História Econômica da Construção Naval
no Brasil: Formação de Aglomerado e
Performance Inovativa
Alcides Goularti Filho
Professor da UNESC, Pesquisador Produtividade do CNPq, Brasil

Resumo
O objetivo deste artigo é descrever e analisar a formação e a expansão do aglomerado
inter-relacionado de estaleiros para a construção naval, localizado no Rio de Janeiro
e em Niterói. Serão apresentadas as condições concretas que possibilitaram o Estado
do Rio de Janeiro implantar uma moderna indústria da construção naval pesada,
pós-1960, a partir do padrão de acumulação da economia brasileira. Destacaremos o papel
desempenhado pela indústria motriz na promoção de uma performance inovadora, por
meio de encomendas e aquisições. O texto está dividido em dois períodos: construção
naval no Império (1822-1889) e na República (1889-1956). Em cada período, serão
analisados, separadamente, os seguintes tópicos: Arsenal de Marinha da Corte e do Rio
de Janeiro, estaleiros privados e Marinha Mercante. Na conclusão, serão abordadas as
dificuldades enfrentadas pelo Arsenal e pelos estaleiros privados, na transição tecnológica
das embarcações de madeira para o ferro e o aço.
Palavras-chave: Construção Naval, Marinha, História Econômica, Inovação
Classificação JEL: N76, O14
Abstract
This article aims to describe and analyze the formation and expansion of the cluster
of inter-related shipbuilding yard in the located in Rio de Janeiro and Niterói. Will
be presented the concrete conditions that allowed the Rio de Janeiro up a modern
shipbuilding industry heavy post-1960 from the pattern of accumulation of the Brazilian
economy. Highlights the role played by industry in promoting a driving performance
through innovative packages and acquisitions. The text is divided into two periods:
Shipbuilding in Empire (1822-1889) and Republic (1889-1956). In each period, are
analyzed separately the following topics: Arsenal of the Navy Court and Rio de Janeiro,
merchant and private yards. In conclusion will be addressed on the difficulties faced by
the arsenal and the private yards in the technological transition from wooden ships to
iron and steel.
Revista EconomiA

Maio/Agosto 2011

Alcides Goularti Filho

1. Introdução
A indústria da construção naval pesada foi instalada no Brasil no bojo do Plano
de Metas, incluído na Meta 28, a partir da vinda do Estaleiro Ishibrás, de origem
japonesa, e do Estaleiro Verolme, de origem holandesa, para o Estado do Rio
de Janeiro. O financiamento da Meta 28 foi possível mediante a aprovação da
Lei n. 3.381, de 24 de abril de 1958, que criou o Fundo da Marinha Mercante
(FMM) e a Taxa de Renovação da Marinha Mercante (TRMM). Os recursos dessas
duas fontes arrecadadoras, depositados no Banco Nacional de Desenvolvimento
Econômico (BNDE), eram administrados pela Comissão da Marinha Mercante
(CMM), que arquitetou os planos de estímulo à construção naval. Outro fator
determinante foi a disponibilidade, no mercado nacional, de aço e componentes
elétricos, ofertados pelas recém-inauguradas siderúrgicas estatais e pela indústria
eletro-metal-mecânica.
Foram incluídos nos planos de estímulo à construção naval pesada duas grandes
multinacionais, Ishibrás e Verolme, e os seguintes estaleiros de capital nacional:
Estaleiro Só, fundado em 1850, o Estaleiro Caneco, 1886, o Estaleiro Mauá, 1907,
e o Estaleiro EMAQ, 1914, todos de capital nacional, sendo que o primeiro se
localizava no Rio Grande do Sul e os demais, no Rio de Janeiro.
O bom desempenho da indústria da construção naval está associado ao
desenvolvimento da Marinha Mercante, que, por sua vez, está condicionado ao fluxo
mercantil gerado pelo sistema nacional de economia (List 1986). O aumento na
participação da frota mercante nacional no longo curso e a constante modernização
da frota destinada à cabotagem rebatiam no aumento das encomendas aos
estaleiros. Esse foi o mecanismo, amparado pelas políticas públicas de proteção
e financiamento, que possibilitou ao Brasil chegar aos anos 1980 como umas das
maiores potências na indústria naval do mundo.
Porém, as condições materiais que possibilitaram ao país fazer essa escolha e dar
saltos, iniciados em 1958, foram forjadas no século XIX e início do XX. É dessas
condições materiais, herdadas do passado, que trata este artigo. O aglomerado
de estaleiros navais presente, desde o início do século XIX, nas cidades do Rio
de Janeiro e de Niterói, construindo e reparando embarcações, criou um sistema
propício para o fortalecimento e a integração intersetorial dos estabelecimentos
comerciais, das pequenas fundições e dos estaleiros, gerando uma performance
inovativa.
Rosenberg (2006, p. 97), discutindo a interdependência tecnológica, argumenta
que "as invenções nunca emergem isoladamente". No processo de inovação e
expansão produtiva, é mais comum a presença de "aglomerados de inovações
inter-relacionados" (p. 101). A complementaridade entre as empresas que fazem
parte desse "aglomerado" propicia a formação de um conjunto de inovações numa


Recebido em novembro de 2009, aprovado em março de 2011. Pesquisa financiada pelo MCT/CNPq.
Artigo indicado para Selecta 2009.
E-mail address: [email protected]
310

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

perspectiva sistêmica. O crescimento e o fortalecimento de empresas do mesmo
ramo dinamizam e estimulam um processo de concorrência e de imitação, que,
por sua vez, amplia a sua esfera de abrangência para outros ramos. Segundo
Rosenberg (2006, p. 125), "esse fluxo intersetorial da tecnologia constitui uma das
mais inconfundíveis características das sociedades industriais avançadas".
Ao longo do século XIX e durante as primeiras décadas do XX, na indústria
da construção naval localizada no Rio de Janeiro, podemos observar um constante
fluxo intersetorial do Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro, dos estaleiros navais,
das fundições (pequenas siderurgias) e do comércio exportador e importador, que
possibilitou a manutenção e a ampliação do aglomerado de estaleiros navais. O
ambiente propício ao desenvolvimento de aglomerados também estava associado
ao bom desempenho da Marinha Mercante Nacional, que atuava no transporte de
cabotagem, uma vez que o Brasil tem um extenso litoral, com portos localizados
nas principais cidades costeiras.
Nesse cenário, podemos afirmar que, com estaleiros localizados no Rio de Janeiro
e em Niterói, se desenvolveu um sistema de inovação na indústria da construção
naval. Segundo Nelson (2006), a inovação também se caracteriza pelo lançamento de
um produto ou de um processo que seja novo para a empresa ou para o país, mas não
significa que seja novo em termos mundiais, já que um sistema está relacionado a
um conjunto de instituições que interagem com as empresas nacionais e determinam
a performance inovadora.
Foi essa performance inovadora constante, ora mais intensa, ora mais lenta,
ultrapassando as fronteiras setoriais e locais, que criou condições materiais para,
mais tarde, formar no país um sólido parque industrial naval, liderado por grandes
empresas, interagindo com outros setores industriais, políticas públicas, instituições
de pesquisas e sistema de crédito.
O surgimento de uma ou de várias indústrias numa determinada região altera o
clima de uma época e cria uma expectativa favorável ao crescimento industrial.
Segundo Perroux (1967), o fortalecimento de um grande ramo industrial irá
favorecer o surgimento de atividades paralelas à "indústria-chave", cuja função é
impulsionar um volume de produção global maior que o seu. Esse impulso forma
um "polo de desenvolvimento", constituído por várias unidades fabris, ligadas entre
si. A atividade de destaque serve como força motriz que exerce "efeitos de expansão"
sobre outras unidades que com ela estão relacionadas.
A unidade motriz gera "efeitos de aglomeração", reunindo atividades
complementares no conjunto que trará vantagens cumulativas. A utilização de
meios de transporte e de comunicação cria, entre as empresas, "efeitos de
junção", aumentando cumulativamente a oferta e a procura, alargando o campo
de possibilidades dos produtores locais. Os efeitos de aglomeração e de junção
provocam o aparecimento de novas atividades, alterando a paisagem industrial
regional e nacional (Ibidem).
A partir desse referencial teórico, o objetivo deste artigo é descrever e analisar
a trajetória da indústria da construção naval brasileira na longa duração (Braudel
1992), dentro do sistema nacional de economia (List 1986), observando a trajetória
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

311

Alcides Goularti Filho

da performance inovativa, as inter-relações setoriais, as complementaridades
geradas pela "indústria motriz" e a interação das instituições difusoras de novas
tecnologias, ou seja, o path-dependence (Nelson 2006; Perroux 1967; Rosenberg
2006). Para tanto, estudaremos a indústria da construção naval brasileira,
localizada no Rio de Janeiro e em Niterói, durante o século XIX e até o início do
Plano de Metas, em 1956. Faremos a análise dessa trajetória, dividindo-a em dois
períodos: Império e República. Em cada momento, analisaremos, separadamente, o
desempenho do Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro, dos estaleiros privados e da
Marinha Mercante. As principais fontes de pesquisa foram os Almanak Laemmert
(Almanak administrativo, mercantil e industrial), cuja série completa abrange o
período de 1844 a 1929, os Relatórios da Marinha, série completa de 1827 a 1959,
os Relatórios do Ministério da Agricultura, Indústria, Viação e Obras Públicas,
série completa de 1869 a 1927, além de diversas fontes do final do século XIX e
início do XX, que tratavam especificamente da construção naval.
2. Construção Naval no Império
2.1. Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro
Durante o período colonial, nas principais cidades do litoral, havia pequenos
estaleiros artesanais. A construção de canoas e barcos era realizada por moradores
e proprietários locais, para atender às demandas do transporte de cabotagem
regional de pessoas e mercadorias. Esses mesmos estaleiros artesanais também eram
responsáveis pelos reparos realizados nas embarcações maiores que atracavam na
Colônia (Camara 1888).
A construção de embarcações de porte um pouco maior começou a ser realizada
com a fundação dos Arsenais da Marinha, que também produziam munições e
armamentos e realizavam obras civis e hidráulicas. Em 1761, foi fundado o Arsenal
do Pará, localizado no sul da cidade de Belém. Em 1763, foi fundado o Arsenal do
Rio de Janeiro, localizado em frente ao Morro de São Bento. Em 1770, foi a vez do
Arsenal da Bahia, localizado na cidade baixa de Salvador, o mais importante da
Colônia até 1822. Em 1789, foi construído o Arsenal de Pernambuco, situado no
centro da cidade de Recife. Por volta de 1820, foi fundado o Arsenal de Santos, no
litoral paulista, e, por último, o Arsenal de Mato Grosso, que existia, desde 1827,
em Cuiabá, como trem naval, transformado em arsenal em 1860, e transferido para
Ladário em 1873.
Ao longo do século XIX, esses arsenais passaram ora por momentos de intensas
atividades, ora por completo abandono. Excluindo o arsenal do Rio de Janeiro,
os demais foram desativados. O primeiro foi o de Santos, em 1883, abandonado
e transformado em depósito para carvão. Em seguida, foram os de Pernambuco e
da Bahia, que, após várias tentativas para reerguê-los, foram extintos pelo Decreto
n. 3.188, de 5 de janeiro de 1899. Já os Arsenais do Pará e de Ladário foram
transformados em Distritos Navais da Marinha (Brasil, 1831-1900 ­ Ministério da
312

