ENSINO SUPERIOR: trajetória histórica e políticas recentes
ADILSON PEREIRA DOS SANTOS
EUSTAQUIO AMAZONAS DE CERQUEIRA
RESUMO
Tradicionalmente, o Sistema Educacional Brasileiro e os seus diversos níveis de ensino são
identificados como excludentes. Reflete as desigualdades econômicas, sociais, políticas e
culturais do país. Lutas históricas pela democratização do acesso e garantia da permanência
marcam a trajetória educacional brasileira. Este trabalho analisa o ensino superior a partir de
uma reconstrução da sua trajetória histórica e apresenta uma leitura das políticas educacionais
recentes para o setor. Aborda, também, a gênese da universidade, a periodização do ensino
superior no Brasil e a descrição de alguns programas e/ou ações do Ministério da Educação na
perspectiva da ampliação do acesso e garantia da permanência. À guisa de conclusão, são
tecidas algumas reflexões acerca da repercussão das atuais políticas do governo Lula para a
educação superior.
PALAVRAS CHAVE: Ensino Superior; Trajetória Histórica; Democratização; Políticas de
Acesso e Permanência.
INTRODUÇÃO
O Brasil é um país marcado por desigualdades sociais. No entendimento de Scheinvar
(2007)
Cuando el tema es a desigualdad, entre un sinfín de injusticias y realidades inaceptables em el
mundo, Brasil há sido, en las últimas décadas, la gran referncia. Reconocido como el país con
las mayores dispridades del planeta, presenta, al mismo tiempo que logros tecnológicos,
productivos, académicos, científicos, culturales, un conjunto de miserias igualables a los de
naciones que han vivido bajo regímeres absolutistas de opresíon, impediendo el acesso de la
mayor parte de su pueblo a condiciones de vida mínimamente aceptables. Brasil es país de
contrastes tan grandes que la condición humana de casi 30 millones de personas puede
considerarse cuestionable. Otra parcela de la población, es decir, mas de 100 millones de
personas, sufren la inestabilidade, el terrorismo, la ameaza de perder su condicion de
ciudadanos. Bajo conceptos com el de "marginalidad" viven, trabajan, circulan personas que se
ven sometidas directamente a la lógica intempestiva de la explotación y que, en realidad, son
estructuralmente necesarios para la usura. En una nación de aproximadamente 180 millones de
habitantes, menos del 5%, o sea, unos 9 millones de personas, está en condiciones de participar
de la lógica que permite disfrutar, en alguma medida, de las riquezas producidas en este país.
(p. 7-8)

Do ponto de vista educacional, evidencia-se que quanto mais elevado é o nível de
escolaridade, maior é a sua capacidade de excluir. A história da educação brasileira, registra
uma evolução marcada pelas desigualdades, desde tempos remotos, conforme nos ensina
Saviani (2007, p.441). Neste interin, observa-se que o processo de democratização escolar no
Brasil, se iniciou pela ampliação do número de vagas, que não experimentou, na mesma
proporção, a garantia de condições de permanência a segmentos historicamente excluídos.
1

Estudiosos como Werebe (1994, p. 261) e Saviani (2004, p. 51) destacam ter havido um
significativo avanço do quantitativo das matrículas, que cobra medidas que venham sanar
deficiências dessa expansão, posto que "não basta abrir as portas das escolas (...); é preciso
que eles aí possam permanecer até concluirem os estudos que aspiram e para os quais têm
capacidade." (Werebe, idem).
À luz dessa reflexão, é elucidativa a constatação de Casassus (2007, p. 140) para quem
"... a escola faz sim uma diferença no que se refere à redução do impacto da desigualdade que
se observa na sociedade". Esse ponto de vista encontra ressonância na determinação do
Ministério da Educação, segundo a qual "o Brasil precisa democratizar e qualificar suas
insttiuições de ensino em todos os níveis" (Brasil, 2005, p. 3). Cury (2008), por sua vez
assevera que a
"... produção da desigualdade, de cujo peso a realidade atual ainda é detentora, vai nos
mostrando a face dos sujeitos da privação: negros, pardos, migrantes do campo e de regiões
mais pobres do país, trabalhadores manuais, moradores de bairros periféricos e pessoas fora da
faixa etária legal." (p. 9)

Assim, o objetivo deste trabalho consiste em analisar algumas políticas públicas
recentes direcionadas ao ensino superior brasileiro. Para alcançá-lo foi necessária uma breve
reconstrução da trajetória do ensino superior, na qual procurou-se destacar as lutas históricas
pela sua democratização e busca contribuir para a compreensão desta temática, alvo de
amplos interesses por parte de estudiosos e da sociedade em geral.
1. TRAJETÓRIA HISTÓRICA
1.1 A gênese da universidade
Para Trindade (2000), numa retrospectiva da instituição universitária, é possível
identificar quatro períodos:
1. Do século XII até o Renascimento, caracterizado como "período da invenção da
universidade em plena Idade Média em que se constituiu o modelo da universidade
tradicional, a partir das experiências precursoras de Paris e Bolonha, da sua
implantação em todo território europeu sob a proteção da Igreja." (p. 122)
2. No século XV, época em que a universidade renascentista recebe o impacto das
transformações comerciais do capitalismo e do humanismo literário e artístico,
mas sofre também os efeitos da Reforma e da Contra-Reforma.
3. A partir do século XVII, período marcado por descobertas científicas em vários
campos do saber, e do Iluminismo do XVIII, a universidade começou a
institucionalizar a ciência.
4. No século XIX, implantou-se a universidade estatal moderna, e essa etapa, que se
desdobra até os nossos dias, introduz uma nova relação entre Estado e
universidade.
Observa-se a partir dessa periodização, que os respectivos contextos políticos,
econômicos, sociais e culturais, influenciaram, em maior ou menor grau, a trajetória da
instituição universidade. Isso ocorrerá também na história do ensino superior brasileiro, como
veremos a seguir.
Com respeito ao desenvolvimento do ensino superior nas Américas, diferentemente do
que ocorreu no Brasil, colonizado pelos portugueses, em suas colônias, os espanhóis
transplantaram para o Caribe, já no início do século XVI, "a primeira universidade (Santo
Domingo, 1538) inspirada no modelo de Salamanca e até fins do século XVII se constituiu
uma rede de mais de uma dezena de instituições `públicas e católicas'" (Trindade 2000 apud.
2

