ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

História das Religiões no Brasil:
Teoria e Metodologia a partir da Escola Italiana
Elton de Oliveira Nunes *
Resumo: A presente comunicação é uma tentativa de apresentar elementos para a
definição da área de História das Religiões no Brasil a partir da Escola Italiana de História das
Religiões. A definição de áreas de pesquisa e estudos é o primeiro passo para o progresso da
ciência 1 . Dessa definição resultam ações metodológicas e mesmo educacionais que
contribuem para que as pesquisas realizadas alcancem seus objetivos e contribuam
decisivamente para que um País cresça e se desenvolva 2 . Por este motivo, são necessários e
relevantes estudos que trabalhem a questão de definições teóricas e metodológicas das áreas
do conhecimento para que o progresso do conhecimento tenha eficácia.
História das Religiões ­ urgência e ambivalência
Uma das áreas que necessita de definição mais acurada é a área de História das
Religiões no Brasil. O estatuto científico dos estudos históricos da Religião sofre de
problemas de aproximação e sua trajetória no Brasil ainda está longe das grandes discussões
teóricas realizadas em outros países e continentes 3 . Um dos problemas que se apresenta é
sobre a forma de tratamento. Como tratar da dimensão histórica dentro das diversas
abordagens da Religião? Dessa maneira, impõe-se a necessidade de enfrentar a questão da
abordagem histórica da Religião dentro da área de História das Religiões, atualizando as
discussões internacionais no Brasil. Além disso, os Programas de Pós-Graduação em Ciências
Humanas e Sociais carecem dessa definição, como podemos constatar, seja pelo pequeno
número de publicações nessa área, seja pela declaração de algumas instituições e teóricos
sobre a indefinição do campo de Ciências Humanas e Sociais 4 . Este projeto tem a pretensão
de apresentar considerações sobre as definições teórico-metodológicos sobre a área de
História das Religiões no Brasil.

*
1

2

3

4

Pós-Doutorando em História e Religião pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, professorpesquisador da FAPESP (2008-2010).
A preocupação das agências de fomento no Brasil volta-se para o progresso da ciência, a produção
intelectual e as aplicações práticas para a geração de empregos e avanço da ciência, objetivo esse
compartilhado pela CAPES, CnPq e FAPESP.
É de vital importância que as pesquisas de uma área sejam de aplicação prática para o País e que este
conhecimento resulte em ganhos para a população. Conforme atestado pela própria filosofia da ciência. Vide
FEYERABEND, (1978); LENOIR, (2004); STUMP, (1996); ALVES e GARCIA, (1996); WEBER, (1979).
Podemos elencar pouco mais de dez publicações produzidas no Brasil. Hermann discute este assunto no
texto clássico, Os domínios da História, de 1997. Desse tempo até o presente não houve avanços sobre a
questão. Ver: CARDOSO e VAINFAS, 1997. p.329-354.
Para um panorama do estado atual da questão, ver: USARSKI, (2007).