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

Marinha).
O Arsenal Real da Marinha (ARM) foi criado em 1763, pelo Vice-Rei Conde da
Cunha, no mesmo ano da transferência da capital da Colônia de Salvador para o Rio
de Janeiro. Nas suas dependências, foi construída a nau São Sebastião, a primeira
grande embarcação fabricada na Colônia, lançada ao mar em fevereiro de 1767.
Durante o período que se estende até 1822, o ARM, além das oficinas de funileiros,
vidraceiros, canteiros, pedreiros, bandeireiros e correeiros e da fundição de canhões
e caronadas, executou, apenas, serviços de reparos nas embarcações que atracavam
no Rio de Janeiro. O material utilizado nos reparos navais eram, principalmente,
a madeira, amplamente disponível na Mata Atlântica, e a araucária. Os demais
insumos eram importados, mas, aos poucos, foram sendo produzidos na Colônia,
exceto lonas e cabos (Greenhalgh 1951).
O Arsenal de Marinha da Corte (AMC), assim denominado após 1822, retoma
a construção naval com o lançamento da corveta Campista, em fevereiro de 1827.
Seguiu ativamente, construindo navios até 1890, período em que foram lançados ao
mar 46 navios, incluindo quatro encouraçados e quatro cruzadores, com destaque
para o cruzador Tamandaré, o maior navio fabricado no Brasil até 1960. Além dos
navios, também foram entregues pequenas embarcações, como saveiros, batelões,
lanchas, canoas e chalanas. O momento de maior intensidade na construção naval
no AMC foi o da Guerra do Paraguai (1864-1870), quando foram construídos 14
navios, incluindo o encouraçado Tamandaré. As exigências da guerra ampliaram
as atividades de construção e reparo de navios, de fabricação de munições e
armamentos (Brasil, 1831-1872 ­ Ministério da Marinha).
O primeiro navio a vapor construído no AMC foi o Tetis, em 1842, com 115m
de comprimento, motor de 70 HP e capacidade para transportar 241 t. A partir
desse momento, iniciou-se a construção de embarcações, combinando vela e vapor.
O último navio à vela foi construído em 1861, o Paraíba, com 22 m. O maior avanço
ocorreu com a construção do encouraçado Tamandaré, lançado ao mar em 1865,
com capacidade de 754 t, 48 m de comprimento e motor de 80 HP com uma hélice.
Foram entregues mais três encouraçados, sendo que o último, o Sete de Setembro,
em 1874, transportava 2.179 t, com 67 m de comprimento, motor com 360 HP e
duas hélices. Também merecem destaque os quatros cruzadores: Guanabara (1.911
t, 61 m e 500 HP), em 1877, Primeiro de Março (726 t, 50 m e 750 HP), em 1881,
Almirante Barroso (1.960 t, 64 m e 2.200 HP), em 1882, e Tamandaré (4.537 t, 96
m e 7.500 HP), em 1890. O maquinário do cruzador Almirante Barroso foi todo
construído no AMC (Mendonça e Vasconcelos 1959).
A evolução do motor de 70 HP, em 1842, para 7.500 HP, em 1890, ou de 241 t para
4.537 t, demonstra a boa trajetória e a performance inovativa traçada pelo AMC
durante o século XIX. Mesmo que tenha sido uma trajetória lenta, comparada com
os padrões dos estaleiros navais dos países centrais (em 1843, o engenheiro naval I.
K. Brunel lançou ao mar o transatlântico SS Great Britain, com 1.960 t, 98 m e
1.000 HP), a constância nas obras navais criou uma rotina nas oficinas e nos diques
do AMC.
Cumpria um papel de "indústria motriz", criando um fluxo intersetorial,
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

313

Alcides Goularti Filho

propiciando o surgimento de outros estaleiros de construção naval e de atividades
correlatas e complementares. Ao longo do século XIX, esse impulso gerado pelo
AMC, associado à expansão urbana da capital, dinamizou ainda mais a indústria
da construção naval. Estabelecido próximo à Saúde e à Prainha, onde havia
vários trapiches, em seu entorno, foi criando um aglomerado de estaleiros navais
que atendiam às demandas dos navios que ancoravam no porto e nos trapiches,
construindo e prestando serviços para o Arsenal.
Somente a um estaleiro localizado na Ponta da Areia, em Niterói, de propriedade
do Barão de Mauá, a Marinha encomendou, entre 1849 e 1883, doze navios do
tipo vapor, cruzador/corveta, canhoneira, galeota e patacho. No estaleiro Miers &
Irmãos Co., em 1857, foram encomendados dois cascos de navios. Essa mesma
empresa também realizou a importação de estrutura de ferro para o AMC,
constituindo-se num dos seus maiores prestadores de serviços. No Estaleiro da
Saúde, em 1850, foi encomendado o vapor Golfinho, com capacidade de 330 t,
51m de comprimento e motor de 160 HP. No estaleiro Dominique Level, em 1868,
foi encomendada uma baleeira e, em 1873, uma canhoneira.
No estabelecimento comercial da Viúva Hargreaves & Co. e nos estaleiros
Gamboa e Delmiro José Costa, nos anos de 1872 e 1875, foram realizados reparos
em três navios. Esse último estaleiro também construiu uma corveta a vapor
(Greenhalgh 1965; Mendonça e Vasconcelos 1959). O Estaleiro Barata Ribeiro &
Co. também fez diversas obras para o AMC, além de construir a canhoneira Afonso
Celso (327 t, 30 m e 120 HP) e um rebocador para servir na barra do Rio Grande. A
Oficina Fleury forneceu tubos de cobre e o estabelecimento comercial de A. Piresse
construiu um fornilho para fundir ferro. A Finnie Kemp & Co., que se instalou
no final do Império no Rio de Janeiro, entregou oito caldeiras para as lanchas da
flotilha do Amazonas (Brasil, 1883 ­ Ministério da Marinha).
Além desses estabelecimentos comerciais e estaleiros que eram contratados pelo
AMC para executar encomendas, o arsenal também adquiria de comerciantes locais
insumos, como madeira, carvão, borracha, estopas, correias, cantoneiras, chapa de
ferro, lonas e cabos do Cairo. Outro serviço executado por companhias privadas
era o afretamento de navios para o Arsenal, que foram utilizados durante a Guerra
do Paraguai, como os da Companhia Brasileira de Paquete a Vapor.
Durante o Império, foram construídos pelo AMC o dique Imperial (iniciado em
1824, retomado em 1858 e concluído em 1861, atual dique Almirante Jardim) e o
Santa Cruz (iniciado em 1861 e concluído em 1874), ambos na Ilha das Cobras,
localizada em frete ao Arsenal. A execução final do dique Imperial e do Santa
Cruz foi realizada pela empreiteira Barauna & Coimbra Co., que subcontratou
outra empresa formada por comerciantes locais (Brasil-1858-1875 ­ Ministério da
Marinha).
Outra contribuição significativa do AMC para formar um aglomerado de
inovações inter-relacionadas foi a formação e a qualificação da força de trabalho.
Além do número expressivo de homens que trabalhavam no AMC, com destaque
para a construção naval, como podemos observar na Tabela 1, a Marinha brasileira
constantemente enviava oficiais para estudarem engenharia naval na Europa. Os
314

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

construtores navais, como eram conhecidos, voltavam e tornavam-se os responsáveis
pela Diretoria das Construções Navais. Porém, há casos de construtores que
abandonaram a Marinha e fundaram seus próprios estaleiros, ou passaram a prestar
serviços para empresas privadas.
Tabela 1
Número de "trabalhadores" no AMC/AMRJ e vinculados à Diretoria das Construções
Navais e a participação do Arsenal no orçamento geral do Ministério da Marinha 1833-1920
Ano Total do arsenal Construção naval Orçamento do Participação sobre o total do
AMC/AMRJ Ministério da Marinha(em%)
1833

1.389

1847

1.526

1851

1.401

1859

1.654

1862

333

301:199160

19,64

658:479$380

18,89

304

534:400$950

17,01

761:685$514

12,81

1.966

590

939:801$124

12,49

1867

1.867

590

977:851$690

12,26

1872

2.394

590

1.002:972$804

11

1877

2.612

1.053

2.013:280$000

17,34

1881

2.339

1.927:076$275

18,01

1885

2.190

903

1.912:597$275

17,07

1890

2.119

996

1.944:888$975

16,91

1903

1.088

515

2.205:935$350

8,26

1911

1.275

441

3.223:740$000

6,7

1916

843

300

2.052:760$000

5,85

1920

977

400

2.521:440$000

4,81

Fonte: Brasil ­ Orçamentos das receitas e despesas do Império e do Ministério da
Marinha, vários anos.

