Trajetória da ergonomia no Brasil:
aspectos expressivos da aplicação em design

Cristina do Carmo Lucio
Silvana Aparecida Alves
Bruno Montanari Razza
José Carlos Plácido da Silva
Luis Carlos Paschoarelli

SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros
SILVA, JCP., and PASCHOARELLI, LC., orgs. A evolução histórica da ergonomia no mundo e seus
pioneiros [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. 103 p. ISBN
978-85-7983-120-1. Available from SciELO Books .

All the contents of this work, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution-Non
Commercial-ShareAlike 3.0 Unported.
Todo o conteúdo deste trabalho, exceto quando houver ressalva, é publicado sob a licença Creative Commons Atribuição Uso Não Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não adaptada.
Todo el contenido de esta obra, excepto donde se indique lo contrario, está bajo licencia de la licencia Creative Commons
Reconocimento-NoComercial-CompartirIgual 3.0 Unported.

10
TRAJETÓRIA DA ERGONOMIA NO BRASIL:
ASPECTOS EXPRESSIVOS DA APLICAÇÃO
EM DESIGN
Cristina do Carmo Lucio
Silvana Aparecida Alves
Bruno Montanari Razza
José Carlos Plácido da Silva
Luis Carlos Paschoarelli

Introdução
Da definição do conceito ergonomia por Kenneth Frank Hywel
Murrell, em 1949, até o início dos primeiros estudos brasileiros
nessa área, passaram-se mais de 20 anos. Foi na década de 1970
que, influenciadas pelo pesquisador francês Alain Wisner, se iniciaram as primeiras abordagens ergonômicas, o que justifica, até os
dias atuais, o fato de muitos estudos ergonômicos no país seguirem
a abordagem francesa do Analyse Ergonomic Du Travail ­ AET
(Scott, 2009). Mas foi na década de 1990, com base em um método proposto pelas professoras Anamaria de Moraes e Cláudia
Mont'Alvão, que novos estudos ergonômicos surgiram, ganhando
força principalmente devido à descrição clara dos muitos obstáculos que surgem em um estudo ergonômico (Scott, 2009). Essa mesma autora defende que, apesar das diferenças nos termos utilizados,
ambos os estudos são descritivos e propõem um diagnóstico bem
detalhado, mas não levam necessariamente à aplicação e avaliação
futura de melhoria do trabalho, invocando a experiência do especialista em ergonomia, e não, necessariamente, aos trabalhadores e
gestores. Moraes e Soares (1989) corroboram ao informar que nessa

92

JOSÉ CARLOS PLÁCIDO DA SILVABBI · LUIS CARLOS PASCHOARELLI

época não se aplicavam experimentos em laboratório, apenas eram
propostas modificações baseadas na literatura estrangeira vigente.
Fato concreto é que, segundo Soares (2005), a ergonomia brasileira
surgiu da difusão da ergonomia em âmbito internacional e desde
então ocupa um relativo destaque nesse cenário, particularmente
no âmbito latino-americano.
Moraes e Soares (1989) afirmam que as primeiras vertentes de
implantação da ergonomia no Brasil ocorreram juntamente às engenharias e ao design, sem aplicação experimental, conforme citado. Na USP de Ribeirão Preto e na FGV do Rio de janeiro, duas
novas abordagens passaram a ser aplicadas com base no enfoque da
psicologia, sendo respectivamente o desenvolvimento de pesquisas
experimentais sobre o comportamento de motoristas e trabalhos
com ênfase nas análises sociotécnicas.
Somente a partir do surgimento dos livros de Chapanis em 1962
e 1972, intitulados respectivamente Research Techniques in Human
Engineering e A Engenharia e o Relacionamento Homem-Máquina,
e de Meister em 1971 e 1985, intitulados respectivamente Human
Factors: Theory and Practice e Behavioral Analysis and Measurement
Methods, é que uma nova abordagem metodológica com ênfase na
observação sistemática do trabalho, com o desenvolvimento da
análise da tarefa, medições do ambiente e levantamentos antropométricos, passaram a fazer parte do escopo do ergonomista brasileiro (Soares, 2005). Segundo o autor, a literatura francesa da década
de 1980, com destaque para os livros de Montmollin, Sperandio e
Wisner, e a literatura sobre a interação homem-computador acrescentaram ferramentas e métodos de intervenção ergonômica no
país. É possível afirmar assim que a origem da ergonomia no Brasil
possui duas abordagens metodológicas: a de origem francesa, inicial, e a de origem anglo-saxônica, que, segundo Soares (2005), não
são contraditórias, mas, sim, complementares.
Um fator que contribuiu para a existência da influência francesa
foi o intercâmbio realizado por pesquisadores brasileiros que foram
para a França cursar mestrado e doutorado sob a orientação do professor Alain Wisner ou do professor Maurice de Montmollin. Ao
retornarem ao Brasil, ingressaram em cursos de especialização em

