0

UNISALESIANO
Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium
Curso de Pós-Graduação "Lato Sensu" em Metodologia do Ensino
Superior

Washington Lair Urbano Alves

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: da
Descoberta à Lei de Diretrizes e Bases de 1996

Lins ­ SP
2009

1

WASHINGTON LAIR URBANO ALVES

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: da Descoberta à Lei de Diretrizes e Bases
de 1996

Monografia
apresentada
à
Banca
Examinadora do Centro Universitário
Católico Salesiano Auxilium, como
requisito parcial para obtenção do título
de especialista em Metodologia do Ensino
Superior
sob
a
orientação
das
Professoras Fátima Eliana Frigatto Bozzo
e Heloisa Helena Rovery da Silva.

Lins - SP
2009

2

Alves, Washington Lair Urbano
A história da educação no Brasil: da descoberta à lei de
A482h Diretrizes e Bases de 1996 / Washington Lair Urbano Alves ­ ­Lins,
2008.
76p. il. 31cm.
Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico
Salesiano Auxilium ­ UNISALESIANO, Lins, SP para PósGraduação "Lato Sensu" em Metodologia do Ensino Superior, 2009
Orientadores: Fátima Eliana Frigatto Bozzo; Heloisa Helena
Rovery da Silva
1.Educação. 2. Diretrizes. 3. História. I Título
CDU 37

3

WASHINGTON LAIR URBANO ALVES

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: da Descoberta à Lei de Diretrizes e Bases
de 1996

Monografia apresentada ao Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium, para
obtenção do título de Especialista em Metodologia do Ensino Superior.
Aprovada em: ____/____/____

Banca Examinadora:

Profª. Fátima Eliana Frigatto Bozzo
Mestre em Educação pela Universidade Sagrado Coração de Bauru
_____________________________________________________________________

Profª. M. Sc.. Heloisa Helena Rovery da Silva
Mestre em Administração pela CNEC/FACECA ­ MG

_______________________________________________________________

Lins ­ SP
2009

4

AGRADECIMENTOS

Agradeço a todos os amigos e companheiros que partilham comigo a vida, os
projetos e a fé. Agradeço a professora Fátima Eliana Frigatto Bozzo que, clara e
objetivamente me acompanhou na elaboração deste trabalho. De forma especial
agradeço a professora Neyde Cruz de Lima que, carinhosamente me ajudou com
boas sugestões e na correção do mesmo. Que o bom Deus os recompense.

5

RESUMO

O presente trabalho é uma pesquisa bibliográfica da História da Educação no
Brasil, da descoberta à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996. Os
portugueses aportam em 1500 com a meta de explorar a nova Terra. A partir de 1530,
percebendo o interesse de outras nações iniciam o processo de ocupação através das
Capitanias Hereditárias. Para esse novo projeto trazem religiosos com o objetivo de
converter os selvagens, como chamavam os nativos, e, imprimir neles o selo cristão
através do batismo. Mas o projeto fracassou! O governo imperial pensa em um novo,
agora com objetivo de colonização e, cria o cargo de Governador Geral. Na primeira
comitiva, junto com o governador, veio o primeiro grupo de jesuítas que iniciaram seus
trabalhos fundando escolas, colégios, missões e paróquias, mas, foi a catequese dos
nativos que se destacou. Foram praticamente os responsáveis pela educação no
Brasil por duzentos e dez anos, até sua expulsão em 1759. Com a expulsão dos
jesuítas o processo educacional entrou em derrocada, e durante muitos anos novos
projetos foram apresentados, mas, sem êxito. A situação só mudou um pouco com a
chegada da Família Real. Foram empreendidos esforços para criar condições em
atender as necessidades de educação e cultura da família real e sua corte, transferida
à força para a Colônia. Quando retornaram, alguns anos mais tarde para Portugal,
percebeu-se que o saldo foi insuficiente. No período da monarquia não foi diferente do
período anterior. Os nove anos de governo de D. Pedro I, foram infrutíferos. O longo
reinado de D. Pedro II, também passou, sem grandes novidades, mesmo sendo
considerado homem de grande cultura. A monarquia é substituída pela República, que
no decorrer do tempo, em vários momentos, empreendeu esforços, através de
projetos, mas, que não resolveram os desafios da educação. Passados diversos
governos, cada qual com seus projetos, mas, de modo geral, sempre esbarraram com
outros problemas, especialmente políticos. Nesses quase quinhentos anos foram oito
constituições e entre uma e outra surgiu Ato Adicional, Ato Institucional e Emenda
Constitucional; uma infinidade de Decretos e Leis. Muito se falou em educação,
porém, pouco foi feito. No âmbito educacional destacam-se: a Lei de Diretrizes e
Bases da Educação de 1961; a reforma no ensino superior em 1967; a reforma do
ensino de 1º. e 2º. Graus em 1971. Por fim em 1996 é promulgada a nova LDB, que
começou a ser desenhada a partir da Constituição de 1988. Esta LDB trás em seu
bojo novos ares para enfrentar os desafios do sistema educacional brasileiro. Todavia,
a partir de sua aplicação percebe-se que, assim como tudo que foi feito, desde a
descoberta até o momento, ela carece de uma melhor modelação.
Palavras-chave: Educação. Diretrizes. História.

6

ABSTRACT

This work was a bibliographical research of the History of Education in Brazil,
from the discovery to the Guidelines Law and Bases of National Education in 1996.
The Portugueses entered a port in 1500 with the goal of exploring the new land. From
1530 on, realizing the interest of other nations they begin the process of occupation
through the Hereditary Captaincies. They did bring religious missionaries with the goal
of to convert the savages, as the natives called, into Christians through baptism. But
the project has failed! The imperial government started to think in a new way, now with
the objective of colonization, and established the office of General Governor. In the
first group, with the governor, was the first group of Jesuits who began their work
founding schools, colleges, parishes and missions, but it was the teaching of the
natives what stood up. They were practically the responsibles for education in Brazil
for two hundreds and ten years, until their ouster in 1759. The expulsion of the Jesuits
started the process of the educational collapse, and for many years, new projects were
presented, but with out success. The situation has changed only slightly with the arrival
of the Royal Family. Efforts were made to create conditions to meet the needs of
education and culture of the Royal Family and its court, who were transferred from
Portugal to Cologne not voluntarily. When returned, to Portugal, some years later, they
realized that the balance of the present situation was insufficient. The monarchy period
was not different from the previous period. The nine year of government of D. Pedro I,
were unsuccessful. The long reign of Pedro II, passed without major changes too,
even being considered a man of big culture. The monarchy was replaced the Republic,
which over time, at several points, has made efforts, through projects, but that didn't
resolve the challenges of education. Several governments were passed, each one with
their own projects, but in general, always met with other problems, specially political. In
almost five hundreds years, were eight Constitutions and between one and another the
education program had an Additional Act, Institutional and Constitutional Amendment
Act, many decrees and laws. Many things has been said about education, however,
little has been done. In the field of education are: the Law on Basic Education and
Guidelines of 1961, the reform of the higher education in 1967, the reforming of the
teaching of First and Second Degrees in 1971. Finally in 1996, was promulgated the
new LDB, which began to be drawn in the Constitution of 1988. This LDB brings in its
contents new measures to meet the challenges of the Brazilian educational system.
However, from its application on, realizes that, as well as everything that was done,
since the discovery until the present day, it needs a better modeling.
Keywords: Education. Guidelines. History.

7

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ANDE - Associação Nacional de Educação
ANDES - Associação Nacional dos Docentes de Superior
CNTE - Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação
CUT - Central Única dos Trabalhadores
ENC - Exame Nacional de Cursos
ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio
FHC - Fernando Henrique Cardoso
FUNDEF - Fundo Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de
Valorização do Magistério
INEP - Instituto de Estudos Pedagógicos
LDB - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional
MCP - Movimento de Cultura Popular
MEC - Ministério da Educação e Cultura
MOBRAL - Movimento Brasileiro de Alfabetização
PAUIB - Programa de Avaliação Institucional
PCNs - Paramentos Curriculares Nacionais
PT - Partidos dos Trabalhadores
PTB - Partido Trabalhista Brasileiro
SAEB - Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica
SENAC - Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial
SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial
UNE - União Nacional dos Estudantes

8

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO.........................................................................................................

09

CAPÍTULO I ­ A EDUCÃO DO BRASIL COLÔNIA................................................

12

1 A EDUCAÇÃO NO BRASIL DE 1500 A 1822

CAPÍTULO II ­ A EDUCAÇÃO NO BRASIL MONÁRQUICO.................................

40

2 A EDUCAÇÃO NO BRASIL DE 1822 A 1889

CAPÍTULO III ­ A EDUCAÇÃO NO BRASIL REPÚBLICA....................................

50

3 A EDUCAÇÃO NO BRASIL DE 1898 A LDB DE 1996

CONCLUSÃO...........................................................................................................

81

REFERÊNCIAS........................................................................................................

85

ANEXOS..................................................................................................................

89

9

INTRODUÇÃO

"Educar é reinventar o mundo".
Paulo Freire

Como repensar o processo educacional hoje? Com essa, muitas
perguntas e questionamentos têm pairado sobre o cenário educacional no
Brasil, especialmente por aqueles que pensam e trabalham nessa área.
Para Olavo Bilac "a escola é o primeiro reduto da defesa nacional: a
menor falha do ensino, e o menor descuido do professor podem comprometer
sem remédio a segurança do destino do país". (BILAC apud BITTENCOURT et
al. 1996, p. 49)
Quando se fala do processo educacional do Brasil, da descoberta à
LDB/96, abre-se um espaço para grandes questionamentos, pois no decorrer
desses quase 500 anos de história, o ensino passou por vários momentos os
quais, procurou-se descrever de forma bibliográfica nessa monografia de
conclusão do Curso de Especialização Lato Sensu de Metodologia do Ensino
Superior.
Não é intenção esgotar o tema, pois seria muita pretensão, e também
pelo fato de ser muito amplo e complexo, mas, procurou-se descrever de forma
sucinta o que foi considerado mais relevante para posteriores pesquisas, uma
vez que se pretende dar continuidade à pesquisa.
Para tanto foi pesquisado, por meio de revisão bibliográfica, o tema,
buscando autores de renome no cenário nacional que abordam sobre o
mesmo.
Para finalizar, diante do exposto apresenta-se a organização do
trabalho, dividido em três capítulos:
O primeiro aborda a educação no Brasil Colônia, onde se destaca a
educação sob o patrocínio dos jesuítas que, durante duzentos e dez anos
atuando de forma extraordinária junto aos nativos nas reduções, mas também
foi marcante sua participação nas escolas, colégios e paróquias nas cidades,
vilas e povoados. Mas, o processo educativo jesuítico foi brutalmente
interrompido quando foram expulsos de Portugal e suas colônias por
determinação de Dom José I, por insistência do Marquês de Pombal.

10

Percebe-se um grande descompasso nessa transição, pois enquanto a
Companhia tinha por objetivo servir os interesses da fé, o Marquês de Pombal
pensava em organizar a escola para servir os interesses do Estado.
O segundo capítulo aborda a educação no tempo da monarquia. Este é
um período onde a educação ainda vai sentir os reflexos da expulsão dos
Jesuítas e passará pelo que os críticos costumam chamar de estagnação do
ensino. Dom Pedro I governa por anos, mas não apresenta novidades. Houve
até uma tentativa na constituinte de 1823, segundo Niskier (1969) em função
da proclamação da independência, incrementar o sistema de ensino, através
do artigo 250 que determinava a criação de escolas primárias em cada vila,
ginásios em cada comarca e universidades em determinados locais, mas isso
só ficou na teoria, pois o imperador dissolveu a constituinte e no ano seguinte
outorgou a primeira Constituição do Império e no seu artigo 179 dizia: "a
instrução primária é gratuita a todos os cidadãos". Em 1827, promulga a Lei
Geral que será a primeira e única para o ensino público elementar até 1946.
D. Pedro II, mesmo sendo considerado muito culto governa durante 49
anos, mas seus projetos no setor educacional foram tímidos e sem relevância.
O terceiro capítulo apresenta as várias faces da República desde 1889
quando é proclamada, relatando de forma sucinta o que foi feito em nível de
educação com seus acertos e erros. Passando pela Primeira República, nada
de novo apareceu na educação, pois foi um período onde a chamada política
do café com leite ocupou todos os espaços, ficando a educação à margem.
Em 1930 Getúlio Vargas assume o poder e permanece por quinze anos,
sendo que em 1934 outorga a terceira Constituição brasileira, e apenas três
anos mais tarde, por meio de um golpe, instala o Estado Novo e outorga a
quarta Constituição. Com a deposição de Vargas, tem inicio em 1946 a
Segunda República que se estende até o golpe militar em 1964. Registra-se no
período a promulgação da quinta Constituição do Brasil, e atendendo o que
ficou acordado na Constituição, têm inicio em 1948 os trabalhos da LDB, que
se concretiza treze anos mais tarde.
Com o golpe militar de 64, tem inicio um dos momentos nas cruciais de
nossa história, onde os militares, através de perseguições, prisões, torturas,
mortes, exílios e todo tipo de coação, imprimi no Brasil suas sangrentas
marcas. É um momento de total vedação da liberdade e da expressão. Nesse

11

contexto o setor da educação sofre terríveis controles, estando particularmente,
as universidades como alvos permanentes, bem como todos os grupos e
movimentos de orientação popular. Nesse período temos a edição de sexta
constituição brasileira em 1967. Neste mesmo ano é criado o Movimento
Brasileiro de Alfabetização - MOBRAL para substituir o Método Paulo Freire.
No inicio do regime militar não havia, por parte dos civis, consciência da
gravidade dos problemas, pois o endurecimento só começou a ser visível
realmente a partir de 13 de dezembro de 1968, com o decreto do Ato
Institucional, ou AI 5 como ficou conhecido. É a mais violenta das medidas do
governo militar, onde decididamente reprimem, perseguem, exilam e matam
sem constrangimentos. A partir daí cresce em quase todos os setores da
sociedade uma grande descrença nesse modelo ditatorial.
Ainda no bojo desses acontecimentos foi feita a reforma universitária
pela Lei 5.540 e, novamente no ano seguinte ao Ato Institucional editam uma
Emenda Constitucional que na área da educação mantém a gratuidade e
obrigatoriedade do ensino para crianças e jovens entre 7 a 14 anos nos
estabelecimentos oficiais, mas, abre a possibilidade de cobrar o ensino médio.
Dois anos mais tarde, foi promulgada a Lei 5.692 que fixa as diretrizes para o
ensino de 1º. e 2º. Graus.
Em 1988, foi promulgada a oitava Constituição, e a partir dela, tem início
os trabalhos para uma nova LDB, fixada oito anos mais tarde pela Lei 4.024,
onde conclue-se a monografia.
Diante de tudo o que foi exposto fica um questionamento: Quais as reais
perdas e ganhos nesses quase quinhentos anos de história da educação no
Brasil?

12

CAPÍTULO I

A EDUCAÇÃO NO BRASIL COLÔNIA

1 A EDUCAÇÃO NO BRASIL DE 1500 A 1822

Somente após trinta anos do chamado descobrimento do Brasil, embora
sem muita preocupação por parte do governo imperial de Portugal, teve inicio a
colonização da Terra de Santa Cruz. O pensamento do governo em relação à
nova terra é de exploração, num primeiro momento, deixando bem claro que a
função da nova Colônia era propiciar lucros para a Metrópole, por isso até 1530
não esboçou nenhum projeto de ocupação.
O começo da colonização foi marcado por inúmeras dificuldades, entre
elas o fracasso das capitanias hereditárias. A nova forma encontrada por sua
majestade, o rei de Portugal foi a criação do Governo Geral. O Governador
Geral seria o primeiro representante do poder político da metrópole na colônia
e, era sua obrigação apoiar e defender as capitanias a fim de resgatar o
objetivo da criação das mesmas e, tornar viável o processo de colonização.
Porém, essa idéia não vingou.
Segundo Ribeiro (2000), alguns fatores levaram o governo português a
mudar sua posição em relação à Colônia e, implementar a colonização como o
fracasso das capitanias hereditárias; a escassez do pau brasil na região
costeira; a não submissão dos nativos ao trabalho escravo; as dificuldades em
encontrar ouro e pedras preciosas e os sérios riscos de perder o território para
a França.
Frente a essa situação a Coroa foi forçada a empreender esforços para
que a colonização fosse de povoamento. Começando o cultivo da cana de
açúcar em imensos latifúndios, em grande escala de produção e, utilizando a
mão-de-obra escrava, tudo isso, única e exclusivamente visando atender o
mercado externo.
Para o bom êxito da colonização era necessária e urgente a conversão
dos selvagens à fé cristã, pois não aceitavam trabalhar nas lavouras e nem em
outras frentes e, com freqüência atacavam povoados. A catequese e a
instrução foram os meios encontrados de controlar as investidas dos indígenas

13

e, ao mesmo tempo, criar condições para o avanço no processo de colonização
criando dessa forma muitas dificuldades para o avanço do processo de
colonização.
Essas dificuldades podem ser constatadas em um dos itens do Regimento
de 1548, que apresentava a política de D. João III, para a colônia. Esse
Regimento era do Governador Geral Tomé de Sousa, de 17 de dezembro de
1548, e foi durante mais de cem anos, segundo Paiva (1982, p. 34) "a Carta
Magna" que regeu a política da nova colônia portuguesa.
Em nível educacional muito pouco foi feito em quase meio século nos
poucos núcleos de povoação espalhados na Colônia. Os colonos eram
deixados à margem de tudo e por isso viviam em total ignorância.
Os indígenas, por sua vez, assustados com a presença do branco,
viviam em constantes guerras entre si e, com os invasores. Tinham sua forma
peculiar de viver, mas, totalmente desconhecida pelos brancos que os
consideravam ignorantes e selvagens.
Para reverter essa situação a melhor forma seria aculturar os indígenas
ao moldes da civilização ocidental cristã com valores espirituais e morais.
Assim, a colonização alcançaria sucesso.
Para esse trabalho a coroa contou, especialmente com a presença e o
apoio da Companhia de Jesus, Ordem religiosa fundada na França há pouco
tempo e, que tinha como ideal difundir a fé católica no novo mundo, em
resposta à ameaça protestante que se alastrava na Europa.
A Companhia de Jesus é uma Ordem Religiosa, especialmente fundada
para frear o crescimento do protestantismo e reparar os estragos ocasionados
pela Reforma. O fundador foi Iñigo López de Oñaz y Loyola, que ficou
conhecido por Inácio de Loyola; nascido em Azpeita, região Basca do norte da
Espanha em 1491. Era um nobre fidalgo que em 1517 entra no exército e, a 5
de maio de 1521 foi ferido no cerco de Pamplona em batalha contra os
franceses. Durante o tempo em que esteve convalescente no hospital teve a
oportunidade de ler a vida de alguns santos, a partir daí converteu-se e tornouse um destemido soldado de Deus e de sua Igreja.
Depois de curado das feridas, foi para o Monte Serrate e suspendeu aos
pés da Virgem Maria, a sua espada de cavaleiro. Não muito longe dali
recolheu-se na Gruta de Manreza e ali compôs a sua obra prima, um livro de

14

retiro, chamado Exercícios Espirituais, ainda hoje usados pelos membros da
Ordem para retiros espirituais. Após o retiro, partiu para a Universidade de
Paris, a fim de completar sua formação religiosa. Foi lá que lançou os alicerces
da sua Ordem, em 1534, na Capela de Montmartre.
A 27 de setembro de 1540, o papa Paulo III abençoou a nova Ordem
Religiosa pela Bula Regimini Militantes Ecclesiae. Em 1554 foram aprovadas
suas Constituições, escrita por Inácio de Loyola, reconhecida solenemente,
durante o Concílio de Trento, 1545 a 1563.
Os membros desta Ordem são ligados entre si pelos três votos
religiosos: pobreza, castidade e obediência, e por um quarto voto de
obediência absoluta às Escrituras, ao Papa e seus superiores, esses, como
guardiões da Doutrina da Igreja.

Os religiosos devem ser, segundo seu

fundador, Perinde Ac Cadaver, disciplinados como cadáver. Dizia Inácio com
relação a sua obediência à Igreja: Acredito que o branco que eu vejo é negro,
se a hierarquia da Igreja assim o tiver determinado. (COMPANHIA..., 2008)
O carisma inicial da nova Ordem era prestar acompanhamento
hospitalar e missionário em Jerusalém ou outro local indicado pelo Papa, sem
questionamento. (COMPANHIA..., 2008)
Com a expansão da mesma, assume a proposta de combater o erro, por
meio de uma vasta e profunda erudição, e a propagação da verdadeira fé nos
países católicos, protestantes e infiéis. A instrução e a educação dos jovens
formam um dos seus fins principais. A Ordem tem como lema: Ad Majorem Dei
Gloriam, ou seja, tudo para maior glória de Deus. (COMPANHIA..., 2008)
Em pouco tempo de fundada, a Companhia contava com um grande
número de membros de países da Europa, especialmente da França, Espanha,
Portugal.
Em 1549, quinze anos depois de sua fundação, seis jesuítas chegaram
ao Brasil, tendo o Padre Manoel da Nóbrega como superior. Nóbrega havia
entrado na Ordem em 21 de novembro de 1544. Com a autorização de D. João
III, Rei de Portugal, aportam na Baía de Todos os Santos a 29 de março, meio
século após a chegada dos portugueses. Vieram com o primeiro governador
geral, Tomé de Sousa, atendendo a solicitação do governo imperial para
catequizar os nativos da Província de Santa Cruz. Os demais jesuítas eram:

15

Padres Leonardo Nunes, Antônio Pires, João de Azpilcueta Navarro e os
Irmãos Vicente Rodrigues e Diogo Jacomo. Os irmãos, mais tarde, foram
ordenados padres (NISKIER, 1969)
Apenas quinze dias após a chegada, ergueram a primeira escola
elementar brasileira, em Salvador, tendo como mestre o Irmão Vicente
Rodrigues, contando apenas 21 anos. Ele tornou-se o primeiro professor nos
moldes europeus e durante mais de 50 anos dedicou-se ao ensino e a
propagação da fé religiosa. Estes podem, segundo Niskier (1969), serem
considerados os primeiros educadores do Brasil.
Os Jesuítas desse primeiro grupo não conseguiram construir colégios,
mas embrenharam-se sertão a dento e em pouco tempo já falavam a língua do
indígena. Merece destaque nesse grupo o Padre João de Azpilcueta Navarro,
primo de São Francisco Xavier, o qual na mesma época evangelizava nas
Índias Orientais. Da Bahia seguiram para o Sul com o objetivo de erguer
conventos e escolas onde houvesse uma Igreja.
Para Peeters; Cooman (1969) o segundo grupo de jesuítas chegou ao
Brasil em 1553, trazendo o mais conhecido e talvez o mais atuante, Padre José
de Anchieta, nascido a 19 de março, em Tenerife nas Ilhas Canárias, no ano da
fundação de sua Ordem, 1534. Entrou aos 17 anos na Companhia de Jesus.
Um acidente durante seus estudos o deixou meio corcunda e sem esperança
de recuperar a saúde. Pediu para vir à missão do Brasil, seus superiores
aceitaram o pedido com esperança de que aqui pudesse, com ajuda do clima
ameno, melhorar sua saúde. Anchieta já era um excelente poeta e grande
latinista. Chega ainda noviço à Bahia com 20 anos de idade, na expedição de
Duarte da Costa, segundo Governador Geral e do Padre Luiz da Grã, futuro
provincial dos jesuítas. Inicia sua missão como carpinteiro, sapateiro e alfaiate.
Poucos meses depois de sua chegada o Padre Manuel da Nóbrega, Provincial
da Companhia, resolveu fundar um Colégio na Capitania de São Vicente e
levou consigo o noviço. Pouco tempo depois os dois missionários decidiram
transferir a Escola de São Vicente para o sertão de Piratininga e fundaram o
primeiro colégio da Ordem no Brasil. Era o dia 25 de janeiro de 1554, e o local
seria futuramente o marco zero da fundação da cidade de São Paulo.
Objetivando a conversão e conseqüente catequização dos nativos, o
padre Nóbrega elaborou um plano de ação que, veio ser o primeiro projeto de

16

educação da Colônia para aqueles que se convertessem à fé católica, tendo as
seguintes leis: proibir que comessem carne humana; impedir que fizessem
guerra sem licença do governador; não permitir aos homens ter mais que uma
mulher; que se vestissem, ao menos após batizados; proibir a presença de
feiticeiros; fazê-los viver em paz entre si e com os cristãos; impedir o
nomadismo, fixando-os na terra para facilitar a catequização e que suas terras
fossem repartidas com a Companhia. (NISKIER, 1969)
José de Anchieta que acompanhou o padre Nobreza nessa missão
tinha forte inclinação para o domínio de idiomas. Foi autor de vários
catecismos, gramáticas e diversos autos para a catequização dos índios em
tupi-guarani, língua mais falada na costa do Brasil. Tornou-se mestre-escola do
Colégio de Piratininga. Na passagem por São Vicente escreveu, na areia, os
famosos Poemas à Virgem Maria - De beata virgine Dei mater Maria (NISKIER,
1969). Esteve ainda no Rio de Janeiro e no Espírito Santo. Foi provincial da
Companhia no Brasil de 1579 a 1586 e reitor do Colégio do Espírito Santo.
Passou para a história com o título de Apóstolo do Brasil. Morreu em 9 de julho
de 1597, em Reritiba, atual Anchieta no Espírito Santo.
Os jesuítas iniciaram seus trabalhos na Colônia pela pregação da fé
católica e o trabalho educativo junto aos indígenas, mas logo perceberam que
seria impossível converter os índios sem que soubessem ler, escrever, contar e
falar o português (NISKIER, 1969). Perceberam ainda que, com os adultos
teriam mais dificuldades, por isso adotaram um método de trabalho
especialmente para ensinar as crianças.
Para Figueira (2005, p. 239) "Os jesuítas também lhes davam aulas de
moral e religião; mais receptivas que os adultos, as crianças poderiam,
posteriormente, influenciá-los". É sabido que ainda ensinavam artes às
crianças. O resultado foi muito rápido e logo atingiu também os adultos.
De acordo com Niskier (1969) as aulas das primeiras escolas eram muitas
vezes realizadas ao ar livre ou em Cabanas improvisadas.
Já em 1570, apenas vinte e um anos após a chegada dos jesuítas, a
Ordem já podia contar com cinco escolas de instrução elementar: Porto
Seguro, Ilhéus, Espírito Santo, São Vicente e São Paulo de Piratininga; e três
colégios: Salvador, Rio de Janeiro e Olinda.