Napoleão João Baptista Level, um dos mais destacados construtores do AMC,
que atuou durante a Guerra do Paraguai, também prestou serviços para o estaleiro
da Ponta da Areia (Liga Marítima, 1914). Outro destaque era o construtor Trajano
Augusto de Carvalho, que, após servir ao AMC até 1874, se empregou no estaleiro
de John Maylor. Herman Luiz Gade, que trabalhou junto com Carvalho, também
projetou navios que foram construídos no estaleiro da Ponta da Areia. Entre os
engenheiros de máquina, Antonio Gomes de Matos saiu da Marinha em 1863, para
dedicar-se à John Maylor Co. Mais tarde, ele próprio montou a A. Gomes de Matos
& Co., que passou a prestar serviços para o AMC (Greenhalgh 1965). Também
havia os "profissionais liberais", formados pela Marinha, que prestavam serviços
aos estaleiros, como o artista náutico Manoel José Maia, que, nos anos de 1850,
comprava e vendia instrumentos matemáticos e físicos. E, nos anos de 1860, o artista
José Maria dos Reis, que também revendia e consertava instrumentos náuticos
(Almanak Laemmert 1857-1867).
No dia 30 de maio de 1858, foi fundada no Rio de Janeiro a Sociedade
de Beneficência dos Artistas de Construção Naval, cujo objetivo era prestar
serviços de assistência aos sócios e a seus familiares. Segundo seu estatuto,
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

315

Alcides Goularti Filho

poderia ser membro da Sociedade aquele que exercia ou exerceu um ofício ou
arte mecânica concernente à Marinha, como carpinteiros, calafates, ferreiros,
maquinistas, torneiros, caldeireiros, fundidores, polieiros e modeladores (Brasil,
1862 ­ Coleção de Leis do Império). A criação dessa Sociedade demonstra o quanto
era expressiva a presença das atividades da construção naval na Corte, uma vez
que apenas no AMC, no ano de 1850, trabalhavam 1.898 pessoas, chegando a 2.894
em 1872.
No final do Império, os arsenais do país começam a apresentar sinais de crise,
como os do Pará, de Recife e da Bahia, que estavam abandonados e executavam
apenas serviços de reparos navais. Nos relatórios da Marinha, era constante a
queixa dos diretores que reivindicavam mais recursos financeiros e pessoal técnico.
No AMC, a situação não era muito diferente, mas o ritmo de construção, apesar
de diminuir, continuava, sobretudo com a expansão das obras dos dois diques,
localizados na Ilha das Cobras.
Mesmo com a expansão econômica ocorrida no Brasil a partir dos meados do
século XIX, a base industrial, tanto em São Paulo, como no Recife, em Salvador e no
Rio de Janeiro, ainda era muito fraca. No conjunto da indústria existente na Corte,
destacavam-se apenas a indústria tradicional, têxtil, alimentos, calçados e utensílios
domésticos, todas de pequeno e médio porte (Lobo 1978). Como é sabido, o país
ainda não tinha uma indústria pesada internalizada no seu território, capaz de
sustentar uma moderna construção naval, pautada no ferro e na mecânica pesada.
As rápidas mudanças que ocorreram nas bases industriais nos países centrais,
com os adventos da Segunda Revolução Industrial, ancoradas na grande indústria
pesada, química e elétrica e no capital financeiro, alteraram a forma e a magnitude
da indústria da construção naval. O velho navio de madeira a vapor tinha ficado
para trás.
Portanto, o Brasil só poderia progredir na indústria da construção naval mediante
avanços na sua base industrial. Esse problema se arrastava no AMC desde os anos
de 1860, quando os transatlânticos de ferro começaram a imperar nos oceanos. A
frota mercante nacional ainda combinava a vela com o vapor, com forte presença
da madeira. Enquanto a madeira era a base da construção naval, o Brasil, com
uma ampla reserva florestal, avançou, porém, quando mudou para o ferro, o
crescimento foi mais lento, e quando o aço chegou o setor foi quase extinto, o
que não significou a renovação da frota naval. Com a indústria local incapaz
de atender à crescente demanda da Marinha, que se modernizava, a solução era
fazer encomendas aos estaleiros europeus (Tabela 2). Essa estratégia adotada pela
Marinha desperdiçava grandes oportunidades para montar, no território nacional,
uma indústria da construção naval pesada. Mas como avançar na construção naval,
se a base industrial e financeira no Brasil ainda era insuficiente?
O penúltimo navio construído no AMC foi o cruzador Tamandaré, de 4.537 t de
deslocamento, lançado ao mar no dia 20 de março de 1890, seguido da canhoneira
Cananéia, de 210 t, lançada no dia 11 de junho de 1890. Os monitores Pernambuco
e Maranhão, cujas construções se iniciaram em 1890, foram lançados ao mar,
respectivamente, em 1905 e 1931 (Telles 2001). Essa longa espera era o reflexo
316

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

Tabela 2
Encomendas realizadas pela Marinha junto a estaleiros europeus 1874-1899
Tipo de embarcação

Ano Deslocamento(t) Comprimento(m) Motor(HP) País de origem

Encouraçado Independência

1874

9.310

91

8.500

Inglaterra

Encouraçado Riachuelo

1883

5.700

98

6.000

Inglaterra

Encouraçado Aquidabã

1885

5.029

85

4.500

Inglaterra

Cruzador Andrada

1890

1.977

85

3.600

Inglaterra

Cruzador Tiradentes

1892

705

50

1.200

Inglaterra

Cruzador República

1892

1.231

68

3.800

Inglaterra

Cruzador Escola Benjamin Constant 1892

2.311

74

2.800

França

Cruzador Amazonas

1895

3.437

108

15.000

Inglaterra

Cruzador Torpedeiro Tamoio

1895

1.075

86

7.500

Alemanha

Cruzador Torpedeiro Tupy

1897

1.037

86

7.500

Itália

Encouraçado Guarda Costa Deodoro

1898

3.162

81

3.400

França

Cruzador Almirante Abreu

1899

3.437

108

15.000

Inglaterra

Fonte: Mendonça e Vasconcelos (1959).

da profunda crise por que passou o Arsenal nas primeiras décadas da República.
2.2. Estaleiros privados
Como é sabido, durante todo o período colonial, a manufatura no Brasil era quase
inexistente, limitando-se a pequenas atividades de fabrico de alimentos e utensílios
domésticos. Essa situação começou a se reverter somente com a chegada da Família
Real e a abertura dos portos, ambas em 1808, que aceleraram a acumulação do
capital mercantil nas principais cidades portuárias. Mesmo assim, as condições
herdadas do passado, que eram sempre repostas, impediam saltos produtivos.
O aumento do fluxo mercantil nos portos brasileiros gerou demandas para a
realização de consertos e a manutenção nos navios que atracavam nos vários
trapiches, espalhados nas cidades portuárias. Essa nova situação exigiu mais
esforços dos arsenais e possibilitou o surgimento de novos estaleiros para reparos e
construção de navios. No início do século XIX, em Salvador, em torno do Arsenal,
havia 42 pequenos estaleiros, e, no Rio de Janeiro, ao longo da Rua da Saúde e na
Prainha, 16 pequenos estaleiros, que, além de fazerem reparos, também construíam
embarcações para atender às demandas locais (Liga Marítima, 1918).
Com a Independência em 1822, o AMC voltou a construir navios para a
Marinha e tornou-se a atividade motriz da nascente indústria da construção naval,
localizada no Rio de Janeiro, onde se formou um aglomerado inter-relacionado
de estaleiros navais, o que possibilitou aumentar o fluxo intersetorial, gerando
complementaridade, a jusante e a montante, desse embrionário sistema localizado
de inovação.
O pequeno "surto industrial" gerado pela tarifa protecionista Alves Branco, em
1844, e o início da expansão da atividade cafeeira no Vale do Paraíba estendiam
o processo de acumulação, dinamizando as pequenas atividades urbanas na Corte.
No final dos anos 1840, dos estaleiros localizados na Prainha, podemos destacar o
de João Antônio de Araújo Saragoça, Manuel Francisco dos Reis e Manuel Gomes
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

317

Alcides Goularti Filho

dos Santos; já na Saúde, havia o estaleiro de José Francisco de Castro. Eram dois
os tipos de estaleiros, o que fazia reparos, chamado de "estaleiro de fabrico", e o de
"construção de navios". Entre os de "fabrico", havia, na Saúde, o de Manuel Cura
e, na Prainha, o de Francisco Lopes de Sá e Manuel Gomes dos Santos (Almanak
Laemmert, 1844-1850).
No entanto, o maior estaleiro foi fundado em Niterói, por Irineu Evangelista de
Souza, o Barão de Mauá, no ano de 1846, o Estabelecimento de Fundição e Estaleiro
Ponta da Areia, e se tornou num símbolo da "indústria nacional" no Império. Ao
longo dos trinta anos em que Mauá esteve à frente do estaleiro, foram construídos 72
navios, sendo doze encomendados pela Marinha (Tabela 2), empregando em torno
de mil trabalhadores assalariados (Mauá 1996). Ao lado do AMC, o Estaleiro Ponta
da Areia cumpriu o papel de "indústria motriz" de segunda ordem, no aglomerado
de estaleiros localizados no Rio de Janeiro e em Niterói, durante o Segundo Reinado.
Afinal, durante o Império, enquanto o AMC construiu 44 embarcações, o Estaleiro
Ponta da Areia construiu 72.
Tabela 3
Encomendas realizadas pela Marinha junto ao Estaleiro Ponta da Areia 1849-1883
Tipo de embarcação

Ano Deslocamento(t) Comprimento(m) Motor(HP)

Corveta Vapor Recife

1849

Vapor de Rodas D. Pedro

1849

Corveta Pedro II

1850

50
124

150

36

40

54

220
220

Vapor Paraense

1851

59

Vapor Fluminense

1852

30

Vapor Jaguarão

1859

Canhoneira Corumbá

1860

Canhoneira Henrique Martins

1865

25
100

24

24

163

38

40

Canhoneira Greenhalgh

1865

39

40

Vapor Alice

1869

304

54

100

Canhoneira Príncipe Grão Pará 1872

726

51

Cruzador Imperial

726

62

1883

750

Fonte: Mendonça e Vasconcelos (1959).