A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ERGONOMIA NO MUNDO E SEUS PIONEIROS

93

ergonomia, pelas várias instituições universitárias que começaram
a formar especialistas na área, passando assim a transmitir seus conhecimentos adquiridos.

Pioneiros e contribuições iniciais
Primeiros estudos relacionados
Apesar de o conhecimento ergonômico ter sido disseminado a
partir da segunda metade do século XX, especificamente a partir da
década de 1960 (Soares, 2006) foi verificado um estudo sobre medições antropométricas na literatura científica, remontando do fim do
século XIX. Esse estudo, citado por Baten et al. (2009), trata de medições antropométricas com 6.771 prisioneiros do sexo masculino
da cadeia da cidade do Rio de Janeiro, para o qual foram coletadas
informações de altura, origem, ocupação, local de nascimento, idade
e cor da pele. O estudo apresenta alguns gráficos com dados de altura de brasileiros nascidos a partir de 1810, além de discutir questões
relacionadas à antropometria e questões relacionadas ao trabalho,
porém estas últimas de cunho socioeconômico. Um dado curioso
exposto por esse estudo é que anteriormente a 1879 a altura era medida em "pés" portugueses, e somente a partir de então em metros.

Pioneiros
Após tomar o depoimento dos precursores brasileiros da ergonomia, Moraes e Soares (1989) e Moraes (1999) concluíram que
houve seis principais vertentes para a difusão da ergonomia no país.
A primeira vertente ocorreu na década de 1960, no curso de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da USP, com o professor
Sérgio Penna Kehl, através da abordagem "O Produto e o Homem".
A segunda vertente, iniciada no início da década de 1970, ocorreu com a introdução do ensino de ergonomia no curso de Engenharia de Produção, do Programa de Pós-graduação em Engenharia da

94

JOSÉ CARLOS PLÁCIDO DA SILVABBI · LUIS CARLOS PASCHOARELLI

UFRJ. Contou com o professor Itiro Iida como docente e constituiuse num centro de disseminação de conhecimentos da ergonomia,
produzindo várias teses e dissertações nessa área de conhecimento.
A terceira vertente ocorreu em 1976, com a introdução do ensino de ergonomia no curso de Desenho Industrial da Escola Superior de Desenho Industrial da UERJ, com o professor Karl Heinz
Bergmiller, lecionando ergonomia para o desenvolvimento de projetos de produtos, seguindo o modelo de Tomás Maldonado da
Escola de Ulm.
A quarta vertente, na década de 1970, foi identificada através
de estudos relacionados à psicologia ergonômica, com ênfase na
percepção visual aplicada no estudo do trânsito, no curso de Psicologia da USP de Ribeirão Preto, no qual se implantou uma linha de
pesquisa, coordenada pelos professores Reinier Rozestraten e Paul
Stephaneck.
A quinta vertente, na década de 1970, compreendeu a área de
Psicologia do Instituto Superior de Estudos e Pesquisas Psicossociais da Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro, o qual foi
coordenado pelo professor Franco Lo Presti Seminério e promoveu,
em 1974, o 1º Seminário Brasileiro de Ergonomia, marco fundamental na história da ergonomia brasileira. Também coube a esse
instituto a implantação do primeiro curso de especialização em
ergonomia no Brasil, no ano de 1975.
A sexta vertente foi marcada, ainda nos anos 1970, pela visita
do professor Alain Wisner do Conservatoire National des Arts et
Métiers de Paris, cuja vinda se deu graças à iniciativa do professor
Franco Lo Presti Seminério. O professor Wisner tanto incentivou
a ergonomia brasileira quanto orientou um dos primeiros trabalhos
de ergonomia da Fundação Getulio Vargas, cujo tema era a plantação de cana-de-açúcar na área rural da cidade de Campos, no Rio de
Janeiro. Também incentivou vários brasileiros à pós-graduação em
ergonomia na sua instituição de origem, já na década de 1980. Os
egressos dessa instituição francesa distribuíram-se por vários Estados e cidades, como Rio de Janeiro, São Paulo, Florianópolis, Belo
Horizonte e Brasília, e hoje são responsáveis pelo desenvolvimento
de pesquisas e programas de pós-graduação.

