros
exercem a profissão com esse intuito, contudo, têm a intenção do cuidar, modificar, transformar,
propor o novo, o diferente, ainda que para isso se tenha que privilegiar formas diferentes para
incluir os igualmente diferentes.
Para o idoso, não deveria existir lugar melhor para se estar do que em seu próprio lar,
junto a familiares. Mas o lar pode ser um local com situação precária e maus-tratos que
comprometem o bem-estar e a vida. Cuidar envolve afeto e disponibilidade emocional e física,
como também condições materiais, financeiras e suporte do Estado.
Assim como em todo o país, o cenário é de procura crescente por ILPIs, número
reduzido de vagas, pequena quantidade de instituições gratuitas que excluem ainda mais aqueles
em situação de vulnerabilidade, sem recursos, condições precárias de muitos espaços e
dificuldades para gerir e garantir um atendimento de qualidade. "A fragilidade do tripé famíliaEstado-sociedade"

(20)

no Brasil, acaba institucionalizando idosos que não deveriam ser público

dessa modalidade de atendimento. Por essa razão, assim como foi rápido o processo de
envelhecimento em nosso país, é necessário haver rapidez também para viabilizar modelos
alternativos de assistência.
O cuidar é um exercício constante, baseado nas necessidades do idoso, atender as
demandas que vão surgindo no decorrer do processo de institucionalização e que necessitam ser
aprendidas no enfrentamento do cotidiano e sendo orientadas por profissionais capacitados como
o enfermeiro. O enfermeiro é fundamental no processo do cuidar e para uma melhor qualidade de
vida no envelhecimento.

REFERÊNCIAS
1. Freitas EV. Demografia e Epidemiologia do envelhecimento. In: Py L, et al, organizadores. Tempo
de envelhecer: percursos e dimensões psicossociais. Rio de Janeiro: Nau; 2004. p. 19-38.
2. Medeiros SAR. O lugar do velho no contexto familiar. In: Py L, et al, organizadores. Tempo de
envelhecer: percursos e dimensões psicossociais. Rio de Janeiro: Nau; 2004. p. 185-200.
3. Oliveira RD. Reengenharia do tempo. Rio de Janeiro: Rocco; 2003. 148. p.

261

4. Alcântara AO. Velhos institucionalizados e família: entre abafos e desabafos. Campinas: Alínea;
2004.149 p.
5. Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia - Seção São Paulo ­ Instituição de Longa
Permanência para Idosos: manual de funcionamento. São Paulo, Sociedade Brasileira de Geriatria
e Gerontologia - Seção São Paulo, 2003:39 p.
6. Groisman D. Asilos de velhos: passado e presente. Estudos interdisciplinares sobre o
envelhecimento 1999; 2: 67-87.
7. Born T. Cuidado ao idoso em instituição. In: Papaléo Neto M, et al, organizadores. Gerontologia.
São Paulo: Atheneu; 2002. p. 403-13.
8. Moreno A, Veras R. O idoso e as instituições asilares no município do Rio de Janeiro.
Gerontologia 1999; 7 (4): 167-77.
9. Goffman E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva; 2003. p. 11-157.
10. Camarano AA, et al. Idosos brasileiros: indicadores de condições de vida e de
acompanhamento de políticas. Brasília: Presidência da República, Subsecretaria de Direitos
Humanos; 2005. 144 p.
11. Brasil. Portaria n. 810 Normas para Funcionamento de Casas de Repouso, Clínicas Geriátricas e
Outras Instituições Destinadas ao Atendimento ao Idoso 1989 set 22. Pub DO [2003 set. 27].
12. Beauvoir S. A velhice. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1990. p. 711.
13. Born T & Boechat NS. A qualidade dos cuidados ao idoso Institucionalizado. In Tratado de
Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p.768-77.
14. Vieira EB. Qualidade de vida na instituição. In: Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia
- seção São Paulo. Consensos de Gerontologia. 1º Congresso Paulista de Geriatria e Gerontologia;
1998. junho 24-27; São Paulo: SBGG; 1998. p.62-5.
15. Silva CA, et al. Relacionamento de amizade na instituição asilar. Rev. gaúcha enferm 2006;
.27(2):274-283.
16. Néri AL. (org) Qualidade de Vida na Velhice. Enfoque Multidisciplinar. Campinas SP, Ed. Alínea,
2007.
17. Brito FC & Ramos LR. Serviços de atenção à saúde do idoso. In Papaléo Netto, M. Gerontologia.
São Paulo, Atheneu, 2006. p.394-402.
18. Boff L. Saber cuidar ­ ética do humano ­ compaixão pela terra. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

262

19. Chaimowicz F. & Greco DB. Dinâmica de idosos institucionalizados em Belo Horizonte, Brasil.
Rev. Saúde Pública , São Paulo, v. 33, n. 5, 1999.
20. Sluzki, CE. De como a Rede Social afeta a saúde do indivíduo e a saúde do indivíduo afeta a
Rede Social. In: Sluzki, CE. (Org.) A rede social na prática sistêmica: alternativas terapêuticas. São
Paulo: Casa do Psicólogo, 2001. p. 67-85.
21. Valla, VV. Redes sociais, poder e saúde à luz das classes populares numa conjutura de crise.
Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.4, n.7, p.37-56, 2000.
22. Heredia VBM, Cortelletti I A & Casara MB. Institucionalização do Idoso: identidade e realidade.
In I. A. Cortelletti, M. B. Casara & V. B. M. Herédia (Orgs.). Idoso asilado: um estudo gerontológico
(pp. 13-60), Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.
23. Albuquerque S. Viabilidade de um centro para a terceira idade. Revista Psicologia Argumento
1994; XII (XVI): 83-101.
24. Alessi AC & Schnelle FJ. Approach to sleep disorders in the nursing home setting. Sleep
Medicine Reviews 2000; 4(1): 45-46.
25. Guilleminault C. Narcolepsy Syndrome. In: Kryger, M.H.; et al. Principles and Practice of Sleep
Medicine. 2.ed. W.B. Saunders Company, Philadelphia 1994; pp. 549-61.