Nos anos 1850, começaram a surgir os "desmanchadores de navios", como
Francisco Dias da Cruz e Viúva Timotheo, ambos na Saúde. O estaleiro de
José Ferreira Campos, Primeiro-Tenente e construtor da Marinha, situado na
Saúde, era um "estabelecimento completo" com todos os equipamentos necessários
para o fabrico e o reparo de navios. Tinha depósito de madeira nacional e
estrangeira para mastros e vergônteas, além de artigos necessários para navios,
como cobre para forro, pregos de cobre e ferro, cabos, estopa, poliame, amarras
de ferro, âncoras e tintas. Também dispunha dos serviços de calafetes, ferreiros,
entalhadores, douradores, pintores, polieiros, serralheiros, bombeiros, funileiros,
velames e bandeireiros e realizava serviços de tirar e pôr os mastros. Em 1857,
havia no Rio de Janeiro cinco construtores, sete estaleiros de fabrico de navios e dois
318

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

desmanchadores, de navios além de dois estivadores de navios (carga e descarga) e
três artistas náuticos (Almanak Laemmert, 1850-1859).
O estabelecimento de Miers Irmãos & Maylor, situado na Saúde, com estaleiro na
Gamboa, era especializado em fabricar e consertar caldeiras de vapor, embarcações
de madeira e de ferro, vapores para alto-mar e para navegação fluvial. Também
fornecia equipamentos de ferro e bronze para engenhos de café e de açúcar e
madeireiras.. Dispunha de guindastes, quinfos e bolintes, e importava pontes e
estruturas de ferro para tetos de armazéns. Chegamos ao final dos anos 1850 com
alguns estaleiros completando mais de treze anos de existência, como o de Manuel
Francisco dos Reis (Almanak Laemmert, 1859).
Felix Marsillack, situado na Saúde, também se considerava como um
"estabelecimento completo" para o fabrico e o reparo de navios. Havia, nas
dependências desse estaleiro, um grande estoque de madeira nacional (peroba e
pinho), para mastros de toda envergadura e comprimento, e importadas da Suécia
e de Riga pranchas e táboas, além de serviços de carpinteiros e calafetes, "prontos
para as ordens dos fregueses" (Almanak Laemmert, 1862).
Na década de 1860, em função da Guerra do Paraguai, que aumentou as
demandas navais, começaram a surgir estabelecimentos de origem estrangeira nos
serviços de construção e reparos navais. Podemos citar os de Capdeville & Saharon,
Clavel Riesenberger & Hayden e John Foster & A. Mac Lennan, todos situados na
Saúde. O período da guerra foi um dos mais intensos no aglomerado, em função
das encomendas e da contratação dos serviços de reparos feitas pelo AMC junto
aos estaleiros privados.
A John Maylor & Co., sucessora da Miers Irmãos, ampliou suas atividades e
passou a atender a diversos segmentos. Além da fabricação de navios de ferro e de
madeira, produzia e revendia máquinas para descascar arroz, torradores de farinha,
serra para madeira, moinho de fubá e tornos e máquinas para aplainar e furar.
Também importava peças estruturais para "montar estabelecimentos industriais de
qualquer natureza" (Almanak Laemmert, 1870). Era o único estaleiro que dispunha
de um dique seco com 146 m de comprimento (Telles 2001).
O estabelecimento de Luiz Lopes Cooper & Co., situado na rua da Alfândega,
contava com oficina de máquina a vapor, caldeiraria, construção naval e fundição.
Construía e consertava qualquer tipo de máquina a vapor, caldeiras, moendas,
instrumentos de lavoura e qualquer artigo de fundição de ferro e bronze. Um
dos grandes fornecedores para a indústria da construção naval do Rio de Janeiro
era Frederico Vierling, construtor maquinista, situado na rua de São Pedro,
especializado em locomóveis, engenhos, ventiladores, descascadores, cavadeiras,
prensas e máquinas para madeira. Também dispunha de grande sortimento de
correias superiores de todas as larguras (Almanak Laemmert, 1876). No final da
década de 1870, havia apenas o estabelecimento de Henry Delforge, na Saúde, de
propriedade estrangeira.
Na década seguinte, destacava-se a A. G. de Mattos & Co., também localizada
na Saúde, especializada na fabricação de navios de ferro e madeira, máquinas a
vapor e diversos outros equipamentos. Grande importadora de ferro e máquinas
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

319

Alcides Goularti Filho

européias, além de fundir ferro e bronze. Barata Ribeiro & Co., engenheiro e
construtor naval, incumbia-se da fabricação de navios de qualquer natureza, e
fornecia madeira, metais, ferramentas, tinta e óleo para outros estaleiros. Joaquim
da Costa Araújo era especializado na fundição, no fabrico e no conserto de navios,
máquinas e aparelhos para bordo. H. Ulique Delforce, com estabelecimento na
Saúde, era especializado em fornecer máquinas e ferramentas para os estaleiros
locais (Almanak Laemmert, 1882).
Por último, destacamos o Estaleiro João Pacheco Pimentel, especializado na
construção de embarcações a vapor. Definia-se como o mais moderno da Saúde, pois
utilizava métodos mais aperfeiçoados, conhecidos pelos mestres da arte naval na
Europa e nos Estados Unidos. Atendia a encomendas de particulares e do Império,
como o caso da lancha a vapor Santa Izabel, que fazia o serviço de vistoria e polícia
dos portos (Almanak Laemmert, 1886).
No início dos anos 1880, esse aglomerado de estaleiros, situado na Rua da Saúde
e na Prainha, segundo Queiroz (1880, p. 17), ocupava mais de 3.000 operários, "sem
levar em conta o grande número de indivíduos que se encontravam ocupados nas
indústrias co-relatas".
Imagina-se agora as indústrias co-relatas, e far-se-á idéia do grande número de oficinas
de velame e massame, polieiros, calafates, ferreiros, fundidores, pintores, esculpidores,
etc., além de grande número de lojas de massame e aprestos de navios, como lonas,
cabos, correntes, âncoras, cobre, metais, alcatrão, estopa, etc. (Ibidem, p. 18).

No final do Império, estavam em marcha significativas alterações na vida
econômica do país com a expansão da economia cafeeira paulista, que se estava
expandindo para o Oeste, formando o mais dinâmico complexo agrário exportador
do país. Em outras regiões, estavam-se consolidando os complexos regionais, como
a borracha no Norte, a erva-mate no Sul e o couro no Extremo Sul, além dos
seculares complexos do algodão e do açúcar no Nordeste. Houve uma transferência
do centro econômico dinâmico do Rio de Janeiro, que expande o capital comercial
para São Paulo, diversificando-se para o industrial (Cano 1990). Na construção
naval, dois eventos irão contribuir para reduzir suas atividades nas primeiras
décadas da República: a falência do Estaleiro Ponta da Areia, o maior da região,
e o encerramento temporário da construção de novas embarcações nos Arsenais
de Marinha do Rio de Janeiro. Como essas duas indústrias funcionavam como
motrizes no aglomerado, o recuo de ambas promoveu uma redução das atividades
dos estaleiros localizados na Saúde e na Prainha, o que não significou o seu
desaparecimento, pelo contrário, abriu espaço para novos estaleiros se consolidarem.
2.3. Marinha Mercante
Até 1822, a frota naval da Colônia era composta por navios da Coroa e
de comerciantes estrangeiros, que frequentavam os diversos portos ao longo da
costa brasileira. Nas duas primeiras décadas após a Independência, a navegação
320

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

de cabotagem e de longo curso continuou sendo realizada por comerciantes
estrangeiros. A primeira iniciativa oficial para dar início à frota naval mercante
ocorreu apenas durante o período regencial, quando foi publicado o Decreto n.
60, de 8 de outubro de 1833, que autorizou o governo a contratar companhias de
navegação nacionais ou estrangeiras para trafegarem nos rios e nas baías do Império
(Ferreira Neto (1974); Brasil, 1834 ­ Coleção de Leis do Império). Em seguida,
começou a ser editada uma série de novos decretos, autorizando a constituição
de companhias privadas de navegação, distribuídas nas principais províncias do
Império.
O Decreto n. 632, de 18 de setembro de 1851, autorizou o Governo a promover a
organização de companhias de navegação que utilizassem barcos a vapor próprios,
não apenas para o transporte de passageiros e malas dos correios do Império, mas
também de mercadorias. As companhias de navegação gozariam do privilégio por
vinte anos, com uma subvenção anual de até sessenta contos de réis nos primeiros
dez anos, e até quarenta contos de réis, nos anos seguintes, ou a garantia de
8,0% do capital empregado. Esse decreto estimulou e garantiu a constituição de
companhias de navegação em todo o território, formando uma frota mercante
nacional (Brasil, 1852 ­ Coleção de Leis do Império). Em 1862, já eram 12
companhias subvencionadas pelo Tesouro. Na tabela abaixo, podemos acompanhar
o número de companhias subvencionadas entre 1862 e 1897.
Tabela 4
Companhias de navegação subvencionadas pelo Tesouro 1862-1897
Ano

Companhias
subvencionadas

1862

12

1867

10

1872

15

1877

17

1882

18

1887

16

1892

11

1897

10

Fonte: Brasil, Ministério da Fazenda ­ Balanço Receita e Despesa, vários anos.

Das que surgiram durante a primeira metade do século XIX, destacava-se a
Companhia Brasileira de Paquete a Vapor, fundada em 1837, que fazia o transporte
das malas dos correios, conduzindo os documentos oficiais da Corte. O pagamento
pelo transporte das malas oficiais, organizadas pela Administração Geral dos
Correios, constitui-se no primeiro apoio financeiro despendido pelo Tesouro à
navegação brasileira a vapor. A Paquete a Vapor tornou-se a primeira empresa
de dimensão nacional, cujos navios frequentavam os principais portos do Império
até 1871, quando foi decretada a sua falência (Brasil, 1872 ­ Ministério da Indústria,
Viação e Obras Públicas; Silva (1902)).
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

321

Alcides Goularti Filho

A partir daí, formaram-se duas companhias que assumiram suas linhas e
adquiriram seus equipamentos: na linha sul, a Companhia Nacional de Navegação
a Vapor, e, na linha norte, a Companhia Brasileira de Navegação a Vapor (Brasil,
1871 ­ Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas). Essas duas companhias
de origem nacional atuaram ativamente na navegação de cabotagem brasileira,
com uma frota de 12 navios, frequentando os principais portos do país, articulando
comercialmente o mercado nacional que estava em processo acelerado de formação.
Ambas utilizavam os serviços de manutenção disponíveis nos estaleiros cariocas.

Tabela 5
Frota mercante da Companhia Brasileira de Navegação e da Companhia Nacional de
Navegação 1875-1890
Ano Companhia Brasileira de Navegação Companhia Nacional de Navegação
1875

5

2

1880

5

3

1885

6

6

1890

6

6

Fonte: Relatórios do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas, vários anos.

