-1-

Ministério da Educação
Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri ­ UFVJM
Minas Gerais ­ Brasil
Revista Vozes dos Vales: Publicações Acadêmicas
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/UFVJM
Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
www.ufvjm.edu.br/vozes

O Negro na Educação Brasileira
Samuel de Jesus
Doutorando em Sociologia UNESP- Araraquara/SP
Membro do Núcleo de Pesquisas sobre o Pacífico e Amazônia
www.wix.com/nppaobserva/observatoriopacificoamazonia
E-mail: [email protected]

Resumo: A História da Educação Brasileira mostra a exclusão do negro do processo
educativo. O espaço escolar ainda hoje é excludente com relação ao negro que são
alvos de todo o tipo de preconceito. Esse é um grande desafio a lei 10.639/03, as
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações étnico-Raciais e
para o Ensino de História, Cultura Afro-Brasileira e Africana.
Palavras-chave: Educação, negritude, democracia

Introdução
Michel Foulcaut (1999) considera a escola um dos três instrumentos de
controle social do Estado. Na escola a sociedade aprende velhos ou novos hábitos,
reafirmam-se velhos ou novos valores. Para Althusser (1998) a escola é um dos
aparelhos ideológicos do Estado. Nosso intuito é o de refletir sobre novos
parâmetros sociais baseados em valores democráticos tais como a diversidade
cultural, as relações étnico-raciais no Brasil. O racismo e a difícil inserção do negro
na sociedade brasileira são partes de um processo histórico lento cujo final depende
Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

-2-

da luta do povo negro e adesão da sociedade brasileira. Recentemente foram dados
passos institucionais importantes nesse sentido. A Lei de Cotas nas Universidades
Públicas para alunos Afro-Descendentes e a lei 10.639/03, as Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Educação das Relações étnico-Raciais e para o Ensino de História,
Cultura Afro-Brasileira e Africana. Essas dificuldades representam desafios ao
professor no momento da implantação da lei 10.639/03. Conhecer o processo
histórico em que políticas públicas impediam o negro de ter acesso à educação
certamente fará com que o professor a uma visão critica sobre os livros didáticos e
concepções que difundem o preconceito no espaço escolar, faremos com mude a
maneira de ver e desperte a consciência sobre a educação do negro no Brasil.

O Negro na educação brasileira

Segundo Matilde Ribeiro (2004) o Brasil no aspecto legal teve uma ação
permissiva diante da discriminação e do racismo cujos reflexos são sentidos ainda
hoje. Diríamos que no tempo histórico a escravidão se encontra em um processo de
média ou longa duração. O decreto n°13331 de 17 de fevereiro de 1854 estabelecia
que não seriam admitidos escravos nas escolas públicas do país e a previsão para a
instrução de adultos negros dependia da disponibilidade de professores. Ademil
Lopes (1995) afirma que na sala de aula não se conta, ainda hoje. a história social
do negro e cita Luiza da Cunha "Os negros, para viver, precisam às vezes tornar-se
invisíveis".
Monica Schwartz (2001) afirma que o preconceito racial no Brasil, hoje,
acontece no nível da intimidade e não no aspecto formal, pois segundo a
Constituição Brasileira de 1989, racismo é crime inafiançável como todos sabemos,
mas persiste o apelido, seleção por entrevistas, currículos que pedem fotos . Estas
são maneiras e instrumentos informais que permitem ação preconceituosa.
No que se refere à educação, Vera Maria Candau (2003) afirma que o
cotidiano escolar é um espaço de diferentes relações sociais que refletem a

Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

-3-

diversidade cultural da sociedade brasileira. Diferentes maneiras de ver o mundo,
estilos, crenças, costumes, cores, etnias estão presentes no cotidiano escolar, pois a
escola é um micro universo social, assim as formas de se relacionar com o outro
demonstram praticas sociais e mecanismos sutis de difusão do preconceito e
estereótipos. Pesquisas apontam que o ambiente escolar pode tornar-se local de
reprodução do preconceito, então é preciso refletir sobre os mecanismos que podem
favorecer a naturalização dos preconceitos.
Sobre a construção do preconceito racial na sociedade brasileira, é
importante pensar como uma sociedade escravocrata se construiu na diferença
entre raça e classe e considerou a escravidão uma prática normal. Para a
pesquisadora, o currículo escolar pode contribuir decisivamente para introduzir no
imaginário do aluno estereótipos e preconceitos. Alerta que a educação pode ser
unilateral e incompleta se não levar em conta os pressupostos multiculturais. A
escola deve estar preparada para trabalhar com as diferenças, assim destaca artigo
da Folha de S. Paulo de 15/02/2002 no qual Silva afirma:
A questão racial não é exclusiva dos negros. Ela é da população brasileira.
Não adianta apoiar e fortalecer a identidade das crianças negras, se a
branca não repensar suas posições. Ninguém diz para o filho que deve
discriminar o negro, mas a forma como se trata o empregado, as piadas, os
ditos e outros gestos influem na educação. (CA NDAU pp.29,30).

É necessário estabelecer estratégias para a desagregação de processos
legitimadores de relações hierárquicas que se dão pela cor da pele. A dificuldade
para isto reside na existência de um senso comum que muitas vezes não reconhece
o racismo. Ninguém se considera agente ativo de atitudes e comportamentos
discriminatórios e racistas. (CANDAU PP.29,30).
Problematizado ainda mais a questão, Jerry D'avila (2006) em Diploma de
Brancura menciona que existe uma flagrante desigualdade racial na educação
brasileira mesmo quando classe social é eliminada como fator.

Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

-4-

O negro na História.
Segundo Ademil Lopes (1995) as pesquisas sobre a História do negro no
Brasil devem considerar a opressão vivida pelos povos africanos no cativeiro
buscando relações com o presente. Na sala de aula poderíamos, por exemplo,
utilizar a frase cunhada pelo grupo de rock RAPPA "Todo camburão tem um
pouco de navio negreiro" e fazer um paralelo entre passado e presente onde o
carro de polícia (camburão) se parece com o navio negreiro, pois o povo negro
continua cativo na violência, pobreza e ignorância e repressão policial, neste sentido
o camburão representa, assim como representou o navio negreiro, o transporte para
o cativeiro que poderia ser, hoje, o presídio.
Para Lopes (1995) é preciso afirmar que o processo de libertação dos
escravos não se deu por uma mentalidade humanística da elite brasileira, mas da
emergência da reestruturação produtiva cujo fim do regime servil de trabalho era
pré-condição. Os historiadores de São Carlos nada mencionam sobre o passado
escravista da cidade, embora tenha sido um dos principais centros de produção
cafeeira no final do século XIX para o XX. Nesse período os negros eram o centro
do sistema produtivo do município e foram utilizados em larga escala nas fazendas
cafeeiras até a abolição da escravatura, em 1888.
No caso de São Carlos destaca-se a elaboração do código de posturas
que visava regulamentar a compra e venda de escravos, seu emprego no conse rto
das estradas públicas, sobre o toque de recolher e sobre o escravo fugido
imputando penas a quem os escondessem, etc. Diante disso é preciso afirmar que
omitir é uma forma eficiente de subjugação e controle. Os historiadores de São
Carlos afirmam que antes da abolição o trabalho assalariado já estava implantado
na cidade e a transição do trabalho escravo para o livre consolidado. (LOPES, 1995)
Segundo Gislene Santos (2006, pp.120) as revoltas dos escravos seja
individuais tais como os assassinatos dos senhores por envenenamento ou coletivas
como as rebeliões e afrontamentos à polícia deram-se em um contexto no qual uma
revolução feita pelos escravos resultaria na perda do controle das elites sobre a
estrutura social. A abolição da escravatura passou a funcionar como arrefecedor
Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

-5-

desses conflitos, assim a elite garantiu sua manutenção no controle da sociedade,
apregoando a passividade do escravo e a impossibilidade de sua revolta. Este caso
permite perceber como o social é apagado pelo político e as lutas sociais
descaracterizadas.
O movimento abolicionista funcionou como um grande estandarte dos
cidadãos brancos que pretendiam, de maneira racional e planejada,
adequar o negro a um lugar que não gerasse incomodo à ordem
emergente. (SANTOS, 2006, PP. 120).