1

ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

A História das Religiões, cujo termo é polissêmico, quer representar o campo de
estudos históricos sobre as religiões e, por outro lado, desenvolver o registro sobre o processo
de historicização das religiões. O grande desafio dessa dupla tarefa para a disciplina é sua
indefinição quanto ao objetivo primário da mesma 5 . No Brasil, esta área se confunde com
suas ciências afins. Seria esta parte do ramo da História ou seria vinculada definitivamente às
Ciências Humanas e Sociais? A "Religionswissenschaft" nasceu na segunda metade do século
XIX dentro do clima do historicismo alemão 6 . O fato é que a constituição da História das
Religiões, desde sua gênese, teve problemas de "lugar" no escopo científico das disciplinas de
estudo. Ciente disso, Geertz aponta para a dificuldade a partir da própria constituição do
nome da disciplina 7 :
Um barômetro para essa situação pode ser visto nos nomes escolhidos para a
disciplina. É a palavra alemã "Religionswissenschaft" que está por trás da
expressão britânica "Science of religion" [Ciência da Religião], ao passo que
Ciência da Religião, nos Estados Unidos, é sinônimo de Sociologia da Religião.
Portanto, os norte-americanos utilizam a palavra alemã "Religionswissenschaft",
que também tem sido traduzida nos Estados Unidos como "Study of Religion"
[Estudo da Religião] ­ mas não "Religious Studies" [Estudos Religiosos], que é a
abordagem mais teológica. Na Inglaterra, encontramos o termo "Comparative
religion" [Religião Comparada], que se encaixa bem no pluralismo britânico, mas,
nos Estados Unidos, Religião Comparada", conforme foi praticada por Mircea
Eliade, é denominada de "History of Religions" [História das Religiões], ainda que
nenhum departamento nas universidades receba este nome. Na Europa, o termo
"History of Religions" e termos equivalentes em francês, italiano, e nas línguas
escandinavas são utilizados para o estudo mais amplo da religião, ainda que não
tenha de fato integrado as ciências sociais. No Canadá, "História das Religiões" é
considerado um termo muito limitado, daí a preferência por "Study of Religion".
Na América Latina, o termo escolhido parece ser estúdio de lãs Religiones [Estudo
das Religiões] ­ e agora estou vendo que no Brasil prefere-se História das
Religiões. Já nos Países asiáticos não há preocupação com termo algum.

Ou seja, a História das Religiões é reivindicada como parte integrante de três campos
de análise: a História, as Ciências Humanas e Sociais e as Ciências das Religiões como subcampo de pesquisas e produção de dados e observações. Para Filoramo e Prandi, a História
das Religiões sofre, após um século de debates, de um posicionamento epistemológico sobre
sua metodologia e seus objetivos 8 . Sob o rótulo de História das Religiões ocultam-se, segundo

5

6
7
8

O termo "História" também carece de definição mais acurada, pois este remete a três sentidos distintos,
articulados com as abordagens mencionadas. O primeiro refere-se ao conjunto das ações humanas no tempo,
cuja efetivação se deve a razões e a decisões. Esse conjunto é habitualmente chamado de história, na
linguagem comum e na especializada. O segundo sentido diz respeito ao procedimento formal de constituição
do conhecimento científico relativo a partes desse conjunto. O terceiro sentido do uso do termo "história"
tem a ver com o acervo produzido pela ciência histórica sob a denominação de "historiografia". Também a
esse conjunto de documentos e outras diversas variações como documentários, se classifica como "história".
Ver: JENKIS, (2001).
Cf. PRANDI e FILORAMO, 1999. p. 61.
Cf. GEERTZ, citado por GIL e SIEPIERSKI, 2003. p. 16.
Cf. PRANDI e FILORAMO, 1999. p. 14.

2

ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

eles, pelo menos três diferentes perspectivas metodológicas: História, Ciências Humanas e
Sociais e Ciências da Religião. Outro problema diz respeito ao objeto "Religião" dentro do
estatuto da História, enquanto ciência do tempo e dos fatos históricos. Qual o lugar da
"Religião" na História das Religiões? Seria o estudo da religião um ato privilegiado ou
secundário? Qual o papel da religião na constituição de uma determinada linha de pesquisa
nesta área? Como abordar um campo polissêmico e complexo como a religião? Além dos
problemas oriundos da própria História, enquanto ciência do saber, a Religião apresenta-se
como um objeto difícil na medida em que não se enquadra em definições satisfatórias e
completas. O próprio termo "Religião" sofre controvérsias sobre sua abrangência. Ao longo
dos séculos, a palavra de origem latina: religio 9 foi assumindo diversas conotações e
interpretações. A religião, enquanto objeto de estudo do historiador, está por ser definida. De
sua conceituação derivará o tipo de história, suas conseqüências e conclusões, como afirma
Wiebe 10 :

Sustenta-se bastante plausivamente que a menos que seja possível alguma definição
preliminar da religião, alguma forma de compreensão intuitiva da natureza da
religião suscetível de formulação verbal, nenhum estudo da religião pode chegar a
ser iniciado. Sem tal definição de um campo de pesquisa, qualquer e todas as coisas
estariam abertas à investigação; e se tudo está aberto à investigação, nós na
verdade não temos absolutamente nenhum estudo específico da religião. Assim, uma
definição da religião é necessária para destacar os fenômenos a serem investigados.