Durham, 1998). Citando Benjamin (1964), Trindade (2000) esclarece ainda que "... as
colônias norte-americanas da costa leste, após enviarem seus filhos para estudar em Oxford e
Cambridge - de 1650 e 1750 - adotaram o modelo dos colégios ingleses, a partir de 1636, em
Cambridge (Harvard), Philadelphia, Yale e Princeton e Columbia." (P. 123)
1.2. Periodização do Ensino Superior no Brasil
A origem do ensino superior no Brasil data do século XIX, o que, na opinião de alguns
estudiosos, Cunha (1980) e Durham (2005), reflete o seu advento tardio. Para fins de
contextualização, neste trabalho pontuaremos algumas características do ensino superior
brasileiro, tendo como principal referência a periodização proposta por Durham (2005).
Recorreremos ainda a contribuições de outros autores.
1.2.1. Período Monárquico (1808 ­ 1889)
Para Portugal a aventura em terras brasileiras, na Colônia, se assemelhava ao
investimento numa empresa, unicamente, voltada para a exploração e a esse fim manteve-se
fiel. Para a Coroa Portuguesa não interessava a criação de instituições de ensino, muito menos
universidades, pois não era importante dar autonomia para a Colônia e assim, aqui no Brasil,
foram introduzidos alguns cursos, cuja sua conclusão ocorria em Portugal.
Até mesmo as iniciativas jesuítas de estabelecer seminários para a formação de um
clero brasileiro pararam na reforma efetuada por Pombal, ao expulsar a Companhia de Jesus
no final do século XVIII. "As primeiras Instituições de ensino superior foram criadas apenas em
1808 e as primeiras universidades são ainda mais recentes, datando de década de 1930" (Durham,
2005: p. 201). Apenas em 1808, quando toda a Corte se transferiu para a Colônia, após a

ameaça da invasão napoleônica, começou a história do ensino superior no Brasil. 1
Dois anos depois, em 1910, fundou-se a Academia Real Militar, que mais tarde se
transformaria na Escola Central e depois em Escola Politécnica, que passaria a Escola
Nacional de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em 1927 foram criadas
duas faculdades de Direito, uma em São Paulo e outra em Olinda.
Até então, havia somente a preocupação de implantar um modelo de escola autônoma
que formasse para as carreiras liberais: advogados, engenheiros e médicos, para atender às
necessidades governamentais e, ao mesmo tempo, da elite local.
1.2.2. Primeira República
A vinda da Família Real para o Brasil retardou o processo de independência,
provocando, por sua vez, também, o adiamento da criação da primeira universidade brasileira,
que só se deu na década de 1930. Proclamada a República, a Carta Magna permitiu a
descentralização do ensino superior e, assim, o aparecimento de novas instituições, tanto as de
caráter público (estaduais e municipais) como as da iniciativa privada. Esse novo momento no
cenário educacional permitiu, pela primeira vez, a criação de estabelecimentos confessionais
no país.
Entre 1889 e 1918 foram criadas no Brasil 56 novas escolas superiores, a grande
maioria privada. Era assim dividido o cenário da educação naquele momento: de um lado,
instituições católicas, empenhadas em oferecer uma alternativa confessional ao ensino
público, e, de outra, iniciativas de elites locais que buscavam dotar seus estados de
estabelecimentos de ensino superior. Desses, alguns contaram com o apoio dos governos
estaduais ou foram encampados por eles, outros permaneceram essencialmente privados.
(Idem, p. 201)
3

Começou naquele momento, a diversificação do sistema que vai perdurar até os dias
de hoje no âmbito do ensino superior brasileiro: instituições públicas e leigas, federais ou
estaduais, ao lado de instituições privadas, confessionais ou não.
1.2.3. A Década de 1920 e o Movimento de Modernização do Ensino
A industrialização do país trouxe, além das transformações econômicas, culturais e
urbanas, ideias de reformas do ensino como um todo, tendo no ensino primário público,
universal e gratuito, sua grande bandeira.
As mesmas pessoas que reformaram o ensino primário mais um grupo de cientistas
propuseram a reforma do ensino superior. A proposta seria substituir todo o sistema já
existente:
"O que se propunha era bem mais que a simples criação de uma universidade: era a ampla
reforma de todo o sistema de ensino superior, substituindo as escolas autônomas por grandes
universidades, com espaço para o desenvolvimento das ciências básicas e pesquisas (...)"
(Ibidem: p. 202).

1.2.4. A Década de 1930, fim da Primeira República
Em muitos países católicos, principalmente na América espanhola, a Igreja Católica
sempre esteve à frente do sistema de ensino, principalmente do ensino superior. No Brasil,
diferente desses países, a Igreja não conseguiu estabelecer o domínio desejado sobre o ensino.
Embora, facultativamente, tenha logrado êxito na introdução do ensino religioso nas escolas
públicas, nunca teve do governo a atribuição da tarefa de organizar com fundos públicos a
primeira universidade brasileira, mesmo prometendo, em troca, apoio ao novo regime. "A
reforma foi marcada por uma intensa disputa pela hegemonia em relação à educação, especialmente
em relação ao ensino superior, que então se travava entre as elites católicas conservadoras e
intelectuais liberais" (Ibidem, p.203, apud. Schwartzman, et al. 1991).

Nesse período todo o setor privado, especialmente o confessional, já era bem forte. As
primeiras estatísticas educacionais, em 1933, mostravam que as instituições privadas
respondiam por cerca 44% das matrículas e por 60% dos estabelecimentos de ensino superior.
Embora a clientela para essa estrutura fosse muito pequena, o número de alunos era de apenas
33.723.
A reforma do governo Vargas instituiu as universidades e definiu o formato legal ao
qual deveriam obedecer todas as instituições que viessem a ser criadas no Brasil, mas, não
propôs a eliminação das escolas autônomas e nem negou a liberdade para a iniciativa privada.
A partir da reforma, há uma retomada típica do período monárquico, na centralização,
por parte do governo, nas questões relacionadas ao sistema educacional superior. Segundo
Durham (2005), a universidade já nasceu conservadora: o modelo de universidade proposto
consistia, em grande parte, numa confederação de escolas que preservaram muito de sua
autonomia anterior.
1.2.5. A Segunda República ­ 1945 até 1964
Durante esse período, o sistema de ensino superior continuou crescendo lentamente até
1960, época da formação da rede de universidades federais; criação da Pontifícia
Universidade Católica do Rio de Janeiro (a primeira de uma série de universidades católicas);
expansão do sistema universitário estadual paulista e o surgimento de instituições estaduais e
municipais de ensino de menor porte em todas as regiões do país. Entre 1946 e 1960, foram
criadas 18 universidades públicas e dez particulares de maioria confessional católica e
presbiteriana (Sampaio, 2000: p. 70-71).