Alberto da Costa e Silva lembra que há bem pouco tempo muitos não
ousariam discordar da afirmação de Sir Hugh Trevor - Hoper de que não existia uma
História da África subsaariana e que a História, ali, só passou a existir com a
chegada do Europeu. Porém, não sabia que, antes disto, a África tinha passado por
evoluções, mudanças sociais, invenções e movimentos. O estudo da História da
África, de uma perspectiva brasileira, nos ajudará a responder várias perguntas,
exemplo, como se crioulizaram as duas margens do Atlântico, como estabeleceram
certos padrões culturais nas cidades e vilarejos costeiros ligados pelo tráfico. Na
habitação, cozinha, vestimentas. Nas festas e em quase todos os modos de vida.
É necessário e urgent e que se estude, no Brasil, a África ­ pregava,
incansável, na metade do século XX, mestre Agostinho da Silva. Foi s ob
sei acicate que se criou o Centro de Estudos Afro-Orientais da
Universidade da Bahia, a cuja sombra se moveu uma geração de
interessados na Á frica e em sua História, alguns dos quais atravessaram o
Oceano e foram estudar e lecionar em Dacar, Ibadan, Ifé, Kinshasa. Cito
alguns nomes: Yeda P essoa de Castro, Júlio S antana Braga, Guilherme
Castro, Vivaldo Costa Lima e P aulo Fernando de Moraes Faria. (COS TA E
SILVA, 2003, PP.238).

A democracia racial em questão.
A designação democracia racial tem sua origem a partir do livro Casa
Grande & Senzala (1933) no qual Gilberto Freyre afirma que havia certa democracia
na relação entre senhores e escravos. Na pratica o que a História do Brasil
demonstra é o controle social relativamente eficaz proporcionado pelo mito da
democracia racial (SANTOS, 1994, P.45). A democracia racial é uma ideologia
eficiente na qual os três grupos étnicos que compõem originalmente o povo
brasileiro vivem em harmonia social ou tolerância social. Entendendo que tolerar não

Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

-6-

significa aceitar ou reconhecer como iguais os diferentes grupos étnicos. Sobretudo
é preciso afirmar que em 1933, ano da publicação do livro Casa Grande & Senzala,
predominavam no Brasil, as teses científicas de superioridade racial do branco e
inferioridade do negro.
O livro Casa Grande & Senzala, embora carregue preconceitos, é
necessário afirmar, segue na corrente contrária à tese do branqueamento, pois sua
obra é talvez a primeira a assumir e ressaltar a fundamental importância do negro
para o ser e o sentir-se brasileiro. Embora, sua a origem patriarcal de Gilberto Freyre
fale mais alto quando afirma que existiu certa afetividade na relação entre senhores
e escravos ou até mesmo quando tece sua visão sobre a mulher negra propensa as
relações sexuais por serem as negras mais fogosas que as brancas.
Segundo Kabengele Munanga (2001) quanto à escravidão no Brasil,
destaca-se uma produção discursiva cheia de estereótipos e preconceitos aliada de
uma situação de violento equilíbrio onde prevalece a relação dominante/dominado e
um discurso monopolista da "razão", de "virtude" e "verdade". A dominação colonial
na África utilizou como justificativa a missão colonizadora do ocidente, ou seja, a
missão de civilizar os africanos "selvagens" e convertê-los aos costumes do
europeu. Pensava no negro como um branco degenerado, que poderia ser doente
ou desvirtuado. Na simbologia das cores da civilização européia a cor preta
representa uma mancha moral e física, a morte e a corrupção, enquanto a branca
remete à vida e à pureza. Missionários decepcionados com o fracasso da conversão
afirmavam que o negro refletia a natureza pecaminosa de suas almas resistentes à
palavra de deus, assim a escravidão era a única possibilidade de "salvação" desses
povos.
A des valorização e a alienação do negro estende-se a tudo que t oca a ele:
o continente, os países, as instituições, o corpo, a mente, a língua, a
música, a arte, etc. Seu continente é quente demais, de clima vici ado,
malcheiroso, de geografia tão desesperada que o condena à pobreza e à
eterna dependência. O ser negro é uma degeneração devido à temperatura
excessivamente quente. (MUNA NGA, 2001, PP. 21).