Dessa forma, a explicitação do termo ou conceito de religião assumida pelo historiador
irá determinar a própria história sobre a religião que será produzida. Mas, o historiador da
religião tem para si outro problema de fundo epistemológico. Poderá ele escapar das
contradições entre o seu objeto de estudo e a herança anti-religiosa que sua ciência
compartilha? A História, enquanto campo de pesquisa, foi constituído dentro dos parâmetros
do Iluminismo, Racionalista e anti-religioso. Essa dificuldade sempre se apresentou como
desafio dos pesquisadores das áreas afins. Ao longo dos séculos XIX e XX, as ditas Ciências
9

Dentre os autores latinos que apresentaram uma definição etimológica do termo está Macróbio (séc V). Para
ele, a palavra religio deriva de relinquere (deixar, abandonar). Já Cícero (106-43 a.C.) no "De Natura
Deorum" afirma que a palavra vem da raiz relegere (considerar cuidadosamente), oposto de neglere,
descuidar. Para Cícero, então, a Religião é um procedimento consciencioso, mesmo penoso, em relação aos
deuses reconhecidos pelo Estado. Para Lactâncio, escritor cristão (m. 330 d.C.), religio deriva de religare
(ligar, prender). Desta forma, a Religião liga os homens a Deus pela piedade. Para Agostinho, religio deriva
de religere (idéia de reeleger). Como um retorno a Deus, o ser humano passa de um estado de rejeição para
um estado de cuidado diligente. Mais tarde, Agostinho passará a considerar o termo de acordo com Lactâncio
("De Vera Religione"). Na Igreja antiga, o termo religio era usado junto com sanctitas, studium e outros
termos para traduzir o grego ascesis, passando na Idade Média a equivalente de observância monástica.
PRANDI e FILORAMO, 1999. p. 253-275.
10
Cf. WIEBE, 1998. p. 17.

3

ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

Humanas e Sociais buscaram uma definição de Religião que produzisse uma explicitação de
seu conteúdo. Para Max Muller (1832-1900) 11 , a origem da Religião deveria ser entendida
como um deslocamento semântico, uma "doença de linguagem".
Ao nomear as coisas (nomina) os seres primitivos criaram os deuses (numina). Já
Auguste Comte 12 apresentou a teoria dos estágios da humanidade (Teológico, Metafísico e
Positivo) para explicar o papel da Religião. No Estágio Teológico a imaginação desempenha
papel de primeiro plano. Diante da diversidade da natureza, o homem só consegue explicá-la
mediante a crença na intervenção de seres pessoais e sobrenaturais. Este Estágio representaria,
no desenvolvimento do espírito humano, uma etapa de transição para o Estágio Metafísico.
Este, inicialmente, concebe "forças" para explicar os diferentes grupos de fenômenos, em
substituição às divindades da fase teológica. Fala-se então de uma "força física", uma "força
química", uma "força vital". Procura explicar a "natureza íntima" das coisas, sua origem e
destino último, bem como a maneira pela qual são produzidas. O Estágio

Positivo

caracteriza-se pela subordinação à observação. Cada proposição enunciada de maneira
positiva deve corresponder a um fato, seja particular, seja universal.
Desta forma, a Religião seria a forma primitiva dos homens explicarem os fenômenos
que não compreendiam. Em "A origem das espécies" Charles Darwin (1859), estabeleceu a
idéia de uma continuidade entre o homem e o animal, inscrevendo todas as espécies no tempo
de uma história contingente, sem uma ordem geral e sem um progresso determinado. Desta
forma, a Religião (cristã) nada mais era do que uma forma evoluída de manifestação cultural.
Para Émile Durkheim (1858-1917) 13 , a definição de Religião estava vinculada às
representações coletivas e era a via através da qual poderíamos entender a forma de
representação do mundo. As crenças propriamente religiosas são sempre comuns a uma
coletividade determinada. O indivíduo abre mão da sua própria liberdade pessoal para aderir
às práticas, ritos coletivos e solidários cujo objetivo final é receber em troca uma certa
organização da realidade da vida cotidiana. Tais crenças são admitidas, a título individual,
por todos os membros dessa coletividade, que se sentem ligados uns aos outros pelos laços de
uma crença comum. Wilhelm Wundt (1832-1920) 14 concebeu a Religião como a forma do
homem de relacionar-se com seus sentimentos em relação ao desconhecido. O que podemos
advir é que o Iluminismo, desde o início, teve dificuldades de abordar a Religião em todos os
seus amplos aspectos. Dessa forma, a própria definição de Religião foi apresentada como
11
12
13
14