17

Todas as escolas e colégios administrados pelos jesuítas eram
regulamentados por um documento que começou a ser escrito pelo fundador,
também chamado de general da Companhia, que ficou pronto de 1599,
quarenta e três anos após sua morte. O documento chamado Ratio Atque
Institutio Studiorum Societatis Jesu, Plano de Estudos da Companhia de Jesus,
(FRANCA, 1952), onde concentra sua programação com traços nitidamente da
cultura européia.
Para Aranha (2005) os jesuítas atuaram não só no ensino das primeiras
letras, mas abriram também os cursos de Letras e Filosofia, na época
considerada secundários, e o curso de Teologia e Ciências Sagradas, de nível
superior, para a formação de sacerdotes para a Companhia.
No curso de Letras estudava-se Gramática Latina, Humanidades e
Retórica; e no curso de Filosofia estudava Lógica, Metafísica, Moral,
Matemática e Ciências Físicas e Naturais.
O ensino em todas as instituições jesuíticas, nessa época, era gratuito,
pois os colégios eram fundados possuindo rendas estáveis e, os impostos
locais sobre vinho, carne, sal, entre outros gêneros lhes forneciam o sustento
necessário para manutenção das mesmas.
Os jovens de orientação liberal educados nos colégios, e que
pretendiam continuar seus estudos eram encaminhados para a Universidade
de Coimbra, em Portugal, a mais famosa no campo das ciências jurídicas e
teológicas, e na Universidade de Montepellier, na França, a mais procurada na
área da Medicina.
Entre os grandes educadores da Companhia que se destacaram na
Colônia está também à figura do Padre Antônio Vieira. Nascido em Lisboa, a
06 de fevereiro de 1608, veio com a família para o Brasil, com destino à Bahia,
aos seis anos de idade. A 5 de maio de 1623 entra no noviciado da
Companhia. Ficou conhecido como grande defensor da liberdade dos
indígenas, combatendo a sua exploração e escravização. Por isso ficou
conhecido entre eles por Paiaçu, grande Pai, em Tupi. Defendeu também os
cristãos-novos (judeus convertidos) os cristãos-velhos (católicos tradicionais),
ambos perseguidos pela Inquisição, e

os negros escravos. Criticou

severamente os sacerdotes de sua época que atuavam em favor do Santo
Ofício. Essa postura custou-lhe a acusação de herege pela inquisição em 1649,

18

mas só em 1675, foi absolvido. Voltou para Lisboa, por ordem do D. Pedro II,
rei de Portugal, afastando-se completamente das questões públicas. Autor de
várias obras, entre elas muitos Sermões, e, pregador na Capela Real, em
Lisboa; Embaixador junto à França, Holanda e Roma. Em 1681, volta para o
Brasil, onde morre no dia 18 de julho de 1697, no Colégio da Bahia.
Os Jesuítas, por duzentos e dez anos trabalharam incansavelmente em
diversas partes do Brasil, até serem expulsos, em 1759, pelo Marquês de
Pombal.
Santo Inácio de Loyola, o fundador da Companhia morreu no ano de
1556, em Roma.
O Plano de Estudos da Companhia de Jesus, historicamente foi o
projeto que norteou a vida e as atividades das escolas e colégios da
Companhia durante quase dois séculos e meio na Europa e nas regiões do
Novo Mundo onde os membros da Ordem atuavam. O objetivo de Santo Inácio
ao pensar no Plano era de uniformizar a formação da clientela que freqüentava
as instituições de ensino da Ordem, em qualquer parte do mundo.
É um manual com orientações precisas sobre a conduta do corpo
docente e discente, detalhando as responsabilidades, desempenho e
relacionamento entre os membros da Companhia, os professores e alunos. É
ao mesmo tempo ainda um manual de organização e administração escolar,
apontando

metodologicamente

sugestões

de

materiais

didáticos

para

conhecimento da clientela, de forma a assegurar-lhes boa formação.
Encontram-se nas regras do Plano, orientações de comportamentos diante do
Provincial, do Reitor, do Prefeito de Estudos, dos professores e até dos
funcionários menos graduados para o bom funcionamento da instituição e para
bons resultados na educação (FRANCA, 1952). Essas propostas foram pouco
questionadas e, dada sua seriedade e a obstinação dos membros da
Companhia em sistematizar sua pedagogia educacional, fazem com que ainda
no século XVI, o modelo seja consolidado.
Além de querer livrar as pessoas da ameaça do protestantismo que se
alastrava pela Europa, os jesuítas almejava a formação do homem perfeito, do
bom cristão, mas infelizmente, não se preocupavam com a conscientização de
seus alunos através da educação.

19

Dentro do quadro hierárquico da Companhia encontra-se o PrepósitoGeral, que comandava toda a Ordem onde quer que estivessem seus
membros. Nos territórios ou regiões em que se encontrava a Ordem, certo
número de membros formava uma circunscrição chamada de província, na qual
era escolhido um dos religiosos para ocupar o cargo e função de Provincial
local, cabendo a ele a tarefa de cuidar dos religiosos das casas, missões,
escolas e colégios da sua circunscrição (FRANCA, 1952). E nesses locais
eram escolhidos, pelo Provincial local, um dos religiosos para ser o superior
daquela comunidade.
No sistema educacional, era função do provincial: nomear o Prefeito de
Estudos e do Disciplinador ou Bedel; cuidar da boa formação dos professores;
promover estudos em nível provincial; vigiar atentamente sobre a observância
nas normas traçadas pelo Ratio. Ainda era sua função propor ao PrepósitoGeral modificações e adaptações sugeridas a partir da implantação do sistema
no lugar. O cargo de Provincial é muito importante para a manutenção e
organização da Ordem. (FRANCA, 1952)
Nos Colégios, o Reitor, era a maior autoridade, estando subordinado ao
Provincial, por quem era nomeado. Sua atribuição era administrar o colégio
como um todo, coordenando todas as atividades ligadas à educação e a
catequese, ou seja, distribuir os trabalhos, convocar, dirigir reuniões de
professores e presidir as atividades civis e religiosas no colégio ou representálo fora dele. (FRANCA, 1952)
Dentro da hierarquia escolar encontra-se o Prefeito Geral dos Estudos,
outra figura importante no colégio. Era tido como um assistente do reitor,
ficando diretamente responsável pela orientação pedagógica. Normalmente,
era escolhido entre aqueles que tinham bastante experiência no ensino, pois
deveria acompanhar, de perto, toda a vida escolar. Eram suas atribuições:
visitar as salas de aulas; fiscalizar a execução dos programas e regulamentos
do Plano de Estudos; formar, orientar e acompanhar os novos professores e
articular as atividades escolares. (FRANCA, 1952)
Nas instituições, onde também era ministrado o ensino superior, e
Cursos de Humanidades, encontra-se o Prefeito dos Estudos Inferiores que
estava diretamente subordinado ao Prefeito de Estudos Gerais, e atuava como
seu auxiliar. (FRANCA, 1952)

20

Onde os colégios tivessem um grande número de alunos deveria ser
nomeado um Prefeito de Disciplina ou Bedel para o bom desenvolvimento dos
trabalhos escolares. Este seria um auxiliar do Prefeito de Estudos, sobretudo
no que diz respeito à manutenção da ordem e do bom comportamento.
(FRANCA, 1952)
O professor está submetido às ordens do Prefeito de Estudos, devendo
seguir as orientações do Plano de Estudos no que diz respeito à sua formação,
à preparação e ao desenvolvimento das atividades durante as aulas. Os
professores das faculdades superiores deviam obediência ao Prefeito de
Estudos em tudo que se refere aos estudos e à disciplina das aulas; antes de
propor qualquer tese aos alunos deviam apresentar primeiro ao prefeito para
sua aprovação ou não; não deviam explicar o conteúdo de algum livro ou autor
fora dos que estão em uso; não podiam introduzir novos métodos no ensino.
(FRANCA, 1952)
Outra função no colégio é do Decurião. Trata-se de um aluno mais
adiantado que auxilia o professor na sala de aula, deve seguir as ordens do
professor e zelar pelo bom andamento dos trabalhos na sala, segundo as
regras.
O professor tem grande poder de iniciativa, não só no emprego dos
métodos propostos, como também a introdução de outros, mas só poderão ser
aplicados com a autorização das autoridades escolares. Em tudo devem valer
as normas e a liberdade, a tradição e progresso, mas tudo de forma
pedagogicamente equilibrada. (FRANCA, 1952)
Para o governo colonial era muito conveniente a presença dos Jesuítas
no setor educacional, pois o método de ensino aplicado em seus colégios
atendia os interesses daqueles que vinham para o Brasil e podiam oferecer aos
filhos uma formação de qualidade aos moldes da Europa. Ao mesmo tempo,
servia de articulação entre os interesses da Metrópole e as atividades coloniais.
Na verdade, os colégios serviram para a formação de uma elite colonial.
O

sistema

educacional

jesuítico

foi

uma

alavanca

para

o

desenvolvimento da colônia, e o seu plano de estudos desempenhou papel
fundamental.
Este Plano de Estudos levou 51 anos para ter sua aprovação definitiva,
1548 a 1599. É um plano de influência Teológico-pedagógica e foi usado nos

21

principais locais da Europa e em todo universo colonial onde estivesse uma
instituição educacional com presença jesuítica.
A Educação é considerada um dos projetos mais importantes da
Companhia, pois nos colégios eles têm a oportunidade de levar o corpo
discente a conhecer e amar a Deus e seu Filho, Jesus Cristo, o Redentor; a
conhecer o carisma da Ordem. Cabe ao Provincial a função de principal
guardião da instituição, ou seja, zelar com todo cuidado para que os objetivos
da companhia sejam do conhecimento e interesse dos religiosos, alunos,
professores e demais envolvidos, e que todos caminhem em direção a
manutenção desse ideal, iniciado por Inácio de Loyola. (FRANCA, 1952)
A primeira constituição da Companhia de Jesus escrita pelo fundador e
aprovada pela Igreja em 1554, previa que, na medida do possível, deve-se
tratar a todos com espírito de mansidão, de paz e da caridade. Esse princípio
foi conservado fielmente e aplicado com afinco nas demais Constituições da
Ordem que foram elaboradas, e especialmente no Plano de Estudos.
Era uma preocupação da Companhia, e, particularmente de Santo
Inácio de Loyola, que as constituições da Ordem fossem aceitas e respeitadas
onde quer que estivessem trabalhando seus membros, por isso era necessário
fazer com que, sem perder sua essência, se adaptassem aos costumes locais.
No intuito de levar adiante o projeto missionário, por várias vezes os
religiosos se viram obrigados, frente às circunstâncias, ceder, chegando por
vezes a contrariar normas da Companhia. Em vários momentos essas
concessões geraram sérios conflitos entre eles e seus superiores, como
também com outras autoridades.
Aprender as línguas nativas foi talvez a primeira e maior destas
concessões. Com essa abertura lingüística houve maior entrosamento com os
nativos e tem início o grande esforço de traduzir para as línguas nativas as
orações e músicas católicas. A partir daí foram elaboradas gramáticas das
línguas nativas, e acabaram sendo incorporadas ao projeto de ensino da
Companhia. Isso trouxe muitos ganhos para ambos os lados e colaborou
enormemente para o avanço e crescimento do trabalho missionário.
O território da Colônia não tinha nenhuma infra-estrutura, assim os
jesuítas assumiram o compromisso de colocar sua força de trabalho a serviço
da educação, e eles mesmos deram inicio às construções de seus conventos,

22

igrejas, escolas e colégios. Sem dúvidas os religiosos do Brasil foram os
responsáveis por adequar e inovar as regras das Constituições e do Plano de
Estudos da Ordem.
Para maior expansão da obra missionária, trouxeram de Portugal muitos
mestres de ofícios para o ensino profissional em seus colégios. Os próprios
jesuítas procuravam aprender os diversos ofícios para ensinar os colonos e
nativos. A partir daí conseguiram mais recursos humanos para as construções
de igrejas, colégios, casas, aberturas de fazendas, aldeias e vilas.
Entre as inovações trazidas, está também, uma nova proposta
pedagógica para ensinar e formar os nativos por meio do teatro, da música e
das danças. Esses recursos foram usados com sucesso, especialmente entre
as crianças. Contudo, tudo isso só foi possível pelo fato dos religiosos terem se
esforçado para aprender às línguas nativas e, como isso a aproximação foi
mais fácil, rápida e teve êxito, e, de certa forma atingiu seu objetivo de
propagar a fé católica. Mas, apesar de todos esses esforços, muitos índios que,
aparentemente convertidos, às escondidas praticavam antigos costumes
religiosos o que era visto como situação de pecado.
Mesmo diante das dificuldades e atropelos, houve um grande avanço
nas tentativas de aplicação e adaptação do Plano de Estudos à realidade
brasileira, implantados nas escolas, colégios e missões da Companhia de
Jesus no Brasil.
No Brasil o Plano de Estudos sofreu algumas adaptações e até mesmo
mudanças, mas sem perder a uniformidade e unidade.
Lugon (1977, p. 5) diz que "a República Guarani era, sem dúvida,
comunista demais para os cristãos burgueses e cristã de mais para os
comunistas da época burguesa".
Com a descoberta do Brasil, os índios ficaram à mercê dos interesses de
grupos: alguns queriam integrá-los ao processo colonizador; os padres jesuítas
desejavam convertê-los ao cristianismo e aos valores europeus; os colonos
estavam interessados em escravizá-los.
Para melhor protegê-los, os jesuítas adotaram a política do aldeamento
missionário, por volta de 1556, por iniciativa do superior dos jesuítas no Brasil,
Padre Manuel da Nóbrega. Essa idéia tomou corpo e foi crescendo; acredita-se
que de 1610 a 1768, ocupavam uma área de quase meio milhão de

23

quilômetros quadrados nos domínios americanos da Espanha. Esses
aldeamentos ficarão, também, conhecidos por Missões ou Missiones no sul ou
ainda de Reducciones, no Paraguai. Eram organizadas de acordo com o ideal
Cristão-católico.
Com as reduções acreditavam poder solucionar o problema de
catequização dos indígenas que, até então, não tinham tido êxito. Foram
criadas no interior do território brasileiro, sendo que as do Sul do país tiveram
maior destaque. As reduções do Sul do Brasil faziam limites com outras que
estavam no Paraguai, Argentina e Uruguai; áreas também chamadas Terras
Indivisas ou Tierras de Dios. Todavia, as mais importantes eram as do
Paraguai.

Essa experiência de vida comunitária aos moldes comunistas,

especialmente dos povos guaranis, foi devastada e destruída definitivamente
em 1768, em grande parte com a participação dos Bandeirantes paulistas, com
o objetivo de escravizar os índios.
Nas reduções os indígenas eram protegidos do contato com os
colonizadores, trabalhavam na agricultura, pecuária e artesanato, utilizando
técnicas bastante avançadas para a época. A distribuição dos bens era
igualitária, ninguém passava fome e todos tinham grandes oportunidades de
trabalho e participação dentro da comunidade. Eram freqüentes as festas
religiosas, com grande participação das crianças. As reduções foram
apontadas como modelo de uma sociedade organizada. Esse ideal de uma
sociedade fraterna remonta do ideal vivido pelas primeiras Comunidades
Cristãs descridas na Bíblia, no Livro dos Atos dos Apóstolos 2,42-47; 4,32-37.
(BÍBLIA SAGRADA, 1991)
Embora tenha sido assumido pelos religiosos da Companhia de Jesus,
o aldeamento na Colônia, na verdade fazia parte de um projeto de segregação
do Governador Geral Tomé de Souza. As diretrizes do Regimento do
governador deixavam claro que os indígenas não deveriam conviver no mesmo
espaço em que os demais colonos, mas, isolados para que a metrópole
pudesse controlá-los e ter maior domínio sobre os mesmos.
As Primeiras reduções seguiram o modelo do Regimento de Tomé de
Souza. Mais tarde apresentou algumas mudanças, porém, em ambos têm
como objetivo a sujeição do índio. Os que se recusavam a seguir os jesuítas
estavam sujeitos às conseqüências da guerra justa, ou seja, tornavam-se

24

escravos. Dessa forma, os jesuítas estavam sempre acompanhados por
soldados da colônia, que tinham autorização e poder para fazer cumprir a lei
quando houvesse resistência.
Com

a

implantação

das

reduções,

os

jesuítas

se

dedicaram

sistematicamente ao projeto catequético. Acreditavam que era o melhor para
todos, pois poderiam catequizar os índios com mais rapidez e ao mesmo tempo
os isolava dos maus exemplos e da exploração dos colonos. Além de
protegidos, estavam ainda limitados geograficamente dentro do território das
reduções. Na visão do aparelho estatal, limitando o indígena ao sistema de
aldeamento, resolvia também outros problemas: liberava grandes áreas para a
agricultura; favorecia o crescimento de vilas e cidades; ampliava a economia e
colaborava para melhorar o convívio social, entre outras vantagens.
Os jesuítas eram rígidos na disciplina nas reduções, pois queriam
extinguir os antigos hábitos, para tanto usavam muitos meios para adequar os
indígenas aos padrões cristãos e ao modo de vida do branco, visto na época
como o mais correto, dentre os meios usados, destacava-se a obediência.
Os indígenas, além de passarem pelo processo de catequização,
recebiam ensino elementar: ler, escrever, contar e ensino de humanidades.
Aprendiam também artes, retórica, música e formação para o trabalho agrícola,
que garantiam ao grupo uma de suas fontes de renda. Os mais adiantados
continuavam seus estudos junto com os filhos dos portugueses nos colégios da
Ordem, próximos das reduções. Junto da instrução e formação, eram
aconselhados a constituir família, e construir suas casas.
Os colégios eram fundados nas regiões mais povoadas, e ofereciam o
ensino elementar e de humanidades, chamado pelo Plano, de ensino
secundário. Os cursos eram uniformes em todas as instituições da Ordem.
Deveria seguir, em tudo, as normas do Ratio, sendo todo material didático e
obras literárias vindas de Portugal.
A Companhia, para impulsionar e melhor administrar suas obras, dividiu
o Brasil em três províncias: Rio de janeiro, Bahia e Pernambuco. A Província
do Rio de Janeiro era responsável pelas casas, colégios e missões da região
sul; da Bahia, a administração das instituições da região Central, e a de
Pernambuco era responsável por todas que estivessem nas regiões Norte e
Nordeste.

25

Muitas vezes os jesuítas viram-se obrigados pelas circunstâncias a abrir
mão, e fazer adaptações e serem flexíveis nas normas propostas pelo Ratio,
para maior adesão e assegurar sucesso nos trabalhos nas reduções e assim
atingir os objetivos traçados pela Companhia.
Todas as obras eram supervisionadas pelos padres visitadores que,
eram enviados da Sede Geral na Europa, pelo Prepósito-Geral.
Segundo alguns historiadores, as Reduções acabaram por transformar
os índios em nômades sedentários, o que contribuiu, decisivamente, para
facilitar a sua captura pelos colonos. Muitas vezes, tribos inteiras foram
capturadas nessas áreas.
Com o passar do tempo, as Reduções passaram a ser mal vistas pelo
governo imperial espanhol, que desde 1580, com a morte do último membro da
dinastia de Avis, Cardeal-Rei, Dom Henrique, 1578-80, Portugal e suas
colônias passaram a pertencer à Espanha. Essa dependência perdurou até
1640.
Prado Júnior (1986, p. 49) diz que:
Portugal sairia arruinado da dominação espanhola, a sua marinha
destruída, o seu império colônia esfacelado. Os Países-Baixos e a
Inglaterra, com a Espanha estiveram em luta quase permanente,
ocuparão, para não devolver, boa parte das possessões portuguesas.
Estava definitivamente perdido para Portugal o comércio asiático; as
pequenas colônias que ainda conservava no Oriente não têm
expressão apreciável. Efetivamente só lhe sobrariam do antigo império
ultramarino o Brasil e algumas posses na África. Estas, aliás, só
valerão como fornecedores de escravos para o Brasil. Na própria
colônia americana a soberania portuguesa correrá grande risco. Além
de incursões esporádicas de ingleses e holandeses, estes últimos
ocuparão efetivamente durante longos anos boa parte da colônia.