A herança social de um povo é legada às futuras gerações por meio da
educação. A escola tradicional, preponderante no Brasil, restou como a única
Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

-7-

possibilidade o aprendizado do colonizador, assim a memória que lhe inculcam não
é a de seu povo. A história de seus ancestrais africanos é substituída pela História
européia dos francos, germanos, anglos e bretões, povos de pele e olhos claros.
Aprende a língua do colonizador para fazer parte minimamente da vida social, pois
apenas com a sua torna-se um estranho dentro de sua própria terra.
A língua do colonizado não possui dignidade nenhuma no país e nos
concertos dos povos. Se o negro quiser obter uma colocação, conquistar
um lugar, existir na cidade e no mundo, deve, primeiramente, dominar a
estranha, de seus senhores. (MUNANGA, 2001, PP. 24).

Conclusão
Os negros brasileiros foram apartados de sua cultura mãe, de seu
universo cultural, religioso, lingüístico. É quase um europeu. Muitos negros
brasileiros são desenraizados. A lei 10.639/03 é um passo institucional muito
importante. É preciso voltar ao ponto de origem, reconstituir a trajetória do negro
brasileiro e não podemos ensinar somente a História da Europa, mas também a
História da África. Os livros didáticos de História apenas descrevem a condição do
negro nesse lado do Atlântico. Ao revermos os conceitos, um no vo paradigma se
estabelece. O aluno através do ensino de História da África saberá que tem raízes
em um continente chamado África, um conjunto de resignificações pessoais o levará
a uma reconstrução de sua identidade e valorização da diversidade cultural.
Esse é o papel da escola que se baseia em pressupostos democráticos,
entendemos que os reflexos da escravidão não foram de todos dissipados. A
introdução da disciplina História da África na grade curricular é peça importante
nesse processo. A sociedade que queremos é uma sociedade plural onde convivem
lado a lado diferentes religiões, orientações sexuais, origens e etnias. Nesse esforço
a escola é um espaço privilegiado para discussões, estudos, reflexões e difusão dos
princípios da diversidade por meio de atividades extracurriculares, acesso a
exposições, reprodução de filmes sobre o tema. Tudo isso pode fazer com que o
jovem elimine seu preconceito e adquira o respeito à diversidade.

Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

-8-

Abstract: The history of Brazilian education shows black exclusion from the
educational process. The school space is still exclusive with respect to black that are
targets of all kinds of prejudice. This is a great challenge to law 10.639/03, the
National Curriculum Guidelines for the Education of Racial-Ethnic Relations and the
Teaching of History, Afro-Brazilian and African.
Keywords: Education, prejudice, democracy

REFERÊNCIAS

ALTHUSSER, L. P. Aparelhos Ideológicos de Estado. 7ª ed. Rio de Janeiro:
Graal, 1998.

APPLE, Michael W. Políticas de direita e branquidade: a presença ausente da raça
nas reformas educacionais. Revista Brasileira de Educação, Belo Horizonte, n. 16,
p. 61-67, jan./abr. 2001.

APPLE, Michael W; BEANE, James A. Escolas democráticas. São Paulo: Cortez,
1997.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Ações afirmativas e combate ao racismo
nas Américas. Brasília: Ministério da Educação / Secretaria de Educação
Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.
______________________________. Diretrizes Curriculares Nacionais para a
Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro
Brasileira e Africana, Brasília/DF/junho/2005.

CADERNOS DE PESQUISA. São Paulo, n. 63 ­ Raça negra e educação. Número
especial organizado por Fúlvia Rosemberg e Regina Pahim Pinto, 1987.

CANDAU, Vera Lúcia. Somos [email protected] iguais? Escola, discriminação e educação em
direitos humanos.-Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

-9-

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 2004.
D'AVILA, Jérry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil ­ 19171945.-São Paulo; Editora UNESP, 2006.

FÁVERO, Osmar (Org.). A educação nas constituintes brasileiras: 1823-1988.
Campinas, SP: Autores Associados, 1996.

FONSECA, Marcus Vinicius. A educação dos negros: uma nova face do processo
de escravidão no Brasil.-Bragança Paulista: EDUSF,2002.(Coleção Estudos
CEDAPH, série Historiografia).