Cf. SIMÕES, 1994. p. 85-106
Cf. Idem p. 86-88.
Cf. Idem, p. 99-102.
Cf. Idem p. 103.

4

ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

estágio primitivo da humanidade, seja no aspecto organizacional, social, político ou mesmo
emocional. Assim, concordamos com que o primeiro problema para o historiador da religião é
o problema epistemológico, como nos alerta Certeau 15 .

A historiografia mexe constantemente com a história que estuda e com o lugar onde
se elabora. Aqui, a pesquisa daquilo que deve ter ocorrido, durante os séculos XVII
e XVIII para que se produzissem os fatos constatados em fins do século XVIII,
normalmente pede uma reflexão a respeito daquilo que deve ocorrer e mudar hoje,
nos procedimentos historiográficos, para que tais ou quais séries de elementos, que
não entravam no campo dos procedimentos de análise empregados até então,
apareçam.

Assim, podemos advir que ao historiador da religião cabe um duplo papel de
explicitação de definição e de métodos, mas também de limites de sua própria área de
pesquisa. Outro problema de aproximação para um fazer histórico em História das Religiões
(doravante se referido pela sigla HR) é a questão do método. O método científico, em
qualquer ciência, é a organização pela busca da verdade. Seus protocolos formais, suas formas
de condução, seu regime de organização, se funda na referida pretensão de conhecer a
realidade para além das aparências, de modo a controlar o conhecimento. Porém, a HR não
produziu métodos de abordagem próprios, mas, ao longo do século XX, seguiu métodos de
abordagem das outras Ciências Humanas e Sociais 16 . Este "empréstimo" metodológico
causou uma série de dificuldades desde o início, como bem atesta Geertz 17 :
Durante o primeiro século de sua história, os estudiosos acadêmicos da religião
perceberam a si mesmos como historiadores e lingüistas engajados em estudos dos
textos canônicos sagrados das religiões mais importantes. Assim, tais estudos
fundamentavam-se em métodos e abordagens históricos e arqueológicos, filológicos
e etnográficos. Após o apogeu do evolucionismo do século XIX e das grandiosas
teorias psicológicas e sociais das primeiras décadas do século XX, em todas as
ciências ocorreu um profundo ceticismo para com as teorias abstratas e normativas.

Porém, a disciplina, ao longo do tempo, trabalhou entre dois métodos. O método
histórico-filológico que, no dizer de Prandi e Filoramo 18 , consiste de: "uma coleta de
documentos, seu exame a partir de um sólido background lingüístico, sua colocação nos
respectivos contextos históricos, a pesquisa das leis de desenvolvimento dos sistemas
religiosos, dos mais simples aos mais complexos". A HR se desenvolveu aproveitando este

15
16
17
18

Cf. CERTEAU, 2002. p. 124.
BURITY, (2000).
Cf. GEERTZ, 2003. p. 20.
Cf. FILORAMO e PRANDI, 1999. p. 61.