A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ERGONOMIA NO MUNDO E SEUS PIONEIROS

95

Primeiros trabalhos técnicos e científicos
O primeiro livro de ergonomia escrito por autor brasileiro foi
publicado em 1973, intitulado "Ergonomia: notas de classe", pelo
professor Itiro Iida e por Henri A. J. Wierzbicki (Ferreira; Donatelli, 2001). Em 1978, Roberto Verdussen publica o livro intitulado
"Ergonomia: a racionalização humanizada do trabalho". Anamaria
de Moraes e Marcelo Márcio Soares publicaram, em 1989, a primeira edição do livro intitulado "Ergonomia no Brasil e no mundo:
um quadro, uma fotografia". No ano seguinte, Itiro Iida publicou
a primeira edição do livro intitulado "Ergonomia: projeto e produção", que se constituiu em uma das obras brasileiras de ergonomia
mais importantes e referenciadas no meio acadêmico.
Em 1994 Carlos Alberto Diniz publica a "Norma Regulamentadora 17 ­ Manual de utilização". Em 1995 Neri dos Santos e
Francisco Antonio Pereira Fialho publicam o "Manual de análise
ergonômica no trabalho". Hudson de Araújo Couto lança "Ergonomia aplicada ao trabalho: o manual técnico da máquina humana" ­
o volume I foi publicado em 1995 e o volume II em 1996. Anamaria
de Moraes e Cláudia Mont'Alvão publicam "Ergonomia: conceitos
e aplicações", em 1998.
No que se refere à publicação de livros sobre ergonomia no Brasil, Ferreira e Donatelli (2001) chamam a atenção para a pequena
quantidade de livros publicados em língua portuguesa até o início
da primeira década do século XXI. Até o ano de publicação do
artigo dos referidos autores, havia apenas 18 livros editados em língua portuguesa, sendo que apenas 8 desses livros eram produzidos
por autores brasileiros, os outros 10 eram traduções para o idioma
português.

Panorama das pesquisas em ergonomia
No Brasil ainda não existe programa de pós-graduação stricto
sensu em ergonomia, apesar de a Universidade Federal de Pernam-

