Um pouco sobre a história da dança de salão no Brasil
A dança é uma das manifestações artísticas mais antigas da humanidade. Teve origem nos gestos e
movimentos naturais do corpo humano para expressar emoções e sentimentos, a partir da
necessidade de comunicação entre os homens.
A dança é uma das manifestações artísticas mais antigas da humanidade. Teve origem nos gestos e
movimentos naturais do corpo humano para expressar emoções e sentimentos, a partir da
necessidade de comunicação entre os homens.
Inicialmente, a dança integrava rituais dedicados aos deuses, objetivando pedir auxílio para a
realização de boas caçadas e pescarias, para que as colheitas fossem abundantes, para que fizesse
sol ou chovesse. A dança fazia parte, também, de manifestações de júbilo e congraçamento pela
vitória sobre inimigos e por outros eventos felizes.
Com o passar do tempo, cada povo desenvolveu suas próprias formas e estilos de dançar,
caracterizando suas diferentes culturas, da mesma forma que a música, o vestuário, a alimentação,
eetc, marcam o jeito de ser próprio de cada sociedade.
Dependendo de seus objetivos, surgiram diversos tipos de dança: a guerreira, a teatral, a ritual ou
religiosa, a popular ou folclórica (geralmente dançada em festas populares, em grupos e ao ar livre),
o balé clássico e a dança moderna (artísticos e mais voltados para espetáculos), a dança social ou de
salão, a dança esportiva, o balé no gelo ou patinação artística e outros tipos. A dança esportiva e a
patinação artística são modalidades de caráter competitivo e estão em processo de inclusão entre os
eesportes olímpicos.
A dança social ou dança de salão é praticada por casais, em reuniões sociais e surgiu na Europa, na
época do Renascimento. Pelo menos desde os séculos XV e XVI, tornou-se uma forma de lazer
muito apreciada, tanto nos salões dos palácios da nobreza, como entre o povo em geral. É chamada
de social por ser praticada por pessoas comuns, em festas de confraternização, propiciando o
estreitamento de relações sociais de amizade, de romance, de parentesco e outras. De salão, porque
requer salas amplas para os dançarinos fazerem livremente suas evoluções e porque foi através da
sua prática nos salões das cortes reais européias que este tipo de dança foi valorizado e levado para
as colônias da América, Ásia e África, sendo divulgado pelo mundo todo e transformando-se num
ddivertimento muito popular entre diversos povos.
A dança de salão chegou ao Brasil trazida pelos colonizadores portugueses, ainda no século XVI, e
mais tarde, pelos imigrantes de outros países da Europa que para cá vieram. Num país como o
Brasil, com tão fortes e diferentes influências culturais, não tardaram a se mesclar contribuições dos
povos indígenas e africanos, num processo de inovação e modificação de algumas das danças
eeuropéias importadas, bem como de surgimento de novas danças, bem brasileiras.
O Rio de Janeiro, na medida em que foi capital do Brasil desde o período colonial até 1960, sempre
foi o pólo irradiador de cultura, modismos e inovações em geral para o resto do país.
Em 1808, a corte portuguesa transferiu-se para cá e trouxe consigo muitos dos gostos e hábitos
sociais europeus daquela época, inclusive as danças que estavam na moda e o costume dos bailes
freqüentes. Durante todo o século passado, qualquer evento era motivo para um baile: aniversários,
noivados, casamentos, formaturas, datas cívicas, visitas de parentes e amigos, etc.. Professores de
dança europeus, especialmente os franceses, eram contratados para manter os membros da nobreza
brasileira em dia com as danças que estavam na moda nas mais importantes capitais européias.

Após a proclamação da república, o gosto pelos bailes continuou forte, entre os cariocas, tornandose cada vez mais populares e freqüentes, a ponto do consagrado poeta Olavo Bilac comentar, num
artigo de 1906, para a revista Kosmos: "...no Rio de Janeiro, a dança é mais do que um costume e
um divertimento; é uma paixão, uma mania, uma febre. Nós somos um povo que vive dançando".
Na passagem do século XIX para o XX, as danças da moda eram a valsa, a polca, a contradança, a
mazurca, o xote e a quadrilha. Sim, a quadrilha que, naquela época, era uma dança refinada,
apropriada aos salões aristocráticos. O próprio Imperador D. Pedro II foi um grande apreciador das
quadrilhas, dançando todas que eram tocadas nos bailes a que comparecia. Só mais tarde, muito
modificada, esta dança virou a quadrilha caipira das festas juninas, como a conhecemos hoje.