4

Na segunda metade da década de 1950, o movimento estudantil entrou em cena, pela
"reforma profunda de todo o sistema educacional" (Idem, p. 208). Para o movimento
estudantil, o mais importante era alterar toda a estrutura existente e romper com o modelo
resultante dos compromissos com o Estado Novo.
Apesar de tudo, podemos tratar esse período como uma das primeiras experiências de
expansão do sistema. Ao contrário do crescimento do setor privado, o que se pretendia era a
ampliação das vagas nas universidades públicas e gratuitas, que associassem o ensino à
pesquisa, com foco no desenvolvimento do país, aliado às classes populares na luta contra a
desigualdade social no ensino superior.
Uma das reivindicações da União Nacional dos Estudantes, a UNE, era a substituição
de todo o setor privado. Admitiam a manutenção das PUCs, do Rio de Janeiro e de São Paulo,
a partir do direcionamento da Igreja Católica para as causas sociais, com base nas teorias da
Teologia da Libertação. Mais tarde, essas instituições de ensino superior apoiaram o
movimento estudantil, por meio da juventude católica, que se transformou num segmento
importante na luta contra o regime militar.
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), votada em 1961, atendeu
aos anseios dos setores privatistas e conservadores, o que acabou por legitimar e ampliar o
sistema existente. A LDB se preocupou basicamente em estabelecer mecanismos de controle
da expansão do ensino superior e do conteúdo a ser trabalho.
1.2.6. O Regime Militar e a Reforma (1964 ­ 1980)
O movimento estudantil foi o principal foco de resistência ao regime militar, tendo a
universidade pública como baluarte. O regime radicalizou com os estudantes, a partir de um
decreto-lei do então presidente Castelo Branco, "vetou aos órgão de representação estudantil
qualquer ação, manifestação ou propaganda de caráter político-partidário, racial e religioso,
bem como incitar, promover ou apoiar ausências coletivas aos trabalhos escolares" (Ibidem, p.
210).
Longe de aquietar os ânimos dos estudantes, esse fato, na verdade, provocou atitudes
radicais por parte deles, culminando em grandes passeatas e embates entre os estudantes das
universidades públicas e os segmentos do setor privado que apoiavam o regime militar.
Como se sabe, o ano de 1968 foi o ápice de tudo 2 . O "maio de 1968 francês"
espalhou-se como um rastilho pelo mundo afora. No Brasil, o ano foi marcado pelas
reivindicações por mudanças sociais, políticas e culturais e terminou com a destruição do
movimento estudantil pelo governo militar. As universidades ficaram sob a vigilância do
governo por mais de 10 anos.
Depois de derrotar o movimento estudantil, o governo militar promoveu uma profunda
reforma no ensino superior. Alguns membros do governo, mesmo tendo rechaçado o
movimento estudantil, reconheciam a necessidade de mudanças e resolveram promover uma
reformulação e modernização do sistema de ensino no Brasil.
A reforma dos militares continha basicamente as seguintes mudanças: extinção da
cátedra; fim da autonomia das faculdades; criação de institutos, faculdades e/ou escolas;
introdução do sistema de créditos; ciclo básico antes da formação profissional; garantia da
representação discente e docente; ingresso contínuo por carreiras e currículos mínimos
fixados pelo MEC (não à flexibilização).
A ampliação do acesso se deu nos cursos tradicionais, na organização da rede federal;
no estímulo à pesquisa e na qualificação pela Capes e pelo CNPq; foi criado um programa
modular de apoio à pós-graduação e à pesquisa e a introdução do regime de tempo integral
para docentes.

5

Apesar da proposta, a reforma foi incompleta; não houve verdadeira reforma curricular
e a ampliação do sistema se deu simplesmente através da multiplicação da matrícula nos
mesmos cursos tradicionais. A reforma tentou organizar todo o sistema federal em
universidades e de promover a pesquisa, o que ia ao encontro das reivindicações dos
estudantes e constava do ideário modernizador desde 1930.
Na década de 1970, os resultados de um grande desenvolvimento econômico
produziram o chamado "milagre econômico". A classe média brasileira foi, então,
diretamente beneficiada: enriquecida dentre outros hábitos de consumo, aumentou a demanda
pelo ensino superior com o aumento providencial dos recursos federais e o orçamento
destinado à educação.
Durante esse período, tanto o setor público quanto o setor privado foram beneficiados
com os resultados da política econômica do regime militar. No Brasil, ao contrário de alguns
países da América Latina, a repressão política promoveu o ensino superior, tanto público
quanto privado. O número de matrículas, em cerca de vinte anos, passou de 95.961 (em
1960), para 134.500 (em 1980). Os anos de 1968, 1970 e 1971 foram os que apresentaram as
maiores taxas de crescimento.
O aumento da demanda por ensino superior está associado ao crescimento das
camadas médias e às novas oportunidades de trabalho no setor mais moderno da economia e
da tecnoburocracia estatal. O setor público não se preparou para esse momento do ensino
superior. Já o setor privado foi capaz de absorvê-lo, porque se concentrou na oferta de cursos
de baixo custo e no estabelecimento de exigências acadêmicas menores, tanto para o ingresso
como para o prosseguimento dos estudos até a graduação.
As instituições privadas de ensino superior tornaram-se um grande negócio. Os
empresários, donos dessas instituições, não tinham nenhum comprometimento com a
educação e viam na necessidade imediata, por parte de um grande percentual da sociedade, da
obtenção de um diploma a oportunidade de ganhar muito dinheiro. Pragmaticamente, esse
fenômeno ocorreu na região mais rica do país, o Sudeste, enquanto que no Norte e no
Nordeste o ensino ficava a cargo, quase que completamente, do setor público. O setor privado
não tinha grandes preocupações com a pesquisa e nem com a qualidade do ensino.
1.2.7. A década de 1980
A década de 1980 foi de crise econômica e de transição política que culminou, com
uma nova Constituição em 1988 e, logo no início da década seguinte, a eleição direta para
presidente. No período, tanto o setor público quanto o privado foram atingidos pela
estagnação no ensino superior, porém, os reflexos da crise econômica causaram maior efeito
no setor privado.
No período, verificou-se uma expansão dos cursos noturnos, que, dentre outros
objetivos, são criados para atender a uma nova demanda. Concentra-se no setor privado e se
revela numa oportunidade "mais fácil" de ingresso em setores da sociedade já inseridos no
mercado de trabalho, impossibilitados de frequentar cursos diurnos. Em 1986, 76,5% das
matrículas no ensino superior se concentravam no setor privado. As universidades federais
resistiam à implementação de cursos noturnos, com um percentual de apenas 16% das
matrículas.
Começa uma grande competitividade entre as instituições privadas, provocadas,
principalmente, pela escassez de candidatos, no que as universidades e os grandes
estabelecimentos levam vantagem em relação às faculdades menores.
Ainda nos anos de 1980, o setor privado amplia o tamanho de seus estabelecimentos
por processos de fusão e incorporação de estabelecimentos menores, no intuito de fugir ao
controle do Conselho Federal de Educação (CFE).
6