No último quartel do século XIX, com a expansão do complexo cafeeiro,
algodoeiro e cacaueiro e o surgimento de novas atividades regionais, como a
erva-mate, no Paraná, e a borracha, no Amazonas, o cenário dos transportes no
Brasil começou a se alterar. A construção de novas ferrovias, os melhoramentos nos
portos e a formação de uma frota mercante nacional caminhavam concomitantes
com a consolidação do padrão de acumulação da economia nacional, pautado na
atividade agrária e exportadora. As ferrovias eram construídas rumo aos portos,
integrando a economia interna com o exterior, já a navegação de cabotagem
unia as cidades localizadas na extensa costa brasileira. A navegação do interior
(fluvial e lacustre) também prosperava nas principais bacias hidrográficas. A
maior deficiência estava na navegação de longo curso, que era feita apenas por
embarcações estrangeiras.
No final do Império, além da Nacional e da Brasileira, destacavam-se as
seguintes companhias de navegação marítima: Companhia Espírito Santo e
Caravelas, Companhia Baiana de Navegação a Vapor, Companhia Pernambucana
e Companhia do Maranhão. Na navegação fluvial, destacavam-se a Amazon Steam
Navigation Company¸ a Companhia Rio Parnaíba, a Companhia Baixo do São
Francisco, a Navegação do Corumbá a São Luiz e Miranda e a Empresa de
Navegação dos Rios Araguaia e Tocantins (Brasil, 1888 ­ Ministério da Indústria,
Viação e Obras Públicas; Silva (1902)).
322

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

3. Construção Naval na República
3.1. Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro
A República inaugurou uma fase de ostracismo para os arsenais brasileiros que
perdurou até 1930, como pode ser acompanhado na Tabela 1, que mostra a queda
de "trabalhadores" e a participação do AMRJ no orçamento geral do Ministério da
Marinha, entre os anos 1890 e 1920. No primeiro caso, houve uma queda de 2.119
"trabalhadores" para 977 e a participação no orçamento caiu de 16,91% para 4,81%.
Após tanta reclamação dos oficiais e do abandono do Arsenal da Bahia e de Recife,
que estavam em precárias condições materiais e humanas, o Decreto n. 3.188, de
5 de janeiro de 1899, suprimiu-os e mandou alienar os prédios e os terrenos. Era
quase que possível manter dois arsenais no Nordeste, já que o da capital federal
também reclamava por mais recursos e ampliação das estruturas.
Como é sabido, a Proclamação da República foi comandada pelo Exército
brasileiro, a partir de uma conjunção de interesses e segmentos sociais contrários
às políticas do Império em decadência. A Marinha, junto com a Guarda Nacional,
era o lócus do elitismo e da aristocracia do governo imperial. D. Pedro II
sempre demonstrou muito interesse pelo AMC, fazendo visitas constantes às
suas dependências (Carvalho 1997), o que não significou o desaparelhamento da
Marinha, conforme podemos observar nas encomendas feitas pelos republicanos
até 1899, expostas na Tabela 2. Foram nove encomendas de embarcações de grande
porte feitas aos estaleiros europeus, com destaque para os cruzadores Amazonas,
adquirido em 1895, e o Almirante Abreu, adquirido em 1899, ambos com as mesmas
especificações (3.4377 t, 108 m e 15.000 HP).
Com base num estudo realizado pela Marinha, no dia 14 de dezembro de 1904,
foi aprovado o Decreto n. 1.296, que autorizou o Executivo, por meio do Ministério
da Marinha, a organizar um plano de reaparelhamento da frota naval. O Plano
Naval, como ficou conhecido, foi reelaborado em 1906, entrando em operação em
seguida, com a aquisição de dez embarcações em estaleiros ingleses (Tabela 6), com
destaque para os encouraçados Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro (Brasil,
1904-1906 ­ Ministério da Marinha). Foi mais outra oportunidade desperdiçada
para ampliar o aglomerado de estaleiros navais no país. O problema era reposto:
não havia indústria naval pesada porque a estrutura da oferta da indústria brasileira
era deficiente; ao mesmo tempo em que a baixa demanda aos estaleiros nacionais
os impedia de tornarem-se concentrados e competitivos.
Já a situação para o AMRJ começou a melhorar somente quando foram
retomadas as obras para a construção de seu novo prédio, localizado na Ilha das
Cobras, onde estavam os diques Santa Cruz e Guanabara (atual Almirante Jardim)
e uma usina de eletricidade. Nos diques, eram realizadas as obras de reparo nas
embarcações da Marinha e de outros órgãos públicos, além dos consertos para
companhias privadas. Nas duas primeiras décadas do século XX, atracavam nos
diques para reparos, em média, 50 navios por ano (Brasil, 1910-1925 ­ Ministério
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

323

Alcides Goularti Filho

Tabela 6
Embarcações adquiridas dentro do Plano Naval de 1906
Tipo de embarcação

Ano Deslocamento(t) Comprimento(m) Motor(HP)

Encouraçado Minas Gerais

1907

17.274

165

Contra Torpedeiro Piauí

1908

506

73

8.800

Contra Torpedeiro Paraíba

1908

560

73

8.800

23.500

Contra Torpedeiro Pará

1908

560

73

8.800

Encouraçado São Paulo

1909

19.280

164

23.500

Cruzador Rio Grande do Sul

1909

2.885

122

22.000

Contra Torpedeiro Paraná

1909

560

73

8.800

Contra Torpedeiro Mato Grosso

1909

560

73

8.800

Contra Torpedeiro Santa Catarina 1910
Encouraçado Rio de Janeiro

1913

560

73

8.800

27.500

204

34.000

Fonte: Mendonça e Vasconcelos (1959).

da Marinha).
Com o acelerado processo de expansão urbana do Rio de Janeiro, a localização do
velho arsenal já era um empecilho para a cidade, e a solução seria transferi-lo para
a Ilha das Cobras. Em 1910, foi firmado o contrato com a Société d'Entreprises
au Brésil para construir outro dique, um cais monolítico e uma carreira de 90
m de comprimento. Para a empresa Janowitzer, Wahle & Comp. foi entregue a
responsabilidade de construir a ponte ligando o continente à Ilha das Cobras. Com
a primeira empresa, o contrato foi rescindido em 1915, ficando as obras inconclusas,
já com a segunda, a obra foi entregue (Brasil, 1918 ­ Ministério da Marinha).
Em julho de 1922, foi realizado um novo contrato para retomar e concluir as obras
na Ilha das Cobras, assinado por uma empresa nacional, a Companhia Mecânica
e Importadora de São Paulo, que ficou encarregada de construir um cais de 1.224
m e muros de proteção, concluir o grande dique, a carreira de 105 m, as oficinas,
as residências e a rede de esgoto e água. O contrato foi revisto em 1928, quando
foi entregue o dique Arthur Bernardes (atual Almirante Régis), e renovado até
o término das obras. Porém, com a Revolução de 1930, vários contratos de obras
foram revistos pelo governo, que abriu inúmeras sindicâncias. Com o AMRJ não foi
diferente, seu contrato foi rescindido em 1931, o que não significou a paralisação das
obras, que foram concluídas pela própria Marinha (Brasil, 1920-1933 ­ Ministério
da Marinha; Fleming (1928)).
Nos anos 1930 e 1940, o AMRJ, agora localizado apenas na Ilha das Cobras,
retomou a posição de indústria motriz na construção naval brasileira. Com o
lançamento ao mar do monitor Parnaíba, em novembro de 1937, até 1946 foram
construídas 22 embarcações, incluindo seis navios mineiros (550 t, 57 m, 1.300
HP), nove contratorpedos (média de 1.400 t, 98 m) e as demais de pequeno porte
(Brasil, 1937-1946 ­ Ministério da Marinha; Mendonça e Vasconcelos (1959)). Nos
anos seguintes, o ritmo desacelerou com mais três embarcações em 1950, e quatro,
entre 1957 e 1958. Uma retomada importante, no entanto, bem abaixo do padrão
dos estaleiros dos países centrais.
324

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

Durante a Segunda Guerra, com as dificuldades para importar, as demandas
do novo AMRJ eram atendidas pela indústria nacional, sobretudo a localizada no
Rio de Janeiro. Porém, o problema da falta de aço foi solucionado somente com a
entrada em operação da Companhia Siderúrgica Nacional, em 1946.
3.2. Estaleiros privados
A construção naval brasileira, nos primeiros anos da República, enfrentou
dificuldades estruturais, dada à incapacidade de o país incorporar os adventos da
Segunda Revolução Industrial: aço, química, grande indústria pesada e capital
financeiro. As bases da construção naval sofreram mudanças radicais com a
introdução do aço e de componentes elétricos, ambos inexistentes na incipiente
indústria brasileira. No Rio de Janeiro, os pequenos e médios estaleiros ainda
operavam, mas eram incapazes de dar saltos diante das dificuldades técnicas e
financeiras da economia brasileira. O aumento da frota mercante nacional respondia
positivamente nos estaleiros cariocas, mas, por outro lado, com o aumento no
volume de carga transportada, os navios não encontravam suporte técnico junto
aos que, na sua grande maioria, eram carentes de equipamentos pesados. Com a
expansão urbana na capital da República, os estaleiros situados na Saúde foram
sendo deslocados para o bairro do Caju, como o de Felismino, Soares & Cia, o da
Sociedade Anônima de Construções Navais e o de Vicente dos Santos Caneco, e,
em Niterói, ficaram concentrados na Ponta da Areia, nas ruas Barão do Amazonas
e Barão de Mauá.
O estaleiro de Antônio Gomes Moraes encarregava-se de construir lanchas,
rebocadores, catarias, pontes e outros serviços relacionados à construção naval
(Almanak Laemmert, 1898). O de Manuel Henrique Silveira, localizado na Praia do
Caju, dispunha de serviços de mortona a vapor, encarregava-se da construção e dos
reparos navais e podia fazer encalhes de embarcações de até 61m. Havia também os
estabelecimentos especializados na carga e na descarga de navios, como o de Cláudio
Correa Louzado, que também ofereciam serviços de reboque com lanchas, chatas,
catraias e saveiros, construíam e reformavam embarcações (Almanak Laemmert,
1900).
Além das cidades do Rio de Janeiro e de Niterói, em Cabo Frio também havia
estaleiros, como o de Alfredo Matos & Irmãos, de Arsênio José de Mello e de João
da Motta. Fora do Estado do Rio de Janeiro, a maior concentração era em Porto
Alegre, com os estaleiros de Alcaraz & Cia, Emílio Malvilde, José Becker e Irmãos e
Só & Filho (Almanak Laemmert, 1900-1920). Em Santa Catarina, havia pequenos
estaleiros artesanais, localizados em Itajaí, como o de João Mafra Tabalipa, João
G. Fagundes, José Inácio da Silva e Antônio da Souza Cunha Júnior (Machado
1979).
Segundo Antônio Alves Gamora, num estudo publicado, em 1907, sobre A
construção naval no Brasil e seu progresso em todo o litoral brasileiro, próximo aos
portos, aos canais e ao estuário, sempre houve a presença de estaleiros de pequeno
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