96

JOSÉ CARLOS PLÁCIDO DA SILVABBI · LUIS CARLOS PASCHOARELLI

buco estar em vias de abrir o primeiro programa nessa área, no âmbito de um mestrado profissionalizante. Mas, de maneira geral, as
instituições de ensino superior oferecem cursos de especialização em
ergonomia, nível pós-graduação lato sensu, ao passo que nos Estados
Unidos e em países europeus, por exemplo, já há cursos de mestrado
e doutorado especificamente nessa área (Moraes; Soares, 1989).
Segundo Soares (2004), os cursos de especialização ministrados pelas universidades brasileiras estão distribuídos por vários
Estados do país, conforme apresentado a seguir: Programa de Pósgraduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal
do Rio de Janeiro; Universidade de São Paulo; Núcleo de Ergonomia e Segurança do Trabalho da Faculdade de Engenharia da
Universidade Federal de Juiz de Fora; Departamento de Design da
Universidade Federal de Pernambuco; Departamento de Artes e
Design da PUC/Rio de Janeiro; Instituto de Educação Continuada
da PUC/Minas Gerais.
Atualmente apenas três cursos de pós-graduação stricto sensu em
Design, reconhecidos pela Capes, apresentam linha de pesquisa em
ergonomia, com destaque para a PUC/Rio de Janeiro, a Universidade Estadual Paulista e a Universidade Federal de Pernambuco.
Além desses cursos, vários grupos de pesquisa registrados no Diretório de Grupos do CNPq refletem o crescimento da pesquisa em
ergonomia no país e ainda demonstram que a ergonomia está presente em várias áreas do conhecimento, tais como ciências sociais aplicadas, humanas, exatas, saúde, agrárias, entre outras (Soares, 2004).
Um levantamento realizado em 2010 no site do CNPq no diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, utilizando a palavra-chave
"ergonomia", identificou os grupos que realizam pesquisa nessa
área. O levantamento foi realizado por áreas do conhecimento; ao
acessar consultas em base corrente, nesta opção foram consultados
os grupos que realizam pesquisa em ergonomia em todas as grandes áreas do conhecimento ­ ciências sociais aplicadas; ciências
agrárias; ciências exatas e da terra; ciências biológicas; ciências da
saúde; ciências humanas; engenharias; e linguística, letras e artes ­,
e, a partir dessa opção, definiu-se a área do grupo (Tabela 1).

A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ERGONOMIA NO MUNDO E SEUS PIONEIROS

97

O levantamento feito por Soares em 2001 demonstrou que havia
101 grupos de pesquisa com estudos em ergonomia. O levantamento atual (Tabela 1) revela que houve um aumento na quantidade de
grupos de pesquisa nos últimos anos, totalizando 165. Ressalta-se
que os dados apresentados atualmente pelo diretório de grupos do
CNPq foram computados no censo realizado em 2008 por esse órgão. Outro aspecto que deve ser destacado também refere-se à distribuição dos grupos de pesquisa por área do conhecimento e/ou área
do grupo. Nesse caso, constata-se que a pesquisa com enfoque em
ergonomia está presente em várias áreas do conhecimento humano.

Tabela 1 ­ Número de grupos cadastrados no CNPq que realizam pesquisa em
ergonomia no Brasil.
Grandes Áreas

Área do Grupo

TOTAL

Ciências Sociais Aplicadas (56)

Desenho Industrial

34

Engenharias (58)

Ciências da Saúde (33)
Ciências Humanas (4)
Ciências Agrárias (12)

Arquitetura e Urbanismo

12

Comunicação

1

Ciência da Informação

3

Ciência da Computação

6

Engenharia de Produção

38

Engenharia Civil

8

Engenharia Biomédica

1

Engenharia Elétrica

4

Engenharia Mecânica

6

Engenharia Sanitária

1

Fisioterapia

20

Educação Física

13

Psicologia

4

Engenharia Agrícola

7

Agronomia

1

Recursos Florestais e Engenharia 4
Florestal
Linguística, Letras e Artes (2)
Total Geral