Até a década de 1960, os bailes eram um dos eventos sociais mais importantes e populares para os
cariocas de todas as idades e camadas sociais. Nos bailes, as pessoas se divertiam, faziam negócios
e novos amigos, muitos namoros começavam, enquanto outros casais faziam as pazes, depois de
brigas e desentendimentos. Muitas vezes, até problemas de ordem política e econômica, que
afetavam o país, eram discutidos em bailes diplomáticos e outros, aos quais compareciam dirigentes
dda nação.
O aparecimento e o período áureo das discotecas - em que os casais passaram a dançar sem se tocar,
de uma forma mais livre e solta e até sem necessidade de parceiro(a) - levaram a dança de salão a
cair num semi-esquecimento, pelo menos nas grandes cidades, por um período de vinte anos, mais
ou menos. Foi a vez das luzes e ritmos das discotecas assumirem um papel de destaque na vida
ssocial, substituindo os bailes tradicionais, onde os casais dançavam juntinhos.
A dança de salão não desapareceu, mas passou a ser vista como uma manifestação fora de moda,
praticada por pessoas mais velhas e conservadoras ou por membros de camadas sociais menos
favorecidas, no interior do país e nas periferias das grandes metrópoles. Desde meados dos anos '80,
porém, a dança de pares enlaçados vem retornando com toda a força, retomando o lugar de destaque
que sempre ocupou na vida social urbana. Multiplicam-se seus adeptos e os lugares para dançar a
ddois, num movimento forte e abrangente, que parece ter vindo para ficar.
Os professores de dança de hoje se organizam em academias e escolas, onde também são realizados
bailes para seus alunos poderem praticar. Essas academias estão formando um número cada vez
maior de dançarinos. Há concursos e espetáculos, que incentivam os dançarinos a se aprimorarem e
que estimulam a profissionalização de muitos deles. Desta maneira, estão surgindo cada vez mais
profissionais da dança de salão, vários deles formando companhias de dança para mostrar sua
beleza e divulgá-la através de espetáculos cada vez mais sofisticados tecnicamente.
O sucesso internacional da lambada, nos anos '80, facilitou o caminho de redescoberta da dança a
dois pelos mais jovens, nascidos e criados ao som dos ritmos de discoteca. E voltando a cair no
gosto do público jovem, a dança de salão vem passando pelo processo de renovação e expansão a
qque todos nós estamos testemunhando, no momento.
Os ritmos dançados nos bailes cariocas, atualmente, são: o samba e o chorinho, bem cariocas; o
bolero (e outros ritmos relativamente lentos, que podem ser dançados como o bolero); ritmos mais
rápidos, como o rock e outros, que são dançados de uma forma genericamente chamada de
"soltinho"; a salsa e o merengue; assim como, em bailes especiais, para seus apreciadores, a
lambada e o zouk, bem como o tango, a milonga e a valsa (dançada à maneira dos argentinos).
A dança de salão é uma das mais tradicionais e fortes características culturais brasileiras. É uma
expressão alegre e espontânea de seu povo, com seus ritmos e formas de dançar próprios, que
despertam a atenção e a admiração dos turistas estrangeiros. Seu potencial cultural, educativo e

turístico é enorme e, mais uma vez demonstrando sua vocação de metrópole formadora de opinião
para o resto do país, o atual jeito carioca de dançar vem sendo rapidamente divulgado entre os
outros estados brasileiros, o que não quer dizer que os outros estados não tenham, também, seus
ritmos preferidos e suas formas próprias de dançar. A riqueza e a diversidade da dança de salão em
território brasileiro é grande e é isto que a torna tão atraente para nós mesmos e para os
estrangeiros: o brasileiro é um dançarino nato, extremamente criativo e musical.
No entanto, a história e as muitas facetas e características deste lazer popular ainda são pouco
estudadas e conhecidas, entre nós. Assim sendo, o intuito deste artigo é contribuir para o
conhecimento e a divulgação deste patrimônio cultural do povo brasileiro, especialmente entre
aqueles mais interessados no assunto, isto é, os próprios dançarinos e profissionais da dança de
salão.
Jussara Vieira Gomes
Historiadora e Antropóloga
Dançarina e Pesquisadora de Dança de Salão
Fonte: http://www.danceadois.com.br/portal/cultura/um-pouco-sobre-a-historia-da-danca-de-salao-no-brasil.html