325

Alcides Goularti Filho

ou grande porte para atender às demandas da navegação local e realizar reparos
navais. Porém, a presença de pequenos estaleiros em diversas cidades portuárias
brasileiras não significou a continuação da indústria da construção naval em todas
elas.
Mesmo com a presença de vários estaleiros pequenos na capital e em Niterói,
o aglomerado começou a se concentrar em torno dos de maior porte, como o da
Companhia Nacional de Navegação Costeira, fundado em 1895 pela Casa Lage &
Irmãos, localizado na Ilha do Viana. Outro destaque foi o estaleiro de Vicente dos
Santos Caneco, fundado em 1886, localizado no Caju. A Companhia Comércio e
Navegação, em 1905, adquiriu as antigas instalações do Barão de Mauá, e fundou,
na Ponta da Areia, o Estaleiro Mauá.
A Lage & Irmãos, fundada em 1882, que atuava no ramo de importação de
carvão e serviço de estiva, adquiriu a Ilha do Viana, em Niterói, e construiu um
estaleiro que começou a funcionar em 1895 (Bossle 1981). Já em 1906 o Estaleiro
Lage & Irmãos anunciava que, ao redor da ilha, havia profundidade suficiente para
atracar navios de qualquer calado, possuindo um espaçoso dique, inaugurado em
1901. O estabelecimento, dividido em dez seções, era especializado em reparos de
qualquer natureza, inclusive dos navios movidos a eletricidade, e na construção de
embarcações de diversos tamanhos (Almanak Laemmert, 1906).
Nos anos 1920, foram remodelados para a Marinha os cruzadores Bahia e Rio
Grande do Sul, que passaram a utilizar óleo diesel como combustível, além de
reestruturar todo o sistema elétrico. A reforma desses dois cruzadores demonstrava
o potencial do Estaleiro Lage & Irmãos, tanto para construir novas embarcações,
como para repará-las (Telles 2001). A Lages & Irmãos, mais tarde transformada
em Organização Henrique Lage, além de proprietária da Navegação Costeira, a
mais eficiente durante a Primeira República, também possuía salinas no Nordeste
e minas de carvão em Santa Catarina.
Devido a problemas financeiros, com débitos junto ao Banco do Brasil e ao
Tesouro, em 1942 os bens da Organização Lage foram incorporados ao Patrimônio
Nacional. Por conta da guerra, foram construídas, nas dependências desse estaleiro,
seis corvetas e seis caças submarinos (Telles 2001). Nas décadas seguintes, o
estaleiro da Ilha do Viana especializou-se em reparos da frota mercante estatal,
principalmente da Companhia de Navegação Lloyd Brasileiro.
Vicente dos Santos Caneco começou com um pequeno estaleiro de reparos navais
na Saúde, em 1886. Em 1909, transferiu suas instalações para a Praia do Retiro
Saudoso, no Caju, com capacidade para construir navios de até 2.500 toneladas,
numa área construída de 12.000 m2 e uma ponte guindaste com capacidade
para suspender até 5.000 toneladas. Atendia às encomendas do Ministério da
Guerra e de pequenas embarcações (Liga Marítima, 1916). Em 1910, foi construído
para a Marinha o rebocador Tenente Rosa e, durante a Primeira Guerra, o
veleiro Presidente Wenceslau, com 800 toneladas de deslocamento (Telles 2001).
O Estaleiro Caneco tornou-se um dos símbolos da construção naval brasileira
pós-1960.
A Companhia Comércio e Navegação, fundada em 1905, adquiriu as instalações
326

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

do antigo Estaleiro Mauá, onde construiu o dique Lahmeyer, inaugurado em 1911,
na época, o maior da América Latina. Ocupando uma área de 24.000 m2 , dispunha
de uma ponte rolante elétrica de 10 toneladas e demais equipamentos modernos
para construção de embarcações de até 22 m, inclusive com componentes elétricos.
Também atendia às demandas da Marinha de Guerra no reparo das embarcações de
vários tipos (Companhia Comércio e Navegação, 1920). O Estaleiro Mauá também
foi um dos pilares da indústria da construção naval pesada pós-1960.
No final dos anos 1920, o setor estava mais concentrado e a ausência do AMRJ
na construção naval gerava efeitos contraditórios no aglomerado de estaleiros.
Por um lado, reduziram-se as encomendas de peças, equipamentos e insumos,
por outro, abriu-se espaço para os estaleiros privados atenderem às demandas da
Marinha. Como as exigências navais da Marinha eram elevadas, os serviços eram
apenas realizados por estaleiros que dispusessem de equipamentos pesados e diques
espaçosos, como era o caso do Mauá, do Caneco e do Lage.
Na tabela abaixo, podemos ter um panorama geral do setor no ano de 1927,
elaborado do Thiers Fleming, num estudo realizado sobre as deficiências do setor
brasileiro de navegação.
Tabela 7
Panorama geral dos principais estaleiros localizados no Rio de Janeiro e Niterói em 1927
Estaleiro

Área disponível(m2 ) Capital(contos de réis) Trabalhadores

Companhia Nacional de Navegação Costeira

226.000

11.000

1.800

Lloyd Brasileiro

133.600

60.000

2.141

Companhia Comércio e Navegação

39.000

15.000

333

Vicente de Souza Caneco & Cia

32.040

350

150

M. S. Lino

31.100

2.500

200

Prado Peixoto & Cia

12.000

200

661

SA Estaleiro Guanabara

7.500

5.000

444

SA Construções Navais

3.600

600

Fonte: Fleming (1927, p. 133).

Tendo como referência a área construída, o estaleiro da Ilha do Viana,
de Henrique Lage, era o maior do país, com 226.000 m2 , empregando 1.800
trabalhadores. Até o ano de 1927 foram executadas as seguintes obras navais:
reparos da esquadra inglesa do Atlântico Sul, do navio África e dos ex-alemães
arrastados durante a Primeira Guerra Mundial, além da construção dos paquetes
Itaquatiá e Itaguassu (ambos com 3.500 t, 88 m e 1.040 HP), incorporados à frota
da Navegação Costeira em 1922, na época eram os dois maiores navios construídos
num estaleiro privado (Fleming 1927). No ano seguinte, foi lançado ao mar um navio
tanque, encomendado pelo governo argentino, com 56 m e 1.400 t, com capacidade
para transportar dez tanques de 750 m2 de petróleo (Brando 1958).
O segundo maior estaleiro era o da estatal Companhia de Navegação Lloyd
Brasileiro, a mais importante companhia de navegação brasileira, com 133.000
m2 , empregando 2.141 trabalhadores. O Lloyd Brasileiro possuía duas bases para
realizar os seus reparos navais, uma, na Ilha de Mocanguê, e outra, na Ilha da
Conceição, ambas em Niterói. Também realizavam reparos de navios de companhias
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

327

Alcides Goularti Filho

privadas, por exemplo, até o ano de 1927 foram docados 84 navios no dique um,
sendo oito privados, e no dique dois, 87 navios, sendo onze privados (Fleming 1927).
No estaleiro Vicente dos Santos Caneco, como 39.000 m2 , empregando 333
trabalhadores, até o ano de 1915, foram construídas três lanchas a vapor de 15
m, um rebocador de 20,5 m, doze lanchas pequenas, quinze chatas de 100 t
cada, quatro barcas para a Secretaria da Saúde Pública, somando 492 t, doze
escolares para a Marinha e quatro baleeiras (Liga Marítima, 1916). Ou seja,
apenas embarcações de pequeno porte, portanto, incapaz de atender à crescente
demanda da Marinha Mercante Nacional que, necessariamente, deveria acompanhar
a performance inovativa da navegação gestada nos países centrais. Na tabela abaixo,
podemos observar as maiores embarcações construídas até o ano de 1925 pelo
Caneco. Observa-se, também, que a embarcação Presidente Wenceslau ainda era de
madeira, deslocava apenas 802 t, enquanto a Marinha fazia encomenda no exterior
de até 27.500 t, e as companhias privadas adquiriam cargueiros de 7.000 t.
Tabela 8
Embarcações construídas pelo Estaleiro Vicente dos Santos Caneco & Cia até 1925
Nome da embarcação

Deslocamento(t) Base do casco Ano

Presidente Wenceslau

802

Madeira

1910

Barca Farol Bragança

592

Madeira

1918

Rebocador Ipiranga

300

Ferro

Iate Tenente Rosa

160

Madeira

Barca de Vigia Sattamini

160

Madeira

Rebocador Mocanguê

80

Ferro

1910
1908

Fonte: Fleming (1927).

O Estaleiro Mauá, de propriedade da Companhia Comércio e Navegação, tinha
uma área de 32.040 m2 , empregava 150 trabalhadores e realizava reparos da sua
própria frota (composta de 20 navios, somando 43.900 t), para a Casa Matarazzo
e a Brazil River Plate Line (COMPANHIA COMÉRCIO E NAVEGAÇÃO, 1920).
Além dos acima citados, no final dos anos 1920, em Niterói, ainda havia outros
três estaleiros: Estaleiro Fluminense de Joaquim Canela da Costa, Estaleiro J.
Quaresma e Estaleiro Martins. No Rio de Janeiro havia três empresas de estiva,
também com serviços de estaleiro: Zurches & Chiviamann, Companhia Serviço de
Portos e The Brazilian Coal Company Ltda. (Almanak Laemmert, 1928-1929).
As novas demandas e a renovação da frota mercante nacional eram impossíveis
de ser atendidas pela indústria naval local, pois o acelerado processo de inovação
tecnológica exigia de outros segmentos peças e equipamentos com base no aço,
na eletricidade e na mecânica pesada, e, para completar, ainda não havia
disponibilidade de crédito de longo prazo. Os navios dos anos de 1920 e 1930 eram
grandes estruturas com base no aço, um insumo pouco disponível no mercado
nacional. Sendo assim, a expansão da construção naval pesada estava condicionada
à implantação da grande indústria siderúrgica, do carvão metalúrgico, do aumento
da oferta de energia e do banco de fomento.
328