Artes

2
165

98

JOSÉ CARLOS PLÁCIDO DA SILVABBI · LUIS CARLOS PASCHOARELLI

A partir do levantamento dos grupos de pesquisa cadastrados
no CNPq, foi possível mapeá-los por regiões brasileiras. Na Região
Sul estão presentes 64 grupos de pesquisa; na Região Sudeste, 58;
na Região Nordeste, 34; na Região Centro-Oeste, 5; e na Região
Norte, 4 grupos. Assim, é possível verificar que, embora os cursos
de pós-graduação se concentrem nas Regiões Sudeste, Sul e Nordeste, os grupos de pesquisa estão distribuídos por todas as regiões
do país, ainda que a distribuição não seja uniforme e muitos Estados não apresentem grupos de pesquisa nessa área.
Assim como os cursos de pós-graduação e os grupos de pesquisa, os eventos em ergonomia, como os organizados pela Associação
Brasileira de Ergonomia (Abergo), constituem-se como importantes difusores de produção técnica e científica em ergonomia no país,
o que é corroborado por Gomes et al. (2003). O primeiro evento
na área foi o 1º Seminário Brasileiro de Ergonomia, organizado em
1974 pela Associação Brasileira de Psicologia Aplicada em parceria
com o Instituto Superior de Estudos e Pesquisas Psicossociais da
Fundação Getulio Vargas. Já o primeiro evento efetivamente organizado pela Abergo foi o 2º Seminário Brasileiro de Ergonomia,
em 1984. Os trabalhos publicados nesses eventos constituem uma
importante base de dados científicos de ergonomia.
No que se refere aos eventos científicos, vale destacar que a
Abergo promove a realização do congresso que possui o mesmo
nome da associação, além da revista Ação Ergonômica, portanto
dois meios de divulgação da produção científica.
A partir da consulta nos Anais dos congressos da Abergo, verificou-se que no Abergo de 1999 foram publicados 191 artigos;
no Abergo de 2000, 160; no Abergo de 2001, 146; e no Abergo
de 2002, 277 artigos. A partir de 2004 os congressos passaram a
ser bienais, e no Abergo de 2004 foram publicados 253 artigos; no
Abergo de 2006, 228; e no Abergo de 2008, 298 artigos, totalizando
1.553 artigos ao longo desses anos.
O Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces Humano-Tecnologia ­ Produtos, Programas, Informação,
Ambiente Construído (Ergodesign) ­ e o Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade, Design de Interfaces e Interação

A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ERGONOMIA NO MUNDO E SEUS PIONEIROS

99

Humano-Computador (USIHC) são mais dois congressos que
ocorrem simultaneamente e que se destacam na divulgação das
pesquisas em ergonomia.
Segundo Campos et al. (2010), o Ergodesign contou com 499
trabalhos publicados até a edição de 2009, sendo que 3 deles não
apresentam dados completos sobre origem. Os autores apresentam
ainda uma análise das áreas de conhecimento e os temas abordados,
além da distribuição geográfica e institucional.
A consulta nos Anais do USIHC não permite verificar a quantidade de artigos publicados em todos os eventos, pois não foi divulgada. Assim, são apresentados apenas os dados encontrados: no
USIHC 2002 foram publicados 21 artigos; em 2003, 20; em 2005,
38; em 2006, 24; em 2007, 26; e em 2009, 29, totalizando 158 artigos.
Outros congressos como o Congresso Brasileiro de Pesquisa e
Desenvolvimento em Design (P&D Design) e o Congresso Internacional de Pesquisa em Design (Ciped), embora estes voltados
para a pesquisa em design, também possuem temáticas para apresentação de trabalhos em ergonomia.
De acordo com Campos et al. (2010), no P&D Design, ao longo
das edições de 1994 a 2008, foram publicados 1.966 trabalhos, entre os quais 266 foram na área de ergonomia (13,73%). Já no Ciped
foram publicados 898 trabalhos em todas as suas edições, sendo
122 particularmente na área da ergonomia. Os autores analisam
ainda a distribuição desses artigos relacionados ao tema ergonomia
segundo área de abordagem (engenharia, design, outras), por tema
(ergonomia de produto, ergonomia informacional, outros) e por
região, Estado e instituição, o que demonstra uma ampla análise da
produção científica da área da ergonomia, em dois dos principais
congressos científicos da área do design.