Entre 1985 e 1990, aumenta em 145% o número de instituições privadas, passando de
20 para 49. Essa multiplicação não foi positiva para o ensino como um todo e nem para a
clientela que dela fazia uso. Destacam-se ainda nesse período, as lutas travadas no interior das
instituições, onde a organização sindical dos docentes universitários, que deu origem à
Associação Nacional dos Docentes Universitários (ANDES), assumiu um papel importante. A
ANDES, em tese, substituiu o movimento estudantil, resgatando bandeiras de lutas pela
democratização da e na educação superior. Essa entidade atuava basicamente no setor púbico
e surgiu das marcas profundas que a repressão militar deixou nos que combateram no período
autoritário. Na agenda da ANDES, os temas prioritários eram autonomia e democratização,
traduzidas em participação de docentes e de discentes na gestão da universidade, por meio de
mecanismos de representação.
1.2.8. Era FHC
A aprovação da LDB, em dezembro de 1996, incorporou inovações como, a
explicitação dos variados tipos de IES admitidos. Por universidade se definiu a instituição que
articulasse ensino e pesquisa. A nova Lei fixou a obrigatoriedade do recredenciamento das
instituições de ensino superior, precedida de avaliações, além de estabelecer a necessidade de
renovação periódica para o reconhecimento dos cursos superiores. Se para as instituições
públicas pouco ou nada afetou a implantação da nova Lei, para o setor privado representou
uma ameaça de perda de status e autonomia.
Foi neste contexto que se criou o Exame Nacional dos Cursos, o conhecido Provão,
que, a princípio, encontrou fortes resistências entre as instituições privadas e de alunos e
professores do setor público. Com os primeiros resultados, ganhou em parte a simpatia das
instituições do setor público, já que os cursos mais bem classificados a elas estavam
vinculados. O Provão foi severamente criticado pela forma propagandística como seus
resultados foram divulgados pelo MEC.
Para Cunha (2003), no octênio de FHC as principais ações voltadas para o ensino
superior foram a normatização fragmentada, conjunto de leis regulando mecanismos de
avaliação; criação do Enem, como alternativa ao tradicional vestibular criado em 1911;
ampliação do poder docente na gestão universitária, a contragosto de discentes e de técnicoadministrativos; reconfiguração do Conselho Nacional de Educação, com novas atribuições;
gestação de um sistema de avaliação da educação superior e o estabelecimento de padrões de
referência para a organização acadêmica das IES.
1.2.9. As políticas educacionais para o ensino superior no governo Lula
O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, iniciado em 2003, por se
apresentar como um governo popular democrático, as expectativas da sociedade eram muitas
e ambiciosas. Oficialmente, uma das primeiras iniciativas desse governo para o setor se
revelou na edição do Decreto de 20 de outubro de 2003 que "institui Grupo de Trabalho
Interministerial ­ GT encarregado de analisar a situação atual e apresentar plano de ação
visando a reestruturação, desenvolvimento e democratização das Instituições Federais de
Ensino Superior ­ IFES" (Brasil, 2003). O GT, deveria "analisar a situação atual e apresentar
plano de ação visando a reestruturação, desenvolvimento e democratização das Instituições
Federais de Ensino Superior - IFES" (Idem).
O mesmo Decreto orientava que o plano a ser elaborado deveria ainda apresentar

7

"medidas visando a adequação da legislação relativa às IFES, inclusive no que diz respeito às
suas respectivas estruturas regimentais, bem assim sobre a eficácia da gestão, os aspectos
organizacionais, administrativos e operacionais, a melhoria da qualidade dos serviços e
instrumentos de avaliação de desempenho" (Idem).

Essa iniciativa foi alvo de muitas críticas advindas das universidades federais,
particularmente das associações de docentes, que liam no Decreto, mais uma vez na história, a
tentativa de o governo desobrigar o Estado das suas responsabilidades para com a educação
como um bem público. Para os críticos da iniciativa, o enfoque de análise, tendo como
pressuposto a "crise das IFES", imputava nelas uma responsabilidade que não cabia a elas
somente. As mazelas de um sistema historicamente excludente e objeto de forte processo de
sucateamento em período recente não podiam ser atribuídos a quem na verdade sobreviveu a
duras penas.
Durante a existência do GT, os debates foram intensos e, em dezembro de 2003, o
grupo divulgou seu relatório no qual foi apresentado um diagnóstico do ensino superior dando
conta de que "a última década foi de desarticulação do setor público brasileiro; as
universidades federais não foram poupadas" (Grupo de Trabalho Interministerial, 2003).
Sofreram conseqüências da crise fiscal do Estado que afetaram seus recursos humanos, sua
manutenção e investimento. A prioridade ao setor privado chegou ao setor do ensino superior
ocasião em que as universidades privadas experimentaram uma expansão recorde, porém, se
encontravam ameaçadas pelo risco de uma grande inadimplência e crescente desconfiança
quanto a seus diplomas.
Naquela conjuntura, houve quem avaliasse que a iniciativa de criação do GT e a forma
como iniciaram as discussões sobre o ensino superior foi atabalhoada, conflituosa e incoerente
com as relações históricas do presidente Lula com os movimentos sociais, associações
científicas, sindicatos e centrais sindicais. Para Mancebo e Silva Júnior (2004), essas
entidades ainda buscavam
"...novas formas de organização e de posicionamento diante da hegemonia do terceiro setor, na
interlocução sociedade civil-governo (uma herança do governo FHC) e perante um presidente
que manteve relações orgânicas com tais entidades e foi personagem destacado no processo
brasileiro de redemocratização, da década de 1980, os acontecimentos de 2003, no campo da
ensino superior, revelam a dificuldade do governo para a realização de um debate democrático
sobre a Reforma Universitária e a grande possibilidade de uma continuidade, com traços de
acentuação, do processo iniciado no governo anterior..." (p. 1-2).

Ainda no ano de 2003, ocorreram duas outras iniciativas importantes em relação ao
ensino superior. Em agosto, a Secretaria de Ensino Superior do Ministério da Educação
(SESu/MEC) organizou o Seminário "Universidade: por que e como reformar", no qual
intelectuais fizeram palestras para as Comissões de Educação do Senado e da Câmara dos
Deputados. Nessa mesma direção, em novembro, o MEC, com a apoio da UNESCO, do
Banco Mundial e da ONG internacional ORUS (Observatoire International des Réformes
Universitaires) realizou o Seminário Internacional "Universidade XXI: novos caminhos para a
ensino superior". Nesses dois eventos, diversos temas foram debatidos para a redefinição de
uma agenda para o ensino superior.
O conjunto das reflexões provenientes desses seminários serviu de referência para os
trabalhos do GT, que apresentou um relatório conclusivo organizado em quatro partes, em que
a inicial apontou um conjunto de ações emergenciais para o enfrentamento dos
questionamentos quanto à situação das universidades federais. Na segunda parte, o relatório
discorreu sobre a premência da efetiva implantação da autonomia das IFES. A terceira se
8