Para Ribeiro (2000) a Inglaterra já desponta a partir do século XVI como
uma nação burguesa e industrial, estando muito à frente das demais. O rápido
crescimento

de

produtividade,

especialmente

oriundas

das

atividades

manufatureiras e mineradoras, foi que alavancou a chamada Revolução
Industrial e colaborou determinantemente para grandes transformações e, ao
mesmo tempo elevou a Inglaterra à condição de potência hegemônica, no
plano político e econômico, do século XIX.
Para Figueira (2005) Portugal, por sua vez, encontra-se numa grande e
dolorosa estagnação, pois sua política colonial visava à passagem da etapa
mercantil para a industrial do regime capitalista, mas por motivos internos e

26

externos antecipou à primeira, mas não conseguiu chegar à segunda. Dessa
forma torna-se um país pobre, despovoado, sem terras, agricultura atrasada,
sem fontes de renda e com fortes traços feudais; a burguesia mercantil está
rica, porém, pequena.
A situação é crítica e Portugal entra no século XVII completamente
fracassado. Na tentativa de superação e pressionado, assina com a Inglaterra
em 27 de dezembro de 1703, o Tratado de Methuen, também conhecido por
Tratado de Panos e Vinhos. Era um acordo comercial entre as duas nações,
onde se comprometiam, Portugal consumir os tecidos da Inglaterra e a
Inglaterra os vinhos de Portugal. Foram negociadores desse tratado John
Methuen, embaixador extraordinário da Rainha Ana da Grã Bretanha e o
Marquês de Alegrete, Dom Manuel Teles da Silva, representante de Portugal.
Esse tratado acabou por sufocar ainda mais o processo de
industrialização de Portugal.
Segundo Figueira (2005, p. 176) "Como o valor das importações de
tecidos foi sempre superior ao das exportações de vinho, Portugal acabou
acumulando déficits sobre déficits em seu comércio com o poderoso aliado".
Cotrim (2005, p. 250) diz:
As condições no Tratado de Mathuen não foram, porém, os únicos f
atores responsáveis pelas dificuldades do desenvolvimento industrial
português. As causas da não industrialização de Portugal são antigas
e continuam sendo objeto de estudo de historiadores.

Segundo Aranha (2005, p. 133):
No decorrer do século XVII, cresce a animosidade contra a Companhia
de Jesus. O governo temia o seu poder econômico e político, exercido
maciçamente sobre todas as camadas sociais ao modelar-lhes a
consciência e o comportamento. Ainda mais, desde os tempos de
Nóbrega, a coroa se comprometera a destinar-lhe uma taxa especial de
10% da arrecadação dos impostos, além de doação de terras. A
Companhia tornara-se então muito rica, com todos esses benefícios,
mais a produção agrária das missões, altamente lucrativa.

Nesse contexto D. José I chega ao poder em 1750 e nomeia como seu
primeiro-ministro Sebastião José de Carvalho e Melo que ficará conhecido
como Marquês de Pombal. Nascido em Lisboa, Portugal 13/05/1699 e morto
em Leiria, Portugal a 08/05/1782. Ocupará esse cargo até 1777.
Para Figueira (2005) ao nomeá-lo a intenção do rei era ver recuperada a
economia, o poder real, a cultura e reforçar o Pacto Colonial.

27

Pombal empreende esforços, especialmente para recuperar a economia
e a política de Portugal. Figueira (2005) destaca que dentro do plano de
reformas de Pombal, estão o aumento de impostos sobre produtos importados,
criação da Companhia dos vinhos do Douro, incrementou a produção agrícola
e a construção naval, reformou a instrução pública, fundou várias academias e
reorganizou o exército português.
Simultaneamente inicia uma campanha contra a Companhia de Jesus.
Segundo Aranha (2005) para justificar sua perseguição alega que a Companhia
é um empecilho na conservação dos poderes econômico e político e aponta
como motivos seu enriquecimento e a orientação de sua clientela para o
serviço da Ordem, e, não para os interesses do Império. Mas, entre todas as
acusações as mais contundentes são, segundo Souza (2004, p. 114) "que
formavam um Estado dentro do Estado", e, para Niskier, (1969. p. 53)
"ambicionavam poder e riqueza".
O ódio que Pombal nutre pelos jesuítas, faz com que endureça cada vez
mais a relação, chegando a ponto de pedir, nove anos após chegar ao poder,
sua expulsão.
Pelo Alvará Régio de 3 de setembro e da Carta Régia de 4 de outubro
de 1759, o rei D. José I, determinava a expulsão da Companhia de todos os
domínios portugueses. O Decreto ainda determina que inventariasse e
seqüestrasse todos seus bens, e incorporassem ao tesouro público lusitano.
A expulsão dos jesuítas está ligada a posições em função de radicais
diferenças de objetivos. Enquanto os jesuítas preocupavam-se em aldear e
converter os índios e, com a formação de novos membros para a Companhia,
Pombal pensava em reerguer Portugal da decadência que se encontrava
diante de outras potências européias da época. Os religiosos Jesuítas
permaneceram como bastiões da educação no Brasil durante duzentos e dez
anos, quando por meio de um alvará, foram brutalmente expulsos de Portugal e
todas suas colônias.
Sodré (1989, p. 27) diz:
Quando da expulsão, realmente, possuíam, os jesuítas, na metrópole,
24 colégios, além de 17 casas de residências, e, na colônia, 25
residências, 36 missões e 17 colégios e seminários, sem contar os
seminários menores e as escolas de ler, escrever e contar, instaladas
em quase todas as aldeias e povoações onde existiam casas da
Companhia.

28

Acredita-se que no momento da expulsão eram em torno de 500
religiosos, distribuídos nas províncias religiosas da Bahia, Pernambuco, Rio de
Janeiro e Pará.
Mesmo com todas as criticas que se pode fazer a esse projeto, tem-se
que reconhecer o esforço e a luta dos membros da Companhia para levar
avante seu projeto de evangelização. Por esse ato de Pombal a educação
brasileira sofreu um grande corte histórico.
Segundo Aranha (2005, p. 134):
Pode-se questionar a validade do ensino dos jesuítas na formação da
cultura brasileira, mas é indiscutível que de início foi prejudicial o
desmantelamento da estrutura educacional montada pela Companhia
de Jesus. Os bens dos padres são confiscados, muitos livros e
manuscritos importantes destruídos, nada sendo reposto.

Para Facchini; Neves (1988, p. 37):
a implantação da religião cristã foi conseguida à custa do suor e até do
sangue dos missionários. Ninguém pode negar o sacrifício, paciência,
abnegação e resistência física e psicológica dos jesuítas
(especialmente dos primeiros missionários).

Com a expulsão dos Jesuítas a educação no Brasil entra em nova fase,
que ficou conhecida como reforma pombalina.
São concordes os historiadores que, o grande sonho do PrimeiroMinistro era fazer com que seu país se destacasse economicamente para estar
em pé de igualdade e competir com outras nações européias. Essa foi a razão
que o impulsionou a fazer tantas reformas em todos os setores do reinado.
O ideal de Pombal era formar o nobre negociante, simplificar e abreviar
os estudos, encaminhando maior número aos cursos superiores; aprimorar a
língua portuguesa, diversificar o conteúdo incluindo o de natureza cientifica e
torná-los os mais práticos possíveis.
Na Colônia brasileira, Pombal procurou colocar nos cargos públicos
administrativos mais importantes, portugueses, considerados, por ele, como
pessoas de primeira classe. Ao passo que para o ensino primário público,
prepara pessoas de classes inferiores, ou seja, com pouca formação.
Aranha (2005, p.134) diz que:
Os colégios estão dispersos, não há mais a formação de mestres nem
uniformidade de ensino, portanto. Existem queixas quanto à
incompetência do mestre leigo, que são muito mal pagos. O centro de

29

decisões está no reino, o que torna a máquina administrativa
extremamente morosa e ineficaz.

Essa forma de Pombal organizar a política educacional contribuiu,
também, para maior exploração das riquezas e, conseqüentemente aumento
nos lucros da Metrópole.
A supressão da Companhia que aconteceu em Portugal e suas Colônias
em 1759, sob o pontificado de Clemente XIII, só teve seu desfecho em 1773, já
no pontificado de Clemente XIV. Portugal e França eram os países que mais
faziam pressão para supressão da Ordem. Sendo que na França ela já tinha
sido expulsa em 1º de dezembro de 1764.
Ao assumir o pontificado a 19 de maio de 1769, Clemente XIV, se
depara com grupos muito fortes contrários, à presença jesuíta na Igreja. A
França ameaça romper relações diplomáticas com a Santa Sé. Diante disso, o
Papa cedeu, e, em setembro de 1769 prometeu suprimir a Ordem, sem,
contudo, marcar data. Tentou contornar a situação proibindo a admissão de
novos candidatos. Mas o governo espanhol coloca-se contrário a essa medida
e faz tamanha pressão que o Papa se viu obrigado a suprimir a Ordem em
todos os cantos do mundo.
Dessa forma, segundo Souza (2004, p. 197):
O Papa Clemente XIV publicou o Breve Dominus Ac Redenptor para
suprimir em toda cristandade a Companhia de Jesus no dia 21 de
junho de 1773, após a repercussão dos acontecimentos em Portugal,
seguidos por França, Espanha e Nápoles, causando grande pressão
pública. O Papa a "bem da paz", cede às pressões. No dia 9 de
setembro de 1773, a comunicação régia da extinção da Companhia de
Jesus foi enviada à colônia.

Souza (2004, p. 198) diz que: chegou comunicado ao bispo sobre a
extinção da Companhia de Jesus. O prelado tornou pública a ordem que
recebeu da corte a todos os diocesanos:
Revmo. Bispo de São Paulo. Eu, El Rei, vos envio muito saudar. O
nosso Santo Padre Clemente XIV, ora presidente da Universal Igreja
de Deus; pela sua Bula expedida em forma de breve que principia:
Dominus ac Redemptor Noster Iesus, dada em Santa Maria Maior,
debaixo do anel do pescador, no dia 21 de julho, quinto ano de seu feliz
pontificado, suprimiu e extinguiu inteiramente a Companhia chamada
de Jesus, abolindo todo e cada um dos seus ministérios e ofícios,
casas, criados, colégios (...), absolvendo dos votos todos os indivíduos
da mesma Companhia e transferindo aos respectivos ordinários a
jurisdição, que sobre eles teve até agora seu abolido geral; por ficarem
reduzidos ao estado clerical os que tiverem ordens sacras. (...)
Pareceu-me participar-vos o referido para que antes de tudo façais
render, a Deus Nosso Senhor as mais solenes graças pela essencial

30

providência e iluminação. (...) Dado e passado nessa cidade de São
Paulo sob o selo de Sua Exa. Revma. e meu sinal, aos 13 de julho de
1774.

Com a supressão da Ordem foi destruído todo o trabalho feito por ela em
muitas partes do mundo no decorrer de duzentos e trinta e nove anos de sua
existência a serviço da Igreja.
A decisão do Papa não foi aceita pela Rússia, Polônia, Prússia e
Inglaterra. Na Rússia, a autoridade papal não era reconhecida pelos líderes da
Igreja Ortodoxa, e, aproveitando da situação a Czarina Catarina, a grande, viu
naquele momento a oportunidade de levar os jesuítas para seu país, pois eram
considerados como homens elevada cultura e grandes estudiosos. Essa atitude
da czarina trouxe, para Rússia enormes benefícios em níveis culturais.
(COMPANHIA..., 2008)
Em nível mundial, na época da supressão, segundo Franca (1952, p.
24) "a Ordem mantinha na Europa 546 colégios e 148 seminários e, fora da
Dela, nas províncias missionárias, 123 colégios e 48 seminários".
Pouca coisa restou da prática educacional jesuítica no Brasil.
Continuaram a funcionar apenas o Seminário Episcopal no Pará, e os
Seminários de São José e São Pedro, que não se encontravam sob a
jurisdição jesuítica; a Escola de Artes e Edificações Militares, na Bahia; e a
Escola de Artilharia, no Rio de Janeiro.
Após 41 anos de sua extinção pela Igreja, a Ordem foi novamente
restaurada. Souza (2004, p. 230) diz que:
O papa Pio VII, mediante o breve Solicitudo Omnium Ecclesiarum,
restabeleceu a Companhia de Jesus no dia 7 de agosto de 1814. Essa
atitude de Sua Santidade não foi acatada nos domínios portugueses
pelo príncipe regente dom João VI, que comunicou sua decisão à
Santa Sé.

Para Gonçalves (2008) os jesuítas retornam suas atividades em Portugal
em 1829, no governo de D. Miguel, mas é só em 30 de agosto de 1832, que a
Companhia é oficialmente restaurada pelo mesmo D. Miguel.
Os Jesuítas voltam Brasil em 1845, vindos da Argentina e abrem um
Colégio em Florianópolis. Retomam suas, especialmente na área da educação,
seguindo o mesmo método usado na fase inicial. A partir daí se reestruturam e
seguem abrindo casas, novos colégios e universidades. (JESUITAS..., 2006)

31

No que diz respeito à política educacional do Primeiro-Ministro para a
Colônia do Brasil, destaca-se sua postura em relação aos indígenas da região
do Amazonas, com a publicação em 1757, do Diretório para os Índios da região
amazônica. Por este, proibia o uso dos idiomas indígenas, obrigava-os dar
nomes portugueses a seus filhos, as aldeias, vilas e combater tudo que
pudesse atrapalhar as relações comerciais exteriores, para isso era necessário
acabar com tudo que estivesse voltado para a sobrevivência do próprio grupo,
em detrimento dos interesses do mercado internacional e dos interesses da
Metrópole.
Beozzo (2004, p.10-11) transcreve texto do Diretório onde Pombal
determina a abolição do idioma e da língua indígena da região amazônica:
Sempre foi máxima inalteravelmente praticada em todas as Nações,
que conquistaram nos domínios, introduzir logo nos Povos
conquistados o seu próprio idioma, por seu indisputável, que este é um
dos meios mais eficazes para desterrar dos povos rústicos a
barbaridade dos seus antigos costumes; e ter mostrado a experiência
que, ao mesmo passo que se introduz neles o uso da Língua do
Príncipe que os conquistou, se lhes radica também o afeto, a
veneração e a obediência ao mesmo Príncipe Observando, pois todas
as Nações polidas do mundo este prudente e sólido sistema, nesta
Conquista se praticou tanto pelo contrário, que só cuidaram os
primeiros conquistadores em estabelecer nela o uso da Língua, que
chamaram geral; invenção verdadeiramente abominável e diabólica,
para que privados os índios de todos aqueles meios que os podiam
civilizar, permanecessem na rústica e bárbara sujeição, em que até
agora se conservam. Para desterrar este perniciosíssimo abuso, será
um dos principais cuidados dos Diretores, estabelecer nas suas
respectivas povoações o uso da língua portuguesa, não consentindo de
modo algum que os meninos e meninas que pertencerem às Escolas, e
todos aqueles índios que forem capazes de ser instruídos nesta
matéria, usem da Língua própria das suas Nações ou da chamada
geral, mas unicamente da portuguesa na forma que sua Majestade tem
recomendado em repetidas ordens que até agora não se têm
observado com total ruína espiritual e temporal do Estado.

Pombal vai mais longe no seu projeto de proibir as línguas nativas e
substituí-las pelo português, e para tanto estabelece as escolas de Ler e
escrever. Uma particularidade dessas escolas está no fato serem separadas
para homens e mulheres, atendendo desse modo às normas e preceitos da
época. Beozzo (2005, p. 11-12) transcreve:
E como essa determinação é a base fundamental da civilidade, que se
pretende, haverá em todas as povoações duas Escolas públicas uma
para os meninos, na qual se lhes ensine a Doutrina Cristã, a ler,
escrever e contar na forma que se praticarem todas as Escolas das
Nações civilizadas; e outra para as meninas, na qual além de serem
instruídas na Doutrina Cristã se lhes ensinará a ler, escrever, fiar, fazer
renda, costura e todos os mais ministérios próprios do seu sexo.

32

Mesmo com sua política contrária a cultura indígena e a completa
extinção das escolas Jesuítas, o governo não conseguiu atingir seu objetivo de
conquista do capital necessário para sua passagem da etapa mercantil para a
industrial, contudo, a Inglaterra continua a ser bastante beneficiada pelos lucros
coloniais de Portugal.
A educação tanto em Portugal como em suas colônias estão às
mínguas. Pombal, porém, quer de toda forma preencher esse grande vazio e
endurece ainda mais sua política de massacre cultural.
Por meio do Alvará Régio, tem a intenção de dar continuidade ao
trabalho pedagógico interrompido com a expulsão dos jesuítas. Será visto
como primeiro esforço de reorganizar a educação e ao mesmo tempo de
secularizá-la (FIGUEIRA, 2005). Acreditava que, somente o ensino dirigido e
mantido pelo poder secular, poderia corresponder e servir aos interesses do
Estado. Dessa forma abria precedentes para que o Estado intervenha e
controle todo sistema de ensino. Esse método já vinha sendo aplicado em
vários países europeus. O grande e sério problema que o sistema educacional
está diretamente ligado aos processos político-sociais.
Com objetivo de controlar e fiscalizar a aplicação do ensino e apoiado
pelo Alvará Régio, Pombal cria o cargo de Diretor Geral dos Estudos que só
passou a funcionar após o seu afastamento do governo. Nesse novo sistema
determina a prestação de exames para todos os professores; proíbe o ensino
público e particular sem a autorização do Diretor Geral. Ele é o responsável
pelos concursos e nomeação de professores régios, pelas licenças para o
exercício do magistério público ou privado. Deve ainda, designar pessoas para
visitar as escolas e professores e, fazer levantamentos sobre as condições do
ensino.
Seu projeto é que o Estado tenha total controle e uniformização do
ensino, tanto no que diz respeito aos professores nomeados, como dos
materiais didáticos utilizados. Deixa claro, o documento que o único poder
nesse novo sistema deve ser do Estado e somente a coroa pode propor um
novo.
Pelo Alvará, o Marquês, ao mesmo tempo em que extinguia as escolas
jesuíticas e expulsava os membros da Companhia de Portugal e suas colônias,
criava as Aulas Régias ou Avulsas de Latim, Grego, Filosofia e Retórica, que

33

deveriam substituir as disciplinas até então oferecidas nas escolas jesuítas.
Cada aula régia ou avulsa era autônoma e isolada, com professor único, e não
se articulavam entre si. Essas aulas régias não impediram, no entanto, o
funcionamento dos Seminários e Colégios de outras ordens religiosas.
Contudo, esses não conseguiram alcançar o caminho feito pelos jesuítas em
suas instituições.
Portugal logo percebe que a educação no Brasil está estagnada e
fadada a total fracasso. O que fazer? Uma das soluções foi em abreviar os
estudos, mas a maior preocupação era formar o perfeito nobre e para isso
simplificaram a aprendizagem do latim, para o rápido ingresso nos cursos
superiores. Essa nova proposta ainda objetivava um maior conhecimento da
língua portuguesa; diversificação do conteúdo; levar o aluno a um maior
contato com o mundo científico e tornar os estudos mais objetivos. Contudo, as
reclamações, por parte da população continuam, pois é notória a diferença
entre essa nova proposta com a anterior.
Segundo Souza (2004) com a expulsão dos Jesuítas a situação
educacional na colônia piora cada vez mais. Na tentativa de resolver os
problemas e reclamações apontadas, o governo criou em 1772, o Subsídio
Literário, ou seja, um imposto especial para financiar o ensino.
Para Peeters; Cooman (1969) este subsídio era um imposto sobre a
carne verde, o vinho, o vinagre e a aguardente. O imposto era baixo, mas
nunca foi cobrado com regularidade, e em 1798, os professores se queixavam
por ficarem longos períodos sem receber seus salários e cobravam soluções
de Portugal.
Os professores eram nomeados por indicação ou sob concordância de
bispos e sua função era vitalícia, mas eram mal remunerados, e na sua
maioria, com baixíssimo preparo para o exercício do magistério. Peeters;
Cooman (1969) dizem que: somando-se a tudo isso, muitas vezes eram
surpreendidos por soldados que vinham invadir as escolas para recrutar os
meninos de doze ou treze anos para o serviço militar. Se, por ventura, se
atrevessem a interceder ou quisesse impedir, eram maltratados e submetidos a
mais humilhações, pois gozavam de pouco prestígio.
Em vista do que vinha sendo feito pelos jesuítas, esse novo projeto,
pedagogicamente foi um retrocesso. Todavia se olhar por outro ângulo, embora

34

pequeno, representou algum avanço, pois foram criados novos métodos e
livros.
A criação das aulas régias será a primeira tentativa de ensino pelo
Estado na história do Brasil, visando substituir o ensino religioso até então
aplicado pelos jesuítas (NISKIER, 1969). A gana de reformar o ensino fez com
que o Marquês criasse muitos Alvarás que, vieram atropelar seu próprio
projeto, fazendo com que essa nova modalidade privilegiasse uns poucos, na
sua maioria os filhos da elite colonial.
Exceto os seminários e as aulas monásticas, pode-se dizer que esse
novo sistema trouxe um período de tremenda obscuridade e ignorância na
educação no Brasil, pois governo português levou quase trinta anos para
assumir o controle pedagógico da educação a ser oferecida. A reforma
patrocinada por Pombal, após a expulsão dos jesuítas dos domínios
portugueses, foi segundo Azevedo (apud NISKIER, 1969, p. 53) "a primeira,
grande e desastrosa reforma de ensino no Brasil".
Até o início do século XIX, a educação brasileira estava praticamente na
estaca zero. Pombal acabou com o sistema jesuítico, mas não ofereceu outro
que, pelo menos, pudesse chegar próximo e dar continuidade ao que vinha
sendo feito.
Souza (2004, p. 116) diz que:
Em algumas partes do Brasil, as pessoas procuraram remediar o
problema da educação. Em Pernambuco, o bispo Dom Azeredo
Coutinho criou o seminário de Olinda, onde eram ensinadas ciências
naturais e matemática. No Rio de Janeiro e na Bahia surgiram
pequenos clubes de intelectuais.

O bispo Coutinho era, na época, julho 1776, ao mesmo tempo
governador interino da Província.
Os Jesuítas foram os grandes guardiões do sistema educacional no
Brasil, mas, não os únicos educadores, pois, em nível religioso têm-se, também
a presença de outras Ordens Religiosas que participaram da evangelização e
catequização nas cidades e missões, possuindo, inclusive algumas, casas de
formações para seus candidatos e futuros membros. Ministraram estudos
religiosos de cunho doutrinário e primeiras letras durante todo o período
colonial. Entre os grupos religiosos destaca-se: Beneditinos, Carmelitas,

35

Mercedários, Oratorianos e Franciscanos. Estes últimos estão divididos em três
ordens: Observantes Conventuais e Capuchinhos.
O Primeiro-Ministro, durante os vinte e sete anos que esteve à frente do
governo de 1750 a 1777, empenhou-se em tornar mais eficaz da presença
lusitana e introduziu modificações no relacionamento entre a metrópole e a
colônia.
Para Figueira (2005, p. 187):
O Marquês de Pombal foi à figura-chave do governo português entre
1750 e 1777. Sua gestão foi um perfeito exemplo de despotismo
esclarecido, forma de governo que combinava a monarquia absolutista
com o racionalismo iluminista.

Segundo Souza (2004) seus projetos na área econômica não tiveram
muitos frutos em razão da grande depressão em que a colônia passou, devido
à crise do açúcar e da queda na produção do ouro em 1760.
Os problemas decorrentes da ação de Pombal no processo educativo,
só terão alguma mudança substancial, na Colônia, com a chegada, em 1808,
da Família Real no Rio de Janeiro.
Em 30 de novembro de 1807, as tropas de Napoleão Bonaparte
comandadas pelo General Junot invadem Lisboa. Ameaçado D. João, regente,
pois sua mãe a rainha Maria I, embora louca ostentasse o título de rainha, junta
toda a Família Real e sua Corte e fogem para a Colônia do Brasil, sob a guarda
inglesa (RIBEIRO, 2000), três dias antes da invasão.
Segundo Figueira (2005) na comitiva vieram ministros, conselheiros,
juízes da Corte Suprema, funcionários do Tesouro, oficiais do Exército e da
Marinha e membros do alto clero. Trouxeram uma infinidade de baús com
roupas e as riquezas da Corte; muitas obras de arte, objetos dos museus, a
Biblioteca Real com mais de 60 mil livros, todo o dinheiro do Tesouro e muitas
jóias da Coroa.
Estavam ainda no meio da mudança, cavalos, gados, porcos e galinhas
e muitos outros alimentos.
Aportaram a 7 de março de 1808 e instalaram no Rio de Janeiro a sede
do governo. A partir desse momento o Brasil já não era mais uma simples
colônia, foi transformada em Reino Unido a Portugal.