5

ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

método para uma depuração do método comparativo 19 . Por dois séculos este método foi
utilizado em larga escala por pesquisadores como Max Muller 20 . Outro método que ocupou
por muito tempo a História das Religiões foi o método denominado "difusionista". Segundo
James Blaut 21 , a abordagem difusionista se consolida ao longo do século XIX, sobretudo
entre etnógrafos e, mais tarde, na Antropologia Cultural. Este método tem relação com a
expansão colonial européia em direção à África e Ásia. A partir do olhar eurocêntrico do
colonizador, estabelece-se uma concepção de mundo na qual existiriam de um lado regiões
e/ou povos biologicamente superiores e permanentemente inovadores e, de outro, os
incapazes de inovar. Aos últimos, para promover a necessária civilização "redentora do
atraso", caberia imitar as técnicas e valores das regiões mais desenvolvidas. E estas teriam a
missão de difundir seus conhecimentos e hábitos "superiores" pelo mundo. O mito
difusionista de que regiões de culturas supostamente "inferiores" são "espaços vazios" a
serem preenchidos inexoravelmente pelas técnicas civilizatórias, a uniformizar o mundo,
impulsionou os primeiros geógrafos culturais à tarefa de inventariar paisagens, técnicas e
costumes em vias de desaparecimento. As produções oriundas desse método apresentaram
uma História das Religiões que se destacavam como "primitivas" ou "mais antigas" no
sentido evolucionista e teve influências em uma leitura evolucionista do monoteísmo cristão
para o politeísmo (pagão).

Outro método que se adotou ao longo do tempo foi o

historicismo. O termo historicismo apareceu em 1881 na obra de Karl Werner-Giambattista
Vico como filósofo e pesquisador erudito, com o significado de estrutura histórica da
realidade humana. Como método, o historicismo define o pensamento como resultado cultural
do processo histórico e reduz a realidade e sua concepção à história. A historicidade ou a
inserção cronológica, causal, condicionante e concomitante de eventos na história constitui

19

20

20

O método histórico-filológico, no dizer de Velasco: se materializa mayoritariamente en soportes
documentales escritos sobre los que es necesario realizar un análisis estricto que tenga en cuenta el contexto
histórico de producción y de utilización. El método histórico-filológico, depurado por centurias de
investigaciones es clave en el análisis de textos de carácter religioso, que se entienden como obras de
hombres y no como revelaciones divinas intemporales y de valor eterno. In VELASCO, 2000. p. 30.
Orientalista e Filólogo alemão (1823-1900). Foi professor de línguas e literatura moderna e de filologia
comparada na Universidade de Oxford, desde 1850. Dedicou grande parte da sua vida à compilação e
publicação de livros sagrados do Oriente. Recebeu numerosas distinções de governos e sociedades
científicas, assim como a cidadania inglesa. Considerado o pai da disciplina de Ciências da Religião. Cf.
PALS, 1996. p. 3-15. Dentre suas obras, destacam-se: Müller, Max. A history of ancient sanskrit literature
so far as it illustrates the primitive religion of the Brahmans. London, WILLIAMS AND NORGATE,
1859. MÜLLER, Max. La Science de la Religion. Paris, LIBRAIRIE GERMER BAILLIÈRRE, 1873.
21
Cf. BLAUT, 1994. p.173-190.
Como nos afirma Filoramo e Prandi, o padre Wilhelm Schmidt (1862-1954) buscou formular uma teoria da
degradação do monoteísmo para o politeísmo denominada de:"Urmonotheismus". Cf. FILORAMO e
PRANDI, 1999. p. 62-65.