A criação da Abergo
Um importante feito para a ergonomia brasileira foi a criação da
Associação Brasileira de Ergonomia (Abergo). Em 13 de julho de

100

JOSÉ CARLOS PLÁCIDO DA SILVABBI · LUIS CARLOS PASCHOARELLI

1983, Itiro Iida, Anamaria de Moraes, Franco Lo Presti Seminério
e Ued Martins Manjub Maluf firmaram a carta consulta sobre a
criação da Associação nas dependências do Instituto Superior de
Estudos e Pesquisas Psicossociais da Fundação Getulio Vargas
(Moraes, 1999). Segundo a autora, a reunião constitutiva da Associação ocorreu em 31 de agosto de 1983, no auditório da Fundação
Getulio Vargas, quando foi aprovada a denominação "Associação
Brasileira de Ergonomia". A data de sua fundação remete a 30 de
novembro de 1983, quando foi criada a sigla Abergo, foi aprovado
o Estatuto e foi eleita a primeira diretoria da Abergo, composta pelo
professor Itiro Iida, como presidente, Reinier Rozestraten, como
vice-presidente, Anamaria de Moraes, como diretora-administrativa, Leda Leal Ferreira, como diretora-financeira, e João Bezerra
de Menezes, como diretor-técnico (Moraes, 1999).
É importante ressaltar que a Abergo, segundo Moraes (2004),
foi aceita como membro da International Ergonomics Association em
1984. Entretanto, essa filiação nunca se concretizou por questões
burocráticas.

A certificação em ergonomia
No congresso da Abergo de 2004, foi introduzido o Sistema de
Certificação do Ergonomista Brasileiro (SisCEB), o qual concede o
título de "Ergonomista Certificado" aos profissionais que se submetem ao processo. A certificação é uma tendência mundial e por
isso recebe o apoio da International Ergonomics Association (IEA)
e do Ministério do Trabalho e Emprego. Segundo Soares (2004),
durante o período de 2002 a 2008, o Brasil foi o primeiro país da
América Latina a emitir a certificação de ergonomistas.

Discussão e considerações finais
Ao mesmo tempo que o levantamento histórico da ergonomia
no Brasil revela que uma investigação sobre ergonomia foi realizada

A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ERGONOMIA NO MUNDO E SEUS PIONEIROS

101

no século XIX, com enfoque na antropometria, verificou-se que
houve um longo período sem estudos nessa área. Somente a partir
da década de 1970 pesquisadores de várias universidades brasileiras passam a introduzir a ergonomia no escopo dos estudos de
diversas áreas do conhecimento.
Desse período em diante, a pesquisa em ergonomia vem se consolidando no país, porém ainda foi pequena a quantidade de livros
produzidos no Brasil até o início da primeira década do século XXI.
A razão dessa pequena produção de livros por autores brasileiros
está relacionada ao fato de que efetivamente as pesquisas em ergonomia são recentes no país, visto que o primeiro trabalho publicado
data de 1973.
Já os congressos de ergonomia têm contribuído significativamente para fazer a divulgação das pesquisas já desenvolvidas e em
desenvolvimento pelos grupos de pesquisa e estudiosos da área,
especialmente aquelas realizadas em programas de pós-graduação.
Todavia, é oportuno ressaltar que o primeiro congresso de ergonomia ocorreu em setembro de 1974 ­ 1º Seminário Brasileiro de Ergonomia ­ e foi considerado um marco para a história da ergonomia
brasileira.
A ergonomia no Brasil viveu seu momento de destaque a partir
da década de 1980, quando vários pesquisadores brasileiros retornaram da França após desenvolverem mestrado e doutorado, sob
a orientação do professor Alain Wisner ou do professor Maurice
de Montmollin, e ingressaram em universidades de vários Estados
brasileiros, criando ou contribuindo para a realização de cursos
de especialização em ergonomia. Sem dúvida esse fato contribuiu
para a divulgação da ergonomia no país, bem como para despertar
o interesse de pesquisadores que se envolveram com essa área de
pesquisa na formação de novos ergonomistas.
Outro fator importante para o crescimento das pesquisas em ergonomia está relacionado à organização desses estudiosos e profissionais, que ocorreu com a criação da Associação Brasileira de Ergonomia (Abergo) em agosto de 1983. A Abergo passou a organizar
congressos, uma forma de divulgar as pesquisas e de estabelecer