36

Nesse tempo, na Europa muitos países estavam ávidos pela
industrialização e a ampliação de seus mercados consumidores, mas o
monopólio constituía um grande empecilho.
Para Figueira (2005) a Inglaterra é um desses, e força D. João, que
acaba de chegar à Bahia, a ceder aos interesses dos grupos coloniais
exportadores da burguesia industrial e decreta abertura dos portos aos
chamados países amigos, em janeiro de 1808.
Com a abertura dos portos, chegou o fim do monopólio e da
dependência econômica do Brasil sobre o comércio, em relação à metrópole.
Mas sua situação apenas foi transferida para outro país: de Portugal passa
para a Inglaterra, que sustenta e mantém, naquele momento, a ideologia de
aliada. Mais tarde, em 1822, com a Proclamação da Independência é
oficializada, apenas no papel, a emancipação política do Brasil.
Segundo Figueira (2005) com a presença da Família Real no Brasil
houve a necessidade de uma reorganização administrativa e nomeação de
pessoas para ocuparem o primeiro escalão dos ministérios criados, bem como
a contratação de funcionários para as diversas áreas da administração pública
e da justiça. É bom frisar que muitas outras cidades importantes da época
foram também beneficiadas por esses atos.
Grandes mudanças de ordem social, política e econômicas são visíveis,
mas é no campo educacional e cultural que nascem muitas propostas e
realizações. Toda Colônia, mas particularmente o Rio de Janeiro, Sede da
Corte, será beneficiada por esse desenvolvimento. Afluirá para a nova Sede
muita gente em busca de uma boa formação, especialmente as lideranças
intelectuais e políticas. Com isso a Colônia, como um todo conhecerá grande
progresso. Instituições de nível cultural e educacional serão instaladas,
trazendo novos cursos e atividades culturais.
Para Ribeiro (2000) procurando atender às necessidades da Família
Real e sua corte, D. João cria várias instituições, entre elas pode-se destacar: a
Imprensa Régia, em 13 de maio de 1808, que possibilitou a impressão do
Jornal Gazeta do Rio de Janeiro, o primeiro jornal brasileiro, nesse tempo eram
proibidas as editoras e a circulação qualquer tipo de impresso, pois tudo tinha
de vir de Portugal; a Biblioteca Nacional tendo os seus primeiros volumes
vindos da Biblioteca da Ajuda, Portugal; o Museu Nacional; Academias de

37

Guardas-Marinhas e Academia Real Militar, escolas de ensino superior. A
última deu origem a Escola Nacional de Engenharia; cursos superiores de
cirurgia, anatomia e medicina no Rio de Janeiro e na Bahia; criação da Escola
de serralheiros, oficiais de lima e espingardeiros, em 1812. No Rio é criado o
primeiro laboratório de química, 1812; Em 1817 é criado o Jardim Botânico
para estudos de botânica e análogos; cursos para formação de técnicos nas
áreas de agricultura, 1814; química, abrangendo química industrial, geologia e
mineralogia, 1817, no Rio de Janeiro e desenho técnicos, 1818. Esses cursos
deveriam formar técnicos para as áreas de economia, agricultura e indústria.
Merece ainda destaque a criação da Escola Nacional de Belas Artes em
1816, logo após a chegada da Missão Francesa, que tinha como membro
Jean-Baptiste Debret.
De acordo com Ribeiro (2000), infelizmente muitos desses cursos eram
apenas de fachadas, pois preparavam os alunos rapidamente, apenas para se
tornarem práticos e atender as necessidades mais urgentes. Mas, Apesar de
toda precariedade e algumas delas de caráter imediatista, essas instituições
colaboraram pra o distanciamento e até o rompimento com Portugal e, mais
especificamente com a Universidade de Coimbra. Esse processo leva a
emancipação política do Brasil em relação à Metrópole, e ao mesmo tempo
abre as portas para, também ir rompendo, ainda que a passos curtos com o
ensino jesuítico que por duzentos e dez anos foi praticamente a única proposta
educacional no Brasil, até sua supressão em 1759.
A expulsão dos jesuítas estagnou o processo educativo, mas com a
chegada da Família Real em 1808, grandes mudanças acontecem nessa área.
E aos poucos vai se esboçando o que será chamado de ensino imperial, uma
vez que a cada dia que passa o governo português com sede no Brasil, deixa
claro sua intenção de dar à Colônia ares de uma Corte à altura das européias.
Assim, no que diz respeito à educação, o ensino imperial viria a ser estruturado
em três níveis: primário, secundário e superior.
Poucas foram as medidas estatais para a organização do ensino
elementar, ficando grande parte reservada à esfera privada. Devido à extensão
do Brasil era de todo impossível disciplinar e organizar, pois além dos escassos
recursos financeiros, é grande a carência de recursos humanos e técnicos, por

38

isso, surgem diversas formas educativas. No meio rural as formas e locais de
ensinar e aprender serão múltiplas.
Segundo Aranha (2005, p. 155):
Sem a exigência de conclusão do curso primário para o acesso a
outros níveis, a elite educa seus filhos em casa, com preceptores. Para
os demais segmentos sociais, o que resta é a oferta de pouquíssimas
escolas cuja atividade se acha restrita à instrução elementar: ler,
escrever e contar.

D. João VI apresenta projetos para organizar a instrução primária.
Contudo, seus projetos não foram suficientes e o ensino primário continuou aos
moldes das escolas de ler e escrever e com pouquíssimos professores para
atender a clientela.
Para Aranha (2005, p.153):
A camada intermediária procura, sobretudo os cursos de direito, não só
para seguir a atividade jurídica, mas para ocupar funções
administrativas e políticas ou dedicar-se ao jornalismo. Além disso, o
diploma exerce uma função de `enobrecimento'.

Assim, tanto o primário como o secundário saem ganhando. Porém, o
secundário segue o modelo das aulas régias de gramática latina, como do
período pombalino. Inclusive, o modelo de política educacional de Pombal foi
seguido pelo príncipe que, passou a controlar o ensino por meio de sua
assinatura nas provisões para abertura de escolas e nomeações de
professores.
Quanto ao ensino superior muito pouco foi feito. Sabe-se que os
diretores eram, ao mesmo tempo, os próprios professores dos cursos, e
estavam submetidos diretamente às ordens do governo.
Segundo Neotti (2007) no que diz respeito ainda ao ensino superior
pode-se destacar a presença dos Frades Franciscanos fixados na Cidade do
Rio de Janeiro no final do século XVI. Ficarão conhecidos como parteiros do
Brasil, pois nove deles celebraram e cantaram a primeira missa no Brasil,
presidida por Frei Henrique de Coimbra, diante Pedro Álvares Cabral, dos
demais

membros

de

sua

comitiva

e

observados

pelos

indígenas

completamente atônitos. Logo após a missa, Frei Henrique fixou a cruz como
marco da possessão portuguesa.
Neotti (2007, p. 5) diz que:
Os Franciscanos em se fixam no Rio de Janeiro em 1592. No dia 19 de
abril de 1607, o governador doou aos Frades o já chamado Morro de
Santo Antônio. Nele havia uma capela dedicada ao grande e milagroso

39

Santo português. De imediato os Frades construíram uma residência
provisória. O superior desta fraternidade, Frei Vicente do Salvador
ficaria famoso e seria chamado Pai da Historiografia Brasileira, porque
escreveu a primeira história do Brasil, ou seja, os grandes fatos dos
primeiros cem anos da presença portuguesa aqui. No dia 4 de junho de
1608, foi colocada a pedra fundamental do Convento e da Igreja,
dedicados ambos a Santo Antônio (...). Este Convento teve intensa
atividade até 1740, quando, por ter-se tornado insuficiente, foi
substituído por outro, o atual. (...) a partir de 1776, o Convento abrigou
uma universidade, reconhecida por alvará régio, cujos professores em
sua maioria eram frades, que se haviam doutorado na Europa. O nível
dos professores causou profunda admiração à Família Real, chegada
ao Rio de Janeiro no dia 7 de março de 1808. Tanto Dom João VI
quanto Dom Pedro I costumavam freqüentar o Convento. (...) Santo
Antônio do Largo da Carioca entrou na história brasileira como
defensor da cidade contra a invasão francesa em 1740.

Esse espaço religioso e cultural é hoje muito conhecido na Cidade de
São Sebastião do Rio de Janeiro como Santo Antônio do Largo da Carioca.
Alguns historiadores insistem em dizer que, na verdade, o Brasil foi
descoberto não por Pedro Álvares Cabral, mas sim com a chegada de Dom
João VI, pois, até então, não era nada. Com ele, especialmente a Cidade do
Rio de Janeiro passa a ser um pólo de irradiação de cultura, economia e
política para o Brasil. Durante o tempo em que D. João VI permaneceu no Rio
de Janeiro, a população da Capital dobrou, passando de 50 mil para cerca de
100 mil habitantes.
Conclui-se que, durante o período joanino, pouco mudou em relação ao
período pombalino na área da educação. Embora, muitos estudiosos, hoje
defendam a idéia de que houve um grande esforço do príncipe em oferecer
condições que alterassem a organização do ensino primário e secundário,
mesmo assim tudo permaneceu como antes.

40

CAPÍTULO II

A EDUCAÇÃO NO BRASIL MONÁRQUICO
2 A EDUCAÇÃO NO BRASIL DE 1822 A 1889

O povo português estava muito descontente com a demora do retorno
da Família Real e, a revolta ainda era maior, pois viam seu país em total
abandono. Por isso em 1820, teve inicio a Revolução Constitucionalista, na
cidade do Porto, visando o fortalecimento da Corte, e conseqüentemente o
enfraquecimento do absolutismo real. Isto veio apressar a volta do Príncipe, D.
João VI a Portugal em 1821, e contribui para o processo de emancipação
política do Brasil. Um ano depois do seu retorno, também sob pressão, seu
filho Dom Pedro I, novo regente, proclama a Independência do Brasil, a 7 de
setembro.
No dia 3 de maio de 1823, teve inicio a Assembléia Constituinte que
redigiria a primeira Constituição do Império. Vários setores e personalidades se
colocaram contrários à forma como estava sendo encaminhado o projeto
constitucional, especialmente os portugueses, o imperador e os democratas. O
conflito político começou a esquentar e se generaliza, registrando-se muitos
embates entre portugueses e brasileiros, entre D. Pedro e os deputados.
Depois de muitas confusões, acusações e conflitos, a representação popular
perdeu, pois o imperador mandou, no dia 12 de novembro do mesmo ano, a
tropa imperial invadir o plenário, prender e exilar vários deputados, e, por um
decreto, dissolveu a constituinte. Este dia passou para a história como a noite
da agonia. Justificando sua atitude, D. Pedro, ao dissolver a Constituinte,
promete que convocaria outra Assembléia, o que não aconteceu. Todavia, a 25
de março do ano seguinte, em cerimônia solene No Rio de Janeiro, o
imperador outorgou a Primeira Constituição Política do Império do Brasil. A
Constituição estabelecia o governo monárquico, hereditário, constitucional e
representativo. Mas, infelizmente manteve em sua base o escravismo.
Segundo Ribeiro (2000) a Constituição contemplava a gratuidade do
ensino a todos os cidadãos, porém os recursos, tanto quantitativos como
qualitativos

eram

insuficientes

para

a

educação.

Assim

a

escola,

41

especialmente, as de primeiras letras eram reduzidas, e não havia pessoal
preparado para o exercício do magistério, e os poucos que atuam não
encontram apoio, muito menos amparo.
Ribeiro (2000) diz que D. Pedro I promulga uma lei geral referentes ao
ensino público: Projeto de Lei Geral de 15 de outubro de 1827, que
determinava a criação de escolas de primeiras letras e institui o ensino primário
para o sexo feminino em todas as cidades, vilas ou povoados mais populosos,
com o intuito de criar uma rede escolar no Brasil, e baixava determinações
sobre formação e contratação de professores.
Foi a primeira e única lei geral para o ensino público elementar até
1946. Lembrando essa Lei de 1827, que em 1963, por meio do Decreto Federal
n.º 52.682, foi criado o 15 de outubro como dia do professor.
A segunda e última Lei do primeiro império foi de 11 de agosto, também
no ano de 1827, e criou as Faculdades de Direito em São Paulo e Olinda.
Com a abdicação de D. Pedro I, o Brasil passou a ser governado por
Regências, pois o infante Pedro contava com apenas 5 anos. O período
regencial perdurou de sete de abril de 1831 até o golpe da Maioridade, a 23 de
julho de 1840, quando D. Pedro II é coroado como segundo Imperador, com
apenas 14 anos.
Durante o período regencial, e, mais especificamente até 1834, todas as
decisões sobre educação foram tomadas no Rio de Janeiro e as medidas
educacionais referiam-se, sobretudo ao ensino superior.
O Ato Adicional de 1834, introduz algumas alterações na Constituição
de 1824, entre elas se destaca a substituição dos Conselhos Gerais pelas
Assembléias Legislativas Provinciais. Pelo Ato Adicional foram conferidas às
Assembléias, poderes para legislar sobre as divisões civil, judiciária e
eclesiástica, bem como a política e a economia dos municípios. O Ato
descentralizou a administração pública do Império e, no campo da educação,
garantia o ensino primário gratuito em todas as províncias, mas, essa lei não se
aplicava à Sede do governo, pois os ensinos primário e secundário do Rio de
Janeiro, estavam sob a responsabilidade da Assembléia Geral e do Governo
Geral. Já nos demais locais do Império estavam aos cuidados das assembléias
legislativas e dos presidentes de cada Província.

42

Nisso observa-se a inversão das responsabilidades: a constituição de
1824 garantia a gratuidade do ensino, porém, o Ato Adicional de 1834,
delegaria às províncias a sua execução. Contudo, somente em 1851,
dezessete anos depois, que foi colocado em prática a decisão do Ato Adicional
o que diz respeito à educação.
Entre 1835 e 1846 são criadas no Rio de Janeiro, Bahia, Ceará e São
Paulo as primeiras escolas normais com duração, de no máximo, dois anos,
com a intenção de preparar, urgentemente, professores para atender a
demanda.
Os cursos superiores criados desde o primeiro reinado até os primeiros
anos do segundo, continuam poucos e isolados, e, com preocupações
estritamente profissionalizantes. Mas, de modo geral, só atendiam e formavam
a elite brasileira.
O segundo reinado tem seu inicio com grandes dificuldades, entre elas
a crise da educação. Por outro lado a partir dos anos quarenta o café se
destacará como cultura e começa a render muitos lucros e dar um grande
impulso à economia do país. A partir da evolução do setor cafeeiro crescem
interesses internos e externos em torno do capital. As cidades passam a ser
vistas como pólos de irradiação e base de expansão do capital interno.
Na área da educação pouca coisa muda. São freqüentes as
reclamações quanto à má formação e preparo dos professores. Pesam ainda
nas costas deles a falta de assiduidade nos compromissos escolares, pois, são
obrigados, pelas circunstâncias, a completar seus orçamentos com outras
atividades. Para os críticos da educação, há nesse tempo, uma total
desvinculação entre a teoria e a prática. Faltam instituições e pessoas que se
preocupam e se dedicam à pesquisa, elaboração e aplicação de bons métodos.
Quanto a economia, o período monárquico passa por uma tranqüila e
cômoda situação, mas não consegue dar um atendimento, mesmo que
elementar, à população em idade escolar. Os poucos que conseguem vagas
nos colégios e liceus, o fazem visando futuramente ingressar no curso superior.
Diante de tudo isso há um crescente desejo de reverter essa situação.
Foram feitas muitas propostas e algumas reformas, mas, infelizmente, todas
sem muita importância, ou contribuição para mudanças.

43

A Província de São Paulo foi pioneira em criar uma lei propondo a
ordenação e fiscalização em todo ensino público, pela Lei Geral nº. 34, de 16
de março de 1846. Cria, ainda, na mesma data, uma escola normal para a
formação de professores na Capital da Província. Três dias antes do Decreto
nº. 34, o Presidente da Província havia criado, também, por Decreto, a Lei nº.
33, que criava dois liceus na Província.
A recém criada Escola Normal não previa o cargo de diretor,
diferentemente do que acontecia com os liceus e as demais instituições. Mas,
em 1847, portanto, um ano mais tarde, a 16 de março, era decretada a Lei nº.
29 que estabelecia os regulamentos dos liceus em São Paulo, e nomeava
diretores que deveriam dirigir os Liceus e observar o comportamento dos
professores e, remeter ao Presidente da Província relatórios de tudo que diz
respeito, tanto ao colégio como aos professores. Além disso, anualmente
deveriam mandar relatório detalhado sobre as atividades no colégio, bem como
a situação dos alunos e professores, em todos os níveis.
Outra incumbência dada pelo Ato, ao Presidente da Província era de
manter os seminários de meninos e meninas, com sede, um Capital e o outro
em Itu. Para esses seminários era nomeado um diretor e/ou diretora, que
cuidava dessas instituições para o acolhimento e alfabetização dos órfãos da
Província.
Em síntese, o período imperial não apresentou avanços no setor
educacional. Mesmo com toda fama de intelectual e culto de D. Pedro II,
somando-se aos nove anos do governo de seu pai, D. Pedro I, resultou em
apenas algumas poucas leis, decretos e resoluções.
No que diz respeito ao ensino primário, assim como nos outros níveis
muito se falou após a Independência, mas pouco foi feito. Segundo Peeters;
Cooman (1969) D. Pedro I, dissolve a Assembléia Constituinte e, Inspirado na
Constituição francesa, de orientação liberal, promulga em 1824, a primeira
Constituição brasileira. Nela se proclama enfaticamente à criação de escolas
primárias, de ginásios e de universidades. Por mais que se falasse na
Assembléia constituinte do precário estado em que se encontrava o ensino nos
diversos graus, o que se conseguiu foi inserir na nova Constituição que o
ensino primário é gratuito a todos os cidadãos. Pelo menos na teoria, o Brasil

44

foi o primeiro país do mundo que proclamou a gratuidade do ensino, mas, na
prática, nada se fez.
Para Aranha (2005) na dificuldade de encontrar mestres competentes
para o ensino o governo adotou, com entusiasmo, o método de ensino
monitorial ou mútuo, que ficou, também, conhecido como Lancasteriano. Esse
método de ensino sistematizado na Inglaterra no século XVIII pelo quaker
Joseph Lancaster (1770-1838) e pelo pastor anglicano Andrew Bell (17531832), baseava-se na difusão da formação primária, a partir do aprendizado de
muitos alunos, por um único professor. Lancaster havia declarado ao rei da
Inglaterra que, sozinho, poderia ministrar o ensino a quinhentos alunos. Para
atingir sua meta, faz com que os alunos mais adiantados, tornem-se monitores,
para ensinar aos demais. Nesse tempo, o método estava se tornando bastante
popular na Inglaterra.
A 1º de março de 1823, foi adotado esse método de ensino no Brasil. Os
exercícios na escola eram feitos com regularidade e compasso. Um aluno
treinado, chamado decurião ensinava uma decúria, um grupo de dez alunos,
sob a atenta observação de um inspetor.
Peeters; Cooman (1969, p. 145) dizem que: "Porém, já em 1833,
aparecem os senões do sistema e o ministro Campos Vergueiro confessava
não estar disposto a encorajar a fundação de novas escolas deste tipo". Sabese, contudo, esse método sobreviveu durante vinte anos gozando de muito
prestigio.
Ainda segundo Peeters; Cooman (1969) em maio de 1826, foram feitas
estatísticas sobre o ensino público, em vista de um plano geral de estudos,
mas os resultados foram desanimadores, tanto pelo número de escolas, como
pela pouca freqüência e da ridícula remuneração aos professores. Um mês
depois de conhecidos os resultados das estatísticas, o governo imperial lança
um Decreto onde instituiu quatro graus de instrução: Pedagogia, Liceus,
Ginásios e Academias. Na pedagogia, se devia aprender a ler e a escrever, os
princípios de aritmética, conhecimentos morais, físicos e econômicos
indispensáveis. As meninas poderiam freqüentar essas escolas.
Nove anos depois do decreto deveriam, os que quisessem ensinar, ter
concluído este primeiro grau. Os livros escolares eram desconhecidos até
meados do século XIX. O grande problema era o orçamento, por isso surge a

45

proposta de aproveitar dos espaços nos conventos de religiosos, pois nesses
lugares já funcionavam escolas onde se ensina a leitura, a escrita, a contar, a
doutrina cristã, a arte de coser, bordar entre outras coisas.
Para Peeters; Cooman (1969) em 1827, lançado um novo projeto de
Lei. Pelo projeto, eram criadas pedagogias em todas as cidades e vilas mais
populosas do país e os conselhos provinciais deveriam concretizar esse
projeto, bem como preparar o exame de seleção de professores e sua
nomeação. Os professores aprovados no exame receberiam um salário de
seiscentos contos de rés, anuais, no máximo. Em cada capital foi criada uma
escola para formação de professores e, nessas aparece uma grande novidade:
era proibido o castigo corporal.
Aranha (2005, p. 152) diz:
O golpe de misericórdia que prejudicou de vez a educação brasileira
vem, no entanto de uma emenda à Constituição, o Ato Adicional de
1834. Essa reforma descentraliza o ensino, atribuindo à Coroa a função
de promover e regulamentar o ensino superior, enquanto às províncias
(futuros estados) são destinados a escola elementar e a secundária.
Dessa forma, a educação da elite fica a cargo do poder central e a do
povo, confiada às províncias.

Algumas províncias criaram escolas normais. "Niterói foi a primeira
cidade a ter seu curso, já no ano seguinte ao Ato" (RIBEIRO, 2000, p. 47). Mas,
não tiveram êxito essas escolas, devido a pouca freqüência. Outro motivo que
levou ao fracasso foram as dimensões do Brasil. Esse projeto de educação,
como muitos outros se perdeu, chegando a resultados desastrosos.
Depois dessa tentativa, por quase um século, nenhuma reforma foi feita
ou discutida. E, a falta de professores foi o grande vilão desse fracasso ou
marasmo da educação. A própria lei de 1827 não foi posta em vigor. Muitos
críticos da época questionavam o porquê do governo imperial não chamar de
volta os jesuítas e outras congregações religiosas para ajudar os poderes
públicos a dar um novo impulso à educação. Mas, até a República quase nada
se fez neste sentido.
Foi criada em 1852 a Inspetoria Geral da Instrução Primária e
Secundária. Em 1854, pelo Decreto 1331 A, de 17 de fevereiro são reformados
os ensinos primário e secundário; os professores, por esse mesmo Decreto,
foram credenciados e retomados à fiscalização oficial.