6

ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

posição assumida a priori, isto é, ela é prévia e determina a inserção dos fatos na história. A
razão substitui a providência divina na visão historicista, caracterizada pela consciência
histórica, pela historicidade do real. A humanidade é compreendida por sua história e a
essência do homem não é a espécie biológica, mas sua história, movida pela razão. Essa
retrospectiva do tratamento da Religião como objeto de análise remete-nos, finalmente, às
pesquisas e trabalhos da Escola Italiana de História 23 das Religiões, mas precisamente nas
tentativas de Vittorio Lanternari, Raffaele Pettazzoni e Ângelo Brelich. Para este último 24 , os
fenômenos religiosos necessitam ser ancorados em uma base teórica e definidos a partir de
dado momento histórico-cultural. Para Brelich, as crenças religiosas são entendidas a partir de
seus universos históricos, culturais e mentais específicos. Este arcabouço teórico aproxima a
Escola Italiana de História das Religiões da chamada Nova História, precisamente de autores
como Alphonse Dupront que coloca o fenômeno religioso na categoria do temporal 25 :
"através da experiência religiosa, o homem vive num ritmo lento, o qual oferece quando
apreendido em seu próprio movimento, uma extraordinária e talvez única possibilidade de
decifrar confissões e testemunhos, e o duplo sentido do combate de existir e da interpretação
que o próprio homem dá a si mesmo de tal combate". Na mesma linha, podemos elencar as
opiniões de Dominique Julia 26 , que interpreta os fenômenos religiosos do ponto de vista de
uma História Social. Para este estudioso existe a necessidade de estudo da Religião em uma
perspectiva histórica interdisciplinar com as demais Ciências Humanas e Sociais. Já para
Mircea Eliade 27 , a História é o caminho para se alcançar uma definição satisfatória do
fenômeno da Religião sem a necessidade de uma discussão os fundamentos ou mesmo a
essência da Religião. Seu pensamento foi parcialmente influenciado por eruditos como Rudolf
Otto e Gerardus van der Leeuw. Para ele, através dos estudos sobre a hierofania, ou das
hierofanias, é possível refletir sobre a morfologia do sagrado. Cada tipo de hierofania
entendida como a irupção do sagrado, permite uma dada e diferente aproximação desse
mesmo sagrado. A hierofania seria, assim, uma experiência histórica em que um epifenômeno
23
24
25
26
27

Cf. FILORAMO e PRANDI, 1999. p. 59-90.
Cf. BRELICH, 1977. p. 30-97.
Cf. DUPRONT, 1978. p. 83-105.
Cf. JULIA, 1978. p. 106-131.
Romancista e pensador romeno, especialista da filosofia hindu e da História das Religiões. Foi professor
assistente da universidade de Bucareste, em 1937. Iniciou no ano seguinte a publicação: Zalmoxis, Revue des
Études Religieuses (Paris, 1938), interrompida pela guerra. Mircea Eliade continuou sua carreira em Londres
(1940-1941) e Lisboa (1942-1944), como conselheiro cultural fixando-se depois em Paris (1945), como
professor agregado na Escola dos Altos Estudos da Sorbone (1946-1948). Em 1957, foi-lhe oferecida a
cadeira de História das Religiões pela Universidade de Chicago. Autor de mais de mil e trezentas obras em
sessenta anos de carreira, é considerado um dos mais profícuos na área de Religião e História. Para um
aprofundamento de sua obra, ver: FILORAMO e PRANDI, 1999. p. 55-57.

7

ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

se apresenta a um indivíduo e constitui nele uma experiência fundante ou transformadora, ou
mesmo mantenedora de uma forma de religião. Essa seria a primeira tarefa do estudioso da
religião, a busca da identificação em cada fenômeno religioso daquilo que ele tem de
fundamental e essencial, a sua estrutura. A segunda tarefa seria a investigação na história da
criação, da modificação, ou da extinção de um determinado símbolo, mito, religião ou idéia
religiosa. Dessa forma, o estudioso das religiões alcança a possibilidade da construção de
quadros referenciais sobre a religião. Ainda podemos destacar os estudos da Escola dos
Annales e seus desdobramentos na Nova História e História Cultural que tem muito a
contribuir para uma definição teórico-metodológica para os estudos brasileiros de História das
Religiões 28 . Já os estudos brasileiros estão vinculados às instituições de ensino com os
Programas de Pós-Graduação e instituições como a Associação Brasileira de História das
Religiões (ABHR), assim como diversos grupos de pesquisa sobre o tema. Esta produção,
porém, restrita nos âmbitos regionais e institucionais, ainda não definiu linhas e correntes
especificamente brasileiras e capazes de influenciar os estudos internacionais29 . É nítido ainda
o fato da dificuldade de classificação dos estudos históricos sobre Religião no Brasil com bem
observa Pompa 30 : Ao longo da história dos estudos, os movimentos religiosos receberam
numerosas

designações:

"movimentos

nativistas",

"revivalistas",

"messiânicos",

"quiliasticos", "milenaristas", "revolucionários" ou "reformistas", "proféticos", "sincréticos",
"deprivation cults", "cultos de crise", podendo se ampliar ainda mais esta listagem.