concentrou na defesa da necessidade de complementação de recursos e da garantia de
gestação de um novo modelo em relação ao atual. A última parte apontou as etapas
necessárias para a formulação e a implantação da Reforma Universitária brasileira (Grupo de
Trabalho Interministerial, 2003).
Poderíamos inferir que os debates ocorridos em 2003 reacendiam as discussões acerca
da "Reforma Universitária". Tema antigo, recorrente e controverso, que pelo menos, desde
1968, com o advento da Lei 5.540, que reorganizou o ensino superior num contexto de
ditadura militar, mobiliza a universidade e todos aqueles que sobre ela procuram refletir. Em
se tratando de Reforma Universitária, alguns aspectos sempre se fazem presentes no debate:
gestão, autonomia acadêmica e financeira, avaliação e regulação, estrutura e organização,
democratização e acesso etc.
Neste trabalho interessa-nos mais de perto as preocupações relacionadas à questão da
democratização do ensino superior, em particular das políticas públicas destinadas à
ampliação do acesso. A esse respeito, em 2001 o Plano Nacional de Educação (PNE)
estabeleceu como meta a necessidade de ampliação das matrículas no ensino superior de
jovens entre 18 e 24 anos de 12% para 30%. Segundo o próprio PNE, os 12% de matrículas
colocavam o Brasil numa posição de desvantagem na América Latina, inclusive comparandoo com países em situação econômica inferior, como são os casos de Argentina, Chile,
Venezuela e Bolívia, nos quais os índices de matrículas no ensino superior são,
respectivamente, 40%, 20,6%, 26% e 20,6%. Além disso, 40% das matrículas deveriam se
concentrar no setor público.
Na avaliação do Grupo Interinstitucional (2003), "para atingir os 40% de
universitários matriculados no setor público determinados pelo PNE, seria preciso chegar a
2,4 milhões de vagas no sistema público, dos quais a metade no subsistema federal." (p.5).
Ao governo Lula, que tomou posse em janeiro de 2003, entre outras preocupações no
âmbito do ensino superior, o atingimento dessas metas ainda se colocava como um desafio. A
leitura das Sinopses Estatísticas do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais
"Anísio Teixeira" demonstram que se houve algum avanço, esse foi tímido.
As críticas e questionamentos quanto à função e ao relatório produzido pelo Grupo
Interistitucional de 2003 desqualificavam o produto do trabalho desenvolvido e faziam com
que o governo recuasse em relação a essa estratégia para a implementação da "Reforma
Universitária". A própria saída do ministro Cristovão Buarque do MEC sugere uma mudança
de rumo em face de uma tática malsucedida. Dessa forma, empossado no MEC, Tarso
Fernando Herz Genro, homem forte do Presidente Lula, assumiu como tarefa prioritária
realizar a Reforma Universitária.
Em sua curta passagem, no Ministério 3 , Genro até tentou encaminhá-la na forma de
pacote. Participou de debates em conferências e seminários, realizou oitivas públicas,
consultou as instituições etc, com vistas a realizar a Reforma Universitária. Por essa via,
assim como o antecessor, também não teve êxito. De forma fragmentada, no entanto,
conseguiu alguns avanços. Aprovou a Lei que criou o Sistema Nacional de Avaliação da
Educação Superior (Sinaes) 4 ; apresentou ao Congresso Nacional o Projeto de Lei 5 que
instituia a política de reserva de vagas para egressos de escolas públicas, negros e indígenas
nas instituições públicas de ensino superior e criou, por meio de Medida Provisória 6 , o
Programa Universidade Para Todos (Prouni).
Numa conjuntura de crise política, convocado pelo Presidente Lula, Genro saiu do
MEC para assumir a presidência do Partido dos Trabalhadores (PT). Em seu lugar, foi
empossado o então secretário executivo do MEC, professor Fernando Haddad, que deu
continuidade às ações do sucedido. Por ocasião da sua posse, Genro afirmou que o sucessor
possuia "...características técnicas e políticas importantes para exercer o cargo..." É dotado de
"...requisitos absolutamente especiais para ser ministro. Além de ser uma pessoa que tem uma
9

formação técnica e científica vinculada à Educação, ele também é um brilhante quadro
político'" (UNIVERSIA, 2005).
Haddad chegou ao MEC com Tarso no início de 2004; juntos finalizaram o
anteprojeto da Reforma Universitária. O novo ministro assumiu o MEC diante de uma agenda
de quatro itens prioritários: 1) alfabetização com inclusão, 2) reforma do ensino superior, 3)
reorganização do ensino técnico e 4) aprovação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento
da Educação Básica (Fundeb). O início do mandato de Haddad coincidiu com a conclusão da
terceira versão do Projeto de Reforma Universitária, que foi entregue ao Presidente Lula por
Genro na cerimônia de sua posse.
A despeito de ainda não ter sido aprovada a Reforma Universitária, sob a batuta de
Haddad, além das iniciativas em curso, uma série de novas ações e/ou políticas foram e vêm
sendo empreendidas pelo MEC. O que poderíamos supor que a conta-gotas o governo vem
colocando em prática a Reforma Universitária.
2. POLÍTICAS RECENTES
2.1. Programas/ações do MEC em relação ao ensino superior
Em consulta à página eletrônica do Ministério da Educação 7 , encontramos vinte
programas/ações direcionadas ao ensino superior, levados a cabo pela SESu/MEC, que serão
apresentados em cinco categorias por necessidade meramente didática.
2.1.1

Programas/ações de diversificação acadêmica e de articulação do ensino,
pesquisa e extensão:
O Programa de Educação Tutorial (PET), criado na década de 1980, visa
"apoiar atividades acadêmicas que integram ensino, pesquisa e extensão. Propicia aos alunos
(...) a realização de atividades extracurriculares que complementem a formação acadêmica (...)
e atendam às necessidades do próprio curso de graduação. O estudante e o professor tutor
recebem apoio financeiro de acordo com a Política Nacional de Iniciação Científica". (Idem)

O Programa de Apoio à Extensão Universitária (PROEXT) com ênfase na inclusão
social, foi criado em 2003 e objetiva "apoiar as instituições públicas de ensino superior no
desenvolvimento de programas ou projetos de extensão que contribuam para a implementação
de políticas públicas." (Ibidem)
Os Hospitais Universitários, ligados às IFES, "são centros de formação de recursos
humanos e de desenvolvimento de tecnologia para a área de saúde." Articulados ao Sistema
Único de Saúde (SUS) oferecem oportunidade de educação continuada e atualização técnica
aos profissionais da área médica.
Fundamentado no que determina o Decreto nº 80.281, de 5 de setembro de 1977, o
Ensino de Pós-graduação Destinada a Médicos (Residência Médica) confere ao médico
residente o título de especialista.
2.1.2

Programas/ações de avaliação e de regulação do sistema

O Sistema de Credenciamento e Recredenciamento de IES, e-MEC, trata-se de um
protocolo eletrônico por meio do qual, o MEC instrui a regulação da oferta de ensino superior
no país.