46

Merece destaque uma Lei de 1857, que manda recusar no Colégio de
Artes Mecânicas do Rio Grande do Sul as matrículas de crianças de cor negra,
os escravos e pretos, ainda que libertos.
Para Peeters; Cooman; (1969) em 1870, o Ministro Paulino de Sousa,
envia relatório às Câmaras, lamentando o completo abandono da educação no
Brasil. Ainda neste ano o então imperador, Dom Pedro II, numa carta ao
mesmo Ministro, pede que use o dinheiro destinado a construir uma estátua
sua, na construção de escolas, o que resultou na edificação das escolas José
Bonifácio e José de Alencar, na Cidade do Rio de Janeiro, na época, capital do
Império.
Constata-se que, em 1872 apenas 150.000 alunos estavam matriculados
em escolas primárias, para uma população de 10 milhões de habitantes,
estando uma porção de 66,4% da população, completamente analfabeta.
Segundo Peeters; Cooman (1969) em 21 de outubro de 1875, novo
impulso foi dado à criação de Escolas Normais e, em 1880 fundou-se a de São
Paulo, que funcionou como escola noturna, freqüentada por rapazes e moças
que trabalhavam durante o dia, mas, não vingou. O fracasso se deve,
especialmente, à falta de professores, e para substituí-los foram forçados a
recorrer a advogados, médicos, engenheiros entre outros profissionais.
Segundo os críticos, esses profissionais poderiam ser competentes em
suas áreas, mas, completamente sem habilidades pedagógicas e, também pelo
fato da grande ocupação em suas profissões. Para se ter uma idéia de como
andava a situação da educação no final do Império, observemos a proposta
absurda do Senador Oliveira Junqueira em 1879 que defendia a idéia que
certas matérias não deveriam ser aplicadas aos pobres; meninos pobres
deveriam ter noções mais simples.
Para Aranha (2005) a Reforma Leôncio de Carvalho em 1879, de
orientação positivista, prever normas para o ensino primário, secundário e
superior e torna-se revolucionária para a época, pois defende a liberdade do
ensino, freqüências, credo religioso e abertura de escolas normais. Torna-se
revolucionária e inovadora para a época, pois além de terminar com a proibição
da matrícula de escravos, ainda estimula os colégios a buscar novas propostas
pedagógicas. De fato foi uma reforma inovadora, mas infelizmente nem todas
as propostas se concretizaram.

47

De acordo com Aranha (2005) em 1882, Rodolfo Dantas apresenta ao
Parlamento um projeto de reforma, contudo, nem chegou a ser discutido,
apesar do minucioso parecer favorável de Rui Barbosa.
Rui Barbosa foi um dos grandes defensores da idéia de liberdade do
ensino, da laicidade da escola pública e ensino obrigatório (ARANHA, 2005).
Essas idéias defendidas por Rui Barbosa faziam parte das normas da
Maçonaria Internacional. Mas, apesar da insistência do nosso grande estadista
até o fim do império essa idéia não encontrou apoio no Parlamento.
Em 1884 foi criada a Escola de Neutralidade - escola primária de
orientação positivista.
No nível secundário existiam ainda no Brasil após a expulsão dos
jesuítas alguns estabelecimentos de ensino dirigido pelo clero secular e por
religiosos. Em 1770, o Irmão Lourenço, Jesuíta, se refugiou na Serra do
Caraça, Província de Minas Gerais, fugindo da perseguição de Pombal. Nove
anos depois era erguida no local, a Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens,
a primeira em estilo neogótico do Brasil. O Irmão permaneceu lá até sua morte
em 1819. Com sua morte, D. João VI ofereceu à Caraça a Congregação da
Missão, fundada em 17 de abril de 1625, em Paris, por São Vicente de Paulo,
que viveu entre 1581 a 1660. De acordo com Sodré (1989) o Colégio foi
fundado em 1820.
Segundo Sodré (1989, p. 43) o Colégio do Caraça, "cujo nome
despertava terror, associado a idéia de instrução à idéia de castigo,
característica do escravismo brasileiro". Foi o primeiro Colégio de ensino
secundário criado após a expulsão dos jesuítas e responsável pela formação
um bom número da elite intelectual do Brasil, inclusive cinco presidentes, foram
alunos do Caraça.
A primeira experiência de organização do ensino secundário aconteceu
realmente, em 1837, ano em que o Seminário São Joaquim, no Rio de Janeiro,
foi transformado em Colégio Pedro II. Sua criação é mais uma tentativa de
ajustar o ensino, sendo seu programa regulamentado no ano seguinte.
Contudo, a situação não muda e, ao contrário, se complica.
Aranha (2005, p.154) diz:
Destinado a servir de padrão de ensino. Embora o ensino secundário
fosse da alçada das províncias, esse colégio fica sob a jurisdição da
coroa, sendo o único autorizado a realizar exames parcelados para

48

conferir grau de bacharel, indispensável para o acesso aos cursos
superiores. Tais distorções fazem com que o ensino secundário se
torne cada vez mais propedêutico, havendo ainda a tendência de os
demais liceus adequarem seus programas aos do colégio-padrão.

Este colégio foi, durante muitos anos, o único ginásio oficial do Brasil.
Mas, após sua criação, muitos colégios particulares foram abertos, e tiveram
brilhantes atuações, pode-se destacar o Colégio São Luiz, fundado e dirigido
pelos Jesuítas em 1867, na cidade de Itu, na Província de São Paulo, vinte e
dois anos após a Ordem receber permissão de voltar ao Brasil. Esse colégio
funcionou em Itu, brilhantemente, até 1917, quando foi transferido para a
Capital paulista, onde funciona até os nossos dias com o mesmo nome.
Lamentavelmente, muito pouco foi feito pelo ensino secundário no tempo
do Império. Do que foi feito destaca-se a Reforma Paulino de Souza e a
proposta do Ministro João Alfredo Correia de Oliveira:
A Reforma Paulino de Souza de 1870, tinha o objetivo de fazer com que
os estudos realizados no Colégio Pedro II, fossem de caráter formativo, que
habilitasse os estudos superiores e que o Colégio competisse com os de
orientação protestante.
O ministro João Alfredo Correia de Oliveira em 1873, instalou nas
Províncias bancas de exames preparatórios com a finalidade de estimular o
desenvolvimento dos estudos secundários dos candidatos nas províncias.
De acordo com Azevedo (apud ARANHA, 2005 p. 153):
A educação teria de arrastar-se, através de todo o século XIX,
inorganizada, anárquica, incessantemente desagregada. Entre o
ensino primário e o secundário não há pontes ou articulações: são dois
mundos que se orientam, cada uma na sua direção.

O nível superior de acordo com Peeters; Cooman (1969) no período
monárquico só irá receber alguma atenção durante o tempo das Regências. Foi
criado um considerável número de escolas superiores, contudo, não se
obedeceu a um plano de conjunto. Os Regentes pensavam na defesa da antiga
colônia e as necessidades de ordem material: agricultura, medicina, engenharia
entre outras. A falta de organização e de projeto para o ensino superior passou
por esse período regencial e perdurou durante todo o Império.
Havia cursos jurídicos em Olinda, São Paulo e, Escolas em Minas, mas,
tudo sem embasamento, pela deficiência no primário e secundário. Por isso
eram pouco freqüentados, e seus alunos não estavam preparados para se

49

incorporar ao ensino superior. Até meados do século XX, o Brasil não contava
com nenhuma universidade, o que veio acontecer só em 1934, com a criação
da Universidade de São Paulo, por iniciativa do governador do Estado, Arnaldo
Salles de Oliveira.
Segundo Peeters; Cooman (1969) Dom Pedro II, foi um homem culto e
progressista e de boa vontade, mas, terminou seu governo sem realizar
projetos eficazes para a educação. Ao ser quando perguntado que profissão
escolheria se não fosse Imperador, respondeu que gostaria de ser, mestreescola. Mas, apesar da sua preocupação com a educação, pouco foi feito
durante o seu longo reinado.
As grandes personalidades que se destacaram em todos os setores,
nesse período fizeram cursos superiores na Europa.

50

CAPÍTULO III

A EDUCAÇÃO NO BRASIL REPÚBLICA

3 A EDUCAÇÃO NO BRASIL DE 1889 A LDB DE 1996

O Império chega ao final do século XIX já completamente decadente, e
seus projetos, especialmente os econômicos e políticos, não respondem às
necessidades do povo, particularmente da classe média. Essa classe é a mais
insatisfeita, mas não tem forças para derrubar o sistema de governo, pois não
possui meios de produção nem influência política necessária para tanto. Neste
contexto os cafeicultores juntaram-se aos militares, pois muitos desses
pertencem à classe média, buscam apoio de outros pequenos grupos, também
de

insatisfeitos

e,

sem

praticamente

nenhuma

participação

popular

proclamaram a República em 15 de novembro de 1889.
Segundo Figueira (2005) proclamada a República foi escolhido o
Marechal Deodoro da Fonseca, antigo monarquista e amigo do Imperador, para
chefiar no Governo Provisório, este escolheu civis e militares de destaque no
movimento republicano para compor seu ministério. Entre os civis estavam os
poderosos representantes da aristocracia cafeeira de São Paulo.
De modo geral seu ministério era composto por representantes das
elites econômicas e políticas do Brasil Floriano Peixoto foi o principal
representante dos cafeicultores nos primeiros anos da república. Ele foi vice de
Deodoro e, em 1891, assume o governo e fica conhecido como `marechal de
ferro' por sua postura truculenta. As divergências que nasceram com a
república, aumentam e geram uma crise entre os aliados, especialmente entre
os cafeicultores, e toma uma nova direção: crescem as disputas entre São
Paulo e Minas Gerais, e passa para a história como política do café com leite.
A disputa entre os dois grupos é cada vez mais acirrada, mas os barões
do café, como são conhecidos os representantes de São Paulo, detêm o poder
do capital, e com isso o sistema econômico fica comprometido. Controlam e
determinam os projetos políticos nacionais, assim, ditam, também, as normas
do sistema eleitoral corrompido para atender os interesses do grupo. Com isso
o Brasil torna-se dependente do setor cafeeiro e das finanças internacionais.

51

Segundo Figueira (2005, p. 300) "assim nasceu a chamada política do
café com Leite, por meio da qual a oligarquia mineira e paulista passou a se
revezar no poder até 1930".
Floriano termina seu governo em 1894, e, Prudente de Morais assume,
depois de aprovado por eleições, também neste mesmo ano, sendo o primeiro
presidente civil. Com ele a oligarquia cafeeira paulista chega ao poder.
Essa forma de fazer política alternando entre paulistas e mineiros
apresenta muitas facetas para sustentar no poder essas oligarquias. Mas, com
a crise do café, levando oscilações no preço as coisas mudam radicalmente.
Para Aranha (2005, p. 195):
A quebra da bolsa de Nova York em 1929 afeta o mundo inteiro. No
Brasil, desencadeia a crise do café, cujas conseqüências acabam
sendo, de certa forma, benéfica, por provocar uma reação dinâmica,
com o crescimento do mercado interno e a queda das exportações, o
que resulta em maior oportunidade para a indústria brasileira.

A crise obriga o Estado de São Paulo se lançar no setor industrial para
atender às necessidades provocadas pelo desenvolvimento urbano. Além do
crescimento populacional, verifica-se a crescente entrada de imigrantes que
têm seu ponto alto neste período, soma-se, também a migração interna que
também é intensa. Com a industrialização e, conseqüente urbanização surge à
classe operária que, aos poucos despontam no cenário nacional.
Com a crise vem a Revolução de 1930, e esse período fica conhecido,
segundo Figueira (2005, p. 300) de "República oligárquica, República dos
coronéis, ou República do café-com-leite. Mais tarde, ele seria chamado de
Primeira República, ou República Velha".
O desenvolvimento urbano traz a exigência de oferecer à população
formação, mas o novo regime ainda não está preparado para fazer as reformas
no plano educacional que todos aspiravam e consideravam urgentes.
O ideal da república ao nascer era de democratização, a partir da
pregação de liberdade e igualdade, mas o tempo passa e nada muda, somente
uns poucos têm acesso aos bens e serviços e usufruem de todos os privilégios,
enquanto os pobres, maioria da população fica à margem de tudo, inclusive do
processo de educação.
O desinteresse do novo regime pela educação está nítido na
promulgação da primeira Constituição em 24 de fevereiro de 1891, que é

52

completamente omissa, não reservando sequer uma linha para falar da
obrigatoriedade da escolarização.
Em meio a toda essa situação cresce o número de vozes que pedem
reformas na educação. A primeira reforma aconteceu por meio de decreto do
então presidente do Estado de São Paulo, Prudente de Morais, em 12 de
março de 1890. O mesmo previa a urgência em formar professores por meio de
bons recursos pedagógicos e de conhecimentos científicos do momento. Ainda
previa o cargo de Diretor da escola pública com a criação da Escola-modelo,
escola de prática de ensino dos alunos normalistas, anexa à Escola Normal. O
responsável pela Escola Normal era o professor-diretor. Prudente de Moais
"reorganizou a Escola Normal, que deu origem ao Colégio Caetano de
Campos". (PRUDENTE... 2008)
Segundo Ananias, Fonseca e Seco (apud SÃO PAULO, ESTADO, 2000)
ainda no Estado de São Paulo, dois anos mais tarde, no dia 8 de setembro de
1892 é assinada a Lei nº. 88, que reforma o ensino público primário e
secundário. Essa Lei manteve a estrutura educacional do império, controlando
o ensino pela manutenção do Conselho Superior, do Diretor Geral da Instrução
Pública e das Câmaras Municipais, todos esses órgãos subordinados ao
Presidente do Estado, através da Secretaria do Interior. Determinava que a
Escola Normal, a Escola Modelo e a Escola Complementar tivessem cada uma,
seu diretor, porém, como reza no artigo 40, o comando delas, em última
instância estaria nas mãos do Presidente do Estado, cabendo ao Conselho
superior e aos inspetores de distritos a inspeção. No artigo 41, desta mesma
Lei determina a criação de um Conselho constituído: um diretor geral, nomeado
pelo presidente do Estado; o diretor da escola normal da capital; o diretor da
escola modelo; um professor eleito pelos professores públicos primários; dois
delegados das municipalidades e um professor eleito pelos professores dos
ginásios.
Essa reforma vai mais longe, cria os três graus de ensino: primário,
subdivido em preliminar e complementar, secundário e superior. No secundário
institui o ginásio, tendo este um diretor nomeado. No Estado de São Paulo a
primeira escola secundária foi o Ginásio do Estado, hoje denominado Colégio
Estadual São Paulo, criada em 1892.

53

Uma novidade na Lei nº. 88 permite que os alunos que concluíssem o
ensino complementar poderiam lecionar, mesmo sem ter feito o Curso Normal.
Esses mestres ficaram conhecidos por professores complementaristas.
Ananias, Fonseca e Seco (apud SÃO PAULO, ESTADO, 2000) dizem: a
27 de novembro de 1893, o regulamento de Instrução Pública aprova para
execução das Leis 88, de 8 de setembro de 1892 e 169, de 07 de agosto de
1893, por ele delega ao presidente do Estado todo poder do ensino, sendo
assessorado por: Secretário do Interior; Conselho Superior; Diretor Geral da
Instrução Pública; Inspetores de Distrito e Câmaras Municipais.
De acordo com Ananias, Fonseca e Seco (apud SÃO PAULO, ESTADO,
2000) um novo Decreto Estadual de nº. 248 é feito em 26 de setembro de
1894, que cria o Grupo Escolar com uma nova proposta pedagógica, onde o
ensino passa a ser seriado, com classes homogêneas, num mesmo prédio e,
sob uma mesma direção com métodos pedagógicos modernos e com um
professor para cada classe. Cabe ao Presidente do Estado escolher e nomear
entre os professores formados pela Escola Normal, ou na falta desses, por
complementaristas para o cargo de diretor do Grupo Escolar. Esta é uma forma
dele administrar, supervisionar e controlar o ensino.
Diversas são as atribuições dos diretores das escolas complementares e
Modelo, porém, não estão explícitas no regulamento. Para Ananias; Fonseca;
Seco (apud SÃO PAULO, ESTADO, 2000) quanto ao diretor da Escola
Complementar, o decreto determina que morasse com a família na instituição,
não podendo se ausentar, de forma alguma, durante o horário de trabalho.
Infelizmente os projetos educacionais da política republicana não
galgaram êxitos, como também não resolveram os velhos problemas da
educação.
A educação na Primeira República passou por algumas reformas, sendo
a primeira logo após a Proclamação da República no governo Provisório do
Marechal Deodoro da Fonseca quando cria o Ministério da Instrução Pública,
Correios e Telégrafos, tendo Benjamin Constant Botelho de Magalhães como
seu primeiro ministro. Porém, em 1892, no governo de Floriano Peixoto, esse
ministério é extinto e a educação passa a ser uma diretoria do Ministério da
Justiça e Negócios Interiores, tendo Inocêncio Serzedelo Correia, interino, e
Alexandre Cassiano do Nascimento como seus ministros. Em 1894, ainda no

54

governo de Floriano, a educação ganha de novo status de ministério com a
criação do Ministério da Instrução Pública.
É bom lembrar que, em apenas dois anos de governo republicano,
passaram pelo ministério da Instrução pública quatro ministros. São eles:
Benjamin Constante Botelho de Magalhães, João Barbalho Uchoa Cavalcanti,
José Higino Duarte Pereira (interino) e Fernando Lobo Leite Pereira.
Entre as reformas da Primeira República destaca-se a reforma de
Benjamin Constant 1890 - surge pelo Decreto 510, artigo 62, item 5º, do
Governo Provisório. Prevê como princípio básico a liberdade e a laicidade do
ensino, opondo-se ao ensino religioso e a gratuidade do ensino primário.
Quando promulgada a primeira Constituição republicana esse princípio básico
será confirmado.
Na década de 20 acontecem em alguns Estados, reformas no ensino
são elas: Sampaio Dória, em São Paulo, 1920; Carneiro Leão inicia reforma
educacional no Rio de Janeiro; Lourenço Filho, no Ceará,1923; Anísio Teixeira,
na Bahia,1925; Francisco Campos e Mário Casassanta, em Minas,1927;
Fernando de Azevedo, no Rio de Janeiro,1928 e por fim a de Carneiro Leão,
em Pernambuco 1928.
Segundo Azevedo (apud ARANHA 2005, p. 155) "a taxa de
analfabetismo no Brasil atingia em 1890 a cifra de 67,2%, herança do período
imperial que a República não conseguirá reduzir senão a 60,1%, até 1920".
Contudo, o Anuário Estatístico do Brasil, afirma que em 1900, o índice de
analfabetismo já tinha dado um salto para 75% da população.
Para Peeters; Cooman (1969, p. 146):
Os primeiros anos do novo regime não apresentaram condições
favoráveis às reformas que todos consideravam urgentes no plano
educacional. Em 1894, foi criado o Ministério da Instrução Pública.
Naquela época havia, excetuando-se as crianças abaixo da idade
escolar 67% de brasileiros totalmente analfabetos. A Constituição de
24 de fevereiro de 1891 baniu inteiramente o ensino religioso das
escolas, bem como a assistência religiosa nos quartéis, nos hospitais e
nas prisões, blasonando, no entanto da sua intenção de civilizar e
moralizar o Brasil.

Na verdade as medidas tomadas na Constituição em relação à religião
foi um acordo feito entre positivistas e liberais com a intenção laicizar o ensino
nos estabelecimentos oficiais. Começa também nesse tempo a separação
entre a Igreja Católica e o Estado.

55

A constituição dá autonomia aos Estados, mas, no campo educacional o
governo federal abandona totalmente o ensino primário. Com isso os Estados
mais avançados se preocupam em abrir escolas, mas infelizmente a maior
parte não deu importância, deixando a educação à margem.
De acordo com Peeters; Cooman (1969) o desenvolvimento do ensino
foi fraco nos primeiros anos da República. A situação só começa a mudar no
início do século XX, com a criação de grupos escolares nas cidades. O Estado
de São Paulo que já tinha uma escola normal na capital abrirá mais nove em
vários lugares. Preocupados, um grupo de grandes educadores colaborou
consideravelmente para levantar o nível do ensino popular no Brasil. Contudo,
esses benefícios quase não chegaram à zona rural que, continuava mal servida
de escolas.
Ainda para Peeters; Cooman (1969) em 1927, Júlio Prestes, Presidente
do Estado de São Paulo sanciona a Lei nº. 1884, que determina a criação de
escolas normais livres, pois até então era monopólio do Estado. Assim surgem
em várias partes do Estado tais escolas, tanto por iniciativa do governo como
de particulares. Com isso a rede de ensino primário cresce, mas, infelizmente,
esse crescimento não chega à zona rural que, continua a reboque do processo,
pois as distâncias e as condições oferecidas são grandes empecilhos. Não
faltam mais professores, contudo, falta verba para abertura das escolas rurais.
Peeters; Cooman (1969) dizem que o ensino primário em nível nacional,
começou sob a orientação do pedagogo Lourenço Filho, entre 1920 e 1930, a
conhecer a Escola Nova, método de ensino do filósofo americano John Dewey.
O ensino secundário estava aos cuidados do governo federal, mas a
precariedade era grande, pois eram grandes as lutas políticas e as dificuldades
ligadas à organização e estruturação do novo regime.
Durante o período da Primeira República serão feitas quatro reformas no
ensino secundário, em nível nacional, são elas:
Código de Epitácio Pessoa ou Código dos Institutos Oficiais de Ensino
Superior e Secundário, esboçado em 1901, estabelece condições para
equiparações das instituições particulares. Na sua proposta inclui a lógica entre
as matérias e retira a biologia, a sociologia e a moral, acentuando, assim, a
parte literária em detrimento da científica.

56

Niskier (1969, p. 59) diz que: "permitia o acesso do elemento feminino
aos cursos secundários e superiores".
No primeiro ano desse Código, estando à frente do ministério Amaro
Cavalcanti, Niskier (1969, p. 59) diz que:
Houve uma tentativa de flexibilidade no ensino secundário: criou-se um
tronco comum de dois anos, com desdobramento a seguir de dois
outros ­ o primeiro chamado realista, em quatro anos; o segundo
chamado clássico, em cinco anos, havendo diferença de cargas
horárias, com o curso realista possuindo um currículo menos denso do
que o outro.

Esse Código vigorou por dez anos, sendo substituída pela reforma de
Rivadávia Correa.
Reforma Rivadávia Correa, também conhecida por Lei Orgânica de
Rivadávia Correa e data de 1911. Seu objetivo era fazer com que o curso
secundário fosse formador e não só promotor para o nível seguinte. Está
contida nela idéia positivista de liberdade de ensino. Defende o fim do diploma,
conferindo aos alunos que concluíssem cursos, um certificado e institui os
exames de admissão ao ensino superior para as faculdades. Estabelece o
ensino livre retirando do Estado o poder de interferência na área da educação.
Foi considerada uma reforma complexa e com traços contraditórios, por isso
não alcançou seus objetivos, durando apenas quatro anos, o suficiente para
semear resultados desastrosos.
Reforma de Carlos Maximiliano, surge em 1915, segundo Niskier (1969)
com objetivo de por fim a Reforma de Rivadávia Correa; faz o ensino
secundário e superior voltar à condição de estabelecimentos oficiais; propõe o
sistema dos exames vestibulares, com preparatórios parcelados, que irão
perdurar até 1925. Para os críticos o preparatório parcelado acompanha o
modelo anglo-saxônico da época.
Reforma Rocha Vaz, para Niskier (1969) por ela a União e os Estados
podem fazer acordos financeiros para desenvolver o ensino elementar; o
secundário passou a ter a duração de seis anos, porém cumprindo séries o
aluno pode prestar os exames vestibulares. Ainda por essa reforma é criado o
Departamento Nacional de ensino, o qual está subordinado ao Ministério da
Justiça, e substitui o Conselho Superior de Ensino pelo Conselho Nacional de
Ensino.

57

Críticos da educação e historiadores dizem que na verdade por trás
dessa reforma estava o interesse do governo em por fim a reforma anterior e,
ao mesmo tempo acabar com os protestos de estudantes contra o governo do
presidente Artur Bernardes, e para isso institui a matéria de Educação Moral e
Cívica.
De acordo com Niskier (1969, p. 60):
Todas essas reformas não ajudaram a educação a ganhar uma
posição segura. Havia uma evidente discrepância entre as nossas
necessidades educacionais e os métodos utilizados. Já então a massa
de analfabetos preocupava seriamente, enquanto a política partidária
interferia bastante, obstaculando o avanço necessário.