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis, Editora Vozes, 1999.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala: formação da família brasileira sob o
regime da economia patriarcal. 32 ed, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1983.

GONÇALVES, Petronilha S. O Jogo das Diferenças: O Multiculturalismo e seus
Contextos. Belo Horizonte, Autêntica, 1998.

GONZALEZ, Lélia e HASENBALG, Carlos A. Lugar de Negro. Rio de Janeiro,
Marco Zero, 1982.

HENRIQUES, Ricardo. Raça e gênero nos sistemas de ensino: os limites das
políticas universalistas na educação. Brasília: UNESCO, 2002.

FERNANDES, Florestan, A integração do negro na sociedade de classes, São
Paulo, Ática, 1978.

Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

- 10 -

LIMA. Maria Nazareth Mota de, (org.). Escola Plural - A Diversidade Está na Sala
de Aula, 118 págs., Série Fazer Valer os Direitos, vol. 3, Ed. Cortez/Ceafro/Unicef.

LOPES, Ademil. Escola, socialização e cidadania: um estudo da criança negra
numa escola pública de São Carlos/SP- São Carlos: EDUFSCar, 1995.

MACHADO, Nádie Christina Ferreira. Letramento, gênero, raça e ocupação no
Brasil. Porto Alegre; UFRGS, 2004. 124 p. Dissertação (mestrado) - Programa de
Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do
Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004. [manuscrito]. UFRGS/EDU T

MUNANGA, Kabengele. NEGRITUDE. Usos e Sentidos. - São Paulo. Editora ÁTICA,
1988. (Série Princípios).

NOGUEIRA, ORACY. Tanto Preto Quanto Branco. Estudo das relações raciais.São Paulo, T.A.Queiroz, 1985.(biblioteca básica de Ciências Sociais; ser.1: Estudos
Brasileiros; v.9).

QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. Universidade e desigualdade: brancos e negros
no ensino superior.Brasília: Líber Livro, 2004.

RIBEIRO, Matilde. Apresentação do SEPPIR. In: Diretrizes Curriculares Nacionais
para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e
Cultura Afro-Brasileira e Africana, Brasília, DF, Outubro, 2004.

ROMÃO, Jeruse (org.) Série Pensamento Negro em Educação. Florianópolis,
Núcleo de Estudos Negros, vols. I,II,III,IV,V,VI, 1997/1999.

SANTOS, Gislene A. dos. A invenção do ser negro: um percurso de idéias que
naturalizam a inferioridade dos negros.-São Paulo: EDUC/FAPESP, Rio de Janeiro;
PALLAS, 2006.
Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes

- 11 -

SCHWARCZ, Lília Moritz. Racismo no Brasil. São Paulo: Publifolha, 2001.

SILVA, Alberto da Costa e. Um rio chamado Atlântico: a África no Brasil e o Brasil
na África. -Rio de Janeiro: Nova Fronteira: Ed. UFRJ, 2003.

SILVA, Cidinha (org.). Ações afirmativas em educação. São Paulo: Selo Negro,
2003.

SILVA, Petronilha Beatriz. A Identidade da Criança Negra e a Educação Escolar.
Porto Alegre, Faced/UFRGS, 1987.

SILVA, Tomaz Tadeu da (org.) Alienígenas na Sala de Aula. Uma Introdução aos
Estudos Culturais em Educação. Petrópolis, Vozes, 1995.

SOUZA, Irene Sales de. Os educadores e as relações inter étnicas: Pais e
mestres- Franca: UNESP-FHDSS, 2001. (Dissertações e Teses).

SOUZA, Neusa. Tornar-se negro. Rio de Janeiro, Graal, 1983.

Texto acadêmico publicado em 10 de maio de 2012, na
Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­
Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/UFVJM ­
www.ufvjm.edu.br/vozes

Revista Vozes dos Vales da UFVJM: Publicações Acadêmicas ­ MG ­ Brasil ­ Nº 01 ­ Ano I ­ 05/2012
Reg.: 120.2.095­2011 ­ PROEXC/ UFVJM ­ www .ufvjm.edu.br/vozes