10

Parte integrante do Sinaes, o Exame Nacional do Desempenho dos Estudantes
(Enade), substituiu o Provão em 2004 e se realiza pela aplicação de provas para concluintes e
ingressantes dos cursos de graduação.
Também articulado ao Sinaes, o Índice Geral de Cursos (IGC) é um indicador
gerado pelo Sistema que caracteriza um determinado curso com base na articulação de
diversos instrumentos e fontes de avaliação.
2.1.3. Programas/ações de cooperação e relações internacionais
O programa CELPE-Bras, ou Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa
para Estrangeiros, como a própria denominação, informa, certifica estrangeiros que vêm
estudar no Brasil, quanto ao domínio da Lingua Portuguesa.
O Programa de Estudantes Convênio de Graduação (PEC-G), cujas origens
remontam 1917, é uma cooperação internacional do Brasil para com países dos continentes
africano, americano e asiático. Instituições de ensino superior públicas e privadas do Brasil
recebem estudantes para seus cursos de graduação e de pós-graduação.
Criado em 2005 e inspirado na figura do eminente geógrafo brasileiro, o Programa
Milton Santos de Acesso ao Ensino Superior (Promissaes) oferece bolsas de estudos para
estudantes do PEC-G, comprovadamente de baixa renda, de modo a lhes assegurar condições
materiais de realização cursar em uma das instituições brasileiras.
Na perspectiva da integração do Mercosul, o Programa de Mobilidade Acadêmica
Regional em Cursos Acreditados (MARCA) destinas-se a mobilidade entre instituições e
países com foco na melhoria da qualidade mensurada por sistemas de avaliação e de
credenciamento. Participam IES dos seguintes países membros e associados do Mercosul:
Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Bolívia e Chile.
Ainda no contexto das relações internacionais a Comissão de Língua Portuguesa
(Colip) foi criada para, junto aos países de Língua Portuguesa, definir a política de ensinoaprendizagem, pesquisa e promoção do idioma.
2.1.4. Programas/ações de articulação da educação superior com a educação básica
Criado no ano de 2008, o Programa de Bolsa Institucional de Iniciação à Docência
(PIBID) procura estreitar a interação das instituições universitárias formadoras de professores
com as unidades escolares da Educação Básica, onde esses futuros professores trabalharão.
"Oferece bolsas de iniciação à docência aos alunos de cursos presenciais que se dediquem ao
estágio nas escolas públicas e que, quando graduados, se comprometam com o exercício do
magistério na rede pública. O objetivo é antecipar o vínculo entre os futuros mestres e as salas
de aula da rede pública. Com essa iniciativa, o PIBID faz uma articulação entre a educação
superior (por meio das licenciaturas), a escola e os sistemas estaduais e municipais." (Ibidem)

Na mesma direção do PIBID, criado em 2006, o Programa de Consolidação das
Licenciaturas (Prodocência) também se preocupa com a formação inicial do docente para a
Educação Básica e se operacionaliza por meio do financiamento de
"projetos voltados para a formação e o exercício profissional dos futuros docentes, além de
implementar ações definidas nas diretrizes curriculares da formação de professores para a
educação básica. Os objetivos do programa são: contribuir para a elevação da qualidade da
educação superior, formular novas estratégias de desenvolvimento e modernização do ensino
no país, dinamizar os cursos de licenciatura das instituições federais de educação superior,
propiciar formação acadêmica, científica e técnica dos docentes e apoiar a implementação das
novas diretrizes curriculares da formação de professores da educação básica." (Ibidem)

11

2.1.5. Programas/ações de acesso e permanência
O Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES), criado no
governo de Fernando Henrique Cardoso, substituiu o antigo Crédito Educativo. Objetiva
financiar a graduação de estudantes que não têm condições de arcar integralmente com as
mensalidades do seu curso.
Visando dotar as IFES de infraestrutura adequada ao ingresso e à permanência da
pessoa com deficiência, o Programa INCLUIR, de acessibilidade na educação superior,
vem, desde 2005, apoiando projetos institucionais nessa perspectiva.
Criado no ano de 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) avalia o
desempenho dos estudantes ao fim da escolaridade básica e tem sido utilizado como
mecanismo de seleção para a graduação. Em 2009, foi redimensionado, visando à sua adoção
pelas IES como etapa única ou parcial para recrutamento de novos alunos.
O Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades
Federais (Reuni) foi lançado em 2007 e
"...busca ampliar o acesso e a permanência na educação superior. (...) Todas as universidades
federais aderiram ao programa e apresentaram ao ministério planos de reestruturação... As
ações preveem, além do aumento de vagas, medidas como a ampliação ou abertura de cursos
noturnos, o aumento do número de alunos por professor, a redução do custo por aluno, a
flexibilização de currículos e o combate à evasão." (Ibidem)

Considerando a nova clientela que chega ao ensino superior público, particularmente
nas IFES, o MEC lançou o Plano Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) demanda
antiga das IFES na perspectiva de garantia da
"...permanência de estudantes de baixa renda matriculados em cursos de graduação presencial
das instituições federais de ensino superior. Pretende viabilizar a igualdade de oportunidades
(...) e contribuir para a melhoria do desempenho acadêmico, a partir de medidas que buscam
combater situações de repetência e evasão. O Pnaes oferece assistência à moradia estudantil, à
alimentação, ao transporte, à saúde, inclusão digital, cultura, ao esporte, creche e apoio
pedagógico." (Ibidem).

Além dos programas/ações diretamente ligados à SESu, uma outra ação mais ampla do
MEC e tão importante quanto às já descritas é o Sistema Universidade Aberta do Brasil
(UAB), criado em 2005. Esse sistema objetiva a expansão e interiorização da oferta de cursos
e programas de educação superior, por meio de parcerias entre as esferas federais, estaduais e
municipais do governo.
3. À GUISA DE CONCLUSÃO: respostas ao clamor de democratização?
Pelo exposto, foi possível observar que a maioria dos programas/ações do MEC para o
ensino superior no período recente procuram responder ao que Mancebo (2004, p. 3) chamou
de "necessidade de satisfazer a crescente demanda por estudos superiores, associado ao afã de
racionalizar recursos." Trata-se de políticas públicas na perspectiva da ampliação do acesso ao
ensino superior.
Em estudo já mencionado, Mancebo (2004) apresenta dados da Pesquisa Nacional por
Amostra de Domicílios do IBGE de 2001, publicados em 2003, que demonstram
"que 34,4% dos alunos de instituições superiores da rede pública fazem parte dos 10% mais
ricos da população. Quando se trata do sistema privado, esse percentual vai para 50%. A renda
familiar dos alunos de universidades públicas no Brasil é menor que a de universitários da rede

12

particular, pois enquanto a renda média mensal da família de estudantes das instituições
públicas é de R$ 2.433, na particular esse valor sobe para R$ 3.236. Além disso, de cada cem
universitários do setor público, 12 estão entre os mais pobres, com renda mensal de R$ 482 ou
menos. Nas instituições privadas, a proporção passa para cinco a cada cem alunos." (Mancebo
2004, p. 3)

Examinando a política de expansão da educação superior e a proposta de reforma
universitária do governo Lula, Michelotto et al. (2006) fazem um convite para uma reflexão
sobre o sinônimo de democratização e questionam se no Brasil finalmente está ocorrendo "...
uma abertura democrática das instituições superiores de educação para a população que vem
sendo, historicamente, excluída desse direito?" As autoras buscam respostas para tal
indagação no clássico entendimento de democratização da universidade de Álvaro Vieira
Pinto, para quem
"... o aluno, ao iniciar a escola primária, e tão-somente por isso, já está habilitado a ingressar
um dia na universidade. (...) A sociedade (...) cultiva, como privilégio de classe, a
`predestinação universitária'. A autêntica democratização do ensino consiste precisamente em
extinguir a predestinação universitária." (PINTO, 1986, p. 99 apud: MICHELOTTO et al.,
2006: p.180).