Assim como o ensino primário secundário, o superior também estava
sob a tutela do governo federal. Segundo Peeters; Cooman (1969) era sonho
de D. João VI criar uma Universidade no Brasil, o que veio acontecer noventa e
nove anos após sua volta a Portugal. Coube ao presidente Epitácio Pessoa, a
criação a 7 de setembro de 1920, da Universidade do Rio de Janeiro. Ela teve
seu nome mudado para Universidade do Brasil em 5 de julho de 1937, na fusão
com a Universidade do Distrito Federal. Novamente em 1965, o governo militar
muda seu nome para Universidade Federal do Rio de Janeiro, e por fim, a 30
de novembro de 2000, ganha na justiça o direito de voltar o nome de
Universidade do Brasil. (UNIVERSIDADE..., 2008)
Voltando um pouco à história vamos descobrir que foi o setor privado
quem criou o primeiro curso superior no Brasil. Os responsáveis por essa
iniciativa, segundo Peeters; Cooman (1969) foram monges Beneditinos de São
Paulo, ao criar, em 1908 a Faculdade de Filosofia, nas dependências do
Colégio São Bento, anexo ao Mosteiro. A faculdade beneditina era filiada à
célebre Universidade de Lovaina, da Bélgica, e estava confiada a direção
técnica ao Monsenhor Sentroul, sacerdote e professor belga, titular da mesma
Universidade. Essa Faculdade será o embrião da Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo, que virá ser criada em 1946.
Por este tempo vão surgir, também, em diversas partes do país
universidades oficiais com a finalidade de formar professores para o ensino
secundário. Como afirmam Peeters; Cooman (1969, p. 150):
Com efeito, teoricamente ao menos não é mais permitido o exercício
do magistério nos ginásios e colégios oficiais aos que não possuam o
diploma de licenciado pelas faculdades, e mesmo não sejam
aprovados em concurso de títulos e provas. O punhado de professores

58

nestas condições, e, a rápida multiplicação dos ginásios e colégios
torna em parte ineficaz esta medida, e são muitos os estabelecimentos
de ensino médio que lutam com a escassez de professores idôneos.

O fim da primeira república é marcado pela tomada do poder por Getúlio
Dornelles Vargas, que fora derrotado nas eleições por Júlio Prestes, em 1930.
Os anos que seguem irão trazer grandes mudanças para o ensino no Brasil.
A chamada segunda República tem início com o governo de Vargas. Um
ano após estourar a Crise Econômica Mundial no Brasil, uma Revolução leva
ao poder Vargas. Ambas determinariam a entrada do Brasil no mundo
capitalista de produção. Mas, para entrar nesse novo modelo econômico, o
país precisará de mão-de-obra especializada, por isso grandes investimentos
são feitos no mercado interno, na produção industrial e, concomitantemente na
educação.
Capacitar pessoal para atender a demanda é o principal objetivo do
governo, por isso, já no seu primeiro ano de governo, Vargas extinguiu o
Ministério da Justiça e Negócios Interiores, ao qual estava subordinada a pasta
da educação, e pelo decreto 19.402, cria o Ministério da Educação e Saúde
Pública, sendo Francisco de Campos o ministro dessa nova pasta.
Em 1931, o governo provisório sanciona uma série de decretos para
organizar o ensino secundário e as universidades brasileiras, que praticamente
não existiam. Esses decretos serão conhecidos como Reforma Francisco
Campos.
Essa reforma segundo Peeters; Cooman (1969, p. 149):
Esta reforma pôs fim ao monopólio do Estado e estabeleceu as
condições para reconhecimento de estabelecimentos particulares.
Quanto aos programas eram de extensão exorbitante, muito acima da
capacidade normal de adolescente. O ginásio abrangia cinco séries.
Deu ao estudo das humanidades clássicas um lugar totalmente
insignificante, e uma preponderância enorme à técnica e às ciências
exatas.

Neste mesmo ano, por Decreto Getúlio introduz o ensino da religião no
currículo das escolas oficiais primárias, secundárias e normais em todo Brasil,
podendo ser dispensado somente os alunos cujos pais requeressem.
Em 1932 é publicado o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova,
estando à frente Fernando Azevedo e assinado por 26 educadores.
Segundo Aranha (1996, p. 198):
O documento defende a educação obrigatória, pública, gratuita e leiga
como um dever do Estado, a ser implantada em programa de âmbito

59

nacional. Critica o sistema dual, que destina uma escola para os ricos e
outra para os pobres, reivindicando a escola básica única.

O governo Provisório de Vargas vai se estendendo e gerando muita
instabilidade, crescendo ao mesmo tempo o número dos insatisfeitos que
clamam por uma nova constituição. Em 1932, explode em São Paulo a
Revolução Constitucionalista que marcará consideravelmente a vida política do
Estado e terá grande impacto no país.
Para Bello (1998) no mesmo Estado de São Paulo, em nível
educacional surge em 1933, outra tentativa de mudança com a criação do
Diretor Geral da Instrução. A grande novidade dessa nova reforma é uma nova
orientação à educação rural e reformava o ensino.
A política nacional toma um novo rumo em 1934, com a promulgação da
segunda Constituição Republicana por Getúlio Vargas. Essa Constituição, ao
contrário da primeira, não pode ser omissa nas questões da educação, pois
houve um intenso debate entre dois grupos que representavam o pensamento
educacional, liberalismo e o tradicionalismo católico. Segundo Niskier (1969) os
representantes do liberalismo ou reformadores apoiavam-se nas propostas da
Escola Nova inspiradas nas teorias pedagógicas de Dewey, Claraparède e
Durkheim. O segundo grupo, também chamados de espiritualistas, combate o
laicismo presente nas teorias pedagógicas e, propunham métodos novos de
orientação católica.
Do que diz respeito à educação a Constituição fica a reboque desses
dois grupos. Como o resultado para a educação, destaca-se: contempla a
educação como direito de todos, e, devendo ser ministrada pela família e pelos
poderes públicos; surge a novidade do subsídio do governo para o ensino
privado, ou seja, prevê isenção de qualquer tributo para as instituições de
ensino particular, desde que fossem reconhecidas como idôneas e aparece
pela primeira vez a determinação de que em todos os estabelecimentos, oficial
e privado, o ensino fosse ministrado em português, idioma oficial do país.
Niskier (1969) diz que: os debates entre esses dois grupos vão perdurar
até 1937, ano do advento do Estado Novo, que definira outra linha de conduta.
Neste mesmo ano de 1934 dois grandes acontecimentos se dão no
âmbito educacional no Rio de Janeiro e São Paulo. No Rio, Anísio Teixeira,
responsável pela Diretoria da Instrução Pública do Distrito Federal, cria a

60

Universidade do Distrito Federal, que em 5 de julho de 1937 é transformada em
Faculdade Nacional de Filosofia da Universidade do Brasil. Em São Paulo, por
iniciativa do governador Armando Salles de Oliveira é criada a Universidade de
São Paulo. Primeira a ser criada e organizada três anos após o Decreto
19.851, que criava as Normas e Estatutos das Universidades Brasileiras.
Neste mesmo tempo o governo passa por grande instabilidade política.
Vargas aproveitando da situação dá um golpe de estado, instala o chamado
Estado Novo e outorga uma nova Constituição.
O mandato de Getúlio Vargas terminaria em 1938, mas, com o golpe
permanece governando, agora, como ditador. Para justificar o golpe, tenta
convencer o povo da ameaça comunista, chamada por ele de perigo vermelho.
Esse regime inspiração fascista será chamado de Estado Novo e se sustentará
até 1945.
O inicio do Estado Novo é marcado pela terceira Constituição da
república, escrita por Francisco Luiz da Silva de Campos e outorgada por
Getúlio Vargas em 10 de novembro de 1937. Esta passará para história
conhecida

como

Constituição

Polaca,

chamada

assim

por

Assis

Chateaubriand, pois dizia ser uma cópia da Constituição da Polônia, imposta
àquela nação em 1935, pelo ditador Jozef Klemens Pilsudsky, 1867 a 1935.
No que diz respeito à educação, Niskier (1969) diz que mantém os
principais pontos da Constituição de 34, ou seja, cabe ao governo federal traçar
as diretrizes da educação em todo país e fixar o plano nacional de educação;
criação do Conselho Nacional e dos Conselhos Estaduais de Educação;
determina a aplicação de nunca menos de 10% da parte dos municípios e
nunca menos 20% da parte dos Estados, da renda relativa aos impostos para a
manutenção e desenvolvimento dos sistemas educativos.
Para Niskier (1969) a nova Constituição ressalta que o ensino deve ser
pré-vocacional e profissional. Consagra a gratuidade e obrigatoriedade do
ensino primário, mas, estranhamente diz que o ensino técnico destina-se às
classes menos favorecida. Determina como obrigatório o ensino de trabalhos
manuais em todas as escolas normais, primárias e secundárias. Determina,
ainda que o ensino seja livre, podendo está nas mãos da iniciativa individual,
associação ou pessoas coletivas públicas e particulares.

61

Tem-se nesse momento um grande corte na sociedade brasileira, ou
seja, o trabalho intelectual deve está ao alcance da classe mais abastada, ao
passo que o trabalho manual, especialmente o ensino profissional, para a
classe pobre. Niskier (1969, p. 61) questiona dizendo: "Qual o pai que desejaria
inscrever o seu filho num ensino destinado a classes menos favorecidas? A
idéia de ascensão social através da escola ficaria prejudicada".
A obrigatoriedade do idioma que foi uma novidade na Constituição
anterior, nesta é retirado.
Quanto à sua participação do Estado diz que não ficará estranho a esse
dever, mas irá colaborar de forma total ou subsidiária para facilitar na execução
ou suprir as deficiências e lacunas da educação particular. Quanto ao ensino
religioso, a Constituição deixa mais livre, dizendo que poderá ser contemplado
como matéria das escolas oficiais primárias, secundárias e normais, porém é
retirado dos cursos profissionais.
A Constituição mantém artigo que permite a colaboração recíproca em
prol do interesse coletivo entre o Estado e Igrejas e cultos.
Para estudiosos e críticos da educação o Estado Novo foi um tempo de
estagnação para a educação no Brasil. Os ganhos e avanços conquistados no
movimento renovador que influenciou consideravelmente a Constituição de
1934 foram derrubados nesta pela imposição de Vargas. E mais, que nela foi
tirada toda a responsabilidade do governo sobre a educação.
Neste contexto são criados a União Nacional dos Estudantes (UNE) e o
Instituto de Estudos Pedagógicos (INEP).
Segundo Bello (1998) em 1942, o Ministro da Educação, Gustavo
Capanema faz uma reforma em alguns ramos do ensino. Essas reformas serão
chamadas de Leis Orgânicas do Ensino ou Lei Capanema, criadas por
Decretos-Lei.

Por

eles

foram

criados:

SENAI,

Serviço

Nacional

de

Aprendizagem em 22 de janeiro, nº. 4.048; regulamentação do ensino industrial
em 30 de janeiro, nº. 4.073; regulamentação do ensino secundário, em 9 de
abril, nº. 4.244; obrigatoriedade dos estabelecimentos industriais empregarem
8% dos operários matriculados nas escolas do SENAI em 16 de julho, nº.
4.481; amplia o SENAI para atingir o setor dos transportes, comunicações e
pesca em 7 de novembro, nº. 4.436; obriga as empresas oficiais com mais de
100 empregados a manter, por sua conta, uma escola de aprendizagem

62

destinada à formação profissional de seus aprendizes, em 21 de novembro, nº.
4.984.
Para Peeters; Cooman (1969) a Lei Capanema respondeu às aspirações
da corrente que desejava a volta dos estudos clássicos e formadores de
personalidade. O curso secundário abrange dois ciclos: o ginásio, cuja duração
é de quatro anos, e o colégio, foi subdividido em clássico e científico. A Lei
Capanema trouxe muitas modificações benéficas, entre elas abolição de
atitudes cimentadas e que não desejavam mudanças. Mas, infelizmente as
forças contrárias às inovações fizeram de tudo para enfraquecer e reduzir a
Lei, a mera coadjuvante da educação. Em todos os cantos surgem os colégios
e ginásios totalmente gratuitos, mas sem muita estrutura, acabaram por ser
transformados em grandes problemas, o que gerou uma lastimável crise
educacional, fazendo de um lado escassear os bons professores, e de outra
correram para os estabelecimentos oficiais alunos totalmente despreparados e
sem ou com pouquíssima formação cultural.
A estrutura educacional nesta época era assim: cinco anos para o
primário, quatro anos para o ginásio e três para o colegial, podendo este último
ser na modalidade clássico ou científico.
Sobre este momento diz Oliveira (2005): De 25 de setembro a 4 de
outubro de 1943 aconteceu a I Conferência de Ministros e Diretores de
Educação das Repúblicas Americanas em Havana, Cuba. O Brasil foi
representado

pelo

então

Ministro

da

Educação

Gustavo

Capanema.

Resultaram dessa Conferência soluções comuns e entendimentos com
autoridades internacionais em função de cooperação entre países, por meio de
convênios. Entre o Brasil e os Estados Unidos da América, EUA, foi
estabelecido, através do Office of Inter-American Affairs, convênio em favor do
Ensino Industrial Brasileiro, assinado em 3 de janeiro de 1946 e, entrou em
vigor em 3 de setembro de 1946, pelo Decreto-Lei 9.724.
Oliveira (2005, p. 6) diz:
O programa foi atacado nos E.U.A. por ser uma forma de transferir
recursos para o resto do mundo e criticado por brasileiros, por ser uma
intervenção estrangeira no nosso país representando uma ameaça à
nossa independência. (...) O acordo entre o Ministério da Educação e
Cultura, e o The Office of Inter-American Affairs, representava um alto
investimento para os dois países, porém, altamente rentável para as
partes contratantes. A totalidade dos investimentos deveriam ser
gastos no período de vigência do acordo, que era de setembro de 1946

63

a 30 de julho de 1948. Tendo em os grandes avanços, o acordo foi
prorrogado em 1948, pela primeira e, diversas vezes até 1963. O órgão
responsável para a execução do programa ficou a cargo da Diretoria de
Ensino Industrial, cujo diretor era o Dr. Francisco Montojos, quanto à
parte americana representada por John B. Griffing da Inter-American
Foundation.

Em 28 de dezembro de 1943, dentro do espírito da Reforma Capanema
é baixado o Decreto-Lei 6.141, que regulamenta o ensino comercial. Todavia, o
SENAC, Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, só foi criado em 1946,
já no pós Estado Novo. (BELLO, 1998)
Getúlio está no poder a quinze anos, sendo oito deles como ditador. Sua
situação política começa a ficar insustentável, mas segundo Figueira (2005) ele
não está disposto a deixar o poder, e recebe apoio de lideranças sindicais
respaldadas pelo Partido Comunista, que promovem manifestações gritando o
slogan queremos Getúlio, movimento que ficou conhecido por querismo.
Contudo, não foi suficiente para manter o ditador no poder, e a 29 de outubro
de 1945 os generais Góis Monteiro e Eurico Gaspar Dutra, contrariando as
manifestações, depuseram Getúlio do poder, chegando, dessa forma, o fim do
seu longo governo ditatorial e do Estado Novo.
Com a queda de Getúlio, o governo é ocupado interinamente por José
Linhares, presidente do Supremo Tribunal Federal que, promoveu as eleições
em dezembro do mesmo ano.
Nesse período de transição política ocupa o Ministério de Educação e
Saúde Publica Raul Leitão da Cunha, que nos poucos meses de gestão, de 30
de outubro de 1945 a 31 de janeiro de 1946, regulamentará o ensino primário
pelos Decretos-Lei números 8.529 e 8.530, respectivamente os ensinos
Primário e Normal, ambos a 2 de janeiro e o SENAC, em 10 de janeiro, sob
números 8.621 e 8.622. (BELLO, 1998)
É bom lembrar que a criação do SENAC já havia sido proposto na
Reforma Capanema, que por sua vez fazia parte de reivindicações populares
após a Revolução de 1930.
Eurico Gaspar Dutra é eleito presidente em dezembro de 1945, e é
empossado em 31 janeiro do ano seguinte. Para Aranha (2005, p. 195):
"começa a Segunda República, também chamada de República Populista, e
que se estende desde a deposição de Getúlio em 1945 até o golpe militar de
1964".

64

Há nesse momento um anseio por mudanças profundas, de uma
redemocratização, mas para tanto era necessário e urgente uma nova ordem
constitucional. O novo congresso recebeu a incumbência de escrever a nova
constituição. E a 18 de setembro de 1946, quase um ano, portanto, da queda
de Vargas, foi promulgada a quarta Constituição do Brasil. De cunho liberal e
considerada a mais democrática das constituições que o país tivera, mesmo
com muitos aspectos conservadores, ela não deixou de ser ilegal, pois depois
de oito meses da sua redação, foi promulgada, ou seja, imposta sem nenhuma
participação popular.
Essa Constituição dura por quase vinte anos, quando por um novo
golpe, militar, em 1964, perde sua validade. Contudo, esta Constituição sofreu
uma Emenda em 1961, quando foi implantado o parlamentarismo, mas devido
às freqüentes crises causadas pela renúncia de Jânio Quadros, fez com que se
realizasse um plebiscito, onde se optou pela volta do presidencialismo.
Para Niskier (1969) no que diz respeito à educação a constituição
determina a obrigatoriedade do ensino primário para todos e em língua pátria,
e, gratuito se for oficial. Quanto à iniciativa privada é livre, desde que respeite
as leis que regulam a educação. O ensino religioso é incluído como matéria,
porém não especifica em que graus, mas sua matricula é facultativa, ministrada
de acordo com a confissão religiosa manifestado por ele, e for capaz, ou por
seu representante legal ou responsável. Professores do ensino oficial
secundário e superior terão que passar por concurso que, se admitidos terá
assegurada à vitaliciedade. Anualmente a União, Estados e Municípios terão
que aplicar verbas para a manutenção do ensino. Ainda deixa expresso que
compete à União legislar sobre diretrizes e bases da educação nacional.
De acordo com Niskier (1969, p. 71):
A Constituição de 1946 foi um instrumento notável de democratização
do ensino, tendo sido marcada pela preocupação de servir à educação
e aos ideais de liberdade, o que se pode explicar por dois fatos
marcantes: ela foi celebrada logo após o término da ditadura de 15
anos e o final da II Guerra Mundial, em que o Brasil se empenhou para
defender a democracia. Nela se inspirou a Lei de Diretrizes e Bases da
Educação nacional, que foi aprovada em dezembro de 1961, depois do
que convencionou chamar de "guerra dos 13 anos", que foi o tempo de
sua discussão no Congresso Nacional.

Logo após a promulgação da Constituição teve inicio os trabalhos para a
reforma da educação nacional. Coube inicialmente ao ministro Clemente

65

Mariani Bittencourt recolher as propostas oriundas da Constituição e a partir
delas criou uma comissão para elaborar um anteprojeto e escolhe Manoel
Bergström Lourenço Filho para presidente da mesma, que organiza três
subcomissões para pensar os ensinos primário, médio e superior.
Na Câmara o Projeto permaneceu por 13 anos, onde recebeu muitas
alterações, até receber redação final do Deputado Carlos Lacerda, e, em 20 de
dezembro de 1961, foi promulgada pela Lei nº. 4.024, que estabelece as
Diretrizes e Bases da Educação Nacional, porém 25 artigos foram vetados pelo
presidente João Goulart, mas, aprovados mais tarde pelo Congresso.
Do governo de Dutra destaca-se, ainda no setor da educação a
fundação a 13 de agosto de 1946 da Universidade Católica, a partir da fusão
da Faculdade de Filosofia e Letras de São Bento e a Faculdade Paulista de
Direito, sendo reconhecida como Universidade no dia 22 de agosto do mesmo
ano, recebendo da Igreja no ano seguinte pelo Papa Pio XII, o título de
Pontifícia, tornando Pontifícia Universidade Católica, PUC. Foi a primeira
Universidade de orientação Católica no Brasil. Pouco tempo depois é fundada
a do Rio de Janeiro, seguida pelas de Porto Alegre, recife e Belo Horizonte;
regulamentação do ensino agrícola, pelo Decreto-Lei 9.613, de 20 de agosto e
a criação em 1949, da Sociedade Brasileira para ao Progresso da Ciência,
SBPC.
Segundo Figueira (2005, p. 370) "Nas eleições de 1950, Getúlio Vargas
retornou ao poder, elegendo-se presidente da República pelo PTB, com 48,7%
dos votos". Toma posse em 31 de janeiro de 1951, afirmando ter voltado ao
poder pelos braços do povo.
No seu novo governo a educação e a saúde, têm cada qual sua pasta.
Ficando assim: Ministério da Educação e Cultura e Ministério da Saúde. A
educação passa, pela primeira vez na história do Brasil, a ser gerenciada por
um Ministério próprio.
O governo de Vargas foi interrompido no dia 24 agosto de 1954, por
suicídio com um tiro no coração, em seu quarto no Palácio do Catete no Rio de
Janeiro. Um trecho da carta que deixou dizia: "(...) Nada receio. Serenamente
dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na
História" (COTRIM, 2005 p. 548). Em torno de sua morte ainda paira um
grande mistério.

66

No lugar de Vargas assume no mesmo dia de sua morte, seu vice, José
Fernandes Campos Café Filho. Este deveria completar o mandato que
terminaria janeiro de 1956, mas foi deposto em 8 de novembro de 1955.
A 31 de janeiro de 1956 tem Inicio o Governo de Juscelino de Oliveira
Kubitschek. Não se tem grandes novidades nesse período no que se refere à
educação, pois o governo centrou forças para a Construção de Brasília, a nova
capital do Brasil.
Para Figueira (2005) com o fim do mandato de Juscelino, assume o
poder em 31 de janeiro de 1961, Jânio da Silva Quadro, mas, apenas sete
meses depois, em 25 de agosto renuncia ao cargo. Seu vice João Goulart,
também conhecido por, Jango, foi impedido de assumir pelos ministros
militares por considerá-lo comunista e estava em visita à China, assim
nomearam o deputado e presidente da Câmara Pascoal Ranieri Mazzilli, como
presidente interino.
O Congresso em tom conciliatório propõe a adoção o sistema
parlamentarista, e conseqüente redução dos poderes presidenciais, por fim os
militares permitiram que João Goulart assumisse o governo, o que se deu em 7
de setembro de 1961, tendo Tancredo Neves como Primeiro-ministro. A
experiência parlamentarista deveria permanecer até 1965, quando um
plebiscito decidiria pela sua continuidade ou a volta do presidencialismo, porém
essa decisão foi revogada pela antecipação do plebiscito em 6 de janeiro de
1963.
Em meio a todos esses transtornos políticos foi estabelecida a 20 de
dezembro de 1961, pela Lei nº. 4.024 as Diretrizes de Bases da Educação
Nacional que já tramitava no Congresso há 13 anos.
A LDB determina que a educação seja um direito e, deve ser
assegurado pelo poder público, reforçando principalmente a obrigatoriedade do
ensino primário para todos, porém a criança só poderá ser matriculada a partir
dos 7 anos de idade. No que diz respeito ao ensino religioso determina que
seja disciplina para as escolas públicas, mas, não especifica os graus; é de
matrícula facultativa, e deverá ser ministrada sem despesas para os cofres
públicos. Ainda determina a liberdade da iniciativa privada de atuarem em
todos os níveis da educação.