Considerações Finais
Cada uma das fórmulas elencadas revela-se inadequada para definir a realidade
complexa e dinâmica dos movimentos históricos, pois destaca apenas uma, ou algumas, das
suas componentes: a social, a psicológica, a religiosa, a sincrética, etc. Esta dificuldade se
desdobra na medida em que o campo da História, a partir de seus Programas de Pós-

28

29

30
31

Como é o caso citado por Albuquerque sobre os estudos produzidos por Marc Bloch e Jacques Lê Goff,
George Duby, Keith Thomas, Le Roy Ladurie, Michel Vovelle, entre outros. Para um aprofundamento sobre
o assunto, ver: ALBUQUERQUE, (2007).
Um dos exemplos mais notáveis é o balanço que Sérgio Ricardo Coutinho faz da relação entre os estudos
históricos da religião no Brasil e a área de História no Brasil, demonstrando a falta de comunicação, diálogo e
mesmo conhecimento sobre a produção historiográfica e estudos sobre religião entre os historiadores
brasileiros e os cientistas da religião. Para um aprofundamento sobre este ponto, ver: SIERPIERSKI e GIL,
2003. p. 67-89.
Cf. POMPA, 1998. p. 01.
Levantamento
realizado
em
06/04/2007.
Site
da
CAPES
­
http://www.capes.gov.br/avaliacao/recomendados.html. acesso em 06/04/2007. Universidade Paulista Julio
Mesquita Filho/ASSIS/SP e Universidade Federal do Rio de Janeiro/RJ.

8

ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

Graduação, não possuem disciplinas ou grupos de pesquisas que contemplem a área de
História das Religiões entre suas prioridades. Em um levantamento preliminar, constatamos
que, dos vinte Programas de Pós-Graduação (doutorado) em História credenciados pela
CAPES no País, apenas dois possuem linhas de pesquisa e disciplinas ligadas à História das
Religiões 31 . Porém, o número de estudos de pesquisas e teses na área de História das
Religiões é considerável 32 . Cabem, portanto, estudos que venham a contribuir para a
definição do estatuto científico sobre a HR, seu objeto de estudo e pesquisa, sua abrangência,
seus métodos e sua proposta de formação no Brasil.
Índice Bibliográfico
ALBUQUERQUE, Eduardo Basto de. Historiografia e religião. In: REVISTA
ELETRÔNICA
NURES.
Nº.
05,
Janeiro/abril,
2007.
disponível
em:
http://www.pucsp.br/revistanures. acesso em 06/04/2007.
ALVES-MAZZOTTI, A. J. & GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e
sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo, PIONEIRA, 1998.
BLAUT, James. Diffusionism: a uniformitarian critique. In FOOTE, K. [Ett Alli] (Orgs). Rereading Cultural Geography. Austin, UNIVERSITY OF TEXAS PRESS, 1994. p. 173-190.
BRELICH, Ângelo. Historia de las Religiones. Vol 1. Madrid, SIGLO XXI, 1977.
BURITY, Joanildo A. Novos paradigmas e estudo da Religião: Uma abordagem antiessencialista. Pádua, Itália, 2000. [VIII Congresso Internacional de Estudos SócioReligiosos]. (texto não publicado).
CARDOSO, Ciro Flamarion e VAINFAS, Ronaldo. História e Paradigmas rivais. In:
CARDOSO, Ciro Flamarion. (Org). Narrativa, sentido, história. Campinas, PAPIRUS, 1997.
CARVALHO, Maria Cecília de (Org). construindo o saber ­ metodologia cientifica:
fundamentos e técnicas. 13ª. Ed. Campinas, PAPIRUS, 1989.
CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. 2ª. Ed. Rio de Janeiro, FORENSE
UNIVERSITÁRIA, 2002.
DUPRONT, Alphonse. A Religião: Antropologia religiosa. In: LE GOFF, Jacques e NORA,
Pierre (Orgs). História: Novas abordagens. Rio de Janeiro, ZAHAR, 1978. p 83-105.
ELIADE, Mircea. Tratado de História das Religiões. Lisboa, COSMOS, 1977.
FEYRABEND, Paul. Science in free society. Londres, NEW LEFT BOOKS, 1978.
FILORAMO, Gionvanni & PRANDI, Carlo. As Ciências das Religiões. São Paulo, PAULUS,
1999.
31
32