102

JOSÉ CARLOS PLÁCIDO DA SILVABBI · LUIS CARLOS PASCHOARELLI

um debate crítico sobre a produção científica entre pesquisadores
nacionais e internacionais. Mais recentemente, em 2004, criou a
Certificação para Ergonomistas, uma forma de incentivar a especialização na área para poder obtê-la.
O estudo em ergonomia se aplica às diversas áreas do conhecimento, por isso tem aumentado o número de estudiosos, no entanto
ainda é necessário encontrar um meio de divulgação dos trabalhos
que atinja um número maior de profissionais ligados a essa área de
estudo, possibilitando tornar o conhecimento científico desenvolvido nessa área cada vez mais aplicado ao setor produtivo nacional.

Referências bibliográficas
BATEN, J.; PELGER, I.; TWRDEK, L. The anthropometric history
of Argentina, Brazil and Peru during the 19th and early 20th century.
Economics and Human Biology, v. 7, 2009, p.319-33.
CAMPOS, L. F. de A.; ANDRADE NETO, M. L. de; LANUTTI, J. N.
de L.; SILVA, D. C.; PASCHOARELLI, L. C.; SILVA, J. C. P. da.
A produção científica em ergonomia nos congressos de pesquisa em
design no Brasil: um estudo bibliométrico. In: Ergodesign 2010, Rio
de Janeiro. Anais... Salvador, 2010. CD-ROM.
CAMPOS, L. F. de A.; ANDRADE NETO, M. L. de; LANUTTI, J. N.
de L.; SILVA, D. C.; PASCHOARELLI, L. C.; SILVA, J. C. P. da.
Dez anos de ergodesign: reflexões sobre a produção científica em design
ergonômico no Brasil. In: ERGODESIGN 2010, Rio de Janeiro. Anais...
Salvador, 2010. CD-ROM.
FERREIRA, L. L.; DONATELLI, S. Ergonomia: o que há para ler em português. Revista Ação Ergonômica, v. 1, n. 2, dezembro de 2001, p.25-34.
GOMES, J. O.; SOARES, M. M.; PATTERSON, E. L'analyse du travail:
pratiques et reflexions de son utilisation au Brésil et aux États Unis.
In: Congrès de La SELF, 38, Paris. Anais... Paris, 2003, 1 CD-ROM.
MORAES, A. Quando a primeira sociedade de ergonomia faz 50 anos, a
IEA chega aos 40, a Associação Brasileira de Ergonomia debuta com 16.
In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA, 9, Salvador.
Anais... Salvador, 1999. 1 CD-ROM.
. Uma contribuição à história da ergonomia brasileira. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA, 13, Fortaleza, 2004.
Anais... Fortaleza, 2004. 1 CD-ROM.

A EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA ERGONOMIA NO MUNDO E SEUS PIONEIROS

103

MORAES, A.; SOARES, M. M. Ergonomia no Brasil e no mundo: um
quadro, uma fotografia. Rio de Janeiro: Editora Univerta, 1989.
SCOTT, P. A. Ergonomics in Developing Regions: Needs and Applications.
Boca Raton: Taylor & Francis Group, 2009.
SOARES, M. M. 21 anos da ABERGO: a ergonomia brasileira atinge a sua
maioridade. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA,
13, 2004, Fortaleza. Anais... Fortaleza, 2004. 1 CD-ROM.
. Breve história da ergonomia brasileira: da introdução da ergonomia
no Brasil à produção, formação e certificação de ergonomistas. In:
CONGRESSO INTERNACIONAL DE ERGONOMIA E USABILIDADE DE INTERFACES HUMANO-TECNOLOGIA, 5, 2005,
Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2005. 1 CD-ROM.
. Ergonomics in Latin America: Background, trends and challenges.
Applied Ergonomics, v. 37, 2006, p.555-61.

SOBRE O LIVRO
Formato: 14 x 21 cm
Mancha: 23,7 x 42,5 paicas
Tipologia: Horley Old Style 10,5/14
1a edição: 2010
EQUIPE DE REALIZAÇÃO
Coordenação Geral
Marcos Keith Takahashi