67

Essa abertura para a iniciativa privada abre precedentes para que nos
Estados se expandisse as escolas particulares de maneira a oferecer ensino
que o Estado não podia garantir, e conseqüentemente enfraquecerá a escola
pública.
Para Ribeiro (2000) a Igreja Católica e os empresários da educação
tiveram fortes embates com os grupos que defendiam o total monopólio do
Estado no ensino e, muitas de suas reivindicações foram contempladas. Mas,
apesar dos muitos debates, discussões e controvérsias, e mesmo com toda a
demora que levou o projeto, de acordo com Peeters; Cooman (1969, p. 150) "a
Lei constituiu um primeiro passo para a plena desejável democratização do
progresso educacional brasileiro".
Simultaneamente à promulgação da LDB, surge o Método de Educação
Popular do professor Paulo Freire. Esse Método foi inicialmente aplicado pela
Prefeitura de Natal, no Rio Grande do Norte, com a Campanha de
Alfabetização "De Pé no Chão também se Aprende a Ler". Que consistia
alfabetizar em 40 horas, adultos analfabetos.
Surgem, também, nessa época os Centros Populares de Cultura, ligados
à União Nacional dos Estudantes; ao Movimento de Educação de Base (ligado
à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) e ao governo da União.
Em 1962, foi criado o Conselho Federal de Educação, em cumprimento
ao artigo 9º da Lei de Diretrizes e Bases. Este vem substituição o Conselho
Nacional de Educação. No mesmo ano são criados os Conselhos Estaduais de
Educação, o Plano Nacional de Educação, e o Programa Nacional de
Alfabetização, estes dois últimos pelo Ministério da Educação e Cultura,
seguindo a proposta do Método Paulo Freire.
Segundo a Diocese de Juazeiro (1983) o Movimento de Cultura Popular,
MCP, orientado por Paulo Freire começou suas primeiras experiências de
educação popular por volta de 1961, no Bairro Dona Olegarina, periferia de
Recife. Começou com cinco alunos, mas dois desistiram. Mas, a experiência
considerada pioneira foi a de Angicos e Mossoró, no Rio Grande do Norte em
1962. Esse método teve lavradores como os primeiros a passarem por essa
experiência no MCP, sendo alfabetizados, de dentro para fora, através de seu
próprio trabalho. Do Rio Grande do Norte, o Método foi para João Pessoa, na
Paraíba, depois se estendeu para Sergipe e Bahia. Do Nordeste foi levado para

68

o Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, dando sentido e novo impulso a
educação e cultura popular.
Para Diocese de Juazeiro (1983) os resultados dessa iniciativa
impressionaram consideravelmente a opinião pública. A partir daí decidiu-se
levar o Método a todo Brasil, com o apoio do governo federal. Assim de junho
de 1963 a março de 1964, foram realizados cursos de formação de
coordenadores na maior parte das capitais dos Estados. Consta que só no
então Estado da Guanabara se inscreveram mais de 6.000 pessoas. No Plano
de ação elaborado para 1964, previa a instauração de 20 mil Círculos de
Cultura, novo nome dado aos grupos que se formavam, e esses deveria formar
naquele ano, por volta de dois milhões de alunos. O círculo educava, em dois
meses, trinta alunos. Sem dúvida, segundo admiradores desse Método, teria
acabado com analfabetismo no Brasil se esse Plano de Ação não tivesse sido
abortado.
Infelizmente com o advento do Golpe Militar em 31 de março de 1964,
tudo acabou! O idealizador do Método, Paulo Reglus Neves Freire fugiu com
toda família para o Chile, e por 16 anos ficou exilado.
Por esse tempo há um grande movimento para erradicar o
analfabetismo através de um programa nacional, respeitando as diferenças
sociais, econômicas e culturais de cada região do país. Um dos meios para
atingir essa meta foi a criação, em 1961, da Universidade de Brasília. Como
parte desse projeto está a proposta de acabar com o exame vestibular, sendo
necessário para o ingresso na Universidade o rendimento do aluno durante o
curso de 2º grau, hoje Ensino Médio.
Muitos especialistas na área de educação apontam o período de 1946 a
1964, como um tempo mais fértil da história da educação no Brasil, onde se
destacaram grandes educadores.
O governo de Jango que teve inicio em 7 de setembro de 1961 e
deveria permanecer até a posse do próximo presidente em 1965, mas foi
deposto a 1º de abril de 1964, por mais um violento golpe militar ocorrido um
dia antes.
Novamente o deputado e presidente da Câmara, Pascoal Ranieri Mazzili
assume a presidência da República, no dia 2 de abril, mas ficou no poder por
apenas treze dias. Na verdade quem governou foi a junta militar,

69

autodenominada Comando Supremo da Revolução, tendo três militares a
frente: o General Artur da Costa e Silva, o Almirante Augusto Rademaker
Grünewald e o Brigadeiro Francisco de Assis Correia e Melo. No dia 15 de abril
deste mesmo ano Pascoal Ranieri entregou o cargo ao Marechal Humberto de
Alencar Castelo Branco, iniciando, dessa forma oficialmente a ditadura militar
que perdurou por sofridos 21 anos.
Com o golpe Militar milhares de pessoas foram perseguidos por sua
postura ideológica; inúmeros foram mortos, outro tanto se exilaram ou foram
perseguidos e demitidos de seus cargos; multidões se viram obrigadas a
camuflar seus ideais, entre eles, uma infinidade de professores, alunos e
demais profissionais ligados à área da educação.
Dizendo preocupado com a educação, o governo militar para substituir o
MCP que usava o Método Paulo Freire, cria, pela Lei 5.360 em 1967, o
Movimento Brasileiro de Alfabetização ou MOBRAL como ficou conhecido.
Queriam convencer que com esse Movimento o analfabetismo seria
erradicado. Todavia, o MOBRAL não vingou, pois era na verdade um grande
engodo, um projeto de dissimulação política. Prova disso, segundo Diocese de
Juazeiro (1983) passados 18 anos de sua implantação, chega em 1985,
quando da sua extinção, com um rastro de 30 milhões de analfabetos no país.
Com o golpe militar, todas as propostas de levar a educação a um
patamar especial e inovador, são abortadas pelos defensores e mantenedores
do golpe militar que, as classificam de subversivas e comunistas.
O regime militar instalado no Brasil representa uma das páginas mais
tristes de nossa história e, durante os anos de sua permanência espalhou
medo e terror em todos os seguimentos da sociedade, e a educação foi um dos
principais alvos.
Infiltraram nas instituições de ensino olheiros, ou seja, militares
disfarçados, como também a presença de diretores, professores, alunos e
funcionários para observar tudo que era falado ou feito nelas. E foram as
universidades os principais alvos dos golpistas para propagar sua ideologia ou
manter vigília permanente.
Para atingir seus objetivos fizeram com que muitos professores fossem
demitidos; universidades invadidas; professores, estudantes e seus familiares
foram presos e vários deles mortos em confrontos ou por meio de seqüestros

70

pelas forças repressoras e, milhares de pessoas dos mais diversos
seguimentos da sociedade se viram obrigados a se calar. De um modo geral
nesse tempo de terror, todos os grupos, associações, movimentos e entidade
estavam sob suspeitas e eram constantemente vigiadas e/ou orientadas a
seguir os ditames do regime.
Para Aranha (2005), neste tempo várias entidades são vistas como
redutos de subversivos, por isso são proibidas suas atividades e colocadas na
ilegalidade. Entre elas esta a União Nacional dos Estudantes (UNE) que,
segundo Aranha (2005, p. 211) dizia os militares: "Estudantes é para estudar,
trabalhador para trabalhar".
Apesar da perseguição e vigilância ostensiva, foi também neste período
que a Universidade teve grande expansão.
Enquanto de um lado os militares apavoravam com a propagação de
sua ideologia, de outro crescia as discussões em torno de uma nova Lei de
Diretrizes de Bases da Educação Nacional, pois, apesar de ser recente a
promulgação da última. Dois blocos sustentavam essas discussões: um que
defendia a escola pública e outro ligado ao governo buscava fazer da escola
um condutor para o mercado de trabalho. O Ministro da Educação e Cultura do
regime, em 1964, Roberto de Oliveira Campos, defendia a idéia que o ensino
secundário deveria atender aos pobres e o ensino superior está reservado para
as elites. Em síntese o projeto visava incentivar a profissionalização do ensino
secundário para os pobres, e assim, os impediria de concorrer com as elites no
superior.
A propaganda é a principal arma do governo para levar adiante seus
projetos e, ao mesmo tempo quer convencer o povo que o regime vigente é a
melhor opção, afirmando que o Brasil está em boas mãos e no caminho certo.
É desse tempo os slogans: Brasil grande, ame-o ou deixe-o; Milagre
econômico; Esse é um país que vai pra frente, entre outros.
A educação foi usada como suporte para que os militares alcançassem
seus objetivos e reforçassem sua ideologia mantendo o Status quo, ou seja,
tudo deve ficar do jeito que está, do jeito que eles queriam, pois afirmavam
que, dessa forma a produção cresceria e, conseqüentemente, também o país.
Segundo Niskier (1969) em meio a esse conturbado período foi
promulgada a quinta Constituição brasileira, a 24 de janeiro de 1967. Em nível

71

de educação essa nova Carta não mudou muito da anterior. Determinava a
obrigatoriedade do ensino para crianças e jovens entre sete a quatorze anos de
idade, devendo ser ministrado pelos poderes públicos nos diferentes graus.
Deixava livre à iniciativa privada, desde que respeitasse as leis. Mantém a
isenção de tributos às instituições privadas como também previa ajuda técnica
e financeira, inclusive com bolsas de estudos. Quanto ao idioma determinava
que somente o primário seria ministrado em português. Mantém ensino
religioso para graus primário e médio, e aos professores era garantida a
liberdade de cátedra.
Para Aranha (2005) por determinação do presidente general Costa e
Silva foi formado um grupo para introduzir mudanças na LDB de 1961. Em
tempo recorde o grupo definia as diretrizes da reforma universitária, e em meio
a cassações de mandatos e intimidações, o Congresso não ofereceu
resistência em aprovar a Lei nº. 5.540/68.
Aranha (2005, p. 214) ainda diz que:
A reforma extingue a cátedra, unifica o vestibular e aglutina as
faculdades para a melhor concentração de recursos materiais e
humanos, tendo em vista maior eficácia e produtividade. Institui
também o curso básico para suprir as deficiências do segundo grau e,
no ciclo profissional, estabelece cursos de curta e longa duração.
Desenvolve ainda um programa de pós-graduação.

A força e truculência ditatorial não foram suficientes para por fim os
descontentamentos de muitos setores que, corajosamente enfrentaram o
regime, assim os militares promulgaram uma série de leis para reprimir toda e
qualquer manifestação contrária ao governo que foram denominados Atos
institucionais que vinham sendo editados desde o golpe em 1964, sendo que o
último deu-se em 1968.
Figueira (2005, p. 379) diz que:
Em dezembro de 1968, foi promulgado o AI - 5, a mais violenta das
medidas do governo. O AI-5 devolveu ao presidente da República, por
tempo indeterminado, os poderes para cassar mandatos e suspender
os direitos políticos; demitir ou aposentar funcionários públicos; intervir
nos estados e municípios; e fechar provisoriamente o Congresso
Nacional.

Em fevereiro de 1969, mas uma vez foi atacado o setor de ensino, e, de
acordo com Aranha (2005, p. 212) pelo "Decreto-lei nº. 477 proibia aos
professores, alunos e funcionários das escolas toda e qualquer manifestação
de caráter político".

72

Após dois anos da edição quinta Constituição, o governo promulga no
dia 17 de outubro, a Emenda Constitucional nº. 1. Para o setor educacional
mantém a gratuidade e obrigatoriedade do ensino para crianças e jovens entre
sete a quatorze anos de idade no ensino primário nas instituições oficiais, mas
muda quanto à constituição anterior, abrindo a possibilidade de cobrar o ensino
médio ou, então substituir a gratuidade por bolsas de estudo restituíveis. E
mantido o ensino religioso para os graus primário e médio.
De acordo com Aranha (2005, p. 211) diz:
Que a intenção da ditadura em "educar" politicamente a juventude se
revela no decreto-lei baixado pela Junta Militar em 1969, que torna o
ensino de Educação Moral e Cívica obrigatório nas escolas em todos
os graus e modalidade de ensino. No final do grau médio a
denominação muda para Organização Social e Política Brasileira
(OSPB) e no curso superior, para Estudos de Problemas Brasileiros
(EPB). Nas propostas curriculares do governo transparece o caráter
ideológico e manipulador dessas disciplinas.

Segundo Aranha (2005) por determinação do presidente general Médici
o ministro da Educação e Cultura, Coronel Jarbas Passarinho, escolheu um
grupo de estudos para fazer a reforma do ensino fundamental e médio, e em
11 de agosto de 1971, é promulgada a Lei 5.692, que fixou as diretrizes para o
ensino de 1º e 2º graus. Entre outras determinações a Lei ampliou a
obrigatoriedade escolar de quatro para oito anos, juntou o antigo primário com
o ginasial, acabou com o exame de admissão e criou a escola única
profissionalizante. Determinou que o ensino de 1º e 2º graus fosse ministrado
obrigatoriamente em português. Pela Lei os cursos de 2.º graus em todo o país
passaram a ser profissionalizantes.
Oliveira (apud BUFFA; NOSELLA, 1991) dizem que para Jarbas
Passarinho a idéia de criar a Lei, tinha também como objetivo acabar com o
ensino elitista e com o preconceito contra o trabalho manual e fazer da escola
um espaço para busca vocacional. Contudo, a Lei foi muito criticada por
educadores que a viam como autoritária.
Essa legislação, segundo Oliveira (2005), foi uma das mais polêmicas
referentes à educação e recebeu 362 emendas, com isso mudava totalmente a
estrutura do curso secundário. Mas, de acordo com Oliveira (apud
GHIRALDELI, 1992, p. 171) "a Lei foi acolhida com entusiasmo por boa parcela
do professorado que, empunhando os projetos inovadores da ditadura militar,

73

se atiraram num frenesi pela concretização das determinações da nova
legislação".
Durante o tempo da Ditadura as pressões populares, através de Grupos,
Movimentos, Igreja, sindicatos, entre outros setores da sociedade, mesmo sob
a repressão, estupidez e a brutalidade insana do regime, colaboraram para que
fossem minadas as estruturas cimentadas pelos militares no decorrer dos vinte
e um anos que estiveram à força no poder. Tudo isso abriu caminho para a
abertura democrática a partir de 1984, com o fim da era dos militares no poder.
Para pôr fim a era dos militares no poder dois candidatos civis
disputaram o cargo, Paulo Salim Maluf, representante da direita e Tancredo
Neves, representando todos os segmentos de esquerda. As eleições foram
indiretas, ou seja, pelo Colégio Eleitoral, pois em 25 de abril de 1984, a
emenda que defendia as Diretas-Já foi derrotada pelo Congresso Nacional.
Assim em 15 de janeiro de 1985, Tancredo foi eleito pelo Colégio, mas não
tomou posse porque poucos dias antes, adoeceu, sendo substituído por José
Sarney que, tomou posse em 15 de março daquele mesmo ano. Tancredo veio
morrer no dia 21 de abril desse mesmo ano.
Mesmo com a saída dos militares do poder, ainda ficou por um bom
tempo um grande rastro e resquícios de coisas velhas e mal resolvidas, pois
para substituí-los tivemos um governo eleito indiretamente, apesar das
mobilizações contrárias.
Para Minto (2006) a história registra oficialmente o dia 15 de março de
1985 como o fim da Ditadura Militar e o começo da Nova República, quando o
último dos generais, João Baptista de Figueiredo entrega a faixa presidencial
ao civil, José Sarney.
A respeito de Sarney, especialistas em questões constitucionais afirmam
que sua posse foi totalmente ilegal, pois se Tancredo não tomou posse como
presidente, seu vice também não foi empossado. Nesse caso o direito era do
presidente do Congresso Nacional que assumiria interinamente para convocar
novas eleições, o que não veio a acontecer.
O inicio da Nova República não foi tão fácil. Nos primeiros tempos ainda
se respirava o mau cheiro deixado pela ditadura, por isso a sua instalação
seguiu em passos lentos. Muitos e novos rumos terão nossa história e, a

74

educação como todos os outros segmentos do país farão longas caminhadas
em direção à democracia. É, na verdade, um recomeço!
Na área da educação foram muitas as propostas, projetos e leis que
surgiram naquela época, mas infelizmente a maioria delas, defendidas por
pessoas ou grupos interessados, mais uma vez, em apoiar iniciativas privadas
e, de preferência deixar que tudo como antes, sem muitas mudanças. Mas, ao
mesmo tempo surge um pequeno grupo, entre eles, educadores, pensadores, e
entidades que idealizavam outra forma de conceber a educação, e lutavam por
uma escola pública de qualidade, voltada para todos, mas, especialmente para
atender as classes menos favorecidas ou que estavam mais distantes do
projeto educacional.
Segundo Aranha (2005) os problemas vão se evidenciar e acirrar-se
entre os dois grupos durante os trabalhos e a elaboração da Constituição nos
anos 1987-8, e se estender por quase dez anos, com a tramitação da Lei de
Diretrizes de Bases da Educação Nacional que será concluída em 1996.
Contudo, a nova Constituição irá confirmar as conquistas das anteriores, trará
muitas inovações e ganhos, que nortearão a nova LDB.
Segundo Minto (2006) os anos 80 ficaram conhecidos como década
perdida, devido às dificuldades no setor econômico, mas por outro lado os
movimentos sociais foram fortalecidos e cresceram consideravelmente. Neste
contexto a educação sai ganhando, pois muitos educadores e entidades
ligadas à área se unem em torno de uma proposta de organização popular.
Assim surgiram importantes entidades que tiveram papel de destaque nas lutas
pela qualidade da educação. Entre elas destaca-se: Associação Nacional dos
Docentes de Ensino Superior (ANDES); Associação Nacional de Educação
(ANDE); Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE);
Central Única dos Trabalhadores (CUT); Partido dos Trabalhadores (PT) entre
outras.
As grandes lutas dos movimentos sociais em favor da educação dos
anos 80, somando-se aos artigos da Constituição que determinava sua
aplicação, levaram a muitos ganhos e conseqüentes avanços para a política
educacional dos anos 90, entre esses avanços destaca-se a criação da
LDB/96.

75

Segundo Minto (2006) os movimentos e defesa da educação levaram
muitas propostas aos parlamentares constituintes para a elaboração da
Constituição de 1988. Mas, foi um tempo de grandes disputas, pois os
movimentos se dividiram em dois blocos: os que defendiam a escola pública e
os defendiam o setor privado. Os interesses eram contrários, o primeiro grupo
defendia o princípio da gestão democrática na escola pública, onde a
comunidade escolar, formada por funcionários, professores e alunos pudesse
participar de todo processo. O outro bloco era constituído pelos defensores do
setor privado que, reunia empresários da educação, representantes das
instituições confessionais, comunitárias e filantrópicas. Esse bloco era
heterogêneo, chegando a vários momentos assumir posições contrárias aos
interesses do grupo, visando exclusivamente seus interesses. Porém, o que
mais dividia os dois blocos eram as questões dos recursos públicos. Os
defensores da escola pública queriam exclusividade dos recursos para as
escolas públicas. Os do setor privado queria ter acesso aos recursos
assegurado pela Constituição. Nesse embate o ensino confessional ganhou, e
conseguiu introduzir o ensino religioso nas escolas e receber verbas públicas
para suas instituições. Essas verbas poderiam vir em formas de subsídios
fiscais, isenções de impostos, ou de concessão de bolsas de estudos.
Ainda para Minto (2006) todas essas discussões e embates resultaram
em benefícios para a educação, devido às lutas dos movimentos sociais, dessa
forma a década de 80 não foi perdida para a educação. Assim destaca como
avanços: Constituição orgânica do sistema nacional de educação; a concepção
da educação pública e gratuita como direito de todos e dever do Estado.
Apontam ainda avanços no que diz respeito à gestão educacional e
administração

escolar,

destacando

nesse

nível,

como

avanços:

descentralização administrativa e pedagógica; eleições diretas, com voto
segredo, para dirigentes de instituições de ensino; gestão participativa na
educação; criação de comissões municipais e estaduais de educação,
autônomas e independentes para fiscalização das políticas educativas; fim do
Conselho Federal de Educação de orientação privatista; criação de colegiados
escolares, eleitos pela comunidade, com o objetivo de barrar as arbitrariedades
praticadas pela administração do sistema e da escola.

76

Tudo isso foi levado como propostas aos parlamentares constituintes,
pelos movimentos em defesa da educação para a elaboração da Constituição
de 1988.
Segundo Aranha (2005) a Constituição foi outorgada em 5 de outubro
de 1988 e nos artigos referentes a educação destacam-se: direito de todos e
dever do Estado e da família; deve ser gratuita nos estabelecimentos oficiais;
oferecer igualdade de condições para o aceso e permanência na escola; será
um espaço de liberdade de aprender, ensinar, pesquisar, divulgar o
pensamento, a arte e o saber. Tudo isso deve acontecer com a promoção,
incentivo e colaboração da sociedade, visando o pleno desenvolvimento da
pessoa, a boa formação para o exercício da cidadania e sua qualificação para
o trabalho.
Pode-se dizer que a Constituição trouxe à tona a conquista do princípio
da gestão democrática do ensino, mas, infelizmente representou muito pouco
na prática escolar do Brasil como um todo.
Minto (2006) diz que de modo geral percebe-se que a Constituição de
1988 trouxe alguns avanços, especialmente no campo da administração
educacional, porém, no que se refere à participação da comunidade nas
instâncias decisórias do sistema de ensino, muito pouco aparece ou foi feito.
Contudo, os poucos avanços só foram possíveis devido às pressões sociais e
dos movimentos organizados e contribuirão para a política educacional na
década de 90. E tudo isso será levado para as discussões da elaboração da
Lei de Diretrizes e Bases da Educação que terá seu inicio no mesmo ano da
promulgação da oitava Constituição brasileira.
Concluída a Constituição de 1988, segundo Aranha (2005, p. 224):
"resta elaborar uma lei complementar para tratar das diretrizes e bases da
educação nacional". Pois, é bom lembrar que com a promulgação da
Constituição, as LDBs anteriores foram consideradas obsoletas.
Segundo Bello (1988) no mesmo ano da implantação da nova
Constituição, o Deputado Octávio Elísio apresenta no Congresso Nacional o
Projeto de Lei de Diretrizes e Bases para a Educação. Neste mesmo tempo
muitos educadores, pensadores e líderes de outros seguimentos, vários deles
que estavam retornando suas atividades, pois foram impedidos por causa da
perseguição ou exílio no regime militar, se engajam em movimentos, tendo

77

alguns deles assumido cargos na área do ensino e somam forças com os
demais que aspiram mudanças para a educação, a partir do projeto do
deputado. Porém, no ano seguinte, o também deputado Jorge Have manda
para o Congresso um projeto substitutivo. E por fim, em 1992, os senadores
Darcy Ribeiro, Marcos Maciel e Maurício Correa apresentaram um projeto que
viria ser aprovado. A respeito do projeto Aranha (2005, p. 224) diz:
O senador Darcy Ribeiro propôs outro projeto, com o apoio do governo
e do ministro da Educação, por considerar que o substitutivo
anteriormente apresentado, entre outros defeitos, era muito detalhista e
corporativista (isto é, interessado em defender determinados setores).