Associando a outros estudiosos 8 que também se debruçaram sobre o tema, Michelotto
et. al. (2006) advertem que o processo de expansão da educação superior ocorrido no Brasil a
partir da década de 1970, com mais ênfase a partir do governo de Fernando Henrique
Cardoso, ocorreu de forma muito peculiar. Estimulou o avanço do setor privado e restringiu o
setor público. Ocorreu uma expansão "...com pouco ou nenhum financiamento público..."
(Idem, 2006: p. 187). Para os autores referidos, as contraditórias orientações do Banco
Mundial e da UNESCO influenciaram de forma decisiva às reformas implantadas e em curso
nos países em desenvolvimento. É portanto, debaixo desse referencial que devem ser
analisados os programas/ações do governo Lula para a Educação Superior.
Nesse panorama, não descartando eventuais méritos das iniciativas, impõe-se o
exercício de uma crítica consistente, acerca de tais programas/ações. Eles não devem, em
hipótese alguma, anular a necessidade de um posicionamento mais agressivo por parte do
governo na perspectiva do rompimento com um modelo macroeconômico internacional que
dificulta e compromete a adoção de políticas sociais públicas universalistas que garantam
acesso e condições de permanência no ensino superior para toda a sociedade. É nesse contexto
que se justifica a adoção de determinadas ações afirmativas paliativas, focadas nos setores
mais vulneráveis.
No que diz respeito aos programas/ações de acesso e permanência no ensino superior,
salientamos que, apesar de recentes, algumas dessas políticas já foram alvos de avaliações
pela academia, mídia e pela sociedade. Assim, concluindo nossa reflexão nesse trabalho,
apresentaremos uma análise do Prouni, sobre o qual já dissemos que, desde sua criação, tem
recedido muitas críticas. A principal delas está associada ao fato de representar renúncia fiscal
para a iniciativa privada. Seus críticos consideravam que, ao incentivar o setor privado, o
MEC explicita sua falta de compromisso com o aporte de mais recursos no setor público. Há
também uma preocupação relacionada à permanência do estudante, condição essencial para a
democratização de fato. O caráter assistencialista do Prouni fez com que alguns o
considerassem uma não política pública, como é o caso de Cattani et al. (2006).
Outra crítica importante endereçada ao Prouni vem de setores aliados do governo que
não viram a mesma disposição do Estado na perspectiva de adoção de uma política de reserva
de vagas para egressos de escolas públicas, negros e indígenas nas instituições federais de
ensino superior. O Prouni foi criado por Medida Provisória (MP) e a Política de Reserva de
Vagas foi apresentada ao Congresso na forma de Projeto de Lei (PL), ambos em 2004. O
13

encaminhamento ao Congresso por meio de instrumentos jurídicos diferentes, suscitou muito
debate, visto que uma MP tem caráter de urgência e validade imediata, ao passo que um PL,
dependendo da natureza da matéria, tende a se arrastar por longo período, é o que está
ocorrendo com o 3.627 de 2004, aditado ao PL 73/99.
Numa avaliação do desempenho dos bolsistas do Prouni Gaspari (2009) escreveu em
sua coluna na Folha de São Paulo:
"A demofobia pedagógica perdeu mais uma para a teimosa insubordinação dos jovens pobres e
negros. Ao longo dos anos o elitismo convencional ensinou que, se um sistema de cotas levasse
estudantes negros para as universidades públicas, eles não seriam capazes de acompanhar as
aulas e acabariam fugindo das escolas" (GASPARI, 2009).

No entanto, constata o colunista, que a "lorota" não pegou; dados oficiais do INEP
informam que no ENADE 2004 "... o desempenho dos bolsistas do Prouni ficou acima da
média dos demais estudantes..." (Idem)
Do ponto de vista acadêmico, pesquisas 9 em nível de mestrado e doutorado começam
a revelar que, a despeito das críticas macroestruturais que o Prouni possa merecer, seus
resultados concretos para os individuos têm demonstrado sua parcela de contribuição ao
processo contraditório e desafiador da democratização do acesso ao ensino superior.
Por tudo que tratamos até aqui, não somos ingênuos ao ponto de ignorar os efeitos
perversos das escolhas econômicas neoliberais do país e seus reflexos na educação superior,
tão bem tratados pela literatura especializada. Entretanto, arriscamos dizer que, diante de um
sistema originariamente elitista, com as devidas ressalvas, o atual governo tem demonstrado,
ainda que contraditoriamente, um interesse e uma disposição em favorecer o acesso e a
permanência de determinados setores da sociedade até então excluídos deste nível de
escolarização.
Nessa mesma perspectiva crítica, concordamos com Santos (2009) para quem ao se
discutir democratização do ensino superior é preciso ter consciência de que "o problema mais
crônico está intimamente relacionado ao estoque de vagas disponíveis em face da sua real
demanda", o que converge com o ponto de vista de Carvalho (2006, p. 1) para quem "o
empecilho à democratização está na escassez de vagas públicas e gratuitas". Considere-se
ainda a contribuição de Pacheco & Risttof, segundo os quais
"para atingir índices de matrícula na educação superior, minimamente comparáveis aos índices
internacionais, ou ainda, para atingir a meta estabelecida pelo Plano Nacional de Educação
(PNE), qual seja, a de abrigar 30% da população da faixa etária apropriada na educação
superior até 2010, o Brasil não pode mais depender exclusivamente da força inercial do
mercado."(p.8)

Em relação às políticas públicas adotadas, algumas das quais materializadas nos
programas/ações aludidos neste trabalho, é certo que por recente instauração, tornam-se
precoce conclusões absolutas. Assim, para trabalhos posteriores fica o desafio de melhor
cotejá-los com vistas a sua adequada compreensão.
REFERÊNCIAS
BRASIL. República Federativa do Brasil. Decreto de 20 de outubro de 2003. Brasilia, 2003.
In: http://www.planalto.gov.br. Acesso 25/07/2009 10h29
________. República Federativa do Brasil. Anteprojeto de Lei da Educação Superior.
Brasilia, 2005.
14