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

Segundo o engenheiro naval Braconnot (1936), na década de 1930 ainda era
impossível a construção naval pesada dar saltos no país, uma vez que grande parte
da matéria-prima e dos componentes eram importados. Num cálculo realizado por
Branconnot, em 1936, podemos ver a dimensão da "dependência" da indústria naval
brasileira dos importados:
· Madeira: toda ela nacional;
· Aço laminado: 90% importados;
· Aço e ferro fundido: todo ele nacional, exceto as partes integrantes das máquinas;
· Bronze, ligas, tintas e vernizes: todos eles nacionais;
· Material para instalação elétrica: 20% importados;
· Máquinas: 80% importadas;
· Aparelhos e equipamentos: 90% importados.
O acelerado processo de industrialização dos anos de 1950 encarregou-se de
eliminar esses gargalos para a formação de um parque industrial naval pesado.
O aglomerado inter-relacionado de estaleiros navais, que havia arrefecido nas
primeiras décadas do século XX, a partir do Plano de Metas, ganhou força, e
novas indústrias assumiram o comando do papel de empresa motriz.
3.3. Marinha mercante
A política de estímulo aos transportes da jovem República era a mesma do
velho Império: a prioridade era das ferrovias, com as garantias de juros; num
segundo plano, vinha a navegação fluvial e marítima, com as subvenções. Mesmo
num segundo plano, a República trouxe duas mudanças para a Marinha Mercante
Brasileira: a proteção nacional à cabotagem e a fundação do Lloyd Brasileiro.
No parágrafo único do artigo 13 da Constituição de 1891, estava expresso que
a navegação de cabotagem deveria ser feita apenas por navios nacionais. Como a
Marinha Mercante é reserva da Marinha de Guerra, a nacionalização da cabotagem
seria uma forma de garantir a rápida intervenção no setor.
O preâmbulo da Decreto n. 208, de 19 de fevereiro de 1890, que organizou o
Lloyd Brasileiro, afirmava que a nova companhia também serviria como auxiliar da
Armada Nacional em caso de guerra. Inicialmente, o Lloyd Brasileiro foi constituído
a partir da fusão da Companhia Brasileira de Navegação a Vapor com a Companhia
Nacional de Navegação a Vapor e a Companhia Espírito Santo e Caravelas. Nos
anos seguintes, ele passou por várias dificuldades que levaram à sua reestruturação,
chegando até a sua dissolução. Mesmo assim, seguiu uma trajetória de crescimento
e de incorporação de empresas e novas linhas, e tornou-se o sinônimo de Marinha
Mercante Nacional até os anos 1980.
Ao lado do Lloyd Brasileiro, que já nasceu como uma grande empresa,
destacavam-se a Companhia Pernambucana e a Companhia do Maranhão, que
também eram subvencionadas. Nos anos seguintes, surgiram mais duas grandes
empresas que ampliaram a frota mercante nacional: a Companhia Nacional de
Navegação Costeira, fundada em 1891, e a Companhia Comércio e Navegação
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

329

Alcides Goularti Filho

(CCN), criada em 1905. Em 1910, já eram 24 companhias de navegação fluvial e
marítima, sendo 12 subvencionadas, 10 que recebiam os mesmos favores que tinha
o Lloyd Brasileiro e as demais eram apenas fiscalizadas (Brasil, 1911 ­ Ministério
da Indústria, Viação e Obras Públicas).
Tabela 9
Frota mercante da Companhia Comércio e Navegação e da Companhia Nacional de
Navegação Costeira 1905-1927
Ano Companhia de Navegação Companhia Nacional de Companhia Comércio e
Lloyd Brasileiro

Navegação Costeira

Navegação

67

18

13

1916

57

20

19

1920

98

21

19

1925

92

22

16

1930

82

24

1935

74

25

1940

81

1905

29

1910

11

Fonte: Relatórios do Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas, vários anos.
Relatórios da Companhia de Navegação Lloyd Brasileiro, vários anos.

As três maiores companhias utilizavam os serviços de reparos de seus próprios
estaleiros. O Lloyd Brasileiro, na Ilha de Mocanguê e na Ilha da Conceição, a
Navegação Costeira, na Ilha do Viana, e a Comércio e Navegação, na Ponta da
Areia, todos em Niterói. Os demais estaleiros prestavam serviços para o restante
da frota mercante nacional que passava pelo Rio de Janeiro. O AMRJ, além de
fazer os serviços de construção e reparos, também atendia às companhias privadas
de navegação nacionais e estrangeiras. Já as aquisições de novas embarcações para
serem incorporadas à frota eram todas encomendadas em estaleiros no exterior,
ou seja, nem mesmo as companhias privadas de navegação oportunizavam a
expansão da construção naval brasileira. Na tabela abaixo, podemos acompanhar
as aquisições da Navegação Costeira.
Tabela 10
Aquisições realizadas pela Companhia Nacional de Navegação Costeira
Cargueiro Ano da aquisição Deslocamento(t) Comprimento(m)

País de origem

Arary

1919

1.800

67

Araranguá

1927

7.000

115

França
Itália

Aratimbó

1928

7.000

115

Itália

Arariba

1933

7.000

76

Canadá

Fonte: Disponível em http://www.naviosmercantesbrasileiros.hpg.com.br. Acesso em abril 2009.

O Lloyd Brasileiro, para amenizar o problema da obsolescência da frota,
durante a gestão de Manuel Buarque de Macedo, de 1906 a 1911, mediante os
empréstimos externos realizados junto à N. M. Rothschild & Comp., adquiriu
treze novas embarcações construídas em estaleiros ingleses, sendo seis de 3.400
330

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

t de deslocamento e as demais, entre 1.100 e 1.800 t (Lobo 1922). Em 1937,
foram adquiridos mais quatro cargueiros em estaleiros holandeses, medindo cada
um 102 m e 5.800 t de deslocamento (Companhia de Navegação Lloyd Brasileiro,
1942-1945).
Nos anos de 1920, além de um novo surto na produção de café, da decadência
na produção de borracha e da expansão de outros complexos agrários regionais,
assistimos também uma diversificação da economia brasileira com o surgimento
de segmentos industriais mais dinâmicos, porém ainda com baixa capacidade de
produção e acumulação, como cimento, ferro, metal-mecânico, papel e celulose,
produtos de borracha, químicos e frigoríficos (Suzigan 2000; Cano 1990). Esse
movimento rebatia nos portos e na navegação, via exportações ou importações, que,
por um lado, exigiam maior atuação das companhias de navegação para atender
às demandas nacionais que estavam num rápido processo de integração comercial
(Goularti Filho 2007). Por outro lado, a proteção nacional ao transporte marítimo
de cabotagem, garantido pela Constituição de 1891, e a expansão das companhias
Lloyd Brasileiro, Navegação Costeira e Comércio e Navegação exigiam um novo
arranjo institucional para regular e ordenar a Marinha Mercante Brasileira.
As transformações na base econômica, nos anos 1920, aos poucos iam forjando
no Brasil uma nova composição política. O Estado de compromisso que nasce
imediatamente após a Revolução de 1930, demonstrava o caráter abrangente das
classes e frações de classes que assumiram o comanda do Estado. Oligarquias
agrárias, industriais, classes médias e militares compuseram um amálgama na
estrutura do Estado que, sob o comando de Getúlio Vargas, pendulava e
seguia rumo ao projeto nacional de industrialização (Fausto 1976). Este projeto
ganha mais contorno quando são executadas as obras de implantação do parque
siderúrgico, elétrico e a modernização dos transportes, todos comandados a partir
dos interesses do Estado (Draibe 1985).
O novo padrão de acumulação, que emergiu nos anos de 1930, pautado na
industrialização e na urbanização, desenhou um novo arranjo para o sistema de
transporte no Brasil. A falta de uma malha ferroviária interiorana integrada e
a presença de um sistema fluvial fragmentado exigiam uma resposta rápida e
eficaz para atender às demandas regionais. Diante das exigências impostas pela
industrialização em marcha, o Estado viu-se obrigado a assumir várias funções
em que havia inércia empresarial, falta de comando e de capital. A expansão e
a integração do mercado interno aumentavam o fluxo mercantil e de pessoas. O
problema de baixa acumulação, que persistia na Marinha Mercante Brasileira,
somente poderia ser solucionado com uma intervenção estatal, definindo novos
rumos para o setor.
A resposta veio com a criação, em 1941, do Conselho da Marinha Mercante
(CMM), respaldada pelo Decreto-Lei n. 1.951, de 30 de dezembro de 1939, que
inaugurou um novo regime jurídico para a navegação, garantindo à União o direito
de explorar, conceder e autorizar os serviços da navegação marítima, fluvial e
lacustre, e consagrou a presença do Estado no setor. Essa participação ativa
do Estado vinha seguindo uma trajetória ascendente desde a criação do Lloyd
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

331

Alcides Goularti Filho

Brasileiro.
No período compreendido entre a criação da Comissão da Marinha Mercante
(CMM) e a à criação do Fundo da Marinha Mercante (FMM), em 1958, assistimos
ao afastamento do Ministério da Marinha do setor, a deterioração da frota mercante
e a sua instrumentalização política, que culminou com a unificação dos objetivos
da Marinha Mercante com os da construção naval.
A implementação da indústria da construção naval pesada no sistema nacional
de economia (List 1986), só foi possível porque já havia um aglomerado
inter-relacionado de estaleiros navais, localizados no Rio de Janeiro. Havia uma
trajetória de aprendizado acumulado no aglomerado. O Plano de Metas, por meio
da Meta 28, não repôs as condições herdadas do passado, mas sim fez rupturas
e avançou, iniciando um novo processo para a indústria da construção naval e a
Marinha Mercante Brasileira, criando oligopólios competitivos. Ishibrás e Verolme,
estaleiros de capital externo recém-instalados no Brasil, juntamente com o Caneco
e o Mauá, passaram a exercer o comando de "indústrias motrizes", criando uma
performance inovativa no aglomerado.
4. Considerações Finais
Numa perspectiva da longa duração, a formação, a expansão e a consolidação do
aglomerado de estaleiros navais, localizados no Rio de Janeiro e em Niterói, durante
todo o século XIX e a primeira metade do XX, estavam condicionadas ao padrão
de acumulação da economia brasileira. Os refluxos no aglomerado foram sentidos
justamente nos momentos de mudanças da performance inovativa, na transição de
um paradigma tecnológico para outro, que coincidem com a mudança no padrão
de acumulação da economia brasileira.
Durante o Império, enquanto a madeira era a base da indústria naval, o Brasil,
com uma imensa reserva florestal, obteve avanços significativos que possibilitaram
o surgimento de um aglomerado de estaleiros no Rio de Janeiro e em outras
cidades portuárias, como Salvador, Recife, Porto Alegre e Belém. A mudança
do paradigma tecnológico na construção naval com base na madeira para o ferro
ocorreu na Inglaterra, em meados do século XIX. No Brasil, podemos assistir a uma
mudança parcial, durante a Guerra do Paraguai, dentro do AMC, que se viu na
obrigação de construir os primeiros encouraçados brasileiros. Porém, a acumulação
horizontal extensiva e a baixa capacidade técnica e financeira dos estaleiros privados
impediram que dessem saltos quantitativos e qualitativos.
No início da República houve um processo de centralização no aglomerado de
estaleiros, que não resistiu à transição da construção naval para o ferro. Mesmo
assim, o nível de complexidade das embarcações construídas no território nacional
ainda era com base nos adventos do paradigma tecnológico antigo. No final do século
XIX, as pequenas fundições cariocas atendiam a demandas de baixa intensidade,
andando na contramão da moderna indústria naval que exigia vultosos volumes de
ferro e mecânica.
332