Ainda para Aranha (2005) o projeto de Ribeiro foi considerado vago,
omisso em questões fundamentais e autoritário. As críticas vão mais longe
dizendo que dispensou as esferas deliberativas de um Conselho Nacional com
representantes do governo e da sociedade, e foi visto como projeto que
privilegiava os interesses do poder executivo.
Uma segunda crítica é feita na LEI... (2008 p. 1) a respeito do projeto
dos senadores, que diz:
Enquanto a proposta dos setores organizados da sociedade civil
apresentava uma grande preocupação com mecanismos de controle
social do sistema de ensino, a proposta dos senadores previa uma
estrutura de poder mais centrada nas mãos do governo. Apesar de
conter alguns elementos levantados pelo primeiro grupo, o texto final
da LDB se aproxima mais das idéias levantadas pelo segundo grupo,
que contou com forte apoio do governo FHC nos últimos anos da
tramitação.

Um ano após outorgada a Constituição e apresentação do projeto da
LDB, em nível político, Fernando Collor de Mello é eleito presidente da
República. No seu curto governo, em nível de educação lança, em todo país
em 1992, segundo Bello (1998) o projeto de construção de Centros Integrados
de Apoio à Criança, inspirado no modelo dos Centros Integrados de Educação
Pública, criado no Rio de Janeiro em 1982, pelo secretário de estado, professor
e pedagogo Darcy Ribeiro na gestão do então governador do Estado Leonel
Brizola. Esses Centros ficaram conhecidos como Brizolões.
O presidente Collor passou para a história como o caçador de marajás,
mas que em pouco tempo de governo foi acusado de corrupto. Condenado
pelo povo e pelo Congresso foi afastado do governo por impeachment.
Figueira (2005, p. 414): "Com a saída de Fernando Collor, o vicepresidente Itamar Franco foi empossado na Presidência". Itamar passou o

78

tempo que faltava sem apresentar novidades em nenhum setor, nem foi capaz
nem de iniciar as reformas que todos desejavam. No seu lugar, assume a
presidência Fernando Henrique Cardoso escolhido em 1995, por eleições
diretas, e ficou à frente do governo por oito anos, pois foi reeleito ao final do
primeiro mandato.
Nesses novos tempos democráticos, muitos projetos educacionais foram
encaminhados, na expectativa de oferecer um novo rosto para a educação e o
ensino. Segundo críticos e estudiosos com a escolha de Paulo Renato de
Souza para comandar o Ministério da Educação e Cultura, começou um novo
tempo para a administração educacional no Brasil.
Bello (1998) diz que o ministro logo no início de sua gestão faz o
governo extinguir, por medida provisória, o Conselho Federal de Educação,
criando simultaneamente o Conselho Nacional de Educação, ligado ao seu
Ministério. Sua proposta é tornar esse novo Conselho menos burocrático e
mais político.
Na época, a respeito da presença de Paulo Renato à frente do Ministério
diz Bello (1998):
Mesmo que possamos não concordar com a forma como vem sendo
executados alguns programas, temos que reconhecer que em toda a
História da Educação no Brasil, contada a partir do descobrimento,
jamais houve execução de tantos projetos na área da educação numa
só administração.

Para Bello (1998) destacam-se nesse período os seguintes projetos:
Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de
Valorização do Magistério (FUNDEF); Programa de Avaliação Institucional
(PAUIB); Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB); Exame
Nacional de Ensino Médio (ENEM); Paramentos Curriculares Nacionais
(PCNs); Exame Nacional de Cursos (ENC).
São fortalecidos nesse momento dois grupos que defendem o projeto
de criação de uma nova LDB e retomam o projeto que estava tramitando no
Congresso desde 1988. "A atual LDB (Lei 9.394/96) foi sancionada pelo
presidente Fernando Henrique Cardoso e pelo ministro da Educação Paulo
Renato em 20 de dezembro de 1996". (LEI..., 2008, p.1)
A LDB é resultado de um processo que levou oito anos com lutas
acirradas entre duas propostas bem diferentes. A primeira conhecida como

79

Projeto Jorge Hage foi resultado muitos debates abertos com a sociedade a
partir do Fórum Nacional em Defesa da Escola Pública, sendo apresentada na
Câmara dos Deputados. A segunda foi elaborada pelos senadores Darcy
Ribeiro, Marco Maciel e Maurício Correa em articulação com o governo por
meio do Ministério da Educação e Cultura. (LEI..., 2008)
São as principais características da LDB/96: Gestão democrática do
ensino público e progressiva autonomia pedagógica e administrativa das
unidades escolares (art. 3 e 15); Ensino fundamental obrigatório e gratuito (art.
4); Carga horária mínima de oitocentas horas distribuídas em duzentos dias na
educação básica (art. 24); Prevê um núcleo comum para o currículo do ensino
fundamental e médio e uma parte diversificada em função das peculiaridades
locais (art. 26); Formação de docentes para atuar na educação básica em
curso de nível superior, sendo aceito para a educação infantil e as quatro
primeiras séries do fundamental, formação em curso Normal do ensino médio
(art. 62); Formação dos especialistas da educação em curso superior de
pedagogia ou pós-graduação (art. 64); A União deve gastar no mínimo 18% e
os estados e municípios no mínimo 25% de seus respectivos orçamentos na
manutenção e desenvolvimento do ensino público (art. 69); Dinheiro público
pode financiar escolas comunitárias, confessionais e filantrópicas (art. 77);
Prevê a criação do Plano Nacional de Educação (art. 87). (LEI..., 2008)
A LDB/96 está baseada no princípio do direito universal à educação,
assim a Lei apresenta uma novidade em relação às leis anteriores, a inclusão
da educação infantil (creches e pré-escolas) como primeira etapa da educação
básica. (LEI..., 2008)
Sobre a LDB, Minto (2006, p.13-14) diz:
Trata-se de uma Lei "enxuta", "minimalista", que pouco diz sobre
questões essenciais da educação, mas que deixou abertas muitas
brechas para serem preenchidas em momentos oportunos, fazendo jus
ao princípio do Estado mínimo neoliberal. Uma das questões tratadas
na LDB, e que reflete diretamente o caráter limitador da "democracia"
brasileira, foi a manutenção da exclusão do setor privado com relação
ao cumprimento do princípio constitucional da gestão democrática,
numa medida que se preocupava em fazer concessões aos fortes
lobbies dos representantes dos interesses privados, em sua ânsia pelo
lucro. No mais, ao definir (pobremente) os termos da gestão
democrática da escola pública, a LDB pouco fez além de repetir a
Constituição, isto é, manteve o caráter genérico das medidas
(remetendo-as aos sistemas de um ensino para as suas definições),
apenas afirmando mecanismos óbvios de participação e limitando o

80

tipo de participação da comunidade nas instâncias decisórias, que
sequer são mencionadas.

Críticos da educação afirmam que a nova LDB não veio para resolver
todos os problemas da educação, especialmente os deixados pelo regime
militar, ao longo de vinte e um anos e que gerou muitas perdas e danos.
Porém, apontam com o grande valor dela é que está alicerçada pelos princípios
e fins da Constituição Nacional e, foi inspirada nos princípios de liberdade e da
solidariedade humana.
A educação básica tem por finalidade desenvolver o educando e
assegurar-lhe a formação comum indispensável para o exercício da
cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos
posteriores. (LEI... 1996, Capítulo II, Artigo 22)

A LDB tornar-se revolucionária e caminha a passos largos em direção
ao desenvolvimento da educação quando destaca que as atividades da
educação escolar, em todos os níveis, devem seguir na mesa direção, ou seja,
privilegiando sempre o desenvolvimento humano. Assim a educação infantil,
primeiro momento da educação básica, tem como finalidade o desenvolvimento
integral da clientela de zero a seis anos. O ensino fundamental previsto para
durar oito anos, com inicio aos sete anos, deve estar em harmonia com as
atuais demandas da sociedade moderna e com as necessidades básicas das
clientelas atendidas, sejam elas constituídas por jovens ou adultos. Quanto ao
ensino médio, a última etapa da escolarização básica, deve ser o tempo de
consolidação e aprofundamento da aprendizagem, devendo levar o educando a
total inserção na sociedade da qual faz parte.
Pode-se concluir que tanto a Constituição Nacional como a LDB são
muito bonitas, contudo, por si só não podem fazer nada. Cabe-nos a tarefa de
colocar em prática e ir adequando suas normas às necessidades que forem
surgindo. Por isso é urgente a organização da sociedade como um todo para
cobrar do governo condições para fazer acontecer, de fato, o que está
garantido no papel.
A Educação precisa ocupar um lugar de destaque na sociedade, e com
a participação e colaboração de outros setores, caminhar como parceiros na
construção de um único objetivo, onde todos possam ser vistos como agente
de transformação e juntos trabalhar por uma sociedade mais justa, fraterna,
solidária e cidadã.

81

CONCLUSÃO

Pessoa humana sem história é uma pessoa sem vibração.
Autor desconhecido

Ao final deste trabalho de conclusão do Curso de Metodologia do Ensino
Superior, no qual foi proposto pesquisar sobre a história da Educação da
Descoberta até a LDB/96, conclui-se:
De modo geral, percebe-se, através da pesquisa que, ao longo de todo
esse processo histórico estudado, não houve um sistema de ensino a contento
e que atendesse às necessidades do momento vivido. É necessário, pois, ter
um olhar sob o passado para entendermos o presente.
Os portugueses ao chegarem firmaram primeiramente seu interesse em
exploração da terra conquistada, e trouxeram para a Colônia elementos da
pequena nobreza para sua organização. A primeira preocupação destes foi em
escravizar os índios e, com a recusa deles, sujeitaram os negros. A produção
açucareira foi à única base da economia colonial até meados do século XVII.
Quanto à organização escolar no Brasil-Colônia, era vinculada
diretamente à política colonizadora. Sem nenhum objetivo ou metas ficou
entregue às moscas durante quase meio século, pois a educação propicia
lucros às camadas dominantes da Metrópole.
A partir de 1549, com a chegada dos primeiros jesuítas a Colônia
recebeu novos ares, sendo por 210 anos os principais responsáveis pela
educação no Brasil A princípio se detiveram na formação de indígenas através
da catequese, mais tarde, com a abertura de seus colégios nas grandes
cidades, começaram também, a atender e instruir os filhos dos grandes
latifundiários e das elites locais. Para sua própria sobrevivência abriram em
diversos lugares, seminários para a formação de futuros sacerdotes e irmãos
para a Ordem.
A Companhia aplicou na Colônia o seu Plano de Estudos, contudo,
tiveram que fazê-lo à realidade brasileira, e, procuraram tirar de sua
programação o mínimo de elementos da cultura européia. Nas reduções, no
trabalho com os indígenas alcançaram seus objetivos, pois além da

82

catequização, também conseguiram formar muitas gerações. Nos colégios e
escolas das cidades e vilas, foram instrumentos de formação da elite colonial
que, preferencialmente, tiveram estas camadas sociais suas necessidades
atendidas.
Pode-se dizer que a organização educacional dos jesuítas foi
consagrada a partir do momento em que Pombal os expulsou, e isso também
concorreu para a derrocada do ensino no Brasil. Apesar de todas as críticas, os
duzentos e dez anos que estiveram em terras brasileiras foram marcantes,
pois, os religiosos de Santo Inácio, não só se empenharam como educadores,
mas, principalmente, como homens a serviço exclusivo da Igreja, procurando
usar os melhores métodos, dentro de sua ideologia religiosa, para atingir os
objetivos propostos para aquele momento histórico.
Com a expulsão dos jesuítas, outras Ordens Religiosas como
Beneditinos, Franciscanos e Carmelitas que já estavam na Colônia tentaram
dar continuidade ao processo educacional para o atendimento das elites, pois o
governo tentou, sem muito sucesso, cuidar do setor popular. Ainda outras
iniciativas de pessoas e grupos, também foram tentadas, mas não conseguiram
atingir, a contento, o que fora feito pelos jesuítas. A dificuldade em reorganizar
a educação após a saída da Companhia deve-se a multiplicidade de propostas,
sem, contudo, apontarem metas claras objetivas, e, sobretudo em olhar a
educação como um todo e, particularmente, como um caminho útil e
necessário para aquele momento histórico.
Pombal propõe uma nova reforma no sistema educacional, tendo como
objetivo principal sua secularização. Propõe as aulas régias como alternativas
para suprir as deficiências do ensino, mas se revelaram, em pouco tempo uma
grande decepção, pois não preenchia a lacuna deixada pelos jesuítas. Além do
mais, os professores régios estavam totalmente descontentes com o sistema,
ficavam anos sem receber salários. A proposta de Pombal não obteve o
resultado esperado e corroborou para que ficasse estagnado durante um bom
tempo, um projeto viável de educação para o Brasil.
Uma séria e grande critica feita aos jesuítas foi que, durante todo tempo
que estiveram à frente do sistema educacional na Colônia, sua preocupação
direcionava, exclusivamente, a focos: a catequese e formação dos nativos,
numa perspectiva de convertê-los à fé cristã, e a instrução dos filhos da elite

83

colonial. Os demais grupos que já eram abandonados pelo governo, foram
também deixados à mercê da ignorância pelos religiosos. Quando da sua
expulsão, os nativos, que até então eram os preferidos, voltam a fazer parte do
imenso contingente dos preteridos e, juntam-se a outra clientela que desde
sempre esteve à margem de tudo. O mesmo não aconteceu com as elites, pois
possuindo recursos, tinham condições de optarem por outras modalidades de
ensino.
Com a chegada a Família Real em 1808, novas perspectivas aparecem
no cenário educacional. A presença de Dom João VI, com sua família e corte,
trouxe profundas modificações. Precisavam reproduzir aqui tudo, ou, pelo
menos quase tudo, que desfrutavam na Europa, por isso durante a
permanência do Príncipe em terras brasileiras e, mais especificamente no Rio
de Janeiro, foram criados a Imprensa Régia, Biblioteca Nacional, Museu
Nacional e Jardim Botânico, entre muitas outras instituições de caráter
culturais.
O Rio de Janeiro passa a ser um pólo de irradiação de cultura, economia
e política para o Brasil, durante sua permanência.

Nos níveis primários e

secundários muito pouco foi feito e, no superior, foram lançadas as sementes.
Mas, de modo geral, pode-se afirmar que, quase nada mudou em relação ao
período anterior, permanecendo ainda aberta uma lacuna na educação.
Na República, percebe-se que, no discurso, a educação foi colocada
como solução das desigualdades sociais. A luta pela ampliação dos direitos
das classes populares estava ocorrendo em vários espaços, justificando a
preocupação dos educadores de planejar a ação da escola nesse aspecto.
Contudo, na esfera governamental os muitos projetos, durante todo esse
período não passaram de meros discursos. Infelizmente, os malefícios
sobrepuseram aos ganhos e avanços em muitos momentos até os nossos dias.
Não só nesse momento, mas, de um modo geral, a educação sempre andou a
reboque do momento político. Infelizmente!
Dentre todos os períodos, aponta-se o da ditadura como o mais crucial
para a educação, pois esta perdeu totalmente o seu sentido pedagógico e teve
que assumir caráter político, perdendo, com isso, a sua essência.
Com o fim do regime militar, novas propostas de reestruturação da
sociedade como um todo, são sonhadas e almejadas. Aos poucos, surgem

84

projetos, especialmente, nos setores populares para fazer eliminar as mazelas
deixadas e, a palavra de ordem é a redemocratização. A nova Constituição
abre perspectivas para a elaboração de uma nova LDB, o que veio a ser
concretizada em 1996, oito anos após a promulgação da Constituição.
Críticos da educação, entre eles, professores, personalidades do cenário
social, religioso e político são unânimes em dizer que na História da Educação
no Brasil, desde a sua descoberta até os anos 90 não havia conhecido tantos
projetos para a educação. Isso se deu especialmente pelo esforço do ministro
da Educação Paulo Renato de Souza, no governo de Fernando Cardoso.
A educação nunca foi prioridade; faltou e continua faltando aos
governantes o realismo que faz encarar os problemas à luz das condições
sociais do nosso contexto nacional; faltou e ainda falta, sobretudo, ao nosso
cenário, condições e ferramentas para que, os professores qualificados e
intelectualmente preparados, juntamente com muitos outros setores da
sociedade, possam levar avante um projeto educacional que atenda às
necessidades de nosso povo.
Conclui-se, não de forma pessimista, mas, constatando uma realidade
triste, porém, real: percebeu-se que durante todo esse tempo, passando por
todos os regimes com seus projetos, leis constituições, mandos e desmandos,
ainda não se conseguiu atar as veias abertas da educação ao longo da história
do Brasil.
Encerra-se esse trabalho lembrando Paulo Freire, o educador que
deixou um grande legado, quando dizia que na educação, a leitura do mundo
era mais importante que a leitura da palavra. (FREIRE, 1989)

85

REFERÊNCIAS

ANANIAS, M.; FONSECA, S. M.; SECO, A. P. Antecedentes da Administração
Escolar até a República (... 1930) in Revista HISTEDBR On Line, Campinas,
n°. especial, p. 54 -101, ago. 2006.

ARANHA, M. L. A. História da Educação. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2005.

AZEVEDO, F. O Sentido da Educação Colonial. In: A Cultura Brasileira. Rio
de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1943.

BELLO, J. L. P. História da Educação no Brasil. Rio de Janeiro, 1998.
Disponível em Acesso em 09
de setembro de 2008.

BEOZZO, J. O. (Org.) Curso de Verão XVIII: Educar para a Justiça, a
Solidariedade e a Paz. São Paulo: Paulus; CESEP, 2004. Coleção Teologia
Popular, 2004.

BÍBLIA SAGRADA, Edição Pastoral. São Paulo: Sociedade Bíblica Católica
Internacional e Paulus. 1991

BITTENCOURT, C. M. F. et al. Repensando o Ensino - O Ensino de História e
a Criação do Fato. In: PINSKY, J. (Org.). As "Tradições Nacionais" e o Ritual
das Festas Cívicas. 5. ed. São Paulo: Contexto, 1992, p. 43-72.

BUFFA, E.; NOSELLA, P. A Educação Negada. São Paulo: Cortez, 1991.

COMPANHIA
DE
JESUS.
Wikipédia.
Disponível
em
. Acesso em 27 de agosto de
2008.

COORDENADORIA ECUMÊNICA DE Serviço - CESE. Declaração Universal
dos Direitos Humanos. 4. ed. São Paulo: Paulinas, 1978.

COTRIM. G. História Global - Brasil e Geral. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

86

DIOCESE DE JUAZEIRO - BA. Paulo Freire - Educação Popular. Lins - SP:
Todos Irmãos, 1983.

FACCHINI, Pe. M. R.; NEVES, Frei R. M. G. dos. In: Faculdade de Teologia
Nossa Senhora da Assunção (Org.). História da Evangelização na América
Latina. São Paulo: Paulinas, 1988. Série Teologia em Diálogo, p. 30-41.

FIGUEIRA, D. G. História - Questões do Enem e de Vestibulares de todo
Brasil - Volume único. 2. ed. São Paulo: Ática. 2005.

FRANCA, Pe. L. O Método Pedagógico dos Jesuítas: o "Ratio Studiorum".
Rio de Janeiro: Agir, 1952.

FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler: em Três Artigos que se
Completam. 23. ed. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

GHIRALDELI Jr. P. História da Educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1992.

GONÇALVES, N. S. A Companhia de Jesus em Portugal, Portugal, 25 de
agosto de 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 de agosto de 2008.

JESUITAS.COM.
Wikipédia,
junho-agosto/2006.
Disponível
em:
http://www.jesuitas.com.br/histor.htm>. Acesso em 27 de setembro de 2008.

LEI de diretrizes e bases da educação nacional de 1996. Wikipédia, 19 de
junho
de
2008.
Disponível
em:
. Acesso em 10 de
setembro de 2008.

LUGON, C. A República "Comunista" Cristã dos Guaranis. Tradução de
Álvaro Cabral. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1977.

MINTO, L. W. Administração Escolar no Contexto da Nova República (1984...).
Revista HISTEDBR On-Line, Campinas, nº. especial, p. 140-165, agosto 2006
ISSN: 1676-2584.

NEOTTI, F. C. Santo Antônio do Largo da Carioca, 400 anos de História.
Cidade do Vaticano: L'Osservatore Romano. Ano XXXIX, n°. 8 (1992), 23 de

87

fevereiro de 2008, página 5. Tradução e Impressão Editora Santuário,
Aparecida -SP.

NISKIER, A. Administração Escolar. Porto Alegre, RS: Tabajara, 1969.

OLIVEIRA, D. E. M. B. O Ensino Profissionalizante no Brasil. In: V Jornada
do HISTEDBR, 2005, Sorocaba. V Jornada HISTEDBR. Sorocaba: UNISO,
2005, V. 5.

PAIVA, J. M. Colonização e Catequese. São Paulo: Cortez, 1982.

PEETERS, F; COOMAN, M. A. Pequena História da Educação. 9. ed. São
Paulo: Melhoramentos, 1969.

PRADO JÚNIOR, C. História Econômica do Brasil. 34. ed. São Paulo:
Brasiliense, 1986.

PRUDENTE DE MORAIS. Wikipédia. 17 de agosto de 2008. Disponível em:
. Acesso em 31 de agosto de 2008.

RIBEIRO, M. L. S. História da Educação Brasileira: A Organização Escolar.
18. ed. Campinas: Autores Associados, 2000.

ROMANELLI, O. O., História da Educação no Brasil (1930-1973). 7. ed.
Petrópolis: Vozes, 1991.

SÃO PAULO (ESTADO). Lei n°. 88, de 8 de setembro de 1892. MENON, O.N..
A Educação Escolarizada em Sorocaba entre o Império e a República. São
Paulo: PUC, 2000.

SÃO PAULO (ESTADO). Regulamento da instrução pública, de 27 de
novembro de 1893. MENON, O.N.. A Educação Escolarizada em Sorocaba
entre o Império e a República. São Paulo: PUC, 2000.

SÃO PAULO (ESTADO). Decreto n.° 248, de 26 de novembro de 1894.
MENON, O.N.. A Educação Escolarizada em Sorocaba entre o Império e a
República. São Paulo: PUC, 2000.

88

SODRÉ, N. W. Síntese de História da Cultura Brasileira. 16. ed. Rio de
Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

SOUZA, N. (Org.). Catolicismo em São Paulo - 450 anos de presença da
Igreja Católica em São Paulo, 1554 a 2004. São Paulo: Paulinas. 2004.

UNIVERSIDADE DO BRASIL. Wikipédia, 29 de agosto de 2008. Disponível
em . Acesso em 1° de setembro de 2008.

89

ANEXOS

90

ANEXO A - Constituições e Leis Constitucionais

1. Constituição Política do Império do Brasil de 25 de março de 1824.
2. Lei de 12 de agosto de 1834 (Ato Adicional).
3. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 24 de fevereiro
de 1891.
4. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, 16 de julho de 1934
5. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 10 de novembro
de 1937
6. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 18 de setembro
de 1946.
7. Constituição da República Federativa do Brasil, de 24 de janeiro de 1967.
8. Ato Institucional nº. 5, de 13 de dezembro de 1968.
9. Emenda Constitucional n.ºI, de 17 de outubro de 1969.
10. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988.
(ROMANELLI 1991, 265-266)

91

ANEXO B - Declaração Universal dos Direitos Humanos

Artigo XXVI da Declaração Universal dos Direitos Humanos diz:
Todo homem tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo
menos nos graus elementares e fundamentais. A instrução elementar será
obrigatória. A instrução técnico-profissional será acessível a todos, bem como a
instrução superior, esta baseada no mérito. A instrução será orientada no
sentido do pleno do desenvolvimento da personalidade humana e do
fortalecimento do respeito pelos direitos do homem e pelas liberdades
fundamentais. A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade
entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos e coadjuvará as atividades
das Nações Unidas em prol da manutenção da paz. Os pais têm prioridade de
direito na escolha do gênero de instrução que será ministrada aos seus filhos.
(CESE, 1978, p.23)

This document was created with Win2PDF available at http://www.win2pdf.com.
The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.
This page will not be added after purchasing Win2PDF.