CARVALHO, C. H. A. O Prouni no governo Lula e o jogo político em torno do acesso ao
ensino superior. Campinas. Educação e Sociedade. vol. 27, n. 96, p. 979-1000, out. 2006.
CASASSUS, J. A escola e a Desigualdade. Brasília: Liber Livro Editora UNESCO, 2007.
CATANI, A M. et. al. PROUNI: democratização do acesso às instituições de ensino superior?
Curitiba. Educar em Revista. n. 28, jul./dez. 2006.
CUNHA, L. A. O Ensino Superior no octênio FHC. Campinas. Educação e Sociedade. v. 24,
n. 82, abr, 2003.
____________. A Universidade Temporã - o ensino superior da Colônia à Era de
Vargas. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1980.
CURY, C. R. J. A educação escolar, a exclusão e seus destinatários. Belo Horizonte.
Educação em Revista, n. 48, p. 205-222, dez. 2008.
DURHAM, E. Educação superior, pública e privada (1808 ­ 2000). In: SCHWARTMAN,
Simon & BROCK, Colin. Os desafios da educação no Brasil. Rio de Janeiro. Nova
Fronteira. 2005. p.197-240.
____________. O ensino superior na América Latina: tradições e tendências, São Paulo,
Novos Estudos Cebrap, julho 1998, p. 92.
GASPARI, E. A cota de sucesso da turma do Prouni. São Paulo. Folha de São Paulo. 17 de
julho de 2009.
GRUPO DE TRABALHO INTERMINISTERIAL. Bases para o enfrentamento da crise
emergencial das universidades federais e roteiro para a Reforma Universitária
brasileira.
Brasília:
15
de
dezembro
de
2003.
Disponível
em:
http://www.adunesp.org.br/reformas/universitaria/GT-Interministerial.htm Acesso 25/07/2009
9h53.
LEHER, R. Expansão Privada do Ensino Superior e Heteronomia Cultural: u difícil início de
século. In: DOURADO, L. F.; CATANI, A. M.; OLIVEIRA, J. F. Políticas e gestão da
Educação Superior. São Paulo: Xamã e Goiânia: Alternativa, 2003.
MANCEBO, D. Reforma universitária: reflexões sobre a privatização e a mercantilização do
conhecimento. Educação e Sociedade. 2004, vol.25, n.88, pp. 845-866.
MANCEBO. D. A & SILVA JÚNIOR, J. R. Reforma Universitária no contexto de um
governo
popular
democrático:
primeiras
aproximações.
Disponível:
http://www.adufpa.org.br/reform_univ/artigos.html Acesso 23/07/2009 21h34, s/d.
MICHELOTTO, R. M.; COELHO, R. H. ZAINKO, M. A. S. A política de expansão da
educação superior e a proposta de reforma universitária do governo Lula. Educar, Curitiba,
Editora UFPR, n. 28, p. 179-198, 2006.

15

NEVES, C. E. B. et. al. Acesso, expansão e equidade na educação superior: novos desafios
para a política educacional brasileira. Porto Alegre. Sociologias. ano 9, n. 17, jan./jun. 2007.
PACHECO, E. & RISTOFF, D. I. Educação superior: democratizando o acesso (Série
Documental. Textos para Discussão). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas
Educacionais Anísio Teixeira, 2004.
SAMPAIO, H. Ensino Superior no Brasil ­ o setor privado. São Paulo, Hucitec, 2000.
SANTOS, A. P. Política de Ação Afirmativa da Universidade Federal de Ouro Preto: Análise
Preliminar dos ingressantes de 2008/2. In: I Seminário Internacional sobre Exclusão,
Inclusão e Diversidade. Universidade Federal da Paraiba, João Pessoa/PB, Mar/2009.
SAVIANI, D. et. al. O Legado Educacional do Século XX no Brasil. Campinas; Autores
Associados, 2004.
SAVIANI, D. História das Idéias Pedagógicas no Brasil. Campinas; Autores Associados,
2007.
SCHEINVAR, E. El derecho a la educación en Brasil. ­ 1ª ed. ­ Buenos Aires; Fundación
Laboratório de Políticas Públicas. E-Book. (Libros FLAPE; 4), 2007.
SEVERINO, A. J. O ensino superior brasileiro: novas configurações e velhos desafios.
Curitiba. Educar em Revista. n. 31, 2008.
SGUISSARDI, V. Modelo de expansão da educação superior no brasil: predomínio
privado/mercantil e desafios para a regulação e a formação universitária. Campinas.
Educação e Sociedade. vol. 29, n. 105, p. 991-1022, set./dez. 2008.
TEIXEIRA, A. Ensino Superior no Brasil - análise e interpretação de sua evolução até
1969, Rio de Janeiro. EdUFRJ, 2005.
TRINDADE, H. Saber e poder: os dilemas da universidade brasileira. São Paulo. Estudos
Avançados 14 (40), 2000.
UNIVERSIA. Fernando Haddad assumirá o MEC, diz Tarso. Portal Universia:
Tendências e debates. Disponível: http://www.universia.com.br/materia/materia.jsp Acesso
25/07/2009 18h59.
WEREBE, M. J. G. Grandezas e Misérias do Ensino no Brasil. São Paulo, Editora Ática,
1994.
1

Neste ano foram fundadas as escolas: a) de Cirurgia e Anatomia (mais tarde: Faculdade de Medicina da
Universidade Federal da Bahia; b) a de Anatomia e Cirurgia do Rio de Janeiro (posteriormente: Faculdade de
Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro) e c) Academia de Guarda da Marinha, também no Rio de
Janeiro.
2
Para Michelotto (2006) em 1968 o movimento estudantil trouxe como mote o sentido de democratização que se
espalhou como um estopim pelo mundo inteiro.
3
De 2004 a meados de 2005.
4
Lei 10.861 de 14 de abril de 2004.
5
Projeto de Lei 3.627 de 28 de abril de 2004.
6
Medida Provisória n. 213, de 10 de setembro de 2004.

16

7

http://www.mec.gov.br
CUNHA (2003); LEHER (2003); MANCEBO (2004); CATANI et. al. (2006); NEVES et. al. (2007);
SEVERINO (2008); SGUISSARDI (2008).
9
No Programa de Pós-Graduação em Educação da UNISINOS destacam a dissertação de Mestrado Política
Pública Para o Acesso ao Ensino Superior: o Prouni no contexto do Centro Universitário do Leste de
Minas Gerais, defendida por Edna Imaculada Inácio de Oliveira, em fevereiro de 2009 e o trabalho de
doutoramento de Marialua Linda Moog Pinto: Qualidade da Educação Superior e o Prouni: Limites e
possibilidades de uma política de inclusão.
8

17