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

A centralização no aglomerado resultou no fortalecimento de três grandes
estaleiros: CCN, Caneco e Lage. Porém, incapazes de incorporar os adventos da
Segunda Revolução Industrial, pautada no aço, na química, na eletricidade e no
capital financeiro. Já nos anos 1930, quando o padrão de acumulação da economia
brasileira passou a ser comandado pela industrialização, o aço, a mecânica elétrica
e o diesel definiam o novo paradigma tecnológico na indústria naval nos países
centrais. Mesmo com avanços na base industrial brasileira, a oferta desses insumos
ainda era insuficiente para prover uma construção naval pesada. A situação se
reverteu somente com a implantação da grande indústria siderúrgica e da indústria
eletro-metal-mecânica pesada, durante os anos 1950, definindo um novo padrão
de acumulação para a economia brasileira. A criação do Banco Nacional de
Desenvolvimento Econômico (BNDE), do FMM e da TRMM desataram o nó do
financiamento.
Com relação ao papel desempenhado pela indústria motriz, o AMC e o
Estaleiro Mauá cumpriram essa função durante o Segundo Reinado. A suspensão
momentânea das atividades de construção no AMRJ e a falência do Estaleiro Mauá
pulverizaram o comando centralizado em torno dos estaleiros CCN, Caneco e Lage.
A retomada das atividades de construção naval no novo arsenal da Ilha da Cobras,
em 1937, recolocou o AMRJ na condição de indústria motriz. A partir dos anos
1960, o comando passou a ser exercido pelas duas grandes multinacionais, Ishibrás e
Verolme, atraídas para o Brasil no bojo do Plano de Metas, que marca o nascimento
da indústria da construção naval pesada. Esse é o path dependence da indústria da
construção naval pesada brasileira.
Relatórios, Almanaques, Revistas e Leis
Almanak Laermmert. Almanak Administrativo, mercantil e industrial. Rio de
Janeiro: Tipografia Laemmert, 1884-1889. Disponível em http:\\www.crl.edu/
content/almanak2.htm. Acesso em fevereiro a abril de 2008 (Série completa).
Almanak Laermmert. Almanak administrativo, mercantil e industrial. Rio de
Janeiro: Tipografia Laemmert, 1890-1929 (Série completa disponível no Instituto
Histórico e Geográfico Brasileiro).
Brasil. Balanço das receitas e despesas do Império. Rio de Janeiro: Imprensa
Nacional, 1850-1888. Disponível em http://memoria.nemesis.org.br/index.
php. Acesso em outubro a dezembro de 2008.
Brasil. Balanço das receitas e despesas da República. Rio de Janeiro: Imprensa
Nacional, 1890-1914. Disponível em http://memoria.nemesis.org.br/index.
php. Acesso em outubro a dezembro de 2008.
Brasil. Coleção de Leis do Império do ano de 1833. Rio de Janeiro: Tipografia
Nacional, 1834. Disponível em http://www2.camara.gov.br/legislacao/
publicacoes/doimperio. Acesso em fevereiro a abril de 2008.
Brasil. Coleção de Leis do Império do ano de 1852. Rio de Janeiro: Tipografia
Nacional, 1852. Disponível em http://www2.camara.gov.br/legislacao/
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

333

Alcides Goularti Filho

publicacoes/doimperio. Acesso em fevereiro a abril de 2008.
Brasil. Relatórios do Ministério da Agricultura, Indústria, Viação e Obras
Públicas apresentado à Assembléia Geral Legislativa. Rio de Janeiro: Imprensa
Nacional, 1870-1888. Disponível em http://www.crl.edu/brazil/ministerial/
agricultura. Acesso em fevereiro a abril de 2008 (Série completa).
Brasil. Relatórios do Ministério da Viação e Obras Públicas apresentado
ao Presidente da República. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1890-1927.
Disponível em http://www.crl.edu/brazil/ministerial/industrias_viacao_
e_obras_publicas. Acesso em fevereiro a abril de 2008 (Série completa).
Brasil. Orçamento das despesas e receitas do Império. Rio de Janeiro: Tipografia
Nacional, 1833-1889. Disponível em http://memoria.nemesis.org.br/index.
php. Acesso em abril de 2009.
Brasil. Orçamento das despesas e receitas do Ministério da Marinha. Rio de
Janeiro: Imprensa Nacional, 1890-1920. Disponível em http://memoria.nemesis.
org.br/index.php. Acesso em abril de 2009.
Brasil. Relatórios dos Negócios do Ministério da Marinha apresentado à
Assembléia Geral Legislativa. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1827-1888.
Disponível em http://www.crl.edu/brazil/ministerial/marinha. Acesso em
fevereiro a abril de 2008 (Série completa).
Brasil. Relatórios dos Negócios do Ministério da Marinha apresentado ao
Presidente da República. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1890-1959. Disponível
em http://www.crl.edu/brazil/ministerial/marinha. Acesso em fevereiro a
abril de 2008 (Série completa).
Liga Marítima. Os nossos construtores navais: Napoleão João Baptista Leve. Rio
de Janeiro: Liga Marítima Brasileira, n. 85, julho de 1914.
Liga Marítima. Uma visita da Liga Marítima Brasileira aos estaleiros e oficinas
do Sr. Vicente dos Santos Caneco. Rio de Janeiro: Liga Marítima Brasileira, n.
109, julho de 1916.
Liga Marítima. A construção naval no Brasil quando Colônia, Império e
República 1555-1918. Rio de Janeiro: Liga Marítima Brasileira, n. 135, setembro
de 1918.
Lloyd Brasileiro. Relatórios apresentado ao Ministro da Viação e Obras Públicas.
Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1917-1923 e 1942-1967 (Séries completas).
Lloyd Brasileiro. Anuários do Lloyd Brasileiro. Rio de Janeiro, 1970-1985 (Série
completa).

334

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

História Econômica da Construção Naval no Brasil: Formação de Aglomerado e Performance Inovativa

Referências bibliográficas
Bossle, O. P. (1981). Henrique Lage e O Desenvolvimento Sul Catarinense. Ed. da UFSC,
Florianópolia.
Braconnot, C. P. (1936). Possibilidades da construção naval pela indústria particular.
In Fleming, T., editor, A Construção Naval no Brasil. Jornal do Commercio, Rio de
Janeiro.
Brando, P. (1958). Por Que Não Temos Construção Naval? Pongetti, Rio de Janeiro.
Braudel, F. (1992). Escritos Sobre a História. Perspectiva, São Paulo.
Camara, A. A. (1888). Ensaios Sobre as Construções Navais Indígenas do Brasil.
Tipografia de Leuzinger & Filho, Rio de Janeiro.
Cano, W. (1990). Raízes da Concentração Industrial em São Paulo. Hucitec, São Paulo.
Carvalho, J. M. (1997).
As forças armadas na Primeira República: O poder
desestabilizador. In Fausto, B., editor, O Brasil Republicano: Sociedade e Instituições
1889-1930. Bertand do Brasil, São Paulo.
Companhia Comércio e Navegação (1920). As grandes empresas brasileiras: Pereira
Carneiro & Cia. Ltda.
Rio de Janeiro: Société de Publicité Sud-Americaine
Monte-Domecq.
Draibe, S. (1985). Rumos e Metamorfoses: Um Estudo sobre a Constituição do Estado e
as Alternativas da Industrialização no Brasil 1930-1960. Paz e Terra, Rio de Janeiro.
Fausto, B. (1976). A Revolução de 1930. Brasiliense, São Paulo.
Ferreira Neto, F. (1974). 150 Anos de Transportes no Brasil 1822-1972. Centro de
Documentação e Publicação, Brasília.
Fleming, T. (1927). Carvão, Munições e Navios. Pimenta de Mello & Cia., Rio de Janeiro.
Fleming, T. (1928). O Novo Arsenal de Marinha na Ilha das Cobras. Companhias
Melhoramentos, São Paulo.
Goularti Filho, A. (2007). Melhoramentos, reaparelhamentos e modernização dos portos
brasileiros: A longa e constante espera. Economia e Sociedade, 16(3(31)).
Greenhalgh, J. (1951). O Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro na História 1763-1822.
Editora A Noite, Rio de Janeiro.
Greenhalgh, J. (1965). O Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro na História 1822-1889.
IBGE, Rio de Janeiro.
List, G. F. (1986). Sistema Nacional de Economia Política. Nova Cultural, São Paulo.
Lobo, E. M. L. (1978). História do Rio de Janeiro: Do Capital Comercial ao Capital
Industrial e Financeiro. IBMEC, Rio de Janeiro.
Lobo, U. (1922). Notícia Histórica e Avaliação dos Bens do Lloyd Brasileiro. Empresa
Brasil Editora, Rio de Janeiro.
Machado, J. M. P. (1979). O desenvolvimento da construção naval em Itajaí, Santa
Catarina: Uma resposta ao mercado local 1905-1950. Master's thesis, Universidade
Federal de Santa Catarina.
Mauá, V. (1996). Exposição aos Credores e ao Público 1878. Exped, Rio de Janeiro.
Mendonça, M. F. & Vasconcelos, A. (1959). Repositório de Nomes dos Navios da Esquadra
Brasileira. SDGM, Rio de Janeiro.
Nelson, R. R. (2006). As Fontes do Crescimento Econômico. Editora da Unicamp,
Campinas.
Paula, E. S. (1995). A Marinha de Guerra. In Holanda, S. B., editor, O Brasil Monárquico:
Declínio e Queda do Império. Bertand do Brasil, Rio de Janeiro.
EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011

335

Alcides Goularti Filho

Perroux, F. (1967). A Economia do Século XX. Herder, Lisboa.
Queiroz, J. R. (1880). Causas da Decadência da Marinha Mercante do Brasil e Meios
Práticos de Ampará-la. Tipografia Econômica, Rio de Janeiro.
Rosenberg, N. (2006). Por Dentro da Caixa Preta: Tecnologia e Economia. Editora da
Unicamp, Campinas.
Silva, F. R. S. (1902). Resumo Histórico das Companhias de Navegação a Vapor
Subvencionadas e Privilegiadas nos Estados Unidos do Brasil de 1808 a 1900.
Tipografia da Estatística, Rio de Janeiro.
Suzigan, W. (2000). Indústria Brasileira: Origem e Desenvolvimento. Editora da Unicamp,
Hucitec, Campinas, São Paulo.
Telles, P. C. S. (2001). História da Construção Naval do Brasil. FEMAR, Rio de Janeiro.

336

EconomiA, Brasília(DF), v.12, n.2, p.309­336, mai/ago 2011