A ANPUH mantém um sub-grupo de estudos de História das Religiões que tenta aglutinar e dar visibilidade
às pesquisas em História e Religião e aproximar os diversos pesquisadores sobre o tema.
Está programado para o dia 07 a 10 de maio de 2007 o I Encontro do GT Nacional de História das Religiões
e das Religiosidades ­ ANPUH. Identidades Religiosas e História, e a ANPOCS (Associação Nacional de
Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais) mantém em seus eventos, espaço destinado aos estudos de
religião, como é o caso do 31º Encontro Anual da ANPOCS que ocorrerá em 22 a 26 de Outubro de 2007, em
Caxambu, MG. Um dos seminários temáticos versará sobre "Religião e Ciências Sociais", coordenado pelo
professor Dr. Joanildo a Burity da FUNDAJ (Fundação Joaquim Nabuco).

9

ANPUH ­ XXV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA ­ Fortaleza, 2009.

GEERTZ, Armin W. Enfoque metodológico sobre história das religiões. In: GIL, Benedito e
SIEPIERSKI, Paulo D. (Orgs). Religião no Brasil: dinâmicas e abordagens. São Paulo, 2003.
p. 20-43.
GIL, Benedito e SIEPIERSKI, Paulo D. (Orgs). Religião no Brasil: dinâmicas e abordagens.
São Paulo, 2003.
GODOY, Arilda S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. In: REVISTA
DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Vol. 35Nº. 02, mar/abr, 1995.
HERMANN, Jaqueline. História das Religiões e Religiosidades. VAINFAS, Ronaldo e
CARDOSO, Ciro Flamarion. Domínios da história: ensaios e de teoria e metodologia. Rio de
Janeiro, CAMPUS, 1997. p. 329-354.
JENKIS, Keith. A história repensada. São Paulo, CONTEXTO, 2001.
JULIA, Dominique. A religião: história religiosa. In: LE GOFF, Jacques e NORA, Pierre
(Orgs). História: Novas abordagens. Rio de Janeiro, ZAHAR, 1978. p. 106-131.
WEBER, Max. A ciência como Vocação. 3ª. Ed. Lisboa, EDITORIAL PRESENÇA, 1979.
WIEBE, Donald. Religião e Verdade: Rumo a um paradigma alternativo para o estudo da
religião. São Leopoldo, SINODAL, 1998.
SAMPSOM, Peter. Qualitative research and motivation research. 3ª. Ed. Amsterdã,
ESOMAR, 1991.
LENOIR, T. Instituindo a ciência ­ produção cultural das disciplinas científicas. São
Leopoldo, UNISINOS, 2004.
POMPA, Cristina. A construção do fim do mundo: para uma releitura dos movimentos sócioreligiosos do Brasil rústico. In: REVISTA DE ANTROPOLOGIA. São Paulo, Vol. 41, Nº.
01,
1998.
Disponível
em:
http://www.cielo.br.php?script=sci_arttex&pid=s00347701199800010000&Ing=pt&nrm=iso>. Acesso em: 06/04/2007.
SIMÕES, Jorge, J. Cultura Religiosa: O Homem e o Fenômeno Religioso. São Paulo,
LOYOLA, 1994.
STUMP, David J. Afterword: New directions in Philosophy of Science. In: GALISON, Peter
& STUMP, David J (Edts). The Disunity of Science ­ Boundaries, Contexts, and Power.
Stanford, STANFORD UNIVERSITY PRESS, 1996. p. 443-450.
USARSKI, Frank. Ciência(s) da Religião? Designação e Identidade de uma disciplina. In:
REVISTA ELETRÔNICA DO DEPARTAMENTO DE TEOLOGIA DA FACULDADE
CLARETIANA,
São
Paulo,
2007.
Disponível
em:
http://www.redemptor.com.br~soter/Anpter.Usarski.doc. acesso em 10/12/2006.

10